Você está na página 1de 31

OS TIPOS BÁSICOS DE TECIDO URBANO

e seus desdobramentos

PU 02
Nota:
Os slides adiante constituem material para orientar o
desenvolvimento da aula e estudos posteriores, mas
não abrangem a totalidade dos assuntos debatidos em
sala e referenciados na bibliografia constante não plano
de ensino e cronograma da disciplina, (ver documentos
disponibilizados no portal acadêmico).

Referência das Imagens:


Pinterest
Texto de Referência:
CAMPOS FILHO, Candido Malta. Reinvente seu bairro:
caminhos para você participar do planejamento de sua
cidade. São Paulo: Ed. 34, 2003. (36 a 43 e 54-90)
PANERAI, Philippe; CASTEX, Jean; DEPAULE, Jean-
Charles. Formas Urbanas: a dissolução da quadra. Porto
Alegre: Ed. Bokman, 2013. (157-170)
.

PU 02
Segundo CAMPOS FILHO (2003) a moradia é o principal elemento estruturador do espaço urbano pois:
O USO RESIDENCIAL É PREDOMINANTE NAS CIDADES.
EXERCE FUNÇÃO DE ÂNCORA DO CIDADÃO.
SUA RELAÇÃO COM A CIDADE DIRECIONA O ESTILO DE VIDA URBANO.
DETERMINA A ORGANIZAÇÃO DOS DEMAIS USOS DO SOLO.
UNIDADE AMBIENTAL DE MORADIA
RIOS DE FLUXO INTENSO
“[...] a unidade ambiental de moradia
que define a sua dimensão pela distância
máxima a ser andada com conforto para
acessar o comércio e o serviço locais,
PU 2

ILHAS DE TRANQUILIDADE
quando for o caso, assim como os
Aula 04

equipamentos escolares e de saúde de


grande frequência de uso. Temos usado em
planos que desenvolvemos 800 m como
distância máxima para andar a pé.”
(CAMPOS FILHO, 2003, p. 36)

Unidade Ambiental de Moradia.


Fonte: Campos Filho (2003)
UNIDADE AMBIENTAL DE MORADIA
RIOS DE FLUXO INTENSO
Nesse conceito, alguns elementos de
composição se evidenciam:
Edifício
PU 2

ILHAS DE TRANQUILIDADE
Lote
Aula 04

Quadra
Rua
Praça
Unidade Ambiental de Moradia.
Fonte: Campos Filho (2003)
LOTES, QUADRAS E EDIFÍCIOS SISTEMA DE CIRCULAÇÃO
DE USO DIVERSO, PRAÇA

TECIDO URBANO
PU 2 PARIS
Aula 04

Fonte: GOOGLE MAPS.


SIENA

Fonte: GOOGLE MAPS.


CIDADE DO MÉXICO

Fonte: GOOGLE MAPS.


CIDADE DO MÉXICO

Fonte: GOOGLE MAPS.


CIDADE DO MÉXICO
Fonte: ARCHDAILY.
RIO DE JANEIRO
Fonte: Google Maps
RIO DE JANEIRO
Fonte: Google Maps
TECIDO URBANO-QUADRAS
Segundo PANERAI et al (2013, p. 157) a
quadra é “[...] uma unidade de
parcelamento constitutiva do tecido
urbano.”
Os autores também questionam “[...]
PU 2
Aula 04

se ela permite, por meio do jogo


de diferenças e continuidades
a transição entre o espaço
‘pequeno’ – a moradia, por
exemplo- e os outros espaços
próximos e também o espaço
urbano ‘grande’.” PANERAI et al
Unidade Ambiental de Moradia.
(2013, p. 157) Fonte: Campos Filho (2003)
TECIDO URBANO-QUADRAS
A quadra como o lugar
da experiência espacial
específica que faz a
mediação entre a
PU 2
Aula 04

cidade e a moradia.

INTERIOR X EXTERIOR

PÚBLICO X PRIVADO

Plano de Desenvolvimento Urbano Estratégico Nova Friburgo


Fonte: Arcoweb
TECIDO URBANO-QUADRAS
Formas de ocupação
PU 2
Aula 04

Fonte: Campos Filho (2003)


TECIDO URBANO-QUADRAS
DENSIDADE CONSTRUTIVA = TEXTURA DO TECIDO URBANO

A nova Barcelona proposta


por Cerdà
PU 2

[fonte:br.pinterest.com]
Aula 04

Superquadras, croquis de Lucio Costa [fonte:


Arquivo Público do Distrito Federal]
BARCELONA BRASÍLIA
Fonte: Google Fonte: Google
TECIDO URBANO-QUADRAS
QUADRA ABERTA: QUEBRA DO PARADIGMA PÚBLICO X PRIVADO
“[...] o espaço central pode, nas situações mais favoráveis, ser lugar de apropriação
coletiva que não negue as possibilidades de uso individual, ou seja, um lugar socializado?
PANERAI et al (2013, p. 165)
PU 2

A quadra aberta pode favorecer a vivacidade urbana?


Aula 04
TECIDO URBANO - SISTEMAS DE CIRCULAÇÃO
Nesse conceito, as vias exercem
papel de ARTICULADORAS do
ambiente urbano.
PU 2

Mas essa articulação é sempre


Aula 04

IGUAL?
“As unidades ambientais de moradia são
aquelas em que se conseguiu controlar o
aumento do volume de veículos de um bairro,
estabelecendo nele ‘ilhas de tranquilidade’.
Essas ilhas podem ser ruas com volume de
tráfego controlado, o que podemos chamar de
„travessia civilizada‟”. (CAMPOS FILHO, 2003, Unidade Ambiental de Moradia.
p. 34) Fonte: Campos Filho (2003)
CLASSIFICAÇÃO DOS SISTEMAS DE CIRCULAÇÃO
Segundo CAMPOS FILHO (2003),
os sistemas de circulação são
classificados em 04 níveis:

- METROPOLITANO
PU 2
Aula 04

- MUNICIPAL

- REGIONAL (Sub-prefeituras)

- LOCAL

Fonte: PDU VITÓRIA (2006)


ASSIM, PODEMOS CONSIDERAR QUE:
Que existe uma diversidade de elementos estruturadores e articuladores
dos espaços urbanos.
PU II

Que conforme a adoção e/ou combinação destes elementos a estruturação


Aula 02

espacial é diferenciada.
Que os espaços se articulam em muitos padrões que nada mais são que
combinações „estilísticas‟ de elementos fundamentais.
Que o conhecimento destes elementos e dos resultados de suas articulações é
importante para que possamos compatibilizar desejos e propostas.
TIPOS DE TECIDO URBANO
Segundo Malta Filho (2003, p. 60), existem basicamente 04 tipologias de
tecido urbano:
Tipo 1: bairro isolado
PU 2

Tipo 2: malha de bairros


Aula 04

Tipo 3: bairro jardim


Tipo 4: centralidade
TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 01: crescimento isolado
Tecido urbano com baixo grau de articulação com o sistema urbano e alto grau
de abrangência local.
O grau de abrangência é definido pela capacidade de atração de tráfego e dos
PU 2

equipamentos urbanos existentes, bem como do comércio e dos serviços, associado a


Aula 04

articulação ao sistema urbano central.

Fonte: Campos Filho (2003)


TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 01: crescimento isolado
PU 2
Aula 04

Planalto Serrano – Serra


Fonte: Google
TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 02: malha de bairros
Maior grau de articulação com o sistema urbano.
O grau de abrangência neste caso é local, mas com potencial capacidade de
expansão, ampliando assim sua importância na rede urbana.
PU 2
Aula 04

Fonte: Campos Filho (2003)


TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 02: malha de bairros
PU 2
Aula 04

Morada de Laranjeiras- Serra


Fonte: Google Maps
TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 03: Bairro Jardim
Usualmente bairros projetados na periferia e que acabam adquirindo centralidade devido
à sua grande potencialidade de articulação.
O grau de abrangência neste caso é maior e mais relevante porque o sistema viário
articulado traz consigo diversidade de usos de alta abrangência, dotando este sistema
PU 2

viário de importância na rede urbana.


Aula 04

Fonte: Campos Filho (2003)


TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 03: Bairro Jardim
PU 2
Aula 04

Mata da Praia- Vitória


Parque Residencial Laranjeiras-Fonte:
SerraGoogle Maps
TIPOS DE TECIDO URBANO
Tipo 04: Centralidades
Tecido urbano articulado por completo a um sistema viário urbano importante
tornando-se assim centralidade.
O grau de abrangência neste caso é o mais relevante porque o sistema viário articulado
traz consigo diversidade de usos de alta abrangência, dotando este sistema viário de
PU 2

centralidade na rede urbana.


Aula 04

Fonte: Campos Filho (2003)


PU 2 Entorno da Reta da Penha- Vitória
Aula 04
PU 2 ARTICULAÇÕES E TRANSFORMAÇÃO DO TECIDO URBANO
Aula 04