Você está na página 1de 12

01-O COMEÇO DE TUDO - 20.08.

2006
Pelos quatro cantos do mundo, todas as culturas já tentaram, de alguma forma,
explicar o início de tudo: a origem do Universo. Todos já se fizeram "a grande
pergunta": De onde viemos?
No vídeo:
 O sítio arqueológico de Stonehenge
 os druidas celtas
 A tradição judaico-cristã
 os babilônios e os egípcios.
 os índios ianomâmi, do Brasil, e os maori, da Nova Zelândia.
 taoísmo
 O Big Bang

Make Google view image button visible again: https://goo.gl/DYGbub


Pelos quatro cantos do mundo, todas as culturas já tentaram, de alguma forma, explicar o início de tudo: a origem do
Universo. Todos já se fizeram "a grande pergunta": De onde viemos? A vontade de saber quem somos, de conhecer
nossa origem, a origem do mundo, nasceu quando o primeiro homem olhou para o céu e se viu só, à mercê de uma
natureza que tanto cria quanto destrói. Essa curiosidade hoje está mais viva do que nunca, alimentando a imaginação
dos cientistas que tentam desvendar nossas origens. O sítio arqueológico de Stonehenge, no interior da Inglaterra,
guarda um conjunto de pedras de até 40 toneladas cada uma, dispostas em forma de círculo. A construção de
Stonehenge foi um feito extraordinário para o ser humano. O lugar é um dos grandes mistérios da humanidade. As
pedras foram postas no local há mais de 3 mil anos, ninguém sabe exatamente por quem. Também não se sabe como
elas foram levadas e arranjadas de tal forma. A teoria mais aceita é de que foram os celtas. Os druidas, sacerdotes dos
celtas, tinham adoração pelo Sol. Eles sabiam que a vida dependia dele. Sabiam também que o movimento do Sol
pelos céus determinava a época da colheita, a época do plantio, a chegada das chuvas e a chegada do inverno. Tudo
indica que o monumento de Stonehenge era um gigantesco instrumento astronômico, um calendário, que ajudava os
celtas a marcar o percurso do Sol ao longo do ano. Tanto é que, no dia 21 de junho, o Sol nasce exatamente sobre a
pedra principal quando se olha de dentro do círculo. No Hemisfério Norte, 21 de junho é o solstício de verão, o dia mais
longo do ano, em que o Sol aparece mais alto no céu. Também se acredita que os druidas celtas que viveram na região,
milhares de anos atrás, usavam o monumento como palco de celebrações pagãs. Até hoje, todo dia 21 de junho, muitas
pessoas fantasiadas de druidas aparecem por lá para festejar -- nem sempre de forma pacífica. Mas também há quem
acredite que ninguém criou o mundo: o Universo teria vindo do nada. Essa é a crença de duas culturas bem diferentes e
distantes entre si: os índios ianomâmi, do Brasil, e os maori, da Nova Zelândia. Os druidas de Stonehenge -- os do
passado -- também se perguntavam como surgiu o mundo. Também se fizeram "a grande pergunta". E encontraram a
explicação deles para a origem do Universo. Os druidas acreditavam que o mundo foi criado por deuses, e que será
destruído por eles também. Esse é o tipo mais comum de mito da Criação. Esse tipo de crença é familiar para nós, do
mundo ocidental. A tradição judaico-cristã dá a mesma explicação no Gênesis, o primeiro livro do Antigo Testamento.
Existem outras culturas que acreditam que o mundo foi criado por vários deuses, como os babilônios e os egípcios. E
existem ainda aqueles que acreditam que o Universo surgiu espontaneamente, sem a ação de um deus ou deuses.
Segundo esse mito, o mundo veio do caos. A ordem, acredite ou não, pode nascer do caos. Essa é a crença do
taoísmo, uma religião de origem chinesa. Um deus ou muitos deuses, nenhum deus ou o caos criador. Todos esses
mitos têm uma coisa em comum: o Universo surgiu em algum instante no passado. E foi nesse instante que nasceu o
tempo. O relógio começou a bater ali, naquele momento. O Universo ou Cosmo teria, portanto, uma data de aniversário.

02-O NASCIMENTO DA CIÊNCIA - 27.08.2006


De onde viemos? Como surgiu o universo? E o nosso planeta, como nasceu?
Cada cultura, cada religião buscou suas próprias respostas. Mas houve um
momento na história da humanidade em que a curiosidade falou mais alto e os
dogmas religiosos passaram a ser questionados.
O nascimento da ciência é o tema do capítulo de hoje. Os gregos antigos foram
os primeiros a tentar entender a origem do universo sem a ajuda ou interferência
da religião.
Em torno de 650 antes de Cristo, aquele que é apontado como o primeiro
filósofo, Tales de Mileto, se perguntou: "Do que tudo é feito?". Repare: a
indagação de Tales não era sobre a 'criação', a origem, mas dizia respeito à
'composição' das coisas.
Esse é um questionamento essencialmente científico. Tales de Mileto talvez não
soubesse, mas, para entender a origem do mundo, cientificamente, é preciso
antes desvendar a composição das coisas.
Em torno do ano 400 antes de Cristo, dois outros gregos, Leucipo e seu
discípulo, Demócrito, disseram que tudo o que existe no mundo é feito de
pequenas partículas indivisíveis, batizadas de átomos. Em grego, átomo quer
dizer "aquilo que não pode ser cortado".
Para Leucipo e Demócrito, os átomos eram infinitos em número e podiam
combinar-se para formar a matéria do mundo.
Hoje sabemos que existem muitas partículas menores que o átomo, como
prótons, nêutrons e elétrons, para ficar só nas mais conhecidas.
Sabemos também que os átomos não são infinitos. Na escola, você já deve ter
ouvido falar na tabela periódica dos elementos, que inclui os 92 tomos
existentes naturalmente no universo.
Mesmo assim, a noção de que a matéria é composta por pequenos tijolos
fundamentais foi uma sacada brilhante dos gregos, e essa idéia permanece viva
até hoje.
Novídeo:
 Aristóteles
 geocentrismo
 renascença
 o papel da igreja
 Nicolau Copérnico
 Giordano Bruno
 Galileu Galilei
 Torre de Pisa
 O método científico ("ver para crer")
 telescópio
 A Igreja Católica retratando-se.

Poeira das estrelas, a nova série do Fantástico que vai em busca da origem do universo, desembarca hoje na Itália.
Seguindo os passos dos grandes cientistas, o físico Marcelo Gleiser esteve na famosa Torre de Pisa, para recriar uma
experiência histórica. Poeira das Estrelas, a nova série do Fantástico que vai em busca da origem do universo,
desembarca hoje na Itália. Seguindo os passos dos grandes cientistas, o físico Marcelo Gleiser esteve na famosa Torre
de Pisa, para recriar uma experiência histórica. Domingo passado, na estréia da série "Poeira das Estrelas", nós
aprendemos que tão antigo quanto a história da humanidade é o desejo de compreender as nossas origens. De onde
viemos? Como surgiu o universo? E o nosso planeta, como nasceu? Cada cultura, cada religião buscou suas próprias
respostas. Mas houve um momento na história da humanidade em que a curiosidade falou mais alto e os dogmas
religiosos passaram a ser questionados. O nascimento da ciência é o tema do capítulo de hoje. Os gregos antigos
foram os primeiros a tentar entender a origem do universo sem a ajuda ou interferência da religião. Em torno de 650
antes de Cristo, aquele que é apontado como o primeiro filósofo, Tales de Mileto, se perguntou: "Do que tudo é feito?".
Repare: a indagação de Tales não era sobre a 'criação', a origem, mas dizia respeito à 'composição' das coisas. Esse é
um questionamento essencialmente científico. Tales de Mileto talvez não soubesse, mas, para entender a origem do
mundo, cientificamente, é preciso antes desvendar a composição das coisas. Em torno do ano 400 antes de Cristo, dois
outros gregos, Leucipo e seu discípulo, Demócrito, disseram que tudo o que existe no mundo é feito de pequenas
partículas indivisíveis, batizadas de átomos. Em grego, átomo quer dizer "aquilo que não pode ser cortado". Para
Leucipo e Demócrito, os átomos eram infinitos em número e podiam combinar-se para formar a matéria do mundo. Hoje
sabemos que existem muitas partículas menores que o átomo, como prótons, nêutrons e elétrons, para ficar só nas
mais conhecidas. Sabemos também que os átomos não são infinitos. Na escola, você já deve ter ouvido falar na tabela
periódica dos elementos, que inclui os 92 tomos existentes naturalmente no universo. Mesmo assim, a noção de que a
matéria é composta por pequenos tijolos fundamentais foi uma sacada brilhante dos gregos, e essa idéia permanece
viva até hoje. O mais influente dos filósofos da antigüidade talvez tenha sido Aristóteles. Ele viveu em Atenas em torno
do ano 340 A.C: cerca de 100 anos após a construção do Parthenon, o mais famoso templo grego, que existe até hoje.
Para os gregos, simetria e beleza eram sinônimos. Pensando nisso, Aristóteles propôs um modelo de mundo simétrico e
perfeito. Um método elegante e intuitivo para explicar o universo.

Make Google view image button visible again: https://goo.gl/DYGbub

03-UMA NOVA ASTRONOMIA - 03.09.2006


UMA NOVA ASTRONOMIA
Poeira das Estrelas - Parte 03 - programa Fantástico - TV Globo
No capítulo de hoje, a convivência tumultuada de dois gênios: Kepler e Brahe.
Praga, a bela capital da República Tcheca. Contra todas as expectativas, na
cidade, aconteceu um encontro que mudou a história da astronomia. Duas
cabeças que pensavam de maneira bem diferente acabaram provando que o
modelo do cosmo proposto por Copérnico estava certo: não é o Sol que gira em
torno da Terra, e sim, o contrário.
No vídeo:
 Tycho Brahe.
 Johannes Kepler
O físico Marcelo Gleiser conta hoje como a ciência finalmente conseguiu provar que a Terra não é o centro do universo.
Nossa equipe desembarca em Praga, a bela capital da República Tcheca, para mais um episódio de Poeira das
Estrelas. O físico Marcelo Gleiser conta hoje como a ciência finalmente conseguiu provar que a Terra não é o centro do
universo. No capítulo passado, nós conhecemos a história de dois grandes astrônomos do século XVI, um tempo
turbulento para a ciência: Nicolau Copérnico, o polonês que teve a coragem de afirmar que a Terra não era o centro do
universo; e o italiano Galileu Galilei, o primeiro homem a ter a idéia de apontar um telescópio para o espaço. Com
Galileu, a Ciência fez grandes descobertas e entrou na era das experiências - ver para crer se tornou muito mais
importante do que crer para ver. No capítulo de hoje, a convivência tumultuada de dois gênios: Kepler e Brahe. Praga, a
bela capital da República Tcheca. Contra todas as expectativas, na cidade, aconteceu um encontro que mudou a
história da astronomia. Duas cabeças que pensavam de maneira bem diferente acabaram provando que o modelo do
cosmo proposto por Copérnico estava certo: não é o Sol que gira em torno da Terra, e sim, o contrário. Em 1600, o
maior astrônomo da Europa, um príncipe dinamarquês, convidou um jovem alemão brilhante para ser seu assistente. O
príncipe queria a ajuda dele para provar de uma vez por todas que a Terra era o centro do cosmo. Mas essa história
teve um fim muito diferente. O príncipe se chamava Tycho Brahe. Ele ocupava o cargo de astrônomo imperial, no
castelo de Benatky, nos arredores de Praga. Brahe era um homem de personalidade difícil e aparência assustadora. Em
um duelo, havia perdido parte do nariz e usava uma prótese de metal. Assim como os gregos antigos e a Igreja
Católica, Brahe acreditava no modelo geocêntrico. Geo quer dizer terra e cêntrico, centro. Ou seja, que a Terra era o
centro do universo. E ele queria provar que não se tratava apenas de uma crença, e sim, a verdade absoluta. Brahe
dispunha de meios para isso. Afinal, como maior astrônomo da Europa, havia medido com precisão inédita para a época
as posições dos planetas no céu noturno. Mas ele precisava de um arquiteto, alguém que soubesse matemática
suficiente para transformar seus dados em um novo modelo do cosmo. Também não ajudava o fato de Brahe dedicar
tempo demais às festas e à bebida. Foi quando entrou em cena o jovem astrônomo alemão Johannes Kepler. Ele era
uma espécie de Woody Allen da ciência: corpo franzino, tímido e neurótico, Kepler fugia de uma história de vida
tumultuada. A mãe dele havia sido acusada de bruxaria e o pai era um mercenário de reputação duvidosa, que havia
abandonado a família. Em uma Europa dividida por conflitos entre católicos e protestantes, Kepler havia sido expulso da
cidade onde morava na Áustria. Em Praga, ele procurava não só a proteção que as muralhas do castelo de um príncipe
podiam oferecer. Ele queria encontrar nos céus a ordem que não via na Terra. Essa harmonia dos céus que Kepler
enxergava era o oposto do que acreditava o príncipe. Para o jovem astrônomo, o modelo heliocêntrico de Copérnico é
que era o certo. Em grego, helios quer dizer sol - o sol, no centro. Portanto, a Terra é que gira em torno do Sol.

Make Google view image button visible again: https://goo.gl/DYGbub


ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU
Poeira das Estrelas - Parte 04 - programa Fantástico - TV Globo
Isaac Newton foi talvez o cientista mais importante de todos os tempos. O
interessante é que ele nasceu em 1642, o mesmo ano da morte de Galileu. Foi
como se um tivesse passado a coroa pro outro. O grande mérito de Newton foi
ter explicado a física do nosso dia a dia. Pra ele, tudo no universo era uma
conseqüência de ação de forças.
Você é capaz de já ter ouvido falar na história de que uma maçã caiu na cabeça
de Newton enquanto ele tirava um cochilo debaixo de uma árvore. Se a história
é verdadeira, não importa. O fato é que Newton concluiu que, se a maçã cai no
chão, é porque existe algo que a puxa para baixo: uma força.
No vídeo:
 Isaac Newton.
ASSIM NA TERRA COMO NO CÉU - 10.09.2006 A série "Poeira das Estrelas" chega agora à Inglaterra para contar uma
das histórias mais famosas da ciência. O físico Marcelo Gleiser vai explicar como uma simples maçã pode ter sido
responsável por toda uma revolução na astronomia. No capítulo passado, Poeira das Estrelas visitou Praga, capital da
República Tcheca, para contar a história de dois astrônomos brilhantes do século 17: o dinamarquês Tycho Brahe e o
alemão Johannes Kepler. Brahe foi quem fez o primeiro mapa preciso dos planetas no céu que vemos à noite. Kepler foi
além: descreveu, com riqueza de detalhes as órbitas dos planetas. E provou que é a Terra que gira em torno do Sol, e
não o contrário, como se acreditava até então. Brahe e Kepler, assim como o italiano Galileu Galilei, foram gigantes da
ciência. Décadas depois, um gênio inglês de temperamento difícil chegaria para promover uma revolução definitiva na
astronomia. Ele resumiu numa frase a importância dos mestres Kepler, Brahe, Galileu e tantos outros: "Se enxerguei
mais longe, foi porque me apoiei sobre os ombros de gigantes". Trinity College, uma das muitas faculdades que
integram a universidade de Cambridge, na Inglaterra -- no local, em 1661, chegou um estudante de 19 anos com um
raro talento para a matemática, chamado Isaac Newton. Assim como Kepler, Newton vinha de uma história familiar
complicada. Ele nasceu prematuro, órfão de pai, e foi abandonado pela mãe quando tinha 3 anos. Criado pela avó,
Newton cresceu evitando contato com outras pessoas, fossem homens ou mulheres. Ele jamais se casou, e muitos
biógrafos afirmam que Newton morreu virgem. Na reitoria do Trinity College, encontramos o homem que ocupa hoje o
cargo mais importante da astronomia britânica: sir Martin Rees, o astrônomo real. Sir Martin nos conta que Newton tinha
uma personalidade nada cativante. Era uma figura solitária, vingativa e reagia mal às críticas, principalmente, quando
vinham de outros cientistas. Mas ele não mede palavras na hora de definir o lugar de Newton entre as grandes cabeças
da humanidade. "Na minha opinião, Newton foi o grande intelectual da ciência nos últimos mil anos", diz Rees. Isaac
Newton foi talvez o cientista mais importante de todos os tempos. O interessante é que ele nasceu em 1642, o mesmo
ano da morte de Galileu. Foi como se um tivesse passado a coroa pro outro. O grande mérito de Newton foi ter
explicado a física do nosso dia a dia. Pra ele, tudo no universo era uma conseqüência de ação de forças. Você é capaz
de já ter ouvido falar na história de que uma maçã caiu na cabeça de Newton enquanto ele tirava um cochilo debaixo de
uma árvore. Se a história é verdadeira, não importa. O fato é que Newton concluiu que, se a maçã cai no chão, é
porque existe algo que a puxa para baixo: uma força. Na Grécia Antiga, quase 2 mil anos antes de Newton, o filósofo
Aristóteles dizia que pesos diferentes caem com velocidades diferentes. Segundo esse raciocínio errado, uma maçã
pequena cairia mais devagar que uma maçã grande. Setenta anos antes de Newton, Galileu Galilei já havia
demonstrado, numa experiência realizada na Torre de Pisa, na Itália, que dois objetos, quando jogados de uma certa
altura, caem ao mesmo tempo, independentemente do peso. Aristóteles estava errado. Galileu e Newton, na verdade,
estavam falando da mesma coisa: de uma força. Ou seja, a força que faz a maçã atingir a cabeça de Newton é a
mesma que faz com que o elefante e a formiguinha caiam ao mesmo tempo da Torre de Pisa. Uma força que age de
maneira igual sobre todos os objetos.

05-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 05 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?


v=QRB2eZHzVkM)
COMO FOI QUE TUDO COMEÇOU?
Poeira das Estrelas - Parte 05 - programa Fantástico - TV Globo
Anos atrás, uma cidade brasileira deu uma contribuição fundamental para a
obra do físico Albert Einstein, um dos maiores gênios da humanidade.
Gravidade: a força que nos mantém presos ao chão. Sem ela, sairíamos
flutuando pelo espaço. Os planetas não girariam em torno do Sol. A Lua se
desprenderia da Terra, e nunca mais veríamos uma noite de Lua cheia. Para
Newton, a gravidade era algo que agia à distância.
Mais de 200 anos depois, no início do século 20, um físico alemão, talvez o
cientista mais genial nascido depois de Newton, reinventou o conceito de
gravidade. Seu nome: Albert Einstein.
Ele era o próprio retrato do cientista dos filmes em preto e branco: sotaque
alemão, cabelos desgrenhados, tocava violino para buscar inspiração. Einstein
não passava essa imagem por acaso. A verdade é que a figura do cientista
excêntrico do cinema foi criada a partir dele.
Einstein propôs uma nova maneira de se pensar sobre o espaço, sobre o tempo e
sobre a gravidade: para ele, a gravidade é resultado da curvatura do espaço
provocada pela massa dos corpos.
No vídeo:
 Albert Einstein
 Sobral - CE
 o tamanho do Universo
 o Universo não é estático
 Monte Wilson
 Edwin Hubble
 o Universo em expansão
05-COMO FOI QUE TUDO COMEÇOU? - 17.09.2006 Anos atrás, uma cidade brasileira deu uma contribuição
fundamental para a obra do físico Albert Einstein, um dos maiores gênios da humanidade. Anos atrás, uma cidade
brasileira deu uma contribuição fundamental para a obra do físico Albert Einstein, um dos maiores gênios da
humanidade. Poeira das Estrelas conta hoje como foi feita essa e outras descobertas que nos levaram até a resposta
para a grande pergunta: como foi que tudo começou? Domingo passado, poeira das estrelas esteve na Inglaterra para
contar a história do homem que explicou a força da gravidade: Isaac Newton. Olhando para o céu e enxergando mais
longe, o ser humano finalmente chegou perto de uma resposta científica para a grande pergunta: como tudo começou?
Afinal, de onde viemos? Esse é o tema do capítulo de hoje. Pai de uma nova matemática, inventor de telescópios mais
potentes, Newton foi tão importante que, depois dele, as descobertas da ciência passaram a acontecer cada vez mais
rápido. Mais de 200 anos depois, no início do século 20, um físico alemão, talvez o cientista mais genial nascido depois
de Newton, reinventou o conceito de gravidade. Seu nome: Albert Einstein. Gravidade: a força que nos mantém presos
ao chão. Sem ela, sairíamos flutuando pelo espaço. Os planetas não girariam em torno do Sol. A Lua se desprenderia
da Terra, e nunca mais veríamos uma noite de Lua cheia. Para Newton, a gravidade era algo que agia à distância. A
imagem mais famosa de Einstein, a foto com a língua de fora, foi uma tentativa do cientista de atrapalhar o trabalho dos
fotógrafos que o perseguiam no dia do seu aniversário. Achou que, se mostrasse a língua, os jornais deixariam de
publicar a foto. Nunca um gênio se enganou tanto: nascia ali uma das imagens mais marcantes do século 20. Ele era o
próprio retrato do cientista dos filmes em preto e branco: sotaque alemão, cabelos desgrenhados, tocava violino para
buscar inspiração. Einstein não passava essa imagem por acaso. A verdade é que a figura do cientista excêntrico do
cinema foi criada a partir dele. Claro que a teoria da relatividade é muito mais complicada. Nela, Einstein propôs uma
nova maneira de se pensar sobre o espaço, sobre o tempo e sobre a gravidade: para ele, a gravidade é resultado da
curvatura do espaço provocada pela massa dos corpos. A grande obra de Einstein é a teoria da relatividade. Quando
pediram uma explicação simples sobre o assunto, ele se saiu com essa: "Se um homem se senta ao lado de uma moça
bonita, uma hora se passa como se fosse um minuto. Mas se o homem se senta sobre um forno quente, um minuto
parece uma hora. Isso é relatividade". A idéia básica é simples. Imagine uma cama elástica. Sem a presença de um
corpo com massa, a cama elástica não se curva. Mas se alguém pula sobre a cama elástica, ela afunda. E quanto mais
pesada a pessoa, maior a curvatura. Em poucas palavras, essa era a nova explicação para a gravidade.

06-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 06 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?v=s4i-Am7PjiM)


06-O CIENTISTA ESQUECIDO - 24.09.2006
O CIENTISTA ESQUECIDO
Poeira das Estrelas - Parte 06 - programa Fantástico - TV Globo
Imagine que você é cientista e descobre a resposta para uma das perguntas mais
antigas da humanidade: como foi que tudo começou? E, quando chega a hora
do reconhecimento, como você se sentiria se toda a glória e todos os prêmios
fossem para outra pessoa? Essa história é verdadeira.
Em ciência, muitas vezes, grandes descobertas nascem por acaso. E nem
sempre a comunidade científica reconhece o mérito daqueles que tiveram uma
grande idéia primeiro. Para uns, a glória; para outros, o esquecimento.
O ano era 1929. No observatório de Mount Wilson, ao norte de Los Angeles,
havia sido construído o telescópio mais potente de todos os tempos.
O astrônomo americano Edwin Hubble apontou o telescópio para o céu e viu
gigantescos conjuntos de estrelas -- as galáxias -- se afastando umas das outras.
Era o universo em expansão, crescendo cada vez mais.
As conseqüências dessa descoberta foram profundas. Se as galáxias estão se
afastando, isso significa que, no passado, elas já estiveram mais próximas. E
mais: em um passado muito distante, as galáxias -- e as estrelas que elas contêm
-- estavam tão próximas que ocupavam todas o mesmo espaço. Trata-se de uma
região minúscula, menor do que a cabeça de um alfinete. O universo, então,
tinha uma origem. Mas que origem era essa?
No vídeo:
 Georges Lemaître.
 "átomo primordial"
 George Gamow.
 Robert Hermann
 Ralph Alpher
 o "som" do Big Bang (vestígios): radiação cósmica de fundo
No capítulo deste domingo, da série "Poeira das Estrelas", o físico Marcelo Gleiser encontra o homem que o Prêmio
Nobel esqueceu. Imagine que você é cientista e descobre a resposta para uma das perguntas mais antigas da
humanidade: como foi que tudo começou? E, quando chega a hora do reconhecimento, como você se sentiria se toda a
glória e todos os prêmios fossem para outra pessoa? Essa história é verdadeira. Em ciência, muitas vezes, grandes
descobertas nascem por acaso. E nem sempre a comunidade científica reconhece o mérito daqueles que tiveram uma
grande idéia primeiro. Para uns, a glória; para outros, o esquecimento. O ano era 1929. No observatório de Mount
Wilson, ao norte de Los Angeles, havia sido construído o telescópio mais potente de todos os tempos. O astrônomo
americano Edwin Hubble apontou o telescópio para o céu e viu gigantescos conjuntos de estrelas -- as galáxias -- se
afastando umas das outras. Era o universo em expansão, crescendo cada vez mais. As conseqüências dessa
descoberta foram profundas. Se as galáxias estão se afastando, isso significa que, no passado, elas já estiveram mais
próximas. E mais: em um passado muito distante, as galáxias -- e as estrelas que elas contêm -- estavam tão próximas
que ocupavam todas o mesmo espaço. Trata-se de uma região minúscula, menor do que a cabeça de um alfinete. O
universo, então, tinha uma origem. Mas que origem era essa? Ironicamente, a primeira pessoa a buscar essa resposta,
a sugerir um modelo científico para a origem do universo foi um padre, o belga Georges Lemaître. Segundo ele, no
início, o universo não passava de um enorme núcleo, ou "átomo primordial", como ele chamou. Mas o próprio Lemaître
admitia que sua teoria não explicava tudo em detalhes, o que é essencial em ciência. Só em 1948, inspirado pelas
idéias de Lemaître, um dissidente soviético naturalizado americano pôs as mãos à obra. Ele se chamava George
Gamow. Era um homem que não tinha medo de grandes desafios. Nascido na Ucrânia, Gamow chegou a tentar fugir
duas vezes da antiga União Soviética, atravessando o mar negro em um barquinho a remo. Para ajudá-lo na gigantesca
tarefa de finalmente explicar a origem do universo, Gamow convocou dois alunos de doutorado, Robert Hermann e
Ralph Alpher. Dos três, apenas Alpher está vivo. Encontramos com ele em um asilo para aposentados em Tampa, no
estado americano da Flórida. Alpher sofreu um derrame anos atrás e se movimenta com dificuldade, mas continua
lúcido. Ele conta como era trabalhar com Gamow. "Ele era uma grande figura", diz Alpher. "Fechando os olhos, consigo
imaginá-lo na sua motocicleta, um belo cachecol de lã no pescoço, voando ao vento", conta o cientista. Gamow sabia
das descobertas de Edwin Hubble, de que o universo está em expansão. Sabia também que o universo é extremamente
frio. Gamow tinha um palpite: se voltasse no tempo, poderia contar a história do início de tudo. E isso foi o que ele
propôs: se o universo -- que está em expansão -- hoje, é frio e gigantesco, no seu início devia ser exatamente o
contrário: muito quente e muito denso. Por isso, ele apostou que o universo começou comprimido, ao máximo, em uma
única região.

07-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 07 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?v=QNMtAjwufkQ)


07-O NASCIMENTO DAS ESTRELAS- 01.10.2006
O NASCIMENTO DAS ESTRELAS
Poeira das Estrelas - Parte 07 - programa Fantástico - TV Glo
De onde vieram o Sol, a Lua e as estrelas? E nós, habitantes de um planeta tão
pequeno diante da imensidão do Universo? Como foi que nós surgimos e hoje
podemos estar aqui, tentando entender a origem de tudo?
De onde vieram o Sol, a Lua e as estrelas? E nós, habitantes de um planeta tão
pequeno diante da imensidão do Universo? Como foi que nós surgimos e hoje
podemos estar aqui, tentando entender a origem de tudo? O nascimento das
estrelas é o nosso assunto de hoje.
Berçários cósmicos
Uma das descobertas mais bonitas da Ciência moderna é de que tudo o que
existe na Terra, na Lua e nos outros planetas foi gerado nas estrelas. As pedras,
os metais, o carbono dos seres vivos, o oxigênio que a gente respira, tudo. É por
isso que somos todos "poeira das estrelas". Mas como isso aconteceu?
No vídeo:
 resfriamento de universo
 O nascimento das estrelas
 formação dos elementos químicos
 número de estrelas
 fusão nuclear, bomba atômica
 fissão nuclear, bomba de hidrogênio
De onde vieram o Sol, a Lua e as estrelas? E nós, habitantes de um planeta tão pequeno diante da imensidão do
Universo? Como foi que nós surgimos e hoje podemos estar aqui, tentando entender a origem de tudo? Domingo
passado, a série Poeira das Estrelas terminou de contar a história de uma das descobertas mais importantes de todos
os tempos: a origem do Universo. De acordo com a teoria mais aceita pela ciência, o Universo surgiu há 13,7 bilhões de
anos. Esse é o modelo do Big Bang: a história moderna da criação. Foi depois dessa grande explosão que surgiu tudo o
que existe no Universo, inclusive o tempo. Nesse momento, o relógio começou a bater. Mas essa é apenas uma parte
da história. Uma das descobertas mais bonitas da Ciência moderna é de que tudo o que existe na Terra, na Lua e nos
outros planetas foi gerado nas estrelas. As pedras, os metais, o carbono dos seres vivos, o oxigênio que a gente
respira, tudo. É por isso que somos todos "poeira das estrelas". Mas como isso aconteceu? De onde vieram o Sol, a Lua
e as estrelas? E nós, habitantes de um planeta tão pequeno diante da imensidão do Universo? Como foi que nós
surgimos e hoje podemos estar aqui, tentando entender a origem de tudo? O nascimento das estrelas é o nosso
assunto de hoje. Berçários cósmicos Imediatamente após o Big Bang, tudo o que existia era uma sopa muito quente de
partículas chamadas elétrons, quarks e glúons. Aos poucos, essa matéria começou a esfriar. Para começar a entender,
pense numa fundição: um lugar onde metais são derretidos para assumir novas formas. O ouro, um dos metais mais
nobres, é líquido a uma temperatura de pouco mais de 1000ºC. Nessas condições, não tem forma fixa. Mas quando se
resfria, pode tomar a forma de barras. Com o Universo, foi parecido. Quatrocentos mil anos depois do Big Bang, a
matéria já estava fria o suficiente para começar a se agrupar e formar os primeiros elementos: o hidrogênio, que pode
ser encontrado na água, e o hélio, o gás que é usado para encher balões. Estrelas como o Sol brilham durante bilhões
de anos, gerando luz e calor. Mas, um dia, elas também entram em colapso e morrem. É durante esse fim da vida das
estrelas que são formados os outros elementos da natureza, além do hidrogênio e do hélio: o carbono, que está em
todos os seres vivos -- no carvão mineral, nos diamantes --, o cálcio dos nossos ossos, o ferro. Tudo isso nasceu nas
estrelas. Formaram-se, então, gigantescas nuvens compostas principalmente de hidrogênio. Durante quase 1 bilhão de
anos, isso foi tudo o que existiu no Universo. Ondas de choque do Big Bang ainda ecoavam. A matéria girava, como
numa dança cósmica. Mas chegou um momento em que as nuvens de hidrogênio sucumbiram ao próprio peso e
entraram em colapso. A matéria foi ficando cada vez mais quente e densa. E, então, algo incrível aconteceu: nasceram
as primeiras estrelas. O nosso Sol é uma estrela, e surgiu há cerca de 4,5 bilhões de anos. Você já parou para pensar
para onde vão as estrelas durante o dia? Elas não vão para lugar nenhum. Elas estão aí. Só que elas estão ofuscadas
pela luz do Sol. E em todo o Universo conhecido pelo homem existem 70 sextilhões de estrelas. Ou seja:
70.000.000.000.000.000.000.000. Se lembrarmos que todas as estrelas visíveis no céu não passam de 3 mil, podemos
ter uma idéia da imensidão do Universo. Quando a noite cai, e o céu está limpo, podemos contar as estrelas visíveis:
por incrível que pareça, não conseguimos enxergar mais do que 3 mil. Mas, para se ter uma idéia de como o Universo é
grande, só na nossa galáxia, a Via Láctea, existem pelo menos 200 bilhões de estrelas.

08-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 08 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?


v=VmaFkPW1CP8) 08-A CRATERA DE UM VULCÃO AVITO - 08.10.2006
A CRATERA DE UM VULCÃO ATIVO
Poeira das Estrelas - Parte 08 - programa Fantástico - TV Globo
O Fantástico agora convida você para fazer uma viagem no tempo: vamos
conhecer um lugar igualzinho ao nosso planeta de 4,5 milhões de anos atrás.
No vídeo:
 vulcões
 nosso planeta há 4,5 milhões de anos
 a formação da Terra
 Pangéia
O Fantástico agora convida você para fazer uma viagem no tempo: vamos conhecer um lugar igualzinho ao nosso
planeta de 4,5 milhões de anos atrás. O Fantástico agora convida você para fazer uma viagem no tempo: vamos
conhecer um lugar igualzinho ao nosso planeta de 4,5 milhões de anos atrás. África e Brasil. Duas terras separadas por
um oceano gigante, o Atlântico. Dois lugares distantes, mas com tanta coisa em comum. Nossos povos, nossa música e
as tradições. África e Brasil têm ligações profundas, bem mais antigas do que muita gente imagina. Você já notou que,
se recortarmos os mapas, África e Brasil se encaixam perfeitamente, como se fossem irmãos separados pelo tempo?
Qualquer semelhança não é mera coincidência. A formação do nosso planeta é o tema do capítulo de hoje. Domingo
passado, Poeira das Estrelas contou a história do nascimento do sol, a estrela que dá luz, calor e energia para todos os
seres vivos. Muito tempo atrás, o mundo era o próprio inferno. Um planeta ainda em formação. A superfície era toda
líquida, não de água, mas de rocha incandescente e atmosfera de gases sufocantes. Cerca de 4,5 bilhões de anos
atrás, ao mesmo tempo em que surgiu o sol, formaram-se os planetas do nosso sistema solar, como a Terra. Mas a
Terra naquele tempo era bem diferente do que estamos acostumados a ver hoje: Terra vista do espaço, seres vivos,
água, continentes, um planeta azul, 70% coberto de água, 30% de terra firme distribuída em continentes definidos e
milhões de espécies vivas. Se pudéssemos viajar no tempo e ver como era a Terra no começo, as imagens não seriam
muito diferentes dessas, que mostram os períodos de atividade mais intensa do Kilauea. Partes da terra permanecem
desse jeito até hoje: são os vulcões. Vulcões ativos nos remetem diretamente à infância da Terra. É como fazer uma
viagem ao passado, mais precisamente 4,5 bilhões de anos atrás, quando a Terra, os planetas e o sol tinham acabado
de nascer. O vulcão Kilauea fica na ilha que dá nome ao arquipélago do Havaí. Nesta parte da Terra, existem tantos
vulcões que a região é chamada de Círculo de Fogo do Pacífico. Mas nenhum é tão ativo quanto o Kilauea. Ele entrou
em erupção em janeiro de 1983. E não parou mais. Sobrevoando o Kilauea, dá pra ver nitidamente como a lava
expelida pelo vulcão se resfria em contato com a água do mar, se solidifica e faz aumentar o tamanho da ilha. No início,
era o caos. A Terra era uma bola incandescente de metais e rochas liquidas. A atmosfera, uma massa de gás ultra-
aquecida. Era como se mergulhássemos dentro da cratera de um vulcão. Durante os primeiros 700 milhões de anos, a
Terra era assim, como um vulcão gigante. A especialidade de um vulcão é cuspir lava. A lava é pedra líquida. Ela é
ejetada das profundezas da terra. Mais ou menos 100 quilômetros de profundidade. Isso não é nada quando comparado
com o centro da Terra, que fica a 6,5 mil quilômetros de profundidade. Aos poucos, a lava se resfria e fica sólida. Foi
isso o que aconteceu com a Terra em sua infância. Só que para a superfície da Terra ficar sólida, se passaram 600
milhões de anos. No nosso planeta é assim. Em lugares onde não há nada além de mar aberto, pode surgir uma ilha,
desde que seja uma região de atividade vulcânica.

09-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 09 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?v=4XwLtY-NtRs)


09-A INFÂNCIA VIOLENTA DA TERRA - 15.10.2006
A INFÂNCIA VIOLENTA DA TERRA
Poeira das Estrelas - Parte 09 - programa Fantástico - TV Globo
Você pode até não acreditar, mas o nosso planeta já foi um lugar muito mais
perigoso para se viver. E, se hoje estamos vivos para contar essa história,
devemos muito à sorte.
No vídeO:
 infância da Terra
 bombardeio de asteróides
 formação da Lua
O físico Marcelo Gleiser vai contar a incrível história do nascimento da nossa companheira inseparável: a Lua. A série
"Poeira das estrelas" chega hoje ao deserto do Arizona, um lugar que já foi testemunha do passado violento do nosso
planeta. O físico Marcelo Gleiser vai contar a incrível história do nascimento da nossa companheira inseparável: a Lua.
Você pode até não acreditar, mas o nosso planeta já foi um lugar muito mais perigoso para se viver. E, se hoje estamos
vivos para contar essa história, devemos muito à sorte. A infância violenta da Terra é o tema do capítulo de hoje. Desde
então, essa é a imagem que temos da Terra: um planeta azul, coberto de nuvens, flutuando calmamente na imensidão
do espaço. Mas nem sempre foi assim. Depois que o primeiro homem foi ao espaço, em 1961, descobrimos algo
incrível sobre o nosso planeta: "A Terra é azul". Foi o que disse o cosmonauta soviético Iuri Gagarin, ao retornar da
primeira viagem orbital tripulada. Muito tempo atrás, há quatro bilhões e meio de anos, logo depois da formação do
sistema solar, a Terra vivia sob um intenso bombardeio de asteróides. Rochas de todos os tamanhos caíam
constantemente sobre o nosso planeta. Na Terra, justamente por causa da erosão, são poucas as crateras que ainda
são visíveis. A mais famosa é a cratera de Barringer, no Arizona. Ela é tão sensacional que vale a pena ver de cima.
Para isso, nada melhor do que ir de balão. Por causa da erosão e do tempo, os vestígios desse período desapareceram
quase todos - quase. O deserto do Arizona, Estados Unidos, é a melhor testemunha que existe do passado violento da
Terra. Lá, fica a maior cratera visível do nosso planeta, provocada pela queda de um asteróide. É tão grande que só há
uma maneira de vê-la por inteiro: do alto, de balão. Pouco mais de 5h é a hora ideal para um vôo de balão. Bem cedo,
os ventos são mais favoráveis, e a luz do sol é a melhor possível para as filmagens. De cima, podemos ver toda a
beleza da cratera de Barringer. Ela tem esse nome por causa do geólogo americano Daniel Barringer. Ele comprou as
terras na esperança de que restos do asteróide que caiu contivessem ouro ou outros metais preciosos. O resultado:
uma cratera de dois quilômetros de extensão e 20 campos de futebol e 200 metros de profundidade. Se esse meteorito
tivesse caído em uma cidade grande, como o Rio de Janeiro ou em São Paulo, milhões de pessoas teriam morrido. E
olha que esse era um dos pequenos... Estava errado. Sobrou muito pouca coisa do asteróide. O que restou mesmo foi
uma cratera gigante, que ainda está aqui por um motivo: essa cratera pode ser vista porque ela é bem recente. Foi
formada há 50 mil anos, quando um meteorito de cerca de 50 metros de diâmetro caiu no local. Recente, claro, em
termos históricos. Cinqüenta mil anos atrás, nossos antepassados ainda viviam nas cavernas. Os cientistas que
estudaram a cratera acreditam que o meteorito caiu a uma velocidade de 40 mil quilômetros por hora. O impacto liberou
energia comparável à explosão de uma bomba de hidrogênio, a arma de destruição em massa mais poderosa que
existe. O terreno onde fica a cratera de Barringer hoje é propriedade particular. Essa foi a primeira vez que seus donos
autorizaram um vôo de balão pelo local. Quando estávamos quase pousando, o piloto avisa que a aterrissagem vai ser
complicada porque o vento está forte. Opa! Nada grave para balonistas de primeira viagem.

10-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 10 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?v=U6yZTlc-nJQ)


10-ORIGEM DA VIDA - 22.10.2006
ORIGEM DA VIDA
Poeira das Estrelas - Parte 10 - programa Fantástico - TV Globo
Será possível que os primeiros organismos vivos tenham chegado ao nosso
planeta de carona num asteróide?
A busca pela origem do Universo é apenas uma das muitas dúvidas existenciais
que já nos fizeram perder noites de sono. Se hoje aceitamos a teoria do Big
Bang como a versão da Ciência para o princípio de tudo, ainda esperamos por
respostas para muitas outras perguntas.
A Terra é um planeta cheio de vida. É impressionante a variedade de animais
que vemos vê na terra, no mar, no ar. Quem é que nunca se perguntou de onde
veio isso tudo? De onde surgiu a vida e quando?
Vida é uma dessas coisas que é mais fácil identificar do que explicar. Até hoje,
não existe uma definição única para vida. Mas sabemos que:
- seres vivos interagem com o mundo à sua volta, absorvendo nutrientes e
energia;
- seres vivos crescem e se reproduzem;
- ao se reproduzir, passam suas características de geração para geração;
- características podem mudar acidentalmente. Essas mudanças são as mutações
genéticas. São elas que permitem que seres vivos se adaptem a ambientes
novos.
Portanto, a vida está ligada à transformação e à reprodução. Mas, se olharmos à
nossa volta, e procurarmos pelo que existe de mais antigo na história da Terra,
encontraremos matéria sem vida. Pedras são feitas de minerais, como o silício e
o quartzo, que compõem a areia da praia. Água é feita de hidrogênio e oxigênio.
Nada disso é vivo. Como, então, que num passado distante, durante a infância
da Terra, essa matéria se agrupou e veio a dar origem a seres vivos? Essa
passagem do inanimado ao animado é o grande mistério da origem da vida.
No vídeo:
 origem da vida
 experiência de Miller
 origem dos aminoácidos
 teoria da evolução de Charles Darwin
O físico Marcelo Gleiser vai em busca da explicação científica para a origem da vida na Terra. Será possível que os
primeiros organismos vivos tenham chegado ao nosso planeta de carona num asteróide? A busca pela origem do
Universo é apenas uma das muitas dúvidas existenciais que já nos fizeram perder noites de sono. Se hoje aceitamos a
teoria do Big Bang como a versão da Ciência para o princípio de tudo, ainda esperamos por respostas para muitas
outras perguntas. Uma das que mais tem intrigado cientistas ao longo dos tempos é o tema do capítulo deste domingo.
A Terra é um planeta cheio de vida. É impressionante a variedade de animais que vemos vê na terra, no mar, no ar.
Quem é que nunca se perguntou de onde veio isso tudo? De onde surgiu a vida e quando? Vida é uma dessas coisas
que é mais fácil identificar do que explicar. Até hoje, não existe uma definição única para vida. Mas sabemos que:
Portanto, a vida está ligada à transformação e à reprodução. Mas, se olharmos à nossa volta, e procurarmos pelo que
existe de mais antigo na história da Terra, encontraremos matéria sem vida. Pedras são feitas de minerais, como o
silício e o quartzo, que compõem a areia da praia. Água é feita de hidrogênio e oxigênio. Nada disso é vivo. Como,
então, que num passado distante, durante a infância da Terra, essa matéria se agrupou e veio a dar origem a seres
vivos? Essa passagem do inanimado ao animado é o grande mistério da origem da vida. - seres vivos interagem com o
mundo à sua volta, absorvendo nutrientes e energia; - seres vivos crescem e se reproduzem; - ao se reproduzir, passam
suas características de geração para geração; - características podem mudar acidentalmente. Essas mudanças são as
mutações genéticas. São elas que permitem que seres vivos se adaptem a ambientes novos. Em 1953, um jovem
químico americano da Universidade de San Diego, nos Estados Unidos, tentou reproduzir em laboratório as condições
iniciais para a vida. Ele juntou compostos químicos que se acreditava existir na Terra primitiva com um ingrediente
fundamental: eletricidade. O cientista é Stanley Miller, hoje com 76 anos, e muita dificuldade para falar por causa das
seqüelas de um derrame. "Frankenstein", clássico da literatura tantas vezes adaptado para o cinema, conta a história do
médico louco que queria dar vida a um cadáver usando eletricidade. A ciência moderna mostrou que o doutor
Frankenstein não era tão louco assim. O resultado da experiência foi surpreendente. A corrente elétrica fez com que os
compostos se reagrupassem, dando origem a aminoácidos. Aminoácidos são compostos essenciais que existem em
todos os seres vivos. Vinte e dois aminoácidos compõem a matéria-prima da vida, o código da vida, presente em cada
célula de cada ser vivo: o DNA. Marcelo Gleiser pergunta a Stanley Miller o que ele pôs dentro dos tubos que
simulavam a atmosfera primitiva da Terra. Ele conta que misturou água, hidrogênio, amônia, gás metano e gás
carbônico. Era o que existia em abundância nos primórdios do nosso planeta. Apenas matéria inorgânica. Stanley Miller
imaginou um mundo primitivo com tempestades elétricas constantes. Por isso, aplicou uma corrente elétrica à mistura.
Com essa experiência, Stanley Miller demonstrou que é possível, no laboratório, formar as moléculas que compõem
todos os seres vivos. O químico inglês Leslie Orgel, do Instituto Salk, também em San Diego, é um dos maiores
especialistas do mundo em origem da vida. Ele diz que, graças à experiência pioneira de Stanley Miller, hoje cientistas
são capazes de reproduzir em laboratório -- senão todos -- os mais importantes aminoácidos. Mas Leslie Orgel lembra
que ainda há muito por explicar.

11-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 11 - FANTASTICO - GLOBO (https://www.youtube.com/watch?v=JoPxBqlBPtU)


11-EM BUSCA DE NOVOS MUNDOS - 29.10.2006
EM BUSCA DE NOVOS MUNDOS
Poeira das Estrelas - Parte 11 - programa Fantástico - TV Globo
Desde que o italiano Galileu Galilei teve a idéia de apontar seu telescópio para
o céu, no século 17, a astronomia evoluiu muito. Nos tempos de Galileu, as
lentes mal eram capazes de enxergar todos os planetas do nosso Sistema Solar.
Hoje, telescópios gigantes estão descobrindo novos mundos, bem longe de nós.
Esses observatórios privilegiados ficam no alto de um vulcão extinto no Havaí.
De nada adianta ter lentes poderosas, capazes de enxergar longe, se o tempo não
colabora. Em noites de céu nublado, astrônomos não têm o que fazer. Por isso,
desde o início do século passado, cientistas começaram a montar telescópios em
montanhas cada vez mais altas.
De observatórios os astrônomos podem testemunhar o nascimento e a morte de
estrelas, a muitos bilhões de anos-luz da Terra.
Um ano-luz é a distância que a luz leva um ano para percorrer. Como a luz viaja
a 300 mil quilômetros por segundo, dá para entender que estamos falando de
objetos muito, mas muito distantes da Terra.
No vídeo:
 telescópios cada vez mais altos
 observando o passado do Sol
 novos mundos: planetas extra-solares
Do alto de um vulcão extinto no Havaí, cientistas olham para o céu e descobrem novos mundos bem longe de nós. É lá
que ficam os maiores telescópios da Terra: cenário de hoje da série "Poeira das Estrelas", com o físico Marcelo Gleiser.
Desde que o italiano Galileu Galilei teve a idéia de apontar seu telescópio para o céu, no século 17, a astronomia
evoluiu muito. Nos tempos de Galileu, as lentes mal eram capazes de enxergar todos os planetas do nosso Sistema
Solar. De nada adianta ter lentes poderosas, capazes de enxergar longe, se o tempo não colabora. Em noites de céu
nublado, astrônomos não têm o que fazer. Por isso, desde o início do século passado, cientistas começaram a montar
telescópios em montanhas cada vez mais altas. Hoje, telescópios gigantes estão descobrindo novos mundos, bem
longe de nós. Esses observatórios privilegiados ficam no alto de um vulcão extinto no Havaí. É o cenário do capítulo
deste domingo. Os maiores observatórios do mundo, hoje, ficam no topo do Monte Mauna Kea, no Havaí, a 4,2 mil
metros de altitude. Apenas 10% do vapor que existe na atmosfera da Terra se encontra a essa altura. E olha que as
nuvens nem são o único obstáculo. Isso porque a atmosfera da Terra bloqueia a luz que vem das estrelas e de outros
objetos celestes. Portanto, quanto mais alto você estiver, menos interferência da atmosfera e mais clara a imagem que
a gente pode construir dos céus. Quem pensa em Havaí, lembra logo de praia e mar. Mas a partir de certa altitude, a
paisagem do Mauna Kea fica bem diferente do Havaí de cartão postal. A cerca de 3 mil metros de altura, a vegetação já
vai morrendo porque não tem oxigênio suficiente para as plantas. Só quando se chega ao topo é que se entende porque
os nativos do Havaí deram esse nome à montanha: Mauna Kea quer dizer "Monte Branco". No dia da nossa chegada, o
Mauna Kea estava totalmente coberto de neve. A montanha é a casa do Observatório Gemini. O Mauna Kea é um
vulcão considerado extinto porque sua última erupção aconteceu 2400 anos antes de Cristo. A montanha tem uma
característica muito interessante: ela é a maior do mundo se for medida da base ao topo. A base do Mauna Kea fica nas
profundezas do Oceano Pacífico, quase 6 mil metros abaixo do nível do mar. Se somarmos essa medida aos 4,2 mil
metros que são visíveis do lado de fora, o total é de 10,2 mil metros, mais até que o Monte Everest, o ponto culminante
da Terra, que tem 8.850 metros. O Observatório Gemini tem esse nome porque é composto de dois telescópios que são
irmãos gêmeos. Um fica no Havaí, o outro, igualzinho, fica no Chile, na Cordilheira dos Andes, mas a uma altitude
menor. Um ano-luz é a distância que a luz leva um ano para percorrer. Como a luz viaja a 300 mil quilômetros por
segundo, dá para entender que estamos falando de objetos muito, mas muito distantes da Terra. "Esse é um telescópio
de verdade. Um espelho de 8,3 metros", conta o astrônomo Scott Fisher, o anfitrião nessa visita. Fisher explica que o
espelho, a parte do telescópio que capta as imagens, tem 8,3 metros, mas que a estrutura toda tem 30 metros, a
mesma altura da estátua do Cristo Redentor. Fisher lembra que o Gemini pertence a um consórcio internacional. "O
Brasil é um dos sete países parceiros do Gemini. Do total, 8% do tempo de observação é exclusivo de astrônomos
brasileiros", explica Fish. Qualquer que seja a nacionalidade, os astrônomos que usam o Gemini estão fazendo
descobertas importantes sobre o universo. Do observatório eles podem testemunhar o nascimento e a morte de
estrelas, a muitos bilhões de anos-luz da Terra.

12-POEIRA DAS ESTRELAS - PARTE 12 - FANTASTICO - GLOBO - PFINAL (https://www.youtube.com/watch?


v=hw2wUkrMsx4) 12-A REALIDADE SOBRE OS ETs 05.11.2006
A REALIDADE SOBRE OS ETs
Poeira das Estrelas - Parte 12 - programa Fantástico - TV Globo
Vivemos em um planeta nem muito grande, nem muito pequeno, que gira em
torno de uma estrela, o Sol. O Sol é apenas uma das cerca de 300 bilhões de
estrelas que compõem a nossa galáxia, a Via Láctea. E a Via Láctea é apenas
uma das bilhões de galáxias que existem no universo conhecido.
Será que estamos sozinhos? Não é muita pretensão nossa acreditar que a Terra é
o único planeta com vida?
No vídeo:
 Frank Drake
 Seti
 evidências de vida em outros planetas
 ufologia
 astrobiologia
No último episódio da série, o físico Marcelo Gleiser revela o que cientistas têm a dizer sobre um enigma que há
séculos desperta a curiosidade: afinal, existe vida extraterrestre? Neste domingo, no último episódio da série "Poeira
das Estrelas", o físico Marcelo Gleiser revela o que os cientistas têm a dizer sobre um enigma que há séculos desperta
a curiosidade do mundo: afinal, existe vida extraterrestre? Vivemos em um planeta nem muito grande, nem muito
pequeno, que gira em torno de uma estrela, o Sol. O Sol é apenas uma das cerca de 300 bilhões de estrelas que
compõem a nossa galáxia, a Via Láctea. E a Via Láctea é apenas uma das bilhões de galáxias que existem no universo
conhecido. Será que estamos sozinhos? Não é muita pretensão nossa acreditar que a Terra é o único planeta com
vida? A busca por vida extraterrestre é o tema do último capítulo de "Poeira das Estrelas". Em 1938, às vésperas da
Segunda Guerra Mundial, era em torno do rádio que as famílias americanas se reuniam para saber das últimas notícias
e ouvir as radionovelas. No dia 30 de outubro daquele ano, um programa espalhou o pânico entre os ouvintes. Ao vivo,
um locutor informava que marcianos estavam invadindo a Terra. Era o ator Orson Welles encenando uma peça
chamada "A guerra dos mundos". Boa parte dos ouvintes perdeu o início da transmissão, em que Welles avisava se
tratar de uma obra de ficção. O episódio serviu para mostrar que o tema "vida extraterrestre" mexia com a imaginação
do público. Hollywood gostou da notícia. Quantos filmes já não foram feitos explorando a possibilidade de vida em
Marte, o "Planeta Vermelho"? Em geral, com homenzinhos verdes, com péssimas intenções em relação à Terra. Mas,
deixando Hollywood de lado, existe ou não vida fora da Terra? O que a ciência tem a dizer sobre isso? A verdade é que
ninguém sabe. Mas você já reparou em uma coisa? Quase todos os seres de outros planetas que vemos na mídia - do
E.T. bonzinho de Steven Spielberg, passando pelo bizarro E.T. de Varginha, até à autópsia fajuta de um E.T. que teria
sido capturado pelo Exército Americano -, todos eles têm algo em comum: formas humanóides. Dois olhos, um nariz
logo abaixo, e uma boca sob o nariz. "Uma coisa que podemos saber com certeza é que se os extraterrestres existirem,
eles certamente não serão nem um pouco parecidos com a gente", afirma o astrônomo americano Frank Drake. Ele é
fundador do Seti, o instituto que conduz as principais pesquisas sobre vida inteligente fora da Terra.

Make Google view image button visible again: https://goo.gl/DYGbub