P. 1
CICLO BIOGEOQUÍMICO - RESUMO

CICLO BIOGEOQUÍMICO - RESUMO

|Views: 6.367|Likes:
Publicado porhillbill2009
Uploaded from Google Docs
Uploaded from Google Docs

More info:

Published by: hillbill2009 on Dec 13, 2010
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/10/2013

pdf

text

original

Carbono Aula 5 – Ciclos Biogeoquímicos

Leonardo David Tuffi Santos ltuffi@yahoo.com.br

CICLOS

Água

BIOGEOQUÍMICOS
Fósforo Nitrogênio

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS BIOGEOQUÍ

Todos os elementos químicos, tendem a circular na biosfera em vias características, do ambiente aos organismos e destes, novamente, ao ambiente.

A Biogeoquímica é a ciência que estuda a troca ou a circulação de matéria entre os componentes vivos e físico-químicos da Biosfera (Odum, 1971).

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS BIOGEOQUÍ
Ciclos: representam a troca e a circulação de matéria entre os componentes vivos e físico-químicos da biosfera. Bio – vida: os organismos interagem no processo de síntese orgânica e na decomposição dos elementos. Geo: o meio terrestre reservatório dos elementos. (solo/rochas) é o

CLASSIFICAÇÃO DOS CICLOS CLASSIFICAÇ
1. Ciclo da água ou hidrológico. 2. Ciclos dos macro e micronutrinentes: minerais em geral. 3. Ciclos sedimentares ( rochas): enxofre, cálcio, magnésio e potássio. 4. Ciclos oxigênio. gasosos: carbono, fósforo,

Químico: ciclo dos elementos e processos químicos de síntese e decomposição.

nitrogênio

e

1

CICLOS BIOGEOQUÍMICOS – processo dinâmico BIOGEOQUÍ

SER HUMANO

Acelera o movimento de muitos materiais

Ciclos tendem a se tornar imperfeitos (acíclico)

Carência/excesso

Excesso /carência

Uso aplicado do estudo quantitativo dos ciclos Biogeoquímicos
Monitoramento da poluição; Estabelecimento de técnicas de manejo; Determinação e controle da perda de fertilizantes; Uso racional de recursos hídricos, minerais; Controle do aumento de CO2 na atmosfera e aqüicultura.

2

Estabelecimento de técnicas de manejo: Barraginhas

Uso racional de recursos hídricos: Coleta de água da chuva

Uso racional de recursos hídricos: Irrigação por gotejamento

Ciclo Hidrológico ou ciclo da água

TABELA - DISTRIBUIÇÃO DA ÁGUA NO PLANETA A água é o principal componente dos organismos vivos Os seres vivos devem apresentar características específicas conforme a umidade e a ocorrência de água em seu hábitat – adaptação. A superfície terrestre é recoberta por cerca de 75% de água: Estado físico Sólido Líquido
Tipos Calotas de gelo, geleiras Oceanos Águas subterrâneas Águas superficiais Vapor atmosférico Volume da água do planeta (%) 2,15 97,21 0,626 0,009 0,005

Gasoso

3

-Cerca de 97,4 % pertencem ao talassociclo
conjunto que abrange todos os ecossistemas marinhos

- 2,6% pertence ao limnociclo conjunto de todos os ecossistemas de água doce

[sais-cloretos/sulfatos]

[sais-cloretos/sulfatos]

acima de 3g/L

0,5g/L

TABELA - TIPOS DE ÁGUA E [SAIS] -2% círculos polares e geleiras Tipos de água Doce Salobra Salgada [Sais] por litro (gramas) Abaixo de 0,5 1,0 a 4,0 Acima de 5,0

- o restante: água subterrânea, rios, umidade do solo e da atmosfera, no corpo das plantas e animais.

Total de água na biosfera O limnociclo pode ser dividido em:
1,4 bilhão de Km3

Águas lóticas Águas lênticas

Águas correntes
18

1.400.000 x 10 18g 10 = 1 quatrilhão de gramas / 1 trilhão (1012) de toneladas métricas 1 teratonelada (Tt)

Águas parada

4

O ciclo da água é conduzido pela ENERGIA SOLAR

Evaporação + transpiração Características climáticas

TERRA

Reposição de água em uma Floresta Tropical Úmida

PRECIPITAÇÃO

EVAPOTRANSPIRAÇÃO

22% 111Tt/ano

16% 71Tt/ano

Os solos, rios, lagos e oceanos contêm mais de 100.000 vezes a água que existe na atmosfera Os fluxos através de ambos os compartimentos são os mesmos (evaporação equilibra a precipitação) Renovação águas superficiais : 1 ano

5

CICLO HIDROLÓGICO HIDROLÓ
O ciclo hidrológico pode ser resumido por meio dos seguintes processos: DETENÇÃO: parte da precipitação fica retida na vegetação, depressões do terreno e construções. Essa massa de água retorna à atmosfera pela ação da evaporação ou penetra no solo pela infiltração. ESCOAMENTO SUPERFICIAL: constituído pela água que escoa sobre o solo, fluindo para locais de altitudes inferiores, até atingir um corpo d’água como um rio, lago ou oceano. A água que compõe escoamento superficial pode também sofrer infiltração para as camadas superiores do solo, ficar retida ou sofrer evaporação.

CICLO HIDROLÓGICO HIDROLÓ
INFILTRAÇÃO: a água infiltrada pode sofrer evaporação, ser utilizada pela vegetação, escoar ao longo da camada superior do solo ou alimentar o lençol de água subterrâneo.

ESCOAMENTO SUBTERRÂNEO: constituído por parte da água infiltrada na camada superior do solo, sendo bem mais lento que o escoamento superficial. Parte desse escoamento alimenta os rios e os lagos, além de ser responsável pela manutenção desses corpos durante épocas de estiagem.

CICLO HIDROLÓGICO HIDROLÓ
EVAPOTRANSPIRAÇÃO: parte da água existente no solo que é utilizada pela vegetação e eliminada pelas folhas na forma de vapor. EVAPORAÇÃO: em qualquer das fases descritas anteriormente, a água pode voltar à atmosfera na forma de vapor, reiniciando o ciclo hidrológico. PRECIPITAÇÃO: água que cai sobre o solo ou sobre um corpo d’água. * Nos oceanos, a evaporação excede a precipitação, e nos continentes ocorre o oposto.

INTERVENÇÕES HUMANA INTERVENÇ

O ciclo hidrológico é essencial ao ambiente:
transporta e faz circular a água de uma região para as outra; importante agente modelador da crosta terrestre (devido à erosão e ao transporte de sedimentos); Condicionante de toda a vida na Terra.
1. Desmatamento. 2. Pavimentação = taxa de impermeabilização. 3. Utilização de agrotóxicos. 4. Despejos de esgotos e efluentes industriais. 5. Eutrofização. 6. Diminuição do teor de oxigênio dissolvido nos rios. 7. Lançamento de substâncias tóxicas perigosas. 8. Poluição atmosférica. 9. Resíduos sólidos. 10. Represamento das águas.

6

CICLO DO CARBONO
As plantas utilizam o CO2 e o vapor de água da atmosfera para, na presença de luz solar, sintetizar compostos orgânicos de carbono, hidrogênio e oxigênio, tais como a glicose (C6H12O6). Reação da fotossíntese: 6CO2 + 6 H2O + energia solar = C6H12O6 + 6O2

CICLO DO CARBONO
A fixação do carbono em sua forma orgânica indica que a fotossíntese é a base da vida na Terra. A energia solar é armazenada como energia química nas moléculas orgânicas da glicose. A energia armazenada nas moléculas orgânicas é liberada no processo inverso ao da fotossíntese: a respiração. Nesta, ocorre a quebra das moléculas com a conseqüente liberação de energia para a realização das atividades vitais dos organismos. Reação da respiração: C6H12O6 + 6O2 = 6CO2 + 6 H2O + 640 kcal / molde glicose

Ciclo do carbono

CICLO DO CARBONO

Bilhões de toneladas métricas Sedimentos sob as águas e rochas sedimentares Água oceânica, conchas e organismos Combustível fóssil (petróleo, gás e carvão) Material orgânico no solo Atmosfera Plantas terrestres 80,000,000 40,000 4,000 1,500 825 580

7

No solo os materiais orgânicos sofrem decomposição pelos microrganismos heterotróficos – grande parte do C vai para a atmosfera. •Biosfera terrestre: 2.000 Gt •Litosfera: > 75.000 Gt •Oceanos: 38.400 Gt •Fósseis: 4.130 Gt Por onde passa a maior parte do C circundante

• 400 Gt de C-CH4 • 160 Gt de C-CO2

Emitidos globalmente

• 110 Gt de C-CH4 Processos de oxi-redução determinam os fluxos de CO2 para compostos orgânicos e destes para CO2 e CH4. 50% do C fotoassimilado pelas plantas é consumido na respiração dos seres vivos para manutenção e crescimento. O restante forma a serapilheira • 70 Gt de C-CO2

Originados do solo

O ciclo de C resume-se a dois grandes fluxos principais: fotossíntese e respiração

Destino do C fotoassimilado

50%

Respiraç Respiração dos seres vivos

C Fotosíntese Fotosí
Plantas, bactérias e fungos são importantes reservatórios de nutrientes da matéria orgânica do solo

50%

Acú Acúmulo Biomassa Ecossistemas/Agroecossistemas • Produção Produç Como o manejo da biomassa pode influenciar este processo?
agropecuá agropecuária •Serrapilheira •Decomposto por microroganismos

Representaç grá Representação gráfica da cobertura florestal no Rio Grande do Sul

Fonte: Gausmann, Fonte: Ferreira e Gausmann, 1996, citado por caporal apresentaç em apresentação na UFMG

8

Sistemas de produção de baixo acúmulo de biomassa
Monocultivo de Grãos

Sistemas de produção de alto acúmulo de biomassa
Sistema agroflorestal

O sistema deixa de acumular biomassa, C no solo retorna para atmosfera

Sistemas Acumula biomasa na vegetação, serrapilheira e matéria orgânica no solo – sequestra C

Sistemas de produção de Alto acúmulo de biomassa
Sistema agrosilvopastoril Sistemas Acumula biomasa na vegetação, serrapilheira e matéria orgânica no solo – sequestra C

Reciclagem de biomassa nas cidades – horta urbana

Aproveitamento de resíduos/ Sequestro de carbono

Reciclagem de biomassa nas cidades - compostagem

Como o manejo da biomassa pode influenciar este processo? Acúmulo/Manutenç Acúmulo/Manutenção : Em sistemas de manejo da biomassa que preconizam seu aumento no sistema ( safs, plantio direto, arborização de safs, arborizaç pastagens, reaproveitamento de resíduos resí urbanos, agricultura urbana)

Aproveitamento de resíduos/ Sequestro de carbono

Perda : Em sistemas que não preconizam seu aumento ( plantio convencional de grãos, pastagens a pleno sol, não reaproveitamento dos resíduos urbanos) resí

9

Produtividade primária

2 vezes maior em florestas tropicais do que nas temperadas

Taxa de decomposição dos restos vegetais

2 a 3% ao ano nos trópicos e 1% nas regiões temperadas

•Clima; •Elevados teores de compostos aromáticos e baixo teores de bases nos materiais da floresta temperada.

A ciclagem do C e nutrientes é muito mais rápida nas regiões mais quentes e úmidas que naquelas de clima frio e seco.

Quando as florestas são derrubadas em condições tropicais ocorrem perdas rápidas de matéria orgânica e nutrientes.

Maior quantidade de C (nutrientes) é armazenada nos ecossistemas naturais em relação aos agroecossistemas ou solo sem vegetação.

O cultivo do solo acelera os processos biológicos de oxidação.

Não havendo reposição da matéria orgânica diminui a capacidade produtiva do solo.

Nos ecossistemas florestais dos trópicos a reciclagem de N, P e K é da ordem de 50 a 70%.

CICLO DO CARBONO
Razão da quantidade total de nutrientes na vegetação em relação ao solo > 1, o sistema é pouco sustentável.

Os decompositores atuam sobre os detritos orgânicos liberando CO2, que retorna à atmosfera, reintegrando-se a seu reservatório natural. Detritos orgânicos ainda podem originar os combustíveis fósseis que, através da combustão, eliminarão CO2 de volta para a atmosfera. Obs.: Fotossíntese: CO2 + H2O = > C6H12O6 + H20 + O2 Respiração: C6H12O6 + O2 = > CO2 + H2O + energia Combustão: combustível + energia + O2 = > CO2 + ...(detritos)

10

Ciclo do Nitrogênio
• Importância do elemento. • Perdas e transformações são frequentes. • Limitante para o crescimento de populações.

CICLO DO NITROGÊNIO
O ciclo do nitrogênio, assim como o do carbono, é um ciclo gasoso. Apesar dessa similaridade, existem algumas diferenças notáveis entre os dois ciclos: a atmosfera é rica em nitrogênio (78%) e pobre em Carbono (0,032%); apesar da abundância de nitrogênio na atmosfera, somente um grupo seleto de organismos consegue utilizar o nitrogênio gasoso; o envolvimento biológico no ciclo do nitrogênio é muito mais extenso do que no ciclo do carbono.

CICLO DO NITROGÊNIO
Compartimentos:

CICLO DO NITROGÊNIO
O Nitrogênio (N2) é um elemento químico que participa da constituição de ácidos nucléicos, proteínas e clorofilas. Compreende-se, portanto, a importância do estudo do ciclo desse elemento na natureza, cujo reservatório natural é a atmosfera, onde perfaz cerca de 78% do ar. Entretanto, o N2 é uma molécula que não constitui fonte adequada do elemento para a grande maioria dos seres vivos. De fato, com raras exceções, os seres vivos não conseguem fixar e, portanto, incorporar à matéria viva o N2 atmosférico.

• Biosfera – 2,8 a 6,5.10

(12)

96% na matéria orgânica morta 4% na matéria orgânica viva

N orgânico

• Atmosfera – 3,9.10 (12) ( N2)
•94% plantas •4% microbiota •2% animais

11

CICLO DO NITROGÊNIO CICLO DO NITROGÊNIO
A síntese industrial da amônia (NH3) a partir do

nitrogênio atmosférico (N2), desenvolvida durante a Primeira Guerra Mundial, possibilitou o aparecimento dos fertilizantes sintéticos, com um conseqüente aumento da eficiência da agricultura. Entretanto, o ciclo equilibrado do nitrogênio depende de um conjunto de fatores bióticos e abióticos determinados e, portanto, nem sempre está apto a assimilar o excesso sintetizado artificialmente. Esse excesso, carregado para os rios, lagos e lençóis de água subterrâneos tem provocado o fenômeno da eutrofização, comprometendo a qualidade das águas.

Grande parte do nitrogênio existente nos organismos vivos não é obtida diretamente da atmosfera, uma vez que a principal forma de nutriente para os produtores são os nitratos (NO3-). No ciclo do nitrogênio existem mecanismos diferentes e importantes: 1. fixação do N atmosférico em nitratos; 2. amonificação; 3. nitrificação; 4. desnitrificação. quatro

CICLO DO NITROGÊNIO
Resumindo:

CICLO DO NITROGÊNIO

Nitrificação: NH4+ (Amônio) Mineralização N (NH4+ e NO3) Disponível no solo Imobilização: Nitritação: NH4+ (Amônio) Nitratação: NO2- ( nitrito) Nitrossomonas Nitrobacter

NO3- ( nitrato) NO2- ( nitrito) NO3- ( nitrato)

Utilizado pelos microorganismos para degradar o carbono

N – Orgânico

N – Orgânico

N - Inorgânico

N - Inorgânico

Reações demandam : presença oxigenio, temperatura entre 26 a 32 graus, sem excesso de umidade ( capacidade de campo), acidez do solo pH entre 7 a 7,6, aplicação de fertilizantes, materia organica ( relação c/n alta causa imobilização), presença de agentes tóxicos.

CICLO DO NITROGÊNIO
Varios processos . Ex
Desnitrificação: NO3- ( nitrato) NO3- ( nitrato) NH4+ (Amônio) N2- ( N atmosferico)

Fixação Biológica de Fixaç Bioló Nitrogênio

12

13

Resumo dos processos no ciclo do Nitrogênio:

Nome do Processo Agente Bactéria Rhizobium e Fixação Nostoc (alga cianofícea) Amonização Bactérias decompositoras Bactéria Nitrosomonas Nitrosação e Nitrosococcus Nitratação Bactéria Nitrobacter Bactérias Desnitrificantes Desnitrificação (Pseudomonas)

Equação N2 => sais nitrogenados N orgânico => NH4 NH4 => NO2 NO2 => NO3 NO3 => N2

Algumas espécies utilizadas na Adubação Verde

Crotalária sp

Leucaena leucocephala

Nabo Forrageiro

Mucuna sp

14

Dolichos lab lab

Guandu – Cajanus cajan

Milheto Penissetum americanum

CICLO DO ENXOFRE
O enxofre apresenta um ciclo basicamente sedimentar, embora possua uma fase gasosa, de pouca importância. A principal forma de assimilação do enxofre pelos seres produtores é como sulfato inorgânico. O processo biológico envolvido nesse ciclo compreende uma série de microorganismos com funções específicas de redução e oxidação. A maior parte do enxofre que é assimilado é mineralizado em processos de decomposição. Sob condições anaeróbias, ele é reduzido a sulfetos, entre os quais o sulfeto de hidrogênio (H2S), composto letal à maioria dos seres vivos, principalmente aos ecossistemas aquáticos em grandes profundidades. Esse gás, tanto no solo como na água, sobe a camadas mais aeradas, onde então é oxidado, passando à forma de enxofre elementar, quando mais oxidado ele se transforma em sulfato.

CICLO DO ENXOFRE
Sob condições anaeróbias e na presença de ferro, o enxofre precipita-se, formando sulfetos férricos e ferrosos. Esses compostos, por sua vez, permitem que o fósforo converta-se de insolúvel a solúvel, tornando-se, assim, utilizável. Esse exemplo mostra a inter-relação que ocorre em um ecossistema entre diferentes ciclos de minerais. As ação do homem também interfere nesse ciclo por meio de grandes quantidades de dióxido de enxofre liberados nos processos de queima de carvão e óleo combustível em indústrias e usinas termoelétricas. O dióxido de enxofre tem potenciais efeitos danosos ao organismo, além de provocar, em certas situações, a chuva ácida e o smog industrial.

15

CICLO DO ENXOFRE
1. O grande reservatório de enxofre é no solo e nos sedimentos. 2. É um ciclo que caracteriza-se pela participação efetiva e rápida dos microorganismos. 3. Recuperação de compostos de enxofre a partir da ação microbiana sobre o sedimentos profundos. 4. Interação nos processos geoquímicos, meteorológicos e biológicos. 5. Interdependência do ar, da água e do solo na regulação do ciclo global. 6. A principal forma disponível é o sulfato (SO4), que será reduzido pelos seres autótrofos e incorporado às proteínas. 7. É um ciclo menos limitante do que o do nitrogênio e o do fósforo.

CICLO DO ENXOFRE INTERVENÇÕES ANTRÓPICAS INTERVENÇ ANTRÓ
1. O dióxido de enxofre (SO2) é liberado na atmosfera pela queima de combustíveis fósseis. 2. O SO2 interage com o vapor d’água produzindo gotículas de ácido sulfúrico (H2SO4) diluído, o que acarretará a precipitação de chuva ácida. 3. O excremento animal representa um fonte de sulfato reciclado. 4. A produção primária é responsável pela incorporação do sulfato à matéria orgânica.

CICLO DO FÓSFORO FÓ
O fósforo é o material genético constituinte das moléculas de DNA e RNA e componente dos ossos e dentes. É, portanto, elemento fundamental na transferência de caracteres no processo de reprodução dos seres humanos. Os fósforo aparece nos organismos em proporção muito superior aos outros elementos, quando comparado com sua participação nas fontes primárias. Esse fato justifica a importância ecológica do fósforo, sugerindo ser o fator mais limitante à produtividade primária. O fósforo é um elemento de ciclo fundamentalmente sedimentar; seu principal reservatório é a litosfera, mais precisamente as rochas fosfatadas e alguns depósitos formados ao longo de milênios.

CICLO DO FÓSFORO FÓ
Por meio de processos erosivos, ocorre a liberação do fósforo na forma de fosfatos, que serão utilizados pelos produtores. Entretanto, parte desses fosfatos liberados é carreada para os oceanos, onde se perde em depósitos a grande profundidades, ou é consumida pelo fitoplâncton. Os meio de retorno do fósforo para os ecossistemas a partir do oceanos são insuficientes para compensar a parcela que se perde. Ao mesmo tempo em que reduzem a taxa de retorno, os seres humanos, agindo sobre a natureza com a exploração da mineração, ocupação desordenada do solo, desmatamentos e agricultura, entre outras atividades, aceleram o processo de perda de fósforo do ciclo.

CICLO DO FÓSFORO FÓ
O ciclo do fósforo é lento, passando da litosfera para a hidrosfera por meio da erosão. Parte do fósforo é perdida para os depósitos de sedimentos profundos no oceano. Devido a movimentos tectônicos, existe a possibilidade de levantamentos geológicos que tragam de volta o fósforo perdido. Por meio da reciclagem, o fósforo, em compostos orgânicos, é quebrado pelos decompositores e transformado em fosfatos, sendo novamente utilizado pelos produtores. Nesse processo também há perdas, uma vez que os ossos, ricos em fósforo, oferecem resistência aos decompositores e à erosão.

CICLO DO FÓSFORO FÓ
1. Rochas sedimentares são o reservatório natural do fósforo. 2. O fósforo é um elemento essencial para a constituição de ATP, DNA e RNA. 3. A forma mais comum para a absorção dos vegetais é o PO4. 4. Assim como o nitrogênio, é um elemento limitante, controlando a abundância dos organismos.

16

CICLO DO FÓSFORO FÓ INTERVENÇÕES ANTRÓPICAS INTERVENÇ ANTRÓ - EUTROFIZAÇÃO EUTROFIZAÇ
1. Despejos de efluentes ricos em fosfatos. Ex.: detergentes.

2. Utilização de fertilizantes químicos, ricos em fosfatos.

PROCESSO DE EUTROFIZAÇÃO EUTROFIZAÇ

Enriquecimento das águas com nutrientes essenciais, como o nitrogênio e o fósforo, e desenvolvimento excessivo do fitoplâncton, provocando problemas de consumo de oxigênio e baixa diversidade.

Consumo de biodegradação.

oxigênio

pelos

processos

de

Processos de biodegradação liberação de H2S e CH4.

sem

oxigênio

Dependência Brasileira em Fertilizantes (2007) Potássio (K2O) – 90% importado Fósforo (P2O5) – 40% importado Nitrogênio (Amônia) – 64% importado

Reservas mundias de Fósforo e Potássio Potá K – reservas mundiais = 16 bilhões de T produção mundial/ano: 33 milhões de T P – reservas mundiais = 50 bilhões de T produção mundial/ano = 172 milhões de T

17

Micorrizas e ciclagem de nutrientes

18

CICLO DO OXIGÊNIO
O oxigênio molecular (O2), indispensável à respiração aeróbica, é o segundo componente mais abundante da atmosfera, onde existe na proporção de cerca de 21%. O oxigênio teria desaparecido da atmosfera, não fosse o contínuo reabastecimento promovido pela fotossíntese, principalmente do fitoplâncton marinho, considerado o verdadeiro "pulmão" do mundo.

CICLO DO OXIGÊNIO CICLO DO OXIGÊNIO
O oxigênio pode ser consumido da atmosfera através das seguintes vias: atividade respiratória de plantas e animais; combustão; degradação, principalmente pela ação de raios ultravioleta, com formação de ozônio (O3); combinação com metais do solo (principalmente o ferro), formando óxidos metálicos.

19

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->