Você está na página 1de 136

Colégio Sala Ordem

0000 0000 0000


Outubro/2018

SECRETARIA DE FAZENDA DO DISTRITO FEDERAL


Concurso Público para preenchimento de vagas de
Auditor-Fiscal da SEFAZ-DF

Nome do Candidato Nº de Inscrição Nº do Caderno


00000000 000000000

Número do Documento Assinatura do Candidato

PROVA OBJETIVA
Grupo 1 – Grupo 2

INSTRUÇÕES

–– Verifique se este caderno contém 120 questões, numeradas de 1 a 120.


Caso contrário, solicite imediatamente ao fiscal da sala a substituição do caderno.
Não serão aceitas reclamações posteriores.
–– Para cada questão existe apenas UMA resposta certa.
–– Leia cuidadosamente cada uma das questões e escolha a resposta certa.
–– Essa resposta deve ser marcada na FOLHA DE RESPOSTAS que você recebeu.

VOCÊ DEVE
–– Procurar, na FOLHA DE RESPOSTAS, o número da questão que você está respondendo.
–– Verificar no caderno de prova qual a letra (A, B, C, D) da resposta que você escolheu.
–– Marcar essa letra na FOLHA DE RESPOSTAS, conforme o exemplo: A C D

ATENÇÃO
–– Marque as respostas com caneta esferográfica de material transparente de tinta preta ou azul.
Não será permitida a utilização de lápis, lapiseira, marca-texto, borracha ou líquido corretor de
texto durante a realização da prova.
–– Marque apenas uma letra para cada questão. Será anulada a questão em que mais de uma letra
estiver assinalada.
–– Responda a todas as questões.
–– Não será permitida nenhuma espécie de consulta ou comunicação entre os candidatos, nem a
utilização de livros, códigos, manuais, impressos ou quaisquer anotações.
–– A duração de prova é de 5 horas para responder a todas as questões objetivas e preencher a
Folha de Respostas.
–– Ao término da prova, chame o fiscal da sala e devolva todo o material recebido.
–– É proibida a divulgação ou impressão parcial ou total da presente prova. Direitos reservados.
Caderno de Prova

Grupo 1

Língua Portuguesa

TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 1 A 3.


1 A primeira coisa a observar sobre o mundo na década de 1780 é que ele era ao mesmo tempo

menor e muito maior que o nosso. Era menor geograficamente, porque até mesmo os homens

mais instruídos e bem informados da época − digamos, um homem como o cientista e via-

jante Alexander von Humboldt (1769-1859) − conheciam somente pedaços do mundo habitado.
5 (Os mundos “conhecidos” de comunidades menos evoluídas e expansionistas do que a Europa

Ocidental eram obviamente ainda menores, reduzindo-se a minúsculos segmentos da terra

onde os analfabetos camponeses sicilianos ou o agricultor das montanhas de Burma viviam

suas vidas, e para além dos quais tudo era e sempre seria eternamente desconhecido.) A
maior parte da superfície dos oceanos, mas não toda, de forma alguma, já tinha sido explorada
10 e mapeada graças à notável competência dos navegadores do século XVIII como James Cook,

embora os conhecimentos humanos sobre o fundo do mar tenham permanecido insignifican-

tes até a metade do século XX. Os principais contornos dos continentes e da maioria das

ilhas eram conhecidos, embora pelos padrões modernos não muito corretamente. O tama-

nho e a altura das cadeias das montanhas da Europa eram conhecidos com alguma precisão,
15 as localizadas em partes da América Latina o eram muito grosseiramente, as da Ásia, quase

totalmente desconhecidas, e as da África (com exceção dos montes Atlas), totalmente des-

conhecidas para fins práticos. Com exceção dos da China e da Índia, o curso dos grandes

rios do mundo era um mistério para todos a não ser para alguns poucos caçadores, comer-

ciantes ou andarilhos, que tinham ou podem ter tido conhecimento dos que corriam por suas
20 regiões. Fora de algumas áreas − em vários continentes elas não passavam de alguns qui-

lômetros terra a dentro, a partir da costa − o mapa do mundo consistia de espaços brancos

cruzados pelas trilhas demarcadas por negociantes ou exploradores. Não fosse pelas infor-

mações descuidadas de segunda ou terceira mão colhidas por viajantes ou funcionários em

postos remotos, estes espaços brancos teriam sido bem mais vastos do que de fato o eram.

(HOBSBAWM, Eric J. O mundo na década de 1780. In: A era das revoluções: Europa 1789-1848,
tradução de Maria Tereza Lopes Teixeira e Marcos Penchel. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
2007, p. 23-24)

1. Compreende-se corretamente do texto:

(A) O mapa do mundo, no século XVIII, era esboçado por linhas que definiam os caminhos a

2 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

serem trilhados por negociantes e exploradores, esboço que se diferenciava do delineamento

preciso de poucas áreas litorâneas dos continentes.

(B) A variação que se constata na precisão com que eram medidos o tamanho e a altura das

montanhas dos distintos continentes deve ser atribuída à distinta prática dos habitantes locais

no que se refere a esse tipo de mapeamento, prática que chegava, por exemplo, na África, a ser

totalmente desconhecida.

(C) Os padrões modernos de mapeamento de um território tornam inadmissível considerar que,

no século XVIII, os principais contornos dos continentes e da maioria das ilhas eram conhecidos.

(D) Muito do que se sabe sobre o mapa do mundo no século XVIII se deve ao registro, em locais

longínquos, de notícias informais, por meio das quais se passavam adiante informações ouvidas

de outros.

2. Não fosse pelas informações descuidadas de segunda ou terceira mão colhidas por viajantes ou fun-

cionários em postos remotos, estes espaços brancos teriam sido bem mais vastos do que de fato o eram.

A frase acima respeita as orientações da gramática normativa no que se refere à concordância ver-

bal e nominal, assim como ocorre com a seguinte frase:

(A) Caso fosse registrado com mais rigor as informações dos caçadores, e também se elas fos-

sem mais detalhadas, talvez mais se soubesse hoje sobre o conhecimento da época acerca dos

rios da África.

(B) Quaisquer que fossem as circunstâncias, mais favoráveis, ou menos favoráveis, cada habi-

tante sempre enfrentava algo do mistério sobre as cadeias de montanhas que lhe eram próximas.

(C) Se não fosse, naquela época, as ações de certos viajantes, muito do que se sabe hoje per-

maneceria incógnito.

(D) Fosse qual fossem as informações prestadas por andarilhos, tiveram todas sua utilidade

para o conhecimento do mundo do século XVIII.

3. Observada a organização do texto, é plausível o que se afirma em:

(A) (linhas 14 a 17) O fato de os segmentos com alguma precisão, muito grosseiramente, qua-

se totalmente desconhecidas e totalmente desconhecidas caracterizarem o mesmo núcleo − O

3 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

tamanho e a altura das cadeias das montanhas − é que propicia o entendimento de que a série

vai do grau mais exato ao menos exato.

(B) (linha 13) A expressão não muito corretamente suaviza o peso da real avaliação feita pelo

autor, que, se estivesse explícita, teria necessariamente a forma “totalmente errada”.

(C) (linha 1) O numeral em A primeira coisa a observar é marcador que impõe as seguintes

pressuposições: a) há outros fatores a serem observados; b) essa primeira coisa a observar é,

como em todos os contextos, a mais relevante.

(D) (linha 2) A delimitação operada pelo emprego de geograficamente faz supor a existência

de outros critérios, além do geográfico, para se avaliar o tamanho do mundo, por exemplo, o

critério demográfico.

TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 4 A 7.

1 Suponho, finalmente, que os ladrões de que falo não são aqueles miseráveis, a quem a pobreza

e vileza de sua fortuna condenou a este gênero de vida, porque a mesma, sua miséria ou
escusa, ou alivia o seu pecado, como diz Salomão: o ladrão que furta para comer, não vai nem
leva ao inferno: os que não só vão, mas levam, de que eu trato, são os ladrões de maior calibre
5 e de mais alta esfera, os quais debaixo do mesmo nome e do mesmo predicamento distingue

muito bem S. Basílio Magno: não são só ladrões, diz o Santo, os que cortam bolsas, ou esprei-
tam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente
merecem este título, são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o
governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força,
10 roubam e despojam os povos. Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades

e reinos; os outros furtam debaixo do seu risco, estes sem temor, nem perigo; os outros, se
furtam, são enforcados, estes furtam e enforcam. Diógenes, que tudo via com mais aguda vista
que os outros homens, viu que uma grande tropa de varas e ministros de justiça levava a enfor-
car uns ladrões, e começou a bradar: “Lá vão os ladrões grandes enforcar os pequenos”. Ditosa
15 Grécia, que tinha tal pregador! E mais ditosas as outras nações, se nelas não padecera a justiça

as mesmas afrontas. Quantas vezes se viu em Roma ir a enforcar um ladrão por ter furtado um
carneiro, e no mesmo dia ser levado em triunfo um cônsul, ou ditador por ter roubado uma pro-
víncia! E quantos ladrões teriam enforcado estes mesmos ladrões triunfantes? De um chamado
Seronato disse com discreta contraposição Sidônio Appolinar: Seronato está sempre ocupado
20 em duas coisas: em castigar furtos, e em os fazer. Isto não era zelo de justiça, senão inveja.

Queria tirar os ladrões do mundo, para roubar ele só. Declarado assim por palavras não minhas,

4 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

 senão de muito bons autores, quão honrados e autorizados sejam os ladrões de que falo, estes

são os que disse e digo que levam consigo os reis ao inferno. Que eles fossem lá sós, e o diabo

os levasse a eles, seja muito na má hora, pois assim o querem; mas que hajam de levar consigo
25 os reis é uma dor que se não pode sofrer, e por isso nem calar. Mas se os reis tão fora estão de

tomar o alheio, que antes eles são os roubados, e os mais roubados de todos, como levam ao
inferno consigo estes maus ladrões a estes bons reis? Não por um só, senão por muitos modos, os
quais parecem insensíveis e ocultos, e são muito claros e manifestos. O primeiro, porque os reis
lhes dão os ofícios e poderes com que roubam; o segundo, porque os reis os conservam neles;
30 o terceiro, porque os reis os adiantam e promovem a outros maiores; e, finalmente, porque,

 sendo os reis obrigados, sob pena de salvação, a restituir todos estes danos, nem na vida, nem
na morte os restituem. E quem diz isto já se sabe que há de ser Santo Tomás. Faz questão Santo
Tomás, se a pessoa que não furtou, nem recebeu ou possui coisa alguma do furto, pode ter obri-

gação de o restituir. E não só resolve que sim, mas, para maior expressão do que vou dizendo,
35 põe o exemplo nos reis. Vai o texto: Aquele que tem obrigação de impedir que se não furte, se o

não impediu, fica obrigado a restituir o que se furtou. E até os príncipes, que por sua culpa dei-

xarem crescer os ladrões, são obrigados à restituição, porquanto as rendas, com que os povos

os servem e assistem, são como estipêndios instituídos e consignados por eles, para que os

príncipes os guardem e mantenham em justiça. — É tão natural e tão clara esta teologia, que
40 até Agamenão, rei gentio, a conheceu, quando disse: Qui non vetat peccare, cum possit, jubet.

4. Considerada a norma-padrão da língua, é adequado o que se afirma em:

(A) Em relação ao advérbio ‘própria’ no trecho “os ladrões que mais própria e dignamente

merecem este título” (linhas 7 e 8), é correto afirmar: quando, em uma frase, dois ou mais

advérbios terminados em –mente modificam a mesma palavra, deve-se juntar o sufixo -mente

somente no último deles. O uso repetitivo do sufixo não deve ser utilizado em hipótese alguma.

(B) Ao se reescrever o trecho “ou espreitam os que se vão banhar” (linhas 6 e 7) da seguinte

forma: ou espreitam os que vão banhar-se, a correção gramatical será prejudicada.

(C) Em espreitam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa (linhas 6 e 7), o pronome

destacado tem sentido possessivo, como em “Colocou-lhe no dedo a aliança prometida”.

(D) No trecho “Isto não era zelo de justiça, senão inveja”, a substituição de ‘senão’ por mas

sim provocará mudança de sentido.

5 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

5. Transpondo-se para a voz ativa a construção “fica obrigado a restituir o que se furtou”, tem-se:

(A) foi furtado.

(B) foram furtados.

(C) tem furtado.

(D) furtaram.

6. Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu que uma grande tropa

de varas e ministros de justiça levava a enforcar uns ladrões, e começou a bradar: “Lá vão os

ladrões grandes enforcar os pequenos”.

Considerando o contexto, a substituição das formas verbais destacadas pelo presente do indicativo,

no período acima, exemplifica o emprego deste tempo e modo verbais para

(A) marcar um fato futuro, mas próximo, como em “Amanhã mesmo trago de volta seu livro”.

(B) enunciar um fato atual, isto é, que ocorre no momento em que se fala, como em “Agora o

piso está limpo”.

(C) expressar uma ação habitual ou uma faculdade do sujeito, ainda que não estejam sendo

exercidas no momento em que se fala, como em “Tomo pouco café”.

(D) Dar vivacidade a fatos ocorridos no passado, como em “É em 1856 que Machado de Assis

entra para a Imprensa Nacional, como aprendiz de tipógrafo”.

7. … nem na morte os restituem

O verbo que apresenta a mesma regência do destacado na frase encontra-se em:

(A) o ladrão que furta para comer.

(B) Diógenes, que tudo via com mais aguda vista.

(C) os reis lhes dão os ofícios e poderes.

(D) É tão natural e tão clara esta teologia.

6 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Raciocínio Lógico-Quantitativo e Matemática Financeira

8. Um jogo é realizado da seguinte forma: três bolas numeradas de 1 a 3 deverão ser colocadas em

duas urnas X e Y, em que o campeão será aquele que fizer a prova em menor tempo.

O jogador deverá colocar as três bolas nas urnas, de modo que as bolas 1 e 3 NÃO fiquem na mes-

ma urna. O primeiro jogador tem quantas maneiras distintas de realizar tal jogada?

(A) 8.

(B) 6.

(C) 4.

(D) 3.

9. Em uma urna, há 4 bolas amarelas e 6 bolas vermelhas. Foram retiradas simultaneamente, e de

forma aleatória, 2 bolas da urna.

A probabilidade de as duas bolas retiradas serem vermelhas é de:

(A) 1/2.

(B) 1/3.

(C) 1/4.

(D) 1/5.

10. Se é verdade que “nenhum político brasileiro é filósofo” e que “alguns Auditores do DF são filó-

sofos”, então também é necessariamente verdade que:

(A) nenhum político brasileiro é Auditor do DF.

(B) algum Auditor do DF é político brasileiro.

(C) algum político brasileiro é Auditor do DF.

(D) algum Auditor do DF não é político brasileiro.

11. Considerando-se a estrutura formal, um argumento pode ser válido ou inválido, independen-

temente da verdade ou falsidade de suas premissas. Dessa forma, assinale a alternativa que apre-

senta o argumento válido:

7 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) Alguns animais são peçonhentos. O gato é um animal. Logo, todos os gatos são peçonhentos.

(B) Alguns nordestinos moram em Belém. Alguns marrecos moram em Belém. Logo, todos os

marrecos não são nordestinos.

(C) Nenhum pássaro é peçonhento. Há pássaros que fazem mal à saúde das pessoas. Logo,

todos os animais que fazem mal à saúde das pessoas não são peçonhentos.

(D) O homem inteligente nunca recebe penalidades, pois somente o homem que erra recebe

penalidades, e o homem inteligente jamais erra.

12. Uma Duplicata foi descontada dois meses antes de seu vencimento, com taxa de desconto com-

posto igual a 40% ao bimestre, com capitalização mensal. Como o desconto realizado foi comercial,

o valor atual correspondeu a R$ 1.843,20.

Caso o desconto tivesse sido racional, o valor resgatado seria:

(A) R$ 1.900,00.

(B) R$ 2.100,00.

(C) R$ 2.000,00.

(D) R$ 2.300,00.

13. A taxa interna de retorno positiva do fluxo de caixa abaixo correspondente a determinado pro-

jeto é de 12% ao ano.

ANOS FLUXO DE CAIXA (R$)

0 - 39.000,00

1 X

2 2X

O valor de X é igual a:

(A) 16. 240,00.

(B) 14.560,00.

(C) 15.052,80.

(D) 15.680,00.

8 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Direito Constitucional

14. Dentro da sistemática da repartição constitucional de competências e considerando a jurispru-

dência do STF, assinale a alternativa correta.

(A) É constitucional lei estadual que disponha sobre a gratuidade em estacionamento de sho-

ppings centers para pessoas com mais de 60 anos de idade.

(B) Viola a CF dispositivo de Constituição Estadual que assegure ao Governador de Estado a

prerrogativa de ser julgado pela Assembleia Legislativa nos crimes de responsabilidade.

(C) Cabe à União legislar sobre horário de funcionamento dos bancos e sobre tempo de espera

nas filas de agências bancárias.

(D) É incompatível com a CF norma municipal que determine a instalação de portas giratórias

na entrada de estabelecimentos bancários.

15. No tocante aos Poderes do Estado e às suas respectivas funções, marque a assertiva correta.

(A) É da competência privativa do Senado Federal processar e julgar os Ministros do STF, do

STJ e os membros do CNJ e do CNMP nos crimes de responsabilidade.

(B) O foro por prerrogativa de função dos parlamentares é assegurado a partir da posse, não

havendo distinção se os crimes foram praticados antes ou após a investidura, ou mesmo se há

relação com o cargo.

(C) As imunidades materiais de parlamentares estaduais, distritais e municipais abrangem opi-

niões, palavras e votos, afastando a responsabilização penal e civil, restrita à área territorial do

Estado-membro.

(D) Comissão Parlamentar de Inquérito instalada na Assembleia Legislativa pode decretar a

quebra de sigilo de dados, mas não a do sigilo das comunicações telefônicas.

16. No que se refere às súmulas vinculantes e ao controle de constitucionalidade, indique a alter-

nativa incorreta.

(A) Dentro do controle concentrado de constitucionalidade, não há hipótese de atuação de for-

ma preventiva.

9 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) A edição, revisão e cancelamento de súmulas vinculantes pode ocorrer de ofício ou por

provocação dos mesmos legitimados para o ajuizamento da ação direta de inconstitucionalidade,

além de outros que venham a ser estabelecidos em lei.

(C) A modulação temporal de efeitos é uma técnica aplicável ao controle de constitucionalidade

difuso e concentrado, não se estendendo ao juízo de recepção/revogação de normas pré-cons-

titucionais.

(D) A legitimidade para o ajuizamento da ADI Interventiva se restringe ao Procurador-Geral da

República, no plano federal, e ao Procurador-Geral de Justiça, no âmbito estadual.

17. Tendo em vista o texto constitucional e a interpretação jurisprudencial dada pelo STF aos direi-

tos políticos e ao direito de nacionalidade, assinale a alternativa correta.

(A) Serão suspensos os direitos políticos de pessoas condenadas criminalmente em 1ª instân-

cia que tiveram a pena mantida em 2ª instância, ainda que estejam pendentes recursos especial

e extraordinário.

(B) É caso de perda da nacionalidade a aquisição de outra nacionalidade em decorrência de

imposição unilateral por outro país como condição de permanência.

(C) São inalistáveis e inelegíveis os conscritos, durante o serviço militar obrigatório, e também

os analfabetos e estrangeiros.

(D) Indivíduo que tenha perdido a condição de brasileiro nato pode ser extraditado para outros

países.

18. Quanto aos direitos e deveres individuais e coletivos, assinale a alternativa incorreta.

(A) Será desnecessária autorização expressa de associados no ajuizamento de ações judiciais,

agindo como representante ou substituto processual.

(B) Não prescinde de lei formal a exigência de exame psicotécnico ou de idade mínima em

concursos públicos.

(C) Descabe a impetração de habeas data para viabilizar o acesso a processo administrativo.

(D) A suspensão e a dissolução compulsórias de associação dependem de decisão judicial, sen-

do exigida, no último caso, sentença judicial transitada em julgado.

10 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Direito Administrativo

19. De acordo com a doutrina de Direito Administrativo, assinale a alternativa correta sobre os

serviços públicos.

(A) É permitido ao Estado delegar a prestação de determinados serviços públicos a particula-

res, competindo-lhe, todavia, o controle sobre sua execução. No entanto, para ocorrer a delação

na modalidade concessão, há necessidade de prévia licitação pública.

(B) O prestador de serviço deve fornecer o serviço adequado, eficiente e seguro ao usuário,

podendo apenas ser paralisado o serviço para manutenção.

(C) O serviço público está sujeito a regras e princípios – que afetam não só os prestadores

como os usuários, sendo que estes possuem direito a serviço gratuito sempre que não tiverem

meios para custeá-los.

(D) Em caso de inadimplemento do usuário, o fornecimento de serviço público pode ser inter-

rompido pelo concessionário, sendo desnecessária a notificação. 

20. O ato administrativo representa a manifestação da vontade da Administração Pública. Por esse

motivo, são praticados com fundamento no direito público, possuindo características próprias. Sobre

os atributos dos atos, assinale a alternativa correta.

(A) A imperatividade, segundo a qual o ato administrativo se impõe e cria obrigações para de-

terminada pessoa, está presente em todos os atos administrativos.

(B) O atributo presunção de legalidade indica que o ato foi praticado com observância da lei.

Contudo, o ato poderá ser questionado pelo particular possivelmente prejudicado, cabendo ao

poder público provar que o ato é legal.

(C) A autoexecutoriedade representa a prerrogativa da Administração para praticar ato sem

a necessidade de autorização judicial. O ato terá esse atributo quando previsto em lei ou em

situação emergencial.

(D) A atipicidade, segundo a qual a Administração Pública pratica, em regra, atos inominados,

decorre do princípio da autonomia da vontade, desde que não haja proibição legal.

11 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

21. Sobre a organização administrativa, é correto afirmar:

(A) As autarquias devem ser criadas por lei e com personalidade jurídica de direito público.

A lei que cria poderá estabelecer competência para intervir no mercado financeiro, pois possui

personalidade própria.

(B) Considere que o estado “Y” pretenda criar uma entidade administrativa com o objetivo de

fiscalizar o patrimônio ambiental, bem como expedir ato normativo para regulamentar o assun-

to. A estrutura a ser criada terá personalidade jurídica própria e será dirigida por um colegiado

com mandato fixo. Assertiva: pode-se afirmar que foi criada uma agência reguladora.

(C) É conceituado o mecanismo de descentralização por colaboração das atividades da Admi-

nistração Pública, como a criação de uma entidade, em que o poder central é repassado a ente

personalizado, para que exerça a competência com autonomia em relação ao poder central.

(D) É de competência da Justiça Federal processar e julgar, nos litígios comuns, as causas em

que as autarquias do Distrito Federal sejam autoras, rés, assistentes ou opoentes.

22. A organização da Administração é a estruturação das entidades e órgãos que irão desempenhar

as funções, por meio de agentes públicos. Sobre os entes que integram a Administração indireta,

assinale a alternativa correta.

(A) As fundações públicas de direito privado compõem a Administração indireta do Estado. Os

atos e contratos administrativos são regidos pelo direito privado por força de seu regime jurídico.

(B) As empresas públicas podem desempenhar serviços públicos ou praticar atividade eco-

nômica. A jurisprudência admite a criação de subsidiária de empresa pública que desempenha

atividade econômica por Decreto do Chefe do Poder Executivo.

(C) As empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado autorizadas por lei específica,

logo estão submetidas às normas comuns. No entanto, o direito privado é derrogado por normas

de direito público, tais como a realização de concurso público e licitação.

(D) A autarquia pode exercer o poder de polícia, pois pratica atividade de estado. A jurisprudên-

cia é pacífica em admitir a delegação do poder de polícia a pessoa de direito privado, desde que

ocorra regular licitação e que a contratada não ultrapasse os limites estabelecidos na legislação.

12 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

23. A principiologia ocupa posição importante para o estudo do Direito Administrativo, uma vez

que informa vetores de interpretação para todo o ordenamento objeto de estudo. A esse respeito,

assinale a alternativa correta sobre os princípios.

(A) O princípio da moralidade exige atuação segundo padrões éticos de probidade, decoro e

boa-fé. A moral comum deverá ser avaliada no momento da prática da atividade administrativa.

(B) O princípio da juridicidade informa que a interpretação da norma administrativa deve ocor-

rer da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplicação

retroativa de nova interpretação.

(C) O princípio da impessoalidade exige a divulgação oficial dos atos administrativos, ressalva-

das as hipóteses de sigilo previstas na Constituição.

(D) O princípio da proporcionalidade exige adequação entre meios e fins, vedada a imposição

de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao

atendimento do interesse público.

24. Em relação ao poder de polícia, julgue os itens a seguir.

(A) O poder de polícia não tem relação com atividade exercida pela vigilância sanitária.

(B) O poder de polícia será sempre exercido preventivamente, nos estritos termos da lei que

autoriza o seu exercício.

(C) São atributos do poder de polícia a discricionariedade, exigibilidade e coercibilidade. A exigibi-

lidade representa a possibilidade de praticar o ato sem autorização judicial. A jurisprudência infor-

ma que a autoexecutoriedade está presente em todos os atos com fundamento no poder de polícia.

(D) É possível o poder de polícia ser representado por ato normativo e concreto. A fiscalização

realizada por agentes do PROCON representa atividade concreta ou material do poder de polícia.

25. Assinale a alternativa correta considerando aspectos do Direito Administrativo.

(A) Órgão do Poder Judiciário contatou que servidor ocupante de cargo de Oficial de Justiça

Avaliador Federal está acumulando seu respectivo cargo com outro cargo eletivo de Deputado

Estadual. Foi instaurado processo administrativo para avaliar a acumulação dos cargos. Com o

término do processo, a comissão alegou que a acumulação é inconstitucional. O relatório da co-

13 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

missão está de acordo com a Constituição de 1988.

(B) Considere que Agenor tenha impetrado mandado de segurança questionando a legalidade

de determinado ato administrativo praticado por servidor público. Nesse caso, sendo constatada

a ilegalidade apontada no remédio constitucional, o juiz poderá revogar o ato administrativo.

(C) Pode-se afirmar que o servidor responde civil, penal e administrativamente pelo exercício

irregular de suas atribuições. A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no

caso de absolvição criminal que negue a existência do fato, de sua autoria e pela falta de provas.

(D) É autorizada percepção simultânea de proventos de aposentadoria com a remuneração de

cargo, emprego ou função pública. Só não será permitida a percepção simultânea quando for

decorrente de cargos eletivos, e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e

exoneração.

Direito Civil

26. Considerando a temática acerca das pessoas naturais e das pessoas jurídicas no Código Civil,

marque o item correto.

(A) Aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade são

considerados absolutamente incapazes.

(B) É válida, com objetivo científico, ou altruístico, a disposição gratuita do próprio corpo, no

todo ou em parte, para depois da morte, sendo que esse ato de disposição não pode ser livre-

mente revogado.

(C) As pessoas jurídicas de direito público interno são civilmente responsáveis por atos dos

seus agentes que nessa qualidade causem danos a terceiros, ressalvado direito regressivo contra

os causadores do dano, se houver, por parte destes, culpa ou dolo.

(D) Começa a existência legal das pessoas jurídicas de direito público ou privado com a inscri-

ção do ato constitutivo no respectivo registro, precedida, quando necessário, de autorização ou

aprovação do Poder Executivo, averbando-se no registro todas as alterações por que passar o

ato constitutivo.

14 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

27. Sobre atos jurídicos em sentido estrito, marque a alternativa correta.

(A) A manifestação de vontade no ato jurídico em sentido estrito é ampla, podendo a parte

manipular as consequências.

(B) Constituem atos ilícitos os praticados mediante estado de necessidade.

(C) O abuso do direito gera responsabilidade civil objetiva.

(D) Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e

causar dano a outrem não comete ato ilícito, mas estará obrigado a indenizar.

28. Natanael percebeu que a área pública localizada ao lado de seu imóvel nunca foi ocupada pelo

poder público. Resolveu, então, construir algumas benfeitorias para lazer e agregar a área ao seu

imóvel. Assim, promoveu o cercamento da área e mesclou com sua propriedade. Após 30 anos de

ocupação sem qualquer notificação do poder público, Natanael foi surpreendido com notificação do

Estado para desocupar a área. Diante do caso, marque a alternativa correta.

(A) A natureza jurídica do imóvel público ocupado por Natanael é de bem público de uso co-

mum do povo.

(B) Pelo passar do tempo, Natanael adquiriu o imóvel por usucapião.

(C) A área ocupada é bem público dominical e passível de usucapião após a ocupação por 40

anos ininterruptos.

(D) Natanael não pode alegar usucapião.

Direito Empresarial

29. A empresa XYZ Transporte de Carga Ltda. teve a sua falência decretada no dia 22/08/2018,

cujo fundamento foi a impontualidade injustificada. A decisão gera diversos efeitos em relação aos

bens, à pessoa e aos negócios do falido.

Diante das regras legais da Lei n. 11.101/2005, assinale a alternativa correta quanto aos efeitos.

(A) A decretação da falência suspende o exercício do direito de retenção sobre os bens sujeitos

à arrecadação, os quais deverão ser entregues ao administrador judicial.

(B) O falido fica inabilitado para exercer qualquer atividade empresarial a partir da data do

pedido da falência.

15 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) A decisão que determinará o termo legal não poderá retrotrai-lo em mais de 90 dias da

decisão.

(D) A decretação da falência interrompe o curso da prescrição e de todas as ações e execuções

em face do devedor, inclusive aquelas dos credores particulares do sócio solidário.

30. No que se refere à pessoa jurídica de direito privado que tenha por objeto a prestação de servi-

ços médicos com finalidade lucrativa, sob a forma de limitada, assinale a opção correta.

(A) Exige-se, para a sua constituição, que o contrato social seja realizado por instrumento público.

(B) Essa pessoa jurídica poderá ser constituída com sócios pessoas naturais ou pessoas jurídicas.

(C) O capital dessa pessoa jurídica poderá ser constituído por contribuição relativa à prestação

de serviços.

(D) O administrador dessa pessoa jurídica deverá ser um de seus sócios.

Direito Penal

31. De acordo com as disposições do Código Penal e entendimento doutrinário dominante, marque

a alternativa correta.

(A) Conforme entendimento do STJ, é cabível o arrependimento posterior no homicídio culposo.

(B) Conforme entendimento do STJ, é incabível o arrependimento posterior aos crimes contra

a fé pública.

(C) É possível o arrependimento posterior até o trânsito em julgado.

(D) É cabível arrependimento posterior no crime de extorsão.

32. De acordo com as disposições do Código Penal e entendimento doutrinário dominante, marque

a alternativa correta.

(A) Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em

virtude dela a execução e os efeitos penais e civis da sentença condenatória.

(B) A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores,

salvo se decididos por sentença condenatória transitada em julgado.

16 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a cessa-

ção da continuidade ou da permanência é anterior a sua vigência.

(D) A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as

circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência, ainda que

lei posterior seja mais benigna.

33. De acordo com as disposições do Código Penal e entendimento doutrinário dominante, marque

a alternativa incorreta.

(A) Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta improprie-

dade do objeto, é impossível consumar-se o crime.

(B) Exige-se a voluntariedade para que seja configurado o arrependimento eficaz.

(C) O crime impossível ou crime falho ocorre quando, apesar de adentrar nos atos executórios,

a consumação é impossível de ocorrer.

(D) Considera-se crime tentado quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstân-

cias alheias à vontade do agente.

Finanças Públicas

34. Sobre as Finanças Públicas no Brasil, podemos afirmar:

(A) O princípio da equidade, utilizado para distribuir a carga tributária, deve onerar mais for-

temente os contribuintes que obtêm mais benefícios provenientes da atuação do governo sobre

a economia.

(B) Um imposto sobre vendas com alíquota fixa, como é o caso dos impostos sobre circulação,

onera os contribuintes de forma progressiva, ou seja, onera igualmente os contribuintes, inde-

pendentemente de sua capacidade de pagamento.

(C) Os juros e a atualização monetária, incidentes sobre o resgate da dívida pública, são com-

putados no cálculo tanto do resultado primário das contas públicas como no operacional.

(D) O aumento dos gastos do governo quando a economia está em depressão e a diminuição

desses mesmos gastos quando a economia está em crescimento acelerado, pressionando a taxa

de inflação, são medidas de política de estabilização da economia.

17 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

35. Quanto às funções do governo, assinale a afirmativa correta.

(A) A função distributiva busca tornar compatíveis entre si a distribuição das remunerações dos

fatores resultantes da atividade econômica via mercado e aquela que atende aos princípios de

justiça social.

(B) A função competitiva do governo ocorre quando este atua em igualdade com o setor priva-

do, provendo bens e serviços.

(C) A função alocativa, quando bem exercida, elimina a existência de bens públicos. Nela, o

governo determina os bens que o mercado deve produzir.

(D) A função estabilizadora, também conhecida como moderadora, deve ser utilizada apenas

em momentos de crise econômica.

36. Sobre a teoria da tributação, assevera-se que um imposto:

(A) é progressivo quando a participação dos impostos na renda dos agentes diminui conforme

a renda aumenta.

(B) pode ser do tipo valor adicionado, quando é devido apenas sobre o valor agregado ou

acrescido.

(C) é direto quando incide sobre o preço das mercadorias, independentemente de quem pague

o imposto.

(D) é neutro quando a participação dos impostos na renda dos agentes aumenta conforme a

renda aumenta.

37. Assinale a afirmativa incorreta.

(A) Atribui-se à expressão “pedaladas fiscais” a prática do Tesouro Nacional de atrasar repasses

a bancos e autarquias, obtendo como resultado uma melhora contábil das contas federais, ao

apresentar despesas menores que as previstas.

(B) A Secretaria do Tesouro Nacional apura as necessidades de financiamento no conceito aci-

ma da linha. Já o Banco Central do Brasil utiliza o conceito abaixo da linha, medindo a variação

do estoque do endividamento líquido do setor público não financeiro.

(C) O método “abaixo da linha” representa a medida do fluxo do resultado primário.

18 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(D) A Necessidade de Financiamento do Setor Público (NFSP) corresponde à diferença entre o

fluxo agregado de receitas totais (inclusive de aplicações financeiras) e de despesas totais (in-

clusive despesas com juros) em determinado período.

38. Quanto aos conceitos sobre dívida e financiamento do setor público, assinale a resposta correta.

(A) A Dívida Líquida do Governo Geral corresponde ao endividamento líquido (balanceamento

de débitos e créditos) apenas do Governo Federal (inclusive Previdência Social).

(B) A Dívida Bruta do Governo Geral abrange apenas os três níveis de governo (federal, esta-

dual e municipal), formando o governo geral.

(C) A Necessidade de Financiamento do Setor Público − NFSP, no conceito nominal, exclui os

juros sobre a dívida pública.

(D) Quando o deficit público é positivo, ele diminui a dívida pública e, quando negativo, aumen-

ta a dívida pública.

Tecnologia da Informação

39. Assinale a alternativa apresenta a 10ª área de conhecimento inserida na versão 5 do PMBOK:

(A) Gerenciamento dos Riscos.

(B) Gerenciamento de Integração do Projeto.

(C) Gerenciamento do Tempo do Projeto.

(D) Gerenciamento das Partes Interessadas.

40. Esse conceito é novo e é definido como o valor inteiro do negócio, a soma total de todos os

elementos tangíveis e intangíveis.

(A) Valor agregado.

(B) Valor de negócio.

(C) Valor de mercado.

(D) Capital.

19 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

41. É uma pessoa ou grupo de pessoas que fornece recursos e suporte para o projeto e é respon-

sável pelo sucesso deste:

(A) Stakeholder.

(B) Gerente de projeto.

(C) Cliente.

(D) Patrocinador.

42. São técnicas, métodos e ferramentas de análise de dados para subsidiar processos de decisão

de uma empresa.

(A) Banco de dados relacionais.

(B) Benchmarking.

(C) Business Inteligence.

(D) DataWarehouse.

43. Ao subconjunto do Data Warehouse que contém os dados do armazém de dados para um setor

específico da empresa (departamento, direção, serviço, gama de produto etc.) dá-se o nome de:

(A) Datathing.

(B) Datamart.

(C) Textmining.

(D) Datafiles.

44. Fulano enviou um documento com sua assinatura digital. Após contestação do teor pelo recep-

tor, fulano tentou refutar o que havia em seu conteúdo. Entretanto, o receptor disse não haver pos-

sibilidade de negar a autoria do documento por Fulano, pois a assinatura digital garante um princípio

da segurança da informação chamado:

(A) certificado digital.

(B) disponibilidade.

(C) não repúdio.

(D) sigilo.

20 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

45. A norma que foi preparada para prover requisitos para estabelecer, implementar, manter e me-

lhorar continuamente um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) é:

(A) ISO 9001.

(B) ISO 31000.

(C) ISO 27001.

(D) ISO 27002.

46. A função de dispersão criptográfica que mapeia dados de comprimento variável para dados de

comprimento fixo, usada para garantir a integridade dos dados, chama-se:

(A) criptografia assimétrica.

(B) função de hash.

(C) assinatura digital.

(D) criptografia de chave pública.

Economia

47. Acerca dos conceitos de Contabilidade Social e de Finanças Públicas, assinale a opção correta.

(A) O resultado fiscal calculado segundo a metodologia “acima da linha” é a fonte oficial do

acompanhamento das metas fiscais constantes na LDO.

(B) As Necessidades de Financiamento do Setor Público, em seu conceito Operacional, são cal-

culadas acrescendo os Juros Nominais da dívida passada ao Resultado Primário.

(C) O Banco Central calcula os resultados fiscais a partir da variação da Dívida Líquida do Setor

Público.

(D) O Tesouro Nacional publica o resultado primário bimestralmente, juntamente com a publi-

cação dos RREO dos Estados.

21 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

48. Considere as seguintes contas extraídas do Sistema de Contas Nacionais de um País Hipotético.

PIB a Preços de Consumidor 1500

Depreciação 100

Salários 450

Aluguéis 300

Juros 400

Lucros 200

Renda Líquida Enviada ao Exterior 150

Margens de Comércio e Transporte 200

Impostos sobre a Produção e Importação 50

Considerando os dados acima, o Produto Nacional Bruto a Preços de Produtor é:

(A) 1150.

(B) 1100.

(C) 1250.

(D) 1200.

49. Considerando os dados da questão anterior, o Excedente Operacional Bruto é:

(A) 800.

(B) 900.

(C) 1350.

(D) 1200.

50. Todas as alternativas abaixo apresentam exemplos de operações de criação de moeda em

uma economia, exceto uma. Assinale-a.

(A) Resgate de uma aplicação em renda fixa.

(B) Desconto de duplicatas de um varejista em um banco comercial.

(C) Transferência da conta-poupança para a conta-corrente.

(D) Transferência de uma aplicação em títulos públicos para um depósito especial remunerado.

22 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

51. No modelo IS-LM-BP, ou modelo IS-LM em economia aberta, quando o governo adota câmbio

fixo, apenas uma política é efetiva, em termos de aumento da renda. Essa política é:

(A) Política Cambial.

(B) Política Comercial.

(C) Política Monetária.

(D) Política Fiscal.

Contabilidade Pública

52. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que se destina, no pro-

cesso gerador de informações, ao controle patrimonial de entidades do setor público. Sobre a CASP,

marque a assertiva correta.

(A) O objetivo da contabilidade é o patrimônio público.

(B) São considerados usuários primários das informações geradas pela CASP os poderes legis-

lativos e os tribunais de contas.

(C) O campo de aplicação da CASP se estende pelas entidades públicas, com exceção das es-

tatais independentes, que podem, de forma facultativa, aplicar as normas.

(D) A Contabilidade Pública é uma ciência social que tem como objetivo atender à sociedade

por meio da prestação de serviços.

53. O secretário estadual da Educação do Distrito Federal, em dezembro de 2017, autorizou a aber-

tura do procedimento de compras de 1.000 carteiras escolares para a Escola Estadual Claudio Zorzo,

o valor estimado é de R$ 1.500.000,00.

Sob o aspecto patrimonial, quando do recebimento das carteiras escolares, a Secretaria da Educa-

ção deverá:

(A) dar a liquidação da despesa orçamentária.

(B) registrar um ativo não circulante imobilizado.

(C) emitir nota de empenho por liquidação.

(D) registrar uma variação patrimonial diminutiva.

23 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

54. Plano de contas é a estrutura básica da escrituração contábil, formada por uma relação pa-

dronizada de contas contábeis, que permite o registro contábil dos atos e fatos praticados pela

entidade de maneira padronizada e sistematizada, bem como a elaboração de relatórios gerenciais

e demonstrações contábeis de acordo com as necessidades de informações dos usuários. Sobre o

PCASP, é incorreto afirmar:

(A) as contas de natureza patrimoniais são representadas pelas classes 1, 2, 3 e 4.

(B) as contas de controle são de classes 7 e 8.

(C) as contas orçamentárias são de classe 5 e 6.

(D) as contas de natureza patrimonial registram, processam e evidenciam os atos e fatos finan-

ceiros e não financeiros relacionados com as variações qualitativas e quantitativas do patrimônio

público.

55. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CASP) tem como objetivo fornecer aos seus usuários

informações sobre os resultados alcançados e outros dados de natureza orçamentária, econômi-

ca, patrimonial e financeira das entidades do setor público, em apoio ao processo de tomada de

decisão, à adequada prestação de contas, à transparência da gestão fiscal e à instrumentalização

do controle social. Sobre as demonstrações contábeis previstas na Lei n. 4.320/1964 e no MCASP,

podemos afirmar que:

(A) é no balanço patrimonial que se apura o resultado patrimonial do exercício.

(B) uma prefeitura, no exercício de 2017, obteve um excesso de arrecadação. De acordo com

as demonstrações contábeis aplicadas ao setor público, o excesso de arrecadação das receitas

será evidenciado no Balanço Financeiro.

(C) o Balanço Orçamentário é a demonstração contábil em que se confrontam, num dado mo-

mento, as receitas e despesas orçamentárias, bem como os recebimentos e os pagamentos de

natureza extraorçamentária, conjugados com os saldos em caixa provenientes do exercício an-

terior, e os que se transferem para o exercício seguinte.

(D) o Balanço Orçamentário evidencia as receitas e as despesas orçamentárias, detalhadas em

níveis relevantes de análise, confrontando o orçamento inicial e as suas alterações com a execu-

ção, demonstrando o resultado orçamentário.

24 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

RIDE

56. Escultura de Bruno Giorgi, produzida com mármore branco de carrara, localizada sobre o espe-

lho d’água em frente ao Palácio Itamaraty, em Brasília. A obra de arte que foi esculpida entre 1967

e 1968 é montada com cinco partes de uma esfera vazada estilizada, significando os laços diplomá-

ticos entre os cinco continentes.

A descrição da escultura acima refere-se a (ao):

(A) Paz e União.

(B) Meteoro.

(C) Pietá.

(D) O abraço.

57. É um curso de água do Distrito Federal e dos estados de Goiás e Minas Gerais. Nasce na lagoa

Feia, no município de Formosa, em Goiás, e segue recebendo as águas de importantes afluentes até

desaguar no rio Paracatu, já em terras mineiras. Faz parte bacia do rio São Francisco.

O texto faz referência ao rio:

(A) Descoberto.

(B) São Bartolomeu.

(C) Maranhão.

(D) Preto.

Lei Orgânica

58. Considerando o disposto na Lei Orgânica do Distrito Federal, assinale a opção correta.

(A) Compete, concorrentemente, à União e ao Distrito Federal fiscalizar e cobrar os tributos do

DF, observada a competência cumulativa deste último ente.

(B) O Código Tributário do Distrito Federal deve estar corporificado em lei ordinária distrital

aprovada por 2/3 dos Deputados Distritais.

(C) As leis distritais que concedam benefícios fiscais devem ser de iniciativa privativa do Gover-

25 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

nador do Distrito Federal, na modalidade de Lei Complementar.

(D) Compete privativamente ao Distrito Federal instituir e cobrar os tributos de sua competên-

cia constitucional.

59. Acerca da LODF, assinale a opção correta.

(A) A administração fazendária e seus agentes fiscais, aos quais compete exercer privativa-

mente a fiscalização de tributos do Distrito Federal, terão, em suas áreas de competência e ju-

risdição, precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei.

(B) Quaisquer agentes públicos distritais são obrigados a fazer declaração pública anual de

seus bens.

(C) São imunes de impostos de competência do Distrito Federal as operações de transferência de

imóveis desapropriados para fins de reforma agrária e para dar função social aos imóveis urbanos.

(D) Nenhum imposto de competência do Distrito Federal pode incidir sobre operações relativas a

energia elétrica, serviços de telecomunicações, derivados de petróleo, combustíveis e minerais do País.

60. Considere que Tibúrcio seja Governador do Distrito Federal e queira nomear alguns de seus pa-

rentes em cargos públicos distritais. Analise os itens abaixo, em conformidade com a LODF e, após,

assinale a opção correta.

I – Wagner, sem qualquer vínculo com a Administração Pública, é primo do Governador e o Go-

vernador cogita nomeá-lo para cargo de livre provimento na governadoria.

II – Reginaldo, sem qualquer vínculo com a Administração Pública, é cunhado do Governador

que deseja nomeá-lo para o cargo de Secretário de Estado da Fazenda do DF.

III – Wanda, que é esposa do Governador e médica concursada da Secretaria de Estado de Saúde

do DF, teve contra si decisão condenatória por improbidade administrativa confirmada em

segunda instância, e o Governador deseja nomeá-la para Secretária da referida Secretaria.

Logo,

(A) Não há impedimento para que Wagner seja nomeado para o referido cargo; não há impe-

dimento para Wanda ser nomeada para Secretária de Estado, mas há impedimento para que

Reginaldo seja Secretário de Estado do DF.

26 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) Em nenhuma das situações há impedimentos para nomeação dos parentes do governador.

(C) Em todas as situações é impossível a nomeação dos parentes do governador.

(D) Wagner e Reginaldo podem ser nomeados pelo Governador para os referidos cargos.

27 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Grupo 2

Auditoria

61. Com relação às funções de auditor interno e auditor externo, analise as alternativas abaixo e

marque a opção correta.

(A) O auditor interno emite relatório para a alta administração e para terceiros interessados,

enquanto o auditor externo emite relatório para a alta administração da empresa auditada.

(B) Tanto o auditor interno quanto o auditor externo são subordinados à alta administração da

empresa auditada.

(C) Tanto o auditor interno quanto o auditor externo devem avaliar os controles internos e a

possibilidade de ocorrência de fraudes e erros que afetem as demonstrações contábeis.

(D) A responsabilidade primária na detecção de fraudes e erros é do auditor externo, já que

seu relatório pode ser direcionado não só para a alta administração, mas também para terceiros

interessados.

62. Considerando a norma contábil que trata da responsabilidade do Auditor em relação à fraude,

ao detectar erros relevantes ou fraudes, no decorrer dos seus trabalhos, o auditor

(A) tem a obrigação de comunicá-los à administração da entidade e sugerir medidas corretivas.

(B) tem a obrigação de comunicá-los à administração da entidade, mas não deve sugerir me-

didas corretivas.

(C) deve comunicar as constatações à Receita Federal do Brasil, cientificando a administração

de suas responsabilidades penais.

(D) deve aguardar o término dos trabalhos de campo para elaborar o relatório de fraudes iden-

tificadas.

63. Considerando os conceitos básicos referentes ao paradigma atual da auditoria e o novo perfil do

Auditor, marque a assertiva correta.

(A) Auditoria interna é uma atividade independente e objetiva que presta serviços de avaliação,

não lhe cabendo o papel de consultoria, que é desempenhado pelas entidades especializadas

neste serviço.

28 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) A auditoria independente tem como objetivo adicionar valor e melhorar as operações de

uma organização.

(C) Segundo a Lei n. 6.404/1976, a auditoria contábil é obrigatória em todas as empresas com

PL igual ou maior que 2 milhões de reais, sendo executada mediante uma abordagem sistemá-

tica e disciplinada para a avaliação e melhoria da eficácia dos processos de gerenciamento de

risco, controle e governança corporativa, e auxiliada pelos órgãos executivos.

(D) A auditoria contábil encontra-se frente a um novo paradigma, que se baseia na visão dos

processos organizacionais com enfoque no gerenciamento dos riscos do negócio, buscando au-

mentar o grau de confiança dos usuários externos nas informações apresentadas.

64. Os papéis de trabalho constituem a documentação preparada pelo Auditor ou fornecida a este

na execução da auditoria. Eles integram um processo organizado de registro de evidências da au-

ditoria, por intermédio de informações em papel, meios eletrônicos ou outros que assegurem o

objetivo a que se destinam. É FALSA a afirmação:

(A) A confidencialidade dos papéis de trabalho é dever permanente do Auditor.

(B) Os papéis de trabalho são de propriedade exclusiva do auditor. Partes ou excertos desses

podem, a critério do Auditor, ser postos à disposição da entidade.

(C) Os papéis de trabalho, apesar de permanecerem sob a guarda do auditor, são propriedade

da entidade auditada.

(D) O Auditor deve adotar procedimentos apropriados para manter a custódia dos papéis de

trabalho pelo prazo de cinco anos, a partir da data de emissão do seu relatório.

65. De acordo com a NBC TA 200 – Objetivos Gerais do Auditor Independente e a Condução da Au-

ditoria em Conformidade com Normas de Auditoria – quanto ao risco de auditoria, podemos afirmar:

(A) risco de auditoria é o risco de que o auditor expresse uma opinião de auditoria inadequada

quando as demonstrações contábeis não contiverem distorção relevante.

(B) risco de detecção é o risco de que os procedimentos executados pelo auditor, para reduzir

o risco de auditoria a um nível aceitavelmente baixo, não detectem uma distorção existente que

possa ser relevante, individualmente ou em conjunto com outras distorções.

29 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) risco de controle é o risco quanto à suscetibilidade de uma afirmação a respeito de uma

transação, saldo contábil ou divulgação a uma distorção que possa ser relevante, individual-

mente ou em conjunto com outras distorções, antes da consideração de quaisquer controles

relacionados.

(D) a relação entre a relevância de um item e o risco de auditoria é diretamente proporcional,

ou seja, quanto mais relevante for um item, maior é o seu risco de auditoria.

66. Considerando os procedimentos de auditoria e sua efetividade, quando a administração de uma

entidade solicita, por carta-postal, aos seus clientes que respondam diretamente aos seus auditores

independentes, caso não concorde com o saldo em aberto ou o valor informado na carta, tem-se

uma circularização:

(A) de discordância.

(B) circularização preta.

(C) positiva.

(D) negativa.

67. Conforme estabelece a NBC TA 200, o objetivo da auditoria independente é diferente do obje-

tivo da execução do trabalho pelo Auditor independente; dessa forma, ao conduzir a auditoria de

demonstrações contábeis, o objetivo do Auditor deve ser:

(A) obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, como um todo, estão livres

de distorção relevante, independentemente de serem causadas por fraude ou erro.

(B) emitir um atestado de eficácia administrativa pela administração em seus negócios.

(C) confirmar que as demonstrações contábeis não possuem distorção relevante, independen-

temente de serem causadas por fraude ou erro.

(D) aumentar o grau de confiança dos usuários sobre as demonstrações contábeis.

68. De acordo com as normas brasileiras de contabilidade, ao determinar a extensão de um teste

de auditoria ou método de seleção de itens a serem testados, o Auditor pode empregar técnicas de

amostragem. Com relação à amostragem de auditoria, podemos afirmar:

30 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) A amostra selecionada pelo auditor deve ter uma relação direta com o tamanho da empresa

e pode ser estatística ou não estatística.

(B) Seleção casual dos itens que irão compor a amostra é um processo de seleção de amostra

probabilística que é baseado na experiência profissional do auditor.

(C) Na determinação da amostra, o Auditor deve levar em consideração, dentre alguns fatores

a distorção tolerável, que é maior quando a amostra for menor.

(D) A seleção aleatória, por ser muito complexa, não deve ser aplicada pelo auditor, pois não

há o controle sobre os itens que serão examinados.

69. A empresa CZ S.A. apresentou suas demonstrações contábeis em formato diferente do estabe-

lecido pelas normas societárias e contábeis; na opinião do auditor, a distorção é relevante e impacta

sobre o conjunto das demonstrações como um todo. Neste caso específico, cabe ao auditor dessa

empresa emitir um relatório:

(A) sem ressalva, mas com limitação de escopo.

(B) adverso.

(C) com ressalva ou adverso.

(D) com abstenção de opinião ou adverso.

70. No contexto geral da auditoria sobre as demonstrações contábeis, podemos visualizar a exis-

tência conceitual de controles internos, de gerenciamento de risco, da auditoria interna e da audi-

toria independente, além dos responsáveis pela governança, como o conselho de administração e

a diretoria executiva, todos na busca de melhorar a qualidade da informação e evitar que existam

distorções relevantes nos relatórios apresentados. Considerando as normas de auditoria, podemos

afirmar que a responsabilidade primária na prevenção e detecção de distorções relevantes, seja por

fraude ou por erro, é:

(A) da administração executiva.

(B) da auditoria interna.

(C) do conselho de administração.

(D) do Auditor independente.

31 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

71. Assinale opção falsa a respeito das evidências de auditoria.

(A) A quantidade necessária de evidência de auditoria é afetada pela suficiência das evidências

encontradas e é estabelecida com base no julgamento do auditor.

(B) A qualidade da informação obtida é fator importante para determinar a suficiência das evi-

dências e é estabelecida com base no julgamento profissional do auditor.

(C) As auditorias anteriores não podem ser uma fonte de evidência segura se tiver sido execu-

tada por outra entidade de auditoria.

(D) Um exemplo de forma primária de obtenção de evidência é quando a administração entrega

os relatórios internos ao Auditor.

72. Os princípios fundamentais de ética profissional relevantes para o Auditor quando da condução

de auditoria de demonstrações contábeis estão implícitos no código de ética profissional do contabi-

lista e na NBC PA 01, que trata do controle de qualidade. Esses princípios são, exceto:

(A) integridade.

(B) objetividade.

(C) competência e independência.

(D) confidencialidade.

Direito Tributário

73. Quanto ao entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal

Federal sobre o imposto incidente sobre a circulação de mercadorias e serviços (ICMS), analise as

assertivas abaixo:

I – Constitui fato gerador do ICMS o deslocamento de mercadorias de um para outro estabele-

cimento do mesmo contribuinte.

II – O ICMS incide no serviço dos provedores de acesso à internet.

III – O ICMS não incide sobre o serviço de habilitação de telefone celular.

IV – O ICMS não incide sobre o fornecimento de água tratada por concessionária de serviço público.

32 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

V – É devida a cobrança de ICMS nas operações ou prestações de serviço de transporte terrestre

interestadual e intermunicipal de passageiros e de cargas.

Está correto o que consta APENAS de:

(A) II, III e IV.

(B) I, IV e V.

(C) III, IV e V.

(D) I, II e III.

74. Um determinado imposto de competência estadual, cujo lançamento deve ser feito de ofício,

por expressa determinação de lei estadual, só foi efetuado depois de sete anos contados da data da

ocorrência do seu fato gerador, sendo que nunca houve qualquer impedimento, de espécie alguma,

para que ele fosse efetuado após a ocorrência do referido fato gerador. Nesse caso, de acordo com

as normas do Código Tributário Nacional, ocorreu a

(A) prescrição, e a Fazenda Pública ainda não perdeu o direito de lançar o referido imposto.

(B) prescrição aquisitiva do direito de a Fazenda Pública lançar o referido imposto, a partir do

sexto ano posterior ao da ocorrência do fato gerador.

(C) suspensão da exigibilidade do crédito tributário.

(D) decadência, e a Fazenda Pública perdeu o direito de lançar o referido imposto.

75. Lei distrital considera ocorrido o fato gerador do imposto sobre a propriedade de veículos au-

tomotores no primeiro dia do mês de janeiro de cada ano, quando se tratar de veículos adquiridos

em exercícios anteriores. A lei estabelece que a Secretaria da Fazenda notificará previamente os

proprietários dos veículos, na qualidade de contribuintes, informando os valores por eles devidos,

assim como o prazo para pagamento do tributo e as instruções para que o recolhimento seja feito

diretamente nas agências bancárias conveniadas. Nesse contexto, o imposto devido em 2012 deve-

ria ter sido pago integralmente pelos contribuintes no dia 10 do mês de fevereiro, conforme notifi-

cação encaminhada pela Secretaria da Fazenda em janeiro daquele ano. Todavia, certo contribuinte

não efetuou o pagamento no prazo legal, ensejando a instauração de processo administrativo de

constituição do crédito tributário, que foi concluído em dezembro de 2017. Na sequência, o débito

33 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

foi inscrito em dívida ativa em janeiro de 2018, a respectiva execução fiscal foi ajuizada em março

de 2018, tendo ocorrido a citação do devedor em abril de 2018. Considerando essa situação à luz

da legislação aplicável e da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o crédito tributário

(A) não foi constituído no prazo legal, que terminou em fevereiro de 2017, tendo sido extinto

em razão da decadência.

(B) foi constituído no prazo legal em dezembro de 2017, tendo o prazo prescricional sido inter-

rompido em abril de 2018.

(C) foi constituído no prazo legal em dezembro de 2017, tendo o prazo prescricional sido inter-

rompido em março de 2018.

(D) foi constituído definitivamente em janeiro de 2012 com a notificação da Secretaria da Fa-

zenda, mas foi extinto em razão da prescrição ocorrida em fevereiro de 2017.

76. À luz das normas constitucionais sobre as limitações do poder de tributar e da jurisprudência

do Supremo Tribunal Federal,

(A) a multa moratória, embora não seja tributo, não pode ter um importe que lhe confira ca-

racterística confiscatória, inviabilizando inclusive o recolhimento de futuros tributos.

(B) o imposto sobre grandes fortunas, caso instituído por lei complementar federal, poderá

assumir efeito confiscatório, tendo em vista os princípios da função social da propriedade e da

redução das desigualdades regionais e sociais.

(C) a taxa judiciária, devida em razão do acionamento do serviço prestado pelo Poder Judiciá-

rio, poderá ter sua alíquota majorada por decreto editado pelo Governador, observado o limite

máximo fixado em lei, dada sua natureza de preço público.

(D) a prestação de serviços públicos pelos Municípios aos Estados e à União não poderá ser

tributada por meio de taxa, tendo em vista o princípio da imunidade recíproca, que decorre do

princípio federativo.

77. Antônio faleceu no DF, onde residia, deixando para seus sucessores a propriedade sobre bem

imóvel e o direito de posse sobre outro imóvel, todos situados no Pará, além da propriedade de

veículo automotor que se encontrava em uso de familiar residente em Roraima. Considerando que

34 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

o processo de inventário foi regularmente aberto perante uma das Varas do DF, o imposto sobre a

transmissão causa mortis será devido, nos termos da Constituição Federal,

(A) apenas no DF, competente para instituir o tributo sobre a transmissão de todos os bens

deixados pelo falecido.

(B) ao Pará, relativamente à transmissão da propriedade e do direito de posse sobre o imóvel;

e a Roraima, relativamente à transmissão da propriedade do veículo automotor.

(C) ao Pará, relativamente à transmissão da propriedade sobre o imóvel; e ao DF, relativamente

à transmissão do direito de posse sobre o imóvel e ao direito de propriedade do veículo automotor.

(D) ao Pará, relativamente à transmissão da propriedade e do direito de posse sobre o imóvel;

e ao DF, relativamente à transmissão da propriedade do veículo automotor.

78. Uma distribuidora de combustíveis do DF vende gasolina para um posto de gasolina de To-

cantinópolis/TO, que vai comercializar o produto, e para uma empresa prestadora de serviços de

transporte intramunicipal de Porto Nacional/TO, que vai utilizá-lo nas suas prestações de serviço de

transporte intramunicipais. De acordo com a Lei Complementar n. 87/1996, nas remessas que a

distribuidora goiana fizer para essas duas empresas, a remetente

(A) não se debitará nem recolherá o ICMS para o DF, nem os adquirentes tocantinenses deve-

rão debitar ou recolher o imposto aos cofres do Tocantins, pela entrada da gasolina neste Estado,

relativamente às aquisições feitas em operações interestaduais.

(B) deverá se debitar e recolher o ICMS para o DF, mas somente o posto de gasolina poderá se

creditar do imposto anteriormente cobrado.

(C) não se debitará nem recolherá o ICMS para o DF, mas, na qualidade de contribuinte, deverá

debitar e recolher o imposto a favor dos cofres do Tocantins, pela entrada do combustível neste

Estado, relativamente às aquisições feitas pelas duas empresas.

(D) não se debitará nem recolherá o ICMS para o DF, mas o prestador de serviços de transporte

intramunicipal, na qualidade de contribuinte, deverá pagar o imposto ao Estado do Tocantins,

pela entrada do combustível neste Estado, relativamente às aquisições efetuadas por ele.

35 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

79. Em 16 de novembro de 2016, foi publicada lei estadual, que produziu efeitos a partir da data

de sua publicação e que alterou a lei do IPVA de um determinado Estado brasileiro. As alterações

promovidas implicaram:

I – a fixação da alíquota das motocicletas em percentual superior ao anteriormente fixado.

II – alíquota dos veículos de carga, tipo caminhão, em percentual inferior ao anteriormente fixado.

III – base de cálculo de veículos de passeio importados do exterior, em valor superior ao ante-

riormente fixado.

De acordo com a disciplina constitucional, a norma relacionada com a situação mencionada acima,

no item

(A) I já pôde ser aplicada desde 16 de novembro de 2016.

(B) I já pôde ser aplicada desde 1º de janeiro de 2017.

(C) II só pôde ser aplicada a partir de 1º de janeiro de 2017.

(D) III só pôde ser aplicada a partir de 1º de janeiro de 2017.

80. Em fevereiro do corrente ano, 2017, um Município nordestino efetuou o lançamento de ofício

do IPTU, cujo fato gerador ocorreu no dia 1° de janeiro do mesmo exercício. O referido lançamento

foi feito em nome do Sr. Aníbal de Oliveira, que, segundo informações constantes do cadastro mu-

nicipal, seria o proprietário do referido imóvel, na data da ocorrência do fato gerador. Em março de

2017, depois de devidamente notificado do lançamento realizado, o Sr. Aníbal de Oliveira apresen-

tou, tempestivamente, no órgão municipal competente, impugnação contra o lançamento efetuado,

alegando que, em 15 de dezembro de 2016, havia formalizado a doação do referido imóvel a seu

filho, Sérgio de Oliveira, e que, em razão disso, não seria devedor do crédito tributário referente ao

IPTU 2017. A impugnação estava instruída com cópia da escritura de doação e de seu respectivo

registro, ainda em 2016, no Cartório de Registro de Imóveis competente. O doador esclareceu, ain-

da, na referida impugnação, que o órgão municipal competente não foi comunicado, nem por ele,

nem pelo donatário, da transmissão da propriedade do referido imóvel, pois a legislação local não

os obrigava a prestar tal informação. Sérgio de Oliveira, a seu turno, foi corretamente identificado

como contribuinte do ITCMD devido em razão da doação por ele recebida, e pagou crédito tributá-

rio devido. Considerando os dados acima, bem como as regras do Código Tributário Nacional e da

Constituição Federal acerca do lançamento tributário, constata-se que

36 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) não poderá ser feito lançamento de IPTU contra Sérgio de Oliveira, em 2017, por ele já ter

sido identificado, no ano anterior, como contribuinte do ITCMD incidente sobre a doação recebida.

(B) o princípio constitucional da anterioridade nonagesimal (noventena) impede o lançamento

e a cobrança do IPTU antes de transcorridos 90 (noventa) da ocorrência de fato gerador do ITBI

ou do ITCMD.

(C) o lançamento do IPTU, antes de decorrido um ano do lançamento do ITCMD, constitui

bitributação, bem como violação do princípio do não confisco e da anterioridade nonagesimal

(noventena).

(D) o lançamento de ofício do IPTU poderá ser revisto pelo Município, ainda em 2017, pois,

embora a doação tenha ocorrido antes de 1° de janeiro de 2017, a Fazenda Pública não teve

conhecimento de tal fato antes de o contribuinte apresentar sua impugnação.

81. Mário e Maria decidiram abrir um bazar em sociedade. Embora a legislação do ICMS de seu

Estado determinasse que, antes de dar início a suas operações de circulação de mercadorias, a

empresa devesse estar inscrita, como contribuinte, na repartição fiscal competente, Mário e Maria

não atenderam a essa exigência legal. Simplesmente abriram a empresa e começaram a funcionar,

sem cumprir as exigências da legislação tributária pertinente. Nem mesmo contrato social escrito a

empresa tinha. Compravam de seus fornecedores e vendiam a seus clientes, como o fazem todas as

empresas regulares, e atuavam, perante seus fornecedores e clientes, tal como atuam as empresas

em situação regular perante o fisco. Ninguém tinha dúvida de que a empresa de Mário e Maria con-

figurava efetivamente uma unidade econômica. Até nome fantasia a sociedade tinha: “Bazar MM”.

Considerando os dados acima e a normas do Código Tributário Nacional,

(A) a empresa em questão, desde que comprove, efetivamente, sua capacidade econômico-fi-

nanceira, possuirá, automática e necessariamente, capacidade ativa.

(B) o fato de essa empresa configurar uma unidade econômica, mesmo sem estar regularmen-

te constituída, é o bastante para nela se identificar capacidade tributária passiva.

(C) a empresa em questão, em razão de sua constituição irregular e da falta de comprovação

da capacidade civil de seus dois sócios, não possui capacidade tributária passiva, nem ativa.

37 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(D) a falta de capacidade tributária ativa da pessoa jurídica irregularmente constituída pode ser

suprida com a comprovação de que todos os seus sócios são, de fato, pessoas civilmente capazes.

82. A base de cálculo do ICMS devido por operações subsequentes, em regime de substituição tri-

butária,

(A) só pode ser fixada pela administração tributária conforme os preços únicos ou máximos

previamente determinados por autoridade competente para regulação de mercados.

(B) será fixada pela soma dos valores relativos à entrada do bem ou recebimento do serviço,

incluídos frete, seguro e encargos, com a margem de valor agregado, inclusive lucro, das opera-

ções ou prestações subsequentes.

(C) será obrigatoriamente fixada por preço final a consumidor sugerido pelo substituto tribu-

tário, em caso de inexistência de preços únicos ou máximos fixados por autoridade competente

para regulação de mercados.

(D) só poderá ser fixada pela administração tributária por meio de pesquisas de preços finais

praticados em mercado.

83. Empresa do DF, devidamente enquadrada como Empresa de Pequeno Porte – EPP, nos termos

da Lei Complementar n. 123/2006, realiza as seguintes operações:

I – Importação de mercadorias desembaraçadas no Aeroporto Internacional de Brasília.

II – Aquisição, em operação interna, de mercadorias desacobertadas de documento fiscal.

III – Adquisição, em operação interna, de mercadorias sujeitas ao regime de substituição tribu-

tária.

Não se sujeitam à sistemática de recolhimento estabelecida na legislação do Simples Nacional, de-

vendo o ICMS ser recolhido diretamente ao Distrito Federal, as operações descritas em

(A) I e II, apenas.

(B) I, II e III.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas.

38 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

84. De acordo com a Constituição Federal e com o Código Tributário Nacional, o tributo

(A) que pode ser cobrado pelo Distrito Federal, no âmbito de suas respectivas atribuições, que

é instituído para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imobiliária

benéfica para toda a sociedade, independentemente de acréscimo de valor que possa resultar

dessa obra para cada imóvel, denomina-se contribuição social.

(B) cuja obrigação tem por fato gerador uma situação dependente de atividade estatal especí-

fica, relativa ao contribuinte, denomina-se imposto.

(C) que pode ser cobrado pelo Distrito Federal, no âmbito de suas respectivas atribuições, e

que tem como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, denomina-se taxa.

(D) que pode ser cobrado apenas pelo Distrito Federal, no âmbito de suas respectivas atribui-

ções, que é instituído para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imo-

biliária, tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor

que da obra resultar para cada imóvel beneficiado, denomina-se taxa de valoração imobiliária.

Legislação Tributária

85. A empresa Candango, fabricante de máquinas para indústria metalúrgica, vende uma lingoteira

para uma siderurgia, por R$ 100.000,00, cobrando, ainda, do cliente, com base em cláusula contratu-

al, os seguintes valores: R$ 30.000,00 a título de serviços de montagem; R$ 10.000,00 de despesas

de frete; R$ 12.000,00 de despesas de guindaste; R$ 3.000,00 de escolta e R$ 5.000,00 de seguros.

Considerando que o IPI destacado na NF foi de R$ 10.000,00, o valor da base de cálculo é, em R$,

(A) 140.000,00.

(B) 145.000,00.

(C) 155.000,00.

(D) 170.000,00.

86. Uma empresa de produtos de luxo sediada no Distrito Federal adquire mercadoria de impor-

tadora situada no Estado de São Paulo. Considerando hipoteticamente que a alíquota do ICMS no

Estado de São Paulo para esse tipo de mercadoria é de 25% e que no DF é de 17%, a empresa

39 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

sediada no DF se credita de ICMS incidente sobre este tipo de operação amparada especificamente

no princípio constitucional da

(A) seletividade, em razão da essencialidade do produto.

(B) legalidade, porque deve haver previsão expressa em lei autorizando este mecanismo con-

tábil de crédito-débito.

(C) isonomia, que assegura mesmo tratamento tributário para contribuintes que estejam numa

mesma situação, independentemente do lugar da ocorrência do fato gerador.

(D) não cumulatividade, na qual é assegurada a dedução correspondente aos montantes cobra-

dos nas operações anteriores.

87. Considere as seguintes afirmativas relativas à incidência do ICMS:

I – Nas operações ou prestações que destinem ao exterior mercadorias, não há incidência do

ICMS, sendo vedado o crédito correspondente.

II – Nas operações ou prestações que destinem ao exterior produtos primários e produtos in-

dustrializados semielaborados, não há incidência do ICMS, ficando assegurado o crédito

correspondente.

III – Nas operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de esta-

belecimento comercial, não há incidência do ICMS.

IV – Nas operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de esta-

belecimento industrial, há incidência do ICMS.

V – Na venda do bem arrendado a arrendatário, resultante de arrendamento mercantil, sempre

há isenção do ICMS.

VI – Segundo a LC n. 87/1996 é não incidência do ICMS as operações efetuadas por cooperati-

vas, sem fins lucrativos, na comercialização de produtos recicláveis.

Quantas são as alternativas verdadeiras:

(A) somente uma.

(B) somente duas.

(C) somente três.

(D) somente quatro.

40 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

88. A respeito da norma concessiva de isenção de ICMS expressa, unilateralmente, na Constituição

do Estado, assinale a alternativa correta.

(A) É válida, apenas no caso de a Constituição Estadual haver sido editada após a promulgação

da Constituição Federal de 1988.

(B) Não é válida, pois a concessão e a revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do

ICMS exigem lei complementar.

(C) É válida, pois as Constituições estaduais ganham, em hierarquia, das leis complementares

e das leis ordinárias.

(D) Não é válida, pois a concessão e revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do

ICMS decorrem obrigatoriamente de deliberação dos Estados e do Distrito Federal.

89. Com relação à base de cálculo do ICMS, assinale a afirmativa incorreta.

(A) Fornecimento de alimentação e bebida em bares, restaurantes e estabelecimentos simila-

res. Base de cálculo = valor total da operação (fornecimento e serviços).

(B) Fornecimento de mudas de plantas pelo prestador de serviço de florestamento e reflores-

tamento. Base de cálculo = preço corrente da mercadoria fornecida.

(C) A utilização, por contribuinte, de serviço cuja prestação se tenha iniciado em outro Estado e

não esteja vinculada a operação ou prestação subsequente. Base de cálculo = valor da prestação

no Estado de origem.

(D) Importação de mercadorias. Base de cálculo = soma das seguintes parcelas: valor das

mercadorias + valor do imposto de importação e do IPI + imposto sobre operação de câmbio +

quaisquer outros impostos, taxas, contribuições e despesas aduaneiras, assim entendidos os va-

lores pagos ou devidos à repartição alfandegária até o momento do desembaraço da mercadoria.

90. O ICMS é devido ao DF, na prestação de serviço:

(A) de transporte, iniciado em município do Estado de São Paulo e dirigido ao DF, de mercadoria

destinada à comercialização neste Estado.

(B) de comunicação, no caso de serviços não medidos, que envolvam localidade de outra uni-

dade da Federação e cujo preço seja cobrado por períodos definidos, cabendo integralmente o

imposto ao DF.

41 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) de comunicação, se onerosa, prestada ou iniciada no exterior e o destinatário tiver estabe-

lecimento ou domicílio no DF.

(D) de comunicação ou na operação que destine ao exterior uma mercadoria ou um serviço.

91. Com relação à substituição tributária, analise as afirmativas a seguir:

I – Na substituição tributária para frente, resta obedecido o princípio da não cumulatividade.

II – A base de cálculo do ICMS devido por substituição tributária é, caso exista, o preço final ao

consumidor sugerido pelo fabricante ou importador.

III – O regime de substituição tributária não se aplica à transferência para outro estabelecimento,

inclusive varejista, do sujeito passivo por substituição.

Assinale:

(A) se somente a afirmativa I estiver correta.

(B) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.

(C) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.

(D) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

92. Sociedade empresarial ‘X’, contribuinte do ICMS, apropriou, durante o exercício de 2018, cré-

ditos do imposto relativos a entradas de determinadas mercadorias, os quais foram considerados

indevidos pela fiscalização.

A esse respeito, analise as afirmativas a seguir:

I – Os créditos eram referentes a bens destinados ao uso e consumo do estabelecimento.

II – Os créditos eram referentes a mercadorias que se destinaram à integração ou consumo em

processo de industrialização de produtos, cujas saídas resultantes gozam de isenção do ICMS.

III – Os créditos eram referentes a produtos que se deterioraram ou extraviaram.

IV – Os créditos eram referentes a operações tributadas (praticadas por Sociedade empresarial

‘X’), posteriores a saídas isentas de produtos agropecuários, e correspondiam ao imposto

cobrado nas operações anteriores a estas.

42 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

V – Os créditos eram referentes à importação de mercadorias, e a apropriação dos créditos se

deu no período de apuração em que ocorreu o recolhimento do imposto incidente, tendo a

entrada efetiva das mercadorias ocorrido no período seguinte.

Assinale a quantidade de afirmativas que justifiquem a glosa dos créditos promovida pela fiscalização.

(A) Uma.

(B) Duas.

(C) Três.

(D) Quatro.

93. Com base nos arts. 7º, 8º e 10 da Lei Complementar n. 87/1996, para efeitos da exigência ou

da restituição do imposto por substituição tributária, é INCORRETO afirmar:

(A) A entrada de mercadoria ou bem no estabelecimento do adquirente, ou em outro, por ele

indicado, será considerada também como fato gerador do imposto.

(B) Na operação interestadual com combustíveis derivados de petróleo, destinada a consumidor

final, o imposto será devido ao Estado onde estiver localizado o remetente e pago pelo adquirente.

(C) O contribuinte substituído poderá se creditar, em sua escrita fiscal, do valor do imposto

pago a maior, atualizado segundo os mesmos critérios aplicáveis ao tributo, quando o pedido de

restituição não for decidido no prazo de noventa dias.

(D) O imposto a ser pago, em relação às operações subsequentes, corresponderá à diferença

entre o valor resultante da aplicação da alíquota prevista para as operações ou prestações inter-

nas do Estado de destino, sobre a respectiva base de cálculo, e o valor do imposto devido pela

operação ou prestação própria do substituto.

94. O CONFAZ − Conselho Nacional de Política Fazendária

I – promove ações em defesa do contribuinte, regulando o exercício da competência tributária

dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

II – promove a celebração de convênios que concedem e revogam incentivos e benefícios fiscais

no âmbito do ICMS.

III – é constituído por representantes de Municípios, Estados e Distrito Federal.

43 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

IV – é constituído por representantes de cada Estado e Distrito Federal e um representante do

Governo Federal.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A) II e IV.

(B) II e III.

(C) I e IV.

(D) I e III.

95. Na realização de atividade fiscalizatória, os agentes fiscais podem entrar nos estabelecimentos

dos contribuintes. Sobre o procedimento de fiscalização, é correto afirmar que

(A) não se aplicam os princípios constitucionais da inviolabilidade do domicílio, do direito à

intimidade e do sigilo da correspondência, tendo em vista o poder de polícia conferido à admi-

nistração tributária.

(B) existem restrições, pois o contribuinte não está obrigado a exibir livros contábeis ou fiscais

obrigatórios, visto que a Constituição Federal lhe garante o direito à intimidade.

(C) realiza-se informalmente e não precisa ser documentado.

(D) deverá ser documentado por meio de termos específicos lavrados, sempre que possível, em

um dos livros fiscais exibidos ou, quando lavrados em separado, o sujeito passivo deverá ficar

com cópia autenticada.

96. O ISS no Distrito Federal

(A) é devido por serviços prestados que não constituam atividade preponderante do prestador.

(B) é de competência da União, com arrecadação destinada aos Municípios.

(C) exclui a cobrança sobre serviços cuja prestação se tenha iniciado no exterior.

(D) não pode ser cobrado em conjunto com o ICMS.

Contabilidade Geral e Custos

97. Considerando os conceitos básicos da contabilidade como ciência e o estabelecido no CPC 00,

marque a assertiva correta:

44 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) A contabilidade deve permitir aos usuários internos, por meio das demonstrações contá-

beis, comparar seus resultados com os de outros períodos ou Entidades; avaliar seus resultados

à luz dos objetivos estabelecidos.

(B) O objeto da contabilidade, conforme orientação básica do CPC, é o fornecimento de infor-

mações aos usuários, internos e externos.

(C) O campo de aplicação da contabilidade se estende a qualquer pessoa, física ou jurídica,

com ou sem fins lucrativos, denominadas de aziendas.

(D) Os usuários das demonstrações contábeis fornecidas pela empresa são considerados ex-

ternos e podem ser classificados em primários ou secundários. A administração é um tipo de

usuário secundário.

98. Considerando os registros contábeis e apuração do resultado, analise as informações.

A empresa CZ apresentava um ativo de $ 1.000.000,00 e um passivo de $ 600.000,00. Comprou

à vista $ 50.000,00 de mercadorias, com ICMS $ 10.000,00, e, no mesmo dia, efetuou a venda da

mercadoria por $200.000,00 a prazo, com ICMS de $ 50.000.00.

Sabendo que as transações não sofreram outra tributação, podemos afirmar que após os registros

contábeis o patrimônio líquido passou a ser de:

(A) $ 450.000,00.

(B) $ 460.000,00.

(C) $ 350.000,00.

(D) $ 510.000,00.

99. Com base na classificação dos fatos que alteram o patrimônio de uma empresa, o pagamento

de uma dívida de $ 1.000,00, com juros de 10%; a compra de mercadorias de $ 3.000,00, sendo

metade à vista e metade a prazo, com juros de $100,00, e a venda de um veículo de $ 40.000,00

por $ 45.000,00 representam, respectivamente, fatos:

(A) Modificativo aumentativo, permutativo e misto diminutivo.

(B) Misto diminutivo, permutativo e misto aumentativo.

(C) Modificativo diminutivo, modificativo aumentativo e modificativo diminutivo.

(D) Misto aumentativo, misto aumentativo e misto diminutivo.

45 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

100. Em outubro de 2014, a empresa “CZ” adquiriu uma máquina por $ 100.000,00, a prazo, para

pagar em 10 prestações de $ 15.000,00. O procedimento usual de depreciação utilizou o método

linear, com resíduo estimado em 10% e vida útil prevista para a máquina é de 5 anos. No balan-

ço patrimonial de 2016, encerrado em 31 de dezembro, se a empresa vender a máquina por $

40.000,00 à vista, irá apurar:

(A) prejuízo de $ 1.500,00.

(B) prejuízo de $ 4.500,00.

(C) lucro de $ 1.500,00.

(D) prejuízo de $ 7.500,00.

101. A Sociedade Anônima “PCZ” recebeu como doação do Governo Federal um terreno registrado

por R$ 1.500.000,00, mas avaliado pelo seu valor justo de R$ 4.000.000,00. Dentro do acordo de

doação, se comprometeu a construir uma linha de produção e produzir no local durante um período

de 5 anos, com a geração de 400 empregos para a comunidade e compra de 70% dos insumos dos

fornecedores Nacionais.

Considerando os conceitos de ativos, passivos, receitas e despesas no registro contábil desta ope-

ração, a empresa PCZ deverá reconhecer:

(A) uma receita de $ 1.500.000,00.

(B) um passivo de $ 4.000.000,00.

(C) uma receita antecipada de $ 1.500.000,00.

(D) uma receita de $ 4.000.000,00.

102. A Cia. “CZ” aumentou o seu capital social mediante o lançamento de 100.000 novas ações, cujo

valor de lançamento foi R$ 5,00. No entanto, devido às condições de mercado, as ações foram ven-

didas a R$ 6,00, à vista. O banco de investimento que efetivou a negociação cobrou R$ 40.000,00.

Após os registros contábeis, a empresa “CZ” reconheceu um aumento líquido no patrimônio líquido de:

(A) $ 500.000,00.

(B) $ 600.000,00.

(C) $ 560.000,00.

(D) $ 540.000,00.

46 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

103. A Empresa INTER S/A tem como costume registrar uma estimativa para liquidação duvidosa

para precaver-se de perdas no recebimento de seus clientes. O contador trabalha com o método da

complementação.

Em 2016, com créditos a receber no montante de R$ 400.000,00, ela mandou fazer o registro de uma es-

timativa de perda de R$ 12.000,00, mas, durante o exercício, contabilizou perdas de apenas R$ 7.000,00.

Agora, no fim do exercício de 2017, a empresa pretende fazer a estimativa de R$ 15.000,00. Por

isso, como tem no balanço R$ 300.000,00 a receber de clientes, vai contabilizar em 2017 uma des-

pesa com devedores duvidosos no valor de:

(A) $ 10.000,00.

(B) $ 15.000,00.

(C) $ 3.000,00.

(D) $ 12.000,00.

104. Em setembro de 2017, determinada empresa de capital aberto, buscando a captação de re-

cursos no mercado, efetuou o lançamento de 10 milhões de reais em debêntures, com prazo de

resgate de 10 anos.

No processo de lançamento do instrumento financeiro, a empresa incorreu em gastos diretos, vin-

culados à emissão, no valor de R$ 100.000,00.

Em dezembro, a empresa conclui que a emissão não foi bem-sucedida, pois não conseguiu vender

os títulos; assim, em dezembro, os gastos com a emissão das ações deverão ser contabilizados

(A) no resultado do exercício, como despesa.

(B) como despesa antecipada no ativo circulante.

(C) como despesa antecipada no ativo realizável a longo prazo.

(D) como redutora do patrimônio líquido.

105. Considerado as normas e a legislação que tratam da elaboração das demonstrações contábeis

e sabendo que determinada empresa efetuou as seguintes transações em 2017, julgue as assertivas.

–– Integralização de capital social, por meio de um imóvel, no valor de R$ 500.000,00.

–– Compra de estoque à vista, por R$ 50.000,00.

47 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

–– Compra de automóvel à vista, por R$ 40.000,00.

–– Compra de móveis, para pagamento em agosto de 2017, por R$ 30.000,00.

–– Pagamento de empréstimo bancário, no valor de R$ 8.000,00.

–– Pagamento dos salários de funcionários, no valor de R$ 4.000,00.

–– Resgate de debêntures, no valor de R$ 36.000,00.

–– Recebimento de venda de imobilizado R$ 80.000,00

–– Venda de ações em tesouraria por R$ 50.000,00

Com base nos fatos apresentados acima, o Fluxo de Caixa das atividades de financiamento, eviden-

ciado na Demonstração dos Fluxos de Caixa, foi:

(A) positivo em $ 80.000,00

(B) positivo em $ 40.000,00

(C) negativo em $ 44.000,00

(D) positivo de $ 6.000,00.

106. A empresa Claudio Zorzo, de grande porte, apresentava em seu ativo, no início do ano, uma

máquina com as seguintes informações:

–– Custo de aquisição: $ 800.000,00.

–– Depreciação acumulada: $ 400.000,00.

–– Perda por recuperabilidade acumulada: $ 70.000,00.

Por determinação normativa, no fim do ano, após o registro da depreciação anual de $ 50.000,00,

fez o teste de recuperabilidade e identificou os seguintes valores:

Valor em uso = $ 300.000,00

Valor justo líquido = $ 250.000,00

Com base nos dados, a contabilidade deverá no fim do ano:

(A) reverter parte da perda por recuperabilidade.

(B) reconhecer um aumento na perda por recuperabilidade de $ 30.000,00.

(C) registrar uma despesa por irrecuperabilidade de $ 80.000,00.

(D) não efetuar nenhum ajuste.

48 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

107. Considerando o tratamento a ser dado para os ativos classificados como imobilizado e proprie-

dade para investimento, analise a questão.

Uma empresa possuía, em 31/12/2017, um edifício no Ativo Imobilizado, que era utilizado como sua

parte administrativa, contabilizado por R$ 2.000.000,00.

Após a construção de um novo prédio para a administração por 15 milhões de reais, a direção da

empresa decidiu mudar o uso do edifício, passando a contabilizá-lo como Propriedade para Investi-

mento, ao valor justo de R$ 1.800.000,00.

A variação de R$ 200.000,00 em 31/12/2017 deve ser classificada como:

(A) Ajuste da Avaliação Patrimonial, no PL.

(B) Outras despesas, na DRE.

(C) Perda de capital, na DFC.

(D) Não contabiliza a diferença, pois a empresa ainda não realizou financeiramente o imóvel.

108. Uma indústria apresentou os seguintes valores levantados pela contabilidade:

Matéria-prima – 100.000

Salários da administração – 40.000

Mão de obra direta – 60.000

Energia elétrica da fábrica – 10.000

Energia elétrica da administração – 5.000

Manutenção – 20.000 (60 % custo da fábrica)

Multa de trânsito – 2.000

Depreciação das máquinas – 8.000

Perdas controladas – 1.000

Comissões de vendas – 4.000

Sabendo que a empresa produziu 1.000 unidades do produto “A” e apura o custo pelo sistema de

custeio por absorção, o valor do custo da produção do período foi de:

(A) 190.000,00.

(B) 191.000,00.

(C) 175.000,00.

(D) 195.000,00.

49 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Direito Financeiro

109. A espécie de orçamento que enfatiza os aspectos contábeis e de gestão, tendo como foco os

bens que o Estado adquire e os serviços que contrata, é o:

(A) Orçamento base-zero.

(B) Orçamento por desempenho.

(C) Orçamento tradicional.

(D) Orçamento-programa.

110. O princípio orçamentário que veda a inserção, na lei orçamentária, de matéria estranha à pre-

visão da receita e à fixação da despesa é o da:

(A) Legalidade.

(B) Exclusividade.

(C) Publicidade.

(D) Anterioridade.

111. Entre as alternativas abaixo, assinale aquela que se relaciona com a Lei de Diretrizes Orça-

mentárias (LDO):

(A) Deverá prever as receitas e autorizar as despesas.

(B) Compreenderá as metas e prioridades da Administração Pública para o exercício seguinte.

(C) Estabelecerá as diretrizes, objetivos e metas da administração pública.

(D) Conterá reserva de contingência.

112. Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a LDO conterá anexo em que serão apresen-

tados os riscos e outros eventos capazes de afetar as contas públicas e as medidas a serem imple-

mentadas caso tais riscos se concretizem. Tal anexo é o:

(A) Anexo de Riscos Fiscais.

(B) Anexo Específico.

(C) Anexo de Metas Fiscais.

(D) Anexo de Metas e Prioridades.

50 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

113. O relatório quadrimestral que deverá apresentar o cumprimento dos limites estabelecidos na

Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é o:

(A) Relatório de Gestão Fiscal.

(B) Relatório Resumido da Execução Orçamentária.

(C) Relatório de Riscos Fiscais.

(D) Relatório da Receita.

114. O crédito adicional que poderá ser autorizado pela própria Lei Orçamentária Anual (LOA) é o crédito:

(A) especial.

(B) inicial.

(C) extraordinário.

(D) suplementar.

115. Assinale a alternativa que engloba os créditos orçamentários que podem ser exceções ao prin-

cípio da anualidade:

(A) suplementar e especial.

(B) especial e extraordinário.

(C) suplementar e extraordinário.

(D) inicial e suplementar.

116. Analise as alternativas a seguir:

I – é vedado o início de programas ou projetos não incluídos na Lei Orçamentária Anual.

II – é vedada a concessão de créditos ilimitados.

III – é permitida a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa

e sem indicação dos recursos correspondentes;

IV – é permitida a transferência voluntária de recursos e a concessão de empréstimos, inclusive

por antecipação de receita, pelos Governos Federal e Estaduais e suas instituições financei-

ras, para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos Estados, do

Distrito Federal e dos Municípios.

São corretas as afirmativas:

51 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) I e II.

(B) II e III.

(C) III e IV.

(D) I e IV.

117. Nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal, as despesas obrigatórias de caráter continuado

não derivam de:

(A) Contrato.

(B) Lei.

(C) Medida provisória.

(D) Ato administrativo normativo.

118. A lei orçamentária que estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas

para a Administração Pública é o (a):

(A) PPA.

(B) LDO.

(C) LOA.

(D) LRF.

119. A respeito dos créditos adicionais, assinale a alternativa correta:

(A) Os créditos especiais e extraordinários deverão ser autorizados por lei e abertos mediante

decreto do Poder Executivo.

(B) Os créditos suplementares dependem da existência de recursos para serem abertos.

(C) O excesso de arrecadação não poderá ser utilizado para cobrir créditos extraordinários

abertos durante o exercício.

(D) A anulação de despesas não poderá ser indicada como fonte para abertura de créditos

especiais.

52 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

120. Segundo a LC n. 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF), a despesa com pessoal do

Poder Executivo Distrital não poderá ultrapassar:

(A) 60% da RCL

(B) 50% da RCL.

(C) 49% da RCL.

(D) 40,9% da RCL.

53 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


06/10/2018 Fundação Carlos Chagas – Concursos Públicos e Certificações

SECRETARIA DE FAZENDA DO DISTRITO FEDERAL


Concurso Público para preenchimento de vagas de
Auditor-Fiscal da SEFAZ-DF

Divulgação do Gabarito

Objetiva Seletiva:

001 – D 011 –D 021 – B 031 –B 041 – D 051 – D 061 – C 071 – A 081 – B 091 – B 101 – B 111 – B

002 – B 012 – C 022 – C 032 – D 042 – C 052 – C 062 – B 072 – C 082 – B 092 – C 102 – C 112 – A

003 – D 013 – D 023 – D 033 – C 043 – B 053 – B 063 – D 073 – C 083 – B 093 – D 103 – A 113 – A

004 – C 014 – B 024 – D 034 – D 044 – C 054 – D 064 – C 074 – D 084 – C 094 – A 104 – A 114 – D

005 – D 015 – D 025 – A 035 – A 045 – C 055 – C 065 – B 075 – D 085 – D 095 – D 105 – D 115 – B

006 – D 016 – C 026 – C 036 – B 046 – B 056 – B 066 – D 076 – A 086 – D 096 – A 106 – A 116 – A

007 – B 017 – D 027 – C 037 – C 047 – C 057 – D 067 – A 077 – D 087 – B 097 – C 107 – B 117 – A

008 – C 018 – A 028 – D 038 – B 048 – A 058 – D 068 – C 078 – D 088 – D 098 – D 108 – B 118 – A

009 – B 019 – A 029 – A 039 – D 049 – B 059 – A 069 – B 079 – D 089 – B 099 – B 109 – C 119 – B

010 – D 020 – C 030 – B 040 – B 050 – D 060 – D 070 – A 080 – D 090 – C 100 – A 110 – B 120 – C
Caderno de Prova

Grupo 1

Língua Portuguesa

TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 1 A 3.


1 A primeira coisa a observar sobre o mundo na década de 1780 é que ele era ao mesmo tempo

menor e muito maior que o nosso. Era menor geograficamente, porque até mesmo os homens

mais instruídos e bem informados da época − digamos, um homem como o cientista e via-

jante Alexander von Humboldt (1769-1859) − conheciam somente pedaços do mundo habitado.
5 (Os mundos “conhecidos” de comunidades menos evoluídas e expansionistas do que a Europa

Ocidental eram obviamente ainda menores, reduzindo-se a minúsculos segmentos da terra

onde os analfabetos camponeses sicilianos ou o agricultor das montanhas de Burma viviam

suas vidas, e para além dos quais tudo era e sempre seria eternamente desconhecido.) A
maior parte da superfície dos oceanos, mas não toda, de forma alguma, já tinha sido explorada
10 e mapeada graças à notável competência dos navegadores do século XVIII como James Cook,

embora os conhecimentos humanos sobre o fundo do mar tenham permanecido insignifican-

tes até a metade do século XX. Os principais contornos dos continentes e da maioria das

ilhas eram conhecidos, embora pelos padrões modernos não muito corretamente. O tama-

nho e a altura das cadeias das montanhas da Europa eram conhecidos com alguma precisão,
15 as localizadas em partes da América Latina o eram muito grosseiramente, as da Ásia, quase

totalmente desconhecidas, e as da África (com exceção dos montes Atlas), totalmente des-

conhecidas para fins práticos. Com exceção dos da China e da Índia, o curso dos grandes

rios do mundo era um mistério para todos a não ser para alguns poucos caçadores, comer-

ciantes ou andarilhos, que tinham ou podem ter tido conhecimento dos que corriam por suas
20 regiões. Fora de algumas áreas − em vários continentes elas não passavam de alguns qui-

lômetros terra a dentro, a partir da costa − o mapa do mundo consistia de espaços brancos

cruzados pelas trilhas demarcadas por negociantes ou exploradores. Não fosse pelas infor-

mações descuidadas de segunda ou terceira mão colhidas por viajantes ou funcionários em

postos remotos, estes espaços brancos teriam sido bem mais vastos do que de fato o eram.

(HOBSBAWM, Eric J. O mundo na década de 1780. In: A era das revoluções: Europa 1789-1848,
tradução de Maria Tereza Lopes Teixeira e Marcos Penchel. 22. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,
2007, p. 23-24)

1. Compreende-se corretamente do texto:

(A) O mapa do mundo, no século XVIII, era esboçado por linhas que definiam os caminhos a

55 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

serem trilhados por negociantes e exploradores, esboço que se diferenciava do delineamento

preciso de poucas áreas litorâneas dos continentes.

(B) A variação que se constata na precisão com que eram medidos o tamanho e a altura das

montanhas dos distintos continentes deve ser atribuída à distinta prática dos habitantes locais

no que se refere a esse tipo de mapeamento, prática que chegava, por exemplo, na África, a ser

totalmente desconhecida.

(C) Os padrões modernos de mapeamento de um território tornam inadmissível considerar que,

no século XVIII, os principais contornos dos continentes e da maioria das ilhas eram conhecidos.

(D) Muito do que se sabe sobre o mapa do mundo no século XVIII se deve ao registro, em locais

longínquos, de notícias informais, por meio das quais se passavam adiante informações ouvidas

de outros.

Letra d.

Os dois últimos períodos do texto corroboram essa interpretação: Fora de algumas áreas − em

vários continentes elas não passavam de alguns quilômetros terra a dentro, a partir da costa − o

mapa do mundo consistia de espaços brancos cruzados pelas trilhas demarcadas por negociantes

ou exploradores. Não fosse pelas informações descuidadas de segunda ou terceira mão colhidas por

viajantes ou funcionários em postos remotos, estes espaços brancos teriam sido bem mais vastos

do que de fato o eram.

2. Não fosse pelas informações descuidadas de segunda ou terceira mão colhidas por viajantes ou fun-

cionários em postos remotos, estes espaços brancos teriam sido bem mais vastos do que de fato o eram.

A frase acima respeita as orientações da gramática normativa no que se refere à concordância ver-

bal e nominal, assim como ocorre com a seguinte frase:

(A) Caso fosse registrado com mais rigor as informações dos caçadores, e também se elas fos-

sem mais detalhadas, talvez mais se soubesse hoje sobre o conhecimento da época acerca dos

rios da África.

(B) Quaisquer que fossem as circunstâncias, mais favoráveis, ou menos favoráveis, cada habi-

tante sempre enfrentava algo do mistério sobre as cadeias de montanhas que lhe eram próximas.

56 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) Se não fosse, naquela época, as ações de certos viajantes, muito do que se sabe hoje per-

maneceria incógnito.

(D) Fosse qual fossem as informações prestadas por andarilhos, tiveram todas sua utilidade

para o conhecimento do mundo do século XVIII.

Letra b.

As demais alternativas apresentam erros, dentre os quais se destaca:

(A) Caso fosse registrado (registradas) com mais rigor as informações.

(C) Se não fosse (fossem), naquela época, as ações.

(D) Fosse qual (Fossem quais) fossem as informações.

3. Observada a organização do texto, é plausível o que se afirma em:

(A) (linhas 14 a 17) O fato de os segmentos com alguma precisão, muito grosseiramente, qua-

se totalmente desconhecidas e totalmente desconhecidas caracterizarem o mesmo núcleo − O

tamanho e a altura das cadeias das montanhas − é que propicia o entendimento de que a série

vai do grau mais exato ao menos exato.

(B) (linha 13) A expressão não muito corretamente suaviza o peso da real avaliação feita pelo

autor, que, se estivesse explícita, teria necessariamente a forma “totalmente errada”.

(C) (linha 1) O numeral em A primeira coisa a observar é marcador que impõe as seguintes

pressuposições: a) há outros fatores a serem observados; b) essa primeira coisa a observar é,

como em todos os contextos, a mais relevante.

(D) (linha 2) A delimitação operada pelo emprego de geograficamente faz supor a existência

de outros critérios, além do geográfico, para se avaliar o tamanho do mundo, por exemplo, o

critério demográfico.

Letra d.

O uso do advérbio ‘geograficamente’ (sob o ponto de vista geográfico) deixa de fato pressuposto

que a ‘geografia’ é apenas um dos critérios na avaliação do tamanho do mundo.

57 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

TEXTO PARA AS QUESTÕES DE 4 A 7.

1 Suponho, finalmente, que os ladrões de que falo não são aqueles miseráveis, a quem a pobreza

e vileza de sua fortuna condenou a este gênero de vida, porque a mesma, sua miséria ou
escusa, ou alivia o seu pecado, como diz Salomão: o ladrão que furta para comer, não vai nem
leva ao inferno: os que não só vão, mas levam, de que eu trato, são os ladrões de maior calibre
5 e de mais alta esfera, os quais debaixo do mesmo nome e do mesmo predicamento distingue

muito bem S. Basílio Magno: não são só ladrões, diz o Santo, os que cortam bolsas, ou esprei-
tam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa; os ladrões que mais própria e dignamente
merecem este título, são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o
governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com força,
10 roubam e despojam os povos. Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades

e reinos; os outros furtam debaixo do seu risco, estes sem temor, nem perigo; os outros, se
furtam, são enforcados, estes furtam e enforcam. Diógenes, que tudo via com mais aguda vista
que os outros homens, viu que uma grande tropa de varas e ministros de justiça levava a enfor-
car uns ladrões, e começou a bradar: “Lá vão os ladrões grandes enforcar os pequenos”. Ditosa
15 Grécia, que tinha tal pregador! E mais ditosas as outras nações, se nelas não padecera a justiça

as mesmas afrontas. Quantas vezes se viu em Roma ir a enforcar um ladrão por ter furtado um
carneiro, e no mesmo dia ser levado em triunfo um cônsul, ou ditador por ter roubado uma pro-
víncia! E quantos ladrões teriam enforcado estes mesmos ladrões triunfantes? De um chamado
Seronato disse com discreta contraposição Sidônio Appolinar: Seronato está sempre ocupado
20 em duas coisas: em castigar furtos, e em os fazer. Isto não era zelo de justiça, senão inveja.

Queria tirar os ladrões do mundo, para roubar ele só. Declarado assim por palavras não minhas,
senão de muito bons autores, quão honrados e autorizados sejam os ladrões de que falo, estes
são os que disse e digo que levam consigo os reis ao inferno. Que eles fossem lá sós, e o diabo
os levasse a eles, seja muito na má hora, pois assim o querem; mas que hajam de levar consigo
25 os reis é uma dor que se não pode sofrer, e por isso nem calar. Mas se os reis tão fora estão de

tomar o alheio, que antes eles são os roubados, e os mais roubados de todos, como levam ao
inferno consigo estes maus ladrões a estes bons reis? Não por um só, senão por muitos modos, os
quais parecem insensíveis e ocultos, e são muito claros e manifestos. O primeiro, porque os reis
lhes dão os ofícios e poderes com que roubam; o segundo, porque os reis os conservam neles;
30 o terceiro, porque os reis os adiantam e promovem a outros maiores; e, finalmente, porque,

 sendo os reis obrigados, sob pena de salvação, a restituir todos estes danos, nem na vida, nem
na morte os restituem. E quem diz isto já se sabe que há de ser Santo Tomás. Faz questão Santo
Tomás, se a pessoa que não furtou, nem recebeu ou possui coisa alguma do furto, pode ter obri-

gação de o restituir. E não só resolve que sim, mas, para maior expressão do que vou dizendo,

58 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

35 põe o exemplo nos reis. Vai o texto: Aquele que tem obrigação de impedir que se não furte, se o

não impediu, fica obrigado a restituir o que se furtou. E até os príncipes, que por sua culpa dei-

xarem crescer os ladrões, são obrigados à restituição, porquanto as rendas, com que os povos

os servem e assistem, são como estipêndios instituídos e consignados por eles, para que os

príncipes os guardem e mantenham em justiça. — É tão natural e tão clara esta teologia, que
40 até Agamenão, rei gentio, a conheceu, quando disse: Qui non vetat peccare, cum possit, jubet.

4. Considerada a norma-padrão da língua, é adequado o que se afirma em:

(A) Em relação ao advérbio ‘própria’ no trecho “os ladrões que mais própria e dignamente

merecem este título” (linhas 7 e 8), é correto afirmar: quando, em uma frase, dois ou mais

advérbios terminados em –mente modificam a mesma palavra, deve-se juntar o sufixo -mente

somente no último deles. O uso repetitivo do sufixo não deve ser utilizado em hipótese alguma.

(B) Ao se reescrever o trecho “ou espreitam os que se vão banhar” (linhas 6 e 7) da seguinte

forma: ou espreitam os que vão banhar-se, a correção gramatical será prejudicada.

(C) Em espreitam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa (linhas 6 e 7), o pronome

destacado tem sentido possessivo, como em “Colocou-lhe no dedo a aliança prometida”.

(D) No trecho “Isto não era zelo de justiça, senão inveja”, a substituição de ‘senão’ por mas

sim provocará mudança de sentido.

Letra c.

O trecho “para lhes colher a roupa” equivale a para “colher as suas roupas” (roupas deles), sendo o

‘lhes’ um adjunto adnominal de ‘roupas’.

5. Transpondo-se para a voz ativa a construção “fica obrigado a restituir o que se furtou”, tem-se:

(A) foi furtado.

(B) foram furtados.

(C) tem furtado.

(D) furtaram.

Letra d.

59 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Observe que o enunciado solicita a tranposição para a voz ativa, o que elimina a A e B, que estão na

voz passiva. Na B também haveria erro de concordância. Como não há o agente da ação na passiva

sintética do enunciado, a forma verbal na ativa (FURTAR) deve ter sujeito indeterminado, por isso

fica na terceira pessoa do singular.

6. Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu que uma grande tropa

de varas e ministros de justiça levava a enforcar uns ladrões, e começou a bradar: “Lá vão os

ladrões grandes enforcar os pequenos”.

Considerando o contexto, a substituição das formas verbais destacadas pelo presente do indicativo,

no período acima, exemplifica o emprego deste tempo e modo verbais para

(A) marcar um fato futuro, mas próximo, como em “Amanhã mesmo trago de volta seu livro”.

(B) enunciar um fato atual, isto é, que ocorre no momento em que se fala, como em “Agora o

piso está limpo”.

(C) expressar uma ação habitual ou uma faculdade do sujeito, ainda que não estejam sendo

exercidas no momento em que se fala, como em “Tomo pouco café”.

(D) Dar vivacidade a fatos ocorridos no passado, como em “É em 1856 que Machado de Assis

entra para a Imprensa Nacional, como aprendiz de tipógrafo”.

Letra d.

Como os fatos anunciados pelos verbos estão situados no passado, o uso do presente do indicativo

contribuiria para imprimir mais vivacidade e veracidade aos acontecimentos; neste caso, o presente

é chamado de ‘presente histórico’.

7. … nem na morte os restituem

O verbo que apresenta a mesma regência do destacado na frase encontra-se em:

(A) o ladrão que furta para comer.

(B) Diógenes, que tudo via com mais aguda vista.

(C) os reis lhes dão os ofícios e poderes.

(D) É tão natural e tão clara esta teologia.

60 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra b.

O verbo da frase do enunciado é transitivo direto, como o da alternativa B. Os demais são:

(A) intransitivo (no contexto, não há objeto da ação de ‘furtar’).

(C) transitivo direto e indireto.

(D) de ligação.

Raciocínio Lógico-Quantitativo e Matemática Financeira

8. Um jogo é realizado da seguinte forma: três bolas numeradas de 1 a 3 deverão ser colocadas em

duas urnas X e Y, em que o campeão será aquele que fizer a prova em menor tempo.

O jogador deverá colocar as três bolas nas urnas, de modo que as bolas 1 e 3 NÃO fiquem na mes-

ma urna. O primeiro jogador tem quantas maneiras distintas de realizar tal jogada?

(A) 8.

(B) 6.

(C) 4.

(D) 3.

Letra c.

As bolas 1 e 3 devem ficar em urnas diferentes, dessa forma temos:

1ª Urna A: Bolas 1 e 2; Urna B: Bola 3.

2ª Urna A: Bola 1; Urna B: Bolas 2 e 3.

3ª Urna A: Bolas 2 e 3; Urna B: Bola 1.

4ª Urna A: Bola 3; Urna B: Bolas 1 e 2.

Assim temos 4 combinações possíveis.

9. Em uma urna, há 4 bolas amarelas e 6 bolas vermelhas. Foram retiradas simultaneamente, e de

forma aleatória, 2 bolas da urna.

A probabilidade de as duas bolas retiradas serem vermelhas é de:

(A) 1/2.

61 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) 1/3.

(C) 1/4.

(D) 1/5.

Letra b.

Deve-se retirar uma bola após a outra sem reposição, uma vez que os eventos ocorrem sem repo-

sição. Sabe-se que o total de bolas que é dado são 4 (vermelhas) + 6 (amarelas) = 10 bolas.

Probabilidade da 1ª bola ser vermelha: P1 = 6/10 = 3/5

E (X)

Probabilidade da 2ª bola ser vermelha: P2 = 5/9 (pois uma bola vermelha já foi retirada)

Como a questão quer a probabilidade de que ocorram os dois eventos obrigatoriamente, devem-se

multiplicar as probabilidades:

P (total) = P1 x P2 = (3/5) x (5/9) = 3/9 = 1/3

10. Se é verdade que “nenhum político brasileiro é filósofo” e que “alguns Auditores do DF são filó-

sofos”, então também é necessariamente verdade que:

(A) nenhum político brasileiro é Auditor do DF.

(B) algum Auditor do DF é político brasileiro.

(C) algum político brasileiro é Auditor do DF.

(D) algum Auditor do DF não é político brasileiro.

Letra d.

Algum auditor do DF que é filósofo não é político brasileiro.

Logo podemos concluir que “Algum auditor do DF não é político brasileiro”.

62 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

11. Considerando-se a estrutura formal, um argumento pode ser válido ou inválido, independen-

temente da verdade ou falsidade de suas premissas. Dessa forma, assinale a alternativa que apre-

senta o argumento válido:

(A) Alguns animais são peçonhentos. O gato é um animal. Logo, todos os gatos são peçonhentos.

(B) Alguns nordestinos moram em Belém. Alguns marrecos moram em Belém. Logo, todos os

marrecos não são nordestinos.

(C) Nenhum pássaro é peçonhento. Há pássaros que fazem mal à saúde das pessoas. Logo,

todos os animais que fazem mal à saúde das pessoas não são peçonhentos.

(D) O homem inteligente nunca recebe penalidades, pois somente o homem que erra recebe

penalidades e o homem inteligente jamais erra.

Letra d.

Representando o argumento:

Premissa 01: Somente o homem que erra recebe penalidades. (V)

Premissa 02: Homem inteligente jamais erra. (V)

Conclusão: O homem inteligente nunca recebe penalidades (V)

12. Uma Duplicata foi descontada dois meses antes de seu vencimento, com taxa de desconto com-

posto igual a 40% ao bimestre, com capitalização mensal. Como o desconto realizado foi comercial,

o valor atual correspondeu a R$ 1.843,20.

Caso o desconto tivesse sido racional, o valor resgatado seria:

(A) R$ 1.900,00.

(B) R$ 2.100,00.

(C) R$ 2.000,00.

(D) R$ 2.300,00.

Letra c.

Primeiramente temos que observar que a taxa de 40 % a.b é nominal e deve ser transformada para

efetiva, logo temos que dividir 40% a.b por 2, em que teremos 20% a.m.

63 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

As grandezas são:

Tempo = 2 meses

Taxa efetiva = 20% a.m

Valor Atual = R$ 1. 843,20

A = N. (1 - i) t

1843,20 = N. (1 - 0,2)2

N = 1843,20 / 0,64

N = 2.880

Caso o desconto tivesse sido racional, o valor resgatado seria:

N = A. (1 + i)2

2880 = A. (1 + 0,2)2

A = 2880 / 1,44

A = 2.000

13. A taxa interna de retorno positiva do fluxo de caixa abaixo correspondente a determinado pro-

jeto é de 12% ao ano.

ANOS FLUXO DE CAIXA (R$)

0 - 39.000,00

1 X

2 2X

O valor de X é igual a:

(A) 16. 240,00.

(B) 14.560,00.

(C) 15.052,80.

(D) 15.680,00.

Letra d.

A taxa interna de retorno faz com que as entradas fiquem iguais às saídas. Ou podemos dizer que

o VPL é igual a zero.

64 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

N = A (1+i) n

39.000 = X/1,12 + 2X/ (1,12)2

39.000 = X/1,12 +2X/1,2544

39.000 = (1,12X + 2X) /1,2544

39.000 = 3,12X/1,2544

3,12X = 39.000 X 1,2544

3,12X = 48.921,60

X = 15.680,00

Direito Constitucional

14. Dentro da sistemática da repartição constitucional de competências e considerando a jurispru-

dência do STF, assinale a alternativa correta.

(A) É constitucional lei estadual que disponha sobre a gratuidade em estacionamento de sho-

ppings centers para pessoas com mais de 60 anos de idade.

(B) Viola a CF dispositivo de Constituição Estadual que assegure ao Governador de Estado a

prerrogativa de ser julgado pela Assembleia Legislativa nos crimes de responsabilidade.

(C) Cabe à União legislar sobre horário de funcionamento dos bancos e sobre tempo de espera

nas filas de agências bancárias.

(D) É incompatível com a CF norma municipal que determine a instalação de portas giratórias

na entrada de estabelecimentos bancários.

Letra b.

Nos termos da Súmula Vinculante n. 45, cabe privativamente à União legislar sobre direito proces-

sual. Assim, as normas estaduais sobre processo e julgamento de Governadores seriam inconstitu-

cionais, por vício de competência.

15. No tocante aos Poderes do Estado e às suas respectivas funções, marque a assertiva correta.

(A) É da competência privativa do Senado Federal processar e julgar os Ministros do STF, do

STJ e os membros do CNJ e do CNMP nos crimes de responsabilidade.

65 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) O foro por prerrogativa de função dos parlamentares é assegurado a partir da posse, não

havendo distinção se os crimes foram praticados antes ou após a investidura, ou mesmo se há

relação com o cargo.

(C) As imunidades materiais de parlamentares estaduais, distritais e municipais abrangem opi-

niões, palavras e votos, afastando a responsabilização penal e civil, restrita à área territorial do

Estado-membro.

(D) Comissão Parlamentar de Inquérito instalada na Assembleia Legislativa pode decretar a

quebra de sigilo de dados, mas não a do sigilo das comunicações telefônicas.

Letra d.

As CPIs possuem poderes de investigação próprios das autoridades judiciais, segundo o artigo 58, §

3º, da CF. No entanto, determinadas matérias, como é o caso da violação de domicílio e da quebra

do sigilo das comunicações telefônicas, estão cobertas pela cláusula de reserva de jurisdição, sendo

a decisão possível apenas ao Poder Judiciário.

16. No que se refere às súmulas vinculantes e ao controle de constitucionalidade, indique a alter-

nativa incorreta.

(A) Dentro do controle concentrado de constitucionalidade, não há hipótese de atuação de for-

ma preventiva.

(B) A edição, revisão e cancelamento de súmulas vinculantes pode ocorrer de ofício ou por

provocação dos mesmos legitimados para o ajuizamento da ação direta de inconstitucionalidade,

além de outros que venham a ser estabelecidos em lei.

(C) A modulação temporal de efeitos é uma técnica aplicável ao controle de constitucionalidade

difuso e concentrado, não se estendendo ao juízo de recepção/revogação de normas pré-cons-

titucionais.

(D) A legitimidade para o ajuizamento da ADI Interventiva se restringe ao Procurador-Geral da

República, no plano federal, e ao Procurador-Geral de Justiça, no âmbito estadual.

66 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra c.

A modulação temporal de efeitos nasce na Lei n. 9.868/1999 – Lei da ADI –, mas se estende ao con-

trole difuso de constitucionalidade. A técnica também é aplicável ao juízo de recepção ou revogação

das normas anteriores à Constituição.

Sobre o tema, é importante destacar que, caso se entenda que a lei anterior à Constituição é com

ela incompatível, haverá a revogação, retirando-a do sistema desde a data da promulgação da

Constituição. No entanto, excepcionalmente poderá a decisão escolher outro momento a partir do

qual a decisão surtirá efeitos.

17. Tendo em vista o texto constitucional e a interpretação jurisprudencial dada pelo STF aos direi-

tos políticos e ao direito de nacionalidade, assinale a alternativa correta.

(A) Serão suspensos os direitos políticos de pessoas condenadas criminalmente em 1ª instân-

cia que tiveram a pena mantida em 2ª instância, ainda que estejam pendentes recursos especial

e extraordinário.

(B) É caso de perda da nacionalidade a aquisição de outra nacionalidade em decorrência de

imposição unilateral por outro país como condição de permanência.

(C) São inalistáveis e inelegíveis os conscritos, durante o serviço militar obrigatório, e também

os analfabetos e estrangeiros.

(D) Indivíduo que tenha perdido a condição de brasileiro nato pode ser extraditado para outros

países.

Letra d.

O brasileiro nato não pode ser extraditado, mas, se ele adquirir voluntariamente outra nacionali-

dade, pode ser extraditado. Foi o que aconteceu com uma ex-brasileira nata, que, após matar seu

marido, foi extraditada para os EUA.

18. Quanto aos direitos e deveres individuais e coletivos, assinale a alternativa incorreta.

(A) Será desnecessária autorização expressa de associados no ajuizamento de ações judiciais,

agindo como representante ou substituto processual.

67 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) Não prescinde de lei formal a exigência de exame psicotécnico ou de idade mínima em

concursos públicos.

(C) Descabe a impetração de habeas data para viabilizar o acesso a processo administrativo.

(D) A suspensão e a dissolução compulsórias de associação dependem de decisão judicial, sen-

do exigida, no último caso, sentença judicial transitada em julgado.

Letra a.

Em regra, as associações atuam na condição de representantes processuais. Nesse caso, é necessá-

ria a autorização expressa dos associados, não bastando a previsão genérica nos estatutos.

Por outro lado, quando age como substituta processual – ex: MS coletivo –, a associação não preci-

sará de autorização dos associados.

Direito Administrativo

19. De acordo com a doutrina de Direito Administrativo, assinale a alternativa correta sobre os

serviços públicos.

(A) É permitido ao Estado delegar a prestação de determinados serviços públicos a particula-

res, competindo-lhe, todavia, o controle sobre sua execução. No entanto, para ocorrer a delação

na modalidade concessão, há necessidade de prévia licitação pública.

(B) O prestador de serviço deve fornecer o serviço adequado, eficiente e seguro ao usuário,

podendo apenas ser paralisado o serviço para manutenção.

(C) O serviço público está sujeito a regras e princípios – que afetam não só os prestadores

como os usuários, sendo que estes possuem direito a serviço gratuito sempre que não tiverem

meios para custeá-los.

(D) Em caso de inadimplemento do usuário, o fornecimento de serviço público pode ser inter-

rompido pelo concessionário, sendo desnecessária a notificação. 

Letra a.

68 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

O Estado pode prestar serviço público pessoalmente ou delegar ao particular (descentralização por

delegação). No entanto, é dever do Poder Público fiscalizar a prestação do serviço. Ainda, o art. 175

da CF exige a realização de licitação para selecionar o concessionário.

20. O ato administrativo representa a manifestação da vontade da Administração Pública. Por esse

motivo, são praticados com fundamento no direito público, possuindo características próprias. Sobre

os atributos dos atos, assinale a alternativa correta.

(A) A imperatividade, segundo a qual o ato administrativo se impõe e cria obrigações para de-

terminada pessoa, está presente em todos os atos administrativos.

(B) O atributo presunção de legalidade indica que o ato foi praticado com observância da lei.

Contudo, o ato poderá ser questionado pelo particular possivelmente prejudicado, cabendo ao

poder público provar que o ato é legal.

(C) A autoexecutoriedade representa a prerrogativa da Administração para praticar ato sem

a necessidade de autorização judicial. O ato terá esse atributo quando previsto em lei ou em

situação emergencial.

(D) A atipicidade, segundo a qual a Administração Pública pratica, em regra, atos inominados,

decorre do princípio da autonomia da vontade, desde que não haja proibição legal.

Letra c.

Pela autoexecutoriedade, os atos administrativos são praticados sem a necessidade de manifestação

do Poder Judiciário. Esse atributo está presente quando indicado em lei ou em situação emergencial.

21. Sobre a organização administrativa, é correto afirmar:

(A) As autarquias devem ser criadas por lei e com personalidade jurídica de direito público.

A lei que cria poderá estabelecer competência para intervir no mercado financeiro, pois possui

personalidade própria.

(B) Considere que o estado “Y” pretenda criar uma entidade administrativa com o objetivo de

fiscalizar o patrimônio ambiental, bem como expedir ato normativo para regulamentar o assun-

69 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

to. A estrutura a ser criada terá personalidade jurídica própria e será dirigida por um colegiado

com mandato fixo. Assertiva: pode-se afirmar que foi criada uma agência reguladora.

(C) É conceituado o mecanismo de descentralização por colaboração das atividades da Admi-

nistração Pública, como a criação de uma entidade, em que o poder central é repassado a ente

personalizado, para que exerça a competência com autonomia em relação ao poder central.

(D) É de competência da Justiça Federal processar e julgar, nos litígios comuns, as causas em

que as autarquias do Distrito Federal sejam autoras, rés, assistentes ou opoentes.

Letra b.

Agência reguladora é autarquia em regime especial, possuindo as seguintes características: perso-

nalidade jurídica própria, é dirigida por um colegiado, com mandato fixo e que os bens a ela perten-

centes serão considerados bens públicos.

22. A organização da Administração é a estruturação das entidades e órgãos que irão desempenhar

as funções, por meio de agentes públicos. Sobre os entes que integram a Administração indireta,

assinale a alternativa correta.

(A) As fundações públicas de direito privado compõem a Administração indireta do Estado. Os

atos e contratos administrativos são regidos pelo direito privado por força de seu regime jurídico.

(B) As empresas públicas podem desempenhar serviços públicos ou praticar atividade eco-

nômica. A jurisprudência admite a criação de subsidiária de empresa pública que desempenha

atividade econômica por Decreto do Chefe do Poder Executivo.

(C) As empresas públicas são pessoas jurídicas de direito privado autorizadas por lei específica,

logo estão submetidas às normas comuns. No entanto, o direito privado é derrogado por normas

de direito público, tais como a realização de concurso público e licitação.

(D) A autarquia pode exercer o poder de polícia, pois pratica atividade de estado. A jurisprudên-

cia é pacífica em admitir a delegação do poder de polícia a pessoa de direito privado, desde que

ocorra regular licitação e que a contratada não ultrapasse os limites estabelecidos na legislação.

Letra c.

70 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Representam características das empresas públicas: são autorizadas por específica; são pessoas de

direito privado; devem licitar e realizar concurso para contratar seu pessoal.

23. A principiologia ocupa posição importante para o estudo do Direito Administrativo, uma vez

que informa vetores de interpretação para todo o ordenamento objeto de estudo. A esse respeito,

assinale a alternativa correta sobre os princípios.

(A) O princípio da moralidade exige atuação segundo padrões éticos de probidade, decoro e

boa-fé. A moral comum deverá ser avaliada no momento da prática da atividade administrativa.

(B) O princípio da juridicidade informa que a interpretação da norma administrativa deve ocor-

rer da forma que melhor garanta o atendimento do fim público a que se dirige, vedada aplicação

retroativa de nova interpretação.

(C) O princípio da impessoalidade exige a divulgação oficial dos atos administrativos, ressalva-

das as hipóteses de sigilo previstas na Constituição.

(D) O princípio da proporcionalidade exige adequação entre meios e fins, vedada a imposição

de obrigações, restrições e sanções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao

atendimento do interesse público.

Letra d.

O princípio da proporcionalidade está previsto de forma expressa no inciso VI do art. 2º da Lei n.

9.784/1999: “adequação entre meios e fins, vedada a imposição de obrigações, restrições e san-

ções em medida superior àquelas estritamente necessárias ao atendimento do interesse público”.

24. Em relação ao poder de polícia, julgue os itens a seguir.

(A) O poder de polícia não tem relação com atividade exercida pela vigilância sanitária.

(B) O poder de polícia será sempre exercido preventivamente, nos estritos termos da lei que

autoriza o seu exercício.

(C) São atributos do poder de polícia a discricionariedade, exigibilidade e coercibilidade. A exigibi-

lidade representa a possibilidade de praticar o ato sem autorização judicial. A jurisprudência infor-

ma que a autoexecutoriedade está presente em todos os atos com fundamento no poder de polícia.

71 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(D) É possível o poder de polícia ser representado por ato normativo e concreto. A fiscalização

realizada por agentes do PROCON representa atividade concreta ou material do poder de polícia.

Letra d.

O poder de polícia sempre inicia com a edição da norma, pois nenhuma atividade administrativa

pode ser realizada sem autorização legal. Também, esse poder é manifestado pela atividade con-

creta na aplicação da lei.

25. Assinale a alternativa correta considerando aspectos do Direito Administrativo.

(A) Órgão do Poder Judiciário contatou que servidor ocupante de cargo de Oficial de Justiça

Avaliador Federal está acumulando seu respectivo cargo com outro cargo eletivo de Deputado

Estadual. Foi instaurado processo administrativo para avaliar a acumulação dos cargos. Com o

término do processo, a comissão alegou que a acumulação é inconstitucional. O relatório da co-

missão está de acordo com a Constituição de 1988.

(B) Considere que Agenor tenha impetrado mandado de segurança questionando a legalidade

de determinado ato administrativo praticado por servidor público. Nesse caso, sendo constatada

a ilegalidade apontada no remédio constitucional, o juiz poderá revogar o ato administrativo.

(C) Pode-se afirmar que o servidor responde civil, penal e administrativamente pelo exercício

irregular de suas atribuições. A responsabilidade administrativa do servidor será afastada no

caso de absolvição criminal que negue a existência do fato, de sua autoria e pela falta de provas.

(D) É autorizada percepção simultânea de proventos de aposentadoria com a remuneração de

cargo, emprego ou função pública. Só não será permitida a percepção simultânea quando for

decorrente de cargos eletivos, e os cargos em comissão declarados em lei de livre nomeação e

exoneração.

Letra a.

Consta no art. 38, I, CF, que: “I – tratando-se de mandato eletivo federal, estadual ou distrital, fi-

cará afastado de seu cargo, emprego ou função”. Assim, a acumulação é ilícita.

72 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Direito Civil

26. Considerando a temática acerca das pessoas naturais e das pessoas jurídicas no Código Civil,

marque o item correto.

(A) Aqueles que, por causa transitória ou permanente, não puderem exprimir sua vontade são

considerados absolutamente incapazes.

(B) É válida, com objetivo científico, ou altruístico, a disposição gratuita do próprio corpo, no

todo ou em parte, para depois da morte, sendo que esse ato de disposição não pode ser livre-

mente revogado.

(C) As pessoas jurídicas de direito público interno são civilmente responsáveis por atos dos

seus agentes que nessa qualidade causem danos a terceiros, ressalvado direito regressivo contra

os causadores do dano, se houver, por parte destes, culpa ou dolo.

(D) Começa a existência legal das pessoas jurídicas de direito público ou privado com a inscri-

ção do ato constitutivo no respectivo registro, precedida, quando necessário, de autorização ou

aprovação do Poder Executivo, averbando-se no registro todas as alterações por que passar o

ato constitutivo.

Letra c.

Artigo 43 do CC.

Artigos cobrados na questão: 4°; 14, 43 e 45.

27. Sobre atos jurídicos em sentido estrito, marque a alternativa correta.

(A) A manifestação de vontade no ato jurídico em sentido estrito é ampla, podendo a parte

manipular as consequências.

(B) Constituem atos ilícitos os praticados mediante estado de necessidade.

(C) O abuso do direito gera responsabilidade civil objetiva.

(D) Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e

causar dano a outrem não comete ato ilícito, mas estará obrigado a indenizar.

73 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra c.

(A) No ato jurídico, em sentido estrito, a vontade humana está direcionada ao ato em si, es-

tando as consequências da lei.

(B) Art. 188. Não constituem atos ilícitos: I – os praticados em legítima defesa ou no exercício

regular de um direito reconhecido; II – a deterioração ou destruição da coisa alheia, ou a lesão

a pessoa, a fim de remover perigo iminente.

(C) Art. 187. Também comete ato ilícito o titular de um direito que, ao exercê-lo, excede manifes-

tamente os limites impostos pelo seu fim econômico ou social, pela boa-fé ou pelos bons costumes.

(D) Art. 186. Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar

direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito.

28. Natanael percebeu que a área pública localizada ao lado de seu imóvel nunca foi ocupada pelo

poder público. Resolveu, então, construir algumas benfeitorias para lazer e agregar a área ao seu

imóvel. Assim, promoveu o cercamento da área e mesclou com sua propriedade. Após 30 anos de

ocupação sem qualquer notificação do poder público, Natanael foi surpreendido com notificação do

Estado para desocupar a área. Diante do caso, marque a alternativa correta.

(A) A natureza jurídica do imóvel público ocupado por Natanael é de bem público de uso co-

mum do povo.

(B) Pelo passar do tempo, Natanael adquiriu o imóvel por usucapião.

(C) A área ocupada é bem público dominical e passível de usucapião após a ocupação por 40

anos ininterruptos.

(D) Natanael não pode alegar usucapião.

Letra d.

Os bens públicos são imprescritíveis.

74 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Direito Empresarial

29. A empresa XYZ Transporte de Carga Ltda. teve a sua falência decretada no dia 22/08/2018,

cujo fundamento foi a impontualidade injustificada. A decisão gera diversos efeitos em relação aos

bens, à pessoa e aos negócios do falido.

Diante das regras legais da Lei n. 11.101/2005, assinale a alternativa correta quanto aos efeitos.

(A) A decretação da falência suspende o exercício do direito de retenção sobre os bens sujeitos

à arrecadação, os quais deverão ser entregues ao administrador judicial.

(B) O falido fica inabilitado para exercer qualquer atividade empresarial a partir da data do

pedido da falência.

(C) A decisão que determinará o termo legal não poderá retrotrai-lo em mais de 90 dias da

decisão.

(D) A decretação da falência interrompe o curso da prescrição e de todas as ações e execuções

em face do devedor, inclusive aquelas dos credores particulares do sócio solidário.

Letra a.

(A) Art. 116. A decretação da falência suspende: I – o exercício do direito de retenção sobre os

bens sujeitos à arrecadação, os quais deverão ser entregues ao administrador judicial.

(B) Art. 102 da LFRE – O falido fica inabilitado para exercer qualquer atividade empresarial a

partir da decretação da falência.

(C) Art. 99, II – fixará o termo legal da falência, sem poder retrotraí-lo por mais de 90 (noven-

ta) dias contados do pedido de falência, do pedido de recuperação judicial ou do 1o (primeiro)

protesto por falta de pagamento, excluindo-se, para esta finalidade, os protestos que tenham

sido cancelados.

(D) Art. 6° A decretação da falência ou o deferimento do processamento da recuperação judi-

cial suspende o curso da prescrição e de todas as ações e execuções em face do devedor, inclu-

sive aquelas dos credores particulares do sócio solidário.

75 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

30. No que se refere à pessoa jurídica de direito privado que tenha por objeto a prestação de servi-

ços médicos com finalidade lucrativa, sob a forma de limitada, assinale a opção correta.

(A) Exige-se, para a sua constituição, que o contrato social seja realizado por instrumento público.

(B) Essa pessoa jurídica poderá ser constituída com sócios pessoas naturais ou pessoas jurídicas.

(C) O capital dessa pessoa jurídica poderá ser constituído por contribuição relativa à prestação

de serviços.

(D) O administrador dessa pessoa jurídica deverá ser um de seus sócios.

Letra b.

(A) Art. 1.054. O contrato mencionará, no que couber, as indicações do art. 997, e, se for o

caso, a firma social, combinado o Art. 997. A sociedade constitui-se mediante contrato escrito,

particular ou público, que, além de cláusulas estipuladas pelas partes, mencionará: […].

(B) Art. 1.054. O contrato mencionará, no que couber, as indicações do art. 997, e, se for o

caso, a firma social, combinado o art. 997: A sociedade constitui-se mediante contrato escrito,

particular ou público, que, além de cláusulas estipuladas pelas partes, mencionará: I – nome,

nacionalidade, estado civil, profissão e residência dos sócios, se pessoas naturais, e a firma ou

a denominação, nacionalidade e sede dos sócios, se jurídicas.

(C) Art. 1.055. O capital social divide-se em quotas, iguais ou desiguais, cabendo uma ou di-

versas a cada sócio. § 2º É vedada contribuição que consista em prestação de serviços.

(D) Art. 1.054. O contrato mencionará, no que couber, as indicações do art. 997, e, se for o

caso, a firma social, combinado o art. 997: A sociedade constitui-se mediante contrato escrito,

particular ou público, que, além de cláusulas estipuladas pelas partes, mencionará: VI – as pes-

soas naturais incumbidas da administração da sociedade, e seus poderes e atribuições.

Direito Penal

31. De acordo com as disposições do Código Penal e entendimento doutrinário dominante, marque

a alternativa correta.

76 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) Conforme entendimento do STJ, é cabível o arrependimento posterior no homicídio culposo.

(B) Conforme entendimento do STJ, é incabível o arrependimento posterior aos crimes contra

a fé pública.

(C) É possível o arrependimento posterior até o trânsito em julgado.

(D) É cabível arrependimento posterior no crime de extorsão.

Letra b.

Não se aplica o instituto do arrependimento posterior ao crime de moeda falsa. No crime de moeda

falsa – cuja consumação se dá com a falsificação da moeda, sendo irrelevante eventual dano patri-

monial imposto a terceiros –, a vítima é a coletividade como um todo, e o bem jurídico tutelado é a

fé pública, que não é passível de reparação. Desse modo, os crimes contra a fé pública, semelhantes

aos demais crimes não patrimoniais em geral, são incompatíveis com o instituto do arrependimento

posterior, dada a impossibilidade material de haver reparação do dano causado ou a restituição da

coisa subtraída. STJ. 6ª Turma. REsp 1.242.294-PR, Rel. originário Min. Sebastião Reis Júnior, Rel.

para acórdão Min. Rogerio Schietti Cruz, julgado em 18/11/2014 (Info 554).

32. De acordo com as disposições do Código Penal e entendimento doutrinário dominante, marque

a alternativa correta.

(A) Ninguém pode ser punido por fato que lei posterior deixa de considerar crime, cessando em

virtude dela a execução e os efeitos penais e civis da sentença condenatória.

(B) A lei posterior, que de qualquer modo favorecer o agente, aplica-se aos fatos anteriores,

salvo se decididos por sentença condenatória transitada em julgado.

(C) A lei penal mais grave aplica-se ao crime continuado ou ao crime permanente, se a cessa-

ção da continuidade ou da permanência é anterior a sua vigência.

(D) A lei excepcional ou temporária, embora decorrido o período de sua duração ou cessadas as

circunstâncias que a determinaram, aplica-se ao fato praticado durante sua vigência, ainda que

lei posterior seja mais benigna.

Letra d.

77 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

A lei excepcional ou temporária é exceção ao princípio da retroatividade benéfica. Desse modo, ela será

aplicável ao crime praticado durante sua vigência, mesmo que uma nova lei benigna entre em vigor.

33. De acordo com as disposições do Código Penal e entendimento doutrinário dominante, marque

a alternativa incorreta.

(A) Não se pune a tentativa quando, por ineficácia absoluta do meio ou por absoluta improprie-

dade do objeto, é impossível consumar-se o crime.

(B) Exige-se a voluntariedade para que seja configurado o arrependimento eficaz.

(C) O crime impossível ou crime falho ocorre quando, apesar de adentrar nos atos executórios,

a consumação é impossível de ocorrer.

(D) Considera-se crime tentado quando, iniciada a execução, não se consuma por circunstân-

cias alheias à vontade do agente.

Letra c.

Crime falho é sinônimo de tentativa perfeita. Quase crime é sinônimo de crime impossível.

Finanças Públicas

34. Sobre as Finanças Públicas no Brasil, podemos afirmar:

(A) O princípio da equidade, utilizado para distribuir a carga tributária, deve onerar mais for-

temente os contribuintes que obtêm mais benefícios provenientes da atuação do governo sobre

a economia.

(B) Um imposto sobre vendas com alíquota fixa, como é o caso dos impostos sobre circulação,

onera os contribuintes de forma progressiva, ou seja, onera igualmente os contribuintes, inde-

pendentemente de sua capacidade de pagamento.

(C) Os juros e a atualização monetária, incidentes sobre o resgate da dívida pública, são com-

putados no cálculo tanto do resultado primário das contas públicas como no operacional.

(D) O aumento dos gastos do governo quando a economia está em depressão e a diminuição

desses mesmos gastos quando a economia está em crescimento acelerado, pressionando a taxa

78 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

de inflação, são medidas de política de estabilização da economia.

Letra d.

Embora a afirmativa trate de diversos temas sobre finanças públicas, a resposta trata sobre as fun-

ções do governo, ou do orçamento público, seguindo a teoria de Richard Musgrave.

Resumidamente, essas são:

• Alocativa – nela o governo visa a ajustar o fornecimento de bens e serviços que não estão

sendo fornecidos eficientemente pelo mercado. Visa a mitigar falhas de mercado.

• Distributiva – visa a promover a equidade e a justiça social, distribuindo renda.

• Estabilizadora – tem o objetivo de manter controladas as grandes variáveis macroeconômi-

cas: emprego, renda, inflação etc.

O aumento dos gastos do governo quando a economia está em depressão e a diminuição desses

mesmos gastos quando a economia está em crescimento acelerado atuam na taxa de inflação, sen-

do uma das funções estabilizadoras do governo.

35. Quanto às funções do governo, assinale a afirmativa correta.

(A) A função distributiva busca tornar compatíveis entre si a distribuição das remunerações dos

fatores resultantes da atividade econômica via mercado e aquela que atende aos princípios de

justiça social.

(B) A função competitiva do governo ocorre quando este atua em igualdade com o setor priva-

do, provendo bens e serviços.

(C) A função alocativa, quando bem exercida, elimina a existência de bens públicos. Nela, o

governo determina os bens que o mercado deve produzir.

(D) A função estabilizadora, também conhecida como moderadora, deve ser utilizada apenas

em momentos de crise econômica.

Letra a.

A função distributiva do governo ou do orçamento público tem como função distribuir renda, promo-

79 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

vendo a justiça social. Muitas vezes, mesmo quando o livre-mercado produz alocações econômicas efi-

cientes, a distribuição de renda entre os agentes da economia (empresas e famílias) não é socialmente

equânime. É necessária intervenção do governo na economia para promover distribuição mais justa.

36. Sobre a teoria da tributação, assevera-se que um imposto:

(A) é progressivo quando a participação dos impostos na renda dos agentes diminui conforme

a renda aumenta.

(B) pode ser do tipo valor adicionado, quando é devido apenas sobre o valor agregado ou

acrescido.

(C) é direto quando incide sobre o preço das mercadorias, independentemente de quem pague

o imposto.

(D) é neutro quando a participação dos impostos na renda dos agentes aumenta conforme a

renda aumenta.

Letra b.

Os impostos, segundo a teoria da tributação, podem ser classificados de diversas maneiras.

Progressivos, regressivos e neutros:

• Progressivos – quando a participação dos impostos na renda dos agentes aumenta conforme

a renda aumenta.

• Regressivos – quando a participação dos impostos na renda dos agentes diminui conforme a

renda aumenta.

• Neutros – quando a participação dos impostos na renda dos agentes fica constante conforme

a renda aumenta.

Diretos e indiretos:

• Diretos – incidem sobre o patrimônio e a renda dos cidadãos. São arrecadados diretamente

desses. Exs.: Imposto de Renda, Imposto Predial e Territorial Urbano.

• Indiretos – incidem sobre as mercadorias e serviços. Não são arrecadados diretamente dos

cidadãos. Exs.: Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e Prestação

de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação (ICMS), Imposto

80 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Sobre Serviços de qualquer Natureza (ISSQN).

Cumulativos ou não cumulativos (ou de valor adicionado):

• Cumulativos – são aqueles que, a cada etapa da cadeia produtiva, incidem sobre todo o valor

produzido.

• Não cumulativos, ou de valor adicionado – são aqueles que só incidem sobre o valor agre-

gado na etapa produtiva, não incidindo sobre o valor total produzido, apenas o adicionado.

37. Assinale a afirmativa incorreta.

(A) Atribui-se à expressão “pedaladas fiscais” a prática do Tesouro Nacional de atrasar repasses

a bancos e autarquias, obtendo como resultado uma melhora contábil das contas federais, ao

apresentar despesas menores que as previstas.

(B) A Secretaria do Tesouro Nacional apura as necessidades de financiamento no conceito aci-

ma da linha. Já o Banco Central do Brasil utiliza o conceito abaixo da linha, medindo a variação

do estoque do endividamento líquido do setor público não financeiro.

(C) O método “abaixo da linha” representa a medida do fluxo do resultado primário.

(D) A Necessidade de Financiamento do Setor Público (NFSP) corresponde à diferença entre o

fluxo agregado de receitas totais (inclusive de aplicações financeiras) e de despesas totais (in-

clusive despesas com juros) em determinado período.

Letra c.

Há dois métodos de cálculo para o resultado primário (que, de maneira simplista, é o resultado do

Ente da Federação), desconsiderando-se as receitas e despesas financeiras.

O método abaixo da linha é aquele em que o Bacen mede o resultado fiscal através da variação da

dívida líquida do setor público no período. Consideram-se variáveis estoque.

Já o método acima da linha é apurado pela STN e corresponde à diferença entre receitas e despesa

não financeiras, ou seja, é o fluxo de receitas e despesas.

38. Quanto aos conceitos sobre dívida e financiamento do setor público, assinale a resposta correta.

(A) A Dívida Líquida do Governo Geral corresponde ao endividamento líquido (balanceamento

81 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

de débitos e créditos) apenas do Governo Federal (inclusive Previdência Social).

(B) A Dívida Bruta do Governo Geral abrange apenas os três níveis de governo (federal, esta-

dual e municipal), formando o governo geral.

(C) A Necessidade de Financiamento do Setor Público − NFSP, no conceito nominal, exclui os

juros sobre a dívida pública.

(D) Quando o deficit público é positivo, ele diminui a dívida pública e, quando negativo, aumen-

ta a dívida pública.

Letra b.

Conforme excerto do site da internet do Banco Central:

“A Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) abrange o total dos débitos de responsabilidade do Go-

verno Federal, dos governos estaduais e dos governos municipais, junto ao setor privado, ao setor

público financeiro e ao resto do mundo. São incluídas também as operações compromissadas rea-

lizadas pelo Banco Central com títulos públicos. Essas operações são incluídas porque apresentam

estreita relação com a dívida do Tesouro Nacional, e sua inclusão na DBGG permite melhor acom-

panhar a situação fiscal do governo. Os débitos de responsabilidade das empresas estatais das três

esferas de governo não são abrangidos pelo conceito. Os débitos são considerados pelos valores

brutos, sendo as obrigações vinculadas à área externa convertidas para reais pela taxa de câmbio

de final de período de compra.” (fonte: https://dadosabertos.bcb.gov.br/dataset/13762-divida-bru-

ta-do-governo-geral—pib---metodologia-utilizada-a-partir-de-2008).

Tecnologia da Informação

39. Assinale a alternativa apresenta a 10ª área de conhecimento inserida na versão 5 do PMBOK:

(A) Gerenciamento dos Riscos.

(B) Gerenciamento de Integração do Projeto.

(C) Gerenciamento do Tempo do Projeto.

(D) Gerenciamento das Partes Interessadas.

82 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra d.

O gerenciamento das partes interessadas foi a 10ª área de conhecimento inserida no PMBOK 5ª

edição. O gerenciamento das partes interessadas do projeto inclui os processos exigidos para iden-

tificar todas as pessoas, grupos ou organizações que podem impactar ou serem impactados pelo

projeto, analisar as expectativas das partes interessadas e seu impacto no projeto, e desenvolver

estratégias de gerenciamento apropriadas para o engajamento eficaz das partes interessadas nas

decisões e execução do projeto.

40. Esse conceito é novo e é definido como o valor inteiro do negócio, a soma total de todos os

elementos tangíveis e intangíveis.

(A) Valor agregado.

(B) Valor de negócio.

(C) Valor de mercado.

(D) Capital.

Letra b.

Ou Business Value. É um conceito único para cada organização, que inclui elementos tangíveis e

intangíveis. Através do uso eficaz de disciplinas de projeto, programa e de gestão de portfólio, as

organizações estarão capacitadas a empregar processos confiáveis e estabelecidos para atingir os

objetivos empresariais e obter maior valor de negócio de seus investimentos.

41. É uma pessoa ou grupo de pessoas que fornece recursos e suporte para o projeto e é respon-

sável pelo sucesso deste:

(A) Stakeholder.

(B) Gerente de projeto.

(C) Cliente.

(D) Patrocinador.

Letra d.

83 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Um documento publicado pelo iniciador ou patrocinador do projeto que autoriza formalmente a

existência de um projeto e concede ao gerente do projeto a autoridade para aplicar os recursos

organizacionais nas atividades do projeto.

42. São técnicas, métodos e ferramentas de análise de dados para subsidiar processos de decisão

de uma empresa.

(A) Banco de dados relacionais.

(B) Benchmarking.

(C) Business Inteligence.

(D) DataWarehouse.

Letra c.

O termo Business Intelligence (BI) também é referido como inteligência de negócios, e diz respeito

ao processo de coleta, organização, análise, compartilhamento e monitoramento de informações

que oferecem suporte a gestão de negócios.

43. Ao subconjunto do Data Warehouse que contém os dados do armazém de dados para um setor

específico da empresa (departamento, direção, serviço, gama de produto etc.) dá-se o nome de:

(A) Datathing.

(B) Datamart.

(C) Textmining.

(D) Datafiles.

Letra b.

Um Data Mart pode ser criado de duas maneiras:

• Capturando dados diretamente de sistemas transacionais, cada Data Mart buscando as infor-

mações relevantes para o seu mercado;

• Capturando dados de todos os sistemas transacionais em um Data Warehouse central, que

por sua vez alimenta todos os Data Marts.

84 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

44. Fulano enviou um documento com sua assinatura digital. Após contestação do teor pelo recep-

tor, fulano tentou refutar o que havia em seu conteúdo. Entretanto, o receptor disse não haver pos-

sibilidade de negar a autoria do documento por Fulano, pois a assinatura digital garante um princípio

da segurança da informação chamado:

(A) certificado digital.

(B) disponibilidade.

(C) não repúdio.

(D) sigilo.

Letra c.

Ou irretratabilidade, visa garantir que o autor não negue ter criado ou assinado algum documento

ou arquivo.

45. A norma que foi preparada para prover requisitos para estabelecer, implementar, manter e me-

lhorar continuamente um Sistema de Gestão de Segurança da Informação (SGSI) é:

(A) ISO 9001.

(B) ISO 31000.

(C) ISO 27001.

(D) ISO 27002.

Letra c.

Essa norma também inclui requisitos para a avaliação e o tratamento de riscos de segurança da

informação voltados para as necessidades da organização. Os requisitos definidos nessa norma são

genéricos e são pretendidos para serem aplicáveis a todas as organizações independentemente do

tipo, tamanho ou natureza.

46. A função de dispersão criptográfica que mapeia dados de comprimento variável para dados de

comprimento fixo, usada para garantir a integridade dos dados, chama-se:

85 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(A) criptografia assimétrica.

(B) função de hash.

(C) assinatura digital.

(D) criptografia de chave pública.

Letra b.

A propriedade básica de todas as funções de hash é ser unidirecional. Ser unidirecional representa

que não é possível recuperar o dado original a partir do resumo gerado.

Economia

47. Acerca dos conceitos de Contabilidade Social e de Finanças Públicas, assinale a opção correta.

(A) O resultado fiscal calculado segundo a metodologia “acima da linha” é a fonte oficial do

acompanhamento das metas fiscais constantes na LDO.

(B) As Necessidades de Financiamento do Setor Público, em seu conceito Operacional, são cal-

culadas acrescendo os Juros Nominais da dívida passada ao Resultado Primário.

(C) O Banco Central calcula os resultados fiscais a partir da variação da Dívida Líquida do Setor

Público.

(D) O Tesouro Nacional publica o resultado primário bimestralmente, juntamente com a publi-

cação dos RREO dos Estados.

Letra c.

(A) Os valores oficiais para cumprimento de metas são dados pelo resultado “abaixo da linha”.

(B) São acrescidos os juros REAIS no cálculo do resultado operacional.

(C) O cálculo abaixo da linha é feito desta forma.

(D) O Resultado do Tesouro Nacional é divulgado todo mês, baseado em calendário próprio.

86 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

48. Considere as seguintes contas extraídas do Sistema de Contas Nacionais de um País Hipotético.

PIB a Preços de Consumidor 1500

Depreciação 100

Salários 450

Aluguéis 300

Juros 400

Lucros 200

Renda Líquida Enviada ao Exterior 150

Margens de Comércio e Transporte 200

Impostos sobre a Produção e Importação 50

Considerando os dados acima, o Produto Nacional Bruto a Preços de Produtor é:

(A) 1150.

(B) 1100.

(C) 1250.

(D) 1200.

Letra a.

PNBpc = PIBpc – RLEE

PNBpc = 1500 – 150 = 1350

PNBpc = PNBpp + Margens de comércio e transporte + Impostos Sobre o Valor Adicionado

Como não temos valor de IVA, e não tem outra forma de calcular o agregado, consideramos zero.

1350 = PNBpp + 200 + 0

PNBpp = 1150

49. Considerando os dados da questão anterior, o Excedente Operacional Bruto é:

(A) 800.

(B) 900.

(C) 1350.

(D) 1200.

87 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra b.

Basta usar direto a Definição de Excedente Operacional Bruto, que é a soma de todas as remunera-

ções da economia, exceto salários, ou seja:

EOB = Aluguéis + Juros + Lucros = 300 + 400 + 200 = 900.

50. Todas as alternativas abaixo apresentam exemplos de operações de criação de moeda em

uma economia, exceto uma. Assinale-a.

(A) Resgate de uma aplicação em renda fixa.

(B) Desconto de duplicatas de um varejista em um banco comercial.

(C) Transferência da conta-poupança para a conta-corrente.

(D) Transferência de uma aplicação em títulos públicos para um depósito especial remunerado.

Letra d.

Todas as alternativas geram fluxo de M1 para o particular, ou seja, criação de moeda, exceto a letra

D, que apresenta títulos públicos (M4) virando depósitos especiais (M2).

51. No modelo IS-LM-BP, ou modelo IS-LM em economia aberta, quando o governo adota câmbio

fixo, apenas uma política é efetiva, em termos de aumento da renda. Essa política é:

(A) Política Cambial.

(B) Política Comercial.

(C) Política Monetária.

(D) Política Fiscal.

Letra d.

Segundo o modelo IS-LM-BP, quando os governos adotam câmbio fixo, apenas a política fiscal é

efetiva.

88 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Contabilidade Pública

52. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público é o ramo da ciência contábil que se destina, no pro-

cesso gerador de informações, ao controle patrimonial de entidades do setor público. Sobre a CASP,

marque a assertiva correta.

(A) O objetivo da contabilidade é o patrimônio público.

(B) São considerados usuários primários das informações geradas pela CASP os poderes legis-

lativos e os tribunais de contas.

(C) O campo de aplicação da CASP se estende pelas entidades públicas, com exceção das es-

tatais independentes, que podem, de forma facultativa, aplicar as normas.

(D) A Contabilidade Pública é uma ciência social que tem como objetivo atender à sociedade

por meio da prestação de serviços.

Letra c.

Segundo o MCASP 7ª edição, o campo de aplicação da CASP abrange todas as entidades do setor

público, considerando-se o seguinte escopo:

(A) obrigatoriamente, as entidades governamentais que estejam incluídas nos orçamentos fis-

cal e de seguridade social;

(B) facultativo, as demais entidades do setor público, que estejam incluídas no orçamento de

investimento, e as que necessitam de procedimentos suficientes para sua prestação de contas

e instrumentalização do controle social (estatais não dependentes, conselhos profissionais e o

sistema “S”).

53. O secretário estadual da Educação do Distrito Federal, em dezembro de 2017, autorizou a aber-

tura do procedimento de compras de 1.000 carteiras escolares para a Escola Estadual Claudio Zorzo,

o valor estimado é de R$ 1.500.000,00.

Sob o aspecto patrimonial, quando do recebimento das carteiras escolares, a Secretaria da Educa-

ção deverá:

(A) dar a liquidação da despesa orçamentária.

89 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) registrar um ativo não circulante imobilizado.

(C) emitir nota de empenho por liquidação.

(D) registrar uma variação patrimonial diminutiva.

Letra b.

Sob o aspecto patrimonial, o fato deve ser registrado quando da sua realização; assim, ao receber

as carteiras, o órgão deve reconhecer a entrada de um imobilizado.

54. Plano de contas é a estrutura básica da escrituração contábil, formada por uma relação pa-

dronizada de contas contábeis, que permite o registro contábil dos atos e fatos praticados pela

entidade de maneira padronizada e sistematizada, bem como a elaboração de relatórios gerenciais

e demonstrações contábeis de acordo com as necessidades de informações dos usuários. Sobre o

PCASP, é incorreto afirmar:

(A) as contas de natureza patrimoniais são representadas pelas classes 1, 2, 3 e 4.

(B) as contas de controle são de classes 7 e 8.

(C) as contas orçamentárias são de classe 5 e 6.

(D) as contas de natureza patrimonial registram, processam e evidenciam os atos e fatos finan-

ceiros e não financeiros relacionados com as variações qualitativas e quantitativas do patrimônio

público.

Letra d.

As contas de natureza patrimonial registram somente os FATOS financeiros e não financeiros; os

atos potenciais são registrados por meio das contas de natureza de controle.

55. A Contabilidade Aplicada ao Setor Público (CASP) tem como objetivo fornecer aos seus usuários

informações sobre os resultados alcançados e outros dados de natureza orçamentária, econômi-

ca, patrimonial e financeira das entidades do setor público, em apoio ao processo de tomada de

decisão, à adequada prestação de contas, à transparência da gestão fiscal e à instrumentalização

do controle social. Sobre as demonstrações contábeis previstas na Lei n. 4.320/1964 e no MCASP,

90 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

podemos afirmar que:

(A) é no balanço patrimonial que se apura o resultado patrimonial do exercício.

(B) uma prefeitura, no exercício de 2017, obteve um excesso de arrecadação. De acordo com

as demonstrações contábeis aplicadas ao setor público, o excesso de arrecadação das receitas

será evidenciado no Balanço Financeiro.

(C) o Balanço Orçamentário é a demonstração contábil em que se confrontam, num dado mo-

mento, as receitas e despesas orçamentárias, bem como os recebimentos e os pagamentos de

natureza extraorçamentária, conjugados com os saldos em caixa provenientes do exercício an-

terior, e os que se transferem para o exercício seguinte.

(D) o Balanço Orçamentário evidencia as receitas e as despesas orçamentárias, detalhadas em

níveis relevantes de análise, confrontando o orçamento inicial e as suas alterações com a execu-

ção, demonstrando o resultado orçamentário.

Letra c.

A essência do Balanço Orçamentário é confrontar o planejamento com a execução do orçamento,

para apresentar se houve um superávit ou um déficit orçamentário.

O resultado patrimonial é apresentado na DVP; é o balanço financeiro que confronta os recebimen-

tos e pagamentos.

RIDE

56. Escultura de Bruno Giorgi, produzida com mármore branco de carrara, localizada sobre o espe-

lho d’água em frente ao Palácio Itamaraty, em Brasília. A obra de arte que foi esculpida entre 1967

e 1968 é montada com cinco partes de uma esfera vazada estilizada, significando os laços diplomá-

ticos entre os cinco continentes.

A descrição da escultura acima refere-se a (ao):

(A) Paz e União.

(B) Meteoro.

(C) Pietá.

91 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(D) O abraço.

Letra b.

O meteoro é uma escultura de Bruno Giorgi que representa os cinco continentes. Esculpida em Car-

rara na Itália, a escultura está na frente do Itamaraty.

57. É um curso de água do Distrito Federal e dos estados de Goiás e Minas Gerais. Nasce na lagoa

Feia, no município de Formosa, em Goiás, e segue recebendo as águas de importantes afluentes até

desaguar no rio Paracatu, já em terras mineiras. Faz parte bacia do rio São Francisco.

O texto faz referência ao rio:

(A) Descoberto.

(B) São Bartolomeu.

(C) Maranhão.

(D) Preto.

Letra d.

O único Rio que corta o DF e corre para o Nordeste brasileiro é o Rio Preto. Ele se encaminhará para

o Rio São Francisco.

Lei Orgânica

58. Considerando o disposto na Lei Orgânica do Distrito Federal, assinale a opção correta.

(A) Compete, concorrentemente, à União e ao Distrito Federal fiscalizar e cobrar os tributos do

DF, observada a competência cumulativa deste último ente.

(B) O Código Tributário do Distrito Federal deve estar corporificado em lei ordinária distrital

aprovada por 2/3 dos Deputados Distritais.

(C) As leis distritais que concedam benefícios fiscais devem ser de iniciativa privativa do Gover-

nador do Distrito Federal, na modalidade de Lei Complementar.

(D) Compete privativamente ao Distrito Federal instituir e cobrar os tributos de sua competên-

92 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

cia constitucional.

Letra d.

(A) A fiscalização e a cobrança de tributos do DF estão inseridas no âmbito da competência

privativa do DF (art. 15 da LODF).

(B) Segundo o art. 75 da LODF, o Código Tributário do DF é matéria afeta a lei complementar,

que demanda aprovação pela maioria absoluta da CLDF.

(C) As leis concessivas de benefícios fiscais são ordinárias, mas exigem um quorum de 2/3 da

Câmara Legislativa. Ademais, a iniciativa é comum, e não privativa.

(D) O tema está no art. 15 da LODF.

59. Acerca da LODF, assinale a opção correta.

(A) A administração fazendária e seus agentes fiscais, aos quais compete exercer privativa-

mente a fiscalização de tributos do Distrito Federal, terão, em suas áreas de competência e ju-

risdição, precedência sobre os demais setores administrativos, na forma da lei.

(B) Quaisquer agentes públicos distritais são obrigados a fazer declaração pública anual de

seus bens.

(C) São imunes de impostos de competência do Distrito Federal as operações de transferência de

imóveis desapropriados para fins de reforma agrária e para dar função social aos imóveis urbanos.

(D) Nenhum imposto de competência do Distrito Federal pode incidir sobre operações relativas a

energia elétrica, serviços de telecomunicações, derivados de petróleo, combustíveis e minerais do País.

Letra a.

(B) A declaração pública e anual é apenas para as autoridades previstas no art. 19, § 2º, da LODF.

(C) São isentas, e não imunes, segundo a LODF. Ademais, só há previsão da isenção no caso

de imóveis desapropriados para fins de reforma agrária (art. 130 da LODF).

(D) O art. 135, § 7º, da LODF traz uma ressalva que poderia incidir, qual seja: ICMS.

60. Considere que Tibúrcio seja Governador do Distrito Federal e queira nomear alguns de seus pa-

93 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

rentes em cargos públicos distritais. Analise os itens abaixo, em conformidade com a LODF e, após,

assinale a opção correta.

I – Wagner, sem qualquer vínculo com a Administração Pública, é primo do Governador e o Go-

vernador cogita nomeá-lo para cargo de livre provimento na governadoria.

II – Reginaldo, sem qualquer vínculo com a Administração Pública, é cunhado do Governador

que deseja nomeá-lo para o cargo de Secretário de Estado da Fazenda do DF.

III – Wanda, que é esposa do Governador e médica concursada da Secretaria de Estado de Saúde

do DF, teve contra si decisão condenatória por improbidade administrativa confirmada em

segunda instância, e o Governador deseja nomeá-la para Secretária da referida Secretaria.

Logo,

(A) Não há impedimento para que Wagner seja nomeado para o referido cargo; não há impe-

dimento para Wanda ser nomeada para Secretária de Estado, mas há impedimento para que

Reginaldo seja Secretário de Estado do DF.

(B) Em nenhuma das situações há impedimentos para nomeação dos parentes do governador.

(C) Em todas as situações é impossível a nomeação dos parentes do governador.

(D) Wagner e Reginaldo podem ser nomeados pelo Governador para os referidos cargos.

Letra d.

A LODF veda, expressamente, o nepotismo (até o 3º grau) e a nomeação para cargos de livre pro-

vimento de quem incorrer em causa de inelegibilidade, a exemplo da condenação em segundo grau

por improbidade administrativa.

De posse desses dados, infere-se que:

(A) Wagner é primo do Governador. Logo é parente de 4º grau. E, portanto, não incorre em

nepotismo e pode ser nomeado pelo Governador. Wanda incorreu em causa de inelegibilidade.

Logo, não poderia ser nomeada. Por fim, Reginaldo é parente de segundo grau, por afinidade,

do Governador, mas, apesar disso, não há impedimento, pois o cargo que ocupará é de natureza

política e o nepotismo só alcança cargos administrativos.

(B) Há impedimentos de Wanda (inelegibilidade).

94 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) Wanda não pode, mas os demais podem.

(D) Wagner pode ser nomeado para cargo comissionado, pois não é parente até o terceiro grau,

mas de quarto grau. Logo, não está impedido de ocupar o cargo. Ademais, Reginaldo, apesar de

ser parente de 2º grau do Governador, pode ser nomeado para Secretário de Estado, uma vez

que se trata de cargo político, e não administrativo.

Grupo 2

Auditoria

61. Com relação às funções de auditor interno e auditor externo, analise as alternativas abaixo e

marque a opção correta.

(A) O auditor interno emite relatório para a alta administração e para terceiros interessados,

enquanto o auditor externo emite relatório para a alta administração da empresa auditada.

(B) Tanto o auditor interno quanto o auditor externo são subordinados à alta administração da

empresa auditada.

(C) Tanto o auditor interno quanto o auditor externo devem avaliar os controles internos e a

possibilidade de ocorrência de fraudes e erros que afetem as demonstrações contábeis.

(D) A responsabilidade primária na detecção de fraudes e erros é do auditor externo, já que

seu relatório pode ser direcionado não só para a alta administração, mas também para terceiros

interessados.

Letra c.

A avaliação do controle interno é atividade do auditor interno e do auditor externo, ela é feita para

se estabelecer um nível de confiança nos controles implementados pela administração.

62. Considerando a norma contábil que trata da responsabilidade do Auditor em relação à fraude,

ao detectar erros relevantes ou fraudes, no decorrer dos seus trabalhos, o auditor

(A) tem a obrigação de comunicá-los à administração da entidade e sugerir medidas corretivas.

(B) tem a obrigação de comunicá-los à administração da entidade, mas não deve sugerir me-

95 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

didas corretivas.

(C) deve comunicar as constatações à Receita Federal do Brasil, cientificando a administração

de suas responsabilidades penais.

(D) deve aguardar o término dos trabalhos de campo para elaborar o relatório de fraudes iden-

tificadas.

Letra b.

No decorrer dos trabalhos de campo, ao identificar uma fraude, o auditor deve comunicar tempes-

tivamente a administração e apresentar as sugestões para a sua correção, destacando, inclusive, a

consequência da não correção em seu relatório.

63. Considerando os conceitos básicos referentes ao paradigma atual da auditoria e o novo perfil do

Auditor, marque a assertiva correta.

(A) Auditoria interna é uma atividade independente e objetiva que presta serviços de avaliação,

não lhe cabendo o papel de consultoria, que é desempenhado pelas entidades especializadas

neste serviço.

(B) A auditoria independente tem como objetivo adicionar valor e melhorar as operações de

uma organização.

(C) Segundo a Lei n. 6.404/1976, a auditoria contábil é obrigatória em todas as empresas com

PL igual ou maior que 2 milhões de reais, sendo executada mediante uma abordagem sistemá-

tica e disciplinada para a avaliação e melhoria da eficácia dos processos de gerenciamento de

risco, controle e governança corporativa, e auxiliada pelos órgãos executivos.

(D) A auditoria contábil encontra-se frente a um novo paradigma, que se baseia na visão dos

processos organizacionais com enfoque no gerenciamento dos riscos do negócio, buscando au-

mentar o grau de confiança dos usuários externos nas informações apresentadas.

Letra d.

Atualmente, a auditoria independente tem como objetivo aumentar o grau de confiança dos usuá-

rios externos sobre as informações apresentadas. Além disso, deve realizar, no planejamento, uma

96 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

análise global, considerando a confiança no controle interno e no gerenciamento de risco implemen-

tado pela administração.

64. Os papéis de trabalho constituem a documentação preparada pelo Auditor ou fornecida a este

na execução da auditoria. Eles integram um processo organizado de registro de evidências da au-

ditoria, por intermédio de informações em papel, meios eletrônicos ou outros que assegurem o

objetivo a que se destinam. É FALSA a afirmação:

(A) A confidencialidade dos papéis de trabalho é dever permanente do Auditor.

(B) Os papéis de trabalho são de propriedade exclusiva do auditor. Partes ou excertos desses

podem, a critério do Auditor, ser postos à disposição da entidade.

(C) Os papéis de trabalho, apesar de permanecerem sob a guarda do auditor, são propriedade

da entidade auditada.

(D) O Auditor deve adotar procedimentos apropriados para manter a custódia dos papéis de

trabalho pelo prazo de cinco anos, a partir da data de emissão do seu relatório.

Letra c.

Os papéis de trabalho são de propriedade do auditor, que deve manter em sua guarda por 5 anos.

65. De acordo com a NBC TA 200 – Objetivos Gerais do Auditor Independente e a Condução da Au-

ditoria em Conformidade com Normas de Auditoria – quanto ao risco de auditoria, podemos afirmar:

(A) risco de auditoria é o risco de que o auditor expresse uma opinião de auditoria inadequada

quando as demonstrações contábeis não contiverem distorção relevante.

(B) risco de detecção é o risco de que os procedimentos executados pelo auditor, para reduzir

o risco de auditoria a um nível aceitavelmente baixo, não detectem uma distorção existente que

possa ser relevante, individualmente ou em conjunto com outras distorções.

(C) risco de controle é o risco quanto à suscetibilidade de uma afirmação a respeito de uma

transação, saldo contábil ou divulgação a uma distorção que possa ser relevante, individual-

mente ou em conjunto com outras distorções, antes da consideração de quaisquer controles

relacionados.

97 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(D) a relação entre a relevância de um item e o risco de auditoria é diretamente proporcional,

ou seja, quanto mais relevante for um item, maior é o seu risco de auditoria.

Letra b.

A NBCTA 200 estabelece que risco de detecção é o risco de que os procedimentos executados pelo

auditor para reduzir o risco de auditoria a um nível aceitavelmente baixo não detectem uma dis-

torção existente que possa ser relevante, individualmente ou em conjunto com outras distorções.

66. Considerando os procedimentos de auditoria e sua efetividade, quando a administração de uma

entidade solicita, por carta-postal, aos seus clientes que respondam diretamente aos seus auditores

independentes, caso não concorde com o saldo em aberto ou o valor informado na carta, tem-se

uma circularização:

(A) de discordância.

(B) circularização preta.

(C) positiva.

(D) negativa.

Letra d.

Quando o circularizado responder somente quando discordar das informações apresentadas na car-

ta, o procedimento é uma circularização negativa.

67. Conforme estabelece a NBC TA 200, o objetivo da auditoria independente é diferente do obje-

tivo da execução do trabalho pelo Auditor independente; dessa forma, ao conduzir a auditoria de

demonstrações contábeis, o objetivo do Auditor deve ser:

(A) obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis, como um todo, estão livres

de distorção relevante, independentemente de serem causadas por fraude ou erro.

(B) emitir um atestado de eficácia administrativa pela administração em seus negócios.

(C) confirmar que as demonstrações contábeis não possuem distorção relevante, independen-

temente de serem causadas por fraude ou erro.

98 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(D) aumentar o grau de confiança dos usuários sobre as demonstrações contábeis.

Letra a.

Ao conduzir a auditoria de demonstrações contábeis, os objetivos gerais do auditor são:

(A) obter segurança razoável de que as demonstrações contábeis como um todo estão livres

de distorção relevante, independentemente se causadas por fraude ou erro, possibilitando assim

que o auditor expresse sua opinião sobre se as demonstrações contábeis foram elaboradas, em

todos os aspectos relevantes, em conformidade com a estrutura de relatório financeiro aplicável.

(B) apresentar relatório sobre as demonstrações contábeis e comunicar-se como exigido pelas

NBCs TA, em conformidade com as constatações do auditor.

68. De acordo com as normas brasileiras de contabilidade, ao determinar a extensão de um teste

de auditoria ou método de seleção de itens a serem testados, o Auditor pode empregar técnicas de

amostragem. Com relação à amostragem de auditoria, podemos afirmar:

(A) A amostra selecionada pelo auditor deve ter uma relação direta com o tamanho da empresa

e pode ser estatística ou não estatística.

(B) Seleção casual dos itens que irão compor a amostra é um processo de seleção de amostra

probabilística que é baseado na experiência profissional do auditor.

(C) Na determinação da amostra, o Auditor deve levar em consideração, dentre alguns fatores

a distorção tolerável, que é maior quando a amostra for menor.

(D) A seleção aleatória, por ser muito complexa, não deve ser aplicada pelo auditor, pois não

há o controle sobre os itens que serão examinados.

Letra c.

A distorção tolerável é um dos fatores a considerar na formação da amostra e representa as dis-

torções que, mesmo existindo na população, não afetam o objetivo da auditoria. Quanto maior for

a distorção tolerável, menor será a amostra; a relação entre a amostra e a distorção tolerável é

inversamente proporcional.

99 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

69. A empresa CZ S.A. apresentou suas demonstrações contábeis em formato diferente do estabe-

lecido pelas normas societárias e contábeis; na opinião do auditor, a distorção é relevante e impacta

sobre o conjunto das demonstrações como um todo. Neste caso específico, cabe ao auditor dessa

empresa emitir um relatório:

(A) sem ressalva, mas com limitação de escopo.

(B) adverso.

(C) com ressalva ou adverso.

(D) com abstenção de opinião ou adverso.

Letra b.

Quando o auditor identificar distorção relevante e generalizada, deve emitir um relatório de opinião

modificada ADVERSA.

70. No contexto geral da auditoria sobre as demonstrações contábeis, podemos visualizar a exis-

tência conceitual de controles internos, de gerenciamento de risco, da auditoria interna e da audi-

toria independente, além dos responsáveis pela governança, como o conselho de administração e

a diretoria executiva, todos na busca de melhorar a qualidade da informação e evitar que existam

distorções relevantes nos relatórios apresentados. Considerando as normas de auditoria, podemos

afirmar que a responsabilidade primária na prevenção e detecção de distorções relevantes, seja por

fraude ou por erro, é:

(A) da administração executiva.

(B) da auditoria interna.

(C) do conselho de administração.

(D) do Auditor independente.

Letra a.

A responsabilidade primária na prevenção e na identificação de distorções é da administração da en-

tidade, através da implementação e manutenção de adequado sistema contábil e de controle interno.

Entretanto, o auditor deve planejar seu trabalho de forma a detectar fraudes e erros que impliquem

100 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

efeitos relevantes nas demonstrações contábeis.

71. Assinale opção falsa a respeito das evidências de auditoria.

(A) A quantidade necessária de evidência de auditoria é afetada pela suficiência das evidências

encontradas e é estabelecida com base no julgamento do auditor.

(B) A qualidade da informação obtida é fator importante para determinar a suficiência das evi-

dências e é estabelecida com base no julgamento profissional do auditor.

(C) As auditorias anteriores não podem ser uma fonte de evidência segura se tiver sido execu-

tada por outra entidade de auditoria.

(D) Um exemplo de forma primária de obtenção de evidência é quando a administração entrega

os relatórios internos ao Auditor.

Letra a.

A quantidade de evidências é estabelecida a critério do julgamento profissional do auditor e tem

relação direta com a suficiência de evidências.

72. Os princípios fundamentais de ética profissional relevantes para o Auditor quando da condução

de auditoria de demonstrações contábeis estão implícitos no código de ética profissional do contabi-

lista e na NBC PA 01, que trata do controle de qualidade. Esses princípios são, exceto:

(A) integridade.

(B) objetividade.

(C) competência e independência.

(D) confidencialidade.

Letra c.

Os princípios fundamentais de ética profissional relevantes para o auditor quando da condução de

auditoria de demonstrações contábeis são: integridade; objetividade; competência e zelo profissio-

nal; confidencialidade; e comportamento (ou conduta) profissional. Não há independência.

101 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Direito Tributário

73. Quanto ao entendimento jurisprudencial do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal

Federal sobre o imposto incidente sobre a circulação de mercadorias e serviços (ICMS), analise as

assertivas abaixo:

I – Constitui fato gerador do ICMS o deslocamento de mercadorias de um para outro estabele-

cimento do mesmo contribuinte.

II – O ICMS incide no serviço dos provedores de acesso à internet.

III – O ICMS não incide sobre o serviço de habilitação de telefone celular.

IV – O ICMS não incide sobre o fornecimento de água tratada por concessionária de serviço público.

V – É devida a cobrança de ICMS nas operações ou prestações de serviço de transporte terrestre

interestadual e intermunicipal de passageiros e de cargas.

Está correto o que consta APENAS de:

(A) II, III e IV.

(B) I, IV e V.

(C) III, IV e V.

(D) I, II e III.

Letra c.

Súmula 166 do STJ: Não configura ICMS a saída de mercadoria de um estabelecimento para outro

do mesmo titular.

Súmula 344 do STJ: O ICMS não incide sobre o serviço de provedores de acesso à internet. A Lei

das Telecomunicações enquadra o serviço de provedores de internet como “serviço agregado” – um

serviço que apenas complementa outro (no caso, a telecomunicação, esta sim objeto do ICMS),

sendo deste dependente.

Súmula 350 do STJ: O serviço de habilitação de telefone celular não se sujeita ao ICMS. Entende o

STJ que o serviço de habilitação de telefone celular é um pressuposto do serviço de telecomunicação

(este sim sujeito ao ICMS), com ele não se confundindo.

102 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

“Tributário. ICMS. Fornecimento de água tratada por concessionárias de serviço público. Não inci-

dência. Ausência de fato gerador. 1. O fornecimento de água potável por empresas concessionárias

desse serviço público não é tributável por meio do ICMS. 2. As águas em estado natural são bens

públicos e só podem ser exploradas por particulares mediante concessão, permissão ou autoriza-

ção. 3. O fornecimento de água tratada à população por empresas concessionárias, permissionárias

ou autorizadas não caracteriza uma operação de circulação de mercadoria. [...]” (STF. Plenário. RE

607.056/RJ, rel. Min. Dias Toffoli, j. 10.04.2013)

O STF reconheceu a constitucionalidade da incidência do ICMS sobre o transporte rodoviário de car-

gas. (STF. Plenário. ADI 2.669/DF, rel. Min. Marco Aurélio, j. 05.02.2014)

74. Um determinado imposto de competência estadual, cujo lançamento deve ser feito de ofício,

por expressa determinação de lei estadual, só foi efetuado depois de sete anos contados da data da

ocorrência do seu fato gerador, sendo que nunca houve qualquer impedimento, de espécie alguma,

para que ele fosse efetuado após a ocorrência do referido fato gerador. Nesse caso, de acordo com

as normas do Código Tributário Nacional, ocorreu a

(A) prescrição, e a Fazenda Pública ainda não perdeu o direito de lançar o referido imposto.

(B) prescrição aquisitiva do direito de a Fazenda Pública lançar o referido imposto, a partir do

sexto ano posterior ao da ocorrência do fato gerador.

(C) suspensão da exigibilidade do crédito tributário.

(D) decadência, e a Fazenda Pública perdeu o direito de lançar o referido imposto.

Letra d.

Conforme se verifica através do art. 149 do CTN.

75. Lei distrital considera ocorrido o fato gerador do imposto sobre a propriedade de veículos au-

tomotores no primeiro dia do mês de janeiro de cada ano, quando se tratar de veículos adquiridos

em exercícios anteriores. A lei estabelece que a Secretaria da Fazenda notificará previamente os

proprietários dos veículos, na qualidade de contribuintes, informando os valores por eles devidos,

103 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

assim como o prazo para pagamento do tributo e as instruções para que o recolhimento seja feito

diretamente nas agências bancárias conveniadas. Nesse contexto, o imposto devido em 2012 deve-

ria ter sido pago integralmente pelos contribuintes no dia 10 do mês de fevereiro, conforme notifi-

cação encaminhada pela Secretaria da Fazenda em janeiro daquele ano. Todavia, certo contribuinte

não efetuou o pagamento no prazo legal, ensejando a instauração de processo administrativo de

constituição do crédito tributário, que foi concluído em dezembro de 2017. Na sequência, o débito

foi inscrito em dívida ativa em janeiro de 2018, a respectiva execução fiscal foi ajuizada em março

de 2018, tendo ocorrido a citação do devedor em abril de 2018. Considerando essa situação à luz

da legislação aplicável e da jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça, o crédito tributário

(A) não foi constituído no prazo legal, que terminou em fevereiro de 2017, tendo sido extinto

em razão da decadência.

(B) foi constituído no prazo legal em dezembro de 2017, tendo o prazo prescricional sido inter-

rompido em abril de 2018.

(C) foi constituído no prazo legal em dezembro de 2017, tendo o prazo prescricional sido inter-

rompido em março de 2018.

(D) foi constituído definitivamente em janeiro de 2012 com a notificação da Secretaria da Fa-

zenda, mas foi extinto em razão da prescrição ocorrida em fevereiro de 2017.

Letra d.

Recentemente foi publicado acórdão no qual o STJ consolidou entendimento, em recurso repetitivo

(REsp 1.320.825), no seguinte sentido:

“A notificação do contribuinte para o recolhimento do IPVA perfectibiliza a constituição definitiva do

crédito tributário, iniciando-se o prazo prescricional para a execução fiscal no dia seguinte à data

estipulada para o vencimento da exação.”

Portanto, de acordo com o entendimento do STJ, a prescrição ocorreu em 11 de fevereiro de 2017.

76. À luz das normas constitucionais sobre as limitações do poder de tributar e da jurisprudência

do Supremo Tribunal Federal,

(A) a multa moratória, embora não seja tributo, não pode ter um importe que lhe confira ca-

104 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

racterística confiscatória, inviabilizando inclusive o recolhimento de futuros tributos.

(B) o imposto sobre grandes fortunas, caso instituído por lei complementar federal, poderá

assumir efeito confiscatório, tendo em vista os princípios da função social da propriedade e da

redução das desigualdades regionais e sociais.

(C) a taxa judiciária, devida em razão do acionamento do serviço prestado pelo Poder Judiciá-

rio, poderá ter sua alíquota majorada por decreto editado pelo Governador, observado o limite

máximo fixado em lei, dada sua natureza de preço público.

(D) a prestação de serviços públicos pelos Municípios aos Estados e à União não poderá ser

tributada por meio de taxa, tendo em vista o princípio da imunidade recíproca, que decorre do

princípio federativo.

Letra a.

O STF tem entendimento já consolidado no sentido de que à multa moratória também se aplica o

princípio do não confisco do art. 150, IV, da CF. Vide: “A desproporção entre o desrespeito à norma

tributária e sua consequência jurídica, a multa, evidencia o caráter confiscatório desta, atentando

contra o patrimônio do contribuinte, em contrariedade ao mencionado no dispositivo do texto Cons-

titucional Federal” (STF. Pleno. ADI 551/RJ, rel. Min. Ilmar Galvão, j. 24.10.2002, DJ 14.02.2003).

(B) O artigo 150, IV, da CF, ao vedar o efeito confiscatório dos tributos, não faz qualquer ressal-

va quanto ao IGF. Igualmente, não há qualquer disposição específica acerca do tema nos artigos

153 e seguintes da CF.

(C) “As custas, a taxa judiciária e os emolumentos constituem espécie tributária, são taxas, se­

gundo a jurisprudência iterativa do Supremo Tribunal Federal. (…)” (STF. Pleno. ADI 1.145/ PB,

rel. min. Carlos Velloso, J. 3.10.2002, DJ 08.11.2002).

(D) O art. 150, VI, a, da CF veda aos entes federados “instituir impostos sobre o patrimônio,

renda ou serviços uns dos outros”. Assim, a imunidade recíproca é adstrita à instituição de im-

postos, não sendo vedado aos entes federados cobrar outras espécies tributárias uns dos outros.

77. Antônio faleceu no DF, onde residia, deixando para seus sucessores a propriedade sobre bem

imóvel e o direito de posse sobre outro imóvel, todos situados no Pará, além da propriedade de

105 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

veículo automotor que se encontrava em uso de familiar residente em Roraima. Considerando que

o processo de inventário foi regularmente aberto perante uma das Varas do DF, o imposto sobre a

transmissão causa mortis será devido, nos termos da Constituição Federal,

(A) apenas no DF, competente para instituir o tributo sobre a transmissão de todos os bens

deixados pelo falecido.

(B) ao Pará, relativamente à transmissão da propriedade e do direito de posse sobre o imóvel;

e a Roraima, relativamente à transmissão da propriedade do veículo automotor.

(C) ao Pará, relativamente à transmissão da propriedade sobre o imóvel; e ao DF, relativamente

à transmissão do direito de posse sobre o imóvel e ao direito de propriedade do veículo automotor.

(D) ao Pará, relativamente à transmissão da propriedade e do direito de posse sobre o imóvel;

e ao DF, relativamente à transmissão da propriedade do veículo automotor.

Letra d.

Conforme regra constitucional de competência para tributar o ITCD, no caso de bens móveis (local

onde se dá o inventário ou arrolamento ou domicílio do doador), no caso de bens imóveis (local onde

o mesmo se situa).

78. Uma distribuidora de combustíveis do DF vende gasolina para um posto de gasolina de To-

cantinópolis/TO, que vai comercializar o produto, e para uma empresa prestadora de serviços de

transporte intramunicipal de Porto Nacional/TO, que vai utilizá-lo nas suas prestações de serviço de

transporte intramunicipais. De acordo com a Lei Complementar n. 87/1996, nas remessas que a

distribuidora goiana fizer para essas duas empresas, a remetente

(A) não se debitará nem recolherá o ICMS para o DF, nem os adquirentes tocantinenses deve-

rão debitar ou recolher o imposto aos cofres do Tocantins, pela entrada da gasolina neste Estado,

relativamente às aquisições feitas em operações interestaduais.

(B) deverá se debitar e recolher o ICMS para o DF, mas somente o posto de gasolina poderá se

creditar do imposto anteriormente cobrado.

(C) não se debitará nem recolherá o ICMS para o DF, mas, na qualidade de contribuinte, deverá

debitar e recolher o imposto a favor dos cofres do Tocantins, pela entrada do combustível neste

106 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Estado, relativamente às aquisições feitas pelas duas empresas.

(D) não se debitará nem recolherá o ICMS para o DF, mas o prestador de serviços de transporte

intramunicipal, na qualidade de contribuinte, deverá pagar o imposto ao Estado do Tocantins,

pela entrada do combustível neste Estado, relativamente às aquisições efetuadas por ele.

Letra d.

Conforme art. 150, § 2º, X, a, da CF/1988: O ICMS não incidirá: a) sobre operações que destinem

mercadorias para o exterior, nem sobre serviços prestados a destinatários no exterior, assegurada

a manutenção e o aproveitamento do montante do imposto cobrado nas operações e prestações

anteriores (Redação dada pela Emenda Constitucional n. 42, de 19.12.2003).

79. Em 16 de novembro de 2016, foi publicada lei estadual, que produziu efeitos a partir da data

de sua publicação e que alterou a lei do IPVA de um determinado Estado brasileiro. As alterações

promovidas implicaram:

I – a fixação da alíquota das motocicletas em percentual superior ao anteriormente fixado.

II – alíquota dos veículos de carga, tipo caminhão, em percentual inferior ao anteriormente fixado.

III – base de cálculo de veículos de passeio importados do exterior, em valor superior ao ante-

riormente fixado.

De acordo com a disciplina constitucional, a norma relacionada com a situação mencionada acima,

no item

(A) I já pôde ser aplicada desde 16 de novembro de 2016.

(B) I já pôde ser aplicada desde 1º de janeiro de 2017.

(C) II só pôde ser aplicada a partir de 1º de janeiro de 2017.

(D) III só pôde ser aplicada a partir de 1º de janeiro de 2017.

Letra d.

Aumento de alíquotas – observa as duas anterioridades;

Não houve aumento – pode ser aplicado imediatamente;

Aumento da base de cálculo – exceção à noventena, mas observa a anterioridade do exercício.

107 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

80. Em fevereiro do corrente ano, 2017, um Município nordestino efetuou o lançamento de ofício

do IPTU, cujo fato gerador ocorreu no dia 1° de janeiro do mesmo exercício. O referido lançamento

foi feito em nome do Sr. Aníbal de Oliveira, que, segundo informações constantes do cadastro mu-

nicipal, seria o proprietário do referido imóvel, na data da ocorrência do fato gerador. Em março de

2017, depois de devidamente notificado do lançamento realizado, o Sr. Aníbal de Oliveira apresen-

tou, tempestivamente, no órgão municipal competente, impugnação contra o lançamento efetuado,

alegando que, em 15 de dezembro de 2016, havia formalizado a doação do referido imóvel a seu

filho, Sérgio de Oliveira, e que, em razão disso, não seria devedor do crédito tributário referente ao

IPTU 2017. A impugnação estava instruída com cópia da escritura de doação e de seu respectivo

registro, ainda em 2016, no Cartório de Registro de Imóveis competente. O doador esclareceu, ain-

da, na referida impugnação, que o órgão municipal competente não foi comunicado, nem por ele,

nem pelo donatário, da transmissão da propriedade do referido imóvel, pois a legislação local não

os obrigava a prestar tal informação. Sérgio de Oliveira, a seu turno, foi corretamente identificado

como contribuinte do ITCMD devido em razão da doação por ele recebida, e pagou crédito tributá-

rio devido. Considerando os dados acima, bem como as regras do Código Tributário Nacional e da

Constituição Federal acerca do lançamento tributário, constata-se que

(A) não poderá ser feito lançamento de IPTU contra Sérgio de Oliveira, em 2017, por ele já ter

sido identificado, no ano anterior, como contribuinte do ITCMD incidente sobre a doação recebida.

(B) o princípio constitucional da anterioridade nonagesimal (noventena) impede o lançamento

e a cobrança do IPTU antes de transcorridos 90 (noventa) da ocorrência de fato gerador do ITBI

ou do ITCMD.

(C) o lançamento do IPTU, antes de decorrido um ano do lançamento do ITCMD, constitui

bitributação, bem como violação do princípio do não confisco e da anterioridade nonagesimal

(noventena).

(D) o lançamento de ofício do IPTU poderá ser revisto pelo Município, ainda em 2017, pois,

embora a doação tenha ocorrido antes de 1° de janeiro de 2017, a Fazenda Pública não teve

conhecimento de tal fato antes de o contribuinte apresentar sua impugnação.

Letra d.

108 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Houve erro na determinação do sujeito passivo, o que autoriza a revisão do lançamento, uma vez

que o direito da Fazenda Pública não está extinto.

CTN, Art. 149, parágrafo único. A revisão do lançamento só pode ser iniciada enquanto não extinto

o direito da Fazenda Pública.

81. Mário e Maria decidiram abrir um bazar em sociedade. Embora a legislação do ICMS de seu

Estado determinasse que, antes de dar início a suas operações de circulação de mercadorias, a

empresa devesse estar inscrita, como contribuinte, na repartição fiscal competente, Mário e Maria

não atenderam a essa exigência legal. Simplesmente abriram a empresa e começaram a funcionar,

sem cumprir as exigências da legislação tributária pertinente. Nem mesmo contrato social escrito a

empresa tinha. Compravam de seus fornecedores e vendiam a seus clientes, como o fazem todas as

empresas regulares, e atuavam, perante seus fornecedores e clientes, tal como atuam as empresas

em situação regular perante o fisco. Ninguém tinha dúvida de que a empresa de Mário e Maria con-

figurava efetivamente uma unidade econômica. Até nome fantasia a sociedade tinha: “Bazar MM”.

Considerando os dados acima e a normas do Código Tributário Nacional,

(A) a empresa em questão, desde que comprove, efetivamente, sua capacidade econômico-fi-

nanceira, possuirá, automática e necessariamente, capacidade ativa.

(B) o fato de essa empresa configurar uma unidade econômica, mesmo sem estar regularmen-

te constituída, é o bastante para nela se identificar capacidade tributária passiva.

(C) a empresa em questão, em razão de sua constituição irregular e da falta de comprovação

da capacidade civil de seus dois sócios, não possui capacidade tributária passiva, nem ativa.

(D) a falta de capacidade tributária ativa da pessoa jurídica irregularmente constituída pode ser

suprida com a comprovação de que todos os seus sócios são, de fato, pessoas civilmente capazes.

Letra b.

(A) Capacidade ativa ou sujeição ativa é a pessoa jurídica de direito público, titular da compe-

tência para exigir o seu cumprimento (CTN, art. 119).

(B) CTN, art. 126. A capacidade tributária passiva independe

109 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

III – de estar a pessoa jurídica regularmente constituída, bastando que configure uma uni-

dade econômica ou profissional.

(C) Pelo art. 126, inciso III, vemos que a empresa tem capacidade passiva.

(D) Não pode ser suprida, já que pessoas de direito privado não detêm a capacidade ativa, que

é a possibilidade de arrecadar e fiscalizar tributos.

CTN, Art. 7º, § 3º Não constitui delegação de competência o cometimento, as pessoas de direito

privado, do encargo ou da função de arrecadar tributos.

82. A base de cálculo do ICMS devido por operações subsequentes, em regime de substituição tri-

butária,

(A) só pode ser fixada pela administração tributária conforme os preços únicos ou máximos

previamente determinados por autoridade competente para regulação de mercados.

(B) será fixada pela soma dos valores relativos à entrada do bem ou recebimento do serviço,

incluídos frete, seguro e encargos, com a margem de valor agregado, inclusive lucro, das opera-

ções ou prestações subsequentes.

(C) será obrigatoriamente fixada por preço final a consumidor sugerido pelo substituto tribu-

tário, em caso de inexistência de preços únicos ou máximos fixados por autoridade competente

para regulação de mercados.

(D) só poderá ser fixada pela administração tributária por meio de pesquisas de preços finais

praticados em mercado.

Letra b.

De acordo com a Lei Kandir:

Art. 8º A base de cálculo, para fins de substituição tributária, será:

I – em relação às operações ou prestações antecedentes ou concomitantes, o valor da operação ou

prestação praticado pelo contribuinte substituído;

II – em relação às operações ou prestações subsequentes, obtida pelo somatório das parcelas se-

guintes:

110 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

a) o valor da operação ou prestação própria realizada pelo substituto tributário ou pelo substituído

intermediário;

b) o montante dos valores de seguro, de frete e de outros encargos cobrados ou transferíveis aos

adquirentes ou tomadores de serviço;

c) a margem de valor agregado, inclusive lucro, relativa às operações ou prestações subsequentes.

83. Empresa do DF, devidamente enquadrada como Empresa de Pequeno Porte – EPP, nos termos

da Lei Complementar n. 123/2006, realiza as seguintes operações:

I – Importação de mercadorias desembaraçadas no Aeroporto Internacional de Brasília.

II – Aquisição, em operação interna, de mercadorias desacobertadas de documento fiscal.

III – Adquisição, em operação interna, de mercadorias sujeitas ao regime de substituição tribu-

tária.

Não se sujeitam à sistemática de recolhimento estabelecida na legislação do Simples Nacional, de-

vendo o ICMS ser recolhido diretamente ao Distrito Federal, as operações descritas em

(A) I e II, apenas.

(B) I, II e III.

(C) I e III, apenas.

(D) II e III, apenas.

Letra b.

De acordo com o art. 13, XIII, da LC n. 126/2003, o ICMS deverá ser pago por fora do Simples

Nacional em diversas situações, entre elas: na importação, na substituição tributária e nas merca-

dorias desacobertadas por nota fiscal, neste caso, através do auto de infração.

84. De acordo com a Constituição Federal e com o Código Tributário Nacional, o tributo

(A) que pode ser cobrado pelo Distrito Federal, no âmbito de suas respectivas atribuições, que

é instituído para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imobiliária

benéfica para toda a sociedade, independentemente de acréscimo de valor que possa resultar

dessa obra para cada imóvel, denomina-se contribuição social.

111 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) cuja obrigação tem por fato gerador uma situação dependente de atividade estatal especí-

fica, relativa ao contribuinte, denomina-se imposto.

(C) que pode ser cobrado pelo Distrito Federal, no âmbito de suas respectivas atribuições, e

que tem como fato gerador o exercício regular do poder de polícia, denomina-se taxa.

(D) que pode ser cobrado apenas pelo Distrito Federal, no âmbito de suas respectivas atribui-

ções, que é instituído para fazer face ao custo de obras públicas de que decorra valorização imo-

biliária, tendo como limite total a despesa realizada e como limite individual o acréscimo de valor

que da obra resultar para cada imóvel beneficiado, denomina-se taxa de valoração imobiliária.

Letra c.

Da CF/1988, Art. 145. A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios poderão instituir os

seguintes tributos:

II – taxas, em razão do exercício do poder de polícia ou pela utilização, efetiva ou potencial, de ser-

viços públicos específicos e divisíveis, prestados ao contribuinte ou postos a sua disposição;

Legislação Tributária

85. A empresa Candango, fabricante de máquinas para indústria metalúrgica, vende uma lingoteira

para uma siderurgia, por R$ 100.000,00, cobrando, ainda, do cliente, com base em cláusula contratu-

al, os seguintes valores: R$ 30.000,00 a título de serviços de montagem; R$ 10.000,00 de despesas

de frete; R$ 12.000,00 de despesas de guindaste; R$ 3.000,00 de escolta e R$ 5.000,00 de seguros.

Considerando que o IPI destacado na NF foi de R$ 10.000,00, o valor da base de cálculo é, em R$,

(A) 140.000,00.

(B) 145.000,00.

(C) 155.000,00.

(D) 170.000,00.

Letra d.

112 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Neste caso, todos os itens compõem o valor da operação, quem segundo o art. 10 da Lei n.

10.297/1996, é a base de cálculo do ICMS.

86. Uma empresa de produtos de luxo sediada no Distrito Federal adquire mercadoria de impor-

tadora situada no Estado de São Paulo. Considerando hipoteticamente que a alíquota do ICMS no

Estado de São Paulo para esse tipo de mercadoria é de 25% e que no DF é de 17%, a empresa

sediada no DF se credita de ICMS incidente sobre este tipo de operação amparada especificamente

no princípio constitucional da

(A) seletividade, em razão da essencialidade do produto.

(B) legalidade, porque deve haver previsão expressa em lei autorizando este mecanismo con-

tábil de crédito-débito.

(C) isonomia, que assegura mesmo tratamento tributário para contribuintes que estejam numa

mesma situação, independentemente do lugar da ocorrência do fato gerador.

(D) não cumulatividade, na qual é assegurada a dedução correspondente aos montantes cobra-

dos nas operações anteriores.

Letra d.

De todos os princípios citados na questão, o único que se refere à possibilidade de creditamento por

aquisição interestadual é a não cumulatividade do ICMS.

87. Considere as seguintes afirmativas relativas à incidência do ICMS:

I – Nas operações ou prestações que destinem ao exterior mercadorias, não há incidência do

ICMS, sendo vedado o crédito correspondente.

II – Nas operações ou prestações que destinem ao exterior produtos primários e produtos in-

dustrializados semielaborados, não há incidência do ICMS, ficando assegurado o crédito

correspondente.

III – Nas operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de esta-

belecimento comercial, não há incidência do ICMS.

113 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

IV – Nas operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de esta-

belecimento industrial, há incidência do ICMS.

V – Na venda do bem arrendado a arrendatário, resultante de arrendamento mercantil, sempre

há isenção do ICMS.

VI – Segundo a LC n. 87/1996 é não incidência do ICMS as operações efetuadas por cooperati-

vas, sem fins lucrativos, na comercialização de produtos recicláveis.

Quantas são as alternativas verdadeiras:

(A) somente uma.

(B) somente duas.

(C) somente três.

(D) somente quatro.

Letra b.

I – Nas operações ou prestações que destinem ao exterior mercadorias, não há incidência do

ICMS, sendo vedado o crédito correspondente.

II – Nas operações ou prestações que destinem ao exterior produtos primários e produtos in-

dustrializados semielaborados, não há incidência do ICMS, ficando assegurado o crédito

correspondente.

III – Nas operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de esta-

belecimento comercial, não há incidência do ICMS.

IV – Nas operações de qualquer natureza de que decorra a transferência de propriedade de esta-

belecimento industrial, há incidência do ICMS.

V – Na venda do bem arrendado a arrendatário, resultante de arrendamento mercantil, sempre

há isenção do ICMS.

VI – Segundo a LC n. 87/1996, é não incidência do ICMS as operações efetuadas por cooperati-

vas, sem fins lucrativos, na comercialização de produtos recicláveis.

88. A respeito da norma concessiva de isenção de ICMS expressa, unilateralmente, na Constituição

114 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

do Estado, assinale a alternativa correta.

(A) É válida, apenas no caso de a Constituição Estadual haver sido editada após a promulgação

da Constituição Federal de 1988.

(B) Não é válida, pois a concessão e a revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do

ICMS exigem lei complementar.

(C) É válida, pois as Constituições estaduais ganham, em hierarquia, das leis complementares

e das leis ordinárias.

(D) Não é válida, pois a concessão e revogação de isenções, incentivos e benefícios fiscais do

ICMS decorrem obrigatoriamente de deliberação dos Estados e do Distrito Federal.

Letra d.

Conforme previsto no art. 155, § 2º, XII, g, da CF/1988, cabe a lei complementar regular a forma

como, mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal, isenções, incentivos e benefícios fis-

cais serão concedidos e revogados. A lei complementar é a n. 24/1975.

89. Com relação à base de cálculo do ICMS, assinale a afirmativa incorreta.

(A) Fornecimento de alimentação e bebida em bares, restaurantes e estabelecimentos simila-

res. Base de cálculo = valor total da operação (fornecimento e serviços).

(B) Fornecimento de mudas de plantas pelo prestador de serviço de florestamento e reflores-

tamento. Base de cálculo = preço corrente da mercadoria fornecida.

(C) A utilização, por contribuinte, de serviço cuja prestação se tenha iniciado em outro Estado e

não esteja vinculada a operação ou prestação subsequente. Base de cálculo = valor da prestação

no Estado de origem.

(D) Importação de mercadorias. Base de cálculo = soma das seguintes parcelas: valor das

mercadorias + valor do imposto de importação e do IPI + imposto sobre operação de câmbio +

quaisquer outros impostos, taxas, contribuições e despesas aduaneiras, assim entendidos os va-

lores pagos ou devidos à repartição alfandegária até o momento do desembaraço da mercadoria.

Letra b.

115 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Analisando as assertivas:

(A) Correta.

(B) Errada, só incide o ISS.

(C) Correta, base de cálculo do DIFAL.

(D) Correta, base de cálculo na importação.

90. O ICMS é devido ao DF, na prestação de serviço:

(A) de transporte, iniciado em município do Estado de São Paulo e dirigido ao DF, de mercadoria

destinada à comercialização neste Estado.

(B) de comunicação, no caso de serviços não medidos, que envolvam localidade de outra uni-

dade da Federação e cujo preço seja cobrado por períodos definidos, cabendo integralmente o

imposto ao DF.

(C) de comunicação, se onerosa, prestada ou iniciada no exterior e o destinatário tiver estabe-

lecimento ou domicílio no DF.

(D) de comunicação ou na operação que destine ao exterior uma mercadoria ou um serviço.

Letra c.

Na importação de serviços de comunicação, o ICMS é devido para o local onde estiver o domicílio

do importador.

91. Com relação à substituição tributária, analise as afirmativas a seguir:

I – Na substituição tributária para frente, resta obedecido o princípio da não cumulatividade.

II – A base de cálculo do ICMS devido por substituição tributária é, caso exista, o preço final ao

consumidor sugerido pelo fabricante ou importador.

III – O regime de substituição tributária não se aplica à transferência para outro estabelecimento,

inclusive varejista, do sujeito passivo por substituição.

Assinale:

(A) se somente a afirmativa I estiver correta.

(B) se somente as afirmativas I e II estiverem corretas.

116 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) se somente as afirmativas I e III estiverem corretas.

(D) se somente as afirmativas II e III estiverem corretas.

Letra b.

Na ST para frente, não se fere a não cumulatividade, o que ocorre é a escolha de um substituto para

pagar todo o imposto na cadeia econômica.

92. Sociedade empresarial ‘X’, contribuinte do ICMS, apropriou, durante o exercício de 2018, cré-

ditos do imposto relativos a entradas de determinadas mercadorias, os quais foram considerados

indevidos pela fiscalização.

A esse respeito, analise as afirmativas a seguir:

I – Os créditos eram referentes a bens destinados ao uso e consumo do estabelecimento.

II – Os créditos eram referentes a mercadorias que se destinaram à integração ou consumo em

processo de industrialização de produtos, cujas saídas resultantes gozam de isenção do ICMS.

III – Os créditos eram referentes a produtos que se deterioraram ou extraviaram.

IV – Os créditos eram referentes a operações tributadas (praticadas por Sociedade empresarial

‘X’), posteriores a saídas isentas de produtos agropecuários, e correspondiam ao imposto

cobrado nas operações anteriores a estas.

V – Os créditos eram referentes à importação de mercadorias, e a apropriação dos créditos se

deu no período de apuração em que ocorreu o recolhimento do imposto incidente, tendo a

entrada efetiva das mercadorias ocorrido no período seguinte.

Assinale a quantidade de afirmativas que justifiquem a glosa dos créditos promovida pela fiscalização.

(A) Uma.

(B) Duas.

(C) Três.

(D) Quatro.

Letra c.

I – Errado, material de uso ou consumo só dará direito a crédito em 01/01/2020.

117 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

II – Errado, a isenção veda o creditamento.

III – Errado, hipótese de estorno de crédito.

IV – Certo, hipótese de permissão ao crédito prevista no art. 20 da Lei Complementar n. 87/1996.

V – Certo, a mercadoria que pagar o ICMS importação tem direito ao crédito.

93. Com base nos arts. 7º, 8º e 10 da Lei Complementar n. 87/1996, para efeitos da exigência ou

da restituição do imposto por substituição tributária, é INCORRETO afirmar:

(A) A entrada de mercadoria ou bem no estabelecimento do adquirente, ou em outro, por ele

indicado, será considerada também como fato gerador do imposto.

(B) Na operação interestadual com combustíveis derivados de petróleo, destinada a consumidor

final, o imposto será devido ao Estado onde estiver localizado o remetente e pago pelo adquirente.

(C) O contribuinte substituído poderá se creditar, em sua escrita fiscal, do valor do imposto

pago a maior, atualizado segundo os mesmos critérios aplicáveis ao tributo, quando o pedido de

restituição não for decidido no prazo de noventa dias.

(D) O imposto a ser pago, em relação às operações subsequentes, corresponderá à diferença

entre o valor resultante da aplicação da alíquota prevista para as operações ou prestações inter-

nas do Estado de destino, sobre a respectiva base de cálculo, e o valor do imposto devido pela

operação ou prestação própria do substituto.

Letra d.

Na operação interestadual com combustíveis derivados de petróleo, destinada a consumidor final, o

imposto será devido ao Estado onde estiver localizado o adquirente e pago pelo remetente; houve

a troca das palavras.

94. O CONFAZ − Conselho Nacional de Política Fazendária

I – promove ações em defesa do contribuinte, regulando o exercício da competência tributária

dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios.

II – promove a celebração de convênios que concedem e revogam incentivos e benefícios fiscais

no âmbito do ICMS.

118 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

III – é constituído por representantes de Municípios, Estados e Distrito Federal.

IV – é constituído por representantes de cada Estado e Distrito Federal e um representante do

Governo Federal.

Está correto o que se afirma APENAS em

(A) II e IV.

(B) II e III.

(C) I e IV.

(D) I e III.

Letra a.

Analisando as assertivas:

I – Não é incumbência do Confaz.

II – Certo, nos termos do art. 1º da Lei Complementar n. 24/1975.

III – Errado, não faz parte da reunião os representantes de Municípios.

IV – Certo, é constituído por representantes de cada Estado e Distrito Federal e um representante

do Governo Federal.

95. Na realização de atividade fiscalizatória, os agentes fiscais podem entrar nos estabelecimentos

dos contribuintes. Sobre o procedimento de fiscalização, é correto afirmar que

(A) não se aplicam os princípios constitucionais da inviolabilidade do domicílio, do direito à

intimidade e do sigilo da correspondência, tendo em vista o poder de polícia conferido à admi-

nistração tributária.

(B) existem restrições, pois o contribuinte não está obrigado a exibir livros contábeis ou fiscais

obrigatórios, visto que a Constituição Federal lhe garante o direito à intimidade.

(C) realiza-se informalmente e não precisa ser documentado.

(D) deverá ser documentado por meio de termos específicos lavrados, sempre que possível, em

um dos livros fiscais exibidos ou, quando lavrados em separado, o sujeito passivo deverá ficar

com cópia autenticada.

Letra d.

Toda ação fiscal deverá ser documentada.

119 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

96. O ISS no Distrito Federal

(A) é devido por serviços prestados que não constituam atividade preponderante do prestador.

(B) é de competência da União, com arrecadação destinada aos Municípios.

(C) exclui a cobrança sobre serviços cuja prestação se tenha iniciado no exterior.

(D) não pode ser cobrado em conjunto com o ICMS.

Letra a.

Mesmo que o prestador de serviço faça o mesmo sem ser a atividade preponderante do mesmo,

ainda assim ele deverá ser cobrado pelo ISS (Lei Complementar n. 116/2003).

Contabilidade Geral e Custos

97. Considerando os conceitos básicos da contabilidade como ciência e o estabelecido no CPC 00,

marque a assertiva correta:

(A) A contabilidade deve permitir aos usuários internos, por meio das demonstrações contá-

beis, comparar seus resultados com os de outros períodos ou Entidades; avaliar seus resultados

à luz dos objetivos estabelecidos.

(B) O objeto da contabilidade, conforme orientação básica do CPC, é o fornecimento de infor-

mações aos usuários, internos e externos.

(C) O campo de aplicação da contabilidade se estende a qualquer pessoa, física ou jurídica,

com ou sem fins lucrativos, denominadas de aziendas.

(D) Os usuários das demonstrações contábeis fornecidas pela empresa são considerados ex-

ternos e podem ser classificados em primários ou secundários. A administração é um tipo de

usuário secundário.

Letra c.

O campo de aplicação da contabilidade pode ser qualquer pessoa, seja ela física ou jurídica, pública

120 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

ou privada, com ou sem fins lucrativos. As entidades são denominadas de aziendas, pois possuem

um patrimônio, uma gestão e uma atividade.

98. Considerando os registros contábeis e apuração do resultado, analise as informações.

A empresa CZ apresentava um ativo de $ 1.000.000,00 e um passivo de $ 600.000,00. Comprou

à vista $ 50.000,00 de mercadorias, com ICMS $ 10.000,00, e, no mesmo dia, efetuou a venda da

mercadoria por $ 200.000,00 a prazo, com ICMS de $ 50.000.00.

Sabendo que as transações não sofreram outra tributação, podemos afirmar que após os registros

contábeis o patrimônio líquido passou a ser de:

(A) $ 450.000,00.

(B) $ 460.000,00.

(C) $ 350.000,00.

(D) $ 510.000,00.

Letra d.

O PL inicial era de $ 400.000. A operação com mercadorias gerou um lucro de $ 110.000 (200 – 50

– 40) e esse lucro aumentou o saldo da situação líquida. Assim, o PL passou para $ 510.000,00.

99. Com base na classificação dos fatos que alteram o patrimônio de uma empresa, o pagamento

de uma dívida de $ 1.000,00, com juros de 10%; a compra de mercadorias de $ 3.000,00, sendo

metade à vista e metade a prazo, com juros de $ 100,00, e a venda de um veículo de $ 40.000,00

por $ 45.000,00 representam, respectivamente, fatos:

(A) Modificativo aumentativo, permutativo e misto diminutivo.

(B) Misto diminutivo, permutativo e misto aumentativo.

(C) Modificativo diminutivo, modificativo aumentativo e modificativo diminutivo.

(D) Misto aumentativo, misto aumentativo e misto diminutivo.

Letra b.

O pagamento de dívida com desconto diminuiu o ativo, diminui o passivo e diminui o PL, é misto

121 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

diminutivo. A compra de mercadorias parte à vista e parte a prazo, com juros, aumenta o ativo e

o passivo, os juros embutidos na dívida e a conta redutora do passivo; é um fato permutativo. A

venda de um veículo com ganho irá diminuir a conta veículos, aumentar a conta banco e aumentar

o PL, é um fato misto diminutivo.

100. Em outubro de 2014, a empresa “CZ” adquiriu uma máquina por $ 100.000,00, a prazo, para

pagar em 10 prestações de $ 15.000,00. O procedimento usual de depreciação utilizou o método

linear, com resíduo estimado em 10% e vida útil prevista para a máquina é de 5 anos. No balan-

ço patrimonial de 2016, encerrado em 31 de dezembro, se a empresa vender a máquina por $

40.000,00 à vista, irá apurar:

(A) prejuízo de $ 1.500,00.

(B) prejuízo de $ 4.500,00.

(C) lucro de $ 1.500,00.

(D) prejuízo de $ 7.500,00.

Letra a.

Depreciação anual = VB – VR/vida útil = 18.000 ao ano ou 1.500 ao mês.

Depreciação acumulada = 39 meses x 750 = 58.500.

Valor contábil = 100.000 (-) 58.500 = 41.500.

Se a empresa vendeu um bem de $ 41.500 por $40.000, ela apurou um prejuízo de $ 1.500.

101. A Sociedade Anônima “PCZ” recebeu como doação do Governo Federal um terreno registrado

por R$ 1.500.000,00, mas avaliado pelo seu valor justo de R$ 4.000.000,00. Dentro do acordo de

doação, se comprometeu a construir uma linha de produção e produzir no local durante um período

de 5 anos, com a geração de 400 empregos para a comunidade e compra de 70% dos insumos dos

fornecedores Nacionais.

Considerando os conceitos de ativos, passivos, receitas e despesas no registro contábil desta ope-

ração, a empresa PCZ deverá reconhecer:

(A) uma receita de $ 1.500.000,00.

122 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(B) um passivo de $ 4.000.000,00.

(C) uma receita antecipada de $ 1.500.000,00.

(D) uma receita de $ 4.000.000,00.

Letra b.

Quando a empresa recebe uma doação, deve registar o bem em contrapartida de uma receita. En-

tretanto, quando, ao receber o bem, assume uma obrigação de prestar um serviço ou fornecer algo,

deve registrar como receita antecipada e reconhecer a obrigação no passivo pelo seu valor justo,

que no caso é de R$ 4.000.000,00.

102. A Cia. “CZ” aumentou o seu capital social mediante o lançamento de 100.000 novas ações, cujo

valor de lançamento foi R$ 5,00. No entanto, devido às condições de mercado, as ações foram ven-

didas a R$ 6,00, à vista. O banco de investimento que efetivou a negociação cobrou R$ 40.000,00.

Após os registros contábeis, a empresa “CZ” reconheceu um aumento líquido no patrimônio líquido de:

(A) $ 500.000,00.

(B) $ 600.000,00.

(C) $ 560.000,00.

(D) $ 540.000,00.

Letra c.

Na venda das ações, a empresa vai receber o valor líquido de $ 560.000,00, contudo o capital social

vai aumentar em $ 500.000,00; a diferença entre o valor contábil e o valor justo, de $ 100.000,00,

será reconhecida como uma reserva de capital “ágio na venda de ações” e o custo das vendas, de

$ 40.000,00, será registrado como conta redutora do patrimônio líquido.

103. A Empresa INTER S/A tem como costume registrar uma estimativa para liquidação duvidosa

para precaver-se de perdas no recebimento de seus clientes. O contador trabalha com o método da

complementação.

Em 2016, com créditos a receber no montante de R$ 400.000,00, ela mandou fazer o registro de uma es-

123 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

timativa de perda de R$ 12.000,00, mas, durante o exercício, contabilizou perdas de apenas R$ 7.000,00.

Agora, no fim do exercício de 2017, a empresa pretende fazer a estimativa de R$ 15.000,00. Por

isso, como tem no balanço R$ 300.000,00 a receber de clientes, vai contabilizar em 2017 uma des-

pesa com devedores duvidosos no valor de:

(A) $ 10.000,00.

(B) $ 15.000,00.

(C) $ 3.000,00.

(D) $ 12.000,00.

Letra a.

A estimativa de perda era de $ 12.000,00; no ano corrente, a empresa perdeu $ 7.000,00, fican-

do com um saldo de $ 5.000,00. No fim do ano de 2017, a empresa estabeleceu uma estimava

15.000,00 para o ano seguinte. Assim, para chegar aos $ 15.000,00 da estimativa, falta registrar

uma despesa de $ 10.000,00.

104. Em setembro de 2017, determinada empresa de capital aberto, buscando a captação de re-

cursos no mercado, efetuou o lançamento de 10 milhões de reais em debêntures, com prazo de

resgate de 10 anos.

No processo de lançamento do instrumento financeiro, a empresa incorreu em gastos diretos, vin-

culados à emissão, no valor de R$ 100.000,00.

Em dezembro, a empresa conclui que a emissão não foi bem-sucedida, pois não conseguiu vender

os títulos; assim, em dezembro, os gastos com a emissão das ações deverão ser contabilizados

(A) no resultado do exercício, como despesa.

(B) como despesa antecipada no ativo circulante.

(C) como despesa antecipada no ativo realizável a longo prazo.

(D) como redutora do patrimônio líquido.

Letra a.

Inicialmente, os gastos com a emissão de títulos de dívidas são registrados como despesa anteci-

124 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

pada. No momento da venda, os valores são revertidos para conta redutora do passivo. Quando a

venda das debêntures não se efetivar, os valores gastos deverão ser lançados como despesa finan-

ceira no resultado do exercício.

105. Considerado as normas e a legislação que tratam da elaboração das demonstrações contábeis

e sabendo que determinada empresa efetuou as seguintes transações em 2017, julgue as assertivas.

–– Integralização de capital social, por meio de um imóvel, no valor de R$ 500.000,00.

–– Compra de estoque à vista, por R$ 50.000,00.

–– Compra de automóvel à vista, por R$ 40.000,00.

–– Compra de móveis, para pagamento em agosto de 2017, por R$ 30.000,00.

–– Pagamento de empréstimo bancário, no valor de R$ 8.000,00.

–– Pagamento dos salários de funcionários, no valor de R$ 4.000,00.

–– Resgate de debêntures, no valor de R$ 36.000,00.

–– Recebimento de venda de imobilizado R$ 80.000,00

–– Venda de ações em tesouraria por R$ 50.000,00

Com base nos fatos apresentados acima, o Fluxo de Caixa das atividades de financiamento, eviden-

ciado na Demonstração dos Fluxos de Caixa, foi:

(A) positivo em $ 80.000,00

(B) positivo em $ 40.000,00

(C) negativo em $ 44.000,00

(D) positivo de $ 6.000,00.

Letra d.

A DFC apresenta o fluxo de caixa por atividades: operacional, investimento e financiamento. O fluxo

de caixa das atividades de financiamento envolve a captação de recurso e o pagamento dos recur-

sos captados no mercado. São fluxos de financiamento:

(-) Pagamento de empréstimo bancário, no valor de R$ 8.000,00.

(-) Resgate de debêntures e dos juros incidentes, no valor de R$ 36.000,00.

(+) venda de ações em tesouraria de R$ 50.000.

125 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Assim, o fluxo ficou positivo em $ 6.000,00.

106. A empresa Claudio Zorzo, de grande porte, apresentava em seu ativo, no início do ano, uma

máquina com as seguintes informações:

–– Custo de aquisição: $ 800.000,00.

–– Depreciação acumulada: $ 400.000,00.

–– Perda por recuperabilidade acumulada: $ 70.000,00.

Por determinação normativa, no fim do ano, após o registro da depreciação anual de $ 50.000,00,

fez o teste de recuperabilidade e identificou os seguintes valores:

Valor em uso = $ 300.000,00

Valor justo líquido = $ 250.000,00

Com base nos dados, a contabilidade deverá no fim do ano:

(A) reverter parte da perda por recuperabilidade.

(B) reconhecer um aumento na perda por recuperabilidade de $ 30.000,00.

(C) registrar uma despesa por irrecuperabilidade de $ 80.000,00.

(D) não efetuar nenhum ajuste.

Letra a.

O teste de recuperabilidade determina que o valor contábil seja comparado com o maior valor reali-

zável pelo uso ou pela venda. O valor contábil do bem era de $330.000,00, com a depreciação anual

foi para $ 280.000,00 e o maior valor realizável é o de uso, $ 300.000,00.

Quando o maior valor realizável for maior, o valor contábil é sinal que o bem está valorizado; neste

caso, a empresa deverá reverter $ 20.000,00 da perda por recuperabilidade.

107. Considerando o tratamento a ser dado para os ativos classificados como imobilizado e proprie-

dade para investimento, analise a questão.

Uma empresa possuía, em 31/12/2017, um edifício no Ativo Imobilizado, que era utilizado como sua

parte administrativa, contabilizado por R$ 2.000.000,00.

Após a construção de um novo prédio para a administração por 15 milhões de reais, a direção da

126 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

empresa decidiu mudar o uso do edifício, passando a contabilizá-lo como Propriedade para Investi-

mento, ao valor justo de R$ 1.800.000,00.

A variação de R$ 200.000,00 em 31/12/2017 deve ser classificada como:

(A) Ajuste da Avaliação Patrimonial, no PL.

(B) Outras despesas, na DRE.

(C) Perda de capital, na DFC.

(D) Não contabiliza a diferença, pois a empresa ainda não realizou financeiramente o imóvel.

Letra b.

Quando a empresa decidir mudar a destinação de um imobilizado para propriedade para investi-

mento, a diferença entre o valor contábil e o seu valor justo será reconhecida como resultado abran-

gente, na conta ajuste da avaliação patrimonial, quando for positiva, e como despesa, no resultado,

quando o valor justo for menor que o valor contábil.

108. Uma indústria apresentou os seguintes valores levantados pela contabilidade:

Matéria-prima – 100.000

Salários da administração – 40.000

Mão de obra direta – 60.000

Energia elétrica da fábrica – 10.000

Energia elétrica da administração – 5.000

Manutenção – 20.000 (60 % custo da fábrica)

Multa de trânsito – 2.000

Depreciação das máquinas – 8.000

Perdas controladas – 1.000

Comissões de vendas – 4.000

Sabendo que a empresa produziu 1.000 unidades do produto “A” e apura o custo pelo sistema de

custeio por absorção, o valor do custo da produção do período foi de:

(A) 190.000,00.

(B) 191.000,00.

127 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) 175.000,00.

(D) 195.000,00.

Letra b.

O custo da produção do período é calculado pela equação CPP = MD + MOD + GGF.

CPP = 100.000 + 60.000 + 10.000 + 12.000 + 8.000 + 1.000 = 191.000.

Direito Financeiro

109. A espécie de orçamento que enfatiza os aspectos contábeis e de gestão, tendo como foco os

bens que o Estado adquire e os serviços que contrata, é o:

(A) Orçamento base-zero.

(B) Orçamento por desempenho.

(C) Orçamento tradicional.

(D) Orçamento-programa.

Letra c.

O orçamento tradicional tem foco no objeto do gasto e enfatiza o aspecto contábil do orçamento, a

despeito dos resultados que deverão ser alcançados.

110. O princípio orçamentário que veda a inserção, na lei orçamentária, de matéria estranha à pre-

visão da receita e à fixação da despesa é o da:

(A) Legalidade.

(B) Exclusividade.

(C) Publicidade.

(D) Anterioridade.

Letra b.

A CF/1988 dispõe sobre o assunto da seguinte forma:

128 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

“Art. 165 (…)

(…)

§ 8º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da

despesa, não se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos suplementares e

contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei.”

111. Entre as alternativas abaixo, assinale aquela que se relaciona com a Lei de Diretrizes Orça-

mentárias (LDO):

(A) Deverá prever as receitas e autorizar as despesas.

(B) Compreenderá as metas e prioridades da administração pública para o exercício seguinte.

(C) Estabelecerá as diretrizes, objetivos e metas da administração pública.

(D) Conterá reserva de contingência.

Letra b.

A alternativa “b” está alinhada com o que prescreve a CF/1988:

“Art. 165 (…)

(…)

§ 2º A lei de diretrizes orçamentárias compreenderá as metas e prioridades da administração pú-

blica federal, incluindo as despesas de capital para o exercício financeiro subseqüente, orientará a

elaboração da lei orçamentária anual, disporá sobre as alterações na legislação tributária e estabe-

lecerá a política de aplicação das agências financeiras oficiais de fomento.”

112. Segundo a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), a LDO conterá anexo em que serão apresen-

tados os riscos e outros eventos capazes de afetar as contas públicas e as medidas a serem imple-

mentadas caso tais riscos se concretizem. Tal anexo é o:

(A) Anexo de Riscos Fiscais.

(B) Anexo Específico.

(C) Anexo de Metas Fiscais.

(D) Anexo de Metas e Prioridades.

129 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra a.

A alternativa “A” está em linha com o que prescreve a LRF:

“Art. 4º (…)

(…)

§ 3º A lei de diretrizes orçamentárias conterá Anexo de Riscos Fiscais, onde serão avaliados os pas-

sivos contingentes e outros riscos capazes de afetar as contas públicas, informando as providências

a serem tomadas, caso se concretizem.”

113. O relatório quadrimestral que deverá apresentar o cumprimento dos limites estabelecidos na

Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é o:

(A) Relatório de Gestão Fiscal.

(B) Relatório Resumido da Execução Orçamentária.

(C) Relatório de Riscos Fiscais.

(D) Relatório da Receita.

Letra a.

A LRF dispõe sobre o tema nos termos do art. 54:

“Seção IV

Do Relatório de Gestão Fiscal

Art. 54. Ao final de cada quadrimestre será emitido pelos titulares dos Poderes e órgãos referidos

no art. 20 Relatório de Gestão Fiscal, assinado pelo:

I – Chefe do Poder Executivo;

II – Presidente e demais membros da Mesa Diretora ou órgão decisório equivalente, conforme regi-

mentos internos dos órgãos do Poder Legislativo;

III – Presidente de Tribunal e demais membros de Conselho de Administração ou órgão decisório

equivalente, conforme regimentos internos dos órgãos do Poder Judiciário;

V – Chefe do Ministério Público, da União e dos Estados.

130 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Parágrafo único. O relatório também será assinado pelas autoridades responsáveis pela administra-

ção financeira e pelo controle interno, bem como por outras definidas por ato próprio de cada Poder

ou órgão referido no art. 20.

Art. 55. O relatório conterá:

I – comparativo com os limites de que trata esta Lei Complementar, dos seguintes montantes:

a) despesa total com pessoal, distinguindo a com inativos e pensionistas;

b) dívidas consolidada e mobiliária;

c) concessão de garantias;

d) operações de crédito, inclusive por antecipação de receita; e

e) despesas de que trata o inciso II do art. 4º;”

114. O crédito adicional que poderá ser autorizado pela própria Lei Orçamentária Anual (LOA) é o crédito:

(A) especial.

(B) inicial.

(C) extraordinário.

(D) suplementar.

Letra d.

“Art. 165 (...)

(...)

§ 8º A lei orçamentária anual não conterá dispositivo estranho à previsão da receita e à fixação da

despesa, não se incluindo na proibição a autorização para abertura de créditos suplementares e

contratação de operações de crédito, ainda que por antecipação de receita, nos termos da lei.”

115. Assinale a alternativa que engloba os créditos orçamentários que podem ser exceções ao prin-

cípio da anualidade:

(A) suplementar e especial.

(B) especial e extraordinário.

131 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

(C) suplementar e extraordinário.

(D) inicial e suplementar.

Letra b.

CF/1988:

“Art. 167 (…)

(...)

§ 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no exercício financeiro em que forem au-

torizados, salvo se o ato de autorização for promulgado nos últimos quatro meses daquele exercício,

caso em que, reabertos nos limites de seus saldos, serão incorporados ao orçamento do exercício

financeiro subsequente.”

116. Analise as alternativas a seguir:

I – é vedado o início de programas ou projetos não incluídos na Lei Orçamentária Anual.

II – é vedada a concessão de créditos ilimitados.

III – é permitida a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa

e sem indicação dos recursos correspondentes;

IV – é permitida a transferência voluntária de recursos e a concessão de empréstimos, inclusive

por antecipação de receita, pelos Governos Federal e Estaduais e suas instituições financei-

ras, para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos Estados, do

Distrito Federal e dos Municípios.

São corretas as afirmativas:

(A) I e II..

(B) II e III.

(C) III e IV.

(D) I e IV.

Letra a.

O artigo 167 da CF/1988 traz várias vedações em matéria orçamentária:

132 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

“Art. 167. São vedados:

I – o início de programas ou projetos não incluídos na lei orçamentária anual;

II – a realização de despesas ou a assunção de obrigações diretas que excedam os créditos orça-

mentários ou adicionais;

III – a realização de operações de créditos que excedam o montante das despesas de capital,

ressalvadas as autorizadas mediante créditos suplementares ou especiais com finalidade precisa,

aprovados pelo Poder Legislativo por maioria absoluta;

IV – a vinculação de receita de impostos a órgão, fundo ou despesa, ressalvadas a repartição do

produto da arrecadação dos impostos a que se referem os arts. 158 e 159, a destinação de recursos

para as ações e serviços públicos de saúde, para manutenção e desenvolvimento do ensino e para

realização de atividades da administração tributária, como determinado, respectivamente, pelos

arts. 198, § 2º, 212 e 37, XXII, e a prestação de garantias às operações de crédito por antecipação

de receita, previstas no art. 165, § 8º, bem como o disposto no § 4º deste artigo; (Redação dada

pela Emenda Constitucional n. 42, de 19.12.2003)

V – a abertura de crédito suplementar ou especial sem prévia autorização legislativa e

sem indicação dos recursos correspondentes;

VI – a transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de progra-

mação para outra ou de um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;

VII – a concessão ou utilização de créditos ilimitados;

VIII – a utilização, sem autorização legislativa específica, de recursos dos orçamentos fiscal e da se-

guridade social para suprir necessidade ou cobrir déficit de empresas, fundações e fundos, inclusive

dos mencionados no art. 165, § 5º;

IX – a instituição de fundos de qualquer natureza, sem prévia autorização legislativa.

X – a transferência voluntária de recursos e a concessão de empréstimos, inclusive por

antecipação de receita, pelos Governos Federal e Estaduais e suas instituições financei-

ras, para pagamento de despesas com pessoal ativo, inativo e pensionista, dos Estados,

do Distrito Federal e dos Municípios. (Incluído pela Emenda Constitucional n. 19, de 1998)

XI – a utilização dos recursos provenientes das contribuições sociais de que trata o art. 195, I, a, e

133 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

II, para a realização de despesas distintas do pagamento de benefícios do regime geral de previdên-

cia social de que trata o art. 201. (Incluído pela Emenda Constitucional n. 20, de 1998)

§ 1º Nenhum investimento cuja execução ultrapasse um exercício financeiro poderá ser iniciado

sem prévia inclusão no plano plurianual, ou sem lei que autorize a inclusão, sob pena de crime de

responsabilidade.

§ 2º Os créditos especiais e extraordinários terão vigência no exercício financeiro em que forem au-

torizados, salvo se o ato de autorização for promulgado nos últimos quatro meses daquele exercício,

caso em que, reabertos nos limites de seus saldos, serão incorporados ao orçamento do exercício

financeiro subsequente.

§ 3º A abertura de crédito extraordinário somente será admitida para atender a despesas imprevisí-

veis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública, observado

o disposto no art. 62.

§ 4º É permitida a vinculação de receitas próprias geradas pelos impostos a que se referem os arts.

155 e 156, e dos recursos de que tratam os arts. 157, 158 e 159, I, a e b, e II, para a prestação

de garantia ou contragarantia à União e para pagamento de débitos para com esta. (Incluído pela

Emenda Constitucional n. 3, de 1993)

§ 5º A transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de progra-

mação para outra poderão ser admitidos, no âmbito das atividades de ciência, tecnologia e inova-

ção, com o objetivo de viabilizar os resultados de projetos restritos a essas funções, mediante ato

do Poder Executivo, sem necessidade da prévia autorização legislativa prevista no inciso VI deste

artigo. (Incluído pela Emenda Constitucional n. 85, de 2015)”

117. Nos termos da Lei de Responsabilidade Fiscal, as despesas obrigatórias de caráter continuado

não derivam de:

(A) Contrato.

(B) Lei.

(C) Medida provisória.

(D) Ato administrativo normativo.

134 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra a.

LRF (LC n. 101):

“Art. 17. Considera-se obrigatória de caráter continuado a despesa corrente derivada de lei, medida

provisória ou ato administrativo normativo que fixem para o ente a obrigação legal de sua execução

por um período superior a dois exercícios.”

118. A lei orçamentária que estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objetivos e metas

para a Administração Pública é o (a):

(A) PPA.

(B) LDO.

(C) LOA.

(D) LRF.

Letra a.

CF/1988:

“Art. 165 (...)

(...)

§ 1º A lei que instituir o plano plurianual estabelecerá, de forma regionalizada, as diretrizes, objeti-

vos e metas da administração pública federal para as despesas de capital e outras delas decorrentes

e para as relativas aos programas de duração continuada.”

119. A respeito dos créditos adicionais, assinale a alternativa correta:

(A) Os créditos especiais e extraordinários deverão ser autorizados por lei e abertos mediante

decreto do Poder Executivo.

(B) Os créditos suplementares dependem da existência de recursos para serem abertos.

(C) O excesso de arrecadação não poderá ser utilizado para cobrir créditos extraordinários

abertos durante o exercício.

(D) A anulação de despesas não poderá ser indicada como fonte para abertura de créditos es-

peciais.

135 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal


Caderno de Prova

Letra b.

Lei n. 4.320/1964:

“Art. 43. A abertura dos créditos suplementares e especiais depende da existência de recursos dis-

poníveis para ocorrer a despesa e será precedida de exposição justificativa.”

120. Segundo a LC n. 101/2000 (Lei de Responsabilidade Fiscal – LRF), a despesa com pessoal do

Poder Executivo Distrital não poderá ultrapassar:

(A) 60% da RCL

(B) 50% da RCL.

(C) 49% da RCL.

(D) 40,9% da RCL.

Letra c.

LRF:

“Art. 20 (…)

(…)

II – na esfera estadual:

a) 3% (três por cento) para o Legislativo, incluído o Tribunal de Contas do Estado;

b) 6% (seis por cento) para o Judiciário;

c) 49% (quarenta e nove por cento) para o Executivo;

d) 2% (dois por cento) para o Ministério Público dos Estados;”

Importante ressaltar que as determinações da LRF para os Estados se aplicam ao Distrito Federal

também.

136 Secretaria de Fazenda do Distrito Federal