Você está na página 1de 10

Um guia para ler e analisar artigos acadêmicos

por Amanda Graham, Yukon College (original em inglês – tradução livre google)

Este guia tem como objetivo mostrar a você como ler e entender artigos acadêmicos,
uma habilidade que é virtualmente garantido para ajudá-lo a manter-se com as leituras
atribuídas. Apreciando como os acadêmicos escrevem e Por que eles escrevem como
eles podem até mesmo melhorar seus próprios papéis. Nada explorado aqui é único;
você pode facilmente descobrir mais sobre qualquer uma dessas técnicas ao escrever
manuais ou habilidades acadêmicas guias. Eu originalmente escrevi isso em 1997 e
mudei um pouco das coisas boas (consertei algumas erros, encontrou alguns erros de
digitação). Principalmente eu joguei com o formato e atualizei as referências. este
versão é a última aparição (última violada em janeiro de 2012), mas varia pouco da
versão web.

Introdução
Toda a escrita segue convenções. Livros de receitas, cartas, romances, listas e
dicionários, todos dependem de tipos específicos de linguagem e apresentação para
serem compreensíveis e fáceis usar. Por causa dessas convenções de escrita, pode-se
abrir qualquer livro com uma cobrir, olhar para as páginas e, na maioria dos casos, saber
imediatamente que tipo de livro isto é. Podemos ler e usar formas convencionais de
material sem esforço, ou pelo menos com menos esforço. Com a prática, ler artigos
acadêmicos e ensaios pode se tornar tão simples.
As disciplinas acadêmicas também têm formulários convencionais que seus autores
devem usar se outros estudiosos devem entender o que estão dizendo. Além disso, as
disciplinas muitas vezes regem o tipo de estilo e voz que o autor deve usar se o artigo
for aceitável para outros no mesmo campo.
Por exemplo, os cientistas duros são frequentemente obrigados a enfatizar a experiência
e resultados e minimizar as contribuições dos seres humanos que conduziram o
experimento (ou seja, "o experimento foi realizado" e "os resultados sugerem").
Cientistas sociais podem referem-se àqueles que conduziram os experimentos em
algumas seções de seus relatórios, mas não em outros (isto é, "os dados foram
coletados", mas "notamos isso"). Estudiosos nas humanidades tendem a evitar se incluir
em seu trabalho, mas nem sempre. Estas são generalidades; estilos podem mudar e
fazer. Escrever em antropologia, especialmente etnografia, é mudando, tornando-se
mais pessoal e menos “acadêmico”.
Escrita acadêmica também tende a ter estruturas convencionais. Científico (social e
hard) são geralmente apresentados com seções claramente rotuladas que contêm
discussões do problema, a literatura existente (ou seja, os artigos e livros as pessoas já
publicaram sobre o assunto), o experimento e seu design, o resultados e como os
resultados preenchem uma lacuna ou melhoram a compreensão.
Artigos de Humanidades tendem a usar títulos de seção menos óbvios, mas ainda
geralmente contêm três seções principais: a introdução (que descreve o plano de fundo e
o “Problema”), o corpo (o que explica o raciocínio do autor e as evidências para
o problema) e a conclusão (que resume a resposta do autor).
Sabendo que todos os artigos acadêmicos devem seguir algumas convenções bastante
rígidas em sua organização e apresentação é o primeiro passo na leitura e compreensão
artigos.
Reconhecer essas convenções também pode ajudar quando se trata de escrever nas
várias disciplinas. Estilos por escrito são como estilos de roupas. Você não
(presumivelmente)
usar um smoking para trabalhar ou um vestido de baile para uma reunião, nem você
usaria
jeans para uma dança formal. Se você reconhecer que os artigos acadêmicos são escritos
em uma determinada
estilo ou moda, você será capaz de descobrir o que o autor está dizendo e talvez
encontrar maneiras de usá-lo em sua própria redação acadêmica.
Vamos começar
Dependendo de por que você está lendo o artigo ou o capítulo, pode ser mais fácil
trabalhar
uma fotocópia, então você pode colocar o artigo no seu caderno, escrever notas nas
margens
e / ou destacar partes importantes.
Se você faz ou não, no entanto, é útil escrever as respostas para as perguntas
que estão incluídos em cada seção deste guia. O resumo resultante pode ser um
ajuda enorme quando estudar para um exame ou se preparando para uma discussão de
atribuído leituras.
Lembre-se de que você está tentando descobrir o que o autor está dizendo. Baseado no
seu
compreensão dele, do argumento dela ou dela, você poderá comentar o texto, o
conteúdo,
e a forma como a informação é apresentada, e tirar suas próprias conclusões sobre o
utilidade do artigo em geral ou mais especificamente à sua pesquisa ou ao seu curso.
Passo 1 - Considere o artigo como um todo
Examine o artigo como um todo. Tente determinar algo sobre o propósito, audiência
e conteúdo do artigo antes de começar a ler. Procure por pistas no título e /
ou subtítulo, os agradecimentos (se houver), a afiliação ou endereço do autor, o primeiro
nota final, a nota biográfica do autor (seja com o artigo ou na frente
ou verso do livro ou revista).
Algumas perguntas para guiá-lo ao considerar o artigo como um todo:
Quem está escrevendo o artigo?
O que você pode descobrir sobre o autor do jornal à sua frente? Veja
para nome, credenciais, afiliação, etc. Se você puder, encontrar outros artigos ou livros
autor escreveu. Ele lhe dará uma ideia de como o artigo se encaixa no autor
outras obras e o campo no qual o autor está escrevendo.
Quais são as qualificações do autor?
Saber isso ajuda a definir a confiabilidade, o significado ou a importância
das conclusões alcançadas no artigo. Também pode significar a inclinação, o foco
ou viés do artigo. Deve haver alguma indicação com o artigo, ou seja, universidade
ou afiliação de pesquisa ou empresa. Procure por quaisquer pistas no início ou no final
do artigo. Os locais habituais para notas de autor são notas de rodapé na primeira página
ou
após o final do artigo antes das notas / bibliografia ou lista de referências. Em alguns
revistas ou coleções eles estarão em uma seção separada que pode não ter sido
copiado com o artigo.
Qual público o autor aborda?
Quem é o artigo para? Esta questão é extremamente importante porque o público
para uma peça de escrita afeta o estilo, conteúdo e abordagem que o artigo leva à sua
sujeito. Isto pode ser revelado pela publicação (revista ou livro) em que o artigo
apareceu. Você pode ter uma idéia, olhando para a lista de referência ou por skimming
o primeiro par de parágrafos. O primeiro par de parágrafos, por convenção,
contém a justificativa para a pesquisa que está sendo relatada. Você terá uma ideia de
o nível de público de identificar o escopo do foco do trabalho. Em geral, o
Quanto mais específico e detalhado for o foco, mais específico e especializado será o
público.
Em outros casos, o público deve ser determinado pela avaliação da quantidade de
informações e referências inexplicáveis que o autor inclui (menos sugere
uma audiência de especialistas, mais, uma audiência de leitores gerais).
Sobre o que é o artigo?
Olhe para o primeiro par de parágrafos. Se o papel foi bem trabalhado, eles
vai estabelecer o que o papel é sobre. O título do artigo também deve sugerir
o principal ponto de preocupação do artigo, a direção da interpretação e
Às vezes, o período de tempo ou período de preocupação. Em algumas disciplinas, um
resumo
precederá o texto do artigo. Isso (se estiver escrito corretamente) dará um
resumo acrítico do conteúdo do trabalho.
Outro bom lugar para procurar um resumo rápido do artigo ou capítulo é o

conclusão. Muitas vezes mais do que a introdução, talvez dois a quatro parágrafos
dependendo do comprimento da peça, a conclusão deve resumir o argumento e
colocá-lo em um contexto maior. Quais fontes o autor usa? Verifique as notas finais
ou veja a lista de referências. Sabendo onde o autor tem a informação e que fontes
foram usadas dirá se o autor está olhando para algo novo (entrevistas, cartas,
arquivo ou governo documentos, etc.), revisando algo antigo (livros e artigos) ou
combinando novos e antigos e, assim, adicionando à discussão do assunto. Olhando
para as fontes podem mostrar se o autor se concentrou em um tipo particular de
informação ou ponto de vista. Passo 2 - Determinar o propósito, estrutura e direção
do artigo Agora que você examinou o artigo como um todo, comece a ler. Tente um
nível de engajamento entre ler e folhear. Você deve ser capaz de encontrar a
declaração de propósito do autor, ou declaração de tese, antes do final da introdução.
Você também deve ser capaz de dizer quais evidências autor vai usar para apoiar a
posição que ele ou ela tomou. O autor pode Também explique que limites foram
colocados no artigo: por exemplo, a duração do tempo ou período, a localização
geográfica, a extensão da informação que vai ser usado e as teorias que serão
aplicadas. Você também deve poder dizer o ponto de vista do autor. Lembre-se que
a pesquisa é não valor livre, nem culturalmente neutro. Você pode ser capaz de dizer
quais valores o autor incorpora ou promove. Veja também a conclusão. Se não
estiver claramente rotulado, provavelmente serão os dois últimos ou três parágrafos.
A conclusão geralmente não tem nenhum material citado (por exemplo, sem
referências ou números de notas) e deve conter apenas as observações do autor para
o leitor. Muitas vezes é útil olhar para a conclusão antes de ler o artigo inteiro
porque contém o resumo do autor do que foi dito. Se você não consegue identificar
o tese (muitas vezes não são claramente definidos), leia a conclusão. Saber onde o
autor acabou sendo muitas vezes uma pista de onde ele ou ela começou. Em muitos
casos, também a conclusão resume todo o artigo, assim como a declaração da tese.
Algumas perguntas para guiá-lo na determinação do propósito, estrutura e direção
de o artigo What is the author’s main point, or thesis?
Sometimes you can find this easily; the author says something like “the point of this
article is to” or “in this paper I intend to show/argue that.” Sometimes you have to
look for a simple statement that contains some echo of the title, the same phrase or
words, and some brief statements of the argument that supports the assertion:
“despite what other scholars have said, I think this [whatever it is] is actually the
case, because I have found this [supporting point #1], this [supporting point #2], and
this [supporting point #3].”
If the paper is well-crafted, the section headings of the paper (when there are any)
will contain some allusion to the supporting points.
What evidence has the author used?
This question is often answered in step one, but you should also use what the author
tells you in the introduction to expand on your grasp of the evidence.
Academic papers are often “argued,” that is, constructed like an argument with a
statement of what the author has figured out or thought about a particular situation
or event (or whatever). Then, to persuade the reader, the author presents facts or
evidence that support that position. In some ways it’s much like the presentation of a
case in a courtroom trial.
A particular collection of sources (or witnesses) present information to the author
(or lawyers) and the author comes to some understanding. Then the author explains
how she or he came to that conclusion and points to or presents the bits of evidence
that made it possible. Consider what information is not included. Was the trial fair
even though a key witness was not called to testify? Has your author only let those
facts that support the thesis testify in the article? How might you find out?
Is the evidence “primary,” “secondary” “traditional,” or “non-traditional”?
What limits did the author place on the study?
Writers of articles rarely tackle big topics. There isn’t enough room in an article to
write a history of the world or discuss big issues. Articles are generally written to
advance understanding only a little bit. It may be because the subject has never been
looked at before or because no one would be able to read a larger work easily (like a
student’s thesis). An article usually focuses on a particular period, event, change,
person, or idea and even then may be limited even more.
This may be significant if the author is trying to make generalizations about o que ele
ou ela descobriu. Sabendo algo sobre educação na década de 1940
em Yellowknife pode não dizer nada sobre a educação em qualquer outro lugar ou em
qualquer outro momento. Uma discussão mais geral das estratégias de subsistência
durante um longo
período pode ter uma relevância mais geral.
Uma crítica da literatura em um campo específico pode substituir a necessidade de ler
um número
de livros. Com leituras atribuídas, um artigo será mais frequentemente atribuído como
um
exemplo de um tipo de pesquisa, como fonte de informações de qualidade sobre um
tópico ou porque resume muitos outros textos sobre um determinado assunto.
Qual é o ponto de vista do autor?
Isso pode ser facilmente visto, especialmente em ensaios “polêmicos”, onde
autor bashes um número de pontos, truísmos ou argumentos e, em seguida, apresenta-la
ou o seu próprio. Ou pode ser mais difícil dizer. Às vezes você tem que "sentir"
para fora, avaliando o tom ou observando adjetivos negativos ou positivos:
"Como fulano disse em seu excelente ensaio," Nuke’em Now! "Ou" quem mostra um
Sugestões como essas palavras podem ajudá-lo a descobrir onde o
autor está vindo.
Passo 3 - Leia o artigo; preste atenção à escrita e apresentação
Ao ler, observe não apenas o que o autor está dizendo, mas como é dito. este
passo requer que você leia o artigo para obter uma compreensão de como o autor
apresenta a evidência e a encaixa no argumento. Nesta fase do exercício,
você também deve ter tempo para procurar palavras ou conceitos desconhecidos.
Embora você esteja um pouco fora do gancho criticamente nesta fase, você deve estar
ciente de que há truques que o autor pode usar para garantir que você esteja seguindo o
argumento. Algumas delas são formas padrão de manter o argumento do autor separado
da evidência. Procure pistas como: "por exemplo", "como disse o Professor Source", ou
“Na minha área de estudo (ou tempo), descobri isso.” Além disso, procure por palavras
e frases de transição
("No entanto", "apesar de", "além disso", etc.) e as várias palavras escritores de pistas
partem quando mudam de sua própria voz para a de suas fontes. Outros podem ser
menos tentativas honestas de fazer você concordar. (Mais transições em
http://bit.ly/5OZ6g7
no Lugar de Escrita da St. Cloud State University.)
Considere o “nível” de várias frases e parágrafos. No topo, você encontrará
as declarações gerais, expansivas ou abrangentes que estabelecem a localização ou fatos
que
será usado posteriormente no artigo. Cuidado com as generalizações que não são
suportadas
por exemplos ou referências reais em uma nota ou em texto entre parênteses
citação. Generalizações não suportadas são um sintoma do pensamento desleixado,
especialmente
quando o autor espera que você apenas concorde sem perguntar que evidência há para
Estas declarações.
As frases de nível médio resumem ou discutem a situação em termos de especificidades
que
foram apresentados no documento. O nível mais profundo de discussão é o mais
estreito;
Ele lida com detalhes específicos, os eventos ou situações ou artefatos que levam a
conclusões. Esteja ciente do nível em que o autor está se dirigindo a você. Deveria
começar com o geral, descer para o nível médio, flutuar do mais estreito para
o general através do papel, conforme necessário, para garantir que o leitor esteja
seguindo o argumento,
e depois deve concluir sobre o geral.
Tome conhecimento da linguagem que os autores às vezes usarão quando estiverem
especulando
sobre as coisas ou esperando que você não perceba que a evidência é fraca: "é provável
ou
provavelmente, "(é provável?)" claramente, isto é assim "(é claro?)," deve ser óbvio
agora ”(isso é óbvio?),“ isso significa, indubitavelmente ”(é inquestionável?)
palavras fortes não tornam necessariamente um argumento fraco mais convincente.
Veja também como o autor muda de explicar como a evidência suporta
seu argumento para o resumo do artigo. Os últimos parágrafos
deve arrumar a discussão, mostrar como tudo se encaixa perfeitamente, apontar onde
mais pesquisas são necessárias, ou explique como este artigo avançou o aprendizado
neste
disciplina. As convenções também exigem que haja alguma referência à tese
declaração e talvez até mesmo um eco do título, especialmente se houve um cativante
frase nele.
Etapa 4 - Crítica e avaliação do artigo
Agora que você terminou de ler, considere sua reação pessoal a ela. Primeiras
impressões
são muitas vezes superficiais: “gostei” ou “foi difícil ler”. Primeiras impressões
geralmente são opiniões e não são particularmente fundamentadas. Eles podem ser úteis
nesse
essas opiniões podem ser um ponto de partida, mas lembre-se de que elas são suas,
pessoais,
reações ao esforço da tarefa de ler o artigo. Raramente são seus primeiros
impressões a melhor avaliação que você pode dar do artigo ou título. Denso ou
tecnicamente
complexo não é necessariamente ruim e de fácil leitura não é necessariamente nada
mais do que um bom resumo.
Os segundos pensamentos devem investigar um pouco mais profundamente. Pensando
sobre o que o
autor está tentando dizer, considerando quem ele ou ela estava abordando em primeiro
lugar,
identificando a lacuna que o artigo foi escrito para preencher e fazendo outras perguntas
é a base para a avaliação crítica do artigo. Mesmo se você não
sabe alguma coisa sobre o assunto antes de ler o artigo, você pode fazer algumas
julgamentos sobre o assunto e quão bem o autor fez seu caso.
A avaliação é um pouco mais difícil. Nos círculos acadêmicos, avaliação significa julgar
o valor,
geralmente comparando uma coisa a algum tipo de padrão. No caso de avaliar
um artigo, esse padrão seria outros artigos na mesma disciplina ou revista como
aquele que você está lendo. Se você não está familiarizado com esses outros artigos,
pode ser
difícil avaliar bem. Você pode, no entanto, fazer um bom trabalho considerando
as convenções estilísticas e estruturais de outros artigos similares. Este encaixa?
o padrão? Ela atende aos padrões acadêmicos de escrita, apresentação,
organização, citação de fonte e tal? Às vezes até essas perguntas podem ser difíceis
para responder, mas eles devem ser tentados. As respostas vão te dar um pouco de
munição
para sua crítica.
Algumas perguntas para guiá-lo na crítica e avaliação do artigo:
Houve alguma coisa que ficou inacabada? O autor levantou questões ou
fazer pontos que ficaram órfãos no papel?
Estas perguntas são para fazer você pensar sobre o que estava no artigo e o que
foi deixado de fora. Visto que, olhando a declaração da tese, você deve ter uma boa
idéia do que o autor vai dizer, você também deve ser capaz de dizer se algum dos
os pontos não foram explorados tão completamente quanto os outros. Além disso, no
decurso do
papel, o autor poderia ter levantado outros pontos para apoiar o argumento. Estavam
todos aqueles funcionaram bem?
Fez o seu caso?
Mesmo se você não fosse um membro da audiência pretendida para o artigo,
artigo apresenta claramente o seu caso? Se o autor crafted o papel bem, mesmo se você
não tem a formação disciplinar, você deve ter uma noção do
argumento. Se você não fez, foi a sua leitura ou o ofício do autor que causou
problemas?
O que o argumento feito pelo argumento significa em ou para o contexto maior de
a disciplina e da sociedade contemporânea?
Esta é uma pergunta que o direciona a pensar sobre as implicações do artigo.
Artigos acadêmicos têm a intenção de avançar o conhecimento, um pouco de cada vez.
Eles
nunca são (ou quase nunca) escritos apenas para resumir o que sabemos agora. Até
os artigos resumidos tendem a argumentar que existem buracos no tecido do
conhecimento
e alguém deveria fazer estudos para preencher essas lacunas. Então, onde é que isto
artigo em particular se encaixa? Pessoas reais podem melhorar suas vidas com essa
informação?
Isso aumenta o estoque de informações para outros estudiosos? Esses tipos de
perguntas são importantes para apreciar o artigo que você está vendo e para o ajuste
colocando-o em seu próprio conhecimento do assunto.
A organização do artigo é clara? Reflete a organização do
declaração de tese?
Deveria ser e deveria. Volte e verifique se você não tem certeza.
O foco disciplinar do autor leva-o a ignorar outras ideias?
Esse tipo de coisa pode ser difícil de determinar no rosto, mas pergunte se o autor tem
adequadamente apoiou sua interpretação das evidências? Há alguns
outras explicações que você pode pensar? Você já leu mais alguma coisa no
mesmo assunto que contradiz ou apoia com este autor está dizendo?
Houve algum problema com gramática, estrutura de sentença ou uso de palavras?
Mesmo que você não seja muito bom em escrever ou gramática, percebeu erros no
papel? Erros podem não ser necessariamente culpa do autor. Editores preparam o texto
para publicação; eles deveriam ter trabalhado com o autor para corrigir quaisquer erros.
Alguns
problemas ortográficos podem ser erros de digitação. Os problemas de uso de palavras
geralmente se originam
com o autor e persistir durante o processo de edição. Edição malfeita pode sugerir
revisão possivelmente apressada dos colegas, uma desatenção preocupante aos detalhes
e até mesmo apressada
publicação. Essas são falhas muito sérias em um trabalho acadêmico; o tipo de trabalho
precisa ser claramente estabelecida exatamente por esse tipo de razão.
O que você aprendeu? O que você vai fazer com essa informação?
A maior parte deste documento é sobre o autor e como você pode sugar até o último
nuance de um trabalho acadêmico publicado. O ponto de todo o acadêmico
escrevendo empresa é colocar informações para o ambiente para avançar
Bolsa de estudos. O objetivo dos autores é que você leia o trabalho deles e encontre algo
útil, interessante, intrigante ou mesmo controverso em suas idéias, interpretações
ou descobertas. Você vai mudar de idéia sobre qualquer coisa como resultado de
lendo este artigo? Melhora sua compreensão de algo que você é
estudando? O que essa informação significa para você?
Conclusão
Este guia passo-a-passo oferece uma maneira útil de abordar a leitura de um artigo. As
respostas
para as questões incluídas em cada seção deve dar-lhe mais do que suficiente
"Dados" para escrever uma resenha sólida do artigo e, mesmo que você não precise
escrever
revisão formal, preencher uma folha de análise lhe dará um registro do conteúdo de
o artigo e sua avaliação dele para servir como um auxílio ao estudo quando se trata de
tempo de exame ou munição para uma discussão de seminário.
O outro propósito declarado deste guia é ajudá-lo a ver que todos os artigos acadêmicos
tem um modo repetitivo e previsível de ser apresentado (a convenção). Você pode
adotar essas convenções em seus próprios documentos e fazer as perguntas em cada
etapa como um
maneira de testar se os seus próprios documentos correspondem bem à convenção.
Mais recursos
(exemplos; seu instrutor ou professor pode indicar recursos disciplinares)
Associação Americana de Psicologia. Manual de Publicação da American Psychological
Associação. Sexta edição. Washington, DC: APA, 2009. (Certifique-se de estar usando
o mais recente. Veja http://apastyle.apa.org/)
Gibaldi, Joseph e Walter S. Achert. Manual MLA para escritores de trabalhos de
pesquisa.
Sétima edição. Nova York: Modern Language Association of America, 2009.
Veja http://www.mla.org/style e http://www.mlahandbook.org/
Kilborn, Judith. "LEO Transition Cues." Página da Web. Última atualização em 5 de
outubro.
St. Cloud, MN: escrever lugar, St. Cloud State University, 1999. http: // bit.
ly / 5OZ6g7 ou http://leo.stcloudstate.edu/style/transitioncues.html
Turabian, Kate L., Wayne C. Booth, Gregory G. Colomb e Joseph M. Williams.
Um Manual para Escritores de Pesquisas, Teses e Dissertações, sétima edição:
Estilo de Chicago para estudantes e pesquisadores (Guias de Chicago para escrever,
editar,
e Publicação). Chicago: University of Chicago Press, 2007.
Guia de redação acadêmica da Universidade de York, coleção:
http://www.library.yorku.ca/ccm/rg/preview/academic-writing-guide.en
Glossário
Convenção: consentimento geral (frequentemente implícito); prática baseada nisso;
social aceito
comportamento especialmente se artificial ou formal; método de conduta aceito usado
para transmitir informações (Oxford Concise Dictionary).
Crítica: esta atividade não se limita a observar o que há de errado ou ruim em um artigo
ou
realizado tentando justificar sua opinião sobre o artigo. Criticando um pedaço de escrita
envolve considerar o que o autor lhe disse ou implica que ele ou ela fará
(provar, explicar, interpretar) no artigo e avaliar o quão bem ou não o autor fez
assim. Uma crítica também pode servir para explicar aos seus leitores de que maneira o
artigo avança o conhecimento
no campo (ou não). Neste contexto, significa uma visão geral avaliativa e pensada da
literatura
(artigos e livros) em um campo particular.
Implicações: O que queremos dizer quando falamos sobre implicações neste contexto, é
o maior
significando que a pesquisa ou a ideia que o autor apresentou pode ter. Quando
acadêmicos
conduzir e escrever sobre pesquisa, eles pretendem fazer a diferença, mesmo que seja
apenas em um pequeno caminho. O que um leitor pode fazer com os resultados ou o
novo conhecimento apresentado no artigo? Procurando as coisas: Parte da experiência
acadêmica envolve enfrentar novas ou desconhecidas termos ou palavras. A melhor
maneira de expandir sua compreensão do assunto que você está estudando é procurar
em dicionários, glossários de livros didáticos ou enciclopédias. Acredite, existe Não há
vergonha em usar um livro de referência ou site. É uma atividade acadêmica aceita e
esperada. Pode ser útil desenvolver um glossário pessoal enquanto você lê; manter uma
lista de palavras ou conceitos você olhou para cima. Evidência não tradicional: estou
usando esse termo para significar as fontes de informação que geralmente não foram
considerados “apropriados” pela maioria dos acadêmicos. Isso está se tornando uma
questão de grande preocupação, especialmente nas ciências sociais e campos
multidisciplinares Estudos sobre mulheres, estudos das primeiras nações ou estudos do
norte. Nestes campos, histórias pessoais, testemunho oral, biografias, até mesmo os
pensamentos e experiências do pesquisador sobre o pesquisas estão sendo cada vez mais
utilizadas, levando ao debate sobre a “qualidade”, “viés” ou “Adequação” de tais fontes.
Evidência principal: fatos e detalhes extraídos de documentos, e não de outros artigos
ou livros explicativos mais recentes. A principal diferença é que os materiais primários
são os documentos ou outras provas não textuais (incl. jornais, programas de mídia,
entrevistas, moedas, etc.) que são produzidos na época. (Também frequentemente
referidos como "fontes primárias".) Evidência secundária: Informações que foram
extraídas de outros artigos, revistas, ou livros, em vez de documentos originais, muitas
vezes localizados em arquivos. O habitual distinção é que a evidência secundária
geralmente envolve a interpretação de alguém de primária fontes. Há uma complicação
potencial, no entanto: Dependendo de como um autor usa o provas, artigos, livros,
jornais, rádio ou programas de TV podem ser primários ou secundários fontes para um
artigo. Estrutura: Forma em que um edifício ou outro todo completo [como um trabalho
acadêmico] é construído, estrutura de apoio ou todo o essencial de algo (o estrutura de
um poema, sentença, etc.) (Oxford Concise Dictionary). Estilo: Refere-se ao modo
como um escritor expressa suas idéias. Dicionário Oxford Concise: “maneira de
escrever, falar ou fazer, em contraste com o assunto a ser expresso ou coisa feita;
características coletivas da escrita ou dicção ou maneira de apresentar as coisas ”.
Tese: De acordo com o Brief Handbook do The Writer, uma tese é “uma ideia
controladora”. Os autores
(Rosa, Eschholz e Roberts) explicam que “A tese é frequentemente expressa em um ou
duas frases chamadas de tese ”(13). A declaração de tese de um artigo é geralmente no
primeiro ou segundo parágrafos, após alguma descrição ou discussão do contexto do
artigo ou da
lacunas no conhecimento da disciplina que o artigo está abordando.
Evidência tradicional: estou usando esse termo para significar as fontes esperadas de
informações acordadas
pela disciplina. Como exemplo, espera-se que os historiadores usem documentos do
tempo (cartas, diários, documentos do governo, jornais, etc.). Os cientistas sociais tiram
uma tradição diferente e frequentemente usam dados gerados por grandes pesquisas
anônimas como prova.
Obviamente, não há limite real para tal evidência. Em geral, “evidência tradicional” é
evidência
(dados) que é considerado de alguma forma livre de valores, que o autor interpreta ou
explica.
Voz: Um componente de estilo que se refere a escolhas de palavras e estruturas de
frases que
crie o "som" do discurso do autor em sua mente quando ler; usando alguma gíria
palavras podem criar um tom de conversa. Aderindo ao vocabulário mais impessoal e
formal
e sentenças completas resultam em um tom de palestras ou explicação.