Você está na página 1de 6

10 grandes tirinhas de Calvin e Haroldo

2007 Novembro 24
tags: Amor, Arte, Bar, Bill Watterson, Blogs, Brasil, Calvin, Ciência, Cultura,
Fantasma, Hobbes, Humor, Imagem, James Joyce, Mundo, Quadrinhos, RP,
Tecnologia, Tempo, Terra, Trema, Umberto Eco, watterson, Web, Wikipedia,
WordPress
by Leonardo Fontes

O começo deste post será com uma citação de Umberto Eco, no The Aesthetics of
Chaosmos: The Middle Ages of James Joyce, em que admite que o único autor sobre
quem jamais escreverá impacialmente é James Joyce. Fã incondicional não tem moral
para falar sobre o ídolo. O mesmo acontece por aqui com Bill Watterson, autor da
tirinha que ficou conhecida no Brasil como Calvin e Haroldo (Hobbes no original): não
dá para escrever sobre sem babar.

Para os poucos infelizes que não conhecem, Calvin é esse garoto louro (tem quem diga
que é ruivo) da imagem, e Hobbes é o tigre, amigo imaginário que só tem vida quando
ambos estão sós, como na tirinha abaixo:

Incentivado por artigo recente do Mário Aragão, no Desopilando, decidi desenterrar este
post dos rascunhos e recolocá-lo em produção. Taí o resultado, dez das minhas tirinhas
prediletas, embora o universo criado por Watterson seja vasto. Algumas não consegui
encontrar em português, a maioria foi tirada do Depósito do Calvin e todas são clicáveis
para ampliação.
Kazam

A imaginação de Calvin é sua característica mais marcante. Monstros, vermes,


alienígenas, o patrulheiro espacial Spiff, Capitão Napalm, dinossauros e sua
personificação mais presente, o tigre Hobbes, povoam as tirinhas. Em uma olhada mais
de perto, Calvin é extremamente solitário, não tem amigos além daqueles criados por
sua cabeça, os reais, como Moe e Susie, são uma convivência quase sempre
desconfortável. Esta tirinha é exemplo disso, na tentativa de mudar o mundo à sua
maneira, mandado calar pelos pais transformados em modelos de horror, ele recria o
ambiente para o de seus desejos incompreendidos e isola-se. Às vezes essa solidão é
triste, mas no geral, Calvin não parece se preocupar muito com ela.

Calvin cool

Bill Watterson está presente em todas a tiras, em algumas de forma mais evidente. Nesta
em particular gosto de três detalhes: a crítica aos modismos, uma constante em todo o
Calvin, o diálogo com o leitor e a capacidade de imprimir movimento no estático.

El fugitivo
Tenho pena dos pais de Calvin, como tenho. De tanto infernizar a vida de ambos, é
complicado encontrar uma tirinha que represente a enorme paciência exercitada
diariamente com as loucuras do menino. Destruição do carro, alagamentos constantes da
casa, a maravilhosa seqüência em que Calvin faz esculturas macabras de homens-da-
neve, o dilema que são as refeições, o banho que é um verdadeiro tormento para
começar e que sempre acaba mal… Calvin não é tão difirente da maioria das crianças,
talvez só um pouco mais teatral, dramático.

Transmogrification

Em outra das séries imperdíveis, Calvin cria uma máquina para transformá-lo em
qualquer coisa. É a nova tecnologia chamada “transmogrification“. Sua estatura é
sempre um problema, motivo para inúmeras piadas de Hobbes, e mesmo transformado
em tigre, continua baixinho. É uma das séries raras de se encontrar.

O Pai do Calvin
O pai sem nome está sempre lendo e tem todos os elementos de ter sido igual ao Calvin
quando criança. Eventualmente mostra seu lado viajandão e bem-humorado, como bem
citado pelo Mário Aragão. É um aventureiro fracasssado e, de certa forma, o fim da
saga, a promessa de que crianças como Calvin um dia se transformarão em adultos
recatados, eternamente sentados em poltronas na sala-de-estar.

A ciência e filosofia

As viagens interplanetárias, a gravidade, o vôo, a Teoria da Relatividade, a existência, o


fim dos tempos, a morte estão no imaginário de Calvin e Hobbes assim como os
monstros e criaturas. E o pior, dá para se aprender mais nas tirinhas que em alguns bons
livros de filosofia.
Hobbes, o realista

A única porção pé-no-chão de Calvin é sua representação imaginária, Hobbes. Hobbes


não tem ilusões. É possível que seu caráter, assim como o foi o nome, também seja
inspirado em Thomas Hobbes, autor de Leviatã e teórico político. Em muitos aspectos,
no entanto, Calvin é mais parecido com o conceito de homem formulado pelo filósofo:
“egoísta, egocêntrico e inseguro.”

Calvin e o amor

Ele não suporta Susie, Susie não o suporta, mas na fase em que meninos e meninas não
se bicam, quem pode dizer com certeza?

A expressividade

As caretas de Calvin mereciam um post à parte. Elas e o movimento que Watterson


consegue desenhar renderam inúmeros gif animados e são elemento fundamental da
graça, é o humor pelo feio, do ridículo e, freqüentemente, da pantomima.

Fantasmas
Como toda criança, Calvin cria o medo do nada.

Interesses relacionados