Você está na página 1de 12

SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

TECNOLOGIA EM GESTÃO
Curso Semestre: 4º/5º
HOSPITALAR
Disciplinas AUDITORIA EM SAÚDE
integradoras PROCESSOS LOGÍSTICOS
GESTÃO DA QUALIDADE E ACREDITAÇÃO HOSPITALAR
BIOÉTICA E BIOSSEGURANÇA
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GERENCIAL
SEMINÁRIO DE PROJETO INTEGRADO V

Professores Profª Dayane Aparecida Scaramal


Profº Edmarcos Carrara
Profº Eric Ferreira
Profª Franciely Midori de Freitas
Profº Marco Ikuro Hisatomi
Conteúdos Gestão da qualidade; Acreditação Hospitalar; Auditoria em
interdisciplinares Serviços de Saúde; Sistemas de Informação; Biossegurança;
Processos logísticos.
Competência Desenvolvimento de um Plano de Gerenciamento de Resíduos
Sólidos (PGRS) em uma unidade hospitalar; Propor
intervenções com base em uma auditoria externa; Identificar
estratégias para a solicitação do processo de acreditação
hospitalar.
Habilidades Promover a aplicação prática dos principais temas estudados
nas disciplinas do semestre, a partir da elaboração de
estratégias gerenciais para solucionar potenciais problemas no
ambiente hospitalar.
Objetivos de Interpretar uma situação-problema para exercitar a aplicação
aprendizagem prática dos conteúdos interdisciplinares; integrar de forma
clara e coesa os tópicos do roteiro de conteúdos com a
finalidade de esclarecer a importância dos assuntos abordados
nas disciplinas deste semestre na prática profissional; elaborar
produções científicas aplicando normas da ABNT. Esse
processo visa capacitar e qualificar o aluno para o mercado de
trabalho, cenário de sua futura atuação profissional.
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

PRODUÇÃO TEXTUAL INTERDISCIPLINAR INDIVIDUAL


Prezado(a) estudante,
Seja bem-vindo a este semestre!

A proposta de Produção Textual Interdisciplinar Individual (PTI) contará com


uma situação-problema para possibilitar a aprendizagem interdisciplinar dos
conteúdos desenvolvidos nas disciplinas desse semestre.
A seguir apresentamos as orientações.

CONTEXTUALIZAÇÃO

Leitura e interpretação da SGA

Na Produção Textual Individual (PTI) é imprescindível, num primeiro momento,


conhecer a Situação Geradora de Aprendizagem (SGA).
Num segundo momento, você deverá se envolver com a Situação Geradora de
Aprendizagem (SGA), inserindo-se nesse contexto para realizar a atividade
proposta. Para realizar essas tarefas, siga as orientações fornecidas nesse
material, e embase-se em fundamentações teóricas diversas (livros das
disciplinas, teleaulas, webaulas e outros materiais complementares, sejam
estes indicados pelos professores, sejam pesquisados por você).

Situação Geradora de Aprendizagem (SGA)

O Hospital San Martin é uma organização privada e de nível terciário de


atendimento em saúde. Atualmente, encontra-se com dificuldades para atender
sua demanda, que aumenta a cada dia. Recentemente, a família de um dos
pacientes denunciou o hospital ao Ministério Público, apontando a
precariedade da estrutura física da instituição e negligências no atendimento,
além de outros problemas que impactaram diretamente na morte do paciente
em questão. O filho do paciente conseguiu fotografar as péssimas condições
de higiene e o total descaso da unidade de internação em que o paciente
estava alocado. Em uma das fotos, é possível ver uma funcionária
reaproveitando um saco de lixo hospitalar, além de fraldas pelo chão e paredes
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

parcialmente desgastadas. O paciente deu entrada no hospital com dores


abdominais e foi encaminhado para a realização de apendicectomia, devido ao
diagnóstico de apendicite (inflamação no apêndice) após avaliação médica e a
realização de exames de imagem. Depois do procedimento, o paciente
apresentou, inicialmente, sinais sugestivos de infecção em sítio cirúrgico, que
evoluiu para septicemia (infecção generalizada), ocasionando o óbito do
paciente. Diante da gravidade do caso, o gerente do Hospital San Martin
verificou a necessidade de uma avaliação geral da instituição: processos,
atendimento, infraestrutura, entre outros. A direção do hospital então,
preocupada com a má qualidade dos serviços prestados, contratou uma equipe
de profissionais especializados em gestão da qualidade/acreditação e
processos de auditoria. Vale lembrar, que a auditoria visa identificar as
fragilidades, analisando-as e sugerir melhorias para o alcance dos objetivos
desejados. Durante a auditoria externa, foram identificados diversos problemas,
tais como:
Hospital como um todo
• Medicamentos vencidos e armazenados em locais inadequados e de maneira
irregular.
• Falta de materiais básicos (gazes, seringas, esparadrapo, entre outros).
• Problemas com alguns fornecedores (entrega, prazos, contratos de
fornecimento, fornecedores não qualificados).
• Problemas com o gerenciamento das informações com relação a controle de
estoque (materiais de consumo, medicamentos e etc).
• Problemas com a comunicação e gerenciamento das informações entre
diferentes setores.
Setores de Internação
• Despreparo profissional.
• Arquivamento inadequado por prontuários, bem como a ausência de
assinatura dos profissionais ou informações incompletas sobre o atendimento
prestado.
• Infraestrutura inadequada: torneiras comuns (acionamento manual), pisos
com rachaduras, ausência de antissépticos para a desinfecção das mãos,
dentre outros.
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

Unidade de Terapia Intensiva


• Leitos com visão prejudicada, ou seja, os profissionais (médicos e
enfermeiros) não possuem uma visão ampla do paciente, ao estar no balcão de
atendimento.
• Equipamentos (monitores, eletrocardiógrafo, esfigmomanômetro digitais e
manuais, entre outros) apresentando falhas operacionais.
• Saídas de gases medicinais, como oxigênio e ar comprimido, são
compartilhadas.
Unidades de Urgência e Emergência
• Ausência de protocolo ou manual para a realização da referência e contra
referência de pacientes para outros serviços.
• Ausência de um protocolo de triagem, ou seja, avaliação por gravidade ou
atendimento.
• Pacientes com doenças infectocontagiosas são inseridos em quartos, sem
que haja critérios para tal.
Centro Cirúrgico
• Clientes em recuperação anestésica permanecem nas salas cirúrgicas, não
sendo encaminhados a uma sala específica.
• Equipamentos espalhados pelos corredores.
• Falta de informação dos clientes, devendo o enfermeiro do centro-cirúrgico,
procurar obter do cliente ou dos familiares, informações pertinentes, antes do
procedimento cirúrgico.
São problemas que preocupam o gestor do hospital e que precisam ser
rapidamente solucionados para a melhoria da qualidade dos serviços prestados
pela Instituição. Além disso, um dos objetivos futuros do Hospital San Martin é
atingir certificação de “Nível 1 – Hospital Acreditado” pela Organização
Nacional de Acreditação (ONA). Esse processo de acreditação é realizado
pelos demais hospitais na busca pela melhoria da qualidade dos serviços em
saúde. Portanto, iniciativas deverão ser tomadas a fim de prepara-la para tal
processo. É importante destacar que a acreditação em saúde, corresponde a
uma metodologia de avaliação espontânea, ou seja, a instituição procura este
tipo de avaliação, no sentido de garantir a qualidade da assistência em saúde,
por meio de parâmetros previamente aceitos. A acreditação está voltada para
três princípios básicos:
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

1. Estrutura da organização: recursos físicos, materiais e humanos;


2. O processo da prestação de serviços em saúde;
3. Os resultados, incluindo a satisfação do cliente.
Diante deste contexto, você, enquanto futuro gestor hospitalar, precisa
identificar soluções para que o hospital consiga melhorar seus serviços.

Agora, que conhece a SGA proposta, você precisa responder os


seguintes desafios:

Desafio I – Bioética e Biossegurança

Prezado(a) estudante,

Todas as instituições geradoras de resíduos de serviços de saúde


devem elaborar um Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de
Saúde, também conhecido pele sigla PGRSS. Esse plano dever ser baseado
nas características dos resíduos gerados e na classificação destes,
estabelecendo as diretrizes para o seu manejo.

De acordo com as alegações e as imagens fotografadas pelo filho do


paciente da nossa situação-problema, percebemos que o hospital não possui
um Plano de Gerenciamento de Resíduos efetivo e por isso inúmeros
problemas estão acontecendo em decorrência disso.

E agora, com base no problema identificado na nossa situação


problema, conceitue o que é Plano de Gerenciamento de Resíduos de Serviços
de Saúde (PGRSS) e qual o seu objetivo. Após isso, pensando enquanto
gestor hospitalar, pontue e explique o passo-a-passo da elaboração do
PGRSS.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual


de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde / Ministério da Saúde,
Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006.

HOSPITAL DE CLÍNICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO


MINEIRO (HC-UFTM), administrado pela Empresa Brasileira de Serviços
Hospitalares (Ebserh) – Ministério da Educação Plano de Gerenciamento de
Resíduos de Serviço de Saúde – Gerência de Resíduos/Setor de Hotelaria
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

Hospitalar do HC-UFTM, Uberaba, 2018. 66p.

Desafio II – Sistemas de Informação Gerencial e Processos Logísticos

Prezado(a) estudante,
1. Identifique os principais problemas do hospital com relação a gestão das
informações e controle de produtos/processos e descreva quais são os tipos de
sistemas mais adequados para a melhoria dos processos gerenciais, logísticos
e da comunicação interna, sempre visando o tratamento dos dados para uma
tomada de decisão.
2. Destaque as principais vantagens e desvantagens que o hospital pode vir a
enfrentar, a respeito da implementação dos sistemas de informação propostos.
Um sistema funcional atenderia as necessidades do hospital? Qual a
ferramenta, em sua opinião, atenderia melhor as necessidades da
organização? As perguntas destacadas acima podem servir como diretrizes. As
imagens abaixo, podem auxiliar no desenvolvimento desta etapa:

3. A logística é o conjunto de atividades que integra, coordena e controla o


fluxo físico de materiais e de informações nas fases de: compra,
armazenagem, manipulação de material, movimentação, distribuição e
transporte. Dentre os subprocessos destaca-se a logística de suprimentos que
é responsável pela entrada de todos os suprimentos, ou seja, todos os insumos
necessários a atender a demanda, como por exemplo, medicamentos, gases,
equipamentos e mão de obra, até a liberação para que possam ser
efetivamente consumidos. Envolve as atividades de seleção de fornecedores,
aquisição, definição dos meios de transporte, processos de armazenagem, a
gestão e ainda coordena o fluxo de informações relacionados a estes insumos.
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

O Hospital San Martin apresenta problemas com alguns fornecedores (entrega,


prazos, contratos de fornecimento, fornecedores não qualificados). Deste
modo, cabe a vocês, neste momento, desenvolverem um manual que servirá
para orientar o desenvolvimento, avaliação e cadastro de novos fornecedores.
Isso significa dizer que nenhum fornecedor poderá trabalhar com o Hospital
San Martin caso todos os requisitos e critérios não estejam de acordo com este
manual.

REFERÊNCIAS
ARMELIN, D. A.; SILVA, S. C. P.; COLUCCI, C. Sistemas de Informação
Gerencial. Londrina: Editora e Distribuidora Educacional S.A., 2016. p. 236.

GORDON, S.; GORDON, J. Sistemas de informação: uma abordagem


gerencial. Rio de Janeiro: LTC, 2013. Disponível na biblioteca virtual: <
https://bit.ly/2Nfe3i7 >. Acesso em: 02 fev. 2019.

HISATOMI, I. Benefícios em adotar um Sistema TMS. Disponível no link <


http://bit.ly/beneficio-TMS_MHisa > Acesso em 02 fev. 2019.

O’BRIEN, J. A. Administração de sistemas de informação. 15 ed. Porto


Alegre: AMGH, 2013. Disponível na biblioteca virtual pelo link <
http://bit.ly/CicloDesenv_MHisa > Acesso em 02 fev. 2019

FERREIRA, L, et al. Processos logísticos. Londrina: Editora e Distribuidora


Educacional S.A., 2016.

PIRES, Silvio R. I. Gestão da cadeia de suprimentos. São Paulo: Atlas, 2016.

Desafio III - Auditoria em Saúde


Prezado(a) estudante,
Assim como o processo de acreditação contribui para a melhoria da qualidade
e da segurança na área da saúde, a auditoria também contribui a estes
aspectos por meio do planejamento e execução dos trabalhos de auditoria que
permitem que o auditor avalie uma situação para recomendar melhorias.
Em razão dos problemas mencionados na situação-problema, está sendo feita
uma auditoria plena em todo o hospital, no entanto, vocês, profissionais de
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

Auditoria, preocupados com qualidade da saúde e dos trabalhos, foram


designados para o trabalho de auditoria no hospital na Área de Patrimônio e
Almoxarifado. Para a análise da área de Patrimônio e Almoxarifado, adotou-se
como procedimentos principais o exame físico e a análise documental,
abrangendo os bens móveis, imóveis e de estoque. Os bens móveis são os
móveis mobiliários, utensílios, equipamentos e veículos. Os bens de estoque
compreendem os bens de consumo que transitam ou não em almoxarifado, tais
como: material de expediente, medicamento, combustível, material de
informática e material de limpeza. Já́ os bens imóveis compreendem prédios,
terrenos e outros imóveis. O exame físico realizado foi acompanhado por
servidores designados do hospital, observando-se:
a) a disposição e a localização dos itens;
b) a existência de bens de outras entidades;
c) itens deteriorados ou inservíveis;
d) aspectos de segurança relacionados à guarda dos bens.
Durante a execução da auditoria, foram registradas nos papéis de trabalho os
achados e as evidências, os quais são elementos fundamentais para embasar
a opinião da auditoria sobre as atividades e os processos do hospital e permitir
que ela forneça recomendações, levando esta avaliação ao aumento da
qualidade e da segurança dos atendimentos na saúde.
Os achados identificados foram:
a) Condições inadequadas de controle, armazenamento e logística nos
almoxarifados, tais como: desorganização; insegurança; falta de ventilação,
dificuldade de circulação;
b) Deficiência de controle sobre os bens móveis: falta de material básico, bens
sem plaquetas de registro de entrada (tombamento); medicamentos
deteriorados e guardados em local inapropriado; ausência de segurança nos
locais de armazenagem; deficiência no controle da documentação dos veículos
em péssimo estado de conservação destes;
c) Acerca dos bens imóveis, foram detectados problemas como: péssimas
condições físicas; precariedade de instalações e, ainda, estado de abandono,
em alguns.
As evidências obtidas foram:
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

a) Foi possível identificar as condições inadequadas existentes de controle e de


armazenamento e logística nos almoxarifados. Tal fato ocasiona diversos
outros problemas, como, por exemplo, vencimento do prazo de validade dos
medicamentos.
b) Equipamentos cirúrgicos sem plaquetas de registro de entrada
(tombamento), que podem facilitar o desvio/retirada do patrimônio público; bens
quebrados ou deteriorados e guardados em local inapropriado, causando
prejuízo ao patrimônio público; péssima conservação dos veículos.
c) Evidenciam-se problemas quanto aos bens imóveis, como as péssimas
condições físicas, a precariedade de instalações e, ainda, estado de abandono,
sem segurança.
Assim, com base nas informações obtidas e apresentadas a respeito do
Patrimônio e Almoxarifado, comente o papel do programa de auditoria
nesta situação e liste pelo menos cinco recomendações, de modo, a
sugerir as ações que o hospital poderia tomar para resolver os problemas
identificados. Veja a lista de referências, pois é sugerida a leitura de alguns
manuais de auditoria:

REFERÊNCIAS
INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE. Manual de Procedimentos da
Unidade Auditoria Interna do IFC. UNAI – IFC. 2016. Disponível em:
<http://ifc.edu.br/wp-content/uploads/2014/05/Manual-de-Auditoria-Interna-
vers%C3%A3o-final-.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS. Manual de Auditoria


Interna. Auditoria Geral da UFMG. 2ª versão. Belo Horizonte: 2013. Disponível
em:
<https://www.ufmg.br/auditoria/images/stories/documentos/manual_2a_verso_r
evisado.pdf>. Acesso em: 21 dez. 2018.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO. Manual de Auditoria


Interna. AUDIN. Rio de Janeiro: UNIRIO, 2016. Disponível em:
<http://www.unirio.br/audin/manual-de-auditoria>. Acesso em 15 dez. 2018.

Desafio IV - Gestão da Qualidade e Acreditação Hospitalar


Prezado(a) estudante,
O processo de acreditação está intimamente relacionado com a qualidade e
com a segurança do atendimento em saúde. Desse modo, as Organizações
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

Prestadoras de Serviços de Saúde podem solicitar o processo de Acreditação,


realizado por organizações não governamentais, com ou sem fins lucrativos. A
principal entidade mantenedora da Acreditação brasileira é a Organização
Nacional de Acreditação (ONA), criada em 1999, responsável por credenciar
Instituições Acreditadoras para realizar avaliações pela metodologia do
Sistema Brasileiro de Acreditação - ONA.
Considerando que o Hospital San Martin deseja ser um Hospital “Acreditado’’,
ele precisa submeter-se a fase de avaliação, compreendida pela vistoria de
todos os setores e unidades hospitalares. Para que o hospital seja avaliado é
importante que todos os colaboradores sejam informados e preparados para tal
processo. A visita, propriamente dita, deve ser voluntária e solicitada
formalmente à Instituição Acreditadora Credenciada pela ONA.
Diante deste contexto e da situação-problema, é importante que vocês,
enquanto futuros gestores hospitalares, compreenda o processo de
acreditação. Por isso:
1. Escolha pelo menos DOIS setores/unidades hospitalar (setor de internação/
unidade de terapia intensiva/ unidades de urgência e emergência/ centro-
cirúrgico) para propor soluções aos problemas listados, a fim de que o Hospital
se prepare antes de solicitar a avaliação, propriamente dita, e consiga receber
o certificado de “Acreditado”.
Obs: Consulte as referências a seguir, pois ajudarão a responder os
questionamentos 1 e 2, apresentados acima.

REFERÊNCIAS
BERTO, A. M.; UHLMAN, V. O.; ERDMANN, R. H.; KAWASE, P. R.
Acreditação hospitalar: uma complementariedade proveitosa para a gestão da
produção. Rev Sistemas & Gestão, 2017; v. 12, p. 447-461.Disponível em:
http://www.revistasg.uff.br/index.php/sg/article/view/1155/744. Acesso em:
24jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002. Dispõe


sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e
avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.
Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília, 20 de mar. de
2002. Disponível em:
https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/legislacao/item/rd
c-50-de-21-de-fevereiro-de-2002. Acesso em: 24 jan. 2019.
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

BRASIL. Ministério da saúde. Protocolo para cirurgia segura. Brasília, 2013.


Disponível em:
https://www20.anvisa.gov.br/segurancadopaciente/index.php/publicacoes/categ
ory/cirurgias-seguras. Acesso em: 25 jan. 2019.

OLIVEIRA, J.L.C.; MATSUDA, L.M. Descredenciamento da certificação pela


acreditação hospitalar: percepções de profissionais. Texto Contexto Enferm,
2016; v. 25, n.1. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v25n1/pt_0104-
0707-tce-25-01-4430014.pdf. Acesso em: 24 jan. 2019.

ORGANIZAÇÃO NACIONAL DE ACREDITAÇÃO. Disponível em:


https://www.ona.org.br/Pagina/374/Instituicoes-Credenciadas. Acesso em: 24
jan. 2019.

ORIENTAÇÕES PARA A EXECUÇÃO DO TRABALHO


 O trabalho deve ser realizado individualmente;
 A produção textual é um trabalho original e, portanto, não poderá haver
trabalhos idênticos ao de outros alunos;
 Você deve postar o trabalho na pasta específica (pasta atividades
interdisciplinares) obedecendo ao prazo limite de postagem conforme disposto
no cronograma do curso.
 É importante que você leia os materiais disponíveis das disciplinas do
semestre;
 Além da pesquisa nos materiais das disciplinas, lembre-se de que a
Biblioteca Digital tem excelentes obras que tratam dos temas propostos. (A
pesquisa é fundamental para o bom desenvolvimento do trabalho);
 A Produção Textual deverá ser desenvolvida inteiramente dentro das
Normas da ABNT (Capa, Folha de rosto, Sumário, Desenvolvimento,
Conclusão, Referências, etc).
 O desenvolvimento do trabalho deve conter as respostas dos desafios
solicitados.

ORIENTAÇÕES PARA FORMATAÇÃO DO TRABALHO


- A produção textual deve ter, no mínimo, 5 e, no máximo, 8 laudas (páginas),
com todas as suas seções preenchidas. As referências não serão contadas
entre as laudas;
- A produção textual deve ser cadastrada em arquivo Word;
SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO HOSPITALAR

- A produção textual deverá obedecer às normas técnicas da ABNT. O aluno


deve acessar a “Biblioteca Digital”, clicar em “Padronização” e escolher as
opções “Trabalhos acadêmicos – Apresentação” e “Modelo para elaboração de
Trabalho Acadêmico”;

CRITÉRIOS AVALIATIVOS
Apresentamos os critérios avaliativos que nortearão a devolutiva escrita e o
conceito a ser dado pelo tutor a distância.

Critério Significado
A produção textual apresenta uma linguagem de fácil
Coerência, clareza e
compreensão, apresentando os argumentos de modo
coesão
claro e coeso.
Aplicação dos No texto escrito (com as justificativas e
conteúdos argumentações) as ideias apresentam relação direta
interdisciplinares no com a situação descrita e explicitam conteúdos
texto argumentativo trabalhados em TODAS as disciplinas do semestre.
O conteúdo tem relação direta com o tema, traduz uma
Riqueza de
reflexão crítica e contempla os pontos estabelecidos no
argumentação
roteiro.
Organização dos Atender ao que foi solicitado nos desafios.
conteúdos
Respeito às normas da ABNT, respeito à escrita
Normalização
ortográfica e estrutura solicitada.
Observação: O seu tutor a distância estará à disposição para orientações por
meio do sistema de mensagens.

Bons estudos!
Equipe de professores