Sabugal

:
História, Sociedade e Cultura
(Levantamento bibliográfico)

Sabugal, 2016

Título: Sabugal. História, Sociedade e Cultura (Levantamento bibliográfico)
Compilação e paginação: Jorge Torres
Data: março de 2016
Disponível em:

www.museusabugal.net/bibliografia.html

Apresentação
O acesso à bibliografia disponível é o primeiro grande obstáculo (e quantas vezes intransponível...)
que o investigador tem que enfrentar ao começar a trabalhar sobre um determinado tema de
estudo.
Em termos de pesquisa bibliográfica, o concelho do Sabugal dispõe do contributo de Jesué
Pinharanda Gomes, que é autor (isoladamente ou em colaboração) de quatro levantamentos do
que tem sido publicado. Padecem, no entanto, da inevitável desactualização que resulta do facto
de terem já alguns anos.
Para este trabalho, tomou-se como ponto de partida o seu primeiro contributo para o tema (1970).
Houve um esforço de consulta de todas as obras referidas, para poder classificá-las por assuntos.
No que diz respeito às publicações periódicas, mantiveram-se todos os dados que o autor incluíu
no referido trabalho e num outro de 2001. Sempre que possível, completaram-se as informações
com ano de início e fim de edição e total de números saídos. Como certos periódicos têm uma vida
irregular, poderá haver lapsos quanto aos seus dados.
Por outro lado, é importante precisar que há uma diferença de perspectiva entre este trabalho
e os acima referidos. Não se pretende aqui fazer o levantamento de uma bibliografia de autores
sabugalenses, mas sobre o concelho, sendo verdade que, em muitos casos, há uma total
coincidência.
A presente bibliografia está dividida em três partes: na primeira, apresenta-se uma listagem
das obras por ordem alfabética dos autores; na segunda, as mesmas referências separadas por
assuntos. Para estes, foi elaborada uma lista com algumas subdivisões que tornem a pesquisa
mais fácil. Esta listagem de assuntos poderá ser alterada futuramente, se se concluir que isso pode
pelas vantagens Houve a preocupação de não incluir a mesma obra em diversos assuntos. Assim,
aquelas que estão referenciadas como genéricas, monografias, corografias ou outras semelhantes,
por exemplo, podem incluir contributos importantes para um dos outros assuntos. Por fim, a
última parte diz respeito aos periódicos.
Um trabalho deste tipo está sempre incompleto, quanto mais não seja pelo simples facto de
estarem constantemente a surgir novas obras. Neste caso concreto, como houve a preocupação
de consultar todas as referências (ou obter informações fidedignas a seu respeito), de modo a
poder avaliar a qualidade do seu conteúdo e temáticas abordadas, a opção foi não incluir as que
ainda não foi possível encontrar. Por outro lado, é importante esclarecer que a simples inclusão
de uma referência não implica concordância com o seu conteúdo. Desde que apresentando
informação fundamentada ou original, considerou-se útil dar a conhecer diferentes perspetivas
sobre o mesmo tema. Por outro lado, trabalhos que são meras transcrições de outros (com ou sem
a respetiva identificação) não estão aqui referenciados.

Sabugal: História, sociedade e cultura

3

1. Bibliografia ordenada por autores

ACÁCIO, Abel
1886
Castello do Sabugal, Occidente. Revista Illustrada de Portugal e do Extrangeiro, Lisboa, 279, 21 de setembro, p. 209-210.
AFONSO, João (ed.)
2006
IAPXX – Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal. Lisboa: Ordem dos Arquitectos.
AFONSO, Virgílio
1961
O Cabeço das Fráguas, Correio da Beira, Guarda, 7 de setembro.
1985
Sabugal. Terra e gentes (apontamentos de história e paisagem da região). Sabugal: Câmara Municipal.
ALARCÃO, Alberto
1985
Do Tradicional Êxodo Demográfico ao Contemporâneo Retorno de Populações na “Região” do Centro ou
Beira(s) de Portugal, Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, 15/16/17, maio, p. 445-466.
ALARCÃO, Jorge de
1988
Roman Portugal: Gazetteer. Warminster: Aris & Phillips, 2:1.
1988a
O Domínio Romano em Portugal. Mem Martins: Europa-América.
1988b
Os Montes Hermínios e os Lusitanos. In Livro de Homenagem a Orlando Ribeiro. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos. Vol. 2, p. 41-48.
1990
Identificação das cidades da Lusitânia portuguesa e dos seus territórios. In Les Villes de Lusitanie Romaine: Hiérarchies et territoires. Table ronde internationale du CNRS (Talence, 8-9 décembre 1988). Paris:
Centre National de la Recherche Scientifique, p.21-34.
1998
On the civitates mentioned in the inscription on the bridge at Alcântara, Journal of Iberian Archaeology,
Porto, 0, p. 143-157.
2001
Novas perspectivas sobre os Lusitanos (e outros mundos), Revista Portuguesa de Arqueologia, Lisboa,
4:2, p. 293-349.
2004
Notas de Arqueologia, epigrafia e toponímia – I, Revista Portuguesa de Arqueologia, Lisboa, 7:1, p. 317-342.
2006
Notas de Arqueologia, epigrafia e toponímia – IV, Revista Portuguesa de Arqueologia, Lisboa, 9:1, p. 131-147.
ALARCÃO, Jorge de; IMPERIAL, Flávio
1996
Sobre a localização dos Lancienses e Tapori. In MACIEL, Manuel Justino (ed.) - Miscellanea em homenagem ao Professor Bairrão Oleiro. Lisboa: Colibri, p. 39-44.
ALBERGARIA, Henrique (coord.)
2007
Vilas Medievais Planeadas de Portugal. Reinados de D. Afonso III e de D. Diniz. Coimbra: IERU.
ALEXANDRE, Carlos Manuel da Costa
2003
Estudo historiográfico das Termas do Cró. Sabugal: edição do autor.
ALFONSO ÁLVAREZ, Xosé; SARAMAGO, João
2010
Áreas lexicais em zona de fronteira: um olhar de síntese para a / da raia luso-espanhola na zona da Extremadura. In FERNÁNDEZ GARCÍA, María Jesús; AMADOR MORENO, Silvia (eds.) - Al límite: I Congreso
de la SEEPLU (Facultad de Filosofía y Letras, Cáceres, 5 y 6 de noviembre de 2009). Cáceres: Editorial
Avuelapluma, p. 15-39.
ALMAGRO BASCH, Martín
1966
Las estelas decoradas del suroeste peninsular. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas.
ALMAGRO-GORBEA, Martín
1998
La Protohistoria de Riba-Coa. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol, 12-17 Setembro 1997. Lisboa: Universidade Católica
Editora, p. 81-105.
ALMAGRO-GORBEA, Martín; TORRES, Jorge
2015
Pedras de namorados no concelho do Sabugal, Sabucale, Sabugal, 7, p. 7-22.
ALMEIDA, Albano José Ribeiro de
2010
Brás Garcia Mascarenhas. Aventureiro, guerreiro e poeta. Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em
História Moderna].

Sabugal: História, sociedade e cultura - Autores

5

ALMEIDA, Eduardo Guerra
1998
O processo de desenvolvimento em dois espaços transfronteiriços antes e depois da integração europeia:
concelho do Sabugal e Almeida: município de Valverde del Fresno: período 1960-1995. Covilhã. [Tese de
mestrado em Desenvolvimento Regional e Transfronteiriço apresentada à Universidade da Beira Interior].
ALMEIDA, João de
1943
Reprodução anotada do Livro das Fortalezas de Duarte Darmas. Lisboa: Império.
1943a
Roteiro dos Monumentos da Arquitectura Militar do Concelho da Guarda, 2.ª edição. Lisboa: Império.
1945
Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses, vol. 1. Lisboa.
ALMEIDA, José António Ferreira de (coord.)
1976
Tesouros Artísticos de Portugal. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest.
ALMEIDA, José Maria de
1942
A beira quinhentista, Revista Altitude, Guarda, 1.ª série, 2:2, p. 68-70.
ÁLVAREZ-SANCHÍS, Jesús R.
2003
Los Vettones. Madrid: Real Academia de la Historia (2ª ed. - 1ª ed. 1999).
2004
Etnias y fronteras: bases arqueológicas para el estudio de los pueblos prerromanos en el occidente de Iberia. In LOPES, Maria Conceição; VILAÇA, Raquel (coord.) - O Passado em cena: narrativas e fragmentos.
Coimbra / Porto: Centro de Estudos de Arqueologia das Universidades de Coimbra e Porto. p. 299-327.
ALVES, Carolina Davide
2014
A baixa densidade rural num contexto geográfico de fluxos e permanências: atores locais, tempos e
redes. O exemplo de Foios (Sabugal). Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em Geografia Humana,
Ordenamento do Território e Desenvolvimento].
2015
Memórias, paisagem e identidade nas trajetórias de desenvolvimento. Notas sobre Fóios (Sabugal). In
JACINTO, Rui; CABERO DIÉGUEZ, Valentín (coord.) - Espaços de Fronteira, Territórios de Esperança.
Paisagens e patrimónios, permanências e mobilidades. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos /
Âncora Editora. p. 179-191.
ALVES, Duílio Andrade
2002
S. Bento Menni. Sua passagem por Aldeia da Ponte, Cinco Quinas, Sabugal, 21, abril, p. 17.
AMÂNDIO, Aldina Nunes
2011
Elaboração de um plano para implementação de uma Agenda 21 no Município do Sabugal. Covilhã:
Universidade da Beira Interior [dissertação de Mestrado em Arquitetura].
AMANTE, Maria de Fátima
2006
Fronteira e identidade local. Estratégias para a produção de localismos na zona raiana. In PERALTA, Elsa e
ANICO, Marta (org.) - Patrimónios e Identidades. Ficções contemporâneas. Oeiras: Celta Editora. p. 85-92.
2007
Fronteira e identidade. Construção e representação identitárias na raia luso-espanhola. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.
AMARAL, Luís Carlos; GARCIA, João Carlos
1998
O tratado de Alcañices (1297): uma construção historiográfica, Revista da Faculdade de Letras do Porto
– História, Porto, XV:2, p. 967-986.
AMBRÓSIO, António
1983
A família romana de Toncio no lugar da Torre (Sabugal), Revista Altitude, Guarda, 2.ª série, 2:7-8, p. 29-38.
1987
Memória histórica de Alfaiates, A Guarda, Guarda, 9 de janeiro, p. 5-6; 16 de janeiro, p. 5; 23 de janeiro, p.
5; 30 de janeiro, p. 5; 6 de fevereiro, p. 5; 13 de fevereiro, p. 5 e 7; 27 de fevereiro, p. 5; 6 de março, p. 5 e 11.
1987a
Memória histórica de Vilar Maior, A Guarda, Guarda, 27 de março, p. 5; 3 de abril, p. 7; 10 de abril, p. 7.
1987b
Memória histórica de Vila do Touro, A Guarda, Guarda, 17 de abril, p. 4; 24 de abril, p. 5.
1987c
Memória histórica de Sortelha, A Guarda, Guarda, 12 de junho, p. 12 e 11; 19 de junho, p. 5 e 11; 17 de julho,
p. 6 e 10.
ANDRADE, Amélia Aguiar
2002
As estradas em Portugal: Memória e História. Bibliografia. Monografias. Lisboa: Centro Rodoviário
Português.
ANDRADE, Augusto
2004
Artesanato no Concelho do Sabugal. Guarda: NERGA – Associação Empresarial da Região da Guarda.
ANDRADE, J. Osório de
1993
A capeia arraiana. Um Repositório do Inconsciente Colectivo. Guarda: Delegação do INATEL.

6

Sabugal: História, sociedade e cultura - Autores

António Jorge André 2002 Beira Interior Norte: população e povoamento numa região periférica: uma abordagem sobre os concelhos de Almeida. abril. p. 19:4. 148-179. 3:9-11 (1. p. p. Meda. 45. 91-106. 2:12 (1. 3 vol. Maria dos Prazeres Lima (coord.) s. Rogério de 1960 Inscrições gregas no Outeiro da Senhora da Pena (Viseu) e no Cabeço das Fráguas (Guarda). 10:912. ASOLOBER. 2:6-7 (1. 44. 387-402.. outubro. Anais da Academia Portuguesa da História. p.ª série) (1897). 6. Lisboa. 8.Celtic Religion across Space and Time. 3. p. Alfaiates. 2 vols. 7-20. p. Jorge 2012 O Museu do Sabugal e o seu papel na dinâmica cultural do Vale do Côa. 5-14.um museu no séc. 231-298. 3. Raúl 2010 Celtic divine names in the Iberian Peninsula: towards a territorial analysis. sociedade e cultura . p.) . Figueira de Castelo Rodrigo. antes do Tratado de Alcanices (1297). p. 2. Sabucale. In SILVA. Vera. J. AZEVEDO. TORRES. julho. Lisboa: Paulo Craesbeeck. AZEVEDO. Lisboa: Colibri. 7:2-3 (1. 177-192. Torres Vedras: Município. p. p. p. 246/247. p. J. Coimbra: Universidade de Coimbra. João Salgado de 1644 Svcessos militares das armas portvgvesas em suas fronteiras depois da Real acclamação contra Castella. 1910 Documentos de Santa Maria de Aguiar (Castello Rodrigo). 1962 Riba Coa sob o domínio de Portugal no reinado de D. ANTUNES.d. Jorge 2011 República 100 anos. [Tese de Mestrado em Geografia Humana apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra]. In RODRIGUES. Revista Lusitana. 12. O Archeologo Português.) . Provérbios e ditos populares.ª série) (1896). p.ª série) (1902). AZEVEDO. Carla.ª série) (1902). Pinhel. 7:10-11 (1. O mosteiro de Santa Maria de Aguiar. Viseu. p. Carlos Moreira (dir) 2000-02 História religiosa de Portugal. D.ª série) (1896). Archivo Histórico Português. C. Sabucale. Lisboa. 2005 Os cruzeiros da Rebolosa. Ruy de 1934 Fronteira entre Portugal e Leão em Riba-Côa. 9. Afonso Henriques. T. Sabugal: História.Actas do V Congresso de Arqueologia — Interior Norte e Centro de Portugal. 193-208. AUGUSTO. Celorico da Beira. 454-466. julho-agosto. 305-318. II série. In ARENAS-ESTEBAN.) . LÓPEZ-ROMERO. 43. Sem Fronteiras.ª série) (1897). 1914 Apontamentos de viagem de Herculano pelo país em 1853-1854. Mensagem da Saudade. AZEVEDO. Manteigas. Carlos Guardado da (coord. Porto: DRCN. Guarda. 225-244. (coords. Com a geografia das Provincias. 3. J. Sabugal. Carla 2009 Museu do Sabugal . 6. 3:7-8 (1. Rebolosa. Coimbra. 507-518. Biblos. SANTOS. LIMA. ARENAS-ESTEBAN. Sabugal: Educação de Adultos. p. 74-79. Carla. 1-17. XXI. 2010 O sistema de inventário e gestão de colecções do Museu do Sabugal. p. Judeus e Judaísmo (Turres Veteras XV). & nobreza dellas. Sabugal. AZEVEDO. Sabugal. DUARTE. M. BALTAZAR. p. Alberto. Lisboa.ANG 1981 A capeia. 402-432. Sabugal. 3. A. Beira Alta. Porto: Typographia do Jornal do Porto. A. Toledo: Junta de Comunidades de Castilla-La Mancha. Joaquim de 1877 História eclesiástica da cidade e bispado de Lamego. ARAÚJO.. AUGUSTO. Pedro A.Autores 7 . de fundação portuguesa e não leonesa. p. BALESTEROS. 7. p. A. Lisboa: Círculo de Leitores. 1.Judiarias. p. 2015 A Carta de Couto de Alfaiates. Sabugal e Trancoso. 65-74. TORRES. Lisboa. Carmen 2013 Arqueologia dos judeus peninsulares: os casos do Alentejo e Extremadura espanhola no contexto peninsular. 165-182. Alberto (ed. de 1896-02 Extractos archeologicos das ‘Memórias Parochiaes de 1758’. p. 267-269. XIII (1-2). Sabucale. Sabucale. p. AUGUSTO.

Porto.. 70:3. Vítor Oliveira (coord) – 3º Congresso de Arqueologia Peninsular. 199-212. José Antonio 2006 Situación lingüística en la Raya Seca. Revista Lusitana. p. 34. novos intercâmbios. 53-85. p. IX a XII). 2008-09 De Miranda do Douro ao Sabugal . p. Celsa Patrícia Morgado 8 Sabugal: História. 70:5. 2000 Aspectos da evolução da arquitectura militar da Beira Interior. p. Interferencias lingüísticas. 2ª série. Delfina Pinheiro 2005 Apontamentos sobre os caminhos do “contrabando”. p. 165-265. 11-12. XV:1. te à de Milam em Italia: cô alguas outras obras cujo catalogo vai scripto com os nomes dos dictos lugares na folha seguinte. Julio 1945-46 Fueros que sirvieron de base a los de Cáceres-Usagre: aportación a un mapa foral. Virgílio (coord. Outras fronteiras. Nova Série. I. Guarda: edição do autor.) .BAPTISTA. Porto: ADECAP. BARTÓL HERNÁNDEZ. 12-17 Setembro 1997. 1992 Medidas-Padrão Medievais Portuguesas. In Beira Interior. OLIVEIRA. 14 concelhos e 329 freguesias. 2000b Epigrafia medieval portuguesa (862-1422). Mário Jorge 1990-91 Do Castelo da Reconquista ao Castelo Românico (sec. 203-213. p. Virgílio (coord.I Conferências Territórios e Culturas Ibéricas. Coimbra: Universidade. In JACINTO. E. O Instituto. 117-136. Rui e BENTO. p. XXIV. p. 211-225. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. BARBOSA. p. Gaspar 1561 Chorographia de algvns lvgares que stam em hum caminho que fez Gaspar Barreiros ó anno de MDXXXXVJ começãndo na cidade de Badajoz em Castella. Nicolás 2010 El Derechu del Reinu de Lleón nel sieglu XIII: fontes. Artur de Magalhães 1923 A fronteira hispano-portuguesa (ensaio de geografia política). 449-454. Lisboa: Universidade Católica Editora. 35. BARROS. 95-112. BARTOLOMÉ PÉREZ. XV:1. 1936-7 Judeus e mouros em Portugal em tempos passados (apontamentos histórivo-etnográficos). Rui. p. Porto. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. IX. BARTHE PORCEL. Actas. 161-238. 1998 D.) . 2ª série. Manuel I (14951521).O interior raiano do Centro de Portugal. BENTO. Typographia da Academia Real das Sciencias (v2). Guarda. p. vol. João Justino Baptista de 1874-79 Chorographia moderna de Portugal. A. 801-822. História e Património. BARREIROS. Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras . 103-117. Nova Série. BAPTISTA. Porto. p. Coimbra. 89-136.Editores SA. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Ministério da Ciência e da Tecnologia [tese de doutoramento FLUP]. Portugália. Porto: Campo das Letras / Guarda: C. 102. Manuel Joaquim 1978 Panoramas do Distrito da Guarda: apontamentos referentes aos concelhos e freguesias do distrito. 79-88. XXIX-XXX. Vol. Porto. 7 vol. Lisboa. Lletres Asturianes: Boletín Oficial de l’ Academia de la Llingua Asturiana. 3 vol.Arquitectura militar e testemunhos arqueológicos medievais num espaço de fronteira. BASTO. BARROCA. 7 (Arqueologia da Idade Média da Península Ibérica). Lisboa: Imprensa Nacional (v1). p. Portugália. 193-252. João Maria. Porto. sociedade e cultura . vol. Henrique da Gama 1885-1922 História da administração pública em Portugal nos séculos XII a XV. Lisboa. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. 148-163. 215-238. In JORGE.. 2000a Contributo para uma bibliografia dos estudos de castelologia medieval portuguesa (1978-1979). Oviedo. lliteratura xurídica y llingia. 57-69. BATISTA.Autores . Pedro Gomes 1998 Organização defensiva na fronteira beirã oriental: “Extremadura” e Riba Côa até ao século XIII. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 70:2. Anales de la Universidad de Murcia. p. p. Murcia. p. Typographia de Castro Irmãos (v3 e 4). Portugália. Dinis e a arquitectura militar portuguesa. 155-183. BARROCO. BARRIOS GARCÍA. Angel 1998 El Proceso de Ocupación y de Ordenación del espacio en la Raya Leo-nesa. Porto. In JACINTO. p. 2003 Tempos de resistência e inovação: a arquitectura militar portuguesa no reinado de D. p.

2008 Os nossos sabores – o património culinário raiano. BELEZA. Paulo Leitão 1999 Retratos da vida aldeana. p. p. 2002 Duas sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior . Aldeia da Ponte. 81. 199-206. 27. p. p. Sabugal: História. I . 3. I tomo I. Edição do autor. novembro. Lisboa. 2002 A Matança e a Gastronomia Raiana. Munda. p. Coimbra. Sabugal. Mensário das Casas do Povo. I . p. 40. 7.ª série. Lisboa. p. 3. Madrid: Imprenta de José Rodríguez. 95-103. Lisboa. 2001 Rota batida por terras da Beira Côa. 7. Boletim da Casa das Beiras. vol. 1 – Os Castelos das Beiras. BOLÉO. 24. vol. Lisboa. p. 51-64. 2006 O bucho e suas variantes. 2002 Estudos Sobre Concelhos Medievais de Entre-Côa-e-Zêzere. 3. Coimbra: Universidade de Coimbra. Revista Altitude. Antonio (ed. 2000a Sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior. Guarda. BATISTA. Manuel de Paiva 1948 O estudo dos falares locais. maio. BIGOTTE. Trabalho dactilografado. José David Lucas 1998 Notas Etimológicas e Toponímicas. 2000 Cabeceiras de sepultura de Vilar Maior .ª série. 90-96. Guarda. Coimbra: Universidade de Coimbra. Nova série. p. Augusto Moutinho 1998 O Quotidiano em Riba-Côa no período da Restauração . p. outubro. 469-497.ª série. Mensário das Casas do Povo. Cinco Quinas. [posteriormente incluído em Estudos de linguística portuguesa e românica.tomo I. Mário Pires 1978 Estações arqueológicas romanas de Meimoa (Beira Baixa). 133-139. 32. 23. 5-6. sociedade e cultura . 26. [posteriormente incluído em Estudos de linguística portuguesa e românica. 57-71. Covilhã: Universidade da Beira Interior [dissertação de Mestrado em Sociologia: Desenvolvimento e Cidadania] BATISTA. Guarda. José Quelhas 1948 O culto de Nossa Senhora na diocese da Guarda. 123-132. p. Cinco Quinas. dezembro. Sabugal. 28. Estudos de Castelo Branco.Sabugal. 1989 Novos achados arqueológicos em Meimoa e Benquerença (Penamacor). 2-3.ª série. 111-119. José María 1985-86 Los escudos con escotadura en V y la presencia fenicia en la costa atlántica y en el interior de la Península Ibérica. p. vol. p. Munda. Revista Altitude. 39. 2015 Sepulturas abertas na rocha de Malhada Formosa . Vitoria.Sabugal. Histórias de vida de idosos ex-contrabandistas institucionalizados e não institucionalizados. p. ano IX. In Estudos de linguística portuguesa e românica. 10. Coimbra. 6. 3.2008 A vivência do contrabando na construção da identidade raiana numa aldeia raiana fronteiriça. 2007 O contrabando no falar popular. Sarah 1944 Solares da Beira. p. dezembro. BENAVIDES. 33. 80-92. Revista Altitude. Lda. maio. Hugo 1998 Missionários Claretianos há cem anos em Portugal. 79. 28. nº 3. Coimbra: Universidade de Coimbra. 3-4. Edição do autor. Vilar Maior. Guarda. 2003 Os ex-votos a Senhora da Graça. 7. p. p. Guarda. p. 11-14. p. José Alves 1999 Cabeceiras de sepultura de Vilar Maior – Sabugal. Humberto 1922 Castelos de Portugal. Fernando IV de Castilla. 3-4. BENTO.Autores 9 . BLÁZQUEZ. 2001 Sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior – Sabugal. outubro. Revista Altitude. p. BEÇA. Vol. Sabugal. Vilar Maior. Viseu: Governo Civil do Distrito de Viseu.1640/1668. 1974] 1974 Dialectologia e história da língua. BORGES. Cinco Quinas. 163-169. 3. Revista de prehistoria. fevereiro. Cinco Quinas. outubro. p. Sabugal. Sabugal. 40. 7.) 1860 Memorias de D. 43. 1974] 1948a Notas linguísticas sobre uma região fronteiriça. Isoglossas portuguesas. julho-setembro. Renascer. arqueología y filología clásicas. janeiro. 431-440. BEIRÃO. Praça Velha. Renascer. Coimbra. 3. 2007a Os condes do Sabugal. setembro. em Sortelha. Sabucale. p. 23. Munda. BENTO. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 2 vol. p. Veleia. p. historia antigua. Castelo Branco. In Actas do 1º Colóquio Arqueológico de Viseu.tomo I. 2000b Sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior. 58.Arrifana do Côa (Vilar Maior – Sabugal). 161-168. 3. 185-250. novembro. Porto: Companhia Portuguesa Editora. O de Nossa Senhora da Conceição.

32. 3. 61-75. DIAS. 38. Sabugal. Abel 1917 Uma Corrida de Toiros no Sabugal. BENTO. dezembro. LEWIS. 4. A Guarda. Guarda. p. Mário Simões 2009 Foral leonês de Alfaiates (1188-1230). 2013 A instrução em Quadrazais. p. Praça Velha. outubro. 33-60. 38.Ligações com outras gírias. 28. 161. 151-161. Porto: Livraria Chardron de Lélo & Irmão. p. março. p. Lisboa: edição do autor. Sabugal. Estudo da Casa Nobre no Vale do Côa. janeiro. Cinco Quinas. 20.) 2002 Aldeias Históricas de Portugal: Um Património com Futuro. sociedade e cultura . Guarda. In Mulheres da Beira.ª série. 97-104. p. 5023. A Guarda. 117. sobre a ponte de Badamalos. Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras . p.) 2013 La Guerra de la Independencia en el Valle del Duero: los asedios de Ciudad Rodrigo y Almeida. 2011 Gíria de Quadrazais . 3. 20 de março. 3. Praça Velha. 6.Invasores franceses estiveram em Quadrazais?. Virgílio (coord. p. março. 23. De margem para margem. 142. Um Olhar Histórico sobre a Arquitectura Civil Quinhentista. Sabugal.Quadrazais: Origem deste Topónimo. Coimbra: Ministério da Administração Interna . Cristina (coord. 2ª edição refundida (1ª edição. Maria Isabel 2006 As Aldeias Históricas de Portugal e as Rotas Culturais. 44. Sabucale. 30. 143. Revista Altitude. BRAGA. Rui. fevereiro. 120. 2006a Quadrazais. Sabugal.Editores SA.Abade de Quadrazais preso pela Inquisição em 1595. p. BENTO. 42. O museu na ótica do utilizador. abril. 16 de março. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. p. fevereiro. 77-93. suspensa sobre o Rio Côa. maio. julho. BOURA. 6-7. 85-96. 19 de junho. Cinco Quinas. Sabugal. p.) . Sabucale.. Outras fronteiras.). Guarda. p. 101-134. 121. p. 144. 7. 5. As pontes e as barcas. Lisboa: edição do autor [reedição de Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica. Jim R. JACINTO. Sabucale. p. p. Sabugal. 42. 38. 8. Manuel Lopes. novos intercâmbios. 2013a Quadrazais .Autores . Guarda. 125. 2012 Quadrazais . p. p. In JACINTO. Guarda. Valladolid: Fundación Siglo. In JACINTO. Formalismo Estético e Motivos Decorativos da Arte Manuelina em Riba Côa. Sabugal. ligações familiares e a região de Riba Côa: Inventariação documental e diplomática na Torre do Tombo. p. p. Rui. p.Suas Leis e Costumes Medievais. Guarda. Franklim Costa 1983 Sabugal . 118. 1992 Ainda o topónimo Quadrazais.2000 2001 2002 2003 2003a 2006 2008 2015 p. 7. 7 e 9. BOTELHO.) . In Emigração e Retorno na Região Centro. junho. 123.ª série. 29-54. BOURA.ª série. A Casa Nobre em Riba-Côa. Terras da Beira. 16062003. p. WILLIAMS.Estudo Comparativo com Outras Gírias. 120. 1971]. Etnografia e Linguagem. Sabugal. 2013b Inquisição prende. Mangualde and Sabugal. 215-222. Vila Viçosa / Coimbra: edição dos autores. p. 124. Cinco Quinas. 26.Comissão de Coordenação da Região Centro. 122. 7. p. em 1726. novos intercâmbios. Revista Altitude.Província Portuguesa. 26. Revista Altitude. Revista Altitude. Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras . Sabugal. BORGES. p. novembro. 1886). 2 cristãs-novas residentes em Quadrazais. 2012a Para que não se perca a memória de 400 anos de vida em Quadrazais (2 vol. dezembro. 2010-11 Para que não se perca a memória. p. 2014 Convento da Sacaparte.. Coimbra: CCRC. Outras fronteiras. 119. p. Isabel (coord. 38. 28. 125. Editores. e Seus Reflexos no Distrito da Guarda. mar- 10 Sabugal: História. BOTELHO. 117. os circuitos viários e os caminhos da raia medieval. janeiro. Cinco Quinas. Estudo da Casa Nobre no Vale do Côa. 26 de agosto. p. Sabugal. 1-14. p. p. agosto. A Guarda. Isabel. 32-41. BORREGANA. Os Condes do Sabugal. agosto. BOURA. Cinco Quinas. p. João de Deus . 122. 127-157. Guarda.Editores SA. 38. 6. Guarda. 42. O Património Artístico e Cultural da ordem Hospitaleira de S. 30. Dulce Helena Pires 2012 Sinopse das peças pertencentes à colecção do Museu da Guarda provenientes do concelho do Sabugal. 63-115. 140. Cinco Quinas. Manuel Lopes 2010-11 Ribacôa . Proposta para um Eco Museu Militar em Riba Côa. maio. p. Guarda. dezembro.O interior raiano do Centro de Portugal. Guarda. p. 36.ª série. Carlos Afonso 2015 Núcleo Museológico do Baraçal. p. Allan M 1984 The Economic Impact of Returned Emigrants: Evidence from Leiria. Sabugal. Rui Manuel Missa. 2011a Gíria de Quadrazais . 42. p. 3. Virgílio (coord.O interior raiano do Centro de Portugal. Cinco Quinas. BORREGUERO BELTRÁN. 2006 O falar de Quadrazais. Cinco Quinas. p. BOTELHO. 293-303.

24.M. Mediterrâneo. OSÓRIO. 3. Guarda. Sérgio 1999 A génese da fronteira luso-espanhola. Sabucale. p. Revista Altitude. Beira Alta. Álvaro. Francisco. 21:3-4. José Viriato (coord. Lisboa: Typographia da Academia Real das Ciências de Lisboa.) 2013 As freguesias do Distrito da Guarda nas Memórias Paroquiais de 1758. Fernando Robles. 118. 325-342. Riba de Côa ou Raia.ª série. Humanitas. Sabugal. HENRIQUES. 9-10.ª série. HENRIQUES. 33. p. BRANDÃO. Guarda. 3. PIRES. Um Médico Fruto das Invasões Francesas.ço. 71-89. p. 2013c BRITO. Sabugal. 67. Hugo 2011 Pedra das Cruzinhas. p. Sabugal. HENRIQUES. Mário. 20. Edição do autor. 2000]. janeiro. João Carlos. 23-42. Julião do Pereiro. Edição do autor. 1965 A Ordem Militar de Cavalaria de S. Armindo Vaz 2002 Memórias de um Emigrante. Domingos de Pinho 1957-58 Ara dedicada a Júpiter encontrada em Meimão (Penamacor). Lisboa: Universidade Nova de Lisboa / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas [dissertação de Doutoramento em História da Arte Moderna]. João Carlos. p. 4. Jogos. Patrícia Adelaide Alves 2011 Dinâmicas do Mundo Rural no Virar do Século . abril. Luis 1747-51 Diccionario Geographico. Renascer. 3. Quadrazais. Sabugal. Sabugal). Contrabando na Raia Central. CARAMELO. Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em Geografia Humana. Sabugal: Sabugal+ E. p. CARAMELO. Lisboa: Artemágica. 4. BATISTA. 2006 Carregos.Autores 11 . Notícia de um monólito gravado na fronteira entre os concelhos do Sabugal e da Guarda. Ordenamento do Território e Desenvolvimento]. Sabucale. CARDOSO. julho. p. CAETANO. 8 vol. Sabugal: História. José Manuel Duro Mateus 2007 José Matias. BATISTA. Luís Manuel Antunes 1995 O espelho quebrado: versus e reversus nas tauromaquias populares. Vilar Maior. António 2000 Carregos . 35-56. António. 2 vol. Viseu. 69-80. Memórias. julho-dezembro 1994 / janeiro-junho 1995. História e Património. Tiago.. p. Luís 2009 Estruturas monticulares antigas na fronteira Sul do concelho do Sabugal. p. p. Francisco. 71-82. Brincadeiras e Lenga-Lengas nos Anos 50 do Séc. Uma abordagem regional. Marcos 2012 Reconstituição em 3D das ruinas do povoado medieval do Sabugal Velho (Aldeia Velha. Coimbra. Cinco Quinas. Revista de Estudos Pluridisciplinares sobre as Sociedades Mediterrânicas. 2013d Três processos da Inquisição contra moradores em Quadrazais. p. Sabucale. CABANAS. 145. sociedade e cultura . CAMPOS. Passado. Capeia arraiana. [comunicação apresentada ao IV Congresso Português de Sociologia. 33-56. CANINAS. Edição dos autores. CHAMBINO. p. Viseu. 2011 As Marcas do Contrabando. Alexandre. maio/junho. In Jornadas do Contrabando. CAPELA. Sabugal. p. CANHA. TOMÉ. Lisboa. Praça Velha. 5/6. Lisboa.O Concelho do Sabugal. CABRAL. 172-174. Joaquim 2011 Forcão.estudo do contrabando na Raia Central. 719-725. CANINAS. Beira Alta. MONTEIRO. Dinis 1962 Riba Côa. Álvaro. Actas. José Manuel 2007 O contrabando à lareira. Bernardo de 1690 Monarchia lusitana. 21-38. A. 2. CARVALHO. CARDOSO. Mário. CAPUCHA. CARDOSO. Coimbra. Carlos Manuel Ferreira 2011 As Casas da Câmara dos Concelhos Portugueses e a Monumentalização do Poder Local (Séculos XIV a XVIII) (2 volumes). 24:3. 1. 27. CABRAL. Cinco Quinas. CABANAS. p.

Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. II – O Namoro). CHGJ 1982 1982a 12 Pedras.CARLOS (Riela). 31. p. p. Cinco Quinas. Mª COncepción 1997 La tenencia de fortalezas en la corona de Castilla durante la Baja Edad Media (Relaciones de poder entre monarquía. 8. João Martins 1986 Recordando. Porto: Typographia Universal (a Vapor). 10. Sabugal. André 2012 Mulheres na Lusitânia romana: vestígios de uma presença discreta. p. Forcalhos. p. p. Sabugal. p. anexos 4). Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo e Edições Inapa. Cinco Quinas. junho. Notícias dos Forcalhos. Fundão: Câmara Municipal / Coimbra: IAFLUC. Cinco Quinas. 6. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal. Maria José Ferreira et al. Nossa Senhora da Consolação. nobleza y ciudades) Siglos XIII-XV. 6-7 (I – Introdução. Sortelha: edição da autora. 118. Comercial].Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história. A nossa terra junto à fronteira. Notícias dos Forcalhos. 17. (Conimbriga. p. 24. CELESTINO PÉREZ. 547-564.Livro das Fortalezas. Forcalhos. Sabugal+ EM. José Osório da Gama e 1902 Diocese e Districto da Guarda. p. algumas observações respeitantes á actualidade. António José de 2002 A Rosa da montanha. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. CARRILHO. Sabugal. p. A nossa terra junto à fronteira. p. F. Esteves 2005 O forcão da raia.Autores . 47. 2008 Por terras do Sabugal na Época romana. e notas referentes á Cathedral egytaniense e respectivos prelados. Serie d’ apontamentos historicos e tradicionaes sobre as suas antiguidades. CARVALHO.Narrativas do Poder Feminino. p. (org. Forcalhos. José Carlos 2006 Memórias de outros tempos. Recordando costumes da Quaresma. 41. CASTRO. 2010 Aldeia da Ponte saqueada e arrasada em 1642. Forcalhos. Sabugal. Manuel da Silva 1997 Duarte de Armas . João de Matos . p. CARVALHO. 2012 SOUTO ou SOITO: A Questão do Nome. junho. Os carretos. p. 22. p. 8. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. 24. Bendada: Associação Cultural da Bendada “O Carrapato”. fevereiro. SALGADO CARMONA. 1. Madrid: Universidad Complutense de Madrid [tese de Doutoramento em História Medieval]. João Baptista de 1762-63 Mappa de Portugal antigo e moderno. CAROÇO. p. 3 vol. CARREIRINHA. 8-9. 20. p. 87. julho. 9.) . Notícias do Casteleiro. CASTRO. Sabugal: História. 73-83. 7. Cinco Quinas. Notícias dos Forcalhos. sociedade e cultura . 12. 2011 Pe. p. Ocupação e exploração do território na época romana: um território rural no interior norte da Lusitânia. Raquel (coord. Forcalhos. CASTRILLO LLAMAS. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 1. p. 8-10. Lisboa: Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno. outubro. 46. agosto. 2008 O Colégio de Aldeia da Ponte. História. 2. 1986-87 1987a 1988 1989 2003 Recordações de Costumes e Tradições da Minha Aldeia. In VILAÇA. 417-448. Forcalhos. Pedro Cardoso 2007 Cova da Beira. p. 136. João Pinto Pereira de Figueiredo e 1995 Memória paroquial da Bendada (1758). Lisboa: Tip. Notícias dos Forcalhos. Braga: ALETHEIA . julho. 9-10 (III – O casamento. Forcalhos. p. Sebastián. CASTELO BRANCO. Recordando jogos tradicionais. 5. 88. Luísa Lasso de La Vega y Pedroso 1999 Sortelha. CARNEIRO. A malta. Cinco Quinas. Notícias dos Forcalhos. O cultivo e transformação do linho. IV – Conclusão). Casteleiro. janeiro. 8.) . Usos e Costumes. CASTELBRANCO.Associação Científica e Cultural. CHARTERS. Velhos costumes forcalhenses. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. Lisboa: Casa do Concelho do Sabugal [1ª ed. 7. Sabugal. 21.O Guerrilheiro da “Pavarosa”. 89. 30-31. José Ángel 2011 Nuevas metodologías para la distribución espacial de las estelas del Oeste peninsular. 115. 1871. In LOPES.

9. 3. 18. p. 22-24. 16-17. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. Lisboa. 10-11. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. 48. Notícias dos Forcalhos. p. 8. 30. p. Forcalhos. Os carpinteiros. Forcalhos. 24. 15-16. p. António José do Amaral Balula 1953-56 Subsídios para a História Militar da Beira Alta. 18. p. Forcalhos. Sabugal: História. p. 21. Forcalhos. 13. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. p. 3. Forcalhos. 18. Histórias de contrabando. 11-12. Forcalhos. 20. p. 10-13. Pistolas de sabugueiro. p. p. 16-17. 13. 7. p. 30. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 39. 321-332. 15. 11. Notícias dos Forcalhos . 21. p. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 17/18. 8. Notícias dos Forcalhos. 16. 17/18. 7. Notícias dos Forcalhos. p. Cólera. p. p. p. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 299-307. Notícias dos Forcalhos. p. 20. 8. 26. 14-15. Forcalhos. 14. 23. 6. p. Forcalhos. 19 (Moinhos e moleiros). 30. Notícias dos Forcalhos. 22. 18-20. Notícias dos Forcalhos. 14:3 (1955). Forcalhos. p. CHORÃO. Brinquedos. Notícias dos Forcalhos. 15:1 (1956). Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Forcalhos. Vassouras. p. Notícias dos Forcalhos. 14:1-2 (1955). p. Forcalhos. 10-11. 8-9. 17/18. Curiosidades.Suplemento. Notícias dos Forcalhos. p. 9. Notícias dos Forcalhos. Sacerdotes que serviram na paróquia dos Foraclhos. 44. 8. p. Forcalhos. p. 6. Brinquedos. 14:4 (1956). Forcalhos. 8. p. 8-10. CID. p. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 25 (errata em 19. 13. Sepulturas cavadas na rocha. A capela de Santo Cristo e o Cemitério Velho. 7. 10. 22. 17-18. 9. p. p. 78. Pistola de madeira. p. p. Forcalhos. 13-14. 24-28. Forcalhos. 43. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Portais e portaleiras. Os choços.salvação. O azagre. 16. Notícias dos Forcalhos. 12:2-3 (1953). Jogos. p. 41. A tradição ainda é o que era. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. p. 49. 22. 5. p. Bonecas e brincadeiras infantis. O curral tradicional. p. 23 e 24. 20. p. Beira Alta. 16. Notícias dos Forcalhos. p. Forcalhos. Forcalhos. 16-17 Datas festivas ao longo do ano. 16. 17-18. Portais e portaleiras. Forcalhos. 5. e não só. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. 85-99. Notícias dos Forcalhos. 13:1-2 (1954). 279-292. p. Jogos de casa ou de serão. Notícias dos Forcalhos . Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. 13. p. A nossa escola. Forcalhos. Forcalhos. 11-12. 9. De Alfaiates. 375-393. p. Lageosa. Notícias dos Forcalhos. O centeio.Autores 13 . p. 6. p. 10. 7. 4-7. p. 23. p. 15-16. Forcalhos. cantilenas. A Irmandade do Senhor. 6. Pastores. p. 12-14. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Notícias dos Forcalhos. 7-8. p. p. 43. Antigos usos e costumes. Notícias dos Forcalhos. p. 12. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. p. 16-18. p. 21-22. 22. A fronteira. 28. Pedras e pedradas. 18. Capela de S. Forcalhos. 5. 7. 5. Histórias de contrabando. O caldo escoado. 22. Forcalhos. p. Notícias dos Forcalhos. p. Forcalhos. 19-20 (As malhas). 11. p. 11. 5. 11-12. Notícias dos Forcalhos. p. 23 e 24. p. Notícias dos Forcalhos. 7. p. 20. 12:4 (1953). p.Suplemento. p. 8-10. A igreja. Forcalhos. 11. p. Forcalhos. 17-18 (As ceifas). Forcalhos. p.Suplemento. p. 9. Brás. p. 8. 17. 2. p. Forcalhos. Juntas da paróquia e da freguesia dos Foraclhos. 13:3 (1954). p. Forcalhos. Ermelinda 1996 O jogo do cântaro. 6. 22-23 (IV – Os fornos e o pão). O padre João de Matos. Brinquedos populares. Forcalhos. p. p. Notícias dos Forcalhos. Jogos populares. Usos e costumes. 5-8. p. Forcalhos. p. 14. p. Viseu. Forcalhos. 6. 20. 12. 3. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Jogos populares. 13. Escola. p. 2. Atestados Sanitários e Livros Paroquiais. 16. p. 13. 4. 4. Notícias dos Forcalhos. Liberais e absolutistas. Forcalhos. 9-10. 10. Notícias dos Forcalhos. Os Forcalhos de 1678 a 1696. Uma visita pastoral em 1758. 16. 14. 4. sociedade e cultura . 45. p. 9-14. p. Notícias dos Forcalhos. p. Forcalhos. p. p. 15. Mais um assobio. Jogos. 6. O jogo do Bitcho. p. trocadilhos. Os cambos. Medicina popular. 15 (A acareja). 12. Forcalhos. Sabugal. p. Notícias dos Forcalhos. p. p. 15-16. Forcalhos. 22. 143-168. 12. 17-18. 14. 13. 79-99. p. 10-11. Notícias dos Forcalhos. 4. 17/18. 34. 20. Notícias dos Focalhos. Política e Guerra. abril. 23-24.. O sete escarrapatchéte. Cigarros. p. 14. p. p.. Curiosidades. 12. 20. O encerro. 8. Forcalhos. Tratamento . 7. 13:4 (1954). 10). Forcalhos.1985 1985a 1985b 1985-87 1985-88 1986 1986a 1986b 1986c 1986-87 1986-87a 1987 1987a 1987b 1987c 1987-90 1988 1988a 1988b 1988c 1988d 1989 1989a 1989b 1989-90 1989-90a 1990 1990a 1992 1992a 1992b 1992c 1993 1993a 1993-94 1994 1994a 1994b 1994c 1994d 1995 1995a 1997a 1998a 1998b 1998c 2000 2002 2003b 2004 2004a 2005 2005a 2007 2007a Cancelas. 12-13. Os choços. 219-234. p. Notícias dos Forcalhos . 15-19. 6-7. 17-18. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. 29. Notícias dos Forcalhos. 3. p. p. A fronteira. 10. p. p. p. Notícias dos Forcalhos. p. p. Forcalhos. 15. O contrabando. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. 11-12. Notícias dos Forcalhos. Cortelhas. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. 11. 5. p. 8-12. Nossa Senhora da Consolação. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 301-319. Jogos. Demarcação com Castela. Forcalhos. p.

p. p. Luís F. António Martino Venhuizen 2010 Estelas e Estátuas-menires no Centro e Norte de Portugal e Sudoeste da Meseta Superior. O Soito. de Publicidade]. II série. 3:1. CORREIA. 12 de janeiro. CORREIA. sociedade e cultura . COELHO. 2:8-9. janeiro-junho. CORCEIRO. 2. Revista de Estudos Históricos. 1. 32. CORREIA. Castelo Melhor. Sabugal. In – Actes et Mémoires du Veme Congrès International de Toponymie et d’ anthroponymie. 1/2. p. Maria Helena da Cruz. Revista Altitude. António Vermelho do 2012-13 Processo Ritual e Tradição em Portugal a partir da Cultura da Zona de Riba Côa. Revista Altitude. Ricardo 2013 A tradição ainda é o que era em Águas Belas.CINTRA. p. Luis (eds. Sabugal. COELHO. CORRAL. p. p. 7. Notários e documentação notarial do concelho de Sabugal. da Empr. Levi Manuel 2015 Tabeliães. janeiro.ª edição. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda (1ª ed.I Conferências Territórios e Culturas Ibéricas. Sabucale. Tomo I. CLAMOTE. COBOS. António Carreira 1998 As nossas Terras. p. vol. 2. O Interior. A Fortificação da Raia Central. 2006 Um cruzamento de fronteiras. Nac. julho-setembro. 24-45. La Fortificación de la Raya Central. Lindley 1958 Toponymie léonaise au Portugal: la région de Riba-Coa. 129. 2. Franciso. Luís Miguel 2005 As petições dos concelhos do distrito da Guarda em Cortes e a política transfronteiriça. 11. 1959). p. Javier de. XV). Rui y BENTO. Cáceres e Usagre: contribuição para o estudo do leonês e do galego-português do século XIII.Actas del I Coloquio sobre Lenguas y Culturas Prerromanas de la Peninsula Iberica (Salamanca. 1984 A linguagem dos foros de Castelo Rodrigo: seu confronto com a dos foros de Alfaiates. Lisboa: Universidade Católica Editora. Figueira de Castelo Rodrigo. 3. 75-84. Lisboa: Apenas Livros. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [Dissertação de Mestrado em Arqueologia e Território]. dezembro. RÊPAS. CAMPOS. 32. O discurso dos Concelhos da Guarda em Cortes (Iberografias: 9).) . p. Guarda. Guarda. Fernando da Silva 1942 O Dr.parte). Maria Helena da Cruz 1998 Riba Côa em Cortes (séc. 1943 Errata [do artigo acima]. 263-273. Salamanca: Universidad (Acta Salmanticensia. Guarda. Lisboa: Campo das Letras. Joan 1976 Acerca de algunas inscripciones del Noroeste. p. Actas das comarcas dantre Tejo e Odiana e da Beira. João 2013 Almeida / Ciudad Rodrigo. 131-142. 31. Salamanca: Universidad de Salamanca. 245-257. Coria. Cinco Quinas. Porto. Lisboa: [Tip. Joaquim Manuel Correia e as suas Memórias sobre o Concelho do Sabugal. CORDEIRO. Aldeia da Ponte. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Porto: Campo das Letras / Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. 233-246. 95). 27-31 de mayo de 1974). 363-385. COELHO. In JACINTO. Aldeia da Ponte. Fernando. Soito. Castelo Bom. p. Filosofia y Letras. Dia de Festa. 2 volumes. MICHELENA. p. José Manuel 2011 A inspecção dos mancebos (1ª. 17. Ciudad Rodrigo: Consorcio Transfronterizo de Ciudades Amuralladas.Autores . HOZ. COROMINAS. António Augusto Mendes 1924 Ensaio sobre a idade do bronze em Portugal. 14 Sabugal: História. In JORDÁ CERDÁ. Victor 2013 A morfologia urbana da vila do Soito. 73-82. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Virgílio (coords. João Tello de Magalhães 1931 Cadastro da População do Reino (1527). COLLAÇO. p. 12-17 Setembro 1997. COELHO.) . junho.

p. José Joaquim da 1997 Actividades lúdico-festivas na freguesia de Sortelha. 1997 e 2004).ª série) (1921-22).ª série) (1925-26). 11:5-8 (1. CORREIA. 50-63. Paula Pinto 2005 As Ordens Militares no espaço entre Douro e Tejo (séculos XII-XIII). Palmela: Câmara Municipal de Palmela / Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Susana Guinaldo (coord. 1943a O concelho do Sabugal. 2008 Celestina. 29 (1. Carlos Alberto. COSTA.ª edição. Revista Altitude. Guarda: Instituto Politécnico da Guarda. (coord. 143-145. 11:1-4 (1. Sabugal. (1. Memórias sobre o Concelho do Sabugal. BRANDÃO.) . M. Porto. Princesa da Raia. 15 (1. p.ª série) (1906). 123-128. SANTA RITA. José Augusto Nobre 2011 Tradições: O bolo dos santos. João Manuel 1911 Costumes do Concelho do Sabugal. p. 1992. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural. 2010 Terras de Riba-Côa. 27 (1.ª série) (1906). Cinco Quinas. Episódios da última guerrilha carlo-miguelista. Actas dos Seminários realizados em Palmela. 336-339. CORTÉS GONZÁLEZ. 14 e 15 de Fevereiro de 2003. Porto: Livraria Civilização. p. 86-93. 4 e 5 de Abril de 2003. 195-214. XIV. Isabel Cristina F. COSTA. Estudo Monográfico. Maria Aurora Bernardo Ricárdio 2003 Aldeia do Bispo.) 2008 Atlas de la raya hispano-lusa: Salamanca-Beira Interior Norte / Alto Douro / Atlas da raia hispano-lusa: Salamanca-Beira Interior Norte / Alto Douro. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural. as castanhas e a matança. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal e Sabugal+ EM. 6. Lisboa. 95-97.CORREIA.ª série) (1909). p. Nicole Sabugal: História. 2:12.ª edição 1946. Revista Altitude. GUTIÉRREZ GABRIEL. Angelina (coord. António Carvalho da 1706-12 Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal. Maria José Bernardo Ricárdio.ª série) (1930-31). COSTA. Revista Altitude.) 2006 Análise territorial e inventário dos recursos da raia hispano-lusa: comarca de Ciudad Rodrigo e Terras de Riba-Côa / Analisis territorial e inventario de recursos de la raya hispano-lusa: comarca de Ciudad Rodrigo y Tierras de Riba-Côa.ª série) (1910). 36. a Beira Interior Norte e o Douro Superior em Portugal. 3:7-9. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. 3 vol. p. CORREIA. 3:4. 297-308.Muçulmanos e Cristãos entre o Tejo e o Douro (Sécs. p.. Agustín. 199-207. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural.Autores 15 . p. 25 (1. 12 vol. Sabugal. Carlos Alberto. Guarda: edição das autoras. Guarda. Provincia de Salamanca. p. 1942 Povos primitivos de Riba Côa. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural. 247-250. p. sociedade e cultura . COSTA. 6 vol. 14:9-12 (1. 151-157. In BARROCA. Retrato do seu perfil arquitectónico [1509-1949].) 2006 Beira Interior Norte. 129-135.ª série). Escola Superior de Educação [trabalho para obtenção de diploma de Estudos Superiores Especializados em Organização e Intervenção Sócio-Educativa] COSTA. CORREIA. COTTART. 1943 Território denominado Riba Côa. Joaquim Manuel 1905-06 Antiguidades do concelho do Sabugal. PACHECO. Câmara Municipal. Carlos Alberto. p. CORTÉS GONZÁLEZ. 128.. Jorge (coord. Mário Jorge e FERNANDES. Valorar la historia y conquistar el futuro. 10:6-9 (1.. O Archeologo Português. 2006a A Cooperação Transfronteiriça do Organismo Autónomo de Emprego e Desenvolvimento Rural da Diputación de Salamanca. Lamego. Lisboa. Americo 1929-49 Diccionário Chorographico de Portugal Continental e Insular. Guarda. p. Lisboa: Oficina de Valentim da Cosra Deslandes. Lisboa. CABALLERO ARENCIBIA. Guarda. COSTA. Revista Lusitana. Gonçalves da 1977-92 História do Bispado e cidade de Lamego. p. CORTÉS GONZALÉZ. O Archeologo Português. reeditado em 1988. 246-253. Luís Miguel Maldonado de Vasconcelos 2010 Castelos em Portugal. novembro. 1906-31 Memória sobre o concelho do Sabugal. p. VIII a XIII).

6-7. Pousafoles (Sabugal): duas teogonias. 4. Ficheiro Epigráfico. Coimbra. 27 (125).1). p. Estevão. Boletim Municipal de Sabugal. p. p. Ficheiro Epigráfico. Sabugal. 235-249 [comunicação apresentada ao V Encontro Ibérico de Antropólogos. Sabugal. 1986 Mais uma estela do Bronze Final na Beira Alta (Fóios. Casteleiro. Coimbra. 117. 3. 3 e 6. 6. Guarda. 14. 14 (2003). Porto. 1987b Lápide funerária de S. p. 3. 167-178. p. Contribuição para o estudo da via de Mérida a Braga. 103-109. 10 (2002). 1987d Património artístico. Susana (eds) . diferente etnogénese? In Actas do I Colóquio Arqueológico de Viseu. p. sociedade e cultura . Joan. 1985 Epigrafia das Beiras (Notas e correcções . Porto. 63-79. 1984c Cipo proveniente de S. Coimbra: [s. La Seu d’ Urgell. 113-123.Los Lindes del Patrimonio. 1982 A viação romana no concelho de Penamacor. Trabalho académico de Seminário do Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Camila del. Ficheiro Epigráfico. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Porto. 1984f Addenda et Corrigenda n. Sabugal. p. 10. 7 (28). CURADO. 149-162. 13 (2003). 213-229. 120. p. Ficheiro Epigráfico. 18. 31. Boletim Municipal de Sabugal. p. 1997-07 Romanceiro Tradicional Português: Região da Guarda. março. p. Vila Nova de Gaia. p. 5 (1999). 3 (1987). p. 5 (1988). 17 (2005). de Sabugal.. Poster apresentado no 6º Encontro de Arqueologia do Algarve 23. 3 (1998). p. Sabugal. Ficheiro Epigráfico. Coimbra. Sabugal. Notícias do Casteleiro. p. Ficheiro Epigráfico. 167-172. 213-234. 1988-94 A propósito de Conimbriga e Coniumbriga. 13 (58). Madison. 113-123. 1988c A freguesia do Sabugal ao longo dos tempos. 2 (1987). Paula 1997 Recordando. Coimbra. p. Sabugal.Autores . 7 (27). 7 (29). 243-249. Coimbra. Gaya. p. CUNHA. Estevão (Sabugal). Ficheiro Epigráfico. Guarda. 18 (2005). 2 (1997). 203-219. Coimbra. CUNHA. 179-192. 153-171. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueológia e História do Concelho de Penamacor. agosto. 1987-88 Património cultural. p. José P. 79-86. Ficheiro Epigráfico. 155165. Barcelona: Icaria. Viseu. p.. Arqueologia). 1989 As inscrições indígenas de Lamas de Moledo (Castro Daire) e do Cabeço das Fráguas. 19 (2006). 22 (2007). 1. Texto policopiado. p. Boletim Municipal de Sabugal. p. 1984d Lápide funerária de Pousafoles. 15 (2004). Ficheiro Epigráfico. 141-148. CRISTINA. 22 (102). Arqueologia. Coimbra. 1984e Estela funerária de Ruivós. 185-199. 11 (2002). CRUZ. 11. Coimbra. Coimbra. V. Ficheiro Epigráfico. 97-109.. 8 (30). NOROTZKY. da 1992 Recolha de Romanceiro de Tradição Oral na Beira Alta e Beira Baixa até 1988. p. 1987a Aras a Qvangeivs da Ribeira da Nave (Sabugal). 23 de fevereiro. 1985a Fragmento de cipo funerário de Panamacor. Coimbra. 1984b Uma nova estela do Bronze Final na Beira Alta.. Consumo y Valores del Pasado. 1987 Inscrição rupestre de Aldeia da Ponte (Sabugal). Praça Velha. 6 (1988). Ficheiro Epigráfico. 8. 17. 8 (31). 641-655. Coimbra. 349-370. 1997 Romance de Santa Catarina. 21 (2007). 16 (2004). 4-5. 27 (123). 4-5. 9. p. Casteleiro. CRISTÓVÃO. Ficheiro Epigráfico. p. Silves. 99-117. 91-103. 22 (100). 44:4. (1º Congresso Internacional sobre o Rio Douro. 4 (1987). 83-98. 16 Sabugal: História. p. Sabugal. p. Viseu: Governo Civil do Distrito de Viseu. 2009]. Luís 2010 A memória como património: da narrativa à imagem. Maria Cristina 1988 Forais que tiveram por modelo o de Évora de 1166. 29:1. Notícias do Casteleiro. 27-37. Ficheiro Epigráfico. p. 2ª série. 4 (1998). p. Coimbra. p. p.n]. Conimbriga. 101-115. 1999 Recordando. 69-94. Ficheiro Epigráfico. Guarda). Praça Velha. Fernando Patrício 1979 Epigrafia das Beiras. 22 (99). Sabugal. 3 e 5. Beira Alta. In MARMOL. 7 (2000). p. 5-8 e 12. p. 1988 Ara fragmentada de Fóios (Sabugal). José Luís 1960 O povoamento romano da bacia do curso médio da Ribeira da Meimoa. Coimbra. p. 1984a Aras a Laepus procedentes de Pousafoles. Luso-Brazilian Review.2008 CQ 1913 Objets inscrits du Portugal musulman. 1984 Monumento votivo a Arentia. O entrudo de Outrora. Coimbra. p. Porto. A Faina do Arranque. Mundo Illustrado. p. 27 (122). FRIGOLÉ. 1. 81-85. 9 (2001). Arqueologia. p. 24 e 25 de outubro de 2008. Coimbra. Penamacor: ARCINPE. p. 1988b Fragmento de epígrafe de Malhada Sorda (Almeida). 1988a Estelas funerárias de Vila Boa (Sabugal). 29-40. p. Sabugal. 22 (101). 2:8. 1987c Marco miliário de Alagoas (Sabugal). p. p. 8 (2001).

Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa [dissertação de Mestrado em Linguística]. A “ideologia tripartida dos indoeuropeus” e as religiões de tradição paleohispânica no Ocidente peninsular. REI. 154-159. Renascer. Porto. 21-24. p. 2000d A comenda de S. Oppidana. 1998a Imagem do Senhor dos Aflitos. 4. p. p. Coimbra: edição do autor. Coimbra. setembro. Revista Crítica de Ciências Sociais. Beja: edição do autor. Arquipélago: revista da Universidade dos Açores. José Ignacio 1996 A Comarca de Ribacôa no Tratado de Alcañices. 100. 30. Ebvrobriga. 783-799. 4. TRUNINGER. Guarda). HORTA. p. Ana. Vilar Maior. Série Ciências Humanas. DIAS. DEL BARRIO ALISTE. paisagem. Vilar Maior. 2000c O justiçado de Badamalos.Estudos & Documentos. 2000b Estações arqueológicas do Vale da Lapa e Malhada Formosa. 77-115. Renascer. monumentos e lendas. João José Alves 1982 A Beira interior em 1496: sociedade.1995 1996 2001 2002 2004 2008 2013 A inscrição indígena do Cabeço das Fráguas. Jorge de. 4. 1998 La sociedad de frontera de Ribacôa: fueros y modelos de poblamiento.Sabugal. 22. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 4. p. 1999 A Lenda de Nossa Senhora do Ó de Vilar Maior (Sabugal. Alberto Moreira (coord. 27. julho/agosto. DIAS. 1998 Memórias da Beira Côa. Luís. Domingos João Pires. Renascer. 52. Epigrafia das Beiras (Notas e Correcções . 5. sociedade e cultura . Aillaud & Ca. p. 20. Vilar Maior. O primeiro milénio a. XV:1. 121-148. Renascer. Vilar Maior.. Vilar Maior. Sabucale.Religiões da Lusitânia – Loquuntur Saxa. outubro. Vilar Maior. Porto. 71-77. Mensagem da Saudade. FONSECA. 11-26. administração e demografia. Ebvrobriga. p. 1996a Vilar Maior: História. DIAS. 246/247. 1877-1959). setembro. Sabugal. novembro.Autores 17 . In ALARCÃO. Lenda do Senhor dos Aflitos. p. p. Luís. Ponta Delgada. DEUSDADO. p. Renascer. de Augusto (23 a. 2. A Martim Calvo e aos povoadores do Fundão. Sabugal: edição do autor. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Sabugal: História. Alfaiates. Douro . Renascer. Vilar Maior. 2. DIAS. 2001a Estações arqueológicas do Vale da Lapa e Malhada Formosa. janeiro. Renascer. Munda. JUNQUEIRA. 11-36. março.) .ª série). 95-193. SANTOS. Guarda).2). Constantino Mendes. da região da Guarda. Maria Cecília Lança Falcão 2003 Documentos inéditos sobre o Convento de Aldeia da Ponte. Ana Paula Veloso Pratas 2013 A variação ou~oi em Portugal Continental. Sabugal: edição do autor. 1999 A mulher na fronteira: a condição feminina nas cartas de foral de Ribacôa e do Douro Internacional.) . 5 volumes. 6. In RIBEIRO. Susana. Fundão. 32. 1:1. 59-74.). Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia. Guarda. 109-113. p. DELICADO. 30. Notas sobre dois marcos miliários prismáticos. 4. As inscrições indígenas de Lamas de Moledo e Cabeço das Fráguas. 2. Pedro de Vilar Maior e as suas marcações. Fundão. Vilar Maior. José Manuel. 4:7. C. 34 (4. Aldeia da Ponte. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 2000 Os Condes de Vilar Maior (Sabugal.De Ulisses a Viriato. Mónica 2013 Ambiente. Coimbra. p. Luiz Fernando de Carvalho 1961-62 Forais manuelinos do Reino de Portugal e do Algarve conforme o exemplar do Arquivo Nacional da Torre do Tombo de Lisboa. Porto. 42-45. Ana Isabel Palma (coord. 6. p. p. Douro . DGM [Domingos Gonçalves Martins] 1981 “Rana-cataplana” de outros tempos. Vilar Maior (Sabugal) e citânea oppidanea da Malhada Sorda (Almeida). maio. p. José Cardim (coord. p. p. 7. Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia. 5. junho.Estudos & Documentos. Vilar Maior (Sabugal) e Citânea Oppidanea da Malhada Sorda (Almeida). Ana. p. SILVA. Mário Simões 1996 Os forais de Vilar Maior. DE LA TORRE RODRÍGUEZ. 42. p. 2001 Um pároco de Vilar Maior de 1900 a 1904 (Pe. 2000a Um caso exemplar na forca de Vilar Maior. património e economia: Os conflitos em torno de parques eólicos em Portugal. 3. p. 25. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural. O Património Arqueológico do Concelho. In Congresso do 7º Centenário do Foral . Manuel António Ferreira 1893 Chorographia de Portugal. BAPTISTA. Lisboa: Guillard. DIAS. Renascer. junho. p. fevereiro. p. 15-25. p.) 2008 Directorio transfronterizo de productores ecológicos y artesanales / Directório transfronteiriço de produtores biológicos e artesanais. novembro. C. 31.

O movimento em Quadrazais. Cinco Quinas. 2. 18. DOMERGUE. 115. Sabugal. Lendas e factos sobre a 3ª invasão francesa no antigo concelho de Vilar Maior (1296-1855). 119.Autores . Cracóvia. Cinco Quinas. p. 74. 118. p. Pároco de Quadrazais. Gabinete de Iniciativas Transfronterizas – Junta de Castilla y León. Cinco Quinas. Vilar Maior. p. Cinco Quinas. 129. Os moinhos e os fornos do Soito de antigamente. p. dezembro. 2. 18. dos /s/ e /z/ iniciais e mediais e do <ch> pré-nuclear. entre outros textos. 105. Madrid: Boccard (Publications de la Casa de Velasquez . maio. 111. 2011c Baú da memória. 114. 2010e Baú da memória. 2011b Baú da memória. 122. p. Sabugal. Renascer. 27. junho. p. 23. abril. 2010h Baú da memória. Gravuras rupestres na memória histórica de Vilar Maior. p. fevereiro. 67. Sabugal. p. p. Alcunhas de pessoas do Soito. p. p. DUARTE. 2010a Crendices Populares no Soito e Arredores. 1990 Les mines de la péninsule Ibérique dans l’ Antiquité romaine. Cinco Quinas. Terceiro Volume. Estudios Hispanicos. Paulo 1998 Centros de povoamento: um percurso pelas Vilas medievais. dezembro. COnservação e rejeição de dialectalismos. novembro / dezembro. p. Por estarem aqui editados. 16. Cinco Quinas. A zona de Vilar Maior. dezembro. 12. 12-63. 2010d O contrabando em Quadrazais. 11-18. Sabugal. A vida de um casal no concelho (antigamente). 107. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. 123. Os Incêndios no Soito e concelho (antigamente). Alcunhas das Pessoas de Quadrazais. Cinco Quinas. p. Sabugal. 76. Cracóvia. da Malcata ao Reboredo. Histórias de Vale de Espinho. 2010b A Festa de Santa Eufémia. 3). 13-18 (repetido em Renascer. Praça Velha. 128. 99-112. 2010 Enterro de adultos no Soito de Antigamente. de Quadrazais. p. [reúne. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia.série Archeologie 8). O talismã de Vilar Maior (Cavaleiros do Côa). 109. Luís (Manuel Luís Nunes) 2005 Mordomia do Menino Jesus (Capeia). vol. Soito: edição do autor. p. Renascer. 18. 18. 2011d Baú da memória. 110. 18 Sabugal: História. 20. Sabugal. 117. 40 artigos publicados no jornal Cinco Quinas. DÓRDIO. Cinco Quinas. Vilar Maior. p. Capitães-mores de Vilar Maior entre 1795 e 1834. janeiro. com os Povos Colarnos. As pedras e as gentes. 2010f Baú da memória. Cinco Quinas. 108. Sabugal. 17. 39-43. científica) 1999 Roteiro de Museus (Colecções Etnográficas). In Terras do Côa. 2009a Funeral de uma criança no Soito até à década de 1950. setembro / outubro. p. 18. 16. Eugénio dos Santos 2009 Baú da Memória – o Soito de antigamente. Marta 2010 Las estelas decoradas en la prehistoria de la Península Ibérica. Sabugal. 127). 25. nas décadas de 1930 e 1940. Roma: École Française de Rome (Publications de l’ École Française de Rome. Renascer. 2. 25. 209-222. Lisboa: Olhapim Edições. janeiro. Vilar Maior. março/abril de 2009. p. Cinco Quinas. Claude 1987 Catalogue des mines et des fonderies antiques de la Péninsule Ibérique. 106. Sabugal. sociedade e cultura . Guarda. novembro. Praça Velha. 21. Nélia (coord. Cinco Quinas. Madrid: Universidad Complutense de Madrid. p. 113. fevereiro. p. 18. p. 2011 Baú da memória. [tese de doutoramento] DIOGO. O Padre Salcedas. Memórias históricas de Vilar Maior. 2011e A lenda dos castanheiros de João de Amores. Guarda.2004 2005 2005a 2006 2007 2008 2012 Foros de Alfaiates na Ribacôa promulgados entre 1188 e 1209 pelo rei Afonso IX de Leão. p. 2012 O mañegu e o falar dos Foios. p. Sabugal. Sabugal. Sabugal. Cinco Quinas. DÍAZ-GUARDAMINO URIBE. não se indicam as referências iniciais]. setembro. entre o número 61 (abril 2006) e 104 (novembro 2009). Universidade Jaguelónica [tese de licenciatura]. O Sabugal de antigamente. 2010c Gastronomia no Soito (e Concelho) de Antigamente. Cinco Quinas. Região Centro (Beiras). 62. 2005 Directorio de cooperación transfronteriza / Directório de cooperação transfronteiriça. Sabugal. Passado comum e caminhos evolutivos divergentes. 2011a Baú da memória. 68. 2010i Baú da memória. p. Cinco Quinas. DIAS. Guarda: Estrela-Côa. p. 19. Cinco Quinas. outubro. 4. maio / junho. p. Sabugal. Guarda. Os valores do Côa. Vilar Maior. Praça Velha. 18. DONDELEWSKI. Cinco Quinas. Espanha) comparado com o falar dos Foios (Guarda. Agosto. maio. maio / junho. Sabugal. março. Sabugal. 4. na Romanização da Lusitânia. 20. Sabugal. p. 2010g Baú da memória. Oppidani Colarni. Sabugal. Coimbra: edição do autor. Curiosidades sobre o Soito. O falar de San Martín di Trebellu (Cáceres. Portugal) através das realizações actuais do <ei> tónico. p. junho. Alfaiates. 19. 27. In Aldeia do Bispo. Bartosz 2011 De costas viradas. Cinco Quinas.

Geografia]. 3. Amílcar 2010 The current state of research on local deities in Portugal. 28. Roma: École Française de Rome. ESTÁCIO. Cinco Quinas. p. 57:3-4 (1998). História e Património: actas das I Jornadas de Património da Beira Interior (Guarda. Sabugal. 60:1-2 (2001). p. p. Lisboa: Imprensa Nacional . março. 23.Autores 19 . 2011b Bismula . p. 253292. 53-69. p. DURÃO. Sabugal.Artes e Ofícios. E. In Beira Interior. 14. Iberografias. (IX Workshop F. André (dir) . 2014 Intervenção de conservação e restauro nas ruínas habitacionais no interior do castelo de Vilar Maior.DUARTE. ESE. Soito. A Festa da Família. p. 265-299. Vera Magalhães 2010 Conservação de uma cerâmica arqueológica. maio. 122. Beira Alta. 18. p. Cinco Quinas. 1-37. Lisboa. 8. p. Conimbriga. Sabucale. Sabugal: História. António Alves 2011 A Festa do Natal. p.C. Conimbriga. Guarda. António Maria Manso 2014 Portugal na Raia Central. Jorge de Alarcão.) . 22. p. 1-50.AN). Sabugal. p. 56:1-2 (1997). 179-186. 2013 La coopération transfrontalière dans le processus de développement de deux régions périphériques: Beira Interior Norte / Provicne de Salamanca. Coimbra. p. 211-243. 71-79. José d’ 1975 Divindades indígenas sob o domínio romano em Portugal: subsídios para o seu estudo. 2009 Baú da memória. 2. junho. p. ESTEVES. FERNANDES. 54:3-4 (1995). 6. FARIA. DUARTE. 85-100. Cinco Quinas. 1987 Divindades indígenas da Lusitânia. 11. Coimbra. 59:3-4 (2000). Lisboa . 1999 Toponímia Portuguesa. 1-38. p. 2000 História das festas de S. 121. O Soito. Cinco Quinas. A. de Almeida 1995-01 A toponímia da Beira Alta no ‘Dicionário Onomástico Etimológico’ de José Pedro Machado. 56:3-4 (1997). sociedade e cultura .Casa da Moeda. 95. p. 5. 28. João Manuel Aristides 1999 A Música Tradicional do Soito. 149. 1:2. p. 94-112. Sabucale. p. Marisa 2013 Nomes e alcunhas. In BAZZANA. maio.Estudos portugueses. 1-3 Outubro 1998). 8. 1989 Sobre a presença romana no actual território português. p. J. Soito. julho. 295-336. janeiro. Arouca: Associação para a Defesa da Cultura Arouquense. O Soito. p. 58:1-2 (1999). 8. Distrito da Guarda. Estudo comparativo entre as actividades lúdicas de Aldeia Velha e Navasfrías. 21. fevereiro. In ARENAS-ESTEBAN. 12. p. 4. EMÍDIO. 30. 2. Cristóvão. Apostilas ao recente livro do Prof. 2. 147. Guerre. EMÍDIO. As Malhas nos anos 70. 151-158. outubro. 59:1-2 (2000). p. Sabugal. DURAND. 19. p.. Bibliotecas. p. 15-24. FERNANDES. GUERRA. 143. p. António Marques de 1985 Subsídios para um inventário dos achados monetários no distrito da Guarda. 26. 58:3-4 (1999). Maria Teresa Basílio Lourenço 2001 Jogos tradicionais transfronteiriços. Actes du colloque de Madrid (24-27 novembre 1985). Edição do autor. 1-41. brasileiros e de África lusófona. 679-689. agosto. 2001 As Árvores nos Brasões Municipais. 22. UNL .Castrum 3. p. António J. ENCARNAÇÃO. Susana 2010 Aldeias Históricas de Portugal – Guia Turístico. José. p. Exame de um dicionário. 144. Memórias dum Povo das Altas Terras de Ribacôa. abril. Sabugal. 237-277. Freixo de Espada à Cinta: Câmara Municipal. 145. 118. 10. 57:1-2 (1998). 22. Viseu. 15-57. Arquivos e Museus. FERNANDES.E. Robert 1988 Guerre et fortification de l’ habitat au Portugal aux XIIe et XIIIe siècles. Sabugal. p. p. maio. 55:3-4 (1996). 2011a Os meus tempos da Quaresma e Páscoa.Profissões . 2000 Os indígenas na epigrafia da Beira Interior. Guarda: Câmara Municipal. p. p. Sabugal.Celtic Religion across space and time. Paris: Université Paris-Sorbonne. Guarda: IPG. p. Alberto (ed. Mêda: Olho de Turista.Universidade Nova de Lisboa [tese de doutoramento UPS . Alexandre 2008 A emigração portuguesa da zona raiana. 219-258. 19. p. p. 27. José d’.R. Toledo: Junta de Comunidades de Castilla-La Mancha. Cinco Quinas. p. FALHAS.. p. ENCARNAÇÃO. 18. Estudo do Concelho do Sabugal. abril. p. julho. junho. fortification et habitat dans le monde méditerranéen au Moyen Âge. fevereiro. junho. 5-37.

153. Coimbra. Sabugal. Theatro geographico-historico de la Iglesia de España. 57-64. Lisboa. Lisboa: Biblioteca Nacional FIGUEIREDO. Capitanias-mores em 1815. Seus limites e divisões. Coria.camertola. con varias Dissertaciones criticas. Lisboa. 2013 Tabuleiros de jogo inscritos na pedra : um roteiro lúdico português. FERRÉ. Sabucale. FERREIRA. civil. O contributo da epigrafia votiva para o entendimento das manifestações religiosas no contexto da ocupação romana da Beira Interior. 7:1-2. João Baptista 1965 A linguagem de Aldeia Velha e povoações vizinhas. 112:112. 29-55. Isabel Cristina 1982 Vestígios proto-históricos e romanos do Verdugal. Pacense. FLOREZ. p. Lamego. Beira Alta. Bibliografia / Lengua e historia en la frontera norte-sur. Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa. Moreira de 1948 Beira antiga. sociedade e cultura . segun su estado antiguo. Pere 2000-04 Romanceiro português da tradição oral moderna : versões publicadas entre 1828 e 1960. 153-208. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto [dissertação de mestrado em Arqueologia]. 20:2 (1961).pt/image/l%C3%ADngua-e-cultura-na-fronteira-norte-sul-bibliografia. FERNANDES. 4 volumes. p. Fr. de Freitas 2012 Memória coletiva e formas representativas do (espaço) religioso. 24. y Zamora. FIGUEIREDO. Ossonoba. 20:1 (1961). 12:2-3 (1953). 1960-61 A Beira e as invasões de leste. p. Moscavide. p. Revista de Bens Culturais da Igreja. Sabucale. Egitania. Lisboa: Tip. Lisboa: Apenas Livros. FERNANDES. 27-63. Viseu. Lídia 2010 Capitéis romanos do concelho do Sabugal – sobre a utilização da ordem toscana em território nacional. p. José António (ed. 91-108. Traslaciones.). 25-50. INVENIRE. Penamacor: ARCINPE. ecclesiastica. p. Paula 2014 Púlpitos seiscentistas: a parenética e o Concílio de Trento. Elementos para a solução do velho problema provincial. Salamanca. FIGUEIREDO. 403-423. Origen. p. OSÓRIO. Manuel de 1817 Descripção de Portugal: Apontamentos e notas da sua historia antiga. Ebora. Marcos 2013 Tabuleiros de jogo e outras gravações no castelo de Vilar Maior. 349-353. FERNANDES. Edição electrónica disponível em http://www. Madrid: 20 Sabugal: História. 299-330. 8. p. Sabugal. Bibliografía. e militar. GONZÁLEZ SALGADO. 12:1 (1953). Lídia. p. Mesquita de 1933 Subsídios para a Bibliografia da História Local Portuguêsa. p. 11:4. Manuela Barros (coord. p. divisiones. Ana Paula Ramos 2004 Epigrafia funerária romana da Beira Interior: inovação ou continuidade? Lisboa: Instituto Português de Arqueologia. Cristóvão José Moreira de 1952-53 Subsídios para o estudo da viação romana das Beiras.Autores . De las iglesias de Abila. Caliabria. Antiguedad. Carlos 1994 O Tratada de Alcanizes e seus antecedentes. y estado antiguo y presente de sus Sillas.) 2015 Língua e história na fronteira norte-sul. 113-130. Coimbra: Faculdade de Letras [Dissertação policopiada].2013 As fontes e os chafarizes. p. 22-27. Daniela F. 5. FERNANDES. janeiro-junho. Lacerdina. p. Beira Alta. Tomo XIV. Henrique 1758 España Sagrada. Cinco Quinas. Viséo. Sabugal. Viseu. 19:4 (1960). FIGUEIREDO. dezembro. FERREIRA. e moderna. Beira Alta. FERREIRA. Mértola: Campo Arqueológico de Mértola. FERNANDES. 101-119.pdf. Viseu. FIGUEIREDO. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor. 2. y limites de todas sua Provincias.

Notícias do Casteleiro. 103-112. Guarda. 2005a Os bodos do Espírito Santo. p. Francisco Nunes 1825 Memoria para servir de indice dos foraes das terras do reino de Portugal e seus dominios. Casteleiro. X. Revista Altitude. A[lberto dos Santos] 1903 Sabugal. 223-225. FONSECA. 37. Cinco Quinas. GALÁN DOMINGO. p. 2:5. Arte popular.ª série. 18-20 Outubro 1990). Revista Altitude. p. In Actas do II Congresso Peninsular de História Antiga (Coimbra. sociedade e cultura . GAMITO. José I. 2:10. Eduardo 1993 Estelas. Especialidade de Sociologia da Cultura]. 1:7. julho. 109-121. delito mas não pecado. Guarda. 16. p. Quadros Etnográficos. p. vol. Emilio 2004 Viviendas de judíos y conversos en Galicia y el norte de Portugal. Betanzos.ª série. Noticia historica. FONSECA MORETÓN. Sabugal. Cumplutum.Oficina de Antonio Marin. 208-366. Linguagem. março p. FREIRE. O concelho do Sabugal em tempos de mudança. FRADE. Renascer. p. 1. p. II. 50. Madrid: Tipografía de la “Revista de Archivos. p. p. Portugal Militar. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal.ª série. p. Guarda. 1941b Notas etnográficas. 431-466. 64. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. Helena 1993 As termas medicinais da época romana em Portugal. Mercedes 1922 Historia del reinado de Sancho IV de Castilla.Autores 21 . 1:3. 2001 Aspectos Etnográficos do Concelho. 3:10. 2. Guarda. Cinco Quinas. FORTE. GAIBROIS DE BALLESTEROS. Extra 3. Revista Altitude. III. FONSECA. Cancioneiro. 65-67. Iberografias. 71-83.ª série. 2004 O casamento nas aldeias do distrito da Guarda antes do Grande Êxodo de 1960. 2005 Medicina popular. 1943 Notas etnográficas. 2. 1942a Notas etnográficas. Amália Gonçalves 2014 A transfiguração da cultura popular pelas novas tecnologias. António M. 1941a Notas etnográficas. 2006 Os Trabalhos do linho. O que foi ao céu e voltou. Praça Velha.. 4. Maria João 2008 A “ligação à terra”: identidade dos idosos rurais da raia portuguesa. 1. FRANCO. Teresa Júdice Sabugal: História. p. Revista Altitude. GALHOZ. FREIRE. 1. 2ª ed. Guarda. FORTUNA. cancioneiro. Adivinhas. Braga: Universidade do Minho / Aveiro: Universidade de Aveiro [Tese de Doutoramento em Estudos Culturais. janeiro / fevereiro. p. 3. Porto 1996 Ribacôa em contra luz. ditados e conceitos. Guarda: edição do autor. 5. Maria Aliete 1987-88 Romanceiro popular português.) 1916 Tombo da Comarca da Beira (1395). 1941 Notas etnográficas. GONÇALVES. Manuel Leal 1969 Por terras de Sabugal. 21-22. Isabel 2004 A Tradicional Matança do Porco. Lisboa: Academia Real das Sciencias. Guarda. 1:1. 1. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. Vilar Maior. Archivo Historico Portuguez. 2001a Contrabando. p. Anselmo Braancamp (ed. AZEVEDO.ª série. 1942 Notas etnográficas. p. 2 volumes. maio. Bibliotecas y Museos” (2 vol). Coimbra: Instituto de Estudos Clássicos e Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras de Coimbra. 4. Uma coberta de Riba-Côa. 18-22. Ditados e conceitos. Daniela. 17-20. 1. FRANKLIM. p. paisaje y territorio en el bronce final del suroeste de la Península Ibérica. Lisboa. Ditados e conceitos. Breve esboço sociológico. 1. Guarda. Guarda. p. Anuario brigantino.ª série. maio. A gíria de Quadrazais. Revista Altitude. Terras de Riba-Côa. 163-164. Madrid. I. 299-301. 874-900. 27. Revista Altitude. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica / Centro de Estudos Geográficos. 56. Lisboa. Sabugal.

p. 58. 2. Jesué Pinharanda. 3. Notícias do Casteleiro. Manuel 1998 La politica internacional de Portugal y Castilla en el contexto peninsular del tratado de Alcañices: 12671297. 1988-94 Religiões antigas na bacia do Douro português. 6 de março. Luís 1998 Riba Coa en el periodo visigodo. Pensamento Português. Lisboa: Casa do Concelho do Sabugal. José Leitão. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. vol. autor. BATISTA. Douro e Neve. Porto. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Braga: Editora Pax. p. p. 337-341. Fernando Pinto 1999 Bibliografia sobre o Concelho do Sabugal (Contributo).Entre-Douro-e-Tejo. GOMES. p. GOMES. 1991 Religiões antigas de Portugal. VI. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: Actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. GOMES. 2. XV:1. 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). Braga: Editora Pax. costumes.Autores . 2662. 2656. 571-605. 1999 Brincar e jogar em Quadrazais. Casteleiro. Bibliografia Institucional (Contributo). 611-648. José Manuel 1984 Epigrafia Lusitano-romana do Museu Tavares Proença Júnior. Misericórdias. RIBEIRO. abril. p. A Guarda. BAPTISTA. Braga: ed. 30 de julho. Lusitania Sacra. 1971 Memória sobre o teatro popular em Quadrazais. 1977 Memórias de Riba Coa e da Beira Serra – 1. 4. e-Keltoi. Braga: Editora Pax. Lisboa: Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões. GOMES. 1970 Subsídios para a Bibliografia do Distrito da Guarda. Renascer. Contribuição para o mapa dos dialectos portugueses: a gíria de Quadrazais (1964). RIBEIRO. 107-124. p. In .Casa da Moeda. Universidade Nova de Lisboa. Vilar Maior. 12-17 Setembro 1997. 3. Braga. 121-129. GOMES. Ordens Terceiras. Relaciones diplomáticas y dinásticas. p. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. 3. Soito: 22 Sabugal: História. (1º Congresso Internacional sobre o Rio Douro). 901-943. Célia 1996 O falar do Casteleiro. Lisboa. IV . 9 de janeiro. p. Carlos Alberto Morgado 1996 Forais do Sabugal.2005 The Celts in Portugal. Lisboa: Casa do Concelho de Sabugal. A Voz. 205-225. Lisboa: Universidade Católica Editora. 640. p. Jesué Pinharanda. p. Paulo Leitão 2001 Bibliografia sobre o Concelho do Sabugal (Contributo). dezembro.) . 1 de agosto. Vila Nova de Gaia. 1990 O carvalho de S. p. 7. BAPTISTA. Gaya. 2ª série. 1959b Quatro quadras únicas no folclore português. Guarda. GARCIA. Maria Antonieta 1996 Denúncias em nome da fé: perseguição aos judeus no distrito da Guarda de 1607 a 1625. José Manuel Lousa 1985 Memórias da Minha Terra – Soito-Sabugal: usos. O Cancioneiro de Quadrazais (1964). GARCIA MORENO. 8/9. 6. 1ª quinzena de maio. 115-130. Fernando Pinto. 8. Guarda. Lisboa. Uma reunião na Câmara de Sortelha. p. Correio da Beira.Teatro Popular Português. NOTA: inclui trabalhos publicados anteriormente revistos para esta edição: Introdução a uma etnografia infantil (1964). GARCÍA FERNANDEZ. Azinhal (ed. 1959a Crónicas desfiadas do século XIX. Castelo Branco: Museu de Tavares Proença Júnior. Jesué Pinharanda 1959 Um tipo especial de folclore no folclore beirão. tradições e lendas do meu tempo. p. GARCIA. p. 1968 Práticas de etnografia (Temas de Etnografia Portuguesa). Lisboa: ed. GATA. Da Quaresma à Fesrta das Flores (1967). 1981 História da Diocese da Guarda. Autor. p. Aditamentos e observações às “Religiões da Lusitânia” de J. O Motim do Aguilhão do Sabugal. 11581. 1996-97 Confrarias. GARCIA.Brincadeiras da minha meninice. «Caderno de culpas do bispado da Guarda e seu distrito e das visitações». sociedade e cultura . Lisboa: Imprensa Nacional . Leite de Vasconcelos. Vol. Obras Pias e outras associações de fiéis em Portugal nos séculos XIX e XX. 1978 Memórias de Riba Coa e da Beira Serra – 2. António 1996 A Páscoa da minha infância. 23 de janeiro. 1992 Um ensalmo arcaico de Riba-Côa: o salmo da «giplê» e a oração de Santa Cilhê». Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. José Leitão. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. João em Riba-Côa. Guarda. 2654. p. 3. In: ABELHO.

2. Vol. sociedade e cultura . XIV(9-10). 12-18 Sabugal: História. Vítor Oliveira (coord) – 3º Congresso de Arqueologia Peninsular. 7 (Arqueologia da Idade Média da Península Ibérica). XV(7-8). p. 372-396. Bibliotecas y Museos.) 2012 Fortificaciones de los siglos XII y XIII en las fronteras del reino de León. p. 6. Rita Costa 1987 A Guarda medieval: posição. Coimbra. GONÇALVES. 81-117. 53-107. XV:1. Aldeia da Ponte. Iria 2009 Povoamento medieval de Riba Coa. Actas. 35. Sarg. p. p. 1979 “A Romaria de Nossa Senhora da Póvoa” e as Lutas entre os Sitiantes de Aldeia da Ponte e Alfaiates. 375-387. de la Revista de Arch. 7. A Ponte. XIV(11-12).º Congresso de Arqueologia Peninsular: (Porto.1. Universidade Nova de Lisboa. 2003 A fortuna de um rico-homem e fidalgo de Vilar Maior. Sabugal. XLVI. Maria Rosa Lopes 2006 Contrabandos em terras de Riba-Côa. I. Guarda. Renascer. Comendas da Beira Interior Centro. GONÇALVES. 8. Sabugal. Amílcar 2007 Sobre o território e a sede dos Lancienses (Oppidani e Transcvdani) e outras questões conexas. 1-19. 1910-11: XIV(5-6). morfologia e sociedade (1200-1500). GONZÁLEZ DÍAZ. probelmáticas. XII y XIII: “ciudadelas” de Riba-Côa (Beira. Portugal). p. p. p. GONÇALVES. Lisboa: IPPAR. p. 5-6. Aldeia da Ponte. p.Autores 23 . Manuel 1910 Plazas de guerra y castillos medioevales de la frontera de Portugal (Estudios de arquitectura militar). 1-24. GUSMÃO. Maria Antonieta Santa Clara 1955 Monografia de Cerdeira do Côa (Beira Alta). Conimbriga. p. Vilar Maior. 161-206. 131-140. p. GORROCHATEGUI. XV(12). 1996 Castelos da Raia. Iberografias. 71-80.) 2010 Tombos da Ordem de Cristo. XIV(7-8). Lisboa: Sá da Costa. Paisagens rurais e urbanas. Manuel Luiz Fernandes (Lei) 2016 Aldeia do Bispo: Carvalhos para a Artilharia da Praça Forte de Almeida. LARRÉN IZQUIERDO. maio. IV. Porto. 26. p. Lisboa: Centro de Estudos Históricos. 24. Valladolid: Junta de Castilla y León / Consejería de Cultura y Turismo. junho. Fontes. Bibl. outubro / dezembro. Las inscripciones lusitanas. Hortensia 1994 Las pueblas fronterizas entre León y Portugal en los ss. p. José Avelino. Iria (org. BENÉITEZ GONZÁLEZ. Beira. In JORGE. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. José María 2010 Lengua y onomástica. 59. António Augusto F. GOMES. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Vilar Maior. p. GONÇALVES. p. Luís Jorge 2000 Implantação e conservação dos castelos da raia da Beira (séculos XII-XVI). Manuel 1998 Las relaciones entre Portugal y Castilla durante el siglo XIII. 2005 A ronda e o “pagar o vinho”. GONÇALVES. p. VALLEJO. Lisboa. Agostinho 1986 Origens da capeia arraiana. In JORGE. dezembro. Lisboa: ISSS [relatório de estágio do Curso de Serviço Social]. 1 e 8. Lisboa. GOMES. Vítor Manuel Oliveira (coord) . GONÇALVES. abril/maio. GONÇALVES. Porto: ADECAP. GUTIÉRREZ GONZÁLEZ. Madrid: Tip. março. de 1939 a 1974. Cinco Quinas. metodologias. Carmen.edição do autor. 180. Renascer. José Dias 1999 Lendas e factos históricos de Vilar Maior e do seu castelo. 47. Joaquín. 3-4. GOMES. GONZÁLEZ JIMÉNEZ. GUERRA. p. Sabugal: Litorraia. y Museos [separata da Revista de Archivos. 18-63]. 244-287. GONZÁLEZ SIMANCAS. Alicia (coord.

4. Nave. 1990 O concelho de Sabugal em 1758 .. Sabugal. Revista da Faculdade de Letras. Sabugal. 1991 O concelho de Vilar Maior em 1758 . Cinco Quinas. p. 29. Da comunidade ao Município. Guarda: Instituto Politécnico da Guarda. GUYONVARC’H. 8. Javier de 2013 La epigrafía lusitana y la intersección de religión y lengua como marcador identitario. XII. JORELO 1996 Entrudo. 253-263.Memórias Paroquiais. Rennes. p. 36. 9. 16. Cinco Quinas. 105-106. abril. Vilar Maior. Uma olhadela para o seu passado. Sortelha e Vilar Maior. Lisboa: Academia Scientiarum. maio. p. Cinco Quinas.Memórias Paroquiais. Ciências e Técnicas do Património. Pedro.) 1856-1961 PORTUGALIAE MONUMENTA HISTORICA a saeculo octavo post Christum usque ad quintum decim Leges et Consuetudines (1856-1961). Sabugal. 7. 2003d Junho fojeiro. 87-98. p. 37. Nuno Filipe Frade 1997 Jogos Tradicionais do Concelho do Sabugal. Alexandre (dir. La Catedral y la Ciudad.variante de Educação Física] JCC 1880 Portugal. JANELA. Estudo das Práticas Lúdicas do Baraçal. janeiro. 2003e Julho fojeiro. Forcalhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. Cinco Quinas. João Alveirinho. JORDÃO. Sabugal.].) 2009 Penamacor . 2007 Terra íntima (pequenas narrativas etnográficas). 39. p. Cinco Quinas. Cinco Quinas. p. (o que se sabe e não sabe dos Fóios). 18. p. Sabugal. 2. p. Escola Superior de Educação [trabalho de seminário do 4º ano do Curso de Professores do Ensino Básico . JORGE. 124. Lisboa: Universidade Aberta [relatório de investigação]. Cinco Quinas.Memórias Paroquiais. Sabugal. Penamacor: Câmara Municipal de Penamacor HERCULANO. 34. 2. HOZ. Fóios: Grupo Cultural e Desportivo dos Fóios. Sabugal. juin. 4. (2 vols) Salamanca: Imprenta Comercial Salmantina. Forca-lhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. O Universo Illustrado. corrigida e aumentada. p. Maria Rosário 2015 O Coa (NE Portugal): o rio que une. 4. 2003a Fevereiro fojeiro. Forcalhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. A serra sagrada. HERNÁNDEZ VEGAS. Carlos Henriques Gonçalves 1989 O concelho de Alfaiates em 1758 . 14. Porto. 2003b Abril fojeiro. Forcalhos – Sabugal. Olisipone: Typis Academicis.Autores . Nordeste. [s. Ogam. Sabugal. Sabugal. 24 Sabugal: História. 20. 5. 13. Bernardino 1991 Fóios. 30. p. 1993 O concelho de Sortelha em 1758 . Forcalhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. Helder Manuel Guerra (org. 381-400. Cinco Quinas. Christian-Joseph 1967 L’inscription du Cabeço das Fráguas (Portugal). aparta e protege! Em torno da definição do conceito de fronteiras. 2003c Maio fojeiro. 2003f Setembro fojeiro. p. 21. Sabugal.Memórias Paroquiais. 2003g Outubro fojeiro. 1998a O linguajar fojeiro. Levy Maria 1859 Portugalliae Inscriptiones Romanae. Vol.. 2003h Novembro fojeiro. Cinco Quinas. fevereiro. p. 19:3-4. Sabugal. setembro. 35. 2002a Natal fojeiro. Cinco Quinas. Mateo 1935 Ciudad Rodrigo. junho. vol. p. p. I. Notícias dos Forcalhos. p. Sabugal. 2003 As janeiras fojeiras.de Outubro de 1993): actas. 38. Villa de Sabugal. 33. fevereiro.l. HENRIQUES. Pedro Jorge da Costa 2012 As fronteiras de Ribacôa. 1998 Era uma vez. outubro. dezembro.Memórias Paroquiais.ª edição. DIAS. 1990a O concelho de Vila do Touro em 1758 . novembro. 7. 16-18. 14. HENRIQUES. Mirandela: edição do autor. BASTOS. p.800 Anos de História. 8. ISIDORO. p. 31. Mirandela: edi-ção do autor.ª edição. 2002 Mesas. sociedade e cultura . 8. ISIDORO. Cinco Quinas. março. 14. julho/agosto. abril. p.

20. 29. p. Forcalhos. Um pároco espanhol. p. LARCHER. 4-6. Notícias dos Forcalhos. p. 24. p. Miguel Angel 1998 Reconquista y definiciones de frontera. Edição do autor. 22. Notícias dos Forcalhos. p. p. 29. 10. Forcalhos. Guarda. Forcalhos. Carlos Ramajal 1988 A raia. p. 7-8. p. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. 12 volumes. 32. Forcalhos. Historico. 42. 9-10. A ermida de Nossa Senhora da Consolação em Forcalhos (Sabugal). 27 (Suplemento ‘Ao forcão’). Notícias dos Forcalhos. 4-7 (Documentos da Junta). 39. 6. Forcalhos. Forcalhos. 38. 5-10. p. 32. p. p. JORGE. 27. LADERO QUESADA. Forcalhos. 26. 40. Revista dos Centenários. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Uma aldeia de Riba Coa. p. 50. Tres ejemplos de la romanización en la parte indoeuropea de la Hispania antigua. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 20. Notícias dos Forcalhos. Portais e portaleiras. 125-130. 6.Autores 25 . 10. Forcalhos. 9. A irmandade das almas. 5-7. p. p.ª série. Lisboa. 2. Brinquedos populares. 31. 31. Orlindo J P C 2006 Património de uma terra. Biographico e Etymologico de todas as cidades. Notícias dos Forcalhos. 9-10. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Scarlat 1965 Les inscriptions latines inédites du Musée Leite de Vasconcelos. Cabeço das Fráguas. Regedores. O carro de bugalhas. p. LAGE. JORGE. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 28. Guarda. Lisboa. 41. p. 8-12. 1-3. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Uma pipa especial. 55-62. p. O arco. p. Forcalhos. Sabugal: História. A ronda. 18.Sortelha. p. 10. p.Suplemento ‘Ao forcão’. 42. 3-7. Notícias dos Forcalhos. 655-691. 1-3. LAMBRINO. Lisboa: Jorge Rodriguez. p. p. Guilhermina 2005 A irmandade de São Sebastião da Bismula ou um exemplo de solidariedade na vida e na morte. 1992 Achegas para uma biografia. villas e freguezias de Portugal e de grande numero de aldeias. Edição da autora 2002 Costumes velhos. Guarda. Monte do Facho. 31 (Suplemento ‘Ao forcão’). Forcalhos. 9. p. p. 29 (Suplemento ‘Ao forcão’). Heraldico. JORGE. 8. Brinquedos populares. Estatistico. KOCH.Suplemento. 4-6. p. 33. O amolantchim. p. 3. Maria da Conceição Ramajal 1998 A Capeia. Óbitos de 1853 a 1890. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Iberografias. 29. 26. 21-22. 30 (Suplemento ‘Ao forcão’). p. Notícias dos Forcalhos. p. 4. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 3-6.1-3. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. (7 volumes) Edição do autor. Guarda. Praça Velha.5-8 (Velhas actas da Junta) . Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. p. 131-141. XV:1. 18-19. 25. 28 (Suplemento ‘Ao forcão’). Forcalhos. outubro. Jorge 1940 Castelos de Portugal. Augusto Soares de Azevedo Barbosa de Pinho 1873-90 Portugal Antigo e Moderno – Diccionario Geographico. Forcalhos. 31. 8-11. Forcalhos. Poços. Os Forcalhos no concelho de Vilar Maior. Notícias dos Forcalhos . Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Forcalhos. p. Notícias dos Forcalhos. Lisboa: Livraria Editora de Matos Moreira & Companhia. p. p. 17/18. O Archeólogo Português. p. Jorge 2013 Memórias da Maria Castanha. Forcalhos. LEÃO. Duarte Nunez do 1610 Descripção do reino de Portugal. 7-9. Notícias dos Forcalhos. Belmonte . p. Chorographico. Forcalhos. 20-21. p. p. 27-29. Archeologico. 46. p. 55-61. 14. Praça Velha. Forcalhos.1993a 1996 1996a 1996b 1996-97 1996-03 1997a 1997b 1997c 1997d 1998a 1998b 1998c 1998-99 2004 2004a 2008 2009-15 O falar local. Actas da Junta. 7. Michael 2010 Postoloboso. 26 (Velhos documentos da Junta). Forcalhos. 10-12. Forcalhos. 5-73. 2008 Memórias que persistem e resistem. p. 2006 Os bens de mão morta na área da diocese da Guarda particularmente nos antigos concelhos de Alfaiates e Vilar Maior. p. Praça Velha. 10. Forcalhos. Porto. Notícias dos Forcalhos . 31. Relação das Juntas de freguesia. 13-14. LEAL. 39 (Suplemento ‘Ao forcão’). LEAL. Edição do autor. 4-8. 20. sociedade e cultura . 25. Alminhas. p. p.

Lisboa: Universidade Nova de Lisboa / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Penamacor: ARCINPE. História e Património: actas das I Jornadas de Património da Beira Interior (Guarda.LEISNER.) 1998 Terras do Côa. Francisco Sande. João Marques 1959 Bendada na História. Lisboa: edição dos autores. sociedade e cultura . Carlos dos Santos 1979 Memórias de Vila do Touro.) . MARTINHO. Comunicaciones. Ricardo. LIMA. LEMOS. com as mudaças que houve nos seus dominios. Vilar Maior. Madrid. Valladolid: Junta de Castilla y León. medieval e emblemático. novembro. Baptista de 1932-41 Terras portuguesas: arquivo histórico-corográfico ou corografia histórica portuguesa. In FERREIRA. Consideraciones para un trabajo por hacer. Óscar 2011 Gravuras em Pousafoles do Bispo. maio. 106-109. Sabugal. 37. Trabajos de Prehistoria. 3. 1482-1501. João Rodrigues 1982 Esboço monográfico da parte nordeste da freguesia de Penamacor. p. LOURENÇO. Renascer. Tradição e Lenda. Renascer. Daniel Augusto 2008 Memórias. Vilar Maior. Edição do autor.Editorial Franciscana. 1-3 Outubro 1998). Alípio Pinheiro 1999 O meu primeiro frete de contrabando.Autores . Os valores do Côa. p. 39. LOUREIRO. 33. Forcalhos. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor.Beira Interior. 38. LAJES. Castelo do Sabugal: famoso. p. 131-142. Lisboa: FAUL [Projeto Final de Mestrado em Arquitetura]. Vanessa 2000 Levantamento Arqueológico de Vilar Maior (do Paleolítico aos inícios do séc. p. da Malcata ao Reboredo. 163-173. Lisboa: Officina de Joseph Antonio da Sylva. e de Sevilha. p. Maria do Céu [et al. Reabilitação e revitalização das termas de Águas Radium. Francisco Sousa 2003 Arquitectura militar. 3. LOPES. Trabalho realizado no âmbito da cadeira de Proto-História. 57-62. Carlos Manuel .New York. 1 e 3. LUÍS. António Joaquim 1999 A cooperação transfronteiriça entre o concelho do Sabugal e a comarca de Ciudad Rodrigo. LIMA. usos e costumes dum povo. Rastad. p. Francisco. LOBO. In: Actas del 6º Congreso de Economía Regional de Castilla y León (Zamora. 4-5. Sabucale. 185-198. da Quadruple Alliança. Casteleiro. Madrider Forschungen. Guarda. Guarda: Estrela-Côa. (coord. REI. Baden. 26 Sabugal: História. Luiz Caetano de 1734 Geografia historica de todos os estados soberanos de Europa. e com as Genealogias das Casas reynantes. vol. XX). p.] (eds. e outras muy principaes. MAria Carolina Ferreira Marcos 2014 O papel do turismo na dinamização da região centro. 60(2). 4. LOPES. (Policopiado). LÓPEZ JIMÉNEZ. 8 vols. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. Arquitectura e Vida. 1998). Óscar 2003 Dataciones rediocarbónicas en la Protohistoria del sudoeste de la Meseta Norte. de Hannover. Vera 1998 Die megalithgräber der Iberischen Halbinsel. LOUREIRO. fevereiro. José Manuel Lourenço 2000 Mineração antiga na Serra da Malcata (Beira Interior). da Barreira. LOBATO. LOURENÇO. Alexandra Cerveira Pinto S. Notícias dos Forcalhos. Lisboa. 2002 Igreja de Santa Maria do Castelo. p. Joana. Carla 2001 Tabuleiro de jogo de Vilar Maior. Vanessa. Póvoa de Varzim: Tipografia Camões. Braga: Tip. LOURENÇO. Band: 1). TEIXEIRA. RAIMUNDO. LIMA. especialmente pelos tratados de Utrecht. OLIVEIRA. Berlim . MACHADO. p.

3. Praça Velha. 145. Cinco Quinas. (3). abril. abril. p. 30. p. Colóquio 2: Herança social peninsular perante o desenvolvimento industrial. Cinco Quinas. 168. Quem se lembra do Sr. Sabugal. julho. 2011 Riba-Côa: Raia ou Fronteira? Praça Velha. 2015b Aldeia Velha. 162. 189-205. 140. 3. p. (2). 2015a Misericórdias do Sabugal. 2012 Coisas e Gentes do Sabugal. Sabugal. 25. 3. Cinco Quinas. p. Cinco Quinas. maio. 2013b Contrabandista e Passador: O SALSA. p. 113. p. 158. maio. junho. 154. agosto. p. Lisboa: Imprensa Nacional . 109. MAGRO. 41. Ana Maria. setembro. MANSO. p. outubro. p. p. E. Notícias do Casteleiro. junho. Cinco Quinas. 137. Tentâmen de Inventário Geral. Cinco Quinas. 2014a O Sr. p. 165. junho. XI a XV). Cinco Quinas. 3. p. nos Fóios. Guarda. p. Clarinda de Azevedo 1970 A penetração da língua nacional de Portugal e de Espanha nos falares fronteiriços do Sabugal e da região de Xalma e Alamedilla. p. p.março. Coisas 3e gentes do Sabugal (5). 134. 3. 3. setembro. 169. 2012a Contrabando de panos de algodão. Maria Virgínia Antão Pêga 2011 Vilar Maior . O Archeólogo Português. Sabugal. Luís Saavedra 1920 Aquisições do Museu Etnológico Português. p. 133. 171. Cinco Quinas. p. MANSO. ALÇADA. o celeiro do Concelho. janeiro. junho. 3. 55. Cinco Quinas. Coisas e gentes do Sabugal (2). p. Coisas e gentes do Sabugal (3). p. Lisboa. novembro. 138. 2014c Heróis da Capeia.janeiro. 2012b Uma orelha exemplar. Casteleiro. 33. 3. Cinco Quinas. 5. 2014 Sabugal: um super concelho. o Salsa e Santo Estêvão. Sabugal. 2013e Os baldios do Sabugal. Sabugal. 159. 23. 166. Cinco Quinas. Cinco Quinas. Francisco 2010 Os Forcalhos em festa. Cinco Quinas. tomo 3. Guarda. 37. p. dezembro. Cinco Quinas. Sabugal. abril. 117. 142. Coimbra: Comissão de Coordenação da Região Centro. de Ataíde 1997 Pelourinhos portugueses. 3. 135. março. Coisas e gentes do Sabugal (4). Agosto. março.II. Porto: Faculadde de Letras da Universidade do Porto. 3. Cinco Quinas. Sabugal. 3. 3. 143. 3. Guarda. maio. Sabugal. 3. Sabugal. 150. p. Sabugal. 147. Sabugal. 2013i História da População do Concelho do Sabugal. dezembro. p. Cinco Quinas. Sabugal. p. MAGALHÃES. 108. p. p. 3.Autores 27 . 2012d A escola da nossa terra. Sabugal. (2) As Divisões Administrativas do Sabugal ao longo dos tempos. agosto. Cinco Quinas. 144. Cinco Quinas. 3. Praça Velha. Cinco Quinas. 2013g “As sortes” de Aldeia do Bispo. 151. p. B. 139. dezembro. p. 3. 85-97. Cinco Quinas. a República e a Maçonaria. 3. 2012h O concelho do Sabugal em datas. setembro. (2). 18-19. Cinco Quinas. 164. 2012f A pavorosa. Sabugal. Casteleiro.fevereiro. 2010b A Fonte do Sabugal. Cinco Quinas. 2014d Guarda Fiscal. MANSO. Agosto. 161. Regedor? Já bem poucos. In XXIX Congresso Luso Espanhol para o Progresso das Ciências (Lisboa. 3. setembro. p. Sabugal. 141. junho. Regedor. 163. 4. Sabugal. p. Cinco Quinas. 3. 3. maio. 113. Cinco Quinas. 146. sociedade e cultura . Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. MALAFAIA. 3. Sabugal. Cinco Quinas. p. roubada. p. abril. p. 3. 2013a Crimes do Sabugal . 19. 231-243. 1977 Os falares fronteiriços do concelho do Sabugal e da vizinha região de Xalma e Alamedilla. p. 3. p. p. Sabugal. 31 de Março a 4 de Abril de 1970). Ana. p. 3. 2013c O Conselheiro Teles de Vasconcelos. outubro. fevereiro.Evolução de um castelo e povoado raiano de Riba-Côa (séc. Sabugal. 157. Cinco Quinas. Sabugal: História. 2013f Confrarias e Irmandades do Sabugal. 167. 3. Sabugal. 2015 A Guerra do Ultramar e o Sabugal. p. 2012e Capeia raiana: origens. Sabugal. 136. 153. 3. 2010d Um povo em aflição e o regedor demitido. [Dissertação de Mestrado em Arqueologia] MAIA. 44. Sabugal. Cinco Quinas. p. Sabugal. 2010e O Sabugal. dezembro. p. Cinco Quinas. Sabugal. p. 3. 1. 2013d A iluminação pública no concelho do Sabugal. Cinco Quinas. 3. 170. outubro. Irmandades do Concelho do Sabugal em 1758. Sabugal.ª série. Sabugal. Sabugal. Lisboa: Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências. janeiro. 2013 Crimes do Sabugal. 148. abril. 2009 A Fonte do Sabugal. Cinco Quinas. Sabugal.Casa da Moeda. 2010a A Capela de Nossa Senhora da Consolação. p. p. 152. Sabugal. 3. 3. Sabugal. 2012g A Revolução dos Nabos. novembro. 3. 3. p. 2014-15 O Sabugal e a Grande Guerra. 27. julho. MACHADO. 3. p. agosto. novembro. Cinco Quinas. 149. p. sobretudo os nascidos após 1970. Sabugal. Sabugal. Cinco Quinas. dezembro. Sabugal. 2010c Uma Capeia. Sabugal. p. p. 101-126. p. Sabugal. Cinco Quinas. 24. 2014b Regedores da nossa terra. 2012c Termas do Cró. 111. Isabel 2002 Lendas e Segredos das Aldeias Históricas de Portugal. 2015c Nave. Cinco Quinas. 241-270. Cinco Quinas. 2013h Água: Fontes e Chafarizes do Concelho do Sabugal. (3). Francisco 2008 As termas do Cró.2008a Ceifas.

Acção Médica. Norberto 1994 Soito. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 9. MATOS. Biblos. Cinco Quinas. MANSO. 178. António F de. Porto. Alguns aspectos. Sabugal. p. 1935. Sabugal. p. 3.As malhas em Riba-Coa. Horácio Tomé 2013 Portas do Côa: reinventar a interpretação de uma herança milenar. 15. Covilhã: UBI / Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social. 1995 A bacia hidrográfica do Côa. sociedade e cultura . 56-70. janeiro. Cinco Quinas. janeiro (1938). 176. 175. 2ª série. Cinco Q33uinas. Júlio Silva 28 Sabugal: História. Algumas Notas Etnográficas de Riba-Coa.2015d 2015e 2015f 2015g 2016 2016a 2016b Mercados e feiras do Sabugal. Sabugal. VI. p. In As relações de fronteira no século de Alcañices (IV Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval. MARCO SIMÓN. 523-544. Gentil 2000 Lendas de Portugal. p. MANSO. 6-8. Quadrazais: Cirurgião na Inquisição. XV.1962]. Actas). 105-117. In Simpósio sobre la red viaria en la Hispania romana. Paulo Nave 2012 Levantamento dos sítios arqueológicos de Aldeia da Ponte. Guarda. 3. 136-143. Sabugal. 69-90. MARCOS. A Ponte. XII. 3. Desenvolvimento. Cinco Quinas. p. 177. Aldeia da Ponte. novembro. p. outubro (1937). Acção Médica. MARQUES. Dinis. MANTAS. Guarda. p.l. 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). Vasco Gil 1990 A rede viária do convento Escalabitano. 3. julho a setembro. Sabugal. Praça Velha. dezembro. 388-419. José 1993 Os municípios portugueses dos primórdios da nacionalidade ao fim do reinado de D. MARQUES. Lisboa. MARQUES. Carlos Santos. 57. p. SIMÕES. Cinco 3Quinas. p. XIV. António Augusto Pereira 1937-38 Assistência Médico Rural. 7-18. Uma família ilustre e ignorada. Sabugal. José R Pires. Lisboa. março. Sabugal. ISCSP. Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa. 1. Cinco Quinas. p. Coimbra. julho. 1936. 172-211. s. Fátima 2012 Os municípios e a qualidade de vida. Carlos Alberto 1941 Notas etnográficas. p. MARQUES. 219-239. Fóios: mãe coragem. Biblos. 287-345. 3. VII. 178-212. p. 3. José Mendes 2004 Genealogia das Gentes da Aldeia do Baraçal (Concelho do Sabugal . Sabugal. 172. Covilhã: UBI / Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social. p. MANUEL. 1:5. A Bacia Hidrográfica do Côa. GONÇALVES. 1939. Revista Altitude. I . p. MANSO. Covilhã: UBI / Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social. 1998 Os municípios na estratégia defensiva dionisina.Autores . abril. p. Coimbra. evolução e mudança cultural. p. 478-504. 2009 Indicador sintético de desenvolvimento económico e social ou de bem-estar dos municípios do continente português. janeiro/março. 473-485]. Francisco 2005 Religion and religious practices of the ancient Celts of the Iberian Peninsula. Porto. 3. p. Zé 1981 Os ferreiros. MARQUES. 13. Malcata: beleza e crimes. XI. X. MARQUES. vol. O cordão sanitário da Raia. 5 vol.ª série. p. 2005 Contrabando: Contributo para o seu estudo. Lisboa: Assírio & Alvim [reedição de: Subsídios para o estudo da Geografia de Portugal. p. 1943 Plano de organização da Assistência à Maternidade e à Infância no concelho do Sabugal. Cinco Quinas. MARQUES. p. outubro. Cinco Quinas. e-Keltoi. Sabugal. [dissertação de mestrado em Ciências Antropológicas]. p. 1. O Sabugal em notícias de jornais (antigos). Salete da 1980 Fíbula anular romana e fivela de cinturão romana do Museu Eduardo Malta (Covilhã). 25. p. Nuno Miguel 2007 Os Municípios e a qualidade de vida em Portugal: Proposta metodológica com vista à sua mensuração e ordenação.Distrito da Guarda). p. 180. Sabucale. Sabucale. Minerva. dezembro. Porto: Tip. Sabugal. 4. p. 1938. 45-70. 181. Zaragoza: Institución Fernando el Católico. XXIX. 5.: Marina Editores Lda [1ª ed. . José R Pires. PONTE. MARQUES.

A Quaresma. Ciudad Rodrigo: Centro de Estudios Mirobrigenses. José Luis 1998 Conflictos luso-castellanos por la raya. comarcas. p. Renascer. 9-56.I Conferências Territórios e Culturas Ibéricas. MARQUES. 33-70. 2008a Leoneses y portugueses en el territorio de Sabugal. MARTÍN BENITO. 14. p. Vilar Maior. 3. 59-74. Iñaki 2004 La frontera como integración del território en la Edad Média: la raya leonesa (siglos XII-XIII). D. p. legaos de distancia. p. A matança do porco. 10. Notícias do Casteleiro. Minha Gente. 7. p. 2007 Tumbas y sociedades locales en el centro de la Península Ibérica en la Alta Edad Media: el caso de la comarca de Riba Côa (Portugal). p. p. Porto: Campo das Letras / Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. Bispo do Porto. Flocel (ed. Vilar Maior. Vilar Maior: edição do autor. Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo. 186-208. 98. 3. Vilar Maior e o seu passado. dezembro. 343-373. 3 de Abril de 1811. Renascer. p. Virgílio (coords. em Vidas com História. p. Diputación de Salamanca-Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo-Centro de Estudios Mirobrigenses. Ricardo 1965 Investigaciones arqueológicas en Ciudad Rodrigo. 2009a As invasões francesas. 1 e 3. districtos. Sabugal: História. Salamanca. In Congreso Internacional la Raya Hispano-Lusa. Jaén. 1. e feiras. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. Porto. Sabugal. Revista de Estudios Medievales. XV:1. p. 6. Inquirições (Tombo da Comarca da Beira). Renascer. Lisboa: FLUL [tese de Mestrado em História Militar]. p. junho. Cinco Quinas. Vilar Maior. Joaquim Tenreira 2008 Viagens na minha infância. Renascer. Recordando. Sociedad y Poder. dioceses. Coimbra. 5. abril. 71-98. Porto: Thypographia Commercial. José Ignacio. Coimbra. 1. oragos. Rui. provincias. 5. In JACINTO. Cinco Quinas. março.a última oportunidade de Massena. 2009 As invasões francesas. p. Lleida: Pagés editors. Salamanca: Punto de encuentro. p. Minha Terra. Salamanca.) . 3. Territorio. p. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. MARTÍN BENITO. p. 89-114. 259-274. p. fevereiro. 2007a Capere vel populare. p.1995 1995a 1995b 1996 1996a 1996b 1997 1997a Filho de Vilar Maior. Lembranças romanescas. 177-223. Gonzalo 1971 Los Fueros de la familia Coria Cima-Coa. 3. Bruno Miguel Pack 2013 Retirada do Armée du Portugal na campanha de 1810-11. Studia Historica. Dolutília e o seu grupo. BENTO. 13. Formación y desarrollo de una frontera feudal entre el Duero y el Tajo (siglos XI-XII). Fuentes de Oñoro .Balaguer. Oviedo. agosto. Cruïlla de civilitzacions. 4. Sabugal. Renascer. p. MARQUES. 101-111. 2. p. Casteleiro. 2005a La formación y consolidación de la frontera en la comarca de Ciudad Rodrigo: la configuración de un espacio feudal (siglos XII-XIII). Vilar Maior. 2. p. 7. Renascer. agosto. 21-47. Porto e Fóios: O Progresso da Foz e Côa-Águeda. Notícias do Casteleiro. 85-109. In SABATÉ I CURULL. Historia Medieval. 2005 Una frontera casi invisible: los territorios al norte del Sistema Central en la Alta Edad Media (siglos VIII-XI). dezembro. sociedade e cultura .Autores 29 . 1105. Manuel 2001 Concelho de Belmonte. Filomena. 4. Memória e História. 4. Belmonte: Câmara Municipal. Zephyrvs. p. 23. Romanceiro popular. MARTINS. Juan Carlos 1994 Prehistória y romanización de la tierra de Ciudad Rodrigo. MARTINS. fevereiro. MARTINS. 2005b En la periferia del sistema: Riba Côa entre la Antigüedad tardía y la Alta Edad Media (siglos VI-XI). correios. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. MARTÍN MARTÍN. 2013 Encontros do Passado. MARTÍN VISO. 97. 2008 Una periferia creativa: la articulación del territorio en la comarca de Riba Côa (Portugal) (siglos VI-XI). congruas respectivas. Memórias de Vilar Maior. freguezias. 16. A batalha do Sabugal. Vilar Maior. maio. Pedro José 1853 Diccionario geographico abbreviado das oito provincias dos Reinos de Portugal e Algarves com a designação dos concelhos. Revista de História da Sociedade e da Cultura. 5. Sabucale. Arqueología y Territorio Medieval. Vilar Maior. 73. 14. Vilar Maior. p. Revista Portuguesa de História. I 1998 Vamos saltar a fogueira. 6. abril. p. MARTÍNEZ DÍEZ. Sabugal.) . 4. Casteleiro. Relaciones hispano-portuguesas del Duero al Tajo. Renascer. MARTÍN VALLS. 2009 Sabugal Velho y el castillo de Abaroncinos.

setembro. Carlos 1941 Notas históricas de Riba-Côa. Aldeia da Ponte. Arnaldo Rui Azevedo de Sousa 1998 Relações interconcelhias no reinado de D. MENDES. Sabugal. Cinco Quinas. Notícias do Casteleiro.MARTINS. José Luiz 1985 Salama. O falar de Riba-Côa. Barbara e WAGER. Revista Altitude. p. p. Casteleiro. Vilar Maior. p. Guarda. MELO. MATTOSO. abril. MATOS. MEDEIROS. 2. Porto: Fundação Engº António de Almeida.ª parte). p.ª edição 1987). MARTINS.) . José 1958 Drama sob as nuvens. Sabugal. In Fragmentos de uma composição medieval. p. 2. 545-575. Xavier Cameijo 2015 O património cultural no marketing dos lugares e no desenvolvimento dos territórios rurais: o concelho do Sabugal. 8 vol. 11. 8. p. 76. p. Lisboa: Círculo de Leitores. Dinis. Ramiro de 1979-81 O concelho de Sabugal no século XVIII (1. Eduardo José Rocha 2010 A Cooperação Transfronteiriça Portugal-Espanha e Suécia-Noruega. MATIAS. 2. 8. p. Sabugal. José Carlos 1997 Los (Fornos dos) Italianos. 1:3. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. p. I). MEDEIROS. Lisboa. XV:1. MATTOSO. 3. António 2009 Presença dos Missionários Claretianos em Aldeia da Ponte. In Symbolae Ludovico Mitxelena septuagenário oblatae. 1:1. ALVES. Lisboa: Editorial Estampa. p. 10 (1981). sociedade e cultura . 78. 25-26. Elvira Cunha de Azevedo 1997 A Inquisição de Coimbra no século XVI. MENDES. 8. outubro. José (dir. Revista Altitude. Guarda: Agência para a Promoção da Guarda. MARTINS. p. Judiarias e Cristãos-Novos na Beira Interior. Ana Ávila de. Efeito barreira e Impactes Territoriais do INTERREG-A. Vilar Maior. Maria de Fátima 2002 The Bronze palstave from the Quarta Feira Copper Mine.Metals and Society. Porto. Júlio 1997 Usos e costumes da freguesia. MENDES. 23-24. p. M. Carlos L (coord. p. 113-122.) 1990 Bibliografia das Monografias Locais. dezembro. p. p. MEA. 6. MARTINS. Um episódio da Restauração. Helena e ARAÚJO. Revista da Faculdade de Letras do Porto . Renascer.História. MELENA JIMÉNEZ. junho. Guarda. 12.ª edição (1. 30 Sabugal: História. 3. Vol. BAR IS 1061. Emma (eds. p. 1941a Linguagem regional. 7. 109-115. A instituição. José 1990 Da comunidade primitiva ao município: o exemplo de Alfaiates. Lisboa: Universidade de Lisboa / Instituto de Geografia e Ordenamento do Território [tese de doutoramento em Geografia / Planeamento Regional e Urbano]. p. 77. MELO. 153-156. I. abril. In SARAIVA. 2015a Sabugal: marketing territorial a partir do património cultural. 5 (1979). 475-530. 8. Sabucale.) . Vitoria/Gasteiz: Universidad del País Vasco (Anejos de Veleia. Síntese temática das artes e ofícios tradicionais. Jorge 2014 A Judiaria do Sabugal. Central Portugal. os homens e a sociedade. 1997a Romagens e tradições religiosas. 38. In OTTAWAY. Alcina (org. Jálama y la epigrafia latina del antiguo Corregimiento. p.) 1993-94 História de Portugal. José Corceiro 2003 Contrabandistas à força. 11-14. Coimbra: Universidade de Coimbra / FLUC [Dissertação de Mestrado em Gestão e Programação do Património Cultural]. Lisboa: Ministério da Educação / Projecto Artes e Ofícios Tradicionais. Renascer. 1:4.Judeus. Lisboa: Tipografia Freitas Brito Lda. 35-48.Autores . dezembro. 11. António e CAMEIJO.

p. 5. Luísa Reis 2004 Património rural em Portugal. 147-150. p. Nuno de 2006 Rio Côa. Série A. João Gouveia 1999 Os castelos portugueses dos finais da Idade Média: presença. 641-653. MICAS (Amílcar do Dino da Rosa) 2010 Mordomos da capeia nos últimos 50 Anos. agosto. Ethnos. Coimbra. MORENO.MÉNDEZ DE SILVA. Anales de la Universidad de Alicante. MONTEIRO. 23. MENDONÇA. Historia Medieval. Madrid: Diego Diaz de la Carrera. sociedade e cultura . 103. 29-41. y cvriosas noticias. 1986 Os Municípios Portugueses nos Séculos XIII a XVI – Estudos de História. Volume I . Um contributo para o desenvolvimento sustentado do interior português. 1704 Descripcion Geografica Histórica de todo el Reyno de Portugal. Reales genealogias. 45. MENEZES. 1998 As relações de fronteira no século de Alcañices (1250-1350): o Tratado de Alcañices. Revista de Guimarães. 46. Luis de 1679-98 Historia de Portugal Restaurado (2 vol). In SILVA. Folha Fojeira. blasones. Lisboa: Universidade de Lisboa [dissertação de Mestrado em História Regional e Local]. 4ª edição. 48. 10. Torres Vedras: Município. Coimbra. p. José Luís Martín 1992 Nuevas aportaciones al estudio de dos estelas decoradas halladas en la cuenca sur del Duero (Beira Alta.) . V. p. Lisboa: Edições Colibri. Revista de Ciências do Homem. 189-297. Porto. 8. perfil. MOREIRA. X.Da nascente ao moinho da Ervaginha. 1993 Dois concelhos medievais da beira interior: Sabugal e Sortelha. Lisboa. 35. 2ª série. 2013 As Comunidades Judaicas da Beira Interior na Idade Média. y seglares. Reedições: 1961 e 2003). p. Évora: Casa do Sul Editora / Centro de História da Arte da Universidade de Évora. conservação. A arte da água e da pedra. Munda. 19. Guimarães. p. 47-54] 1993a Os confrontos fronteiriços entre D. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. 143-147. 103-116. março. agosto. Catarina. descripciones agradables. Nuno de 2003 Maria Mim. Con mvchas. D.ª edição 1939. Helena 2012 A Estrada da Beira: reconstituição de um traçado medieval. 1997 Relações entre os reinos peninsulares (1290-1330). excelencias gloriosas y svcessos memorables. 50. vol. 23:1. setembro. Fóios. 11. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 67-93. MONTEIRO. 1993. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. MONTEMOR. 89-98. MERÊA. Lourenço Marques. y conqvistas heroycas. flores cogidas en el estimable Iardin de la preciosa antiguedad. PAULO. p. Irisalva 1966 Características predominantes do grupo dolménico da Beira Alta. Isaura Luísa Cabral 2007 Religião e vida social no espaço urbano: comunidades judaicas na Beira Interior em finais da Idade Média. p. p. Lisboa: Colibri. Sabugal. MONTEIRO. p. XV:1. VIII. MOITA. 345-358. Lisboa: Officina de João Galrão / Officina de Miguel Deslandes. Lisboa. Henrique Baquero 1972 Alguns documentos para o estudo das estradas medievais portuguesas. Madrid. p. CAMARINHAS. Vol. p. abril. Sevilla: Herederos de Thomas Lopez de Haro. junho. p. (Relatório final). 6-7. Lisboa: Universidade Técnica / Faculdade de Arquitectura. Porto. Portugal). Carlos Guardado da (coord. Sep. p. Manuel Paulo 1947 Sobre os foros da região de Cima-Côa. Cuadernos de Prehistoria y Arqueología Universidad Autónoma de Madrid. MOMPEAN. Rodrigo 1645 Poblacion general de España. Porto. Sabugal: Câmara Municipal (1. Sabugal: História. 1993 O espírito de um concelho na vida de uma Associação. p.Judiarias. y catalogos de dignidades eclesiasticas. Afonso V e os reis católicos. MIGUEL. Lisboa: Editorial Presença. Lda.Autores 31 . Judeus e Judaísmo (Turres Veteras XV). 49. 8. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa [Dissertação de Mestrado em História]. grandezas notables. 8. [também Revista de Ciências Históricas. Margarida. svs trofeos. p. 6-8. vigilância e comando. António Amaro 1992 O espírito de um concelho na vida de uma Associação. Alicante.

2015 Os nossos falares. 120. 61-84. outubro. p. p. p. p. p. 165. 1991] 1983 Uma antiga vila.1999 1999a 2002 A irmandade de Ribacoa: novos documentos. Nave. 7. p. p. Joana Miranda 2013 A Exploração de Georrecursos para fins Turísticos de forma Sustentável. In Arqueologia da Beira Baixa. março/ abril. [vol. NEVES. Voz do Senhor. 5. 7. Manuel Francisco Veiga Gouveia. 7. p. maio. março. 167 [sic]. 7. Lisboa: Instituto Português do Património Cultural. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. 2002 A lenda de Dom Dinis e os lobos. p. setembro. 5. p. p. 175. 166. 7. p. 158. MOURÃO. Guarda. 3 vols. novembro. novembro. Péripéties historiques des gens du Alto Côa. 167. julho/agosto. 70-80 2000 Sortelha. p. 7. julho/agosto. junho. Joaquim Tenreira. 7. Nordeste. p. 123. Revista Altitude. 163. janeiro 2000. 5. e cabeça do Bispado. p. p. novembro. outubro. junho. outubro. p. 173-184. Henrique. 114. 168. 127. 113-123. p. 69-80. 7. NABAIS. março. 5. 7. 126. abril. O caso das Termas de Chão de Pena. MORENO. p. e annual rendimento de cada huma: dos Padroeiros. p. p. Domingos 1980-81 Baraçal. setembro. 7. p. maio. dezembro.2008] 2008 Sabugal. E da Cidade principal. In Carlos Alberto Ferreira de Almeida in memoriam. 5. p. 170. NEVES. junho. NATÁRIO. 154. 9. p. setembro. Manuel. Marcos 2006 Sabugal. ou catalogo alfabetico de todas as Freguezias dos Reinos de Portugal. setembro. vol. p. Alfaiates. 162. 171. OSÓRIO. 7. novembro. 7. [2ª ed . Sabugal. 5. 5. dezembro. julho/agosto.as Jornadas Arqueológicas da Beira Baixa. 117. 5. 162 [sic]. MARTINS. Ponencias y comunicaciones de las Jornadas conmemorativas del VII centenario del Tratado de Alcañices (1297-1997). 156. competitividade e demografia empresarial: o caso da Raia Central Ibérica. Realizadas em 28. Paulo Leitão 2011 Sabugal e as invasões francesas. Cinco Quinas.Autores . maio. 121-129. Impressor do Santo Officio. 5. Sabugal: Câmara Municipal [tradução francesa da obra anterior]. 21. fevereiro. As pedras e as gentes. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 5. José Maria 2005 Capeias Raianas. 5. 7. abril. 7. p. Aldeia-Museu de Portugal. 7. 7. 113. livraria portuguesa e galega. p. Maria Manuela 2004 Inovações. 7. 29 e 30 de Abril e 1 de Maio de 1979. janeiro 1999. A Irmandade dos Sete Castelos de Ribacoa nos fins do século XIII. Zamora: Fundación Rei Afonso Henriques. 172. 112. que pertenceu ao distrito de Castelo Branco. 5. 130. 75-88. abril. Um caso de mudança de cultura. [também publicado em Nordeste. março. p. 5. 110. junho. 5. 119. 5. p. 405. p. Duardo 1998-2001 Os nosso falares. NABAIS. 152. p. 3 vols. 7. 1:2 81980). Lisboa: edição do autor. que apresentão: juntamente com as leguas de distancia da metropoli do Reino.) 2003 Demarcações de fronteiras. janeiro 2001. MORGADO. 107. p. 129. e Algarve: das Igrejas com seus Oragos: do titulo dos Parocos. 115. p. 5. 406. p. com o numero dos fogos. Porto: FLUP. 47-52. 118. 5. Victor Manuel Leal Pereira 1979 A antiga Vila de Sortelha. In Aldeia do Bispo. 174. 404. p. 1989 Baraçal do Côa. 1:3 (1981). novembro. aldeia-museu de Portugal. 2: De Vila Velha de Ródão a Castelo Rodrigo]. junho. p. [2ª ed. 169. p. NIZA. julho/agosto. ?+ 105. p. Castelo Branco: ARCINPE. A zona de Ribacoa à luz do Tratado de Alcañices. 407. p. 5. março/abril. junho. fevereiro 2001. 153. julho/agosto. p. BATISTA. 7. 121. Livro das 1. MOTA. 5. Sabugal: Câmara Municipal. janeiro 2000.ª série. 5. 5. p. março. 7. 2011 A batalha do Gravato 1811. janeiro 1999. In El Tratado de Alcañices. p. 5. Lisboa: edição do autor. 5. p. p. setembro. p. 161. 5. Paulo Dias de 1767-68 Portugal sacro-profano. 125. p. p. 164. Covilhã: Universidade da Beira Interior [dissertação de Mestrado em Engenharia Civil]. p. Porto: Centro de Investigação e Documentação de História Medieval da Universidade Portucalense – Infante D. 116. Narrativas do famigerado combate do Sabugal. Museu aberto. dezembro. maio. Um caso de mudança de cultura. p. fevereiro. 1:1 (1980). Lisboa: Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos. Évora: Universidade de Évora [dissertação de Doutoramento em Economia]. 151. 1111. 5. In Actas do III Congresso Monumentos Militares Portugueses. p. p. 2. Lisboa. Soito. 7. Humberto Baquero (ed. sociedade e cultura . p. 32 Sabugal: História. Bruxelas: Orfeu. Peripécias históricas da gente do Alto Côa. p. Lisboa: edição do autor. 7. p. Lisboa: Officina de Miguel Manescal da Costa. p. p. dezembro. p. 2001 Lendas de Sortelha. 7. II. 131. 122.

69 (309). Cinco Quinas. In JACINTO. p. 1999a Estela funerária de Vila do Touro (Sabugal). Marcos 1999 Ara a Vordo Talaconio de Sortelha. 2002a Duas aras da Quinta de São Domingos (Pousafoles do Bispo. Comungados e Confirmados. 104. Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras . de Castro. 69 (310). Manuel Paulo Merêa e Guilherme Braga da Cruz).Aldeia da Ponte (18981910). 1997. Viseu. 2002 Ara votiva encontrada no Sabugal. Mário 1989 Nos caminhos do património. Coimbra. Lisboa: Associação Portuguesa de Bibliotecários. Manuel Luís F.Autores 33 . NUNES. Braga. 247-258. Manuel Ramos de 1944 Episódios das invasões francesas no Distrito da Guarda. factores condicionantes e principais consequências geoambientais. Sabugal. NUNES. Ficheiro Epigráfico. Lisboa: Publicações Dom Quixote. Ernesto Veiga de 1995 Festividades Cíclicas em Portugal. Lisboa: Universidade Católica Editora. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. Associação Portuguesa de Geógrafos. 30-31. Ficheiro Epigráfico. p. OLIVEIRA. março. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Foz Côa. 1 . 4-23. irmandades. 175-178. 12-13. Colecção Scientia Ivridica. Revista Altitude. 18. XII e XIII.ª série. 27. assim como de Róis de Confessados. 4. Guarda. Arquivistas e Documentalistas.. Lisboa. Virgílio (coord. 2. 12-17 Setembro. Coimbra. Coimbra: GAAC / Livraria Minerva. Separata do Boletim da Faculdade de Direito de Coimbra (Estudos em Homenagem aos profs. 1951 Os cristãos novos nos distritos da Guarda e Castelo Branco. 279-285. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal [2ª edição revista em 2012]. p. vol. RODRIGUES. António Lopes Pires 1998 Os Castelos Medievais de Riba Côa. p. Guarda.. duas ocupações. 2005b Sabugal Velho: um povoado. p. Lisboa: Universidade Católica. Guarda: ARA e Câmara Municipal de Trancoso. Ficheiro Epigráfico.O interior raiano do Centro de Portugal. 2005a Tipologia de aparelho construtivo do Sabugal Velho. Coimbra. Zephyrvs. BENTO.) . 1998 A capeia araiana. p. 46. p. Sabugal.. 2000b Lagartixos. Rui. Sabugal: História.Editores SA. J.NOGUEIRA.ª edição. 12-17 Setembro 1997. Côavisão . 2000a Sabugal e o seu património. Natália 1976 Confrarias. janeiro. VIII. Contributos para o estudo dos sistemas defensivos proto-históricos e medievais. 89-101. 2005c Contributos arqueológicos para a história de Alfaiates (Sabugal) retirados dos escritos de Brás Garcia Mascarenhas (séc. Correia de 1997 Claretianos em Portugal. NUNES. Beira Alta. OLIVARES PEDREÑO. 101-142. 2006 Mudanças no uso do solo e cobertura vegetal na Terra Fria da Beira Transmontana: aspectos histórico-evolutivos. OLIVEIRA. XXX. Sabugal. 53-70. p. OLIVEIRA. Juan Carlos 2002 Los dioses de la Hispania Céltica. 2005 O restauro da atalaia do Carrascal. 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). Outras fronteiras. Coimbra. 5. 10:1-2. A. Salamanca. junho. Adélia 2004 O “Baldio do Sabugal”: Processo de Colonização e Evolução do Uso do Solo. 1. 58:2. OSÓRIO. NUNES. In Catálogo da Exposição 25 sítios arqueológicos da Beira Interior (Maio/Dezembro 2005). 2005 Celtic Gods of the Iberian Peninsula. p. com mais de trezentas espécies destes e de outros títulos. Portugal: Territórios e Protagonistas. mordomias. p.Cultura e Ciência. José Artur Duarte 1982 Riba Côa e a sua ligação histórica ao reino de Portugal. p. p. 62 (281). Coimbra: Universidade de Coimbra. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Inventário de uma colecção de Livros de Registo Paroquial existentes no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Madrid: Real Academia de la Historia / Universidad de Alicante. p. NUNES. 4:7-10. Praça Velha. sociedade e cultura . 197-209. Alto Douro e Beira Interior). Ficheiro Epigráfico. novos intercâmbios. 81-99. e-Keltoi. Aldeia da Ponte. J. Adriano Vasco 1957 Dos nuevas espadas del bronce final en Portugal. Casas fundadas antes da proclamação da República. 1983 A organização municipal da extremadura leonesa nos sécs. Sortelha. 61 (276). In Actas do V Congresso da Geografia Portuguesa. 607-649. 181-184. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 1998 Os municípios medievais em Riba-Côa dos inícios do século XIII a 1297. p. 7 (Actas do I Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. XVII). NUNES.

39-66.Do Neolítico Inicial ao Final da Idade do Bronze no Interior Centro de Portugal. 95-115. In SANABRIA MARCOS. Cruzes gravadas nas ombreiras das casas tradicionais. Guarda: Câmara Municipal da Guarda.Judeus. Sabucale. SALGADO. 7. Marcos. SANTOS. O urbanismo e a arquitectura do Sabugal Velho (Aldeia Velha. VILAÇA. Marcos. Carlos (coord. Sabugal. Desportiva e Recreativa de Freixo de Numão. Célia (editores científicos) . José Pedro (coord. 374-384. C. 13-21. 3. Óscar (coord. março. Lisboa. p. Sabugal. 101. 35-65. Valladolid: Glyphos Publicaciones. In RODRIGUES. p. Marcos. 22. AUBRY. Sabucale.) .. IV. Sabucale. Sabugal). p. Marcos. p. 5. PERNADAS. PAIVA. p.Pré-actas del Encuentro de Jóvenes Investigadores sobre Bronce Final y Hierro en la Península Ibérica. Sabucale. C.) . SANTOS. Pedras singulares: alguns achados arqueológicos enigmáticos do concelho do Sabugal. In ESPARZA ARROYO. Sabugal: Sabugal+ EM. no Alto Côa. 75-90.Fortificaciones en la Edad del Hierro: Control de los recursos y el territorio. 2. Manuel. na transição da Meseta para a Cova da Beira (territórios e áreas de influência). Volume 3: Estudos sobre a História da Ocupação Humana em Trás-os-Montes. Sabugal. 6. In VALERA. p. Porto. Porto: DRCN. Guarda: Centro de Estudos Ibéricos.Actas do V Congresso de Arqueologia — Interior Norte e Centro de Portugal. Foz Côa. Ricardo Costeira da. p. A.) . 87 (398). Praxis Archaeologica. sociedade e cultura . vol. Guarda. Constança Guimarães 2003 Cerâmica decorada da Idade do Ferro do Sabugal. 219-238. In SARAIVA. Telmo 2007 Um Sistema de Informação Geográfica aplicado na Arqueologia do Município do Sabugal. NEVES. p. p.) . 9-12. Marcos. Elementos para o estudo do povoamento romano e tardo-romano no Vale do Côa. OSÓRIO. Vol.Lusitanos y vettones. In: CASCALHEIRA. Sabugal Velho (Sabugal). 157-166. VÁZQUEZ. 2011a Indícios de vitrificação da muralha proto-histórica do Sabugal Velho. Freixo de Numão: Associação Cultural. OSÓRIO. 3. 9 volumes. p. 36.2005d 2006 2006a 2007 2008 2008a 2009 2009a 2009b 2009c 2010 2012 2013 2014 2014a 2015 Contributos para o estudo do I milénio a. Vol. 41. António e CAMEIJO. Tomar: CEIPHAR. Dário 2009 Uma nova ara votiva do Sabugal. Raquel. Tentativa de caracterização de uma aldeia fortificada no Riba-Côa dos séculos XII-XIII. SALGADO. Telmo 2015 Muralhas proto-históricas no Alto Côa (Portugal): análise com ferramentas SIG e 3D. Pedras singulares (capítulo II): Outros achados arqueológicos enigmáticos do concelho do Sabugal. p. João. In Lusitanos e Romanos no Nordeste da Lusitânia: Actas das II Jornadas do Património da Beira Interior. In SAMPAIO. 118-127. OSÓRIO. In Actas das I Jornadas de Património de Belmonte. p. T. Salamanca: Universidad. Los pueblos prerromanos en la actual demarcación Beira Baixa – Alto Alentejo – Cáceres. Sabugal. p. Alto Douro e Beira Interior. Cinco Quinas.Autores .) 2002-11 Portugaliae Monumenta Misericordiarum. (coords. Patricia. Museo de Cáceres.C. Sortelha: segredos por desvendar. 2012 Estudos de análise espacial com base na Carta Arqueológica Municipal do Sabugal. Sabucale. III Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. OSÓRIO. Faro: Universidade do Algarve / Núcleo de Arqueologia e Paleoecologia. 61-78. In FUENTES. 98-115. Testemunhos de culto judaico?. Coimbra. Armários de pedra na arquitectura tradicional do Alto Côa. Sabugal Velho e Caria Talaia – duas morfologias de povoamento. Cinco Quinas.) . Praça Velha. LIMA.) . A idade do ferro no Alto Côa: os dados e as problemáticas. Sabugal. OSÓRIO. Ficheiro Epigráfico. 23-50. p. p.Actas das IV Jornadas de Jovens em Investigação Arqueológica. Mais testemunhos judaicos no concelho do Sabugal. Thierry (coord. Alto Douro e Beira Interior. SILVA. OSÓRIO. Sobre as marcas cruciformes do Concelho do Sabugal. p. Guarda: Agência para a Promoção da Guarda. NEVES. Os desenhos da calçada do largo dos Paços do Concelho do Sabugal. Sabugal. GONÇALVES. 25-34.) . p. A longa história das estruturas defensivas de Alfaiates: Da Idade do Ferro às Invasões Francesas. 75-88. Territórios da Pré-história em Portugal. In Da Idade Média à Contemporaneidade: Ambientes e musealização.. A. Sabugal. 89-95. 131-146. agosto. p. SASTRE. Jorge Davide. 307-323. 1. Sabucale. PERNADAS. Ángel (coord. Marcos. p. Belmonte: Câmara Municipal. 96. União das Misericórdias Portuguesa. I. RODRÍGUEZ. Paulo 2008 O Casal Romano do Relengo (Barragem do Sabugal). p.Actas do Fórum Valorização e Promoção do Património Regional. O povoamento do I milénio a. 23-68. A. 2. Primitivo Javier (ed. José Carlos. Dário. Judiarias e Cristãos-Novos na Beira Interior. M. Paulo 2011 Gravura rupestre em rochedo defronte do castelo de Vilar Maior. a mesma cronologia. 34 Sabugal: História. Sabugal. O povoamento romano do Alto Côa. p. Alcina (org.

março. António Rito [Toninho da Ti Amália] 2015-16 Reflexões sobre o Soito e os nossos antepassados. (V .O Soito e a Guerra da Restauração). Castelo Branco: RVJ .Património Azulejar Religioso na Diocese da Guarda. PEREIRA. (VI . 18. Bibliográfico. PEREIRA. O concelho do Sabugal: 1960-1974. p. 2013 Lageosa da Raia e as suas capeias: muitos anos de histórias e emoções. Vítor 2015 PAR . 22. PENTEADO. PEDROSA. 177. 23 de janeiro. PERES. 2ª série. Catálogo da Exposição. tempos d’ Antigamente. A Guarda. 16. p. Lisboa: edição do autor. Cinco Quinas.Senhora da Granja II). Lisboa. Edição monumental comemorativa do 8º centenário da fundação de Portugal. RODRIGUES. Guerra das Laranjas e Guerra Peninsular). p. Chorographico. etc. Angélica Paiva 1959 As Janeiras em Santo Estêvão.. Sabucale.. p. Pedro (coord. PERES. de todos os factos notaveis da história portugueza. ROQUE. 24-25. (II) 173. Vítor 2009 O Sabugal. dezembro.PAIVA. PEREIRA. 6. (VIII .Editores. PEREIRA. 180. PEREIRA. (III) 174.) 2000 Carta de Lazer das Aldeias Históricas. julho. Sabugal. p. Gabriel 1880 Fragmentos relativos á historia e geographia da peninsula iberica. (I) 172. Lda. (IV . Biográphico. Distrito da Guarda. Barcelos: Portucalense Editora. p. Damião 1969 A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal. Numismático e Artístico: abrangendo a minuciosa descripção. 105-108. PEREIRA. 7. PEREIRA. 179. Sem Fronteiras. 2656.Editores. Heraldico. 16. outubro. Guarda. p. 175.Especialidade em Relações Internacionais]. Coimbra. Roteiro de Sortelha.. etc. Marcelino Luís 1990 A inscrição Lusibérica do Cabeço das Fráguas ou Penedo da Moira (Benespera. 22.Diccionário Histórico.) 1988 Castelos Raia da Beira.Autores 35 . p. artística) 1928-54 História de Portugal. (VII . 283-296. Castelo Branco: RVJ . Coimbra: Imprensa Litteraria. Lisboa: ISCTE/IUL [Dissertação de Mestrado em História Moderna e Contemporânea . Porto: Portucalense Editora. Lisboa. p.O capitão Tolda). Joana. A-Guarda). 27-39. 176.Catálogo de Igrejas de 1320). Guarda: Diocese da Guarda e Instituto Politécnico da Guarda. 8 vol. Zé Manel 2011 Raia. PATANA. PEREIRA. 3. Lisboa: INATEL. Sabugal: História. sociedade e cultura .ª série. 178. Damião (dir. lit. Rui Miguel Amaral 2015 Emigração clandestina para França. abril. p.O Soito e a Guerra da Sucessão). p. fevereiro.).Senhora da Granja). Lisboa: Instituto Português do Património Cultural / Guarda: Museu da Guarda. p. Rebolosa. (VIII . novembro. p. PEREIRA. 7 volumes. António 1996 Histórias e tradições das gentes da nossa terra. p. janeiro. Sabugal. Guarda.Guerra Fantástica. PEIXOTO. José Pinto 1996 Miuzela . Revista Altitude. Lusitania Sacra. 1. Munda. agosto. 18. (X . 1. p. CERDEIRA. 16. 2:10-11. p. PERES. 18. 19. Ernesto 1942 Viagens na Beira-Serra (Vista geral do distrito da Guarda). 181. Esteves. 30 de setembro. setembro.a Terra e as Gentes. 16. o seu Concelho e a sua História na revista cultural Praça Velha da Câmara Municipal da Guarda. João Romano Torres & Cª – Editores. + 1 suplem. Pedro 1995 Fontes para a história das confrarias: algumas linhas de orientação para uma pesquisa na Torre do Tombo. Mário (coord. Guilherme 1904-15 Portugal . 151-180. Eleutério (dir. 18.

p. Aldeia da Ponte. Marcos 2005 Pré-História recente na região da Guarda . 8. PINTADO. p. António Esteves 1996 Monografia de Vilar Maior. Rui (coord. PINA. Patrimónios e Turismo Cultural. outubro. João 1982 Aquela noite sangrenta. o Foral de 1515 . janeiro/março. Aldeia da Ponte. 1. Elisa Calado 2014 A Beira Interior: de mosaico de paisagens a região identitária. Covilhã. Lisboa: Academia Militar [Trabalho de Investigação Aplicada]. In. Sabucale. PINA. Vila Nova de Foz Côa: Parque Arqueológico do Vale do Côa.) . Vilar Maior. 69. PIMENTA. 19-58. PINA. composta por Ruy de Pina. 5.Sabugal). Vilar Maior. 6. PERESTRELO. fielmente copiada do seu original. 51-60. Alto Douro e Beira Interior). PINA. p. 9. p. Miguel Gouveia Esperança 1996 Pessoas notáveis e ilustres. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Eduardo 1974 A raia de Portugal. BARRENECHEA.Autores . Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [Dissertação de Mestrado em Arqueologia e Território]. 1 e 3. 255-277. Lisboa: Na Officina Ferreyriana. João Carlos Santos 2015 Alfaiates no tempo de D. p.alguns subsídios. novembro/dezembro. António Patrício. Côavisão . 7 (Actas do I Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. Vilar Maior. Manuel. sociedade e cultura . José António Rebocho Esperança 1995 A ponte romana sobre a ribeira de Cesarão em Vilar Maior. Sabucale. 69-84. 28. Renascer. PINA. 2012 Estruturas em negativo da pré-história recente na Beira Interior: o caso de Santa Bárbara (Aldeia da Ponte . Filipe 2010 A Fortaleza de Almeida e o Eixo da Beira. Manuel Sabino. Sabugal. Aldeia da Ponte. p. 57-75. CANCELA. Rui Jorge Lopes 2002 Um Olhar Paleográfico Sobre a Idade Média. p. PINHEIRO. 2. A Ponte. 36 Sabugal: História. PINHO. 3-4. 104-115. p. PINHEIRO. 2010 A Ponte Romana sobre a Ribeira de Cesarão em Vilar Maior. e Chronista Mór do Reyno. 3.estudo. dezembro. Guarda: CEI / Lisboa: Âncora Editora. Júlio Fernando da Costa 2013 As termas do Cró: tanto história quanto saúde.Cultura e Ciência. nosso senhor. maio. Sabucale. janeiro/março. p. PINHEIRO. Sabugal e Sortelha: Dois concelhos em contenda. Renascer. 207-231. p. 2. Que se conserva no Archivo Real da Torre do Tombo. Guarda. Offerecida á magestade sempre augusta del rey D. a fronteira do subdesenvolvimento. Sabugal): apresentação de alguns dados sobre a intervenção arqueológica. 5. transcrição e fac-simile. Guarda. agosto. Renascer. Miguel Rebocho Esperança 2007 Luis de Basto (ou de Gasto?). 1-3. Renascer. Praça Velha.Paisagens. Bernardino 2014 História da Rebolosa. Fidalgo da Casa Real. Vilar Maior. p. Fernando Manuel Tavares Martins. PERNADAS. Rebolosa: Junta de Freguesia. 75-104. PINHEIRO. Porto: Afrontamento.PERES. Paulo Jorge Lages 2010 O ajimez de Vilar Maior. O general de Brigada João António Jakou Rebocho. Ruy de 1729 Chronica do muito alto. Foz Côa. Manuel Sabino 2003 A Romanização na Bacia do Rio Côa. 17. 2014 A barbacã esquecida do castelo de Vilar Maior: o passado e o presente da construção. Praça Velha. Sabugal. p. A Ponte. dezembro. p. e muito esclarecido principe Dom Diniz sexto rey de Portugal. Joaõ o V. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 11. 3. 2. 2004 Capeia arraiana – o forcão. Ubimuseum. PERESTRELO. p. 2013 O povoado calcolítico de Santa Bárbara (Aldeia da Ponte. 17. 58. OSÓRIO. 1982a Um homem de Aldeia da Ponte: o pe João de Matos. Jacinto. Sabugal. p.

p. Madrid. 18:1. Hispania. In Emigração e Retorno na Região Centro. PISSARRA. p.Paisagens. Departamento de Ciências Sociais e Humanas. PIRES. p. Munda. Serpa 1933 Activité minière et métallurgique pendant l’ Âge du Bronze en Portugal. 227. José 1988 A capeia arraiana. 36-43. 15. PINTO. 18. PONTE. Notícias do Casteleiro. 2003-04 Breve contributo. p. Rui. Vila do Touro. HERNÁNDEZ GÓMEZ. 2004a Por Terras de Aquém Cima-Coa. 2. Coimbra: Ministério da Administração Interna . JIMÉNEZ RODRIGO. Sagrado e profano em Aldeia da Ponte. A história do Casteleiro. 3. CABERO DIÉGUEZ. António de Andrade. Paulo Mendes 1998 Pontes Romanas de Portugal. Notícias do Casteleiro. esquecida. R. 2001 A sociedade humana – mitos e crenças. JACINTO. Anais da Faculdade de Ciências do Porto. PIZARRO. Casteleiro. 849-880. p. R. Praça Velha. PINTO. In. p.]. p. POLHO. 2. Notícias do Casteleiro. Alto Douro e Riba Côa (séculos XI-XIII). PIRES. PRATA. p. p. Guarda: edição do autor. 1-2. José Augusto de Sotto Mayor 2007 O regime senhorial na fronteira do nordeste português. março. Casteleiro. 1 e 2. Angel 2003 Terras do forcão. 3. 37. Os Cavaleiros da Ordem Militar do Templo e o passeio dos moços da raia. POINARD. PINTO.) . Leiria: [s.P. A Guarda No Caminho do Estremo. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora. Revista de Arqueología. Sortelha). dezembro. s. 27. 28. Aldeia da Ponte. Francisco Tavares 1908 Ensaio de Inventário dos castros portugueses. PIRES. Domingo.PINTO. 4. 34. 2006 O culto do Espírito Santo. Carlos dos Santos 1988 Características económicas e sociais das terras de Riba-Côa. 36. p. Célio Rolinho 1995 Os Cabeços das Maias. Sabugal. 7-22. Madrid. Patrimónios. Notícias do Casteleiro. 188. 30. novembro. La estatua-menhir . vol. 79-91. Casteleiro. p. setembro. Juan Carlos 1996 Una nueva estela de guerrero. 3. Manuel Serafim 1995 Sortelha. Amadora: edição do autor. junho. PINTO. Guarda. Alfredo N. Amadora: edição do autor. Revista Española de Historia. dezembro. PORTELA HERNANDO. setembro.terra do Ribacôa. p. para o Estudo dos Sinais na Pedra (Bosquejo Elementar). PROENÇA JÚNIOR. 2004 Moinhos de Portugal. Uma Nascente. Salete da 2014 Um núcleo diverso de fíbulas do concelho do Sabugal (Região do Alto Côa). p.Autores 37 . Amadora: edição do autor. abril a setembro. Coimbra. Porto. Michel 1984 Projects Migratoires et Stratégie Villageoise: Le Cas de Foios. Sabugal: edição do autor. p. 2. FIlipe Costa 2008 Enciclopédia das Festas Populares e Religiosas de Portugal (3 volumes) . março. 6. 109-128. Lulu / Edição do autor. 1-2. LXVII. Forais e Costumes (Guarda. Covilhã: Universidade da Beira Interior. 4. sociedade e cultura . Lisboa: Associação Juventude e Património. 1-2. 1999 Marcos do passado. Edição dos autores. 69-82. Sabucale. 1995a A Evolução dos Moinhos. Valentín (coord. 2001-02 Memórias Paroquiais do Casteleiro 1758. Pêga: edição do autor. Lucinda [L. Casteleiro. dezembro. Boletim da Associação Amigos de Aldeia da Ponte.n. 35. p.estela de guerrero de Talavera de la Reina. Paulo Celso Lopes 2014 Paisagem e património geomorfológico do concelho do Sabugal. Turismos.Comissão de Coordenação da Região Centro. 1999 Voz do Povo Beirão (1250 quadras populares). Sabugal: História. Curso de Gestão.] 1995 O ciclo do linho. p. setembro-dezembro. 29. Aldeia da Ponte . p.l. 77-89.

António 2010 Vila do Touro: as casas da Rua Direita ou o solar dos Osório da Fonseca Coutinho – algumas notas. Ivlivs Maelo Cavdicvs. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. p. Lisboa. Sabugal. outubro. Bendada: edição do autor. 237-256. 1994-96 Ementas da minha terra. RAMOS. 1. RAEUBER. p. [publicado inicialmente em fascículos com o jornal Cinco Quinas de junho de 2005 a julho de 2006]. I-II. RAU. RÊPAS. 37. 40. 1985 Primeira noite de contrabando. 10 e 16. In Aldeia do Bispo. p. Sintria. 37. 1996 As rondas. 4. 79-90. 97:2. 3. p. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. Charles-Alphonse 1993 Les renseignements. Carlos Guilherme 38 Sabugal: História. Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar. Sintra. 6. 4. OLIVEIRA. Subsídios para o seu estudo. novembro/dezembro. Ricardo 2012 Lagar rupestre do Troviscal (Sortelha). abril/maio. RILEY. 1986 Velhos costumes de Alfaiates. agosto. p. Francisco Hipólito 1987 Beira Alta com um abraço total à Serra da Estrela. REGO. julho. 2009 Memórias de Alfaiates e outras terras raianas. junho/julho. p. RICARDO. Filipa Matos Novo 2015 Estudo do impacto socioeconómico da capeia arraiana. Revista de Estudos de Arqueologia. Joana. As pedras e as gentes. José do Nascimento 2007 Recordar é viver. 36. Sabugal. p. Porfírio 1984-85 Economia arraiana na década de 50. 2. p. janeiro/fevereiro. Virgínia 1965 Para a história da população dos séculos XV e XVI (resultados e problemas de métodos). Blanca Maria 1999 The inscription of Cabeço das Fráguas revisited. Lisboa. 4. 2013 ‘Damos-te esta ovelha. p. Lisboa. Sabugal. Palaeohispanica. Lisboa. agosto. REI. p. 7-46. la reconnaissance et les transmissions militaires du temps de Napoléon. 66. 127-143. p. 69. p. Estudos filológicos. maio/junho. 2010 Cabeço das Fráguas y el sacrificio indoeuropeo. Sabugal. Arte e Etnografia. Lusitanian and Alteuropäisch populations in the west of the Iberian Peninsula. maio. 13. 6. 97-106. Sabucale.Autores . Sabugal. António da Silva (pref. 11-15. Francisco. Sabugal. Lisboa. p. Sabugal. p. 84. 28. Transactions of the Philological Society. Guarda. Lisboa. PUCARIÇO. RAPOSO. 4. Sabugal. Lisboa: Mobil Oil Portuguesa. Iberografias. Lisboa.PRÓSPER. 42. fevereiro. p. 4 e 8. p. (12 vols. p. José Cardim 1982-83 Estudos histórico-epigráficos em torno da figura de L. RIBEIRO. novembro. 76. 27. ó Trebopala!’ A invocatio lusitana do Cabeço das Fráguas (Portugal). 1987 Velhos costumes raianos (o pagamento do vinho). p. 151-476. 4. p. junho/julho. 29-32. 4. p. Lisboa: Universidade de Lisboa / Faculdade de Medicina Veterinária [dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária]. fevereiro. 2002 Lenguas y religiones prerromanas del occidente de la Península Ibérica. p. RAIMUNDO. Casamento com entrudada. 1982 Feiras medievais portuguesas. p. 64. 28. 295). 6-7. 61. p. p. Francisco Eduardo 2005 Choços em Aldeia do Bispo. Lisboa. RAMOS. Acta Palaeohispanica XI. Sabugal. sociedade e cultura . 1987a As paneladas. Sabugal. 4.) Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos. Salamanca: Universidad (Acta salmanticensia. outubro/novembro. janeiro/fevereiro. 7-8.) 1943-77 As Gavetas da Torre do Tombo. p. 7. LOURENÇO. 1986a Fogueiras do Natal nas terras do concelho. 151-183. Luís 2008 O Sabugal em tempos medievais (depois do Tratado de Alcañices). p. Sabucale. 67. L´exemple de la troisième invasion du Portugal. 70. agosto-outubro. p. Do tempo e da História. 3. Zaragoza. 62. 4. 5-6. 63-70. 35. 3. Edição do autor. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. abril. Lisboa: Editorial Presença. Lisboa.

Humanitas. p.ª série. p. Guarda. Guarda. 5-10. 11-12. Cinco Quinas. Sabugal. O território como recurso de desenvolvimento. 1958 Estela da Idade do Bronze encontrada em Meimão (Penamacor). Sabucale. VI. 24. 1959 O castro do Cabeço das Fráguas e a romanização das suas imediações. Série A . Beira Alta.Além e aquém do Côa (judeus sefarditas) / People of Nation. Bracara Augusta. Ordenamento do Território e Desenvolvimento]. ROBALO. 12. Antonio 1995 Corpus de inscripciones rupestres de época romana del cuadrante noroeste de la Peninsula Ibérica. Guarda. 7-26. Far and beyond Côa (Sephardic Jews). Adriano Vasco 1957 As ferrarias do Marmeleiro. 2008 As Invasões Francesas. 7-24. 105-134. RODRÍGUEZ COLMENERO. GASPERINI. 142-223. Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em Geografia Humana. Coimbra. Emanuel de Castro 2007 Análise integrada da paisagem da Raia Central Portuguesa. junho. 3-13. Notícias do Casteleiro. Maria da Assunção 2013 Gente de Nação . 2012 Ditos populares (em redor da capeia). p. p. 8. RODRIGUES Carla Devesa 2004 Santa María de Aguiar en 1354. Foz Côa. Guarda.Língua Portuguesa. Soito. p. 2. vol. Revista de Portugal. Revista Altitude. p. O pequeno habitat das Carvalheiras (Sabugal). p. 2). Viseu. p. p. 2002 A Inscrição do Cabeço das Fráguas e a sua Importância para o Conhecimento da Língua dos Lusitanos.ª série.Saxa Scripta: actas del Simpósio Internacional Ibero-Itálico sobre epigrafia rupestre (Santiago de Compostela y Norte de Portugal. ROBALO. p. Guarda: Virgílio Afonso. RODRIGUES. 39-58. Revista Altitude. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 2. 1959-60 Inscrição tipo ‘porcom’ e aras anepígrafes do Cabeço das Fráguas (Guarda). Humanitas. p. junho. outubro. XVIII-XIX(41-42). Fragmentos del paisaje patrimonial de un monasterio cisterciense periférico. 65. Porto. Antonio. 1957-58 Inscrição votiva à deusa Vitória. Côavisão . 15-37. Studia Historica. 1980 Judeus e Inquisição na Guarda. 1981 O Tratado de Alcanizes e as terras de Riba Côa. Problemas de história levantados pela toponímia. RODRIGUES. Subsídios para o estudo da metalurgia na região da Guarda. Revista de Ciências Históricas. julho. 29 Junio . 225-226. 17 de abril. 2. Casteleiro. 22. 163-166. p. p. registos de arqueologia. [A Coruña]: Ediciós do Castro (Anejos de Larouco. 14-15. Descobertas Arqueológicas em Santo Amaro. Sabugal. RODRIGUES.ª série. 7-8. 193-197. p.ª série. 81. Guarda. Revista Altitude. 233-254. 2. 34-38. Praça Velha. Braga. Elisabete 2009 Marcas de Canteiro dos Castelos do Concelho do Sabugal. p. Padre António Ambrósio. Revista Altitude. Zephyrvs. 3. Uma identidade geográfica. Os judeus no Soito. 1. O Soito. Almeida: Câmara Municipal de Almeida. dezembro. Lisboa. 1983 Comentário do Director da «Revista Altitude» ao artigo do sr. Uma abordagem preliminar. 20:1. 9-10. Prospecções na região de Riba Côa. Elisabete. p. Adriano Vasco. 3. p. 145-159. 2. p. RITO. Rebolosa. 2. In RODRÍGUEZ COLMENERO. 18:1-2. Guarda. Historia Medieval. 1961 Contributo para o estudo da Idade do bronze em Portugal. p. 205-226. Beira Alta. 7. 1997 Memórias de um arqueólogo (VII). 2006 Achegas para o estudo do povoamento calcolítico na Beira Interior. José Abel Henriques 2006 Aldeia da Ponte e as invasões francesas. Porto. 1. 1988 Sobrevivências actuais da religião dos lusitanos. Diário da Guarda. II série.) . 3. OSÓRIO. 15. p. 111-128. p. p. Felismina 2010 Ditos populares (em redor da capeia). IX. 1. Sem Fronteiras.ª série.4 julio 1992). CARQUEJA. Marcos 2004 Breve contributo para a história do Casteleiro. 3. Alto Douro e Beira Interior). sociedade e cultura . a Guarda e a sua região. 38. Lidio (ed. p. histórica e social à espera de conveniente valorização. ROBALO. 71-77.1991 RIPER 2007 A guerra e o espaço na fronteira medieval beirã.Autores 39 . Revista de Ciências Históricas. Aldeia da Ponte. número especial. Viseu. 1965 Bases do repovoamento sanchino da cidade da Guarda. Sabugal: História. p. Guarda. 9-31. Revista Altitude. 64. 3.Cultura e Ciência (Actas do II Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. 97-100. Salamanca. Coimbra. p. 1980a Ronda do Distrito. Salamanca. 1978 As Valenças medievais e a Valença romana.

Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. dezembro. Aldeia da Ponte. Aldeia da Ponte. Maria Adelaide Neto 1999 As águas santas . 3-4. 2000-01 Cronologia do Colégio. 4. p. 237-242.Estelas e estátuas- 40 Sabugal: História. Fiel. p. janeiro. 2013a “O colégio” de Aldeia da Ponte no Tribunal de Haia. 1999-00 Aldeia da Ponte vai a Roma. março. Historia Antigua y Arqueología [trabajo de grado]. 2010 Há cem anos foi fechado o Colégio de Aldeia da Ponte: “o engano”. 39. Sabucale. Raquel (coord. 43. 6 (1967). Maria Cristina Ferraz Saraiva 1984 Quadrazais . In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. novembro. Juan José 1998 Iglesia y poder en Ribacôa y Ciudad Rodrigo. 38.Terra de Contrabando. 5 (1964). Pedro. p. 83. p. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 11-25. março. 2011a Recordações do combate de Aldeia da Ponte. André Tomás 2008 O Sabugal no contexto da Pré-História da Beira Interior. 2012 A epidemia da cólera-morbo e a questão sanitária em Aldeia da Ponte. 4.Licenciatura em Antropologia]. 20-26. p. p. 91. SANCHES. 611-628. 81. 31. Portugal). Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. 42. p. p. Lúcia Maria Cardoso 2003 Arquitectura religiosa tardo-medieval e pintura mural: relações litúrgicas e espaciais. Raquel. Aldeia da Ponte. Aldeia da Ponte. 15. Amílcar 2004 Um monumento votivo a Arância e Arâncio. MARQUES. SAA. Porto. SALINAS DE FRÍAS. RP 2007 Os santinhos do Garruço.ROSAS. 4. p. SANTINHO. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 84. 2. p. Lisboa: Instituto Superior de Educação Física [monografia de licenciatura em Educação Física]. outubro. junho. Sabugal (Beira Interior. dezembro. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. SANTOS. Revista Portuguesa de Arqueologia. 6.das velhas crenças à voz de Amato Lusitano. Cinco Quinas. p. XV:1. março. Sabugal. 419-441. 44. 10. Palaeohispanica. Castelo Branco.Autores . Porto. p. 4. 13. RUBIO DÍEZ. Sabugal. sociedade e cultura . Mário 1964-67 As grandes vias da Lusitânia: o itinerário de Antonino Pio. Manuel 2010 Sobre algunas especies animales en el concepto de las religiones prerromanas de Hispania. 2011 Arte rupestre na Travessa das Escadas em Vilar Maior (Sabugal. março. Salamanca: Universidad de Salamanca / Facultad de Geografía e Historia / Departamento de Prehistoria. João Nuno 2011 As estelas do Baraçal. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. SALADA. Zaragoza. 9-24. José João Alves 1988 A capeia raiana em terras do Sabugal. 70. Revista da Faculdade de Letras: Ciências e Técnicas do Património. p. João Mendes. Aldeia da Ponte. 3. Aldeia da Ponte. 2011 Os colégios de Aldeia da Ponte e de S. In VILAÇA. VILAÇA. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas [Seminário de Investigação . o senhor Pedro de Pina e monsenhor Graínha. Cadernos de Cultura. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 45. dezembro. SALVADO. 2. SÁNCHEZ-ORO ROSA. 3. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. GUERRA. 3-4. p. SALVADO. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Aldeia da Ponte. 313-322. 7:2. Aldeia da Ponte. Manuel Peres 1998 Na rota da fundação do Colégio de Aldeia da Ponte. p. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. ROSA. 2013 Árvores do adro. p. p. 2. junho. 2. p. junho. Lisboa. 92. p. p. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Guarda). p. março. proveniente de Castelejo (concelho do Fundão). Lisboa: [Tipografia da Sociedade de Astória]. vol. Aldeia da Ponte. Ruben 2011 Los sepulcros rupestres del suroeste salmantino: mundo funerario y poblamiento entre la tardoantigüedad y la alta edad media. 4. SANTOS. 90. 3-4. vol. La construcción del espacio político mirobrigense (11611211).) . outubro. André Tomás.

Nova Guarda. 7. SCHATTNER. p. 4. 159-176. p. 5. Guarda. 253-274. 2008a Os “grandes” jogos tradicionais da região transfronteirça. Thomas. Um pequeno contributo para a sua história.Dedicanti e Cultores nelle Religioni Celtiche. 12. SERRA. p. Renascer. p. 1.Lusitanos y vettones. SANTOS. Manuela de Alcântara Santos 2012 Tabuleiros de jogos de alguergue no concelho de Sabugal.ª série. SARAIVA. 7. SCHATTNER. p. Maria João. Sabucale. José Mendes da Cunha 1930 A região de Riba-Coa e um autógrafo de Brás Garcia de Mascarenhas. Revista Altitude. p. Guarda. metalurgia e relações inter-regionais. Revista Altitude. 345-376. 9. Guarda. Palaeohispanica. 2009 Lusitanos y Vettones en la Beira Interior portuguesa: La cuestión étnica en la encrucijada de la arqueología y los textos clásicos. sociedade e cultura . p. Revista Científica da Escola Superior de Educação da Guarda. p. 3. Guarda. 83-96. SENNA-MARTÍNEZ. p. 119-128. As provas de lançamento no Distrito da Guarda. 2009 A importância das “meças de forças” na Raia Beirã. Guarda) 2006: O Contributo da Primeira Campanha de Escavações. p. In SARTORI. 131-145. 6. p. Iberografias. 319-342. Matosinhos: Quidnovi. 20 vol. 3. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. Sabucale. SARDINHA. 109-129. 3. p. 6. Guarda. Milano: Cisalpino. sociedade. a taberna e os jogos de tradição. p. 439-463. Guarda.I. p. SANTOS. p. Sabugal. 1999 Os jogos tradicionais em Portugal. SANTOS. fevereiro.ª série. 181-196. 16 de agosto. Guarda.características e significados. 2012 O jogo do grilo na Quarta-Feira (Sortelha). 6. 6. 2008 The triple animal sacrifice and the religious practice of the indigenous western Hispania. 125-136. Antonio (ed. Mário Cameira.ª série. SARAIVA. ESEG Investigação. 4.ª série. Os jogos ao serão . João Carlos de 2010 “Um mundo entre mundos”. Nuno 2008 A afirmação de força nos Jogos Tradicionais.) . Vítor 2008 Cabeço das Fráguas (Quinta de São Domingos. p. Revista Altitude. p. Maria João. Sabugal: História. Iberografias. Revista da Faculdade de Ciências Ssociais e Humanas. Maria João Correia 2007 El sacrificio en el occidente de la Hispania Romana: para un nuevo análisis de los ritos de tradición indoeuropea. 75-90. Guarda. Thomas G. 6. SCHATTNER. SANTOS. As relações entre as práticas lúdicas e as ocupações agrícolas e pastoris. 105-112. Mário Cameira 1993 O antigo jogo da bola ou dos paus no distrito da Guarda . Um exemplo da permanência e variabilidade das práticas lúdicas tradicionais. Sabugal. Helder 2004 História das Freguesias e Concelhos de Portugal.) . p. Guarda. Thomas G.Autores 41 . BASTOS. 4. 6. 3. 30. O grupo Baiões / Santa Luzia. 61-81. Sabugal. As práticas lúdicas habituais na taberna. Coimbra. Biblos. 11. 2006 A capeia raiana: a luta. Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. 22. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro [tese de doutoramento Educação Física e Desporto] 2000 O serão familiar. Guarda. SANTOS. p. SERRA. Primitivo Javier (ed. 2010 O Santuário do Cabeço das Fráguas através da arqueologia. 2010 O Cabeço das Fráguas e a concepção de espaço sagrado na Hispania indo-europeia. Vilar Maior. Los pueblos prerromanos en la actual demarcación Beira Baixa – Alto Alentejo – Cáceres. p. 6. 175-202. 3. Lisboa.ª série. PEREIRA. 24. p. 175-217. 2015 O concelho do Sabugal nas recolhas musicais. 512. 2010 Breve observação sobre a representação processional no ocidente hispânico. Zaragoza. 129-136. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal.-menires da Pré à Proto-história. 138-143. Joaquim Simões dos 1999 Vilar Maior. Revista Altitude. Revista Altitude. José Alberto 1992 Armando Leça e o primeiro levantamento músico-popular realizado em Portugal. In SANABRIA MARCOS. a representação. Guarda. 2005 Costumes e folguedos associados ao vinho. Guarda. 13-26. p. o jogo. Sabucale. 89-108. Iberografias. Iberografias. Museo de Cáceres. SERRA. Sabugal+ EM. José Hermano. Praça Velha.

julho. 14. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. Soito. Cinco Quinas. II série. O Soito. O Soito. 46. Guarda. 174-176. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. Soito. O Soito. p. 3 (2). p. 1984 A malha. II série. janeiro. Pires 1983-84 O Jogo do Galo por terras da Beira. p. p. 15. maio. 7. Tio Carlos do [também Carlos do Soito.R. Óbitos e batizados entre 1850 e 1900. 17. Oliveira (dir. Século XIX. Sabugal. O Soito. julho. p.) . Isabel 1997 Dicionário Enciclopédico das Freguesias. O Soito. II série. 2. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor. SERRÃO. O Soito. janeiro. Soito. II série. 7. 2012c Casamentos no Soito. SILVA. Contributo para a sua recuperação.) 1993-04 Nova História de Portugal. 2002 A Misericórdia do Soito. 6. H. 2-3. 2.N. A. Tartu. p. Journal of Ethnology and Folkloristics. 57. abril. 3. 22. História e Património: actas das I Jornadas de Património da Beira Interior (Guarda. abril. 17. O Soito. Guarda). Isabel Cristina (coord. janeiro. 2012b Minas de volfrâmio. O Soito. II série. 3]. Sabugal. 16. Soito. Soito. Luís 2007 Sortelha e Monsaraz: estudo de caso de dois lugares turísticos no interior de Portugal. 2009 Heritage building in the ‘Historic Villages of Portugal’: Social Processes.Autores . 21. 22.SERRA. 13. 18. p. Cinco Quinas. 48. abril. p. 7. 1-3 Outubro 1998). 2-3. Mapa de óbitos. Soito. 853-874. MARQUES. 6. 2012a 90 anos de G. Miguel 2008 A Idade Moderna no Sabugal entre o manuelino e o renascimento. Carlos do SOITO. 2000 O Sabugal Velho: primeiras achegas para o estudo de uma estação arqueológica. 20. O Soito. O Soito. Soito. Cinco Quinas. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Matosinhos: Minhaterra. 2. O Soito. p. II série. no Soito. 21. II série. 2013 O Forte (Soito). maio. 12 vol. 6. jutubro. da Malcata ao Reboredo. no Soito. p. janeiro. 2. Lisboa: Colibri / Palmela: Câmara Municipal. Penamacor: ARCINPE. 6. II série. p. p. p. Desporto tradicional português. SILVA. p. janeiro. Sabugal. 23. 2012 Soito. II série. Soito. 7. SOITO. Soito. 2013b O Soito no contexto de Riba Côa em 1527. sociedade e cultura . SILVA. II série. 19. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. II série. 24. Mário Cameira. 2005a O ensino primário no Concelho do Sabugal. TCS. II série. SOROMENHO. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. em princípios do século XX. 6. p. na Beira Interior. p. p. 2005 Os cem anos da “Fonte da villa”. no Soito. [NOTA: é o texto 2013b com muito pequenas alterações]. 791-794.Mil Anos de Fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500-1500). 2001 Metalurgia no povoado fortificado Alto-Medieval do Sabugal Velho (Sabugal. Sabugal. 2014d Algumas datas. Análise Social. baptismos e casamentos 1901-1950. O Soito. p. p. In FERNANDES. Os valores do Côa. Cinco Quinas. 2013c Os Gabrieis e a revolta popular. 1986a A pelota. 2013e Soito. 2014c Homens que vieram de fora. [NOTA: repetido no nº 18. Marcos Daniel Osório da 1998 Sabugal Velho. janeiro. 20. 2014b Casamentos de “fora” 1732-1799. p. Soito. II série.ª série. p. XLII (184). p. abril. 2014 Carlos Carrilho: um nome de vulto. p. Soito. II série. 2013a O Capitão “Tolda”. Lisboa: Editorial Presença. 3. In Terras do Côa. VEIGA. Óbitos 1825 a 1849. Soito. In Beira Interior. Joaquim Candeias 1982 Subsídios para o estudo da viação romana no concelho de Penamacor. Ti Carlos. outubro. 75-91. Soito. Lisboa. 23. 2013d Os Gabrieis e revolta popular. Practices and Agents. fevereiro. Soito. abril. 9-10. Soito. 6-7. 12. p. p. p. 6. 95-107. p. casar no Soito. O Soito. Revista Altitude. O Soito. Um Jogo de Força. Guarda: Estrela-Côa. p. 1986 A Capeia. II série. In Museu do Sabugal: Colecção Arque- 42 Sabugal: História. 2014a Casamentos em que um dos contraentes não é do Soito (século XVII). Soito. (História e tradição). 2-3.C. julho. 4 vol. 209-214. 2003 O Soito (Alguns factos históricos). O Soito. 39-50. 148. O Soito. II série. arsénio e titânio. Guarda: Câmara Municipal. julho. Tio Carlos] 1999 Os cruzeiros (3). 14. 22. Ricardo Costeira da 2005 Génese e Transformação da Estrutura do Povoamento do I Milénio a. julho. SILVA. SILVA. Soito. março. Soito. Joel. p. 2012d Soito.

Sabugal. Sabugal. Carlos Guardado da (coord. Sefarad. antigamente. 2001 A Tauromaquia Popular na Raia do Sabugal. In SILVA. 47. p. 8-10. Porto. Guarda. 45. Sabugal: Sabugal+ E. Dulce Helena Pires . Evidências históricas. 15-16. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 2010 A arquitectura popular na raia do Sabugal. as doenças. SOUSA. p. História e Cultura Judaica. Hipolyto 2013 Souto 1758. O Soito. p. 2003a Subsídios para a História do castelo de Vila do Touro. 155-163. 2ª série. Notícias dos Forcalhos. TAVARES. 369-411. 71-78. José Alexandre. 9. 52. Júlio Rocha e 1998 Pelourinhos do distrito da Guarda. 76-83. 7. p. 91-100. 1-2. Manuel de 1987-88 Touradas – corridas de touros – capeias. Dinis e D.. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal.M. Notícias dos Forcalhos. SOUSA. Sabugal. 2010 Os Frades de Aldeia da Ponte. p. Lisboa: Colibri. 2005 O Castelo de Vilar Maior no contexto do Riba-Côa.Judiarias. Crises humanitárias que tem sofrido. QUINAZ. Dos velhos tempos à actualidade. Armindo de 1998 Fronteira e representação parlamentar na Idade Média portuguesa. Edição do autor. TAVARES. 6-7. p. Guarda. 2007 O tráfico transfronteiriço na raia do Sabugal (1880-1980). p. Guarda. 16. janeiro. 13. José Alexandre Ribeiro de 2003 Alfaiates nos alvores da nacionalidade: D. Notícias dos Forcalhos. In Aldeia do Bispo.ológica. 2006 Forcalhos. As pedras e as gentes. 50. Sabucale. 15. 57-68. Boletim Cultural do INATEL. 33. Soito. 45. Praça Velha. 31-42. Lisboa. Sabucale. Guarda. Forcalhos. 2008 Forcalhos. p. p. 1985 A Capeia Arraiana. p. Madrid. p. O contrato do pedreiro Martim Teixeira. p. Cinco Quinas. 44. p. Forcalhos. SQ 2008 Águas Belas. Sabugal. As guerras. Sabugal. Maria Glória 2003 O espaço e o castelo do Sabugal. Notícias dos Forcalhos. Cinco Quinas. fevereiro. especialidade História Medieval]. SOUSA.) . 17. 111. 17.Autores 43 . SOUSA. 27-30. dezembro. In Jogos Florais (1969). 2004 As estruturas religiosas no santuário de Sacaparte. Praça Velha. 110. 201-208. 149-184. 2005 Viver e morrer em Aldeia do Bispo. p. p. 49-61. Forcalhos. Adérito 1969 Monografia de Aldeia do Bispo (Sabugal).Guarda. 14-15. Torres Sabugal: História. Revista Militar. junho / julho. 11-24. 2. 6-7. p. 89-95. Actas. 843-853. Vilar Maior.Normativa e Sociedade. p. Lisboa: Emissora Nacional de Radiodifusão. 33. In BORGES. 2008 Uma Dificuldade Inesperada para Wellington. p. p. SOUSA. 24. p. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 53-61. Maria José Ferro 1999 Os Judeus na Beira Interior. p. II série. Sabugal. 8. Tó 2004-05 Sabugal. TAVARES. p. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. p. 22. p. p. 1991 Tradições. 14. 63-74. p. novembro. 3 de Abril de 1811. Tabaco é prenda no dia de Reis.. abril. Praça Velha. p. 10-12. 2013 Entre a história e a lenda: a memória judaica em Portugal ou o desconhecido Portugal judaico. XV:1. 68:2. junho. O combate do Sabugal a 3 de Abril de 1811. In Jornadas do Contrabando. maio. edição do Autor. 2477/2488. Guarda: Museu da Guarda e Câmara Municipal da Guarda. 10. 22. Guarda. Cinco Quinas. 2007 As estruturas militares manuelinas da Vila de Alfaiates. sociedade e cultura . 95. p... Cinco Quinas. Praça Velha. Judeus e Judaísmo (Turres Veteras XV). TAVARES. Lisboa: FLUL [tese de Doutoramento em História. 8. Praça Velha. Guarda. 3. janeiro. 10. usos e costumes da nossa terra. p. A Natureza Humana no Campo de Batalha. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. 2008 Os judeus da Beira interior: a comuna de Trancoso e a entrada da Inquisição. Manuel. abril. Maria Alice da Silveira 2013 Costumes e Foros de Riba-Côa . 117-123. Lisboa. p. p. p. 2004a Disputas da região de Riba-Côa entre Portugal e Castela / Leão. 46. 1. SOUSA. 2011 Condicionalismos humanos e naturais numa acção militar. Forcalhos. Renascer. 2008a O Combate do Sabugal no Contexto da 3ª Invasão Francesa. Sabugal.

Lisboa: edição do autor. TOVAR. 123-132. 2012a Rede de Museus do Sabugal. 11. julho-dezembro 1994 / janeiro-junho 1995. Estratégias e Práticas.Patrimónios. 5. UNTERMANN. Guarda. Sabugal. Sabugal. Antonio-José (dir. Sabugal. TOMÉ. p. 4. Sabucale. 1995 A corrida do forcão. Sabucale. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [Dissertação de Mestrado em Museologia]. Sabugal. Territórios de Esperança. CARREIRA. p. Sabucale. Sabucale. Sabugal. 2009b O processo de criação de um museu raiano. Jürgen 2010 Las divindades del Cabeço das Fráguas y la gramática de la lengua lusitana. 129-136. Etudes Celtiques. Filipe Alexandre 2000 Terra . Mestrado em Museologia]. maio. p. p. 44 Sabugal: História. 6.) . p. 6. Valongo do Côa. 109-111. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal do Sabugal. Coimbra: FLUC. Teresa Pires. António 1964-67 L’ inscription du cabeço das Fráguas et la langue des Lusitaniens.2014 Vedras: Município. p. as quintas e o povoamento romano sujacente. 165-176. 34. Coimbra: FLUC. 107-110.) . Massamá: Edimarta – Edição e Distribuição Livros. 2. Lda. Rui (coord. TOMÉ. 119-124. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora.Rio Côa. 5/6. Lisboa. Sabugal. Memória. Javier de. 7-19. TEIXEIRA. p. Sabugal. 2013 Uma forma de registo e divulgação do nosso património histórico e etnográfico: Notícias dos Forcalhos. p. 229-267. [Seminário Património Cultural. Recursos. 23-32 + 2 fotos. Nuno Rafael. Sabucale. 2014b Museu Etnográfico de Aldeia da Ponte. 2010 O concelho do Sabugal na Revista Altitude (Guarda). 101-105. [Seminário Museus e História. Sabucale. Mestrado em Museologia]. p. 1.alma. Iberografias. Os valores do Côa. Sabucale. (ed. p. um elemento do Património Cultural Imaterial. Salamanca: Universidad. 2012 A capeia Arraiana. p. Francisco Carreira. Lisboa: Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões. In CAMPESINO FERNÁNDEZ. Praça Velha. Alice. Jorge 2008 Sabugal: Roteiro Turístico. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. p. 3. Mestrado em Museologia]. In HOZ. Sabugal.Turismo de Frontera (II) Oferta y demanda turística en la Raya ibérica. 15-24. Territórios e Turismo Cultural. Rui (coord. p.tecelagem. 4. Sabucale. Ministério da Educação. Sabugal. TEIXEIRA. 2012b Os primeiros passos para a criação de um Museu no Sabugal. p. Novembro de 1980). 2014a Os museus locais e o turismo cultural. [Seminário Discurso Museológico. Cáceres.) . 1985 La inscripción del cabeço das Fráguas y la lengua de los Lusitanos. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa. p. 81-88. 1. sociedade e cultura . Coimbra: FLUC. CARREIRA. TORRÃO.Autores . 97-104. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal] 2009 Os moinhos de água do concelho do Sabugal. 85-99. 185-209. Lisboa: Editorial Minerva. Maria da Glória Ferreira.) . TÁVORA. da Malcata ao Reboredo. Memórias e Subsídios.vida . 7. TOMÉ. O contrabando na raia do Sabugal no tempo de Maria Mim. [reedição 2014. TERREIRO. Luís Gonzaga de Lancastre e 1983 O estudo da sigilografia medieval portuguesa. património único do concelho do Sabugal. p. 3. 237-268. In JACINTO. Ricardo 1998 O Côa. TORRES. 293-307.Espaços de Fronteira. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora. p. Das Vulnerabilidades às Dinâmicas de Desenvolvimento. João António Valente 2008 Casteleiro: do passado ao futuro. p. Paris. 2009c A exposição permanente do Museu do Sabugal. 2012c A capeia arraiana na literatura e na ciência. 83-90.Actas del III Coloquio sobre lenguas y culturas paleohispánicas (Lisboa. Mediterrâneo. p. Sabugal. história e identidade de um concelho raiano. In JACINTO. Revista de Estudos Pluridisciplinares sobre as Sociedades Mediterrânicas. 2015 O jornal Cinco Quinas como fonte de referências bibliográficas. Bernardo 1999 Património Musical de Riba-Côa. Guarda. 2009d A capeia raiana. Fernando 1994 O touro e o destino: a morte e ressurreição a las cinco en punto de la tarde. 109-114. 2011a O Sabugal nas páginas da revista Beira Alta. 1 . 2009a Retratos do nosso artesanato . 2014 O Museu do Sabugal e a procura turística. p. Sabucale. In Terras do Côa. 227-253. Sabucale. 2011 Alminhas de ontem e de hoje. Maia: Estrela-Côa.

letras A-L e P.Casa da Moeda. Volume IX (1985). Lisboa. 635-639. 11. O Archeólogo Português. etc. 1905-13 Religiões da Lusitânia: na parte que principalmente se refere a Portugal. Viseu: edição do autor. 1985. 1933-88 Etnografia Portuguesa: Tentame de sistematização. Lisboa: edição do autor. Beira Alta. etc. 34:3. A matança do porco. 155. das estações telegraphicas e de caminho de ferro. Lisboa: ed. 1.ª série. editores.Autores 45 . p. p. Cinco Quinas. esboço de uma monografia. 1-31. 57. p. segundo o ultimo recenseamento. p. 2009 Lusitanos – No tempo de Viriato. p. 301-327. p. 1985 Inscrição romana de Argomil (Pinhel). 1986 Recensão crítica ao livro: Virgílio Afonso. [2010] Dicionário de Regionalismos e Arcaísmos. Volume X (1988). 217-444. Porto: Livraria Portuense de Clavel & C. 2011 O porco à mesa: ritual colectivo. 1.) 1884 Diccionario da Chorographia de Portugal contendo A indicação de todas as cidades. Viseu. Lisboa. dos rios e montesprincipaes do continente. 38:1. 38:2. Estudo de investigação histórica [reedição facsimilada]. da parte continental e insular do reino. Viseu. 1976 Breves notas para o estudo da viação antiga das Beiras. 1985 Dialecto Beirão. 10:1. VAZ. Lisboa. Vilar Maior. Sabugal. Beira Alta. Francisco.. Beira Alta. p. 35:3. Trancrição de Ivo Castro. p. Francisco 1989 Alfaiates. 7. Santos 2008 Bismula. etc. 209-227.ul. Volume VI (1975). dos oragos das parochias. Quotidiano e mito.VARGAS. Guarda. Viseu. Na órbita da Sacaparte (Esboço monográfico. 75-82. Renascer. villas e freguezias. Volume VI – Dialectologia (Parte II).ª série. Volume V (1982). José Augusto 2005 Bismula e as tradições. prazer individual. 24. 3. António 1991 Alfaiates. p. In CINTRA. junho.ª. judicial e ecclesiastica. p. Ficheiro em linha disponível em http://alfclul. Volume VIII (1982). 2-7. José Leite de (coord. 1996 O Foral. VAZ. José Leite de 1905 Aquisições do Museu Etnológico Português. 2 (1905). Beira Alta. Lisboa: Imprensa Nacional de Lisboa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. vol. das direcções e delegações postaes. Cinco Quinas. 347-363. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. VAZ. 321-328. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. Lisboa: Ésquilo edições e multimédia lda. 10 volumes: Volume 1 (1933). 455-468. 34:4. Sabugal. 87-93. Sabugal. 2001 A Religiosidade Popular no Concelho do Sabugal. A sua história e a sua gente. com a respectiva divisão administrativa. p. Volume IV (1958). 15. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest. 3. Paula Estrela Mendes e João Paulo SIlvestre . na órbita da Sacaparte – Esboço monográfico. João Luís da Inês 1975 Alfaiates. 3 (1913). Viseu. 17 (1979). 393-427. VAZ. 1979a Sabugal – Subsídios para a sua monografia. p. Maria Adelaide Valle (ed. O Archeólogo Português. Davide 2014 O que não se diz sobre o Soito. p.ª série. 83. 1979b Sabugal. Volume III (1941). p. Aveiro. 1977-78 Inscrições romanas do Museu do Fundão. 3-32. Sabucale. VAZ.clul. 1. 6. Viseu. Lisboa: Imprensa Nacional . Mundo da Arte. O Archeólogo Português. I-II. 1993 Santa Maria de Riba Côa. autor. 44:4. Padrão do Espírito Comunitário. Cinco Quinas. Belmonte: Câmara Municipal de Belmonte. Lisboa: edição do autor.pt/clulsite/DAR/. VASCONCELOS. AMBRÓSIO. edi-ção da Câmara Municipal do Sabugal. Beira Alta. Beira Alta. 23.) . Lisboa. Maria Antónia (dir. Beira Alta. 11-30. p. 1910 Analecta Archeologica. ‘Sabugal. p. das distancias de quasi todas as freguezias ás villas capitaes de concelho. p. VAZ. Coimbra. p. 1920 Ceraunias. 2. António de 1996 Brás Garcia de Mascarenhas. Sabugal: História. Viseu. vol. 45:3-4. Conimbriga. Sabugal. sociedade e cultura . 1975a O Tratada de Alcanizes. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda. Síntese documental). p. Volume II (1936). VASCONCELOS. p. 1979 Forais novos da Beira – o foral do Sabugal. 1982 Subsídios para o estudo da romanização da região do Fundão. 3. 44-48. da população de cada freguezia. 28:1. 60-61.ª série. 1928-29 Epigrafia do Museu Etnológico (Belém). 16 (1977). Vol. dezembro. fevereiro. José Manuel 2001 Forais de Belmonte. Viseu. 1.Opúsculos. Volume VII (1980). p. vol. O Archeólogo Português. fevereiro. 295-319.) 1997 Viagens na nossa terra. Terras e Gente (Apontamentos de História e Paisagem da Região). VASCONCELOS. Origem do nome. VASCONCELLOS.

2008a Através das Beiras. VICENTE. In Aldeia do Bispo. In Lusitanos e Romanos no nordeste da Lusitânia: Actas das II Jornadas do Património da Beira Interior. p.Existe uma Idade do Bronze Atlântico? Lisboa: IGESPAR. p. Guarda. Porto. 2010 IV Jornadas Raianas. 2005a Metalurgia do bronze Final no Entre Douro e Tejo português: contextos de produção.C.História. 601-625. La transición Bronce Final-Hierro en la Península Ibérica (Madrid.) . Viseu. Nov. p. 9). 31-49. p. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. 2000 Notas soltas sobre o património arqueológico do Bronze Final da Beira Interior. 1997 Metalurgia do Bronze Final da Beira Interior: revisão dos dados à luz de novos resultados. Viseu: Centro de Estudos Pré-Históricos da Beira Alta.VEIGA.História. Revista da Faculdade de Letras do Porto História. p. VIII a XIII). Estelas e Estátuas-Menir: da Pré à Proto-História. In BARROCA. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. Pré-História e Proto-História. p. Estudos Pré-Históricos. Estudos Pré-históricos.Autores . por terras do interior: o I milénio a. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. 61-68. In CRUZ. Coimbra: Palimage. Porto. 223-231. p.) . 4 e 5 de Abril de 2003. XV:1. Actas dos Seminários realizados em Palmela. p. Materiais. 53-67. 2008 A Proto-História no Museu do Sabugal. 1997). Susana Oliveira (ed. 6). Isabel Cristina F. VILAÇA. p. In PEREA. Afonso Henriques. 1.Actas del Congreso: Ámbitos tecnológicos. O caso da fronteira Riba-Côa nos séculos XII-XIII. Revista da Faculdade de Letras do Porto . 15. uso e deposição. Raquel 1993 Resultados preliminares das escavações realizadas no povoado do Castelejo (Sabugal). XV:1. VIEIRA. 4 volumes. p. Guimarães: Câmara Municipal/ Universidade do Minho. María-Jesús 1998 En torno a Riba Coa y al-Andalus. Revista da Faculdade de Letras do Porto . 1998a Hierarquização e conflito no Bronze Final da Beira Interior.) . p. 147-168. 2005 Entre Douro e Tejo. 51-65. 13-32. VENTURA. Sabugal. 123-154. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do 46 Sabugal: História. Actas. Domingos J. As pedras e as gentes. 2. 5. Porto.º Congresso Histórico de Guimarães.Muçulmanos e Cristãos entre o Tejo e o Douro (Sécs. 2. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa [tese de doutoramento em História Medieval]. p. IIª Série.Actas do Colóquio «A Pré-história na Beira Interior» (Tondela. Estudos Arqueológicos de Oeiras. VICENTE. 14 e 15 de Fevereiro de 2003. Sebastião Philippes Martins Estácio da 1886-91 Antiguidades Monumentaes do Algarve: Tempos Prehistoricos. Madrid: CSIC / Instituto de Historia / Departamento de Prehistoria. A política portuguesa e as suas relações exteriores. 25-52. 135-154. Lisboa: Imprensa Nacional. História e Património. Oeiras. 39-51. ámbitos de poder. XV:1. p. 1:0. consumo e circulação de bens na Beira Interior na transição do II para o I milénio a. Alicia (dir. 1996 Contributos para a caracterização do povoamento da Beira Interior (Centro e Sul) durante as últimas etapas do Bronze Final. Maria da Graça Antunes Silvestre 2013 Entre Zêzere e Tejo. p. VICENTE.). Lisboa: Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico (Trabalhos de Arqueologia. Mário Jorge e FERNANDES. p. vol. Margarida Garcês 1998 Os coutos de homiziado nas fronteiras com o direito de asilo. Porto. sociedade e cultura . António M. 18 Marzo 2004). 347-374. 37-44. Propriedade e Povoamento (séculos XII-XIV). In 2. Leontina 1998 A fronteira luso-castelhana na idade Média. VIGUERA-MOLINS. 2 vol. 287-300. p. VENTURA. Palmela: Câmara Municipal de Palmela / Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Viseu. Balcão 1996 A fronteira de Riba Côa no tempo de D. Lisboa: Universidade Católica Editora. 12-17 Setembro 1997. Maria Neves 2005 Lembranças de meninice – Aldeia do Bispo Anos 50. 107-110. 1998 A “Estremadura” Leonesa. In JORGE. (Estudos Pré-Históricos. p. (coord. Guarda: Centro de Estudos Ibéricos.) . Castelo Branco. 2011 Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história (coord. Sabucale. In Beira Interior. 2007 Todos os caminhos vão dar ao ocidente: trocas e contactos no Bronze Final. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. da (coord. Marina Afonso 2005 Subsídios toponímicos para o conhecimento da influência muçulmana a sul do Douro. 1995 Aspectos do povoamento da Beira Interior (Centro e Sul) nos finais da Idade do Bronze. C. 1998 Produção. 203-217.

3 vol. Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. Quadrazais. março. Notícias dos Forcalhos. Raquel. C. Madrid: Imprenta y Estereotipia de M. André. p. p. Marcos. Coimbra. outubro-dezembro 1986. 1. 43. 4. 3. 4 e 6. 137-156. VILAÇA. abril. p. 10-12. Fernandes Lopes. VILAÇA. 1943 Gente singular. 15. abril-junho. XIMENEZ DE SANDOVAL. Bolo podre. p. Norba. Late Bronze Age: Mediterranean impacts in the Western end of the Iberian Peninsula (actions and reactions). Monografía histórica y estudio crítico-militar. 1. Notícias dos Forcalhos. 17. outubro. p. p. J. Elementos para o estudo da administração medieval portuguesa. 3. 21. 8. Lisboa: A. 3. 2. WAITE. Revista Portuguesa de Arte e Turismo. Renascer. Revista Altitude.bbaw. 57. Guarda. Vilar Maior. Dinis 1279-1325. p. 22. 1996 Culinária. dezembro. p. London: Rivingtons Obras não assinadas ou de vários autores 1893-1986 Corpus Inscriptionum Latinarum. 1983-86 Aldeia da Ponte na História. 37. Barcelona. Lisboa. OSÓRIO. Vilar Maior. Renascer. 11. 49. Um caso de etnoarqueologia na Serra Gorda (Águas Belas. 7-8. 50. 17/18. Renascer. p. Renascer. Vilar Maior. 1991-94 Registos paroquiais. 1994 Um assobio. In VILAÇA. 10. Guarda: Estrela-Côa. 2ª edição. Raquel. 4ª série. Eduardo. Rivadeneyra. 1988 Serões de terror em Alfaiates. p. dezembro. 1995 Usos e costumes da minha aldeia. VILAÇA. p. Cáceres. Raquel (coord. p. SANTOS. 1982a Medicina popular neste distrito.ª série. p. 4. Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. OSÓRIO. pp. Sabugal+ EM. Gentes do Soito falam de modo curioso. 1987 Vocabulário. Renascer. 16. 10-11.de/ cil_en/dateien/datenbank_eng. p. Vilar Maior. Lisboa. Lisboa: Instituto de Alta Cultura / Centro de Estudos Históricos. abril. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC.ª série. (Base de dados online em: http://cil. p. 21. Sabugal+ EM. fevereiro.ª série. 1. 1982 À descoberta de Portugal. Raquel. 22. 9. 1988b Arquitectura Popular em Portugal. 8-11. Forcalhos. 14. Mensagem da Saudade. Forcalhos. Marcos. Notícias dos Forcalhos. 3. Revista Altitude. 14-16. Rosamond 1884 Life of the Duke of Wellington. 23. Sabugal. FERREIRA. Portugal): Uma primeira abordagem. 35-42. p. 240-248. 2001 Orações tradicionais do povo de Vilar Maior. Sabugal). Revista Altitude. p. 315. p. Berlim: Berlin-Brandenburgische Akademie der Wissenschaften (actual editor). p. Panorama. 33-39. 11. sociedade e cultura . p. Obra indispensavel para entender sem erro os documentos mais raros e preciosos que entre nós se conservam. Sabugal: História. VILHENA. 1997 Etnografia. 1942a Ditados e conceitos. engenheiros e constructores portuguezes ou a serviço de Portugal. p. Guarda. 8. I . 1. 1. 1999 Lenda da Srª do Castelo. p. 1872 Batalla de Aljubarrota. Cadernos de Geografia.2013 Sabugal. Revista Altitude. 18. 21. p. janeiro-abril. Lisboa: Imprensa Nacional. SANTOS. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. CANAS. Vilar Maior. 1996a Plantas medicinais. 1962 Itinerários régios medievais. p. 1988a Por influência da proximidade da fronteira espanhola. 6.Autores 47 . 9. Guarda. julho/agosto. 1. Vilar Maior. 11. Cuadernos de Arqueología Mediterránea. Renascer. 1. Nuno 1998 Lugares e caminhos no mundo pré-romano da Beira Interior. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 3 volumes [1ª edição 1961]. fevereiro 1984. 2:2.Itinerário del-rei D. abril. 33. Fr. Lisboa: Associação dos Arquitectos Portugueses. 25 de janeiro. 17 volumes + 13 volumes suplementares. Lisboa. Guarda. Aldeia da Ponte. Maria do Céu 2004 Nem sempre o que parece. 1942 Adivinha. João. 17.ª série. p. Renascer.) . Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal. 1998 Culinária. 1994a Etnomedicina. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest. p. Alfaiates. Vilar Maior. p. VITERBO. termos e frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram. 2. 12. Diário de Notícias.Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história. 3:10-12. 1. 4. 21. 3. 7. p.php). 2:2. p. 1998a Guia da Região do Vale do Côa. Forcalhos. é. junho /julho. Joaquim de Santa Rosa de 1865 Elucidario de palavras. Luiza Manoel de 1971 Sortelha: uma «vila» esquecida. p. 1973 Inquérito Boléu (recolhas inéditas). PORFÍRIO. 18-19. p. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. julho. dezembro. 8. 343-367. André Tomás 2011 Nova peça insculturada da região raiana do Sabugal (Beira Interior. 2. 1899-22 Diccionario historico e documental dos architectos. MARQUES. 13-41. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Sabugal. junho. A tradição ainda é o que era. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 10 de janeiro. Realidade problemática. Aldeia do Bispo..Autores . Sabugal. 75. Bendada. p. março. 3. Guarda. Vilar Maior. 25. Cangalhas. Aldeia da Ponte. 23. II série. 16. O Soito. como é. Renascer. As suas origens e tradições. 17 de março. Notícias dos Forcalhos.2001a 2001b 2001c 2001d 2002 2003 2004 2004a 2005 2005a 2005b 2005c 2005d 2005e 2007 2007a 2008 2008a 2008b 2009 2009a 2009b 2010 2012 2013 2014 2014a 2015 2016 48 Tentativa da restauração da Ordem em Portugal. 11.. Cinco Quinas. 5365. A Guarda. p.. 21. p.. 48. Vilar Maior. A fortaleza manuelina de Alfaiates. p. p. 3. Renascer. 17. p. julho. Ciscôa. agosto. 13. p. Ancora Editora e Liga dos Amigos de Conímbriga. A Guarda. Gastronomia. novembro. Colónia Agrícola Martim Rei foi criada pelo Estado Novo em 1936. Roteiro. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. Ciudad Rodrigo. junho. Vilar Maior. Cinco Quinas. 6. junho. 21. 67. 44. Efemérides. 76. Sabugal. 20. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. p. 37. 19. março. 6. p. abril. 51. 4. Iniciativa realiza-se por ocasião do Dia de Reis. 55. novembro. p. Tradição da “Volta da Santa” voltou a ser cumprida em aldeias do Sabugal.. 1. 56. As tradições da Beira. p. p. 1 de janeiro. Cinco Quinas. 50. maio. sociedade e cultura .. Vilar Maior. março/abril. fevereiro. junho.. II série. Salamanca: Cáritas Diocesanas. p. p. Capeia Raiana. 9.Sabugal. matracas. 60. p. Sabugal.. 53. Guarda. p. 76. 3-4. p. 2. p.. Capeia Arraiana . 9-10. Aldeia da Ponte. 6. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. Património Cultural Imaterial Nacional. 1-2. p. 24. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. Antigas tradições de produção vinícola no Sabugal. Guarda. p. Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. O Soito. 2. janeiro/fevereiro. p. 12. Renascer. O poder municipal em Sortelha de 1822 a 1825. janeiro/fevereiro. p.. “As matanças”. Freguesias do concelho do Sabugal mantêm tradição da “Volta da Santa”. A Raia. Vilar Maior. Janeiro . Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Soito. As pedras e as gentes. 3. 6.. Vilar Maior. Lendas e Factos Lendários. Aldeia da Ponte. novembro/dezembro. O castelo da Vila do Touro. p.. Julgamento em Salamanca dum homem de Vilar Maior. maio. O Concelho do Sabugal no século XIX.. Sabugal.Fevereiro . Vilar Maior. março/abril. A Guarda. 22. 26. 2. Renascer. 6. Forcalhos. futuro de esperança. 7. Vilar Maior. janeiro. 16-17. Congresso do 7º Centenário do Foral –Sabugal. setembro. O Artesanato de Fibras Selvagens. p. p. 2-3. Vilar Maior. Renascer. Lenda da Gruta. O castelo de Vilar Maior no contexto de Riba Côa. 6. 35. Vale do Côa e Além Douro. outubro.Março. Soito. agosto. Renascer. 6. Sabugal: História. Cinco Quinas. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Renascer. 2. 74. Riba-Côa e o Contrabando. dezembro. Renascer. Renascer. Cinco Quinas. p. outubro. dezembro. p. Lenda do Barroco da Massaracana. p. 116. 6. 10. Sabugal. p.] e o Concelho do Sabugal. 6. Guarda. O mês de [. p. Cinco Quinas. 55.

2. sociedade e cultura . Bibliografia por assuntos A Genéricos B Corografias / dicionários / Histórias de Portugal / afins C Memórias / obras literárias D Monografias e inventários locais E Pré e Proto-História F Época romana F1 Epigrafia G Idade Média G1 Fronteira G2 Vias de comunicação G3 Leis e vida municipal G4 Sabugal Velho G5 Arquitetura militar H Séculos XV-XVII H1 Restauração I Século XVIII J Séculos XIX-XXI J1 Invasões francesas J2 Colégio de Aldeia da Ponte K Etnografia K1 Atividades produtivas e ofícios K2 Arquitetura popular K3 Gastronomia K4 Práticas sociais e religiosas K5 Atividades lúdicas K6 Fala e literatura oral tradicional K7 Capeia arraiana L Contrabando M Demografia / emigração e retorno N Bibliografias O Museus e Centros Interpretativos P Directórios / estudos transfronteiriços Q Diversos R Publicações periódicas S Boletins paroquiais Sabugal: História.Assuntos 49 .

50 Sabugal: História.Assuntos . sociedade e cultura .

6 (1988). Joaquim Manuel Correia e as suas Memórias sobre o Concelho do Sabugal. 1942 Povos primitivos de Riba Côa. p. p. algumas observações respeitantes á actualidade. Fernando Patrício 1987d Património artístico. 1987-88 Património cultural. 15 (1. 7. 23 de janeiro. José Osório da Gama e 1902 Diocese e Districto da Guarda. Lisboa. La Fortificación de la Raya Central. p. Sabugal. 5. p. 6 de fevereiro. 29 (1. Manuel Joaquim 1978 Panoramas do Distrito da Guarda: apontamentos referentes aos concelhos e freguesias do distrito. 246-253. p. p. 11:1-4 (1. 5. 123-128. 12 e 11. 7. A Guarda.Assuntos 51 . Guarda: edição do autor. CURADO. 5 e 7. Fernando da Silva 1942 O Dr. p. CAETANO. 17 de julho. 2:8-9. 5. 3:1. 10 de abril. 297-308. 129-135. 1943 Território denominado Riba Côa. Revista Altitude. p. p. sociedade e cultura . 143-145. A Fortificação da Raia Central. 3 e 6. p. p. 24 de abril. 12 de junho.ª série) (1910). p. 5 (1988). 6 e 10.ª série) (1906).A. 5 e 11. 3:7-9. Guarda. 1987c Memória histórica de Sortelha. p. p. 2. 1. 17 de abril. Dinis 1962 Riba Côa.ª série) (1906). 3 e 5. 199-207. O Archeologo Português. Serie d’ apontamentos historicos e tradicionaes sobre as suas antiguidades. p. José Quelhas 1948 O culto de Nossa Senhora na diocese da Guarda. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas [dissertação de Doutoramento em História da Arte Moderna]. p. 5. p. Guarda.ª série) (1930-31). Beira Alta. Edição do autor. 1943a O concelho do Sabugal. p.ª série) (1909). Guarda. 2 (1987). A Guarda. 4. Viseu. 5 e 11. Carlos Manuel Ferreira 2011 As Casas da Câmara dos Concelhos Portugueses e a Monumentalização do Poder Local (Séculos XIV a XVIII) (2 volumes). Fernando. p. 4-5. 1943 Errata [do artigo acima]. Ciudad Rodrigo: Consorcio Transfronterizo de Ciudades Amuralladas. 4 (1987). p.ª série). 14:9-12 (1. 5. Sabugal. Porto: Typographia Universal (a Vapor). 6-7.ª série. 25 (1. Lisboa. Lisboa. p. 14 concelhos e 329 freguesias. 19 de junho. 11:5-8 (1. e notas referentes á Cathedral egytaniense e respectivos prelados. 13 de fevereiro. 3 (1987). Guarda. p. José António Ferreira de (coord.ª série) (1921-22). p. CASTRO. 27 de fevereiro. O Archeologo Português. 719-725. p. p. p. 1987b Memória histórica de Vila do Touro. 31. p. Guarda. 95-97. p. 1987a Memória histórica de Vilar Maior. p. 195-214. António 1987 Memória histórica de Alfaiates. Revista Altitude. João 2013 Almeida / Ciudad Rodrigo. p. Joaquim Manuel 1905-06 Antiguidades do concelho do Sabugal. 27 (1. p. 336-339. 6 de março. 86-93. 5-6. p. 4-5. 3 de abril. 5. BARROCO. Guarda. Revista Altitude. Revista Altitude. 30 de janeiro. 263-273. 21:3-4. p. Sabugal: História. 4. p. 3:4. BIGOTTE. CABRAL. Guarda. 27 de março. Boletim Municipal de Sabugal. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest. AMBRÓSIO. CORREIA. Boletim Municipal de Sabugal. A Guarda. Guarda. 2:12. Guarda. 5. A Guarda. COBOS. 16 de janeiro. Revista Altitude. 1906-31 Memória sobre o concelho do Sabugal. A.) 1976 Tesouros Artísticos de Portugal. 50-63. p. 9 de janeiro.ª série) (1925-26). Paulo Leitão 2001 Rota batida por terras da Beira Côa. p. Genéricos ALMEIDA. Riba de Côa ou Raia. 10:6-9 (1. CORREIA. CAMPOS. BATISTA.

A serra sagrada. 3. 105-106. 349-353.]. p. Sabugal. João Alveirinho. março. Sabugal. 46. MONTEIRO. Coimbra. Alexandra Cerveira Pinto S. Manuel Leal 1996 Ribacôa em contra luz. Lisboa. MARQUES. junho. [2ª ed . p. 1939. Cinco Quinas. 65-67. 2. 388-419. 478-504. NUNES. Carlos Alberto 1995 A bacia hidrográfica do Côa. p. p. outubro. Cinco Quinas. setembro. aparta e protege! Em torno da definição do conceito de fronteiras. 1938. (coord. Sabugal: Câmara Municipal. 6-7. Ebvrobriga. 16-18. Coimbra. A[lberto dos Santos] 1903 Sabugal. Sabugal. p. DIAS. 1993 O espírito de um concelho na vida de uma Associação. A Bacia Hidrográfica do Côa. HENRIQUES. Noticia historica. p. março. Helder Manuel Guerra (org. p. p. 16. p. HENRIQUES. 473-485]. 1988c 2001 DIAS. Cinco Quinas. 8.l. Coimbra: edição do autor. Fundão. Sabugal. p. Penamacor: Câmara Municipal de Penamacor ISIDORO.) 2009 Penamacor . Moreira de 1960-61 A Beira e as invasões de leste. p. p. Bernardino 1991 Fóios. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. dezembro. O Património Arqueológico do Concelho. p. Biblos. 1936. BASTOS. Péripéties historiques des gens du Alto Côa. maio. Os valores do Côa. Pedro. 172-211. 8. 2012 O talismã de Vilar Maior (Cavaleiros do Côa). 30. 3. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. 45. 170. Uma olhadela para o seu passado. 171. 1935. 2015e Malcata: beleza e crimes. Munda. 2015b Aldeia Velha. 3. XIV. Guarda. p. abril. p. O Universo Illustrado. p. FORTE. p. Terras de Riba-Côa. da Malcata ao Reboredo. LOBATO. A Martim Calvo e aos povoadores do Fundão. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 49. XI. 3. Sabugal. 8. 2012h O concelho do Sabugal em datas. Lisboa: Assírio & Alvim [reedição de: Subsídios para o estudo da Geografia de Portugal. p. p. junho. 50. 20:2 (1961). Villa de Sabugal. [s. 20. 109-113. LIMA. 89-98. dezembro. 175. Cinco Quinas. Mário 52 Sabugal: História. Sabugal. p. Lisboa. dezembro. p. Francisco 2011 Riba-Côa: Raia ou Fronteira? Praça Velha. Notícias dos Forcalhos. XV. Algumas Notas Etnográficas de Riba-Coa.Sabugal. João Rodrigues 1982 Esboço monográfico da parte nordeste da freguesia de Penamacor. MANSO. In Congresso do 7º Centenário do Foral .) 1998 Terras do Côa. Guarda: Estrela-Côa. 23. JCC 1880 Portugal. 7. XII. Beira Alta. FREIRE. Maria Rosário 2015 O Coa (NE Portugal): o rio que une. Portugal Militar. p. Coimbra. 8. 48. 19:4 (1960). p. FIGUEIREDO. Mário Simões 1998 Memórias da Beira Côa. sociedade e cultura . 5. p. 2015c Nave. 21.Assuntos . Peripécias históricas da gente do Alto Côa. Sabugal. Boletim Municipal de Sabugal. 3.2008] 2008 Sabugal. Cinco Quinas. 403-423.800 Anos de História. 2015g O Sabugal em notícias de jornais (antigos). Penamacor: ARCINPE. Viseu. 29-55. maio. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest. 2002 Mesas. Cinco Quinas. 5-8 e 12. MORGADO. 20:1 (1961). Sabugal: Câmara Municipal [tradução francesa da obra anterior]. 1982 À descoberta de Portugal. 141. Biblos. 177. 10. p. António Amaro 1992 O espírito de um concelho na vida de uma Associação. p. 163-173. Marcos 2006 Sabugal. abril. 101-126. OSÓRIO. 77-115. Coimbra: edição do autor. p. 4. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor. Manuel. p. 7. Sabugal.2004 A freguesia do Sabugal ao longo dos tempos. agosto.

Jorge 2008 Sabugal: Roteiro Turístico. 12. Marcos 2000a Sabugal e o seu património. 23. 37.. p. Revista Altitude. outubro. fevereiro 1984. (12 vols. Lucinda [L. 3. Lisboa: Mobil Oil Portuguesa. 1998a Guia da Região do Vale do Côa. 2005e Aldeia do Bispo. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal do Sabugal. julho. PEDROSA. 6. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. Lisboa: edição do autor.) Lisboa: Centro de Estudos Históricos Ultramarinos. António da Silva (pref. 4ª série. 1. Maria Antónia (dir..P. março. Cinco Quinas.) 1943-77 As Gavetas da Torre do Tombo. Aldeia da Ponte. 3. Manuel de 2008 Forcalhos. Coimbra: GAAC / Livraria Minerva. março. janeiro-abril. 2002 Efemérides. Lisboa: INATEL. junho. julho. 4. 3. p. SOITO. 2. II série. 6. abril-junho. Casteleiro. 33-39. 6-7. 10-12. 20. Francisco Hipólito 1987 Beira Alta com um abraço total à Serra da Estrela. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 22. REGO. 23. Panorama. p. fevereiro. 6. p. p.Assuntos 53 . Forcalhos. sociedade e cultura . B. p. Sabugal. Tó 2004-05 Sabugal. Cinco Quinas. p. p. QUINAZ. p. 50. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. p. Boletim Cultural do INATEL. 45. Sabugal. [reedição 2014. agosto.ª série. 6. 6. Lisboa. 1. SOUSA. 22. SOUSA. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. p. TORRES. maio. Guarda.) 1997 Viagens na nossa terra. Cinco Quinas. 46. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal] Vários Autores 2001b Congresso do 7º Centenário do Foral –Sabugal.1989 Nos caminhos do património. 35. Pedro (coord. Sabugal. Revista Portuguesa de Arte e Turismo.] e o Concelho do Sabugal. 37. p. VILHENA. Tio Carlos do 2002 A Misericórdia do Soito. 1. Vale do Côa e Além Douro. Ernesto 1942 Viagens na Beira-Serra (Vista geral do distrito da Guarda). 19. Dos velhos tempos à actualidade. p. Ancora Editora e Liga dos Amigos de Conímbriga. novembro. 2. Roteiro de Sortelha. março. p. abril. setembro. 34. Guarda: Estrela-Côa. 14. p. VAZ. Guarda. dezembro. p. p. Francisco 1993 Santa Maria de Riba Côa. 1. p. maio. Notícias do Casteleiro. A história do Casteleiro. p. p. 25. Lisboa: Selecções do Reader’s Digest. 45. 283-296. outubro-dezembro 1986. dezembro. Corografias / dicionários / Histórias de Portugal / afins Sabugal: História.] 2003-04 Breve contributo. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. SOUSA. As pedras e as gentes. 15-16. 6. 36. 26. PIRES. p.) 2000 Carta de Lazer das Aldeias Históricas. 1. 27-30. O Soito. Luiza Manoel de 1971 Sortelha: uma «vila» esquecida. Soito. O mês de [. p. 2014d Algumas datas. Notícias dos Forcalhos. Obras não assinadas ou de vários autores 1983-86 Aldeia da Ponte na História. setembro. p. VASCONCELOS. RAPOSO. 3. 2:10-11. janeiro. José Alexandre. PEREIRA. junho. 21. p. Maria Glória 2003 O espaço e o castelo do Sabugal. 2003 Roteiro. 1. 6. 2. 6. 24. OSÓRIO.

8 vol. Lisboa. civil. 6 vol. Luis 1747-51 Diccionario Geographico. OLIVEIRA.. Gonçalves da 1977-92 História do Bispado e cidade de Lamego. De las iglesias de Abila. Lamego. Lisboa: Tip. con varias Dissertaciones criticas. FLOREZ. Lisboa: Imprensa Nacional (v1). COSTA. Aillaud & Ca. BAPTISTA. João Maria. Lisboa: Academia Scientiarum. Gaspar 1561 Chorographia de algvns lvgares que stam em hum caminho que fez Gaspar Barreiros ó anno de MDXXXXVJ começãndo na cidade de Badajoz em Castella. COSTA. D. segun su estado antiguo. FIGUEIREDO. ecclesiastica. Origen. Madrid: Oficina de Antonio Marin. Caliabria.) 1860 Memorias de D. DEUSDADO. Manuel António Ferreira 1893 Chorographia de Portugal. 3 vol. Pacense. Carlos Moreira (dir) 2000-02 História religiosa de Portugal. Jesué Pinharanda 1981 História da Diocese da Guarda. João Justino Baptista de 1874-79 Chorographia moderna de Portugal.. Lamego. y Zamora. Antonio (ed.AZEVEDO. GOMES. Egitania. BARROS. Lacerdina. Manuel de 1817 Descripção de Portugal: Apontamentos e notas da sua historia antiga. Madrid: Imprenta de José Rodríguez. Traslaciones. y limites de todas sua Provincias. 2ª ed. Tomo XIV. Typographia de Castro Irmãos (v3 e 4). Bernardo de 1690 Monarchia lusitana. COSTA.Assuntos . Francisco Nunes 1825 Memoria para servir de indice dos foraes das terras do reino de Portugal e seus dominios. 12 vol. e moderna. António Carvalho da 1706-12 Corografia portugueza e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal. Lisboa: Academia Real das Sciencias. BARREIROS. Porto: Typographia do Jornal do Porto. Jorge 54 Sabugal: História.) 1856-1961 PORTUGALIAE MONUMENTA HISTORICA a saeculo octavo post Christum usque ad quintum decim Leges et Consuetudines (1856-1961). AZEVEDO.. Viséo. João Baptista de 1762-63 Mappa de Portugal antigo e moderno. FRANKLIM. Fernando IV de Castilla. LARCHER. Coimbra. y estado antiguo y presente de sus Sillas. Coria. HERCULANO. Lisboa: Oficina de Valentim da Cosra Deslandes. Lisboa: Officina Patriarcal de Francisco Luiz Ameno. Americo 1929-49 Diccionário Chorographico de Portugal Continental e Insular. Lisboa: Círculo de Leitores. Lisboa: Guillard. divisiones. Typographia da Academia Real das Sciencias (v2). Lisboa. Ossonoba. sociedade e cultura . 7 vol. 3 vol. Braga: Editora Pax. Theatro geographico-historico de la Iglesia de España. Lisboa: Typographia da Academia Real das Ciências de Lisboa. CARDOSO. Porto: Livraria Civilização. Henrique da Gama 1885-1922 História da administração pública em Portugal nos séculos XII a XV. CASTRO. Antiguedad. te à de Milam em Italia: cô alguas outras obras cujo catalogo vai scripto com os nomes dos dictos lugares na folha seguinte. Henrique 1758 España Sagrada. Alexandre (dir. Joaquim de 1877 História eclesiástica da cidade e bispado de Lamego. Ebora. 3 vol. Salamanca. Coimbra: Universidade. Lisboa. 2 vol. BRITO. Fr. M. 2 vol. BENAVIDES. e militar.

com as mudaças que houve nos seus dominios. e muito esclarecido principe Dom Diniz sexto rey de Portugal. e outras muy principaes. de Hannover. e de Sevilha. Con mvchas. legaos de distancia. congruas respectivas. 8 vol. composta por Ruy de Pina. CERDEIRA. nosso senhor. Heraldico. e Chronista Mór do Reyno. Lisboa: Na Officina Ferreyriana. Lisboa. Biográphico. LEAL. etc. LIMA. Archeologico. Baptista de 1932-41 Terras portuguesas: arquivo histórico-corográfico ou corografia histórica portuguesa. etc. de todos os factos notaveis da história portugueza. Estatistico. PERES. Sevilla: Herederos de Thomas Lopez de Haro. e cabeça do Bispado. districtos. Luiz Caetano de 1734 Geografia historica de todos os estados soberanos de Europa. Póvoa de Varzim: Tipografia Camões. Oliveira (dir. Chorographico. H. svs trofeos.. 7 volumes. União das Misericórdias Portuguesa. com o numero dos fogos. y cvriosas noticias. 1704 Descripcion Geografica Histórica de todo el Reyno de Portugal. Rastad. fielmente copiada do seu original. LIMA.). Baden. Matosinhos: Quidnovi. artística) 1928-54 História de Portugal. Rodrigo 1645 Poblacion general de España. Fidalgo da Casa Real. flores cogidas en el estimable Iardin de la preciosa antiguedad. 9 volumes. Heraldico. 3 vols. 12 vol. PAIVA. Lisboa: Editorial Presença. outubro. Historico. Revista dos Centenários. sociedade e cultura . Guilherme 1904-15 Portugal . Impressor do Santo Officio. e com as Genealogias das Casas reynantes. SERRÃO. e feiras. Joaõ o V. dioceses. da Quadruple Alliança. SARAIVA. MATTOSO. MARQUES.) 1993-94 História de Portugal. Lisboa: Jorge Rodriguez. da Barreira. ou catalogo alfabetico de todas as Freguezias dos Reinos de Portugal. Lisboa. 20 vol. E da Cidade principal. comarcas. e Algarve: das Igrejas com seus Oragos: do titulo dos Parocos. excelencias gloriosas y svcessos memorables. descripciones agradables. BASTOS. Lisboa: Officina de Joseph Antonio da Sylva. y catalogos de dignidades eclesiasticas. e annual rendimento de cada huma: dos Padroeiros.Assuntos 55 . Helder 2004 História das Freguesias e Concelhos de Portugal. 22. Biographico e Etymologico de todas as cidades. + 1 suplem. blasones.Sortelha.) 2002-11 Portugaliae Monumenta Misericordiarum. MARQUES. Lisboa: Círculo de Leitores. 8 vols. Chorographico. Belmonte . 27-29. José Hermano. Porto: Thypographia Commercial. Que se conserva no Archivo Real da Torre do Tombo. Offerecida á magestade sempre augusta del rey D. NIZA. Edição monumental comemorativa do 8º centenário da fundação de Portugal. oragos. Pedro José 1853 Diccionario geographico abbreviado das oito provincias dos Reinos de Portugal e Algarves com a designação dos concelhos. A. y conqvistas heroycas. Barcelos: Portucalense Editora. Madrid: Diego Diaz de la Carrera. y seglares. 12 volumes. grandezas notables. PEREIRA. Sabugal: História. PINA. villas e freguezias de Portugal e de grande numero de aldeias. José (dir. 8 vol. que apresentão: juntamente com as leguas de distancia da metropoli do Reino.. correios. provincias. Paulo Dias de 1767-68 Portugal sacro-profano. Duarte Nunez do 1610 Descripção do reino de Portugal. Numismático e Artístico: abrangendo a minuciosa descripção. Joel.) 1993-04 Nova História de Portugal.. p. Bibliográfico. lit. freguezias. Lisboa: Livraria Editora de Matos Moreira & Companhia. Lisboa: Officina de Miguel Manescal da Costa. Damião (dir. José Pedro (coord. MÉNDEZ DE SILVA. RODRIGUES. Reales genealogias. Esteves. Eleutério (dir. Ruy de 1729 Chronica do muito alto. LEÃO.1940 Castelos de Portugal.Diccionário Histórico. João Romano Torres & Cª – Editores. Augusto Soares de Azevedo Barbosa de Pinho 1873-90 Portugal Antigo e Moderno – Diccionario Geographico. especialmente pelos tratados de Utrecht. Lisboa.

Porto: Livraria Portuense de Clavel & C. 40 artigos publicados no jornal Cinco Quinas. Alcunhas das Pessoas de Quadrazais. Soito: edição do autor. 23. etc. Sabugal. da população de cada freguezia. p. dos rios e montesprincipaes do continente. entre outros textos. Os moinhos e os fornos do Soito de antigamente. Cinco Quinas. 2010 Enterro de adultos no Soito de Antigamente. 2010e Baú da memória. Sabugal. p. dezembro. dezembro. Joaquim Manuel 2008 Celestina. 21. Memórias dum Povo das Altas Terras de Ribacôa. Cinco Quinas. abril. Cinco Quinas. p. I 2013 Encontros do Passado. 119. com a respectiva divisão administrativa. p. etc. 109.SILVA.ª. sociedade e cultura . Sabugal. agosto. Cinco Quinas. Memórias / obras literárias CARAMELO. costumes. novembro. p. Edição do autor. VASCONCELLOS. outubro. 2011c Baú da memória. janeiro. p. Episódios da última guerrilha carlo-miguelista. GOMES. O Padre Salcedas. 110. de Quadrazais. 105. 2010f Baú da memória. 106. Soito: edição do autor. Sabugal. 5. O Sabugal de antigamente. Casteleiro. Fr. dezembro. Sabugal. Cinco Quinas. janeiro. engenheiros e constructores portuguezes ou a serviço de Portugal. 108. CARVALHO. fevereiro. das estações telegraphicas e de caminho de ferro. Lisboa: Casa do Concelho do Sabugal [1ª ed. 2009a Funeral de uma criança no Soito até à década de 1950. 18. p. entre o número 61 (abril 2006) e 104 (novembro 2009). MARTINS. 3 vol. Lisboa: Imprensa Nacional. 12. 25. maio. Edição do autor. 20. 2ª edição. 2010i Baú da memória. 123. Cinco Quinas. 2010d O contrabando em Quadrazais. 129. 118. Sabugal. 73. 128. editores. p. Histórias de Vale de Espinho. tradições e lendas do meu tempo. 18. 2011a Baú da memória. setembro. Cinco Quinas. fevereiro. 111. 19. p. António José de 2002 A Rosa da montanha. 56 Sabugal: História. 2010b A Festa de Santa Eufémia. Sabugal. Lisboa: Tip. maio. Fernandes Lopes. 117. p. Cinco Quinas. villas e freguezias. Sabugal. 2011d Baú da memória. 16. 2011e A lenda dos castanheiros de João de Amores. 27. Sabugal. 25. Cinco Quinas. Comercial]. p. 18. José Manuel Lousa 1985 Memórias da Minha Terra – Soito-Sabugal: usos. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal e Sabugal+ EM. Lisboa: A. [reúne. março. das distancias de quasi todas as freguezias ás villas capitaes de concelho. Cinco Quinas. 19. 115. Curiosidades sobre o Soito. março.Assuntos . Sabugal. Pároco de Quadrazais. junho. ESTEVES. Por estarem aqui editados. J. 27. etc. Sabugal. p. Cinco Quinas. CORREIA. p. dos oragos das parochias. VITERBO. 2011b Baú da memória. 18. 107. 114. Sabugal. Cinco Quinas. 1899-22 Diccionario historico e documental dos architectos. 1871. 2010h Baú da memória. em Vidas com História. Armindo Vaz 2002 Memórias de um Emigrante. judicial e ecclesiastica. Obra indispensavel para entender sem erro os documentos mais raros e preciosos que entre nós se conservam. Eugénio dos Santos 2009 Baú da Memória – o Soito de antigamente. junho. Notícias do Casteleiro. termos e frases que em Portugal antigamente se usaram e que hoje regularmente se ignoram. Cinco Quinas. O movimento em Quadrazais. Cinco Quinas. 2010c Gastronomia no Soito (e Concelho) de Antigamente. Sabugal.) 1884 Diccionario da Chorographia de Portugal contendo A indicação de todas as cidades. Cinco Quinas. da parte continental e insular do reino. p. Cinco Quinas. C. José Leite de (coord. Alcunhas de pessoas do Soito. António Maria Manso 2014 Portugal na Raia Central. Sabugal. p. 18. 2011 Baú da memória. Matosinhos: Minhaterra. p.. p. p. nas décadas de 1930 e 1940. 2010a Crendices Populares no Soito e Arredores. 2010g Baú da memória. segundo o ultimo recenseamento. Sabugal. 18. 4 vol. 113. das direcções e delegações postaes. Joaquim de Santa Rosa de 1865 Elucidario de palavras. Dolutília e o seu grupo. A vida de um casal no concelho (antigamente). Isabel 1997 Dicionário Enciclopédico das Freguesias. Sabugal. DUARTE. Os Incêndios no Soito e concelho (antigamente). 122. não se indicam as referências iniciais]. Sabugal. Cinco Quinas.

Castelo Branco: RVJ . 17-18. p. Notícias dos Forcalhos. Nuno de 2003 Maria Mim. D. Reedições: 1961 e 2003). 11. 20. outubro. PATANA. Maria José Bernardo Ricárdio. 18. 7. CARRILHO. Sabugal. p. COSTA. J. BRAGA. Cinco Quinas. Forcalhos.ª edição 1946. 17-18. 8. Sabugal: Câmara Municipal (1. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. 6. Lisboa: Tipografia Freitas Brito Lda. 1997 e 2004). 6.Assuntos 57 . Sortelha: edição da autora. p. 16.ª edição 1939. Forcalhos. Sabugal. 2005 Os cruzeiros da Rebolosa. VICENTE.Editores. Mário Simões 1996a Vilar Maior: História. Lisboa: edição do autor [reedição de Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica. 6. p. Sabugal: Câmara Municipal. Sabugal: edição do autor. julho. Forcalhos. 43. História. 10. Etnografia e Linguagem. Porto e Fóios: O Progresso da Foz e Côa-Águeda. Guarda: edição das autoras. 3. Lisboa: ISSS [relatório de estágio do Curso de Serviço Social]. 13. 1992. 24. (1.). reeditado em 1988. Lembranças romanescas. 136. DIAS. 9. outubro. 13.MARTINS. Sabugal. 13. In Aldeia do Bispo. 6. p. 8. Maria Antonieta Santa Clara 1955 Monografia de Cerdeira do Côa (Beira Alta). p. 61-68. Joaquim Manuel 2010 Terras de Riba-Côa. 24-28. F. p. p. 5. Sem Fronteiras. 2012 SOUTO ou SOITO: A Questão do Nome. Joaquim Tenreira 2008 Viagens na minha infância. p. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. Edição do autor. Monografias e inventários locais AFONSO. p. p. GOMES. 12. Princesa da Raia. Lisboa: edição do autor. 18-20. Virgílio 1985 Sabugal. p. p. MENDES. 1971]. CHGJ 1985-87 A igreja. MARTINS. 14. Rebolosa. 23-24. CHARTERS. Usos e Costumes. ASOLOBER. Lda. 1988b A capela de Santo Cristo e o Cemitério Velho. 44. Câmara Municipal. p. p. p. 4. Franklim Costa 2006a Quadrazais. 6-7. 1987b Capela de S. 11-12. Brás. 6. p. Sabugal: História. Zé Manel 2011 Raia. p. MONTEMOR. 10-11. p. p. julho. Notícias dos Forcalhos. 8. José 1958 Drama sob as nuvens. 2012a Para que não se perca a memória de 400 anos de vida em Quadrazais (2 vol. 7. Notícias dos Forcalhos. tempos d’ Antigamente. CORREIA. p. 38. monumentos e lendas. Maria Aurora Bernardo Ricárdio 2003 Aldeia do Bispo. 15. Cinco Quinas. Forcalhos. 21-22. 9. p. Memórias sobre o Concelho do Sabugal. José Corceiro 2003 Contrabandistas à força. Luísa Lasso de La Vega y Pedroso 1999 Sortelha. Maria Neves 2005 Lembranças de meninice – Aldeia do Bispo Anos 50. abril. As pedras e as gentes. 1987-90 Nossa Senhora da Consolação. p.ª edição. 3. 45. 4ª edição. 16-17. RAMOS. [publicado inicialmente em fascículos com o jornal Cinco Quinas de junho de 2005 a julho de 2006]. 3. PACHECO. Porfírio 2009 Memórias de Alfaiates e outras terras raianas. Notícias dos Forcalhos. Terra e gentes (apontamentos de história e paisagem da região). 17. sociedade e cultura .

178. (Policopiado). p.. Victor Manuel Leal Pereira 1979 A antiga Vila de Sortelha. p. [2ª ed. Vilar Maior. (VIII . João Marques 1959 Bendada na História. 3. (X . 16. Sabugal. 2. José Pinto 1996 Miuzela . 2014 A longa história das estruturas defensivas de Alfaiates: Da Idade do Ferro às Invasões Francesas. 22. abril. Castelo Branco: ARCINPE. JORGE.ª série. 16.Guerra Fantástica. 1991] 1983 Uma antiga vila. p. Norberto 1994 Soito. Paulo Nave 2012 Levantamento dos sítios arqueológicos de Aldeia da Ponte. 1:2 81980). Lisboa: edição do autor. Museu aberto. Sabucale. p. p.Editorial Franciscana. que pertenceu ao distrito de Castelo Branco. (VIII . Minha Terra. Livro das 1. Da comunidade ao Município. MANSO. Lisboa: Universidade Aberta [relatório de investigação].HENRIQUES. In Arqueologia da Beira Baixa. 45-70.O capitão Tolda). 70-80 2000 Sortelha. Carlos Manuel . Guarda: Diocese da Guarda e Instituto Politécnico da Guarda. usos e costumes dum povo. Lisboa: edição dos autores. 24-25. Renascer. Minha Gente. p. LAJES. PEREIRA. LUÍS. Mirandela: edição do autor. dezembro. Um caso de mudança de cultura. 16. MARCOS. 2. 181.a Terra e as Gentes. 18.. Guarda. p. 1997 Memórias de Vilar Maior. 1:3 (1981). Lisboa: Universidade Técnica de Lisboa. dezembro.Senhora da Granja). p. Sortelha. p. Edição do autor. 2. Carlos dos Santos 1979 Memórias de Vila do Touro.Assuntos . evolução e mudança cultural. fevereiro. outubro. (III) 174. setembro. Lisboa: Instituto Português do Património Cultural. Tradição e Lenda. 22. NEVES. Guerra das Laranjas e Guerra Peninsular). 2012 Sortelha: segredos por desvendar. (I) 172. LOUREIRO. MACHADO. 6. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa / Faculdade de Ciências Sociais e Humanas. Desenvolvimento. Vilar Maior: edição do autor. Sabucale. Domingos 1980-81 Baraçal. Um caso de mudança de cultura. Marcos 2000b Lagartixos. 75-88. Revista Altitude. agosto. Realizadas em 28. Braga: Tip. Daniel Augusto 2008 Memórias. Aldeia-Museu de Portugal. p. NABAIS. XX).Senhora da Granja II). António Rito [Toninho da Ti Amália] 2015-16 Reflexões sobre o Soito e os nossos antepassados. PEREIRA. LOPES. ROQUE. (VI . 58 Sabugal: História. (o que se sabe e não sabe dos Fóios). Casteleiro. Uma aldeia de Riba Coa.. Sabugal: Sabugal+ EM. 18. 180.Património Azulejar Religioso na Diocese da Guarda. Sabugal. p. (VII . aldeia-museu de Portugal. 18. sociedade e cultura . Joana. 175. Trabalho realizado no âmbito da cadeira de Proto-História. Sabugal.. Lisboa: edição do autor. PEIXOTO. 177. (IV . p. (II) 173. Bernardino 1998 Era uma vez. OSÓRIO. 176. Júlio Silva 1995a Vilar Maior e o seu passado. p.O Soito e a Guerra da Sucessão). [dissertação de mestrado em Ciências Antropológicas]. Carlos Henriques Gonçalves 2009-15 Forcalhos. 179. ISIDORO. março. MARQUES. julho. (7 volumes) Edição do autor. p.Catálogo de Igrejas de 1320). 18. Vanessa 2000 Levantamento Arqueológico de Vilar Maior (do Paleolítico aos inícios do séc. ISCSP. Pedro Jorge da Costa 2012 As fronteiras de Ribacôa. 61-84. p. Lisboa: edição do autor. (V . 4. janeiro. p. Vilar Maior.O Soito e a Guerra da Restauração). Vítor 2015 PAR . 29 e 30 de Abril e 1 de Maio de 1979. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal [2ª edição revista em 2012]. 1989 Baraçal do Côa. 23-68. p. Cinco Quinas. 1:1 (1980). 69-80.as Jornadas Arqueológicas da Beira Baixa. novembro.ª edição.

Amadora: edição do autor. Beira Alta. Amadora: edição do autor. TOMÉ. CARREIRA. ALMAGRO BASCH. Martín 1966 Las estelas decoradas del suroeste peninsular. VAZ. A sua história e a sua gente. I-II. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Lisboa: edição do autor. Bernardino 2014 História da Rebolosa. 3-4. 455-468. In Jogos Florais (1969). Adérito 1969 Monografia de Aldeia do Bispo (Sabugal). p. Valongo do Côa. Martín 1998 La Protohistoria de Riba-Coa. CARREIRA. TAVARES. 9. p. 1986 Recensão crítica ao livro: Virgílio Afonso. Pré e Proto-História AFONSO. Sagrado e profano em Aldeia da Ponte. 293-349. ALMAGRO-GORBEA. Massamá: Edimarta – Edição e Distribuição Livros. Lda. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas [Seminário de Investigação . sociedade e cultura . TOMÉ. 295-319. Vilar Maior. E. Síntese documental). vol. Lisboa: Editorial Minerva.terra do Ribacôa. 2001 A sociedade humana – mitos e crenças. na órbita da Sacaparte – Esboço monográfico. 45:3-4. Francisco. dezembro. ALMAGRO-GORBEA. 7 de setembro. 1985. António 1991 Alfaiates.vida . António Esteves 1996 Monografia de Vilar Maior.Licenciatura em Antropologia]. ALARCÃO. p. 4:2. Sabugal. Nuno Rafael. Lisboa: Emissora Nacional de Radiodifusão. esboço de uma monografia. Beira Alta. Francisco 1989 Alfaiates. Lisboa. Correio da Beira. Vol. Lisboa: edição do autor. Viseu: edição do autor. Viseu. SANTINHO. Bendada: edição do autor. Martín. PINHEIRO.Terra de Contrabando. 7. Viseu. 1979a Sabugal – Subsídios para a sua monografia. Revista Portuguesa de Arqueologia. Teresa Pires. Rebolosa: Junta de Freguesia. Viseu. 3. Virgílio 1961 O Cabeço das Fráguas. PRATA. p. p. Maria Cristina Ferraz Saraiva 1984 Quadrazais .alma. ‘Sabugal. edição da Câmara Municipal do Sabugal. Guarda. Renascer. Na órbita da Sacaparte (Esboço monográfico. Francisco Carreira. Alice. 12-17 Setembro 1997. José 1999 Marcos do passado.Assuntos 59 . João Luís da Inês 1975 Alfaiates. Madrid: Consejo Superior de Investigaciones Científicas. 149-184. VAZ. Filipe Alexandre 2000 Terra . José do Nascimento 2007 Recordar é viver. Aldeia da Ponte . Terras e Gente (Apontamentos de História e Paisagem da Região). 1979b Sabugal. 7-22. VAZ. TOMÉ. Sabugal: História. Jorge de 2001 Novas perspectivas sobre os Lusitanos (e outros mundos). p. João António Valente 2008 Casteleiro: do passado ao futuro. Jorge 2015 Pedras de namorados no concelho do Sabugal. p. p. 301-327. 81-105. Lisboa: Universidade Católica Editora.PINHEIRO. TORRÃO. RAMOS. TORRES. 38:2. 34:3. AMBRÓSIO. Guarda. Beira Alta. Sabucale.

Sabugal. J. Amílcar 2010 The current state of research on local deities in Portugal. Luís 2009 Estruturas monticulares antigas na fronteira Sul do concelho do Sabugal. SALGADO CARMONA. p. Mário. Notícia de um monólito gravado na fronteira entre os concelhos do Sabugal e da Guarda.O Passado em cena: narrativas e fragmentos. Isabel Cristina 1982 Vestígios proto-históricos e romanos do Verdugal. Álvaro. Lisboa: Império. Sebastián.) . João de 1943a Roteiro dos Monumentos da Arquitectura Militar do Concelho da Guarda. 5-37. CORREIA. Sabugal. CHAMBINO. 1945 Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses. Vitoria. 57-64. 2. J. p. 24-45. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [Dissertação de Mestrado em Arqueologia e Território]. ÁLVAREZ-SANCHÍS. 18. 1. 3. 11-18. 94-112. anexos 4). Coimbra. DIAS. Eduardo 1993 Estelas. p. p. PIRES. Maria Conceição. Penamacor: ARCINPE. GALÁN DOMINGO. CANHA. Extra 3. p. In ARENAS-ESTEBAN. 60 Sabugal: História. BATISTA. . Toledo: Junta de Comunidades de Castilla-La Mancha. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. Porto. 2004 Etnias y fronteras: bases arqueológicas para el estudio de los pueblos prerromanos en el occidente de Iberia. DÍAZ-GUARDAMINO URIBE. vol. José d’ 1987 Divindades indígenas da Lusitânia. Francisco.Celtic Religion across space and time. In LOPES. Sabucale. BLÁZQUEZ. ENCARNAÇÃO. José d’. [tese de doutoramento] ENCARNAÇÃO. Raquel (coord. 1999). Madrid: Real Academia de la Historia (2ª ed. Ocupação e exploração do território na época romana: um território rural no interior norte da Lusitânia. (IX Workshop F. João Carlos.) . 21-38. Fernando Robles. Alberto (ed. Hugo 2011 Pedra das Cruzinhas.ALMEIDA. Raquel (coord. Jesús R. FERNANDES. Fundão: Câmara Municipal / Coimbra: IAFLUC. José Ángel 2011 Nuevas metodologías para la distribución espacial de las estelas del Oeste peninsular.Assuntos . ARENAS-ESTEBAN. HENRIQUES. 26.E. janeiro-junho. João Carlos. HENRIQUES. CORREIA. Coimbra / Porto: Centro de Estudos de Arqueologia das Universidades de Coimbra e Porto.C. vol. Raúl 2010 Celtic divine names in the Iberian Peninsula: towards a territorial analysis.Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história. VILAÇA. Toledo: Junta de Comunidades de Castilla-La Mancha. Alberto.R. Revista de Estudos Históricos. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal. 1. Conimbriga. Madrid. 1/2. Álvaro. Guarda. 35-56. José María 1985-86 Los escudos con escotadura en V y la presencia fenicia en la costa atlántica y en el interior de la Península Ibérica. 2003 Los Vettones. (Conimbriga. 73-82. LÓPEZ-ROMERO. Cumplutum. CARVALHO. p. In ARENAS-ESTEBAN. 2-3. Alexandre. p. Madrid: Universidad Complutense de Madrid. Mário.AN). MONTEIRO. Lisboa. Francisco.1ª ed. Veleia. p. Sabucale. António Martino Venhuizen 2010 Estelas e Estátuas-menires no Centro e Norte de Portugal e Sudoeste da Meseta Superior. 469-497. julho-setembro.Celtic Religion across Space and Time. p. p. 1. Praça Velha. 299-327. sociedade e cultura . In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor. paisaje y territorio en el bronce final del suroeste de la Península Ibérica. Marta 2010 Las estelas decoradas en la prehistoria de la Península Ibérica. 417-448. BATISTA. In VILAÇA. CELESTINO PÉREZ. António Augusto Mendes 1924 Ensaio sobre a idade do bronze em Portugal. arqueología y filología clásicas. 148-179. CARVALHO. CANINAS. Alberto (ed.) . p. J. Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. 3. Mário Simões 2005a Gravuras rupestres na memória histórica de Vilar Maior. historia antigua. Revista de prehistoria. Sabugal+ EM.) . CANINAS. p. HENRIQUES.ª ed. Pedro Cardoso 2007 Cova da Beira. GUERRA.

ª série. 1. 131-142. 67-93. e-Keltoi. Juan Carlos 2002 Los dioses de la Hispania Céltica. 19. Rennes. Berlim . 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). MELO. Lisboa. Marcos 2005a Tipologia de aparelho construtivo do Sabugal Velho. José Manuel 1988-94 Religiões antigas na bacia do Douro português. Vera 1998 Die megalithgräber der Iberischen Halbinsel. p. RAIMUNDO. 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). p. Portugal).GAMITO. Luís Saavedra 1920 Aquisições do Museu Etnológico Português. p. 60(2). Band: 1). Consideraciones para un trabajo por hacer. 39-66. p. Ricardo. 161-206. Contributos para o estudo dos sistemas defensivos proto-históricos e medievais. Trabajos de Prehistoria. 253-263. p. OLIVARES PEDREÑO. sociedade e cultura . Conimbriga. Francisco 2005 Religion and religious practices of the ancient Celts of the Iberian Peninsula. 2008a O povoamento do I milénio a. MARCO SIMÓN. In Actas das I Jornadas de Património de Belmonte. José Luís Martín 1992 Nuevas aportaciones al estudio de dos estelas decoradas halladas en la cuenca sur del Duero (Beira Alta. Amílcar 2007 Sobre o território e a sede dos Lancienses (Oppidani e Transcvdani) e outras questões conexas“. Sabugal. MACHADO. Helena e ARAÚJO. ALVES. MOITA. XLVI. p. LEISNER. 57-62. GUERRA. 5. p. Salamanca. juin. Óscar 2003 Dataciones rediocarbónicas en la Protohistoria del sudoeste de la Meseta Norte. GARCIA. p. C. p. LÓPEZ JIMÉNEZ. p.Cultura e Ciência. Ethnos. p.) . Vila Nova de Gaia. no Alto Côa. Madrid. p. VIII.) . Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo. Gaya. O Archeólogo Português. (1º Congresso Internacional sobre o Rio Douro). Marcos. Alto Douro e Beira Interior).C. In SANABRIA MARCOS. 107-124. 109-115. Irisalva 1966 Características predominantes do grupo dolménico da Beira Alta. 81-99. Ogam. RODRIGUES. na transição da Meseta para a Cova da Beira (territórios e áreas de influência). BAR IS 1061. 6 (The Celts in the Iberian Peninsula). 35-65. OSÓRIO. p. OLIVEIRA. Maria de Fátima 2002 The Bronze palstave from the Quarta Feira Copper Mine. 19:3-4. Zephyrvs. NUNES. 3. Barbara e WAGER. 241-270. Christian-Joseph 1967 L’inscription du Cabeço das Fráguas (Portugal). TEIXEIRA. p. 279-285. Sabucale.Assuntos 61 . Adriano Vasco 1957 Dos nuevas espadas del bronce final en Portugal. Museo de Cáceres. e-Keltoi. Joana. José Ignacio. MARTÍN BENITO. Cuadernos de Prehistoria y Arqueología Universidad Autónoma de Madrid. 571-605. Madrider Forschungen. Madrid.Lusitanos y vettones. Juan Carlos 1994 Prehistória y romanización de la tierra de Ciudad Rodrigo. p. In OTTAWAY. 287-345. 95-115. J. Paulo Sabugal: História. In Lusitanos e Romanos no Nordeste da Lusitânia: Actas das II Jornadas do Património da Beira Interior. Teresa Júdice 2005 The Celts in Portugal. Francisco. LOURENÇO. 189-297.Metals and Society. Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. Los pueblos prerromanos en la actual demarcación Beira Baixa – Alto Alentejo – Cáceres. MOMPEAN. p. Óscar 2011 Gravuras em Pousafoles do Bispo. MARTÍN BENITO. Lisboa. Central Portugal. e-Keltoi. Emma (eds. 607-649. Ciudad Rodrigo: Centro de Estudios Mirobrigenses.New York. p. de Castro. 2009 A idade do ferro no Alto Côa: os dados e as problemáticas. 24. Madrid: Real Academia de la Historia / Universidad de Alicante. OSÓRIO. Foz Côa. Coimbra. Primitivo Javier (ed. GUYONVARC’H. Côavisão . 2005 Celtic Gods of the Iberian Peninsula. PERNADAS. 2005d Contributos para o estudo do I milénio a. Belmonte: Câmara Municipal. 7 (Actas do I Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. Ana Ávila de.

5.Sabugal). 2006 Achegas para o estudo do povoamento calcolítico na Beira Interior. PINTO. Beira Alta. Marcos.) . Sabugal): apresentação de alguns dados sobre a intervenção arqueológica. Marcos 2004 Breve contributo para a história do Casteleiro. In FUENTES. 3. SANTOS. Porto. p.alguns subsídios. Sabugal. Patricia. sociedade e cultura . VILAÇA. RIBEIRO. Guarda. 19-58. T.n. Marcos 2005 Pré-História recente na região da Guarda . OLIVEIRA. Elisabete. Constança Guimarães 2003 Cerâmica decorada da Idade do Ferro do Sabugal. Raquel. 4. Transactions of the Philological Society. 13. SALGADO. 38. M. p. Valladolid: Glyphos Publicaciones. Paulo Jorge Lages 2012 Estruturas em negativo da pré-história recente na Beira Interior: o caso de Santa Bárbara (Aldeia da Ponte . OSÓRIO. 1997 Memórias de um arqueólogo (VII). LIMA. 1. 2013 O povoado calcolítico de Santa Bárbara (Aldeia da Ponte. p. Notícias do Casteleiro.Actas do V Congresso de Arqueologia — Interior Norte e Centro de Portugal. 62 Sabugal: História. Foz Côa. p. Côavisão . Guarda. Marcos. PERNADAS. Casteleiro. SASTRE. Viseu. p. 3. ROBALO. Madrid. Descobertas Arqueológicas em Santo Amaro. Estudos filológicos. Porto. La estatua-menhir . Porto: DRCN. 97:2. Óscar (coord. Palaeohispanica. ó Trebopala!’ A invocatio lusitana do Cabeço das Fráguas (Portugal). Blanca Maria 1999 The inscription of Cabeço das Fráguas revisited.) . 77-89. Diário da Guarda. OSÓRIO. registos de arqueologia. p. p. 105-134. A. Foz Côa. José Cardim 2013 ‘Damos-te esta ovelha. JIMÉNEZ RODRIGO. Beira Alta. Leiria: [s. 7 (Actas do I Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. 207-231. p. 2010 Cabeço das Fráguas y el sacrificio indoeuropeo. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [Dissertação de Mestrado em Arqueologia e Território]. p. In RODRIGUES. 1959 O castro do Cabeço das Fráguas e a romanização das suas imediações. p. PRÓSPER. O pequeno habitat das Carvalheiras (Sabugal). 8. p. 18:1-2. LOURENÇO.) .Cultura e Ciência. 1988 Sobrevivências actuais da religião dos lusitanos. Adriano Vasco 1958 Estela da Idade do Bronze encontrada em Meimão (Penamacor). p. 63-70. Salamanca: Universidad. (coords. 295).Assuntos . Sabucale. Manuel. 17 de abril. Revista Altitude. OSÓRIO. 20:1. 97-106. In ESPARZA ARROYO. 2002 Lenguas y religiones prerromanas del occidente de la Península Ibérica. Anais da Faculdade de Ciências do Porto.2011 2011a Gravura rupestre em rochedo defronte do castelo de Vilar Maior. Serpa 1933 Activité minière et métallurgique pendant l’ Âge du Bronze en Portugal. Francisco Tavares 1908 Ensaio de Inventário dos castros portugueses..]. PORTELA HERNANDO. 374-384. 25-34. 219-238. Sabucale. PROENÇA JÚNIOR. Lusitanian and Alteuropäisch populations in the west of the Iberian Peninsula. p. Zaragoza. RAIMUNDO. p. SANTOS.Pré-actas del Encuentro de Jóvenes Investigadores sobre Bronce Final y Hierro en la Península Ibérica. Alto Douro e Beira Interior). p. RODRÍGUEZ. p. 97-100. IX. Domingo. 3. p. p. Joana.ª série. Sabugal. A. 12. OSÓRIO. 307-323. A. Ángel (coord. RODRIGUES. Telmo 2015 Muralhas proto-históricas no Alto Côa (Portugal): análise com ferramentas SIG e 3D. 111-128. Revista de Arqueología. Zephyrvs. 225-226. PERESTRELO. junho. VÁZQUEZ.Cultura e Ciência (Actas do II Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. Prospecções na região de Riba Côa. Sabugal. Alto Douro e Beira Interior). Manuel Sabino. Revista de Ciências Históricas. Côavisão . Salamanca. 3-13. 36-43. 1961 Contributo para o estudo da Idade do bronze em Portugal. Indícios de vitrificação da muralha proto-histórica do Sabugal Velho. 1980a Ronda do Distrito. 188. Sabucale.Fortificaciones en la Edad del Hierro: Control de los recursos y el territorio. Juan Carlos 1996 Una nueva estela de guerrero. 6. 18:1. 2. Francisco. p. 151-183.. José Carlos. Acta Palaeohispanica XI. p. 237-256.estela de guerrero de Talavera de la Reina. Guarda. Ricardo 2012 Lagar rupestre do Troviscal (Sortelha). Iberografias. 205-226. C. Viseu. R. Salamanca: Universidad (Acta salmanticensia.

p. Sabucale. SCHATTNER. p. 11-25. 10. Palaeohispanica. Guarda). Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. 7. In JORGE. na Beira Interior.Existe uma Idade do Bronze Atlântico? Lisboa: IGESPAR. 2008 The triple animal sacrifice and the religious practice of the indigenous western Hispania. 24. Vítor 2008 Cabeço das Fráguas (Quinta de São Domingos. Iberografias. Guarda. 5. 611-628. Guarda) 2006: O Contributo da Primeira Campanha de Escavações. 24. Iberografias.Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história. p. João Luís Inês 2009 Lusitanos – No tempo de Viriato. 203-217. Iberografias. Maria João. Los pueblos prerromanos en la actual demarcación Beira Baixa – Alto Alentejo – Cáceres. VEIGA. Maria João Correia 2007 El sacrificio en el occidente de la Hispania Romana: para un nuevo análisis de los ritos de tradición indoeuropea. Praça Velha. 9-24. Zaragoza. Lisboa: Imprensa Nacional. Iberografias. SCHATTNER. Thomas G. Lisboa. 3.Lusitanos y vettones. 2010 O Cabeço das Fráguas e a concepção de espaço sagrado na Hispania indo-europeia. 6). André Tomás. In SARTORI. p. 123-154. Thomas. In CRUZ. p. Raquel 1993 Resultados preliminares das escavações realizadas no povoado do Castelejo (Sabugal). 2011 Arte rupestre na Travessa das Escadas em Vilar Maior (Sabugal. p. MARQUES. p. p. João Nuno 2011 As estelas do Baraçal. Zaragoza. SANTOS. (Estudos Pré-Históricos. 37-44. Domingos J. 1. Lisboa: Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico (Trabalhos de Arqueologia. Viseu. José Leite de 1920 Ceraunias. Guarda. consumo e circulação de bens na Beira Interior na transição do II para o I milénio a. O Archeólogo Português.) . VASCONCELOS. Sabugal: História. 1997). VAZ. VILAÇA. 6. André Tomás 2008 O Sabugal no contexto da Pré-História da Beira Interior. Viseu. Antonio (ed. SANTOS. 253-274. 1:0. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. 175-202. 6. Guarda. In SANABRIA MARCOS. 89-108. 319-342. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. p. UNTERMANN. Guarda. Materiais. Estudos Pré-históricos. Raquel (coord. Guarda. 1. Estudos Pré-Históricos. 109-129. PEREIRA.) . 347-374. SILVA. C. p. Thomas G.ª série. Sebastião Philippes Martins Estácio da 1886-91 Antiguidades Monumentaes do Algarve: Tempos Prehistoricos. 6. Palaeohispanica. SCHATTNER. Susana Oliveira (ed. 1998 Produção. p. p. 87-93. p. SANTOS. 2 vol. Quotidiano e mito. 2010 O Santuário do Cabeço das Fráguas através da arqueologia. Sabugal+ EM. p. In VILAÇA. IIª Série.C. 1997 Metalurgia do Bronze Final da Beira Interior: revisão dos dados à luz de novos resultados.) .) . da (coord. Milano: Cisalpino. Castelo Branco. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. 175-217. 81-88. 2010 Breve observação sobre a representação processional no ocidente hispânico. 6. SANTOS. 1996 Contributos para a caracterização do povoamento da Beira Interior (Centro e Sul) durante as últimas etapas do Bronze Final. SANTOS. Portugal). 4 volumes.Actas do Colóquio «A Pré-história na Beira Interior» (Tondela. Manuel 2010 Sobre algunas especies animales en el concepto de las religiones prerromanas de Hispania. VILAÇA. 2009 Lusitanos y Vettones en la Beira Interior portuguesa: La cuestión étnica en la encrucijada de la arqueología y los textos clásicos. Viseu: Centro de Estudos Pré-Históricos da Beira Alta. 51-65. Raquel. Nov. p.Assuntos 63 .) . Sabugal (Beira Interior. Dissertação de Mestrado apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Primitivo Javier (ed. p. 9). 1998a Hierarquização e conflito no Bronze Final da Beira Interior. 1995 Aspectos do povoamento da Beira Interior (Centro e Sul) nos finais da Idade do Bronze. Jürgen 2010 Las divindades del Cabeço das Fráguas y la gramática de la lengua lusitana. Ricardo Costeira da 2005 Génese e Transformação da Estrutura do Povoamento do I Milénio a. p. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal. p. sociedade e cultura . 181-196. Lisboa: Ésquilo edições e multimédia lda. Museo de Cáceres. 131-145.SALINAS DE FRÍAS.Dedicanti e Cultores nelle Religioni Celtiche. Sabugal. Maria João.

Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. epigrafia e toponímia – IV. Table ronde internationale du CNRS (Talence. A Proto-História no Museu do Sabugal. Coimbra.). 7 de setembro. p. 135-154. 1989 Novos achados arqueológicos em Meimoa e Benquerença (Penamacor). sociedade e cultura . In Les Villes de Lusitanie Romaine: Hiérarchies et territoires. Revista Portuguesa de Arqueologia. é. p. VILAÇA. Virgílio 1961 O Cabeço das Fráguas. Marcos. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal. Cáceres. Castelo Branco. 131-147. 35-42. 4:2. 39-51. André Tomás 2011 Nova peça insculturada da região raiana do Sabugal (Beira Interior.) .) . 2. F. 80-92. p. 137-156.Assuntos . ámbitos de poder. SANTOS. Vol. p. 17. Oeiras. Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história (coord. La transición Bronce Final-Hierro en la Península Ibérica (Madrid. Época romana AFONSO. p.Miscellanea em homenagem ao Professor Bairrão Oleiro. 143-157. In MACIEL. 13-41. 1988a O Domínio Romano em Portugal. Alicia (dir. MARQUES. IMPERIAL. 18 Marzo 2004). Cuadernos de Arqueología Mediterránea. In Livro de Homenagem a Orlando Ribeiro. Estudos de Castelo Branco.C. Guarda. Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto. Jorge de. Jorge de 1988 Roman Portugal: Gazetteer. 317-342. 31-49. Mem Martins: Europa-América. p. Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. ALARCÃO. CANAS. VILAÇA. Eduardo. Norba. Coimbra: Palimage. 343-367. Warminster: Aris & Phillips. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. 293-349. 13-32. Revista Portuguesa de Arqueologia. 9:1.Estelas e estátuas-menires da Pré à Proto-história. 64 Sabugal: História. Marcos. 2001 Novas perspectivas sobre os Lusitanos (e outros mundos). Sabugal+ EM. Guarda. Raquel. 431-440. História e Património. 2004 Notas de Arqueologia. Lisboa. Mário Pires 1978 Estações arqueológicas romanas de Meimoa (Beira Baixa). Um caso de etnoarqueologia na Serra Gorda (Águas Belas. p. PORFÍRIO. Portugal): Uma primeira abordagem. epigrafia e toponímia – I. Cadernos de Geografia. p. João. Estelas e Estátuas-Menir: da Pré à Proto-História. 21. Correio da Beira. In Lusitanos e Romanos no nordeste da Lusitânia: Actas das II Jornadas do Património da Beira Interior. Instituto de Arqueologia do DHAA da FLUC. Journal of Iberian Archaeology. In PEREA. 2. Barcelona. 2006 Notas de Arqueologia. 3. Viseu: Governo Civil do Distrito de Viseu. Lisboa: Colibri. 2:1. Todos os caminhos vão dar ao ocidente: trocas e contactos no Bronze Final. Porto. Late Bronze Age: Mediterranean impacts in the Western end of the Iberian Peninsula (actions and reactions). 15. SANTOS. pp. Metalurgia do bronze Final no Entre Douro e Tejo português: contextos de produção. Flávio 1996 Sobre a localização dos Lancienses e Tapori. In VILAÇA. uso e deposição. Nova série. FERREIRA. 41-48. VILAÇA. Sabucale. Sabugal+ EM. Raquel (coord. p. Entre Douro e Tejo. 17. 8-9 décembre 1988). Pré-História e Proto-História. Revista Portuguesa de Arqueologia. 1998 On the civitates mentioned in the inscription on the bridge at Alcântara. p. Sabugal / Coimbra: Câmara Municipal do Sabugal. OSÓRIO. p. In Beira Interior. 1990 Identificação das cidades da Lusitânia portuguesa e dos seus territórios. 1988b Os Montes Hermínios e os Lusitanos. André. p. p. Lisboa. BENTO. Lisboa. Manuel Justino (ed. In Actas do 1º Colóquio Arqueológico de Viseu. Raquel. p. 0. p. p. IV Jornadas Raianas. Maria do Céu 2004 Nem sempre o que parece. Centro de Estudos Arqueológicos das Universidades de Coimbra e Porto.Actas del Congreso: Ámbitos tecnológicos. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. Nuno 1998 Lugares e caminhos no mundo pré-romano da Beira Interior. 107-110. Estudos Arqueológicos de Oeiras. ALARCÃO. 7:1. por terras do interior: o I milénio a. Lisboa: Centro de Estudos Geográficos. Sabugal.) . Raquel. OSÓRIO. p.21-34. Paris: Centre National de la Recherche Scientifique. Através das Beiras.2000 2005 2005a 2007 2008 2008a 2010 2011 2013 Notas soltas sobre o património arqueológico do Bronze Final da Beira Interior. 39-44. Sabugal). Madrid: CSIC / Instituto de Historia / Departamento de Prehistoria.

com os Povos Colarnos. Madrid: Boccard (Publications de la Casa de Velasquez . DIAS. 11:4. Contribuição para o estudo da via de Mérida a Braga. 21-24. Coimbra. Lisboa: Imprensa Nacional . Coimbra. Coimbra. 73-83. 2001a Estações arqueológicas do Vale da Lapa e Malhada Formosa. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. (Conimbriga. 17. 679-689. Roma: École Française de Rome (Publications de l’ École Française de Rome. Viseu. 18-20 Outubro 1990). novembro. Gaya. Bibliotecas. Las inscripciones lusitanas. p. Lisboa: Imprensa Nacional . p. 874-900. 28. José Manuel 1991 Religiões antigas de Portugal. anexos 4). p.Assuntos 65 . Arqueologia). CURADO. Praça Velha. p. FIGUEIREDO. Sabugal. p. 27-63. José María 2010 Lengua y onomástica. 2. Lisboa. Coimbra: [s. Jorge de Alarcão. CRISTÓVÃO. 2005 A zona de Vilar Maior. Lídia 2010 Capitéis romanos do concelho do Sabugal – sobre a utilização da ordem toscana em território nacional. Aditamentos e observações às “Religiões da Lusitânia” de J. sociedade e cultura . Vilar Maior (Sabugal) e Citânea Oppidanea da Malhada Sorda (Almeida). Trabalho académico de Seminário do Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. Oppidani Colarni. p. FRADE.n]. 153-208. 6. 71-80. p. FARIA. FERNANDES. DOMERGUE. 53-69. GARCIA. Sabugal: História. p. Guarda. Renascer. 213-234. Cristóvão José Moreira de 1952-53 Subsídios para o estudo da viação romana das Beiras. p. p. Conimbriga. Isabel Cristina 1982 Vestígios proto-históricos e romanos do Verdugal. Pedro Cardoso 2007 Cova da Beira. 1:2. Vilar Maior (Sabugal) e citânea oppidanea da Malhada Sorda (Almeida). 1989 Sobre a presença romana no actual território português. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor. Alfaiates. Sabugal. Beira Alta. Claude 1987 Catalogue des mines et des fonderies antiques de la Péninsule Ibérique. Penamacor: ARCINPE. Helena 1993 As termas medicinais da época romana em Portugal. vol. 299-330. setembro. 1988-94 A propósito de Conimbriga e Coniumbriga. Conimbriga. p. António Marques de 1985 Subsídios para um inventário dos achados monetários no distrito da Guarda. Munda. Vilar Maior. 26. 57-64. (1º Congresso Internacional sobre o Rio Douro. p. Leite de Vasconcelos.Casa da Moeda. ENCARNAÇÃO. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. Ocupação e exploração do território na época romana: um território rural no interior norte da Lusitânia. 30. Apostilas ao recente livro do Prof. Iberografias. Fernando Patrício 1982 A viação romana no concelho de Penamacor. p. 209-222. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueológia e História do Concelho de Penamacor. 12:1 (1953). FERNANDES. Penamacor: ARCINPE. 25-50. 4. José Luís 1960 O povoamento romano da bacia do curso médio da Ribeira da Meimoa. 12:2-3 (1953). GORROCHATEGUI. Sabucale. Guarda. Vila Nova de Gaia. p. José d’ 1975 Divindades indígenas sob o domínio romano em Portugal: subsídios para o seu estudo.Casa da Moeda. 127). 83-98. Joaquín. In Actas do II Congresso Peninsular de História Antiga (Coimbra. Coimbra: Instituto de Estudos Clássicos e Instituto de Arqueologia da Faculdade de Letras de Coimbra.CARVALHO. na Romanização da Lusitânia. p. 5-37. 2008 Por terras do Sabugal na Época romana. p. 42. 1987 Divindades indígenas da Lusitânia. Mário Simões 2000b Estações arqueológicas do Vale da Lapa e Malhada Formosa. 1990 Les mines de la péninsule Ibérique dans l’ Antiquité romaine. 6. Fundão: Câmara Municipal / Coimbra: IAFLUC. 2. VALLEJO. Arquivos e Museus. Texto policopiado.série Archeologie 8).

Freixo de Numão: Associação Cultural. 185-198. Guarda. SILVA. Michael 2010 Postoloboso. 16. 87-98. OSÓRIO. Guarda: Câmara Municipal da Guarda. 71-98. 6. OSÓRIO. RIBEIRO. PINA. Ogam. 66 Sabugal: História. Porto: Tip. Ciências e Técnicas do Património. agosto. REI. In SAMPAIO. Amílcar 2007 Sobre o território e a sede dos Lancienses (Oppidani e Transcvdani) e outras questões conexas. Revista da Faculdade de Letras. Salete da 2014 Um núcleo diverso de fíbulas do concelho do Sabugal (Região do Alto Côa). MARTÍN BENITO. José Manuel Lourenço 2000 Mineração antiga na Serra da Malcata (Beira Interior). Vila Nova de Foz Côa: Parque Arqueológico do Vale do Côa. Iberografias. 63-70. Vasco Gil 1990 A rede viária do convento Escalabitano. 2010 A Ponte Romana sobre a Ribeira de Cesarão em Vilar Maior.GUERRA. Alto Douro e Beira Interior. NEVES. Maria do Céu [et al. Lisboa: Associação Juventude e Património. Rennes. José António Rebocho Esperança 1995 A ponte romana sobre a ribeira de Cesarão em Vilar Maior. Monte do Facho. PONTE. p. Palaeohispanica. 13. p. Minerva. LEMOS. MARQUES.Actas do Fórum Valorização e Promoção do Património Regional. José Ignacio. Cabeço das Fráguas. p. PINTO. Manuel Sabino 2003 A Romanização na Bacia do Rio Côa. Porto. p. GUYONVARC’H. Guarda. 6. Juan Carlos 1994 Prehistória y romanización de la tierra de Ciudad Rodrigo. Zaragoza: Institución Fernando el Católico. Francisco Sande.) . Paulo 2008 O Casal Romano do Relengo (Barragem do Sabugal). PERESTRELO. Ricardo 1965 Investigaciones arqueológicas en Ciudad Rodrigo. p. In Simpósio sobre la red viaria en la Hispania romana. 6. 55-62. Blanca María 2010 Cabeço das Fráguas y el sacrificio indoeuropeo. 219-239. Sabugal. sociedade e cultura . p. MANTAS. Thierry (coord. Jorge Davide. 161-206. Tres ejemplos de la romanización en la parte indoeuropea de la Hispania antigua. Zaragoza. 98-115. Sabucale. Acta Palaeohispanica XI. Paulo Mendes 1998 Pontes Romanas de Portugal. Volume 3: Estudos sobre a História da Ocupação Humana em Trás-os-Montes. História e Património: actas das I Jornadas de Património da Beira Interior (Guarda. PONTE.Assuntos . Iberografias. Guarda. MARTÍN VALLS. 237-256. 255-277. Javier de 2013 La epigrafía lusitana y la intersección de religión y lengua como marcador identitario. José Cardim 2013 ‘Damos-te esta ovelha. HOZ. Carlos Santos. p. PERNADAS. Guarda.] (eds. p.) . KOCH. Dário. ó Trebopala!’ A invocatio lusitana do Cabeço das Fráguas (Portugal). MARTÍN BENITO. XII. Ricardo Costeira da. PEREIRA. PRÓSPER. Marcos. p.Beira Interior. Salete da 1980 Fíbula anular romana e fivela de cinturão romana do Museu Eduardo Malta (Covilhã). Christian-Joseph 1967 L’inscription du Cabeço das Fráguas (Portugal). Ciudad Rodrigo: Centro de Estudios Mirobrigenses. Vilar Maior. AUBRY. Coimbra. 1-3. Marcos 2006a O povoamento romano do Alto Côa. Desportiva e Recreativa de Freixo de Numão. p. Salamanca. 253-263. p. p. In FERREIRA. 1-3 Outubro 1998). 1. Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo. Conimbriga. Coimbra: Imprensa Litteraria. Zephyrvs. Gabriel 1880 Fragmentos relativos á historia e geographia da peninsula iberica. 28. Renascer. p. Elementos para o estudo do povoamento romano e tardo-romano no Vale do Côa. XLVI. 19:3-4. Praça Velha. 7-22.

O grupo Baiões / Santa Luzia. registos de arqueologia. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. SANTOS. António Sabugal: História. SCHATTNER. 97-100. José Leite de 1905 Aquisições do Museu Etnológico Português. 131-145. Iberografias. vol. Quotidiano e mito. Subsídios para o estudo da metalurgia na região da Guarda. Mundo da Arte. p. 10:1. 175-202. Thomas. Epigrafia AMBRÓSIO. p. 611-628. Iberografias. 2009 Lusitanos – No tempo de Viriato. Guarda. João Luís da Inês 1976 Breves notas para o estudo da viação antiga das Beiras. TEIXEIRA. sociedade e cultura . Penamacor: ARCINPE.ª série. Guarda. Palaeohispanica. O Archeólogo Português. vol. p. Maria João Correia 2007 El sacrificio en el occidente de la Hispania Romana: para un nuevo análisis de los ritos de tradición indoeuropea. Iberografias. p. 7. Manuel 2010 Sobre algunas especies animales en el concepto de las religiones prerromanas de Hispania. 2-7. In SARTORI.Assuntos 67 . Viseu. 1. 13-26. Maria João. 44-48. vol. p. 109-129. 81-88. Praça Velha. p. SANTOS.ª série. p.RODRIGUES. Maia: Estrela-Côa. Thomas G. 3 (1913). p. Mário 1964-67 As grandes vias da Lusitânia: o itinerário de Antonino Pio. 175-217. Viseu. 1. SENNA-MARTÍNEZ. p. 2008 The triple animal sacrifice and the religious practice of the indigenous western Hispania. Zaragoza. 253-274. Zaragoza. VAZ. O Archeólogo Português. Joaquim Candeias 1982 Subsídios para o estudo da viação romana no concelho de Penamacor. Aveiro. Guarda) 2006: O Contributo da Primeira Campanha de Escavações. p. 6. Guarda. SALINAS DE FRÍAS. Lisboa. p. 6. PEREIRA. Lisboa. 2 (1905).) . as quintas e o povoamento romano sujacente. 321-328. 6. VASCONCELOS. Guarda. Vítor 2008 Cabeço das Fráguas (Quinta de São Domingos. Lisboa: [Tipografia da Sociedade de Astória]. 24. 89-108. p. Beira Alta.ª série. Thomas G. SCHATTNER.Dedicanti e Cultores nelle Religioni Celtiche. In Actas e Memórias do 1º Colóquio de Arqueologia e História do Concelho de Penamacor. SANTOS. 2010 O Cabeço das Fráguas e a concepção de espaço sagrado na Hispania indo-europeia. Iberografias. Milano: Cisalpino. 2. 10. 1910 Analecta Archeologica. p. 2010 O Santuário do Cabeço das Fráguas através da arqueologia. SCHATTNER. 1982 Subsídios para o estudo da romanização da região do Fundão. 1980a Ronda do Distrito. Revista Altitude. SAA. sociedade. 2010 Breve observação sobre a representação processional no ocidente hispânico. Jürgen 2010 Las divindades del Cabeço das Fráguas y la gramática de la lengua lusitana. 35:3. 85-99. metalurgia e relações inter-regionais. 347-363. Lisboa: Ésquilo edições e multimédia lda. vol. In Terras do Côa. Guarda. Ricardo 1998 O Côa. Lisboa: Imprensa Nacional de Lisboa. 15. 6 (1967). 1905-13 Religiões da Lusitânia: na parte que principalmente se refere a Portugal. UNTERMANN. João Carlos de 2010 “Um mundo entre mundos”. 1959 O castro do Cabeço das Fráguas e a romanização das suas imediações. Antonio (ed. p. p. 1. Guarda. SILVA. Adriano Vasco 1957 As ferrarias do Marmeleiro. Palaeohispanica. 5 (1964). p. 39-50. p. 6. 6. Os valores do Côa. F1. 18:1-2. Iberografias. da Malcata ao Reboredo. 111-128. Maria João. Beira Alta. Guarda. Guarda: Virgílio Afonso. 2.

Associação Científica e Cultural. da região da Guarda. p. 141-148. p. 9-10. 8 (30). Franciso. Coimbra. Arqueologia. 641-655. Ficheiro Epigráfico. Ficheiro Epigráfico. 14. 1996 As inscrições indígenas de Lamas de Moledo e Cabeço das Fráguas. p. Guarda: Câmara Municipal. 8 (31).ª série). Coimbra. 29-38. de Sabugal. (org. Daniela F. 1988a Estelas funerárias de Vila Boa (Sabugal). 1984b Uma nova estela do Bronze Final na Beira Alta. 1988-94 A propósito de Conimbriga e Coniumbriga. 213-234. p. 2013 Notas sobre dois marcos miliários prismáticos. Coimbra. CARNEIRO. Fernando Patrício 1979 Epigrafia das Beiras. 121-148. Viseu: Governo Civil do Distrito de Viseu. Maria José Ferreira et al. Ana Isabel Palma (coord. 31. Pousafoles (Sabugal): duas teogonias.Narrativas do Poder Feminino. 1987a Aras a Qvangeivs da Ribeira da Nave (Sabugal). Ficheiro Epigráfico.) . Ficheiro Epigráfico. Coimbra. diferente etnogénese? In Actas do I Colóquio Arqueológico de Viseu. O primeiro milénio a. Sabugal. Jorge de. p. Ficheiro Epigráfico. Coimbra. Coimbra. C. C. ENCARNAÇÃO. 1988 Ara fragmentada de Fóios (Sabugal). História e Património: actas das I Jornadas de Património da Beira Interior (Guarda. 363-385. In JORDÁ CERDÁ. Ficheiro Epigráfico. In LOPES. 1989 As inscrições indígenas de Lamas de Moledo (Castro Daire) e do Cabeço das Fráguas. 34 (4. 1-3 Outubro 1998). 349-370. p. Humanitas. Luis (eds. FERREIRA. 71-77. 42-45. 18. Beira Alta. Ficheiro Epigráfico. Sabugal. Coimbra. 103-109. Ficheiro Epigráfico. Filosofia y Letras. 7 (28). 154-159. André 2012 Mulheres na Lusitânia romana: vestígios de uma presença discreta. Guarda. 5. p. Sabugal. 1995 A inscrição indígena do Cabeço das Fráguas. 1984e Estela funerária de Ruivós. 1984f Addenda et Corrigenda n. Oppidana. 172-174. HOZ. sociedade e cultura . Ficheiro Epigráfico. Salamanca: Universidad (Acta Salmanticensia. 1987 Inscrição rupestre de Aldeia da Ponte (Sabugal). 2002 A “ideologia tripartida dos indoeuropeus” e as religiões de tradição paleohispânica no Ocidente peninsular. 1986 Mais uma estela do Bronze Final na Beira Alta (Fóios. Beira Alta. Coimbra. 95). 1984c Cipo proveniente de S.) . Arqueologia. Estevão (Sabugal). Coimbra. 2008 Epigrafia das Beiras (Notas e Correcções .) . de Augusto (23 a. Fundão. 68 Sabugal: História. In RIBEIRO. Viseu. 22 (99). 27 (123). Vila Nova de Gaia. 19:4. Sabugal. 9. FERREIRA. 5.Religiões da Lusitânia – Loquuntur Saxa. p. Conimbriga. 1984a Aras a Laepus procedentes de Pousafoles. 7 (29). Coimbra. p. p. Porto.). Estevão. Sabucale. 1984d Lápide funerária de Pousafoles. Coimbra. 22 (102). 1985 Epigrafia das Beiras (Notas e correcções . In ALARCÃO. Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto [dissertação de mestrado em Arqueologia]. MICHELENA. 13 (58). Guarda.De Ulisses a Viriato. 1987c Marco miliário de Alagoas (Sabugal). 27 (122). Coimbra. 151-158. Revista Altitude.1983 A família romana de Toncio no lugar da Torre (Sabugal). O contributo da epigrafia votiva para o entendimento das manifestações religiosas no contexto da ocupação romana da Beira Interior. Javier de.1). AZEVEDO. José Cardim (coord. Braga: ALETHEIA . Coimbra. Ebvrobriga. p.ª série. In Beira Interior. Arqueologia). Ficheiro Epigráfico. Gaya. 22 (101). Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia.) . BRANDÃO. Joan 1976 Acerca de algunas inscripciones del Noroeste. 1987b Lápide funerária de S. p. 387-402.Actas del I Coloquio sobre Lenguas y Culturas Prerromanas de la Peninsula Iberica (Salamanca. Ana Paula Ramos 2004 Epigrafia funerária romana da Beira Interior: inovação ou continuidade? Lisboa: Instituto Portguês de Arqueologia. Sabugal. 27-31 de mayo de 1974). Ficheiro Epigráfico. 7 (27). Coimbra. 1988b Fragmento de epígrafe de Malhada Sorda (Almeida). SANTOS. 547-564. 44:4. 2:7-8. 59-74. Ficheiro Epigráfico.2). Domingos de Pinho 1957-58 Ara dedicada a Júpiter encontrada em Meimão (Penamacor). 1985a Fragmento de cipo funerário de Panamacor. Viseu.Assuntos . p. Guarda). p. p. Ficheiro Epigráfico. Sabugal. 81-85. Rogério de 1960 Inscrições gregas no Outeiro da Senhora da Pena (Viseu) e no Cabeço das Fráguas (Guarda). 1984 Monumento votivo a Arentia. Lisboa: Museu Nacional de Arqueologia. p. 10. 2. 6. de Freitas 2012 Memória coletiva e formas representativas do (espaço) religioso. 27 (125).. Ficheiro Epigráfico. (1º Congresso Internacional sobre o Rio Douro. COROMINAS. 22 (100). CURADO. p. Coimbra. Coimbra. Porto. José d’ 2000 Os indígenas na epigrafia da Beira Interior.

209-227. Jálama y la epigrafia latina del antiguo Corregimiento. TOVAR. Salamanca: Universidad. O Archeólogo Português. 60-61. 2002a Duas aras da Quinta de São Domingos (Pousafoles do Bispo. OSÓRIO. 62 (281). sociedade e cultura . Marcos.Assuntos 69 . Guarda. Antonio.ª série. VAZ. 1-31. 163-166. 2. I). 27-39. Revista Portuguesa de Arqueologia. 475-530. 28:1. Sintra. PEREIRA. Novembro de 1980). Castelo Branco: Museu de Tavares Proença Júnior. 18. Marcos 1999 Ara a Vordo Talaconio de Sortelha. João Luís da Inês 1977-78 Inscrições romanas do Museu do Fundão.) . O Archeólogo Português. João Mendes. 149-167. Revista Altitude. 7-8. Ficheiro Epigráfico. 237-268. RODRÍGUEZ COLMENERO.ª série. proveniente de Castelejo (concelho do Fundão). Coimbra. Scarlat 1965 Les inscriptions latines inédites du Musée Leite de Vasconcelos. Sabugal. Marcelino Luís 1990 A inscrição Lusibérica do Cabeço das Fráguas ou Penedo da Moira (Benespera. In Symbolae Ludovico Mitxelena septuagenário oblatae. Ficheiro Epigráfico. José Cardim 1982-83 Estudos histórico-epigráficos em torno da figura de L. 16 (1977). p. RIBEIRO. 19. 1985 La inscripción del cabeço das Fráguas y la lengua de los Lusitanos. Revista Altitude. 1999a Estela funerária de Vila do Touro (Sabugal).Actas del III Coloquio sobre lenguas y culturas paleohispánicas (Lisboa. Paris. Coimbra. JORDÃO. p. 2002 A Inscrição do Cabeço das Fráguas e a sua Importância para o Conhecimento da Língua dos Lusitanos. 11. GASPERINI. 87 (398). Pedro. SALVADO. VASCONCELOS. Coimbra.) . 1985 Inscrição romana de Argomil (Pinhel). p. In HOZ. LAMBRINO. 1983 Comentário do Director da «Revista Altitude» ao artigo do sr. 7. p.4 julio 1992). p. 142-223. 11-12. 17 (1979).GARCIA. p. 69 (310). Coimbra. 1984 Epigrafia Lusitano-romana do Museu Tavares Proença Júnior. p. OSÓRIO. Coimbra. 3. Coimbra. Ficheiro Epigráfico. 1. 1959-60 Inscrição tipo ‘porcom’ e aras anepígrafes do Cabeço das Fráguas (Guarda). 2). Antonio 1995 Corpus de inscripciones rupestres de época romana del cuadrante noroeste de la Peninsula Ibérica. Conimbriga. 3. Viseu. Olisipone: Typis Academicis. Lisboa. p. p. José Luiz 1985 Salama. In RODRÍGUEZ COLMENERO. Humanitas. [A Coruña]: Ediciós do Castro (Anejos de Larouco. 29 Junio . NEVES. Etudes Celtiques. p.ª série. Dário 2009 Uma nova ara votiva do Sabugal. MELENA JIMÉNEZ. A-Guarda). Padre António Ambrósio. Sintria. José Leite de 1928-29 Epigrafia do Museu Etnológico (Belém). 34-38. 15-37. p. p. RODRIGUES. Ivlivs Maelo Cavdicvs. Conimbriga. José Manuel 1979 Epigrafia e romanização de Castelo Branco. Arte e Etnografia. 151-476. Beira Alta. 9-10. vol. Guarda. Ficheiro Epigráfico. 7:2. I. Munda. 2. Coimbra. Berlim: Berlin-Branden- Sabugal: História. Lisboa. p. António 1964-67 L’ inscription du cabeço das Fráguas et la langue des Lusitaniens. 44:4. Lidio (ed. 69 (309). Revista de Estudos de Arqueologia. p. (ed. Obras não assinadas ou de vários autores 1893-1986 Corpus Inscriptionum Latinarum. 5-73. Javier de. p. 227-253.Saxa Scripta: actas del Simpósio Internacional Ibero-Itálico sobre epigrafia rupestre (Santiago de Compostela y Norte de Portugal. p.ª série. Ficheiro Epigráfico. 71-77. ROSA. Coimbra. Adriano Vasco 1957-58 Inscrição votiva à deusa Vitória. Amílcar 2004 Um monumento votivo a Arância e Arâncio. Coimbra. Coimbra. 61 (276). p. I-II. Humanitas. GUERRA. Vitoria/Gasteiz: Universidad del País Vasco (Anejos de Veleia. 2002 Ara votiva encontrada no Sabugal. 635-639. Levy Maria 1859 Portugalliae Inscriptiones Romanae. 17 volumes + 13 volumes suplementares. Lisboa. 237-242.

Lisboa: Universidade Católica Editora. 95-103. 325-342. Sabucale. 7. José Alves 1999 Cabeceiras de sepultura de Vilar Maior – Sabugal. II série. Luís F. CQ 1913 Sabugal. COTTART. Lisboa. Coimbra. 2002 Duas sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior . Forcalhos. 12-17 Setembro 1997. 2000a Sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior. A. novembro. (Base de dados online em: http://cil.php). p. Poster apresentado no 6º Encontro de Arqueologia do Algarve 23. A. Pedro A. Vilar Maior (Sabugal) e Citânea Oppidanea da Malhada Sorda (Almeida). p. p. 17-18. CINTRA.Sabugal. 23.burgische Akademie der Wissenschaften (actual editor). p. 2:8. 21-24. Viseu. AZEVEDO. p. 90-96. Afonso Henriques. 120. Beira Alta. DIAS. p. p. 24 e 25 de outubro de 2008. Coimbra. Silves. 30. p. 245-257. nobleza y ciudades) Siglos XIII-XV. O mosteiro de Santa Maria de Aguiar. BOTELHO. Anais da Academia Portuguesa da História. Munda. setembro. 231-298. Vilar Maior (Sabugal) e citânea oppidanea da Malhada Sorda (Almeida). 155-183. fevereiro. Lindley 1958 Toponymie léonaise au Portugal: la région de Riba-Coa. Salamanca: Universidad de Salamanca. Angel 1998 El Proceso de Ocupación y de Ordenación del espacio en la Raya Leonesa. 2001a Estações arqueológicas do Vale da Lapa e Malhada Formosa. novembro. Renascer. p. 17/18. Munda.bbaw. 23 de fevereiro. Coimbra. Manuel Lopes 2014 Convento da Sacaparte. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Lídia 2013 Tabuleiros de jogo inscritos na pedra : um roteiro lúdico português. BENTO. Renascer. CASTRILLO LLAMAS. Mª COncepción 1997 La tenencia de fortalezas en la corona de Castilla durante la Baja Edad Media (Relaciones de poder entre monarquía. Lisboa. Sabugal. p. Revista Lusitana. Coimbra. Renascer. Mário Simões 2000b Estações arqueológicas do Vale da Lapa e Malhada Formosa. 51-64. sociedade e cultura . 26. Vilar Maior. Julião do Pereiro. p. 24:3. In – Actes et Mémoires du Veme Congrès International de Toponymie et d’ anthroponymie. Trabalho dactilografado. p. XIII (1-2). novembro. G. 5-6. p. Sabugal. Notícias dos Forcalhos. 2000b Sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior. 4. 42. 32. Dinis 1965 A Ordem Militar de Cavalaria de S. maio. 161. 12. de 1910 Documentos de Santa Maria de Aguiar (Castello Rodrigo). 1-17. 57-71. Porto. agosto. 39. 2015 Sepulturas abertas na rocha de Malhada Formosa . 70 Sabugal: História. Madrid: Universidad Complutense de Madrid [tese de Doutoramento em História Medieval]. Nicole 2008 Objets inscrits du Portugal musulman.Assuntos . 6. de fundação portuguesa e não leonesa. maio. Idade Média AZEVEDO. FERNANDES. Vilar Maior. CHGJ 1992 Sepulturas cavadas na rocha. BARRIOS GARCÍA. Munda. p. p. 43.de/ cil_en/dateien/datenbank_eng. Vilar Maior. Ruy de 1962 Riba Coa sob o domínio de Portugal no reinado de D. Mundo Illustrado. 40.Arrifana do Côa (Vilar Maior – Sabugal). p. 2001 Sepulturas abertas na rocha de Vilar Maior – Sabugal. 117.Sabugal. Munda. 16. Lisboa: Apenas Livros. Tomo I. 2000 Cabeceiras de sepultura de Vilar Maior . CABRAL. 10-13. p. Cinco Quinas.

Mercedes 1922 Historia del reinado de Sancho IV de Castilla. Fragmentos del paisaje patrimonial de un monasterio cisterciense periférico. p. 16. Bibliotecas y Museos” (2 vol). Sabugal. 30. Vilar Maior. Salamanca. morfologia e sociedade (1200-1500).FERNANDES. p. PIZARRO. 21-47. p. 1 e 3. 208-366. Paisagens rurais e urbanas. Marcos 2013 Tabuleiros de jogo e outras gravações no castelo de Vilar Maior. p. 37. Vanessa. 233-254. Archivo Historico Portuguez. 69-82.I Conferências Territórios e Culturas Ibéricas. p. BENTO. RODRIGUES Carla Devesa 2004 Santa María de Aguiar en 1354. PINTO. Zephyrvs. Renascer. Lisboa: Editorial Presença. p. agosto. Paulo Jorge Lages 2010 O ajimez de Vilar Maior. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: Actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. vol. GOMES. X. 71-98. Sociedad y Poder. sociedade e cultura . MARTÍN VALLS. Alto Douro e Riba Côa (séculos XI-XIII). 101-111. 7. MAIA. Revista de Estudios Medievales. FREIRE. MARTÍN VISO. 22. 115-130. LOUREIRO. novembro. p. Madrid. 85-109. p. Sabucale. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. IV. Studia Historica. p. Sabucale. Revista Española de Historia. Renascer. Ricardo 1965 Investigaciones arqueológicas en Ciudad Rodrigo. Virgínia 1982 Feiras medievais portuguesas. PERNADAS. esquecida. Subsídios para o seu estudo. 53-107. p. Lisboa: Sá da Costa. 849-880. Jaén. OSÓRIO. GONÇALVES. Iria 2009 Povoamento medieval de Riba Coa. Júlio Silva 1996b Inquirições (Tombo da Comarca da Beira). 2008 Una periferia creativa: la articulación del territorio en la comarca de Riba Côa (Portugal) (siglos VI-XI). Lídia. GAIBROIS DE BALLESTEROS. p.) . para o Estudo dos Sinais na Pedra (Bosquejo Elementar). p. 2007 Tumbas y sociedades locales en el centro de la Península Ibérica en la Alta Edad Media: el caso de la comarca de Riba Côa (Portugal). Lisboa. Sabugal. 2. MARQUES. p. Coimbra. Territorio. Rita Costa 1987 A Guarda medieval: posição. Luís 1998 Riba Coa en el periodo visigodo. Sabugal: História. p. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. p. 6. fevereiro. novembro. 2002 Igreja de Santa Maria do Castelo. Manuel Serafim 1995 Sortelha. Mateo 1935 Ciudad Rodrigo. p. 14. 4. In JACINTO. Oviedo.) 1916 Tombo da Comarca da Beira (1395). HERNÁNDEZ VEGAS. Vilar Maior. Uma Nascente. setembro-dezembro. Lisboa. Lisboa: Universidade Católica Editora. Munda. vol. Anselmo Braancamp (ed.Assuntos 71 . GARCIA MORENO. MARTINHO. (2 vols) Salamanca: Imprenta Comercial Salmantina. Clarinda de Azevedo 1977 Os falares fronteiriços do concelho do Sabugal e da vizinha região de Xalma e Alamedilla. La Catedral y la Ciudad. José Augusto de Sotto Mayor 2007 O regime senhorial na fronteira do nordeste português. 5. Salamanca. LXVII. Historia Medieval. 38. Rui. 227. metodologias. 186-208. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. Iñaki 2005b En la periferia del sistema: Riba Côa entre la Antigüedad tardía y la Alta Edad Media (siglos VI-XI). Virgílio (coords. RAU. Renascer. 3. 2008a Leoneses y portugueses en el territorio de Sabugal. Fontes. 12-17 Setembro 1997. Arqueología y Territorio Medieval. Carla 2001 Tabuleiro de jogo de Vilar Maior. probelmáticas. 91-108. Hispania. Vilar Maior. Madrid: Tipografía de la “Revista de Archivos. Porto: Campo das Letras / Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. 51-60.

Tio Carlos do 2003 O Soito (Alguns factos históricos). Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa [tese de doutoramento em História Medieval]. Sabucale. Manuela de Alcântara Santos 2012 Tabuleiros de jogos de alguergue no concelho de Sabugal. Origem do nome. Luís Gonzaga de Lancastre e 1983 O estudo da sigilografia medieval portuguesa. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol.Itinerário del-rei D. 4. Dinis e D. 313-322. 1872 Batalla de Aljubarrota. Soito. Dinis 1279-1325. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 53-67. Historia Antigua y Arqueología [trabajo de grado]. 419-441. 23. 83. Sabugal. abril. Sabugal. sociedade e cultura . 4. Obras não assinadas ou de vários autores 1962 Itinerários régios medievais. Joaquim Simões dos 1999 Vilar Maior. p. p. Lisboa: Instituto de Cultura e Língua Portuguesa. I .) . p. SANTOS. VIGUERA-MOLINS. 147-168. VIEIRA. VAZ. C. 83-96. 2. Vilar Maior. 14 e 15 de Fevereiro de 2003. Elementos para o estudo da administração medieval portuguesa. Juan José 1998 Iglesia y poder en Ribacôa y Ciudad Rodrigo. Manuel. Sabugal. Lisboa: Universidade Católica Editora. Fronteira AMARAL. María-Jesús 1998 En torno a Riba Coa y al-Andalus. José Alexandre Ribeiro de 2003 Alfaiates nos alvores da nacionalidade: D. Ruy de 72 Sabugal: História. Isabel Cristina F. Lúcia Maria Cardoso 2003 Arquitectura religiosa tardo-medieval e pintura mural: relações litúrgicas e espaciais. Propriedade e Povoamento (séculos XII-XIV). XV:2. AZEVEDO.Assuntos . Um pequeno contributo para a sua história. La construcción del espacio político mirobrigense (11611211). fevereiro. TÁVORA. Monografía histórica y estudio crítico-militar. SÁNCHEZ-ORO ROSA. 10. 12-17 Setembro 1997. p. SANTOS. GARCIA. p. 33. p. 4 e 5 de Abril de 2003. SOITO. G1. RUBIO DÍEZ. In BARROCA. Actas dos Seminários realizados em Palmela. (coord. XV:1. Cinco Quinas. Porto. 57.Muçulmanos e Cristãos entre o Tejo e o Douro (Sécs. 2-3. Marina Afonso 2005 Subsídios toponímicos para o conhecimento da influência muçulmana a sul do Douro. Palmela: Câmara Municipal de Palmela / Faculdade de Letras da Universidade do Porto. Porto. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Lisboa: Instituto de Alta Cultura / Centro de Estudos Históricos. Ruben 2011 Los sepulcros rupestres del suroeste salmantino: mundo funerario y poblamiento entre la tardoantigüedad y la alta edad media. Salamanca: Universidad de Salamanca / Facultad de Geografía e Historia / Departamento de Prehistoria. p. VIII a XIII). Luís Carlos. 22. p. SOUSA. VICENTE. Cinco Quinas. O Soito. fevereiro.ROSAS. João Carlos 1998 O tratado de Alcañices (1297): uma construção historiográfica. p. Revista da Faculdade de Letras: Ciências e Técnicas do Património. maio. Santos 2008 Bismula. Maria da Graça Antunes Silvestre 2013 Entre Zêzere e Tejo. Ministério da Educação. Renascer. Rivadeneyra. Porto. Mário Jorge e FERNANDES. Madrid: Imprenta y Estereotipia de M. p. Porto. XIMENEZ DE SANDOVAL. 967-986.

Porto. Biblos. Porto. XV:1. 177-223. p. 1998 La sociedad de frontera de Ribacôa: fueros y modelos de poblamiento. p. XV:1. 655-691. In BARROCA. 101-119. Studia Historica. 259-274. Relaciones hispano-portuguesas del Duero al Tajo. Historia Medieval. Porto: Centro de Investigação e Documentação de História Medieval da Uni- Sabugal: História. 112:112. MARTÍN VISO. Miguel Angel 1998 Reconquista y definiciones de frontera. Manuel 1998 La politica internacional de Portugal y Castilla en el contexto peninsular del tratado de Alcañices: 12671297. In SABATÉ I CURULL. Cruïlla de civilitzacions. Porto. 173-184. MANSO. 199-212. 1-24. 641-653. Porto. Formación y desarrollo de una frontera feudal entre el Duero y el Tajo (siglos XI-XII). p. Salamanca. 783-799. 1:1. Manuel 1998 Las relaciones entre Portugal y Castilla durante el siglo XIII. 2007a Capere vel populare.) . Zamora: Fundación Rei Afonso Henriques. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. MARTÍN MARTÍN.) . 2005a La formación y consolidación de la frontera en la comarca de Ciudad Rodrigo: la configuración de un espacio feudal (siglos XII-XIII). XV:1. José Luis 1998 Conflictos luso-castellanos por la raya. 11. 9-56. Revista da Faculdade de Letras – História. VIII a XIII). Lisboa. José Ignacio 1996 A Comarca de Ribacôa no Tratado de Alcañices. Paula Pinto 2005 As Ordens Militares no espaço entre Douro e Tejo (séculos XII-XIII). Douro . Revista da Faculdade de Letras do Porto – História.Estudos & Documentos.Balaguer. sociedade e cultura . GONZÁLEZ JIMÉNEZ. 2.) 2003 Demarcações de fronteiras. X. XV:1.ª série. Guarda. Coimbra. 33-70. p. p. p. Isabel Cristina F.1934 Fronteira entre Portugal e Leão em Riba-Côa. dezembro. Relaciones diplomáticas y dinásticas. p. FERNANDES. BARBOSA. 1105. p. Flocel (ed. 30. Revista de História da Sociedade e da Cultura. 89-114. Porto. p. In Congreso Internacional la Raya Hispano-Lusa. Anales de la Universidad de Alicante. MORENO. Diputación de Salamanca-Ayuntamiento de Ciudad Rodrigo-Centro de Estudios Mirobrigenses. p. 901-943. Afonso V e os reis católicos.Muçulmanos e Cristãos entre o Tejo e o Douro (Sécs. Salamanca: Punto de encuentro. p. (coord. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 4 e 5 de Abril de 2003. 1998 As relações de fronteira no século de Alcañices (1250-1350): o Tratado de Alcañices. antes do Tratado de Alcanices (1297). Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Pedro Gomes 1998 Organização defensiva na fronteira beirã oriental: “Extremadura” e Riba Côa até ao século XIII. Porto. Coimbra. XV:1. p. Ponencias y comunicaciones de las Jornadas conmemorativas del VII centenario del Tratado de Alcañices (1297-1997). p. Francisco 2011 Riba-Côa: Raia ou Fronteira? Praça Velha. p. Mário Jorge e FERNANDES. 454-466. Porto. Boletim da Sociedade de Geografia de Lisboa. XV:1. 101-126. Porto. Henrique Baquero 1993a Os confrontos fronteiriços entre D. Porto. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Carlos 1994 O Tratada de Alcanizes e seus antecedentes. p. p. LADERO QUESADA. Lleida: Pagés editors. p. In El Tratado de Alcañices. 14 e 15 de Fevereiro de 2003. COSTA. 4. GARCÍA FERNANDEZ. Porto. 15-25. 2005 Una frontera casi invisible: los territorios al norte del Sistema Central en la Alta Edad Media (siglos VIII-XI). Actas dos Seminários realizados em Palmela.Assuntos 73 . DE LA TORRE RODRÍGUEZ. 151-157. Humberto Baquero (ed. 29-41. p. Alicante. Iñaki 2004 La frontera como integración del território en la Edad Média: la raya leonesa (siglos XII-XIII). Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 103-116. 1999a A zona de Ribacoa à luz do Tratado de Alcañices. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Palmela: Câmara Municipal de Palmela / Faculdade de Letras da Universidade do Porto. 1997 Relações entre os reinos peninsulares (1290-1330). Historia Medieval. XV:1. p. 23. 2ª série. 10:912. MORENO.

p. 1998 Os municípios medievais em Riba-Côa dos inícios do século XIII a 1297. 145-159. 287-300. O caso da fronteira Riba-Côa nos séculos XII-XIII. Braga. 35:3. Beira Alta. Porto. p. vol. NOGUEIRA. Leontina 1998 A fronteira luso-castelhana na idade Média.História. Lisboa: [Tipografia da Sociedade de Astória]. p. Leis e vida municipal ALBERGARIA. Reinados de D. António M. VAZ. [vol. Lisboa: Universidade Católica. Revista de Ciências do Homem. Vilar Maior. BARROCA. vol. Diniz. Porto. Adriano Vasco 1981 O Tratado de Alcanizes e as terras de Riba Côa. 2: De Vila Velha de Ródão a Castelo Rodrigo]. 5 (1964). MORENO. abril. Lourenço Marques. 4-23. Mário 1964-67 As grandes vias da Lusitânia: o itinerário de Antonino Pio. 7-24. vol. 34:4. sociedade e cultura . XV:1. Revista Altitude. VICENTE. Viseu. XV:1. p.º Congresso Histórico de Guimarães. Série A. Uma abordagem preliminar. G2. Henrique. João Luís da Inês 1975a O Tratada de Alcanizes. José Alexandre Ribeiro de 2004a Disputas da região de Riba-Côa entre Portugal e Castela / Leão. Porto. Vol. Balcão 1996 A fronteira de Riba Côa no tempo de D. 28. p. Terras da Beira. 12-17 Setembro. Revista da Faculdade de Letras do Porto . histórica e social à espera de conveniente valorização.ª série.versidade Portucalense – Infante D. SAA. SOUSA. José Artur Duarte 1982 Riba Côa e a sua ligação histórica ao reino de Portugal. os circuitos viários e os caminhos da raia medieval. VI. G3. 52. MONTEIRO. XXX. Augusto Moutinho 2003a As pontes e as barcas. Henrique Baquero 1972 Alguns documentos para o estudo das estradas medievais portuguesas. Henrique (coord. 6 (1967). 2. De margem para margem.Assuntos . VAZ. VENTURA. V. Sep. RODRIGUES. 19 de junho. p. 175-178. 1998 A “Estremadura” Leonesa. 223-231. RILEY. Actas. 349-363. 1-2. vol. Coimbra: IERU. suspensa sobre o Rio Côa. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa [Dissertação de Mestrado em História]. p. p. A política portuguesa e as suas relações exteriores. p. Afonso Henriques. p. Carlos Guilherme 1991 A guerra e o espaço na fronteira medieval beirã. 3 vols. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Colecção Scientia Ivridica. Vias de comunicação BORGES. Renascer. Uma identidade geográfica. 3. sobre a ponte de Badamalos. 25-52. 1997. 2. Guarda. Revista da Faculdade de Letras do Porto . Guimarães: Câmara Municipal/ Universidade do Minho. In 2. Guarda.) 2007 Vilas Medievais Planeadas de Portugal. João Luís da Inês 1976 Breves notas para o estudo da viação antiga das Beiras. 197-209. Mário Jorge 74 Sabugal: História. Revista de Ciências Históricas. Viseu.História. 393-427. p. Afonso III e de D. Beira Alta. Helena 2012 A Estrada da Beira: reconstituição de um traçado medieval.

Sabugal. 111-119. 118. Luís Miguel 2005 As petições dos concelhos do distrito da Guarda em Cortes e a política transfronteiriça. p. outubro.Estudos & Documentos. p. 44. Lisboa: Campo das Letras. abril. Lindley 1984 A linguagem dos foros de Castelo Rodrigo: seu confronto com a dos foros de Alfaiates. Sabugal: edição do autor. 3). p. 42. 124. p. 122. Porto. agosto. Cinco Quinas. Luís F. V. p. da Malcata ao Reboredo. Lisboa: Universidade Católica Editora. 16. p. 38. DÓRDIO. p. p. 131-142. DIAS. Anales de la Universidad de Murcia. 42. 3. 125. O discurso dos Concelhos da Guarda em Cortes (Iberografias: 9). Manuel 2010-11 Ribacôa .I Conferências Territórios e Culturas Ibéricas. CUNHA. BATISTA. Porto. 1999 A mulher na fronteira: a condição feminina nas cartas de foral de Ribacôa e do Douro Internacional. Beja: edição do autor. In Terras do Côa. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian / Ministério da Ciência e da Tecnologia [tese de doutoramento FLUP]. janeiro. 76. Vila Viçosa / Coimbra: edição dos autores. p. Epigrafia medieval portuguesa (862-1422). 38. Maria Helena da Cruz 1998 Riba Côa em Cortes (séc. Douro . p. In JACINTO. 11-26. Oviedo. março/abril de 2009. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. 38.Suas Leis e Costumes Medievais. COELHO. José David Lucas 2002 Estudos Sobre Concelhos Medievais de Entre-Côa-e-Zêzere. 123. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. BOTELHO.Assuntos 75 . p. BARTOLOMÉ PÉREZ. 2006 Um cruzamento de fronteiras. Mário Simões 2009 Foral leonês de Alfaiates (1188-1230). Porto. Nicolás 2010 El Derechu del Reinu de Lleón nel sieglu XIII: fontes. CINTRA. p. 2ª série. Mário Simões 1996 Os forais de Vilar Maior. p. Vilar Maior. 5 volumes. Guarda: Estrela-Côa. Os valores do Côa. p.ª ed. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. Julio 1945-46 Fueros que sirvieron de base a los de Cáceres-Usagre: aportación a un mapa foral. José Ignacio 1998 La sociedad de frontera de Ribacôa: fueros y modelos de poblamiento. 7. Luiz Fernando de Carvalho 1961-62 Forais manuelinos do Reino de Portugal e do Algarve conforme o exemplar do Arquivo Nacional da Torre do Tombo de Lisboa. DIAS. 783-799. BOTELHO. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda (1ª ed. 69-94. Maria Cristina 1988 Forais que tiveram por modelo o de Évora de 1166. Revista Altitude. julho. DE LA TORRE RODRÍGUEZ. p. Praça Velha. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Paulo 1998 Centros de povoamento: um percurso pelas Vilas medievais. 12-63. 42. Castelo Bom. 449-454. dezembro. fevereiro. XV:1. p. Maria Helena da Cruz. 102. Cáceres e Usagre: contribuição para o estudo do leonês e do galego-português do século XIII. junho. 119. Castelo Melhor. Sabugal: História. IX.) . 38. BARTHE PORCEL. março. 38. Porto. 3 vol. COELHO. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Guarda.ª série. Rui y BENTO. 13-18 (repetido em Renascer. Porto: Campo das Letras / Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. lliteratura xurídica y llingia. 2ª série. 12-17 Setembro 1997. Manuel Lopes. Coria. 42. GOMES. p. 1959). 121. Carlos Alberto Morgado 1996 Forais do Sabugal. RÊPAS. p. Virgílio (coords. Guarda. p. sociedade e cultura . XV). p. p. 117. 2. 53-85. DIAS. Lletres Asturianes: Boletín Oficial de l’ Academia de la Llingua Asturiana. maio. 117-136. 120. p. 233-246.1992 2000b Medidas-Padrão Medievais Portuguesas. 4:7. 2004 Foros de Alfaiates na Ribacôa promulgados entre 1188 e 1209 pelo rei Afonso IX de Leão. Murcia. 125.

MARTÍNEZ DÍEZ. Revista Portuguesa de História. 1993. Adriano Vasco 1965 Bases do repovoamento sanchino da cidade da Guarda. José Artur Anes Duarte 1983 A organização municipal da extremadura leonesa nos sécs. 127-143. Porto. MARQUES. p. número especial. In Fragmentos de uma composição medieval. MERÊA. Guarda: edição do autor. p.MAGRO. p. Lisboa: Editorial Presença. Guarda. Praça Velha. José 1990 Da comunidade primitiva ao município: o exemplo de Alfaiates. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. Forais e Costumes (Guarda. 343-373. Praça Velha. 1978 As Valenças medievais e a Valença romana.Evolução de um castelo e povoado raiano de Riba-Côa (séc. p. p. 2ª série. 147-150. 1. Fernando Manuel Tavares Martins. Separata do Boletim da Faculdade de Direito de Coimbra (Estudos em Homenagem aos profs. NOGUEIRA. p. XII e XIII. SOUSA. XV:1. 2004a Por Terras de Aquém Cima-Coa. p. o Foral de 1515 . XVIII-XIX(41-42). João Carlos Santos 2015 Alfaiates no tempo de D. CANCELA. Actas). 103. Dinis. Maria Virgínia Antão Pêga 2011 Vilar Maior . A Guarda No Caminho do Estremo. XV:1. Porto: Faculadde de Letras da Universidade do Porto. Vila do Touro. 113-123. 1998 Os municípios na estratégia defensiva dionisina. X. RODRIGUES. transcrição e fac-simile. p. Coimbra. VIII. 47-54] 1999 A irmandade de Ribacoa: novos documentos. 76 Sabugal: História. Problemas de história levantados pela toponímia. XI a XV). 58:2. Manuel Paulo 1947 Sobre os foros da região de Cima-Côa. vol. Porto. Guarda. p. 2002 A Irmandade dos Sete Castelos de Ribacoa nos fins do século XIII. PIRES. Porto. 1993 Dois concelhos medievais da beira interior: Sabugal e Sortelha. In Actas do III Congresso Monumentos Militares Portugueses. PIMENTA. Coimbra. Revista de Portugal. MATTOSO. Arnaldo Rui Azevedo de Sousa 1998 Relações interconcelhias no reinado de D.Língua Portuguesa. MELO. 345-358. Bracara Augusta. Lisboa. Célio Rolinho 2004 Moinhos de Portugal. Manuel 2001 Concelho de Belmonte. [também em Revista de Ciências Históricas. Armindo de 1998 Fronteira e representação parlamentar na Idade Média portuguesa. 523-544. Porto.ª edição (1. 545-575. 193-197. p. In Carlos Alberto Ferreira de Almeida in memoriam. Lisboa: Associação Portuguesa dos Amigos dos Castelos. 23:1. 69-90. Revista da Faculdade de Letras do Porto . p. 2. 57-75. p. PINHO. p. Série A .estudo. Belmonte: Câmara Municipal.Assuntos . 79-91. 121-129. Revista de Guimarães. p. Gonzalo 1971 Los Fueros de la familia Coria Cima-Coa. Luís 2008 O Sabugal em tempos medievais (depois do Tratado de Alcañices). Porto: FLUP. vol.ª edição 1987). p. 11. Boletim da Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Alguns aspectos. Braga. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. Lisboa: Editorial Estampa. Dinis. Sortelha). José 1993 Os municípios portugueses dos primórdios da nacionalidade ao fim do reinado de D.História. Memória e História. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. 5-10. p. In As relações de fronteira no século de Alcañices (IV Jornadas Luso-Espanholas de História Medieval. Sabugal e Sortelha: Dois concelhos em contenda. Lda. 13. vol. Rui Jorge Lopes 2002 Um Olhar Paleográfico Sobre a Idade Média. Manuel Paulo Merêa e Guilherme Braga da Cruz). Coimbra: Universidade de Coimbra. 35-48. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. 15. Manuel. RÊPAS. sociedade e cultura . [Dissertação em Mestrado de Arqueologia (2º Ciclo)] MARQUES. Henrique Baquero 1986 Os Municípios Portugueses nos Séculos XIII a XVI – Estudos de História. Porto. Guimarães. 53-61. II. MORENO. vol. 2ª série.

Iñaki 2009 Sabugal Velho y el castillo de Abaroncinos. Padrão do Espírito Comunitário. 3-32. 1. p. ALMEIDA. In VALERA. Occidente.) . In Terras do Côa. SILVA. Guarda). Sabugal. Sabucale. 2008 O urbanismo e a arquitectura do Sabugal Velho (Aldeia Velha.Normativa e Sociedade. especialidade História Medieval]. OSÓRIO. Territórios da Pré-história em Portugal. Lisboa: FLUL [tese de Doutoramento em História.Mil Anos de Fortificações na Península Ibérica e no Magreb (500-1500). Guarda: ARA e Câmara Municipal de Trancoso. Lisboa. Sabugal. Sabugal Velho CABRAL.ª ed. Lisboa. OSÓRIO. p. Sabucale. 1943a Roteiro dos Monumentos da Arquitectura Militar do Concelho da Guarda. 81-99. Revista Illustrada de Portugal e do Extrangeiro. Foz Côa. 21 de setembro. a mesma cronologia. p. História e Património: actas das I Jornadas de Património da Beira Interior (Guarda. duas ocupações. Belmonte: Câmara Municipal de Belmonte. G4. 1-3 Outubro 1998). 3. 13-21.TAVARES. Lisboa: Colibri / Palmela: Câmara Municipal.Cultura e Ciência. Sabugal). João Luís da Inês 1979 Forais novos da Beira – o foral do Sabugal. 30-31. Marcos Daniel Osório da 1998 Sabugal Velho. 61-78. 3. p. Renascer. Guarda: Estrela-Côa.Assuntos 77 . 2006 Sabugal Velho (Sabugal). p. Os valores do Côa. VAZ. G5.Do Neolítico Inicial ao Final da Idade do Bronze no Interior Centro de Portugal. 2000 O Sabugal Velho: primeiras achegas para o estudo de uma estação arqueológica. Sabugal: História. VAZ. da Malcata ao Reboredo. Vilar Maior. Vol. IV. Beira Alta. 209-214. 2010 Sabugal Velho e Caria Talaia – duas morfologias de povoamento. 118-127. Carlos (coord. p. In Da Idade Média à Contemporaneidade: Ambientes e musealização. MARTÍN VISO. Sabugal). In Catálogo da Exposição 25 sítios arqueológicos da Beira Interior (Maio/Dezembro 2005). Viseu. Côavisão . Foz Côa. Francisco 1996 O Foral. Lisboa: Império. p. III Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. 7. Isabel Cristina (coord. 4. 174-176. 38:1. vol. Lisboa: Império. Agência de Desenvolvimento Territorial da Guarda. 791-794. Abel 1886 Castello do Sabugal. Guarda: Câmara Municipal. Alto Douro e Beira Interior). In FERNANDES. 2005b Sabugal Velho: um povoado. Contributos para o estudo dos sistemas defensivos proto-históricos e medievais. Tomar: CEIPHAR. 59-74. 1. Maria Alice da Silveira 2013 Costumes e Foros de Riba-Côa . Tentativa de caracterização de uma aldeia fortificada no Riba-Côa dos séculos XII-XIII. 2. 209-210. p. João de 1943 Reprodução anotada do Livro das Fortalezas de Duarte Darmas. p. Alto Douro e Beira Interior. Arquitetura militar ACÁCIO. 279. p. sociedade e cultura . Sabugal. vol. 7 (Actas do I Congresso de Arqueologia de Trás-os-Montes. p. 1945 Roteiro dos Monumentos Militares Portugueses. Marcos 2005a Tipologia de aparelho construtivo do Sabugal Velho. In Beira Interior.) . José Manuel 2001 Forais de Belmonte. p. 2. VARGAS. Sabucale. Tiago. 2001 Metalurgia no povoado fortificado Alto-Medieval do Sabugal Velho (Sabugal. p. Marcos 2012 Reconstituição em 3D das ruinas do povoado medieval do Sabugal Velho (Aldeia Velha. 71-82. junho.

Assuntos . y Museos [separata da Revista de Archivos. Carmen. Porto. Alicia (coord. Manuel da Silva 1997 Duarte de Armas . Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra. António Lopes Pires 78 Sabugal: História. maio. p. Bibl. 81-117. p. Roma: École Française de Rome.1. I. Mário Jorge 1990-91 Do Castelo da Reconquista ao Castelo Românico (sec. Porto: Companhia Portuguesa Editora. 215-238. [Dissertação em Mestrado de Arqueologia (2º Ciclo)] MONTEIRO. Revista da Faculdade de Letras do Porto – História. BEÇA. conservação. fortification et habitat dans le monde méditerranéen au Moyen Âge. João Gouveia 1999 Os castelos portugueses dos finais da Idade Média: presença. 7 (Arqueologia da Idade Média da Península Ibérica). 375-387. 131-140. LARRÉN IZQUIERDO. GOMES. DURAND. Bibliotecas y Museos. 244-287. XXIV. 2003 Tempos de resistência e inovação: a arquitectura militar portuguesa no reinado de D. p. p. Porto: ADECAP. Francisco Sousa 2003 Arquitectura militar. XXIX-XXX. XIV(11-12). Humberto 1922 Castelos de Portugal.Livro das Fortalezas. GUTIÉRREZ GONZÁLEZ. 1 – Os Castelos das Beiras. NUNES. Manuel I (14951521). GONZÁLEZ SIMANCAS. 79-88. perfil. In Beira Interior. CASTELO BRANCO. Hortensia 1994 Las pueblas fronterizas entre León y Portugal en los ss. sociedade e cultura . Castelo do Sabugal: famoso. 2008-09 De Miranda do Douro ao Sabugal . 1-19. História e Património. Portugália. p. p. p. 1998 D. Vítor Manuel Oliveira (coord) . Arquitectura e Vida. André (dir) . 4. p. XV:1. Robert 1988 Guerre et fortification de l’ habitat au Portugal aux XIIe et XIIIe siècles. Porto. 2000a Contributo para uma bibliografia dos estudos de castelologia medieval portuguesa (1978-1979). Portugália. GONZÁLEZ DÍAZ. p. Retrato do seu perfil arquitectónico [1509-1949]. 7 (Arqueologia da Idade Média da Península Ibérica). p. Vol. Actes du colloque de Madrid (24-27 novembre 1985). 12-18 de Outubro de 1993): actas. 2000 Aspectos da evolução da arquitectura militar da Beira Interior.Castrum 3. Porto. Actas. Porto: ADECAP. Luís Miguel Maldonado de Vasconcelos 2010 Castelos em Portugal. Madrid: Tip. p. Lisboa: Edições Colibri. Nova Série. Actas. Vol. XV(7-8). p. p. Porto. 193-252. Luís Jorge 2000 Implantação e conservação dos castelos da raia da Beira (séculos XII-XVI). In JORGE. 1910-11: XIV(5-6). p. XIV(9-10). 381-400. 372-396. vol. 18-63]. vigilância e comando. Vol. Beira. 39. Nova Série. XI a XV). Valladolid: Junta de Castilla y León / Consejería de Cultura y Turismo. de la Revista de Arch. XIV(7-8). Rita Costa 1996 Castelos da Raia. Portugal).Evolução de um castelo e povoado raiano de Riba-Côa (séc. Lisboa: IPPAR. 106-109. 179-186. José Avelino. vol. p. MAGRO. Vítor Oliveira (coord) – 3º Congresso de Arqueologia Peninsular. 89-136. Lisboa. Maria Virgínia Antão Pêga 2011 Vilar Maior . 801-822. Lda. In BAZZANA. 2ª série. BENÉITEZ GONZÁLEZ. Vol. 11-12.) 2012 Fortificaciones de los siglos XII y XIII en las fronteras del reino de León. In JORGE. Portugália. 95-112. Lisboa: Arquivo Nacional da Torre do Tombo e Edições Inapa. GONÇALVES.BARROCA. medieval e emblemático. Vítor Oliveira (coord) – 3º Congresso de Arqueologia Peninsular. Guerre. p.º Congresso de Arqueologia Peninsular: (Porto. Porto: Faculadde de Letras da Universidade do Porto. IX a XII). XV(12). In JORGE. Dinis e a arquitectura militar portuguesa. Manuel 1910 Plazas de guerra y castillos medioevales de la frontera de Portugal (Estudios de arquitectura militar). XII y XIII: “ciudadelas” de Riba-Côa (Beira. LOBO.Arquitectura militar e testemunhos arqueológicos medievais num espaço de fronteira. CORREIA. Guarda.

p. 161-238. BALESTEROS. Revista Altitude.ª série. In O Tratado de Alcanices e a importância histórica das terras de Riba-Côa: actas do Congresso Histórico Luso-Espanhol. Lisboa: Universidade Católica Editora. ROBALO. O de Nossa Senhora da Conceição. Mário (coord. dezembro. p. SOUSA. ALMEIDA. Guarda. Renascer. João de Deus . 76-83. 5023. BARROS. 2005 O Castelo de Vilar Maior no contexto do Riba-Côa. 14. 2003 O Património Artístico e Cultural da ordem Hospitaleira de S. Sabugal: edição do autor. Guarda. 34. Catálogo da Exposição. Artigos não assinados 2004 O castelo da Vila do Touro. 77-93. 7. 165-265. Sarah 1944 Solares da Beira. p. 2004a A fortaleza manuelina de Alfaiates. p. 2:2. p. 3-4. p. Guarda.Província Portuguesa.) 1988 Castelos Raia da Beira. 12-17 Setembro 1997. Sabucale. Lisboa: Colibri. 17. Paulo Jorge Lages 2014 A barbacã esquecida do castelo de Vilar Maior: o passado e o presente da construção. Guarda. Sabucale. Lisboa. 11-14. 33-60. dezembro. p. Praça Velha. p. A Guarda. PERNADAS. 3. Renascer. Cinco Quinas.1998 Os Castelos Medievais de Riba Côa. Revista Altitude. 26. 151-161. Guarda. p. AUGUSTO. 29-54. junho. 53.ª série. p. Elisabete 2009 Marcas de Canteiro dos Castelos do Concelho do Sabugal. Vilar Maior. 81. p. 6. p. 3. p. Torres Vedras: Município. PEREIRA. 16062003. p.Judiarias. 3. p. Vilar Maior. 2006 Estudo da Casa Nobre no Vale do Côa. 3. sociedade e cultura .ª série. In SILVA. Revista Altitude. Séculos XV-XVII ALEXANDRE. 2008 Estudo da Casa Nobre no Vale do Côa. José Maria de 1942 A beira quinhentista. Porto: Portucalense Editora. 1. Carlos Manuel da Costa 2003 Estudo historiográfico das Termas do Cró. ano IX. 7. e Seus Reflexos no Distrito da Guarda. Carmen 2013 Arqueologia dos judeus peninsulares: os casos do Alentejo e Extremadura espanhola no contexto peninsular. Sabugal. Distrito da Guarda. Henrique da Gama 1936-7 Judeus e mouros em Portugal em tempos passados (apontamentos histórivo-etnográficos). 201-208. janeiro/fevereiro. BATISTA.) . Vilar Maior. 2015 Os Condes do Sabugal. em Sortelha. 6-7. 6. p. 2005 O castelo de Vilar Maior no contexto de Riba Côa.Assuntos 79 . PERES. p. 165-182. Judeus e Judaísmo (Turres Veteras XV). BORGES. 68-70. Sabucale. Guarda. Lisboa: Instituto Português do Património Cultural / Guarda: Museu da Guarda. Sabugal. BEIRÃO. Praça Velha. Augusto Moutinho 2001 A Casa Nobre em Riba-Côa. 1. 35. julho-setembro. 2002 Formalismo Estético e Motivos Decorativos da Arte Manuelina em Riba Côa. 56. Carlos Guardado da (coord. 55. 247-258. Paulo Leitão 2007a Os condes do Sabugal. Renascer. 65-74. Boletim da Casa das Beiras. p. p. 69-84. Praça Velha. Guarda. Sabugal. Guarda. 23. ligações familiares e a região de Riba Côa: Inventariação documental e diplomática Sabugal: História.ª série. 3. Damião 1969 A gloriosa história dos mais belos castelos de Portugal. Lisboa. 16 de março. H. Carla 2015 A Carta de Couto de Alfaiates. 39-58. Revista Lusitana. José Alexandre Ribeiro de 2003a Subsídios para a História do castelo de Vila do Touro. Revista Altitude. 2. 8. p. Um Olhar Histórico sobre a Arquitectura Civil Quinhentista. Sabugal.

Tentâmen de Inventário Geral. 125-130. Francisco 2008 As termas do Cró. 55-61. Guarda). Vilar Maior. 27. 2000d A comenda de S. 47. 143. 44. Sabugal. DIAS. Betanzos. Forcalhos. Notários e documentação notarial do concelho de Sabugal. p. BRAGA. de Ataíde 1997 Pelourinhos portugueses. E. 75-84. Revista de Bens Culturais da Igreja.) 2010 Tombos da Ordem de Cristo. 4. 2008 Memórias que persistem e resistem. 6. 22-27. 8. p. junho. GONÇALVES. La Fortificación de la Raya Central. Lisboa: Imprensa Nacional . 7. Levi Manuel 2015 Tabeliães. 4. Praça Velha. novembro. 431-466. Ponta Delgada. p. JORGE. 28. Carlos Henriques Gonçalves 1997a A ermida de Nossa Senhora da Consolação em Forcalhos (Sabugal). 3. Sabugal. 3-4. 2006 Os bens de mão morta na área da diocese da Guarda particularmente nos antigos concelhos de Alfaiates e Vilar Maior. Renascer. Renascer. INVENIRE. MANSO. COELHO. p. 85-97. CAMPOS. Guarda. Vilar Maior. Os Forcalhos de 1678 a 1696. 24. João 2013 Almeida / Ciudad Rodrigo. Forcalhos. Renascer. Emilio 2004 Viviendas de judíos y conversos en Galicia y el norte de Portugal. p.Casa da Moeda. CHGJ 1982a 1998b 2005 Nossa Senhora da Consolação. GARCIA. 80 Sabugal: História. administração e demografia. Lisboa: Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões. Sabucale. abril. B. Cinco Quinas. Sacerdotes que serviram na paróquia dos Foraclhos. 20. 25. p. setembro. 8-10. 169. 85-96. Ana. p. GONÇALVES.na Torre do Tombo. Vilar Maior. janeiro. Pedro de Vilar Maior e as suas marcações. 131-141. 2000a Um caso exemplar na forca de Vilar Maior. DIAS. Arquipélago: revista da Universidade dos Açores. p. Maria Antonieta 1996 Denúncias em nome da fé: perseguição aos judeus no distrito da Guarda de 1607 a 1625. Moscavide. FIGUEIREDO. A nossa terra junto à fronteira. Forcalhos. Renascer. Sabugal. Paula 2014 Púlpitos seiscentistas: a parenética e o Concílio de Trento. 1. Notícias dos Forcalhos. Comendas da Beira Interior Centro. 4. p. Anuario brigantino. Consorcio Transfronterizo de Ciudades Amuralladas. p. 3. sociedade e cultura . Universidade Nova de Lisboa. Renascer. MALAFAIA. p. Guarda. 2000c O justiçado de Badamalos. Vilar Maior. Mário Simões 2000 Os Condes de Vilar Maior (Sabugal. Cinco Quinas. 31. p. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Série Ciências Humanas. Franklim 2013a Quadrazais – Abade de Quadrazais preso pela Inquisição em 1595. «Caderno de culpas do bispado da Guarda e seu distrito e das visitações». p. Guilhermina 2005 A irmandade de São Sebastião da Bismula ou um exemplo de solidariedade na vida e na morte. Sabucale. Lisboa: Centro de Estudos Históricos.Assuntos . p. Universidade Nova de Lisboa. fevereiro. Edição do autor. Praça Velha. p. Guarda. COBOS. 30. Francisco 2015a Misericórdias do Sabugal. João José Alves 1982 A Beira interior em 1496: sociedade. 30. FONSECA MORETÓN. LEAL. MANSO. Iria (org. Guarda. janeiro-junho. p. p. p. Praça Velha. 18. 23. 27. 7. Sabugal. 8-10. A Fortificação da Raia Central. p. MANSO. Vilar Maior. Fernando. 13-14. 95-193. junho. José Dias 2003 A fortuna de um rico-homem e fidalgo de Vilar Maior. Praça Velha.

p. CARQUEJA. p. Praça Velha. Renascer. Vilar Maior. 1. sociedade e cultura . janeiro. p. p. abril. Praça Velha. 10:1-2. p. Isaura Luísa Cabral 2007 Religião e vida social no espaço urbano: comunidades judaicas na Beira Interior em finais da Idade Média. 7-26. Guarda: Agência para a Promoção da Guarda. Guarda: Agência para a Promoção da Guarda. SOUSA. Sabugal. p. agosto.) . 3]. 75-88. Dulce Helena Pires . 2014a Sobre as marcas cruciformes do Concelho do Sabugal. janeiro.Guarda. Almeida: Câmara Municipal de Almeida. 1. 7. 22. 10. Testemunhos de culto judaico?. p. Adriano Vasco. 96. Sabugal. Elvira Cunha de Azevedo 1997 A Inquisição de Coimbra no século XVI. António 2010 Vila do Touro: as casas da Rua Direita ou o solar dos Osório da Fonseca Coutinho – algumas notas. Porto: Fundação Engº António de Almeida. Carlos Guardado da (coord. PERNADAS. p. Sabugal. 7. OLIVEIRA. Guarda.Judiarias. Evidências históricas. p. 15. p. 2. Edição do autor. 14-15. Tio Carlos do 2013a O Capitão “Tolda”. 2. 143-147. 2009c Mais testemunhos judaicos no concelho do Sabugal. p. II série. Jorge 2014 A Judiaria do Sabugal. Sabugal. Cinco Quinas. Far and beyond Côa (Sephardic Jews). março. Sabugal. Paulo Jorge Lages 2014 A barbacã esquecida do castelo de Vilar Maior: o passado e o presente da construção. Júlio Rocha e 1998 Pelourinhos do distrito da Guarda. 71-78. Júlio Silva 1995 Filho de Vilar Maior. In SILVA.Assuntos 81 . Cinco Quinas.) Judeus. p. 2013 As Comunidades Judaicas da Beira Interior na Idade Média. Maria José Ferro 1999 Os Judeus na Beira Interior. Sabugal: História. 117-123. 157-166. RIPER 2007 Os judeus no Soito. A instituição. 17. Alcina (org. Sabugal.Além e aquém do Côa (judeus sefarditas) / People of Nation. II série. António e CAMEIJO. MIGUEL. 2009a Armários de pedra na arquitectura tradicional do Alto Côa. Sabucale. TAVARES. 41. Torres Vedras: Município. Soito. António e CAMEIJO. Sabucale. 155-163. Viseu. p. Manuel Ramos de 1951 Os cristãos novos nos distritos da Guarda e Castelo Branco. p. José Alexandre Ribeiro de 2003 Alfaiates nos alvores da nacionalidade: D. p. 69-84. 81. RODRIGUES. In SARAIVA. História e Cultura Judaica. Miguel 2008 A Idade Moderna no Sabugal entre o manuelino e o renascimento. Manuel. Lisboa: Colibri.) . Sabugal. os homens e a sociedade. p. dezembro. Judiarias e Cristãos-Novos na Beira Interior. Lisboa: Universidade de Lisboa [dissertação de Mestrado em História Regional e Local]. In Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. MARQUES.MARTINS. RODRIGUES. Adriano Vasco 1980 Judeus e Inquisição na Guarda. O contrato do pedreiro Martim Teixeira. Revista Altitude. agosto. 1. Judiarias e Cristãos-Novos na Beira Interior. Maria da Assunção 2013 Gente de Nação . 36. Guarda: Museu da Guarda e Câmara Municipal da Guarda. 12-13. SOROMENHO. Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. Bispo do Porto. Judeus e Judaísmo (Turres Veteras XV). 101. Alcina (org. REI. Beira Alta.ª série. 2004 As estruturas religiosas no santuário de Sacaparte. 2009b Cruzes gravadas nas ombreiras das casas tradicionais. Sabugal. 6. SARAIVA. Cinco Quinas. abril. Marcos 2005 O restauro da atalaia do Carrascal. 153-156. [NOTA: repetido no nº 18. 31-42. OSÓRIO. p. 89-101. Guarda. p. MEA. SOITO.Judeus. Sabucale. In BORGES. 2007 As estruturas militares manuelinas da Vila de Alfaiates. SOUSA. Cinco Quinas. Guarda. 46. Dinis e D. O Soito. p. Cinco Quinas. p. 79-90.

novembro/dezembro. p. Tio Carlos do 2003 O Soito (Alguns factos históricos). p.1640/1668. 8. Coimbra. 369-411. 23-24. MENEZES. 267-269. 3. Franklim 82 Sabugal: História.Judiarias. p. João Salgado de 1644 Svcessos militares das armas portvgvesas em suas fronteiras depois da Real acclamação contra Castella. D. 305-318. 8-11. Augusto Moutinho 1998 O Quotidiano em Riba-Côa no período da Restauração . guerreiro e poeta. p. 3. Esteves 2010 Aldeia da Ponte saqueada e arrasada em 1642. Judeus e Judaísmo (Turres Veteras XV). Tio Carlos do 2013 O Forte (Soito). 74-79. Madrid. 7:2-3 (1. 1:1. p. Forcalhos. Guarda. 3:9-11 (1. Notícias dos Forcalhos. Obras não assinadas ou de vários autores 1991-94 Registos paroquiais. p. XVII). António de 1996 Brás Garcia de Mascarenhas. janeiro. SARAIVA. Com a geografia das Provincias. Carlos Guardado da (coord. 3:7-8 (1. Lisboa. Miguel Rebocho Esperança 2007 Luis de Basto (ou de Gasto?).ª série) (1902). 2:12 (1. Um episódio da Restauração. 3. 6. p. 22. Biblos. Sabugal. MARTINS. ARAÚJO. Soito. p. Cinco Quinas. p. p. Revista Altitude. Guarda. II série. Marcos 2005c Contributos arqueológicos para a história de Alfaiates (Sabugal) retirados dos escritos de Brás Garcia Mascarenhas (séc. O Soito.ª série) (1896). maio. 3. Lisboa: Paulo Craesbeeck. I. p.ª série) (1896). Sefarad. Pedro A.2008 2013 Os judeus da Beira interior: a comuna de Trancoso e a entrada da Inquisição. In SILVA. 18. Praça Velha. Vilar Maior. 21. 14-16. Estudo de investigação histórica [reedição facsimilada]. 2-3. p. Lisboa: Colibri. OSÓRIO. 15. Carlos 1941 Notas históricas de Riba-Côa. p. 69.Assuntos . Renascer.ª série) (1902). 68:2. 193-208.ª série) (1897). Guarda. p. Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em História Moderna]. M. CARREIRINHA. de 1896-02 Extractos archeologicos das ‘Memórias Parochiaes de 1758’.ª série. 115. p. 17. Entre a história e a lenda: a memória judaica em Portugal ou o desconhecido Portugal judaico.ª série) (1897). José Mendes da Cunha 1930 A região de Riba-Coa e um autógrafo de Brás Garcia de Mascarenhas. 17/18. p. SOITO. Restauração ALMEIDA. VASCONCELOS. 18-19. Albano José Ribeiro de 2010 Brás Garcia Mascarenhas. 177-192. Aventureiro. Lisboa: Officina de João Galrão / Officina de Miguel Deslandes. 7:10-11 (1. Luis de 1679-98 Historia de Portugal Restaurado (2 vol). H1. sociedade e cultura . Torres Vedras: Município. Soito. Século XVIII AZEVEDO. p. & nobreza dellas. p. 2:6-7 (1. SOITO. O Soito. 101-134. 229-267. p. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 31. O Archeologo Português. Revista Altitude. 439-463. 10-12. p. BORGES. BRAGA. 16. outubro.) . p. 57. PINA. 53-70. 225-244.

Edição do autor. História e Património. 71-89. Forcalhos. 1991 O concelho de Vilar Maior em 1758 . Cinco Quinas. 26. 10-11. abril. p. João (ed. 28. 4. p. 15-19. 27. p. O Soito. 2016b Quadrazais: Cirurgião na Inquisição. Notícias dos Forcalhos. Sabugal. p. p. p. p. Sabugal. Cinco Quinas. p. J. DIAS.ª parte). 15. Memórias. p.P. Hipolyto 2013 Souto 1758. Renascer. 29. Bendada: Associação Cultural da Bendada “O Carrapato”. p. Lisboa: Ordem dos Arquitectos. 30. PIRES. 67. janeiro. Lageosa. [Tese de Sabugal: História. Forca-lhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. 3.) 2013 As freguesias do Distrito da Guarda nas Memórias Paroquiais de 1758. p. 1-2. julho.Memórias Paroquiais. TAVARES. p. ALMEIDA. Forcalhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. 1993 O concelho de Sortelha em 1758 . Cinco Quinas. setembro. Guarda. JORGE. Sabugal. 1-2. 3. 27. Forcalhos. março. sociedade e cultura . 10 (1981). setembro/outubro. p. p. p. MANSO. Séculos XIX-XXI AFONSO. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’.] 2001-02 Memórias Paroquiais do Casteleiro 1758. 8. Obras não assinadas ou de vários autores 1991-94 Registos paroquiais. 180. Eduardo Guerra 1998 O processo de desenvolvimento em dois espaços transfronteiriços antes e depois da integração europeia: concelho do Sabugal e Almeida: município de Valverde del Fresno: período 1960-1995. Notícias dos Forcalhos. 68. Forcalhos. Forcalhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. Sacerdotes que serviram na paróquia dos Foraclhos. 1.) 2006 IAPXX – Inquérito à Arquitectura do Século XX em Portugal. p. 22. Lucinda [L. 17/18. Manuel Luiz Fernandes (Lei) 2016 Aldeia do Bispo: Carvalhos para a Artilharia da Praça Forte de Almeida. março. Covilhã. 21. MATOS. dezembro.Memórias Paroquiais. CHGJ 1994a 1994c 1998b De Alfaiates. 1990a O concelho de Vila do Touro em 1758 .Assuntos 83 . Praça Velha. Vilar Maior. Sabugal. Francisco 2013f Confrarias e Irmandades do Sabugal. 4. p. José Viriato (coord. 14-16. 17. Sabugal. Soito. 5 (1979). 3. 33. 144. p.Memórias Paroquiais. em 1726. Notícias do Casteleiro. Notícias dos Forcalhos. p. Irmandades do Concelho do Sabugal em 1758.2013b 2013d Inquisição prende. 1990 O concelho de Sabugal em 1758 . maio/junho. julho. Forcalhos: Associação Recreativa e Cultural dos Forcalhos. CASTELBRANCO. Forcalhos. março. p. 181. Forcalhos – Sabugal. II série. 148.Memórias Paroquiais. 13-14. Mário Simões 2007 Capitães-mores de Vilar Maior entre 1795 e 1834. Ramiro de 1979-81 O concelho de Sabugal no século XVIII (1. Uma visita pastoral em 1758. 18-19. 2 cristãs-novas residentes em Quadrazais. p. Casteleiro. 10-12. João Pinto Pereira de Figueiredo e 1995 Memória paroquial da Bendada (1758). Cinco Quinas. CAPELA. Três processos da Inquisição contra moradores em Quadrazais. 16. GONÇALVES. 8-11. 22. 21. Lisboa.Memórias Paroquiais. Carlos Henriques Gonçalves 1989 O concelho de Alfaiates em 1758 . 1-2. 8.

Beira Alta. p. 13:3 (1954). O Motim do Aguilhão do Sabugal. Liberais e absolutistas. Lisboa: Casa do Concelho de Sabugal. 14:4 (1956). p. 31. 8-10. Guarda. 17/18. p. 4-6. 4-6. p. 11-12. O padre João de Matos. 41. p.mestrado em Desenvolvimento Regional e Transfronteiriço apresentada à Universidade da Beira Interior]. Notícias dos Forcalhos. 3-7. 4. Carlos Ramajal 84 Sabugal: História. João de Matos . p. 68. 9-10. 25 (errata em 19. 17-18. janeiro. 13-14. Domingos João Pires. FIGUEIREDO. Forcalhos. Cinco Quinas. 27 (Suplemento ‘Ao forcão’). sociedade e cultura . Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Correio da Beira. p. p. 32. p. 25. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 5-10. 20. 375-393. Jesué Pinharanda 1959a Crónicas desfiadas do século XIX. fevereiro. Forcalhos. Archivo Histórico Português. abril. p. p. Sabugal. Forcalhos. 39 (Suplemento ‘Ao forcão’). CHGJ 1987c 1988c 1989-90 1992a 1995 1998a 1998b 2004 2005 Cólera. p. 7. 1-3. p. Juntas da paróquia e da freguesia dos Foraclhos. 640. 142. Forcalhos. p. 1978 Memórias de Riba Coa e da Beira Serra – 2. Sabucale. p. Escola. p. Renascer. 3. p. p. 16. CID. 15:1 (1956). p. Cinco Quinas. p. Sabugal. Capitanias-mores em 1815. 6. p. 28 (Suplemento ‘Ao forcão’). GOMES. 32. Elementos para a solução do velho problema provincial. p. p. 113-130. 299-307. 1877-1959). Notícias dos Forcalhos. 14:1-2 (1955). 8. 12. Pedro A. CARREIRINHA. 21. 30. 402-432. A Irmandade do Senhor. Moreira de 1948 Beira antiga. Forcalhos. de 1914 Apontamentos de viagem de Herculano pelo país em 1853-1854. TORRES. 17. Sua passagem por Aldeia da Ponte.1-3. 279-292. p. Forcalhos. António Carreira 1998 As nossas Terras. Política e Guerra. 85-99. AZEVEDO. Sabugal. 2. 30 (Suplemento ‘Ao forcão’). Aldeia da Ponte. 5-7. Notícias dos Forcalhos. 12:2-3 (1953). 13:1-2 (1954). 10).5-8 (Velhas actas da Junta) . p. DIAS. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. p. 9. 118. Notícias dos Forcalhos. 1997b Um pároco espanhol. 9-14. 13-14. António José do Amaral Balula 1953-56 Subsídios para a História Militar da Beira Alta. Notícias dos Forcalhos. JORGE. p. p. 33. p. p. Forcalhos. p. 2. Notícias dos Forcalhos. 67. Forcalhos. Renascer. ALVES. 4. Uma reunião na Câmara de Sortelha. p. maio/junho. Forcalhos. p. Forcalhos. Seus limites e divisões. p. p. 1-3. 43. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 79-99. Jorge 2011 República 100 anos. JORGE. 2007 Capitães-mores de Vilar Maior entre 1795 e 1834. Lisboa. p. 321-332. p. Os Forcalhos de 1678 a 1696. junho. 143-168. 10. Viseu. 91-106. Esteves 2011 Pe. Aldeia da Ponte. Vilar Maior. 29 (Suplemento ‘Ao forcão’). 4-7 (Documentos da Junta). 13:4 (1954). 30 de julho. 2008 Os Forcalhos no concelho de Vilar Maior. p. p. 1998-99 Regedores. 50. 1998a Relação das Juntas de freguesia. 32. 23 e 24. Vera. BRAGA.Assuntos . p. Forcalhos. p. Franklim 2013 A instrução em Quadrazais. 7:1-2. Mário Simões 2001 Um pároco de Vilar Maior de 1900 a 1904 (Pe. p. COELHO. DUARTE. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Carlos Henriques Gonçalves 1996-03 Actas da Junta. Forcalhos. p. Atestados Sanitários e Livros Paroquiais. Sacerdotes que serviram na paróquia dos Foraclhos. p. Cinco Quinas. 30. 44. 8-12. 219-234. 26 (Velhos documentos da Junta). Carla. Notícias dos Forcalhos. setembro/outubro. 31 (Suplemento ‘Ao forcão’). p. 13. 301-319. p. 12:4 (1953). 7-8. 32. p. 4. 31. 12-13. 2. 38. Notícias dos Forcalhos. 21. p. 14:3 (1955). Bento Menni. 40. janeiro. Duílio Andrade 2002 S. Forcalhos. 8-12. A nossa escola. p.O Guerrilheiro da “Pavarosa”. Sabugal. Beira Alta. AUGUSTO. 8-11. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Viseu. 29. 5-8. Vilar Maior.

março. maio. 1982a Um homem de Aldeia da Ponte: o pe João de Matos. novembro. 2. 2013e Os baldios do Sabugal. p. 133. 2009 Indicador sintético de desenvolvimento económico e social ou de bem-estar dos municípios do continente português. Departamento de Ciências Sociais e Humanas. 109. Nuno Miguel 2007 Os Municípios e a qualidade de vida em Portugal: Proposta metodológica com vista à sua mensuração e ordenação. p. p. Cinco Quinas. Cinco Quinas. 3. 2013a Crimes do Sabugal . 3. 176. 3. p. José R Pires. 2012f A pavorosa. 3. 169. O general de Brigada João António Jakou Rebocho. p. p. 20-21. 27. p. 3. 135. Sabugal. 2013c O Conselheiro Teles de Vasconcelos. novembro. MANSO. 3. Sabugal. 158. p. Notícias do Casteleiro. 3. 37. abril. p. p. fevereiro. agosto. Cinco Quinas. Renascer. Cinco Quinas. Sabugal. 33. p. Sabugal: História. junho. PIRES. Sabugal. 2012 Coisas e Gentes do Sabugal. Ana. 22. 2. p. GONÇALVES. MANSO. junho. (2). outubro. Carlos dos Santos 1988 Características económicas e sociais das terras de Riba-Côa. Cinco Quinas. 146. Casteleiro. 10 e 16. outubro. Porfírio 1984-85 Economia arraiana na década de 50. Cinco Quinas. 157. agosto. 1 e 3. p. Francisco 2010 Os Forcalhos em festa. fevereiro. 142. Coisas e gentes do Sabugal (3). Praça Velha. Aldeia da Ponte. 2010e O Sabugal. 150. 25. 161. SIMÕES. A Ponte. João 1982 Aquela noite sangrenta. 2016 Uma família ilustre e ignorada. setembro. p. dezembro. Sabugal. Sabugal. 27. Covilhã: UBI / Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social. 2015a Misericórdias do Sabugal. p. Aldeia da Ponte. MANSO. 2014-15 O Sabugal e a Grande Guerra. Sabugal. Fátima 2012 Os municípios e a qualidade de vida. José R Pires. p. 8. Cinco Quinas. p. p. p. junho. p. Sabugal. 3. agosto. Cinco Quinas. p. 2016a Fóios: mãe coragem. p. 3. Cinco Quinas. Sabugal. 3. 3. 111. Cinco Quinas. Notícias dos Forcalhos. 168. novembro.Assuntos 85 . 143. p. 2012b Uma orelha exemplar. Sabugal. Guarda. Cinco Quinas. a República e a Maçonaria. janeiro/março. Covilhã: UBI / Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social. p. janeiro/fevereiro. 3. Cinco Quinas. Cinco Quinas. Vilar Maior. 189-205. Sabugal. p. Guarda. 159. 3. 3. Cinco Quinas. o Salsa e Santo Estêvão. Sabugal. p. António F de. 2015d Mercados e feiras do Sabugal. Regedor. 2013g “As sortes” de Aldeia do Bispo. julho. Quem se lembra do Sr. 166. Lisboa. janeiro. p. Marcos 2007 Os desenhos da calçada do largo dos Paços do Concelho do Sabugal. 3. p. 2013h Água: Fontes e Chafarizes do Concelho do Sabugal. Covilhã: UBI / Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social. Regedor? Já bem poucos. Cinco Quinas. p. 2012d A escola da nossa terra. Coisas e gentes do Sabugal (5). PERES. agosto. 2010b A Fonte do Sabugal. 2012c Termas do Cró. maio. janeiro. p. 131-146. julho. Sabugal. p. Sabugal. Cinco Quinas. 3. Sabugal. Cinco Quinas. p. 2014d Guarda Fiscal. Sabugal. MATOS. 2. Sabugal. 147. Cinco Quinas. p. março. 165. 2015 A Guerra do Ultramar e o Sabugal. Sabugal. RAMOS.1992 Achegas para uma biografia. 172. Sabugal. p. Sabugal. Sabugal. p. (3). abril. MANSO. Sabugal. 3. 178. 5-6. p. abril. março. 2012g A Revolução dos Nabos. 137. 41. Sabugal. 113. outubro/novembro. 140. Miguel Gouveia Esperança 1996 Pessoas notáveis e ilustres. Praça Velha. dezembro. Cinco Quinas. Cinco Quinas. sobretudo os nascidos após 1970. 17. (2). p. 2014a O Sr. MENDES. 3. Curso de Gestão. 117. 17. 3. 28. A Ponte. Cinco Quinas. MANSO. 167. 17/18. 3. PINA. Cinco Quinas. 2014b Regedores da nossa terra. 3. 19. Cinco Quinas. Cinco Quinas.II. 180. 3. abril. Sabugal. 2013d A iluminação pública no concelho do Sabugal. 145. OSÓRIO. Covilhã: Universidade da Beira Interior. Sabugal. Coisas e gentes do Sabugal (4). sociedade e cultura . José Carlos 1997 Los (Fornos dos) Italianos. 3. janeiro/março. 136. Cinco Quinas. junho. Sabugal. Cinco Quinas. 149. Forcalhos. 3. 12. Sabugal. p. dezembro. 164. p. abril. Cinco Quinas. 44. p. 3. 3. 108. Francisco 2009 A Fonte do Sabugal. Sabugal. janeiro. Cinco Quinas. p. 139. 2010d Um povo em aflição e o regedor demitido. Sabugal. 2010a A Capela de Nossa Senhora da Consolação. 2013 Crimes do Sabugal. 2015f O cordão sanitário da Raia.

24. outubro. fevereiro. 2013c Os Gabrieis e a revolta popular. VAZ. Manuel. Tó 2010 Os Frades de Aldeia da Ponte. SOUSA. no Soito. p. SOUSA. Joaquim Tenreira 2009 As invasões francesas. p. Sabugal. Bruxelas: Orfeu. II série. Valladolid: Fundación Siglo. Manuel de 2006 Forcalhos. MARTINS. maio. José Manuel Duro Mateus 2007 José Matias. Narrativas do famigerado combate do Sabugal. J1. 111. 74. p. 110. janeiro. 48. 148. Cinco Quinas. 140. p. Soito. Sabugal. Sabugal. 2. DIAS. p. Crises humanitárias que tem sofrido. Cinco Quinas. março. 22. 20. 6. Vilar Maior. OSÓRIO. Forcalhos. Soito.R.N. julho. 36. Sabugal. 155. 14. 4. 91. Cinco Quinas. Bruno Miguel Pack 2013 Retirada do Armée du Portugal na campanha de 1810-11. Invasões francesas BORREGUERO BELTRÁN.. BATISTA. 2012b Minas de volfrâmio. Cinco Quinas. Paulo Leitão 2011 Sabugal e as invasões francesas. Cinco Quinas. 2. 98. (História e tradição). maio. Soito. 46. sociedade e cultura . 90. junho.. O Soito.Assuntos . novembro/dezembro. SOITO. p. Um Médico Fruto das Invasões Francesas. Cinco Quinas. em princípios do século XX. As guerras.a última oportunidade de Massena. novembro/dezembro. p. p. O Soito. p. Manuel Peres 2012 A epidemia da cólera-morbo e a questão sanitária em Aldeia da Ponte. p. Sabugal. Obras não assinadas ou de vários autores 2005c O Concelho do Sabugal no século XIX. 2009a As invasões francesas. abril. as doenças. 2014 Carlos Carrilho: um nome de vulto. II série. 2013d Os Gabrieis e revolta popular. Mário Simões 2008 Lendas e factos sobre a 3ª invasão francesa no antigo concelho de Vilar Maior (1296-1855). CARDOSO. no Soito. 97. Cinco Quinas. 6. II série. Joaquim Tenreira. Cinco Quinas. Manuel Francisco Veiga Gouveia. novembro. p. 17 2005d O poder municipal em Sortelha de 1822 a 1825. arsénio e titânio. dezembro. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. MARTINS. 33.) 2013 La Guerra de la Independencia en el Valle del Duero: los asedios de Ciudad Rodrigo y Almeida. Cinco Quinas. 14. Renascer.SANCHES. p. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 44. Renascer. 3. [NOTA: é o texto 2013b com muito pequenas alterações]. Notícias dos Forcalhos. 47. O Soito. II série. p. abril. 19. 86 Sabugal: História. 3 de Abril de 1811. Sabugal. Fuentes de Oñoro . 67. 6. 2012a 90 anos de G. Sabugal. abril.. MOURÃO. Cristina (coord. 6. Vilar Maior. BRAGA. no Soito. janeiro. Vilar Maior. 55. 21. p. Tio Carlos do 2005 Os cem anos da “Fonte da villa”. Marcos 2011 A batalha do Gravato 1811. 60. A batalha do Sabugal. maio/junho. p. Aldeia da Ponte. Renascer. Sabugal. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 2013 Árvores do adro. p. Soito. p.Invasores franceses estiveram em Quadrazais?. p. Aldeia da Ponte. 4. Lisboa: FLUL [tese de Mestrado em História Militar]. 3. MORGADO. Davide 2014 O que não se diz sobre o Soito. Soito. MARTINS. março. p. 8-10. 6. 4. livraria portuguesa e galega. julho. p. 2005a O ensino primário no Concelho do Sabugal. Franklim 2012 Quadrazais . Sabugal.

Aldeia da Ponte. p. 2010 Há cem anos foi fechado o Colégio de Aldeia da Ponte: “o engano”. p. WAITE. 64. setembro. Aldeia da Ponte. Esteves 2008 O Colégio de Aldeia da Ponte. 89. 77. dezembro. sociedade e cultura . Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Aldeia da Ponte. 76. julho. 843-853. Colégio de Aldeia da Ponte BELEZA.Aldeia da Ponte (18981910). Aldeia da Ponte. A Natureza Humana no Campo de Batalha.OLIVEIRA. Vilar Maior. Manuel Peres 1998 Na rota da fundação do Colégio de Aldeia da Ponte. p. junho. 44. 3. 31. p. 9-31. 6. março/abril. p. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Guarda. London: Rivingtons SANCHES. 87. Sabugal. 33. J2. p. 38.ª série. dezembro. p. setembro. 63-74. março. p. 24. Sabugal. 4. 45. José Alexandre Ribeiro de 2008 Uma Dificuldade Inesperada para Wellington. ROBALO. Praça Velha. Sabucale. p. Sabugal. Manuel Peres 2011a Recordações do combate de Aldeia da Ponte. março. p. 4. p. Aldeia da Ponte. p. Manuel Ramos de 1944 Episódios das invasões francesas no Distrito da Guarda. António 2009 Presença dos Missionários Claretianos em Aldeia da Ponte. p. SOUSA. Praça Velha. Aldeia da Ponte. Boletim da Associação Amigos da Sabugal: História. Lisboa. 2008a O Combate do Sabugal no Contexto da 3ª Invasão Francesa. Lisboa: Academia Militar [Trabalho de Investigação Aplicada]. 2011 Condicionalismos humanos e naturais numa acção militar. p. Aldeia da Ponte. O combate do Sabugal a 3 de Abril de 1811. 52. la reconnaissance et les transmissions militaires du temps de Napoléon. 76. 4. março. 2477/2488. a Guarda e a sua região. p. p. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 43. 4:7-10. Adriano Vasco 2008 As Invasões Francesas. Revista Altitude. José Abel Henriques 2006 Aldeia da Ponte e as invasões francesas. 42. junho. RAEUBER. Revista Militar. Obras não assinadas ou de vários autores 2009a Julgamento em Salamanca dum homem de Vilar Maior. Guarda. 2. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. p. p. Correia de 1997 Claretianos em Portugal. p. 3. junho. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. J. Hugo 1998 Missionários Claretianos há cem anos em Portugal. Charles-Alphonse 1993 Les renseignements. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. p. ggosto. Filipe 2010 A Fortaleza de Almeida e o Eixo da Beira. OLIVEIRA. 24. DIAS. Aldeia da Ponte. Casas fundadas antes da proclamação da República. 27. Aldeia da Ponte. 6. 1. 4. Maria Cecília Lança Falcão 2003 Documentos inéditos sobre o Convento de Aldeia da Ponte. dezembro. 2. 3 de Abril de 1811. 2000-01 Cronologia do Colégio. outubro. p. p. junho. 39.Assuntos 87 . RODRIGUES. 4. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Rosamond 1884 Life of the Duke of Wellington. SANCHES. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. PINA. junho. 1999-00 Aldeia da Ponte vai a Roma. 84. 4. p. 1 . 22. Cinco Quinas. Guarda. junho. junho/julho. 88. Renascer. Lisboa: Comissão Portuguesa de História Militar. 2. 4. março. 3. CARREIRINHA. 30-31. 78. 3-4. 3-4. MENDES. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 181-184. p. 24. A. L´exemple de la troisième invasion du Portugal. 49-61.

p. Lisboa: edição do autor [reedição de Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica. julho. p. Forcalhos. Antigos usos e costumes. p. Sabugal. Porto 2001 Aspectos Etnográficos do Concelho. 7. 2003a Fevereiro fojeiro. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Notícias do Casteleiro. 2. p. Sabugal. Revista Altitude. dezembro. 29. FERNANDES. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Cinco Quinas. 31. Obras não assinadas ou de vários autores 1991-94 Registos paroquiais. Forcalhos. Cinco Quinas. Cinco Quinas. p. p. 4. 2003g Outubro fojeiro. 15. 153. 8-11. 21. p. Franklim Costa 1983 Sabugal . Sabugal. 6. p. Douro e Neve. p.ª série. 18-19. 10-12. 64. Sabugal. Os colégios de Aldeia da Ponte e de S. 8. 83. BATISTA. Braga: Editora Pax. Cinco Quinas. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. março. CAROÇO. 3. Sabugal. Notícias dos Forcalhos. 3. NOTA: inclui trabalhos publicados anteriormente revistos para esta edição: Introdução a uma etnografia infantil (1964). p. A Guarda. 16. p. 38. Contribuição para o mapa dos dialectos portugueses: a gíria de Quadrazais (1964). 39. p. António Alves 2013 As fontes e os chafarizes. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. O Cancioneiro de Quadrazais (1964). 88 Sabugal: História. Aldeia da Ponte. p. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 14. 9. José David Lucas 1998 Notas Etimológicas e Toponímicas. p. José Carlos 2006 Memórias de outros tempos. Cinco Quinas. 1992 Ainda o topónimo Quadrazais. maio. 2006a Quadrazais. 81. 9. junho. p. BRAGA. p. XIV. Cinco Quinas. Sabugal. p. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. 46. 26 de agosto. junho. setembro. 2. Casteleiro. Aldeia da Ponte. p. CHGJ 1988a 2002 Usos e costumes. Cinco Quinas. CORREIA. 22. 1990 O carvalho de S. Sabugal. 18. junho. Lisboa. 44. Bernardino 2002a Natal fojeiro. 2003d Junho fojeiro. Guarda. 8. João em Riba-Côa. abril. Manuel Leal 1969 Por terras de Sabugal. 2003b Abril fojeiro. 2006 Os Trabalhos do linho. outubro. Forcalhos. 1ª quinzena de maio. Aldeia da Ponte. 22. 30. 71-83. 247-250. p. João Manuel 1911 Costumes do Concelho do Sabugal. o senhor Pedro de Pina e monsenhor Graínha. GOMES. Notícias dos Forcalhos. 14-16. p. 36. junho. 2. Aldeia da Ponte. Guarda. 4. 14. 34. Paulo Leitão 1999 Retratos da vida aldeana. p. p. Sabugal. 20 de março. Sabugal. 37. Cinco Quinas.2011 2013a Aldeia da Ponte. Sabugal. Sabugal. 2. 2003e Julho fojeiro. 8. A Guarda. 17/18. K. autor. 33. 7 e 9. p. p. Revista Lusitana. dezembro. HENRIQUES.Quadrazais: Origem deste Topónimo. 35. 2003f Setembro fojeiro. p. p. Etnografia BATISTA. 8. 13. Jesué Pinharanda 1968 Práticas de etnografia (Temas de Etnografia Portuguesa). 2003c Maio fojeiro. sociedade e cultura . janeiro. fevereiro. Da Quaresma à Fesrta das Flores (1967). Cinco Quinas. 24. 3-4. 1977 Memórias de Riba Coa e da Beira Serra – 1. 9-10. p. Quadros Etnográficos. Edição do autor. outubro. 58. Etnografia e Linguagem. 2003 As janeiras fojeiras.Assuntos . Fiel. 92. 163-169. Lisboa: ed. Guarda. Cinco Quinas. julho/agosto. Guarda. p. 1971]. FREIRE. “O colégio” de Aldeia da Ponte no Tribunal de Haia. 2001a Tentativa da restauração da Ordem em Portugal. p. Cinco Quinas.

Notícias dos Forcalhos. FERNANDES. As Malhas nos anos 70. 19 (Moinhos e moleiros). Vol VI (1975). 1936. Vol VII (1980). dezembro. p.Profissões . 6. fevereiro. 4. 10 volumes: Vol 1 (1933). 11. Obras não assinadas ou de vários autores 1995 Usos e costumes da minha aldeia. 6. FIlipe Costa 2008 Enciclopédia das Festas Populares e Religiosas de Portugal (3 volumes) . Forcalhos. 7. CRISTINA. Forcalhos. VASCONCELOS. 1986-87 Recordações de Costumes e Tradições da Minha Aldeia. 13. agosto. 8-9. 11. 478-504. José Leite de 1933-88 Etnografia Portuguesa: Tentame de sistematização. MATIAS. K1. SANTINHO. p. p. Revista da Faculdade de Ciências Ssociais e Humanas. Sabugal. Notícias dos Forcalhos. XII. 2015 O concelho do Sabugal nas recolhas musicais. 2005 Bendada. Terra íntima (pequenas narrativas etnográficas). 473-485]. Vol IX (1985). José Alberto 1992 Armando Leça e o primeiro levantamento músico-popular realizado em Portugal. Maria Cristina Ferraz Saraiva 1984 Quadrazais . Renascer. 22-23 (IV – Os fornos e o pão). 17-18 (As ceifas). O cultivo e transformação do linho. DUARTE. 1938. p. A Bacia Hidrográfica do Côa. abril. p. Notícias dos Forcalhos. 95.. 11. Lulu / Edição do autor. p. Vol III (1941). 14. 12. Vol V (1982). 19-20 (As malhas). Sabugal. p. p. fevereiro. Sabugal. FRANCO. p.. II – O Namoro). 4 e 6. Cinco Quinas. Fóios: Grupo Cultural e Desportivo dos Fóios. 5. 1997 Etnografia.2003h 2007 Novembro fojeiro. Vol VIII (1982). 9-10 (III – O casamento. Os carpinteiros. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. Vol X (1988).. SARDINHA.. Maria da Conceição Ramajal 2002 Costumes velhos.. 39. IV – Conclusão). Cinco Quinas. João Martins 1986 Recordando. p. maio. Coimbra. 7. 8.. p. João Manuel Aristides 2009 Baú da memória. 50. 7-9. O Soito. Forcalhos. José I. Júlio 1997 Usos e costumes da freguesia. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas [Seminário de Investigação . p. p. p. 6. 8. janeiro. Lisboa. Lisboa: Assírio & Alvim [reedição de: Subsídios para o estudo da Geografia de Portugal. 43. usos e costumes da nossa terra. julho. p. Vol II (1936). p. sociedade e cultura .Casa da Moeda. Cinco Quinas. 122. As suas origens e tradições. p. Notícias dos Forcalhos. s. p. 10. p. p. Renascer. Coimbra. p. novembro. maio. Carlos Alberto 1995 A bacia hidrográfica do Côa. 7. Lisboa: Imprensa Nacional . Sabugal: História. Sabugal. Biblos. p. Vilar Maior. Pastores. António Alves 2011b Bismula . 16-17. 14. 6-7 (I – Introdução.Licenciatura em Antropologia]. 15 (A acareja). p. XI. Paula 1997 Recordando. 18. 39. 1939.. 16. Notícias dos Forcalhos. 172-211. Casteleiro. Forcalhos.Artes e Ofícios. 7. p. 4. 8. Atividades produtivas e ofícios CARLOS (Riela). 8-10. abril. Forcalhos.l. p. 105-112. 345-376. Algumas Notas Etnográficas de Riba-Coa. 3. Vilar Maior. Notícias do Casteleiro. Forcalhos. 11. XV. 4. CHGJ 1985-88 1989a 2004a O centeio. 9. II série. Renascer. 30. A Faina do Arranque. Sabugal. Sabucale. Notícias dos Forcalhos. 2014 Janeiro . 5. XIV. 1-2. PINTO.Assuntos 89 .Terra de Contrabando. JORGE. 21. Manuel de 1991 Tradições.Fevereiro . 388-419. p. 3. Forcalhos. Soito. Vol IV (1958). p. MARQUES. p. Cinco Quinas. Biblos. SOUSA. Vilar Maior. p. 1935.Março. p.

TAVARES. Portais e portaleiras. 37. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 1961]. p. p. o celeiro do Concelho. 1.] 1995 O ciclo do linho. 3. Daniel 2008a Ceifas. 26. 4. p. 17/18. 1. RICARDO. 6. PIRES. p. Revista Altitude.ª série. 20. Notícias dos Forcalhos. 1. p. I . p. Sabugal. 2004 Portais e portaleiras. Notícias do Casteleiro. 1995a A Evolução dos Moinhos. p. Casteleiro. Notícias do Casteleiro. Notícias dos Forcalhos. 1 . Arte popular. p. novembro.P. Carlos Alberto 1941 Notas etnográficas. 8. Obras não assinadas ou de vários autores 1988b Arquitectura Popular em Portugal. Notícias dos Forcalhos. K2. Portais e portaleiras. 4. A nossa terra junto à fronteira. p. Forcalhos. 3 volumes [1ª ed. agosto. Sabucale. Casteleiro. 48. Notícias dos Forcalhos. setembro. p. Notícias do Casteleiro. 15-16. p. TORRES. p. Forcalhos. As pedras e as gentes. Lisboa: Associação dos Arquitectos Portugueses. 1. Guarda. 163-164. 41. Forcalhos. p. 2:5. 8. Cancelas. p. MENDONÇA.1942 Notas etnográficas. 29-32. p.As malhas em Riba-Coa.Assuntos . 3.Rio Côa. 20. 4. Notícias dos Forcalhos. 7. Carlos Henriques Gonçalves 1998b O amolantchim. Maria da Glória Ferreira. CHGJ 1982 1985 1986c 1988d 1990a 1992b 2003b 2007 Pedras. p. 1. 55. Forcalhos. 18-19. p. Zé 1981 Os ferreiros. 9. Sabugal. Forcalhos. Os choços. Adérito 2010 A arquitectura popular na raia do Sabugal. Jorge 2009 Os moinhos de água do concelho do Sabugal. 13. Forcalhos. 2009a Retratos do nosso artesanato . p. Casteleiro.tecelagem. 109-111. Casteleiro. p. Cortelhas. 10. Lucinda [L. 6. 22-24. 31. Notícias dos Forcalhos. 15. Notícias dos Forcalhos. Sabucale. Notícias dos Forcalhos. p. Aldeia da Ponte. 6-8. A arte da água e da pedra. João Martins 1987a Os carretos. 9. Obras não assinadas ou de vários autores 2001d O Artesanato de Fibras Selvagens. A Ponte. K3. Forcalhos.ª série. Sabucale. janeiro/março. Renascer. Forcalhos. 91-100. 42. Nuno de 2006 Rio Côa. Uma coberta de Riba-Côa. 1:5. 9. In Aldeia do Bispo. 4-8. Francisco Eduardo 2005 Choços em Aldeia do Bispo. p. 2. MACHADO. JORGE.Da nascente ao moinho da Ervaginha. Volume I . p. 2. Notícias dos Forcalhos. O curral tradicional. p. Vilar Maior. Gastronomia 90 Sabugal: História. Forcalhos. Guarda. Sabugal. 97-104. Forcalhos. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. 20. Revista Altitude. Évora: Casa do Sul Editora / Centro de História da Arte da Universidade de Évora. MARQUES. Arquitetura popular CARLOS (Riela). Carlos Henriques Gonçalves 1996a Poços. Forcalhos. Os choços. Notícias dos Forcalhos. dezembro. sociedade e cultura . 26. Forcalhos. MANUEL. JORGE.

4. p. p. Sabugal. Renascer. 10. João Luís da Inês 2011 O porco à mesa: ritual colectivo. 11. p. Os cambos. A malta. 45. 40. p. p. fevereiro. MARQUES. 12. 2012 Gastronomia. 1989 Recordando costumes da Quaresma. Cinco Quinas. António Vermelho do 2012-13 Processo Ritual e Tradição em Portugal a partir da Cultura da Zona de Riba Côa. 4. 3. II série. Soito. 3. novembro. Medicina popular. CORCEIRO. dezembro. Revista Altitude. 5. 21. Sabugal. p. 23. 5. p. Bolo podre. 11. p. novembro. José Augusto Nobre 2011 Tradições: O bolo dos santos. Forcalhos. Porfírio 1994-96 Ementas da minha terra. p. 22. Júlio Silva 1997 A matança do porco. agosto-outubro. 18. julho. as castanhas e a matança. p. CHGJ 1986 1986a 1986b 1986-87a 1989 1994 2005a Cigarros. p. Curiosidades.BATISTA. 3.parte). Praça Velha. 6. p. p. CORRAL. RAMOS. Cinco Quinas. Figueira de Castelo Rodrigo. Forcalhos. abril. 12 de janeiro. Obras não assinadas ou de vários autores 1996 Culinária. p. Curiosidades. 7. Notícias dos Forcalhos. Datas festivas ao longo do ano. Guarda. Vilar Maior. Forcalhos. p. José Augusto 2005 Bismula e as tradições.. Forcalhos. O Soito. CORDEIRO. 3. 4. Práticas sociais e religiosas BATISTA. 2008 Os nossos sabores – o património culinário raiano.. Forcalhos. p. 3. Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. K4. 58. 16. dezembro. p. O azagre. Renascer. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Sabugal. 9. 14-15. Notícias do Casteleiro. Cinco Quinas. 18. Notícias dos Forcalhos. p. 3. fevereiro. 61. Paulo Leitão 2003 Os ex-votos a Senhora da Graça. FORTUNA. Casteleiro. 37. 10. fevereiro. p.. outubro. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos. Ricardo 2013 A tradição ainda é o que era em Águas Belas. 11. 69. Cinco Quinas. 64. p. 2 volumes. A tradição ainda é o que era. A matança do porco. 7. 13. 7. 8. 128. p. Isabel 2004 A Tradicional Matança do Porco. Sabugal. 18. Notícias do Casteleiro. 15-16. 4. Forcalhos. 4. VAZ. O entrudo de Outrora. 1998 Culinária. março p.. 8. Dia de Festa. VAZ. sociedade e cultura . O Interior. 17. 13. Vilar Maior. 4.salvação. Forcalhos. 199-206.ª série. 76. Tratamento . Lisboa. Sabucale. 8. p. 10. Guarda. março. 62. Paulo Leitão 2002 A Matança e a Gastronomia Raiana. abril. dezembro. 6. 6. p. 4. agosto. p. Notícias dos Focalhos. 32. 2006 O bucho e suas variantes. Vilar Maior. Guarda. Casteleiro. 10-11. p. 67. Renascer. CRISTINA. 8. CARLOS (Riela). e não só. maio. Lisboa: Apenas Livros. CHGJ 1985b O caldo escoado. p. 161-168. Vassouras. Forcalhos. Paula 1999 Recordando. p. Sabugal. 36. p. Cinco Quinas. janeiro. p. Forcalhos. 75-82. Notícias dos Forcalhos. p. Notícias dos Forcalhos. 23. 27. 129. João Martins 1988 Velhos costumes forcalhenses. Sabugal. Sabugal: História. p. 57. Sabugal.Assuntos 91 . p. 10. 66. p. 70. 5. José Manuel 2011 A inspecção dos mancebos (1ª. CORREIA. 12. prazer individual. p. dezembro.

FREIRE. GONÇALVES. Vilar Maior. José 2006 O culto do Espírito Santo. 2005 A ronda e o “pagar o vinho”. 4. 2. Porfírio 1986 Velhos costumes de Alfaiates. Lisboa. 7. MARQUES. 1996 As rondas. 10. p. p. 6. 37. p. Orlindo J P C 2006 Património de uma terra. JORGE. janeiro. Lisboa. maio. p. Soito. Forcalhos. outubro/dezembro. Alfaiates. Tio Carlos do 1999 Os cruzeiros (3). Forcalhos. Aldeia da Ponte. 1 e 3. p. Sabugal. 2. p. Lisboa. p. JORELO 1996 Entrudo. Sarg. Júlio 1997a Romagens e tradições religiosas. 4 e 8. Os Cavaleiros da Ordem Militar do Templo e o passeio dos moços da raia. Vilar Maior. junho. 118. 28. António 1996 A Páscoa da minha infância. 7. 246/247. 3. Cristóvão. A Festa da Família. 84. 42. p. 7-8. p. PRATA. 21-22. p. 9. O Soito. Renascer. Sabugal. maio. SOITO. 92 Sabugal: História. GOMES. janeiro/fevereiro. 6-7. 36. Aldeia da Ponte. 7. 3.DGM [Domingos Gonçalves Martins] 1981 “Rana-cataplana” de outros tempos. 56. abril. p. 121. p. 8. António Augusto F. 29. Notícias dos Forcalhos. abril. MARTINS. A Ponte. Cinco Quinas. 2. p. 103-112. Renascer. p. 2011a Os meus tempos da Quaresma e Páscoa. p. António Alves 2011 A Festa do Natal. Sabugal. Amadora: edição do autor. junho/julho. 1979 “A Romaria de Nossa Senhora da Póvoa” e as Lutas entre os Sitiantes de Aldeia da Ponte e Alfaiates. 2. p. Praça Velha. abril/maio. 1987a As paneladas. Mensagem da Saudade. Cinco Quinas. p. Renascer. Júlio Silva 1996a Recordando. Lisboa. 2005 Medicina popular. JORGE. p. Cinco Quinas. 6. Nave. vol. 59. fevereiro. Cinco Quinas. 29. p. GUSMÃO. julho/agosto. 3. julho. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 2005a Os bodos do Espírito Santo. p. 124. sociedade e cultura . Sabugal. 6. RAMOS. 50. 22. 22. fevereiro. 37. 35. junho/julho. 40. p. 4. p. 1987 Velhos costumes raianos (o pagamento do vinho). outubro. maio/junho. GATA. Sabugal. janeiro. 1986a Fogueiras do Natal nas terras do concelho. Vilar Maior. junho. 46. Manuel Leal 2004 O casamento nas aldeias do distrito da Guarda antes do Grande Êxodo de 1960. Renascer. Casamento com entrudada. p. 7. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. agosto. p. 21. Guarda. Braga: ed. RP 2007 Os santinhos do Garruço. Lisboa. Vilar Maior. João Manuel Aristides 2000 História das festas de S. abril. 8. Carlos Henriques Gonçalves 1997c A irmandade das almas.Assuntos . Pensamento Português. 4. 5. 16. 7. Forcalhos. FERNANDES. A Quaresma. DUARTE. maio. p. Soito. Alminhas. 23. I 1998 Vamos saltar a fogueira. Nordeste. Sabugal. abril. O Soito. Sabugal. novembro/dezembro. outubro. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. p. Breve esboço sociológico. p. 5. p. 1997d A ronda. VI. Sabugal. 15. 14. Autor. Jesué Pinharanda 1992 Um ensalmo arcaico de Riba-Côa: o salmo da «giplê» e a oração de Santa Cilhê». MATIAS. 70. Sabugal. Notícias do Casteleiro. 27. 11. Casteleiro. p.

Notícias dos Forcalhos. p. 2007 Cangalhas. 3. Mais um assobio. maio. p. Francisco 2001 A Religiosidade Popular no Concelho do Sabugal. 11. 8. 20. CHORÃO. Forcalhos. 2013 Iniciativa realiza-se por ocasião do Dia de Reis. Renascer. p. p. p. 33. 48. p. p. 11. p. Pedras e pedradas. Brinquedos. Sabugal. Pistolas de sabugueiro. Sabugal. 43. Forcalhos. CHGJ 1987 1987a 1988 1989b 1990 1992c 1993 1994b 1994d 1995a 1997 1998c 2000 Jogos. 9. 57. 10 de janeiro. Notícias dos Forcalhos. p. Tabaco é prenda no dia de Reis. Sabucale. 9. Cinco Quinas. Notícias dos Forcalhos. Forcalhos. p. cantilenas. 12. Brincadeiras e Lenga-Lengas nos Anos 50 do Séc. Jogos. Forcalhos. Jorge 2011 Alminhas de ontem e de hoje. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. Obras não assinadas ou de vários autores 1982a Medicina popular neste distrito. Notícias dos Forcalhos. 7-8. VAZ. 22. 1 de janeiro. p. 3. Notícias dos Forcalhos. p. Notícias dos Forcalhos. Renascer. Sabugal. Forcalhos. p. O Soito. 2. p. sociedade e cultura . trocadilhos.ª série. Sabugal. p. Vilar Maior. p. Lisboa. abril. K5. 21. GOMES. Forcalhos. p. junho. Forcalhos. 16. Estudo Monográfico. 145. Notícias dos Forcalhos. 5365. João Martins 2003 Recordando jogos tradicionais. Passado. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. p. Notícias dos Forcalhos. 12. Forcalhos. p. p. ESE. 8. 3. p. Franklim Costa 2013c Quadrazais. Guarda. Forcalhos. 16. O jogo do Bitcho. O sete escarrapatchéte. 9-10. p. Forcalhos. 41. 16. 11. Pistola de madeira. Jogos. Notícias dos Forcalhos. 10. 15-16. 24. João Manuel Aristides 1999 A Música Tradicional do Soito. 28. 11. Notícias dos Forcalhos. Guarda: Instituto Politécnico da Guarda.Suplemento. 13. 11. Forcalhos. matracas. Vilar Maior. Jogos populares. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 1994 Um assobio. Revista Altitude. 23 e 24. Forcalhos. 1988 Serões de terror em Alfaiates. TORRES. Guarda. 1996a Plantas medicinais. 14. Tradição da “Volta da Santa” voltou a ser cumprida em aldeias do Sabugal. José Joaquim da 1997 Actividades lúdico-festivas na freguesia de Sortelha. DURÃO. Estudo comparativo entre as actividades lúdicas de Aldeia Velha e Navasfrías. p. 7-8. 7. julho. 22. Escola Superior de Educação [trabalho para obtenção de diploma de Estudos Superiores Especializados em Organização e Intervenção Sócio-Educativa] DUARTE. Lisboa. abril. p. Guarda: IPG. 30. 8. 11-30. 83-90. Forcalhos. Sabugal. Notícias dos Forcalhos. Notícias dos Forcalhos . Notícias dos Forcalhos. A Guarda. Cinco Quinas. p. Brinquedos. p. 17/18. O contrabando.Assuntos 93 . Forcalhos. Forcalhos. p. Notícias dos Forcalhos. p. Forcalhos. 21. Brinquedos populares. 7. abril. Maria Teresa Basílio Lourenço 2001 Jogos tradicionais transfronteiriços. 17. p. Jogos. 22. Guarda. 24. 12. Jogos de casa ou de serão. p. A Guarda. 1994a Etnomedicina. 2001 Orações tradicionais do povo de Vilar Maior. 11. Soito. Atividades lúdicas BRAGA. p. 78. COSTA. CARLOS (Riela).SQ 2008 Águas Belas. Jogos populares. Jesué Pinharanda Sabugal: História. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. 2015 Freguesias do concelho do Sabugal mantêm tradição da “Volta da Santa”. Ermelinda 1996 O jogo do cântaro. fevereiro. Bonecas e brincadeiras infantis. Notícias dos Forcalhos. 14. 34. 95. 8. Forcalhos. 22. 2. 10-11. 29. dezembro.

Guarda.ª série. Revista Altitude. As provas de lançamento no Distrito da Guarda. p. SERRA. Os jogos ao serão . 31. 2009 A importância das “meças de forças” na Raia Beirã. K6.I. 1998c Uma pipa especial. p. 5 y 6 de noviembre de 2009). BARTÓL HERNÁNDEZ. Um exemplo da permanência e variabilidade das práticas lúdicas tradicionais.) . 129-136.. Maria dos Prazeres Lima (coord. 3. João 2010 Áreas lexicais em zona de fronteira: um olhar de síntese para a / da raia luso-espanhola na zona da Extremadura. 94 Sabugal: História. Guarda. Sortelha e Vilar Maior.ª série. Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras . p. Sabugal. 203-213. José Antonio 2006 Situación lingüística en la Raya Seca. Notícias dos Forcalhos. 20. Xosé. Vol. Provérbios e ditos populares. Pires 1983-84 O Jogo do Galo por terras da Beira. p. ESEG Investigação. In: ABELHO. 61-81. Guarda. 3. Notícias dos Forcalhos. Revista Altitude. 11. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. 138-143. 28.) . 10. 14. 9-10. sociedade e cultura . Forcalhos. a taberna e os jogos de tradição. SERRA. SERRA. 9. 4. Memórias e Subsídios. Forcalhos. Revista Altitude. p. 8. In . Guarda. Notícias dos Forcalhos. AMADOR MORENO. p.) . VEIGA. O arco. Nuno Filipe Frade 1997 Jogos Tradicionais do Concelho do Sabugal. Forcalhos. As práticas lúdicas habituais na taberna. JANELA. Braga: Editora Pax. p. SERRA. p. 26.Assuntos . Fala e literatura oral tradicional ALFONSO ÁLVAREZ.variante de Educação Física] JORGE. Guarda.Suplemento ‘Ao forcão’. 6. Sabucale. In JACINTO. 25. Sabugal: Educação de Adultos. 1986a A pelota. Mário Cameira.Brincadeiras da minha meninice. Cáceres: Editorial Avuelapluma.1971 1999 Memória sobre o teatro popular em Quadrazais. SARAMAGO. As relações entre as práticas lúdicas e as ocupações agrícolas e pastoris. Guarda. Carlos Henriques Gonçalves 1996 Brinquedos populares. Silvia (eds. Vila Real: Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro [tese de doutoramento em Educação Física e Desporto] 2000 O serão familiar. 159-176. Mário Cameira. p.ª série. 1996b O carro de bugalhas. 125-136. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. Mário Cameira 1993 O antigo jogo da bola ou dos paus no distrito da Guarda . p. 3. TERREIRO. Azinhal (ed. 15-39. Desporto tradicional português. BENTO. 1. 95-107. 2012 O jogo do grilo na Quarta-Feira (Sortelha).O interior raiano do Centro de Portugal. Nuno 2008 A afirmação de força nos Jogos Tradicionais. ANTUNES. 1984 A malha. Interferencias lingüísticas. p. Revista Altitude. p. novos intercâmbios.Entre-Douro-e-Tejo. Escola Superior de Educação [trabalho de seminário do 4º ano do Curso de Professores do Ensino Básico . Rui. 2. IV . Outras fronteiras. Brincar e jogar em Quadrazais. Lisboa: edição do autor. Sabugal. 75-90. Forcalhos. 121-129. 5. 119-128. 27. Revista Altitude. Revista Científica da Escola Superior de Educação da Guarda. Revista Altitude. Guarda: Instituto Politécnico da Guarda. Forcalhos. Estudo das Práticas Lúdicas do Baraçal. p. Bernardo 1999 Património Musical de Riba-Côa. Cáceres. Guarda. Contributo para a sua recuperação. 10. 1996-97 Brinquedos populares. 2005 Costumes e folguedos associados ao vinho. 1999 Os jogos tradicionais em Portugal. p.Teatro Popular Português.Al límite: I Congreso de la SEEPLU (Facultad de Filosofía y Letras. 12.d. 3. 2008a Os “grandes” jogos tradicionais da região transfronteirça. Virgílio (coord. Notícias dos Forcalhos – Suplemento ‘Ao forcão’. In FERNÁNDEZ GARCÍA.ª série. 3. Notícias dos Forcalhos . p. p.ª série.características e significados. 337-341.Editores SA. María Jesús.) s.ª série. p.

tomo I. 79-86. 17 (2005). Coimbra: Universidade de Coimbra. 2:10. DUARTE. p. 4 (1998). DONDELEWSKI. dos /s/ e /z/ iniciais e mediais e do <ch> pré-nuclear. 97-109. 4 volumes. A gíria de Quadrazais. 1. 32. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Revista Altitude. abril. p. 1974] 1974 Dialectologia e história da língua. 203-219. 2. Lisboa.Editores SA.Ligações com outras gírias. Rui. Guarda. Adivinhas. Virgílio (coord. 17-20. vol. Praça Velha. BOLÉO. 99-112. 29-40. 1. outubro. EMÍDIO. 6. p. 30. 11 (2002). COnservação e rejeição de dialectalismos. 113-123. outubro. O que foi ao céu e voltou. p. outubro. BENTO. Sabugal. fevereiro. 16 (2004). p. p. p. Renascer. 1941 Notas etnográficas. Portugal) através das realizações actuais do <ei> tónico. 133-139. Paulo Leitão 2007 O contrabando no falar popular. p. 18 (2005). 2011a Gíria de Quadrazais – Estudo Comparativo com Outras Gírias. agosto. FRANCO. Lisboa: edição do autor [reedição de Dissertação de Licenciatura em Filologia Românica. Madison. p. 3 (1998). 223-225. 149-162. 2011 Gíria de Quadrazais . Guarda. Bartosz 2011 De costas viradas.O interior raiano do Centro de Portugal. 1942a Notas etnográficas. março. 8 (2001). 1:7. José. cancioneiro. 19.ª série. 14 (2003). p. Sabugal. p. 20. p. 215-222. 1943 Notas etnográficas. FERRÉ. 153-171. 113-123. 5 (1999). 213-229. Manuel de Paiva 1948 O estudo dos falares locais. outubro. p. O falar de San Martín di Trebellu (Cáceres. p. I tomo I. BRAGA. 167-178. p. Cinco Quinas. Marisa 2013 Nomes e alcunhas. Sabugal: História. dezembro. II. [posteriormente incluído em Estudos de linguística portuguesa e românica. Praça Velha. p. 123-132. p. Ditados e conceitos. 1. Mensário das Casas do Povo. Sabugal. junho. Guarda. Guarda. Ana Paula Veloso Pratas 2013 A variação ou~oi em Portugal Continental. Coimbra: Faculdade de Letras [Dissertação policopiada]. DIAS. Lisboa: Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa [dissertação de Mestrado em Linguística]. Estudios Hispanicos. Revista Altitude. Revista Altitude. Lenda do Senhor dos Aflitos. p. Cracóvia. 21-22. 2 (1997). Coimbra: Universidade de Coimbra. Passado comum e caminhos evolutivos divergentes.Assuntos 95 . DIAS. 129. 1941b Notas etnográficas. p. Praça Velha. Cinco Quinas.ª série. 28. 144. p. Cinco Quinas.BATISTA. p. Revista Altitude. In Estudos de linguística portuguesa e românica.ª série. Coimbra: Universidade de Coimbra. Lisboa. Guarda). 1:3. Guarda. Vilar Maior. 20. 10 (2002). p. 1. março. sociedade e cultura . Universidade Jaguelónica [tese de licenciatura]. 1:1. 127-157. p. 1997 Romance de Santa Catarina. 91-103. CRUZ. José I. 243-249. João Baptista 1965 A linguagem de Aldeia Velha e povoações vizinhas. da 1992 Recolha de Romanceiro de Tradição Oral na Beira Alta e Beira Baixa até 1988. 2006a Quadrazais. março. p. Cancioneiro. Ditados e conceitos. 149. p. I . 18-22. 24. 15 (2004). 13 (2003). 1941a Notas etnográficas. III. 19 (2006). 22. 2012 O mañegu e o falar dos Foios.. Mensário das Casas do Povo. ditados e conceitos. 1999 A Lenda de Nossa Senhora do Ó de Vilar Maior (Sabugal. 145. p. Outras fronteiras.ª série. 14. Etnografia e Linguagem. 147.) . 185-250. p. 1997-07 Romanceiro Tradicional Português: Região da Guarda. FERNANDES. 3-4. p. 101-115. Luso-Brazilian Review. Revista Altitude. 9 (2001). 299-301. 28. 1.ª série. 18. 29:1.tomo I. p. 185-199. Sabugal. [posteriormente incluído em Estudos de linguística portuguesa e românica. 143. 179-192. Guarda. Eugénio dos Santos 2011e A lenda dos castanheiros de João de Amores. dezembro. p. 19. p. EMÍDIO. 155165. 22. p. 120. p. Linguagem. p. p. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 3-4. 99-117. p. novos intercâmbios. p. 21 (2007). 27-37. 3:10. 167-172. Isoglossas portuguesas. Mário Simões 1998a Imagem do Senhor dos Aflitos. vol. Vilar Maior. p. 63-79. Renascer. Guarda. p. p. Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras . p. 7 (2000). 79. 18. Guarda. José P. Franklim Costa 2006 O falar de Quadrazais. In JACINTO. Cinco Quinas. 22 (2007). I . Espanha) comparado com o falar dos Foios (Guarda. Pere 2000-04 Romanceiro português da tradição oral moderna : versões publicadas entre 1828 e 1960. I. 1974] 1948a Notas linguísticas sobre uma região fronteiriça. 1. Cracóvia. vol. p. p. 1971].

5. O Cancioneiro de Quadrazais (1964). 5. fevereiro. dezembro. Coimbra: Comissão de Coordenação da Região Centro. Carlos 1941a Linguagem regional. julho/agosto. 5. p. 7. fevereiro. p. p. Clarinda de Azevedo 1970 A penetração da língua nacional de Portugal e de Espanha nos falares fronteiriços do Sabugal e da região de Xalma e Alamedilla. 2656. novembro. p. p. fevereiro. 404. Célia 1996 O falar do Casteleiro. 2002 A lenda de Dom Dinis e os lobos. Nordeste. 3. 7. 5. novembro. 7. p. p. p. ?+ 105. Bernardino 1998a O linguajar fojeiro. 1996 D. p. 7. abril. 5. dezembro. p. 130. setembro. sociedade e cultura . 7. janeiro 2000. O falar de Riba-Côa. p. Mirandela: edição do autor. Ana Maria. p. 7. 231-243. p. 5. Gentil 2000 Lendas de Portugal. 166. p. 1959b Quatro quadras únicas no folclore português. GOMES. março. 407.ª edição 1939). 123. p. 96 Sabugal: História. 162. Lisboa: edição do autor. NEVES. 5. MARQUES.1962]. HENRIQUES. 107. 7. 169. Maria Aliete 1987-88 Romanceiro popular português. janeiro 2000. p. p. junho. 5. junho. 31 de Março a 4 de Abril de 1970). p. p. Filomena. p. 5. p. p. 7. 156. janeiro 1999. 5 vol. 23 de janeiro. 5. p. 2007 Terra íntima (pequenas narrativas etnográficas). Júlio Silva 1995b Romanceiro popular. 5.Assuntos . 9. p. maio. p. Lisboa: Instituto Nacional de Investigação Científica / Centro de Estudos Geográficos. dezembro. p. Da Quaresma à Fesrta das Flores (1967). 1:4. 131. JORGE. 9 de janeiro. maio. 165. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. 154. maio. p. 4ª edição. 114. p. ALÇADA. março. 3. 170. p. 1 de agosto. Guarda. março. GARCIA. 406. 113. 7. 120. Colóquio 2: Herança social peninsular perante o desenvolvimento industrial. 119. Lisboa: ed. Lisboa: Associação Portuguesa para o Progresso das Ciências. p. 5. Contribuição para o mapa dos dialectos portugueses: a gíria de Quadrazais (1964). Cinco Quinas. 7. janeiro 2001. janeiro 1999. Casteleiro. PEREIRA. Guarda. março/abril. setembro. 1:3. Sabugal. 115. 167. M. 8. p. Victor Manuel Leal Pereira 2001 Lendas de Sortelha. junho. MONTEMOR. 2. p. 3-6. junho. 2. 152. maio. MARTINS. 11-14.: Marina Editores Lda [1ª ed.ª edição. 7. dezembro. p. p. 7. 6 de março. 21. setembro. 7. 116. 20. 11581. 2 volumes. NEVES. Guarda. Nave. julho/agosto. 5. Sabugal: Câmara Municipal (1. p. 122. p. [também publicado em Nordeste. 129. 172. 25-26. p. Renascer. novembro. 5. Nuno de 2003 Maria Mim.Suplemento. Carlos Henriques Gonçalves 1993a O falar local. p. p. MAIA. setembro. 23 de janeiro. p.l. A Guarda. 5. p. fevereiro 2001. p. 110. p. 7. A Guarda. autor. novembro. Lisboa. MARQUES. p. 168. 174. 3. 125. dezembro. 5. 163. Jesué Pinharanda 1959 Um tipo especial de folclore no folclore beirão. junho. setembro. julho/agosto. dezembro. s. Forcalhos. p. p. abril. 3. 2662. p. 2. 7. Angélica Paiva 1959 As Janeiras em Santo Estêvão. In XXIX Congresso Luso Espanhol para o Progresso das Ciências (Lisboa. 164. outubro. p. 153. 1111. NOTA: inclui trabalhos publicados anteriormente revistos para esta edição: Introdução a uma etnografia infantil (1964). 161. Alfaiates. 158. 7.GALHOZ. 7. 5. 5. 1968 Práticas de etnografia (Temas de Etnografia Portuguesa). p. 126. 5. . Duardo 1998-2001 Os nosso falares. 2656. junho. 7. 112. Lisboa. 5. p. 118. novembro. 117. 5. p. 405. p. 175. Revista Altitude. 3. p. Notícias do Casteleiro. p. 151. p. tomo 3. março/ abril. julho/agosto. 171. março. Isabel 2002 Lendas e Segredos das Aldeias Históricas de Portugal. Voz do Senhor. 7. Renascer. 5. abril. 7. outubro. 167 [sic]. 5. 7. 127. outubro. julho/agosto. p. 2654. MAGALHÃES. 1977 Os falares fronteiriços do concelho do Sabugal e da vizinha região de Xalma e Alamedilla. 5. 5. Notícias dos Forcalhos . p. Vilar Maior. 7. 5. 7. Fóios: Grupo Cultural e Desportivo dos Fóios. p. Vilar Maior. 2015 Os nossos falares. p. corrigida e aumentada. 5. 162 [sic]. p. 121. Soito. 3. A Voz. p.

Agostinho Sabugal: História. In Mulheres da Beira. outubro. BOTELHO. Diário de Notícias. p. 1988a Por influência da proximidade da fronteira espanhola. janeiro/fevereiro. 2. Trancrição de Ivo Castro. p. CARREIRINHA. 20. sociedade e cultura . 3. CHGJ 1993-94 O encerro. fevereiro. Alfredo N. março. VASCONCELOS. Sabugal. 76. 240-248. 2. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda. Vilar Maior. Rebolosa. Alfaiates. Capeia arraiana.pt/clulsite/DAR/. 3. 11-12. 51. 16.Suplemento. 1987 Vocabulário.letras A-L e P. António. Revista de Estudos Pluridisciplinares sobre as Sociedades Mediterrânicas. CABANAS. 23. 32-41. Edição dos autores. junho. 2009b Lenda da Gruta.. 2007a As tradições da Beira. p. julho-dezembro 1994/janeiro-junho. Renascer. p. Abel 1917 Uma Corrida de Toiros no Sabugal. 2:2. Um Repositório do Inconsciente Colectivo. 8. 2ª edição refundida (1ª edição. março/abril. 6. p. 3:10-12. 23. Guarda. Guarda. 10. Mensagem da Saudade. Renascer. Renascer. julho/agosto. p. José Leite de 1985 Dialecto Beirão. Cinco Quinas. Cinco Quinas.ª série. Sem Fronteiras. Osório de 1993 A capeia arraiana. 1943 Gente singular. Luís Manuel Antunes 1995 O espelho quebrado: versus e reversus nas tauromaquias populares. p. 1999 Voz do Povo Beirão (1250 quadras populares). 47. Revista Altitude. 1942a Ditados e conceitos. II série. António 1996 Histórias e tradições das gentes da nossa terra.Opúsculos. 6. TOMÉ. p. 65. 1. 30 de setembro. Lisboa. 2:2. Luís (Manuel Luís Nunes) 2005 Mordomia do Menino Jesus (Capeia). 1. POLHO. Obras não assinadas ou de vários autores 1942 Adivinha. Felismina 2010 Ditos populares (em redor da capeia). p. 3. 50. Editores. GONÇALVES. Quadrazais. 1973 Inquérito Boléu (recolhas inéditas). Porto: Livraria Chardron de Lélo & Irmão. Esteves 2005 O forcão da raia. “As matanças”. 217-444. Aldeia da Ponte. 39-43.ul.PERES. Guarda. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra. 33-56. p. 1. 67. p. junho/julho. 1999 Lenda da Srª do Castelo.Assuntos 97 . Forcalhos.. [2010] Dicionário de Regionalismos e Arcaísmos. julho-agosto. Revista Altitude. p. Maria Adelaide Valle (ed. p. p. As pedras e as gentes. 25 de janeiro. julho. Revista Altitude. In CINTRA. 2. Joaquim 2011 Forcão.. 1. Lisboa. 2009 Lendas e Factos Lendários. 1886).) . Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. 246/247. Vilar Maior. K7. Mensagem da Saudade. p. p. O Soito. Guarda: Delegação do INATEL. 75. Alfaiates. 15. 2. p. 5/6. Mediterrâneo. 49. 2012 Ditos populares (em redor da capeia). 2005b Lenda do Barroco da Massaracana. Sem Fronteiras. R. p. 20. Sabugal: edição do autor. RITO. Soito. Volume VI – Dialectologia (Parte II). Gentes do Soito falam de modo curioso. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia.clul. DIOGO. ANG 1981 A capeia. Sabugal. Capeia Arraiana ANDRADE. J.ª série. Rebolosa. p. 22. Renascer. CAPUCHA. Paula Estrela Mendes e João Paulo SIlvestre . 315. In Aldeia do Bispo.ª série. p. Ficheiro em linha disponível em http://alfclul. 18. p. Vilar Maior. Notícias dos Forcalhos . Vilar Maior.

PUCARIÇO. Castelo Branco: RVJ . Um Jogo de Força. p. Fóios. p. abril a setembro. Maria da Conceição Ramajal 1998 A Capeia. p. p. 2. Lisboa. NUNES. Sem Fronteiras. p. 58. 2012 Ditos populares (em redor da capeia). Forcalhos. p. Lisboa: Universidade de Lisboa / Faculdade de Medicina Veterinária [dissertação de Mestrado Integrado em Medicina Veterinária]. Aldeia da Ponte. Manuel Luís F. In Aldeia do Bispo. O Soito. setembro. p. Lisboa: Instituto de Sociologia e Etnologia das Religiões. sociedade e cultura . 1995 A corrida do forcão. setembro. 14-15. José Maria 2005 Capeias Raianas. outubro. 35. Adérito 1985 A Capeia Arraiana. 2. p.Editores. p. 9. Soito. julho. TAVARES. Francisco 2010c Uma Capeia. 5. Edição dos autores. Zé Manel 2013 Lageosa da Raia e as suas capeias: muitos anos de histórias e emoções.1986 Origens da capeia arraiana. Rebolosa. Notícias dos Forcalhos.ª edição. 18. Sabugal. Lisboa. 1998 A capeia araiana. SERRA. Sabugal. Mário Cameira. Lisboa. 1 e 2. 6-8. 6-7. Filipa Matos Novo 2015 Estudo do impacto socioeconómico da capeia arraiana. SALADA. 1 e 8. PERES. 113. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. TEIXEIRA. Lisboa: Instituto Superior de Educação Física [monografia de licenciatura em Educação Física]. João 2004 Capeia arraiana – o forcão. 3. II série. p. junho. p. roubada. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. Mário Cameira 2006 A capeia raiana: a luta. 16 de agosto. NABAIS. Cinco Quinas. 10. p. Angel 2003 Terras do forcão. PRATA. Pires 1986 A Capeia. VEIGA. 6-7. RITO. 8. 65. Fernando 1994 O touro e o destino: a morte e ressurreição a las cinco en punto de la tarde. abril/maio. 8. OLIVEIRA. 30. 163. Mediterrâneo. p. Felismina 2010 Ditos populares (em redor da capeia). p. Edição da autora MANSO. p. dezembro. 104. Sabugal. 15. Guarda. 18-19. 3. HERNÁNDEZ GÓMEZ. 89-95. Ernesto Veiga de 1995 Festividades Cíclicas em Portugal. agosto. Nova Guarda. p. SOUSA. Folha Fojeira. Sabugal. MICAS (Amílcar do Dino da Rosa) 2010 Mordomos da capeia nos últimos 50 Anos. Revista de Estudos Pluridisciplinares sobre as Sociedades Mediterrâ- 98 Sabugal: História. José 1988 A capeia arraiana. 3. outubro. Manuel de 1987-88 Touradas – corridas de touros – capeias.Assuntos . 2014c Heróis da Capeia. António de Andrade. Cinco Quinas. 5. agosto. 138. 35. Boletim da Associação Amigos de Aldeia da Ponte. 3. o jogo. 2012e Capeia raiana: origens. Lisboa: Publicações Dom Quixote. edição do Autor. Guarda: Associação de Jogos Tradicionais da Guarda. SERRA. JORGE. nos Fóios. 512. 2001 A Tauromaquia Popular na Raia do Sabugal. As pedras e as gentes. Aldeia da Ponte. 7. PATANA. 162. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. p. a representação. 47-52. PISSARRA. Cinco Quinas. José João Alves 1988 A capeia raiana em terras do Sabugal. p.

Cinco Quinas. 16-18. 2014a Capeia Arraiana . património único do concelho do Sabugal. 5/6. Património Cultural Imaterial Nacional. Sabugal. Sabugal. 2. 20.Sabugal. José Manuel 2007 O contrabando à lareira. In Jornadas do Contrabando. Notícias dos Forcalhos . Histórias de vida de idosos ex-contrabandistas institucionalizados e não institucionalizados. Sabugal. José Cordeiro 2003 Contrabandistas à força. Jorge 2009d A capeia raiana. Obras não assinadas ou de vários autores 2001c Capeia Raiana. J. Sabugal: Litorraia. p. Forcalhos. maio. Recursos. Cinco Quinas. Sabugal. Cinco Quinas. 13. agosto. outubro. um elemento do Património Cultural Imaterial. Manuel Leal 2001a Contrabando. Contrabando BAPTISTA. de 1939 a 1974. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. [Seminário Património Cultural. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora. BATISTA. sociedade e cultura . Rui y BENTO. 4-5. p. p. Notícias dos Forcalhos. [comunicação apresentada ao IV Congresso Português de Sociologia. p. Histórias de contrabando. Coisas e gentes do Sabugal (2). p. Sabugal. Cinco Quinas. CABANAS. Sabugal. Leite de 1985 Etnografia Portuguesa: Tentame de sistematização. p.Assuntos 99 . CAMPOS. Cinco Quinas.. VASCONCELLOS. 24. p. António 2000 Carregos . In JACINTO. p. MANSO.M.I Conferências Territórios e Culturas Ibéricas. Covilhã: Universidade da Beira Interior [dissertação de Mestrado em Sociologia: Desenvolvimento e Cidadania] BATISTA. Cinco Quinas. 2006 Carregos. 3. Guarda: edição do autor.) . Sabugal. Lisboa: Artemágica. Volume IX. 12. 14. 2013b Contrabandista e Passador: O SALSA.. delito mas não pecado. dezembro.estudo do contrabando na Raia Central. CHGJ 1989-90a 1993a Histórias de contrabando. TORRES. 3. Lisboa: Imprensa Nacional .. p. Contrabando na Raia Central. Porto: Campo das Letras / Guarda: Centro de Estudos Ibéricos. Virgílio (coords. RAMOS. Mestrado em Museologia]. L. 144. Delfina Pinheiro 2005 Apontamentos sobre os caminhos do “contrabando”. Maria Rosa Lopes 2006 Contrabandos em terras de Riba-Côa. In JACINTO. Francisco 2012a Contrabando de panos de algodão. 134. janeiro. MENDES. 2000]. outubro. p. 23-32 + 2 fotos. p. 69-80. 15. Sabugal: Sabugal+ E.. 11-12. FREIRE.Casa da Moeda. Celsa Patrícia Morgado 2008 A vivência do contrabando na construção da identidade raiana numa aldeia raiana fronteiriça. 79.Patrimónios. Territórios e Turismo Cultural. 57. 2011 As Marcas do Contrabando. 2-3. Norberto 2005 Contrabando: Contributo para o seu estudo. 118. Coimbra. 148-163. Estratégias e Práticas. 38. p. Forcalhos. março. Alípio Pinheiro 1999 O meu primeiro frete de contrabando. 3. Actas. 20. p. p. Lisboa.Suplemento. Coimbra: FLUC. p. Notícias dos Forcalhos. Porfírio Sabugal: História. LOURENÇO.) . A tradição ainda é o que era. 185-209. Cinco Quinas. GOMES. julho-dezembro 1994 / janeiro-junho 1995.nicas. 33. Paulo Leitão 2007 O contrabando no falar popular. 25. 2012 A capeia Arraiana. Rui (coord. 8. Forcalhos. MANSO. p.

Nac. Manteigas. Aldeia da Ponte. Boletim da Associação Amigos da Aldeia da Ponte. (2) As Divisões Administrativas do Sabugal ao longo dos tempos. 7-46. Aldeia do Bispo: Mordomos da Capeia. Mangualde and Sabugal. Actas das comarcas dantre Tejo e Odiana e da Beira. (3). Covilhã. In Emigração e Retorno na Região Centro. In Emigração e Retorno na Região Centro. p. In Jornadas do Contrabando. Sabugal. Cinco Quinas. In Aldeia do Bispo. Isabel. janeiro/fevereiro. 63-115. 152. Guarda. Adérito 2005 Viver e morrer em Aldeia do Bispo. JACINTO. maio. Rui Miguel Amaral 2015 Emigração clandestina para França. 3. Carlos Henriques Gonçalves 2004a Óbitos de 1853 a 1890. 2014 O contrabando na raia do Sabugal no tempo de Maria Mim. Sabugal e Trancoso. Iberografias. Notícias dos Forcalhos. p. LEWIS. 1. Sabugal. 3. Rui Manuel Missa. maio. Praça Velha. 4. antigamente. TAVARES. p. 7-19. Michel 1984 Projects Migratoires et Stratégie Villageoise: Le Cas de Foios. 15/16/17.Comissão de Coordenação da Região Centro. João Tello de Magalhães 1931 Cadastro da População do Reino (1527). Lisboa. PINHEIRO. BALTAZAR. 2 vols. COLLAÇO. POINARD. janeiro. 3. M. da Empr. Distrito da Guarda. JORGE. Coimbra: Ministério da Administração Interna . Riba-Côa e o Contrabando. Meda. Celorico da Beira. Sabugal: Sabugal+ E. p. maio. Ubimuseum. Elisa Calado 2014 A Beira Interior: de mosaico de paisagens a região identitária. p. 151. Estudo do Concelho do Sabugal. p. Forcalhos. outubro. Adérito 2007 O tráfico transfronteiriço na raia do Sabugal (1880-1980). Lisboa: ISCTE/IUL [Dissertação de Mestrado em História Moderna e Contemporânea . Jim R. 100 Sabugal: História. sociedade e cultura .1985 Primeira noite de contrabando. dezembro. Coimbra: Universidade de Coimbra. TAVARES. Do tempo e da História. PAIVA. 154. As pedras e as gentes.Especialidade em Relações Internacionais].Comissão de Coordenação da Região Centro. 57-68. p. p. p. 3. MANSO. Allan M 1984 The Economic Impact of Returned Emigrants: Evidence from Leiria. p. 28. Revista Crítica de Ciências Sociais. Coimbra. Pinhel. Obras não assinadas ou de vários autores 2008 Ciscôa. p. p. 71-79. Virgínia 1965 Para a história da população dos séculos XV e XVI (resultados e problemas de métodos). 9-10. [Tese de Mestrado em Geografia Humana apresentada à Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra]. O concelho do Sabugal: 1960-1974. Alberto 1985 Do Tradicional Êxodo Demográfico ao Contemporâneo Retorno de Populações na “Região” do Centro ou Beira(s) de Portugal. Lisboa: [Tip. de Publicidade]. FERNANDES. RAU. novembro. Guarda. 2014 Sabugal: um super concelho. p. 445-466. 75-104. António Jorge André 2002 Beira Interior Norte: população e povoamento numa região periférica: uma abordagem sobre os concelhos de Almeida. WILLIAMS. Demografia / emigração e retorno ALARCÃO. 153. p. Francisco 2013i História da População do Concelho do Sabugal. Lisboa. 5. 11-15. dezembro.Assuntos . Guarda.M. Cinco Quinas. 11-24. Coimbra: Ministério da Administração Interna . Sabugal. BOURA. Figueira de Castelo Rodrigo.74. Alexandre 2008 A emigração portuguesa da zona raiana. 3. 42.. 34. Actas. p.

José Leitão. 2012c Casamentos no Soito. RIBEIRO. MEDEIROS. 2012c A capeia arraiana na literatura e na ciência. I. Mértola: Campo Arqueológico de Mértola. Óbitos 1825 a 1849.) 2015 Língua e história na fronteira norte-sul. FIGUEIREDO. baptismos e casamentos 1901-1950. Bibliografia Institucional (Contributo). 107-110. Óbitos e batizados entre 1850 e 1900. Jorge 2010 O concelho do Sabugal na Revista Altitude (Guarda). irmandades. 2014b Casamentos de “fora” 1732-1799. Natália 1976 Confrarias. Fernando Pinto.).Assuntos 101 . Pedro 1995 Fontes para a história das confrarias: algumas linhas de orientação para uma pesquisa na Torre do Tombo. p. Lisboa: Casa do Concelho do Sabugal. p. Sabucale. Lusitania Sacra. Soito. Lusitania Sacra. Lisboa. 8/9. 7. O Soito. 7. 2014a Casamentos em que um dos contraentes não é do Soito (século XVII). Lisboa: Biblioteca Nacional GOMES. 109-114. O Soito. II série. Jesué Pinharanda. 5. 3. Sabugal. o seu Concelho e a sua História na revista cultural Praça Ve-lha da Câmara Municipal da Guarda. Século XIX. BAPTISTA. Sabucale. 2014c Homens que vieram de fora. O Soito. Carlos L (coord. outubro. p. Sabugal. GOMES. GONZÁLEZ SALGADO. O Soito. Soito. GOMES. 151-180. Monografias. janeiro. 7. Lisboa: Centro Rodoviário Português. p.) 1990 Bibliografia das Monografias Locais. outubro. casar no Soito. 7. Lisboa: Ministério da Educação / Projecto Artes e Ofícios Tradicionais. 2015 O jornal Cinco Quinas como fonte de referências bibliográficas. 23. José Leitão. Sabugal. O Soito. Lisboa.pt/image/l%C3%ADngua-e-cultura-na-fronteira-norte-sul-bibliografia. 2012d Soito. Sabugal: Câmara Municipal do Sabugal. 4. 2-3. II série. II série. p. Jesué Pinharanda. p.pdf. In Congresso do 7º Centenário do Foral – Sabugal. 129-136. janeiro. p. II série. Bibliografia / Lengua e historia en la frontera norte-sur. PENTEADO. 105-108. julho. 2. abril. 1996-97 Confrarias. 15.SOITO. 2. 2ª série. Braga: Editora Pax. Inventário de uma colecção de Livros de Registo Paroquial existentes no Arquivo Nacional da Torre do Tombo. Sabucale. 1. Sabugal. Sabucale. Soito. Obras Pias e outras associações de fiéis em Portugal nos séculos XIX e XX. Síntese temática das artes e ofícios tradicionais. PEREIRA. 22. 2013e Soito. Bibliografía. Mapa de óbitos. Lisboa: Associação Portuguesa de Bibliotecários. 2-3. N. p. Misericórdias. FERREIRA. p. Soito. Soito. 2011a O Sabugal nas páginas da revista Beira Alta. 20. Jesué Pinharanda 1970 Subsídios para a Bibliografia do Distrito da Guarda. Fernando Pinto 1999 Bibliografia sobre o Concelho do Sabugal (Contributo). O Soito. 2ª série. 16. julho. assim como de Róis de Confessados. Sabugal. p. Vítor 2009 O Sabugal. O Soito. 205-225. RIBEIRO. 123-132. Comungados e Confirmados. Braga. Sabucale. II série. p. Sabucale. Sabugal: História. Arquivistas e Documentalistas. p. 3. 1977 Memórias de Riba Coa e da Beira Serra – 1. Tio Carlos do 2012 Soito. Mesquita de 1933 Subsídios para a Bibliografia da História Local Portuguêsa. Vol. 2013 Uma forma de registo e divulgação do nosso património histórico e etnográfico: Notícias dos Forcalhos. Edição electrónica disponível em http://www. Bibliografia. NUNES. II série. Amélia Aguiar 2002 As estradas em Portugal: Memória e História. mordomias. sociedade e cultura . Soito. 2. Soito. 611-648. José António (ed. p. Bibliografias ANDRADE. 101-105. II série.camertola. 21. com mais de trezentas espécies destes e de outros títulos. p. TORRES. 13. p. Sabugal. BAPTISTA. Ordens Terceiras. Manuela Barros (coord. 6. Paulo Leitão 2001 Bibliografia sobre o Concelho do Sabugal (Contributo). BATISTA. p.

) .Turismo de Frontera (II) Oferta y demanda turística en la Raya ibérica. C. 97-104.Actas do V Congresso de Arqueologia — Interior Norte e Centro de Portugal. a Beira Interior Norte e o Douro Superior em Portugal. [Seminário Discurso Museológico. 507-518.O. 293-307. p. p.) 2006 Análise territorial e inventário dos recursos da raia hispano-lusa: comarca de Ciudad Rodrigo e Terras de Riba-Côa / Analisis territorial e inventario de recursos de la raya hispano-lusa: comarca de Ciudad Rodrigo y Tierras de Riba-Côa. 5-14. 2014a Os museus locais e o turismo cultural. Sabugal. Antonio-José (dir. A. 2010 O sistema de inventário e gestão de colecções do Museu do Sabugal. 2. Mestrado em Museologia]. 2. BORGES. Cáceres. Vera Magalhães 2010 Conservação de uma cerâmica arqueológica. Territórios de Esperança. Jorge (coord. 119-124. Sabucale. T.um museu no séc. 6. 2014b Museu Etnográfico de Aldeia da Ponte. Horácio Tomé 2013 Portas do Côa: reinventar a interpretação de uma herança milenar. p. Dulce Helena Pires 2012 Sinopse das peças pertencentes à colecção do Museu da Guarda provenientes do concelho do Sabugal. Museus e Centros Interpretativos AUGUSTO. TORRES. SANTOS. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural. Coimbra: FLUC. Coimbra: Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra [Dissertação de Mestrado em Museologia]. 7-20. Directórios / estudos transfronteiriços CORTÉS GONZÁLEZ.) . p. Sabugal.Assuntos . Porto: DRCN. A. 2014 O Museu do Sabugal e a procura turística. p. Das Vulnerabilidades às Dinâmicas de Desenvolvimento. Carlos Alberto. Sabugal. 4. Sabugal. p. 165-176. GUTIÉRREZ GABRIEL. 15-24. Sabucale. história e identidade de um concelho raiano. O museu na ótica do utilizador. científica) 1999 Roteiro de Museus (Colecções Etnográficas). 4.. Lisboa: Olhapim Edições.) . Jorge 2012 O Museu do Sabugal e o seu papel na dinâmica cultural do Vale do Côa. Sabucale. p. (coords. sociedade e cultura . Memória. Rui (coord. MARQUES. Carlos Afonso 2015 Núcleo Museológico do Baraçal. Sabugal. BRANDÃO. Sabugal.. 2009c A exposição permanente do Museu do Sabugal. Mestrado em Museologia]. p. Carla. Carlos Alberto. p. Carla 2009 Museu do Sabugal . Sabugal: Pró-Raia e Câmara Municipal. 7-18. Região Centro (Beiras). DIAS. 1. CORTÉS GONZÁLEZ. In JACINTO. Sabugal. Sabucale. BORREGANA. 2012a Rede de Museus do Sabugal. Sabucale. Terceiro Volume. Nélia (coord. p. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora. M. Agustín. LIMA. 2012b Os primeiros passos para a criação de um Museu no Sabugal. A. XXI. Sabucale. Obras não assinadas ou de vários autores 2008b Museu do Sabugal: Colecção Arqueológica. 2006a A Cooperação Transfronteiriça do Organismo Autónomo de Emprego e Desenvolvimento Rural da Diputación de Salamanca. Sabucale. In CAMPESINO FERNÁNDEZ. Sabucale. 1-14. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural. Sabugal. TORRES. Jorge 2009b O processo de criação de um museu raiano. 5. 15-24. DUARTE. p. [Seminário Museus e História. CABALLERO ARENCIBIA. Coimbra: FLUC. P. Angelina (coord. 7. AUGUSTO.Espaços de Fronteira.) 102 Sabugal: História. In RODRIGUES.

2006

Beira Interior Norte. Provincia de Salamanca. Valorar la historia y conquistar el futuro. Salamanca:
Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural.

CORTÉS GONZALÉZ, Carlos Alberto; SANTA RITA, Susana Guinaldo (coord.)
2008
Atlas de la raya hispano-lusa: Salamanca-Beira Interior Norte / Alto Douro / Atlas da raia hispano-lusa: Salamanca-Beira Interior Norte / Alto Douro. Salamanca: Organismo Autónomo de Empleo y
Desarrollo Rural.
DEL BARRIO ALISTE, José Manuel; REI, Constantino Mendes; BAPTISTA, Alberto Moreira (coord.)
2008
Directorio transfronterizo de productores ecológicos y artesanales / Directório transfronteiriço de produtores biológicos e artesanais. Sa-lamanca: Organismo Autónomo de Empleo y Desarrollo Rural.
2005

Directorio de cooperación transfronteriza / Directório de cooperação transfronteiriça. Gabinete de Iniciativas Transfronterizas – Junta de Castilla y León.

FERNANDES, Alexandre
2013
La coopération transfrontalière dans le processus de développement de deux régions périphériques: Beira
Interior Norte / Provicne de Salamanca. Paris: Université Paris-Sorbonne; Lisboa - Universidade Nova de
Lisboa [tese de doutoramento UPS - Estudos portugueses, brasileiros e de África lusófona; UNL - Geografia].
LOURENÇO, António Joaquim
1999
A cooperação transfronteiriça entre o concelho do Sabugal e a comarca de Ciudad Rodrigo. In: Actas del 6º
Congreso de Economía Regional de Castilla y León (Zamora, 1998). Comunicaciones, vol. 3. Valladolid:
Junta de Castilla y León, p. 1482-1501.
Obras não assinadas ou de vários autores
2008a
A Raia... como é. Realidade problemática, futuro de esperança. Ciudad Rodrigo, Guarda, Salamanca:
Cáritas Diocesanas.

Q. Diversos
ALVES, Carolina Davide
2014
A baixa densidade rural num contexto geográfico de fluxos e permanências: atores locais, tempos e
redes. O exemplo de Foios (Sabugal). Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em Geografia Humana,
Ordenamento do Território e Desenvolvimento].
2015
Memórias, paisagem e identidade nas trajetórias de desenvolvimento. Notas sobre Fóios (Sabugal). In
JACINTO, Rui; CABERO DIÉGUEZ, Valentín (coord.) - Espaços de Fronteira, Territórios de Esperança.
Paisagens e patrimónios, permanências e mobilidades. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos /
Âncora Editora. p. 179-191.
AMÂNDIO, Aldina Nunes
2011
Elaboração de um plano para implementação de uma Agenda 21 no Município do Sabugal. Covilhã:
Universidade da Beira Interior [dissertação de Mestrado em Arquitetura].
AMANTE, Maria de Fátima Calça
2006
Fronteira e identidade local. Estratégias para a produção de localismos na zona raiana. In PERALTA, Elsa
e ANICO, Marta (org.) - Patrimónios e Identidades. Ficções contemporâneas. Oeiras: Celta Editora. p.
85-92.
2007
Fronteira e identidade. Construção e representação identitárias na raia luso-espanhola. Lisboa: Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.
ANDRADE, Augusto
2004
Artesanato no Concelho do Sabugal. Guarda: NERGA – Associação Empresarial da Região da Guarda.
2010

Antigas tradições de produção vinícola no Sabugal, Cinco Quinas, Sabugal, 116, novembro, p. 35.

BASTO, Artur de Magalhães
1923
A fronteira hispano-portuguesa (ensaio de geografia política), O Instituto, Coimbra, 70:2, p. 57-69; 70:3,
p. 103-117; 70:5, p. 211-225.
BORGES, Augusto Moutinho
2000
Proposta para um Eco Museu Militar em Riba Côa, Revista Altitude, Guarda, 3.ª série, 5, p. 61-75.
2008
Estudo da Casa Nobre no Vale do Côa, Praça Velha, Guarda, 23, p. 33-60.

Sabugal: História, sociedade e cultura - Assuntos

103

BOURA, Maria Isabel
2006
As Aldeias Históricas de Portugal e as Rotas Culturais. In JACINTO, Rui; BENTO, Virgílio (coord.) - O
interior raiano do Centro de Portugal. Outras fronteiras, novos intercâmbios. Guarda / Porto: CEI /
Campo das Letras - Editores SA., p. 293-303.
BOURA, Isabel (coord.)
2002
Aldeias Históricas de Portugal: Um Património com Futuro. Coimbra: CCRC.
BRAGA, Franklim
2010-11
Para que não se perca a memória, Cinco Quinas, Sabugal, 117, dezembro, p. 30; 122, maio, p. 26.
CARAMELO, Sérgio
1999
A génese da fronteira luso-espanhola. Uma abordagem regional, Revista Altitude, Guarda, 3.ª série, 4, p. 23-42.
CARDOSO, Patrícia Adelaide Alves
2011
Dinâmicas do Mundo Rural no Virar do Século - O Concelho do Sabugal. Coimbra: FLUC [dissertação de
Mestrado em Geografia Humana, Ordenamento do Território e Desenvolvimento].
CHGJ
1985a
1986-87
2007a

Demarcação com Castela, Notícias dos Forcalhos, Forcalhos, 4, p. 8-9.
A fronteira, Notícias dos Forcalhos, Forcalhos, 5, p. 16-17; 6, p. 12-14; 7, p. 16-17.
A fronteira, Notícias dos Forcalhos, Forcalhos, 49, p. 4-7.

CLAMOTE, Victor
2013
A morfologia urbana da vila do Soito, O Soito, Soito, 17, II série, janeiro, p. 2.
CUNHA, Luís
2010
A memória como património: da narrativa à imagem. In MARMOL, Camila del; FRIGOLÉ, Joan; NOROTZKY, Susana (eds) - Los Lindes del Patrimonio. Consumo y Valores del Pasado. Barcelona: Icaria, p.
235-249 [comunicação apresentada ao V Encontro Ibérico de Antropólogos, La Seu d’ Urgell, 2009].
DELICADO, Ana; SILVA, Luís; JUNQUEIRA, Luís; HORTA, Ana; FONSECA, Susana; TRUNINGER, Mónica
2013
Ambiente, paisagem, património e economia: Os conflitos em torno de parques eólicos em Portugal, Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, 100, maio, p. 11-36.
DIAS, Mário Simões
2006
Memórias históricas de Vilar Maior, Renascer, Vilar Maior, 62, maio/junho, p. 2.
DUARTE, Vera Magalhães
2014
Intervenção de conservação e restauro nas ruínas habitacionais no interior do castelo de Vilar Maior, Sabucale, Sabugal, 2, p. 85-100.
ESTÁCIO, António J. E.
2001
As Árvores nos Brasões Municipais. Freixo de Espada à Cinta: Câmara Municipal.
FALHAS, Susana
2010
Aldeias Históricas de Portugal – Guia Turístico. Mêda: Olho de Turista.
FERNANDES, A. de Almeida
1995-01
A toponímia da Beira Alta no ‘Dicionário Onomástico Etimológico’ de José Pedro Machado, Beira Alta,
Viseu, 54:3-4 (1995), p. 211-243; 55:3-4 (1996), p. 219-258; 56:1-2 (1997), p. 15-57; 56:3-4 (1997), p. 253292; 57:1-2 (1998), p. 1-38; 57:3-4 (1998), p. 237-277; 58:1-2 (1999), p. 1-37; 58:3-4 (1999), p. 265-299;
59:1-2 (2000), p. 1-41; 59:3-4 (2000), p. 295-336; 60:1-2 (2001), p. 1-50.
1999
Toponímia Portuguesa. Exame de um dicionário. Arouca: Associação para a Defesa da Cultura Arouquense.
FONSECA, Amália Gonçalves
2014
A transfiguração da cultura popular pelas novas tecnologias. O concelho do Sabugal em tempos de mudança. Braga: Universidade do Minho / Aveiro: Universidade de Aveiro [Tese de Doutoramento em Estudos Culturais, Especialidade de Sociologia da Cultura].
FONSECA, António M.; GONÇALVES, Daniela; AZEVEDO, Maria João
2008
A “ligação à terra”: identidade dos idosos rurais da raia portuguesa, Iberografias, Guarda, 4, p. 109-121.
GONÇALVES, José Dias
1999
Lendas e factos históricos de Vilar Maior e do seu castelo, Renascer, Vilar Maior, 24, dezembro, p. 5-6.

104

Sabugal: História, sociedade e cultura - Assuntos

JORGE, Carlos Ramajal
1988
A raia, Notícias dos Forcalhos, Forcalhos, 10, p. 10-12.
LAGE, Jorge
2013
Memórias da Maria Castanha. Edição do autor.
LOPES, MAria Carolina Ferreira Marcos
2014
O papel do turismo na dinamização da região centro. Reabilitação e revitalização das termas de Águas
Radium. Lisboa: FAUL [Projeto Final de Mestrado em Arquitetura].
MARQUES, António Augusto Pereira
1937-38
Assistência Médico Rural, Acção Médica, Lisboa, VI, outubro (1937), p. 136-143; VII, janeiro (1938), p. 178-212.
1943
Plano de organização da Assistência à Maternidade e à Infância no concelho do Sabugal, Acção Médica,
Lisboa, XXIX, julho a setembro, p. 56-70.
MARQUES, José Mendes
2004
Genealogia das Gentes da Aldeia do Baraçal (Concelho do Sabugal - Distrito da Guarda), Praça Velha,
Guarda, 15, p. 105-117.
MARTINS, Xavier Cameijo
2015
O património cultural no marketing dos lugares e no desenvolvimento dos territórios rurais: o concelho
do Sabugal. Coimbra: Universidade de Coimbra / FLUC [Dissertação de Mestrado em Gestão e Programação do Património Cultural].
2015a
Sabugal: marketing territorial a partir do património cultural, Sabucale, Sabugal, 7, p. 113-122.
MEDEIROS, Eduardo José Rocha
2010
A Cooperação Transfronteiriça Portugal-Espanha e Suécia-Noruega. Efeito barreira e Impactes Territoriais do INTERREG-A. Lisboa: Universidade de Lisboa / Instituto de Geografia e Ordenamento do
Território [tese de doutoramento em Geografia / Planeamento Regional e Urbano].
MOREIRA, Margarida; CAMARINHAS, Catarina; PAULO, Luísa Reis
2004
Património rural em Portugal. Um contributo para o desenvolvimento sustentado do interior português.
(Relatório final). Lisboa: Universidade Técnica / Faculdade de Arquitectura.
NATÁRIO, Maria Manuela
2004
Inovações, competitividade e demografia empresarial: o caso da Raia Central Ibérica. Évora: Universidade de Évora [dissertação de Doutoramento em Economia].
MOTA, Joana Miranda
2013
A Exploração de Georrecursos para fins Turísticos de forma Sustentável. O caso das Termas de Chão de
Pena. Covilhã: Universidade da Beira Interior [dissertação de Mestrado em Engenharia Civil].
NUNES, Adélia
2004
O “Baldio do Sabugal”: Processo de Colonização e Evolução do Uso do Solo. In Actas do V Congresso da
Geografia Portuguesa. Portugal: Territórios e Protagonistas, Associação Portuguesa de Geógrafos.
2006
Mudanças no uso do solo e cobertura vegetal na Terra Fria da Beira Transmontana: aspectos histórico-evolutivos, factores condicionantes e principais consequências geoambientais. In JACINTO, Rui; BENTO, Virgílio (coord.) - O interior raiano do Centro de Portugal. Outras fronteiras, novos intercâmbios.
Guarda / Porto: CEI / Campo das Letras - Editores SA., p. 101-142.
OSÓRIO, Marcos
2013
Pedras singulares: alguns achados arqueológicos enigmáticos do concelho do Sabugal, Sabucale, Sabugal, 5, p. 75-90.
2015
Pedras singulares (capítulo II): Outros achados arqueológicos enigmáticos do concelho do Sabugal, Sabucale, Sabugal, 7, p. 23-50.
OSÓRIO, Marcos; SALGADO, Telmo
2007
Um Sistema de Informação Geográfica aplicado na Arqueologia do Município do Sabugal, Praxis Archaeologica, Porto, 2, p. 9-12.
2012
Estudos de análise espacial com base na Carta Arqueológica Municipal do Sabugal. In: CASCALHEIRA,
João; GONÇALVES, Célia (editores científicos) - Actas das IV Jornadas de Jovens em Investigação Arqueológica, Vol. I. Faro: Universidade do Algarve / Núcleo de Arqueologia e Paleoecologia, p. 89-95.
PINHEIRO, Júlio Fernando da Costa
2013
As termas do Cró: tanto história quanto saúde. In. JACINTO, Rui (coord.) - Paisagens, Patrimónios e
Turismo Cultural. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora, p. 104-115.
PINTADO, António Patrício; BARRENECHEA, Eduardo

Sabugal: História, sociedade e cultura - Assuntos

105

Porto: Afrontamento. Turismos. sociedade e cultura . Boletim Liga do Santo (#) Bol Edição Boletim Edição Carta Boletim Lisboa (#) Cin Jornal Sabuga O Conc Revist Lisboa A Estre Jornal Sabuga Falupo CRCP Penalo (#?) Fo Boletim Fóios. 109-128. 75-91. PINTO. A Guarda. 17 de março. R. p. Ordenamento do Território e Desenvolvimento]. Emanuel de Castro 2007 Análise integrada da paisagem da Raia Central Portuguesa. SILVA. JACINTO. In. (#?) A Public Aldeia Gazeta Seman Sabuga O Grito Santo 106 Sabugal: História. Valentín (coord. Paulo Celso Lopes 2014 Paisagem e património geomorfológico do concelho do Sabugal. Castelo Branco. Guarda. Cadernos de Cultura. 9.Paisagens. a fronteira do subdesenvolvimento. 13. 3 (2). Maria Adelaide Neto 1999 As águas santas . O território como recurso de desenvolvimento. 2009 Heritage building in the ‘Historic Villages of Portugal’: Social Processes. Carlos dos Santos 1988 Características económicas e sociais das terras de Riba-Côa.Assuntos . XLII (184). Célio Rolinho 1995 Os Cabeços das Maias. 853-874. Rui.1974 A raia de Portugal. Covilhã: edição do autor. CABERO DIÉGUEZ. O Amig (em pa Outeir PIRES. SALVADO. Análise Social.) . (#) Bol Aldeia RODRIGUES. Guarda / Lisboa: Centro de Estudos Ibéricos / Âncora Editora. p. Tartu. Coimbra: FLUC [dissertação de Mestrado em Geografia Humana. 20-26. Journal of Ethnology and Folkloristics. Obras não assinadas ou de vários autores 2016 Colónia Agrícola Martim Rei foi criada pelo Estado Novo em 1936. p. Pêga: edição do autor. p. Pu NOTA: PIRES. Patrimónios.das velhas crenças à voz de Amato Lusitano. Lisboa. Practices and Agents. Luís 2007 Sortelha e Monsaraz: estudo de caso de dois lugares turísticos no interior de Portugal. p. novembro.

sociedade e cultura . 2ª série. Publicações periódicas NOTA: (#) indica que se edita atualmente O Amigo do Sabugal (em parte da colecção. 1994.(1ª série. 2000. 1979 Sabugal: História. ?.(43 números até março de 2013) (#?) A Freguesia Publicação da Liga dos Amigos da Aldeia de Santo António Aldeia de Santo António. suplemento do Amigo da Verdade) Outeiro de São Miguel. 1987-1993 (19 números) Carta de Quadrazais Boletim policopiado Lisboa. 1926-1928 (?56 números) O Grito Santo Estêvão.(14 números até setembro de 2011) Gazeta do Sabugal Semanário de classe dos lavradores do concelho Sabugal. 1978-1982: 17 números. 1900 Falupo CRCP Penalobo. 2008? (1 número sem data) (#) Boletim Municipal Edição da Câmara Municipal do Sabugal.(19 números até janeiro de 2016) Boletim Municipal de Sabugal Edição da Câmara Municipal do Sabugal. 1973 (#) Cinco Quinas Jornal mensal Sabugal. 2011.R.Periódicos 107 . 3ª série 1992?. 1964-1996 (1431 números) (#) Boletim da Associação Amigos de Aldeia da Ponte Aldeia da Ponte. 1976 (?7 números) A Estrela do Côa Jornal regionalista Sabugal.: 93 números até setembro de 2013) Boletim Informativo Liga dos Amigos de Santo Estêvão Santo Estêvão. 1978.(180 números até março de 2016) O Concelho do Sabugal Revista semanal da Casa do Concelho do Sabugal Lisboa. 1983-1989: 20 números. 1998 (1 número) (#?) Folha Fojeira Boletim do grupo Cultural e Desportivo dos Fóios Fóios.

1998-2006: 92 números. 1995-2009 (78 números) (#) Sabucale Revista anual do Museu do Sabugal Sabugal. 1995-1996 Voz do Boletim Soito. 4ª série 2005. 198_. 2ª série 1991-1993?: 6 números. 2ª série.Sabugal Ediraia Castelo Branco.(1ª série. 1978-2000 (127 números) 108 Terra F Mensá Lisboa (#?) Te Boletim Sabuga Voz da Mensa Sabuga A Voz d Mensá Sabuga S. 1982 (1 número) (#) Notícias do Casteleiro Boletim do Centro de Animação Cultural do Casteleiro Casteleiro. 1998. 2008-: 23 números até julho de 2014) Porta V Boletim Bismu (#) O Solidário Santa Casa da Misericórdia Soito.(5 números até 2009) Terras Boletim ?. 2009. 1984-2009 (52 números) A Ponte Jornal dos naturais de Aldeia da Ponte Aldeia da Ponte. 1994.(1ª série.(77 números até março de 2014) Notícias dos Forcalhos Semestral Forcalhos.: 21 números até março 2012) Luta: Boletim regional de informação e formação do concelho do Sabugal Lisboa. 198_-?: ? números.(85 números até outubro de 2015) (#) O Soito Junta de Freguesia do Soito Soito. 2007. 1978-1982 (?17 números) Raia . 1975 (?2 números) Nossa terra junto à fronteira Foraclhos. 1925-1927 (?71 números) Sabugal Boletim da casa do Concelho do Sabugal Lisbo. ? (15 O Tanas Bimensal Aldeia da Ponte. Sabugal: História. 3ª série 1998?-1998: 2 números. 1999 (1 número) Renascer Boletim bimensal da Associação Cultural e Desportiva de Vilar Maior Vilar Maior. 1992. Bo O Arra Boletim Vialr M Ecos d Boletim Aldeia Mensa Boletim Alfaiat Nordes (#) Sem Fronteiras Boletim trimestral da Associação Cultural e Desportiva da Rebolosa Rebolosa.Periódicos . sociedade e cultura .(#?) Laje da Lancha Boletim informativo trimestral da Aldeia do Bispo Évora.(7 números até 2015) O Sabugal Semanário regionalista Sabugal.

núme- Terra Fria Mensário do concelho do Sabugal Lisboa. 1989-2002 (147 números até dezembro de 2002) Boletim paroquial mensal da Bismula ?. 2002. 1968-1971 (43 números) Ecos da Aldeia Boletim paroquial mensal Aldeia da Ponte. março de 2206 . 1964-1987 (319 números) Nordeste Boletim paroquial mensal de Aldeia da Ribeira ?. 1975-1976 (?1 número) (#?) Terras do lince Boletim informativo da ADES Sabugal.Nave. 1963-1965 Terras de Riba Côa Boletim paroquial ?. ? (43 números) Boletim paroquial mensal da Nave e Vila Boa (a partir do nº 3 . Aldeia da Dona. Aldeia da Dona e Vila Boa. ? (146 números) Boletim paroquial mensal de Alfaiates e Aldeia da Ribeira Alfaiates. a partir do nº 232. Soito).Nave.Periódicos 109 . Vila Boa e Soito) Nave (a partir do nº 211. 1962-1967 (288 números) S.(15 números até março de 2014) Voz da Raia Mensal (bilingue português-castelhano) Sabugal. 2004 (7 números) A Voz do Sabugal Mensário regionalista Sabugal. 1965-1970 Mensagem da Saudade Boletim paroquial mensal de Rebolosa e Alfaiates Alfaiataes. ? (15 números) Voz do Senhor Boletim paroquial Soito. sociedade e cultura . 1964-2001 (412 números até dezembro de 2001) Sabugal: História. 1985-2012? (302 números) Porta Voz Boletim paroquial mensal de Bismula e Badamalos Bismula. Boletins paroquiais O Arraiano Boletim paroquial mensal de Vilar Maior e Aldeia da Ribeira Vialr Maior.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful