Você está na página 1de 36
Capítulo 2 Aterramento Elétrico em Média e Baixa Tensão 1. OBJETIVO Este capítulo destina-se a
Capítulo 2 Aterramento Elétrico em Média e Baixa Tensão 1. OBJETIVO Este capítulo destina-se a

Capítulo 2

Aterramento Elétrico em Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 Aterramento Elétrico em Média e Baixa Tensão 1. OBJETIVO Este capítulo destina-se a estudar

1. OBJETIVO

Este capítulo destina-se a estudar o aterramento elétrico, descrevendo desde os conceitos básicos até os esquemas de aterramento de instalações elétricas de alta e baixa tensão. Toda instalação elétrica de alta e baixa tensão, para ter um desempe- nho satisfatório e ser suficientemente segura contra risco de acidentes fatais, deve possuir um sistema de aterramento dimensionado para:

Proteger os indivíduos contra contatos com partes metálicas da ins- talação energizadas acidentalmente;

Garantir à atuação correta e seletiva da proteção;

Garantir um referencial para a terra de baixa impedância para per- mitir a operação adequada de sistemas de automação, redes de computadores equipamentos eletrônicos;

Proteger as instalações contra as elevadas correntes produzidas por descargas atmosféricas;

Uniformizar o potencial em toda área do projeto, prevenindo contra tensões perigosas que possam surgir durante uma falta fase e terra.

2. INTRODUÇÃO

Define-se aterramento, como sendo a ligação intencional a terra ou ao solo. Se essa ligação é feita diretamente, sem a interposição de qualquer im- pedância (ou resistência) falamos em aterramento direto ou sólido. De uma forma geral o aterramento encontrado nas instalações elétricas de baixa tensão estão divididos em três tipos: o aterramento funcional, o ater- ramento temporário e o aterramento de proteção. O aterramento funcional con-

o aterramento funcional, o ater- ramento temporário e o aterramento de proteção. O aterramento funcional con-
o aterramento funcional, o ater- ramento temporário e o aterramento de proteção. O aterramento funcional con-

1

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão siste no aterramento do ponto de neutro
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão siste no aterramento do ponto de neutro

siste no aterramento do ponto de neutro dos sistemas elétricos sendo elemento fundamental para especificação dos equipamentos elétricos e para a correta atuação dos relés e demais dispositivos do sistema de proteção.

O aterramento temporário é o aterramento realizado para garantir a se-

gurança na realização de intervenções e manutenções em instalações elétricas durante a execução das mesmas, esses aterramentos são efetuados com auxí- lio de dispositivos especialmente concebidos com este fim. O aterramento de proteção é aquele destinado a garantir a segurança dos indivíduos provocadas por falhas nos equipamentos ou na própria instalação.

por falhas nos equipamentos ou na própria instalação. Figura 1 - Aterramento de c onsumidor de

Figura 1 - Aterramento de consumidor de baixa tensão

A Figura 1 apresenta a vista lateral da alimentação na tensão secundá-

ria de distribuição de um consumidor residencial, onde se pode ver o aterra-

l da alimentação na tensão secundá- ria de distribuição de um consumidor residencial, onde se pode

2

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão mento funcional do neutro da baixa tensão
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão mento funcional do neutro da baixa tensão

mento funcional do neutro da baixa tensão do transformador e o aterramento de proteção.

3. CONCEITOS BÁSICOS

Como foi descrito na seção anterior, o aterramento de proteção está re- lacionado a segurança dos indivíduos e tem o único objetivo de proporcionar proteção pessoal contra contatos indiretos.

proporcionar proteção pessoal contra contatos indiretos. Figura 2 - Conceitos dos aterramentos de proteção Para que

Figura 2 - Conceitos dos aterramentos de proteção

Para que se possa entender os princípios fundamentais do aterramento de proteção devemos definir os três conceitos básicos, que podem ser visuali- zados através da Figura 2: parte viva, massa e elemento condutor estranho à instalação.

Parte viva - é a parte condutora de um componente ou de uma instalação que apresenta diferença de potencial em relação a terra.

Massa - é a parte condutora de um componente ou de uma instalação que pode ser tocada facilmente e que normalmente não é viva, mas que pode tornar-se viva em condições de faltas e defeitos. Como exemplo de massa, podemos citar as carcaças e invólucros metálicos de equi- pamentos, os condutos metálicos etc. (Figura 4).

massa, podemos citar as carcaças e invólucros metálicos de equi- pamentos, os condutos metálic os etc.

3

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Elemento condutor estranho - é um elemento
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Elemento condutor estranho - é um elemento

Elemento condutor estranho - é um elemento condutor que não faz parte da instalação, mas nela pode introduzir um poten- cial, geralmente o da terra.

Os elementos metálicos usados na construção de prédios, das canali- zações metálicas de gás, água, aquecimento, ar condicionado etc., dos equi- pamentos não elétricos a elas ligados, bem como dos solos e paredes não iso- lantes etc. são exemplos de elementos condutores estranhos à instalação. Utilizando os conceitos apresentados anteriormente podemos definir de forma mais precisa o aterramento de proteção, como sendo o aterramento de todas as massas e elementos condutores estranhos com o objetivo de evitar choques elétricos. O choque elétrico é o efeito patofisiológico que resulta da passagem da corrente elétrica, a chamada corrente de choque, através do corpo de pessoas ou animais. Os choques elétricos numa instalação podem ocorrer a partir de dois tipos de contatos:

- contatos diretos : são os contatos de pessoas ou animais com partes vivas sob tensão;

- contatos indiretos : são os contatos de pessoas ou animais com massas que ficaram sob tensão devido a uma falha de isola- mento;

de pessoas ou animais com massas que ficaram sob tensão devido a uma falha de isola-

Figura 3 - Contato direto

de pessoas ou animais com massas que ficaram sob tensão devido a uma falha de isola-

4

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Os contatos diretos, que a cada ano
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Os contatos diretos, que a cada ano

Os contatos diretos, que a cada ano são responsáveis por milhares de acidentes graves (muitos até fatais) são originados, via de regra, par falha de isolamento, por ruptura ou remoção indevida de partes isolantes ou por atitude imprudente de uma pessoa com uma parte viva. Como mostrado na Figura 3, terminais de equipamentos não isolados, condutores e cabos com isolação da- nificada ou deteriorada, equipamentos de utilização velhos etc., são as "fontes" mais comuns de choques por contatos diretos. Os contatos indiretos, por sua vez, são particularmente perigosos, uma vez que o usuário que encosta a mão numa massa, por exemplo, na carcaça de um equipamento de utilização, não suspeitará de uma eventual energização acidental, provocada por uma falta ou por um defeito interno no equipamento.

por uma falta ou por um defeito interno no equipamento. Figura 4 - Contato indireto Entende-se

Figura 4 - Contato indireto

Entende-se por falta o contato ou arco acidental entre partes sob po- tenciais diferentes, e/ou de uma ou mais dessas partes para a terra, num sis- tema ou equipamento energizado. As faltas são sempre causadas par falha de isolamento entre as partes, podendo ser a impedância entre elas considerável ou desprezível, quando é

fa lha de isolamento entre as partes, podendo ser a impedância entre elas co nsiderável ou

5

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão desprezível estamos falamos em falta direta. Quando
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão desprezível estamos falamos em falta direta. Quando

desprezível estamos falamos em falta direta. Quando numa falta, uma das par- tes envolvidas é a terra, denomina-se falta para terra. A Figura 5 e a Figura 6 mostram exemplos de falta.

terra. A Figura 5 e a Figura 6 mostram exemplos de falta. Figura 5 - Falha

Figura 5 - Falha de isolamento

6 mostram exemplos de falta. Figura 5 - Falha de isolamento Figura 6 - Curto circuito

Figura 6 - Curto circuito

4. PROTEÇÃO CONTRA CHOQUES ELÉTRICOS

A exemplo de outras normais internacionais, a NB-3 (NBR5410) dá grande importância a proteção contra choques elétricos, o que é plenamente justificável, tendo em vista a quantidade de equipamentos elétricos hoje utiliza- dos em qualquer tipo de prédio, e instalação. Com efeito, se nas instalações elétricas de qualquer local não forem adotadas medidas apropriadas de segurança e proteção, serão muito grandes os riscos de ferimentos ou até mesmos de morte por eletrocussão. O perigo pode existir tanto para o eletricista que, pôr acidente, toca numa barra energi- zada de uma subestação ou de um quadro de distribuição, como para ao ope-

pôr acidente, toca numa barra energi- zada de uma subestação ou de um quadro de distribuição,

6

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão rário que se apoia na carcaça acidentalm
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão rário que se apoia na carcaça acidentalm

rário que se apoia na carcaça acidentalmente energizada de um motor elétrico ou, até mesmo, para uma dona de casa que encosta a mão na caixa metálica de uma lavadora de roupas ou de uma geladeira, posta sob tensão pôr uma falha de isolamento.

É de suma importância observar que o perigo para um indivíduo não

está simplesmente em tocar um elemento energizado, seja uma parte viva (contato direto), seja uma massa sob tensão (contato indireto), e sim, em tocar simultaneamente um outro elemento que se encontre num potencial diferente

em relação ao primeiro. Isto é, o perigo está na diferença de potencial bem de- finido, via de regra o da terra e, portanto, qualquer contato com outro elemento que esteja num potencial diferente pode ser perigoso. Os contatos diretos, em sua maior parte, são devidos a desconheci- mento, negligência ou imprudência das pessoas e, pôr isso, são mais raros. Os contatos indiretos, pôr sua vez, imprevisíveis, são mais freqüentes e represen- tam um período maior. A eles a norma confere, como não podia deixar de ser, maior importância. Os métodos prescritos pela NB-3 para a proteção contra cheques elé- tricos podem ser divididos em dais grupos: proteção passiva e proteção ativa. A proteção passiva consiste na limitação da corrente elétrica que pode atravessar

o corpo humano ou em impedir o acesso de pessoas a partes vivas. São medi- das que não prevêem a interrupção de circuitos com falta.

A proteção ativa consiste na utilização de métodos e dispositivos que

proporcionam o seccionamento automático de um circuito, sempre que vierem

a ocorrer faltas que possam trazer perigo para o operador ou usuário.

A NB-3 prevê, para a proteção contra choques elétricos, três grupos de

medidas, que são:

- medidas de proteção contra contatos diretos

- medidas de proteção contra contatos indiretos

- medidas de proteção contra contatos diretos e indiretos

A proteção contra contatos diretos, é garantida pela qualidade dos

componentes e da instalação e por determinadas disposições físicas dos com- ponentes, podendo ser utilizados para tal:

e da instalação e por dete rminadas disposições físicas dos com- ponentes, podendo ser utilizados para

7

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão - isolação das partes vivas - barreiras
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão - isolação das partes vivas - barreiras

- isolação das partes vivas

- barreiras ou invólucros

- obstáculos

- colocação fora de alcance

- dispositivos de seccionamento pela corrente diferencial- residual

A proteção contra contatos indiretos, prevista através de medidas que

podem ser divididas em dois grupos: as que não utilizam o condutor de prote-

ção e as medidas de proteção por seccionamento automático da alimentação, nas quais o condutor de proteção desempenha um papel de suma importância. Nas primeiras, a proteção é garantida basicamente pela qualidade da instala- ção, são elas:

- emprego de equipamento classe II ou aplicação de isolação suple- mentar,

- proteção em locais não-condutores,

- ligações equipotenciais locais não-aterradas,

- separação elétrica.

A proteção contra contatos diretos e contra contatos indiretos, tem co-

mo base o uso de extra-baixas tensões, podendo ser realizada pôr:

- extra-baixa tensão de segurança, ou por

- extra-baixa tensão funcional

A NB-3 recomenda que em todos os componentes da instalação sejam aplicadas medidas de proteção contra contatos diretos. No tocante à proteção contra contatos indiretos, a recomendação é no sentido de aplicar a toda a instalação as medidas relacionadas com o seccionamento automático da alimentação (medidas ativas), exceto as partes da instalação que sejam o- brigatoriamente objeto de uma das medidas passivas de proteção, como é o caso dos locais contendo banheira ou chuveiro. Tais medidas são também a- plicáveis, como veremos, quando for impraticável ou indesejável a proteção pôr seccionamento automático.

a- plicáveis, como veremos, quando for impr aticável ou indesejável a proteção pôr seccionamento automático. 8

8

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão 5. PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS DIRETOS A Tabela
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão 5. PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS DIRETOS A Tabela

5. PROTEÇÃO CONTRA CONTATOS DIRETOS

A Tabela 1 apresenta um resumo dos métodos de proteção contra con-

tatos diretos previstos pela NB-3. A proteção completa é necessária nos locais acessíveis a qualquer tipo de pessoa, principalmente pessoas comuns, crian- ças e incapacitados.

Tabela 1 - Medidas de proteção contra contatos diretos

PROTEÇÃO

CONTRA

TIPO

PASSIVA

ATIVA

Contatos

Diretos

Completa

Isolação das partes vivas Barreiras Invólucros

Obstáculos Colocação fora do alcance

-

-

-

Uso de dispositi- vo DR

Parcial

Complementar

A proteção completa contra contatos diretos é realizada pela isolação

ou recobrimento das partes ativas da instalação, como está mostrado na Figura

7. A isolação não só promove a proteção contra cheques elétricos, como tam- bém assegura o funcionamento adequado dos componentes.

tam- bém assegura o funcionam ento adequado dos componentes. Figura 7 - Proteção por recobrimento das

Figura 7 - Proteção por recobrimento das partes ativas

tam- bém assegura o funcionam ento adequado dos componentes. Figura 7 - Proteção por recobrimento das

9

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A isolação dos componentes elétrico s é
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A isolação dos componentes elétrico s é

A isolação dos componentes elétricos é composta pelos seguintes ti-

pos:

isolação básica, que é a isolação aplicada a partes vivas para asse- gurar o mínimo de proteção contra choques elétricos;

isolação suplementar, que é uma isolação adicional e independente da isolação básica, destinada a assegurar proteção contra choques elétricos no caso de falha da isolação básica;

isolação dupla, que é a isolação composta pela isolação básica e isolação suplementar;

isolação reforçada que é uma isolação única, mas não necessaria- mente homogênea, aplicada sobre partes vivas e que tem proprie- dades elétricas equivalentes às de uma isolação dupla.

As isolações podem, com o passar do tempo, devido a causas naturais (por exemplo, ação de umidade, temperaturas elevadas etc.) ou acidentais (como é o caso de choques mecânicos), ter suas propriedades prejudicadas. No limite, pode ocorrer uma falha da isolação. Na prática, a falha da isolação manifesta-se par um "caminho condutor", seja da superfície da isolação, seja

no interior do material isolante, seja por perfuração. Produz-se uma "fuga" de corrente que pode dar origem a uma corrente de falta.

O uso de uma isolação dupla num componente reduz as riscos, uma

vez que se uma das isolações falhar a outra permitirá manter a segurança do componente, que passa então a contar apenas com uma isolação. Poder-se-ia argumentar que, nessas condições, corre-se o risco de uma falha da isolação restante. No entanto, verifica-se que, geralmente, não ocorre a falha de uma das isolações sem que seja afetado o funcionamento normal do componente de que manifestações externas tornem evidente o problema, de modo que pos- sa ser remediados antes do surgimento de qualquer perigo. Portanto, a isola- ção dos componentes de uma instalação desempenham um papel fundamental na proteção contra choques elétricos, seja por contato direto, seja por contato indireto, pois é importante lembrar que as faltas elétricas são sempre causadas por "falhas de isolação ".

pois é importante lembrar que as faltas elétricas são sempre causadas por "falhas de isolação ".

10

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Os equipamentos elétricos (em parti cular os
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Os equipamentos elétricos (em parti cular os

Os equipamentos elétricos (em particular os aparelhos eletrodomésti- cos e eletroprofissionais) são classificados pela NBR 6151 quanta à proteção contra choques elétricos. Trata-se de classificação internacional aplicável aos equipamentos previstos para serem alimentados por forte externa sob tensões de até 400 V entre fases, ou até 250 V entre fase e neutro e destinados a uso público em residências, escritórios, oficinas, escolas, fazendas e locais análo- gos e para prática médica e odontológica. São consideradas cinco classes:

Classe O – é a classe dos equipamentos no qual a proteção contra choques elétricos é assegurada exclusivamente pela isolação básica, não sendo previstos meios para ligar as partes metálicas acessíveis, se existentes, ao condutor de proteção da instalação; em caso de falha da isolação básica, a proteção dependerá apenas do meio ambiente; coma exemplos, podemos citar os eletrodomésticos portáteis, como liqüidificadores, batedeiras, etc. ;

Classe OI - é a classe dos equipamentos que tem pelo menos isolação bá- sica em todas as suas partes vivas e são dotados de terminal para aterra- mento das partes metálicas acessíveis não destinadas a conduzir corrente (massas) e que podem tomar-se vivas em case de falha de isolação; entre- tanto, o cabo de alimentação não possui condutor de proteção, é o caso, por exemplo, de certas geladeiras e máquinas de lavar roupa de uso do- méstico; para tais equipamentos existe a possibilidade de uma proteção complementar que pode ser obtida pela ligação do terminal de aterramento a um terra adequado;

Classe I - é a classe dos equipamentos no qual a proteção contra choques elétricos não é assegurada unicamente pela isolação, mas inclui uma pre- caução de segurança adicional, constituída por um condutor de proteção in- dependente no cabo de alimentação, para a ligação das massas ao condu- tor de proteção da instalação; é o case dos aparelhos eletrodomésticos de maior porte de potência (lavadora de pratos, condicionador de ar, forno de

case dos aparelhos eletrodomésticos de maior porte de potência (lavadora de pr atos, condicionador de ar,

11

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão microondas etc.) e da maiori a dos
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão microondas etc.) e da maiori a dos

microondas etc.) e da maioria dos aparelhos eletroprofissionais (copiadora tipo xerox, equipamento odontológico etc.);

Classe II - é a classe dos equipamentos que tem isolação dupla ou isolação reforçada em todas as suas partes vivas, sem previsão para aterramento ou outras precauções que dependam das condições da instalação; podem ser de três tipos:

a) com carcaça isolante durável e substancialmente continua, que en- volve todas as panes metálicas (exceto pequenas partes coma pla- cas de identificação, parafusos, rebites etc.), que devem ser isoladas das partes vivas por isolação pelo menos equivalente à isolação re- forçada; como exemplo, podemos citar aspiradores de pó, certos chuveiros elétricos etc.;

b) com carcaça metálica substancialmente continua que tem isolação dupla em todas as suas partes, exceto naquelas em que é utilizada isolação reforçada par ser impraticável a aplicação de isolação dupla; d, par exemplo, o casa das ferramentas elétricas portáteis;

c) com carcaça mista, que combina as características dos tipos com carcaça isolante e com carcaça metálica, como em certas ferramen- tas portáteis.

Classe III - é a classe dos equipamentos que tem a proteção contra cho- ques elétricos assegurada pela alimentação em extrabaixa tensão, sendo que, durante o funcionamento, não podem ser induzidas tensões mais ele- vadas; é o caso, por exemplo, de equipamentos para uso subaquático (ilu- minação de piscinas, hidromassagem etc.).

Os invólucros dos equipamentos elétricos são classificados por graus de proteção, definidos pelas normas IEC e ABNT e indicados pelas letras “IP” seguidas de algarismos. O primeiro indica a proteção contra a penetração de corpos sólidos estranhos e contatos acidentais, enquanto o segundo algarismo indica a proteção contra a penetração de líquidos.

estranhos e contatos acidentais, enquanto o segundo algarismo indica a proteção contra a penetração de líquidos.

12

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A Tabela 2 especifica o primeiro algarismo
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A Tabela 2 especifica o primeiro algarismo

A Tabela 2 especifica o primeiro algarismo usado e a Tabela 3 o se-

gundo algarismo.

Tabela 2 - Proteção de pessoas contra o contato com partes móveis sob tensão ou em movimento e proteção contra penetração de corpos sólidos estranhos

Primeiro

Algarismo

Grau de Proteção

0

Nenhuma proteção de pessoas contra o contatos com partes sob

tensão ou em movimento. Nenhuma proteção do equipamento contra a penetração de corpos sólidos estranhos.

1

Proteção de pessoas contra contato acidental ou inadvertido de grande superfície do corpo humano; por exemplo, a mão, com

partes internas sob tensão ou em movimento. Não constitui, po- rém, proteção contra a penetração de grandes corpos sólidos estranhos.

2

Proteção de pessoas contra contato dos dedos com partes inter-

nas sob tensão ou em movimento. Proteção contra a penetração de grandes corpos sólidos estranhos de tamanho médio.

3

Proteção contra o contato de ferramentas, fios ou outros objetos, de dimensão mínima superior a 2,5 mm, com partes internas sob tensão ou em movimento. Proteção contra a penetração de gran- des corpos sólidos estranhos de tamanho pequeno.

4

Proteção contra o contato de ferramentas, fios ou outros objetos, de dimensão mínima superior a 1 mm, com partes internas sob tensão ou em movimento. Proteção contra a penetração de gran- des corpos sólidos estranhos de tamanho pequeno.

5

Proteção total contra o contato com partes internas sob tensão ou em movimento dentro do invólucro. Proteção contra depósitos

prejudiciais de pó. A penetração de pó não é evitada totalmente, mas o pó não pode entrar em quantidade que possa prejudicar o funcionamento satisfatório do equipamento.

6

Proteção total contra o contato com partes internas sob tensão ou em movimento dentro do invólucro. Proteção total contra pó.

contra o contato com partes internas sob tensão ou em movimento dentro do invólucr o. Proteção

13

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Tabela 3 - Proteção do equipamento contra
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Tabela 3 - Proteção do equipamento contra

Tabela 3 - Proteção do equipamento contra penetração de líquidos

Segundo

Algarismo

Grau de Proteção

0

Nenhuma proteção contra a penetração de líquidos.

1

Proteção contra gotas de líquidos condensados; as gotas não devem ter efeitos prejudiciais.

2

Proteção contra gotas de líquidos. A queda de gotas de líquido

não deve ter efeito prejudicial, com inclinação do invólucro não superior a 15 o em relação à vertical.

3

Proteção contra chuva. A queda de água em forma de chuva,

em ângulo superior a 60° em relação à vertical, não deve ter efeito prejudicial.

4

Proteção contra respingos. Respingos de líquidos, provenien- tes de qualquer direção não dever ter efeito prejudicial.

5

Proteção contra jatos de água, não dever ter efeito prejudicial a

água projetada por um bocal, proveniente de qualquer direção, sob as condições prescritas.

6

Proteção contra as condições de convés de navios (relativa- mente a equipamentos à prova de água para o convés). A água de vagalhões não deve penetrar nos invólucros, sob as condi- ções prescritas.

7

Proteção contra imersão em água. A água não deve penetrar no invólucro sob as condições prescritas de pressão e tempo.

8

Proteção contra imersão por tempo indefinido em água sob pressão prescrita. A água não deve penetrar no invólucro.

Da NBR 5473 tiramos as seguintes definições:

Barreira – é um elemento que assegura proteção contra contatos diretos nas

direções habituais de acesso.

Invólucro – é o elemento que assegura proteção de um componente contra de-

terminadas influências externas e proteção contra contatos diretos

em qualquer direção.

um componente contra de- terminadas influências externas e pr oteção contra contatos diretos em qualquer direção.

14

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Obstáculo – é o elemento que impede
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Obstáculo – é o elemento que impede

Obstáculo – é o elemento que impede um contato direto acidental, mas não impede um contato direto par ação deliberada. Recomenda a NB-3, como alternativas à isolação total, que as partes vivas estejam no interior de invólucros ou atrás de barreiras que confiram, pelo menos, o grau de proteção IP2X (proteção contra contato dos dedos com par- tes vivas; aberturas de diâmetro inferior a 12 mm). Admitem-se, no entanto, aberturas superiores às IP2X para o uso de certos componentes que, em prin- cipio, delas necessitem, tais como:

certos soquetes, quando a Iâmpada não estiver colocada;

certas tomadas de corrente;

certos dispositivos fusíveis, quando o fusível não estiver instalado. Nesses casos, devem ser tomadas medidas para impedir que pes- soas ou animais domésticos toquem nas partes vivas e para garan- tir que as pessoas tomem conhecimento de que as partes acessí- veis através da abertura são vivas e não devem ser tocadas inten- cionalmente.

Por outro lado, as superfícies superiores de barreiras ou invólucros ho- rizontais que sejam facilmente acessíveis devem atender, pelo menos, ao grau de proteção IP4X (proteção contra contato de ferramentas, fios ou outros obje- tos de dimensão mínima superior a 1 mm, com partes vivas). Isso aplica-se principalmente às partes de invólucros ou barreiras sabre as quais as pessoas possam circular. As barreiras e invólucros devem ser fixados de forma segura e ser de uma robustez e de uma durabilidade suficientes para manter as graus de pro- teção e a separação adequada das partes vivas nas condições normais de ser- viço, considerando-se as condições de influências externas importantes. A retirada das barreiras, a abertura dos invólucros ou a retirada de par- tes de invólucros só deve ser possível:

com o use de chave ou ferramenta; ou

após a desenergização das partes vivas protegidas, não podendo ser re- ligada a tensão enquanto as condições não forem restabelecidas; ou

partes vi vas protegidas, não podendo ser re- ligada a tensão enquanto as condiç ões não

15

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão • que exista uma segunda barreira (ou
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão • que exista uma segunda barreira (ou

que exista uma segunda barreira (ou isolação) interposta que possa ser retirada sem auxilio de chave ou ferramenta e que impeça qualquer con- tato com as partes vivas.

A proteção parcial contra contatos diretos só é admitida em locais a-

cessíveis apenas a pessoas advertidas ou qualificadas e, mesmo assim, se os locais sejam adequadamente sinalizados, sejam observadas as distâncias mí- nimas nas passagens de serviço ( ver tabela ) as tensões nominais dos circui- tos existentes não sejam superiores a 600 V entre fase e terra ou a 1.000 V entre fases, para corrente alternada, ou a 900 V entre polo e terra ou 1.500 V entre polos, para corrente continua.

Essa proteção pode ser realizada par meio de obstáculos e por coloca- ção fora de alcance. Os obstáculos, tais coma telas de arame, corrimões e pai- néis, devem impedir uma aproximação física não intencional das partes vivas bem coma contatos não intencionais com partes vivas quando da operação de equipamentos sob tensão. Podem ser desmontáveis sem a ajuda de ferramen- ta ou chave, devendo, no entanto, ser fixados de forma a impedir qualquer re- moção involuntária.

A interposição de obstáculos deve impedir, em uso normal, todo o con-

tato acidental com as partes ativas da instalação. A vedação das celas de pos-

tos de transformação por portas de chapa ou rede com uma altura total de, pelo menos, 1,60 m acima do pavimento poderia exemplificar a aplicação desta me- dida como mostrado na Figura 8.

a aplicação desta me- dida como mostrado na Figura 8. Figura 8 - Proteção por interposição

Figura 8 - Proteção por interposição de obstáculos

a aplicação desta me- dida como mostrado na Figura 8. Figura 8 - Proteção por interposição

16

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A proteção contra contatos direto s pelo
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A proteção contra contatos direto s pelo

A proteção contra contatos diretos pelo afastamento das partes ativas

consiste em colocá-las a uma distância tal que seja impossível, direta ou indire-

tamente, um contato acidental a partir dos locais onde as pessoas se encon- trem ou circulem habitualmente, devendo ter-se em conta a forma e as dimen- sões dos objetos condutores que possam ser manipulados na proximidade. A elevada altura a que se encontram as linhas elétricas utilizadas no transporte de energia elétrica exemplifica uma aplicação desta medida (Figura 9).

exemplifica uma aplicação desta medida (Figura 9). Figura 9 - Proteção por afast amento das partes

Figura 9 - Proteção por afastamento das partes vivas

A norma define uma zona de alcance normal dentro da qual não devem

encontrar-se partes simultaneamente acessíveis, isto é, que estejam distancia-

das de até 2,50 m, sob potenciais diferentes. Quando a superfície sobre a qual pessoas se postem ou circulem habi- tualmente for limitada por um obstáculo com grau de proteção inferior a IP2X,

as distâncias que limitam a zona de alcance normal devem ser determinadas a partir desse obstáculo. No sentido vertical a zona de alcance normal é limitada a 2,50 m a partir da superfície S, sem levar em conta obstáculos intermediários que possuam grau de proteção inferior a IP2X.

A proteção adicional não dispensa de forma alguma o emprego de me-

didas de proteção completa ou parcial, conforme o caso. Seu objetivo é asse- gurar uma proteção contra contatos diretos no caso de falha das medidas apli- cadas ou de imprudência dos usuários. Podem ser utilizados dispositivos dife-

no caso de falha das medidas apli- cadas ou de imprudência dos usuários. Podem ser utilizados

17

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão renciais-residuais (DR) com corrente di ferencial-residual nominal
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão renciais-residuais (DR) com corrente di ferencial-residual nominal

renciais-residuais (DR) com corrente diferencial-residual nominal de atuação igual ou inferior a 30 mA. A norma admite que sejam omitidas as medidas de proteção contra contatos diretos nos locais acessíveis somente a pessoas qualificadas se forem simultaneamente atendidas as seguintes condições:

os locais sejam sinalizados de forma clara e visível;

não seja possível penetrar nos locais, a não ser com o auxilio ou a libe- ração de algum dispositivo especial;

as portas permitam fácil saída das pessoas (abertura por dentro sem o uso de chaves;

as passagens livres obedeçam às distâncias mínimas indicadas para baixa tensão na Tabela 4.

Tabela 4 - Distâncias mínimas nas passagens de serviço

 

Distância mínima (m)

DESCRIÇÃO

Proteção

Proteção

completa

inexistente

Entre obstáculos

0,7

-

Entre punhos, alavancas, volantes, etc.

0,7

-

Entre obstáculos e paredes

0,7

-

Entre punhos, alavancas, volantes e paredes

0,7

-

Altura de passagem sob tela ou painel

2,0

-

Entre paredes e partes vivas

 

- 1,0

Entre partes vivas de cada lado em passagem destinada à manutenção

 

- 1,0

Passagem livre à punhos, alavancas, volantes, etc.

 

- 0,7

Para as execução de manutenção em instalações de ultra, extra e alta tensão, é obrigatório o atendimento ao afastamento mínimo a ser mantido no ar entre a parte energizada e o homem, manipulando ferramentas ou instrumen-

ao afastamento mínimo a ser mantido no ar entre a parte energizada e o homem, manipulando

18

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão tos sem riscos de descarga elétrica. Es
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão tos sem riscos de descarga elétrica. Es

tos sem riscos de descarga elétrica. Este afastamento é denominado de dis- tância de segurança. A distância de segurança para uma dada atividade de manutenção é obtida matematicamente pela seguinte equação:

Ds = d1+ d2

[1]

onde a distância d 1 é denominada valor básico que representa a distância mí- nima entre ponto energizado e o executante para que não ocorra descarga e d 2 denominada valor variável é o acréscimo ao valor básico que é dado de acordo com uma determinada movimentação de pessoal e manipulação de instrumen- tos e equipamentos para a atividade a ser executada. Definida a distancia de segurança pode-se então definir espaço de segurança, que é o espaço dese- nergizado nas instalações que permite a execução em seu interior de quais quer trabalhos sem riscos de descargas. Pelas imprecisões e pelas dificuldades de se determinar este valor va- riável é usualmente adotado um fator de segurança de 50%). A Tabela 5 apre- senta os valores básicos que devem ser adotados em função do nível de ten- são ( de acordo com a fonte Occupational Safety and Health –1981 ) e a Figura 10 ilustra a obtenção de uma distância de segurança.

Tabela 5 - Valores básicos das distâncias de segurança

Níveis de Tensão

 

fase-fase (kV)

Valor básico (m)

2,1 à 15

0,70

15,1 à 35

0,75

35,1 à 46

0,80

46,1 à 72,5

0,95

72,6 à 121,0

1,05

138,0 à 145

1,10

161,0 à 169,0

1,15

230,0 à 242,0

1,55

345,0 à 362,0

2,15

500,0 à 552,0

3,40

700,0 à 765,0

4,60

1,15 230,0 à 242,0 1,55 345,0 à 362,0 2,15 500,0 à 552,0 3,40 700,0 à 765,0

19

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 10 - Distância de segurança numa
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 10 - Distância de segurança numa
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 10 - Distância de segurança numa

Figura 10 - Distância de segurança numa subestação

Para a definição das distâncias variáveis na execução de um determi- nada manutenção, a Figura 11 apresenta os valores variáveis envolvendo os trabalhos envolvendo pessoas humanas.

envolvendo os trabalhos envolvendo pessoas humanas. Figura 11 - Valor mínimo variável envolvendo pessoas

Figura 11 - Valor mínimo variável envolvendo pessoas humanas

envolvendo os trabalhos envolvendo pessoas humanas. Figura 11 - Valor mínimo variável envolvendo pessoas humanas 20

20

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão 6. SISTEMA DE ATERRAMENTO Definimos sistema de
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão 6. SISTEMA DE ATERRAMENTO Definimos sistema de

6. SISTEMA DE ATERRAMENTO

Definimos sistema de aterramento como um conjunto de condutores, cabos e hastes que interligados dissipam para a terra todas as correntes im- postas a este sistema. As correntes impostas ao sistema de aterramento podem ser geradas

por:

curto circuito envolvendo a terra,

descargas atmosféricas diretas,

desequilíbrios na rede elétrica,

cargas elétricas estáticas.

A concepção dos sistemas de aterramento está baseado no seguinte

princípio : “Todas as massas e elementos condutores estranhos `a instalação devem estar no mesmo potencial” isto é na equipotencialidade das massas e condutores estranhos à instalação. Aplicando–se este princípio, nas instala- ções elétricas de média e baixa tensão devem ser conectados ao terminal de aterramento principal todos os condutores de proteção, tubulação de gás, terra da antena, instalação telefônica, terra dos equipamentos eletrônicos ( CPD’s, estações de telecomunicações), aterramentos de painéis, estrutura dos pré- dios, o aterramento do sistema de proteção contra descarga atmosférica, ater- ramentos de racks e esquadrias metálicas. Os componentes constituintes dos sistemas de aterramento são:

eletrodos de aterramento,

terminal de aterramento principal,

condutor de aterramento,

condutor de equipotencialidade principal,

condutor de proteção principal,

condutor de equipotencialidade suplementar,

condutor de proteção e terminal de aterramento auxiliar.

A Figura 12 apresenta graficamente os principais componentes dos sis-

temas de aterramento.

de aterramento auxiliar. A Figura 12 apresenta graficamente os principais componentes dos sis- temas de aterramento.

21

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 12 - Componentes de um sistema
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 12 - Componentes de um sistema
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 12 - Componentes de um sistema

Figura 12 - Componentes de um sistema de aterramento

Os eletrodos de aterramento são as condutores colocados em contato com o solo, garantem a ligação elétrica com ele. O termo "eletrodo" refere-se sempre ao condutor ou ao conjunto de condutores em contato com a terra e, portanto, abrange desde uma simples haste isolada até uma complexa "malha" de aterramento , constituída pela associação de hastes com cabos Figura 13). A Figura 14, a Figura 15 e a Figura 16 apresentam outros tipos de eletrodos como hastes, barras, perfis, fitas, cabos nus, etc.

como hastes, barras, perfis, fitas, cabos nus, etc. Figura 13 - Malha de terra Figura 14

Figura 13 - Malha de terra

barras, perfis, fitas, cabos nus, etc. Figura 13 - Malha de terra Figura 14 - Eletrodo

Figura 14 - Eletrodo de aterramento tipo haste

barras, perfis, fitas, cabos nus, etc. Figura 13 - Malha de terra Figura 14 - Eletrodo

22

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 15 - Eletrodo de aterramento tipo
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 15 - Eletrodo de aterramento tipo
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 15 - Eletrodo de aterramento tipo

Figura 15 - Eletrodo de aterramento tipo chapa

Baixa Tensão Figura 15 - Eletrodo de aterramento tipo chapa Figura 16 - Eletrodo de aterramento

Figura 16 - Eletrodo de aterramento tipo anel

O terminal de aterramento principal é o principal nó elétrico do sistema de aterramento, ele interliga condutores de proteção principais, condutores de equipotencialidade principais, massas e elementos condutores estranhos com os eletrodos através do condutor de aterramento. O terminal de aterramento principal, usualmente consiste de uma barra de cobre ou aço zincado com um conjunto de terminais de aterramento como está apresentado na Figura 17. A Figura 18 apresenta as principais interligações realizadas através do terminal de aterramento principal.

realizadas através do terminal de aterramento principal. Figura 17 - Terminal de aterramento principal 23

Figura 17 - Terminal de aterramento principal

realizadas através do terminal de aterramento principal. Figura 17 - Terminal de aterramento principal 23

23

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 18 - Principais interligações ao terminal
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 18 - Principais interligações ao terminal
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 18 - Principais interligações ao terminal

Figura 18 - Principais interligações ao terminal de aterramento principal

Os condutores de equipotencialidade são os condutores com os quais

são feitas as ligações equipotenciais entre as massas e elementos condutores estranhos. São classificados em:

condutores de equipotencialidade principais

condutores de equipotencialidade suplementar

O(s) condutor(es) de equipotencialidade principal(is) liga(m) ou interli-

ga(m) as canalizações metálicas não elétricas (coletivas) de abastecimento do prédio (água, gás, ar condicionado, etc.) e os elementos metálicos acessíveis da construção ao terminal de aterramento principal. Os condutores de equipo- tencialidade suplementar interligam massas e/ou elementos condutores estra- nhos à instalação aos condutores de proteção.

O condutor de proteção principal é o condutor que liga ao terminal de

aterramento principal diretamente ou através de terminais de aterramento, os condutores de proteção das massas, o condutor de aterramento e, eventual- mente, condutores de equipotencialidade (Figura 12).

Os condutores de proteção das massas são os condutores que acom-

panham os circuitos terminais promovendo o aterramento das massas dos e- quipamentos de utilização alimentados (Figura 12). Em instalações de maior porte terminais de aterramento em quadros e cubículos permitem a interligação das massas e condutores estranhos a insta- lação nas proximidades. A Figura 19 apresenta as ligações envolvendo termi-

e condutores estranhos a insta- lação nas proximidades. A Figura 19 apr esenta as ligações envolvendo

24

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão nais de aterramento, massas e condutores estranhos
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão nais de aterramento, massas e condutores estranhos

nais de aterramento, massas e condutores estranhos à instalação nas vizi- nhanças.

e condutores estranhos à instalação nas vizi- nhanças. Figura 19 -- Ligações dos terminais de aterramento

Figura 19 -- Ligações dos terminais de aterramento

O componente da natureza em um sistema de aterramento é o solo, ele é o condutor através do qual a corrente pode fluir, difundindo-se. A capaci- dade de condução de corrente do solo está associada a sua resistividade que é medida em ohms.metro (.m). Vários fatores afetam a resistividade do solo, entre eles destacamos o tipo de solo, temperatura, umidade e estratificação. Os solos que apresentam resistividade mais baixa são os que contém resíduos vegetais, os pantanosos e os situados nas margens de rios e nos fun- dos de vales. Os de maior resistividade são os arenosos, os rochosos e os si- tuados em locais altos desprovidos de vegetação. A Tabela 6 apresenta valores típicos de resistividade do solo e as figu- ras 1 e 2 apresentam gráficos das variações típicas do solo com a temperatura e umidade.

do solo e as figu- ras 1 e 2 apresentam gráficos das vari ações típicas do

25

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Tabela 6 - Variação da resistividade com
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Tabela 6 - Variação da resistividade com

Tabela 6 - Variação da resistividade com tipo de solo

TIPO DE SOLO

RESISTIVIDADE - ρ (.m)

Lodo

20

à 100

Humus

10

à 150

Solos alagadiços/pantanosos

 

5 à 30

Argila plástica

 

50

Margas e argila compactas

100

à 200

Areia argilosa

50

à 500

Areia silicosa

200

à 3000

Solo pedregoso nu

1500

à 3000

Solo pedregoso com relva

300

à 500

Calcário moles

100

à 400

Calcário fissurado

500

à 1000

Calcário compacto

1000

à 5000

Xisto

50

à 300

Granito/Arenito

100 à 10000

Xisto 50 à 300 Granito/Arenito 100 à 10000 Figura 20 - Variação da resistividade do solo

Figura 20 - Variação da resistividade do solo com a umidade

20 - Variação da resistividade do solo com a umidade Figura 21 - Variação da resistividade

Figura 21 - Variação da resistividade do solo com a temperatura

- Variação da resistividade do solo com a umidade Figura 21 - Variação da resistividade do

26

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Todo sistema de aterramento depende da sua
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Todo sistema de aterramento depende da sua

Todo sistema de aterramento depende da sua integração com o solo e da sua resistividade aparente. Se o sistema já esta fisicamente definido e insta- lado, a única maneira de diminuir sua resistência elétrica é alterar as caracte- rísticas do solo, usando um tratamento químico. O tratamento químico deve ser empregado somente quando existe o aterramento no solo, com uma resistência fora da desejada, e não se pode alterá-lo ou quando não existe outra alternati- va possível, dentro das condições do sistema, por impossibilidade de trocar o local, cujo terreno que tem resistividade elevada. Os produtos usados para tratamento químico do solo são a bentonita, earthron e o gel. Todos estes produtos buscam a diminuição da resistividade do solo, possuem boa higroscopia, não são corrosivos, possuem baixa resisti- vidade elétrica, não são tóxicos. A aplicação destes tratamentos, consiste usu- almente na remoção do solo, aplicação do tratamento químico em mistura com parte do solo removido, reposição ao solo próximo ao eletrodo e aplicação de água. A Figura 22 apresenta o tratamento químico do solo tipo trincheira.

22 apresenta o tratamento químico do solo tipo trincheira. Figura 22 - Tratamento químico do solo

Figura 22 - Tratamento químico do solo

O menos adotado atualmente é a bentonita, que é um material argiloso, devido ao fato de seu efeito ser de menor duração que os demais. O earthron é uma mistura envolvendo um material líquido de lignosulfato (principal compo- nente da polpa de madeira) com um agente geleificador e sais inorgânicos e o

quido de lignosulfato (principal compo- nente da polpa de madeira) com um agente geleificador e sais

27

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão gel é uma mistura de diversos sais,
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão gel é uma mistura de diversos sais,

gel é uma mistura de diversos sais, que misturado a água possibilita a redução da resistividade do solo. Um outro fato importante em relação a resistividade dos solos, é que eles na sua grande maioria, não são homogêneos, mas formados por diversas camadas de resistividade e profundidade diferentes. Essas camadas, devido à formação geológica, são em geral horizontais e paralelas à superfície do solo. Contudo, existem alguns casos, em que as camadas se apresentam inclinadas e até verticais, devido a alguma falha geológica. Neste texto trataremos apenas dos casos relacionados a grande maioria dos solos, isto é aqueles que possu- em camadas horizontais com resistividade e profundidade diferentes. Como resultado da variação da resistividade nas diferentes camadas do solo, tem-se a variação da dispersão da corrente, como podemos visualizar na figura onde estão representadas a dispersão das correntes num solo hete- rogêneo de duas camadas. Na figura as linhas cheias representam o caminho das correntes no solo e as linhas pontilhadas as superfícies equipotenciais pro- duzidas por essas correntes.

equipotenciais pro- duzidas por essas correntes. Figura 23 – Efeitos da estratificação do solo na

Figura 23 – Efeitos da estratificação do solo na dispersão da corrente

pro- duzidas por essas correntes. Figura 23 – Efeitos da estratificação do solo na dispersão da

28

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão 7. TIPOS DE ESQUEMAS DE ATERRAMENTO A
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão 7. TIPOS DE ESQUEMAS DE ATERRAMENTO A

7. TIPOS DE ESQUEMAS DE ATERRAMENTO

A NBR 5410 classifica os esquemas de aterramento ( considerando o

aterramento funcional e o de proteção) de acordo com a seguinte notação, que utiliza 2,3 ou 4 letras:

Primeira letra : indica a situação da alimentação em relação a terra:

T – um ponto diretamente aterrado

I – isolação de todas as partes vivas ou aterramento através de uma impedância

Segunda letra : indica a situação das massas em relação a terra:

T – massas diretamente aterradas, independente do aterramento

eventual de um ponto da alimentação N – massas ligadas diretamente ao ponto de alimentação ater- rado (em corrente alternada o ponto aterrado é normalmente o ponto de neutro) Outras letras (eventuais) : indica a disposição do condutor neutro e do condutor de proteção:

S – funções de neutro e de proteção assegurados por conduto-

res distintos C – funções de neutro e de proteção combinados em um único condutor.

O esquema de aterramento mais adotado é o TN nas diferentes combi-

nações ( TN-C, TN-S e TN-S-C ) embora exista algumas concessionárias ainda adotando o TT. No esquema TT, alimentação tem seu neutro aterrado e as massas li- gadas a um ou mais eletrodos de aterramento independente do eletrodo de aterramento da alimentação. A Figura 24 mostra o esquema de aterramento TT.

mento independente do eletrodo de aterramento da alimentação. A Figura 24 mostra o esquema de aterramento

29

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 24 - Esquema de aterramento TT
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 24 - Esquema de aterramento TT
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 24 - Esquema de aterramento TT

Figura 24 - Esquema de aterramento TT

O esquema TT foi concebido de forma que o percurso de uma corrente

proveniente de uma falta fase-massa, ocorrida num componente ou num equi- pamento de utilização da instalação, inclua a terra e que a elevada impedância (resistência) desse percurso limite o valor daquela corrente. As correntes de

falta direta fase-massa serão de intensidade inferior à de uma corrente de cur- to-circuito fase-neutro, podendo, no entanto, trazer perigo para as pessoas que toquem numa massa acidentalmente energizada. Segundo a NBR 5410, no esquema TT todas as massas protegidas por um mesmo dispositivo de proteção devem ser interligadas e ligadas por um condutor de proteção a um mesmo eletrodo de aterramento. No sistema TT, contrariamente aos sistemas TN, as massas não estão sujeitas às sobretensões devido às quedas de tensão no neutro, tanto para a corrente normal, quanto para a corrente de falta entre fase e neutro.

O esquema TN consiste de um ponto da alimentação (via de regra, o

secundário do transformador com seu ponto neutro) diretamente aterrado, sen- do as massas da instalação ligadas a esse ponto através de condutores de pro- teção. O esquema poder ser do tipo TN-S, quando as funções de neutro e de proteção ( PE protection earth ) forem asseguradas por condutores distintos, ou TN-C quando essas funções forem asseguradas pelo mesmo condutor (PEN). Pode-se ter ainda um esquema misto TN-C-S, que combina condutores de pro- teção e neutro separados em alguns trechos e combinados em outros trechos.

TN-C-S, que comb ina condutores de pro- teção e neutro separados em alguns trechos e combinados

30

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão O esquema TN é concebido de modo
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão O esquema TN é concebido de modo

O esquema TN é concebido de modo que o percurso de uma corrente

de falta fase-massa seja constituído exclusivamente por elementos condutores e, portanto, possua baixíssima impedância. Observe-se que uma corrente de falta direta fase-massa será uma corrente de curto-circuito fase-neutro. Tam-

bém nesse caso, o contato de uma pessoa com um condutor de fase pode pro- vocar o fechamento do circuito pela terra.

O esquema TN-S é aquele no qual o condutor neutro e o condutor de

proteção são distintos, usualmente conhecido como sistema a cinco conduto- res. Neste caso, o condutor de proteção é conectado à malha de terra na ori- gem do sistema, isto é, na baixa tensão do transformador, ele interliga todas as massas e condutores estranhos à instalação, que são compostos principalmen- te pela carcaça dos motores, dos transformadores, por quadros metálicos, tu- bulações metálicas, suporte de isoladores etc. O condutor de proteção é res- ponsável pela condução das correntes de defeito entre fase e massa e está representado esquematicamente pela Figura 25. Todas as massas de uma ins- talação devem ser ligadas ao condutor de proteção, no entanto, a norma dis- pensa o uso do condutor de proteção nos circuitos de iluminação em unidades residenciais. As massas solidárias ao condutor de proteção PE podem sofrer sobretensões, devido à elevação de potencial no ponto de ligação com o neutro do sistema.

à elevação de potencial no ponto de ligação com o neutro do sistema. Figura 25 -

Figura 25 - Esquema de aterramento TN-S

à elevação de potencial no ponto de ligação com o neutro do sistema. Figura 25 -

31

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A Figura 26 mostra o diagrama trif
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão A Figura 26 mostra o diagrama trif

A Figura 26 mostra o diagrama trifilar de um sistema TN-S, onde as le-

tras A-B-C correspondem às barras das fases A, B e C. As barras de neutro (N) e de terra (PE - condutor de proteção) estão separadas. O condutor neutro está isolado, portanto a queda de tensão do neutro devido à corrente de desequilí-

brio do sistema não será transferida para a carcaça dos painéis e do motor. A barra de terra (PE) está ligada á carcaça ou, simplesmente, às massas (carca- ça dos quadros de comando, carcaça do motor etc.).

ça dos quadros de comando, carcaça do motor etc.). Figura 26 - Trifilar do esquema de

Figura 26 - Trifilar do esquema de aterramento TN-S

O esquema TN-C é aquele no qual as funções de neutro e de proteção

são combinadas em um único condutor ao longo de todo o sistema. É comu- mente conhecido como sistema a quatro condutores. Neste caso, o condutor neutro, conectado à malha de terra na origem do sistema, que é a subestação,

interliga todas as massas da instalação. O neutro, além de conduzir a corrente de desequilíbrio do sistema, é responsável também pela condução da corrente de defeito.

O sistema TN-C é um dos mais utilizados em instalações de pequeno e

médio porte, devido, principalmente, à redução de custo com a supressão do quinto condutor. A Figura 27 mostra o esquema de aterramento TN-C. É importante observar que, no caso do rompimento do condutor neutro (PEN) no sistema TN-C, as massas dos equipamentos ficam energizadas no potencial de fase, conforme se pode observar na Figura 28. Este pode causar acidentes fatais, como vem ocorrendo numa prática de se aterrar o fio de terra do chuveiro elétrico no neutro da alimentação.

como vem ocorrendo numa prática de se aterrar o fio de terra do chuveiro elétrico no

32

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 27 - Esquema de aterramento TN-C
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 27 - Esquema de aterramento TN-C
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 27 - Esquema de aterramento TN-C

Figura 27 - Esquema de aterramento TN-C

e Baixa Tensão Figura 27 - Esquema de aterramento TN-C Figura 28 - Rompimento do condutor

Figura 28 - Rompimento do condutor neutro no esquema TN-C

Devido aos riscos inerentes ao sistema TN-C, somente é permitido o uso deste esquema nas instalações cujos condutores tenham seções iguais ou superiores a 10 mm 2 , em cobre. Este fato se deve à robustez mecânica que naturalmente apresentam os condutores de maior seção. A Figura 29 mostra um esquema trifilar do sistema TN-C. Deve-se ob- servar que a barra do condutor neutro está conectado à carcaça dos painéis de comando. Se no neutro circular uma corrente de desequilíbrio de carga, será potencializado ( V = Z . I ), ocasionando tensões de toque nas pessoas e/ou animais que entrarem em contato com as estruturas metálicas a ele conecta- das.

tensões de toque nas pessoas e/ou animais que entrarem em contato com as estruturas metálicas a

33

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 29 - Trifilar do esquema de
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 29 - Trifilar do esquema de
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 29 - Trifilar do esquema de

Figura 29 - Trifilar do esquema de aterramento TN-C

No esquema de aterramento TN-S-C as funções de neutro e de prote- ção são combinadas num único condutor em uma parte do sistema, conforme ilustrado na Figura 30.

em uma parte do sistema, conforme ilustrado na Figura 30. Figura 30 - Esquema de aterramento

Figura 30 - Esquema de aterramento TN-C-S

No esquema IT, não existe nenhum ponto da alimentação diretamente aterrado; a alimentação está totalmente isolada da terra ou mesmo aterrada através de uma impedância de valor elevado. As massas estão ligadas à terra por meio de eletrodo ou eletrodos de aterramento próprios (Figura 31).

elev ado. As massas estão ligadas à terra por meio de eletrodo ou eletrodos de aterramento

34

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 31 - Esquema de aterramento IT
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 31 - Esquema de aterramento IT
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão Figura 31 - Esquema de aterramento IT

Figura 31 - Esquema de aterramento IT

Nesse esquema, a corrente resultante de uma única falta fase-massa

não possuirá, via de regra, intensidade suficiente para trazer perigo para as pessoas que toquem na massa energizada, devido às capacitâncias da linha em relação à terra (principalmente no caso de linhas longas) e à eventual im- pedância existente entre a alimentação e a terra.

O esquema TT é, em alguns países do mundo, o esquema padrão das

instalações alimentadas par rede pública aérea de baixa tensão: os condutores neutro e de proteção são separados na instalação do consumidor e a conces- sionária não fornece nenhum terminal de aterramento; o terminal de aterramen- to principal do consumidor é ligado a um eletrodo de aterramento. O esquema TN-S é muito usado em instalações alimentadas por redes públicas subterrâneas: o terminal de aterramento principal do consumidor é ligado pela concessionária a seu condutor de proteção. Os esquemas TN-S e TN-C-S são os mais utilizados em instalações de consumidores alimentados em alta tensão, isto é, que possuem transformador próprio.

O esquema IT, par sua vez, é utilizado exclusivamente em instalações

de consumidores que possuem transformador próprio, principalmente na ali- mentação de setores específicos de certos tipos de indústria. No Brasil, as concessionárias de energia elétrica exigem que, no caso de instalações alimentadas par rede de distribuição pública em baixa tensão,

a elétrica exigem que, no caso de instalações alimentadas par rede de di stribuição pública em

35

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão

Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão no condutor neutro de cada ramal de
Capítulo 2 - Aterramento de Média e Baixa Tensão no condutor neutro de cada ramal de

no condutor neutro de cada ramal de ligação seja aterrado na origem da res- pectiva instalação consumidora. Trata-se de uma medida destinada a garantir o aterramento mínima adequado da condutor neutro das redes multiaterradas (redes cujo neutro é aterrado em vários pontos de sua extensão). As medidas de proteção pôr seccionamento da alimentação indepen- dem da qualidade da instalação. De acordo com elas, um dispositivo de prote- ção deve promover o seccionamento de um circuito quando da ocorrência de uma falta para terra, impedindo a permanência de uma situação que possa re- sultar em perigo para as pessoas. Sua aplicação exige a coordenação entre o esquema de aterramento e as características dos dispositivos de proteção, sendo considerados os seguintes esquemas:

esquema TN

esquema TT

esquema IT

dispositivos de proteção, sendo considerados os seguintes esquemas: • esquema TN • esquema TT • esquema

36