Você está na página 1de 15

Instrumentação Industrial

TUBO DE PITOT

ALUNOS
Bruno Xavier Gonçalves 2004006247
Frederico Nascimento Yoshida 2006016797
Leandro Santos de Lima 2004016900

17 de Novembro de 2009
Belo Horizonte / MG
Conteúdo

1 INTRODUÇÃO ....................................................................................................................4
2 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO ....................................................................................5
2.1 Princípio Físico ............................................................................................................5
2.2 Formulação matemática.........................................................................................6
3 APLICAÇÕES DO TUBO DE PITOT.....................................................................................8
3.1 Velocidade do avião ...............................................................................................8
3.2 Carros de F1 ...............................................................................................................8
4 TIPOS DE TUBO DE PITOT ...................................................................................................9
4.1 Medidor de pressão estática ..................................................................................9
4.2 Medidor de pressão total.........................................................................................9
4.3 Mede a pressão total e a estática .........................................................................9
4.4 Tipo S .........................................................................................................................10
4.5 Tipo Modular ............................................................................................................10
4.6 Tipo Telescópico S ...................................................................................................10
5 VANTAGENS E DESVANTAGENS ....................................................................................11
5.1 Vantagens ................................................................................................................11
5.2 Desvantagens ..........................................................................................................11
6 PRODUTO COMERCIAL – Extech HD350 – Pitot Tube Anemometer + Differential
Manometer .............................................................................................................................12
6.1 Especificação Técnica...........................................................................................12
6.2 Caracterização Estática ........................................................................................13
6.2.1 Classificação quanto ao método de medição..........................................13
6.2.2 Classificação quanto a fonte de energia ...................................................13
6.2.3 Classificação quanto ao tipo de sinal..........................................................13
6.2.4 Parâmetros de ganho / sensibilidade...........................................................13
6.2.5 Zero.....................................................................................................................13
6.2.6 Linearidade.......................................................................................................13
6.2.7 Resolução .........................................................................................................13
6.2.8 Histerese.............................................................................................................13
6.2.9 Incerteza estendida.........................................................................................13
7 CONCLUSÃO .................................................................................................................14
8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS ....................................................................................15

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 2
Figuras e Tabelas

Figura 1 - Esquema básico de um Tubo de Pitot.................................................................5


Figura 2 - Tubo estático e tubo de impacto ........................................................................6
Figura 3 - Esquema do Tubo de Pitot ....................................................................................7
Figura 4 - Tubo de Pitot aquecido para evitar obstrução do orifício com gelo ............8
Figura 5 - Tubo de Pitot no carro de Fernando Alonso, Renault R 25...............................8
Figura 6 - Tubo de pioto modelo FTP6110 da Omega......................................................14

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 3
1 INTRODUÇÃO

O tubo de Pitot foi criado em 1732 pelo físico francês Henri Pitot (1665-1743). Seu
principal objetivo era o de medir a velocidade do fluxo da água no Rio Sena, que atravessa
Paris. A partir de então, o tubo de Pitot difundiu-se em diversas aplicações e evoluções
decorrentes da primeira tentativa.

O tubo de Pitot funciona basicamente como um medidor de pressão diferencial,


necessitando para isso, possuir duas pressões bem definidas e comparadas. A primeira
fonte de pressão do sistema é a pressão de impacto, ou pressão total, ou pressão de
estagnação, tomada na extremidade do tubo de Pitot através de sua entrada frontal
principal, relativa ao fluxo de dado fluido.

A segunda tomada de pressão é a de pressão estática, que pode ou não ser tomada
na mesma localidade do tubo de Pitot. Geralmente essa tomada localiza-se nas
proximidades da tomada de pressão de impacto, se não, no mesmo corpo do tubo de Pitot,
porém também pode estar locada em uma posição totalmente distinta da tomada de pressão
de impacto. A tomada de pressão estática precisa estar localizada numa posição de ângulo
reto ao fluxo laminar do fluido, para melhor precisão.

A diferença de pressão pode então, depois de medida, ser chamada de pressão


dinâmica. Conhecida essa pressão dinâmica, é possível a obtenção da velocidade de dado
fluido, conhecendo se também a densidade desse fluido. Em geral o tubo de Pitot encontra-
se em áreas de fluxo laminar, sem muita perturbação ou turbilhonamento.

Atualmente o tubo de Pitot possui inúmeras áreas de aplicação, entre elas: aviação,
náutica, aeromodelismo, vazão de fluxo em tubulações industriais, estudos relacionados aos
fluidos, medição de temperatura (com o aparato necessário), simples medição de pressões,
altitudes, velocidades, e também auxiliando pesquisas meteorológicas.

Desde seu invento, o tubo de Pitot recebeu diversos acréscimos de mecanismos e


soluções práticas e tecnológicas, principalmente concernentes à precisão de medições e
medidores. Contudo, o mecanismo básico continua o mesmo. Sua construção varia de
acordo com a sua utilização: comprimento, diâmetro, formas, medidores de pressão
diferencial, material de construção, proteções, e são todos imprescindíveis para uma boa
precisão de medição. O tubo de Pitot pode fornecer exatidão de até menos de 1% de erro,
dependendo de seus medidores.

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 4
2 PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

2.1 Princípio Físico

O tubo de Pitot é um dispositivo que capta a pressão estática, ou ambiente e a pressão de


estagnação ou pressão total e usa um manômetro diferencial para realizar a medição da
diferença entre as duas. Um tubo de Pitot típico é construído com dois tubos coaxiais,
curvados em ângulo reto. Um desses tubos tem sua extremidade frontal aberta de forma
que o fluído possa entrar por ela e o outro tubo tem uma abertura paralela ao fluído.

O tubo exterior, com uma abertura paralela ao fluxo, vai registrar a pressão estática. O
tubo interior, com uma abertura perpendicular ao fluxo, vai registrar a pressão total ou
pressão de estagnação. A pressão de estagnação é composta pela pressão estática mais a
pressão dinâmica (causada pela força do fluido no interior do tubo). Através da diferença de
pressão entre a pressão estática (tubo exterior) e pressão de estagnação (tubo interior) e da
densidade do fluído, é possível determinar a velocidade do fluxo de fluido.

Figura 1 - Esquema básico de um Tubo de Pitot

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 5
Figura 2 - Tubo estático e tubo de impacto

Conforme observado na Figura 2, o instrumento tem dois tubos:

1. Tubo estático (b): A abertura do tubo estático é paralela à direção do fluxo. Ele mede a
pressão estática, uma vez que não existe nenhum componente da velocidade perpendicular
à sua abertura.

2. Tubo de impacto (a): A abertura do tubo de impacto é perpendicular à direção do fluxo.


O ponto na entrada do tubo de impacto é chamado como o ponto de estagnação. Nesse
ponto, a energia cinética do fluido é convertida para a energia potencial. Assim, o tubo de
impacto mede a pressão total (também conhecida como pressão de estagnação), ou seja,
tanto de pressão estática e pressão dinâmica (também referida como a pressão de impacto).

Os dois tubos são ligados às pernas de um manômetro ou dispositivo equivalente para a


medição do diferencial de pressão.

2.2 Formulação matemática

Tubo de Pitot e a equação de Bernoulli:

Definições:

• Pressão estática: É a pressão real ou pressão termodinâmica que atua no fluido. Pode
ser medida através do uso de um pequeno orifício feito na parede de tubulação ou de outra
superfície alinhada com o escoamento, tendo-se o cuidado de que essa medição altere o
mínimo possível o movimento do fluido.

• Pressão dinâmica: É a pressão decorrente da transformação da energia cinética do fluido


em pressão, através de uma desaceleração desse fluido.

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 6
• Pressa total ou de estagnação: É a soma de pressão estática com a pressão dinâmica. A
sua medição é realizada através de uma tomada de pressão voltada conta o escoamento e
alinhada com a corrente, de forma a receber o impacto do fluido.

Pela equação de Bernoulli, considerando um escoamento laminar e sem perdas de energia


temos:

Eq. 1

Onde:

P = Pressão
ρ = massa específica
v = velocidade
g = aceleração de gravidade
h = altura
K = uma constante

Para dois pontos no interior da tubulação da figura abaixo, cujas velocidades v1 e v2 são
constantes e desconsiderando a energia potencial (pois são iguais nos dois pontos) temos:

Eq. 2

Como a velocidade no ponto 2 é nula, pois esse ponto está na entrada do tubo, podemos
determinar a velocidade do fluido v1 , medindo a diferença de pressão P1 –P2 e conhecendo-
se a densidade do fluido. Assim temos:

Eq. 3

A vazão é obtida pela integração da velocidade em relação à área da tubulação.

Figura 3 - Esquema do Tubo de Pitot

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 7
3 APLICAÇÕES DO TUBO DE PITOT

Os tubos de Pitot são recomendados principalmente para fluidos limpos e a perda de


pressão no instrumento é baixa, possuem precisão típica de +-3 a +-5% do fundo de escala
e um custo relativamente baixo.

3.1 Velocidade do avião

Os tubos de Pitot colocados nos aviões têm normalmente elementos de aquecimento para
evitar que os orifícios fiquem obstruídos com o gelo.

Figura 4 - Tubo de Pitot aquecido para evitar obstrução do orifício com gelo

Tem chamado atenção o acidente ocorrido com um avião da Air France (A330), vôo AF 447
no dia 01 de junho de 2009, matando 228 pessoas. Um relatório parcial divulgado em julho
aponta que as sondas Pitot falharam e passaram a fornecer dados incoerentes para os
instrumentos de bordo. As sondas Pitot são utilizadas nos aviões como sensores de
velocidade. A possível falha ocorreu devido à obstrução dos orifícios dos tubos de Pitot
devido a camadas de gelo.

3.2 Carros de F1

O tubo de Pitot possui também aplicação na medição da velocidade de ar em carros de


corrida.

Figura 5 - Tubo de Pitot no carro de Fernando Alonso, Renault R 2

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 8
4 TIPOS DE TUBO DE PITOT

Os tubos de Pitot não variam muito em tipos, sempre seguem aproximadamente a mesma
estrutura. Abaixo, segue alguns tipos que no geral são muito semelhantes.

4.1 Medidor de pressão estática

TYPE PS
Senses Static Pressure Only.

Mede apenas pressão estática.

4.2 Medidor de pressão total

TYPE PT
Senses Total Pressure Only.

Mede a pressão total.

4.3 Mede a pressão total e a estática

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 9
4.4 Tipo S

Apenas um tubo de Pitot completo, com medição de pressão total e estática, projetado para
ser inserido em pequenos orifícios.

4.5 Tipo Modular

Extensão do tipo s. Tem as curvas para diminuir a formação de bolhas.

4.6 Tipo Telescópico S

Permite mudar o tamanho do tubo, tanto para transporte quanto para aplicação em
situações diversas. Além disso, protege o tubo da carga do fluído, aumentando sua vida útil.

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 10
5 VANTAGENS E DESVANTAGENS

5.1 Vantagens

• Existem diversos modelos de equipamentos comercialmente disponíveis, de fácil


manuseabilidade e baixo custo.
• Baixo custo operacional.
• Simples construção
• Quase não exige calibração
• Induz uma queda mínima de pressão
• Exige apenas alguns furos para acesso ao condutor do fluxo; grandes cortes não são
necessários.

5.2 Desvantagens

• Possibilidade de entupimento e obstrução dos elementos de medição.


• Tubo deve ser alinhado com a velocidade do fluxo para obter bons resultados.
• Não podem ser usados em fluidos com partículas sólidas em suspensão uma vez
que iriam obstruir o tubo.
• Para pequenos fluxos de gases a diferença de pressão é desprezível, dificultando a
medição.

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 11
6 PRODUTO COMERCIAL – Extech HD350 – Pitot Tube
Anemometer + Differential Manometer
FABRICANTE: Extech Instruments
MODELO: HD350
PREÇO: US$249,99
DESCRIÇÃO : O HD350 é um tudo em um. Capaz de medir velocidade do fluído, o fluxo do
mesmo, a temperatura e a pressão.

Figura 6 - Tubo de Pitot modelo HD350 da Extech

6.1 Especificação Técnica

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 12
6.2 Caracterização Estática

6.2.1 Classificação quanto ao método de medição

O Tubo de Pitot acima, bem como os demais instrumentos da categoria, usa o método de
medição por deflexão, uma vez que não há um padrão de comparação, ele apenas recebe
a pressão, subtrai a pressão estática e fornece o resultado.

6.2.2 Classificação quanto à fonte de energia


O instrumento apresentado acima, se considerado apenas o aparato do Tubo de Pitot em si,
é um instrumento de passivo, uma vez que a pressão é captada sem o uso de qualquer
fonte de energia extra que não a energia do próprio fluido. No entanto, como se trata de um
instrumento acoplado ao transdutor, um manômetro eletrônico, é classificado como um
instrumento ativo, que demanda energia para mostrar o resultado da medição.

6.2.3 Classificação quanto ao tipo de sinal


O sensor, considerando-se somente o Tubo de Pitot, tem saída analógica, uma vez que sua
saída é a pressão em si. No entanto, uma vez associado ao manômetro, teremos as
características do manômetro e, desta forma, o conjunto vai depender de como os dados
são mostrados no manômetro. Como o manômetro acima é digital, temos um instrumento
classificado como de saída digital.

6.2.4 Parâmetros de ganho / sensibilidade


O manômetro repassa exatamente a pressão que ele capta na sua entrada, assim, o ganho
é unitário.

6.2.5 Zero
O zero do sistema parece ser a pressão estática. Uma vez que é possível tarar o aparelho e
definir o zero.

6.2.6 Linearidade
Segundo a especificação, o sistema possui linearidade conjunta com histerese de 0,29 para
mais ou para menos em relação ao fundo de escala ou Full Scale.

6.2.7 Resolução
O aparelho apresenta como especificação a resolução de 0,0001 psi.

6.2.8 Histerese
A Histerese, conjunta com a linearidade, pode ser vista no índice de linearidade.

6.2.9 Incerteza estendida


Como não há maiores informações sobre o instrumento, tomamos como incerteza
expandida a metade da resolução. Ou seja, a incerteza é de 0,00005 psi.

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 13
7 CONCLUSÃO

Conforme descrito neste trabalho, o Tubo de Pitot constitui um instrumento de

medição de grande importância para o auxílio no monitoramento e controle de diversos

equipamentos, e possui a vantagem de fácil instalação e pequena perda de pressão quando

comparado com outros instrumentos que medem fluxos baseados em pressão diferencial.

Para a escolha de um bom instrumento, devem ser consideradas as especificações

técnicas, principalmente em relação à caracterização estática do medidor. A descrição do

produto comercial utilizada foi de grande importância para o contato com catálogos de

fabricantes e para observar na prática os conceitos e as características de cada instrumento

conforme visto na disciplina.

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 14
8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1- Balbinot, Alexandre. Instrumentação e Fundamentos de Medidas, V.2 / Alexandre


Balbinot, Valner João Brusamerello.- Rio de Janeiro: LCT, 2007.

2 - http://www.rfi.fr/actubr/articles/118/article_14733.asp

3- http://www.grc.nasa.gov/WWW/K-12/airplane/pitot.html

4- http://www.engineeringtoolbox.com/pitot-tubes-d_612.html

5- http://www.speedace.info/pitot_tube.htm

6- http://www.princeton.edu/~asmits/Bicycle_web/Bernoulli.html

7- http://www.apexinst.com/products/typespitot.htm

Instrumentação Industrial
Tubo de Pitot 15