Você está na página 1de 226

Com SUNOR do TAF atualizado incluso

Sunor* Regulamentação do Teste Físico da PMPE


APOSTILA CONCURSO PMPE 2016 



Ì1',&(

PORTUGUÊS

1. Análise de textos, objetivando reconhecer, entre outros aspectos ......... 01


1.1. O tema ou a ideia global do texto ou, ainda, o tópico de um parágrafo . . . . . . . . . 02
1.2. O argumento principal defendido pelo autor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
1.3. O objetivo ou finalidade pretendida . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
1.4. A síntese do seu conteúdo global . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
1.5. As características do tipo ou do gênero textual em que se realizam . . . . . . . . . . . . . 06
1.6. A função (referencial, expressiva, apelativa, poética) que desempenham . . . . . . . . . 16

2. Padrão escrito no nível culto:


Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19
Acentuação gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28

3. Categorias Gramaticais:
Funcionalidade no texto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32

4. Flexão nominal e verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63

Concordância Nominal e Verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68

Regência Nominal e Verbal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73

Uso do sinal indicativo da crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 77

Exercícios finais ....................................................... 79

Gabarito . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
APOSTILA

Ì1',&( 
  CONCURSO PMPE
 2016

MATEMÁTICA
1. Múltiplos e Divisores (M.M.C e M.D.C.); . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
2. Números Inteiros;. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
3. Números Racionais; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
4. Equações do 1º Grau. Sistema de Equação do 1º Grau, Problemas do 1º Grau; . . . . . . . . . . . 52
5. Sistema de Medidas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
6. Razão e Proporção; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
6.1 Regra de Três Simples e Composta; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
7. Porcentagem. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

GEOGRAFIA
1. População: Crescimento, Distribuição, Estrutura e Migrações; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Urbanização Brasileira; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 04
3. O clima na Região Nordeste; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
4. As Regiões de Pernambuco Sertão, Agreste e Mata; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
5. A Economia de Pernambuco; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 09
6. O Mercado Importador e Exportador de Pernambuco; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
7. A Região Metropolitana de Recife; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
10. Blocos econômicos: Mercosul, União Européia, Nafta e Alca. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
Questões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17

HISTÓRIA
1. Invasões Holandesas em Pernambuco; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
2. A Revolução Pernambucana de 1817; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
3. Independência do Brasil; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
4. A Abolição da Escravatura;. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
5. A política do café com leite; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
6. A Era Vargas; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
7. Os Governos Militares; . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
8. O Brasil Atual. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
Questões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS

'RV'LUHLWRVH*DUDQWLDV)XQGDPHQWDLV
'RV'LUHLWRVH*DUDQWLDV)XQGDPHQWDLV                                   
&RQFHLWRV
&RQFHLWRV                                                           
'HVWLQDWiULRVGRV'LUHLWRV)XQGDPHQWDLVH3ULQFtSLRGD8QLYHUVDOLGDGH
'HVWLQDWiULRVGRV'LUHLWRV)XQGDPHQWDLVH3ULQFtSLRGD8QLYHUVDOLGDGH          
5HODWLYL]DomRH5HVWULo}HVGRV'LUHLWRV)XQGDPHQWDLV
5HODWLYL]DomRH5HVWULo}HVGRV'LUHLWRV)XQGDPHQWDLV                        
'RV'LUHLWRVH*DUDQWLDV)XQGDPHQWDLVHP(VSpFLH
'RV'LUHLWRVH*DUDQWLDV)XQGDPHQWDLVHP(VSpFLH                          
'LUHLWRj9LGD
'LUHLWRj9LGD                                                       
'LUHLWRj/LEHUGDGH
'LUHLWRj/LEHUGDGH                                                   
3ULQFtSLRGD,JXDOGDGH
3ULQFtSLRGD,JXDOGDGH DUWž,
3ULQFtSLRGD,JXDOGDGH                                       
3ULQFtSLRGD/HJDOLGDGHH$QWHULRULGDGH3HQDO
3ULQFtSLRGD/HJDOLGDGHH$QWHULRULGDGH3HQDO DUWž,,H;;;,;
3ULQFtSLRGD/HJDOLGDGHH$QWHULRULGDGH3HQDO              
/LEHUGDGHGD0DQLIHVWDomRGH3HQVDPHQWR
/LEHUGDGHGD0DQLIHVWDomRGH3HQVDPHQWR DUWž,9
/LEHUGDGHGD0DQLIHVWDomRGH3HQVDPHQWR                      
,QYLRODELOLGDGHGD,QWLPLGDGH9LGD3ULYDGD+RQUDH,PDJHP DUWž;          
,QYLRODELOLGDGHGD,QWLPLGDGH9LGD3ULYDGD+RQUDH,PDJHP
,QYLRODELOLGDGHGR/DU
,QYLRODELOLGDGHGR/DU DUWž;,
,QYLRODELOLGDGHGR/DU                                       
6LJLORGH&RUUHVSRQGrQFLDHGH&RPXQLFDomR
6LJLORGH&RUUHVSRQGrQFLDHGH&RPXQLFDomR DUWž;,,
6LJLORGH&RUUHVSRQGrQFLDHGH&RPXQLFDomR                    
/LEHUGDGHGH/RFRPRomR
/LEHUGDGHGH/RFRPRomR DUWž;9
/LEHUGDGHGH/RFRPRomR                                    
'LUHLWRGH5HXQLmRH$VVRFLDomR
'LUHLWRGH5HXQLmRH$VVRFLDomR DUWž;9,;9,,;9,,,;,;;;;;,
'LUHLWRGH5HXQLmRH$VVRFLDomR          
'LUHLWRGH3URSULHGDGH
'LUHLWRGH3URSULHGDGH DUWž;;,,;;,,,
'LUHLWRGH3URSULHGDGH                                
9HGDomRDR5DFLVPR
9HGDomRDR5DFLVPR DUWž;/,,
9HGDomRDR5DFLVPR                                       
*DUDQWLDD,QWHJULGDGH)tVLFDH0RUDOGR3UHVR
*DUDQWLDD,QWHJULGDGH)tVLFDH0RUDOGR3UHVR DUWž;/,;
*DUDQWLDD,QWHJULGDGH)tVLFDH0RUDOGR3UHVR                 
9HGDomRjV3URYDV,OtFLWDV
9HGDomRjV3URYDV,OtFLWDV DUWž/9,
9HGDomRjV3URYDV,OtFLWDV                                   
3ULQFtSLRGD3UHVXQomRGH,QRFrQFLD
3ULQFtSLRGD3UHVXQomRGH,QRFrQFLD DUWž/9,,
3ULQFtSLRGD3UHVXQomRGH,QRFrQFLD                          
3ULYLOpJLR&RQWUDD$XWR,QFULPLQDomR
3ULYLOpJLR&RQWUDD$XWR,QFULPLQDomR DUWž/;,,,
3ULYLOpJLR&RQWUDD$XWR,QFULPLQDomR                        

7(67(6 ................ .. 

Data da Edição:
BLOG MICHELLE SIQUEIRA
10/02/2016
BOA
SORTE
A
TODOS !!

Michelle Siqueira
LÍNGUA PORTUGUESA
alguém como se pode estimar um filho - não projeta apenas
1. ANÁLISE DE TEXTOS uma imagem, mas é ele mesmo. Por obra do amor, é verda-
deiro, atento, esquecido de si, profundamente interessado.
Sendo isso, apenas isso, torna-se inevitável a reciprocidade
do amor.
Entendemos por texto, um conjunto de ideias expressas
através de frases, orações, parágrafos; com um estilo próprio A solidão do jovem é, apesar do que se pensa em contrá-
e com uma estrutura própria produzido por um certo sujeito. rio, real e frequente. Embora acompanhado sempre e em
constante movimentação, o adolescente crê que o mundo é
A estrutura de um texto varia de acordo com sua nature- dos adultos; e esses estão ocupados demais para ouvir os
za. Há o texto literário e o não literário. seus pequenos devaneios. Há uma busca disfarçada de a-
tenção e apoio, que só uns poucos percebem, e raríssimos
se apressam em atender. A condição do homem é, em si
mesma, de confronto com a solidão, de que ele está, do ber-
ço à sepultura, sempre cercado.
TEXTO A descoberta dessa realidade – que não é triste ou alegre,
↙ ↘ mas simplesmente um fato – ocorre na puberdade, e nem
Denotação Conotação sempre é pacífica. Esse contato pode deixar um travo de
↓ ↓ melancolia, quando não há apoio compreensivo de um adulto
Texto não literário Texto-literário que se estima e no qual se confia – e que dá a entender que
↓ ↓ já passou por isso e sabe do que se trata, embora não tenha
Claro, objetivo Figurado, subjetivo, uma resposta definitiva para os mistérios da vida. (Luiz Carlos
↓ ↓ Lisboa - Jornal da Tarde)
informativo pessoal
O texto de Luiz Carlos Lisboa é um texto não literário,
O texto literário expressa a opinião pessoal do autor que porque disserta sobre um certo tema: a descoberta da solidão
também é transmitida através de figuras, impregnado de de forma objetiva, informativa, etc. Se tivesse dado ao tema
subjetivismo. Já o texto não literário preocupa-se em transmi- um tratamento poético, musical, lírico, por exemplo, seria um
tir uma mensagem da forma mais clara e objetiva possível. texto literário, pois usaria recursos literários, tais como a rima,
Como exemplo, podemos citar uma notícia de jornal como as figuras de linguagem, a ficção para expressar sua opinião
texto não literário e um romance de Eça de Queirós ou José sobre a descoberta da solidão.
de Alencar como exemplo de texto literário.
A compreensão do texto pode ser feita da seguinte for-
Compreender um texto é levar em conta os vários aspec- ma, chamada objetiva:
tos que ele possui, por exemplo, um texto terá aspecto moral,
social, econômico, conforme a intenção do autor; para ratifi- 1) Segundo o texto, os jovens:
car esses aspectos o autor se utiliza de um vocabulário con-
dizente com sua intenção. Então ... como compreender textos a) São autossuficientes.
em prova, se cada pessoa possui um modo específico de ver b) Vivem no mundo da lua.
os fatos? c) Necessitam de apoio e compreensão.
d) Estão sempre muito ocupados.
A resposta não é simples. Não obstante o valor subjetivo
do texto, ele possui uma estrutura interna que é básica e a 2) De acordo com o texto, pode-se afirmar que o ho-
qual garantirá uma compreensão objetiva. mem:

Compreender um texto não literário é perceber no texto a a) Sente solidão durante toda a vida.
opinião, a intenção do autor, onde ele pretende chegar com b) Está sozinho apenas no momento da morte.
aquele texto. Se o autor é contra ou a favor de um certo te- c) Está sozinho apenas no momento do nascimento.
ma, quais os aspectos que o autor levanta. Nossa compreen- d) Nunca está completamente sozinho.
são será sempre a partir das informações que o texto nos
oferece. 3) Com relação à solidão, o texto afirma que:

Observe o texto a seguir: a) O homem fica triste ao descobri-la.


b) O homem a descobre durante a adolescência.
É ainda Lorenz, na mesma obra, quem identifica a frustra- c) O jovem a encontra por falta de apoio e compreen-
ção dos jovens face a uma educação que, em nome da com- são.
preensão, baniu a firmeza e a liberdade com responsabilida- d) O jovem a encontra porque não confia nos adultos.
de. Noções confusas de psicanálise, vagos anseios libertá-
rios, muita teoria e pouco conhecimento serviram para refor- 4) Segundo o texto, o amor:
çar uma tolerância preguiçosa que passou a se constituir em
padrão de comportamento para pais e educadores. a) É um problema irrelevante na vida agitada do jo-
vem.
Aquela frustração nasce dessa atitude – que Lorenz cha- b) E uma expressão romântica, uma frase fora de mo-
ma de "muro de borracha" – débil, indefinida e acovardada do da.
adulto diante do jovem, tão nociva quanto a ação punitiva c) É uma atitude hábil e simpática em relação ao jo-
sistemática de antigamente. vem.
d) É um meio pelo qual os adultos podem compreen-
Educar tornou-se, há muito tempo, uma arte esquecida. der as atitudes dos jovens.
No contato com o adolescente, o pai – ou aquele que estima

– 1 –
LÍNGUA PORTUGUESA
5) O texto afirma que: Num texto, palavras, orações, frases, expressões são
justapostas, colocadas lado a lado visando a uma intenção do
a) As gerações mais velhas só se preocupam em autor que produz o texto. Por vezes, usa palavras de signifi-
transmitir os seus valores aos mais jovens. cado equivalente; de outra feita, utiliza-se de expressões,
b) Os jovens acham que o mundo está errado e que- palavras com significados opostos, contudo todos esses
rem destruí-lo. recursos têm uma intenção, usar o texto como veículo ou de
c) A energia e a generosidade dos jovens os levam a emoção, ou de crítica, de revelação, informação, etc.
querer reformar o mundo.
d) É normalmente uma hipocrisia o fato de os jovens Peguemos como exemplo o texto de Luiz Carlos Lisboa.
quererem reformar o mundo.
No texto, há blocos de significados que se equivalem e
6) "... débil, indefinida e acovardada do adulto diante que têm um certo significado à luz do contexto dado. Exem-
do jovem." As palavras sublinhadas podem ser substi- plos:
tuídas, sem modificar o significado do texto, por:
1º Atitude débil (= louca) indefinida, acovardada equiva-
a) maluco, incoerente, medroso. le a ação primitiva, sistemática.
b) fraco, indeterminado, medroso.
c) idiota, indeterminado, inseguro. 2º Muita teoria equivale a pouco conhecimento.
d) alegre, estúpido, nervoso.

7) No parágrafo "A solidão do jovem é, apesar do que 3º Solidão real e frequente análoga à acompanhado,
se pensa em contrário, real e frequente.", a frase constante movimentação.
sublinhada dá uma ideia de
4º Berço análogo à sepultura.
a) conclusão. c) concessão.
b) condição. d) indefinição. O autor, no primeiro bloco de ideias, torna equivalente a
atitude débil, indefinida e acovardada diante do jovem à ação
RESPOSTAS punitiva.
1-C 2- A 3- B 4- D 5- A 6- B 7- C
Em um outro contexto tal equivalência seria impossível,
pois a atitude de liberdade total, num primeiro momento não
1.1. O TEMA OU A IDEIA GLOBAL DO TEXTO OU, tem relação alguma à punição sistemática. Contudo, num
AINDA, O TÓPICO DE UM PARÁGRAFO certo contexto, as palavras assumem significados equivalen-
tes ou não.
Para compreendermos o texto é preciso descobrir sua
estrutura interna. Nela, encontraremos ideias básicas e aces- No segundo bloco, muita teoria equivale a pouco conhe-
sórias e precisamos descobrir como essas ideias se relacio- cimento, em outro contexto tais afirmações seriam opostas,
nam. As ideias básicas giram em torno do tema central, de contraditórias, contudo no texto-exemplo são equivalentes,
uma ideia núcleo contida no texto, a ela somam-se as ideias pois assumem um significado de "coisas vazias" diante da
acessórias, que só são importantes, enquanto corroboradoras descoberta da solidão, então mais uma vez temos um termo
da ideia central. Por exemplo, a ideia básica do texto é a com um significado específico num dado contexto.
presença da solidão em nossas vidas, na opinião de Luiz
Carlos Lisboa, a ela somam-se outras ideias sobre a educa- No terceiro bloco, solidão real e frequente estão lado a
ção dos jovens, sobre a psicanálise, sobre o amor que são lado das palavras acompanhando em constante movimenta-
acessórias, porque não tratam diretamente do assunto da ção.
solidão, mas são acessórias, pois colaboram para a compre-
ensão da ideia básica, central. No contexto, elas são compreendidas como análogas,
equivalentes, mas já sabemos que num outro contexto são
Geralmente, um texto trata de uma ideia básica acompa- palavras que se opõem. Só assumem sentido análogo devido
nhada de várias ideias acessórias. Se há ideias básicas e à ideia do autor, à sua intenção de reforçar a contradição, a
ideias acessórias como ocorre a inter-relação dessas ideias? confusão em que vive o adolescente.

Muitas vezes, a técnica usada é a de explanação de idei- No quarto bloco, berço é análogo à sepultura, à luz da
as "em cadeia", ocorre a explanação da ideia básica e a se- compreensão do texto são palavras que se equivalem, que
guir o desdobramento dessa ideia nos parágrafos subsequen- estão lado a lado equiparadas a lugares que contêm a soli-
tes a fim de discutir, aprofundar o assunto. dão que cerca a vida das pessoas.

Já no texto-exemplo de Luiz Carlos Lisboa vemos que ele Em outros contextos são palavras opostas, pois significam
vai preparando a introdução da ideia básica com as ideias vida e morte, mas no texto-exemplo tudo é uma coisa só:
acessórias, como se estivesse criando um ambiente propício, lugar de solidão.
numa preparação textual onde o clímax seria a ideia básica: a
descoberta da solidão. E um crescer de expectativas até A oposição básica do texto é:
chegar ao cerne da questão.

1) Sentido oposto: significa a ideia contrária de uma pala- O Mundo dos adultos ocupados oposto à busca dis-
vra em relação a outra. farçada de atenção e apoio.

2) Análogo ou Equivalente: dizer que uma palavra é análo- Onde adultos se ocupam com um mundo à parte dos
ga à outra, significa dizer que ambas têm semelhanças de anseios, carências, dúvidas dos adolescentes cercados de
significados, são equivalentes. solidão.

– 2 –
LÍNGUA PORTUGUESA
É importante ressaltar que as oposições, as equivalên- perceba o seguinte: a divisão da dissertação em parágrafos
cias, a compreensão de certos termos só acontecem em (cada um correspondendo a uma determinada ideia que nele
contextos determinados, pois dependendo da intenção do se desenvolve) tem a função de facilitar a produção de texto,
autor as palavras poderão se opor, equivaler-se, assumir de estruturá-lo coerentemente, bem como possibilitar a quem
lê uma melhor compreensão do texto em sua totalidade.
significados específicos, ainda como exemplo, recorremos à
expressão "muro de borracha" que poderia significar até um Embora o parágrafo, normalmente, trate de um único as-
brinquedo em risco para o físico da criança, contudo no texto- sunto, podemos perceber nele algumas partes: uma frase ou
exemplo significa a atitude dos pais diante dos filhos – "débil, período que contém a ideia central, a que damos o nome de
indefinida e acovardada" sem limites, sem a educação que tópico frasal, um desenvolvimento, que consiste na expla-
norteia a vida. nação do tópico frasal, e uma conclusão.

O texto poderá utilizar diversos recursos, tudo, no entanto, Observe um bom exemplo de parágrafo padrão:
estará subordinado à ideia do seu autor.
O BIG BROTHER DE GEORGE ORWELL
IDEIA GLOBAL DO TEXTO
“Recente pesquisa avaliou se os internautas brasileiros sa-
Ler um texto é um processo que envolve vários tipos de biam que ‘Big Brother’ é uma invenção do escritor inglês
conhecimentos. Quando se trata de um texto verbal, esse George Orwell. O resultado confirma o alto índice de igno-
processo consiste basicamente em ativar: rância sobre a relação entre o programa e a obra original de
Orwell, 1984. A primeira reação diante dos resultados é,
• O conhecimento linguístico, isto é, o domínio do código, normalmente, atribuir o desconhecimento ao baixo nível
da língua, que permite decodificar o texto e fazer as associa- cultural do internauta brasileiro. Uma segunda reflexão, no
entanto, vai constatar que a falta de conhecimento da origem
ções gramático-estruturais das partes que o formam;
do programa é coerente com o comportamento de seus
• O conhecimento do mundo, forjado a partir das vivências produtores. A comunicação da Rede Globo não menciona o
e do acúmulo de informações culturais, ideológicas, intelectu- romance de Orwell em nenhuma peça publicitária e tampou-
ais e que permite levantar hipóteses sobre o que o texto quer co essa origem foi destaque nas reportagens de divulgação
nos dizer e estabelecer relações com a realidade; feitas por seus veículos oficiais (rádios, jornais e revistas).
• As leituras prévias, que também permitem levantar hipó- Assim, o desconhecimento da ligação entre ‘Big Brother’ e a
teses sobre o que o texto quer nos dizer e relacioná-lo às obra de Orwell pode ser mais uma consequência do desinte-
leituras já feitas; resse comercial ou cultural dos produtores do novo progra-
• A reflexão, que permite não só estabelecer todas as rela- ma do que sinal de um possível baixo nível cultural do brasi-
leiro médio.”
ções anteriores, mas também projetar outras, atribuindo sen-
tido ao texto ao mesmo tempo que forma e/ou amplia a leitura Adaptado do artigo de Leão Serva, de 28 de jan. 2002. In:
do mundo do leitor. http://ultimosegundo.ig.com.br/useg/cultura/artigo/0,,663207,00html

TÓPICO DE UM PARÁGRAFO A ideia central (tópico frasal) do parágrafo é mostrar a


“ignorância sobre a relação entre o programa e a obra original
O encaminhamento do tema é sempre produto de uma de Orwell, 1984”. A partir do terceiro período (“A primeira
escolha que se dá dentro de uma ordem. Assim como as reação...”), temos o desenvolvimento, em que o autor parte
palavras ordenam-se em frases, as frases em parágrafos, de duas possibilidades para explicar a ideia contida no tópico
estes devem ordenar-se para formar um texto. frasal; no último período do parágrafo temos a conclusão, já
anunciada no operador argumentativo “Assim...” (como se
Os textos em prosa, sejam eles narrativos, descritivos ou dissesse: portanto...).
dissertativos, são estruturados geralmente em unidades me-
nores, os parágrafos, identificados por um ligeiro afastamen- Nem todos os parágrafos apresentam essa estrutura. Em
to de sua primeira linha em relação à margem esquerda da parágrafos curtos e naqueles cuja ideia central não apresenta
folha. Possuem extensão variada: há parágrafos longos e complexidade, a conclusão costuma não aparecer.
parágrafos curtos. O que vai determinar sua extensão é a
unidade temática, já que cada ideia exposta no texto deve
corresponder a um parágrafo. O parágrafo dissertativo
Veja o que diz Othon M. Garcia a respeito do parágrafo: Nas dissertações, os parágrafos são estruturados a partir
de uma ideia que normalmente é apresentada em sua intro-
O parágrafo é uma unidade de composição, constituída dução, desenvolvida e reforçada por uma conclusão.
por um ou mais de um período, em que se desenvolve de-
Observe um exemplo de parágrafo dissertativo:
terminada ideia central, ou nuclear, a que se agregam outras,
secundárias, intimamente relacionadas pelo sentido e logi-
camente decorrentes dela. “Se havia ainda alguma dúvida de que a economia americana
(Garcia, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 7 ed. Rio de passa pelo melhor momento de sua história, ela acabou na
janeiro: FGV, 1978. p. 203.) semana passada. Na quarta-feira, foi divulgado o índice de
confiança do consumidor, considerado um indicador quase
Essa definição não se aplica a todo tipo de parágrafo: tra- infalível da avaliação que os americanos fazem da solidez do
ta-se de um modelo – denominado parágrafo-padrão – que, seu emprego e da evolução do ambiente econômico do país.
por ser cultivado por bons escritores modernos, podemos até O resultado é o melhor dos últimos trinta anos. Ele vem se
imitar. somar a outros números excelentes. A inflação praticamente
desapareceu, o desemprego é o mais baixo em décadas, a
As dissertações solicitadas em exames costumam bolsa de valores atingiu o índice 7 300, que só se esperava
ser estruturadas em quatro ou cinco parágrafos (um para a para daqui a alguns anos, e o país lidera a grande revolução
introdução, dois ou três para o desenvolvimento e um para a tecnológica mundial. Este é o melhor momento econômico
conclusão). É claro que essa divisão não é absoluta. dos Estados Unidos e muito provavelmente de toda a história
do capitalismo.
Dependendo do tema proposto, do tratamento que se dê (Revista Veja, 4 jun. 1997.)
a ela, poderemos ter variações. Mas é fundamental que se

– 3 –
Língua Portuguesa
O parágrafo narrativo Era um rapaz tranquilo, medido, geralmente silencioso, paca-
to, avesso a mulheres, indiferente a teatros, saraus. Não se
Nas narrações, a ideia central do parágrafo é um inciden- irritava nunca, não teimava, parecia não ter opiniões nem
te, isto é, um episódio curto. simpatias. O único sentimento manifesto era a dedicação a D.
Venância.
Nos parágrafos narrativos, há o predomínio dos verbos de (Machado de Assis, Relíquias de casa velha. São Paulo, Edigraf, s.d.
ação que se referem a personagens, além de indicações de t. 2, p. 109.)
circunstâncias relativas ao fato: onde ele ocorreu, quando
ocorreu, por que ocorreu, etc. 2) O índio da Transamazônica todo dia passava pelas obras,
com um menino nas mãos e uns livros debaixo do braço.
Nas narrações existem parágrafos que servem para re- Um dia, o engenheiro perguntou pra ele:
produzir as falas dos personagens. No caso do discurso dire- - Onde vai com estes livros?
to (em geral antecedido por dois-pontos e introduzido por - Pra escola!
travessão), cada fala de personagem deve corresponder a O engenheiro ficou maravilhado!
um parágrafo, para que essa fala não se confunda com a do - Que coisa edificante, ver um índio brasileiro levar uma
narrador ou com a de outro personagem. criança para a escola.
- Não é criança, não. Quem vai escola é índio mesmo!
Observe um exemplo de parágrafo narrativo: - Ah... que empolgante – falou o engenheiro. Aí, deu uma
paradinha, uma pensadinha e perguntou: - E o menino?
- Você acha que eu estou meia gordinha? - Ah! – falou o índio – menino é merenda!”
- Não é meia, é meio. (Ziraldo)
- Como é que é?
- Não é meia gordinha que se diz. É meio gordinha. 3) Acreditar que não existe racismo no Brasil é perda de
tempo. Existe, sim, apesar de vivermos em uma nação mesti-
- MEIO gordinha? Imagina. Meio gordinha... Não acredi- ça. Na verdade, o racismo é um fenômeno multifacetado que
to. atinge todas as esferas: social, econômica, política e cultural.
- Se você fosse meia gordinha, significaria que você é só Zezé Motta, em Istoé.
meia, só metade, entende?, só metade gordinha. A
outra metade, magrinha.
- Qual parte? A de cima ou a de baixo? RESPOSTAS
(Prata, Mário. Diário de um magro. São Paulo: Globo, 1997. p. 1- parágrafo descritivo
20-1.) 2 – parágrafo narrativo
3 – parágrafo dissertativo

O parágrafo descritivo

A ideia central do parágrafo descritivo é um quadro, ou 1.2. O ARGUMENTO PRINCIPAL DEFENDIDO


seja, um fragmento daquilo que está sendo descrito (uma PELO AUTOR
pessoa, uma paisagem, um ambiente, etc.) visto sob deter-
minada perspectiva, num determinado momento. Alterado Argumentar é um processo que apresenta dois aspectos:
esse quadro, teremos novo parágrafo.
o primeiro, ligado à razão, supõe ordenar ideias, justificá-las e
O parágrafo descritivo vai apresentar as mesmas caracte- relacioná-las; o segundo, referente à paixão, busca capturar o
rísticas das descrições: predomínio dos verbos de ligação, ouvinte, seduzi-lo e persuadi-lo. Assim, argumentar é uma
emprego de adjetivos que caracterizam o que está sendo operação delicada, já que é necessário construir ideias e não
descrito, ocorrência de orações justapostas ou coordenadas.
uma realidade.
Observe um exemplo de parágrafo descritivo:
A argumentação compreende um quadro constituído de
O homem dos olhos sombreados, sujeito muito feio, que um tema, assunto sobre o qual haja dúvidas quanto à legiti-
sujeito mais feio! No seu perfil de homem de pernas cruza- midade, um argumentador, que desenvolve um raciocínio a
das, a calça ensebada, a barba raspada, o chapéu novo, respeito de um tema, e um receptador, a quem se dirigem os
pequeno, vistoso, a magreza completa. Magreza no rosto argumentos com a finalidade de que venha a participar da
cavado, na pele amarela, nos braços tão finos. Tão finos mesma opinião ou certeza do argumentador.
que pareciam os meus, que eram de menino. E magreza
até no contorno do joelho que meus olhos adivinham de- Uma argumentação sustenta-se basicamente em:
baixo da calça surrada.
Seus olhos iam na pressa das bolas na mesa, onde ruídos
secos se batiam e cores se multiplicavam, se encontravam 1. argumentos de valor universal – aqueles que são irrefutá-
e se largavam, combinadamente. A cabeça do homem ia e veis, com os quais conquistamos a adesão incontinenti dos
vinha. Quando em quando, a mão viajava até o queixo, leitores. Se você diz, por exemplo, que sem resolver os pro-
parava. Então, seguindo a jogada, um deboche nos beiços blemas da família não se resolvem os das crianças de rua,
brancos ou uma provação nos dedos finos, que se alonga- vai ser difícil alguém contradizê-lo. Trata-se de um argumento
vam e subiam. forte. Por isso, evite afirmações baseadas em emoções, sen-
(Antônio, João. Menino do caixote. In: Patuleia (Gentes da rua). timentos, preconceitos, crenças, porque são argumentos
São Paulo: Ática, 1996. p. 30-1)
muito pessoais. Podem convencer algumas pessoas, mas
não todas. Use sempre argumentos relevantes, adequados à
EXERCÍCIOS defesa de seu ponto de vista;

Classifique os três parágrafos abaixo como dissertativo, 2. dados colhidos na realidade – as informações têm de ser
narrativo ou descritivo: exatas e do conhecimento de todos. Você não conseguirá
convencer com informações falsas, que não tem respaldo na
1) Venância tinha dois sobrinhos, Emílio e Marcos; o primeiro realidade;
de vinte e oito, e o segundo de trinta e quatro anos. Marcos
era o seu mordomo, esposo, pai, filho e capelão. Ele cuidava-
lhe da casa e das contas, aturava os seus reumatismos e 3. citações de autoridades – procure ler os principais autores
arrufos, ralhava-lhe às vezes brandamente, obedecia-lhe sem sobre o assunto de que você vai falar. Ler revista e jornais
murmúrio, cuidava-lhe da saúde e dava-lhe bons conselhos. ajuda muito;

– 4 –
Língua Portuguesa
4. exemplos e ilustrações – para fortalecer sua argumenta- Estão corretas as proposições:
ção recorra a exemplos conhecidos, a fatos que a ilustrem.
a) I, apenas.
EXERCÍCIOS b) II, apenas.
c) II e IV, apenas.
Texto para os exercícios 1 e 2 d) I, II e III, apenas.

Em uma disputa por terras, em Mato Grosso do Sul, dois Texto para o exercício 3
depoimentos são colhidos: o do proprietário de uma fazenda
e o de um integrante do Movimento dos trabalhadores Rurais Em material para análise de determinado marketing político,
Sem Terras. lê-se a seguinte conclusão:

Depoimento 1 “A explosão demográfica que ocorreu a partir dos anos


50, especialmente no Terceiro Mundo, suscitou teorias ou
“A minha propriedade foi conseguida com muito sacrifício políticas demográficas divergentes. Uma primeira teoria, dos
pelos meus antepassados. Não admito invasão. Essa gente neomalthusianos, defende que o crescimento demográfico
não sabe de nada. Estão sendo manipulados pelos comunis- dificulta o desenvolvimento econômico, já que provoca uma
tas. Minha resposta será à bala. Esse povo tem que saber diminuição na renda nacional per capita e desvia os investi-
que a Constituição do Brasil garante a propriedade privada. mentos do Estado para os setores menos produtivos. Diante
Além disso, se esse governo quiser as minhas terras para a disso, o país deveria desenvolver uma rígida política de con-
Reforma Agrária terá que pagar, em dinheiro, o valor que eu trole de natalidade. Uma segunda, a teoria reformista, argu-
quero” . (Proprietário de uma fazenda no Mato Grosso do Sul) menta que o problema não está na renda per capita e sim na
distribuição irregular da renda, que não permite o acesso à
Depoimento 2 educação e saúde. Diante disso o país deve promover a
igualdade econômica e a justiça social.”
“Sempre lutei muito. Minha família veio para a cidade
porque fui despedido quando as máquinas chegaram lá na 3 – Qual dos slogans abaixo poderia ser utilizado para defen-
Usina. Seu moço, acontece que sou um homem da terra. der o ponto de vista neomalthusiano?
Olho pro céu, sei quando é tempo de plantar e de colher. Na
cidade não fico mais. Eu quero um pedaço de terra, custe o a) “Controle populacional – nosso passaporte para o de-
que custar. Hoje eu sei que não estou sozinho. Aprendi que a senvolvimento.”
terra tem um valor social. Ela é feita para produzir alimento. O b) “Sem reformas sociais o país se reproduz e não pro-
que o homem come vem da terra. O que é duro é ver que duz.”
aqueles que possuem muita terra e não dependem dela para c) “População abundante, país forte!”
sobreviver, pouco se preocupam em produzir nela.” d) “O crescimento gera fraternidade e riqueza para to-
(Integrante do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem terra – dos.”
MST – de Corumbá – MS) e) “Justiça social, sinônimo de desenvolvimento.”
1 - A partir da leitura do depoimento 1, os argumentos utiliza-
dos para defender a posição do proprietário de terras são: RESPOSTAS
1-D 2-B 3-A
I. A Constituição do país garante o direito à propriedade
privada, portanto, invadir terras é crime..
II. O MST é um movimento político controlado por parti- 1.3 – OBJETIVO OU FINALIDADE PRETENDIDA
dos políticos.
III. As terras são o fruto do árduo trabalho das famílias Ao escrevermos um texto dissertativo, deparamos com
que as possuem. um primeiro desafio: temos de ser objetivos, o que equivale a
IV. Este é um problema político e depende unicamente da dizer que temos de ser impessoais, imparciais.
decisão da justiça.
Aprofundando nossa reflexão sobre a produção de textos
Estão corretas as proposições: dissertativos, percebemos que a objetividade se prende muito
mais à forma de estruturar o texto (posicionamento do autor,
a) I, apenas. seleção vocabular, percurso argumentativo, espaço para as
b) I e IV, apenas. diferentes vozes que são citadas, ou seja, a que “autorida-
c) II e IV, apenas. des” apelar para confirmar a argumentação, etc.) do que a
d) I, II e III, apenas. pretensa atitude de impessoalidade.

2 – A partir da leitura do depoimento 2, quais os argumentos Nesse ponto, é preciso reforçar uma ideia: a língua mate-
utilizados para defender a posição de um trabalhador rural rializa o discurso, que por sua vez, é a materialização da
sem terra? ideologia.

I. A distribuição mais justa da terra no país está sendo re- Temos assim uma relação fundamental: ideologia →
solvida, apesar de que muitos ainda não têm aces- discurso → linguagem. E, como nos ensina Eni Orlandi, “não
so a ela. há discurso sem sujeito e não há sujeito sem ideologia”. Por
II. A terra é para quem trabalha nela e não para quem a a- isso, quando lemos um texto não podemos nos prender ape-
cumula como bem material. nas às evidências, àquilo que está visível, que se mostra
III. É necessário que se suprima o valor social da terra. claramente. Por trás das aparências, há sempre alguém es-
IV. A mecanização do campo acarreta a dispensa de mão crevendo com determinadas intenções, segundo seus valo-
de obra rural. res, seu modo de ler e interpretar o mundo.

– 5 –
Língua Portuguesa
Voltando aos textos dissertativos: dependendo do tema,
da situação, do interlocutor, definimos nossa forma de estru- 1.5 – AS CARACTERÍSTICAS DO TIPO OU DO GÊNERO
turar o texto e optamos pela terceira ou pela primeira pessoa TEXTUAL EM QUE SE REALIZAM
(lembrando que esses indicadores gramaticais apenas tor-
nam mais evidente o posicionamento de quem fala).
TIPOLOGIA TEXTUAL
Por exemplo, um trabalho de caráter científico ou técnico,
um editorial de jornal (em que o autor não fala em seu nome, Os textos variam conforme as intenções do autor, poden-
mas em nome da empresa que edita o jornal) e a maioria das do ser narrativos, descritivos, dissertativos. Porém, raramente
propostas de produção de textos em vestibulares e outros um texto é construído com as características de um só tipo. O
tipos de concurso pedem um certo distanciamento, uma mai- mais comum é encontrarmos os vários tipos em um só texto.
or objetividade.
O TEXTO NARRATIVO

1.4 – A SÍNTESE DO SEU CONTEÚDO GLOBAL Leia este trecho de um texto narrativo:

A escrava pegou a filhinha


A síntese de texto é um tipo especial de composição que Nas costas
consiste em reproduzir, em poucas palavras, o que o autor E se atirou no Paraíba
expressou amplamente. Desse modo, só devem ser aprovei- Para que a criança não fosse judiada.
tadas as ideias essenciais, dispensando-se tudo o que for
secundário. Muitas vezes temos dificuldades para chegar à (Oswald de Andrade. Poesias Reunidas.
síntese de um texto através apenas das palavras-chave, que Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1972.)
formam um centro de expansão que constitui o alicerce do
texto. Nesse texto, o importante é o fato, a ação, o acontecimen-
to: a escrava se mata junto com a filhinha recém-nascida,
Quando isso acontece, a melhor solução é buscar suas para salvá-la da escravidão.
ideias-chave, como por exemplo, o título do livro, sobretudo,
o de cada capítulo são um bom fio condutor porque sinteti- Releia o texto e repare que não sabemos como era a
zam o que é desenvolvido a cada passo do texto. escrava, nem como era sua filha, nem como era o rio. Esse
trecho só atribui importância ao acontecimento em si.
Procedimentos: Narrar, portanto, consiste em construir o conjunto de
ações que constituem a história –o enredo – e relacioná-las
1. Leia atentamente o texto, a fim de conhecer o assunto e às personagens – seres que praticam atos ou sofrem os
assimilar as ideias principais; fatos.

2. Leia novamente o texto, sublinhando as partes mais impor- Vejamos mais um exemplo de narração:
tantes, ou anotando à parte os pontos que devem ser conser-
vados; O bicho
Vi ontem um bicho
3. Resuma cada parágrafo separadamente, mantendo a se- Na imundície do pátio
quência de ideias do texto original; Catando comida entre os detritos
Quando achava alguma coisa,
4. Agora, faça seu próprio resumo, unindo os parágrafos, ou Não examinava nem cheirava:
fazendo quaisquer adaptações conforme desejar; Engolia com voracidade.
O bicho não era um cão,
5. Evite copiar partes do texto original. Procure exercitar seu Não era um gato,
vocabulário. Mantenha, porém, o nível de linguagem do autor; Não era um rato.
O bicho, meu Deus, era um homem.
6. Não se envolva nem participe do texto. Limite-se a sinteti-
(Manuel Bandeira. Estrela da vida inteira.
zá-lo.
Rio de Janeiro, José Olympio, 1973.)
EXERCÍCIO
Toda a narrativa tem um narrador: aquele que conta a
1 - Chat, para quem não sabe, é um lugar onde fica uma história. Mas o narrador pode ser de dois tipos, conforme a
porção de chatos, todos com pseudônimos (homem diz que é sua perspectiva em relação aos fatos narrados: 1ª ou 3ª pes-
mulher e mulher vira homem) a te perguntar: você está aí? soa.
Prata, Mario. Chats e chatos pela Internet. O Estado de S. Paulo.

Leia o texto e assinale a alternativa que melhor o sintetize. No texto acima, a história é contada em 1ª pessoa (eu):
“Vi ontem um bicho”. O narrador relata um acontecimento que
o impressionou: um bicho catando restos de comida. Note
a) O autor define o chat de forma humorística e irônica.
b) Para Mario Prata, chat é um meio de comunicação efici- que, no desenvolvimento do enredo, não sabemos de que
ente. animal se trata. Só no desfecho o narrador nos revela que o
c) Chat é o lugar onde ficam muitos chatos. bicho é um ser humano.
d) Chat é o lugar onde ficam homens e mulheres chatas que
fazem uso de pseudônimo para conversar com você. A narração, além de ser uma das mais importantes possi-
e) O autor explica o que é um chat. bilidades da linguagem, é também uma das práticas mais
comuns de nossa vida. A narração associa nossa observação
RESPOSTA do mundo com nossa existência, nossa memória e nossa
1-A imaginação.

– 6 –
Língua Portuguesa
Estrutura do texto narrativo: Observe o exemplo:

1) ENREDO

É a narrativa propriamente dita, que pode ser linear ou


retrospectiva, cuja trama mantém o interesse do leitor, que
espera por um desfecho. Chama-se simplesmente de ação.

2) PERSONAGEM

É a pessoa que atua na narrativa. Pode ser principal ou


secundária, típica ou caricatural. (Maurício de Sousa)

A fala nos quadrinhos normalmente é apresentada de


3) NARRADOR (PONTO DE VISTA) forma direta, nos balões, sem interferência de narrador. No
caso desta tira, Mônica e Cebolinha estabelecem um diálogo.
Geralmente, classifica-se em:
x Discurso indireto: caracterizado pelo fato de o narra-
a) narrador-observador: o autor conta a história como ob- dor se apropriar da fala do personagem, ou seja, a
servador que sabe tudo. Usa a terceira pessoa. fala do outro vem pelas palavras do narrador. No
discurso indireto, observamos a seguinte estrutura:
b) narrador personagem: o autor conta encarnando-se verbo de elocução (que é o núcleo do predicado da
numa personagem, principal ou secundária. Usa a primeira oração principal), seguido da oração subordinada (a
pessoa. fala do personagem complementa o significado do
verbo de elocução: disse que...; pensou que...; de-
sempenhando a função de objeto direto ou indireto),
4) AMBIENTE introduzida por uma conjunção integrante (que, se).

É o meio físico e social onde se desenvolve a ação das Observe o exemplo:


personagens. Trata-se do pano de fundo ou do cenário da
história. O detento disse que (ele) não confiava mais na Justiça.
Logo depois, perguntou ao delegado se (ele) iria prendê-lo.

5) TEMPO x indireto-livre: consiste na fusão entre narrador e per-


sonagem, isto é, a fala da personagem insere-se no
É o elemento fortemente ligado ao enredo numa sequên- discurso do narrador, sem o emprego dos verbos de
cia linear ou retrospectiva, ao passado, presente e futuro, elocução (como dizer, afirmar, perguntar, responder,
com seus recuos e avanços. pedir e exclamar).

Pode ser cronológico (quando avança no sentido do reló- Observe o exemplo:


gio) ou psicológico (quando é medido pela repercussão emo-
cional, estética e psicológica nas personagens). Agora (Fabiano) queria entender-se com Sinhá Vitória a
respeito da educação dos pequenos. E eles estavam pergun-
tadores, insuportáveis. Fabiano dava-se bem com a ignorân-
6) DISCURSO cia. Tinha o direito de saber? tinha? Não tinha.

É o procedimento do narrador ao reproduzir as falas ou o


pensamento das personagens. A ORDEM DA NARRATIVA

Há três tipos de discurso: Entende-se por ordem o registro de um fato ou detalhe de


cada vez. Vejamos um exemplo:
x Discurso direto: caracterizado pela reprodução fiel
da fala do personagem. As falas são reproduzidas Chega a polícia.
integralmente e, via de regra, introduzidas por tra- E os invasores saem.
vessão. A polícia se vai.
Os invasores voltam.
Numa estrutura tradicional de discurso direto, a fala (Jornal da Tarde)
do personagem é acompanhada por um verbo de
elocução (verbo que indica a fala do personagem: Nesta pequena narrativa, que serve de título para uma
dizer, falar, responder, indagar, perguntar, retrucar, reportagem, o jornalista registrou fatos na ordem em que
afirmar, etc.), seguido de dois-pontos. aconteceram, ou seja, em sequência cronológica ou linear:
começo, meio e fim.
Alguns autores modernos dispensam o emprego dos
verbos de elocução em favor de um ritmo mais veloz Muitas vezes, o autor pode fugir do convencional, alteran-
da narrativa, assim como também os sinais de pon- do essa linearidade. Isso ocorre com mais frequência no texto
tuação que introduzem e delimitam as falas (dois- literário, em que se trabalha artisticamente a língua com a
pontos, travessão, aspas, etc.). finalidade de provocar emoções no leitor.

– 7 –
Língua Portuguesa
Vejamos alguns exemplos: Se os acontecimentos narrados, se os personagens apre-
sentados aproximarem-se muito da realidade a ponto de nos
1) O narrador antecipa o final da narrativa: confundir, falamos que a narrativa é verossímil (semelhante à
verdade), se os acontecimentos e personagens se mostrarem
“No dia em que o matariam, Santiago Nassar levantou-se absurdos, absolutamente improváveis, falamos que a narrati-
às 5h30 da manhã para esperar o navio em que chegava o va é inverossímil (que não é semelhante à verdade).
bispo.”
(Gabriel Garcia Márquez) O texto a seguir é um trecho de “Alice no País das Maravi-
lhas” de Lewis Carrol, um exemplo de narrativa de ficção em
No primeiro parágrafo, o narrador já conta o que aconte- que podemos observar um universo imaginário.
ceu à personagem.
Alice no País das Maravilhas
2) O narrador faz referência a um fato anterior, que o leitor Lewis Carrol
não conhece, procurando criar suspense. Leia a primeira
linha de um conto: Capítulo 1
Para baixo na toca do coelho
“Então a mosca voltou a atacar. Ninguém dava nada por
ela. Se no mundo dos insetos já seria presa fácil, o que dirá
na longa noite dos brontossauros.” (Chacal)

Fazendo referência a um fato que o leitor desconhece, o


narrador desperta a curiosidade de saber como e por que a
tal mosca atacava e voltou a atacar.

3) Antes de começar a contar a história propriamente dita, o


narrador inicia o texto com uma fala da personagem, mos- Alice estava começando a ficar muito cansada de estar
trando que ela está mesmo em desequilíbrio com o meio: sentada ao lado de sua irmã e não ter nada para fazer: uma
vez ou duas ela dava uma olhadinha no livro que a irmã lia,
“– Que peixe é esse? Perguntou a moça com afetada mas não havia figuras ou diálogos nele e “para que serve um
admiração. Foi na cidade de Curupuru, no Maranhão. A moça livro”, pensou Alice, “sem figuras nem diálogos? ”
nascera ali mesmo, crescera ali mesmo mas voltara semana
passada de uma temporada de um ano, na capital do estado. Então, ela pensava consigo mesma (tão bem quanto era
Ela agora é moça de cidade, não conhece mais peixe, nem possível naquele dia quente que a deixava sonolenta e estú-
bicho do mato, nem farinha de pau. Evoluiu. pida) se o prazer de fazer um colar de margaridas era mais
“– Que peixe é esse? forte do que o esforço de ter de levantar e colher as margari-
Os homens e as mulheres não responderam nada. Olha- das, quando subitamente um Coelho Branco com olhos cor-
ram-se uns aos outros com ar de enfado.”(Ferreira Gullar) de-rosa passou correndo perto dela.

O CICLO NARRATIVO Não havia nada de muito especial nisso, também Alice
não achou muito fora do normal ouvir o Coelho dizer para si
Nos textos essencialmente narrativos, predominam as mesmo “Oh puxa! Oh puxa! Eu devo estar muito atrasado! ”
frases verbais, que indicam um processo, uma ação. (quando ela pensou nisso depois, ocorreu-lhe que deveria ter
achado estranho, mas na hora tudo parecia muito natural);
A narrativa tem como ponto de partida uma situação inici- mas, quando o Coelho tirou um relógio do bolso do colete, e
al, que se desenvolve numa para chegar a uma situação final, olhou para ele, apressando-se a seguir, Alice pôs-se em pé e
diferente da inicial: lhe passou a ideia pela mente como um relâmpago, que ela
nunca vira antes um coelho com um bolso no colete e menos
• situação inicial - o personagem está apresentado numa ainda com um relógio para tirar dele. Ardendo de curiosidade,
determinada situação temporal e espacial; ela correu pelo campo atrás dele, a tempo de vê-lo saltar
para dentro de uma grande toca de coelho embaixo da cerca.
• desenvolvimento - apresenta-se o conflito, e a ação se de-
senvolve até chegar ao clímax e, em seguida, a um desfecho; No mesmo instante, Alice entrou atrás dele, sem pensar
como faria para sair dali. A toca do coelho dava diretamente
• situação final - passado o conflito, o personagem é apresen- em um túnel, e então se aprofundava repentinamente. Tão
tado em uma nova situação – há claros indícios de transfor- repentinamente que Alice não teve um momento sequer para
mação, de mudança em relação ao início da narrativa. pensar antes de já se encontrar caindo no que parecia ser
bastante fundo. (...)

NARRATIVA FICCIONAL O TEXTO DESCRITIVO

A palavra ficção vem do latim fictio, que deriva do verbo Leia este trecho descritivo de Guimarães Rosa:
fingere: modelar, criar, inventar.
“Sua casa ficava para trás da Serra do Mim, quase no
Quando identificamos uma narrativa como ficcional, ob- meio de um brejo de água limpa, lugar chamado o Temor-de-
servamos nela uma realidade criada, imaginária, não real. Deus. O Pai, pequeno sitiante, lidava com vacas e arroz; a
Mãe, urucuiana, nunca tirava o terço da mão, mesmo quando
A narrativa ficcional é fruto da imaginação criadora. Sem- matando galinhas ou passando descompostura em alguém. E
pre mantendo pontos de contato com o real, recria a realida- ela, menininha, por nome Maria, Nhinhinha dita, nascera já
de. Baseando-se nela ou dela se distanciando. muito para miúda, cabeçudota e com olhos enormes.”

– 8 –
Língua Portuguesa
Você observou que o trecho acima, apresenta caracterís- Os textos descritivos dificilmente aparecem isolados.
ticas de ambiente e de personagens. Essa caracterização é Geralmente, fazem parte de um texto maior, do tipo narrativo.
obtida por meio da descrição.
Há várias maneiras de montar a descrição, dependendo
Descrever é detalhar uma cena, objeto, sentimento, per- da posição (ponto de vista) do observador em relação àquilo
sonagens, destacando-lhe características peculiares, de que está sendo observado.
modo a passar ao leitor/ouvinte uma imagem o mais próxima
possível daquela que temos em mente. As principais são:

Há duas maneiras básicas de descrever: objetiva ou sub- a) Do particular para o geral


jetivamente.
Vejamos um exemplo:
Na descrição objetiva, a realidade é retratada com a
maior fidelidade possível, não se emitindo qualquer opinião “A pele da garota era desse moreno enxuto e parelho das
ou julgamento. chinesas. Tinha uns olhos graúdos, lustrosos e negros como
os cabelos lisos, e um sorriso suave e limpo a animar-lhe o
Leia, agora, as seguintes descrições objetivas: rosto oval, de feições delicadas.” (Érico Veríssimo)

“Os anticorpos são moléculas de proteínas que possuem


dois sítios específicos de combinação com os antígenos. b) Do geral para o particular
Existem, em cada molécula de anticorpo, duas cadeias poli-
peptídicas leves e duas cadeias pesadas, ligadas entre si por Vejamos um exemplo:
pontes de enxofre.”
(Amabis e Martho) “A rua estava de novo quase morta, janelas fechadas. A
valsa acabara o bis. Sem ninguém. Só o violinista estava ali,
“O apartamento que comprei tem três dormitórios – sendo fumando, fumegando muito, olhando sem ver, totalmente
uma suíte –, uma sala em “L”, dois banheiros, cozinha, área desamparado, sem nenhum sono, agarrado a não sei que
de serviço e dependências de empregada.” esperança de que alguém, uma garota linda, um fotógrafo,
um milionário disfarçado lhe pedisse pra tocar mais uma vez.”
Na descrição subjetiva, a realidade é retratada de acor-
do com o ponto de vista do emissor, que pode opinar e ex-
pressar seus sentimentos. DESCRIÇÃO POÉTICA

Leia, agora, os seguintes trechos descritivos: Na poesia, a descrição está marcada pela função fática,
apresentando imagens inusitadas que recriam seres e/ou
“Este Quincas Borba, se acaso me fizeste o favor de ler ambientes. Dificilmente encontraremos objetividade nas des-
as Memórias póstumas de Brás Cubas, é aquele mesmo crições poéticas, pois, a poesia está marcada pelo subjeti-
náufrago da existência, que ali aparece, mendigo, herdeiro vismo.
inopinado, e inventor de uma filosofia. Aqui o tens agora em
Barbacena. Logo que chegou, enamorou-se de uma viúva, Observe o exemplo:
senhora de condição mediana e parcos meios de vida, tão
acanhada, que os suspiros do namorado ficavam sem eco.” Retrato
(Machado de Assis)
Eu não tinha este rosto de hoje
“O senhor sabe: sertão é onde manda quem é forte, com assim calmo, assim triste, assim magro,
as astúcias. Deus mesmo, quando vier, que venha armado! E nem estes olhos tão vazios,
bala é um pedaçozinho de metal ... sertão é onde o pensa- nem o lábio amargo.
mento da gente se forma mais forte do que o poder do lugar. Eu não tinha estas mãos sem força,
Viver é muito perigoso.” tão paradas e frias e mortas;
(Guimarães Rosa) eu não tinha este coração
que nem se mostra.
CARACTERÍSTICAS DA DESCRIÇÃO Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
– caracteriza, por meio de imagens ou de palavras, seres e - Em que espelho ficou perdida
lugares; a minha face?
– emprega adjetivos, locuções adjetivas, verbos de estado e (Cecília Meireles - Obra poética.
orações adjetivas; Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1985.)
– emprega geralmente verbos de estado, normalmente no
presente e no imperfeito do indicativo;
– estabelece comparações; DESCRIÇÃO TÉCNICA
– faz referências às impressões sensitivas: cores, formas,
cheiros, gostos, impressões táteis, sons. Na descrição técnica procura-se transmitir a imagem do
objeto através de uma linguagem técnica, com vocabulário
preciso, normalmente ligado a uma área da ciência ou da
A ORDEM NA DESCRIÇÃO tecnologia.

A descrição é um verdadeiro “retrato” com palavras. Na É o caso da descrição de peças e aparelhos, de experiên-
descrição literária, o escritor procura ordenar as frases de cias e fenômenos, do funcionamento de mecanismos, da
modo a obter um texto que prenda a atenção do leitor. redação de manuais de instrução e artigos científicos.

– 9 –
Língua Portuguesa
O TEXTO DISSERTATIVO O modo pelo qual os homens produzem seus meios de
vida depende, antes de tudo, da natureza dos meios de vidas
Leia este trecho de um texto dissertativo: já encontrados e que têm de reproduzir. Não se deve consi-
derar tal modo de produção de um único ponto de vista, a
“A fim de apreender a finalidade e o sentido da vida é saber: a reprodução da existência física dos indivíduos. Tra-
preciso amar a vida por ela mesma, inteiramente; mergulhar, ta-se, muito mais, de uma determinada forma de atividade
por assim dizer, no redemoinho da vida; somente então apre- dos indivíduos, determinada forma de manifestar sua vida,
ender-se-á o sentido da vida, compreender-se-á para que se determinado modo de vida dos mesmos. Tal como os indiví-
vive. A vida é algo que, ao contrário de tudo criado pelo ho- duos manifestam sua vida, assim são eles. O que eles são
mem, não necessita de teoria, quem apreende a prática da coincide com sua produção, tanto com o que produzem como
vida também assimila a sua teoria.” com o modo como produzem.
(Wilhelm Reich. A revolução sexual. Rio de Janeiro, Zahar, 1974)
O que os indivíduos são, portanto, depende das condi-
O texto expõe um ponto de vista (a finalidade da vida ções materiais de sua produção.
é viver) sobre um assunto-tema (no caso, o sentido e a finali- (MARX, Karl. In: ARANHA, Maria Lúcia de Arruda & MARTINS, Maria
dade da vida). Além de apresentar o ponto de vista do autor, Helena. Temas de filosofia. São Paulo, Moderna, 1992.)
o texto faz também a defesa desse ponto de vista: os por-
quês, os motivos que fundamentam a opinião de que a práti- A estrutura desse texto é bem definida: introdução (pri-
ca intensa de viver é que revela o sentido da vida; de que a meiro parágrafo), desenvolvimento (segundo parágrafo),
vida não precisa de teoria e que se identifica com o próprio conclusão (último parágrafo).
processo de viver intensamente.

À defesa do ponto de vista, à organização dos motivos A ORDEM NA DISSERTAÇÃO


que o justificam, à exposição dos fundamentos em que uma
posição está baseada, chamamos argumentação. Assim como na descrição podemos partir do geral para o
particular e vice-versa, a exposição de ideias na dissertação
Defender uma opinião com argumentos coerentes e ade- admite o mesmo caminho.
quados é o aspecto mais importante do texto dissertativo.
Além da argumentação articulada, a dissertação deve apre- Nesse caso, estaremos trabalhando com dois métodos
sentar também uma linguagem clara e uma estruturação básicos de raciocínio: a indução e a dedução.
lógica (com introdução, desenvolvimento e conclusão).
Chama-se indução ao raciocínio que se baseia na obser-
Dissertar é, através da organização de palavras, frases e vação e elementos conhecidos, concretos (o particular), para,
textos, apresentar ideias, desenvolver raciocínio, analisar por meio deles, chegar a uma conclusão ou a uma hipótese
contextos, dados e fatos. possível sobre uma determinada ideia ou fato (o geral).

Observe como o jornalista Gilberto Dimenstein escreveu a


A ESTRUTURA DO TEXTO DISSERTATIVO respeito dos jovens brasileiros vítimas de assassinato.

A dissertação obedece à seguinte estrutura: VIOLÊNCIA MATA MAIS ENTRE OS JOVENS

– Introdução De cada 10 jovens brasileiros entre 15 e 18 anos mortos


no ano de 1993, 6 deles foram assassinados. A pesquisa
É a parte na qual se apresenta a ideia central do texto e o revela que, atualmente, o homicídio está em primeiro lugar
enfoque que se pretende abordar. entre as causas da morte a juventude. A pesquisa foi feita
pelo CBIA (Centro Brasileiro para Infância e Adolescência),
– Desenvolvimento órgão vinculado ao Ministério do Bem-Estar Social.

O desenvolvimento da dissertação apresenta os diferen- Apesar da fragilidade estatística e o aumento da consci-


tes aspectos da ideia exposta na introdução. Além disso, é ência dos governantes sobre a situação da infância, os índi-
nessa parte que será feita a fundamentação da ideia que se ces de violência continuam crescendo.
pretende discutir, através de exemplos, argumentos, dados (Folha de São Paulo, 26 jun 1994. Caderno Especial: Brasil 95)
estatísticos, fatos históricos, causas e consequências etc.
Particular: dados da pesquisa feita pelo CBIA.
– Conclusão
Geral: os índices de violência continuam aumentando apesar
É a retomada da ideia apresentada na introdução, só que do aumento da consciência dos governantes sobre o proble-
enriquecida pela fundamentação dada no desenvolvimento. A ma.
conclusão sintetiza a ideia central do texto e pode acrescen-
tar sugestões, ampliando a discussão do tema. O tipo de raciocínio conhecido como dedução segue o
caminho inverso ao da indução. Portanto, no raciocínio dedu-
Veja como está estruturado o texto que segue: tivo partimos do geral para o particular, do desconhecido para
o conhecido. Obedecemos, geralmente, aos seguintes pas-
Pode-se distinguir os homens dos animais pela consciên- sos:
cia, pela religião ou por tudo que se queira. Mas eles próprios
começam a se diferenciar dos animais tão logo começam a 1) formulamos uma hipótese abstrata, de caráter geral;
produzir seus meios de vida, passo este que é condicionado 2) fazemos uma relação de fatos e provas (elementos concre-
por sua organização temporal. Produzindo seus meios de tos, conhecidos, observáveis): o particular;
vida, os homens produzem, indiretamente, sua própria vida 3) podemos ou não colocar uma conclusão que confirme a
material. hipótese geral.

– 10 –
Língua Portuguesa
Observe como a autora organizou o texto dedutivamente: Esse poema é uma espécie de autorretrato, que enumera
elementos de dois lados diferentes da personalidade e da
As expectativas num namoro são, na maioria das vezes, vida do eu lírico. Perceba que o texto foi organizado pelo
muito diferentes para meninos e meninas. (hipótese geral) processo de enumeração. Primeiro temos os elementos de
um lado e, depois, os elementos do outro.
Enquanto a maioria dos rapazes está doida para beijar,
tocar a menina e ter o máximo de intimidade sexual que pu- RECONHECIMENTO DA ESTRUTURA
der, ela geralmente está interessada em sair com ele, namo-
rá-lo, apreciar sua companhia. (fatos particulares que exem- Para continuar trabalhando a estrutura e organização do
plificam a hipótese geral) texto, vamos exercitar a leitura com o objetivo de identificar o
(SUPLICY, Marta. Sexo para adolescentes. São Paulo, modo como ele foi ordenado.
FTD, 1988. p. 82)
Não se trata de entender o conteúdo, mas reconhecer a
A ENUMERAÇÃO PARA ORGANIZAR O TEXTO estrutura, a arquitetação do texto. O que podemos perceber a
respeito da estrutura do texto abaixo?
Leia o texto seguinte:
O amor é finalmente
PRAZERES um embaraço de pernas,
uma união de barrigas,
O primeiro olhar da janela de manhã um breve tremor de artérias.
O velho livro de novo encontrado Uma confusão de bocas,
Rostos animados uma batalha de veias,
Neve, o mudar das estações um reboliço de ancas,
O jornal quem diz outra coisa é besta.
O cão (Gregório de Matos. Poemas escolhidos. São Paulo, Cultrix)
A dialética
Tomar ducha, nadar O texto apresenta uma enumeração de definições de
Velha música amor. Cada uma destas definições está organizada de modo
Sapatos cômodos a apresentar uma parte do corpo. No final, um comentário
Compreender jocoso encerra a sequência.
Música nova
Escrever, plantar
Viajar, cantar EXERCÍCIOS
Ser amável
(Bertolt Brecht. Poemas e canções. Coimbra, 1975) 1) Observe:

Como foi organizado esse poema? Qual a sequência de “Seriam onze horas da manhã.
ideias? Observe que o texto não buscou desenvolver o con-
ceito de felicidade, mas apresenta os elementos capazes de O Campos, segundo o costume, acabava de descer do
representar a felicidade. Pela enumeração de acontecimen- almoço e, a pena atrás da orelha, o lenço por dentro do cola-
tos, objetos, pessoas, sensações, sentimentos, atividades, o rinho, dispunha-se a prosseguir no trabalho interrompido
autor diz o que é felicidade. A enumeração é uma técnica das pouco antes. Entrou no seu escritório e foi sentar-se à secre-
mais ricas para escrever livremente e constitui um dos impor- tária.”
tantes recursos utilizados na literatura, principalmente na (Aluísio Azevedo)
poesia moderna.

No texto enumerativo empregam-se elementos que difi- O texto acima possui predominância:
cilmente aparecem em redações tradicionais: “tomar ducha”,
“sapatos cômodos”, por exemplo. A enumeração é uma forma a) narrativa
concreta de escrever: consiste em listar coisas, fatos, lem- b) descritiva
branças, emoções, desejos, sensações de nossa vida, do c) dissertativa
dia-a-dia, da nossa história. Observe outro texto em que se
emprega o processo de enumeração:
2) Leia o texto a seguir:
OS DOIS LADOS
“Depois que terminei um curso de técnicas de emergência
Deste lado tem meu corpo médica, eu estava ansiosa para colocar à prova minhas no-
tem o sonho vas aptidões. Um dia, quando ia numa autoestrada, vi um
tem minha namorada na janela homem deitado no chão ao lado de um carro. Parei imedia-
tem as ruas gritando de luzes e movimentos tamente, peguei meu estojo de primeiros socorros e corri
tem meu amor tão lento para ele.
tem o mundo batendo na minha memória
tem o caminho pro trabalho. – Sou perita em emergências – disse eu a ele.
– O senhor precisa de ajuda?
Do outro lado tem outras vidas vivendo da minha vida
Tem pensamentos sérios me esperando na sala de visitas – E preciso mesmo – respondeu o homem.
tem minha noiva definitiva me esperando com flores na
mão, tem a morte, as colunas da ordem e da desordem. – Você sabe trocar pneu?”
(Murilo Mendes. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro,1994) (In revista Seleções do Reader’s Digest, nº 274.
Rio de Janeiro, março de 1994)

– 11 –
Língua Portuguesa
O texto apresentado possui: 7) Temos uma dissertação na alternativa:

a) narrador-observador a) “Na planície avermelhada os juazeiros alargavam duas


b) narrador-personagem manchas verdes. (...)
A caatinga estendia-se, de um vermelho indeciso salpicado
de manchas brancas que eram ossadas. O voo negro dos
3) Em qual elemento básico da narração é possível obter urubus fazia círculos altos em redor de bichos moribundos.”
uma sequência linear ou retrospectiva ao passado, presente (Graciliano Ramos, Vidas Secas)
e futuro?
b) “De longe via a aleia onde a tarde era clara e redonda.
a) enredo Mas a penumbra dos ramos cobria o atalho.
b) personagem Ao seu redor havia ruídos serenos, cheiro de árvores, peque-
c) ambiente nas surpresas entre os cipós.
d) tempo Todo o jardim triturado pelos instantes já mais apressados da
tarde. De onde vinha o meio sonho pelo qual estava rodea-
da?
4) Indique a alternativa que possui o discurso indireto-livre: Como por um zunido de abelhas e aves. Tudo era estranho,
suave demais, grande demais.”
a) “Quando me viu, Pedrinho me chamou de lado e perguntou (Clarisse Lispector, Laços de Família)
se era verdade que eu sabia fazer milagres.”
(Fernando Sabino) c) “Sempre fomos explorados. Somos oprimidos, mas não
vencidos. Lutamos, pelo elementar direito de a classe traba-
b) “– Não quero discutir com a senhora. Mas também não lhadora participar da vida política, social e econômica de sua
quero ver meu filho duvidando do próprio pai.” pátria. Inútil tentar nos calar, nos deter, nos abater. Somos
(Luís F. Veríssimo) multidão. Estamos nas cidades e nos campos. Renascemos
em nossos filhos. Sabemos que, no futuro, estará em nossas
c) “Ela se referia a uma misteriosa casa na Avenida João mãos a riqueza que agora produzimos.” (Panfleto de um Sindi-
Pinheiro, onde sabíamos que não morava ninguém havia cato, maio de 1981)
anos. (...) Íamos sempre olhá-la durante o dia, fascinados:
que haveria lá dentro? Não seria de espantar se de noite os d) “Na baixada, mato e campo eram concolores. No alto da
fantasmas se reunissem ali para celebrar o fato de já have- colina, onde a luz andava à roda, debaixo do angelim verde,
rem morrido.” de vagens verdes, um boi branco, de cauda branca. E, ao
(Fernando Sabino) longe, nas prateleiras dos morros cavalgam-se três qualida-
des de azul.”
d) “– Que é que tem trazer uma flor para casa? (Guimarães Rosa, Sagarana)
– Veio do oculista e trouxe uma rosa. Acha direito?
– Por que não?”
(Carlos Drummond de Andrade) 8) Que tipo de descrição Garfield faz na tira a seguir?

5) O texto a seguir apresenta:

“Era de estatura regular, tinha as costas arqueadas e os


ombros levemente contraídos, braços moles, cintura pouco
abaixo dos seios, desenhando muito a barriga. Quando an-
dava, principalmente em ocasiões de cerimônia, sacudia o
corpo na cadência dos passos e bamboleava a cabeça com
um movimento que afetava languidez. Muito pálida, olhos
grandes e bonitos, repuxados para os cantos exteriores, em
um feitio acentuado de folhas de roseira; lábios descorados e
cheios, mas graciosos. Nunca se despregava das lunetas, e a (Davis, Jim. Garfield em casa. Rio de Janeiro, Cedibra)
forte miopia dava-lhe aos olhos uma expressão úmida de
choro.” a) descrição subjetiva
(Aluísio Azevedo)
b) descrição objetiva
a) narração
b) descrição subjetiva
9) A seguinte frase é típica de um texto:
c) dissertação
d) descrição objetiva
“A sala estava adornada com tapete persa, cortina de seda,
objetos indianos e todos os móveis eram importados.”
6) Assinale a alternativa incorreta quanto à dissertação:
a) narrativo
b) descritivo
a) formular uma hipótese abstrata, de caráter geral;
c) dissertativo
b) fazer uma relação de fatos e provas;
c) colocar ou não uma conclusão que confirme a hipótese
geral;
d) detalhar cenas, objetos, sentimentos, personagens, desta-
RESPOSTAS
cando suas características peculiares.
1-A 2-B 3- D 4- C 5- B 6- D 7- C 8- A 9-B

– 12 –
Língua Portuguesa
Quanto à matéria, ao conteúdo, as poesias líricas rece-
GÊNERO TEXTUAL bem denominações específicas, destacando-se:

Desde a Grécia Clássica, nos tempos de Aristóteles (cer- x Ode e hino: os dois nomes vêm da Grécia e signifi-
ca de 350 a.C.), a classificação das obras literárias em gêne- cam “canto”. Ode é uma poesia entusiástica, de e-
ro tem sido um desafio para os estudiosos. O filósofo grego xaltação. Hino é a poesia destinada a glorificar a pá-
distinguiu três gêneros a partir da análise de diferentes “ma- tria ou louvar divindades.
neiras da imitação”: o épico, o dramático e o lírico. Desde x Elegia: é uma poesia lírica que fala de acontecimen-
essa época, sempre que os conceitos de arte e sua represen- tos tristes ou de morte de alguém. O “Cântico do
tação do mundo passam por questionamentos, rupturas, calvário”, do poeta romântico Fagundes Varela, sem
estabelecimento de uma nova ordem, o enquadramento da dúvida é a mais famosa elegia da literatura brasilei-
produção literária em gêneros volta a ser discutido. ra, inspirada na morte prematura de seu filho.
x Idílio e écloga: ambas são poesias bucólicas, pasto-
Foi o que ocorreu, por exemplo, na Roma de Horácio ris. A écloga difere do Ilídio por apresentar diálogo.
(cerca de 30 a.C.), no Renascimento (início do século XVI), Foram bastante cultuadas durante o Renascimento
no Romantismo (passagem do século XVIII para o XIX) e ao (século XVI) e o Arcadismo (século VXIII)
longo do século XX, com seus movimentos de ruptura. x Epitalâmio: poesia feita em homenagem às núpcias
de alguém.
Assim, chegamos a este início de século muito contami- x Sátira: poesia que censura os defeitos humanos,
nados pela herança do que se convencionou chamar de arte mostrando o ridículo de determinada situação.
moderna, que rompeu as barreiras que definiam as fronteiras
entre um gênero e outro. Quanto ao aspecto formal, as poesias podem apresentar
formas fixa ou livre. Das poesias de forma fixa, a que resistiu
No entanto, ao longo dos séculos, sempre houve uma ao tempo, sendo cultivada até hoje, foi o soneto.
constante quer seja para reafirmar, quer seja para contestar,
a base para todas as reflexões tem sido a classificação aris- O soneto é uma composição poética de catorze versos
totélica, e o tempo todo falamos em gênero lírico, épico e distribuídos em dois quartetos e dois tercetos.
dramático.
GÊNERO LÍRICO Apresenta sempre métrica – mais usualmente, versos
decassílabos ou alexandrinos (12 sílabas poéticas) – e rima.
O termo lírico vem de lira, instrumento musical usado Soneto significa “pequeno som”; teria sido usado pela primei-
para acompanhar os cantos dos gregos. Por muito tempo, até ra vez por Jacopo de Lentini, da Escola Siciliana (século XIII).
o final da Idade Média, os poemas eram cantados (além da Tendo sido, mais tarde, difundido por Petrarca (século XIV).
lira, a flauta também era usada para acompanhar os cantos
líricos). Ao separar-se do acompanhamento musical a poesia Dentre os melhores sonetistas de Portugal, destacam-se
viu-se diante de novos desafios em relação à sua estrutura. A Camões, Bocage, Antero de Quental. NO Brasil, cultivaram o
métrica (a medida de um verso, definida pelo número de soneto, entre outros, Gregório de Matos, Cláudio Manuel da
sílabas poéticas), o ritmo das palavras, a divisão das estro- Costa, Olavo Bilac, Vinícius de Moraes.
fes, a rima, a seleção e a combinação das palavras, a organi-
zação da frase passaram, então, a ser mais intensamente Apesar de ser uma forma poética clássica, o soneto en-
cultivados pelos poetas. contra adeptos no Modernismo, como bem nos mostra Viníci-
us de Moraes.

Soneto de fidelidade
Vinícius de Morais

De tudo, meu amor serei atento


Antes, e com tal zelo, e sempre, e tanto
Que mesmo em face do maior encanto
Dele se encante mais meu pensamento.

Quero vivê-lo em cada vão momento


E em seu louvor hei de espalhar meu canto
E rir meu riso e derramar meu pranto
Ao seu pesar ou seu contentamento.

E assim, quando mais tarde me procure


Gustave Clarence Rodolphe. Poesia.
Quem sabe a morte, angústia de quem vive
Elementos da poesia lírica Quem sabe a solidão, fim de quem ama

x Eu lírico: voz que expressa suas emoções no poema, Eu possa me dizer do amor (que tive):
um eu poético, simulado, inventado pelo poeta e que Que não seja imortal, posto que é chama
não pode ser confundido com o próprio poeta. Mas que seja infinito enquanto dure.

GÊNERO ÉPICO
x A subjetividade é a marca do lirismo.
A palavra epopeia vem do grego épos (verso) + poieô
x Se a poesia épica é a poesia da terceira pessoa do
(faço). Constitui em uma narrativa de caráter sublime, em
tempo passado, a lírica é a poesia da primeira pes-
forma de poesia, que tem como eixo central a figura de um
soa do tempo presente.

– 13 –
Língua Portuguesa
herói e façanhas grandiosas, misturando elementos da vida drama teve sua origem nas festas religiosas em homenagem
terrena com elementos lendários e mitológicos. ao deus grego Dionísio (Baco).

Características temáticas Características de estilo/estrutura

x Aventura de um herói e suas façanhas guerreiras, x Atores, num espaço especial, apresentam, por meio
tendo como pano de fundo a história de povos e civi- de palavras e gestos, um acontecimento.
lizações. x Texto em forma de diálogos, dividido em atos e cenas.
x Aristóteles afirmava que epopeia “era a imitação de x Descrição do ambiente/situação antes de cada ato.
homens superiores, em verso”. x Sequência da ação dramática constituída de exposi-
x Presença do maravilhoso: interferência dos deuses da ção, conflito, complicação, clímax, desfecho.
mitologia Greco-romana. x Para Aristóteles, a tragédia é a “imitação de uma a-
ção de caráter elevado que suscita o terror e a pie-
Características de estilo/estrutura dade e tem por efeito a purificação dessas emo-
ções”, a comédia era a “imitação de homens inferio-
x Poema narrativo (narração em terceira pessoa de fa- res, não todavia, quanto a toda espécie de vícios,
tos passados), dividido em cantos (ou Livros), mar- mas só quanto àquela parte do torpe que é ridículo”.
cado pela objetividade.
x Via de regra, apresenta as seguintes partes: Introdu- Elementos da poesia dramática
ção, Invocação, Narração, Epílogo.
x Protagonista: personagem central da ação dramática.
Entre as mais famosas epopeias, destacamos: x Antagonista: personagem que se opõe ao protago-
nista.
x Ilíada e Odisseia (Homero, Grécia); x Coro: conjunto de atores que comentam a ação ao
x Eneida (Virgílio, Roma); longo da peça.
x Paraíso perdido (Milton, Inglaterra);
x Orlando Furioso (Ludovico Ariosto, Itália); O gênero dramático compreende as seguintes modalida-
x Os Lusíadas (Camões, Portugal). des:
x Tragédia: representação de um fato trágico, suscetí-
Na literatura brasileira, as principais epopeias foram escri- vel de provocar compaixão e terror. Aristóteles afir-
tas no século XVIII: mava que a tragédia era “uma representação duma
ação grave, de alguma extensão e completa, em lin-
x Caramuru (Santa Rita Durão); guagem figurada, com atores agindo, não narrando,
x O Uraguai (Basílio da Gama); inspirando dó e terror”.
x Vila Rica (Cláudio Manuel da Costa). x Comédia: representação de um fato inspirado na vida
e no sentimento comum, de riso fácil, em geral criti-
Uma epopeia apresenta-se dividida em cinco partes: cando os costumes. Sua origem está ligada às fes-
tas populares gregas de celebração à fecundidade
x Proposição ou exórdio: é a representação do tema e da natureza.
do herói. x Tragicomédia: modalidade em que se misturam trági-
x Invocação: o poeta pede auxílio às musas inspirado- cos e cômicos. Originalmente, significava a mistura
ras. do real com o imaginário.
x Dedicatória: o poeta dedica a obra a um protetor. x Farsa: pequena peça teatral, de caráter ridículo e ca-
x Narração: é o desenvolvimento do tema e das aventu- ricatural, que critica a sociedade e seus costumes;
ras do herói, com exposição de fatos históricos. baseia-se no lema latino Ridendo castigat mores
x Epílogo: é o remate, o encerramento do poema. (Rindo, castigam-se os costumes).

Leia, a seguir, a primeira estrofe de Ilíada: Observe as diferenças entre tragédia e comédia:
Tragédia
x De caráter sério, solene.
Invocação
x Temática singular em que o protagonista tem que
enfrentar a desgraça.
Canta, ó deusa, a cólera de Aquiles, filho de Peleu, x Registro mais formal.
funesta, que inumeráveis dores aos Aqueus causou x A estrutura interna da ação dramática consiste em
e muitas valorosas almas de heróis ao Hades uma situação inicial feliz, mas que acaba em um
lançou, e a eles tomou presa de cães desfecho fatal.
e de todas as aves de rapina, cumpriu-se o desígnio de Zeus, x Os personagens são humanos que pertencem às
o qual desde o princípio separou em discórdia classes nobres: reis, príncipes, que sofrem nas
o filho de Atreu, senhor de guerreiros, e o divino Aquiles. mãos dos deuses e do Destino.

Helena (c. 1925), tela de Von Stuck retra- Comédia


tando a famosa rainha de Tróia, conside- x De caráter cômico, ridículo.
rada a mulher mais bela do mundo, cujo x Temática do cotidiano, centrada na sátira da soci-
rapto deu origem à Guerra de Tróia e edade e dos defeitos humanos.
inspirou a Ilíada, de Homero. x Registro mais coloquial.
x A estrutura interna da ação dramática consiste em
uma situação complicada inicial, mas que acaba
GÊNERO DRAMÁTICO num final feliz.
x Os personagens são estereótipos das debilidades
humanas: o rabugento, o avaro, o mesquinho, o
A palavra dramático vem de drama. O gênero dramático apaixonado, etc.
abrange os textos literários destinados à representação. O

– 14 –
Língua Portuguesa
No contexto dos gêneros literários, será considerado Camilo Castelo Branco foi considerado o criador da nove-
dramático o texto escrito para ser apresentado em público, la passional em Portugal, escreveu várias novelas, entre
com atores, cenário, etc. elas:

Observe um trecho de O noviço de Martins Pena: 9 Amor de Perdição;


9 A Doida do Candal;
Sala ricamente adornada: mesa, consolos, mangas de vidro, 9 O Regicida.
jarras com flores, cortinas, etc., etc. No fundo, porta de saída, uma
janela, etc

AMBRÓSIO (só de calça preta e chambre):


x Conto: narração densa e breve de um episódio da vi-
da, mais condensada do que a novela e o romance.
“No mundo a fortuna é para quem sabe adquiri-la. Pintam-na Em geral, não apresenta divisão em capítulos.
cega... Que simplicidade! Cego é aquele que não tem inteligência
para vê-la e a alcançar. Todo homem pode ser rico, se atinar com o Apresenta as seguintes características:
verdadeiro caminho da fortuna. Vontade forte, perseverança e perti-
nácia são poderosos auxiliares. Qual o homem que, resolvido a 9 tem mais brevidade dramática do que o romance e a
empregar todos os meios, não consegue enriquecer-se? Em mim se novela;
vê o exemplo.
Há oito anos, eu era pobre e miserável, e hoje sou rico, e mais ainda
9 poucos personagens intervêm na narrativa;
serei. O como não importa; no bom resultado está o mérito... Mas um 9 cenários limitados, espaço restrito;
dia pode tudo mudar. Oh, que temo eu? Se em algum tempo tiver 9 espaço de tempo curto;
que responder pelos meus atos, o ouro justificar-me-á e serei limpo 9 diálogos sugestivos que permitem mostrar os conflitos
de culpa. As leis criminais fizeram-se para os pobres...” entre as personagens;
9 a ação é reduzida ao essencial, há um só conflito;
Sófocles 9 a narrativa é objetiva, por vezes, a descrição não apa-
rece.
Sófocles, poeta ateniense, com Ésqui-
lo e Eurípedes, foi dos mais importantes
dramaturgos gregos. Escreveu mais de x Fábula: narrativa inverossímil, com fundo didático;
100 peças, entre as quais destacam-se: tem como objetivo transmitir uma lição de moral.
Édipo Rei, Antígona e Electra.
Apresenta as seguintes características:
Édipo e a esfinge, de Gustave Moreau, tela
inspirada na tragédia Édipo Rei, de Sófocles.
9 a história envolve a vida de animais;
9 apresenta, como o apólogo, uma lição de moral.
GÊNERO NARRATIVO

O gênero narrativo é visto como uma variante moderna do


x Crônica: é um gênero literário antigo e muito cultivado
gênero épico, caracterizando-se por apresentar em prosa.
atualmente. Este gênero trata de fatos do dia-a-dia.
Manifesta-se nas seguintes modalidades:
A ação é rápida e sintética. Há vários tipos de crôni-
cas: humorísticas ou melancólicas, outras primam
x Romance: narração de um fato imaginário, mas ve-
pela crítica social, algumas apresentam profundos
rossímil, que representa quaisquer aspectos da vida
ensinamentos sobre o comportamento humano.
familiar e social do homem. Podemos dividi-lo em
romance de cavalaria, de costumes, policial, psico-
Alguns mestres da crônica:
lógico, histórico, etc.
9 Rubem Braga;
O romance caracteriza-se por conter:
9 Luís Fernando Veríssimo
9 narrativa longa;
9 Lourenço Diaféria;
9 enredo complexo;
9 Carlos Drummond de Andrade;
9 um ou vários conflitos das personagens.
9 Fernando Sabino;
9 Stanislaw Ponte Preta, etc.
São tidos como romances:
9Dom Casmurro, de machado de Assis;
9Canaã, de Graça Aranha;
9O Ateneu, de Raul Pompéia, etc.

x Novela: breve mas viva narração de um fato humano


notável, mais verossímil que imaginário. É como um
pequeno quadro da vida. Em geral, apresenta-se di-
vidida em alguns poucos capítulos.

Elementos que formam a novela:


9 diálogos breve;
9 sucessão de conflitos, vistos com mais superficialida- O gênero narrativo na pintura – Este quadro refere-se à parábola de
de do que no romance; Cristo dirigida aos fariseus – “Se um cego guia outro cego, os dois
9 enredo não traz complexidade; caem no buraco” – e como tal remete a uma pequena narrativa. A
9 o tempo e o espaço estão conjugados dentro da estru- composição pictórica propriamente dita contém elementos narrativos:
tura novelesca; a ambientação da cena, a movimentação dos personagens; a im-
9 as narrações e as descrições são condensadas, en- pressão de movimento na queda sucessiva dos cegos; o tempo (eles
caminhando-se logo para o desenlace da história. caem uns após os outros).

– 15 –
Língua Portuguesa
EXERCÍCIOS 5 – Leia o texto a seguir:

1 – Leia o texto a seguir: O corvo e o jarro


(Esopo)

“Édipo: Ó príncipe, meu cunhado, filho de Meneceu, que Um Corvo, que estava sucumbindo de sede, viu lá do alto
resposta do deus Apolo tu nos trazes? um Jarro, e na esperança de achar água dentro, voou até lá
Creonte: Uma resposta favorável, pois acredito que mesmo com muita alegria.
as coisas desagradáveis, se delas nos resulta algum bem, Quando o alcançou, descobriu para sua tristeza, que o
tornam-se uma felicidade. Jarro continha tão pouca água em seu interior, que era im-
Édipo: Mas, afinal, em que consiste essa resposta? O que possível retirá-la de dentro.
acabas de dizer não nos causa confiança, nem apreensão. Ainda assim, ele tentou de tudo para alcançar a água que
Creonte: (Indicando o povo ajoelhado) Se queres ouvir-me na estava dentro do Jarro, mas como seu bico era curto demais,
presença destes homens, eu falarei; mas estou pronto a todo seu esforço foi em vão.
entrar no palácio, se assim preferires. Por último ele pegou tantas pedras quanto podia carregar,
Édipo: Fala perante todos eles; isto me causa maior desgosto e uma a uma, colocou-as dentro da Jarra. Ao fazer isso, logo
do que se fosse meu, somente. o nível da água ficou ao alcance do seu bico, e desse modo
Creonte: Vou dizer, pois, o que ouvi da boca do deus. O rei ele salvou sua vida.
Apolo ordena, expressamente, que purifiquemos esta terra da
mancha que ela mantém; que não a deixemos agravar-se até Moral da História:
tornar-se incurável.” A necessidade é a mãe de todas as invenções.
Sófocles, Édipo rei.
O texto acima é:

O texto acima pertence ao gênero: a) um conto


b) uma crônica
a) épico c) uma novela
b) dramático d) uma fábula
c) lírico
d) narrativo 6 – A tragédia e a comédia fazem parte do gênero:

a) épico
2 – Leia o texto a seguir: b) dramático
c) lírico
Fanatismo d) narrativo
Minh’alma, de sonhar-te, ainda perdida RESPOSTAS
Meus olhos andam cegos de te ver! 1– B 2-C 3-C 4-A 5-D 6-B
Não és sequer a razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!
Dal Farra, Maria Lúcia (org.). Poemas de Florbela Espanca.
1.6. A FUNÇÃO (REFERENCIAL, EXPRESSIVA,
APELATIVA, POÉTICA) QUE DESEMPENHAM
O texto acima pertence ao gênero:

a) épico A comunicação não acontece somente quando falamos,


b) dramático estabelecemos um diálogo ou redigimos um texto, ela se faz
c) lírico presente em todos (ou quase todos) os momentos.
d) narrativo
Desde o passado, o homem tem criado meios para se
apropriar de signos, sinais, gestos, desenhos, letras e por fim
3 – O soneto é uma das formas poéticas mais tradicionais e a palavra oral e escrita na realização deste processo de co-
difundidas nas literaturas ocidentais e expressa, quase sem- municação. Para que esses recursos sejam bem empregados
pre, conteúdo: precisamos primeiro rever os elementos da comunicação.
São eles:
a) dramático a) emissor: é aquele que envia a mensagem (pode ser uma
b) narrativo única pessoa ou um grupo de pessoas).
c) lírico
d) épico b) receptor: é aquele a quem a mensagem é endereçada (um
indivíduo ou um grupo), também conhecido como destinatá-
rio.
4 - Quando um "eu" nos passa uma emoção, um estado e
centra-se no mundo interior do poeta apresentando forte c) canal de comunicação: é o meio pelo qual a mensagem é
carga subjetiva, temos o gênero: transmitida.

a) lírico d) código: é o conjunto de signos e de regras de combinação


b) narrativo desses signos utilizado para elaborar a mensagem: o emissor
c) épico codifica aquilo que o receptor irá descodificar.
d) dramático
e)contexto: é o objeto ou a situação a que a mensagem se
refere.

– 16 –
Língua Portuguesa
A linguagem sempre varia de acordo com a situação, 2. Função emotiva: (ou expressiva) se caracteriza por
assumindo funções que levam em consideração o que se ter o foco voltado para o próprio falante, expressan-
quer transmitir e que efeitos se espera obter com o que se do e evidenciando sua posição, suas emoções, seus
transmite. sentimentos. O predomínio da função emotiva evi-
dencia o eu por trás do enunciado. A função emotiva
Partindo desses seis elementos Roman Jakobson, linguis-
é nitidamente subjetiva. Suas principais marcas
ta russo, elaborou estudos acerca das funções da linguagem,
gramaticais são: o uso da primeira pessoa e de adje-
os quais são muito úteis para a análise e produção de textos.
tivos e advérbios (marcas do posicionamento, de ju-
As seis funções são:
ízos de valor, da expressividade do falante). A inter-
jeição e o emprego de alguns sinais de pontuação
1. Função referencial: (ou denotativa) é a mais comum
(reticências, ponto de exclamação) são também in-
das funções da linguagem e centra-se na informa-
dicadores da função emotiva da linguagem. Observe
ção. A intenção do emissor de uma mensagem em
o exemplo:
que predomina essa função é transmitir ao interlocu-
tor dados da realidade de uma forma direta e objeti-
De tudo, ao meu amor serei atento
va, sem ambiguidades, com palavras empregadas
Antes, e com tal zelo, se sempre, e tanto
em seu sentido denotativo. Portanto, essa é a fun-
Quem mesmo em face do maior encanto
ção da linguagem que predomina em textos disser-
Dele se encante mais meu pensamento.
tativos, técnicos, instrucionais, jornalísticos. Como
está centrado no referente, ou seja, naquilo de que
(Vinícius de Morais. Soneto da fidelidade)
se fala, o texto em que prevalece a função referen-
cial normalmente é escrito em terceira pessoa, com
3. Função conativa: (ou apelativa) centra-se no interlocutor
frases estruturadas na ordem direta. Observe o e-
com o intuito de chamar sua atenção, interferir em seu com-
xemplo:
portamento, conseguir adesão; consequentemente, suas
marcas características são o emprego da segunda pessoa do
Instituições de ensino têm até 2012 para se
discurso (tu/você, vós/vocês) e das formas verbais ou ex-
adaptar às novas regras da língua portuguesa
pressões imperativas. Como é a mais persuasiva das fun-
Prevendo que as mudanças ortográficas na língua portu- ções, é muito usada nos textos publicitários, no discurso
guesa --que entram em vigor neste dia 1º de janeiro de político, em horóscopos e textos de autoajuda. Com a men-
2009-- devam gerar confusão mesmo entre os professores sagem está centrada no outro, recorre-se de maneira explíci-
do idioma, o MEC (Ministério da Educação) estipulou que ta, ao uso de argumentos que façam parte do universo do
os livros didáticos do ensino fundamental tenham entre interlocutor. Observe o exemplo:
2010 e 2012 para adotar a nova ortografia em todas as
séries. Não perca a chance de ir ao cinema pagando menos!
Já no ensino médio, a medida tem início a partir de 2012.
Com isso, os estudantes dos ensinos fundamental e
médio vão conviver com a dupla ortografia até 2012. Mas
4. Função fática: está orientada para o canal físico que dá
a partir de janeiro de 2013, serão corretas apenas as suporte à mensagem. A intenção é verificar a “ponte” de
novas grafias. comunicação, para se certificar do contato, prolongando-o
Neste período, a tolerância também será estendida para e/ou testando-o. São exemplos comuns que evidenciam a
vestibulares e concursos públicos, cujas provas deverão função fática alguns cacoetes da oralidade como “né?”, “cer-
aceitar como corretas as duas normas ortográficas, se- to?”, “Ahã”, “sei...”, etc. Além de ser utilizada para testar o
gundo o MEC. canal, a função fática ocorre também quando o emissor quer
Para evitar confusões, os professores da rede pública iniciar uma comunicação. Observe o
estadual de São Paulo começaram a receber, a partir de
outubro de 2008, treinamento para aplicar as regras do
exemplo:
acordo ortográfico da língua portuguesa.
Segundo a Secretaria de Estado da Educação, cerca de
17 mil professores e professores-coordenadores da rede Olá, como vai ?
estadual passaram pelos treinamentos sobre as novas Eu vou indo e você, tudo bem ?
regras. Tudo bem eu vou indo correndo
Pegar meu lugar no futuro, e você ?
http://www1.folha.uol.com.br/folha/educacao/ult305u48491
Tudo bem, eu vou indo em busca
0.shtml
De um sono tranquilo, quem sabe ...
Quanto tempo... pois é...
A função referencial também é reconhecida na linguagem
Quanto tempo...
não verbal sempre que a mensagem estiver centrada na
intenção de representar de modo claro, preciso e objetivo o
Sinal fechado. Paulinho da Viola.
mundo das coisas concretas e reais. É o ocorre, por exemplo,
com pinturas, com mapas e outros recursos de representação
utilizados em aulas de Geografia, de História, de Biologia.
5. Função metalinguística: quando a linguagem se volta
Observe o exemplo:
sobre si mesma, transformando-se em seu próprio referente,
ocorre a função metalinguística. Na linguagem não verbal,
temos metalinguagem quando um filme tem por tema o pró-
prio cinema ou uma pintura retrata o pintor exercendo sua
profissão, por exemplo. Na linguagem verbal, temos função
metalinguística quando uma poesia tem por tema o fazer
poético ou quando um texto qualquer discute e/ou explica a
língua. Gramáticas e dicionários são exemplos da função
metalinguística, já que usam a linguagem verbal para falar
Independência ou Morte!, de Pedro Américo
sobre a própria linguagem verbal, são palavras que explicam
(óleo sobre tela, 1888). palavras.

– 17 –
Língua Portuguesa
Observe o exemplo: 2 – Identifique a função da linguagem predominante na figura
abaixo:
Poema que aconteceu

Nenhum desejo neste domingo


nenhum problema nesta vida
o mundo parou de repente
os homens ficaram calados
domingo sem fim nem começo.

A mão que escreve este poema


não sabe que está escrevendo
não é possível que se soubesse a) Função fática
nem ligasse. b) Função referencial
Carlos Drummond de Andrade c) Função poética
d) Função conativa
e) Função emotiva
No exemplo ao lado, o artis-
ta holandês Maurits Cornelis 3 – Há função metalinguística na alternativa:
Escher apresenta uma reflexão
sobre o próprio fazer artístico. A a) Aquela doença é uma expressão popular do interior do
mão do artista que desenha Ceará para substituir o nome de certas enfermida-
uma outra mão é uma forma de des incuráveis ou impressionantes, como a lepra, o
metalinguagem. câncer, a tuberculose.
b) Que frio! Que vento! Que calor! Que absurdo! Que ba-
cana! Que tristeza! Que tarde! Que amor! Que bes-
6. Função poética: quando o foco recai sobre o trabalho com teira! Que esperança! Que modos! Assim, em plena
a parte material e concreta da mensagem e, particularmente, floresta de exclamações, vai-se tocando pra frente.
sobre a sua construção. Essa função é capaz de despertar no (Carlos Drummond de Andrade)
leitor prazer estético e surpresa. Importante é perceber que a c) Os serviços financeiros do Ministério da Justiça co-
função poética não é exclusiva da poesia, pode ser encontra- lombiano estão à beira da falência. Por três vezes
da em textos escritos em prosa, em anúncios publicitários, mandaram construir um muro em torno da prisão de
em slogans, em ditados e provérbios, e mesmo em certas Bogotá e por três vezes o muro desapareceu duran-
construções de nossa linguagem cotidiana. Observe o exem- te a noite. Os desabrigados do bairro levaram os tijo-
plo: los para construir suas casas, sem pensar no risco
“Água mole em pedra dura tanto bate até que fura.” que estavam correndo.
“Deus ajuda quem cedo madruga.”
d) O primeiro desastre nuclear foi em 1957, na Inglaterra.
Essas funções não são exploradas isoladamente, de
modo geral, ocorre a superposição de várias delas. Há, no 4 - A rede Globo tornou célebre o seu “plim, plim”, uma men-
entanto, aquela que se sobressai, assim podemos identificar sagem destinada a reforçar junto ao espectador o fato de que
a finalidade principal do texto. ele está sintonizado com a emissora. Trata-se de um exem-
plo característico da função:
EXERCÍCIOS a) Função fática
b) Função referencial
1 – Leia o texto: c) Função poética
d) Função conativa
A questão é começar e) Função emotiva
“Coçar e comer é só começar. Conversar e escrever tam- 5 – Leia o seguinte texto de Ubirajara Inácio de Araújo:
bém. Na fala, antes de iniciar, mesmo numa livre conversa-
ção, é necessário quebrar o gelo. Em nossa civilização a- Todo texto é uma sequência de informações: do início até
pressada, o “bom-dia”, o “boa-tarde, como vai?” já não fun- o fim, há um percurso acumulativo delas. Às informações já
cionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo, conhecidas, outras novas vão sendo acrescidas e estas,
fala-se do tempo ou de futebol.” depois de conhecidas, terão a si outras novas acrescidas e,
Marques, M.O. Escrever é preciso.
assim, sucessivamente. A construção do texto flui como um
Observe a seguinte afirmação feita pelo autor: “Em nossa ir-e-vir de informações, uma troca constante entre o dado e
o novo.
civilização apressada, o ‘bom-dia’, o ‘boa-tarde’ já não fun-
cionam para engatar conversa. Qualquer assunto servindo,
fala-se do tempo ou de futebol.” Ela faz referência à função É correto afirmar que, neste texto, predominam:
da linguagem cuja meta e “quebrar o gelo”. Que função é
essa? a) Função fática e gênero de conteúdo didático
b) Função referencial e gênero do tipo dissertativo
a) Função emotiva c) Função poética e gênero do tipo narrativo
b) Função referencial d) Função expressiva e gênero de conteúdo dramático
c) Função fática
d) Função conativa RESPOSTAS
e) Função poética 1- C 2- D 3- A 4 - A 5-B

– 18 –
Língua Portuguesa
O Novo Acordo Ortográfico visa simplificar as regras orto-
2. PADRÃO ESCRITO NO NÍVEL CULTO: gráficas da Língua Portuguesa e aumentar o prestígio social
ORTOGRAFIA, ACENTUAÇÃO GRÁFICA, da língua no cenário internacional.
PONTUAÇÃO
Sua implementação no Brasil segue os seguintes parâme-
tros: 2009 – vigência ainda não obrigatória, 2010 a 2012 –
adaptação completa dos livros didáticos às novas regras; e a
ORTOGRAFIA OFICIAL partir de 2013 – vigência em todo o território nacional.

Ortografia (palavra formada por dois elementos gregos: Ainda que o Brasil tenha adiado para 2016 o prazo para
“orthós”, correta, e “grafia”, escrita) é a parte da gramática validação das regras da nova ortografia, o acordo já é uma
que se preocupa com o emprego correto de letras e palavras realidade legal e cultural em todos os países falantes de
na língua escrita. língua portuguesa - exceto em Angola, que deve ratificá-lo
em breve. A proposta, contudo, ainda divide opiniões entre os
Você já deve ter notado que os erros ortográficos apare- linguistas.
cem com frequência no nosso dia a dia, nos mais diversos
segmentos da sociedade: campanhas publicitárias, placas Cabe lembrar que esse “Novo Acordo Ortográfico” já se
comerciais, propagandas políticas e até mesmo em jornais e encontrava assinado desde 1990 por oito países que falam a
revistas. E por que isso acontece, se a língua que falamos é língua portuguesa, inclusive pelo Brasil, mas só agora é que
uma só? É simples. Infelizmente, na língua portuguesa, como teve sua implementação.
em outras línguas, não há a correspondência exata entre
fonema (língua oral) e letra (língua escrita). O ideal seria que É equívoco afirmar que este acordo visa uniformizar a lín-
cada som correspondesse a uma única letra e vice-versa. gua, já que uma língua não existe apenas em função de sua
ortografia.
Observe o poema de Oswald de Andrade:

FONEMAS NÃO SÃO LETRAS


Vício na fala
Segundo Evanildo Bechara em seu livro Moderna Gramá-
Para dizerem milho dizem mio tica Portuguesa: “desde logo uma distinção se impõe: não se
Para melhor dizem mió há de confundir fonema com letra. Fonema é uma realidade
Para pior pió acústica, realidade que nosso ouvido registra: enquanto letra
Para telha dizem teia é o sinal empregado para representar na escrita o sistema
Para telhado dizem teiado sonoro de uma língua.
E vão fazendo telhados
(Oswald de Andrade. Poesias reunidas. Não há uma identidade perfeita, muitas vezes, entre os
Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1971)
fonemas e a maneira de representá-los na escrita, o que nos
leva facilmente a perceber a impossibilidade de uma ortogra-
fia ideal. Temos sete vogais orais tônicas, mas apenas cinco
Nesse poema, Oswald de Andrade mostra a diferença símbolos gráficos (letras).
entre língua falada e língua escrita e a dificuldade que pode
haver entre elas. Quando queremos distinguir um e tônico aberto de um e
tônico fechado – pois são dois fonemas distintos – geralmen-
Falar e escrever bem a língua portuguesa exige, de quem te utilizamos sinais subsidiários: o acento agudo (fé) ou o
a estuda, muito cuidado com o uso das letras e dos sons.
circunflexo (vê). Há letras que se escrevem por várias razões,
mas que não se pronunciam, e portanto não representam a
Para isso, devemos recorrer à ortografia e seguir suas vestimenta gráfica do fonema; é o caso do h, em homem ou
orientações a fim de que possamos eliminar dúvidas e princi- oh!
palmente erros.
Por outro lado, há fonemas que se ouvem e que não se
Este sistema, que se deve à iniciativa da Academia Brasi- acham registrados na escrita; assim no final de cantavam,
leira de Letras, tem as seguintes características: ouvimos um ditongo em –am cuja semivogal não vem assina-
lada /amávãw/. A escrita, graças ao seu convencionalismo
1ª) É simplificado. Reduziu, por exemplo, consoantes do- tradicional, nem sempre espelha a evolução fonética.”
bradas ou insonoras: ofício, em vez de officio, atento, por
attento, salmo, em vez de psalmo; aboliu os símbolos gregos:
farmácia, em lugar de pharmacia, química, em vez de chimi- REPRESENTAÇÃO GRÁFICA DOS FONEMAS
ca, teatro, rinoceronte, mártir, em vez de theatro, rhinoceron-
te, martyr, etc. Quando você pronuncia, por exemplo, a palavra “casa”,
cada som da fala é chamado de fonema. Temos, portanto,
2ª) É científico, pois baseia-se na etimologia e segue rígido quatro fonemas, /c/ /a/ /s/ /a/. As representações gráficas
critério histórico. Por exemplo, desses fonemas são chamadas letras ou grafemas. Temos,
per portanto, quatro letras, c - a - s - a.
3ª) É sistemático no uso dos acentos gráficos. Por exemplo: Conforme mencionamos, a relação entre os fonemas e as
herói, aquela lembrança dói, etc. letras não é de correspondência exata e permanente, pode
ocorrer de uma palavra apresentar números de letras e fo-
Segundo o acordo dos países que possuem o português nemas diferentes. Veja, por exemplo, a palavra “guerra”,
como idioma oficial, no Brasil a partir de 2009 passou a valer
possui 6 letras e 4 fonemas (/gu/ /e/ /rr/ /a/); enquanto que
as novas regras ortográficas.
“táxi” possui 4 letras e 5 fonemas (/t/ /á/ /k/ /s/ /i/).

– 19 –
Língua Portuguesa
Um mesmo fonema, também pode ser representado por denominados notações léxicas. As principais notações léxi-
diferentes letras. Veja alguns exemplos: cas são:

FONEMA / chê / 1) Acento agudo ( ' ) - indica o som aberto das vogais (é e ó)
ou destaca a sílaba tônica da palavra.
Pode ser representado por x ou ch. Exemplos: máximo, médico, sílaba, vovó, açúcar.
Exemplos: caixa, enxugar, chuva, chinelo
2) Acento circunflexo ( ^ ) - indica o som fechado das vo-
FONEMA / sê / gais (ê e ô) ou destaca a sílaba tônica sobre as vogais a, e, o.
Exemplos: trânsito, você, robô.
Pode ser representado por cçs, ss, x, sc, xc.
Exemplos: obedecer, cigarro, poço, carroça, secar, ensino, 3) Acento grave ( ` ) - indica a fusão de dois as (a + a) de-
pressa, esse, máximo, próximo, piscina, nascer, exceção, nominada crase. Exemplos:
excelente Vou a a feira. → Vou à feira.
Assisti a aquele filme. → Assisti àquele filme.
FONEMA / zê /
4) Til ( ~ ) - indica a nasalização de vogais (a e o).
Pode ser representado por x, s, z Exemplos: irmã, limões.
Exemplos: exemplo, exigente, casa, vaso, zinco, bazar
5) Cedilha ( ¸ ) - é usada no c ( ç ) antes de a, o, u, para
FONEMA / jê / antes de e ou i indicar o som do fonema / sê /.
Exemplos: cabeça, poço, açude.
Pode ser representado por j, g
Exemplos: berinjela, jiló, gelo, gigante 6) Trema ( ̈ ) - sinal usado para indicar que o u dos grupos gu
e qu devem ser pronunciados, foi abolido em palavras portu-
Uma mesma letra pode ter sons diferentes, ou seja, re- guesas ou aportuguesadas. Por exemplo, a palavra cinqüen-
presentar diferentes fonemas. ta que era escrita com trema, pela nova regra é cinquenta.
O trema permanece em nomes próprios estrangeiros e seus
LETRA S derivados.
Exemplos: Müller – mülleriano / Hübner – hübneriano.
Pode ser representado por / sê / , / zê /
Exemplos: sapato, sino, casaco, presente 7) Apóstrofo ( ̕ ) - é usado para indicar que uma letra foi
retirada.
LETRA X Exemplos: copo d'água, galinha-d'angola.

Pode ser representado por / ks /, / chê /, / zê /, / sê /


Exemplos: tóxico, sexo, apaixonar, xadrez, êxito, examinar, HÍFEN
auxílio, próximo
O hífen (-) é empregado em palavras compostas (guarda-
chuva), na união do pronome ao verbo (amo-te), na separa-
ALFABETO ção de sílabas (pi- tan- ga) e na separação de sílaba no final
de linha.
Finalmente, deu-se um basta na indiferença! Os estran-
geiros K, W e Y são oficializados cidadãos brasileiros através No Acordo Ortográfico, o hífen foi o que mais sofreu alte-
de nossa língua! rações.

Agora nosso alfabeto passa a ser composto de 26 letras, USO DO HÍFEN


admitindo de vez as letra K, W e Y que, normalmente, já
eram usadas em nomes estrangeiros ou em símbolos de 1) Prefixos e falsos prefixos terminados em vogais
medidas. Exemplos: Karen, Wilson, Hygor, Km, Kg, Watt.
Emprega-se o hífen nos compostos em que o prefixo ou
São elas: falso prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa
por vogal igual ou por h: anti-inflamatório, arqui-inimigo, mi-
a (á), b (bê), c (cê), d (dê), e (é), f (efê), g (gê), h (agá), i (i), j cro-ondas, micro-ônibus, anti-higiênico.
(jota), k (ká), l (ele), m (eme), n (ene), o (o), p (pê), q (quê), r
(erre), s (esse), t (tê), u (u), v (vê), w (dáblio), x (xis), y (ípsi- 2) Prefixos e falsos prefixos terminados em vogal e o segun-
lon), z (zê). do elemento começa por vogal diferente

Além dessas letras, empregamos o ç (cê cedilhado), que Não se emprega o hífen: autoajuda, extraescolar, infraes-
representa o fonema /s/ diante de a, o ou u em determinadas trutura, semiaberto, ultraelevado.
palavras. Empregamos também, os seguintes dígrafos: rr
(erre duplo), ss (esse duplo), ch (cê-agá), gu (guê-u), qu 3) Prefixos e falsos prefixos terminados em vogal e o segun-
(quê-u). do elemento começa por s ou r

Não se emprega o hífen, devendo duplicar as consoantes


NOTAÇÕES LÉXICAS r ou s: autorretrato, antissocial, contrarregra, ultrassom, antir-
rugas.
Muitas vezes, as letras não são suficientes para represen-
tar os fonemas, há necessidade de recorrer a sinais gráficos 4) Prefixos terminados em b

– 20 –
Língua Portuguesa
Emprega-se o hífen quando o segundo elemento é inicia- e zoológicas: ano-luz, azul-escuro, médico-cirurgião, guarda-
do por b, h ou r: sub-bloco, sub-humano, ab-reação. chuva, segunda-feira, couve-flor, mal-me-quer, formiga-
branca, etc.
O hífen não deve ser usado nos outros casos: obstar,
subescrever, subalterno. 13) O uso do hífen permanece

5) Prefixo co (m) • nos compostos com os prefixos ex-, vice-, soto-: ex-marido,
vice-presidente, soto-pôr.
O Novo Acordo Ortográfico determina que esse prefixo se
separe por hífen apenas dos termos iniciados por "h"; com os • nos compostos com os prefixos tônicos acentuados pré-,
demais, une-se por justaposição. Consequentemente, pas- pró- e pós- quando o segundo elemento tem vida própria na
samos a escrever "coautor", "coedição", "coprodução", "copi- língua: pré-molar, pró-labore, pós-eleitoral.
loto", "corréu", "corresponsável", "cogestor", "cosseno" etc..

6) Prefixos terminados em r • nos compostos terminados por sufixos de origem tupi-


guarani que representam formas adjetivas, como -açu, -
O uso do hífen permanece nos compostos em que os guaçu e -mirim, quando o primeiro elemento acaba em vogal
prefixos super, hiper, inter aparecem combinados com ele- acentuada graficamente ou quando a pronúncia exige a dis-
mentos também iniciados por r ou pela letra h: super- tinção gráfica entre ambos: jacaré-açu, amoré-guaçu, paraná-
resistente, hiper-realista, inter-racial, super-homem, super- mirim.
herói.
• nos topônimos iniciados pelos adjetivos grão e grã ou por
Nos outros casos, o hífen não deve ser usado: internacio- forma verbal ou por elementos que incluam artigo: grão-de-
nal, hipersensível, supercílio. bico, Santa Rita do Passa-Quatro, Baía de Todos-os-Santos.

7) Prefixo ad • nos compostos com os elementos além, aquém, recém e


sem: além-túmulo, aquém-oceano, recém-nascido, sem-teto.
Emprega-se o hífen quando o segundo elemento é inicia-
do por d, h ou r: ad-digital, ad-renal, ad-rogar. 14) Não se emprega o hífen nas locuções de qualquer tipo
(substantivas, adjetivas, pronominais, verbais, adverbiais,
Nos outros casos, o hífen não deve ser usado: adjacente, prepositivas ou conjuntivas): cão de guarda, fim de semana,
adjunto, adjudicação. café com leite, pão de mel, à vontade, a fim de que.

8) Prefixo circum e pan Com exceção de algumas locuções já consagradas pelo


uso: água-de-colônia, cor-de-rosa, pé-de-meia, à queima-
Emprega-se o hífen quando o segundo elemento começa roupa, etc.
por vogal, m ou n: circum-ambiente, circum-murado,
circum-navegação, pan-americano. EXERCÍCIOS

Nos outros casos, o hífen não deve ser empregado: cir- 1) Assinale a alternativa incorreta quanto ao emprego do
cunvizinhança, circunferência, circunscrever. hífen:

9) Prefixo mal a) Emprega-se o hífen nos compostos em que o prefixo ou


falso prefixo termina em vogal e o segundo elemento começa
Emprega-se o hífen quando o segundo elemento começa por vogal igual ou por h.
com vogal, l ou h: mal-estar, mal-limpo, mal-humorado. b) Não se emprega o hífen nos prefixos e falsos prefixos
terminados em vogal e o segundo elemento começado por
Nos outros casos, o hífen não deve ser empregado: mal- vogal diferente.
criado, maldizer, malparado. c) O uso do hífen permanece nos compostos em que os pre-
fixos super, hiper, inter aparecem combinados com elemen-
10) Prefixo bem tos também iniciados por r ou pela letra h.
d) Emprega-se o hífen com o prefixo re-.
O hífen desaparece nas palavras citadas no Acordo Orto-
gráfico e nas suas correlatas: benfazer, benfeito, benquerer, 2) Assinale a alternativa incorreta:
benquerido.
a) micro-ondas
11) Prefixo re- b) contra-regra
c) anti-inflamatório
Permanece a aglutinação com o segundo elemento, d) circum-navegação
mesmo quando este começar por o ou e: reabastecer, rees-
crever, recarregar, reorganizar. 3) Assinale a alternativa em que se deve usar o hífen:

12) Compostos que perderam a noção de composição a) contrarregra


b) antirrugas
Não se emprega o hífen: mandachuva, paraquedas, c) interrelação
paraquedista. d) autorretrato

O uso do hífen permanece nas palavras compostas que RESPOSTAS


não contêm um elemento de ligação, mantendo um acento 1-D 2-B 3-C
próprio, bem como aquelas que designam espécies botânicas

– 21 –
Língua Portuguesa
EMPREGO DAS LETRAS MAIÚSCULAS • no meio das palavras compostas, depois de hífen: pré-
histórico, super-homem, anti-hemorrágico.
Emprega-se letra inicial maiúscula:
Observação: nos compostos sem hífen, o h é eliminado:
1) No início de frase: Era uma vez uma linda princesa . . . desonesto, desumano, desidratar.

2) Nos substantivos próprios de qualquer espécie, inclusive • no final de algumas interjeições: Ah!, Argh!, Oh!
apelidos e nomes de animais: João, Maria, Brasil, Portugal, • no nome do estado brasileiro Bahia. Já em seus derivados o
Deus, Zeca, Lulu, etc. h é retirado. Assim: baiano, baião, baianada.
• quando os derivados das palavras inverno e erva tiverem a
3) Nos nomes de épocas históricas, datas e fatos importan- letra b, serão sempre iniciados com h. Assim:
tes: Idade Média, Modernismo, Proclamação da República,
Natal, Dia das Mães, etc. inverno – hibernação erva – herbívoro

4) Nos nomes de vias e lugares públicos: Avenida Ipiranga, 2) Emprego das letras e e i
Largo São Francisco, Praça da Sé.
A letra e pode ser confundida, na língua oral, com a letra
5) Nos nomes que designam altos conceitos políticos e religi- i, portanto siga as seguintes orientações.
osos: Estado, Nação, Pátria, Igreja.
Grafam-se com a letra e:
6) Nos nomes de repartições, edifícios ou corporações públi-
cas e particulares: Banco do Brasil, Governo Estadual, Minis- • palavras com o prefixo ante- (que indica anterioridade):
tério do Trabalho, etc. anteontem, antebraço, antediluviano.

7) Nos títulos de livros, jornais, revistas: Os Lusíadas, Folha • algumas formas dos verbos com infinitivos terminados em -
de São Paulo, Veja, etc. oar e -uar: abençoe (abençoar), perdoe (perdoar), continue
(continuar), efetue (efe-tuar).
8) Nos pronomes de tratamento: Vossa Majestade, Meritíssi-
mo, Vossa Excelência, etc. • as palavras: periquito, umedecer, confete, empecilho, cade-
ado, paletó, disenteria, seringa, mexerico, quase, campeão,
9) Nos nomes comuns, quando usados para personificar: geada, creolina, apear.
Amor, Ódio, Lobo, Morte, etc.
Grafam-se com a letra i:
10) Nos nomes que designam artes, ciências, ou disciplinas:
Arquitetura, Engenharia, Português, etc. • palavras com o prefixo anti- (que indica ação contrária):
antiácido, anticristão, antiestético.
11) Nos nomes dos pontos cardeais, quando designam regi-
ões: Os povos do Norte. • algumas formas dos verbos com infinitivos terminados em -
air, -oer e -uir: cai (cair), sai (sair), dói (doer), mói (moer),
12) Nas fórmulas respeitosas empregadas em carta: meu possui (possuir), atribui (atribuir).
caro Amigo, minha querida Mãe, etc.
• as palavras: pátio, crânio, privilégio, pontiagudo, esquisito,
Observações: feminino, pinicar, perônio, réstia, inigualável, digladiar, júri,
ridículo, úmido.
• Em regra geral, usamos a letra maiúscula no começo da
frase. Entretanto, na poesia, alguns escritores usam letra Algumas palavras apresentam semelhança na pronúncia
inicial minúscula no início de todos os versos com a finalidade e na escrita. São chamadas de parônimas. Veja alguns pa-
de deixá-los soltos para que o leitor leia o poema a seu mo- rônimos em e e i:
do.
• Os nomes dos meses devem ser escritos com inicial minús- arrear = pôr arreios
cula. Assim: janeiro, fevereiro, março, abril, etc. arriar = abaixar

ORIENTAÇÕES ORTOGRÁFICAS deferimento = aprovação


diferimento = adiamento
A melhor solução, quando se tem dúvida sobre a grafia de
uma palavra, é consultar um dicionário. Abaixo, apresenta- descriminar = inocentar
mos alguns problemas que podem surgir no momento de discriminar = distinguir
escrever.
peão = trabalhador rural
1) Emprego da letra h pião = espécie de brinquedo

É uma letra que não é pronunciada, não representa fone- 3) Emprego das letras o e u
ma. Assim, lemos: (h)abitação, (h)oras, (h)oje, etc.
Geralmente, na língua oral, a letra o confunde-se com a
A letra h é empregada: letra u. Porém, na escrita, deve-se ter o cuidado de não con-
fundi-las, pois podem produzir significados diferentes.
• no início de palavras, por razão etimológica: humano, hélice,
homem , hidrogênio, hoje, etc. • Escrevem-se com a letra o: abolição, bobina, bússola,
• no interior das palavras, como parte integrante dos dígrafos caos, coelho, capoeira, caçoar, cochicho, engolir, focinho,
ch, lh, nh: chave, malha, pinheiro, etc. goela, moela, polir, poleiro, polenta, toalha, zoada.

– 22 –
Língua Portuguesa
• Escrevem-se com a letra u: acudir, bueiro, bulir, cueiro, • as formas dos verbos terminados em -jar ou -jear: arranje
curtume, cuspir, cutia, entupir, escapulir, fêmur, íngua, jabuti, (arranjar), viajem (viajar), suje (sujar), gorjeio (gorjear).
jabuticaba, régua, tábua, tabuada, tabuleiro, usufruto.
• as palavras derivadas de outras já grafadas com j: gorjeta
Veja algumas palavras parônimas em o e u: (de gorja), lisonjeiro (de lisonja), sarjeta (de sarja), enrijecer
(de rijo), varejista (de varejo).
assoar = limpar o nariz
assuar = vaiar • as palavras: ajeitar, berinjela, cafajeste, jeito, jiló, granja,
jejum, jerimum, laje, majestade, objeção, ojeriza, traje, trejei-
comprimento = extensão to.
cumprimento = saudação
6) Emprego das letras x ou ch
soar = produzir som
suar = transpirar Escrevem-se com x:

4) Emprego de ou, u e l • palavras de origem indígena ou africana: abacaxi, caxambu,


xavante, capixaba, pixaim.
• Escrevem-se com ou: couro (pele de animal – não confun-
da com coro, grupo de vozes), bebedouro, cenoura, estou- • palavras aportuguesadas do inglês: xampu (de shampoo),
rar, dourado, lousa, louro, roubar, tesoura, vassoura. xerife (de sheriff).

• A letra l, em final de sílaba, em muitas regiões do Brasil, soa • depois de ditongo, em certas palavras: ameixa, abaixo,
como u, gerando dificuldades gráficas. caixa, frouxo, feixe, paixão, rouxinol.

Para eliminar as dúvidas, compare com palavras mais • depois da sílaba inicial en-: enxame, enxada, enxaqueca,
conhecidas da mesma família: enxugar, enxadrista, enxofre, enxurrada.

alto-falante / altura Exceções: encher, encharcar e seus derivados, enchova,


radical / radicalizar enchiqueirar, enchouriçar, enchumaçar.
automóvel / autodefesa
caudaloso / cauda • depois da sílaba inicial me-: mexer, mexilhão, mexicano,
mexerica. Exceções: mecha e seus derivados.
Abaixo, relacionamos algumas palavras com l e u:
• as palavras: almoxarife, bexiga, bruxa, baixela, caxumba,
L U engraxate, faxina, laxativo, maxixe, puxar, relaxar, rixa, roxo,
cálculo mingau vexame, xícara, xingar.
lastimável audácia
pernalta aura Escrevem-se com ch:
resolveu berimbau
febril auditório • palavras de origem latina, francesa, espanhola, alemã e
teatral sumiu inglesa: chave, chuva; chalé, chapéu; apetrecho, mochila;
soltou eucaristia chope, charuto; cheque, sanduíche.

• as palavras: arrocho, bochecha, boliche, cachaça, cacho,


5) Emprego das letras g e j cachimbo, chimarrão, chafariz, chimpanzé, chuchu, chumaço,
colcha, coqueluche, flecha, inchar, mancha, nicho, pichar,
Escrevem-se com g: piche, rachar, salsicha, tacho, tocha.

• os substantivos terminados em -agem, -igem, - ugem: Algumas palavras apresentam a mesma pronúncia, mas
aragem, contagem; origem, vertigem; ferrugem, rabugem. com grafia e significado diferentes.
Exceções: pajem e lambujem
São chamadas de homônimas.
• as palavras terminadas em -ágio, -égio, -ígio, -ógio, -úgio:
contágio, estágio; colégio, egrégio; litígio, prestígio; necroló-
gio, relógio; refúgio, subterfúgio. Veja alguns homônimos em x e ch:
• as palavras derivadas de outras já grafadas com g: faringite
(de faringe), ferrugento (de ferrugem), engessar (de gesso),
massagista (de massagem). X CH
broxa = pincel brocha = prego pequeno
• as palavras: agenda, algema, agiota, argila, auge, bege, buxo = arbusto bucho = estômago
cartuxo = religioso cartucho = embalagem
bugiganga, cogitar, fugir, gengiva, gengibre, gíria, herege, xá = antigo soberano do Irã chá = bebida
ligeiro, megera, monge, rígido, sargento, sugestão, tigela, xácara = narrativa em verso chácara = quinta
viagem (substantivo). xeque = lance no jogo de xadrez cheque = ordem de pagamento
coxa = parte da perna cocha = vasilha de madeira
Escrevem-se com j: coxo = aquele que manca cocho = recipiente
luxar = deslocar luchar = sujar
• as palavras de origem árabe, tupi-guarani ou africana: alfan- taxa = imposto tacha = prego pequeno
je, alforje, jê, jiboia, canjica, manjericão, caçanje, mujique.

– 23 –
Língua Portuguesa
7) Emprego das letras c, ç, s, x e os dígrafos sc, sç, ss, sx • nos sufixos -ês, -esa, na indicação de nacionalidade, título,
e xc com o fonema / s / origem: português, portuguesa; irlandês, irlandesa; marquês,
marquesa; camponês, camponesa; calabrês, calabresa.
Observe os seguintes procedimentos na representação
gráfica desse fonema. • nos sufixos -ense, -oso, -osa, na formação de adjetivos:
paranaense, fluminense, catarinense; carinhoso, gasoso,
• Usa-se c antes de e e i: cebola, cédula, cear, célula, cento- espalhafatoso; estudiosa, horrorosa, dengosa.
peia, alicerce, cacique, penicilina, cigarro, cipó, circo, ciúme.
• no sufixo -isa, na indicação de ocupação feminina: poetisa,
• Usa-se ç antes de a, o, u: alça, vidraça, aço, almoço, açú- profetisa, pitonisa, papisa.
car, açude.
• após ditongos: causa, náusea, lousa, faisão, maisena, mau-
• Nos vocábulos de origem árabe, tupi e africana, usa-se c e soléu, ausência, coisa.
ç: açaí, araçá, caiçara, caçula, criciúma, Iguaçu, miçanga,
paçoca, Paraguaçu. • na conjugação dos verbos pôr e querer e derivados: pus,
pusera, pusesse, puséssemos; quis, quisera, quisesse, qui-
• Depois de ditongos, grafam-se c e ç: beiço, coice, feição, séssemos.
foice, louça, refeição, traição.
• nas palavras: abuso, asa, asilo, atrás, através, bis, brasa,
• A correlação gráfica entre ter e tenção em nomes formados brasão, colisão, decisão, extravasar, evasão, fusível, hesitar,
a partir de verbos: abster, abstenção; ater, atenção; conter, lilás, revisão, rasura, catequese, gás, gasolina, dose, jesuíta,
contenção; deter, detenção; reter, retenção. usina, usura, vaso.

• A correlação gráfica entre nd e ns na formação de substan- Usa-se a letra z:


tivos a partir de verbos: pretender, pretensão; expandir,
expansão, expansivo; tender, tensão, tenso; suspender, • nas palavras que derivam de outra em que já existe z:
suspensão.
baliza - abalizado, balizado, balizador
• Escrevem-se com s as palavras: aversão, cansaço, conse- gozo - gozar, gozação, gozador
lho (aviso), consenso, descanso, misto, pensão, pulseira, raiz - enraizar, raizame
senso (juízo), valsa, esplendor, espontâneo. razão - razoável, arrazoado

• nos sufixos -ez, -eza, formadores de substantivos abstratos


• Em algumas palavras, o fonema / s / é representado pela derivados de adjetivos: avaro, avareza; certo, certeza; inváli-
letra x: auxílio, contexto, expectativa, experiência, expor, do, invalidez; macio, maciez; nobre, nobreza; rígido, rigidez;
extravagante, sexta, têxtil, texto, trouxe. singelo, singeleza; viúvo, viuvez.
• Por razões etimológicas usam-se sc e xc entre vogais: • nos sufixos -izar (formador de verbos) e –ização (formador
ascender, crescer, efervescente, discernir, exceto, excesso, de substantivos):
excêntrico, exceder, excitar.
atual - atualizar - atualização
• Escrevem-se com sç as palavras: cresço, cresça, desço, civil - civilizar - civilização
desça, nasço, nasça. humano - humanizar - humanização
mental - mentalizar - mentalização
• Nos substantivos derivados dos verbos terminados em -der,
-dir, -tir e -mir, usa-se ss, ou s, depois de n e r: ceder, ces- Não confunda os casos em que se acrescenta o sufixo -ar
são; interceder, intercessão; regredir, regressão; agredir, a palavras já grafadas com s:
agressão; repercutir, repercussão; ascender, ascensão;
compreender, compreensão. paralisia - paralisar
abuso - abusar
• Escrevem-se com ss as palavras: assar, asseio, assento pesquisa - pesquisar
(banco), assobiar, aterrissagem, avesso, dezesseis, endos-
sar, pressão, tosse, vassoura. Exceções: batismo - batizar
catequese - catequizar
• Pode ocorrer, ainda que raramente, o dígrafo xs com fone-
ma / s /: exsicar, exsolver, exsudar. • nas palavras: assaz, alcoolizar, apaziguar, aprendiz, azar,
azia, bazar, bizarro, capuz, cuscuz, desprezo, eficaz, fugaz,
gaze, jazigo, lazer, meretriz, ozônio, rezar, sagaz, trapézio,
8) Emprego das letras s, z, x com o fonema /z/ vazio, xadrez.
Usa-se a letra s: Em muitas palavras, o fonema / z / é representado pela
letra x: exagero, exame, exemplo, exercer, exibir, êxito, exo-
• nas palavras que derivam de outra em que já existe s: nerar, exorcismo, exótico, exumação, inexistente, inexorável.
casa - casinha, casebre, casarão 9) Emprego das letras c e qu
análise - analisar, analisado, analisável
liso - alisar, alisamento, alisante Existem palavras que podem ser escritas com c e tam-
pesquisa - pesquisador, pesquisado bém com qu: catorze ou quatorze; cociente ou quociente;
cota ou quota; cotidiano ou quotidiano; cotizar ou quotizar.

– 24 –
Língua Portuguesa
10) Emprego das terminações iano e iense 8) O ............... que possuo não cobrirá a ................ que devo
pagar amanhã.
Conforme o Acordo Ortográfico, algumas terminações
eano e eense mudam para iano e iense: a) cheque; tacha
b) xeque; tacha
acriano (do Acre), c) cheque; taxa
torriense (de Torres). d) xeque; taxa

Se a palavra original for oxítona e terminar em e tônico, 9) Apenas uma frase das alternativas abaixo está correta
prevalecerão as terminações eano e eense: guineense (de quanto à ortografia. Aponte-a:
Guiné-Bissau).
a) A fábrica dispensou vários funcionários por contensão de
despesas;
EXERCÍCIOS b) Haverá aula nas férias por causa da paralização dos pro-
fessores;
c) A mãe castigou o filho, após a sua suspensão na escola;
1) Assinale a alternativa em que todas as palavras estão d) Gosto de pizza meia mussarela e meia calabreza.
grafadas corretamente:
10) Assinale a alternativa correspondente à grafia correta dos
a) gelo, exemplo, basar vocábulos: cateque.....e; bati.....ar; discu.....ão; e.....pontâneo.
b) pressa, giló, exceção
c) beringela, enxugar, máximo a) z, s, ç, s
d) xadrez, piscina, encharcar b) s, z, ss, s
c) s, s, ss, x
2) A letra maiúscula foi mal empregada em: d) z, z, ss, s

a) João trabalha como camelô na Praça da República; 11) Aponte a alternativa correta:
b) Aos poucos ele sentia a Morte chegar;
c) Em Março, encerram-se as chuvas de verão; a) esceder, extravagante, exceção, esplendor
d) Muitas instituições recebem ajuda no Natal. b) exceder, extravagante, exceção, esplendor
c) exceder, estravagante, exeção, explendor
3) Assinale a alternativa que contém uma palavra mal grafa- d) exceder, estravagante, exceção, explendor
da:
12) Assinale a alternativa que contém uma palavra mal grafa-
a) antebraço, criolina, anticristão da:
b) geada, abençoe, apear
c) possui, digladiar, disenteria a) goela, acudir, bulir
d) antiestético, periquito, mexerico b) bússola, tábua, poleiro
c) caos, jaboti, zoada
4) A ...................... do mágico ...................... a plateia. d) régua, toalha, cochicho

a) proeza – extaziou 13) Assinale a alternativa que preencha corretamente as


b) proesa – extasiou lacunas:
c) proesa – estaziou
d) proeza – extasiou I - Após o ........, abandonou o jogo e pediu um ............... .
e) proeza – estasiou II - O vereador foi .............. de desonesto.

5) Meu vizinho ................ uma ............. .Ontem, algumas a) xeque, chá, tachado
galinhas ......... e isso o deixou com uma enorme.............. . b) cheque, chá, taxado
c) xeque, xá, taxado
a) possui; chácara; escapoliram; enxaqueca d) cheque, chá, tachado
b) possui; chácara; escapoliram; enchaqueca
c) possui; xácara; escapuliram; enchaqueca 14) Grafam-se com s todas as palavras da alternativa:
d) possui; chácara; escapuliram; enxaqueca
a) asilo, através, rigides
6) Assinale a alternativa em que todas as palavras devem b) brasão, decisão, gasolina
iniciar pela letra h: c) nobresa, certesa, dose
d) usina, singelesa, basar
a) ..... élice; ..... arpa; ..... armonia
b) ..... avana; ..... árido; ..... erva
c) ..... ermético; ..... ebreu; ..... ardil
d) ..... úmido; ..... idratar; ..... umilde

7) Todas as palavras estão grafadas corretamente, exceto RESPOSTAS


uma da alternativa: 1-D 2-C 3-A 4-D 5-D 6-A 7-D
8-C 9-C 10 - B 11 - B 12 - C 13 - A 14 - B
a) berimbau, mingau, cálculo
b) roubar, polir, sumiu
c) teatral, alto-falante, cauda
d) moela, calda, jaboticaba

– 25 –
Língua Portuguesa
Não se acentuam os ditongos abertos –ei e –oi nas pala-
vras paroxítonas.
ACENTUAÇÃO GRÁFICA
Exemplos: assembleia, ideia, colmeia, Coreia, paranoia, jiboi-
a, heroico, etc.
1) Acentuação dos monossílabos tônicos
6) Acentuação dos hiatos
Acentuam-se os monossílabos tônicos terminados em:
Acentuam-se as oxítonas terminadas em i e u, seguidas
ou não de s.
• - a, - as: má, más; pá, pás
• - e, - es: fé, mês, dê, pés
Exemplos: Piauí, piraiú, tuiuiús.
• - o, - os: pó, sós, dó, pôs
Conforme o Acordo Ortográfico, não se acentuam:
Observação: Recebe acento circunflexo a terceira pessoa do
plural do presente do indicativo dos verbos ter e vir.
• o hiato –oo: voo, enjoo, perdoo, abençoo.
Exemplos: eles têm, eles vêm
• o hiato –ee dos verbos crer, dar, ler, ver e seus derivados
na terceira pessoa do plural: creem, deem, leem, veem, des-
2) Acentuação dos vocábulos oxítonos
creem, releem.
Acentuam-se os vocábulos oxítonos terminados em:
• o –i e –u tônicos das palavras paroxítonas quando precedi-
das de ditongo: feiura, saiinha, baiuca.
• - a, - as: sofá, atrás, maracujá, ananás
• - e, - es: café, canapés, você, vocês
7) Acentuação dos grupos gue, gui, que, qui
• - o, - os: cipó, avô, avós, robôs
• - em, - ens: também, parabéns, alguém, armazéns
Conforme o Acordo Ortográfico, desaparece o acento
agudo em algumas formas dos verbos apaziguar, arguir,
Observações:
averiguar, obliquar. Mas mesmo sem o acento agudo, a
pronúncia das palavras em que ele era usado não sofre alte-
1 - Algumas formas verbais seguidas de pronome são incluí-
ração.
das nesta regra: revê-lo, amá-lo, compô-lo.
Exemplos: argui, apazigue, averigue, enxague, oblique.
2 - Recebe acento circunflexo a terceira pessoa do plural do
presente do indicativo dos compostos dos verbos ter e vir:
8) Acento diferencial
eles obtêm, eles retêm.
Conforme o Acordo Ortográfico, o acento diferencial per-
3) Acentuação dos vocábulos paroxítonos
manece nos homógrafos:
Acentuam-se os vocábulos paroxítonos terminados em:
• pode (3ª pessoa do singular do presente do indicativo do
verbo poder) e pôde (3ª pessoa do pretérito perfeito do indi-
• ã, - ãs, - ão, - ãos: ímã, órfãs, órgão, órgãos
cativo).
• i, - is, - us: júri, tênis, vírus
• l, - n, - r, - x, - ps: amável, pólen, néctar, látex, bíceps
• pôr (verbo) em oposição a por (preposição).
• um, - uns: álbum, álbuns
• ditongo: ânsia, régua, sério, nódoa, bênção, níveis
• fôrma (substantivo) e forma (verbo formar). Poderá ser
usado fôrma para distinguir de forma, mas não é obrigatório.
Observação: Os prefixos paroxítonos terminados em i e r não
são acentuados: semi-eixo, super-homem.
Não se acentuam as palavras paroxítonas que são homó-
grafas.
4) Acentuação dos vocábulos proparoxítonos
Exemplos: para (verbo), pela (substantivo e verbo), pelo
Todas as palavras proparoxítonas são acentuadas com
(substantivo), pera (substantivo), polo (substantivo).
acento agudo (se o som da vogal for aberto) ou circunflexo
(se o som da vogal for fechado).
EXERCÍCIOS
Exemplos: lâmpada, ínterim, pêssego, análise, cronômetro,
realizássemos.
1) As palavras Jundiaí, Macapá e já são acentuadas por
5) Acentuação dos ditongos abertos
serem, respectivamente:
Conforme o Acordo Ortográfico, acentuam-se os ditongos
a) oxítona terminada em i, oxítona terminada em a e monos-
–éi e –ói das palavras oxítonas e monossílabos tônicos de
sílabo tônico terminado em a.
som aberto:
b) hiato, oxítona terminada em a e monossílabo tônico em a.
c) ditongo tônico, trissílabo tônico e monossílabo tônico.
herói, constrói, dói, anéis, papéis, anzóis.
d) hiato, trissílabo tônico, monossílabo átono.
Permanece também o acento no ditongo aberto –éu:
2) Assinale a opção em que todas as palavras são acentua-
das pela mesma regra de “ninguém”, “solúvel” e “mártir”,
chapéu, véu, céu, ilhéu.
respectivamente:

– 26 –
Língua Portuguesa
a) hífen, temível, índice 2) Inglêsa
b) ínterim, níveis, hábil 3) equilátero,
c) contém, inverossímil, caráter
d) armazém, abdômen, calvície verificamos que está/estão devidamente acentuada(s):

3) Indique a única alternativa em que nenhuma palavra é a) apenas a palavra 1.


acentuada graficamente: b) apenas a palavra 2.
c) apenas a palavra 3.
a) juizes, alibi, paul d) apenas as palavras 1 e 3.
b) amendoa, ruim, doce
c) taxi, rainha, miudo 12) "Alem do trem, voces tem onibus, taxis e aviões".
d) urubu, item, rubrica
a) 5 acentos
4) Os dois vocábulos de cada alternativa devem ser acentua- b) 4 acentos
dos graficamente, exceto: c) 3 acentos
d) 2 acentos
a) faisca, halito
b) forceps, azaleas 13) Leva acento:
c) ambar, epopeia
d) Pacaembu, higiene a) pêso
b) pôde
5) Assinale o uso correto quanto ao acento diferencial: c) êste
d) tôda
a) O menino nervoso pára de repente.
b) Toda manhã, ela côa o café. 14) Assinale a alternativa em que todos os vocábulos são
c) Gosto de pêra madura. acentuados por serem oxítonos:
d) Preciso pôr as coisas em ordem.
a) paletó, avô, pajé, café, jiló
6) Assinale a forma incorreta quanto à acentuação: b) parabéns, vêm, hífen, saí, oásis
c) você, capilé, Paraná, lápis, régua
a) Eles leem o jornal todos os dias. d) amém, amável, filó, porém, além
b) As meninas têm muitos brinquedos.
c) Os jovens crêem no futuro. 15) Assinale o trecho que apresenta erro de acentuação
d) Sempre que ando de ônibus, eu enjoo. gráfica:

7) Assinale a forma verbal mal acentuada: a. Inequivocamente, estudos sociológicos mostram que, para
ser eficaz, o chicote, anátema da sociedade colonial, não
a) distribuí-los precisava bater sobre as costas de todos os escravos.
b) chamá-la b. A diferença de ótica entre os díspares movimentos que
c) partí-lo reivindicam um mesmo amor à natureza se enraízam para
d) recompô-las além das firulas das discussões político-partidárias.
c. No âmago do famoso santuário, erguido sob a égide dos
8) Assinale a alternativa em que todos os hiatos não preci- conquistadores, repousam enormes caixas cilíndricas de
sam ser acentuados: oração em forma de mantras, onde o novel na fé se purifica.
d. O alvo da diatribe, o fenômeno da reprovação escolar, é
a) raíz, taínha, caírdes uma tolice inaceitável, mesmo em um paradígma de educa-
b) paúl, juízo, ateísmo ção deficitária em relação aos menos favorecidos.
c) juíz, Raúl, balaústre
d) raínha, caída, Avaí 16) Assinale o item em que ocorre erro ortográfico:

9) Assinale a alternativa incorreta quanto à acentuação: a) ele mantém / eles mantêm


b) ele dê / eles deem
a) herói c) ela contém / elas contêm
b) heroico d) ele contém / eles contêem
c) jóia
d) centopeia

10) Uma das palavras abaixo não é proparoxítona, portanto


não pode ter acento.
Aponte-a:

a) ínterim
b) rúbrica
c) ênfase RESPOSTAS
d) ícone 1-B 2-C 3-D 4-D
5-D 6-C 7-C 8-A
9-C 10 - B 11 - D 12 - A
11) Dadas as palavras: 13 - B 14 - A 15 - D 16 - D

1) bênção

– 27 –
Língua Portuguesa
• depois do sim e do não, usados como resposta, no início da
PONTUAÇÃO frase:

— Você vai à escola?


Os sinais de pontuação são recursos utilizados para re- — Sim, vou.
presentar os movimentos rítmicos e melódicos da língua ou
falada. — Não, vou ficar em casa.

Não há critérios rígidos quanto ao seu uso, mas ao em- • para separar palavras e expressões explicativas ou retifica-
pregá-los o texto adquire maior clareza e simplicidade. tivas como por exemplo, ou melhor, isto é, aliás, além disso,
então, etc.
Para Evanildo Bechara, “os sinais de pontuação datam da
época relativamente recente na história da escrita, embora se Eles foram à praia ontem, aliás, anteontem.
possa afirmar uma continuidade de alguns sinais desde os
gregos, latinos e alta Idade Média; constituem hoje peça • para separar termos deslocados de sua posição normal na
fundamental da comunicação e se impõem como objeto de frase:
estudo e aprendizado. Ao lado dos grafemas que “vestem” os
fonemas, os morfemas e as unidades superiores, esses si- De doce, eu gosto.
nais extra-alfabéticos são essencialmente unidades sintáti-
cas, “sinais de oração” e “sinais de palavras”, podendo comu- • para separar elementos paralelos de um provérbio:
tar com unidades alfabéticas e tomar de empréstimo seu
valor. Assim, um apóstrofo indica a supressão de um grafe- Tal pai, tal filho.
ma, uma vírgula uma unidade de coordenação ou de subor-
dinação. Na essência, os sinais de pontuação constituem um
tipo especial de grafema.” A vírgula entre orações

No período composto, emprega-se a vírgula para:


EMPREGO DOS SINAIS DE PONTUAÇÃO
• separar orações coordenadas assindéticas:
1) VÍRGULA ( , )
Foi até a cozinha, bebeu um copo de água, pensou
Geralmente, a vírgula é utilizada para dar uma breve por alguns instantes, acendeu seu cigarro.
pausa na leitura.
• separar orações coordenadas sindéticas, exceto as
iniciadas pela conjunção e, ou e nem:
A vírgula entre os termos de uma oração
Fez o que pôde, pois sentia-se culpado pelo acidente.
Emprega-se a vírgula para:
• isolar as orações subordinadas adjetivas explicativas:
• separar elementos de uma enumeração:
O homem, que é um ser inteligente, também é passível de
Crianças, jovens e velhos manifestaram-se contra a vio- erro.
lência.
• separar as orações subordinadas adverbiais, principalmente
• separar o aposto: quando vêm antepostas à oração principal:

Madalena, aquela moça alegre, possuía uma vida infeliz. Quando as férias chegaram, todos foram para o Nordeste.

• separar o vocativo: • para separar orações reduzidas:

O jantar está servido, senhor! Terminada a aula, os alunos foram dispensados.

• separar o adjunto adverbial antecipado:


Não se usa vírgula entre:
Logo pela manhã, ouviu-se um terrível estrondo.
• o sujeito e o predicado:
Observação: Se o adjunto adverbial viesse no final da frase,
não seria necessário o uso da vírgula. Os alunos da escola formaram uma comissão.
sujeito predicado
• isolar o nome do lugar nas datas:
• o verbo e seus complementos:
São Paulo, 07 de outubro de 2003.
O turista pediu informação ao motorista.
• indicar a omissão de um termo: verbo objeto direto objeto indireto

Todos estavam alegres; eu, muito triste. • o nome e o complemento nominal:

Observação: Neste exemplo, foi omitido o verbo estava. Brincar é uma atividade acessível a todo ser humano.
nome complemento nominal
“. . . eu estava muito triste.”

– 28 –
Língua Portuguesa
• o nome e o adjunto adnominal: • para anunciar uma enumeração:

A claridade da manhã entrava pelas janelas. Os entrevistados do programa serão os seguintes: Jô


nome adjunto adnominal Soares, Marta Suplicy, Antonio Fagundes e Paulo Maluf.

• a oração principal e a subordinada substantiva, desde que • para anunciar um esclarecimento:


não seja apositiva:
Escute bem isto: só se vive bem quando se tem paz.
Espero que você seja feliz.
oração principal oração subordinada substantiva • para anunciar uma citação:

2) PONTO FINAL ( . ) O filósofo Descartes disse: “Penso, logo existo.”


O ponto final é usado para representar a pausa máxima • na invocação das correspondências:
com que se encerra o período.
Prezado amigo:
Emprega-se o ponto final:
• antes de orações apositivas:
• no período simples:
Nós defendemos uma ideia: que todos devem ter
A partida de futebol foi emocionante. acesso à saúde, à segurança e à educação.
• no período composto:
5) PONTO DE INTERROGAÇÃO ( ? )
Não quero que você tenha medo de mim.
O ponto de interrogação é utilizado para marcar as
• nas abreviaturas: orações interrogativas diretas.

d.C. - depois de Cristo Onde estarão os livros que perdi?


V.A. - Vossa Alteza
Av. - avenida Observações:
pl. - plural
a) O ponto de interrogação não é empregado nas perguntas
3) PONTO-E-VÍRGULA ( ; ) indiretas:
Melissa perguntou onde estariam os livros que perdeu.
O ponto-e-vírgula é utilizado para marcar uma pausas
intermediária entre o ponto e a vírgula. b) O ponto de interrogação e o de exclamação podem apare-
cer lado a lado em frases de entonação interrogativa e ex-
Emprega-se o ponto-e-vírgula para: clamativa:
— O senhor outra vez?! Assim não é possível!
• separar orações coordenadas, se uma delas já tiver
vírgula:
6) PONTO DE EXCLAMAÇÃO ( ! )
Fazia muito calor naquela manhã; alguns hóspedes,
pensava eu, tinham ido à piscina. Emprega-se o ponto de exclamação, geralmente, depois
de:
• separar orações coordenadas de sentido oposto:
• frases exclamativas:
As crianças viajarão hoje; os adultos amanhã. Que dia lindo!

• separar itens de uma enumeração, de um regulamento, de • interjeições e onomatopeias:


um decreto, de uma lei, etc. Puxa!
Plim - plim!
Art. 17 - Fica vedado:
I - fumar em local fechado; • verbo no imperativo:
II - ter animais de grande e médio porte; — Venha cá! Apague a luz!
III - usar o pátio para promover festas;
IV - usar o salão de festas para reuniões. • Depois de vocativo:
— Tenha paciência, João!

4) DOIS-PONTOS ( : )
7) RETICÊNCIAS (. . .)
Os dois-pontos são utilizados para marcar uma sensível
suspensão da voz de uma frase não concluída. As reticências são utilizadas para indicar que a frase
Emprega-se os dois-pontos: foi interrompida. Emprega-se as reticências para indicar:

• para anunciar a fala da personagem: • dúvida, hesitação ou surpresa:

O professor ordenou: Eu estava pensando . . . não sei se invisto o dinheiro em


— Façam silêncio! ações ou em imóveis.

– 29 –
Língua Portuguesa
• interrupção da fala do narrador ou da personagem: 10) ASPAS ( “ ” )

— Eu te amo, disse Luísa em voz baixa. Como Alfredo As aspas são utilizadas para isolar do contexto frases ou
não escutou, Luísa ia dizer outra vez: “eu te . . .”, mas foi palavras alheias.
interrompida com a chegada de seu pai.
Empregam-se as aspas:
• supressão de palavras:
• no início e no fim de uma citação:
Samantha parecia impaciente:
— Mamãe, eu quero . . . a senhora sabe . . . eu . . . “Deus, ó Deus! onde estás que não respondes?”
eu quero muito bem a senhora. (Castro Alves)

• ao final de uma frase, que o sentido continua: • nas palavras ou expressões estrangeiras, arcaísmos, neo-
logismos, gírias, etc.
E a vida continua . . .
Fui ao “show” do Roberto Carlos.
8) PARÊNTESES ( ( ) )
O novo cd dos Titãs é “sinistro”!
Os parênteses são usados para intercalar pequenos
comentários que não se encaixam na ordem lógica da frase. • dar ênfase a palavras e expressões:

Empregam-se os parênteses para: Meu irmão não é “isso” que dizem.

• isolar palavras explicativas: • ironizar os termos de uma oração:

A diretora da escola pediu aos alunos que conservassem Havia sempre um “porquê” em tudo que dizia.
a escola, e todos (menos o Carlos) resolveram
ajudar.
11) COLCHETES ( [ ] )
• destacar datas:
Os colchetes são utilizados com a mesma finalidade
Gregório de Matos (1633 - 1695) foi a maior expressão do dos parênteses, principalmente na linguagem científica e
Barroco brasileiro. religiosa.

• isolar frases intercaladas: estrábico. Adj. 1. Relativo ao, ou próprio do estrabismo


(1). 2. Diz-se de indivíduo atacado de estrabismo (1). [Sin.:
O senhor Irineu (que Deus o tenha!) era uma pessoa caolho, vesgo, zarolho.]
arrogante e mal-humorada.

• indicações cênicas (em peças de teatro, roteiros de 12) ASTERISCO ( * )


tevê etc.):
(Entra Ivone desesperada) O asterisco é utilizado para chamar a atenção do leitor
— Onde, onde estão as crianças? para alguma nota (observação), ou para substituir um nome
que não se quer mencionar.
9) TRAVESSÃO ( — )
É usado:
O travessão é usado para indicar com que pessoa do
discurso está a fala. a) para remeter a uma nota ou explicação ao pé da pági-
na ou no fim de um capítulo;
Emprega-se o travessão para:
b) nos dicionários e enciclopédias, para remeter a um
• indicar a mudança do interlocutor no diálogo: verbete;

— Bom dia, José. Como vai? c) no lugar de um nome próprio que não se quer men-
— Bom dia, querida. Eu estou bem. cionar:

• isolar a parte final de um enunciado: O Marquês * * *

Todos nós cometemos erros — erros, às vezes, injustifi-


cáveis. 13) PARÁGRAFO ( § )

• isolar palavras ou frases, usa-se travessão duplo: O parágrafo é utilizado para indicar um item de um
texto ou artigo de lei.
A Chula — dança típica do sul do país — é acompanhada
à sanfona ou violão. Art. 1º. Constituem Princípios Fundamentais de Contabili-
dade (PFC) os enunciados por esta Resolução.
• ligar grupos de palavras que indicam itinerário: § 1º. A observância dos Princípios Fundamentais de
Contabilidade é obrigatória no exercício da profissão e consti-
A rodovia Presidente Dutra é a estrada que liga Rio — tui condição de legitimidade das Normas Brasileiras de Con-
São Paulo. tabilidade (NBC).

– 30 –
Língua Portuguesa
14) CHAVE ( { ) OU CHAVES ( { } ) 5) Assinale a alternativa que preencha as lacunas da frase
abaixo:
A chave é utilizada para dividir um assunto. As chaves Marisa pensativa retrucou ..... ..... Não sei se devo .... meu
são muito empregadas em matemática. amor .... confiar tanto em você ....

(Mack / 92) - Sejam os conjuntos a) dois-pontos, vírgula, vírgula, ponto-e-vírgula, ponto


A = {x | x é múltiplo de 7} e 9 = {x 0 ù |12 < x < 864}. b) dois-pontos, travessão, vírgula, vírgula, ponto
Então o número de elementos de A 1 B é: c) travessão, aspas, vírgula, vírgula, ponto
a) 78 b) 100 c) 122 d) 146 e) 166 d) aspas, dois-pontos, ponto-e-vírgula, vírgula, ponto
Resposta: Alternativa c. e) ponto, aspas, aspas, vírgula, ponto

15) BARRA ( / ) 6) As frases abaixo estão corretas quanto à sua justificativa,


exceto:
A barra é muito utilizada nas abreviações das datas
e em algumas abreviaturas. a) Não sei se vou ..... se vou ..... se vou falar com ela (as
reticências indicam uma supressão de ideias).
01 / 06 / 94 b) Se decidirmos agora ..... (as reticências indicam que a
A/C - ao(s) cuidado(s) frase continua)
c) — Como vou saber ..... já não tenho mais a mesma autori-
EXERCÍCIOS dade (as reticências indicam a interrupção na fala da perso-
nagem)
1) Assinale a alternativa corretamente pontuada: d) — Tenha muito cuidado ..... meu filho! (as reticências são
usadas antes do vocativo)
a) Hoje, em dia, através do avanço da medicina, muitas do- e) Eu tenho pensado .... não tenho mais tanta certeza que fiz
enças têm cura. a coisa correta (as reticências são usadas para indicar dúvi-
b) Hoje em dia através do avanço da medicina, muitas doen- da)
ças, têm cura.
c) Hoje em dia, através do avanço da medicina, muitas doen- 7) Observe a oração:
ças têm cura. “No verão, é comum as pessoas permanecerem nas ruas
d) Hoje em dia, através do avanço da medicina muitas doen- por mais tempo”. Assinale a alternativa correta quanto ao uso
ças têm cura. da vírgula:
e) Hoje, em dia através do, avanço da medicina, muitas do-
enças, têm cura. a) separar o aposto
b) separar palavra explicativa
c) separar o adjunto adverbial antecipado
2) Observe as frases: d) separar o vocativo
e) separar elementos de uma enumeração
I - Mamãe sempre dizia: “Cuidado com os falsos
amigos.” 8) Aponte a oração incorretamente pontuada:
II - Terminado o discurso, o governador retirou-se.
III - Espero, que você alcance seus objetivos. a) São Paulo 25 de janeiro de 2002.
Verificamos que está (estão) corretamente pontuada(s): b) Terminado o trabalho, vá descansar.
c) O meu cachorro tem “pedigree”.
a) apenas a I d) Durante o dia, faz muito calor; à noite frio.
b) apenas a II e) Maria, irmã de Renata, sofreu um grave acidente.
c) apenas a I e a II
d) apenas a III 9) Assinale a pontuação correta:
e) apenas a II e III
a) Sabe, querida quem é o vencedor.
b) Sabe querida; quem é, o vencedor?
3) “Naquele momento só desejava uma coisa: que Alberto c) Sabe querida; quem é o vencedor?
retornasse o mais breve possível.” d) Sabe, querida, quem é o vencedor!
e) Sabe, querida, quem é o vencedor?
Assinale a alternativa correta:
10) Aponte a alternativa que preencha as lacunas da
a) Os dois-pontos antecipam um desejo do autor. frase abaixo:
b) Os dois-pontos anunciam uma citação. Estela ..... todo dia ..... segue a mesma rotina .....
c) Os dois-pontos anunciam a fala da personagem. trabalhar ..... fazer “jazz” ..... ter aulas de inglês e encontrar
d) Os dois-pontos anunciam uma oração apositiva. seu namorado .....
e) Os dois-pontos anunciam e introduzem um esclarecimento.
a) vírgula, vírgula, aspas, ponto-e-vírgula, vírgula, vírgula
b) vírgula, ponto-e-vírgula, parênteses, vírgula, vírgula, parên-
4) Aponte a frase corretamente pontuada: teses
c) vírgula, vírgula, dois-pontos, vírgula, vírgula, ponto
a) Nós, isto é, Geraldo e eu, resolveremos o problema. d) vírgula, vírgula, vírgula, vírgula, vírgula, ponto
b) Nós, isto é Geraldo e eu, resolveremos o problema. e) vírgula, ponto-e-vírgula, vírgula, vírgula, vírgula, ponto
c) Nós, isto é, Geraldo e eu resolveremos o problema.
d) Nós isto é, Geraldo e eu resolveremos o problema. RESPOSTAS
e) Nós isto é, Geraldo, e eu, resolveremos o problema. 1-C 2-C 3-E 4-A 5-B
6-D 7-C 8-A 9-E 10 - C

– 31 –
Língua Portuguesa
7) Primitivo: é o substantivo que foi criado antes de outros
3. CATEGORIAS GRAMATICAIS: no uso corrente da língua: livro, pedra, dente, flor.
FUNCIONALIDADE NO TEXTO
8) Derivado: é o substantivo que foi criado depois de outro
no uso corrente da língua: livreiro, pedreiro, dentista, florista.
MORFOLOGIA
9) Coletivo: é o substantivo que representa um conjunto de
Morfologia (do grego morphê = forma + logia = estudo) é seres da mesma espécie: álbum, esquadrilha.
a parte da gramática que estuda a palavra em si:

a) quanto à sua classificação; Alguns coletivos mais comuns:


b) quanto às suas flexões; e
c) quanto à sua estrutura e formação.
Grupos de pessoas

CLASSES DE PALAVRAS
assembleia: de pessoas reunidas, de parlamentares
associação: de sócios
As palavras de nossa língua distribuem-se nas seguintes auditório: de ouvintes
classes: substantivo, adjetivo, artigo, numeral, pronome, banca: de examinadores
verbo, advérbio, preposição, conjunção e interjeição. banda: de músicos
bando: de desordeiros, malfeitores
batalhão: de soldados
PALAVRAS VARIÁVEIS cabido: de cônegos
câmara: de vereadores, parlamentares (oficialmente reuni-
Os substantivos, os adjetivos, os artigos, os numerais, os dos)
pronomes e os verbos flexionam-se, isto é, podem apresentar camarilha: de bajuladores
cambada: de desordeiros
modificações na forma, para exprimir os acidentes gramati- caravana: de viajantes, peregrinos
cais de gênero, número, grau, pessoa, etc. caterva: de desordeiros, malfeitores
choldra: assassinos, malfeitores
São, portanto, palavras variáveis ou flexivas. chusma: de pessoas em geral, de criados
claque: de pessoas pagas para aplaudir
clero: de religiosos
PALAVRAS INVARIÁVEIS colônia: de imigrantes, migrantes
comitiva: de acompanhantes
Os advérbios, as preposições, as conjunções e as inter- coorte: de pessoas armadas
jeições têm uma só forma, rígida, imutável. corja: de ladrões, malfeitores
corpo: de eleitores, alunos, jurados
corpo docente: de professores
São, por conseguinte, palavras invariáveis ou inflexivas. coro: de cantores
elenco: de atores de uma peça, filme etc.
exército: de soldados
SUBSTANTIVO falange: tropas, anjos, heróis
filarmônica: de músicos (sociedade musical)
Substantivo é a palavra que dá nome às pessoas, ani- grêmio: de estudantes
mais, lugares, coisas ou seres em geral. Divide-se em: guarnição: de soldados (que guarnecem um lugar)
horda: bandidos, invasores
1) Comum: é o substantivo que dá nome a todos os seres da hoste: de soldados (inimigos)
irmandade: de membros de associação religiosa
mesma espécie: aluno, animal, vegetal, homem.
junta: de médicos, examinadores
júri: de jurados
2) Próprio: é o substantivo que dá nome a um ser da mesma legião: de soldados, anjos, demônios
espécie: Júlia, Brasil, Copacabana, Tatuapé. leva: de presos, recrutas
malta: de malfeitores, desordeiros
3) Concreto: é o substantivo que designa seres de existência multidão: de pessoas em geral
real ou que a imaginação representa: mulher, pedra, Deus, orquestra: de músicos
fada, lobisomem. pelotão: de soldados
piquete: de grevistas
4) Abstrato: é o substantivo que designa qualidade ou sen- plantel: de atletas
plateia: de espectadores
timento, ação e estado dos seres, dos quais se podem abs-
plêiade: de poetas, artistas
trair (separar) e sem os quais não poderiam existir: beleza, população: de habitantes
coragem, brancura (qualidades), viagem, estudo, doação, prole: de filhos
esforço, fuga (ações), amor, saudade, alegria, dor, fome quadrilha: ladrões, malfeitores
(sentimentos, sensações), vida, morte, cegueira, doença roda: de pessoas em geral
(estados). romaria: de peregrinos
ronda: de policiais em patrulha
5) Simples: é o substantivo formado por um só elemento súcia: de desordeiros, marinheiros
(radical): discos, flor, vitrola, couve. tertúlia: de amigos, intelectuais
tribo (nação): de índios
6) Composto: é o substantivo formado por mais de um ele- tripulação: de marinheiros, aeroviários
tropa: de soldados, pessoas
mento: couve-flor, guarda-chuva, pingue-pongue, pé de mo- turma: de estudantes, trabalhadores, pessoas em geral
leque, passatempo.

– 32 –
Língua Portuguesa
Grupos de animais ou vegetais Todavia, os processos de formação são bem variados:
alcateia: de lobos Masculino Feminino Masculino Feminino
bando: de aves alfaiate costureira doutor doutora
boiada: de bois anão anã cavaleiro amazona
buquê: de flores aviador aviadora cavalheiro dama
cacho: de uvas, bananas avô avó compadre comadre
cáfila: de camelos bode cabra cônsul consulesa
cardume: de peixes frade freira hóspede hóspeda
frei sóror oficial oficiala
colmeia: de abelhas genro nora judeu judia
colônia: de bactérias, formigas, cupins gigante giganta ateu ateia
enxame: de abelhas, insetos herói heroína hebreu hebreia
fato: de cabras juiz juíza profeta profetisa
fauna: de animais próprios de uma região maestro maestrina réu ré
feixe: de lenha, capim
flora: de vegetais próprios de uma região
junta: de bois
Substantivos que merecem destaque quanto ao gênero:
manada: de animais de grande porte
matilha: de cães
ninhada: de filhotes de animais Masculino Feminino
nuvem: de insetos (gafanhotos, mosquitos, etc) o apêndice a aguardente
panapaná: de borboletas
ramalhete: de flores o bólido a alface
rebanho: de gado o champanha a apendicite
récua: animais de carga
o clã a aluvião
réstia: de alho ou cebola
o dó a bólide
revoada: de pássaros
o eclipse a cal
tropilha: de cavalos
vara: de porcos o eczema a cataplasma

o estratagema a cólera
o formicida a comichão
Outros grupos o gengibre a derme
o guaraná a dinamite
acervo: de obras de arte o lança-perfume a elipse
alameda: de árvores (em linha) o magma a entorse
alfabeto: de letras
o milhar a gênese
antologia: de textos literários ou científicos
o proclama a libido
armada: de navios de guerra
arquipélago: de ilhas o saca-rolhas a matinê
arsenal: de armas, munições o sósia a omelete
atlas: de mapas o teorema a omoplata
baixela: de objetos de mesa o trema a sentinela
bateria: peças de guerra ou de cozinha; instrumentos de
percussão Substantivos que admitem os dois gêneros
biblioteca: de livros catalogados
cinemateca: de filmes o ágape ou a ágape
constelação: de estrelas o caudal ou a caudal
cordilheira: de montanhas o diabete(s) ou a diabete(s)
enxoval: de roupas o laringe ou a laringe
esquadra: de navios de guerra o personagem ou a personagem
esquadrilha: de aviões o usucapião ou a usucapião
federação: de estados
frota: de navios, aviões, veículos
galeria: de estátuas, quadros Substantivos com mudança de sentido na mudança
girândola: de fogos de artifício de gênero
hemeroteca: de jornais e revistas arquivados
molho: de chaves Há substantivos que são masculinos ou femininos, con-
pinacoteca: de quadros forme o sentido com que se achem empregados.
trouxa: de roupas
vocabulário: de palavras Masculino Feminino
xiloteca: de amostras de espécie de madeira para estudo e o águia: pessoa de grande inteli- a águia: ave de rapina
pesquisa gência ou sutileza.
o cabeça: chefe, líder a cabeça: parte do corpo
o capital: dinheiro a capital: cidade principal
GÊNERO DOS SUBSTANTIVOS o caixa: pessoa que trabalha em tal a caixa: objeto
seção.
Gênero é a propriedade que as palavras têm de indicar o o cisma: separação a cisma: ideia fixa, desconfi-
sexo real ou fictício dos seres. Na língua portuguesa são dois ança
o cura: padre a cura: restabelecimento
os gêneros: o masculino e o feminino. o estepe: pneu reserva a estepe: planície de vegeta-
ção herbácea.
FORMAÇÃO DO FEMININO o grama: unidade de massa a grama: relva
o guarda: vigilante a guarda: vigilância
De modo geral, forma-se o feminino substituindo-se a o guia: pessoa que orienta a guia: documento
o lente: professor a lente: o disco de vidro
desinência "o" pela desinência "a": menino, menina; gato, o lotação: veículo a lotação: capacidade
gata. o moral: ânimo a moral:ética
o rádio: aparelho a rádio: estação

– 33 –
Língua Portuguesa
SUBSTANTIVOS UNIFORMES PLURAL DOS SUBSTANTIVOS COMPOSTOS

São aqueles que apresentam uma única forma para o Existem quatro hipóteses:
masculino e feminino.
1ª) Pluralizam-se os dois elementos formados por:
1) Epicenos: designam o sexo de certos animais com o auxí-
lio dos adjetivos macho e fêmea: o jacaré (macho ou fêmea); – substantivo + substantivo: couve-flor, couves-flores.
o tigre (macho ou fêmea); a pulga (macho ou fêmea). – substantivo + adjetivo: amor-perfeito, amores-perfeitos.
– adjetivo + substantivo: bom-dia, bons-dias.
2) Sobrecomuns: designam pessoas com uma forma única – numeral + substantivo: segunda-feira, segundas-feiras.
para o masculino e feminino:
o cadáver (homem ou mulher); a vítima (homem ou mulher); 2ª) Apenas o segundo elemento varia:
o cônjuge (homem ou mulher); a criança (menino ou menina).
– verbo + substantivo: guarda-roupa, guarda-roupas.
3) Comuns de dois gêneros: sob uma só forma designam – palavra invariável ou prefixo + palavra invariável: sempre-
os indivíduos dos dois sexos, sendo auxiliados pelo artigo, viva, sempre-vivas; ex-diretor, ex-diretores.
adjetivo ou pronome: – palavras repetidas: reco-reco, reco-recos.
o colega, a colega; artista famoso, artista famosa; esse
pianista, essa pianista; o repórter, a repórter. 3ª) Apenas o primeiro elemento varia:

NÚMERO DOS SUBSTANTIVOS – com preposição expressa: pé de moleque, pés de moleque;


mão de obra, mãos de obra.
Em português, há dois números gramaticais: o singular, – quando o segundo elemento indica finalidade ou semelhan-
que indica um ser ou um grupo de seres: ave, bando; e o ça do primeiro: sofá-cama, sofás-cama; peixe-boi, peixes-boi.
plural, que indica mais de um ser ou um grupo de seres:
aves, bandos. Os substantivos flexionam-se no plural con- 4ª) Os dois elementos ficam invariáveis:
forme as regras:
– verbo + advérbio: o bota-fora, os bota-fora.
1ª) Pelo acréscimo no plural de "s", o que se dá se o subs- – verbo + substantivo no plural: o saca-rolhas, os saca-rolhas.
tantivo terminar em vogal ou ditongo oral: asa, asas; táxi,
táxis; tubo, tubos; baú, baús; véu, véus.
OBSERVAÇÕES:
2ª) Pelo acréscimo de "es" ao singular nos terminados em
"r" ou "z": colher, colheres; dólar, dólares; amor, amores; a) A palavra "guarda" pode ser substantivo ou verbo: quando
cruz, cruzes; giz, gizes. é verbo (verbo guardar), fica invariável; quando é substantivo
(o homem que guarda), vai para o plural.
3ª) Os substantivos terminados em "al", "el", "ol", "ul" plu-
ralizam-se trocando o "l" final por "is": jornal, jornais; anel, verbo substantivo
anéis; anzol, anzóis; azul , azuis; álcool, alcoóis. os guarda – chuvas
os guarda – comidas
4ª) Os terminados em "il" admitem duas formas: os guarda – sóis

– os oxítonos mudam "il" em "is": barril, barris; funil, funis; substantivo adjetivo
– os paroxítonos mudam "il" para "eis": fóssil, fósseis; réptil, os guardas – florestais
répteis. os guardas – civis
os guardas – noturnos
5ª) Os terminados em "m" trocam esta letra por "ns": nuvem,
nuvens; fim, fins. b) Palavras compostas com a palavra "grão"

6ª) Os terminados em "s" monossílabos ou oxítonos formam – a palavra "grão" vai para o plural quando indica grânulo, a
o plural acrescentando-se "es": inglês, ingleses; lilás, lilases; unidade: grãos de bico.
gás, gases.
– a palavra "grão" fica no singular quando significa grande:
7ª) Os terminados em "s" paroxítonos ou proparoxítonos são os grão-duques, as grã-duquesas.
invariáveis: o lápis, os lápis; o atlas, os atlas; o ônibus, os
ônibus. c) Plural de substantivos diminutivos:

8ª) Os terminados em "x" são invariáveis: o tórax, os tórax; o – O plural dos terminados em "zinho" ou em "zito" se faz
fênix, os fênix. flexionando-se o substantivo primitivo, retirando-se o "s" final
e acrescentando-se "zinhos" ou "zitos".
9ª) Os terminados em "ão" admitem três hipóteses:
Exemplos: papelzinho / papéi(s) / papeizinhos; limãozito /
a) uns formam o plural com o acréscimo de "s": mão, mãos; limõe(s) / limõezitos.
bênção, bênçãos; órgão, órgãos; irmão, irmãos.
– Os substantivos terminados em "r" fazem o plural de duas
b) outros, mais numerosos, mudam "ão" em "ões": limão, maneiras:
limões; portão, portões; balão, balões; melão, melões.
florzinha / flore(s) / florezinhas;
c) outros, enfim, trocam "ão" por "ães": pão, pães; cão, florzinha / florzinhas.
cães; aldeão, aldeães; sacristão, sacristães.

– 34 –
Língua Portuguesa
GRAU DOS SUBSTANTIVOS 3) A alternativa em que o plural dos nomes compostos está
empregado corretamente é:
Grau dos substantivos é a propriedade que essas pala-
vras têm de exprimir as variações de tamanho dos seres. a) pé de moleques/ beija-flores/ obras-primas/ navios-escolas.
b) pés de moleques/ beija-flores/ obras-primas/ navios-escolas.
São dois os graus do substantivo: aumentativo e diminuti- c) pés de moleque/ beija-flores/ obras-primas/ navios-escola.
vo. d) pé de moleques/ beijas-flores/ obras-primas/ navios-escola.
e) pés de moleque/ beijas-flores/ obra-primas/ navio-escolas.
1) Aumentativo: forma-se com os sufixos aço, alha, arra,
4) O plural dos nomes compostos está correto em todas as
ázio, ona, ão, az, etc.: garrafão, papelão, cartaz (carta), la-
alternativas, exceto em:
dravaz (ladrão), lobaz (lobo), ricaço, balaço, barcaça, mulhe-
raça, vidraça, dramalhão (drama), vagalhão (vaga), balázio
a) Ela gosta de amores-perfeitos e cultiva-os.
(bala), copázio (copo), pratázio (prato), beiçorra (beiço), ca-
b) Os vice-diretores reunir-se-ão na próxima semana.
beçorra (cabeça), manzorra (mão), vozeirão (voz), homenzar-
c) As aulas serão dadas às segundas-feiras.
rão, canzarrão, bocarra (boca), naviarra (navio).
d) Há muitos beijas-flores no meu quintal.
e) Há vários cafés-concerto nesta avenida.
2) Diminutivo: forma-se com os sufixos acho, ebre, eco,
5) Assinale a alternativa em que o substantivo composto não
ico, inho, ito, ejo, etc.: mosquito, cabrito, senhorita, fogacho
esteja corretamente flexionado no plural.
(fogo), riacho, populacho, penacho (pena), animálculo (ani-
mal), febríola (febre), gotícula (gota), versículo (verso), montí-
a) Aqui, os pés de vento levantam telhados.
culo (monte), partícula (parte), radícula (raiz), glóbulo (globo),
b) Há tempo eu não via bem-te-vis de pele e osso.
célula (cela), animalejo, lugarejo, vilarejo, ilhota, fortim (forte),
espadim (espada), camarim (câmara), casebre (casa). c) Dois tecos-tecos sobrevoam o local do acidente.
d) Nos vaivéns da burocracia, foi-se o meu precioso tempo.
Observação: O diminutivo pode exprimir carinho ou despre-
zo. (carinho: filhinho, mãezinha. desprezo: padreco, jorna- e) Não aguento mais os entra e sai nesta casa.
leco, lugarejo)
6) Assinale a alternativa incorreta quanto ao gênero das pala-
vras.
O grau aumentativo exprime um aumento do ser relativa-
mente ao seu tamanho normal. Pode ser formado sintética ou
analiticamente. a) A ordenança teve seu salário diminuído.
b) O lança-perfume foi proibido no Carnaval.
1º) Aumentativo sintético: forma-se com sufixos especiais: c) Apesar da ameaça, não explodiram o dinamite.
copázio (copo), barcaça (barca), muralha (muro). d) O eclipse da Lua era esperado com muito interesse.
e) O champanha está quente.
2º) Aumentativo analítico: forma-se com o auxílio do adjeti-
7) O diminutivo de balão é balãozinho. Mas o plural de balão-
vo grande, e de outros do mesmo sentido: letra grande, pe-
dra enorme, estátua colossal. zinho deve ser:

O grau diminutivo exprime um ser com seu tamanho nor- a) balãozinhos d) balõeszinhos
mal diminuído. Pode ser formado sintética ou analiticamente. b) balãoszinhos e) balõeszinho
c) balõezinhos
1º) Diminutivo sintético: forma-se com sufixos especiais:
casebre (casa), livreco (livro), saleta (sala). 8) Assinale a alternativa em que os substantivos obedecem à
sequencia sobrecomuns, comuns de dois, epicenos:
2º) Diminutivo analítico: forma-se com o adjetivo pequeno,
ou outros equivalentes: chave pequena, casa pequenina, a) indivíduo – cônjuge – tigre
semente minúscula. b) mártir – pessoa – avestruz
c) carrasco – monstro – cobra
d) vítima – jovem – onça
e) dentista – carrasco – jacaré
EXERCÍCIOS
9) Assinale a oração em que o diminutivo expressa ideia
1) Assinale a alternativa que apresenta os substantivos clas-
sificados como comuns de dois gêneros. pejorativa:

a) o lojista, o herege, o mártir, o intérprete a) Meu filhinho, você está com fome?
b) o apóstolo, o carrasco, o cônjuge, a criança b) Ele é um empregadinho sem futuro.
c) o tatu, a girafa, a tainha, a avestruz c) O palacete deles fica no Morumbi.
d) o patriarca, o frade, o confrade, o carneiro d) O presente ficará mais bonito com fitilho.
e) o ente, a testemunha, o cônjuge, a testemunha e) Não fique triste, meu amiguinho.

10) Apenas um substantivo possui uma forma no plural:


2) Assinale a alternativa em que as formas do plural de todos
os substantivos se apresentam de maneira correta:
a) ancião c) vilão e) cidadão
a) alto-falantes, coraçãozinhos, afazeres, víveres. b) corrimão d) elefante
b) espadas, frutas-pão, pé de moleques, peixe-boi.
c) vai-volta, animaizinhos, beija-flores, salvo-condutos.
RESPOSTAS
d) animalzinhos, vai-voltas, vai-véns, salvos-condutos.
1-A 2-C 3-C 4-D 5-C
e) bates-bolas, cavalos-vapores, bens-te-vis, vices-reis. 6-C 7-C 8-D 9-B 10 - E

– 35 –
Língua Portuguesa
ADJETIVO FORMAÇÃO DO ADJETIVO

São palavras que indicam qualidade, propriedade ou Quanto à formação, o adjetivo pode ser:
estado do ser.
1) Primitivo (o que não deriva de outra palavra): bom, forte,
Exemplo: Meu caderno novo já está sujo. feliz.

“O adjetivo pertence a um inventário aberto, sempre sus- 2) Derivado (o que deriva de substantivos ou verbos): famo-
cetível de ser aumentado. A estrutura interna ou constitucio- so, carnavalesco.
nal do adjetivo consiste nas línguas flexíveis, na combinação
de um signo lexical expresso pelo radical com signos morfo- 3) Simples: brasileiro, escuro, etc.
lógicos expressos por desinências e alternâncias, ambas
destituídas de existência própria fora dessas combinações. 4) Composto: castanho-claro, azul-marinho.
No português, entre as desinências está a marca da grada-
ção, isto é, o grau absoluto ou relativo da parte, ou aspecto FLEXÃO DO ADJETIVO
(“qualidade”) significada no radical. (belo-belíssimo), bem
como afixos de gênero e de número. A relação gramatical O adjetivo varia em gênero, número e grau.
instaurada entre o signo delimitador e o signo delimitado é
geralmente expressa pela ‘concordância’.” Evanildo Bechara GÊNERO DO ADJETIVO

O adjetivo pode ser expresso através de duas palavras: é Quanto ao gênero, dividem-se os adjetivos em:
o que se chama de locução adjetiva.
1) Uniformes: aqueles que têm uma só forma para os dois
Locução adjetiva Adjetivo gêneros: mesa azul, olho azul.
de abdômen abdominal
de abelha apícola 2) Biformes: apresentam duas formas, uma para o masculi-
de açúcar sacarino no, outra para o feminino: mau – má, esperto – esperta, ativo
de agricultor agrícola
– ativa, ateu – ateia.
de água aquático, hidráulico
de aluno discente
de anjo angelical NÚMERO DO ADJETIVO
de bexiga cístico, vesical
de cabeça cefálico Os adjetivos simples seguem as mesmas regras de flexão
de calor térmico numérica dos substantivos: igual - iguais, azul - azuis, feroz -
de cônjuge conjugal ferozes.
de corpo corporal, corpóreo
de costas dorsal
PLURAL DOS ADJETIVOS COMPOSTOS
de ensino didático
de estômago estomacal, gástrico
de febre febril 1º) Os componentes sendo adjetivos, somente o último toma
de filho filial a flexão do plural: tecido verde-claro, tecidos verde-claros;
de gelo glacial cabelo castanho-escuro, cabelos castanho-escuros.
de homem humano
de irmão fraternal, fraterno 2º) Os componentes sendo palavra invariável + adjetivo,
de lago lacustre somente este último se flexionará: menino mal-educado,
de leite lácteo, láctico
meninos mal-educados.
de mãe materno, maternal
de pele cutâneo
de sangue hemático, sanguíneo 3º) Os compostos de adjetivo + substantivo são invariáveis:
de tórax torácico farda verde-oliva, fardas verde-oliva; terno amarelo-canário,
de voz vocal ternos amarelo-canário.

4º) Invariáveis ficam também as locuções adjetivas formadas


ADJETIVOS PÁTRIOS de cor + substantivo: vestido cor-de-rosa, vestidos cor-de-
rosa.
Designam nacionalidade ou lugar de origem de alguém ou
de alguma coisa:
GRAU DO ADJETIVO
Brasil - brasileiro
Acre - acreano O grau do adjetivo exprime a intensidade das qualidades
Alagoas - alagoano dos seres. São dois os graus do adjetivo: o comparativo e o
Amazonas - amazonense superlativo.
Bahia - baiano
Espírito Santo - espírito-santense O grau comparativo pode ser:
Rio Grande do Norte - norte-rio-grandense
João Pessoa - pessoense 1º) De Igualdade:
Salvador - soteropolitano ou salvadorense A casa é tão antiga quanto o homem.
Belo Horizonte - belorizontino
Niterói - niteroiense 2º) De Superioridade:
São Paulo (capital) – paulistano A casa é mais antiga do que o homem.
São Paulo (estado) – paulista
Rio de Janeiro (capital) – carioca 3º) De Inferioridade:
Rio de Janeiro (estado) – fluminense A casa é menos antiga do que o homem.

– 36 –
Língua Portuguesa
Alguns adjetivos possuem, para o comparativo de superi- legal. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .legalíssimo
oridade, formas sintéticas, herdadas do latim. São elas: bom - livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. libérrimo
melhor, mau - pior, grande - maior, pequeno - menor. magro . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... macérrimo
mal. . . . . . . . . . . . . . . . . .malíssimo, péssimo
O grau superlativo divide-se em: negro . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . . nigérrimo
nobre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . nobilíssimo
1º) Absoluto: pequeno . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . mínimo
pobre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . paupérrimo
a) Analítico: provável . . . . . . . . . . . . . . . . .. probabilíssimo
A menina é muito bela. sábio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. sapientíssimo
sagrado . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . sacratíssimo
b) Sintético: simples . . . . . . . . . . . . . . . . ... . simplicíssimo
A menina é belíssima. terrível . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . terribilíssimo
veloz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . .velocíssimo
2º) Relativo:
EXERCÍCIOS
a) De Superioridade:
1) Analise o grau do adjetivo grifado nas frases que seguem,
– Analítico: de acordo com o seguinte código:
João é o mais alto de todos.
1 - comparativo de igualdade
– Sintético: 2 - comparativo de superioridade
Este monte é o maior de todos. 3 - comparativo de inferioridade
4 - superlativo absoluto
b) De Inferioridade: 5 - superlativo relativo
João é o menos rápido de todos.
a) ( ) E a vida seguia muito calma.
O grau superlativo exprime uma qualidade no mais alto b) ( ) Foi a mais alta demonstração de amor.
grau de intensidade possível. Pode ser relativo ou absoluto. c) ( ) Livre-nos Deus dessa misérrima condição.
d) ( ) A vida é mais breve do que a morte.
O superlativo relativo indica que entre os seres que pos- e) ( ) O lazer é tão importante quanto o trabalho.
suem determinada qualidade, há um que a possui num grau f) ( ) Ele foi menos delicado do que eu.
inexcedível.
2) Assinale a oração em que o termo cego(s) é um adjetivo.
O superlativo absoluto isola o ser qualificado no seu mais
alto e intenso grau possível, podendo assumir a forma sintéti- a) "Os cegos, habitantes de um mundo esquemático, sabem
ca ou analítica. aonde ir..."
b) "O cego de Ipanema representava naquele momento todas
O superlativo absoluto sintético dá-se por meio dos se- as alegorias da noite escura da alma..."
guintes sufixos: íssimo, imo e rimo. c) "Todos os cálculos do cego se desfaziam na turbulência do
álcool."
O superlativo absoluto analítico dá-se por meio de advér- d) "Naquele instante era só um pobre cego."
bios de intensidade que precedem o adjetivo. e) "... da Terra que é um globo cego girando no caos."

Alguns adjetivos possuem formas literárias, cultas, de 3) Não se flexionam os compostos abaixo, em qualquer de
superlativo absoluto sintético: seus elementos, exceto:

acre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . acérrimo a) azul-claro


agudo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... acutíssimo b) verde-alface
amargo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . amaríssimo c) amarelo-laranja
amigo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. amicíssimo d) castanho-avelã
áspero . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . aspérrimo e) verde-garrafa
célebre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . celebérrimo
comum . . . . . . . . . . . . . . . . . . . comuníssimo 4) O adjetivo está mal flexionado em grau em:
cristão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . cristianíssimo
cruel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. crudelíssimo a) livre: libérrimo
difícil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . . dificílimo b) magro: macérrimo
doce . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .dulcíssimo c) doce: docílimo
dócil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . docílimo d) triste: tristíssimo
fácil . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . . facílimo e) fácil: facílimo
feio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. . feiíssimo
feliz . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. felicíssimo 5) Assinale a única alternativa em que se encontram as for-
feroz. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .ferocíssimo mas corretas do superlativo erudito dos adjetivos soberbo,
fiel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .. fidelíssimo malévolo e magro.
frágil. . . . . . . . . . . . . . .. .fragílimo, fragilíssimo
frio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... frigidíssimo a) soberbíssimo / malevolíssimo / magérrimo
grande . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . . . máximo b) magríssimo / maleovolérrimo / soberbílimo
humilde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . ... . . humílimo c) superbíssimo / malevolentíssimo / macérrimo
incrível . . . . . . . . . . . . . . . . .... incredibilíssimo d) soberbérrimo / magrílimo / malevolentérrimo
inimigo. . . . . . . . . . . . . . . . . . .... . .inimicíssimo e) magérrimo / superbérrimo / malevolentíssimo

– 37 –
Língua Portuguesa
6) Marque: ARTIGO

a) se I e II forem verdadeiras. Artigo é uma palavra que antepomos aos substantivos


b) se I e III forem verdadeiras. para determiná-los; indica-se ao mesmo tempo gênero e
c) se II e III forem verdadeiras. número.
d) se todas forem falsas.
Dividem-se os artigos em:
"... eu não sou propriamente um autor defunto, mas um de-
funto autor." definidos: o, a, os, as
indefinidos: um, uma, uns, umas.
I. no primeiro caso, autor é substantivo; defunto é adjetivo.
II. no segundo caso, defunto é substantivo; autor é adjetivo. Os definidos determinam os substantivos de modo preci-
III. em ambos os casos, tem-se um substantivo composto. so, particular: Viajei com o médico.

Os indefinidos determinam os substantivos de modo


7) Substitua as locuções adjetivas pelo adjetivo correspon- vago, impreciso, geral: Viajei com um médico.
dente.
FLEXÃO DO ARTIGO
a) chuvas de verão
b) voz de prata O artigo se flexiona em gênero e número:
c) hábitos contra a moral
d) questão sem dúvida Combinações dos artigos:
e) plantas do lago
f) regime de chuva artigo preposições
g) astúcia de raposa definido a de em por(per)
h) congresso de bispos o ao do no pelo
i) cor de chumbo a à da na pela
os aos dos nos pelos
as às das nas pelas
8) A locução adjetiva correspondente a cístico é:

a) de cabeça artigo preposições


b) de estômago indefinido em de
c) de açúcar um num dum
d) de bexiga uma numa duma
uns nuns duns
9) Aponte a alternativa que possua um adjetivo biforme e um umas numas dumas
adjetivo uniforme respectivamente:
Particularidades
a) interior - hipócrita
b) cru - europeu • O artigo transforma qualquer palavra em substantivo.
c) são - audaz
d) paulista - mau o pobre (adjetivo = pobre)

palavra substantivada
10) Assinale a alternativa incorreta quanto à formação do
plural dos adjetivos compostos: o sim (advérbio = sim)

a) moças surdas-mudas palavra substantivada
b) saias azuis-celestes
c) ternos verde-oliva • O artigo distingue os homônimos e define o seu significado:
d) tecidos furta-cor
o caixa (pessoa) a caixa (objeto)
11) Aponte a alternativa correta:

a) O adjetivo formado por cor + de + substantivo não recebe EMPREGO DO ARTIGO


s no plural.
b) A palavra ultravioleta é variável. 1ª) Ambas as mãos.
c) O plural de azul-marinho é azul-marinhos.
d) O adjetivo marrom-café é variável, acrescentasse s nos Usa-se o artigo entre o numeral ambas e o substantivo.
dois elementos.
Exemplo: Ambas as mãos são perfeitas.

RESPOSTAS 2ª) Estou em Paris / Estou na famosa Paris.


1 – a) 4; b) 5; c) 4; d) 2; e) 1; f) 3
2-E 3-A 4-C 5-C 6-A Não se usa artigo antes dos nomes de cidades, a menos
7 – a) estivais; b) argêntea; c) imorais; que venham determinados por adjetivos ou locuções adjeti-
d) indubitáveis; e) lacustres; f) pluvial; vas.
g) vulpina; h) episcopal; i) plúmbea.
8-D 9-C 10 - B 11 - A Exemplo: Vim de Paris. Vim da luminosa Paris.

– 38 –
Língua Portuguesa
– Mas com alguns nomes de cidades conservamos Os artigos definidos e indefinidos contraem-se com pre-
o artigo. posições: de + o = do, de + a = da, etc.

Exemplos: As formas de + um e em + um podem-se usar contraídas


O Rio de Janeiro, O Cairo, O Porto. (dum e num) ou separadas (de um, em um).

Obs.: Pode ou não ocorrer crase antes dos nomes de cidade, Exemplos: Estava em uma cidade grande. ou
conforme venham ou não precedidos de artigo. Estava numa cidade grande.

Exemplo: Vou a Paris. EXERCÍCIOS


Vou à Paris dos museus.
1) Coloque o artigo nos espaços vazios conforme o termo
3ª) Toda cidade / toda a cidade. subsequente o aceite ou não. Quando necessário, faça a
contração de preposição com o artigo.
“Todo”, “toda” designam qualquer, cada.
a) Afinal, estamos em .......... Brasil ou em .......... Portugal?
Exemplo: Toda cidade pode concorrer (qualquer cidade). b) Viajamos para .......... Estados Unidos, fora isso nunca
saímos de .......... casa.
“Todo o”, “toda a” designam totalidade, inteireza. c) Todos .......... casos estão sob controle.
d) Toda .......... família estrangeira que vem para o Brasil
Exemplo: Conheci toda a cidade (a cidade inteira). procura logo seus parentes.
e) Todos .......... vinte jogadores estão gripados.
No plural, usa-se “todos os”, “todas as”, exceto antes de f) Todos .......... quatro saíram.
numeral não seguido de substantivo.
2) Nas frases que seguem, há um artigo (definido ou indefini-
Exemplos: do) grifado. Indique o seu valor, de acordo com o código que
segue.
Todas as cidades vieram.
Todos os cinco clubes disputarão o título. 1 - O artigo está especificando o substantivo.
Todos cinco são concorrentes. 2 - O artigo está generalizando o substantivo.
3 - O artigo está intensificando o substantivo.
4ª) Tua decisão / a tua decisão. 4 - O artigo está designando a espécie toda do substantivo.
5 - O artigo está conferindo maior familiaridade ao substanti-
De maneira geral, é facultativo o uso do artigo antes dos vo.
possessivos. 6 - O artigo está designando quantidade aproximada.

Exemplos: Aplaudimos tua decisão. a) ( ) Afinal, todos sabiam que o João não seria capaz disso.
Aplaudimos a tua decisão. b) ( ) Anchieta catequizou o índio brasileiro e lhe ensinou os
rudimentos da fé católica.
Se o possessivo não vier seguido de substantivo explícito c) ( ) Respondeu as perguntas com uma convicção, que não
é obrigatória a ocorrência do artigo. deixou dúvida em ninguém.
d) ( ) Não vamos discutir uma decisão qualquer, mas a deci-
Exemplo: Aplaudiram a tua decisão e não a minha. são que desencadeou todos esses acontecimentos.
e) ( ) Tomemos ao acaso um objeto do mundo físico e obser-
5ª) Decisões as mais oportunas / as mais oportunas deci- vemos a sua forma.
sões. f) ( ) Durante uns cinco dias frequentou minha casa, depois
desapareceu.
No superlativo relativo, não se usa o artigo antes e depois
do substantivo. 3) Procure e assinale a única alternativa em que há erro,
quanto ao emprego do artigo.
Exemplos: Tomou decisões as mais oportunas.
Tomou as decisões mais oportunas. a) Nem todas as opiniões são valiosas.
b) Disse-me que conhece todo o Brasil.
é errado: Tomou as decisões as mais oportunas. c) Leu todos os dez romances do escritor.
d) Andou por todo Portugal.
6ª) Faz uns dez anos. e) Todas cinco, menos uma, estão corretas.

O artigo indefinido, posto antes de um numeral, designa 4) Em todas as alternativas abaixo, há artigos definidos ou
quantidade aproximada. indefinidos, exceto em:

Exemplo: Faz uns dez anos que saí de lá. a) Ele passou uns dez dias na fazenda.
b) Em certos momentos, vejo-me pensando em ti.
7ª) Em um / num. c) Viajarei à terra de meus avós.
d) Votarei num deputado que seja honesto e trabalhador.
Exemplos:
RESPOSTAS
Estava em uma cidade grande. 1) a) no, Ø; b) os, Ø; c) os; d) Ø; e) os; f) Ø
ou 2) a) 5; b) 4; c) 3; d) 1; e) 2; f) 6
Estava numa cidade grande. 3) A 4) B

– 39 –
Língua Portuguesa
NUMERAL EMPREGO DOS NUMERAIS

Numeral é uma palavra que exprime número de ordem, 1ª) Na designação de papas, reis, séculos, capítulos, tomos
múltiplo ou fração. ou partes de obras, usam-se os ordinais para a série de 1 a
10; daí em diante, usam-se os cardinais, desde que o nume-
ral venha depois do substantivo.
CLASSIFICAÇÃO DO NUMERAL
Exemplos: D. Pedro II (segundo),
De acordo com o que indica, o numeral pode ser classifi- Luís XV (quinze),
cado em: D. João VI (sexto),
João XXIII (vinte e três),
a) cardinal: indica quantidade exata de seres: um, dois, três, Pio X (décimo),
quatro, cinco . . . Capítulo XX (vinte).

b) ordinal: indica a ordem dos seres numa determinada 2ª) Quando o substantivo vier depois do numeral,
série: primeiro, segundo, terceiro, quarto, quinto ... usam-se sempre os ordinais.

c) multiplicativo: indica uma quantidade multiplicada do Exemplos: primeira parte, décimo quinto capítulo, vigésimo
mesmo ser: dobro, triplo, quádruplo, quíntuplo ... século.

d) fracionário: indica em quantas partes a quantidade foi 3ª) Na numeração de artigos, leis, decretos, portarias e outros
dividida: meio, terço, quarto, quinto. . . textos legais, usa-se o ordinal até 9 e daí em diante o cardi-
nal.

QUADRO DOS NUMERAIS Exemplos: artigo 1º (primeiro), artigo 12 (doze).

cardinais ordinais multipli- fracionários 4ª) Aos numerais que designam um conjunto determinado de
cativos seres dá-se o nome de numerais coletivos.
um primeiro - -
dois segundo dobro meio Exemplos: dúzia, centena.
três terceiro triplo terço
quatro quarto quádruplo quarto
cinco quinto quíntuplo quinto 5ª) A leitura e escrita por extenso dos cardinais compostos
seis sexto sêxtuplo sexto deve ser feita da seguinte forma:
sete sétimo sétuplo sétimo
oito oitavo óctuplo oitavo a) Se houver dois ou três algarismos, coloca-se a conjunção
nove nono nônuplo nono e entre eles.
dez décimo décuplo décimo
onze décimo primeiro undécuplo onze avos Exemplos: 94 = noventa e quatro
doze décimo segundo duodécu- doze avos
743 = setecentos e quarenta e três.
treze décimo terceiro plo treze avos
catorze ou décimo quarto - catorze avos
quatorze - b) Se houver quatro algarismos, omite-se a conjunção e entre
quinze décimo quinto - quinze avos o primeiro algarismo e os demais (isto é, entre o milhar e a
dezesseis décimo sexto - dezesseis avos centena).
dezessete décimo sétimo - dezessete avos
dezoito décimo oitavo - dezoito avos Exemplo: 2438 = dois mil quatrocentos e trinta e oito.
dezenove décimo nono - dezenove avos
vinte vigésimo - vinte avos
Obs.: se a centena começar por zero, o emprego do e é
trinta trigésimo - trinta avos
quarenta quadragésimo - quarenta avos obrigatório.
cinquenta quinquagésimo - cinquenta avos
sessenta sexagésimo - sessenta avos Exemplo: 5062 = cinco mil e sessenta e dois.
setenta septuagésimo - setenta avos
oitenta octogésimo - oitenta avos Será também obrigatório o emprego do e se a centena
noventa nonagésimo - noventa avos terminar por zeros.
cem centésimo - centésimo
duzentos ducentésimo Cêntuplo ducentésimo
Exemplo: 2300 = dois mil e trezentos.
trezentos trecentésimo - trecentésimo
quatrocen- quadringentésimo - quadringentésimo
tos quingentésimo - quingentésimo c) Se houver vários grupos de três algarismos, omite-se o e
quinhentos sexcentésimo ou - sexcentésimo entre cada um dos grupos.
seiscentos seiscentésimo - septingentésimo
septingentésimo - Exemplo: 5 450 126 230 = cinco bilhões quatrocentos e cin-
setecentos ou setingentésimo quenta milhões, cento e vinte e seis mil duzentos e trinta.
oitocentos octingentésimo - octingentésimo
novecentos nongentésimo ou - nongentésimo
6ª) Formas variantes:
noningentésimo -
mil milésimo milésimo
milhão milionésimo - milionésimo Alguns numerais admitem formas variantes como catorze
bilhão bilionésimo - bilionésimo / quatorze, bilhão / bilião.

Nota: As formas cincoenta (50) e hum (1) são erradas.

– 40 –
Língua Portuguesa
EXERCÍCIOS PRONOME

1) O ordinal trecentésimo septuagésimo corresponde a: Pronome é a palavra que substitui ou acompanha o subs-
tantivo indicando as pessoas do discurso. O pronome pode
a) 37 b) 360 c) 370 funcionar como:

2) O ordinal nongentésimo quinquagésimo corresponde a: - Pronome adjetivo: quando modifica um substantivo.


Esta casa é antiga.
a) 95 b) 950 c) 9050
- Pronome substantivo: quando desempenha função de
3) O ordinal quingentésimo octogésimo corresponde a: substantivo.
Paulo é um ótimo aluno. Convidei-o para o curso.
a) 58 b) 580 c) 588
Há seis espécies de pronomes: pessoais, possessivos,
4) O ordinal quadragésimo oitavo corresponde a: demonstrativos, indefinidos, relativos e interrogativos.

a) 480 b) 448 c) 48 PRONOMES PESSOAIS

5) Em todas as frases abaixo, os numerais foram corretamen- Há três pessoas gramaticais:


te empregados, exceto em:
1ª pessoa: a pessoa que fala (eu, nós)
a) O artigo vinte e cinco deste código foi revogado. 2ª pessoa: a pessoa com quem se fala (tu, vós)
b) Seu depoimento foi transcrito na página duzentos e vinte e 3ª pessoa: a pessoa de quem se fala (ele, eles)
dois.
c) Ainda não li o capitulo sétimo desta obra. Os pronomes pessoais classificam-se em retos e oblí-
d) Este terremoto ocorreu no século dez antes de Cristo. quos.

6) Em todas as frases abaixo, a palavra grifada é um nume- Os pronomes retos funcionam, em regra, como sujeitos
ral, exceto em: de oração e os oblíquos, como objetos ou complementos.

a) Ele só leu um livro este semestre. Quadro dos pronomes pessoais – singular e plural
b) Não é preciso mais que uma pessoa para fazer este servi-
ço. pessoas do
c) Ontem à tarde, um rapaz procurou por você. discurso retos oblíquos
d) Você quer uma ou mais caixas deste produto? 1ª pessoa eu me, mim, comigo
2ª pessoa tu te, ti, contigo
7) Assinale os itens em que a correspondência cardinal / 3ª pessoa ele / ela o, a, lhe, se, si, consigo
ordinal está incorreta; em seguida, faça a devida correção.
1ª pessoa nós nos, conosco
2ª pessoa vós vos, convosco
a) 907 = nongentésimo sétimo 3ª pessoa eles / elas os, as, lhes, se, si, consi-
b) 650 = seiscentésimo quingentésimo go
c) 84 = octingentésimo quadragésimo
d) 321 = trigésimo vigésimo primeiro Quanto à acentuação, os pronomes oblíquos dividem-se
e) 750 = setingentésimo quinquagésimo em:
tônicos (mim, ti, si, comigo, etc.) e
8) Assinale a incorreta quanto aos numerais empregados: átono (me, te, se, lhe, lhes, o, a, os, as, nos e vos).
a) Você deve ler o parágrafo segundo. Associados a verbos terminados em "r", "s" ou "z", os
b) D. Pedro primeiro foi o príncipe regente. pronomes o, a, os, as assumem as antigas modalidades lo,
c) Releia o artigo décimo terceiro. la, los, las, caindo aquelas consoantes:
d) Cláudia encenará o capítulo quinto.
Vou ver + o = vou vê-lo;
9) Aponte a alternativa correta: Fiz + o = fi-lo;
a) 637º – seiscentos e trinta e sete Trazer + o = trazê-lo.
b) 981º – nonagésimo octingentésimo primeiro
c) 123º – centésimo ducentésimo terceiro Associados a verbos terminados em ditongo nasal (am,
d) 444º – quadringentésimo quadragésimo quarto em, ão, õe) os ditos pronomes tomam as formas "no, na, nos,
nas":
10) As palavras quíntuplo e quinto são respectivamente:
a) ambos multiplicativos chamam + o = chamam-no;
b) multiplicativo e fracionário afundaram + a = afundaram-na.
c) ambos fracionários
d) fracionário e multiplicativo Pronomes oblíquos reflexivos são os que se referem ao
sujeito da oração sendo da mesma pessoa que este:
RESPOSTAS
1-C 2-B 3-B 4-C 5-D 6-C A menina penteou-se.
7 – b) seiscentésimo quinquagésimo
O operário feriu-se.
c) octogentésimo quarto
d) trecentésimo vigésimo primeiro
8-C 9-D 10 - B Com exceção de o, a, os, as, lhe, lhes, os demais prono-
mes oblíquos podem ser reflexivos.

– 41 –
Língua Portuguesa
FORMAS DE TRATAMENTO PRONOMES DEMONSTRATIVOS

Entre os pronomes pessoais incluem-se os chamados São os que indicam o lugar, a posição, ou a identidade
pronomes de tratamento, que se usam no trato cortês e ceri- dos seres, relativamente às pessoas do discurso. Exemplos:
monioso das pessoas.
Compro este carro (aqui). O pronome este indica que o carro
Quadro dos pronomes de tratamento está perto da pessoa que fala.

abreviatura Compro esse carro (aí). O pronome esse indica que o carro
pronomes de está perto da pessoa com quem falo, ou afastado da pessoa
tratamento singular plural
que fala.
Você v. v v.
Usado para pessoas familiares, íntimas. Compro aquele carro (lá). O pronome aquele diz que o carro
a as está afastado da pessoa que fala e daquela com quem falo.
Senhor, Senhora Sr., Sr. Srs., Sr.
Usados para manter uma distância respeitosa. Quadro dos pronomes demonstrativos
Vossa Senhoria V.S.a V.S.as
Usado para correspondências comerciais. pronomes demonstrativos
a as
Vossa Excelência V.Ex. V.Ex. 1ª pessoa este, esta, estes, estas, isto
Usado para altas autoridades: presidente, etc. 2ª pessoa esse, essa, esses, essas, isso
a as
Vossa Eminência V.Em. V.Em. 3ª pessoa aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo
Usado para cardeais.
Vossa Alteza V.A. V V.A A. PRONOMES INDEFINIDOS
Usado para príncipes e duques
Vossa Santidade V.S. - São aqueles que se referem à 3ª pessoa, mas de modo
vago, indefinido. Exemplo:
Usado para o Papa.
ma mas
Vossa Reverendíssima V.Rev. V.Rev. Alguém bateu à porta.
Usado para sacerdotes e religiosos em geral.
a as pronomes indefinidos
Vossa Magnificência V.Mag. V.Mag. variáveis invariáveis
Usado para reitores de universidades. algum, alguma, alguns, algumas algo
nenhum, nenhuma, nenhuns, ne- alguém
Vossa Majestade V.M. V V.M M. nhumas nada
Usado para reis e rainhas. todo, toda, todos, todas ninguém
muito, muita, muitos, muitas tudo
pouco, pouca, poucos, poucas cada
Esses pronomes são da 2ª pessoa, mas se usam com as certo, certa, certos, certas outrem
formas verbais da 3ª pessoa: outro, outra, outros, outras quem
quanto, quanta, quantos, quantas mais
Vossa Excelência, Senhor Presidente, é digno de nossas tanto, tanta, tantos, tantas menos
homenagens. vário, vária, vários, várias demais
diverso, diversa, diversos, diversas
Referindo-se à 3ª pessoa apresentam-se com o possessi- qualquer, quaisquer
vo sua: Sua Senhoria, Sua Excelência.
Locuções pronominais indefinidas
Sua Excelência, Senhor Presidente, está sendo esperado
hoje. cada um / cada uma / cada qual
quem quer que / quantos quer que
PRONOMES POSSESSIVOS toda aquela que / todo aquele que
seja quem for / seja qual for
São aqueles que dão ideia de posse, indicando o ser a qualquer um / qualquer um
que pertence uma coisa. um ou outro / uma ou outra
tal e tal / tal qual / tal e qual / tal ou qual
Meu carro é branco.
Seus lápis estão em cima da mesa. PRONOMES INTERROGATIVOS

Quadro dos pronomes possessivos Aparecem em frases interrogativas, acompanhados ou


não de verbos interrogativos como: perguntar, desejar, saber,
pronomes possessivos etc. São pronomes interrogativos: que, qual, quem, quanto.
Exemplos:
1ª pessoa meu, minha, meus minhas
singular 2ª pessoa teu, tua, teus, tuas Quem chegou primeiro?
3ª pessoa seu, sua, seus, suas Quantos vestidos trouxeram?
1ª pessoa nosso, nossa, nossos, nossas Qual é a sua opinião?
plural 2ª pessoa vosso, vossa, vossos, vossas Que farei agora?
3ª pessoa seu, sua, seus, suas Quanto te devo, meu amigo?
Qual é o seu nome?

– 42 –
Língua Portuguesa
PRONOMES RELATIVOS É correto: Deixe-me dizer isto.
É errado: Deixe eu dizer isso.
São os que representam seres já citados na frase, servin-
do como elemento de ligação (conectivo) entre duas orações. 5º) Os pronomes se, si, consigo só podem funcionar como
reflexivos (pronome da mesma pessoa que o sujeito).
Exemplos:
É errado: Desejo para si tudo de bom.
Os romanos escravizavam os soldados que eram derro- É correto: Desejo para você tudo de bom.
tados.
Sejamos gratos a Deus, a quem tudo devemos. Também é correto: Ele gosta muito de si.

Quadro dos pronomes relativos 6º) É correto o pronome oblíquo átono vir repetido em pleo-
nasmo por um oblíquo tônico.
pronomes relativos
variáveis invariáveis Exemplo: A ti, não te convém este contrato.
o qual, os quais, a qual, as quais que 7º) Os pronomes oblíquos me, te, lhe, nos, vos podem
cujo, cujos, cuja, cujas quem
quanto, quantos, quanta, quantas onde combinar-se com o, a, os, as, gerando as formas mo, to,
lho, no-lo, vo-lo.

VALOR DOS PRONOMES NA ORAÇÃO Exemplos: Este direito, eu lho nego.


A palavra, ele no-la deu.
Os pronomes podem ser pronomes substantivos ou pro-
nomes adjetivos. 8º) Pronome de Tratamento é aquele com que nos referimos
às pessoas de maneira cerimoniosa.
Os pronomes substantivos substituem o substantivo; os
pronomes adjetivos vêm acompanhados de um substantivo. Os pronomes de tratamento assumem o gênero da pes-
soa representada.
Aquele livro é novo (aquele = pronome adjetivo, porque
vem seguido do substantivo livro). Exemplos: Vossa Majestade é bondoso (para o rei).
Aquele que trabalha progride (aquele = pronome subs- Vossa Majestade é bondosa (para a rainha).
tantivo, porque não vem seguido de substantivo; está empre-
gado no lugar de um substantivo). O pronome de tratamento precedido de vossa, cabe à
pessoa com quem se fala; precedido de sua, cabe à pessoa
a) São exclusivamente pronomes substantivos: os pesso- de quem se fala.
ais, os demonstrativos isto, isso, aquilo; os indefinidos quem,
alguém, ninguém, algo, outrem, tudo. Exemplos: Vossa Excelência queira tomar a palavra. (falando
com uma alta autoridade)
b) São exclusivamente pronomes adjetivos: os pronomes Sua Excelência não compareceu.
possessivos; o pronome relativo cujo; os pronomes indefini- (falando de uma alta autoridade)
dos cada, certo.
Em ambos os casos, tais pronomes comportam-se como
USO DO PRONOME PESSOAL de 3ª pessoa gramatical.

1º) Os pronomes do caso reto não funcionam como objeto. 9º) Os pronomes o, a, os, as são usados como objeto direto.
O pronome lhe (lhes) é usado como objeto indireto.
É errado dizer: Vou pôr ele a par do assunto.
Correção: Vou pô-lo a par do assunto. Exemplos: Isto o compromete.
Isto não lhe convém.
Observação: Precedido de todo e só, o pronome ele (ela,
eles) pode ocorrer como objeto. 10º) Os oblíquos me, te, lhe, nos, vos podem ocorrer com
Exemplo: Recomendei só ele. valor de possessivos.

2º) Os pronomes eu e tu não podem vir regidos de preposi- Exemplo: Não lhe entendo a intenção (lhe = sua).
ção.
11º) Precedidos da preposição com, os pronomes nós e vós,
É errado: Nada houve entre eu e tu. combinam-se com ela, exceto se vierem seguidos de outros,
Correção: Nada houve entre mim e ti. todos, mesmos, próprios.

3º) Em frases do tipo: "Empreste o livro para eu ler.", a pre- Exemplos: Deixaram o recado conosco.
posição não está regendo o pronome eu (sujeito do verbo Deixaram o recado com nós mesmos.
ler), mas o verbo. A ligação sintática é: empreste o livro para
ler, e não: empreste o livro para eu. 12º) Nós e vós podem ser empregados em lugar de eu e tu
em situações de cerimônia ou, no caso de nós, por modéstia.
O mesmo ocorre com o pronome tu.
Exemplo: Vós sois sábio, ó Deus!
É correto: Chegou uma ordem para tu viajares.
É errado: Chegou uma ordem para ti viajares. 13º) Reflexivo é o pronome oblíquo que projeta o sujeito do
4º) Os processos oblíquos (me, te, se, o, a, nos, vos) podem mesmo verbo.
funcionar como sujeito no infinitivo.

– 43 –
Língua Portuguesa
Exemplo: Nós nos enganamos. Exemplos: Elas próprias vieram.
Eles mesmos concordaram.
14º) Recíproco é um tipo de pronome reflexivo que, com valor
de um ao outro, refere-se a sujeito plural ou composto. 6º) Como demonstrativos, tal e semelhante assumem signifi-
cados análogos a esse, essa, aquele, aquela.
Exemplo: Os lutadores se estudaram.
Exemplo: Tal coisa não me interessa.
USO DO PRONOME POSSESSIVO
USO DO PRONOME RELATIVO
1º) Anteposto a nomes próprios, seu não é possessivo, mas
uma alteração fonética de Senhor. 1º) Quando o pronome relativo funciona como complemento
do verbo, deve vir precedido da preposição exigida por este.
Exemplo: Seu Antonio viajou.
Exemplos:
Nos pronomes de tratamento sua e vossa não se anali- Negaram os casos a que assistimos.
sam destacadamente. Negaram os casos de que descreem.
Negaram os casos com que nos defrontamos.
2º) Referindo-se a pronomes de tratamento, o possessivo fica
na terceira pessoa. 2º) O pronome relativo que pode ter por antecedente o de-
monstrativo o (a, os, as).
Exemplo: Vossa Excelência e seus companheiros queiram
aproximar-se. Exemplo: Sei o que digo.

3º) Modificando mais de um substantivo, o possessivo con- 3º) O pronome relativo que nem sempre equivale a o qual (a
corda com o mais próximo. qual, os quais, as quais), sobretudo em situações em que
vem marcado com acento tônico.
Exemplo: Peço sua colaboração e apoio.
Exemplo: São estes os critérios conforme os quais vamos
USO DO PRONOME DEMONSTRATIVO julgar (conforme que não é aceitável).

1º) Tanto no espaço quanto no tempo este designa posição 4º) Cujo (cuja, cujos, cujas) equivale a do qual (da qual,
próxima à pessoa que fala (1ª). dos quais, das quais) e indica que o nome a que se refere é
propriedade do antecedente.
Exemplos: Moro nesta casa. Chegou neste minuto.
Exemplo: Afirmam fatos cuja veracidade reconheço.
2º) Esse designa posição próxima com quem se fala (2ª) ou Obs.: Há situações em que o pronome cujo (cuja, cujos,
um certo distanciamento da pessoa que fala. cujas) intercala-se entre uma preposição e o complemento
que ela rege.
Exemplos: Morei nessa casa aí.
O ano passado foi penoso, nessa época perdi o Exemplo: Afirmam fatos de cuja veracidade desconfio.
emprego.
5º) Quanto (quanta, quantos, quantas), como pronome
3º) Aquele designa posição próxima de quem se fala (3ª) ou relativo, tem por antecedente tudo, todo, toda, etc.
distante dos interlocutores.
Exemplo: Recolheu tudo quanto viu.
Exemplos: Veja aquela estrela lá no alto.
6º) Onde, pronome relativo, equivale a em que, na qual.
Obs.: No interior do discurso, este refere-se ao elemento
anterior mais próximo, aquele ao mais distante. Exemplo: Esta é a terra em que habita.

Exemplo: O homem e a mulher têm direitos iguais, mas esta 7º) Quem, quanto, onde, usados sem antecedentes, costu-
é mais tolhida do que aquele. mam ser classificados como pronomes relativos indefinidos.

4º) Os pronomes o, a, os, as como demonstrativos, equiva- Exemplo: Quem atravessou, foi multado.
lem a aquilo, aquela, aqueles, isto, etc.
USO DO PRONOME INDEFINIDO
Exemplo: Não se negou o que eu disse. (o = aquilo)
1º) Anteposto, algum tem sentido afirmativo; posposto, as-
5º) Mesmo e próprio designam algo idêntico a outro que já sume sentido negativo.
ocorreu anteriormente, ou coisas idênticas entre si.
Exemplos: Algum caso teve ocorrência. (afirmativo)
Exemplo: Fui visitar o museu e vi que era o mesmo de vinte Caso algum teve ocorrência. (negativo)
anos atrás.
2º) Não se usa cada (sozinho) em vez de cada um.
São usados como reforço dos pronomes pessoais.
É certo: Receberam dez pacotes cada um.
Exemplo: Eu mesmo resolvi o caso. É errado: Receberam dez pacotes cada.

Mesmo e próprio concordam com o nome a que se refe- 3º) Antes do substantivo, certo é pronome indefinido; depois
rem. do substantivo, é adjetivo.

– 44 –
Língua Portuguesa
Exemplos: Certo homem nos procurou com um recado estra- VERBO
nho. Escolheram o homem certo.
Verbo é uma palavra que exprime ação, estado, fato ou
4º) Outro, quando equivale a diferente, mudado, é adjetivo. fenômeno.
Exemplo: Cheguei à ilha, que estava tão outra.
Dentre as classes de palavras, o verbo é a mais rica em
5º) Ocorrem as duas formas: tudo o que, tudo que. flexões. Com efeito, o verbo possui diferentes flexões para
Exemplos: Diz tudo o que pensa. Diz tudo que pensa. indicar a pessoa do discurso, o número, o tempo, o modo e a
voz. O verbo flexiona-se em número e pessoa:
EXERCÍCIOS
singular plural
1) Preencha corretamente as lacunas de cada frase com 1ª pessoa eu trabalho nós trabalhamos
uma das formas indicadas entre parênteses: 2ª pessoa tu trabalhas vós trabalhais
3ª pessoa ele trabalha eles trabalham
a) O professor conversou ... todos. (com nós - conosco)
b) Eu vou jantar .......... amanhã. (com você - consigo)
c) Não há problemas para .... terminar este trabalho. (mim - EMPREGO DE TEMPOS E MODOS VERBAIS
eu)
d) Esta carta é para .......... (eu - mim) Tempo é a variação que indica o momento em que se dá
e) Sem .......... o serviço não ficaria pronto. (mim - eu) o fato expresso pelo verbo. Os três tempos naturais são o
f) Eu não .......... encontrei na festa. (o - lhe) Presente, o Pretérito (ou Passado) e o Futuro.
g) Eu sei que eles não partirão sem .......... . (eu - mim)
O Presente designa um fato ocorrido no momento em
2) Indique em que alternativa os pronomes pessoais estão que se fala; o Pretérito, antes do momento em que se fala;
bem empregados. e o Futuro, após o momento em que se fala.

a) Deixou ele sair. Leio uma revista instrutiva. (Presente)


b) Mandou-lhe ficar de guarda. Li uma revista instrutiva. (Pretérito)
c) Permitiu-lhe, a ele, fazer a ronda. Lerei uma revista instrutiva. (Futuro)
d) Procuraram-o por toda a parte.
e) n.d.a.
TEMPOS DO MODO INDICATIVO
3) Era para ............... falar ............... ontem, mas não
............... encontrei em parte alguma. 1) Presente: estudo

a) mim / consigo / o 2) Pretérito:


b) eu / com ele / lhe – Imperfeito: estudava
c) mim / consigo / lhe – Perfeito: estudei
d) mim / contigo / te – Mais-que-perfeito: estudara
e) eu / com ele / o
3) Futuro:
4) Aponte a incorreta: – do Presente: estudarei
– do Pretérito: estudaria
a) Eu ofereço esse livro para si.
b) Maria queria o namorado para junto de si. Dados os tempos do modo indicativo, veremos, em segui-
c) Hei de tornar meu filho mais confiante em si. da, o emprego dos mesmos e sua correlação.
d) Colegas há que vivem brigando entre si.
e) n.d.a.
PRESENTE DO INDICATIVO
5) Assinale a opção que preenche corretamente as lacunas
da frase: O presente do indicativo emprega-se:
1) Para enunciar um fato atual:
"As mulheres, ............ olhos as lágrimas caíam, assistiam a
uma cena ............ não gostavam." Cai a chuva.
O céu está limpo.
a) cujos / que
b) em cujos / que 2) Para indicar ações e estados permanentes:
c) de cujos / de que
d) cujos / de que A terra gira em torno do próprio eixo.
e) de cujos / que Deus é Pai!

3) Para expressar uma ação habitual do sujeito:

RESPOSTAS Sou tímido.


1 – a) com nós; b) com você; c) eu; Como muito pouco.
d) mim; e) mim; f) o; g) mim.
2-C 3-E 4-A 5-C 4) Para dar vivacidade a fatos ocorridos no passado
(presente histórico):

– 45 –
Língua Portuguesa
“A Avenida é o mar dos foliões. Serpentinas cortam o FUTURO DO PRETÉRITO DO INDICATIVO
ar..., rolam das escadas, pendem das árvores e dos fi-
os ...” 1) O futuro do pretérito emprega-se para designar ações
(M. Rebelo) posteriores à época em que se fala:
5) Para marcar um fato futuro, mas próximo; neste caso, Depois de casado, ele se transformaria em um homem
para impedir qualquer ambiguidade, se faz acompanhar ge- de bem.
ralmente de um adjunto adverbial:
2) Como forma polida de presente, em geral denotadora de
“Outro dia eu volto, talvez depois de amanhã...“ desejo.
(A. Bessa Luís) Desejaríamos cumprimentar os noivos.

3) Em certas frases interrogativas e exclamativas, para deno-


PRETÉRITO IMPERFEITO DO INDICATIVO tar surpresa ou indignação:
O nosso amor morreu... Quem o diria?
A própria denominação deste tempo – Pretérito Imperfeito
– ensina-nos o seu valor fundamental: o de designar um fato TEMPOS DO MODO SUBJUNTIVO
passado, mas não concluído (imperfeito = não perfeito, ina-
cabado). 1) Presente: estude
Podemos empregá-lo assim: 2) Pretérito:
– Imperfeito: estudasse
1) Quando, pelo pensamento, nos transportamos a uma épo- – Perfeito: tenha (ou haja) estudado
ca passada e descrevemos o que então era presente: – Mais-que-perfeito: tivesse (ou houvesse) estudado
O calor ia aumentando e o vento despenteava meu
cabelo. 3) Futuro:
– Simples: estudar
2) Pelo futuro do pretérito, para denotar um fato que seria – Composto: tiver (ou houver) estudado
consequência certa e imediata de outro, que não ocorreu, ou
não poderia ocorrer: Quando nos servimos do modo indicativo, consideramos
Se eu não fosse mulher, ia também! o fato expresso pelo verbo como real, certo, seja no presen-
te, seja no passado, seja no futuro.
PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO DO INDICATIVO Ao empregarmos o modo subjuntivo, encaramos a exis-
tência ou não existência do fato como uma coisa incerta,
1) O Pretérito Mais-Que-Perfeito indica uma ação que ocor- duvidosa, eventual ou, mesmo, irreal.
reu antes de outra já passada:
A conversa ficara tão tediosa, que o homem se desinte- Observemos estas frases:
ressou.
Afirmo que ela estuda. (modo indicativo)
2) Na linguagem literária emprega-se, às vezes, o mais-que- Duvido que ela estude. (modo subjuntivo)
perfeito em lugar: Afirmei que ela estudava. (modo indicativo)
Duvidei que ela estudasse. (modo subjuntivo)
a) do futuro do pretérito (simples ou composto):
“Um pouco mais de sol – e fora (= teria sido) brasa,
Um pouco mais de azul – e fora (= teria sido) além, PRESENTE DO SUBJUNTIVO
Para atingir ... (Sá Carneiro)
Pode indicar um fato:
b) do pretérito imperfeito do subjuntivo:
Quem me dera! (= quem me desse) 1) Presente:
Prouvera a Deus! (= prouvesse a Deus)
Não quer dizer que se conheçam os homens quando se
duvida deles.
FUTURO DO PRESENTE DO INDICATIVO
2) Futuro:
1) o futuro do presente emprega-se para indicar fatos certos
ou prováveis, posteriores ao momento em que se fala: “No dia em que não faça mais uma criança sorrir, vou
As aulas começarão depois de amanhã. vender abacaxi na feira.”
(A. Bessa Luís)
2) Como forma polida de presente:
Não, não posso ser acusado. Dirá o senhor: mas o que acon-
teceu? E eu lhe direi: sei lá! (= digo) PRETÉRITO IMPERFEITO DO SUBJUNTIVO

3) Como expressão de uma súplica, desejo ou ordem; neste Pode ter o valor de:
caso, o tom de voz pode atenuar ou reforçar o caráter impe-
rativo: 1) Passado:

Honrarás pai e mãe! Todos os domingos, chovesse ou fizesse sol, estava eu


“Lerás porém algum dia lá.
Meus versos, d’alma arrancados, ... “(G. Dias)

– 46 –
Língua Portuguesa
2) Futuro: 1º) Infinitivo: plantar, vender, ferir.
2º) Gerúndio: plantando, vendendo, ferindo.
Aos sábados, treinava o discurso destinado ao filho que 3º) Particípio: plantado, vendido, ferido.
chegasse primeiro.
Chamam-se formas nominais porque, sem embargo de
3) Presente: sua significação verbal, podem desempenhar as funções
próprias dos nomes substantivos e adjetivos: o andar, água
Tivesses coração, terias tudo. fervendo, tempo perdido.

O Infinitivo pode ser Pessoal ou Impessoal.


PRETÉRITO PERFEITO DO SUBJUNTIVO
1º) Pessoal, quando tem sujeito:
Pode exprimir um fato: Para sermos vencedores é preciso lutar.
(sujeito oculto nós)
1) Passado (supostamente concluído): 2º) Impessoal, quando não tem sujeito:
Espero que você tenha encontrado aquele endereço. Ser ou não ser, eis a questão.

2) Futuro (terminado em relação a outro futuro): O infinitivo pessoal ora se apresenta flexionado, ora não
Espero que ela tenha feito a lição quando eu voltar. flexionado:

Flexionado: andares, andarmos, andardes, andarem


PRETÉRITO MAIS-QUE-PERFEITO
DO SUBJUNTIVO Não flexionado: andar eu, andar ele.
Quanto à voz, os verbos se classificam em:
Pode indicar:
1) Ativos: O sujeito faz a ação.
1) Uma ação anterior a outra passada: O patrão chamou o empregado.
Esperei-a um pouco, até que tivesse terminado seu jan-
tar. 2) Passivos: O sujeito sofre a ação.
O empregado foi chamado pelo patrão.
2) Uma ação irreal no passado:
Se a sorte os houvesse coroado com os seus favores, 3) Reflexivos: O sujeito faz e recebe a ação.
não lhes faltariam amigos. A criança feriu-se na gangorra.

Verbos Auxiliares são os que se juntam a uma forma nomi-


FUTURO DO SUBJUNTIVO SIMPLES nal de outro verbo para constituir os tempos compostos e as
locuções verbais: ter, haver, ser, estar.
Este tempo verbal marca a eventualidade no futuro e
emprega-se em orações subordinadas: Tenho estudado muito esta semana.
Se quiser, irei vê-lo. Jacinto havia chegado naquele momento.
Farei conforme mandares. Somos castigados pelos nossos erros.
Quando puder, venha ver-me. O mecânico estava consertando o carro.
O secretário vai anunciar os resultados.

FUTURO DO SUBJUNTIVO COMPOSTO Os verbos da língua portuguesa se agrupam em três


conjugações, de conformidade com a terminação do infinitivo:
Indica um fato futuro como terminado em relação a outro 1) Os da 1ª conjugação terminam em – ar: cantar
fato futuro (dentro do sentido geral do modo subjuntivo): 2) Os da 2ª conjugação terminam em – er: bater
D. Flor, não leia este livro; ou, se o houver lido até aqui, 3) Os da 3ª conjugação terminam em – ir: partir.
abandone o resto.
Cada conjugação se caracteriza por uma vogal temática:
A (1ª conjugação), E (2ª conjugação), I (3ª conjugação).
MODOS DO VERBO
Observações:
Os modos indicam as diferentes maneiras de um fato se
realizar. São três: – O verbo pôr (antigo poer) perdeu a vogal temática do infini-
1º) o Indicativo: Exprime um fato certo, positivo: tivo. É um verbo anômalo da segunda conjugação.
Vou hoje. – A nossa língua possui mais de 11 mil verbos, dos quais
Sairás cedo. mais de 10 mil são da primeira conjugação.

2º) o Imperativo: Exprime ordem, proibição, conselho, pedi- Num verbo devemos distinguir o radical, que é a parte
do: Volte logo. Não fiquem aqui. Sede prudentes. geralmente invariável e as desinências, que variam para
denotar os diversos acidentes gramaticais.
3º) o Subjuntivo: Enuncia um fato possível, duvidoso,
hipotético: É possível que chova. Se você trabalhasse... radical desinência radical desinência
cant- a part- ir
Além desses três modos, existem as formas nominais cant- or part- imos
do verbo (infinitivo, gerúndio, particípio), que enunciam um bat- er diz- er
fato de maneira vaga, imprecisa, impessoal. bat- ias diss eram

– 47 –
Língua Portuguesa
Há a desinência modo-temporal, indicando a que modo Tenho de ir hoje.
e tempo a flexão verbal pertence e há a desinência núme- Hei de ir amanhã.
ro-pessoal indicando a que pessoa e número a flexão verbal Estava lendo o jornal.
pertence.
Quanto à conjugação, dividem-se os verbos em:
Ex.: canta - re – mos →DNP
↓ 1) Regulares: os que seguem um paradigma ou modelo
DMT comum de conjugação. Cantar, bater, partir, etc.

A DNP (desinência número-pessoal) indica que o verbo 2) Irregulares: os que sofrem alterações no radical e nas
está na 1ª pessoa do plural. A DMT (desinência modo- terminações afastando-se do paradigma. Dar, ouvir, etc.
temporal indica que o verbo está no futuro do presente do
indicativo. Entre os irregulares, destacam-se os anômalos, como o
verbo pôr (sem vogal temática no infinitivo), ser e ir (que
Dividem-se os tempos em primitivos e derivados. apresentam radicais diferentes).
São tempos primitivos: São verbos que possuem profundas modificações em
seus radicais.
1) o Infinitivo Impessoal.
3) Defectivos: os que não possuem a conjugação completa,
2) o Presente do Indicativo (1ª e 2ª pessoa do singular e 2ª não sendo usados em certos modos, tempos ou pessoas:
pessoa do plural). abolir, reaver, precaver, etc.

3) o Pretérito Perfeito do Indicativo (3ª pessoa do plural).


CONJUGAÇÃO DOS VERBOS AUXILIARES

FORMAÇÃO DO IMPERATIVO MODO INDICATIVO

O imperativo afirmativo deriva do presente do indicativo, Presente


da segunda pessoa do singular (tu) e da segunda do plural
(vós), mediante a supressão do s final; as demais pessoas sou estou tenho hei
(você, nós, vocês) são tomadas do presente do subjuntivo. és estás tens hás
é está tem há
somos estamos temos havemos
O imperativo negativo não possui, em Português, formas sois estais tendes haveis
especiais; suas pessoas são iguais às correspondentes do são estão têm hão
presente do subjuntivo.

Pretérito perfeito simples


O infinitivo, em português, pode ser pessoal
(quando tem sujeito) ou impessoal (quando não tem fui estive tive houve
sujeito). Veja: foste estiveste tiveste houveste
foi esteve teve houve
impessoal pessoal fomos estivemos tivemos houvemos
cantar cantar eu fostes estivestes tivestes houvestes
cantares tu foram estiveram tiveram houveram
cantar ele
cantarmos nós
cantardes vós
cantarem eles Pretérito perfeito composto
tenho sido tenho estado tenho tido tenho havido
tens sido tens estado tens tido tens havido
tem sido tem estado tem tido tem havido
FORMAÇÃO DOS TEMPOS COMPOSTOS temos sido temos estado temos tido temos havido
tendes sido tendes estado tendes tido tendes havido
Eis como se formam os tempos compostos: têm sido têm estado têm tido têm havido

1) Os tempos compostos da voz ativa são formados pelos


verbos auxiliares ter ou haver, seguidos do particípio do ver- Pretérito imperfeito
bo principal: era estava tinha havia
eras estavas tinhas havias
Tenho falado. Haviam saído. era estava tinha havia
éramos estávamos tínhamos havíamos
éreis estáveis tínheis havíeis
2) Os tempos compostos da voz passiva se formam com o eram estavam tinham haviam
concurso simultâneo dos auxiliares ter (ou haver) e ser, se-
guidos do particípio do verbo principal:
Pretérito mais-que-perfeito simples
Tenho sido maltratado. fora estivera tivera houvera
Tinham (ou haviam) sido vistos no cinema. foras estiveras tiveras houveras
fora estivera tivera houvera
fôramos estivéramos tivéramos houvéramos
Outro tipo de conjugação composta – também chamada fôreis estivéreis tivéreis houvéreis
conjugação perifrástica – são as locuções verbais, constitu- foram estiveram tiveram houveram
ídas de verbo auxiliar mais gerúndio ou infinitivo:

– 48 –
Língua Portuguesa
Pretérito perfeito composto
Pretérito mais-que-perfeito composto
tenha sido tenha estado tenha tido tenha havido
tinha sido tinha sido tinha sido tinha sido tenhas sido tenhas estado tenhas tido tenhas havido
tinhas sido tinhas sido tinhas sido tinhas sido tenha sido tenha estado tenha tido tenha havido
tinha sido tinha sido tinha sido tinha sido tenhamos tenhamos tenhamos tenhamos
tínhamos tínhamos tínhamos tínhamos sido estado tido havido
sido sido sido sido tenhais sido tenhais estado tenhais tido tenhais havido
tínheis sido tínheis sido tínheis sido tínheis sido tenham sido tenham estado tenham tido tenham havido
tinham sido tinham sido tinham sido tinham sido
Pretérito mais-que-perfeito composto

Futuro do presente simples tivesse sido tivesse estado tivesse tido tivesse havido
tivesses tivesses tivesses tivesses
serei estarei terei haverei sido estado tido havido
serás estarás terás haverás tivesse sido tivesse estado tivesse tido tivesse havido
será estará terá haverá tivéssemos tivéssemos tivéssemos tivéssemos
seremos estaremos teremos haveremos sido estado tido havido
sereis estareis tereis havereis tivésseis tivésseis tivésseis tivésseis
serão estarão terão haverão sido estado tido havido
tivessem tivessem tivessem tivessem
sido estado tido havido

Futuro do presente composto


terei sido terei estado terei tido terei havido Futuro simples
terás sido terás estado terás tido terás havido
terá sido terá estado terá tido terá havido for estiver tiver houver
teremos sido teremos estado teremos tido teremos havido fores estiveres tiveres houveres
tereis sido tereis estado tereis tido tereis havido for estiver tiver houver
terão sido terão estado terão tido terão havido formos estivermos tivermos houvermos
fordes estiverdes tiverdes houverdes
forem estiverem tiverem houverem
Futuro do pretérito simples
seria estaria teria haveria Futuro composto
serias estarias terias haverias tiver sido tiver estado tiver tido tiver havido
seria estaria teria haveria tiveres sido tiveres estado tiveres tido tiveres havido
seríamos estaríamos teríamos haveríamos tiver sido tiver estado tiver tido tiver havido
seríeis estaríeis teríeis haveríeis tivermos tivermos tivermos tivermos
seriam estariam teriam haveriam sido estado tido havido
tiverdes sido tiverdes estado tiverdes tido tiverdes havido
tiverem sido tiverem estado tiverem tido tiverem havido
Futuro do pretérito composto
MODO IMPERATIVO
teria sido teria estado teria tido teria havido
terias sido terias estado terias tido terias havido
teria sido teria estado teria tido teria havido Afirmativo
teríamos sido teríamos estado teríamos tido teríamos
teríeis sido teríeis estado teríeis tido havido sê (tu) está (tu) tem (tu) há (tu)
teriam sido teriam estado teriam tido teríeis havido seja (você) esteja (você) tenha (você) haja (você)
teriam havido sejamos (nós) estejamos tenhamos hajamos
sede (vós) (nós) (nós) (nós)
sejam (vocês) estai (vós) tende (vós) havei (vós)
estejam tenham (vo- hajam
MODO SUBJUNTIVO (vocês) cês) (vocês)

Negativo
Presente
não sejas (tu) não estejas não tenhas não hajas
seja esteja tenha haja não seja (vo- (tu) (tu) (tu)
sejas estejas tenhas hajas cê) não esteja não tenha não haja
seja esteja tenha haja não sejamos (você) (você) (você)
sejamos estejamos tenhamos hajamos (nós) não esteja- não tenha- não haja-
sejais estejais tenhais hajais não sejais mos (nós) mos (nós) mos (nós)
(vós) não estejais não tenhais não hajais
sejam estejam tenham hajam
não sejam (vós) (vós) (vós)
(vocês) não estejam não tenham não hajam
(vocês) (vocês) (vocês)
Pretérito Imperfeito
fosse estivesse tivesse houvesse FORMAS NOMINAIS
fosses estivesses tivesses houvesses
fosse estivesse tivesse houvesse Infinitivo impessoal
fôssemos estivéssemos tivéssemos houvéssemos
fôsseis estivésseis tivésseis houvésseis ser estar ter haver
fossem estivessem tivessem houvessem

Infinitivo impessoal composto

ter sido ter estado ter tido ter havido

– 49 –
Língua Portuguesa
Infinitivo pessoal Pretérito perfeito composto

ser (eu) estar (eu) ter (eu) haver (eu) tenho sonhado tenho recebido tenho decidido
seres (tu) estares (tu) teres (tu) haveres (tu) tens sonhado tens recebido tens decidido
ser (ele) estar (ele) ter (ele) haver (ele) tem sonhado tem recebido tem decidido
sermos estarmos termos havermos temos sonhado temos recebido temos decidido
(nós) (nós) (nós) (nós) tendes sonhado tendes recebido tendes decidido
serdes estardes terdes haverdes (vós) têm sonhado têm recebido têm decidido
(vós) (vós) (vós) haverem
serem estarem terem (eles)
(eles) (eles) (eles)
Pretérito imperfeito
sonhava recebia decidia
Infinitivo pessoal composto sonhavas recebias decidias
sonhava recebia decidia
ter sido ter estado ter tido ter havido sonhávamos recebíamos decidíamos
teres sido teres estado teres tido teres havido sonháveis recebíeis decidíeis
ter sido ter estado ter tido ter havido sonhavam recebiam decidiam
termos sido termos termos termos
terdes sido estado tido havido
terem sido terdes estado terdes tido terdes havido Pretérito mais-que-perfeito simples
terem estado terem tido terem havido
sonhara recebera decidira
sonharas receberas decidiras
sonhara recebera decidira
Gerúndio sonháramos recebêramos decidíramos
sonháreis recebêreis decidíreis
sendo estando tendo havendo sonharam receberam decidiram

Pretérito mais-que-perfeito composto


Gerúndio composto tinha sonhado tinha recebido tinha decidido
tendo sido tendo estado tendo tido tendo havido tinhas sonhado tinhas recebido tinhas decidido
tinha sonhado tinha recebido tinha decidido
tínhamos tínhamos tínhamos
sonhado recebido decidido
Particípio tínheis sonhado tínheis recebido tínheis decidido
tinham sonhado tinham recebido tinham decidido
sido estado tido havido

O processo verbal pode ser representado por uma locu-


ção verbal (verbo auxiliar + verbo principal em uma de suas Futuro do presente simples
formas nominais). Nas locuções verbais, o verbo auxiliar
aparece desprovido de sua significação; no entanto, é o res- sonharei receberei decidirei
sonharás receberás decidirás
ponsável pela indicação das flexões de tempo, pessoa, modo sonhará receberá decidirá
e número. sonharemos receberemos decidiremos
sonhareis recebereis decidireis
sonharão receberão decidirão
CONJUGAÇÃO DOS VERBOS REGULARES
Futuro do presente composto
PARADIGMAS DAS CONJUGAÇÕES REGULARES
terei sonhado terei recebido terei decidido
Modelos terás sonhado terás recebido terás decidido
terá sonhado terá recebido terá decidido
1ª conjugação - 2ª conjugação - 3ª conjugação - teremos sonhado teremos recebido teremos decidido
sonhar receber decidir tereis sonhado tereis recebido tereis decidido
terão sonhado terão recebido terão decidido

MODO INDICATIVO
Futuro do pretérito simples
Presente sonharia receberia decidiria
sonharias receberias decidirias
sonho recebo decido
sonharia receberia decidiria
sonhas recebes decides sonharíamos receberíamos decidiríamos
sonha recebe decide sonharíeis receberíeis decidiríeis
sonhamos recebemos decidimos sonhariam receberiam decidiriam
sonhais recebeis decidis
sonham recebem decidem

Futuro do pretérito composto


Pretérito perfeito simples
teria sonhado teria recebido teria decidido
sonhei recebi decidi terias sonhado terias recebido terias decidido
sonhaste recebeste decidiste teria sonhado teria recebido teria decidido
sonhou recebeu decidiu teríamos sonhado teríamos recebido teríamos decidido
sonhamos recebemos decidimos teríeis sonhado teríeis recebido teríeis decidido
sonhastes recebestes decidistes teriam sonhado teriam recebido teriam decidido
sonharam receberam decidiram

– 50 –
Língua Portuguesa
MODO SUBJUNTIVO Negativo

Presente não sonhes (tu) não recebas (tu) não decidas (tu)
não sonhe (você) não receba (você) não decida (você)
sonhe receba decida não sonhemos não recebamos não decidamos
sonhes recebas decidas (nós) (nós) (nós)
sonhe receba decida não sonheis não recebais não decidais
sonhemos recebamos decidamos (vós) (vós) (vós)
sonheis recebais decidais não sonhem não recebam não decidam
sonhem recebam decidam (vocês) (vocês)
(vocês)

Pretérito imperfeito FORMAS NOMINAIS

sonhasse recebesse decidisse


sonhasses recebesses decidisses Infinitivo impessoal
sonhasse recebesse decidisse sonhar receber decidir
sonhássemos recebêssemos decidíssemos
sonhásseis recebêsseis decidísseis
sonhassem recebessem decidissem
Infinitivo impessoal composto

Pretérito perfeito composto ter sonhado ter recebido ter decidido

tenha sonhado tenha recebido tenha decidido


tenhas sonhado tenhas recebido tenhas decidido
tenha sonhado tenha recebido tenha decidido Infinitivo pessoal
tenhamos sonhado tenhamos recebido tenhamos decidido
tenhais sonhado tenhais recebido tenhais decidido sonhar (eu) receber (eu) decidir (eu)
tenham sonhado tenham recebido tenham decidido sonhares (tu) receberes (tu) decidires (tu)
sonhar (ele) receber (ele) decidir (ele)
sonharmos (nós) recebermos (nós) decidirmos (nós)
sonhardes (vós) receberdes (vós) decidirdes (vós)
Pretérito mais-que-perfeito composto sonharem (eles) receberem (eles) decidirem (eles)
tivesse sonhado tivesse recebido tivesse decidido
tivesses sonhado tivesses recebido tivesses decidido
tivesse sonhado tivesse recebido tivesse decidido
tivéssemos tivéssemos tivéssemos Infinitivo pessoal composto
sonhado recebido decidido
tivésseis sonhado tivésseis recebido tivésseis decidido ter sonhado ter recebido ter decidido
tivessem sonhado tivessem recebido tivessem decidido teres sonhado teres recebido teres decidido
ter sonhado ter recebido ter decidido
termos sonhado termos recebido termos decidido
terdes sonhado terdes recebido terdes decidido
Futuro simples terem sonhado terem recebido terem decidido
sonhar receber decidir
sonhares receberes decidires
sonhar receber decidir Gerúndio
sonharmos recebermos decidirmos
sonhardes receberdes decidirdes sonhando recebendo decidindo
sonharem receberem decidirem

Gerúndio composto
Futuro composto tendo sonhado tendo recebido tendo decidido
tiver sonhado tiver recebido tiver decidido
tiveres sonhado tiveres recebido tiveres decidido Particípio
tiver sonhado tiver recebido tiver decidido
tivermos sonhado tivermos recebido tivermos decidido sonhado recebido decidido
tiverdes sonhado tiverdes recebido tiverdes decidido
tiverem sonhado tiverem recebido tiverem decidido
VERBOS IRREGULARES

A seguir, apresentamos algumas conjugações dos princi-


MODO IMPERATIVO pais verbos irregulares:
1ª CONJUGAÇÃO - ar
Afirmativo Aguar
sonha (tu) recebe (tu) decide (tu)
sonhe (você) receba (você) decida (você) Presente do indicativo: águo, águas, água, aguamos, aguais,
sonhemos (nós) recebamos (nós) decidamos (nós) águam.
sonhai (vós) recebei (vós) decidi (vós) Pretérito perfeito: aguei, aguaste, aguou, aguamos, aguastes,
aguaram.
sonhem (vocês) recebam (vocês) decidam (vocês) Presente do subjuntivo: águe, águes, águe, aguemos, agueis,
águem.
Verbo regular nos demais tempos. Assim se conjugam desa-
guar, enxaguar e minguar.

– 51 –
Língua Portuguesa
Dar Caber
Presente do indicativo: dou, dás, dá, damos, dais, dão. Presente do indicativo: caibo, cabes, cabe, cabemos, cabeis, ca-
Pretérito perfeito: dei, deste, deu, demos, destes, deram. bem.
Pretérito imperfeito: dava, davas, dava, dávamos, dáveis, davam. Pretérito perfeito: coube, coubeste, coube, coubemos, coubestes,
Pretérito mais-que-perfeito: dera, deras, dera, déramos, déreis, couberam.
deram. Pretérito imperfeito: cabia, cabias, cabia, cabíamos, cabíeis, cabi-
Futuro do presente: darei, darás, dará, daremos, dareis, darão. am.
Futuro do pretérito: daria, darias, daria, daríamos, daríeis, dariam. Pretérito mais-que-perfeito: coubera, couberas, coubera, coubéra-
Presente do subjuntivo: dê, dês, dê, demos, deis, deem. mos, coubéreis, couberam.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: desse, desses, desse, désse- Futuro do presente: caberei, caberás, caberá, caberemos, cabereis,
mos, désseis, dessem. caberão.
Futuro do subjuntivo: der, deres, der, dermos, derdes, derem. Futuro do pretérito: caberia, caberias, caberia, caberíamos, caberí-
Imperativo afirmativo: dá, dê, demos, dai, deem. eis, caberiam.
Infinitivo impessoal: dar.
Presente do subjuntivo: caiba, caibas, caiba, caibamos, caibais,
Infinitivo pessoal: dar, dares, dar, darmos, dardes, darem.
caibam.
Gerúndio: dando.
Particípio: dado. Pretérito imperfeito do subjuntivo: coubesse, coubesses, coubes-
se, coubéssemos, coubésseis, coubessem.
Moscar (desaparecer) Futuro do subjuntivo: couber, couberes, couber, coubermos, cou-
berdes, couberem.
Presente do indicativo: musco, muscas, musca, moscamos, mos-
cais, muscam. Observação: O verbo caber não se apresenta conjugado nem
Presente do subjuntivo: musque, musques, musque, mosquemos, no imperativo afirmativo nem no imperativo negativo.
mosqueis, musquem.

Nomear Crer
Presente do indicativo: nomeio, nomeias, nomeia, nomeamos, Presente do indicativo: creio, crês, crê, cremos, credes, creem.
nomeais, nomeiam. Pretérito perfeito: cri, creste, creu, cremos, crestes, creram.
Pretérito imperfeito: nomeava, nomeavas, nomeava, nomeávamos, Pretérito imperfeito: cria, crias, cria, criamos, crieis, criam.
nomeáveis, nomeavam. Pretérito mais-que-perfeito: crera, creras, crera, crêramos, crêreis,
Pretérito perfeito: nomeei, nomeaste, nomeou, nomeamos, nome- creram.
astes, nomearam. Presente do subjuntivo: creia, creias, creia, creiamos, creiais,
Presente do subjuntivo: nomeie, nomeies, nomeie, nomeemos, creiam.
nomeeis, nomeiem. Pretérito imperfeito do subjuntivo: cresse, cresses, cresse, crês-
Imperativo afirmativo: nomeia, nomeie, nomeemos, nomeai, no- semos, crêsseis, cressem
meiem. Futuro do subjuntivo: crer, creres, crer, crermos, crerdes, crerem.
Imperativo afirmativo: crê, creia, creiamos, crede, creiam.
É regular o resto da conjugação.
Imperativo negativo: não creias (tu), não creia (você), não creiamos
Assim se conjugam: apear, atear, cear, folhear, frear, passear, (nós), não crede (vós), não creiam (vocês)
gear, bloquear, granjear, hastear, lisonjear, semear, arrear, recrear,
estrear, etc. Assim se conjugam: ler e descrer.
Odiar
Dizer
Presente do indicativo: odeio, odeias, odeia, odiamos, odiais, odei-
am.
Pretérito imperfeito: odiava, odiavas, odiava, odiávamos, odiáveis, Presente do indicativo: digo, dizes, diz, dizemos, dizeis, dizem.
odiavam. Pretérito perfeito: disse, disseste, disse, dissemos, dissestes, disse-
Pretérito perfeito: odiei, odiaste, odiou, odiamos, odiastes, odiaram. ram.
Pretérito mais-que-perfeito: odiara, odiaras, odiara, odiáramos, Pretérito mais-que-perfeito: dissera, disseras, dissera, disséramos,
odiáreis, odiaram. disséreis, disseram.
Presente do subjuntivo: odeie, odeies, odeie, odiemos, odieis, Futuro do presente: direi, dirás, dirá, diremos, direis, dirão.
odeiem. Futuro do pretérito: diria, dirias, diria, diríamos, diríeis, diriam.
Imperativo afirmativo: odeia, odeie, odiemos, odiai, odeiem. Presente do subjuntivo: diga, digas, diga, digamos, digais, digam.
Assim se conjugam: mediar, remediar, incendiar, ansiar, etc. Pretérito imperfeito do subjuntivo: dissesse, dissesses, dissesse,
disséssemos, dissésseis, dissessem.
Optar Futuro: disser, disseres, disser, dissermos, disserdes, disserem.
Particípio: dito.
Presente do indicativo: opto, optas, opta, optamos, optais, optam.
Presente do subjuntivo: opte, optes, opte, optemos, opteis, optem. Assim se conjugam: bendizer, condizer, contradizer, desdizer,
predizer, maldizer ...
Obs.: No caso do verbo optar a irregularidade está na pronún-
cia. Nas três pessoas do singular e na terceira do plural do presente Escrever
do indicativo e do presente do subjuntivo, a vogal o do radical é
pronunciada aberta e fortemente. Escrever e seus derivados descrever, inscrever, prescrever,
proscrever, reescrever, sobrescrever, subscrever são irregulares
apenas no particípio: escrito, descrito, inscrito, prescrito, proscrito,
2ª CONJUGAÇÃO - er reescrito, sobrescrito, subscrito.

Abster-se Fazer
Presente do indicativo: abstenho-me, absténs-te, abstém-se, abs- Presente do indicativo: faço, fazes, faz, fazemos, fazeis, fazem.
temo-nos, abstendes-vos, abstêm-se. Pretérito perfeito: fiz, fizeste, fez, fizemos, fizestes, fizeram.
Pretérito imperfeito: abstinha-me, abstinhas-te, etc. Pretérito mais-que-perfeito: fizera, fizeras, fizera, fizéramos, fizé-
Pretérito perfeito: abstive-me, etc. reis, fizeram.
Pretérito mais-que-perfeito: abstivera-me, etc.
Futuro do presente: farei, farás, fará, faremos, fareis, farão.
Futuro do presente: abster-me-ei, etc.
Futuro do pretérito: abster-me-ia, etc. Futuro do pretérito: faria, farias, faria, faríamos, faríeis, fariam.
Imperativo afirmativo: abstém-te, abstenha-se, abstenhamo-nos, Presente do subjuntivo: faça, faças, faça, façamos, façais, façam.
abstende-vos, abstenham-se. Pretérito imperfeito do subjuntivo: fizesse, fizesses, fizesse, fizés-
Presente do subjuntivo: que me abstenha, que te abstenhas, etc. semos, fizésseis, fizessem.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: se me abstivesse, se te absti- Futuro do subjuntivo: fizer, fizeres, fizer, fizermos, fizerdes, fizerem.
vesses, etc. Imperativo afirmativo: faze, faça, façamos, fazei, façam.
Futuro do subjuntivo: se me abstiver, etc.
Gerúndio: abstendo-se. Assim se conjugam: desfazer, refazer, satisfazer.
Particípio: abstido.

– 52 –
Língua Portuguesa
Ler Pretérito imperfeito do subjuntivo: provesse, provesses, provesse,
provêssemos, provêsseis, provessem.
Presente do indicativo: leio, lês, lê, lemos, ledes, leem. Futuro do subjuntivo: prover, proveres, prover, provermos, prover-
Pretérito imperfeito: lia, lias, lia, líamos, líeis, liam. des, proverem.
Pretérito perfeito: li, leste, leu, lemos, lestes, leram. Imperativo afirmativo: provê, proveja, provejamos, provede, prove-
Pretérito mais-que-perfeito: lera, leras, lera, lêramos, lêreis, leram. jam.
Presente do subjuntivo: leia, leias, leia, leiamos, leiais, leiam. Gerúndio: provendo.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: lesse, lesses, lesse, lêssemos, Particípio: provido.
lêsseis, lessem.
Imperativo afirmativo: lê, leia, leiamos, lede, leiam. Querer
Assim se conjugam: reler, tresler.
Presente do indicativo: quero, queres, quer, queremos, quereis,
Perder querem.
Pretérito imperfeito: queria, querias, queria, queríamos, queríeis,
Presente do indicativo: perco (com e fechado), perdes, perde, queriam.
perdemos, perdeis, perdem. Pretérito perfeito: quis, quiseste, quis, quisemos, quisestes, quise-
Presente do subjuntivo: perca, percas, perca, percamos, percais, ram.
percam. Pretérito mais-que-perfeito: quisera, quiseras, quisera, quiséramos,
Imperativo afirmativo: perde, perca, percamos, perdei, percam. quiséreis, quiseram.
Futuro do presente: quererei, quererás, quererá, quereremos, que-
Regular nos demais tempos e modos. rereis, quererão.
Futuro do pretérito: quereria, quererias, quereria, quereríamos,
Poder quereríeis, quereriam.
Presente do subjuntivo: queira, queiras, queira, queiramos, quei-
Presente do indicativo: posso, podes, pode, podemos, podeis,
rais, queiram.
podem.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: quisesse, quisesses, quisesse,
Pretérito imperfeito: podia, podias, podia, podíamos, podíeis, podi-
quiséssemos, quisésseis, quisessem.
am.
Futuro do subjuntivo: quiser, quiseres, quiser, quisermos, quiser-
Pretérito perfeito: pude, pudeste, pôde, pudemos, pudestes, pude- des, quiserem.
ram. Imperativo afirmativo: quer tu, queira você, queiramos nós, querei
Pretérito mais-que-perfeito: pudera, puderas, pudera, pudéramos, vós, queiram vocês.
pudéreis, puderam. Imperativo negativo: não queiras tu, não queira você, não queira-
Presente do subjuntivo: possa, possas, possa, possamos, possais, mos nós, não queirais vós, não queiram vocês.
possam. Gerúndio: querendo.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: pudesse, pudesses, pudesse, Particípio: querido.
pudéssemos, pudésseis, pudessem.
Futuro: puder, puderes, puder, pudermos, puderdes, puderem. Requerer
Infinitivo pessoal: poder, poderes, poder, podermos, poderdes,
poderem. Presente do indicativo: requeiro, requeres, requer, requeremos,
Gerúndio: podendo. requereis, requerem.
Particípio: podido. Pretérito perfeito: requeri, requereste, requereu, requeremos, re-
querestes, requereram.
Observação: O verbo poder não se apresenta conjugado nem Pretérito mais-que-perfeito: requerera, requereras, requerera,
no imperativo afirmativo nem no imperativo negativo. requerêramos, requerêreis, requereram.
Futuro do presente: requererei, requererás, requererá, requerere-
Pôr (antigo poer) mos, requerereis, requererão.
Futuro do pretérito: requereria, requererias, requereria, requerería-
mos, requereríeis, requereriam.
Presente do indicativo: ponho, pões, põe, pomos, pondes, põem. Presente do subjuntivo: requeira, requeiras, requeira, requeiramos,
Pretérito imperfeito: punha, punhas, punha, púnhamos, púnheis, requeirais, requeiram.
punham. Pretérito imperfeito do subjuntivo: requeresse, requeresses, re-
Pretérito perfeito: pus, puseste, pôs, pusemos, pusestes, puseram. queresse, requerêssemos, requerêsseis, requeressem.
Pretérito mais-que-perfeito: pusera, puseras, pusera, puséramos, Futuro do subjuntivo: requerer, requereres, requerer, requerermos,
puséreis, puseram. requererdes, requererem.
Futuro do presente: porei, porás, porá, poremos, poreis, porão. Imperativo afirmativo: requere, requeira, requeiramos, requerei,
Futuro do pretérito: poria, porias, poria, poríamos, poríeis, poriam. requeiram.
Presente do subjuntivo: ponha, ponhas, ponha, ponhamos, po- Gerúndio: requerendo. / Particípio: requerido.
nhais, ponham. O verbo requerer não se conjuga como querer.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: pusesse, pusesses, pusesse,
puséssemos, pusésseis, pusessem. Saber
Futuro: puser, puseres, puser, pusermos, puserdes, puserem. Presente do indicativo: sei, sabes, sabe, sabemos, sabeis, sabem.
Imperativo afirmativo: põe, ponha, ponhamos, ponde, ponham. Pretérito imperfeito: sabia, sabias, sabia, sabíamos, sabíeis, sabi-
Infinitivo pessoal: pôr, pores, pôr, pormos, pordes, porem. am.
Infinitivo impessoal: pôr. Pretérito perfeito: soube, soubeste, soube, soubemos, soubestes,
Gerúndio: pondo. souberam.
Particípio: posto. Pretérito mais-que-perfeito: soubera, souberas, soubera, soubéra-
mos, soubéreis, souberam.
Assim se conjugam os verbos derivados de pôr, como por e- Presente do subjuntivo: saiba, saibas, saiba, saibamos, saibais,
xemplo: antepor, compor, depor, dispor, impor, propor, pressupor, saibam.
repor, etc. Pretérito imperfeito do subjuntivo: soubesse, soubesses, soubes-
se, soubéssemos, soubésseis, soubessem.
Futuro do subjuntivo: souber, souberes, souber, soubermos, sou-
Prover berdes, souberem.
Imperativo afirmativo: sabe, saiba, saibamos, sabei, saibam.
Presente do indicativo: provejo, provês, provê, provemos, prove- Trazer
des, proveem.
Pretérito imperfeito: provia, provias, provia, províamos, províeis,
proviam. Presente do indicativo: trago, trazes, traz, trazemos, trazeis, tra-
Pretérito perfeito: provi, proveste, proveu, provemos, provestes, zem.
proveram. Pret. imperfeito: trazia, trazias, trazia, trazíamos, trazíeis, traziam.
Pretérito mais-que-perfeito: provera, proveras, provera, provêra- Pretérito mais-que-perfeito: trouxera, trouxeras, trouxera, trouxé-
mos, provêreis, proveram. ramos, trouxéreis, trouxeram.
Futuro do presente: proverei, proverás, proverá, proveremos, prove- Futuro do presente: trarei, trarás, trará, traremos, trareis, trarão.
reis, proverão. Futuro do pretérito: traria, trarias, traria, traríamos, traríeis, trariam.
Futuro do pretérito: proveria, proverias, proveria, proveríamos, Presente do subjuntivo: traga, tragas, traga, tragamos, tragais,
proveríeis, proveriam. tragam.
Presente do subjuntivo: proveja, provejas, proveja, provejamos, Pretérito imperfeito do subjuntivo: trouxesse, trouxesses, trouxes-
provejais, provejam. se, trouxéssemos, trouxésseis, trouxessem.

– 53 –
Língua Portuguesa
Futuro do subjuntivo: trouxer, trouxeres, trouxer, trouxermos, trou- Pretérito perfeito: construí, construíste, construiu, construímos,
xerdes, trouxerem. construístes, construíram.
Imperativo afirmativo: traze, traga, tragamos, trazei, tragam. Pretérito mais-que-perfeito: construíra, construíras, construíra,
Infinitivo pessoal: trazer, trazeres, trazer, trazermos, trazerdes, construíramos, construíreis, construíram.
trazerem. Imperativo afirmativo: constrói, construa, construamos, construí,
Gerúndio: trazendo. / Particípio: trazido. construam.

Valer Assim se conjugam: destruir e reconstruir.

Presente do indicativo: valho, vales, vale, valemos, valeis, valem. Ferir


Pretérito imperfeito: valia, valias, valia, valíamos, valíeis, valiam.
Pretérito perfeito: vali, valeste, valeu, valemos, valestes, valeram. Presente do indicativo: firo, feres, fere, ferimos, feris, ferem.
Presente do subjuntivo: valha, valhas, valha, valhamos, valhais, Presente do subjuntivo: fira, firas, fira, firamos, firais, firam.
valham.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: valesse, valesses, valesse, O verbo ferir tem o e do radical substituído por i na primeira
valêssemos, valêsseis, valessem. pessoa do singular do presente do indicativo, nas pessoas do pre-
Futuro do subjuntivo: valer, valeres, valer, valermos, valerdes, sente do subjuntivo e nas formas derivadas do imperativo.
valerem.
Imperativo afirmativo: vale, valha, valhamos, valei, valham. Assim se conjugam: competir, divertir, expelir, vestir, inserir e
Imperativo negativo: não valhas, não valha, não valhamos, não os derivados de ferir.
valhais, não valham.
Gerúndio: valendo. / Particípio: valido. Frigir

Assim são conjugados: equivaler e desvaler. Presente do indicativo: frijo, freges, frege, frigimos, frigis, fregem.
Presente do subjuntivo: frija, frijas, frija, frijamos, frijais, frijam.
Ver Imperativo afirmativo: frege, frija, frijamos, frigi, frijam.
Particípio: frito.
Presente do indicativo: vejo, vês, vê, vemos, vedes, veem.
Pretérito perfeito: vi, viste, viu, vimos, vistes, viram. O verbo frigir é regular no resto da conjugação.
Pretérito mais-que-perfeito: vira, viras, vira, víramos, víreis, viram.
Imperativo afirmativo: vê, veja, vejamos, vede, vejam. Fugir
Presente do subjuntivo: veja, vejas, veja, vejamos, vejais, vejam.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: visse, visses, visse, víssemos, Presente do indicativo: fujo, foges, foge, fugimos, fugis, fogem.
vísseis, vissem. Imperativo afirmativo: foge, fuja, fujamos, fugi, fujam.
Futuro do subjuntivo: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem. Presente do subjuntivo: fuja, fujas, fuja, fujamos, fujais, fujam.
Gerúndio: vendo. / Particípio: visto.
O verbo fugir apresenta o g substituído por j antes de a e de
Assim se conjugam: antever, prever e rever. o.

Ir
3ª CONJUGAÇÃO – ir
Presente do indicativo: vou, vais, vai, vamos, ides, vão.
Agredir Pretérito imperfeito: ia, ias, ia, íamos, íeis, iam.
Pretérito perfeito: fui, foste, foi, fomos, fostes, foram.
Presente do indicativo: agrido, agrides, agride, agredimos, agredis,
Pretérito mais-que-perfeito: fora, foras, fora, fôramos, fôreis, foram.
agridem.
Futuro do presente: irei, irás, irá, iremos, ireis, irão.
Presente do subjuntivo: agrida, agridas, agrida, agridamos, agri-
dais, agridam. Futuro do pretérito: iria, irias, iria, iríamos, iríeis, iriam.
Imperativo afirmativo: agride, agrida, agridamos, agredi, agridam. Presente do subjuntivo: vá, vás, vá, vamos, vades, vão.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: fosse, fosses, fosse, fôssemos,
Cair fôsseis, fossem.
Futuro do subjuntivo: for, fores, for, formos, fordes, forem.
Imperativo afirmativo: vai, vá, vamos, ide, vão.
Presente do indicativo: caio, cais, cai, caímos, caís, caem. Imperativo negativo: não vás, não vá, não vamos, não vades, não
Pretérito imperfeito: caía, caías, caía, caíamos, caíeis, caíam. vão.
Pretérito perfeito: caí, caíste, caiu, caímos, caístes, caíram. Infinitivo pessoal: ir, ires, ir, irmos, irdes, irem.
Pretérito mais-que-perfeito: caíra, caíras, caíra, caíramos, caíreis, Gerúndio: indo.
caíram. Particípio: ido.
Imperativo afirmativo: cai, caia, caiamos, caí, caiam.
Presente do subjuntivo: caia, caias, caia, caiamos, caiais, caiam. Mentir
Pretérito imperfeito do subjuntivo: caísse, caísses, caísse, caís-
semos, caísseis, caíssem. Presente do indicativo: minto, mentes, mente, mentimos, mentis,
Futuro do subjuntivo: cair, caíres, cair, cairmos, cairdes, caírem. mentem.
Presente do subjuntivo: minta, mintas, minta, mintamos, mintais,
Assim são conjugados: atrair, recair, sair, trair, subtrair etc. mintam.
Imperativo afirmativo: mente, minta, mintamos, menti, mintam.
Cobrir
Assim se conjugam: sentir, cerzir, competir, consentir, pres-
sentir, etc.
Presente do indicativo: cubro, cobres, cobre, cobrimos, cobris,
cobrem.
Presente do subjuntivo: cubra, cubras, cubra, cubramos, cubrais, Ouvir
cubram.
Imperativo afirmativo: cobre, cubra, cubramos, cobri, cubram. Presente do indicativo: ouço, ouves, ouve, ouvimos, ouvis, ouvem.
Particípio: coberto. Presente do subjuntivo: ouça, ouças, ouça, ouçamos, ouçais,
O verbo cobrir tem o o substituído por u na primeira pessoa ouçam.
do presente do indicativo, nas pessoas do presente do subjuntivo e Imperativo afirmativo: ouve, ouça, ouçamos, ouvi, ouçam.
nas formas derivadas do imperativo. Assim se conjugam: dormir, Particípio: ouvido.
tossir, descobrir, engolir, etc.
Pedir
Construir
Presente do indicativo: peço, pedes, pede, pedimos, pedis, pedem.
Presente do subjuntivo: peça, peças, peça, peçamos, peçais,
Presente do indicativo: construo, constróis, constrói, construímos, peçam.
construís, constroem. Imperativo afirmativo: pede, peça, peçamos, pedi, peçam.
Pretérito imperfeito: construía, construías, construía, construíamos,
construíeis, construíam. O verbo pedir é regular nas demais formas.

– 54 –
Língua Portuguesa
Assim se conjugam: medir, despedir, impedir, expedir. VERBOS ABUNDANTES
Remir Verbos abundantes são aqueles que possuem duas
formas, geralmente no particípio. Veja, a seguir, uma lista de
Presente do indicativo: redimo, redimes, redime, remimos, remis,
redimem. alguns verbos abundantes:
Presente do subjuntivo: redima, redimas, redima, redimamos,
redimais, redimam. particípio particípio
infinitivo regular irregular
Rir
emergir emergido emerso
Presente do indicativo: rio, ris, ri, rimos, rides, riem. encher enchido cheio
Pretérito imperfeito: ria, rias, ria, ríamos, ríeis, riam. entregar entregado entregue
Pretérito perfeito: ri, riste, riu, rimos, ristes, riram. envolver envolvido envolto
Pretérito mais-que-perfeito: rira, riras, rira, ríramos, ríreis, riram. enxugar enxugado enxuto
Futuro do presente: rirei, rirás, rirá, riremos, rireis, rirão. expelir expelido expulso
Futuro do pretérito: riria, ririas, riria, riríamos, riríeis, ririam. expressar expressado expresso
Presente do subjuntivo: ria, rias, ria, riamos, riais, riam. exprimir exprimido expresso
Pretérito imperfeito do subjuntivo: risse, risses, risse, ríssemos, expulsar expulsado expulso
rísseis, rissem. extinguir extinguido extinto
Futuro do subjuntivo: rir, rires, rir, rirmos, rirdes, rirem. fixar fixado fixo
Imperativo afirmativo: ri, ria, riamos, ride, riam. frigir frigido frito
Infinitivo pessoal: rir, rires, rir, rirmos, rirdes, rirem.
fritar fritado frito
Gerúndio: rindo.
Particípio: rido. ganhar ganhado ganho
gastar gastado gasto
imprimir imprimido impresso
Assim se conjuga: sorrir. incluir incluído incluso
isentar isentado isento
Sortir inserir inserido inserto
limpar limpado limpo
Presente do indicativo: surto, surtes, surte, sortimos, sortis, surtem. matar matado morto
Presente do subjuntivo: surta, surtas, surta, surtamos, surtais, misturar misturado misto
surtam. morrer morrido morto
Imperativo afirmativo: surte, surta, surtamos, sorti, surtam.
nascer nascido nato
Imperativo negativo: não surtas, não surta, não surtamos, não
surtais, não surtam. ocultar ocultado oculto
pagar pagado pago
Sortir significa abastecer, fazer sortimento, combinar. Não pegar pegado pego
confundir com surtir (= ter como resultado, alcançar efeito, originar), prender prendido preso
que só tem as terceiras pessoas: romper rompido roto
salvar salvado salvo
O plano surtiu efeito. secar secado seco
As negociações não surtiram efeito. segurar segurado seguro
soltar soltado solto
Sumir submergir submergido submerso
sujeitar sujeitado sujeito
Presente do indicativo: sumo, somes, some, sumimos, sumis, suprimir suprimido supresso
somem. suspender suspendido suspenso
Presente do subjuntivo: suma, sumas, suma, sumamos, sumais, tingir tingido tinto
sumam. vagar vagado vago
Imperativo afirmativo: some, suma, sumamos, sumi, sumam.

Assim se conjugam: subir, acudir, bulir, escapulir, fugir, etc.


VERBOS DEFECTIVOS
Vir
Verbos defectivos são os que não possuem todas as
Presente do indicativo: venho, vens, vem, vimos, vindes, vêm. formas, ou seja, não têm a conjugação completa.
Pretérito imperfeito: vinha, vinhas, vinha, vínhamos, vínheis, vi-
nham.
Pretérito perfeito: vim, vieste, veio, viemos, viestes, vieram.
Pretérito mais-que-perfeito: viera, vieras, viera, viéramos, viéreis, Conjugação de alguns verbos defectivos
vieram.
Futuro do presente: virei, virás, virá, viremos, vireis, virão.
Futuro do pretérito: viria, virias, viria, viríamos, viríeis, viriam. PRECAVER
Presente do subjuntivo: venha, venhas, venha, venhamos, venhais,
venham.
Pretérito imperfeito do subjuntivo: viesse, viesses, viesse, viés-
Modo indicativo
semos, viésseis, viessem.
Futuro do subjuntivo: vier, vieres, vier, viermos, vierdes, vierem. Pretérito Pretérito
Infinitivo pessoal: vir, vires, vir, virmos, virdes, virem. Presente perfeito imperfeito
Imperativo afirmativo: vem, venha, venhamos, vinde, venham.
- precavi precavia
Gerúndio: vindo. - precaveste precavias
Particípio: vindo. - precaveu precavia
precavemos precavemos precavíamos
Assim se conjugam: intervir, advir, convir, provir, sobrevir. precaveis precavestes precavíeis
- precaveram precaviam
Pretérito mais- Futuro do Futuro do
VERBOS ANÔMALOS que-perfeito presente pretérito
precavera precaverei precaveria
Verbos anômalos são aqueles cujos radicais sofrem precaveras precaverás precaverias
várias irregularidades e não se enquadram em nenhuma precavera precaverá precaveria
classificação. São considerados anômalos os verbos ser, ir, precavêramos precaveremos precaveríamos
pôr e vir, cujas conjugações já vimos anteriormente. precavêreis precavereis precaveríeis
precaveram precaverão precaveriam

– 55 –
Língua Portuguesa
Modo subjuntivo VERBOS PRONOMINAIS
Pretérito São verbos pronominais aqueles que só se conjugam
Presente imperfeito Futuro com os pronomes oblíquos átonos (me, te, se, nos, vos, se)
- precavesse precaver na mesma pessoa gramatical do sujeito, expressando reflexi-
- precavesses precaveres bilidade. Exemplos: pentear-se, queixar-se, lembrar-se, etc.
- precavesse precaver
- precavêssemos precavermos
- precavêsseis precaverdes CONJUGAÇÃO DOS VERBOSPRONOMINAIS:
- precavessem precaverem
VERBO LEMBRAR-SE
Modo Imperativo
Indicativo Presente: lembro-me, lembras-te, lembra-se, lembramo-
Afirmativo Negativo nos, lembrai-vos, lembram-se.
- - Pretérito Imperfeito: lembrava-me, lembravas-te, lembrava-se,
- - lembrávamo-nos, lembráveis-vos, lembravam-se.
- - Pretérito Perfeito Simples: lembrei-me, lembraste-te, lembrou-se,
precavei - etc.
- - Pretérito Perfeito Composto: tenho-me lembrado, tens-te lembrado,
tem-se lembrado, temo-nos lembrado, tendes-vos lembrado, têm-se
Formas nominais lembrado.
Pretérito Mais-Que-Perfeito Simples: lembrara-me, lembraras-te,
Infinitivo pessoal o precaver
precaveres lembrara-se, lembráramo-nos, lembráreis-vos, lembraram-se.
precaver Pretérito Mais- Que-Perfeito Composto: tinha-me lembrado, tinhas-
precavermos te lembrado, tinha-se lembrado, tínhamo-nos lembrado, tínheis-vos
precaverdes lembrado, tinham-se lembrado.
precaverem Futuro do Presente Simples: lembrar-me-ei, lembrar-te-ás, lembrar-
Infinitivo impessoal o precaver se-á, lembrar-nos-emos, lembrar-vos-eis, lembrar-se-ão.
Futuro do Presente Composto: ter-me-ei lembrado, ter-te-ás lem-
Gerúndio o precavendo brado, ter-se-á lembrado, ter-nos-emos lembrado, ter-vos-eis lem-
Particípio o precavido brado, ter-se-ão lembrado.
Futuro do Pretérito Simples: lembrar-me-ia, lembrar-te-ias, lembrar-
REAVER se-ia, lembrar-nos-íamos, lembrar-vos-íeis, lembrar-se-iam.
Futuro do Pretérito Composto: ter-me-ia lembrado, ter-te-ias lem-
Modo indicativo brado, ter-se-ia lembrado, ter-nos-íamos lembrado, ter-vos-íeis lem-
Pretérito Pretérito brado, ter-se-iam lembrado.
Presente perfeito imperfeito Subjuntivo Presente: lembre-me, lembres-te, lembre-se, lembremo-
nos, lembreis-vos, lembrem-se.
- reouve reavia
- reouveste reavias Pretérito Imperfeito: lembrasse-me, lembrasses-te, lembrasse-se,
- reouve reavia lembrássemo-nos, lembrásseis-vos, lembrassem-se.
reavemos reouvemos reavíamos Pretérito Perfeito: nesse tempo não se usam pronomes oblíquos
reaveis reouvestes reavíeis pospostos, mas antepostos ao verbo: que me tenha lembrado, que te
- reouveram reaviam tenhas lembrado, que se tenha lembrado, etc.
Pretérito mais- Futuro do Futuro do Pretérito Mais-Que-Perfeito: tivesse-me lembrado, tivesses te lem-
que-perfeito presente pretérito brado, tivesse-se lembrado, tivéssemo-nos lembrado, tivésseis-vos
reouvera reaverei reaveria lembrado, tivessem-se lembrado.
reouveras reaverás reaverias Futuro
reouvera reaverá reaveria Simples: neste tempo, os pronomes oblíquos são antepostos ao
reouvéramos reaveremos reaveríamos verbo: se me lembrar, se te lembrares, se se lembrar, etc.
reouvéreis reavereis reaveríeis Futuro Composto: neste tempo os pronomes oblíquos são antepos-
reouveram reaverão reaveriam tos ao verbo: se me tiver lembrado, se te tiveres lembrado, se se tiver
lembrado, etc.
Modo subjuntivo Imperativo Afirmativo: lembra-te, lembra-se, lembremo-nos, lem-
brai-vos, lembrem-se.
Pretérito Imperativo Negativo: não te lembres, não se lembre, não nos lem-
Presente imperfeito Futuro bremos, etc.
Infinitivo Presente Impessoal: ter-me lembrado.
- reouvesse reouver Infinitivo Presente Pessoal: lembrar-me, lembrares-te, lembrar-se,
- reouvesses reouveres lembrarmo-nos, lembrardes-vos, lembrarem-se.
- reouvesse reouver Infinitivo Pretérito Pessoal: ter-me lembrado, teres-te lembrado, ter-
- reouvéssemos reouvermos se lembrado, termo-nos lembrado, terdes-vos lembrado, terem-se
- reouvésseis reouverdes lembrado.
- reouvessem reouverem Infinitivo Pretérito Impessoal: ter-se lembrado.
Gerúndio Presente: lembrando-se.
Gerúndio Pretérito: tendo-se lembrado.
Modo Imperativo Particípio: não admite a forma pronominal.
Afirmativo Negativo
- - LOCUÇÃO VERBAL
- -
- - Locução verbal é a combinação de verbos auxiliares
reavei - (ter, haver, ser e estar, ou outro qualquer que funcione como
- - auxiliar) com verbos nas formas nominais.
Tenho estudado muito.
Formas nominais Hei de comprar uma casa.
Gerúndio o reavendo Estou esperando você.
Particípio o reavido

– 56 –
Língua Portuguesa
VOZES DO VERBO CONVERSÃO DA VOZ ATIVA NA PASSIVA

Voz do verbo é a forma que este toma para indicar que a Pode-se mudar a voz ativa na passiva sem alterar subs-
ação verbal é praticada ou sofrida pelo sujeito. tancialmente o sentido da frase:

Três são as vozes dos verbos: a ativa, a passiva e a refle- Ex.: Gutenberg inventou a imprensa.
xiva. A imprensa foi inventada por Gutenberg.

Um verbo está na voz ativa quando o sujeito é agente, Observe que o objeto direto será o sujeito da passiva, o
isto é, faz a ação expressa pelo verbo. sujeito da ativa passará a agente da passiva e o verbo ativo
revestirá a forma passiva, conservando o mesmo tempo.
Ex.: O caçador abateu a ave.
Ex.: Os calores intensos provocam as chuvas.→
Um verbo está na voz passiva quando o sujeito é pacien- As chuvas são provocadas pelos calores intensos.
te, isto é, sofre, recebe ou desfruta, a ação expressa pelo Eu o acompanharei. → Ele será acompanhado por mim.
verbo.
Obs.: Quando o sujeito da voz ativa for indeterminado, não
Ex.: A ave foi abatida pelo caçador. haverá complemento agente da passiva.

Obs.: Só verbos transitivos podem ser usados na voz passi- Ex.: Prejudicaram-me. → Fui prejudicado.
va.
EXERCÍCIOS
FORMAÇÃO DA VOZ PASSIVA
1) Se você ............ no próximo domingo e ................ de tem-
A voz passiva, mais frequentemente, é formada: po ............... assistir a final do campeonato.

1) Pelo verbo auxiliar ser seguido do particípio do verbo prin- a) vir / dispor / vá
cipal (passiva analítica). b) vir / dispuser / vai
c) vier / dispor / vá
Ex.: O homem é afligido pelas doenças. d) vier / dispuser / vá
e) vier / dispor / vai
Na passiva analítica, o verbo pode vir acompanhado pelo
agente da passiva. Menos frequentemente, pode-se exprimir 2) Ele ............... que lhe ............... muitas dificuldades, mas
a passiva analítica com outros verbos auxiliares. enfim ............... a verba para a pesquisa.
Ex.: A aldeia estava isolada pelas águas.
(agente da passiva) a) receara / opusessem / obtera
b) receara / opusessem / obtivera
2) Com o pronome apassivador se associado a um verbo c) receiara / opossem / obtivera
ativo da terceira pessoa (passiva pronominal). d) receiara / oposessem / obtera
e) receara / opossem / obtera
Ex.: Regam-se as plantas.
Organizou-se o campeonato. 3) A segunda pessoa do singular do pretérito perfeito do
↓ (sujeito paciente) indicativo do verbo precaver é:
(pronome apassivador ou partícula apassivadora)
a) precavias
VOZ REFLEXIVA b) precavieste
c) precaveste
Na voz reflexiva o sujeito é, ao mesmo tempo, agente e d) precaviste
paciente: faz uma ação cujos efeitos ele mesmo sofre. e) n.d.a.

Ex.: O caçador feriu-se. 4) Assinale a alternativa que se encaixe no período seguinte:


A menina penteou-se. "Se você .......... e o seu irmão ......., quem sabe você .............
o dinheiro.
O verbo reflexivo é conjugado com os pronomes reflexi-
vos me, te, se, nos, vos, se. Estes pronomes são reflexivos a) requeresse / interviesse / reouvesse
quando se lhes podem acrescentar: a mim mesmo, a ti mes- b) requisesse / intervisse / reavesse
mo, a si mesmo, a nós mesmos, etc., respectivamente. c) requeresse / intervisse / reavesse
d) requeresse / interviesse / reavesse
Ex.: Consideras-te aprovado? (a ti mesmo) e) requisesse / intervisse / reouvesse
↘ pronome reflexivo
5) Assinale a opção que completa corretamente as
Uma variante da voz reflexiva é a que denota reciprocida- lacunas da seguinte frase:
de, ação mútua ou correspondida. Os verbos desta voz, por
alguns chamados recíprocos, usam-se geralmente, no plural "Quando ............... mais aperfeiçoado, o computador certa-
e podem ser reforçados pelas expressões um ao outro, reci- mente ............... um eficiente meio de controle de toda a vida
procamente, mutuamente. social."

Ex.: Amam-se como irmãos. a) estivesse / será


Os pretendentes insultaram-se. b) estiver / seria
(Pronome reflexivo recíproco) c) esteja / era

– 57 –
Língua Portuguesa
d) estivesse / era CLASSIFICAÇÃO DOS ADVÉRBIOS
e) estiver / será
1º) De Afirmação: sim, certamente, deveras, realmente,
incontestavelmente, efetivamente.
6) Quando ............ todos os documentos, ............... um re-
querimento e ............... a chamada de seu nome. 2º) De Dúvida: talvez, quiçá, acaso, porventura, provavel-
mente, decerto, certo.
a) obtiver / redija / aguarda
b) obteres / rediges / aguardes 3º) De Intensidade: muito, mui, pouco, assaz, bastante,
c) obtiveres / redige / aguarda mais, menos, tão, demasiado, meio, todo, completamente,
d) obter / redija / aguarde profundamente, demasiadamente, excessivamente, demais,
e) obtiver / redija / aguarde nada, ligeiramente, levemente, quão, quanto, bem, mas,
quase, apenas, como.

7) Ele ............... numa questão difícil de ser resolvida e 4º) De Lugar: abaixo, acima, acolá, cá, lá, aqui, ali, aí, além,
............... seus bens graças ao bom senso. algures, aquém, alhures, nenhures, atrás, fora, afora, dentro,
longe, adiante, diante, onde, avante, através, defronte, aon-
a) interviu / reouve de, donde, detrás.
b) interveio / rehaveu
c) interviu / reaveu 5º) De Modo: bem, mal, assim, depressa, devagar, como,
d) interveio / reouve adrede, debalde, melhor, pior, aliás, calmamente, livremente,
e) interviu / rehouve e quase todos os advérbios terminados em "mente".

6º) De Negação: não, absolutamente.


8) Indique a frase onde houver uma forma verbal incorreta.
7º) De Tempo: agora, hoje, amanhã, depois, ontem, anteon-
a) Os vegetais clorofilados sintetizam seu próprio alimento. tem, já, sempre, nunca, jamais, ainda, logo, antes, cedo,
b) Se ela vir de carro, chame-me. tarde, ora, afinal, outrora, então, breve, aí, entrementes, bre-
c) Lembramos-lhes que o eucalipto é uma excelente planta vemente, imediatamente, raramente, finalmente, comumente,
para o reflorestamento. presentemente, etc.
d) Há rumores de que pode haver novo racionamento de
gasolina. Há ainda advérbios interrogativos: onde? aonde?
e) n.d.a. quando? como? por que?: Onde estão eles? Quando sai-
rão? Como viajaram? Por que não telefonaram?

9) Aponte a alternativa que contém a forma verbal correta


para a seguinte oração: LOCUÇÕES ADVERBIAIS
“Quando eu o .........., ..........-lhe algumas verdades.”
São duas ou mais palavras com função de advérbio: às
a) ver – digo d) visse - diria tontas, às claras, às pressas, às ocultas, à toa, de vez em
b) vir – digo e) ver - direi quando, de quando em quando, de propósito, às vezes, ao
c) vir – direi acaso, ao léu, de repente, de chofre, a olhos vistos, de cor,
de improviso, em breve, por atacado, em cima, por trás, para
trás, de perto, sem dúvida, passo a passo, etc.

RESPOSTAS Exemplos:
1-D 2-B 3-C 4-A 5-E
6-E 7-D 8-B 9-C Ele, às vezes, age às escondidas.
O segredo é sempre virar à direita.
À tarde ela trabalha no hospital, mas à noite ela está em
casa.
ADVÉRBIO
FLEXÃO DOS ADVÉRBIOS
É uma palavra que modifica (que se refere) a um verbo, a
adjetivo, a um outro advérbio. Alguns advérbios flexionam-se no comparativo e no su-
perlativo.
A maioria dos advérbios modifica o verbo, ao qual acres-
centa uma circunstância. Só os de intensidade é que podem • Grau comparativo:
também modificar adjetivos e advérbios.
de igualdade: tão + advérbio + quanto
Mora muito longe
(modifica o advérbio longe). Cheguei tão cedo quanto queria.

Sairei cedo para alcançar os excursionistas de superioridade: mais + advérbio + que


(modifica o verbo sairei).
Cheguei mais cedo que queria.
Eram exercícios bem difíceis
(modifica o adjetivo difíceis). de inferioridade: menos + advérbio + que

Cheguei menos cedo que queria.

– 58 –
Língua Portuguesa
• Grau superlativo: d) Talvez eu compre um carro novo.
e) Certamente, irei a sua casa.
analítico:

Eles estavam muito felizes. 7) Assinale a alternativa em que a palavra meio tem valor de
advérbio:
Ele chegou muito cedo.
a) Preciso de um meio de ganhar dinheiro.
sintético: b) Anita comprou meio metro de tecido azul.
c) Ela caiu bem no meio da praça.
Eles estavam felicíssimos. d) O que aconteceu? Você parece meio abatido.
Ele chegou cedíssimo. e) Só há um meio de ganhar: nos unirmos ao concorrente.

EXERCÍCIOS 8) “Joana era extremamente sensível.” O advérbio destaca-


do é de:
1) Há dois advérbios em todas as alternativas, exceto na:
a) afirmação
a) Ela cantava muito bem. b) dúvida
b) Hoje, talvez eu vá às compras. c) negação
c) Eu não gostei de chegar tarde ao trabalho. d) lugar
d) Maísa é muito calma. e) modo
e) O motorista dirige muito devagar.

9) Assinale a alternativa que contém um advérbio de tempo:


2) Assinale a alternativa que contém um advérbio de afirma-
ção: a) Talvez chova na região sul e leste.
b) Não choverá na região sul e leste.
a) Sem dúvida, ele é um grande pintor. c) A região sul e leste terá chuvas fortes amanhã.
b) Ele, provavelmente, saíra do emprego. d) Sua casa fica à direita.
c) Absolutamente, não entendo nada de espanhol. e) Realmente, precisamos esclarecer as dúvidas.
d) Calmamente, expliquei a situação a ela.
e) Talvez ela venha ao nosso encontro.
10) Assinale a alternativa em que a palavra destacada
tem valor de advérbio:
3) Aponte a alternativa que não contém uma locução adver-
bial: a) O pai reagiu aflito à notícia do acidente.
b) A mãe acudiu o garoto aflito.
a) José deixou o escritório às pressas. c) O rapaz aflito foi socorrido pelo bombeiro.
b) Já sei a lição de cor. d) O policial aflito tentava salvar o rapaz.
c) Em breve sairá o novo cd de Roberto Carlos. e) O professor aflito encerrou a aula.
d) Atualmente, há vários filmes em cartaz.
e) Assim, ela tornou-se rica e famosa.
11) Em todas as alternativas há dois advérbios, exceto:

4) Na oração “Joana trabalha muito longe de casa” temos o a) Ele permaneceu muito calado.
grau: b) Amanhã, não iremos ao cinema.
c) O menino, ontem, cantou desafinadamente.
a) comparativo de superioridade d) Tranquilamente, realizou-se, hoje, o jogo.
b) superlativo sintético e) Ela falou calma e sabiamente.
c) superlativo analítico
d) comparativo de igualdade
e) comparativo de inferioridade 12) Assinale a opção que contém advérbio:
a) Nada impedirá a nossa viagem.
b) Você nada como um peixe.
5) Temos um grau comparativo de superioridade na alternati- c) Fizemos uma prova nada fácil.
va: d) Poucos têm tudo, muitos têm nada.
e) A certas pessoas nada lhes tira a calma.
a) Renata mora tão longe quanto João.
b) Renata mora mais longe que João.
c) Renata mora muito longe. RESPOSTAS
d) Renata mora menos longe que João. 1-D 2-A 3-D 4-C 5-B 6-A
e) n.d.a. 7-D 8-E 9-C 10 - A 11 - A 12 - C

6) Assinale a alternativa que contém um advérbio de tempo: PREPOSIÇÃO

a) Brevemente viajarei a Londres. Preposição é a palavra que liga um termo a outro:


b) Gosto das coisas às claras.
c) Não vou à sua casa de jeito nenhum. Casa de pedra; livro de Paulo; falou com ele.

– 59 –
Língua Portuguesa
Dividem-se as preposições em essenciais (as que sempre d) durante, desde, entre, segundo
foram preposições) e acidentais (palavras de outras classes e) trás, com, contra, perante
gramaticais que, às vezes, funcionam como preposição).
3) Nas orações:
1º) Preposições Essenciais: a, ante, após, até, com, de,
dês, desde, para, per, perante, por, sem, sob, sobre, trás. I - Valter foi a Portugal no ano passado.
II - A sua canção é linda!
Exemplos: III - Ele a iludiu com falsas promessas.
Fumava cigarro após cigarro.
Está vestida de branco. temos, respectivamente:

2º) Preposições Acidentais: conforme, consoante, segundo, a) preposição – pronome – artigo


durante, mediante, visto, como,exceto, salvo, etc. b) pronome – preposição – artigo
c) artigo – artigo – preposição
Exemplos: d) preposição – artigo – pronome
Os heróis tiveram como prêmio uma coroa de louros. e) artigo – preposição – pronome
Vovô dormiu durante a viagem.
4) Assinale a alternativa cuja lacuna não pode ser preenchida
LOCUÇÕES PREPOSITIVAS com a preposição entre parênteses:

São expressões com a função das preposições. a) Grande parte .............. doações foram desviadas. (de + as)
b) Ele não tem muita sorte ............. amor. (de + o)
Em geral são formadas de advérbio (ou locução adverbial) c) Ela tomou a criança ............... braço e a levou. (per + o)
+ preposição: abaixo de, acima de, por trás de, em frente de, d) O prisioneiro foi levado ............... cela. (a + a)
junto a, perto de, longe de, depois de, antes de, através de, e) Eu deixei o livro ............... lugar. (em + esse)
embaixo de, em cima de, em face de, etc.
Exemplo: 5) Aponte a alternativa que preenche corretamente as frases
Passamos através de mata cerrada. abaixo:

COMBINAÇÕES E CONTRAÇÕES I - O filme .......... assistimos era ótimo.


II - O emprego .......... aspiras é muito difícil.
As preposições a, de, em, per e para, unem-se com III - A menina .......... gosto é a Mariana.
outras palavras, formando um só vocábulo.
a) a que, a que, de que
Há combinação quando a preposição se une sem perda b) que, a que, de que
de fonema; se a preposição sofre queda de fonema, haverá c) a que, de que, que
contração. d) de que, a que, que
e) a que, a que, que
A preposição combina-se com os artigos, pronomes de-
monstrativos e com advérbios. 6) Assinale a alternativa que preencha as lacunas da
oração:
As preposições a, de, em, per contraem-se com os arti- “............ as últimas semanas, o movimento caiu ...............
gos, e, algumas delas, com certos pronomes e advérbios. 10% e 20%.”

a+a=à de + isto = disto a) Mediante - sob


a + as = às de + aqui = daqui b) Durante - após
a + aquele = àquele em + esse = nesse c) Desde - sob
a + aquela = àquela em + o = no d) Desde - ante
a + aquilo = àquilo em + um = num e) Durante - entre
de + o = do em + aquele = naquele
de + ele = dele per + o = pelo 7) Aponte a alternativa que contém somente preposições
de + este = deste essenciais:

a) exceto, segundo, perante, em


EXERCÍCIOS b) trás, salvo, de, por
c) menos, a, sem, visto
1) Assinale a alternativa em que a palavra em destaque é d) entre, sobre, contra, desde
preposição: e) afora, fora, visto

a) A professora recolheu as provas antes do horário. RESPOSTAS


b) Obriguei-a a estudar mais. 1-B 2-C 3-D 4-B 5-A 6-E 7-D
c) Fomos ao cinema, depois levei-as para tomar um lanche.
d) A noite estava tão bonita!
e) A mãe brigou com as filhas. INTERJEIÇÃO
2) Aponte a alternativa que contém somente preposições
acidentais: Interjeição é a palavra que exprime um estado emotivo.
As interjeições são um recurso da linguagem afetiva e emo-
a) afora, contra, perante, sobre cional. Podem exprimir e registrar os mais variados sentimen-
b) desde, segundo, afora, mediante tos.
c) exceto, salvo, mediante, visto Classificam-se em:

– 60 –
Língua Portuguesa
CONJUNÇÃO
1) de dor: ai! ui! ai de mim! 7) de apelo: ó! alô! psit! psiu!
2) de desejo: oxalá! tomara! 8) de silêncio: psiu! silêncio! Conjunção é a palavra invariável que liga orações ou
3) de alegria: ah! oh! eh! viva! 9) de repetição: bis! termos da oração.
4) de animação: eia! coragem! 10) de saudação: alô! olá!
avante! upa! força! vamos! salve! bom dia!
5) de aplauso: bem! bravo! 11) de advertência: cuidado!
Exemplos:
apoiado! devagar! atenção! Comi mas não gostei.
6) de aversão: ih! chi! irra! ora 12) de indignação: fora! morra! Saímos de casa quando amanhecia.
bolas!
As conjunções dividem-se em coordenativas e subordina-
tivas.
LOCUÇÃO INTERJETIVA
Quando a conjunção liga as orações sem fazer com que
uma dependa da outra ou sem que a segunda complete o
É uma expressão formada de mais de uma palavra, com
sentido da primeira, ela é coordenativa.
valor de interjeição: Meu Deus! Muito bem! Ai de mim! Ora
bolas! Valha-me Deus! Quem me dera!
Quando a conjunção liga duas orações que se completam
uma a outra e faz com que a segunda dependa da primeira,
As interjeições são proferidas em tom de voz especial e,
ela é subordinativa.
dependendo desta circunstância, a mesma interjeição pode
expressar sentimentos diversos.
CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
EXERCÍCIOS
Podem ser:
1) Nas orações:
1) Aditivas: dão ideia de adição: e, nem, mas também, mais
I - Espero que ele viva por muitos anos.
ainda, senão, também, como também, bem como.
II - Viva o meu time!
as palavras em destaque são respectivamente:
Exemplo: A doença vem a cavalo e volta a pé.
a) interjeição – verbo d) ambas são verbos
2) Adversativas: exprimem mais contraste, oposição, ressal-
b) ambos são interjeições e) verbo – substantivo
va, compensação: mas, porém, todavia, contudo, entretanto,
c) verbo – interjeição
senão, ao passo que, no entanto, apesar disso.
2) Aponte a alternativa incorreta quanto à sua classificação:
Exemplo: Querem ser ricos, mas não trabalham.
a) Tomara que você vença! (desejo)
3) Alternativas: exprimem alternativa, alternância: ou,
b) Basta! Não quero ouvir mais nada! (cessação)
ou . . . ou, ora . . . ora, já . . . já, seja . . . seja, quer . . . quer.
c) Nossa! Quase fui atropelado. (espanto)
d) Credo! Não suporto manga. (alívio)
Exemplo: A louca ora o acariciava, ora o renegava freneti-
e) Raios! Mas que demora! (impaciência)
camente.
3) As interjeições são utilizadas para:
4) Explicativas: exprimem explicação, um motivo: que, por-
que, porquanto, pois. As conjunções explicativas aparecem
a) expressar sentimentos
normalmente depois de orações imperativas.
b) ligar termos de uma oração
c) dar uma circunstância ao verbo
Exemplo: Venha, porque quero conversar com você.
d) ligar termos entre si
e) n.d.a.
5) Conclusivas: expressam conclusão: logo, portanto, por
conseguinte, por isso, pois (depois de verbo).
4) A interjeição oxalá indica estado de:
Exemplo: As árvores balançavam, logo estava ventando.
a) admiração d) apelo
b) advertência e) desejo
c) concordância
CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS
5) Assinale a alternativa que substitua a expressão em des-
Podem ser:
taque:
“Que desagradável, lá vem você com essa mesma conversa.”
1) Causais:
a) Oxalá! d) Força! porque, que, pois, como, porquanto, visto que, desde que,
b) Boa! e) Salve! etc.
c) Ih!
Exemplo: Não me interessa a opinião deles, porque todos ali
são imbecis.

2) Comparativas:
RESPOSTAS como, tal qual, assim como, que nem, como quanto, etc.
1-C 2-D 3-A 4-E 5-C
Exemplo: Talvez ninguém pense como nós pensamos.

– 61 –
Língua Portuguesa
3) Concessivas: EXERCÍCIOS
embora, conquanto, ainda que, mesmo que, por mais que,
por menos que, se bem que, posto que, nem que, dado que, 1) Na oração “Segundo o jornal noticiou, o índice de
sem que, etc. desemprego aumentará.”, temos a conjunção subordinativa:

Exemplo: Foi ao encontro, embora estivesse atrasado. a) consecutiva


b) condicional
4) Condicionais: c) causal
se, caso, desde que, salvo se, contanto que, a não ser que, a d) temporal
menos que, sem que, etc. e) conformativa

Exemplo: Não irei sem que ela me telefone. 2) Na oração “Não corra, que é perigoso.”, temos a conjun-
ção coordenativa:
5) Conformativas:
como, conforme, segundo, consoante, etc. a) adversativa
b) conclusiva
Exemplo: Cada um colhe, conforme semeia. c) aditiva
d) explicativa
6) Consecutivas: e) alternativa
que (precedido dos termos intensivos tal, tão, tanto, tama-
nho), de sorte que, de modo que, de forma que, de maneira 3) Aponte a alternativa que preenche corretamente a lacuna:
que, sem que, etc.
Trata-se de um homem mais inteligente .................. bonito.
Exemplo: Era tão feio que metia medo nas crianças.
a) que
7) Finais: b) como
a fim de que, para que, que, porque, etc. c) logo
d) porque
Exemplo: Enganou-os para que não a enganassem. e) e

8) Proporcionais: 4) Assinale a conjunção que dá ideia de causa:


à proporção que, à medida que, ao passo que, quanto mais,
quanto menos, etc. a) O filho é maior que o pai.
b) Quando ela acordou, eu já havia saído.
Exemplo: As criaturas são mais perfeitas à proporção c) Marcelo não viajou porque não dispunha de dinheiro.
que são mais capazes de amar. d) Ignoro como ele fez isso.
e) Embora descontente, aceitou a proposta.
9) Temporais:
enquanto, quando, logo que, assim que, depois que, agora 5) Assinale a alternativa que dá ideia de concessão:
que, antes que, desde que, até que, sempre que, etc.
a) Seu choro era tão forte que todos podiam ouvi-lo.
Exemplo: Todos se calaram, depois que protestei. b) Foi a Petrópolis a fim de que pudesse revê-la.
c) Se você não voltar, irei buscá-la.
10) Integrantes: d) Ainda que você não mereça, lhe darei o carro.
que, se. e) À medida que chorava, explicava o que havia acontecido.

Exemplo: Sonhei que o mundo havia acabado. 6) A vida transcorre entre o sucesso e o insucesso. É impor-
tante, ..............., que o adolescente enfrente adversidades,
Observação: As conjunções subordinativas integrantes in- fracassos e frustrações para que possa, segundo a canção
troduzem as orações subordinadas substantivas. As demais popular, "sacudir a poeira e dar volta por cima".
conjunções subordinativas introduzem as orações subordina- A conjunção que introduz uma ideia de conclusão é:
das adverbiais. A classificação das conjunções dependerá
unicamente da significação que elas derem à oração que a) porquanto
introduzem. b) porém
c) pois
LOCUÇÃO CONJUNTIVA d) contudo
e) conquanto
São duas ou mais palavras que têm valor de conjunção.
Geralmente é constituída de que precedido de advérbio,
preposição ou particípio. 7) Em: ". . . esses merecem perdão ou reparação total?" - o
conectivo ou encerra a ideia de:
visto que já que se bem que
ainda que desde que por mais que a) exclusão
a menos que de modo que por menos que b) alternância
à medida que uma vez que à proporção que c) adição
no entanto por consequência posto que d) condição
ainda quando logo que a fim de que e) simultaneidade

Exemplo: RESPOSTA
Já que todos saíram, desisto do negócio. 1-E 2-D 3-A 4-C 5-D 6-C 7-B

– 62 –
Língua Portuguesa
Composto: quando possui mais de uma oração, ou seja,
4. FLEXÃO NOMINAL E VERBAL mais de um verbo ou locução verbal.

Ninguém viu o acidente que ocorreu na esquina.


Flexão é a variação de forma e, consequentemente, de ↓ ↓
significado, de uma palavra. As palavras são submetidas à verbo verbo
flexão apenas quando empregadas num enunciado.
Não me lembrava que tivesse dado o meu nome.
Duas observações importantes: ↓ ↓
verbo locução verbal
a) somente podem ser flexionadas as palavras variáveis;
b) cada tipo de flexão é sistemático, ou seja, vale para todas
ou quase todas as palavras da mesma classe. EXERCÍCIOS

Para que possamos flexionar as palavras, é preciso 1) Assinale a alternativa em que apareça uma oração:
estudar a sintaxe de uma língua, identificar e compreender
as maneiras como se associam para formar frases. Isso a) Por favor, quietos!
ocorre porque os enunciados da língua constituem unidades b) Já para a cama, menina!
linguísticas que possuem uma estrutura. c) Fique calmo.
d) Que lua linda!
FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO e) Bom dia, meninos!

FRASE 2) Todas as orações são períodos compostos, exceto:

É todo enunciado que possui sentido completo, capaz de a) Fui eu que vi o ladrão.
estabelecer uma comunicação. Pode ser curta ou longa, pode b) É bom rever os amigos.
conter verbo ou não, uma única palavra pode ser uma frase. c) As crianças pularam quando foi marcado o gol.
Veja os exemplos: d) Uma chuva forte vai cair daqui a pouco.
e) João trabalha e estuda.
Bom dia!
Fogo! 3) Quantas orações há no período abaixo?
O menino ganhou uma bicicleta.
“Era de manhã, as folhas das árvores caíam, começava a
ORAÇÃO ventar.”

É o enunciado que se forma em torno de um verbo, apre- a) uma oração


sentando sujeito e predicado, ou pelo menos, predicado. b) duas orações
c) três orações
A enchente destruiu algumas casas. d) quatro orações
↓ ↓ e) cinco orações
sujeito predicado

Choveu muito em São Paulo. RESPOSTAS


↓ 1-C 2-D 3-C
predicado
A ESTRUTURA SINTÁTICA DO PERÍODO SIMPLES
Observação: nem toda frase pode ser uma oração.
Analisar sintaticamente os períodos simples, constituídos
Veja o exemplo: de apenas uma oração, significa, antes de tudo,
identificar os termos responsáveis pela estruturação interna
Bom trabalho o seu! das orações.
Este enunciado é uma frase, pois tem sentido completo; Os termos das orações costumam ser classificados em
mas não é oração, pois não possui verbo. essenciais, integrantes e acessórios.
PERÍODO TERMOS DA ORAÇÃO
É a frase estruturada com um ou mais verbos. De acordo Termo da oração é a palavra ou grupo de palavras
com o número de orações, o período classifica-se em: que exerce uma função na oração.
Simples: quando possui uma só oração, ou seja, apenas um Um bando de pássaros sobrevoara uma árvore.
verbo ou locução verbal. ↓ ↓ ↓
termo termo termo
A gritaria das crianças acordou o bebê. grupo de palavras palavra grupo de palavras

verbo A oração pode ser composta de:

Marcelo tinha trabalhado o dia todo. • termos essenciais


↓ • termos integrantes
locução verbal • termos acessórios

– 63 –
Língua Portuguesa
TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO d) verbos ser e estar na indicação de tempo ou clima.
É muito cedo!
Os termos essenciais da oração são: Está muito frio lá fora!
sujeito e predicado.
e) verbos que indicam fenômenos da natureza.
Bárbara é muito inteligente. Ontem choveu demais!
↓ ↓ Nevou nos Estados Unidos.
sujeito predicado
PREDICADO
SUJEITO
Predicado é tudo o que se afirma do sujeito.
Sujeito é o termo da oração a respeito do qual se declara
alguma coisa. Essa declaração pode ser: O mar estava agitado.
↓ ↓
• de ação: Joãozinho chutou a bola. sujeito predicado
• de estado: A igreja está enfeitada.
• de qualidade: A casa é bonita. O predicado pode ser:

NÚCLEO DO SUJEITO • Predicado verbal: é aquele formado de verbo ou locução


verbal.
Núcleo é a palavra principal dentro do sujeito.
André comprou um carro novo.
O presidente dos Estados Unidos chegará ao Brasil. ↓ ↓
↓ ↓ sujeito predicado
núcleo sujeito
No predicado verbal aparecem os verbos:
CLASSIFICAÇÃO DO SUJEITO
a) Verbo intransitivo: é aquele que não necessita de com-
O sujeito pode ser: plemento.
O navio afundou.
• Simples: é aquele que possui um só núcleo.
b) Verbo transitivo: é aquele que necessita de complemen-
O menino chorou muito. tos. Pode ser:

• Composto: é aquele que possui mais de um núcleo. • Direto: não há preposição.


Trouxe alguns livros antigos.
O pai e a mãe foram viajar.
• Indireto: há preposição.
• Oculto: é aquele que não aparece escrito, mas podemos Eu gosto de você.
identificá-lo através das terminações verbais.
• Direto e Indireto: é aquele que necessita de complementos
Trabalharei muito. (eu) sem preposição e com preposição ao mesmo tempo.
Trabalharemos muito. (nós) Entreguei a encomenda ao chefe.

• Indeterminado: é aquele em que o verbo aparece na • Predicado nominal: é aquele cujo núcleo é um nome (adje-
3ª pessoa do plural ou na 3ª pessoa do singular acompanha- tivo, substantivo ou pronome) que indique a qualidade ou
do do índice de indeterminação do sujeito se. estado do sujeito, ligado por um verbo de ligação. O núcleo
do predicado nominal chama-se predicativo do sujeito.
Contaram o seu segredo.
↓ Os principais verbos de ligação são: ser, estar, parecer,
3ª pessoa do plural permanecer, ficar, continuar, andar.
Fala-se muito em política.
↓ Samantha parece feliz.
3ª pessoa do singular
• Predicado verbo-nominal: é aquele constituído de dois
• Oração sem sujeito: é aquela que expressa um fato núcleos (verbo e nome).
que não pode ser atribuído a nenhum ser.
Melissa voltou satisfeita. ou seja,
Ocorre com os seguintes verbos: Melissa voltou e estava satisfeita.

a) verbo haver quando significa existir. EXERCÍCIOS


Há muitos fiéis na igreja.
1) Assinale a alternativa que contém uma oração sem
b) verbos haver e fazer quando indicam tempo transcorrido. sujeito:
Não o vejo há dez anos.
Faz anos que ele viajou à Bahia. a) Meu irmão chega hoje.
b) Ninguém entendeu o que havia acontecido.
c) verbo ser na indicação de horas. c) Na minha cidade, faz muito calor.
É uma hora. d) Falaram sobre impostos.
São três horas. e) Comprei uma bolsa.

– 64 –
Língua Portuguesa
2) A oração “Batem à porta” tem sujeito: TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO

a) oculto c) oração sem sujeito e) composto Os termos integrantes da oração são aqueles que com-
b) indeterminado d) simples pletam o sentido de outros termos da oração. São eles:

3) Aponte a alternativa incorreta quanto à sua classificação: • complemento verbal


• complemento nominal
a) Atualmente dizem muitas tolices sobre política. • agente da passiva
(sujeito indeterminado)
b) Não o vejo há anos. (sujeito oculto) COMPLEMENTOS VERBAIS
c) O menino estava com febre. (sujeito composto)
d) Retornarei em breve. (sujeito oculto) São os termos que completam o sentido de verbos
e) O aluno e a aluna brigavam o tempo todo. transitivos diretos e transitivos indiretos. São eles:
(sujeito composto)
Objeto direto (OD): é aquele que integra o sentido do verbo
4) Em “Nos salões, choviam confetes”, há sujeito: transitivo direto sem o auxílio de uma preposição.

a) oração sem sujeito Célia ganhou lindas joias.


b) choviam ↓ ↓
c) “salões” V.T.D. O.D.
d) indeterminado José comprou um apartamento no Morumbi.
e) “confetes” ↓ ↓
V.T.D. O.D.
5) Nas orações a seguir:
Objeto indireto (OI): é aquele que integra o sentido do
I - Fala-se muito sobre a dengue. verbo transitivo indireto com o auxílio de uma preposição.
II - Ficaram na casa João e José.
III - Ficarei triste se você partir. Precisamos de mais dinheiro.
↓ ↓
o sujeito é respectivamente: V.T.I. O.I.
Ela visa a um emprego melhor.
a) oculto - composto - indeterminado ↓ ↓
V.T.I. O.I.
b) simples - indeterminado - oração sem sujeito
c) indeterminado - oculto - oculto
Núcleo do objeto
d) indeterminado - composto - oculto
e) oração sem sujeito - composto - oculto
O núcleo do objeto pode ser formado por:
6) Em uma das orações o sujeito está incorretamente
• substantivo:
destacado; assinale a alternativa:
Contamos uma nova história.

a) Depois do desespero, veio a esperança.
O.D.
b) As notícias chegaram de longe.
c) Faz noites frias em julho.
• pronome substantivo:
d) No céu escuro, uma lua brilhava.
Vou pedir algo para o jantar.
e) A praça ficou deserta. ↓
O.D.
7) A oração sem sujeito está na alternativa:
• numeral:
a) Não havia funcionários na fábrica. Encontramos as cinco no parque.
b) Choveram tomates no comício. ↓
c) A garotinha amanheceu abatida. O.I.
d) A noite cai rapidamente no inverno.
e) O homem sentiu-se constrangido. • palavra substantivada:
Gostavam do azul do céu.
8) Os termos destacados da oração abaixo são: ↓
O.I.
Eu e você seremos sempre bons amigos.
• oração:
a) sujeitos Sonhei que você havia partido.
b) núcleos do predicado ↓
c) sujeitos simples O.D.
d) predicativos do sujeito
e) núcleos do sujeito Objeto direto preposicionado

Há alguns casos em que o objeto direto aparece precedi-


RESPOSTAS do de uma preposição apenas por razões estilísticas.
1-C 2-B 3-C 4-E
5-D 6-C 7-A 8-E “Amar ao próximo como a si mesmo.”
↓ ↓
VTD OD preposicionado

– 65 –
Língua Portuguesa
COMPLEMENTO NOMINAL 5) Assinale a oração que apresenta um objeto direto:

É o termo que completa o sentido de um nome (substanti- a) Não concordo com isso.
vo, adjetivo ou advérbio) através de uma preposição. b) Joana escreveu seu nome lentamente.
c) As crianças dormem cedo.
Por obediência às leis, deteve-se. d) Todos sabiam de sua decisão.
↓ ↓ e) O navio afundou.
substantivo complemento nominal (CN)
6) Em "E quer que ela evoque a eloquência da boca de som-
Você é responsável pelos seus atos. bra . . .", o termo eloquência funciona como:
↓ ↓
adjetivo CN a) sujeito
b) objeto direto
Responderam favoravelmente ao meu apelo. c) objeto indireto
↓ ↓ d) complemento nominal
advérbio CN e) n.d.a
Obs.: Se o termo regido por uma preposição completa um 7) Na oração "O timbre da vogal, o ritmo da frase dão alma à
verbo, é objeto indireto. elocução", o trecho grifado é:
Se o termo regido por uma preposição completa um
nome, é complemento nominal. a) adjunto adverbial
b) objeto indireto
AGENTE DA PASSIVA c) objeto direto
d) sujeito
É o elemento que pratica a ação verbal quando a oração e) n.d.a
está na voz passiva. Em geral, o agente da voz passiva apre-
senta as preposições: por, pelo, de. 8) "Angélica, animada por tantas pessoas, tomou-lhe o pulso
e achou-o febril."
Os ladrões foram levados pelos policiais.
↓ ↓ ↓ Febril, sintaticamente é:
sujeito paciente locução verbal agente da passiva
na voz passiva
a) objeto direto
EXERCÍCIOS b) complemento nominal
c) predicativo do objeto direto
d) predicativo do sujeito
1) Aponte a alternativa que apresenta um objeto indireto:
e) adjunto adverbial
a) O cigarro é prejudicial à saúde.
b) Ouvi o canto alegre dos pássaros. 9) Assinale a alternativa incorreta quanto ao objeto destaca-
c) Dei a ela presentes lindos. do:
d) Prefiro ficar alheio a tudo.
e) Encontramos nossos amigos na faculdade. a) Alguém me observava. (objeto indireto)
b) Ninguém me deu notícias suas. (objeto indireto)
c) Ela se viu perdida no meio da multidão. (objeto direto)
2) Na oração “Todos amam a Deus” temos:
d) Os fãs ofereceram- lhes flores. (objeto indireto)
a) objeto direto e) Todos nos observavam admirados. (objeto direto)
b) objeto direto preposicionado
c) objeto indireto 10) Assinale a alternativa incorreta quanto ao objeto indireto:
d) complemento nominal
e) verbo intransitivo a) A fábrica precisa de todos funcionários.
b) O atropelador fugiu do local sem prestar socorro à vítima.
3) Na oração “Não encontrei ninguém conhecido na c) Professores reagem a demissões.
d) Deus confiou-me esse talento.
festa”, o núcleo do objeto é:
e) Concessionárias intensificam a venda de carros usados.
a) “ninguém”
11) Assinale a alternativa incorreta quanto ao objeto direto
b) “festa”
preposicionado:
c) “conhecido”
d) não
a) Todos amam a Deus.
e) n.d.a.
b) Magoaram a ti.
c) O ser humano clama por contato.
4) Assinale a alternativa incorreta quanto à sua classificação:
d) Amo a Deus.
e) Ofendeu ao Geraldo.
a) As luzes foram acesas pela dona da casa.
(agente da passiva)
b) Provei do bolo. (objeto direto preposicionado)
c) É proibida a venda de bebidas alcoólicas neste estabele- RESPOSTAS
cimento. (complemento nominal). 1-C 2-B 3-A 4-D
d) A queima de fogos foi espetacular. (objeto indireto) 5-B 6-B 7-B 8-C
e) Apanhei todos os jornais que estavam na porta. 9-A 10 - E 11 - C Ø
(objeto direto)

– 66 –
Língua Portuguesa
TERMOS ACESSÓRIOS DA ORAÇÃO APOSTO

Os termos acessórios da oração são aqueles que acres- É uma palavra ou expressão que explica ou esclarece,
centam novas informações a outros termos da oração, espe- desenvolve ou resume outro termo da oração. Exemplos:
cificando um nome ou indicando uma circunstância ao verbo.
São eles: O Amazonas, rio caudaloso, atravessa grande região.
(explica o que é o Amazonas)
• adjunto adnominal
• adjunto adverbial Conquistaram a lua, satélite da terra.
• aposto (explica o que é a lua)

ADJUNTO ADNOMINAL O autor do romance, Machado de Assis,ficou famoso.


(explica quem foi o autor do romance)
É o termo que vem junto (adjunto) do nome (adnominal).
Para achar o adjunto adnominal determina-se primeiramente VOCATIVO
o núcleo (a palavra principal) de um conjunto de palavras. A
palavra ou palavras que acompanharem o núcleo serão o É um chamamento; pode referir-se a pessoas, animais,
adjunto ou adjuntos adnominais. Exemplo: entidades sobrenaturais.

O meu amigo mandou-me um cartão interessante. Vocativo é um termo à parte. Não pertence à estrutura da
oração, por isso, não se anexa nem ao sujeito nem ao predi-
O meu amigo cado.
Exs.: Não faça isso, menina.
– palavra principal ou núcleo = amigo; João, dê-me seu livro.
– palavras que acompanham o núcleo = o, Saia daí, Lulu.
Deus, vinde em meu auxílio.
meu (adjuntos adnominais).
um cartão interessante EXERCÍCIOS

– palavra principal ou núcleo = cartão; 1) Crianças, está na hora de dormir.


– palavras que acompanham o núcleo = um,
O vocábulo destacado é:
interessante (adjuntos adnominais).
a) sujeito
Os adjuntos adnominais podem ser expressos: b) objeto direto
c) aposto
1) pelos adjetivos: água fresca; terra fértil. d) adjunto adnominal
e) vocativo
2) pelos artigos: o mundo, as ruas.
2) Amélia assumirá a presidência da empresa por uma se-
3) pelos pronomes adjetivos: nosso tio, este lugar, muitas mana. Foi indicada por um conselho administrativo.
coisas.
Os termos destacados analisam-se, respectivamente,
4) pelos numerais: dois homens, quinto ano. como:

5) pelas locuções ou expressões adjetivas introduzidas a) agente da passiva e objeto indireto.


pela preposição de, e que exprimem qualidade, posse, ori- b) adjunto adnominal e complemento nominal
gem, fim ou outra especificação: presente de rei (régio); c) adjunto adverbial e agente da passiva
qualidade: livro do mestre (indica a posse do livro). d) adjunto adverbial e complemento nominal
e) adjunto adnominal e complemento nominal
ADJUNTO ADVERBIAL
3) Em todas as orações, o termo está analisado corretamen-
É o advérbio ou expressão que funciona como um advér- te, exceto em:
bio. Classifica-se em:
a) Luís, o diretor, não nos deixou entrar. (aposto)
– de afirmação: Realmente, está frio. b) Não coma isso, meu filho, faz mal à gastrite. (vocativo)
– de negação: Não sairei. c) Nunca a vi tão magra. (adjunto adnominal)
– de dúvida: Talvez viaje à noite. d) Comprarei o lanche na cantina da escola. (adjunto adver-
– de tempo: Saiu cedo. Saiu às 3 horas. bial de lugar)
– de lugar: Mora longe. Fique aqui. e) Luísa, a filha mais velha, nunca retornou ao lar. (aposto)
– de modo: Escreve devagar. Lê bem.
– de intensidade: Corre bastante. Estuda muito. 4) “Um dia, todos os meus bens ficarão com Osvaldo, meu
– de companhia: Passeia com os pais. Trabalha com o primogênito.” O termo destacado é:
amigo. a) vocativo d) aposto
b) adjunto adnominal e) objeto direto
Exemplos: c) sujeito
Não serei substituído por um trapaceiro.
O avião decolou bem rapidamente. RESPOSTAS
Paulo é muito vagaroso. 1-E 2-C 3-C 4-D

– 67 –
Língua Portuguesa
CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL 5º) Quando o adjetivo se referir a dois ou mais substantivos
de gênero e número diferente e vier posposto, poderá
concordar com o mais próximo ou ir para o plural masculino.
Concordância é o princípio sintático segundo o qual as
palavras dependentes se harmonizam, nas suas flexões, com Primos, primas e irmãs educadíssimas (ou educadíssi-
as palavras de que dependem. mos).

“A concordância pode ser estabelecida de palavra para 6º) Pode o adjetivo ainda concordar com o mais próximo
palavra ou de palavra para sentido. A concordância de pala- quando os substantivos são ou podem ser considerados
vra para palavra será total ou parcial (também chamada atra- sinônimos.
tiva), conforme se leve em conta a totalidade ou o mais pró-
ximo das palavras determinadas numa série de coordenação. Gratidão e reconhecimento profundo.
É preciso estar atento a que a liberdade de concordância que
a língua portuguesa muitas vezes oferece deve ser cuidado- 7º) Quando dois ou mais adjetivos se referem ao mesmo
samente aproveitada para não prejudicar a clareza da men- substantivo determinado pelo artigo, ocorrem três tipos de
sagem e a harmonia do estilo. Na língua oral, em que o fluxo construção:
de pensamento corre mais rápido que a formulação e estrutu-
ração da oração, é muito comum enunciar primeiro o verbo – Estudo as línguas inglesa e francesa.
elemento fulcral da atividade comunicativa – para depois se Estudo a língua inglesa e a francesa.
seguirem os outros termos oracionais. Nestas circunstâncias, Estudo a língua inglesa e francesa.
o falante costuma enunciar o verbo no singular, porque ainda
não pensou no sujeito a quem atribuirá a função predicativa, 8º) As palavras: mesmo, próprio e só (quando equivale a
contida no verbo, se o sujeito, neste momento, for pensado sozinho) concordam segundo a regra geral em gênero e
como pluralidade, os casos de discordância serão aí frequen- número com a palavra a que se referem. Só quando equivale
tes. O mesmo ocorre com o concordância nominal, do parti- a somente é advérbio e invariável.
cípio. A língua escrita, formalmente mais elaborada, tem
meios de evitar estas discordâncias.” Evanildo Bechara Ela mesma me avisou.
Vocês próprios me trouxeram a notícia.
Assim: Nós não estivemos sós.
Só eles não concordaram.
a) os adjetivos, pronomes, artigos e numerais concordam em
gênero e número com os substantivos determinados (concor- Obs.: A expressão a sós é invariável. Exemplo:
dância nominal). Gostaria de ficar a sós por uns momentos.

b) o verbo concordará com o seu sujeito em número e pessoa 9º) Anexo, incluso, junto, bastante e nenhum, concordam,
(concordância verbal). normalmente, com os substantivos a que se referem.

Segue anexa a cópia do contrato.


CONCORDÂNCIA NOMINAL Vão inclusos os requerimentos.
Seguem juntas as notas.
1º) Quando o adjetivo se referir a um só nome, o substantivo Bastantes pessoas ignoram esse plural.
concorda com ele em gênero e número. Homens nenhuns, nenhumas causas.

Boa árvore não dá maus frutos. Observações:

2º) Quando o adjetivo se referir a dois ou mais substantivos a) Alerta e menos são sempre invariáveis.
do mesmo gênero e do singular e vier posposto, toma o Estamos alerta.
gênero deles e vai facultativamente, para o singular ou plural. Há situações menos complicadas.
Há menos pessoas no local.
Disciplina, ação e coragem digna (ou dignas).
Porém: Dedicado o pai, o filho e o irmão. b) Em anexo é sempre invariável.
(adjetivo anteposto concordará com o mais próximo). Seguem, em anexo, as fotografias.
3º) Quando o adjetivo se referir a dois ou mais substantivos
de gêneros diferentes e do singular e vier posposto, pode- 10º) Meio - meia, como adjetivo concordam em gênero e
rá ir para o masculino plural ou concordar com o mais próxi- número com o substantivo que modificam, mas como advér-
mo. bio meio permanece invariável.

Escolheste lugar e hora maus. Obs.: como adjetivo, modifica o substantivo; como advérbio,
Escolheste lugar e hora má. modifica o adjetivo, o verbo e o próprio advérbio.
Já é meio-dia e meia (hora). (substantivo)
Porém: Sinto eterno amor e gratidão. Comprei dois meios litros de leite. (substantivo)
(adjetivo anteposto concordará com o mais próximo). Quero meio quilo de café. (substantivo)
Ele sentia-se meio cansado. (adjetivo)
4º) Quando o adjetivo se referir a dois ou mais substantivos Elas pareciam meio tontas. (adjetivo)
de gêneros diferentes e do plural e vier posposto, tomará Minha mãe está meio exausta. (adjetivo)
o plural masculino ou concordará com o mais próximo.
Estão nesse caso palavras como: pouco, muito, bastante,
Rapazes e moças estudiosos (ou estudiosas). barato, caro, meio, longe, etc.

– 68 –
Língua Portuguesa
11º) Dado e visto e qualquer outro particípio, concordam 17º) Substantivos ligados por ou: o adjetivo concorda
com o substantivo a que se referem. com o mais próximo ou, então, vai para o plural.

Dados os conhecimentos (substantivo masculino) uma flor ou um fruto saboroso OU saborosos.


Dadas as condições (substantivo feminino)
Vistas as dificuldades (substantivo feminino) 18º) Dois ou mais ordinais determinando o substantivo:
este ficará no singular ou no plural.
12º) As expressões um e outro e nem um nem outro são
seguidas de um substantivo singular. a primeira e segunda ferida (OU feridas) do coração.
. . . mas aprovei um e outro ato.
. . . mas uma e outra coisa duraram.
EXERCÍCIOS
Porém: quando um e outro for seguido de adjetivo, o subs-
tantivo fica no singular e o adjetivo vai para o plural.
Uma e outra parede sujas. 1) Assinale a alternativa em que ocorre erro na concordância
Um e outro lado escuros. do verbo ser e do predicativo.

13º) A palavra possível em o mais . . . possível, o pior a) É perigoso contratos muito longos.
possível, o melhor possível, mantém-se b) Foi arriscada a sua proposta.
invariável. c) É necessário atitudes desse tipo.
Praias o mais tentadoras possível. d) Não parecia, mas era claro sua intenção.
e) Cerveja gelada é bom para a saúde.
Porém:
Com o plural os mais, os menos, os piores, os melho-
res, a palavra possível vai para o plural. 2) Assinale a alternativa em que ocorra algum erro de con-
Praias as mais tentadoras possíveis. cordância nominal.

14º) A palavra obrigado concorda com o nome a que se a) Saiba que você cometeu um crime de lesa-majestade.
refere. b) Estejam alerta, pois o inimigo não manda aviso.
Muito obrigado (masculino singular) c) Há menos indecisões do que parece.
Muito obrigada (feminino singular) d) Permitiram-me que as deixo só.
Eles disseram muito obrigados (masculino plural) e) Ele sentiu que precisava ficar a sós.

15º) O verbo ser mais adjetivo.


3) Assinale, dentre as frases abaixo, as opções corretas
Nos predicados nominais em que ocorre o verbo ser mais quanto à concordância nominal.
um adjetivo, formando expressões do tipo é bom, é claro, é
evidente, etc., há duas construções: a) É meio-dia e meia.
b) É proibido entrada.
– se o sujeito não vem precedido de nenhum modificador, c) É proibida a entrada.
tanto o verbo quanto o adjetivo ficam invariáveis. d) Seguem anexo os documentos.
e) Seguem anexo notas fiscais.
Cerveja é bom. f) Envio inclusas as faturas.
É proibido entrada. g) É permitido a entrada.

– se o sujeito vem precedido de modificador, tanto o verbo


quanto o predicativo concordam regularmente. Questões de 4 a 6 - Responda, segundo o código:

A cerveja é boa. a) Apenas correta a I.


É proibida a entrada. b) Apenas correta a II.
c) Apenas correta a III.
16º) Concordância do Adjetivo (Predicativo) d) Todas corretas.
e) Todas erradas.
a) Predicativo do Sujeito: concorda com o sujeito em núme-
ro e gênero:
4) I. É expressamente proibido entrada.
As crianças estavam tristonhas. II. Maçã é muito bom para os dentes.
III. Será necessária tal atitude?
b) Predicativo do Objeto:

– Se o objeto direto for simples o adjetivo predicativo concor- 5) I. Na sala, havia lugares bastantes para todos.
da em gênero e número com o objeto. II. Eu mesmo, uma mulher experiente, cometo erros infan-
tis.
Trouxeram-na desmaiada. III. É necessário, neste momento, a exatidão dos fatos.

– Se o objeto direto for composto o adjetivo predicativo deve-


rá flexionar-se no plural e no gênero dos objetos. 6) I. Encontrei uma e outra janela aberta.
II. Marta estava meia preocupada.
A justiça declarou criminosas a atriz e suas amigas. III. Seguia anexo ao envelope uma lista de preços.

– 69 –
Língua Portuguesa
7) Assinale o item que apresenta erro de concordância: CONCORDÂNCIA VERBAL

a) Os fatos falam por si só. O verbo concorda com o sujeito em número e pessoa com
b) Ele estuda a história e a mitologia egípcia. as seguintes regras:
c) Estes produtos custam cada vez mais caro.
d) Ela mesma nos agradeceu. 1ª) Sujeito composto anteposto ao verbo: este fica no
e) Ele mesmo construiu sua casa. plural.

8) Elas ............... enviaram os atestados ............... às procu- O pai, a mãe e o filho estão ausentes.
rações.
2ª) Sujeito composto posposto ao verbo: este pode con-
a) mesmos, anexas cordar com o núcleo mais próximo ou com todos os núcleos
b) mesmas, anexas indo para o plural.
c) mesmos, anexos
d) mesmas, anexos Está ausente o pai, a mãe e o filho.
e) mesmo, anexo Estão ausentes o pai, a mãe e o filho.

9) Apenas uma alternativa preenche corretamente os espa- 3ª) Sujeito composto por pronomes pessoais diferentes:
ços existentes na sentença abaixo. o verbo vai para o plural concordando com a pessoa que
possui prioridade gramatical (ou seja, 1ª pessoa prevalece
Assinale-a: sobre 2ª e 3ª; 2ª pessoa prevalece sobre a 3ª).

Aqueles seguranças estão ............... porque encontraram Eu, tu, ele e ela somos bons amigos. (eu - nós)
............... marcas de mão. Tu, ele e ela sois bons amigos. (tu - vós)
Ela e tu ireis embora. (tu - vós)
a) alerta - bastante
b) alerta - bastantes 4ª) Sujeito composto: tendo seus núcleos ligados por não
c) alertas - bastantes só ... mas também, tanto ... quanto, não só ... como, o
d) alertas - bastante verbo concorda com o mais próximo ou vai para o plural.
e) n.d.a.
Não só a moça, mas também o príncipe estariam
10) Não foi ............... a nota que receberam. Elas .......fizeram pobres.
o trabalho.
Obs.: Caso se trate de uma simples comparação, o verbo
a) justa - mesmas fica no singular.
b) justo - mesmo Este aumento de salário, assim como o anterior, não
c) justa - mesmo compensou.
d) justo - mesmas
e) justas - mesma 5ª) Sujeito ligado por "com": o verbo irá para o plural se
indicar cooperação na ação, visto que a preposição forma
11) Assinale a alternativa em que a concordância nominal verdadeiro sujeito composto, equivalente a e; se a preposição
está incorreta: com exprimir circunstância de companhia, o verbo fica no
singular.
a) É vergonhosa a miséria e o desinteresse político.
b) Admiro a cultura árabe e a japonesa. Napoleão com seus soldados invadiram a Europa.
c) A aluna foi mal na prova porque estava meia tensa. Egas Monis, com a mulher e os filhos, apresentou-se ao
d) Há bastantes pessoas desempregadas nesta cidade. rei da Espanha.
e) Muito obrigada, respondeu a menina.
6ª) Sujeito ligado por "ou": levar-se-á em conta para o
12) Todas as alternativas abaixo estão corretas quanto à verbo ficar:
concordância nominal, exceto:
a) no singular:
a) Foi acusado de crime de lesa-pátria. exclusão: Pedro ou Paulo será eleito.
b) As declarações devem seguir anexas ao processo. sinonímia: A glotologia ou a linguística é uma ciência que se
c) Eram rapazes os mais elegantes possível. ocupa da linguagem humana.
d) Seguiram automóveis, cereais e geladeiras exportados.
b) no plural:
13) Em todas as frases a concordância se fez corretamente, inclusão: O calor ou o frio excessivo prejudicam certas plan-
exceto em: tas. (ou = e)
antonímia: O choro ou o riso constituíam o viver daquela
a) Os soldados, agora, estão todos alerta. gente.
b) Ela possuía bastante recursos para viajar. retificação: O ladrão ou os ladrões não deixaram nenhum
c) As roupas das moças eram as mais belas possíveis. vestígio.
d) Rosa recebeu o livro e disse: "Muito obrigada”.
Porém:
Na antecipação do verbo, dá-se concordância com o mais
RESPOSTAS próximo.
1-D 2-D 3 – a; b; c; f 4-D 5-A 6-E
7-A 8-D 9-B 10 - A 11 - C 12 - C 13 - B Nenhum vestígio de sua presença deixou o autor ou
autores do crime.

– 70 –
Língua Portuguesa
7ª) Sujeitos representados por "um e outro": o verbo pode b) Os que indicam fenômenos da natureza: chover, ventar,
ficar no singular ou no plural. nevar, gear, etc.

Um e outro testemunho o condenavam (ou condenava). c) Os verbos haver, fazer, estar, ir, ser (com referência a
tempo).
8ª) Sujeitos representados por "um ou outro": o verbo fica
no singular. Há três dias que não o vejo.
Faz quatro meses que não nado.
Uma ou outra pode alugar a casa. Vai em dois anos ou pouco mais . . .
É cedo.
9ª) Sujeito representado por "nem um, nem outro": exige Está frio.
o verbo no singular.
Entretanto:
Afirma-se que nem um, nem outro falou a verdade. – O verbo ser concorda com o predicativo.

10ª) Sujeito representado por expressão como "a maioria São dez horas.
de" (a maior parte, parte de) + um nome no plural: o verbo É uma hora.
irá para o singular ou plural.
– Os verbos existir, acontecer, são pessoais, ou seja, admi-
A maioria dos doidos ali metidos estão (ou está) em tem sujeito e concordam com ele.
perfeito juízo.
Existem duas manchas na parede.
11ª) Sujeito representado por um coletivo: o verbo fica no (sujeito = duas manchas)
singular, embora em escritores clássicos se encontrem e- Aconteceram fatos estranhos.
xemplos de concordâncias não com o coletivo, mas com a (sujeito = fatos)
ideia de plural que ele encerra (silepse).
– Nas locuções verbais, o verbo impessoal transmite a sua
Mas nem sempre o povo acerta. impessoalidade para o verbo auxiliar.

12ª) Sujeito representado pela palavra "que" pronome Vai haver novas oportunidades.
relativo: o verbo concorda em número e pessoa com o ante- (não há sujeito)
cedente da palavra "que". Está fazendo dez anos que . . .

Fui eu que te vesti do meu sudário. Porém:


Não és tu que me dás felicidade.
Vão existir novas oportunidades.
13ª) Sujeito representado pelo pronome "quem": o verbo (existir = verbo pessoal)
vai para a 3ª pessoa do singular, ou concorda com o sujeito
da oração principal. Estavam acontecendo coisas estranhas.
(estar = verbo pessoal)
Mas não sou eu quem está em jogo. (ou "estou")
18ª) O verbo "dar", "bater" + hora(s): estes verbos concor-
14ª) Sujeito composto seguido de um aposto resumidor: dam com o sujeito expresso hora(s).
o verbo concorda com a palavra resumidora e não com o
sujeito composto. Deram há pouco nove horas!
Bateram devagar dez horas!
Jogos, convenções, espetáculos, nada o distraía.
Desvios, fraudes, roubos, tudo era permitido. Porém:

15ª) Verbo + pronome apassivador "se": concorda com o Se, na oração, vem a palavra relógio, funcionando como
sujeito paciente em número e pessoa. sujeito, o verbo concordará com ela em número e pessoa.

Ouviam-se aplausos no salão. Que horas deu o relógio?


Compram-se livros usados. Vai dar dez horas o relógio da Sé.
Vendem-se apartamentos.
19ª) O verbo "ser":
16ª) Verbo + índice de indeterminação do sujeito "se":
fica o verbo na 3ª pessoa do singular. a) Com as palavras tudo, isto, isso, aquilo, o que e o predica-
tivo no plural, o verbo ser também pode ir para o plural ou
Precisa-se de carpinteiros. ficar no singular.
Gosta-se de praias naquela região.
Necessita-se de outras explicações. Tudo eram memórias na infância.
Isto não são coisas que você possa dizer.
17ª) Verbos impessoais: ficam, normalmente, na 3ª pessoa Tudo são flores.
do singular:
b) O sujeito que dá nome à pessoa concorda com o verbo
a) O verbo haver no sentido de existir, acontecer. ser.

Havia dois alunos no corredor. O filho é as alegrias do pai.


Houve fatos estranhos naquela cidadezinha.

– 71 –
Língua Portuguesa
c) O sujeito que dá nome a algo pede o verbo concordando 4) O verbo concorda em número e pessoa com o sujeito.
com o predicativo no plural. Portanto, não está correta a alternativa:

O problema são as suas dívidas. a) Faltam ainda seis meses para o vencimento.
b) Existem fortes indícios de melhoria geral.
d) O pronome pessoal sujeito ou predicativo pede a concor- c) Não provém daí os males sofridos.
dância do verbo com ele. d) Os fatos que o perturbam são bem poucos.
e) Serão considerados válidos tais argumentos?
Ele era todo ouvidos e angústia.
O trouxa neste caso fui eu. 5) Quando ............... dez minutos para o término da aula,
................. na lousa as tarefas de casa.
e) As expressões é muito, é pouco, é mais de, é menos de, é
tanto, quando indicam preço, quantidade, peso ficam com o a) faltar / serão escritos.
verbo no singular. b) faltar / serão escritas.
c) faltar / será escrito.
Duas horas não é tanto assim. d) faltarem / serão escritas.
Oitocentos gramas é muito. e) faltarem / será escrito.

f) Em horas, datas e distâncias, o verbo ser é impessoal e 6) Conheci-a, ..................... poucos dias, mas não
concorda com o predicativo. ...............novas oportunidades para encontrá-la.

Hoje são quatorze de outubro. a) deve haver / faltará


predicativo b) devem haver / faltarão
Hoje é dia quatorze de outubro. c) deve haver / faltarão
predicativo d) devem haver / faltarão
e) devem haver / faltará
É zero hora em São Paulo.
São dez horas da manhã. 7) Assinale a frase que contém um erro no que diz respeito
São cem quilômetros daqui até lá. ao emprego do verbo "fazer":

Obs.: Em datas, o verbo ser pode concordar com a ideia da a) Faz três anos que regressaram.
palavra dia, mesmo que ela não apareça. b) Fazem-se muitos trabalhos apressadamente.
c) Já deve fazer dois anos que vieram para o Brasil.
Hoje é 2 de outubro. d) Vão fazer dois anos que lá estive pela última vez.
e) Aqui faz verões terríveis.

EXERCÍCIOS 8) Assinale a alternativa em que a concordância está incorre-


ta, segundo o uso clássico da língua portuguesa.
1) Indique a alternativa correta:
a) Mais de um jornal publicou a notícia.
a) Tratavam-se de questões fundamentais. b) Ele e tu irão ao teatro.
b) Comprou-se terrenos no subúrbio. c) Sou eu quem paga.
c) Reformam-se ternos. d) Não fui eu a que chegou primeiro.
d) Obedeceram-se aos severos regulamentos. e) Cada um dos jogadores daquele quadro já ganhou um
e) Precisam-se de datilógrafas. prêmio.

2) A relação de verbos que completam, convenientemente e 9) Este ano, ................ as festas que ................, que eu não
respectivamente, as lacunas dos períodos abaixo é: comparecerei a nenhuma.

a) são / são / eram / Devem. a) pode haver / haver


b) é / são / era / Deve. b) podem haver / houverem
c) é / é / era / Devem. c) pode haver / houver
d) são / é / era / Deve. d) pode haver / houverem
e) são / é / eram / Deve. e) pode haverem / houver

I. Hoje .......... 24 de janeiro. 10) Assinale a alternativa incorreta:


II. Trinta quilômetros .......... muito.
III. Já .......... uma e vinte. a) Precisam-se alunos especializados.
IV. .......... ser duas horas. b) Precisa-se de alunos especializados.
c) Precisa-se de alunos competentes.
d) Assiste-se a filmes nacionais.
3) Nas cinco alternativas, há duas concordâncias verbais e) Obedeça-se aos regulamentos.
erradas. Indique-as.

a) Eu, tu e nossos amigos iremos no mesmo avião.


b) Tu e meus amigos ireis no mesmo trem. RESPOSTAS
c) Tu e meus amigos irão no mesmo automóvel. 1-C 2-C 3-C 4-C 5-D
d) V. Exª, eles e aqueles garotos seguireis depois. 6-C 7-D 8-B 9-C 10 - A
e) Margarida e vossa tia seguireis primeiro.

– 72 –
Língua Portuguesa
EXERCÍCIOS
REGÊNCIA NOMINAL E VERBAL
1) Assinale a alternativa incorreta quanto à regência nominal:

Regência trata das relações de dependência entre um a) Ele sempre foi desfavorável a sua contratação.
nome ou um verbo e seus complementos. Quando um termo b) Era uma pessoa curiosa de religião.
exige complemento o chamamos de regente e o termo com- c) Permaneciam atentos de problemas financeiros.
plementar de regido. Há dois tipos: regência nominal e re- d) A cerveja é preferível ao vinho.
gência verbal. e) Sou favorável a uma nova reunião.

REGÊNCIA NOMINAL 2) Assinale a alternativa que não admite ambas as regências:

Quando o termo regente é um nome (substantivo, adjetivo a) As crianças estão imunes ao / do vírus da gripe.
ou advérbio). b) Tenho horror a / de insetos.
c) Este filme é contemporâneo ao / de outro.
Tenho amor ao próximo. d) Sou devoto ao / de Santo Expedito.
termo regente termo regido e) O manual é constituído de / por novas regras
(substantivo) (complemento nominal) de acentuação.

Estou preocupado com o desemprego.


termo regente termo regido 3) Jorge estava habituado ............... trabalhar à noite,
(adjetivo) (complemento nominal)
mas isto não era benéfico ............... sua saúde,
descontente .............. a situação, pediu demissão.
Agiram favoravelmente à sua decisão.
termo regente termo regido
(advérbio) (complemento nominal) a) por - a – com
b) à - à – com
Há nomes que admitem mais de uma preposição sem que c) à - a - pela
o sentido seja alterado. d) a – à – com
e) em – à – em
Estou apto a este tipo de trabalho.
Estou apto para este tipo de trabalho. 4) As palavras alusão, erudito, passível regem, respectiva-
mente, as preposições:
Há outros nomes, que dependendo do sentido, pedem
outras preposições. a) a - em - de
b) de - em - com
Tenho muita consideração por pessoas que trabalham. c) por - de - em
Tenho muita consideração sobre o trabalho filantrópico. d) a - de - de
e) por - em - de
Veja alguns nomes com as respectivas regências:

acessível a equivalente a 5) Joana é muito cuidadosa ............... os filhos, já seu


acostumado a, com erudito em marido é desatento ............... tudo.
adaptado a escasso de
aflito com, por essencial para a) a – com
agradável a estranho a b) com – por
alienado de fácil de c) a - de
alusão a falta de d) a – por
ambicioso de fiel a
análogo a firme em
e) com - a
apto a, para generoso com
atento a, em grato a
aversão a, para, por hábil em 6) Assinale a alternativa incorreta quanto à regência nominal:
ávido de, por habituado a
benéfico a horror a a) Sou contrário ao voto dele.
capaz de, para hostil a b ) Sua atitude não foi compatível ao seu pensamento.
compatível com impossível de c) Ele era entendido em história.
compreensível a impróprio para
comum a, de imune a, de
d) Fica próximo ao Largo do Paissandu.
constante de, em indeciso em e) Sou leal aos meus princípios.
constituído de, por, com independente de, em
contemporâneo a, de indiferente a
contíguo a indigno de 7) Ocorre regência nominal inadequada em:
contrário a leal a
cuidadoso com medo a, de a) Ele sempre foi insensível a elogios.
curioso de, a necessário a b) Estava sempre pronta a falar.
desatento a negligente em c) Sempre fui solícito com a moça.
desejoso de passível de d) Estava muito necessitado em carinho.
desfavorável a perito em
devoto a, de possível de
e) Era impotente contra tantas maldades.
diferente de preferível a
difícil de prejudicial a
digno de próximo a, de RESPOSTAS
entendido em relacionado com 1-C 2-B 3-D 4-A 5-E 6-B 7-D

– 73 –
Língua Portuguesa
REGÊNCIA VERBAL • No sentido de morar, residir é intransitivo.

Quando o termo regente é um verbo. Há dois anos ele assiste em São Paulo
VI
Precisamos de alimento.
termo regente termo regido Agradecer
(verbo) (objeto indireto)
• objeto referindo-se a coisa, é transitivo direto.
Há verbos que admitem mais de uma regência sem
que o sentido seja alterado. Agradeci o presente. Agradeci-o.
VTD OD
Nunca esquecerei os favores que fez.
verbo transitivo direto objeto direto • objeto referindo-se a pessoa, é transitivo indireto
(preposição a).
Nunca esquecerei dos favores que me fez.
verbo transitivo indireto objeto indireto Agradeci ao médico. Agradeci-lhe.
VTI OI
Há outros verbos que mudando a regência, mudam de
significado. • com os dois objetos, é transitivo direto e indireto.
O policial visou o alvo e atirou. Agradeci o presente à mamãe.
transitivo direto
Agradeci-o à mamãe.
(visar = apontar, mirar)
Agradeci-lhe o presente.
Ele visava a uma boa colocação na firma.
transitivo indireto
(visar = pretender) Ajudar

REGÊNCIA DE ALGUNS VERBOS • é transitivo direto.

Agradar e desagradar Sempre ajudo mamãe nos afazeres de casa.


VTD OD
• No sentido de fazer carinho, é transitivo direto.
• é transitivo direto e indireto. (preposição a).
O pai agradava a filha.
VTD OD Ajudei-a a lavar a louça.
VTDI OD OI
• No sentido de contentar, é transitivo indireto (preposição a).

O filme agradou ao público. Amar


VTI OI
• é transitivo direto.
Aspirar
As crianças amam seus brinquedos.
• No sentido de respirar, sorver, é transitivo direto. VTD OD

Aspirei o ar da manhã. • é intransitivo.


VTD OD
Amei demais e não fui correspondido.
• no sentido de pretender, desejar, é transitivo indireto VI
(preposição a).

Ele aspirava ao cargo de diretor. Apelar


VTI OI
• é transitivo indireto (preposição para e de).
Assistir
Não conseguindo resolver seus problemas, apelou para os pais.
• No sentido de ver, é transitivo indireto (preposição a). VTI OI

Assistimos ao jogo de basquete. Atender


VTI OI
• No sentido de levar em consideração, é transitivo indireto
• No sentido de prestar assistência, ajudar, é transitivo (preposição a).
direto.
Teobaldo não atendia aos pais.
A enfermeira assistiu o paciente com muito cuidado. VTI OI
VTD OD
• No sentido de satisfazer, atentar, observar, é transitivo
• No sentido de pertencer, caber, é transitivo indireto indireto (preposição a).
(preposição a).
Assiste ao diretor comunicar as novas regras. Mamãe atendia a todas as vontades de João.
VTI OI VTI OI

– 74 –
Língua Portuguesa
• No sentido de acolher ou receber, é transitivo direto. Ensinar

O diretor da escola atendeu os pais. • É transitivo direto e indireto.


VTD OD
Helena ensina inglês aos alunos.
• No sentido de conceder ou deferir um pedido, é transitivo VTDI OD OI
direto.

O chefe não atendeu as exigências dos empregados. Esquecer e lembrar


VTD OD
• É transitivo direto quando não for pronominal.
Atingir
Esqueci o seu nome.
• é transitivo direto. Lembrei o seu aniversário.

O policial não atingiu o alvo. • É transitivo indireto quando for pronominal (preposição de).
VTD OD
Esqueci-me do seu nome.
Chamar Lembrei-me do seu aniversário.
• No sentido de convidar, convocar, é transitivo direto.
Informar
Nós chamamos os acionistas para uma reunião de emergência.
VTD OD
• É transitivo direto e indireto.
• No sentido de denominar, cognominar, é transitivo
Informou os colegas de seus problemas.
direto ou transitivo indireto. VTDI OD OI

Chamaram- no empregadinho. Informou aos colegas os seus problemas.


VTD VTDI OI OD
Chamaram- no de empregadinho.
VTD preposição
Ir
Chamaram- lhe empregadinho.
VTI
Chamaram- lhe de caloteiro. • É intransitivo (com preposição).
VTDI preposição
objeto predicativo do objeto Fui à escola.
VI

Chegar Fui para Salvador.


VI
• é intransitivo (preposição a).

Cheguei à escola. Namorar


VI adjunto adverbial
• É transitivo direto.
Consistir
João namorou Clara durante cinco anos.
• é transitivo indireto (preposição em). VTD OD

O futuro da nossa empresa consiste em nossa honestidade.


VTI OI Obedecer e desobedecer

Contentar-se • É transitivo indireto (preposição a).

• é transitivo indireto (preposição com, em, de). Os filhos obedecem aos pais.
VTI OI
Ela contenta-se com tão pouco.
VTI OI Aquele motorista desobedeceu aos sinais.
VTI OI
Custar

• No sentido de ser custoso, ser difícil, é transitivo indireto. Pagar e perdoar

Custou à mamãe acreditar naquele terrível acidente. • É transitivo direto quando o objeto refere-se à coisa.
VTI OI
Vou pagar o livro.
• No sentido de acarretar, é transitivo direto e indireto. VTD OD

O trabalho custou-nos muita atenção. Papai perdoou suas falhas.


VTDI OI OD VTD OD

– 75 –
Língua Portuguesa
• É transitivo indireto quando o objeto refere-se à pessoa • No sentido de passar visto, é transitivo direto.
(preposição a).
O gerente visou o cheque.
Vou pagar ao dentista. VTD OD
VTI OI
• No sentido de pretender, ter em vista, é transitivo
Papai perdoou aos meninos. indireto (preposição a).
VTI OI
Sempre visei ao seu bem.
• É transitivo direto e indireto quando possui os dois objetos. VTI OI

Papai perdoou as falhas aos meninos.


VTDI OD OI EXERCÍCIOS

Precisar 1) Assinale a regência verbal incorreta:

• No sentido de marcar com precisão, é transitivo direto. a) Visei um passaporte e fui viajar.
O repórter não precisou o local do acidente. b) Quero um bom emprego.
VTD OD c) Aninha sempre obedece a mãe.
• No sentido de necessitar, é transitivo indireto (preposição d) Esqueci-me do endereço.
de). e) Simpatizo com você.
Eu preciso de silêncio para pensar.
VTI OI 2) Escolha a regência verbal correta do verbo chamar:
Preferir a) Chamamo-la de esperta.
b) Chamamo-la esperta.
• É transitivo direto e indireto (preposição a). c) Chamamos-lhe esperta.
d) Todas as alternativas estão corretas.
Prefiro vinho a cerveja. e) Nenhuma das alternativas está correta.
VTDI OD OI
3) A regência está correta em:
Prefiro o vinho à cerveja.
a) Prefiro café do que chá.
Presidir
b) Pedro namora com Joana.
c) Informei o endereço ao turista.
• É transitivo direto ou transitivo indireto.
d) Cheguei na casa de Marta às cinco horas.
e) Ele contenta-se por tão pouco.
Ele presidiu a Câmara dos Deputados.
VTD OD
4) Assinale a alternativa em que o verbo custar tem o
mesmo significado da oração abaixo:
Ele presidiu à Câmara dos Deputados.
VTI OI
“Custa-me acreditar que você disse isso.”
Querer
a) A ida ao teatro custou-lhe caro.
• No sentido de desejar, é transitivo direto. b) Naquela tarde custou-me chegar à escola.
c) A perda dos documentos custou-me muito.
Quero uma boa casa para morar. d) Quanto custa esta jóia?
VTD OD e) Os alimentos custam muito caro.

• No sentido de estimar, gostar, é transitivo indireto 5) Assinale a regência verbal incorreta:


(preposição a).
a) Não informaram aos alunos sobre as provas.
Quero bem ao Bruno. b) Não informaram os alunos sobre as provas.
VTI OI c) Não informaram aos alunos as provas.
d) Não informaram os alunos das provas.
e) Não informaram das provas aos alunos.
Simpatizar e antipatizar
6) Assinale a regência verbal incorreta:
• É transitivo indireto (preposição com)
a) assistir ao jogo (= ver)
Simpatizo com Luísa. b) assistir o paciente (= prestar assistência)
c) assistir em Minas Gerais (morar)
d) assistir o professor (= caber)
Visar e) assiste ao menino (= pertencer)

• No sentido de apontar, mirar, é transitivo direto.


RESPOSTAS
O atirador visou o alvo. 1-C 2-D 3-C 4-B 5-A 6-D
VTD OD

– 76 –
Língua Portuguesa
CASOS EM QUE O USO DA CRASE É OBRIGATÓRIO
USO DO SINAL INDICATIVO DE CRASE
• nas locuções adverbiais, prepositivas e conjuntivas
femininas:
Crase é a fusão de duas vogais a + a (à), indicada pelo
acento grave. A crase pode ocorrer com a junção da preposi- à parte em frente à
ção com: às vezes à espera de
à proporção que à medida que
• o artigo feminino a ou as:
Exceção:
Fomos a a escola.
Preposição artigo Locuções adverbiais femininas que indiquem instrumento
não levam o acento de crase.
Fomos à escola.
a máquina a bala
• o a dos pronomes demonstrativos aquele, aquela, aquilo:
A carta foi escrita a máquina.
Entreguei os documentos a aquele senhor.
preposição pronome demonstrativo Ele foi ferido a bala.

Entreguei os documentos àquele senhor. • nas expressões à moda de e à maneira de, mesmo quando
subentendidas:
• o a do pronome relativo a qual (as quais):
Usava sapatos à Luís XV. (à moda de)
A casa a a qual comprei há muitos anos foi demolida.
preposição pronome relativo • na indicação de horas:

A casa à qual comprei há muitos anos foi demolida. O avião chegará às quinze horas.
A regência de alguns verbos exige a preposição a.
Veja alguns exemplos: CASOS FACULTATIVOS

Fui à feira. São casos em que pode ou não ocorrer a crase:


Peça à sua mãe que lhe conte uma história.
Referi-me à sua atual situação. • antes de nomes femininos:

CASOS EM QUE NÃO OCORRE A CRASE: Não conte isso a ( à ) Carla.

• antes de substantivos masculinos: • antes de pronomes possessivos femininos:

Não assisto a jogo de futebol. Obedeço a ( à ) minha mãe.

• antes de verbos: • depois da preposição até:

Assim que cheguei em casa, começou a chover. Fui até a ( à ) escola.

• antes de artigo indefinido:


CASOS ESPECIAIS
À noite iremos a uma festa.
• antes da palavra casa:
• antes de pronome indefinido:
A palavra casa, no sentido de lar, residência, não admite o
Desejo a todos boa viagem. uso da crase. Se a palavra casa vier determinada, leva o
acento de crase.
• antes de pronomes pessoais do caso reto, do caso oblíquo
e de alguns pronomes de tratamento que não admitem artigo: Voltei a casa depois do trabalho.

Dei um presente a ela. Vou à casa de meus pais nas próximas férias.
Todos se dirigiram a mim.
Contei meus planos a Vossa Majestade. • antes da palavra terra:

• quando o a aparece antes de uma palavra no plural, dando A palavra terra, no sentido de chão firme, não admite o
um sentido genérico: uso da crase. Se a palavra terra vier determinada, leva o
acento de crase.
Ele se referiu a mulheres estranhas.
Depois de meses no navio, os marinheiros voltaram a
• nas expressões formadas por palavras repetidas: terra.

cara a cara frente a frente Regressarei à terra dos meus avós.

– 77 –
Língua Portuguesa
Se estivermos em dúvida quanto ao emprego da crase, 4) Assinale a alternativa em que todas as locuções devem
basta recorrermos a três regras básicas: receber o acento de crase:

1ª regra: troca-se a palavra feminina por uma masculina a) as vezes – a esmo – a parte
correspondente. b) em frente a – a espera de – a medida que
c) a máquina – as vezes – a proporção que
Vou à feira. Ela visitou a irmã. d) a espera de – a bala – as pressas
Vou ao cinema. Ela visitou o irmão. e) a cabo – a esmo - a parte

2ª regra: troca-se o a craseado por para a: 5) Todas as alternativas possuem casos facultativos no uso
da crase, exceto:
Irei à Argentina. Irei a Portugal.
Ire para a Argentina. Irei para Portugal. a) Vou até à farmácia.
b) Ela deu um presente à sua melhor amiga.
3ª regra: troca-se cheguei de por a e cheguei da por à: c) Bento entregou a carta à Maria.
d) Beatriz devolverá o livro à senhora.
Cheguei de Belo Horizonte. e) A professora entregou as notas à minha mãe.
Irei a Belo Horizonte.
6) Aponte a alternativa em que não ocorre o uso da crase:
Cheguei da Bahia.
Irei à Bahia. a) Ele age as escondidas.
b) A mulher a qual me refiro é minha professora.
c) Dia a dia, os problemas se tornam mais difíceis.
EMPREGO DE HÁ E A d) Irei a Austrália assim que puder.
e) Gosto das coisas as claras.
Essas duas formas, em relação ao tempo, têm o seguinte
uso: 7) Fui .......... cidade .......... dez horas para conhecer
.......... minhas primas.
HÁ: é usado no sentido de tempo decorrido, (verbo haver).
a) a - as - as
Não o vejo há três semanas. b) a - às - as
c) à - as - às
A: é usado no sentido de tempo futuro, (preposição). d) à - às - às
e) à - às - as
Daqui a cinco dias, retornaremos ao trabalho.
8) Garanto .......... você que compete .......... ela, pelo menos
.......... meu ver, tomar as providências para resolver o caso.
EXERCÍCIOS
a) a / a / a
1) .......... poucos meses, papai referia-se .......... mamãe com b) à / à / a
muito carinho. c) a / à / à
d) a / à / a
a) A – à e) à / a / à
b) Há – a
c) A – a 9) Foi ............... Brasília aprender ............... artes políticas,
d) Há – há mas retornou ............... terra natal sem grandes conhecimen-
e) Há – à tos.

2) Assinale a alternativa incorreta quanto ao uso do acento de a) a – as – à d) a – as - a


crase: b) à – as – a e) à – às - à
c) a – às – à
a) Vou a Paris no próximo ano.
b) Partirei às duas horas. 10) Ainda há pouco, o professor referia-se ............... questões
c) Gosto de comida a italiana. ligadas ............... prática de ensino.
d) Ele saiu às pressas.
e) Desejo a todos um Feliz Natal. a) à – a c) a - à
b) à – à d) a - a
3) Assinale a alternativa que preencha corretamente as
lacunas das orações abaixo: 11) Levando-se em conta que alguns nomes de lugar admi-
tem a anteposição do artigo, assinale a alternativa em que a
Ele saiu .......... pé. crase foi empregada corretamente:
Ele obedece .......... professora.
Peça .......... ela que venha me encontrar. a) Ele nunca foi à Berlim.
Vou visitar .......... terra dos meus tios. b) Ele nunca foi à Paris.
c) Ele nunca foi à Itália.
a) a - à - a - à d) Ele nunca foi à Roma.
b) à - a - a - à
c) à - à - à - a RESPOSTAS
d) a - a - à - a 1-E 2-C 3-A 4-B 5-D 6-C
e) a - a - a - à 7-E 8-A 9-A 10 - C 11 - C

– 78 –
Língua Portuguesa
c) porque (conjunção)
EXERCÍCIOS FINAIS d) pera (preposição)
e) por (preposição)

1) Assinale a alternativa em que todas as palavras estão 8) Uma das oxítonas abaixo não deve ser acentuada:
grafadas corretamente:
a) jacare
a) excelente, pressa, próscimo b) detem
b) basar, exemplo, chinelo c) urubu
c) enxugar, jiló, êxito d) atras
d) zinco, pissina, exigente e) sofa
e) berinjela, auxílio, cazaco

9) Assinale a alternativa que possua os substantivos compos-


2) Assinale a alternativa correspondente à grafia correta dos to, coletivo e abstrato, respectivamente:
vocábulos: fêm.....r, crân.....o, cr.....olina, eng.....lir
a) couve-flor, pedra, mar
a) o, i, i, o b) pé-de-moleque, amor, lua
b) u, i, e, o c) batalhão, peixe, sol
c) u, i, i, u d) soldados, assembléia, tristeza
d) o, e, e, u e) guarda-noturno, arsenal, beleza

3) Todas as palavras estão grafadas corretamente, exceto 10) Assinale a alternativa incorreta quanto ao gênero do
uma das alternativas: substantivo:

a) humanizar, batizar, paralizar a) o dó


b) expectativa, extravagante, expansivo b) a cataplasma
c) açaí, miçanga, paçoca c) o comichão
d) alisamento, pesquisar, analisado d) a derme
e) cuspir, bobina, periquito, paletó e) o eclipse

4) Apenas uma frase das alternativas abaixo está incorreta 11) Aponte a alternativa que possua um epiceno, um sobre-
quanto à ortografia, aponte-a: comum e um comum de dois gêneros, respectivamente:

a) O mecânico consertou o carro após o trágico a) aranha, cônjuge, paciente


acidente. b) leão, cliente, carrasco
b) O prisioneiro foi levado à cela imediatamente. c) indivíduo, tubarão, diplomata
c) O corpo docente adotará um novo método de ensino no d) sardinha, dentista, defunto
próximo ano. e) cachorro, estudante, modelo
d) João trabalha na mesma cessão que seu primo André.
e) Vou pedir dispensa do trabalho.
12) O plural está corretamente flexionado em:

5) Assinale a alternativa em que todas as palavras sejam a) coraçãozinhos, balãos, cidadãos


acentuadas: b) guardiões, guardas-sóis, grão-priores
c) beijo de moças, ave-marias, abaixo-assinados
a) bambu, armazem, tenis d) bel-prazeres, os ganha-pouco, frutas-pães
b) lampada, util, sozinho e) guardas-chuvas, pé de moleques, frutas-pães
c) ruim, aquele, açucar
d) canapes, pos, maracuja
e) urubu, debil, daninho 13) Assinale a alternativa em que o diminutivo expressa ideia
afetiva:

6) Aponte a alternativa em que os vocábulos não contêm a) Não vou ler este livreco!
trema: b) Mariana ganhou uma cartilha nova.
c) João sempre toma conta de seu irmãozinho.
a) tranquilo, frequente, arguir d) Fui multado por aquele guardinha.
b) aguentar, sagui, cinquenta e) Não lerei este jornaleco.
c) bilíngue, cinquenta, aguei
d) enxágue, linguiça, aguentar
e) questão, aguar, quente 14) O adjetivo correspondente a “de açúcar” é:

a) glacial
7) Assinale a alternativa que recebe o acento diferencial: b) sacarino
c) lácteo
a) pera (substantivo) d) vesical
b) pelo (preposição) e) apícola

– 79 –
Língua Portuguesa
15) Aponte a alternativa que possua um adjetivo uniforme 22) Assinale a alternativa que preencha adequadamente a
e um adjetivo biforme respectivamente: oração:
.............................. bola que está perto de você é minha,
a) comum - loquaz ....................... aqui é do meu primo.
b) réu - veloz
c) breve - estudioso a) Aquela - esta
d) são - plebeu b) Esta - esta
e) hipócrita – útil c) Essa - essa
d) Essa - esta
e) Esta - aquela
16) Assinale a alternativa correta quanto ao plural dos adjeti-
vos compostos:
23) O homem ......................... mais admiro é o meu pai.
a) blusas cor de laranja
b) calças verdes-garrafas a) a quem
c) empresas lusas-brasileiras b) em que
d) raios ultravioletas c) do qual
e) casacos marrons-cafés. d) com quem
e) de quem

17) Assinale a alternativa incorreta:


24) Assinale a alternativa incorreta quanto a abreviatura do
a) agudo - acutíssimo pronome de tratamento correspondente:
b) ruim - péssimo
c) sábio - sapientíssimo a) Papa - V. S.
d) feio - feiíssimo b) Cardeal - V. Emª
e) doce - docílimo c) Rei - V. Magª
d) Príncipe - V. A.
e) Sacerdote - V. Rev.ma
18) Assinale a alternativa correta quanto ao emprego do
artigo:
25) Aponte a oração em que o verbo está na 2ª pessoa do
a) Agarrei as cordas com ambas as mãos. plural:
b) A Vossa Majestade é muito estranha ...
c) O Urano é um planeta. a) Contai a vossa história.
d) O Luiz Inácio Lula da Silva é presidente do Brasil. b) Conte a sua história.
e) A Sua Majestade está muito cansada. c) Conta a tua história
d) Contem a sua história.
e) Contemos a nossa história.
19) O ordinal octingentésimo trigésimo sexto equivale a:

a) 8036 26) A polícia ............... no caso e ................. o mistério.


b) 806
c) 836 a) interviu - resolveram
d) 86 b) interveio - resolveu
e) 83 c) interveio - resolveste
d) interviu - resolveu
e) interviu - resolveste
20) Assinale a alternativa incorreta:

a) século V - (quinto) 27) Assinale a oração em que o verbo está incorretamente


b) tomo III - (três) empregado:
c) artigo XVI - (dezesseis)
d) João XXIII - (vinte e três) a) Ele previu o acidente.
e) ato VII - (sétimo) b) Peça-lhe que intervenha a meu favor.
c) Todos se dispuseram a colaborar.
d) Ainda que se prevesse o temporal, a enchente ocorreria.
21) Assinale a alternativa que preencha corretamente as e) Quando você o vir, diga-lhe que aguardo sua resposta.
lacunas das frases abaixo:

I - Se tu vais a escola, irei ......................... . 28) Assinale a alternativa incorreta:


II - Mandaram este comunicado para ...... ler.
III - Você trouxe o caderno ......................... . a) O futuro do subjuntivo expressa um fato que vai acontecer
IV - Não existe nada entre ..................... e ele. relacionado a outro fato futuro.
b) O pretérito mais-que-perfeito expressa um fato anterior a
a) com você, mim, consigo, eu outro fato que também é passado.
b) contigo, mim, com você, mim c) O pretérito imperfeito expressa um fato já concluído em
c) contigo, eu, consigo, mim época passada.
d) consigo, eu, consigo, mim d) O presente do subjuntivo expressa um fato atual, expri-
e) com você, eu, com você, eu mindo suposição, dúvida, possibilidade.

– 80 –
Língua Portuguesa
e) O futuro do pretérito expressa um fato futuro, mas de for- a) Chegarei à casa de meus parentes daqui a uma semana.
ma hipotética em relação a um momento passado. b) João foi andar à cavalo.
c) Gosto de arroz à grega.
d) Assisto à novela todas as noites.
29) Assinale a alternativa que contém um advérbio de tempo e) Ã noite, viajaremos tranquilos.
e de negação:

a) Às vezes, não gosto de pensar no passado. 36) Assinale a alternativa que preenche corretamente as
b) Atrás da porta ficava uma cadeira velha. lacunas das orações abaixo:
c) Maria andava apressadamente pelas ruas.
d) Agora só espero que você volte logo. I - Romário fez um gol ............... Pelé.
e) Possivelmente iremos ao teatro à noite. II - ............... séculos que não a vejo.
III - Muita gente veio ............... reunião.
IV - Fui assistir ............... um show de Caetano Veloso.
30) Na oração “Possivelmente, virei aqui amanhã”, temos
advérbio de: a) a - há - a - a
b) à - à - à - a
a) intensidade - tempo - lugar c) a - há - a - à
b) dúvida - lugar - tempo d) a - a - há - à
c) modo - lugar - dúvida e) à - há - à - a
d) dúvida - afirmação - negação
e) afirmação - dúvida - lugar
37) Assinale a alternativa incorreta quanto à concordância
verbal:
31) Nas orações:
a) Vendem-se casas.
I - Vou a Curitiba no próximo mês. b) Pedro ou Fabiano sairá vencedor.
II - Fernanda estuda à noite. c) Eu, você e ele jantam cedo.
III - Ele a trouxe de Paris. d) As meninas pareciam gostar de doce.
IV - Ele beijou a minha mão rapidamente. e) Precisa-se de empregados.

temos, respectivamente:
38) Assinale a alternativa que preenche corretamente as
a) preposição, pronome, preposição, artigo lacunas das orações abaixo:
b) artigo, pronome, preposição, pronome
c) pronome, artigo, pronome, preposição I - Nenhum de nós .................... a verdade.
d) preposição, preposição, pronome, artigo II - Sou eu que .................... as refeições.
e) artigo, pronome, pronome, artigo III - O sino .................... cinco horas.
IV - Os 5% da venda .................... à instituição.

32) As interjeições caramba! e bravo! indicam estado de: a) sabemos, faço, bateram, foram destinados
b) sabe, faço, bateu, foram destinados
a) desejo - espanto c) sabe, fez, bateu, foi destinado
b) espanto - aplauso d) sabemos, fez, bateram, foi destinada
c) aplauso - dor e) sabe, faço, bateram, foi destinado
d) animação - advertência
e) aversão - alegria
39) Assinale a alternativa correta quanto à concordância
verbal:
33) ........ partir daquele momento, senti que ......... minha
preocupação não era necessária. a) Praticam esporte Ana e Flávia.
b) Fazem anos que estudo inglês.
a) a - a c) Aluga-se casas.
b) à - a d) Três metros de tecido são pouco para se fazer uma corti-
c) a - à na.
d) à - à e) Os Estados Unidos sofreu com os atentados.
e) à - há

40) Assinale a única alternativa correta quanto à concordân-


34) Assisti ......... uma peça de teatro ........... cinco dias atrás. cia nominal:

a) à - a a) Comprei bastantes roupas íntimas.


b) a - à b) Era meio-dia e meio.
c) a - há c) É necessário a disciplina em sala de aula.
d) há - a d) Estou quites com a Receita Federal.
e) à – há e) Anexa à carta, seguem os documentos.

35) Assinale o uso incorreto quanto ao uso do acento de 41) Escolha entre o par de alternativas a que estabelece
crase: corretamente a concordância nominal:

– 81 –
Língua Portuguesa
I - Havia ............... mulheres na conferência. c) manjericão - magestade - traje
A) menas B) menos d) lisonjeiro - granja - ojeriza
II - Mariana disse: ..............., doutor! e) obceno - licensa - penera
A) muito obrigada B) muito obrigado
III - Minha amiga anda ............. aborrecida comigo.
A) meia B) meio 48) Complete as lacunas com a alternativa adequada:
IV - As frutas eram as mais baratas ...............
A) possível B) possíveis I - Não o vejo .......... anos.
II - Comprei um lindo presente para .......... mamãe.
III - Iremos .......... ópera.
a) I - A, II - A, III - B, IV - B IV - Daqui .......... cinco anos viajarei à Europa.
b) I - B, II - B, III - A, IV - A
c) I - A, II - B, III - A, IV - A a) à - a - a - à
d) I - B, II - A, III - B, IV - B b) há - à - à - a
e) I - A, II - B, III - B, IV - B c) há - a - à - a
d) a - a - à - à
e) à - à - a - a
42) Assinale a regência verbal incorreta:

a) Quero bem o Felipe. 49) Assinale a alternativa incorreta:


b) Marcelo namora Ana Carla.
c) Simpatizo com Samantha. a) São sete horas.
d) Lembrei-me de Melissa. b) Quando ele chegou, devia ser três horas.
e) Cheguei à escola atrasada. c) As meninas pareciam estar cansadas.
d) Algum de nós precisa falar com o chefe.
e) Mais de cem pessoas foram contempladas.
43) A regência verbal está incorreta em:

a) Sempre visei à sua felicidade. 50) Assinale a alternativa incorreta:


b) Prefiro rir a chorar.
c) Esqueci do seu telefone. a) Alugam-se apartamentos.
d) Paguei ao tintureiro. b) O Brasil ou a Itália sairá vencedor.
e) Sempre obedeci ao meu pai. c) Tu e ele são meus amigos.
d) A mãe com os filhos fez ótima refeição.
e) As saídas três e quatro são as mais movimentadas.
44) As palavras ambicioso, indeciso, inexorável regem,
respectivamente, as preposições:
51) Assinale a alternativa que preenche corretamente as
a) por - em - de lacunas das orações abaixo:
b) de - a - por
c) de - por - a I - Vossa Excelência já ............... as novas leis?
d) em - com - com II - Mais de um professor ............... às aulas.
e) de - em - a III - Os necessitados ............... nós.

a) apresentou, faltou, somos


45) Assinale a alternativa incorreta quanto à regência nomi- b) apresentamos, faltou, são
nal: c) apresentou, faltaram, somos
d) apresentou, faltou, sois
a) Ele escreve textos acessíveis a todos. e) apresentaram, faltaram, são
b) Devemos obediência aos nossos pais.
c) Tenho medo de filmes de terror.
d) José era hábil de fazer artesanato. 52) Ela estava ............... tensa porque ficara ............... com
e) Sou favorável a que todos compareçam. aqueles ............... especialistas.

a) meio - a sós - pseudo


46) Assinale a alternativa incorreta quanto ao uso do acento b) meia - só - pseudos
de crase: c) meia - a sós - pseudo
d) meio - a sós - pseudos
a) Usava cabelo à Ronaldinho. e) meio - só - pseudo
b) Agradeço à senhora pelo presente.
c) Ficaram frente a frente.
d) Partirei às duas horas. 53) Assinale a alternativa que apresenta erro de concordân-
e) Não conte isso à ninguém. cia nominal:

a) As fotos, quero as mais belas possível.


47) Assinale a alternativa em que todas as palavras estão b) Vão inclusos à carta os documentos necessários.
grafadas corretamente: c) Muito obrigada, respondeu Gabriela.
d) Aguardava a ocasião e o momento oportuno.
a) gibóia - canjica - estágio e) n.d.a.
b) varejista - sarjeta - hereje

– 82 –
Língua Portuguesa
54) Assinale a alternativa que completa corretamente os Gramática: teoria e exercícios / Paschoalin & Spadoto - São
espaços: Paulo: FTD, 1996.

A despesa do jantar foi ..............., mas a comida e a bebida


............... compensaram, pois saímos todos ............... . • Cipro Neto, Pasquale.
Gramática da língua portuguesa / Pasquale & Ulisses - São
a) cara - servidas - satisfeito Paulo: Scipione, 1998.
b) cara - servidas - satisfeitos
c) caro - servidos - satisfeitos
d) caro - servidas - satisfeito • Infante, Ulisses.
e) cara - servida - satisfeito Curso de Gramática Aplicada aos textos São Paulo: Scipione,
1995.

55) Assinale a alternativa em que a segunda forma está in-


correta como plural da primeira: • Melo Mesquita, Roberto.
Gramática Pedagógica / Roberto Melo Mesquita & Cloder
a) venho - vimos Rivas Martos - São Paulo: Saraiva, 1992.
b) somes - sumis
c) fora - fôreis
d) pulo – polimos • Barbosa de Souza, Jésus.
e) lês – ledes Minigramática / Jésus & Samira - São Paulo: Saraiva, 1997.

56) “As vezes ................ a pena fazer uma ..................” • Terra, Ernani.
Minigramática - São Paulo: Scipione, 1995.
a) valhe – excessão
b) vale – excessão
c) valhe – exceção • André, Hildebrando A. de.
d) vale – exceção Gramática Ilustrada - São Paulo: Moderna, 1997.
e) vale - esceção

•Abaurre, Maria Luiza


Português - Língua e Literatura: volume único, Maria Luiza
Abaurre, Marcela Nogueira Pontara, Tatiana Fadel 2. ed. –
São Paulo: Moderna, 2003.
GABARITO
• Ferreira, Mauro.
Aprender e praticar gramática: teoria, sínteses das
unidades, atividades práticas, exercícios de vestibulares: 2º
1-C 2-B 3-A 4-D 5-D 6-E 7-A grau - São Paulo: FTD, 1992.
8-C 9-E 10 - C 11 - A 12 - D 13 - C 14 - B
15 - C 16 - A 17 - E 18 - A 19 - C 20 - B 21 - C
• Farias, A.
22 - D 23 - A 24 - C 25 - A 26 - B 27 - D 28 - C
A interpretação do texto e o pretexto / A. Farias [ e ] Agosti-
29 - A 30 - B 31 - D 32 - B 33 - A 34 - C 35 - B
nho Dias Carneiro - Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1979.
36 - E 37 - C 38 - B 39 - A 40 - A 41 - D 42 - A
43 - C 44 - E 45 - D 46 - E 47 - D 48 - C 49 - B
50 - C 51 - A 52 - E 53 - A 54 - B 55 - C 56 - D • Cereja, William Roberto.
Texto e interação: uma proposta de produção textual
a partir de gêneros e projetos / William Roberto Cereja, The-
reza Cochar Magalhães - São Paulo: Atual, 2000.

BIBLIOGRAFIA
• Infante, Ulisses.
Textos: leituras e escritas: literatura, língua e redação
- São Paulo: Scipione, 2000.

• Bechara, Evanildo. • Terra, Ernani


Moderna Gramática Portuguesa – Rio de Janeiro: Lucerna, Português para o ensino médio: língua, literatura e produção
2005. de textos: volume único / Ernani Terra & José Nicola, Floriana
Toscano Cavallete. São Paulo: Scipione, 2002.
•Cegalla, Domingos Paschoal.
Novíssima Gramática da Língua Portuguesa – São Paulo: • Griffi, Beth
Companhia Editora Nacional, 2002. Português 1: literatura, gramática e redação: 2º grau / Beth
Griffi - 1.ed. São Paulo: Moderna, 1991.
• Paschoalin, Maria Aparecida.

– 83 –
Língua Portuguesa
• Novas Palavras: Literatura, gramática, redação e leitura / RASCUNHO:
Ricardo Leite - São Paulo: FTD, 1997. Outros autores: Emília
Amaral, Mauro Ferreira, Severino Antônio.

• Castro, Maria da Conceição


Língua & Literatura - São Paulo: Saraiva, 1996.

• Carneiro, Agostinho Dias


Texto em construção: interpretação de texto / Agostinho Dias
Carneiro - 2. ed - São Paulo: Moderna, 1996.

• Faraco & Moura


Língua e Literatura / Carlos Emílio Faraco e Francisco Marto
Moura - 20. ed - São Paulo: Ática, 2000.

• Sargentim, Hermínio
Redação - Coleção Horizontes - São Paulo: IBEP

• Souza, Jésus Barbosa de


Minigramática / Jésus Barbosa de Souza e Samira Youssef
Campedelli – São Paulo: Saraiva, 1997.

• Leme, Odilon Soares


Linguagem, literatura e redação – São Paulo: Ática, 2003.

• Sacconi, Luiz Antonio


Minidicionário Sacconi da Língua Portuguesa – São Paulo:
Atual, 1996.

• Cadore, Luís Agostinho


Curso Prático de Português – São Paulo: Ática, 1998.

ANOTAÇÕES:

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

_______________________________________________

– 84 –
OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS EM Ü a) Conjunto dos números inteiros não nulos ou diferen-
*
tes de zero = ¯
As operações fundamentais em Ü abrangem: * *
¯ = ¯ – {0} ou ¯ = {..., –3, –2, –1, +1, +2, +3, ...}
a) Conjunto dos números naturais (Conjunto Û) b) Conjunto dos números inteiros não negativos = ¯+ 
b) Conjunto dos números inteiros (Conjunto ¯)
(¯+ = Û)
c) Conjunto dos números racionais (Conjunto ¦)
d) Conjunto dos números irracionais (Conjunto ž) ¯+ = {0, +1, +2, +3, ...} ou
¯+ = {0, 1, 2, 3, ...}
Com o conjunto dos números naturais (Û), calcula- c) Conjunto dos números inteiros não positivos = ¯–
mos todas as operações fundamentais em aritmética, mas,
(¯– = {0, –1, –2, –3, ...})
é bom lembrar que ele é fechado em relação à adição, ou
*
seja, a soma de dois números naturais é sempre um d) Conjunto dos número inteiros positivos é igual a ¯+
número natural. Então, quando calculamos a sua operação 
*
(¯+ = {+1, +2, +3, ... })
inversa, a subtração, notamos que ela não possui a *
propriedade do fechamento, ou seja: e) Conjunto dos números inteiros negativos ¯–
*
8 – 6 = 2, mas 6 – 8 = ? (¯– = {–1, –2, –3, ... })

Logo, para que essa operação fosse possível, tornou-


se necessário criar novos números que formaram o REPRESENTAÇÃO GEOMÉTRICA:
conjunto chamado Conjunto dos Números Inteiros A RETA NUMÉRICA INTEIRA
Relativos, ou apenas Conjunto dos Números Inteiros,
cujo símbolo é ¯. Pode-se dar outra representação ao conjunto ¯. Para
isso desenhamos uma reta r e sobre ela marcamos o ponto
CONJUNTO DOS NÚMEROS INTEIROS O, correspondendo ao número zero, dividindo-a em duas
RELATIVOS (CONJUNTO ¯) semi-retas.

É formado pelos elementos: A partir do ponto O, marcamos à sua direita e à sua


esquerda, segmentos consecutivos, com a mesma medida
a) Números inteiros positivos, cujos numerais são: (1 cm, por exemplo) e façamos corresponder, a cada ponto
+1, +2, +3, +4, +5, ..., que são lidos: à direita de O, os números inteiros positivos e a cada
+1 (mais um ou um positivo), ponto à esquerda de O, os números inteiros negativos.
+2 (mais dois ou dois positivos), etc.
b) Números inteiros negativos, cujos numerais são: –1,
–2, –3, –4, –5, ..., que são lidos:
–1 (menos um ou um negativo),
–2 (menos dois ou dois negativos), etc.
c) Número zero (0), que não é positivo nem negativo. Deste modo, verificamos que cada número inteiro
pode ser associado a um ponto da reta r. Esta representa-
A reunião dos conjuntos dos números inteiros ção é chamada Representação Geométrica de ¯
negativos, do zero e dos números inteiros positivos, forma
o Conjunto dos Números Inteiros, que é representado Os pontos F’, E’, D’, C’, B’, A’, O, A, B, C, D, E, F são
pela letra ¯ (lê-se: zê) e é escrito: as imagens geométricas, respectivamente, dos números
–6, –5, –4, –3, –2, –1, 0, 1, 2, 3, 4, 5, 6 e os números –6,
¯ = {..., –5, –4, –3, –2, –1, 0, +1, +2, +3, +4, +5, ...} –5, –4, –3, ... etc. são as abcissas dos pontos F’, E’, D’, C’,
..., etc.
Nota: Pode-se dispensar o sinal + que acompanha os
números inteiros positivos, pois os mesmos se identificam A reta r sobre a qual estão assinalados os pontos é
com os números naturais maiores que zero. Então:
a reta numerada.
+1=1,+2=2,+3=3, ..., +9=9, ..., +30=30, ..., +50=50, ...

Desta forma, o conjunto ¯, pode ser escrito: COMPARAÇÃO ENTRE NÚMEROS INTEIROS
¯ = {..., –4, –3, –2, –1, 0, 1, 2, 3, 4, ...}
Pode-se aceitar que qualquer movimento na reta
Então, nota-se que, todo número natural é também numerada, para a direita, deve ser considerado como
um número inteiro, portanto: movimento positivo, e, para a esquerda, um movimento
negativo. Então conclui-se que: qualquer número localiza-
Û G ¯ Û é subconjunto de ¯ do à esquerda, na reta numerada, é menor que qualquer
número localizado à direita, e vice-versa.
SUBCONJUNTOS DE ¯
Desta forma, observando a reta numerada da figura
Além do conjunto Û, podem ser identificados os anterior, afirmamos que:
seguintes:
a) –6 < –2 d) 0 > –3 g) –3 < +1
Nota: o símbolo *(asterisco) indica a ausência do b) –3 < +2 e) +2 < +5 h) +2 > –6
zero no conjunto. c) 0 < +5 f) +5 > +3


0DWHPiWLFD
MÓDULO OU VALOR ABSOLUTO a) Crédito com Crédito dá Crédito:
DE UM NÚMERO INTEIRO (+8) + (+5) = +13
b) Débito com Débito dá Débito:
O módulo ou valor absoluto de um número positivo
(–8) + (–5) = –13
ou negativo é o próprio número sem ser levado em conside-
ração o sinal de + ou –. Assim, o módulo de +5 é 5 ou o c) Crédito com Débito dá o que for maior:
módulo de –7 é 7. Indica-se o módulo colocando o número
inteiro entre duas barras. Exemplos:
a) –6 = 6 (lê-se: o módulo de –6 é igual a 6)
b) +3 =3 (lê-se: o módulo de +3 é igual a 3) Para estabelecer as regras, consideramos os seguin-
tes casos:
NÚMEROS INTEIROS OPOSTOS OU SIMÉTRICOS Primeiro Caso: Um dos números dados é zero.
Exemplo:
São dois números inteiros que possuem o mesmo
módulo e sinais contrários, como +5 e –5, 9 e –9, etc. O a) (+4) + 0 = +4 c) 0 + (+4) = +4
zero é oposto dele mesmo. Exemplo: b) (–4) + 0 = –4 d) 0 + (–4) = –4

Regra: Quando um dos números é zero, a soma é


Número

–4 +2 –15 7 0 –20 +1 –3 12 –11 –16 igual ao outro número.

Segundo Caso: Os números dados têm o mesmo sinal.


Oposto ou

Exemplos:
Simétrico

+4 –2 +15 –7 0 +20 –1 +3 –12 +11 16 Crédito + Crédito = Crédito Maior


 (+7) + (+5) = +12
Débito + Débito = Débito Maior
 (–7) + (–5) = –12
DETERMINAÇÃO DE UM SUBCONJUNTO DE ¯
Regra: A soma de dois números de mesmo sinal é
Um novo símbolo: (lê-se: tal que)
obtida conservando-se o sinal comum às parcelas
e somando-se seus módulos. Exemplos:
Seja determinar os seguintes subconjuntos de ¯
a) (+4) + (+7) = +11
1) O conjunto dos números inteiros maiores que – 4: b) (+9) + (+7) = +16
c) (–5) + (–9) = –14
pela nomeação dos seus elementos: d) (–1) + (–6) = –7
{–3, –2, –1, 0, +1, +2, ...}
Terceiro Caso: Os números dados têm sinais diferentes.
simbolicamente: {x  ¯ x > –4} Exemplos:
Então: {x  ¯ x > –4} = Crédito + Débito Menor = Crédito Menor
= {–3, –2, –1, 0, +1, +2, ...} (+12) + (–4) = +8
2) O conjunto dos números inteiros menores ou iguais Crédito + Débito Maior = Débito Menor
a –5: (+4) + (–12) = –8
pela nomeação dos seus elementos: Regra: A soma de dois números de sinais diferen-
{–5, –6, –7, –8, –9, ...} tes é obtida dando-se o sinal da parcela que tem
maior módulo e subtraindo-se seus módulos.
simbolicamente: {x  ¯ x  –5} Exemplos:
Então: {x  ¯ x  –5} = a) (+16) + (–5) = +11
= {–5, –6, –7, –8, –9, ...} b) (–12) + (+7) = –5
c) (–4) + (+11) = +7
3) O conjunto dos números inteiros maiores ou iguais a d) (+3) + (–15) = –12
–3 e menores que +3: (significa escrever os números e) (+7) + (–6) = +1
inteiros compreendidos entre –3 e +3, inclusive o –3) f) (–7) + (+6) = –1
pela nomeação de seus elementos:
Quarto Caso: Os números dados são simétricos.
{–3, –2, –1, 0, +1, +2} Exemplos:
simbolicamente: {x  ¯ –3  x <+3} Crédito + Débito igual = nada
(+5) + (–5) = 0
Então: {x  ¯ –3  x < +3} =
= {–3, –2, –1, 0, +1, +2} Débito + Crédito igual = nada
(–5) + (+5) = 0

OPERAÇÕES FUNDAMENTAIS EM ¯ Regra: A soma de dois números opostos ou simé-


tricos é igual a zero.

ADIÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS (ADIÇÃO EM ¯)


PROPRIEDADES DA ADIÇÃO
Para que haja um melhor entendimento da adição em
¯, devemos comparar os números inteiros com as opera- 1ª) Fechamento: A soma de dois números inteiros é
ções de crédito e débito, ou seja: sempre um número inteiro.
Se a  ¯e b  ¯ _ (a + b)  ¯
Crédito = números positivos e Exemplo: (–7)+(+3)=–4 
Débito = números negativos.  Se (–7)  ¯ e (+3)  ¯
Assim, de maneira fácil se verifica que: (–4)  ¯.


0DWHPiWLFD
2ª) Comutativa: A ordem das parcelas não altera a Regra: A diferença de dois números inteiros é a soma
soma. do primeiro com o simétrico do segundo.
Exemplos:
Se a  ¯ e b  ¯, então a + b = b + a.
Exemplo: a) (+7) – (+9) =
(transformando na soma do 1º + oposto do 2º)
= (+7) + (–9) =
3ª) Associativa: Não importa de que forma as parcelas (passando para notação simplificada)
sejam agrupadas ou associadas, a soma é sempre a = +7 – 9 =
mesma.
(calculando a soma algébrica)
Se a  ¯, b  ¯e c  ¯ 
 (a+b) + c = a + (b+c). = –2.
Exemplo: b) (–5) – (–8) =
(transformando na soma do 1º + oposto do 2º)
= (–5) + (+8) =
(passando para notação simplificada)
4ª) Elemento neutro: O zero é o elemento neutro da = –5 +8 =
adição.
Se a  ¯ _ a + 0 =0 + a = a
(calculando a soma algébrica)
= +3.
Exemplo: (–8) + 0 = 0 + (–8) = –8
Por esses exemplos, nota-se que as operações em
5º) Elemento oposto ou simétrico: todo número inteiro que aparece o sinal negativo antes do parênteses, podem
admite um oposto ou simétrico e a soma de qualquer ser realizadas facilmente por um raciocínio direto.
número inteiro com o seu oposto ou simétrico é
sempre igual a zero. Observe nos exemplos a e b esses fatos:
Se a  ¯, então existe o elemento oposto (–a) tal que a) – (+9) = –9  – (+) = –
(+a) + (–a) = 0. b) – (–8) = +8  – (–) = +

Então, as subtrações podem ser passadas direta-


ADIÇÃO DE TRÊS OU MAIS NÚMEROS INTEIROS mente para a notação simplificada (sem parênteses),
aplicando o raciocínio direto:
É feita calculando-se, separadamente, a soma de
todas as parcelas positivas e a soma de todas as parcelas – (+) = – e – (–) = +. Exemplos:
negativas e em seguida soma-se os resultados obtidos. a) (+4) – (+9) = +4 – 9 = –5
Exemplo: b) (–3) – (+4) = – 3 – 4 = – 7
c) (+2) – (–8) =+2 +8 = +10
d) (–5) – (–7) =– 5 + 7 = +2

PROPRIEDADES DA SUBTRAÇÃO EM ¯

NOTAÇÃO SIMPLIFICADA 1ª) Fechamento: a diferença de dois números inteiros é


sempre um número inteiro.

Se a  ¯ e b  ¯ _ (a – b)  ¯.
Para simplificar a representação da soma de núme-
ros inteiros, basta eliminar os sinais + da operação e os
parênteses das parcelas, escrevendo-se apenas as parce- Exemplo: (–4) – (–7) = –4 +7 = +3 
las, uma em seguida da outra, cada qual com o seu próprio
sinal. Exemplos: Se (–4)  ¯ e (–7)  ¯ _ + 3  ¯
Notação Simplificada
Expressão 2ª) A subtração em ¯ não possui as propriedades
_
(Soma Algébrica)
comutativa e associativa e não tem elemento neutro.
_
a) (+5) + (–8) +5 – 8
b) (–3) + (+7) + (–6) – 3 +7 – 6
SOMA ALGÉBRICA
A notação simplificada chama-se soma algébrica.
A adição algébrica é uma expressão numérica onde
A soma algébrica é calculada da mesma forma que aparecem somente as operações de adição e subtração,
a soma de três ou mais números inteiros. Exemplo:
cujo resultado é chamado soma algébrica. Para resolvê-
las, basta eliminar os parênteses, passando-os para a
notação simplificada, usando o seguinte raciocínio direto:
+(+) = + ou +(–) = –
ou –(–) = + ou –(+) = –

Exemplo: Veja (–3) + (–5) – (–6) – (+9) + (+4) =


SUBTRAÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS
(SUBTRAÇÃO EM ¯) (o sinal que precede o 1º parêntese, quando não
estiver escrito, é sempre +)
A subtração de dois números inteiros é a operação
que nos permite adicionar o minuendo ao oposto do
subtraendo, ou seja, toda subtração é substituída por uma
adição.


0DWHPiWLFD
REGRAS PRÁTICAS PARA A ELIMINAÇÃO 2º) Se os fatores têm sinais contrários (um positivo e
DE PARÊNTESES outro negativo), então multiplicamos os módulos e
damos ao resultado o sinal negativo. Exemplos:
1ª) Parênteses precedidos do sinal +: podem ser a) (+3) # (–7) = –21
eliminados juntamente com esse sinal, b) (–4) # (+5) = –20
conservando-se apenas os sinais dos números
contidos em seu interior. Exemplos:
Em vista dos exemplos dados, podemos estabelecer
o seguinte resumo dos sinais do produto, que chamamos
a)
Regra Prática dos Sinais do Produto:

SINAIS DOS FATORES SINAL DO PRODUTO


b) (+) # (+) 
(–) # (–) 
(+) # (–) –

2ª) Parênteses precedidos do sinal –: podem ser (–) # (+) –


eliminados juntamente com esse sinal, trocando-se
os sinais dos números contidos em seu interior. Nota: A multiplicação por zero é sempre nula. Exemplos:
Exemplos: a) (+5) # 0 = 0 c) 0 # (+3) = 0
b) (–7) # 0 = 0 d) 0 # (–9) = 0
a)
MULTIPLICAÇÃO DE TRÊS OU MAIS
NÚMEROS INTEIROS

b) Na prática, calculamos o produto dos valores absolu-


tos de todos os fatores, contamos o número de fatores
negativos, e colocamos no produto o sinal, observando o
seguinte critério:

EXPRESSÕES NUMÉRICAS ENVOLVENDO a) Se o total de fatores negativos for PAR, o produto é


POSITIVO.
ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO EM ¯
b) Se o total de fatores negativos for ÍMPAR, o produto
São sentenças matemáticas envolvendo operações é NEGATIVO.
apenas com números. Resolvê-las é fazer corretamente
todas as operações nelas contidas até se chegar num Exemplos:
resultado final, bastando para isso eliminar em primeiro
lugar os parênteses, depois os colchetes e por último as a) ² #  # ² #  # ² # ²  
chaves, seguindo-se as mesmas regras práticas para (4 fatores negativos)
eliminação de parênteses, calculando-se, finalmente, a
soma algébrica obtida. Exemplo: b)  # ² #  # ² # ² #   ²
(3 fatores negativos)

(eliminam-se os parênteses) PROPRIEDADES ESTRUTURAIS


DA MULTIPLICAÇÃO EM ¯

1ª) Fechamento: o produto de dois números inteiros é


(eliminam-se os colchetes) sempre um número inteiro.
Se a  ¯ e b  ¯ _ (a # b)  ¯
(–3) # (+5) = –15 
Se (–3)  ¯ e (+5)  ¯ _
Exemplo:
(eliminam-se as chaves)
= –5+1–3+2+3+5–7–1 = _ –15  ¯.
(agrupam-se os negativos e os positivos)
2ª) Comutativa: a ordem dos fatores não altera o
produto.
(calcula-se a soma algébrica de cada grupo) Se a  ¯ e b  ¯ _ a # b = b # a.
Exemplo:
= –16 +11 = –5
(calcula-se a soma algébrica final)

MULTIPLICAÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS 3ª) Associativa: não importa de que forma sejam
(MULTIPLICAÇÃO EM ¯) agrupados ou associados os fatores, o produto é
sempre o mesmo.
Ao calcular o produto de dois números inteiros, Se a  ¯, b  ¯ e c  ¯ _
_ (a # b) # c = a # (b # c).
podemos observar que:

1º) Se os fatores têm sinais iguais (ambos positivos ou 4ª) Elemento Neutro: o número +1 é o elemento neutro
ambos negativos), então multiplicamos os módulos e da multiplicação.
Se a  ¯ _ a # (+1) = a
damos ao resultado o sinal positivo. Exemplos:
a) (+4) # (+7) = + 28
b) (–5) # (–7) = +35 Exemplo: (–6) # (+1)=(+1) # (–6)=–6.


0DWHPiWLFD
5ª) Distributiva em Relação à Adição e à Subtração: DIVISÃO DE NÚMEROS INTEIROS (DIVISÃO EM ¯)
o produto de um número inteiro por uma soma
algébrica pode ser obtido multiplicando-se esse O quociente de dois números inteiros, com o segundo
número pelos termos da soma e, em seguida, diferente de zero, é obtido dividindo-se o módulo do

Se a  ¯, b  ¯ e c  ¯ _
somando-se os produtos parciais. dividendo pelo módulo do divisor, observando-se que:

 a # (b+c) = ab + ac 1º) Se o dividendo e o divisor têm o mesmo sinal, o


ou a # (b–c) = ab – ac quociente é sempre positivo. Exemplos:
a) (+20) : (+5) = +4
Exemplos: a) (–3) # (2+5) =–6–15=–21 b) (–15) : (–3) = +5
b) (–2) # (4–7) =–8+14=+6
c) (+4) # (–4+5) =–16+20=+4 2º) Se o dividendo e o divisor têm sinais contrários, o
quociente é sempre negativo. Exemplos:
EXPRESSÕES NUMÉRICAS COM ADIÇÃO, a) (+30) : (–5) = –6
SUBTRAÇÃO E MULTIPLICAÇÃO EM ¯ b) (–25) : (+5) = –5

Lembre-se que, além de resolver-se em primeiro Em vista dos exemplos dados, podemos estabelecer
lugar o que está entre parênteses, depois o que está entre o seguinte resumo dos sinais que chamaremos de Regra
colchetes e por último o que está entre chaves, a operação Prática dos Sinais do Quociente.
multiplicação deverá ser efetuada antes das operações
adição ou subtração. Exemplos: SINAIS DOS NÚMEROS SINAL DO QUOCIENTE
a) (+) : (+) 
(primeiro as multiplicações) (–) : (–) 

(+) : (–) –
(eliminam-se os parênteses)
(–) : (+) –
= – 3 + 12 – 7 + 10 + 1 =
(agrupam-se os negativos e os positivos)
Nota: A divisão exata de dois números inteiros só é possí-
vel quando o primeiro número é múltiplo do segundo e o
segundo é diferente de zero.
(calcula-se a soma algébrica)
= – 10 + 23 = + 13 PROPRIEDADES DA DIVISÃO EM ¯
b) É conveniente observar que a divisão nem sempre
pode ser realizada no conjunto ¯. Por exemplo, (+7) : (–5)
(primeiro o que está entre parênteses)
ou (–1) : (–4) não podem ser realizadas em ¯.

Então, não valem, em ¯, as propriedades do Fecha-


(só as multiplicações) mento, Comutativa, Associativa e Elemento Neutro.
= (–4) – (–12) =
(eliminam-se os parênteses) A propriedade Distributiva vale só à direita e
quando possível. Exemplo:
= – 4 + 12 = +8
(calcula-se a soma algébrica) (18 + 12) : (–6) = 18 : (–6) + 12 : (–6)
(+30) : (–6) = – 3 – 2
c) –5 = –5

Veja que a distributiva à esquerda, em relação à


(aplica-se a propriedade distributiva) adição e subtração, não é válida. Exemplo:
= 2x – 8 – 10x – 20 + 3 = 18 : (3+6) g 18 : 3 + 18 : 6
(agrupam-se os termos da mesma espécie) 18 : 9 g 6 + 3
2 g 9

EXPRESSÕES COM AS QUATRO OPERAÇÕES EM ¯


(calcula-se a soma algébrica)
Valem as mesmas regrinhas estudadas anteriormen-
te, agora lembrando que as operações multiplicação ou
divisão deverão ser efetuadas antes das operações adição
d) 4x – 3xy + 2y = quando x = –2 e y = +1. ou subtração. Exemplo:
(basta substituir cada letra pelo valor atribuído e
em seguida calcular a expressão numérica)

Nota: O exercício “d” chama-se cálculo do valor numérico


de uma expressão literal.


0DWHPiWLFD
Veja a explicação:

a) (–3)2 _ significa que está sendo elevado ao quadra-


do tudo o que está entre os parênteses, ou seja, o
–3, donde:
(–3)2 = (–3) # (–3) = +9.

b) –32 _ significa que só está sendo elevado ao quadra-


do o 3, sem o sinal –, donde:
–32 = –(3 # 3) = –9.

OPERAÇÕES COM POTÊNCIAS EM ¯


(PROPRIEDADES)

1ª) Produto de potências de mesma base: repete-se


POTENCIAÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS a base e somam-se os expoentes. Exemplos:
(POTENCIAÇÃO EM ¯)
a) (+5)2 # (+5)4 = (+5)2+4 = (+5)6
A potenciação é uma multiplicação de fatores iguais. b) (–2)4 # (–2) # (–2)3 = (–2)4+1+3 = (–2)8

Então: (+2) # (+2) # (+2) = (+2)3 ou (+2)3 = (+2) # (+2) 2ª) Quociente de potências de mesma base: repete-se
# (+2) = +8. a base e subtraem-se os expoentes. Exemplos:
a) (–3)6 : (–3)4 = (–3)6–4 = (–3)2
Na potência (+2)3 = +8, temos: (+2) é a base; 3 é o b) (+4)3 : (+4) = (+4)3–1 = (+4)2
expoente e +8 é a potência.
3ª) Potência de Potência: repete-se a base e
Para os números inteiros, temos que estabelecer
multiplicam-se os expoentes. Exemplos:
regras de sinais, observando-se dois casos:
a) [(+7)2]3 = (+7)2.3 = (+7)6
Primeiro caso: O expoente é um número par. b) [(–8)4]2 = (–8)4.2 = (–8)8
Exemplos:
4ª) Potência de um produto ou quociente: repetem-se
a) (+2) = (+2) # (+2) = +4
2 as bases com as operações indicadas e eleva-se
(a potência é um número positivo) cada termo à potência constante. Exemplos:
b) (–2)4 = (–2) # (–2) # (–2) # (–2) = +16 a) [(–3) # (–5)]4 = (–3)4 # (–5)4
(a potência é um número positivo) b) [(–4) : (+2)]3 = (–4)3 : (+2)3

Daí, conclui-se a regra: “Quando o expoente é um


número par, a potência é sempre um número positivo”. RADICIAÇÃO DE NÚMEROS INTEIROS
Exemplos:
Radiciação é a operação inversa da potenciação.
a) (+4)2 = +16 Então, temos que:
b) (–5)4 = +625
c) (–10)4= +10.000 a)
b)
Segundo caso: O expoente é um número ímpar.
Exemplos:
a) (+2)3 = (+2) # (+2) # (+2) = +8 EXPRESSÕES NUMÉRICAS COM AS QUATRO
(a potência tem o mesmo sinal da base) OPERAÇÕES, POTENCIAÇÃO E RADICIAÇÃO EM ¯
b) (–4)3 = (–4) # (–4) # (–4) = –64
(a potência tem o mesmo sinal da base) As expressões com números inteiros relativos,
envolvendo as operações estudadas devem obedecer à
Daí, conclui-se a regra: “Quando o expoente é um seguinte ordem de solução:
número ímpar, a potência tem sempre o mesmo sinal da
base”. Exemplos: 1º) Potenciações ou radiciações;
2º) Multiplicações ou divisões;
5 3 5
a) (+2) = +32 b) (–3) = –27 c) (–2) = –32 3º) Adições ou subtrações.

Lembrando ainda que se deve fazer na ordem, as


CASOS PARTICULARES: operações contidas entre parênteses, entre colchetes e
entre chaves. Exemplo:
1º) A potência com expoente 1 é igual à própria base.
Exemplos:
a) (+3)1 = + 3 b) (–5)1 = –5 c) (–9)1 = –9

2º) A potência com expoente zero e base diferente de


zero, vale 1. Exemplos:
a) (+3)0 = +1 b) (–5)0 = +1 c) (–9)0 = +1

Observação Importante: Note a diferença que há


entre (–3)2 e –32.

a) (–3)2 = (–3) # (–3) = +9


b) –32 = –(3 # 3) = –9


0DWHPiWLFD
2) a) A = {–8, –4, –3, +3, +5}
b) B = {–1, +1, +2, +3, ...}
c) D = (–1, +1, +2, +3}
d) E = {–2, –1, 0, +1, +2, +3}
3) a) –2 b) –14 c) –6 d) +3
4) a) +12 b) +3 c) +22 d) +3
TESTES: 1) c 2) b 3) c 4) a 5) c

NÚMEROS PARES E ÍMPARES

EXERCÍCIOS A RESOLVER A sucessão de números naturais 0, 2, 4, 6, 8, 10, 12,


... é chamada sucessão dos números pares. A sucessão
1) Nomeando os elementos entre chaves, determinar os de números naturais 1, 3, 5, 7, 9, 11, 13, ... é chamada
conjuntos (pense na reta numerada). sucessão doso números ímpares.
a) A ={X  ¯ X > –5} Nos números pares, o algarismo mais à direita é
b) B = {X  ¯ X < –4} sempre 0, 2, 4, 6 ou 8. Nos números ímpares, o algarismo
c) E = {X  ¯* –2  X < +5} mais à direita é sempre 1, 3, 5, 7 ou 9.
d) F = {X  ¯ X  +3}

2) Escrever em ordem crescente os elementos dos MÚLTIPLOS E DIVISORES DE UM NÚMERO


conjuntos:
MÚLTIPLO
a) A = {+5, –4, –3, –8, +3}
b) B = {X  ¯* X  –1} Dizemos que um número é múltiplo de outro, quando
c) D = {X  ¯* –2 < X < +4} a sua divisão por esse outro é exata. Assim, 15 é múltiplo
d) E = {X  ¯ –2  X < +4} de 3 e de 5, pois:
3) Elimine os parênteses, colchetes e chaves e efetue a) 15 : 3 = 5 b) 15 : 5 = 3
as operações resultantes.
a) (2–7+1) – (2+5–9) = Múltiplo de um número é o produto desse número
b) –(–2+9) + (5–8) – 4 = por um outro número qualquer. Então, para se obter os
múltiplos de um número, basta multiplicá-lo, sucessivamen-
c) –[(10–12)–(–8+9)]–[(4–10)+15] = te, pela seqüência natural dos números, e, como essa
d) {3 – [(5–8) + 1]} – 2 = seqüência é infinita, conclui-se que:

4) Determine o valor das expressões: a) Todo número tem uma infinidade de múltiplos.
a) [(–1–4) # (+3) – 4 # (–5)] – [(–2–8) : (–1–1) + 2 # (–6)] = b) Com exceção do zero, o menor múltiplo de um
b) x # y2 + 3x + 2y = quando x = +1 e y = –2 número é o próprio número.
c) (–2+3) # (–3–1)2 – [(–5–2)2 : (–1–6) + (–1)2 # (–4+5)3] =
Exemplo: os múltiplos de 3 são:
d) 10–[5–(4–3)+( – )+(6–7)–(8–9)3+(–2)2] = M(3)={0,3,6,9,12,15,18,...}

TESTES DIVISOR
1) Assinale a afirmação verdadeira: Dizemos que um número é divisor de outro, quando
a) 2  ¯x c) 0¯ divide esse outro exatamente, ou seja, sem deixar resto, e,
b) –4  ¯+ d) 0¯ se ele é divisor do outro, o outro é múltiplo dele.

2) Qual é a afirmação verdadeira? Exemplo: se 5 é divisor de 10 _


*
10 é múltiplo de 5.
a) ¯+ G ¯– c) ¯+ G ¯+
*
b) N =¯+ d) ¯+ = N Os divisores de um número formam sempre um
conjunto finito.
3) A afirmação verdadeira é:
Exemplo: os divisores de 15 são:
a) –10 > +2 c) –10 > –20 D(15) = {1, 3, 5, 15}.
b) –10 > –6 d) –10 > 0
Observações:
4) Somando dois números negativos, temos como
resultado: a) O um é divisor de todos os números e é o seu menor
a) um número negativo divisor.
b) um número positivo b) O zero não é divisor de nenhum número, mas é
c) não podemos somá-los múltiplo de todos eles, e também o seu menor
d) nenhuma dessas afirmações múltiplo.
c) O maior divisor de qualquer número é ele próprio.
5) Qual é a igualdade verdadeira? d) O maior múltiplo de qualquer número é infinito.
a) –22 = (–2)2 c) (–3)2 = 32 e) Qualquer número, com exceção do zero, é, ao
b) (–4)1 = 41 d) (–8)0 = –1 mesmo tempo, múltiplo e divisor de si mesmo.

RESPOSTAS: CRITÉRIOS DE DIVISIBILIDADE


1) a) A = {–4, –3, –2, –1, ...}
b) B = {–5, –6, –7, –8, ...} São certas regras práticas que nos permitem saber
c) E = {–2, –1, +1, +2, +3, +4} se um número é divisível por outro, sem efetuar a divisão.
d) F = {+3, +2, +1, 0, –1, ...} Assim, um número é divisível:


0DWHPiWLFD
a) por 2: quando for par. DECOMPOSIÇÃO EM FATORES PRIMOS
b) por 3: quando a soma de todos os seus algaris-
mos for divisível por 3. Na multiplicação 8 x 5 = 40, os números 8 e 5 são
c) por 5: quando terminar em zero ou 5. chamados fatores. Como 8 = 2 x 2 x 2, podemos escrever
d) por 9: quando a soma de todos os seus algaris- o número 40 da seguinte forma:
mos for divisível por 9.
e) por 10: quando terminar em zero. ou
Exemplo: o número 450 é divisível:
A expressão 23 x 5 chama-se forma fatorada do
a) por 2: porque é par. número 40.
b) por 3: porque 4 + 5 + 0 = 9, que é divisível por 3.
c) por 5: porque termina em zero. Para se encontrar a forma fatorada de um número,
d) por 9: porque 4 + 5 + 0 = 9, que é divisível por 9. faz-se a sua decomposição em fatores primos, obede-
e) por 10: porque termina em zero. cendo à seguinte regra:

a) Divide-se o número dado pelo seu menor divisor


DIVISIBILIDADE POR 10, 100 E 1 000 primo.
Um número natural é divisível por 10, 100, b) Procede-se da mesma maneira com o quociente
1 000, ... se terminar por um zero, dois zeros, três zeros, ... obtido até se encontrar o quociente 1.
respectivamente. Exemplos:
Exemplo:
450 é divisível por 10.
3 500 é divisível por 10 e por 100. 90 2 _ o menor divisor primo de 90 é 2 
97 000 é divisível por 10, por 100 e por 1 000.
_
3 divide-se 90 por 2
45 3 o menor divisor primo de 45 é 3 

_
5 divide-se 45 por 3
NÚMEROS PRIMOS 15 o menor divisor primo de 15 é 3 

_
divide-se 15 por 3
São números que possuem apenas dois divisores a 5 o menor divisor primo de 5 é 5  divide-
unidade e eles mesmos. Exemplos:
_
se 5 por 5
a) 2, pois  D (2)={1, 2}  a unidade e ele mesmo. 1 encontramos o quociente 1
b) 3, pois  D (3)={1, 3}  a unidade e ele mesmo.
c) 5, pois  D (5)={1, 5}  a unidade e ele mesmo, Então escrevemos:
etc.
ou
NÚMEROS MÚLTIPLOS OU COMPOSTOS.
Outros exemplos:
São números que possuem outros divisores além da
unidade e deles mesmos. Exemplos:
a) 180 22 180 = 2 x 2 x 3 x 3 x 5
a) 4, pois D (4) = {1, 2, 4} 90 33
b) 6, pois D (6) = {1, 2, 3, 6}, etc... 45 5 ou
15
Nota: Por convenção, o número 1 não é nem primo, nem 5
composto. 1 180 = 22 x 32 x 5

RECONHECIMENTO DOS NÚMEROS PRIMOS b) 198 2 198 = 2 x 3 x 3 x 11


99 3
Para descobrir se um número é ou não primo, basta 33 3 ou
dividi-lo sucessivamente pelos números primos (2, 3, 5, 7, 11 1
11, ...). Se a divisão não for exata até que o quociente 1 1 198 = 2 x 32 x 11
fique menor que o divisor, o número é primo. Se a
divisão for exata, o número é composto. Exemplos:
DETERMINAÇÃO DO CONJUNTO DOS
a) O número 157 é primo? DIVISORES DE UM NÚMERO
157 2 157 3 157 5
17 78 07 52 07 31 O processo que nos permite encontrar o conjunto de
1 1 2 todos os divisores de um número, obedece ao seguinte
critério:
157 7 157 11 157 13
a) Decompõe-se o número em fato-
17 22 047 14 027 12 res primos:
3 03 01
Resposta: O número 157 é primo, pois o quociente
(12) da última divisão é menor que o divisor (13) e
nenhuma das divisões foi exata.
b) Coloca-se outro traço vertical à
b) O número 161 é primo? direita da decomposição e
161 2 161 3 161 5 161 7 escreve-se o número 1, que é
divisor de todos os números, à
1 80 11 53 11 32 21 23 direita do novo traço e acima do
2 1 0 primeiro fator:
Resposta: O número 161 é composto, pois a última
divisão foi exata.


0DWHPiWLFD
c) Multiplica-se o primeiro fator primo RESPOSTAS:
pelo divisor 1 e coloca-se o produ-
1) 149, 311 e 421 são primos.
to obtido na linha correspondente
2) 48=24 # 3; 81=34; 300=22 # 3 # 52;
ao 2:
504=23 # 32 # 7
3) D(28)={1, 2, 4, 7, 14, 28}
D(70)={1, 2, 5, 7, 10, 14, 35, 70}
D(192)={1,2,3,4,6,8,12,16,24,32,48,64,96,192}
d) Multiplicam-se os demais fatores pelos divisores que D(250) = {1, 2, 5, 10, 25, 50, 125, 250}
estiverem à direita do traço vertical e acima desses 4) a, c, d, e são verdadeiras.
fatores. (Os produtos repetidos são eliminados): 5) M(4) = {0, 4, 8, ...}; M(6) = {0, 6, 12, ...};
M(5) = {0, 5, 10, ...}; M(11) = {0, 11, 22, ...}
6) a  14, 32, 36, 40, 120; b  36, 120
c  35, 40, 120; d  40, 120

TESTES: 7) c 8) d 9) c 10) b

e) Os divisores do número são os números colocados


à direita do traço vertical, que deverão ser colocados MÁXIMO DIVISOR COMUM
em ordem.
Então: Chama-se divisor comum o número que divide dois
ou mais números sem deixar resto.
D(90) = {1, 2, 3, 5, 6, 9, 10, 15, 18, 30, 45, 90}
Então, se: D(45) = {1, 3, 5, 9, 15, 45} e D(63) =
Outro exemplo: Qual é o conjunto dos divisores do {1, 3, 7, 9, 21, 63} os divisores comuns desses números
número 132? são: D(45)  D(63) = {1, 3, 9}.

Como se pode ver, o maior dos divisores comuns de


45 e 63 é 9.

O número 9 é chamado de máximo divisor comum


(m.d.c.) de 45 e 63.
D(132)={1, 2, 3, 4, 6, 11, 12, 22, 33, 44, 66, 132}
Indica-se o máximo divisor comum assim:
m.d.c. (45, 63) = 9.
EXERCÍCIOS A RESOLVER
Então, conclui-se que o máximo divisor comum de
1) Verificar quais, entre os números, são primos: 149, dois ou mais números é o maior dos seus divisores co-
275, 311, 372 e 421. muns.
2) Decompor em fatores primos os números: 48, 81,
300 e 504.
PROCESSOS PRÁTICOS DE CÁLCULO DO M.D.C.
3) Escreva o conjunto dos divisores de: 28, 70, 192 e
250. O m.d.c. pode ser calculado por dois processos
práticos:
4) Identifique as sentenças verdadeiras:
1º) Cálculo do m.d.c. pela decomposição em fatores
a) 3 é divisor de 12. primos – Obedece-se à regra:
b) 24 é divisor de 12.
c) 24 é múltiplo de 12. a) Decompõe-se cada número em fatores primos.
d) 15 é múltiplo de 1.
e) 29 é número primo. b) O m.d.c. é o produto dos fatores primos co-
muns a esses números, elevados ao seu
5) Escreva o conjunto dos múltiplos de: 4, 5, 6 e 11. menor expoente.
Exemplo: Calcular o m.d.c. de 60, 264 e 504.
6) Entre os números 14, 32, 35, 36, 40 e 120, verifique
quais são divisíveis por:
a) 2 b) 3 c) 5 d) 10

TESTES
7) Se a, b e c são números naturais diferentes de zero
e a : b = c, então:
a) a é divisor de b c) a é múltiplo de b
b) a é divisor de c d) c é múltiplo de a
Os fatores primos comuns são 2 e 3.
8) Todo número que termina em zero, é divisível:
O menor expoente do fator 2 é 2 e do fator 3 é 1.
a) somente por 10 c) somente por 5
b) somente por 2 e 5 d) por 2, 5 e 10 Então, m.d.c. (60, 264, 504) = 22 # 3 = = 4 # 3 = 12.

9) Se um número é primo, ele tem: 2º) Cálculo do m.d.c. pelas divisões sucessivas
a) apenas um divisor
b) infinitos divisores Obedece-se à regra: Divide-se o número maior pelo
c) apenas dois divisores distintos número menor. Em seguida divide-se o número
d) apenas o número 1 como divisor menor pelo primeiro resto; depois divide-se o primei-
ro resto pelo segundo resto, e assim sucessiva-
10) Se x = 23 # 3 # 5, então o valor de x é: mente até se encontrar uma divisão exata. O último
a) 30 b) 120 c) 90 d) 135 divisor é o m.d.c. Exemplo:


0DWHPiWLFD
Calcular o m.d.c. (25, 60). RESPOSTAS:
Faz-se as divisões sucessivas usando o dispositivo 1) a) 234 b) 266 c) 7 d) 42
abaixo, chamado Algoritmo de Euclides, onde os
quocientes são coloca-dos por cima dos respecti- 2) a) 17 b) 21 c) 35 d) 81
vos divisores. 3) a) {1,2,3,6,9,18};
b) {1,2,3,4,6,12};
Linha dos quocientes  2 2 2 c) {1,3,5,15}
Linha dos divisores  60 25 10 É 4) 240 litros 5) 36 m
Linha dos restos  10 5 0 6) 12 plantas e 15 canteiros

M.D.C.(25,60) = 5 TESTES: 7) d 8) b 9) c 10) b

Obs.: 1ª) Chamam-se números primos entre si, a dois


ou mais números cujo m.d.c. = 1. MÍNIMO MÚLTIPLO COMUM
2ª) O m.d.c. de dois números, em que um é múlti-
plo do outro, é o menor deles. Sejam os múltiplos de 3 e 6. Excluindo o zero, que é
múltiplo de todos os números, temos:
EXERCÍCIOS A RESOLVER
M(3) = { 3 6 9 12 15 18 21 24 27 30 33 ...}
1) Aplicando a decomposição em fatores primos,
calcule o m.d.c. de: M(6) = { 6 12 18 24 30 36 42 ...}
a) 468 e 702 c) 560, 623, 840
b) 798 e 1064 d) 504, 672, 882, 546 O conjunto intersecção nos fornece os múltiplos
comuns:
2) Aplicando as divisões sucessivas, calcule o m.d.c. M(3)  M(6) = {6, 12, 18, 24, 30, ... }
de:
a) 85 e 153 c) 630 e 1085 O menor número desse conjunto é o 6 e chama-se
b) 63 e 105 d) 243 e 405 mínimo múltiplo comum, que é indicado assim:
3) Determine os divisores comuns de:
m.m.c. (3, 6) = 6
a) 90 e 198 c) 105, 135 e 165
b) 48 e 84
Então, podemos definir que: o mínimo múltiplo
4) As capacidades de dois reservatórios são de 6480 comum (m.m.c.) de dois ou mais números é o menor
litros e 6000 litros respectivamente. Deseja-se número, diferente de zero, que é divisível por todos eles, ao
construir um tanque que possa ser alimentado por mesmo tempo.
esses reservatórios. Calcular a maior capacidade
desse tanque de maneira que ele possa ser abasteci- PROCESSOS PRÁTICOS PARA CÁLCULO DO M.M.C.
do um número exato de vezes com a água de qual-
quer reservatório. 1º) Cálculo do m.m.c. pela decomposição em fatores
primos
5) Três peças de fazenda medem, respectivamente,
180 m, 252 m e 324 m. Pretende-se dividi-las em Obedece-se à regra:
retalhos de igual comprimento. Qual deverá ser esse
comprimento, de modo que o número de retalhos a) Decompõem-se os números em fatores primos.
seja o menor possível?
b) Multiplicam-se todos fatores primos comuns e não
6) Virgínia deseja plantar 72 mudas de violeta, 24 de
rosa, 36 de orquídeas e 48 de camélia no menor comuns, elevados aos seus maiores expoentes.
número possível de canteiros. Sabendo-se que cada Exemplo: Calcular o m.m.c.(36, 90, 120).
canteiro deverá receber o mesmo número de plantas
de uma só espécie, pergunta-se:
a) qual o número de plantas que deve conter cada
canteiro?
b) quantos canteiros serão necessários?

TESTES

7) Indique a alternativa que apresenta números primos


entre si:
a) 20 e 15 b) 12 e 18 c) 13 e 26 d) 15 e 26 Os fatores primos comuns e não comuns são 2, 3 e
5.
8) O m.d.c. dos números 4 e 12 é:
a) 2 b) 4 c) 12 d) 1 O maior expoente do fator 2 é 3 e do fator 3 é 2.

9) O m.d.c. de dois números primos entre si é: Então: m.m.c. (36, 90, 120) =
= 23 # 32 # 5 = 8 # 9 # 5 = 360.
a) o menor deles c) o número um
b) o maior deles d) o produto deles
2º) Cálculo do m.m.c. pela decomposição simultânea
em fatores primos:
10) Se x = 2 # 3 # 5 e y = 2 # 3 # 7, então o m.d.c. (x, y) é:
3 4 2

a) 210 b) 24 c) 360 d) 5040 Obedece-se à regra:


0DWHPiWLFD
a) Decompõem-se, ao mesmo tempo, todos os núme- 2) Determine, pela decomposição simultânea, o
ros em fatores primos. m.m.c. de:
a) 20 e 36 e) 24, 27 e 30
b) O m.m.c. é o produto de todos os fatores primos b) 42 e 54 f) 12, 15 e 18
obtidos. c) 40 e 96 g) 84, 96 e 108
d) 45 e 108 h) 30, 45 e 75
Exemplo: calcular o m.m.c.(36, 90, 120).
3) Aplicando as propriedades do m.d.c. e do
m.m.c., calcule:
a) m.d.c.(2, 9) c) m.d.c.(2, 3, 5)
b) m.m.c.(2, 9) d) m.m.c.(4,8, 24)

4) Qual é o produto de dois números, se o seu m.d.c. é


8 e o seu m.m.c. é 48?

m.m.c. (36, 90, 120 _ 2 # 3 # 5 _ 9 # 8 # 5 = 360


3 2
5) Determinar todos os números compreendidos entre
1.000 e 4.000 que sejam divisíveis, ao mesmo
tempo, por 75, 150 e 180.
PROPRIEDADES DO M.M.C.
6) Calcular os dois menores números pelos quais
1ª) O m.m.c. de dois ou mais números primos entre si é devemos multiplicar os números 60 e 78, a fim de
o produto deles. obter produtos iguais.
Exemplo: m.m.c. (5, 3, 2) = 30.
7) Numa República, o Presidente deve permanecer
2ª) O m.m.c. entre dois números em que o maior é durante 4 anos em seu cargo, os Senadores 6 anos
divisível pelo menor, é o maior deles. e os Deputados, 3 anos. Se, em 1929 houve eleições
para os 3 cargos, em que ano se realizarão nova-
Exemplo: m.m.c. (12, 3) = 12. mente juntas as eleições para esses cargos?

3ª) Se vários números forem multiplicados ou divididos 8) Duas rodas de uma engrenagem têm, respectiva-
por um certo número diferente de zero, o seu m.m.c. mente, 14 e 21 dentes. Cada roda tem um dente
também ficará multiplicado ou dividido por esse estragado. Se num dado instante estão em contato
número. os dois dentes estragados, depois de quantas voltas
esse encontro se repetirá?
Então, sendo: m.m.c.(18, 12, 60) = 180, podemos
dizer que:

a) m.m.c. (18 # 3, 12 # 3, 60 # 3) = 180 # 3 TESTES


b) m.m.c. (18 : 3, 12 : 3, 60 : 3) = 180 : 3.
9) Se a e b são números naturais e a é múltiplo de b,
4ª) Dividindo-se o m.m.c. de vários números por todos então m.m.c (a, b) é igual:
eles, um por vez, os quocientes obtidos serão núme- a) 1 b) a c) b d) a#b
ros primos entre si.
10) Se a e b são números primos entre si, então m.m.c
Então, se m.m.c. (12, 18, 60) = 180, teremos, efe- (a, b) é igual a:
tuando as divisões:
a) 1 b) a c) b d) a#b
180 : 12 = 15; 180 : 18 = 10 e
180 : 60 = 3 11) Se a = 2 # 32 # 5 e b = 2 # 3 # 7, então o m.m.c. (a, b),
é:
onde os números 15, 10 e 3 são primos entre si, pois a) 180 b) 6 c) 18 d) 630
só admitem a unidade como divisor comum.

5ª) O produto do m.d.c. pelo m.m.c. de dois números 12) Se a = 2m # 32, b = 23 # 3n e o


naturais diferentes de zero é igual ao produto desses m.m.c. (a, b) = 24 # 33 então:
mesmos números. a) m=4en=2 c) m=3en=4
b) m=4en=1 d) m=4en=3
Então, se: m.d.c. (12, 30) = 6 e
m.m.c. (12, 30) = 60
RESPOSTAS:
Teremos:
1) a) 900 c) 1500 e) 4620 g) 360
b) 240 d) 720 f) 900 h) 420
2) a) 180 c) 480 e) 1080 g) 6048
b) 378 d) 540 f) 180 h) 450
3) a) 1 b) 18 c) 1 d) 24
EXERCÍCIOS A RESOLVER 4) 384
5) 1800, 2700 e 3600
1) Determine, pela decomposição em fatores primos, o
m.m.c. de: 6) 10 e 13
a) 150 e 180 e) 132, 60 e 84 7) em 1941
b) 80 e 120 f) 180, 90 e 450 8) duas voltas da maior e três voltas da menor.
c) 500 e 750 g) 60, 90 e 120
d) 18, 30 e 48 h) 21, 28 e 35 TESTES: 9) b 10) d 11) d 12) d


0DWHPiWLFD
CONJUNTO DOS NÚMEROS RACIONAIS Normalmente, um número misto é representado sem
o sinal “+” colocado entre o inteiro e a fração.
NOÇÃO DE FRAÇÃO Então, indica-se e lê-se: três inteiros e
É obtida quando se divide uma unidade qualquer em um quarto.
partes iguais, como por exemplo, uma pizza dividida em
quatro partes iguais.
TRANSFORMAÇÃO DE NÚMEROS MISTOS
EM FRAÇÕES IMPRÓPRIAS:
_
Multiplica-se o inteiro pelo denominador, e ao produto
soma-se o numerador, obtendo, assim, o numerador da
fração procurada. O denominador é conservado o mesmo.

Exemplo:
_

um quarto dois quartos três quartos TRANSFORMAÇÃO DE FRAÇÕES IMPRÓPRIAS


EM NÚMEROS MISTOS (EXTRAÇÃO DE INTEIROS):

Divide-se o numerador pelo denominador. O quo-


REPRESENTAÇÃO DAS FRAÇÕES ciente é a parte inteira, o resto é o numerador da parte
fracionária e o divisor é o denominador da fração própria.
Os números um quarto, dois quartos, três quartos, Exemplo:
são chamados números fracionários ou racionais ou
simplesmente frações e são escritos assim: ou 1/4 (um
Extrair os inteiros de .
quarto), ou 2/4 (dois quartos), ou 3/4 (três quartos).
Solução: dividindo-se o numerador pelo denomina-
Então, para se representar uma fração são necessá- dor, vem:
rios dois números naturais, com o segundo diferente de
zero, que são chamados termos, sendo que o primeiro é o
numerador e o segundo é o denominador. Logo, na fração
3/4, o 3 é o numerador e o 4 é o denominador, e significam:

O DENOMINADOR INDICA EM QUANTAS PARTES A Então, onde:


UNIDADE FOI DIVIDIDA.

O NUMERADOR INDICA O NÚMERO DESSAS FRAÇÕES EQUIVALENTES


PARTES QUE FOI TOMADO.
São duas ou mais frações que representam a mesma
parte do inteiro.

TIPOS DE FRAÇÕES Exemplo: Observe as figuras

Podem ser próprias, impróprias e aparentes. â 1/3


Fração própria: é quando o numerador é menor que
o denominador e são todas menores que a unidade. â 2/6

Exemplos: etc. â 3/9

Fração imprópria: é quando o numerador é maior As frações , e representam a mesma parte


que o denominador e são todas maiores que a unidade.
do inteiro e são chamadas de frações equivalentes.
Exemplos: etc.
PROPRIEDADE FUNDAMENTAL DAS FRAÇÕES
Fração aparente: é quando o numerador é igual ou Quando multiplicamos ou dividimos o numerador
múltiplo do denominador e todas representam números e o denominador de uma fração por um mesmo número
naturais que se obtêm dividindo o numerador pelo denomi- natural diferente de zero, obtemos uma fração equivalen-
nador. te à fração dada. Exemplo:
Exemplos: etc.
Seja a fração 3/4. Se multiplicarmos os seus termos
(numerador e denominador) por 2, teremos a fração 6/8 e,
NUMERO MISTO observando a figura seguinte, vê-se que essas frações são
equivalentes.
A soma de um número inteiro com uma fração própria
chama-se número misto ou fração mista.
Exemplo: .




0DWHPiWLFD

Veja ainda que: ,

Logo:
CLASSES DE EQUIVALÊNCIA
(denominadores diferentes) (denominadores iguais)
É o conjunto de frações equivalentes à fração
dada. Para construí-las basta multiplicar ou dividir os Nota: Se houver números mistos ou inteiros,
seus dois termos pelos números naturais 1, 2, 3, 4, 5, ... transformam-se esses números em frações impró-
Exemplo: prias ou aparentes e faz-se como no exemplo ante-
rior. Exemplo:
Seja construir a classe de equivalência de 2/3.
transformando, vem:
Teremos:
m.m.c. (2, 5, 10) = 10

ou

Ao conjunto dessas frações equivalentes dá-se o COMPARAÇÃO DE FRAÇÕES


nome de classes de equivalência da fração 2/3 e é
Devem ser considerados os casos:
indicada assim:
1º) Frações com denominadores iguais: a maior é a
que tem o maior numerador. Exemplo:


SIMPLIFICAÇÃO DE FRAÇÕES 
Significa reduzi-las a frações equivalentes cujos
termos sejam números primos entre si. São dois os Logo:
processos práticos para isso:
2º) Frações com numeradores iguais: a maior é a que
1º) Simplificação pelas divisões sucessivas: consiste tem o menor denominador. Exemplo:
em dividir sucessivamente os dois termos da fração
por um mesmo divisor comum diferente de 1.
Exemplo: 


Logo:

Nota: Os termos da fração 3/4 são primos entre si.


Logo:
Então, dizemos que a fração é irredutível.

2º) Simplificação pelo m.d.c.: consiste em calcular o


3º) Frações com numeradores e denominadores
m.d.c. entre os dois termos da fração e em seguida
diferentes: se as frações têm numera-dores e
dividi-los pelo M.D.C. encontrado. Exemplo: denominadores diferentes é necessário reduzi-las ao
mesmo denominador para então enquadrá-las no
m.d.c. (36, 48) = 12 primeiro caso.

Logo: EXERCÍCIOS A RESOLVER

1) Simplificar as frações pelo processo das divisões


REDUÇÃO DE FRAÇÕES AO MESMO DENOMINADOR sucessivas:

a) b) c) d) e)
Consiste em transformar duas ou mais frações em
outras frações equivalentes que tenham denominadores
iguais. Para isso, opera-se assim: 2) Simplificar as frações pelo processo do m.d.c.:
Seja reduzir e ao mesmo denominador. a) b) c) d) e)
Faz-se:

1º) Calcula-se o m.m.c. dos denominadores: 3) Qual é o valor de x, em cada caso, para que as
m.m.c. (4, 6, 2) = 12 frações sejam equivalentes:
2º) Divide-se o m.m.c. pelos denominadores das frações a) c)
dadas: 12 : 4=3, 12 : 6=2 e 12 : 2 = 6.
3º) Multiplicam-se esses quocientes pelos respectivos b) d)
numeradores:




0DWHPiWLFD
4) Reduzir as frações ao mesmo denominador: 2º) Frações com denominadores diferentes:

a) b) Reduzem-se as frações ao mesmo denomi-nador e


em seguida aplica-se a regra anterior. Exemplos:

a)
5) Colocar em ordem crescente as frações:
m.m.c (3, 4, 6) = 12
a) b)

TESTES reduzindo ao mesmo denominador


6) Qual é a fração aparente que representa o número
3?
somando, simplificando e extraindo os inteiros.
a) b) c) d)
b)

7) A fração equivalente a 2/3, cujo numerador é 6, é: Nota: Havendo números mistos ou inteiros, deve-se
reduzi-los a frações impróprias ou aparentes. Exem-
a) b) c) d) plo:

8) O número misto é igual a qual fração imprópria?

a) b) c) d) EXERCÍCIOS A RESOLVER

Calcular, simplificando e extraindo os inteiros:


9) Extraindo os inteiros de 11/4, obtemos:
1) 4)
a) b) c) d)
2) 5)

10) Qual das frações é a maior: ? 3) 6)

a) b) c) d) RESPOSTAS:

1) 2) 3) 4) 5) 6)
RESPOSTAS:
1) a) ; b) ; c) ; d) ; e) .
MULTIPLICAÇÃO DE FRAÇÕES
2) a) ; b) ; c) ; d) ; e) . O produto de frações é obtido pela multiplicação
dos numerados entre si e dos denominadores entre si.
3) a) x = 18; b) x = 20; c) x = 20; d) x = 4. Exemplos:
4) a) ; b) ; a)

5) a) ; b) .
b)
TESTES: 6) d; 7) a; 8) b; 9) d; 10) a.
Cancelamento: sempre que possível, os produtos
OPERAÇÕES COM FRAÇÕES ORDINÁRIAS devem ser simplificados antes de efetuarmos a multiplica-
ção. Essa simplificação, que só pode ser feita na multiplica-
ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO ção, chama-se cancelamento. Exemplos:

Devem ser considerados dois casos: a)


1º) Frações com o mesmo denominador:
Cancela-se o fator 3 do numerador e do denomina-
Somam-se ou subtraem-se os numeradores, na dor.
ordem que se apresentam, conservando-se o
mesmo denominador. Simplifica-se o resultado
encontrado, se for possível. Exemplos: b)

a)
Cancelam-se os fatores 3 e os fatores 7.

b) c)

c) Dividem-se os fatores 10 e 15 por 5.




0DWHPiWLFD
EXERCÍCIOS A RESOLVER
d)
Calcular os produtos:
Dividem-se os fatores 3 e 9 por 3 e os fatores 8 e 4 1) 4)
por 4.
2) 5)
FRAÇÃO DE FRAÇÃO
3) 6)
Seja calcular os .
Calcular:

Essa expressão pode ser substituída por , ou 7) Os de 8) Os de

seja, substituímos a preposição de pelo sinal de multipli-


cação. Então temos: 9) Os

. 10) Os de 490 11) Os de 1 hora

Portanto, para se calcular uma fração de fração, 12) Os de R$ 600,00


multiplicam-se as duas frações.
Calcular os quocientes:
NÚMEROS RACIONAIS INVERSOS
(FRAÇÕES INVERSAS)
13) 16)
19)
Uma fração é inversa de outra fração diferente de
zero quando se troca de lugar o numerador com o
denominador. Exemplos:
20)
14) 17)
a) O inverso de é

b) O inverso de é4
15) 18)
c) O inverso de 6 é

Note-se que:
RESPOSTAS:

a) 1) 6) 11) 45 minutos 16)

2) 7) 12) R$ 250,00 17)


b)
3) 8) 1 13) 18)

Quando multiplicamos uma fração pelo seu inverso, 4) 9) 14) 19)


o produto é sempre 1.
5) 10) 140 15) 20)
DIVISÃO DE FRAÇÕES

Divide-se uma fração por outra, ou uma fração por


um número inteiro, ou ainda, um número inteiro por uma POTENCIAÇÃO DE FRAÇÕES
fração, multiplicando-se a primeira pelo inverso da
segunda. Exemplos: É obtida elevando-se tanto o numerador como o
denominador ao expoente indicado. Exemplos:

a) a) b)

b) Nota: As convenções adotadas para as potências de


expoente 1 e expoente zero com números naturais são
também válidas para as frações. Então:
c)
a) Potências de expoente 1 são iguais à própria base.
b) Potências de expoente zero e base diferente de zero
são iguais a 1. Exemplos:
d)
a) b)




0DWHPiWLFD
RADICIAÇÃO DE FRAÇÕES 6)

A raiz quadrada de uma fração que é quadrado


perfeito é obtida extraindo-se a raiz quadrada do numera-
dor e do denominador. Exemplos:

a) porque

b) porque

EXPRESSÕES NUMÉRICAS FRACIONÁRIAS


São feitas obedecendo-se às mesmas regras estabe-
lecidas para o cálculo com números naturais e inteiros, ou
seja:
1º) potenciações e radiciações;
2º) multiplicações e divisões, na ordem em que apare-
cem;
3º) adições e subtrações, na ordem em que aparecem.
Se a expressão tiver sinais de associação: ( ), [ ] e
{ }, estes devem ser eliminados na ordem:
1º) as operações contidas nos parênteses ( ); depois
2º) as operações contidas nos colchetes [ ]; e por último
3º) as operações contidas nas chaves { }.
Siga os exemplos:
1)
EXERCÍCIOS A RESOLVER

1) Calcular as potências:

a) c) e)

b) d) f)

2) Extrair a raiz quadrada de:


2)
a) c) e)

b) d) f)

3) 3) Calcular o valor das expressões:

a)

b)

4)
c)

d)

TESTES

4) A potência é igual a:
5)
a) 6/10 b) 9/10 c) 9/25 d) 6/25

5) O inverso da potência é:

a) b) c) d)




0DWHPiWLFD
13/72  correspondem a 26 exercícios
6) A soma do dobro de com a metade de é: 1/72  corresponderá a 2 exercícios 
 (26 exercícios : 13 = 2 exercícios)
a) b) c) 2 d) Paulo  exercícios

Armando  exercícios
7) O valor da expressão

é um número compreendido entre: Resp.: Paulo conferiu 54 exercícios e Armando 64.


a) 3 e 4 b) 2 e 3 c) 1 e 2 d) 0e1 4) 2/3 de uma peça de fazenda custaram R$ 98,00.
Qual será o valor de 4/5 da mesma?
RESPOSTAS: Solução:
Se 2/3 custam R$98,00
1) a) b) c) d) 1 e) f)
1/3 custará R$ 98,00 : 2 = R$ 49,00
3/3 (preço da peça) R$ 49,00 # 3 = R$ 147,00
2) a) b) c) d) e) f) 5/5 = R$ 147,00 (peça toda)
1/5 = R$ 147,00 : 5 = R$ 29,40
4/5 = R$ 29,40 # 4 = R$ 117,60.
3) a) ; b) ; c) ; d)
Resp.: O valor de 4/5 da peça será R$ 117,60.
TESTES: 4) c 5) c 6) a 7) b
5) Dividir a terça parte de 4/5 pela metade de 2/7.
Solução:
PROBLEMAS ENVOLVENDO NÚMEROS RACIONAIS
ABSOLUTOS (FRAÇÕES ORDINÁRIAS) Terça parte de

PROBLEMAS RESOLVIDOS (MODELOS): Metade de


1) Se 3/7 de uma estrada correspondem a 90 km, qual
o comprimento dessa estrada? Efetuando a divisão, teremos:
Solução:

1/7  corresponderá a 30 km _
3/7  correspondem a 90 km

_ (90 km : 3 = 30 km)
Resp.: O resultado da divisão é
7/7  (estrada toda) tem:
7 # 30 km = 210 km 6) Um negociante vendeu 3/5 de uma peça de fazenda
Resp.: A estrada tem 210 km de comprimento. e ainda lhe restaram 32 metros. Quanto media essa
peça?
2) Um automóvel já percorreu 2/5 da distância entre Solução:
duas cidades. Resta ainda percorrer 60 km. Qual é a
distância entre essas cidades? Vendendo 3/5 ainda lhe sobraram:
Solução:
Já percorreu  2/5
Se 2/5 correspondem a 32 metros
Resta percorrer  1/5 corresponderá a 16 metros  (32 : 2 = 16)
Os 5/5 que representam a peça inteira terão:
corresponderá a 20 km _
3/5  correspondem a 60 km 5 # 16 = 80 metros.
_ (60 km : 3 = 20 km)
1/5 
Resp.: A peça media 80 metros.
5/5  (distância total) é:
5 # 20 km = 100 km 7) Um estudante gastou 2/7 do seu dinheiro numa
compra de material escolar. Depois tornou a gastar
Resp.: A distância entre as duas cidades é de mais 3/5 e ainda lhe restaram R$ 10,00. Quanto
100 km. possuía esse estudante?
3) Vários exercícios de um concurso foram conferidos Solução:
por três candidatos: Armando, Paulo e José. Arman- Fração gasta nas duas compras:
do conferiu 4/9 dos exercícios; Paulo 3/8 e José, os
26 exercícios restantes. Quantos foram os exercícios
conferidos por Paulo? e por Armando?
Solução: Fração do dinheiro que ainda resta:

Se 4/35 correspondem a R$ 10,00


Fração correspondente ao número de exercícios 1/35 corresponderá a R$ 2,50 
conferidos por Armando: 32/72 e Paulo: 27/72. (R$ 10,00 : 4 = R$ 2,50)
Fração correspondente aos Os 35/35, que representam todo o dinheiro desse
 exercícios conferidos por estudante serão: 35 # 2,50 = R$ 87,50.
José. Resp.: O estudante possuía R$ 87,50




0DWHPiWLFD
.8) Uma pessoa gastou 1/5 do que tinha; a seguir, PROBLEMAS PARA RESOLVER
metade do que lhe sobrou e depois R$ 600,00; ficou
com R$ 600,00. Quanto tinha primitiva-mente?
1) Dividir a quinta parte de 3/5 pela terça parte de .
Solução:
Gastando 1/5 do que tinha, ainda lhe restaram 4/5. R = 21/50

Gastando novamente 1/2 do resto 4/5, ou seja:


2) Calcular os de 120. R = 90

, ainda lhe sobram


3) Qual é o número cujos valem 40? R = 100

4) Um candidato acertou das questões de um con-


Como gastou R$ 600,00 e ainda ficou com R$
600,00, então esses 2/5 são iguais a R$ 1.200,00  curso e com isso obteve 20 pontos. Quem acertou
(R$600,00+R$600,00=R$ 1.200,00) 3/4 das questões, quantos pontos fez?
R = 18 pontos
Se 2/5 correspondem a R$ 1.200,00
1/5 corresponderá a R$ 600,00 
(R$ 1.200,00 : 2 = R$ 600,00) 5) Uma piscina está com da capacidade total. Se
Os 5/5 que representam o que possuía, serão:
colocarmos mais 9.000 litros de água, ela ficará
5 # 600,00 = R$ 3.000,00.
completamente cheia. Qual é a capacidade total?
Resp.: Tinha R$ 3.000,00. R=24.000 litros

9) Uma peça de fazenda, depois de molhada, encolheu 6) Um operário recebe, pelos de seu trabalho, a
3/14 do seu comprimento, ficando com 33 metros.
Quantos metros tinha a peça e qual foi o seu custo, importância de R$ 120,00. Quanto lhe resta ainda
sabendo-se que o metro da fazenda valia R$ 7,25? para receber? R = R$ 200,00
Solução:
Encolhendo 3/14, ainda restam: 7) Uma peça de fazenda é dividida em três partes. Uma
é igual a ; outra, . Que fração representa a

Se 11/14 correspondem a 33 metros terceira parte? R=


1/14 corresponderão a 3 metros 
 33 : 11 = 3
Os 14/14 serão: 14 # 3 = 42 metros 8) Os mais de uma peça de fazenda somados
Se a peça tinha 42 metros e cada metro custa R$ medem 44 metros. Calcular o comprimento da peça.
7,25, então o seu preço será de: R = 70 metros
42 # R$ 7,25 = R$ 304,50.
9) Uma pessoa gastou do seu dinheiro e ainda ficou
Resp.: A peça tinha 42 metros e seu custo foi de
R$ 304,50. com R$ 600,00. Quanto possuía? R = R$ 1.600,00

10) Duas torneiras enchem um tanque em 4 horas. Uma


delas sozinha, enche-o em 7 horas. Em quantos 10) Um estudante tinha R$ 80,00. Gastou e depois
minutos a outra, sozinha, encheria o tanque?
Solução: mais do resto. Quanto ainda lhe restou?

As duas torneiras juntas enchem o tanque em 4 R = R$ 10,00


horas. Portanto, numa hora alimentarão 1/4 do
tanque.
11) Uma pessoa gastou num dia do seu dinheiro e no
Da mesma forma, se uma das torneiras leva 7 horas
para encher o tanque, em 1 hora ela alimentará 1/7
do tanque. outro, . Ficou ainda com R$ 3.600,00. Quanto
Portanto, a segunda torneira, em 1 hora, encherá possuía? R = R$ 7.000,00
3/28 do tanque, pois:
12) Um excursionista fez uma viagem de 360 km. Os

Donde se conclui que esta segunda torneira sozinha do percurso foram feitos de trem, a cavalo e o
encherá o tanque em 560 minutos, pois
resto de automóvel. Quantos quilômetros andou de
em 60 min. _ em 60 min. : 3 = 20 min. automóvel? A fração percorrida de automóvel, quanto
representa da viagem total?
R = 45 km e 1/8 do percurso
e em 28 # 20 min. = 560 min.

Resp.: Em 560 minutos.




0DWHPiWLFD
NÚMEROS RACIONAIS DECIMAIS TRANSFORMAÇÃO DE NÚMERO DECIMAL
(FRAÇÕES DECIMAIS) EM FRAÇÃO DECIMAL

Procede-se assim:
Fração decimal é toda fração cujo denominador é
uma potência de 10, como 10, 100, 1000, etc. Exemplos: a) o numerador é o número decimal sem a vírgula e
sem os zeros iniciais.

a) (lê-se: sete décimos) b) o denominador é o número 1 seguido de tantos


zeros quantas forem as casas decimais do número
decimal. Exemplos:

a) 5,6 = (uma casa decimal  um zero)


b) (lê-se: quinze centésimos)
b) 0,35 = (duas casas decimais  dois
zeros)

c) 0,005 = (três casas decimais  três


zeros)
c) (lê-se: nove milésimos)

TRANSFORMAÇÃO DE FRAÇÃO DECIMAL


EM NÚMERO DECIMAL
NÚMEROS DECIMAIS
Escreve-se o numerador da fração e separa-se por
uma vírgula, a partir da direita, tantas casas decimais
As frações , e , podem ser repre- quantos forem os zeros do denominador. Exemplos:
sentadas respectivamente, por 0,7; 0,15 e 0,009. Logo:
a) = 6,5 (um zero  uma casa decimal)

b) = 3,47 (dois zeros  duas casas


decimais)
Os numerais 0,7; 0,15 e 0,009 são exemplos de
numerais decimais e são chamados simplesmente de
números decimais. c) = 0,003 (três zeros  três casas
decimais)
Nos números decimais, a vírgula separa a parte
inteira da parte decimal. Observe os exemplos:
PROPRIEDADES DOS NÚMEROS DECIMAIS:
a)
1ª) O valor de um número decimal não se altera quando
se acrescentam ou se suprimem zeros à direita
desses números. Exemplo: 54,65 = 54,650 =
b) 54,65000

2ª) Para multiplicar um número decimal por 10, 100,


1000, ... desloca-se a vírgula para a direita uma,
duas, três, ... casas. Se faltarem algarismos,
acrescentam-se zeros. Exemplos: 18,65 # 10 = 186,5;
LEITURA DE UM NÚMERO DECIMAL 3,582 # 10000 = 35820

É feita assim: primeiro a parte inteira, e em seguida 3ª) Para dividir um número decimal por 10, 100, 1000,
a parte decimal acompanhada das palavras: ... desloca-se a vírgula para a esquerda uma, duas,
três, ... casas. Se faltarem algarismos, serão eles
décimos  se houver uma casa decimal, supridos com zeros. Exemplos: 341,68 : 10 = 34,168;
0,15 : 100 = 0,0015
centésimos  se houver duas casas decimais,
milésimos  se houver três casas decimais,
EXERCÍCIOS A RESOLVER
e assim por diante. Exemplos:
1) Representar por algarismos os seguintes números:
a) 3,4 (lê-se: três inteiros e quatro décimos) a) quarenta e dois inteiros e cento e cinco milési-
b) 4,07 (lê-se: quatro inteiros e sete centésimos) mos.
b) doze inteiros e três décimos milésimos.
c) 12,0016 (lê-se: doze inteiros e dezesseis décimos c) quarenta e dois centésimos milésimos.
de milésimos) d) cinco inteiros e cento e trinta e sete milionési-
mos.
Nota: Quando a parte inteira é zero, pode ser lida
apenas a parte decimal. 2) Escrever por extenso os seguintes números:
a) 41,35 c) 1,003497
Então: 0,013 (lê-se: treze milésimos) b) 2,0835 d) 0,0001982




0DWHPiWLFD
3) Converter em números decimais as frações: MULTIPLICAÇÃO

a) b) c) d) Multiplicamos os números decimais como se fos-sem


números naturais, sem nos preocuparmos com as
vírgulas e separamos no produto, tantas casas decimais
quantas forem as do multiplicando mais as do multiplica-
4) Efetuar as multiplicações: dor. Exemplo:
a) 31,5 # 10 c) 64,31 # 10 5,68 # 6,3 = temos:
b) 0,437 # 1000 d) 3,875 # 100

5) Efetuar as divisões:
a) 41,62 : 10 c) 4,73 : 1000
b) 385,3 : 100 d) 38,72 : 1000

RESPOSTAS: DIVISÃO
1) a) 42,105; b) 12,0003; c) 0,00042; Em geral, são observados dois casos:
d) 5,000137.
2) a) quarenta e um inteiros e trinta e cinco centésimos 1º) O divisor é inteiro: Efetua-se a divisão como se
b) dois inteiros e oitocentos e trinta e cinco décimos fossem números inteiros e, a seguir, separam-se
milésimos no quociente, tantas ordens decimais quantas
c) um inteiro e três mil, quatrocentos e noventa e existam no divisor. Exemplo:
sete milionésimos
d) um mil, novecentos e oitenta e dois décimos 157,92 : 42 =
milionésimos a) Dividindo, como se fossem inteiros, teremos:
3) a) 0,03 b) 2,7 c) 0,0458 d) 48,57.
4) a) 315 b) 437 c) 643,1 d) 387,5.
5) a) 4,162 b) 3,853 c) 0,00473 d) 0,03872.

OPERAÇÕES COM NÚMEROS DECIMAIS


b) Separando duas casas decimais no quociente,
ADIÇÃO E SUBTRAÇÃO que são as existentes no dividendo vem:
157,92 : 42 = 3,76
Na prática procedemos assim:
2º) O divisor é decimal: Quando o divisor é decimal,
multiplicam-se o dividendo e o divisor por uma
a) igualamos o número de casas decimais, acrescen-
potência de 10 (conforme a propriedade funda-
tando zeros.
mental das frações), de modo que o divisor se
torne inteiro e assim, recaímos no caso anterior.
b) colocamos vírgula debaixo de vírgula. Exemplo:
c) efetuamos a operação indicada. 22,016 : 4,3 =
multiplicando o dividendo e o divisor por 10, vem:
Exemplos:
220,16 : 43 = 512 (como no caso anterior).
1º) Logo: 220,16 : 43 = 5,12
(separando duas casas no quociente)

POTENCIAÇÃO DE NÚMEROS DECIMAIS

2º) É calculada da mesma forma que a potenciação de


números naturais, inteiros ou fracionários. Exemplos:
a)
b)
3º)
Nota: As convenções adotadas para as potências de
expoente 1 e expoente zero nos conjuntos N e Q, são
válidas para números decimais. Então:

4º) Resolver a expressão: a) ;


b) .

REPRESENTAÇÃO DECIMAL DE UMA


FRAÇÃO ORDINÁRIA

Cálculos: É feita dividindo-se o numerador pelo denomina-


dor da fração. Podem acontecer dois casos:

1º) A divisão é exata: É quando o resto da divisão é


zero e o número decimal resultante é chamado
decimal exato. Exemplo:




0DWHPiWLFD
15) 3,22 : 2,3 =
Converter em decimal a fração
16) 1,75 : 2,5 =
temos: 17) 3,591 : 0,95 =
18) 0,019 : 7,6 =

Calcular as potências e as expressões:


Logo, a forma decimal da fração é
3 2
19) (0,4) = 24) (0,05) =
 que é um número decimal exato, 20)
2
(2,5) = 25)
2
(2,3) +(0,9) =
2
porque o resto da divisão é zero. 4 3
21) (0,2) = 26) 10,2 – (1,2) =
2
2º) A divisão não é exata: É quando o resto da divisão 22) 6,2 27) (7,2) : 5,184 =
não é zero, e o número decimal resultante é chama- 23) (1,12) =
0 2
28) (2,3 – 1,75) =
do dízima periódica ou decimal aproximado.
Exemplos:
Converter em números decimais as frações:
a)
29) 31) 33)

30) 32) 34)

TESTES
b)
35) Qual é a sentença correta:
a) 3,5 = 0,35 c) 0,4 = 0,40
b) 0,03 = 0,3 d) 6,04 = 6,40

36) O número decimal 0,018 pode ser representado por:

a) c)
Então: e
b) d)

Os números 2,666... e 1,1666... são chamados


dízimas periódicas, pois as divisões não são exatas e o 2
37) A potência (0,03) é igual a:
número 6, chamado período, se repete infinitamente.
a) 0,0009 c) 0,09
Nota: A dízima 2,666... é chamada dízima periódica b) 0,009 d) 0,9
simples porque o período 6 começa logo depois da
vírgula, e a dízima 1,1666... é chamada dízima periódica 38) O quociente 0,01575 : 0,45 é igual a:
composta porque entre a vírgula e o período 6, existe a) 350 c) 0,35
uma parte decimal que não se repete (o número 1). b) 0,035 d) 3,5

EXERCÍCIOS A RESOLVER

Efetuar as operações:

1) 0,7+1,3+1,054+0,07 =
2) 4,3 – 2,07 =
3) 2 – 0,003 =
4) (4,32 – 1,008) – (5,02 – 3,1) = RESPOSTAS:
5) (2,1+1,3 – 1,7) – (3,14 – 2,8) =
1) 3,124 13) 0,0343 25) 6,1
6) 2,5 # 0,157 = 2) 2,23 14) 0,0022 26) 8,472
7) 18,002 # 1,004 = 3) 1,997 15) 1,4 27) 10
4) 1,392 16) 0,7 28) 0,3025
8) 3,1415 # 2,71 = 5) 1,36 17) 3,78 29) 0,6
9) (4,32+1,18) # 0,07 = 6) 0,3925 18) 0,0025 30) 0,8333...
7) 18,074008 19) 0,064 31) 0,777...
10) (7,2 – 1,3) # (4,2 – 1,6) = 8) 8,513465 20) 6,25 32) 0,41666...
11) 6,534 : 9 = 9) 0,385 21) 0,0016 33) 3,75
10) 15,34 22) 6,2 34) 0,222...
12) 85,256 : 8 = 11) 0,726 23) 1
13) 0,2401 : 7 = 12) 10,657 24) 0,0025
14) 0,0132 : 6 = TESTES: 35) c; 36) d; 37) a; 38) b.




0DWHPiWLFD
SISTEMAS DE MEDIDAS É igual à soma das medidas de todos os seus lados e
é indicado pela letra P.
Medir uma quantidade é compará-la com uma unidade
de medida para se saber quantas vezes a quantidade contém Então, o perímetro do polígono ao lado é:
a unidade.
P = 5 cm + 2 cm + 1 cm + 4 cm + 2 cm = 14 cm
Sistema Métrico Decimal: é o sistema de medidas
cujas unidades guardam entre si a relação que têm as potên- PERÍMETRO DO RETÂNGULO
cias de 10.

UNIDADES DE MEDIDA DE COMPRIMENTO

Sua unidade fundamental é o METRO LINEAR, cujo


símbolo é m, que possui múltiplos (unidades maiores que o
metro) e submúltiplos (unidades menores que o metro), cujos
nomes, símbolos e valores são:

NOMES SÍMBOLOS VALORES Sendo:


QUILÔMETRO km 1.000 m
MÚLTIPLOS HECTÔMETRO hm 100 m ou
DECÂMETRO dam 10 m
UNIDADE FUNDAMENTAL METRO m 1m
PERÍMETRO DE POLÍGONOS REGULARES
DECÍMETRO dm 0,1 m
SUBMÚLTIPLOS CENTÍMETRO cm 0,01 m Um polígono é regular quando todos os seus lados são
iguais. Chamando de 5 a medida de cada um de seus lados,
MILÍMETRO mm 0,001 m temos:

Observe que: qualquer das unidades é sempre 10 vezes a) Triângulo Eqüilátero:


maior que a unidade imediatamente inferior e 10 vezes
menor que a unidade imediatamente superior. três lados iguais Ù

MUDANÇA DE UNIDADE b) Quadrado:

Passagem para unidade menor: como os múltiplos e quatro lados iguais) Ù


submúltiplos do metro marcam de 10 em 10, para se passar
de uma certa unidade para outra que lhe seja menor, desloca- c) Pentágono Regular:
se a vírgula para a direita, tantas casas decimais quantos
são os espaços que separam as duas unidades na escala: cinco lados iguais) Ù

km — hm — dam — m — dm — cm — mm d) Hexágono Regular:


seis lados iguais Ù , etc.
usando zeros para as unidades vagas. Exemplo:

Reduzir 45,892 hm a m Ù hm — dam — m Exemplos:

1 2 1) Num retângulo, a base mede 24 cm e a altura é igual a


2/3 da base. Calcular o perímetro.
devemos deslocar a vírgula duas casas decimais para
a direita. Então: 45,892 hm = 4.589,2 m Dados:

Passagem para unidade maior: a passagem de uma


unidade menor para outra maior é feita deslocando-se a
vírgula para a esquerda. Exemplo:

Reduzir 67,8 dm a hm Ù hm — dam — m — dm

3 2 1
devemos deslocar a vírgula três casas decimais para a 2) Um octógono regular tem 3,8 m de lado. Qual é seu
esquerda. perímetro?
Então: 67,8 dm = 0,0678 hm
(completou-se com zeros as unidades vagas) Dados: 5 = 3,8m Ù P = 8 # 5 Ù

Ù P = 8 # 3,8m Ù
PERÍMETRO DE UMA FIGURA (POLÍGONO QUALQUER)
3) O perímetro de um pentágono regular é 1,4 m. Quanto
mede o seu lado?
Dados: P=1,4m Ù P=5 # 5 Ù
Ù 1,4m=5 # 5 Ù 5 # 5=1,4m Ù

Ù 5=1,4m : 5 Ù




0DWHPiWLFD
COMPRIMENTO DA CIRCUNFERÊNCIA EXERCÍCIOS

Vamos destacar os seguintes elementos da circunferên- Transformar em m:


cia:
1) 5 km 3) 325 cm 5) 1452 mm
2) 2,1 dam 4) 0,2 hm
Transformar em dam:
6) 3,8 m 8) 0,01 hm 10) 2 dm
7) 125 cm 9) 1001 mm
Indicando por r a medida do raio e por d a medida do
Transformar em mm:
diâmetro, é fácil observar que:
11) 0,2 m 13) 0,04 hm 15) 14,05 m
medida do diâmetro = 2 # medida do raio Ù 12) 1,35 cm 14) 3,1 dm
Calcular o valor das expressões, dando o resultado em m:
16) 3 km + 2000 dm – 20 hm =
17) 20 dam – 300 mm =
Ù
Resolver:
18) Um retângulo tem 100 cm de perímetro. Sua base mede
o triplo da medida da altura. Qual é a medida da altura
desse retângulo?
Como uma circunferência não tem lados, o seu perímetro
é chamado comprimento da circunferência, que é indicado 19) Um triângulo eqüilátero tem 42 dm de lado. Qual é seu
pela letra C e pode ser calculado assim: perímetro?

à Dividindo-se o comprimento C da circunferência pela Testes:


medida do seu diâmetro d, obtém-se sempre como 20) Para cercar um terreno retangular de 10 m de frente por
20 m de fundo com 3 fios de arame, são necessários
quociente aproximado e constante o número . quantos metros de arame:
a) 180 m b) 120 m c) 90 m d) 60 m
Então, temos que:
21) Uma circunferência tem 8m de diâmetro. Então, seu
ou . comprimento é:
a) 50,24 m b) 25,12 m c) 12,56 m d) 6,28 m

Costuma-se representar o número 3,14 pela letra grega 22) Um retângulo tem 50 cm de perímetro. Se o seu compri-
mento mede 150 mm, quanto mede sua largura?
ʌ (lê-se: pi).
a) 235 mm b) 485 mm c) 10 cm d) 35 cm
Logo, podemos escrever que: ,
RESPOSTAS:
e como , vem: Ù 1) 5000 m 8) 0,1 dam 14) 310 mm
2) 21 m 9) 0,1001dam 15) 14050 mm
fórmula que nos permite calcular o comprimento de uma 3) 3,25 m 10) 0,02 dam 16) 1200 m
circunferência, sendo conhecido o seu raio. Exemplos: 4) 20 m 11) 200 mm 17) 199,7 m
5) 1,452 m 12) 13,5 mm 18) 12,5 cm
1) Qual é a medida do contorno de um aquário de forma 6) 0,38 dam 13) 4000 mm 19) 126 dm
circular, cujo diâmetro mede 8 m? 7) 0,125 dam
Dados: d=8mÙr=d:2Ù
TESTES: 20) a 21) b 22) c
Ùr=8m:2Ù
UNIDADES DE MEDIDA DE SUPERFÍCIE (ÁREA)
Como: Ù
Para medir superfícies ou áreas, adota-se como unidade
Ù C = 2 # 3,14 # 4 m Ù fundamental o metro quadrado que corresponde à área de um
2
quadrado de 1 m de lado, cujo símbolo é m (lê-se: metro
Ù C = 6,28 # 4 m Ù quadrado). Seus múltiplos, submúltiplos, nomes, símbolos
e valores, são:
Resp.: A medida do contorno do aquário é 25,12 m.
NOME SÍMBOLO VALOR
2) O comprimento de uma circunferência é 0,628 m.
MÚLTIPLOS

2
Calcule, em cm a medida do seu raio. QUILÔMETRO QUADRADO km 1.000.000 m2

Dados: C = 0,628 m HECTÔMETRO QUADRADO hm2 10.000 m2

Como: , vem: DECÂMETRO QUADRADO dam2 100 m2

METRO QUADRADO m2 1 m2
0,628 m=2 # 3,14 # r Ù
SUBMÚLTIPLOS

0,628 m=6,28 # r Ù r=0,628 m : 6,28 DECÍMETRO QUADRADO dm2 0,01 m2

Ù r=0,1 m Ù CENTÍMETRO QUADRADO cm2 0,0001 m2

Resp.: A medida do raio é 10 cm. MILÍMETRO QUADRADO mm2 0,000001 m2




0DWHPiWLFD
Note-se que qualquer unidade é sempre 100 vezes QUADRILÁTEROS
maior que a unidade imediatamente inferior ou 100 vezes
menor que a unidade imediatamente superior. São todas as figuras planas que possuem 4 lados.

MUDANÇA DE UNIDADE

Como os múltiplos e submúltiplos do metro quadrado


variam de 100 em 100, a mudança de unidade é feita,
deslocando-se a vírgula de duas em duas casas decimais
para a direita ou para a esquerda, conforme a mudança seja
para uma unidade menor ou maior, e completando com
zeros, caso faltem algarismos. A escala agora é:

km
2
— hm
2
— dam
2
— m
2
— dm
2
— cm
2
— mm
2 ELEMENTOS DE UM QUADRILÁTERO:

• vértices: A; B; C; D
Exemplos:
• lados: , , ,
2 2
1) Converter 2,9358 dam a m
2 2
• diagonais: e
Ù como: dam — m
• ângulos internos: , , ,
2
• ângulos externos: , , ,
devemos deslocar a vírgula duas casas decimais para
2 2
a direita. Então: 2,9358 dam = 293,58 m
SOMA DOS ÂNGULOS INTERNOS
2 2
2) Converter 52,36 cm a dam
2 2 2 2 Em qualquer quadrilátero, a soma dos ângulos internos
Ù como: dam — m — dm — cm é igual a 360o.
6 4 2
devemos deslocar a vírgula seis casas decimais para a
esquerda. Então: 52,36 cm2 = 0,00005236 dam2

+ + + = 360o
UNIDADES DE MEDIDAS AGRÁRIAS

São usadas para medir a superfície de terrenos como


sítios, fazendas, etc. A unidade agrária fundamental é o ARE,
cujo símbolo é a e é igual ao decâmetro quadrado, valendo
portanto, 100 metros quadrados. Possui apenas um múltiplo
e apenas um submúltiplo, cujos nomes, símbolos e valores ÁREA DAS PRINCIPAIS FIGURAS PLANAS
são:
A medida de uma superfície é chamada área. Para
SÍM- calculá-la usa-se expressões denominadas fórmulas, que
NOME VALOR
BOLO traduzem as regras que devem ser aplicadas na medição
indireta das figuras geométricas.
Múltiplo HECTARE ha 100 a = 1 hm2 = 10.000 m2
ARE a 1 a = 1 dam2 = 100 m2 As fórmulas das áreas das principais figuras planas são:
2 2
Submúltiplo CENTIARE ca 0,01 a = 1 m = 1 m
ÁREA DO QUADRADO:

MUDANÇA DE UNIDADE É igual ao quadrado do lado.

É feita como nas unidades de superfície, observando-se


as correspondências constantes do quadro acima, ou seja, de
duas em duas casas decimais para a direita ou esquerda, Área do quadrado =
conforme a mudança seja para uma unidade menor ou maior.
lado $ lado Ù
A escala é: ha – a – ca . Exemplos:

2
1) Transformar 5 ha em m
2
Ù 5 ha = 50000 ca = 50000 m ÁREA DO RETÂNGULO:
2
2) Transformar 15,25 a em m É igual ao produto da base pela altura.
2
Ù 15,25 a = 1525 ca = 1525 m

3) Transformar 2500 m em ha
2 Área do retângulo =
2 base # altura Ù
Ù 2500 m = 2500 ca = 0,25 ha
2
4) Transformar 1348 m em a
2
Ù 1348 m = 1348 ca = 13,48 a




0DWHPiWLFD
ÁREA DO PARALELOGRAMO: ÁREA DO CÍRCULO:

É igual ao produto da base pela altura. É igual ao produto de ʌ (pi) pelo quadrado do raio
(ʌ=3,14).
Área do paralelogramo =
base # altura Ù
2
Área do círculo = Pi # (raio)

ou

ÁREA DO TRIÂNGULO:

É igual à metade do produto da base pela altura. PROBLEMAS DE APLICAÇÃO RESOLVIDOS

Área do triângulo = 1) O perímetro de um quadrado é 60 m. Qual é sua área?

Dados: P = 60 m Ù 5 = 60 m : 4 Ù
Ù
2
Ù Aa = (15 m) Ù

Ù Aa = 15 m # 15 m Ù
ÁREA DO TRAPÉZIO:
2
É igual ao produto da semi-soma das bases pela altura. Resp.: A sua área é de 225 m .

Área do trapézio = 2) Calcular a área de um retângulo sabendo-se que a sua


base mede 12 cm e que a sua altura é igual a 1/3 da
base.

Dados: e
ou

Ù
ÁREA DO LOSANGO:
Ù
É igual ao semi-produto das diagonais.

Área do losango = 2
Resp.: A área do retângulo é de 48 cm .

3) Um paralelogramo tem 1,5 cm de altura. A base é o triplo


da altura. Qual é sua área?
ou
Dados: e

b = 3 # 1,5 cm Ù
ÁREA DO POLÍGONO REGULAR:
Ù Ù
É igual ao produto do semi-perímetro pelo apótema.

PERÍMETRO: é a so- Ù
ma de todos os lados e é
representado por P. 2
Resp.: Sua área é de 6,75 cm .
APÓTEMA: é a dis-
tância perpendicular do cen- 2
4) Num triângulo a área é 12 m . A base mede 6 m. Qual é
tro do polígono a qualquer sua altura?
lado e é representado por a.
Dados: e
Área do polígono regular =

ou

ÁREA DO POLÍGONO IRREGULAR:

A área de um Polígono Irregular é obtida dividindo o Ù


polígono dado em figuras de áreas conhecidas. A soma
dessas áreas será a área do polígono procurado. Resp.: A altura é de 4 m.




0DWHPiWLFD
5) A base maior de um trapézio é igual ao triplo da base 2
Transformar em cm :
menor, e esta mede 60 cm. Sabendo-se que a altura é 2 2
2 5) 31 m 7) 0,0205 m
0,75 m, calcular em dm a sua área. 2 2
6) 7.500 mm 8) 5,2 dm
Reduzindo as medidas à mesma unidade (dm), vem:
2
Transformar em km :
Dados:
9) 75 ha 11) 2990 a
2 2
10) 220 dam 12) 44.500 m

Ù Transformar em ares:
13) 8,5 ha 15) 790 ca
2 2
14) 0,025 km 16) 6.500 m
Ù Ù
Transformar em hectares:
2
Ù Ù 17) 720.000 a 19) 18 km
2 2
18) 400.000 m 20) 14.560 m
Ù Ù Calcular o valor das expressões, dando o resultado em m
2

2 2 2 2
2 21) 45 dm – 200 cm = 22) 6.400 cm : 16 m =
Resp.: A área pedida é de 90 dm .
Resolver os problemas:
6) Num losango, a diagonal maior mede 30 dm. A diagonal
menor é 2/3 da diagonal maior. Qual é sua área? 23) Calcular a base do paralelogramo cuja área é 4,8336
2
dm e a altura é 1,52 dm.
Dados: e Ù
24) Qual é a área do triângulo cuja base mede 2,16 m e a
altura é 1/3 da base?
Ù Ù 2
25) A área de um losango mede 2,565 dm e uma de suas
diagonais tem 2,7 dm. Quanto mede a outra diagonal?
Ù Ù 26) A base maior de um trapézio mede 2,4 m e a menor é
2
igual a 1/3 da maior. Qual é a sua área, em m , sabendo-
se que a altura mede 8,5 dm?
Ù Ù
27) Qual é a área do círculo cujo diâmetro mede 3,6 m?
2
Resp.: A área é de 300 dm . 28) O lado de um quadrado mede 2,5 m. Qual é, em ares, a
sua área?
7) Qual é a área do pentágono regular cujo lado mede 6m
e apótema 2,4 m? 29) Qual é, em hectares, a área do retângulo cujas dimen-
sões são 17,7 m e 5,2 dam?
Dados: 5 = 6 m Ù P = 5 # 6 m Ù
30) A base de um paralelogramo mede 60 hm e a altura 7
Ù e hm. Qual é, em hectares, a sua área?

TESTES:
Ù Ù
31) A unidade fundamental de superfície é o:
2 2
a) ca b) ha c) m d) km
Ù Ù
2
32) Um hectare é igual a:
Resp.: A área desse pentágono é de 36 m .
a) 1 m2 b) 10 m2 c) 100 m2 d) 10.000 m2
8) O diâmetro de um círculo é 1 m. Qual é sua área? 33) As diagonais de um losango medem 1,30 m e 80 cm.
Dados: d = 1 m Ù r = m : 2 Ù Sua área é:
a) 52 dm2 b) 52 cm2 c) 52 m2 d) 1,04 m2
Ù e
RESPOSTAS:
2
Ù Ù 1) 2.500.000 cm 16) 65 a
2
2) 320 m 17) 7.200 ha
2
3) 5,83 m 18) 40 ha
2
Ù Ù 4) 1.650 m 19) 1.800 ha
2
5) 310.000 cm 20) 1,456 ha
2 2
6) 75 cm 21) 0,43 m
2 2 2
Resp.: Sua área é de 0,785 m . 7) 205 cm 22) 0,04 m
2
8) 520 cm 23) 3,18 dm
2 2
9) 0,75 km 24) 0,7776 m
2
EXERCÍCIOS PARA RESOLVER 10) 0,022 km 25) 1,9 dm
2 2
11) 0,299 km 26) 1,36 m
2 2
Transformar em m
2
: 12) 0,0445 km 27) 10,1736 m
13) 850 a 28) 0,0625 a
1) 2,5k m
2
3) 58.300 cm
2 14) 250 a 29) 0,09204 ha
2) 320 ca 4) 0,165 ha 15) 7,9 a 30) 420 ha
TESTES: 31) c 32) d 33) a




0DWHPiWLFD
UNIDADES DE MEDIDAS DE VOLUME VOLUME DO PARALELEPÍPEDO RETÂNGULO

Para medir o volume que É igual ao produto de suas três dimensões. Indicando
um corpo qualquer ocupa no espa- por: a = comprimento, b = largura e c = altura, temos:
ço, usa-se como unidade funda-
mental o Metro Cúbico, que é o Volume do paralelepípedo
volume de um cubo que tem 1 m retângulo =
3
de aresta, o símbolo é m (lê-se:
metro cúbico) e seus múltiplos, comprimento # largura # altura
nomes, símbolos e valores são:
ou .
SÍM-
NOME VALOR
BOLO
Exemplo: Num paralelepípedo retângulo, o comprimento
QUILÔMETRO CÚBICO km3 1.000.000.000 m3 é 12 cm; a largura é a terça parte do comprimento e a
MÚLTIPLOS

3
altura é o dobro da largura. Qual é o seu volume em m ?
HECTÔMETRO CÚBICO hm3 1.000.000 m3

DECÂMETRO CÚBICO dam3 1.000 m3 Dados:

METRO CÚBICO m3 1 m3

Como: Ù
SUBMÚLTIPLOS

DECÍMETRO CÚBICO dm3 0,001 m3


3
Ù Vp = 12cm # 4 cm # 8 cm = 384 cm
CENTÍMETRO CÚBICO cm3 0,000001 m3 3
Ù Vp = 0,000384 m
3
MILÍMETRO CÚBICO mm3 0,000000001 m3 Resp.: Seu volume é 0,000384 m .

Note-se que, cada unidade de volume é sempre 1.000 VOLUME DO CUBO


vezes maior que a unidade imediatamente inferior ou 1.000
vezes menor que a unidade imediatamente superior. É igual ao cubo de sua aresta. Aresta é a medida do
lado do quadrado de cada uma das faces do cubo e é repre-
sentado por a.
MUDANÇA DE UNIDADE
Volume do cubo =
Como os múltiplos e submúltiplos do metro cúbico
aresta # aresta # aresta
variam de 1.000 em 1.000, a mudança de unidade é feita
ou
deslocando-se a vírgula de três em três casas decimais para 3
volume do cubo = (aresta)
a direita ou para a esquerda, conforme se passa para uma
unidade menor ou maior, completando com zeros, caso
faltem algarismos. A escala é: ou .

3 3 3 3 3 3 3
km — hm — dam — m — dm — cm — mm
Exemplo: Uma caixa cúbica tem 5 m de aresta, interna-
mente. Qual o volume de areia que pode receber?
Exemplos:

3 3. Dados: Ù Ù
1) Converter 4,936 hm em m
3 3 3
Como: hm — dam — m 3
Ù VC = (5 m) Ù VC = 125 m
3

3
3 6 Resp.: Pode receber 125 m de areia.
deslocamos a vírgula seis casas decimais para a direita.
3 3
Então: 4,936 hm = 4.936.000 m . VOLUME DOS PRISMAS RETOS
3 3
2) Converter 15mm em dm . É igual ao produto da medida da área da base pela
3
Como: dm — cm — mm
3 3 medida da altura do prisma.

6 3
deslocamos a vírgula seis casas decimais para a
esquerda.
3 3
Então: 15 mm = 0,000015 dm

VOLUME DOS PRINCIPAIS


SÓLIDOS GEOMÉTRICOS

É obtido indiretamente com o auxílio de fórmulas que


indicam as operações que devem ser efetuadas em cada caso. Volume do prisma = área da base # altura

As fórmulas dos volumes dos principais sólidos geomé- ou .


tricos são:




0DWHPiWLFD
Exemplo: A base de um prisma reto é um hexágono VOLUME DO CILINDRO
regular de 4 cm de largura e 2,5 cm de apótema. Se a
altura do prisma é 7 cm, qual é seu volume? É igual ao produto da medida da área da base pela
medida da altura do cilindro.
Dados da base:
5 = 4 cm Ù P = 6 # 4 cm = 24 cm; e
Volume do cilindro =
Ù Ù
área da base # altura

Ù Ù ou

Ù Ù
Ù
Lembre-se que a área da base do cilindro é um círculo,
Dados do prisma: cuja área é e .

e Ù
Exemplo: O tanque de gasolina de um automóvel tem a
forma cilíndrica, com 20 cm de raio na base e 75 cm de
Ù Ù Ù comprimento (altura). Qual o volume de gasolina que
pode conter, quando cheio?
Ù
3 Dados:
Resp.: Seu volume é de 210 cm .

VOLUME DAS PIRÂMIDES RETAS e como , vem:


É igual à terça parte do produto da medida da área da 2
Ù Vcil = 3,14 # (20 cm) # 75 cm Ù
base pela medida da altura da pirâmide. 2
Ù Vcil = 3,14 # 400 cm # 75 cm Ù
2 3
Ù Vcil = 1256 cm # 75 cm = 94200 cm
Volume da pirâmide =
3 3
Como: 94.200 cm = 94,2 dm =

= 94,2 5 Ù (1 dm = 1 5)
3

Resp.: Pode conter 94,25 de gasolina.


ou
VOLUME DO CONE

É igual à terça parte do produto da medida da área da


Exemplo: A base de uma pirâmide reta é um triângulo base pela medida da altura do cone.
eqüilátero de lado 10,2 cm e de apótema 3 cm. Se a
altura da pirâmide é 5 cm, qual é o seu volume?
Volume do cone =
Dados da base:

5 = 10,2 cm Ù P = 3 # 10,2 cm Ù
Ù e Ù

ou
Ù Ù Ù

Ù Lembre-se que a base do cone também é um círculo,

Dados da Pirâmide: cuja área é .

e Ù Exemplo: Um funil cônico tem um raio de 10 cm e uma


altura de 12 cm. Qual o volume de líquido que esse funil
pode conter, no máximo?
Ù Ù Ù
Dados:
Ù

3
Resp.: O seu volume é de 76,5 cm . e como Ù




0DWHPiWLFD
7) As dimensões de uma árvore jequitibá, de forma cilíndri-
ca, são: altura 15 m e raio de base 0,70 m. Sabendo-se
3
que o m dessa árvore foi vendido a R$ 90,00 pergunta-
se quanto rendeu toda a árvore?

8) Um vagão de estrada de ferro medindo 18 m de compri-


mento por 3 m de largura e 2,5 m de altura está cheio de
areia. Qual o preço total do transporte dessa areia, se o
3
Ù preço do transporte de 1/3 de m de areia custa R$
0,30?
3 3
Como: 1.256 cm = 1,256 dm Ù TESTES:
Ù 1,256 5 Ù VCO = 1,256 5 (1dm = 15)
3
9) Qual é o volume de um cilindro de 10 m de altura e 3 m
Resp.: Pode conter, no máximo 1,256 5. de raio?
3 3
a) 1413 m c) 2826 m
3 3
VOLUME DA ESFERA b) 141,3 m d) 282,6 m

10) Uma caixa d’água de forma cúbica, tem 0,80 m de


É igual a do produto de “pi” pela medida do cubo do aresta. O volume de água que ela conterá quando estiver
com 3/4 de sua capacidade total, será:
raio da esfera. 3 3
a) 128 dm c) 384 dm
3 3
Volume da esfera = b) 256 dm d) 512 dm

11) Um aquário tem base quadrada com 30 cm de lado.


Colocando-se um objeto no seu interior, a água sobe 2
cm. O volume desse objeto é:
3 3
a) 1,8 dm c) 180 dm
3 3
ou . b) 18 dm d) 1,8 cm

RESPOSTAS:
Exemplo: Qual é o volume de uma esfera cujo diâmetro 3 3
é 8 dm? 1) 5.191.520 dm 5) 1.400 dm
3 3
2) 29,1 dm 6) 211,95 dm
3
3) 15,625 m 7) R$ 2.077,11
Dados: 3
4) 0,90432 m 8) R$ 121,50

TESTES: 9) d 10) c 11) a


Como: Ù

UNIDADES DE MEDIDA DE CAPACIDADE


(2ª UNIDADE DE VOLUME)

Quando um líquido é colocado num recipiente qualquer,


toma a forma desse recipiente e o volume do espaço interno
que pode ser ocupado por líquidos ou grãos, chama-se
capacidade.
3
Resp.: O volume é de 267,946 dm , aproximadamente. Para medir capacidade, usa-se como unidade funda-
mental o litro, cujo símbolo é 5 e é a medida do volume de um
cubo de 1 dm de aresta, ou seja,
EXERCÍCIOS PARA RESOLVER

3
.
Calcule o valor das expressões, dando o resultado em dm :

1) 5,2 dam3 – (8,6 m3 – 120 dm3) = Os múltiplos, submúltiplos, nomes, símbolos e


2) 0,04 m3 – (12 dm3 – 1.100 cm3) = valores do litro, são:

Resolva os problemas: NOME SÍMBOLO VALOR


3) O perímetro de uma das faces de um cubo é 1 dam. QUILOLITRO K5 1.000 5
Calcular, em m3, o seu volume.
3
MÚLTIPLOS HECTOLITRO h5 100 5
4) O diâmetro de uma esfera mede 12 dm. Calcular, em m ,
o seu volume. DECALITRO da5 10 5
5) A base de um prisma é um trapézio cujas bases medem LITRO 5 15
respectivamente 12 dm e 8 dm e a altura 5 dm. A altura
do prisma é igual a 28 dm. Calcular o seu volume. DECILITRO d5 0,1 5
SUB-
6) Determinar o volume de um cone de 10 dm de altura,
MÚLTIPLOS
CENTILITRO c5 0,01 5
sabendo-se que a circunferência de sua base mede
28,26 dm. MILILITRO m5 0,001 5




0DWHPiWLFD
Note-se que cada unidade de medida de capacidade é UNIDADES DE MEDIDA DE MASSA
10 vezes maior que a que lhe é imediatamente inferior ou 10
vezes menor que a que lhe é imediatamente superior. A unidade fundamental para medir a massa de um
corpo é o quilograma, cujo símbolo e kg, que é a massa de
um decímetro cúbico de água destilada à temperatura de 4ºC,
MUDANÇA DE UNIDADE mas, apesar de o quilograma ser a unidade fundamental de
massa, na prática, usa-se o grama como unidade principal de
Como os múltiplos e submúltiplos do litro variam de massa, cujo símbolo é g e é a milésima parte do quilograma, a
10 em 10, pode-se concluir que a mudança de unidade é feita partir do qual se constroem os múltiplos, submúltiplos,
como nas medidas de comprimento, ou seja, deslocando-se nomes, símbolos e valores, que são:
a vírgula de uma em uma casa decimal para a direita ou
esquerda. A escala é: NOME SÍMBOLO VALOR
QUILOGRAMA kg 1.000 g
k5 — h5 — da5 — 5 — d5 — c 5 — m 5
MÚLTIPLOS HECTOGRAMA hg 100 g
Exemplos: DECAGRAMA dag 10 g
a) Converter 3,953 h5 em 5 GRAMA g 1g
Como h5 - da5 - 5 Ù 3,953 h5 = 395,3 5 DECIGRAMA dg 0,1 g
SUB-
1 2 CENTIGRAMA cg 0,01 g
MÚLTIPLOS
MILIGRAMA mg 0,001 g
b) Converter 43 d5 em da5
Como da5 — 5 — d5 Ù 43 d5 = 0,43 da5 Note-se também, que, cada unidade de massa é 10
vezes maior que a imediatamente inferior ou 10 vezes menor
2 1 que a imediatamente superior.

Correspondências entre as unidades de volume: MUDANÇA DE UNIDADE


valem as relações:
A escala é:
1 5 = 1 dm
3

kg – hg – dag – g – dg – cg – mg
1 da5 10 5
3
= = 10 dm
Como também os múltiplos e submúltiplos do grama
1 h5 100 5
3
= = 100 dm variam de 10 em 10, conclui-se que a mudança de unidade é
feita da mesma forma que nas medidas de comprimento.
1 k5 1.000 5
3 3
= = 1.000 dm = 1m
Então:

1 d5 0,1 5
3
= = 0,1 dm a) 4,32 dag = 432 dg
b) 5 mg = 0,005 g
1 c5 0,01 5
3
= = 0,01 dm
Unidades especiais de massa: são as seguintes:
1 m5 0,001 5
3 3
= = 0,001 dm = 1 cm
TONELADA (t) = 1.000 kg = 1.000.000 g

MEGATON = 1.000 t = 1.000.000 kg


PESO E MASSA
QUINTAL = 100 kg = 100.000 g
São termos de conceitos distintos, pois o que habi-
tualmente chamamos peso de um corpo, é, na realidade, a QUILATE = 0,2 g
massa, pois:
As três primeiras são empregadas nas medidas das
grandes massas, e a última (quilate) é utilizada nas medidas
PESO DE UM CORPO
de metais e pedras preciosas.
É a força com que esse corpo é atraído para o centro da
Terra, e como essa força de atração não é a mesma para
RELAÇÃO IMPORTANTE
todos os lugares da Terra, então o peso de um corpo varia de
acordo com o local da Terra em que ele se encontra. Quando
Considerando as definições de litro e de quilograma,
nos pesamos, estamos medindo a massa do nosso corpo e não
o peso. pode-se estabelecer para água destilada à temperatura de 4ºC
o seguinte quadro de correspondência entre as unidades de
volume, capacidade e massa:
MASSA DE UM CORPO
VOLUME CAPACIDADE MASSA
É a quantidade de matéria que esse corpo possui e é
1 k5
3
sempre a mesma em qualquer lugar da Terra, ou fora dela, 1m 1t
portanto a massa de um corpo não varia e a medida da
15
3
massa é obtida pelas balanças. 1 dm 1 kg
1 m5
3
1 cm 1g




0DWHPiWLFD
EXERCÍCIOS PARA RESOLVER SISTEMAS DE MEDIDAS NÃO DECIMAIS
(NÚMEROS COMPLEXOS)
Calcular as expressões, dando o resultado em litros:
Se num sistema de medir, a unidade fundamental e as
unidades secundárias não estão ligadas por relação decimal,
1) 0,08 h5 + (120 5 – 1.120 d5) = o sistema é chamado não decimal ou complexo.
2) (65 d5 + 8,5 5) + (25 da5 – 240 5) =
Então, número complexo é aquele que representa a
medida de uma grandeza num sistema complexo e é formado
Calcular a expressão, dando o resultado em gramas: de duas ou mais unidades da mesma espécie e que não são
ligadas por relações decimais, como por exemplo:
3) 4,2 kg – [(60 dg – 8,4 g) + (25 dag – 240 g)] =
a) 32 graus, 26 minutos e 10 segundos
Resolver os problemas: b) 8 horas, 35 minutos e 20 segundos.

Os números complexos mais comuns são provenientes


4) Qual é a capacidade, em litros, de um recipiente cúbico das medidas de prazos ou intervalos de tempo, das medidas de
de 5 cm de aresta? ângulos e das grandezas referidas ao sistema inglês de pesos
e medidas. Trataremos somente das medidas de tempo.
5) Na Festa da Cerveja, foram vendidas canecas de forma
cilíndrica com as dimensões internas: 12 cm de altura e
5 cm de diâmetro. Qual é a capacidade de cada caneca? UNIDADES DE MEDIDAS DE TEMPO

Sua unidade fundamental é o segundo, cujo símbolo


6) Uma pedra preciosa tem 30 quilates. Qual é o seu preço é s ou seg, que corresponde ao intervalo de tempo igual à
se cada grama custa R$ 125,00? fração 1/86.400 do dia solar médio, definido de acordo com as
convenções de Astronomia.
7) Um caminhão carregado de açúcar está pesando 28.580
kg. Vazio, ele pesa 8.500 kg. Quantos sacos de 50,2 kg As unidades secundárias se apresentam todas como
ele está transportando? submúltiplos e seus nomes, símbolos e valores, são:

8) Uma tonelada de cana-de-açúcar produz 135 kg de


açúcar. Para produzir 180 sacos de 50,4 kg de açúcar, NOME SÍMBOLO VALOR
quantas toneladas de cana são necessárias?
SEGUNDO s ou seg 1 seg
Testes:
MINUTO m ou min 60 seg
9) Uma piscina tem 12 m de comprimento, 5m de largura e
1,80 m de profundidade. Sua capacidade é de: HORA h 3.600 seg
a) 108.000 5 c) 1.080 5
b) 10.800 5 d) 108 5 DIA d 86.400 seg

3 MÊS COMERCIAL me 30 d
10) 10 m de certo produto serão colocados em frascos de
8 c5. Então, quantos frascos serão necessários?
ANO COMERCIAL a 360 d
a) 125 c) 12.500
b) 1.250 d) 125.000

As relações entre essas unidades são:


11) Dois quilos equivalem a:
a) 20 g c) 2.000 g
b) 200 g d) 20.000 g 1a = 12 me = 360d = 8.640 h

12) Uma Tonelada equivale a: 1 me = 30 d = 720h = 43.200 min


a) 1.000 g c) 1.000 hg
b) 1.000 dag d) 1.000 kg 1d = 24 h = 1.440min = 86.400 seg

1h = 60 min = 3.600seg

1 min = 60 seg
RESPOSTAS:
Além das unidades constantes do quadro acima, são
1) 16 5 5) 0,235 5 também usuais as unidades: semana (7 d); quinzena (15 d);
2) 25 5 6) R$ 750,00 bimestre (2 me); trimestre (3 me); semestre (6 me); lustro
3) 4.192,4 g 7) 400 sacos (5 a); década (10 a) e século (100 a).
4) 0,125 5 8) 67,2 t
A representação do número complexo que indica
unidades de tempo é feita escrevendo-se, em ordem decres-
TESTES: cente do valor, os números correspondentes às diversas
unidades, acompanhadas dos respectivos símbolos. Exemplo:
9) a 10) d 11) c 12) d 8 a 3 me 15 d 13 h 28 min 16 seg.




0DWHPiWLFD
MUDANÇA DE UNIDADE (2) Para transformar 6085 min em horas (unidade
superior), basta dividir 6085 min por 60 (1 h=60
Podem acontecer dois tipos de problemas: min). Temos então:

1º) TRANSFORMAÇÃO DE MEDIDA COMPLEXA EM


MEDIDA SIMPLES (COMPLEXO A INCOMPLEXO).

Exemplo: Exprimir 4 d 5 h 25 min 10 seg em segundos.

(1) Transformando 4 dias em horas, temos: O quociente inteiro encontrado (101) é a quantida-
4 x 24 h = 96 h de de horas contidas em 365.110 seg e o resto
Essas 96 h, somadas às 5 h do número dado, (25) representa a quantidade de minutos do
vem: número complexo procurado.
96h + 5h = 101 h

(2) Transformando 101 h em minutos, temos: (3) Para transformar 101 h em dias (unidade superior),
101 h x 60 = 6060 min dividimos 101 h por 24 (1d = 24h). Temos então:
Somando esses 6060 min aos 25 min dados, vem:
6060 min + 25 min = 6085 min

(3) Transformando 6085 min em segundos, temos:


6085 min x 60 = 365100 seg
Finalmente, somando esses 365100 seg aos 10 O quociente inteiro encontrado (4) é a quantidade
seg do número dado, temos: de dias contidos em 365.110 seg e o resto (5)
365100 seg + 10 seg = 365110 seg representa a quantidade de horas do número
complexo procurado.
Então: 4d 5h 25min 10seg = 365.110 seg.

Na prática, dispõe-se a operação da maneira Como de 4d não se pode extrair a unidade superior (1
indicada no quadro: me = 30 d), obtemos assim:

365.110 seg = 4 d 5 h 25 min 10 seg.


(1)
Na prática, dispõe-se a operação da seguinte maneira:

(2)

(3) Tomando-se da direita para a esquerda, o último


quociente e os restos das divisões anteriores, teremos:

OPERAÇÕES COM MEDIDAS DE TEMPO

ADIÇÃO DE MEDIDAS DE TEMPO


2º) TRANSFORMAÇÃO DE MEDIDA SIMPLES EM MEDI-
DA COMPLEXA (INCOMPLEXO A COMPLEXO). Observa-se o seguinte critério:
Exemplo: Exprimir 365.110 seg em número complexo.
1º) Escrevem-se as parcelas, uma debaixo da outra, de
“Extraímos do número dado as unidades imediatamente modo que as unidades da mesma espécie, fiquem na
superiores; destas extraem-se as seguintes, e assim, mesma coluna vertical e começa-se a operação pelas
sucessivamente até a última unidade possível de se unidades de espécie menor.
extrair”.
2º) Se a soma de cada coluna não der para perfazer uma
(1) No exemplo dado, para obter a quantidade de unidade imediatamente superior, escrevem-se como
minutos (unidade superior contida em 365.110 resultado as unidades achadas.
seg, devemos dividir 365.110 seg por 60 seg
(1 min = 60 seg). Temos então: 3º) Se a soma de cada coluna der para perfazer unidades
imediatamente superiores, far-se-á a transformação,
escrevendo-se no resultado os restos e adicionando-se
às colunas seguintes as unidades extraídas.
Exemplos:

Calcular as somas:
O quociente inteiro dessa divisão (6085) dará a
quantidade de minutos que há em 365.110 seg e
o resto (10), representa a quantidade de segundos 1) (2 5d 15 h 10 min) + (2 h 18 min 10 seg) +
do número complexo procurado. + (1 d 5 min 16 seg) =




0DWHPiWLFD


(não há transformações)

2) (19 d 15 h 45 min) + 
+ (18 h 30 min 52 seg) +
+ (7 h 40 min 35 seg) =


MULTIPLICAÇÃO DE MEDIDAS DE TEMPO


POR NÚMERO NATURAL

Observar o seguinte critério:


SUBTRAÇÃO DE MEDIDAS DE TEMPO
1º) Multiplica-se o número natural por cada uma das
Observa-se o seguinte critério: partes da medida de tempo.
1º) Escreve-se o número menor debaixo do maior, de 2º) Se o produto parcial de cada coluna não der para
modo que as unidades da mesma espécie se corres- perfazer uma unidade imediatamente superior,
pondam na mesma coluna vertical, como na adição. escreve-se como resultado as unidades achadas.
2º) Começa-se a subtração pelas menores unidades, se 3º) Se o produto parcial de cada coluna der para perfazer
as subtrações forem possíveis. unidades imediatamente superiores, extraem-se
desses produtos as unidades superiores, adicionando-
3º) Se uma ou mais subtrações não forem possíveis, se aos produtos parciais seguintes.
toma-se emprestada uma unidade imediatamente Exemplos:
superior e, depois de a reduzir em unidades da
espécie seguinte, adiciona-se ao número menor e
faz-se a subtração. Exemplos: Efetuar as multiplicações:

Efetuar as subtrações:
1) (5 d 3 h 12 min 5 seg) # 4 =
1) (25 d 17 h 40 min 32 seg) –
– (17 d 13 h 25 min 15 seg) =

2) 8 # (15 d 7 h 13 min 45 seg) =


(as subtrações foram todas possíveis)

2) 25 d – (13 d 8 h 45 min) =

3) (18 d 3 h 15 min 20 seg) –


– (12 d 10 h 32 min 45 seg) =




0DWHPiWLFD
DIVISÃO DE MEDIDAS DE TEMPO POR NÚMERO 17) (4 d 12 h) + (3 d 16 h) =
NATURAL 18) (2 a 8 me 20 d) + (3 a 6 me 10 d) =
Observa-se o seguinte critério: 19) (1 a 7 me 10 d) – (1 a 2 me 20 d) =
20) (3 h 30 min) $ 2 =
1º) Divide-se cada parte da medida de tempo pelo número
natural. 21) (6 h 31 min 10 seg) : 5 =

2º) Transforma-se cada resto da divisão anterior em Testes:


unidades da espécie imediatamente inferior,
somando-se o resultado às unidades desta no dividen- 22) Quantos minutos há em 2 d 12 h 15 min?
do, antes de continuar a divisão. Exemplo:
a) 3.615 min c) 7.935 min
Efetuar as divisões: b) 4.320 min d) 54.722 min

23) Decorreram 5/6 do dia. Que horas são?


1) (23 h 17 min 15 seg) : 3 =
a) 18 h c) 21 h
b) 20 h d) 22 h

24) São decorridos 3/8 do ano. Quantos dias já se passa-


ram?
a) 125 d c) 135 d
b) 130 d d) 140 d

25) Decorreram 3/4 da hora. Quantos minutos já se passa-


ram?
2) (12 d 3 h 16 min) : 5 = a) 30 min c) 40 min
b) 35 min d) 45 min

Respostas:

1) 3.600 seg
EXERCÍCIOS A RESOLVER
2) 518.400 min

Calcular o que se pede: 3) 720 h


4) 180 d
1) Quantos segundos tem 1 hora?
5) 46 me
2) Quantos minutos tem 1 ano?
6) 150 min
3) Quantas horas tem 1 mês?
7) 8.130 seg
4) Quantos dias tem 1 semestre?
8) 560 d
9) 1 a 8 me
Transformar na menor unidade empregada: 10) 1 a 1 m e 10 d
5) 3 a 10 me 11) 9 h 35 min 9 seg
6) 2 h 30 min 12) 2 a 7 me 10 d
7) 2 h 15 min 30 seg 13) 5 h 31 min 30 seg
8) 1 a 6 me 20 d 14) 3 d 21 h 51 min 59 seg
15) 5 me 17 d 1 h 10 min 29 seg
Transformar em medida complexa: 16) 6 h 15 min 5 seg
17) 8d4h
9) 600 d
18) 6 a 3 me
10) 400 d
19) 4 me 20 d
11) 34.509 seg
20) 7h
12) 940 d
21) 1 h 18 min 14 seg

Calcular o valor de cada operação:

13) (4 h 18 min 45 seg) + (1 h 12 min 45 seg) =


14) (25 d 7 h 4 min 33 seg) – (21 d 9 h 12 min 34 seg) =
TESTES:
15) (7 d 6 h 18 min 43 seg)# 23 =
16) (6 d 12 h 17 min 5 seg) : 25 = 22) a 23) b 24) c 25) d




0DWHPiWLFD
RAZÕES E PROPORÇÕES a) O seu produto é sempre igual a 1. Exemplo:

RAZÃO: Considere a afirmação: "No concurso que


você vai prestar, o número de vagas está para o número de
candidatos na razão de 1 para 5" b) Razão de antecedente zero não possui inver-
sa.
Essa afirmação diz que para cada vaga existente,
correspondem 5 candidatos e pode ser representada em RAZÕES IGUAIS: São duas razões em que as
matemática por 1/5 (lê-se: 1 para 5 ou 1 está para 5). frações que as representam são equivalentes, como por

Afirmações desse tipo, que comparam um número exemplo , pois se:


com outro, por meio de uma divisão do primeiro pelo
segundo, chamam-se razões. Então, dizemos que:
a) e
"Razão entre dois números racionais a e b, com
_
b g 0, é o quociente de a por b."
b) 

Indica-se: a : b ou e lê-se: "a está para b" ou  (basta multiplicar os termos cruzados)

Em duas razões iguais observa-se sempre o


"a para b". seguinte: "os produtos do antecedente de uma pelo
conseqüente da outra são sempre iguais." Veja:
O número a chama-se antecedente e o número b
conseqüente. Exemplos: Calcular a razão do primeiro
número para o segundo: Se _ 

a) 9e3 _  (basta multiplicar os termos cruzados)

12 e 20 _
APLICAÇÕES: Verificar se as razões são iguais:
b)

a) , temos que:
c)
_

d) 2,2 e 3,3 _ razão = 2,2 : 3,3 _ b) temos que:

_
_

RAZÃO DE DUAS GRANDEZAS: Chama-se razão de


ESCALA
uma grandeza a para uma grandeza b, da mesma espécie
ao quociente da divisão dos números que exprimem suas
É uma razão especial que é usada na representação
medidas, tomadas na mesma unidade. Exemplos: (as de mapas, maquetes, plantas de construções, etc., e a
medidas devem estar todas na mesma unidade) definimos assim:
a) 10 m e 20 m _ razão = 10 m : 20 m _ "Escala de um desenho é a razão existente entre o
_
comprimento representado no desenho e o correspon-
dente comprimento real", medidos na mesma unidade de
comprimento. Então:

b) 2 m e 5 cm _ razão = 2 m : 5 cm _

_
Assim sendo, na escala 1:800 ou 1/800 (lê-se: escala
de 1 por 800 ), significa que os comprimentos reais são 800
c) 4 kg e 5.000 g _ razão = 4 kg : 5.000 g _ vezes maiores que os correspondentes comprimentos no
desenho. Exemplos de aplicações:
_
a) Qual é a escala do desenho em que um comprimento
real de 60 cm está representado por um comprimento
de 12 cm?
RAZÕES INVERSAS: São duas razões em que o
antecedente de uma é o conseqüente da outra e vice-
versa, tais como:

a) b)

Nelas, devem ser observados os fatos: Resposta: A escala é de 1:5 ou 1/5.




0DWHPiWLFD
b) Num desenho de escala 1:50, qual é o comprimento Determine o antecedente das seguintes razões, saben-
real correspondente a um comprimento de 8 cm? do que:
Tem-se:

_
21) o conseqüente é 5 e a razão vale

 22) o conseqüente é e a razão vale

Então: _ 1 # x = 50 # 8 cm _ TESTES

_
23) Num concurso público concorreram 24.000 candida-
x = 400 cm tos para 1.200 vagas. A razão entre o número de
vagas e o número de candidatos foi de:
Resp.: O comprimento real é de 400 cm.
a) b) c) d)
EXERCÍCIOS A RESOLVER
24) Um clube tem 1.600 sócios, dos quais 900 são
Calcular as razões de: moças. A razão entre o número de moços e o núme-
ro de moças é:
1) 40 e 8
2) 8 e 12 5) 1,2 e a) b) c) d)

3) 6) 4 m e 200 cm
7) 2,5 m e 0,5 dam Respostas:
4) 8) 2 m2 e 6.000 dm2 1) 5 9) 1/5 17) 8 cm
9) 20 5 e 100 dm3 2) 2/3 10) não 18) 20/28
3) 3/20 11) sim 19) 12/32
4) 14/3 12) sim 20) 56/128
Verificar se são iguais os pares de razões: 5) 3/2 13) não 21) 15/2
6) 2 14) 1/4 22) 3/4
7) 1/2 15) 135 m2
10) 12) 4:8e3:6 8) 1/30 16) 12 meninas

Testes: 23) c 24) d


11) 13)
PROPORÇÃO

Resolver os problemas: Sejam os números 3, 6, 4 e 8 e nessa ordem, vamos


calcular:
14) Dois quadrados têm respectivamente 3 cm e 6 cm de
lado. Qual é a razão entre as superfícies do primeiro a) a razão do 1º para o 2º 
para o segundo?
b) a razão do 3º para o 4º 
15) Numa residência, a razão entre a área construída e
a área livre é de 2:3. Sabendo-se que a área cons-
truída é de 90 m2, qual é a área livre? Como a razão do 1º para o 2º é igual à razão do 3º
para o 4º, escrevemos:
16) Em uma classe mista, a razão entre o número de
meninos e o número de meninas é 3:2. Sabendo-se
que o número de meninos é 18, qual o número de 3:6=4:8 ou
meninas?

17) Num desenho de escala 1:100, qual é o comprimen- e dizemos que os números 3, 6, 4 e 8, nessa ordem,
to, no desenho, que corresponde a um comprimento formam uma proporção, donde se conclui que: "proporção
real de 8 m? é uma igualdade de duas razões."

De um modo geral, representam-se as proporções


Escreva razões equivalentes a: das maneiras:

18) , cujo antecedente seja 20. ou a:b = c:d ou a:b::c:d

e destacamos:
Sugestão: Estabeleça uma igualdade de razões:
I- A sua leitura é: a está para b assim como c está
para d.
19) , cujo conseqüente seja 32. II - a, b, c e d são os termos, na ordem: a é o 1º, b é o
2º, c é o 3º e d é o 4º termo.

20) , cujo antecedente seja 56. III - a e d são os extremos e b e c são os meios.
IV - a e c são os antecedentes e b e d são os conse-
qüentes.




0DWHPiWLFD
PROPRIEDADE FUNDAMENTAL  aplicando a propriedade fundamental:

x # 9 = 3 # 15 _ 9x = 45 _ x = _
DAS PROPORÇÕES

Por ser uma igualdade de razões, pode-se estabele- _x=5


cer que:
"Em toda proporção a : b : : c : d , o produto dos 3) 5 : 6 : : x : 12

meios (b # c) é sempre igual ao produto dos extremos (a  aplicando a propriedade fundamental:

6 # x = 5 # 12 _ 6x = 60 _ x = _
# d) e vice-versa", que é a sua propriedade fundamental.

Então, na proporção: temos: _ x = 10

8 # 15 = 6 # 20
120 = 120 4)
onde: 8 # 15 = produto dos meios
6 # 20 = produto dos extremos  aplicando a propriedade fundamental:

TRANSFORMAÇÕES DE UMA PROPORÇÃO 3#x=8#6_ 3x = 48 _ x = _


_ x = 16
Transformar uma proporção, significa dispor os
seus termos de modos diferentes de maneira que a igual-
Nota: Pode-se ver que o termo desconhecido pode ser
dade dos produtos dos meios e dos extremos não sofra qualquer dos meios ou qualquer dos extremos.
alteração. Assim, trocando convenientemente a disposição
dos termos de uma proporção, podemos escrevê-la de oito Outros exemplos:
maneiras diferentes. Exemplo:
5)
Escrever das oito maneiras diferentes, a proporção:

1ª) _3 # 4 = 2 # 6

permutando os meios da 1ª:

2ª)

permutando os extremos da 1ª: 6)

3ª)

permutando os meios e os extremos da 1ª:

4ª)

invertendo as razões das proporções: 1ª, 2ª, 3ª e 4ª:

5ª)
7)
6ª)
 calculam-se as operações entre parênteses:
7ª)

8ª)

CÁLCULO DO TERMO DESCONHECIDO


DE UMA PROPORÇÃO (RESOLUÇÃO)

Resolver uma proporção significa encontrar o valor


do seu termo desconhecido e para isso basta aplicar a
sua propriedade fundamental. Veja os exemplos seguin- 8)
tes.

Calcular o termo desconhecido em:


1) x:8=5:2

x # 2 = 8 # 5 _ 2x = 40 _ x = 40/2 _
 aplicando a propriedade fundamental:

_ x = 20 9)

2)




0DWHPiWLFD
QUARTA PROPORCIONAL TERCEIRA PROPORCIONAL

Se quatro números, como por exemplo: 9, 4, 18 e 8, É o quarto termo de uma proporção contínua.
formam, nessa ordem, uma proporção, diz-se que o 4º Então, se numa proporção contínua ocorrer: 2 : 10 = 10 :
número (8) é a quarta proporcional dos números 9, 4 e 18. x , vemos que x é um terceiro elemento diferente, que com
Então, para se encontrar a quarta proporcional dos números os outros dois (2 e 10) formam essa proporção contínua.
a, b e c, basta formar com eles uma proporção, tal que: a Diz-se, então, que x é a terceira proporcional dos núme-
: b = c : x, onde x é a quarta proporcional de a, b e c. ros 2 e 10 e pode-se concluir que, para calcular a terceira
Exemplos: proporcional de dois números, a e b, basta formar com
eles, nessa ordem, uma proporção contínua, onde b é o
1) Calcular a quarta proporcional dos números 3, 6 e meio igual, ou seja: a : b = b : x. Exemplos:
16.
Forma-se com eles, nessa ordem, uma proporção 1) Calcular a terceira proporcional dos números 16 e 8.
onde x é o quarto termo e passa-se a resolvê-la: Forma-se a proporção contínua onde 8 é o meio
3 : 6 = 16 : x _ 3 # x = 6 # 16 _ igual.
_ 3x = 96 _ x = _ x = 32 16 : 8 = 8 : x _
_ 16 # x = 8 . 8 _ 16x = 64 _
Então:

2) Qual é a quarta proporcional dos números _ _x=4

2) Qual é a terceira proporcional dos números


Forma-se a proporção:

Proporção contínua: é aquela que tem ou os meios PROPRIEDADES DAS PROPORÇÕES


ou os extremos iguais, tais como:
1ª) PROPRIEDADE DA SOMA DOS TERMOS
a) b)
Em qualquer proporção, a soma dos dois primeiros
termos está para o primeiro (ou para o segundo), assim
como a soma dos dois últimos termos está para o terceiro
MÉDIA PROPORCIONAL OU GEOMÉTRICA (ou para o quarto).
É o meio ou extremo igual de uma proporção
contínua. Então, em , temos:

Assim, nas proporções 36 : 12 = 12 : 4 e 9 : 3 = 27 :


9, dizemos que 12 é a média proporcional ou geométrica
1 ou 2
dos números 36 e 4 e 9 é a média proporcional ou
geométrica dos números 3 e 27.

Então, quando se quer calcular a média geométrica 2ª) PROPRIEDADE DA DIFERENÇA DOS TERMOS
de dois números, basta formarmos com eles uma propor-
ção contínua, onde os números dados figurem ou como Em qualquer proporção, a diferença dos dois
meios ou como extremos, resolvendo-se a proporção primeiros termos está para o primeiro (ou para o segun-
obtida, em seguida. Exemplos: do), assim como a diferença dos dois últimos termos está
para o terceiro (ou para o quarto).
1) Calcule a média proporcional dos números 20 e 5.
Forma-se a proporção contínua:
20 : x = x : 5 , onde: x # x = 20 # 5 _
Então, em , temos:

_ x2 = 100 _ _ x = 10
(1) ou (2)
2) Qual é a média geométrica dos números ?
APLICAÇÃO: Calcular dois termos de uma propor-
Forma-se a proporção contínua: ção, desde que sejam conhecidos ou a sua soma ou a sua
diferença. Exemplos:
1) Encontrar dois números cuja soma é 48 e que estão
entre si na razão de 3 para 5.
Solução:
Chamando de x e y os números procurados, vem:

Nota: Pode-se concluir que a média proporcional ou


geométrica de dois números é igual à raiz quadrada
do produto desses números.




0DWHPiWLFD
Aplicando a propriedade da soma dos termos, vem
(1) ou (2)
, temos:

4ª) PROPRIEDADE DA DIFERENÇA DOS ANTECE-


DENTES E DOS CONSEQÜENTES
(1) ou (2)
Em qualquer proporção a diferença dos anteceden-
tes está para a diferença dos conseqüentes, assim como
Como x + y = 48 e substituindo em (1) e (2), vem: cada antecedente está para o seu conseqüente.

Então em , temos

(1) ou (2)

APLICAÇÃO: Cálculo de dois antecedentes ou dois


conseqüentes de uma proporção, desde que sejam conhe-
cidos ou a sua soma ou a sua diferença. Exemplo:

1) Resolver a proporção , sabendo-se que x +


y = 42.
Resp.: Os números procurados são 18 e 30. Solução:
2) Calcular dois números cuja diferença entre eles é 20 Aplicando a propriedade da soma dos antecedentes
e que estão entre si na razão de 6 : 4. e conseqüentes, vem:
Solução: Sejam a e b os números procurados.
, temos:
Então:

(1) ou (2)

Como x + y = 42 , vem:
Aplicando a propriedade da diferença dos termos,
vem:

, temos:

(1) ou (2)

Como a – b = 20 , vem:

Resp.: x = 18 e y = 24.

2) Resolva a proporção , sabendo-se que


a – b = 21.
Solução:
Aplicando a propriedade da diferença dos anteceden-
tes e conseqüentes, vem:

, temos:
Resp.: Os números procurados são 60 e 40.
(1) ou (2)
3ª) PROPRIEDADE DA SOMA DOS ANTECEDENTES
E DOS CONSEQÜENTES
Como a – b = 21 , vem:
Em qualquer proporção a soma dos antecedentes
está para a soma dos conseqüentes, assim como cada
antecedente está para o seu conseqüente.

Então em , temos:




0DWHPiWLFD
2) Calcular x e y na proporção , sabendo-se que
2 2
x + y = 52.
Solução:

Resposta: a = 70 e b = 49. Forma-se o sistema:

5ª) PROPRIEDADE DO PRODUTO DOS ANTECEDEN-


TES E DOS CONSEQÜENTES
Aplicando a conseqüência, vem:
Em qualquer proporção o produto dos anteceden-
tes está para o produto dos conseqüentes, assim como
o quadrado de cada antecedente está para o quadrado
do seu conseqüente. Logo, o sistema fica:

Então em , temos onde, aplicando a propriedade da soma dos ter-


mos (1ª), vem:

(1) ou (2) , temos:

CONSEQÜÊNCIA: Em qualquer proporção, os (1) ou (2)


quadrados de seus termos também formam uma propor-
ção.
Como x2 + y2 = 52 , vem:
Então, se _

APLICAÇÃO: Cálculo de dois termos de uma


proporção, desde que seja conhecido seu produto ou o
quadrado de seus termos. Exemplos:

1) Determinar dois números, sabendo que seu produto


é 180 e sua razão é .
Solução:
Chamando de a e b os números procurados e for-
mando o sistema, vem: Resp.: x = 4 e y = 6.

SÉRIE DE RAZÕES IGUAIS (PROPORÇÃO MÚLTIPLA)

Se as razões forem todas iguais, pode-

Aplicando a propriedade do produto dos antece-


se escrever: , formando uma série de razões
dentes e conseqüentes, vem:
iguais que são chamadas de proporções múltiplas, nas
, temos
quais valem também as propriedades da soma (ou diferen-
ça) dos antecedentes e dos conseqüentes, ou seja: "Em
qualquer proporção múltipla, a soma (ou diferença) dos
(1) ou (2) antecedentes está para a soma (ou diferença) dos
conseqüentes, assim como cada antecedente está para
o seu conseqüente."
Como a # b = 180 , vem:
APLICAÇÃO: Calcular a, b e c em ,

sabendo-se que a – b + c = 33.


Solução:
Aplicando a propriedade da soma (ou diferença)
dos antecedentes e conseqüentes, vem:

_ (1)

ou (2) ou (3)
Resp.: Os números são 12 e 15.




0DWHPiWLFD
Como a – b + c = 33 , vem: Resolver os problemas:

26) A diferença entre dois números é 15 e a razão ente


eles é 8/5. Calcule-os.

27) A diferença dos quadrados de dois números é 144 e


estão entre si na razão de 5 para 3. Quais são os
números?
28) O produto de dois números é 96 e a sua razão é 2
para 3. Quais são eles?

29) A soma de dois números é 55 e o maior está para 8


assim como o menor está para 3. Calcule-os.

TESTES

30) A quarta proporcional dos números 1/2, 3/4 e 2/3 é:


a) 4 b) 1/2 c) 1/4 d) 1
Resp.: a = 24, b = 6 e c = 15.
31) A média proporcional dos números 27 e 3 é:
EXERCÍCIOS A RESOLVER a) 1458 b) 729 c) 81 d) 9
Resolver as proporções (aplicar a propriedade funda-
mental) 32) Na proporção , o valor de x é:

1) 5 : 6 = 2x : 3 2) x: a) 9 b) 3 c) –3 d) –9

3) 3x : = 0,4 : 4) 33) Sabendo-se que x – y = 40 e , então

5) 6) x + y é igual a:
a) 72 b) 144 c) 36 d) 18
7)
34) Se , então o valor de x é:

8)
a) b) c) 10 d) 5

Calcular a quarta proporcional de:


35) O valor de x na proporção , é:
9) 8, 12 e 10 10)

11) 0,4; 0,6 e 1,2 a) 8 b) 7 c) 6 d) 4

Calcular a média proporcional de: 36) Um garoto de 1 m de altura projeta uma sombra de
0,5 m. No mesmo instante, um edifício de 18 m irá
12) 8e2 13) projetar uma sombra de:
a) 12 m b) 9 m c) 8 m d) 6 m
14) 3e 15) 3,2 e 0,2
37) Sendo e x – y = 15, o valor de x + y é:

Calcular a terceira proporcional de: a) 41 b) 40 c) 39 d) 37


16) 3 e 12 17) 5 e 20
38) A razão entre a minha idade e a idade do meu primo
18) 1 e 25 19) é de 2 para 5 e juntos temos 42 anos. Então, tenho:
a) 16 anos b) 14 anos c) 12 anos d) 10 anos
Calcular os elementos desconhecidos nas proporções,
39) Cortaram 20 kg de carne em dois pedaços, cuja
usando a propriedade cabível em cada caso: razão é 2/3. O pedaço maior pesa:
a) 11 kg b) 12 kg c) 14 kg d) 15 kg
20) 21)

RESPOSTAS:
1) 5/4 11) 1,8 21) 35 e 7 31) d
22) 23) 2) 1 12) 4 22) 8 e 12 32) b
3) 4/75 13) 9/5 23) 9 e 15 33) a
4) 8 14) 2/3 24) 3,9 e 15 34) a
5) 12 15) 0,8 25) 25, 10 e 15 35) d
Calcular os termos desconhecidos em: 6) – 23 16) 48 26) 40 e 25 36) b
7) 182/27 17) 80 27) 15 e 9 37) c
8) 75/16 18) 625 28) 8 e 12 38) c
9) 15 19) 1/18 29) 40 e 15 39) b
24) 25) 10) 20/27 20) 8 e 12 30) d




Matemática
NÚMEROS E GRANDEZAS PROPORCIONAIS DIVISÃO DE UM NÚMERO EM PARTES
DIRETAMENTE PROPORCIONAIS
NÚMEROS DIRETAMENTE PROPORCIONAIS
1) Dividir o número 180 em partes diretamente propor-
Sejam os conjuntos A e B de números racionais que cionais a 3, 4 e 11.
estão em correspondência biunívoca (mesma quantidade Solução:
de elementos):
a) representar os números por a, b e c.
A = {2, 5, 8, 11} e B = {6, 15, 24, 33} b) considerar as sucessões (a, b, c) e (3, 4, 11)
como diretamente proporcionais
Formando as razões entre os elementos correspon-
dentes de A e B, temos:

, onde: Então:

e
Calcula-se o coeficiente de proporcionalidade,
aplicando-se a propriedade das proporções múltiplas,
ou seja, essas razões são constantes e todas ou seja:
iguais a , donde se pode escrever:

! coeficiente de proporcionalidade, e o valor de cada


uma das partes a, b e c será encontrado pelo produ-
Diz-se então que os elementos dos conjuntos A e B to de cada um dos números 3, 4 e 11 pelo coeficien-
são diretamente proporcionais ou simplesmente propor- te de proporcionalidade.
cionais e conclui-se que:
Então, vem:
"Duas sucessões de números são diretamente
proporcionais quando as razões existentes entre um
elemento qualquer da primeira e o seu correspondente
na segunda sucessão são constantes (iguais) ." Resp.: As partes são 30, 40 e 110.

A razão constante que existe entre os dois conjuntos 2) Dividir o número 372 em partes diretamente propor-
chama-se fator de proporcionalidade ou coeficiente de cionais a
proporcionalidade.
Solução:
APLICAÇÃO: O número 372 deve ser dividido em três parcelas: a,
b, c (a+b+c = 372) em que a série de razões iguais
Calcular os valores de a, b e c dos conjuntos de
será:
números diretamente proporcionais:

A = {2, b, 4, 7} e B = {a, 9, c, 21}.

Solução:
Como são diretamente propor-cionais os dois
conjuntos, forma-se as razões iguais entre os
elementos correspondentes de A e B: Daí o sistema:

de onde vem:

Então:

! coeficiente de proporcionalidade

Como uma proporcionalidade não se altera quando


Igualando cada razão a (coeficiente) e calculan- se multiplica todos os números do conjunto por um
mesmo número, pode-se então reduzir as frações ao
do o termo desconhecido, temos: mesmo denominador e desprezar, em seguida, o
denominador, a fim de que as partes sejam substi-
tuídas por números inteiros. Então, a expressão
anterior fica:

m.m.c. (2, 3, 5) = 30 (despreza-se o denominador)

E, por conseguinte, o problema agora consiste em


Resp.: Os valores são: a = 6, b = 3 e c = 12. dividir 372 em partes diretamente proporcionais a
15, 10 e 6, ou seja, como no primeiro exemplo:

- 42 -
Matemática
de onde vem:
3 @ 40 = 120 ! coeficiente de proporcionalidade

Igualando cada produto a 120 (coeficiente) e


calculando o termo desconhecido, temos:

Então:

Resp.: As partes são 180, 120 e 72.

3) (Solução direta) ! Dividir 183 em partes diretamen- Resp.: Os valores são: a = 30, b = 6 e c = 12.
te proporcionais a
DIVISÃO DE UM NÚMERO EM PARTES
INVERSAMENTE PROPORCIONAIS

Dividir um número em partes inversamente propor-


cionais a números dados, significa dividi-lo em partes
diretamente proporcionais aos inversos dos números
dados. Exemplo:

1) Dividir o número 18 em partes inversamente proporci-


onais a 2, 3 e 6.
Solução:
O problema consiste em dividir 18 em partes direta-
Então: mente proporcionais aos inversos de 2, 3 e 6, que
são: 1/2, 1/3 e 1/6. Então:
Resp.: As partes são 84, 63 e 36.

NÚMEROS INVERSAMENTE PROPORCIONAIS

Sejam agora os conjuntos C e D de números racio-


nais que também estão em correspondência biunívoca:
C = {1, 3, 5, 10} e D = {60, 20, 12, 6}

Calculando os produtos entre os números do


conjunto C e os correspondentes do conjunto D, temos:
1 @ 60; 3 @ 20; 5 @ 12; 10 @ 6, vê-se que esses produtos são
constantes e todos iguais a 60, donde se pode escrever: Logo:

1 @ 60 = 3 @ 20 = 5 @ 12 = 10 @ 6 = 60
Resp.: As partes são 9, 6 e 3.
Diz-se então que os elementos dos conjuntos C e D
são inversamente proporcionais e conclui-se que:
2) Dividir o número 200 em partes inversamente pro-
"Duas sucessões de números são inversamente
proporcionais quando os produtos entre um elemento porcionais a
qualquer da primeira pelos correspondentes na segun-
da sucessão são constantes (iguais)."
Solução:
Esses produtos iguais chamam-se também fator de
proporcionalidade ou coeficiente de proporcionalidade. É o mesmo que dividir 200 em partes diretamente
proporcionais aos inversos de , que são: 3
APLICAÇÃO: e 5. Então:
Determinar os valores de a, b e c dos conjuntos de
números inversamente proporcionais: A = {3, 4, b, 10} e B
= {40, a, 20, c}.

Solução:
Como os dois conjuntos são inversamente propor-
cionais, forma-se os produtos iguais entre os
elementos correspondentes de A e B:
Logo:

Resp.: As partes são 75 e 125.

- 43 -
0DWHPiWLFD
EXERCÍCIOS A RESOLVER TESTES

Verificar se são direta ou inversamente proporcionais a


sucessão de números que formam os conjuntos A e B 18) As sucessões de números são direta-
de cada exercício: mente proporcionais. Então, o coeficiente de propor-
cionalidade é:
1) A={1, 5, 2} 3) A={2, 3, 4, 6}
B={3, 15, 6} B={48, 32, 24, 16} a) 135 c) 75
b) 25 d)
2) A={6, 4, 12, 2}
B={8, 12, 4, 24}
19) As sucessões de números são inversa-

Calcular x e y sabendo-se que os conjuntos A e B são mente proporcionais. Então, o coeficiente de propor-
diretamente proporcionais: cionalidade é:

4) A = {5, x, 20} 6) A = {1, x, 7} a) 60 c)


B = {3, 6, y} B = {5, 15, y}
b) d)
5) A = {x, 12, 15}
B = {28, y, 20}
20) As sucessões de números são
inversamente proporcionais. Então, a+b é igual a:
Calcular m e n sabendo-se que os conjuntos A e B são
inversamente proporcionais: a) 63 c) 28
b) d) 21
7) A = {m, 2, 3} 9) A = {2, 10, n}
B = {7, n, 14} B = {m, 9, 15}
21) Quero repartir o número 380 em parcelas que são
inversamente proporcionais aos números 2, 5 e 4,
respectivamente. Essas parcelas serão:
8) A = {3, m, 10}
B = {5, 25, n}
a) 200, 80 e 100
b) 150, 130 e 100
c) 180, 60 e 140
Dividir: d) 200, 60 e 120

10) 888 em partes proporcionais a 18, 11, 21 e 24. 22) Uma pessoa divide R$ 13.000,00 proporcionalmente
às idades de seus 3 filhos, que têm respectivamente
3, 4 e 6 anos. Quanto receberão o filho mais novo e
11) 3.250 em partes proporcionais a 0,4; 1,2 e 3,4. o mais velho?

a) R$ 2.000,00 e R$ 6.000,00
12) 4.000 em partes proporcionais a b) R$ 3.000,00 e R$ 6.000,00
c) R$ 3.000,00 e R$ 4.000,00
d) R$ 4.000,00 e R$ 6.000,00
13) 380 em partes inversamente proporcionais a 2, 5 e 4.

14) 459 em partes inversamente proporcionais a 3, 4, 10 RESPOSTAS:


e 6.
1) diretamente proporcionais
2) inversamente proporcionais
Problemas: 3) inversamente proporcionais
4) x = 10 e y = 12
5) x = 21 e y = 16
15) Um pai distribuiu R$ 5.000,00 aos seus três filhos em
6) x = 3 e y = 35
partes diretamente proporcionais às suas idades, que
são 4, 7 e 9 anos. Quanto coube a cada um? 7) m = 6 e n = 21
8) m = 3/5 e n = 3/2
9) m = 45 e n = 6
16) Um tio oferece R$ 6.000,00 para serem repartidos 10) 216, 132, 252 e 288
entre seus três sobrinhos, em partes inversamente 11) 260, 780 e 2.210
proporcionais às faltas à escola que deram durante
o mês. Quanto coube a cada sobrinho, sabendo que 12) 960, 1.440 e 1.600
dois deles faltaram 2 vezes cada um e outro faltou 5 13) 200, 80 e 100
vezes? 14) 180, 135, 54 e 90
15) R$ 1.000,00; R$ 1.750,00 e
R$ 2.250,00.
17) Um reservatório de 25.200 m3 de capacidade foi
completamente cheio por 3 torneiras que despejaram 16) R$ 2.500,00; R$ 2.500,00 e
por minuto 12 5, 8 5 e 16 5 de água respectivamente. R$ 1.000,00.
Determinar o volume de água que cada torneira 17) 8.400 5; 5.600 5 e 11.200 5
despejou. 18) d 19) a 20) c 21) a 22) b




Matemática
REGRA DE SOCIEDADE Solução:
1º sócio: 300.000,00 @ 12 ! 3.600.000,00 ! 3.600
É uma aplicação da divisão em partes diretamente 2º sócio: 200.000,00 @ 9 ! 1.800.000,00 ! 1.800
proporcionais e destacam-se três casos: 3º sócio: 500.000,00 @ 4 ! 2.000.000,00 ! 2.000

1º) TEMPOS IGUAIS E CAPITAIS DIFERENTES


Então:
Divide-se o lucro ou prejuízo da sociedade propor-
cionalmente aos capitais dos sócios. Exemplo:

Quatro pessoas formam uma sociedade com os


capitais de: R$ 100.000,00, R$ 120.000,00, R$ 150.000,00
e R$ 200.000,00, respectivamente. No fim de certo tempo, Logo:
a sociedade apresentou um lucro de R$ 2.850.000,00.
Quanto coube a cada sócio?
Solução:
Para facilitar os cálculos, desprezamos os cinco
zeros finais de cada importância do problema, acres-
centando-os depois nos resultados finais. Resp.: Os lucros foram, respectivamente:
R$ 1.800.000,00; R$ 900.000,00 e R$ 1.000.000,00.
Chamando os sócios de a, b, c e d, respectivamente,
formando o sistema e aplicando a divisão em partes
proporcionais, temos: PROBLEMAS PARA RESOLVER:
1) Três pessoas formam uma sociedade, entrando a
primeira com R$ 30.000,00: a segunda com
R$ 40.000,00 e a terceira com R$ 45.000,00. Calcu-
lar o lucro de cada uma, sabendo-se que o lucro total
foi de R$ 230.000,00.
2) Três pessoas formam uma sociedade comercial.
A primeira empregou R$ 10.000,00; a segunda
R$ 15.000,00 e a terceira, R$ 25.000,00. No fim do
Então: ano, o lucro da sociedade foi de R$ 450.000,00. Qual
a parte de cada uma?
3) A e B formaram uma sociedade com capitais propor-
cionais a 4 e 7, respectivamente. No final de certo
(acrescentando-se os cinco zeros suprimidos no tempo, A recebeu de lucro R$ 15.000,00 menos que
início do cálculo) B. Qual o lucro de cada um?
Resp.: Cada sócio recebeu, respectivamente: 4) Três pessoas formaram uma sociedade com capitais
R$ 500.000,00; R$ 600.000,00; R$ 750.000,00 proporcionais a 3, 5 e 8 respectiva-mente. No fim de
e R$ 1.000.000,00. certo tempo, a sociedade apresentou o lucro de R$
32.000,00. Qual foi o lucro de cada um?
2ª) CAPITAIS IGUAIS E TEMPOS DIFERENTES 5) Duas pessoas formaram uma sociedade com capitais
iguais permanecendo a primeira durante 3 anos e a
Divide-se o lucro ou prejuízo da sociedade propor- segunda durante 4 anos. Após esse tempo, foi feito
cionalmente aos tempos de permanência dos sócios. um balanço geral, pelo qual a segunda recebeu R$
12.000,00 a mais do que a primeira. Determinar o
Exemplo: Três pessoas formam uma sociedade, lucro de cada uma.
permanecendo, o primeiro sócio durante 12 meses, o
segundo 8 meses e o terceiro 6 meses. Quanto ganhou TESTES
cada um, se a sociedade teve um lucro de R$ 520.000,00? 6) Três pessoas formam uma sociedade, permanecen-
do a primeira durante 12 meses; a segunda, 8 meses
e a terceira, 6 meses. Quanto ganhou cada uma, se
a sociedade apresentou um lucro de R$ 520.000,00?
a) R$ 240.000,00; R$ 160.000,00 e R$ 120.000,00,
respectivamente
Então: b) R$ 210.000,00; R$ 190.000,00 e R$ 120.000,00,
re