Você está na página 1de 30

ANATOMIA

DA BICICLETA

COMO ENTENDER
MELHOR
A SUA BIKE

Bruno Uehara
@ueharacc
ANATOMIA
DA BICICLETA

COMO ENTENDER
MELHOR
A SUA BIKE

Textos e ilustrações: Bruno Uehara / @ueharacc


Fotografias: Renan Bossi / @renanbossi
SUMÁRIO

AGRADECIMENTOS 4
SOBRE O AUTOR 6
SOBRE O MANUAL 8
A BICICLETA 9
QUADRO E GARFO 11
RODAS 13
DIREÇÃO 15
FREIOS 17
TRANSMISSÃO 19
CÂMBIO 21
CANOTE E SELIM 23
CABOS E CONDUÍTES 25
BÔNUS 27
AGRADECIMENTOS
Anatomia da Bicicleta / 4
Como entender melhor a sua bike

Antes de mais nada, quero te agradecer


por participar desta iniciativa. Sem a sua
contribuição, este manual não teria sido
possível. Obrigado a você e a cada uma das
centenas de pessoas que responderam ao
formulário e colaboraram para tornar este
projeto realidade!
Essas ferramentas que você vê aí na
parede são o melhor presente que ganhei
na vida e por trás delas há uma história que
vale a pena contar. Tudo começou em 2015,
quando me acidentei ao ser perseguido
por um motorista de carro inconsequente
enquanto eu andava de bicicleta. Isso me
custou três dentes e um lento processo de
recuperação. Com o dinheiro gasto nos
implantes, tive que deixar de lado a ideia de
investir na compra do kit de ferramentas da
Park Tool que tanto queria. Isso me deixou
extremamente desapontado, pois estava
ansioso para começar a aplicar tudo o que
estava aprendendo sobre mecânica por conta
própria.
Comovido com a minha história, um casal
de amigos teve a ideia de fazer uma vaquinha
para comprar o tal kit de ferramentas. Meus
amigos e familiares sabiam da minha paixão
pelas bikes e se uniram para que o meu
sonho virasse realidade. Recebi a caixa da
Park Tool em uma grande festa surpresa,
ocasião em que os participantes da vaquinha
celebraram, junto comigo, essa grande
Anatomia da Bicicleta / 5
Como entender melhor a sua bike

conquista. Fiquei sem reação. E até hoje fico


admirado só de lembrar como esse presente
deflagrou uma das maiores transformações
na minha vida: no mesmo ano em que ganhei
as ferramentas, decidi abandonar o meu
trabalho como designer gráfico no maior
festival de arte da América Latina para
trabalhar apenas com bicicletas.
Ao Grande Atman, agradeço por ter
permitido que a minha única perda no
acidente tenham sido três dentes!
Ao Renan Bossi, meu muitíssimo obrigado
pelas belas fotografias.
Aos meus pais e irmãos, a eterna gratidão
por sempre terem apoiado as minhas
escolhas.
À Ana, pela companhia, pelo amor
incondicional, pela paciência e pelo apoio
gigantesco em todas as decisões que tenho
tomado nesta jornada.
E, finalmente, um salve mais que especial
para o João Paulo. Sem esse cara eu ainda
estaria perdendo tempo com suposições.
Obrigado por tudo.
SOBRE O AUTOR
Anatomia da Bicicleta / 6
Como entender melhor a sua bike

Meu nome é Bruno Uehara. Nasci em San Japonesa de Ciclismo). A experiência foi “Eu amo o trabalho criativo e as
Martín, na província de Buenos Aires, indescritível. Voltei ao Brasil super inspirado bicicletas. Este manual é fruto da
Argentina, em 1987. Cheguei ao Brasil, com e com uma bicicleta feita por mim na mala. combinação de ambas paixões e
meus pais e irmãos, no final de 1994. Hoje, Foi o primeiro sinal de que a minha vida do desejo de compartilhar isso
moro em São Paulo, e meu desejo é viver em profissional iria mudar radicalmente. com o mundo”
um mundo rodeado de bicicletas, em uma No ano seguinte, estudei na Escola Park
cidade com cada vez mais ciclistas. Tool, onde me formei mecânico profissional
Sou formado em arquitetura e urbanismo de bicicletas. Estudar mecânica foi tão
pela fauusp e sempre quis desenvolver o
trabalho criativo. Pude concretizar esse
desejo em diversas áreas: na arquitetura, na
ilustração, nas histórias em quadrinhos, no
mobiliário, no design gráfico, na pintura.
Todas essas experiências foram estimulantes,
mas o trabalho com bicicletas foi o único que
me conquistou permanentemente: ele abarca
várias coisas com as quais me importo,
tais como mobilidade, design, construção,
geometria, mecânica, estética, esporte, saúde,
estilo de vida, criatividade, expressão...
já pensei muito nisso e concluí que não
existe nenhum ponto negativo que me faça
desgostar da magrela!
Em 2014, tirei férias e fui até o Colorado,
nos eua, estudar framebuilding. Aprendi
a projetar e construir quadros, garfos e
mesas de bicicleta com Koichi Yamaguchi,
um dos mais notáveis profissionais de sua
área (ele foi master framebuilder da seleção
olímpica de ciclismo dos Estados Unidos e
também produziu mais de 5000 quadros de
bicicleta sob a chancela da njs – Associação
Anatomia da Bicicleta / 7
Como entender melhor a sua bike

arrebatador que dois meses depois pedi Copa Internacional de MTB em Araxá, Minas importância da comunidade, do encontro de
demissão, sem saber o que faria a seguir. Gerais. A minha primeira experiência no pessoas com interesses afins. Foi um alívio
Seja como for, a vida me surpreendeu e ofício das bicicletas apenas reforçou que perceber que não sou o único maluco das
fui contratado pela mesma escola que me deveria seguir este caminho. bicicletas [risos].
formou mecânico. Durante seis meses, Durante os dois anos seguintes, trabalhei Busco viver com praticidade e
trabalhei como instrutor de aulas e tive a em uma das bicicletarias mais bonitas e simplicidade. Montei uma oficina na
oportunidade de atuar como mecânico para relevantes de São Paulo, a Ciclo Urbano. garagem da minha casa, o que me possibilita
a equipe Focus XC Team Brasil durante a Conheci muita gente nova e compreendi a estabelecer outra relação com meus clientes
e atendê-los com mais calma e atenção, algo
que sempre busquei. Esse tipo de arranjo
permite a troca significativa de conhecimento
e o fortalecimento dos vínculos, algo tão
valioso e tão frágil numa cidade como São
Paulo.
Hoje dedico 100% do meu tempo ao que
faz sentido para mim e muito disso é ligado
às bicicletas. Trata-se de uma nova fase,
mas o desconhecido não é um empecilho:
muitas coisas boas virão pela frente, porque é
impossível fazer algo mediano quando se tem
paixão pelo ofício. A propósito, o presente
manual é justamente o primeiro produto
deste ciclo que se inaugura! Vamos ver de
que se trata?

Encontre-me nas redes:

@ueharacc
www.uehara.cc
bruno@uehara.cc
#ueharacc
SOBRE O MANUAL
Anatomia da Bicicleta / 8
Como entender melhor a sua bike

Preciso contar que apresentar este manual


para você é a realização de um sonho.
Sempre quis compartilhar o conhecimento
sobre bikes que tenho acumulado nos últimos
anos e poder disseminá-lo de forma gratuita
é fonte de grande satisfação para mim.

“Eu quero compartilhar


informações que ajudem o
ciclista a conseguir se virar com
conhecimentos básicos sobre as
bikes.”

Para entender o tipo de conteúdo que as


pessoas gostariam de ver no manual, fiz um
formulário no Google Forms e o compartilhei
pelo Facebook e pelo Instagram. Em pouco
tempo comecei a ter retorno, e fiquei
impressionado com o engajamento das
pessoas! Recebi muitas dicas, sugestões e
perguntas. Houve demandas relacionadas
a questões de ordem mais complexa, mas a
grande maioria estava buscando informações
mais básicas. É nisso que me concentrei e eis seu amigo ou sua amiga que está começando
que finalmente consegui finalizar e entregar a pedalar a entender mais sobre o universo
a vocês o manual básico da bicicleta! O nome das bikes!
mudou para “Anatomia da Bicicleta - Como O que aprendi é que o primeiro passo é
entender melhor a sua bike”. Para quem conhecer as peças que compõem a bicicleta,
está começando a pedalar, este manual enquanto o segundo, é começar a entender
apresentará muitas informações úteis. Para a função de cada uma delas. Bem simples,
quem já é experiente, vale revisar as dicas e certo? Comecemos, então, a revisar o nome e
compartilhá-las com outras pessoas: ajude função de cada componente.
Anatomia da Bicicleta / 9
Como entender melhor a sua bike
A BICICLETA
QUADRO E GARFO
QUADRO E GARFO
Anatomia da Bicicleta / Quadro e garfo 13

O que mais me chama a atenção pareados.


na bicicleta é a sua simplicidade: a À frente do quadro, no tubo da
estrutura é aparente e os mecanismos direção, é instalado o garfo, responsável
são expostos. Nesse sentido, qualquer pela direção da roda dianteira. Ele e
observador poderá notar que o quadro o quadro devem casar perfeitamente
e o garfo formam a principal estrutura para garantir uma boa geometria, que
da bicicleta. Neles são montadas as é o conjunto de ângulos e medidas
demais peças, como freios e rodas. que determinam o tamanho e o uso da
O quadro, tal como o conhecemos bicicleta.
hoje, consiste em um desenho chamado Um outro fator influente na bicicleta
top tube “quadro diamante” formado por dois é o material utilizado na fabricação
seat stays
triângulos principais, um dianteiro dessas peças. Os materiais mais
head tube
e um traseiro. O triângulo traseiro comuns são aço, alumínio, fibra de
pivôs consiste, na verdade, em dois triângulos carbono e titânio. Cada um destes
materiais possui características
chain stays
diferentes, que, somadas à geometria,
seat tube espiga do garfo resultam em diferentes respostas, como
conforto, rigidez, durabilidade, peso,
estabilidade, agilidade e velocidade da
bicicleta. Seja para competição, treino,
recreação, transporte ou trabalho, para
gancheira cada ciclista haverá um tipo de bicicleta
do câmbio pivôs mais adequado.
down tube Assim como na alfaiataria, também
existe a possibilidade de fazer quadros
garfo e garfos sob medida, com materiais,
tubo do geometrias e detalhes específicos para
movimento central
cada ciclista. O framebuilder, que é o
artesão de bicicletas, deve atender às
expectativas de cada ciclista e primar
gancheiras do garfo pelas características distintivas de seu
trabalho artístico.
RODAS
RODAS
Anatomia da Bicicleta / Rodas 15

aro As rodas são compostas de aro, raios checar se não há nenhum tipo de
freehub e cubo. O cubo é a peça central, folga ou “crocância” para evitar falhas
cubo submetida à rotação, que conecta a roda mecânicas futuras. O cubo da roda
ao quadro ou garfo. Ele é composto traseira possui um corpo catracado
pelo corpo do cubo, eixo e esferas (na chamado freehub, onde é instalado
ilustração ao lado são esferas, mas o o cassete, componente da relação da
blocagem sistema pode ser de rolamentos). bicicleta, do qual falarei mais adiante.
Sistemas de esferas requerem mais Normalmente os cubos possuem
molas da blocagem manutenção que os de rolamento, flanges perfuradas onde são fixados
mas para ambos os tipos é importante os raios que conectam o cubo ao aro
através de porcas chamadas nipples.
porca da blocagem
Os nipples são os responsáveis pela
pneu
tensão dos raios. Uma roda com raios
câmara excessivamente tensionados pode
fita de aro levá-los à ruptura. Raios com pouca
blocagem tensão ficam “soltos” e resultam em
uma roda flexível, frágil e suscetível a
desalinhamentos.
mola da blocagem Os aros recebem o pneu, a câmara
raios contra-porca
e a fita de aro. Esse sistema precisa
cônico
nipples guarda-pó ser compatível para garantir um
esferas funcionamento confiável e seguro.
A fita de aro é instalada na parte
interna do aro, impedindo que a
esferas
câmara, inflada e sob pressão, seja
guarda-pó corpo do cubo
eixo do cubo
perfurada pelos nipples ou pelas bordas
dos furos do aro.
Com o uso, as rodas estão sujeitas
cônico ao desalinhamento. Se isso acontece,
contra-porca estas ficam desbalanceadas e com
mola da blocagem
alguns raios mais folgados que outros, o
porca da blocagem válvula da câmara resultado é a quebra desses raios.
DIREÇÃO
DIREÇÃO
Anatomia da Bicicleta / Direção 17

parafuso da tampa
Existem diversos tipos de mesas,
tampa superior mesa
com comprimentos e ângulos variados.
parafusos tampa da mesa manopla
da mesa
Uma vez que o quadro e o garfo são
escolhidos, a mesa, em conjunto com o
caixa de direção

espaçadores guidão, serão responsáveis pelo ajuste


guidão
guarda-pó fino da postura do ciclista na bicicleta.
espaçador No guidão são instalados os comandos
anel de compressão manopla de frenagem (manetes de freio) e troca
rolamento superior de marchas (alavancas de câmbio ou
aranha do garfo trocadores trocadores). Em algumas mountain
de marcha
rolamento inferior bikes, poderão existir outros tipos de
pista do garfo comando, como o controle de sistemas
manetes de freio
de suspensão.
É importantíssimo que a direção
O controle da direção, quando esteja com a manutenção em dia. Os
aprendemos a andar de bicicleta, parafusos da mesa e da caixa de direção
é mais intuitivo que o movimento devem estar com o aperto correto para
das pedaladas, pois trata-se de um garantir que a peça não fique solta,
sistema muito simples e eficiente de mas também não pode estar apertada
transmissão direta, que garante ao demais, a ponto de estressar o parafuso,
garfo ciclista o controle para equilibrar-se e a mesa e a espiga do garfo. Esta área
manobrar a bicicleta. Ela é composta também está sujeita a folgas. Se a
pelo guidão, pela mesa, pela caixa de inspeção não é feita com regularidade,
direção e pelo garfo. a folga pode danificar os rolamentos
O guidão é a peça que controla a da caixa de direção e tornar a bicicleta
direção. A mesa une o guidão ao garfo, instável e perigosa.
que por sua vez é montado ao quadro Por fim, as manoplas são instaladas
através da caixa de direção. nas extremidades do guidão e são o
A caixa de direção deve seguir o apoio para as mãos, um dos três pontos
mesmo padrão do garfo, da mesa e de contato entre o ciclista e a bicicleta.
do quadro para garantir um sistema Os outros dois são os pedais e o selim,
eficiente e seguro. dos quais falarei mais adiante.
FREIOS
FREIOS
Anatomia da Bicicleta / Freios 19

freio mais populares pela simplicidade,


baixa manutenção, eficiência e preço. O
freio V-brake, como é chamado, requer
quadro e garfo com pivôs de freio para
manete esquerdo
a sua instalação.
ajustador do cabo
(esticador) Seu acionamento é feito através
dos manetes instalados no guidão,
ajustador do cabo responsáveis pela puxada do cabo,
(esticador) que desliza no interior do conduíte.
manete direito O conduíte funciona como um tubo
flexível por onde corre o cabo do freio.
A puxada do cabo faz com que os braços
do freio comprimam as sapatas de
suporte do guia freio contra o aro, realizando, assim, a
arruela de ancoragem do cabo frenagem.
parafuso de ancoragem do cabo É importante checar o nível de
guia do cabo desgaste das sapatas de freio de vez em
porca da sapata
quando, pois assim evita-se que o corpo

sapata de freio
arruelas da sapata
metálico que sustenta a sapata atinja
braços do v-brake suporte da sapata o aro; quando isto acontece, o atrito
sapata de freio (refil) entre metais devora a parede do aro,
podendo, às vezes, resultar em quebra.
Os freios de aro requerem que a roda
parafuso de ajuste parafuso do pivô esteja alinhada para um funcionamento
parafuso do pivô perfeito pois quando está desalinhada
as sapatas desgastam de maneira
desigual, além de prejudicar no
Existem freios que atuam no cubo, desempenho da frenagem.
no aro ou no disco. O funcionamento Uma boa frenagem requer freios e
pode ser mecânico ou hidráulico. O que rodas funcionando perfeitamente. Os
ilustro na imagem ao lado é mecânico e cabos e conduítes também devem estar
de frenagem no aro. É um dos tipos de em boas condições de funcionamento.
TRANSMISSÃO
TRANSMISSÃO
Anatomia da Bicicleta / Transmissão 21

cubo traseiro

cassete da bicicleta e requer atenção especial.


A corrente, as coroas e os pinhões
são metálicos e sujeitos a desgaste. O
pedal esquerdo
contato do metal da corrente com o
braço esquerdo metal das engrenagens solta pequenos
fragmentos metálicos que ficam
espaçadores copo do movimento central
impregnados no óleo lubrificante. Se a
movimento central limpeza deste sistema não é realizado
pinhões
com regularidade, haverá desgaste
câmbio dianteiro
lockring do cassete precoce dos componentes, já que o
mecanismo está exposto à sujeira, que
câmbio traseiro
parafuso do adere ao lubrificante e atuam como
movimento central pequenos esfoliantes abrasivos para
o metal. Uma boa limpeza e uma boa
porcas da coroa
lubrificação são fundamentais para
preservar a vida deste conjunto.
coroa menor A aplicação do lubrificante deve
ser realizada somente quando a
corrente estiver limpa. Quando está
muito suja e recebe o lubrificante,
braço direito
ele fica impregnado na sujeira até
coroa maior virar uma graxa, acarretando em mau
pedal direito funcionamento de todo o conjunto.
A manutenção preventiva da
A transmissão, ou relação, como é transmissão é importantíssima para
parafusos da coroa
chamada, é composta pelo conjunto evitar gastos imprevistos. Mantê-
parafuso do mecânico que transmite a força do la sempre limpa e lubrificada é o
movimento central ciclista para a bicicleta. primeiro passo. Isso garante o bom
Seus principais componentes são funcionamento das peças e um giro
corrente
os pedais, a pedivela, a corrente, os macio e silencioso, tornando a bicicleta
pinhões (cassete) e os câmbios. infinitamente mais agradável (e segura)
É uma das partes mais delicadas de ser pedalada.
CÂMBIOS
CÂMBIOS
Anatomia da Bicicleta / Câmbios 23

trocador esquerdo
(dianteiro)

Câmbios ou marchas. Eles determinam


abraçadeira
do trocador a relação entre a velocidade de giro
da pedalada e a velocidade de giro da
roda traseira. A velocidade da pedalada
alavancas reguladores de tensão
chama-se cadência e é medida em
rotações por minuto. Existem faixas de
trocador direito
(traseiro)
cadência mais confortáveis de serem
parafuso da gancheira pedaladas e uma bicicleta com mais
roldana guia marchas possibilita uma gama maior
parafusos limitadores de velocidades dentro dessa faixa de
parafuso da roldana conforto da cadência.
O papel dos câmbios é desviar a
corrente de uma engrenagem para
regulador outra. Na pedivela, a coroa maior, com
cage mais dentes, é mais pesada que as
parafuso de
ancoragem do cabo coroas menores. No cassete é o inverso:
roldana de tensão os pinhões menores são mais pesados
parafuso da roldana que os maiores. O número de coroas
parafusos
multiplicado pelo número de pinhões
cage limitadores
resulta na quantidade de marchas da
abraçadeira
bicicleta, o que significa mais conforto e
parafuso de
ancoragem do cabo mais faixas de cadência.
Os trocadores, pareados aos manetes
cage
de freio no guidão, exercem a função
de puxar ou soltar o cabo que aciona
os câmbios. Esse mecanismo faz com
que a corrente pule para os pinhões
maiores ou menores, alterando o peso e
a cadência da pedalada.
CANOTE E SELIM
CANOTE E SELIM
Anatomia da Bicicleta / Canote e selim 25

modelos vazados ou com o centro


rebaixado costumam aliviar a pressão
e a dor na região do períneo, mas não é
uma regra geral.
O selim é sustentado pelo canote,
selim que é fixado ao quadro através da
abraçadeira de canote. São fabricados
em diversos materiais, como aço,
alumínio, carbono, titânio e scandium;
trilhos do selim e disponíveis em diversos diâmetros. O
diâmetro externo do canote deve ser o
carrinho do selim O selim é o terceiro e mais importante mesmo do diâmetro interno do tubo do
ponto de contato do ciclista com a assento do quadro para garantir uma
bicicleta. Para cada ciclista e para cada fixação firme e segura.
uso haverá um formato de selim mais Além do diâmetro, outras variáveis
adequado. Selins mais largos dão mais são o comprimento e o offset – esta
apoio e distribuição da massa corporal. última medida possibilita que o selim
São mais adequados para posturas seja instalado mais para a frente ou
confortáveis onde o ciclista fica com a para trás.
canote
coluna ereta. Desenhos mais estreitos O uso constante da bicicleta faz com
são próprios para posições agressivas que nossos joelhos façam milhares de
onde o ciclista fica com o tronco revoluções. A altura e o recuo corretos
curvado à frente, consequência de um do selim são essenciais para garantir
guidão em posição baixa. que o ciclista pedale com eficiência e
A densidade do material que reveste evite lesões. Os ajustes da posição do
o selim tende a ser maior em selins para ciclista na bicicleta é chamado bike
posturas mais confortáveis e menor em fit. São realizados por profissionais
selins esportivos. Alguns não possuem chamados bikefitters, cujo objetivo é
revestimento algum, que é o caso de ajustar a bicicleta às medidas de cada
abraçadeira do canote alguns selins feitos em fibra de carbono. ciclista de forma que ele possa evitar
parafuso da abraçadeira A forma da superfície do selim lesões e otimizar a transferência de sua
também influencia no conforto. Os força para a bicicleta.
CABOS E CONDUÍTES
CABOS E CONDUÍTES
Anatomia da Bicicleta / Cabos e conduítes 27

Muitas vezes tratados como


componentes secundários, os cabos
e conduítes são fundamentais para
garantir o bom funcionamento dos
freios e dos câmbios. Uma falha no
cabo do câmbio é menos desastrosa que
uma falha no cabo do freio.
Embora pareçam iguais, os cabos
e conduítes de câmbio e de freio
possuem características diferentes. Os
de câmbio são mais finos e requerem
mais resistência à deformação. Isso
significa que ao trocar a marcha, o cabo
está sendo puxado e comprimindo o
conduíte; se o conduíte deformar, o
câmbio não vai se movimentar com
precisão.
Já os cabos e conduítes de freio são
mais espessos e resistentes. A cabeça do
cabo varia de acordo com o manete de
freio e o corpo do conduíte é suscetível
à deformação para que a frenagem
tenha modulação, para evitar que a
roda trave de uma vez.
É importantíssimo lembrar
que, assim como qualquer outro
componente da bicicleta, é essencial
que os cabos e conduítes sejam de
qualidade. O funcionamento é simples,
mas a manutenção e a troca esporádica
é necessária.
BÔNUS
INSPEÇÃO DA BICICLETA
Anatomia da Bicicleta / Bônus 29

Comece pela roda dianteira, procure Cheque se os pneus estão cheios e se pedivela. Veja se está suja, se apresenta
por folgas e veja se está presa e não há nada preso à borracha que possa desgaste, ou se há algum tipo de folga
bem instalada. Verifique se há raios perfurá-lo. Procure por cortes e veja no movimento central. Cheque também
quebrados ou com folga. se estão muito gastos ou ressecados. o estado da corrente. Está muito suja?
Encha os pneus dentro da faixa de Apresenta sinais de desgaste?
pressão escrita na lateral. E o pedal? Está em boas condições
Verifique a lateral do aro. Se a de uso? Verifique se está solto.
parede do aro estiver funda, é bom O selim está firme e bem
começar a se preocupar em trocar, pois posicionado no lugar? Inspecione o
isso diminui a espessura do material e canote, veja se está em bom estado.
fragiliza a estrutura. Siga os procedimentos de inspeção
Avance para o freio dianteiro. As na roda e no freio traseiros.
sapatas estão boas e bem posicionadas? Veja o câmbio traseiro. Está torto?
Elas não podem, em hipótese alguma Tem folgas? As roldanas estão limpas,
entrar em contato com o pneu, pois o girando macio e em bom estado?
atrito vai rasgar a sua lateral. Os pinhões do cassete estão limpos?
Os freios estão firmes? Aperte o Está bem preso ao cubo da roda ou
manete do freio dianteiro e veja se apresenta folgas?
o manete está muito duro ou baixo, Agora analise o quadro. Veja se
quase encostando na manopla. Se há sinais de ferrugem, trincas ou
estiver duro, pode ser que o cabo e o amassados que considera de risco.
conduíte necessitem ser substituídos Os quadros e os garfos podem
ou talvez seja um problema no manete empenar e ficarem tortos. Olhe o
ou no freio. Aproveite que ainda está quadro e o garfo de frente, de lado e por
apertando o manete e procure por trás. Procure por desalinhamentos.
folgas ou ruídos estranhos na região Feito e resolvido, é só colocar a
da caixa de direção, jogando a bicicleta bicicleta para rodar!
para a frente e para trás. Jogue o corpo Andar com segurança e confiança é
em cima do guidão e veja se está firme e o que garante o prazer de pedalar em
com a mesa presa no lugar. uma boa bicicleta.
Cheque o estado dos cabos e dos
conduítes e avance para a região da
@ueharacc
www.uehara.cc
bruno@uehara.cc
#ueharacc