Você está na página 1de 2

11/10/2018 A Declaração de Cambridge sobre a Consciência *

Página 1

A Declaração de Cambridge sobre a Consciência *


Texto original em
Inglês:
Neste dia de 7 de julho de 2012, um proeminente grupo internacional de neurocientistasWhile
cognitivos,
comparative research on
neurofarmacologistas, neurofisiologistas, neuroanatomistas e neurocientistas computacionais
Sugira uma tradução melhor
reunidos na Universidade de Cambridge para reavaliar os substratos neurobiológicos da consciência
experiência e comportamentos relacionados em animais humanos e não humanos. Enquanto pesquisa comparativa sobre
este tópico é naturalmente dificultado pela incapacidade de animais não humanos, e muitas vezes humanos, de
e prontamente comunicar sobre seus estados internos, as seguintes observações podem ser declaradas
inequivocamente:

• O campo da pesquisa da Consciência está evoluindo rapidamente. Abundantes novas técnicas e estratégias
para pesquisa com animais humanos e não humanos foram desenvolvidas. Consequentemente, mais dados são
tornando-se prontamente disponível, e isso requer uma reavaliação periódica de
preconceitos neste campo. Estudos de animais não humanos mostraram que o cérebro homólogo
circuitos correlacionados com a experiência e percepção conscientes podem ser seletivamente
perturbados para avaliar se são realmente necessários para essas experiências. Além disso, em
humanos, novas técnicas não invasivas estão prontamente disponíveis para pesquisar os
consciência.

• Os substratos neurais das emoções não parecem estar confinados a estruturas corticais. De fato,
redes neurais subcorticais despertadas durante estados afetivos em humanos também são criticamente
importante para gerar comportamentos emocionais em animais. Excitação artificial do mesmo cérebro
regiões gera comportamentos e estados de sentimento correspondentes em humanos e não humanos
animais. Onde quer que no cérebro se evoquem comportamentos emocionais instintivos em seres não humanos
animais, muitos dos comportamentos resultantes são consistentes com estados de sentimentos experimentados, incluindo
aqueles estados internos que são recompensadores e punitivos. Estimulação cerebral profunda desses sistemas
em humanos também pode gerar estados afetivos semelhantes. Sistemas associados ao afeto são
concentrada em regiões subcorticais onde abundam as homologias neurais. Jovens humanos e não-
animais humanos sem neocórtices mantêm essas funções cérebro-mente. Além disso, neural
circuitos que apoiam estados comportamentais / eletrofisiológicos de atenção, sono e decisão
fazendo parecer ter surgido em evolução logo na radiação dos invertebrados, sendo evidente
insetos e moluscos cefalópodes (por exemplo, polvo).

• As aves parecem oferecer, em seu comportamento, neurofisiologia e neuroanatomia, um caso notável de


evolução paralela da consciência. Evidência de níveis quase semelhantes de consciência humana
foi mais dramaticamente observado em papagaios cinzentos africanos. Mamífero e aviária emocional
redes e microcircuitos cognitivos parecem ser muito mais homólogos do que anteriormente
pensamento. Além disso, certas espécies de aves foram encontrados para exibir padrões de sono neural
semelhantes aos dos mamíferos, incluindo o sono REM e, como foi demonstrado em tentilhões zebra,
padrões neurofisiológicos, previamente pensados para requerer um neocórtex em mamíferos. Magpies em

Página 2

Em particular, foi demonstrado que apresentam semelhanças notáveis com os humanos, grandes símios, golfinhos e
elefantes em estudos de auto-reconhecimento espelhado.

• Em humanos, o efeito de certos alucinógenos parece estar associado a uma ruptura na


https://translate.googleusercontent.com/translate_f 1/2
11/10/2018 A Declaração de Cambridge sobre a Consciência *
feedforward cortical e processamento de feedback. Intervenções farmacológicas em seres não humanos
animais com compostos conhecidos por afetar o comportamento consciente em humanos podem levar a
perturbações no comportamento em animais não humanos. Em humanos, há evidências que sugerem que
consciência está correlacionada com a atividade cortical, o que não exclui possíveis contribuições
processamento cortical subcortical ou precoce, como na consciência visual. Evidência de que humanos e não
sentimentos emocionais animais humanos surgem de redes cerebrais subcorticais homólogas fornecer
Evidência convincente para qualia afetivos primordiais evolutivamente compartilhados.

Declaramos o seguinte: “ A ausência de um neocórtex não parece impedir um organismo de


vivenciando estados afetivos. Evidência convergente indica que animais não humanos têm a
substratos neuroanatômicos, neuroquímicos e neurofisiológicos de estados conscientes junto com
a capacidade de exibir comportamentos intencionais. Consequentemente, o peso da evidência indica que
os seres humanos não são únicos em possuir os substratos neurológicos que geram a consciência. Não-
animais humanos, incluindo todos os mamíferos e aves, e muitas outras criaturas, incluindo polvos, também
possuem esses substratos neurológicos ”.

* A Declaração de Cambridge sobre Consciência foi escrita por Philip Low e editada por Jaak Panksepp, Diana Reiss, David Edelman e Bruno Van.
Swinderen, Philip Low e Christof Koch.
Conferência
A DeclaraçãoMemorial foi proclamada sobre apublicamente
Consciência em Animais Cambridge, Humanos e Não-Humanos,
Reino Unido, em 7 de julho no Churchill
de 2012, College, Universidade
no Francis Crick de Cambridge, por Low, Edelm
Koch. A declaração foi assinada pelos participantes da conferência naquela mesma noite, na presença de Stephen Hawking, na Sala Balfour em
o Hotel du Vin em Cambridge, Reino Unido. A cerimônia de assinatura foi comemorada pela CBS 60 Minutes.

https://translate.googleusercontent.com/translate_f 2/2