Você está na página 1de 26

SOLDAS

MANUAL GERAL
MEDIDAS DE SEGURANÇA
ATENÇÃO Nunca inicie uma soldagem sem obedecer aos seguintes procedimentos:

1) PRECAUÇÕES ELÉTRICAS
Os equipamento devem ser instalado por profissional qualificado.
Desligue a alimentação geral no quadro de energia (painel de fusíveis/dijuntores), antes de
trabalhar no equipamento.
Ao manipular qualquer equipamento elétrico deve-se tomar um cuidado especial para não tocar em
partes “VIVAS”, isto é, que está sobtensão. Calce sapatos de sola de borracha e, mesmo assim,
nunca pise em chão molhado quando estiver soldando. Verifique se a tocha está completamente
isolada e se os cabos de solda estão em perfeitas condições, sem partes gastas, queimadas ou
desfiadas. Nunca abra o gabinete sem antes desligar completamente a unidade de rede de
alimentação elétrica.Para maior proteção do soldador a maquina deve ser sempre “aterrada”
através do fio terra que está junto com o cabo de alimentação.

2) CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS PODEM SER PERIGOSOS.


Corrente elétrica fluindo em um condutor cria Campos Elétricos
e Magnéticos e as correntes de soldagem também criam esse Campos.
Esses Campos e o arco de solda pode ser perigoso, proteja os outros e a si mesmo de ferimentos
graves ou morte. Mantenha crianças e animais afastados, portadores de marca passo devem
consultar o médico antes de operar o equipamento.
Nunca enrole os cabos ao redor do corpo, e não fique entre o cabo e a obra mantenha o cabo de
solda sempre ao mesmo lado em relação ao corpo, conecte o cabo obra à obra o mais próximo possível da area a ser
soldada não trabalhe próximo a fonte de energia.
3) PROTEÇÃO DOS OLHOS E PROTEÇÃO DO CORPO
Use sempre um capacete de solda com lentes apropriadas acordo com a norma ANSI Z87.1/2003
para proteger os olhos e o rosto de da radiação U.V e infravermelha (Alta temperatura).Nunca abra
o arco na presença de pessoas desprovidas de proteção. A exposição dos olhos à luminosidade do
arco provoca sérios danos. Durante a soldagem use sempre luvas
grossas e roupa protetora contra respingos de solda e radiação do arco.
4) PRECAUÇÃO CONTRA FOGO E EXPLOSÃO
Os respingos de solda podem causar incendios em contato com alguns materiais.
Papéis, palha, madeira, tecidos, estopa, solventes e qualquer outro material combustível deve ser
removido da área de solda. Ao soldar tanques, recipientes ou tubos para líquidos inflamáveis
certifique-se de que tenham sido completamente enxaguados com água ou outro solvente não
inflamável e que estejam completamentes secos e livres de vapores residuais pois a risco de
explosão.
EM CASO DE FOGO NUNCA JOGUE ÁGUA SOBRE QUALQUER EQUIPAMENTO ELÉTRICO
LIGADO. DESLIGUE A FONTE DE ENERGIA E USE UM EXTINTOR DE GÁS CARBÔNICO OU PÓ
QUÍMICO PARA APAGAR AS CHAMAS
5) FUMOS E GASES PODEM SER PERIGOSOS
A solda pode produzir fumos e gases perigosos para a saúde. Evite inalar esses fumos e gases. Ao
soldar, mantenha sua cabeça afastada dos vapores. Mantenha ventilação e/ou exaustão suficientes
sobre o arco para manter os fumos e gases longe de sua respiração.Ao soldar com aços
inoxidáveis ou de revestimento duro ou em aço revestido com chumbo ou cádmio e outros
metais ou revestimentos que produzam fumos altamente tóxicos. Mantenha o mínimo de exposição possível
sempre abaixo dos limites permissíveis, usando exaustão local ou ventilação mecânica. Em espaços fechados, ou
sob algumas circunstâncias em ambientes abertos, um respirador pode ser necessário. Também são necessárias
precauções adicionais ao soldar aço galvanizado. Não solde locais próximos a vapores de hidrocarbonetos clorados
advindos de operações de desengraxe, limpeza ou aplicação de spray. O calor e o raios do arco podem reagir com os
vapores do solvente e formar, um gás altamente tóxico e outros produtos irritantes.
Sempre use ventilação suficiente, especialmente em áreas fechadas, para garantir que o ar possa ser respirado.
6) ATENÇÃO COM PARTES MOVEIS E QUENTES
No equipamento existem peças moveis usadas na circulação do ar para arrefecimento, exem-plo
hélice de ventilador, engrenagens roldanas de tracionamento do cabeçote alimentador de arame,
MUITO CUIDADO COM AS MÃOS, CABELOS, ROUPAS, COLARES, PULSEIRAS E ANÉIS
NESSAS PARTES POIS PODEM CAUSAR ACIDENTES GRAVES, recomendamos o máximo de
cuidado e o uso de roupas adequadas e cabelos curtos ou amarrados ou o uso de touca para
solda ou capacete.
CUIDADO TAMBÉM COM PARTES QUENTE podendo causar queima na pele principalmente os
profissionais de manutenção que geralmente tem acesso a essas partes e ao soldador com o
bico da tocha recomendamos aguardar um determinado tempo para manusear.

2
Ao Receber Verifique Imediatamente se há Danos na Caixa e no Equipamento

O equipamento sai devidamente embalado e protegido das dependências da Bussola Soldas.


No momento em que este equipamento é expedido, a propriedade é transferida ao comprador no ato da
recepção, pelo transportador. Conseqüentemente, reclamações de materiais danificados no transporte
devem ser feitas, pelo comprador, para a empresa transportadora no momento em que o material é
recebido.

Registre abaixo a identificação de seu equipamento, para referências futuras. Essas informações podem
ser encontradas na placa de identificação de seu equipamento.

Numero da nota:______________________________________

Nome do modelo e número:______________________________

Número de série:______________________________________

Numero do Cabeçote:__________________________________

Data da Compra:______________________________________

Quando solicitar peças de reposição ou informações para este equipamento, sempre forneça as
informações descritas acima.
Recomendamos que leia todo o Manual antes de utilizar o equipamento. Guarde o manual e mantenha-o
à mão para consultas rápidas. Preste atenção especial às instruções de segurança que foram dadas para
sua proteção e do equipamento.

Obrigado
Por ter escolhido um produto de QUALIDADE BUSSOLA SOLDAS.
Nós desejamos que você se orgulhe de operá-lo como tanto orgulho quanto nós temos de
levar este produto até você!

GARANTIA

A garantia é de dois anos para as peças fabricadas por nós, transformador principal, reator e
transformador auxiliar para peças de terceiros somente as comutadores tem garantia de dois anos e para
as outras como contatores, chaves, ventiladores, voltímetros/amperimetro, motores, válvulas, variadores
de tenção entre outros, são de seis meses contra defeito de fabricação a partir da data da nota.

ATENÇÂO

Pode perder a Garantia se o equipamento for ligado em tensão que não corresponde com a ligação
na placa de voltagem, se for operada fora das normas de soldagem para MIG/MAG que corresponde
tensão e corrente adequados para a soldagem e respeitando o ciclo de trabalho. também perde a garantia
se forem feitas modificações nos equipamentos ou aberta e manipulada internamente por terceiros ou sem
breve aviso ou consulta ao departamento técnico da BUSSOLA SOLDAS.

Leia todo o Manual de Operação antes de utilizar o equipamento. Guarde o manual e mantenha-o à mão
para consultas rápidas. Preste atenção especial às instruções de segurança que foram dadas para sua
proteção e do equipamento.

Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

3
EQUIPAMENTOS BUSSOLA SOLDAS
MANUAL REV. 2.5B
SOLDA MIG/MAG SB250 / SB325 / SB400 / SB500
COM CABEÇOTE ALIMENTADOR DE ARAME
SB10 BS (pq e gd)
ÍNDICE
Medidas de segurança ........................................................pag. 2
Precauções elétricas
Campos elétricos e magnéticos podem ser perigosos
Proteção dos olhos e proteção do corpo
Precaução contra fogo e explosão
STE
AJUNO
FI
Fumos e gases podem ser perigosos
STE A
Atenção com partes moveis e quentes
O 10A
RETARD
LIGA AJUFAIX
A DE
./LIG LIGA
O
DESL
DES
ÍMETR
PER

Recomendação de Recebimento........................................pag. 3
/ AM
ANDO METRO
COM TE

MIG
FON VOLTÍ
L1 DA

/M Transferência de propriedade
AG Garantia
Índice....................................................................................pag. 4
Descrição dos equipamentos.............................................pag. 5
Fontes MIG/MAG SB250/SB325/SB400/SB500
Desenho externo e localização dos principais componentes
Características técnicas SB250, SB325, SB400 e SB500.................................pag. 6
Cabeçote Alimentador SB10_Series e SB20_Series
Cabeçote Alimentador de Arame SB10BM .......................................................pag. 7
Caracteristicas técnicas SB10(pq e gd), SB10bm, SB20 e SB20bm
SB
Instalação.............................................................................pag. 8
10 Mudança de voltagem
Fusiveis e disjuntores recomendados
2
3
4
5

6
Ligação fonte ao cabeçote cabos, mangueira e tocha.......................................pag. 9
VE 0
LO
8
Esquema ligação fonte, cabeçote, tocha manômetro e cilindro de gás
CIDA 10

Ciclo ou fator trabalho


9
DE
DO
AR
AM
LIGA E
/DES
L.

Operação............................................................................pag. 10
CO
CAMA
BEÇND
OTEO

Fontes
Cabeçote
Operação
Processo mig/mag (gmaw)................................................pag. 11
10 B
M
Técnicas de soldagem
SB 2T

NÇO
AVA AME
AR
SOL
DAS
- MIG
/M
AG

4T
Short-arc (curto circuito)
Globular Transfer (Globular )..........................................................................pag. 12
²
- CO
AG 6
-M 5
MIG 7
4

3
8

9
Spray – Spray Transfer (transferência por spray)
2

Manutenção.......................................................................pag. 12
E
10 ARAM
1 0 DE DO
CIDA
VELO

M
10 B Manutenção Preventiva
SB MIG
-M
AG
-C

Fonte SB400/500, Cabeçote SB10 e Tocha


Manutenção Corretiva.......................................................pag. 13
GÁS
A
SAÍD AME
/AR Fonte
Esquema SB400/500..................................................................................... pag.14
Cabeçote SB10................................................. .............................................pag.15
Esquema Cabeçote SB10...............................................................................pag.16
AV
A
SB
10 T
Vista explodida SB400/500 ................................................pag.17
AR NÇO
AM
E

SOL
DAS
2
Lista de peças
2T

Cabeçote SB10bs...............................................................pag.18
- MIG
/M
MIG AG

-M
AG
4 -C 4T
5 O²
3
6

1
2

7 Esquemas, Vista explodida e Lista de peças.....................................pags.19, 20 e 21


Esquema SB10BM / T1 / T2 ............... ................................pag. 22
VELO 8
CIDA 0 10 9
DE
DO
ARAM
E
SB
MIG
10
-M T2
AG
-C

2
Vista explodida Cabeçote SB10BM ..................................pag. 23
Lista de peças
SA
Vista explodida Cabeçote SB10T1... ................................pag. 24
GÁ ÍDA
S/A
RA
M E Lista de peças
Vista explodida Cabeçote SB10T2 ...................................pag. 25
Lista de peças
Manual de uso geral algumas especificações ou aparência podem ter algumas diferenças devido a atualizações dos equipamentos,
peças e adição de novos modelos e funcionalidades bem como atualização e melhorias no próprio manual para um o entendimento possível do
proprietário ou operador. Atente no manual ao seu modelo de equipamento e as funcionalidades do mesmo que no geral são parecidas ou com
poucas modificações, no tocante geral uma boa lida neste manual já é o suficiente para que o proprietário / operador fique por dentro do
funcionamento, tentamos aqui nos expressar o mais simples possível para um bom entendimento.

Atenciosamente
Roberto Giacomo Bussola
A Bussola Industria e Comércio de Máquinas e Equipamentos Elétricos Ltda - EPP, CNPJ 09.479.509/0001-33 de Incr. Est. 441.118.375-115 reserva-se ao direito de sem prévio aviso
alterar qualquer dados deste manual. Todos os dados contidos neste manual são de autoridade de Bussola Soldas e são de uso com equipamentos da Bussola Soldas não nos responsabilizamos
por uso dos dados para equipamentos de terceiros, e não nos responsabilizamos por usos sem os devidos cuidados e fora do recomendado neste manual. Qualquer semelhança com dados de
terceiros é mera coincidência visto que são equipamentos fabricados por varios fabricantes e infelizmente podendo coincidir com dados de outros fabricantes, já os processos de soldagens,
normas e outros descritos são de conhecimento publico na qual existe documentos espalhados por todos os continente e em vários idiomas e podendo ser usado como referencia sem infringir
direitos. Os equipamentos SB250m, SB250, SB325, SB400, SB400nm, SB500, SB600, SB10pq, SB10gd, SB10bm, SB10e, SB20, SB20bm, SB20e, Bussola Soldas são marcas de Bussola
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.
Industria e Comércio de Máquinas e Equipamentos Elétricos Ltda - EPP.

4
DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS
1) Fontes MIG/MAG SB250/325/400/500
As maquinas de soldas MIG/MAG SB250, SB325, SB400 e SB500 são fontes de Voltagem
Constante especialmente projetadas para o processo MIG/MAG.
O projeto da linha SB_SERIES atende as especificações da ABNT (Associação Brasileira de
Normas Técnicas) e NEMA (National Eletrical Manufacturers Association) dos Estados Unidos; a sua
fabricação é realizada de acordo com os mais elevados padrões de qualidade industrial, a fim de
proporcionar um desempenho inigualável ao longo de vários anos com o mínimo de manutenção e alta
margem de segurança para o operador.
Os transformadores são fabricados com componentes de alta qualidade, não há partes móveis que
requeiram lubrificação e o resfriamento é feito por circulação forçada de ar através de um ventilador.
As Fontes MIG SB250, SB325, SB400 e SB500 possuem uma ampla gama de ajustes através de
duas chaves comutadoras que possibilitam ao soldador uma escolha rápida e precisa dos parâmetros de
solda necessários para o bom desempenho dos seus trabalhos. São fornecidos com instrumentos de
medição digital Voltímetro/Amperímetro (opcional nas SB250 e SB325), para que o soldador tenha
certeza que os parâmetros estão dentro do padrão recomendado de tensão e corrente e preparadas
trabalhar em conjunto com os Cabeçotes Alimentadores de Arame SB10_series e SB20_Series para que
tenha o máximo desempenho.
- Chave liga/desliga; robusta, segura e de alta qualidade.
- Chave retardo; liga/desliga retardo (stick out).
- L1 sinaleiro; Indica se o equipamento está ligado ou desligado.
- Fusível; porta fusível 10A / 30mm.
- Comando cabeçote 4 pinos macho; 1- 0V / 2- Retorno / 3- 48V / 4-110V
- Comando cabeçote 3 pinos fêmea; 1- 0V / 2- Retorno / 3- 24V
- Voltímetro / Amperímetro; para verificação dos parâmetros de soldagem tensão e corrente
- Ajuste de Faixa; chave comutadora 6 pontos para ajuste mais grosso da tensão.
- Ajuste Fino; chave comutadora 6 pontos para ajuste mais fino.
As chaves de ajuste de faixa e ajuste fino determinam a tensão de funcionamento conforme as
normas, o cabeçote e o arame (elétrodo) determinam a corrente. Para cada ponto do ajuste de faixa são 6
ajustes finos totalizando 36 ajustes no total dando maior flexibilidade ao soldador.

DESENHO EXTERNO E LOCALIZAÇÃO DOS PRINCIPAIS COMPONENTES


LIGA DESL.
CHAVE RETARDO SUPORTE GIRATÓRIO
LIGA/DESL. P/ CABEÇOTE OLHAL DE
TRANSPORTE
FUSIVÉL VOLTÍMETRO
AMPERÍMETRO
CHAVES DE AJUSTE ALÇA PARA
RETARDO
LIGA 10A
FAIXA E FINO MOVIMETAÇÃO
DESL./LIGA
COMANDO DESLIGA
4 PINOS
SINALEIRO L1 COMANDO AJUSTE AJUSTE
DA FONTE
VOLTÍMETRO / AMPERÍMETRO
DE FAIXA FINO
COMANDO
3 PINOS
NEGATIVO POSITIVO
TE
US
AJ INO
F

SB 500
10A TE
RDO
RETA A US A
LIG AJ FAIX
BORNE L./L
IGA
DESL
IGA
DE
DES RO

SAÍDA POSITIVO NDO ÍMET


RO
/ AM
PERÍ
MET

BORNE GÁS COMA NTE

MIG
FO VOLT
L1 DA

NEGATIVO SAÍDA
DO GÁS
/M
AG
ENTRADA E RODAS
SAÍDA DE AR TRASEIRAS

ENTRADA E
SAÍDA DE AR

PROTEÇÃO BORNE
RODÍZIOS
FRONTAIS

Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

5
SUPORTE GIRATÓRIO
P/ CABEÇOTE
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

SUPORTE
Solda Indústria e Comércio
CILINDRO
de Máquinas Ltda - EPP.
AV. IVO GRANATA, 767 - BAIRRO IV CENTENARIO - MATÃO - SP .
CNPJ:56.495.237/0001-45 INSC. EST . 441.044.822-117
FONE: (16) 3384-1608 CEL.: (16) 9701-3477
www.bussolasoldas.com.br e-mail: bussolasoldas@bussolasoldas.com.br
DO GÁS CORRETE DE
SEGURANÇA
RETIFICADOR DE SOLDA TENSÃO CONSTANTE
MODELO SB400
ENTRADA SAÍDA
TENSÃO - 220 / 380 / 440V CORRENTE NOMINAL - 500A
ATENÇÃO
CILINDRO GÁS
CORRENTE - 50 / 30 / 25A TENSÃO NOMINAL - 39V
KVA - 19 Hz - 60 F. T. NOMINAL 100%
FASES - 3 ISOL. - F TENSÃO MÁX. VAZIO - 49V
NORMA ABNT - NBR 9378


TENSÃO MÁX. VAZIO - 49V

DATA
MUDANÇA DE
INDUSTRIA BRASILEIRA

VOLTAGEM
PLAQUETA
DE
IDENTIFICAÇÃO
ENTRADA
DO GÁS
SAÍDA
DO GÁS MIG / MAG ENTRADA
TRIFÁSICA + TERRA
L1 L2
ENT. L3
GÁS
ATENÇÃO

ATENÇÃO
TERRA

ENT.
TRIFÁSICA

ENTRADA E
SAÍDA DE AR MUDANÇA DE
VOLTAGEM SB_SERIES

RODAS
RODÍZIOS TRASEIRAS
FRONTAIS

RODAS
TRASEIRAS LADO INTERNO DA PLACA COM
ESQUEMA DA MUDANÇA DE VOLTAGEM

CARACTERISTICAS TÉCNICAS SB250, SB325, SB400 E SB500


CARACTERÍSTICAS SB250 SB325 SB400 SB500
TENSÃO DE ENTRADA TRIFÁSICA CA (V) 220V/380V/440V
CORRENTE DE ENTRADA (A) 20/11,5/10A 23/13,2/11,5A 35/20/17,5A 50/30/25A
POTÊNCIA (kVA) 7,6kVA 8,8kVA 13kVA 19kVA
FREQÜÊNCIA Hz 60Hz
TENSÃO DE SAÍDA NOMINAL CC (V) 26,5V 30V 34V 39V
CORRENTE NOMINAL F.T. 60% 250A 325A 400A 500A
TENSÃO MÍNIMA VAZIO 17V 17VA 18V 19,5V
TENSÃO MÁXIMA VAZIO 35V 40V 44V 49V
CORRENTE NOMINAL F.T. 100% 193A 250A 300A 400A
CLASSE DE ISOLAÇÃO F (155°)
AJUSTES COMUTADORAS 36 PONTOS (6X6)
NORMA ABNT NR9378
DIMENSÕES A / L / C (mm) 600/430/960 600/430/960 700/430/1050 700/430/1050
PESO (kg) 90kg 120kg 160kg 188kg

2) Cabeçote Alimentador SB10_Series e SB20_Series


A) Cabeçote Alimentador de Arame SB10 (pq e gd)
O Cabeçote SB10 foi projetado para alimentar arame de aço carbono sólido como padrão são
fornecidas diâmetro 0,8/1,0/1,2/1,6, feito em estrutura em aço com o moto-redutor fechado com tampa de
acesso, afim de minimizar o contato das peças com intempéries robusto e ao mesmo tempo portátil.
Como opcionais são disponíveis outras bitolas para aço carbono, bem como roldanas configuradas para
alumínio e elétrodos tubulares.
- Chave de Liga/Desliga; liga ou desliga somente o cabeçote geralmente para troca de arame.
- Chave para soldagem Manual/Automática; 2T / 4T (opcional p/ SB10pq e SB10gd).
- Ajuste Velocidade do Arame; ajusta a velocidade do elétrodo de 0 a 25mt/m.
-Comando cabeçote 4 pinos macho; 1- 0V / 2- Retorno / 3- 48V / 4-110V.
- O modelos SB10 pq e gd só diferenciam no tamanho das tampas e na área interna das ligações elétrica.

6
B) Cabeçote Alimentador de Arame SB10BM
Mesma caracteristica do Sb10 (pq e gd) porém em um com a estrutura totalmente diferente
aberto mais compacto e leve ficando todo circuito de controle confinado em uma caixa de fácil remoção e
manutenção.
- Chave de Avanço do Arame; avança o elétrodos sem acionar o gás e o retificador
- Chave para soldagem Manual/Automática; 2T / 4T (2 toque / 4 toque)
- Ajuste Velocidade do Arame; ajusta a velocidade do arame (elétrodo) de 0 a 25mt/m.
-Comando cabeçote 3 pinos femea; 1- 0V / 2- Retorno / 3- 24V.
C) Cabeçote Alimentador de Arame SB20BM
O Cabeçote SB20 com tracionador duplo A e B (direito e esquerdo), duplo euro conector para trabalhar
com duas bitolas em um mesmo retificador, mudando o tracionador A ou B com o acionamento de uma
simples chave o cabeçote SB20 pode ser utilizado para alimentar arame de aço carbono sólido como
padrão são fornecidas diâmetro 0,8/1,0/1,2/1,6.
Como opcionais são disponíveis outras bitolas para aço carbono, bem como roldanas configuradas para
Alumínio e Elétrodos Tubulares.
- Chave de Avanço do Arame; avança o elétrodos sem acionar o gás e o retificador.
- Chave para soldagem Manual/Automática; 2T / 4T (opcional para SB20 e SB20BM.
- Ajuste Velocidade do Arame; ajusta a velocidade do arame (elétrodo) de 0 a 25mt/m.
-Comando cabeçote 4 pinos macho; 1- 0V / 2- Retorno / 3- 48V / 4-110V (só no SB20).
-Comando cabeçote 3 pinos femea; 1- 0V / 2- Retorno / 3- 24V (só no SB20BM).
O ajuste de velocidade em conjunto com o elétrodo (depende também da espessura do mesmo)
é o que determina a corrente de soldagem. Maior espessura do arame e maior velocidade
conseqüentemente maior a corrente de soldagem.

ALIMENTADOR DE ARAME SB10 (PQ OU GD) 42/110V OU 24V - 2 OU 4 ROLDANAS


MIOLO FREADOR
CABO P/ TRANSPORTE

CHAVE 2T/4T
(OPSIONAL)

2T 4T
SB
SB10
L1 FUSIVÉL
10A
FUSE
10
L1
5
4 6 SINALEIRO
4
5
3
3 7 6
2

2 8 1
8
VE 0
LO
CID
9
1 9 AD 10
ED
O
AR

0 10 AJUSTE DE LIGA AM
E
/DE
VELOCIDADE DO ARAME VELOCIDADE SL. CO
M
CA AN
BE D
ÇO O
TE
COMANDO VALVULA
LIGA/DESL. COMANDO 4 PINOS DE GÁS
SAÍDA CABEÇOTE LATERAL FIXA DIREITA
GÁS/ARAME COMPARTIMENTO BORNE
CHAVE DO COMANDO POSITIVO
LIGA DESL.
EURO CONECTOR
FÊMEA

SUPORTE
TRAVA DO ROLO E SUPORTE
ADAPTADOR LATERAL MOVÉL DO ROLO
TAMPA MIOLO FREADOR GIRATÓRIO (FIXO)
DO ROLO ESQUERDA
TRACIONADOR
DOBRADIÇAS

VIBRA-STOP

7
ALIMENTADOR DE ARAME SB10BM - 24V / 4 ROLDANAS
SB 10 BM
AVANÇO
ARAME AJUSTE DE
SOLDAS - MIG/MAG
VELOCIDADE
4T
MIG - MAG - CO²

4 6

3 7

2 8

1 9
0 10
VELOCIDADE DO ARAME

SB 10 BM CAIXA CIRCUITO
MIG - MAG - CO²
ELÉTRICO E
COMANDO

SAÍDA TAMPA TRACIONADOR


GÁS/ARAME
SUPORTE
DO ROLO

VIBRA-STOP

ADAPTADOR SUPORTE
DO ROLO P/ TOCHA
CABO P/ TRANSPORTE

CHAVE CHAVE SB
AV
A
AR NÇO
10 B
2T/4T AVANÇO AM
E
M
BM
10 ARAME
SB
SO
LDAS

2T
- MI
G/
MA
G
2T
MIG
O G -M
NÇ AG
MA
G/

AVA AME 4T
- MI
SO
LDAS 4T 4
5
-C

AR 3
² 6
- CO
AG 6 2
-M 5
MIG 7 7
4 1
8
8
VEL
3 OCID 0
9 ADE 10 9
DO
2 E ARA
10 ARAM ME
1 0 DE DO
OCID
A PRESSÃO SB
VEL

M
DO ARAME 10
10 B
MIG
BM
-M M BORNE
SB
AG
O² -C
-C O²
AG
MIG
-M S
GÁ AÍDA
S/A
POSITIVO
RA
M E

MIOLO FREADOR
TAMPA
LATERAL
A
SAÍD AME
G ÁS/
AR DIREITA
SUPORTE EURO CONECTOR
GIRATÓRIO FÊMEA

ALIMENTADOR DE ARAME SB10T2 - 24V / 2 ROLDANAS (COM ENDIREITADOR DE ARAME)


SB 10 T 2
AVANÇO
ARAME AJUSTE DE
SOLDAS - MIG/MAG
VELOCIDADE
MIG - MAG - CO² 4T

4 6

3 7
SUPORTE
2 8
GIRATÓRIO
1 9 (FIXO)
0 10
VELOCIDADE DO ARAME

CAIXA CIRCUITO
SB 10 T 2 ELÉTRICO E
COMANDO
MIG - MAG - CO²

SAÍDA
GÁS/ARAME

VIBRA-STOP

VÁLVULA
DE GÁS
MIOLO FREADOR
CABO P/ TRANSPORTE
CHAVE
AVANÇO
SUPORTE ARAME
DO ROLO CHAVE SB
2T/4T AV
A
AR NÇO
10 T
T2 AM 2
10
E

SB O MA
G
2T
MIG
SO
LD
AS
-M
IG/M
AG
2T


G/
- MI -M
AVA AME
AR
SO
LDAS
4T SUPORTE 4
5
AG
-C
O² 4T

A
-M 5
G-
C
6
PRESSÃO P/ TOCHA 3
6
MIG 2

4
7 DO ARAME 7
8 1

3 VEL 8
9 OCID 0
ADE 10 9
2 DO
E ARA
10 ARAM ME
1
OCID
0 DE DO
A SB
VEL
MIG
10
-M T2 2
AG
-C

2
BORNE 10 T
SB
²
CO
G- ÍDA ME
POSITIVO MIG
-M
A
SA ARA
S/

EURO CONECTOR
TAMPA FÊMEA
LATERAL
S
GÁ AÍDA
S/A
ENDIREITADOR
RA
DIREITA
M E ARAME

8
CARACTERISTICAS TÉCNICAS SB10(pq e gd), SB10BM, SB20 E SB20BM
CARACTERÍSTICAS SB10pg SB10BM SB10T1 SB10T2 SB20 SB20BM
TENSÃO DE ENTRADA MONO CA 24/42/110V 24V 24V 24V 42/110V 24V
TENSÃO DO COMANDO 24/42V 24V 24V 24V 42V 24V
POTÊNCIA (W) 120W 120W 120W 130W 210W 210W
VELOCIDADE (m/min) 0 A 20
CONTROLE LINEAR CONTINUO
POTENCIA DO MOTOR REDUTOR (W) 96W 96W 96W 108W 96W x 2 108W x 2
ROLDANAS 2 ou 4 4 2 OU 4 2 2/4 ou 4/4 4/4
CONECTOR COMANDO 4 PINOS (M) 3 PINOS (F) 3 PINOS (F) 3 PINOS (F) 4 PINOS (M) 3 PINOS (F)

DIÂMETRO DO ELÉTRODO (mm) 0,8 A 1,6 0,8 A 1,6 0,8 A 1,6 0,8 A 1,6
CLASSE DE ISOLAÇÃO F (155°)
CORRENTE DE SOLDA 400A - 100% OU 500A - 60%
NORMA ABNT NR9378
DIMENSÕES A / L / C (mm) 385/280/385 330/220/520 330/220/540 320/240/550 385/460/550 450/460/550
PESO (kg) - - - -

ATENÇÂO : Faça os procedimentos abaixo com a fonte desligada.


INSTALAÇÃO
As fontes MIG/MAG SB250/325/400/500 deve ser colocada em lugar adequado, com livre
circulação de ar, porém sem correntezas que possam afetar o envoltório de gás de proteção a saída do
bocal da Tocha. A máquina deve ser posicionada de maneira a permitir a entrada de ar sem obstrução.
Verifique qual a tensão da rede elétrica que irá alimentar a Fonte, pode ser ligado em rede de tensão
trifásica de 220V, 380V ou 440V e freqüência de 60Hz.
A Fonte é entregue com a ligação feita para 440V; a mudança de ligação para corresponder à tensão de
alimentação é feita conforme a disposição das barras na placa de ligação. Para ter acesso à placa remova a
tampa que se encontra na lateral do gabinete escrito atenção mudança de voltagem.
A ligação da máquina à rede de alimentação deve ser feita através de uma chave seccionada com fusíveis
ou disjuntores dimensionados.
Verifique se as ligações correspondentes as tensões estão corretas com a sua rede como indica o
esquema atrás da tampa de mudança de voltagem, tenha a certeza das chapinhas estarem na posição e
as porcas bem apertadas não esqueça também o transformador auxiliar ao lado das tensões principais.
MUDANÇA DE VOLTAGEM
PARA 220V PARA 380V PARA 440V NOTA: A SB250 E SB400 possuem fusível de
proteção do auxiliar. O acesso a este fusível é
através de porta fusível localizado no painel
frontal de equipamento.

IMPORTANTE: O cabo de Alimentação é


composto por quatro condutores, sendo um
deles o “Terra”, devidamente identificado. A
conexão do “Terra” é fator decisivo na
segurança do operador.

Fusiveis e disjuntores recomendados


CARACTERÍSTICAS SB250 SB325 SB400 SB500
CHAVE GERAL SECCIONADA QUADRO GERAL CONFORME O ESTABELECIMENTO
DISJUNTORES OU FUSÍVEIS RECOMENDADO
TENSÃO DE 220V 00A 00A 50A 100A
TENSÃO DE 380V 00A 00A 32A 50A
TENSÃO DE 440V 00A 00A 30V 50V

9
LIGAÇÃO FONTE AO CABEÇOTE CABOS, MANGUEIRA E TOCHA
Coloque o cilindro de gás no encaixe apropriado, prenda-o com a corrente de segurança.
Posicione o conjunto Fonte+Cabeçote de tal forma que a Tocha alcance com facilidade o local de utilização.
O Cabeçote SB10_Series pode ser instalado sobre a própria Fonte, no suporte giratório ou afastado da
mesma até uma distância de cinco metros (consulte para outra medidas).
- Coloque o manômetros no cilindro de gás verifique se não a vazamentos.
- Faça a conexão da mangueira de gás ao Cabeçote.
Ainda com a Fonte desligada faça a conexão do Cabeçote SB10_series ao Positivo da mesma.
- Ligue o Cabo de Alimentação Fonte-Cabeçote (cabo de comando).
- Ligue o Cabo Obra do conector negativo da Fonte à peça ou bancada de solda.
- Conecte a Tocha (euro conector macho) ao Euro conector fêmea do cabeçote
- Coloque o Carretel de Arame no adaptador. Verificando se as Roldanas de Tração correspondem ao tipo
de à bitola do arame a ser utilizado.
- Endireite e limpe a ponta do arame com uma lima evitando que rebarbas penetrem na Tocha.
- Aperte a tração (mola) de acordo com a bitola.
NOTA: Um aperto demasiado pode deformar o arame
e travar no bico ou prejudicar velocidade forçando todo o conjunto.
- Para passar o arame pela tocha retire o bico de contato e o bocal da Tocha depois recoloque.
ESQUEMA LIGAÇÃO ENTRE FONTE, CABEÇOTE, TOCHA MANÔMETRO E CILINDRO DE GÁS
ATENÇÃO
MANOMETRO CABEÇOTE O TERMINAL DOS CABOS DEVE ENCOSTAR
SB10T1-2 NO BORNE SO DEPOIS COLOCAR AS ARRUELAS
E PORCA, NUNCA TROCAR O TERMINAL DOS
MANGUEIRA GÁS ENCAIXE SUPORTE CABOS POR OUTRO MATERIAL
CABEÇOTE POIS O MESMO É FEITO SE COBRE E A
TROCA PODE ACARRETAR
CILINDRO GÁS PERCA DE POTENCIA E AQUECIMENTO.
EURO FÊMEA EURO MACHO
CABEÇOTE TOCHA

SUPORTE GIRATÓRIO
P/ CABEÇOTE CABEÇOTE
SB10BM

FONTE
DISTANCIAS RECOMENDADAS
ENTRE BICO E OBRA (STICK OUT)
ENCAIXE SUPORTE Errado
CABEÇOTE CABEÇOTE
SB10(pq e gd)
CABO POSITIVO EURO FÊMEA EURO MACHO
CABEÇOTE TOCHA
20mm
ADAPTADOR P/
CARRETEL
CABO TOCHA Certo
COMANDO

CABO NEGATIVO 5 a 12mm


MANGUEIRA GÁS
Obra

CICLO OU FATOR TRABALHO


Simplificando o Ciclo de Trabalho (ou fator de trabalho) é a relação entre o período de soldagem
(Arco Aberto) em um determinado período de tempo. Este período de tempo é determinado pelo projeto do
equipamento de acordo com sua aplicação e processo de soldagem, bem como o isolamento de seus
componentes internos.
De acordo com a norma NEMA, o ciclo de trabalho é baseado em um período de 10 minutos, ou seja, uma
fonte de soldagem com Ciclo de Trabalho de 60% @ 300 A, deve operar com o arco aberto de 300 A de saída
em 6 minutos e os 4 minutos restantes do tempo sem arco para refrigerar os componentes internos. Já no
ciclo de trabalho de 100% baseado em um período de 10 minutos, a fonte de soldagem com ciclo de trabalho
de 100% @ 300 A, deve operar com o arco aberto de 300 A sem para refrigerar os componentes internos.
CICLO OU FATOR DE
TRABALHO PERIODO DE TEMPO NORMA NEMA 10 MINUTOS
60% 6 MIN. SOLDANDO (COM ARCO) 4 MIN. PARADO (SEM ARCO)

100% CONTINUO SOLDANDO (COM ARCO)

O ciclo de trabalho é informado pela Bussola Soldas neste manual e na plaqueta de identificação do
equipamento, expressa em “percentagem” (%), está relacionado com a corrente (A) de saída. O tipo de
trabalho (soldagem) determina a característica do equipamento e seu respectivo ciclo de trabalho.
Geralmente para processos semi-automáticos o ciclo de trabalho é de 40% a 50% ponteamento e pequenas
soldas e 60% a 80% para soldas maiores e robustas e para processos automáticos o ciclo de trabalho
recomendado é de 100%. Caso um processo foi automatizado e se usava por exemplo uma fonte de 60%
soldagem de 400 A @ 60% é preciso conhecer qual será a corrente máxima de saída (A) para um Ciclo de
Trabalho de 100%.

10
OPERAÇÃO
Após certificar-se que a instalação do conjunto está de acordo com o descrito, passe à operação do mesmo.

RETARDO
Fonte: SB250/325/400/500
LIGA 10A Verifique as figuras para se familiarizar
DESL./LIGA com os comandos do conjunto.
3 4 3 4
0

1
DESLIGA 8888 A
1
2
5 1
2
5
Na figura encontramos os seguintes
elementos:
8888 V
6 6
- Chave Desliga/Liga – Comanda o
L1 COMANDO SOLDAS BT-PCI
AJUSTE AJUSTE fornecimento de energia aos circuitos de
DA FONTE
VOLTÍMETRO / AMPERÍMETRO
DE FAIXA FINO comando.
- L1 “Máquina Ligada” – Indica
equipamento energizado.

- SB XXX - Amperímetro – Indica a corrente de solda.


- Voltímetro – Indica a tensão de solda.
- Chaves FAIXA e FINA – Ajustam a tensão
de saída.
- “RETARDO” – Ajusta o comprimento do
“Stick-out” ou seja o tamnaho do arame na saida do bico de contato até o final após a interrupção da solda.
- A recomendação padrão do tamanho do arame da saída do bocal até a obra é de 5 a 10mm e não devendo
ser maior que isso para evitar problemas de enrolar, avermelhar ou estoure no momento do contrato.
Cabeçote: SB10 (PQ e GD)
-Chave Liga/Desliga – Comanda o fornecimento de
2T 4T

SB10
energia aos circuitos do cabeçote.
L1 10A - L1 “Cabeçote Ligado” – Indica equipamento energizado.
FUSE
- Velocidade do Arame – Ajusta a velocidade de alimentação
5 do arame somado com a bitola do mesmo ajusta
4 6
conseqüentemente a corrente de soldagem.
3 7 - Chave 2T/4T– Comanda o conjunto com o acionamento do
2
gatilho da Tocha. NOTA: opcional SB10(pq e gd) e SB20 e
8
padrão SB10BM . Na posição 2T funcionamento MANUAL ou
1 9 normal apertou gatilho solda soltou para. Na posição 4T o
0 10
VELOCIDADE DO ARAME comando é AUTOMÁTICO apertou o gatilho começa a soldar
soltou continua soldando, pra parar a solda deve acionar e
LIGA/DESL. COMANDO soltar o gatilho novamente .
SAÍDA CABEÇOTE
GÁS/ARAME - Saída Gás/Arame – Euro conector fêmea na qual se encontra
os orifícios de saída do gás e arame e os dois do gatilho.
Cabeçote: SB10BM, SB10T1 E SB10T2
-Avanço do Arame – Avança o arame para troca sem acionar o gás.
SB 10 BM M/T1-2
/T1-2 - Velocidade do Arame – Ajusta a velocidade de alimentação do arame somado
com a bitola do mesmo ajusta conseqüentemente a corrente de soldagem.
AVANÇO - Chave 2T/4T– Comanda o conjunto com o acionamento do gatilho da Tocha.
ARAME 2T Na posição 2T funcionamento MANUAL ou normal apertou gatilho solda, soltou
0
SOLDAS - MIG/MAG para. Na posição 4T o comando é AUTOMÁTICO apertou o gatilho começa a
soldar soltou continua soldando, pra parar a solda deve acionar e soltar o gatilho
4T novamente .
MIG - MAG - CO²
Passando à operação :
4
5
6
- Ligue a Fonte ;
- Ajuste o controle de velocidade para a posição 5.
3 7
- Mantendo a Tocha a mais reta possível, acione Avanço do Arame ou acione o
2 8
gatilho, passando com isto o arame pela Tocha.
NOTA: com o gatilho o arame estará com potencial de solda, portanto evite que o
1 9 mesmo toque a peça ou bancada de solda.
0 10 - Recoloque o bico de contato e o bocal da Tocha.
VELOCIDADE DO ARAME
- Ajuste a tensão de saída (Chaves FAIXA e FINA) na Fonte SB250/325/400/500
a velocidade de alimentação (corrente) no Cabeçote SB10.
- Selecione 2T ou 4T conforme o caso, lembrando que em 2T o funcionamento é normal e no 4T é
automático.
-Ajustando os equipamentos com os parâmetros desejados ou seguindo tabelas de normas (peça aos
responsáveis), e com o uso de equipamentos de segurança máscara, roupas e luvas você já pode soldar.

11
PROCESSO MIG/MAG (GMAW)
Agora que você já conhece os equipamentos e da BUSSOLA SOLDAS e já se familiarizou com eles vamos
falar um pouco do processo MIG/MAG.
O Processo MIG/MAG (GMAW);
MIG- Metal Inerte Gás e MAG - Metal Ativo Gás – pertence à classe das soldagens a arco elétrico sob
proteção gasosa onde o consumível é um eletrodo contínuo, geralmente sólido e sem revestimento, ou com
uma leve camada de cobre para melhorar a condutividade, alimentado por um cabeçote que regula a
velocidade de alimentação em função do consumo.
BOCAL

DIFUSOR DE GÁS

BICO DE CONTATO

ARCO ARAME
CORDÃO POSSA DE FUSÃO
OBRA

GÁS DE PROTEÇÃO

O processo proporciona as seguintes vantagens:


- Soldagem em todas as posições;
- Ausência de escória, reduzindo os custos de mão-de-obra;
- Mínimo de salpicos;
- Ótima aparência dos cordões, possibilitando pintura ou eletrodeposição em preparação adicional;
- Ausência de gases nocivos;
- Alto rendimento de deposição – 97% do eletrodo se transforma em cordão depositado;
- A velocidade de deposição é superior comparada ao eletrodo manual;
- Permite passos simples ou múltiplos a prova de raios-X e ultrassom;
- O mesmo equipamento pode salvar vários metais, bastando utilizar os parâmetros específicos para cada
metal;
- Pouco empeno em peças de espessura reduzida;
- Arco visível;
- Menor custo final.
Os principais parâmetros do processo são:
- Tensão do arco – ajustada na fonte de energia.
- Intensidade do corrente – função da bitola do arame e da velocidade a ser ajustada no cabeçote.
O conjunto é formado com uma das fontes acopladas ao um do Cabeçotes e Tochas com acessórios de
interligação.
Cada conjunto é fornecido de acordo com a potência e as características desejadas.
Técnicas de soldagem
Os Métodos de Transferência são usado para descrever o processo pelo qual o arame é derretido e
depositado no material (obra). O meio mais comum de fazer esta classificação, é de acordo com o tamanho,
características e freqüência que as “gotas” de metal são transferidas.
Existem basicamente 3 tipos de transferência mais comuns, short-arc (curto circuito), globular e arc-spray
(spray).Tipo de arame marca, espessura construção metalúrgicas do arame influenciam na estabilidade do
arco e estão relacionadas com o método de transferência.
1)SHORT-ARC (Curto circuito): A transferência por Curto
Circuito recebe este nome, porque o arame de solda toca o
metal inúmeras vezes por segundo, causando uma seqüência
de curtos circuitos. Conforme o arame vai saindo
continuamente na área do arco, vão ocorrendo curtos entre o
arame e o metal produzindo uma aparente explosão,
derretendo o arame e estabilizando o arco. Este ciclo pode se
repetir continuamente entre 20 ou até mais de 250 vezes por
segundo enquanto estiver soldando.
O metodo curto-circuito empregado em regimes inferiores
Exemplo de transferência
a 22 V e 180A, sendo: Short-Arc (Curto-Circuito)
- indicado para peças de menor espessura:
- indicado para soldagens fora-de-posição:
- indicado para menor empeno das peças.

12
Globular Transfer (Globular ): A transferência Globular é
comumente referido como um estado entre os métodos Curto
Circuito e Spray, grandes “gotas” de metal derretido, são
transferidos pela gravidade e são normalmente mais largas que
a espessura do arame utilizado, como essas gotas de arame
derretido pingam, este método de transferência não é tão efetivo
como o método Spray.
O método globular é o mais instável, com aparência mais feia e
com mais respingos podendo ocorrer problemas de fusões
incompletas, que acontecem quando grandes gotas de metal Exemplo de transferência Globular
derretido caem, espalhando para fora da poça de soldagem,
causando o efeito de solda fria, que é a fusão incompleta.
Obs: Processo pouco recomendado e não recomendado para
gás CO²
Spray – Spray Transfer (transferencia por spray)
O método de transferência “spray” pulveriza pequenas gotículas
de arame derretido dentro do arco e estas gotas são usualmente
menores que o diâmetro do arame. O arco ficará ativo 100% do
tempo que estiver soldando, desde que ele esteja estabilizado.
Este método, usa relativamente alta tenção (V), maior
velocidade do arame e correntes (A) maiores, se comparado
com o método de transferência “curto circuito”. Ele produz
altíssimas taxas de deposição de material. Também chamamos Exemplo de transferência Spray
atenção ao fato deste método ser usado em posições planas e
horizontais, sendo limitado para posições verticais. No Spray são
empregado regimes superiores a 28V de tensão de arco e 200 A de corrente de soldagem, isto permite:
- Potência elevada:
- Velocidade de deposição elevada:
- Grande penetração:
Obs.: Não trabalha em todas as posições e não faz ``SPRAY´´ com gás CO²

MANUTENÇÃO
Ao iniciar qualquer trabalho de manutenção tenha certeza que o equipamento se encontra
completamente desligado da rede de alimentação. O fato de desligar a chave no painel não elimina a tensão
de entrada do circuito. Também é necessário fechar a válvula do cilindro de gás.
Tenha sempre à disposição ferramentas adequadas, como: Um jogo de chaves Allen; Alicate de
corte diagonal; Panos para limpeza e lubrificantes. Um ohmimetro ou verificador de continuidade pode lhe
ser muito útil na inspeção do circuito elétrico. Outro item importante na limpeza é o ar comprimido.
a)Manutenção Preventiva
a.1 – Fonte MIG SB250/400
Equipamentos não necessita de uma manutenção específica, porém se recomenda que a cada três meses
ou mais frequentemente se o ambiente for excessivamente agressivo, seja feita uma limpeza com a
aplicação de ar comprimido a fim de evitar acúmulo de poeira no transformador e na ponte retificadora.
Também é importante verificar as conexões elétricas e de água reapertando as que estiverem soltas.
a.2 – Cabeçote SB10
Recomendamos que duas vezes ao ano, ou mais frequentemente se o ambiente for agressivo, seja feita
uma limpeza com a aplicação de ar comprimido. Também é interessante verificar os seguintes pontos:
- Existência de desgaste nas engrenagens e roldanas substituindo se necessário, sempre aos pares;
- Desgaste da bucha do adaptador do carretel, antes de remontar limpe e lubrifique;
- Estado das conexões elétricas e de gás, reapertando as que estiverem soltas.
a.3 – Tocha
Recomendamos que mensalmente seja feita uma limpeza na tocha, conforme roteiro abaixo;
- Remova o bocal, o bico de contato e o guia espiral;
- Limpe a guia com um solvente e seque com ar comprimido, lubrifique-a com óleo à base de molibdênio.
Caso note algum desgaste substitua a guia espiral.
- Remonte o guia espiral, para facilitar a operação deixe a tocha o mais reto possível;
- Verifique a existência de desgaste ou danificação no bocal e no bico de contato. Substitua-os caso necessário.
- Remonte o guia espiral e o bocal.

13
B) MANUTENÇÃO CORRETIVA
Para verificação de problemas consulte os itens abaixo, efetue limpeza com ar comprimido periodicamente
caso necessário consulte o esquema elétrico SB250/325/400/500 que é o mesmo só mudando as
potencias na parte física.
B.1 – Fonte
Problema 1 – Não funciona.
Causa; Falta de tensão primária.
Solução; Verifique o fornecimento de energia e todos os fusíveis, inclusive os localizados na placa de
ligação.
Problema 2 – Corrente baixa e tensão insuficiente.
Causa; Tensão primária.
Solução; Verifique a tensão primária e as conexões na placa de ligação.
Causa; Cabos muitos compridos ou de bitola muito fina.
Solução; Utilize cabos mais curtos ou de bitola maior.
Problema 3 – O fusível queima continuamente.
Causa; Fusível de baixa capacidade.
Solução; Consulte a tabela para o uso do fusível adequado.
Causa; Curto na bobina primária ou motor do ventilador.
Solução; Verifique se há partes queimadas ou pedaços de metal ou material estranho no interior da
máquina. Se necessário chame o Representante Bussola Soldas ou a Oficina Autorizada.
Problema 4 – Superaquecimento ou fumaça.
Causa; Conexões soltas.
Solução; Verifique e aperte todas as conexões elétricas.
Causa; Curto entre espiras na bobina.
Soluções; Verifique se há pedaços de metal ou material estranho no interior da máquina.
Causa; Transformador sobrecarregado.
Solução; Verifique se o ciclo de trabalho não está sendo ultrapassado.
Causa; excesso de tensão.
Solução; Verifique a tensão de alimentação e as conexões na placa de ligação.
Causa; Falha na ventilação.
Solução; Verifique se a entrada e a saída de ar estão desobstruídas ou se o motor do ventilador está
danificado.
Problema 5; Choque elétrico no gabinete.
Causa; Cabo terra ligado na rede.
Solução; Conecte o cabo terra corretamente.
Causa; Fio de circuito em contato com o gabinete.
Solução; Isole o fio ou substitua-o se estiver muito danificado.
Causa; Ventilador em curto com a carcaça.
Solução; Mande para reparo ou substitua-o se estiver danificado.
Problema 6 – Interrupção de arco.
Causa; Conexões soltas.
Solução; Verifique todas as conexões, principalmente as da ponte retificadora.
Causa; Diodo em curto ou aberto.
Solução; Substitua o diodo defeituoso.
Causa; Bobina do contator em curto ou aberto.
Solução; Troque a bobina ou o contator.
Causa; Falta de alimentação na bobina do contator.
Solução; Verifique o “Tap” de 110 v no transformador auxiliar e a fiação.
Causa; Falha no Cabeçote.
Solução; Verifique o cabo de comando, saída de alimentação e comando do cabeçote se necessário o
cabeçote.
Causa; Sobrecarga no transformador.
Solução; Verifique se o transformador não está sobrecarregado; se a tensão de alimentação e as
conexões da placa de ligação estão corretas; se a circulação do ar não está obstruída; e se o
funcionamento do ventilador está correto se o contator não está sem uma fase.

14
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

15
SBXXX
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

ALGUNS MODELOS
UTILIZAM ESTÁ PONTE

16
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

ALGUNS MODELOS
UTILIZAM ESTÁ PONTE

17
b.2 – CABEÇOTE SB10 (gd e pq) e SB10BM
Para verificação de problemas consulte os itens abaixo efetue limpeza semanalmente com ar comprimido e
não coloque objetos estranhos dentro da tampa do tracionador caso necessário consulte o esquema
elétrico SB10(pq e gd), SB10BM, SB20 e SB20BM que são destintos.
Problema 1 – O motor não funciona.
Causa; Falta de tensão na fonte.
Solução; Verifique os fusíveis da chave de alimentação e os localizados na fonte, na placa de ligação.
Causa; Falta de tensão no cabeçote.
Solução; Verifique o cabo de alimentação fonte/cabeçote.
Causa; Circuito de controle com defeito.
Solução; Substituir.
Problema 2 – Alimentação incorreta ou instável do arame durante a soldagem.
Causa; Engrenagens das roldanas com dentes defeituosos.
Solução; Substitua-as.
Causa; Problemas nas ligações elétricas.
Solução; Verifique as ligações do motor.
Problema 3 – O arame patina nas roldanas de tração.
Causa; Pouca pressão nas roldanas.
Solução; Aperte o ajuste de pressão.
Causa; Pressão demasiada nas roldanas provocando deformação do arame.
Solução; Desaperte um pouco o botão de ajuste de pressão.
Causa; Pressão excessiva no freio do adaptador para carretel.
Solução; Diminua a pressão no adaptador desapertando o parafuso.
Causa; O arame está preso dentro da tocha.
Solução; Desmonte a tocha, desobstrua e limpe o guia.
Causa; A tocha está muito dobrada.
Solução; Opere a tocha a mais reta possível.
Problema 4 – O arame dobra nas roldanas de tração.
Causa; Pressão excessiva nas roldanas.
Solução; Diminua a pressão do botão de ajuste.
Causa; Desalinhamento das roldanas ou do guia de entrada da tocha.
Solução; Alinhe as roldanas ou centralize o guia de entrada.
Problema 5 – Arame preso ou fundido.
Causa; Bico de contato fundido.
Solução; Desenrosque a porca que prende o bico e acione o gatilho para que o mesmo saia junto com o
arame, elimine a área fundida ou substitua o bico de contato.
Problema 6 – Não há controle de velocidade.
Causa; Placa de controle danificada.
Solução; Substituir.
Problema 7 – Não há vazão de gás.
Causa; Bobina da válvula solenóide danificada.
Solução; Verifique e substitua-a se necessário.
Causa; Regulador de gás com problemas.
Solução; Substitua o regulador.
Causa; Vazamento ou entupimento na tocha ou nas mangueiras.
Solução; Verifique, limpe ou substitua.
Causa; Cilindro de gás vazio.
Solução; Substitua-o
Problema 8 – Corrente de soldagem instável.
Causa; O arame desliza nas roldanas.
Solução; Ajuste o botão de pressão das roldanas.
Causa; Avaria na tocha.
Solução; Verifique o guia espiral e o bico de contato.
Causa; Tensão da fonte de soldagem incorreta.
Solução; Verifique os parâmetros de soldagem.

18
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

19
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

20
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

21
DEPENDE DO MODELO DEPENDE DO MODELO
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

22
Indústria e Comércio de Máquinas Elétricas Ltda.

23
24
25
Convênio

FINAME
www.bussolasoldas.com.br
Industria e Comércio de
Máquinas Elétricas Ltda.
Av: Ivo Granata, 767 - 4º Centenário - Cep 15.990-435 - Matão - SP.
Fone : (16) 3382-1908 - (16)3384-1608 - Cel.: (16) 99701-8377
e-mail: bussolasoldas@bussolasoldas.com.br.