Você está na página 1de 46

Universidade Federal de São João del-Rei – UFSJ

Campus Alto Paraopeba - CAP

TESTE 2
TERMODINÂMICA II

Ouro Branco/MG
12 de abril de 2019.
APRESENTAÇÃO

INTEGRANTES PROFESSOR

Ana Luíza de Melo; Jorge David A. Bellido.


Hugo Faria;
Joel Dornelas;
Luana Lima;
Maria Emília Fernandes;
Natali Campos.
2
Exercícios selecionados
Sandler – 4.11; 4.26; 4.48.
Koretsky – 4.27.
SVN – 3.49.
Elliot – 6.12; 7.19.

3
1. SANDLER
4.11) SANDLER

a) Mostrar pela equação de estado de Peng-Robinson que:

a(Tc) = 0,4557235529 (R²Tc²)/Pc


b = (0,07780 RTc)/Pc

b) Determinar ZC por Peng-Robinson.

5
4.11) SANDLER

a) Os 3 pontos críticos do volume são iguais e tem o mesmo valor do


volume crítico, logo
(V-Vc)3 = 0

Expandindo teremos:
𝑉 3 − 3𝑉𝑐𝑉 2 + 3𝑉 𝑐 2 𝑉 − 𝑉 𝑐 3 = 0 (1)

Comparando com a equação de PR


𝑅𝑇 𝑎 𝑅𝑇 𝑎
P= − = −
𝑉−𝑏 𝑉 𝑉+𝑏 +𝑏 𝑉−𝑏 𝑉−𝑏 𝑉² +2𝑏𝑉−𝑏²
6
4.11) SANDLER

▪ Multiplicando pelos denominadores teremos:


𝑅𝑇 2𝑏𝑅𝑇 𝑎 𝑅𝑇𝑏2 𝑎𝑏
𝑉3 + 𝑉2 𝑏− 𝑃
+ −3𝑏2 − 𝑃
+ 𝑃
𝑉+ 𝑏3 + 𝑃
− 𝑃
= 0 (2)

▪ Pegando o que acompanha V2 em (1) e (2) temos:


𝑅𝑇𝑐
V2: 𝑏 − = −3𝑉𝑐 (3)
𝑃𝑐

▪ Pegando o que acompanha V em (1) e (2) temos:


2𝑏𝑅𝑇𝑐 𝑎
V: −3𝑏2 − + = 3𝑉𝑐 2 (4)
𝑃𝑐 𝑃𝑐
7
4.11) SANDLER

▪ Pegando o que acompanha V0 em (1) e (2) temos:


𝑅𝑇𝑐 2 𝑎𝑏
V0: 𝑏3 − 𝑏 − = −𝑉𝑐 3 (5)
𝑃𝑐 𝑃𝑐

▪ De (3) Adotando:
𝑃𝑐𝑉𝑐 𝑃𝑐𝑏
𝑅𝑇𝑐
= 𝑍𝑐 e 𝑅𝑇𝑐
=𝑦

▪ Temos:
𝑃𝑐𝑏 1−𝑦
= 1 − 3𝑍𝑐 (6) e Zc =
𝑅𝑇𝑐 3
8
4.11) SANDLER

▪ O mesmo para equação (4) teremos:


2
𝑎𝑃𝑐 3(𝑦 − 1)2
−3𝑦 + 2𝑦 + =
(𝑅𝑇𝑐)2 9

▪ Expandindo teremos:
𝑎𝑃𝑐 1
= (10𝑦 2 + 4𝑦 + 1) (7)
(𝑅𝑇𝑐)2 3

▪ O mesmo para (5) teremos:


𝑦 1
𝑦3 + 𝑦2 − 10𝑦 2 + 4𝑦 + 1 = (1 − 𝑦)3 9
3 27
4.11) SANDLER

▪ Organizando:
64𝑦 3 + 6𝑦 2 + 12𝑦 − 1 = 0
▪ A solução real para a cúbica é: Y = 0.077796074

𝑅𝑇𝑐
▪ Logo, de (6) 𝑏=𝑦 𝑃𝑐
𝑅𝑇𝑐
𝑏 = 0.077796074
𝑃𝑐

▪ E de (7), isolando “a” e substituindo o valor de “y” temos:


(𝑅𝑇𝑐)2 10
𝑎 = 0.4557235529
𝑃𝑐
4.11) SANDLER

b) Temos o fator de compressibilidade crítico igual a:

1−𝑦
Zc = 3

Substituindo o valor de y temos:


Zc = 0.307401309.

11
4.26) SANDLER

A força necessária para manter uma fibra polimérica esticada a um


comprimento L. Quando a observa não esticada, de comprimento Lo
está relacionada com a temperatura como segue
F= γ T (L-Lo)
Onde γ é uma constante positiva e a capacidade calorífica da fibra é
medida no comprimento Lo é dada por
CL = α+ßT
Onde α e ß são parâmetros que dependem do comprimento da fibra.

12
4.26) SANDLER
a) Desenvolver uma equação que relacione a mudança na entropia da
fibra com as mudanças na temperatura e comprimento, avalie as
derivadas que aparecem na equação.

b) Desenvolver uma equação que relacione a mudança de energia


interna da fibra com as mudanças na temperatura e comprimento.

c) Desenvolver uma equação que relacione a entropia da fibra a uma


temperatura To e uma extensão Lo com a sua entropia em qualquer
outra temperatura T e extensão L.
13
4.26) SANDLER
d) Se a fibra em T=Ti e L=Li for esticada lentamente e
adiabaticamente até atingir um comprimento Lf, qual será a
temperatura da fibra ?

e) Na ciência dos polímeros, é comum atribuir a força necessária para


esticar uma fibra aos efeitos energéticos e entrópicos. A força
energética é Fu e a força entrópica é Fs. Avalie Fu e Fs.

14
4.26) SANDLER

15
4.26) SANDLER

16
4.48) SANDLER
Hélio a alta pressão está disponível a partir de produtores de gás em
cilindros de 0,045 m³ a 400 bar e 298 K. Calcule o equivalente a
explosão de um tanque de Hélio comprimido em termos de
quilogramas de TNT.
Dados:
Tc = 5,19 K
Pc = 2,27 bar
W= -0,387
Vt = 0,045 m³ (dado na questão)
P= 400 bar
17
T = 298 K
4.48) SANDLER
Com ajuda do Peng-Robinson obtém-se o volume inicial:
Vi = 7,10 699 x 10-5 m³
N = Vt/Vi = 633,2 moles
Z = 1,1473
S = 0,0151 J/K
H = 274,278 J

Como Pf = 1,013 bar, faz-se iterações com a pressão fixa e palpites de


T, até que a entropia encontrada seja a calculada.
18
4.48) SANDLER
De forma a facilitar a programação e diminuir o número de variáveis,
criam-se novos parâmetros:
x= V/b y=T/Tc
A partir da equação de Peng-Robinson, obtém-se o x e o y, facilitando
a obtenção do volume final e da temperatura final. Com os valores
obtidos, têm-se então:
Vf= 2,2315 x 10-3 m³
Tf= y*Tc= 27,365 K

A partir da fórmula Zf*R*Tf= Pf*Vf, resultando em:


Zf= 1,05794

Utilizando programação para a mesma equação de Entalpia, têm-se: 19


H=11,613 J
4.48) SANDLER
Calcula-se a variação de energia interna:
∆ U= [∆H + Cp* (∆ T) - (∆ Z)*(∆ T)*R]*N
∆ U= -2,0806*106 J

Encontra-se a energia interna para explosão e realiza-se a


comparação com kg de TNT a partir da energia interna, sabendo que
TNT “dissipa” 4,6 MJ de energia por kg, obtém-se 0,45231 kg de TNT
correspondentes a essa reação.

20
4.48) SANDLER

21
2. KORESTKY
4.27) KORETSKY

Bem-vindo à Cia. De Gás Castor! Sua primeira tarefa é fazer um


cálculo aproximado da venda anual dos nossos gases, grau superpuro,
nitrogênio e oxigênio.
a) A quantidade aproximada de vendas de N2 é de 30.000 unidades por
ano. Considere que o volume do cilindro é de 43 L, a pressão é de
12.400 kPa e o preço é R$ 20,00/kg. Compare seu resultado àquele
que você obteria através do modelo do gás ideal.
b) Repita para 30.000 unidades de O2 a 15.000 kPa e R$ 30,00/kg.

23
4.27) KORETSKY

a) Pela tabela A.1 (Koretsky):

Nitrogênio:
▪ Resolvendo por Peng-Robinson:
MM= 28,013 g/mol
Com a pressão fornecida no
Tc=126,3 K enunciado, utilizando a temperatura
Pc=3,384 Mpa de 295K e os dados tabelados do
W=0,039 Nitrogênio acha-se um volume molar
de 1,97x10-4m3/mol.
R=8,314J/mol.K
24
4.27) KORETSKY

▪ Para achar a quantidade em massa de N2 que é vendida


anualmente, precisa-se descobrir o volume total vendido:
Vtotal= (30.000 unidades x 43L) = 1.290.000 L = 1290 m3

▪ Calcula-se a quantidade em mol nesse volume e depois a massa


total:
n= 1290m3/(1,97x10-4m3/mol) = 6,55x106 mol
M= (6,55x106mol).(28,013g/mol)= 1,83x105 Kg

▪ Sabendo que é R$ 20,00/Kg acha-se o valor da venda anual: 25

Venda= R$ 20,00 . 1,83x105 Kg = R$ 3.660.000,00


4.27) KORETSKY

▪ Resolvendo pelo modelo do gás ideal:


Pvmolar = RT
Vmolar = 1,98x10-4 m3/mol

▪ Resolvendo da mesma forma anterior, acha-se a quantidade em


mol presente nas 30.000 unidades e depois a massa através da
massa molar do N2. Depois de achada a massa, é possível saber o
valor da venda anual:
Venda= R$ 20,00 . 1,82x105 Kg = R$ 3.640.000,00
26
4.27) KORETSKY

27
4.27) KORETSKY

b) Pela tabela A.1 (Koretsky):

Oxigênio: ▪ Resolvendo por Peng-Robinson:


MM= 32 g/mol Com a pressão fornecida no
enunciado, utilizando a temperatura
Tc=154,6 K
de 295K e os dados tabelados do
Pc=5,046 Mpa Nitrogênio acha-se um volume molar
W=0,021 de 1,53x10-4m3/mol.
R=8,314J/mol.K
28
4.27) KORETSKY

▪ Desenvolvendo da mesma forma que a letra (a), acha-se um


valor de venda anual de R$ 8.608.000,00.

▪ Já resolvendo pela equação dos gases ideais, acha-se um


valor de venda de R$ 7.560.000,00.

29
3. SMITH – VAN NESS
3.49) SMITH – VAN NESS

Um vaso de 0,35 m³ armazena vapor de etano a 25 ºC e 2.200


kPa. Se ele for aquecido até 220ºC, qual é a pressão
desenvolvida?

Dados (Apêndice A1):


MM = 30,069 g/mol;
Tc = 305,4 K;
Pc = 48,74 bar;
w = 0,099. 31
3.49) SMITH – VAN NESS

Inicialmente calcula-se o volume do etano a partir da


temperatura de 25 ºC (298,15K) e 2.200 kPa (2,2 MPa).

32
3.49) SMITH – VAN NESS
Sabendo que se trata de um sistema fechado e sem realização
de trabalho, o volume encontrado será constante. A partir disso,
calcula-se a pressão final.

33
4. ELLIOT
6.12) ELLIOT

Quando equações cúbicas de estado dão três raízes reais para Z,


normalmente a menor raiz é a raiz líquida e a maior é a raiz de
vapor. No entanto, a equação de Peng-Robinson pode originar
raízes reais e altas pressões que diferem desse padrão. Para
estudar este comportamento, tabule todas as raízes
encontradas para o gás e pressões especificados. Como as
pressões mais altas são aproximadas a esta temperatura, o
fluido é um líquido ou gás? Qual raiz real (menor, média ou maior)
representa essa fase na pressão mais alta, e quais são os valores
de Z nas pressões especificadas?
35
6.12) ELLIOT

a) Etileno a 250 K e 1, 3, 10, 100, 150, 170, 175 e 200 MPa.

36
6.12) ELLIOT

b) Hexano a 400 K e 0.2, 0.5, 1, 10, 100, 130 e 150 MPa.

37
2.29) ELLIOT

Um tanque bem isolado 1 mol de ar a 2 Mpa a 673 K. Ele é conectado através


de uma válvula fechada a um pistão isolado/dispositivo de cilindro que está
inicialmente vazio. O pistão pode ser assumido sem atrito. Os volumes da
tubulação e da válvula são desprezíveis. O peso do pistão e a pressão
atmosférica são tais que a força descendente total pode ser equilibrada com
pressão de gás no cilindro de 0,7 MPa. A válvula entre o tanque e o pistão-
cilindro é aberta até que a pressão seja uniforme por toda parte. A
temperatura no tanque é encontrada para ser 499,6 K. O ar pode ser
assumido como um gás ideal com uma cap. calorífica independente da
temperatura de Cp 29,3 J/mol.K.
a) Qual é o número de moles deixados no tanque no final do processo ?
b) Escrever e simplificar o balanço energético para o processo. Determine a
temperatura final de gás no pistão-cilindro. 38
2.29) ELLIOT

Ti = 673 K
Tf = 499,6 K
Pi = 2 MPa
ni = 1 mol

39
2.29) ELLIOT

a) A questão pede o volume de mols restantes no tanque,


considerando o ar como gás ideal, calcula-se por PV = nRT, obtendo
Vtanque = 2797,66 cm³.

Utilizando a Pf (a questão diz que a pressão se estabiliza em 0,7 MPa)


na equação novamente (utiliza-se v=V/n para facilitar os cálculos)
acha-se o número de mols restantes (ntanque=0,471 mol). Então, (0,7)*
v= 8,314 x 499,6.

40
2.29) ELLIOT

b) Considerando que é um sistema fechado, calcula-se: ∆U= Cp*∆T


∆U= (29,3)*(499,6-673)∆U= - 5080,62 J/mol admitindo que existem
0,471 mols no tanque, multiplicam-se esses valores, obtendo a
energia envolvida no tanque (∆U= - 2395,4 J).

Sabendo a energia total do sistema, encontra-se a temperatura final


no cilindro-pistão, sabendo que a Ti do fluido é 499,6K.

41
5. PR PARA MISTURA
43
44
45
OBRIGADO !
Alguma dúvida?

😉
46