Você está na página 1de 10

Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

Especificações

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono


E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES.

Quando instalada em contacto directo com alvenarias, pavimentos, entre outros, a tubagem
deverá ser revestida a Polipropileno.

As ligações entre tubos e acessórios deverão ser executadas por cravamento (Press fitting).

As tubagens serão fixadas com abraçadeiras do tipo ERICO – MACROFIX ou similar de


acordo com as instruções do fabricante.

Método de Fabrico

Os tubos e acessórios da STEELPRES são fabricados em Aço Carbono segundo as


normas EN e DIN, cumprindo o especificado a nível europeu.

Material Aço Carbono E195NBK


Norma EN 10305 - 3
Homologações CSTB
Tipo de Tubo Electrosoldado com protecção gasosa
Não destrutiva EDDY CURRENT segundo
Controlo da Soldadura
S.P.E 1925
Aparado Interior e exteriormente
Afundado / Inundado Segundo a DIN 2394
Acabamento Normalizado em atmosfera inerte
Aspecto Superficial Galvanizado ou revestido a polipropileno
Marcação Continua com tinta indelével
Coeficiente de Dilatação Térmica 0,012 mm/metro para ∆t = 1ºK
Resistência à Deformação >230 N/mm
Raio Mínimo de Curvatura 3,5 vezes o diâmetro externo do tubo
Barras de 5-6 m protegidas com tampões de
Condições de Fornecimento
plástico nas extremidades

Aplicações

Os produtos STEELPRES são caracterizados pela rapidez e segurança na instalação,


sendo aplicados em sistemas de climatização, ar comprimido, redes industriais, construção
naval.

1
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

Condições

Os tubos e acessórios STEELPRES funcionam sob pressão. A ligação entre os diversos


componentes da rede é feita por cravamento, constituindo desta forma um sistema de
prensar.
ANTES DE PRENSAR

DEPOIS DE PRENSAR

A gama diâmetros dos acessórios existente no mercado varia entre os 12 – 108 mm.

Isolamento Térmico
Sempre que seja necessário deve proceder-se ao correcto isolamento térmico do sistema.
A espessura mínima do isolamento é indicada nas normas vigentes e depende do
coeficiente λ do material isolante adoptado. Deve assegurar-se que o isolante térmico
aplicado não contém iões de cloro solúveis.

Comportamento ao Fogo
Os tubos estão classificados como não combustíveis da Classe A.

Condições de Pressão e Temperatura


Em instalações de AVAC, o sistema de união é capaz de suportar uma pressão de
serviço de 16 bar e uma temperatura de serviço de 90ºC, com picos acidentais até
110ºC. A temperatura máxima de serviço dos acessórios depende do tipo de O-ring
utilizado (EPDM, NBR/H-NBR, FPM - Viton ou Silicone). Para instalações de aquecimento
e refrigeração deverão ser utilizados O-rings Standard EPDM, enquanto que para ar
comprimido deverão ser aplicados O-rings Viton.

Tipo de O-Ring Temp. Mín/Máx [ºC] Temp. Máx. Serviço [ºC] Pressão [bar]
EPDM -20 / +120 110 16
NBR / H-NBR -10 / +80 70 16
FPM - Viton +30 / 230 220 16
Silicone -60 / +200 180 16

Corrosão
Existem diversos tipos de corrosão: a corrosão química, a galvânica, a derivada de
correntes vagantes, entre outras.
Todos estes tipos de corrosão são despoletados por causas químicas ou mecânicas.
De seguida serão descritos alguns exemplos do fenómeno da corrosão, juntamente com

2
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

algumas indicações de como poderão ser evitados os problemas.

• Corrosão química
Os componentes do sistema STEELPRES, compostos por aço carbono E195, apresentam
possibilidade de corrosão interna como resultado da agressão a que são sujeitos por parte
dos fluidos que transportam. Esta compatibilidade entre o material e o fluido pode ser
verificada na tabela de Compatibilidade Química dos Materiais (última página).
Quando aplicado em instalações de AVAC, os componentes do sistema STEELPRES com
tubo em aço carbono galvanizado interior e exteriormente, bem com o tubo revestido a
polipropileno, não apresentam riscos de corrosão.

• Junção entre metais


Os materiais que constituem os tubos e acessórios dos sistemas de cravar ocupam uma
posição mais ou menos elevada na escala electroquímica; o aço carbono utilizado nos
tubos e acessórios STEELPRES ocupa uma posição intermédia na referida escala.
Em todas as instalações ocorre a mistura de diversos tipos de materiais e, como acontece
actualmente, juntar STEELPRES e outros tipos de metais não representa, à partida,
qualquer espécie de problema. Pelo contrário, a interposição de vários componentes é
particcolarmeonote neceossária.
Por exemplo, em sistemas de aquecimento com radiadores de alumínio, a aplicação de
válvulas em bronze ou latão é aceitável e usual.
Em instalações comuns, é ainda possível a junção de acessórios STEELPRES a qualquer
componente feito de cobre ou suas ligas.

• Corrosão galvânica
Para que haja corrosão galvânica são necessários os seguintes requisitos:
1. diferença de potencial electroquímico entre elementos;
2. um fluido condutor (electrólito);
3. presença de oxigénio.
No que diz respeito aos dois primeiros pontos pouco há a dizer. Contudo, é necessária uma
reflexão quanto ao terceiro aspecto.
Em primeiro lugar, existe uma diferença entre instalações de aquecimento e instalações de
águas domésticas.
Inicialmente, numa instalação de AVAC correctamente dimensionada e executada, a
presença de oxigénio é irrelevante e sem oxigénio, como vimos anteriormente, o fenómeno
da corrosão é praticamente inexistente.
Nestas condições a posição do aço carbono face a outros metais é irrelevante no que
respeita ao despoletar uma possível corrosão resultante de um contacto galvânico.

3
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

Pelo contrário, em instalações de águas domésticas onde existe um elevado nível de


oxigénio, a utilização de ligas é regulada e as posições electroquímicas dos diversos
materiais assumem grande importância.
Neste tipo de instalação é necessário seguir o principio de aplicar componentes de
materiais mais nobres a jusante de materiais menos nobres.
Por exemplo, é possível executar uma derivação de uma rede em aço galvanizado com
tubagem em aço inox. Contudo, há que evitar o caso inverso a menos que se utilize uma
junta dieléctrica entre os dois sistemas. Este é um acessório especial que permite introduzir
uma resistência tal que, face à condutividade da água, anule a velocidade da corrosão do
aço galvanizado.
Outro factor importante é a relação entre a superfície do metal mais nobre e a superfície do
metal menos nobre; quanto maior for essa relação, maior será também a velocidade de
corrosão.
Tendo em atenção os possíveis riscos de corrosão interna e externa com o aço carbono
E195NBK, constituinte do STEELPRES, a sua utilização em sistemas de águas domésticas
ou qualquer outro sistema com elevados níveis de oxigénio no fluido transportado é
profundamente desaconselhada.
Por outro lado, em sistemas de climatização onde não existam níveis elevados de oxigénio,
o sistema STEELPRES é perfeitamente aconselhável.

• Correntes vagantes
A corrosão originada pelo fenómeno de correntes vagantes é, na verdade, extremamente
rara e imediatamente reconhecível. Nestes casos a corrosão começa na parede externa do
tubo e é caracterizada por uma cratera cónica com o buraco virado em direcção à parte
interna do tubo.

Exemplo de corrosão devida a correntes vagantes

Para que haja corrosão devida a correntes vagantes, deve existir uma corrente continua
que actua no metal causando comportamento anódico.
O ânodo é a parte sacrificada, que se dissolve por electrólise. As chamadas correntes
vagantes são correntes que se dissipam no chão como resultado de falta de isolamento e
que penetram nas estruturas metálicas que atravessam (como são exemplo as tubagens
metálicas), usando-as como elemento condutor.
Para poder penetrar no interior do tubo, as correntes vagantes têm que encontrar um ponto
fragilizado ou que não tenha protecção.
Nos dias de hoje são vários os factores que limitam a ocorrência deste problema,
nomeadamente as ligações à terra, dado que a corrosão se dá no ponto de descarga.
Por tudo isto podemos concluir que os problemas originados por correntes vagantes são
muitos esporádicos e não dependem do tipo de metal utilizado.

4
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

• Corrosão devida à presença de bactérias

5
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

10,08 11,76 13,44 15,12 16,80

16 1,92 3,84 5,76 7,68 9,60 11,52 13,44 15,26 17,28 19,20

18 2,16 4,32 6,48 8,64 10,80 12,96 15,12 17,28 19,44 21,60

20 2,40 4,80 7,20 9,60 12,00 14,40 16,80 19,20 21,60 24,00

6
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

Designação

Curva 90º FF

Curva 90º MF

Curva 45º FF

Curva 45º MF

União

União sem Batente

Tê de redução
centro

Tê roscado (fêmea)

Casquilho Macho

Casquilho Fêmea

Tampão

Redução MH

União de
Cruzamento
Vantagens

Como principais vantlho

7
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

Instalações

REALIZAÇÃO DE UMA UNIÃO

1. Corte do tubo
O corte do tubo deve ser perpendicular ao eixo do mesmo, feito com uma ferramenta corta-
tubos.

2. Preparação do tubo
A extremidade do tubo deve ser aparada interior e exteriormente. Esta operação é
indispensável quando se utilizem sistemas de corte que possam criar superfícies
irregulares, como é o caso de serras de arco ou manuais.

3. Calibração do tubo
Sempre que o sistema de corte seja distinto do corta-tubos e possa provocar deformação
do tubo, deve se efectuada uma calibração do mesmo.

4. Profundidade de Acoplamento
De modo a estar seguro da correcta profundidade de acoplamento do tubo dentro do
acessório, basta realizar uma marca prévia da cota no tubo ou assegurar que este é
introduzido até ao topo na boca de acoplamento do acessório.

8
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

5. Prensagem
Finalmente deve proceder-se à prensagem.

9
Soluções Técnicas para Canalizações, Lda.

Viton

Viton

10