Você está na página 1de 4

Recomendações de segurança

Este fa s cículo comp õe os reg ula mentos gera is, que têm p or objet ivo es t ab ele cer
a s condições m ínima s ex igida s p ela ELETROPAULO Met rop olit ana Eletricidade de São
Paulo S.A., para o for necimento de energia elét rica em tensão primária de dist ribuição,
at ravés d e re de aérea e subt er rânea às in s t a la ções con sum idora s loca liz ad a s em sua
área de concessão.

Objetivo
Este fa s cículo s e des t ina a es clare cer os interess ado s qua nto aos proce dim entos
vol t a d o s a o c a m p o d a s eg u ra n ça n o t ra b a l h o e co n s t i t u i r e co m en d a çõe s qu e a
ELET ROPAU LO a p r e s ent a co m o si m pl e s cola b o ra ção, u m a vez qu e a s i n s t a la çõe s
elét rica s d e proprie d ade d o s clientes s ão op era da s e ma nt id a s s ob sua
resp on s a bilid ad e.

1. Equipamentos de segurança
Os p ostos primários devem ser prov idos, no m ínimo, dos seguintes equipamentos
para prote ção dos op eradores:
1.1. Ma nga de Borracha is ola nte, cla ss e de tensão nom ina l.
1.2. Luva s de b orracha is ola nte, cla ss e 2 (17kV) ou cla ss e 3 (26,5kV), para s erem
ut ilizada s em p ostos onde a tensão nom ina l é de 13,8kV ou 23kV, confor me
NBR-10622.
1.3. Protetor facia l ou óculos de s egura nça, confor me p ort aria 3214/78 NR–0 6.
1.4 . Capacete de s egura nça Cla ss e B, confor me NBR-8221/83.
1.5. Bastão de Manobra com isolação adequada à condição de t rabalho, confor me
NBR-11854/92.
1.6. Est rado-isolado, comp osto de madeira ou material não condutor (componentes
metálicos) e t ap ete de b orracha is ola nte.
1.7 . Ca lçado de prot e ção cont ra ris co s d e origem elét rica, confor m e p or t aria
3214/78 NR – 0 6.

Not a 1 : Todos os equipa mentos de s egura nça devem s er cons ervados limp os, em
condições de uso e os s eus resp e ct ivos ensa ios dielét ricos devem est ar dent ro do
prazo de validade.
Not a 2 : A s luva s de b orracha is ola nte, dura nte o us o, devem est ar protegida s p or
luva s de couro (cob ert ura) a ela s s obrep ost a s.
Nota 3: Os t rabalhadores devem fazer uso de vestimenta s adequada s às ativ idades,
sendo consideradas a condutibilidade, inflamabilidade e influências elet romagnéticas.
Not a 4: Os t rabalhadores que est arão des envolvendo at iv idades não p oderão est ar
fa zendo u s o d e ador no s (relógio, a lia nça, a néis e ou t ros), ca b elo s longo s ou es t ar
fumando.
Not a 5 : D evem s er atendidos os requisitos da p ort aria 3214/78 NR-10.

1
Recomendações de segurança

2. Sinalização
Os a mbientes devem p ossuir sina lização de s egura nça progressiva, placa s de
advertência com os dizeres em p ort uguês.
Os ambientes devem p ossuir cartões de imp edimento de equipamentos.
Os a mbientes devem p ossuir equipamentos de t ravamentos “block- out”.
Todos os coma ndos elét ricos e me cânicos devem s er identif icados qua nto à sua
s erventia e ris cos.
O local deve ser isolado p or barreiras físicas (grades, placas de advertência, cones,
f it a s, sinaliz adores lum inosos).

3. Cuidados na execução de manobras elétricas


A f i m d e fa cil it ar a exe cu ção d e ma n o bra s o p erat iva s, d eve s er coloca d o em
lugar b em v isível u m qua d ro com o diagra ma d a s i n s t a la ções elét rica s e i n s t r u ções
d e coma ndo s.
O s s erv iço s d e o p era ção (ma n o bra s), b em com o o s s erv iço s d e ma nu t en ção,
v is t oria s e r ep aro s, s o m ent e d evem s er exe cu t a d o s p or p rof is siona is t r ei na d o s,
ha bil it a d o s e au t o ri z ad o s.
A s p e s s o a s r es p on s áveis p ela exe cu ção d es s es s erv iço s d evem o b s ervar a s
s eg u i nt es con dições d e s eg u ra n ça:
3.1. Pla n ejar o s s erv iço s e s eg u i r rigo ro s a m ent e a s re com end a çõe s o p erat iva s
es t a b ele cid a s p elo fa brica nt e d o s e quip a m ent o s.
3.2. Cer t if icar-s e, a nt e s d e exe cu t ar qua lqu er ma no bra, s e tod o s o s r e quisito s
d e s eg u ra n ça es t ão at endid o s.
3.3. Verif icar o es t a d o d e con s erva ção em qu e s e en co nt ra m o s e qu ip a m ento s
d e s eg u ra n ça, t es t a n d o- o s a nt es d e u s á-lo s.
3.4 . Tod a e qua lqu er ma no bra d eve s er feit a com o u s o d e lu va s d e b or ra cha
is ola ntes com sua s resp e ct iva s luva s de prote ção, a lém de fazer us o do es t rado-
is ola d o (m esm o a s qu e s ão feit a s p o r m eio d e vola nt e ou a lava n ca), p oi s o
em pr ego d e a p ena s u m s ó d es s e s e qu ip a m ento s d e s eg u ra n ça é co n sid era d o
i n su f icient e.
3.5. Ter em m ent e qu e a s chave s s e cciona d ora s nu n ca d evem s er o p era d a s com
ca rga (a m eno s qu e a s chaves s eja m d o s t ip o s qu e p o s su em dis p o sit ivo s d e
a b er t u ra em carga).
3.6. I nfo r mar à ELET ROPAU LO com a nt e ce d ên cia o s t ra b a l h o s d e ma nu t en ção
qu e s erão rea l i z ad o s.

Not a: Q ua nd o houver u t ili z a ção d e gerador p ar t icular, o b s ervar rigoro s a m ent e


a s in s t r u ções d a ELET ROPAU LO, confo r m e Fa s cículo d a s CON DIÇÕES GERA IS DE
FOR N ECI M ENTO.

2
4. Cuidados na execução de serviços de manutenção e reparação
O s e quip a m ento s e in s t a la ções d evem s er ma nt id o s em p er feito es t ad o d e
funcionamento e, para isso, necessitam de adequados serviços de manutenção, inclusive
limpeza, além dos serviços de reparação que se fizerem necessários.
Tais serviços devem ser executados por profissional devidamente habilitado, conforme
previsto nas normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, na legislação
vigente e nas determinações do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura – CREA.
Para que a execução desses serviços seja feita com segurança, devem ser atendidas
as seguintes recomendações:
4.1. As chaves para seccionamento (chaves desligadoras) de circuitos e de equipamentos
devem estar à vista ( junto aos equipamentos) e ter dispositivos de abertura que sejam
visíveis.
4.2. Ao ser efetuada a operação de desligamento para execução de serviços, deve ser
constatado se houve efetivamente a abertura das três fases.
4.3. Os dispositivos de seccionamento (disjuntores, chaves), os quais necessitam
p er ma ne cer desligado s dura nte a exe cução dos s erv iço s, devem, ap ós o s eu
desligamento, receber sinalização e travamento por equipamento conveniente (cartão
de impedimento, bandeirolas, etiquetas de aviso, ”block- out”), a fim de evitar que,
inadvertidamente, sejam religados por pessoas estranhas aos serviços.
4.4 . Nunca efetuar empréstimos de energia e interligações elétricas, fixas ou por
meio de chaves ou quaisquer out ros dispositivos, entre unidades consumidoras
distintas, sob qualquer alegação.
4.5. Em entradas consumidoras primárias com circuitos internos e diversos postos
de transformação, ou com diversos transformadores de serviço, ou com gerador
particular, devem ser adotados cuidados especiais contra risco de acidentes por
corrente de retorno. O trecho da instalação, programado para ficar fora de operação
durante a execução dos serviços deve ser desligado tanto pelo lado da fonte como
pelo lado da carga, sendo recomendado seu aterramento temporário.
4.6. Deve ser realizada verificação de ausência de tensão, bem como fazer uso de
aterramento, para a realização de trabalhos de manutenção, pois estas ações são
fundamentais para a segurança no desempenho do serviço.
4.7 . Substituição de Fusíveis Queimados:
4.7 .1. Nas chaves-fusíveis instaladas no poste da Concessionária ou, no caso de
subestação primária simplificada, em poste único, a substituição dos fusíveis
somente pode ser efetuada por funcionário da ELETROPAULO que, para isso,
deve receber imediata comunicação da ocorrência.
4.7 .2. Nos dispositivos fusíveis instalados na entrada consumidora:
A substituição dos fusíveis deve ser feita pelo cliente, observando as seguintes
recomendações:
4.7.2.1. Antes de substituir um fusível queimado, inspecionar as instalações
correspondentes, a fim de apurar e sanar prováveis defeitos que tenham
ocasionado a queima.

3
Recomendações de segurança

4.7 .2.2. Devem ser utilizados todos os EPI e EPC, citados anteriormente.
4.7 .2.3. Na ativ idade de ab ert ura de Ba se-Fusível, Chave-Fusível e Chave-
Faca, em carga, é indisp ensável a ut ilização do Disp ositivo Interr uptor
de arco-volt aico (Load Buster).
Not a: Todo s o s t ra ba l ho s em sis t ema s elét ricos d e p otência d evem p o s suir,
obrigatoriamente, um resp onsável técnico p elos serviços a serem realizados e ordens de
serviços, nas quais devem constar o planejamento do trabalho e os requisitos de segurança
a s erem atendidos, para a execução da at iv idade.

5. Cuidados diversos referentes aos recintos das instalações


5.1. Ma nter b em cons ervada e dev ida mente f i xada na p ort a de acesso a placa de
advertência que contém a des crição: “PER IGO DE MORTE – A LTA TENSÃO” e os
símb olos indicat ivos dess e p erigo.
5.2. Não p er m it ir a ent rada de p ess oa s não habilitada s.
5.3. Cons ervar sempre liv re a ent rada de acesso.
5.4 . Ter à mão utensílios para ilum inação de emergência (faroletes, lanter na s, etc.),
para s e locomover com segura nça ca so falte energia.
5.5. Fe char a p ort a ao sa ir e não dei xar a chave ao a lca nce de p ess oa s não
habilit ada s.
5.6. Ma nter os re cintos limp os, liv res de p o eira, teia s de ara nha e de out ros
elem ento s que em cont ato com a um id ad e p o s s a m tor nar-s e condu tores d e
eletricidade.
5.7. Não guardar materiais ou ferramenta s ness es recintos.
5.8. Nunca desligar os condutores de aterra mento, e verif icar p eriodica mente o
valor da s resistência s da s ligações à terra.
5.9. Em ca so de incêndio desligar a energia elét rica e usar somente ex t intores de
CO 2 ou p ó quím ico s e co (nunca utiliz ar água).
5.10. Para acesso às sub estações primária s, seja para manutenção ou simples visita,
toda s a s p ort a s de acess o deverão s er ma ntida s ab ert a s dura nte todo o temp o de
p er ma nência na sub est ação.

As instalações elétricas devem ser inspecionadas


freqüentemente.
Este é o modo mais seguro para evitar acidentes.