Você está na página 1de 41

BELO HORIZONTE

Consolidação e
Discipulado
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

ÍNDICE
I. A NOVA TURMA DO NOVO CONVERTIDO 1

II. O PERFIL DO CONSOLIDADOR 3

III. PRINCIPAIS DIFICULDADES E DÚVIDAS DO NOVO CONVERTIDO 5

IV. INCENTIVANDO O NOVO CONVERTIDO A INTEGRAÇÃO 7

V. COMO CONSOLIDAR O NOVO CONVERTIDO 10

VI. VISITAÇÃO 12

VII. COMO DIRIGIR O 1º ENCONTRO DE CONSOLIDAÇÃO 16

VIII. A BASE BÍBLICA PARA A CONSOLIDAÇÃO 17

IX. O DISCIPULADO 20

X. O PLANO MESTRE 24

Treinamento
CONSOLIDAÇÃO E DISCIPULADO

A consolidação representa o fator que trará o fruto que permanece, em forma de líderes fortes e
igrejas em células também fortes.

I. A NOVA TURMA DO NOVO CONVERTIDO

A. A RIQUEZA DE SE ANDAR JUNTO

Cada um de nós tem (ou já teve) a sua “turminha”. Quem faz parte dela? As pessoas de quem
lembramos quando queremos sair, com quem gostamos de conversar ou de nos encontrar “para fazer
nada”, e ao lado de quem temos prazer de gastar um bom tempo. Simplesmente estando juntos.
A vida com Deus é uma via de mão dupla. Jesus nos edifica através do Espírito Santo e também dos
relacionamentos. E esses funcionam! Seja para nos abrir os olhos, direcionar, exortar, animar e alegrar.
Não só para sabermos o que fazer como também o que não devemos fazer! Deus usa as pessoas para
trabalhar e tratar conosco, e para nos transformar.

B. RELACIONAMENTOS SÃO CONSTRUÍDOS

Temos a tendência de procurarmos a companhia daqueles que já temos certa amizade e intimidade,
ou seja, nossa turma. Normalmente estamos sempre com as mesmas pessoas. Pense um pouco: com
quem você assistiu aos “Jogos da Copa”? Aquele momento para aproveitar e almoçar juntos ou
simplesmente comer uma pipoca? Quando tem um feriado e você convida algumas pessoas para irem a
um sítio com você, nessa lista estão os nomes de novos convertidos? Quando programam um passeio,
talvez você diga: “mas ele não tem nada a ver conosco. É muito diferente de nós. Não temos afinidade!”

C. APRENDA A LIÇÃO COM JESUS

Jesus formou uma turma, de pessoas que nem se conheciam nem a Ele direito. Eram pessoas
completamente diferentes entre si. Mas Jesus conseguiu transformá-los em homens de uma visão única,
de uma mensagem só, de objetivos comuns. Como? Andando junto, se divertindo junto, viajando junto,
orando junto, participando de seus conflitos e crises. Ele estava lá – sempre – que precisavam eles
precisavam
No início do relacionamento será necessário mesmo “forçar a amizade”, mas depois, estar junto se
torna um prazer. E é nesse ambiente que o novo convertido poderá conhecer mais de Cristo, pois O verá
através da sua vida e dos novos amigos cristãos. Nesse ambiente sua vida será transformada, pois
receberá ajuda e influencia tão necessários para sua transformação. Nesse ambiente será incentivado e
apoiado ao crescimento e avanço na fé cristã. Na sua nova “turma” desenvolverá habilidades e dons e
poderá exercê-los.
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

D. ALGUNS ASPECTOS DA CONSOLIDAÇÃO:

Primeiro: Iniciar uma vida cristã com qualidade é fundamental. A consolidação oferece qualidades às
estratégias e produz alcance de resultados. Ela esclarece ao novo convertido sobre a sua nova condição e
lhe oferece parâmetros para o crescimento. (Cl 1:28; At 14: 21; 22)

Segundo: É necessário estabelecer princípios espirituais básicos e sólidos para a vida do novo convertido.
O papel da consolidação é levar o novo crente a ter certeza da salvação, oferecer-lhe subsídios para
firmar-se na fé e defender-se dos convites externos – e ajudá-lo a integrar-se na célula e na igreja até
que esteja confortável suprido e feliz.

Terceiro: O acolhimento aos “visitantes” é o primeiro passo. Isso acontece nos cultos, nos eventos,
encontros e outros, e até mesmo na célula:
a) Quem convidou o visitante para o evento é o primeiro responsável por cuidar dele. O grande problema
começa quando nos omitimos, deixando de sentir o encargo e assumir responsabilidades. Achando que
outro é que deve fazê-lo.
b) Nos eventos os visitantes devem ser nossa total prioridade. Cuidado com as “rodinhas de irmãos”
deixando o visitante se sentindo um “peixe fora d’água”.
c) Temos que estar sempre preparados para preencher a ficha com os dados do visitante, sempre que
houver apelo. Se não tiver a ficha preencha em qualquer papel. Os dados das pessoas que visitam têm
que estar no domínio da igreja para ajudar no processo da consolidação imediatamente.
d) O líder de célula precisa “marcar presença” com o visitante, telefonando-lhe e visitando-o
imediatamente.

Quarto: Jesus é o nosso modelo de consolidação por excelência. Ele fez, e nos mandou fazer o mesmo.

E. AUTO AVALIAÇÃO: Veja se você está envolvido no processo da consolidação?


Assinale com um “x”e veja o resultado no final.

 Ao levar um visitante a igreja ou a célula, me responsabilizo por ele.


 Participo na hora do apelo, acompanhando o novo decidido, preenchendo seus dados.
 Mantenho contato regular e permanente com quem conduzo a Cristo? (e.mail, telefone,...)
 Sempre participo da visita aos novos convertidos?
 Ministro a Palavra de Deus a (os) novo(s) convertido(s) em separado.
 Incentivo e acompanho sua integração nas reuniões da igreja e da célula.
 Incentivo, apoio e acompanho o novo convertido em sua integração nos Primeiros Passos.
 Incentivo ao batismo e vou com ele no dia do seu batismo.

Treinamento 1
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

 Procuro conhecer seus familiares e ajudo a conduzi-los a Cristo.


 Sempre o convido para atividades informais de lazer, festas, passeios, etc.
 Procuro envolve-lo com meus amigos e familiares.

Se você não marcou nenhum quadradinho você não está consolidando, que pena! É hora de começar a
fazer algo. Deus espera isso de você! Se você marcou pelo menos três, já começou a ser um
consolidador, mas precisa avançar mais, se marcou mais de seis, está crescendo como consolidador
continue, se marcou mais de oito Parabéns. Você é um verdadeiro discípulo.

“Quem é, pois, o servo fiel e prudente, a quem o senhor confiou os seus conservos para dar-lhes sustento
há seu tempo. Bem-aventurado aquele servo a quem seu senhor quando vier achar fazendo assim.” Mt
24:45-46

II. O PERFIL DO CONSOLIDADOR

A. CHAMADOS PARA CONSOLIDAR

Estava Paulo em Damasco ainda impactado pela experiência extraordinária, na casa de Judas havia
três dias. Judas o havia acolhido, comprometendo-se com ele, apesar da má fama de perseguidor que
carregava. Você hospedaria em sua casa alguém assim? Isto mostra que cada atitude do crente é
importante para o novo convertido.
`
A instrução de Deus para Ananias foi clara, leia At 9:11-12

Deus revelou a Ananias toda a visão; não penas aquilo que se referia ao próprio Ananias, mas
também aquilo que ele estava revelando a Paulo. De igual modo, revelou a Paulo a chegada de Ananias,
preparando o seu coração para receber a benção. Ananias fazia parte de um plano perfeito, não podia
falhar.

A primeira reação de Ananias foi resistir ao chamado. O seu argumento era coerente do pondo de
vista humano. Ele ouvira falar de Paulo e sabia da perseguição feroz que liderava contra os cristãos,
assolando as igrejas. Era uma ameaça, alguém a ser evitado a todo custo. As implicações de um
envolvimento com ele poderiam ser muitas.
Essa reação é natural em qualquer pessoa que se sente intimidada com a fama, nome, posição social,
condição financeira, etc. da pessoa a ser consolidada.

Treinamento 2
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

Ao ser desafiado a consolidar, você deve saber duas coisas que são determinantes para permanecer
confiante:
 Espírito Santo já impactou aquela vida.
 Deus é quem opera através da oração e da ministração da sua Palavra

O chamado de Deus é uma etapa de um projeto perfeito, pleno de sabedoria e amor: Ele amou
Paulo, morreu pó ele, perdoou seu passado, tinha um propósito extraordinário para a sua vida e sabia do
impacto que ele representaria para o mundo. Ele via não o que Saulo era, mas o Paulo que viria a ser.

O Consolidador não pode perder de vista aquilo que só se enxerga pela fé. O seu coração precisa
estar alinhado com o coração de Deus para sentir o que ele sente e mover-se na direção do propósito de
Deus, agir apensar do medo, tornando-se proativo e efetivo.
Ele verá o potencial do novo convertido, ou seja, aquilo que ele pode vir a ser e se sentirá desafiado.
Para termos o privilégio de consolidar homens e mulheres que podem vir a ser como Paulo em nossa
geração, da mesma maneira que Ananias precisamos:
 Obedecer ao chamado;
 Valorizar o chamado de Deus;
 Ter a visão de um propósito maior.

B. CARACTERÍSTICAS DO CONSOLIDADOR

Ananias vivia em Damasco; um judeu, homem comum dentre o povo, que desenvolveu
características pessoais que deveriam estar presentes em todo homem que segue a Cristo.

Quais são as características de Ananias que podemos ver no relato do livro de Atos?
Paulo descreve sobre ele, leia Atos 22:12-16.

Ananias não vivia nos palcos, sob holofotes ou aplausos. Todavia, sua vida e influência eram
notórias em sua comunidade. Havia um testemunho que corroborava o seu maior titulo:
Ele era um discípulo de Jesus (At. 9:10), ou seja, reproduzia-se nele a vida de Jesus. Ele aprendeu
a ouvir a voz de Deus. Ele também tinha a visão do propósito maior, acolhendo aquele que Deus
escolheu, sem discutir seu passado, preferências, preconceitos, raça, cor, religião etc.
Resumindo, Ananias era: discípulo; piedoso; coerente no testemunho cristão; obediente (obedeceu
imediatamente); ousado na fé.

Treinamento 3
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

C. ATITUDES DO CONSOLIDADOR

Ananias, em obediência a Deus, foi procurar Paulo, apesar da reação que essa atitude poderia geral
gerar na comunidade judaica. O discurso de Paulo na escadaria do templo em Jerusalém (Atos 22:12-16)
revela que Ananias teve atitudes de consolidador, quais sejam:
 Procurou por Paulo – (diligência);
 Colocou-se junto a ele – (aceitação);
 Identificou-se com ele – (chamou-o de irmão);
 Orou por ele;
 Ministrou a palavra de Deus – (alimentou-o);
 Compartilhou a visão ministerial (propósito);
 Batizou-o;

Ananias foi objetivo em sua missão, como deve ser o trabalho de todo consolidador. Cada
consolidador deve dar esses passos em direção ao novo convertido. Procurar, interessar-se por ele
(visita, fono-visita, cartões, encontros, etc.); colocar-se ao lado da pessoa, ser receptivo, aproximar-se;
identificar-se com ela, isto é, tratá-la como irmão, amigo, alguém igual; orar pelas suas necessidades;
ministrar a palavra de Deus para seu crescimento na fé; compartilhar o propósito de Deus para aquela
vida e levá-la ao batismo, um compromisso mais serio com Jesus.
Precisamos, como discípulos de Jesus, desenvolver as características e as atitudes de Ananias para
sermos consolidadores eficazes, cumprindo o nosso chamado. Todos somos chamados a consolidar.

D. RESULTADOS DA CONSOLIDAÇÃO

A consolidação feita por Ananias teve resultado completo. Provavelmente, nem ele mesmo
imaginaria como seriam grandes os seus frutos e qual seria a dimensão do trabalho apostólico daquele
homem que por um momento ele temeu consolidar. Nós, de igual modo, não sabemos que impacto terá
a vida daquelas pessoas que Deus nos dá o privilégio de consolidar.
Quais foram os resultados na vida de Paulo?
 Imediatamente recuperou a visão;
 Levantou-se;
 Foi batizado;
 Alimentou-se;
 Fortaleceu-se;
 Permaneceu na comunhão com os discípulos;
 Passou a pregar o Evangelho;

Treinamento 4
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

 Cresceu;
 Gerou discípulos.

A partir daí, não se fala mais em Ananias. A consolidação estava feita e outro discipularia Paulo, tendo
importante papel para a sua vida: Barnabé.

RESPONDA DE ACORDO COM O TEXTO LIDO:

1. A consolidação é importante? Por quê?


2. Você reconhece que é sua a sua responsabilidade da Consolidação? Justifique.
3. Você já consolidou alguém? Em caso positivo, relate como foi. Em caso negativo, explique por
quê.
4. O que você precisa fazer para ser um consolidador eficaz?

III. PRINCIPAIS DIFICULDADES E DÚVIDAS DO NOVO CONVERTIDO

INTRODUÇÃO:

Não existe uma fórmula para lidar com cada problema que um novo convertido pode vir a
enfrentar. Todavia ter uma descrição das possíveis dificuldades nos ajuda a tomar medidas práticas para
prevenir que eles venham a se desviar da fé.
São muitas as batalhas. Precisamos de muitos “consolidadores” dispostos a tomar uma posição
de defesa nessa guerra.
O maior desafio na vida da Igreja é o trabalho de consolidação.

A. EMOÇÕES CONFLITANTES
Dentro das 24 horas seguintes à sua experiência qualquer novo convertido pode ter dúvida: sobre
a realidade da sua experiência. Aquela emoção inicial pode diminuir e fazer com que o novo convertido
pense que sua experiência com Cristo foi um tipo de alucinação ou uma experiência irreal.
Precisamos mostrar a ele que as emoções são afetadas pelas circunstâncias e que a nossa posição
em Cristo não depende delas.

B. CRISE DE TRANSFORMAÇÃO
Vícios e hábitos nem sempre desaparecem imediatamente e isto pode ser motivo de muita
ansiedade.

Treinamento 5
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

O novo convertido deseja corresponder à expectativa de mudança instantânea. (II Cor. 5:17). Ele
espera vencer imediatamente o cigarro, a droga e o álcool talvez por causa do testemunho de outros
que tiveram sucesso.
A verdade é que algumas pessoas precisam de um acompanhamento pessoal e outras precisam
até mesmo ser internadas num centro de reabilitação.

C. PRESSÃO DOS AMIGOS


As pessoas do seu ambiente social vão pressioná-lo para que retorne aos padrões de sua vida
antiga. Isto é especialmente difícil para os jovens, mas acontece com todos.
Velhos amigos possuem um grande poder de influência e podem levar o novo convertido a
desistir da fé. É vital, portanto, que os irmãos o envolvam até que ele seja capaz de responder
apropriadamente aos antigos amigos.

D. FALTA DE TEMPO
O novo convertido precisa separar tempo para a comunhão com os irmãos. Isto pode ser um
problema para pessoas que possuem uma agenda muito cheia.
A fim de ser edificado na fé o novo convertido precisa reorganizar seu tempo para incluir a igreja em
sua rotina. Ele não conseguirá fazer isso sozinho, daí a importância de um consolidador.

E. HOSTILIDADE DA FAMÍLIA
É comum surgir uma tensão em casa, principalmente se o novo convertido é o primeiro membro da
família a ter uma experiência com Cristo. Ele certamente será acusado de destruir a paz e a unidade da
família, o que pode ocasionar muita hostilidade contra ele.
Ele será pressionado a manter sua lealdade à família e deixar Cristo de lado. Sem o apoio de alguém
ele dificilmente conseguirá superar a pressão de uma família hostil ao evangelho.

F. PERSEGUIÇÃO
Não se pode evitar o sofrimento por causa da fé. Jesus disse que seríamos perseguidos.
Em algumas circunstâncias a perseguição torna o novo convertido mais forte, mas em outras pode
levá-lo a desistir e retroceder.
É sábio preparar o novo convertido para a possibilidade de perseguição e estar com ele quando ela
acontecer.

G. SUPERSTIÇÃO
Existe uma tendência comum de se culpar a Deus por todas as coisas ruins que acontecem depois da
conversão. Muitos novos na fé são convencidos pelos de fora de que a conversão só lhes trouxe
problemas, e que, portanto não vale a pena insistir nesse caminho.

Treinamento 6
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

Sem um irmão para protegê-lo de tais influências ele sucumbirá na fé.

H. COBRANÇAS DO PASSADO
É provável que haja uma série de pendências e questões não resolvidas do passado, como
dívidas, conflitos e ressentimentos. Muitos cobradores aproveitarão esse momento para pressioná-lo.
O novo convertido precisa ser ajudado e orientado nessas questões.
Alguns poderão se sentir envergonhados e indignos de serem cristãos, abandonando assim a fé.

I. SOLIDÃO
Por causa de sua decisão por Cristo, o novo convertido pode ter sido abandonado por todos os
seus antigos amigos e, por alguma razão ele não foi capaz de preencher o espaço com novos amigos que
compartilham de sua fé.
O resultado disso é uma grande solidão que pode levá-lo a se sentir ressentido e abandonado.

I. CRENTES CARNAIS
Crentes carnais, podem ser, uma fonte de desapontamento e desencorajamento. Eles podem fazer
comentários insensíveis e dar conselhos errados.
O novo convertido pensa que todo crente é maduro e capaz de ajudá-lo, mas nós sabemos que
existem muitos anões espirituais. Longevidade não é sinônimo de maturidade. É triste, mas às vezes
precisamos proteger um novo na fé de alguns velhos na fé, os OVÉLHAS.

IV. INCENTIVANDO O NOVO CONVERTIDO A INTEGRAÇÃO

INTRODUÇÃO:

A. CASO PARA ANÁLISE

João recebeu a Cristo por meio de um homem que estava sentado


próximo a ele durante o almoço. O homem compartilhou Cristo através da QLE,
mas teve de sair imediatamente quando a hora do almoço terminou. João
estava entusiasmado, mas o dia terminou; ele foi para casa, e as perguntas
começaram a vir a sua mente. O que acontecerá se eu pecar? Terei de convidar
a Cristo para entrar em minha vida na próxima semana? Isto significa que eu tenho de ir à igreja 3 vezes
por semana? Como posso conhecer melhor a Deus? O que vai acontecer agora?

Treinamento 7
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

João estava ficando consciente de sua necessidade de procurar ajuda para encontrar as
respostas. Se você fosse a pessoa com que João orou e recebeu a Cristo, o que você faria e o que
desejaria comunicar-lhe?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________________

B. DEFINIÇÃO DE EDIFICAÇÃO:

A edificação é o processo através do qual firmamos e ________________os recém-convertidos


com o que é ________________no cristianismo para que eles possam chegar à maturidade
_________________e se tornarem multiplicadores espirituais. (Ef 4:12-13.)

C. OBJETIVO DA EDIFICAÇÃO BÁSICA.

a. Firmar sua confiança nas _______________como base na sua fé. (II Tm 3:16).
b. Ajudá-lo a entender _______________bíblicos para o crescimento espiritual.
c. Começar a cultivar _______________com ele.
d. Ensinar-lhe que o desejo de Deus é que todos os cristãos ____________________ sua fé.
Começar seu desenvolvimento como um_______________________ que possa ser treinado
em ganhar pessoas para Cristo e edificá-la em sua fé.

D. PRINCÍPIOS GERAIS DA EDIFICAÇÃO BÁSICA.

a. Lembre-se que é Deus quem dá o__________________ (I Co 3:6 , FL 1:6 , 2:13).


b. Cultive um _______________________com o recém convertido.
1. Crie um ambiente de: amor, encorajamento e amizade.
2. Torne-se seu _______________________. É muito importante que você demonstre à
pessoa que você está edificando, que você se importa com ela como pessoa. Uma das
melhores formas de fazer isso é sendo amigo.
i. Visite-o.
ii. Divirtam-se juntos. Dê testemunho frutífero.
iii. Procure saber a respeito dele, família, interesse, alvos, etc.
iv. Participe de sua vida. Seja você mesmo. Compartilhe como Cristo é importante em sua
vida.
v. Aprenda a ser um ____________________. Concentre-se nele como um indivíduo.

Treinamento 8
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

c. Desperte nele o desejo de crescer espiritualmente:


1. Torne-o consciente de suas _______________________.
2. _______________________ Cristo em suas necessidades.

d. Envolva-o com outros _______________________.


e. __________ por ele e com ele regularmente.
Encontre-se regularmente com o recém convertido para continuar com a edificação.

D. ENCORAJANDO O RECÉM CONVERTIDO A VIR AO PRIMEIRO ENCONTRO DE EDIFICAÇÃO:

a. Procure marcar um encontro com o recém convertido dentro de _____ a ____horas depois que
ele recebeu a Cristo.

“O semeador semeia a palavra: são estes os da beira do caminho, onde a palavra é semeada; e, ouvindo-
a, vem logo satanás e tira a palavra que foi semeada neles”. (Mc 4:14-15).

B. Torne-o consciente de sua necessidade de crescer em seu relacionamento com Deus.


C. Arrume um ___________ e ____________específico para se encontrar com o recém
convertido.
DIÁLOGO DE DEMONSTRAÇÃO

VOCÊ – José, hoje você orou convidando Cristo para entrar em sua vida agora, Você começou a ter um
relacionamento pessoal com ele. Na verdade isto é só o começo. Esta é a primeira vez que nos
encontramos e, de certa forma, começamos uma amizade. Mas suponha que depois de hoje, nunca mais
nos vejamos ou nos comuniquemos, nossa amizade crescerá?

JOSÉ - Não

VOCÊ – Por que não, José?

JOSÉ – Porque uma amizade depende de conhecer à outra pessoa e comunicar-se com ela.

VOCÊ – Bem, José isto acontece da mesma forma com Cristo. Mesmo que você tenha começado um
relacionamento com Ele hoje, para que sua amizade cresça, você precisa aprender a conhecê-lO melhor
quanto mais nós conhecemos a Deus, mais seremos capazes de confiar nele. Como você que uma
amizade cresce, José?

Treinamento 9
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

JOSÉ – Passando tempo juntos, eu creio. Conversando um com o outro, fazendo coisas juntos.

VOCÊ – Isto mesmo! Em outras palavras, precisamos aprender como nos comunicar com Cristo, como
permitir que Ele se comunique conosco. Precisamos aprender como passar tempo com Ele para que a
nossa amizade possa crescer. José, gostaria de encontrá-lo e compartilhar como você pode cultivar sua
amizade com Cristo. Você estaria interessado?

JOSÉ – Claro que sim!

VOCÊ – Ótimo! Podemos nos encontrar aqui às 14:00 horas no dia (...) tudo bem?

VOCÊ – José, gostaria que você lesse as QLE antes de deitar-se hoje. Então agradeça a Cristo por ter
entrado em sua vida. Assim, você estará demonstrando fé, e isto O agrada. Desejo encorajá-lo a começar
a ler os 03 primeiros capítulos do evangelho de João antes de nos encontrarmos novamente.

V. COMO CONSOLIDAR O NOVO CONVERTIDO

A. VERIFICAÇÃO DA ENTREGA

Após uma apelo formal em reuniões:


 Apresente-se e procure conhecê-lo.
 Quebre o gelo: Pode perguntar: O que achou da reunião? Como se sentiu?
 Leve-o a entender a decisão, faça perguntas de verificação, como: Você orou convidando Cristo
para entrar em sua vida? Onde acha que ele está agora? Quantas vezes acha que precisa tomar essa
decisão?
 Preencha a ficha de Decisão. Anote a necessidade apresentada em sua conversa, será uma
abertura para um contato posterior.
 Ore por ele. Sele o compromisso e ore por suas necessidades.

B. CONTATO POR TELEFONE E/OU EMAIL

Como preparar o contato:


 Ore antes pelo novo convertido.

Treinamento 10
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

 Busque um local e momento apropriado.


 Planeje o tempo e o que vai falar.
 Releia a necessidade apresentada.

Propósito
 Ser rápido para não perder o fruto.
 Mostrar um interesse genuíno.
 Ganhar a confiança.
 Deixar a porta aberta para uma visitar posterior.

Como realizar o contato


 Saudação
 Inicie a conversa, fale que tem orado pela necessidade dele, e deseja saber mais como ele está.
 Avalie sua condição espiritual. Pergunte como se sente em relação a Deus desde sua visita a
igreja/célula ou (outro evento). OUÇA MUITO!
 Marque uma visita. Veja o melhor dia e hora.
 Ore por ele encerrando o contato.

EVITE:  Pressionar o novo convertido;


 Tomar mais tempo que o necessário
 Discutir ou brigar.
 Mostrar interesse egoísta, não dirigindo a suprir a necessidade da pessoa.

C. INTEGRANDO A CÉLULA

As fichas serão cadastradas.


 As pessoas serão encaminhadas para a Célula mais próxima de sua casa.
 O líder ao receber a ficha deve fazer o contato imediatamente.
 Feito o contato devolve-la ao seu líder com o resultado, para registro ou
reencaminhamento.

Lembre-se não é apenas um papel é uma vida comprada pelo sangue de Jesus.

Treinamento 11
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

VI. VISITAÇÃO

INTRODUÇÃO:
Jesus sabia como era importante a visitação, por isso tomou tempo para ensinar como realizá-la.
Em Mateus 8:14-15, vemos como o Mestre visitando a casa da sogra de Pedro; ali orou por ela e curou-a
da febre.
Em Lucas 19:1-10, o publicano, o qual, depois dessa visita, não repetiu o seu erro, mas deu
mostras de arrependimento genuíno.
As visitas de Jesus à casa de Marta, Maria e Lázaro, foram muito especiais. Ele fez-se muito amigo
da família, tanto que as pessoas comentavam o quanto Jesus amava à Lázaro. (Jo 11:36).
As visitas ocupavam um papel muito importante no ministério de Jesus: Ele mesmo treinou Seus
discípulos e enviou-os de dois a dois para realizá-las. (Mc 6:7-11).
Definitivamente, visitar os lares para Jesus era um missão transcendental. Mesmo depois de
acender aos céus, continuou buscando homens que desenvolvessem essa tarefa; por isso escolheu
Ananias e enviou-o a visitar a casa onde Paulo se hospedava.
Com base no que foi exposto acima, o desafio deve ser: fazer da visitação um estilo de vida, algo
tão normal para nós como freqüentar a igreja. Conscientes de que, além d motivação, necessitamos
comprometer-nos com Deus em ir e obedecer, como fez Ananias, vencendo nossos próprios temores e
preconceitos, sejam eles de cunho intelectual, social, racial ou de idade.

A. RAZÕES PARA QUE PRATIQUEMOS A VISITAÇÃO


a. Deus, o Pai, é um visitador
1- Deus visitou no Éden
 Ele deu o primeiro passo em direção ao Homem (Gn 3.8-9);
 Não esperou que o homem fosse até Ele;
 Ele visitou o homem no seu próprio ambiente;
 No seu próprio ambiente, onde se sente em casa, à vontade, é que o homem tenta se esconder;
 É no seu próprio ambiente que o homem vive experiências que lhe dá argumentos para a fuga
 É no seu próprio ambiente que o homem precisa ser visitado/ buscado.
2- Deus visitou a Caim, no Éden (Gn 4.9-10)
3- Deus visitou Enoque, na terra (Gn 5.24)
4- Deus visitou a Noé, na terra (Gn 12.1; 17.1; 18.1)

Treinamento 12
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

5- Deus visitou a Abraão muitas vezes (Gn 12.1; 17.1; 18.1)


6- Deus visitou a Jacó (Gn 32.24-30)
7- Deus visitou a Israel no tempo de escravidão
8- Deus visitou a Josué várias vezes (Js 1.1;5.13-15)
9- Por meio de Cristo, o Emanuel, Deus visitou o seu povo. (Lc 1.68).

b. Deus, o Filho, é um visitador


i. No Velho Testamento:
Todas as vezes que encontramos a expressão “O Anjo do Senhor” com letras maiúsculas, no VT,
refere-se ao Verbo pré-encarnado visitando os homens
Todas as vezes que, no VT, um anjo recebe sacrifício ou adoração, trata-se do Cristo pré-encarnado
visitando o homem.

ii. No Novo Testamento:


Jesus veio para o que era seu (Jo 1.11) aqui, Ele visitou muitos lares onde:
 Ressuscitou mortos (Mt 9.23-25)
 Curou enfermos (Mt 8.14-15)
 Perdoou pecados (Mc 2.1-5)
 Ensinou pessoas (Lc 7.36-46)
 Consolou e exortou os discípulos (Jo 20.19-29).
1. Jesus enviou seus discípulos e mandou que transformassem casas em bases missionárias. Os doze
(Lc 9.1-6. Os setenta (Lc 10.1-12)
2. Jesus disse que quando receberem herança eterna aos justos serão lembrados dos trabalhos que
desempenharam na visitação (Mt 25.36).
c. Deus, o Espírito Santo, é um visitador
1. Os discípulos foram batizados no Espírito Santo quando Ele “visitava” uma casa (At 2.1-2)
2. É certo que era uma casa “o lugar em que estavam reunidos” quando, numa visita ali, o Espírito
Santo enche a todos os presentes.
3. É também passando por uma casa que o Espírito Santo enche a vida de Saulo de Tarso (At 9.17) e
distribui dons à família de Cornélio e aos seus amigos mais íntimos (At 10.1-48).

Treinamento 13
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

d. Os apóstolos, servos do Deus Triúno, eram Visitadores


1. Pedro obedeceu a ordens do Espírito Santo e visitou a Cornélio e aos seus amigos mais íntimos (At
10.17-25). Deus o enviou a visitar uma casa e não a fazer uma grande cruzada evangelística.
2. Os apóstolos se reuniam diariamente no templo e nas casas, mas também praticavam visitação.
 Paulo, como novo convertido, é beneficiado pelo ministério da visitação (Tg 1.27).

B. O PROPÓSITO DA VISITA NOS LARES


a. Conhecer a impressão do novo convertido sobre a reunião da qual participou;
b. Conhecer as condições e necessidades em que se encontra. (Pv 27.23; At 15.36);
c. Ministrar a Palavra na direção do Espírito Santo. (At 20.20);
d. Encorajar o novo convertido integrar numa célula e iniciar a consolidação. (At 16.40);
e. Ajudar a evangelizar os familiares e amigos mais íntimos (At 10.24).

C. COMO PRATICAR A VISITAÇÃO NOS LARES


a. Prepare-se espiritualmente e vá.
Estas são coisas que devem acontecer em nós antes de visitarmos.
(a) Precisamos permitir que o Espírito Santo remova de nós todas as nossas atitudes
erradas antes de sairmos .At 10.9-20.
(b) Veja as pessoas assim como Deus vê.
(c) Precisamos orar pelas famílias antes de irmos visitá-las.

D. REALIZANDO A VISITA
Faça a visita em dupla, como fizeram os doze discípulos e depois os setenta enviados por Jesus para
visitar os lares. (Mt 10:5-15; Lc 10: 1-12).
a. Apresente-se: se não conhece a pessoa, apresente-se a si mesmo e ao seu companheiro, tendo o
cuidado de ser agradável e sincero;
b. Pergunte: verifique o que achou da reunião, converse sobre seus problemas específicos;
c. Compartilhe: selecione a passagem bíblica de acordo com a necessidade e explique-a em dez
minutos, para produzir fé e confiança em Deus. Compartilhe textos que falem sobre a certeza de

Treinamento 14
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

salvação, diga: “Ao convidar Cristo para entrar em sua vida diversas coisas aconteceram inclusive
as seguintes;
- Apocalipse 3:20 – Ele entrou em sua vida;
- João 1:12 – Você se tornou filho de Deus;
- Colossenses 2:12 - Todos os seus pecados foram perdoados;
- Hebreus 13:5 – Ele nunca abandonará você.
d. Envolva-o: incentive-o a participar da célula, (se ele morar próxima a sua célula) ofereça-se para
buscá-lo. Apresente-lhe as atividades da igreja e motive-o a participar.
e. Ajunte a família: se for possível envolva a família na visita, ministre a eles também;a;
f.Libere paz: termine orando pela pessoa e por sua família, declarando benção e liberando paz sobre
a vida deles.

E. ASSEGURE-SE DO SUCESSO DA VISITA


Cuide de sua aparência pessoal: lembre-se de que está projetando a imagem de Deus e da sua
igreja, como seu embaixador. II Co 5:20
Entre no local da visita com naturalidade: cumprimente amavelmente:
Fale e escute: converse, em lugar de pregar; assim, o visitado terá liberdade em participar. Não
contradiga o seu companheiro, pois dará má impressão. Não falem os dois ao mesmo tempo, não se
interrompam;
 Tome apenas o tempo combinado: se possível, leve um folheto ou literatura à pessoa que vai
visitar.
DESAFIO:

1. Escolha um colega da turma, e combinem de juntos fazerem algumas visitas aos novos
convertidos.
2. Preparem-se e definam como e farão as visitas (quem falará, quem ora,...).
3. Convide as pessoas a iniciarem a edificação, use as técnicas aprendidas.

Treinamento 15
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

VII. COMO DIRIGIR O 1° ENCONTRO DE CONSOLIDAÇÃO

INTRODUÇÃO:
É importante ajudar o recém-convertido a ter certeza que Cristo está em sua vida. Uma pessoa
que não tem certeza de sua salvação é insegura quanto ao seu relacionamento com Deus, e vive
constantemente com sentimento de culpa. Logo, ela não pode confiar em Deus. O resultado é a falta de
crescimento.
O PRIMEIRO ENCONTRO DE EDIFICÃO

a. Princípios a serem lembrados


Demonstre entusiasmo, seja cordial, procure motivar o recém-convertido a ter desejo de que seu
relacionamento com Cristo cresça.
b. Cultive um bom relacionamento.
Pergunte ao recém-convertido como ele está. Conte a respeito de você mesmo. É importante
estabelecer um bom relacionamento durante os primeiros minutos encontro. Pergunte-lhe como estão
indo as coisas desde o seu último encontro. Peça ao Espírito Santo para dar a você sensibilidade pelas
necessidades de seu novo amigo.
Conforme as necessidades forem expressas, compartilhe suas próprias experiências e respostas
obtidas na Palavra de Deus. Compartilhe como Deus tem trabalhando em sua vida.
c. Estude a 1ª lição de edificação.
1. Você ou o aluno lê a pergunta;
2. Você procura os versículos na Bíblia;
3. Seu aluno lê a pergunta novamente;
4. Você lê a pergunta novamente;
5. Seu aluno responde as perguntas. Você as discute se for necessário;
6. Você repete a resposta corretamente tornando-a mais clara;
7. Seu aluno escreve a resposta no livreto de edificação dele;

d. Objetivo da edificação # 1.
Na verdade, somente Deus pode trazer certeza da salvação. Mas, nós podemos ajudar o recém-
convertido a colocar sua confiança nas promessas de Deus. Conforme você estuda a 1ª lição, certifique-
se de que o recém-convertido tem certeza de que Cristo entrou em sua vida. Faça as perguntas do
livreto, ouça, avalie e esclareça as respostas, até que o recém-convertido entenda. Lembre-se que o

Treinamento 16
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

nosso objetivo não é apenas abordar todo o conteúdo da 1ª lição – mas ajudar o recém-convertido a
adquirir um entendimento espiritual das Escrituras.

B. COMO TERMINAR O ENCONTRO DE EDIFICAÇÃO

a. Seja calmo e sensível.


b. Deixe o recém-convertido perceber que você gosta de estar com ele
c. Fale a respeito do seu desejo de conversar com ele novamente e ajudá-lo a conhecer melhor a
Deus.
d. Arrume um tempo e lugar específicos para o próximo encontro.
Se você tem um grupo de pessoas que está pronto para a edificação # 2, reúna-se com ele para os
encontros de edificação posteriores.
A edificação pessoal é uma ponte para a edificação em grupo. Poucos cristãos alcançarão a
Maturidade espiritual se não forem envolvidos em grupo de discipulado. É muito importante envolver o
recém-convertido com outros cristãos, porque na maioria dos casos seus amigos não são cristãos.
e. Envolva-o na célula. Ele deve ser motivado a fazê-lo, se é que não está envolvido com a sua
célula. Ainda assim continue consolidando pessoalmente.
f. Termine com oração.

VIII. A BASE BÍBLICA PARA A CONSOLIDAÇÃO

A. INTRODUÇÃO

Exemplos de edificação nas Escrituras.


1. Pedro em Jerusalém. (At 2:41-42)
2. Paulo em Derbe. (At 14:2).
Referências adicionais: Paulo em Corinto: At 18:7-11 em Éfeso, At 19:1-10.

B. AS RESPOSTAS DOS HOMENS À PALAVRA DE DEUS SÃO DIFERENTES


- A parábola do semeador em Marcos 4:3-9, e 14-20, ensina que:
- Alguns ouvirão a Palavra e esquecerão. (v. 15)

Treinamento 17
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

- Alguns ouvirão com alegria inicialmente, mas quando a perseguição vier, eles vacilarão e perderão o
interesse (v. 16,17).
- Alguns ouvirão e responderão positivamente à mensagem, mais tarde, porém, permitirão que seja
sufocada pelas coisas do mundo. (v. 18,19).
- Alguns ouvirão e aceitaram a mensagem de Deus e produzirão frutos. (v. 20)
Os resultados da edificação não dependem do tempo em que estão sendo edificados. O
_________________________ não é garantido pela soma de tempo dedicado a uma pessoa.

Esta passagem não tira a _________________________dos cristãos de ajudar novos crentes a


crescerem, mas ensina que os homens respondem de uma forma diferente ante a exposição da palavra
de Deus.

C. SOBERANIA DE DEUS

Reconheça que a soberania de Deus está envolvida em nossa edificação.


A. Uma vez que recebemos a Cristo, é_________quem opera nós tanto o querer como o realizar
segundo Sua boa vontade e propósito (Filipenses 2:13).
B. Podemos confiar que Deus, quem começou a boa obra em nós há de completá-la até ao dia de
Cristo. (Fp 1:6).

D. O ESPÍRITO SANTO
A. A _________________do Espírito Santo no Pentecostes fez a diferença mais importante na vida
dos discípulos.
Não devemos lutar com nossos próprios esforços na edificação dos recém- convertidos.

E. A IGREJA LOCAL
A. A intenção de Deus para a igreja é que edifique discípulos, e também que reúna cristãos para
comunhão e adoração (Ef 4:11-16).
B. Um cristão precisa ser um _______________________de uma igreja local que honre a Cristo e que
ensine a Palavra de Deus com fidelidade (Hb 10:25).

F. TREINAMENTO

Treinamento 18
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

Dawson Trotman nos lembra que “falar não é ensinar e ouvir não aprender”. Ele nos deu programa
de cinco passos para ajudar um novo convertido a se desenvolver.
 Dizer-lhe o que;
 Dizer-lhe por que;
 Demonstrar-lhe como:
 Ajudá-lo a começar;
 Ajudá-lo a continuar.

G. TEMPO.
A. O crescimento espiritual, como o crescimento físico, leva tempo.
As pessoas não crescem espiritualmente no mesmo ____________. (I Coríntios 3:6, 7).

Não desanime se algum crente se afastar.

H. REPETIÇÃO
A. A repetição traz aprendizado, e logo, crescimento.
B. O Espírito Santo mantém aquelas verdades que conhecemos tornando-as novas e
significantes através da repetição quando nosso coração é reto (II Pe 1:12-15).

I. PADRÕES
A. Os novos convertidos precisam de alguém que demonstre como funciona a vida cristã.
B. Instruções alcançam poucos resultados se não for seguido de um modelo a ser copiado.
C. Como uma costureira faz um vestido?
D. O apóstolo Paulo disse a Tito que fosse um padrão de boas obras (Tt 2.7). Disse a Timóteo que
fosse um exemplo de boas obras (I Tm 4:12). Ele mesmo foi tão diligente ao se tornar um
padrão e mostrar o caminho para outros.
E. Essa é a primeira necessidade dos novos convertidos.

Treinamento 19
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

IX. O DISCIPULADO

A. DEFINIÇÃO:
O objetivo do discipulado é desenvolver um movimento de cristãos cheios do Espírito Santo que
são obedientes a Palavra de Deus e estão ativamente envolvidos em ajudar a cumprir a Grande
Comissão nesta geração.

1. A definição de discipulado: Ensinar outros através da Palavra de _______ e do nosso próprio


______________ de vida de amor, de poder, fé e evangelismo.

“prega a palavra, insta a tempo e fora de tempo, admoesta, repreende, exorta, com toda
longanimidade e ensino”. (II Tm 4:2; I Ts 2:8)

2. A definição de ____________________: Uma_____________ de vidas _____________________

Paulo sabia que não poderia cumprir a Grande Comissão sozinho. Por isso, discipulou
Homens fiéis para trabalharem com ele. Logo esses homens fiéis, discipularam outros que começaram a
compartilhar sua fé. Como resultado, um ____________________ iniciou-se. Muitas pessoas começaram
a envolver-se em ajudar cumprir a Grande Comissão.

“E o que de minha parte ouviste, através de muitas testemunhas, isso mesmo transmite a homens
fiéis e também idôneos para instruir os outros. II Timóteo 2:2”.

4. Formar discípulos que sejam cheios do _________________________.


Uma pessoa que é cheia do Espírito possui uma vida __________________ e _________________
Pelo Espírito Santo.
“Ora, como recebestes a Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele”. (Colossences 2:6)
“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito.” (Efésios
5:18)

Uma das formas mais importantes de discipular alguém é encorajar essa pessoa a ser
continuamente cheia do Espírito Santo.

5. Formar discípulos que sejam _____________________à Palavra de Deus. Eles devem ser
sensíveis à vontade de Deus para ___________________ os princípios e mandamentos de sua
Palavra nas suas reações diárias a Deus, às outras pessoas e a si mesmo.

Treinamento 20
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

“desejai como meninos recém-nascidos, o puro leite espiritual, a fim de por ele crescerdes para a
salvação.” (I Pedro 2:2)
“o qual nós anunciamos, admoestando a todo homem, e ensinando a todo homem em toda a
sabedoria, para que apresentemos todo homem perfeito em Cristo.” (Cl 1:28);

6. Formar discípulos que sejam ativamente envolvidos em ajudar a cumprir a ______________


________________________.
a. Estar ativamente envolvido em ajudar a cumprir Grande Comissão significa tomar a iniciativa para
ganhar, edificar e enviar outros. Nós, como também nossos discípulos, necessitamos ser
continuamente ousados no evangelismo e na edificação de recém-convertidos. (I Coríntios 15:58)

b. Nós e nossos discípulos estamos ajudando a cumprir a Grande Comissão. Nenhuma pessoa, igreja
ou organização pode fazer isso sozinho. (I Coríntios 12: 20, 21)

c. O que significa cumprir a Grande Comissão?

1) Proclamar o evangelho o evangelho a ___________ as pessoas no mundo.


“Ide, portanto, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai e do Filho e
do Espírito Santo; ensinando-os a guardar todas as coisas que vos tenho ordenado. E eis que estou
convosco todos os dias até a consumação do século.”
(Mt 28:19, 20).

2) Discipular cristãos em número suficiente, em todas as nações do mundo certificando-se de que


todas as pessoas ouçam o evangelho, geração após geração.
“Durou isto por dois anos; de maneira que todos os que habitavam na Ásia, tanto judeus como
gregos, ouviram a palavra do Senhor.” (Atos 19:10)

B. ADIÇÃO

Caso para estudo: Uma história imaginária do Apóstolo Paulo.

Imagine a seguinte situação: Paulo encontra-se com Jesus Cristo e é salvo no caminho de
Damasco, como lemos em Atos 9. Embora os cristãos o temam no primeiro momento, ele
eventualmente é aceito como parte do grupo de recém-convertidos em Jerusalém. Paulo está
entusiasmado com sua nova fé e, é encorajado pela amizade e companheirismo dos amigos ali ao seu
redor. Oferecem-lhe um emprego de fabricante de tendas. Por 40 anos, ele vive e trabalha em Jerusalém
nesse comércio. Ele se torna um cristão respeitado pelo seu conhecimento das Escrituras e maturidade

Treinamento 21
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

em dirigir em dirigir estudos bíblicos. É assíduo aos cultos. Finalmente morre em Jerusalém com a idade
de 65 anos.

Responda as perguntas que se seguem, supondo que Deus não levantasse mais ninguém no
lugar de Paulo.

1. Se essa fosse à história de Paulo, quais, em sua opinião, seriam as conseqüências para o
mundo, no primeiro século?
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________
________________________________________________________________________

2. Se essa história de Paulo fosse verdadeira, supondo que Deus não providenciasse
Ninguém mais seria a Grande Comissão de nosso Senhor cumprida? Por que sim? Ou por que não?
_______________________________________________ .

B. Definição: Um ministério de _________________________é aquele em que o líder _________


_____ _ _______________ __ __________________

A. O mundo será alcançado só com adição?_______


Se você compartilhasse com 1.000 pessoas todos os dias, levaria aproximadamente
_____________anos para alcançar o mundo!

C. MULTIPLICAÇÃO

A. O exemplo de Paulo.
Em que o ministério de Paulo é diferente de nosso “caso para estudo” sobre Paulo?
_____________________________________________________________________

1. Paulo foi discipulado por Barnabé (Atos 11: 22, 25, 26, 29, 30).

2. Paulo ________________________muitas pessoas para Cristo (Atos 14: 1,17: 2, 3, 17).

Treinamento 22
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

3. Paulo _______________________ a vida de algumas (Atos 15: 40, 16:1–3).


Silas
Barnabé –Paulo
Timóteo
4. Paulo _______________ seus discípulos para ganhar, edificar e enviar a outros.

5. Paulo não mandou para a escola, ele mesmo treinou.


“e o que de mim ouviste de muitas testemunhas, transmite-o a homens fiéis, que sejam
idôneos para também ensinarem os outros”. (II Tm 2:2)

ENVIOU
TREINOU
EDIFICOU
GANHOU

Definição: Um mistério de multiplicação é aquele em que o líder se _________________________


espiritualmente, ganhando, edificando.

Exemplo de multiplicação:

 Nossa vida

  

O mundo será alcançado com a multiplicação?

1. Diagramas de multiplicação.

  

        



Treinamento 23
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

2. Levará apenas____ anos para compartilhar o Evangelho com __ bilhões de pessoas!

D. CONCLUSÃO

Nosso objetivo em ajudar a cumprir a Grande Comissão pode ser alcançado somente através
da_________________________.

X. O PLANO MESTRE

INTRODUÇÃO:

A. A história de um jovem
Um jovem tinha um sonho. Pelo que ele podia lembrar-se, ele queria ganhar uma medalha de
ouro em corrida nas Olimpíadas. Ao pensar mais sobre isso, conscientizou-se de que teria que treinar
duro, sete dias por semana e ouvir conselhos de homens mais experimentados.
Ao crescer e entrar para o colegial, percebeu que as coisas começaram a atrapalhar seus
treinamentos. Seus amigos o convidaram a ir ao cinema, quando ele tinha planejado treinar. Ai, ele
decidiu aprender a tocar violão, e gastou muitas horas treinando isso. Assim mesmo, mais do que
qualquer outra coisa, ele queria ganhar uma medalha de ouro nas Olimpíadas.
Quando ele entrou para a universidade, sua namorada o convenceu a passar as tardes com ela.
Logo ele percebeu que apesar de ter sonhado com uma viagem para as Olimpíadas, jamais
concretizaria seu alvo, porque havia permitido que muitas coisas interferissem com ele.

O que estava errado com o sonho do jovem?

B. TRÊS PERGUNTAS CRUCIAIS.


1. Você tem o sonho de ver a Grande Comissão cumprida?
2. Você crê sinceramente que o discipulado (multiplicação) é a única maneira de se ver grande sonho
realizado?
3. Você está comprometido em ver esse sonho concretizado, ou você é como o jovem que tinha um
sonho, mas que nunca o perseguiu ativamente?

C. O PLANO DE JESUS

Treinamento 24
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

“Sua vida estava orientada pelo seu objetivo. Tudo o que Ele fazia ou dizia era parte de um
padrão global de comportamento. Era importante por que contribuía para o propósito último de sua vida
que era o de redefinir o mundo para Deus. Essa era a visão motivadora que governa seu
comportamento. Seus passos eram orientados por ela. Por momento algum Jesus perdeu de vista seu
alvo”, de “O Plano Mestre de Evangelismo” Robert Coleman.

Princípios usados por Jesus para discipular homens.

1. Ele____________________seus discípulos.
“Depois subiu ao monte e chamou os que ele mesmo quis, e vieram pra junto dele. Então designou
doze para estarem com ele e para enviá-los a pregar”. (Marcos 3:13-14).
Jesus devotou-se a Si mesmo para poucos homens, em vez de para as “Massas”, uma vez que as
“massas” seriam alcançadas através da multiplicação.

2. Ele ________________________________________ com seus discípulos.


“...e vós também testemunhareis, porque estais comigo desde o princípio”. (João 15:27).

Por quais razões era importante para Jesus gastar muito tempo com seus discípulos?
_____________________________________________________________________________________
_____________________________________________________________________________________

3. Ele _______________________de seus discípulos.


“Então disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, a si mesmo se negue, tome a
sua cruz e siga-me.” (Mt 16:24).

4. Ele_________________________ seus discípulos.


A. Ele ___________________ baseado em princípios (Mt 5-7 e Jo 14-17)
B. Ele usava situações da _________________________________ para ilustrar princípios.
Jesus usou a tempestade do mar da Galiléia para ensinar seus discípulos sobre a fé (Lc
8:22-25).
5. Ele dava o ______________________ para seus discípulos . “... porque eu vos dei o exemplo,
para que, como eu vos fiz, façais vós também”. (João 13:15).

7. Ele _________________responsabilidades aos seus discípulos.


“Chamou Jesus os doze e passou a enviá-los de dois a dois, dando-lhes autoridade sobre os
espíritos imundos”. (Marcos 6:7)

Treinamento 25
CONSOLIDAÇÃO/DISCIPULADO

Por quais razões era importante para Jesus delegar responsabilidade aos seus homens?
_______________________________________________________________________________
______________________________________________________________________________

8. Ele _________________________ Seus discípulos.


“... voltaram os apóstolos à presença de Jesus e lhe relataram tudo quanto havia feito e
ensinado”. (Marcos 6:30)

9. Ele comissionou seus discípulos a se reproduzirem espiritualmente.

C. COM O QUE VOCÊ ESTÁ COMPROMETIDO?

1) Você tem como sonho discipular outros? Sim ____ Não ____

2) Você gostaria de comprometer agora mesmo para durante toda a sua vida discipular outros?

3) Registre sua oração de comprometimento com Deus:


_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________
_______________________________________________________________________________

Treinamento 26
Autoridade Espiritual
AUTORIDADE ESPIRITUAL

ÍNDICE
I. DEUS E A OBEDIÊNCIA 1

II. MANIFESTAÇÃO DA REBELDIA DO HOMEM 2

III. A AUTORIDADE DELEGADA 5

Treinamento
AUTORIDADE ESPIRITUAL

I. DEUS E A OBEDIÊNCIA

A. ORIGEM DA AUTORIDADE

Definição: Autoridade é o poder do qual uma pessoa está revestida que lhe dá o direito de
mandar, dirigir, dar ordens.

Principal característica de Deus, segundo os seguintes textos:

a) Gênesis 17: 1 - Todo Poderoso

b) Jó 42: 2 - Onipotente

c) Jeremias 32: 17 – Poderoso e criador

3- A autoridade pertence a Deus e ao Seu Filho Jesus Cristo (Mt 6:13; Jo 19:11, Mt 28:18);

B. A OBEDIÊNCIA DE CRISTO

1. O que é mais agradável a Deus? A obediência (I Sm 15:22, 23)

Podemos fazer sacrifícios com um coração rebelde ou com motivação errada, mas a
verdadeira obediência esta concentrada em Deus.

2. Posição de Jesus Cristo em relação ao Pai era de total submissão (Mt 26:36-46; João 18:11). A
obediência foi que levou Cristo à cruz (Fil. 2:8)

A maior exigência para nós, imitadores de Cristo é sermos obedientes.

C. VIOLAÇÃO DA AUTORIDADE

1. A origem de Satanás (Is 14:12-14)

Ele foi expulso do céu quando se rebelou quanto á autoridade de Deus.

-Contraste de posições: - Jesus abriu mão do direito D’Ele, mesmo sendo Deus;

- Satanás, ao contrário, quis ser igual, ou maior que Deus.

2. Pecado do homem no Éden (Gn 2: 16,17; 3:5, 6)


Rebeldia contra autoridade de Deus. Desobediência

3. A importância da obediência e submissão à autoridade de Deus:

- É demonstração do nosso amor por Ele. Isto O agrada;


AUTORIDADE ESPIRITUAL

- Quando não obedeço estou me associando a Satanás em sua rebeldia, contra a autoridade de
Deus;

D. A ORDEM DO EVANGELHO

1. De acordo com Rm 10: 16 Paulo afirma que os que não crêem no evangelho, não obedecem;

2. Os cristãos purificam suas almas pela obediência á verdade. (I Pe 1:22);

3. O que provoca a ira de Deus e o seu castigo sobre nós são a desobediência e rebeldia. (João
3:36; Ef 2:2-3; 5:6);

4. Recebem o Espírito Santo, as pessoas que lhe obedecem. (Atos 5:32);

5- A principal característica de um discípulo é obedecer todos os mandamentos de Deus. (Mt


28:20);

A fé e a obediência sempre andam juntas no Novo Testamento. (At 22:10). A fé gera


obediência, enquanto que a incredulidade gera rebelião.

II. MANIFESTAÇÕES DA REBELDIA DO HOMEM

Em que áreas, particulares, são mais claramente manifestadas a rebeldia do homem?

Em palavras, argumentações e pensamentos. A não ser que esses aspectos sejam enfrentados
de maneira prática, a esperança de livramento da rebelião é muito fraca.

A. PALAVRAS (II Pe 2:10-12; Ef 5:6; Jd 1:8-10; Mt 12:34)

1. As palavras revelam o coração. O homem rebelde se dará a conhecer por suas palavras
rebeldes, porque da abundância do coração fala a boca. É difícil domar-se a língua (Mt 12:34);

2. Eva descuidadamente acrescentou algo ao que Deus dissera. Quando tentada ela
acrescentou “nem tocarás nele” as palavras de Deus. (Gn 3:3)

3. Cão divulgou o erro do pai. Saiu de casa para contar aos irmãos. Isso mostra que não estava
sujeito a autoridade do pai;

4. Miriã e Arão falaram contra Moisés. Moisés ocupava uma posição especial, Miriã e Arão eram
simples subordinados;

Treinamento 2
AUTORIDADE ESPIRITUAL

5. Coré e seus companheiros atacaram Moisés. Em Números 16 se vê que eles atacaram Moisés
com palavras. Todos que aceitam autoridade direta de Deus, mas rejeitam a autoridade
delegada, estão debaixo do princípio da rebelião.

6. A rebelião vem ligada ao prazer carnal. Em II Pe 2:10, o apóstolo fala dos que menosprezam
qualquer governo logo depois de falara dos que “segundo a carne, andam em imunda paixões”.
Igual atrai igual. O rebelde e o carnal andam juntos. Deus os considerou iguais.

Há duas coisas que levam os cristãos a perderem seu poder: o pecado e a injuria á
autoridade:

7. Deus repreende fortemente o rebelde. Leia novamente II Pe 2:12 “Esses, todavia, como
tantos irracionais, naturalmente feitos para presa e destruição”. Poderia haver palavras mais
fortes na reprovação do que estas?

8. Dificuldades na igreja, frequentemente, surgem de palavras difamatórias. Talvez a maior


parte das dificuldades entre cristãos sejam devidas a palavras caluniosas. Só uma pequena parte
das dificuldades são problemas reais. A maior parte dos problemas do mundo tem sido criado
por mentiras.

B. ARGUMENTAÇÃO (Rm 9:11-2)

1. A calúnia provém da razão:

- A rebelião do homem contra a autoridade se manifesta em palavra, em razão e em


pensamento;

- Cão tinha razão para difamar o pai porque Noé se embebedou;

- Miriã falou contra Moisés por causa do seu casamento com a mulher cusita;

- Coré e seus companheiros também tinham sua razão: palavras difamatórias assim em geral são
produzidas pela razão. Datã e Abirão pareciam ter uma razão ainda mais forte;

2. Seguir ao Senhor exige libertação da razão

O que governa a VIDA? A razão ou a autoridade? Os que vivem sob a autoridade de Deus
não vivem por vista, isto é, pela razão. Como seres racionais, podemos evitar discutir com Deus.
Parece difícil. Mas todos que realmente conhecem a Deus O obedecem sem discutir. Aquele que
quer aprender obediência precisa colocar de lado a razão.

Jesus submeteu-se á autoridade de Deus; nem argumentou nem questionou,


simplesmente obedeceu.

Treinamento 3
AUTORIDADE ESPIRITUAL

3. Com Deus não se discute

Deus tem autoridade para fazer o que quer. Não podemos segui-lo de um lado e de outro
exigir suas razões. (Rm 9:16-18).

Os homens gostam de argumentar. O oleiro tem direito de fazer o que bem lhe parecer
com o barro. “Quem é tu?” pergunta Deus. (Rm 9:20).

4. A Glória de Deus

Só depois que a Glória de Deus aparece a nós é que nós nos compenetramos da nossa
insignificância. Todos os nossos argumentos desaparecem á luz de Sua Glória;

5. “Eu sou o Senhor Teu Deus”- Esta é a razão.

Em Levíticos 18 a 22, cada vez que Deus ordena ao povo de Israel que faça certas coisas.
Ele repete a frase: “Eu sou o Senhor teu Deus”. Em outras palavras, Ele não precisa dar qualquer
razão. Ele, é o Senhor, é a razão.

Quando Paulo caiu por terra na estrada de Damasco suas razões todas foram lançadas
fora.

Deus age, Ele não tem qualquer obrigação de nos dar a razão. Que a gloriosa aparição do
Senhor encerre nossa argumentação.

D. OS PENSAMENTOS (II Co 10:4-6)

1. O vínculo entre a razão e o pensamento

“Levando cativo todo pensamento á obediência de Cristo” sugere que a rebelião se dá


basicamente em seu pensamento. Nossa “altivez” é como um arranha-céu que bloqueia o nosso
conhecimento de Deus. A inclinação mental de usar a razão precisa ser enfrentada com armas
espirituais. (v.4)

2. Recapturando a mente cativa

Precisamos permitir que o Senhor penetre até o mais fundo de nossos pensamentos até
que eles sejam levados cativos por Deus.

Os pensamentos do homem são controlados por um dos dois poderes: Da razão ou da


autoridade de Cristo. Aqueles que são capturados por Cristo estão prontos a aceitar os
pensamentos de Deus, sem oferecer qualquer conselho humano.

3. Advertências aos obstinados

Treinamento 4
AUTORIDADE ESPIRITUAL

Paulo - Aqui está alguém cujos pensamentos foram levados cativos pelo Senhor e obedeceu
do fundo do seu coração. Ele parecia dizer: Sou um homem recapturado por Deus e um
prisioneiro do Senhor.Agora é tempo, para mim, de ouvir e obedecer, não falar e decidir.

Rei Saul - Foi rejeitado porque seus pensamentos não foram capturados por Deus. Ele tinha
seus próprios pensamentos sobre como agradar a Deus (ISm 15). Faltava-lhe o espírito de
obediência.

Nadabe e Abiú - Ainda que não tivessem dito uma palavra ou oferecido quaisquer razões,
entretanto queimaram incenso de acordo com seus próprios pensamentos e entendimento

4. O testemunho do Reino vem pela obediência

Deus não olha o fervor com pregamos o evangelho, ou o quanto estejamos prontos a
sofrer por Ele. Ele olha para ver nossa obediência. Satanás não tem medo do nosso trabalho
enquanto agirmos no princípio da rebelião. Ele ri secretamente quando fazemos as coisas de
acordo com os nossos próprios pensamentos.

III. A AUTORIDADE DELEGADA

Romanos 13:1, ensina-nos que devemos obedecer e estar sujeito às autoridades porque elas
procedem de Deus

A. REJEITAR AUTORIDADE DELEGADA É UMA AFRONTA A DEUS (Lc 20: 9-16)

Não é necessária humildade para obedecer a autoridade direta de Deus, mas é preciso
humildade e quebrantamento para a sujeição à autoridade delegada. Do ponto de vista de Deus,
os que rejeitam seus servos, rejeitam a Deus mesmo.

Durante o primeiro encontro de Paulo com o Senhor, Ele o colocou debaixo da sua
autoridade delegada (At 9:6).

Ninguém pode esperar receber luz direta do Senhor se recusa receber luz da autoridade
delegada. É a natureza rebelde do homem que faz com ele deseja obedecer a autoridade direta
de Deus sem estar sujeito às autoridades delegadas que Ele estabeleceu.

B. DEUS RESPEITA SUA AUTORIDADE DELEGADA

Números 30 fala dos votos ou juramentos de uma mulher e da sua obrigação ou não de
cumpri-los. Dependendo da aprovação ou desaprovação do pai ou do marido. A lição aqui é que
Deus delega autoridade e respeita a autoridade que delega.

Todo o Novo Testamento sustenta a autoridade delegada. A única exceção está em Atos
5:29. Nesse caso, a autoridade delegada tinha violado o mandamento do Senhor.
Treinamento 5
AUTORIDADE ESPIRITUAL

C. AUTORIDADES ESTABELECIDAS POR DEUS:

1. Nosso Governo - I Pe 2:13, 14;

2. Maridos e pais - Ef 5:22-24; 6:1-3 Cl 3:20;

3. Presbíteros, pastores e obreiros, diáconos (líderes da igreja local) – I Ts 5:12, 13; I Tm 5:17 e I
Co 16:15, 16;

D. NOSSO RELACIONAMENTO COM AS AUTORIDADES

1. Governo e Cidadãos (I Pe 2:13-17; Tt 3:1) Que sejamos submissos, que façamos o bem, que
honremos o governo e estejamos dispostos a toda boa obra;

2. Patrão e empregado (I Pe 2:18; Ef 6:5-7) Estar sujeito com temor e tremor com todo
respeito, tanto aos bons como aos perversos;

3. Marido e mulher (Ef 5:21-24) Sujeição ao marido em tudo;

4. Pais e filhos (Ef 6:1-3) Obediência e honra á eles em tudo;

5. Pastores e ovelhas (Hb 13:17) Submissão

6. Líderes e liderados (I Ts 5:12-13) Obedecê-lo e ter consideração (em amor)

7. Obreiros, cooperadores e membros (I Co 16:15-16) Submissão

E. AQUELES A QUEM DEUS DELEGA AUTORIDADE

-Três requisitos para uma autoridade delegada;

1) Deve reconhecer que toda autoridade procede de Deus;

2) Deve negar-se a si mesmo:

- Até conhecer a vontade de Deus é melhor ficar calado;

- Deus nos convoca para representarmos sua autoridade, não para substituí-la;

- Não devemos expressar nossos próprios pontos de vista;

3) Deve constantemente estar em comunhão com o Senhor:

- Jo 5:19-20 – Ouvir, conhecer e compreender;

Treinamento 6
AUTORIDADE ESPIRITUAL

- Intimidade com Deus nos faz ver nossas faltas, com isso ficamos mais temerosos e pensar
muito antes de falar, para não falar levianamente em nome de Deus;

- Se a comunhão for diminuída o caráter da autoridade se modifica (a nossa);

*Jamais tente estabelecer sua própria autoridade.

- Não insista em que outros lhe dêem ouvidos;

- É desonroso falar em benefício de nossa própria autoridade ou tentar estabelecê-la;

F. A PRINCIPAL CREDENCIAL PARA DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE: REVELAÇÃO (EX


3:1-12; Nm 12).

Nenhuma autoridade delegada por Deus no Velho Testamento foi maior do que de
Moisés, por isso o usaremos como exemplo. Focalizaremos as ordens que recebeu de Deus e sua
reação quando sua autoridade foi transgredida, ridicularizada, enfrentada e rejeitada.

Quando Miriã e Arão falaram com ele e rejeitaram sua autoridade:

a) Não dê ouvidos a palavras caluniosas;

b) Não se defenda (I Co 4:3);

c) Seja manso (Nm 12:2-4);

d) Revelação: Uma credencial de autoridade;

e) Nenhum sentimento pessoal;

Assim Moisés provou ser autoridade delegada por Deus, pois foi capaz de representar Deus. Não
foi prejudicado pela vida natural, nem se protegeu procurando defesa ou vingança.

G. O CARÁTER DA AUTORIDADE DELEGADA: BENEVOLÊNCIA (Números 16)

1. A primeira reação de Moisés para com a rebelião: prostrou-se (v. 4);

2. Exortação e restauração (v. 8-11);

3. Nenhum espírito de julgamento (v.28,30);

4. Intercessão e expiação (v.45-46);

H. AUTORIDADES PARA A DELEGAÇÃO DE AUTORIDADE

(Ef. 5:22, 25, 28,33; 6:1, 4,9; Sl 82:1-2; Tt 1:6-8; I Tm 3:4-6; Tt2: 15; I Tm 4:12 I Pe2: 21)

Treinamento 7
AUTORIDADE ESPIRITUAL

Desenvolvimento das autoridades que Deus estabeleceu com relação aos seus liderados;

1. Maridos  Os maridos são convocados a amar suas esposas como amam a si mesmos;

2. Pais  Devem aprender a se controlar diante de Deus. Não devem tratar seus filhos de
acordo com seus caprichos. A autoridade dos pais tem como objetivo instruir e criar os filhos na
disciplina e admoestação do Senhor;

3. Senhores  Os senhores não devem ameaçar nem provocar seus servos. Deve haver
gentileza e amor;

4. Governantes  É necessário justiça, imparcialidade, honestidade e o cuidado para com os


pobres. Estes são princípios que os governantes devem seguir. Não devem procurar seu próprio
bem-estar, mas manter justiça absoluta;

5. Anciãos  Qualidade essencial é o autocontrole (Tt 1). Devem governar bem sua própria
casa. O ancião não deve ser uma pessoa convencida nem prepotente

6. Obreiros  Em Tt 2:15, a condição é clara: Não ser desprezada para isso deve santificar-se.
Não deve viver relaxada e indisciplinadamente. É preciso ser modelo para outros cristãos.

É extremamente importante que a autoridade de Deus seja mantida. Representar


autoridade é representar a Deus; estar em posição de autoridade é ser um exemplo para todos.

APLICAÇÃO:

1. Descreva seu modo de agir, seu relacionamento com:

a. Polícia e oficiais do governo:


___________________________________________________________________
_________________________________________________.
b. Seus pais:
___________________________________________________________________
_________________________________________________.
c. Seu chefe:
___________________________________________________________________
_________________________________________________.

d. Seus professores:
___________________________________________________________________
_________________________________________________.
e. Seu Pastor:

Treinamento 8
AUTORIDADE ESPIRITUAL

___________________________________________________________________
_________________________________________________.
f. Seu líder de célula:
___________________________________________________________________
_________________________________________________.

2. Das respostas que deu à questão anterior, o que você conclui a respeito da sua
posição quanto à autoridade instituída por Deus?
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________

Treinamento 9