Você está na página 1de 10

alternativa

Uma reunião
de TÉCNICAS
científicas

A CONSTELAçãO SiSTêMiCA FAMiLiAr,


fruto do estudo dos elementos de inúmeras
ciências, é utilizada na forma de terapia familiar
de grupo de perspectiva fenomenológica

Por Luciana Duarte Niemeyer

Luciana Duarte Niemeyer tem formação em Administração, Marketing, Coaching, Fisioterapia e


em Constelação Sistêmica Familiar e Organizacional. Atua como facilitadora em constelações
sistêmicas organizacionais, familiares e de carreira, coach e consultora em desenvolvimento
organizacional e gestão de pessoas, além de professora do curso de pós-graduação em
Educação Sistêmica da Faculdade Sedac em Várzea Grande (MT).

58 psique ciência&vida www.portalcienciaevida.com.br


SHUTTERSTOCK

www.portalcienciaevida.com.br psique ciência&vida 59


alternativa

A
constelação sistêmica Bert Hellinger
emergiu do ramo da
Psicologia fenome-
menciona em
nológica existencial, seus diversos
que tem como filó-
sofos Spinoza, Emerson, Thoreau,
livros as principais
Kierkegaard, Brentano, Stumpf, influências que
Husserl, James, Jung, Heidegger,
Assagioli, Merleau-Ponty, Buber e
o levaram a
Maslow. Bert Hellinger, seu cria- desenvolver
dor, estudou a Psicologia exis-
tencial ao longo de sua vida e
a ideia da
também no curso de Filosofia na constelação
University of Würzburg , University
of Pietermaritzburg e University of sistêmica. Atribui
South Africa (Cohen, 2008). aos seus pais e
Bert Hellinger nasceu em Lei-
men Baden, na Alemanha, em 1925, ao seu ambiente
em uma família católica. Ao longo O criador da constelação sistêmica familiar, familiar a sua
de sua vida, desempenhou inúme- Bert Hellinger, se dedicou ao estudo da
ros papéis que foram essenciais Psicologia existencial ao longo de sua vida principal força
e também fez o curso de Filosofia
para suas ideias a respeito da cons-
telação sistêmica. Hellinger foi Hellinger (2006) menciona em família o imunizou das questões po-
soldado, padre, missionário entre seus diversos livros as principais in- líticas da época na Alemanha, fazen-
os zulus, na África do Sul, por 16 f luências que o levaram a desenvol- do com que ele permanecesse em
anos, educador, psicanalista, tera- ver a ideia da constelação sistêmica. neutralidade com as ideias de Hitler.
peuta corporal, terapeuta de grupo, Atribui a seus pais e ao ambiente Também se refere ao desejo de
terapeuta familiar, filósofo, autor, familiar sua principal força. Ele diz ser padre, no qual atribui a outra
poeta e psicoterapeuta sistêmico. que a forma particular de fé de sua importante inf luência. Entrou para
uma ordem religiosa católica, aos
20 anos, e se entregou a um “longo
para saber mais processo de purificação do corpo,
da mente e do espírito”. Foi enviado
PSiCODrAMA TEVE PAPEL iMPOrTANTE para a África do Sul como missioná-
NA ATuAçãO DE HELLiNGEr rio junto aos zulus, onde trabalhou
como dirigente de várias escolas
H ellinger teve várias influências, entre elas o psicodrama, considerado uma
terapia de grupo de abordagem fenomenológica e existencial, que se apoia
em técnicas teatrais para desvendar como os indivíduos idealizam os papéis
superiores e lecionou muitas dis-
ciplinas, principalmente o inglês,
sociais relevantes em suas vidas e como agem enquanto estão nesses papéis. administrou o sistema de ensino
Também busca ajudar as pessoas a se ajustarem ao seu contexto social. Moreno de uma diocese com 150 escolas e
(1978, p. 17) define o psicodrama como uma “ciência que explora a verdade por manteve suas atividades de pároco.
métodos dramáticos”. Tem como cenário os palcos de teatro e proporcionava Os zulus ensinaram a Hellinger a
uma configuração teatral do problema, onde era revelado o conteúdo da importância da reverência aos an-
vivência própria e do mundo do cliente em uma grande encenação. Essa cestrais como forma de cura das
encenação proporcionava a oportunidade de expressar emoções e interagir doenças físicas e emocionais. A ex-
com representantes das pessoas envolvidas no problema. Com isso, tornavam- periência de viver em outra cultura
IMAGENS: SHUTTERSTOCK/WIKIPEDIA

se “visíveis, perceptíveis e experimentáveis” as dinâmicas do problema do tão diferente da alemã e dos dog-
cliente (Grochowiak et al., 2007). Anderson e Carnabucci (2011), psicólogos mas do catolicismo despertou em
especialistas em psicodrama, consideram que a constelação é uma continuidade Hellinger uma nova percepção so-
do psicodrama, no entanto, seguindo a abordagem fenomenológica. bre suas crenças, valores culturais,
religiosos (Hellinger et al., 2006).

60 psique ciência&vida www.portalcienciaevida.com.br


Os zulus ensinaram a Hellinger a
importância da reverência aos ancestrais
como forma de cura física e emocional.
A experiência de viver em outra cultura
despertou nele uma nova percepção sobre
suas crenças, valores culturais, religiosos
• Influências •
Hellinger cita que muitas escolas e pro-
Ainda na África do Sul, estudou gia husserliana busca estudar “o ser fissionais influenciaram seu trabalho, en-
junto ao clero anglicano a dinâmica tal como se apresenta no próprio tre eles a terapia provocativa, de Frank
de grupo interracial e ecumênica. fenômeno” (Husserl, 2008, p. 17). Farrely; terapia primal, de Arthur Janov,
Esse método preconizava o diálo- Essa perspectiva está relaciona- Barbara Steen e Bervely Stoy, com quem
estudou hipnoterapia e PNL; Jeff Zeig e
go, a fenomenologia e a experiência da à consciência da pessoa, que ex-
Stephen Lankton, discípulos de Erickson,
individual diante do problema. De- põe o fenômeno do modo como sua com quem também estudou hipnotera-
pois dessa experiência, direcionou experiência interna o percebe. A pia; terapia do abraço, com Irena Precop;
seus trabalhos a uma orientação partir da exposição, pelo sujeito, do hierarquia familiar, com Jay Haley; terapia
fenomenológica e passou a olhar o fenômeno, é procurado o esclare- familiar, com Thea Schonfelder; Grupo
de Milão, que desenvolveu o conceito de
reconhecimento do que é essencial cimento do significado do mesmo,
terapia familiar estratégica, e, mais tarde,
em toda a disparidade presente, assim como ele se apresenta para o a terapia breve.
sem intenção, sem medo, sem pre- sujeito. Assim, a investigação feno-
conceitos, confiando apenas nas menológica consiste no estudo do
manifestações fenomenológicas indivíduo com base na percepção micas, explica que a postura fenome-
(Manné et al., 2009). e expressão do modo como ele vi- nológica nas constelações sistêmicas
Edmund Husserl é considerado vencia suas experiências internas é essencial para expor um campo de
pai da fenomenologia contemporâ- (Husserl, 2008). informação que emerge quando ob-
nea pela importância de suas publi- Cohen (2008), em sua tese de servado sem intenção ou medo e sem
cações e também pela grandeza de doutorado sobre constelações sistê- a necessidade de interpretar o que se
seus discípulos, entre eles Heideg-
ger e Sartre. É visto pela sua grande
contribuição na “elaboração rigoro-
sa e sistemática do método fenome-
nológico e na descrição rigorosa da
atitude fenomenológica” (Husserl,
2008, p. 12).
A palavra fenomenologia tem
origem grega, sendo que phaines-
thai significa “aquilo que se mos-
tra”, e logos quer dizer “estudo”.
Portanto, fenomenologia é o estudo
do que se mostra (Husserl, 2008).

Novo sentido
H usserl deu um novo sentido à
fenomenologia, “encerrando
o fenômeno no campo imanente da
consciência” e ao propor o interes-
se “pelo puro fenômeno, tal como
se torna presente e se mostra à A terapia transgeracional trabalha o indivíduo, considerando que os padrões familiares são transmitidos
consciência”; assim a fenomenolo- de geração em geração, por um processo inconsciente

www.portalcienciaevida.com.br psique ciência&vida 61


alternativa

revela em termos de teorias anterio- Edmund Husserl é considerado


res, crenças ou valores culturais. O
facilitador deve estar disposto a con-
pai da fenomenologia contemporânea
sentir com o que emerge, assim como e reconhecido por sua grande contribuição
se apresenta, não importa o quão de-
sagradável, de mau gosto ou pertur-
na elaboração rigorosa e sistemática do
bador possa parecer. método fenomenológico e na descrição
Hellinger (et al., 2006), dis-
cípulo de Heidegger, compara a
rigorosa da atitude fenomenológica
postura fenomenológica nas cons-
telações à postura fenomenológica investigação científica. Todos nós recuamos um pouco, até que chega-
aplicada à psicoterapia, e diz que sabemos do valor deste movimento, mos à quietude interior, que é com-
ambas as terapias buscam a com- o quanto ele acrescenta para nossa petente para lidar com a vastidão e
preensão por meio da renúncia, do vida e bem-estar. O segundo movi- a complexidade do todo maior. Essa
abandono, da intenção e da concor- mento acontece quando paramos busca, que primeiro orienta-se para
dância com o que se manifesta. de nos esforçar para compreender o dentro e depois para contenção, eu
Hellinger (2001, p. 2) expli- desconhecido, permitindo que nos- chamo de fenomenológico.
cou suas posições fenomenológicas sa atenção se abra para algo maior e Hellinger teve contato pela
da seguinte forma: “Existem dois não permaneça focada em algo par- primeira vez com a Gestalt-terapia
movimentos internos que levam ticular. Desta forma, nossa visão em 1970, na Alemanha, em um
à percepção. Em um deles existe se amplia permitindo observar o workshop de Ruth Cohn. Aprofun-
uma atitude de querer entender e todo complexo que nos rodeia (...)”. dou-se nos estudos da Gestalt-te-
controlar o desconhecido. Esta é a Fazemos uma pausa nessa atitude, rapia, e seus principais mestres fo-
ram Ruth Cohn e Hilarion Petzold
(Manné et al., 2009).
A Gestalt-terapia foi elabora-
da pelo médico alemão Fritz Perls
(1893-1970), a partir da teoria da
Gestalt da Psicanálise. Esta segue
o conceito que o desenvolvimento
psicológico e biológico de um orga-
nismo se processa de acordo com as
tendências inatas desse organismo.
Gestalt, palavra alemã sem tradu-
ção para outros idiomas, refere-se a
um processo de dar forma, de confi-
gurar “o que é colocado diante dos
olhos, exposto ao olhar”. A palavra
adequada para designar a Gestalt
seria dizer Gestaltung, termo que
indica dar forma, ou seja, um pro-
cesso, uma formação (Perls, 1998).

Explicação de Perls
O que ocorre em Gestalt-terapia
é uma passagem da interpre-
tação de eventos traumáticos no
passado de um paciente para o exa-
me íntimo de como o paciente vai
A técnica surgiu a partir do ramo da Psicologia fenomenológica existencial, que tem inúmeros criando sua experiência no presen-
pensadores em seu rol de seguidores, entre eles Carl Gustav Jung, na foto. te. A Gestalt-terapia não está tão

62 psique ciência&vida www.portalcienciaevida.com.br


interessada em perguntas sobre
onde o desenvolvimento do pa-
ciente pode ter sido sustado na sua
infância quanto está em ajudá-lo
a identificar e trabalhar suas an-
siedades e bloqueios atuais, talvez
mais bem denominados distúrbios
de contato do que resistências, que
impedem que aconteça o próximo
ato iminente de crescimento. Surge
dessa perspectiva o valor terapêu-
tico na Gestalt-terapia, de prestar
curada atenção ao momento pre-
sente, o que significa que numa ses-
são de terapia a observação da fron-
teira de contato em mudanças entre
o terapeuta e o paciente adquire
importância suprema. Nesse mo-
mento, ambos podem aprender exa-
tamente como e onde o contato fica
perturbado. Trata-se de uma cor- Hellinger afirma que a maneira peculiar de sua família de professar a fé o imunizou de questões políticas
reção crucial da visão comumente da Alemanha, tornando-o neutro em relação às ideias de Hitler
aceita e de enfatizar a ideia de que
o momento presente – o famoso A palavra Profissional de Psicoterapeutas, na
“aqui e agora” da Gestalt-terapia – Alemanha (Hellinger, 2007).
é uma maneira de notificar o tera-
fenomenologia Fanita English, psicóloga,
peuta e o paciente onde concentrar tem origem na professora e membro da Associação
sua atenção, enquanto estão fazen- Internacional de Análise Transa-
do Gestalt-terapia (1998, p. 26).
Grécia, sendo cional, apresentou a análise transa-
Hellinger conta que se subme- que phainesthai cional e a obra de Eric Berne para
teu a um trabalho tão rico e pro- Hellinger. Eric Berne, nascido em
fundo em Gestalt-terapia que in- significa “aquilo 1910, em Montreal, foi um psiquia-
f luenciou uma grande virada em que se mostra”, e tra norte-americano, criador da
sua vida, decidindo deixar a ordem análise transacional. Berne acredi-
religiosa (Hellinger, 2001). logos quer dizer tava que cada pessoa vive de acor-
Depois de 25 anos de sacerdó- “estudo”. Portanto, do com um determinado padrão.
cio, Hellinger deixa a ordem reli- Assim, desenvolveu a teoria dos
giosa. Ele comenta que “aos poucos a definição de scripts, que afirmava que os scripts
percebeu que ser padre não era mais fenomenologia pessoais são resultado das primei-
uma expressão apropriada de sua ras mensagens que os pais passam
evolução interior” e “que não viven- pode ser o estudo aos filhos (Hellinger et al., 2006).
ciou sua saída como uma ruptura, do que se mostra Hellinger entregou-se aos estu-
e, sim, uma evolução”. Ele também dos da análise transacional, com-
atribui à fenomenologia outro fator Estudou Psicanálise em Viena, preendendo os padrões familiares,
importante em sua decisão de deixar na Für Wiener Arbeitskreis Tiefenp- trabalhando com histórias, contos,
a ordem religiosa. Assim, Hellinger sychologie (Associação Vienense de romances e filmes, os quais possuem
IMAGENS: SHUTTERSTOCK/WIKIPEDIA

retornou para a Europa onde deu Psicologia Profunda) e no Arbeits- um significado especial a um indi-
início a um ciclo de profundos estu- gemeinschaft Münchner für Psicana- víduo, e por muitos anos ministrou
dos em diversas áreas da Psicologia lise (Instituto de Formação Psica- cursos a esse respeito. Sua longa ex-
e psicoterapia (Hellinger, 2007, e nalítica de Munique), e tornou-se periência como terapeuta em análi-
Hellinger et al., 2006). membro praticante da Associação se transacional legitimou, para ele, a

www.portalcienciaevida.com.br psique ciência&vida 63


alternativa

Husserl deu um
novo sentido à
fenomenologia,
encerrando o
fenômeno no
campo imanente
da consciência
e ao propor o
interesse pelo
puro fenômeno,
tal como se
O psicanalista alemão esteve na África do Sul como missionário junto aos zulus, onde trabalhou como
torna presente
dirigente de escolas superiores e lecionou muitas disciplinas e se mostra à
essência do trabalho de Berne: “que pais. Esses padrões podem persistir consciência
há uma estrutura subjacente, in- ao longo de gerações. Então, tor-
consciente, que forma e impulsiona nou-se claro para Hellinger que iniciais dos pais e que, no entanto,
as respostas das pessoas aos estímu- alguns dos scripts vivenciados por ele percebeu que além das memó-
los externos” (Cohen, 2008). um indivíduo podem ter origem em rias da relação com os pais também
Ao longo de seus trabalhos com outras gerações (Hellinger, 2007). existem memórias internalizadas
análise transacional, Hellinger per- Hellinger diz que Berne acre- de experiências que foram vividas
cebeu que alguns padrões estão ditava que esses scripts eram mui- por outros membros da família
além das mensagens enviadas pelos tas vezes baseados em mensagens (Hellinger, 2001).
Buscando maior entendimen-
to sobre a inf luência que as outras
para saber mais gerações exercem sobre um indiví-
duo, Hellinger buscou na terapia
ESCuLTurA FAMiLiAr AuxiLiA NA transgeracional mais conhecimen-
ELAbOrAçãO DA CONSTELAçãO to a esse respeito. Os principais au-

O utro método muito importante para a elaboração da constelação foi a


escultura familiar de Virginia Satir. Hellinger estudou com McClendon
e Les Kadis, que já trabalhavam com constelações de forma intuitiva
(Grochowiak et al., 2007). A escultura familiar foi desenvolvida por Virginia
Satir, psicóloga e psicopedagoga norte-americana, que elaborou seu
método a partir da integração dos princípios do psicodrama, Gestalt, análise
transacional, imagens dirigidas, escultura e experiências individuais, diádicas,
triádicas, de grupo e outras. A escultura familiar, ou técnica da família
simulada, consiste na simulação da família através da “representação espacial
dos relacionamentos”, em que pessoas são colocadas em posições para
caracterizar gestos marcantes da personalidade do representado. Devido
à forma de trabalho, Satir (et al., 2007) o denominou como “esculturas
familiares”. Trata-se de um processo psicodinâmica de grupo que retrata
os principais episódios da história familiar por meio da formação “de um Sartre foi um dos discípulos de Edmund Husserl,
quadro de acontecimentos e relacionamentos ocorridos”. considerado o pai da fenomenologia contemporânea
pela importância de suas publicações

64 psique ciência&vida www.portalcienciaevida.com.br


tores que inf luenciaram Hellinger A partir da exposição, pelo sujeito, do
dentro desta teoria foram Murray
Bowen e Iván Böszörményi-Nagy.
fenômeno, é procurado o esclarecimento
A terapia transgeracional é a do significado do mesmo. A investigação
abordagem psicoterapêutica feno-
menológica que trabalha o indiví-
fenomenológica é o estudo do indivíduo com
duo, considerando que os padrões base na percepção e expressão do modo
familiares são transmitidos de ge-
ração em geração, por um proces-
como vivencia suas experiências internas
so inconsciente, e inf luenciam no
comportamento das novas gera- gerações que pode não ter conheci- transmissão dos comportamentos
ções. Cohen (2008, p. 157) lembra mento da ação”.  e reações das novas gerações, con-
que a ideia das leis transgeracio- Segundo essa teoria, a memória siderando a transmissão por ensi-
nais foi previamente observada por transgeracional encontra-se inscri- namentos conscientes como por
Freud (1913-1958): ta em nós. “Essa memória transge- processos inconscientes. A esse
“Tomei como base de minha racional é um processo e não um conceito deu o nome de “transmis-
posição a existência de uma mente depósito parado em nossa mente” são multigeracional”. Com base
coletiva, em que processos mentais (Franke, 2006).Murray Bowen nos trabalhos de Bowen, Hellinger
ocorrem exatamente como eles fa- (1913-1990) foi um médico psiquia- escreveu sobre a transição do “amor
zem na mente de um indivíduo. Em tra americano, um dos pioneiros da cego” para “amor iluminado”.
particular, eu supus que o senti- terapia familiar e um dos funda-
mento de culpa por uma ação per- dores da terapia sistêmica. Bowen Abordagem contextual
sistiu por muitos milhares de anos
e tem permanecido operativo em
estudou a interação dos membros
familiares, bem como a forma de I ván Böszörményi-Nagy (1920-
2007) foi um psiquiatra húngaro-
IMAGENS: SHUTTERSTOCK/WIKIPEDIA

A Gestalt-terapia é uma passagem da interpretação de eventos traumáticos no passado para o exame íntimo de como o paciente cria sua experiência no presente

www.portalcienciaevida.com.br psique ciência&vida 65


alternativa

A Gestalt-terapia foi elaborada por


Fritz Perls a partir da teoria da Gestalt da
Psicanálise. Esta segue o conceito que o
desenvolvimento psicológico e biológico de
um organismo se processa de acordo com as
tendências inatas desse organismo
• Ideias nocivas •
Descendente de judeus, Baruch de Spi- o padrão transgeracional, este último e equilíbrio de troca, influenciaram
noza (1632-1677) nasceu em Amsterdã, exerce predominância nos indivíduos seus trabalhos e que estes “apontaram
na Holanda. Suas ideias eram conside-
radas nocivas e, por isso, foi afastado
(Franke, 2006). a direção” para sua teoria sobre as “or-
da sinagoga, sendo deserdado pela fa- Em seu segundo livro (1986), dens ocultas do amor”.
mília. Para sobreviver, trabalhou como Between Give and Take, Böszörményi- Um fator importante para o traba-
polidor de lentes para lunetas. Publicou -Nagy e Krasner escreveram sobre o lho de Hellinger foi que Moreno per-
poucas obras e sofreu muitas persegui- equilíbrio entre o dar e o receber nos cebeu a existência de uma unidade de
ções da imprensa. O conservadorismo
religioso e filosófico fez com que vi-
relacionamentos familiares. Consi- sentimento que é transmitida de um in-
vesse no ostracismo a maior parte de deram essa forma de equilíbrio o ele- divíduo a outro, o que faz com que uma
sua vida. Somente no século XX suas mento balizador da qualidade dos re- pessoa perceba mais objetivamente ou-
ideias foram reconhecidas. lacionamentos familiares. Defendem tra pessoa. A esse fenômeno, Moreno
a ideia de que para um membro da definiu “tele” como a capacidade de per-
família ter merecimento de algo ele ceber de forma prática o que ocorre nas
-americano. Desenvolveu a abor- tem que ter contribuído de alguma situações e as sensações que se passam
dagem contextual de psicoterapia forma com seu sistema. entre as pessoas. Considera o fenômeno
familiar, incluindo a visão das dimen- Hellinger (et al., 2007, p. 407) tele um processo de empatia que ocorre
sões individual, interpessoal, existen- conta que os dois conceitos elaborados em duas direções, sendo que a tele tem
cial e sistêmica da vida familiar. Den- por Böszörményi-Nagy, leis invisíveis como princípios a reciprocidade e a
tro dessa perspectiva, considerava que
as atitudes dos membros da família
influenciavam a história dos outros
membros e das outras gerações. As-
sim, delineou (et al., 1973) estrutu-
ras do relacionamento familiar que
ecoam quase como leis nas histórias
familiares. Nomeou esse processo de
“leis invisíveis”. O conceito das leis in-
visíveis diz respeito à lealdade, justiça,
equidade e equilíbrio, como leis que
regem as relações sistêmicas familia-
res. As percepções de Böszörményi-
-Nagy com relação às leis invisíveis
surgiram de sua prática clínica com
milhares de famílias de todos os gru-
pos sociais e classes econômicas.

Unidade de sentimento
S egundo a experiência de Böször-
ményi-Nagy, os padrões transmi-
tidos de forma consciente não apre- Hellinger percebeu que além das memórias da relação com os pais, nos scripts existem memórias
sentam a mesma força de atuação que internalizadas de experiências de outros membros da família

66 psique ciência&vida www.portalcienciaevida.com.br


empatia que ocorre de uma pessoa para
outra sem a necessidade da reciprocida- O fenômeno Tele é um
processo de ressonância
de. Em alemão, Moreno se refere à tele
mórfica, que permite que
como zweinfuhlung – relação em duplo o representante da pessoa
sentido, e à empatia como einfuhlung, perceba suas sensações,
que seria uma relação em um único como medos e alegrias
sentido. Nas constelações, Hellinger se
refere ao fenômeno tele como proces-
so de ressonância mórfica, que permi-
te que o representante de uma pessoa
perceba suas sensações físicas, medos,
alegrias, inseguranças, enfim, deixa que
o representante externe por meio de ex-
pressões físicas as sensações da pessoa
representada, mesmo sem ter qualquer
conhecimento sobre sua vida.

Precursora
S atir tem sido considerada pre-
cursora nos trabalhos de cons-
telações sistêmicas por ter atuado Após 25 anos de sacerdócio, Hellinger
na conexão entre representante e
representado em uma terapia de
deixou a ordem religiosa. Disse que
grupo. Entretanto, Hellinger pon- aos poucos percebeu que ser padre não
tua algumas diferenças entre as
duas técnicas: era mais uma expressão apropriada de sua
“O que montamos são conste- evolução interior e que não vivenciou a saída
lações familiares, não esculturas
familiares. Por esculturas familia- como uma ruptura, e, sim, uma evolução
res, entendo representar a família
com gestos e posturas, voltando- permitem-nos ter um quadro bem de forma mais positiva, as questões
-lhes a cabeça em determinada melhor da dinâmica do sistema fa- que enfrentam na vida sem a pre-
direção etc. Quando os represen- miliar, da inf luência desse sistema tensão de modificar seu comporta-
tantes são esculpidos assim, suas em seus membros. Quando apenas mento (Franke, 2003).
experiências dependem inteira- conduzimos os representantes para E assim Hellinger, com toda sua
mente de suas posições e eles não determinada posição em relação aos determinação e insistência “de ver
conseguem observar as mudanças outros e permitimos que isso os afe- o que é e não aceitar o que ouve”,
que ocorrem no curso do trabalho. te, eles começam a apresentar sinto- diante de uma postura fenomeno-
Se os representantes são simples- mas como joelhos “bambos”, cólera, lógica, ao longo de seus estudos,
mente instalados em seus lugares, ideias absurdas e coisas assim. Nes- abandonou e adaptou várias teo-
podem acompanhar as mudanças se caso, recebemos informação de rias quando suas experiências fe-
em suas sensações íntimas à medi- um nível diferente e não as dos con- nomenológicas e práticas junto a
da que a constelação se desenvolve. ceitos conscientes do protagonista”. seus clientes contrariam a hipótese
Se determina que voltem a cabeça A terapia transgeracional, o teórica. Dessa forma, elaborou seu
e olhem numa direção qualquer, a psicodrama e as esculturas fami- próprio método terapêutico, que
posição não irá afetá-los, porque eu liares são métodos considerados da chamou de constelação familiar,
IMAGENS: SHUTTERSTOCK/WIKIPEDIA

próprio defini sua experiência. Ges- corrente da Psicologia humanista- fazendo alusão às estrelas como
tos e poses também tornam difícil -existencial. Esses três métodos, as- membros de uma família do siste-
perceber o efeito da dinâmica fami- sim como a constelação, têm como ma solar.
liar. Por outro lado, as constelações, ideal ampliar os recursos disponí- Texto retirado da dissertação de mes-
muito simples e quase naturais, veis para os clientes suportarem, trado da autora.

www.portalcienciaevida.com.br psique ciência&vida 67