Você está na página 1de 34

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Departamento de Engenharia de Minas


ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Lavra a céu aberto – ENG05007

Teoria e prática
Versão 1.0

Prof. Rodrigo Peroni


2007/01
Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Índice

CAPÍTULO 1. Introdução à lavra a céu aberto _________________________________________ 8


1.1. Histórico _____________________________________________________________________ 8
1.2. Métodos de lavra a céu aberto ___________________________________________________ 8
1.2.1. Lavra em cava (open pit mining)________________________________________________ 9
1.2.1.1. Vantagens e desvantagens do método ___________________________________ 11
1.2.2. Lavra de rocha ornamental (quarry mining) ______________________________________ 12
1.2.2.2. Técnicas de corte ___________________________________________________ 14
1.2.2.2.1. Métodos cíclicos_________________________________________________ 14
1.2.2.2.2. Métodos continuos _______________________________________________ 15
1.2.3. Lavra por lançamento ou lavra em tiras (Open Cast Mining or Strip Mining)_____________ 16
1.2.3.1. Mineração por área (Area mining) _______________________________________ 19
1.2.3.1.1. Regulamentações _______________________________________________ 19
1.2.3.1.2. Operação ______________________________________________________ 20
1.2.3.1.3. Problemas _____________________________________________________ 20
1.2.3.1.4. Planejamento, mobilização e corte pioneiro - Fase 1 ____________________ 21
1.2.3.1.5. Descrição da Operação ___________________________________________ 22
1.2.3.1.6. Operações modificadoras do meio ambiente___________________________ 23
1.2.3.1.7. Operações de mineração e recuperação simultânea - Fase 2 _____________ 23
1.2.3.1.8. Descrição da Operação ___________________________________________ 24
1.2.3.1.9. Recuperação Final e Período de responsabilidade - Fase 3_______________ 25
1.2.3.1.10. Descrição da Operação __________________________________________ 26
1.2.4. Mineração de Contorno _____________________________________________________ 27
1.2.4.1. Pré-Regulamentação_________________________________________________ 27
1.2.4.2. Operação __________________________________________________________ 28
1.2.4.3. Problemas _________________________________________________________ 28
1.2.4.4. Recuperação final e período de responsabiildades – Fase 3 __________________ 29
1.2.4.5. Descrição da Operação _______________________________________________ 30
1.2.5. Lavra de topo _____________________________________________________________ 31
1.2.5.1. Operação e recuperação concomitante – Fases 1 e 2 _______________________ 31
1.2.5.2. Descrição da operação _______________________________________________ 31
1.2.5.3. Recuperação final e período de responsabilidade – Fase 3 ___________________ 32
1.2.5.4. Descrição da operação _______________________________________________ 33
1.2.5.5. Vantagens e desvantagens do método ___________________________________ 33
1.2.6. Métodos de lavra com água __________________________________________________ 34
CAPÍTULO 2. Planejamento de Lavra a Céu Aberto ___________________________________ 35
2.1. Otimização de cava a céu aberto ________________________________________________ 35
2.1.1. Relação estéril-minério (REM) ________________________________________________ 36
2.1.2. Exercícios propostos________________________________________________________ 39
2.1.3. Definição de teor de corte____________________________________________________ 39
2.1.3.6. Exercícios propostos _________________________________________________ 39
2.1.4. Definição de teor de corte segundo algoritmo de Lane (texto traduzido de (Hustrulid and
Kuchta 1995) ___________________________________________________________________ 40
2.1.4.7. Definição do Modelo _________________________________________________ 40
2.1.4.8. Equações básicas ___________________________________________________ 41
2.1.5. Definição de vida útil do projeto (Regra de Taylor) ________________________________ 42
2.1.5.9. Exercícios propostos _________________________________________________ 42
2.1.6. Definição de valor econômico de um bloco ______________________________________ 42
2.1.7. Principais algoritmos ________________________________________________________ 43
2.1.7.10. Cones Flutuantes___________________________________________________ 43
2.1.7.11. Korobov __________________________________________________________ 45
2.1.7.12. Lerchs-Grossmann – 2D _____________________________________________ 47
2.1.7.13. Exercícios propostos ________________________________________________ 51
2.2. Operacionalização de cava a céu aberto __________________________________________ 55

Prof. Rodrigo Peroni 2


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

2.2.8. Exercícios propostos________________________________________________________ 56


2.3. Sequenciamento de lavra ______________________________________________________ 56
CAPÍTULO 3. Operação de lavra e dimensionamento de equipamentos __________________ 61
3.1. Projeto e Configuração de acessos e rampas a céu aberto __________________________ 61
3.2. Dimensionamento de equipamentos de carregamento e transporte ___________________ 64
3.2.1. Unidade discreta de carregamento_____________________________________________ 67
3.3. Tempo de ciclo de caminhões __________________________________________________ 69
3.4. Posicionamento e carregamento ________________________________________________ 70
3.4.2. Tempo de viagem __________________________________________________________ 73
3.4.3. Tempo de manobra e descarga _______________________________________________ 74
3.4.4. Esperas __________________________________________________________________ 74
3.4.5. Atrasos __________________________________________________________________ 75
3.4.6. Tempo de ciclo total ________________________________________________________ 75
3.5. Taxa de produção e dimensionamento de frota ____________________________________ 75
3.5.7. Combinação de caminhões e equipamento de carregamento ________________________ 75
3.5.8. Disponibilidade e utilização___________________________________________________ 76
3.5.9. Produção_________________________________________________________________ 78
3.6. Número de caminhões necessários ______________________________________________ 80
3.7. Caminhões fora de estrada (off road truck) _______________________________________ 83
3.8. Escavadeiras (shovel) _________________________________________________________ 83
3.9. Retroescavadeira (excavator) ___________________________________________________ 83
3.10. Carregadeiras (front end loader) _______________________________________________ 84
3.11. Perfuratrizes (drill) ___________________________________________________________ 86
3.12. Trator de esteira (bulldozer) ___________________________________________________ 86
3.13. Dragline ____________________________________________________________________ 93
3.14. Equipamentos auxiliares ______________________________________________________ 93
3.15. Fabricantes (supplier) ________________________________________________________ 94
CAPÍTULO 4. Projeto e dimensionamento de pilha de estéril ___________________________ 95
4.1. Estimativa de volume de material estéril __________________________________________ 95
4.2. Estudo locacional_____________________________________________________________ 95
4.3. Estimativa de distribuição granulométrica ________________________________________ 95
4.4. Caracterização geoquímica do material estéril_____________________________________ 95
4.5. Estratégia de gerenciamento do material estéril ___________________________________ 95
4.6. Configuração e drenagem das pilhas ____________________________________________ 95
4.7. Análise de estabilidade ________________________________________________________ 95
CAPÍTULO 5. Sistema de transporte contínuo ______________________________________ 106
5.1. Introdução __________________________________________________________________ 106
5.2. Tipos de transportadores _____________________________________________________ 106
5.3. Correias transportadoras _____________________________________________________ 106
5.4. Componentes _______________________________________________________________ 106
5.5. Acessórios _________________________________________________________________ 108
5.6. Tipos e usos ________________________________________________________________ 109

Prof. Rodrigo Peroni 3


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

5.7. Dimensionamento ___________________________________________________________ 109


5.8. Exercício ___________________________________________________________________ 109
CAPÍTULO 6. Projeto de cava a céu aberto usando DATAMINE Studio __________________ 114
6.1. Exercícios genéricos _________________________________________________________ 114
6.2. Elementos para execução dos exercícios usando o DATAMINE Studio v2.0 ___________ 115
6.2.1. Comandos de visualização __________________________________________________ 115
6.2.2. Criação de string __________________________________________________________ 116
6.2.3. Definição de atributos (COLOUR) ____________________________________________ 116
6.2.4. Clique com botão esquerdo x clique com botão direito ____________________________ 117
6.2.5. Definição de ângulo de face de talude _________________________________________ 117
6.2.6. Definição de largura de berma _______________________________________________ 118
6.2.7. Definição de cota da string de fundo de cava____________________________________ 119
6.2.8. Projeção da string de crista _________________________________________________ 119
6.2.9. Projeção da string de pé ____________________________________________________ 120
6.3. Exercício respeitando definições de cava ótima e geometria de cava_________________ 123
CAPÍTULO 7. Referências _______________________________________________________ 130

Prof. Rodrigo Peroni 4


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Lista de figuras

Figura 1 – Sequência de evolução dos métodos de lavra a céu aberto. ___________________ 11


Figura 2 – Lavra de rocha ornamental em bancadas altas. _____________________________ 12
Figura 3 – Lavra de rocha ornamental em bancadas baixas. ____________________________ 13
Figura 4 – Métodos de avanço de lavra em rocha ornamental. __________________________ 13
Figura 5 – Disposição típica de equipamentos e frentes de lavra em pedreira de rocha
ornamental. _______________________________________________________ 14
Figura 6 – Configuração típica de lavra por lançamento usando uma bucket whell
excavator._________________________________________________________ 16
Figura 7 – Configuração típica de lavra por lançamento usando dragline para remoção de
material de cobertura. _______________________________________________ 17
Figura 8 - Configuração típica de lavra por lançamento usando dragline para remoção de
material de cobertura. _______________________________________________ 17
Figura 9 – Configuração típica de lavra por lançamento usando dragline para remoção de
material de cobertura. _______________________________________________ 18
Figura 10 – Configuração típica da fase de operação de um depósito lavrado pelo
método de mineração por área. ________________________________________ 20
Figura 11 – Configuração típica de um depósito em fase de planejamento e abertura do
corte pioneiro em mineração por área. __________________________________ 22
Figura 12 – Cofiguração típica de mineração por área em sua fase recuperação e lavra
simultânea. ________________________________________________________ 24
Figura 13 – Configuração típca de mineração por área em seu estágio de recuperação
final. _____________________________________________________________ 26
Figura 14 – Configuração típica de lavra em contorno em fase de desenvolvimento e
operação. _________________________________________________________ 28
Figura 15 – Configuração típica de lavra em contorno em sua fase de recuperação final. _____ 30
Figura 16 – Configuração típica de lavra em topo em fase de desenvolvimento e
operação. _________________________________________________________ 31
Figura 17 – Configuração final do terreno após reabilitação da lavra de topo._______________ 33
Figura 18 – Modelo de blocos conceitual. ___________________________________________ 35
Figura 19 – Relação estéril minério ________________________________________________ 36
Figura 20 – Incremento na escavação de estéril para aprofundamento da cava. ____________ 37
Figura 21 – Cavas incrementais com o aprofundamento do minério.______________________ 37
Figura 22 – Representação da REM decrescente ____________________________________ 38
Figura 23 – Representação da REM crescente. ______________________________________ 38
Figura 24 – Método da REM constante. ____________________________________________ 39
Figura 25 – Remoção do primeiro cone positivo. _____________________________________ 43
Figura 26 – Remoção do segundo cone positivo. _____________________________________ 43
Figura 27 – Remoção do terceiro cone positivo. ______________________________________ 44
Figura 28 – Cava final otimizada pelo método dos cones flutuantes. ______________________ 44
Figura 29 – Cone individual 1 não lucrativo. _________________________________________ 44
Figura 30 – Cone individual 2 não lucrativo. _________________________________________ 44
Figura 31 – Superposição de cones não lucrativos tornando-se uma cava lucrativa. _________ 44
Figura 32 – Seqüência de otimização mostrando a obtenção da cava com maior retorno
financeiro._________________________________________________________ 45
Figura 33 – Resolução do problema de otimização de cava pelo método de Korobov. ________ 45
Figura 34 – Adição dos primeiros blocos ao conjunto de soluções. _______________________ 45
Figura 35 – Atualização dos blocos da segunda linha. _________________________________ 45
Figura 36 - Atualização dos blocos do segundo nível. _________________________________ 45
Figura 37 - Atualização dos blocos do terceiro nível___________________________________ 46
Figura 38 - Atualização dos blocos do quarto nível. ___________________________________ 46
Figura 39 – Inclusão dos blocos do quarto nível. _____________________________________ 46
Figura 40 - Cava final para o método de Korobov. ____________________________________ 47
Figura 41 – Configuração Geometria do corpo mineral. ________________________________ 47
Figura 42 - Modelo de blocos inicial valorizado economicamente. ________________________ 48
Figura 43 - Modelo de blocos econômico final. _______________________________________ 48
Figura 44 - Soma cumulativa por colunas. __________________________________________ 48

Prof. Rodrigo Peroni 5


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 45 - Procedimento para definir o máximo valor cumulativo e maximizar a direção. _____ 49
Figura 46 - Progressão do processo de soma até a coluna 7. ___________________________ 49
Figura 47 - O processo de soma se estende para toda a seção. _________________________ 50
Figura 48 - Determinação da cava ótima. ___________________________________________ 50
Figura 49 - Limite otimizado superposto ao modelo de blocos. __________________________ 50
Figura 50 – Elementos geométricos de uma cava a céu aberto. _________________________ 55
Figura 51 – Geometria de cava operacional com rampas. ______________________________ 56
Figura 52 – Ângulos de talude atenuados até a interceptação do limite de cava. ____________ 59
Figura 53 – Intervalo de distância de transporte tipica para diferentes equipamentos de
transporte aplicados em movimentação de material a céu aberto. _____________ 70
Figura 54 – Layout de janelas da interface do DATAMINE Studio v2.0.____________________ 115
Figura 55 – Barra de ferramentas de controle de visualização (view control) _______________ 116
Figura 56 – Acesso ao menu e barra de ferramentas de edição de pontos e strings. _________ 116
Figura 57 – Acesso ao menu de edição de atributos de strings. _________________________ 117
Figura 58 – Acesso ao menu de definição de ângulo de projeção de strings. _______________ 117
Figura 59 – Acesso ao menu de projeção de strings via ferramentas de design de cava.______ 118
Figura 60 – Acesso ao menu de controle de visualização de barras de ferramentas. _________ 118
Figura 61 – Acesso ao menu de contrle e definição de largura de berma.__________________ 118
Figura 62 – Barra de ferramentas “open pit” para definição de largura de berma. ____________ 119
Figura 63 – Janela de interação para definição da largura de berma. _____________________ 119
Figura 64 – Alternativa para definição de plano de digitalização e “snap” ao ponto
definida nas coordenadas digitadas. ____________________________________ 119
Figura 65 – Acesso à ferramenta de “Road Contour” via menu e/ou via barra de
ferramentas open pit. ________________________________________________ 120
Figura 66 – Janela de interação para definição do nível em que o contour será criado. _______ 120
Figura 67 – Acesso à criação de berma via barra de ferramentas “open pit”. _______________ 120
Figura 68 – Aspecto visual de string original, string projetada na bancada definida e
berma. ___________________________________________________________ 121
Figura 69 – Prejeção de strings com diferentes ângulos em diferentes setores da cava. ______ 122
Figura 70 – Menu de acesso à projeção de string. ____________________________________ 122
Figura 71 – Janela1 de output com interação com o usuário. ___________________________ 123
Figura 72 - Janela1 de output com interação com o usuário. ____________________________ 123
Figura 73 – Menu de contexto ao clicar com o botão direito do mouse na janela de
design. ___________________________________________________________ 123
Figura 74 124
Figura 75 124
Figura 76 125
Figura 77 – Janela de interação para definição do novo ângulo de projeção. _______________ 125
Figura 78 – Acesso ao menu para conversão de corte do wireframe para string. ____________ 125
Figura 79 – Eliminação de cruzamentos dentro de strings. _____________________________ 125
Figura 80 – Menu de controle de barra de ferramentas. ________________________________ 126
Figura 81 – Janela de interação para definição da elevação de criação do contour. __________ 126
Figura 82 126
Figura 83 127
Figura 84 127
Figura 85 128

Prof. Rodrigo Peroni 6


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Lista de tabelas

Tabela 1 – Métodos de lavra a céu aberto. __________________________________________ 9


Tabela 2 – Cálculo das somas cumulativas para a coluna 6. ____________________________ 48
Tabela 3 – Comparação entre cenários ____________________________________________ 58
Tabela 4 – Fator de enchimento de concha conforme o tipo de material ___________________ 67
Tabela 5 – Tempos parcias do ciclo de carregamento para carregadeira frontal. ____________ 68
Tabela 6 – Ciclos de trabalho típicos para carregadeiras frontais. ________________________ 71
Tabela 7 – Fatores de enchimento de concha típicos para diferentes materiais. _____________ 72
Tabela 8 – Tempo de ciclo típico para escavadeira frontal em condições severas de
trabalho. __________________________________________________________ 73
Tabela 9 – Tempo de ciclo baseado em caminhões de 109 t de carga real. ________________ 76
Tabela 10 – Distribuição de tempos de paradas programadas, sem esperas programadas. ___ 76
Tabela 11 – Distribuição real de tempos de caminhões sem esperas programadas. _________ 76
Tabela 12 - Dados de produção da frota de caminhões. _______________________________ 78
Tabela 13 – Produção da frota para o caso C baseado em probabilidade de 0.9606._________ 79
Tabela 14 – Distribuição real de tempos da frota de caminhões para uma produção de 9072t
por turno. _________________________________________________________ 79
Tabela 15 – Produção do sistema de carregamento e transporte. ________________________ 80

Prof. Rodrigo Peroni 7


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

CAPÍTULO 1. INTRODUÇÃO À LAVRA A CÉU ABERTO

A evolução dos métodos de mineração tem feito com que cada vez mais a da extração se torne
mais eficiente e teores cada vez mais baixos tornem-se aproveitáveis do ponto de vista econômico. A
evolução das tecnologias está vinculada a dois aspectos principais, a capacidade de fragmentação de
rochas e a movimentação do material fragmentado. A redução de custos na fragmentação está em
muito relacionada à introdução de explosivos para fragmentação de rochas, que até o presente
momento não possui substituto à altura quando falamos em custos por tonelada, é claro reservadas
as situações onde os explosivos possuem suas limitações (principalmente do ponto de vista
ambiental). Do ponto de vista de movimentação de material, a tendência tem sido a produção de
equipamentos cada vez maiores e mais eficientes, o que permite pela regra geral da economia de
escala que sejam lavrados minérios com custos de produção mais baixos, o que significa lavrar
depósitos ou painéis de lavra ou mesmo blocos com menores teores. Além disso depósitos que em
épocas passadas eram somente passíveis de explotação econômica via métodos subterrâneos,
passam a ser viáveis economicamente por métodos de lavra a céu aberto.

1.1. Histórico

A mineração ao lado da agricultura tem sido a atividade de empenho desde os primórdios da


humanidade, sendo classificadas como atividades primárias da civilização humana. Para expressar a
importância fundamental da mineração tanto na cultura antiga como moderna podemos relembrar que
a natureza provê fontes limitadas de recursos para geração de riqueza. Desde a pré história a
mineração tem estado presente e tem sido essencial para a existência do homem, aqui o termo
mineração é utilizado no seu contexto mais amplo englobando a extração de todas as ocorrências
naturais de substâncias minerais sejam sólidas, líquidas ou gasosas para uso e satisfação de
necessidades e desejos dos seres humanos. De fato muitas das idades culturais do ser humano
estão vinculadas e associadas por minerais ou seus derivados. Por exemplo a referência da Idade da
Pedra (anterior a 4000 A.C.), Idade do Bronze (4000 a 1500 A.C), a Idade do Ferro (1500 A.C a 1780
D.C.). Além do fato de que as grandes descobertas da Idade Média, Moderna e Contemporânea
foram motivadas por interesses econômicos e domínio de territórios com a finalidade de novas
descobertas minerais.

1.2. Métodos de lavra a céu aberto

A lavra de depósitos de minerais metálicos, industriais e agregado para a construção civil onde
os operários não são expostos ao ambiente subterrâneo com enclausuramento das operações, é
denominada de lavra a céu aberto. As técnicas de lavra a céu aberto podem ser subdivididas em
duas grandes classes e subdivididos em métodos específicos conforme apresentado na Tabela 1.

Prof. Rodrigo Peroni


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Tabela 1 – Métodos de lavra a céu aberto.


Classe Método
Mecânica Lavra em cava
Lavra por lançamento
Lavra de rocha ornamental
Lavra de encosta
Em presença de água Desmonte hidráulico
Dragagem
Lixiviação
Dissolução

Dentre os métodos citados os métodos da classe mecânica respondem por mais de 90% da
produção mundial de minério e ainda dentre esses os dois primeiros têm um significado especial pela
importância e variedade de aplicações em que podem ser empregados. Amplamente aplicados a
lavra em cava e a lavra por lançamento aplicam o ciclo convencional de operações para extrair
minério, onde a fragmentação é usualmente executada por perfuração e desmonte com explosivos,
seguido pelo manuseio do material com as operações de escavação e transporte.

1.2.1. LAVRA EM CAVA (OPEN PIT MINING)


Na lavra em cava todo material de cobertura é removido e transportado para uma área de
depósito, de maneira a descobrir o minério. Ambos, remoção do material de cobertura e minério de
interesse são conduzidos na forma de forma de bancadas. Um depósito profundo ou espesso, típico
de minérios metálicos requerem diversas bancadas e assemelha-se (grosseiramente) a um formato
piramidal ou cônico invertido, onde cada aprofundamento de bancada possui um raio menor pois
devem ser considerados fatores de estabilidade de taludes que impõem condições de segurança para
que haja o aprofundamento da cava. De outra maneira, uma única bancada pode ser suficiente para
lavrar um depósito de carvão por exemplo e seu material de recobrimento.
O fato de termos diversas bancadas expostas garante também a existência de diversas frentes
de lavra permitindo que seja feita uma operação contínua e sustentável, além de permitir flexibilidade
de operações. Após o avanço da descobertura para exposição do minério, as operações de remoção
de estéril e lavra de minério são coordenadas de maneira que os lucros irão pagar pelos custos, ao
mesmo tempo que os objetivos de longo prazo são respeitados.
As bancadas individuais são projetadas de maneira a acomodar os equipamentos de
movimentação de material utilizados para lavrar o depósito. A altura da bancada é limitada pelo
alcance da escavadeira. A largura de bancada deve ser suficiente para acomodar o material
fragmentado a partir do desmonte além de possuir espaço de manobra suficiente para equipamento
de escavação e transporte. Os ângulos de talude são determinados por características intrínsecas do
material escavado (mecânica de rochas e mecânica de solos)
Pela sua própria natureza, a operação em cava envolve o transporte de quantidades
moderadas a grandes de material estéril e minério para fora da cava, a distâncias relativamente
longas e a declividades elevadas. Esses requerimentos afetam a configuração da cava, a seleção dos
equipamentos e as razões de produção requeridas. Devido ao fato de teores de minério serem
normalmente baixos, a produtividade de equipamentos deve ser elevada e as razões de descobertura
3
devem ser mantidas a níveis modestos (normalmente de 0 a 5 m /t), assim os limites de profundidade
são intermediários, geralmente não ultrapassando 300 m (Atkinson 1983). O constante
desenvolvimento tecnológico dos equipamentos com a redução progressiva dos custos operacionais
tem permitido que esse limite tenha sido ultrapassado e cada vez maiores profundidades têm sido
atingidas em lavra a céu aberto.
Os maiores passos no desenvolvimento do método são os seguintes:
• Limpeza do terreno;
• Locação de pilhas de estéril e barragens de rejeito;
• Estrutura de apoio deve estar locada nas proximidades da cava (ponto de descarga, pilhas de
estoque, planta de beneficiamento, etc);
• Seleção e aquisição de equipamentos conforme a necessidade;
• Descobertura inicial para exposição do minério;
Combinação de descobertura com lavra propriamente dita do minério de acordo com os planos
de custo e longo prazos definidos;

Prof. Rodrigo Peroni 9


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

O estabelecimento da primeira bancada e de cada bancada posterior no estéril ou no minério é


sempre uma operação crítica. O ponto de entrada, ou o corte inicial é chamado de corte pioneiro ou
corte caixão (do inglês box cut). Em termos de consumo de explosivos, se esse for necessário, o
rebaixamento da superfície demanda sempre uma quantidade maior de explosivos do que as
quantidades e razões de carga utilizadas para a operação normal de desmonte de rocha em
bancada.
Dentro do ciclo de operações podemos distinguir três principais:
Remoção de estéril – o processo de remoção de estéril envolve a movimentação de material
para exposição do corpo mineralizado bem como a moviemntação de material com teores abaixo do
teor econômico (teor de corte). As operações unitárias envolvem perfuração e desmonte (se for
necessário o uso de explosivos, senão desmonte mecânico pode ser uma alternativa), escavação e
carregamento.
Lavra do minério (ou material de interesse) – o ciclo de operações é muito semelhante ao ciclo
de operações empregado no processo de remoção de estéril. Quanto mais semelhante for a rocha
estéril da rocha hospedeira da mineralização mair será a similaridade das operações de remoção de
estéril e lavra de minério, de maneira que possa ser empregada a mesma frota de equipamentos e
técnicas de desmonte, escavação e transporte para ambos. Adiciona-se a esta operação, para casos
onde a produndidade da cava torna-se fator significativo o transporte vertical ou içamento, para
vencer com maior eficiência a grande diferença de nível entre os níveis inferiores da cava e a
superfície, onde está instalada a planta de beneficiamento, evitando custos excessivos com a
aquisição de equipamentos de transporte (caminhões por exemplo) em excesso para suprir a elevada
distância de transporte existente.
Operações auxiliares – dentre as operações auxiliares estão envolvidas uma extensa gama de
áreas que demonstram a interação entre as diversas áreas da empresa na complementação das
operações de lavra propriamente ditas, conforme apresentadas no itens anteriores:
• Saúde e segurança;
• Controle e monitoramento do meio ambiente;
• Controle de terreno;
• Abastecimento de energia e água;
• Gerenciamento de águas superficiais e subterrâneas;
• Disposição de estéril;
• Suprimento de material de operação;
• Manutenção e reparo;
• Iluminação;
• Sistema de comunicação e despacho;
• Construção e manutenção de acessos e estradas;
• Transporte de pessoal.
Dependendo da natureza do corpo mineralizado, condições geológicas e geotécnicas e fatores
tecnológicos, variações do método são possíveis, com as diferenças sendo principalmente
associadas com o projeto de cava e equipamentos de lavra, pois a sequência básica de
desenvolvimento e ciclo de operações são muito similares (Figura 1)

Prof. Rodrigo Peroni 10


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 1 – Sequência de evolução dos métodos de lavra a céu aberto.


Figura 6.3 pag 185 – Hartman.

1.2.1.1. VANTAGENS E DESVANTAGENS DO MÉTODO


Entre as principais vantagens, podemos citar que é um método de lavra que pode ser aplicado
a praticamente qualquer tipo de mineralização e corpo mineral, é um método que permite elevado
nível de mecanização e portanto produtividades elevadas podem ser obtidas, principalmente pela
escala de produção, apesar do método ser empregado também em operações de pequeno porte. O
método é relativamente flexível, podendo variar a escala de produção conforme demanda, ainda que
incorra em variação de investimentos no caso de aumento ou imobilização de capital em caso de
redução de produção. Em termos de aproveitamento do depósito praticamente a recuperação fica
próxima de 100%, à excessão das áreas vizinhas aos limites de cava econômica, com baixa diluição.
É um método que pela sua natureza, é menos agreesivo que qualquer método subterrâneo evitando
a exposição aos riscos inerentes à esse tipo de operações.
Como desvantagens do método, podemos citar que é limitado pela profundidade, onde o limite
tecnológico estabelece a limitação do equipamento e limites econômicos determinam a relação
estéril-minério máxima. Pela característica de mecanização e razão de produção elevada, é um
método que exige elevados investimentos de capital. O fato de ser uma operação a céu aberto exige

Prof. Rodrigo Peroni 11


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

que seja feita uma recuperação da área degradada, o que incide em aumento dos custos
operacionais. Para que se justifiquem os baixos custos de produção pelo efeito escala, deve se tratar
de depósitos de grandes dimensões ou de elevados teores. A estabilidade de taludes é fundamental
para a continuidade das operações ao longo da vida útil da mina, assim manutenção de bancadas e
monitoramento periódico dos taludes deve ser uma constante ao longo do projeto. O gerenciamento
de águas e drenagem da cava são essenciais para o avanço em profundidade, principalmente em
regiões de alta precipitação ou de lavra abaixo do nível freático. Deve ter disponibilidade de áreas
para disposição de estéril.

1.2.2. LAVRA DE ROCHA ORNAMENTAL (QUARRY MINING)


Lavra de rocha ornamental consiste na produção de blocos prismáticos que são
grosseiramente de dimensões e formas regulares. Esse tipo de lavra se assemelha ao método de
lavra em cava, porém as bancadas (também chamadas de faces) são menores e aproximadamente
verticais. O método é extremamente restrito à rochas com aplicação para pisos, revestimentos e
decorativo na indústria civil, rochas ornamentais típicas são granitos, gneisses, gabros, mármores,
calcáreos, arenitos, ardósias. A ordem listada está aproximadamente relacionada com a dificuldade
de cortar a rocha e consequentemente com os custos associados no corte desse tipo de rocha. Pela
dificuldade de corte e custos associados com essa operação, lavra de rocha ornamental é
extremamente dispendiosa (custo por tonelada em média 30 a 50 vezes maior do que o custo por
tonelada de lavra em cava) , sendo o método de lavra a céu aberto de maior custo unitário. É também
um método altamente seletivo e de escala reduzida com baixas produtividade. As propriedades que
tornam um depósito de rocha ornamental econômico são referentes muitos mais às propriedades
físicas do que químicas do material. Entre as propriedades físicas estão incluídas cor e aparência,
competência, uniformidade, textura, resistência, ausência de defeitos, fraturas e descontinuidades.
A sequência de desenvolvimento também é extremamente particular desse tipo de depósito.
Primeiramente é feita uma limpeza da área a ser lavrada, instalação das estruturas físicas de apoio
necessárias à lavra. A geração de material estéril é substancial, portanto a disponibilidade de áreas
de disposição de estéril próximas à área de lavra é importante. A remoção do material estéril de
cobertura para exposição do maciço rochoso além da porção intemperizada da rocha, com o uso de
explosivos se necessário.
Em termos de lavra as variações do método estão vinculadas ao tipo de afloramento e ao tipo
de corte empregado para seccionamento dos blocos. Dentre as variações e casos particulares de
lavra de rochas ornamentais destaca-se os seguintes:
Lavra por bancadas
Bancadas altas

Figura 2 – Lavra de rocha ornamental em bancadas altas.

Bancadas baixas

Prof. Rodrigo Peroni 12


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 3 – Lavra de rocha ornamental em bancadas baixas.

Lavra por painéis verticais


Lavra por desmoronamento
Lavra em cava
Lavra de matacos

Figura 4 – Métodos de avanço de lavra em rocha ornamental.

Prof. Rodrigo Peroni 13


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 5 – Disposição típica de equipamentos e frentes de lavra em pedreira de rocha ornamental.


figura 6.5 pag 190 Hartman 1987

1.2.2.2. TÉCNICAS DE CORTE


Existem basicamente dois grupos de técnicas de corte, a saber (Mata 2003):
1.2.2.2.1. Métodos cíclicos
As tecnologias de cortes cíclicos exigem a execução de furos na rocha para o desmonte.
Alguns com utilização de explosivos de baixa velocidade de choque. Já as tecnologias de corte
contínuo não realizam furação. Abaixo definiremos os principais tipos de cortes usados para
desmonte.
Perfuração e explosivo Consiste em perfurar a rocha com martelete pneumático em furos
coplanares e paralelos com espaçamento correspondente entre 8 e 20 vezes o diâmetro dos furos.
Nos furos podem ser colocados explosivos tipo pólvora negra, nitrato de amônia, cordel detonante e
cartuchos explosivos de baixa velocidade de choque. Os furos de diâmetros entre 3,2 cm e 3,4cm
devem ficar espaçados de 26 a 70cm, e receber a carga de explosivo adequada, de forma que o
plano de fogo seja suficiente para isolar uma fatia de rocha, visando o esquadrejamento ou novas
subdivisões sem danificar o material. Os cálculos devem considerar as características físicas e
mecânicas das rochas para evitar maiores perdas no fogo, podendo usar, inclusive, software
específicos que simulem um desmonte eficaz.
Perfuração contínua - Trata-se da realização de várias perfuração bastante próximas ou
adjacentes uma da outra, por equipamentos conhecidos como corta blocos (slot drill), onde são
acoplados um ou mais marteletes pneumáticos que executam a operação simultânea, ao deslocar-se
sobre uma espécie de trilho. A operação é conduzida através de rotação contínua e reversível com
percussões sobre a broca promovendo uma fenda contínua por toda a linha de furo. Logo, aqui não
se utiliza explosivos. Esta técnica provoca menos perda de material que a anterior, mas é muito
custosa por causa da grande quantidade de brocas utilizadas.
Divisão mecânica por cunhas - Consiste na perfuração da rocha por diversos furos separados
linearmente em espaços curtos e posterior divisão com aplicação de cunhas, que posicionando-se
entre palmetas (linguetas de metal), efetua-se percussão manualmente com a ajuda de uma marreta,
até criar fissura e partir a rocha. Esta técnica causa atraso na produção já que pode durar muitas
horas para partir determinadas rochas, diminuindo, assim, a produtividade da lavra. O custo da

Prof. Rodrigo Peroni 14


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

perfuração é também alto em razão da quantidade de furos realizados e se a prancha rochosa for de
grande tamanho, esses furos correm risco de sofrer desvios reduzindo a recuperação da mina.
Divisão por agentes expansivos - O princípio é o mesmo da técnica anterior. Diferencia,
entretanto, na substituição das cunhas por um tipo de massa auto expansiva (aplicadas nos furos) e
no espaçamento que agora é ampliado (menos perfurações), resultando num melhor custo benefício
durante a produção de blocos. O corte das pranchas não afetam a integridade física das rochas,
gerando, assim, menos rejeito e aumentando a produção.
1.2.2.2.2. Métodos continuos
Fio helicoidal e diamantado - Essas duas ferramentas de desmonte classificam-se entre
aquelas de corte contínuo, cuja operação de desdobramento das pranchas não são interrompidas até
atingir o ponto de alcance final do equipamento em determinado local do maciço. O fio helicoidal é
composto de três fios de aço trançados em forma de helicóide, puxados por um motor e orientado por
roldanas. Este é um equipamento usado normalmente para separar grandes pranchas de mármores,
que são rochas relativamente macias, para após serem subdivididas com outras técnicas, até as
dimensões de um bloco comercial. A operação de corte se faz em conjunto com uma lama abrasiva,
composta de 70% de água e 30% de areia quartzosa. Esta lama é que corta o mármore, assim como
2
também serve para resfriar o fio. A sua velocidade de corte é baixa (1 a 2 m / hora) e são
necessários, no início do corte, 8 litros de água por minuto (Chiodi Filho, 1995). Atualmente este
equipamento vem sendo substituído pelo fio diamantado que possui melhor desempenho. O fio
diamantado é também tracionado por um motor com roldanas no sistema. Ele é composto por um fio
de aço de 5mm de diâmetro, sobre o qual estão fixadas pérolas diamantadas de mais ou menos
10mm de diâmetro, responsáveis pelo corte da rocha. A quantidade de pérola depende da finalidade
do fio: se for usado para mármore serão 30 a 32 pérolas por metro de fio; já no granito são
comumente utilizadas 40 pérolas por metro de fio. A velocidade do fio diamantado é bastante superior
ao do fio helicoidal, ou seja: nos travertinos 10 a 15m2 /h; nos
Chama térmica (flame jet) - Trata-se de uma técnica que utiliza para desmonte de rochas um
tipo de lança com bico que suporta a injeção de uma chama de até 2500°C. A chama é produzida por
uma mistura de diesel e ar comprimido, aplicável em rochas silicatadas, de preferência naquelas que
apresentam maior homogeneidade. O efeito do calor atinge principalmente o mineral de quartzo que
possui 2 coeficientes distintos de dilatação. Simultaneamente ao corte utiliza-se água para resfriar a
rocha e reduzir maiores perdas do material lapídeo. Esse tipo de técnica provoca cortes na rocha com
espessuras de até 10 cm, sendo que a profundidade pode alcançar de 6 a 8m. O problema está nas
laterais da rocha cortada, pois são normalmente danificadas por micro fraturas em até 30cm de cada
lado, em razão do forte calor produzido pela chama. Isso faz aumentar as perdas de material durante
o processo de extração. A velocidade do corte não é boa, ficando em torno de 1 m2/h. A poluição
sonora da operação é muito forte, atingindo até 130 decibéis. O consumo de diesel apresenta
3
também desvantagem já que o aparelho precisa de 65 l/h, além de 10 m /h de ar comprimido a 0,7
MPa de pressões. Portanto, esta técnica leva desvantagem em relação ao custo operacional, a sua
baixa produtividade e ao impacto gerado com a maior produção de rejeitos, além da forte poluição
sonora. Apesar disso tudo, esta técnica é ainda aplicada com certa freqüência no Brasil.
Cortador a corrente - A tecnologia usada com essa máquina consiste em efetuar cortes nas
rochas estabelecendo uma sucessão de planos paralelos. Podem ser feitos planos de serragem
verticais como também horizontais. Encontram-se dois tipos de equipamentos: - aqueles que operam
sobre trilhos para pedreiras a céu aberto; - e aqueles que operam sobre colunas, muito utilizados nas
lavras subterrâneas. Essas colunas funcionam como se fossem pequenos elevadores. Cujo objetivo é
elevar o nível do corte na parede rochosa, com o deslocamento vertical da máquina sobre as colunas
durante o seu funcionamento. O campo de ação dessas máquinas se estendem das pedras macias
(carbonatadas) às pedras duras (silicatadas). Para as rochas macias as máquinas utilizam correntes
providas de dentes de carbureto de tungstênio; já para as rochas duras os dentes dessas correntes
contêm plaquetas de diamante. A máquina possui um braço que permite atingir até 4 metros de
profundidade. O desempenho do cortador a corrente depende da rocha: se for de dureza alta o corte
2 2
pode avançar em torno de 5 a 6 m /h, caso contrário o corte poderá atingir até 30 m /h. É uma técnica
considerada limpa e produtiva em termos quantitativos e qualitativos.
Jato d’água (waterjet) - Trata-se de uma técnica introduzida recentemente na extração de
rochas ornamentais, funcionando por intermédio de um equipamento que através de uma bomba de
alta pressão, ejeta um fio d’água a velocidades de 300 m/s a 500 m/s gerando pressões respectivas

Prof. Rodrigo Peroni 15


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

entre 150 MPa a até 300 MPa, superior à maioria das resistências das rochas. Os parâmetros
principais que influenciam na performance são: a pressão d’água, a sua vazão e a velocidade de
corte. Essa técnica permite extrair blocos regulares com mais qualidade, aumentando bastante a
recuperação ao contrário do que acontece com a maioria das explotações com explosivos. A erosão
provocada pelo jato d’água está relacionada essencialmente com as micro descontinuidades das
rochas, a saber: a porosidade, o tamanho dos grãos dos minerais constituintes, a composição
mineralógica, o grau de meteorização e comportamento elástico. O consumo de água no pior dos
casos fica em torno de 60 l/min (ref XXX do texto do DNPM SORIA e outros, 1995).

1.2.3. LAVRA POR LANÇAMENTO OU LAVRA EM TIRAS (OPEN CAST MINING OR STRIP MINING)
A lavra por lançamento é um método de explotação de superfície usado essencialmente para
carvão, que se assemelha ao método de lavra em cava porém difere em um único aspecto. O
material de cobertura não é disposto para o depósito de estéril por meio de transporte por caminhões
ou equipamentos que se deslocam por estradas e acessos e sim por lançamento direto seja por
explosivos seja por equipamento de escavação (dragline). Dessa forma o manuseio de material
consiste na escavação e transporte (por lançamento) geralmente combinados em uma única
operação unitária e executada por um único equipamento. Por isso a diferenciação em um método
único e o que faz do método uma técnica de alta produtividade e menor custo unitário dentre os
métodos de ampla aplicação em lavra a céu aberto. Porém não é somente o fato de concentrar
escavação e transporte em uma única operação que torna o método atrativo, o fato de permitir
depositar o material estéril em áreas previamente mineradas significa que a taxa de exposição e pré-
descobertura em avanço é a mínima possível. Dessa maneira a operação de lavra propriamente dita,
fica concentrada em uma área bastante restrita. Além disso, a deposição de material estéril na sua
posição de destino final permite que seja feita a recomposição do terreno imediatamente após a lavra.
Assim a produtividade da operação de lavra é determinada pelo equipamento de escavação de
cobertura, pelo fato da utilização dos maiores equipamentos o número de frentes de lavra é
extremamente limitada conferindo pouca flexibilidade para variações nos planos de lavra, bem como
toda a produção é executada por um único equipamento, fragilizando a produção em casos de
paradas, quebras e atrasos devido ao equipamento.
Diferentemente do método em cava, o mesmo equipamento não pode ser utilizado para
remoção de material estéril e lavra de minério. Como o processo de disposição por lançamento
requer equipamentos específicos para a atividade que se propõem ao passo que a lavra
propriamente dita do minério é executada por equipamentos convencionais de escavação e
transporte usados na lavra em cava.

Figura 6 – Configuração típica de lavra por lançamento usando uma bucket whell excavator.

Prof. Rodrigo Peroni 16


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 7 – Configuração típica de lavra por lançamento usando dragline para remoção de material de cobertura.

Figura 8 - Configuração típica de lavra por lançamento usando dragline para remoção de material de cobertura.

Prof. Rodrigo Peroni 17


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figuras 6.9, 6.10 e 6.11 pag 196, 197 e 198 Hartman 1987
Pela característica dos depósitos onde são aplicados esse tipo de método (corpos planos,
tabulares e extensos am área) e o padrão repetitivo, planos de lavra não necessitam ser tão
elaborados quanto os planos de lavra em cava. Contudo em terrenos mais acidentados ou em
situações de mergulho acentuado da camada mineralizada, o conhecimento do comportamento da
relação estéril minério (REM) e a definição dos limites econômicos de lavra são fundamentais.
Conforme comentado anteriormente o método de lavra determina seu desenvolvimento pela operação
de descobertura, dessa forma a seleção do equipamento de remoção de estéril é uma decisão
primordial, ficando a escolha dentre os seguintes equipamentos e provavelmente nessa ordem de
preferência:
• Dragline
• Cable Shovel (escavadeira frontal a cabo)
• Bucket whell
Na medida que diversos fatores devem ser considerados na seleção e dimensionamento do
equipamento (ex. Dificuldade de escavação favorece escavadeira, escavação profunda ou longo
alcance favorece a dragline, alta capacidade favorece a bucket whell), a razão de produção do
equipamento é o parâmetro de desempenho chave a ser considerado.
Dentre as variações do método aplicado à depósitos de carvão podem ser citados “area
mining”, onde a lavra é executada terreno plano e com camadas horizontais e planas em cortes retos
e paralelos ao longo do depósito. O “contour mining” é executado em terreno acidentado com os
cortes posicionados de maneira a rebaixar as elevações do terreno, avançando da borda aflorante do
minério em direção ao centro da elevação até onde a REM permita a lavra econômica. A existência
de múltiplas camadas sobrepostas exige uma abordagem especial, onde o sequenciamento deve ser
muito bem planejado de maneira a evitar retomada excessiva de material. O corte inicial é executado
conforme mostrado na Figura 9 (a). Assim a draga remove a cobertura da camada superior de carvão
na primeira passada. A base da pilha de estéril toca a base da camada inferior de carvão, então a
camada superior de carvão é lavrada e a pilha de estéril é nivelada, de maneira que permita a
operação pela draga posicionada agora sobre a pilha de estéril que normalmente irá operar na
direção oposta à da descobertura. A segunda passada é executada pela draga novamente no sentido
de avanço, removendo a cobertura da segunda camada. A principal vantagem é o uso de um único
equipamento para efetuar a descobertura e o mínimo de remanuseio de material, como desvantagem
é que o alcance da lança da draga deve ser grande para executar a operação.

(a) (b)
Figura 9 – Configuração típica de lavra por lançamento usando dragline para remoção de material de cobertura.
(fig 6.14 pag 206 Hartman)

Prof. Rodrigo Peroni 18


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

1.2.3.1. MINERAÇÃO POR ÁREA (AREA MINING)


Utilizando-se mineração por área, mais carvão é extraído do que por qualquer outra técnica.
Entretanto, devido ao fator econômico, a maioria das operações é de larga escala. Grande parte do
carvão explotável por mineração por área de superfície é encontrada nos estados a oeste do
centésimo meridiano, mas grandes quantidades também são encontradas nos estados do meio-
oeste, frequentemente abaixo de solos férteis de fazendas.
Pequenas operações preparam o terreno usando scrapers, tratores e/ou combinações
carregadeira-caminhão ou escavadeira-caminhão; mas alguns irão usar draglines ou escavadeiras
como seus principais removedores de cobertura. Aqui é mostrada uma dragline, trabalhando um local
de camada única com razão de cobertura/carvão em 8:1 e fator de empolamento de 10%, ante os
regulamentos que a recuperação requer.
Para ser econômica, a mineração por área deve minimizar a dupla movimentação da cobertura.
Dessa forma, uma pilha de armazenamento da cobertura é feita próxima ao corte inicial. A cobertura
retirada dos cortes subseqüentes é depositada no corte anterior deixando uma série de montes e
vales. Ao final das operações, conforme decreto das regulamentações o corte final permanece,
frequentemente com lâmina d’água e com o talude de descobertura exposto.
Dependendo do maquinário e métodos usados, o estéril geralmente é invertido, com a
cobertura e o subsolo sendo enterrados e o estrato próximo ao carvão na parte superior. Isso
geralmente resulta numa camada superficial inutilizável, química ou fisicamente, para suportar vida
vegetal.
Onde essa técnica é utilizada, os problemas de erosão do solo não são tão severos como no
caso de mineração em terrenos montanhosos; ou drenagem ácida da mina, pois a água corrente é
facilmente controlável. Todavia, onde grandes áreas são descobertas de uma vez, e nenhuma
recuperação é implementada,o impacto da mineração por área em termos de perda de solo fértil,
deterioração da qualidade e quantidade de água superficial e subterrânea, e outros valores
ambientais podem ser graves.
1.2.3.1.1. Regulamentações
As regulamentações requerem que todo terreno explorado por mineração de superfície seja
restaurado ao seu “contorno original aproximado”. Isto significa que algum remanejo de estéril do
corte inicial pode ser necessário. O talude de descobertura e todas as depressões devem ser
eliminados e, para fazer isto, é necessário transportar boa parte do estéril do corte inicial. Todo o solo
superior deve ser removido separadamente e colocado imediatamente em áreas de reaproveitamento
quando possível. A regulamentação requer um retardo mínimo na restauração para que ela ocorra em
conjunto com o trabalho.
Estas operações requerem um planejamento cuidadoso para que o maquinário seja total e
efetivamente utilizado em conformidade com as Regulamentações.
Nos casos onde o terreno é classificado como “solo fértil de primeira” controles especiais de
desempenho serão reforçados. Estes controles incluem a reconstrução de 4 polegadas de solo e
material inconsolidado durante a recuperação. Se um operador está usando scrapers para remover o
solo superior e a cobertura inconsolidada, e está repondo este material em áreas recuperadas
imediatamente, esta operação não deverá aumentar muito os custos de movimentação de solo, se as
operações forem cuidadosamente planejadas.

Prof. Rodrigo Peroni 19


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 10 – Configuração típica da fase de operação de um depósito lavrado pelo método de mineração por área.

1.2.3.1.2. Operação
1 – Cobertura de um corte pioneiro é despejada em uma pilha de estéril (1) usando scrapers ou
combinação carregadeira frontal/caminhão.
2 – escavação de trincheiras.
3 – Dragline (3) despeja a cobertura de cortes subseqüentes no anterior em uma operação de
escavação contínua.
4 – Uma série de cumes e depressões (monte e vale) é o resultado disso. (4)
5 e 6– Retroescavadeira (5) cava um desvio para o riacho, cujo leito está em área a ser
minerada. O tamanho do canal é baseado no julgamento do operador.
7 e 8 – Jumbo de perfuração (7) perfura e detona a cobertura.
9 – Água de rolamento coletada nas depressões (9) e infiltrada na cobertura inconsolidada.
10 – Despejo de rejeitos do pátio de manutenção (10).
11 – Terrenos não recuperados resultam em perda permanente de solo fértil (11 não
mostrados).
1.2.3.1.3. Problemas
Solo superior e subsolo não são retirados do corte pioneiro e armazenados, mas são
descartados junto com a cobertura.
Soterramento do solo superior na parte de inferior da pilha de material estéril.
Cobertura na pilha de estéril é erodida imediatamente. Se há pirita presente no estéril,
drenagem ácida pode ser um problema.
Sedimentos resultantes de erosão causam poluição de águas superficiais e (neste caso) está
obstruindo a drenagem da estrada (2).
O solo superior é misturado com a cobertura.

Prof. Rodrigo Peroni 20


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Material acidificante, cobertura inconsolidada e cobertura sólida são depositados


desordenadamente resultando em estéril de qualidade diversa, o que geralmente não é próprio para a
sobrevivência e crescimento de vegetação.
A forma física de montes e vales não permite nenhum uso econômico pós-mineração do
terreno.
Um afluente de um córrego já está sendo minerado (6) resultando em algum refluxo para
dentro da lavra, tornando a secagem da lavra um grande problema.
Desvios pobremente desenhados e construídos irão resultar em problemas de poluição de
água, alagamentos e erosão de bancos.
Provavelmente devido ao fraturamento do aqüífero, a água subterrânea no poço do fazendeiro
(8) foi poluída e a produção tornou-se não-confiável.
Onde a cobertura contém materiais piríticos, irá resultar em drenagem ácida. Isto pode
contaminar os recursos de água subterrânea.
Isto é desgradável e um incômodo para as propriedades próximas. Isto ainda pode causar um
perigo de poluição para águas superficiais.
Terrenos não-restaurados de minas podem continuar a erodir e contribuir com sedimentos e
drenagem ácida para cursos d’água por anos após o encerramento da mineração.
1.2.3.1.4. Planejamento, mobilização e corte pioneiro - Fase 1
Se a mineração por área for cuidadosamente pré-planejada e executada de maneira ordenada,
geralmente é praticável a restauração do terreno à sua produtividade original em um curto período de
tempo e a minimização do impacto em águas superficiais e subterrâneas, durante e após o trabalho.
Também é possível planejar operações de recuperação concomitantes para ocorrer juntamente
com o avanço da mineração sem incorrer no aumento dos custos de movimentação de solo. É de
reconhecida importância para a economia da mineração por área evitar o duplo manejo da cobertura.
Entretanto, pode ser necessário remanejar muito da cobertura do corte pioneiro a fim de preencher o
corte final e eliminar o talude de descobertura. Em casos em que há excesso de preenchimento no
local (816.105) pode ser possível utilizar muito da cobertura do primeiro corte pioneiro
permanentemente e evitar a necessidade de remanejar esta cobertura como preenchimento para o
corte final.
O controle de águas superficiais em locais com mineração por área é geralmente muito mais
fácil em comparação com minas de contorno. Pontos onde a drenagem do local é descarregada
podem ser minimizados. No exemplo ilustrado a drenagem e os cursos d’água são posicionados ao
redor da área licenciada dirigidos a lagoas de sedimentação, antes de serem descarregados em
águas receptoras.
Provavelmente a maior dificuldade imposta pelas regulamentações ambientais e minerais para
os operadores de minas de superfície seja a maior quantidade de maquinário necessária e a precisão
com a qual a operação deve ser planejada para evitar atrasos. O requisito para a recuperação
simultânea irá aumentar a importância dos scrapers na operação, e a necessidade de transportar o
estéril do corte pioneiro (para eliminar depressões e o talude) precisará de um número maior de
caminhões de transporte.

Prof. Rodrigo Peroni 21


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 11 – Configuração típica de um depósito em fase de planejamento e abertura do corte pioneiro em mineração por área.

1.2.3.1.5. Descrição da Operação


1. Construção de desvios para transportar o fluxo superficial ao redor do local (1), para
minimizar a interferência com a mineração e para reduzir a contaminação por água da chuva.
2,3,4,5,6 O fluxo destes desvios passam por três lagoas de sedimentação (2,3,4) antes de
serem descarregadas da área licenciada (5,6). Estas lagoas devem ser construídas antes da
perturbação do local.
7,8 Camada superficial de solo é removida por um scraper (7) e colocada em uma pilha (8). A
camada superficial abaixo da pilha de estéril (14) também foi removida.
9,10 Cobertura inconsolidada é removida pelo scraper (9). A camada inferior de solo é
armazenada (10) e o resto é usado para cobrir a cobertura inconsolidada na pilha de estéril (14).
11,12 O equipamento de perfuração (11) perfura o material consolidado que é então detonado.
Residência com um poço de suprimento de água (12).
13,14 Escavadeira frontal escava o corte pioneiro (13). Estéril é transportado para a pilha de
estéril por um caminhão (14). Esta pilha é feita com inclinação máxima de 1:2 e coberta com solo
inferior.
15 Uma hidro-semeadeira (15) aplica sementes e fertilizante ao monte temporário de estéril
(14) e as pilha de estocagem de solo superior e inferior (8,10).
16 A montagem da Dragline (16) está sendo feita. A construção do escritório e do pátio de
manutenção está completa.
17 O córrego foi desviado permanentemente (17). O canal foi inclinado e construído para
refletir sua característica natural. Os padrões para desvios permanentes são mais severos em relação
aos desvios temporários, mas o anterior deve ser restaurado.

Prof. Rodrigo Peroni 22


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

18, 19 O corte de árvores (18) está em progresso ao longo do antigo leito do córrego. Pedaços
destas árvores estão sendo lascados (19) para ser usados como proteção de feno para as raízes das
árvores.
20 Note que grande parte da área licenciada ainda está sendo usada na produção agrícola
(20). Neste caso, uma parte desta proteção de feno está sendo colhida sob contrato para ser usada
durante a restauração. Uma característica da mineração por área é que somente uma pequena parte
do local é perturbada de cada vez. Enfatiza-se a importância de minimizar a área perturbada e da
recuperação concomitante com o processo de lavra.
21 O operador plantou árvores (21) em algumas partes da área que não serão afetadas pelo
processo de mineração.
1.2.3.1.6. Operações modificadoras do meio ambiente
Desvios de córregos: Fluxo superficial e corrégos efêmeros.
Lagoas de Sedimentação.
Remoção de vegetação e remoção e armazenamento de solo superior.
Solo temporário.
Cortes de Cobertura.
Estradas de transporte.
Desvios de córregos: Córregos perenes e intermitentes.
Remoção de vegetação e remoção e armazenamento de solo superior.
Mobilização e operações de mineração: Geral.
Reflorestamento: Árvores e arbustos.
1.2.3.1.7. Operações de mineração e recuperação simultânea - Fase 2
Recuperação simultânea demanda alocação muito cuidadosa de maquinário e pré-
planejamento, mas a viabilidade da recuperação contemporânea na mineração por área é uma
característica que faz desta forma de minerar ambientalmente mais aceitável que a maioria das
outras formas de extração de superfície. No exemplo mostrado, o operador colocou uma rampa
temporária pela cava para reduzir o arrasto para os scrapers que carregam o stripping atual e a
substituição por cobertura inconsolidada e solo superior.
Recuperação simultânea assegura que uma parte mínima de área licenciada seja explorada
por vez e então são minimizados os perigos de erosão e poluição de água. Note isso na ilustração a
terra à esquerda do local já teve a topografia recuperada, o solo superior já foi reposto e houve
reflorestamento. (Remoção da pilha de estéril temporária acontecerá a em data posterior).
São protegidos a pilha de estéril temporário e os estoques de solo superior e subsolo da erosão
através de vegetação, e eles permanecerão assim até que o backfilling do corte final comece.
Os desvios que levam o fluxo por terra do local para as lagoas de sedimentação são mantidos
aparados para que a resistência da grama à erosão não seja reduzida. Uma das lagoas de
sedimentação mostrada aqui está sendo dragada. Isto é requerido quando os sedimentos acumulam
a 60% do volume designado para armazenamento.
Para melhor ilustrar o método de trabalho, algumas máquinas são mostradas mais de uma vez
nesta ilustração. É por exemplo improvável que, em um local deste tamanho, poderia haver 4
scrapers. Exploração de carvão pode ser feita com uma pá carregadeira em lugar de uma
escavadeira frontal como mostrado, e o operador poderá achar outros detalhes irreais neste exemplo

Prof. Rodrigo Peroni 23


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 12 – Cofiguração típica de mineração por área em sua fase recuperação e lavra simultânea.

1.2.3.1.8. Descrição da Operação


1,2 Scrapers removem solo superior (1) e redistribuem imediatamente na área que é
restaurada (2).
3,4 Scrapers removem subsolo e sobrecarga de "corrente" não consolidada (3) redistribuindo
imediatamente (4) seguindo classificação de aspereza do estéril.
5 Jumbo de Perfuração perfurando (5) furos de desmonte, e detonando cobertura não
consolidada.
6 Dragline (6) cava e lança a cobertura sobre área previamente minerada.
7,8 Pá Carregadeira (7) retira carvão que é removido em caminhão de estrada que é pesado e
limpo (8) antes de entrar na rodovia pública.
9 Tratores perfazem a deposição inclinada (9) da cobertura seguida por reposição de cobertura
não consolidada através de scrapers (4). O ângulo de repouso deve se aproximar ao ângulo da
topografia original.
10 Um escarificador (10) escarifica a área antes da reposição de solo superior (2) a fim de
reduzir a consolidação do estéril re-depositado. Ao se inclinar locais, operações de re-deposição
devem ser paralelas ao contorno.
11 Espalhador de sementes (11) em operação e os fertilizantes necessários também são
colocados.
12 Cultivo e semeadura (12) acontecem. Estas operações devem ser cronometradas
cuidadosamente e a mistura de sementes escolhida deve assegurar crescimento satisfatório. A área
deve ser protegida, a menos que o RA suspenda os requisitos.

Prof. Rodrigo Peroni 24


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

13 Uma rampa temporária (13) pela cava operacional reduz o transporte para scrapers
envolvidos em separação e recolocação contemporâneas. O local será minerado e então preenchido
pelo dragline.
14 Grama nas vias fluviais está sendo aparada (14) assim como os diques das lagoas de
sedimentação para assegurar a resistência à erosão da vegetação.
15 Lagoa de sedimentação está sendo limpa (15) porque acúmulos de sedimento estão
reduzindo sua eficácia.
1.2.3.1.9. Recuperação Final e Período de responsabilidade - Fase 3
As normas não só requerem restauração de terra a níveis de produtividade de pré-mineração,
mas também exigem que as mudanças em qualidade e quantidade de água de superfície e
subterrânea sejam minimizadas.
Áreas destinadas para pasto devem que ter uma capacidade de pasto igual à de terras não-
mineradas semelhantes. O "período de responsabilidade estendida" continua para um período de
cinco anos. "Cobertura de solo e produtividade igualarão o padrão aprovado durante os últimos dois
anos sucessivos do período de responsabilidade".
Note isso no exemplo ilustrado, um lago de 5 hectares (1) foi proposto como uma lagoa de
fazenda para gado. A proposta, porém, é bastante compatível com o uso pós-mineração proposto e
provavelmente seria permitido. Isto desaprovaria qualquer do estéril do corte pioneiro que permanece
no local do bota-fora temporário como foi mostrado (a rampa arborizada à esquerda permanecerá e o
resto será graduado a um declive suave). Porém, pode-se estabelecer as providências finais pela
disposição do corte-pioneiro e é sentido que, neste exemplo, é encorajada passagem de estéril do
corte-pioneiro para o corte final para a eliminação de faces expostas, pilhas de estéril e depressões
sejam satisfeitos a um grau razoável sem requerer remanejo de todo o estéril do corte-pioneiro.
Declives não precisam ser uniformes, mas em geral deveriam se aproximar da topografia pré-
mineira. Com um fator de empolamento menor que a relação de carvão/cobertura, a inclinação final
deve ser menor do que em terreno pré-mineração. A consideração importante é ter certeza que
aquela drenagem de superfície seja praticável através do local que faria necessário rebaixamento
desigual do local necessário e ocasionalmente mudança de rampas convexas para côncavas
assegurando assim a drenagem superficial.

Prof. Rodrigo Peroni 25


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 13 – Configuração típca de mineração por área em seu estágio de recuperação final.

1.2.3.1.10. Descrição da Operação


1, 2, 3, 4 Tratores terminam o preenchimento da cava final (1) que esteve parcialmente cheia
pela pilha-estoque do corte-pioneiro (2). Caminhões basculantes (2) trazem as cargas de cobertura
armazenada, preenchendo parcialmente a cava final. O talude, que ainda está exposto (3), será
completamente eliminado. A depressão (1.) permanecerá formar um lago de 2 acres para formar um
viveiro, também incorporando a lagoa de sedimentação (4).
5, 6 O scraper remove subsolo armazenado (5) para espalhar no corte preenchido (6). A área
desta pilha-estoque requererá emendas de terra, cultivo e semeadura.
7 Escarificador puxado por um trator de esteiras (7) escarifica a área restituída para reduzir a
compactação do estéril re-depositado anteriormente a substituição de solo superior (9). Ao se inclinar
locais todas as operações de re-graduação deve ser feito paralelo ao contorno.
8,9 Scraper volta à pilha de estoque de solo superior (8) depois de espalhar (9). Após a
remoção, a área da pilha de estoque deve ser cultivada e semeada.
10 Após a graduação final e reposição do solo superior, esta área (10) foi semeado com uma
cobertura temporária, pois a estação não era a correta para semear a espécie permanente. Está
sendo cultivado agora. Cal e fertilizante foram utilizados antes de semear a espécie perene.
11 Cal e nutrientes foram aplicados nesta área (11) que está sendo cultivada e semeada. A
área deve ser protegida após a semeadura.
12 Estas áreas (12) estão sendo administradas para virar pasto e solo fértil. “O período de
responsabilidade estendida" dura por cinco anos e começa "quando cobertura de solo iguala o padrão
aprovado depois do último ano em que se aumenta a semeadura, fertilização... ou outro trabalho...”
Note que o período de 5 anos de responsabilidade é aplicável onde a precipitação anual é maior do
que 650 mm. Em qualquer outro lugar o período é de 10 anos.

Prof. Rodrigo Peroni 26


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

13, 14 Lagoas de sedimentação (4,13,14) ainda existem onde toda a recuperação em áreas
escoadas por elas não foi completada.

1.2.4. MINERAÇÃO DE CONTORNO


1.2.4.1. PRÉ-REGULAMENTAÇÃO
No século XVIII, foi descoberto carvão aflorando nas colinas da Virgínia. Os colonos
começaram a cavar nestes afloramentos e remover o carvão até que a quantidade de cobertura sobre
o carvão ficou muito grande. Então túneis de acesso foram feitos na jazida. Cobertura e escombros
destas operações foram empurrados declive abaixo.
Com mecanização, era possível remover muito mais cobertura de cima da jazida de carvão
antes que ficasse pouco lucrativo. Como todo esse estéril, junto com árvores, vegetação e escombro
era empurrado declive abaixo, estes bancos de estéril foram erodidos e depositaram volumes
enormes de sedimento nos arroios. A cobertura que estava imediatamente acima do carvão
normalmente era depositada no topo destes aterros de estéril, e, como esta continha freqüentemente
pirita e outros minerais formadores de drenagem ácida, a drenagem proveniente do contato das
chuvas com esse material exposto nestes bancos era freqüentemente bastante ácida.
Estéril acomodado sobre declives íngremes era muito instável e deslocamentos de terra eram
comuns. A alta quantidade de chuvas e o método de deposição resultaram em estéril não
consolidado com baixa resistência à ruptura. Assim deslizamentos de bancos de estéril abandonados
resultaram em exposição de estéril não-intemperizado que tendeu a prolongar o problema de
drenagem ácida, e atrasou a colonização natural de vegetação.
Mineração de perfuração helicoidal ajuda aumentar a recuperação de carvão quando deixa de
ser econômico retirar a cobertura da jazida. Porém, mesmo a perfuração helicoidal aumentando a
recuperação de carvão, tem baixa taxa percentual de recuperação e efetivamente torna impossível
extrair carvão perto de minas profundas no futuro. Furos não conectados são fonte séria de drenagem
ácida. Às vezes furos de perfuração helicoidal penetraram em minas profundas abandonadas e
alagadas, liberando grandes quantidades de água poluída.
Quando a extração estava completa, a mina era abandonada e a sucessão natural iniciava-se.
Porém, os bancos de estéril nos declives eram íngremes e continuaram a erodir expondo minerais
formadores de drenagem ácida sob as intempéries. Conseqüentemente o reflorestamento era muito
lento e águas de superfície dos Appalaches continuavam levando cargas de sedimento pesado e
quantias grandes de drenagem ácida.
As regulamentações com respeito a mineração em terreno íngreme, especificamente, proíbem
colocação de estéril, temporária ou permanentemente, nos declives. São definidos "declives
íngremes" nas regulamentações como sendo declives de 20 graus ou mais e estão sujeitos aos
controles de desempenho especial. Estes padrões de desempenho fazem necessário limpar a
vegetação de todas as áreas a ser afetadas pela mineração, reter todo o estéril e escombro sobre a
bancada, para eliminar o talude e para retornar o local ao seu contorno original aproximado, e para
reflorestar a área. De fato, isto torna necessário empregar algum tipo de recuperação da mineração,
aumentando substancialmente a quantia de material necessário, o que pode ser difícil para pequenas
operações mineiras. Estas normas também fazem o planejamento operacional essencial, para
satisfazer as exigências para recuperação simultânea.

Prof. Rodrigo Peroni 27


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 14 – Configuração típica de lavra em contorno em fase de desenvolvimento e operação.

1.2.4.2. OPERAÇÃO
Tratores de esteira empurram árvores, vegetação, solo fértil, subsolo, e cobertura não
consolidada sobre o declive (1).
O campo (2) foi afetado por um desabamento de terras.
Equipamento de perfuração (3) perfura orifícios de desmonte e desmonta a cobertura
consolidada.
Esta fazenda (4), dentro de 1 km da área de licença, obtém água de um poço raso.
Trator de esteira trabalha junto com a escavadeira frontal (5) removendo o resto da cobertura e
expondo o carvão. Estéril é empurrado sobre o declive.
A carregadeira frontal escava o carvão e carrega caminhão (6) que usa uma estrada de
escoamento localizada na bancada previamente minerada.
Operação de perfuração helicoidal (7) está removendo carvão a adicional da camada exposta.
Abandono (8, não é mostrado).
1.2.4.3. PROBLEMAS
- Mistura de solo fértil, restos orgânicos, subsolo, e cobertura torna a utilização de solo fértil
impossível. Destruição de árvores e vegetação no declive o torna altamente suscetível à erosão e os
problemas de sedimentação são sérios.
- Depósitos de estéril no declive são freqüentemente instáveis e desabamentos de terra são
comuns.
- Na maioria dos Appalachians há pouca água subterrânea disponível e aquela a qual está
disponível normalmente é muito localizada. Fraturamento da cobertura devido a desmontes,
escavação e perfuração helicoidal podem mudar a disponibilidade da água subterrânea e afetar o
fluxo em córregos.

Prof. Rodrigo Peroni 28


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

- A qualidade da água subterrânea também pode ser afetada, normalmente por contaminação
ácida.
- Mais estéril é despejado no declive piorando os problemas de estabilidade e a destruição da
vegetação.
- Erosão do talude, bancada, e estéril no declive causam problemas de sedimentação.
- Estéreis ácidos despejados no topo dos bancos de estéril causam drenagem ácida.
- Pirita, dentro e perto da jazida de carvão, é exposta às intempéries causando drenagem ácida
grave.
- Drenagem do banco acumula-se naturalmente e corta canais profundos vertendo sobre os
planos inclinados.
- Operações de perfuração helicoidal aumentam a recuperação de carvão onde este não pode
ser extraído por outros métodos. Mas a taxa de recuperação alcançada através deste método é muito
baixa e os seus furos impedem extração futura através de outros métodos. Este método, no passado,
também levou a uma piora na situação de drenagem ácida.
- Isto é devido ao aumento da oxidação de pirita através da admissão de oxigênio na jazida e
também liberação de água contaminada das jazidas e de operações subterrâneas abandonadas. No
futuro a exigência de recuperação contemporânea fará a programação da perfuração helicoidal muito
difícil para operações pequenas.
- Abandonadas, minas de superfícies subdrenadas continuam produzindo ácido e drenagem de
sedimentos por muitos anos após a extração do carvão.
- Problemas foram bem documentados particularmente nos Appalachians. A maior parte dos
problemas relacionados a água é devido a erosão de bancos de estéril íngremes, instáveis, que
continuamente expõem estéril novo às intempéries resultando em drenagem ácida e sedimentação, e
impedindo a colonização vegetal que eventualmente daria proteção efetiva contra erosão adicional.
1.2.4.4. RECUPERAÇÃO FINAL E PERÍODO DE RESPONSABIILDADES – FASE 3
O que está apresentado na Figura 15 refere-se à recuperação e revegetação da área minerada
apresentada nas duas figuras anteriores. Ao fundo (1) as operações de lavra ainda continuam. Note
que o preenchimento do vale foi terminado e está sendo revegetado.
Note que os terraços mostrados aqui devem ter aprovação dos órgões ambientaise devem ser
compatíveis com o plano de fechamento da mina. O tanque de sedimentação (4) está sendo limpo.
Nivelamento da área recuperada deve ter aproximadamente a topografia original do terrrenoe deve
eliminar taludes elevados, pilhas de estéril e depressões. A importância no nivelamento e
revegetação na conservação dos recursos hídricos pela minimização do efeito erosivo fica enfatizada.
Para áreas que serão recuperadas para reflorestamento comercial, vegetação nativa para a vida
selvagem, recreação ou uso não comercial da mata. O sucesso da revegetação é a comparação área
de referência. Um inventário dessa área incluindo o que está sendo cultivado e os números devem
estar disponíveis.
Se aprovado o uso comercial da floresta pós-lavra, um período de responsabilidade de cinco
anos inicia assim que a área tenha sido plantada e que existam pelo menos 450 árvores e arbustos
na área recuperada em condições saudáveis por hectare por duas estações de cultivo. Para floresta
comercial, 75% dessa deve ser composta de espécies comerciais. Deve have uma cobertura mínima
do solo de 70% e deve ser adequada para o controle de erosão.

Prof. Rodrigo Peroni 29


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 15 – Configuração típica de lavra em contorno em sua fase de recuperação final.

1.2.4.5. DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO


1 Ao fundo (1), as operações de lavra ainda continuam, seguidas por preenchimento das cavas
e nivelamento grosseiro
2 O preenchimento do vale (2) foi completado e revegetado. O tanque de sedimentação
permanece ativo
3 e 4 A recuperação foi feita em terraços (mediante concordância do órgão ambiental) na área
recuperada. O desvio acima do talude é o primeiro terraço. Esses terraços tem um gradiente suave
para direcionar o fluxo de águas superficiais para um ponto seguro de descarga, nesse caso um
canal com enrocamento conduzindo para o tanque de sedimentação (4).
4 O tanque de sedimentação (4) está sendo limpo. Isso deve ser feito se o acúmulo de
sedimentos for maior do que 60% da capacidade de projeto do tanque de sedimentação e devem
permanecer até que a área esteja revegetada. A retenção permanente pode ser discutida com os
órgão ambientais.
5 As operações finais de nivelamento (5 não está mostrada), incluido escarificação deve ser
feita ao longo da curva de nível a menos que seja uma operação arriscada para o operador do
equipamento.
6 O solo orgânico deve ser distribuído como parte de uma operação concomitante com a
remoção desse solo. O trator de esteira aparece espalhando o solo. A declividade é muito elevada
para a operação de curvas de nível, mas o trilho do próprio trator auxilia no processo de prevenção da
erosão. Calcáreo e fertilizante são aplicados para o processo de cultivo posterior.
7, 8 Semeadura, fertilizante e aglomerante são frequentemente aplicados para os taludes mais
íngremes em uma mistura pelo hidrosemeadeira (8). Se a estação não for a ideal para revegetação
permanete, uma manta orgânica pode ser usada para o recobrimento do terreno e prevenção da
erosão.

Prof. Rodrigo Peroni 30


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

9 Plantio manual (9) de árvores e espécies arbustivas está sendo conduzida. Deve-se estar
atento para a competição entre espécies herbáceas pois elas propiciam que as espécies de maior
porte (arvores e arbustos) se desenvolvam.
10 Sulco de erosão (10) que ocorreu aqui deve ser preenchido e resemeado.

1.2.5. LAVRA DE TOPO


1.2.5.1. OPERAÇÃO E RECUPERAÇÃO CONCOMITANTE – FASES 1 E 2
O uso dessa variação do método tem o objetivo de incrementar a recuperação de carvão e
devolver a área recuperada nas mesmas condições ou superiores à condição original após a lavra.
No exemplo apresentado aqui, temos duas camadas de carvão, o afloramento da camada
inferior foi lavrada em contorno vários anos atrás.
Embora remoção de topo sejam operações geralmente muito maiores que lavra de contorno, é
fácil manter toda a drenagem dentro da área de lavra e limitar a descarga em determinados pontos.
Isso faz com que o controle de poluição da água, particularmente sedimentação e drenagem ácida,
seja muito mais efetivo.
O método requer uma escala de operação elevada e portanto equipamentos de grande porte e
em grande número. O uso posterior do terreno pode ser aproveitado para agricultura ou mesmo
desenvolvimento urbano.

Figura 16 – Configuração típica de lavra em topo em fase de desenvolvimento e operação.

1.2.5.2. DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO


1 A bancada abandonada pela lavra de contorno está sendo modificada para agir como um
desvio do escoamento de águas superficiais. Em alguns casos essa bancada pode ser usada como
estrada de transporte.

Prof. Rodrigo Peroni 31


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

2 Pilhas de estoque (2) de solo orgânico são recobertas e semeadas junto com manta
orgânica.
3 Tanque de sedimentação (3) instalados em todos os pontos onde a água deixa a área de
lavra. Os pontos de descarga devem ser protegidos por enrocamento.
4, 5 Equipes de desmatamento (4) avançam à frente da remoção de cobertura. Os galhos,
ramos e restos vegetais são usados como adubo nas área de recuperação. Tratores afrouxam e
scrapers removem os solos e subsolos para serem distribuídos nas áreas a serem recuperadas.
6, 7, 8 Tratores (6) empurram cobertura inconsolidada em direção à primeira bancada onde o
material é carregado em caminões para as áreas que estão sendo recuperadas e posterior
nivelamento grosseiro (7) ou para disposição na cabeceira de encosta.
9, 10 Perfuratriz (9), perfurando e desmontando o material de cobertura consolidado que é
carregado por escavadeira frontal (10) e carregado para o bota-fora ou para a área em recuperação.
11, 12 Lavra do carvão da camada superior com carregadeira frontal e caminhões .O material
de cobertura com potencial de geração de drenagem ácida é colocado na parte inferior do corte.
13 A remoção do estéril intemediário entre as camadas inferior e superior (13 não está
mostrado) . Recuperação concomitante e nivelamento grosseiro continua.
14 A dragline está nivelando grosseiramente o estéril (14) que foi depositado na encosta
durante a operação anterior de lavra em contorno.
15 Compactaçao excessiva do estéril está sendo quebrada com o escarificador (15) Essas
operações devem ser executadas durante a criação das curvas de nível.
16 O scraper (16) substituindo o solo vegetal imediatamente seguido pela descobertura (5). A
substituição de ser executada durante a criação das curvas de nível.
17 Operações de recuperação envolvendo espalhamento e incorporação de calcáreo e
fertilizante, cultivo, semeadura e plantio (17 não mostrado).
1.2.5.3. RECUPERAÇÃO FINAL E PERÍODO DE RESPONSABILIDADE – FASE 3

Prof. Rodrigo Peroni 32


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

Figura 17 – Configuração final do terreno após reabilitação da lavra de topo.

1.2.5.4. DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO


Embora não sejam especificados períodos, a recuperação deve ser conduzida o mais próximo
possível da operação de lavra.
1 Observe a configuração de declividades suaves (1) da área recuperada. Isso evita a
aparência de “montanha serrada”.
2 A drenagem da área renivelada deve drenar somente em pontos específicos (2). Drenagem
interna dentro da área deve ser direcionada para esses pontos em solos estáveis e canais de
drenagem (3).
4 Observe que o bota-fora de encosta está completo e que preenche desde o ponto inferior até
a crista adjacente.
5,6 Os dois tanques de sedimentação (5, 6) foram removidos. Isso não deve ser feito enquanto
que a área seja restaurada e os requisitos de revegetação tenham sido atingidos. O canal de
drenagem contém enrocamento, quebras de fluxo para evitar erosão dos canais.
7 O sulco mostrado aqui é maior do que 3m de profundidade e deve ser preenchido e
estabilizado.
8 O bota-fora da operação de lavra em contorno anterior foi recuperada como parte da
operação. Algum subsolo emprestado da operação de remoção de estéril foi usado para cobrir o
talude que foi então semeado.
Toda a área perturbada, à excessão de áreas hídricas e estradas devem ser revegetadas.
1.2.5.5. VANTAGENS E DESVANTAGENS DO MÉTODO
Dentre as principais vantagens do método certamente deve ser destacada a alta produtividade
atingida pelos equipamentos com pouca mão de obra (porém altamente especializada). Possui um
desenvolvimento relativamente simples quando comparado com lavra em cava, com flexibilidade de

Prof. Rodrigo Peroni 33


Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Departamento de Engenharia de Minas
ENG05007 - Lavra a Céu Aberto

traçado de acessos e rampas, com mínima necessidade de exposição de minério e descobertura em


avanço. É um método que apresenta excelente recuperação do depósito (próximo de 100%) e baixa
diluição.
Como desvantagens ressalta-se o limite econômico do método e os limites tecnológicos do
equipamento não permitem que camadas soterrades em profundidades maiores 90 m sejam lavradas,
pois requer retomada excessiva do material estéril. Como trata-se de um método de abrangência
areal muito extensa, planos de proteção ambiental e recuperação de áreas degradadas devem ser
foco de atenção ao utilizar esse método, o que significa em custos adicionais substanciais, que
devem ser previstos na etapa de concepção do projeto. O método, pelo porte dos equipamentos
empregados, exige um investimento de capital elevado, obviamente a aquisição de equipamentos de
grande porte são justificadas para depósitos de grande porte onde a intenção é obter redução de
custos de produção pelo efeito escala, mas nada impede que pequenos depósitos sejam lavrados
com o método empregando equipamentos de pequeno porte. Requer um sequenciamento adequado
das operações para que sejam evitadas paradas por falta de frente de trabalho. A estabilidade de
taludes também deve ser mantida ao longo da vida da mina (ou do corte), porém não é tão crítico
pelo fato do corte ser sempre temporário pois será preenchido por mateial do corte subsequente.

1.2.6. MÉTODOS DE LAVRA COM ÁGUA


Ao lado dos métodos de extração mecânica, existem ainda os métodos de extração com água
dentre os métodos de lavra à ceu aberto. Esses métodos são executados na presença de água ou de
um líquido solvente para recuperação mineral, seja pela ação hidráulica ou pelo ataque da solução.
Embora muito menos aplicados em relação aos métodos mecânicos (<10% da produção em lavra a
céu aberto). Os métodos de lavra com água são compostos de duas subclasses, Lavra em Placer são
aqueles com a intenção de recuperar minerais densos principalmente de depósitos aluviais ou placer,
utilizando água para escavar, transportar e/ou concentrar o mineral. Lavra em solução são aqueles
onde a extração do bem mineral é feita a partir da adição de água ou líquido solvente para dissolver
os minerais. Os métodos estão subdivididos da seguinte maneira:
Lavra em Placer (Macdonald 1983)
Desmonte hidráulico
Dragagem
Lavra em solução
Lavra por dissolução (borehole mining) (Schlitt 1982)
Lixiviação in situ
Em virtude da pequena representatividade frente aos demais métodos não serão desenvolvidos
em detalhe os referidos métodos. Maiores informações podem ser obtidas nas referências ((Hartman
1987).

Prof. Rodrigo Peroni 34

Interesses relacionados