Você está na página 1de 70

SUMÁRIO

Introdução 05

Capítulo 1: Leitura, Paráfrase, Denotação e Conotação 07

Capítulo 2: Figuras de Linguagem 11

Capítulo 3: Vícios de Linguagem e Significado das

Palavras 22

Capítulo 4: Preposição, Conjunção e Coesão e Coerência 28

Capítulo 5: Textos para Concurso 36

Capítulo 6: Compreensão ou Interpretação de Texto 44

Capítulo 7: Enunciado 48

Capítulo 8: Questões Comentadas 57

Bibliografia 74
INTRODUÇÃO

Saudações! Parabéns por ter adquirido o CURSO


INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS PARA CONCURSO. Você
sabia que mais de 50% das questões de português exigem
conhecimentos sobre este assunto? Pensando nisso, a
AudioJus preparou dois CDs contendo as informações
necessárias para você aprender, passo a passo, a resolver
as temidas questões sobre o tema.

Todos os assuntos são definidos, exemplificados


e comentados para facilitar a compreensão. A maior
vantagem é que você pode estudar enquanto desenvolve
outra atividade ou em deslocamento. Seja no carro, ônibus,
durante as refeições, na academia de ginástica. Você pode
aprender a qualquer hora, em qualquer lugar, é só escutar
os CDs.

A nossa empresa disponibiliza no mercado


cursos que abrangem todas as áreas do Direito e o curso
PORTUGUÊS PARA CONCURSO. Os CDs são gravados
com a mais moderna tecnologia digital e todo o conteúdo é
produzido por profissionais especializados nas respectivas
áreas. Se você quer conquistar um cargo público, não perca
tempo, comece já a estudar com os cursos da AudioJus.

Boa Sorte!!!
Bom aprendizado!!!
E sucesso na carreira pública!!!!!
CAPÍTULO 1

LEITURA, PARÁFRASE, DENOTAÇÃO E


CONOTAÇÃO
Três requisitos são indispensáveis para ter um bom
desempenho na compreensão de textos: leitura constante,
vocabulário vasto e determinação. Então preste atenção
nas dicas a seguir porque elas vão ser úteis na preparação
para as provas do concurso.

Leitura: Mesmo se não gostar de ler, terá que


se habituar. A leitura facilita a compreensão do texto
independentemente do estilo ou da forma. Acredite! Basta
tentar entender, vivenciar a história. Encare a leitura como
uma viagem.Desta forma, o aprendizado e a compreensão
ficarão mais simples. Comece lendo o que você gosta: gibi,
revista de fofoca, jornal, vale tudo para adquirir prazer na
leitura. Agora, você precisa enriquecer o seu vocabulário.
Vamos aprender como?

Enriquecendo o vocabulário: É também através


da leitura que você enriquece o seu vocabulário. A Língua
Portuguesa tem milhares de vocábulos e você precisa
conhecer, pelo menos, uma parcela deles para poder se
expressar. Um bom exercício é encontrar sinônimos para
palavras já conhecidas. Fazer palavras cruzadas é divertido
e também ajuda.Nunca deixe de pesquisar o significado
das expressões. Anote o vocábulo que você não conhece
e procure a definição no dicionário.Mas não esqueça:
é fundamental ter um bom vocabulário para entender e
resolver as questões de INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.
Determinação: Esse é um requisito que livro nenhum
recomenda, mas é importantíssimo. Se você pretende
dominar as técnicas de INTERPRETAÇÃO DE TEXTO,
deve ter em mente que sua vontade e determinação serão
fundamentais. Então não perca tempo! Seja perseverante!!!
Como afirmamos no início do curso alguns assuntos da
nossa gramática são essenciais para que você consiga
compreender e interpretar textos com mais facilidade.
Vamos relembrar? Então fique atento!

PARÁFRASE

PARÁFRASE: Significa desenvolver um texto com


base em um outro já existente mantendo as mesmas idéias
do original. Pode ser também uma tradução livre, que
mantém alguma fidelidade às idéias centrais. Existem várias
formas de PARAFRASEAR um texto. Você pode utilizar
sinônimos, antônimos, mudar a voz do verbo ou alternar
o termo verbal pelo nominal. O enunciado pede, quase
sempre, para você encontrar a paráfrase correta. E agora
que você já sabe a definição do termo, vamos à prática.
Preste atenção aos exemplos de paráfrase:

Paráfrase com sinônimo:


Ex: A menina voltou para casa após o horário combinado
com a sua mãe.
A garota retornou a sua residência depois da hora marcada
com a sua genitora.
Comentário: Percebeu como as palavras foram substituídas
por sinônimos, mas o sentido da frase foi mantido na
íntegra?

Paráfrase com antônimo:


Ex: O garoto é desobediente e agitado.
O menino não é obediente nem tranqüilo.
Comentário: Usamos palavras antônimas, ou seja, de
sentido contrário, para reescrever a frase de forma diferente,
mas mantendo o mesmo significado. Se o menino é
desobediente e agitado, logo, não pode ser obediente e
tranqüilo.

Paráfrase com mudança na voz do verbo:


Ex: Luíza penteou os cabelos da sua irmã, Eduarda. - Frase
na VOZ ATIVA.
Eduarda teve os cabelos penteados pela sua irmã Luíza.
- Frase na VOZ PASSIVA
Comentário: O verbo que estava na voz ativa ficou na voz
passiva mas o sentido da frase permaneceu igual.

Paráfrase com alternância do termo verbal e o


nominal
Ex: É preciso que o grupo compreenda.
É preciso a compreensão do grupo.
Comentário: Basta trocar o termo verbal pelo nominal para
modificar a frase mantendo o sentido.

DENOTACÃO E CONOTAÇÃO
Denotação: Na Língua Portuguesa, o sentido DENOTATIVO
existe quando uma palavra ou expressão é empregada
mantendo o significado literal de sua definição. Ex: Eu
voei alto. Viajei para São Paulo a bordo de um avião
Jumbo-737.
Comentário: O sentido real do termo: Voei alto, é literal
porque homens não têm asas, mas voam a bordo de
aviões.
Ex: A orelha do burro estava machucada.Comentário:
O termo "orelha" significa o aparelho auditivo do animal,
portanto, tem sentido real ou denotativo.

Conotação: No sentido CONOTATIVO, a palavra ou


expressão não corresponde ao sentido real do termo.
Ex: Eu voei alto, viajei nas páginas daquele romance.
Comentário: Nessa frase, os verbos "voei" e "viajei" têm
sentido conotativo. Pessoas não voam ou viajam em
páginas de livros.
A canção de Lulu Santos, "Gramática", interpretada
pelo grupo "Paralamas do Sucesso"está cheia de
conotações. Ouça!!!

"Assaltaram a gramática
Assassinaram a lógica
Meteram poesia na bagunça do dia-a-dia
Seqüestraram a fonética
Violentaram a métrica.
Meteram poesia onde devia e não devia".
CAPÍTULO 2
FIGURAS DE LINGUAGEM
FIGURAS DE LINGUAGEM: São desvios da norma
gramatical usados para dar mais expressão à linguagem.
As figuras podem ser: de palavras, de construção e de
pensamento.

FIGURAS DE PALAVRAS:
- Metáfora
- Metonímia
- Catacrese
-Antonomásia
- Sinestesia.

Os nomes podem ser bem esquisitos mas o


significado é simples, você vai perceber.
METÁFORA: Figura em que uma palavra é usada com
o significado de outra para estabelecer uma relação de
comparação. Uma metáfora bem conhecida é: Minha boca
é um túmulo.
Comentário: A frase quer comunicar que a boca de alguém
está fechada ou lacrada como um túmulo. Ou seja, minha
boca está fechada.
Ex.:Dê asas à imaginação.
Comentário: Dar asas pressupõe liberar, soltar a
imaginação.
A metáfora é também muito presente nas músicas.
Escute algumas na canção "Do Seu Lado" ,cantada pela
banda Jota Quest e composta por Nando Reis.

"Pra perceber que olhar só pra dentro é o maior


desperdício
O teu amor pode estar do seu lado
O amor é o calor que aquece a alma
O amor tem sabor pra quem bebe a sua água"

METONÍMIA: Ocorre quando há a troca de uma


palavra por outra em virtude de haver algum tipo de relação
entre elas:
Ex: Ler Machado de Assis é sempre um prazer.
Comentário: Nesta frase o escritor Machado de Assis
é lembrado por suas obras. É o emprego do autor pela
obra.
Ex: A mão que balança o berço.
Comentário: Aqui a mão é a parte que representa o todo,
ou seja, o indivíduo. Temos, então, um emprego de parte
pelo todo.

CATACRESE: Ocorre quando uma palavra ou


expressão é empregada de forma imprópria ou em lugar
de outra que não a substitua.
Ex.: Cuidado para não quebrar a asa da xícara.
A menina sentou no braço do sofá.
Ex: Meu livro foi encontrado cheio de orelhas.
Comentário: Observe como asa da xícara, braço do sofá e
orelha do livro são expressões usadas por não haver outras
mais adequadas. Imagine as frases: "Cuidado ao segurar
a parte lateral responsável pelo apoio do pequeno copo"
ou, ainda, "Meu livro possuía várias dobras indesejáveis
localizadas na parte superior direita ou esquerda da página."
Sem comentários...

ANTONOMÁSIA: Ocorre quando substituímos o


nome próprio por alguma característica conhecida daquela
pessoa. Vamos citar alguns famosos:
Ex: O rei do cangaço espalhou o terror em todo o Sertão
nordestino.
Comentário: O rei do cangaço é Virgulino Ferreira, também
conhecido como Lampião.
Ex: A Veneza brasileira é uma cidade encantadora.
Comentário: a Veneza brasileira é Recife.
Ex: A rainha dos baixinhos se apresentou no Recife.
Comentário: A rainha é a apresentadora Xuxa.

SINESTESIA: Figura que reúne ou agrupa várias


sensações dos órgãos dos sentidos. São elas: audição,visão,
tato, paladar e olfato. Fica fácil entender com o exemplo: Uma
voz doce e aveludada encanta até o espírito humano.
Comentário: Nesta mesma frase temos a fusão dos
sentidos audição, paladar e tato.

FIGURAS DE CONSTRUÇÃO: As principais são:


• Anáfora
• Aliteração
• Anacoluto
• Anástrofe
• Anadiplose
• Elipse
• Silepse
• Hipérbato
• Pleonasmo
• Polissíndeto
• Zeugma

Vamos aprender o significado das figuras de


construção, quando ocorrem e como identificá-las?

ANÁFORA: É a repetição da mesma palavra no


começo da frase. Normalmente ocorre em poemas.
Perceba que a palavra Você inicia todas as frases. Na
música "Olhos coloridos" de Sandra de Sá, ocorre anáfora.
Escute!!!!!
"Você ri da minha roupa
Você ri do meu cabelo
Você ri da minha pele
Você ri do meu sorriso"

ALITERAÇÃO: O rato roeu a roupa do rei de Roma.


Quem nunca ouviu esta frase? A consoante Restá presente
em todas as palavras, por isso, ocorre uma aliteração, ou
seja, a repetição de consoantes na frase.
Outro exemplo: A pipa pinga, o pinto pia, quanto mais a pipa
pinga mais o pinto pia.
ANACOLUTO: Ocorre quando há um termo solto, sem
função sintática, na frase. Para identificar o anacoluto basta
retirar tal termo e verificar se a compreensão foi mantida.
Ex.: E a menina, para não passar a noite só, era melhor que
fosse dormir na casa de uns vizinhos.
Comentário: Se o termo E a menina, fosse retirado da
oração, o entendimento seria o mesmo.

ANÁSTROFE: É a inversão da ordem natural dos


termos na frase. Isto é, inverter a posição dos termos
determinante e determinado na oração. Acompanhe o
exemplo:
Ex.: Partiu para o mundo a jovem. Na ordem direta a frase
ficaria assim: A jovem partiu para o mundo.

ANADIPLOSE: É a repetição de palavras no fim de


uma frase e no início da próxima frase no mesmo texto.
Perceba como é simples identificar essa figura, tomando
por exemplo um texto de Gregório de Matos.
Ex: Ofendi-vos, meu Deus, é bem verdade,
Verdade é, meu Senhor, que hei delinqüido,
Delinqüido vos tenho, e ofendido;
Ofendido vos tem minha maldade.

ELIPSE: Consiste em omitir um termo que está


subentendido na frase. Analise os exemplos:
Ex: Gosto de sorvete.
Comentário: Fica implícito que Eu gosto de sorvete.
Ex.: Muitas pessoas têm hábitos de leitura, mas outras
não.
Comentário: Observe que o termo têm hábitos de leitura
fica subentendido na segunda oração.

SILEPSE: Figura em que a concordância é feita com


idéias pressupostas na frase e não com o termo impresso.
A Silepse pode ser de gênero, número ou de pessoa.

Silepse de Gênero:
Ex.: Vossa Majestade está irritado.
Comentário: A concordância certa seria "está irritada" já que
Vossa Majestade é do gênero feminino, mas subentende-se
que estamos falando de um homem.

Silepse de Número: Ex.: A equipe chegou atrasada


e falavam em tom elevado.
Comentário: O correto seria concordar o verbo
falar com equipe, mas fica subentendido que uma equipe
é composta por várias pessoas, por isso, o verbo vai ao
plural.
Silepse de Pessoas: Ex.: Os pernambucanos somos
batalhadores.
C o m e n t á r i o : Fica implícito que NÓS (os
pernambucanos) somos batalhadores.

HIPÉRBATO: É a inversão mais acentuada de palavras


na frase. Cuidado para não confundir com anástrofe, que é
uma forma variante do hipérbato, onde a inversão é apenas
entre o termo determinante e determinado. Nem sempre é
fácil distinguir anástrofe de hipérbato. Mas, vamos entender
com o exemplo:
Ex: Letras felizes de músicas emocionam, ou ainda, Músicas
de letras felizes emocionam.
Comentário: Na ordem direta a frase seria: Músicas de
letras felizes emocionam.
Ouça a canção "Qualquer coisa" de Caetano Veloso e
perceba esta figura de construção:

"Esse papo já tá qualquer coisa


Você já tá pra lá de Marrakesh
Mexe qualquer coisa dentro, doida
Já qualquer coisa doida dentro mexe
Não se avexe não baião de dois deixe de manha,
deixe de manha..."

PLEONASMO: É a repetição desnecessária de


palavras ou expressões para enfatizar, reforçar uma idéia.
Confira os exemplos:
Ex.: Ambos os dois chegaram cansados.
Comentário: A idéia de ambos já define que se trata de
dois referentes.
Ex: Eu a vi com os olhos que a terra há de comer.
Comentário: Imagina como nós veríamos algo se não fosse
com os olhos?

POLISSÍNDETO: Ocorre quando há repetição da


conjunção aditiva "e" ou de outra conjunção coordenativa
entre as orações coordenadas.
Ex.: E corre e escolhe e paga no caixa os produtos
que consegue adquirir nas liquidações.
Comentário: Perceba a presença constante da
conjunção aditiva "e".
ZEUGMA: É um tipo de elipse. É a omissão de um
termo já enunciado anteriormente que pode ser facilmente
identificado. Siga o exemplo de zeugma.
Ex.: Luíza e Eduarda estudam em colégio particular e
Roberta em escola pública.
Comentário: O verbo estudar expresso na primeira oração
fica implícito na segunda.

Figuras de Pensamento: Agora que você já aprendeu


a identificar as figuras de palavras e de construção vamos
estudar as figuras de pensamento. Vamos à lista:
• Antítese
• Ironia
• Apóstrofe
• Eufemismo
• Hipérbole
• Paradoxo
• Prosopopéia
• Onomatopéia

As figuras de pensamento são de mais fácil


compreensão porque usamos habitualmente. Então, vamos
conhecê-las?

ANTÍTESE: Consiste na oposição de idéias ou


palavras. A música de Lulu Santos, "Certas Coisas", é
repleta de antítese. Ouça a letra da canção:
"...Nós somos medo e desejo
Somos feitos de silêncio e sons",
"Têm certas coisas que eu não sei dizer".
APOSTROFE: E um chamamento, uma invocação a
seres reais ou imaginários. Corresponde ao vocativo na
análise sintática. Acompanhe os exemplos:
Ex.: Virgem Maria, rogai por nós.
Amarga tristeza, desapareça de minha vida!

ONOMATOPÉIA: Figura em que o som da palavra


ou de uma seqüência lembra o significado da própria
palavra.
Ex: O relógio faz tic-tac ou
Chove, chuva, está chovendo. Ouça agora o refrão de "Chove
Chuva" na interpretação da banda Biquíni Cavadão.

"Chove chuva, chove sem parar


Chove chuva, chove sem parar
Chove, chove, chove
Chove chuva, chove sem parar"

EUFEMISMO: Ocorre quando tentamos amenizar


o impacto de uma expressão desagradável. Ouça como
é possível tratar de assuntos desagradáveis de forma
delicada.
Ex.: Você não falou a verdade
Comentário: A afirmação de que alguém mentiu foi
atenuada pela construção da frase.
Ex.: Você esqueceu de usar o desodorante.
Comentário: Em outras palavras a frase quer dizer que
alguém está cheirando mal.
PROSOPOPEIA: Consiste em dar qualidades
animadas a serem inanimados, sem vida. É comum ocorrer
em piadas e estórias infantis.
Ex.: Você sabe o que o café disse para a colher? Você
mexe comigo.
O espelho mágico disse à rainha que Branca de Neve era
a mais bela de todas.

A canção "De repente, Califórnia" de Lulu Santos traz


vários exemplos de personificação. Observe:

"O vento beija meus cabelos


As ondas lambem minhas pernas
O sol abraça o meu corpo
Meu coração canta feliz..."

HIPÉRBOLE: É o contrário do Eufemismo. Consiste


em exagerar na expressão de uma idéia. Aprenda com os
exemplos:
Estou morrendo de tristeza por ter que partir.
Comentário: O exagero está na idéia de morrer de tristeza
por ter que partir.
Meu amor por você é maior do que o universo.
Comentário: O excesso vem da dimensão exagerada
expressa no termo "do tamanho do universo". Acompanhe
um trecho da música "Exagerado", de Cazuza.
"Eu nunca mais vou respirar
Se você não me notar
Eu posso até morrer de fome
Se você não me amar..."
IRONIA: Ocorre quando a frase tem um significado
contrário do que se pensa. Muitas vezes somos irônicos
quando tentamos agradar a terceiros. Imagine que você
encontrou na rua um amigo obeso que engorda a cada dia
e diz a ele:

Ex.: "Nossa! Você está mais magro"

Comentário: É uma ironia porque a afirmação contradiz o


que estamos pensando.

PARADOXO: É a figura que comporta duas idéias


opostas simultaneamente. A música de Herbert Vianna "A
Novidade" traz vários paradoxos. Acompanhe:

"A novidade era o máximo


do paradoxo estendido na areia
Alguns a desejar seus beijos de deusa
Outros a desejar seu rabo pra ceia.
A novidade era guerra entre
o feliz poeta e o esfomiado
Estraçalhando uma sereia bonita,
despedaçando o sonho para cada lado".
CAPÍTULO 3
VÍCIOS DE LINGUAGEM E SIGNIFICADO
DAS PALAVRAS
VÍCIOS DE LINGUAGEM: São desvios da norma
culta provocados por descuido ou por ignorância de quem
fala ou escreve. Vamos conhecê-los um a um:

BARBARISMO: Ocorre quando há desvio da norma


gramatical. Eles podem ser:
Barbarismo de Grafia: Ocorre quando escrevemos
uma expressão de forma errada.
Comentário: A palavra Xuxu escrita com dois X tem
o mesmo som de Chuchu escrita da forma correta com
dois CH. Mas é barbarismo de grafia escrever Chuchu
com "X".

Barbarismo de Pronúncia: Quando pronunciamos


erradamente. Um exemplo muito conhecido é a palavra
"rubrica". Muitos a pronunciam rúbrica.

Barbarismo de Morfologia: Quando a forma está


escrita erradamente.
Ex.: O jornalista intermedia o debate político. O correto
seria: O jornalista intermedeia o debate político.

Barbarismo de Semântica: Ocorre quando há erro


no sentido das palavras.
Ex: Não comer peixe que tem espinho. O correto seria:
espinha.

22
É a cara do pai cuspida e escarrada. A expressão certa é:
esculpida e encarnada.

ATENÇÃO: Todas as formas de estrangeirismo


também constituem barbarismos. O estrangeirismo ocorre
quando usamos palavras de outras línguas que não o
português.

Vamos conhecer agora um outro vício de


linguagem.
SOLECISMO: É o nome dado às
construções que transgridem as normas de
sintaxe, que podem ser dos seguintes tipos:

a) de concordância: Observe os exemplos:


Haviam pessoas na sala;
A turma gostaram da festa;
Quem fez isso fui eu.
b) de regência:
Obedeça o chefe;
Assistir o programa;
Ter ódio do mundo.
c) de colocação:
Verei-te amanhã;
Não olhei-te;
Propor-vos-íamos.

ARCAÍSMO: É o uso de palavras que já caíram


em desuso. Ex: Colóquio amoroso. Significava flerte ou
namoro.
PRECIOSISMO: E o uso de um vocabulário muito
rebuscado. Ex: "Baixar a inflação? Isso é colóquio flácido
para acalentar bovino".Significa o mesmo que dizer " isso
é conversa mole para boi dormir".

NEOLOGISMO: São palavras novas que obedecem


às normas gramaticais, mas ainda não foram incorporadas
ao nosso idioma.
Ex.: O técnico da seleção brasileira se considera
imexível.
Comentário: a palavra "imexível" é um neologismo.
A canção "Pela Internet" de Gilberto Gil, é um bom exemplo
do uso de neologismos. Ouça a letra!

"Com quantos gigabytes


Se faz uma jangada
Um barco que veleje
Que veleje nesse infomar
Que aproveite a vazante da infomaré
Que leve um oriki do meu velho orixá
Ao porto de um disquete de um micro em Taité..."

AMBIGÜIDADE: É quando a mesma frase permite


mais de uma interpretação. Apresenta dois ou mais sentidos.
Acompanhe o exemplo.
Ex.: Um homem disse ao outro que sua mulher havia
morrido.
Comentário: Quem ficou desesperado com a notícia? Não é
possível saber ao certo, pois a frase pode ser interpretada de
duas formas. O pronome possessivo "sua" é o responsável
pela ambigüidade porque não esclarece de quem é a mulher
falecida. Se do homem que falou ou se do homem que
ouviu a notícia.

CACÓFATO: Ocorre quando há junção de duas


sílabas que criam um sentido ridículo, inconveniente ou
descabido.
Ex.: Vou-me já.
Comentário: A frase quer dizer: "Vou agora", mas soa
como "vou urinar".
Ex.: Uma vez passada que comi no restaurante foi muito
boa.
Comentário: Neste exemplo percebe-se a idéia de que
alguém foi a um restaurante comer vespa assada.

PLEONASMO VICIOSO OU TAUTOLOGIA: Observe


os exemplos a seguir e tire as suas conclusões sobre este
vício de linguagem: descer para baixo, subir para cima,
sair para fora, hemorragia de sangue, novidade inédita,
repetir outra vez, exultar de alegria, conviver juntos, inventar
novidades, adiar para depois e panorama geral.

ECO: É o uso de fonemas iguais. Uma frase usada


como slogan de final de ano da Rede Globo dizia: "Tente,
invente, faça um ano novo diferente".

SIGNIFICADO DAS PALAVRAS

SIGNIFICADO DAS PALAVRAS: Como já dissemos,


a Língua Portuguesa é muito extensa. Há palavras que são
escritas com a mesma grafia, outras têm o mesmo som,
algumas têm grafia e som iguais com significados diferentes.

25
Enfim, para não confundir sua cabeça vamos conhecer as
palavras e seus significados. As palavras são classificadas
em parônimos e homônimos.

PALAVRAS HOMÔNIMAS: Possuem a mesma


pronúncia ou grafia, mas significados diferentes. As
homônimas podem ser:
Homônimos Homófonos: Apresentam pronúncia
e som iguais, com grafia e significado diferentes. Vamos
acompanhar alguns exemplos:
A palavra acender escrita com a letra C significa pôr
fogo. Já ascender escrita com SC significa subir.
Ex.: O mesmo acontece com a palavra censo. Se for escrito
com c significa recenseamento. Enquanto senso com S
quer dizer entendimento, juízo.
Homônimos Homógrafos: Têm a mesma grafia com
pronúncia diferente e significados diversos. A palavra pelo
é escrita da mesma forma exceto pelo acento circunflexo
que provoca um timbre mais acentuado na pronúncia.
Acompanhe as frases:
Ex.: Pelo amor de Deus faça o que eu peço.
O pêlo encravado no meu sinal cresce rápido.

Ainda existem os homônimos homófonos e


homógrafos: Mais conhecidos como homônimos perfeitos,
são palavras escritas e pronunciadas de forma igual. Só o
significado difere. A palavra: pena é um homônimo perfeito.
Entenda com alguns exemplos:
Ex.: A pena de galinha tem cheiro desagradável.
Tenho pena daquela pobre menina rica.
Outros exemplos são estes:
Bucho(ch): estômago // buxo( x): arbusto
Cela (c): quarto pequeno // sela(s): arreio
Coser (s): costurar // cozer(z): cozinhar
Concerto (c): sessão musical // conserto(s): reparo
Cito (c): do verbo citar // sito( s): situado
Laço(ç): nó // lasso (ss): frouxo
Taxa (x): imposto // tacha (ch): tipo de prego
Espiar (s): olhar // expiar (x): sofrer, purgar
Incerto (c): duvidoso // inserto (s): inserido,dentro de
Cheque (ch): ordem de pagamento // Xeque (x): lance do
jogo de xadrez.
PALAVRAS PARÔNIMAS: São apenas parecidas,
mas têm grafia, pronúncia e significado diferentes.
Acompanhe os exemplos:
A palavra arrear (com "e" e "a") significa pôr arreios. Já a
palavra arriar (com "i" e "a") significa descer, cair.
Imergir (com i) significa afundar. E, emergir (com e)
significa vir à tona.
Acompanhe outros exemplos:
Absolver (I): perdoar, inocentar // Absorver (r): aspirar,
sorver.
Apóstrofe: figura de linguagem //Apóstrofo: sinal gráfico
Emigrar(e): deixar uma região ou país. Imigrar(i): entrar
num país
Eminente(e): é o mesmo que elevado // Iminente(i): prestes
a acontecer
Vadear(e): atravessar a vau // Vadiar(i): andar
ociosamente
Mandado: ordem judicial // Mandato: procuração
Infligir: aplicar pena // Infringir: violar, desrespeitar
CAPITULO 4
PREPOSIÇÃO,CONJUNÇÃO,COESÃO E
COERÊNCIA

PREPOSIÇÃO: É a palavra que liga dois termos ou


palavras da oração estabelecendo uma relação entre elas.
São classificadas em acidentais ou essenciais e também
podem ser locuções prepositivas. Vamos conhecer as
preposições?

Preposições Essenciais: São aquelas que sempre


foram preposições. Vamos à lista: a, ante, até, após, com,
contra, de, desde, em, entre, para, perante, por, sem, sob,
sobre e trás.
Ex.: Entre você e mim há mais do que uma simples
amizade.
Não vou para casa desde ontem.

Preposições Acidentais: São palavras de uma outra


classe que em certas circunstâncias funcionam como a
preposição. As mais usadas são: conforme, segundo, como,
salvo, fora, mediante, tenho e durante.
Ex: Saiu durante a festa.
Pagou a taxa de condomínio mediante entrega do recibo.

Locuções Prepositivas: É o conjunto de duas ou


mais palavras formadas por preposição. As mais usadas
são: à frente de, à espera de, a fim de, à beira de, abaixo
de, ao lado de, apesar de, graças a, de acordo com e à
procura de.
Ex.: Estou à beira de um ataque de nervos.

CONJUNÇÃO

CONJUNÇÃO: É uma palavra invariável que


liga duas orações. São divididas em coordenativas e
subordinativas.

C O O R D E N A T I V A S : Ligam duas o r a ç õ e s
independentes ou coordenadas. Vamos saber quais são os
cinco tipos de conjunções coordenativas? São elas: aditivas;
adversativas; alternativas; conclusivas e explicativas

Conjunções Aditivas: Conjunções que exprimem


adição ou soma de idéias, pensamentos. São elas: e, nem,
mas também e mas ainda.
Ex.: Fábio chegou cedo e terminou o trabalho.

Conjunções Adversativas: Sugerem uma idéia de


oposição, de contraste de pensamentos. As adversativas
mais usadas são: mas, porém, contudo, todavia e
entretanto.
Ex.: Gosto de trem, mas prefiro ônibus.

Conjunções Alternativas: Dão a idéia de escolha, de


possibilidade. As principais são: ou...ou, ora...ora e quer...
quer.
Ex.: Ou você estuda, ou trabalha.
Você vai quer queira, quer não queira.
Conjunções Conclusivas: Indicam a conclusão de
pensamentos. As mais freqüentes são: portanto, por isso,
logo, por conseguinte, assim, então e pois (posposto ao
verbo).
Ex.: O cavalo está doente, logo não pode competir.

Conjunções Explicativas: Explicam dando o motivo,


a razão. As mais comuns são: pois (antes do verbo da
oração), porquanto, porque e que.
Ex.: Não fui a sua casa ontem, pois estava muito
cansado.

Vamos c o n h e c e r agora as C o n j u n ç õ e s
Subordinativas!

SUBORDINATIVAS: Ligam a oração subordinada a


sua principal, ou seja, são orações que dependem de si para
completar o sentido da frase. Vamos descobrir quais são
elas: causais; condicionais; consecutivas; comparativas;
conformativas; concessivas; temporais; finais; proporcionais
e integrantes.
Causais: Iniciam as orações subordinadas que
indicam causa. As conjunções subordinativas causais são:
porque, já que, uma vez que, como e visto que. Ex.: Ela
desistiu de competir, porque estava doente.

Condicionais: Pressupõem condição, hipótese. São


elas: se, caso, contanto que, salvo se, desde que, a menos
que e a não ser que.
Ex.: Vou com você ao teatro, contanto que me pague a
entrada.
Consecutivas: Exprimem a conseqüência ou efeito
do que foi declarado na primeira oração. As consecutivas
são: que (antes de tão, tal e tanto), de modo que, de maneira
que e de sorte que. Exemplo: Choveu muito, de modo que
deixou as ruas alagadas.

Comparativas: Iniciam orações subordinadas que


dão à idéia de comparação. As principais são: que,do
que(quando inicidadas ou antecedidas por menos, mais,
maior, menor, melhor e pior), qual (quando iniciada ou
antecedida por tal) e como (relacionado a bem, tal, tão e
tanto)
Ex.: Esta gramática é mais antiga que a minha.

Conformativas: Orações que indicam conformidade,


concordância de um fato com outro. As conjunções
conformativas são: como, conforme, segundo e consoante.
Exemplo: Fiz o trabalho conforme fui orientada.

Concessivas: Exprimem um sentido contrário, inverso


à idéia contida na oração principal. As concessivas são:
embora, se bem que, ainda que, mesmo que, conquanto,
posto que, apesar de que, por mais que, por menos que, por
maior que, por pior que, por melhor que e por pouco que.
Ex.: Foi embora logo, ainda que não quisesse.

Temporais: Dão à oração idéia de tempo. As


temporais são: quando, enquanto, logo que, desde que,
assim que, depois que, antes que e sempre que.
Ex.: Devolverei o livro, assim que terminar de lê-lo.
Finais: Indicam a finalidade na oração. São elas: a
fim de que, para que e que.
Ex.: Trabalhou com dedicação, a fim de que fosse
promovido.

Proporcionais: Exprimem a idéia de simultaneidade.


As proporcionais são: à proporção que, à medida que, ao
passo que, quanto mais, quanto menos, quanto menor,
quanto maior, quanto melhor e quanto pior.
Ex.: A música aumentava à proporção que ele se
aproximava.

Integrantes: Introduzem orações com função


substantiva. São elas: que e se (caso iniciem uma oração
subordinada substantiva).
Ex.: Não vi se os professores já chegaram.

COESÃO E COERÊNCIA

COESÃO E COERÊNCIA: O texto é o conjunto de


palavras, associadas entre si por processos de coordenação
e subordinação. As palavras são constituídas por fonemas,
sons da fala. Os fonemas são representados por letras que
se unem para formar as orações que, agrupadas, constituem
os períodos. Os períodos formam os parágrafos. E temos
então o texto. Mas para que isso tudo ocorra de modo exato,
é preciso usar adequadamente os elementos necessários
que dão sentido ao texto, pois caso isso não ocorra, o
sentido será prejudicado. Observe o exemplo a seguir: O
dia estava lindo e o sol radiante. Por isso, faltei à escola.
Comentário: A frase, composta por períodos, é agrupada
de dois segmentos distintos. O primeiro fala do lindo dia e
do sol; o segundo da decisão de faltar aula. Note que o que
faz a ligação entre os segmentos é a locução por isso. Para
manter a coerência também poderíamos usar os termos:
por causa disso, em virtude disso.
Concluímos então, que as partes do texto estavam ligadas
coerentemente porque a locução usada explica uma
situação, ligando duas orações e mantendo um sentido
lógico, portanto, coerente.

Então não esqueça que: coesão é a ligação entre


as partes do texto; coerência é o seu sentido lógico.
Você sabe quais são as palavras que fazem essa ligação
mantendo o sentido lógico? São os chamados elementos
conectores. Palavras que sempre fazem referência ao
texto, em situações já passadas ou por acontecer. Muitas
palavras desempenham a função de conectivos.

Observe as principais:
- Pronomes pessoais, retos ou oblíquos; pronomes
possessivos; demonstrativos; indefinidos; relativos e
interrogativos.
-Substantivos, advérbios , preposições.
-Conjunções coordenativas e subordinativas.

Depois de estudar os elementos conectores,coesão e


coerência,vamos agora praticar?
Assinale o item que, atendidos os requisitos de
coerência e coesão, possa dar continuidade ao seguinte
período:

"Os historiadores vêm, há muito tempo, estudando o


corpo no campo de uma demografia ou de uma patologia
históricas. Mostraram até que ponto os processos históricos
estavam implicados no que se poderia considerar a base
puramente biológica da existência".

a) Apesar disso, o corpo está diretamente mergulhado


no campo político, as relações de poder têm alcance
imediato sobre ele.
b) Na medida em que o encaram como sede de
necessidades e de apetites, como lugar de processos
fisiológicos e de metabolismos, o corpo só se torna útil se
é, ao mesmo tempo, corpo produtivo e corpo submisso.
c) Também está o corpo envolvido por relações
de poder e de dominação, que o sujeitam a trabalhos, o
supliciam e lhe exigem sinais. Esse processo pode ser
denominado tecnologia política do corpo.
d) Portanto, o investimento político do corpo está
ligado, segundo relações complexas e recíprocas, à sua
utilização econômica.
e) Em compensação, sua constituição como força de
trabalho só é possível se ele está preso num sistema de
sujeição, onde a necessidade é também um instrumento
político organizado.
Resposta: C
Comentário: A resposta certa é a opção C. A
palavra também, além de retomar a idéia apresentada na
argumentação anterior, acrescenta mais uma informação
ao texto: de o corpo estar envolvido por relações de poder
e de dominação. A palavra também, então, está servindo
de elo entre informações presentes e contribuindo para o
sentido de continuidade do período.
CAPÍTULO 5
TEXTOS PARA CONCURSO
TEXTOS PARA CONCURSO: É impossível adivinhar
que tipo de texto vai cair em determinada prova. Os
fragmentos podem ser retirados de músicas, poemas,
contos, crônicas, reportagens ou até de romances da
literatura brasileira. Os textos jornalísticos geralmente
são mais modernos e objetivos. Já os literários têm uma
linguagem mais complexa.Essa não é uma divisão oficial
que conste em livros de gramática ou de interpretação de
texto. É fruto da pesquisa desenvolvida para elaborar um
curso moderno e específico de INTERPRETAÇÃO DE
TEXTO. Então não esqueça:

O texto jornalístico pode ser uma reportagem, crônica


ou artigo, extraídos de jornais e revistas. Normalmente
abordam temas atuais, com linguagem direta e objetiva.
O texto literário retirado de romances de nossa
literatura tem linguagem mais rebuscada, mais complexa,
e menos direta.
Nos c o n c u r s o s mais recentes os textos
contemporâneos têm a preferência das instituições
organizadoras. Bom para você, já que é mais fácil interpretar
os textos jornalísticos.

É importante lembrar que tanto os textos jornalísticos


como os literários podem ser DISSERTATIVOS,
NARRATIVOS OU DESCRITIVOS. Esses conceitos vão
ajudar você a identificar cada tipo de texto e ainda servem
como treino para as provas que exigem redação. Vamos
saber qual é a definição e as diferenças entre eles?

DISSERTAÇÃO

A DISSERTAÇÃO é um texto em que o escritor opina,


argumenta, contrapõe argumentos. É o tipo mais exigido em
concursos públicos. Nas seleções que cobram redação, o
estilo é sempre dissertativo. A dissertação deve ser escrita
em quatro ou cinco parágrafos, com no mínimo 15 e no
máximo 30 linhas. A divisão dos parágrafos fica assim:
INTRODUÇÃO, DESENVOLVIMENTO E CONCLUSÃO.

Introdução: É o primeiro parágrafo onde deve constar


a idéia central do texto ou redação. É a partir dessa idéia
que os parágrafos seguintes são desenvolvidos.
Desenvolvimento: O desenvolvimento é composto
por dois, no máximo, três parágrafos. É no desenvolvimento,
também chamado de corpo, onde a idéia central será
reforçada ou rebatida com opiniões e argumentos.
Conclusão: É o parágrafo que encerra a dissertação.
Você pode fechar seu texto reforçando a sua opinião final
a respeito do tema, citando alguma frase conhecida ou
fazendo um resumo de tudo que foi dito.

A DISSERTAÇÃO exige uma ordem lógica com:


princípio, meio e fim. As idéias têm que ser coerentes para
que você não se perca na hora de escrever. Memorize
algumas dicas importantes:
1) Delimite seu tema: Escolha que aspecto específico
você vai abordar de forma que os argumentos sejam
embasados e centrados nesse foco.
2) Enumere os argumentos: Escreva em um
rascunho as idéias contra e/ou a favor que você vai utilizar.
É importante confrontar idéias. Isso demonstra que você
domina o tema.
3) Utilize citações: É interessante reforçar seus
argumentos usando citações de pessoas que dominam tal
assunto.
4) Elabore uma conclusão de impacto: Reafirme
sua opinião, mas sem imposição. E se possível encerre o
assunto de forma que cause impacto ou, como se diz, com
chave-de-ouro.

Vamos fazer um exercício para testar sua


capacidade de redação?
Se você tivesse que dissertar sobre o Natal, o primeiro
passo seria delimitar o tema, isto é, escolher que aspectos
seriam abordados. Feito isso, você poderia optar por redigir
sobre a exploração comercial em torno da data, sobre a
onda de solidariedade gerada pelo nascimento de Jesus
Cristo, sobre o papai Noel ou muitos outros enfoques
pertinentes. Também seria possível associar um ou dois
assuntos na mesma redação para servir de reforço ou
contrapor a idéia central.

Vamos então falar da exploração comercial do


Natal? Então como seria o primeiro parágrafo?
Explicação: No primeiro parágrafo ou introdução,
é importante conceituar o tema para situar o leitor. Em
seguida, introduza a idéia central que será desenvolvida
ao longo do texto. A idéia central é: o consumismo que
desvirtuou o sentido religioso dos festejos natalinos. Vamos
então à introdução:

1o Parágrafo ou Introdução: O nascimento de


Jesus Cristo, comemorado em 25 de dezembro, é a mais
importante data do calendário católico. Seguindo o exemplo
de Cristo, que deu a vida para salvar a humanidade, muitas
pessoas são tomadas por um sentimento de solidariedade
e amor ao próximo. Mas nas últimas décadas, a tônica dos
festejos natalinos tem sido a exploração comercial em torno
da data.

Explicação: Nos dois parágrafos do desenvolvimento


ou corpo,que vem em seguida, deve-se expor as ações
que remetem ao consumismo: compra de presentes,
eletrodomésticos ou outros bens que somente valorizam
o ter. Um reforço à argumentação seria o fato de a ceia
natalina ser transformada em comilança.

Acompanhe agora o desenvolvimento:


2o Parágrafo: O apelo ao consumismo impulsionado
pela cultura de massa incita a população a comprar o que
puder, às vezes, até mais do que o necessário. No nosso
mundo movido pelo verbo ter, o fato de Jesus nascer em
um estábulo cercado por animais, sem nenhum conforto,
não representa mais do que uma lembrança. Não é à toa
que todo ano o comércio comemora o aumento das vendas
nesse período.

3o Parágrafo: O que vale, para a maioria, é reformar


a casa com móveis e eletrodomésticos novos, comprar
roupas, presentes para parentes e amigos. Até a ceia
natalina também teve o significado desvirtuado. Antes
significava um momento de reunião familiar para celebrar
a renovação da esperança com o nascimento do Messias.
Mas transformou-se numa comilança e numa bebedeira
regada à troca de presentes.

Explicação: Já no encerramento mostramos que,


apesar do consumismo desenfreado, ainda há exceções.
É uma forma de encerrar deixando uma esperança de que
as pessoas ainda podem retomar o verdadeiro sentido do
Natal.

4o Parágrafo ou Conclusão: Apesar do consumismo


desenfreado, ainda existem famílias que mantêm tradições
como rezar à mesa, assistir à missa ou ir ao culto religioso.
Para muitos, não importa se a mesa não é farta, se não
há roupas novas ou presentes. O simples fato de estarem
vivos já representa um bom motivo para celebrar o Natal.
Se Jesus morreu acreditando que salvaria a humanidade,
apenas o consumismo não será capaz de matar a esperança
de renovação que surge a cada Natal.
Conseguiu captar a trajetória a ser seguida para
construir uma redação? Então escolha outros temas e
siga adiante. Exercite!
NARRAÇÃO

NARRAÇÃO: É a forma de composição que consiste


no relato de um fato real ou imaginário. Podemos narrar um
fato, uma história, um conto, um romance. Na narração
podemos encontrar os seguintes elementos: narrador,
personagens, enredo, tempo e ambiente.
Narrador: É aquele que conta a história sob o seu
ponto de vista. Se ele integrar a história também se torna um
personagem. Nesse caso a narrativa fica na 1a pessoa.
Personagens: São aqueles que participam da
história. Podem ser pessoas, animais, objetos. Você não
pode esquecer que numa história o escritor dá vida e
sentimentos a tudo que quiser. No conto Alice no País das
Maravilhas, o coelho e cartas de baralho andam, falam e
pensam.
Enredo: É o tema, a trama, ou seja, a história que se
desenrola em torno dos personagens.
Tempo: É o ano, década, período, época em que a
história se passa.
Ambiente: É o país, continente, cidade, vilarejo,
enfim, o lugar onde se passa a trama.

DESCRIÇÃO

DESCRIÇÃO: O texto descritivo apresenta excesso de


adjetivos para descrever objetos, pessoas. O detalhamento
dos aspectos físicos, morais, emocionais e espirituais são
a principal característica do estilo.
Ex: Entrei naquele casarão velho e senti calafrios. O vento
frio produzia ruídos estranhos nas janelas. Os móveis
cobertos por lençóis aumentavam a sensação de abandono.
O pó acumulado e as teias de aranha tornavam o ambiente
ainda mais sujo.As paredes pintadas de preto deixavam o
local ainda mais sinistro e sombrio.Tudo causava um medo
imenso que paralisava minhas finas pernas.

Comentário: Nesse texto você consegue até visualizar


o interior do casarão através dos adjetivos. O casarão
é velho, tinha ruídos estranhos provocados pelo vento,
estava abandonado há anos, tinha pó e teias de aranha
que tornavam o ambiente sujo e paredes pretas. Era
sinistro e sombrio. Não se preocupe em valorizar demais
os detalhes, mas lembre-se que eles são importantes na
descrição. Entendeu? Então aproveite para treinar. Você
pode descrever seu quarto, sua casa, seu trabalho, sua
família e assim se habituar a construir textos descritivos.
Bom treino!

DISCURSO

DIRCURSO:
Discurso Direto: A fala dos personagens é narrada
ou escrita na íntegra, literalmente. Para expressar a total
fidelidade ao que foi dito, normalmente usamos dois pontos
seguidos de travessão. Ou seja, os sinais dois pontos
e travessão indicam que a fala a seguir foi reproduzida
exatamente igual à forma original. Acompanhe os
exemplos:
Ex: Eduarda perguntou a Luíza:
- Você gostaria de comprar pipoca?
Luíza respondeu a Eduarda:
- Não! Prefiro bombom.
Obs: O uso de aspas pode também caracterizar o discurso
direto.
Ex.:Liza sussurrou: "Renan, passe-me a bula."

Discurso Indireto: Nesse caso o narrador mantém-


se fiel ao que foi dito. A diferença é que ele faz uma junção
da fala do personagem com a sua fala usando as conjunções
integrantes. Para facilitar a sua compreensão, vamos
transformar os exemplos do discurso direto em indireto.
Perceba:
Ex: Eduarda perguntou se Luíza gostaria de comprar
pipoca.
Luíza respondeu a Eduarda que preferia bombom.
Comentário: As conjunções que e se tornaram o discurso
indireto.
CAPÍTULO 6
COMPREENSÃO OU INTERPRETAÇÃO DE
TEXTO

Depois de refrescar a memória com todos os assuntos


que vêm associados à INTERPRETAÇÃO DE TEXTO,
vamos aprender as técnicas de leitura, compreensão e
interpretação.

COMPREENSÃO DO TEXTO: A INTERPRETAÇÃO


DE TEXTO é utilizada para medir a capacidade que o
candidato possui com relação a sua:
- compreensão do pensamento contido em um texto, na
sua globalidade;
- na distinção entre as idéias básicas e as secundárias;
- na identificação das inter-relações de idéias no texto
dado;
- na dedução de idéias, de sentimentos e de pontos de vista
expressos nos textos;
- na compreensão do significado de palavras, expressões
ou estruturas frasais em
determinado contexto;
- na análise do texto do ponto de vista da unidade temática
e estrutural;
- na análise da argumentação.

Agora que você já sabe os conhecimentos que precisa


aprimorar, preste atenção as principais dicas de leitura:
Ler o texto é o primeiro passo para entendê-lo, claro!
Entretanto, ler não significa entender. Você pode ler um texto
do início ao fim e não absorver nada, nenhuma informação.
Isso ocorre porque muitos encaram a leitura apenas
como um ato mecânico. O ato de ler deve significar uma
oportunidade de ampliar conhecimentos. É a capacidade
humana de apreender conhecimentos ou de absorver novas
informações através da leitura,o que faz a diferença na hora
de INTERPRETAR TEXTOS.

1 -Primeira Leitura: Leia todo o texto de uma só vez.


Isso mesmo, leia do início até o final sem interrupções. Como
se estivesse fazendo um reconhecimento de área. Essa
leitura preliminar serve apenas para você se familiarizar com
o tema e com o estilo do texto.No final dessa leitura você já
conhecerá, pelo menos, o enredo da história.

2 - Segunda Leitura: Você vai reler o texto


atentamente, pausadamente. Desta vez, leia parágrafo
por parágrafo. Em cada um sublinhe as idéias principais
e retire delas idéia central, também chamada de tópico
frasal. O tópico frasal de cada parágrafo vai ajudar você
a captar ou extrair a idéia central do texto.Também nessa
segunda leitura você deve grifar as palavras desconhecidas
e procurar o significado no dicionário.

3 - Terceira Leitura: Vai ajudar você a resumir o texto


e captar detalhes que passaram despercebidos. Se alguma
dúvida permanecer, leia novamente quantas vezes achar
necessário, sempre mantendo a atenção.
Em síntese, a ordem para uma leitura competente é
a seguinte:
- Leia o texto rapidamente na primeira leitura;
- Depois releia pausadamente;
- Retire o tópico frasal de cada parágrafo;
- Extraia a idéia central do texto;
- Encontre no dicionário o significado de palavras
desconhecidas;
- Faça um resumo do texto.

Depois de seguir essas dicas você pode constatar


se o texto foi compreendido de forma satisfatória tentando
responder a algumas questões. Pergunte a si:
1- Qual é a questão central do texto?
Se você tiver dúvida para discernir a questão central
das secundárias é porque não assimilou as idéias contidas
no texto.
2 - Qual é a opinião do autor sobre o tema
abordado?
Ao longo do texto, o escritor exprime a opinião dele
contrária ou favorável ao tema. Se você entendeu o texto,
não terá dificuldades para apontar a opinião do autor.
3 - Quais são os argumentos utilizados pelo
autor?
Eles estão espalhados pelo texto e dão sustentação
à opinião do escritor. Saber reconhecê-los é uma prova de
que o leitor acompanhou o desenvolvimento das idéias do
autor do texto.
Aprendeu tudo? Ótimo! Então vamos agora
exercitar o que você aprendeu. Escute com atenção o
texto a seguir:
"O nascimento de Jesus Cristo, comemorado em
25 de Dezembro, é a mais importante data do calendário
católico. Seguindo o exemplo de Cristo,que deu a vida para
salvar a humanidade, muitas pessoas são tomadas por um
sentimento de solidariedade e amor ao próximo. Mas nas
últimas décadas o que se vê é a excessiva exploração
comercial que desvirtuou o sentido original da data ".
Agora retire do texto o tópico frasal,depois a idéia
central e, por último, faça um resumo.

O tópico frasal é: O significado dos festejos


natalinos.
A idéia central é: A exploração comercial que
desvirtuou o sentido verdadeiro do Natal.
O resumo ou conclusão do texto é: O Natal virou
uma data comercial.
CAPÍTULO 7
ENUNCIADO
ENUNCIADO: É o texto que contém a pergunta
e a explicação do que se pede na questão. O grau de
dificuldade do enunciado varia de acordo com o nível da
prova. Quando um quesito não associa INTERPRETAÇÃO
DE TEXTO a normas gramaticais, ou seja, é apenas de
interpretação, a resposta está no próprio texto e no seu
poder de compreensão. Cada palavra, frase, parágrafo,
conduz a um raciocínio que ajuda na busca pela resposta
correta. Por isso, vamos utilizar exemplos de questões só
de INTERPRETAÇÃO DE TEXTO.
Como são formulados: Se você estiver atento, vai
compreender a exigência da questão sem cair em "cascas
de banana". Os enunciados têm formas muito variadas.
Vamos citar vários exemplos para que você não tenha
surpresas nos concursos.

1- Perguntas Indiretas: Às vezes, o enunciado pede:


Assinale a alternativa que NÃO está correta. Seria mais
direto pedir a alternativa ERRADA ou INCORRETA, mas
esse recurso serve para testar a sua atenção. Algumas
questões exigem que você marque a única alternativa em
que não há ERRO, portanto a única CORRETA. Outros
pedem a ÚNICA EXCEÇÃO. Esses enunciados são
simples, basta estar atento para entendê-los. Vamos aos
mais complexos
2- Idéia Central: Muitas questões pedem para você
assinalar a alternativa que melhor expressa a idéia central
do texto. Atenção! Todas as alternativas apresentarão idéias
contidas no texto e escritas da mesma forma. É comum ficar
na dúvida, mas lembre-se de que o texto tem várias idéias
secundárias e apenas uma IDÉIA CENTRAL.
Vamos usar como exemplo o primeiro parágrafo da
dissertação sobre o Natal que você já ouviu anteriormente.
Combinado? Então vamos à leitura.
"O nascimento de Jesus Cristo, comemorado em
25 de Dezembro, é a mais importante data do calendário
católico. Seguindo o exemplo de Cristo que deu à vida para
salvar a humanidade, muitas pessoas são tomadas por um
sentimento de solidariedade e amor ao próximo. Mas nas
últimas décadas, o que se vê é a excessiva exploração
comercial que desvirtuou o sentido original da data".
A partir do texto marque a alternativa que melhor
expressa a IDÉIA CENTRAL.
a) O Natal é a mais importante data para os
católicos.
b) Nesta época muitos seguem o exemplo de Jesus
Cristo.
c) Sentimentos de amor ao próximo e solidariedade
ficam aflorados.
d) A exploração comercial desvirtuou o verdadeiro
sentido do Natal.
e) O espírito natalino foi esquecido.
Comentário: A alternativa D é a mais fiel à idéia principal
do texto porque explica que, apesar da religiosidade, o
que está na moda é o consumismo. Essa é a idéia central
do texto. Perceba que as outras afirmações também são
verdadeiras, mas são alternativas que trazem informações
complementares.
3- Julgar, Inferir ou Depreender: Quando um
enunciado pede para você julgar, inferir ou depreender,
significa que você só pode tirar conclusões a partir do texto
dado e não dos seus conhecimentos. Nesses casos, ocorre
que algumas alternativas trazem afirmações que são lógicas
e corretas, mas se estas não forem retiradas do texto não
podem ser consideradas verdadeiras.
Ex.: Essa questão foi retirada da prova de auditor fiscal do
INSS no ano de 2002. É uma questão longa, mas muito
completa. Se possível acompanhe o exemplo lendo o texto.
Vamos lá?!
"Li que a espécie humana é um sucesso sem
precedentes. Nenhuma outra com uma proporção parecida
de peso e volume se iguala à nossa em termos de
sobrevivência e proliferação. E tudo se deve à agricultura.
Como controlamos a produção do nosso próprio alimento,
somos a primeira espécie na história do planeta a poder
viver fora de seu ecossistema de nascença. Isso nos
deu a mobilidade e a sociabilidade que nos salvaram do
processo de seleção, que limitou outros bichos de tamanho
equivalente. É por isso que não temos mudado muito, mas
também não nos extinguimos."

Com base no texto, assinale as inferências como


verdadeiras ou falsas.
I- Mede-se o sucesso pela capacidade de
sobrevivência e proliferação - Verdadeiro ou falso?
Resposta: Verdadeiro. O texto é claro quando diz que:
a espécie humana é um sucesso sem precedentes
porque nenhuma outra se iguala a nossa em termos de
sobrevivência e proliferação. A afirmação é correta e consta
no texto de forma literal.
I I - Se a espécie humana tivesse outro peso e
volume não teria sobrevivido - Verdadeiro ou falso?
Resposta: Falso. O texto relata apenas, que nenhuma
outra espécie com mesma proporção de peso ou tamanho
se igualou ao homem em termos de sobrevivência e
proliferação. Ou seja, o que determina a sobrevivência da
espécie não é seu peso ou tamanho.
I I I - Viver fora do ecossistema de nascença
depende da capacidade de criar o próprio alimento
- Verdadeiro ou falso? Resposta: Verdadeiro. A frase "e
tudo se deve à agricultura explica tudo".
IV- O processo de seleção das espécies é que
limita a mobilidade e a sociabilidade - Verdadeiro
ou falso? Resposta: Falso. O que limita a mobilidade
e a sociabilidade é a falta do domínio na produção de
alimentos.
V - A história da espécie humana poderia ser outra
se não houvesse agricultura - Verdadeiro ou falso?
Resposta: Verdadeiro. Foi o controle da produção de
alimentos que permitiu ao homem viver fora do seu local de
nascença e livrar-se da seleção natural das espécies.
V I - Poucas mudanças trazem como conseqüência
a não extinção da espécie - Verdadeiro ou falso?
Resposta: Falso. Não são as mudanças grandes ou
pequenas que determinam a não extinção. O texto diz que
a não extinção ou sobrevivência resulta da mobilidade
conseguida através da produção de alimentos. Ou seja,
onde estiver o homem, ele conseguirá sobreviver porque é
capaz de produzir seu alimento.

4- Ambigüidade: Muitos textos são ambíguos e


dão margem a interpretações diversas. É aí que o seu
bom vocabulário e conhecimentos gerais fazem diferença.
Vamos ao exemplo.
"O juiz da vara da infância determinou que todos
os pais fossem responsabilizados criminalmente por não
manterem os filhos na escola. A medida foi tomada após a
divulgação dos resultados de uma pesquisa sobre a infância.
Os dados revelam que mais de 70% das crianças, em idade
escolar, estão fora das salas de aula. Os números chocaram
à população que passou a exigir uma medida enérgica por
parte das autoridades".
A partir do texto assinale a única alternativa que não
está correta:
a) A grande maioria das crianças em idade escolar
está fora das salas de aula.
b) A evasão escolar é provocada pelo descaso dos
pais ou responsáveis.
c) A população exigia uma medida para combater a
evasão escolar.
d) Todos os pais foram responsabilizados.
e) A medida tomada pelo juiz foi provocada pela
reação popular.

Comentário: A alternativa D é a que não está correta. Você


identificou a ambigüidade do texto? Então vamos entender
a questão. O texto é ambíguo quando dá a idéia de que
todos os pais foram responsabilizados, quando apenas os
pais que não mantêm os seus filhos na escola é que foram
penalizados. Por isso, a alternativa D é a que contém erro
já que a medida não atinge a todos os pais, apenas aqueles
que não mantêm os filhos na escola.

5- Pensamento do Autor: Outro tipo freqüente de


enunciado é o que pede o pensamento do autor do texto.
A opinião de quem escreveu o texto nem sempre vem
expressa de forma direta. É nas entrelinhas que percebemos
o posicionamento do escritor perante o assunto. Nesse
caso, seu poder de interpretação é fundamental porque tudo
é subjetivo. E para confundir ainda mais, as alternativas
apresentam argumentos que não representam o pensamento
do escritor, mas constam no texto.
Ex.: Esse texto foi extraído da prova de auxiliar elementar
do Ministério Público do Rio de Janeiro. Vamos ao texto:
"Os índios brasileiros provêem sua subsistência
usando os recursos naturais de seu meio ambiente. A grande
maioria das tribos indígenas pratica a agricultura. Seu
processo agrícola, chamado coivara, consiste num sistema
de queimadas e fertilização da terra com cinzas...".
Ao dizer "a grande maioria das tribos pratica a
agricultura", o que o autor do texto quer informar ao
leitor?
a) Todas as tribos indígenas praticam agricultura como
meio de subsistência.
b) A agricultura é praticada de forma rudimentar pelas
tribos indígenas brasileiras.
c) Nem todos os índios praticam a agricultura.
d)Os recursos naturais do meio ambiente são
utilizados pelos indígenas.
e) As tribos brasileiras estão num baixo estágio
cultural.
Comentário: A alternativa correta é C. Vamos resolver
a questão passo a passo. As afirmações contidas nas
alternativas: A, B e D, já vêm expressas no texto. Aalternativa
E fala do estágio cultural, mas em nenhum momento tal
assunto é abordado no texto. Resta a alternativa C que é
verdadeira porque quando o autor diz "a grande maioria"
quer expressar também que não é a totalidade, portanto,
se a grande maioria das tribos pratica a agricultura, nem
todos os índios praticam a agricultura.
6- Contradição: Algumas questões extrapolam,
reduzem ou contradizem o que o texto diz. Você deve avaliar
se o conteúdo é diminuído, aumentado ou contraditório de
modo que altere o sentido do que está escrito. Normalmente
as alternativas vêm escritas com as mesmas palavras do
texto, apenas com a ordem diferente, para induzir você
a achar que o significado é o mesmo. Preste atenção à
questão seguinte:
"Foi dura luta a aprovação do Estatuto do
Desarmamento. E demorou um tempão. Tudo começou
com ato solene no Palácio do Planalto, quando o então
presidente Fernando Henrique respondeu a uma cobrança
da sociedade e assinou mensagem enviando o projeto ao
Congresso. O empenho implícito na solenidade teve vida
curta.
A mensagem caiu na vala comum do Legislativo, onde
se integrou a um renque de iniciativas sobre desarmamento,
algumas a favor de guerra declarada e eficaz ao excesso
de armas no país, outras fazendo o possível para que não
se tivesse lei alguma; na pior hipótese, aceitavam uma lei
aguada.
No governo Lula, o lobby das armas sofismou e
atrapalhou o quanto pôde. Mas a cobrança da sociedade
acabou por prevalecer. Entretanto, seis meses após a
sanção da lei criando o estatuto, ele existe pela metade.
(....) Ou seja, falta muito."
O segmento inicial "Foi dura luta a aprovação do
Estatuto do Desarmamento. E demorou um tempão";díz
ao leitor que:
a) O Estatuto do Desarmamento está para ser
aprovado há algum tempo;
b) O Estatuto do Desarmamento, apesar do tempão
de discussão, foi aprovado;
c) Foi aprovado finalmente o Estatuto do
Desarmamento;
d) O Estatuto do Desarmamento está a ser discutido
há várias legislaturas;
e) Nunca vai ser aprovado o Estatuto do
Desarmamento.
Comentário: Em sua opinião qual é a alternativa correta?
É a letra C. Para respondê-la pergunte a si novamente o
que a frase quer comunicar ao leitor e a você mesmo. Está
explícito que a idéia principal é informar que O Estatuto do
Desarmamento foi finalmente aprovado. Para excluir as
demais, vamos por eliminação. O item A é o primeiro a ser
excluído porque apresenta a afirmação de que o estatuto
ainda está para ser aprovado, enquanto o texto afirma "Foi
dura luta a aprovação do Estatuto do Desarmamento". A
alternativa B traz a relação com a demora para a aprovação,
mas a idéia de tempo é apenas complementar. A letra D
informa que o Estatuto ainda está a ser discutido por isso
também é falsa. O Estatuto está aprovado mesmo de forma
incompleta. E a letra E é totalmente absurda porque diz que
o Estatuto nunca será aprovado.
É apenas uma questão de raciocínio lógico e de
prática. Só depende de você!

Escute alguns conselhos que vão te ajudar na hora


da prova:
- Não deixe que o nervosismo e as pressões externas pela
aprovação lhe impeçam de raciocinar;
-Quando uma questão for mais complexa redobre a atenção
e o cuidado com o raciocínio;
- Mantenha a calma;
- Não tenha pressa para terminar a prova;
- Primeiro entenda o texto e só depois leia o enunciado;
- Preste atenção em todas as alternativas, elimine as mais
absurdas;
- Detenha-se aos detalhes, eles podem ter a chave da
resposta;
- Pergunte a si próprio, sempre, o que a questão pede;
-Tenha em mente que você é capaz de resolver qualquer
questão de INTERPRETAÇÃO DE TEXTO e você conseguirá
se sair bem em qualquer prova.
CAPÍTULO 8
QUESTÕES COMENTADAS
E como não há teoria sem prática, nós vamos
comentar as questões aplicadas na prova de Português do
concurso de Agente Penitenciário de Brasília. O concurso
foi organizado pelo Núcleo de Computação Eletrônica
(NCE) da Universidade Federal do Rio de Janeiro/UFRJ,
em 2004. Depois de resolvermos diversos exercícios você
vai perceber que está preparado para qualquer processo
seletivo. No áudio deste curso,pedimos que você acompanhe
os exercícios lendo o livreto. Vamos às questões?!

TEXTO 1 - CIDADE DE DEUS


Autor: Rubem Fonseca
"O nome dele é João Romeiro, mas é conhecido como
Zinho na Cidade de Deus, uma favela em Jacarepaguá,
onde comanda o tráfico de drogas.
Ela é Soraia Gonçalves, uma mulher dócil e calada.
Soraia soube que Zinho se tornara traficante dois meses
depois de estarem morando juntos num condomínio de
classe média alta na Barra da Tijuca.
Você se importa?, Zinho perguntou e ela respondeu
que havia tido na vida dela um homem metido a direito que
não passava de um canalha.
No condomínio, Zinho é conhecido como vendedor
de uma firma de importação. Quando chega uma partida
grande de droga na favela, Zinho some durante alguns dias.
Para justificar sua ausência, Soraia diz, para as vizinhas que
encontra no playground ou na piscina, que o marido está
viajando pela firma. A polícia anda atrás dele, mas sabe
apenas o seu apelido e que ele é branco. Zinho nunca foi
preso..."
1- "...e ela respondeu que havia tido na vida dela um
homem metido a direito que não passava de um canalha";
a resposta de Soraia equivale a dizer que:
a) todos os homens são canalhas;
b) não vale a pena viver dentro da lei;
c) nem tudo na vida é perfeito;
d) a vida criminosa é mais cheia de emoções;
e) todos os homens são hipócritas.
Resposta: C
Comentário: A alternativa C equivale à justificativa
da mulher permanecer ao lado do marido. A alternativa A,
é falsa porque um único homem citado como canalha, foi
o ex-marido de Soraia. Enquanto, as afirmações contidas
nos itens B, D e E, não estão expressas no texto.

2 - No primeiro período do texto, o segmento "uma


favela em Jacarepaguá" é um aposto, empregado para:
a) informar algo hipoteticamente desconhecido;
b) situar a ação num bairro perigoso;
c) ironizar sobre o nome de Deus na designação de
uma favela;
d) preparar o leitor para um tema policial;
e) mostrar a relação entre miséria e crime.
Resposta: A
Comentário: Em qualquer texto completo, o autor
se preocupa em situar o leitor sobre o local exato onde a
história se passa. A população de outros estados não tem
obrigação de saber que a Cidade de Deus é uma favela,
muito menos que fica localizada no bairro de Jacarepaguá.
Por isso a alternativa A é a correta. Observe que as
alternativas B, D e E tentam confundir o candidato com
informações verdadeiras. De fato, a Cidade de Deus é um
bairro perigoso onde a miséria e o crime são a realidade
dos moradores. Portanto, os elementos, de fato, constam
no texto, mas não respondem objetivamente a questão.

3 - No primeiro período, o vocábulo onde se refere a


um local anteriormente citado, a favela Cidade de Deus.O o
item abaixo em que o mesmo vocábulo tem um antecedente
anteriormente expresso é:
a) a polícia não sabe onde Zinho mora;
b) o local onde Zinho atua é desconhecido da
polícia;
c) as vizinhas desejam saber onde Zinho está;
d) zinho mora na Barra, mas onde trabalha todos
ignoram;
e) onde é que Zinho se esconde?
Resposta: B
Comentário: O vocábulo onde na oração está
relacionado ao seu antecedente, que é local. O que não
acontece nas demais alternativas.

4 - Tráfico tem como parônimo o vocábulo tráfego,


com o qual não pode ser confundido.O item que está
mal redigido porque houve a substituição indevida de um
vocábulo por seu parônimo é:
a) o criminoso foi preso em flagrante;
b) os criminosos expiam suas culpas na prisão;
c) o acusado pediu despensa do depoimento;
d) o prisioneiro decidiu delatar o cúmplice;
e) era iminente a prisão do grupo.
Resposta: C
Comentário: Essa questão exige também o
conhecimento sobre palavras parônimas.Viu como todo o
embasamento gramatical é importante na compreensão
de textos ? O quesito pede para que você identifique o
emprego incorreto de um parônimo. Na alternativa C
que diz O acusado pediu DESPENSA do depoimento.
Despensa (com E) é um compartimento da casa. O termo
correto seria DISPENSA (com I). As demais alternativas
estão escritas de forma correta. Se permanecer alguma
dúvida, ouça novamente a lição sobre palavras homônimas
e parônimas.

5 - "...é conhecido como Zinho na Cidade de Deus,...".


O o item em que se reescreve esse segmento do texto de
forma ERRADA, por alterar o seu sentido, é:
a) na Cidade de Deus é conhecido como Zinho;
b) é conhecido, na Cidade de Deus, como Zinho;
c) conhecem-no como Zinho na Cidade de Deus;
d) na Cidade de Deus o conhecem como Zinho;
e) a Cidade de Deus o conhece como Zinho.
Resposta: E
Comentário: A alternativa E está errada porque
pressupõe que a favela Cidade de Deus conhece alguém
como Zinho. Como bairros ou favelas não conhecem
pessoas, não é a Cidade de Deus que o conhece, e sim os
moradores dela. As demais alternativas expressam a idéia
de que os moradores da Cidade de Deus o conhecem como
Zinho. Por isso, estão escritas corretamente.

6 - 0 fato de Zinho sumir durante alguns dias quando


chega uma partida grande de drogas na favela se explica
pelo fato de:
a) ser perigoso estar na favela nesse momento;
b) nesse momento a polícia fica mais vigilante;
c) ser necessária sua presença para os negócios;
d) Zinho também deve ser grande consumidor de
drogas;
e) estar sendo perseguido pela polícia.
Resposta: C
Comentário: Perceba que a afirmação do item
A que diz "é perigoso estar na favela nesse momento"
contradiz o texto. Ao contrário, Zinho permanece na favela
quando chega a droga. Nas letras B e E há informações
verdadeiras, mas que não representam o motivo principal
da permanência dele na favela. Já a alternativa D contém
informações que sequer são citadas no texto. Em nenhum
momento Zinho é tratado como grande consumidor de
drogas, mas apenas como traficante. Por tudo isso, fica
evidente no texto que Zinho permanece no morro para
administrar seu negócio.

7 - Só não se pode deduzir do que é lido no texto 1 em:


a) o tráfico de drogas envolve grande quantidade de
dinheiro;
b) muita riqueza se deve ao tráfico de drogas;
c) algumas pessoas se deixam atrair por uma vida
fácil;
d) o desemprego causa muitos problemas sociais;
e) o tráfico de drogas não é bem visto no meio
social.
Resposta: D
Comentário: Numa questão que exige do candidato
a dedução a partir do texto, a atenção deve ser redobrada.
Se você ficar atento vai perceber que o texto não se refere
ao problema de desemprego, nem a causa social. Nele, as
questões relacionadas ao tráfico de drogas são o rápido e
fácil enriquecimento; o grande volume de dinheiro gerado
com a venda de entorpecentes e o preconceito da sociedade
que condena o tráfico.

8 - A frase final do texto "Zinho nunca foi preso", no


contexto textual e social em que se insere, mostra:
a) a agilidade do traficante;
b) o despreparo da polícia;
c) o insucesso do tráfico;
d) a corrupção policial;
e) a ineficiência das leis.
Resposta: B
Comentário: Se um traficante domina toda a
extensão de uma favela e, mesmo assim, a polícia sabe
dele apenas sua alcunha e cor da pele, isso deixa claro o
despreparo da polícia. Além disso, o texto não dá indícios
sobre a ineficiência das leis, corrupção policial ou sobre a
agilidade do traficante.
TEXTO 2 - 0 ESTATUTO DO DESARMAMENTO
- Luiz Garcia - O Globo, 29/06/2004
"Foi dura luta a aprovação do Estatuto do
Desarmamento. E demorou um tempão. Tudo começou
com ato solene no Palácio do Planalto, quando o então
presidente Fernando Henrique respondeu a uma cobrança
da sociedade e assinou mensagem enviando o projeto ao
Congresso.
O empenho implícito na solenidade teve vida curta.
A mensagem caiu na vala comum do Legislativo, onde se
integrou a um renque de iniciativas sobre desarmamento,
algumas a favor de guerra declarada e eficaz ao excesso
de armas no país, outras fazendo o possível para que não
se tivesse lei alguma; na pior hipótese, aceitavam uma lei
aguada.
No governo Lula, o lobby das armas sofismou e
atrapalhou o quanto pôde. Mas a cobrança da sociedade
acabou por prevalecer. Entretanto, seis meses após a
sanção da lei criando o estatuto, ele existe pela metade.
(....) Ou seja, falta muito".

09 - "...quando o então presidente..."; " ...onde se


integrou a um renque..."; o item em que houve troca indevida
entre ONDE e QUANDO é:
a) ele a conheceu na pracinha onde jogava futebol;
b) não se lembrava da adolescência, onde tudo
acontecera;
c) queria saber quando viajara, pois só estava certo
de que não fora nas férias;
d) não sabia quando a veria de novo;
e) ficou triste após o banho de mar, quando perdera
a aliança.
Resposta: B
Comentário: Usamos a palavra Onde para fazer
referência a lugar. No item B a frase se refere a tempo,
lembrança, logo a palavra adequada seria Quando.

10 - O vocábulo renque em "renque de iniciativas"


une duas idéias:
a) quantidade e alinhamento;
b) variedade e desvalorização;
c) confusão e quantidade;
d) desvalorização e alinhamento;
e) confusão e variedade.
Resposta: A
Comentário: Essa questão requer conhecimento do
vocabulário, mas é só usar um pouco de interpretação para
respondê-la. Voltemos ao texto.Nele diz que a "mensagem
caiu na vala comum e integrou a um renque de iniciativas
sobre desarmamento". Perceba que a frase dá a idéia de que
renque tem o sentido de quantidade (integrou) e alinhamento
(iniciativas sobre desarmamento),deduz-se que há outras
leis sobre o desarmamento a serem votadas.

11 - "O empenho implícito na solenidade teve vida


curta"; a frase significa que:
a) a solenidade foi realizada para enganar a opinião
pública;
b) durou muito pouco a solenidade realizada;
c) o empenho explícito era maior que o empenho
implícito;
d) a solenidade teve vida curta porque houve pouco
empenho;
e) o empenho prometido na solenidade em si mesma
durou pouco.
Resposta: E
Comentário: O item A extrapola e nega a afirmação
contida no enunciado. A solenidade não foi realizada para
enganar a opinião pública, ao contrário, o texto afirma que
houve um empenho implícito em torno do assunto, mas que
teve vida curta. Perceba como a alternativa B tenta confundir
o candidato. Não foi a solenidade que durou pouco e sim
o empenho para implementar a Lei do Desarmamento.
Na alternativa D é visível a armadilha.O jogo de palavras
também causa dúvidas ao candidato.O que teve vida curta
foi o empenho em torno da lei do Desarmamento, implícito
na solenidade. Já a alternativa C fala em empenho explícito
e, portanto, foge a realidade textual. Entendeu? Portanto
o item E é o único correto. A resposta dessa questão pode
ser confirmada no início do segundo parágrafo, que diz: "A
mensagem caiu na vala comum do legislativo", ou seja, se
integrou a outras iniciativas.

1 2 - Em 24 de junho de 2004, saiu a seguinte notícia na


edição do jornal O Globo: "Terror ameaça agora o premier
do Iraque".Deduz-se da leitura dessa notícia, no contexto
atual, que:
a) o premier do Iraque já foi atacado antes;
b) os terroristas mataram o premier anterior;
c) o terror já fez outras ameaças anteriormente;
d) os terroristas vivem no Iraque;
e) o Iraque era um país livre dos ataques terroristas.
Resposta: C
Comentário: A palavra AGORA indica anterioridade,
referente à ameaça, ou seja, o terror já ameaçou antes,
mas não necessariamente o premier como indicam as
alternativas A e B. Nos itens D e E as informações não estão
relacionadas a oração citada no enunciado. Enquanto a letra
C dá a idéia de que o terrorismo sempre representou uma
ameaça.

13 - Em junho de 2004 morreu o ex-governador do Rio,


Leonel de Moura Brizola. Em 24 de junho, Luiz Fernando
Veríssimo escrevia, nas primeiras linhas de sua crônica do
jornal O Globo: "Foi a primeira morte sem aspas do Brizola.
Sua "morte" em sentido figurado foi anunciada várias vezes".
Só não se pode ler nesse segmento que:
a) Brizola era pessoa considerada bastante conhecida
dos leitores;
b) houve vários anúncios falsos da "morte" de Brizola;
c) dentro do contexto, as "mortes" de Brizola ocorriam
no plano político;
d) um dos empregos das aspas é o de mostrar sentido
figurado das palavras;
e) vão ocorrer outras mortes sem aspas de Brizola.
Resposta: E
Comentário: O texto se refere à morte, com aspas, isto
é uma morte no sentido figurado como mostram as opções
A, B, C e D. Portanto, o que não se pode deduzir a partir
desse ou de qualquer outro texto é que vão ocorrer outras
mortes sem aspas do político Brizola.Porque a morte, sem
aspas, significa falecimento. E como só morremos uma vez,
é impossível ocorrer à morte, sem aspas, do político Brizola
outras vezes.

1 4 - O colunista Ancelmo Góis fez publicar em O Globo


a seguinte notícia: Greve na PF
"O clima é tenso na Polícia Federal. Os agentes
interromperam de mãos vazias uma greve, há mês e meio,
depois de atazanar a vida dos passageiros nos aeroportos.
Como o governo não fez nenhuma concessão, a turma
ameaça com outra greve. Promete, desta vez, a adesão
dos delegados. É. Pode ser." A tensão na Polícia Federal
é, segundo o texto, resultante de:
a) problemas causados aos passageiros nos
aeroportos;
b) preparação para uma nova greve da categoria;
c) tentativa de procurar a adesão dos delegados para
uma nova greve;
d) uma greve anterior não ter dado o resultado
esperado;
e) concessões insuficientes por parte do governo.
Resposta: D
Comentário: A alternativa D se refere à volta de uma
greve, não solucionada no passado, o que é claro no texto.
Essa situação é responsável pelo clima de tensão. Os
demais itens fazem parte do texto como as alternativas A,
B, C e E , no entanto não são o principal motivo da tensão
que pode levar a uma nova greve na Polícia Federal.

1 5 - A última frase do texto da notícia de Ancelmo Góis


revela:
a) certeza;
b) alarme;
c) conselho;
d) opinião;
e) dúvida
Resposta: E
Comentário: Para resolver essa questão você pode
usar o método de eliminação. As opções A, B e C, são
absurdas. A expressão "É, pode ser", que finaliza o texto,
não expressa certeza, nem alarme ou conselho. O termo
Indica dúvida, pois não define com precisão se o fato irá
acontecer. O que torna o item E verdadeiro.

16 - Infere-se da notícia que:


a) a PF está em greve permanentemente;
b) a PF não conseguiu o apoio dos delegados na
última greve;
c) os delegados jamais aderem à greve da PF;
d) a greve da PF traz risco para os passageiros;
e) nenhuma greve de funcionários recebe respostas
positivas do governo.
Resposta: B
Comentário: Lembra que nós estudamos os
enunciados com as palavras "inferir e julgar"? Perceba que
o enunciado pede para inferir, ou seja, para concluir algo
a partir da idéia do texto.Com base nesse conceito note
que apenas a alternativa B está dentro do contexto. As
demais opções apresentam deduções que até podem ser
verdadeiras, mas que não constam no texto.

1 7 - 0 Jornal do Brasil publicou, no dia 4/07/2004, a


seguinte notícia: Seis bandidos fogem de penitenciária
"Seis presos fugiram ontem, por volta das 8h, do
presídio Evaristo de Moraes, em São Cristóvão. Três deles
foram recapturados pouco tempo depois no Zoológico do
Rio. Um dos presos fugiu após render o agente penitenciário
de seu setor com um revólver.
As imagens feitas no pátio do presídio registraram
a ausência, por sete minutos, do PM responsável pela
guarita por onde os detentos passaram. A Secretaria
de Administração Penitenciária informou que vai abrir
sindicância para esclarecer se houve facilitação de fuga"
O título dado à notícia, em função do que é lido no texto:
a) resume todas as informações do texto;
b) destaca algo prejudicial à imagem da polícia;
c) fornece uma informação errada aos leitores;
d) valoriza a esperteza dos presidiários;
e) mostra a superlotação dos presídios.
Resposta: B
Comentário: O título informa que um grupo de seis bandidos
conseguiu fugir. Se é de competência da polícia evitar
possíveis fugas, a informação do título é prejudicial a polícia.
Portanto é correta a opção B. Perceba que o item A não
resume todas as informações do texto, apenas, apresenta
o fato principal. O item C diz que o título fornece uma
informação errada. Não totalmente errada, mas incompleta.
Pois, dos seis fugitivos três foram recapturados. Não há
nenhum elemento no texto que evidencie a esperteza dos
bandidos. Eles conseguiram fugir por causa da conivência
do policial militar que abandonou a guarita. A opção E é
falsa. Basta você reler o texto para perceber que a questão
da superlotação não é citada em nenhum momento.

18 - Em função do que é dito no texto, voltaram à


prisão:
a) todos os foragidos;
b) nenhum dos fugitivos;
c) metade dos que fugiram;
d) dois dos presos fugitivos;
e) quatro dos foragidos.
Resposta: C
Comentário: Para você resolver esse quesito, basta
usar a matemática, associada à interpretação, claro. Basta
calcular. Seis bandidos fugiram e, de acordo com o texto,
três deles foram recapturados em um zoológico. A conclusão
é óbvia: três bandidos voltaram à prisão, ou seja, a metade
dos que fugiram. Por isso a alternativa correta é a C.

1 9 - 0 que mais causa estranheza na notícia é:


a) o fato de um dos detentos possuir um revólver;
b) abrirem uma sindicância para investigação de um fato
corriqueiro;
c) ter havido facilitação de fuga dos detentos;
d) a recaptura dos presos ter sido imediata;
e) a gravação da fuga nas imagens do próprio presídio.
Resposta: A
Comentário: O que há de estranho em abrir sindicância para
apurar fugas corriqueiras ou não? Esse é o procedimento
adotado quando há suspeita de conivência dos servidores.
Recapturar de imediato alguns fugitivos também é um fato
normal. É raro capturar todos os fugitivos. Também não
causa estranheza que as câmeras tenham gravado imagens
da fuga. Essa é a finalidade do circuito interno de TV. O que
causa uma certa raiva, mas não estranheza é a corrupção
policial que não só facilita fuga, como permite o tráfico de
drogas e uso de celular dentro das unidades prisionais. Por
isso, as alternativas B, C, D e E são falsas. O que poderia,
de fato, chocar é um preso possuir um revólver dentro de
uma penitenciária. Por isso a opção A está correta.

20 - Segundo o que o texto sugere, a ausência do PM da


guarita deve ser atribuída, além da irresponsabilidade do
militar:
a) ao cansaço do militar;
b) à falha administrativa do presídio;
c) ao poder da corrupção;
d) às necessidades de serviço;
e) à reduzida quantidade de funcionários.
Resposta: C
Comentário: A sindicância só é instaurada quando há
indícios de facilitação de fuga ou conivência por parte do
policial. Ou seja, a direção do presídio abriu uma sindicância
porque suspeita que o policial militar cedeu ao poder da
corrupção. A colaboração dele foi, supostamente, ter se
ausentado da guarita por sete minutos, tempo suficiente
para que os bandidos fugissem.

21 - "Seis presos fugiram ontem, por volta das 8 horas


da manhã, do presídio Evaristo de Moraes, em São
Cristóvão. Três deles foram recapturados pouco tempo
depois no Zoológico do Rio". O comentário correto sobre
os componentes desse segmento do texto é:
a) "por volta das 8h" indica um tempo preciso;
b) o "pouco tempo depois" tem como ponto de referência
a fuga;
c) "no Zoológico do Rio" indica o momento em que foram
recapturados os presos;
d) a quantidade de "seis presos" é informação incorreta;
e) a localização do presídio justifica o fato de os presos
serem recapturados.
Resposta: B
Comentário: Observe que na primeira oração há a
informação da fuga, e na segunda, a notícia de que, "pouco
tempo depois" os bandidos foram recapturados. Portanto,
o "pouco tempo depois" dessa oração se refere à fuga dos
bandidos. O que torna a opção B a única correta.

Então, conseguiu exercitar o que aprendeu? Agora


continue praticando. Mãos à obra! A prática vai ajudar você
a enfrentar as questões de INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
com a certeza de que domina o assunto. Nós que fazemos
a Audiojus torcemos pelo seu sucesso!

Chegamos ao final do nosso curso, esperamos que você


tenha aprendido todo o conteúdo. AAudioJus está sempre
preocupada em oferecer um produto de primeira qualidade
aos seus clientes. Se você tem alguma dúvida, sugestão ou
pretende conhecer outros produtos de nossa empresa entre
em contato conosco, estamos à sua disposição na Central
de Atendimento (81) 2123-4474, ou através do site, www.
audiojus.com.br.
BIBLIOGRAFIA

LIVROS:

-Aquino, Renato Monteiro de. Interpretação de Textos.


Série Impetus Provas e Concursos. 4a edição. Ed. Campus.

-Lima, Rocha. Gramática Normativa da Língua Portuguesa.


43 a edição. Ed. José Olímpio.

-Savioli, Francisco Platão. Gramática em 44 Lições. Série Compacta.


14a edição. Ed. Ática.

- Revista Português para Concursos.


Rio de Janeiro. Ed. Provenzano

-Vicente, Jorge. Português. Série Impetus Questões. 5a edição. Ed.


Campus.

Sites:
www.capcursos.com.br
www.policon.com.br
www.anglo.com.br
www.vemconcursos.com.br