Você está na página 1de 169

Editorial

O Centro Universitário UniAGES apresenta para a


comunidade acadêmica e para a sociedade em geral a
edição especial da Revista Saberes SPC 2016. Para este
volume foram aceitos trabalhos de estudos relacionados
à temática “Educação para os valores humanos”, bem
como outros de tema livre, com ênfase em estudos sobre
as ciências humanas e sociais.
Este início de século aponta para uma necessidade
desafiadora: os responsáveis pela educação precisarão
fazer o exercício da reflexão a partir do conhecimento das
circunstâncias históricas das quais a nossa sociedade é
fruto, atentando ainda para as profundas transformações
políticas, sociais, econômicas, culturais e ambientais que
têm nos assolado nessas últimas décadas. É competência
desses profissionais, bem como dos demais envolvidos
nas instituições educacionais, formar novos cidadãos que,
em pouco tempo, gerenciarão os mais diversificados
departamentos da sociedade brasileira.
Neste sentido, pretende-se, com esta edição,
refletir acerca de como o norteamento da educação
fundamentada em valores – tais como a ética, a
solidariedade, o amor, a honestidade, a tolerância, o
respeito e a responsabilidade – podem indicar novos
rumos para o modo como pensamos e agimos nesse novo
milênio.
Além deste, há também no presente volume uma
significativa parcela de trabalhos produzidos por
estudiosos e pesquisadores que levantam questões
extremamente relevantes para as suas respectivas áreas.
Agradecemos aos autores pela colaboração neste
número, bem como convidamos os leitores, sejam
estudantes, pesquisadores ou docentes, para uma leitura
multidisciplinar sobre os estudos relacionados à
educação para os valores humanos, tendo em vista a
própria complexidade que estas áreas englobam.

Ramon Ferreira
Rusel Barroso
Organizadores
Sumário

UNIVERSIDADE E A AVALIAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR .................................................................................................2


Jayme Ferreira Bueno
ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE TALENTOS ATRAVÉS DO E –RECRUITMENT ..........................................................................18
Silvia Manoela Santos de Jesus
ÉTICA PROFISSIONAL NO PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO: ELISÃO FISCAL COMO GESTÃO EMPRESARIAL E SOBREVIVÊNCIA DAS
EMPRESAS.......................................................................................................................................................................26
Marcos Vinícius Gomes Reis e Graziela Alves de Amorim
RESPONSABILIDADE: A GESTÃO PÚBLICA QUANTO AOS RECURSOS HÍDRICOS NO MUNICÍPIO DE TUCANO-BA ......36
Silvia Manoela Santos de Jesus
A INSTRUÇÃO PRIMÁRIA EM PARIPIRANGA (1870-1920): QUANDO A ESCOLA NÃO TINHA PROFESSOR, E O PROFESSOR NÃO TINHA ESCOLA
........................................................................................................................................................................................46
Ana Maria Ferreira de Oliveira
USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL NO CONTROLE DAS INFECÇÕES HOSPITALARES ....................57
Francielly Vieira Fraga e Fernando Santana Santos
BOAS AÇÕES: A EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA PARA FORMAÇÃO DE UMA LIDERANÇA SUSTENTÁVEL .................65
Thales Brandão
USANDO JOGOS CONFECCIONADOS COM MATERIAS RECICLICLADOS PARA ENSINAR MATEMÁTICA .................... 74
Creilson de Jesus Conceição, Renilson Andrade Costa e Helena Tavares de Souza
A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA ONCOLOGIA NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ..............................82
Francielly Vieira Fraga, Babara Bispo de Santana e Paulo Thomaz Oliveira Felix
POLUIÇÃO HIDRICA: UM ALERTA SOCIAL, ÉTICO E ECOLÓGICO .................................................................................87
Vanessa Cruz dos Santos e Daniel Delgado Queissada
TRATAMENTOS BIOLÓGICOS DE CHORUME: AÇÕES PARA PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE, VALORIZAÇÃO DA VIDA E DOS VALORES
HUMANOS ....................................................................................................................................................................106
Maria da Paz Oliveira de Santana, Cristinaldo da Conceição Soares, Jamile Santos Amorim, Juliana de Jesus Santos e Daniel Delgado Queissada
A FUNÇÃO SOCIAL E DESAPROPRIAÇÃO DO IMÓVEL RURAL PARA FINS DE REFORMA AGRÁRIA ............................114
José Lucas Rodrigues de Oliveira
A IDEOLOGIA PUNITIVISTA DO MINISTÉRIO PÚBLICO E SEUS EFEITOS ......................................................................124
José Lucas Rodrigues de Oliveira
O DIREITO À SAÚDE E SUA JUDICIALIZAÇÃO ...............................................................................................................140
José Lucas Rodrigues de Oliveira
PROCESSOS DE REFERENCIAÇÃO: A RECATEGORIZAÇÃO E O GÊNERO CRÔNICA ......................................................150
Deborah Andrade Leal e Mateus Andrade Silva
UM OLHAR PARA O PAPEL SOCIAL DA EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEMPORÂNEA .........................................................160
Nívia Mirella N. Meireles e Thais Almeida Purificação
ANALISAR O PERFIL E COMPORTAMENTO DE COMPRA DOS ALUNOS INGRESSANTES 2015.2 DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA FACULDADE
X DE PARIPIRANGA (BA) ..............................................................................................................................................163
Graziela Alves de Amorim e Marcos Vinícius Gomes Reis
Revista Saberes Especial SPC 2016 2

UNIVERSIDADE E A AVALIAÇÃO DO ENSINO


SUPERIOR

Jayme Ferreira Bueno*

RESUMO: Este artigo tem como foco principal a


avaliação da instituição universidade e do ensino
superior. Subsidiariamente, abordará temas como a
história da universidade e a evolução da avaliação, como
meio de aperfeiçoamento da educação. Nele, serão
comentadas as principais iniciativas no sentido de
romper a resistência apresentada pelas Instituições de
Ensino Superior à ideia de serem elas suscetíveis de
avaliação, considerando-se que mantinham a
proclamada autonomia universitária. Enfoca-se também
de passagem aspectos da avaliação da instituição e do
curso de Letras da Faculdade, atualmente, Centro
Universitário UniAGES.
PALAVRAS-CHAVE: Universidade. História da universidade.
Avaliação da universidade. Avaliação da Educação
Superior. Centro Universitário UniAGES.

RESUMEN: Este artigo tiene como foco principal la


evaluación de la institución universidad y de la enseñanza
superior. Subsidiariamente, abordará temas como la
historia de la universidad y la evolución de la evaluación,
como medio de perfeccionamiento de la educación. En
ello, serán comentadas las principales iniciativas en el
sentido de romper la resistencia presentada por las
Instituciones de la Enseñanza Superior a la idea de ser
ellas susceptibles de evaluación, considerando-se que
mantenían la proclamada autonomía universitaria.
Enfoca-se también de pasaje aspectos de la evaluación
de la da institución y del curso de Letras de la Facultad,
actualmente, Centro Universitario UniAGES.
PALABRAS-LLAVE: Universidad. Historia de la universidad.
Evaluación de la universidad. Evaluación de la Educación
Superior. Centro Universitário UniAGES.

*Doutor em Letras pela USP – Universidade de São


Paulo, professor da UFPR e da PUC/PR. Foi membro
de Comissões de Avaliação no MEC de 1998 a 2006.
Revista Saberes Especial SPC 2016 3

I - INTRODUÇÃO abranger amplo campo de experiência para a


própria instituição e para a melhoria de sua área
Este artigo foi escrito especialmente para a de atuação, assumindo um caráter de
Revista Saberes, do Centro Universitário UniAGES, responsabilidade social.
da cidade de Paripiranga, na Bahia. Dentro de Outro aspecto a ser aqui enfocado, como
seus estreitos limites de espaço e de anunciamos, será o da avaliação do ensino
profundidade, tem por fim apenas apontar para o superior e da avaliação institucional. Ambas
conhecimento da universidade como instituição constituem parâmetros de aferição da qualidade
de ensino superior na história do mundo de determinada instituição de ensino. A
ocidental e, mais recentemente, em nosso país, avaliação, modernamente, tem se constituído em
principalmente enfocando a avaliação da pilar da própria educação. É ela que garante o
educação superior no Brasil. bom e o perfeito funcionamento de um curso ou
A universidade em todos os tempos, desde de um a instituição. Sem ela, o barco institucional
que surgiu, é uma das entidades de maior poderia ficar à deriva.
reconhecimento público. É procurada e
respeitada por estudantes, professores,
II - A UNIVERSIDADE
autoridades e por pessoas em geral. Sempre foi e
continua a ser um sonho de todo jovem
A universidade como instituição de ensino,
estudante ingressar em uma universidade, fazer
embora de caráter particular, surgiu na Idade
um curso superior, receber um diploma, obter
Média, uma época teocêntrica em que tudo
uma profissão.
dependia da aprovação do clero católico para
Atualmente, as Instituições de Ensino
funcionar. De certo modo, portanto, essa
Superior, as chamadas IES, dividem-se, de modo
instituição nasceu à sombra da Igreja Católica. Daí
geral e de forma mais conhecida, em Faculdades,
possuir ela essa aura de entidade universal
Centros Universitários e Universidades,
(universitas). Exatamente por esse motivo o título
propriamente ditas. Essa classificação depende
de universidade sempre esteve ligado à ideia de
dos objetivos e do alcance de atuação de cada
universalidade, o mais amplo, o superior, o que
uma das instituições em particular.
abrange o todo. Nela, desenvolveram-se os
Assim, classicamente, as Faculdades são
estudos das leis, da medicina, da astronomia, da
mais direcionadas ao ensino, e sua atuação não
lógica. Desses ramos básicos do saber, a
prevê necessariamente grandes compromissos
universidade, ao longo do tempo, passou a
com a pesquisa e com a extensão. O Centro
desenvolver outros: pelo caráter teocêntrico, a
Universitário, por sua vez, já assume uma feição
teologia; a filosofia, derivada da antiga lógica; e,
de entidade que deve promover a pesquisa e a
mais tarde, a química, nascida da antiga alquimia;
extensão, embora em grau inicial, para gerar o
Segundo narra a história, a primeira
próprio conhecimento e buscar a melhoria da
universidade, consagradamente aceita em nosso
sociedade e da região em que se situa. A
mundo ocidental é a Universidade de Bologna.
Universidade, como escala mais elevada, deve
Situada na cidade que lhe dá o nome, no norte da
voltar-se precipuamente à pesquisa, de
Itália, foi fundada ainda no séc. XI, no ano de
preferência, à pesquisa de ponta, em seus
1088. Portanto, em plena e alta Idade Média. Ela
programas de pós-graduação, nos cursos de
foi o berço das Humanidades e do Direito,
mestrado e de doutorado. A extensão deve
principalmente o Direito Civil e, um pouco mais
Revista Saberes Especial SPC 2016 4

tarde, do Direito Canônico. Um de seus Universidade de Montpellier, na França; a de


fundadores e também professor, Irnério, foi Cambridge, na Inglaterra; e a de Salamanca, na
cognominado Lucerna Iuris, a “Luz do Direito” Espanha, surgiram já em séculos posteriores.
(DIZIONARIO BIOGRAFICO DEGLI ITALIANI, verbete É bom lembrar que Portugal teve a sua
Irnério, 2004). Universidade muito cedo no contexto dos países.
Há registros que indicam a existência de A Universidade de Coimbra é do séc. XIII, 1290, e
universidades anteriores a esta no mundo foi fundada pelo rei e poeta D. Dinis. Esta foi a
oriental. Conhecidas e aceitas seriam, pelo que formou os primeiros legisladores e letrados
menos, três: uma no Marrocos, na cidade de Fez, brasileiros, no período colonial do nosso país e
do séc. IX, ano de 859; outra no Egito, do séc. X, depois no séc. XIX. Lembra-se, por exemplo, de
fundada entre os anos de 970 e 972; e a terceira, Gonçalves Dias, que lá, naquela cidade, escreveu
uma que ficava em território que hoje pertence o poema dos mais conhecidos da literatura
ao Irã, esta do séc. XI, ano de 1065. brasileira, a Canção do Exílio, aquela que se inicia
A primeira Universidade do Ocidente, a de com os versos “Minha terra tem palmeiras / Onde
Bologna, assumiu tamanha importância e canta o sabiá...”.
respeito na própria cidade-sede, como em toda a No Brasil, infelizmente, só viemos a ter os
Itália. Em reconhecimento ao elevado papel que primeiros cursos superiores, principalmente de
desempenhava no campo do saber, o Imperador Direito, apenas no séc. XIX. Em 1827, D. Pedro I
Frederico I, no ano de 1158, promulgou uma lei, fundou as Faculdades Jurídicas, uma em São
na realidade seria mais um regimento, a Paulo, e outra em Olinda. Esta última mais tarde
Constitutio Habita, que elevava a Universidade de foi transferida para Recife. Algumas experiências
Bologna a uma espécie de Cidade-Estado. Assim, anteriores, ou eram instituições portuguesas, ou
ela se encontrava protegida de pressões e de cátedras isoladas, sem o caráter de faculdades,
políticas externas. Era, portanto, independente e como algumas que funcionaram no Rio de Janeiro
soberana. e na Bahia.
Até os nossos dias, é grande a fama dessa Até o aparecimento da República, em 1889,
Universidade. É conhecida como a Alma Mater havia no Brasil apenas 24 instituições de ensino
Studiorum, ou seja, a “Alma-Mãe dos Estudos”. superior, e os estudantes não passavam de
(UNIVERSITÀ DI BOLOGNA, 2016). Por ela passaram 10.000. Com a abertura republicana da
os mais afamados professores das diferentes Constituição de 1891, começaram a surgir
ciências. Como exemplo, e para ilustrar, até iniciativas privadas. De modo geral, foram
recentemente, quando veio a falecer, nela realizações de algumas classes sociais, ou de
lecionava o grande linguista, semiólogo e escritor determinadas confissões religiosas,
italiano Umberto Eco. Ele era titular da cadeira de principalmente as católicas. Mas quem de fato
Semiologia, assim conhecida pelos europeus, saiu à frente nessa empreitada foi a Igreja
ciência que as correntes norte-americanas Presbiteriana de São Paulo, que criou, em 1896,
denominam Semiótica. os cursos de Engenharia Civil, Engenharia Elétrica
Tanto a de Bologna, quanto as duas outras e Engenharia Mecânica. Esses cursos deram
que se seguiram, a Universidade de Paris, na origem à atual Universidade Mackenzie. Desde
França, e a Universidade de Oxford, na Inglaterra, então, começou a grande expansão do ensino
pertencem a esse mesmo séc. XI, mas de 1096, superior no Brasil.
respectivamente. As que se seguiram: a
Revista Saberes Especial SPC 2016 5

Nos anos de 1920, já eram 133 as escolas Piracicaba, no estado de São Paulo; e 10. Escola
superiores particulares. Mas há de se notar de Belas Artes.
também o aparecimento da primeira
universidade brasileira, em 1912: a Universidade
do Paraná, com funcionamento em Curitiba. A
Universidade de São Paulo, a maior do Brasil, só
III - A AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE BRASILEIRA
veio a aparecer em 1934. Esta, porém, surge
bastante completa, como resultado de um amplo
planejamento e importação de professores Como vimos brevemente, a universidade
estrangeiros para as diferentes áreas do saber. nasceu e prosperou sob uma aura de
Algumas outras iniciativas de criação de independência e até mesmo de soberania
universidades foram: Universidade do Rio de absoluta. Modernamente, esse aspecto se
Janeiro, de 1920, e a Universidade de Minas transformou em outro conceito, o da autonomia
Gerais, criada 1927. Mas a primeira que surgiu da universidade. E por ele se considera que nada
realmente como um conceito e com estrutura pode e deve interferir na instituição universitária.
propriamente universitária, foi a Universidade de Qualquer ação que vise, ou visasse, atingi-la
São Paulo, a conhecida USP. sempre foi e é considerada uma agressão à
independência da universidade.
E o diferencial mais importante desta nova
instituição é que a Universidade de São Paulo Porém, com o avançar do tempo e as
iniciou suas atividades de ensino com vários consequentes mudanças na sociedade, a
cursos distribuídos por diversas faculdades. E universidade teve também de, aos poucos,
tanto as faculdades quanto esses cursos se adequar-se. Começaram a surgir então os
encontravam devidamente estruturados, primeiros movimentos no sentido de avaliar a
funcional e institucionalmente. E, para isso, conta universidade.
muito a experiência de professores e intelectuais E talvez o primeiro desses movimentos, no
trazidos de outros países, principalmente, da Brasil, tenha sido o Grupo de Trabalho para a
França e de Portugal. Reforma Universitária de 1968. Esse Grupo faz
Assim, a USP iniciou suas atividades, em um amplo levantamento sobre as condições e as
1934, com as seguintes faculdades e seus necessidades de aumentar o número de
respectivos cursos: 1. Faculdade de Direito; 2. matrículas no ensino superior. O objetivo era
Faculdade de Medicina; 3. Faculdade de fazer o Brasil acompanhar as tendências que
Farmácia e Odontologia; 4. Escola Politécnica; 5. obtinham sucesso em outros países com o que os
Instituto de Educação, transformada em 1969 em críticos chamam de massificação do ensino
Faculdade de Educação; 6. Faculdade de Filosofia, superior.
Ciências e Letras; 7. Instituto de Ciências Por ter surgido na década de 1960 e,
Econômicas e Comerciais, que, em 1940, portanto, em pleno regime militar, todo o
transformou-se na Faculdade de Ciências Programa de Avaliação da Reforma Universitária
Econômicas e Administrativas; 8. Escola de sofre duras críticas. Autores condenam o fato de
Medicina Veterinária, evolução do antigo se querer buscar a modernização e a eficiência da
Instituto de Veterinária; 9. Escola Superior de universidade, sujeitando a educação brasileira a
Agricultura “Luiz de Queiroz”, que funciona em um modelo produtivista”. Ainda, segundo tais
autores, inicia-se assim uma noção que perdura
fortemente na atualidade, que é comparar as
Revista Saberes Especial SPC 2016 6

funções e as atividades de uma universidade da UFRJ; 6. Edmar Lisboa Bacha, Professor na PUC-
àquelas de uma empresa. Os mais conservadores RJ e presidente do IBGE; 7. Eduardo de Lamonica
Freira, Reitor da UFMT; 8. Fernando J. Lessa
veem isso como um defeito e não uma qualidade
Samento; Pró-reitor da UFBA; 9. Francisco Javier
do ensino superior. É a crítica daqueles que se
Alfaya, estudante; 10. Guiomar Namo de Mello,
voltam contra o liberalismo na educação, Professora na PUC-SP e Secretária de Educação do
principalmente na superior. Município de São Paulo; 11. Haroldo Tavares,
Relacionam-se, a seguir, os principais Empresário, ex-Diretor da Escola de Engenharia da
programas: UEMaranhão; 12. Jair Pereira dos Santos, Ex-
Diretor do DIEESE, sindicalista; 13. Jorge Gerdau
1. PARU – Programa de Avaliação da
Johanpeter, empresário, presidente do Grupo
Reforma Universitária Gerdau; 14. José Leite Lopes, Professor na UFRJ e
Depois dessa primeira manifestação, ou presidente do Centro Brasileiro de Pesquisas
seja, o Grupo de Trabalho para a Reforma Físicas; 15. José Arthur Gianotti, Professor da USP
Universitária de 1968, há um interregno de e presidente do CEBRAP; 16. Dom Lourenço de
aproximadamente 20 anos, para o surgimento de Almeida Prado, Professor de Filosofia e Teologia
no Mosteiro de São Bento, Rio de janeiro; 17. Luiz
outras propostas de avaliação da universidade
Eduardo Wanderley, Reitor da PUC-SP; 18. Marly
brasileira. Em 1983, surge o PARU – Programa de Moysés Silva Araújo, Secretaria de Educação de
Avaliação da Reforma Universitária. Embora Minas Gerais; 19. Paulo da Silveira Rosas,
parecesse uma iniciativa promissora, logo em Professor da UFPE; 20. Roberto Cardoso de
seguida o Programa foi desativado. Oliveira, Professor na UNICAMP; 21. Romeu Ritter
Mesmo assim, Gladys Beatriz Barreyro e dos Reis, Presidente da Sociedade de Educação
José Carlos Rothen, no ensaio Para uma História Ritter dos Reis, de Porto Alegre; 22. Simon
Schwartzmann (relator), professor e diretor do
da Avaliação da Educação Superior Brasileira:
IUPERJ; 23. Ubiratan Borges de Macedo, membro
análise dos documentos do Paru, Cnres, Geres e do Conselho Federal da Cultura e professor na
Paiub, consideram esse Programa como o UFPR; e 24. José Eduardo Campos de Oliveira
precursor de outros que vieram a surgir, como o Faria, assessor da Presidência do Banco Itaú,
PAIUB e o SINAES, e que inauguraram, segundo posteriormente nomeado. (MEC, 1985).
esses autores, a concepção de avaliação
Essa Comissão apresentou o documento
“formativa e emancipatória” (BARREIRO e
intitulado Uma Nova Política para a Educação
ROTHEN, 2008, p. 131-152).
Superior, que destacava como grave problema da
2. COMISSÃO DE NOTÁVEIS
educação superior no Brasil a falta de parâmetros
Foi por esse nome que se tornou conhecida para se saber como ela se situava no contexto da
a Comissão Nacional de Reformulação da educação brasileira.
Educação Superior, surgida em 1985, no Governo
Esse ambicioso documento previa
José Sarney. A Comissão era composta por 24
“avaliação dos cursos, avaliação dos alunos,
membros das mais diferentes instituições e
avaliação dos professores, avaliação didático
entidades:
pedagógica do ensino, avaliação dos servidores
1. Caio T.S P. de Vasconcelos, Presidente, técnicos e administrativos, e avaliação das
membro do Conselho Federal de Educação; 2.
carreiras”. Foi talvez o primeiro passo mais bem
Amílcar Tupiassu, professor da Universidade
Federal do Pará; 3. Bolívar Lamounier, professor embasado e que demonstrava firme vontade no
da USP e PUC-SP; 4. Carlos Nelson Coutinho, sentido de se alterar os rumos da educação
professor das Faculdades Integradas Benett; 5. superior no Brasil. Mas, talvez, pela dificuldade de
Clementino Fraga Filho, do Hospital Universitário ser implantado e gerenciado, no sentido de
Revista Saberes Especial SPC 2016 7

colocá-lo em prática, foi logo modificado pelo avaliação na universidade, outro conceito muito
movimento seguinte, o GERES; forte na sociedade, que é o da transparência. As
3. GERES – Grupo Executivo para a instituições e os órgãos com que nos
Reformulação da Educação Superior relacionamos devem ser transparentes, para
serem críveis. Portanto, na atualidade, não basta
Simultaneamente ao PARU, interligada à
uma instituição parecer acreditável. Ela tem que
Comissão de Notáveis, já referida, instalou-se em
provar que realmente o é.
1985, no Governo Sarney, sendo ministro da
Educação, Marco Maciel, a Comissão Nacional de Tal situação de credibilidade só pode ser
Reformulação do Ensino superior – CNRES. Essa demonstrada por intermédio de algum tipo de
Comissão tinha a atribuição de “propor uma nova avaliação, quer as internas, mas
política da educação superior” e, dentre outros preferencialmente as externas. Estas realizadas
importantes temas da educação superior, previa por algum órgão sério externo à instituição de
também a avaliação da universidade, ensino. Assim, aos poucos, a universidade teve de
considerando-se uma nova feição para educação, abandonar a ideia de que a avaliação seria uma
que deveria tronar-se redemocratizada, forma de intromissão em sua autonomia, ou de
renovada, considerando-se a instauração da Nova controle de suas atividades. E, como
República. consequência, deveria aceitá-la como algo que
vinha para ajudar a sua imagem e torná-la
Na visão da CNRES, a avaliação da
transparente.
universidade foi concebida como contraponto à
Em setembro de 1986, esse Grupo
sua autonomia. Assim, os resultados da avaliação
Executivo fez publicar um minucioso relatório,
passariam a vincular a educação a programas de
que enfocava vários problemas-chave da
incentivo, como o FIES. E para operacionalizar as
educação superior brasileira, questionando o
propostas vindas do CNRES, foi instituído em
próprio Sistema de Educação Superior,
1986 o Grupo Executivo para a Reformulação da
Autonomia e Avaliação; Conselho Federal de
Educação Superior – GERES. Para este Grupo, a
Educação; Gestão da Universidade; e o
universidade não deve ser o único modelo de
Financiamento.
instituição do ensino superior desejável. Deve
Foi considerada uma proposta
haver outras que cumpram a mesma função. E ia
intervencionista e, por esse motivo, o GERES
além. Defendiam que a universidade, pelo
sofreu forte crítica pelas associações de docentes
privilégio de autonomia, deveria, sim, prestar
e pelos próprios professores individualmente.
contas de suas atividades, pois a autonomia da
Fragilizado, o Grupo Executivo não encontrou
universidade seria “uma concessão da sociedade
forças e meios suficientes para implantar algum
em troca de altos padrões de qualidade no
sistema de avaliação pela total falta de apoio,
desempenho institucional. A sociedade, que
inclusive institucional;
financia a universidade, teria o direito de exigir a
prestação de contas da aplicação dos recursos e 4. PAIUB – Programa de Avaliação
do desenvolvimento do ensino e da pesquisa” Institucional das Universidades Brasileiras
(Documento do CNRES). Por isso, ela deveria ser Este Programa surgiu no âmbito do próprio
avaliada, e por órgãos externos a ela. MEC – Ministério da Educação, em 1993. Por
Por outro lado, e opondo-se ao conceito de Portaria da SESu – Secretaria de Educação
autonomia da universidade, veio à tona na Superior, foi criada a Comissão Nacional de
modernidade, corroborando a necessidade de
Revista Saberes Especial SPC 2016 8

Avaliação das Universidades Brasileiras. exercem. Os das públicas se dizem e se


Concentrava-se na SESu e era por ela gerida. consideram mais intelectualizados, mais voltados
O documento elaborado por essa Comissão para a pesquisa. Segundo eles, nós professores
se denominava Programa de Avaliação das particulares somos mais burocráticos.
Institucional das Universidades Brasileiras. Daí, a Ciente da minha capacidade tanto na área
sigla PAIUB. Ao contrário de outras, esta procurou da pesquisa, da extensão e do ensino, nunca dei
reunir entidades representativas da educação atenção a essas manias de colegas do magistério.
superior e tinha por objetivo principal, de acordo Sempre procurei exercer minhas atividades com
como o seu art. 1.º: “estabelecer diretrizes e empenho, lisura e determinação. E foi isso que
viabilizar a implementação do processo de procurei fazer também no MEC/SESu e depois no
avaliação institucional nas universidades MEC/INEP, pois participei nesses dois setores em
brasileiras” (MEC, 1993). diferentes programas de avaliação da educação
Talvez tenha sido ela a primeira tentativa a superior.
alcançar certo êxito, por contar com o apoio da
comunidade acadêmica. Assim, prosperou e SESu/MEC – Comissão de Especialistas em
chegou a constituir marco na história da avaliação Ensino de Letras
da universidade brasileira.
Depois do PAIUB, a noção de se avaliar a
Em 1997, fui nomeado para a Comissão de
universidade e a educação superior ganhou
Especialistas no Ensino de Letras, um novo
corpo. E, e eu diria, que a própria aceitação pela
programa de avaliação de cursos e de instituições
universidade de se autoavaliar se consolidou.
que surgiu no âmbito da SESu. A Portaria
Assim, vários outros programas ou sistemas de
SESu/MEC n.º 146 da nomeação, porém só foi
avaliação começaram a aparecer. Mas agora, já
publicada em 10 de março de 1998. As Comissões
estávamos em plenos e avançados anos de 1990.
de Especialistas dos diferentes cursos haviam sido
criadas um pouco antes, mas não haviam sido
IV – EXPERIÊNCIA PESSOAL EM PROGRAMAS DE instaladas, ou por falta de designação de seus
AVALIAÇÃO DA UNIVERSIDADE E DA EDUCAÇÃO membros, ou por falta de apoio das
SUPERIOR universidades, que deviam indicar professores
para delas participarem. A devida efetivação só
veio a acontecer por volta de 1995. Mas, mesmo
Como professor do ensino médio,
oficializadas, elas pouco funcionaram, não sei se
primeiramente, e depois professor de
por culpa das instituições, ou do MEC, ou mesmo
universidade particular, eu já havia passado por
por culpa dos próprios membros que a
vários programas de avaliação. Inicialmente,
constituíam.
foram os Exames de Admissão, lá pelo início dos
Quando a nossa Comissão assumiu no início
anos de 1960. Depois, vieram os Exames
de 1998, praticamente, todos os membros da
Vestibulares na PUCPR. Portanto, essa função não
Comissão anterior haviam se demitido. Ficara
iria me pegar de surpresa.
apenas o presidente, um professor de Linguística
As atividades desenvolvidas e
da Universidade Federal de Pernambuco, que
desempenhadas por professores em uma
respondia pela Comissão, mas sem comparecer a
instituição privada são muito diferentes daquelas
Brasília, apenas a distância.
que os docentes das universidades públicas
Revista Saberes Especial SPC 2016 9

A Comissão de que tomei parte e a qual tive E no meio dessa imensa quantidade de
a honra de presidir, designada pela Portaria processos, havia um perdido por lá. Era uma
SESu/MEC n.º 146/98, estava assim constituída: solicitação para curso de Letras em uma
1. Jayme Ferreira Bueno - Presidente - denominada Faculdade AGES, de Paripiranga, na
Pontifícia Universidade Católica do Bahia. Confesso que nunca ouvira falar nesse
Paraná; lugar, nem fazia idéia de onde fosse. Como
2. Denise de Aragão Costa Martins - muitos colegas não gostavam de se deslocar para
Secretária - Universidade de Brasília; lugares pequenos e desconhecidos, assumi eu
3. Veronika Benn-Ibler - Universidade mesmo a responsabilidade de visitar essa cidade
Federal de Minas Gerais; de nome estranho. Olhei no mapa e percebi que
4. Maria Bernadete Marques Abaurre - ficava mais próxima de Aracaju, em Sergipe, do
Unicamp que de Salvador, na Bahia.
5. Ana Zandwais – Universidade Federal do Convoquei uma colega, professora de Inglês
Rio Grande do Sul. da PUCPR de Curitiba, Cláudia Marina Riva de
Éramos todos professores com um vasto Paiva, e viajamos para lá quando autorizados pelo
currículo na educação superior e que havíamos mantenedor, que, inicialmente, havia criado uma
nos destacado em nossas respectivas série de pequenos problemas: por que uma
universidades. O único membro de universidade comissão de tão longe; por que gastar tanto com
particular era eu. E, por esse motivo, ao início, passagens aéreas e ainda ter de ir buscar em
percebi certa desconfiança quanto à minha Aracaju, dentre outras. Mas tudo, com paciência,
capacidade frente à Comissão. Mas não demorou, foi sendo explicado, e as questões, devidamente
para as minhas colegas perceberem que eu não aplainadas.
estava ali por acaso. Eu mostrara a elas de que eu Voltei ainda mais uma vez a Paripiranga,
era capaz e a que vinha. dessa vez para verificar as condições para
Superada essa fase inicial, lançamo-nos ao reconhecimento do curso de Letras. A Comissão
trabalho, eu à frente. Pouca informação nós Verificadora de 2005 era composta por mim e
havíamos recebido. Apenas fomos encaminhados pela professora Raquel Illescas Bueno da UFPR.
a uma sala de uns 4 x 4 metros completamente Nessa oportunidade, o curso de Letras - na
cheia de processos, que subiam do piso ao teto. habilitação Português e Literaturas da Língua
Não havia praticamente lugar para nos instalar. Portuguesa - recebeu parecer favorável,
Começou então a nossa tarefa: despachar o devidamente encaminhado ao MEC.
máximo daqueles processos, pelos quais as Oficialmente, a autorização do curso se deu
instituições requerentes aguardavam ansiosas. pela Portaria MEC n.º 389, de 5 de março de
Ao início, éramos convocados, ao menos 2001, como se comprova pela transcrição abaixo:
duas vezes por mês, quando permanecíamos em MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
Brasília pelo menos três dias em contínuas GABINETE DO MINISTRO
reuniões de trabalho. A cada reunião, a pilha de Portaria MEC n.º 389, de 05 de março de 2001
O Ministro de Estado da Educação, usando da
processos diminuía a olhos vistos. Nós
competência que lhe foi delegada pelo Decreto
analisávamos e emitíamos pareceres sem parar.
n.º 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em
Eram solicitações para autorização ou para vista o Parecer n.º 150/2001, da Câmara de
reconhecimento de cursos de Letras. Educação Superior, do Conselho Nacional de
Educação, conforme consta do Processo nº
Revista Saberes Especial SPC 2016 10

23000.003151/2000-23, do Ministério da Art. 2.º Esta Portaria entra em vigor na data de


Educação, resolve: sua publicação.
Art. 1.º Autorizar o funcionamento do curso de JAIRO JORGE DA SILVA (AGES. Curso de Letras,
Letras, licenciatura plena, com a habilitação 2016).
Português e Literaturas da Língua Portuguesa, a
ser ministrado pela Faculdade de Ciências O que se seguiu é de conhecimento dos
Humanas e Sociais, mantida pela AGES dirigentes e de muitos professores e mesmo de
Empreendimentos Educacionais S/C Ltda., ambas
alunos da AGES, que nasceu, cresceu, frutificou e
com sede na cidade de Paripiranga, no Estado da
continua a formar pessoas e a dar trabalho para
Bahia.
Art. 2.º Esta Portaria entra em vigor na data de muitos brasileiros. A empresa - e a educação é
sua publicação. campo fértil - pode desenvolver políticas de
PAULO RENATO SOUZA (AGES. Curso de Letras, responsabilidade social. E é o que tem feito esta
2016). Instituição de Ensino Superior, agora elevada a
Centro Universitário.
E esse mesmo curso e na mesma habilitação
Note-se que das aproximadas 50
foi reconhecido em 17 de outubro de 2005,
instituições visitadas por mim no Sistema SESu,
conforme Portaria a seguir transcrita:
uma foi a Faculdade AGES. Pode ter sido apenas
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO
GABINETE DO MINISTRO uma coincidência, mas coincidência que se
PORTARIA N.º 3.634, DE 17 DE OUTUBRO DE transformou em amizade com seus
2005. administradores e admiração pelo projeto que
O Ministro de Estado da Educação, Interino, prosperou. O Parque das Palmeiras, que nem
usando da competência que lhe foi delegada pelo pertencia ainda a AGES, e que foi apresentado
Decreto no 3.860, de 9 de julho de 2001, alterado
como futuro campus, mas que, em realidade era
pelo Decreto no 3.908, de 4 de setembro de 2001,
apenas um sonho, esse sonho tornou-se
e tendo em vista o Despacho no 1554/2005, da
Secretaria de Educação Superior, conforme consta realidade. Hoje aquele parque abandonado é
do Processo nº 23000.015892/2003-08, Registro sede deste Centro Universitário. Transformação
SAPIEnS nº 20031008932, do Ministério da de sonho em realidade. É isso que engrandece os
Educação, resolve: empreendimentos.
Art. 1o Reconhecer o curso de Letras, licenciatura, Mas as nossas funções na Comissão de
habilitação em Português e Literaturas da Língua
Especialistas em Ensino de Letras não se
Portuguesa, com 150 (cento e cinquenta) vagas
totais anuais, nos turnos diurno e noturno,
restringiam a autorizar ou reconhecer cursos.
ministrado pela Faculdade de Ciências Humanas e Participávamos ativamente na elaboração de
Sociais, no Parque das Palmeiras, n.º 23, Bairro documentos para avaliação. Na época,
Centro, na cidade de Paripiranga, Estado da Bahia, praticamente, nada havia. Nós deixamos uma
mantida pela AGES Empreendimentos gama extensa de formulários e de técnicas
Educacionais S/C Ltda., com sede na cidade de inovadoras na avaliação de cursos e de
Paripiranga, Estado da Bahia.
instituições: minuta para as atuais Diretrizes do
§ 1.º O reconhecimento a que se refere esta
Portaria é válido exclusivamente para o curso
Curso de Letras, que foram aprovadas pelo
ministrado no endereço citado neste artigo. Conselho Federal de Educação, sem nenhuma
§ 2.º A renovação do reconhecimento do curso restrição; formulário de Avaliação para
referido nesta Portaria se dará nos termos do Autorização de Cursos de Letras, que vigorou por
disposto na Portaria Ministerial nº 2.413, de 07 de muito tempo; formulário para Avaliação para
julho de 2005. Reconhecimento de Cursos de Letras, também
Revista Saberes Especial SPC 2016 11

por muito tempo adotado; primeira avaliação Educação Superior era o Prof. Abílio Afonso Baeta
total dos Cursos de Letras em todo o Brasil, o Neves, que exerceu esse cargo de 1996 a 2000; e
maior e mais importante projeto de avaliação já o meu chefe direto era o Gerente de Projetos, Cid
realizado para avaliar cursos no Brasil. Santos Gesteira.
As Diretrizes Curriculares do Curso de Foi sob essa alta cúpula do ensino superior
Letras, ainda em vigor, são uma mostra de nossa no MEC/SESu, em Brasília, que eu tive a honra de
participação na orientação dos cursos dessa área emprestar o meu esforço e contribuir para
do saber. A proposta que encaminhamos ao aqueles que eram elevados ideais para a
Conselho Federal de Educação foi aprovada em educação brasileira. Depois de 2003, o MEC/INEP
sua totalidade. Ainda se comentou no âmbito do assumiu a responsabilidade de formar, indicar as
MEC, que foi a Comissão de Letras aquela que comissões verificadoras para avaliação de cursos
melhor soube interpretar o espírito das Diretrizes e avaliação institucional. Nesse sistema, visitei
Curriculares, quando nos foi solicitado o envio de aproximadamente 70 instituições de ensino
contribuições para o estabelecimento desse superior com a avaliação de inúmeros cursos,
importante guia do futuro perfil do curso e dos tanto para autorizá-los, como para reconhecê-los.
docentes de Letras. Mais tarde, vieram novos programas dos
Eu permaneci na presidência da Comissão quais também tive a honra de participar, mas
de Especialistas até 2003, quando todos nós nenhum me motivou tanto como esse primeiro.
fomos substituídos por outros membros. Houvera Notava-se que eu e minhas colegas de Comissão
mudança na SESu, e o novo Secretário, ex-reitor estávamos prestando um serviço significante para
da UFMG, resolveu levar professores de sua a educação e para o próprio país.
Universidade e do estado de Minas Gerais para lá.
É o que acontece com administradores que levam MEC/INEP – Comissão de Especialistas em
mais a sério a função política do que a Ensino de Letras no ENC – Exame Nacional de
administrativa. Mas eu já me encontrava, desde Cursos – Letras, o Provão.
1999, na Comissão de Especialistas em Letras do
ENC- Exame Nacional de Cursos, o Provão, do
Ao início do ano 1999, ao chegar ao MEC
MEC/INEP. Mais tarde, integrei a CTA - Comissão
para reunião da Comissão de Especialistas em
Técnica de Avaliação, também do MEC/INEP.
Ensino de Letras, na SESu, fui avisado de que eu
Continuei em Brasília até o ano de 2006 e tive
havia sido nomeado para a Comissão de
ainda a oportunidade de ver surgir e ajudar a
Especialistas em Ensino de Letras no ENC – Exame
constituir o SINAES – Sistema Nacional de
Nacional de Cursos, Letras, mais conhecido por
Avaliação da Educação Superior, criação do
Provão. Esse exame no curso de Letras iria
Governo Lula.
acontecer pela segunda vez.
Tive a oportunidade de trabalhar no MEC
Da Comissão para as provas do ano de 1999
numa época de profundas alterações, e não só na
constavam os seguintes professores:
educação, mas em toda a administração pública
do Brasil. Era o Governo FHC. À frente do MEC, Francis Henrik Aubert, da Universidade de São
Paulo; Jayme Ferreira Bueno, da Pontifícia
estava um dos mais capacitados professores e
Universidade Católica do Paraná; José Luís Jobim
executivos da área da educação, o Prof. Paulo
de Salles Fonseca, da Universidade do Estado do
Renato Souza, da Unicamp, que permaneceu no Rio de Janeiro e Universidade Federal Fluminense;
Ministério de 1995 a 2003. O Secretário de Maria Elias Soares, da Universidade Federal do
Revista Saberes Especial SPC 2016 12

Ceará; Marisa Philbert Lajolo, da Universidade – Exame Nacional de Cursos e criou, em


Estadual de Campinas; Raquel Figueiredo substituição, o SINAES - Sistema Nacional de
Alessandri Teixeira, da Universidade Federal de
Avaliação da Educação Superior. O novo Sistema,
Goiás; Tania Mariza Kuchenbecker Rosing, da
instituído em 2004, estabeleceu, como uma das
Universidade de Passo Fundo. (MEC/INEP,
formas de avaliação, o ENADE – Exame Nacional
1999).
de Desempenho do Estudante.
A Comissão tinha por atribuição, segundo o Dessa forma, substituiu-se uma avaliação
Art. 4.º da Portaria: proceder “à avaliação de todo abrangente e com parâmetros altamente
o processo relativo à realização do Exame”. definidos, por um exame restrito, com poucos
Tivemos a satisfação e a felicidade, então, de alunos por instituição. Desse número reduzido de
organizar o nosso primeiro Exame, com a análise alunos, a avaliação, generalizando, procura
das questões, acolhendo ou não a prova aplicada, atribuir um conceito à própria Instituição. As
e finalmente supervisionar juntamente com as distorções, como não poderiam deixar de
autoridades do INEP todo o esquema de acontecer, são muitas. Se alunos não
concretização e realização das provas. E tudo comparecem às provas, esse fato negativo recai
correu em perfeita ordem e pleno sucesso. Do sobre a avaliação da instituição em que eles
mesmo modo, sucedeu com os Exames seguintes. estudam. Ou, ao contrário, há os casos em que
O Diretor do DAAES/INEP, Prof. Tancredo Maia instituições dão cursinhos especiais aos alunos
Filho, em reunião, tinha o costume de brincar e selecionados, além de prometem prêmios
nos atribuir notas, e nunca éramos reprovados, valiosos para que esses alunos se saiam o melhor
embora ele costumar ser muito rigoroso. possível.
Além disso, eu, em particular, fui o Relator Como membro da CTA – Comissão Técnica
da Comissão e participei da organização das de Avaliação, criada pelo INEP, em 2005,
seguintes realizações do INEP na área da participei da implantação do novo sistema de
avaliação: Congresso do Curso de Letras – avaliação, o SINAES. Inclusive, fui um dos
Recife/PE; Congresso do Curso de Letras – Rio de participantes da elaboração do Instrumento de
Janeiro/RJ; Congresso do Curso de Letras – Avaliação.
Fortaleza/CE; e Congresso do Curso de Letras – No INEP - Instituto Nacional de Estudos e
Brasília/DF. Pesquisas Educacionais, tive a honra e a
Nesses congressos, participávamos da satisfação de trabalhar sob a supervisão da
programação, convidávamos conferencistas, Professora Maria Helena Guimarães de Castro,
colaborávamos na organização desde a ideia Presidente; do Professor Tancredo Maia Filho,
inicial, passando pelo processo de inscrições, Diretor de Avaliação e Acesso ao Ensino Superior;
supervisão do andamento e emitíamos relatórios. do responsável direto pela realização das
Era um trabalho complexo, importante, e que avaliações, Professor Jocimar Archangelo,
irradiava a concepção, os propósitos, a Coordenador do ENC - Exame Nacional de Cursos
importância e, mesmo, a necessidade da e do DAES/INEP, e, mais diretamente, da
avaliação para a melhoria da educação superior. Professora Sheyla Carvalho Lira, Coordenadora
Para cada ano, a Comissão era refeita e Geral das Comissões do ENC. Mas nesse
renovada: alguns membros saíam, outros eram momento a minha participação no MEC/INEP ia
incluídos. Eu, porém, permaneci até o final delas aos poucos chegando ao fim.
em 2003, quando o Governo Lula extinguiu o ENC
Revista Saberes Especial SPC 2016 13

MEC/INEP- CTA – Comissão Técnica de Avaliação Cursos de Graduação, da Diretoria de Estatísticas e


Avaliação da Educação Superior (DEAES) do INEP;
Eleuda Coelho de Oliveira, Coordenadora de Avaliação
Em 2005, quando já me considerava Institucional da DEAES/INEP; Lena Cavalcante Falcão,
afastado das comissões, em Brasília, certa noite Coordenadora dos Cursos de Graduação da
recebi um telefonema de Brasília. Era a DEAES/INEP; Ana Maria Costa de Sousa, Centro
professora Lena Cavalcante Falcão do MEC/INEP, Universitário do Triângulo; Ana Maria Ferreira de
que, em nome da professora Iara de Moraes Mattos Retti, Universidade Federal de Santa Catarina;
Celso Spada, Universidade Federal de Santa Catarina;
Xavier, fazia-me um convite para eu ingressar em
Cosme Damião Bastos Massi, Centro Universitário
uma nova comissão que estaria sendo instalada
Positivo; Fátima Teresinha Scarparo Cunha,
no INEP. Seria a CTA – Comissão Técnica de Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro;
Avaliação. Esta nova comissão seria agora nos Geraldo Vieira da Costa, Universidade Federal do
moldes do novo Sistema Nacional de Avaliação da Amazonas; Guilherme Marback, Universidade de
Educação Superior, o SINAES. Salvador; Jayme Ferreira Bueno, Pontifica Universidade
A essa Comissão se conferiam três Católica do Paraná; Letícia Soares de Vasconcelos
Sampaio Suñé, Universidade Federal da Bahia e Paulo
principais atribuições: 1.ª - “apreciar, em grau de
César Martinez Y Alonso, Centro Universitário da
recurso, as solicitações de reconsideração das Cidade.
avaliações institucionais e dos cursos de Parágrafo único: Fica estabelecido que a coordenação
graduação, tecnológicos e sequenciais, nas desta comissão será exercida por Iara de Moraes
modalidades presenciais e a distância”; 2.ª – Xavier, como representante deste Instituto.
“propor produtos relacionados com a Art. 2.° Esta Comissão, instituída no âmbito da
operacionalização das diversas modalidades Coordenação Geral de Avaliação Institucional e dos
Cursos de Graduação, da Diretoria de Estatísticas e
avaliativas”; e 3.ª – “emitir pareceres e elaborar
Avaliação da Educação Superior (DEAES) do INEP, tem
relatórios referentes aos processos avaliativos as seguintes atribuições:
resultantes das avaliações in loco”. - apreciar, em grau de recurso, as solicitações de
A reprodução abaixo da Portaria que criou a reconsideração das avaliações institucionais e dos
Comissão atesta a importância que ela assumiria na cursos de graduação, tecnológicos e sequenciais, nas
avaliação da Educação Superior e aminha modalidades presenciais e a distância;
- propor produtos relacionados com a
participação como membro:
operacionalização das diversas modalidades
CTA - COMISSÃO TÉCNICA DE AVALIAÇÃO
avaliativas;
INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS
- emitir pareceres e elaborar relatórios referentes aos
EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA
processos avaliativos resultantes das avaliações in
loco;
PORTARIA N.° 9, DE 11 DE FEVEREIRO DE 2005
Art. 3.° Esta Portaria entra em vigor na data de sua
O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e
publicação, revogada a Portaria INEP n.º 7, de 3 de
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), no uso
fevereiro de 2005.
de suas atribuições, tendo em vista a Lei n.º 10.861,
ELIEZER MOREIRA PACHECO (MEC/INEP, 2005).
de 14 de abril de 2004, a Portaria Ministerial n.º
3.643, de 9 de novembro de 2004 e a Portaria
Quanto à primeira das atribuições, nós
Ministerial n° 4.362, de 29 de dezembro de 2004,
resolve: apreciamos, demos pareceres e julgamos
Art. 1.° Designar para compor a Comissão Técnica em recursos de inúmeras instituições sobre a
Avaliação Institucional e dos Cursos de Graduação, os avaliação realizada em seus cursos; com
seguintes membros: Iara de Moraes Xavier, referência à segunda, organizamos e propusemos
Coordenadora Geral de Avaliação Institucional e dos documentos de avaliação de cursos e de
Revista Saberes Especial SPC 2016 14

avaliação institucional, que, muitos deles, Celso Spada – Universidade Federal de Santa
continuam em vigor até hoje; elaboramos Catarina
Cosme Damião Bastos Massi – Centro Universitário
inúmeros pareceres e relatórios sobre os
Positivo
processos de avaliação, que acabava de entrar em
Eleuda Coelho de Oliveira – Coordenação
vigor, o SINAES. Geral/DEAES/INEP
Foi a CTA que redigiu e apresentou o Fátima Teresinha Scarparo Cunha – Universidade
Instrumento Único de Avaliação de Cursos de Federal do Estado do Rio de Janeiro
Graduação, que ainda se encontra em vigor. Geraldo Vieira da Costa – Universidade Federal do
Transcreve-se parte do início do documento: Amazonas
Guilherme Marback Neto – Universidade Salvador
MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Jayme Ferreira Bueno – Pontifícia Universidade
Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior Católica do Paraná
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais José Janguiê Bezerra Diniz – Faculdade Maurício de
Anísio Teixeira Nassau
INSTRUMENTO ÚNICO DE AVALIAÇÃO DE CURSOS DE Lena Cavalcante Falcão – Coordenação
GRADUAÇÃO Geral/DEAES/INEP
Brasília | DF | janeiro | 2006 Letícia Soares de Vasconcelos Sampaio Suñé –
Universidade Federal da Bahia
Presidente da República Federativa do Brasil, Luiz Paulo César Martinez Y Alonso – Centro
Inácio Lula da Silva Universitário da Cidade
Ministro da Educação, Fernando Haddad Assessoria Técnica
Secretário Executivo, Jairo Jorge Giovanni Silva Paiva – DEAES/INEP
Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Renata de Paiva Silva – DEAES/INEP
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – INEP, Comissão Nacional de Avaliação da Educação
Reynaldo Fernandes Superior (CONAES)
Diretor de Estatísticas e Avaliação da Educação Hélgio Henrique Casses Trindade – Presidente
Superior do INEP, Dilvo Ristoff Nelson Maculan Filho - Representante do MEC
Presidente da Comissão Nacional de Avaliação da Eliezer Moreira Pacheco - Representante do MEC
Educação Superior, Hélgio Henrique Casses Trindade Ronaldo Mota - Representante do MEC
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Jorge Almeida Guimarães - Representante da CAPES
Educacionais Anísio Teixeira – INEP, Coordenadora Dilvo Ristoff – Representante do INEP
Geral de Avaliação Institucional e dos Cursos de Léia de Souza Oliveira Viana – Representante do
Graduação, Iara de Moraes Xavier corpo técnico-administrativo
Coordenador Geral do Exame Nacional de Daniele Costa Silva – Representante do corpo
Desempenho dos Estudantes, Amir Limana discente
Madalena Guasco Peixoto – Representante do corpo
Coordenador Geral de Estatística da Educação
docente
Superior, Jaime Giolo
Isaura Belloni – Membro com notório saber
Comissão Técnica de Avaliação (CTA)
científico, filosófico e artístico
Iara de Moraes Xavier – Presidente da CTA,
Maria Isabel da Cunha – Membro com notório saber
Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e
científico, filosófico e artístico
DEAES/INEP
Maurício Garcia – Membro com notório saber
Ana Estela Haddad - Universidade de São Paulo
científico, filosófico e artístico
Ana Maria Costa de Sousa – Centro Universitário do
Nadja Maria Valverde Viana – Membro com notório
Triângulo
saber científico, filosófico e artístico
Ana Maria de Mattos Rettl – Universidade Federal
de Santa Catarina Consultores da CONAES
José Ângelo Belloni - Universidade de Brasília
Revista Saberes Especial SPC 2016 15

Silke Weber - Universidade Federal de Pernambuco Ministro da Educação (MEC/INEP, 2006).


Assessoria Técnica da CONAES
Adalberto Carvalho Além do trabalho de produção de
Fabiane Robl documentos para a avaliação superior, participei,
Francisco Heitor de Magalhães como membro da CTA - Comissão Técnica de
Maria Regina Xausa
Avaliação, além dessa, de outras atividades,
Stela Maria Meneghel
como as que listo: Congresso do Curso de Letras –
Tattiana T. Freitas da Silva
Brasília/DF, nas instalações do Hotel América;
APRESENTAÇÃO Congresso do Curso de Letras – Florianópolis/SC;
Em continuidade à implementação dos na UFSC – Universidade Federal de Santa
instrumentos que permitirão operacionalizar o Catarina; Congresso do Curso de Letras –
Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Fortaleza/CE, na UNIFOR – Universidade de
(SINAES), criado por meio da Lei nº 10.861, de 14 de Fortaleza; Congresso do Curso de Letras –
abril de 2004, instituindo a avaliação das instituições Aracaju/SE, na UNIT – Universidade Tiradentes;
de educação superior, de cursos e do desempenho
Congresso do Curso de Letras – Curitiba/PR, na
dos estudantes de forma integrada, apresento à
sociedade brasileira o novo Instrumento Único de
Universidade Positivo.
Avaliação de Cursos de Graduação. A participação na CTA – Comissão Técnica
É resultado do trabalho coletivo da Comissão de Avaliação foi mais uma contribuição que dei
Nacional de Avaliação da Educação Superior aos trabalhos da avaliação da universidade e da
(CONAES) e da Diretoria de Estatísticas e Avaliação educação superior. O que aí realizamos fica a
da Educação Superior (DEAES), do Instituto Nacional
testemunhar a nossa ação em empreitada de
de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira
tamanha importância e de tão grande significado.
(INEP). Sua formulação teve como referência as
Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos, os
padrões de qualidade da educação superior e os V – REMATE
princípios e diretrizes do SINAES.
O Instrumento Único de Avaliação de Cursos de
Graduação será utilizado para o reconhecimento e Hoje, passados já dez anos de minha
renovação de reconhecimento dos cursos de participação em diversas comissões de avaliação
Bacharelado, Licenciatura e Tecnológicos, nas dos órgãos MEC/SESu e MEC/INEP, o tempo me
modalidades presencial e a distância. (...); Avaliação fornece as condições necessárias para fazer um
Institucional, nas suas vertentes de Auto-Avaliação e
balanço dessa minha atuação. Inicialmente,
Avaliação Institucional Externa; Exame Nacional de
posso avaliar que foi um trabalho altamente
Desempenho de Estudantes – ENADE e a Avaliação de
Cursos, esta última expressa o compromisso com uma dignificante para mim e penso que de
Política de Estado da Educação Superior que tem importância para a avaliação da universidade e
caráter sistêmico (...) da educação superior e para o próprio país.
Cumpre-se, com a implementação do novo Ao encerrar, por dever de consciência e,
Instrumento Único de Avaliação de Cursos de como preito de reconhecimento e de profundo
Graduação, sob responsabilidade do INEP, mais uma
agradecimento, eu não poderei deixar de citar
etapa do processo avaliativo integrado do SINAES,
algumas pessoas importantes da educação que
assegurando a oferta de cursos de educação
superior com qualidade acadêmica e compromisso me proporcionaram essa oportunidade. E
social com o desenvolvimento do país. também aquelas que me apoiaram nessa minha
Brasília, 31 de janeiro de 2006 caminhada como um prestador de serviço
Fernando Haddad público no Ministério da Educação, SESu -
Revista Saberes Especial SPC 2016 16

Secretaria da Educação Superior, e no INEP - CTA – Comissão Técnica de Avaliação. Fica, aqui, o
Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas agradecimento a ela, como também às suas duas
Educacionais Anísio Teixeira. principais colaboradoras, as professoras Eleuda
O primeiro a quem devo agradecer, in Coelho de Oliveira e Lena Cavalcante Falcão,
memoriam, é ao ilustre reitor da PUCPR, ambas da Coordenação Geral da DEAES/INEP.
Professor Euro Brandão. Grande humanista Sem essa declaração de reconhecimento e
dirigiu a PUCPR em três mandatos, de 1986 a sem o agradecimento e a gratidão, a minha parte
1997. Nesse cargo, eu tive a honra de trabalhar a nesse ingente trabalho de avaliação no MEC/SESu
seu lado durante todo o seu reitorado como e MEC/INEP não ficaria completo. Foi o nosso
Assessor Especial. Artista plástico, além de altos trabalho em equipe, sempre guiados por direções
cargos públicos no Paraná e no âmbito Nacional, competentes, que fez vingar projetos que muitos
Euro Brandão foi Secretário da Educação consideravam impossíveis, por demasiado
Superior na gestão do Ministro Ney Aminthas de ambiciosos para a realidade brasileira. A nossa
Barros Braga, de 1974 a 1978. Em seguida, ele ação, porém, mostrou que era possível
próprio, assumiu o Ministério da Educação, no desenvolver com sucesso bons e proveitosos
período de 1978 e 1979. Foi ele quem me projetos, planos de avaliação da universidade
indicou e quem me apoiou sempre para que eu brasileira e da educação superior em nosso país.
pudesse exercer essas elevadas funções e
ajudasse, juntamente a ele, a dignificar a
Pontifícia Universidade Católica do Paraná no
cenário nacional.
Na SESu, foi muito bom ser chefiado e REFERÊNCIAS
apoiado pelo Diretor de Projetos, Professor Cid
Santos Gesteira. Este reconhecimento,
AGES. Faculdade AGES. Curso de Letras.
agradecimento e homenagem também in http://www.faculdadeages.com.br/faculdadeages/letra
memoriam. s/ –Acesso 14.04.2016.
No INEP, sob a chefia do Professor Jocimar BARREIRO, Gladys Beatriz e ROTHEN, José Carlos.
Archangelo, Coordenador do DAES/INEP, e, Para uma história da avaliação da educação
diretamente, da Professora Sheyla Carvalho Lira, superior brasileira: análise de documentos do
Coordenadora Geral das Comissões do ENC, nós, Paru, Cnres, Geres e Paiub. Em Avaliação,
membros das Comissões, pudemos exercer com Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 1, p. 131-152,
pleno êxito nossas funções nas diferentes tarefas mar. 2008.
de avaliação. Fica a ele e a ela, o agradecimento BARREIRO, Gladys Beatriz e ROTHEN, José Carlos.
sincero. Política de avaliação e regulação da educação
Finalmente, foi útil, proveitoso e instrutivo superior brasileira. Cultura Escolar Migrações e
Cidadania Actas do VII Congresso LUSOBRASILEIRO
trabalhar sob a direção do Professor Dilvo
de História da Educação. Porto, Portugal:
Ristoff, que além de ser o Diretor de Estatísticas
Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação
e Avaliação da Educação Superior, sempre foi um (Universidade do Porto), 20-23.jun.2008.
estudioso de sistemas de avaliação universitária.
DIZIONARIO BIOGRAFICO DEGLI ITALIANI.
Sem esquecer a Professora Iara de Moraes Xavier http://www.treccani.it/enciclopedia/irnerio/ –
– Coordenadora Geral de Avaliação Institucional e Acesso 14.04.2016.
dos Cursos de Graduação do INEP e Presidente da
Revista Saberes Especial SPC 2016 17

EDUCAÇÃO PÚBLICA. Avaliação ao longo da em 13.04.2016.


história: breve histórico. http://www. REVISTA SABERES. Centro Universitário UniAGES.
educacaopublica.rj.gov.br/oficinas/ed_ciencias/av http://faculdadeages.com.br/saberes/ - Acesso
aliacao/avaliacao_historia.html–Acesso 13.04.2016.
13.04.2016.
SANTOS, Silvio Carlos dos e outros. Avaliação no
ESTEVES, Vera Vergara; PEREIRA, Wally Chan; SIANO,
mundo hodierno: um intervir sobre a produção
Lucia Maria. Avaliação da universidade brasileira: do conhecimento. Em Revista Iberoamericana de
algumas considerações. Educación / Revista Ibero-americana de
http://www.sbec.org.br/evt2008/trab40.pdf – Acesso
Educação.
em 13.04.2016. http://rieoei.org/deloslectores/3769Santos.pdf –
JOBIM. José Luis. A formação profissional em Acesso 13.04.2016.
Letras: do currículo à avaliação. Acta Scientiarum SOUZA, José Geraldo. Evolução histórica da
22(1):127-133, 2000. universidade brasileira: abordagens preliminares.
MANUAL DO ENADE. http://periodicos.puc-
http://www0.ufu.br/enade2009/enade/Manual_2009 campinas.edu.br/seer/index.php/reveducacao/article/
_ atualizado. Pdf – Acesso em 13.04.2016. viewFile/ 461/441– Acesso em 14.04.2016.

MARTINS, Maria do Carmo Fernandes. Avaliação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ – UFPR. A mais
da universidade: uma análise das publicações no antiga do Brasil. http://www.ufpr .br/portalufpr/a-
Brasil. Revista Educação e Filosofia 12 (24).11-47, mais-antiga-do-brasil/– Acesso em 14.04.2016.
jul-dez. 1998. UNIVERSITÀ DI BOLOGNA. Alma Mater Studiorum
MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Documento básico A. D. 1088. http://www.unibo.it/it – Acesso
avaliação das universidades brasileiras: uma 13.04.2016.
proposta nacional. Brasília: MEC, 1993. ZAINKO, Maria Amelia Sabbag. Avaliação a educação
http://portal.mec.gov.br/sesu/arquivos/pdf/ superior no Brasil: processo de construção histórica.
docbas.pdf – Acesso 13.04.2016. Em Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 13, n. 3,
___________. Uma nova política para a educação p. 827-831, nov. 2008.
superior. Relatório final da Comissão Nacional - ZANDAVALLI, Carla Busato. Avaliação da educação
Comissão de notáveis. Brasília, 1985. superior no Brasil: os antecedentes históricos do
http://www.schwartzman.org.br/ simon/
SINAES. Em Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v.
comissao.htm – Acesso em 13.04.2016.
14, n. 2, jul. 2009.
__________. Instituto Nacional de Estudos e
Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira.
Instrumento único de avaliação de cursos de
graduação. Brasília: MEC, 2006.
__________. __________. Ata da primeira
jornada de trabalho da comissão de avaliação do
curso de letras – Enc/2002. Brasília, 12.12.2001.
REVISTA GALILEU.
http://revistagalileu.globo.com/Revista/Common/0,EMI
343904-17770,00-
AS+UNIVERSIDADES+MAIS+ANTIGAS+DO+MUNDO.ht
ml–Acesso em 13.04. 2016.
REVISTA MUNDO ESTRANHO.
Mundoestranho.abril.com.br/materia/onde-e-
quando-surgiu- a-primeira-universidade – Acesso
Revista Saberes Especial SPC 2016 18

ÉTICA NA CAPTAÇÃO DE TALENTOS ATRAVÉS DO


E –RECRUITMENT
Silvia Manoela Santos de Jesus*
RESUMO: Muitos ainda não acreditam na força da internet.
No entanto, a cada dia que passa novos negócios são
criados e novas oportunidades surgem. O recrutamento
online surgiu da observação da possibilidade de utilizar a
web para realizar negócios e atrair profissionais
qualificados. Dessa forma, esta obra tem como objetivo
principal demonstrar como é feito o recrutamento de
pessoas online, ou seja, através do E-Recruitment. Com isso,
aborda-se sobre as vantagens e desvantagens de recrutar
pessoas de forma tradicional e no modelo online. No campo
metodológico, no estado da arte, foi demonstrado que os
bancos de dados são bastante utilizados para encontrar
profissionais e que as redes sociais são um dos canais mais
utilizados para se encontrar profissionais capacitados,
sendo que o Linkedin, rede social online voltada para
profissionais, acumula mais de 100 milhões de usuários no
mundo, e destes, 3 milhões são brasileiros. Sobre as redes
sociais, é apresentado nesse estudo que 75% dos
recrutadores preferem utilizar o Facebook. Pode-se
observar a força das redes sociais, além de ficar visível que
seu objetivo não é apenas interligar pessoas, mas também
ser utilizado para interagir com profissionais, divulgar
oportunidades de emprego e encontrar pessoas com o
perfil adequado para determinada vaga.
PALAVRAS-CHAVE: e-recruitment, recrutamento
tradicional, redes sociais
ABSTRACT: Many still do not believe in the power of the
internet. However, every day new businesses are created
and new opportunities arise. The online recruitment came
from the observation of the possibility of using the web to
conduct business and attract qualified professionals. Thus,
this work aims to show how the people online recruitment
is done, ie via e-Recruitment. Thus, it is approached on the
advantages and disadvantages of recruiting people
traditionally and online model. In the methodological field,
the state of the art, it was shown that the databases are
often used to find professional and social networks are one
of the most used channels to find qualified professionals,
and LinkedIn, online social network dedicated to
professionals , has more than 100 million users worldwide,
and of these, 3 million are Brazilian. On social networks, it is
presented in this study that 75% of recruiters prefer to use
Facebook. One can observe the power of social networks,
and stay visible to your goal is to not only connect people
but also be used to interact with professionals, promotion
of employment opportunities and finding people with the
right profile for a given job.
KEY WORDS: e-recruitment, traditional recruitment, social
networking

* Mestra em Ciências da Educação, Especialista em Gestão


Ambiental, Bacharela em Administração.
Professora e Coordenadora da UniAGES.
Revista Saberes Especial SPC 2016 19

de recrutamento norte-americano quem custeia a


I - MARCO INTRODUTÓRIO manutenção do sistema são as empresas, já aqui
no Brasil, a estratégia utilizada pelas empresas é
Atualmente, a Gestão de Pessoas consolida inicialmente conceder alguns dias de acesso
um conjunto de instrumentos e técnicas que gratuito ao sistema, e após esse acesso ser
auxiliam e permitem às organizações atraírem, bloqueado, se o indivíduo quiser continuar tendo
manterem e desenvolverem pessoas dentro de acesso, tem que pagar.
uma organização empresarial. Dessa forma, esta obra tem como objetivo
A busca por profissionais qualificados é principal demonstrar como é feito o
constante nas empresas, na era em que vivemos, recrutamento de pessoas online, ou seja, através
onde o conhecimento é bastante importante, ter do E-Recruitment. Com isso, os objetivos
pessoas qualificadas no quadro de colaboradores específicos se traduzem em: abordar sobre as
das organizações acaba se tornando uma vantagens e desvantagens de recrutar pessoas de
vantagem competitiva. O recrutamento forma tradicional e no modelo online; perceber os
tradicional de pessoas já é bastante conhecido. As comportamentos das pessoas recrutadas pelo
organizações anunciam o perfil do profissional método online.
procurado, e assim ele é colocado para preencher Assim, é possível observar que o e-
as vagas dentro das empresas ou quando se quer Recruitment é a forma mais eficiente e eficaz de
substituir outro profissional. Entretanto, esse recrutar profissionais nos dias de hoje, haja vista
modelo é bastante complexo e acaba se tornando que a internet em si, é uma área promissora e um
caro para as empresas, pois demanda muito de grande percentual dos profissionais disponíveis
tempo e dinheiro. está inserido nela, com isso as empresas serão
Diversos fatores influenciam e acabam obrigadas a se adaptarem ao novo cenário,
sendo determinantes na prática de gestão de construindo seus planejamentos com base no
pessoas. Com o crescimento da internet surgiram melhoramento do sistema, dessa forma será
diversos tipos de empreendimentos que possível atrair mais talentos para as organizações.
incentivam a competitividade dentro das Com todo esse desenvolvimento digital,
empresas, o e-business (negócios eletrônicos) e o onde existem diversas redes sociais, muitas das
e-commerce (comércio eletrônico) são exemplos pessoas que fazem parte dessas redes geram
de empreendimentos bem-sucedidos. Essas conteúdos e os compartilham também. As
evoluções levaram ao surgimento do e-RH, ou empresas vislumbraram a força do mundo digital,
seja, a prática de Recursos Humanos na internet, com isso muitas criam perfis a fim de promover
que se refere a utilização de sistemas, mídias e os seus produtos e serviços, além de utilizar-se
redes sociais para melhorar o desempenho das dessa ferramenta como instrumento de captação
pessoas dentro das empresas. de talentos.
Por volta da década de 90 e o início dos Cada empresa utiliza-se de uma técnica
anos 2000 iniciou-se o recrutamento e seleção de diferente para atrair os profissionais. Algumas
profissionais pela internet aqui no Brasil. O e- preferem utilizar cadastro em bancos de dados de
Recruitment, termo inglês que define sites especializados, a exemplo da Catho online,
“recrutamento de pessoas online”, se inspira nos CIEE e Curriculum web, outras preferem divulgar
modelos norte-americanos, onde empresas e recrutar a partir do seu próprio site ou de redes
pessoas cadastram seus currículos nos sites de sociais voltadas para o mundo dos negócios:
busca de emprego. A diferença é que no modelo Linkedin.
Revista Saberes Especial SPC 2016 20

Para esta pesquisa foi utilizado o Estado tradicionais, os anúncios em jornais e rádios, mas
da Arte, como instrumento prático, através de também há empresas adaptadas as novas
casos reais de empresas que utilizam a tendências utilizando-se da internet para atrair
ferramenta das redes sociais como artifício para profissionais.
recrutar pessoas, ou seja, o e-recruitment. As redes sociais são os canais de
comunicação mais utilizados para recrutar
II - MARCO TEÓRICO pessoas, visto que o número de pessoas
qualificadas que estão presentes é bastante
Recrutamento e Seleção: uma abordagem grande. Pode-se observar que as empresas estão
histórica tentando procurar o perfil ideal nessas redes e
esses canais de comunicação possibilitam que
Sabe-se que o mercado hoje disponibiliza essas empresas atendam suas necessidades e
profissionais de diversos perfis e com consequentemente aloquem o melhor
qualificações diversificadas, com isso, muitas profissional para a função.
vezes contratar um profissional com um currículo Existem três tipos de recrutamento de
extenso não significa que esse irá atuar de forma pessoas: interno, externo e misto. O interno é
eficaz na empresa ou que irá se adaptar à política quando a empresa procura preencher as vagas
organizacional da mesma. Por isso, é necessário com pessoas que já trabalham na empresa, assim
que a empresa ao recrutar exponha o perfil seus funcionários podem ser promovidos,
procurado por ela. remanejados ou transferidos. O recrutamento
Com o passar dos anos, o surgimento e interno é mais econômico em termos de tempo e
desenvolvimento de novas tecnologias, a dinheiro comparando com o recrutamento
concorrência nas empresas está se tornando externo, visto que dispensa custos com anúncios.
acirrada a cada dia que passa. A necessidade de Já o recrutamento externo realiza-se
se aplicar instrumentos de avaliação que quando se pretende preencher o cargo vago com
possibilitem a empresa atrair e selecionar candidatos externos à organização, sendo estes
profissionais que se enquadrem com o perfil da atraídos pelas técnicas de recrutamento. Trata-se,
empresa é importante, tendo em vista as portanto de uma procura de candidatos no
consequências futuras que esses processos mercado de trabalho. Chiavenato (2012, p. 176)
geram. aborda que “o recrutamento externo funciona
Nesse contexto, o recrutamento e a seleção com candidatos vindos de fora. Havendo uma
de pessoas se tornam indispensáveis a toda e vaga, a organização procura preenchê-la com
qualquer organização, esse possibilita que o pessoas estranhas, ou seja, com candidatos
gestor atraia e analise se o candidato tem o perfil externos atraídos pelas técnicas de
necessário para ocupar a vaga em aberto. Assim, recrutamento”.
o recrutamento pode ser visto como um objeto Para Araújo (2014), o recrutamento misto é
que permite o desenvolvimento e o sucesso das a junção do recrutamento interno e externo. É
empresas, e é através dele que as empresas utilizado por empresas de grande e médio porte.
escolhem os melhores profissionais disponíveis Como todos os outros tipos, esse também trata
no mercado. de preencher vagas, só que nesse caso pode ser
Com a mudança do mercado, os métodos com pessoas que já trabalham na empresa e
de recrutamento também mudaram. Existem querem mudar de cargo (recrutamento interno)
empresas que preferem utilizar os métodos
Revista Saberes Especial SPC 2016 21

ou com pessoas novas que queiram se candidatar atração de um grupo de candidatos, entre os
ao emprego (recrutamento externo). quais serão escolhidos alguns, para futuramente
A seleção de pessoas é um processo serem selecionados, sendo que todo o processo é
utilizado pelas empresas para alocar as pessoas presencial, o e-recruitment, recrutamento online
com as competências que estejam sido exigidas ou virtual, refere-se à utilização da internet para
no recrutamento. A seleção também pode ser atrair profissionais para as empresas (TORRES,
entendida como um processo de comparação 2012).
entre perfil dos candidatos, com o perfil exigido O recrutamento online surgiu no Brasil
pela vaga. entre o final dos anos 1990 e o início dos anos
Pode-se observar que a seleção é uma 2000, eles se baseavam nos métodos norte-
complementação do recrutamento, tendo em americanos, onde os candidatos se cadastravam
vista que um visa atrair, e o outro funciona como em um site e esses os encaminhavam as vagas
uma ferramenta de escolha dos candidatos disponíveis nas empresas. O recrutamento online
selecionados, após algumas etapas dentro da desde aquela época foi tão bem aceito nas
própria seleção, é que o profissional de recursos empresas que houve uma grande demanda por
humanos escolhe o candidato que melhor se parte dos profissionais, eles enviavam seus
enquadre no perfil procurado. currículos através da rede interessados em:
estágios, trainees, e também de um emprego fixo.
Recrutamento online Os resultados começaram a aparecer logo, a
redução do tempo dos processos de
Segundo Mitter e Orlandini (2005), recrutamento ficou visível a todos. Empresas que
“Recrutamento on-line, também denominado de gastavam em média sessenta dias desde a
recrutamento através da Internet são designações divulgação da vaga até o final do processo
que representam uma das mais atuais, úteis e reduziram, em média, para quarenta dias, com
dinâmicas aplicações das tecnologias de isso as empresas ganharam tempo e
informação no domínio da gestão das pessoas” consequentemente reduziram seus custos
(p. 20). Essa nova tendência de recrutamento financeiros.
surgiu com a chegada da internet no Brasil nos Com isso, as barreiras estão sendo
anos 1990 e, com isso, as empresas observaram rompidas com esse novo modo de recrutar, hoje
na web a oportunidade de criar novos negócios. as empresas que utilizam o recrutamento virtual
Inicialmente foi criado o do e-commerce, não veem mais problema em encontrar mão-de-
modalidade de compra pela internet, e depois obra qualificada, tendo em vista que após
veio o e-business, esse inclui todas as aplicações e anunciar uma vaga na internet, profissionais de
os processos que permitem a uma empresa outras cidades ou estados são atraídos. É
realizar uma transação de negócios (KALAKOTA, importante salientar que o e-recruitment não se
2012, p. 24). Com a aceitação dos negócios restringe apenas a uma ou duas técnicas de atrair
online no Brasil, as empresas observaram que elas profissionais. Atualmente as empresas se utilizam
poderiam buscar profissionais na web, sendo que de várias ferramentas, entre as principais podem
estes poderiam ser atraídos independentes dos ser destacadas: os bancos de dados de empresas
mercados que eles estejam inseridos, daí surgiu o de recrutamento de pessoas, e a mais nova
e-recruitment ou recrutamento online. modalidade de atração, as redes sociais.
Diferente do recrutamento tradicional, que
é conhecido como um processo de identificação e
Revista Saberes Especial SPC 2016 22

III - MARCO ANALÍTICO solução dos problemas, visando à diversidade de


ferramentas disponíveis nela.
Bancos de dados A Catho Online, hoje, dispõe de mais 1
milhão e 900 mil currículos cadastrados em seus
Os bancos de dados são sistemas que bancos de dados, com isso, há um custo pequeno
armazenam os currículos dos candidatos. Os para a empresa e ela consegue encontrar um ou
currículos são geridos em um software que tem a vários profissionais que se enquadrem no perfil
finalidade de contribuir para a tomada de decisão procurado. Assim, o recrutamento acaba sendo
na hora de indicar um profissional a uma vaga de mais rápido e menos custoso financeiramente.
emprego.
A empresa Catho Online é a líder no Redes Sociais online
mercado de recrutamento de pessoas através da
internet. A organização existe há mais de quinze No final dos anos de 1960 surgiu a
anos, e tem como objetivo intermediar o ARPANET, uma rede de internet que se originou a
processo de contração entre profissionais e partir do Ministério de Defesa dos Estados Unidos
empresas que possuem vagas disponíveis. da América. Entretanto só a partir de 1974 que foi
Segundo os dados da própria Catho, são mais de disponibilizado o primeiro serviço de internet
10 mil contratações todo mês realizadas por meio comercial nos Estados Unidos. A primeira rede
do site, que hoje conta com mais de 230 mil social online que chegou aqui no Brasil foi o
anúncios de vagas. Orkut, entre os anos de 2005 e 2006, ela tinha o
A Catho Online fornece em seu site serviços objetivo de compartilhar fotos e mensagens com
direcionados para profissionais e empresas. Os os amigos. Foram se criando várias outras redes
profissionais têm a oportunidade de cadastrar sociais, mas nenhuma tinha o caráter profissional.
seus currículos, com sete dias de anúncio para Posteriormente, vieram Facebook, Instagram e
que o mesmo teste o sistema. Daí a Catho WhatsApp.
possibilita ao candidato concorrer a processos Daí surgiu o Linkedin. Criado no ano de
seletivos nas principais empresas do Brasil. Outro 2003, essa rede social tem a missão de interligar
benefício oferecido é a possibilidade de participar profissionais a outros profissionais, e as
de cursos, palestras e eventos em geral empresas. Pode-se dizer que o Linkedin é uma
oferecidos pela própria Catho. Já as empresas rede social voltada para o mundo dos negócios.
cadastradas no sistema Catho, dispõem das Segundo a pesquisa da Wave.3, da Universal
ferramentas de anúncio de vagas, treinamento McCann, o Linkedin detém cerca de 6% do
empresarial, busca de currículo, testes online e mercado mundial, o que é um número bastante
busca salarial. expressivo se considerarmos que ele é muito
Consoante ao exposto vale a pena dedicado ao nicho profissional (TORRES, 2012).
acrescentar que empresas como a Catho têm Para Carvalho (2010), apesar de ser uma
tudo para continuarem crescendo no país, haja rede social, o Linkedin dispõe de ferramentas
vista a popularização da internet. No Brasil já são totalmente diferentes das outras redes utilizadas
mais de 78 milhões conectadas, e com grande pelo brasileiro. Ao invés de relacionamentos,
quantidade de profissionais qualificados, a conexões é o nome dado quando um profissional
competitividade por emprego só vai aumentar a está interligado a outro. No Linkedin, um
cada dia que passa. A internet acaba sendo a profissional só pode se conectar a outro, caso
eles compartilhem algo, seja amizade, o mesmo
Revista Saberes Especial SPC 2016 23

local de emprego ou estudem na mesma corporativo), essa rede social é considerada a


instituição. Assim, as conexões são feitas a partir maior rede social online do mundo.
de interesses e não porque você achou outra A pesquisa da consultoria Right
pessoa interessante pela foto. Management destacou recentemente que 75%
O Linkedin tem um sistema que lembra dos recrutadores do continente Asiático preferem
bastante o do Facebook, outra rede social recrutar pelo Facebook, e na Europa são 62%, no
bastante popular em todo mundo. Além da Brasil ainda não existem dados concretos, mas o
possibilidade de encontrar amigos de trabalho no que sabemos é que o número de empresas
próprio sistema do Linkedin a partir da digitação tradicionais que estão migrando de plataforma é
do local onde trabalhou ou estudou, essa rede muito grande. A tendência é que um dia o
social permite encontrar as pessoas com a recrutamento por meios tradicionais como
importação de sua lista de contatos, assim ocorre anúncios em jornais, panfletos, rádio e televisão
uma busca dos e-mails disponíveis por você que chegue a um percentual muito pequeno, se
está no banco de dados do Linkedin. comparado com os meios online.
Nesse sentido, por ser uma rede social Com a internet o processo é muito rápido
online onde o objetivo é interligar profissionais, o e mais preciso. As empresas cadastram em
Linkedin é uma das novas tendências do e- bancos de dados de currículos, e assim realizam
recruitment. Por acumular hoje mais de 100 uma seleção preliminar através dos candidatos já
milhões de usuários, sendo que no Brasil já são cadastrados. Essa seleção é feita a partir da
mais de 3 milhões de pessoas e dispor de um comparação do perfil procurado pela empresa e
sistema de busca, onde é possível delimitar o os perfis disponíveis. Na verdade, o que
perfil do profissional procurado, ele já é utilizado diferencia a seleção online do modo tradicional, é
por empresas de recursos humanos. Com isso, ao que essa além de ser mais rápida por ter menos
invés de contratar uma empresa especializada em processos, é mais eficaz, tendo em vista que os
recrutar profissionais, ou pagar a consulta em um candidatos só são credenciados a participar da
banco de dados de currículo, o Linkedin acaba entrevista, se esses se enquadrarem no perfil, ou
sendo mais barato e mais eficiente para se pelos menos cheguem o mais perto possível
encontrar pessoas qualificadas (CARVALHO, das competências exigidas. O ponto negativo
2010). desse processo é a pequena falta de contato
Outra rede social que está se tornando entre empregador/candidato. Para Gomes (2014),
importante para empresas de Gestão de Pessoas a impessoalidade, ou seja, os contatos feitos pela
é o Facebook. Essa rede social surgiu no ano de rede ainda são pouco afetivos, valor importante
2004, inicialmente era restrita a estudante da para a empresa, uma vez que é no contato
universidade de Harvard, mas com o passar do pessoal mais estreito que se conhece o futuro
tempo o seu fundador Mark Zuckerberg resolver funcionário e que se pode estabelecer um bom
expandir e daí todas as pessoas e empresas relacionamento.
tiveram acesso ao Facebook.
Por ter uma estrutura diferenciada, em que IV - CONCLUSÃO
é permitido que pessoas criem páginas pessoais,
como também pode-se inserir contatos Diferente de anos atrás o mercado
profissionais, além da possibilidade das empresas modifica-se constantemente. Com isso, as
criarem as chamadas Fan Pages (páginas com empresas estão procurando se adaptar às novas
uma estrutura voltada para o mundo tendências e novas formas de gestão, tudo isso
Revista Saberes Especial SPC 2016 24

para que possam atender os anseios dos clientes escolha. A rede de contato é a principal aliada de
e alcançar resultados satisfatórios. A verdade é um headhunter, por conta disso observa-se que
que o sucesso hoje depende muito das pessoas e esse profissional não perde espaço com as novas
tecnologias que as empresas têm ao seu despor. tecnologias, na verdade ele acaba ganhando mais
Nesse sentido, as empresas estão atuando ferramentas que o possibilita encontrar mais
para migrar do modelo burocrático e mecanicista, talentos de forma mais rápida (ALMEIDA, 2009).
para um modelo de gestão mais flexível Dentro do recrutamento online estão em
(LACOMBE, 2013). Há décadas atrás o setor de destaque as redes sociais. O Linkedin e Facebook
recursos humanos era apenas um departamento são as duas principais redes online de pessoas
que cuidava de pagamentos e contratações, hoje onde as empresas estão se inserido, haja vista a
esse é chamado de departamento de gestão de quantidade de indivíduos conectados, com isso as
pessoas, visto que esse modelo de gestão busca organizações divulgam suas oportunidades de
capacitar o seu colaborador, dando-lhe emprego, além de disseminarem informações.
oportunidade de se capacitar e se envolver no Enfim, conclui-se que a diminuição das
processo, haja vista que este tem a oportunidade barreiras geográficas, um maior número de
de opinar e participar ativamente do processo de profissionais qualificados, rapidez e diminuição de
gestão. custos são o que difere o e-recruitment do
É notório que a tecnologia foi uma das recrutamento tradicional. O primeiro possibilita à
grandes responsáveis pelo sucesso da gestão de empresa que utiliza buscar profissionais em
pessoas. Com a chegada da banda larga aqui no qualquer lugar do mundo. Enquanto o tradicional
Brasil e o bom momento em que a economia restringe apenas a empresas ao mercado onde o
daqui vem vivendo, proporcionou a proliferação anúncio está sendo veiculado, além de já
de pessoas na internet, daí no início do século XXI funcionar como ferramenta de seleção, haja vista
foram criadas redes sociais online que tinham o que uma vez que é definido o perfil procurado e
objetivo de interligar pessoas e compartilhar cadastrado no sistema, o profissional só
fotos, vídeo e todo tipo de conteúdo. participará da próxima etapa se esse tiver as
As empresas por sua vez aproveitaram competências exigidas.
essas redes online a seu favor. Primeiro foram
criados o e-commerce e e-business, e em seguida
o E-Rh, que por sua vez resultou no e-
recruitment. Com o surgimento do e-recruitment
pode-se observar que empresas tradicionais do
mercado de recursos humanos em sua grande
maioria migraram para o modelo online, pois
essas estão observando a importância de estarem
conectadas e que virtualmente os processos são
mais rápidos e baratos.
Em meio ao e-recruitment estão os
caçadores de talentos, denominados headhunter.
Esses profissionais são contratados pelas
empresas com a missão de encontrar outros
profissionais com o perfil desejado pelas mesmas
dentro de um mercado com tantas opções de
Revista Saberes Especial SPC 2016 25

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, Walnice. Captação e seleção de


talentos: com foco em competências. 2. ed. São
Paulo: Atlas, 2009.
ARAÚJO, Luís César G. de. Gestão de pessoas. São
Paulo: Atlas, 2014.
CARVALHO, Ieda Maria Vecchioni. Recrutamento
e seleção por competências. Rio de Janeiro:
Editora FGV, 2010.
CATHO ONLINE. Sobre a Catho Online. Disponível
em: < http://www3.catho.com.br/institucional/ >.
Acesso em 06 de maio de 2016
CHIAVENATO, Idalberto. Recursos humanos: o
capital humano das organizações. 8 ed. – 4. Reipr.
São Paulo: Atlas, 2012.
GOMES, Ana Filipa Pinho. Recrutamento nas
redes sociais online. Lisboa: 2014.
KALAKOTA, Ravi. ROBINSON, Marcia. E-business:
estratégias para alcançar o sucesso no mundo
digital. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.
LACOMBE, Francisco José Masset. Recursos
humanos: princípios e tendências. São Paulo:
Saraiva, 2013.
MITTER, Gabriela Vilharquide. ORLANDINI, Jean
Marcel. Recrutamento on-line/internet. Maringá
Management: Revista de Ciências Empresariais.
Maringá, n° 2, p. 19-34, 2005.
SANTOS, José Wilson dos; BARROSO, Rusel
Marcos Batista. Manual de Monografia:
Graduação e Pós-graduação. Aracaju: Gráfica e
Editora J. Andrade, 2005.
TORRES, Claudio. A Bíblia do marketing digital:
tudo o que você queria saber sobre marketing e
publicidade na internet e não tinha a quem
perguntar. São Paulo: Novatec Editora, 2012.
Revista Saberes Especial SPC 2016 26

ÉTICA PROFISSIONAL NO PLANEJAMENTO


TRIBUTÁRIO: ELISÃO FISCAL COMO GESTÃO
EMPRESARIAL E SOBREVIVÊNCIA DAS EMPRESAS

Marcos Vinícius Gomes Reis*


Graziela Alves de Amorim**

RESUMO: O presente trabalho trata-se de uma pesquisa


bibliográfica, a qual tem por objetivo analisar a ética no
planejamento tributário, alguns aspectos referentes à
utilização da elisão fiscal, como ferramenta para redução de
pagamento dos tributos de forma lícita dentro das
empresas, auxiliando na gestão empresarial e sobrevivência
das empresas. No decorrer do trabalho, são abordados os
tributos desde a sua origem e chegada ao Brasil, passando
por uma abordagem teórica do planejamento tributário
ético, além de destacar os conceitos mais variados, fazendo
uma distinção entre a elisão fiscal e a evasão fiscal. Por fim,
discute-se a licitude e os princípios éticos dentro do uso da
elisão fiscal para redução ou não pagamento dos tributos,
chegando à conclusão de que, sendo as medidas tomadas
de maneira planejada, de modo a não permitir a ocorrência
do fato gerador da obrigação tributária, seja por meio de lei
ou de “brechas” deixadas pela lei, não se há o que falar em
ato ilícito.
PALAVRAS-CHAVE: Ética; Planejamento tributário; Elisão
Fiscal; Evasão Fiscal.

ABSTRACT: This work it is a bibliographical research, which


aims to examine ethics in tax planning, some aspects of the
use of tax avoidance as a tool for payment reduction of
taxes lawfully within companies, assisting in the
management business and corporate survival. During the
work, the taxes are covered from its origin and arrival in
Brazil, through a theoretical approach to ethical tax
planning, in addition to highlighting the various concepts,
making a distinction between tax avoidance and tax
evasion. Finally, we discuss the legality and ethical
principles in the use of tax avoidance reduction or non-
payment of taxes, coming to the conclusion that, with the
measures taken in a planned way so as to not allow the
occurrence of the triggering event the tax obligation, either
by law or "gaps" left by law, not there to talk about in tort.
KEYWORDS: Ethic; Planning Tributary; Tax Avoidance; Tax
Evasion.

* Graduado em Ciências Contábeis pela Faculdade AGES e


Especialista em Gestão Fiscal e Planejamento Tributário
pela Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe –
FANESE.
** Graduada em Comunicação Social com ênfase em
Publicidade e Propaganda pelo Instituto Baiano de Ensino
Superior e MBA em Marketing Executivo pela Faculdade de
Administração e Negócios de Sergipe – FANESE.
Revista Saberes Especial SPC 2016 27

I - INTRODUÇÃO planejamento tributário. Para isso, serão


trabalhadas as concepções de ética, elisão e
Em tempos de crise as empresas precisam evasão fiscal, as quais darão norte para responder
se munir de ferramentas que venham a auxiliar a ao referido questionamento.
sua sobrevivência dentro de um mercado cada Nesse contexto, percebe-se a relevância de
dia mais competitivo, proporcionando uma um estudo que esclareça as diferenças entre
melhor estrutura de dados que tragam um elisão e evasão fiscal, o qual gerará a transmissão
suporte para a tomada de decisão empresarial. de procedimentos protegidos pela legislação que
A alta carga tributária do Brasil, tem levado auxiliem contadores e empresários a aumentar as
as empresas, para se manterem lucrativas e possibilidades de reduzir o pagamento de
atrativas, procurarem cada vez mais diminuir o tributos, através de informações precisas,
choque dos tributos na composição dos custos. embasamento teórico e princípios éticos.
Tendo como embasamento, dados obtidos Inicialmente, o presente estudo, apresenta
através da Associação Comercial de São Paulo uma explanação acerca da origem dos tributos,
(ACSP), o impostômetro brasileiro, no ano de trazendo a abordagem para o Planejamento
2015, atingiu a marca recorde de R$ 2 trilhões. Tributário e a elisão fiscal, revelando a sua
Perante a alta carga tributária, torna-se importância, utilizando-se de estudos já
necessário implantar ações que possibilitem às realizados. Em seguida, traz-se um enfoque,
empresas a redução dos custos e das despesas de visando demonstrar a finalidade ética do
forma ética. Desse modo, objetiva-se maior lucro Planejamento Tributário de maneira que
e crescimento, em consonância com as leis que possibilite a redução dos gastos com os encargos
conduzem o sistema tributário nacional, de forma tributários. E por último, são apresentados os
estratégica, planejando reduzir o valor da carga resultados e as novas diretrizes que poderão
tributária. modificar o patamar descrito neste artigo diante
O Planejamento Tributário versa em um da atual conjuntura brasileira.
conjunto de meios utilizados para buscar sucesso
e crescimento nas empresas visando à economia II - METODOLOGIA
no pagamento dos tributos, sem infringir a lei.
Esse ato de planejar, é capaz até mesmo de Para julgar a importância da diferenciação
intervir na estabilidade das corporações com entre a elisão e a evasão fiscal, bem como a
eficácia. conceituação e entendimento sobre ética, se fez
O planejamento tributário, chamado necessário realizar uma pesquisa, composta de
também de elisão fiscal procura adiar, reduzir, e embasamento científico, evidenciando os
até mesmo levar ao não pagamento de tributos, conceitos mais importantes, através de
diminuindo despesas e assim, aumentando a bibliografias e leis relacionadas ao tema,
lucratividade de forma aceita pela legislação, já a objetivando o enriquecimento do conhecimento
evasão fiscal, o oposto da elisão, é uma prática científico acerca do assunto trabalhado.
que contravém a lei. Partindo dessas afirmações, A metodologia da pesquisa, para MINAYO
nasce o seguinte questionamento: a elisão fiscal (2003) é o caminho do pensamento a ser seguido.
constitui uma forma de sonegação? O qual Ocupa um lugar central na teoria e trata-se
constitui a problemática desse estudo, que possui basicamente do conjunto de técnicas a ser
como objetivo, analisar a possibilidade de o uso adotada para constituir uma realidade. Na qual se
da elisão fiscal, como forma ética de baseia uma investigação exploratória e descritiva
Revista Saberes Especial SPC 2016 28

que se almeja recolher, selecionar, avaliar e tributados pela União. Na tentativa de regular
interpretar as contribuições já existentes. essa questão, com o passar do tempo, foram
O procedimento técnico aplicado no criadas emendas constitucionais, as quais
referido trabalho identifica-se através de análise dividiam o que pertencia à União e às Províncias.
bibliográfica organizada a partir de livros, artigos Ao passar para a República, forma de
de periódicos, matérias já publicadas. governo adotado até os dias atuais, os tributos
que cabiam a cada nível do poder público
III - TRIBUTOS passaram a ser descriminado rigorosamente pela
carta constitucional de 24 de fevereiro de 1891,
Os tributos tiveram a sua origem na que traz em seu corpo, no art. 10º, a criação da
antiguidade, como meio de contribuição imunidade recíproca, tendo como fundamento do
obrigatória de alguns indivíduos para o Estado. Os princípio federativo da autonomia aos entes da
impostos de modo geral seguem a evolução federação e no art. 72, § 30º o princípio da
humana organizada. Inicialmente se cobravam legalidade, no qual institui que todos os tributos
altos tributos pela classe vitoriosa aos povos só podem ser criados por meio de lei:
derrotados em guerra, como forma de evitar
novos conflitos. Com o tempo o pagamento do Art. 10 - É proibido aos Estados tributar
tributo passa a ser obrigatório e atualmente é um bens e rendas federais ou serviços a cargo da
dever do estado, transformando os valores União, e reciprocamente.
arrecadados em obrigações sociais. Para Art. 72 - A Constituição assegura a
brasileiros e a estrangeiros residentes no país a
MACHADO (2008, p. 65),
inviolabilidade dos direitos concernentes à
liberdade, à segurança individual e à
A primeira preocupação do legislador foi
propriedade, nos termos seguintes:
de estabelecer que se trata de prestação
[...]
pecuniária, ou seja, é através dela que o estado
§ 30. Nenhum imposto de qualquer
arrecadaria fundos para manutenção da
natureza poderá ser cobrado senão em virtude
máquina administrativa e a consequente
de uma lei que o autorize.
execução de suas atividades.

Com o passar dos anos as mudanças na


No Brasil podemos dividir os impostos
maneira dos impostos serem cobrados e nos
historicamente nos 3 modelos políticos básicos:
próprios impostos foram muitas, dentre elas, a
Colônia, Império e República. Na era colonial se
mais importante foi trazida pela Constituição
tinha os tributos ditados por Portugal, dividindo-
Brasileira de 1946 que, em seu art. 5º, inciso XV,
se em três modalidades: quinto, direitos régios e
alínea “b” coloca o Congresso Nacional como
dízimo real, em que a metrópole brasileira era
único órgão competente a legislar sobre direito
explorada pela coroa.
financeiro:
Com a independência do Brasil, o governo
passou a ter autonomia para delimitar os seus
Art. 5º - Compete à União:
próprios impostos em suas províncias. No [...]
entanto, a legislação tributária se transformou XV - legislar sobre:
em uma bagunça, de modo que passaram a ser [...]
cobrados pelas províncias impostos abusivos e
numerosos sobre produtos que já eram
Revista Saberes Especial SPC 2016 29

b) normas gerais de direito financeiro; de seja, se é imposto, taxa ou contribuição, é


seguro e previdência social; de defesa e determinada por seu fato gerador. Este é a
proteção da saúde; e de regime penitenciário; concretização de determinada hipótese prevista na lei
que faz nascer (gerar) a obrigação de pagar o tributo.
Enfim, o divisor de águas na política Por exemplo: hipótese de incidência: prestar serviços.
tributária nacional foi a Lei n° 5.172/66, trazida Prestado o serviço, ou seja, concretizada a hipótese de
pela emenda Constitucional n° 18 de 1º de incidência prevista na lei, segue-se o mandamento:
pague Imposto sobre Serviços (ISS).
dezembro de 1965, mais conhecida como Código
Tributário Nacional. Obra que foi resultado do
No âmbito do planejamento tributário, a
trabalho de inúmeros juristas, possibilitando ao
concepção de tributo pode sofrer diversas
Brasil fazer referência a um “sistema tributário”.
definições, a depender da ótica que o agente faz
O Código Tributário Nacional (CTN) em seus
uso. Do mesmo modo, que para o contribuinte, o
arts. 3 a 5 conceitua tributo como:
tributo na maioria das vezes não é visto com bons
Art. 3º Tributo é toda prestação
olhos, de maneira que é tido como uma
pecuniária compulsória, em moeda ou cujo intervenção do Estado no seu patrimônio, diante
valor nela se possa exprimir, que não constitua disso, precisa ser feito nos rigorosos limites da lei.
sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada
mediante atividade administrativa plenamente Ética e planejamento tributário
vinculada.
Art. 4º A natureza jurídica específica do A diminuição de custos dentro das
tributo é determinada pelo fato gerador da empresas é o sonho e objetivo de todos os
respectiva obrigação, sendo irrelevantes para empresários que procuram condições para
qualificá-la: manterem-se competitivos dentro do mercado,
I - a denominação e demais
atém de ser uma forte ferramenta diante da crise
características formais adotadas pela lei;
que o mercado brasileiro vem passando. Por isso,
II - a destinação legal do produto da sua
arrecadação.
que não economizam forças para descobrir
Art. 5º Os tributos são impostos, taxas e lacunas nas leis que os possibilitem alcançar os
contribuições de melhoria. seus objetivos.
Desde o começo do século XX, Taylor e
Ao analisar o art. 3º do CTN, foi possível Fayol com a Teoria Geral da Administração,
concluir que tributo é sempre um pagamento defendem que o processo administrativo deve ser
compulsório em moeda, de modo que, se a lei adotado por todas as empresas, para que possam
autorizar, em outro valor que se consiga ter o mínimo de probabilidade de conseguirem
expressar em moeda. Continuando a análise do ser bem-sucedidas no mercado e em seus
art. 3º do CTN, podemos considerar que a objetivos, partindo da organização empresarial,
prestação pecuniária compulsória é uma forma passando pelo processo de controle com
de pagamento obrigatório em dinheiro. informações pontuais, assim podendo chegar a
Para FABRETTI (2007, p. 110), um planejamento ideal.
O Brasil é um país com umas das maiores
Tributo é gênero e as espécies são impostos, cargas tributárias do mundo, forçando seus
taxas e contribuições. De acordo com os incisos I e II administradores a buscar ferramentas baseados
do art. 4º, a natureza jurídica específica do tributo, ou em aspectos legais, objetivando garantir a
Revista Saberes Especial SPC 2016 30

sustentabilidade do negócio. Nesse sentido, o (ele não ocorre), a redução da carga tributária, o
Planejamento Tributário consiste na incessante adiamento do fato gerador e o ganho financeiro.
busca de um conjunto de medidas sucessivas que Portanto, o planejamento tributário não
visam à redução de tributos, sem infringir a lei, deve se confundir com a sonegação fiscal,
com o objetivo de refletir positivamente nos planejar é levantar opções lícitas, que possam
resultados de uma empresa. Esse é um proporcionar melhores resultados para a
instrumento de extrema importância, que se faz empresa. De modo que sonegar, é valer-se de
necessário dentro das organizações, devido à meios ilícitos para deixar de pagar um tributo
grande competitividade que atinge os devido, igualmente à fraude, à simulação ou à
empreendimentos. dissimulação, constituindo o uso destes meios
CASTRO (2002, p.6), comenta que: considerados como omissão dolosa com a
finalidade de retardar ou impedir o conhecimento
Ninguém se organiza para pagar mais do fato gerador da obrigação fiscal.
impostos. No mercado competitivo das O crime de sonegação fiscal é definido pelo
modernas relações empresariais, o processo de Art. 1°, da lei nº. 4.729, de 14 de julho de 1965,
planejamento, como um todo, passou a ser
como:
necessidade básica. O planejamento tributário
insere-se em um procedimento amplo e geral
Art. 1º Constitui crime de sonegação
que deve preceder a qualquer novo negócio ou
fiscal:
alteração de rumo no mundo empresarial. Ele
I – prestar declaração falsa ou omitir,
objetiva o que qualquer outro planejamento
total ou parcialmente, informação que deva ser
visa: a eficiência, em termos de dispêndio com
produzida a agentes das pessoas jurídicas de
tributos significará sempre pagar menos, dentro
direito público interno, com a intenção de
dos limites da lei.
eximir-se, total ou parcialmente, do pagamento
de tributos, taxas e quaisquer adicionais
Segundo Chaves (2009, p. 5), o devidos por leis;
planejamento tributário é: “o processo de ação, II – inserir elementos inexatos ou omitir
não simulada, anterior à ocorrência do fato rendimentos ou operações de qualquer
gerador, visando direta ou indiretamente à natureza em documentos ou livros exigidos
economia de tributos. ” pelas leis fiscais, com a intenção de exonerar-se
Assim, para Chaves o planejamento do pagamento de tributos devidos à Fazenda
tributário deve ocorrer antes do fato gerador, ou Pública;
seja, antes da concretização do evento que gera a III – alterar faturas e quaisquer
obrigação tributária principal que é dar dinheiro documentos relativos a operações mercantis
com o propósito de fraudar a Fazenda Pública;
aos cofres públicos, justificando desta forma o
IV – fornecer ou emitir documentos
termo planejamento.
graciosos ou alterar despesas, majorando-as,
Para Ching (2010, p. 170) o planejamento com o objetivo de obter dedução de tributos
tributário é: “o planejamento do negócio devido à Fazenda Pública, sem prejuízo das
objetivando carga tributária adequada aos sanções administrativas cabíveis;
negócios e observando os limites legais. Ele se V – exigir, pagar ou receber, para si ou
fundamenta na esfera mínima de liberdade que para o contribuinte beneficiário da pagam
tem o empresário para planejar seus negócios”. qualquer porcentagem sobre a parcela
Ainda, para Ching (2010), o planejamento dedutível ou deduzida do Imposto sobre a
tributário pode levar a eliminação do fato gerador Renda como incentivo fiscal.
Revista Saberes Especial SPC 2016 31

Elisão fiscal
Contudo, o planejamento tributário,
conhecido também como elisão fiscal, pode ser O debate sobre os métodos utilizados pelos
difundido em duas classes: a que decorrente da contribuintes para evitar o recolhimento do
lei e a que deriva de brechas e lacunas existentes tributo é fulcro de uma discussão ousada e
na lei. A empresa elege opções, de ação ou inflamada entre as partes que se dizem no direito
omissão lícita, que evita ou adia o fato gerador de de cobrar, o que se diz no direito de não pagar e a
maneira não simulada, anterior à sua ocorrência, que julga quem tem razão. Pode-se dizer que se
visando direta ou indiretamente à economia de trata de uma guerra entre contribuinte e Estado.
tributos. Para a produção de um planejamento
De acordo com FABRETTI (2006, p. 32): tributário é indispensável se fazer a distinção
entre os significados da evasão fiscal e da elisão
O estudo feito preventivamente, ou seja, fiscal, no entanto, a linha que os separa é
antes da realização do fato administrativo, delicada. A elisão fiscal na ótica de ROSA JUNIOR
pesquisando-se seus efeitos jurídicos e (2009, p. 505),
econômicos e as alternativas legais menos
onerosas, denomina-se Planejamento
Corresponde à economia de imposto
Tributário, que exige antes de tudo, bom senso
mediante planejamento fiscal, quando o
do planejador.
contribuinte disponha seus negócios “de modo
a pagar menos tributos. Nada o impede, desde
Quando se trata de planejamento que não ocorra aquela manipulação do fato
tributário, procura-se por meio de ações do gerador, no que toca ao seu revestimento
contador ou de um conjunto de profissionais, jurídico. A doutrina reconhece como válido e
causar o menor impacto dentro do caixa da perfeitamente legítimo aquilo que se denomina
empresa. Ele tem por finalidade: de economia fiscal.
 Evitar a incidência do tributo – adotar
meios a fim de evitar o acontecimento do fato Ampliando o conceito e significado de elisão
gerador; tributária, JAMES (2002, p. 31),
 Reduzir o valor do tributo – buscar
medidas para diminuir a base de cálculo ou A adoção pelo contribuinte de
alíquota do tributo a ser aplicado; condutas lícitas que tenham por finalidade
diminuir, evitar ou retardar o pagamento do
 Retardar o pagamento do tributo -
tributo é considerada como prática elisiva.
procurar formas de adiar o pagamento do tributo,
Dá-se através de expedientes omissivos ou
sem gerar multa.
comissivos, que evitam licitamente a prática
O planejamento tributário é a única
do fato imponível de obrigação tributária.
ferramenta que pode alcançar a real economia
para as organizações, sem a apreensão com
Como citado pelo autor, o ato do
futuras complicações com o Fisco. Mas para se
contribuinte pode ser de fazer ou deixar de fazer,
chegar a um bom resultado se faz indispensável
de forma que nos dois casos sejam lícitas, de
que a empresa apresente uma contabilidade
modo que, elas estejam respaldadas no direito e
confiável, seguindo os princípios e normas
passem a ser válidas.
contábeis.
A elisão fiscal para o sujeito passivo torna-
se uma saída eficaz na economia fiscal. Elidir é
Revista Saberes Especial SPC 2016 32

evitar, reduzir o montante ou retardar o


pagamento do tributo por meio de ações ou [...] o divisor de águas entre a economia
omissões legais por parte do contribuinte, prévias legítima de tributos e a evasão fiscal encontra-
à ocorrência do fato gerador da obrigação se na licitude dos meios utilizados pelo
contribuinte para evitar o pagamento de
tributária. Como mostra FABRETTI (2007, p. 137),
tributos.

[...] devem-se estudar e identificar todas


as alternativas legais aplicáveis ao caso ou a
A Lei 8.137/90, que trata os crimes contra a
existência de lacunas (“brechas”) na lei [...] A ordem tributária em seus arts. 1º e 2º tipifica a
economia tributária resultante da adoção da evasão fiscal como:
alternativa legal menos onerosa ou da lacuna da
lei denomina-se elisão fiscal. [...] A elisão fiscal é Art. 1° - Constitui crime contra a ordem
legítima e lícita, pois é alcançada por escolha tributária suprimir ou reduzir tributo, ou
feita de acordo com o ordenamento jurídico, contribuição social e qualquer acessório,
adotando-se a alternativa legal menos onerosa mediante as seguintes condutas:
ou utilizando-se de lacunas da lei. I - omitir informação, ou prestar
declaração falsa às autoridades fazendárias;
Trata-se do ato de se valer das “brechas” II - fraudar a fiscalização tributária,
deixadas na lei, de modo que a situação é inserindo elementos inexatos, ou omitindo
operação de qualquer natureza, em documento
aproveitada como meio de redução dos tributos a
ou livro exigido pela lei fiscal;
serem pagos ao governo. A sua diferença está na
III - falsificar ou alterar nota fiscal, fatura,
esperteza dos seus aplicadores, valendo-se de duplicata, nota de venda, ou qualquer outro
meios lícitos ou não previstos na lei, buscando o documento relativo à operação tributável;
menor custo possível para a organização. IV - elaborar, distribuir, fornecer, emitir
As medidas realizadas pelos ou utilizar documento que saiba ou deva saber
administradores são praticadas antes da falso ou inexato;
ocorrência do fato gerador do tributo, não V - negar ou deixar de fornecer, quando
permitindo o evento causador da obrigação obrigatório, nota fiscal ou documento
tributária, e desse modo, não havendo prestação equivalente, relativa à venda de mercadoria ou
a ser paga. O CTN em seu art. 114 traz fato prestação de serviço, efetivamente realizada,
ou fornecê-la em desacordo com a legislação.
gerador da obrigação principal como sendo a
Parágrafo único. A falta de atendimento
situação definida em lei como necessária e
da exigência da autoridade, no prazo de 10
suficiente à sua ocorrência. (dez) dias, que poderá ser convertida em horas
em razão da maior ou menor complexidade da
Evasão fiscal matéria ou da dificuldade quanto ao
atendimento da exigência, caracteriza a
Ao contrário da elisão fiscal, a evasão infração prevista no inciso “V”.
consiste na prática que viola as normas legais. Em Art. 2° - Constitui crime da mesma
sua grande parte, praticada após a ocorrência do natureza:
fato gerador da obrigação tributária, visando de I - fazer declaração falsa ou omitir
maneira ilícita à redução ou ocultação tributária, declaração sobre rendas, bens ou fatos, ou
correspondendo à sonegação ou fraude do empregar outra fraude, para eximir-se, total ou
contribuinte. parcialmente, de pagamento de tributo;

Para OLIVEIRA (2005, p. 169),


Revista Saberes Especial SPC 2016 33

II - deixar de recolher, no prazo legal, tributária, consecutivamente maximizando os


valor de tributo ou de contribuição social, lucros.
descontado ou cobrado, na qualidade de sujeito Dentro da ética do planejamento tributário
passivo de obrigação e que deveria recolher aos contém as medidas elisivas, focam no
cofres públicos;
aproveitamento máximo dos incentivos e
III - exigir, pagar ou receber, para si ou
“brechas” deixadas dentro da legislação. Que
para o contribuinte beneficiário, qualquer
podem ser usadas pelas corporações, de forma
percentagem sobre a parcela dedutível ou
deduzida de imposto ou de contribuição como ética, com a finalidade de reduzir os impactos
incentivo fiscal; causados pela alta carga tributária e servir como
IV - deixar de aplicar, ou aplicar em ferramenta de auxílio na gestão empresarial e
desacordo com o estatuído, incentivo fiscal ou sobrevivência das empresas.
parcelas de imposto liberadas por órgão ou Diante das abordagens feitas se questiona:
entidade de desenvolvimento; O não pagamento de tributos necessariamente é
V - utilizar ou divulgar programa de uma prática ilícita ou antiética? Planejar de forma
processamento de dados que permita ao sujeito lícita os pagamentos dos impostos, almejando a
passivo da obrigação tributária possuir
sua redução e consecutivamente o aumento dos
informação contábil diversa daquela que é, por
lucros, é uma conduta ilegal?
lei, fornecida à Fazenda Pública.
Como resposta esses questionamentos,
De tal modo, a evasão versa em empregar pode-se dizer que sendo o planejamento
métodos que contravenham diretamente a lei ou realizado antes, ou seja, não permitindo a
o regulamento fiscal, com a finalidade de diminuir geração do fato gerador da obrigação tributária,
o ônus da tributação. não existirá a necessidade do pagamento. Não se
Distinta da elisão, a evasão fiscal de modo obriga a fazer o pagamento de algo que não se
geral, é um problema que meche com a deve, se por meio do planejamento eficaz o
economia. Inicialmente por recolher abaixo do administrador conseguiu de forma licita e dentro
estimado, de certa forma gerando uma lesão na dos princípios éticos, se utilizando da lei ou de
economia, posteriormente transformando-se em “brechas” deixadas por ela, o mesmo não terá
uma arma de concorrência desleal entre as nada a recolher para os cofres do Estado.
empresas, já que alguns empresários passam a A nossa carta magna de 1988, em seu art.
trabalhar na informalidade, prejudicando os 5º, nos respalda legalmente em seu texto,
outros empresários do ramo. afirmando que “ninguém será obrigado a fazer ou
deixar de fazer alguma coisa, senão em virtude de
IV - CONCLUSÃO lei”, por essas razões a lei não pode obrigar o
contribuinte a praticar o fato gerador do tributo.
Como visto, o Brasil é o país com uma das Esta é uma das características do planejamento
maiores cargas tributárias do mundo, fazendo tributário: ter a liberdade de praticar ou não o
com que as empresas sofram com essa carga fato que gera a obrigação tributária.
excessiva de impostos. Para buscar uma redução Em face da realidade econômica vivida no
do impacto causado dentro das organizações país, o planejamento tributário, por parte dos
pelos altos impostos, foi apresentado o empresários, passa a se tornar uma obrigação. O
Planejamento Tributário e ética como ferramenta uso dessa ferramenta permitirá que o empresário
fundamental na “batalha” pela economia torne a sua empresa mais competitiva dentro do
Revista Saberes Especial SPC 2016 34

mercado, maximizando os seus ganhos e


reduzindo os impostos pagos de maneira lícita.
Revista Saberes Especial SPC 2016 35

REFERÊNCIAS MACHADO, Hugo de Brito. Curso de Direto Tributário.


28 ed.. São Paulo: Malheiros, 2008.
Brasil. Constituição da República dos Estados Unidos
do Brasil (de 24 de fevereiro de 1891). Disponível em: MARTINS, James. Elisão tributária e sua regulação.
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/c São Paulo: Dialética, 2002.
onstituicao91.htm>. Acesso em 10/11/2013.
MINAYO, M.C. de S. (Org.) Pesquisa Social: teoria,
______. Constituição dos Estados Unidos do Brasil (de método e criatividade. 22 ed. Rio de Janeiro, Vozes,
18 de setembro de 1946). Disponível em: 2003.
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/c
onstituicao46.htm>. Acesso em 10/11/2013. OLIVEIRA, Gustavo de. Contabilidade Tributária. São
Paulo, Saraiva, 2005.
______. Lei n° 4.729 – de 14 de Julho de 1965 –
Sonegação Fiscal. Disponível em: ROSA JUNIOR, Luiz Emygdio F. da. Manual de direito
<http://www010.dataprev.gov.br/sislex/paginas/42/1 tributário. Rio de Janeiro: Renovar, 2009.
965/4729.htm>. Acesso em 08/03/2014.

______. Lei nº 8.137 – de 27 de dezembro de 1990 –


Crimes contra a ordem tributária. Disponível em:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8137.htm
>. Acesso em 08/03/2014.

CASTRO, Flávia de Almeida Viveiros de. Planejamento


Tributário: A Lógica do Sistema e o Manicômio Jurídico
Tributário. Ordem dos Advogados do Brasil / Seção
Santa Catarina. Nº 106. Caderno de Temas Jurídico, p.
6/7. Florianópolis: Maio de 2002.

CHAVES, Francisco Coutinho. Planejamento Tributário


na Prática: gestão tributária aplicada. -1ª ed.- 2.
Reimpr. - São Paulo: Atlas, 2008.

CHING, Hong Yuh; MARQUES, Fernando; PRADO,


Lucilene. Contabilidade e Finanças para não
especialistas. 3ª ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,
2010.

E&N. ‘Impostômetro’ atinge a marca de R$ 2 trilhões.


Disponível em:
<http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,impo
stometro-atinge-a-marca-de-r-2-tri-hoje--imp-
,1816515>

FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade Tributaria.


10. ed. São Paulo, Atlas, 2006.

G1. Brasileiros já pagaram R$ 500 bilhões em


impostos em 2014. Disponível em:
<http://g1.globo.com/economia/seu-
dinheiro/noticia/2014/04/brasileiros-ja-pagaram-r-
500-bilhoes-em-impostos-em-2014.html>. Acesso em
18/04/2014.
Revista Saberes Especial SPC 2016 36

RESPONSABILIDADE: A GESTÃO PÚBLICA


QUANTO AOS RECURSOS HÍDRICOS NO
MUNICÍPIO DE TUCANO-BA

Silvia Manoela Santos de Jesus*


RESUMO: A região de Tucano-BA apresenta uma quantidade
de mananciais aquáticos distribuídos por uma pequena parte
da cidade, quais são responsáveis por manter a vida de grande
parte da população nas atividades do dia-a-dia. Sendo assim,
este trabalho objetiva analisar as ações da administração
pública do município de Tucano-BA com relação à gestão
ambiental, enfocando as práticas poluentes e desperdício dos
recursos hídricos existentes em boa parte dessa região, como
também sugerir ações para que estas práticas possam ser
minimizadas ou solucionadas. O estudo foi baseado em
pesquisa de campo, utilizou-se também de pesquisa
bibliográfica, exploratória e explicativa, a amostragem definida
foi a gestão pública municipal (secretaria do meio ambiente e
poder legislativo) e população (ribeirinhos que se utilizam dos
recursos hídricos para desenvolvimento de atividades
laborais). Como resultados foram constatados que a
administração pública é a principal responsável pela má gestão
dos recursos hídricos do município, sendo um dos motivos
para tal situação o aumento das atividades turísticas na região
o que resulta em uma omissão pelos órgãos públicos não
sendo efetivada uma fiscalização de como alguns produtos
ligados ao artesanato, os quais serão destinados aos turistas,
estão sendo produzidos, a partir da poluição das águas do rio
Itapicuru.
PALAVRAS-CHAVE: Sustentabilidade, Recursos Hídricos,
Gestão Pública

ABSTRACT: The region of Tucano-BA has a number of water


fountains spread over a small part of the city, which are
responsible for maintaining much of the population living in
the day-to-day. Thus, this work aims to analyze the actions of
the public administration of the Tucano-BA municipality with
respect to environmental management, focusing on pollution
and waste of water resources existing practices in much of this
region, but also suggest actions so that these practices can be
minimized or resolved. The study was based on field research
was also used bibliographical, exploratory and explanatory
research, defined sampling was the municipal public
administration (department of the environment and legislative
power) and population (riverine that use of water resources
for development of work activities). The results were found
that the government is primarily responsible for the
mismanagement of water the city resources, and one of the
reasons for such a situation the increase of tourist activities in
the region resulting in an omission by public agencies not being
carried out an inspection as some crafts related products,
which will be used to tourists, they are being produced from
the pollution of the river water Itapicuru.
KEY WORDS: Sustainability, Water Resources, Public
Management

* Mestra em Ciências da Educação, Especialista em Gestão


Ambiental, Bacharela em Administração.
Professora e Coordenadora da UniAGES.
Revista Saberes Especial SPC 2016 37

I – MARCO INTRODUTÓRIO dos recursos hídricos existentes em boa parte


dessa região; sugerir ações para que estas
Desde os primórdios o ser humano através práticas possam ser minimizadas ou solucionadas.
de suas atitudes intervém na vida do meio No campo metodológico, o estudo foi
ambiente, importando-se apenas com si próprio, baseado em pesquisa de campo, utilizou-se
melhor dizendo, no capital próprio, sempre com o também de pesquisa bibliográfica, exploratória e
interesse de se aproveitar de todas as situações, explicativa, a amostragem definida foi a gestão
não se preocupando com sua sobrevivência e de pública municipal (secretaria do meio ambiente e
seus semelhantes no presente e no futuro. poder legislativo) e população (ribeirinhos que se
O processo de globalização a cada dia vai utilizam dos recursos hídricos para
tornando a convivência homem e meio ambiente desenvolvimento de atividades laborais). Os
ainda mais difícil, e os recursos hídricos, por sua elementos da pesquisa responderam às
vez, são uns dos principais ameaçados devido à perguntas do roteiro de entrevista.
poluição e a má utilização dos mesmos. Seja por Muitas ações podem ser desencadeadas
meio da irresponsabilidade e ausência de para que haja um melhor aproveitamento dos
fiscalização por parte dos gestores públicos ou recursos hídricos de uma boa parte da região
pela falta de consciência dos próprios civis. A tucanense e que estejam condizentes com as
sociedade está diante do principal problema que políticas de preservação ambiental qual estão
aflige o século XXI, no entanto, em hipótese impostas por lei no país, no entanto, para que as
alguma pensa em sair da zona de conforto a qual devidas políticas possam ser cumpridas faz-se
se encontra inserida. Na verdade, as ações necessário uma maior supervisão por parte das
voltadas para uma boa gestão ambiental focada autoridades ambientalistas e logicamente uma
na preservação dos mananciais aquáticos ainda conscientização da gestão pública municipal, para
são tímidas e praticadas por uma parte que assim, o poder executivo e legislativo possam
insignificante de pessoas se comparada à enxergar que os mananciais aquáticos presentes
quantidade de indivíduos que povoam o planeta. na cidade podem ser melhores aproveitados
O estudo aqui desenvolvido permitiu uma gerando renda ao município mantendo o devido
identificação de como a gestão pública municipal respeito ao meio ambiente e agindo de acordo
da cidade de Tucano-BA tem gerido os recursos com os critérios que preservam as questões
hídricos de boa parte da região que é rica em sustentáveis.
mananciais aquáticos utilizados entre outras Temas relacionados à gestão ambiental há
atividades para o turismo, sobrevivência e até alguns anos vem se tornando rotineiro na vida
mesmo atividades laborais. Algumas atitudes no social, sendo discutida nos diversos segmentos
decorrer dos anos já foram tomadas pela gestão que compõem a sociedade, colégio, igreja,
municipal, porém ao avaliarmos, percebe-se que esportes e assim por diante, são muitas as
diante da situação existente o que já foi feito não informações levantadas sobre os perigos que a
representa tanto assim diante da grandiosidade intervenção do homem na vida ambiental pode
do problema. auferir, principalmente, quando um dos recursos
Sendo assim, este trabalho tem como naturais, é justamente a água, os recursos
objetivo geral: analisar as ações da administração hídricos potáveis.
pública do município de Tucano-BA com relação à A relevância do determinado estudo que
gestão ambiental. Como objetivos específicos: aqui está sendo realizado, encontra-se
apresentar as práticas poluentes e desperdício intrinsecamente ligado para a identificação e
Revista Saberes Especial SPC 2016 38

conscientização de possíveis métodos que podem características de atos relacionados à gestão


ser considerados capazes de minimizarem ou até ambiental datam do século XIV na Inglaterra,
mesmo acabarem com situações referentes ao onde houve a proibição de serras hidráulicas e
desperdício e poluição por parte da gestão mais adiante a criação de leis francesas no século
pública municipal e pela própria população dos XVII que objetivavam proteger as florestas e
recursos hídricos da região, resultando dessa águas do país por conta da grande exploração de
forma, em um melhor aproveitamento desse bem determinados recursos e por consequência a
natural, estimulando dessa maneira a formação escassez dos mesmos, principalmente com
de cidadãos com mentes ambientalmente relação às florestas, visto que, desde os tempos
corretas, capaz de gerar o desenvolvimento medievais a intensificação na exploração da
sustentável da região respeitando o meio natural. madeira crescia em índices alarmantes devido à
O tema proposto é imprescindível, isto construção de moradias, fortificações e várias
porque, o problema estudado é algo que outras obras. A partir das informações prestadas,
preocupa a todos, tanto ser humano como é possível analisar que na verdade essa
natureza, buscando agregar resultados positivos preocupação em si, não estava voltada com o
para a sociedade, além de trazer para o ambiente interesse de preservar o meio ambiente, mas sim,
acadêmico um problema real e atual, uma preocupação com o interesse próprio, com a
disponibilizando de conhecimentos de diversos estagnação dos recursos no país, qual gerava
teóricos que se preocupam em desenvolver seus lucros enormes (ACOT, 1990 apud BARBIERI 2007,
estudos baseados nos problemas ambientais p.25).
existentes e também apresentando casos reais
que acontecem na região de Tucano-BA. Recursos Hídricos
Oferecendo dessa maneira ao pesquisador a
capacidade de desenvolver competências que O estudo da gestão ambiental remete a
possam respaldar na tomada de decisões através uma enorme quantidade de tópicos de muitos
da troca de informações entre profissionais que fatores que afetam os recursos naturais, seja o
compõem a gestão pública municipal. solo, o ar ou a água. Esta última tem importância
significativa e indispensável na vida humana,
II – MARCO TEÓRICO sendo que, na maioria das atividades
desenvolvidas pelo homem os recursos hídricos
Gestão ambiental estão sempre presentes, seja no consumo, na
higiene ou na produção agrícola. A água é o maior
De uma maneira geral pode-se identificar a tesouro existente no planeta e o que mantém o
gestão ambiental em si como uma maneira de organismo humano ativo, por isso a grande
administrar o ambiente, os recursos naturais, de preocupação com o desperdício e poluição desse
forma a minimizar a interferência das atividades e recurso.
atos do ser humano sobre a natureza. De acordo Os recursos hidrológicos é objeto de estudo
com Dias (2011, p. 102) “gestão ambiental é a na gestão ambiental em duas vertentes, no que
expressão utilizada para denominar a gestão compreende a qualidade e quantidade de água
empresarial que se orienta para evitar na medida presente no planeta. Os pontos analisados nas
do possível problemas para o meio ambiente”. duas vertentes estão inseridos em um campo de
No contexto mundial, identifica-se que as estudo desenvolvido por engenheiros, visando
primeiras ações que podem ser apontadas como através de métodos específicos, identificar a
Revista Saberes Especial SPC 2016 39

quantidade de água existente em determinadas doce, no entanto existe uma grande contradição,
regiões e a viabilidade de consumo desta. visto que, a boa parte da população brasileira, em
No que se pode discorrer quanto ao estudo uma faixa de 40% da população não possuem
da quantidade de água no planeta, os números abastecimento de água, nesse sentido percebe-se
apresentados evidenciam a ideia que o grau de que a causa para o determinado problema
preocupação quanto a esse recurso é de nível encontra-se ligado a má administração dos
alarmente, visto que os resultados obtidos forma recursos hídricos do país, mesmo havendo leis
os seguintes; as águas de oceanos representam que discorrem sobre como gerenciar esses
97%, a que se encontra em forma de gelo recursos.
icebergs são 2,4%, e na atmosfera a quantidade é A lei qual foi mencionada anteriormente é a
de 0,6%, as duas últimas evidenciam a nº 9.433/97, onde fica criado o SNGRH (Sistema
quantidade de água potável, doce do planeta. Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos)
Nesse sentido, observa-se que essa pequena estabelecendo diretrizes que buscam uma melhor
quantidade de água 0,6%, a qual se encontra gestão dos mananciais aquáticos do país. É
disponível ao ser humano, está sendo utilizada abordado no art. 1° os fundamentos, sendo estes:
em todas as atividades do dia-a-dia, e por pura I- Água é um bem de domínio público;
hipocrisia esta pequena quantidade vem sendo II- A água é um recurso natural limitado,
desperdiçada com frequência e poluída (BRUNA, dotado de valor econômico;
ROMÉRO E PHILIPPI JR. 2004, p.56). III- Em situações de escassez, o uso
prioritário dos recursos hídricos é o consumo
Diante de todas as situações que ocorrem e
humano e a dessedentação de animais;
que podem vir a ocorrer em meio a sociedade é
IV- A gestão dos recursos hídricos deve
que se instituiu a Constituição Federal, com o sempre proporcionar o uso múltiplo das águas;
intuito de regulamentarem normas que V- A bacia hidrográfica é a unidade
permitissem uma vida harmonizada entre todos territorial para implementação da Política
os indivíduos e o meio quais residem. Assim, Nacional de Recursos Hídricos e atuação do
tornou-se necessário também elaborar leis que Sistema Nacional de Gerenciamento de
fossem capazes de proteger o meio ambiente e os Recursos Hídricos;
recursos hídricos, já que, esse bem natural está VI- A gestão dos recursos hídricos deve
disponível a todos e insere-se como direito de ser descentralizada e contar com a participação
todos. De acordo com a CF 88 art. 225 “Todos do poder público dos usuários e das
comunidades.
tem direito ao meio ambiente ecologicamente
equilibrado, bem de uso comum do povo e
Ainda compreende também o art. 3° da
essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se o
mesma lei as diretrizes que devem ser aplicadas
poder público e à coletividade o dever de
para que aconteça uma melhor gestão desses
defendê-lo e preservá-lo para as presentes e
recursos, sempre com a preocupação com as
futuras gerações”. Fica explícita a notoriedade da
futuras gerações, evidenciando assim a
lei, onde especifica que todos podem usufruir o
necessidade de práticas sustentáveis voltadas
meio ambiente, salvo que, as atividades
para os recursos hídricos (SEIFFERT, 2007, p.133-
realizadas neste sejam ecologicamente corretas.
134). Faz-se de fundamental importância
É sabido de todos do grande potencial
salientar também aqui a lei nº 9984/00 qual
geográfico que nosso país possui, tanto em faixas
dispõe sobre a criação da ANA (Agência Nacional
litorâneas compostas por a água salobra, como
de Águas) apresentando em seu art. 3º o
diversos reservatórios e lençóis freáticos de água
Revista Saberes Especial SPC 2016 40

seguinte: Fica criada a Agência Nacional de Águas A pesquisa bibliográfica é elaborada com
- ANA, autarquia sob regime especial, com base em material já publicado.
autonomia administrativa e financeira, vinculada Tradicionalmente, esta modalidade de pesquisa
ao Ministério do Meio Ambiente, com a inclui material impresso, como livros, revistas,
jornais, teses, dissertações e anais de eventos
finalidade de implementar, em sua esfera de
científicos. Todavia, em virtude da disseminação
atribuições, a Política Nacional de Recursos
de novos formatos de informação, estas
Hídricos, integrando o Sistema Nacional de pesquisas passaram a incluir outros tipos de
Gerenciamento de Recursos Hídricos. A criação fontes, como discos, fitas magnéticas, CDs, bem
da ANA vem ainda mais fortalecer essa luta como o material disponibilizado pela Internet
interminável para a preservação dos recursos [...] A principal vantagem da pesquisa
hídricos presentes no meio natural, bibliográfica reside no fato de permitir ao
determinando normas quais devem ser investigador a cobertura de uma gama de
cumpridas pelos diversos órgãos responsáveis fenômenos muito mais ampla do que aquela
pela gestão desse bem tão precioso. que poderia pesquisar diretamente. A pesquisa
bibliográfica também é indispensável nos
estudos históricos. Em muitas situações, não há
III – MARCO METODOLÓGICO
outra maneira de conhecer os fatos passados se
não com base em dados bibliográficos (p. 30).
Descrição da pesquisa
A pesquisa social divide-se em diversas
O estudo do tema proposto foi baseado em
formas, porém a que se aplica no trabalho em
pesquisa de campo, sendo esta capaz de
evidência é a do tipo exploratória e explicativa,
disponibilizar informações ou até mesmo
onde a primeira apresenta como propósito
conhecimentos sobre um determinado problema,
ocasionar uma maior intimidade com o problema
o qual necessita de uma possível resposta ou
em tela, podendo utilizar-se de diversos meios,
comprovação de uma hipótese, sendo possível
como por exemplo, entrevistas ou levantamento
também que aconteça descobertas sobre novos
bibliográfico, caracteriza-se por ser um tipo de
fenômenos ou relações ligadas a ele (MARCONI E
pesquisa flexível o que a torna complexa, já a
LAKATOS, 2005, p.188).
segunda tem sua preocupação voltada para a
Utilizou-se também de pesquisa
identificação de quais fatores apresentam-se
bibliográfica para a execução do presente estudo,
como responsáveis por ocasionar vários
esta se trata de bibliografia já publicada por
fenômenos. De tal forma, esse é um tipo de
outros autores que discorrem sobre determinado
pesquisa que contém um grau de dificuldade mais
tema, podendo ser encontrada em revistas,
elevado que as outras duas, exigindo assim do
jornais e até mesmo material disponível na
pesquisador atenção e comprometimento no
internet. A importância de tal pesquisa está no
decorrer desta (GIL, 2010).
fato de que a mesma é capaz de proporcionar ao
A pesquisa de campo foi aplicada na cidade
pesquisador o conhecimento de uma quantidade
de Tucano qual se encontra localizado no
incalculável de informações e assuntos que no
nordeste do estado da Bahia, cobrindo uma área
decorrer da execução do trabalho permite a
equivalente a 2.799,152 km², tendo uma
construção de novas ideias e a possibilidade de
população aproximada em 2013 de 55.923
construir uma pesquisa mais rica em informação,
habitantes, onde o que move a economia
ou seja, mais completa. De acordo com Gil (2010):
municipal é a agricultura e pecuária, destacando-
Revista Saberes Especial SPC 2016 41

se também o artesanato de peles de animais em uma série ordenada de perguntas, que devem ser
algumas localidades (IBGE, 2014). respondidas por escrito e sem a presença do
entrevistador. Em geral, o pesquisador envia o
questionário ao informante”.
Descrição da população de amostra Também foi usado o recurso de entrevista,
aplicado exclusivamente aos ribeirinhos que
A amostragem definida para o seguinte trabalham com a atividade coureira, sendo um
estudo foi a seguinte: gestão pública municipal total de 9 perguntas. Além dos referenciais
(secretaria do meio ambiente e poder legislativo) bibliográficos presentes em livros, artigos,
e população (ribeirinhos que se utilizam dos revistas e sites que comportam uma grande
recursos hídricos para desenvolvimento de quantidade de pontos fundamentais sobre a
atividades laborais). Percebe-se dessa forma, que temática abordada.
a amostragem a ser utilizada não é de cunho
aleatório e sim intencional. De acordo com IV – MARCO ANALÍTICO
Marconi e Lakatos (2005, p.165) “amostra é a
parcela convencionada do universo (população); Desperdício e poluição dos recursos hídricos
é um conjunto do universo”. Assim a pesquisa foi
aplicada a 10 representantes do poder legislativo O maior problema que atinge os mananciais
e 2 da secretaria do meio ambiente do município, aquáticos do Brasil e principalmente da uma
e a 12 ribeirinhos que trabalham com a atividade parcela da região de Tucano-BA diz respeito ao
coureira. desperdício de uma grande quantidade de água
potável, própria para o consumo. É recorrente na
Instrumento e coleta de dados cidade que os gestores do poder executivo
engendrem poços artesianos ou bicas em distritos
Foram aplicados questionários específicos e povoados do município que possuem grandes
para cada classe de indivíduos como técnica de lençóis freáticos de água doce e até mesmo
investigação destinada exclusivamente às partes salobra, tendo como intuito, o turismo e em
ligadas ao tema de estudo, com o interesse de muitas vezes a melhoria de vida das pessoas.
obter informações sobre diversos pontos como Porém, o que implica nesta situação é uma
conhecimento, valores, crenças e etc., para que enorme quantidade dos recursos hídricos que
assim, possa ser entendida a realidade da região acabam sendo desperdiçados, pois, as famosas
(GIL 2010). bicas de Tucano-BA, em sua maioria ficam ligadas
Os questionários foram compostos por dia e noite, não havendo um controle e nem uma
questões específicas destinadas a gestão pública preocupação em preservar este bem, percebe-se
municipal (questionamentos relacionados ao que a criação dessas bicas acontece de maneira
tema proposto gestão ambiental dos recursos desorganizada, como de improvisação. Para
hídricos, as quais serão capazes de apresentar Rebouças (1997, p. 143): “As condições de
informações precisas para que seja feita a análise utilização das águas subterrâneas são também
do problema em evidência), perfazendo um total das mais precárias, de tal forma que, salvo em
de 8 questões, possibilitando apenas três poucas e honrosas exceções, predomina o
alternativas de resposta. Segundo Marconi e empirismo e a improvisação, resultando no
Lakatos (2010, p.184) “questionário é um desperdício de recursos hídricos e financeiros
instrumento de coleta de dados, constituído por com graves consequências para o aquífero e para
Revista Saberes Especial SPC 2016 42

a economia”. Concretiza-se assim, que não há um passa na região tucanense. A devida poluição
estudo sobre os impactos ambientais que podem acontece por conta de despejo de redes de
ser gerados a partir das atitudes tomadas pelos esgotos no rio e o procedimento de “curtição” de
gestores. De acordo com Guerra et al, impactos couro de animais bovinos para a fabricação de
ambientais são: peças artesanais como bolsas, sandálias, quais
são vendidas aos turistas do distrito de Caldas do
1-Ações que promovem a alteração do Jorro.
meio ambiente ou em parte dele (FEEMA 1990) A questão poluição está ligada
2- É a alteração no meio ou em algum de seus intrinsecamente a qualidade dos recursos hídricos
componentes por determinada ação ou existentes, ou seja, se a água realmente é
atividade.[...]4- Qualquer alteração das
disponível para consumo ou para práticas
propriedades físico-químicas e biológicas do
agrícolas. Quando se fala em poluição de águas,
meio ambiente causada por qualquer forma de
matéria ou energia resultante das atividades
deve-se entender que a ideia é evidenciar que o
humanas que direta ou indiretamente, afetam a recurso hídrico poluído sofreu alterações em
saúde, a segurança e o bem estar da população, todas as características que o compõe, sejam elas
as atividades sociais e econômicas, a biota, as físicas, químicas ou biológicas, fazendo com que o
condições estéticas e sanitárias do meio uso da água fique comprometido, impróprio,
ambiente, enfim, a qualidade dos recursos alterando assim sua utilização que acontece de
ambientais (2009, p.165). forma preestabelecida, ou seja, a utilização desta
deve estar associada ao uso de necessidade tanto
Faz-se necessário saber que um impacto na atualidade como futuras, precisando assim ter
ambiental, como explicitado pelo pensamento de sua qualidade compatível com o que se
Guerra, só acontece devido um aspecto estabelece como necessário hoje e futuramente
ambiental realizado. Os aspectos são todas as (BRUNA, ROMÉRO E PHILIPPI JR. 2004, p.58).
atitudes que o ser humano toma frente ao meio
ambiente, estes podem ser positivos ou Aplicação do EIA e RIMA
negativos, que resultará em um impacto também
positivo ou negativo. Percebe-se então que a Para que possa haver o detalhamento
atitude da gestão pública de perfurar um poço específico das atitudes que promovem o
em determinados povoados da cidade aconteceu desperdício e poluição dos recursos ambientais,
visando melhorar a vida da população. Seria este, os governos e conselhos ambientais criaram o
um exemplo de aspecto positivo. No entanto, tal EIA/RIMA (Estudo dos Impactos Ambientais e
decisão gerou dos impactos ambientais, um Relatório dos Impactos Ambientais). O EIA
positivo, ao resolver o problema da escassez de permite a identificação de todos os detalhes do
água nessas regiões, porém originou-se também ambiente que está sendo analisado, podemos
um impacto negativo, visto que não houve um especificá-lo como a parte teórica, é os estudos
estudo detalhado na região, e não há um dos processos, dos impactos que certa atitude
esquema para desligar o poço, fazendo com que a humana provoca na natureza, ficando assim mais
água esteja sendo desperdiçada, caindo dia e fácil focalizar justamente a raiz do problema.
noite sem parar. Segundo Barbieri (2007, p.291):
O outro problema que atinge os mananciais EIA é importante não só para o país, a
aquáticos da região está relacionado com a região e o município, mas também para o
poluição, principalmente do rio Itapicuru, qual próprio proponente do projeto, que pode ser
Revista Saberes Especial SPC 2016 43

inclusive uma entidade do próprio poder respeitando as legislações que protegem o meio
público. Seu objetivo é tomar ciência ambiente requer um estudo e conhecimento
antecipadamente das agressões ao meio aprofundado do tema e uma conscientização por
ambiente físico, biótico e social decorrentes da parte dos indivíduos para o desenvolvimento do
implantação de certos tipos de
ideal sustentável, mostrando uma preocupação
empreendimentos e atividades. Para o órgão
com as gerações vindouras no decorrer da
governamental ambiental, esse estudo orienta
realização das ações executadas a cada dia. Como
suas decisões quanto à aprovação ou não do
projeto em questão; para o proponente, é de conhecimento de todos que a grande
permite que o projeto seja aperfeiçoado, o que maioria não respeita as leis voltadas às questões
aumenta sua segurança e possibilita a ambientais, necessita-se dessa forma, de uma
elaboração de medidas de mitigação e de maior fiscalização dos órgãos responsáveis.
programas de monitoramento dos impactos Tratando-se então da esfera pública,
negativos identificados nos estudos de percebe-se que a supervisão existente nesse
avaliação prévia. sentido é mínima ou até mesmo não acontece
principalmente no que diz respeito às gestões
Já o RIMA apresenta-se como o relatório do públicas municipais.
que foi observado, é a conclusão do estudo, Baseando-se nesse pressuposto, nota-se
ambos são instrumentos da Política Nacional do nitidamente que de acordo com os resultados
Meio Ambiente. Sendo os mesmos criados de obtidos por meio de formulários e questionários
acordo com a Lei Federal n.º 6.938/81, aplicados a incidência de um mau gerenciamento
responsáveis pela instituição da Política Nacional por parte da gestão pública municipal tucanense
do Meio Ambiente, regulamentada pelo Decreto no que se refere ao desperdício e poluição dos
Federal 99.274/90, que exige a aplicação desses recursos hídricos existentes na cidade, além da
instrumentos baseando-se na resolução CONAMA falta de conscientização dos próprios cidadãos.
n.º 001 de 23/01/1986. Evidencia-se que a gestão pública
municipal não realiza a supervisão e
V – CONCLUSÃO gerenciamento adequado dos recursos hídricos,
realizando ações que prejudicam ainda mais o
Tendo em vista tudo o que foi exposto no contexto existente, percebe-se que não há o
decorrer do trabalho, torna-se perceptível que conhecimento de como aplicar projetos ou
são muitos os problemas ambientais que atingem estudos como o EIA/RIMA buscando executar
os recursos naturais disponíveis a sociedade, em ações que venham a beneficiar a preservação das
especial os que abrangem as bacias hidrográficas águas. Sabe-se que os recursos disponíveis não
e balneários aquáticos, sendo que a razão para a são dos melhores, porém a situação vivida deve-
determinada situação sempre é a mesma, a se ao fato da falta de comprometimento de
interferência do ser humano por conta do maneira geral de todos que vivem na região,
desenvolvimento de atividades laborais ou de principalmente os representantes do povo e as
interesses próprios. entidades criadas para a proteção ambiental, é
A gestão ambiental atualmente aparece possível afirmar que estes não possuem a
como tema de diversas discussões em todos os consciência do papel que devem desempenhar
setores da sociedade, em todos os modelos de muito menos como fazer para solucionar ou
gestão de empresas, sejam elas de patrimônio lançar medidas mitigadoras quanto ao processo
público ou particular. Gerir um negócio de desperdício e poluição dessas águas.
Revista Saberes Especial SPC 2016 44

Trazendo para o contexto dos cidadãos intervir, fazendo com que a atividade fosse
que trabalham com a atividade coureira, através desenvolvida respeitando as leis ambientais. Uma
dos resultados obtidos foi possível identificar que das medidas mitigadoras que poderiam ser
em sua maioria esses indivíduos não possuem adotadas seria o processo de (P+L), Produção
ideia ou conhecimento nenhum sobre as práticas mais Limpa, utilizado por muitas empresas para
e leis ambientais, e que mesmo sendo informados solucionar ou reduzir os impactos que as mesmas
por meio do questionário aplicado sobre os exercem sobre o meio ambiente. A (P+L) trata-se
malefícios oriundos do desempenho de suas de um processo pelo qual é elaborado um
atividades, estes se comportam como se a conjunto de práticas e estratégias capazes de
poluição das águas do rio não existisse ou fosse solucionarem ou reduzir os impactos causados
um pequeno problema sem capacidade de fazer pela ação humana no ambiente. Tratando-se da
mal algum tanto a eles como as futuras gerações cadeia coureira a aplicação do processo em
ou ainda a própria natureza. questão beneficiaria os efluentes e bacias
Os objetivos do estudo em questão foram hidrográficas do município de Tucano-Ba no que
alcançados condicionados a aplicação do diz respeito a uma menor utilização dos banhos
preenchimento dos formulários e aplicação dos das peles de animais, redução na aplicação de
questionários voltados para o problema da alguns produtos, cujo são utilizados em uma
deficiência na gestão pública municipal em quantidade exagerada, ou até mesmo a
relação aos recursos hídricos e a poluição causada substituição por alguns dos produtos e ácidos que
pela atividade coureira, além, das pesquisas possuem um teor de poluição muito alto, por
bibliográficas feitas. outros que em sua composição apresentam
Enfim, é notório que as condições menores impactos ao ambiente.
pertinentes para o curso natural das bacias Sabe-se que a situação existente na cidade
hidrográficas da região de Tucano não acontecem não é fácil de ser solucionada ou gerenciada,
como deveria, sendo a gestão pública apontada porém, não é algo também impossível de
como o principal sujeito responsável por conta do acontecer, sendo necessário assim o
problema em questão. Certamente não é fácil comprometimento de todos os envolvidos no
gerenciar de maneira eficaz tal situação, e como processo para que pelo menos as águas e
ficou claro que a mesma não pode ter uma efluentes não cheguem a se esgotarem ou fiquem
solução definitiva, recomenda-se pelo menos que impróprios para uso.
aconteça a aplicação de medidas mitigadoras
para reduzir os impactos sofridos pelo meio
ambiente de forma geral, por exemplo, com
relação aos balneários que jorram água noite e
dia, estes poderiam funcionar com um horário
determinado, sendo desligados em certos
momentos, porém, como alguns deles não
podem ter o fluxo de água interrompido por risco
de explosão do poço, então os responsáveis
deveriam reduzir o fluxo de água jorrado por cada
torneira.
Com relação à poluição pela atividade
coureira, a gestão pública municipal precisaria
Revista Saberes Especial SPC 2016 45

REFERÊNCIAS APÊNDICES
QUESTIONÁRIO

BARBIERI, J. C. Gestão Ambiental Empresarial: 1. Os balneários de água que jorram dia e noite perfurados em determinadas
localidades desperdiçam água sem necessidade, e em certos locais não há nem a
conceitos, modelos e instrumentos. 2 ed. São necessidade de serem perfurados, visualizando apenas questões políticas para tal
Paulo: Saraiva, 2007. ato por parte da gestão pública.
( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica
BRUNA, G. C.; ROMÉRO, M. A.; PHILIPPI JR, A.
2. O poder legislativo municipal não apresentou nenhum projeto quanto à
Curso de Gestão Ambiental. Barueri, SP: Manole, preservação das águas e contra o desperdício e poluição dos recursos hídricos.
2004 ( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica

CONSTITUIÇÃO FEDERAL de 1988 3. As questões ambientais voltadas aos recursos hídricos da cidade de Tucano-BA
como outras questões que poderiam beneficiar tanto o meio ambiente como o
município não são aplicadas devido a jogo político e as alianças políticas existentes.
DIAS, R. Gestão Ambiental: Responsabilidade ( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica
social e sustentabilidade. 2ª Ed. São Paulo:
4. Investimentos em irrigação por parte da gestão municipal para apoiar pessoas
Atlas, 2011. que moram próximas aos poços perfurados seria uma maneira de aproveitar a água
desperdiçada todos os dias, assim como foi feito investimentos no tratamento da
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. rede de esgoto do município para gerar benefícios com uma água que estava sem
-6. ed. São Paulo: Atlas, 2010 serventia.
( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica
GUERRA, A. J. T.[et al]. Dicionário de Meio
5. É perceptível que não há uma preocupação por parte da gestão municipal quanto
Ambiente. Rio de Janeiro: Thex, 2009. a poluição do Rio Itapicuru causada pela prática da atividade coureira na região.
( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica
MARCONI, M. D. A.; LAKATOS, E. M.
Fundamentos de Metodologia científica. -6 ed. 6. A gestão publica municipal não respeita as leis que apontam como e até que
ponto o homem pode interferir ou utilizar-se dos recursos hídricos existentes em
São Paulo: Atlas, 2005 determinado local.
( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica
REBOUÇAS, A. C. Água na região Nordeste:
desperdício e escassez. São Paulo: Estudos 7. A secretária do meio ambiente localizada no município não realiza supervisões
quanto a perfurações de novos poços artesianos e desperdício das águas destes,
Avançados, 1997. nem a poluição ocorrida no Rio que corta a cidade. *
( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica
SANTOS, José Wilson dos; BARROSO, Rusel
8. Não há aplicação do EIA/RIMA Estudo dos Impactos Ambientais/Relatório de
Marcos Batista. Manual de Monografia: Impactos ao Meio Ambiente e nem promoção de campanhas realizadas por parte
Graduação e Pós-graduação. Aracaju: Gráfica e da gestão municipal que busquem solucionar os problemas existentes nos recursos
hídricos da cidade.
Editora J. Andrade, 2005. ( ) concorda ( ) discorda ( ) não se aplica

SEIFFERT, M. E. B. Gestão Ambiental:


Instrumentos, esferas de ação e educação
ROTEIRO DE ENTREVISTA
ambiental. São Paulo: Atlas, 2007.
1º) Qual sua idade?
2º ) Qual seu sexo?
3º ) Qual seu estado civil?
4º ) A quantos anos trabalha coma a atividade coureira?
5º ) A atividade de curtição de pele de animais é sua o único meio de sobrevivência?
6º ) O senhor tem ideia que a atividade com couro é causadora de grande poluição do
rio da região, dessa forma, o senhor não se preocupa com o mal feito ao recurso
natural como a sua própria saúde por ficar exposto ao odor insuportável e em
contato com animais que rodeiam seu local de trabalho por conta dos restos das
peles como porcos e urubus?
7º ) O senhor não se preocupa com a poluição gerada em diversos aspectos
ambientais por conta de sua atividade?
8º ) Há alguma possibilidade de desenvolver a atividade de processamento de couro
em outro local que não fosse o rio?
9º ) Em algum momento algum órgão municipal ou estadual veio a você informar que
sua atividade não poderia ser desenvolvida neste local, ou chegaram a impedir o
senhor de desenvolver seu trabalho, alertando que você e seus colegas poderiam ser
punidos?
Revista Saberes Especial SPC 2016 46

A INSTRUÇÃO PRIMÁRIA EM PARIPIRANGA


(1870-1920): Quando a escola não tinha
professor, e o professor não tinha escola

Ana Maria Ferreira de Oliveira*

RESUMO: A proposta desse trabalho é analisar o movimento


histórico de desenvolvimento das políticas púbicas do Ensino
Primário em Paripiranga, no início de sua formação triotrial e
social; situando-a no cenário regional do período,
principalmente no que diz respeito ao estado da Bahia, em
reorganização. Partindo de um referencial teórico cujas
premissas fundamentais residam na não linearidade do
processo histórico, mas na concepção da história como
substrato para o entendimento de todo o processo. Assim, as
fontes básicas e constitutivas da pesquisa foram as leis e
resoluções aprovadas pela Assembleia Provincial da Bahia; os
Relatório dos Presidentes de Província e as correspondências
oficiais entre setores da administração da província e suas vilas
e cidades, de 1870 a 1920. Considerou-se para tanto, as leis
que interferiram diretamente no desenvolvimento do ensino
primário na Bahia e consequentemente em Paripiranga. Dessas
fontes, puderam ser extraídos os dados documentais
essenciais ao estudo do processo de escolarização da
população de Paripiranga no final do século XIX, que se
percebeu marcado por iniciativas individuais, precariedade
estrutural e elitização do acesso ao saber.
PALAVRAS-CHAVE: Paripiranga, escolarização, formação social,
movimento histórico

RESUMEN: El propósito de este estudio es analizar el


movimiento histórico del desarrollo de las políticas públicas de
educación primaria en Paripiranga, al principio de su formación
trriotrial y social; colocándolo en la configuración regional de la
época, especialmente en relación con el estado de Bahía, en
situación de reorganización. A partir de un marco teórico cuyas
instalaciones fundamental residir en la no linealidad del
proceso histórico, sino en la concepción de la historia como un
sustrato para la comprensión de todo el proceso. Por lo tanto,
las fuentes básicas y cosntituitivas la investigación fueron las
leyes y las resoluciones aprobadas por la Asamblea Provincial
de Bahía; la Provincia de presidentes de los sectores de la
administración provincial entrre informe y la correspondencia
oficial y sus pueblos y ciudades, de 1870 a 1900. Se consideró
por tanto las leyes que interferían directamente en el
desarrollo de la educación primaria en Bahía y en
consecuencia, en Paripiranga. Estas fuentes, podrían extraerse
de las pruebas documentales esencial para el estudio del
proceso de escolarización de la población Paripiranga a finales
del siglo XIX, se observó marcada por iniciativas individuas,
inestabilidad estructural y el elitismo de acceso al
conocimiento.
PALAVRAS CLABE: Paripiranga, la educación, la formación
social, el movimiento histórico

* Formanda em Letras Vernáculas pela UniAGES; Formanda


em História pela Universidade Federal de Sergipe; Pós-
Graduanda em História de Cultura Afro-Brasileira pela
Faveni.
Revista Saberes Especial SPC 2016 47

INTRODUÇÃO
Assim, firma-se “a inviolabilidade dos
A compreensão dos processos sociais e direitos civis e políticos dos cidadãos brasileiros”,
históricos que marcaram o desenvolvimento da mas ao mesmo tempo permite-se a oferta de
instrução primária da população de Paripiranga, “instrução” pela iniciativa privada; sem o devido
perpassa pela análise de importantes aspectos da esclarecimento acerca preceitos de cidadania, ou
história da educação no Brasil e na Bahia definições no que tange aos aspectos estruturais
oitocentista. Os olhares voltados para a educação e legais para a educação. A constituição, apesar
pública e as medidas administrativas adotadas das lacunas, gerou importantes discussões acerca
desde a pós Independência até a Primeira do ensino, ao demonstrar interesse e
República, se refletem nos lugares mais preocupação com a popularização da instrução
longínquos da nação. primária; porém, na prática, o acesso à educação
Os princípios liberais e democráticos que ficou reduzido aos grupos das camadas sociais
fundamentavam o novo regime proclamado mais privilegiadas que dispunham de recursos
mediante o processo de independência; financeiros para ingressar no universo das
impulsionaram as discussões acerca da educação primeiras letras.
popular brasileira durante o Império. Inflamaram- Carneiro (2015) em seus estudos sobre os
se os discursos sobre a escassez de mestres, dada níveis de alfabetismo na Bahia entre 1857-1878;
falta de incentivo financeiro e condições propícias tendo como foco a região nordeste da província 1;
à sua boa formação, a precariedade das nos dá a dimensão do nível de instrução da
instalações escolares ou a ausência delas; e a população de Bom Conselho, qual Paripiranga
necessidade urgente de investimento na estava interligada no período; ao verificar, a
instrução popular, considerando-a aspecto de partir da análise de Registros Eclesiásticos ou
grande importância para a viabilidade de um Paroquiais de Terras e Livros de Notas de
governo constitucional. Municípios, a percentagem de gabinetes da
Apesar dos discursos, primeira constituição região capazes de assinar o próprio nome. Dados
brasileira, outorgada em 24 de março de 1824, estes que, segundo a autora, mostram que havia
deu à educação, status de instrução popular; uma prática de escrita na região, realizada por
porém, limitou-se apenas à formalização da uma classe social específica detentora de terras e
educação como direito subjetivo dos cidadãos, de poder aquisitivo elevado em consideração à
inserido no texto constitucional, sem especificar maioria.
as incumbências efetivas do Estado dentro do
A capacidade de assinar dos indivíduos
processo de organização e oferta de instrução envolvidos na documentação gerada no âmbito do
pública. O texto trata apenas do estabelecimento registro de terras nas localidades de Bom Conselho,
da gratuidade da instrução primária para todos os 73/159 (45,91%), Tucano, 63/124 (50,80%) e
cidadãos e prevê a criação de colégios e Itapicuru, 76/88 (86,36%) é relativamente alta em
universidades, em seu artigo 179: relação aos dados do Censo de 1872 para a região
Nordeste, o que parece indicar se tratar de um grupo
A inviolabilidade dos direitos civis e políticos específico, com posses, representando uma
dos cidadãos brasileiros, que tem por base a especialização da escrita e, também, uma escrita
liberdade, a segurança individual e a propriedade, é majoritamente escrita por homens (64,08% -
garantida pela Constituição do Império, pela maneira 207/323 e 10,4% - 5/48) (CARNEIRO, 2015. p. 153).
seguinte:

XXXII - A instrução primária e gratuita a todos


os cidadãos. 1
XXXIII - Colégios e Universidades, aonde serão Denominação dada à cidade de Cicero Dantas, até 1905;
ensinados os elementos das Sciencias, Bellas Letras e quando teve seu nome alterado Pela Lei Estadual n.º 583,
Artes. (CONSTITUIÇÃO DE DO IMPÉRIO DO BRASIL. de 30-05-1905; e desde então o Município de Bom
1824. p. 54) Conselho passou a denominar-se Cícero Dantas, em
homenagem ao Barão de Jeremoabo (CERQUEIRA, 1989.
p.88-89).
Revista Saberes Especial SPC 2016 48

A autora traz ainda os resultados do censo quaes podesse conseguir melhor distribuição das
de 1872, que apresentam um índice de 25,44% de escolas. Bom preparo dos pro0fessores, prédioas,
mobílias, livros e utensílios, e fiscalização local, que é
alfabetizados em Bom Conselho, e referem-se à actualmente nulla, sou obrigado a dizer que a
capacidade uso da escrita da população, instrção definha e está muito a quem das
destacando ser esta, “uma especialização da necessidades do cultivo intelectual dos habitantes
escrita entre fazendeiros, configurando d’esta nobre província, não mpassando de uma
possivelmente, uma elite local”. Sendo que essa realidade puramente orçamentária. (PORTELLA.
1889. p. 72-73).
capacidade de escrita não de dava na mesma
proporção entre homens e mulheres; pois, ainda
que as mulheres representassem à quase metade Os Presidentes de Província tinham por
dos inventariantes, representavam manos de um obrigação de seus cargos, apresentar anualmente
terço das pessoas aptas para assinar. à Assembleia Legislativa, relatando do ocorrido
Entendendo a educação como uma em sua administração no ano anterior. Tais
experiência e prática social histórica, percebe-se relatos constituem preciosas fontes de
que, na Bahia do final do século XIX, a educação informação acerca da estrutura social, política,
se constituiu numa necessidade geral, cultural e administrativa da província; de modo
independente de sexo, porém com superioridade que os registros relacionados à instrução pública
masculina, dado o contexto sociocultural; como na Bahia oitocentista, sobretudo na microrregião
numa força impulsionada pelas necessidades de Bom Conselho; apontam para à existência de
sociais de seu tempo. Assim, prática educativa, se uma estrutura educacional bastante precária e
produziu do estabelecimento das relações que os muito abaixo do vislumbrado pela administração
gêneros estabeleceram entre si na cultura; sob o provincial; que constantemente salientava a
signo das ideologias e das relações de cultura e de necessidade de mais investimentos e a
poder, estabelecidas entre os sexos, classes, realizações práticas.
etnias e gerações. Os estudos historiográficos da educação
Os Relatórios de Trabalhos do Conselho brasileira nesse período, deixam evidentes os
Interino de Governo2, mostram que até a esforços do Governo Imperial na instituição de
primeira República (1889); em quase todas as leis que viabilizassem o acesso ao ensino no país,
regiões brasileiras, em especial no sertão baiano, a partir da promulgação da Lei de 15 de outubro
a maioria das escolas funcionava em residências de 1827; apontada como a primeira lei da
particulares cedidas ou pertencentes ao próprio educação no Brasil; que vigorou por mais de cem
professor. As turmas eram separadas anos, e regulamentou a tomada de importantes
sexualmente; sendo que o número de meninos medidas educacionais; como a construção de
era sempre muito superior ao de meninas, dado o prédios escolares, remuneração de mestres,
contexto cultural onde a figura feminina estava definição do Método Lancaster3 como padrão de
associada ao recato, à maternidade ao serviço do ensino, estruturação curricular e admissão e
lar. No início, o ensino era ministrado por escolas do sexo feminino; esforços estes, que
professores leigos, e aos poucos chegam os favoreceram implantação de uma educação
mestres formados que, em sua maioria, se elitizada e voltada para a formação de bacharéis,
desdobram para atender às necessidades de deixando à margem da educação nacional.
instrução de uma cidade inteira. Paripiranga, nesse período de constantes
Nas ausências que, ao abrir a Assembleia
mudanças administrativas e reformas
Legislativa Provincial, d’esta solicitei para dar ordem educacionais; surge como povoação, em meados
e incremento a este reamo de serviço e mediante as do século XIX; como resultado de um processo

2 3
Criado em 20 de agosto de 1822, a partir da união Esse método, inventado na Inglaterra, consistia no
administrativas das Vilas da província, como forma de preparo dos alunos mais capazes, que se tornavam
fortalecimento do processo de Independência, monitores para os demais. Os resultados obtidos foram
consolidação e organização administrativa da Regência e do péssimos, o que não impediu sua adoção durante quinze
Império do Brasil. (ALMEIDA, 1822. p. 04). anos 1923-1838. (SAVELI 2010. P.146).
Revista Saberes Especial SPC 2016 49

de ocupação das terras do sertão baiano, sustenta a formação educacional de sua prole;
marcado pela doação de terras e prática da um reflexo do que ocorria no grande sertão da
pecuária extensiva. De início, as terras de Bahia Imperial.
Malhada Vermelha (hoje Paripiranga)
integravam a totalidade do território AS REFORMAS DA EDUCAÇÃO PRIMÁRIA NO
Jeremoabo; passando; depois passou a IMPÉRIO E SEUS REFLEXOS NA ESCOLARIZAÇÃO
pertencer a Bom Conselho, e compunha dos POPULAÇÃO DE PARIPIRANGA
dados de alfabetização apresentado por
Carneiro (2015); até sua emancipação política
em 1886. Historiando o processo de escolarização da
Silva (1982), historiador paripiranguense, população de Paripiranga no final do século XIX;
em sua obra Roteiro de Vida e Morte; um estudo nos primeiros tempo de sua organização
sobre a expansão do catolicismo no sertão territorial e administrativa; quando era conhecida
baiano; nos apresenta dados que sobre o como Arraial de Malhada Vermelha; vemos que,
povoamento de Malhada Vermelha em meados assim como ocorria em quase todos os arraiais e
do XVII, e descreve traços da população que vilas so sertão da Bahia, o processo de
habitou região de Jeremoabo a qual Paripiranga estruturação da instrução pública da população
pertencia no período, ao relatar a existência de foi marcado pela precariedade em todos os
população muito pequena, em relação à ares de aspectos de sua estrutura; em um período em
terra, assim como o estado de pobreza e que os olhos do Estado ainda não haviam
servidão em que viviam: alcançado os mais distantes recantos do sertão.
Todos entregues à roça de mantimentos para
Os registros de documentos, correspondência e
a dieta ordinária, plantando a mandioca, o milho , e imprensa local, demonstram o desejo latente da
o feijão; espalhando pequenos cafezais no população pela instrução de seus filhos, e a
sombreado da mata ou no cinturão das árvores inquietação diante das faltas de prédios públicos,
fruteiras adjacentes às moradias e destinados ao e de mestres que condicionassem o acesso da
consumo doméstico; aplicados à cultura da mamona
para o lume, e do algodão para roupa grosseira, e
maioria de baixo poder aquisitivo ao universo da
quando o comércio abriu condições, passaram a educação formal.
fornecer para fora... Trata-se evidentemente de um O decreto 1.331A, de 17 de fevereiro de
mundo rural, cujos limites naturais e sociais 1854, traz a proposta se uniformização do ensino,
estiveram sempre agravados pela peculiaridade como forma de suprir as carências de uma
ecológica e por instituições inadequadas. Uma
população que vive do campo ou em função dele. Os
estrutura educacional nacional verdadeiramente
censos de 1872 e 1892 apenas registram o cômputo eficiente. O decreto de 1854 contempla a
geral, respectivamente 13 034 e 17 278 habitantes. regulamentação da Instrução Primária e
(SILVA, 1982. p. 11-12). Secundária pública e privada, que ficam sob a
vigilância da Inspetoria Geral da Instrução
O contexto apresentado por Silva (1982) Primária e secundária (PERES, 2005). Desde então
nos traz uma noção da precariedade da vida da o ensino primário divide-se em elementar
população de Paripiranga, no início de sua caracterizado pela educação moral e religiosa e
formação; em um ambiente rural, desprovido das outras quatro matérias consideradas básicas e
estruturas administrativas e sociais que fundamentais para a construção do
permeiam o universo urbano. Um ambiente em conhecimento; e o superior, que contempla as
que as reformas educacionais promovidas pelo disciplinas básicas e outras dez. (PILETTI, 2006).
governo ainda não haviam chegado, e a As reformas ficaram inicialmente restritas
população vivia em condições de extrema ao Município da Corte, e somente após
simplicidade e analfabetismo; uma vez que o intensificação de protestos reivindicações a sua
conhecimento da leitura e da escrita era privilégio aplicação, foi estendida a todas as províncias e
dos mais abastados donos de terras, que gozavam houve então a uniformização das medidas e do
de condições financeiras e base familiar que ensino a nível nacional; para o qual também foi
Revista Saberes Especial SPC 2016 50

estendido alcance da Inspetoria Geral; ampliando investimentos na educação dos colonos, deixada
assim o rigor e as exigência sobre magistério a cargo da igreja católica desde o início da
público e particular. ocupação da terra; que apesar da forte atuação
Como nos aponta Peres (2005. p. 16-17), os jesuítas, não abarcavam a todas as localidades;
entre 1878-1789, ocorreram novas modificações até meados do século XVIII, o que se via nas
na normatização do ensino primário, secundário e pequenas povoações como Malhada Vermelha,
superior; que estabeleceram a não onde a presença da igreja se fazia através da
obrigatoriedade de frequência aos exames figura do vigário, acumulando funções de líder
preparatórios aos cursos superiores e de espiritual e político, sem que houvesse maior
participação nas aulas de ensino religioso, atenção à educação escolar; as crianças eram
reforçando em conformidade com a proposta de iniciadas nas letras por professores leigos com
laicidade do Estado Brasileiro. Entre às ações instrução mínima, que lecionavam em casa, a
educacionais trazidas pela reforma de 1854, estão meninos e meninas cujos pais possuíam
ainda: a liberdade para abrir escolas e o livre condições financeiras para o financiamento das
exercício da docência, sem a obrigatoriedade das aulas; aos demais, restavam às lições que a
provas de capacidade. Porém segundo a autora, vivência social cotidiana lhes proporcionava.
“muito pouco do que contava no Decreto de As mudanças na instrução pública
1879, foi executado”. efetivadas pela Carta Régia de 06/11/1772, e
posteriormente a organização das Escolas
ASPECTOS DA POPULAÇÃO DE PARIPIRANGA NO Públicas Primárias, também tiveram reflexo no já
INÍCIO DO SÉCULO XIX E A ORGANIZAÇÃO DA Distrito de Malhada Vermelha; que 1869, não
EDUCAÇÃO COM PROFESSORES SEM ESCOLAS E possuía ainda uma escola pública, e o ensino
ESCOLAS SEM PROFESSORES primário era ainda mínimo e continuava a cargo
de educadores leigos; havia uma escola pública
Em meio a tantas outras povoações na sede da Freguesia, em Bom Conselho, 15
surgidas a partir da ocupação do sertão Baiano no léguas distante, como nos mostra o Jornalista
início do século XIX; num processo marcado pela paripiranguense Francino Silveira Déda, em seus
imposição da pecuária extensiva, e pela violência textos de memórias publicados no jornal local.
no trato com indígenas; o Arraial de Malhada
Vermelha4 desenvolvia-se na lavoura. Abatiam-se Em 1869, o Distrito de Malhada Vermelha não
as matas para o arroteamento dos terrenos, e possuía ainda uma escola pública, o ensino primário
era em parte mínima, ministrado por leigos; havia
Erguia-se o Arraial a cada edificação construída, a uma escola pública na sede da Freguesia, a 15 léguas
cada melhoramento social alcançado. De modo distante. Por isso, em 15-2-1869, os Irmãos Paulo
que já pelo idos de 1840; por necessidade e Cardoso de Menezes, Vitor Marculino de Menezes e
desejo de seus habitantes, representados pelo Lourenço Justino de Menezes, com apoio de
Major José Antônio de Menezes, em solicitação Estanisláo Garcia de Carvalho e outros, pediram ao
Governo da Bahia a criação de uma escola no
ao Vigário de Bom Conselho dos Montes do Povoado Malhada Vermelha onde residiam e no
Boqueirão, se fez construir a Capela de Nossa pedido, ofereciam uma casa pronta, com todos os
Senhora do Patrocínio. utensílios necessários. Grande gesto daqueles
O processo civilizatório que ali se conterrâneos e parentes e afinal, veio à primeira
desenvolvia e a situação de abandono intelectual escola primária. (DÉDA 1953. P. 04).
em que viviam os habitantes de Malhada
Vermelha, fomentava a necessidade de um O cenário descrito por Déda (1953),
sistema de instrução pública. Como o modelo de caracteriza a realidade educacional de Paripiranga
colonização Portuguesa não contemplava grandes na primeira metade do Século XIX, onde o
4 processo educativo de se dava por iniciativas
Primeira denominação dada à cidade de Paripiranga, no
início do processo de povoamento, em decorrência das
particulares, com aula ministradas por leigos em
condições geográficas do lugar e da coloração avermelhada residências cedidas por membros da população
de suas terras (SILVA, 1982, p. 05) ou pelos próprios professores que ministravam
Revista Saberes Especial SPC 2016 51

aulas em suas casas. Em suas crônicas recheadas de Geremoabo ao qual pertencia o Distrito,
de memórias da antiga Malhada Vermelha ou da pedindo a criação de uma escola onde residiam e
Villa de Patrocínio do Coité. no pedido, ofereciam uma casa pronta, com
Voltando à nossa quase mania de recordar o todos os utensílios necessários; conforme ofícios
passado de nossa terra, vamos relembrar aquele transcritos abaixo:
velho método de ensino rotineiro de Patrocínio do
Coité, de Professores Públicos ou particulares, com Illmo. Srs. Presidente e Senadores da Câmara
escolas em casa inaptáveis, onde se viam bancos Municipal.
toscos, compridos e duros, sem encosto e sem Os abaixo assinados moradores na povoação
apoiamento para o busto das crianças, que por denominada Malhada Vermelha, (Coité),
vezes, escreviam nos acentos dos próprios bancos, compreensiva dos districtos do Coité e Sabão, na
ajoelhadas no piso batido e fio do alojamento. O Freguesia de Nossa Senhora do Bom Conselho deste
Mestre-Escola, sentado numa banca ordinária, onde município, convictos de que a instrução pública é
ficavam lápis, papéis, um tinteiro de barro, e uma uma das necessidades mais palpitantes de que
pedra redonda que os meninos conduziam quando devem curar as autoridades constituídas, como o
saíam para necessidade fisiológicas. Uma régua primeiro complemento da sociedade e felicidade dos
grossam, com a qual o professor avivava os alunos seus membros, pois muita vez a ignorância é a causa
com pancadas na cabeça e a célebre palmatória para efficiente dos desvios do homem, que por ella não
os castigos corporais que consistiam em “bolos” ou compreende os deveres que tem consigo mesmo,
palmatoadas contadas contadas por dúzias, e, os para com seus semelhantes e para consigo mesmo,
alunos humilhados enfezados, olhavam o professor, para com seus semelhantes e com Deus, á esta
mais como uma fera humana duque um Mestre Illustríssima Câmara, como fiel e legítima
amigo; estudavam pelo receio, com aquele barulho representante de seus munícipes, se dirigem,
infernal, com as pernas penduradas nos bancos pedindo pelos termos competentes a criação de uma
altos, em movimentos de balanço e a vozeria escola primaria na referida povoação. Distando ela
ensurdecedora, que ai se estabelecia, com a da sede da Freguesia 15 léguas, onde existe uma
cantilenas ritimadas do; - “Um B cum A ...B. A...ba... escola e sendo a sua população de muitos
Um B cum E... B. E.... be...”. Ou o “2 e 1... 3 e 2... e habitantes, e absolutamente impossível que os
2....4”. Até o “ 2 e 7....9.... noves fora nada”. Outros abaixo assinados e mais de famílias deem o devido
mais adeantados cantavam com voz mudada: “ - ensino a seus filhos, que por essa forma ficam
Antão, Ana, Andei....Bento, Brito, Buscar...”. Adeante privados desse beneficio tão salutar e eficaz, quanto
um ou dois decuriões, apontavam com palitos aos necessário. Para consecução desse fim, os abaixo
iniciantes o: ....”A.....B.....C.....D.....E”. Esse barulho assinados oferecem ao governo uma casa pronta de
infernal era comandado pelo professor rotineiro todos os utensílios precisos para funcionar a escola e
que, com reguadas e palmatoadas estridentes sobre esperam que esta Illustríssima Câmara,
o lastro da banca, amedrontava os alunos para compenetrada do que vem eles expor, se digne de
ativarem os estudos. (DÉDA. 1954. p. 02) fazer chegar esta sua solicitação no Exmo. Governo
da Província para prover essa necessidade tão
Vemos no texto, uma descrição com urgente reclamada – Pede a V. S. deferimento.
detalhes ricos sobre o ambiente das salas de (LIMITES DO ESTADO DA BAHIA. 1916. P. 406)
aulas, dos recursos e da metodologia de ensino
empregada pelos chamado Mestre-Escola; em
uma época onde a figura do professor era dotada O ofício emitido pela Câmara de
de respeito e autoridade fornecida pelo sistema Geremoabo em 18 e março de 1869, transmitindo
educacional vigente e pelo prestígio social dado á ao governo do Estado o pedido feito pelos
figura do professor, apesar da baixa remuneração habitantes do districto de Malhada Vermelha
e das péssimas condições de trabalho as quais (Coité) a respeito da necessidade de construção
estava submetido. de uma escola para instrução da população, e
Como mencionado por Déda (1953), a informando a favor, por pertencer o districto ao
instalação da Primeira escola pública na povoação termo da citada Villa, conforme Lei da Regência
ocorreu em 15 (quinze) de fevereiro de 1869, por de 1831:
iniciativa de alguns jovens como os irmãos Paulo
Illmo. Exmo. Conselheiro Presidente da
Cardoso de Meneses, Victor Marcionillo de
Província
Meneses e Lourenço Justiniano de Meneses, que A Câmara Municipal desta Villa,
dignaram-se em escrever ao Conselho Municipal acompanhando a justa solicitação de seus munícipes
Revista Saberes Especial SPC 2016 52

os habitantes da Povoação de Malhada Vermelha povoação, no final do século XIX; ambas


(Coité), faz chegar à alta presença de V. Ex.ª a inclusa funcionando em espaços improvisados, e exalta a
petição em original que os mesmos lhe dirigiram,
afim de que V. Ex.ª se digne provê-la com a creação
figura da Professora leiga Olímpia Garcia as Silva,
de uma cadeira para o ensino público primário da sua tia-avó; falecida em 12 de setembro de 1923,
referida povoação. Não é preciso que esta Câmara que ministrou aulas particulares e por décadas à
mostre os resultados benéficos a salutares que se parcela da população que possuía condições de
colhem do ensino do povo e por isso, sem addir mais pagar por suas aulas, transcrevendo em sua
palavras. Requer e pede a V. Ex.ª deferimento.
(LIMITES DO ESTADO DA BAHIA. 1916. Pag. 407. of.
coluna, nota publicada pelo semanário local, O
Nº. 161) Paladino, na ocasião se sua morte, noticiou aos
seus assinantes, com extremo pesar, a passagem
da Professora Olímpia; exaltando de forma
Enquanto a população aguardava a chegada bastante enfática, seus atributos enquanto
de um Mestre enviado pelo governo da província, educadora e cidadã, e um exemplo de mestra a
as aulas na nova escola eram ministradas pelos ser admirado e seguido.
próprios irmãos Menezes em residência da
família. Finalmente em 1879, chega o tão Era professora particular, e naquela época, a
aguardado mestre, designado pelo estado, para a imprensa local publicava o seu falecimento com a
seguinte nota: “A Extinta exercia o magistério
cadeira de escola primária do sexo masculino
particular e gozava de gerais simpatias pelo seu bom
criada para Malhada Vermelha. Conforme consta coração”. Efetivamente aquela boa criatura gozava
no Relatório dos Trabalhos do Conselho Interino de real estima por parte de toda a população da vila,
do Governo da Província da Bahia – Dados da dado o seu caráter sem jaça e a sua lhaneza de trato;
Secretaria Geral da Instrução Pública, publicado e muito devemos ao magistério particular de D.
Olímpia Garcia as Silveira, principalmente naqueles
em 31 de dezembro 1878, onde foi registrada a
tempos em que na vila existiam duas escolas
nomeação o Professor Marcionillo Pedrilliano de públicas e mui particularmente a uma professora
Vasconcelos, para a cadeira de professor regente particular como era a solteirona D. Olímpia,
da então Freguesia; que se tornou mestre de possuidora de uma moral irrepreensível e bôa
várias gerações; de Malhada Vermelha a educação. Era ela leiga em pedagogia, mas
possuidora de um espírito rico em compreensão,
Patrocínio do Coité.
esclarecida e inteligente, sabia pela moral e pela
A escola pública, primeira existente na prática, ministrar o ensino primário adequado
época, localizada na sede do município, regida áqueles tempos, e muitos são os velhos de hoje que
pelo Prof. Marcionillo a partir de 1879, veio curar devem o que sabem a D. Olímpia Garcia da Silveira.
os anseios daqueles que tinham vontade de Coração magnânimo, espírito lúcido, critério
irrepreensível e francamente religiosa, não se
aprender. Marcionillo enfrentou problemas
limitava unicamente ao ensino do B-a-bá, e das
estruturais, como falta de estrutura física quatro operações de aritmética, ensinava a ler e
adequada, já que não havia prédio público com escrever corretamente amestrava os discípulos em
instalações específicas para funcionamento da redação de cartas, ensinava moral e religião; e os
escola; e as aulas continuaram a ser ministradas seus inúmeros discípulos tinham pela mestra
verdadeira admiração e respeito. (DÉDA.1953 p. 03)
em espaços cedidos e adaptados com mobilha
alguns materiais fornecidos pela população.
Nota-se no discurso transcrito por Déda
Já velho e no final da carreira, aposentou-
(1953), a importância da á figura do professore na
se, como após 30 anos de serviços prestados à
sociedade Paripiranguense do período. Um misto
educação dos paripiranguenses. Enquanto não
de exemplo de retidão moral, ética e capacidade
vinha o seu sucessor, ministrou seus
intelectual. No caso da mulher, a imagem da
ensinamentos a jovem Professora Emerentina
educadora se mistura à figura maternal, e
Maria de Meneses; que anos depois, dedicou
símbolo do dos valores femininos defendidos na
seus esforços à educação dos moradores do
época, marcados pela delicadeza, a pureza e o
recém-surgido povoado Maritá.
recato, bem como o maternalismo presente na
Déda (1953) relata a existência de apenas
metodologia de ensino aplicada.
dois mestres e de duas escolas públicas na
Revista Saberes Especial SPC 2016 53

No início do ano de 1909, para maior comércio eu supria as necessidades básicas da


desenvolvimento do ensino primário e em população de grande maioria analfabeta; que de
substituição ao professor Marcionillo, chegou forma lenta, tratou de organizar estruturas
vindo de Mirandela, para a então Patrocínio do educacionais pela iniciativa de representantes da
Coité, o Professor Francisco de Paula Abreu. Com parcela mais abastada da população, ansiosa pela
o Professor Abreu, o ensino primário tomou presença de um mestre formado e apto ao
novos rumos. Português, Geografia, Aritmética, exercício do magistério, já até então contavam
História do Brasil, eram matrículas do currículo, com os esforços de leigos que ministravam aulas
além de noções de História Natural. particulares, para os filhos daqueles que podiam
O Professor Abreu como era conhecido, pagar.
conforme biografia publicada no semanário local, Durante décadas, dois mestres se
O Ideal de 1953, nasceu na cidade de Salvador, destacaram na tarefa de iniciar as crianças de
em 16 de março de 1879, na antiga Rua da Patrocínio do Coité no universo da Educação
Poeira. Filho do Sr. Inocêncio Joaquim Abreu e de Formal. Pelo menos duas gerações de Coiteenses
Úrsula Maria de Abreu; órfão de pai e mãe aos ou Paripiranguenses tiveram acesso ao
quinze anos de idade foi obrigado a trabalhar, conhecimento das letras através dos professores
começando sua vida como empregado na Fábrica Marcionillo Pedriliano de Vasconcelos e do
de Cigarros Leite e Alves. Após conclusão do Professor Francisco de Paula Abreu. Este último
Curso Preparatório para estudar Direito já com grande participação na formação de uma
lecionava particularmente, para completar a elite intelectual da cidade; colaborando nas
renda, e custear a compra de livros e os gastos discussões políticas e no desenvolvimento da
com os estudos. imprensa local.
Formou-se professor aos 22 anos, em 1901. Pela ausência de escolas de ensino
Lecionou durante um ano como professor na secundário e de cursos profissionalizantes;
cidade de Pojuca. A primeira nomeação para diversos jovens representantes dessas gerações,
exercer sua nobre função foi para o Arraial de cujas famílias possuíam situação financeira
Mirandela, onde conheceu e casou-se com D. privilegiada; tiveram que completar seus estudos
Cantionila de Carvalho Abreu, com quem teve em cidades vizinhas, ou até mesmo em outro
cinco filhos. estado; sendo que muitos deles retornaram
Chegou a Paripiranga em 30 de abril de depois de formados, e substituíram seus mestres,
1909, onde ministrou seus ensinamentos a três dando início a um novo ciclo de desenvolvimento
gerações. Homem de fina inteligência e um do processo de desenvolvimento da educação
talento excepcional. Astrônomo, botânico, formal em Paripiranga.
geógrafo, jornalista e filosofo; por várias vezes foi
convidado a ministrar seus ensinamentos na
capital. Membro da sociedade astronômica do
Brasil era um intransigente admirador da França.
Jornalista de mérito e com estilo de pura
erudição, dirigiu como redator-chefe do jornal O
Paladino, da então Patrocínio do Coité, até a sua
última publicação. Viveu em Paripiranga até o seu
falecimento em 1958,

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O processo de estruturação da educação


em Malhada Vermelha teve início na segunda
metade do século XIX. O cenário socioeconômico
era marcado pela prática da agricultura, e um
Revista Saberes Especial SPC 2016 54

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Bahia; Typographia Nacional; 1823. Acervo Digital


da Biblioteca Nacional. Hemeroteca Digital
BORGES, Abílio César (Barão de Macahúbas). Brasileira. Acesso em15 de janeiro de 2016.
Relatorio sobre a instrucção pública da Provincia http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bi
da Bahia, apresentado ao Illmo. e. Exmo. Snr. b=130605&PagFis=5382&Pesq=LEIS%20E%20RESOLU
Presidente Commendador Alvaro Tiberio de %C3%87%C3%95ES%20DA%20ASSEMBL%C3%89IA%2
Moncorvo e Lima. Typographia de Antonio Olavo 0PROVINCIAL%20DA%20BAHIA.
da França Guerra, 1856. 74p.
MARTINS, Francisco Gonçalves. Relatório
Limites do estado da Bahia – Bahia e Sergipe. Apresentado á Assembleia Legislativa da Bahia
Imprensa Oficial do Estado. Vol. I. Salvador. em 06 de março de 1870. Província da Bahia;
Bahia. 1916. Pag. 406. Of. Nº. 160 1870. Bahia; Typographia do jornal da Bahia;
1870. Acervo Digital da Biblioteca Nacional.
ARQUIVO NACIONAL, Cêntro de Documentação e Acesso em15 de janeiro de 2016.
Informação do. Constituição do Império do http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bi
b=130605&PagFis=5382&Pesq=LEIS%20E%20RESOLU
Brasil. Fundo: Constituições e Emendas
%C3%87%C3%95ES%20DA%20ASSEMBL%C3%89IA%2
Constitucionais. Cod: DK. 1824. 58 p.
0PROVINCIAL%20DA%20BAHIA

DÉDA, Francino Silveira. As Escolas Pimárias. O


CERQUEIRA, Telma Antonieta Sousa. Bom
Ideal, ano I. Nº 05. Pag. 04. Paripiranga, Bahia. 31 conselho dos montes do Boqueirão: Cícero
de maio de 1953. Dantas. Salvador, Ba: Arco-Íris, 1989.
DÉDA, Francino Silveira. Magister. O Ideal, ano II.
Nº 61. Pag. 02. Paripiranga, Bahia. 27 de junho de
PILETTI, N. & PILETTI, C. História da Educação. 7ª.
1954.
Ed, São Paulo, Ática, 2006.
DÉDA, Francino Silveira. Magister. O Ideal, ano I.
Nº 20. Pag. 03. Paripiranga, Bahia. 13 de
PERES, T. R. Educação Brasileira no império.
setembro de 1953.
Palma Filho, J. C. Pedagogia Cidadã – Cadernos
de Formação - História da Educação – 3. ed. São
SANTANA, Sebastião Araújo. Professor Francisco
Paulo: PROGRAD/UNESP/Santa Clara Editora,
de Paula Abreu. O Ideal, ano I. Nº 02. Pag. 02-04.
2005, p. 29-47.
Paripiranga, Bahia. 10 de maio de 1953.
SILVA, Cândido da Costa e. Roteiro da vida e da
PORTELLA, Cons. Dr. Manuel do Nacimento
morte: um estudo do catolicismo no Sertão da
Machado. Relatório do Conselho Interino de
Bahia. São Paulo: Ática, 1982. 88 p.
Governo: Relatório de 01 de abril de 1989.
Província da Bahia; 1889. Typographia Nacional;
FREIRE, Ana Maria Araújo. Analfabetismo no
1889. Acervo Digital da Biblioteca Nacional:
Brasil: da ideologia da interdição do corpo à
Acesso em:15 de janeiro de 2016.
http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bi ideologia nacionalista, ou de como deixar sem
b=130605&PagFis=5382&Pesq=LEIS%20E%20RESOLU ler e escrever desde as Catarinas (Paraguaçu),
%C3%87%C3%95ES%20DA%20ASSEMBL%C3%89IA%2 Filipas, Madalenas, Anas, Genebras, Apolônias e
0PROVINCIAL%20DA%20BAHIA. Grácias até os Severinos, 1534-1930. São Paulo,
SP: Cortez Editora; Brasília: INEP, 1989 Biblioteca
ALMEIDA, Miguel Calmon Du Pin e. Relatório da da educação. Série 1, Escola ; v. 4
Província da Bahia em Prol da Regência, e
Império de sua Magestade Imperial D. Pedro I e COSTA, Isabel Maria Vilella. Uma leitura sobra a
da Independência Política do Brasil. Província da História da política provincial baiana de
Revista Saberes Especial SPC 2016 55

formação de professores: A Escola Normal 1836- 146 / mai-ago 2010. Hitpages.


1862. 1988. 194 f. Dissertação (Mestrado) – https://www.hitpages.com/doc/6109661040214016/
Faculdade de Educação, Universidade Federal da 1. Acesso em 20 de janeiro de 2016.
Bahia; Salvador.

BITTENCOURT, Raul. A educação brasileira no


Império e na Repíblica. Revista brasileira de
estudos Pedagógicos. Rio d ejaneiro: INEP, v, 19,
n. 49, p.41-76. 1953.

FARIA FILHO, Luciano Mendes (org.) Pesquisa em


história da educação: perspectivas de análise, objetos
e fontes. Belo Horizonte: HG Edições, 1999. 210 p.

MENEZES, Jaci Maria Ferraz de (coord.) Legislação


da Educação na Bahia: 1920-1980. Salvador:
EDUNEB, 2009. 498 p. (11-VI).

NUNES, Antonietta de Aguiar. “Educação na


Bahia durante a primeira República” in Revista
do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia nº 96,
2001c, 219-252

_____. “Educação na Bahia no século XIX:


algumas considerações” in Revista do Instituto
Geográfico e Histórico da Bahia, Salvador, nº 93,
jan/dez 1997, pp 165-203.

_____. “Política educacional do segundo governo


republicano na Bahia (1890)” in Revista Gestão
em ação v. 5, jul/dez 2002d, pp. 111-126.
Publicado também nos Anais do XX Simpósio
Brasileiro de Política e Administração da
Educação, Salvador, novembro 2001 em CD

TAVARES, Luís Henrique Dias. Fontes para o


estudo da Educação no Brasil – Bahia. 2ª ed.
Salvador: UNEB, 2001/2002. 500 p.

CARNEIRO, Zenaide de Oliveira Novaes.


Mensuração de níveis de alfabetismo no
Nordeste da Bahia (1857-1878). SIGNUM: Estud.
Ling., Londrina, n. 18/2, p. 149-166, dez. 2015.
DOI: 10.5433/2237-4876.2015v18n2p149

SAVELI, Esméria Lourdes. A educação obrigatória


nas constituições brasileiras e nas leis
educacionais delas derivadas. Revista
Contrapontos - Eletrônica, Vol. 10 - n. 2 - p. 129-
Revista Saberes Especial SPC 2016 56

Arquivo Digital da Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro. Brasil. Ed. 00001. 1879. Pag. 6. Serviço de
Reprografia. http://hemerotecadigital.bn.br/ Acesso em 28 de janeiro de 2012.

Foto: Professor Marcionillo Pedrilliano de Vasconcelos com alunos -


Acervo Digital do LEPH/ UniAGES.

Foto: Professor Abreu e alunos - Foto Acervo Digital do LEPH/ UniAGES.


Revista Saberes Especial SPC 2016 57

USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO


INDIVIDUAL NO CONTROLE DAS INFECÇÕES
HOSPITALARES

Francielly Vieira Fraga *


Fernando Santana Santos **

RESUMO: Esta pesquisa tem como objetivo conhecer a


utilização dos equipamentos de proteção individual pela
equipe de Enfermagem, atuante em um Pronto Socorro de
um hospital regional. Adotou-se uma pesquisa exploratório
descritiva, com análise quantitativa, baseada no estudo de
campo de forma objetiva e através da observação não
participativa. A etapa quantitativa do estudo demonstrou
que complicações relacionadas ao sexo, tempo de serviço,
falta de treinamento e adequabilidade dos Equipamentos
de proteção individual (EPIs) interferem diretamente na
utilização dos mesmos pela equipe de enfermagem,
principalmente os óculos de proteção e as luvas, bem
como, o descarte das mesmas e da máscara, representando
riscos para os profissionais e pacientes, que podem ser
acometidos assim por infecções hospitalares. Os achados
desse trabalho evidenciaram associações significativas
entre as más condições de trabalho e o não uso de EPIs.
Observa-se que os profissionais com treinamento exercem
suas atividades com maior segurança, contribuindo para o
bem-estar do paciente.
PALAVRAS-CHAVE: EPIs; infecção hospitalar; prevenção;
enfermagem.

ABSTRACT: This research aims to evaluate the use of


personal protective equipment by the nursing team, active
in the emergency department of a regional hospital.
Adopted a descriptive exploratory research with
quantitative analysis, based on an objective field of study
and through non-participant observation. The quantitative
stage of the study showed that complications related to
sex, length of service, lack of training and adequacy of
personal protective equipment (PPE) directly interferes
with the use of them by the nursing staff, especially goggles
and gloves, as well as the disposal thereof and the mask,
representing risks to practitioners and patients, who may
be so affected by nosocomial infections. The findings of this
study showed significant associations between poor
working conditions and non-use of PPE. It is observed that
training professionals perform their activities with greater
safety, contributing to the wellbeing of the patient.
KEYWORDS: PPE; hospital infection; prevention; nursing.

* Bacharel em Enfermagem, pós graduada em


Enfermagem do Trabalho, e graduanda em Auditoria
em Enfermagem.
** Graduando em Enfermagem.
Revista Saberes Especial SPC 2016 58

INTRODUÇÃO pacientes. Em algumas unidades a taxa pode


chegar a 88,3% (BENEVIDES, 2011). A ocorrência
O ambiente hospitalar constitui o principal de infecção hospitalar determina um aumento no
campo de atuação dos profissionais de tempo de internação (de quatro dias, em média),
Enfermagem, bem como os procedimentos dos custos de internação e nos índices de
específicos e as técnicas invasivas. A combinação mortalidade na população acometida
desse ambiente com as particularidades dos (AZAMBUJA, 2004).
pacientes quanto ao estado de saúde, as técnicas As poucas pesquisas atualizadas acerca do
realizadas e o uso inadequado de equipamentos tema comprometem a utilização de estratégias
de proteção individual (EPIs) acabam propiciando adequadas no controle das infecções
o aparecimento de infecções hospitalares. hospitalares, de modo que, mesmo com o
Entende-se por infecção hospitalar toda infecção conhecimento adquirido pelos profissionais
adquirida após a admissão do paciente e que se durante sua formação, a aplicação de tais
manifesta durante a internação, ou mesmo após conceitos na prática ainda é inadequada e
a alta, quando puder ser relacionada à ineficiente. Muito ainda precisa ser feito no país,
permanência na unidade (BRASIL, 2007). pois, apesar da existência de políticas voltadas à
O grande número de procedimentos prevenção e controle das infecções hospitalares,
realizados rotineiramente acaba criando certos tanto a exigência externa (dos órgãos
vícios que, aliados à falta de capacitação ou de competentes) quanto a exigência interna (própria
recursos, ocasionam a utilização inadequada dos de cada trabalhador), ainda não estão voltadas ao
EPIs, o que influi, diretamente, no aparecimento cumprimento de tais políticas (AZAMBUJA, 2004).
das infecções hospitalares, que aumentam o Dentro desse contexto, o objetivo desse estudo
tempo de internação dos pacientes e a demanda foi conhecer a utilização dos equipamentos de
de atendimento, bem como os altos custos para o proteção individual pela equipe de Enfermagem,
hospital. Os equipamentos de proteção individual atuante em um Pronto Socorro de um hospital
(EPIs) são compostos, basicamente, por: luvas regional.
(estéreis ou de procedimento), máscaras, gorros, Assim, trata-se de uma pesquisa de caráter
óculos e propé, sendo utilizados, segundo exploratório-descritivo, a análise dos dados foi
procedimento realizado, de modo a proteger realizada através de método quantitativo e as
tanto o profissional como os pacientes. Todos informações foram representadas, graficamente
esses EPIs são utilizados para prevenir o usuário por tabelas. Desse modo, a pesquisa ocorreu por
de adquirir doenças em virtude do contato meio de investigação indireta no caráter
profissional-paciente e contra riscos de acidentes bibliográfico e de forma direta quanto ao estudo
de trabalho visando à conservação da sua própria de campo. A população participante desse
saúde (BEZERRA, 2004). trabalho de pesquisa foi composta por auxiliares
Estudos feitos em todo o país pela de enfermagem, técnicos de enfermagem e
Associação Nacional de Biossegurança (ANBIO) enfermeiros, que fazem parte da equipe de
revelaram que morrem no Brasil, anualmente, funcionários do Hospital Dr. Pedro Garcia Moreno
cerca de 100 mil pessoas vítimas de infecções Filho, localizado em Itabaiana/SE e
hospitalares e, em média, 80% dos hospitais desempenhavam suas funções no setor do Pronto
brasileiros não têm controle adequado sobre as socorro, atuando diretamente com os pacientes,
infecções. Além disso, o índice de infecção manuseando e utilizando os EPI’s em sua rotina
hospitalar varia entre 14% e 19% entre os de trabalho. A amostra se caracterizou por 30
Revista Saberes Especial SPC 2016 59

membros da equipe de enfermagem (auxiliares, os 21 e 30 anos possuem menor frequência de


técnicos e enfermeiros). Para coleta de dados foi erros e maior adesão aos EPIs, pois possuem
utilizada a aplicação de questionários, conhecimentos atualizados obtidos nos cursos de
estruturados quanto à identificação pessoal, formação e procuram aplicá-los nos
dados da ocupação e percepção sobre o uso de procedimentos (MOURA, 2004).
EPIs, o que permitiu o conhecimento
aprofundado sobre a população que está em Relação do trabalho com a não adequação
estudo. Esse questionário foi aplicado de forma
direta, disponibilizado um termo de Em relação ao tempo de serviço, verificou-
consentimento assinado pelos entrevistados. se, na Tabela 2, que 14 (46,7%) dos participantes
têm de 0 a 4 anos de exercício profissional e
O USO DE EPIS E AS INFECÇÕES HOSPITALARES desses 10 (52,5%) nunca receberam treinamento,
10 (33,3%) têm de 4 a 8 anos e 05 (26,3%) nunca
Fatores que predispõem a não utilização de EPIS foram capacitados, 2 (6,7%) têm de 8 a 12 de
profissão e 1 (9,1%) foi treinado para uso de EPIs,
Com o consentimento e a colaboração da enquanto que 1 (3,3%) apresenta de 12 a 16 anos
equipe de Enfermagem durante a coleta, foram de serviço , 1 (3,3%) de 16 a 20 anos e 2 (6,7%)
detectados possíveis fatores quanto ao uso dos trabalham há mais de 20 anos, e dentre esses
EPIs que podem desencadear a ocorrência de apenas 1 recebeu treinamento para manuseio
Infecções Hospitalares. dos equipamentos.
Em relação à faixa etária e sexo, mostra-se, A relação entre tempo de serviço e falta de
na Tabela 1, que 13 profissionais (43,3%) têm treinamento apresentados também são fatores
idade entre 26 e 34 anos e desses 05 (17,9%) são preponderantes na utilização de EPIs, de modo
mulheres, enquanto que 9 (30,0%) apresentam que, a capacitação e o treinamento dos
idade entre 34 e 42 anos e desses 13 (46,7%) são funcionários são importantes para uma
mulheres. Além disso, 5 (16,7%) estão na faixa instituição de saúde, bem como, para sua equipe
etária de 18 a 26 anos, com distribuição de 2 e seus pacientes, visto que é, através dela, que os
(100%) dos homens e 7 (25,0%) mulheres nessa trabalhadores conhecem o perigo do ambiente
linha e 2 (6,7%) têm entre 42 e 50 anos com 2 hospitalar de forma a se prevenir dos acidentes e
(7,1%) do sexo feminino, apenas 1(3,3%) diminuir os riscos de transmissão e ocorrência de
participante tem 50 anos ou mais com 1 (3,6%) Infecções Hospitalares (BRASIL, 2005).
mulher.
Diante da maior quantidade de profissionais Dificuldades na utilização de EPIS
do sexo feminino, observa-se a relação de tais
dados com o não uso dos EPI’s, o maior O uso dos equipamentos de proteção
coeficiente de risco para erros e contaminação individual diminui o risco de contaminação e
entre as mulheres parece estar relacionado ao disseminação de fluidos, secreções e material
papel que estas assumem, culturalmente, na contaminado. Diante disso, a Tabela 3 demonstra
sociedade: cuidam da casa, dos filhos e, muitas que 16 (73%) dos entrevistados referem não
vezes, têm mais de um emprego, o que causa haver, na unidade, materiais (EPIs) adequados e
uma sobrecarga que proporciona falhas no uso de suficientes, desses, 17 (56,%) apontam como
EPIs (SARQUIS E FELLI, 2006). Já em relação a maior dificuldade para utilização dos
idade, os trabalhadores com a faixa etária entre
Revista Saberes Especial SPC 2016 60

equipamentos as barreiras relacionadas a na realização de procedimentos com luvas


inexistência ou qualidade do EPI. esterilizadas, notou-se que 27 (90%) dos
Adequabilidade participantes não realizam os procedimentos
portando tal EPI, enquanto que 3 (10,0%) fazem
A adequabilidade de tais materiais seu uso.
demonstrados na tabela 3 deve ser provida pelo Durante a investigação da utilização dos
empregador seguindo a NR 32, que dispõe sobre EPIs pode-se observar que dentre os profissionais
as diretrizes básicas para a implementação de 73,7% não trocam a mascara entre um
medidas de proteção à segurança e à saúde dos procedimento e outro, apesar de 66,7% a
trabalhadores dos serviços de saúde, enfatizando utilizarem. Outro fator agravante foi o uso de
os EPIs deverão estar à disposição em número óculos de proteção em procedimentos específicos
suficiente nos postos de trabalho, de forma que por 0,0% da equipe de enfermagem, e a falta das
seja garantido o imediato fornecimento ou sua luvas esterilizadas durante o procedimento por
reposição (SKRABA; NICKEL; WOTKOSKI, 2006). 90,0% dos profissionais, o que contraria as
normas apresentadas na NR-6 da Portaria Nº.
Utilização dos EPIS pela equipe de enfermagem 3.214, de 08.06.78 que ressaltam o uso das
precauções padrão, essas medidas devem gerar
Mediante os dados elencados na Tabela 4, melhorias na qualidade da assistência e
identifica-se, no uso de jaleco, que 21 (70%) dos diminuição de custos e infecções cruzadas
participantes usam este material, enquanto que 9 advindas da prática hospitalar e ambulatorial,
(30%) não fazem o seu uso. Quanto ao sapato tanto para os profissionais como para os
fechado, percebeu-se que 28 (93,3%) obedecem pacientes e seus familiares (NEVES, 2006).
às normas, enquanto que 2 (6,7%) não usam o
sapato fechado. Em relação ao uso da máscara, CONSIDERAÇÕES FINAIS
verifica-se que 20 (66,7%) dos entrevistados usam
o EPI e 10 (33,3%) não fazem o seu uso, ainda, Este estudo possibilitou o conhecimento
referente ao uso da máscara, no descarte da acerca da adesão e utilização dos Equipamentos
máscara, observou-se que 23 (76,7%) dos de Proteção Individual pela equipe de
participantes não realizavam o descarte e 7 Enfermagem do Pronto Socorro do Hospital Dr.
(23,3%) o fazem. Pedro Garcia Moreno Filho, em Itabaiana (SE).
O uso do gorro demonstrou que 22 (73,4%) Desse modo, esse estudo possibilitou o
não executam os procedimentos, utilizando tal conhecimento da utilização de EPIs pela equipe
material, 8 (26,6%) dos entrevistados o utilizam. de Enfermagem evidenciando que o mesmo se
Quanto aos óculos de proteção, constatou-se que torna um importante assunto de avaliação, tendo
30 (100,0%) dos partícipes não usavam o em vista as dificuldades para adesão dos
equipamento de proteção em nenhum profissionais e os riscos crescentes relacionados à
procedimento. contaminação do trabalhador, dos pacientes e até
Sobre a utilização e descarte das luvas pela de seus familiares, levando-se em conta o alto
equipe, observou-se que no(uso de luva de grau de contaminação presente em unidades
procedimento, 21 (70%) dos profissionais as e 9 hospitalares, principalmente, nas de urgência e
(30%) não fazem seu uso; quanto ao descarte emergência.
demonstra-se que 20 (66,7%) fazem o descarte Evidencia-se, dessa forma, a necessidade e
das luvas após uso e 10 (33,3%) não o realizam; importância de criação e aplicação de estratégias
Revista Saberes Especial SPC 2016 61

eficazes para utilização adequada dos


Equipamentos de Proteção Individual, bem como
da investigação e atualização dos dados acerca
das Infecções Hospitalares no país. Algumas
condutas podem ser adotadas para tal finalidade
como aprimoramento de políticas públicas
direcionadas aos profissionais de saúde, sendo
que o hospital poderia realizar cursos de
capacitação da equipe de Enfermagem, prover
materiais adequados e fiscalizar a sua utilização
pelos funcionários, através do enfermeiro gestor
da referida unidade.
Através de outras pesquisas, busca-se
aprimorar o conhecimento dos trabalhadores
sobre o uso dos EPIs, utilizando a apresentação
de dados como instrumento para o
desenvolvimento de estratégias para intervenção
frente aos riscos que os profissionais de
Enfermagem e os pacientes, dentre outros, estão
expostos e, com isso, despertar a necessidade de
mudança neste cenário para a promoção
adequada e eficaz de saúde.
Revista Saberes Especial SPC 2016 62

REFERÊNCIAS 138812EAFCE19E1/NR-
32%20%28atualizada%202011%29.pdf>. Acesso
AZAMBUJA, Eliana Pinho de; PIRES, Denise Pires em: 20 mai. 2013.
de; VAZ, Marta Regina Cezar. Prevenção e
controle da infecção hospitalar: as interfaces com MOURA, Josely Pinto de. A adesão dos
o processo de formação do trabalhador. Texto profissionais de enfermagem às precauções de
contexto – enfermagem. 2004, vol.13, pp.79-85. isolamento na assistência aos portadores de
Disponível em: microrganismos multirresistentes. Dissertação
<http://www.scielo.br/pdf/tce/v13nspe/v13nspe (Mestrado em Enfermagem Fundamental) Escola
a09.pdf>. Acesso em: 22 abr. 2013. de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade
de São Paulo, Ribeirão Preto, 2004. Disponível
BENEVIDES, Carolina. Sem controle eficiente, em:
infecções hospitalares causam cem mil óbitos por <http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/2
ano. O Globo. Rio de Janeiro: 18 Set. 2011. 2132/tde-12082004-125447/>. Acesso em: 22
Disponível em: mai. 2013.
<http://oglobo.globo.com/politica/sem-controle-
eficiente-infeccoes-hospitalares-causam-cem-mil- NEVES, Zilah Cândida Pereira das et al.
obitos-por-ano-2697060>. Acesso em: 20 mar. Higienização das mãos: o impacto de estratégias
2013. de incentivo à adesão entre profissionais de
saúde de uma unidade de terapia intensiva
BEZERRA, Claudia Nivia Paula; PEREIRA, Maria neonatal. Rev. Latino-Am. Enfermagem . 2006,
Lucia Duarte. Utilização do equipamento de vol.14, n.4, pp. 546-552. Disponível em:
proteção individual pela equipe de enfermagem <http://www.scielo.br/pdf/rlae/v14n4/pt_v14n4a
em uma unidade de clinica cirúrgica. Revista 12.pdf>. Acesso em: 20 mai. 2013.
RENE. Fortaleza, v.5, n.1, pp. 56-61, jan/jul, 2004.
Disponível em: SARQUIS, Leila Maria Mansano ; FELLI, Vanda
<http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.ph Elisa Andres. Acidentes de trabalho com
p/revista/article/download/847/pdf>. Acesso em: instrumentos perfuro cortantes entre os
26 abr. 2013. trabalhadores de enfermagem. Rev. esc.
Enfermagem USP. 2002, vol.36, n.3, pp. 222-230.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em:
Ministério da Saúde. Higienização das mãos em <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v36n3/v36n3a
serviços de saúde. Brasília: 2007. Disponível em: 02.pdf>. Acesso em: 12 mai. 2013.
<http://www.anvisa.gov.br/hotsite/higienizacao_
maos/manual_integra.pdf>. Acesso em: 20 mai. SKRABA I; NICKEL, R; WOTKOSKI, SR. Barreiras
2013. de contenção: EPI e EPCs. In: Mastroeni MF.
Biossegurança aplicada a laboratório e serviços
______________ Ministério do Trabalho e de saúde. São Paulo (SP): Atheneu; 2006.
Emprego. Norma Regulamentadora No 32.
Brasília: 2005. Disponível em: em:
<http://portal.mte.gov.br/data/files/8A7C812D36
A280000
Revista Saberes Especial SPC 2016 63
Revista Saberes Especial SPC 2016 64
Revista Saberes Especial SPC 2016 65

BOAS AÇÕES: A EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA


PARA FORMAÇÃO DE UMA LIDERANÇA
SUSTENTÁVEL

Thales Brandão*

RESUMO: Este artigo procurou estabelecer uma


relação entre educação, empreendedorismo, ética e
liderança sustentável para formação humana na
construção de uma sociedade justa e coletiva.
Utilizaram-se métodos de pesquisa bibliográfica como
destaques mencionam-se os conceitos de
empreendedorismo, os índices da pesquisa GEM
(Global Entrepreneurship Monitor), habilidades
empreendedoras e os princípios para formação
humana no contexto empreendedor – integridade,
responsabilidade, compaixão e perdão.
PALAVRAS-CHAVE: Administração, Empreendedoris-
mo, Ética, Liderança e Sustentabilidade.

ABSTRACT: This article aims to establish a relationship


between education, entrepreneurship, ethics and
sustainable leadership for human development in the
building of a just society and collective. We used
methods of literature as highlights cited the concepts
of entrepreneurship, the contents of the GEM
research (Global Entrepreneurship Monitor),
entrepreneurial skills and the principles for human
development in the entrepreneurial context -
integrity, responsibility, compassion and forgiveness.
KEY WORDS: Administration, Entrepreneurship,
Ethics, Leadership and Sustainability.

* Professor Universitário da UniAGES;


Graduado em Administração com ênfase em
Marketing pela Faculdade de Sergipe;
MBA em Administração com ênfase em Marketing
pela FGV/RIO
Mestrando em Comunicação e Sociedade pela
Universidade Federal de Sergipe.
Revista Saberes Especial SPC 2016 66

I - INTRODUÇÃO II - HISTÓRIA DO EMPREENDEDORISMO, CONCEI-


TOS E O MERCADO BRASILEIRO
O individualismo elevado, amparado à falta
de ética, tem levado as pessoas a buscarem O termo empreendedorismo surgiu no
defender seus interesses particulares acima dos século XVII na França, através de pessoas que,
propósitos sociais. As questões éticas na compravam produtos, e nele desenvolviam
sociedade atual encontram-se deteriorada devido alguma melhoraria, e o renegociavam por um
ao egoísmo humano formado por uma sociedade preço superior. Os EUA é um dos percursores
deseducada. que através do seu regime capitalista e
A formação empreendedora com foco em abrangência econômica, o entrepreneurship faz
uma liderança sustentável depende dos aspectos parte do cenário de negócios há muito tempo. No
éticos para guiar as mudanças em nossa Brasil, os debates começaram a surgir no final da
sociedade, que servirão de alicerce para construir década de 90, com o processo evolutivo da
uma um espaço coletivo, colaborativo, justo e economia através da globalização e impacto no
digno para todos os interessados. Diante do mercado local.
exposto, encontramos diversos desafios, entre os O conceito de empreendedorismo foi
quais destacamos os aspectos humano, ético e disseminado pelo economista Joseph
educacional trazendo mudanças de paradigmas Schumpeter, em 1945, com um viés de inovação e
que nos levam a repensar as ações em nosso baseado na sua teoria da Destruição Criativa, que
cotidiano, cabendo ao professor e escola valorizar tem lugar numa economia de mercado em que
o indivíduo por meio de um amplo acesso ao produtos e serviços novos destroem modelos
conhecimento desenvolvendo uma cultura pela antigos de negócios. Para Nazir e Ramzan (2012)
paz; ao futuro profissional avaliar, refletir e o conceito de empreendedorismo atualmente é
revisar suas ações, constantemente, visando visto como algo que gera inovação e que acarreta
recuperar os valores humanos voltado para risco. Segundo Schumpeter, o empreendedor é
utilização do conhecimento de forma adequada. alguém versátil, que possui as habilidades
Este artigo reúne informações sobre os técnicas para saber produzir, e capitalista, que
temas empreendedorismo, educação e liderança consegue reunir recursos financeiros, organizar as
com foco na sustentabilidade. Aborda aspectos operações internas e realizar as vendas de sua
relevantes relacionados aos temas através de empresa. No conceito de Bucha (2009), o autor
seus conceitos e sua importância na sociedade reforça a relação da terminologia com a França e
contemporânea. Traz respostas às seguintes afirma que empreendedor deriva do francês
perguntas: Será que as pessoas nascem entrepreneur, o que significa assumir riscos e
empreendedoras? Qual o papel das instituições iniciar algo novo.
de ensino para formação empreendedora? Como Segundo Fillion (1997 apud Dolabela,
os aspectos éticos estão relacionados com a 1999a, p 69), “os empreendedores podem ser
conduta do empreendedor? Qual a relação entre voluntários (que têm motivação para
a liderança sustentável e empreendedorismo? empreender) ou involuntários (que são forçados a
empreender por motivos alheios à sua vontade:
desempregados, imigrantes, etc.) ”.
No tocante ao assunto empreendedorismo,
diversas são as fontes bibliográficas que podem
ser consultadas, mas nos últimos anos o tema
Revista Saberes Especial SPC 2016 67

vem ganhando força e credibilidade no meio criadas na Faculdade de Economia, Administração


acadêmico através das publicações da pesquisa e Contabilidade da Universidade de São Paulo
GEM (Global Entrepreneurship Monitor) (USP) e no Departamento de Ciência da
conduzidas pela Babson College, Instituição de Computação da Universidade Federal do Rio
Ensino Inglesa e no Brasil, os trabalhos são Grande do Sul. Nesse sentido, as ações iniciais
orientados pelo Instituto Brasileiro da Qualidade sobre a importância da educação empreendedora
e Produtividade (IBQP), FGV e conta com a no país aconteceram no ensino de nível superior,
parceria do SEBRAE. A pesquisa GEM nas escolas de administração (GEM, 2009).
demonstrou em 2014 que no Brasil a Taxa Total Dolabela (2003) ressalta a importância de um
de Empreendedores (iniciais e estabelecidos com ambiente que estimule desenvolvimento de
percentual da população entre 18 e 64 anos foi características empreendedoras nas crianças e
de 34,5% crescente desde 2011 (26,9%), superou afirma que é essencial para o desenvolvimento
a de 2014 (32,3%) em 2,2 pontos percentuais. empreendedor e as capacidades do sujeito para
A pesquisa revela ainda que a cada 100 que este possa empreender sua própria vida e
brasileiros que começam um negócio próprio no sociedade. Além disso, o autor reforça que as
Brasil, 71 são motivados por uma oportunidade pessoas nascem empreendedoras, mas falta um
de negócios e não pela necessidade. Na ambiente que estimule a criatividade e
composição sociodemográfica os autonomia, que garanta um processo
empreendedores no Brasil são distribuídos democrático de conhecimento que promova a
conforme figura 2. cooperação e a participação.
Diferente do pensamento de Dolabela,
III - O PAPEL DA ESCOLA NO ENSINO existe um consentimento que não se nasce
EMPREENDEDOR empreendedor. Podemos, sim, herdar algumas
características que certamente nos ajudarão nas
A ideia de democratização de nossas incursões na formação de carreira e no
conhecimentos, está orientada à emancipação mundo dos negócios. De acordo com Ferreira,
das pessoas e ao desenvolvimento sustentável Santos e Serra (2010) ninguém nasce
dos diferentes povos e culturas em todo o empreendedor, nem com genes
mundo. A democratização do ensino no Brasil empreendedores. O que define um
não é suficiente se a família, educador e escola empreendedor é o seu comportamento e atitudes
não estiverem preparados para formar pessoas e não os traços de personalidade ou quaisquer
respeitosas e preocupadas com o bem da outras características inatas. É através desses
sociedade. Para que isso ocorra é preciso conceitos que reforçamos a importância da escola
repensar as políticas educacionais. na formação do sujeito empreendedor
Dolabela (2001) conta que a primeira desenvolvendo competências e habilidades que
iniciativa de ensino do empreendedorismo no sejam necessárias para atuar em uma sociedade
Brasil surgiu em 1981 no curso de Especialização cada vez mais dinâmica. Volkmann (2004)
em Administração da Escola de Administração de corrobora com o pensamento quando afirma que
Empresas da Fundação Getúlio Vargas, em São o empreendedorismo não é algo que se adquira à
Paulo. Após três anos, seu conteúdo foi estendido nascença, algo inato, mas sim desenvolvido pela
para a graduação, por meio da disciplina Criação educação, tal como pelas experiências vividas ao
de Negócios – Formação de Empreendedores. longo da vida.
Ainda em 1984, disciplinas semelhantes foram
Revista Saberes Especial SPC 2016 68

Moretto (1999) considera que as educação distribuída através de grupos


habilidades estão associadas ao saber-fazer: ação colaborativos.
física ou mental que indica a capacidade Nesse contexto, as instituições de ensino é
adquirida. Assim, identificar variáveis, atualmente um espaço de inteligência em rede,
compreender fenômenos, relacionar indispensável para os jovens universitários que
informações, analisar situações-problema, buscam compreender a importância da liderança
sintetizar, julgar, correlacionar e manipular são sustentável através de uma cultura
exemplos de habilidades. Competência é empreendedora que envolve um diálogo sobre
compreendida como a “capacidade de mobilizar, autonomia, risco e inovação.
articular e colocar em ação valores, Segundo Lévy (2003, p. 28), a inteligência
conhecimentos e habilidades, visando ao coletiva é “[...] uma inteligência distribuída por
desempenho eficiente e eficaz de atividades toda parte, incessantemente valorizada,
ligadas ao mundo do trabalho. Ou seja, coordenada em tempo real, que resulta em uma
competências são um conjunto de habilidades mobilização efetiva das competências”. Ela visa
harmonicamente desenvolvidas e que ao reconhecimento das habilidades que se
caracterizam, por exemplo, uma função/profissão distribuem nos indivíduos, a fim de coordená-las
específica: ser arquiteto, médico ou professor de para serem usadas em prol da coletividade. A
química. As habilidades devem ser desenvolvidas coordenação dos inteligentes coletivos ocorre
na busca das competências. Hisrich e Peters com a utilização das tecnologias da informação e
(2004) ressaltam três tipos de habilidades comunicação.
essenciais para o empreendedor, o quadro 1,
apresenta o comparativo das habilidades IV - EDUCAÇÃO EMPREENDEDORA, ÉTICA E
técnicas, administrativas e empreendedoras LIDERANÇA SUSTENTÁVEL
pessoais.
Todo ser humano nasce um aprendiz. A Mintzberg (1998), propõe as seguintes
aprendizagem é própria do ser humano. “Se competências, como essenciais para uma
ninguém lhe ensina nada, aprende com as liderança efetiva:
próprias experiências”, dizia Içami Tiba, a) Criar alinhamento sobre objetivos
reforçando o fato de que todos nós aprendemos e estratégias organizacionais;
com o ambiente social em que estamos b) Aumentar entusiasmo e excitação
envolvidos através da interação com as atitudes nos seguidores para a importância do trabalho;
das pessoas e com os valores reinantes. Por outro c) Ajudar pessoas a entender e
lado, a escola e a família precisam direcionar o apreciar uma à outra, construtivamente;
aprendizado da nova geração para que não seja d) Ajudar pessoas a achar caminhos
desperdiçada com a construção de ações para coordenar atividades e fazê-las eficazmente;
corruptas, violentas e que descaracterize a e) Representar interesses do grupo
cultura empreendedora. A criatividade e a ou organização
conectividade dos jovens no cenário digital e f) Criar identidade de grupo.
acelerado é uma composição essencial para a
solução de problemas sociais que podem ser Além dessas competências sugeridas por
aproveitados no berço escolar. A era do Mintzberg, acredito que o maior desafio das
compartilhamento através do modelo de “muitos instituições de ensino é fazer com que a nova
para muitos” possibilita a entrega de uma geração faça parte de ambiente educacional
Revista Saberes Especial SPC 2016 69

participativo colocando-os no centro do processo princípios como a integridade, a


do ensino aprendizado, debatendo os problemas responsabilidade, a compaixão e o perdão. Esses
globais e locais. Envolver o sujeito com problemas quatros princípios se relacionam com outras
de sua realidade é estimular o poder de competências também criadas pelo autor e que
observação através da busca de soluções e fazê-lo podem ser visualizados no quadro 2.
protagonista da escola e sociedade.
Entendendo a educação como um resultado V – CONSIDERAÇÕES FINAIS
de longo prazo e coletivo. Não adianta apenas
boa vontade do educador para ensinar se não O empreendedorismo quando incorporado
existir estratégias de ação para estimular jovens no sistema de educação valoriza os processos
desinteressados, com pouca motivação para educacionais desenvolvendo pessoas em todas as
aprender, e que buscam resultados imediatos, em suas dimensões, gerando um desenvolvimento do
muitos casos apenas um diploma. É preciso autoconhecimento, criatividade associadas à
descontruir o ensino tradicional em que os alunos inovação através de um olhar focado nos
saem preparados apenas para concursos problemas sociais.
(marcadores de X), mas não preparados para a Para formar líderes sustentáveis é preciso
vida. Jovens que tocam à vida a sua maneira sem embaralhar as cadeiras enfileiradas da escola
uma orientação e estimulo geralmente são tradicional, colocando os jovens com uma visão
influenciados pelo ambiente hostil social, sem ampla do todo, mostrando que a mudança
futuro. Para agregar esse pensamento o depende da autonomia de cada indivíduo, da
idealizador do site Administradores.com.br, vontade de arriscar e criar, entendendo que
Leandro Vieira, reforça “’que os gênios somos uma unidade comum cercados de
americanos criam empresas fantásticas que problemas que precisam ser resolvidos com ações
mudam os rumos da humanidade e os gênios do bem na geração de impacto social. Penso que
brasileiros passam em concursos públicos a escola precisa mostrar exemplos reais de
gerando em nosso país um desperdício de grandes líderes sustentáveis para servirem de
talentos, pois nossas empresas precisam de fonte de inspiração para que a nova geração faça
pessoas capacitadas, talentosas e criativas para mais e melhor. A nova economia mundial precisa
gerar emprego, inovar e desenvolver ser baseada na formação de lideranças
economicamente o país”. responsáveis através de mecanismos coletivo e
De acordo com Ferreira, Santos e Serra colaborativo que se transformem em produção
(2010) a sociedade exige cada vez mais das do bem social – educando pessoas não apenas
empresas comportamentos éticos e socialmente com conhecimento instrumental, mas, com
responsáveis, surge uma nova cultura empresarial competências e habilidades que busquem
que contempla a dimensão ética nas atuações integridade, sensibilidade e capazes de atuar por
empresariais, que não se limita apenas o um mundo melhor. A educação empreendedora
cumprimento da lei, mas também ao dever cívico precisa ajudar no desenvolvimento humano na
de contribuir para uma maior criação de valor busca de resolver problemas sociais diversos
para a sociedade (acrescentar valor na tripla devido ao próprio destino comum de todos nós
dimensão - econômica, social e ambiental) e em uma condição de indivíduo e sociedade. O
garantir a sustentabilidade. Para Lennick e Kiel ensino de uma compreensão coletiva é a base
(2009) os empreendedores que pretendam ter para o progresso de uma cultura de paz formando
sucesso, terão que alinhar os negócios a pessoas que constroem conhecimento e que
Revista Saberes Especial SPC 2016 70

apreendem conhecimento entendendo o errado


para construir o certo.
Revista Saberes Especial SPC 2016 71

REFERÊNCIAS MORETTO, V. P. (1999), Construtivismo: a


produção do conhecimento em aula. Rio de
Janeiro: DP&A.
BUCHA, A. I. (2009). Empreendedorismo,
NAZIR, M. A., & Ramzan. (2012). Contribution on
aprender a saber ser empreendedor (1ª ed.).
entrepreneurship in economic growth.
Lisboa: Editora RH, Ltda.
Interdisciplinary Journal of Contemporary
CASTRO, B.V,J., ZUGMAN, F. Dicionário de Research in Business, 4, 3, 273- 294.
Termos de Estratégia Empresarial, Editora Atlas,
VOLKMANN, C. (2004). Entrepreneurial studies in
p89-91, 2009
higher education. Higher Education in Europe,
DOLABELA, Fernando Celso. Empreendedorismo: 29, 177-185.
uma forma de ser. Brasília: AED, 2003.
DORNELAS, J. C.A. Empreendedorismo:
transformando idéias em negócios. Rio de
Janeiro: Campus, 2001.
FERREIRA, M. P., SANTOS, J. C. & SERRA, F. R.
(2010). Ser Empreendedor - Pensar, Criar e
Moldar a Nova Empresa (2ª ed.). Lisboa: Edições
Sílabo.
FILION, L. J.; Dolabela, F. Boa Idéia! E Agora?
Plano de Negócio, o caminho seguro para criar e
gerenciar sua empresa. São Paulo: Editora de
Cultura, 2000.
GEM - Global Entrepreneurship Monitor (2014).
GEM Brasil 2014 - Estudo sobre o
Empreendedorismo. Acessado em 25 de Abril de
2016 em
<http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Se
brae/Estudos%20e%20Pesquisas/gem%202014_r
elat%C3%B3rio%20executivo.pdf>
HISRICH, Robert D.; PETERS, Michael.
Empreendedorismo. 5.ed. Porto Alegre:
Bookman, 2004.
LENNICK, D., e Kiel, F. (2009), Inteligência Moral,
Editorial Presença, Lisboa
LENNICK, D., e Kiel, F. (2011), Moral Intelligence
2.0: Enhancing Business Performance and
Leadership Success in Turbulent Times, Pearson
Prentice Hall, Boston, EUA.
LÈVY, P. A inteligência coletiva: por uma
antropologia do ciberespaço. 4. ed. São Paulo:
Loyola, 2003.
MINTZBERG, H. A criação artesanal da estratégia.
In: MONTGOMERY, C.; PORTER, M. Estratégia: a
busca da vantagem competitiva. 2. ed. Rio de
Janeiro: Campus, 1998.
Revista Saberes Especial SPC 2016 72

Figura 1 – Evolução da atividade empreendedora

Fonte: GEM Brasil, 2014.

Figura 2 – Distribuição¹ dos empreendedores segundo


características sociodemográficas

Fonte: GEM Brasil, 2014


¹ Distribuição Percentual dos empreendedores em cada categoria
² Nível de escolaridade: Nível 1 inclui: nenhuma educação formal; O
Nível 2 inclui: primeiro grau incompleto e segundo grau
incompleto; O Nível 3 inclui: segundo grau completo e superior
incompleto; O Nível 4 inclui: superior completo, especializações,
mestrado incompleto, mestrado completo e doutorado completo e
incompleto
Revista Saberes Especial SPC 2016 73

Quadro 1 – Comparativo entre as habilidades


do empreendedor
Habilidades Habilidades Habilidades
Técnicas Administrativas Empreendedoras
Pessoais
Redação Planejamento e Controle interno e
Expressão oral estabelecimento de disciplina
Monitoramento de metas Capacidade de
do ambiente Capacidade de correr riscos
Administração tomar decisões Inovação
comercial Relações Orientação para
técnica humanas mudanças
Tecnologia Marketing Persistência
Interpessoal Finanças Liderança
Capacidade de Administração visionária
Ouvir Controle Habilidade para
Capacidade de Negociação administração
Organizar Lançamento de mudanças
Construção de empreendimentos
Rede de Administração do
Relacionamento crescimento
Estilo
Administrativo
Treinamento
Capacidade de
Trabalho em
Equipe

Fonte: Hisrich & Peter (2004, p. 39).

Quadro 2 – Princípios do empreendedor

Integridade Responsabilidade
Agir em consonância Assumir a responsabilidade
com princípios, valores por escolhas pessoais;
e crenças; Admitir erros e fracassos;
Dizer a verdade; Aceitar a responsabilidade
Defender o que está de servir os outros.
certo; Resulta em: Inspiração
Cumprir promessas.
Resulta em: Confiança
Perdão Compaixão
Relevar os próprios Importar-se ativamente com
erros; os outros.
Relevar os erros dos Resulta em: Retenção
outros.
Resulta em: Inovação
Fonte: Adaptado de Lennick e Kiel (2011)
Revista Saberes Especial SPC 2016 74

USANDO JOGOS CONFECCIONADOS COM


MATERIAS RECICLICLADOS PARA ENSINAR
MATEMÁTICA

Creilson de Jesus Conceição*


Renilson Andrade Costa*
Helena Tavares de Souza**

RESUMO: O objetivo desse artigo é trazer os


resultados das atividades aplicadas em uma
comunidade referente à disciplina do Estágio
Supervisionado I do Centro Universitário Ages na
Bahia. O trabalho foi desenvolvido com crianças da
comunidade do Centro de Convivência e
Fortalecimento de Simão Dias em Sergipe. Abordamos
o ensino da matemática por meio de jogos
construídos com materiais reciclados. Os jogos
auxiliam no aprendizado das crianças, pois atuam
como uma ferramenta interativa em consequência de
seu caráter lúdico. Com aplicação do projeto
percebemos uma participação ativa das crianças e, a
matemática torna-se mais atraente e em
consequência a criança toma gosto pelo aprendizado
da disciplina.
PALAVRAS-CHAVE: Jogo; Ensino; Matemática.

ABSTRACT: The purpose of this article is to bring the


results of activities applied in a community related to
the Supervised Internship I discipline Ages University
Center in Bahia. The study was conducted with
children in the community of Living Center and Simon
Day Strengthening in Sergipe. We approach the
teaching of mathematics through games built with
recycled materials. The games help in the learning of
children, because they act as an interactive tool as a
result of their playfulness . With implementation of
the project we realized an active participation of
children and the math becomes more attractive and
as a result the child takes a taste for learning the
discipline.
KEYWORDS: Game ; Teaching; Mathematics.

* Acadêmico do Curso de Licenciatura em Matemática


da UniAGES;
** Doutoranda em Educação Matemática pela PUC/SP
e coordenadora do curso de Licenciatura em
Matemática do UniAGES.
Revista Saberes Especial SPC 2016 75

APRESENTAÇÃO a preservação do meio ambiente, reutilizando


materiais que certamente seriam jogados em
Culturalmente, a Matemática é vista por locais inadequados.
vários alunos brasileiros como uma disciplina de
difícil entendimento. Esta dificuldade encontra-se MARCO TEÓRICO
em vários estudantes e, termina transformando
este saber em campo de temores. Há vários anos existe uma discussão em
O ensino desta ciência é bastante torno da aprendizagem Matemática sobre o
complexo, uma vez que a sua aprendizagem porquê o aluno deixa o ambiente escolar sem
depende de uma variedade de fatores. Nesta saber e sem entender os assuntos matemáticos.
perspectiva, buscam-se alternativas para que o A tentativa de incorporação dos jogos como
ensino da matemática seja de fácil entendimento estratégia de aprendizagem pode ser evidenciada
e, que proporcione aos estudantes momentos há vários séculos. Segundo Kishimoto (Apud
prazerosos, ou seja, momentos em que eles FERRAREZI, 2005) Platão utilizava os jogos para
possam aprender se divertindo. mostrar a matemática de forma concreta para
Ensinar matemática é desenvolver o mais adiante em um segundo nível de
raciocínio lógico, estimular o pensamento aprendizagem usar as abstrações. Também na
independente, a criatividade e a capacidade de Roma Antiga os jogos eram utilizados para
resolver problemas. Partindo desse pressuposto, transmitir costumes e valores. Ainda nesta
o objetivo geral deste projeto dentro da perspectiva, Os Jesuítas, em suas aulas
comunidade a qual foi implantado, foi praticavam jogos de emulação, com objetivo de
desenvolver o ensino da matemática por meio de melhorar a oratória dos alunos. Portanto, a
jogos didáticos confeccionados com materiais utilização de jogos para facilitar a aprendizagem
reciclados. Esse projeto foi importante para o não é nenhuma novidade, independentemente
público participante, pois aliou a atividade lúdica da área do saber a ser ensinada.
com a aprendizagem. Mas, o que são jogos? Segundo o
O projeto foi desenvolvido no Centro de minidicionário Luft (2000, p. 407) a palavra
Convivência e fortalecimento de Simão Dias no significa: s.m. 1. Ação ou efeito de jogar. 2.
período 30/03/2015 a 27/05/2015, sempre nas Balanço; oscilação. 3. Passatempo; brinquedo;
segundas e quartas-feiras, das 13:00 às 17:00. A divertimento; esporte. 4. Vício de jogar; jogatina.
turma que participou deste projeto foi composta 5. Peças que servem para jogar. 6. Cartas ou
de 25 alunos com a faixa etária entre 08 e 14 peças que tocam a cada jogador. 7. Séries de
anos, que residem na Cidade de Simão Dias - SE. coisas emparelhadas que constituem um todo. 8.
O nosso trabalho teve como foco principal o Manha; astúcia. 9. Combinações artísticas (de
desenvolvimento das habilidades matemáticas e movimentos, coloridos etc.). 10. Coleção de
do raciocínio lógico, sendo que o principal objetos ou utensílios domésticos. 11. Articulação,
componente para a obtenção deste objetivo foi à lugar ou parte onde dois ossos se encaixam com
utilização de jogos matemáticos. movimento. 12. Disposição mecânica que facilita
As crianças que participaram tiveram a o movimento de um carro, de um maquinismo.
tarefa de construir seus próprios jogos, os quais 13. Manejo de um instrumento ou de arma
foram confeccionados com a utilização de branca. PI.: jogos [ó].
materiais recicláveis. Portanto, além de aprender As ciências exatas nasceram da necessidade
a Matemática de forma lúdica contribuiu-se com do homem em compreender os fenômenos que
Revista Saberes Especial SPC 2016 76

ocorriam ao seu redor. Neste sentido, essas áreas cotidiano e suas normas. Bruner (1976) tem
do conhecimento ao serem ensinadas nas interpretação semelhante ao atribuir ao ato
escolas, deveriam ter como objetivo principal, a lúdico o poder de criar situações exploratórias
sua aplicabilidade dentro do contexto social ou de propícias para a solução de problemas
modo que esses fenômenos pudessem ser (KISHIMOTO, 1994, p.10)
visualizados no dia a dia. Entretanto, os O jogo pode ser considerado como uma
professores dessas disciplinas recorrem ao atividade indispensável para o desenvolvimento
método tradicional para ministrarem suas aulas, da aprendizagem Matemática. Para Piaget (1971)
no qual expõe o conteúdo de maneira abstrata, os jogos são de extrema importância na vida da
fazendo com que seus alunos decorem um monte criança, sendo uma atividade lúdica,
de fórmulas, gerando como principal indispensável à prática educativa.
consequência um ensino insignificante. Pois, “(...) Os jogos quando aplicado no contexto
para o aluno, a matemática não faz sentido além matemático é de grande valia para o
dos limites do universo escolar. ” (SILVA, 2009, p. desenvolvimento do ensino-aprendizagem, em
35). especial, aqueles com fins pedagógicos, pois,
O ensino da matemática deve ser feito de motiva a criança ao aprendizado de forma lúdica,
forma com que os alunos sintam prazer em prazerosa, possibilitando a criança desenvolver
estudar, ou seja, uma forma que proporcione vários conhecimentos e múltiplas habilidades.
divertimento e desperte a curiosidade nesses Segundo Borin (1996) com a utilização de jogos
educandos. Entretanto, “(...) Se o aluno achar que no processo de aprendizagem, o aluno passa a ser
nem todo mundo pode ser bom em matemática, um indivíduo ativo na aprendizagem, vivenciando
desistirá mais facilmente dos esforços necessários a construção do seu conhecimento, deixando de
para entender a matéria e entrar nas atividades ser um mero ouvinte passivo. Assim, o jogo
intelectuais que ela requer (...). ” (SILVA, 2009, p. quando acoplado ao ensino, favorece a
57). Mas, podemos reverter esse quadro com a criatividade e o raciocínio dedutivo da criança.
incorporação de jogos nas aulas de matemática Para Malba Tahan (1968), os jogos para que
que atuarão como uma ferramenta interativa no produzam os objetivos esperados, faz-se
processo de ensino. necessário que sejam aplicados pelos educadores.
Alguns entendem que os jogos são apenas Presumindo que as crianças pensam
atividades recreativas, servem para passatempo. diferentemente dos adultos e que o objetivo não
Para outros os jogos são poderosas ferramentas é ensiná-las a jogar, deve haver um
que favorecem a aprendizagem. Assim, acompanhamento por partes dos educadores
Para uns, o jogo apresenta a possibilidade sobre a maneira como elas estão jogando, para a
de eliminar o excesso de energia represado na partir deste ponto, mostrar a forma com que elas
criança (Spencer). Para outros prepara a criança estão pensando e o conteúdo matemático que
para a vida futura (Gross) ou, ainda, representa existe por trás daquele determinado jogo.
um instinto herdado do passado (Stanleyhall) ou Dentre todas as modalidades existentes de
mesmo um elemento fundamental para o jogos, os de estratégias merecem destaque, pois
equilíbrio fundamental da criança (Freud, o fator sorte não influencia no resultado, ou seja,
Claparéde, Erikson, Winicott). Entre dependem exclusivamente do jogador para
representantes da psicologia cognitiva, o vencer. Portanto a criança ao traçar estratégias,
fenômeno jogo assume os seguintes significados; no intuito de vencer o jogo, desenvolve o
para Wallon (1975) é uma forma de infração do
Revista Saberes Especial SPC 2016 77

raciocínio lógico-dedutivo, essencial para o ensino


da Matemática. (...) é preciso, sobretudo, e aí já vai um
Este projeto tem como um de seus destes saberes indispensáveis, que o formado,
objetivos, mostrar aos alunos do Centro de desde o princípio mesmo de sua experiência
Convivência e Fortalecimento de Simão Dias, que formadora, assumindo-se como sujeito também
a matemática pode ser aprendida através de uma da produção do saber, se convença
educação sem formalidade científica. Entretanto, definitivamente de que ensinar não é transferir
“(...) não se trata, portanto, aqui, de opor a conhecimento, mas criar as possibilidades para a
educação formal à educação não formal. Trata-se sua produção ou a sua construção” (FREIRE, 1996,
de conhecer melhor suas potencialidades e p.22).
harmonizá-las em benefício de todos (...). ” Os jogos dentro do contexto do ensino da
(GADOTTI, 2005, p. 3). Matemática desperta o interesse e a curiosidade
O ponto chave deste projeto é a dos alunos, fazendo-os gostarem de aprender
Matemática dentro do contexto social essa disciplina, devido a seu caráter lúdico,
vivenciados pelos alunos do Centro de desenvolvedor de técnicas intelectuais e
Convivência da Cidade de Simão Dias. “(...) Por formador de relações sociais.
que não estabelecer uma “intimidade” entre os
saberes curriculares fundamentais aos alunos e a MARCO METODOLÓGICO
experiência social que eles têm como indivíduos?
(...).” (FREIRE, 2001, p. 32). Analisando este No desenvolvimento desta investigação, foi
questionamento de Paulo Freire, montamos o realizada uma pesquisa qualitativa. Qualitativa
projeto levando em consideração a realidade dos porque, estávamos fazendo observações e a
alunos envolvidos e, isso é comprovado na partir dessas observações tentamos interpretar o
escolha dos materiais que utilizaremos para a fenômeno visualizado. Nesta perspectiva tanto
confecção dos jogos, os materiais reciclados. Mayring (2002) quanto Flick e Cols. (2000)
A coletividade proposta por esse projeto consideram o estudo de caso como a essência da
aos alunos é mais uma peça fundamental no pesquisa qualitativa, ou seja, o estudo de caso é
desenvolvimento das atividades. A interação de como se fosse o ponto de partido para a
todos proporcionará uma relação escola e pesquisa. A pesquisa ocorreu através de
sociedade, abrido espaço para as relações sociais observações e questionamentos junto às pessoas
entre os indivíduos participantes. As duas atuam que trabalhavam no Centro de Convivência e
juntas para a formação de um cidadão crítico e Fortalecimento de Simão Dias, além desses
cumpridor de suas responsabilidades diante da fizemos alguns questionários com os alunos que
sociedade a qual estão inseridos. frequentam este ambiente.
O ensino que estamos proponho neste Uma investigação qualitativa é
projeto não é de transferência de conhecimento indispensável, pois abordamos todos os pontos
e, nem passar experiências, pois experiência é da pesquisa em toda a sua complexidade e no seu
algo que só se pode adquirir com a vivência. contexto natural. Por isso, faz-se necessário uma
Nesta perspectiva, é indispensável levar em fez-se necessário esse tipo de abordagem para
consideração os conhecimentos de vida trazidos compreender os sujeitos da investigação que
por estes estudantes e, a partir disso buscar fizeram parte do projeto.
meios para o desenvolvimento da construção do Realizamos o trabalho de investigações nos
conhecimento. dias 30 e 31 de março de 2015, das 13:00 às
Revista Saberes Especial SPC 2016 78

17:00. Inicialmente, ficamos restritos a JOGOS UTILIZADOS


observações do local e do público alvo. Com o
decorrer do tempo, começamos a perguntar aos O Jogo ASMD
colaboradores do local sobre o convívio deles
com os alunos, qual o modo de vida das mesmas Este jogo é muito interessante. Ele atua no
e várias outras questões. Mas, o que realmente desenvolvimento do raciocínio lógico, pois, para
nos interessava era uma pesquisa com os jogá-lo o participante tem que pensar rápido e
próprios estudantes. efetuar algumas das quatro operações
Os alunos nos dias em que estávamos fundamentais da matemática (Adição, Subtração,
realizando a pesquisa estavam participando de Multiplicação e Divisão). Neste jogo poderá
jogos recreativos, para podermos nos aproximar participar até 7 jogadores. Cada jogador dispõe
das crianças, tivemos que entrar na brincadeira e, de uma coluna numerada de 1 a 10. Por meio de
com isso, conseguimos colher várias informações um sorteio feito com três dados, o participante
que foram de grande ajuda para o terá a missão de fazer operações para que a soma
desenvolvimento do projeto. dê o número que desejado, sendo que o primeiro
A pesquisa nos revelou que as crianças que número é o 1. Toda vez que o participante
entramos em contato tem uma faixa etária que consegue avançar uma casa. Ganha o participante
varia dos 08 aos 14 anos. Mostrou também, que que conseguir chegar à última casa, que no caso é
essas crianças vão ao Centro de Convivência em o número 10 e, efetuar a operação que resulte
busca de um contato afetivo, pois se não existisse em 10.
esse local certamente, todos ficaram o dia inteiro
pelas ruas da cidade. Elas são adoráveis, e neste Dominó das Cores Reciclado
espaço, encontram o que lhes faltam em suas
casas, carinho e afeto. Neste jogo, os materiais que serão
Essas crianças vão para Centro de utilizados para a sua confecção são cola quente,
Convivência a pé, e sem nenhum EVA e tampinhas de garrafa pet. Esse jogo
acompanhamento de um adulto responsável e, funciona como um dominó só, que ao invés dos
isso pode se tornar um grande perigo, pois, elas pontinhos usaremos as cores. Os principais
caminham por uma longa distância cruzando ruas objetivos deste jogo são a estimulação a
e avenidas, e em consequência disso, correm o percepção visual e capacidade de observação.
risco de serem atropelados.
Conversando com Carol, uma das Boliche da Soma
coordenadoras do local, percebemos que
realmente o que falta para essas crianças, além Os principais objetivos deste jogo são
de uma condição financeira melhor é o carinho e explorar a operação de soma e, desenvolvimento
a afetividade dos pais. Ela me contou que as do cálculo mental e consequentemente
crianças se divertem muito no Centro de desenvolve o raciocínio lógico, além, de ser um
Convivência e criam relações de amizades, ou incentivo para o trabalho em equipe. O jogo era
seja, desenvolvem relações sociais. uma réplica do boliche original, entretanto, os
alunos teriam que fazer a somas dos números
que estavam grudados no corpo das garrafas.
Revista Saberes Especial SPC 2016 79

Jogo do Hexágono Reciclado Gráfico 1: Número de estudantes que


gostam ou não de matemática
Preencha o hexágono reciclado é um jogo 17
em que as crianças se divertem muito durante a
8
partida, pois, é impossível prevê quem será o
vencedor do jogo. Esse jogo é composto por um
hexágono regular, que foi divido em seis Gostam Não Gostam
triângulos equiláteros (lados de medidas iguais) e Elaborado pelos autores.
cada criança tentará preencher um desses
triângulos para vencer a partida. Perguntamos também sobre o motivo pelo
qual a maioria não gostava de matemática?
Multiplicação Com Dominó

Gráfico 2: Número de alunos que acham


Um jogo no qual a criança por meio da
que a matemática é difícil ou não entendem.
tábua multiplicativa confeccionado com papelão
e dominós aprendem a operação de
20
multiplicação. Nesse jogo retiram-se duas peças
5
do dominó e a criança posiciona dois números
das peças sobre os seus respectivos na tábua de Difícil Não entende
multiplicação e com isso ao fazer-se o
Elaborado pelos autores
cruzamento da linha com a coluna encontrava o
resultado da operação. Assim, a criança ia
O gráfico a seguir corresponde a quantidade
desenvolvendo aos pouco o cálculo mental na
de estudantes que participaram das atividades
operação de multiplicação.
propostas.
Jogo Feche a Caixa
Gráfico 3. Número de alunos presentes nas
Esse jogo estimula o aluno a traçar oito semanas de aplicação do projeto
estratégias de preenchimento de números de 1 a
12. Ele pode ser jogado por duas pessoas com o 25 25 25 25 25 25 25 25
auxílio de dois dados. O jogador lançar os dados e
dependendo da quantidade que saia pode
sobrepor sobre os números do jogo totalizando a
soma das faces dos dados. Por exemplo, se a
criança tirar o número 8 no lançamento dos
dados, ela tinha a opção de fechar o número 8 ou
1, 2 e 5. Quem cobrir primeiro todos os números
ganha o jogo.

RESULTADOS

Antes da aplicação do projeto perguntamos Elaborado pelos autores


aos estudantes sobre o gosto deles quanto
estudar a matemática.
Revista Saberes Especial SPC 2016 80

Após a aplicação das atividades propostas estudar matemática quebra com o paradigma de
refizemos a primeira pergunta só que com o uma que essa ciência é de difícil entendimento e que
nova roupagem, levando em consideração o não serve para aplicações práticas no dia a dia
ensino da matemática através dos jogos. Os social e educacional do indivíduo. Os meios que
resultados foram os seguintes: utilizamos no desenrolar do projeto mostraram
aos alunos outro lado do ensino da matemática:
Gráfico 4: Números de alunos que gostam uma matemática que se pode ser estudada de
ou não do ensino da matemática por meio de maneira divertida e curiosa. Contribuindo assim,
jogos para um ensino que tenha significado e que possa
23 ser aplicado no contexto social.
Concluímos que o sucesso ou fracasso
escolar é complexo e de difícil diagnóstico mais
não é impossível de resolver, basta saber o
caminho certo a percorrer.
2

Gostam Não gostam

Elaborado pelos autores

Por fim, perguntamos por que eles


gostavam da matemática quando aplicada por
jogos?
A resposta foi unânime. Todos disseram que
aprender matemática brincando é mais divertido.

CONCLUSÃO

Os alunos que participaram das atividades


propostas tiveram outra visão sobre o aprender
matemática por meio de jogos. As incorporações
dos jogos matemáticos neste projeto
contribuíram para facilitar o entendimento dos
alunos em conteúdos matemáticos que são
ensinados por vários professores com pouca
fundamentação plausível.
O caminho para a conquista de um
aprendizado de sucesso é um processo complexo
e dinâmico, que vai envolver caminhos e tempos
individuais. Desta forma, vão existir diferentes
maneiras e fatores fundamentais para que a
aprendizagem se concretize.
Portanto, essa maneira divertida em se
Revista Saberes Especial SPC 2016 81

REFERÊNCIAS KISHIMOTO, Tizuko Morchida. O jogo e a


educação infantil.1ª edição. São Paulo: Pioneira
BORIN, Júlia. Jogos e resolução de problemas: Thonsom Learning, 2003. 63 p.
uma estratégia para as aulas de matemática. 5ª. Mayring, Ph. Einführung in die qualitative
ed. São Paulo: CAEM / IME-USP, 2004, 100p. Sozialforschung [Introdução à pesquisa social
CASTRO,M. A. C. D. Abrindo espaço no cotidiano qualitativa]. 5ª ed.. Weinheim: Beltz, 2002.
para o estágio supervisionado – uma questão do PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança:
olhar e da relação – na formação inicial e em imitação, jogo e sonho, imagem e
serviço. Tese (Doutorado). 230. Pontifícia representação. Trad. Álvaro Cabral. Rio de
Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP, Janeiro: Zahar, 1971.
2000.
PIMENTA, Selma Garrido e Lima, Maria do
D`ABRÓSIO, Ubiratan. Da realidade a ação: Socorro Lucena. Estágio e docência. São Paulo:
reflexão sobre educação e matemática. São Cortez, 2014.
Paulo: Summus, 1986.
SILVA, Veleida Anahi da. Porque e para que
FARIA, Anália Rodrigues de. O desenvolvimento aprender matemática?. São Paulo: Cortez, 2009.
da criança e do adolescente segundo Piaget. Ed.
Ática, 3º edição, 1995.
FERRAREZI, Luciana Aparecida. Criando novos
tabuleiros para o jogo Tri-Hex e sua validação
didático-pedagógica na formação continuada de
professores de Matemática: uma contribuição
para a Geometria das séries finais do Ensino
Fundamental. UNESP -Universidade Estadual
Paulista, Instituto de Geociências e Ciências
Exatas, 2005. Dissertação de Mestrado.
Orientador: Laurizete Ferragut Passos.
Flick, U., von Kardorff, E. & Steinke, I. (Orgs.)
(2000). Was ist qualitative Forschung? Einleitung
und Überblick. [O que é pesquisa qualitativa?
Uma introdução.]. Em U. Flick, E. von Kardorff &
I. Steinke, (Orgs.), Qualitative Forschung: Ein
Handbuch [Pesquisa qualitativa - um manual] (pp.
13-29). Reinbek: Rowohlt.
FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia, saberes
necessário á prática educativa. 1996.
FREIRE, Paulo. Teoria e prática em educação
popular. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.
FREITAG, Barbara. Escola, estado e sociedade. 4
ed. São Paulo: Morães. 1980
GADOTTI, Moacir. A questão da educação
formal/não formal. Institut International Des
Droits de L’Enfant (IDE) Droit à èducacion à tous
les problèmes ou problème sans solution? Sion
(Suisse), 18 au 22 octubre 2005.
Revista Saberes Especial SPC 2016 82

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA ONCOLOGIA NO


CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

Francielly Vieira Fraga*


Babara Bispo de Santana**
Paulo Thomaz Oliveira Felix**

RESUMO: As neoplasias são classificadas como um problema


de saúde pública, pois incide sobre as situações
socioeconômicas e as desigualdades regionais. Assim é
necessária que seja ofertada uma assistência em saúde a essa
população acometida por determinados tipos de neoplasias,
cabendo ao enfermeiro, o papel de desenvolver habilidades
para saber lhe dar com essas situações. Tendo como objetivo,
a importância do ensino da oncologia nos cursos de graduação
em enfermagem. O presente estudo foi realizado de acordo
com uma revisão sistemática de literaturas, de artigos
pesquisados na base de dados SciELO e Lilacs a partir dos
descritores: educação em enfermagem, oncologia, formação
do enfermeiro, assistencia especializada. No Brasil o ensino da
oncologia na graduação é realizado de maneira isolada, não
estando inserida na grade curricular do curso, mas há
evidencias de políticas governamentais sobre o seu ensino.
Assim, este estudo evidenciou que o ensino da oncologia é
insuficiente, comprometendo a formação dos futuros
profissionais. Desta forma, é importante a inclusão do ensino
da oncologia nos cursos de graduação em enfermagem, para
que esses profissionais possam suprir as necessidades dos
usuários que procuram o sistema de saúde, e que precisam de
pessoal capacitado para prestar uma assistência
multiprofissional e especializada.
PALAVRAS-CHAVE: Educação em Enfermagem. Oncologia.
Formação do Enfermeiro. Assistência Especializada.

ABSTRACT: Neoplasms are classified as a public health


problem, as it focuses on the socio-economic situations and
regional inequalities. So it is necessary to be offered a health
care to this population affected by certain types of cancer,
leaving the nurse, the role of developing skills to know how to
give you those situations. With the goal, the importance of
education in oncology nursing undergraduate courses. This
study was conducted according to a systematic review of
literature, articles surveyed in the database SciELO and Lilacs
the descriptors: nursing education, oncology, nurse training,
specialized assistance. In Brazil the oncology education in
graduation is held in isolation, not being inserted in the
curriculum of the course, but there is evidence of government
policies on their teaching. This study showed that the oncology
education is insufficient, compromising the training of future
professionals. Thus, the inclusion of oncology education in
undergraduate courses in nursing is important for these
professionals to meet the needs of users who seek the health
system, and need skilled personnel to provide a multi-
professional and expert assistance.
KEYWORDS: Nursing Education. Oncology. Training for nurses.
Specialized assistance.

*Bacharel em Enfermagem, pós-graduada em Enfermagem


do Trabalho, e graduanda em Auditoria em Enfermagem.
** Graduandos em Enfermagem pela UniAGES.
Revista Saberes Especial SPC 2016 83

I – INTRODUÇÃO como o estado emocional, suas dificuldades


relativas ao tratamento, o apoio familiar e o
O câncer é considerado a segunda causa de impacto que a doença causa à sua vida. Assim, o
mortes no Brasil, passando nos últimos 25 anos, profissional de enfermagem deve possuir
do 5º para o segundo lugar, e encontra-se atrás habilidades para lhe dar com a demanda dos
somente das doenças cardiovasculares. De pacientes, necessitando de conhecimento
acordo com dados do INCA, estima-se que em especializado na área da oncologia. (MEDEIROS,
2016/2017, haverá no país um registro de 596 mil 2010).
casos de câncer, dentre eles, espera-se 300.800 A partir dessas perspectivas, vale ressaltar:
do sexo feminino e 295.200 do sexo masculino. E as Instituições de Ensino Superior se preocupam
segundo a OMS (Organização Nacional de Saúde), com a formação profissional do indivíduo
o número de óbitos por câncer em 2030 deve compatibilizada com a realidade a qual está
chegar 23,4 milhões. A incidência de câncer no exposta? A graduação em enfermagem possui
Brasil está associada pelo aumento da expectativa recursos suficientes para que o acadêmico possa
de vida, hábitos de vida, urbanização acelerado, exercer a função de um enfermeiro oncológico?
envelhecimento populacional, sendo considerado Na grade curricular dos cursos de enfermagem há
um problema de saúde pública. (SANTOS, 2011) disciplinas voltadas a oncologia? Caso não
[...] o desenvolvimento econômico, apresentem, qual a dificuldade de
avanço tecnológico, crescimento industrial, implementação?
ingresso da mulher no mercado de trabalho,
Sobre a implementação do ensino da
envelhecimento populacional, são fatores que
oncologia, cita-se a pesquisa de Vianna e
desprovidos de condições educacionais capazes
Schirmer, de 1994, que teve como objetivo,
de gerarem na população consciência dos
fatores de risco relacionado ao câncer [...] acompanhar a adesão das instituições de ensino a
(GUTIERREZ et al, 2009. Pág. 706). implementação do ensino da oncologia vinculado
ao curso de graduação em enfermagem. Esse
A maioria das ações de combate ao câncer estudo apresentou que as instituições de ensino
depende do nível educacional da população, e relataram dificuldades na implantação do ensino,
dos profissionais da saúde que devem estar pela falta de professores especializados, carga
capacitados a aturar na prevenção, no horaria deficiente e dificuldade em realizar
diagnóstico e na reabilitação dos casos. Pois, com atividades assistências (estágios e práticas). A
a incidência cada vez mais aumentando, e os altos evolução da profissionalização do enfermeiro se
custos com o tratamento, a doença requer de permeia em currículos simples, que não condizem
assistência multiprofissional e especializada. com a realidade a qual se vive, sendo assim, as
(MEDEIROS, 2010). instituições de ensino devem preocupar-se com a
A assistência a um paciente oncológico é situação atual do país, aderindo ao ensino da
tida como um desafio para a equipe de saúde, em oncologia como prática assistencial, que necessita
especial a enfermagem, cujo atendimento é de conhecimento especializado para atender a
direcionado principalmente a essa clientela. A demanda da população. (MEDEIROS, 2010).
equipe de enfermagem deve prestar a assistência Realizar um atendimento de qualidade ao
atendendo as necessidades do paciente, não se paciente oncológico significa atingir as
limitando as técnicas e procedimentos. Devem necessidades e perspectivas. Pois, essa eficiência
ser analisados as suas dimensões biopsicossociais no atendimento está sujeita à estrutura com a
qual o profissional foi instruído. Vale ressaltar,
Revista Saberes Especial SPC 2016 84

que no Brasil houve empenhos do Núcleo de capacita e possibilita o profissional a


Enfermagem em Oncologia (N.E.O) da desempenhar suas funções, levando em
Unifesp\EPM e do Pro-Onco do Instituto Nacional consideração todo o contexto biopsicossocial do
do Câncer (INCA), que estimularam a necessidade paciente, reconhecendo suas limitações,
de incluir a oncologia na graduação em necessidades, e exercendo um atendimento de
enfermagem na década de 1990. Após duas forma integral e universal.
décadas dessas propostas, nota-se que a
discussão sobre a implementação dessa disciplina II – ENSINO DA ONCOLOGIA NA FORMAÇÃO DO
no ensino superior ainda é pouco analisada, ENFERMEIRO
faltando incentivos e repercussões de órgãos
como o Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira A portaria 2.439/2005 que institui a política
de Enfermagem Oncológica e do Conselho nacional de atenção oncológica traz em seu artigo
Federal de Enfermagem. (GUTIERREZ et al, 2009), 10, que deve ser incentivado o desenvolvimento
(MEDEIROS, 2010). na formação e especialização de recursos
Assim, tais conceitos objetivam construir a humanos para a rede de atenção oncológica.
formação de competência para o ensino da Dessa forma é imprescindível que o enfermeiro
oncologia na graduação de enfermagem. Pois, saia da graduação devidamente preparada para
esse desenvolvimento fornece dos alunos prestar os cuidados aos pacientes oncológicos de
experiências significativas, com o objetivo de maneira humanizada e eficaz, tendo em vista que
desenvolver capacidade de pensamento crítico, este é o profissional de maior contato com os
tomada de posição, utilização de estratégias e pacientes em qualquer nível de atenção. A lei de
cuidado especializado para saber lhe dar com os diretrizes e bases da educação nacional (LDB) - lei
três estágios do desenvolvimento da doença: a n.9.394 de 20 de dezembro de 1996, traz que
fase de crise, crônica e terminal. (PEDRO, 2008). entre as finalidades da educação superior
Quando um indivíduo é acometido pelo encontra-se, estimular o conhecimento dos
câncer, ocorrem várias repercussões para aqueles problemas do mundo presente, além de prestar
que assistem todo o processo, já que as serviços especializados à comunidade. Assim
perspectivas quanto ao seu futuro são objetos de tendo em vista que de acordo com projeções da
questionamento. O processo de adoecimento organização mundial da saúde estima-se que em
mobiliza toda a família, fazendo com que todos os 2030 o número de mortes por câncer chegue a
seus membros tenham que alterar o seu papel, 23, 4 milhões, contra 7,4 em 2004, é de dever das
com o objetivo de se readaptar a nova realidade. IES preparar os graduandos, de maneira a lançar
(PEDRO, 2008). no mercado de trabalho profissional qualificado
Assim, é de fundamental importância à para atender as necessidades dos pacientes
relação profissional-paciente no processo de oncológicos, que vem aumentando em proporção
adesão ao tratamento, visto que existem considerável na população mundial.
fatores ai envolvidos que são próprios do “VI - estimular o conhecimento dos
contexto onde o paciente está inserido. (SILVA; problemas do mundo presente, em particular os
CRUZ. 2011. pag. 182). nacionais e regionais, prestar serviços
especializados à comunidade e estabelecer com
Portanto, vale destacar sobre a importância esta uma relação de reciprocidade. ” (Lei
do ensino da oncologia nos cursos de graduação n.9.394 de 20 de dezembro de 1996, Capítulo IV
em enfermagem, uma vez que, esse estudo - Da Educação Superior).
Revista Saberes Especial SPC 2016 85

Vale ressaltar que a LDB de acordo com equipe de saúde. ” (RESOLUÇÃO COFEN
Calil, 2009, sugere a adoção de diretrizes 311/2007).
curriculares para cada curso de graduação, o que Em 2002 foi lançado o projeto de lei n.163,
permite um aperfeiçoamento na formação dos o qual determina a inclusão da disciplina
profissionais que prestarão serviços a sociedade. oncologia em todos os cursos de medicina das
No que condiz às diretrizes curriculares do curo universidades públicas do estado de São Paulo,
de graduação em enfermagem, este aponta para tendo entre as justificativas o grande número de
a formação de enfermeiros generalistas, capazes erros de diagnóstico de câncer, onde houve casos
de intervir nos problemas de saúde mais de quimioterapia indicada para pessoas que não
prevalentes na população nacional. Desta forma possuíam a doença. E esses fatores reforçam
considerando que de acordo com o INCA, em ainda mais a necessidade de serem lançados no
2017 o número de casos de câncer registrados no mercado profissionais de saúde capacitados, e
país será de 596 mil casos, é inegável a com conhecimentos específicos voltados para a
necessidade da inserção do ensino de oncologia oncologia, para que assim sejam capazes de
nas IES, para que assim os profissionais possam identificar corretamente os casos de câncer, além
atender ao perfil traçado nas diretrizes de enfermeiros com rigor cientifico e intelectual
curriculares de ensino em enfermagem, que é capazes de avaliar, se os procedimentos que
aquele profissional capacitado para atuar de realizarão trarão algum tipo de prejuízo à saúde
forma humanista, critica e reflexiva, pautado em do paciente.
princípios éticos, e com reponsabilidade social, Calil, 2009 traz que se verificou que grades
para que dessa forma seja oferecida a população curriculares de algumas universidades do Brasil
serviços de qualidade respeitando os princípios e não trazem a disciplina de oncologia, e não se
diretrizes do SUS. encontrou dados na literatura que apresentassem
Tendo em vista que a atenção básica o percentual de IES que oferecem um ensino
representa o primeiro contato dos usuários aos especifico para o cuidado de pacientes
serviços de saúde, nem sempre as pessoas que oncológicos. Dessa forma, conclui-se que para
apresentam neoplasias terão acesso ao melhorar o atendimento prestado a população
acompanhamento com um oncologista se esta com câncer, é necessária que os profissionais de
situação de saúde não for suspeitada pelo clinico enfermagem encontrem dentro da graduação
geral, ou enfermeiro, considerando que este é uma formação adequada, que permita a
responsável pela consulta de enfermagem, bem resolução de problemas da população, seja esta
como pelo acompanhamento do paciente dentro através de terapias visando à cura, ou cuidados
da unidade hospitalar, realizando entre outros paliativos, mantendo uma visão holística do
procedimentos a administração de indivíduo e utilizando todo o conhecimento
quimioterápicos, tendo assim o enfermeiro que técnico e cientifico oferecido na graduação, para
conhecer o caso dos pacientes, e ser capaz de a prestação de um humanizado.
identificar possíveis erros de diagnostico, que
podem comprometer a saúde dos indivíduos. III – CONSIDERAÇÕES FINAIS
Responsabilidades e deveres: “Art. 21 –
Proteger a pessoa, família e coletividade contra Destaca-se que o ensino da graduação do
danos decorrentes de imperícia, negligência ou curso de enfermagem deve ser direcionado aos
imprudência por parte de qualquer membro da problemas mais complacentes do país, baseado
nos mais diferentes níveis de atuação que o
Revista Saberes Especial SPC 2016 86

enfermeiro possa subsidiar no exercício de sua REFERÊNCIAS


função. Assim, se tem estabelecido no âmbito do
sistema educacional, estratégias que possam BIFULCO, Vera Anita. JUNIOR, Hezio Jadir
adequar currículos, métodos de ensino Fernandes. Câncer uma visão multiprofissional. 2
pedagógico e de avaliação, enfim, a maneira de ed. Minha Editora. Barueri - São Paulo. 2014.
aprender neste novo contexto de acordo com as CALIL, Ana Maria. PRADO, Claudia. O ensino da
necessidades da comunidade. Oncologia na formação do enfermeiro. Centro
Mas, o cenário que se encontra é outro. Universitário São Camilo. Curso de Pós-
Enquanto os casos de neoplasias vêm crescendo Graduação. São Paulo, SP Universidade de São
em grande escala, as instituições de ensino Paulo. Escola de Enfermagem. Departamento de
Orientação Profissional. São Paulo, SP. 2009.
superior parecem fechar os olhos para esta
realidade, continuando a formar profissionais que Decreto-Lei 163/2002 de 11 de Julho
não estão devidamente preparados para atender GUTIERREZ, Maria Gaby Rivero. DOMENICO,
as necessidades de saúde da população. Logo, se Edvane Bivelo Lopes. MOREIRA, Marlén Chagas.
compreender que essa assistência prestada esteja SILVA, Lúcia Marta Giunta da. O ensino da
cancerologia na enfermagem no Brasil e a
comprometida com a falta de qualificação do
contribuição da escola Paulista de Enfermagem-
enfermeiro na sua graduação, com exceção dos Universidade Federal de São Paulo. Florianópolis.
acadêmicos que podem investir num curso de 2009.
pós-graduação.
INCA – Instituto Nacional do Câncer. Disponível
Contudo, a importância da inserção do em:
ensino de oncologia nos cursos de graduação em http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/age
enfermagem, se torna necessária, e a sua ncianoticias/site/home/noticias/2015/estimativa
aplicação depende do suporte de toda a estrutura _incidencia_cancer_2016. Acesso em 30-04-
educacional do país, com o objetivo de oferecer 2016.
uma melhor qualidade na assistência ao paciente Michaelis Moderno Dicionário da Língua
que sofre com determinada neoplasia. Portuguesa
MEDEIROS, Amanda Oliveira. O ensino de
oncologia em enfermagem: um panorama do
Brasil, Estados Unidos e outros. Botucatu, 2010.
Parecer CNE/CES 1133/2001
PEDRO, Iara Cristina da Silva. Apoio social e rede
social as famílias com câncer. Ribeirão preto,
2008.
RESOLUÇÃO COFEN 311/2007 - Código de Ética
dos Profissionais de Enfermagem
SANTOS, Valdelice Oliveira. Formação da
enfermeira em pesquisa clínica na área de
oncologia: suas competências. Rio de Janeiro:
UFRJ, EEAN, 2011.
SILVA, Rita de Cassia Velozo da Silva. CRUZ, Enêde
Andrade da. Planejamento da assistência ao
paciente com câncer: reflexão teórica sobre as
dimensões sociais. 2011.
Revista Saberes Especial SPC 2016 87

POLUIÇÃO HIDRICA: um alerta social, ético e


ecológico

Vanessa Cruz dos Santos


Daniel Delgado Queissada*

RESUMO: A poluição hídrica é um dos maiores problemas


os quais passa a humanidade, devido a importância desse
recurso natural à vida humana e ao meio ambiente.
Instituições como as Nações Unidas e a Organização
Mundial de Saúde já alertam sobre a crescente escassez de
água e o aumento da poluição que afetam diretamente
esse recurso. As águas não têm sua importância somente
no âmbito da saúde fisiológica, mas também se relacionam
com a saúde psicológica e espiritual. Além de serem fontes
econômicas industrias e no ecoturismo, possuem uma
grande importância como fonte de informações históricas e
culturais, parâmetros esses fortemente ligados aos valores
humanos. Assim é de suma importância que os recursos
hídricos sejam corretamente utilizados e tratados para um
posterior descarte em corpos d’água ou reuso. Contudo,
além da atuação dos poderes públicos em colocar em
prática e fiscalizar ações acerca do uso racional da água, a
conscientização popular ainda é o ponto primordial para
que isso ocorra. A poluição hídrica é crescente,
aumentando a cada dia nossa preocupação em torno da
sociedade e do meio ambiente.
PALAVRAS-CHAVE: Poluição hídrica. Prejuízo social.
Tratamento de efluentes. Saneamento básico.

ABSTRACT: The water pollution is a major problem of


humanity, due to importance of this natural resource to
human life and the environment. Institutions such as the
United Nations and the World Health Organization already
warn about the growing scarcity of water and the increased
pollution that directly affect this feature. The waters do not
have its importance only in the context of physiological
health, but also relate to the psychological and spiritual
health. Besides being economic industries and sources in
ecotourism, have a great importance as a source of
historical and cultural information, these parameters
strongly linked to human values. This is of paramount
importance that water resources are properly used and
processed for further disposal in water bodies or reuse.
However, in addition to the action of public authorities in
putting into practice and enforce actions about the rational
use of water, popular awareness is still the primary point
for this to occur. The water pollution is growing, increasing
every day our concern around the society and the
environment.
KEYWORDS: Water pollution. Social impairment. Effluent
treatments. Basic sanitation.

*Docente do curso de Ciências Biológicas da


UniAGES. Pós-doutor e Bioprocessos.
Revista Saberes Especial SPC 2016 88

INTRODUÇÃO ocorra, o gerenciamento da água deve buscar o


equilíbrio entre o papel tradicional do Estado e a
Cuidados com as fontes de águas são uma ética comunitária. A busca por esse equilíbrio
preocupação em todo o mundo. As Nações requer mudanças de atitudes e pensamentos
Unidas e a Organização Mundial de Saúde originados em ideias consistentes e viáveis,
alertaram a comunidade internacional acerca da partindo do pressuposto que toda mudança se
crescente escassez de água e da deficiência do inicia com ideias sobre como eram, como está
cuidado com a poluição das fontes disponíveis sendo e como serão as relações entre as pessoas,
(CASARIN; SANTOS, 2011). A falta de os recursos naturais e o meio ambiente.
infraestrutura para o saneamento básico
contribui anualmente para a morte de milhões de Desta forma é necessário conhecer os
pessoas, principalmente crianças com diarreia princípios éticos envolvidos em cada situação
(JORDÃO, 1995). Para tratar corretamente os em relação aos recursos hídricos, de modo a
recursos hídricos há necessidade do refletir os diferentes interesses das
comunidades (SILVA; FRANÇA, 2004).
desenvolvimento de novos paradigmas
tecnológicos biológicos voltados para a
As mudanças de atitudes necessárias para
sustentabilidade e tratamento de águas e
minimizar ou solucionar o problema da poluição
esgotos, que deverão estar adequados à cultura
hídrica tem que partir do princípio de que
local de modo a não interferir drasticamente com
nenhum setor da sociedade está isento às
as tradições sociais e não ser dependentes de
influencias da natureza e à crise hídrica mundial.
mecanismos externos de transferência de
Contudo, o problema evidenciado desse recurso
equipamentos e outros insumos (BRASIL, 2005).
natural por vezes, ocorre não devido à falta
Andrade e Romeiro (2009) destacam que
absoluta de água para diversos fins, e sim pela má
outro fator importante que deve ser observado e
distribuição da mesma. Por isso, é preciso
avaliado é a capacidade de os ecossistemas
conhecer os principais fatores que envolvem a
hídricos naturais colaborarem para a manutenção
relação do homem e do meio ambiente com os
da saúde humana, não só pelo fato da não
recursos hídricos, sendo esses éticos, sócias e
contaminação nas águas potáveis, mas também
ecológicos. Esse tipo de visão e percepção
oportunizando momentos de reflexão,
holística do mundo é um parâmetro fundamental
enriquecimento espiritual, desenvolvimento
para que o problema da poluição hídrica tenha
cognitivo e recreação. Nesta categoria incluem-se
fim (SILVA; FRANÇA, 2004; LEFF, 2001).
o ecoturismo, a inspiração cultural e artística,
De acordo com Baumgarten e Pozza (2001),
além de informações históricas e culturais.
a qualidade dos ecossistemas aquáticos tem sido
Entretanto, essas funções dos recursos hídricos
alterada em diferentes escalas nas últimas
são fortemente ligadas aos valores humanos, o
décadas. Fator este, desencadeado pela
que muitas vezes dificulta a sua correta definição
complexidade nas utilizações múltiplas da água
e avaliação pelos pesquisadores.
pelo homem, as quais acarretaram em
O uso ético da água e a mesma como um
degradação ambiental significativa e diminuição
recurso de uso comum remete à ideia de
considerável na disponibilidade de água de
sustentabilidade. Na busca pelo uso sustentável a
qualidade, produzindo inúmeros problemas
reflexão ética deve ultrapassar questões legais e
ecológicos, éticos e sociais ao seu
científicas, e fundamentar-se na solidariedade,
aproveitamento. A água pode ter sua qualidade
justiça social e equidade. Contudo, para que isso
Revista Saberes Especial SPC 2016 89

afetada pelas mais diversas atividades do ações e propagandas de conscientização do uso


homem, sejam elas domésticas, comerciais ou racional da água (SILVA e PORTO, 2003; SILVA et
industriais, cada uma dessas atividades al., 2002).
antrópicas gera poluentes característicos que têm
uma determinada implicação na qualidade do DESENVOLVIMENTO
corpo receptor. Essa diversidade dos poluentes e
das implicações que os mesmos causam no meio Compostos poluentes podem ter origem
ambiente e no homem ocorrem devido suas química, física ou biológica. Entre os compostos
origens diversas, que podem ser química, física ou químicos existem dois tipos de poluentes,
biológica (BAUMGARTEN; RODRIGUEZ, 1993). consistindo em biodegradáveis, os quais são
As águas, sejam tanto para consumo, como produtos químicos que ao final de um
para recreação, precisam estar no nível de determinado período, são decompostos pela ação
qualidade que exige a legislação. Assim, o de organismos como plantas e micro-organismos.
tratamento adequado das mesmas é de suma Entre esses tipos de poluentes estão os
importância. Além disso, industrias e instituições detergentes, inseticidas, fertilizantes, etc. O outro
governamentais de grande porte necessitam de tipo são os persistentes ou não biodegradáveis,
ações e processos ativos visando a reutilização da que são compostos que se mantém por longo
água utilizada pelos mesmos. Atualmente mais tempo no meio ambiente e nos organismos vivos,
importante do que o tratamento de águas pelas podendo bioacumular. Estes poluentes podem
grandes indústrias antes do descarte é a sua causar graves problemas como a contaminação
reutilização, diminuindo drasticamente assim a de alimentos, peixes e crustáceos. São exemplos
captação dessas águas em corpos receptores de poluentes persistentes ou não biodegradáveis
como rios, e, consequentemente, reduzindo o o DDT (diclodifenitricloroetano), o mercúrio, íons
impacto causado em populações circunvizinhas metálicos, etc. (BAUMGARTEN e POZZA, 2001).
com a escassez desse recurso (QUEISSADA, 2009). Esses poluentes podem causar inúmeros
Mesmo com toda a preocupação sobre o prejuízos ambientais e sociais. A poluição oriunda
tratamento adequado de águas e seu reuso pelas dos mesmos pode ser classificada dependendo do
indústrias, um dos parâmetros mais nocivo e de efeito negativo que os poluentes geram. Entre as
difícil alteração, devido a cultura, é o uso tipologias de poluição temos as físicas, que
irracional desse recurso nos domicílios. Uma alteram as características físicas da água, entre as
política estável de conservação e uso racional da principais estão a poluição térmica e a poluição
água envolve a redução de perdas e dos usos por sólidos. A poluição térmica decorre do
abusivos nos domicílios. Contudo, essa gestão lançamento de água aquecida usada no processo
adequada só ocorre integradamente com ações de refrigeração de refinarias, siderúrgicas e usinas
de governantes municipais e de planejamento termoelétricas. Já a poluição por resíduos sólidos
metropolitano. Medidas como a inibição de uso pode ser oriunda de sólidos suspensos, coloidais e
da vassoura em lavagens de calçadas e quintais e dissolvidos geralmente provenientes de
uso de mangueiras na lavagem de veículos, ressuspensão de fundo dos copos d’água devido à
somente se concretizam com a atuação dos circulação hidrodinâmica intensa, derivada de
poderes públicos municipais mediante a esgotos industriais e domésticos e da erosão de
existência de uma política metropolitana solos carregados pelas chuvas ou erosão das
especificamente voltada a estes objetivos, como margens (FREITAS; FREITAS, 1992).
por exemplo a existência de leis para inibir essas
Revista Saberes Especial SPC 2016 90

A água ainda pode ser contaminada que prejudique a utilização das suas águas para
biologicamente por organismos patogênicos, usos benéficos, como consumo e recreação.
existentes nos esgotos e efluentes industriais. Muitos produtos químicos usados em indústrias e
Assim, de acordo com Baumgarten e Pozza em residências são descartados no mar e em
(2001), ela pode conter bactérias que provocam águas superficiais, direta ou indiretamente,
infecções intestinais, epidérmicas e endêmicas acidental ou deliberadamente. Os mais comuns
como a febre tifóide, cólera, shigelose, são sabões, detergentes e outros produtos de
salmonelose, leptospirose, etc.; vírus que podem limpeza; óleos, tintas, baterias e outros contendo
provocam hepatites e infecções oculares; hidrocarbonetos e metais (VON SPERLING, 2005).
protozoários responsáveis pelas amebiases e Assim, principalmente as atividades
giardíases entre outras patologias. antrópicas emite poluentes característicos, e cada
Esses problemas ocorrem principalmente um destes contaminantes causa um efeito, com
em regiões com populações mais pobres onde o diferentes graus de poluição, conforme pode-se
saneamento básico é insuficiente ou, até mesmo, observar na Tabela 1 (BARBOSA; BARRETO, 2008).
inexistente, ocorrendo a disseminação dessas Essas atividades são potencialmente geradoras de
doenças através de vetores como ratos e insetos. poluição, principalmente em sistemas hídricos, e
Por isso, as principais ações de saneamento são a são oriundas geralmente de depósitos de lixo e
coleta e o tratamento de resíduos sólidos e indústrias como a de mineração e siderúrgicas
líquidos, consequentemente, preservando o meio (BRASIL, 2004).
ambiente, controlando vetores de doenças e Dentre as atividades antrópicas mais
garantindo a qualidade da água de consumo, bem prejudiciais está a Agricultura com seus
como seu fornecimento constante. O saneamento agroquímicos empregados no controle de pragas.
ainda atua na drenagem das águas pluviais, e O maior problema observado é a falta de
limpeza de galerias de esgoto, prevenindo especificidade do mesmo, destruindo
enchentes, que também são disseminadores de indiferentemente espécies nocivas e úteis
vetores de doença, como os ratos (BARBOSA (SANTOS 2012). Outro problema é o acúmulo ao
2010; CAVINNATO, 1992). longo das cadeias alimentares de substâncias
De acordo com as Nações Unidas (2011), presentes nos agroquímicos. Os inseticidas
estima-se que, 884 milhões de pessoas em todo quando usados de forma indevida acumulam-se
mundo não tem acesso à água potável, e que 1,5 no solo e nas plantas, os animais se alimentam da
milhões de crianças morrem a cada ano vítimas vegetação prosseguindo o ciclo de contaminação
de doenças causadas por microrganismos e e bioacumulação. Com as chuvas, os produtos
outros patógenos através de águas não potáveis. químicos usados na composição dos pesticidas se
Ainda há uma estimativa que em 2025, 1,8 infiltram no solo, podendo contaminar os lençóis
bilhões de pessoas viverão em países com freáticos e, consequentemente, escorrendo para
escassez absoluta de água, e dois terços da os rios contaminando também esses corpos
população mundial estará vivendo sob condições d’água (GENRICH, 2002).
de estresse hídrico. Em relação aos fertilizantes, também
A poluição das águas deriva da adição de usados no setor agrícola, o principal problema é a
substâncias ou de formas de energia que, alta concentração de nitrogênio e fósforo, que
segundo Teixeira (1999), diretamente ou são nutrientes para as plantas aquáticas,
indiretamente alteram as características físicas e especialmente para as algas podendo acarretar a
químicas do corpo d’água de uma maneira tal, eutrofização, com o crescimento descontrolado
Revista Saberes Especial SPC 2016 91

das mesmas e, consequentemente, uma redução O tratamento biológico é uma das


drástica de oxigênio dissolvido, originando uma alternativas mais econômicas e eficientes para a
enorme mortandade de peixes e outros degradação da matéria orgânica de efluentes
organismos aeróbios (SOARES; PORTO 2007). biodegradáveis, ocorrendo a ação de agentes
As indústrias são uma das principais fontes biológicos como bactérias, protozoários e algas.
de poluentes que existe. Estas causam grande Contudo, há uma grande rejeição por parte das
devastação dos ambientes, por meio de efluentes indústrias em utilizar esses e outros processos
contaminados e poluídos lançados em rios e devido ao custo inicial para a implementação dos
mares. Entre as principais indústrias poluentes sistemas de tratamento (NOVA et al.,1996).
estão as refinarias, que descartam efluentes que, Assim, há necessidade de uma preocupação
quando não são devidamente tratados e lançados maior com essas questões, pois à degradação de
em corpos d’água, formam uma camada ecossistemas aquáticos, afeta não só o meio
superficial que impede as trocas gasosas e a ambiente, como o ser humano. Vale destacar que
passagem da luz solar, provocando uma enorme já é possível utilizar diversos métodos de
redução da fotossíntese e da concentração de remediação de ambientes aquáticos, apenas o
oxigênio dissolvido. Essa alteração prejudicial que falta é a sensibilização das indústrias e
provoca asfixia nos seres aeróbios presentes governantes para a aplicação desses métodos
nesse nicho. Indústrias como siderúrgicas e para o melhoramento desses ecossistemas. Além
metalúrgicas contribuem igualmente para o disso é de suma importância que nos domicílios a
agravamento da degradação ambiental, liberando preocupação com o uso racional da água seja
também substâncias altamente tóxicas como íons constante.
metálicos e outros compostos não-
CONCLUSÃO
biodegradáveis (MARCHESAN et al., 2009).
Infelizmente, percebe-se que a A poluição hídrica pode ocorrer devido à
contaminação de recursos hídricos tem inúmeras fontes e tipologias de poluentes, o que
aumentado cada vez mais. Segundo Gunther dificulta sua avaliação e remediação.
(2005), nas últimas décadas, os problemas A grande variedade de poluentes pode
ambientais têm se tornado cada vez mais críticos acarretar inúmeros prejuízos ecológicos e sociais
e frequentes, principalmente devido ao no meio ambiente, como a degradação de nichos
desmedido crescimento populacional e ao ambientais e a proliferação de doenças.
aumento da atividade industrial. Jacobi (2003) Os recursos hídricos são de extrema
relata que vários pesquisadores buscam novas importância ecológica e econômica, mas também
técnicas e ferramentas que visem à remoção de para a saúde humana como um todo, seja ela
contaminantes de forma mais viável, fisiológica, psicológica e espiritual. Essa visão
principalmente economicamente, desses holística de mundo é necessária para que o
compostos mostrando principalmente que a problema da poluição desses recursos seja
atuação de microrganismos na busca da solucionado.
autopreservação, degrada diversos poluentes, Entre as ações eficientes para a prevenção
utilizando-os como fonte de nutrientes. Assim, da poluição hídrica estão os tratamentos
estes microrganismos constituem uma poderosa adequados de efluentes industriais e domésticos,
ferramenta para tratamentos dos ambientes ações eficientes de saneamento básico e
poluídos através da biorremediação dos conscientização popular acerca do despejo dos
compostos (DAMS, 2006). resíduos sólidos (lixo) em lugares adequados.
Revista Saberes Especial SPC 2016 92

A conscientização da população sobre o uso


racional da água nos domicílios é de suma
importância, mas de difícil implantação devido a
cultura impregnada e inadequada do uso da água
que perpetua na sociedade.
Dessa forma é necessária uma maior
execução efetiva das metas e tópicos que são
abordados, para melhorar a fiscalização do uso,
tratamento e reuso dos recursos hídricos,
reduzindo assim a poluição que afeta esse bem
tão precioso e limitado da sociedade.
Revista Saberes Especial SPC 2016 93

Tabela 1. Fontes de poluição e significância dos tipos de poluentes

Significâncias: (1) significância local; (2) moderada significância local/regional; (3) significância regional; (G)
significância global. Fonte: Adaptado de Tucci, 1998.
Revista Saberes Especial SPC 2016 104

REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e


sustentabilidade. Cadernos de Pesquisa, São
Paulo, v. 2, n. 118, p. 205, 2003.
ANDRADE, D. C.; ROMEIRO, A. R. Serviços
JORDÃO, E.P., PESSOA C.A. Tratamento de
ecossistêmicos e sua importância para o sistema
Esgotos Domésticos. Rio de Janeiro: ABES, 1995.
econômico e o bem-estar humano. São Paulo:
115 p.
Unicamp. 2009. p. 155.
MARCHESAN, E.; SARTORI, G.M.S.; REIMCHE,
BARBOSA, F.; BARRETO, F. C. Diferentes visões da
G.B.; AVILA, L.A.; ZANELA, R.; MACHADO, S.L.O.,
água. Belo Horizonte: UFMG, 2008. 366 p.
MACEDO, V.R.M.; COGO, J.P. Qualidade de água
BAUMGARTEN, M. G. Z.; RODRIGUEZ, R. M. dos rios Vacacaí e Vacacaí-Mirim no Rio Grande
Identificação das possíveis fontes de do Sul, Brasil. Ciência Rural, Rio Grande do Sul,
contaminação das águas que margeiam a cidade v.39, n.7, p. 2056, 2009.
do Rio Grande (RS). Oceanografia, Rio Grande d
NAÇÕES UNIDAS. 2011. World Urbanization
Sul, v.33, n.1, p. 30, 1993.
Prospects The 2011 Revision.
BAUMGARTEN, M. G.; POZZA, S. A. Qualidade de
NOVA, V.N.A.; BACCHI, O.O.S.; REICHARDT, K.
águas. Descrição de parâmetros químicos
Potencial da água no sistema solo-planta
referidos na legislação ambiental. Rio Grande:
estimado através da fase vapor. Science
FURG, 2001. 166p.
Agricultural, Piracicaba, v. 53 n. 1, p. 215, 1996.
BRASIL, M.S.; MATOS, A.T.; SOARES; A.A.;
QUEISSADA, D. D. Isolamento e seleção de
FERREIRA, P.A. Qualidade de efluente de sistemas
microrganismos para remediação de efluente
alagados construídos, utilizados no tratamento de
oleoso da indústria metal-mecânica. 2009. 121 f.
esgoto doméstico. Revista Brasileira de
Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de
Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina
São Paulo, Lorena, 2009.
Grande, v.9, n.1, p.137, 2005.
RIBEIRO, J. W. ROOKE, J. M. S. Saneamento básico
BRASIL. Portaria ANVIS. n. 518, de 25 de março
e sua relação com o meio ambiente e a saúde
de 2004. Ministério da Saúde, 2004.
pública. Juiz de Fora: Universidade Federal de Juiz
CASARIN, F. SANTOS, M. Água: Ouro azul usos e de Fora, p.230, 2010.
abusos dos recursos hídricos. Coleção do século
SANTOS, S.; OLIVEIRA, L. C.; SANTOS, A.; ROCHA,
XXI. Rio de Janeiro: Garamod, 2011. 114 p.
JC.; ROSA, A. H. Poluição aquática. In: André
CAVINNATO, V. M. Saneamento básico: fonte de Henrique Rosa; Leonardo Fernandes Fraceto;
saúde e bem-estar. São Paulo: Moderna, 1992. 36 Viviane Moschini-Carlos. (Org.). Meio ambiente e
p. sustentabilidade. Bookman, Porto Alegre, v. 1,
DAMS, R. I. Pesticida: usos e perigos à saúde e ao n.1, p. 46, 2012.
meio ambiente. Revista Saúde e Ambiente, SILVA, R. J.; FRANÇA, V. A ética e o uso da água
Joinville, v. 7, n. 2, p. 44, 2006. doce na margem esquerda da
FREITAS, V. P.; FREITAS, G. P. Crimes contra a represa Capivara, município de Porecatu, estado
natureza. 3. ed. São Paulo: RT, p. 135, 1992. do Paraná. Geografia. Vol. 13. N 2, 2004.

GENRICH, A. V. S. Análise de impactos ambientais SILVA, R. T.; PORTO, M. F. A. Gestão urbana e


na cabeceira de drenagem da bacia do córrego gestão das águas: caminhos da integração.
Vilarinho. Minas Gerais: RMBH-MG, 2002. 96 p. Estudos Avançados. V. 17. n 47, p. 143, 2003.

GUNTHER, W. M. R. Poluição dos solos. In: SILVA, R. T.; FONSECA, R. B.; DAVANZO, A. M. Q.;
PHILIPPI JÚNIOR, A.; PELICIONI, M. C. (Org.). NEGREIROS, R. M. C. Gestão hidrográfica de
Educação ambiental e sustentabilidade. São bacias densamente urbanizadas. Livro verde.
Paulo: Manole, 2005. p.215. Desafios para a gestão da Região Metropolitana
Revista Saberes Especial SPC 2016 105

de Campinas. Campinas: Ed. Unicamp, p. 245,


2002.
SOARES, W.L.; PORTO, M.F. Atividade agrícola e
externalidade ambiental: uma análise a partir do
uso de agrotóxicos no cerrado brasileiro. Ciência
& Saúde Coletiva, São Paulo, v.12, n.1, p.143,
2007.
TEIXEIRA, O. A. Quando poluído e poluidores.
Cadernos de Ciência e Tecnologia, São Paulo, v.16,
n.2, p. 68, 1999.
TUCCI, C. E. M. Modelos Hidrológicos. Porto
Alegre: UFRGS/ABRH, p. 669, 1998.
VON SPERLING, M. Introdução à qualidade das
águas e ao tratamento de esgotos. Belo
Horizonte: Editora Universidade Federal de Minas
Gerais, 2005. 243 p.
Revista Saberes Especial SPC 2016 106

TRATAMENTOS BIOLÓGICOS DE CHORUME:


ações para preservação do meio ambiente,
valorização da vida e dos valores humanos

Maria da Paz Oliveira de Santana


Cristinaldo da Conceição Soares
Jamile Santos Amorim
Juliana de Jesus Santos
Daniel Delgado Queissada*

RESUMO: O Brasil é um dos países mais rígidos


legislativamente em relação ao tratamento de efluentes
industriais e domésticos. Contudo, ainda existe uma fraca
fiscalização pelos órgãos públicos responsáveis dessas
práticas, podendo chegar a nenhuma fiscalização em alguns
municípios e estados brasileiros. Os efluentes uma vez
descartados de forma inadequada no meio ambiente
trazem enormes prejuízos ao mesmo e, consequentemente,
à população, indo contra as ações que norteiam o respeito
ao próximo e os valores humanos. Entre os efluentes com
maior poder poluente está o chorume, produzido em lixões
e aterros sanitários, que deve ser tratado adequadamente
antes de ser descartado no meio ambiente ou reusado.
Entre as principais tipologias de tratamentos utilizados para
a remediação desse tipo de poluente estão as lagoas de
estabilização e a fitorremediação. Assim, o presente
trabalho teve como objetivos conhecer a definição de
chorume, descrever os principais métodos de tratamento
do mesmo e os seus respectivos processos.
PALAVRAS-CHAVE: Chorume. Tratamento. Lagoas de
estabilização. Fitorremediação. Valores humanos.

ABSTRACT: The Brazil is one of the strictest countries


legislatively in relation to the treatment of industrial and
domestic effluents. However, there is still a weak public
body responsible oversight of these practices, and can
reach any oversight in some municipalities and Brazilian
states. Effluent once improperly discarded in the
environment bring huge losses to the same and,
consequently, to the population, going against the actions
that guide the respect to the next and the human values.
Among the most polluting effluents is the leachate,
produced in dumps and landfills that must be treated
properly before being discarded in the environment or
reused. Among the main types of treatments used for the
remediation of such pollutants are the lagoons of
stabilisation and phytoremediation. Thus, the present work
had as objectives to meet the definition of manure,
describe the main methods of treatment and their
respective processes.
KEYWORDS: Leachate. Treatment. Stabilization ponds.
Phytoremediation. Human values.

*Docente do curso de Ciências Biológicas da


UniAGES. Pós-doutor e Bioprocessos.
Revista Saberes Especial SPC 2016 107

INTRODUÇÃO Salientando-se que a crise hídrica mundial, por


vezes, em algumas regiões, ocorre não devido à
O chorume é o líquido escuro gerado pela escassez absoluta desse recurso natural, e sim
degradação dos resíduos orgânicos em lixões e pela má distribuição do mesmo. Assim, é
aterros sanitários, contém alta carga poluidora, necessário conhecer os princípios éticos, morais e
por isso, deve ser tratado adequadamente ecológicos envolvidos em cada situação em
(SERAFIM et al., 2003). O impacto produzido pelo relação aos recursos hídricos, de modo a refletir
chorume no meio ambiente é bastante os diferentes interesses das comunidades. Esse
acentuado. Estudos recentes demonstram que discurso vai de encontro com Leff (2001, p. 123)
efeitos adversos podem ser observados no solo, que diz que “entre os princípios morais e
mesmo a distâncias superiores a 100 m do aterro, conceituais que devem sustentar o
assim como alterações na biota aquática, desenvolvimento, uma percepção holística e
principalmente nas imediações do local onde é integradora do mundo reincorpora os valores da
descartado. Por isso, a implementação de natureza e da democracia participativa em novos
sistemas de coleta e tratamento é essencial esquemas de organização social”.
(MORAIS; PERALTA-ZAMORA, 2006). Além disso, Entre os resíduos líquidos mais nocivos ao
o tratamento de todo lixo, seja da parte sólida, meio ambiente está o chorume. Os parâmetros
como da líquida é um fator preponderante para a que resultam na síntese do mesmo são a umidade
saúde e bem-estar de uma população, levando do ar e da decomposição da matéria orgânica,
em consideração a ética, o respeito ao próximo e além de enzimas bacterianas que irão compor o
os valores humanos. líquido. Segundo Serafim et al. (2003), a
Anualmente 30 bilhões de toneladas de lixo composição físico-química do chorume é
são despejados na natureza em todo o mundo extremamente variável dependendo de vários
(...). Em menos de vinte anos, o volume de água fatores que vão desde as condições ambientais
distribuída sem tratamento aos brasileiros locais, tempo de disposição, forma de operação
aumentou mais de 3%, indo de 3,9% em 1989 do aterro e até características do próprio despejo.
para 7,2% em 2000 (...). Por estes motivos, a O chorume pode conter altas concentrações de
Organização das Nações Unidas (ONU) espera que sólidos suspensos, metais pesados, compostos
20% da população mundial se transformem em orgânicos originados da degradação de
“refugiados ambientais” nos próximos 20 anos, substâncias que facilmente são metabolizadas
devido aos danos ambientais causados em suas como carboidratos, proteínas e gorduras.
áreas de origem, tais como a (...) carência de água Observa-se ainda, que o chorume pode
(COELHO; GOUVEIA; MILFONT, 2006, p-p. 199- contaminar águas subterrâneas, lençóis freáticos,
200). poços artesianos e até mesmo o solo e o subsolo
De acordo com Silva e França (2004), a ética próximo ao aterro. Dessa forma, o mesmo pode
e o respeito aos valores humanos, além da ser bem mais agressivo do que o esgoto por
preservação da natureza através do conter metais pesados e bactérias. Outro ponto
desenvolvimento sustentável, devem ser importante é o descarte de lixo domésticos a céu
parâmetros de partida para a gestão dos resíduos aberto ou em locais inapropriados, que pode
líquidos contaminados como o chorume. Essas resultar em enfermidades causadas por vetores
ações devem ser fundamentadas partindo do como barata, ratos, moscas e etc. A construção,
princípio de que nenhum setor da sociedade está uso e a manutenção de aterros sanitários é uma
isento a esses parâmetros culturais e ecológicos.
Revista Saberes Especial SPC 2016 108

medida de proteção tanto ambiental quanto para Tratamentos Biológicos


a população (LOUREIRO et al., 2005).
As técnicas de tratamento que aplicam os
DESENVOLVIMENTO processos biológicos são denominadas de
biorremediação, que por definição são sistemas
Mesmo com o uso e a manutenção que empregam organismos vivos com potenciais
adequada dos aterros sanitários, o tratamento de metabólicos para remoção dos poluentes-alvo
águas contaminadas com chorume é de suma (PEREIRA; LEMOS, 2004).
importância, pois essas descartadas de forma Os tratamentos biológicos de solos, águas e
inadequada, ou seja, sem tratamento, podem efluentes estão presentes, geralmente, no nível
contaminar de forma vigorosa o meio ambiente secundário do processo, pois quando há
(MUÑOZ, 2002). poluentes grosseiros (sólidos sedimentáveis) ou
Além da preocupação ambiental, os compostos tóxicos aos microrganismos ou
princípios éticos e o respeito aos valores plantas, há a necessidade de um tratamento
humanos devem ser levados em consideração primário para a remoção dos mesmos
para uma adequada e eficiente gestão dos (QUEISSADA, 2009).
resíduos poluentes, pois não só a saúde do Geralmente, no início do sistema de
homem, mas de todo ambiente existente tem tratamento biológico de águas contendo
que ser observado através de uma visão holística chorume, a mesma é captada em drenos e
de mundo. Isso fará com que haja um conduzida a um tanque de equalização, cuja
desenvolvimento realmente sustentável e, principal função é reter os íons metálicos (metais
especificadamente, em relação à saúde humana, pesados) e homogeneizar o efluente. Após a
que a mesma não seja somente analisada homogeneização, o mesmo é conduzido aos
focando-se no agente etiológico da doença, mas tratamentos biológicos para a remoção da
sim no todo (holístico) que envolve o matéria orgânica através da biodegradação
desenvolvimento da mesma, como, por exemplo, (BAHÉ, 2008).
na redução drástica do acesso à agua tratada e ao
saneamento básico (SILVA et al., 2012; SILVA; Figura 1. Tanque de equalização.
FRANÇA, 2004).
No Brasil, o tratamento mais acessível e
mais utilizado para águas contaminadas é o
biológico, por ser considerado simples, de baixo
custo, eficiente e sem necessitar de muitos
equipamentos. Este sistema é muito favorável ao
Brasil por possuir temperatura e insolação Fonte: Revista TAE, 2016.
elevadas (parâmetros importantes para o
metabolismo microbiano e de plantas). Para Entre os tratamentos biológicos mais
estabelecer qualquer tratamento de chorume, utilizados para águas e efluentes estão as lagoas
anteriormente o mesmo deve ser coletado e de estabilização, realizado nas lagoas
caracterizado física e quimicamente, isso fará anaeróbicas, aeróbicas e nas facultativas, já a
com que se escolha o tipo de tratamento mais fitorremediação, tratamento utilizando plantas, é
específico e que terá assim uma maior eficácia utilizada tanto para águas e efluentes como para
(JUCÁ, 2003). solos contaminados (ROCHA, 2005).
Revista Saberes Especial SPC 2016 109

Lagoas de Estabilização
Tabela 1. Vantagens e desvantagens do tratamento de
De acordo com Serafim et al. (2003) os águas e efluentes por lagoas de estabilização
sistemas de lagoas de estabilização constituem Aplicabilidade simples
Não necessita de operadores com
um processo biológico de estabilização da
qualificação profunda
matéria orgânica que é realizada pela oxidação
VANTAGENS Custo baixo
bacteriológica e/ou redução fotossintética das Manutenção simples
algas. Nas lagoas anaeróbias são usados tanques Muito eficaz para remoção de
de grande profundidade (2,0 a 5,0m), a matéria orgânica dissolvida
profundidade é de suma importância para reduzir Requer uma área de uso extensa
a possibilidade de penetração do oxigênio DESVANTAG
Probabilidade de maus odores
produzido na superfície para as outras camadas, ENS
Processo relativamente lento
tem a função de tratar o efluente primário com
Fonte: Adaptado de Serafim et al., 2003.
chorume. As lagoas facultativas são tanques de
menor profundidade (1,0 a 2,5m) e são
O tipo de lagoa utilizada, levando em
responsáveis pelo tratamento secundário do
consideração as vantagens e desvantagens do
efluente com chorume e a sua principal
processo, precisa, ao final do tratamento deixar
característica é o processo aeróbio na superfície e
os parâmetros de qualidade da água em níveis
anaeróbio no fundo, sendo que esse tratamento
adequados para o descarte, reuso ou
é dependente de luz solar. Já as lagoas aeróbias
encaminhamento para sistemas de tratamentos
são totalmente dependentes de luz solar e com
terciários (QUEISSADA, 2009; ROCHA, 2005).
pouca profundidade (0,5 a 1,5m), o que faz com
que o metabolismo aeróbio domine todo o
Fitorremediação
volume existente (Figura 2).

Figura 2. Lagoas de estabilização: lagoa anaeróbia (A);


O processo de fitorremediação é definido
facultativa (B) e aeróbia (C). como a utilização do conjunto solo/
plantas/microrganismos com a finalidade de
A remover, degradar ou isolar substâncias tóxicas
do ambiente. No Brasil a espécie mais utilizada é
a Typha domingensis conhecida vulgarmente por
Taboa (SERAFIM et al., 2003). Outras espécies
B
como a Juncus acutus (junco agudo), Typha
angustifolia (taboa), Cyperus longus – (junça-
Fonte: Wikimedia Commons, 2016. longa), dentre outras também são utilizadas
C
nesse tipo de tratamento para chorume e outros
As lagoas de estabilização, assim como poluentes (Figura 3).
qualquer outro processo de tratamento, possuem
vantagens e desvantagens na sua aplicabilidade
(Tabela 1).
Revista Saberes Especial SPC 2016 110

Figura 3. Espécies de plantas utilizadas na fitorremediação tratar corpos d’água, efluentes ou solos para que
de poluentes: Typha domingensis (A); Juncus acutus (B) e os mesmos atinjam os parâmetros de qualidade
Cyperus longus (C).
explícitos na legislação, tanto para descarte como
reuso dessas amostras (QUEISSADA, 2009).
Dentre os tipos de fitorremediação temos a
fitoextração, sendo o processo que envolve a
absorção dos contaminantes, como íons
metálicos, pelas raízes, sendo então
transportados e acumulados nas partes aéreas
(folha, flor, fruto e caule). Já na fitovolatilização,
A os poluentes são absorvidos pela raiz
transformando-se em formas não toxicas e depois
liberados na atmosfera. Na fitoestimulação,
através de estímulos como otimização dos
nutrientes, ocorre um maior desenvolvimento da
planta e crescimento da raiz, esse crescimento
estimulado promove uma maior proliferação de
microrganismos degradativos na rizosfera, que
usam os poluentes no ambiente como fonte de
B carbono e energia. Já a rizofiltração trabalha com
plantas aquáticas, as quais usam seu sistema
radicular absorvendo poluentes resistentes como
os íons metálicos e elementos radiativos. Por fim,
na fito-estabilização as plantas são utilizadas para
limitar a mobilidade e a biodisponibilidade de
poluentes em solos (GRATÃO et al., 2005;
NEWMAN; REYNOLDS 2004; CARL; KINGSCOTT,
1997).
C
Segundo Lamego e Ribas (2007), algumas
características particulares das plantas são alvos
Fonte: Wikimedia Commons, 2016.
para a aplicação das mesmas nos tratamentos de
águas poluídas, como por exemplo com chorume.
Segundo Newman (2004), existem vários
Entre elas estão a produtividade alta de
tipos de fitorremediação, o processo escolhido irá
biomassa, desenvolvimento acelerado de diversas
depender de alguns parâmetros como as
espécies usadas e, utilizando a espécie adequada,
propriedades do poluente a ser degradado ou
uma enorme tolerância ao poluente-alvo. Além
removido e da planta utilizada, e de alguns
disso, a fitorremediação pode ser utilizada tanto
objetivos como a porcentagem de eficiência do
para degradação de poluentes orgânicos, como
tratamento e se, por exemplo, a água poluída irá
para remediação de inorgânicos e íons metálicos.
ser descartada ou reusada após o tratamento.
Contudo, como qualquer técnica de
Sempre ressaltando que, o processo de
biorremediação, a fitorremediação apresenta
fitorremediação escolhido, assim como qualquer
vantagens e desvantagens (Tabela 2).
outro tipo de tratamento, tem por finalidade
Revista Saberes Especial SPC 2016 111

Tabela 2. Vantagens e desvantagens do Oxidativos Avançados (POA), podendo o efluente


processo de fitorremediação em seguida ser descartado ou reusado
Redução de impactos ambientais adequadamente, minimizando ao máximo os
Custo baixo
danos ao meio ambiente (ALMEIDA et al., 2015;
VANTAGENS Operação simples
QUEISSADA, 2009).
Capacidade de remediar várias
tipologias de poluentes Os POA são sistemas terciários de
Pode ser utilizada em áreas poluídas tratamentos de águas contaminadas com
de grande extensão compostos resistentes aos tratamentos
Pode ser usada tanto para o convencionais, como é o caso, na maioria das
tratamento de águas como de solo vezes, do chorume. Esses sistemas são, por
Pode acarretar contaminação da definição, processos em que o principal agente
cadeia alimentar
oxidante corresponde é o radical hidroxila (OH),
DESVANTAG Dependendo da espécie o potencial
ENS despoluidor é limitado o qual não é seletivo, e com isso promove a
Processo relativamente lento degradação, em maior escala, de grande parte
Dependente do clima dos compostos orgânicos, reagindo de 106 a 1012
Fonte: Adaptado de Lamego e Ribas, 2007. vezes mais rápido que oxidantes tradicionais
como o ozônio (DUTTA et al., 2001; MALATO et
A grande eficácia no tratamento na maioria al., 2000; PERALTA-ZAMORA et al., 1999).
das aplicações e seu custo relativamente baixo faz
com que microrganismos e plantas sejam uma CONCLUSÃO
ferramenta biológica poderosa para o tratamento
de efluentes contendo poluentes como o O Brasil é um dos países com a legislação
chorume. Entretanto, a capacidade de certos ambiental mais rígida, porém a falta de
organismos, sejam microrganismos ou plantas, fiscalização na maioria dos casos faz com que
para degradar substâncias orgânicas tóxicas pode efluentes tóxicos sejam descartados no ambiente
ser limitada. Além de estarem sujeitos a sem o devido tratamento prévio. Esse descarte
quaisquer variações de pH, clima ou de cargas polui de forma significativa o ambiente, trazendo
tóxicas, que podem reduzir, ou até mesmo um enorme prejuízo a saúde e bem-estar da
paralisar o metabolismo, outras dificuldades população indo contra as ações que norteiam o
também são comumente encontradas. Entre os respeito ao próximo, a ética, a preservação
principais inconvenientes destaca-se a ambiental e os valores humanos.
necessidade de um tempo relativamente longo A saúde do ambiente e do ser humano
para que os efluentes atinjam padrões aceitáveis necessita de uma visão holística de mundo, para
(QUEISSADA, 2009; BERTAZZOLI; PELEGRINI, que, em relação as doenças, não seja destacado
2002). somente o agente etiológico da mesma e sim o
Na maioria das vezes, o sistema de todo (holístico) que desencadeou o problema,
tratamento deve ser complementado por um como a falta de acesso à água tratada.
tratamento terciário para otimizar o processo, Um dos efluentes mais nocivos ao meio
removendo componentes tóxicos os quais o ambiente é o que contém chorume, o líquido
tratamento biológico não foi capaz de remover ou produzido por lixões e aterros sanitários, por
não removeu com total eficácia. Uma das conter íons metálicos e uma alta carga orgânica,
principais alternativas utilizadas atualmente, devendo o mesmo ser tratado adequadamente
devido à grande eficácia, são os Processos antes do descarte ou reuso.
Revista Saberes Especial SPC 2016 112

Entre os tratamentos biológicos mais REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS


utilizados e eficazes estão as lagoas de
estabilização e a fitorremediação, que devem, na ALMEIDA, C. V. S.; MACEDO, M. S.; EGUILUZ, K. I.
maioria das vezes, serem seguidos de um B.; SALAZAR-BANDA, G. R.; QUEISSADA, D. D.
tratamento terciário como o POA. Indanthrene Blue Dye Degradation by UV/H2O2
Process: H2O2 as a Single or Fractioned Aliquot?
Em qualquer tipo de tratamento devem ser
Environmental Engineering Sciense. Vol 32, n° 11,
levados em consideração suas vantagens, 2015.
desvantagens e objetivos do tratamento
BAHÉ, J. M. C. F. Estudo da Evaporação de
(descarte ou reuso). Contudo, sempre tendo
Lixiviados de aterros sanitários como alternativa
como padrão os parâmetros de qualidade de tecnológica de tratamento: testes em bancada.
águas que preconiza a legislação. Disponível em: www.repositorio.ufpe.br.
A integração entre tratamentos Acessado em 27/04/2016 as 14:49.
adequados e uma fiscalização mais intensa faz BERTAZZOLI, R.; PELEGRINI, R. Descoloração e
com que os impactos ambientais oriundos de Degradação de Poluentes Orgânicos em Soluções
efluentes tóxicos sejam drasticamente Aquosas Através do Processo Fotoeletroquímico.
minimizados, além de já ser observado uma Química Nova, Vol. 25, n° 3, 477-482, 2002.
crescente preocupação das indústrias em relação CARL, M. A.; KINGSCOTT, J. Recent developments
a esses impactos independentemente das for in situ treatment of metal contaminated soils,
obrigações legais. O principal objetivo em um EPA, March, 104 p., 1997.
futuro próximo é que todos os geradores de COELHO, J. A. P. M.; GOUVEIA, V. V.; MILFONT, T.
resíduos tóxicos tratem de forma adequada os L. Valores humanos como explicadores de
mesmos pelo simples fato de preservarem o atitudes ambientais e intenção de
ambiente em que vivem, serem éticos e comportamento pró-ambiental. Psicologia em
Estudo, Maringá, Vol. 11, n. 1, p. 199-207, 2006.
respeitarem os valores humanos, e que estes
princípios gerem ações praticadas por toda DUTTA, K.; MUKHOPADHYAY, S.; BHATTCHARJEE,
população, independentemente do volume e tipo S.; CHAUDHURI, B. Chemical oxidation of
metilene blue using a fenton-like reaction. Journal
de resíduo gerado.
of Hazardous Materials, vol. 84, p. 57-71, 2001.
GRATÃO, P. L.; PRASAD, M. N. V.; CARDOSO, P. F.;
LEAD, P. J.; AZEVEDO, R. A. A. Phytoremediation:
green technology for the clean up of toxic metais
in the environment. Brazilian journal of Plant
Physiology, Campinas, Vol.17, n.1, p. 53-64, 2005.
JUCÁ, T. F. J. Disposição Final dos Resíduos Sólidos
Urbanos no Brasil. In: V Congresso Brasileiro de
Geotecnia Ambiental – Porto Seguro, 2003.
LAMEGO, F. P.; RIBAS, A. V. Fitorremediação:
Plantas como agentes de despoluição? Revista de
ecotoxicologia e meio ambiente, Curitiba, Vol. 17,
p. 9-18, 2007.
LEFF, E. Epistemologia ambiental. Tradução de
Sandra Valenzuela. São Paulo. Cortez, 2001.
Revista Saberes Especial SPC 2016 113

LOUREIRO, S. M. Índice de qualidade no sistema ROCHA, E. M. R. Desempenho de um sistema de


da gestão ambiental em aterros de resíduos Lagoas de Estabilização na Redução da Carga
sólidos urbanos. 2005. 485 f. Dissertação Orgânica do Percolado Gerado no Aterro da
(Mestrado em Ciências e Engenharia Civil) - Muribeca (PE). Recife: O autor, 2005.
Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de SERAFIM, A. C.; GUSSAKOV, K. C.; SILVA, F.;
Janeiro, 2005. CONEGLIAN, C. M. R; BRITO, N. N.; SOBRINHO, G.
MALATO, S.; BLANCO, J.; FERNÁNDEZ-ALBA, A.R.; D.; TONSO, S.; PELEGRINI, R. Chorume, Impactos
AGÜERA, A. Solar photocatalytic mineralization of Ambientais e Possibilidades de Tratamentos. In:
commercial pesticides: Acrinathrin. Chemosphere, III Fórum de Estudos Contábeis. Faculdades
v. 40, p. 403-409, 2000. Integradas Claretianas. Rio Claro, 2003.
MORAIS, Josmaria Lopes; PERALTA- ZAMORA, SILVA, R. J.; FRANÇA, V. A ética e o uso da água
Patrício G; SIRTORI, Carla. Tratamento de doce na margem esquerda da
Chorume de Aterro Sanitário por Fotocatálise represa Capivara, município de Porecatu, estado
heterogênea Integrada a Processo Biológico do Paraná. Geografia. Vol. 13. N 2, 2004.
Convencional. Química Nova, vol. 29, nº 1, 20-23, SILVA, P. A. S.; FURTADO, M. S.; GUILHON, A. B.;
2006. SOUZA, N. V. D. O.; DAVID, H. M. S. L. A saúde do
NEWMAN, L. A.; REYNOLDS, C. M. homem na visão dos enfermeiros de uma unidade
Phytodegradation of organic compounds. Current básica de saúde. EscAnna Nery. Vol 16. N. 3. 561-
Opinion in Biotechnology, Vol. 15, n. 3, p. 225- 568, 2012.
230, 2004. WIKIPEDIA COMMONS. Disponível em:
MUÑOZ, S. I. S. Impacto ambiental na área do www.commons.wikimedia.org. Acessado em:
aterro sanitário de Incinerador de resíduos sólidos 27/04/2016 as 12:28.
de Ribeirão Preto, SP: avaliação dos níveis de
metais pesados. 2002. 131 f. Tese (Doutorado em
Enfermagem em Saúde Pública) – Universidade
de São Paulo, Ribeirão Preto, 2002.
PERALTA-ZAMORA, P.; ESPOSITO, E.; REYES, J.;
DURAN, N. Remediação de efluentes derivados da
indústria de papel e celulose: Tratamento
biológico e fotocatalítico. Química Nova, v. 20, p.
186-190, 1999.
PEREIRA, L.T.C.; LEMOS, J.L.S. Degradação de
Hidrocarbonetos de Petróleo por Aspergillus niger
e Penicillium corylophilum. Rio de Janeiro: Centro
de Tecnologia Mineral – CETEM, 2004. p. 1-11.
Artigo Técnico.
QUEISSADA, D. D. Isolamento e seleção de
microrganismos para remediação de efluente
oleoso da indústria metal-mecânica. 2009. 121 f.
Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de
São Paulo, Lorena, 2009.
REVISTA TAE. Disponível em:
www.revistatae.com.br. Acessado em:
27/04/2016 as 11:39.
Revista Saberes Especial SPC 2016 114

A FUNÇÃO SOCIAL E DESAPROPRIAÇÃO DO


IMÓVEL RURAL PARA FINS DE REFORMA
AGRÁRIA

José Lucas Rodrigues de Oliveira*

RESUMO: O presente trabalho visa apresentar


características referentes às principais questões
envolvendo o imóvel rural e sua função social,
abordando desde aspectos históricos, conceitos e
determinações legais, como também o ato da
proteção possessória exercida pelo possuidor até
chegar à desapropriação como meio principal de
efetivação da Reforma Agrária tanto almejada e
discutida no país.

PALAVRAS-CHAVE: Imóvel Rural. Função Social.


Desapropriação. Reforma Agrária. Proteção
Possessória.

ABSTRACT This paper presents characteristics


about the main issues facing the rural property
and its social function, addressing the historic
aspects, concepts and legal requirements, as well
as the act of possessory protection exercised by
the holder to reach the dispossession as the
primary means of execution Agrarian Reform
both desired and discussed in the country.

KEYWORDS: Rural Property. Social role.


Expropriation. Land reform. Possessory
protection.

* Acadêmico de Direito.
Revista Saberes Especial SPC 2016 115

NOTAS INTRODUTÓRIAS mesmo aqueles chamados “sem terra”. Os


embates judiciais colocam de um lado os
As teorias que buscam explicar o trabalhadores sem terra e as ONG’s e do outro os
surgimento da sociedade civil já nos impulsionam grandes fazendeiros que têm seus terrenos
a reflexões quando a situação em que os ameaçados, turbados ou esbulhados. Tais
indivíduos existiam isoladamente em estado de questões incorporam diretamente a tese da
natureza na famosa “guerra de todos contra denominada Teoria da Posse Agrária, mais
todos” tendo a propriedade privada como especificamente ao efetivo cumprimento da
desencadeadora. Hobbes, no século XVII, dizia função social da posse, esta prevista nos artigos
que, em tal estado, o medo constante da morte 184 e 186, I a IV, da Constituição Federal de 1988,
violenta fazia com que os indivíduos tentassem se além da desapropriação para fins de Reforma
proteger inventando armas e cercando a terra Agrária e dos meios de defesa da propriedade
que ocupava, logo, isto gerava tamanha frente às possibilidades previstas na legislação.
desconfiança no outro que os levava a tomar a
iniciativa na agressão como meio de evita-la a si. POSSE E PROPRIEDADE
Não havia nenhuma garantia de vida, a posse não
existia e a lei era a de poder conquistar tudo que A origem da posse traz é bastante
possa conservar, sem limites. Já Rousseau5, controversa, admitindo alguns que o seu
século XVIII, defendia que o homem nascia bom, desenvolvimento se deu em Roma. O seu estudo
desconhecia a luta e era um ser dócil, mas apenas traz diversas teorias, mas é possível reduzir o seu
até o momento em que se passou a tentar estudo em duas principais: subjetiva, sustentada
conquistar e determinar áreas. Fora o surgimento por Friedrich Karl Von Savigny, e a objetiva,
da propriedade privada que levou o homem ao defendida por Rudolf Von Ihering.
estado hobbesiano da lei do mais forte. O mundo Para Savigny, a posse é caracterizada por
tinha liberdade, mas era muito inseguro. Diante dois elementos, um de natureza objetiva, o
de um pacto firmado entre todos garantiriam os corpus, e outro de natureza subjetiva, o animus.
direitos e as relações entre as pessoas, decidindo O primeiro é a detenção física da coisa e o
assim, entregar a sua liberdade em detrimento de segundo se apresenta com a intenção de tê-la
mais segurança. Criaram o leviatã, ou o Estado, o como sua. Tais elementos são indispensáveis, pois
qual teria o poder de punir todos que não sigam sem o corpus não há posse e sem o animus
as regras sociais. haverá mera detenção. Esta prevista no artigo
Os embates envolvendo a propriedade 1.198 do CC: “Considera-se detentor aquele que,
continuam em alta mesmo diante da evolução da achando-se em relação de dependência para com
sociedade, ainda mais no contexto brasileiro outro, conserva a posse em nome deste e em
marcado desde logo pela exclusão e criação de cumprimento de ordens ou instruções suas”. É
grandes proprietários em desarmonia total com o notável, entretanto, que tal conceito se baseou
restante da sociedade. É facilmente notável a na teoria objetiva, como veremos a seguir. Para a
enorme discrepância na divisão de terras entre os teoria objetiva de Ihering, o animus não tem
latifundiários e os pequenos trabalhadores ou até tanta importância em referência à intenção do
agente, exigindo somente a presença do corpus.
5
ROUSSEAU. Jean-Jacques. Do contrato social ou Princípios do “Com relação à posse, a vontade desempenha
direito político. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, simplesmente o papel de um representante que
2011. quer ter a coisa não para si, mas para o
Revista Saberes Especial SPC 2016 116

proprietário”.6 Para ele, o corpus é a visibilidade suficiente para estabelecer a independência


de propriedade, ou seja, é possuidor aquele que econômica do possuidor.8
age como tal. Diferente da teoria subjetiva, nesta
o corpus não significa a detenção física da coisa, Não se pode falar em posse omitindo-se
mas sim a conduta de dono. Desta maneira, sobre a detenção, logo, é a dificuldade em
“chamar a posse de exterioridade ou visibilidade distinção do estado de fato que se configura cada
do domínio é resumir, numa frase, toda a teoria uma. Para Ihering, ambas possuem os mesmos
possessória”7. O nosso Código Civil adota em elementos: corpus e animus, no entanto, é tida
regra a teoria objetiva, como é perceptível em como uma posse degenerada, que em
alguns artigos, como nos artigos. 1.196: consonância com a lei se transforma em
“Considera-se possuidor todo aquele que tem de detenção. Ocorre quando outra pessoa exerce a
fato o exercício, pleno ou não, de algum dos posse em nome de outrem, subordinado a tais
poderes inerentes à propriedade”; 1.204: ordens ou instruções devido a uma relação
“Adquire-se a posse desde o momento em que se existente entre ambos, como prevê o art. 1.198
torna possível o exercício, em nome próprio, de do Código Civil. A grande diferença se mostra na
qualquer dos poderes inerentes à propriedade”; e possibilidade dos efeitos jurídicos pertinentes a
1.223: “Perde-se a posse quando cessa, embora cada um, pois apenas o possuidor pode conferir
contra a vontade do possuidor, o poder sobre o direitos e pretensões possessórias em nome
bem, ao qual se refere o art. 1.196”. Se divide próprio.
ainda em posse direta, aquele que exerce No que se refere à propriedade, o art. 1.228
diretamente sobre a coisa os poderes de do Código Civil não apresenta diretamente uma
proprietário, e indireta, daquele que tem a coisa definição, mas expressa os poderes que possui o
em seu poder, temporariamente, em virtude de proprietário, tendo este à faculdade de usar,
direito pessoal ou real previstos nos artigos 1.196 gozar e dispor da coisa, e o direito de reavê-la do
e 1.197. Há ainda teorias sociológicas que são poder de quem quer que injustamente a possua
consideradas importantes por sua profundidade ou detenha. É um direito real elencado no artigo
filosófica e autonomia dada a posse. Nesse 1.225, inc. I do CC, garantindo ao seu titular um
sentido Carlos Roberto Gonçalves explica que a poder direto e imediato sobre a coisa, sobretudo,
teoria da apropriação econômica de Saleilles o direito de sequela, além de possuir efeito “erga
preconiza a independência da posse em relação omnes”. Outros ainda defendem ser um direito
ao direito real, tendo em vista que ela se sui generis, por possuir regulamento próprio.
manifesta pelo juízo de valor segundo a Além do mais, a propriedade presume-se plena e
consciência social considerada economicamente. exclusiva, até prova em contrário (art. 1.231).
O critério para distinguir a posse da detenção não Vale lembrar que, como leciona Carlos
é o da intervenção direta do legislador para dizer Roberto Gonçalves, o fundamento jurídico da
em que casos não há posse, como entende propriedade é algo altamente controverso,
Ihering, mas sim o de observação dos fatos existindo várias teorias a respeito, como: a teoria
sociais: há posse onde há relação de fato da ocupação, remonta aos romanos sustentando
o fundamento na ocupação das coisas, quando
6
IHERING, Rudolf Von. Teoria simplificada da posse. Belo
não pertenciam a ninguém; teoria da
Horizonte: Ed. Líder, 2004. p. 20.
7 8
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 5: GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil brasileiro, volume 5:
direito das coisas. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. p. 52 direito das coisas. 9. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. p. 57.
Revista Saberes Especial SPC 2016 117

especificação, diz respeito ao trabalho, isto é, pensamento, a partir de Santo Tómas de Aquino,
para justificar o direito de propriedade deve-se ganhou mais impulso com a Igreja Católica, a qual
ter o trabalho humano transformando a natureza propagou o sentido do bem comum, estando o
e a matéria bruta; teoria da lei, defendida por homem livre para adquirir bens, mas submetido
Montesquieu, dizendo que a sociedade existe ao bem estar social, ao dever de satisfazer
porque a lei a criou e a garante; e teoria da também a coletividade. Foi com o Código de
natureza humana, a mais aceita entre todas, se Napoleão que a propriedade ganhou caráter de
referindo a propriedade como algo inerente à direito absoluto, influenciando então outros
natureza humana para nutrir suas necessidades. códigos, inclusive o do Brasil. Alguns autores
O direito e uso da propriedade está ligada a uma ainda apontam o Código de Hamurábi, 1690 a.C.,
série de requisitos, reza o artigo 1.228, § 1º do como o primeiro diploma que, em 65 dos seus
Código Civil de 2002, por exemplo, que “o direito 280 dispositivos, tratava sobre o Direito Agrário,
de propriedade deve ser exercido em além da abordagem também feita na Lei das XII
consonância com as suas finalidades econômicas Tábuas, em 450 a.C.
e sociais de modo que sejam preservados, de Karl Marx considerava a propriedade
conformidade com o estabelecido em lei especial, privada a maior causa das injustiças sociais. O
a flora, a fauna, as belezas naturais, o equilíbrio pensamento marxista se preocupou muito com os
ecológico e o patrimônio histórico e artístico, acontecimentos diversos da sua época.
bem como evitada a poluição do ar e das águas”, Influenciado pelas ideias da filosofia de Hegel,
além de que “são defesos os atos que não trazem partiu do pressuposto básico da dialética sendo a
ao proprietário qualquer comodidade, ou história um processo contraditório e em
utilidade, e sejam animados pela intenção de permanente modificação. Idealizava uma
prejudicar outrem” (§ 2º). Importante lembrar sociedade justa e equilibrada por meio da forte
que se pode dizer que a propriedade também é crítica ao capitalismo. Desta forma, junto com o
perpétua, logo, não é extinta sem o uso, mas revolucionário alemão Friedrich Engels, defendeu
somente quando ocorrer algum dos modos de o socialismo científico, também conhecido como
perda previsto em lei previsto no artigo 1.275, comunismo, o qual seria caracterizado pela
como a alienação, a renúncia, a desapropriação, o superação da propriedade privada dos meios de
perecimento etc. produção e por promover a diminuição da
desigualdade social. No entanto, fora com Pierre
ASPECTOS HISTÓRICOS DA FUNÇÃO SOCIAL DA Marie Nicolas Léon Duguit, jurista francês
PROPRIEDADE especializado em direito público, que a função
social obteve seu grande impulso a partir de uma
No que se refere ao surgimento e evolução palestra proferida em 1911 na Faculdade de
da função social da propriedade, este se mostra Direito de Buenos Aires, na Argentina. Duguit foi
muito antigo, encontra-se dado pelos fisiocratas o inspirado pelo positivismo de Augusto Comte e
conceito de economia rural. Benedito Ferreira defendia que o governo poderia intervir de forma
Marques9 sustenta que foi Aristóteles, filósofo legítima se o proprietário não atendesse aos
grego, o primeiro a se manifestar dizendo que aos requisitos de cumprimento da função social.
bens se devia dar uma destinação social. Este No direito brasileiro, desde a concessão das
Sesmarias no período colonial em 1375
9
MARQUES, Benedito Ferreira. Direito agrário brasileiro. 10. ed.
continuando com as Ordenações do Reino –
São Paulo: Atlas, 2012. p. 35
Afonsinas em 1494, Manuelinas em 1512 e
Revista Saberes Especial SPC 2016 118

Filipinas em 1603 – já havia certa preocupação meio rural existentes até hoje. Como bem relata
com o cumprimento da função social, logo, uma Eduardo Scolese11, no papel, o Estatuto da Terra
das obrigações impostas aos sesmeiros era de foi algo de primeira qualidade, inclusive com
cultivar a terra impondo sentido de definições usadas até hoje para latifúndio, por
aproveitamento econômico. Ressalta Silvia e exemplo. Hoje, quando o MST invade uma
Oswaldo Opitz que “a finalidade da Lei das propriedade rural, ele o faz com base em artigo
Sesmarias era aumentar a produção, pois, se do Estatuto que aponta as terras improdutivas
todas as terras que haviam no Reino fossem como passíveis de desapropriação para a reforma
cultivadas, haveria pão de sobejo para toda a agrária. Com o texto em mãos, os trabalhadores
gente, e não seria necessário trazê-lo de fora”.10 rurais passaram então “apenas” a cobrar o seu
No chamado “império da posse”, de 1822 a 1850, cumprimento, pois a base legal eles já tinham.
o único jeito de se demonstrar domínio de certa O ET determina para efeitos legais o que é o
porção territorial de propriedade imobiliária era a imóvel rural em seu artigo 4º, inciso I, como o
posse, sendo que em 1850, com a Lei 601, foi prédio rústico, de área contínua, qualquer que
vedada a ocupação das terras devolutas, as quais seja a sua localização, que se destine a exploração
foram passadas aos estados diante da extrativa agrícola, pecuária ou agroindustrial,
Constituição Republicana de 1891. Em 1934 quer através de planos públicos de valorização,
estava prevista a expressão bem-estar social no quer através da iniciativa privada. Ressalta
texto da Constituição, tratando ainda da também quando será cumprida a função social
usucapião, da proteção ao trabalhador e da comm base em requisitos, vejamos: Art. 2º É
colonização. Apresentou-se com nova força na de assegurada a todos a oportunidade de acesso à
1946, a qual ainda trouxe a desapropriação por propriedade da terra, condicionada pela sua
interesse social e por necessidade ou utilidade função social, na forma prevista em lei. § 1º A
pública, não perdendo assim mais seu lugar na propriedade da terra desempenha integralmente
nossa Carta Magna e tendo a expressão função a sua função social quando, simultaneamente: a)
social integrada ao ordenamento por meio do Favorece o bem-estar dos proprietários e dos
Estatuto da Terra. Hoje, o mencionado princípio trabalhadores que nela labutam, assim como de
está solidificado na nossa Lei Maior nos artigos suas famílias; b) mantém níveis satisfatórios de
5º, inc. XXIII e 170, inc. III, além de se referir produtividade; c) assegura a conservação dos
diretamente ao imóvel rural em seu artigo 186 recursos naturais; d) observa as disposições legais
como já se apresentava no artigo 2º caput e § 1º que regulam as justas relações de trabalho entre
do Estatuto da Terra, Lei nº 4.504, de 30 de os que a possuem e a cultivam.
novembro de 1964. Diante do elevado índice de concentração
de terras nãos mãos de poucos sem o exigido
cumprimento da função social, há uma real
O IMÓVEL RURAL E SUA FUNÇÃO SOCIAL necessidade de reforma agrária no país, podendo
a própria União desapropriar por interesse social,
Oito meses após o Golpe Militar, em para fins de reforma agrária, o imóvel rural que
novembro de 1964, o governo aprovou a lei não esteja cumprindo sua função social mediante
4.504, na tentativa de diminuir problemas no prévia e justa indenização, é o que reza o artigo
10 11
OPITZ, Silvia C. B. Curso completo de direito agrário. 8. ed. São SCOLESE, Eduardo. A reforma agrária. São Paulo: Pubifolha,
Paulo: Saraiva, 2014. p. 49 2005. p. 37.
Revista Saberes Especial SPC 2016 119

184 da CF/88. Benedito Ferreira Marques12 proporcionais, logo, o excesso poderá se


explica que, com certo exagero, alguns estudiosos transformar numa indenização contra danos
do tema chegam a afirmar que a propriedade é a causados a terceiro. Quando se fala em interditos
própria função social, sendo que não deveria possessórios fica demonstrado ações em que o
existir a indenização em favor do proprietário em proprietário poderá usufruir para a defesa da
caso de desapropriação, logo, não estaria fazendo posse frente a ordens judiciais, estas sendo a
a terra cumprir o seu papel como bem de manutenção, a reintegração e o interdito
produção e o direito a propriedade garantida está proibitório. Esta se refere a quando há ameaça
condicionada ao cumprimento de tal função. que se configure num justo receio de turbação ou
Desta maneira, a indenização se mostraria como esbulho, isto é, tem caráter preventivo. A
um enriquecimento sem causa para o manutenção, como o próprio nome já diz, é um
expropriado. meio de manter a posse frente à turbação que se
apresenta, enquanto que a reintegração tem
A PROTEÇÃO POSSESSÓRIA EXERCIDA PELO como finalidade a recuperação da posse já
POSSUIDOR perdida em razão do esbulho. Vale ressaltar que é
licito ao autor cumular ao pedido possessório o
É rotineiramente noticiado casos em que de condenação em perdas e danos, cominação de
alguns indivíduos invadem terras com diversas pena para caso de nova turbação ou esbulho, e
finalidades, algumas amparadas por ONG’s desfazimento de construção ou plantação feita
através de movimentos sociais como o MST. É em detrimento de sua posse (art. 921 do Código
dada como o principal efeito da posse a de Processo Civil).
possibilidade de defesa direta da mesma,
segundo o que preceitua o art. 1.210, § 1º do A DESAPROPRIAÇÃO COMO INSTRUMENTO DA
Código Civil: “O possuidor turbado, ou esbulhado, REFORMA AGRÁRIA
poderá manter-se ou restituir-se por sua própria
força, contanto que o faça logo; os atos de Pode-se afirmar que a desapropriação no
defesa, ou desforço, não podem ir além do direito brasileiro teve sua inclusão diante de
indispensável à manutenção, ou restituição da grande influência portuguesa. A Constituição
posse”. No que se refere aos atos de defesa Imperial de 1824 expressava em seu art. 179, nº
direta, se diferem a legítima defesa e desforço 22, que “É garantido o direito de propriedade em
imediato. Este se apresenta quando o possuidor toda a sua plenitude. Se o bem público,
esbulhado (já perdeu a posse) reage logo que lhe legalmente verificado, exigir o uso e emprego da
seja possível, podendo fazer justiça com as propriedade do cidadão, será ele previamente
próprias mãos, estando limitado ao indispensável indenizado do valor dela. A lei marcará os casos
para retomar a posse. Já a legítima defesa se em que terá lugar esta única exceção e dará
apresenta na possibilidade de repelir enquanto a regras para se determinar a indenização”. Dois
turbação (continua na posse da coisa) começar ou anos depois, uma lei em 9 de setembro
continuar. Mesmo podendo ser auxiliado por determinou a desapropriação por necessidade ou
outras pessoas ou empregados, deverá agir com utilidade pública, além das formalidades do
suas próprias forças fazendo uso de meios processo. Já na Carta de 1891 trouxe grande
avanço, “o direito de propriedade se mantém em
12
MARQUES, Benedito Ferreira. Direito agrário brasileiro. 10. ed.
toda a sua plenitude, salvo desapropriação por
São Paulo: Atlas, 2012. p. 34.
necessidade ou utilização pública, mediante
Revista Saberes Especial SPC 2016 120

indenização prévia”. Em contrapartida, a sustenta José Isaac Pilati14, acreditar em


Constituição de 1937 restaurou estes institutos cumprimento e aplicação efetivos da função
anteriormente citados e retirou dos Estados à social com o uso tão só de instrumentos de
competência de legislar a respeito. As mudanças direito público administrativo, dos moldes
não pararam de ocorrer, e a Constituição de 1946 individualistas, como a desapropriação ou então,
inovou. Esta impôs que o pagamento fosse a de procedimentos do Código de Processo Civil,
dinheiro, além de ligar o uso da propriedade ao voltados para conflitos individuais, tem sido erro
bem-estar social e instaurou outro motivo para a comum, que explica o fracasso do postulado
desapropriação: o interesse social. constitucional. A função social somente será
A Constituição Federal de 1988 exige, em efetiva com o resgate institucional da dimensão
seu artigo 186, que a propriedade rural participativa da CFRB/88, pois é ela que
apresente, simultaneamente, aproveitamento corresponde a dimensão coletiva. A função social
racional e adequado, utilização adequada dos não tem natureza de público-estatal: ela é antes
recursos naturais disponíveis e preservação do de tudo espaço coletivo; carece de estrutura
meio ambiente, observância das disposições que participativa e democrática.
regulam as relações de trabalho, e a exploração De acordo com Informativo/MIRAD, Revista
que favoreça o bem-estar dos proprietários e dos Guia Abril Rural nº 3, 1988, 98% das propriedades
seus trabalhadores. No caso de descumprimento rurais brasileiras estariam excluídas para fins de
de algum desses requisitos, de acordo com o desapropriação em relação a reforma agrária,
artigo 184 da CF/88, o imóvel ficará sujeito à logo, como prevê o art. 185, a pequena e média
desapropriação por interesse social mediante propriedade rural, assim definida em lei, é
prévia e justa indenização, ou seja, o imóvel que insuscetível de desapropriação desde que seu
não cumpre tal função perde a proteção proprietário não possua outra e a propriedade
constitucional. É assim que o Estado aplica a produtiva. A classificação em pequena, média ou
reforma agrária visando uma melhor distribuição grande propriedade rural se dá, segundo o art.
da terra improdutiva atendendo aos princípios da 50, §3º do Estatuto da Terra, no número de
justiça social e ao aumento da produtividade. módulos fiscais que é obtido dividindo-se a área
Como bem lembra Silvia e Oswaldo Opitz, “a aproveitável do imóvel pelo módulo fiscal do
desapropriação não é limite ao direito de Município. O art. 4º da Lei 8.629/93 relata como a
propriedade, mas uma forma de sua aquisição pequena propriedade aquele imóvel rural que se
originária, de um lado, e de perda, do outro”13. A compreende entre 1 e 4 módulos, enquanto o
venda da propriedade é forçada sempre que tiver médio será aquele com área superior a 4 e até 15
que realizar a justiça social, mas necessita de módulos fiscais. A referida Lei ainda traz o
justificativa e deve ser mediante a indenização conceito de propriedade produtiva como “aquela
devida, haja vista o respeito ao princípio que que, explorada economicamente e
garante o direito de propriedade (art. 5º, inc. racionalmente, atinge, simultaneamente, graus
XXII). de utilização da terra e de eficiência da
Sabendo das dificuldades facilmente exploração, segundo índices fixados pelo órgão
perceptíveis e falta de efetividade e cumprimento federal competente”. O artigo 7º da mesma Lei
do texto constitucional, de acordo com o que traz também a impossibilidade para o imóvel que
13 14
OPITZ, Silvia C. B. Curso completo de direito agrário. 8. ed. São PILATI, José Isaac. Propriedade e função social na pós-
Paulo: Saraiva, 2014. p. 201. modernidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013. p. 78.
Revista Saberes Especial SPC 2016 121

comprove estar sendo objeto de implantação de setenta; do segundo ao décimo quinto, quando
projeto técnico que atenda aos seguintes acima de setenta e até cento e cinquenta; e do
requisitos: I – seja elaborado por profissional segundo ao vigésimo, quando a área for superior
legalmente habilitado e identificado; II – esteja a cento e cinquenta módulos fiscais. Vale lembrar
cumprindo o cronograma físico-financeiro que, de acordo com o art. 184, § 1º, e Lei n.
originalmente previsto, não admitidas 8.623/93, art. 5º, § 1º, as benfeitorias necessárias
prorrogações dos prazos; III – preveja que, no e úteis serão indenizadas em dinheiro. Além do
mínimo, 80% da área total aproveitável do imóvel mais, é viável ressaltar o que se leva em
esteja efetivamente utilizada em, no máximo, 3 consideração para a fixação do valor do imóvel, a
anos para as culturas anuais e 5 anos para as saber: a localização do imóvel; aptidão agrícola;
culturas permanentes; IV – haja sido aprovado dimensão do imóvel; área ocupada e ancianidade
pelo órgão federal competente, na forma (se refere a tempo) das posses; e a
estabelecida em regulamento, no mínimo seis funcionalidade, tempo de uso e estado de
meses antes da comunicação de que tratam os §§ conservação das posses.
2º e 3º do art. 2º. Importante lembrar que os
prazos previstos no inciso III deste artigo poderão OBJETIVOS DA DESAPROPRIAÇÃO E SEUS
ser prorrogados em até 50% (cinquenta por BENEFICIÁRIOS
cento), desde que o projeto receba, anualmente,
a aprovação do órgão competente para O Estatuto da Terra, em seu art. 16,
fiscalização e tenha sua implantação iniciada no expressa que “a Reforma Agrária visa a
prazo de 6 (seis) meses, contado de sua estabelecer um sistema de relações entre o
aprovação (parágrafo único). Além do exposto, no homem, à propriedade rural e o uso da terra,
que se refere à empresa rural, Silvia e Oswaldo capaz de promover a justiça social, o progresso e
Opitiz sustentam que não poderá ser objeto da o bem-estar do trabalhador rural e o
desapropriação, logo, a regra do art. 19, §3º, b, desenvolvimento econômico do País, com a
do ET, a isenta, englobando-a desde que explore gradual extinção do minifúndio e do latifúndio”.
economicamente e racionalmente o imóvel rural Considera-se a desapropriação como o
dentro das condições de cumprimento da função instrumento mais utilizado na tentativa de
social.15 promover a Reforma Agrária, tal meio por
No que diz respeito à indenização, o interesse social tem por objetivo final condicionar
pagamento é feito em títulos e dinheiro. A o uso da terra a sua função; promover a justa e
Constituição possibilita à lei definir a utilização adequada distribuição da propriedade; obrigar a
dos títulos, estes resgatáveis no prazo de até exploração racional da terra; permitir a
vinte anos, a partir do segundo ano de sua recuperação social e econômica da região;
emissão. A Lei 8.629/93 dita os critérios de estimular pesquisas pioneiras, experimentação,
resgate dos títulos em acordo com a área demonstração e assistência técnica; efetuar obras
desapropriada, é o que versa o artigo 5º, sendo de renovação, melhoria e valorização dos
do segundo ao quinto ano quando a área for recursos naturais; incrementar a eletrificação e a
inferior a quarenta módulos fiscais; do segundo industrialização no meio rural; e facultar a criação
ao décimo, quando acima de quarta e até de áreas de proteção à fauna, à flora ou a outros
recursos naturais, a fim de preservá-los de
15
OPITZ, Silvia C. B. Curso completo de direito agrário. 8. ed. São
atividades predatórias (art. 18, ET).
Paulo: Saraiva, 2014. pp. 212-213.
Revista Saberes Especial SPC 2016 122

Diante de todo esse processo marcado pela No que diz respeito às invasões de terras
exclusão, a má distribuição de terra acarreta uma sob o fundamento de não cumprimento da
série de discussões e problemas. Tal instituto função social, as ações possessórias de imóveis
jurídico procura alcançar à tão almejada reforma rurais não depende do cumprimento da Teoria da
agrária brasileira. Ao conseguir a desapropriação Posse Agrária. A própria jurisprudência (TJ-PA –
da terra respeitando os limites impostos pela Agravo de Instrumento nº 20083004291- 3) diz
legislação, é de suma importância ressaltar que, que não há necessidade do cumprimento da
de acordo com o art. 19 da Lei nº 8.629/93, há função social, além do mais, a concessão da
certa ordem de preferência aos beneficiários. liminar está condicionada à comprovação dos
Para o homem ou a mulher, independentemente requisitos descritos no art. 927 do CPC, não
de seu estado civil: I – o desapropriado, a quem é devendo então ser apreciada a discussão acerca
assegurada a preferência para a parcela na qual a do cumprimento ou não da função social da
sede do imóvel; II – os que trabalham no imóvel propriedade. Desta forma, seria ilegal a exigência
desapropriado, tais como posseiros; assalariados, de outros aspectos senão, depois de comprovada
parceiros e arrendatários; III – os que trabalham a posse, a turbação ou esbulho praticado pelo
como posseiros, assalariados, parceiros ou réu; a data da turbação ou do esbulho; e a
arrendatários, em outros imóveis; os agricultores continuação da posse, embora turbada, na ação
cujas propriedades não alcancem a dimensão da de manutenção, ou a perda da posse, na ação de
propriedade familiar; e os agricultores cujas reintegração.
propriedades sejam, comprovadamente, Desta maneira, diante dos embates
insuficientes para o sustento próprio e de sua frente a um jogo de interesses, é plausível que se
família. Lembrando ainda que, em tal ordem, as enxergue a propriedade como um direito a todos,
famílias numerosas na qual os membros irão ou até mesmo como meio de efetivação dos
se dispunham a exercer atividades agrárias terão princípios constitucionais e dos direitos inerentes
a prioridade. à dignidade da pessoa humana. No mais, apesar
de previsão legal, além da reforma agrária se
NOTAS CONCLUSIVAS mostrar como excelente meio de reorganização
fundiária mais justa, as dificuldades ainda são
Nota-se que desde o período de claramente expressas na prática. Os movimentos
colonização portuguesa no Brasil, ao dividir o sociais como o MST ajudam na medida em que
território em grandes propriedades produtivas exercem pressão ao Estado para dar uma maior
criando as capitanias hereditárias e o sistema de visibilidade e garantir o cumprimento do que reza
sesmarias, as marcas das desigualdades foram a Constituição Federal, logo, a propriedade rural
impostas e a concentração de terras nas mãos de deve satisfazer aos interesses da coletividade
poucos se mostrou próprio e talvez irreversível à afastando então a sua inutilidade, haja vista os
sociedade mesmo com o passar dos séculos. As princípios basilares do Estado Democrático de
brigas por terras tem se mostrado ainda mais Direito.
presentes ao cotidiano, logo, inúmeras
propriedades de terras não estão cumprindo com
sua função social enquanto que milhões de
outros indivíduos procuram acesso às terras
improdutivas.
Revista Saberes Especial SPC 2016 123

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
GONÇALVES, Carlos Roberto. Direito civil
brasileiro, volume 5: direito das coisas. 9. ed. São
Paulo: Saraiva, 2014.
IHERING, Rudolf Von. Teoria simplificada da
posse. Belo Horizonte: Ed. Líder, 2004.
MARQUES, Benedito Ferreira. Direito agrário
brasileiro. 10. ed. São Paulo: Atlas, 2012.
OPITZ, Silvia C. B. Curso completo de direito
agrário. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.
PILATI, José Isaac. Propriedade e função social na
pós-modernidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Lumen
Juris, 2013.
ROUSSEAU. Jean-Jacques. Do contrato social ou
Princípios do direito político. São Paulo: Penguin
Classics Companhia das Letras, 2011.
SCOLESE, Eduardo. A reforma agrária. São Paulo:
Pubifolha, 2005.
Revista Saberes Especial SPC 2016 124

A IDEOLOGIA PUNITIVISTA DO MINISTÉRIO


PÚBLICO E SEUS EFEITOS
Uma análise crítica a respeito da sua
(im)parcialidade e função no sistema criminal

José Lucas Rodrigues de Oliveira*

RESUMO: O artigo apresenta a evolução do Ministério


Público desde suas raízes até seu atual perfil
institucional no ordenamento jurídico brasileiro.
Ademais, ressalta críticas quanto a sua
pseudoimparcialidade e crença no endurecimento da
legislação como causa diminuidora dos índices de
criminalidade. Retrata ainda as consequências da
ideologia punitivista em sua atuação e o seu
importante papel no sistema carcerário além de
propor possíveis mudanças que amenizariam a
falência da pena privativa de liberdade.

PALAVRAS-CHAVE: Ministério Público. Imparcialidade.


Ideologia punitivista. Sistema carcerário. Penas
alternativas.

ABSTRACT: The paper presents the evolution of the


prosecution from its roots to its present institutional
profile in the Brazilian legal system. Moreover, says
criticism regarding its pseudoimparcialidade and belief
in the hardening of the legislation as a cause
diminuidora crime rates. Also portrays the
consequences of punitivista ideology in its activities
and its important role in the prison system and to
propose possible changes that amenizariam
bankruptcy of deprivation of liberty.

KEYWORDS: Public Ministry. Impartiality. Ideology


punitivista . Prison system. Sentencing Alternatives.

* Acadêmico de Direito.
Revista Saberes Especial SPC 2016 125

NOTAS INTRODUTÓRIAS autoridade, tortura e quaisquer outras formas de


maus tratos que ocorrem diariamente em tais
Em virtude das mudanças constitucionais estabelecimentos no intuito de garantir a
desde o surgimento do Brasil, o Ministério integridade física e moral dos indivíduos.
Público ora assumia funções como órgão do Conforme as garantias funcionais previstas
judiciário, ora do executivo, não obstante, a partir na Carta Maior, o Ministério Público também é
da promulgação da Carta Magna de 1988, diante parte imparcial, no entanto, já fica perceptível
da sua independência funcional, alguns autores o uma clara falta de concordância semântica, já
definiram como uma espécie de quarto poder que: se é parte, como pode ser imparcial?
pelo fato de não mais estar vinculado a nenhum, Abordaremos adiante uma análise crítica mais
mas sim com a função de zelar e efetivar o aprofundada sobre tal antinomia, partindo, para
respeito entre os poderes. Além do mais, recebeu isso, desde sua gênese. Trataremos ainda das
o título de instituição permanente essencial à consequências da interferência ideológica
função jurisdicional do Estado encarregado da punitivista em sua atuação, bem como no seu
defesa da ordem jurídica, do regime democrático papel diante da falência do sistema prisional.
e dos interesses sociais e individuais
indisponíveis. ASPECTOS HISTÓRICOS – A GÊNESE
No que diz respeito à tendência moderna
de mudanças legislativas para maior rigor e Os estudiosos da área divergem no que se
severidade das penas, nota-se uma interferência refere à gênese do Ministério Público. No
ideológica de teses acolhedoras ao entanto, é notória uma proximidade consentida
endurecimento da legislação e aumento nas opiniões apresentadas, fazendo com que
constante da repressão na grande maioria possamos chegar ao menos a sua origem
daqueles que compõe o Ministério Público, próxima.
crenças que podem comprometer seu papel de Partindo da controvérsia inserida, alguns
defensor da democracia. Além do mais, diante do defendem a sua origem há, aproximadamente,
preocupante índice de reincidência, fica quatro mil anos na figura do Magiaí, funcionário
perceptível que o direito penal, arbitrariamente real do Faraó no Antigo Egito. Este, considerado
seletivo, é incapaz de prevenir a prática de novos como “a língua e olhos do Rei”, possuía alguns
delitos, haja vista que a o sistema de execução de deveres que “assemelham-se” até mesmo com a
pena não funciona, tanto é que já somos a sua atual posição, como por exemplo, para uma
terceira maior população carcerária do mundo, possível analogia: castigar os criminosos no
superando os 715 mil presos, e mesmo assim os intuito de reprimir atos violentos e por
níveis de violência e a sensação de segurança consequência proteger os demais cidadãos se
crescem demasiadamente. Apesar do princípio da colocando como parte nas instruções para
humanidade ser considerado um dos norteadores descobrir a verdade; considerado o pai do órfão e
do cumprimento de pena, a realidade vivenciada o marido da viúva, protegendo, então, os
pelos detentos vai de encontro total aos direitos interesses dos mais frágeis e da própria
humanos e fundamentais. O Parquet possui coletividade, entre outros.
fundamental papel também na execução penal Ainda na antiguidade, outros autores
conforme o artigo 61, inciso III, da LEP. Sua defendem a similaridade nas figuras presentes na
presença mensal nos presídios deve resultar Grécia Antiga, século VIII a.C, um conselho de seis
numa forma de prevenção do abuso de membros chamado de themotetis ou tesmotetas,
Revista Saberes Especial SPC 2016 126

responsáveis pela fiscalização para uma mais conhecemos hoje, parece estar na ordonnance
efetivada execução das leis em Atenas. Já em de 1302, de Felipe, o Belo, Rei da França. Nela
Roma existia o chamado advocati fisci, censores, encontramos a figura dos procuradores da
defensor civitatis, ou até procuratores Caesaris, Coroa – os procureurs du roi. Tais procuradores
integravam os corps de magistats, imcumbindo-
que possuíam a função da manutenção da ordem
lhes, na fase de substituição do processo
pública, ao ponto que Esparta tinha os
acusatório pelo inquisitório, representar os
denominados Éforos com funções similares. interesses sociais. 17
Frente a tais posicionamentos, alguns autores,
como o renomado no assunto Roberto Lyra16 A origem das expressões Parquet e
(Lyra, apud Jatahy, 2006), questionam quanto a “Ministério Público” se dão na tradição francesa
real existência da instituição até na Grécia no momento em que os procuradores visam
Clássica, séculos VI a IV a.C, na qual ocorrera o distinguir sua função do ofício privado dos
revezamento de soberania entre as cidades- advogados. Para isso, os agentes do Rei ficavam
estado Atenas e Esparta, conhecido como o sentados num pequeno espaço de assoalha
“Período das Hegemonias”, logo, o acusador cercados por uma balaustra no intuito de não
público ainda não existia em tal período. O que serem confundidos com a magistratura de pé,
ocorria de fato era a entrega à própria vítima do pois estes se mostravam opostos à representação
poder de iniciativa do processo contra o dos interesses da Coroa. Ficou então consagrada
criminoso. Feito isso, notáveis oradores movidos tal denominação em referência ao local especial
pelo interesse na causa ou até por motivos onde ficavam na corte. Através de um decreto
sentimentais resultantes da natureza do delito editado em 1690 também na França, fora
desempenhavam a acusação. De certa forma, introduzida a vitaliciedade atribuída até hoje aos
nem sempre agiam com a imparcialidade hoje, membros do Parquet.
em tese, inerente ao Ministério Público.
Conforme o supracitado, apesar da SURGIMENTO DO MINISTÉRIO PÚBLICO NO
similaridade entre algumas funções BRASIL
desempenhadas no Egito, Grécia, Atenas e Roma,
é notável que os indivíduos que as exerciam não No período pré-colonial em que o direito
tinham ao seu lado um estatuto ou normas brasileiro era orientado pelo português ainda não
estruturadas que garantissem ou ditassem seu se via o Ministério Público como instituição. Em
papel e seus limites previamente para que 1521, nas Ordenações Manuelinas, e em 1603,
atuasse em conformidade com as mesmas, se nas Ordenações Filipinas, cita-se, na primeira, o
distanciando um pouco do Ministério Público papel do promotor de justiça na figura de alguém
contemporâneo. com notório entendimento capaz de alegar
Conforme sustenta Uadi Lammêgo Bulos, causas e razões que proporcione clareza e
sem embargo dos antecedentes remotos,
conservação a justiça. Passam a prever, a partir
a origem do Ministério Público, tal qual
da segunda, a atuação do Promotor de Justiça da
Casa da Suplicação, este que era indicado pelo Rei
16
JATAHY, Carlos Roberto de C. O Ministério Público e o e possuía funções no que se refere à fiscalização
Estado Democrático de Direito: Perspectivas
constitucionais contemporâneas de atuação em defesa da
17
sociedade. Dissertação de Mestrado. Rio de Janeiro, 2006. BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito constitucional.
p. 17. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. p. 1398.
Revista Saberes Especial SPC 2016 127

das leis e da formulação da acusação criminal nos Nota-se a falta de estabilidade e


processos. Além do mais, coloca-se ao lado deste independência e a sua forte vinculação ao
as figuras do Procurador dos Feitos da Coroa e da Executivo. Bulos leciona que, durante a primeira
Fazenda e a do Solicitador de Justiça da Casa. República, por obra do Ministro da Justiça do
Já no período Colonial, até o início de 1609 Governo Provisório, Campos Salles, fora editado o
só existia a justiça de primeira instância no Brasil, Decreto n. 848, de 11 de outubro de 1890, o qual
sendo que os processos criminais eram iniciados atribuiu grande importância a instituição
pelas próprias vítimas ou pelo juiz, enquanto que ministerial para época, criando e regulamentando
o recurso cabível era endereçado a relação de também a Justiça Federal. Além disso, no mesmo
Lisboa, em Portugal. Ainda não existia o ano, o Decreto n. 1.030 implantou
Ministério Público. Não obstante, foi o Alvará de definitivamente o Ministério Público no Brasil. A
7 de março de 1609 que criou o Tribunal de Constituição de 1891, apesar de não mencionar
Relação da Bahia prevendo as figuras do diretamente o Parquet, dava ao Presidente da
procurador dos feitos da Coroa e do promotor de República, em seu Art. 58, § 2º, o poder de
Justiça. No Código de Processo Criminal do designar, dentre os membros do Supremo
Império, em 29 de novembro de 1832, houve Tribunal Federal, o Procurador-Geral da
referência ao denominado “promotor da ação República, este possuindo a legitimidade da
penal”. Ficou sistematizado assim o nascimento propositura da revisão criminal (Art. 81, § 1º).
de tal Instituição no Brasil colocando-os como
“fiscais da lei”, sendo que, com a reforma pela lei EVOLUÇÃO NAS CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS
n. 261 de três de dezembro de 1841 de tal
Código, o Ministério Público obteve todo um No que diz respeito à evolução
capítulo denominado “Dos Promotores Públicos”. constitucional, esta fora lentamente gradativa.
O capítulo III prescrevia: Com a Carta de 1934, o Ministério Público
Art. 22. Os Promotores Publicos serão transformou-se num dos órgãos de cooperação
nomeados e demittidos pelo Imperador, ou nas atividades governamentais, colocando-o,
pelos Presidentes das Provincias, preferindo assim, em nível constitucional positivo, prevendo
sempre os Bachareis formados, que forem sua organização e funções no Capítulo VI, artigos
idoneos, e serviráõ pelo tempo que convier. Na
95 a 98. Na ditadura de Getúlio Vargas, momento
falta ou impedimento serão nomeados
de grande autoritarismo político além da
interinamente pelos Juizes de Direito. Art. 23.
Haverá pelo menos em cada Comarca um
influência externa do fascismo de Mussolini, bem
Promotor, que acompanhará o Juiz de Direito: como do nazismo de Hitler em que nem mesmo o
quando porém as circumstanciaes exigirem, princípio da separação de poderes era respeitado
poderão ser nomeados mais de um. Os fora o momento em que o retrocesso se deu. O
Promotores venceráõ o ordenado, que lhes fór Texto de 1937 apenas previa-o de forma esparsa
arbitrado, o qual, na Côrte, será de um conto e em alguns artigos. Em contrapartida, mesmo com
duzentos mil réis por anno, além de mil e a influência italiana, em 1941, no “Estado Novo”
seiscentos por cada offerecimento de libello, de Getúlio Vargas, foi editado o Código de
tres mil e duzentos réis por cada sustentação no Processo Penal conferindo ao Ministério Público a
Jury, e dous mil quatrocentos réis por
titularidade da ação penal pública e outorgando-
arrazoados escriptos.”
lhe o poder de requisitar a instauração de
inquérito policial e de requisitar diligências.
Revista Saberes Especial SPC 2016 128

A sua retomada ao texto constitucional em Frente à eleição de Tancredo Neves no


título próprio se deu com a Constituição pleito presidencial indireto de 1984, a ideia de
Democrática de 1946 nos artigos 125 a 128. Esta convocação de uma Assembleia Nacional
lhe trouxe inovações e preceitos de organização, Constituinte se apresentou ainda mais fortalecida
como a necessidade do concurso público para conforme a necessidade de mudança legítima da
ingresso, garantias de estabilidade e ordem jurídica vigente. Criaram uma Comissão de
inamovibilidade, além de ser determinada a Notáveis, composto de cinquenta pessoas, e
representação da União através dos Procuradores elaboraram o denominado “Anteprojeto Afonso
da República, sendo que em 1951, a criação do Arinos”, além de ser realizado em São Paulo, em
Ministério Público da União se consolida com a lei 1985, o VI Congresso Nacional do Ministério
federal nº 1.341, a qual o vincula ao Poder Público, o qual apresentou teses preparatórias
Executivo e traz disposições a respeito do para aos trabalhos da Constituinte no que se
Ministério Público Federal, Militar, Eleitoral e do refere a Instituição. Em junho de 1986, na cidade
Trabalho. de Curitiba, ocorreu o 1º Encontro Nacional de
Frente ao golpe militar de 1964, editaram a Procuradores de Justiça, tendo em vista analisar
Carta de 24 de janeiro de 1967, a qual manteve as as ideias já existentes e que resultaram na
evoluções e conquistas até o momento e colocou- vocação primordial do Parquet como defensor do
o como seção do Capítulo do Poder Judiciário, povo e dos interesses individuais e coletivos, o
artigos 137 a 139. Entretanto, com a Emenda grande defensor da sociedade. O documento
Constitucional n. 1/69, fez com que o mesmo criado a partir do mencionado encontro ficou
retornasse ao âmbito do Poder Executivo (artigos chamado como “Carta de Curitiba” e teve papel
94 a 96) e impôs um aumento de atribuições ao fundamental nos trabalhos da Assembleia
chefe da instituição, sendo este livremente Nacional Constituinte que teve início em 1987.
determinado pelo Presidente da República, tanto A “Constituição do Ministério Público”,
na nomeação quanto na demissão a qualquer como apelida Bulos18, certamente fora a Carta de
tempo. Logo depois, em 1973 foi editado o Outubro de 1988, em que, em 12 de abril, os
Código de Processo Civil colocando-o nas funções constituintes aprovaram por votação histórica em
clássicas de Órgão Agente (Autor) e Órgão Primeiro Turno, 350 votos favoráveis, 12
Superveniente, fiscal da lei. Ainda, com a Emenda contrários e 21 abstenções, os atuais e
Constitucional n. 7/77, fora conferida mais consagrados preceitos relativos ao mesmo. Como
poderes ainda ao Procurador-Geral da República. leciona o citado autor, na área penal, foi atribuído
A redação do artigo 96 previa a existência de lei o encargo privativo de demandar a ação penal
complementar de iniciativa do Presidente que pública; o controle externo da atividade policial; o
estabeleceria normas gerais a serem adotadas na poder de requisitar diligências investigatórias; a
organização do Ministério Público estadual, o que determinação de instaurar inquérito policial; o
viera a ocorrer em 1981 com a Lei Complementar dever de indicar os fundamentos jurídicos das
n. 40, organizando a nível nacional os estaduais e manifestações processuais, etc.. Enquanto que,
instituindo aos mesmos garantias, vedações e na área cível, o direito de promover ações
atribuições, sendo que, em 1985 com a Lei 7.347 interventivas e de inconstitucionalidade; o direito
de Ação Pública, a sua área de atuação fora
ampliada a função de defesa dos interesses 18
BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito constitucional.
difusos e coletivos.
8. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. p. 1400.
Revista Saberes Especial SPC 2016 129

de defender em juízo os interesses das por outro, logo, não há alteração subjetiva, pois
populações indígenas; o encargo de promover quem está na relação processual é o Ministério
inquéritos cíveis e ações civis públicas para a Público e não a pessoa física do seu
proteção do meio ambiente, do patrimônio representante). Já a independência funcional
público e social; entre outros. impõe que, no desempenho de suas funções
típicas, o membro do MP não se subordina a
FUNÇÕES E PERFIL CONTEMPORÂNEO nenhuma autoridade, nem mesmo a Chefia da
Instituição no que diz respeito à ordem funcional,
Conforme o exposto anteriormente, as havendo apenas uma hierarquia administrativa
Constituições brasileiras ora colocavam-no como que nem mesmo tais possíveis orientações
órgão do Judiciário, ora como órgão do Executivo. possuem caráter imperativo, haja vista a
Em contrapartida, a Carta Magna de 1988 não o necessidade apenas de satisfações a Carta Maior,
vinculou a qualquer dos poderes, mas, sim, com a às leis e ao bom senso como aplicador das
função de zelar e efetivar o respeito entre os normas. Tal independência também está no
mesmos, não constituindo órgão auxiliar de âmbito infraconstitucional no artigo 28 do Código
Governo. Como bem sustenta Bulos, “[...] os de Processo Penal na medida em que assegura ao
membros do Parquet integram a categoria de Promotor discordar do Procurador-Geral de
agentes políticos. Atuam sem ingerências Justiça. Esta independência visa assegurar o
externas, porque possuem responsabilidades desempenho em sua plenitude das atribuições
constitucionais próprias, além de outras previstas conferidas ao mesmo. O § 2º do artigo 127
na Lei Orgânica Nacional do Ministério Público”19. assegura ainda a sua autonomia funcional e
Como a nova Carta elencou princípios e administrativa, o que garante a possibilidade de
valores que consolidam o Estado Democrático de propor ao Poder Legislativo, de acordo com o
Direito, necessitava-se de um órgão que artigo 169 da CF, a criação e extinção de seus
efetivasse as bases fundamentais garantidas ao cargos e serviços auxiliares, promovendo-os por
povo brasileiro. O Ministério Público fora o concurso público de provas ou de provas e títulos,
escolhido, passando a ser instituição permanente, a política remuneratória e os planos de carreira. É
essencial à função jurisdicional do Estado, previsto ainda sua autonomia orçamentária e
encarregado da defesa da ordem jurídica, do financeira (art. 127, §§ 3º a 6º), podendo elaborar
regime democrático e dos interesses sociais e sua proposta de orçamento dentro dos limites
individuais indisponíveis, tendo princípios estabelecidos na lei de diretrizes orçamentárias e
institucionais a unidade, a indivisibilidade e a capacidade de gerir e aplicar os recursos
independência funcional (CF, art. 127, caput e § destinados ao bom funcionamento de suas
1º). O primeiro prevê que os membros da atividades e serviços. No entanto, importante
instituição integram um só órgão, enquanto que o relatar que o seu papel é na fase pré-legislativa
segundo diz respeito da impossibilidade de quando apresenta sua proposta, pois a
subdivisão interna em outras instituições competência para instaurar o processo de criação
autônomas e desvinculadas entre si (é onde fica de leis orçamentárias é exclusiva do Poder
explicado a possível substituição de um promotor Executivo.
O ingresso na carreira do Ministério Público
19
far-se-á mediante concurso público de provas e
BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito constitucional.
títulos, assegurada a participação da OAB em sua
8. ed. São Paulo: Saraiva, 2014. p. 1402.
realização, exigindo-se do bacharel em direito, no
Revista Saberes Especial SPC 2016 130

mínimo, três anos de atividade jurídica e judicial e a consultoria jurídica de entidades


observando-se, nas nomeações, a ordem públicas.
classificatória (CF, art. 129, § 3º - redação dada Há prerrogativas inerentes e necessárias à
pela Emenda Constitucional n. 45/2004). O artigo função desempenhada pelos membros da
128 da Constituição vigente confere a instituição instituição denominada como Garantias
a seguinte estruturação orgânica: “I – O Funcionais. Estas são divididas como garantias
Ministério Público da União, que compreende: a) funcionais de liberdade e garantias funcionais de
o Ministério Público Federal; b) o Ministério imparcialidade. A primeira corresponde à
Público do Trabalho; c) O Ministério Público vitaliciedade, inamovibilidade e irredutibilidade
Militar; d) o Ministério Público do Distrito Federal de subsídios (CF, art. 128, §5º, I, a, b, c). A
e Territórios; II – os Ministérios Públicos dos segunda se apresenta por meio de vedações
Estados”. constitucionais que proíbem certas condutas,
No que se refere a suas funções sendo estas previstas no artigo 129, §5º, II: a)
institucionais, o artigo 129 da Constituição receber, a qualquer título e sob qualquer
Federal prevê as seguintes: I - promover, pretexto, honorários, percentagens ou custas
privativamente a ação penal pública, na forma da processuais; b) exercer a advocacia; c) participar
lei; II - zelar pelo efetivo respeito dos Poderes de sociedade comercial, na forma da lei; d)
Públicos e dos serviços de relevância pública aos exercer, ainda que em disponibilidade, qualquer
direitos assegurados nesta Constituição, outra função pública, salvo uma de magistério; e)
promovendo as medidas necessárias a sua exercer atividade político-partidária; f)
garantia – função denominada de “ombudsman” recebimento de auxílios e contributos; e advogar
de origem remota na Constituição sueca de 1809 no juízo ou tribunal do qual se afastou antes de
- ; III – promover o inquérito civil e a ação civil três anos (CF, art. 128, §6º).
pública para a proteção do patrimônio público e O Ministério Público pode atuar ainda
social, do meio ambiente e de outros interesses promovendo ação direta de inconstitucionalidade
difusos e coletivos; IV – promover a ação de e ação declaratória de constitucionalidade;
inconstitucionalidade ou representação para fins representação para intervenção federal nos
de intervenção da União e dos Estados, nos casos Estados e Distrito Federal; impetrar habeas
previstos nesta Constituição; V – defender corpus e mandado de segurança; mandado de
judicialmente os direitos e interesses das injunção; promover inquérito civil e ação civil
populações indígenas; VI – expedir notificações pública para proteger os direitos constitucionais,
nos procedimentos administrativos de sua patrimônio público e social, meio ambiente,
competência, requisitando informações e patrimônio cultural e interesses individuais
documentos para instruí-los, na forma da lei indisponíveis, homogêneos e sociais, difusos e
complementar respectiva; VII – exercer o controle coletivos; é o titular da ação penal pública; pode
externo da atividade policial, na forma da lei expedir recomendações, visando à melhoria dos
complementar mencionada no artigo anterior; serviços públicos e de relevância pública;
VIII – requisitar diligências investigatórias e a notificações ou requisições (de informações, de
instauração de inquérito policial, indicados os documentos, de diligências investigatórias, de
fundamentos jurídicos de suas manifestações instauração de inquérito policial à autoridade
processuais; e IX – exercer outras funções que lhe policial).
forem conferidas, desde que compatíveis com sua
finalidade, sendo-lhe vedada a representação
Revista Saberes Especial SPC 2016 131

O MINISTÉRIO PÚBLICO COMO PARTE provas e sua devida administração por estes é
(IM)PARCIAL contrário à utopia da imparcialidade, basta
fazermos uma analogia quanto ao juiz inquisidor
Como já exposto, em tese e de acordo com e ao do sistema acusatório. Aury Lopes Jr.
as garantias funcionais previstas na Carta Maior, declara: “[...] e sempre tivemos uma posição de
o Parquet é parte imparcial. O problema não desconfiança em relação ao acusador oficial, até
reside apenas em termos técnicos e no problema porque ele não passa disso: uma parte acusadora,
semântico, mas também, diante de uma cuja tal imparcialidade só é alardeada por quem
conclusão a respeito de seus aspectos históricos, não sabe o que fala”20. Eis que surge o principal
em entender que o Ministério Público é uma argumento de quem defende essa pseudo-
parte fabricada frente à necessidade de um imparcialidade: Qual a razão então da parte
contraditor natural do imputado no sistema acusadora depois de analisar as provas, requerer,
acusatório, este que sobreveio ao inquisitório, o ao final do processo, a absolvição do acusado?
qual foi responsável por tantas barbaridades Este questionamento se apresenta bastante
resultantes do seu poder arbitrário. Neste, a fragilizado. Como já mencionado no tópico
iniciativa probatória estava nas mãos do juiz, não referente às funções e perfil contemporâneo do
possuindo assim a separação das funções de MP, a sua atividade como ente público deve
acusar e julgar, podendo atuar de ofício e, em manter respeito total as leis. Como acusador
resultado, não sendo imparcial. Além do mais, público, sua conduta deve estar ligada
não havia contraditório pleno, o procedimento intrinsecamente a legalidade e impessoalidade,
era secreto com um sistema de prova tarifada pois é um órgão criado para defender a ordem
com extremo poder atrelado à confissão, o duplo jurídica zelando pela aplicação correta e
grau de jurisdição possuía restrições mesmo não harmoniosa da mesma. Os princípios que regem o
havendo a figura da coisa julgada. Já no sistema Estado Democrático de Direito determinam a
acusatório, o juiz é mero espectador e garantidor, proibição de levar adiante acusações infundadas
pois a gestão probatória está nas mãos das partes sem razoáveis indícios de autoria e materialidade.
que possuem tratamento igualitário frente a um Sem este lastro probatório mínimo para o início
procedimento regido pela publicidade e a do próprio processo, deve o promotor de justiça
oralidade além do pleno contraditório e ampla requerer o arquivamento e o juiz concedê-lo. Se
defesa. O duplo grau de jurisdição é respeitado oferecida a denúncia e, durante o devido
assim como a coisa julgada, não havendo ainda a processo legal investido de contraditório e ampla
figura da prova tarifada, mas, em contrapartida, o defesa, ficar aparente a inocência do imputado,
princípio do livre convencimento motivado, todos não houver provas ou até mesmo culpabilidade
com intuito de garantir o devido processo legal e suficiente para justificar uma condenação, deverá
a imparcialidade do julgador. Desta maneira, pedir a absolvição. Portanto, toda sua conduta
necessitando de meios que garantissem a deve estar pautada em estrita consonância com o
imparcialidade do julgador, cria-se o órgão do MP bom senso e respeito ao próprio ordenamento
com o encargo da persecução penal, logo, como jurídico do qual extrai a legitimidade e legalidade
sustenta Werner Goldschmidt, quanto mais de seus atos, pois, se assim não for, sua existência
parciais forem às partes, mais imparcial é o juiz.
Partindo do exposto, com o magistrado 20
LOPES Jr., Aury. Direito Processual Penal. 11. ed. São
devidamente alheio a gestão da prova, tal função
Paulo: Saraiva, 2014. p. 344.
fica entre o Parquet e a Defesa. A busca por
Revista Saberes Especial SPC 2016 132

se torna inútil, haja vista que estará indo de generalizado impregnado no imaginário coletivo
encontro à necessidade natural a que se baseou que demanda, assim, por segurança.”21
sua própria criação. A equação aumento e alarma (midiático) da
Apesar de aparentar uma discussão criminalidade = medo e insegurança = demanda
puramente acadêmica que pouco importará ou por segurança = expansão do controle penal”
não trará consequência alguma para a prática, tal obedece às ilusões da infância criminológica
crença pode levar a um desequilíbrio entre as (Criminologia positivista) em que se acreditava no
partes a partir do momento em que a defesa será Papai Noel (sistema penal) distribuindo presentes
sempre parcial e, se a própria acusação é (combatendo e reduzindo a criminalidade,
imparcial como o magistrado que irá prolatar a ressocializando criminosos e promovendo
sentença, caso o promotor no fim de uma segurança).22
instrução criminal insista na condenação, No que diz respeito à tendência moderna
presume-se a existência da sua total convicção de mudanças legislativas para maior rigor e
não fazendo vistas ao princípio da presunção de severidade das penas, importa o comparativo
inocência e da máxima do “in dúbio pro réu”. principalmente com a Europa no período em que
Desta forma, sendo o contraditor natural do a repressão fora instalada como meio coibidor da
imputado, mas devendo, sobretudo, observância criminalidade. De Acordo com Loic Wacquant, em
e cumprimento das leis, nascerá o conflito entre 1999, apontando um discurso ideológico
as partes (tese e antítese) para a decisão altamente conservador que atinge a Europa, faz
motivada do juiz (síntese). menção às consequências em levar o Estado
Social a ser amplamente punitivista em resultado
ENCARCERANDO OS “CLIENTES PREFERENCIAIS” ao senso comum penal que criminaliza a miséria.
DO SISTEMA PENAL Sua obra intitulada “Prisões da Miséria23” faz
referência a tal panorama frente às realidades
Partindo da interferência ideológica que surgiram em consequência das políticas
dominante daqueles que compõem o Ministério implantadas pelos governos, apontando maior
Público, é notável um caminho oposto ao que se ênfase a medida tomada que impôs a
entende por democracia, haja vista que globalização da tolerância zero como forma de
sustentam teses acolhedoras ao endurecimento conter atos desviantes da sociedade em geral, a
da legislação com regime de execução mais prisão como novo lugar dos miseráveis e a sua
severo, ampliação do rol dos tipos penais e superlotação e consequente precariedade
aumento constante da repressão, o que leva o constante em pouco tempo, resultados da
indivíduo desviante a ser encarado como inimigo transformação do Estado-providência no Estado-
do Estado e, por consequência, a implantação de
um Direito Penal Máximo. De acordo com 21
ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do processo
Alexandre Moraes da Rosa, “[...] há uma penal conforme a teoria dos jogos. 2. ed. Rio de Janeiro:
tendência rumo ao Direito Penal do Inimigo, Lumen Juris, 2014.
baseado no fomento de um perigosismo 22
Depois do grande encarceramento, seminário.
Organizado por Pedro Vieira Abramovay e Vera Malaguti
Natista. Rio de Janeiro: Revan, 2010. pág. 255.

23
WACQUANT, Loic. As prisões da miséria. Tradução de
André Telles, digitalizado em 2004.
Revista Saberes Especial SPC 2016 133

penitência, do Estado-social para o Estado-penal. atrás. Partindo para métodos então que
Diante da credibilidade imposta à medida, em diminuíssem os imensos gastos do Estado social
janeiro de 1999, Joaquim Roriz, na época para o Estado penal, foram empregadas quatro
governador de Brasília, anunciou a aplicação técnicas: diminuir o nível de vida e serviços nos
também no Brasil e, como resposta aos críticos, estabelecimentos penitenciários limitando ou
dizia que bastaria criar novas prisões caso o suprimindo as já escassas “regalias”; diminuir a
número de submetidos à mesma crescesse ainda inovação tecnológica que melhorava a
mais. O que restou então diante da forte produtividade da vigilância; transferir certa parte
sensação de insegurança frente ao pensamento dos custos da carceragem para os presos e sua
midiático e das grandes autoridades fora a crença família; e reintroduzir o trabalho desqualificado
no fortalecimento do Estado penal reforçado e em massa nas prisões. No mais, com ideais de
ostensivo como a melhor saída para combater mercantilização, privatizar o encarceramento o
tais precariedades. que a transformaria numa indústria de futuro
Ainda fazendo comparação do senso empreendedor e próspero. Se não bastasse, por
comum da esmagadora maioria da sociedade ao consequência há o “escurecimento” contínuo
quadro apresentado por Wacquant, nota-se na dessa população fazendo com o que afro-
realidade norte-americana, frente às medidas de americanos, apesar de representarem apenas 2%
encarceramento dos pobres, o grande da população do país, fossem os majoritários
crescimento das populações aprisionadas que entre os novos encarcerados nas prisões
triplicou em 15 anos. Tal mudança extrema estaduais. A conclusão de tamanha discrepância
explica-se na sua grande maioria pelo deve ser explicada com base em que a cor de pele
encarceramento dos pequenos delinquentes e os não significaria uma propensão maior a cometer
toxicômanos. Passam então a não terem mais o crimes, mas, a partir dela, nota-se o caráter
ideal da reabilitação, mas em isolar grupos e intrinsecamente discriminatório das práticas
neutralizar seus membros mais perigosos numa policiais e judiciais que foram defendidas e tidas
espécie de reciclagem. Como bem critica como corretas na política lei e ordem implantada.
Zaffaroni24, o Estado de Direito é incompatível O autor traz então que o efeito do
com o Estado de Polícia, logo, este adota o direito encarceramento em massa tem efeitos diretos
penal do inimigo como tratamento punitivo que sobre o mercado de trabalho, logo, aceleram o
deve ser usado até também como meio na desenvolvimento do trabalho assalariado da
prevenção de crimes. Tal diferenciação miséria e da economia informal, haja vista a
transforma a condição de pessoa na de inimigo certeza em que os antigos detentos não poderão
perigoso para a sociedade, a não-pessoa que pretender mais do que empregos degradantes
deve ser eliminada, exclusa do meio social. em resultado do seu status judicial de ingresso
O constante crescimento da massa frente a uma sociedade altamente
carcerária como política de luta contra a pobreza preconceituosa. Portanto, é claro que os Estados
resultou em gastos imensos, tanto é que em 1993 Unidos optou pela criminalização da miséria
os EUA gastaram 50% a mais com as prisões do frente à insegurança salarial e social. Não muito
que a administração judiciária sendo que os diferente tem ocorrido no Brasil. De acordo com
orçamentos dos dois eram idênticos 10 anos uma pesquisa sobre “a aplicação de penas e
medidas alternativas” feito pelo Ipea (Instituto de
24 Pesquisa Econômica Ampliada), a Justiça Criminal
ZAFFARONI, Eugenio Raúl. O inimigo no direito penal. 2º
ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007. é bem mais rigorosa com os negros, onde a prisão
Revista Saberes Especial SPC 2016 134

se tornou a regra, do que com os acusados associada ao processo de legitimação da violência


brancos onde há prevalência da aplicação de no sistema penitenciário brasileiro, são
penas alternativas. derivações das tradições punitivas ancoradas em
Em contrapartida as inquietações do senso penas muito antigas, exílio e morte. É certo que o
comum social imposto pela forte indústria campo de maior visibilidade e imposto como o da
midiática bem como aos juristas que possuem a desordem e criminalidade que requer limpeza,
crença na punição de forma mais severa como a esconderijo, varredura e eliminação se apresenta
necessidade do atual contexto brasileiro, foi através da extrema criminalização da pobreza,
organizado, em 2008 no Hotel Glória, um mas, em contrapartida, há ainda aquela
seminário multidisciplinar que partiu do indignação contra as elites ilesas que depois se
pressuposto estadunidense de combate ao crime resumem na sua, quando se dá, simbólica
acima mencionado. Foi denominado como punição. É o denominado encarceramento de
“Depois do grande encarceramento25” devido à legitimação que se apresenta com prisões
criminalização generalizada ocorrida na virada do espetaculosas da classe dominante, as quais
século XX para o XXI, a qual expandiu, a partir da apenas servem para encobrir ideologicamente a
era FHC, de forma extraordinária o sistema seletividade do sistema, procurando se passar,
penitenciário que possuía em 1994 cerca de assim, como igualitário. Em um campo
110.000 presos para uma margem superior aos contradiscursivo, Vera Regina Pereira de Andrade
712.000 hoje. Sustentando uma crítica ao modelo sustenta que o encarceramento é finito como são
de aprisionamento em massa que tem se todos os métodos punitivos na história, apesar da
apresentado como única alternativa, em tese, impossibilidade de saber exatamente até quando
eficiente, médicos, psicólogos, sociólogos, se dará a sua longevidade, a prisão não ficará,
antropólogos e advogados, se reuniram para uma mas, sim e somente, a vergonha da mesma.
reflexão a respeito da política criminal atual, Como relata Cláudio Alberto Gabriel
defendendo, sobretudo, a prisão como não sendo Guimarães
a única forma que a sociedade tem e deve ter Os membros do Ministério Público, de uma
para lidar com o delito, mas enxergando-o como maneira geral, não se dão conta das
reprodutor de desigualdades e índices interferências da ideologia dominante no agir das
elevadíssimos de insegurança e criminalidade agências de controle do sistema penal,
devido ao altíssimo índice de reincidência. A absorvendo de maneira acrítica o saber
problemática discutida é, então, a tentativa de elaborado para legitimar as flagrantes injustiças
responder aos questionamentos críticos frente por ele produzidas e, de boa-fé – na maioria das
aos inúmeros e sucessivos insucessos das políticas vezes -, no exercício de suas atribuições, acabam
públicas no Brasil, seja no âmbito da educação e por comprometer o exercício de seu mister
assistência social ou até da repressão pela polícia constitucional de defensor da democracia.26
e justiça.
Em conformidade com as ideias expostas no
seminário, a cultura jurídica e religiosa está 26
GUIMARÃES, Cláudio Alberto Gabriel. Constituição,
Ministério Público e direito penal: a defesa do Estado
Democrático no âmbito punitivo. Rio de Janeiro: Revan,
25
Depois do grande encarceramento, seminário. 2010. p. 260.
Organizado por Pedro Vieira Abramovay e Vera Malaguti
Natista. Rio de Janeiro: Revan, 2010.
Revista Saberes Especial SPC 2016 135

É notável que o direito penal mostra-se credibilidade. Deste modo, os órgãos


incapaz de prevenir a prática de novos delitos, e, encarregados de sua aplicação devem ter um
como leciona Paulo Queiroz, “é um sistema mínimo de razoabilidade e bom senso, pois a
arbitrariamente seletivo; recruta sua clientela implantação da verdadeira democracia está
entre os mais miseráveis. É um sistema injusto, atrelada ao uso diminuto do direito punitivo.
produtor e reprodutor das desigualdades
sociais”27, com tendências a privilegiar as classes O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO DIANTE DO
dominantes isentando-os, de certa forma, da SISTEMA CARCERÁRIO
fiscalização e criminalização de condutas que
representam danos muito maiores a sociedade ao Sendo o Ministério Público órgão que atua
sonegarem impostos, desviarem verbas da na defesa da ordem jurídica e fiscaliza o
educação, da saúde etc., que resultam numa cumprimento da lei defendendo os interesses
maior desigualdade social diante do monopólio sociais e individuais indisponíveis, o seu dever
capitalista e por consequência desvia classes estende-se também a Execução Penal conforme o
inferiores ao cometimento de crimes, para que artigo 61, inciso III, da Lei de Execuções Penais
posteriormente sejam jogados em presídios (LEP), Lei n. 7.210 de 11 de julho de 1984. O
insalubres, sem as mínimas condições de capítulo IV da mesma, mais precisamente em
dignidade e higiene com outros tantos presos seus artigos 67 e 68, prevê que o seu
numa mesma cela. Se não bastasse, juntam representante visitará mensalmente os
sujeitos de periculosidades diferentes estabelecimentos penais, registrando sua
transformando o presídio na chamada “escola do presença em livro próprio, para fiscalizar a
crime”, fator que aumenta em extremo a execução de pena e da medida de segurança e a
criminalidade, tanto é que os níveis de regularidade formal das guias de recolhimento e
reincidência é um dos maiores do mundo, de internamento, além de outros importantes
chegando a incrível margem de 70%. O processo deveres. O dever de visita também é atribuído
penal e a execução da sanção no caso de aos Conselhos Penitenciários e da Comunidade,
condenação representam consequências além do Juiz e da Defensoria Pública.
extremas ao indivíduo, pois, até mesmo quando Como defensor e garantidor do
ocorre à absolvição, há um enorme e irreparável cumprimento das leis, cabe também ao Parquet à
dano à imagem do acusado, uma forma de defesa dos direitos humanos visando garantir a
etiquetamento que traz consigo alto sofrimento integridade física e moral dos presos. Sua
psíquico, o qual, como relata Erving Goffaman28, presença mensal nos presídios deve resultar
resulta numa identidade deteriorada e numa forma de prevenção do abuso de
estigmatizada geradora de consequências autoridade, tortura e quaisquer outras formas de
altamente danosas a sua reputação e maus tratos que ocorrem diariamente em tais
estabelecimentos, encarregando-se à promotoria
27
QUEIROZ, Paulo. Funções do direito penal: legitimação e aos demais órgãos encarregados à apuração
versus deslegitimação do sistema penal. 3. ed. São Paulo:
inicial do ocorrido e consequente
Editora Revista dos Tribunais, 2008. p. 89.
responsabilização dos autores no âmbito civil,
28
GOFFAMAN, Erving. Estigma – notas sobre a administrativo e penal. Além do mais, a partir das
manipulação da identidade deteriorada. Tradução de visitas, espera-se que o mesmo se informe a
Mathias Lambert. Publicação original em 1891, digitalizado
em 2004. respeito das assistências que são devidas pelo
Estado e que são direitos do preso (Artigo 38 do
Revista Saberes Especial SPC 2016 136

Código Penal). O artigo 41 da LEP determina: Federal que está situada no ápice da pirâmide e
“Constituem direitos do preso: I - alimentação que serve de legitimação para todo o
suficiente e vestuário; II - atribuição de trabalho e ordenamento jurídico e consequente legitimação
sua remuneração; III - Previdência Social; IV - dos atos estatais. O termo como é reconhecido
constituição de pecúlio; V- proporcionalidade na hoje teve decorrência de um grande processo de
distribuição do tempo para o trabalho, o evolução oriundo dos povos gregos e seus
descanso e a recreação; VI - exercício das pensadores criando a ideia do “Estado ideal”, mas
atividades profissionais, intelectuais, artísticas e foi no final do século XIX que as suas bases foram
desportivas anteriores, desde que compatíveis consolidadas e que hoje, com os avanços através
com a execução da pena; VII - assistência das análises em meio há esse tempo, garante não
material, à saúde, jurídica, educacional, social e só a proteção aos direitos de propriedade, mas
religiosa; VIII - proteção contra qualquer forma de também várias garantias fundamentais baseadas
sensacionalismo; X - entrevista pessoal e no que chamamos de “Princípio da Dignidade
reservada com o advogado; X - visita do cônjuge, Humana”. Tal princípio está previsto no artigo 1°,
da companheira, de parentes e amigos em dias inciso III da Constituição Federal e é considerado
determinados; XI - chamamento nominal; XII - o núcleo exegético norteador de todo nosso
igualdade de tratamento salvo quanto às ordenamento jurídico. Não obstante, a
exigências da individualização da pena; XIII - superpopulação nos presídios representa extrema
audiência especial com o diretor do afronta aos direitos fundamentais, logo, a própria
estabelecimento; XIV - representação e petição a Carta Maior em seu artigo 5º, inciso XLIX,
qualquer autoridade, em defesa de direito; XV - assegura aos presos o respeito à integridade física
contato com o mundo exterior por meio de e moral. Além do mais, o artigo 85 da Lei de
correspondência escrita, da leitura e de outros Execuções Penais (LEP), impõe que o
meios de informação que não comprometam a estabelecimento penal deverá ter lotação
moral e os bons costumes. XVI – atestado de compatível com sua estrutura e finalidade
pena a cumprir, emitido anualmente, sob pena da enquanto que o artigo 88 determina que o
responsabilidade da autoridade judiciária condenado fique alojado em cela individual com
competente. Parágrafo único. Os direitos dormitório, aparelho sanitário e lavatório
previstos nos incisos V, X e XV poderão ser elencando, ainda, requisitos básicos de
suspensos ou restringidos mediante ato motivado salubridade do ambiente para ocorrência dos
do diretor do estabelecimento.” Tais direitos fatores de areação, insolação e condicionamento
mencionados, são vistos como necessários para o térmico adequado à existência humana numa
cumprimento de pena com dignidade em área mínima de seis metros quadrados. Nota-se
consonância com a sua reinserção futura ao claramente a discrepância entre o texto
convívio social. Entretanto, enquanto busca-se a normativo e a prática vivenciada pelos detentos.
ressocialização, o que há de fato é a violação dos Já somos a terceira maior população
Direitos Humanos pelo próprio sistema, o qual carcerária do mundo ultrapassando uma marca
nunca foi capaz de cumprir suas promessas de 715 mil pessoas privadas de liberdade, atrás
ficando apenas no mundo do “dever ser”. apenas dos Estados Unidos (2,2 milhões) e da
O Brasil, por ser considerado um Estado China (1,7 milhão). No entanto, apesar dos
Democrático de Direito, deve garantir o respeito números alarmantes, os níveis de violência não
pelos direitos humanos e pelas garantias diminuem e a sensação de insegurança cresce
fundamentais em conformidade Constituição demasiadamente. O déficit atual de vagas supera
Revista Saberes Especial SPC 2016 137

os 210 mil, segundo dados do CNJ, e se crime cuja própria sanção não prevê uma pena de
considerarmos as prisões domiciliares, este prisão. Assim, ainda em conformidade com o
número salta para 358 mil vagas. Além do mais, autor, entendemos que se deve negar a prisão
há em torno de 373 mil mandados de prisão em com base em mera suspeita. Com o atual estado
aberto, o que pode fazer com que tenhamos mais do cárcere e toda árdua evolução das punições, o
de 1,08 milhão de pessoas detidas. Com as tempo em que as pessoas são presas para
prisões superlotadas, os graves problemas na investigar já deveria ter acabado. No entanto,
gestão do sistema penitenciário brasileiro tomam esta é a mentalidade de muitos que operam no
diâmetros incontroláveis e o efeito imediato é o direito penal, pois, na grande maioria dos casos,
afastamento do objetivo primordial da pena foram seduzidos pelos discursos fáceis de “lei e
privativa de liberdade, qual seja: o ideal da ordem” atrelados a política de tolerância zero.
reabilitação. Além do mais, a falta de agilidade processual e a
Os séculos XX e XXI caracterizam-se por situação subumana das prisões têm sido as mais
apresentar os mais elevados índices históricos de cruéis penas impostas, pois acabam
violência carcerária. Se não bastasse o sistema ser “qualificando” os criminosos não perigosos e
falido e o assunto ser demasiadamente político, o impõem depravação aos presos provisórios
apelo tradicional midiático, a ansiedade popular e constituindo típicas espécies de “sobrepena”.
por consequência pressão, contribuem para
superlotação e para as penosas condições de NOTAS CONCLUSIVAS
reclusão. O que chama bastante atenção é que
cerca de 40% da população carcerária brasileira Com base em uma análise que fora iniciada
está presa provisoriamente. São indivíduos que com o estudo da gênese do Ministério Público no
ainda não foram julgados e que, em alguns casos, mundo até seu perfil e funções atuais no
acabam cumprindo totalmente a sua pena antes ordenamento jurídico brasileiro, fica notável a
mesmo da condenação. Como bem ressalta sua pseudo-imparcialidade. Tal entendimento
Alexandre Moraes da Rosa, “a mais violenta é a necessita ser superado, pois o motivo da sua
prisão cautelar. A prisão do indiciado/acusado é própria criação fazia vistas a consequente
modalidade de guerra com tática de aniquilação, necessidade de um contraditor natural do
uma vez que os movimentos de defesa estarão imputado diante da imposição do sistema
vinculados à soltura”29. Tais prisões têm virado acusatório, logo, com o magistrado alheio a
regra no direito brasileiro, no entanto, ela deve gestão da prova, tal função deveria ficar
ser adotada como cautelar ao processo, em necessariamente entre o Parquet e a Defesa (tese
garantia da instrução criminal na prova e na e antítese) na intenção de garantir uma maior
aplicação da lei penal, e não a sociedade. Há uma imparcialidade do juiz garantidor nas suas
grave violação aí da presunção de inocência. Em decisões (síntese). Observando na prática o
contrapartida, há casos até mesmo de pessoas pensamento e a atuação do promotor, é possível
que estão presas suspeitas de terem cometido concluir que o mesmo atua de forma amplamente
parcial acumulando tão somente provas contra o
29 denunciado enquanto que, em tese, também é
ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do processo
penal conforme a teoria dos jogos. 2. ed. Rio de Janeiro: seu dever diligenciar para obtenção de eventuais
Lumen Juris, 2014. p. 165. elementos que favoreçam a defesa.
Diante da situação horrenda das prisões
brasileiras, importa ressaltar que boa parte da
Revista Saberes Especial SPC 2016 138

população carcerária é composta de indivíduos milhões foram aplicados de fato, isto representa
que cometeram crimes sem violência ou grave apenas 4,5% dos recursos, sendo que o restante
ameaça a pessoa, aos quais seria mais viável a ficou disponibilizado para outros gastos segundo
aplicação de alternativas penais como a o Departamento Penitenciário Nacional (Depen).
interdição temporária de direitos e a prestação Ainda de acordo com o exposto, a não aplicação
de serviço à comunidade ou a entidades públicas, dos recursos é resultado de três principais
até porque, segundo o Ministério da Justiça, situações: contingenciamento orçamentário do
quem fica recluso tem mais chances de voltar a Ministério da Justiça, ligado a problemas dos
cometer crimes do que aqueles que cumpriram projetos nos Estados, e inadimplência ou
penas alternativas. Enquanto na primeira espécie irregularidades dos Estados. Além do mais, nada
de pena o nível de reincidência é superior a 70%, do que foi empenhado para construção de
na outra os níveis variam entre 2% e 12%. Em Centros de Detenção foi aplicado nos Estados.
uma reflexão da ideologia dominante entre os Tais situações são alarmantes, há total
Promotores de Justiça que visam caminho oposto necessidade de políticos comprometidos com sua
ao que se entende por democracia, ao ponto real função, bem como de indivíduos que
sustentam teses acolhedoras da política exerçam seu papel de cidadão ao reivindicar
tolerância zero com regime de execução mais cobrando as melhorias necessárias ao atual
severo e ampliação do rol dos tipos penais, um quadro.
entendimento equivocado e pejorativo do real É certo então que o Estado deve procurar
significado da teoria garantista levou a rotulação solucionar essas situações com mecanismos
crítica negativa daqueles membros do Parquet anteriores que diminuam a possibilidade de
que não se importavam apenas com a acusação, delitos, isto é, que atue dando uma base sólida
mas que vão além se preocupando com a correta para que as pessoas não sejam motivadas ao
aplicação da lei em conformidade com os crime. Tentar diminuir as desigualdades sociais
princípios constitucionais, consequências tanto por meio de políticas públicas ou até de
do processo como da condenação e até mesmo investimentos para proporcionar educação e
com os efeitos da execução. Entendem, e possibilidade de trabalho aos indivíduos, bem
corretamente, que a ressocialização é a atividade como avaliar meios mais eficazes de prevenção
fim que o Estado deve buscar, mas, para que isso da criminalidade e efetivar uma mudança drástica
ocorra, é necessária à efetivação dos direitos no cumprimento de pena. As dificuldades
subjetivos e garantias fundamentais previstas no enfrentadas não surgiram de uma hora pra outra,
ordenamento jurídico que são intrínsecos no entanto, é incrível como em 1764, com 25
universalmente a todos os seres humanos. anos, Beccaria ao publicar sua famosa obra
Os problemas que envolvem o sistema estudada até hoje na área jurídica, a renomada
carcerário vão muito além da atuação dos “Dei delitti e delle pene” (dos delitos e das
membros do Parquet. É clara a falência dos penas), em análises críticas sobre questões
presídios e a necessidade de sua melhoria, bem referentes ao sistema penal do antigo regime, já
como a construção de novos para amenizar o trazia soluções e meios para que o Estado se
problema da reincidência. Em contrapartida, o mostrasse eficiente garantindo os direitos
relatório anual da auditória de gestão da fundamentais as pessoas. Defendia que o método
Controladoria Geral da União (CGU) apresentou mais seguro de prevenir crimes é aperfeiçoar o
que dos R$ 310 milhões destinados à melhoria sistema educacional e que não seria o rigor das
das penitenciarias em 2013, apenas R$ 12,6 penas que preveniriam o crime, logo, a
Revista Saberes Especial SPC 2016 139

severidade das penas deve ser proporcional ao REFERÊNCIAS


estado da nação e determinada a menor possível
aplicável ao caso, desde que seja proporcional ao
BULOS, Uadi Lammêgo. Curso de direito
delito, imediata e prevista em lei, pois a constitucional. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2014.
prevenção ocorre com maior eficiência quando
Depois do grande encarceramento, seminário.
de fato há a certeza da punição.
Organizado por Pedro Vieira Abramovay e Vera
Conforme todo supramencionado, Malaguti Natista. Rio de Janeiro: Revan, 2010.
entendemos que deve haver maior racionalidade
GOFFAMAN, Erving. Estigma – notas sobre a
na imputação das penas por todos os operadores
manipulação da identidade deteriorada.
do sistema penal, logo, após o cumprimento da Tradução de Mathias Lambert. Publicação original
pena de prisão em companhia de líderes de em 1891, digitalizado em 2004.
facções criminosas e de autores dos mais GUIMARÃES, Cláudio Alberto Gabriel.
horrendos crimes, será devolvido a sociedade Constituição, Ministério Público e direito penal:
largamente preconceituosa que não dará a defesa do Estado Democrático no âmbito
nenhuma chance de inserção e ressocialização ao punitivo. Rio de Janeiro: Revan, 2010. p. 260.
meio - tanto é verdade que algumas empresas JATAHY, Carlos Roberto de C. O Ministério
solicitam certidão de antecedentes criminais aos Público e o Estado Democrático de Direito:
postulantes da vaga – e por consequência Perspectivas constitucionais contemporâneas de
voltarão as práticas criminosas na falta de outras atuação em defesa da sociedade. Dissertação de
oportunidades, tanto é que a população Mestrado. Rio de Janeiro, 2006. p. 17.
carcerária cresce demasiadamente sem controle. LOPES Jr., Aury. Direito Processual Penal. 11. ed.
Diante do altíssimo nível de reincidência, pode-se São Paulo: Saraiva, 2014
afirmar que há total falência das políticas de QUEIROZ, Paulo. Funções do direito penal:
reinserção do Estado. legitimação versus deslegitimação do sistema
Sustentamos a tese que esse difícil contexto penal. 3. ed. São Paulo: Editora Revista dos
Tribunais, 2008. p. 89.
pode ser amenizado com a redução do alto
número de prisões provisórias, bem como pela ROSA, Alexandre Morais da. Guia compacto do
aplicação racional de alternativas penais aos processo penal conforme a teoria dos jogos. 2.
ed. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2014.
crimes cometidos sem violência. Para que isso
ocorra é necessário o rompimento da barreira de WACQUANT, Loic. As prisões da miséria.
Tradução de André Telles, digitalizado em 2004.
conforto ideológico que compõe grande parte
dos membros também do Ministério Público, ZAFFARONI, Eugenio Raúl. O inimigo no direito
pois, boa parte das injustiças e dá aplicação penal. 2º ed. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
errônea da lei penal são advindas das suas
atitudes, de regra com boa-fé, que não possuem
o padrão esperado de racionalidade e justiça
necessário aos operadores do direito acabando
por comprometer o seu papel de defensor da
democracia.
Revista Saberes Especial SPC 2016 140

O DIREITO À SAÚDE E SUA JUDICIALIZAÇÃO

José Lucas Rodrigues de Oliveira*

RESUMO: O artigo apresenta o direito


constitucional à saúde rotineiramente violado
como corolário da situação orçamentária pública
e a judicialização como alternativa para garantir
sua efetividade. Retrata ainda a respeito do
financiamento do Sistema Único de Saúde e sua
descentralização, a qual redistribui poderes e
responsabilidades aos três níveis de governo,
analisando também, e com maior ênfase, a
assistência no âmbito municipal.

PALAVRAS-CHAVE: Direito à saúde. Sistema


Único de Saúde. Financiamento. Judicialização.
Assistência Municipal.

ABSTRACT: This article presents the


constitutional right to health routinely violated as
a consequence of public budget situation and the
judicialization as an alternative to ensure their
effectiveness. Still portrays about the financing of
the National Health System and its
decentralization, which redistributes powers and
responsibilities of the three levels of government,
analyzing also, and more emphasis on assistance
at the municipal level.

KEYWORDS: Right to health. Health System.


Financing. Legalization. Municipal assistance.

* Graduando em Direito.
Revista Saberes Especial SPC 2016 141

NOTAS INTRODUTÓRIAS A crise no sistema de saúde pública no


Brasil atinge os mais diversos e importantes
A Constituição Federal de 1988 preceitua setores, quais sejam: estrutura física, escassez de
em seu artigo 6º que são direitos sociais a recursos humanos e a falta de materiais,
educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a equipamentos e medicamentos. Todos estes
moradia, o lazer, a segurança, a previdência fatores são resultado da carência de reais
social, a proteção à maternidade e à infância, investimentos destinados a sua melhoria, o que
além da assistência aos desamparados. Estes acaba por agravar ainda mais o sucateamento, a
direitos, em consequência da necessidade de superlotação e as consequentes precariedades no
disponibilidade financeira do Estado para sua atendimento em geral. Com isso, nos casos mais
efetivação, estão sujeitos à cláusula (ou princípio complexos e urgentes, há necessidade da questão
implícito) que se denomina como “reserva do ser levada ao Judiciário para que possam ser
financeiramente possível”, isto é, o Estado deve utilizados todos os mecanismos capazes de dar
garantir a concretização destes direitos, mas na efetividade, como, por exemplo, os institutos da
medida do realizável conforme a existência de antecipação da tutela, em outros, a dificuldade
recursos públicos disponíveis. Desta maneira, o em arcar com os empecilhos do acesso à justiça
não cumprimento, ou a parcial efetivação, apenas coloca-os em situação de vulnerabilidade e
ficará justificado se for possível demonstrar a real aceitação do quadro caótico das unidades
impossibilidade de sua execução pelo Poder hospitalares nas quais há longas filas para os
Público. atendimentos, superlotação, falta de
O Brasil, por ser considerado um Estado medicamentos e de suporte necessário,
Democrático de Direito, deve garantir o respeito infecções, desvio de materiais, entre outros, que
aos direitos humanos e as garantias fundamentais resultam em corredores lotados e indivíduos
baseadas no que chamamos de “Princípio da padecendo da forma mais horrenda e
Dignidade Humana”. Tal princípio está previsto no humilhante.
artigo 1°, inciso III da Constituição Federal e é
considerado o núcleo exegético norteador de O DIREITO À SAÚDE
todo nosso ordenamento jurídico. Acerca de tais
premissas, importa destacar que, apesar de não A Constituição Federal de 1988, em seu
haver vantagem expressa na fixação das cláusulas artigo 6º, determina a saúde como um dos
pétreas (CF, art. 60, §4º), entende-se a respeito direitos sociais, sendo que, em disposições mais
da prevalência da dignidade da pessoa humana específicas nos artigos 196 e seguintes, assegura
em caso de colisão de direitos fundamentais e como um direito de todos e dever do Estado que
eventual juízo de ponderação. No que se refere à deve ser garantido mediante políticas sociais e
exigibilidade do mínimo imprescindível de econômicas que visem à redução do risco de
efetivação dos mesmos, discute-se muito a doença e de outros agravos e ao acesso universal
respeito do direito fundamental à saúde, e igualitário às ações e serviços para sua
considerado núcleo essencial que deve ser promoção, proteção e recuperação. Além do
concretizado e bem de maior valor ao ser mais, por ser de relevância pública tais ações e
humano, tema central deste artigo, o qual a serviços, cabe ao Poder Público dispor sobre sua
Constituição assegura expressamente como regulamentação, fiscalização e controle. Nesse
direito de todos e dever do Estado. sentido, importante relatar a respeito da Lei
Orgânica de Saúde (LOS), Lei nº 8.080 de
Revista Saberes Especial SPC 2016 142

19/09/1990, que regulamentou os artigos 196 a participação da comunidade. Além do mais, traz
200 da CF/8, alterados pelas Leis nº 9.832/99, nº ainda que o Sistema Único de Saúde será
10.424/2002 e nº 11.108/2005. financiado com recursos do orçamento da
A LOS é clara ao determinar, no seu artigo seguridade social, da União, dos Estados, do
2º, a saúde como direito fundamental em que o Distrito Federal e dos Municípios, sem retirar
Estado deve prover as condições indispensáveis outras fontes de custeio. Desta maneira, percebe-
ao seu pleno exercício, garantindo assim o direito se que os pilares desse direito estão baseados nos
à saúde através da criação e efetivação de princípios da Universalidade, Equidade e
políticas econômicas e sociais que visem à Integralidade da prestação a saúde, estes
redução de doenças e de outros agravos além de princípios, além de outros, são encontrados no
assegurar o acesso universal e igualitário a tais artigo 7º da Lei 8.8080/1990. Em rápida síntese,
serviços. Desta maneira, entende-se que o pelo primeiro, entende-se que o sistema deve
mesmo é responsável pelo fornecimento gratuito estar acessível à população em geral, haja vista
de medicamentos, com base no que preceitua as ser financiado através do dinheiro público. O
previsões constitucionais (artigos 196 a 198) e a segundo retrata a ideia de, como bem sustentara
referida lei, aos que não possam arcar com as Aristóteles, “tratar igualmente os iguais e
despesas de tratamento. desigualmente os desiguais, na medida de sua
A LOS criou o CNS, sucedido pelos desigualdade”, ou seja, não se refere a uma
conselhos estaduais e municipais com a função igualdade absoluta, assim, deve disponibilizar os
primordial de elaborar a Política, o Plano e o recursos e serviços da forma mais justa levando
Fundo Nacional de Saúde e seus consentâneos, em consideração, para tanto, as necessidades de
estaduais e municipais. Ao Poder Público,
cada um. Já o terceiro diz respeito ao conjunto de
determinou regras básicas dos serviços de
ações e serviços desenvolvidos para promover os
saúde, sua fiscalização e controle, tanto em
nível federal, como estadual e municipal e do
devidos cuidados alcançando desde o nível
Distrito Federal, sob controle da comunidade preventivo até o curativo, em qualquer escala de
interessada, por meio de seus representantes. complexidade. Vale destacar ainda a participação
Isso significou a coordenação entre o controle social como direito e dever da sociedade de
governamental e as entidades privadas, partilhar das gestões públicas em geral e da
integradas no sistema único, e não mais com a saúde pública em particular, bem como a
divisão anterior de dois ministérios, o da saúde descentralização, o qual se apresenta pela
e o da previdência social (INAMPS).30 transferência de responsabilidades de gestão
para os municípios definindo atribuições e
Prevê o artigo 198 da Carta Maior que as competências específicas ao mesmo, à União, aos
ações e serviços públicos de saúde integram uma estados e ao Distrito Federal. O princípio da
rede regionalizada e hierarquizada e constituem Universalidade não está expresso na Constituição,
um sistema único organizado com base na mas é decorrência clara do que dispõe o artigo
descentralização, com direção única em cada 196 que possibilita o ingresso de qualquer pessoa
esfera de governo; no atendimento integral, com no Sistema Único de Saúde. O mesmo fora
prioridade para as atividades preventivas, sem implantado diante da influência do movimento
prejuízo dos serviços assistenciais; e na sanitarista na Assembleia Constituinte de 1987,
30
sendo que, entre 17 e 21 de março de 1986, em
SIMÕES, Carlos. Curso de direito do serviço social. 7.
Brasília, se realizara a VIII Conferência Nacional
ed. São Paulo: Cortez, 2014. p. 130.
de Saúde que visou, dentre outros temas, a
Revista Saberes Especial SPC 2016 143

discussão acerca da reformulação do sistema (39,7 milhões) possuem banheiro ou sanitário e


nacional de saúde pública buscando, sobretudo, esgotamento sanitário por rede geral de esgoto
sua máxima abrangência. ou pluvial. Até mesmo a situação financeira
Nesse mesmo sentido, sustenta Bernardino reflete no acesso aos serviços de saúde no país,
que pois, enquanto que os 10% mais ricos da
A saúde é um direito fundamental do ser população detêm 46,1% da renda familiar per
humano, devendo o Estado prover as condições capita, os 20% mais pobres detêm apenas 2,9%
indispensáveis ao seu pleno exercício, por meio da renda, sendo que a mencionada pesquisa
de políticas sociais e econômicas que visem à retrata que 10,6%, 15,5 milhões, da população
redução dos riscos de doenças e de outros
brasileira adulta já se sentiram discriminadas na
agravos e no estabelecimento de condições que
rede de saúde, seja ela pública ou privada, 53,9%
assegurem acesso universal e igualitário às
em função da falta de dinheiro e 52,5% por
ações e serviços para a promoção, proteção e
recuperação da saúde individual e coletiva (art. consequência da classe social. Como bem relata
2o e parágrafo 1o da Lei n. 8.080/1990 e art. Viviane Forrester, “o desemprego invade hoje
196 da Constituição da República Federativa do todos os níveis de todas as classes sociais,
Brasil de 1988). A União não intervirá nos acarretando miséria, insegurança, sentimento de
Estados nem no Distrito Federal, exceto para vergonha em razão essencialmente dos
assegurar a observância dos direitos da pessoa descaminhos de uma sociedade que o considera
humana (art. 34, VII, alínea“b”, da Constituição uma exceção à regra geral estabelecida para
da República Federativa do Brasil de 1988).31 sempre”33, milhões de destinos são destruídos e
aniquilados pelo que denomina como o mais
A situação orçamentária pública vem sagrado tabu: o trabalho.
resultando numa violação direta a tal direito
constitucional, em especial no que se refere à O FINANCIAMENTO DA SAÚDE PÚBLICA
integralidade do atendimento. Dos mais de 200
milhões de residentes no Brasil, segundo dados O Projeto de Lei Complementar n. 01/2003,
do Censo 2013 do IBGE, divulgado dia regulamentando a Emenda Constitucional n. 29,
02/06/2015, 71,2% (142,8 milhões) consultaram o aprovada em 2000, qualifica, na esfera do SUS, as
médico nos últimos doze meses anteriores à data políticas voltadas à saúde como de Estado e não
de referência da Pesquisa Nacional de Saúde32 de governo, melhorando, ainda, os mecanismos
2013. No que diz respeito aos serviços de controle governamental e social no que se
preventivos, do total, 53,4% dos domicílios refere à aplicação dos recursos do sistema.
estavam cadastrados em Unidades de Saúde da Vinculando os recursos nas três esferas
Família. Dentre os que se registraram há um ano federativas, tal emenda modificou o artigo 198 da
ou mais, 17,7% nunca receberam visita de agente Constituição Federal certificando os recursos
comunitário de saúde ou de um membro de mínimos necessários aos financiamentos destes
equipe de saúde da família. No que diz respeito serviços. Com isso, determinou-se que o gasto
ao saneamento, apenas 60,9% dos domicílios anual mínimo de saúde seja fixado em 10% das
31 receitas correntes da União, continuando os
COSTA, Alexandre Bernardino. DELDUQUE, Maria
Célia. [et al]. O Direito achado na rua: Introdução crítica
33
ao direito à saúde. Brasília: CEAD/UnB, 2009. p. 196. FORRESTER, Viviane. O horror econômico. Tradução
32
http://www.pns.icict.fiocruz.br/ (Último acesso em Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora da Universidade
08/11/2015). Estadual Paulista, 1997. p. 125.
Revista Saberes Especial SPC 2016 144

Estados e os municípios obrigados a destinar o União deverá disponibilizar do valor aplicado no


mínimo de 12% e 15%, respectivamente, dos seus ano anterior somando a variação nominal do PIB
orçamentos para a saúde. do ano anterior, vale ressaltar que, caso o PIB
Em 16 de janeiro de 2012 foi editada, após venha a ter variação negativa, não se poderá
nove anos de tramitação, a Lei Complementar nº reduzir o seu valor. Os Estados aplicarão 12% e os
141 que “regulamenta o § 3o do art. 198 da Municípios 15% da receita de sua competência,
Constituição Federal para dispor sobre os valores enquanto que o Distrito Federal aplicará 12% e
mínimos a serem aplicados anualmente pela 15% das receitas de competência estadual e
União, Estados, Distrito Federal e Municípios em municipal, respectivamente. Importante a
ações e serviços públicos de saúde; estabelece os ressalva que esses percentuais mínimos podem
critérios de rateio dos recursos de transferências ser alterados, logo, de acordo com a Constituição
para a saúde e as normas de fiscalização, no seu artigo 198 §3º, a Lei complementar será
avaliação e controle das despesas com saúde nas reavaliada pelo menos a cada cinco anos.
3 (três) esferas de governo; revoga dispositivos Outra conquista da Emenda nº 141 fora
das Leis no 8.080, de 19 de setembro de 1990, e detalhar quais despesas são consideradas como
8.689, de 27 de julho de 1993; e dá outras gastos com a saúde, como bem preceitua o seu
providências”. No seu artigo 6º prevê que “os artigo 2º: Para fins de apuração da aplicação dos
Estados e o Distrito Federal aplicarão, recursos mínimos estabelecidos nesta Lei
anualmente, em ações e serviços públicos de Complementar, considerar-se-ão como despesas
saúde, no mínimo, 12% (doze por cento) da com ações e serviços públicos de saúde aquelas
arrecadação dos impostos a que se refere o art. voltadas para a promoção, proteção e
155 e dos recursos de que tratam o art. 157, recuperação da saúde que atendam,
a alínea “a” do inciso I e o inciso II do caput do simultaneamente, aos princípios estatuídos no
art. 159, todos da Constituição Federal, deduzidas art. 7º da Lei nº 8.080 (...)”. Desta forma,
as parcelas que forem transferidas aos determina o artigo 3º que serão consideradas
respectivos Municípios”. Já os Municípios e o despesas com ações e serviços públicos de saúde
Distrito Federal aplicarão anualmente, no as referentes a: I - vigilância em saúde, incluindo
mínimo, 15% (quinze por cento) da arrecadação a epidemiológica e a sanitária; II - atenção
dos impostos a que se refere o art. 156 e dos integral e universal à saúde em todos os níveis de
recursos de que tratam o art. 158 e a alínea “b” complexidade, incluindo assistência terapêutica e
do inciso I do caput e o § 3º do art. 159, todos da recuperação de deficiências nutricionais; III -
Constituição Federal (art. 7º), enquanto que o capacitação do pessoal de saúde do Sistema
Distrito Federal aplicará, anualmente, no mínimo, Único de Saúde (SUS); IV - desenvolvimento
12% (doze por cento) do produto da arrecadação científico e tecnológico e controle de qualidade
direta dos impostos que não possam ser promovidos por instituições do SUS; V - produção,
segregados em base estadual e em base aquisição e distribuição de insumos específicos
municipal (art. 8º), sendo que os Estados, o dos serviços de saúde do SUS, tais como:
Distrito Federal e os Municípios deverão observar imunobiológicos, sangue e hemoderivados,
o disposto nas respectivas Constituições ou Leis medicamentos e equipamentos médico-
Orgânicas sempre que os percentuais nelas odontológicos; VI - saneamento básico de
estabelecidos forem superiores aos fixados nesta domicílios ou de pequenas comunidades, desde
lei para aplicação em ações e serviços públicos de que seja aprovado pelo Conselho de Saúde do
saúde (art. 11). Portanto, em rápida síntese, a ente da Federação financiador da ação e esteja de
Revista Saberes Especial SPC 2016 145

acordo com as diretrizes das demais economia processual (já que todas já visariam a
determinações previstas nesta Lei uma celeridade).34
Complementar; VII - saneamento básico dos
distritos sanitários especiais indígenas e de Rogério Gesta Leal, Desembargador do
comunidades remanescentes de quilombos; VIII - Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul e
manejo ambiental vinculado diretamente ao Professor universitário, autor e organizador de
controle de vetores de doenças; IX - investimento diversos livros jurídicos, em seu livro intitulado
na rede física do SUS, incluindo a execução de “Condições e possibilidades eficaciais dos direitos
obras de recuperação, reforma, ampliação e fundamentais sociais35”, apresenta as principais
construção de estabelecimentos públicos de dificuldades e as possíveis melhoras que o
saúde; X - remuneração do pessoal ativo da área Judiciário se pôs a buscar por meio de medidas
de saúde em atividade nas ações de que trata sociais compensatórias ou até mesmo satisfativas
este artigo, incluindo os encargos sociais; XI - para certas demandas, sejam elas individuais ou
ações de apoio administrativo realizadas pelas coletivas, citando até mesmo casos reais, no
instituições públicas do SUS e imprescindíveis à intuito de assegurar ao máximo o entendido
execução das ações e serviços públicos de saúde; como mínimo existencial que configura e dá
e XII - gestão do sistema público de saúde e efetividade ao princípio da dignidade humana.
operação de unidades prestadoras de serviços Sabe-se que efetivação dos direitos fundamentais
públicos de saúde. Além disso, apresenta ainda, e sociais exige disponibilidade financeira e isso
no seu artigo 4º, quais não serão consideradas tem se tornado o argumento de defesa do Estado
como tais despesas. para se omitir da responsabilidade, no entanto, é
certo que os mesmos estarão sujeitos a um
A JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE princípio implícito denominado como “reserva do
possível”, o qual assegura que tais direitos
A fragilidade do sistema público de saúde constitucionais só podem ser realizados na
em consonância com a insuficiência no medida em que isso é possível. Segundo ele,
fornecimento de medicamentos gratuitos É claro que o simples argumento da
resultou no que se denomina “judicialização da escassez de recursos dos cofres públicos não
pode autorizar o esvaziamento de direitos
saúde”. Cresce em demasia a procura pelo
fundamentais, muito menos os relacionados à
Judiciário para dar efetividade a este direito
saúde, eis que diretamente impactantes em
fundamental assegurado pela Constituição em face da vida humana e sua dignidade mínima, e
contrapartida à reiterada e contínua omissão do por isto estarão sujeitos ao controle
Estado na sua prestação. Nesse sentido, sustenta jurisdicional para fins de se aferir a
Ballerini que razoabilidade dos comportamentos
Surge destas constatações a necessidade institucionais neste sentido, devendo inclusive
de se colocar à disposição da garantia do direito
à saúde todos os mecanismos assecuratórios 34
BALLERINI, Júlio César, Silva. Direito à Saúde,
desta efetividade, incluindo-se as chamadas Aspectos Práticos e Doutrinários no Direito Público e no
tutelas de urgência e, com maior razão o Direito Privado. São Paulo: Habermann Editora, 2009. p. 10.
próprio instrumento da antecipação de tutela,
35
devendo-se recomendar sua disseminação, em LEAL, Rogério Gesta. Condições e possibilidades
eficaciais dos direitos fundamentais sociais: os desafios
detrimento de outras formas de tutela do poder judiciário no Brasil. Porto Alegre: Livraria do
emergencial, ao menos por um aspecto de Advogado Editora, 2009.
Revista Saberes Especial SPC 2016 146

ser aprimorados os parâmetros, variáveis, entidades tem legitimidade ad causam para


fundamentos e a própria dessimetria figurar no polo passivo de demanda que
concretizante do direito em xeque.36 objetiva a garantia do acesso à medicação para
pessoas desprovidas de recursos financeiros.
Em análise a descentralização de Precedentes do STJ. 2. No julgamento do RMS
competências, há diversas dúvidas quanto quem 38.746/RO, em 24.4.2013, pela primeira seção
deve figurar no polo passivo na prestação do do STJ, foi reconhecida a legitimidade passiva
do secretário de estado de saúde de Rondônia
serviço público de saúde. O artigo 23, inciso II, da
para figurar como autoridade coatora em
Constituição Federal determina como
mandado de segurança impetrado em prol do
competência comum da União, dos Estados, do fornecimento de medicamentos. 3. Agravo
Distrito Federal e dos Municípios, cuidar da saúde regimental não provido. (STJ; AgRg-RMS 42.313;
e assistência pública, além da proteção e garantia Proc. 2013/0123509-3; RO; Segunda Turma; Rel.
das pessoas portadoras de deficiência. Desta Min. Herman Benjamin; DJE 17/09/2013; Pág.
maneira, a responsabilidade pela assistência 3299)
integral à saúde está regulamentada de forma
tríplice por interessarem simultaneamente a ADMINISTRATIVO. DIREITO À SAÚDE.
todas as entidades estatais. Assim, o SUS é DEVER DO ESTADO. LEGITIMIDADE PASSIVA DA
formado por várias instituições dos três níveis de UNIÃO. SOLIDARIEDADEENTRE
OS ENTES FEDERATIVOS. EXISTÊNCIA.
governo e pelo setor privado, que dele participa
LEGITIMIDADE ATIVA DO MINISTÉRIO PÚBLICO.
por meio de contratos e convênios, para a
DISCUSSÃO. FORNECIMENTO DE
realização de suas finalidades públicas. Em MEDICAMENTOS DE ALTO CUSTO.
decorrência, um serviço privado, como um REPERCUSSÃO GERAL RECONHECIDA.
hospital conveniado, deve atuar como se fosse DEVOLUÇÃO DOS AUTOS À ORIGEM. ARTIGO
um hospital público37. 543-B DO CPC E ART. 328 DO RISTF. 1. Incumbe
A responsabilidade solidária dos entes ao Estado, em toda as suas esferas, prestar
federados também é tema sedimentado no assistência à saúde da população, nos termos
âmbito do Superior Tribunal de Justiça e no do art. 196 da Constituição Federal,
Supremo Tribunal Federal: configurando essa obrigação, consoante
ADMINISTRATIVO. DIREITO À SAÚDE. entendimento pacificado nesta Corte,
FORNECIMENTO DE MEDICAMENTOS. responsabilidade solidária entre os entes da
RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DOS ENTES Federação. 2. O Supremo Tribunal reconheceu a
FEDERATIVOS. 1. O funcionamento do Sistema existência da repercussão geral das questões
Único de Saúde. SUS é de responsabilidade relativas à legitimidade ativa do Ministério
solidária da união, estados-membros e Público e ao fornecimento de medicamentos de
municípios, de modo que qualquer destas alto custo. Aplicação do art. 543-B do CPC. 3.
Agravo regimental não provido na parte relativa
à ilegitimidade passiva da União e prejudicado
36
LEAL, Rogério Gesta. Condições e possibilidades no tocante às questões relativas à ilegitimidade
eficaciais dos direitos fundamentais sociais: os desafios
ativa do Ministério Público e ao fornecimento
do poder judiciário no Brasil. Porto Alegre: Livraria do
Advogado Editora, 2009. p. 158.
de medicamentos de alto custo. (STF - AG.REG.
NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO RE 755485 SC;
Primeira Turma; Relator Min. Dias Toffoli; DJe-
37 199 DIVULG 10-10-2014 PUBLIC 13-10-2014)
SIMÕES, Carlos. Curso de direito do serviço social. 7.
ed. São Paulo: Cortez, 2014. p. 136.
Revista Saberes Especial SPC 2016 147

Posto isso, é certo que, diante de tamanha com outros princípios organizativos, redistribui
omissão, é de suma importância que o Judiciário poder e responsabilidade aos três níveis de
atue como órgão controlador da atividade governo no intuito de assegurar uma prestação
administrativa. Ana Paula de Barcelos, em seu de serviços de maior qualidade e eficiência além
livro intitulado “A eficácia Jurídica dos Princípios de ampliar a possibilidade de fiscalização e
Constitucionais38”, sustenta que a prestação controle pela sociedade. De acordo com que se
concedida por um magistrado a determinado denomina “comando único”, cada ente estatal é
indivíduo deveria poder ser concedida também a autônomo e soberano em suas atividades, desde
todas as demais pessoas na mesma situação, pois que haja respeito aos princípios gerais,
todos têm direito ao mínimo existencial e não determinações legais e a participação da
somente aqueles que recorrem ao Judiciário para sociedade. Com isso, a autoridade sanitária é
sua efetivação, logo, partindo desse pressuposto, representada na União pelo Ministro da Saúde,
toda sociedade está comprometida a custear e nos Estados pelos secretários estaduais de saúde,
assegurar a dignidade a todos os indivíduos que e nos Municípios pelos secretários municipais de
necessitem, ao menos em patamares mínimos, saúde.
deve-se assegurar o núcleo exegético de O administrador municipal, no intuito de
ordenamento jurídico: a dignidade da pessoa assegurar tal direito a seus munícipes, deve
humana. Além do mais, devemos ter atenção que assumir a responsabilidade pelos resultados e
estamos falando de direitos sociais, os quais só visar sempre à redução dos riscos assegurando a
estão sendo efetivados de forma individual na qualidade na oferta de ações e serviços que
medida em que conseguem uma sentença promovam e protejam a saúde dos indivíduos,
favorável através do Judiciário ficando bem como que previnam as doenças e os agravos
necessitado ainda o amparo da assistência além da recuperação dos enfermos. Desta
federal, estadual e municipal através de políticas maneira, para que sejam cumpridos os pilares
públicas e investimentos reais. Fazendo uma básicos de atenção à saúde, exige-se que sejam
analogia às ideias de Anthony Giddens, sociólogo assumidas as atribuições de gestão, incluindo: a
britânico considerado por alguns como o mais execução dos serviços públicos de
importante filósofo social inglês contemporâneo, responsabilidade municipal; a destinação de
pode-se afirmar que há “defeito de projeto” e recursos do orçamento municipal e utilização do
“falha do operador”39. conjunto de recursos da saúde, com base em
prioridades definidas no Plano Municipal de
A ASSISTÊNCIA MUNICIPAL Saúde; o planejamento, organização,
coordenação, regulação, controle, avaliação e
Como já supracitado nos tópicos anteriores, auditoria das ações e dos serviços de saúde sob
um dos princípios que norteia o Sistema Único de gestão municipal; e a participação no processo de
Saúde é a descentralização. Este, em consonância integração ao SUS, em âmbito regional e
estadual, para assegurar a seus cidadãos o acesso
38
a serviços de maior complexidade, não
BARCELLOS, Ana Paula de. A Eficácia Jurídica dos
Princípios Constitucionais. 2. ed. Renovar. disponíveis no município40, não obstante, na

39 40
GIDDENS, Anthony. As consequências da Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva.
modernidade. Tradução Raul Fiker. São Paulo: Editora Departamento de Apoio à Descentralização. O SUS no seu
UNESP, 1991. município : garantindo saúde para todos / Ministério da
Saúde, Secretaria-Executiva, Departamento de Apoio à
Revista Saberes Especial SPC 2016 148

realidade, “além da fragilidade da integração de mais recursos e maiores demandas acabam por
políticas públicas, a descontinuidade abarcar e garantir o atendimento da sua
administrativa verificada na sucessão de governos população e da vizinha, acontecendo até mesmo,
e administradores, na ausência de um em áreas de divisas estaduais como no campo de
planejamento a longo prazo, nos diversos níveis e pesquisa acima citado, “intercâmbio” entre
esferas, colabora para o abandono de estados diferentes. Tais estratégias se
programas/projetos”41 apresentam como melhor solução e medida
Nesse contexto, importa mencionar, a título emergencial em contrapartida à falta de recursos
de exemplo, as dificuldades enfrentadas pelos e outras tantas precariedades já mencionadas.
indivíduos nas gestões municipais do interior
baiano. Em um projeto de pesquisa efetuado em NOTAS CONCLUSIVAS
2015 pelos estudantes do colegiado de Direito da
UniAges, que visava averiguar a eficácia das A saúde, sendo direito de todos
políticas públicas quanto à assistência social, garantido por meio de políticas sociais e
tendo como campo de observação a assistência econômicas baseadas em princípios norteadores,
municipal promovida na região, observou-se o é dever do Estado, o qual deve assegurar o acesso
grau de insatisfação da população acerca dos igualitário e universal às ações e serviços para sua
serviços prestados, pois, segundo eles, faltam promoção, proteção e recuperação. Em direção
recursos, atendimentos específicos, oposta, apesar de ter sido triplicado os gastos
medicamentos, infraestrutura, entre outros. No com a saúde nos últimos dez anos, sua qualidade
entanto, como argumento para algumas ocasiões, e integralidade é altamente discutível, logo, os
especificamente em Paripiranga, o diretor e usuários do SUS se deparam com a falta de leitos
secretário de saúde relata que o município é de e equipamentos, superlotação, longas filas de
gestão plena de atenção básica e, por isso, não espera, pessoas sendo atendidas nos corredores
provém de recursos para procedimentos devido à falta de infraestrutura, falta de
complexos, sendo estes encaminhados a outras medicamentos, e outras tantas mazelas que tem
localidades42. se tornado característica do sistema.
Nesta perspectiva, vale ressaltar que tais A descentralização de competências por
medidas realmente não são estruturadas apenas meio de uma rede regionalizada e hierarquizada
na escala municipal, pois há no território como princípio do Sistema Único de Saúde é de
brasileiro milhares de pequenas cidades que não suma importância na medida em que distribui os
possuem as mínimas condições de oferecerem serviços de acordo com a proximidade ao
serviços de média e alta complexidade. Com isso, indivíduo buscando amparar suas necessidades.
alguns municípios “referências” que recebem Desta maneira, para melhoria do quadro
desafiador em que se encontra a saúde pública,
mostra-se necessário a participação da
Descentralização. 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde,
2009. comunidade na política sanitária, bem como
41
COSTA, Alexandre Bernardino. DELDUQUE, Maria maior esforço do Poder Público, pois, em
Célia. [et al]. O Direito achado na rua: Introdução crítica
contrapartida, os gestores municipais, na grande
ao direito à saúde. Brasília: CEAD/UnB, 2009. p. 276.
maioria dos casos, escolhem seus secretários não
42
Projeto Integrador. Assistência municipal nos por critérios técnicos como competência e
municípios da região. Faculdade de Ciências Humanas e
comprometimento, mas sim por questões
Sociais – AGES. Paripiranga/BA, 2015.
políticas, se utilizando de importantíssimos cargos
Revista Saberes Especial SPC 2016 149

como meio de negociação. A fiscalização pelo REFERÊNCIAS


Estado e pela própria sociedade é de extrema
necessidade, sendo possível que os próprios
BALLERINI, Júlio César, Silva. Direito à Saúde,
usuários indiquem e denunciem problemas de Aspectos Práticos e Doutrinários no Direito
acesso ou restrições ao seu direito diretamente Público e no Direito Privado. São Paulo:
na ouvidoria do SUS (Disque Saúde – 136), o qual Habermann Editora, 2009.
fora criado pela Secretária de Gestão Estratégica BARCELLOS, Ana Paula de. A Eficácia Jurídica dos
e Participativa (SGEP) e que, segundo o Ministério Princípios Constitucionais. 2. ed. Renovar.
da Saúde, foram registradas, só em 2013, mais de
Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva.
17 mil reclamações acerca dos mais diversos Departamento de Apoio à Descentralização. O
quadros englobados pela integralidade do SUS no seu município : garantindo saúde para
sistema. Além do mais, necessita-se de maiores todos / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva,
recursos provindos da União, melhor capacitação Departamento de Apoio à Descentralização. 2. ed.
dos profissionais, políticas de Estado a curto e – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.
longo prazo, e alternativas emergenciais para COSTA, Alexandre Bernardino. DELDUQUE, Maria
mudança deste panorama. Célia. [et al]. O Direito achado na rua: Introdução
Em um país com mais de 200 milhões de crítica ao direito à saúde. Brasília: CEAD/UnB,
2009.
habitantes a efetivação dos direitos sociais exige
ampla disponibilidade financeira do Estado. Com FORRESTER, Viviane. O horror econômico.
isso, vem sendo utilizada a chamada “reserva do Tradução Álvaro Lorencini. São Paulo: Editora da
Universidade Estadual Paulista, 1997.
financeiramente possível”, tida como cláusula ou
princípio implícito, como argumento para a GIDDENS, Anthony. As consequências da
modernidade. Tradução Raul Fiker. São Paulo:
omissão do Poder Público sob a alegação da falta
Editora UNESP, 1991.
de recursos suficientes. Não obstante, essa
impossibilidade econômica deve ser demonstrada LEAL, Rogério Gesta. Condições e possibilidades
eficaciais dos direitos fundamentais sociais: os
pelo fato de ir ao encontro do mínimo existencial,
desafios do poder judiciário no Brasil. Porto
o qual pode (e deve) ser exigido diante do Alegre: Livraria do Advogado Editora, 2009.
Judiciário por força constitucional. O processo
OLIVEIRA, James Eduardo. Constituição federal
denominado como “Judicialização da saúde” tem
anotada e comentada: doutrina e jurisprudência.
se apresentado como uma alternativa eficaz na Rio de Janeiro: Forense, 2013.
medida em que atua como controlador da
Projeto Integrador. Assistência municipal nos
atividade administrativa. Na maioria das vezes,
municípios da região. Faculdade de Ciências
buscam-se remédios e/ou tratamentos não Humanas e Sociais – AGES. Paripiranga/BA, 2015.
oferecidos pelo SUS em relevante urgência, sendo
SIMÕES, Carlos. Curso de direito do serviço
determinada a tutela antecipada e a cominação social. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2014.
de multa diária como meio coercitivo de
cumprimento.
Revista Saberes Especial SPC 2016 150

Processos de referenciação:
a recategorização e o gênero crônica

Deborah Andrade Leal*


Mateus Andrade Silva**

RESUMO: Este artigo analisa, sob a perspectiva teórica


de selo sociocognitivo-interacionista e discursivo do
fenômeno referencial da linguagem, os processos de
referenciação, especificamente a recategorização, e
seus efeitos de sentido no gênero crônica. O corpus
escolhido foi a crônica de Zeca Camargo sobre a morte
do cantor sertanejo Cristiano Araújo, que gerou
grande repercussão depois de proferida no jornal
Globo News. Trata-se de uma análise de texto que
identifica descritivamente os fenômenos da linguagem
e procura compreendê-los a partir das categorias e
relações propostas pela Linguística Textual.
PALAVRAS-CHAVE: Referenciação; re-categorização;
crônica.

ABSTRACT: This article analizes, from the theoretical


perspective of social cognitive-interactive and disc
ursive Seal language frame work phenomenon,
referral processes, specifically the re-categorization,
and its effects of sense on chronic gender. The chosen
corpus was Zeca Camargo’s chronic on the death of
countryman Singer Cristiano Araújo, which generated
great repercussion after given on Globo News
newspaper. This is a text analysis that identifies
descriptively the phenomeno of language and seeks to
understand them from the categories and relations
proposed by the Textual Linguistics.
KEY-WORDS referral; re-categorization; chronic.

*Mestranda em Linguística Textual pela UFAL.


Especialista em Docência do Ensino Superior e
graduada em Letras pela Faculdade Ages.
Professora da Faculdade Ages.

**Especialista em Docência do Ensino Superior e


em Estudos Linguísticos e Literários aplicados ao
Ensino da Língua Portuguesa; graduado em Letras
pela Faculdade Ages. Professor da Faculdade
Ages.
Revista Saberes Especial SPC 2016 151

INTRODUÇÃO discursivo do fenômeno referencial da linguagem,


a qual convida a pensar que a língua produz
A referenciação tem sido um dos principais referentes “através de práticas discursivas e
temas estudados em Linguística Textual. A partir cognitivas social e culturalmente situadas”.
da última década do século XX, a referência como (MONDADA; DUBOIS, 2003, p. 17). A
objeto de pesquisa passou a ser constante, tendo referenciação é compreendida como um processo
em vista o caráter cognitivo-discursivo do em permanente reelaboração, tendo em vista
referente que é acionado no texto. Mondada e que “o referente advém do efeito da interação
Dubois (2003) consideram que língua e realidade entre enunciadores e coenunciadores em
são instâncias constitutivamente instáveis, de atividades sociais conjuntas”. (CAVALCANTE et al
modo que a atividade de interação linguística é apud BENTES; LEITE, 2010, p. 234) e que, embora
um momento de construção de versões do real, opere cognitivamente, é indicado por pistas
mais que de representação fidedigna desse linguísticas e completado por inferências várias.
suposto real. Aplicam-se, particularmente, as considerações de
A partir da noção de texto/discurso como o Apótheloz (2003) e Koch (2004; 2005) sobre os
lugar de produção interacional de sentidos e tipos de anáforas nominais, tendo em vista que
tendo os sujeitos como ativos, este artigo propõe também já se hipotetiza que o nome tem o poder
uma análise das expressões recategorizadoras da de expressar um juízo de valor, um ponto de vista
crônica de Zeca Camargo sobre a morte do cantor sobre a realidade, de maneira a guiar o discurso
sertanejo Cristiano Araújo. As formas nominais conforme um propósito.
anafóricas revelam os processos de
recategorização, correferenciação e Base teórica e conceitual
cossignificação, os três aspectos fundamentais da
referenciação, sendo que será dada especial A relação entre a linguagem e o mundo
atenção à recategorização, porque ela “envolve sempre intrigou os filósofos e remonta às origens
seleções de natureza semântica ou cognitiva e se do surgimento da própria Lógica. Durante a Idade
baseia em inferenciações fundadas em índices Média, ela foi objeto de um longo debate,
lexicais contextualizados” (MARCUSCHI; KOCH, conhecido como o “problema dos universais”,
2002, p. 46). que opôs nominalistas, realistas e conceitualistas
A análise dos percursos argumentativos, da (GILSON, 1995). Mas é na Filosofia da Linguagem
progressão referencial, das anáforas nominais contemporânea que ela ganha maior
etc. pode revelar importantes estratégias de especificidade, passando de reflexões
construção referencial, que, por sua vez, gniosiológicas para questões linguísticas
manifestam pontos de vista, ideologias, valores e propriamente ditas, principalmente com o
crenças dos locutores/enunciadores, isso porque, desenvolvimento das “teorias da referência”, isto
ao escolher um objeto de discurso e não qualquer é, propostas de explicação sobre o modo como a
outro, o sujeito mostra sua intencionalidade e sua linguagem representa a realidade.
visão de mundo. As anáforas nominais O problema da referência já havia sido
recategorizadas estão mais intimamente levantado pelos estoicos, que dividiam o signo em
relacionadas a propósitos e recursos três elementos: semaînon (significado),
argumentativos. semainómmenon (significante) e prâgma (objeto,
Para tanto, parte-se de uma perspectiva referente). Santo Agostinho possuía uma visão
teórica de selo sociocognitivo-interacionista e semelhante a essa, mas decompôs o significado
Revista Saberes Especial SPC 2016 152

em verbum (palavra) e dictio (expressão), A Linguística Textual, por seu turno, desloca
chamando os outros dois de dicibilis (exprimível) seu foco da referência propriamente dita para
e res (coisa), respectivamente. De modo aquilo que ela denominou de referenciação,
semelhante, os escolásticos aristotélicos falavam enquanto atividade de linguagem realizada por
em vox, conceptus e res, e os lógicos do Port sujeitos históricos e sociais em interação
Royal em nome, idée e chose, perspectivas que se (MONDADA, 2001 apud KOCH, 2005) que diz
caracterizam pela relação de identidade entre respeito à construção de objetos cognitivos e
conceito mental e representação objetal discursivos na intersubjetividade das negociações,
(FIDALGO, 1998; BLINKSTEIN, 1995 apud KOCH, das modificações, das ratificações de concepções
2004). individuais e públicas do mundo, isto é, o
Frege (1978), por sua vez, procurando conjunto de atividades e estratégias que tornam
compreender o signo individual (nomen) a partir possível a função referencial, e que, consoante a
das proposições lógicas e estudando as descrições perspectiva sociocognitivo-interacionista, sofrem
nominais sobre coisas inexistentes, a exemplo da a interferência da interação e da cultura, já que a
famigerada sentença “o atual rei da França é determinação referencial implica na tomada dos
calvo”, postulou a distinção entre sentido, isto é, referentes como objeto de discurso (MONDADA;
a comunicação de um determinado conteúdo DUBOIS, 2003).
proposicional (significado), e referência, a alusão O sujeito interage com o mundo e, a
a um objeto do mundo. De modo geral, contudo, depender de como, sociocognitivamente, o faça,
predomina na perspectiva filosófica a pode construir, manter ou alterar a realidade.
pressuposição da transparência: o signo é uma Sendo assim, a referência se dá pela “relação
espécie de espelho do real (quando possui um intersubjetiva e social no seio da qual as visões do
referente) ou do imaginário (quando não há um mundo são publicamente elaboradas” (KOCH;
objeto correspondente no mundo). MORATO; BENTES, 2005, p. 7), de modo que
No primeiro momento da Linguística, a contexto social integra o texto ao influenciar
questão da referência é posta de lado, já que para palavras e estruturas empregadas pelo produtor
Saussure (2006) o signo é compreendido como (EGGINS; MARTIN, 1997). Nesse sentido, Koch
uma conjunção entre um conceito (significado) e (2005) e Koch e Marcuschi (1998) advogam por
uma imagem acústica (significante), e a língua é uma visão processual da referenciação em
considerada como um sistema fechado em si relação à significação, considerando aquela como
mesmo e que deve ser estudado sem qualquer uma atividade discursiva realizada por sujeitos
vinculação com a realidade empírica. Peirce ativos e que a discursivização do mundo por meio
(2005), por sua vez, retoma o problema da da linguagem consiste em um processo de
referência, ao substituir a visão diádica do signo (re)construção do próprio real.
pela triádica: o signo stricto sensu ou Koch (2005) destaca que a referência
representamen (significante), o interpretante resulta da ação de representar, por intermédio de
(significado) e o objeto (referente), elementos uma situação discursiva, entidades que são vistas
que formam o “triângulo semiótico” (OGDEN; como objetos de discurso, que, no texto, são
RICHARDS, 1989). A partir de então, ela vai ser concebidos como produtos físico, social e cultural
compreendida, sobretudo, pela Semiótica, como da atividade cognitiva e interativa dos sujeitos
“a função pela qual um signo linguístico se refere falantes, e não como objetos do mundo. Assim,
a um objeto do mundo extralinguístico, real ou “ao usar e manipular uma forma simbólica,
imaginário” (DUBOIS et al., 2014, p. 478). usamos e manipulamos tanto o conteúdo como a
Revista Saberes Especial SPC 2016 153

estrutura dessa forma. E, deste modo, também produtor do texto, auxiliando-o na construção do
manipulamos a estrutura da realidade de maneira sentido (KOCH, 2004). Essa função avaliativa das
significativa. ” (KOCH, 2005, p. 81). Dessa forma, a formas nominais anafóricas mostra, portanto,
referenciação também diz respeito às operações que a interpretação referencial não consiste na
mentais efetuadas pelos sujeitos à medida que o simples localização de “um segmento linguístico
discurso se desenvolve (APOTHÉLOZ; REICHLER- no texto (um antecedente) ou um objeto
BÉGUELIN, 1995). específico no mundo, mas sim, algum tipo de
Os processos de referenciação são informação anteriormente alocada na memória
considerados escolhas que o sujeito faz diante da discursiva (KOCH, 2005).
sua vontade de dizer e das múltiplas
possibilidades que a língua proporciona. O modo O fenômeno da recategorização
de dizer ou de escrever se dá por escolhas
realizadas pelo produtor do texto orientadas pelo Os primeiros autores a falarem sobre a
princípio da subjetividade, razão pela qual os recategorização lexical foram Apothéloz e
referentes são construídos e reconstruídos ao Reichler-Béguelin (1995). Segundo estes, trata-se
longo do processo de escrita (KOCH, 2009). O de uma estratégia para designação por meio da
sujeito, na interação, opera sobre o material qual os interlocutores transformam os referentes,
linguístico que tem à sua disposição, realizando quer dizer, reapresentam os objetos de discurso
escolhas significativas para representar estados de acordo com as condições do contexto. E,
de coisas, com vistas à concretização do seu conforme defendeu Lima (2009), a
projeto de dizer. Isso quer dizer que a realidade recategorização não se caracteriza por um grau
percebida é fabricada por toda uma rede de de explicitude absoluto, quando é vista numa
estereótipos culturais, que condicionam a própria perspectiva cognitivo-discursiva e não somente
percepção e que, por sua vez, são garantidos e textual-discursiva. O que se nota aqui é que a
reforçados pela linguagem, de modo que o recategorização é muito abrangente. É tão
processo de conhecimento é regulado por abrangente que uma expressão recategorizadora
interação contínua entre nossas práticas não precisa ser linear no texto. Quando se levam
culturais, percepção e linguagem (KOCH, 2005). em consideração modelos cognitivos, uma
Dentre as estratégias de referenciação, expressão recategorizadora pode vir antes
ganham destaque as formas nominais anafóricas, mesmo da introdução referencial, pois o contexto
isto é, os grupos nominais com função de traz âncoras tais que revelam os sentidos e as
remissão a elementos presentes no cotexto ou intencionalidades do texto.
detectáveis a partir de outros elementos nele Pela complexidade da recategorização, Lima
presentes (KOCH, 2004), as quais são comuns nos sugere redimensionar a sua concepção:
discursos de natureza argumentativa, tendo em
vista que, por meio do processo de i) a recategorização nem sempre pode ser
encapsulamento anafórico, elas julgam, rotulam reconstruída diretamente no nível textual-
conteúdos antes apresentados, participando da discursivo, não se configurando apenas pela
progressão referencial do texto (KOCH, 2005; remissão ou retomada de itens lexicais; ii) em se
KOCH; MARCUSCHI, 1998), testemunhando a admitindo (i), a recategorização deve, em alguns
representação do ponto de vista nesse processo casos, ser (re)construída pela evocação de
de representação, e fornecendo ao leitor elementos radicados num nível cognitivo, mas
informações sobre opiniões, crenças e atitudes do sempre sinalizados por pistas lingüísticas, para
Revista Saberes Especial SPC 2016 154

evitar-se extrapolações interpretativas; iii) em Psicologia de um Vencido


decorrência de (ii), a recategorização pode ter
diferentes graus de explicitude e implicar, Eu, filho do carbono e do amoníaco,
necessariamente, processos inferenciais (LIMA, Monstro de escuridão e rutilância,
Sofro, desde a epigênese da infância,
2009, p. 57).
A influência má dos signos do zodíaco.

Como se vê, não é uma necessidade o Produndissimamente hipocondríaco,


referente estar lexicalizado para que possa ser Este ambiente me causa repugnância...
recategorizado, basta que o interlocutor Sobe-me à boca uma ânsia análoga à ânsia
compreenda a relação que há no texto com Que se escapa da boca de um cardíaco.
elementos também que estão implícitos, seja se
forma direta ou indireta. Também não há uma Já o verme -- este operário das ruínas --
linearidade quando se fala em recategorização, Que o sangue podre das carnificinas
como já afirmou LIMA (2009), sua configuração Come, e à vida em geral declara guerra,
está mais propícia a um movimento de
Anda a espreitar meus olhos para roê-los,
circularidade do que de linearidade que passa
E há de deixar-me apenas os cabelos,
não somente pelo cotexto, mas também pelo seu
Na frialdade inorgânica da terra!
entorno sociocognitivo.
Tome-se o exemplo:
No próprio título, já se vê uma expressão
recategorizadora (“um vencido”). Como é fácil de
A mulher chega para o marido e fala:
notar, ela se refere ao eu do poema, que só
– Amor, temos que avisar ao nosso filho,
aparece depois, um exemplo de que, para haver
para não se casar com aquela bruxa com quem
recategorização, não há necessidade de
ele namora!
linearidade. Outra expressão recategorizadora
O marido responde:
referente ao eu do texto de Augusto dos Anjos é
– Não vou dizer nada. Quando foi minha
“monstro de escuridão e rutilância”, a qual, como
vez, ninguém me avisou.
se nota facilmente, é explícita no texto. E a última
(http://http://contaoutra.com.br. Acesso em 29/1/2015)
expressão recategorizadora (também explícita) é
referente ao verme (“este operário das ruínas
A comicidade do texto se deu devido às
que o sangue podre das carnificinas come e à vida
recategorizações presentes nele. Há as explícitas,
em geral declara guerra”). Ela faz entender que a
que é “amor”, palavra dita pela esposa se
voz do poema considera o ser humano inferior ao
referindo ao seu marido; e “aquela bruxa”, dita
verme, este que pode acabar com o homem, de
também pela esposa, mas se referindo à sua
quem só restarão os cabelos. Há também uma
nora. E há a implícita, a qual é motivo para o riso:
expressão que encapsula a primeira estrofe (“este
“– Não vou dizer nada. Quando foi minha vez,
ambiente”), não apenas encapsula como também
ninguém me avisou”. Ou seja, quando foi a vez de
mostra seu juízo sobre tal ambiente, dizendo que
ele se casar com uma bruxa, ninguém o avisou.
causa repugnância.
O exemplo 2 é o poema Psicologia de um
vencido, de Augusto dos Anjos:
Revista Saberes Especial SPC 2016 155

PROCESSOS DE REFERENCIAÇÃO E SEUS EFEITOS as proporções, ídolos de grande alcance. Como


DE SENTIDO: ANÁLISE DE UMA CRÔNICA DE então fomos capazes de nos seduzir
ZECA CAMARGO SOBRE A MORTE DO CANTOR emocionalmente por uma figura relativamente
SERTANEJO CRISTIANO ARAÚJO. desconhecida? A resposta está nos livros para
colorir! Sim, eles mesmos. Os inesperados vilões
Pegamos uma Crônica de Zeca Camargo, do nosso cenário pop, acusados de, entre outras
transmitida pelo Jormal da Globo News e postada coisas, destacar a pobreza da atual alma cultural
em seu blog, na qual ele fala sobre a morte de brasileira.
Cristiano Araújo, cantor sertanejo que morreu Não vale a pena aqui discutir o verdadeiro
num acidente de carro com sua namorada. Sua valor desses produtos – se é que ele existe. Mas
crônica gerou uma polêmica a nível nacional e os eles vêm bem a calhar para que a gente faça um
processos de referenciação do seu texto ajudam a paralelo com a ausência de fortes referências
explicar o motivo disso. culturais que experimentamos no momento. A
morte de Cristiano Araújo e a quase insana
Muita gente estranhou a comoção nacional cobertura de sua despedida vestiu a carapuça de
diante da morte trágica e repentina do cantor um contorno de linhas pretas no papel branco, só
Cristiano Araújo. A surpresa maior, porém, não é esperando a tinta da emoção das pessoas para
o fato de ele ser ao mesmo tempo tão famoso e ganhar tons e, quem sabe, um significado.
tão desconhecido. O Brasil felizmente tem um Como robôs coloristas, preenchemos
punhado de artistas que não passam pelo radar aqueles desenhos na ilusão de que estamos
da grande mídia nem são um consenso popular, criando alguma coisa. Assim como, ao nos
mas que levam multidões para seus shows. mostrarmos abalados com a ausência de
Essa é uma consequência natural do talento Cristiano, acreditamos estar de fato comovidos
que nós temos para a música cruzado com o com a perda de um grande ídolo. Todos sabemos
tamanho e a diversidade do nosso território. O que não é bem assim. O cantor talvez tenha
que realmente surpreende nesse evento triste da morrido cedo demais para provar que tinha
semana foi a comoção nacional. De uma hora potencial para se tornar uma paixão nacional,
para outra, na última quarta-feira, fãs e pessoas como tantos casos recentes.
que não faziam ideia de quem era Cristiano Nossa canção popular é hoje dominada por
Araújo, partiram para o abraço coletivo, como se revelações de uma música só, que se entregam a
todos nós estivéssemos desejando uma catarse uma alucinada agenda de shows para gerar um
assim, um evento maior que nos unisse pela bom dinheiro antes que a faísca desse sucesso
emoção. singular apague sem deixar uma chama mais
Nós sempre precisamos disso. Grandes duradoura. E nesse cenárioqualquer um pode,
funerais públicos vêm em ciclos, expurgar nossas ainda que por um dia, ser uma estrela maior.
dores, como se tivessem uma capacidade Seria esse o caso de Cristiano Araújo? O
purificadora. É só lembrar de despedidas que, mais inquietante de tudo isso é que nosso pop
dependendo da sua geração, ainda estão na sua não precisa ser assim. Nossa história musical, e
memória: Cazuza, Kurt Cobain, Ayrton Senna, mesmo o passado recente, prova que temos tudo
Mamonas Assassinas, princesa Diana, Michael para adorarmos ídolos de verdade, e para chorar
Jackson. de verdade, seja pela presença deles no palco ou
Mas, Cristiano Araújo? Sim, Lady Di, na saudade da perda. Mas agora, olhando em
Mamonas, Senna, todos esses eram, guardadas volta, parece que não vemos nada disso.
Revista Saberes Especial SPC 2016 156

Não precisa ser assim. Contradizendo o locutor/enunciador, criticando abertamente o


famoso refrão de Tina Turner, “we do fato de milhares de pessoas se comoverem com a
needanotherhero”: precisamos, sim, de um outro morte de um cantor desconhecido.
herói, de mais heróis. Mas está todo mundo O objeto de discurso “ídolos de grande
ocupado pintando jardins secretos.” alcance” (anáfora) refere-se aos artistas Lady Di,
Mamonas Assassinas, Senna, o que demonstra a
(Disponível em: não aceitação do enunciador que Cristiano Araújo
<http://www.dm.com.br/cotidiano/2015/07/cronica- seja comparado a esses artistas só porque seu
de-zeca-camargo-sobre cristiano-araujo-vai-parar-na- funeral ganhou uma grande repercussão. Isso se
justica.html. Acesso em 06/01/2016. Destaques em confirma com a forma nominal anafórica “uma
negritos nossos.)
figura relativamente desconhecida” se referindo a
Cristiano Araújo.
Nota-se uma orientação argumentativa no
Segundo o locutor/enunciador, através da
texto de Camargo, de modo que os objetos de
anafórica “os inesperados vilões do nosso cenário
discurso articulam o texto numa posição matriz,
pop”, que se refere aos livros para colorir, estes
apontando para a subjetividade do
seriam os responsáveis por destacar “a pobreza
locutor/enunciador. Dessa maneira, esses objetos
da atual alma cultural brasileira”. Ele continua
de discurso evidenciam a indignação do
deixando claro que não gosta desses livros,
locutor/enunciador diante da comoção dos
quando traz “o verdadeiro valor desses produtos”
brasileiros com a morte do cantor Cristiano
e coloca entre parênteses “se é que ele existe” e
Araújo.
completa com o objeto de discurso “ausência de
As formas nominais “a surpresa maior” e “o
fortes referências culturais”.
fato de ele ser ao mesmo tempo tão famoso e tão
Para ele, “a quase insana cobertura de sua
desconhecido” referem-se à morte do artista já
despedida”, expressão referencial nominal
mencionado. “A surpresa maior” é tanto
anafórica aludindo à repercussão da morte do
anafórica quanto catafórica, visto que faz alusão
cantor sertanejo Cristiano Araújo, vestiu “a
ao estranhamento das pessoas quanto à
carapuça de um contorno de linhas pretas no
“comoção nacional diante da morte trágica e
papel branco, outra forma nominal anafórica (e
repentina do cantor Cristiano Araújo” no que
metafórica) que se refere aos livros para colorir.
tange ao fato de este ser muito famoso, mas
São muitas as evidências do parecer do
também muito desconhecido. E as formas “um
locutor/enunciador sobre o que é por ele mesmo
punhado de artistas” e “um consenso popular” já
relatado. Sua ironia continua ao usar outra
revelam o parecer do locutor/enunciador diante
expressão referencial nominal fazendo alusão aos
do acontecido.
que compram os livros para colorir (“robôs
A expressão encapsuladora “essa é uma
coloristas”). O locutor/enunciador afirma que,
consequência” confirma o desdém do
assim como esses livros ludibriam muitos que os
locutor/enunciador no que tange à comoção
usam, muitos que, ao se perceberem abalados
nacional da qual trata seu texto. “Nesse evento
com a falta do cantor Cristiano Araújo, pensam
triste da semana”, expressão nominal anafórica,
estar realmente comovidos com “a perda de um
mostra o lamento do locutor/enunciador. Mas a
grande ídolo”.
expressão “o abraço coletivo” (exemplo de que a
Fica claro, em todo o texto, que o
expressão recategorizadora nem sempre é linear)
locutor/enunciador não considerava Cristiano
revela quão irônico está sendo o
Araújo um grande ídolo, “uma paixão nacional”.
Revista Saberes Especial SPC 2016 157

Para ele, a canção popular é dominada por fato de se aprender a que ela se refere, sua
“revelações de uma música só, as quais se denotação” (ARAUJO, 2004, p. 22).
entregam a “uma alucinada agenda de show” A elaboração do ponto de vista em contexto
(mais um exemplo de expressão recategorizadora narrativo/argumentativo está fortemente ligada à
não linear). “A faísca desse sucesso singular” maneira de exposição e à articulação das formas
encapsula tudo que deixou claro em seu texto: “a nominais. A seleção do léxico para a construção
cultura brasileira tem uma alma pobre, marca das expressões nominais e criação de
disso é o grande número de pessoas que determinados efeitos de sentido na crônica de
compram livros para colorir”. Zeca Camargo resultou o posicionamento do
No final da crônica o locutor/enunciador locutor/enunciador. Esse posicionamento é o
deixou ainda mais claro o seu parecer com a responsável pelas formas nominais escolhidas,
expressão encapsuladora “o mais inquietante de denunciando pontos de vista. O que se percebe
tudo isso” é que as pessoas precisam adorar com a análise da crônica é o poder das
“ídolos de verdade” e, quando chorarem, chorar expressões referenciais recategorizadoras em, ao
de verdade. Ele encerra confirmando tudo dito na reconstruir o termo, revelar o ponto de vista, as
sua crônica com a forma nominal “um outro crenças, os valores, os costumes do
herói” defendendo que precisamos de heróis “de locutor/enunciador e de outros enunciadores
verdade”. E insiste em justificar que a falta de tais também. Confirmou-se aqui que as expressões
verdades ocorre devido as pessoas estarem muito referenciais recategorizadoras envolvem escolhas
ocupadas pintando “jardins secretos”, outra semânticas ou cognitivas, de modo a se basear
forma nominal anafórica, que se refere mais uma em inferenciações procedentes de um léxico
vez aos livros para colorir. contextualizado.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A linguagem é encantadoramente
complexa. Ela desnuda o ser humano, mostra
suas belezas e suas fealdades, suas crenças e seus
costumes. Ela o denuncia e pode fazê-lo ganhar
ou perder muito. E por isso se deve ter uma
cautela especial, ao proferir e ao escrever
palavras. A produção dos textos oral e escrito
pode desvelar a intencionalidade do autor, isso,
em especial, por meio dos referentes expostos.
Essa é uma das muitas razões para se falar em
complexidade da linguagem. Afinal, não poderia
existir significado se não existisse um referente, e
por isso o conhecimento não era consequência
das palavras e expressões, mas sim da referência
que elas faziam a algo. “A palavra, que, antes de
aprendizado era som, torna-se sinal, não pelo
fato de se aprender o seu significado, e sim pelo
Revista Saberes Especial SPC 2016 158

Referências Bibliográficas EGGINS, S.; MARTIN, J. Genres and registers os


discourse. In: VAN DIJK, T. A. Discourse as
APOTHÉLOZ, D. Papel e funcionamento da structure and process. London, Thousand Oak,
anáfora na dinâmica textual. In: CAVALCANTE, New Delhi: SAGE Publications, 1997. v. 1, p. 230-
Mônica Magalhães; RODRIGUES, Bernadete Biasi; 256.
CIULLA, Alena (Orgs.). Referenciação. São Paulo: FIDALGO, A. Semiótica: a lógica da comunicação.
Contexto, 2003. p. 53-84. Covilhã: Universidade da Beira Interior, 1998.
ARAÚJO, I. L. Do signo ao discurso: introdução à FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In:
filosofia da linguagem. São Paulo: Parábola, 2004. ______. Lógica e filosofia da linguagem. São
______; REICHLER-BÉGUELIN, M. J. Construction Paulo: Cultrix, 1978. p. 61-86.
de La référence et stratégies de désignation. In: FUZER, C. Linguagem e representação nos autos
BERRENDONNER, A.; REICHLER-BÉGUELIN, M. J. de um processo penal: como operadores do
(Orgs.)Du sintagme nominal auxobjets-de- direito representam atores sociais em um sistema
discours. Neuchâtel: Université de Neuchâtel, de gêneros. 2008. 269f. Tese (Doutorado em
1995. p. 142-73. Letras) – Universidade de Santa Maria, Santa
BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. São Maria, 2008.
Paulo: Martins Fontes, 3003. GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.
BENTES, A. C.; LEITE, M. Q. Linguística de texto e ed. São Paulo: Atlas, 2002.
análise da conversação: panorama das pesquisas GILSON, E. A filosofia na Idade Média. São Paulo:
no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010. Martins Fontes, 1995
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da KLATT, M. Normatividade semântica e a
República Federativa do Brasil de 1988. objetividade da argumentação jurídica. RECHTD,
Disponível em: São Leopoldo, v. 2, n. 2, p. 201-213, jul./dez.
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituic 2010. Disponível em:
ao/Constituicao.htm>. Acesso em: 20 out. 2015. <http://dx.doi.org/10.4013/rechtd.2010.22.11>.
______. Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro Acesso em: 13 out. 2015.
de 1940. Código Penal. Disponível em: KOCH, I. G. V. Introdução à linguística textual:
<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto- trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo:
lei/Del2848.htm>. Acesso em: 20 out. 2015. Editora: WMF Martins Fontes, 2009.
BRITO, E. Limites da revisão constitucional. Porto ______. Introdução à linguística textual:
Alegre: Sergio Antonio Fabris, 1993. trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo:
CHALITA, G. A sedução no discurso: o poder da Martins Fontes, 2004.
linguagem nos tribunais de júri. São Paulo: ______. Desvendando os segredos do texto. São
Planeta, 2012. Paulo: Cortez, 2005.
CORACINI, M. J. Um fazer persuasivo: o discurso ______; MARCUSCHI, L. A. Processos de
subjetivo da ciência. São Paulo: Pontes, 1991. referenciação na produção discursiva. D.E.L.T.A.,
CORTEZ, S. L. A construção textual-discursiva do São Paulo, v. 14, n. especial, 1998. Disponível em:
ponto de vista: vozes, referenciação e formas <http://dx.doi.org/10.1590/ S0102-
nominais. 2011. 249f. Tese (Doutorado em 44501998000300012>. Acesso em: 13 out. 2015.
Linguística) – Universidade Estadual de Campinas, ______; MORATO, M. E; BENTES, A. C. (Orgs.).
Campinas, 2011. Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto,
DUBOIS, J. et al. Dicionário de Linguística. 2. ed. 2005.
São Paulo: Cultrix, 2014. LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia
científica. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
Revista Saberes Especial SPC 2016 159

LIMA, M. P. Manual de Processo Penal. 5.ed. Rio


de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
MARCUSCHI, L. A.; KOCH, I. G. V. Estratégias de
referenciação e progressão referencial na língua
falada. In: ABAURE, M. B. M.; RODRIGUES, Â. C. S.
(Orgs.). Gramática do português falado.
Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 2002. v.
8, p. 31-56.
MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construção de objetos
de discurso e categorização: uma abordagem dos
processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M.
et al (Org.). Referenciação. São Paulo: Contexto,
2003. p. 17-52.
OGDEN, C. K.; RICHARDS, I. A. The meaning of
meaning: a study of the influence of language
upon thought and of the science of symbolism. 8.
ed. Orlando: HarcourtBraceJovanovich, 1989.
PASSOS, J. J. C. Instrumentalidade do processo e
devido processo legal. Revista de Processo, São
Paulo,v. 102, p. 55-67, abr./jun. 2001.
PEIRCE, C. S. Semiótica. São Paulo: Perspectiva,
2005.
SAUSSURE, F. Curso de Linguística Geral. São
Paulo: Cultrix, 2006.
SILVA, W. B. A relação entre referenciação e
argumentação. 2008. 193f. Dissertação
(Mestrado em Linguística) – Universidade Federal
de Uberlândia, Uberlândia, 2008.
Revista Saberes Especial SPC 2016 160

UM OLHAR PARA O PAPEL SOCIAL DA


EDUCAÇÃO FÍSICA CONTEMPORÂNEA

Nívia Mirella N. Meireles*


Thais Almeida Purificação**

Atualmente, muito tem se discutido sobre


saúde, prática de exercícios, alimentação
saudável, principalmente pelo número alarmante
de doenças cardiovasculares, obesidade, diabetes
e até mesmo pela busca incessante de um corpo
dito "perfeito", que a sociedade tanto impõe
através da mídia. Com isso, tem aumentado
também a procura pelos cursos de graduação em
Educação Física e seu público, na maioria das
vezes, com perspectivas de atuação em
academias, clubes etc. visa apenas a um corpo
biológico.
Essa realidade muito presente nos cursos
de Licenciatura faz com que muitos alunos não
percebam a real importância do seu papel como
líder natural em sociedade (MEDINA, 2010),
deixando de apreciar e adquirir conhecimentos,
desenvolvendo competências e habilidades
através das disciplinas de cunho pedagógico,
necessárias e fundamentais a sua formação
enquanto professor. Isso parece acontecer,
porque muitos ainda possuem uma mentalidade
“fechada” sobre a diversidade dos campos de
atuação profissional, como reforça Medina (1990,
p.21): ”É, no mínimo, interessante perceber que
determinados assuntos relevantes, e mesmo
decisivos para a realização plena do homem e da
sociedade são simplesmente marginalizados,
como se houvesse coisas mais importantes". A
partir disso nos perguntamos: Para que serve a
Educação Física?
É preciso compreender que vivemos em
uma sociedade diversificada e que as pessoas se
desenvolvem em contextos diferentes, no que diz
respeito aos poderes econômicos, socioculturais,
costumes, etnias. Sendo necessário saber lidar
Revista Saberes Especial SPC 2016 161

com essas diferenças e buscar entender o sujeito atuação e, muitas vezes ainda, se pensa em
a partir das suas experiências e contexto social no Educação Física enquanto Esporte ou ¨remédio”
qual está inserido. Por isso, Medina (1990) diz para as doenças do século XXI. Medina (1990),
que é preciso observar os fenômenos sociais que fala da necessidade da Educação Física entrar em
nos cercam e planejar ações que promovam a crise, visto que muitos profissionais ainda se
melhoria na qualidade de vida das pessoas, sendo confundem sobre o seu real papel, precisando
que, para que isso aconteça, deve existir diferenciar o educativo do alienante, discordar
primeiramente o respeito aos indivíduos, às mais, criticar, buscar outras possibilidades. Vale
pessoas na sua realidade. Neira e Uvinha (2009, destacar que os campos de atuação são amplos,
p. 18) completam que “toda ação social é cultural sendo necessário trabalhar de forma
e todas as práticas sociais expressam e interdisciplinar, tornando-se fundamental
comunicam um significado, configurando-se em compreender o sujeito em sua totalidade, sendo
práticas de significação". inviável analisar apenas a dimensão corpo ou a
Pensar este sujeito é levar em consideração dimensão mente. O sujeito em sua totalidade,
a cultura como algo que nos remete ao processo sujeito social face as suas vivências, não é apenas
histórico das relações desiguais entre os povos, o biológico, deve ser analisado e compreendido.
suas diferenças culturais. Nesse sentido, todo ser Diante dessas indagações sobre o real papel
social produz cultura, faz parte dela, a qual se da Educação Física, percebe-se que é preciso ter
pretende compreender, por ser uma realidade um olhar mais amplo e claro, visto que compete à
que impõe novas responsabilidades à escola e aos área possibilitar ao sujeito diversas possibilidades
professores (NEIRA; UVINHA, 2009). de interagir com o meio social e buscar a
É a partir dessas responsabilidades de transformação da realidade a partir das
conhecer e fazer cultura que deve surgir um novo intervenções do professor de Educação Física.
olhar dos profissionais acerca da Cultura Desse modo, contemplar essas possibilidades é
Corporal. A Cultura Corporal, como base para a contribuir com ações e projetos que permitam
Educação Física, deve possibilitar ao ser sua desenvolver cidades mais saudáveis.
comunicação com o mundo, através do Westphal E Mendes (2000, p. 51)
movimento (BRACH, 1997 apud NEIRA; UVINHA, comentam:
2009), articulada com os elementos que a Reconhecer a multiplicidade de olhares
compõe como os jogos, as danças, as lutas, os sobre a realidade, tal como é exigido na
esportes, a ginástica, os quais devem estar construção da cidade saudável, requer um
inseridos no contexto sociocultural de modo a esforço de interdisciplinaridade e significa
assumir uma perspectiva de trabalho que leve
contribuir na formação sujeito, face ao exercício
em conta as relações de reciprocidade, de
da cidadania. É possível perceber que a cultura
cooperação, que garantam o
recebeu fortes influências ao longo do tempo, redimensionamento dos papéis sociais nas
possuindo grande significado, refletindo no modo cidades.
de vida das pessoas, na sua formação e hoje a
escola é o elo entre o conhecimento e esses Pensar numa nova perspectiva para a área
processos históricos culturais. baseada nas concepções transformadoras para
Ao voltar à análise de como as pessoas uma Educação Física Revolucionária, que procura
pensam e fazem a Educação Física na atualidade, “interpretar a realidade dinamicamente e dentro
percebe-se que, durante o processo de formação, da sua totalidade (...) deve ser refletida
existem muitas dúvidas quanto aos campos de
Revista Saberes Especial SPC 2016 162

diariamente. O ser humano é entendido em suas REFERÊNCIAS BIBLIOGÁFICAS


dimensões, e no conjunto de ralações com os
outros" (MEDINA, 1990, p.81). Dessa forma, o FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes
professor deve buscar a partir da realidade, as necessários a prática educativa – São Paulo: Paz e
estratégias que melhor atendam às necessidades Terra, 1996
da comunidade em que atua. Freire (1996, p. 76) MEDINA, João Paulo S. A Educação Física cuida
comenta que "A capacidade de aprender, não do corpo e mente. Campinas – SP: Papirus, 1990.
serve apenas para nos adaptar, mas, sobretudo NEIRA, Marcos Garcia: UVINHA, Ricardo Ricci.
para transformar a realidade, para nela intervir, Cultura Corporal – Diálogos entre Educação Física
recriando-a (...)". Assim Neira e Uvinha reforçam e lazer. Petrópoles – RJ:Vozes, 2009.
que: WESTPPHAL, Márcia Faria; MNDES, Rosilda.
(...) a função pedagógica desse Cidade Saudável: uma experiência de
componente é integrar e introduzir aos alunos e Interdisciplinaridade e intersetorialidade. Ver. De
alunas no mundo da cultura física, formando o Administração Pública – RAP – Rio de Janeiro,
cidadão que vai usufruir, partilhar, produzir, FGV, 34 (6):47-61, Nov/DEZ. 2000.
reproduzir, e transformar as formas culturais da
atividade física (o jogo, o esporte, a dança, a * Acadêmica do 7° período do Curso de
ginástica. (2009, p.37) Licenciatura em Educação da Faculdade AGES
** Profa. Msc. da disciplina de Estágio
Nessa perspectiva, vale ressaltar que é Supervisionado I da Faculdade Ages.
diante das novas propostas que o professor deve
promover a construção da identidade do aluno,
do indivíduo em sociedade, promovendo ações
sociais de forma articulada e interdisciplinar
visando atribuir significados e sentido a partir da
construção do conhecimento que envolve as
expressões naturais dos seres, através da cultura
do movimento.
Assim, é possível despertar um olhar mais
crítico, autônomo, reflexivo para o exercício da
cidadania, tornando os indivíduos capazes de
intervir em sociedade, dando opiniões sobre o
meio em vivem, e esclarecendo que o papel da
Educação Física na sociedade não apenas se
restringe a formar um corpo preparado para a
prática de uma modalidade esportiva ou para
tratar uma doença; a Educação Física tem
também o papel social, enquanto ciência, de
transformar e reformar uma sociedade por meio
de uma ação consciente responsável mediada
pelo professor.
Revista Saberes Especial SPC 2016 163

ANALISAR O PERFIL E COMPORTAMENTO DE


COMPRA DOS ALUNOS INGRESSANTES 2015.2
DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA FACULDADE
X DE PARIPIRANGA (BA)

Graziela Alves de Amorim*


Marcos Vinícius Gomes Reis**

RESUMO: O presente estudo teve como objetivo geral


analisar as características do aluno ingressante de 2015.2
dos cursos de licenciatura da Faculdade X de Paripiranga
(BA). Os objetivos específicos foram: caracterizar o perfil
socioeconômico do público em questão, verificar como os
ingressantes souberam da Faculdade X de Paripiranga (BA),
bem como do programa FORMED, identificar os aspectos
valorizados pelos ingressantes no processo de escolha da
referida IES como formadora de nível superior, verificar a
opinião dos alunos ingressantes após processo de
contratação dos serviços da X de Paripiranga (BA) (pós-
compra). Para tal, os dados foram coletados através de
fontes primárias e secundárias.
Para a coleta de dados primários utilizou-se a pesquisa de
levantamento, do tipo exploratória. A pesquisa foi
quantitativa e qualitativa. Os questionários foram
respondidos através de pesquisa de marketing on-line, com
auxílio da internet. Os dados observados indicam que este
público é composto por mulheres solteiras, com idade entre
17 e 26 anos, que fazem parte de famílias numerosas,
sendo compostas por 4 ou 5 familiares, advindas de origens
que não possuem um nível de escolaridade, a exemplo de
educação superior; em sua grande maioria não possuem
renda ou adicionais que variam de R$ 678,00 a R$ 1.210,00,
são estudantes ou professores da rede pública ou privada.
PALAVRAS-CHAVES: Comportamento. Consumidor.
Faculdade X. FORMED

ABSTRACT This study aimed to analyze the new students


the characteristics of 2015.2 of the degree courses of the
Faculty X Paripiranga (BA). The specific objectives were: to
characterize the socioeconomic profile of the public
concerned, to see how the freshmen knew the Faculty X
Paripiranga (BA) and the FORMED, program identifying the
aspects valued by entering in the choice of that IES as
training of upper level, check the opinion of students
entering after hiring process services of X Paripiranga (BA)
(post-purchase). To do this, the data were collected through
primary and secondary sources.
* Graduada em Comunicação Social com ênfase em
Publicidade e Propaganda pelo Instituto Baiano de Ensino
Superior e MBA em Marketing Executivo pela Faculdade de
Administração e Negócios de Sergipe – FANESE.
** Graduado em Ciências Contábeis pela Faculdade AGES e
Especialista em Gestão Fiscal e Planejamento Tributário
pela Faculdade de Administração e Negócios de Sergipe –
FANESE.
Revista Saberes Especial SPC 2016 164

concorrência; os altos níveis de inadimplência; a


For primary data collection used the survey research,
exploratory. The survey was quantitative and qualitative. situação econômica do país e ainda, as
The questionnaires were answered by online marketing
research, with the help of internet. The observed data oportunidades de mercado concedidas pelo
indicate that the public is made up of single women aged
between 17 and 26, who are part of large families, being
Governo Federal, fazem parte da realidade atual
composed of 4 or 5 families, which come from sources that do administrador educacional (Faria, VI SEMEAD).
do not have a level of education, the example of college
education; mostly do not have income or additional ranging Como oportunidade de mercado, a
from R $ 678.00 to R $ 1,210.00, are students or teachers of
public or private network. Faculdade X de Paripiranga (BA) firmou um
KEYWORDS: Behavior. Consumer. Faculty X. FORMED
programa juntamente com o Ministério da
Educação/FIES - o FORMED, que visa à formação
I - INTRODUÇÃO
de professores sem custos com a mensalidade
durante todo o curso, orientado pela Portaria
As instituições de ensino superior, que
Normativa MEC 04, de 02/03/2011, art. 3º, que
desejam atuar de forma contínua e consistente
assegura os estudantes que, após a conclusão do
no mercado, devem preocupar-se com a
curso, os mesmos ficarão desobrigados de pagar
qualidade de seus serviços e satisfação de seus
a prestação do financiamento se estiverem no
clientes, para tanto, necessitam ser administradas
exercício do magistério na rede pública de
como uma empresa. Uma empresa que produz
educação básica.
serviços e massa crítica de conhecimentos por
Fazendo um breve diálogo entre os fatores
meio de seu processo acadêmico-científico e por
abordados e os objetivos de marketing da
meio da cultura institucional.
Faculdade X de Paripiranga (BA), em se tornar o
O marketing aplicado às instituições de
maior centro de referência em formação de
ensino superior funcionará como instrumento
professores no nordeste da Bahia e centro sul de
que permitirá a melhoria da qualidade dos
Sergipe, percebe-se que, segundo Kotler, quanto
serviços, fortalecimento da marca, melhor
mais informações referente a todos os níveis,
relacionamento com clientes e
sejam eles, necessidades e desejos dos
consequentemente, aumento do número de
consumidores e abundantes informações sobre
alunos.
concorrentes, revendedores e outros
Uma forte e incessante mudança no setor
participantes, bem como sobre as forças de
de ensino superior no Brasil, desde o início dos
mercado, facilitam as tomadas de decisões de
anos 1990 até os primeiros anos do século XXI
uma empresa.
correspondentes às mudanças nas necessidades
Neste contexto, o presente estudo tem
dos alunos; um crescimento na expectativa da
como objetivo analisar o perfil e comportamento
comunidade, o constante aumento da
de compra dos alunos ingressantes 2015.2 dos
Revista Saberes Especial SPC 2016 165

cursos de licenciatura da Faculdade X de Afonso, Pedro Alexandre, Ribeira do Pombal,


Paripiranga (BA), buscando um entendimento Santa Brígida, Sítio do Quinto, Tucano) e
minucioso sobre o mercado, bem como ponderar municípios de Sergipe (Arauá, Boquim, Carira,
sobre os dados relevantes de uma situação Itabaiana, Itabaianinha, Lagarto, Pedrinhas,
específica com a qual a referida organização se Pinhão, Poço Verde, Riachão do Dantas, Simão
depara, podendo detectar oportunidades e Dias, Tobias Barreto e Umbaúba), além de alguns
ameaças aos seus negócios com a possível municípios de Alagoas que estão próximos a
insatisfação ou recusa de seus clientes. Paulo Afonso (BA).
A Faculdade X, localizada no município de Paripiranga (BA), cidade situada na fronteira
Paripiranga (BA), divisa Sergipe-Bahia, pioneira do estado da Bahia e Sergipe, limita-se com os
como instituição de ensino superior na região, municípios de Poço Verde, Pinhão e Simão Dias,
completou em 2015, 14 anos de existência, no estado de Sergipe, e com Adustina e Fátima,
atuando no mercado com oferta de vinte e no estado da Bahia. A distância do município em
quatro graduações: Administração, Arquitetura e relação à capital do estado da Bahia é de 364 km
Urbanismo, Ciências Biológicas, Ciências e 110 km em relação à capital de Sergipe,
Contábeis, Direito, Educação Física (bacharelado e Aracaju.
licenciatura), Enfermagem, Engenharia A pesquisa foi motivada pelo interesse em
Agronômica, Engenharia Civil, Farmácia, Física, descobrir o alcance e representação quantitativa
Fisioterapia, Geografia, História, Letras, e qualitativa dos serviços de ensino superior, em
Matemática, Nutrição, Odontologia, Pedagogia, especial dos cursos de licenciatura, ofertado pela
Psicologia Química, Serviço Social e Sistemas de Faculdade X de Paripiranga (BA), podendo ser os
Informação, com previsão de inclusão para cursos com maior potencial para contribuir com o
2016.1 de mais 3 novos cursos: medicina desenvolvimento social dos municípios da região,
veterinária, filosofia e gastronomia. por serem cursos voltados exclusivamente para a
Atualmente a Faculdade X de Paripiranga formação de professores.
(BA) abrange a região do nordeste da Bahia e Desse modo, a pergunta guia foi: Quais as
centro sul de Sergipe, atingindo cerca de 60 características dos alunos ingressantes 2015.2 dos
municípios, dentre os principais: Bahia (Adustina, cursos de licenciatura da Faculdade X de
Antas, Araci, Banzaê, Cansanção, Canudos, Cícero Paripiranga (BA)?
Dantas, Cipó, Conceição do Coité, Coronel João
Sá, Crisópolis, Euclides da Cunha, Fátima,
Heliópolis, Jeremoabo, Monte Santo, Nova Soure,
Novo Triunfo, Olindina, Paripiranga, Paulo
Revista Saberes Especial SPC 2016 166

III - OBJETIVOS atenção à satisfação dos desejos dos


consumidores e que, para tal, teriam que
Objetivo geral: imprimir certo esforço para descobrir o que os
consumidores desejam. Forçar o consumo não é
Analisar as características do aluno mais considerada uma opção inteligente.
ingressante 2015.2 dos cursos de licenciatura da Atualmente, não se pode considerar o
Faculdade X de Paripiranga (BA). marketing como uma atividade isolada ou
departamental, mas sim, como ações que
Objetivos específicos: interagem com a organização como um todo,
sendo assim, para Kotler (2007, p.4), marketing é
a) Caracterizar o perfil socioeconômico “o processo pelo qual as empresas criam valor
dos ingressantes 2015.2 dos cursos de para os clientes e constroem fortes
licenciatura da Faculdade X de relacionamentos com eles para capturar seu valor
Paripiranga (BA). em troca”.
b) Verificar como os ingressantes Portanto, as IES devem direcionar o foco de
souberam da Faculdade X de marketing para a observação constante das
Paripiranga (BA), bem como do necessidades e informações do mercado, sendo
FORMED; importante estudar se o que está sendo
c) Identificar os aspectos valorizados desenvolvido em termos de marketing é
pelos ingressantes no processo de percebido pelo público-alvo.
escolha da referida IES como Com a necessidade de se obter informações
formadora de nível superior. sobre tudo, sobre as necessidades e os desejos
d) Verificar a opinião dos alunos dos consumidores, informações sobre
ingressantes após processo de concorrentes, revendedores e outros
contratação dos serviços da X de participantes, forças do mercado, enfim,
Paripiranga (BA) (pós-compra). informações tangíveis e intangíveis dos ambientes
interno e externos, é utilizada a pesquisa de
II - FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA marketing, uma excelente ferramenta que ajuda
os profissionais de marketing em suas decisões.
Decorridos, aproximadamente 66 anos, da Segundo Kotler (2007, p.87) pesquisa de
chamada de Era do Marketing que teve seu início marketing é “a elaboração, coleta, análise e
a partir de 1950, quando os empresários registros sistemáticos de dados relevantes sobre
tomaram consciência de que precisavam dar
Revista Saberes Especial SPC 2016 167

uma situação específica de marketing com a qual As medidas de satisfação abrangem o nível
uma organização se depara”. de satisfação do estudante com toda a
Os consumidores ao redor do mundo experiência de formação e também aspectos mais
variam muito em relação à idade, à renda, ao específicos ligados á qualidade do ensino, ao
nível de instrução e aos gostos, portanto, currículo, relacionamento com os professores e
compreender como essas diferenças afetam o colegas, a administração, as instalações e
comportamento de compra do consumidor é um recursos da universidade, além da percepção do
dos maiores desafios enfrentados pelos estudante sobre o ambiente acadêmico e
profissionais de marketing. intelectual da instituição (Schleich, Polydoro,
Para Lacerda (2007) o comportamento do Santos, 2006).
consumidor é considerado um campo Percebe-se atualmente uma mudança no
multidisciplinar, pois não diz respeito apenas ao cenário educacional do país, onde o número das
pensamento. Refere-se também à pesquisa, instituições privadas de nível superior tem
abraçando ideias de áreas diversas como a aumento consideravelmente. Segundo dados o
psicologia, sociologia, antropologia, além de Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas
conceitos importantes como aprendizado, Educacionais (INEP, 2010) revelam que em 2009
motivação, percepção, atitude, personalidade, no Brasil existiam 1.004 instituições de nível
grupos sociais, classes sociais e cultura. Tais superior, já em 2010, esse número saltou para
conceitos têm sido consagrados a fim de 2.069, registrando um crescimento de 106,1%
assessorar o entendimento de cada elemento do (Revista Gestão Educacional, ano 07, nº 75).
composto de marketing oferecido ao consumidor. O crescente interesse das IES privadas e do
Um outro ponto relativo ao governo em facilitar o acesso ao nível superior
comportamento do consumidor é que ele não para classe C, está centrado no boom da
trata apenas do que se desenvolve antes da população da referida classe, que, segundo
compra ou somente no processo que originará a estudo do Data Popular, a partir dos dados da
compra. Quando se pretende aprofundar por esse Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios
caminho, fatores como satisfação e expectativa (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e
do consumidor devem ser valorizados para que se Estatística (IBGE) a ascensão desse alunado de
atinja o objetivo de compreender o classe C passou de 39% em 2002, para 58% em
comportamento de compra de um determinado 2009.
grupo de consumidores (Silveira, Oliveira e Para atender esse público em específico as
Honorio, 2010). IES recorrem aos programas de financiamento do
governo, dentre eles: Programa Universidade
Revista Saberes Especial SPC 2016 168

para Todos (PROUNI), Fundo de Financiamento do aluno ingressante 2015.2 dos cursos de
ao Estudante do Ensino Superior (FIES), dentre licenciatura da Faculdade X de Paripiranga (BA).
outros. A pesquisa é quantitativa e qualitativa, além
Para tanto, a Faculdade X de Paripiranga da quantificação, se terá informações mais
(BA) firmou um programa juntamente com o amplas, e uma base disponível para entender as
Ministério da Educação/FIES - o FORMED, que relações de consumo com mais profundidade. Os
visa à formação de professores sem custos com a questionários serão respondidos através de
mensalidade durante todo o curso, orientado pesquisa de marketing on-line, com auxílio da
pela Portaria Normativa MEC 04, de 02/03/2011, internet.
art. 3º, que assegura os estudantes que, após a Como definição do plano de amostragem
conclusão do curso, os mesmos ficarão tem-se: alunos ingressantes de 2015.2 dos cursos
desobrigados de pagar a prestação do de licenciatura da Faculdade X de Paripiranga
financiamento se estiverem no exercício do (BA), que atualmente representam 464
magistério na rede pública de educação básica, estudantes. O questionário on-line será
programa este, que visa a oferta de cursos para a disponibilizado no período de 5 de agosto a 2 de
classe que está em elevação, a C. setembro de 2015.
O instrumento, como dito anteriormente,
IV - MÉTODO DA PESQUISA será estruturado, um questionário com perguntas
abertas e fechadas.
Para obter as informações necessárias, os
dados serão coletados através de fontes V - QUADRO VARIÁVEL
primárias e secundárias. Primeiramente consultar
o banco de dados interno da empresa, através QUADRO DE VARIÁVEIS X INDICADORES
dos relatórios e detalhamentos.
VARIÁVEIS INDICADORES
Para a coleta de dados primários
Sexo
utilizaremos a pesquisa de levantamento, do tipo
Estado civil
exploratória, pois será feita pela primeira vez na Faixa etária
Faculdade X de Paripiranga (BA) possibilitando Socioeconômicas Renda

descrever fatos e características de um Ocupação


Residência
determinado grupo perguntando diretamente a
Quantidade de pessoas na família
ele, o que dialoga com o objetivo delimitado que
é analisar o perfil e comportamento de compra
Motivacionais Metodologia
Revista Saberes Especial SPC 2016 169

Localização Indicaria a Faculdade X de


Resultados das avaliações do MEC Paripiranga (BA) para outros
Indicação de amigos Vontade de não utilizar os serviços
Condições físicas/Estrutura
Docentes Pós-compra Satisfação pessoal

Rádio VI - INSTRUMENTO
Indicação de amigos
Carro de som
FANESE – FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E
Propaganda Jornal
NEGÓCIOS DE SERGIPE
Panfleto
Através da escola/ Sec. de Educação MBA EM MARKETING EXECUTIVO
Internet Prezado (a) Senhor (a),

Inserção no mercado de trabalho O presente questionário é um instrumento de pesquisa que tem


Finalidade do nível Só pelo diploma como objetivo coletar dados para o trabalho de pós-graduação
superior Status em Marketing Executivo da FANESE – Faculdade de

Aprofundar os estudos Administração e Negócios de Sergipe.


As informações aqui coletadas serão devidamente tratadas a

Rapidez no atendimento fim de analisar o perfil e comportamento de compra dos alunos


ingressantes 2015.2 da Faculdade X DE PARIPIRANGA (BA). A
Atenção pessoal dos funcionários
Fatores de veracidade de suas informações será de fundamental
Facilidade no atendimento
qualidade importância para o sucesso deste estudo.
Presteza dos funcionários em ajudar
Confiança nos funcionários
Graziela Alves de Amorim - Pós-graduada em Marketing
Executivo – FANESE
Metodologia Marcos Vinicius Gomes Reis – Pós-graduado em Gestão Fiscal e
Planejamento Tributário - FANESE
Localização
Resultados das avaliações do MEC Questionário
Fatores de escolha Indicação de amigos
Condições físicas/Estrutura 1. Sexo: 1. ( ) Masculino 2. ( ) Feminino
2. Estado Civil:
Docentes
1. ( ) Solteiro 2. ( ) Casado 3. ( ) Divorciado 4. ( )
Empregabilidade dos egressos União estável
5. ( ) Viúvo 6. ( ) Outros ______________
3. Faixa etária:
Faria outro curso na Faculdade X de 1. ( ) 17 a 21 2. ( ) 22 a 26 3. ( ) 27 a 31 4. ( ) 35
a 39
Paripiranga (BA) 5. ( ) 40 a 44 6. ( ) 45 a 49 7. ( ) Acima de 50
Comportamento 4. Quantas pessoas moram em sua casa contando com
Se a Faculdade X de Paripiranga
você?
(BA) oferecesse Pós-graduação 1. ( ) 2 2. ( ) 3 3. ( ) 4 4. ( ) 5 5. ( ) mais de 6
Revista Saberes Especial SPC 2016 170

5. Quantas pessoas em sua casa tem nível superior 14. Qual a importância dos itens abaixo com relação ao
completo?
atendimento da Faculdade X de Paripiranga (BA)?
1. ( ) 0 2. ( ) 1 3. ( ) 2 4. ( ) 3 5. ( ) 4 6. ( )
mais de 4 1. Irrelevante 2. Pouco importante 3. Importante 4.
6. Renda
Muito importante
1. ( ) Sem renda 2. ( ) De R$ 510,00 a 1.010, 00
3. ( ) De R$ 1.020,00 a 2.040,00 4. ( ) De R$ 2.050,00 a Indicadores/Escala 1 2 3 4
3.570,00
5. ( ) De R$ 3.580,00 a 4.650,00 6. ( ) Acima de R$ Confiança nos colaboradores
4.650,00 Rapidez nos processos
7. Ocupação
1. ( ) Estudante 2. ( ) Professor da rede pública 3. ( ) Facilidade de atendimento
Professor da rede privada Presteza do colaborador
4. ( ) Funcionário público 5. ( ) Autônomo 6. (
)Trabalha em empresa privada Atenção do colaborador
7. ( ) Outros ________________
8. Cidade onde reside: __________________________
9. O que levou a escolher a Faculdade X de Paripiranga 15. Comportamento do consumidor
(BA)?
1. Discordo totalmente 2. Discordo 3. Concordo 4.
1. ( ) Metodologia 2. ( ) Localização 3. ( ) Resultados
das avaliações do MEC 4. ( ) Condições físicas/Estrutura Concordo totalmente
5. ( )Currículo dos docentes 6. ( ) Indicação de amigos
7. ( ) Outros _____________________________ Indicadores/Escala 1 2 3 4
10. Como ficou sabendo da Faculdade X de Paripiranga Faria outro curso na Faculdade X
(BA)?
1. ( ) Carro de som 2. ( ) Rádio 3. ( ) Internet 4. ( ) de Paripiranga (BA)
Jornal 5. ( ) Panfleto Se a Faculdade X de Paripiranga
6. ( )Indicação de amigos 7. ( ) Outros
__________________________ (BA) oferecesse pós-graduação
11. Como ficou sabendo do FORMED? você daria continuidade em seus
1. ( ) Carro de som 2. ( ) Rádio 3. ( ) Internet 4. ( )
Jornal 5. ( ) Panfleto estudos na Faculdade X de
6. ( )Através da Escola/Secretaria Municipal de Educação Paripiranga (BA)
7. ( )Indicação de amigos
8. ( ) Outros __________________________ Indicaria a Faculdade X de
12. Qual a sua finalidade com um curso de nível superior? Paripiranga (BA) para outras
1. ( ) Inserção no mercado de trabalho 2. (
)aprofundamento nos estudos/conhecimento pessoas
3. ( ) Adquirir um diploma 4. ( ) Status 5. ( ) Outros
___
13. Qual a importância dos itens abaixo ao contratar os 16. Pós-compra
serviços da Faculdade X de Paripiranga (BA)? 1. Discordo totalmente 2. Discordo 3. Concordo 4.
1. Irrelevante 2. Pouco importante 3. Importante 4.
Muito importante Concordo totalmente
Indicadores/Escala 1 2 3 4
Indicadores/Escala 1 2 3 4
Está satisfeito com a escolha do
Localização seu curso
Avaliações do MEC Trocaria de curso
Currículo dos docentes
Está satisfeito com a escolha da
Empregabilidade dos egressos Faculdade
Método de ensino diferenciado
Revista Saberes Especial SPC 2016 171

VII - ANÁLISE DOS RESULTADOS


Estado Civil
Este capítulo tem por objetivo apresentar Tendo em vista que o público-alvo, do
os resultados levantados em pesquisa realizada segmento de educação superior, em sua grande
com 140 ingressantes 2015.2 dos cursos de maioria são jovens, 68% destes, são solteiros,
licenciatura da Faculdade X de Paripiranga (BA). somando 32% entre casados, divorciados e união
estável.
Perfil dos ingressantes 2015.2 dos cursos de
80 Gráfico 2 - Estado Civil
licenciatura da Faculdade X de Paripiranga (BA) 68%

60

Nesta etapa, são expostas as características 40


sociais e econômicas dos ingressantes 2015.2 dos 21%
20
4% 7%
cursos de licenciatura da Faculdade X de 0% 0%
0
Solteiro Casado Divorciado União Estável Viúvo Outros
Paripiranga (BA). Para avaliar essas
características, dados como sexo, estado civil,
faixa etária, renda bruta individual, ocupação, a Faixa Etária
cidade onde reside e quantidade de pessoas que Os resultados obtidos acima, no gráfico
residem na mesma casa foram levantados e sobre o estado civil dos ingressantes da
servirão à análise e conclusão deste estudo. Faculdade X de Paripiranga (BA) dos cursos de
licenciatura reforçam os dados apresentados
Sexo abaixo, pois revelam que 80% do deste público
No que diz respeito ao gênero, observou-se possuem idade entre 17 e 26 anos, grande
uma população amostral predominantemente parcela jovem que não possui um relacionamento
feminina, pois do total de 140 entrevistados, mais sério (casamento). E, segundo o registro civil
houve número absoluto de 91 mulheres, de 2010 registrado no Instituto Brasileiro de
enquanto 49 homens responderam a pesquisa. Geografia e Estatística (IBGE), a taxa de
casamento da população brasileira é de 25 anos.
80 Gráfico 1 - Sexo
65% Gráfico 3 - Faixa Etária
50 44%
60
40 36%
40 35%
30
20 20 14%

0 Feminino Masculino 10 4% 2% 0% 0%
0
17 a 21 22 a 26 27 a 31 35 a 39 40 a 44 45 a 49 Acima de 50
Revista Saberes Especial SPC 2016 172

Moradores que residem na casa 80


Gráfico 5 - Nivel superior/Família
66%
Os dados indicam que 63% dos
60
entrevistados residem em casa com cerca de
40
quatro ou cinco pessoas, característica própria de
21%
famílias grandes, levando a indicar que se trata de 20 10%
2% 1% 0
um público com perfil de baixo poder aquisitivo, 0
0 1 2 3 4 mais de 4
onde toda a família mora na mesma casa ou
possuem muitos filhos.
Renda brutal individual
Gráfico 4 - Moradores da casa Os dados estudados até o momento
50
39% indicam que o perfil estudado compõe a classe de
40
pessoas com baixo poder aquisitivo, e esta
30 24%
18% suspeita foi comprovada com a sondagem da
20
10% 9% renda bruta familiar, onde metade (50%) não
10
possuem renda, seguido de 34% que possuem
0
2 3 4 5 mais de 6 renda de um salário mínimo a R$ 1.210,00 (um
mil e duzentos e dez reais).
Nível superior/família
Gráfico 6 - Renda bruta individual
Os estudos levam a pensar que este público 60
50%
tem baixo poder aquisitivo, pois, outra 34%
40
característica peculiar da classe é o acesso
20 14%
restrito à educação, pois, além de não possuírem
2% 0% 0%
oportunidades de estudo, precisam ir trabalhar 0
Sem renda De R$ 678,00 a 1.210,00

cedo, influenciando no baixo nível educacional. O DE R$ 1.220, 00 a 2.240,00 De R$ 2.250,00 a 3.770,00

De R$ 3.780,00 a 4.850,00 Acima de R$ 4.850,00


gráfico mostra que 66% das famílias entrevistadas
não possuem nenhuma pessoa com nível
Ocupação
superior. Neste caso, esse estudante seria o
É possível observar no Gráfico 7 que 43%
primeiro a ingressar na educação superior.
dos entrevistados são estudantes, seguido por
23% de professor da rede pública e 17% que
trabalham em empresa privada. Pode-se
perceber que a oportunidade oferecida pelo
Programa FORMED atendeu às expectativas de
Revista Saberes Especial SPC 2016 173

estudantes que estão fora do mercado de


Gráfico 8 - Cidade onde reside
15 14%
trabalho, bem com oferecer oportunidade de
qualificação e de possuir o diploma de nível
10 9% 9%
8% 8% 8%
superior para os professores da rede pública e
6% 6%
5% 5% 5%
privada que possuem apenas o magistério em seu 5 4% 4% 4%
3%
2%
currículo.
0
Lagarto Sitio do Quinto Adustina Antas
Gráfico 7 - Ocupação
50 43% Araci Cícero Dantas Cipó Fátima

40 Heliópolis Nova Soure Olindina Paripiranga

Pinhão Poço Verde Simão Dias Tobias Barreto


30 23%
20 17%
12%
10 3% 2% Motivo que escolheu a X de Paripiranga (BA)
0 Estudante Professor da rede pública
No gráfico 9, as pesquisas informam que
Professor da rede privada Funcionário Público

Autônomo Trabalha em empresa privada cerca de 44% dos entrevistados escolheram a


Faculdade X de Paripiranga (BA) motivados pela
Cidade onde reside
indicação de amigos, seguidos por 21% pela
O gráfico ficou bastante equilibrado,
localização, Isso se dá pela pouca penetração de
informando que os estudantes residem em
instituições de ensino superior na região.
cidades que estão no nordeste do Estado da
Bahia e centro-sul do Estado de Sergipe, regiões Gráfico 9 - Motivo que escolheu a
50 Faculdade X 44%
de abrangência da atuação da Faculdade X de
40
Paripiranga (BA), informado no início do trabalho
30
quando foi feita a pesquisa bibliográfica. A cidade 21%
20
que teve um pouco mais de destaque foi 10% 12%
8%
10 5%
Paripiranga (BA), município sede da X de 0%
0
Paripiranga (BA), isso se justifica pela demanda e Metodologia Localização Resultados do MEC

Condições físicas Currículo dos docentes Indicação de amigos


facilidade de acesso, quanto a deslocamento. Outros

Como ficou sabendo da X de Paripiranga (BA)


Mais da metade dos acadêmicos entrevistas
informaram que conheceram a Faculdade X de
Paripiranga (BA) através de amigos, sendo
representado por 55%, além desse dado,
Revista Saberes Especial SPC 2016 174

observou-se que 19% ficaram sabendo através da


Gráfico 11 - Como ficou sabendo do
60
internet. Numa breve análise, foi percebido que FORMED
39%
Faculdade X de Paripiranga (BA) possui uma 40

19% 22%
relevante atuação neste meio, pois interage com 18%
20
o público nas redes sociais como: facebook, 0% 2% 0% 0%
0
twitter e youtube; além do site institucional. Carro de som Rádio
Internet Jornal
Panfleto Através da Escola/Sec.de Educação
Gráfico 10 - Como ficou sabendo da Indicação de amigos Outros

60 Faculdade X 55%

50
Finalidade do curso superior
40

30 80
Gráfico 12 - Finalidade do curso
67%
19% superior
20 60
10% 11%
10 6% 40
21%
0% 0% 20
0 Carro de som Rádio
8% 4% 0%
Internet Jornal 0
Inserção no mercado de trabalho Aprofundamento de estudos
Panfleto Indicação de amigos
Adquirir um diploma Status
Outros Outros

67% dos acadêmicos entrevistados


Como ficou sabendo do FORMED apontaram a inserção no mercado de trabalho
Os dados informam que 39% do público como a principal finalidade de ingressar em um
ficou sabendo da X de Paripiranga (BA) através de curso de nível superior e 21% como forma de
indicação de amigos, 22% panfleto, 19% internet aprofundamento de estudos. Esse grafico 12
e 18% Secretaria de Educação/Escola. Os dados dialoga com outras dados pesquisados, pois,
reforçam o empenho do Setor de Comunicação como em sua grande maioria, este público é
da Faculdade X de Paripiranga (BA), pois segundo composto por jovens, na faixa etária de 17 a 26
informações da coordenação, a comunicação é anos e não possuem renda ou recebem seus
realizada com a finalidade que se colonize a boa vencimentos no valor máximo de R$ 1.210,00,
propaganda de boca em boca, seguido de vislumbram o ingresso no ensino superior como a
esforços com a distribuição de possibilidade de poder se inserir no mercado de
panfletos/prospectos do referido programa trabalho e assim possuir ou aumentar sua renda.
(FORMED), bem como na internet e na divulgação
nas escolas e secretarias de educação dos
municípios que são cobertos pela IES.
Revista Saberes Especial SPC 2016 175

Importância para contratar os serviços reforçam o perfil estudado, pois com a dinâmica
As informações abaixo elencam quesitos acelerada da vida, e até mesmo pelo estilo
apontados pelos acadêmicos como importantes agitado do público eles priorizam a facilidade e
no momento em que contrataram os serviços, celeridade dos processos.
14 - ITENS IMPORTANTES NO ATENDIMENTO
dos cinco itens, 62% consideraram muito Indicadores/Escala Resultados
Confiança nos colaboradores 58% afirmam que é muito importante

importante a empregabilidade do egresso, 82%, Rapidez nos processos


Facilidade de atendimento
64% afirmam que é muito importante
84% afirmam que é muito importante
Presteza do colaborador 52% afirmam que é muito importante

que é importante a localização, 77%, é Atenção do colaborador 67% afirmam que é muito importante

importante o método de ensino diferenciado; os


entrevistados apontaram, como o quesito pouco Comportamento

importante o item sobre as avaliçoões do MEC. Os dados analisados afirmam que 82% do

Os dados apresentado até o momento se cruzam. público indicariam a Faculdade X de Paripiranga

Esta informação do Gráfico 13, reforça o que os (BA) para outras pessoas; 65% afirmaram que

jovens que não possuem renda, combaixo poder realizariam outro curso na Faculdade X de

aquisitivo é que ver no ensino superior a Paripiranga (BA) e 58% continuariam seus estudos

possibilidade de ingresso no mercado de se a Faculdade X de Paripiranga (BA) oferecesse

trabalho, indicam que a empregabilidade dos curso de pós-graduação. Estes elevados índices

egressos da Instituição é considerado muito informam que a Instituição possui uma boa

importante no momento de contratação dos imagem perante ao público estudados.

serviços.

13 - IMPORTÂNCIA PARA CONTRATAR OS SERVIÇOS


Indicadores/Escala Resultados
Localização 82% afirmam que é importante
Avaliações do MEC 71% afirmam que é pouco importante
Currículo dos docentes 65% afirmam que é importante
Empregabilidade dos egressos 62% afirmam que é muito importante
Método de ensino diferenciado 77% afirmam que é importante
Pós-compra
Dos entrevistados, 65% afirmaram que
Itens importantes no atendimento
estão satisfeitos com o curso escolhido, seguido
A tabela 14 demonstra que todos os itens
de 58% que estão satisfeitos com a escolha da
são considerados importantes pelo grupo
Faculdade; cruzando os dados, 55% afirmaram
pesquisado, o iten que liderou a pesquisa foi a
que não trocariam de curso.
facilidade do atendimento, logo em seguida a 16 - PÓS-COMPRA
Indicadores/Escala Resultados
atenção do colaborador que ultrapassou o item Está satisfeito com a escolha do seu curso 65% afirmam concordo
Trocaria de curso 55% afirmam discordo
que ficou no terceiro lugar apenas por 3%, que foi
Está satisfeito com a escolha da Faculdade 58% afirmam concordo
a rapizez nos processos; respostas estas que
Revista Saberes Especial SPC 2016 176

VIII - CONCLUSÃO satisfeitos com o curso escolhido, com a escolha


da Faculdade e que não trocariam de curso.
Respondendo aos problemas levantados
identificou-se que o perfil socioeconômico dos REFERÊNCIAS

ingressantes 2015.2 dos cursos de licenciatura da


Faculdade X de Paripiranga (BA) são sexo FARIA, Sergio Enrique. Aplicação do composto de

feminino, solteiras, com idade entre 17 e 26 anos, marketing nas Instituições de Ensino Superior.

fazem parte de famílias numerosas, sendo Ensaio Marketing - VI SEMEAD.

compostas por 4 ou 5 familiares, advindas de KOTLER, Philip, ARMOSTRONG, Gary. Princípios

famílias que não possuem um nível de de Marketing. São Paulo: Ed. Aplicada, 2007.

escolaridade, a exemplo de educação superior, LACERDA, T.S. Teorias Da Ação E O

em sua grande maioria não possui renda ou Comportamento Do Consumidor: Alternativas E

possuem adicionais que variam de R$ 678,00 a R$ Contribuições Aos Modelos De Fishbein E Ajzen.

1.210,00, são estudantes ou professores da rede In: ANPAD, 31., 2007. Rio de Janeiro. Anais...Rio

pública ou privada. de Janeiro, 2007.

Os motivos que levaram a optar pela SILVEIRA, Ecio Eudifas Viana, OLIVEIRA, Rodrigo

Faculdade X de Paripiranga (BA) foram influência Cesar Reis de, HONORIO, Jose Bezerra.

de indicações de amigos e localização da IES. Comportamento do consumidor de crédito:

Ficaram sabendo da IES e do programa FORMED estudo de caso do segmento de construção no

através dos amigos. município de Maruim (SE). Graduação em

Os aspectos valorizados pelos ingressantes Administração, 2010.

no processo de escolha da referida IES foram os Revista Gestão Educacional. Da punição ao

índices de empregabilidade dos egressos, além da debate: especialistas apontam como melhorar a

localização estratégica. Referente ao gestão de conflitos. Ano 07/Nº 75, 2011.

atendimento, priorizam a facilidade e rapidez no


atendimento. Fontes eletrônicas

No quesito pós-compra, os entrevistados Faculdade X DE PARIPIRANGA (BA). Disponível

afirmaram que indicariam a X de Paripiranga (BA) em: http://www.faculdadeX de Paripiranga

para outras pessoas, realizariam outro curso e (BA).com.br. Acesso em maio/2013.

também continuariam seus estudos se a X de Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas

Paripiranga (BA) oferecesse curso de pós- Educacionais - INEP. Disponível em:

graduação. Afirmaram também que estão http://www.inep.gov.br. Acesso em 07/09/2011.


Revista Saberes Especial SPC 2016 177

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística -


IBGE. Disponível em:
http://www.ibge.gov.br/home. Acesso
07/09/2011.