Você está na página 1de 17

Atos Administrativos

1) Qual a definição de ato administrativo (síntese)? E a definição de Hely Meirelles?

Toda manifestação (não somente declarações de vontade) expedida no exercício da


função administrativa, com caráter infralegal, consistente na emissão de comandos
complementares à lei, com a finalidade de produzir efeitos jurídicos.

Toda manifestação unilateral de vontade da Administração, que tenha por fim


imediato modificar, extinguir e declarar direitos ou impor obrigações aos
administrados ou a si própria.

2) Delegatários, concessionários e permissionários podem praticar atos adm?

Sim, desde que no exercício de função delegada do Poder Público e em razão dela.

3) Quais são as concepções existentes de fato administrativo em sua distinção com o


ato adm (4)?

Di Pietro – critério da voluntariedade – Ato adm: comportamento humano


voluntário. Fato adm: acontecimento da natureza relevante para o Direito adm (Ex.
morte de servidor).

B. de Mello – Ato adm: enunciado prescritivo (dever-ser). Fato adm: acontecimento a


que a lei atribui consequências jurídicas.

Hely Lopes – Ato adm: manifestação volitiva da Administração. Fato adm: execução
material/ação concreta que realiza o ato adm. (Ex. construção da ponte, varrição da
rua.)

Carvalho Filho – Ato adm: Atividade material no exercício da função adm que visa a
efeitos de ordem prática. Pode ser evento da natureza ou comportamento
voluntário. O fato adm nem sempre concretiza ato adm. Podem se originar de meras
condutas adm (decisões não formalizadas).

Exemplos: apreensão de mercadorias; dispersão de manifestantes; alteração de local


de repartição pública; raio que destrói bem público; etc.

3) Como distinguir atos da administração dos chamados atos adm? Há divergência


doutrinária? Cite as espécies de atos da administração (5)?

São atos jurídicos da administração não enquadrados como atos adm.

(Di Pietro inclui os atos adm como espécie dos atos da admção).

1. Atos políticos ou de governo (ampla discricionariedade). Ex. veto, indulto.

2. Atos materiais. Ex. poda de árvore.


3. Atos legislativos e jurisdicionais. (publicados atipicamente pela admção).

4. Atos regidos pelo direito privado (atos de gestão).

5. Contratos adm.

4) Qual é a natureza jurídica do silêncio administrativo? Ele produz quais efeitos? Qual
é o prazo para decidir, quando a lei não impõe prazo, segundo B. de Mello? Qual é o
direito constitucional para reclamar a manifestação da administração sobre algo?

É fato adm.

Não produz efeitos, exceto quando a lei dispuser de outro modo (aprovação ou
rejeição tácita).

30 dias. Prorrogáveis por mais 30 dias.

Direito de petição.

5) Quais são os cinco atributos dos atos adm?

Presunção de legitimidade. Imperatividade. Exigibilidade. Autoexecutoriedade.


Tipicidade.

6) O que é presunção de legitimidade? A presunção de legitimidade tem outros


nomes? Está presente em todos os atos adm? O Judiciário pode apreciar de ofício a
nulidade de ato adm?

A presunção de que o ato adm é considerado válido para o Direito;

Presunção de veracidade e presunção de legalidade.

Sim, em todos.

Não; por conta da presunção de veracidade;

7) O que é o atributo da imperatividade ou coercibilidade? Como se chama esse


poder? Está presente em todos os atos adm?

Significa que o ato adm pode criar unilateralmente obrigações para os particulares,
independentemente da anuência destes.

Poder extroverso.

Não; está ausente dos atos enunciativos (certidões) e negociais (autorizações), por
exemplo.

8) O que é o atributo da exigibilidade? Está presente em todos os atos adm?


Exemplifique.
Permite que a Admção aplique sanções pelo descumprimento da ordem jurídica sem
necessidade de ordem judicial.

Não; na maioria, mas não em todos;

A multa, advertência.

9) O que é autoexecutoriedade? Exemplifique. Está presente em quais casos (2)?

É o poder de desconstituir materialmente a irregularidade, inclusive mediante força


física. Sem recorrer ao Judiciário. É coerção direta.

Guinchamento de carro. Dispersão de passeata imoral. Apreensão de mercadorias.


Fechamento de restaurante pela vigilância sanitária etc.

Apenas em duas categorias de atos: a) conferido por lei; b) situações emergenciais;

10) O que é a tipicidade dos atos adm? É uma derivação de qual princípio?

Necessidade de utilizar a espécie adequada de ato adm para alcançar cada


finalidade.

Do princípio da legalidade.

11) No que consiste o plano da existência, validade e eficácia dos atos jurídicos?

Existência: consiste no cumprimento do ciclo de formação (perfeição) do ato.

Validade: envolve a conformidade com os requisitos estabelecidos pelo


ordenamento para a correta prática do ato.

Eficácia: relacionado com a aptidão do ato para produzir efeitos jurídicos.

12) Quais são os elementos de existência (2) do ato administrativo? Exemplifique a sua
relevância. Quais são os pressupostos de existência do ato adm (2).? Exemplifique.

Elementos: conteúdo e forma.

Exemplos de inexistência por ausência de conteúdo: 1. Folha de multa não


preenchida. 2. Ordem expedida que proíbe e permite ao mesmo tempo.

Proibir o inevitável: 3. Decreto proibindo a morte. 4. Exigir domínio de idioma


extinto.

Exemplos de inexistência por não exteriorização: 1. Texto de ato adm na gaveta.

Pressupostos: objeto e referibilidade à função administrativa;


Objeto desaparecido ou inexistente: 1. a promoção do servidor falecido. 2. Reforma
de prédio quando ele não existe.

No exercício da função adm: 1. Particular usurpador da função pública pratica ato


inexistente.

Ato praticado por servidor vinculado a outro poder estatal ou visivelmente


incompetente para a conduta. 2. MP assinada por varredor de ruas. 3. Ordem adm
cujo cumprimento implica a prática de crime;

Atos didáticos e dos não sérios. 4. Infração quando no curso de formação. 5.


Demissão por pilhéria na festa de confraternização.

Nesses casos, o ato não é imputável à Administração Pública. Para existir, precisa ser
vista como declaração normal de vontade do Estado.

13) O ato inexistente é o mesmo que o ato nulo?

Não; há diferenças lógicas, jurídicas e práticas.

14) O ato inexistente pode produzir efeitos na esfera jurídica do administrado? É


possível se opor à tentativa de sua execução com a força física? Admite convalidação
ou conversão?

Não; a existência é condição necessária para ter eficácia;

Sim; a chamada reação manu militari;

Não;

15) Diferencie condição suspensiva de condição resolutiva.

Condição suspensiva – suspende a produção de efeitos até a implementação de


evento futuro e incerto.

Condição resolutiva – acontecimento futuro e incerto cuja ocorrência interrompe a


produção de efeitos do ato adm.

16) Em quais requisitos do ato adm (2) reside o mérito? Quais as exceções que
fundamentam o controle do mérito pelo Poder Judiciário?

Motivo e objeto.

1.Razoabilidade e proporcionalidade; 2. Teoria dos motivos determinantes; 3. Desvio


de finalidade;
17) Explique os casos de erros de juízo nas situações de grave inoportunidade e grave
inconveniência?

Grave inoportunidade: juízo equivocado sobre o momento e o motivo da prática do


ato. Ofende a razoabilidade.

Grave inconveniente: juízo equivocado sobre a escolha do conteúdo e a intensidade


de eficácia jurídica. Ofende a proporcionalidade.

18) Quais são os requisitos do ato adm na visão clássica e baseada na Lei da Ação
Popular?

Competência, motivo, objeto, forma e finalidade.

19) Cite e explique algumas das características da competência administrativa? Quais


competências são indelegáveis (3)?

Natureza de ordem pública (definição por lei, fora do alcance das partes); Não se
presume; Improrrogabilidade (falta de uso não transfere a competência);
Irrenunciabilidade; Obrigatoriedade (é um dever exercê-la); Incaducabilidade (não se
extingue pelo tempo);

Não é possível delegar: 1. Competências exclusivas. 2 Edição de atos normativos. 3.


Decisão de recursos.

20) O que é o requisito objeto?

É o conteúdo do ato adm. A ordem ou resultado prático pretendido (criação,


modificação, extinção de situações jurídicas).

21) O que é a forma? Pode haver ato adm não escrito?

É o modo de exteriorização e os procedimentos prévios exigidos para validade do


ato.

Sim; inclusive gestual ou expedido por máquinas ( ex. semáforos).

22) O que é o requisito motivo? Diferencie motivo de motivação? Como se chamam o


motivo discricionário e o motivo vinculado? Diferencie o motivo do chamado “móvel”
ou intenção do agente. O motivo pode não estar previsto na lei?

É a situação de fato ou de direito que autoriza a prática do ato.

Motivação: é a explicitação/explicação por escrito das razões.

Motivo vinculado = motivo de direito/legislativo. Motivo discricionário = motivo de


fato
Móvel ou intenção do agente: a representação psicológica que levou o administrador
a agir, e que tem especial importância no plano dos atos discricionários.

É uma possibilidade. Nesse caso, trata-se de um ato discricionário.

23) Quando há desvio de finalidade?

Quando o ato é praticado visando defesa de interesse alheio ao interesse público.


Trata-se de ato nulo.

24) Qual é a posição de B. de Mello, sobre os requisitos da ato administrativo (6)?


Quais deles são discricionários e quais são vinculados? Explique em que consiste o
requisito “causa”?

Sujeito, motivo, requisitos procedimentais, finalidade, causa e formalização.

Sujeito, requisitos procedimentais e causa (vinculados). Motivo, finalidade e


formalização (discricionários).

Pressuposto lógico de adequação entre o motivo (fato que levou ao ato) e o


conteúdo do ato administrativo.

25) Quais os tipos de ilegalidade passíveis de estarem presentes nos atos


administrativos (4)?

Atos inexistentes: falta algum elemento ou pressuposto indispensável para o ciclo de


formação do ato.

Atos nulos: defeitos graves insuscetíveis de convalidação.

Atos anuláveis: defeitos leves passíveis de convalidação.

Atos irregulares: defeitos levíssimos, não prejudicam a validade do ato.

26) Em relação aos vícios em espécie do ato adm, quais são aqueles quanto ao sujeito
(4)? Eles geram atos com quais ilegalidades?

a) usurpação de função pública – ato privativo da administração praticado por quem


não é agente público. Gera atos inexistentes.

b) Excesso de poder – embora competente, a autoridade ultrapassa os limites de sua


competência. Agente exagera na defesa do interesse público. Gera atos nulos.

c) Funcionário de fato – há vício na investidura do indivíduo. Se o funcionário agir de


boa-fé, os atos devem ser convalidados e a remuneração não precisa ser restituída.
Gera atos válidos, com eficácia ex nunc.
Se estiver de má-fé, os atos são nulos com eficácia ex tunc e deve devolver a
remuneração recebida.

d) Incompetência – ato que não se inclui nas atribuições legais do agente que o
praticou. Gera atos anuláveis.

27) E os vícios quanto ao objeto? Geram ilegalidades de que espécie?

a) Objeto materialmente impossível – Ex. proibir a morte. Ato inexistente.

b) Objeto juridicamente impossível – Ex. mandar fazer algo ilegal. Ato nulo.

Exceção: se for crime, o ato é inexistente.

28) Quais os vícios quanto ao motivo (2)? E quanto à finalidade?

a) inexistência do motivo – é materialmente inexistente; ou juridicamente


inadequada ao resultado; Ato nulo.

b) Falsidade do motivo – o motivo alegado não corresponde àquele ocorrido. Ex.


praticou uma infração e eu falo que foi outra. Ato nulo.

Desvio de finalidade: agente pratica ato visando fim diverso daquele previsto na
regra de competência. Ato nulo.

29) A discricionariedade no ato adm pode ser total? Pode haver anulação de ato
discricionário? No ato discricionário, há ausência de normatividade?

Não. Sempre haverá os elementos vinculados como competência, forma e finalidade.

Sim; desde que haja ilegalidade de qualquer ordem.

O ato discricionário transita no espaço da ausência de normatividade que discipline o


seu objeto (conteúdo). Não existe ausência de normatividade, pois isso fere o
princípio da legalidade. O que existe é uma margem de liberdade

30) Qual é a classificação dos atos administrativos quanto à formação (3)? Explique-os.
Exemplifique atos complexos.

a) simples – resultam da manifestação de um único órgão (simples ou colegiado).

b) compostos – praticados por um órgão, mas depende da anuência de outro, como


condição de exequibilidade. (A existência, validade e eficácia dependem do primeiro
órgão. Mas a execução fica pendente da manifestação complementar do segundo).

c) complexos – conjugação de vontade de mais de um órgão ou agente. Sendo a


última manifestação, elemento de existência do ato complexo.
Exemplos: 1. Investidura de funcionário (nomeação pelo Chefe do Executivo e posse
dada pelo chefe da repartição). 2. Investidura de ministro do STF. 3. Nomeação de
lista tríplice. 4. Aposentadoria do servidor.

31) Qual a classificação dos atos adm quanto aos destinatários (3)? E a forma de
publicação de cada um?

a) atos gerais ou regulamentares – quantidade indeterminável de destinatários.


Publicação por D.O. ou jornal, locais públicos.

b) atos coletivos ou plúrimos – destinado a um grupo definido. Publicação por


comunicação aos interessados é suficiente.

c) atos individuais – destinatário determinado. Comunicação ao interessado é


suficiente.

32) Classifique os atos adm quanto à estrutura (natureza do conteúdo) (2).

a) atos concretos – regulam apenas um caso, esgotando-se após a primeira aplicação.

Exemplo: ordem de demolição.

b) atos abstratos ou normativos – aplicam-se a uma quantidade inesgotável de


situações concretas.

33) Quais são os atos adm quanto ao alcance (2)?

a) atos internos – produzem efeitos dentro da admção (vinculam órgãos e agentes


públicos).

b) atos externos – produzem efeitos perante terceiros.

34) Quais são os atos quanto ao objeto (3)?

a) atos de império – administração em posição de superioridade.

b) atos de gestão – administração em posição de igualdade;

c) atos de expediente – dão andamento a processos administrativos; atos de rotina;


por agentes subalternos sem competência decisória.

Ex. numeração dos autos do processo.

35) Quais são os atos adm quanto à manifestação de vontade (2)?

a) atos unilaterais – dependem de uma só vontade. Ex. licença.

b) atos bilaterais – dependem da anuência das partes. Ex. contrato adm.


36) Quais são os atos adm quanto aos efeitos (2)?

a) atos ampliativos – aumentam a esfera de interesse do particular.

b) atos restritivos – limitam a esfera de interesse do destinatário.

37) Quais os atos adm quanto ao conteúdo (6)?

a) atos constitutivos – criam novas situações jurídicas. Ex. admissão de aluno na


escola pública.

b) atos extintivos ou desconstitutivos – extinguem situações jurídicas;

c) atos declaratórios ou enunciativos – preservam direitos e afirmam situações


preexistentes.

d) atos alienativos – transferência de bens ou direitos.

e) atos modificativos – alteram situações preexistentes.

f) atos abdicativos – o titular abre mão de um direito. Ex. renúncia à função pública.

38) Classificação quanto à situação jurídica que criam (3)? Exemplifique.

a) atos-regra – criam situações gerais, abstratas e impessoais, podendo ser


revogados, não geram direito adquirido. Ex. regulamento.

b) atos-condição – alguém se submete a situações criadas pelos atos-regra. Ex.


aceitação de cargo público.

c) atos subjetivos – criam situações particulares, concretas e pessoais. Podem ser


modificados pelas partes. Ex. contrato.

39) Classificação quanto à eficácia (5)?

a) atos válidos – atende todos os requisitos exigidos pelo ordenamento;

b) atos nulos – defeitos insuscetíveis de convalidação; especialmente nos requisitos


objeto, motivo e finalidade;

c) atos anuláveis – vícios sanáveis; especialmente nos requisitos competência e


forma; admitem convalidação;

d) atos inexistentes – vício gravíssimo no ciclo de formação; Ex. usurpador de função


pública.

e) atos irregulares – defeitos formais levíssimos; não prejudicam a validade do ato.


Ex. portaria publicada com nome de decreto;
40) Classificação quanto à exequibilidade (4)?

a) atos perfeitos – plena exequibilidade

b) atos imperfeitos – incompletos na formação (inexistentes);

c) atos pendentes – preenchem elementos de existência e validade, mas não a


eficácia. Há condição ou termo pendente.

d) atos consumados ou exauridos – produziram todos os seus efeitos.

41) Classificação quanto à retratabilidade (4)? Exemplifique os casos de atos


irrevogáveis.

a) atos irrevogáveis – não podem ser revogados. Ex. 1. Atos vinculados. 2. Atos
exauridos. 3. Atos geradores de direito subjetivo. 4. Atos protegidos pela
imutabilidade da decisão administrativa.

b) atos revogáveis – sujeitos à extinção por revogação;

c) atos suspensíveis – com a característica de que podem ter seus efeitos


interrompidos temporariamente. Ex. autorização permanente para instalar circo-
escola, podendo ser suspensa em casos excepcionais.

d) atos precários – criam vínculos efêmeros, temporários, desconstituídos a partir de


interesse público superveniente;

42) Classificação quanto ao modo de execução (2)?

a) autoexecutórios – sem necessidade de ordem judicial. Ex. requisição


administrativa.

b) não autoexecutórios – dependem de intervenção judicial. Ex. execução fiscal;

43) Classificação quanto ao objetivo visado pela administração (5)?

a) atos principais – existência bastante em si, não em função de outros atos;

b) atos complementares – aprovam ou confirmam o ato principal, desencadeando a


produção de efeitos deste; (ato composto – proximidade)

c) atos intermediários ou preparatórios – concorrem para a prática de um ato


principal e final; (dentro de um procedimento);

d) atos-condição – exigência prévia para a realização de outro ato; ex. concurso como
ato-condição para a posse na magistratura;

e) atos de jurisdição – decidem matéria administrativa controvertida;


44) Classificação quanto à natureza da atividade (5)?

a) atos de administração ativa – criam uma utilidade pública

b) atos de administração consultiva – sugerem providências para a prática de ato


adm;

c) atos de administração controlada – impedem ou autorização a produção de atos


de administração ativa; exame de legalidade ou mérito;

d) atos de administração verificadora – apuram a existência de certo direito ou


situação; Ex. registro de casamento;

e) atos de administração contenciosa – decidem questões litigiosas no âmbito


administrativo;

45) Classificação quanto à função da vontade administrativa (2)?

a) atos negociais ou negócios jurídicos – produzem diretamente efeitos jurídicos; Ex.


promoção do servidor;

b) atos puros ou meros atos adm – não produzem diretamente efeitos, mas são
requisito para desencadear no caso concreto efeitos emanados diretamente da lei.
Ex. certidão de casamento;

ESPÉCIES DE ATOS ADMINISTRATIVOS

46) Quais são as cinco espécies de atos administrativos? Exemplifique.

Atos normativos (comandos gerais e abstratos para aplicação da lei); Lei em sentido
material; Exemplo: decretos e deliberações;

atos ordinatórios (disciplinam órgãos e agentes públicos); decorrem do poder


hierárquico; Exemplo: instruções e portarias;

atos negociais ou constitutivos (administração em concordância com particulares);


Exemplo: concessões e licenças;

atos enunciativos (certificam, atestam uma situação existente); Exemplo: certidões,


pareceres e atestados;

atos punitivos (sanções aos agentes e particulares); Exemplo: multas e interdições de


estabelecimentos;

47) Qual a diferença entre decreto e regulamento?

O decreto é a forma do ato. O regulamento é o conteúdo.

48) Aponte as espécies de atos normativos (5).


Decretos (Chefe do Executivo) e instruções normativas (Ministros de Estado);

regimentos internos;

resoluções (Ministros de Estado, presidentes de tribunais, casas legislativas e órgãos


colegiados sobre matéria de interesse interno do órgão).

deliberações (de órgãos colegiados),

49) Aponte as espécies de atos ordinatórios (7).

Instruções – ordens gerais destinadas aos subordinados;

Circulares – destinados a servidores que desempenham tarefas em situações


especiais;

Avisos – Exclusivos de Ministros de Estado para regrar temas de competência interna


do Ministério;

Portarias – iniciam sindicâncias, processos, designam servidores para cargos


secundários (não pelo Chefe do Executivo);

Ordens de serviço – dirigidas aos responsáveis por obras e serviços; não são atos
gerais;

Ofícios – convites ou comunicações sobre assuntos administrativos ou de ordem


social;

Despachos – decisões em documentos ou processos;

50) Aponte as espécies de atos negociais (11). Qual licença não é vinculada? Qual
autorização é vinculada (excepcionalmente)?

Licença (ato unilateral, vinculado e declaratório, permite exercício de atividades.


Manifestação do poder de polícia).

Autorização - ato discricionário e precário, constitutivo. No interesse predominante


do particular. Por autorização legislativa;

Permissão – unilateral, discricionário e precário. Interesse predominante é público.


Faculta o exercício de atividade. Por autorização legislativa;

Concessão – bilateral; por lei;

Aprovação – unilateral e discricionário; verifica a legalidade ou mérito de outro ato;

Admissão – unilateral e vinculado; ingresso em repartições governamentais; Ex.


aluno e usuário de biblioteca.
Visto – ato vinculado; controla a legitimidade formal de outro ato de particular ou
agente público;

Homologação – unilateral e vinculado de exame da legalidade;

Dispensa – discricionário; exime o particular do desempenho de certa tarefa;

Renúncia – ato unilateral, discricionário e irreversível, a administração abre mão de


crédito ou direito em favor do particular;

Protocolo administrativo – em conjunto com o particular que versa sobre a


realização de tarefa ou abstenção de certo comportamento;

Exceção: licença ambiental é ato discricionário.

Exceção: autorização de serviços de telecomunicações.

51) Quais são as espécies de atos enunciativos (4)? Diferencie atestado e certidão.

Certidões – cópias autenticadas de atos ou fatos permanentes constantes de


arquivos públicos;

Atestados – comprovam fatos ou situações transitórias que não constem de arquivos


públicos;

Pareceres técnicos – expedidos por órgãos técnicos especializados;

Pareceres normativos – se transformam em norma obrigatória quando aprovados


pela repartição permanente;

Apostilas – como uma averbação pela administração declarando um direito


reconhecido por norma legal;

52) O parecer obrigatório vincula a decisão da administração, segundo o STF?

Sim; caso entender de forma diversa, a administração deverá submeter o caso a


novo parecer.

53) O que ocorre se parecer obrigatório e vinculante não for emitido em processo
administrativo? O autor de parecer responde de que forma junto à Administração?

O processo não terá seguimento, havendo responsabilização de quem der causa ao


atraso;

Responde solidariamente, em função de seu poder de decisão compartilhado;

54) Diferencie o parecer normativo do parecer comum.


Parecer normativo – aplica-se com força vinculante para todos os casos futuros
idênticos à situação objeto da consulta;

Parecer comum – destituído de eficácia abstrato-normativa, aplica-se


exclusivamente ao caso concreto da consulta;

55) Qual parecer tem natureza suspensiva?

O parecer obrigatório e vinculante. Não é o caso do parecer obrigatório e não


vinculante;

56) É possível responsabilizar o parecerista por consequências decorrentes de seu ato


opinativo? E por improbidade adm?

Sim; desde que haja culpa, erro grosseiro ou má-fe do parecerista. Inclusive por
improbidade adm, se houver dolo

57) Exemplifique os atos punitivos (3).

Multa; interdição de atividade; destruição de coisas (ex. bens impróprios para


consumo ou de comercialização proibida);

58) Quais as formas assumidas pelos seguintes conteúdos do ato adm: regulamentos,
autorizações e licenças, deliberações colegiadas, ofícios e instruções, instruções e
ordens de serviço e circulares?

Decreto.

Alvará.

Resolução.

Aviso.

Portaria.

EXTINÇÃO DO ATO ADMINISTRATIVO

59) Quais as quatro categorias principais categorias de extinção dos atos


administrativos? Quais são as modalidades de extinção no tocante à retirada do ato
(5)?

1. Extinção ipso Iuri pelo cumprimento integral de seus efeitos (natural e de pleno
direito);

a) esgotamento do conteúdo; b) execução material; c) implemento

de condição resolutiva ou termo final;


2. Extinção ipso Iuri pelo desaparecimento do sujeito ou objeto.

Ex. promoção de servidor extinta pelo seu falecimento

3. Extinção por renúncia.

Ex. exoneração a pedido do ocupante;

4. Retirada do ato.

a) Revogação; b) anulação; c) cassação; d) caducidade; e) contraposição;

60) A revogação é do ato administrativo ineficaz? Qual a eficácia da revogação? Por


quais motivos a administração revoga um ato? E conserva os direitos adquiridos? Qual
a natureza do ato revocatório (3 itens)?

Não; trata-se de ato perfeito, válido e eficaz;

Eficácia ex nunc ou proativos;

Causa superveniente que traga um motivo de conveniência e oportunidade para a


revogação.

Sim;

Discricionário, constitutivo e secundário.

61) Quais atos administrativos não podem ser revogados (5)? É possível anular o ato
revocatório? Pode haver revogação da anulação? E revogação da revogação com
efeitos repristinatórios?

1. Atos que geram direito adquirido. 2. Atos já exauridos. 3. Atos vinculados. 4. Atos
enunciativos (certidões, pareceres, atestados). 5. Atos preclusos no curso de
procedimento administrativo.

Sim; tanto pela administração como pelo Judiciário;

Não, pois a anulação é ato vinculado;

Não com efeitos repristinatórios; mas em princípio, poderia haver revogação da


revogação;

62) Qual é o prazo decadencial para anulação? Exceção? E o prazo prescricional do


Judiciário? Pode haver anulação de ato discricionário?

5 anos;

Salvo comprovada má-fé;


Também 5 anos;

Sim, pois embora seja discricionário, há aspectos vinculados a serem obedecidos que
podem ter sido desrespeitados, gerando a ilegalidade;

63) Em quais situações a anulação terá eficácia ex tunc (2)? Quando a anulação gera
direito à indenização? Em quais situações não é possível anular o ato (4)?

Atos unilaterais ampliativos. E dos praticados por funcionários de fato, desde que
comprovada a boa-fé.

Quando o particular prejudicado, comprova que sofreu dano especial para


ocorrência do qual não tenha colaborado;

1. Ultrapassado o prazo legal (5 anos). 2. Consolidação dos efeitos produzidos. 3. For


mais conveniente para o interesse público manter a situação consolidada; 4. Houver
possibilidade de convalidação;

64) O que é a cassação?

Modalidade de extinção do ato adm que ocorre quando o administrado deixa de


preencher condição necessária para permanência da vantagem.

Ex. habilitação cassada porque o condutor ficou cego.

65) O que é caducidade ou decaimento? Ela produz efeitos automáticos?

Extinção por sobrevinda de norma legal proibindo situação que o ato autorizava;

A caducidade não produz efeitos automáticos; por isso é necessário um ato


secundário determinando a extinção do ato decaído;

66) O que é a contraposição?

Expedição de segundo ato, fundado em competência diversa, cujos efeitos são


contrapostos aos do ato inicial.

Ex. exoneração que extingue a nomeação do funcionário.

67) Qual é a eficácia da convalidação? Quais atos podem ser convalidados? Qual é a
exceção na convalidação de requisitos como motivo, objeto e finalidade? Pode ser
convalidado ato que gera prejuízo a terceiros?

Ex tunc.

Os atos anuláveis.

Caso do ato plúrimo, que determina várias providências, quando for possível
aproveitar uma delas;
Não.

68) Quais são as espécies de convalidação (3)? É possível convalidar ato que já tenha
sido impugnado perante a Administração Pública ou Judiciário?

a) ratificação – pela mesma autoridade que praticou o ato;

b) confirmação – por outra autoridade;

c) saneamento – o particular é quem promove a sanatória do ato;

Não;

70) O que é a conversão do ato adm?

É o aproveitamento de ato defeituoso como ato válido de outra categoria; Ele muda
a tipificação formal do ato, não o seu objeto.

Ex. contrato de concessão outorgada em modalidade convite (não permitido)


convertida em permissão de serviço público;