Você está na página 1de 69

OMBRO:

ANATOMIA, BIOMECÂNICA
E EXERCÍCIOS DE
PILATES & FUNCIONAL
Keyner Luiz
ANATOMIA DO
OMBRO
ARTICULAÇÃO DO OMBRO
• Segundo Kapandji, o complexo articular do ombro possui 5 articulações:
escapulotorácica, acromioclavicular, esternoclavicular, subdeltoidea e escapuloumeral,
sendo a última mais importante no ponto de vista biomecânico e também denominada
glenoumeral. Uma sincronia perfeita entre todo o complexo articular do ombro faz com
que grandes movimentos com os membros superiores possam ser realizados.

• Essa perfeita sincronia que ocorre entre o úmero e a escápula denomina-se ritmo
escápuloumeral e a junção escápula, clavícula e úmero é chamada de cintura escapular.
Ritmo Escápuloumeral

• 0°– 90° Deltoide Porção média/Supra Espinhoso

• 90°– 150° Trapézio Superior e inferior e Serratil Anterior ( isometria de deltoide médio)

• 150° – 180° Trapézio e Serratil anterior Paravertebrais contralateral


Articulação
Esternoclavicular
• 3 Graus de Liberdade

• Elevação: 48°
• Depressão: 15°

• Retração: 20° a 30°


• Protração: 15° a 20°

• Rotação Posterior: 10°


• Rotação Anterior: 50°
Articulação Acromioclavicular
• 3 Graus de Liberdade

• Rotação Medial/Lateral: 30° a 60° variando de acordo com a posição do membro


superior
• Inclinação posterior/anterior: 60°

• Rotação Superior/Inferior: 30° a 40°

• ATENÇÃO: Um movimento exagerado dessa articulação nos movimentos do ombro


pode ser um sinal de disfunção.
Articulação Escapulotorácica
• Articulação Falsa formada entre a escapula e o tórax

• Ritmo escapuloumeral é avaliada nessa articulação


Articulação
glenoumeral
• Esta é uma articulação esferoide
multiaxial com três graus de
liberdade. As faces articulares são a
cabeça hemisférica do úmero
(convexa) e a cavidade glenoide da
escápula (côncava).
MÚSCULOS DO
OMBRO
Serratil Anterior
• Esse músculo é muito importante em todos os movimentos da articulação do ombro
para manter o espaço na cavidade glenóide.

• Ele atua junto com o trapézio inferior e o superior para manter o funcionamento do
ritmo escapuloumeral adequado

• É um importante estabilizador e soma suas forças com os oblíquos.


Trapézio Inferior e Médio
• Atuam na estabilização da articulação do ombro

• Auxiliam os músculos serrátil anterior e trapézio superior no movimento harmônico


da escápula
Trapézio Superior
• Rotação posterior da clavícula e rotação superior da escápula em sinergia com o serrátil
anterior.

• Em casos de lesão no complexo do ombro esse músculo costuma ficar bastante


tensionado.

• Não podemos esquecer de fortalecer essa musculatura apesar de tenso ele se torna
fraco e sua eficiência se torna baixa aumentando o desequilíbrio muscular e articular.
Peitoral Menor
• Rotação inferior escapulo torácica, protração e depressão da escápula.

• Origem Processo Coracoide


• Inserção 3° 4° 5° Costela
• Ele faz a rotação interna, essa rotação causa uma diminuição no espaço da articulação do
ombro podendo aumentar o risco da síndrome do impacto.

• “ATENÇÃO COM ESSE MÚSCULO”


Peitoral Menor
Encurtamento desse músculo altera
a cinemática escapular, impedindo a
realização completa da rotação
superior, rotação lateral e inclinação
posterior
Elevador da Escápula
• Elevador da Escápula: Esse músculo
quando está desequilibrado
normalmente causa um movimento
anormal do ombro.

• Alongamento: Flexão + Inclinação


Lateral
Romboides
• Origem: Processo espinhoso da 7ª vértebra
cervical e cinco primeiras vértebras torácica .
• Inserção: Borda medial da escápula, da
espinha até o ângulo Inferior.
• Ação:  Elevação e retração da escápula
• Sinergistas: Trapézio, Serrátil anterior
Manguito Rotador
• Músculo Subescapular(Anterior) Rotação Interna
• Musculo Redondo Menor(posterior) Rotação Externa
• Músculo Infra Espinhal (Superior) Rotação Externa
• Músculo Supra Espinhal ( Posterior) Rotação Externa

• Bíceps cabeça longa auxilia na estabilização

• TRABALHAR EM ROTAÇÃO EXTERNA:


- Em todas as amplitudes
- Concêntrico/ Excêntrico / Isometria
Estruturas Estabilizadoras Passivas
• Ligamentos

• Labrum

• Tendões
MOBILIDADE
TORÁCICA
PRINCIPAIS PATOLOGIAS
DE OMBRO
Capsulite Adesiva (Ombro Congelado) 
• A capsulite adesiva é caracterizada por uma restrição dolorosa e progressiva dos movimentos
ativos e passivos do ombro.

• Acomete mais o lado não dominante, aquele que usamos menos, e em  pacientes do sexo
feminino, na sua maioria entre a 5ª ou 6ª década de vida. Em 20 a 30% dos casos, incide em
ambos os  ombros.

• Hoje existem evidências de que a capsulite seja uma evolução de uma sinovite (inflamação
da membrana sinovial, dentro das articulações) e posterior reação de fibrose da capsula
articular.
Síndrome de Impacto
• Se caracteriza por pelo impacto entre o túberculo maior do úmero com o acrômio.

• Esse impacto pode ocorrer por diversas causas, entre elas: micro instabilidade do
ombro, discenesia escapulo-torácica, esporão do acrômio e, sequela de fratura do túberculo
maior. Isso leva a uma inflamação da bursa do ombro (Bursite do Ombro), assim como
dos tendões do manguito rotador (tendinite do ombro).
DISCENESIA ESCÁPULO-TORÁCICA
• O movimento anormal da Escápula, que é o  osso plano localizado na parte de trás do
ombro, ocorre por  diversas causas. Uma paralisia do Trapézio ou do Serrátil anterior podem
levar a uma movimentação anormal da Escápula. Na Discenesia Escápulo-Torácica
observamos um movimento anormal da Escápula que é relacionado a fraqueza e fadiga
muscular assim como, a um encurtamento do peitoral menor. Esse desequilíbrio muscular faz
com que a movimentação da Escápula seja alterada com relação a parede torácica.
Bursite do Ombro
• Podemos dizer que o ombro pode ser dividido em dois espaços pelos músculos que
envolvem o ombro: a articulação gleno-umeral e o espaço subacromial.

• Por diversos motivos, pode ocorrer um estreitamento, ainda maior, do espaço subacromial e
isso leva a inflamação desta bolsa, o que chamamos de bursite do ombro e, isso causa dor no
ombro.
Bursa subacromial
TESTES
FUNCIONAIS
Teste Cervical
• São realizados 3 testes para avaliarmos se essa dor não tem origem na cervical quando 3
testes são positivos há uma grande chance dessa patologia ter origem na cervical

• Teste 1: Solicitar a Rotação para o lado sintomático


• Positivo: Quando o paciente não consegue realizar pelo menos 60° de rotação

• Teste 2: Inclinação lateral para o lado sintomático ativa e passiva: Se o paciente sentir a dor
irradiada para o membro superior o teste é positivo.
• Teste 3: Tração: Faço uma tração da cervical durante alguns segundos, se a dor no ombro
reduzir e centralizar na região cervical o teste é positivo.
Testes de Movimento
• Avaliar os movimentos que causam dor para eu avaliar o comportamento do biomecânico
• Protocolo de Avaliação:
• 2 Testes de movimento Flexão e Abdução.
• 5 Repetições de cada Movimento
• Classificar o comportamento escapular
• Normal
• Leve
• Grave ( Alterações de movimento escapular)
Teste de Apley
• Mobilidade de Glenoumeral

• Estabilidade Escapular
PRÁTICA
IMPORTANTE
• Jamais devemos focar apenas nas musculaturas envolvidas no complexo do ombro,
precisamos sempre olhar o corpo como um todo.

• Um corpo com uma Base Fraca ( Core e Glúteos) tem uma grande chance de ter uma lesão no
ombro e também ficará muito mais difícil de tratar qualquer lesão nessa região.

• Quem eu devo trabalhar primeiro?


1- Articulação do ombro
2- Escapulas
EXERCÍCIOS NO
CADILLAC
1 - Remada na Barra Torre
2 - Remada Alta
3 - Pull Down
4 - Soco Unilateral
5 - Extensão na Bola com Auxilio da Mola
6 - Prancha Dinâmica com a Barra Torre
7 - Rotação Externa em Decúbito Dorsal
8 - Remada com Auxilio da Mola
EXERCÍCIOS NO
REFORMER
9 - Mobilidade Diagonal
10 - Mobilidade Torácica
11 - Alongamento Dorsais
12 - Diagonal Externa
13 - Diagonal Interna
14 - Push Up Unilateral
(Obs: Empurrando o Pedal com o membro superior Esquerdo)
15 - Pull Up na Chair
16 - Push Up Alternado
EXERCÍCIOS NO
BARREL
17 - Extensão no Barrel
18 - Manguito no Barrel
EXERCÍCIOS NO
MAT
19 - Push Up
20 - Mobilidade no Rolo
21 - Ativação de Serrátil
(Pressionar o antebraço no rolo)
22 - Aproximação Escapular
23 - Diagonal do Trapézio Inferior
24 - Rotação Externa em Decúbito Ventral
25 - Flecha
26 - Avanço com Mobilidade de Ombro
27 - Exercício L
28 - Alongamento Elevador da Escápula
29 - Prancha Lateral Dinâmica
30 - Extensão no Rolo
CONHEÇA O CURSO MIT
www.formacaomit.com.br