Você está na página 1de 119

Um Líder Bem Sucedido

Que Treina Outros Para a Liderança

Capítulo I
Definição de Liderança
 Liderar é ir adiante, guiar, dirigir, preceder.

 Liderar é fazer com que as pessoas realizem uma tarefa efetiva.

 A tarefa de motivar as pessoas à ação é o que nós chamamos de liderança.

 A chave do sucesso em qualquer empreendimento é a capacidade de liderar pessoas com êxito.

 A eficiência de seu trabalho jamais ultrapassará sua capacidade de liderar e influenciar pessoas.

 Sua capacidade de liderança determina o nível de seu sucesso.

A seguinte anedota salienta a importância da liderança eficaz: Durante uma reunião de vendas, o gerente
estava dando uma bronca em sua equipe por causa dos resultados insatisfatórios obtidos. Dizia ele: “Estou farto de
desempenho abaixo da crítica e de desculpas, se vocês não são capazes de dar conta do recado, talvez existam
outros vendedores lá fora ansiosos por ter a chance de vender os maravilhosos produtos que vocês têm o privilégio
de representar." Então, apontando para um vendedor recentemente recrutado, ex-jogador profissional de futebol, ele
acrescentou: “Se um time de futebol perde sempre, o que acontece? Os jogadores são substituídos. Certo?” A
pergunta pairou pesadamente no ar por alguns segundos. Aí o ex-jogador de futebol respondeu: “Na verdade,
quando o time não está dando no couro, geralmente trocamos de treinador.”

Deus trabalha através de líderes


Tanto a Bíblia quanto a história claramente confirmam esse fato.

Quando Deus quis tirar o seu povo do Egito ele primeiro teve de preparar um líder, Moisés.

Depois que Moisés morreu o povo não atravessou o rio Jordão antes que Josué fosse estabelecido como
líder.
Podemos dizer que tudo quanto Deus quis fazer ele primeiro separou e preparou um líder. Nada foi feito
sem liderança. O tempo em que Israel esteve sem líderes, o tempo dos juízes, foi o tempo mais sombrio de sua
história. E por fim podemos afirmar que, sempre que se levantava um rei bom, o povo servia a Deus e era
abençoado, mas também o oposto, sempre foi verdadeiro.
2
A mesma verdade pode ser aplicada à vida da Igreja. Tudo o que Deus deseja fazer ele o fará através de
líderes. Os líderes dão o tom e a direção na igreja. Cada igreja é a expressão de sua liderança. Se desejamos
mudar uma igreja devemos começar pelos líderes. Mude o líder e o povo também será mudado.

Liderança pode ser aprendida


A liderança não é um clube exclusivo para aqueles que "nasceram com ela". As características que
constituem a matéria-prima da liderança podem ser adquiridas. Certa vez um grupo de turistas visitava uma aldeia
pitoresca. Ao passarem por um velho sentado numa cerca, um dos turistas puxou conversa para se mostrar
simpático e perguntou: "Nasceu algum grande homem nesta aldeia?" O velho respondeu: "Negativo, só bebês."

A liderança é desenvolvida, não é descoberta.

O líder nato e o líder gerenciador


Liderança não é possuir uma aparência de Mister universo com uma personalidade super atrativa. Nem
mesmo é uma pessoa carismática que tem o poder de levar o povo ao delírio. Não é uma pessoa que nasceu com o
poder de ser líder e que conseguirá liderar mesmo que nem esteja querendo fazer isso.

Temo que tais conceitos sejam aceitos por muitos como verdade inquestionável, mas liderança pode ser
definida como um conjunto de atividades que podem ser listadas, aprendidas e praticadas. Em outras palavras
liderança é alguma coisa que pode ser estudada e aplicada.

Naturalmente não estou querendo dizer que não existem líderes naturais. Há pessoas que
inquestionavelmente lideram desde o momento em que aprenderam a conviver. com outras pessoas.

Se esse líder possui algum sério desvio de caráter não é difícil imaginar o futuro de sua organização.
Normalmente tais tipos de líderes não produzem algo realmente duradouro porque geralmente não possuem
sucessores.

Todavia um líder natural pode vir a se tornar um excelente líder gerenciador.

Olan Hendrix diz que, o nosso conceito natural de liderança na igreja é o forte e carismático líder natural. Diz
ele: "No início de meu ministério eu li muitas biografias sobre líderes fortes e carismáticos. Tais biografias não me
ajudaram em absoluto, pelo contrário, até me atrapalharam. Eu comecei a gastar tempo em oração pedindo a Deus
que me fizesse como aqueles líderes.

Mas isso é uma escravidão. Deus nos quer exatamente como nós somos. Evidentemente eu não estou
falando em caráter e moral, mas refiro-me a minha personalidade e capacidade. Deus fez-me exatamente como sou
e ele equipou-me com os dons que eu tenho. É tolice tentar ser algo diferente.

Um líder natural normalmente é altamente bem sucedido, mas usualmente somente por um breve período. A
menos que ele morra ou seja substituído ele pode tomar-se no pior inimigo de sua organização. Eu louvei a Deus
3
porque eu não era um líder natural. Isto porque existe uma alternativa: o líder que é desenvolvido ou ensinado a
liderar. Eu me refiro a alguém que não tem uma personalidade dominante capaz de arrastar muitos atrás de si para
levá-los a fazer o que ele quer que seja feito. Mas ao contrário refiro-me a um ser humano comum como você e eu
que desenvolve sua habilidade de liderança e se engaja no trabalho.”

Vou referir-me daqui por diante a esse segundo tipo de líder, que é o líder-gerenciador. Tais líderes são
pessoas comuns como você e eu, que tem desenvolvido suas habilidades de liderança dentro da igreja.
Normalmente ele apresenta as seguintes características gerais:

a) Ele se desenvolve até ao ponto de reconhecer que, necessita desenvolver uma visão de equipe. Ele
entende que não pode realizar todo o trabalho sozinho por si mesmo. Ele necessita de outros através de quem ele
pode obter os resultados esperados.

b) Como resultado ele delega autoridade à pessoas maduras de sua equipe .

c) Ele os envolve no processo de planejamento.

d) Ele é cuidadoso em desenvolver um nível de comunicação eficiente com sua equipe.

e) É criterioso em não atribuir a si o mérito do sucesso do grupo.

f) Não possui uma auto-imagem excessivamente alta.

Diferença entre liderança e gerenciamento


Parece haver muita confusão sobre a diferença entre “liderança” e “administração ou gerenciamento”.

Veja o que distingue o líder do gerente:

 Os líderes raciocinam a longo prazo.

 Os interesses dos líderes não se confinam aos limites das unidades que dirigem. Eles querem saber
como todos os departamentos afetam uns aos outros e constantemente ultrapassam suas áreas específicas de
influência.

 Os líderes dão grande ênfase à visão, aos valores e à motivação.

 Os líderes possuem notáveis virtudes políticas para administrar exigências conflitantes de uma amplo
eleitorado.

 Os líderes não aceitam estacionar em um patamar.

Gerenciamento é o processo de assegurar que, o programa e os objetivos da organização


sejam executados. Liderança, por outro lado, tem a ver com projetar visão e motivar pessoas.
4

Saber como executar uma tarefa é a realização do trabalhador.

Ensinar aos outros como se faz é a realização de um professor.

Assegurar que o trabalho seja feito por outros é a realização de um


gerente.

Inspirar as pessoas a fazerem um trabalho melhor é a realização de um

Entendendo o que é liderança


Capítulo II

Liderança é Influência
Muitos definem liderança como a habilidade de alcançar uma posição. Esse tipo de raciocínio cria dois
problemas comuns. Os que possuem o status de liderança mas não desenvolvem dons de liderança, e os que
possuem um dom de liderar e que por vários motivos não alcançam uma posição e consequentemente não
desenvolvem esse dom. Na verdade a posição é uma conseqüência da liderança, não o seu alvo. "Líder é a pessoa
que tem habilidade de fazer com que os outros façam o que não queriam fazer, e gostem de fazê-lo", isso é
influência!

Os sociólogos dizem que até o mais introvertido dos indivíduos é capaz de influenciar dez mil pessoas
durante o curso de sua vida!

Isso significa que, todos nós lideramos em algumas áreas, e somos liderados em outras. É difícil saber
quem ou o quanto influenciamos, a verdade é que isso acontece o tempo todo. Como filhos somos influenciados por
nossos pais, e como pais estamos influenciando os nossos filhos.

Existem líderes em todos os lugares que exercem liderança de maneiras diferentes e significativas, a
maioria das pessoas traz um pouco de liderança dentro de si. A questão é; que tipo de influência é essa, positiva ou
negativa? (Discutiremos este assunto mais à frente).
5
Liderança é Influência mais Responsabilidade
Um antigo presidente da Universidade de Columbia, Nicholas Murray disse: "Há três tipos de pessoas no
mundo: as que não sabem o que está a acontecer, as que observam o que está acontecendo e as que fazem com
que as coisas aconteçam.

Embora a liderança seja difícil de definir, a característica comum a todos os líderes é a capacidade de fazer
com que as coisas aconteçam; agir no sentido de ajudar outros a criar um ambiente dentro do qual cada indivíduo
que nele serve, se sinta encorajado e estimulado a ponto de conseguir reconhecer o seu pleno potencial e
desenvolvê-lo. Assim como uma liderança eficaz recebe: o sucesso de um trabalho realizado em conjunto, também
a responsabilidade de um eventual fracasso recai sobre o líder.

Homens de fé têm sido sempre homens de ação. Isso implica em prestação de contas. No caso da liderança
espiritual, isso acontece diretamente com Deus. Paulo, expressa bem isso em 2Co 11:28 "Além das cousas
exteriores, há o que pesa sobre mim diariamente, a preocupação com todas as igrejas."

Liderar é ter Seguidores


Aquele que pensa que lidera mas não tem seguidores está apenas dando voltas.

Segundo algumas pessoas que trabalham na formação de líderes, liderança pode ser resumidamente
definida como a capacidade de angariar seguidores.

Todos os grandes líderes da história atraíram para junto de si pessoas que acreditaram em seus ideais. Até
mesmo aqueles líderes mais excêntricos e impiedosos.

Todo mundo exerce influência sobre alguém


Cada um de nós influencia e é influenciado por outros. Isso significa que todos nós lideramos em algumas
áreas, e somos liderados em outras.

Ninguém é capaz de compreender essa coisa misteriosa que chamamos de influência; no entanto, cada um
de nós exerce influência continuamente, para curar, para abençoar, para deixar marcas de beleza; ou para ferir,
prejudicar, envenenar, manchar outras vidas.

O melhor investimento no futuro é uma influência apropriada no presente


A questão não é saber se você influencia alguém. O que precisa ficar claro é o tipo de influenciador que
você poderá ser. Você aperfeiçoará suas qualidades de liderança?
6
Diferença entre Liderança Positiva e Liderança Negativa
A liderança pode ser positiva ou negativa; pode ser orientada por propósitos divinos ou tomar outros rumos.
Mas de qualquer modo não deixa de ser liderança. A Bíblia está repleta de exemplos de pessoas que lideraram
positivamente, mas também muitos que lideraram de modo negativo, levando as pessoas a deixar de amar e servir a
Deus.

Jesus é o exemplo perfeito da liderança positiva. Hitler, provavelmente, é um dos melhores exemplos de
liderança negativa. Liderança é algo sério tanto para os que estão sob ela como para os que a exercem.

A questão não é saber se você influencia alguém. O que precisa ficar claro é o tipo de influenciador que
você está sendo.

A influência é uma qualidade que pode ser desenvolvida


Os três componentes desse desenvolvimento são: comunicação, reconhecimento e influência. Você começa
comunicando-se eficientemente. Isso leva ao reconhecimento e este por vez, leva à influência.

Podemos aumentar nosso potencial de influência e liderança. Existem níveis de liderança e partindo dessa
convicção as pessoas podem aumentar seus níveis de influência.

Os Níveis de Liderança

Nível 1: Posição
Este é o nível básico de acesso à liderança. A única influência que você tem é a que lhe é conferida por um
titulo. As pessoas que se posicionam nesse nível apelam para direitos, protocolo, tradição e títulos. Em outras
palavras, ele é o chefe e pronto. A verdadeira liderança é muito mais do que simplesmente ser investido de
autoridade; é mais do que possuir aprendizado técnico ou seguir rigorosamente os procedimentos apropriados. A
verdadeira liderança é ser a pessoa que os outros seguem prazerosa e confiantemente.

Um líder autêntico conhece a diferença entre ser chefe e ser líder:

O chefe pressiona seus subordinados O líder treina-os

O chefe depende da autoridade O líder da boa vontade

O chefe inspira medo O líder entusiasmo

O chefe diz, "eu" O líder, "nós"


7
O chefe atribui a alguém a culpa pelo colapso O líder sai do colapso

O chefe sabe como é feito O líder mostra como é feito

O chefe diz: "Vá!" O líder, "Vamos!"

Características de um "Líder Posicional"


 A segurança é baseada no titulo, não no talento.

 O nível é geralmente adquirido por nomeação, quando todos os demais níveis são conquistados por
merecimento.

As pessoas não seguem um líder posicional além de sua estrita autoridade. Limitam-se a fazer o que têm de
fazer quando solicitadas.

Quando falta confiança no líder, os subordinados não se empenham, falta-lhes comprometimento.

Os líderes posicionais têm mais dificuldade de trabalhar com voluntários. Os voluntários não têm que
trabalhar na organização, portanto, não há vantagens monetárias com que um líder posicional possa acenar, para
que eles reajam com mais entusiasmo.

Quase todos nós aprendemos que a liderança é uma posição, e a frustração nos domina quando caímos na
real e constatamos que, poucas pessoas se dispõem a nos seguir por causa de nossos títulos. Nossa alegria e
nosso sucesso ao liderar terceiros, dependem de nossa capacidade de continuarmos galgando os degraus (níveis)
da liderança.

Obrigações do líder deste nível:


 Conhecer à fundo suas atribuições;

 Ter noção da filosofia de ministério da Igreja;

 Vestir a camisa do time;

 Aceitar responsabilidades;

 Desempenhar seu trabalho com excelência consistente;

 Fazer mais do que esperam dele;

 Propor idéias criativas visando mudança e melhoria.

Nível 2: Permissão
8
Liderança é fazer as pessoas trabalharem para você quando não são obrigadas, e isso só acontecerá
quando você ascender ao segundo nível de influência.

As pessoas não se importam com o que você sabe até saberem o quanto você se importa.

Liderança começa no coração, não na cabeça. Os líderes no nível "posição" lideram por intimidação, mas,
uma pessoa no nível "permissão" liderará por meio inter-relacionamentos. A questão não é hierarquia social e sim
desenvolvimento de pessoas.

Nesse nível, tempo, energia e concentração são incorporados às necessidades a aos desejos do indivíduo.
As pessoas incapazes de construir relacionamentos sólidos, duradouros, logo descobrirão que também são
incapazes de sustentar uma liderança, longa e eficiente.

Você pode amar pessoas sem liderá-las, mas não pode liderar pessoas sem amá-las.

Cuidado! Quando estiver desenvolvendo sua liderança não tente suprimir nenhum nível. O nível 2 é
freqüentemente ignorado, o nível da permissão.

Obrigações do líder deste nível:


 Ter verdadeiro amor pelas pessoas;

 Tornar mais bem sucedidas as pessoas que trabalham com você;

 Ver através dos olhos de outras pessoas;

 Gostar mais das pessoas do que dos procedimentos;

 Tomar decisões com segurança;

 Incluir outros em sua jornada;

 Agir com sabedoria com pessoas difíceis.

Nível 3: Produção
Todos são orientados para resultados. A rigor, resultados são a razão principal da atividade.

Essa é a grande diferença entre os níveis 2 e 3. No nível do "relacionamento", as pessoas ficam juntas
apenas para estarem juntas, não há qualquer objetivo em questão.

No nível dos "resultados", as pessoas se agrupam para atingir um fim. Em outras palavras, elas são
orientadas por resultados.
9

Obrigações do líder deste nível:


 Ter responsabilidade para crescer;

 Criar e seguir uma declaração de propósitos;

 Fazer da descrição de suas atribuições e de sua energia parte integrante da declaração de propósitos;

 Instituir a obrigatoriedade de prestar contas, começando por você mesmo;

 Conhecer e fazer coisas que propiciem alto retorno;

 Comunicar sua estratégia e a visão da igreja;

 Tornar-se um instrumento de mudança;

 Tomar as decisões difíceis (isto estabelecerá a diferença).

Se no nível 1, a posição é a porta para a liderança, no nível 2, a permissão é o alicerce para o


nível 3, onde ocorre o desenvolvimento da atividade, e o alcance dos objetivos.

Nível 4: Desenvolvimento de Pessoas


Como você identifica um líder?

Como algumas pessoas são medíocres, o verdadeiro líder pode ser reconhecido porque, de certa forma,
seu pessoal exibe constantemente desempenhos superiores. Um líder é grande, não por causa de seu poder, mas
pela capacidade que tem de delegar poder a terceiros.

Sucesso sem sucessor gera fracasso. A principal responsabilidade de um trabalhador é ele próprio realizar o
trabalho. A principal responsabilidade de um líder é desenvolver pessoas para fazer o trabalho. Observe a
progressão: No nível 2, o seguidor ama o líder; no nível 3, o seguidor admira o líder; no nível 4, o seguidor é leal ao
líder. Por quê? Você conquista o coração das pessoas ajudando-as a crescer pessoalmente.

Veja algumas sugestões que o ajudarão a se tornar um desenvolvedor de pessoas:

Ande devagar no meio da multidão: Descubra algum jeito de se manter em contato com todos.

Desenvolva líderes-chave: Reuna-se sistematicamente com àqueles que são influenciadores dentro da
igreja, ensinando-os.

Obrigações do líder deste nível:


10
 Conscientizar-se de que as pessoas são seu mais valioso patrimônio;

 Priorizar o desenvolvimento de pessoas;

 Ser um exemplo a ser imitado;

 Concentrar seus esforços de liderança nos 20% que constituem a nata de seu pessoal;

 Proporcionar oportunidades de crescimento aos líderes-chave;

 Ser capaz de atrair outros vencedores para o objetivo comum;

 Cercar-se de uma equipe que complemente sua liderança.

Nível 5: Maturidade Pessoal


Nesse nível você lidera e inspira as pessoas simplesmente por causa de sua presença.

Você se tornou um símbolo de liderança por causa de seu exemplo e resultados durante um longo tempo.

Tenha certeza que você já alcançou este nível, se:


 Seus seguidores são leais e dispostos a se sacrificar;

 Você passou anos orientando e moldando líderes;

 Você se tornou um consultor, e é solicitado por terceiros;

 Sua maior alegria consiste em observar os outros crescerem e se desenvolverem.

 Você transcende a organização.

Galgando os degraus da Liderança

Quanto maior é sua estatura de líder:

 maior o grau de compromisso

 mais fácil se torna liderar

 maior o crescimento

 maior é o tempo de permanência em cada estágio


11

Algumas conclusões sobre influência


 Quando você estiver liderando um grupo de pessoas, saiba que, não conseguirá que todos alcancem o mesmo
nível.

 Para que sua liderança permaneça efetiva, é essencial levar os demais influenciadores do grupo para os níveis
mais elevados.

 Lembre-se que, todos somos líderes, na medida em que cada um de nós influencia alguém. Embora nem todos
venhamos a ser grandes líderes, cada um de nós pode se tornar um líder melhor.

Desta forma resumimos informações que nos ajudam a compreender o que é influência, e como
aumentá-la.

Diferença entre Liderança Espiritual e Liderança Natural


Existe uma definição de liderança bastante objetiva, que diz haver no mundo apenas três tipos de pessoas:
aquelas que não se mexem, as que são movíveis, e as que movem os outros.

O líder natural de um grupo pode ser facilmente identificado. Observe as pessoas ao se reunirem. Se um
assunto deve ser decidido, qual é a pessoa cuja opinião parece mais valiosa? Quem é o indivíduo que capta a
atenção da maioria? E o que é mais importante, quem é que os outros seguem? As respostas a essas perguntas o
ajudarão a discernir quem é o verdadeiro líder em determinado grupo.

A Liderança espiritual é para fins espirituais, e só pode ser atingida por homens espirituais que empregam
métodos espirituais. Moisés é um bom exemplo de alguém que, na primeira experiência de liderança natural,
resolveu os problemas com as próprias mãos. Ele seguiu o modo tradicional de liderança, isto é, o uso do poder, e
isto provocou morte e exílio. Mas foi no seu exílio, longe da corte de Faraó que ele descobriu a alma da liderança.
'Embora tivesse vontade própria, aprendeu que a vontade de Deus era mais importante. Embora seus antigos
métodos de liderança natural fossem inteligentes, aprendeu que a força da liderança vem da contínua e obediente
confiança em Deus e da disposição de servir aos outros. E depois de descobrir a diferença da liderança natural e
espiritual, sua segunda experiência como líder foi drasticamente diferente e muito mais eficaz.

O líder espiritual influencia aos outros não apenas pelo poder de sua própria personalidade, mas, através da
pessoa do Espírito Santo. Visto que ele permite que o Espírito tome controle integral de sua vida. Liderança é
assunto de poder espiritual superior, o qual jamais é gerado pelo homem. Não existe, de modo algum, um líder
12
espiritual feito por si mesmo.. Ele só é capaz de influenciar aos outros espiritualmente porque o Espírito é capaz de
trabalhar através dele, num grau superior ao daqueles a quem ele lidera.

Um princípio geral de liderança é que, só podemos influenciar e liderar outros até o ponto a que nós
mesmos chegamos. A pessoa mais susceptível de sucesso não é aquela que lidera meramente apontando o
caminho, mas a que o percorreu pessoalmente. Nós lideramos na medida em que inspiramos outros a seguir-nos.

Discutia-se a questão das qualificações para liderança numa grande concentração de líderes de missões
protestantes na China. Estava havendo caloroso debate sobre o assunto. O diretor geral da Missão da China
Continental, D. E. Hoste, estava sentado quieto, apenas ouvindo, até que o coordenador da reunião perguntou-lhe
se tinha algo para dizer sobre o assunto. De todo o auditório ouviram-se murmúrios de aprovação, ante aquele
convite ao diretor, porque suas contribuições a quaisquer discussões eram sempre ouvidas com interesse incomum.
Com um brilho invulgar nos olhos, disse ele, com sua voz curiosamente aguda: "Ocorreu-me que talvez o
melhor teste para saber se alguém é um líder qualificado, é descobrir se há pessoas que lhe sigam”

A liderança natural e espiritual têm muitos pontos em comum, mas, há alguns aspectos em que elas
diferenciam-se totalmente.

Líder Natural Líder Espiritual:


Auto-confiante Confia em Deus

Conhece aos homens Conhece também a Deus

Faz suas próprias decisões Procura a vontade de Deus

Ambicioso Humilde

Origina seus próprios métodos Encontra e segue

Gosta de comandar os outros Delicia-se em obedecer a Deus

Motivado por considerações pessoais Motivado pelo amor a Deus e aos homens

Independente Dependente de Deus.

A liderança freqüentemente é vista como o produto de dotações naturais, e traços de personalidade tais
como: a capacidade intelectual, a força de vontade e o entusiasmo. Não há dúvida de que, tais talentos e conquistas
escolásticas ajudem a liderança; contudo, não são estes os fatores de primordial importância no líder espiritual.

As verdadeiras qualidades da liderança hão de ser encontradas naqueles que estão dispostos a sofrer por
amor a seus objetivos, os quais são suficientemente grandes para exigir obediência cega. Líderes espirituais não
são feitos mediante eleição ou nomeação por homens, nem por reuniões eclesiásticas ou sínodos. Só Deus pode
fazer líderes espirituais. O simples fato de uma pessoa ocupar cargo de importância não a torna um líder espiritual,
fazer cursos de liderança não produz líderes; a resolução de tornar-se líder não faz da pessoa um líder.
13
O único método que funciona é o da pessoa qualificar-se para ser um líder. Bispos e comissões podem
conferir posições religiosas, mas não podem conferir autoridade espiritual, algo essencial à liderança cristã. Ela vem
freqüentemente sem ser procurada. Aqueles que, bem cedo, na vida, foram provados e achados dignos dela, por
sua espiritualidade, disciplina, habilidade e diligência; homens que obedeceram ao comando: “Procuras tu
grandezas? Não a procures.” Ao invés, têm procurado primeiro o reino de Deus.

Liderança espiritual é coisa do Espírito, e só pode ser conferida pelo próprio Deus. Quando seu olho fixa-se
num homem que se qualificou, Ele o unge com seu Espírito, e o separa para um ministério peculiar (At 9:17, 22:21).

A Necessidade de Liderança
Deus e os homens estão constantemente procurando líderes para as várias ramificações dos
empreendimentos cristãos. Nas escrituras, encontramos Deus, com freqüência, empenhado na busca de um homem
de certo tipo. Não homens, mas um homem.

“O Senhor buscou para si um homem que lhe agrada.” (1Sm 1:14)

"Olhei e eis que não havia homem nenhum." (Jr 4:25)

"Busquei entre eles um homem que se colocasse na brecha perante mim, a favor desta terra." (Ez 22:30)

As escrituras, a história de Israel e da igreja, atestam que quando Deus descobre um homem que se
conforma com Suas exigências espirituais, disposto a apagar o preço integral do discipulado, Deus o usa ao limite
máximo, a despeito de suas falhas. Moisés, Gideão, Davi, Martinho Lutero, John Wesley e muitos outros foram
homens desse tipo.

A igreja está necessitada de líderes.


A maior necessidade da igreja, para que ela cumpra suas obrigações para com a presente geração, é uma
liderança espiritual, sacrificial e plena de autoridade vinda do alto.

Plena de autoridade, porque as pessoas gostam de ser lideradas por alguém que sabe aonde vai, e que
inspira confiança.

Espiritual, porque uma liderança carnal, que pode ser explicada em termos do natural, embora possa ser
atraente e competente, resultará, contudo, apenas em esterilidade, e em bancarrota moral e espiritual.

Sacrificial, porque foi modelada segundo a vida daquele que se deu a si mesmo em sacrifício pelo mundo
todo, dando-nos um exemplo, para que seguíssemos Seus passos.

A igreja sempre prosperou muito quando foi abençoada coma dádiva de líderes fortes, espirituais que
experimentaram, e esperaram o toque do sobrenatural em seu trabalho. A falta de homens assim é um sintoma da
doença que enfraquece a igreja.
14
Deus está chamando líderes não detentores do poder.

A chamada de líderes é necessária porque estamos enfrentando uma crise de liderança em nosso mundo.
É semelhante a crise de liderança espiritual que a Europa do século XVIII experimentou. Mas havia um punhado de
homens que sabia que o único modo de salvar o mundo da destruição iminente era a volta à mensagem da Bíblia.
Homens como João e Carlos Wesley e George Whitefield se converteram em evangelistas flamejantes e levaram o
evangelho por toda a Grã-Bretanha e América.

Esta liderança evangélica produziu um impacto positivo no mundo inteiro. John Howard promoveu a reforma
de prisões na Europa. No século seguinte, J. Hudson Taylor fundou a Missão do Interior da China que, em 1910, já
tinha enviado 968 missionários. John Barnardo deu início ao seu trabalho missionário em Londres, pelo qual
recolheu e educou 70.000 crianças desamparadas. Willian Booth organizou o Exército da Salvação que acabou
alcançando todo o globo.

Deus usou esses líderes para salvar uma civilização e dar-lhe diretriz espiritual. Assim como a Europa do
século XVII precisava de líderes. O nosso mundo em mudança também precisa. A cada ano haverá neste planeta
noventa milhões de pessoas a mais do que as que hoje existem. Quem as liderará? Seus líderes as aprimorarão ou
destituí-las-ão? O crescimento líquido anual da índia (onde há mais nascimentos que falecimentos) excede a
população total da Austrália. Que espécie de liderança terão esses milhões de pessoas?

A explosão populacional é alarmante e real e constitui uma das causas da crise de liderança. Outra causa
dessa crise é que muitos dos que se acham em posição de liderança abdicaram de sua responsabilidade. Esta crise
de liderança começa na presidência de grandes empresas, e passa pelo governo de estados, pelos púlpitos de
igrejas, chega até as autoridades municipais e atinge até a família.

Os critérios de Deus para chamar Líderes

Um coração voltado para Deus


"Porque o Senhor não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o Senhor o coração.” (1Sm
16:7).

Essa passagem revela o ponto chave que Deus considera para chamar alguém. Algo que de fato foge a
compreensão humana pois por mais que o homem possa discernir o coração de um outro ser humano, jamais
poderá comparar com o sondar de Deus que, "verdadeiramente nos sonda e nos conhece". Na verdade quando
Deus olha o coração Ele discerne aquele coração que vai responder ao chamado, não aquele que diz que quer
responder, mas aquele que de fato tem um coração voltado para obedecer ao chamado. Se perguntarmos quantos
querem responder ao chamado de Deus certamente o número de pessoas será maior do que realmente é na
verdade, porque entre o "querer” e o "obedecer" muitos desistem.

O apóstolo Paulo em muitas de suas cartas, começa afirmando o seu chamado por Deus; "Paulo, apóstolo
de Cristo Jesus por vontade de Deus..." (Ef 1:1) . Ele deixa claro que foi "escolhido por Deus" e não por vontade
15
humana. Essa expressão "escolhido por Deus" significa que o líder deve ter certeza de que sua tarefa foi designada
por Deus e Deus está nela, pois os fardos são muito pesados e são muitas as horas de dedicação. É importante
que, os que têm a responsabilidade de escolher o líder também sintam que essa é uma escolha de Deus.

Sabemos que Deus olha o coração e não a aparência, mas, na prática como é isso?

Existem alguns requisitos para os líderes escolhidos, eis alguns deles:

a) Deus impõe padrões elevados. Os líderes escolhidos terão de atingir um padrão alto que lhes será
imposto por Deus. Isso implica em obediência e uma decisão para viver em retidão.

b) Deus não garante uma posição permanente. Os líderes escolhidos por Deus não devem pensar
que serão líderes para sempre. Pelo contrário, podem permanecer em um cargo de liderança por um longo período,
mas essa longevidade deve ser conseqüência da confirmação do Espírito de Deus e não de uma permanência
planejada desde o início.

c) Deus pune a desobediência. Deus leva a sério aqueles que trabalham com Ele. É importante notar
que o pecado de Moisés não é do tipo que justificaria a demissão imediata da posição de liderança. Ele não roubou,
não bebeu, nem abusou de sua família. Porém, o padrão que ele quebrou era importante para Deus. Isso acabou
custando-lhe a vida. Enfim um preço alto por não cumprir uma tarefa de liderança. Deus exige compromisso
duradouro. Cabe aos líderes escolhidos decidir aceitar ou não. Uma vez que uma pessoa se compromete com Deus
não terá volta. Antes de responder a Deus, e encarar o chamado apenas como um privilégio, é importante Ter
consciência que os critérios de Deus devem ser satisfeitos. Muitos que aparentam ser futuros líderes ungidos e
prósperos não são vistos assim por Deus, enquanto que outros que não são nem notados, Deus levanta como
líderes. Isso é verdadeiro e bíblico.

Uma pessoa disposta a ser moldada por Deus


Um exemplo vivo disso é “a escolha dos doze discípulos”. Os critérios do Senhor quanto à liderança, e
potenciais de liderança, tendiam tanto a ferir as opiniões populares e os costumes daqueles dias, quanto os dos
nossos. Quem escolheria, para um trabalho de implicações de âmbito mundial, um grupo de apóstolos tão
destituídos de simpatia, destreinados, e sem influência?

Não teríamos nós procurado incluir em nosso grupo de liderança um estadista proeminente, um financista
hábil, um membro influente do sacerdócio, um astro do atletismo e um professor universitário? Jesus não escolheu
nenhuma pessoa de tal tipo. Todos os seus discípulos provieram das camadas mais humildes, não pertenciam às
classes influentes mas eram homens estragados pela sofisticação de seus dias.

Jesus escolheu leigos. Ao invés de homens da hierarquia religiosa. Quando J. Hudson Taylor fez a mesma
coisa, formando uma equipe missionária de homens e mulheres leigos, o mundo religioso ficou chocado. Este
procedimento é largamente reconhecido, embora nem sempre aprovado.
16
Ele não escolheu eruditos; nem fazendeiros; talvez porque tais ocupações os tornariam menos apropriados
para a liderança revolucionária que lhes daria. Quase todos os seus discípulos vieram da Galiléia, não da Judéia. A
vida na Galiléia era mui to mais cosmopolita do que na Jerusalém exclusivista, e as mentes dos galileus eram muito
mais abertas às novas idéias. Ele escolheu homens com pequena educação formal, para formar suas tropas de
choque, mas logo demonstraram talentos extraordinários e provaram ser uma tropa de elite.

Não é exagero dizer que ninguém, a não ser Jesus, seria capaz de ver naquele grupo diversificado de
homens, o estilo de liderança que gradualmente emergiu como resultado de seu treinamento de alguns anos sob a
habilidosa mão do grande Mestre.

Deus vê onde os olhos humanos não são capazes de enxergar, o coração. Deus não chama pessoas
prontas, Deus as prepara.

Deus não chama líderes, Ele levanta líderes. Líderes não nascem feitos, são moldados!

Mas e aquelas pessoas que tem desde cedo uma aptidão para liderança? A aptidão não pode ser
dispensada, mas ela apenas contribui para o desenvolvimento da liderança. Ela possuiu uma força propulsora, mas
para que atinja seu nível de desenvolvimento e expressão máximos, é necessário disciplina pessoal e ambiente
social adequado.

A falta de aptidão pode ser superada, para isso é necessário uma disciplina incessante para desenvolver as
habilidades de que precisará.

A liderança é desenvolvida, não é descoberta. Sempre surgirão autênticos "líderes natos"; mas, para se
manter no topo, tem de ser desenvolvidas características naturais de liderança.

Aqueles que Deus chama, não se vêem como líderes


Aqueles que se vêem aptos para a liderança já estão reprovados para ela. Liderança começa no coração,
não na cabeça! As pessoas não se importam com o que você sabe até saberem o quanto você se importa. Quando
alguém auto-suficiente começa a liderar ela tem poucas chances de aprender algo novo e certamente Deus também
terá poucas, ou quase nenhuma, oportunidade para ensiná-la. Esses são de pouca utilidade para Deus. Deus não
divide sua glória com ninguém, quando Ele chama alguém para liderança, Ele o faz com a intenção de ensinar e
treinar essa pessoa e não dar-lhe responsabilidades e uma posição.

O Processo que Deus usa


Em toda a história da Bíblia, as pessoas chamadas por Deus para liderança, foram treinadas e testadas, e
só depois de aprovadas, Deus finalmente as usou. Será que Deus mudou de estratégia hoje para qualificar aqueles
que Ele chama? Deus não precisa testar métodos porque Ele conhece a todos e sabe qual é o que funciona. A
verdade é que uma vez que somos atraídos para Ele, nos tornamos como instrumentos afiados para cumprir Seu
eterno propósito. Mas, como Deus transforma homens comuns em instrumentos afiados?
17

O Chamado
a) Deus espera o tempo certo. Quando Deus escolheu o primeiro rei de Israel, Ele O fez com base na
exigência do povo. Ele escolheu Saul, um homem forte, alto, e que certamente iria impressionar os israelitas com
sua aparência esguia, mas Deus conhecia o coração de Saul. Ele no entanto, esperou o tempo certo para levantar o
rei que o serviria, um homem segundo o seu coração e não segundo a aparência. Quando Deus chama, isso não
quer dizer que Ele começará a usar essa pessoa imediatamente. Entre o chamado e sua concretização há um longo
caminho a ser percorrido.

b) Deus prepara as circunstâncias. Quando Deus chama, Ele o faz exatamente no momento em que a
pessoa está pronta para ouvir a Sua voz. Quando Deus falou pela primeira vez com Samuel, ele já era crescido e
podia discernir a voz de Deus. Quando Deus chama, aquele a quem Ele se dirige, parece que já sabia que isso iria
acontecer. Este é o trabalhar do Espírito dentro de nós. Às vezes a pessoa não entende claramente o significado
disso, mas no seu coração ela sabe que, alguma coisa aconteceu e daí para frente nada será igual.

c) Deus prepara o coração. O Espírito de Deus trabalha em secreto no íntimo daqueles a quem Ele
chama. Quando o chamado acontece o seu coração está pronto para recebê-lo. Como foi com Maria, mãe de Jesus :
"que se cumpra em mim o Teu querer”.

d) Deus fala até ser ouvido. Quando Deus chamou Samuel, Ele repetiu três vezes o chamado. Na
Bíblia o número 3 significa "completo". Deus continua falando até que Ele seja ouvido. Samuel podia ouvir a voz
mas não discerni-la.

Samuel não estava acostumado a lidar com Deus. A partir do momento que ele soube que se tratava da voz
de Deus, respondeu ao Senhor. O chamado é o "liberar da Palavra de Deus sobre sua vida. Ela é a base que
sustenta aqueles a quem Deus chama. Tudo pode mudar, mas se você tiver uma palavra de Deus para fazer o que
você faz e estar aonde você está nada poderá te deter, pois ela é tudo de que você precisa. Ela é a base da sua
decisão.

O Testificar
É a convicção interior. A confirmação do Espírito como seu espírito a respeito da vontade de Deus. Esta é
uma confirmação pessoal e necessária. A Palavra de Deus nos ensina que podemos pedir a Deus essa confirmação,
muitos homens de Deus quando foram comissionados por Deus pediram isso. Gideão pediu um sinal e Deus deu,
no caso de Samuel Deus usou o próprio profeta Eli para confirmar Sua palavra que lhe fora liberada (1Sm 3:18).

A maneira como Deus irá confirmar pode ser diferente.

Creio que Ele responde e fala da maneira mais clara, para que a pessoa possa entender. O mais importante
não é o meio e sim "o testificar” no espírito. Tiago adverte a respeito daqueles que tem dúvida em relação a palavra
de Deus, "...o que dúvida é semelhante à onda do mar, impelida e agitada pelo vento. Não pense esse homem que
alcançará do Senhor alguma coisa..." (Tg 1:6-7). Quando não há convicção do chamado, a tendência é ser
18
displicente, irresponsável e inconstante. Certamente essas qualidades em um líder não o levarão muito longe. Não
pense que pedir ao Senhor uma confirmação possa parecer incredulidade de sua parte. Deus conhece você e na
verdade Ele espera que você o peça; e tenha certeza que Ele estará pronto a responder-lhe.

A Resposta
Quando Deus chama alguém, Ele na verdade o está desafiando a realizar na terra juntamente com Ele um
grande projeto celestial, assim sendo, Ele espera uma resposta. Quando Jesus pagou o preço por nós na Cruz
dando sua vida, Ele adquiriu direito sobre nós. Mas apesar dessa realidade, Ele não nos usa sem o nosso
consentimento.

A resposta é sim ou não ao chamado de Deus. Não existe 'talvez" ou "espere". Isto na linguagem espiritual
significa "não", pois quando nos dispomos ao Senhor, Ele começa imediatamente sua obra de treinamento em nós,
o que não significa que você entre instantaneamente no propósito para o qual foi chamado. Muitos homens de Deus
depois de aceitarem o Seu chamado levaram anos até chegarem a ver o seu cumprimento. Portanto, não se
preocupe com a obra, e sim apenas em responder ao Senhor da obra. Ele a seu tempo fará todas as coisas. Essa é
apenas a primeira resposta das muitas que Deus espera que você dê a Ele em obediência ao chamado.

Aqueles a quem Deus chama para exercer uma posição de liderança deveriam se sentir honrados, pois isso
significa que Deus achou que valia a pena investir em você.

Na verdade não somos nós quem o escolhemos, e sim, Ele nos escolhe!

"Não fostes vós que me escolhestes a mim, Eu vos escolhi a vós outros, e vos designei para que vades,
deis frutos, e o vosso fruto permaneça..." (Jo 15:16)

O Discipulado
Deus prova esse método: Podemos observar na Bíblia que Deus usa o discipulado para formar líderes.
Jesus lançou mão desse método quando chamou para perto de si os discípulos com a intenção de formá-los,
adestrá-los torná-los hábeis para a obra a qual foram chamados. Encontramos também exemplos de outras pessoas
que foram chamadas por Deus primeiro ao discipulado para depois exercerem uma posição de liderança. É o caso
de Moisés e Josué, Elias e Eliseu, Eli e Samuel.

O discipulado é um teste: Um método que funciona, porque na verdade é o discípulo que se qualifica. É
muito importante que o líder tenha certeza de que sua tarefa foi designada por Deus e Deus está nela, pois os
fardos são muitos pesados e são muitas horas de dedicação. O discipulado é apenas um preâmbulo da verdadeira
liderança.

O resultado pode ser um sucesso ou um fracasso: No Velho Testamento há um caso de discipulado, no


qual o discípulo foi desqualificado para a liderança. É o caso de Geasi, discípulo de Eliseu. (2Rs 5:20-27).

Não basta estar perto de homens de Deus se o coração estiver longe do Senhor.
19

A Confirmação Diante dos Homens


“Crescia Samuel, e o SENHOR era com ele...Todo o Israel,..., conheceu que Samuel estava confirmado
como profeta do SENHOR.” (1Sm 3:19-20)

Essa confirmação da parte de Deus é muito importante para que as pessoas que estiverem sob liderança
reconheceram o Senhor através do líder, “e nenhuma de suas palavras deixou cair por terra” . Deus honra aqueles
que Ele levanta e estabelece como líderes. Outro exemplo é Eliseu, que passou de servo a profeta estabelecido e
confirmado por Deus (2Rs 2:14-15).

O Reconhecimento
O reconhecimento é conquistado, e não fruto de cobranças. Alguns líderes que conquistam posições
sem ter qualificações devidas correm seriamente o risco de nunca alcançar o reconhecimento tão esperado dos
seus liderados, e o pior, a liderança passa a ser um peso. Em uma das passagens da Bíblia, Elias pergunta a Eliseu:
“o que queres?” A resposta de Eliseu à essa pergunta determina o sucesso do seu ministério; "porção dobrada da
sua unção".

O reconhecimento é conseqüência de perseverança. Elias tentou persuadir Eliseu 3 vezes a deixá-lo,


pois ele sabia o que estava para acontecer. Mas a resposta de Eliseu mostrou seu interesse em receber aquilo que
faria toda diferença na sua vida , "... tão certo como vive o Senhor, não te deixarei!” A condição para que Eliseu
recebesse o que pediu era estar perto de seu senhor no momento certo. Muitos não recebem o que pedem da parte
de Deus, porque não sabem perseverar.

Não desista no meio do caminho, persevere! Os grandes heróis da Bíblia foram grandes guerreiros e
aprenderam a lição da perseverança, em tempos difíceis quando ainda não haviam alcançado o reconhecimento
devido, eles se firmaram na palavra de Deus para sua vida e não abriram mão dela, porque creram que Deus iria
cumprir o que prometeu.

Não busque reconhecimento, busque a Unção, e o reconhecimento virá através dela.

A Posição
Posição é sinônimo de responsabilidade. Lembra do caso de Geasi, nem sempre posição é conseqüência
de estar perto de homens de Deus. Mas certamente ela é conseqüência de ser "chamado" e "aprovado" por Deus.

A posição é dada para o cumprimento do propósito de Deus. Todos aqueles que são chamados por Deus,
são primeiramente chamados vara servir a igreja do Senhor, isto é servir para edificação dos santos e do reino de
Deus. Servir é a definição de Jesus para liderança. Em outros reinos, governam aqueles cujo privilégio é serem
servidos. No reino de Deus, governam aqueles para quem o privilégio consiste em servir.
20
"O filho do homem não veio para ser servido, mas para servir e para dar a sua vida." (Mc 10:45)

Ao assumir uma posição de liderança, você estará assumindo "responsabilidade".

Assumir responsabilidade e executá-la de bom grado é marca registrada do líder. Se ele não estiver
preparado para isto, está desqualificado para o cargo. Aquele que foge dos envolvimentos mais onerosos e difíceis,
inerentes à sua posição, limita sua influência na medida de sua fuga.

Josué demonstrou qualidade de liderança ao aceitar, sem hesitação, a tremenda responsabilidade de seguir
os passos do grande líder Moisés. Josué tinha muito mais razão para alegar inaptidão do que Moisés; contudo, não
repetiu o pecado de seu líder. Pelo contrário, aceitou prontamente a responsabilidade e entregou-se à tarefa.

Quando Elias foi transladado, Eliseu, assumiu sem hesitação as responsabilidades do cargo profético que
seu mestre deixou vago. Aceitou a autoridade que lhe foi conferida ao cair do manto sobre si, e tornou-se um líder
de direito. Em cada caso, o fato determinante foi a certeza do chamado divino. Concedida esta certeza, ninguém
precisa hesitar em assumir as responsabilidades atribuídas por Deus.

Enfim, quem é o líder?

 Alguém que nunca se põe acima dos outros, a não ser no que diz respeito a responsabilidades;

 Alguém que é honesto tanto nas pequenas coisas como nas grandes;

 Alguém que percebe que sua disposição é mais importe do que sua posição;

 Alguém que convive com as pessoas para conhecer seu problemas, e vive com Deus para resolvê-los;

 Alguém que usa sua influência,. nos momentos certos por razões certas;

 Alguém que molda suas opiniões, em vez de seguir pesquisas de opinião.

Os Custos da Liderança
“Pôs Deus Abraão à prova”(Gn 22:1).

“A seguir, foi Jesus levado pelo Espírito, ao deserto, para ser tentado pelo diabo.” (Mt.4:1)

Há um preço a ser pago antes de exercer liderança. E isso pode ser observado na vida de homens de Deus
que passaram por situações difíceis, que podemos dizer que eram verdadeiros testes de liderança. Quando lemos:
"Pôs Deus Abraão à prova" é a história expressando um princípio eterno. Para todos quantos foi confiada.
autoridade espiritual, virão provas reveladoras.

A partir do chamado começa a formação. Quando Jesus chamou os discípulos para estarem junto dEle, Ele
pregava apresentando toda a mensagem do evangelho, incluindo as advertências e condições. Não havia nada
obscuro, nem jamais deixou alguém confundido. Jesus conhecia o custo daquele chamado e apresentou-o aos
21
discípulos sem omitir nada; podeis vós beber o cálice que eu bebo, ou receber o batismo com que eu sou batizado?
(Mc 10:38).

Se alguém não estiver preparado para pagar um alto preço, maior do que seus contemporâneos e colegas
estejam dispostos a pagar, não deverá aspirar à liderança no trabalho de Deus. A verdadeira liderança exige custo
elevado, a ser cobrado do líder e, quanto mais eficiente a liderança, maior o custo.

Auto-sacrifício

O auto-sacrifício é parte do preço que deve ser pago diariamente. Ergue-se uma cruz no caminho da
liderança espiritual, cruz em que o líder consentirá ser pregado! As exigências dos céus são absolutas. "Cristo deu a
Sua vida por nós e devemos dar a nossa vida pelos irmãos". (1Jo 3:16) .A maneira pela qual permitimos, ou não, que
a cruz de Cristo trabalhe em nós, será a medida pela qual a vida ressurreta de Cristo se manifestará através de nós.
"A morte trabalha em mim, mas a vida em vós.” Fugir da cruz é fugir da liderança.

Todos os heróis da fé imortalizados em Hebreus:11 foram chamados tanto para o sacrifício quanto para o
serviço. As pessoas marcadas por Deus para posições de influência em seu trabalho caracterizam-se pela prontidão
para renunciar preferências pessoais, e para sacrificar desejos legítimos e naturais, por amor ao Reino.

As cicatrizes são marcas autênticas do discipulado fiel e da liderança espiritual. Em Lucas:24, observamos
que a única coisa que Jesus fez questão de mostrar depois da sua ressurreição foram suas cicatrizes; "...mostrou-
lhes as mãos e os pés.” São testes de realidade que ninguém ousa desafiar.

Bem como o sabia Paulo: “Quanto ao mais, ninguém me moleste; porque eu trago no corpo as marcas de
Jesus” (Gl 6:17)

Paulo estava disposto a pagar o preço, e levar as cicatrizes autênticas inerentes à liderança. Isto é
comprovado num parágrafo autobiográfico, em uma de suas cartas: “ Em tudo somos atribulados, porém, não
angustiados; perplexos, porém, não desanimados; perseguidos porem, não desamparados, abatidos, porem, não
destruídos levando sempre no corpo o morrer de Jesus para que bem a sua vida se manifeste em nosso corpo.
Porque nós, que vivemos, somos sempre entregues à morte por causa de Jesus, para que também a vida de Jesus
se manifeste em nossa carne mortal.” (2Co 4:8-11)

Auto-disciplina
Tomar consciência da necessidade de uma reavaliação da sua disciplina diária é indispensável ao novo
líder. Existem alguns fatores essenciais na vida do líder que jamais podem ser negligenciados.

Uma vez que o líder começa a se envolver com muitas responsabilidades e compromissos a serem
cumpridos, ele precisa manter a auto-disciplina como ponto de partida para ser bem sucedido. Se logo a princípio
esse pré-requisito for ignorado, o acúmulo de deveres certamente se tornará um peso e logo o excesso de trabalho
começará a produzir um cansaço que poderia ser evitado se houvesse uma programação preestabelecida.
22
Liderança não precisa ser traduzida por "trabalho pesado". Trabalho pesado é o acúmulo de coisas fáceis
que você não fez quando devia ter feito.

Todos os grandes líderes compreenderam que sua responsabilidade número 1 foi em relação à própria
disciplina e crescimento pessoal. Se não fossem capazes de liderar a si mesmos, não poderiam liderar outras
pessoas. Os líderes não podem levar os outros além dos caminhos por eles já trilhados, pois ninguém pode viajar
para fora antes de Ter viajado para dentro. Uma auto-disciplina só é possível de ser alcançada, quando o líder está
disposto a pagar o preço.

Muitos líderes potencialmente bem dotados tiverem suas carreiras interrompidas na reta final para o
sucesso por não conseguirem manter a auto-disciplina, e verificaram penosamente que os atalhos não compensam
a longo prazo.

Sede de Deus
Os grandes conquistadores da história só conseguiram alcançar seus objetivos, porque mantiveram acesa
dentro deles a chama de verem a realização do sonho.

O líder espiritual não pode ser alguém conformado com o que já tem, mas deve manter uma constante sede
de Deus, que o leve a experimentar dEle diariamente como uma fonte inesgotável e sempre nova. "Vinho novo se
coloca em odres novos", odres velhos representam as mentes de uma liderança conformada com o passado e sem
perspectiva para o futuro. O homem que tem sede de Deus é aquele que O busca como ao ar que respira para
sobreviver.

Decisão

O homem que possui visão deve fazer algo a respeito dela, para não transformar-se num visionário, em vez
de líder.

Assim que o líder espiritual estiver seguro quanto à vontade de Deus, ele partirá para a ação imediata, não
importando as conseqüências. Ao perseguir seus ideais ele terá coragem suficiente para queimar as pontes atrás de
si. Ele deve estar disposto a aceitar a total responsabilidade pelo fracasso ou pelo sucesso decorrente de sua
decisão, e não colocará a culpa que porventura ocorrer, nas costas de um subordinado.

Moisés qualificou-se para tomar-se líder de Israel somente quando, após avaliar o custo, tomou a importante
decisão de abandonar os tesouros e prazeres do Egito, e identificar-se com Israel em suas aflições e sofrimentos.
Foi a fé que o levou a tomar uma decisão de tão longo alcance. (Hb 11:24-27).

É significativo que a primeira pergunta de Paulo, após sua conversão foi uma pergunta chave que refletia
esta qualidade: “Que farei, Senhor?” (At 22:10). No momento em que ele se convenceu da divindade de Cristo, ele
tomou a decisão de prestar-lhe obediência inquestionável.
23
Um jovem que iniciava seu trabalho na Guarda Costeira foi chamado, bem cedo, para tomar parte numa
missão desesperadamente. Erguia-se uma tremenda tempestade, e um navio pedia socorro em grave perigo.
Quando os homens começaram a movimentar um grande bote, preparando-se para a operação de socorro, aquele
jovem, alarmado com a fúria da ventania, gritou para o capitão: "Nunca voltaremos!" Acima da tempestade, ressoou
a voz do capitão: "Não temos de voltar, mas temos de sair!"

Coragem
Exige-se do líder espiritual, coragem da mais alta ordem coragem moral sempre e freqüentemente, coragem
física também. Coragem é "aquela qualidade de espírito que capacita os homens a enfrentar o perigo, ou a
dificuldade, com firmeza, sem medo, e sem depressão mental".

A coragem de um líder é demonstrada quando ele está disposto a enfrentar fatos e condições
desagradáveis, e mesmo devastadora, com tranqüilidade; a agir com firmeza, à luz dessas circunstâncias adversas,
mesmo que isto represente desprestígio pessoal. Sua coragem não é coisa de momento, mas permanece até que a
tarefa seja feita.

Martinho Lutero possuía esta importante qualidade em medida descomunal. Tem-se asseverado que ele foi,
provavelmente, o homem mais corajoso que já existiu.

Ao partir para sua histórica viagem a Worms, ele disse: "Podeis esperar de mim tudo, menos o medo, ou a
retratação. Não fugirei, nem me retratarei." Seus amigos advertiram-no dos perigos que enfrentaria, e tentaram
dissuadi-lo. Contudo, Lutero não se deixaria dissuadir. Disse ele: “Irei a Worms mesmo que haja tantos demônios lá,
quanto telhas nos telhados.”

Quando Lutero foi chamado perante o imperador, pediram-lhe que se retratasse. Insistiram em que ele
deveria dizer numa palavra, se ele se retrataria ou não. "A menos que eu seja convencido pelas Escrituras
Sagradas, ou por razões lúcidas de outras fontes, não poderei retratar-me,” declarou. "Não posso condescender
com Concílios, nem com o Papa, porque eles erraram freqüentemente. Minha consciência é prisioneira da Palavra
de Deus".

Não importa quanto medo tenham sentido, os líderes de Deus. Em todas as gerações, recebem a ordem
para ter "bom ânimo". Se não sentissem eles qualquer medo, esta ordem não teria razão de existir. A
responsabilidade pela coragem é colocada no próprio líder, visto que ele é templo do Espírito de poder, que torna
possível o desempenho corajoso.

"Ser corajoso", o líder não tem outra opção, pois as pessoas esperam isso dele. Que ele aja com coragem e
calma nas crises. Outros podem descontrolar-se e perder a cabeça, porém não os líderes. Eles fortalecem seus
liderados em meio a reveses destruidores e influências enfraquecedoras.

Problemas que o Líder Enfrenta


24
Uma das características mais universais de liderança e de sucesso é a simplicidade, isto é, "a capacidade
de reduzir os problemas a proporções menores”. Aprender solucionar problemas é um dos caminhos mais curtos
para conquistar liderança. Todos nós temos uma tendência durante toda nossa vida a nos livrarmos de problemas e
responsabilidades. Quando essa tentação surgir, lembre-se do jovem que perguntou a um velho solitário: Qual é o
maior fardo da vida?” O ancião respondeu com tristeza na voz: “Não ter nada que carregar.”

No trabalho secular e no trabalho do Senhor, as coisas saem erradas por motivos externos ou internos. Ou
somos insuficientes para a tarefa e falhamos em planejar como deveríamos, ou surgem forças externas que não
podemos controlar. A maneira como lidamos com estes problemas revela o calibre de nossa liderança.

Problemas à Nível Pessoal


O Descrédito : Muitos homens de Deus, chamados para uma grande tarefa, tiveram que enfrentar, a
princípio o descrédito por parte daqueles que deveriam apoiá-lo.

Davi, depois de ter sido ungido por Samuel diante de sua família, a partir daquele dia, ele poderia esperar
que pelo menos estes o reconhecesse como "ungido" de Deus. Mas vemos que isto não aconteceu. Em 1Sm:17,
Eliabe, o irmão mais velho de Davi, ignora-o completamente no campo de batalha quando Davi se dispõe a lutar
com Golias. No entanto isso parece não ter incomodado a Davi, que ignorando o descrédito do irmão continuou com
a decisão de defender o nome de Deus.

O descrédito é certo que virá por parte de alguns, mas o líder deverá estar pronto para lidar com isso, do
contrário não avançará.

Um outro exemplo de um grande líder que venceu a falta de credibilidade por parte de seus próprios líderes,
é Neemias. Neemias recebe um encargo da parte de Deus para reconstruir os muros de Jerusalém, que foram
destruídos por ocasião do exílio. Mas ao voltar a Jerusalém para cumprir sua tarefa, encontra mais oposição do que
apoio.

“O que estes fracos judeus estão fazendo? Renascerão, acaso, dos montões de pó as pedras que foram
queimadas?” (Ne 4:2). Essa é uma situação típica do diabo ao usar uma outra pessoa pra nos dizer: “Quem você
pensa que é? Procura desanimar-nos para que não consigamos prosseguir.

O segredo de vencer a oposição está no relacionamento com o Senhor, e na convicção da palavra de Deus
para a sua vida.

O líder não deve nunca cair na defensiva tentando se auto-afirmar diante de tais situações, e nem tão pouco
ficar ansioso por não receber apoio para as suas boas intenções. "A ansiedade nunca tira a tristeza de amanhã; só
tira a força do hoje."

A perseverança é o verdadeiro teste de capacidade de liderança. Aprenda a desenvolver respostas positivas


à oposição, através da oração e de uma identificação com o propósito de Deus. Neemias venceu os obstáculos e
25
cumpriu sua tarefa. O mesmo sucesso de Neemias pode ser seu, como disse o apóstolo João: “Esta é a vitória que
vence o mundo, a nossa fé.” (1Jo.5:4)

O Ciúme é " um sentimento doloroso de perder algo". O ciumento não aceita dividir aquilo que é seu por
direito, e reage quando isso lhe é tirado.

Saul é um exemplo típico de alguém que se voltou contra aquele que, segundo o seu parecer era uma
ameaça a tudo quanto ele tinha, isto é, "o trono de Israel. Em 1Sm 18:7, Saul sente ciúmes de Davi porque ele é
honrado pelas mulheres de Israel. E a partir daquele dia Saul muda o seu comportamento.

O ciúme é um perigo tanto para quem sente como para quem é vitima dele. O líder deve procurar ter um
coração livre para poder lidar com situações como essa. É simples a lição para o líder. A pessoa que estiver no lugar
indicado por Deus não precisa tentar defender-se, quando desafiado por rivais ciumentos. Moisés sofreu esse tipo
de problema, e reagiu como alguém que conhece o lugar onde está e tem certeza de que Deus o honrará como de
fato, Ele o fez (Nm.12:8). Entregue-se nas mãos do Senhor.

Deus tem ciúmes dos líderes a quem ele chamou e nomeou. Ele os honra, protege e defende, e alivia-os da
necessidade de lutar por qualquer de seus direitos.

A Inveja é "o desejo o de ter o que o outro tem".


Logo depois que Saul sentiu ciúme de Davi, ele começou a ver Davi de uma maneira diferente. "Daquele dia
em diante Saul não via Davi com bons olhos." (1Sm 18:9) Saul sabia que seu tempo já estava no fim, e que Davi
fora levantado por Deus. A sua reação para com Davi é uma evidência clara de inveja, um sentimento que o levou a
tomar atitudes drásticas.

Observe que primeiro brota o ciúme, este uma vez concebido dá à luz a inveja, e esta por sua vez, levanta
barreiras para com o outro, chegando até a perseguição. No caso de Davi foi literal, mas às vezes ela pode se
manifestar através de palavras, levando por fim, a rejeição.

O líder deve aprender a guardar o seu coração, se isso porventura lhe ocorrer, suporte e não tente combatê-
lo com argumentos naturais. Lembre-se de Davi, que fugiu da presença de Saul, até Deus por fim naquela situação.

“Que diremos, pois, à vista destas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós?” (Rm 8:31)

A Injustiça é uma situação na qual a pessoa "recebe o mal pelo bem praticado".
Se existe uma pessoa que poderia passar imune a isso, essa pessoa é Jesus. Quando Pilatos perguntou ao
povo “qual crime este homem cometeu?” Ninguém podia acusá-lo de crime algum pois não havia nada contra ele.
No entanto não reconheceram as sua obras muito menos a sua pessoa.
26
Às vezes, quando somos injustiçados nossa vontade é de reagir e fazer justiça por nós mesmos, isso é tudo
o que o líder jamais deve fazer. Não perca a oportunidade de ver Deus agindo em seu favor.

É aqui que muitos desistem, e ficam no meio do caminho, decepcionados e amargurados, que essa não seja
a sua realidade. Apegue-se a Palavra de Deus e o "Senhor fará sobressair a sua justiça como o sol ao meio dia!”

A Crítica é o ato de julgar. A questão é: segundo qual referencial?


O nosso padrão é a palavra de Deus. Ao receber uma crítica o líder deve saber como lidar com ela.
Primeiro: ouça. Segundo: avalie, e terceiro: se a crítica for justa, mude sem nenhum constrangimento. Creio que o
líder deve ser humilde o bastante para isso. Do contrário, ignore e suporte a oposição.

É importante que o líder tenha o mesmo cuidado quanto aos "elogios", pois assim como a crítica, eles
podem desviá-lo da dependência de Deus. Portanto, quando as críticas forem merecidas aprenda com elas, mas
não permita que isso produza desânimo, lembre-se do seguinte princípio: “Se você não quer ser criticado, não faça
nada”.

Concluindo
Aprenda a lidar com esses problemas, sem permitir que eles alterem seu humor e sua disposição em servir
ao Senhor.

E cuide para não ser o canal desses problemas em relação aos outros.

Não pense que por estar Deus a sua frente não haverão problemas ou pessoas te resistindo. Veja tudo isso
como uma oportunidade para você crescer. Por trás de cada situação, Deus espera uma resposta sua para te
aprovar.

"Se você tivesse tudo o que quisesse: tempo ilimitado, dinheiro ilimitado, informação ilimitada, pessoal
ilimitado; todos os recursos que solicitasse, o quê você faria?

Sua resposta a essa pergunto é seu sonho. Faça com que ele valha a pena.

Problemas à Nível de Liderança


Decisões Difíceis : Elas são inevitáveis na vida do líder, mais cedo ou mais tarde elas aparecerão. É
preciso então estar preparado, pois esta é uma das mais árduas atribuições da liderança.

Embora muitos tentem ignorá-la, e às vezes quando é possível, transferem a responsabilidade à terceiros. A
atitude desses líderes é igual ao de um domador que colocou um anúncio no jornal: "domador de leões procura leão
manso."
27
O fato é que o líder tem de enfrentar, mas qual deve ser a atitude certa?

Primeiro, não fuja delas. Fale com as pessoas certas. Busque ajuda, se necessário, de pessoas maduras
que poderão lhe aconselhar à luz da Palavra de Deus.

Faça perguntas específicas sobre o assunto até esclarecer os fatos que levaram a isso.

Confronte as pessoas envolvidas com a verdade da Palavra de Deus. E aconselhe segundo aquilo que você
crê. "Eu cri, por isso é que falei.” (2Co 4:13)

Avalie tudo através da Palavra e não por partidarismo.

Ao tomar uma decisão, faça com segurança, ou não faça.

Aja com sabedoria com pessoas difíceis.

"Toda escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a
educação na justiça. (2Tm 3:16)

O rei Salomão uma certa ocasião se viu diante de uma difícil decisão. Duas mulheres foram diante dele para
reivindicar o direito materno sobre uma criança. Com sabedoria, ele resolveu eliminar o problema, destruindo a sua
principal causa, "a criança". Resultado, a verdadeira mãe apareceu abrindo mão da criança em favor da outra
mulher. Quando uma situação parece impossível, às vezes é preciso ter uma atitude drástica para achar a solução.
Mas nunca desista antes de tentar, e mesmo depois de tentar insista até chegar a uma solução.

Tenha cuidado para não se acomodar à posição de achar que não existem respostas para um problema.
Alguém poderá obter sucesso encontrando uma solução.

Assuntos Polêmicos: “Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um
tenha opinião bem definida em sua própria mente.” (Rm 14:5)
O importante nessa questão não é exatamente como você se sente em relação ao assunto, e sim o que a
Palavra de Deus diz a respeito dele.

Não creio que cabe ao líder ficar discutindo coisas que não produzirão resultados nenhum, ou tentar mudar
o raciocínio de outros. O líder deve ter uma posição diante desses assuntos e conhecer o que a Bíblia diz a respeito,
mas sem produzir polêmicas.

Em se tratando de assuntos bíblicos, busque conhecer através da revelação de Deus no seu espirito, ou se
você ainda não a tem conserve-se calado.

O líder deve procurar crescer em conhecimento, estudando a Bíblia, lendo livros evangélicos que falem do
assunto que você está interessado e sondando o que você ouve com o seu espírito. Não se contente em ficar na
ignorância, esperando que outros lhe ensinem.

“Errais não conhecendo as Escrituras, nem o poder de Deus." (Mt 22:29)


28

O Fracasso: A maneira como o líder enfrenta seus próprios fracassos tem um efeito significativo
em seu ministério futuro. Uma pessoa teria sido justificada se concluísse que o de Pedro, ao negar
Jesus três vezes, pensou ter fechado a porta da liderança em sua vida.
Ao invés disso, a profundidade de seu arrependimento, e a realidade de seu amor por Cristo reabriram a
porta da oportunidade a um recomeço. “Onde abundou o pecado, superabundou a graça.” (Rm 5:20)

O líder bem sucedido não é aquele que nunca experimentou fracasso, e sim aquele que aprendeu que
nenhum fracasso precisa ser ponto final, e age de acordo com esta crença, quer a falha tenha sido sua ou de
outrem. Deve aprender a ser realista e estar preparado para entender que ele não pode estar certo sempre. Não
existe o líder perfeito ou infalível.

Deus escolhe aquilo que passaremos, nós escolhemos a maneira de passar.

Alguém um dia perguntou: “o que adiantaria se pudéssemos ser ajudados pela ciência no sentido de viver
cem anos, o que lucraríamos se nossos ódios e medos, nossa solidão e nosso remorso, não nos permitissem
desfrutá-los?”

Todos nós podemos crescer com o fracasso, quando encontramos nele a oportunidade de recomeçar
inteligentemente.

A Pressão: Aprender a liderar é estar constantemente aprendendo a lidar com pressão. À medida que
cresce a responsabilidade do líder, cresce também o nível de pressão que ele sofre. Por isso a medida que o líder
aprende a lidar com as mínimas situações de pressão em sua vida, sejam elas de que caráter for, ele estará se
qualificando para enfrentar outras situações maiores e mais sérias.
Jesus sofreu todos os tipos de pressões, e por isso Ele nos advertiu para não carregar nenhuma delas, pois
qualquer que seja é pesado demais para nós. Por isso o líder precisa aprender a descansar praticando a palavra:
"Tomai sobre vós o meu jugo, porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”

Se existe um tipo de esforço o qual o líder não pode deixar de fazer é o esforço para entrar no descanso.

"Todas as coisa cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o
seu propósito." (Rm 8:28)

Que bem? Que sejamos conformados à imagem de seu filho.

 Tudo em nossa vida precisa passar pelo supremo teste de morte, para abrir caminho ao Deus da
ressurreição. Depois disso você será um com Ele.
29
 Tudo isso tem uma razão: o mais importante não são os problemas que enfrentamos e sim
naquilo que eles nos transformam; pois trazem uma devastação à velha criação, e por meio deles
a natureza de Deus pode ser trabalhada na natureza do homem.

Categorias de Liderança

O Líder Excelente
 Nasce com qualidades de liderança;

 Presenciou liderança sendo modelada durante toda sua vida;

 Aprendeu liderança adicional pelo treinamento;

 Possui autodisciplina para ser um grande líder.

Nota: Com exceção da primeira, as outras três qualidades podem ser adquiridas.

O Líder Formado
 Presenciou liderança sendo modelada durante a maior parte de sua vida;

 Aprendeu liderança pelo treinamento;

 Possui autodisciplina para se tornar um grande líder.

Nota: Todas as três qualidades são adquiridas.

O Líder Latente
 Presenciou liderança sendo modelada somente há pouco tempo;

 Está aprendendo a ser um grande líder pela treinamento;

 Possui autodisciplina para se tornar um bom líder.

Nota: Todas as três qualidades são adquiridas.


30
O Líder Limitado
 Tem pouca ou nenhuma exposição à líderes;

 Tem pouca ou nenhuma exposição a treinamento de liderança;

 Tem vontade de se tornar um líder.

Nota: Todas as três podem ser adquiridas.

Características Essenciais à Liderança


Para uma melhor compreensão vamos dividir essas características em: naturais e espirituais. Cada uma
delas deve constar no currículo do líder, isto é, na sua experiência.

Portanto, deve-se buscar adquirir tais características. Se o líder já possui algumas delas, deve procurar
desenvolvê-las, pois ele nunca deve parar de crescer. Sempre haverá uma área em sua vida em que você poderá
melhorar.

Coragem (Já descrita no tópico “Custo da Liderança”)

Determinação
A determinação nada mais é do que a sua decisão de permanecer no posto. De prosseguir diante de cada
situação, seja ela favorável ou não. Se o líder é determinado a alcançar o alvo, nada conseguirá detê-lo. A atitude do
líder diante de eventuais fracassos é decisiva.

Segundo uma pesquisa, nossa vida é 10% o que nos acontece, e 90% a maneira como reagimos. Isto
mostra que nós escolhemos tomar a atitude certa ou errada diante de cada situação, e isso vai determinar o que
iremos alcançar, e até onde conseguiremos chegar.

Todos os grandes homens da história da igreja, que foram levantados por Deus, tiveram que vencer
obstáculos até conseguirem alcançar a realização do propósito de Deus.

Uma vez que alguém decide aliar-se com Deus, certamente o diabo se levantará para resisti-lo. É uma
guerra a ser travada, a qual não ganha quem tem mais munição, e sim quem luta até o fim.

O mais importante na história de vida desses homens e mulheres de Deus, não é o que fizeram, mas o que
decidiram ser. E eles foram!, sem exceção, vencedores, porque mesmo em meio a perdas, eles não desistiram.
31
Disciplina
"É a decisão de realizar as coisas que você realmente quer, fazendo as coisas que você realmente não quer
fazer".

É essencial começar a desenvolver a auto-disciplina em pequena escala hoje, afim de se tornar disciplinado
em grande escala amanhã. O que você vai ser amanhã, você está começando a se tornar hoje! O preguiçoso e o
desorganizado jamais estarão à altura da verdadeira liderança.

Um grande estadista fez um discurso que mudou a direção dos assuntos nacionais. “Posso perguntar-lhe
quanto tempo o senhor levou para preparar esse discurso?” Perguntou-lhe um admirador. "Minha vida toda tem sido
um preparativo para aquilo que eu disse hoje", replicou o homem.

Pessoas bem sucedidas, são pessoas disciplinadas. Isso se aplica ao líder cristão, incluindo sua disciplina
no estudo da Bíblia, na oração, no jejum, no dizimo, no seu tempo e até mesmo no sono. Só a pessoa disciplinada
subirá até os mais altos poderes. Ela é capaz de liderar porque conseguiu conquistar-se a si mesma.

A vontade de vencer é muito importante, mas, mais importante é a vontade de preparar-se.

Retidão
Retidão é sinônimo de "integridade", isto é, “ser integro ou inteiro”. Quando as pessoas possuem
integridade, suas palavras são coerentes com seus atos. Esta é sem dúvida a qualidade mais necessária para o
êxito em tudo o que se faz.

A Bíblia diz a respeito de Jesus, que Ele era “reto” em todos os seus caminhos. Assim deve ser o líder,
irrepreensível em todos os seus empreendimentos. O exemplo é muito mais poderoso do que o ensino.

O líder não deve dar oportunidade a seus adversários para nenhuma campanha difamatória. Ele deve se
manter inculpável em sua vida moral. Deve Ter um padrão elevado, de relacionamento conjugal, em sua fidelidade à
sua única esposa. Deve ser um homem de moralidade inatacável.

O líder deve ser controlado, mentalmente sadio, não deve ser briguento, amigo de controvérsias, mas
docemente sensato.

Paulo aconselha Timóteo: "torna-te padrão dos fiéis." (1Tm 4:12).

Um caráter forte não nos é dado de bandeja. Temos que construir peça por peça: pelo discernimento, pela
coragem e pela determinação. Isso só pode ser conseguido com um estilo de vida disciplinado. Se o caráter do líder
é falho, então ele não poderá ser bem sucedido, mesmo recorrendo às chamadas boas técnicas de relações
humanas, pois isto, será visto como manipulação.

Se o que dizemos, e o que fazemos é a mesma coisa os resultados serão consistentes. Quanto mais os
liderados virem e ouvirem seu líder consistente por atos e palavras, maior será sua consistência e lealdade. "O que
32
eles ouvem, compreendem, o que eles vêem, acreditam” . Um líder não pode viver de uma imagem falsa. A
integridade resulta numa reputação sólida, não apenas numa imagem.

Duas velhinhas estavam andando numa igreja repleta de fiéis no interior da Inglaterra quando
depararam com a lápide de uma sepultura. A inscrição dizia: “Aqui jaz John Smith, um político e um homem
honesto”. “Cruzes!” disse uma delas, “que coisa horrível enterrarem duas pessoas na mesma sepultura!”

Imagem é o que as pessoas pensam que você é.

Integridade é o que realmente você é.

Excelência
Essa deve ser a marca de sua liderança. Não abra mão da excelência, mas busque-a. Em tudo o que fizer,
faça melhor.

“Ao insensato não convém a palavra excelente.” (Pr 17:7)

A maioria das pessoas está sempre atraída pelo que é prático. Ser excelente significa viver de modo
diferente do que a maioria vive, isto é, viver acima da mediocridade.

Aprendendo a ser Líder


Capítulo III
Como Estabelecer Prioridades?
Há duas coisas que são muito difíceis para as pessoas compreenderem: pensar e fazer as coisas pela
ordem de importância. Essas duas coisas constituem a diferença entre um profissional e um amador.

Pensar antecipadamente e priorizar responsabilidades estabelece as principais diferenças entre um líder e


um liderado, porque:

 As pessoas práticas sabem como conseguir as coisas que querem.

 Os filósofos sabem o que devem querer.

 Os líderes sabem como conseguir o que devem querer.

O sucesso pode ser definido como a realização progressiva de um objetivo predeterminado. A definição nos
diz que a disciplina para priorizar, e a capacidade de trabalhar visando a um determinado objetivo são essenciais
para o sucesso do líder.
33
O Princípio de Pareto
20% de suas prioridades lhe darão 80% de sua produção, SE aplicar seu tempo, energia, dinheiro e pessoal
nos 20% de suas prioridades mais importantes.

Exemplos do Princípio de Pareto:


Tempo - 20% do nosso tempo produzem 80% dos resultados.

Conselhos - 20% das pessoas tomam 80% do nosso tempo.

Produtos - 20% de nossos produtos produzem 80% do lucro.

Leitura - 20% do livro contêm 80% do conteúdo.

Trabalho - 20% de nosso trabalho nos proporcionam 80% de satisfação.

Oratória - 20% de um discurso causam 80% do impacto.

Donativos - 20% das pessoas doarão 80% do dinheiro.

Liderança - 20% das pessoas tomam 80% das decisões.

Piquenique - 20% das pessoas comerão 80% da comida!

Todo líder precisa compreender o Princípio de Pareto na área de supervisão e liderança de pessoas.

Por exemplo:

20% dos membros da igreja serão responsáveis por 80% do sucesso do trabalho. Determine que pessoas
constituem 20% dos melhores produtores.

Destine 80% do seu "tempo reservado ao pessoal" aos 20% mais qualificados.

Destine 80% de sua verba de desenvolvimento aos 20% mais produtivos.

Determine os 20% do trabalho que produzem 80% de retorno e treine um assistente para cuidar do trabalho
menos rentável. Isso "libera" o produtor para fazer o que melhor sabe fazer.

Atribua aos 20% do primeiro time o treinamento dos outros 20% dos trabalhadores.

Não é uma questão de dar duro, mas de trabalhar com a cabeça .


Disseram a um homem que se ele trabalhasse para valer poderia ficar muito rico. O trabalho mais pesado
que ele conhecia era cavar buracos. Pôs-se, então, a cavar grandes buracos em seu quintal. Não ficou rico,
conseguiu apenas arranjar um problema de coluna. Deu duro, é verdade, mas sem quaisquer prioridades.
34

Organize-se ou agonize
A capacidade de levar três ou quatro projetos a bom termo é indispensável a qualquer líder. Uma vida em
que tanto faz como tanto fez no fim das contas terá sido uma vida que não fez nada.

Priorize Compromissos
Grande Importância/Grande Urgência. Toque esses projetos em primeiro lugar.

Grande Importância/Pouca Urgência: Estabeleça prazos e desenvolva esses projetos rotineiramente.

Pouca Importância/Grande Urgência: Descubra maneiras rápidas a eficientes de realizar esse trabalho
sem envolver muita gente.

Pouca importância/Pouca Urgência: Geralmente é um trabalho freqüente, repetitivo, como arquivar por
exemplo.

Escolha ou Perderá
Quando se trata de planejar, somos todos iniciadores ou reagentes.

Um exemplo é nossa agenda. A pergunta não é: "Minha agenda estará lotada?", mas sim: "Quem
preencherá minha agenda?".

Se somos líderes, a pergunta não é: "Verei pessoas?", mas sim: "Quem verei?".

Líderes Liderados

Iniciam Reagem

Lideram; pegam o telefone e fazem contato Ouvem; esperam o telefone tocar

Usam o tempo para planejar; antecipar problemas

Investem tempo em pessoas Passam o tempo vivendo o dia-a-dia; reagindo aos


problemas
Preenchem a agenda com prioridades
Gastam tempo com pessoas
35
Preenchem a agenda com pedidos

Avalie para evitar o impasse


Um veterano de muitos anos de tomadas de decisões me deu esse conselho simples e conciso: “Decida o
que fazer e faça; decida o que não fazer e não faça.” A avaliação de prioridades, entretanto, não é tão simples.
Muitas vezes elas não são nem preto nem branco, mas muitas nuanças de cinza. Descobri que a última coisa que
uma pessoa sabe é o que colocar em primeiro lugar.

As perguntas que se seguem o ajudarão a eleger prioridades:

O que é exigido de mim?


Um líder pode abrir mão de tudo menos da responsabilidade final. A pergunta a que devemos sempre
responder antes de aceitar uma incumbência é: "O que é exigido de mim?" Em outras palavras, o que devo fazer
que mais ninguém a não ser eu seja capaz de fazer?

O que me proporciona maior retorno?


O esforço despendido deverá ser proporcional aos resultados esperados. Faça-se constantemente esta
pergunta: "Estou fazendo o que sei fazer melhor e obtendo resultados para a igreja?"

Três problemas comuns na organização são:


Abuso: Muito poucos fazem demais.

Desuso: Muitos fazem muito pouco.

Mau uso: Muitos fazem as coisas erradas.

O que é mais gratificante?


36
A vida é muito curta para não vivermos com alegria. Nosso melhor trabalho acontece quando o realizamos
com prazer. Quando você obtém sucesso em alguma coisa, deixa de ser trabalho. Passa a ser uma maneira de
viver.

O sucesso no trabalho aumentará consideravelmente se os três erres forem


semelhantes:

 Requisitos

 Retorno

Princípios de Prioridade
As prioridades nunca "ficam paradas":
 Elas se deslocam continuamente requerendo atenção;

 Quando bem colocadas estão sempre sob ameaça.

Para manter as prioridades no devido lugar:


 Avalie: Reveja os 3 Rs periodicamente. (Requisitos/Retorno/Recompensa).

 Elimine: Pergunte-se: "O que eu estou fazendo que poderia ser feito por outra pessoa ?"

 Estime: Quais são os principais projetos que você está desenvolvendo este mês e quanto tempo levarão
para serem concluídos?
37

Princípio: Você deve analisar a real importância de cada coisa que faz .
À uma jovem concertista de violino foi perguntado certa vez qual era o segredo do seu sucesso. Ela
respondeu: "Negligência planejada." E explicou: "Quando estava no colégio, havia sempre muitas coisas que
tomavam meu tempo. Quando voltava para meu quarto depois do café da manhã, tinha que fazer a cama, arrumar o
quarto, varrer o chão, e qualquer outra coisa que chamasse minha atenção. Saía sempre correndo para minha aula
de violino. Achei que não estava progredindo como gostaria, e resolvi inverter as coisas. Até concluir meu período de
aulas, negligenciei deliberadamente tudo mais. Esse programa de negligência planejada, acredito, é a razão do meu
sucesso."

Princípio: O bom é o inimigo do ótimo.


A maioria das pessoas é capaz de estabelecer prioridades quando confrontadas com opções boas ou más. O
desafio surge quando é preciso escolher entre duas boas alternativas. O que fazer? E se ambas as opções se
encaixarem no perfil de requisitos, retorno e recompensa de nosso trabalho?

 Pergunte a preferência de seu supervisor ou de seus companheiros de trabalho.

 Verifique se uma das opções pode ficar a cargo de outra pessoa , delegue-a e execute a tarefa que só
você pode se desenvolver

 Qual das opções trará mais crescimento para a igreja? Muitas vezes agimos como o comerciante tão
preocupado em manter a loja limpa, que nunca abria a porta da frente. A única razão de montar uma loja é atrair
a freguesia, não limpá-la o tempo todo!

 Tome sua decisão baseada nos objetivos da igreja. Leia com atenção esta estória: “O guardião de um farol
instalado numa ponta rochosa da Costa recebia seu suprimento de petróleo uma vez por mês para manter o
farol aceso. Não ficando muito distante da praia, ele recebia freqüentes visitas. Uma noite uma mulher da aldeia
pediu-lhe um pouco de combustível para manter sua família aquecida. Outra vez um pai pediu-lhe uma pequena
quantidade para usar em seu lampião. Outro lhe pediu um pouco para lubrificar uma roda. Como todos os
pedidos lhe pareciam razoáveis, o faroleiro procurava contentar a todos e ia atendendo seus pedidos. Ao se
aproximar o fim do mês ele notou que o suprimento de óleo estava muito baixo. Em pouco tempo esgotou-se e o
farol ficou às escuras. Naquela noite diversas embarcações soçobraram e vidas preciosas foram perdidas.
Quando as autoridades investigaram, o pobre homem mostrou-se muito arrependido. Para suas desculpas e
seus rogos a resposta foi implacável: "Você recebia o suprimento de petróleo para uma única finalidade: manter
acesa a luz do farol!”

Princípio: Você não pode ter tudo


38
Aquele que procura uma coisa, apenas uma, pode ter esperança de conseguí-la antes que a vida acabe. Mas
aquele que busca todas as coisas aonde quer que vá poderá ceifar uma colheita de amargo arrependimento.

Um grupo de pessoas se preparava para escalar o pico do Mont Blanc nos Alpes franceses. Na véspera da
escalada, um guia francês anunciou os principais requisitos para o sucesso. Ele disse: "Para atingir o pico, é preciso
levar apenas o equipamento indispensável à subida. É absolutamente necessário se descartar de todos os
acessórios inúteis. É uma escalada difícil." Um jovem inglês discordou e na manhã seguinte apareceu com um
cobertor de cores vivas, um tanto pesado, grandes fatias de queijo, uma garrafa de vinho, duas máquinas
fotográficas com diversas lentes penduradas no pescoço e algumas barras de chocolate. "Desse jeito, você nunca
chegará lá em cima. É preciso se restringir ao mínimo para poder fazer a escalada", advertiu o guia. Teimoso, o
inglês partiu por conta própria na frente do grupo para mostrar que podia. O grupo seguiu sob a direção do guia
levando o estritamente necessário. Na subida para o pico do Mont Blanc, os alpinistas começaram a notar coisas
espalhadas pelo caminho por alguém que obviamente as abandonara. Primeiro, encontraram um cobertor de cores
berrantes, depois algumas fatias de queijo, uma garrafa de vinho, equipamento fotográfico e barras de chocolate.
Finalmente, quando atingiram o pico descobriram o inglês mais morto do que vivo.

Princípio: Prioridades excessivas podem paralisá-lo


Os treinadores de animais selvagens carregam sempre um pequeno banco quando entram na jaula dos leões.
Eles têm seus chicotes e pistolas, é claro. Mas não dispensam o banquinho. É a ferramenta mais importante do
domador. Ele segura o banco por trás e arremete as pernas para a cara do animal. Dizem os entendidos que a fera
tenta focalizar as quatro pernas do banco ao mesmo tempo a ao fazê-lo é dominada por uma espécie de paralisia,
ficando mansa e incapacitada porque sua visão se dispersa, é fragmentada. Todos os legítimos líderes aprendem a
dizer Não ao que é bom, para dizer Sim ao que é ótimo.

Princípio: Quando pequenas prioridades exigem demais de nós, surgem grandes


problemas
A razão pela qual a maioria dos grandes objetivos não são alcançados é: perdemos nosso tempo fazendo
primeiro coisas secundárias. "Há alguns anos a manchete de um jornal dizia que trezentas baleias tinham morrido
subitamente. As baleias estavam perseguindo sardinhas e acabaram encalhando numa baía." Os peixinhos atraíram
os grandes gigantes dos mares para a morte. Elas foram ao encontro de um fim violento por perseguirem "arraia-
miúda", despendendo forças colossais para alcançar objetivos insignificantes.

Princípio: Prazos fatais e emergências obrigam-nos a priorizar


Se você tiver apenas uma carta para escrever, ela lhe tomará o dia todo. Se tiver que escrever vinte cartas,
você também o fará num só dia.
39
Qual o momento mais produtivo em nosso trabalho? A semana anterior às férias! Por que não somos capazes
de administrar sempre nossas vidas como fazemos na semana que precede nosso período de férias, tomando
decisões, arrumando a escrivaninha, retomando as chamadas telefônicas...

Em condições normais, somos eficientes (fazemos certo as coisas). Quando a pressão de tempo aumenta ou
surgem emergências, tornamo-nos eficazes (fazendo as coisas certas).

Eficiência é o alicerce da sobrevivência. Eficácia é o alicerce do sucesso.

Princípio: Muitas vezes aprendemos tarde demais o que é realmente importante


Não se conhece o autor da frase: "A criança nasce com a mão fechada; o homem morre com a mão aberta.”
A vida se incumbe de soltar as coisas que julgamos serem tão importantes.

Qual a Importância da Integridade do Líder?


O dicionário define integridade como “o estado de ser completo, uno”. Se tenho integridade, minhas palavras
e minhas ações se entrosam. Sou quem sou, não importa onde me encontre ou com quem esteja.

Num formulário de pedido de emprego uma das perguntas era: “Já foi preso alguma vez?” O candidato
escreveu “NÃO” em letra de fôrma no espaço correspondente. A pergunta seguinte era feita em função da resposta
à pergunta anterior. Indagava: “Por quê?” Não se dando conta de que não tinha que respondê-la, o candidato
“honesto” mas sem dúvida ingênuo, sapecou: “Acho que é porque nunca me pegaram.”

Uma pessoa íntegra não admite “lealdades” divididas (isso é duplicidade), nem simplesmente faz de conta
(isso é hipocrisia). Pessoas íntegras são pessoas “inteiras”; elas são identificadas por sua coerência de propósitos.
Pessoas íntegras não têm nada a esconder e nada a temer. Suas vidas são livros abertos.

A integridade não é tanto o que fazemos mas o que somos. E o que somos, por sua vez, determina o que
fazemos. Nosso sistema de valores de tal forma é parte integrante de nós que não podemos separá-lo de nossa
personalidade. Ele se torna o sistema de navegação que nos orienta. Ele estabelece prioridades em nossas vidas e
julga o que devemos aceitar ou rejeitar.

Todos nós enfrentamos desejos conflitantes. Ninguém, por mais “espiritual” que seja, pode evitar essa
batalha. Integridade é o fator que determina qual deles prevalecerá. Deparamos diariamente com situações que
exigem decisões entre, o que queremos e o que devemos fazer. A integridade solda o que dizemos, pensamos e
fazemos numa só pessoa, integral, indivisível, impondo sua perfeita sintonia.

A primeira chave para a grandeza é sermos na realidade o que aparentamos ser. Para conquistar confiança,
um líder tem que ser autêntico. Para tanto, é preciso que haja coerência como ocorre numa boa composição musical
- a letra e a música se casam harmoniosamente.
40
Se o que dizemos e o que fazemos são a mesma coisa, os resultados serão consistentes.

Exemplo:

Digo aos empregados: "Sejam Chego pontualmente ao trabalho. Eles chegarão pontualmente.
pontuais."

Exibo uma atitude positiva.


Digo aos empregados: “Sejam
positivos.” Eles serão positivos.

Digo aos empregados: "O freguês Ponho o freguês em primeiro lugar.


vem em primeiro lugar. " Eles porão o freguês em primeiro
lugar.

Se o que disser e fizer não forem a mesma coisa, os resultados serão inconsistentes.

Exemplo:

Digo aos empregados: "Sejam Chego atrasado ao trabalho. Alguns chegarão na hora, outros não.
pontuais."

Alguns serão positivos, outros não.


Digo aos empregados: "Sejam
positivos.” Exibo uma atitude negativa.

- 89% do que as Alguns porão o freguês em primeiro


pessoas aprendem provêm lugar; outros não.
do estímulo visual

- 10% do estimulo Coloco-me em primeiro lugar.


auditivo

- 1% de outros
sentidos
41
Digo aos empregados: "O freguês em
primeiro lugar. "

Portanto, faz sentido dizer que quanto mais os liderados virem e ouvirem seu líder consistente por atos e palavras,
maior será sua consistência e lealdade. O que eles ouvem, compreendem. O que eles vêem, acreditam!

Muitas vezes tentamos motivar nossos seguidores com macetes ingênuos, de vida curta. O que as pessoas
precisam não é de um slogan para repetir, mas de um modelo para ver.

A relação entre a Credibilidade e a Integridade


Quanto mais credibilidade você tiver mais as pessoas confiarão em você, concedendo-lhe o privilégio de
influenciar suas vidas. Quanto menos credibilidade você tiver, menos as pessoas confiarão em você e mais
rapidamente você perderá sua posição de influência.

Tudo é uma questão de liderança. O segredo de subir e não cair é a integridade. Examinemos alguns motivos
que tornam a integridade tão importante.

1. A Integridade gera confiança


Para ser um líder, um homem precisa ter seguidores. E para ter seguidores, um homem precisa contar com a
confiança deles. Por conseguinte, a suprema qualidade de um líder é inquestionavelmente a integridade. Se os
companheiros de um homem acharem que ele é um impostor ou que lhe falta real integridade, ele fracassará. Seus
ensinamentos e suas ações têem de coincidir.

2. A Integridade tem grande poder de influência


Toda igreja é a sombra projetada do seu líder. O caráter do líder determina o caráter da igreja local. Isto
acontece porque as mentes das pessoas se modificam por observação e não simplesmente por argumentos.

3. A integridade facilita padrões elevados


Os líderes precisam viver de acordo com padrões mais elevados do que seus liderados. Esse preceito é
exatamente oposto do que a maioria das pessoas pensa sobre liderança. Num mundo de prerrogativas e privilégios
que acompanham a escalada do sucesso, muito pouca atenção é dispensada às responsabilidades da jornada para
cima. Todo direito implica uma responsabilidade; toda oportunidade, uma obrigação; toda posse, um dever.

Os direitos diminuem à medida que você sobe na organização, e as responsabilidades aumentam à medida
que você sobe na organização. Eles são inversamente proporcionais.
42
Muitas pessoas estão prontas a exigir seus direitos, mas não a assumir suas responsabilidades.

Não se torne vítima da época em que vive. Hoje há uma tendência a absolver os indivíduos da
responsabilidade moral e tratá-los como vítimas de circunstâncias sociais. Compre essa idéia e pagará com sua
alma. O que limita as pessoas é a falta de caráter.

Quando o caráter dos líderes é baixo, seus padrões também o são.

4. A integridade resulta numa reputação sólida, não apenas numa imagem.


Imagem é o que as pessoas pensam que somos. Integridade é o que realmente somos.

Na antiga China, o povo queria acima de tudo segurança contra as hordas bárbaras que infestavam o norte;
por isso ergueu a Grande Muralha. Ela era tão alta que os chineses acreditavam que ninguém conseguiria escalá-la
e tão larga que nada poderia derrubá-la. Concluída a obra ciclópica, respiraram aliviados e finalmente sentiram-se
seguros. Durante os primeiros cem anos de existência da muralha, a China foi invadida três vezes. Em nenhuma
das ocasiões os invasores bárbaros tentaram derrubar a muralha ou galgá-la. Em todas elas limitaram-se a subornar
as sentinelas que montavam guarda no portão principal e a transpuseram tranqüilamente. Os chineses envaidecidos
com a inexpugnabilidade de seu cinturão de pedra esqueceram-se de ensinar integridade a seus filhos.

5. A Integridade deve existir em minha vida antes de liderar terceiros


Não podemos conduzir ninguém além do ponto que atingimos.

Os especialistas em controle de qualidade sempre dizem: “No controle de qualidade não estamos
preocupados com o produto. Nossa preocupação é com o processo. Se o processo for correto o produto estará
garantido.” O mesmo se pode dizer da integridade; ela garante a credibilidade.

6. A integridade ajuda um líder a ser digno de crédito, não apenas sagaz


Há uma diferença entre ser sagaz e ter credibilidade. Os líderes espertos nunca duram. O requisito final da
efetiva liderança é granjear confiança. Do contrário não haverá seguidores. Um líder é aquele que possui partidários.
Não é preciso concordar com ele para confiar nele.

A única maneira de conservar a boa vontade e a alta estima das pessoas com quem você trabalha é fazer por
merecê-las. Ninguém pode enganar as todos o tempo todo. Cada um de nós é reconhecido exatamente pelo que é,
não pelo que tenta aparentar.

7. A integridade é uma virtude conquistada a duras penas


A integridade é o resultado de autodisciplina, confiança íntima e a determinação de ser inflexivelmente
honesto em todas as situações de nossas vidas. Dispomos de poucos modelos contemporâneos de integridade.
Nossa cultura produziu poucos heróis duráveis, poucos paradigmas de virtude. Há poucos líderes dignos de serem
imitados.
43
Foi Billy Graham quem disse:

"Integridade é a cola que mantém firme nossa maneira de viver. Precisamos lutar constantemente para
conservar nossa integridade intacta."

"Quando se perde riqueza, nada se perdeu; quando se perde saúde, perdeu-se alguma coisa; quando se
perde o caráter, perdeu-se tudo."

O Teste da Credibilidade
O teste do mentor
Faça-se a seguinte pergunta: "Sou honesto com meu líder?" Todo líder teve um mentor. "Nosso principal
anseio na vida é encontrar alguém que nos torne o que podemos ser." Quando encontramos essa pessoa,
precisamos checar nosso crescimento regularmente, indagando: "Estou tirando todo o proveito dos ensinamentos
que estou recebendo?" Optar por atalhos nesse processo só vai prejudicar tanto seu mentor quanto você.

O teste das massas


Faça-se a pergunta: "Sou honesto com meus liderados?" Como líderes, compreendemos rapidamente que
decisões erradas não só nos afetam adversamente, como afetam aqueles que nos seguem. Antes de empunharmos
as rédeas da liderança precisamos ter consciência de que ensinamos o que sabemos e reproduzimos o que somos.
Integridade é um processo interno.

Os liderados esperam quatro coisas de seus líderes:

 Honestidade

 Competência

 Visão

 Inspiração

Como Ser Agente de Mudanças Positivas?


Mude o líder e a igreja será mudada. Tudo sobe ou desce em função da liderança. Descobri, no entanto, que
não é fácil mudar os líderes. Os líderes resistem à mudança tanto quanto os liderados.
44

O Perfil de um Líder em Apuros


Note que dos 12 pontos geradores de problemas para um líder, cinco têm a ver com a resistência à mudança.
Isso acarreta dificuldades para a organização.

1. Não tem uma compreensão correta das pessoas;

2. Falta-lhe imaginação;

3. Tem problemas pessoais;

4. Passa o problema adiante;

5. Sente-se seguro e satisfeito;

6. Não é organizado;

7. É dado a acessos de raiva;

8. Não assume riscos;

9. É inseguro e se mantém na defensiva;

10. É inflexível;

11. Não tem espírito de equipe;

12. Combate a mudança.

"Não há nada mais difícil de empreender, mais perigoso de conduzir ou de sucesso mais duvidoso
do que liderar a introdução de uma nova ordem de coisas."

A primeira ordem de coisas a ser mudada sou eu, o líder. Depois de constatar como é difícil me modificar,
então compreenderei o desafio de tentar modificar os outros. Esse é o teste definitivo da liderança.

Escreva em algum lugar desta página sua resposta às perguntas:

“Como tem mudado ultimamente? Na semana passada... No mês passado... No ano passado...” “É capaz de
ser bastante específico? Ou sua resposta é incrivelmente vaga?” “Você diz que está crescendo? Tudo bem..., mas
como?” Bem, você responde. “De todas as formas? Ótimo! Mencione uma.”

O aprendizado efetivo só se realiza numa pessoa mudada.

Quanto mais você se modifica, mais você se torna um instrumento nas vidas dos outros. Se você quer se
tornar um agente de mudanças, você também precisa, se modificar.
45
Para ser um líder, você tem que preservar durante toda sua vida uma atitude aberta, uma postura receptiva às
novas idéias. A qualidade da liderança que você estabelecerá dependerá de sua capacidade de avaliar novas idéias.
De sua capacidade de distinguir entre “a mudança pela mudança”, “da mudança em benefício das pessoas”.

O Líder como agente de mudanças


Uma vez que o líder tenha se modificado pessoalmente e discernido a diferença existente entre “mudança
pela mudança”, e “mudança efetivamente necessária”; então esse líder precisa tornar-se um agente de mudanças.

Existem dois requisitos para introduzir a mudança: conhecer as exigências técnicas da mudança e
compreender a atitude e implicações motivacionais para levá-la a efeito.

Nenhuma mudança jamais ocorrerá se as necessidades psicológicas não forem satisfeitas. Uma vez a
mudança em curso, as qualificações de um gerente são indispensáveis para manter a mudança necessária.

Um bom exercício quando enfrentamos uma mudança é fazer uma lista das vantagens e desvantagens
lógicas que poderão advir da mudança, e só então fazer outra lista indicando o impacto psicológico desta mudança.

Um levantamento histórico da resistência à mudança


Não há nada mais difícil de empreender, mais perigoso de conduzir, com sucesso mais duvidoso, do que
introduzir uma mudança. Por quê? O líder tem como inimigos todos os que se deram bem no regime anterior e
apenas tímidos defensores naqueles que poderão lucrar nas novas circunstâncias proporcionadas pela mudança.

A resistência à mudança é universal. Ela invade todas as classes e culturas. Ela estrangula cada geração e
tenta impedir qualquer movimento que vise ao progresso.

Por que as pessoas resistem à mudança?


A mudança não é iniciada espontaneamente: Quando uma idéia não pertence a uma pessoa,
geralmente ela resiste a essa idéia, mesmo que seja do seu interesse. Um líder eficaz sempre levará os seus
liderados a participarem do processo de gestação da mudança.

Se eles participam do processo não se sentirão manipulados por uma mudança imposta e assim se abrirão
mais para ela.
46
A rotina é quebrada : Os hábitos nos permitem fazer as coisas sem ter muito que pensar, razão pela qual
temos tantos. Hábitos não são instintos. São reações adquiridas. Eles não acontecem pura e simplesmente; eles
são criados.

Inicialmente, formamos hábitos, mas depois são os hábitos que nos formam. A mudança ameaça nossos
padrões de hábitos e nos obriga a pensar, resvalar, e às vezes desaprender o comportamento anterior.

A mudança cria medo do desconhecido: A mudança significa navegar por mares nunca dantes
navegados, e isso faz com que nossas inseguranças aflorem. É por isso que muitas pessoas sentem-se muito mais
confortáveis com velhos problemas do que com soluções novas.

O propósito da mudança não ficou claro : As pessoas resistem à mudanças quando ouvem falar
dela de segunda mão. Quanto mais tempo demorar para os membros tomarem conhecimento da mudança tanto
maior será a resistência.

A mudança cria medo do fracasso : O maior erro que uma pessoa pode cometer é: ter medo de
cometer um erro.

É trágico quando o sucesso sobe à cabeça do líder. Mas é ainda mais trágico quando o fracasso sobe à sua
cabeça. Muitas pessoas, com receio de que o fracasso seja seu destino, agarram-se tenazmente a qualquer coisa
com que se sintam confortáveis e resistem à mudança persistentemente.

A recompensa da mudança não eqüivale ao esforço que ela exige : As pessoas não
mudarão enquanto não perceberem que as vantagens da mudança superam as desvantagens de manter as coisas
como estão.

O que os líderes às vezes não reconhecem é que seus liderados sempre pesarão os prós e contras em
função de ganhos e perdas pessoais, e não vantagens e desvantagens para a organização.

As pessoas estão muito satisfeitas com as coisas como estão : “Nos anos 40, os relógios
suíços eram os melhores e os mais famosos relógios de qualidade do mundo. Conseqüentemente, 80% dos relógios
vendidos no mundo eram fabricados na Suíça. No final da década de 50, o relógio digital foi apresentado aos líderes
da companhia relojoeira suíça. Eles rejeitaram a nova idéia porque sabiam que já faziam os melhores relógios do
mundo. O homem que criou o relógio digital subseqüentemente vendeu a idéia à Seiko. Em 1940 as companhias
47
relojoeiras da Suíça empregavam 80 mil pessoas. Hoje empregam 18 mil. Em 1940, 80% dos relógios vendidos no
mundo eram suíços. Hoje 80% dos relógios são digitais.”

Essa história é típica do que acontece com muitas estruturas e organizações.

A mudança não acontece quando as pessoas adotam uma atitude negativa :


Independente do seu estado presente, os que cultivam o pensamento negativo encontram desapontamento no
futuro.

Tal pessoa tem este estilo de vida:

 Não olhe - você pode ver;

 Não escute - você pode ouvir;

 Não pense - você pode aprender;

 Não tome uma decisão - você pode estar errado;

 Não ande - você pode tropeçar;

 Não corra - você pode cair;

 Não viva - você pode morrer.

Os liderados não têm respeito pelo líder. Quando os liderados não gostam do líder que
supervisiona a mudança, seus sentimentos não lhes permitem ver a mudança objetivamente. Em outras palavras, as
pessoas vêem a mudança da maneira que vêem o agente da mudança.

"Você precisa primeiro amá-los antes de poder liderá-los." Quando você ama real e genuinamente seus
liderados, eles o respeitarão e o seguirão por muitas mudanças.

O líder é suscetível à critica de caráter pessoal : Às vezes os líderes resistem à mudança. Por
exemplo, o líder desenvolveu um programa que está sendo preterido em beneficio de outro melhor; ele poderá achar
que a mudança seja um ataque pessoal e reagirá defensivamente. Para assegurar crescimento e eficiência
contínuos, toda organização deve passar por um constante ciclo de quatro estágio: criar, conservar, criticar e mudar.

A mudança significa perda pessoal : Geralmente há três tipos de pessoas numa organização:
1. As que perderão com as mudanças;
48
2. As que ficarão neutras; e

3. As que se beneficiarão.

O líder precisa saber como conduzir cada grupo com franqueza e firmeza.

A mudança impõe comprometimento adicional : Quando uma mudança está prestes a ser
efetivada, todos nós nos perguntamos como afetará nosso tempo. Geralmente concluímos que uma mudança
poderá ser ótima se não aumentar nosso compromisso de tempo. Quando o custo da mudança é tempo, muitos
resistirão à mudança.

Quando se trata de compromisso de tempo, o líder tem que determinar se a pessoa não está querendo ou
sendo incapaz de mudar. Disposição é uma questão de atitude, há muito pouco a fazer se seus liderados resistirem
à mudança por causa de atitude.

A mentalidade estreita impede a aceitação de novas idéias : Quando um homem que vivia no
Norte dos Estados Unidos completou cem anos de idade. um repórter veio especialmente de Nova Iorque para
entrevistá-lo. Sentado na varanda, o repórter disse: "Aposto que o senhor viu muitas mudanças em sua vida!" O
ancião respondeu: "É verdade, e sobrevivi a todas elas."

A tradição resiste à mudança. Gosto desta piada: "Quantas pessoas são necessárias pare trocar
uma lâmpada?" Resposta: "Quatro. Uma para trocar a lâmpada e três para entregar-se a reminiscências sobre como
era boa a lâmpada velha."

Nada é feito, até que todos estejam convencidos de que seja preciso fazer; e que sejam convencidos há muito
tempo que já é hora de fazer outra coisa.

 As pessoas mudam quando sofrem o suficiente para terem que mudar;

 Aprendem o suficiente para quererem mudar; ou

 Recebem o suficiente para serem capazes de mudar.

Cabe ao líder reconhecer quando as pessoas estão numa dessas três fases. A rigor, os grandes líderes criam
uma atmosfera que propicie a ocorrência de uma dessas três coisas.

O Processo Evolutivo da Mudança


49
Vale a pena lembrar que a mudança pode ser revolucionária (algo totalmente diferente do que era antes) ou
evolucionária (um refinamento do que era). Geralmente é mais fácil apresentar a mudança como um simples
refinamento da "maneira como vimos fazendo as coisas" em vez de “algo grande, novo e completamente diferente”.

Quando uma proposta de mudança é apresentada a uma organização, as pessoas se agrupam em cinco
categorias em termos de reação:

Inovadores - 2%

Aderentes imediatos - 10%

Aderentes a médio prazo - 60%

Aderentes a longo prazo - 20%

Retardatários - 8%

Os inovadores são sonhadores: Eles são os originadores de novas idéias e geralmente não são
reconhecidos como líderes ou formadores de políticas.

Os aderentes imediatos reconhecem uma boa idéia na hora: Suas opiniões são respeitadas na
organização. Embora não tenham criado a idéia, procurarão convencer os outros a aceitá-la.

A maioria é de aderentes a médio prazo: Eles acatarão as opiniões dos outros. São pessoas que
são influenciadas por outras de atitudes positivas ou negativas.

Os aderentes a longo prazo pertencem ao último grupo a endossar uma idéia: Geralmente se
manifestam contra mudanças, mas tendem a adotá-las se a maioria demonstrar apoio.

Os retardatários são sempre contra a mudança: Seu compromisso é manter sua posição e seus
benefícios.

O processo evolutivo de uma mudança bem-sucedida


Dentro de uma organização pode ser resumido em oito instâncias, que precisam ocorrer à medida que se
evolua da ignorância sobre a mudança desejada, e os efeitos que acarretará essa inovação:

1. Ignorância: Os liderados não sentem uma direção unificada ou senso de prioridades. Estão "no
escuro".

2. Informação: As pessoas recebem uma informação geral. Inicialmente as idéias sobre a mudança não
são abordadas.
50
3. Infusão : A penetração das novas idéias pode provocar confrontações com: a apatia, o preconceito e a
tradição. A tendência geral é concentrar-se nos problemas.

4. Mudança individual : Os "aderentes imediatos" começam a ver as vantagens da mudança proposta e


a encampam.

5. Mudança organizacional : Dois lados da questão já estão sendo discutidos. O momento muda de,
anti-mudança para pró-mudança.

6. Aplicação canhestra : Ocorrem alguns fracassos e o nível de aceitação aumenta.

7. Integração: A inabilidade começa a diminuir e o nível de aceitação aumenta.

8. Inovação : Resultados significativos criam confiança e disposição de assumir riscos. Isso resulta na
vontade de mudar mais rapidamente e mais audaciosamente.

Criando um Clima para a Mudança


Basicamente as pessoas não resistem à mudança; elas resistem a serem mudadas. Todavia, a menos que as
pessoas sejam mudadas, a mudança nunca ocorrerá. Como dissemos no começo: "mude o líder e a igreja será
mudada", a mudança começa no líder e depois passa para a igreja.

O líder precisa angariar a confiança das pessoas : É maravilhoso quando as pessoas acreditam
no líder. É ainda mais maravilhoso quando o líder acredita nas pessoas. Quando ambas as situações constituem
uma realidade, o resultado é confiança. Quanto mais as pessoas confiarem no líder, mais dispostas estarão a aceitar
as mudanças propostas por ele. A confiança é a cola emocional que mantém juntos líderes e liderados. "Se você
pretende conquistar um homem para sua causa, primeiro convença-o de que você é seu amigo leal. Depois, trate de
descobrir o que ele quer realizar."

O líder precisa executar as mudanças em si mesmo antes de pedir aos outros que
mudem: Os grandes líderes não apenas dizem o que deve ser feito, eles fazem.

Grandes líderes compreendem a história da organização: Se houve no passado alguma


tentativa frustrada de mudança as pessoas se mostrarão mais resistentes a uma nova tentativa. Mas o oposto
também é verdadeiro. Mudanças bem sucedidas no passado preparam pessoas para aceitarem rapidamente novas
mudanças. Não baixe a guarda até conhecer a razão pela qual ela foi erguida. É importante saber o que aconteceu
no passado antes de propor mudanças para o futuro.

Coloque influenciadores em posições de liderança: Os líderes possuem duas características:


primeira, estão indo a algum lugar; e segunda, são capazes de persuadir outras pessoas a irem aonde vão.
51
Cheque os "trocados” em seu bolso : Todo líder recebe uma certa quantidade de "trocados" (apoio
emocional na forma de fichas de barganha), no início de um relacionamento. Se o relacionamento enfraquece, o
líder vai gastando "trocados" até que possa sobrevir sua falência com a organização. Se o relacionamento se
fortalece, o líder recebe "trocados" até poder ficar rico com a organização.

Lembre-se sempre: É preciso dispor de "trocados" para efetuar mudanças. Quanto mais "trocados" houver no
bolso do líder, maiores serão as mudanças que poderão ser feitas nas vidas das pessoas. Infelizmente, a recíproca
também é verdadeira.

Bons líderes solicitam o apoio de influenciadores antes da mudança se tornar


pública: Esta lista de checagem de dez itens inclui todas as medidas que um bom líder terá que tomar ao solicitar
o apoio para uma mudança aos maiores influenciadores de sua organização:

1. Listar os maiores influenciadores de sua organização.

2. Quantos serão diretamente atingidos por esta mudança? (Essas pessoas formam o grupo mais
importante.)

3. Quantos serão indiretamente afetados por esta mudança?

4. Quantos provavelmente serão positivos?

5. Quantos provavelmente serão negativos?

6. Que grupo constitui a maioria?

7. Que grupo é mais influente?

8. Se o grupo positivo for mais forte, reuna os influenciadores para discutir.

9. Se o grupo negativo for mais forte, reuna-se com os influenciadores individualmente.

10. Conheça a "chave" para conquistar cada influenciador.

Crie uma agenda de reuniões que ajudará a mudança: Toda nova idéia passa por três fases:
não dará certo; é muito difícil; e sempre achei que era uma boa idéia.

Um líder inteligente, sabendo que as pessoas mudam por meio de um processo, desenvolverá uma agenda
de reuniões para facilitar o processo. A que usei durante 15 anos demonstrou ser bastante eficaz:

Itens de Informação: Itens de interesse para quem participe da reunião; itens positivos que levantem o
moral. (Isso faz com que a reunião comece num nível elevado.)

Itens de Estudo: Itens a serem discutidos mas não votados. (Isso permite compartilhar idéias sem a pressão
de representar um ponto de vista em particular.)
52
Itens de Ação: Itens a serem votados que foram anteriormente itens de estudo.

Estimule os influenciadores a influenciar informalmente outros: Mudanças de maior


envergadura não devem surpreender as pessoas. Sempre explico a meus principais líderes que eles carregam dois
baldes. Um deles está cheio de gasolina e outro de água. Em outras palavras, os influenciadores-chave são o maior
trunfo de um líder ou seu maior risco.

Mostre às pessoas como a mudança as beneficiará: Presume-se que a mudança proposta


represente o que é melhor para a comunidade, não para o líder. A igreja vem em primeiro lugar.

Dê aos membros a posse da mudança: Sem propriedade, as mudanças terão vida curta. Mudar os
hábitos e os valores de um grupo é algo demorado, entretanto, eles se mostrarão mais abertos se sentirem que a
idéia é algo que lhes pertence.

Como oferecer aos outros a Propriedade da Mudança:


 Informe as pessoas com antecedência para que tenham tempo de pensar sobre as implicações da mudança e
como os afetará.

 Explique os objetivos gerais da mudança: suas razões, como e quando ocorrerá.

 Mostre às pessoas como a mudança as beneficiará. Seja honesto com aqueles que possam ser prejudicados
com a mudança

 Peça a todos que serão afetados pela mudança para participar de todos os estágios do processo de mudança.

 Mantenha abertos os canais de comunicação. Proporcione oportunidades a todos para discutir a mudança.
Estimule perguntas, comentários e outras formas de feedback.

 Seja flexível e adaptável durante todo o processo de mudança. Admita erros e faça modificações quando forem
apropriadas.

 Demonstre constantemente sua convicção na mudança e o compromisso que assumiu em relação a ela. Indique
sua confiança na capacidade do pessoal implementar a mudança.

 Forneça entusiasmo, assistência, apreço e reconhecimento aos que viabilizarem a mudança.

A Mudança Acontecerá
A pergunta não deve ser: "Será que mudaremos?", mas sim: "Quando e quanto mudaremos?" Manter-se a
par das mudanças é um constante desafio para o líder.
53
Nem toda mudança é melhoria, mas sem mudança não há melhoria.

A mudança representa tanto a possível oportunidade, quanto a provável perda.

Mudança acarreta revés quando:

 A mudança proposta é uma má idéia.

 A mudança proposta não é aceita pelos influenciadores.

 A mudança proposta não é apresentada eficientemente.

 A mudança proposta serve aos interesses dos líderes.

 A mudança proposta é baseada unicamente no passado.

 As mudanças propostas são muitas, e acontecem muito rapidamente.

Nunca é tarde para mudar: É importante lembrar que não podemos nos tornar o que precisamos ser
permanecendo o que somos.

É um fato indiscutível que quando acabamos de mudar simplesmente acabamos.

Qual a maneira de Ser um Solucionador de Problemas?


Há quatro razões comuns pelas quais as pessoas não atuam da maneira que deveriam:

1. Não sabem o que devem fazer.

2. Não sabem como fazer.

3. Não sabem porque devem fazer.

4. Existem obstáculos além de seu controle.

Essas são as quatro razões pelas quais as pessoas têm desempenho abaixo de seu potencial, e todas são da
responsabilidade da liderança.

As primeiras três razões dizem respeito a começar corretamente um trabalho. Uma abordagem eficiente
destas três primeiras questões, passam pelas seguintes providências:

 Um programa de treinamento;

 Atribuições específicas;

 Instrumentos apropriados;
54
 Visão;

 Canais de comunicação adequados.

Agora, trataremos da quarta razão, que leva tanta gente a deixar de atingir seu potencial de desempenho: os
problemas.

Problemas continuarão a ocorrer na vida. De modo geral, as pessoas fazem qualquer coisa para se livrarem
deles. Se você estiver disposto, e for capaz de resolver seus problemas, ou treiná-los para que eles próprios os
solucionem, terá conquistado a liderança sobre eles.

Existem duas coisas necessárias para se resolver problemas eficientemente:

 A Atitude certa.

 O Plano de ação certo

Todos nós temos problemas


Devemos nos lembrar das palavras de Paul Harvey. "Em tempos como estes sempre ajuda lembrar que
sempre haverá tempos como estes."

Os problemas dão sentido à vida


Um sábio filósofo uma vez comentou que o único obstáculo para a águia poder voar com mais rapidez e
desenvoltura é o ar. Entretanto, se o ar fosse retirado, e a orgulhosa ave tivesse que voar no vácuo, cairia
instantaneamente no solo, impossibilitada de voar. O mesmo elemento que oferece resistência ao vôo é
simultaneamente a condição do vôo.

O principal obstáculo que um barco a motor tem que enfrentar é a água contra o hélice. Entretanto, se não
fosse essa mesma resistência, o barco não sairia do lugar.

A mesma lei que sustenta que os obstáculos sejam condições para o sucesso se aplica à vida humana. A vida
livre de todos os obstáculos e dificuldades reduziria a zero todas as possibilidades e fontes de energia. Elimine os
problemas e a vida perde sua tensão criativa.

Todos nós temos uma tendência durante toda nossa vida a nos livrarmos de problemas e responsabilidades.
Quando essa tentação surgir, lembre-se do jovem que perguntou a um velho solitário: "Qual é o maior fardo da
vida?" O ancião respondeu com tristeza na voz: "Não ter nada que carregar".

Muitas pessoas notáveis tiveram que superar problemas em suas vidas


55
Muitos salmos nasceram em meio à dificuldade. A maioria das Epístolas foi escrita em prisões. A maioria dos
grandes pensamentos dos maiores pensadores de todos os tempos teve que atravessar o fogo. Bunyam escreveu
"O peregrino" no cárcere. Florence Nightingale, muito doente para poder abandonar o leito, reorganizou os hospitais
da Inglaterra. Semi-paralítico e sob a constante ameaça da apoplexia, Pasteur foi incansável em sua luta contra a
doença. Se você está atrás do arco-íris tem que suportar a chuva.

Meu problema não é meu problema


Há um mundo de diferença entre uma pessoa que tem um grande problema e uma pessoa que torna um
problema grande.

Um estudo de trezentas pessoas altamente bem-sucedidas, de personalidades como Franklin Delano


Roosevelt, Helen Keller, Winston Churchill, Albert Einstein, Mahatma Gandhi e Albert Schweitzer, revela que um
quarto teve deficiências físicas, como cegueira, surdez ou membros deformados. Três quartos nasceram na miséria,
eram originários de lares desfeitos, ou pelo menos provinham de situações extremamente tensas ou perturbadas.

Por que os vencedores superam problemas enquanto milhares se deixam abater pelos seus? Eles se
recusaram a apelar para as desculpas comuns que cercam o fracasso. Transformaram os obstáculos em degraus.
Perceberam que não podiam determinar todas as circunstâncias da vida mas que podiam determinar sua escolha de
atitude em relação a cada circunstância.

O único problema que você tem é o que você permite que seja um problema pela maneira errada de reagir a
ele. Os problemas podem tolhê-lo temporariamente. Você é o único que pode fazê-lo permanentemente.

Um problema é algo sobre o que posso fazer alguma coisa.


Se sou capaz de fazer algo com um problema, não é um problema; é um fato da vida.

Tenha cuidado ao se acomodar à posição de achar que não existem respostas para um problema. Alguém
poderá obter sucesso encontrando uma solução.

O teste de um líder é sua habilidade de reconhecer um problema antes que ele se torne
uma emergência.
Sob uma liderança excelente um problema raramente atinge proporções gigantescas porque é reconhecido e
solucionado em seus estágios iniciais.

Os grandes líderes geralmente reconhecem um problema na seguinte seqüência:

1. Eles o pressentem antes de vê-lo (intuição).


56
2. Eles começam a procurá-lo e a fazer perguntas (curiosidade).

3. Reúnem dados (processamento).

4. Compartilham seus pressentimentos e descobertas com alguns colegas de confiança (comunicação).

5. Definem o problema (escrita).

6. Checam os recursos (avaliação).

7. Tomam uma decisão (liderança).

Os grandes líderes raramente não olham para os lados. Sabem que o golpe capaz de derrubá-los quase
nunca é o mais forte - é o que não perceberam de onde vinha. Por conseguinte, estão sempre à procura de sinais e
indicadores que lhes darão um insight antecipado do problema e as chances de solucioná-lo. Tratam os
problemas como o invasor potencial de uma fazenda que leu o seguinte aviso numa cerca: "Se você atravessar este
pasto, é melhor fazê-lo em menos de 9 segundos. O touro é capaz de faze-lo em 10 segundos."

Você pode julgar os líderes pelo tamanho dos problemas que eles atacam
Numa das tiras em quadrinhos do Snoopy, Charlie Brown diz: "Não há problema, por maior que seja, de que
eu não consiga fugir."

Entretanto o tamanho da pessoa é mais importante do que o tamanho do problema. Os problemas parecem
grandes ou pequenos, se as pessoas forem grandes ou pequenas. Nossa principal preocupação como líderes deve
ser construir gente verdadeiramente grande. Pessoas grandes enfrentam grandes problemas eficientemente .

Solucione problemas operacionais rapidamente; pessoas-problema levam mais tempo


Solucionar problemas talvez seja a agenda imediata, mas não devemos nunca consumir a maior parte de
nosso tempo com isso. Se tudo que fazemos é nos concentrar no problema mais à mão, em pouco tempo nos
sentiremos como o fazendeiro que disse: "A coisa mais dura sobre ordenhar vacas é que elas nunca se mantêm
ordenhadas." Os problemas nunca acabam, mas as pessoas podem acabar com os problemas.

Minhas sugestões para produzir solucionadores de problemas são:

 Assuma um compromisso de tempo com as pessoas. Os que nunca destinam tempo para
desenvolver pessoas são forçados a despender tempo para resolver seus problemas.

 Nunca resolva um problema para uma pessoa; resolva-o com essa pessoa.
57
“Problemas fáceis nunca chegam ao presidente dos Estados Unidos. Se forem fáceis de resolver, alguém os
resolve.” Essa declaração é válida para qualquer líder. Galgar a escada da liderança significa que participará na
tomada de menos decisões, porém, das mais importantes.

Uma situação só se transforma num problema quando não se dispõe de recursos suficientes para
enfrentá-la.

A atitude certa
Se pudesse fazer alguma coisa pelas pessoas, procuraria ajudá-las a mudar suas perspectivas, não seus
problemas. Quando somos capazes de pensar certo sobre situações difíceis, nossa jornada pela vida se torna
melhor.

G. W. Target, em seu ensaio "The Window" (A janela), conta a história de dois homens confinados à leitos de
hospital no mesmo quarto. Ambos estavam seriamente doentes e embora não lhes fosse permitida muita diversão
(nada de televisão, rádio ou livros), a amizade dos dois desenvolveu-se ao longo de meses de conversa. Discutiam
sobre todos os assuntos possíveis pelos quais tivessem interesse ou experiência, da família a empregos e férias,
bem como grande parte de suas histórias pessoais.

Nenhum dos homens podia afastar-se do leito, mas um deles tinha a sorte de ficar do lado da janela. Como
parte de seu tratamento, podia ficar sentado na cama somente uma hora por dia. Nessas ocasiões descrevia o
mundo lá fora para seu companheiro de quarto. Em termos descritivos, ele trazia para o amigo o mundo exterior,
descrevendo-lhe o belo parque que avistava, com seu lago, e as pessoas interessantes que via passeando por suas
alamedas ou disputando jogos nos gramados. Seu amigo passou a viver para aquelas descrições.

Depois de uma descrição particularmente fascinante, o ouvinte começou a achar que não era justo que seu
amigo pudesse ver tudo enquanto não lhe era dado ver nada. Envergonhava-se de seus pensamentos, mas
dispunha de muito tempo e não conseguia tirar isso da cabeça. Eventualmente, seus pensamentos começaram a se
refletir em seu estado de saúde e sua doença se agravou, deteriorando igualmente sua disposição.

Uma noite seu amigo, que às vezes tinha problemas respiratórios, acordou com um acesso de tosse e falta de
ar e não conseguiu tocar a campainha para pedir auxílio à enfermeira. O companheiro frustrado, amargo, manteve-
se olhando para o teto, ouvindo aquela luta desesperada pela vida ao seu lado, sem fazer nada.

Depois de um lapso de tempo apropriado, o homem tão ansioso para olhar para fora da janela perguntou se
podia mudar de cama, o que lhe foi imediatamente concedido. Assim que o quarto ficou vazio, ele apoiou-se com
dificuldade no peitoril da janela para encher seu espírito com a visão do mundo exterior. Foi então que descobriu que
a janela dava para um paredão.

O plano de ação certo


58
Ocasionalmente nos sentimos como o sujeito na caricatura que disse: “Tento enfrentar um dia de cada vez,
mas ultimamente diversos dias têm me atacado ao mesmo tempo.” Uma coisa é certa, a vida não é isenta de
problemas!

O Processo de Solução de Problemas


Agora, mesmo que não desejemos nos eximir da responsabilidade e tenhamos uma atitude correta e um
plano de ação consistente, ainda assim é importante seguir um processo quando estamos em busca de uma
solução.

Sugiro seguir essas medidas para solucionar problemas.

Identifique o problema
Muitas vezes atacamos os sintomas, não a causa. Um jovem soldado que estava aprendendo a saltar de
pára-quedas recebeu as seguintes instruções:

1. Salte quando for mandado;

2. Conte até dez e puxe a corda de abertura;

3. No caso pouco provável do pára-quedas não abrir, puxe a corda para abrir o pára-quedas reserva;

4. Quando pousar em terra, um caminhão o recolherá para levá-lo de volta à base.

O avião atingiu a altitude apropriada e os homens começaram a se jogar no espaço; o soldado saltou quando
chegou sua vez. Contou até dez, puxou a corda, mas o pára-quedas não abriu. Seguiu as instruções e puxou a
corda do segundo pára-quedas. Ele também não abriu. "Vai ver", queixou-se com seus botões, "que não vai ter
caminhão nenhum me esperando quando eu chegar lá embaixo."

Priorize o problema
Nunca se deve procurar resolver todos os problemas de uma só vez; faça-os esperar na fila para serem
atacados um a um. Quer você tenha que enfrentar três problemas, trinta ou trezentos, "organize-os em fila indiana a
fim de encará-los um de cada vez". Aborde esses problemas, não procurando encontrar o que você esperaria que
estivesse lá, mas buscando obter a verdade e a realidade que devem ser colhidas simultaneamente.

Defina o problema
59
Responda à seguinte pergunta com uma só frase: "Qual é o problema?"

Há uma diferença entre resolver um problema e tomar uma decisão. Uma "decisão é uma escolha que você
faz entre duas ou mais alternativas: “Devo ir de avião a São Paulo ou ao Rio de Janeiro?” Um problema é uma
situação que contraria suas intenções ou expectativas: “Pretendia viajar para Porto Alegre, mas acabei indo parar
em Fortaleza”; ou “Minha intenção era ter R$ 50 mil no banco, mas estou no vermelho em R$ 50 mil.”

Definir um problema numa só frase é um processo de quatro estágios:

1) Faça as perguntas certas: Não faça uma pergunta genérica do tipo, "O que está acontecendo aqui?". Em vez
disso, faça perguntas relacionadas com o processo;

2) Fale com as pessoas certas : Cuidado com autoridades que assumem uma postura "nós-sabemos-mais".
Essas pessoas têm pontos cegos e são resistentes a mudanças. A criatividade é essencial à solução de
problemas;

3) Obtenha os verdadeiros fatos: Uma vez que os fatos sejam claros, as decisões pularão em cima de você.
Por exemplo, não deixe que alguém lhe diga. "Aquele indivíduo é um bom líder de célula." Obtenha exemplos
concretos do desempenho do indivíduo. Ouça o que não está sendo dito e colha dados importantes;

4) Envolva-se no processo: A maioria dos problemas não é o que parece. Não se limite a fazer as perguntas
certas e coligir fatos pertinentes. Envolva-se no processo executando tarefas que cabem a seus liderados e
observe os problemas que emergem.

Selecione pessoas para ajudá-lo no processo de solucionar problemas


Sócrates desenvolveu esse método há 2.400 anos. “Depois de definir o problema, ele se reunia com outras
pessoas e pedia suas opiniões e apoio lógico para embasar suas opiniões.” Rabugento auto-proclamado, Sócrates
passou a maior parte de sua vida criando problemas por meio do debate, da lisonja e de aguilhoadas, ele forçou os
atenienses a questionar crenças dadas como certas.

Antes de convidar pessoas para participar de uma reunião que tenha por objetivo solucionar problemas, faça
essas perguntas:

 Trata-se de um problema real?

 É urgente?

 A verdadeira natureza do problema é conhecida?

 É específico? (Quando as pessoas falam sobre tudo acabam falando sobre nada.)

 O grupo mais capacitado para discutir o problema foi convidado e cada participante está preocupado em
resolver o problema?
60

Levante as causas do problema


Liste todas as possíveis causas do problema, perguntando o que o motivou e como poderá ser evitado no
futuro.

Colija soluções para o problema


Liste tantas soluções para um problema quanto possível. Quanto mais, melhor. Raramente existe uma só
maneira de resolver um problema. Opções são essenciais porque um problema se desloca e muda continuamente.
O líder sem uma solução de suporte para a primeira resposta logo estará em dificuldade. Priorize e selecione as
"melhores" soluções. Pese todas as possíveis soluções antes de decidir.

As seguintes perguntas deverão sempre ser feitas pelo líder:

 Qual das soluções tem o maior potencial para estar certa?

 Qual das soluções atende aos melhores interesses da igreja?

 Qual das soluções conta com o momento e a hora a seu favor?

 Qual das soluções reúne mais chances de ser bem-sucedida?

Estabeleça princípios ou práticas para impedir que os problemas se repitam


Enquanto práticas são fixadas para determinada função numa área específica, princípios são normas para
todos e são mais genéricos.

As políticas mudam quando sua aplicação não é mais essencial. Os princípios não mudam.

As práticas são muitas. Os princípios são poucos.

As práticas mudam. Os princípios são imutáveis.

As práticas funcionam bem nos níveis administrativos inferiores e em assuntos operacionais. Uma prática
nunca deve ser mantida e defendida quando impeça o programa e atrase mudanças necessárias ao progresso. A
intenção de uma prática é imprimir direção clara e permitir melhor fluxo na organização.

Muitos problemas operacionais serão definitivamente resolvidos com a implementação de uma prática clara.
61
Um princípio da Videira é: "Ouça sempre os dois lados." Esse princípio significa que sempre que haja debate,
questionamento, tensão, ou confrontação entre funcionários e outras pessoas, espero invariavelmente que meu
pessoal conceda o beneficio da dúvida aos outros. Esse princípio se aplica a qualquer um, a qualquer momento.

Para ministrar princípios eficientemente ao pessoal é preciso:

 Modelá-lo;

 lnter-relacioná-lo fazendo a seguinte pergunta. "Como posso usar isso em minha vida?"

 Aplaudi-lo quando vejo o princípio sendo aplicado à sua vida

Se você sempre soluciona os problemas e nunca ensina às pessoas que o cercam pensar e decidir por conta
própria, terá um grupo de seguidores dependentes.

Há muitos anos decidi me concentrar na ajuda às pessoas na solução de problemas em vez de ajudar a
solucionar os problemas das pessoas.

As sugestões que se seguem são algumas abordagens cuja eficiência você poderá constatar:
 Nunca permita que os outros pensem que você tem sempre as melhores respostas. Isso só os tornará
dependentes de você.

 Faça perguntas. Ajude as pessoas a pensar por todo o processo de seu problema.

 Torne-se um treinador, não um rei. Um treinador extrai o que há de melhor nos outros, ajudando-os a descobrir
seu potencial por uma profunda introspecção. Um rei só dá ordens.

 Relacione as soluções dos outros no papel. Integre suas idéias às deles até que eles assumam a propriedade
delas.

 Peça-lhes para decidir qual é a melhor solução para seu problema.

 Desenvolva um plano de jogo.

 Peça-lhes para assumir a propriedade e a responsabilidade para o plano de jogo. Deixe que eles estabeleçam
uma estrutura de tempo e um processo de prestação de contas.

Seu objetivo deve ser, ao fim da reunião, que outra pessoa tenha processado o problema, selecionado a
solução, desenvolvido um plano de jogo e assumido a propriedade dela. O seu relacionamento com ela não será de
dependência, mas de profundidade.
62

Como ter Atitudes Dignas de um Líder Bem-sucedido?


95% das qualidades pelas quais os amigos são admirados se referem a atitudes.

Não podemos mudar nosso passado. Tampouco podemos mudar o fato de que as pessoas agirão de certa
maneira. Também não podemos alterar o inevitável. A única coisa que podemos fazer é tanger a única corda de que
dispomos, que é nossa atitude.

Somos responsáveis por nossas atitudes. Assim como nossas atitudes são o algo mais na vida, elas também
fazem a diferença ao liderarmos os outros. A liderança tem menos a ver com posição do que com disposição.

A disposição de um líder é importante porque influenciará a maneira como seus liderados pensam e sentem.
Os grandes líderes são cônscios de que a atitude certa criará a atmosfera certa, que propiciará as reações certas
dos outros.

Nossas atitudes são nossos bens mais importantes


Nossa atitude pode não ser a característica que nos torne grandes líderes, mas sem boas atitudes nunca
atingiremos nosso pleno potencial.

O Instituto Carnegie não faz muito tempo analisou os antecedentes de dez mil pessoas e concluiu que 15%
do sucesso são devidos a treinamento técnico. Os outros 85% são devidos a personalidade. E o primeiro traço de
personalidade identificado pela pesquisa é atitude. Nossas atitudes determinam o que vemos e como gerimos
nossos sentimentos. Esses dois fatores determinam em grande parte nosso sucesso.

Nell Mohney, em seu livro "Beliefs Can Influence Attitudes" (Crenças podem influenciar atitudes), ilustra com
acuidade essa verdade. A escritora relata uma experiência levada a efeito na área da baía de São Francisco. O
diretor de uma escola convocou três professores e lhes comunicou. "Por serem considerados os três melhores
professores do sistema de ensino e terem grande experiência, vamos entregar-lhes 90 alunos de elevado QI.
Deixaremos que os senhores orientem esses alunos durante o próximo ano letivo de acordo com o ritmo deles e
veremos o quanto serão capazes de aprender."

Todos ficaram exultantes, professores e alunos. Durante todo o ano seguinte professores e alunos curtiram-se
mutuamente. Os professores estavam ensinando aos alunos mais brilhantes; os alunos, por sua vez, estavam se
beneficiando da atenção especial e dos ensinamentos de mestres altamente qualificados. Ao cabo da experiência,
os alunos obtiveram um aproveitamento de 20 a 30% superior ao dos demais alunos em toda a área.

O diretor chamou os professores e lhes disse: "Tenho uma confissão a fazer. Os senhores não tiveram 90 dos
alunos intelectualmente mais dotados sob sua tutela. Eles eram alunos comuns. Foram escolhidos ao acaso e
entregues a seus cuidados." Os professores disseram a uma só voz: "Isso vem demonstrar que somos professores
excepcionais." O diretor prosseguiu: "Tenho que confessar outra coisa. Os senhores, perdoem-me a franqueza, não
63
são os mais brilhantes professores. Seus nomes foram os três primeiros a serem tirados de um chapéu." Os
professores perguntaram. "O que foi então que fez a diferença? Como se explica o desempenho excepcional dos 90
alunos durante o ano inteiro?" A diferença, naturalmente, foi a expectativa dos professores.

Nossas expectativas têm muito a ver com nossas atitudes. E essas expectativas podem ser totalmente falsas,
mas determinarão nossas atitudes. Liderança tem menos a ver com a posição do que com disposição.

É improvável que uma pessoa com atitude negativa possa ser continuamente um sucesso
Quando nossas mentes estão saturadas com pensamentos negativos, nossas chances de sucesso duradouro
diminuem. Não podemos funcionar de uma maneira em que não acreditemos sinceramente em nós mesmos.
Freqüentemente vejo gente "se sabotar" por causa de pensamentos errados.

A atitude de um líder é percebida por seus liderados mais rapidamente do que suas ações. Se você acha que
está derrotado, estará. Se acha que não ousa, é porque não ousará. Se gostaria de vencer mas acha que não pode,
é quase certo que não vencerá.

As batalhas da vida nem sempre são vencidas pelo mais forte ou o mais ágil, mas cedo ou tarde, o homem
que vence é aquele que pensa que poderá. Pessoas com pensamento negativo podem começar bem, ter alguns
dias bons, e vencer uma partida, mas cedo ou tarde (geralmente cedo), suas atitudes as derrubarão.

Somos responsáveis por nossas atitudes


Nossos destinos na vida nunca serão determinados por nossos espíritos queixosos ou nossas expectativas
exageradas. A vida é cheia de surpresas e o ajuste de nossas atitudes é um projeto para a vida inteira. O pessimista
se queixa do vento. O otimista espera que ele mude. O líder ajusta as velas. Escolhemos as atitudes que temos no
momento. E é uma escolha contínua.

Fico estarrecido com o grande número de adultos que não assumem responsabilidade por suas atitudes. Se
estão mal-humorados e alguém lhes pergunta: Por que? Dirão: "Acordei do lado errado da cama." Quando o
fracasso começa a atormentar suas vidas, dizem.- "Nasci do lado errado da linha férrea." Quando a vida começa a
se esvaziar enquanto outros membros da família continuam subindo, dizem: "Nasci na ordem errada em minha
família." Quando seus casamentos fracassam, acham que se casaram com a pessoa errada. Quando alguém obtém
uma promoção que cobiçavam é porque estavam no lugar errado na hora errada. Notou uma coisa? Estão sempre
culpando alguém por seus problemas.

O dia mais gratificante em sua vida e na minha é aquele em que assumimos total responsabilidade por
nossas atitudes. Nesse dia realmente crescemos. Não podemos controlar quantos anos viveremos, mas podemos
escolher quanta vida esses anos terão. Não podemos controlar a beleza do nosso rosto, mas podemos controlar sua
expressão. Não podemos controlar os momentos difíceis da vida, mas podemos decidir fazer a vida menos difícil.
64
Não podemos controlar a atmosfera negativa do mundo, mas podemos controlar a atmosfera de nossas mentes.
Freqüentemente, tentamos escolher e controlar coisas que não podemos.

Não importa o que me acontece mas o que acontece em mim


Poucas vezes, resolvemos controlar o que podemos ... nossa atitude.

A filosofia contida no seguinte pensamento me impressiona vivamente: "Deus escolhe aquilo pelo que
passaremos. Nós escolhemos a maneira como passar." Ela descreve a atitude de Viktor Frankl quando sofreu
horrores num campo de concentração nazista. As palavras com que afrontou seus algozes têm sido inspiração para
milhões de pessoas. Ele disse: "Uma coisa que vocês não podem tirar de mim é a maneira que escolho para reagir
ao que vocês fazem comigo. A derradeira liberdade de um indivíduo é escolher sua atitude em qualquer
circunstância que se encontre."

A atitude do líder ajuda a determinar as atitudes dos liderados


Liderança é influência. As pessoas pegam nossas atitudes da mesma forma como pegam nossos resfriados;
mantendo-se perto de nós. É importante que eu possua uma grande atitude, não para meu sucesso, mas também
para o beneficio dos outros. Minha responsabilidade como líder deve sempre ser vista à luz da coletividade, não
apenas de mim.

A bola ricocheteia na parede precisamente com a força com que foi jogada contra a parede. A ação é igual à
reação. Essa lei também se aplica em termos de influência. Na verdade, seu efeito se multiplica com a influência de
um líder.

A ação de um líder multiplica-se em reação porque há diversos seguidores. A um sorriso dado, respondem
muitos sorrisos. O ódio destilado contra os outros resulta em muito mais ódio devolvido por muitos outros. Existem
poucas vitimas verdadeiras do destino. Os generosos são ajudados e os avarentos são evitados.

Você pode cumprir seus objetivos, se você os estabelecer . Quem diz que você não é mais resistente,
mais esperto, melhor, mais trabalhador, mais capaz do que a maioria? Não importa que digam que você não é capaz
de fazer. O que importa, a única coisa que importa, é se você o disser.

A atitude de um líder é apanhada por seus liderados mais rapidamente do que suas ações. Uma atitude é
refletida por outros mesmo quando eles não sigam a ação. Uma atitude pode ser expressa sem que uma palavra
seja articulada.

Como mudar sua Atitude


65
Muitas pessoas parecem sofrer de psicoesclerose. Psicoesclerose é como a arteriosclerose (que consiste no
endurecimento das artérias). Psicoesclerose é o endurecimento das atitudes. Os tópicos seguintes o ajudarão a
mudar sua atitude.

Os Seis Estágios da Mudança de Atitude :


1. Identifique sentimentos problemáticos;

2. Identifique comportamentos problemáticos;

Este é o primeiro estágio de conscientização e o mais fácil de declarar. Agora penetramos abaixo da
superfície. O que provoca sentimentos errados? Anote ações que resvalam em sentimentos negativos.

3. Identifique o raciocínio problemático;

“Aquele que prende nossa atenção determina nossa ação.”

4. Identifique o raciocínio certo;

Escreva o pensamento que seja certo e que você deseje. Uma vez que seus sentimentos derivem de seus
pensamentos, você pode controlar seus sentimentos mudando uma única coisa: seus pensamentos!

5. Assuma um compromisso público com o pensamento certo;

Um compromisso público torna-se um compromisso poderoso.

6. Desenvolva um plano para o pensamento certo.

Esse plano deverá incluir:

 Uma definição por escrito do pensamento certo desejado;

 Um critério para medir o progresso;

 Uma pessoa a quem você preste contas;

 Uma dieta diária de leitura inspirativa;

 Associação com pessoas que pensem certo.

Esse é um plano geral para o auto-


aperfeiçoamento da atitude.

As seguintes medidas aumentarão a probabilidade de seu sucesso:


66

Resolva: Sempre que um líder precisa pedir a outros que assumam um prazo, duas perguntas precisam sempre
ser respondidas:

1) "Poderão?" (isso envolve capacidade);

2) "Assumirão?" (isso envolve atitude).

A mais importante das duas perguntas é: "Assumirão?".

Duas outras perguntas geralmente respondem à segunda pergunta:

1) "É a hora correta?" Em outras palavras, as condições são corretas para permitir uma mudança
positiva?

2) "A temperatura deles é quente?" As condições corretas são acompanhadas de um desejo ardente de
pagar o preço necessário pela mudança que for preciso fazer?

Quando ambas as perguntas podem ser respondidas com um retumbante: Sim!, então a disposição é forte e o
sucesso é possível.

Reformule: Dennis Waitley diz que os vencedores na vida pensam constantemente em termos de Eu posso, Eu
farei, Eu sou. Os perdedores, por outro lado, concentram seus pensamentos no que deveriam ter feito ou no que
não fizeram. Posso não ser capaz de mudar o mundo que vejo à minha volta, mas posso mudar a maneira como
vejo o mundo dentro de mim.

Reassuma: Ao começar a mudar sua maneira de pensar, comece imediatamente a mudar seu comportamento.
Comece a desempenhar o papel da pessoa que você quer ser. Aja de acordo com o comportamento que você
admira tornando-o seu comportamento.

Muitas pessoas querem sentir primeiro para depois agir. Isso nunca funciona.

Temos notícias para vocês. Motivação não o atingirá como um raio. E motivação não é uma coisa que alguém
possa lhe impor. O conceito de motivação é uma armadilha. Esqueça a motivação. Faça o que tiver de ser feito. E
então, adivinhe? Depois de começar a fazer, é aí que a motivação aparece, e torna mais fácil você continuar
fazendo o que quer que precisa ser feito.

É mais provável que você chegue ao sentimento pela ação, do que à ação pelo sentimento. Portanto, aja!
Faça o que lhe compete fazer.

Repita: "Atitudes não são nada mais do que hábitos do pensamento, e os hábitos podem ser adquiridos. Uma
atitude repetida torna-se uma atitude realizada."
67

Renove: Felizmente, ao longo de certo período de tempo uma atitude positiva pode substituir uma negativa.
Quanto mais os pensamentos negativos forem erradicados e substituídos por outros bons, maior será a renovação
pessoal experimentada.

Como desenvolver as pessoas que estão sob sua Liderança?


Aquele que influencia outros apenas para que o sigam é um líder limitado. O que influencia outros a liderar, é
um líder sem limitações. Como disse Andrew Carnegie, não será um grande líder o homem que quiser fazer tudo
sozinho ou pretender obter todo o crédito para ele por ter sido capaz de fazer.

 Saber como executar uma tarefa é uma condição de trabalho;

 Estar disponível para ensinar aos outros compete ao professor;

 Inspirar os outros a realizar um trabalho melhor é função da gerência;

 Poder fazer as três coisas é obra dos verdadeiros líderes.

Há três níveis de pessoas/qualificações:

Nível 1: A pessoa que trabalha melhor com outras pessoas é um seguidor.

Nível 2: A pessoa que ajuda as pessoas a trabalharem melhor é um gerente.

Nível 3: A pessoa que desenvolve melhor pessoas para o trabalho é um líder.

Princípios para o desenvolvimento de pessoas


Meu sucesso em desenvolver pessoas dependerá da maneira como me sair em cada um dos seguintes
enfoques:

 Valorização das pessoas (Esta é uma questão que envolve minha atitude)

 Compromisso com as pessoas (Depende de meu tempo disponível)

 Integridade com as pessoas (Tem a ver com meu caráter)

 Padrão para as pessoas (É fixado em função de minha visão)

 Influência sobre as pessoas (Resulta da liderança)


68
Há três regras a serem seguidas por aqueles que desejam ser formadores bem-sucedidos de pessoas:

 Fazer uma avaliação correta das pessoas;

 Fazer perguntas certas sobre as pessoas;

 Dar assistência certa às pessoas.

Formadores bem-sucedidos de pessoas fazem suposições corretas sobre as


pessoas
Meus conceitos interiorizados sobre as pessoas é que me permitirão motivá-las e desenvolvê-las
continuamente. Aliás, formular teorias corretas sobre as pessoas é fator primordial para que um líder possa
desenvolvê-las continuamente.

Suposições negativas estimularão uma liderança negativa, e o contrário também é verdade, suposições
positivas incentivarão uma liderança positiva.

Aqui vão diversas suposições sobre pessoas que me foram extremamente valiosas:

Suposição: Todos querem se sentir possuidores de algum mérito.


Cada pessoa neste mundo tem fome de alguma coisa, seja de reconhecimento, solidariedade, compreensão,
amor, ... a lista é infindável. As pessoas tem o desejo de se sentirem com algum mérito. Elas têm necessidade de se
sentirem importantes! Desenvolva sua capacidade de fazer os outros se sentirem importantes.

Napoleão Bonaparte, um líder de líderes, conhecia pelo nome todos os oficiais de seu exército. Ele gostava
de percorrer o acampamento, encontrar um oficial, saudá-lo pelo nome, e conversar sobre uma batalha ou manobra
de que sabia que seu oficial teve oportunidade de participar. Nunca perdia a oportunidade de fazer perguntas sobre
a cidade natal de um soldado, sua mulher, e a família. Os homens ficavam sempre admirados com a quantidade de
informações pessoais sobre cada um que o imperador era capaz de armazenar na memória. Como todo oficial
sentia o interesse pessoal de Napoleão por ele - corroborado por suas declarações e perguntas - é fácil
compreender a devoção que todos tinham por ele.

Suposição: Todos precisam de estímulo e respondem a ele.


Ainda estou para encontrar uma pessoa que não realizasse melhor um trabalho ou não se esforçasse mais
num clima de aprovação do que sob o peso da crítica. O estímulo é o oxigênio da alma.
69
Se você proporcionar às pessoas uma visão sobre si mesmas superestimada, você faz com que se revelem
como seriam capazes de vir a ser. Se tomamos as pessoas como elas são, fazê-mo-las piores.

Um grande líder tem um jeito de fazer com que os liderados pensem que são melhores do que se eram
realmente. Ele o obriga a ter uma boa opinião a seu respeito. O faz saber que acredita nele. Henry Ford disse: "Meu
melhor amigo é o que traz para fora o que tenho de melhor dentro de mim. " Nada mais verdadeiro.

Todo líder quer extrair o que as pessoas têm de melhor. E todo líder bem-sucedido sabe que estímulo é a
melhor maneira de consegui-lo.

Suposição: O pessoal "compra" o líder antes de "comprar" sua liderança.


A primeira coisa que um líder tem que declarar não é a autoridade conferida por direitos, mas a autoridade
conquistada por meio de relacionamentos. As pessoas não se importam com quanto você sabe até saberem o
quanto você se importa. Você precisa demonstrar lealdade ao membros antes de contar com lealdade da parte
deles.

Se as pessoas não acreditam no líder, qualquer pretexto as impedirá de segui-lo. Quando as pessoas
acreditam em seu líder nada as detêm.

Suposição: A maioria das pessoas não sabe ser bem-sucedida.


A maioria das pessoas pensa que sucesso é uma questão de sorte, e ficam tentando ganhar o grande prêmio
da vida. Mas o sucesso é na realidade resultante de planejamento. Acontece quando o preparo e a oportunidade se
encontram.

A maioria das pessoas pensa que o sucesso é instantâneo. Consideram-no um momento, um evento, ou um
lugar no tempo. Não é. Sucesso é na verdade um processo. É crescimento e desenvolvimento. É conseguir uma
coisa e usá-la como degrau para conseguir outra coisa. É uma jornada.

A maioria das pessoas pensa que sucesso é aprender a nunca fracassar. Mas isso não é verdade. Sucesso é
aprender com o fracasso. Fracasso é a oportunidade de recomeçar mais inteligentemente. O fracasso só se torna
efetivamente um fracasso quando não aprendemos com ele.

Suposição: A maioria das pessoas é naturalmente motivada.


Observe uma criança de um ano explorando e descobrindo o que há numa casa. Isso é motivação natural. As
pessoas começam um empreendimento com o desejo de participar, mas freqüentemente são desmotivadas e
precisam ser remotivadas a participar. O verdadeiro segredo da motivação é criar um ambiente em que as pessoas
estejam livres das influências que desmotivam.
70

Formadores bem-sucedidos fazem as perguntas certas sobre as pessoas


É preciso se fazer sempre esta pergunta: Estou realmente formando pessoas ou construindo meu sonho e
usando pessoas para isso? O pessoal deve vir em primeiro lugar. Essa pergunta remete aos motivos do líder. Há
uma pequena mas significativa diferença entre manipulação e motivação: Manipulação é agir em conjunto para meu
proveito. Motivação é agir em conjunto para proveito mútuo.

Importo-me suficientemente em confrontar as pessoas, quando isso fizer diferença?


A confrontação é muito difícil para a maioria das pessoas. Se você não se sente à vontade com a simples
menção da palavra confronto, sugiro que a substitua pela palavra esclarecer. Esclareça o assunto em vez de
confrontar a pessoa. Depois siga esses dez mandamentos:

Os Dez Mandamentos da Confrontação:


1) Faça-a reservadamente, nunca em público.

2) Faça-a o mais depressa possível.

3) Aborde um assunto de cada vez.

4) Tendo deixado clara sua opinião, não fique repetindo-a.

5) Trate apenas de coisas que a pessoa possa mudar.

6) Evite o sarcasmo.

7) Evite palavras como sempre e nunca.

8) Não se desculpe pela reunião de confrontação.

9) Demonstre amor.

10) Não esqueça os elogios.

Estou ouvindo das pessoas mais do que palavras?

Sou um bom ouvinte?


(Faça o teste que se segue. Cada resposta tem a seguinte pontuação:

quatro pontos se for Geralmente; dois se for Raramente; e um se for Nunca.)


71
 Permito que o interlocutor termine sem interrompê-lo?

 Quando escrevo uma mensagem, ouço e escrevo os principais fatos e frases?

 Evito me tornar hostil e/ou agitado quando discordo do interlocutor?

 Elimino distrações quando estou ouvindo?

 Esforço-me para parecer interessado no que a outra pessoa está dizendo?

 Repito o que a pessoa acabou de dizer para deixar claro seu sentido?

Placar: 26 ou mais: Você é um excelente ouvinte.

22 a 25: Melhor do que a média.

18 a 21: Pode melhorar.

17 ou menos: Comece a praticar imediatamente a arte de ouvir.

O maior erro que você pode cometer ao tentar falar convincentemente é exprimir suas idéias e sentimentos
prioritariamente. O que a maioria das pessoas realmente quer é ser ouvida, respeitada e compreendida. No
momento em que percebem que estão sendo compreendidas, tornam-se mais motivadas para compreender seu
ponto de vista.

Quais são os pontos fortes desse indivíduo?


Qualquer um que tenha que trabalhar em áreas em que se sinta fraco, ao invés de setores onde possa tirar
partido de seus pontos fortes, não se sentirá motivado.

Atribuí alta prioridade ao trabalho?


As pessoas tendem a ficar motivadas quando vêem a importância do trabalho que lhes é atribuído. As quatro
palavras mais estimulantes são: "Fará uma grande diferença."

Demonstrei as vantagens que a pessoa terá com essa tarefa?


As pessoas tendem a ficar motivadas quando percebem as vantagens que auferirão das tarefas que lhes são
confiadas. A razão pela qual as pessoas não compareceram à reunião que lhe deu tanto trabalho para organizar é
muito simples.- elas não viram o que poderiam lucrar comparecendo.
72

Formadores bem-sucedidos de pessoas assistem corretamente às pessoas


Preciso explorar seus pontos fortes e trabalhar suas fraquezas.
A pergunta que na qualidade de líder devo fazer continuamente não é: "Quanto essa pessoa produz?" (Seu
desempenho é frutífero?). Muitos estão atados a tarefas importantes, e as realizam bem. Mas podem nunca ter
oportunidade de fazer o que são capazes de fazer melhor. Quando isso acontece, todos perdem.

Devo entregar-me a elas.


Você pode impressionar as pessoas à distância, mas só pode impactá-las de perto.

 Relacione todas as pessoas com quem esteve mais de trinta minutos esta semana.

 A iniciativa do encontro partiu de você ou delas?

 Você tinha uma agenda antes do encontro?

 Qual foi o objetivo do encontro: relacionamentos, aconselhamento, supervisão ou desenvolvimento?

 Foi um encontro vantajoso para ambas as partes?

 Foi com os 20% influentes ou os 80% inexpressivos?

Queira bem a todos, mas se dedique com mais empenho aos líderes que constituem a nata de sua
organização. Estimule todos indistintamente, mas assuma a tutela apenas de alguns. Seja transparente. Desenvolva
um plano para o seu crescimento. Forme uma equipe.

Devo dar-lhes todas as chances de se tornarem bem-sucedidos.


Minha responsabilidade como líder é dar assistência aos que trabalham comigo, proporcionando-lhes:

 Uma ótima atmosfera de trabalho. Ela deve ser positiva, calorosa, aberta, criativa e estimulante.

 As ferramentas adequadas para trabalhar. Não admita gente de alto nível para realizar um trabalho
fora de série com ferramentas convencionais.

 Um programa de treinamento contínuo.

 Pessoal capacitado com quem trabalhar. Crie uma equipe. A convivência é o primeiro passo.
Trabalhar junto é o sucesso.
73
 Uma visão inspirativa pela qual trabalhar. Crie condições para que seus subordinados trabalhem
visando a algo maior do que si mesmos.

Líderes excepcionais acrescentam qualificações a seus comandados e os ajudam a se tornarem melhores do


que seriam se trabalhassem sozinhos.

A primeira pergunta que um líder deve se fazer é: "Como posso ajudar os que me cercam a serem mais bem-
sucedidos?" Quando a resposta a essa pergunta for encontrada e posta em prática, todos ganharão!

Princípios de desenvolvimento de pessoas


Desenvolver pessoas exige tempo.
Há uma coisa que é muito mais escassa e mais rara do que a capacidade. É a capacidade de reconhecer a
capacidade.

Há outro passo a ser dado, além da capacidade de descobrir o ouro escondido na mina do líder. Também
precisa ser desenvolvido. É melhor treinar dez pessoas a trabalhar do que fazer o trabalho de dez pessoas, mas é
mais difícil. “O homem que caminha só pode começar com o dia. Mas o que viaja com outro, precisa esperar até que
o outro esteja pronto.”

As qualificações de cada um são essenciais para o sucesso.


O ingrediente mais importante na fórmula do sucesso é saber como conviver com as pessoas e descobrir o
seu potencial.

Pastores mau-sucedidos tendem a ser excessivamente rigorosos, desligados ou imprevisíveis. Não


prosperam porque são insensíveis aos outros.

Seja um modelo que os outros possam seguir As pessoas fazem o que as pessoas vêem. A velocidade do
líder determina a velocidade dos liderados.

Ação Resultado

Eu faço Eu modelo

Eu faço e você está comigo Eu oriento

Você faz e eu estou com você Eu supervisiono

Você faz Você avança


74
Você faz e alguém está com você Nós multiplicamos

As mentes das pessoas são mudadas mais pela observação do que por argumentos.

Lidére os outros olhando através dos olhos deles.


Julgamo-nos pelo que sentimos que somos capazes de fazer; enquanto os outros nos julgam pelo que já
fizemos.

Qualquer líder que tenha êxito no trato com um grupo de pessoas percebe e respeita que cada integrante do
grupo tem sua agenda e percepção de como são as coisas.

O desenvolvimento das pessoas é mais bem-sucedido quando eu:

 Ouço suficientemente bem para liderar através de seus olhos;

 Relaciono-me suficientemente bem para me comunicar com seus corações;

 Trabalho suficientemente bem para pôr ferramentas em suas mãos;

 Penso suficientemente bem para desafiar e expandir suas mentes.

Os líderes têm que cuidar das pessoas antes de poderem desenvolvê-las.


Freqüentemente vejo líderes que solicitam compromissos de pessoas sem lhes manifestar a devida atenção.

Formadores de pessoal procuram oportunidades para expandir as pessoas.


A maioria das pessoas em posição de liderança diariamente rouba o alimento do ego de alguém: “a satisfação
de suas necessidades de estima”. Na verdade, roubam inconscientemente. Por exemplo, alguém diz: "Tive um dia
realmente cheio", e o líder responde: "Você esteve ocupado! Precisa ver o trabalho empilhado em minha mesa que
não tenho tempo nem de olhar." Ou alguém diz: "Finalmente terminei aquele projeto em que vinha trabalhando há
oito meses", e o líder responde: "E, o João finalmente concluiu aquele grande projeto em que ele vinha trabalhando."
O que o líder está fazendo? Ele está surrupiando a comida que as pessoas necessitam para seus egos. Na verdade,
ele está dizendo: "Você pode se julgar muito bom, mas deixe-me lembrá-lo de alguém que é provavelmente melhor."
75

As principais causas de inquietação entre os liderados são ações que bons líderes podem evitar:
 Falha em dar crédito a sugestões.

 Falha em corrigir ressentimentos.

 Falha em estimular.

 Criticar liderados na frente de outras pessoas.

 Falha em pedir aos liderados suas opiniões.

 Falha em informar os liderados de seu progresso.

 Favoritismo.

Um dos melhores conselhos que você poderá encontrar para ser um bom líder é transmitido por um velho
poema chinês:

“Acerque-se das pessoas,

Viva entre elas. Aprenda com elas.

Ame-as.

Comece com o que elas sabem.

Construa em cima do que possuem.

Mas dos melhores líderes,

Quando sua tarefa tiver sido cumprida,

Seu trabalho concluído,

As pessoas dirão,

"Fomos nós que fizemos".”

Buscando os recursos essenciais à Liderança


Capítulo IV
Como Receber Visão, e Transmiti-la
76
Todos os líderes autênticos têem uma visão do que pretendem realizar. Essa visão torna-se a energia por trás
de cada esforço, é a força que perpassa todos os problemas. Guiado por essa visão, o líder assume uma missão e
um espírito contagiante emerge da multidão, enquanto as pessoas começam a se alinhar a seu lado. Unidade é
essencial para que o sonho possa ser realizado. Longas horas de trabalho são alegremente devotadas à
concretização do objetivo. Direitos individuais são postos de lado porque o todo é muito mais importante do que a
parte. O tempo voa, o moral cresce, histórias heróicas são contadas, e compromisso é a palavra-chave. Por que?
Porque o líder teve uma visão!

Para eliminar o legítimo arrebatamento do parágrafo precedente basta uma palavra: visão. Sem ela, a energia
mingua, compromissos pessoais começam a ter precedência, e o pessoal se evade. A visão é a marca registrada, o
grito de guerra da igreja. É sua verdadeira razão de existir. A visão é a chave que mantém todos concentrados.

Declarações de Visão

O que você vê é o que você pode ser . Isso tem a ver com seu potencial. Muitas vezes me perguntei. A
visão faz o líder? Ou o líder é quem faz a visão? Acredito que a visão venha primeiro. Conheci muitos líderes que
perderam a visão e, conseqüentemente, perderam o poder de liderar.

Alie a visão, a um líder disposto a implementar seu sonho, e tem início um movimento. As pessoas não
perseguem um sonho em si mesmo. Seguem o líder que teve o sonho e a habilidade de comunicá-lo eficientemente.

Quatro Níveis de Visão das Pessoas:


1. Algumas pessoas nunca vêem (São almas errantes.)

2. Algumas pessoas vêem mas não seguem por conta própria (São prosélitos.)

3. Algumas pessoas vêem e seguem (São realizadores.)

4. Algumas pessoas vêem, seguem e ajudam outros a ver (São líderes.)

Você vê o que está preparado para ver.


Isso tem a ver com percepção. Vivemos todos debaixo do mesmo céu, mas não temos todos o mesmo
horizonte.

Todos os grandes líderes possuem duas coisas: sabem o que estão fazendo e são capazes de persuadir
outras pessoas a segui-los. Os líderes nunca podem levar seus liderados além dos caminhos por eles já trilhados.
Tal líder, tal liderado.
77
Por que duas pessoas podem estar no mesmo lugar, na mesma hora, e verem coisas inteiramente diferentes?
É simples. Vemos o que estamos preparados para ver, essa é a nossa realidade.

Todo líder bem-sucedido compreende isso sobre as pessoas e faz três perguntas:

O que os outros vêem?

Por que vêem desse modo?

Como posso mudar sua percepção?

Você vê é o que você consegue ver.


Tenha presente a diferença entre a mentalidade de um vencedor e a de um derrotado. Os vencedores
empenham-se em ganhar em grande estilo; não apenas em como ganhar, mas em como ganhar para valer. Os
perdedores, entretanto, não se concentram em ganhar; contentam-se em ir levando!

Pergunte-se constantemente: "Sobrevivência, sucesso ou significação?" Você está interessado apenas em


sobreviver, sonha com o sucesso ou está realmente a fim de estabelecer uma diferença de fato significativa?

Se você tivesse tudo o que quisesse - tempo ilimitado, dinheiro ilimitado, informação ilimitada, pessoal
ilimitado; todos os recursos que solicitasse, o quê você faria? Sua resposta a essa pergunta é seu sonho. Faça com
que ele valha a pena.

Propriedade pessoal de uma visão


Os líderes nunca podem levar seus liderados além dos caminhos por eles já percorridos. Por conseguinte, o
foco da visão deve ser o líder. Tal líder, tal liderado. Os seguidores descobrem o líder e depois a visão. Os líderes
descobrem a visão e depois seus prosélitos.

Uma das perguntas mais comuns feitas por pessoas em posições de liderança é: "Como conseguir uma visão
de minha organização?" A pergunta é crucial. Até ser respondida cabalmente, a pessoa será líder apenas no nome.
Embora não possa lhe dar uma visão, posso compartilhar com você o processo de encontrar uma para você e as
pessoas que o cercam.

Veja dentro de você: o que sente?


A essência da liderança é ter uma visão. Tem que ser uma visão que você possa articular clara e
incisivamente em todas as ocasiões.

Há uma enorme diferença entre uma pessoa com visão e um visionário:


78
Uma pessoa com visão Uma pessoa visionária

Fala pouco, mas faz muito; Fala muito, mas faz pouco;

Encontra força em convicções íntimas; Encontra força em condições externas;

Prossegue quando surgem os problemas. Desiste quando o caminho se torna difícil.

Grandes personalidades começaram a vida nas mais miseráveis e humildes condições. Thomas Edison
vendia jornais nos trens, Andrew Carnegie começou com um salário de 4 dólares por mês e John D. Rockefeller com
6 dólares semanais. O que é notável na vida de Abraham Lincoln não é o fato de ter nascido numa cabana de
madeira, mas ter saído de lá.

Demóstenes, o maior orador da antigüidade, gaguejava. Na primeira vez em que tentou falar em público foi
apupado na tribuna. Júlio César era epiléptico. Napoleão era de origem humilde e estava longe de ser um gênio nato
(foi classificado no 62 lugar numa turma da Academia Militar de 65 alunos), Beethoven era surdo, assim como
Edison. Charles Dickens era manco, da mesma forma que Handel. Homero era cego; Platão era corcunda; Sir
Walter Scott era paralítico.

O que deu a esses grandes homens a força para superar graves deficiências e se tornarem bem-sucedidos?
Cada um deles tinha um sonho íntimo cuja chama não pôde ser extinta. As grandes visões começam num processo
intimo.

Princípios sobre visão:


 A credibilidade de uma visão é determinada pelo líder.

 A aceitação de uma visão é determinada pelo momento certo de sua apresentação.

 O valor de uma visão é determinado pela energia e direção que ela imprime.

 A avaliação de uma visão é determinada pelo nível de comprometimento das pessoas.

 O sucesso de uma visão é determinado pela propriedade comum, tanto do líder quanto dos liderados.

Olhe para trás; o que foi que aprendeu?


Uma pessoa inexperiente tem uma visão idealista. Para esse indivíduo, a visão em si é suficiente.
Ingenuamente essa pessoa transmite a visão a outros, esperando que o sonho opere milagres, esquecendo que
uma visão precisa de apoio.
79
Uma pessoa experiente sabe que os indivíduos compram primeiro o líder, pelo que ele é, antes de comprar a
visão. Líderes experimentados sabem que as pessoas são volúveis e os sonhos são frágeis.

Olhe à sua volta: o que está acontecendo com os outros?


Uma boa idéia torna-se uma grande idéia quando as pessoas estão prontas. O indivíduo que se mostra
impaciente com as pessoas falhará na liderança. A evidência da força está não em disparar na frente, mas em
adaptar seu passo ao ritmo mais lento dos outros, sem prejudicar sua liderança.

Olhe à sua frente: qual é o grande quadro?


Essa pergunta freqüentemente separa os líderes dos gerentes. Os líderes preocupam-se com o objetivo
básico da organização: Por que ela existe? O que deve realizar? Não estão preocupados com os detalhes
operacionais.

Olhe à cima de você: o que Deus espera de você?


Toda era dourada na história da humanidade teve sua origem na devoção e justificada paixão de um
indivíduo. Há sempre um homem que conhece seu Deus e sabe para onde ele está indo.

O dom de Deus para mim é meu potencial! Minha retribuição à Deus é o que faço com esse
potencial.

Acredito que os grandes líderes intuíram um "chamado superior"; um chamado que transcende a eles
mesmos. Que terrível desperdício de vida galgar a escada do sucesso para descobrir ao chegar ao topo que estava
apoiada no edifício errado. As grandes visões são maiores do que a pessoa.

Olhe a seu lado: quais os recursos de que dispõe?


Uma visão deve ser maior do que a pessoa que a tem. Sua realização deve ser o resultado da contribuição de
muitas pessoas. O líder experiente está sempre à procura de outros para que o sonho se torne realidade. O líder
passa continuamente a visão para os que estão a sua volta, pois sabe que os sonhos, quando apresentados
corretamente, são contagiantes.

Propriedade corporativa de uma visão.


80
Uma visão é um quadro claro do que o líder vê seu grupo ser ou fazer. Os líderes que comunicam
eficientemente seus objetivos a seus liderados realizam muito mais do que os que não o fazem. Líderes bem-
sucedidos vêem em três níveis:

Nível 1. Percepção: Vêem o presente com olhos realistas.

Nível 2. Probabilidade: Vêem o futuro com olhos de discernimento.

Nível 3. Possibilidade: Vêem o que poderá ser com olhos de visão.

Um futurista vive apenas no Nível 3. Um "previsor" vive somente no Nível 2. Um seguidor vive só no Nível 1.
Um líder vive no Nível 3, lidera no Nível 2 e ouve no Nível 1.

Surpreendentemente, a projeção de uma visão não começa no Nível 3 (o grande quadro). Começa no Nível 1
(o pequeno quadro) e só será bem-sucedida se o líder puder influenciar o Nível 2 (o próximo quadro).

Compreendendo o que perturba uma visão (Nível 1)


Vemos as coisas, não como elas são, mas como somos. Por conseguinte quando uma visão é perturbada,
geralmente trata-se de um problema envolvendo pessoas.

Há dez tipos de pessoas que geralmente interferem na visão de uma organização.

1. Líderes limitados: Tudo sobe e desce em função da liderança Um líder limitado não terá a visão ou não
terá capacidade para passá-la adiante com êxito.

2. Pensadores concretos: Alguns homens vêem as coisas como elas são e dizem: “Por que?” (pensador
concreto). Outros sonham com coisas que nunca foram, e dizem: “Por que não?” (pensador criativo).

3. Falastrões Dogmáticos: Muitas visões não são concretizadas por causa de pessoas fortemente
dogmáticas. Para ter certeza absoluta sobre alguma coisa, é preciso saber tudo sobre o assunto ou nada. Na
maioria das vezes, o dogmático não sabe nada, mas diz alguma coisa convencionalmente.

4. Perdedores contumazes: Muita gente olha para seus fracassos passados e têm medo de arriscar a
sorte numa visão. Seu lema é: "Se você não for bem-sucedido inicialmente, destrua todas as provas de que tentou."
Eles também destróem a tentativa de qualquer um arriscar novamente.

5. Acomodados: As pessoas anseiam por conforto, previsibilidade e segurança na vida. Nos calcanhares
do conforto vem a complacência da previsibilidade; o tédio da segurança e a falta de visão. Um ninho é bom para
um pássaro enquanto é um ovo. Mas não é bom para ele quando tem asas. É um bom lugar para ser chocado, mas
não é adequado para voar. É sempre triste quando as pessoas relutam em deixar os ninhos de suas vidas.

6. Amantes da tradição.
81
7. Recenseadores : Algumas pessoas nunca se sentem bem quando saem da multidão. Desejam fazer
parte do grupo e não serem afastadas dele. Essas pessoas só aderirão à visão quando a maioria o fizer. Nunca
estão na vanguarda.

8. Identificadores de problemas: Há quem veja um problema em toda solução. Geralmente obstáculos


são as coisas que você vê quando desvia os olhos do objetivo. Curiosamente, algumas pessoas pensam que a
capacidade de detectar problemas seja sinal de maturidade. Muito pelo contrário. É sinal de uma pessoa sem visão.
Essas pessoas abortam grandes visões apresentando problemas sem solução.

9. Egoístas: As pessoas que vivem para si mesmas fazem parte de um pequeno e poderoso grupo.
Também nunca realizam grande coisa. Grandes objetivos só são alcançados pelo esforço unido de muitos. Pessoas
egoístas são os demolidores da visão.

10. Previsores de fracassos: Algumas pessoas têm a faculdade de tocar nas teclas erradas. Extraem
apenas dissonância dos melhores instrumentos. Todas as suas canções são em tom menor. Transmitem a nota de
pessimismo para toda parte. A sombra domina todos os seus quadros. Sua aparência é sempre lúgubre, os tempos
são sempre ruins e o dinheiro apertado. Tudo nelas parece se contrair; nada em suas vidas se expande ou cresce.

Estabelecendo o Ambiente Adequado (Nível 2)


Conhecer as pessoas e as chaves de suas vidas permitirá ao líder evoluir para o "próximo quadro" no Nível 2.
É essencial que o líder comece a influenciar o que será visto pelas pessoas.

Junte-se a elas. Deixe que elas vejam seu coração antes de verem sua esperança. As pessoas não se
importam com quanto você vê até verem o quanto você se importa. Enfatizo novamente. as pessoas compram o que
o líder é, antes de comprar a visão do líder. Cultive a confiança. Seja transparente e paciente. Comece onde elas
estão vendo através de seus olhos. Procure descobrir suas esperanças e seus sonhos.

Pinte o quadro para elas. Os grandes líderes explicam sua visão pintando um quadro para as pessoas. Toda
grande visão tem certos ingredientes, e o grande líder faz as pessoas compreendê-los, apreciá-los e "vê-los".

Horizontes: A visão que um líder tem do horizonte permite as pessoas verem a dimensão de suas
possibilidades. Cada indivíduo determinará a altura que ele quer atingir. Sua responsabilidade é pôr bastante céu no
quadro.

Sol: Este elemento representa calor e esperança. A luz desperta o otimismo nas pessoas. A função primordial
do líder é manter acesa a esperança. Os líderes são os negociantes da esperança.

Montanhas: Cada visão tem seus desafios. A primeira coisa que você faz é ensinar as pessoas a sentir que a
visão é muito importante e quase impossível.
82
Pássaros: Este elemento representa a liberdade e o espírito do homem. Ver uma águia alçar vôo faz com
que você sinta seu espírito ganhar asas. “As guerras podem ser travadas com armas, mas é o espírito do homem
que combate, e o homem que lidera é que recebe os louros da vitória.”

Flores: A jornada para a realização de qualquer grande visão leva tempo. Certifique-se de que o cenário inclui
paradas para descanso - lugares para aspirarmos o perfume das flores e nos refrescarmos mental e fisicamente.
Sucesso é a realização progressiva de um objetivo predeterminado e meritório.

Caminho: As pessoas necessitam de rumo, lugar para começar e caminho para seguir. Não basta ter uma
grande visão, é preciso saber como chegar lá.

Você: Nunca pinte a visão sem se incluir no quadro. Isso demonstrará seu compromisso com a visão e seu
desejo de caminhar com as pessoas pelo processo. Elas precisam de um modelo para seguir.

Ponha as coisas que elas amam no quadro: As pessoas carregam retratos de outras pessoas e coisas
que amam. Ponha as coisas que são importantes para as pessoas no campo da visão e você transferirá a visão
para elas.

Abrindo os Olhos para as Possibilidades (Nível 3)


Neste nível precisamos nos perguntar como desenvolver as pessoas de maneira que se adaptem ao tamanho
da visão. Isso representa o que o líder deve fazer continuamente, estimular o crescimento das pessoas a partir do
momento em que elas adquirem a visão.

Há diversos passos a serem dados pelo líder no Nível 3:

Primeiro: ele deverá procurar e encontrar vencedores para incluir na equipe. A identificação das seguintes
qualidades orientarão a procura:

Os vencedores são menos sensíveis à desaprovação e à rejeição; tiram de letra.

Os vencedores pensam em termos de "resultado final".

Os vencedores concentram-se na tarefa que tiverem em mãos.

Os vencedores se recusam a equacionar o fracasso com o valor pessoal.

Os vencedores não se limitam a pensar de acordo com padrões rígidos, estabelecidos.

Os vencedores vêem o quadro grande.

Os vencedores recebem com entusiasmo e otimismo o desafio.

Os vencedores não perdem tempo com pensamentos improdutivos.

A visão fortalece o líder que a possui. O líder dotado de visão


acredita não somente que o que ele visualiza possa ser feito, mas que
precisa ser feito.
83

Como manter a Motivação?


Motivação pode ser definida como aquilo que move ou induz a pessoa à ação. Podemos dizer que o poder
da motivação é o maior poder essencialmente humano sobre a terra. Não podemos definitivamente viver sem ela.

Existe uma quantidade imensa de coisas que podem motivar-nos. Relacionaremos algumas coisas que
podem motivar-nos como líderes. Naturalmente essa lista pode variar de pessoa para pessoa e mesmo de um dia
para o outro.

Motivações negativas Motivações neutras Motivações positivas


Compulsão Felicidade Piedade

Raiva Honra Santidade


Inveja Euforia Justiça
Feridas Satisfação Paz

Medo Compromisso Alegria

Orgulho Discordância Gentileza

Preguiça Pressão Bondade

Ódio Limpeza Fidelidade

Ciúme Desejo Misericórdia

Solidão Circunstâncias Esperança

Maldade Boa vontade Amor

Desespero Moral idade Abnegação

Insegurança Segurança Temor de Deus


Complacência Competição Paciência

Pressa Excitamento Mansidão

Culpa Prazer Domínio próprio


84
Desânimo Consciência Visão de Deus

Engano Sucesso Graça

Desapontamento Aparência Consciência de Deus

Esta lista não segue nenhuma seqüência preestabelecida. Ela visa somente ilustrar a imensa quantidade de
fontes de motivação.

A diferença entre um ministro bem sucedido e outro não tão frutífero, repousa exatamente na capacidade de
motivar as pessoas. Compreender o que pode motivar as pessoas e como obter a sua colaboração é uma
responsabilidade básica do líder.

Três fontes básicas de motivação:


1. Sobrevivência: esta é provavelmente a mais poderosa e básica forma de motivação. É importante
entendermos isso, porque se estivermos tentando ajudar alguém cuja sobrevivência esteja ameaçada este fato
pode explicar todo o seu comportamento.

2. Propósito na vida: isso aponta para um desejo de ser significante, e saber que é importante para alguma
coisa. Embora esta motivação seja inconsciente para a maioria das pessoas, ainda assim ela é uma poderosa
fonte de propulsão.

3. Prazer: mesmo para nós cristão esta é uma fonte básica de motivação. Dificilmente conseguiremos a
colaboração de alguém por um longo tempo se associarmos o trabalho com o sofrimento ou o desprazer.
Naturalmente quanto mais carnal for uma pessoa tanto mais prazer ela necessitará para realizar uma tarefa.

Características das pessoas motivadas:


 São acima de tudo dispostas. Em Êxodo 35:4 a 36:7 nós lemos a respeito de um problema que
muitos líderes gostariam de ter. O povo de Israel estava tão determinado a construir o Tabernáculo, que Moisés
teve de pedir para que eles parassem de trazer ofertas. Por que isso aconteceu? Porque eles estavam motivados.
A obra de Deus havia conquistado seus corações.

 São determinadas. Elas desejam acima de tudo ver o trabalho terminado. Quanto maior for a
motivação maior será a disposição para dispor de dinheiro, tempo e energia. Na verdade pessoas determinadas
vão levar a cabo o seu objetivo mesmo diante de uma grande oposição. Normalmente são pessoas que alcançam
muito na vida.
85
 São direcionadas por alvos: Os alvos determinam o seu estilo de vida. E por causa desses alvos
nenhuma disciplina parece severa demais e nenhum sacrifício demasiadamente difícil. Muitas vezes tais pessoas
parecem ter uma idéia fixa e dificilmente conseguem falar de outra coisa.

 São otimistas: Elas crêem firmemente que todo problema pode ser solucionado em Deus. Eles
podem se sentir desencorajados em algumas ocasiões, mas normalmente não ficam deprimidas. O pessimista vê
uma dificuldade em cada oportunidade, mas aquele que está motivado vê uma oportunidade em cada dificuldade .

 São quase sempre persuasivos e contagiantes: Mesmo que não sejam líderes visionários elas
têem uma direção clara de Deus para as suas vidas. Por isso estão sempre querendo vender suas idéias aos
outros

 São cheias de confiança em Deus e naquilo que Deus pode fazer através delas: Elas sabem
que se elas não acreditaram em si mesmos ninguém mais acreditará.

O P RINCÍPIO DA M OTIVAÇÃO C ONTAGIOSA


Naturalmente a melhor forma de motivar os outros é estarmos nós mesmos motivados. Uma pessoa
motivada é infecciosa. Ela contamina à todos ao seu redor.

Motivar uma pessoa é infundir nela uma disposição e uma vontade de realizar uma tarefa. Como líderes
deveríamos ser de tal forma motivados que as outras pessoas pudessem ser inspiradas pelo nosso estilo de vida.

Ainda que um líder não possa produzir motivação ele pode criar certas circunstâncias favoráveis de
encorajamento e motivação. A maior habilidade de um líder deve ser justamente a de conseguir motivar seus
liderados. Uma coisa é você mandar alguém fazer um trabalho, mas outra completamente diferente, é você
conseguir despertar nele o desejo de fazer o trabalho. Alguém nessa situação será muito mais produtivo, criativo,
com disposição para trabalhar além do proposto. Não necessitará ser supervisionado o tempo todo e naturalmente
fará o trabalho com prazer e alegria. Esse, sem dúvida, é o grande segredo da liderança eficiente.

Como mencionamos anteriormente há uma gama enorme de diferentes coisas que podem motivar uma
pessoa à ação. Todavia nosso alvo é levá-las a fazer o que deve ser feito pelas razões corretas. Por isso precisamos
ser cuidadosos em como motivamos nossos liderados.

O Princípio da Hierarquia de Necessidades


Todo líder precisa reconhecer que uma quantidade enorme de coisas pode motivar o nosso comportamento.
Coisas boas e coisas não tão boas. Mas basicamente elas se dividem em três grupos: nossos conceitos, nossos
sentimentos e nossas necessidades físicas.
86
Nossos conceitos envolvem a forma como nos vemos, são os nossos valores, a forma como percebemos
o mundo.

Nossas emoções são nossos sentimentos de querer ser amado, de pertencermos a alguém, de auto-
estima e de realização.

Nossas necessidades físicas apontam basicamente para as nossa necessidade de sobrevivência.

Todos sabemos da trindade do homem: espírito, alma e corpo. Antes de podermos ser motivados
corretamente por aquilo que vem do nosso espírito, e consequentemente de Deus precisamos satisfazer
primeiramente as nossas necessidades básicas, que vem do nosso corpo e alma. Um princípio claro na palavra é
que primeiro é o natural depois o espiritual.

Cada líder precisa saber onde o seu povo se encontra em termos de necessidade. É desnecessário dizer,
que é inútil tentar motivar alguém com problemas graves de sobrevivência. Mesmo alguém com sérias carências
afetivas será difícil de ser motivado. É preciso suprir essas carências na medida do possível, e tentar levar essas
pessoas a se libertarem desse nível, para um nível mais elevado de relacionamento com Deus. Todavia o líder que
ignora essa hierarquia de necessidades vai falhar em levar o seu povo a se motivar por algo espiritual.

O Princípio da Recompensa
As pessoas no mundo vivem debaixo de um sistema de recompensa, ou seja, elas dão o máximo de si
mesmas quando percebem que há uma recompensa interessante pelo seu trabalho. Isso pode soar como algo
errado para os cristãos. Mas mesmo nós tendemos a fazer as coisas que nos beneficiam de algum modo.
Naturalmente há outras coisas que influenciam o nosso comportamento, como: valores, convicções e fé; mas a
recompensa é algo importante e precisamos considerá-la quando falamos de motivação.

Muitos, envolvidos em liderança, confundem atividade com eficiência ou produtividade, e como resultado
eles recompensam atividades desconsiderando o seu valor. Eles recompensam igualmente uma pessoa que gastou
dez horas para fazer o seu serviço e outra que levou apenas cinco fazendo a mesma tarefa. O resultado é que
aqueles que trabalham mais duro tendem a se desmotivarem, e a trabalharem menos.

É realmente fácil recompensarmos a tarefa errada e ignorarmos ou punirmos, a correta. Este é um dos
motivos porque falhamos em motivar nossos liderados. Se alguém está falhando em motivar o povo ele deveria
parar e se perguntar: “Que tipo de comportamento eu estou recompensando?”

Pessoas que deveriam ser recompensadas:


 Aquelas que buscam à Deus por sua visão para a Igreja e que insistem até ouvirem de Deus.

 Pacificadores e encorajadores. Porque estas pessoas ajudam a manter a unidade da equipe,


encorajam os desanimados e possibilitam a execução da tarefa.
87
 Aquelas que são inovadoras e criativas. Especialmente quando elas ajudam a alcançar o alvo
com mais eficiência. Isto deve ser encorajado porque muitas igrejas resistem à mudanças.

 Qualquer uma que faça o seu trabalho com excelência. Porque isso traz glória para Deus.
Lembre-se de não recompensar os que fazem as coisas descuidadamente, ainda que rapidamente. Fazer rápido
é bom, mas fazer com excelência é muito melhor.

 Aquelas que trazem sugestões para o melhoramento da obra. Cada líder deve entender que
não possui todas as respostas e que não tem que tomar todas as decisões.

 Aquelas que trabalham em grupo e não de forma individualista. Uma das piores pragas na vida
da Igreja é o individualismo, e ele deve ser combatido sistematicamente. Aqueles que entendem a visão de
equipe e unidade do corpo devem ser recompensados.

 Aquelas que são leais e comprometidas. A lealdade é naturalmente conquistada quando, o líder
manifesta lealdade para com o seu povo, se desgastando e procurando dar-lhes o seu melhor, e então, tem esse
comportamento recompensado.

Há outras atitudes do líder que poderiam contribuir para isso, tais como: ter uma administração aberta e
transparente, principalmente com respeito ao dinheiro; procurar não demonstrar favoritismos na equipe de líderes;
mostrar claramente os alvos e a visão da Igreja; propiciar treinamento para a igreja e demonstrar que o grande
objetivo é que todos, se possível, tornem-se líderes ou desempenhem algo importante na vida da igreja.

 Obreiros que trabalham duramente para o Senhor, deveríamos encorajar cada um de nossos
líderes, mas principalmente àqueles que trabalham arduamente. Este reconhecimento é importante pois não
apenas motiva à estes como também, àqueles que trabalham mais frouxamente, pois neste caso eles veriam que
a liderança é coerente e gasta tempo com os que de fato trabalham. Normalmente os que mais trabalham são os
mais difíceis de serem identificados e portanto fáceis de serem ignorados.

Podemos fazer os seguintes questionamentos para identificar aqueles que mais trabalham:

 Quem raramente perde os trabalhos da igreja ?

 Quem está disposto-a se desgastar mais do que a igreja pede?

 Quem sempre está aqui quando precisamos dele?

 Em quem podemos confiar sabendo que o trabalho será feito?

 Quem tem se disposto a cobrir a ausência de um irmão?

 Quem produz mais respostas que problemas?

 Quem não reclama?

 Quem sempre está disposto a ajudar os outros nas suas atividades?

 Quem procura levantar o ânimo e a motivação do grupo?


88

Alguém certa vez afirmou que, em toda igreja há quatro tipos de pessoas:

- Aqueles que desejam alguém que possa fazer o trabalho;

- Aqueles que falam muito e não fazem nada;

- Aqueles que desfazem o que os outros têm feito; e

- Aqueles que realmente trabalham.

Formas básicas de recompensar um bom trabalho:


Aumentando a responsabilidade . Esta importante recompensa deveria somente ser dada para
pessoas que têm o chamado de Deus para liderança ou governo. Nunca promova alguém simplesmente porque ele
está na igreja há muitos anos ou porque ele tem trabalhado duro.

Dando apropriado reconhecimento, louvor, elogio e encorajamento . Estas são


indiscutivelmente as mais importantes recompensas que um líder pode dar para aqueles que trabalham com ou para
ele. As pessoas precisam saber que são queridas e apreciadas (“ O homem se alegra em dar resposta adequada, e
a palavra, a seu tempo, quão boa é!” Pv.15:23). Lembre-se que as pessoas tendem a retribuir a atitude que o líder
demonstra em relação a elas. Se um líder honra e serve àqueles a quem lidera ele muito provavelmente receberá
honra e reconhecimento em resposta. Todavia evite recompensar qualquer ato insignificante pois isso pode
desvalorizar seu elogio.

Dando às pessoas trabalho que elas gostam de fazer . Isso é particularmente adequado para
obreiros que se desgastam na obra. Lembre-se que comumente as pessoas preferem fazer aquilo que elas
naturalmente fazem melhor.

Aumentando o envolvimento da pessoa na direção da igreja . Isto demonstra que a pessoa


é importante e sua opinião confiável. Lembre-se que as pessoas apoiam aquilo que elas ajudaram a criar e as
mudanças são menos traumáticas, quando acompanhadas por um número grande de obreiros.

Pagando para as pessoas cursos que possam melhora r seu desempenho na igreja .
Isto obviamente dá oportunidade para que a pessoas aumentem as suas habilidades e campo de atuação na igreja.

Dando maior liberdade de ação e de tomada de decisão . Pastores são sempre temerosos
de darem maior liberdade aos seus líderes, porque temem perder o controle, ou que algo ruim aconteça. Todavia
89
permita o máximo possível que seus líderes sejam os seus próprios chefes. Isso estimula a criatividade e a
responsabilidade.

Fornecendo suporte financeiro . Para a maioria dos irmãos isto não seria aplicável. Mas a situação é
diferente quando se trata de alguém que tem dado tempo integral ao trabalho da igreja.

Estando certo de que o trabalho está sendo feito pela pessoa certa . Se alguém está
tentando fazer algo para o qual não foi preparado ele gastará uma quantidade enorme de energia com pouco ou
nenhum resultado. Lembre-se porém que as vezes o problema é que a pessoa não foi treinada, ou não recebeu
direção do que efetivamente deve ser feito ou porque não tem as ferramentas necessárias para a execução da
tarefa.

Demonstrando honesto interesse e cuidado pelas pessoas a quem lideramos .


Devemos conhecer as pessoas, estarmos conscientes de suas necessidades. temores e ambições. Líderes frios,
insensíveis, desinteressados, impessoais e indiferentes raramente conseguem a colaboração plena da igreja. De
fato pessoas são muito mais importantes que práticas, procedimentos organizacionais e alvos. Um líder nunca
deveria parecer estar mais preocupado com seus próprios interesses do que com o povo a quem lidera. Se o povo
percebe que está apenas senso usado pelo líder sua motivação cai rapidamente.

Fornecendo as ferramentas adequadas ao trabalho. Devemos estar certo de que cada


obreiro tem tudo o que é necessário para levar a cabo sua atividade com eficiência. É impressionante ver como as
pessoas se motivam ao trabalho quando há algum equipamento novo para ser manuseado. A área de música é
particularmente sensível a isso, mas outros equipamentos como infra-estrutura de secretaria, fotocópia e
computador podem ser fonte de motivação para toda a liderança..

Reconhecendo a importância de determinado trabalho . Isto deveria preferivelmente ser feito


publicamente, mas pode também ser feito através de reuniões especiais como um jantar com os líderes, fazendo
uma dedicação ou unção pública ou mesmo através de uma simples carta de reconhecimento do pastor.

Dando sincera apreciação . É muito importante deixar o obreiro perceber que é reconhecido,
especialmente quando ele tem feito um trabalho digno de menção. Trabalhar desinteressadamente pode ser algo
bem difícil. Se alguém trabalha e o seu trabalho nunca é percebido ou mencionado, por fim ele se perguntará se o
seu trabalho é realmente importante. Pessoas que são reconhecidas tomam-se mais seguras e dispostas a fazer
muito mais.

Dando importância às atividades . Devemos estar certo de que o trabalho da igreja é visto como
privilégio e não como um fardo. Todo trabalho na igreja é importante, mas nós precisamos levar as pessoas a se
interessarem por aqueles considerados menos importantes. A melhor maneira de mudar essa mentalidade é
ensinando a igreja.

Estabelecendo padrões altos, porém razoáveis . Não permita que pessoas sejam constituídas
como líderes sem critérios claros e razoáveis. Não tenha receio de que uma atitude assim possa desmotivar as
90
pessoas a serem ativas na igreja. Precisamos entender que ninguém deseja fazer parte de algo desorganizado e
medíocre, e que nos sentimos honrados quando somos postos como líderes em uma organização onde todos
reconhecem o alto nível de seus líderes. Este padrão elevado, em um primeiro momento pode desmotivar a massa
do povo a se tornar líder, mas por fim servirá como uma triagem, onde somente os melhores se disporão ao
trabalho.

Mantendo o povo bem informado . Uma informação apropriada serve como poderoso agente
motivador. Ninguém se dispõe a ajudar se nós, os líderes, parecemos estar ocultando alguma coisa. Precisamos dar
informações precisas sobre alvos alcançados ou não, gerenciamento financeiro e andamento da obra. Nunca
permita que boatos apareçam na igreja justamente por falta de transparência e informação correta do pastor.

Certificando de que as várias áreas da igreja estão crescendo e melhorando . As


pessoas gostam de saber que estão associadas a algo que está obtendo sucesso. Lembre-se que a mediocridade
tende a reproduzir-se, ou seja, líderes medíocres tendem a se reproduzir nos liderados.

Dando especial atenção ás pessoas que estão tentando fazer a obra, mas sem
resultados concretos . Isto pode ser falta de mais treinamento, carência de direção, encorajamento ou até
mesmo disciplina. Jamais ignore alguém que não está funcionando adequadamente no corpo. Isso pode produzir
conseqüências piores principalmente se a causa do problema é irresponsabilidade ou pecado escondido.

Criando um ambiente emocionalmente estável e calmo. Se o povo percebe que o pastor


planeja partir ou planeja ficar por um período curto na igreja isso vai produzir instabilidade e desmotivação. Todos
nós temos crises e na iminência delas ficamos ansiosos e apáticos.

Tornando o trabalho agradável . Devemos celebrar aniversários, ocasiões especiais, etc. Isto é
particularmente aplicável para a equipe de líderes. Seja cuidadoso para que ninguém seja esquecido. A simples
idéia de se pertencer a uma equipe coesa é altamente motivante.

Estando certo de que cada um é capaz de realizar a tarefa proposta . Não há nada mais
desmotivante que o fracasso. Todo pastor é também responsável pelo fracasso de seus líderes, na medida em que
podemos impedi-los de começar algo que sabemos que eles não podem realizar.

Dando às pessoas liberdade de ação. Devemos produzir em nossos líderes a coragem para
correr riscos, tomar a iniciativa e serem criativos. Não precisamos temer dar esta liberdade porque não existe nada
que um líder deseje evitar mais que os erros. Se temos colocado a pessoa certa no lugar certo não precisamos nos
preocupar com os possíveis erros. Eles serão apenas mais uma oportunidade de crescimento e aprimoramento.

Dando às pessoas a autoridade necessária para fazer o trabalho . Algo terrível é ter
posição sem uma correspondente autoridade. É desmotivante e humilhante.

Recompensando alvos alcançados. Devemos estar certos de não recompensarmos simplesmente


a quantidade de trabalho feito. Lembre-se que estar ocupado pode facilmente tomar-se em um alvo para disfarçar a
falta de propósito.
91
Fazendo criticas apropriadas e construtivas . Quando você tiver de criticar alguém lembre-se de
elogiar a pessoa e criticar apenas o trabalho. Não devemos temer fazer correções pois a falta delas apenas estimula
o relaxo e a mediocridade. Jamais comece uma conversa pela crítica, isso coloca as pessoas na defensiva e nessa
posição elas não nos ouvem. Comece elogiando e realçando os seus pontos fortes, e só então introduza as críticas.
Ao final da conversa ofereça sua ajuda e suporte demonstrando à pessoa que ela tem a nossa confiança para
realizar o trabalho.

Uma crítica adequada deveria conter pelo menos quatro elementos:

 Deveria levar a pessoa a entender claramente o seu erro;

 Deveria mostrar à pessoa como corrigir eu erro;

 Deveria demonstrar à pessoa que ela é apreciada e que o seu trabalho é relevante;

 Deveria encorajar a pessoa a fazer o melhor no futuro.

Fazendo as correções necessárias . Quando alguém está tornando-se deliberadamente preguiçoso


e relaxado é melhor sermos diretos e objetivos. A pessoa precisa perceber que sua atitude está prejudicando o
trabalho como um todo. Todo líder deve entender que às vezes é necessário utilizarmos nossa autoridade para o
bom andamento da obra. Isto pode parecer desmotivante para quem é disciplinado. Mas é altamente motivante para
os demais membros, pois é um sinal de firmeza e segurança, demonstrando que não vamos desistir de nossos
objetivos finais.

A relação entre alvos e motivação


Poucas pessoas caem prostradas de cansaço, mas muitas desistem porque se sentem frustradas,
entediadas, desencorajadas ou decepcionadas. Uma das formas mais eficientes de manter as pessoas motivadas
em qualquer atividade é estabelecendo alvos para elas. Tais alvos dão um senso de direção e realização
fundamentais para o desenvolvimento e o sucesso. E por fim o próprio alvo alcançado é a recompensa pelo trabalho
feito.

Todo pastor que deseja motivar o seu povo deve sempre mostrar os motivos de determinada atividade. Dê
ao rebanho um senso de direção falando dos alvos e da visão. Naturalmente tudo isso deve acontecer debaixo de
muita realidade espiritual e não uma mera encenação.

As pessoas desejam estar envolvidas em um trabalho que tem repercussão pela eternidade afora. Algo que
não é meramente humano, mas que foi originado, é sustentado e dirigido pelo próprio Deus. Pastores que não
sabem onde estão indo não devem esperar que as ovelhas os sigam. Não é sem motivo que muitos parecem estar
apascentando cabritos não ovelhas. É sabido de todos que, os cabrito não podem ser conduzidos, mas empurrados
com a vara, enquanto as ovelhas simplesmente seguem o pastor. Todavia o pastor precisa ter clareza de onde estão
os pastos verdes e as águas de descanso. É para lá que as ovelhas querem ir.
92
A relação entre motivação e credibilidade
Quando se trata de motivar o povo não há nada mais importante que a credibilidade. É o maior patrimônio
que um pastor pode ter nesta vida.

Se nós não temos credibilidade nós jamais conseguiremos motivar o povo de Deus. Credibilidade e sua irmã
gêmea, a verdade, são difíceis de conquistar mas fáceis de perder. Leva tempo para cultivar esses dois pilares. De
fato, se sua imagem é negativa todo o seu trabalho estará comprometido. Todo pastor precisa primeiro ser visto
como um homem de Deus e só depois como um bom líder.

Uma das grandes funções do pastor é justamente inspirar o seu rebanho através de sua vida e exemplo. Um
pastor motivado que se recusa a desistir e trabalha incansavelmente, com o tempo vai conquistar o respeito e a
fidelidade de seu povo.

Bons líderes comunicam valores, ajudam o povo a internalizá-los e capacitam a quem eles lideram a imitá-
los.

Coisas que desmotivam as pessoas


Uma lista de coisas desmotivantes poderia ser obtida simplesmente fazendo o oposto do que temos falado.
Todavia, vamos apenas, fazer um pequeno apanhado das contribuições mais destrutivas à motivação:

 Falta de organização, gerenciamento e administração.

 Liderança fraca e sem visão.

 Falta de objetivos claros.

 Falha em manter promessas.

 Falta de acompanhamento e supervisão.

 Incapacidade de tomar decisões sábias.

 Falta de condições de trabalho.

 Injustiça e favoritismos entre as pessoas lideradas.

 Falta de treinamento para o trabalho.

 Humilhação e desprezo por aqueles a quem lideramos.

 Críticas em público.

 Não ouvir aqueles a quem lideramos.

 Falta de comunicação ou comunicação ineficiente.


93
 Pouco encorajamento, reconhecimento ou elogio.

Evidentemente há muitas outras coisas que nos desmotivam, mas penso que essas são as mais graves. Por
outro lado há alguns tipos errados de motivação que, com o passar do tempo detonam um efeito contrário e
devastador. Gostaria de mencionar algumas delas.

 Motivação pela culpa . Isto acontece quando levamos as pessoas a trabalharem com base na
chantagem emocional do tipo: “Todos me abandonaram, até você vai partir agora?” Ou usando a velha técnica do
"pobre de mim".

 Entusiasmo fingido. Muitos fazem isso para encobrir a realidade.

 Não enfatize excessivamente os possíveis obstáculos . Ore para que o Espírito Santo os
entusiasme.

Esteja sempre sensível à liderança do Espírito Santo


A unção de ontem não é suficiente para hoje. Da mesma forma o planejamento de ontem pode não ser
adequado para hoje. Deixe-se guiar pelo Espírito. Esteja sensível a qualquer mudança do vento. Lembre-se que as
estratégias não são um fim em si mesmas. Não coloque seu coração em estruturas, mas em Deus. As estruturas
são como roupas. Quando crescemos ficam apertadas; normalmente envelhecem e se tornam cheias de furos.
Precisamos estar abertos para qualquer nova roupa que o Espírito esteja nos levando a vestir.

Como Remir o Tempo?


O tempo é um precioso recurso dado por Deus e que nunca se repete. Nós precisamos ser muito
cuidadosos para remir o tempo, ou seja, fazer o máximo possível dentro do tempo de que dispomos

“Portanto, vede prudentemente como andais, não como néscios, e sim como sábios, remindo
o tempo, porque os dias são maus.”(Ef 5:15-16).

Como cristãos nós deveríamos viver cada dia como se amanhã fosse o último (Mc. 13:32-37; “Portanto, não
vos inquieteis com o dia de amanhã, pois o amanhã trará os seus cuidados; basta ao dia o seu próprio mal.” Mt.
6:34). Precisamos aproveitar cada dia com um senso de propósito e direção. O tempo é como uma estrada na qual
jamais iremos passar novamente. Por isso precisamos aprender como organizar e usar nosso tempo a fim de que
nossas prioridades sejam alcançadas.

Isto significa que eventualmente nós precisaremos tomar difíceis decisões sobre quais coisas devemos
aplicar o nosso tempo. Pode ser que tenhamos de evitar ver um filme, ir a um passeio ou jogar uma partida de
94
futebol em função de nossas prioridades, daquilo no qual Deus deseja que apliquemos o nosso tempo. Nós teremos
também de fazer certas escolhas, por exemplo, entre ajudar uma pessoa ou ir para um trabalho da igreja. Se nós
buscarmos a Deus ele tornará claro para nós a forma como devemos gastar o nosso tempo. De fato o Espírito Santo
nos guiará a toda verdade. Ele portanto, nos guiará em como aplicarmos o nosso tempo.

De fato nós não somos servos dos nossos alvos ou mesmo das pessoas, mas antes é a Deus que nós
servimos, portanto é dele que precisamos esperar a direção de como aplicarmos nosso tempo. Ele sabe qual
atividade é mais apropriada, lucrativa ou prioritária para o seu propósito em nossas vidas. Portanto é preciso
desenvolver uma vida de dependência do Espírito Santo.

Muitas vezes aquilo que nós consideramos como perda de tempo é justamente o. que Deus deseja que
façamos em um dado momento. Estar demasiadamente ocupado com atividades pode ser exatamente um
desperdício de tempo e de energia. Deixe-me ilustrar esse fato com uma história que ouvi recentemente.
Conta-se que no Alasca existe um torneio anual entre lenhadores de corte de árvores. Um certo mestre já de
meia idade tinha justamente treinado um jovem discípulo para essa competição. Quando iniciou o torneio os dois
foram justamente competir um contra o outro. Dada a partida o jovem lenhador começou a malhar o seu machado
contra o tronco incansavelmente. Eventualmente ele olhava de lado e via o mestre e competidor simplesmente
sentado olhando para ele. Aquela parecia uma vitória certa para o jovem, mas no final o velho lenhador foi o
vencedor. Aquilo intrigou profundamente o jovem que logo perguntou ao experiente lenhador: “Como você pôde
vencer se você ficou a maior parte do tempo parado enquanto eu não parei, um instante sequer, de malhar sobre a
árvore? A resposta é muito simples, respondeu o lenhador. Naqueles momentos em que parecia que eu estava
parado eu estava justamente afiando meu machado para cortar mais árvore com menos esforço; e quanto mais você
batia, mais esforço tinha de fazer pois o seu machado ficava cada vez mais cego”.
A lição é muito óbvia: nunca pense que o tempo gasto em oração, estudo, jejum, meditação ou adoração
seja uma perda de tempo. Muitas vezes trabalhamos mais quando descansamos e caminhamos para mais distante
quando, simplesmente, permanecemos parados. O tempo gasto amolando o machado reduz o esforço e redime o
tempo, tomando-nos portanto muito mais eficientes.
A obra de Deus é a coisa mais importante que nós podemos fazer. Todavia, nós precisamos aprender a
diferença entre o que Deus quer que seja feito e o que nós gostaríamos de fazer; entre o que é prioritário e o que é
necessário; entre emergências e demandas. Quando nos perdemos por esses meandros podemos perder tempo e
energia, e não alcançarmos o alvo de Deus.

Existem muitas situações que são, o que podemos chamar, devoradores de tempo. Se desejamos ser
frutíferos na obra de Deus precisamos realizar o máximo no menor tempo possível. Para usar uma linguagem de
qualidade total, eu diria que precisamos maximizar o nosso potencial e minimizar o tempo e o esforço. Vamos
analisar alguns dos mais comuns devoradores de tempo.

Devoradores de Tempo
95
Indecisão : Decisões sempre deverão ser tomadas em qualquer nível de liderança, e elas sempre
envolverão algum tipo de risco. Líderes portanto deveriam enfrentar os riscos e tornar as decisões da melhor
maneira que eles puderem.

Procrastinação (deixar para amanhã o que pode ser feito hoje): é um dos principais ladrões de tempo e
lamentavelmente uma falta comum na maioria de nós. De fato os maiores jugos do trabalho são justamente aquelas
coisas que nós deixamos para amanhã.

Se um trabalho é demasiadamente difícil a melhor alternativa é dividir a tarefa em subtarefas menores e


mais fáceis de serem realizadas. Procure estabelecer linhas mestras de trabalho e procure segui-las
criteriosamente.

Há uma urgência em Deus, e tal senso de urgência deveria também permear o nosso trabalho. Todavia não
caia no outro extremo de querer todas as coisas feitas em um mesmo dia. Faça apenas aquilo que foi proposto e
que afinal é possível e necessário.

Falta de planejamento. Muitos homens de Deus parecem nunca estarem bem certos sobre o que eles
deveriam estar fazendo naquele momento. Por isso é útil escrever uma lista daquilo que deve ser feito em ordem
de importância e prioridade. Depois planeje o trabalho em uma base diária, semanal ou mensal, estando certo de
não passar para outra atividade até que a anterior tenha sido adequadamente realizada.
Falta de organização. Às vezes acontece de você não poder achar algo quando você precisa dele?
Esse tempo gasto procurando (e talvez nem encontrando) foi um tempo completamente desperdiçado. A sua mesa
ou mesmo todo o seu escritório parecem mais um amontoado de papel depois de um vendaval? Você tem ao menos
um escritório? Em tal situação não conseguimos nos concentrar e consequentemente não somos muito produtivos.
Estabeleça um lugar digno e organizado para trabalhar. O tempo gasto organizando vai economizar muito tempo
depois.

Indisciplina : Muitos começam algo e nunca terminam, mudam de prioridade o tempo todo, são facilmente
desviados do trabalho, nunca se concentram no que fazem, interrompem o trabalho por qualquer cafezinho ou ficam
conversando, falando nada de importante com alguém por horas. Tudo isso é sinal de indisciplina, a campeã dos
destruidores de tempo. Há inúmeras causas para alguém ser indisciplinado, mas talvez a mais provável seja a
complacência com o corpo e a busca do conforto e do prazer.

Um tempo indisciplinado tende a ser: usado para fazer coisas que nós definitivamente não somos
adequados para fazer; manipulado por pessoas dominadoras e barulhentas, controlado pela tirania das emergências
em detrimento das prioridades, e usado para concessões da carne, do prazer e do conforto. Os homens de Deus
têm uma tarefa dada por Deus, eles portanto precisam disciplinar suas vidas para que a tarefa seja atingida com
sucesso. De fato deveríamos ter um orçamento do nosso tempo como fazemos com nossas finanças. Veja se não
está gastando muito tempo com coisas sem valor ou tentando comprar algo caro como se fosse pechincha.

Ocupação excessiva. Esta é muitas vezes a causa de se alcançar tão pouco. Na raiz desse problema
está a incapacidade de delegar atividades a outros. Precisamos avaliar o que pode ser feito somente por nós e o
que poderia ser feito por outros. Outras vezes é a incapacidade de dizer "não" que nos sobrecarrega de trabalho que
outros poderiam fazer. Se, porém, tudo o que estamos incumbidos, somente pode ser feito por nós, é melhor
96
estabelecer o que é prioritário e adiar aquilo que é menos importante. É desnecessário dizer que a excelência
naquilo que fazemos é melhor do que a quantidade.

Estar ocupado fazendo nada . Freqüentemente líderes gostam de parecer estarem muito ocupados
com o objetivo de valorizarem o que fazem ou de evitarem que alguém lhes dê uma atividade ou mesmo de
buscarem a admiração do rebanho. Normalmente em tais situações encenam fazer muito, mas realizam quase
nada.

A atividade não é um fim em si mesma, o alvo é realizar a vontade de Deus. Quando fazemos algo sem
objetivo estamos definitivamente perdendo o nosso tempo.

Preguiça : Precisamos ser firmes contra a preguiça e a ociosidade. Deus nos tem confiado uma obra
tremenda e a salvação de muitos depende de nossa diligência. Quando encaramos a preguiça como pecado e fruto
da carne fica mais fácil sermos rigorosos em nossa conduta.

Um momento onde comumente a preguiça se manifesta é à tarde logo depois do almoço. Algumas medidas
simples poderia evitar essa letargia vespertina, como por exemplo: tenha uma refeição mais leve, deixe o trabalho
mais excitante para a parte da tarde, assim você se sentará mais motivado, ou separe as tardes para atendimento
ou aconselhamento. Lembre-se que ficar sentado com o peito encostado atrás de uma mesa pode causar má
oxigenação do sangue e consequentemente uma sensação de moleza, sonolência, indisposição e dificuldade de
concentração. A melhor coisa é fazer algum exercício leve para reativar a circulação.

Pânico : Isto freqüentemente acontece quando as dificuldades e os problemas parecem assolar-nos. O que
deveríamos fazer em tais circunstâncias é: parar, relaxar, respirar fundo e colocar o problema diante de Deus em
oração. Confessar a palavra é extremamente revigorante também ( “tudo posso naquele que me fortalece” Fp 4:13 ).
Uma vez que vemos a situação com mais realismo e fé podemos tomar as decisões mais apropriadas.

Interrupções : Você já percebeu como o telefone e a campainha tocam quando estamos fazendo algo
importante ou urgente? É útil separarmos algum tempo durante o dia onde podemos trabalhar sem perturbações.
Isso pode significar ter de marcar hora para aconselhamento ou mesmo ter de tirar o telefone do gancho por alguns
minutos. Todavia, lembre-se que nada acontece por acaso em sua vida como homem de Deus. Jesus nunca parecia
ficar perturbado com as interrupções ou pedidos de ajuda. Mesmo desagradáveis, tais interrupções podem ter sido
causadas pelo próprio Deus. Quando acontecer uma interrupção convém perguntar: “Por que Deus está permitindo
que esta pessoa ou situação venham até mim?” (“Pois somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras,
as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas.” Ef. 2:10).

Encontros : Muitos líderes gastam muito tempo indo a encontros onde sua presença não era
absolutamente necessária. Um líder não precisa participar de cada reunião da igreja, de cada conferência ou de
cada confraternização. O homem de Deus precisa investir em suas prioridades e ir a eventos onde sua presença
seja absolutamente necessária.
97
Televisão, vídeo e música: Estas coisas podem ser ferramentas úteis para relaxamento e lazer, mas
precisamos ser cuidadosos. Muitos líderes gastam muito tempo de suas vidas dando demasiadamente atenção a
tais coisas. Isto pode ser uma grande perda de tempo. Nós devemos fazer a obra de Deus em primeiro lugar, e
deixar que tais coisas ocupem o menor espaço possível em nossa rotina.

Formas de disciplinar o nosso tempo


Conhecendo a nós mesmos. Somente nós sabemos como e em que circunstâncias podemos render
todo o nosso potencial. Alguns precisam ficar a sós para trabalhar; outros precisam de companhia e ainda outros
necessitam que alguém lhes cobre um desempenho. Enfim, procure descobrir aquilo que melhora o seu
desempenho, e programe-se com base nessas características.

Estabelecendo seqüências de prioridades . Normalmente nós somos incapazes de investir


energia e concentração em coisas secundárias se aquelas primárias e mais importantes estão gritando por nossa
atenção. Uma forma simples de aproveitar o tempo é fazer uma lista de tarefas por ordem de prioridade .

Organizando o tempo em blocos. Isto nos permite administrar o nosso tempo mais eficientemente.
Tente, por exemplo, dividir seu trabalho em três blocos: manhã, tarde e noite, e depois decida o que você fará em
cada um deles. Para fazer isso de maneira prática nós temos de nos habituar com o uso de uma agenda.

Mantendo uma rotina regular. Naturalmente quando isso for possível. Separe certos blocos de tempo
em alguns dias para fazer certos trabalhos, por exemplo, tempo de oração e leitura, preparação do sermão,
visitação, descanso, lazer e aconselhamento.

Planejando com antecedência. Um planejamento com antecedência possui inúmeras vantagens.


Em primeiro lugar ele nos permite organizar nosso trabalho em função de nossas prioridades. Em segundo lugar
permite que nos prepararemos com antecedência para aqueles compromissos que exigirão de nós maior preparo.
Além disso, quando nos conhecemos e sabemos de nossas debilidades, podemos nos preparar com antecedência,
sendo este um meio de evitar a desmotivação que eventualmente nos acomete. Obviamente tal planejamento só é
possível se seguirmos criteriosamente uma agenda diária.

Começando cedo . Nós podemos produzir muito mais levantando cedo. Isto porque nossa capacidade
de concentração é muito mais alta nas primeiras horas da manhã e além disso são menores a chances de
interrupção. Também não demore 30 minutos deitado na cama até levantar-se, antes, seja rápido para levantar e
arrumar-se. Se nós dormíssemos menos produziríamos mais. De fato, se nós dormíssemos uma hora a menos cada
dia, nós adicionaríamos o equivalente a dois anos de trabalho ao final de nossa vida.

Aprendendo a concentrar-se . Um grande problemas para muitos líderes é a sua reconhecida


incapacidade de se concentrar em uma atividade. Muito tempo é perdido em divagações e devaneios. Evite tudo que
possa distrair sua atenção.

Delegue tarefas à outros . Nós jamais deveríamos fazer aquilo que outros poderiam realizar. Reserve
para si mesmo, somente aquelas tarefas de sua exclusiva atribuição ou que outros não conseguiriam realizar.
98
Avaliando o próprio desempenho . De tempos em tempos precisamos honestamente avaliar o
nosso desempenho com critérios práticos, mensuráveis e realistas. Após tais avaliações seguem-se períodos de
grande produtividade .

Prestando relatórios. Mesmo que não haja tal obrigação estabeleça como estilo de trabalho uma
prestação periódica de relatórios. Isto pode servir a outros propósitos, como motivar sua equipe, por exemplo, mas
também é uma forma de vigiarmos nosso desempenho e produtividade. Se temos gastado muita energia com pouco
resultado pode ser que estejamos perdendo o nosso tempo.

Selecionando Novos Líderes


Capítulo V
Há escassez de Líderes?
Isto não é verdadeiro em todas as igrejas. mas o é na maioria. Há muitas razões para a carência de líder es
na igreja. Vejamos quatro das mais importantes:

A primeira razão é que a igreja não está formando verdadeiros discípulos de Jesus.
Se isto estivesse acontecendo muito mais crentes iriam desejar tornarem-se líderes, pois neles haveria um
profundo desejo de servir a Cristo dentro da igreja. Um crente que não deseja fazer parte da obra de Deus e do
reino demonstra uma vida espiritual superficial e deficiente.

O chamado de Deus é para negarmos a nós mesmos e tomarmos a cruz . Definitivamente não é da
vontade de Deus que o seu povo coloque a sua obra como algo secundário, preferindo gastar tempo, dinheiro e
energia em diversão, fazendo fortuna ou acumulando bens.

A segunda razão é que muitas igrejas tem uma organização que di ficulta mais que
promove o recrutamento de novos líderes.
Empresas seculares gastam milhões alistando, treinando e reciclando pessoas para que elas possam com
competência desempenhar sua atividade e ajudar a empresa a atingir seus alvos. Muitas igrejas entretanto. esperam
que pessoas batam à porta do pastor pedindo para serem usadas; ou por outro lado, pegam a primeira pessoa que
demonstra a mínima disposição para o trabalho, muitas vezes com pouca ou nenhuma oração sobre o assunto,
porque eles pensam que seria muita tolice rejeitar alguém que está querendo trabalhar.

Em tal tipo de igreja os poucos líderes que aparecem costumam desistir no meio do caminho.
99
O primeiro motivo básico para esse problema é que o líder não entendeu, ou não foi dito a ele claramente o
que se esperava dele. É claro que ninguém pode fazer bem um trabalho quando nem ao menos tem clareza sobre o
que deve ser feito. A pessoa deve receber essa explicação antes de decidir aceitar a tarefa.

O segundo motivo é que algumas pessoas são colocadas para fazer coisas para as quais não foram
chamadas por Deus.

Uma vida espiritual deficiente parece estar na base de ambos as causas.

A terceira razão é que líderes potenciais nunca são ajudados a adquirirem segurança.
Isto pode acontecer por causa de uma estrutura caótica da igreja ou devido a um inadequado treinamento
(muitas igrejas não possuem treinamento algum).

A quarta razão é que muitos simplesmente não são convidados.


Algumas pessoas não se consideram prontas para a liderança quando na realidade elas estão; outras estão
esperando por uma confirmação de Deus, ou seja, estão esperando que uma obra se abra diante deles.

Princípios para a seleção de líderes


Falando em termos práticos existem apenas dois meios de inserir alguém dentro de uma equipe. O primeiro
é descobrir uma necessidade e então achar alguém adequado para supri-la. O segundo é descobrir uma pessoa e
então criar um trabalho para ela dentro da equipe. Todavia, independente de nossas razões, o principal é estar certo
de que temos escolhido a pessoa certa. Nós precisaremos então treinar essa pessoa para que ela possa levar a
cabo a tarefa que esperamos dela.

Isto pode significar que tais pessoas deverão: crescer em conhecimento em certas áreas; aprenderão novas
habilidades; funcionarão dentro de uma estrutura; terão que aprimorar o seu caráter cristão; para dizer o básico.

Nós vamos dar uma visão geral sobre seleção e treinamento de uma equipe de trabalho nesse capítulo.
Lembre-se de que, se desejamos uma igreja que cresce, precisaremos de um igual crescimento na liderança. De
fato Jesus nos mostrou com o seu exemplo que o treinamento de uma equipe é o primeiro passo para a
evangelização do mundo.

Pastores precisam discernir aqueles com potencial para serem futuros líderes
A liderança espiritual (ou pastoral) envolve no mínimo ajudar as pessoas a reconhecerem seus dons em
Deus, treiná-los, e então usar tais dons em lugar apropriado. Este trabalho de equipar os santos é vital para o
100
crescimento do ministério. Bons líderes sempre influenciam outros a se tomarem bons líderes também. Tanto Jesus
como o apóstolo Paulo nos mostraram isso.

O pastor precisa ter discernimento espiritual para perceber quem tem sido chamado para desempenhar uma
dada função. Quando Jesus separou os seus discípulos ele o fez a despeito de suas limitações naturais e
imperfeições, pois Ele sabia como desenvolver e liberar aquele potencial. De fato, olhando de um ponto de vista
natural, Jesus parece ter escolhido justamente as pessoas mais improváveis para serem colocados como colunas
de uma obra. Nós precisamos ser capazes de identificar potencial de liderança na forma como fez Jesus, e não
sermos levados pela sabedoria humana e entendimento natural.

Alguns passos práticos que um líder pode tomar para reconhecer e liberar líderes potenciais, inclui:

 Comece orando para que Deus revele quem ele tem escolhido para determinado ministério
ou serviço. Lembre-se que escolhas óbvias não são sempre as escolhas de Deus (1Sm 16:1-13). Ore
para que o Senhor levante novos líderes (Mt. 9:37-38).

 Dê aos membros da igreja a oportunidade de expressarem seu desejo de tornarem-se


líderes. Isto poderia ser feito por um tipo de recrutamento ou formulário onde cada um expressa em
que área gostaria de se envolver. Isto também pode ser feito, tornando conhecido que você está aberto
para ouvir aqueles que queiram falar de sua aspiração à liderança.

 Observe aquelas pessoas que assimilaram mais claramente a visão e o encargo de Deus ,
especialmente se tais pessoas estão de alguma forma ajudando a levar o peso da obra.

 Reconheça os dons ou talentos que elas tenham. Em qual área eles já estão funcionando ou
sentem paz em trabalhar. Lembre-se de que não é prudente fazer uma distinção muito radical entre
dons naturais e espirituais pois os dons naturais podem ser consagrados ao Senhor.

 Desafie as pessoas no momento certo a desenvolverem seu potencial e talento . Se necessário


proteja um jovem líder potencial da influência de crentes carnais que poderiam desmotivá-lo .

 Ajude as pessoas a vencerem qualquer temor em relação à liderança que porventura tenham .
Muitos rejeitam a posição de líder por medo do fracasso, receio de críticas, de passarem por tolos, ou
de fazerem algo errado. Ajude-os a superar tais medos.

 Focalize a atenção nos pontos positivos da pessoas. Lembre-se que mesmo aqueles defeitos
mais duros de caráter podem ser corrigidos pelo Senhor. Todavia tais defeitos precisam ser corrigidos
antes que a pessoa seja investida de autoridade.

 Disponha a investir tempo nas pessoas e a discipula-las. Não desista das pessoas porque elas
tem desapontado ou frustrado você.

 Encoraje-os, ensine-os, e discipline-os.

 Dê-lhes oportunidade de crescerem e se desenvolverem como líderes , isto é, coloque-os em


situações de liderança e veja como se comportam. Mesmo que você possa fazer algo melhor, deixe
101
que eles façam em seu lugar como forma de treinamento. Principalmente se você deseja demonstrar
sua confia neles.

 Estabeleça o exemplo de como deve ser um líder espiritual.

 Explique com clareza o que significa o comprometimento com o trabalho . Mostre-lhes que ainda
que se sintam inadequados incapazes para o trabalho a nossa suficiência vem do Senhor ( “não que,
por nós mesmos, sejamos capazes de pensar alguma coisa, como se partisse de nós; pelo contrário, a
nossa suficiência vem de Deus,” 2Co 3:5).

Pastores estão constantemente sob pressão para colocarem certas pessoas em liderança. Entretanto
precisamos ser conscientes de que certos critérios básicos não podem ser desrespeitados sob pena de danificarmos
a própria obra. Eis alguns motivos errados para se colocar alguém em liderança: .

 A pessoa possui uma qualificação acadêmica .

 A pessoa possui a habilidade correta, mas o seu caráter é extremamente defeituoso em muitas áreas.
Tais pessoas podem prejudicar mais que ajudar uma obra, não importa a posição que ocupem, a menos
que o seu caráter seja tratado.

 A pessoa é indicada por alguém muito poderoso na igreja ou tem sido muito generosa em termos
financeiros.

 A pessoa tem servido a Deus por muitos anos e agora precisamos dar a ela um reconhecimento.

 A pessoa é somente jovem, talentosa e entusiasmada.

 A pessoa ameaça deixar a igreja se não for reconhecida como líder.

 A pessoa é muito competitiva. orgulhosa e ambiciosa.

Qualificações básicas do líder:


 Uma pessoa ensinável

 Uma pessoa submissa

 Uma pessoa tratável

 Uma pessoa que deseja ser um discípulo

 Uma pessoa que ama a Deus

 Uma pessoa íntegra. honesta e humilde

 Uma pessoa cheia do Espírito

 Alguém que é responsável


102
 Uma pessoa estável

 Alguém com um coração pastor

 Uma pessoa dedicada e determinada

 Alguém que é fiel no pouco

 Alguém com motivação certa

 Uma pessoa que conhece a Palavra de Deus

 Alguém comprometido com a visão da igreja

\Estruturando as Lideranças
Capítulo VI
Gerenciando

Gerenciar é fazer com que as coisas sejam realizadas através de outras pessoas.

Há muitos temores que bloqueiam o que poderíamos chamar de pastor-gerenciador.

 Temor de perder o contato pessoal com as pessoas.

 Temor de estar preso em uma reunião atrás da outra.

 Temor de ser alguém envolvido apenas com atividades seculares

Jesus era um gerenciador?


Ele certamente o era!

Ele gerenciou a equipe dos doze.

Ele gerenciou a equipe dos setenta que ele enviou.


103
Por que o gerenciamento é importante para os cristãos?
Freqüentemente temos apresentado uma pobre imagem para o mundo.

Mediocridade tem sido a marca da nossa caminhada.

Muitas igrejas locais são totalmente desorganizadas.

Esta imagem não tem sido um bom testemunho de Jesus. É chegado o tempo para o povo de Deus ser não
somente um povo de oração, de santidade e integridade, mas também um povo de disciplina e exemplo, especialmente em
termos de excelência.

Gerenciamento ajuda os cristãos a alcançarem a excelência


Jesus alcançou a excelência: “Maravilhavam-se sobremaneira, dizendo: Tudo ele tem feito esplendidamente bem;
não somente faz ouvir os surdos, como falar os mudos.”(Mc.7:37)

Paulo enfatizou a importância da excelência: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é
respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e
se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o vosso pensamento.” (Fp 4:8)

“para aprovardes as coisas excelentes e serdes sinceros e inculpáveis para o Dia de Cristo” (Fp 1:10)

Excelência é um atributo de Deus.

“Ó SENHOR, Senhor nosso, quão magnífico em toda a terra é o teu nome! Pois expuseste nos céus a tua
majestade. Da boca de pequeninos e crianças de peito suscitaste força, por causa dos teus adversários, para fazeres
emudecer o inimigo e o vingador.

Quando contemplo os teus céus, obra dos teus dedos, e a lua e as estrelas que estabeleceste, que é o homem,
que dele te lembres. E o filho do homem, que o visites?

Fizeste-o, no entanto, por um pouco, menor do que Deus e de glória e de honra o coroaste. Deste-lhe domínio
sobre as obras da tua mão e sob seus pés tudo lhe puseste: ovelhas e bois, todos, e também os animais do campo; as
aves do céu, e os peixes do mar, e tudo o que percorre as sendas dos mares.

Ó SENHOR, Senhor nosso, quão magnífico em toda a terra é o teu nome!” (Sl 8:1-9)

Nós, consequentemente deveríamos pensar em termos de excelência. “Tudo quanto te vier à mão para fazer,
faze-o conforme as tuas forças, porque no além, para onde tu vais, não há obra, nem projetos, nem conhecimento, nem
sabedoria alguma.” (Ec 9:10)

Esforçar-se para alcançar a excelência em nosso trabalho, qualquer que seja ele, é não somente um dever cristão,
mas uma forma básica de testemunho.
104
Ted W. Engstrom diz: “O meu alvo como homem ou mulher de Deus deveria ser: Eu farei e serei o meu melhor
para Deus.”

Gerenciamento ajuda-nos a alcançar o sucesso em nosso ministério


Uma coisa é você receber urna grande incumbência da parte de Deus, mas outra coisa completamente diferente é
você conseguir levar a cabo essa tarefa com sucesso.

Vamos ver alguns exemplos na Bíblia:

Neemias
Sem gerenciamento Neemias certamente não teria conseguido levar a cabo a sua tarefa.

Qual era o seu alvo? Edificar os muros de Jerusalém.

Quais eram os seus obstáculos? Um povo desmoralizado, falta de material e oposição de dentro e de fora.

Qual foi a sua atitude ? Um indomável espírito de fé em Deus.

Qual foi o seu enfoque? Do começo ao final ele demonstrou a verdadeira dinâmica de uma liderança efetiva.

José
A história de José é outro exemplo de um homem que recebeu uma habilidade excepcional de gerenciamento.

Pense por um momento na dimensão de sua tarefa:

Recolher grãos de todos os fazendeiros do Egito durante os primeiros sete anos de prosperidade. (Imagine quanta
reclamação, quando não havia nem o mínimo sinal de seca.)

Pense na logística de colher, estocar e controlar a posterior distribuição.

Pense na dimensão do projeto, na construção dos silos e todo o pessoal envolvido.

Pense na dificuldade de armazenar 20% de cada tipo de plantação cultivada pelos fazendeiros.

Pense na dificuldade de transporte. Então pense como poderia ser feito o controle da distribuição de comida
durante os seguintes longos anos de seca.

José teve que administrar todo esse trabalho feito através de outras pessoas, e nós sabemos que ele obteve
sucesso.

Moisés
105
Foi Jetro, o sogro de Moisés quem, o conduziu para dentro dos princípios de gerenciamento. Isso aconteceu
quando Moisés já estava a beira de um colapso por causa do excessivo peso da obra (Êxodo:18).

Esse é um dos mais claros exemplos de sistema de gerenciamento encontrado em toda a Bíblia.

Paulo
Quando alguém considera o que Paulo fez durante a sua vida e a forma pela qual ele supervisionou as muitas
igrejas e ainda a maneira como ele trabalhou com equipes de líderes e obreiros fica fácil perceber que ele era um
gerenciador ungido pelo Espírito Santo.

Jesus
Naturalmente Jesus foi e é o maior de todos os líderes.

Ele veio à terra para realizar certas coisas e duas das mais importantes coisas que ele almejou alcançar foram:

Preparar um equipe. Essa equipe é mencionada muitas vezes na sua oração sacerdotal (João 17:1,5 e 6). No
verso 4 ele diz: “Eu te glorifiquei na terra, consumando a obra que me confiaste para fazer;” Obviamente Ele não está
referindo-se aqui à obra que estava para realizar na cruz do calvário. Ele estava referindo-se ao trabalho de glorificar o Pai
por meio de ser fiel em levantar uma equipe de discípulos que desse continuidade à grande obra que Ele tinha começado.

Jesus assim parece ter realizado duas grandes obras na terra a respeito das quais Ele disse estar consumado ou
completado.

A primeira foi levantar uma equipe de discípulos a quem ele podia confiar continuar a obra que ele tinha começado.

A segunda grande foi a segurança de nossa salvação através de sua morte na cruz. Com relação à segunda tarefa
Jesus também disse: “Está consumado. (Jo 19:30)”

Antes de Jesus terminar a sua grande obra na cruz ele já tinha terminado de treinar a sua equipe e ele podia
estar certo de que a mensagem de salvação poderia ser levada até os confins da terra.

Gerenciamento é conseguir que as coisas sejam feitas através de outros.

Isto é um dos fundamentos do ministério de Jesus.

Gerenciamento ajuda os cristãos a cumprirem o seu papel de bons despenseiros


Perto do fim do seu ministério Jesus contou a parábola dos talentos (Mt 25:14-30). Na história o Senhor nos fala
sobre um mestre que saiu para uma viagem. Ao partir ele deixou para os seus três servos: 5 talentos, 2 talentos e um
talento respectivamente. Quando do seu retorno o mestre exigiu que os servos prestassem contas dos seus talentos.
106
Bem, tanto o servo que havia recebido 5 quanto o que havia recebido 2 dobraram os seus talentos. O mestre então
os recompensou igualmente. Porém o servo que havia recebido apenas um talento, veio e devolveu-o ao mestre. Este
ficou profundamente desapontado com ele.

A principal mensagem dessa parábola é que Deus espera que nós usemos sabiamente tudo o que ele nos tem
concedido.

O Senhor tem dado para muitos de nós ministérios. Alguns têm recebido a responsabilidade de supervisionar o
ministério de outros. Para sermos capazes de cumprirmos nosso chamado com eficiência nós precisamos aprender a
gerenciar bem.

O processo de gerenciamento
Há duas áreas do gerenciamento que todo bom gerenciador deveria observar cuidadosamente:

1) O gerenciamento de nosso próprio tempo e de nossos recursos pessoais.

2) O gerenciamento de outros.

Vamos considerar o segundo aspecto: O gerenciamento de outros.

Os quatro passos do gerenciamento são: planejar, organizar, liderar e controlar.

Planejar é predeterminar o curso de um ação.

Organizar é colocar pessoas dentro de uma estrutura para realizar uma tarefa.

Liderar é levar as pessoas a realizarem uma tarefa.

Controlar é gerenciar de tal forma, que produza a certeza que, aquilo que foi planejado será alcançado.

Se você é um bom gerenciador você irá cobrir esses quatro passos do gerenciamento completamente.

Planejando

Planejamento é predeterminar o curso de uma atividade ou ação.

Razões bíblicas para o planejamento:


107
1. Deus é planejador.
A criação, o corpo humano, os fenômenos naturais, são evidências desse fato.

O plano de Deus dado a Moisés para a construção do tabernáculo no deserto e o plano da salvação são
outras evidências desse fato.

2. Deus ordena que façamos tudo com ordem.


Que ele estabeleceu o exemplo para nós está absolutamente claro em 1Co 14:33 (“porque Deus não é de
confusão, e sim de paz. Como em todas as igrejas dos santos,”)

E em Ef 5:1 (“Sede, pois, imitadores de Deus, como filhos amados;)

Deus deseja que nós vivamos uma vida ordeira como está demonstrado em 1Co 14:40 (“Tudo, porém, seja
feito com decência e ordem.”)

3. Jesus nos ensinou sobre planejamento


Isto é nitidamente ensinado nas parábolas de Lc 14:28-32, onde o homem que edificou uma torre e o Rei
que saiu para uma guerra, foram, ambos avisados para planejar de antemão.

4. Falta de planejamento nos leva a confusão e frustração


Muitas vezes tem-se dito que se nós falhamos em planejar, nós planejamos para falhar.

Aqueles que não trabalham com um planejamento adequado, freqüentemente:

 Têm pouca ou nenhuma direção.

 Vivem uma vida sem alvos.

 A maior das vezes são conduzidos pelas circunstâncias.

 Muito poucas vezes demonstram entusiasmo.

 Realizam muito pouco.

Eles são comumente são comandados pelo telefone, pelas urgências e emergências, e por uma ou duas
pessoas em sua igreja ou organização. Normalmente gastam a maior parte do seu tempo com problemas e têm
muito pouco tempo para se envolverem em atividades construtivas. Tal situação obviamente resulta em frustração
para o líder e confusão para os liderados.
108

5. Paulo era um homem de planejamento


Paulo sugere que nós deveríamos saber para onde estamos indo e então planejarmos nossa caminhada de
acordo com esse alvo ( “Não sabeis vós que os que correm no estádio, todos, na verdade, correm, mas um só leva o
prêmio? Correi de tal maneira que o alcanceis. Todo atleta em tudo se domina; aqueles, para alcançar uma coroa
corruptível; nós, porém, a incorruptível. Assim corro também eu, não sem meta; assim luto, não como desferindo
golpes no ar.” 1Co 9:24-26).

a) No tempo de sua conversão o Senhor estabeleceu claramente os alvos para a sua vida ( “Mas levanta-
te e firma-te sobre teus pés, porque por isto te apareci, para te constituir ministro e testemunha, tanto das coisas em
que me viste como daquelas pelas quais te aparecerei ainda, livrando-te do povo e dos gentios, para os quais eu te
envio, para lhes abrires os olhos e os converteres das trevas para a luz e da potestade de Satanás para Deus, a fim
de que recebam eles remissão de pecados e herança entre os que são santificados pela fé em mim.” At.26:16-18 ).

Estou absolutamente convicto de que Deus tem um plano para cada um de nós. Ele não deseja que nós
simplesmente caminhemos a deriva, dia a após dia sem direção. Ele tem estabelecido um plano específico para
cada um de nós.

Se esperarmos no Senhor ele nos comunicará Seus planos e objetivos para as nossas vidas. É muito mais
prudente e sensato gastarmos um mês buscando os planos de Deus para nossas vidas, que desperdiçarmos o resto
de nossas vidas em confusão, sempre angustiados, desejando saber o que Ele quer de nós.

b) Paulo seguiu um padrão definido em cada cidade que ele evangelizou.

Ele sempre começava em sinagogas onde fazia duas coisas:

- Primeiro pregava o evangelho. (“ Durante três meses, Paulo freqüentou a sinagoga, onde falava
ousadamente, dissertando e persuadindo com respeito ao reino de Deus.” At.19:8)

- E então, operava milagres. (“E Deus, pelas mãos de Paulo, fazia milagres extraordinários ” At. 19: 11)

Ele reunia a liderança em grupos e dava-lhes especial atenção e treinamento. (“ Visto que alguns deles se
mostravam empedernidos e descrentes, falando mal do Caminho diante da multidão, Paulo, apartando-se deles,
separou os discípulos, passando a discorrer diariamente na escola de Tirano.

Durou isto por espaço de dois anos, dando ensejo a que todos os habitantes da Ásia ouvissem a palavra do
Senhor, tanto judeus como gregos.” At 19:9-10)

Paulo freqüentemente deixava após si uma pessoa responsável por liderar ou estabelecer os líderes nas
igrejas plantadas por ele. Observe Tt 1:5 (“Por esta causa, te deixei em Creta, para que pusesses em ordem as
coisas restantes, bem como, em cada cidade, constituísses presbíteros, conforme te prescrevi:”)

Então se empenhava por encorajá-los em subsequentes visitas ou por meio de cartas.


109
O plano de Paulo também incluía priorizar cidades estratégicas. Ele especificamente almejava estabelecer
igrejas em cidades como: Roma, Éfeso, Corinto e Filipos. Essas cidades eram capitais, grandes centros ou rotas
comerciais naqueles dias. Foi a partir dessas cidades chaves que o evangelho espalhou-se rapidamente.

Este era o padrão de planejamento seguido por Paulo. Ele não andava a deriva, dia após dia, sem rumo ou
direção, dizendo estar debaixo da direção do Espírito.

Ele era uma homem com estratégias dadas por Deus, que seguia essas mesmas estratégias debaixo do
controle do Espírito Santo.

Atividades envolvidas no planejamento.


Como vimos, para um líder cristão o planejamento é de vital importância e inclui os seguintes
procedimentos:

1. Ouvir de Deus:
 Sua visão para as nossas vidas, isto é, seus objetivos gerais;

 Suas instruções para um projeto específico no qual estamos envolvidos.

É desnecessário lembrar que nós não podemos fazer coisa alguma sem Deus. Nós necessitamos
desesperadamente da direção de Deus em cada projeto ou atividade. Mas como alguém pode ouvir de Deus?

Eu penso que um dos melhores métodos que eu tenho conhecido é sugerido pelo Pr. Paul Yonggy Cho em
seu livro "Muito mais que números" onde ele segue sete passos básicos de oração. .

1. Esteja quieto diante de Deus;

2. Entre em comunhão com o Espírito Santo;

3. desenvolva suas visões e sonhos;

4. d)Tome autoridade sobre o diabo em suas circunstâncias;

5. Mantenha um registro cuidadoso dos seus pedidos diante de Deus;

6. Louve a Deus de antemão pela resposta;

7. Ore sem cessar.

2. Determine os seus Objetivos Gerais


Quando falamos de objetivos estamos nos referindo a nossa visão. Uma forma simples de definirmos visão
é dizer que, a visão são objetivos gerais.
110
Perseguir os nossos objetivos resultará em uma vida plena de significado.

Ao esclarecer objetivos nós estamos determinando o que será alcançado através das pessoas que
trabalham conosco.

Depois de claramente definidos os nossos objetivos, Deus tem o poder de nos encher de entusiasmo.
Repentinamente percebemos que há uma grande tarefa a ser feita e que o Senhor nos capacitará para realizá-la.

3. Planeje suas estratégias


Objetivos (visão) nos ajudam a clarear onde estamos indo e o que planejamos alcançar.

Alvos e estratégias definem como chegaremos lá.

Planejar nossa estratégia envolve estabelecer os passos que iremos dar e os alvos que iremos perseguir.
Em outras palavras ALVOS são PASSOS.

Critérios para estabelecer alvos:

 Alvos devem ser realistas

 Alvos devem ser comunicáveis

 Alvos devem ser mensuráveis

 Alvos devem ser definidos

 Alvos devem ter a unanimidade da equipe envolvida

4. Faça um cronograma
Determine quando os diferentes passos do planejamento serão alcançados.

Naturalmente se você está fazendo um planejando anual seria útil dividir o ano em períodos de dois, três,
quatro ou seis meses.

5. Avalie seus recursos


Esta importante fase do planejamento responde a questão de quanto recurso humano e financeiro nós
temos disponíveis.

a) Avalie os recursos humanos

Nesse ponto é preciso ter as seguintes questões em mente:


111
 Quantas pessoas eu necessito para fazer o trabalho ?

 Quantas pessoas eu tenho disponíveis?

 Quantos desses são treinados?

 Quantos desses eu posso treinar?

b) Avalie os recursos financeiros

Recursos financeiros são muito importantes; o evangelho é de graça, mas a tarefa de levá-lo às nações
custa caro.

Procure ter em mente os seguintes pontos:


 Deus nos sustenta com abundância. Mas nós devemos ser prudentes e responsáveis.

 Deus é a nossa fonte de recursos, mas nós precisamos de fé.

 Deus sempre financia aquilo que ele estabelece, então esteja certo de que o projeto em que você está
envolvido vem de Deus.

Lembre-se que a maior parte dos projetos que nós podemos encetar na igreja não exigem grande
quantidade de dinheiro.

Tenha em mente:
 Quanto recurso você tem.

 Quanto você vai necessitar.

Esta avaliação de recursos é comumente chamada de orçamento.

Todo planejamento de sucesso cobre esses


passos cinco completamente.

Pontos críticos no planejamento


Um planejamento eficiente deve levar em consideração algumas direções práticas.

Planeje um pouco além de sua capacidade


112
Se você planeja tudo dentro de suas limitações você não necessita de fé. Se não houver um pouco de
desafio em nosso planos Deus terá muito pouco espaço para operar. E se não precisamos depender de Deus então
a nossa obra é algo meramente humano.

Esteja preparado para fazer eventuais mudanças


Muitos têm fracassado por causa da indisposição em fazer mudanças. Eles pensam que por terem recebido
um plano de Deus e sendo Deus imutável os planos também não podem ser mudados. O problema é que Deus
normalmente não nos dá todo o plano para o resto de nossas vidas de uma vez. A revelação dos seus planos
normalmente é progressiva e a estratégia que Ele usou numa fase anterior já não é adequada nesse momento.

As circunstâncias mudam, novas oportunidades aparecem e novos problemas se levantam. Precisamos ser
flexíveis em nossos planos.

Tenha em mente as seguintes linhas gerais:

 Todo pano deveria ser revisado no mínimo a cada seis meses (mas não completamente mudado).

 Compare o plano com os resultados obtidos.

 Liste os novos problemas e as novas oportunidades.

 Reuna toda informação relevante.

 Defina claramente as mudanças.

 Evite mudar os planos muito freqüentemente.

Envolva outros no processo de planejamento


Lembre-se que duas cabeças pensam melhor que uma. Se planejamento não é o seu ponto forte, então
delegue essa responsabilidade para alguém competente.

Quanto mais pessoas você envolver no processo de planejamento tanto mais pessoas se comprometerão
com o plano.

Não seja desequilibrado nesse ponto. Não vá até os seus liderados sem nada na cabeça esperando ouvir
deles alguma direção. Receba de Deus a visão e as estratégias básicas então discuta com os seus líderes os
detalhes do projeto.

Obedeça as práticas e procedimentos da igreja


113
Práticas
Toda igreja deve ter suas práticas e procedimentos. Sem elas o trabalho seria uma confusão. Práticas são
informais e ligadas às pessoas, enquanto procedimentos são formais e ligados à organização.

Um exemplo é o fato de precisarmos ter uma prática clara de como estabelecer líderes:

 Ele deve ter mais de um ano de fé;

 Ter sido um auxiliar anteriormente;

 Ter feito determinado curso de liderança na igreja;

 Ter tais e tais requisitos de caráter e frutos.

Isso são práticas. Precisamos tê-las claras em todas as atividades.

Procedimentos
Esses são aspectos organizacionais.

Por exemplo, quais são os procedimentos para se abrir uma conta na igreja ? Qual é o processo de tomada
de decisão na igreja?, etc. Todo planejamento deve respeitar os procedimentos estabelecidos.

Se há alguma prática inconsistente ou algum procedimento extremamente burocrático eles devem ser
mudados, mas, uma vez estabelecidos, precisam ser seguidos com critério.

Venda o seu plano corretamente


Um momento crucial do planejamento é o momento de apresentar o projeto aos liderados. Quando muitos
deles estavam envolvidos no processo de planejamento a tarefa se torna fácil, mas quando você quer vender um
produto para alguém que pode não estar interessado em comprá-lo, a tarefa se toma delicada. Diante disso uma
preparação adequada é indispensável.

Sugestões práticas:

 Ore e jejue sobre isso.

 Deixe que o plano conquiste o seu coração.

 Prepare recursos visuais e qualquer outro tipo de ajuda.

 Comece apresentando os objetivos

 Exponha as estratégia com clareza.

 Mencione a importâncias dos alvos.


114
 Mostre quantos estarão envolvidos.

Nunca use recursos como:


Sermões direcionados, com gritos no púlpito, ou tentando produzir entusiasmo através de linguagem
emocional; orquestrando a multidão para usar o resultado como meio de fazer um apelo emocional ao trabalho. Isto
pode ter um efeito imediato muito grande, mas depois da primeira dificuldade a multidão se vai e ficamos sós.

Troca de favores: Isto acontece quando praticamos aquele tipo de negociação do "faça isso por mim que
você receberá aquilo em troca ".

Revelação especial: Em nosso meio carismático isso é particularmente comum, quando o pastor declara
ter recebido certa direção diretamente de Deus e por isso mesmo tal direção é indiscutível. Chegam mesmo a
decidir a função das pessoas por esse meio. Obviamente ninguém vai ousar discutir se a direção vem do próprio
Deus, o problema surge quando a suposta direção de Deus não funciona.

Manipulação. O que acabamos de nos referir é um tipo de manipulação. Normalmente não ousamos tanto,
mas lançamos mão de nossa autoridade ou de nossa personalidade dominante para obrigar as pessoas a fazerem o
que achamos que deve ser feito. Quando tudo mais falha chegamos mesmo a usar de nossa posição para
amedrontar as pessoas com vexames públicos ou ameaças escatológicas do tipo:" cuidado com a mão de Deus."

Esse tipo de pressão pode até resultar em algum tipo de motivação e o trabalho pode até ser feito, mas as
pessoas se tornarão amargas e ressentidas, o que por fim se traduzirá em uma desmotivação acachapante.

Esses tipos de técnicas deveriam ser evitadas a todo custo por homens de Deus.

Organizando

Organização é um processo de colocar pessoas dentro de uma estrutura visando alcançar objetivos.

A tarefa de organizar inclui uma variedade de atividades. Vamos enfocar quatro delas:

1. Organizar é dar uma estrutura


Cada equipe ou grupo precisa de uma certa estrutura, de outra forma o trabalho ou não seria feito, ou seria
feito muito penosamente.

A maioria das pessoas vê organização como uma forma de organograma. E de fato a Bíblia nos dá base
para isso pois o próprio Deus estabeleceu uma hierarquia entre os seres celestiais e mesmo dentro da igreja e da
família.
115
2. Organizar é colocar pessoas dentro da estrutura
Isto nada mais é que reconhecer a minha posição e a minha atuação, ou seja, qual é o meu trabalho e a
quem eu estou sujeito.

3. Organizar é visar a realização de uma tarefa


Organizar sem definir claramente objetivos e tarefas é uma perda de tempo. É preciso colocar sempre
diante das pessoas envolvidas o objetivo geral e a tarefa que se espera realizada por ela.

4. É identificar o trabalho que deve ser feito


Uma vez que estabelecemos objetivos e estratégias é preciso ter clareza sobre cada atividade que deve ser
conduzida. Se as pessoas não sabem com clareza o que devem fazer obviamente se tornarão desmotivadas.

A importância de organizar.
Quando nós não organizamos

 Muitas coisas que poderiam ser feitas são deixadas por fazer.

 Muitas coisas são mal feitas por pessoas que não são adequadas para a tarefa.

Princípios básicos de organização


Estabeleça seus objetivos antes de estabelecer a estrutura
Sempre pense de antemão no que você quer fazer e como você quer fazer antes de estabelecer alguma
forma de estrutura.

Esteja certo de evitar extremos


Um problema muito comum é o excesso de organização. Quando isso acontece as pessoas sentem-se
presas em uma caixa pequena debaixo de uma pesada estrutura. A conseqüência natural é a perda de qualquer
espaço para a criatividade e a espontaneidade e o surgimento de uma grande burocracia . O trabalho torna-se difícil
e penoso.

Uma forma muito comum de excesso de organização é estabelecer níveis demasiados de autoridade na
igreja. .

Por outro lado podemos ter o extremo oposto, uma organização insuficiente. Isto acontece quando todos
ocupam o mesmo nível de autoridade e não há sujeição mútua. O resultado naturalmente é confusão e frustração.
116

Procure não ser vago e obscuro


Dê detalhes específicos sobre cada posição e função mostrando qual tarefa deve ser executada.

Passos para a definição da organização


Passo 1: Liste e agrupe atividades
È necessário ter clareza sobre o trabalho que deve ser feito. Uma vez que cada atividade é definida agrupe
aquelas que estão correlacionadas.

Passo 2: Faça um organograma


O organograma é importante porque ele nos mostra como a organização funciona. Ele define alinha de
autoridade e a função de cada um.

Passo 3: Defina quem melhor se enquadra em cada atividade


Nesse ponto é importante relembrar que organizar é o processo de colocar pessoas em uma estrutura
visando alcançar um objetivo.

Passo 4: Faça uma descrição de cada função


Para descrever cada função é necessário, primeiramente definir estes três itens:

1. Qual a responsabilidade;

2. Sobre quem exercerá autoridade;

3. A quem estará subordinado.

A partir deste momento estamos prontos para definir:

O título da função: Os títulos são conferidos de acordo com as atividades a ser desenvolvidas, por
exemplo líder de célula, supervisor de rede, tesoureiro, etc.

O propósito: é o objetivo mais importante de uma função. É o núcleo em torno do qual todas as atividades
girarão. As atividades podem ser muitas, mas é bom definirmos objetivos-chaves para a função.

Escopo: é a limitação e a abrangência da função, por exemplo o escopo do trabalho diaconal é o cuidado
social e dos bens da igreja. O escopo de um supervisor de rede são células de uma certa região.

Responsabilidades: É uma descrição minuciosa das atividades desenvolvidas na função. Quanto mais
detalhado melhor será o desempenho.
117
Autoridade: Isto nos fala de linhas de submissão, ou seja, a quem eu estou diretamente sujeito e quem
está diretamente sujeito a mim.

Níveis de autoridade:
O primeiro nível é a autoridade de agir. Neste nível o indivíduo pode desempenhar sua função sem ter de
informar seu superior ou pedir sua aprovação.

O segundo nível é a autoridade de ação desde que informada. Neste nível o indivíduo pode atuar por
conta própria mas deve reportar ao seu superior os resultados de sua ação.

O terceiro nível é autoridade de ação sob a provação. Neste nível há liberdade de iniciativa e toda ação
deve ser previamente aprovada pelo supervisor.

Naturalmente quanto mais experiente for uma pessoa mais autoridade ela pode ter para agir.

Controlando

Controlar ou gerenciar é a ação de acompanhar uma tarefa para estar certo de que a atividade proposta será
executada de acordo com o planejado.

Um fato interessante a respeito de liderança é que, dão pouca ênfase ao controle. Muitos prestam especial
atenção ao planejamento, à organização e à liderança, mas poucos percebem a importância de um controle
adequado do projeto.

O controle permite uma implementação adequada do programa.


Planejar, organizar e liderar se tornam um desperdício de tempo quando não implementamos controles
corretos.

A maioria dos pastores têm a seguinte atitude: aqui está o projeto, esta é a forma como eu espero que tudo
seja feito, e agora mãos à obra. Eles simplesmente deixam as pessoas sozinhas, tentando fazer o trabalho sem
qualquer controle, supervisão ou acompanhamento. O resultado é frustração e desapontamento.

Através do controle podemos manter a chama do entusiasmo acesa.


118
Se após algumas semanas depois de começado o projeto não nos reunimos para avaliar e ter um feedback,
logo a equipe e o povo perdem o “pique” inicial. Todavia quando o controle e o acompanhamento são bem feitos,
pode-se manter a empolgação por um longo tempo.

O controle nos permite fazer pequenas alterações no programa.


É virtualmente impossível prevermos todos os problemas que advirão em um programa. É impossível,
portanto, fazer um planejamento que não necessite de posteriores ajustes.

Quando executamos um controle eficiente os ajustes podem ser feito de forma a preservar todo o
planejamento. Sem tais ajustes podemos fracassar em nosso trabalho.

O controle nos permite lidar com os problemas eficientemente.


Isto é comumente chamado gerenciamento por exceção.

Este princípio poderia ser ilustrado pelo pastor que deixou as noventa e nove ovelhas e foi em busca daquela
que se perdeu. Enquanto estimulamos o trabalho normal também prestamos atenção aos problemas que surgem. A
arte de lidar com esses problemas nós chamamos: confrontação.

É interessante como a maioria dos pastores e líderes fazem de tudo para evitar uma situação de
confrontação. Muitas igrejas simplesmente se recusam a lidar com o pecado na vida de seus membros. Eles
acalentam a esperança de que as coisas vão melhorar. ou que os problemas simplesmente vão desaparecer, mas
isso raramente acontece.

Quando um líder se recusa a confrontar ele está tornando-se parte do problema que mais tarde poderá
agigantar-se.

Confrontar implica em tratar sobre o problema que surgiu, face a face com a pessoa de uma forma aberta,
honesta e firme.

No momento do confronto uma atitude certa é absolutamente fundamental. Confrontar não é afrontar ou
insultar. Confrontar com uma atitude de amor e humildade sempre produz resultados positivos. Tente todavia não ser
paternalista ou em outro extremo frio e insensível.

Estabeleça uma forma eficaz de supervisão e feedback


Um líder somente pode controlar com eficiência, se ele recebe informações corretas e regularmente. Esta
supervisão deveria acontecer:
119
De forma regular: As informações de supervisão devem ser obtidas diariamente, semanalmente,
quinzenalmente, mensalmente, ou outra, de acordo com a necessidade.

De forma específica: Informações vagas e nubladas, podem nos levam a tomar decisões erradas.

De forma precisa: Isto é especialmente verdadeiro quando estamos tratando de informações financeiras.
Uma informação errada pode causar sérios problemas.

De forma sucinta e concisa: Todo relatório de supervisão deve ser curto e objetivo. Ninguém vai ler algo
longo e enfadonho.

_____________________________________________________________________________________________________