Você está na página 1de 2

Exercícios - Carteiras

1)Suponha que os retornos esperados e as variâncias dos retornos das ações de A e B sejam R A=0,2 e RB=0,3; σ A2= e
σ B2=0,2, respectivamente.
A) calcule o retorno esperado e o desvio padrão dos retornos de uma carteira composta por 60% de A e 40% de B,
quando o coeficiente de correlação entre os retornos das duas ações for igual a -0,5.
B) calcule o retorno esperado e o desvio padrão dos retornos de uma carteira composta por 60% de A e 40% de B,
quando o coeficiente de correlação entre os retornos das duas ações for igual a -0,6.
C) De que maneira o coeficiente de correlação afeta a variância dos retornos da carteira?

2) Se uma carteira tiver um peso positivo de cada ativo, pode o retorno esperado da carteira ser superior ao retorno do ativo
com retorno mais alto, dentre os componente da mesma? Pode o retorno esperado da carteira ser menor que o do ativo de
retorno mais baixo, dentre os seus componentes? Explique.

3) Diga se a seguinte afirmação é verdadeira ou falsa, e explique por que: “A característica mais importante na
determinação da variância do retorno de uma carteira bem diversificada é a variância dos retornos dos títulos individuais
que a compõem.

4) Matt Peters gostaria de avaliar os comportamentos de risco e retorno relacionados a várias associações dos ativos V e W,
sob três graus presumidos de correlação – positivo perfeito, não correlacionado e negativo perfeito. Os valores de retorno
esperado e do desvio padrão, calculados para cada um dos ativos são mostrados na tabela seguinte:

Ativo Retorno esperado Desvio padrão


V 8% 5%
W 13% 10%

Descreva o intervalo de retorno esperado e de desvio padrão associados às combinações possíveis de portfólios,
considerando que os retornos dos ativos: possuem correlação positiva perfeita (coeficiente de correlação = 1);. não são
correlacionados (coeficiente de correlação = 0); possuem correlação negativa perfeita (coeficiente de correlação = -1).

5) A partir da planilha Excel anexada:


a) Calcular os retornos mensais (como os preços estão ajustados para dividendos e bonificações, basta fazer a
diferença percentual entre dois meses consecutivos).

b) Calcular a média dos retornos (função Media() do Excel)

c) Calcular o desvio padrão dos retornos (função desvpad() do Excel)

d) Calcular o coeficiente de variação (média / d.p.)

e) Fazer a matriz de correlação (a matriz de correlação calcula as correlações de todos os pares de ações. Para fazer a
matriz de correlação, deve-se recorrer ao suplemento “análise de dados” do Excel (se ele não estiver instalado, é
necessário instalar). Abre-se análise de dados, e clica-se na caixinha “correlação”. Marque o intervalo contendo
todos os retornos, além da linha contendo o nome das empresas. Na caixa de diálogos “correlação”, marque a
opção “Rótulos na primeira linha”. Marque também a opção de resultados em uma nova planilha). Para calcular a
correlação entre duas empresas de forma isolada, basta recorrer à função correl() do Excel, e especificar os
intervalos com os valores dos retornos.

f) Calcular os betas. Para tanto, basta recorrer à função “inclinação” do Excel. Repare que os valores do eixo x são o
retorno do Ibovespa, e os do eixo y são o retorno do ativo.
g) Fazendo uma carteira com os pesos especificados na planilha “carteira”, calcule o seu beta através da média
ponderada dos betas de cada um dos ativos formadores da mesma. Calcule também o beta da seguinte forma:
calcule o retorno médio da carteira em cada um dos meses (na coluna carteira, faça a média ponderada dos retornos
das ações componentes). Depois calcule a inclinação da regressão com o retorno do Ibovespa (da mesma forma que
no item f). Compare os betas calculados das duas formas e veja que são idênticos