1

O Brasil é um país com grande diversidade étnica, sua população é composta essencialmente por três principais grupos étnicos: o indígena, o branco e o negro. Os indígenas constituem a população nativa do país, os portugueses foram os povos colonizadores da nação e os negros africanos foram trazidos para o trabalho escravo. Esse contexto proporcionou a miscigenação dos habitantes do Brasil, caracterizados como mulato (branco + negro); caboclo ou mameluco (branco + índio); cafuzo (índio + negro). Com o prosseguimento da miscigenação, originaram-se os inúmeros tipos que hoje compõem a nossa população. A composição étnica dos brasileiros é um conteúdo muito importante, passível de uma atenção especial por parte do educador ao aplicá-lo em sala de aula. Mostre aos alunos a diversidade étnica da população nacional e como esse fator contribuiu para a nossa identidade cultural; demonstre aspectos culturais presentes em nossas vidas, originários dos indígenas, portugueses, africanos, além dos outros imigrantes europeus, árabes e asiáticos. No objetivo de promover a reflexão dos estudantes, pergunte sobre a origem étnica de seus familiares, demonstrando a ampla mistura étnica que há em nossa nação.

A diversidade étnica da população brasileira

É sempre importante ressaltar que nos estados brasileiros não há homogeneidade étnica, e sim, a predominância de vários grupos. A distribuição dos principais grupos étnicos pelo território nacional é uma consequência do povoamento das regiões do país. A região Sul teve os europeus como principais povos ocupantes do território; na Amazônia, predominam os descendentes indígenas; os afro-descendentes são maioria no Nordeste brasileiro. No entanto, existe grande diversidade mesmo entre essas regiões, pois além de ter ocorrido a miscigenação nesses locais, há um grande

2

fluxo migratório entre essas partes do Brasil. Após uma abordagem histórica da formação da população brasileira, solicite aos alunos um trabalho em grupo (até 4 pessoas) contendo os principais grupos étnicos do Brasil, sua distribuição no território nacional e suas contribuições culturais e econômicas para a nação. Proponha a construção de um painel composto por diferentes grupos étnicos, e por fim, realize um debate em sala de aula entre os alunos, destacando a heterogeneidade dos habitantes do Brasil e o processo histórico que proporcionou essa grande miscigenação. Por Wagner de Cerqueira e Francisco Graduado em Geografia Equipe Brasil Escola

Indígenas
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Nota: aborígene redireciona para este artigo. Para outros significados, veja Aborígene (desambiguação).

Índia Tobá (Brasil) fotografada por Marc Ferrez, 1876.

São designados como povos aborígenes, autóctones, nativos, ou indígenas (sendo os indígenas nativos das Américas também chamados de vermelhos ou peles-vermelhas), aqueles que viviam numa área geográfica antes da sua colonização por outro povo ou que, após a colonização, não se identificam com o povo que os coloniza. A expressão povo indígena, literalmente "originário de determinado país, região ou localidade; nativo", é muito ampla, abrange povos muito diferentes espalhados por todo o mundo. Em comum, têm o fato de que cada um se identifica com uma comunidade própria, diferente acima de tudo da cultura do colonizador. É frequente associar o termoaborígene australiano a um conjunto de povos indígenas específico da Austrália.

3
A ONU definiu em nota técnica que: "As comunidades, os povos e as nações indígenas são aqueles que, contando com uma continuidade histórica das sociedades anteriores à invasão e à colonização que foi desenvolvida em seus territórios, consideram a si mesmos distintos de outros setores da sociedade, e estão decididos a conservar, a desenvolver e a transmitir às gerações futuras seus territórios ancestrais e sua identidade étnica, como base de sua existência continuada como povos, em conformidade com seus próprios padrões culturais, as instituições sociais e os sistemas jurídicos". [1]
Índice
[esconder]

1 Povos indígenas

o o o o    

1.1 Austrália 1.2 América 1.3 Brasil 1.4 Reservas indígenas no Brasil

2 Ver também 3 Referências 4 Bibliografia 5 Ligações externas

Os aborígenes australianos formam uma população, assim como os grupos indígenas, que foi vítima de massacres pelos colonizadores e discriminados por parte da população dita civilizada. Os colonizadores ingleses foram os primeiros responsáveis pelos massacres das comunidades indígenas australianas. Soldados ingleses aproximavam das aldeias e ofereciam agrados para a população local. Entretanto, outros soldados envenenavam com arsênio a água e os alimentos dessa população.[2] Vários aborígenes morreram em consequência do envenenamento causado por esse elemento químico. Atualmente os aborígenes correspondem a 1% da população australiana.[2]

[editar]América
Ver artigo principal: Povos ameríndios Quando os europeus chegaram ao continente americano no século XV ele era habitado por centenas de etnias indígenas. Durante o processo da colonização as populações indígenas foram escravizadas, tendo havida expressiva depopulação.

[editar]Brasil
Ver artigo principal: Povos indígenas do Brasil

[5] [editar]Ver também REFLEXÕES TEÓRICAS SOBRE IDENTIDADE ÉTNICA Romélia Rodrigues Dopp/UCDB romelia_dopp@hotmail.com Marina Vinha/UCDB marinavinha@terra. caribes. Em 2008.br Universidade Católica Dom Bosco Financiamento FUNDECT 1 Resumo Este ensaio elabora reflexões sobre identidade étnica. as áreas de reservasdestinadas a grupos de indígenas no Brasil ocupavam cerca de 12. Tema de caráter complexo. são áreas federais reservadas para a utilização dos indígenas brasileiros para servir-lhes como meio de subsistência. Essas áreas são importantes para conservação cultural brasileira. Segundo estimativas. havia a presença de etnias de diferentes filiações linguísticas.com.5% do território nacional. tupiguaranis.4 O Caçador de Escravos de Jean-Baptiste Debret. a população indígena brasileira variava entre três e cinco milhões de habitantes. o que requer aprofundamento visando pesquisa em população indígena. entre as quais podem-se citar os panos. permeadas pela compreensão de cultura e de identidade. A presença dos índios no território brasileiro é muito anterior ao processo de ocupação estabelecido pelos exploradores europeus que aportaram em suas terras. Reservas Indígenas no Brasil. jês e outros.[3] Nessa vasta população. O objetivo é definir e/ou . Aponta-se para uma tendência do índio passar a viver em cidades para poder estudar e ter acesso a outros recursos e o reisco defavelização diante das dificuldades para se manter no meio urbano [4] [editar]Reservas indígenas no Brasil Ver artigo principal: Terras indígenas Como o próprio nome diz.

61) resistência. segundo poema de Ferreira Gullar. A metodologia adotada é a da pesquisa bibliográfica. 2 determinada por uma caricatura. em literatura dos campos da educação. cujo poderio foi-se traduzindo no decorrer dos séculos com violência de toda ordem e desrespeito às diferentes culturas. este ensaio “Reflexões Teóricas sobre Identidade Étnica” tem por objetivo definir e/ou re-elaborar teoricamente o conceito de identidade étnica. é constituída por um impulso político. no caso indígena. antropologia e história e nas especificidades dos indígenas Kadiwéu. em uma aldeia Kadiwéu. de resistência. De acordo com Hall (2003. p. em nível de mestrado. Nas considerações finais define-se a argumentação teórica aceita para a compreensão da expressão identidade étnica. Nesse sentido. A resistência ao poder do conquistador. a exemplo da atual Constituição brasileira. Foram alterações nas relações de forças entre indígenas organizados e o processo de colonização que se efetivaram as conquistas. no sentido de força local que se opõe às forças homogeneizantes. Nas considerações finais está definido o conceito de identidade étnica a ser adotado na pesquisa. na Resolução 340/2000/CNS. os dados foram buscados na Constituição de 1988. O processo de colonização resultaria em uma política de extermínio nativo. cultura.5 re-elaborar teoricamente o conceito de identidade étnica. normas e literatura das áreas da antropologia e educação. Palavras – chave: identidade étnica. reforça em nós a necessidade de uma reflexão sobre questões étnicas. Com procedimentos metodológicos próprios da pesquisa bibliográfica. a exemplo da resistência da tradição contra a . Introdução O tema gerador deste evento “no mundo há muitas armadilhas e é preciso quebrá-las”. Ela não é 1 Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino. não fosse a capacidade humana. Os pressupostos teóricos provêm de estudos cujo eixo é a cultura. educação. Ciência e Tecnologia do Estado de Mato Grosso do Sul. cujas fontes foram: dicionários.

pois tinham muita coisa em comum. sistemas de trocas. 369). os indígenas foram aprendendo a lidar com os portugueses. . Os símbolos sofrem alterações no decorrer do tempo. a terra.6 modernidade. no início. Esse termo foi elaborado pela filosofia que compreende a “permanência em meio à mudança e a unidade em meio à diversidade”. ou de forças locais articuladas. era habitada por pessoas de costumes diferentes. quando o contato se estabeleceu. p. Ao longo do tempo. Para este autor. mas que mantém um núcleo. Segundo Junqueira (2002). mas. no sentido de que as mudanças ocorrem sob pressões de movimentos sociais e de relações de poder vivenciadas em diferentes períodos. O que os diferenciavam eram as atribuições de valores. as festas testemunhavam a grande distância que separava os dois modos de vida. produção econômica. a organização da “família. promovida pelas mudanças sociais. sim. ou seja. De forma correspondente. os significados simbólicos. Dessa forma. Dito de outra forma compreende-se identidade como algo mutável. manifestações artísticas”. A nudez. afirma a referida autora (2002. sendo estes reconhecidos de acordo com as criações sociais de cada povo. explica a autora. o autor explica que para determinar ‘quem a pessoa realmente é’ foram necessárias respostas vindas das crises e tensões enfrentadas por minorias sociais e religiosas. hoje brasileira. um centro fixo conquistado por meio da resistência. cerimônias. o percurso de significados do termo identidade culminou no século XX com sua entrada no uso popular.75). o que os tornam transitórios e históricos. as plumas. mitos. determinada por uma articulação que força o que estava na margem a se conduzir para o centro. podemos entender as tradições como transitórias. p. cujas culturas distintas com os diferentes modos de entender a vida se encontraram naquele período histórico. Desenvolvimento Identidade é um termo derivado da língua latina ‘idem’ que significa igualdade e continuidade. segundo Plummer (1996. principalmente com a crescente e/ou aparente ‘perda’ de identidade na sociedade de massa que se organizava.

o qual adota o termo cultura para designar as seguintes situações: formas de cultivar a terra. 623). Com essas argumentações. argumenta Plummer (1996. 370).. caracterizado pelo conjunto de obras. A teoria psicodinâmica entende a estrutura psíquica com uma identidade contínua. em contraste com outras espécies que têm sua organização social embutida nos genes.. Elaborando reflexões sobre cultura. Daí decorrem os termos ‘crise de identidade’ e ‘crise pessoal’ que entraram no uso comum. entre outros. de ver as pessoas e os ambientes é denominado cultura. ambas as abordagens ligam o mundo exterior com o interior. mesmo que geralmente conflitante. p. destacamos o dicionário Michaelis (1998. Além dessa produção de significados. mas com enfoques diferentes. Em ambos os estudos.7 Inicialmente cunhado como clichê. No dicionário do pensamento social do século XX. “*. desenvolvimento cultural. cultura refere-se ao estágio de desenvolvimento de um povo. É a cultura o meio que os humanos aprendem para formar suas diversidades. esmero. sem as quais seria impossível . Para a antropologia. ambas têm a identidade como algo “ligado ao modo como uma comunidade constrói concepções das pessoas e da vida”. a identidade mostra-se associada ao ‘eu’ como uma capacidade humana que “permite às pessoas ponderar de forma reflexiva sobre sua natureza e sobre o mundo social através da comunicação e da 3 linguagem”. No entanto. o termo identidade foi assumindo duas formas teóricas distintas: a psicodinâmica e a sociológica. Hall (1996. a cultura fornece regras para o viver em sociedade. ou de um período. p. A teoria sociológica tem na identidade uma ligação com o interacionismo simbólico discutido por autores no período de 1892 e 1934. instalações e objetos criados em sociedade. Para este autor. segundo o referido dicionário. propagação de microorganismos em um meio específico. Dessa forma.+ as pessoas constroem suas identidades pessoais a partir da cultura em que vivem”. compreendemos que a identidade requer um lócus para se significar. Esse lócus constituído por modos próprios de ver o mundo. civilização. utilização industrial de certas produções naturais. p. 167-168) destaca no verbete sobre cultura a notável diversidade de formas sociais humanas produzidas pelo mesmo ser genético.

duas pessoas e/ou por um agregado de seres humanos. nos deixa os mesmos. O que se enfatiza nesta abordagem é a cultura vista com ênfase nas relações de poder. mesmo por que “a cultura não é uma questão de ontologia. Segundo Hall (2003. Através da cultura produzimos a nós mesmos de novo. Um grupo tem. longe de designar juízos de valor sobre as sociedades.+ aquele todo complexo que inclui conhecimento. em 1871 (apud HALL. A tradição. Grupos indígenas ou comunidades indígenas são caracterizados pela qualidade das relações que mantém entre si. moral. p.. embora mudados. lei. Um grupo social é constituído por. 1996.449). p. Silva (2000. ritos e “uma base psicológica na consciência de seus membros” (BOTTOMORE. Os contatos são diretos. tanto quanto cada pessoa tem consciência do próprio grupo e de seus símbolos. continuamente renovado.) inspirada pelo pós-estruturalismo. O campo de conhecimento da antropologia. cultura é “*. não cabendo aqui um levantamento exaustivo. seu recurso. 4 Partilhar requer a presença do outro. atribui ao termo um significado amplo. de ser. Recentemente.70). há ajuda .. como um passado que nos capacita através da cultura.. ao elaborar uma das primeiras definições do termo abarcou nele todos os acontecimentos e criações relativos ao ser humano. 32) destaca que: “(. Tylor. uma estrutura e organização compostas por regras. seu ‘trabalho produtivo’”. no campo teórico da educação. arte. “a cultura é uma produção. mas de se tornar”. a cultura é teorizada como campo de luta entre diferentes grupos sociais em torno da significação”. 344). ou seja. crença. Desde o século XIX esses pesquisadores vêm re-elaborando conceitos de cultura. no mínimo.8 compreendermos um ao outro. p. Tem sua matéria prima. no mínimo.. Em todas as formas existem relações específicas entre as pessoas que o formam. pois os mesmos traduziam o alcance da visão de mundo da etnografia de cada período. muito mais do que no conjunto de saberes e símbolos coletivamente partilhados. 2005. reconhece que todos os povos possuem cultura. costume e quaisquer outras capacidades e hábitos adquiridos pelo homem na condição de membro da sociedade”. Diversos outros autores conceituam cultura. p.

de classe. pois ao estudar grupos étnicos a etnicidade não pode ser ignorada.9 mútua. o termo comunidade étnica “reflete precisamente o forte senso de . como um grupo culturalmente homogêneo. o que os distinguem das demais sociedades é o fato de que. ou etnia. Stuart Hall (2003. assim como expõem seus produtos visando relações econômicas. Ela deve ser distinta da compreensão de raça. todos se acham envolvidos na defesa de sua identidade como povo e na preservação do patrimônio cultural comum” (2002. na constituição de laços sociais entre os que partilham uma cultura. A etnicidade por sua vez cria os estigmatizados por serem de culturas diferentes. destacando para não confundir com raça cujo alicerce é o plano biológico. p. p. Há teorias sobre a etnicidade. afirma Rex (1996. “apesar das eventuais desavenças e além das questões pessoais. Junqueira (2002) recupera a argumentação de Rex (1996) compreendendo grupo étnico. porém estão presentes pela herança biológica inscrita no corpo. São esses laços de união. Segundo Junqueira (2002) há uma classificação dos grupos indígenas. O componente biológico ocorre de forma mais indireta nas questões de etnia. cada qual com seus laços socioculturais. ou esse projeto de vida que lhes garantem uma coesão básica os mantendo com uma identidade étnica. grupos com contato esporádico – os que vivem em regiões já expostas à ocupação e mantém contato para atender alguma satisfação não encontrada em seu meio e grupos com contato regular – aqueles que vivem em co-dependência de relações externas. sim “uma construção política e social” cuja organização discursiva engloba um sistema de poder de exploração e de exclusão. mesmo havendo confrontos de opinião e outras tensões. 48). Assim. 282). Mas. entre outros. de acordo com a intensidade do contato que mantém com a sociedade brasileira. p. A diferença étnica ocorre no campo das diferenças culturais. são eles: grupos autônomos ou isolados – os que mantêm pouco ou nenhum contato com a sociedade nacional. por ser de primordial importância afirma o autor. A diferença nessa situação é condição de inferioridade. afirma Junqueira (2002). mas. 69) afirma que a categoria raça não é científica. que é o racismo. Etnicidade é uma das “características socialmente relevantes dos seres humanos”.

em virtude da consciência de sua . criando um diferencial entre a espécie Homo sapiens. Por isso. o autor destaca que esses grupos possuem elos de continuidade. a expressão grupo étnico foi e em alguns casos ainda é a designação de uma população que compartilha valores fundamentais. 5 Barth (2000) trata do conceito de grupo étnico relacionando-o com política. p. A referida Resolução 304 (2000. Além disso. povos com organizações e identidades próprias.1) fundamenta-se no respeito aos direitos dessas populações “no que se refere ao desenvolvimento teórico e prático de pesquisa em seres humanos que envolvam a vida. Ser reconhecido pelo governo como indígena traz conseqüências.10 identidade grupal que existe entre esses grupos”. Para tanto. Qual a compreensão de identidade étnica perpassada na Resolução 304/2000. somente para essa categoria pode-se atribuir o termo comunidade étnica. neste caso nascidos em populações indígenas. foram adotadas as seguintes definições: povos Indígenas. um conjunto de membros que se identificam e são identificados por outros e constituem um campo de interação. as culturas e os recursos naturais dos povos indígenas do Brasil”. pois leva-nos a pensar que cada grupo desenvolve sua cultura de forma isolada. como se fosse um estilo de vida em ilha e desconsidera as relações de fronteira – não abordada neste estudo. referência para a realização de pesquisas em grupos indígenas? A Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (CONEP) ao elaborar a Resolução 304/2000 objetivou contemplar. ou comunidades culturais. muito embora não estejam engessados em uma tradição imutável. Foi considerada uma necessidade para as pesquisas com humanos. A discordância do autor para com essa designação é que ela “impede de compreender o fenômeno dos grupos étnicos e seu lugar na sociedade e na cultura humana”. por isso reafirmamos a necessidade de compreender identidade étnica permeada por entendimentos de cultura e de identidade. normas para a área de pesquisas em povos indígenas. via norma complementar. Este fato reporta à expressão identidade étnica e sua força política. os territórios. considerando que possuem “fortes laços internos de união e fronteiras bem estabelecidas”. normas especificas para humanos indígenas. Assim.

Cultura como lócus de significados. Assim. os costumes. a serem realizadas entre os indígenas Kadiwéu. p. Em pesquisas futuras. mas a um tornar-se. Considerações Finais Repensar conceitos de cultura e de identidade para compreender o termo identidade étnica foi o objetivo deste ensaio. a expressão identidade étnica será adotada tendo como referência as reflexões ora realizadas. a um construir-se nas diferenças.5) o processo tem mostrado que os diferentes povos indígenas no Brasil manifestam seu modo de ser. Ambas as definições trazem embutidas uma fundamentação teórica sobre cultura e identidade. pesquisas envolvendo “a pessoa do índio ou a sua comunidade” devem respeitar a visão de mundo. é movida por uma força política dos grupos cujas identidades étnicas estão consumadas. embora recentes e permeada por reveses de toda a ordem.11 continuidade histórica como sociedades pré-colombianas e. ainda inacabado. Compreender que cultura não está ligada ao ser. Suas culturas desapareceriam e predominaria uma cultura homogeneizante. destacamos a força da resistência indígena nesse documento. de pessoas e de ambientes muito . A conquista efetivada através de preceitos constitucionais. pela cultura. reverteram o quadro integracionista. mas também de tensões e de conflitos permeados por relações de poder formam as identidades étnicas quando apreende visões de mundo. crenças religiosas. atitudes estéticas. Movidos por lutas sociais empreendidas pelos próprios índios e por organizações afins. Para Brand (2003. fonte de identidades. índio quem se considera pertencente a uma comunidade indígena e é por ela reconhecido como membro. de que a integração dos povos indígenas seria inevitável. organização social. Dessa forma contradizem previsões de décadas atrás. e a cada dia exigem o cumprimento de leis e normas legais conquistadas. filosofias peculiares. diferenças lingüísticas e estrutura política. Sem o objetivo de aprofundar em outros dados sobre essa normatização. 6 ou seja suas identidades étnicas. o qual contribui para minimizar abusos em nome da ciência diante dos patrimônios imateriais e materiais das populações indígenas brasileiras.

163 a 166. EDUC. BRAND. ainda não se chegou a um consenso acerca do período em que teria havido a primeira leva migratória. Rio de Janeiro. 2003. Todavia. Cultura. John A. São Paulo. Mais. In: ___ Dicionário do Pensamento Social do Século XX. 1996. HALL. Contracapa Livraria.12 próprios e compartilhados. sendo que os vestígios mais antigos de sua presença na América. 2003. Stuart. p.. (anotações) BRASIL.. Os Indios A Origem dos povos americanos Os habitantes do continente americano descendem de populações advindas da Ásia. In: ___Dicionário do Pensamento Social do Século XX. A emergência da diferença na história: novos conceitos e ovas abordagens: algumas anotações complementares para uso em sala de aula.gov. REX. Comissão Nacional de Ética em Pesquisa. Referências BARTH. 2002. 284 a 286. UFMG. Acesso: http://conselho. Identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. datam de 11 a 12. Ed.html Obtida em 4/6/2007 FLEURI. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 2000. obtidos por meio de estudos arqueológicos.5 mil anos. JUNQUEIRA.br/comissao/conep/resolucao... BOTTOMORE.. Antropologia Indígena: uma introdução: história dos povos indígenas do Brasil. O guru. HALL. Fredrik. Há 500 Anos Há cinco séculos.saude. Grupo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. In: ___ Dicionário do Pensamento Social do Século XX. John. Educação Intercultural: mediações necessárias. 344 a 345. 2007. Belo Horizonte: Ed. 1996. o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Ed. Carmen.. 1996. p. Tom. p. DP&A. Ken. os portugueses chegaram ao litoral brasileiro. Reinaldo Matias. Antônio. 369 a 371. Resolução 304/2000. In: ___ Dicionário do Pensamento Social do Século XX. e paulatinamente foram estabelecendo-se nas terras que eram ocupadas pelos . dando início a um processo de migração que se estenderia até o início do século XX. Etnicidade. p. Da Diáspora e mediações culturais. PLUMMER. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1996.

Mais. Uma denominação genérica. O preconceito parte.. falamos também da cultura e da história de um povo... Existem ainda grupos que estão requerendo o reconhecimento de sua condição indígena junto ao órgão federal indigenista. coleta e agricultura incipiente. segundo comprovam estudos recentes.4% da população brasileira. muito mais. Mais. no Brasil. Suas festas são manifestações alegres de . As línguas indígenas A língua é o meio básico de organização da experiência e do conhecimento humanos. podemos conhecer todo um universo cultural. Por meio da língua. mas também do ponto de vista das tradições culturais. A chegada do europeu O impacto da conquista européia sobre as populações nativas das Américas foi imenso e não existem números precisos sobre a população existente à época da chegada dos europeus. Quando falamos em língua. mantiveram-se afastados de todas as transformações ocorridas no País. Mais. O Índio hoje Hoje.. Mais.. cerca de 0. Hoje. Mais. provocada pela primeira impressão que eles tiveram de haverem chegado às Índias. O que é ser índio Os habitantes das Américas foram chamados de índios pelos europeus que aqui chegaram. daqueles que convivem diretamente com os índios: as populações rurais.. a cultura indígena valoriza muito o celebrar. pesca. As Sociedades Os índios sobrevivem. Não apenas biologicamente. que falam 180 línguas distintas. Eles mantêm as tradições culturais de seus antepassados e sobrevivem da caça. As referentes à população indígena do território brasileiro em 1500 variam entre 1 e 10 milhões de habitantes. Esporte dos Povos Indígenas Em sua sabedoria milenar... Eles estão distribuídos entre 688 Terras Indígenas e algumas áreas urbanas.. Identidade e diversidade As populações indígenas são vistas pela sociedade brasileira ora de forma preconceituosa. desde a época do Descobrimento. os quais demonstram que a população indígena vem aumentando rapidamente nas últimas décadas. o conjunto de respostas que um povo dá às experiências por ele vividas e aos desafios que encontra ao longo do tempo..13 povos indígenas. isolados do convívio com a sociedade nacional e com outros grupos indígenas. O deslocamento da população Quando se observa o mapa da distribuição das populações indígenas no território brasileiro de hoje. Mais. Há também 82 referências de grupos indígenas não-contatados. os cerca de 220 diferentes povos somam mais de 800 mil pessoas. Índios isolados Alguns povos indígenas.. apenas estimativas.. vivem 817 mil índios. das quais 32 foram confirmadas. ora de forma idealizada. Etnias Indígenas Quadro de etnias indígenas. Mais... podem-se ver claramente os reflexos do movimento de expansão político-econômica ocorrido historicamente. segundo dados do Censo 2010. Mais... ou seja.

14 amor à vida e a natureza. animais.. rios. pássaros. que é a dimensão da vida criada por um ser superior. Têm como referência em suas tradições a espiritualidade. tendo nos elementos da natureza . matas .a grandeza da vida. Mais. .. lagos.árvores.

Todavia.5 mil anos. há uma tendência cada vez maior de os pesquisadores reverem essas datas. já que pesquisas recentes vêm indicando datações muito mais antigas. Topo . No Brasil. com o que muitos arqueólogos não concordam. Até há alguns anos. Mas novas evidências têm sido encontradas na Bahia e no Piauí que comprovariam ser mais antiga esta ocupação. Os povos indígenas que hoje vivem na América do Sul são originários de povos caçadores que aqui se instalaram.15 A origem dos povos americanos Os habitantes do continente americano descendem de populações advindas da Ásia. De lá para cá. e que ocuparam virtualmente toda a extensão do continente há milhares de anos. o ponto de vista mais aceito sobre este assunto era o de que os primeiros habitantes do continente sul-americano teriam chegado há pouco mais de 11 mil anos. ainda não se chegou a um consenso acerca do período em que teria havido a primeira leva migratória. Não existe consenso também. datam de 11 a 12. estas populações desenvolveram diferentes modos de uso e manejo dos recursos naturais e formas de organização social distintas entre si. Assim. entre os arqueólogos. sobre a antiguidade da ocupação humana na América do Sul. obtidos por meio de estudos arqueológicos. sendo que os vestígios mais antigos de sua presença na América. vindo da América do Norte através do istmo do Panamá. a presença humana está documentada no período situado entre 11 e 12 mil anos atrás.

Dezenas de milhares de pessoas morreram em conseqüência do contato direto e indireto com os europeus e as doenças por eles trazidas. ainda. ou. . Em face da ruptura demográfica e social promovida pela conquista européia. há estimativas sobre o número de habitantes nativos naquele tempo. sociedades indígenas inteiras. seja em decorrência do contágio por doenças trazidas dos países distantes. Estima-se que só na bacia amazônica existissem 5. pois ainda não há dados suficientes advindos de pesquisas arqueológicas. e outras mais graves. bioantropológicas e de história indígena enfocando o impacto do contato europeu sobre as populações nativas para que se possa fazer tal afirmativa. O processo de colonização levou à extinção muitas sociedades indígenas que viviam no território dominado.16 Há 500 anos Há cinco séculos. Topo A chegada do europeu O impacto da conquista européia sobre as populações nativas das Américas foi imenso e não existem números precisos sobre a população existente à época da chegada dos europeus. muitas vezes. O atual estado de preservação das culturas e línguas indígenas é conseqüência direta da história do contato das diferentes sociedades indígenas com os europeus que dominaram o território brasileiro desde 1500. Esse é um ponto controvertido entre os pesquisadores. dando início a um processo de migração que se estenderia até o início do século XX. os portugueses chegaram ao litoral brasileiro. sarampo e coqueluche. vitimaram. Também em termos estimativos.000 habitantes. como tuberculose e varíola. com forte influência européia. As referentes à população indígena do território brasileiro em 1500 variam entre 1 e 10 milhões de habitantes. apenas estimativas. Os primeiros contatos se deram no litoral e só aos poucos houve um movimento de interiorização por parte dos europeus. por não terem os índios imunidade natural a estes males.300 línguas diferentes eram faladas pelas muitas sociedades indígenas então existentes no território que corresponde aos atuais limites do Brasil. foi sugerido que os padrões de organização social e de manejo dos recursos naturais das populações indígenas que atualmente vivem no território brasileiro não seriam representativos dos padrões das sociedades pré-coloniais. Embora não se saiba exatamente quantas sociedades indígenas existiam no Brasil à época da chegada dos europeus. Números que servem para dar uma idéia da imensa quantidade de pessoas e sociedades indígenas inteiras exterminadas ao longo desses 500 anos. como resultado de um processo de colonização baseado no uso da força. os lingüistas têm aceito que cerca de 1. como gripe. pela aplicação de políticas visando à "assimilação" dos índios à nova sociedade implantada. seja pela ação das armas.600. e paulatinamente foram estabelecendo-se nas terras que eram ocupadas pelos povos indígenas. por meio das guerras e da política de assimilação. Doenças hoje banais. que variam de 1 a 10 milhões de indivíduos.

que vivem em diversos estados do Sul e Sudeste brasileiro e que também conservam a sua língua. foram dizimados. atualmente. na maioria falantes de línguas do Tronco Tupi. em alguns casos. no Norte. os Maxakali (de Minas Gerais) e os Xokleng (de Santa Catarina) conservam suas línguas. elas foram sendo expulsas à medida em que a urbanização avançava. CentroOeste e Sul do Brasil. Curiosamente. Os Guarani. A maior parte das sociedades indígenas que conseguiram preservar suas línguas vive. As demais sociedades indígenas que vivem no Nordeste e Sudeste do País perderam suas línguas e só falam o português. mantendo apenas. migraram do Oeste em direção ao litoral em anos relativamente recentes. dominados ou refugiaram-se nas terras interioranas para evitar o contato. mas pertencentes a três famílias diferentes ligadas ao Tronco Macro-Jê. Topo . suas línguas não são Tupi. Hoje. Nas outras regiões. palavras esparsas. utilizadas em rituais e outras expressões culturais.17 Topo O deslocamento da população Quando se observa o mapa da distribuição das populações indígenas no território brasileiro de hoje. podem-se ver claramente os reflexos do movimento de expansão político-econômica ocorrido historicamente. somente os Fulniô (de Pernambuco). Os povos que habitavam a costa leste.

18 .

vivem mais de 800 mil índios. vários países americanos estabeleceram diferentes legislações em relação aos índios e foram criadas instituições oficiais para cuidar dos assuntos a eles relacionados. o critério da auto-identificação étnica vem sendo o mais amplamente aceito pelos estudiosos da temática indígena. motivados pela conservação de costumes. o indígena como: "(. Ou.. para assim definir. o antropólogo brasileiro Darcy Ribeiro baseou-se na definição elaborada pelos participantes do II Congresso Indigenista Interamericano. Mesmo depois de descobrir que não estavam na Ásia. os europeus continuaram a chamá-los assim. Eles estão distribuídos entre 683 Terras Indígenas e algumas áreas urbanas. Uma denominação genérica. em 1949. Na década de 50. Existem ainda grupos que estão requerendo o reconhecimento de sua condição indígena junto ao órgão federal indigenista. e sim em um continente até então desconhecido. no texto "Culturas e línguas indígenas do Brasil". ao longo dos tempos.19 O índio hoje Hoje. das quais 30 foram confirmadas. no Brasil. econômico e religioso.4% da população brasileira. segundo dados do Censo 2010.) aquela parcela da população brasileira que apresenta problemas de inadaptação à sociedade brasileira. ignorando propositalmente as diferenças lingüístico-culturais. Topo O que é ser índio Os habitantes das Américas foram chamados de índios pelos europeus que aqui chegaram. Se no Período Colonial era assim. definir quem era índio ou não constituiu sempre uma questão legal. cerca de 0. provocada pela primeira impressão que eles tiveram de haverem chegado às Índias. hábitos ou meras lealdades que a vinculam a uma tradição pré-colombiana. Era mais fácil tornar os nativos todos iguais. tratá-los de forma homogênea. no Peru. ainda mais amplamente: índio é todo o indivíduo reconhecido como membro por uma comunidade pré-colombiana que se identifica etnicamente diversa da . Desde a independência em relação às metrópoles européias. Nas últimas décadas.. já que o objetivo era um só: o domínio político. Há também 77 referências de grupos indígenas não-contatados.

Os índios são considerados a partir de um conjunto de imagens e crenças amplamente disseminadas pelo senso comum: eles são os donos da terra e seus primeiros habitantes. como as conseqüências da poluição ambiental e das diretrizes e ações do governo nas áreas da política. mais de 70 grupos de índios isolados. as mudanças ocorridas em várias sociedades indígenas. 180 línguas. há um movimento de busca de informações atualizadas e confiáveis sobre os índios. portanto. Mesmo sendo o critério mais utilizado. pelo menos. elegem candidatos e compartilham problemas semelhantes. "traiçoeiros". Mas está sempre relacionada ao contato entre realidades socioculturais diferentes e à necessidade de convívio entre elas. afinal. Procuram justificar. que norteou as relações do Estado brasileiro com as populações indígenas até a promulgação da Constituição de 1988. O preconceito parte. participam da elaboração de leis. um grupo de pessoas pode ser considerado indígena ou não se estas pessoas se considerarem indígenas. como o fato de falarem português. como estando em processo de desaparecimento. "preguiçosos" e "beberrões". máquinas fotográficas e aparelhos de fax). estando entre as maiores do mundo. percebe-se o quanto as diferentes culturas são dinâmicas e estão em contínuo processo de transformação. Topo Identidade e diversidade As populações indígenas são vistas pela sociedade brasileira ora de forma preconceituosa. São cerca de 220 povos indígenas. tais como madeira e minérios. são faladas pelos membros destas sociedades.12. utilizarem modernas tecnologias (como câmeras de vídeo. aqueles que sabem conviver com a natureza sem depredá-la. desta forma. Só recentemente os diferentes segmentos da sociedade brasileira estão se conscientizando de que os índios são seus contemporâneos. São também vistos como parte do passado e. No entanto.20 nacional e é considerada indígena pela população brasileira com quem está em contato". . Uma definição muito semelhante foi adotada pelo Estatuto do Índio (Lei nº. é importante frisar que as variadas culturas das sociedades indígenas modificam-se constantemente e reelaboram-se com o passar do tempo. sobre os quais ainda não há informações objetivas. quem são eles. que vive distanciada das áreas indígenas. Dominadas política. de tudo que possa desqualificá-los. daqueles que convivem diretamente com os índios: as populações rurais. Hoje. um interesse em saber. Eles vivem no mesmo país. Por isso. de 19. chamando-os de "ladrões". saúde. A diversidade cultural pode ser enfocada tanto sob o ponto de vista das diferenças existentes entre as sociedades indígenas e as não-indígenas. tende a ter deles uma imagem favorável. ora de forma idealizada. educação e administração pública em geral. com fortes ligações com o meio em que vive e se desenvolve. O Brasil possui uma imensa diversidade étnica e linguística. especialmente num país pluriétnico.1973). economia. como provam os dados. 6. Em suma. muitas vezes as populações rurais necessitam disputar as escassas oportunidades de sobrevivência em sua região com membros de sociedades indígenas que aí vivem. E é preciso considerar que isto aconteceria mesmo que não houvesse ocorrido o contato com as sociedades de origem européia e africana. Entendendo cultura como o conjunto de respostas que uma determinada sociedade humana dá às experiências por ela vividas e aos desafios que encontra ao longo do tempo. vestirem roupas iguais às dos outros membros da sociedade nacional com que estão em contato. No que diz respeito à identidade étnica. nas três últimas décadas tenha se constatado o crescimento da população indígena. ou se assim forem consideradas pela população que as cerca. não fazem com que percam sua identidade étnica e deixem de ser indígenas. muito mais.001. enfim. muito embora. que pertencem a mais de 30 famílias linguísticas diferentes. como a cultura de qualquer outra sociedade humana. ele tem sido colocado em discussão. Já a população urbana. Qualquer grupo social humano elabora e constitui um universo completo de conhecimentos integrados. já que muitas vezes são interesses de ordem política que levam à adoção de tal definição. da mesma forma que acontecia há 500 anos. como é o caso do Brasil. todo tipo de ação contra os índios e a invasão de seus territórios. utilizam estereótipos. ideológica e economicamente por elites municipais com fortes interesses nas terras dos índios e em seus recursos ambientais. quanto sob o ponto de vista das diferenças entre as muitas sociedades indígenas que vivem no Brasil. embora os veja como algo muito remoto.

Pano. De algumas dessas línguas não mais faladas ficaram registros de grupos de vocábulos e informações esparsas. já extinta. Ainda existem as línguas que se subdividem em diferentes dialetos. Além disso.. Outros tantos falam o português como sua segunda língua. Desta forma. por exemplo. compreender suas línguas e suas formas tradicionais de organização social. Pükobyê e Apaniekrá (Canela). Gavião (do Pará). que são. Há sociedades indígenas que. e estas famílias são reunidas em troncos lingüísticos. de ocupação da terra e de uso dos recursos naturais. por viverem em contato com a sociedade brasileira há muito tempo. De algumas outras línguas. os falados pelos Krikatí. Mura. número que exclui aquelas faladas pelos índios isolados. uma vez que eles não estão em contato com a sociedade brasileira e suas línguas ainda não puderam ser estudadas e conhecidas. outras línguas não puderam ser classificadas pelos lingüistas dentro de nenhuma família. Ressalte-se que o fato de duas sociedades indígenas falarem línguas pertencentes a uma mesma família não faz com que seus membros consigam entender-se mutuamente. reúnem-se numa mesma classe as línguas que tenham tido origem comum numa outra língua mais antiga. Um exemplo disso se dá entre o português e o francês: ambas são línguas românicas ou neolatinas. . Yanoama. que nem sempre permitem aos lingüistas suficiente conhecimento para classificá-las em alguma família. como a língua falada pelos Tükúna. entretanto. Há várias maneiras de se classificar as línguas. Por meio da língua. com as diferentes etnias. Há Famílias. falamos também da cultura e da história de um povo. a dos Irântxe etc. Apinayé. Topo As línguas indígenas A língua é o meio básico de organização da experiência e do conhecimento humanos. O lingüista brasileiro Aryon Dall'Igna Rodrigues estabeleceu uma classificação das línguas indígenas faladas no Brasil. Um exemplo são os descendentes de imigrantes italianos. pois cada uma delas expressa todo um universo cultural. japoneses etc. acabaram por perder sua língua original e por falar somente o português. como. classificadas como pertencentes aos troncos Tupi. todos. Eles só recorrem a outros tipos de classificação quando não há dados suficientes para realizar a classificação por meio do critério genético.21 É necessário reconhecer e valorizar a identidade étnica específica de cada uma das sociedades indígenas em particular. podemos conhecer todo um universo cultural. As línguas são agrupadas em famílias. Na classificação genética. Ramkokamekrá (Canela). É importante lembrar que o desaparecimento de tantas línguas representa uma enorme perda para a humanidade. Os lingüistas atuais consideram como mais apropriada a classificação do tipo genético. Quando falamos em língua. desconhecendo o português.300 línguas indígenas diferentes eram faladas no Brasil há 500 anos. ou seja. deve haver por volta de outras 200 línguas faladas regularmente por segmentos da população. uma vasta gama de conhecimentos. não ficaram nem resquícios. São elas: Karib. que não puderam ser identificadas como relacionadas a nenhum destes troncos. Txapakura. muitos índios falam unicamente sua língua. Hoje são 180. permanecendo não-classificadas ou isoladas. Estima-se que cerca de 1. apesar das muitas semelhanças lingüísticas existentes entre ambas. Krahó. sendo esta a mais utilizada pela comunidade científica que se dedica aos estudos pertinentes às populações indígenas. Isto significa o respeito pelos direitos coletivos especiais de cada uma delas e a busca do convívio pacífico. que em determinados contextos falam a língua materna. Katukina. Maku. uma forma única de se encarar a vida e o mundo. a língua dos Trumái. Ainda hoje. Tukano. Embora o português seja a língua oficial no Brasil. dialetos diferentes da língua Timbira. Nambikwara e Guaikuru. as línguas faladas pelos diversos povos da Terra são agrupadas em famílias lingüísticas. o conjunto de respostas que um povo dá às experiências por ele vividas e aos desafios que encontra ao longo do tempo. mas os falantes das duas línguas não se entendem. Macro-Jê e Aruak. sempre buscando a origem comum numa língua anterior. por meio de um intercâmbio cultural.

por isso. isolados do convívio com a sociedade nacional e com outros grupos indígenas. Rondônia (2). Maranhão (1). Entre eles. Entretanto. No processo de ocupação dos espaços amazônicos. desde a época do Descobrimento.22 Topo Índios isolados Alguns povos indígenas. mantiveram-se afastados de todas as transformações ocorridas no País. Pouca ou nenhuma informação se tem sobre eles e. de forma a garantir sua sobrevivência física e cultural. Eles mantêm as tradições culturais de seus antepassados e sobrevivem da caça. Amazonas (3). e Roraima (1). A Funai atua na proteção e identificação de índios isolados por meio da sua Coordenação Geral de Índios Isolados e de Recente Contato (CGIIRC) e de 12 Frentes de Proteção Etnoambiental. Acre (1). pesca. que estão localizadas nos estados do Mato Grosso (2). Topo . na esperança de lograrem sobreviver escondendo-se para sempre. o conhecimento e o dimensionamento das regiões habitadas por índios isolados são fundamentais para que se possa evitar o confronto e a destruição desses grupos. Pará (2). Os índios isolados defendem bravamente seu território e. sabe-se que alguns fatores são fundamentais para possibilitar a existência futura desses grupos. sua língua é desconhecida. coleta e agricultura incipiente. quando não podem mais sustentar o enfrentamento com os invasores de seus domínios. recuam para regiões mais distantes. a demarcação das terras onde vivem e a proteção ao meio ambiente.

23 .

24 .

25 .

26 .

principalmente na área da Amazônia Legal. sociedades que receberam nomes diferentes em épocas diversas. religiões e tradições culturais em geral. ainda. propiciando a formação de uma nova cultura. Foram imensas as dificuldades de comunicação entre os europeus e os nativos da terra. que mesclaram suas diferentes línguas. Assim sendo. Hoje. motivadas pelo não-entendimento das línguas faladas. Mais da metade da população indígena está localizada nas regiões Norte e Centro-Oeste do Brasil. um pequeno percentual da população de mais de 190 milhões de habitantes do Brasil. em termos demográficos. cuja população é formada pelos descendentes de europeus. índios e. Mas há índios vivendo em todas as regiões brasileiras. bem como. negros. Os índios vivem nos mais diversos pontos do território brasileiro e representam. também de imigrantes vindos de países asiáticos. que falam 180 línguas distintas. os quais demonstram que a população indígena vem aumentando rapidamente nas últimas décadas. Não apenas biologicamente. a mesma sociedade indígena pode ser conhecida por vários nomes e eles nem sempre são escritos da . entre os funcionários do órgão indigenista oficial e mesmo entre os antropólogos e os índios. segundo comprovam estudos recentes. é comum que uma sociedade indígena seja conhecida por uma denominação que lhe foi atribuída aleatoriamente pelos primeiros indivíduos que entraram em contato com ela ou pela denominação dada pelos inimigos tradicionais. E há. mas também do ponto de vista das tradições culturais. os cerca de 220 diferentes povos somam mais de 800 mil pessoas. muito mais tarde. Portanto.27 As sociedades Os índios sobrevivem. Muitos dos nomes usados para designar as sociedades indígenas que vivem no Brasil não são autodenominações destas sociedades. Ela é quase sempre pejorativa. Os seus antepassados contribuíram com muitos aspectos de suas diversificadas culturas para a formação do que atualmente se chama Brasil: um país de vasta extensão territorial. Todavia são um exemplo concreto e significativo da grande diversidade cultural existente no País. fortemente marcada por contrastes. mais recentemente. em maior ou menor número.

ou seja. se deve a penetração para o interior e a marcha para o oeste. por exemplo. celtas e escravos africanos. com o entrecruzamento de africanos. romanos. será considerado mestiço (eurasiano). os grandes grupos de cor em que se divide a espécie humana e que. A população é mais índia no Norte. A partir do século XIX. mas é sabido que provieram de diferentes tribos e nações. porém. As populações contemporâneas são o resultado de um prolongado processo de miscigenação. Desse processo. Topo Miscigenação Não existe na atualidade nenhum grupo humano racialmente puro. acrescenta-se à miscigenação entre os primeiros grupos étnicos a contribuição dos imigrantes italianos. são ambíguos. ao contrário. como o próprio conceito de raça. Na história do Brasil. considera-se miscigenação a união entre brancos e negros. Isso também contribuiu para que a mistura de povos no Brasil tivesse composição diferente de acordo com a região. portugueses e índios. Esses conceitos. mestiço de negro e branco. holandeses e ingleses tentaram se estabelecer em território brasileiro e deixaram alguma contribuição étnica. no entanto. O filho de um alemão e uma sueca. Esse fato gerou uma identidade nacional singular e um povo marcadamente mestiço na aparência e na cultura.no caso. no interior. resultante das relações entre branco e índio. isto é. gregos. não é considerado mestiço. De maneira geral. seja qual for o meio em que se der sua integração. há outros aspectos que nunca foram seguidos. Existe uma "Convenção para a grafia dos nomes tribais" estabelecida pela Associação Brasileira de Antropologia (ABA) em 1953. que também participaram do processo de mistura racial no Brasil. Ainda no período colonial. e os espanhóis em todo o país. consolidou-se a estrutura genética da população brasileira. uma vez que os falantes originais das línguas indígenas eram ágrafos. pode-se dizer que caracteriza a evolução do homem.brancos e amarelos. embora restrita. Mestiço é o indivíduo nascido de pais de raças diferentes. mouros. conforme o meio em que ocorrer sua socialização. também chamado mestiçagem ou caldeamento. visigodos. não constituem raças no sentido biológico. em aproximadamente 15 gerações. no qual se destacam contribuições dos fenícios. a ocorrência da mestiçagem é bastante pronunciada. mas sim alemão ou sueco. Embora muitos aspectos desta convenção sejam respeitados pelos antropólogos até hoje. mas grupos humanos de significado sociológico que o senso comum identifica por um traço peculiar -. franceses. enquanto os portugueses provinham de um processo de caldeamento secular e variado. menos branca no . árabes. apresentam constituições genéticas diferentes. pode-se dizer que predomina no litoral o mulato e. alemães e japoneses. negros e amarelos. Popularmente. a cor da pele. inclusive o desenvolvimento de sua vida urbana. se deve toda a construção da economia litorânea no Brasil. Miscigenação é o cruzamento de raças humanas diferentes. Isto depende de convenção feita pelos não-índios. não conheciam a escrita. Brancos. judeus. cuja intensidade variou ao longo do tempo. É difícil precisar a origem dos negros trazidos da África para o Brasil. os italianos em São Paulo. espanhóis.28 mesma forma. na concepção popular. são tidos como "raças". e entre amarelos e negros. O filho de um alemão e uma vietnamita. Ao mameluco. Ao mulato. Do século XVI ao XVIII. Os ancestrais indígenas do brasileiro contemporâneo caracterizavam-se mais pela diversidade do que pela homogeneidade. Os alemães se estabeleceram principalmente no Sul. ou seja. o branco e vários mestiços.

embora possuidores de conhecimentos técnicos mais avançados. alemães. mais índia e mais branca no Centro-Oeste e menos negra no Sul. No mesmo século. Rio Grande do Sul e Amazônia. pertenciam a dois grandes grupos: os sudaneses e os bantos. árabes e negros. mais de 900. em graus muito variáveis de mestiçagem e pureza. Daí haver o colono recorrido à mão-de-obra africana. principalmente tupi. eslavos. Os primeiros. O movimento de portugueses para o Brasil foi relativamente pequeno no século XVI. As populações indígenas não participaram inteiramente. à mineração e à lavoura cafeeira. O legado indígena tornou-se um elemento da formação do brasileiro. só em Minas. que habitaram em Portugal. mas cresceu durante os cem anos seguintes e atingiu cifras expressivas no século XVIII. porém. do processo de agricultura sedentária implantado. A nova cultura incorporou o banho de rio. historicamente a área de maior desenvolvimento. a migração tornou-se mais constante. um domínio de Portugal.29 Nordeste. registra-se outro movimento migratório: o de açorianos para Santa Catarina. o uso da mandioca na alimentação. sírios -. geralmente altos e de cultura mais elaborada. Povos no Brasil As três raças básicas formadoras da população brasileira são o negro. A descoberta de minas de ouro e de diamantes em Minas Gerais foi o grande fator de atração migratória. destinados à lavoura canavieira. tiveram que aceitar numerosos valores indígenas indispensáveis à adaptação ao novo meio. do século XVI até 1850. foram sobretudo para a Bahia. por exemplo. É difícil afirmar até que ponto cada elemento étnico era ou não previamente mestiçado.000 pessoas. no período. Os demais grupos. há um pouco de todas as raças. na realidade. Os portugueses. Negros Os negros. pois seu padrão de economia envolvia a constante mudança de um lugar para outro. O Brasil é o país de maior população branca do mundo tropical. cestos de fibras vegetais e um numeroso vocabulário nativo. nos vegetais e na fauna. estados em que fundaram núcleos que mais tarde se tornaram cidades prósperas. o europeu e o índio. estabeleceram contato com uma população indígena em constante nomadismo. sentido de imigração.italianos. vindos em grande número para o Brasil em diversas épocas -. nos primeiros tempos. Embora o Brasil fosse.também tiveram mestiçagem semelhante. espanhóis. No Sudeste. A partir de então. associado às coisas da terra: na toponímia. Os colonos. esse processo tinha. . A miscigenação no Brasil deu origem a três tipos fundamentais de mestiço: Cabloco = branco + índio Mulato = negro + branco Cafuzo = índio + negro Brancos Os portugueses trouxeram um complicado caldeamento de lusitanos. Calcula-se que nos primeiros cinqüenta anos do século XVIII entraram. romanos. trazidos para o Brasil como escravos.

os portugueses aparecem como grupo dominante. A marca da imigração no Brasil pode ser percebida especialmente na cultura e na economia das duas mais ricas regiões brasileiras: Sudeste e Sul. Outros Grupos Os principais grupos de imigrantes no Brasil são portugueses. em engenhos de açúcar. fazendas de criação. e cujo número observou tendência sempre crescente. negros e indígenas. mas admite-se que foram de cinco a seis milhões. Agrupam-se em quatro troncos lingüísticos principais: o tupi ou tupi-guarani.30 Os bantos. arraiais de mineração. sítios extrativos. Estavam no estádio cultural neolítico (pedra polida). dada sua afinidade com a população brasileira. em seguida. Foi um movimento ao mesmo tempo colonizador e povoador. originários de Angola e Moçambique. do século XVI ao XIX. pois contribuiu para formar a população que se tornaria brasileira. sobretudo num processo de miscigenação que incorporou portugueses. com quase trinta por cento do total. o grupo que tem maior participação no processo migratório. parte inseparável de seu povo. que representam mais de oitenta por cento do total. A criação das colônias estimulou o trabalho rural. A influência cultural do imigrante também é notável. instalados sobretudo nas reservas indígenas da Amazônia. alimentação e vestimentas. Até o fim do século XX. o que é natural. O negro africano contribuiu para o desenvolvimento populacional e econômico do Brasil e tornou-se. assim como o hábito de consumir mais legumes e verduras. o caraíba ou karib e o aruaque ou nu-aruaque. A esses três elementos fundamentais vieram inicialmente acrescentar-se os mestiços. pela mestiçagem. o jê ou tapuia. quando o território foi dividido em capitanias hereditárias e se formaram núcleos sociais importantes em São Vicente e Pernambuco. É impossível precisar o número de escravos trazidos durante o período do tráfico negreiro. Sua presença projetou-se em toda a formação humana e cultural do Brasil com técnicas de trabalho. como os pano. concentrados sobretudo no . visando ao povoamento e à exploração da terra por meio de atividades agrárias. Ocupam portanto lugar de grande destaque na composição étnica da população brasileira. Os africanos espalharam-se por todo o território brasileiro. mulatos (de brancos e negros) e cafuzos (de negros e ameríndios). A tendência acentuou-se a partir de 1534. tucano. no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. Há além disso pequenos grupos lingüísticos. espanhóis. quando começou a estabelecer-se um sistema relativamente organizado de ocupação e exploração da nova terra. música e danças. bororo e nhambiquara. predominaram na zona da mata nordestina. italianos. Atualmente os índios acham-se reduzidos a uma população de algumas dezenas de milhares. Deve-se aos imigrantes a implantação de novas e melhores técnicas agrícolas. que provavelmente migraram em primeiro lugar para o Novo Mundo. com mais de trinta por cento. alemães e japoneses. representados pelos caboclos (descendentes de brancos e ameríndios). como a rotação de culturas. surgidos do cruzamento dos três tipos étnicos anteriores. fazendas de café e áreas urbanas. São os italianos. A colonização foi o objetivo inicial da imigração no Brasil. Índios Os indígenas brasileiros pertencem aos grupos chamados paleoameríndios. dispersos entre esses maiores. A imigração teve início no Brasil a partir de 1530. práticas religiosas. Centro-Oeste e Nordeste. Surgiu assim o terceiro grupo importante que participaria da formação da população brasileira: o negro africano. plantações de algodão.

bem como a cultura e o uso de legumes e verduras. nos atuais municípios de Teófilo Otoni e Juiz de Fora. Uma das mais significativas apresenta-se no processo de industrialização dos estados da região Sul do país. Imigrantes alemães se radicaram também em Minas Gerais. Especialmente em São Paulo. Ao imigrante devem-se ainda outras contribuições em diferentes setores da atividade brasileira. Os franceses influíram nas artes. nas ruas. Por: Priscila Mota de Araujo Veja também:   Contrastes Regionais do Brasil Populações Indígenas do Brasil . onde hoje é o município de Santa Teresa. Em todas as colônias. com quase cinco por cento do total de imigrantes. originalmente formada por confederados emigrados do sul dos Estados Unidos em conseqüência da guerra de secessão. Santa Felicidade etc. Brusque. Outras colônias fundadas em vários pontos do Brasil ao longo do século XIX se transformaram em importantes centros urbanos. pois sua presença constante assegurou a continuidade de valores que foram básicos na formação da cultura brasileira. Os libaneses e outros árabes divulgaram no Brasil sua rica culinária. com a venda ambulante. Farroupilha. estes traduzidos por uma herança na área religiosa. Os alemães contribuíram na indústria com várias atividades e. onde o artesanato rural nas colônias cresceu até transformar-se em pequena ou média indústria. criada pelos holandeses. os alemães. A contribuição dos portugueses merece destaque especial. na agricultura. e no Espírito Santo. estabelecida por imigrantes alemães liderados pelo médico Hermann Blumenau. educação e nos hábitos sociais. musical e recreativa.). Joinville. com mais de cinco. de Blumenau SC. ora com a transformação de antigos núcleos em cidades (São Leopoldo. Itajaí. Em São Paulo e no Rio de Janeiro. com mais de dez por cento. e os japoneses. Seguem-se os espanhóis. é grande a influência dos italianos na arquitetura. literatura. imigrantes enriquecidos contribuíram com a aplicação de capitais nos setores produtivos.31 estado de São Paulo. ressalta igualmente o papel desempenhado pelo imigrante como introdutor de técnicas e atividades que se difundiram em torno das colônias. trouxeram o cultivo do centeio e da alfafa. Novo Hamburgo. Caxias. além dos jogos hoje incorporados à lúdica infantil. Contribuição dos Grupos No processo de urbanização. ora com sua presença em atividades urbanas de comércio ou de serviços. como se deu em São Paulo e no Rio de Janeiro. A eles também se deve uma pronunciada influência na culinária e nos costumes. É o caso de Holambra SP. assinala-se a contribuição do imigrante. Os japoneses trouxeram a soja. e de Americana SP. onde se encontra a maior colônia italiana do país.