Você está na página 1de 2

AVALIAÇÃO HISTÓRIA 3° ANO

(1º) Os últimos 19 anos de vida do Império Brasileiro correspondem, historicamente, à fase de


decadência política do sistema instaurado em 1822 e que chegara a seu auge em 1850-60.
Dentre os inúmeros fatos políticos que demonstram essa situação de declínio, merecem
destaque especial dois deles, não apenas pelas intensas repercussões que tiveram mas,
principalmente, por ajudar a demolir as já instáveis bases de sustentação da monarquia. Trata-
se das chamadas:
a) “Questões” Christie e Religiosa;
b) “Questões” queremista e civilista;
c) “Questões” religiosa e militar;
d) “Salvações” militar e eleitoral;
e) “Revoltas” de Beckman e da Chibata
(2º) Sobre o contexto histórico responsável pela proclamação da República NÃO se inclui:
a) a insatisfação dos setores escravocratas com o governo monárquico após a Lei Áurea.
b) a ascensão do exército após a Guerra do Paraguai, passando a exigir um papel na vida
política do país.
c) a perda de prestígio do governo imperial junto ao clero, após a questão religiosa.
d) a oposição de grupos médios urbanos e fazendeiros do oeste paulista, defensores de maior
autonomia administrativa.
e) o alto grau de consciência e participação das massas urbanas em todo o processo da
proclamação da República.
(3º). A chamada “Política dos Governadores”, instituída a partir do governo de Campos Salles,
caracterizava-se por:
a) permitir que a escolha do Presidente da República fosse resultado de um consenso entre os
governadores e desta forma manter o grupo político no poder.
b) tornar os governadores um mero instrumento do poder do Presidente da República e impedir
a formação de novas lideranças contrárias ao governo federal;
c) acordo político que consistia na troca de favores entre os governos federal, estadual e
municipal para manter os grupos políticos no poder.
d) tornar os governadores representantes de um federalismo liberal e democrático com objetivo
de renovar as lideranças políticas;
e) promover, através dos governadores, a desarticulação das oligarquias locais e promover a
renovação dos grupos políticos e lideranças locais.
(4º) O que foi a política do café-com-leite?

____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
____________________________________________________________________________
(5º). O coronelismo foi uma peça importante da perversa engrenagem que impedia a
representatividade política da maioria da população, principalmente a parcela da sociedade
mais carente. Podemos definir o coronelismo como:
a)Sistema de poder cujo grupo político que alternava-se no poder federal como forma de
garantir a manutenção dos privilégios aos seus respectivos Estados.
b)Sistema de poder que consistia na troca de favores entre o poder estadual e municipal a fim
de garantir seus interesses políticos utilizando práticas fraudulentas para vencer as eleições.
c)Sistema de poder no qual o coronel era uma peça secundária e sua participação era ofuscada
pela Comissão de Verificação, pois na prática era esta quem declarava os candidatos eleitos.
d)Sistema de poder baseado no coronel o líder político local, grande proprietário de terras que
usava jagunços para formar os currais eleitorais, através de práticas de intimidação ao eleitor.
e)Sistema de poder político que arregimentava grande número de seguidores a partir de suas
pregações religiosas que convenciam os mais pobres a se submeterem ao seu controle.
(6º). "Não é por acaso que as autoridades brasileiras recebem o aplauso unânime das
autoridades internacionais das grandes potências, pela energia implacável e eficaz de sua
política saneadora das epidemias [...]. O mesmo se dá com a repressão dos movimentos
populares de Canudos e do Contestado, que no contexto rural [...] significavam praticamente o
mesmo que a Revolta da Vacina no contexto urbano". Nicolau Sevcenko. A revolta da vacina.
De acordo com o texto, a Revolta da Vacina, o movimento de Canudos e o do Contestado
foram vistos internacionalmente como MOVIMENTOS :
a) provocados pelo êxodo maciço de populações saídas do campo rumo às cidades logo após a
abolição.
b) retrógrados, pois as agitações provocadas por estes movimentos populares dificultavam a
modernização do país.
c) decorrentes da política sanitarista de Oswaldo Cruz.
d) indícios de que a escravidão e o império chegavam ao fim para dar lugar ao trabalho livre e à
república.
e) conservadores, porque ameaçavam o avanço do capital norte-americano no Brasil.
(7º). Sobre o Tenentismo no Brasil durante a Primeira República (1889-1930) é correto dizer:
A) Foi um grupo formado por jovens militares com o objetivo de instalar um regime comunista
no Brasil.
B) Representou um grupo de oligarquias cafeeiras que primavam pela continuidade do trabalho
escravo no Brasil.
C) Foi um movimento constituído por jovens tenentes do exército que realizaram várias
manifestações contrárias ao governo das oligarquias durante a Primeira República no Brasil.
D) Constitui-se por jovens militares durante os anos de 1920 e 1930, com a prioridade de
continuar com a política de café-com-leite no cenário político nacional.
(8º) Entre os fatores que ocasionaram a crise de 1929 nos EUA destaca(m)-se:
a) o protecionismo rígido, a escassez de crédito bancário e a superprodução.
b) a saturação do mercado, a crise na agricultura e o crash da bolsa de Nova York.
c) a superprodução, a saturação do mercado e a expansão desmedida do crédito bancário.
d) a adoção de programas de construção de obras financiadas pelo Estado para minorar o
desemprego.
e) a excessiva oferta de terras e o protecionismo rígido.
(9º) Façamos a revolução antes que o povo a faça.” A frase, atribuída ao governador de Minas
Gerais Antônio Carlos de Andrada, deixa entrever a ideologia política da Revolução de 1930,
promovida pelos interesses:
a) da burguesia cafeicultora de São Paulo, com vistas à valorização do café.
b) do operariado, com o objetivo de aprofundar a industrialização.
c) dos partidos de direita fascista, no intuito de estabelecer um Estado forte.
d) das oligarquias dissidentes, aliadas ao tenentismo pela reforma do Estado.
e) da burguesia industrial, na busca de uma política de livre iniciativa.