Você está na página 1de 7

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília

Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo



Disciplina: História da Arquitetura e da Arte II (154750)

Professor: Rodrigo Mendes de Souza
Créditos: 4
Horário: Terças e Quintas, das 16:00 às 17:40 e das 20:50 às 22:20
Período: 2o /2019

Ementa
História das cidades, dos edifícios e da edificação na tradição europeia a partir do início do Re-
nascimento na Itália até o século XVIII. Transposição da tradição técnico-construtiva e arquitetô-
nica da Europa para as colônias americanas de fala inglesa e francesa.

Objetivo Geral
Análise e discussão de obras significativas da produção arquitetônica e urbanística em diferentes
contextos sócio-políticos do universo europeu, entre os séculos XV e XVIII. A intenção da discipli-
na é procurar refletir sobre questões e impasses decisivos da produção arquitetônica, relacio-
nando-as às transformações da sociedade, analisando edifícios e projetos sob os aspectos cons-
trutivos, estruturais, sociais. Ao final do curso, espera-se que alunas e alunos sejam capazes de
discutir os processos de produção da arquitetura e do espaço urbano no referido período, e de
desenvolver visão crítica sobre instrumentos, métodos e conceitos pertinentes à época.

Conteúdo Programático

UNIDADE I
1.Introdução: Renascimento e Humanismo
2. A cidade do Primeiro Renascimento
3. Cidades ideias no Renascimento; a cidade através dos tratados
4. Brunelleschi e o Duomo de Florença – Santa Maria del Fiore;
5. Leon Battista Alberti e o tratado De re Aedificatoria
6. O Tempietto de Bramante e o apogeu do classicismo em Roma
7. Michelangelo escultor e arquiteto

UNIDADE II
8. Andrea Palladio e paladianismo;
9. Barroco em Roma, Caravaggio e Borromini;
10. Barroco em Roma e Annibale Carracci e Bernini;

UNIDADE III
11. Barroco na Inglaterra;
12. Giovanni Battista Piranesi
13. Barroco na França;
14. Neoclassicismo;
15. Arquitetos da Revolução;

Metodologia
O curso consiste em aulas expositivas, atividades em sala e debates de textos previamente sele-
cionados. O aproveitamento será avaliado de três maneiras: (1) desenvolvimento de pesqui-
sas/trabalhos de caráter gráfico e visual e escrito (mínimo de 4 páginas); (2) seminários em gru-
po a partir de textos selecionados (peso 1); (3) prova sobre o todo o conteúdo abordado em sala
de aula. A leitura dos textos selecionados para cada tópico é parte essencial do conteúdo, portan-
to, obrigatória. Os textos deverão ser lidos previamente pelos alunos e para cada tópico um grupo
de estudantes ficará responsável por apresentar uma síntese.


Avaliação
a) Serão aprovados aqueles que obtiverem menção MM (nota ≥ 5.00)
b) As notas serão atribuídas de acordo com os critérios indicados previamente e seguem os pesos
1


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

constantes no quadro de avaliações apresentado neste documento.


c) Conforme a Lei de Diretrizes e Bases do Ensino Superior, é exigida, para cursos presenciais, a
frequência às aulas em no mínimo 75% de sua carga horária. A referida lei não apresenta a figura
do “abono de faltas”, mesmo com atestado médico (ressalvados os casos enquadrados como re-
gime domiciliar). A respeito da frequência, cada atraso será registrado como ¼ de falta.

Atividades

Atividade Peso Descrição datas

Trabalhos 40% Desenvolvimento de fi- Entrega até
chamentos; pranchas; 05/12 via email
trabalhos gráficos e ar- em formato .pdf.
tigos.
Prova 40% 03/12 diurno
05/12 noturno

Seminário 20% Discussão e apresenta-
ção em grupo em sala
de aula de textos sele-
cionados e entrega de
fichamento individual
via email em formato
.pdf.

Seminários:
1. 21.11.2019: O Primeiro Renascimento. in: ARGAN, G.C. Clássico anticlássico: O renas-
cimento de Brunelleschi a Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
2. 21.11.2019: Cap. III O Renascimento. in: PANOFSKY, Erwin. Idea: Evolução do Conceito
de Belo. São Paulo: Martins Fontes. 2003.

3. 21.11.2019: O Significado da Cúpula. in: ARGAN, G.C. Clássico anticlássico: O renasci-
mento de Brunelleschi a Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
4. 21.11.2019: A Arquitetura do Maneirismo. in: ARGAN, G.C. Clássico anticlássico: O re-
nascimento de Brunelleschi a Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
5. 26.11.2019: Matéria e Furor. in: ARGAN, G.C. Clássico anticlássico: O renascimento de
Brunelleschi a Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.
6. 26.11.2019: III. Forma Cerrada y Forma Aberta. in: WÖLFFLIN, Heinrich. Conceptos
Fundamentales en la Historia de la Arte. Madrid: Calape, 1924.
7. 26.11.2019: 2. A História da Teoria das Proporções Humanas como Reflexo da História
dos Estilos. in: PANOFSKY, Erwin. Significado nas Artes Visuais. São Paulo: Perspectiva,
1979.
8. 28.11.2019: IV. O Maneirismo. in: PANOFSKY, Erwin. Idea: Evolução do Conceito de
Belo. São Paulo: Martins Fontes. 2003.

9. 28.11.2019: V. O Neoclassicismo. in: PANOFSKY, Erwin. Idea: Evolução do Conceito de
Belo. São Paulo: Martins Fontes. 2003.

10. 28.11.2019: Parte I. Cap. I,II, III, IV. in: KAUFMANN, Emil. Tres Arquitectos Revolu-
cionários. Barcelona: Gustavo Gilli, 1980.


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

11. 28.11.2019: Parte II. cap. V,VI, VII, VIII. in: KAUFMANN, Emil. Tres Arquitectos Revo-
lucionários. Barcelona: Gustavo Gilli, 1980.






Bibliografia Básica
ARGAN, G.C. Clássico anticlássico: O renascimento de Brunelleschi a Brueghel. São Paulo:
Companhia das Letras, 1999.
____________. História da Arte Italiana, vol. 3. De Michelangelo ao Futurismo. São Paulo: Co-
sacNaify, 2003.
____________. Imagem e persuasão: ensaios sobre o barroco. São Paulo: Companhia das Le-
tras, 2004.
BENÉVOLO, Leonardo. História da Cidade. 5 ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.
BRANDÃO, Carlos Antônio Leite. A formação do homem moderno vista através da arqui-
tetura. Belo Horizonte: UFMG, 2006.
CALABI, Donatella. A cidade do primeiro renascimento. São Paulo: Perspectiva, 2008.
PEVSNER, Nikolaus. Panorama da Arquitetura Ocidental. São Paulo: Martins Fontes,
1982.
ROTH, Leland M. Entender a Arquitetura: seus elementos, história e significado. São Paulo:
Gustavo Gili, 2017.
SUMMERSON, John. A linguagem clássica da arquitetura. São Paulo : Marins Fontes,
1982.

Bibliografia complementar
ARGAN, Giulio Carlo. El Concepto del Espacio Arquitectónico desde el Barroco a nuestros
días. Buenos Aires, Nueva Visión, 1980.
____________. História da arte como história da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 2005.
ARGAN, G. C.; CONTARDI, Bruno. Michelangelo. Nova Iorque: Phaidon, 2012.
BAETA, Rodrigo Espinha. Teoria do Barroco. Salvador: EdUFBA, 2012.
BAXANDALL, Michael. O olhar renascente. Cap. II: O olhar da época. 1. A relatividade da
percepção, 2. Os pressupostos da percepção artística, pp.37-44.
BAZIN, Germain. Barroco e Rococó. São Paulo: Martins Fontes, 1993.
BENEVOLO, Leonardo. Historia de La Arquitectura del Renascimiento. Barcelona: G. Gili,
1981. (2 vol.)
BRANDÃO, Carlos Antônio. Quid Tum? O Combate da arte em Leon Battista Alberti. Belo
Horizonte: Editora UFMG, 2000.
BURCKHARDT, Jacob. A Cultura do Renascimento na Itália. São Paulo: Companhia das Le-
tras, 1991.
CHASTEL, André. A arte italiana. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
COLQUHOUN, Alan. Modernidade e Tradição Clássica. São Paulo: Cosac &Naify
GAYFORD, Martin. Michelangelo: uma vida épica. São Paulo: CosacNaify, 2015.


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

GIEDION, Sigfried. Espaço, tempo e arquitetura: o desenvolvimento de


uma nova tradição. São Paulo: Martins Fontes, 2004.
HEYDENREICH, Ludwig H. Arquitetura na Itália 1400-1500. São Paulo:
Cosac & Naify, 1998.
KAUFMANN, Emil. La Arquitectura de la Ilustración: barroco y posbarroco en Inglaterra,
Italia y Francia. Barcelona: Gustavo Gili, 1974.
_____________. De Ledoux a le Corbusier. Barcelona: Ed. Gustavo Gili, 1982
KOCH, W. Dicionário dos estilos arquitetônicos. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
KOSTOF, S. Historia de la arquitectura. Madrid: Alianza Editorial, 1988.
LOEWEN, Andrea Buchidid. “Estilo desornamentado, arquitetura chã: alguns aspectos
do Renascimento na Península Ibérica”. In: Pós. Revista do Programa de Pós-graduação
em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP. São Paulo: FAUUSP, no 30, dez-2011, pp. 56-69.
MUMFORD, Lewis. A cidade na história: suas origens, transformações e
perspectivas. São Paulo, Martins Fontes, 1998.
MURRAY, P. The Architecture of the Italian Renaissance. New York: Thames and Hudson,
1994.
PALLADIO, A. Os Quatro Livros da Arquitetura. São Paulo: Hucitec, 2010.
PORTOGHESI, P. Roma Barocca. Roma: Laterza, 1995.
______________. Roma del Rinascimento. Milano: Electa.
WITTKOWER, Rudolf. Art and Architecture in Italy 1600-1750. Harmondsworth: Penguin.
___________. Architectural Principles in the Age of Humanism. Londres: Alec Tiranti, 1962.

Plano de Aulas
AULA DATA TEMA TEXTOS

1 08/10 Borromini e Ca- WITTKOWER, Rudolf. Art and Architecture in Italy


ravaggio 1600 to 1750. Middlesex: Penguin Books. parte 1;
cap.2 e parte 2; cap.9
ARGAN, G.C.: El Concepto del Espacio Arquitec-
tonico, deste el barroco a nuestros dias. Buenos Ai-
res: Nueva Visión, 1973. cap. VI e VII

2 10/10 Bernini e Car- Bernini e Carracci


racci Textos: WITTKOWER, Rudolf. Art and Architecture in
Italy 1600 to 1750. Middlesex: Penguin Books. parte
1; cap.3 e parte 2; cap.8
ARGAN, G.C.: El Concepto del Espacio Arquitec-
tonico, deste el barroco a nuestros dias. Buenos Ai-
res: Nueva Visión, 1973. lección III

3 15/10 A cidade no ARGAN, G. C. . Clássico e Anticlássico. São Paulo:


Renascimento- Companhia das Letras, 2011. a cidade no renasci-
o renascimento mento
enquanto BENEVÓLO, L.: História da Cidade. São Paulo: Per-


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

fenômeno ur- spectiva, 2001. as cidades italianas na renascença. in:


bano história da cidade

4 17/10 Brunelleschi e a ARGAN, G. C. . Clássico e Anticlássico. São Paulo:


Cúpula Companhia das Letras, 2011. O significado da cúpula.
_________. Clássico e Anticlássico. São Paulo: Com-
panhia das Letras, 2011. Brunelleschi.
PANOFSKY, Erwin. A Perspectiva com Forma Sim-
bólica. Lisboa: Edições 70, 1999.
5 22/10 Leon Battista ARGAN, G.C. O tratado Da re aedificatoria. Cf. AR-
Alberti e o tra- GAN, 2003.
tado de De Re LOEWEN, Andrea Buchidid. Lux Pulchritudinis: sobre
Aedificatoria beleza e ornamento em leon battista alberti. São
Paulo: Annablume, 2013.
Disponível em:
https://teses.usp.br/teses/disponiveis/16/16133/tde-
19052010-114309/pt-br.php

6 24/10 Bramante e o ARGAN, G. C. . Clássico e Anticlássico. São Paulo:


apogeu do Companhia das Letras, 2011. O problema de Braman-
classicismo em te.
Roma SUMMERSON, J. A gramática clássica. In A Lingua-
gem Clássica da Arquitetura. São Paulo: Martins Fon-
tes.
7 29/10 Michelângelo ARGAN, G. Michelangelo, Leonardo e Rafael em
Arquiteto e Es- Florença. In História da Arte Italiana (v.3): de Miche-
cultor lângelo ao Futurismo. São Paulo: Cosac Naify, 2003.
ARGAN, G. C. . Clássico e Anticlássico. São Paulo:
Companhia das Letras, 2011. Michelângelo Arquiteto.

8 31/10 Andrea Palladio ARGAN, G. C. . Clássico e Anticlássico. São Paulo:


Companhia das Letras, 2011. Andrea Palladio e a Crí-
tica Neoclássica.
SUMMERSON, J. A gramática clássica. In A Lingua-
gem Clássica da Arquitetura. São Paulo: Martins Fon-
tes.

9 05/11 O Barroco na KAUFMANN, Emil. La Arquitectura de la Ilustración.


Inglaterra Barcelona: Gustavo Gilli, 1974.
Cap. I,II, III.
10 07/11 Giovanni Bat- KAUFMANN, Emil. La Arquitectura de la Ilustración.
tista Piranesi Barcelona: Gustavo Gilli, 1974.
Cap. VIII e IX.
TAFFURI, Manfredo. The Sphere and the Labyrinth.
Cambridge: MIT Press, 1987.
11 12/11 O Barroco na KAUFMANN, Emil. La Arquitectura de la Ilustración.
França Barcelona: Gustavo Gilli, 1974. Cap. XI,XII.
RYKWERT, Joseph. A Casa de Adão no Paraíso. São
Paulo: Perspectiva, 2003.
12 14/11 O Classicismo PANOFSKY, Erwin. Idea: A Evolução do Conceito de
Belo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2013. cap.V
RYKWERT, Joseph. Los Primeros Modernos. Barce-
5


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo

lona: Gustavo Gili, 1982. cap. 1 e 8.


13 19/11 Arquitetos da KAUFMANN, Emil. La Arquitectura de la Ilustración.
Revolução Barcelona: Gustavo Gilli, 1974. Cap. XIII.
_____________________. Three Revolutionary Archi-
tects. Philadelphia: American Philosophical Society,
1952.

14 21/11 Seminários 1. O Primeiro Renascimento. in: ARGAN, G.C. Clássi-


co anticlássico: O renascimento de Brunelles-
chi a Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras,
1999.
2. Cap. III O Renascimento. in: PANOFSKY, Erwin. I-
dea: Evolução do Conceito de Belo. São Paulo: Mar-
tins Fontes. 2003.
3. O Significado da Cúpula. in: ARGAN, G.C. Clássico
anticlássico: O renascimento de Brunelleschi a
Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras,
1999.
4. A Arquitetura do Maneirismo. in: ARGAN, G.C.
Clássico anticlássico: O renascimento de Bru-
nelleschi a Brueghel. São Paulo: Companhia das
Letras, 1999.
15 26/11 Seminários 1. Matéria e Furor. in: ARGAN, G.C. Clássico anti-
clássico: O renascimento de Brunelleschi a
Brueghel. São Paulo: Companhia das Letras,
1999.
2. III. Forma Cerrada y Forma Aberta. in: WÖLFFLIN,
Heinrich. Conceptos Fundamentales en la Histo-
ria de la Arte. Madrid: Calape, 1924.
3. A História da Teoria das Proporções Humanas co-
mo Reflexo da História dos Estilos. in: PANOFSKY,
Erwin. Significado nas Artes Visuais. São Paulo:
Perspectiva, 1979.
16 28/11 Seminários 1. IV. O Maneirismo. in: PANOFSKY, Erwin. Idea: E-
volução do Conceito de Belo. São Paulo: Martins
Fontes. 2003.
2. V. O Neoclassicismo. in: PANOFSKY, Erwin. Idea:
Evolução do Conceito de Belo. São Paulo: Mar-
tins Fontes. 2003.
3. Parte I. Cap. I,II, III, IV. in: KAUFMANN, Emil. Tres
Arquitectos Revolucionários. Barcelona: Gusta-
vo Gilli, 1980.
4. Parte II. cap. V,VI, VII, VIII. in: KAUFMANN, Emil.
Tres Arquitectos Revolucionários. Barcelona:
Gustavo Gilli, 1980.

17 03/12 Prova diurno


18 05/12 Reposição e
Prova noturno
19 10/12 Reposição
20 12/12 Reposição


Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Brasília
Departamento de Teoria e História da Arquitetura e Urbanismo



Observações:

O Cronograma poderá sofrer modificações em função de demandas e necessidades do profes-
sor(a) no decorrer do semestre letivo.