Você está na página 1de 14

ESPAÇOS PÚBLICOS PLANO DE

CENTRAIS COMUNICAÇÃO
Plano de Comunicação

Índice
⦁ Enquadramento do Município .............................................................................................. 4
⦁ Espaços Públicos Centrais ..................................................................................................... 5
⦁ Objetivos Estratégicos ........................................................................................................... 6
⦁ Posicionamento ..................................................................................................................... 7
⦁ Público-Alvo........................................................................................................................... 8
⦁ Plano de Ação ...................................................................................................................... 10 2
Website ....................................................................................................................................... 11
Redes Sociais ............................................................................................................................... 12
Newsletter ................................................................................................................................... 13
Anúncios na Imprensa ................................................................................................................. 14
Sessões/reuniões de avaliação intercalar ................................................................................... 14
Vídeos e Fotos ............................................................................................................................. 14
Direção e Execução ..................................................................................................................... 14
Plano de Comunicação

⦁ Enquadramento Geral
A presente Estratégia de Comunicação configura um plano de comunicação que apresenta os
objetivos a atingir com as medidas de informação e publicidade e o planeamento das ações a
desenvolver, bem como as formas de atuação para assegurar a monitorização e avaliação
realizadas durante o período de realização da Operação “Espaços Públicos Centrais”.

A Estratégia de Comunicação do Município de Sátão assume um papel de intervenção dinâmica


mobilizador de parceiros e atores, internos e externos.

A Estratégia de Comunicação pretende assegurar o pleno cumprimento do normativo


comunitário em vigor, nomeadamente o Regulamento (UE) n.º 1303/2013 e o Regulamento de 3
Execução (UE) n.º 821/2014, assegurando o objetivo central de dar a conhecer o papel e os
resultados da política de coesão e dos Fundos Estruturais junto do público em geral. Pretende-
se ainda garantir uma maior transparência na divulgação do apoio dos Fundos ao Municípios
permitindo que toda a informação sobre o projeto a realizar seja pública, pesquisável e acessível
no sítio web dos mesmos.

Em termos de legislação nacional, o Decreto-Lei n.º 137/2014, de 12 setembro e o Decreto de


Lei n.º 159/2014, de 27 de outubro, estabelecem as regras gerais relativa à estratégia de
comunicação e publicidade a adotar, nomeadamente ao nível da Estratégia Global de
comunicação do Portugal 2020, com a qual se coadunará o plano do Município de Sátão. A
legislação nacional determina ainda obrigações específicas às autoridades de gestão em matéria
de publicidade das operações aprovadas, nomeadamente a uma publicitação na imprensa local
e regional nos três meses seguintes à data de assinatura do termo de aceitação.

Importa ainda referir que, nos termos do artigo 110º, n.º 2 alínea d) e n.º 2 do artigo 116 do
Regulamento (UE) n.º 1303/2013, a Estratégia de Comunicação será remetida ao Comité de
Acompanhamento para aprovação até seis meses a contar da data da adoção do Projeto em
questão.
Plano de Comunicação

⦁ Enquadramento do Município
Geograficamente, o concelho de Sátão,
insere-se na área territorial do Planalto da
Beira Alta, distrito de Viseu, possuindo
como concelhos limítrofes, a Norte,
Moimenta da Beira, Sernancelhe e V. N. de
Paiva; a Sul, Penalva do Castelo; a Este,
Aguiar da Beira (distrito da Guarda) e a
Oeste, Viseu.

Ocupa uma superfície de cerca de 200,4 4


Km², correspondente a 5,7% da área do
território da sub-região de Dão-Lafões. Em
2011 possuía uma população de 12444
habitantes (cerca de 4,5% da população de
Dão-Lafões e 0,53% da Região Centro),
correspondentes a uma densidade de 62,7
hab./Km², valor este, que se situa um pouco
abaixo do valor médio registado na sub-
região em que se insere (79,80 hab/ Km²).
Figura 1 – Município de Sátão

Localizando-se na principal unidade geomorfológica da Região Centro – O Maciço Antigo, o


concelho de Sátão “(...) apresenta superfícies aplanadas (planaltos) que descem para os vales de
encostas mais ou menos suaves do Rio Vouga (de nascente para poente, praticamente dividindo
o concelho a meio) e do Ribeiro de Sátão (de nordeste para sudoeste), entroncando com o Rio
Dão, do qual é afluente. (...)”.

(http://www.addzi.com/por/Parcerias_satão.html).

Parte integrante do planalto da Beira Alta, este território localiza-se no enclave entre a
Cordilheira Central (espinha dorsal da Península Ibérica, constituída pelas Serras da Estrela, da
Lousã e Açor), a Sul e a Este, e as Serras de Montemuro, Freita, Caramulo e Buçaco, a Oeste.

Pela capacidade de polarização espacial exercida, bem como, pela dimensão e especificidade
das suas funções centrais (básicas), Viseu tem moldado o subsistema urbano e regional, fazendo
estender a sua área de influência a outras sedes de agrupamento e de concelho.

Contemplando já aglomerações de dimensão urbana razoável, com um dinamismo próprio mas


de condicionada capacidade de polarização por força da proximidade de aglomerações mais
importantes, o concelho de Sátão revela, no entanto, potencialidades para ancorar um certo
número de atividades, equipamentos e serviços, oferecendo condições para a melhoria do
«modus vivendi» das populações.
Plano de Comunicação

⦁ Espaços Públicos Centrais


A operação “ESPAÇOS PÚBLICOS CENTRAIS” proposta a candidatura refere-se ao projeto que
comporta intervenção no jardim da Praceta Carlos Lopes e os passeios de parte da vila de Sátão.

A intervenção irá dar-se ao nível da mobilidade, acessibilidade, implantação de mobiliário


urbano adequado, tratamento da arborização e requalificação total do pavimento dos passeios.

Os arruamentos a intervir, total ou parcialmente, são:

- Praça Paulo VI;

- Rua Viscondes do Banho; 5


- Rua Serafim Sousa Figueiredo;

- Rua Luís de Camões;

- Avenida Conde D. Henrique;

- Rua Ferreira Lapa;

- Rua 25 de Abril;

- Rua Lopo Fernandes Pacheco;

- Praceta Carlos Lopes;

- Travessa da Cerca;

- Rua dos Combatentes;

- Rua da Miusã;

- Rua Fausto Xavier de Sá.

Arruamentos (zonas pedonais):

Os passeios da área de intervenção distinguem-se pela grande diversidade de tipologias de


pavimentos: calçada de calcário branco, calçada de granito de diferentes tamanhos, pavê e
cimento, não havendo homogeneidade dos mesmos. Por ser uma área central, com diversos
serviços públicos (entre os quais a Câmara Municipal, o Tribunal, o Cine-Teatro Municipal, o
Centro de Saúde, a Escola Secundária Frei-Rosa Viterbo, a Pré-Escolar, etc.) e de comércio a
degradação dos pavimentos é notável, sobretudo nas zonas pavimentadas a cimento.

De modo a permitir a mobilidade e acessibilidade tornou-se necessário ter em atenção o


abaixamento de passeios nas zonas de passadeiras e o abate de árvores de arruamento em
passeios com menos de 1.50 m de largura.

Jardim da Praceta Carlos Lopes:

O jardim é um pequeno espaço de bosque com 678 m2 de área, exibindo vários exemplares
arbóreos de médio porte, sendo assim um espaço sombrio. Encontra-se limitado por uma sebe,
resultando num espaço mais fechado e isolado. A vegetação presente exibe na sua maioria tons
verde-escuros e castanhos, havendo a falta de cores mais vivas e chamativas. No centro do
Plano de Comunicação

jardim encontra-se um posto de transformação, que é vedada por uma sebe bastante
degradada. Contudo, devido a podas severas a mesma ficou bastante danificada, alguns
exemplares secaram, permitindo o acesso ao posto por qualquer pessoa. É um espaço pouco
usado e não tem mobiliário urbano que convide ao seu uso. Na sua volta existe um passeio com
1.20 m de largura em cimento, bastante degradado.

A proposta de intervenção neste espaço tem como objetivos a abertura do espaço à entrada de
luz, a correta proteção do posto de transformação, a mudança de pavimento e alargamento do
passeio, e a colocação de mobiliário urbano apelativo.

A proposta prevê o alargamento do passeio para 1.50 m e a alteração de pavimento em cimento


para a aplicação de pavê retangular cinza e bordô. Prevê-se também a criação de uma área em 6
pavê para a colocação do contentor de lixo comum junto ao passeio.

Para abertura do espaço é proposta a eliminação da sebe exterior, o abate de duas árvores e a
poda de arejamento da copa nos elementos arbóreos perenes. A limitação do espaço será
adquirida através da colocação de uma vedação rústica em pinho. Deverá ser plantada uma
Magnolia x soulangeana, na zona virada a sul do jardim, dando assim alguma cor ao espaço.

Para a proteção do posto de transformação, é necessário eliminar a sebe à sua volta, no seu
lugar deverá ser construída uma estrutura em sulipas de madeira com diferentes alturas,
pintadas em tons de amarelo, cor-de-laranja e bordô. Na sua base é proposta a construção de
um murete rebocado e pintado de bordô. É proposto um novo portão para permitir o acesso ao
posto.

O mobiliário urbano escolhido para o espaço são duas mesas de pic-nic e um totem canino, pois
o espaço é especialmente usado por pessoas que passeiam seus cães. É proposta também a
colocação de uma nova placa informativa com a inscrição ‘Praceta Carlos Lopes’.

⦁ Objetivos Estratégicos
A aposta na comunicação dos fundos europeus concedidos no âmbito da Política de Coesão foi
reforçada no período 2014-2020 por via da regulamentação comunitária e nacional, que confere
um maior grau de responsabilidade às Autoridades de Gestão e aos Comités de
Acompanhamento dos programas operacionais, nos domínios da comunicação e da informação.

Consciente e comprometido com essa responsabilidade, o Executivo do Município de Sátão,


pretende desenhar a estratégia de comunicação, capaz de permitir uma difusão tão alargada
quanto possível dos seus mecanismos de informação e divulgação, através de um conjunto
diversificado de ferramentas e meios de comunicação.

Pretende-se desta forma aumentar a perceção positiva da aplicação dos Fundos Comunitários
aplicados no Município, junto dos destinatários diretos, nomeadamente, dos jovens, dos órgãos
de governação e de soberania, da comunicação social, dos parceiros económicos e sociais e dos
atores relevantes da sociedade civil.

Sustentada no contributo para a perceção positiva da aplicação dos fundos da União Europeia
no Município e dos seus efeitos no desenvolvimento económico e social, o Plano de
Plano de Comunicação

Comunicação do Município Sátão, para o período de execução da Operação, apresenta como


objetivos estratégicos:

⦁ Contribuir para a boa reputação da aplicação dos Fundos Comunitários do Portugal 2020
em geral;

⦁ Aumentar a perceção do público em geral sobre o contributo do Município de Sátão


para a valorização dos territórios, para o crescimento económico sustentável e o crescimento
da Economia Verde no Município;

⦁ Tornar apelativos os suportes informativos ao Programa de forma a proporcionar maior


interação entre a administração e administrados, privilegiando uma comunicação sem barreiras, 7
a simplificação de procedimentos, a desmaterialização e a transparência da gestão;

⦁ Contribuir para uma aproximação de todos os parceiros de gestão do Projeto através da


avaliação e partilha do conhecimento e de resultados.

O Município de Sátão pretende, assim, enquadrar-se na estratégia global do Portugal 2020, e


utilizar esses instrumentos de apoio ao desenvolvimento e diminuir as assimetrias regionais,
contribuindo para reforçar a competitividade local e regional de forma sustentável.

⦁ Posicionamento
Através da operação – “Espaços Públicos Centrais” o Município de Sátão pretende assegurar os
três objetivos estratégicos do seu Plano de Ação de Regeneração Urbana:

OE I – PROMOVER A QUALIDADE AMBIENTAL E AUMENTAR A FUNCIONALIDADE DOS SISTEMAS


URBANOS

OE.II – PROMOVER A QUALIDADE URBANA E PAISAGISTA E INCENTIVAR A CONSERVAÇÃO E


UTILIZAÇÃO DO PARQUE EDIFICADO

OE.III – PROMOVER A COESÃO SOCIAL E REFORÇAR AS DINÂMICAS DE ANIMAÇÃO ECONÓMICA,


SOCIAL E CULTURAL

Estes objetivos enquadram um conjunto de medidas de intervenção centradas na reabilitação


do edificado, dos espaços públicos e infraestruturas urbanas, que a presente operação é
tributária, num quadro de gestão, execução e de incentivos fiscais e financeiros, específico.

Esta intervenção integrada reveste-se de uma importância fundamental para a reabilitação e


qualificação de Sátão, permitindo complementar operações municipais já executadas e a
executar, construindo para o futuro desejado, infundidas na Visão - Sátão Co(n)Vida, que
pretende tornar o concelho num território onde seja apetecível investir, visitar e viver.

Será esta a sua identificação perante todos os potenciais públicos e também a forma de se
afirmar nas plataformas de comunicação que venham a ser usadas para a divulgação da
Operação.

Deste modo, pretende-se que o Município de Sátão cumpra a sua própria estratégia e, em
simultâneo, estabeleça um alinhamento imediato com os objetivos mais abrangentes do
Plano de Comunicação

Portugal 2020, potenciando sinergias e contribuindo para a concretização da estratégia global


de comunicação do acordo de parceria entre Portugal e a União Europeia.

Estas ideias basilares estarão presentes em todas as ações de comunicação levadas a cabo,
transmitindo de forma clara que a operação permitirá uma gestão mais eficiente dos serviços
prestados, quer pela identificação da necessidade de intervenções presentes e futuras, quer
pela introdução de mecanismos de controlo e informação em tempo real que diminuam perdas
e diminuam custos de operação.

⦁ Público-Alvo
Uma parte da gestão da comunicação do Município vai desenvolver-se com os beneficiários 8
diretos mas também atingirá de forma significativa o seu público-alvo.

Ao longo do tempo, irão sendo construídos relacionamentos efetivos, eficazes e duradouros


com os públicos-alvo, através de uma política de informação clara, útil e transparente.

Pretende-se divulgar em tempo oportuno e de forma periódica, informação que represente


valor para os beneficiários e que contribua, sempre que possível, para a mudança de atitude e
perceção no que se refere aos serviços públicos de proximidade, comunicar aos diversos
públicos sobre o estado de execução do projeto “Espaços Públicos Centrais”.

De forma a aumentar a articulação e eficácia da comunicação, enunciam-se os públicos-alvo do


Município, bem como, os principais meios de comunicação a utilizar.

⦁ Público Interno
Neste grupo estão incluídos:

⦁ Vereadores da Câmara Municipal;

⦁ Membros da Assembleia Municipal;

⦁ Estruturas e unidades intermédias (divisões/unidades/serviços), nas quais o executivo


municipal tenha delegado funções de gestão em algumas das áreas de intervenção;

⦁ Colaboradores municipais.

A informação a prestar será essencialmente de dois tipos:

⦁ Assegurar a produção de conteúdos informativos relevantes sobre os indicadores de


realização e de resultados alcançados pela Operação e, de cada um dos seus objetivos, tendo
em consideração as necessidades específicas de informação que decorrem das
responsabilidades de gestão, comunicação, monitorização, certificação e auditoria. Assume aqui
particular relevância dar conta do resultado das políticas implementadas com a intervenção da
Operação, designadamente dos impactos associados aos apoios concedidos pelos fundos PO
Centro – Centro 2020 e da sua relevância para atingir os objetivos estratégicos relativamente à
implementação da operação “Espaços Públicos Centrais”.
Plano de Comunicação

⦁ No caso das estruturas e unidades intermédias, será necessário assegurar, através de


meios de comunicação adequados a transmissão de orientações técnicas, ou outras, que
permitam um bom enquadramento em termos de objetivos e resultados a atingir, incutindo um
forte espírito de equipa, reforçando a necessidade de que o trabalho feito no interior da
Operação terá reflexos em termos de integridade e eficácia do mesmo.

⦁ Público Externo
Neste grupo estão incluídos:

⦁ Parceiros económicos e sociais;


9
⦁ Estabelecimentos de ensino e investigação;

⦁ Atores da sociedade civil;

⦁ Público em geral.

• Residentes

Disponibilizar, de forma totalmente transparente, acessível e oportuna, informação completa e


de fácil acesso sobre o estado da Operação, nomeadamente para efeitos de apresentação de
candidaturas e respetivas condições de acesso, e pontos e contactos onde podem ser obtidas as
informações.

A informação será prestada através de diversas formas de comunicação, nomeadamente no site


do Município, e em publicações diversas.

Relativamente às entidades parceiras, nomeadamente, estabelecimentos de ensino e


investigação, a informação deverá permitir a divulgação transparente dos resultados da
operação “Espaços Públicos Centrais”, bem como da aplicação dos fundos comunitários para o
desenvolvimento da política económica e social do Município.

Analogamente será divulgada a informação ao público em geral, onde se incluem os


beneficiários diretos - a população do Concelho - de forma a aprofundar a perceção pública do
impacto da Operação e dos fundos comunitários aplicados no âmbito do Portugal 2020 no
desenvolvimento do Município e na sua valorização.

⦁ Público Mediático
Neste grupo integram-se os Meios de Comunicação, nomeadamente imprensa escrita e
televisão, amplificadores de resultados da atuação do Município, no âmbito do Portugal 2020.

Disponibilizar informação essencial aos opinion makers, estabelecendo uma relação de


confiança junto destes meios para a divulgação transparente dos resultados do Projeto, bem
como da aplicação dos fundos comunitários nos Concelhos.
Plano de Comunicação

⦁ Plano de Ação
Do ponto de vista estratégico, este Plano de Comunicação concretizar-se-á ao longo de quatro
momentos de implementação, articulado estrategicamente com as diversas fases de
desenvolvimento da Operação.

A comunicação será faseada por etapas por se revelar o método mais consequente e sustentável
e a sua intervenção mais relevante e eficaz, ajustando-se à evolução da implementação e dos
comportamentos dos organismos envolventes.

A estratégia de comunicação permite dar a conhecer as atividades, potencialidades e


oportunidades decorrentes da Operação, e a abertura dos canais de comunicação entre o 10
Município e os diversos atores. As ações acompanharão o processo de preparação e
implementação da Operação; estas ações deverão ser o mais abrangente possível, para que a
mensagem alcance o maior número de pessoas do Concelho e Região, nomeadamente a
CIMVDL. Para esse efeito serão utilizados canais de comunicação diferenciados de acordo com
os grupos sociais a que se dirige. Serão desenvolvidas parcerias com a imprensa local e regional,
com o objetivo de conferir maior eficácia na disseminação da informação.

⦁ Fases de Implementação da Estratégia de Comunicação


De acordo com a linha estratégica referida, os quatro momentos previstos neste Plano
respeitam aos objetivos específicos de cada fase de desenvolvimento da Operação

A Fase 1 marca o início da comunicação do Município de Sátão relativamente à Operação e


pretende dar a conhecer aos potenciais beneficiários o início da sua execução.

Pretende-se ainda lançar um inquérito que por um lado pretende avaliar a satisfação relativa às
condições atuais e por outro que promova a proximidade entre a Administração e o público em
geral e o público beneficiado em particular.

Em termos de Plano de Comunicação, inclui-se o fortalecimento da imagem corporativa do


Município e do website na Internet, e a divulgação através brochuras institucionais ao Público
Interno e às possíveis entidades parceiras do Público Externo. Nesta fase pretende-se envolver
todos os órgãos que possam, de alguma forma, contribuir para o Planeamento de Trabalhos, e
envolvê-los no Projeto, de forma a integrá-los como parte participativa e ativa do processo.

Na Fase 2, a comunicação da execução da Operação continuará a desenvolver e densificar os


objetivos da Fase 1, centrando-se na divulgação dos resultados alcançados.

Em termos de implementação da Operação corresponde à aprovação e execução do projeto de


arquitetura.

Para esta fase compreende-se que seja necessário informar os munícipes de eventuais
transtornos nas vias viárias e portanto, estabelece-se a necessidade de editar informação que
mitiguem constrangimentos (spots de rádio e avisos no site do Município).

Privilegia-se o reconhecimento de boas práticas atribuindo notoriedade às ações executadas


pelo Município, credibilizando a ação.
Plano de Comunicação

Na Fase 3, ao nível da comunicação divulgar-se-á os resultados a todo o território regional,


prevendo-se a posterior alavancagem para o território nacional. Com base na bateria de
indicadores do Centro 2020 pretende-se divulgar todo o processo de planeamento e
programação do Município, nomeadamente no Domínio da Promoção das TIC na administração
e serviços públicos, evidenciando a integração dos resultados obtidos no âmbito e no
cumprimento da estratégia definida pelas Autoridades de Gestão e Benificiário.

Na última fase (Fase 4) será efetuada a avaliação das ações de informação e publicidade, bem
como avaliar a satisfação decorrente da implementação da operação.

Após esta análise, o Município pretende divulgar em 2017/2018 os resultados definitivos depois
de todos os indicadores terem sido revistos e analisados pela Autoridade de Gestão. 11

Em paralelo com a Fase 3, e de forma a cumprir com o estipulado no Regulamento da União


Europeia 1303/2013, Anexo XII, ponto 2.2 que diz respeito às responsabilidades dos
beneficiários, pretende-se executar todo o material comunicacional do Município de forma a
integrar o emblema da União Europeia, em conformidade com as caraterísticas técnicas fixadas
no ato de execução adotado pela Comissão, em conformidade com o artigo 115, nº 4º,
juntamente com uma referência à União. Assim como uma referência ao Fundo que dá apoio à
operação. Será colocado igualmente, cartazes nos edifícios da Câmara Municipal, de tamanho
A3, referindo o apoio financeiro da União, em locais facilmente visíveis ao público, como o átrio
de entada.

Transversalmente a estas 4 fases deverá ter-se em conta a permanência de contacto com o


público-alvo identificado e em especial os Órgãos de Comunicação Social na veiculação de
notícias e resultados alcançados através dos projetos cofinanciados e do seu contributo para o
Portugal 2020, em termos de valorização do território e desenvolvimento sustentável. Sendo
portanto necessário manter a regularidade de ações de comunicação próprias e dirigidas ao
público-alvo durante todo o período de execução da Estratégia de Comunicação do Projeto.

Por último, refira-se também a necessidade de desenvolvimento de algumas ações de


comunicação interna nomeadamente entre os beneficiários e os executores.

⦁ Ações Regulares

⦁ Website do Município

Website
O conteúdo do website é da responsabilidade da respetiva Câmara Municipal, e tem o objetivo
de melhorar o acesso dos seus munícipes e público em geral à informação sobre as políticas
municipais e sobre as iniciativas do Município.
Plano de Comunicação

12

Disponibilizado na página inicial estará uma lista de operações com todos os projetos a decorrer
aprovados e co-financiados pelo Centro 2020, com todos os campos exigidos na regulamentação
comunitária passível de ser exportada para PDF, o que permite que os conteúdos sejam
classificados, pesquisados e extraídos pelo público-alvo, a que tal informação se revele
importante como ferramenta de trabalho, ou de consulta. A lista será atualizada assim que se
revelar necessário com o decorrer das operações do Projeto em causa.

Redes Sociais
O Executivo do Município de Sátão desenvolve uma estratégia de presença nas redes sociais. Na
fase de divulgação do Projeto, pretende-se disseminar através das redes sociais, nomeadamente
Facebook, na medida em que já existe uma página relativa ao Município e que é atualizada
Plano de Comunicação

frequentemente, e que já possui alguma influência na comunidade, de modo a garantir uma


maior e mais abrangente divulgação da Operação a realizar, em fases que afetem diretamente
a população dos Concelhos.

13

O Facebook é um complemento da informação divulgada no website e é um excelente meio para


divulgar mensagens rápidas sobre fases determinantes do Projeto a desenvolver.

Newsletter
A Newsletter do Município de Sátão será
indispensável para comunicar com o Público
Externo e Mediático, trata-se de publicação
mensal, online e em papel, onde constarão
notícias, e explicações sobre os diversos
aspetos do Projeto que afetem diretamente
a população, quer seja em fase de execução,
quer com a divulgação dos resultados
obtidos. Tem como objetivo oferecer uma
distribuição alargada de informação
relevante, de modo a concorrer para o
aumento da visibilidade e da transparência
do Projeto junto do grande público e dos
media para facilitar o acesso ao grande
público e aos potenciais beneficiários.
Plano de Comunicação

Anúncios na Imprensa
A publicitação na imprensa local e regional será realizada no prazo de três meses após a
assinatura do termo de aceitação, conforme expresso na legislação nacional aplicável. Assim
como em publicações de órgãos da Comunicação Social, como revistas ou jornais especializados
ou de âmbito nacional, sempre que se justifique.

Sessões/reuniões de avaliação intercalar


Disseminar a informação recolhida, as várias fases do projeto e os resultados que vão surgindo, 14
fazendo chegar aos diversos membros do Público Interno toda a informação sobre os eixos
prioritários, e qual o estado de intervenção em diversos momentos cruciais.

Estas sessões permitirão abrir a discussão com os diversos intervenientes sobre o estado da
operação, tornando-a clara e transparente para todos.

Vídeos e Fotos
O vídeo é hoje uma ferramenta de comunicação indispensável para todos os públicos,
permitindo demonstrar resultados concretos da aplicação dos fundos, quer em fase de
conclusão bem como publicitar a sua atividade de gestão e os seus mecanismos de
financiamento. Será, com este fim que se perspetiva, realizar cobertura videográfica e
fotográfica do projeto cofinanciado, ao longo da execução, permitindo uma amostragem para
posterior divulgação, como sessões de esclarecimento, anúncios na imprensa, divulgação online
no site da Câmara Municipal, ou página do Facebook.

Direção e Execução
A execução das medidas de informação e publicidade constantes da estratégia de Comunicação
será da responsabilidade do Executivo do Município de Sátão, nomeadamente através de uma
estrutura com competências do domínio da Comunicação.

No caso de virem a ser delegadas competências em estruturas e unidades intermédias, estes


terão também a responsabilidade de realizar as ações previstas na presente estratégia de
Comunicação nos termos dos Contratos e das orientações emanadas pelo Município.