Você está na página 1de 7

Princípios e Métodos de Custeio.

A análise de um sistema de custos pode ser efetuada sob dois pontos de vista. No primeiro, analisa-

se o tipo de informação gerada é adequado às necessidades da empresa e quais seriam as

informações importantes que deveriam ser fornecidas. Assim, o que é importante para uma decisão,

sob este enfoque, denomina-se como “principio de custeio”.

Num segundo ponto de vista sobre a análise de um sistema de custeio, leva-se em consideração a

parte operacional do mesmo, ou seja, a forma como os dados são processados para obtenção de

informações. A expressão “método de custeio” é empregada para referir-se ao sistema sob este

prisma.

Figura 1 Sistemas de Custos


Fonte: Bornia (2002)

1
Figura 2 Relação Princípios e Métodos de Custeio
Fonte: Kliemann (2006)

Objetivos dos Sistemas de Custos

Um sistema pode ser encarado por dois ângulos: o lado do princípio, o qual norteia o tratamento das

informações, e o ponto de vista do método, que viabiliza a operacionalização desse princípio. O

princípio determina qual informação o sistema deve gerar e está intimamente relacionado com o

objetivo do sistema. O método diz respeito a como a informação será obtida e relaciona-se com os

procedimentos do sistema.

De forma geral, os princípios de custeio estão intimamente ligados aos próprios objetivos dos

sistemas de custos, os quais, por sua vez, estão relacionados aos próprios objetivos da contabilidade

de custos: a avaliação de estoques, o auxílio ao controle e o auxílio à tomada de decisões.

Avaliação de estoques.

O objetivo básico da contabilidade de custos é a avaliação de estoques, permitindo, desse modo, a

determinação do resultado da empresa pela contabilidade financeira. Então, o sistema de custos

trabalha integrado à contabilidade financeira. Quando a empresa confecciona apenas um produto, os

procedimentos para o cálculo dos custos dos produtos são muito simples e fáceis de serem seguidos.

2
No entanto, quando a empresa possui mais de um produto, a alocação dos custos aos produtos é

necessária para que as variações nos estoques possam ser mensuradas.

Auxílio ao controle.

Visualizando-se o setor produtivo de uma empresa como um processo, podemos dizer que, neste

processo, entram insumos quantificados pelos custos, e saem produtos. O custo unitário dos

produtos é calculado dividindo-se os custos totais pela produção do período.

Quando surge algum problema no processo (sistema produtivo), haverá aumentos nos custos totais

e/ ou redução na produção. Em ambos os casos, o custo (unitário) do produto vai aumentar,

indicando a ocorrência do problema ao gerente. Portanto, uma importante finalidade de sistemas de

custos é o auxilio ao controle.

Vale ressaltar que a plenitude do controle só é alcançada quando se efetuam ações para a correção

de causas de problemas. Não adianta obter as variações e procurar os motivos que as ocasionaram

caso nada seja feito no sentido de se corrigirem situações indesejadas. Assim, a mera utilização de

um sistema de custos voltado para o auxílio ao controle, da mesma forma que ocorre com qualquer

outro sistema, não garante por si só a obtenção do controle dos processos. Porém, propicia

importante ajuda na obtenção dos padrões e na mensuração do realmente ocorrido, além de facilitar

a análise das variações.

Auxílio à tomada de decisões.

Outro objetivo é o auxílio à tomada de decisões, quando as informações geradas pelo sistema de

custos são utilizadas para apoiar o processo decisório da empresa. As mesmas informações que

auxiliam o controle podem propiciar importante ajuda para o processo de planejamento da empresa.

Além disso, decisões como terceirização de itens, retirada de produtos do mercado e compra de

equipamentos, entre inúmeras outras, encontram grande apoio em informações de custos.

3
Princípios de Custeio.

Os princípios de custeio são filosofias básicas a serem seguidas pelos sistemas de custos, de acordo

com o objetivo e/ ou o período de tempo no qual se realiza a análise. Vista de forma restrita

identificam o tratamento dado pelo sistema de custos fixos. São os três os princípios de custeio:

custeio variável, custeio por absorção integral e custeio por absorção ideal.

Custeio por absorção integral.

No custeio por absorção integral, ou total, a totalidade dos custos (fixos e variáveis) é distribuída

aos produtos. Esse sistema relaciona-se principalmente com a avaliação de estoques, ou seja, com o

uso da contabilidade de custos como apêndice da contabilidade financeira, a qual se presta para

gerar informações para usuários externos à empresa. Assim, podemos simplificadamente identificar

esse princípio com o atendimento das exigências da contabilidade financeira para a avaliação de

estoques. Muitas vezes, entretanto, suas informações são, também, utilizadas com fins gerenciais.

Na metodologia do custeio por absorção, nas empresas que produzem diversos produtos, os custos

fixos são apropriados aos produtos com base em critérios de rateio. O custeio por absorção foi

derivado do sistema desenvolvido na Alemanha no início do século 20, conhecido por RKW.

Custeio por absorção é aquele que, por assim dizer, “absorve” todos os custos incorridos para se

obter a produção de um bem ou serviço, seja custos fixos ou variáveis, seja diretos ou indiretos.

Custeio variável.

No custeio variável, ou direto, apenas os custos variáveis são relacionados aos produtos, sendo os

custos fixos considerados como custos do período. Entendendo os princípios de custeio como

filosofias intimamente ligadas aos objetivos do sistema de custos, podemos dizer que o custeio

variável está relacionado principalmente com a utilização de custos para o apoio a decisões de curto

prazo, quando os custos variáveis tornam-se relevantes e os custos fixos, não.

4
As decisões da empresa estão relacionadas a quanto produzir de cada produto de modo a tirar o

máximo proveito da situação. Nesse caso, os únicos custos relevantes são os custos variáveis, pois

os custos fixos independem da produção.

O custeio variável não é aceito pela legislação o imposto de renda, já que diminui o lucro da

empresa no período, em relação ao custeio por absorção. A principal utilidade do custeio variável é

servir como ferramenta para tomadas de decisões gerenciais.

Custeio por absorção ideal.

No custeio por absorção ideal, todos os custos (fixos e variáveis) também são computados como

custos dos produtos. Porém, custos relacionados com insumos usados de forma não eficiente

(desperdícios) não são distribuídos aos produtos. O custeio por absorção ideal adapta-se

particularmente ao auxílio do controle de custos e apoio ao processo de melhoria contínua da

empresa.

Exercício 1 - Beneficiadora de Resíduos de Pescados Boa Pesca Ltda. Com base nas informações
disponíveis, apure o custo de industrialização de cada pote, utilizando:
a) O método do custeio por absorção, e
b) O método do custeio variável.
A Boa Pesca Ltda é uma pequena empresa cearense especializada na industrialização dos
resíduos de pescados. Tais resíduos são adquiridos das diversas indústrias que exploram as
atividades de pesca na região.
Um dos seus principais produtos é um pó produzido com base na cartilagem de tubarão. Está
comprovado cientificamente que esse pó é rico em cálcio e fósforo.
A Boa Pesca Ltda processa anualmente 14 toneladas de cartilagem, sendo que o rendimento
é de 10% do peso desses resíduos, ou seja, para cada quilo de cartilagem de tubarão, obtêm-se 100
gramas de pó.
Cada pote de 100 gramas do produto acabado (pó de cartilagem de tubarão) é vendido por
$85,00.
Seguem as informações sobre os gastos do mês de abril de 2011 da Boa Pesca Ltda.

Beneficiadora de Resíduos de Pescados Boa Pesca Ltda

5
Gastos do mês de novembro $
Gastos variáveis
Transporte dos resíduos de cartilagem de tubarão (matérias primas) $10.000
Custo com demais matérias primas e materiais diretos $14.200
Custo total com mão de obra para industrialização $11.500
Manutenção das máquinas da fábrica $1.000
Energia elétrica da fábrica $500
Salários e comissões dos vendedores $3.000
Tributos sobre as vendas $10.400
Total $50.600
Gastos fixos
Aluguel do prédio do escritório administrativo $1.500
Aluguel do prédio da fábrica $1.600
Energia elétrica do escritório $300
Seguro e vigilância da fábrica $700
Salários e encargos do pessoal administrativo $8.500
Depreciação das máquinas e equipamentos da fábrica $1.300
Depreciação das máquinas do escritório administrativo $250
Total $14.150
Total dos gastos variáveis mais fixos $64.750
Durante o mês abril de 2011, foram produzidos 1.200 potes de pó de cartilagem de tubarão,
com 100 gramas cada.

Exercício 2 - Uma empresa fabrica um único produto, que é vendido por um preço de R$1,00 / un.
Num determinado período, seus custos totais foram os seguintes:
 MP  $12.000,00
 MOD  R$6.000,00
 CIF fixos  R$27.000,00
 CIF variáveis  R$4.500,00
A empresa possui capacidade para produzir 100.000 unidades, porém, no período considerado,
produziu apenas 90.000 unidades. Considerando que os custos de MOD sejam variáveis:
a) Calcule o custo unitário do produto da empresa considerando o custeio integral, variável e ideal.
b) Qual é o valor dos desperdícios do período?
c) Qual seria o custo do produto pelo custeio integral se a produção fosse 60.000 unidades?
Exercício 3 - Altram Biqueiro possui uma fábrica de calças jeans. O processo produtivo consiste
em comprar calças prontas (a $20 / un.) e trocar a etiqueta, simulando uma grife de qualidade,
vendendo-as por $30 / un. Às vezes, as calças rasgam-se na retirada da etiqueta anterior, sendo
descartadas. Outro problema é que os funcionários, seguindo a cultura da organização, se apropriam
de algumas unidades. A empresa possui 10 funcionários encarregados de “confeccionar” as calças,
além de Altram e do gerente de produção. A capacidade da empresa é de 3.200 unidades por mês,
mas, em agosto, foram produzidas apenas 2.500 unidades boas. Além disso, mais 200 unidades

6
foram descartadas e 50 desapareceram. Em agosto, o custo de MP foi $55.000,00 e os custos fixos
da empresa foram os seguintes:
 Custo do Gerente de Produção  $4.000,00
 Aluguel  $1.000,00
 Custo do Proprietário  $6.000,00
 Energia Elétrica  $500,00
 MOD  $8.000,00
 Outros  $500,00
Pede-se para calcular os custos unitários considerando o custeio integral, variável e ideal.

Exercício 4 - João Valentão tem uma fábrica de luvas de boxe, na qual pode produzir até 1.000
pares por mês, os quais são vendidos a $10,00 / par. Em julho, João conseguiu produzir e vender
apenas 700 pares. Para isso, teve os seguintes custos:
 MP  $3.500,00
 MOD (fixo)  $700,00
 Outros custos (fixos)  $1.400,00
 Pede-se para calcular os custos unitários considerando o custeio integral, variável e ideal.