Você está na página 1de 61

SOA

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br

W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R
Acesse nosso site em
WWW.DOMINANDOTI.COM.BR

Cursos Turmas em Brasília, na sua cidade, e cursos online


Livros Edições publicadas, lançamentos e promoções
Fórum Interação direta entre estudantes e com os professores

Simulados Questões inéditas, ranking de notas e correções em vídeo

Blog Dicas e macetes de estudo, indicações de bibliografia, etc.

Materiais Versões atualizadas de notas de aula e listas de exercícios

Curta o Dominando TI no
e receba nossas dicas sobre concursos!

W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R
Contextualização

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 3 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Introdução

 Estilo de arquitetura de software que define o uso de serviços


como elemento básico para dar suporte a requisitos de uma
aplicação.
 Provimento de serviços (unidade básica de SOA)
 Serviços são parte de funcionalidades autocontidas do negócio de uma
organização.

 “Trata-se de um paradigma para organização e utilização de


recursos distribuídos que estão sob o controle de diferentes
domínios proprietários”. (Oasis, 2006)

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 4 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Introdução

 Visa integrar sistemas existentes e futuros


 Estratégia que propõe a organização dos ativos de software
de forma que eles possam representar processos, atividades ou
tarefas de negócio de forma direta.
 Agrupa processos de negócios
 Necessário definir papéis, políticas e processos.
 Trata-os como serviços interoperáveis
 Serviços devem ser baseados em padrões e facilmente combinados e
reutilizados.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 5 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(Basa/2012/Cespe/Téc. Científico/Redes/108)

( ) Aplicações legadas que rodam em plataforma alta podem


ser expostas como serviço e integradas em aplicações
desenvolvidas para plataforma baixa, mediante uma abordagem
de arquitetura orientada a serviço (SOA).

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 6 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Características e termos chave

 Baixo acoplamento
 Componentes independentes que interagem por meio de interfaces bem definidas

 Neutralidade de implementação
 Linguagens de programação, plataforma de hardware ou qualquer outro elemento
tecnológico não são limitantes.

 Interoperabilidade
 Permite que sistemas coexistam e se comuniquem
 Agrega flexibilidade à arquitetura

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 7 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


SOA X Web Services

Web
SOA
Services

 Tecnologias para construção de serviços


 Web Services (SOAP-based Web Services)
 REST services
 componentes

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 8 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(MPOG/2013/Cespe/TI/105)

No que se refere ao SOA (service-oriented architeture), julgue os


itens a seguir.
( ) O SOA garante serviços fortemente acoplados, fracamente
coesos e com alta possibilidade de reutilização.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 9 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(MPOG/2013/Cespe/TI/106)

( ) De acordo com o SOA, um limite representa a fronteira


entre a interface pública de um serviço e sua realização
privada. Ultrapassar limites em SOA é barato e altamente
recomendado porque torna o serviço público e acessível a
outros sistemas.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 10 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(MPOG/2013/Cespe/TI/107)

( ) O SOA promove a integração entre o negócio e a tecnologia


da informação por meio de serviços, que são o principal
componente dessa arquitetura.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 11 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(MPOG/2013/Cespe/Téc. de Nível Superior V/71)

No que diz respeito à análise e ao projeto orientados a objetos,


julgue os itens que se seguem.
( ) A arquitetura orientada a serviço (SOA) é uma forma de
representar-se a tecnologia por meio de uma arquitetura que dá
suporte a serviços, composições e inventário de serviços, de
forma otimizada.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 12 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(ANAC/2012/Cespe/Analista Adm./80)

( ) Ao utilizar-se a arquitetura orientada a serviços (SOA),


segue-se um conceito de arquitetura corporativa, situação em
que os códigos são gerados para toda a empresa e são
reutilizados de maneira eficiente e por várias aplicações.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 13 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(ANTT/2013/Cespe/Analista Adm./106)

( ) A SOA pode ser definida como um tipo de arquitetura que


utiliza serviços como blocos de construção para facilitar a
integração em ambientes corporativos e a reutilização de
componentes por meio do baixo acoplamento.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 14 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Visão SOA

Processo de Negócio

Meta-Aplicações

Serviços

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 15 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Visão SOA – Exemplo

Fonte: http://linux.ime.usp.br/~cef/mac499-06/monografias/filipemadeira/monografia.pdf

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 16 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


ESB – Enterprise Service Bus

Meta-Aplicações

Front-End

Serviço Serviço Serviço

ESB (Enterprise Service Bus)

SOA

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 17 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


ESB – Enterprise Service Bus

 Trata-se de um middleware que estabelece uma camada


intermediária de processamento.
 Infraestrutura que permite alta interoperabilidade entre sistemas
distribuídos por meio do uso de serviços.
 Capaz de trabalhar com diversas possibilidades de processamento
de mensagens, diferentes plataformas de hardware, softwares e
protocolos.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 18 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


ESB – Responsabilidades

 Envolve as seguintes tarefas (mas não está limitado a elas):


 Prover conectividade
 Transformação de dados
 Roteamento
 Segurança
 Confiabilidade
 Gerenciamento de serviços
 Monitoramento e logging

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 19 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


ESB – Exemplos de produtos

 Apache ServiceMix
 Oracle Enterprise Service Bus
 Open ESB
 Mule ESB
 SAP Netweaver PO
 JBOSS/Glassfish
 WSO2 (open source)

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 20 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(Chesf/2012/Cesgranrio/Analista/35) (1/2)

O barramento de serviços corporativos (ESB) tem como responsabilidade


permitir que consumidores de um serviço consigam acessar os serviços
que são oferecidos pelos provedores. Essa responsabilidade envolve
diversas atividades e formalismos, além de várias características
específicas. Baseado nessas informações sobre o ESB e suas
peculiaridades, conclui-se que um ESB
a) se baseia em um modelo de linguagem única, sendo necessárias uma
versão para linguagens imperativas e outra para linguagens orientadas a
objeto.
b) consiste em um único protocolo de rede, sendo impossível a
comunicação com máquinas que estejam fora do escopo desse protocolo.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 21 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(Chesf/2012/Cesgranrio/Analista/35) (2/2)

c) requer implementação homogênea, sem a mistura de


tecnologias na parte de middleware e protocolos.
d) permite que o consumidor dos serviços desconheça o
endereço exato (endpoint) do provedor dos serviços.
e) não lida com conceitos de confiabilidade e segurança, sendo
responsável apenas pela conexão dos métodos/funções.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 22 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Camadas

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 23 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Vantagens

 Diminuição do número de redundâncias de funcionalidades


 Baixo acoplamento entre aplicações
 Alta interoperabilidade entre plataformas
 Alta reutilização das regras de negócio
 Redução de custos
 Resposta rápida a mudanças nos processos de negócio
 Agilidade nas mudanças
 Serviços são facilmente testados

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 24 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Projetos SOA – Estratégias de entrega

Top-down
- Estratégico
- “Analysis first”
- Longo prazo

Bottom-up
- Tático
- Aplicações baseadas em silos
- Curto prazo (requisitos
imediatos)

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 25 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Modelagem de Processos do Negócio (BPM)

 Modelagem de processos da organização é o conhecimento e


a análise dos processos e seu relacionamento com os dados,
estruturados em uma visão top down.
 A execução operacional do mapeamento de processos inicia-
se com a coleta de dados para o levantamento da situação atual
do processo (As Is), seguido pela otimização e modelagem do
estado desejado do processo (To Be).
 O primeiro passo em qualquer projeto SOA é entender um
processo de negócio existente e identificar suas falhas.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 26 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Modelagem de Processos do Negócio (BPM)

 BPMN: Linguagem de modelagem de processos. Possibilita


desenhar o fluxo do negócio representando o processo de
negócio.

 BPEL: Linguagem de execução de processos. Especificação


de como é realizada a orquestração das chamadas de serviços.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 27 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Visão de Processos das Organizações

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 28 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Visão de Processos das Organizações

Serviço

Aplicativo

Serviço
Web Services

Serviço Serviço
Barramento de Serviços

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 29 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(PETR/2011/Cesgranrio/Analista/37)

Passo importante em qualquer projeto de BPM é fazer a modelagem


“as-is”. PORQUE
Para garantir o sucesso do projeto dos novos métodos a implantar pelo
BPM, os procedimentos vigentes devem ser ignorados.

Analisando-se as afirmações acima, conclui-se que


a) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda justifica a primeira.
b) as duas afirmações são verdadeiras, e a segunda não justifica a
primeira.
c) a primeira afirmação é verdadeira, e a segunda é falsa.
d) a primeira afirmação é falsa, e a segunda é verdadeira.
e) as duas afirmações são falsas.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 30 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


BAM – Business Activity Monitoring

 Permite o armazenamento, análise e exibição de informações


estatísticas sobre a execução de processos de negócio.
 Processo de negócio deve ser mensurável
 Tomada de decisão em tempo real
 Fortemente dependente de ferramentas

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 31 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


SOA – Modelo Operacional Triangular

Executa
Usuário (Consolida e Requisita) Provedor
de serviços de serviço

Procura Registra

Registro
de serviços

 Paradigma “procura-consolida-executa” (find-bind-execute)

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 32 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(PETR/2011/Cesgranrio/Analista/Eng. de Soft./24)

Em uma arquitetura orientada a serviços (SOA), os componentes básicos


são:
a) provedor de serviço, consumidor de serviço e registro de serviço
b) provedor de serviço, executor de serviço e consumidor de serviço
c) descobridor de serviço, solicitador de serviço e biblioteca de serviços
d) descobridor de serviço, executor de serviço e solicitador de serviço
e) publicador de serviço, executor de serviço e registro de serviço

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 33 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(MEC/2011/CESPE/Analista de Sistemas/79 e 82)

( ) As transações são os blocos básicos sobre os quais as


aplicações embasadas em SOA são construídas.
( ) A arquitetura SOA utiliza um paradigma find-bind-execute
no qual os provedores cadastram seus serviços em um registro
público; os consumidores acessam o registro em busca de
serviços; e, se houver serviço disponível, o registro devolve ao
consumidor um contrato e um endereço para aquele serviço.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 34 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Arquitetura Orientada a Serviços

 SOA é uma arquitetura fracamente acoplada. Os serviços


disponibilizados podem ser reutilizados e aplicados em
diferentes áreas dentro e fora da organização sem ajustar a
tecnologia subjacente.
 Um serviço consiste da funcionalidade que precisa ser
especificada no contexto do negócio e em termos do contrato
entre o provedor e o consumidor. Os detalhes de
implementação devem ser omitidos.
 Em SOA os serviços são partes de um ou mais processos de
negócio distribuídos.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 35 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Arquitetura Orientada a Serviços

 SOA cria um novo paradigma de modelagem das


organizações cujo objetivo é criar módulos funcionais chamados
de serviços, com baixo acoplamento permitindo sua
reutilização.

 Além do reúso, a adoção de uma arquitetura orientada a


serviços facilita a adaptabilidade de sistemas, fazendo com que
se tornem dinâmicos na medida que serviços podem ser
substituídos em tempo de execução de maneira transparente.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 36 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TCU/2008/Cespe/AUFC/141 a 143) (1/3) - Adaptada

A figura acima apresenta elementos que participam de uma arquitetura de


serviços web. Considere uma situação em que os órgãos do Poder Legislativo
federal ofertem e componham serviços entre si por meio de áreas públicas de
seus respectivos sítios ou portais, por meio da adoção das tecnologias de serviços
web. Nesse caso, considerando a adoção de um registro de serviços unificado no
esquema genérico apresentado na figura acima, julgue os itens que se seguem,
de acordo com os conceitos de orientação a serviços, integração e
interoperabilidade.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 37 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TCU/2008/Cespe/AUFC/141 a 143) (2/3) - adaptada

( ) Uma ação para permitir a geração dinâmica de stubs por parte


dos consumidores de serviços é a publicação, no componente
service registry, de informações dos serviços ofertados pelos órgãos.
A linguagem WSDL é usada na descrição de serviços web.

( ) Para publicarem e descobrirem os serviços depositados no


registro, os consumidores e provedores de serviços de todos os
órgãos devem fazer invocações de mensagens ao service registry,
usando XML-RPC, baseado em envelopes SOAP empacotados em
pedidos e respostas HTTP.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 38 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TCU/2008/Cespe/AUFC/141 a 143) (3/3) - adaptada

( ) Considere uma situação em que a tecnologia e os padrões de


serviços apresentados na figura evoluam para uma arquitetura
orientada a serviços — service oriented architecture (SOA). Nessa
situação, é correto afirmar que: cada serviço ofertado por meio do
registro unificado poderá, a princípio, ser usado na composição e
automação de um ou mais processos de negócios realizados por
cada órgão; cada órgão do Poder Legislativo tenderá a tornar-se
consumidor e provedor de serviços, simultaneamente; os serviços
providos pelos órgãos tenderão a ser fracamente acoplados, com
pouca necessidade de manutenção.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 39 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(SEFAZ/2009/FCC/Agente fiscal de rendas/65) (1/2)

A Service-Oriented Architecture - SOA trata-se de


I. um conjunto de produtos para implementar aplicativos dinâmicos
e ágeis, do tipo loosely couple.
II. uma meta a ser alcançada, ou seja, disponibilizar uma
metodologia de implementação que usa padrões e protocolos de
linguagem específicos para execução de aplicativos.
III. soluções que não requerem uma renovação completa de
tecnologia e de processo de negócios, que devem ser incrementais
e baseadas nos investimentos atuais.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 40 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(SEFAZ/2009/FCC/Agente fiscal de rendas/65) (2/2)

IV. uma abordagem de design de sistemas que orientam como


os recursos de TI serão integrados e quais serviços serão
expostos para o uso.
Está correto o que consta APENAS em
a) I e II.
b) I e IV.
c) III e IV.
d) II e III.
e) II e IV.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 41 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(DPE-SP/2010/FCC/Agente /Prog./60) (1/3) - adaptada

Em relação à SOA (Service-oriented architecture), considere:


I. A SOA visa otimizar o compartilhamento e reutilização dos componentes
de TI através de uma estrutura em que a lógica do aplicativo pode ser
decomposta em pedaços ou serviços e serem reutilizados e aplicados em
diferentes áreas dentro e fora da empresa sem ajustar a tecnologia
subjacente.
II. Ao contrário das WebServices, na SOA, duas áreas diferentes, com
aplicativos e dados diferentes, e possivelmente sistemas operacionais ainda
mais diferentes podem compartilhar o serviço sem uma grande quantidade
de codificações customizadas para fazê-lo funcionar.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 42 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(DPE-SP/2010/FCC/Agente/Prog./60) (2/3)

III. Uma empresa pode construir sistemas de TI flexíveis com serviços


fortemente acoplados que podem ser compartilhados, modificados e
permutados sem enfrentar dificuldades com a customização de
tecnologias subjacentes, mesmo, levando em conta a existência de grande
quantidade de linhas de códigos da linguagem WSDL.
IV. Um serviço pode ser definido como uma função independente que
aceita uma ou mais requisições e devolve uma ou mais respostas através
de uma interface padronizada e bem definida. Serviços podem também
realizar partes discretas de um processo tal como editar ou processar uma
transação e não devem depender do estado de outras funções ou
processos.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 43 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(DPE-SP/2010/FCC/Agente/Prog./60) (3/3)

É correto o que se afirma APENAS em


a) II, III e IV.
b) II e III.
c) I e III.
d) I, II e III.
e) I e IV.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 44 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(MEC/2011/Cespe/Gerente de Projetos/108)

( ) A arquitetura SOA, orientada para a criação de componentes


fracamente acoplados, é muito utilizada para componentes que
não tenham interface bem definida ou cujos detalhes de
implementação não sejam claros.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 45 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Modelos de Serviços (1/2)

 Entidade
 Agnósticos e com alto potencial de reúso
 Tipo menos influenciado por outros
 Associados a um contexto funcional (ex. incluirUsuario)
 Utilitário
 Alto potencial de reúso e capacidade de composição
 Difíceis de serem projetados
 Não dependem de conhecimento de negócio (ex. converterMoeda)
 Tarefa
 Responsável por compor outros serviços
 Requer baixo esforço e não são criados pensando em reúso.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 46 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Modelos de Serviços (1/2)

Serviços de
tarefa

Serviços de
entidade

Serviços
utilitários

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 47 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TCU/2010/Cespe/Auditor/117,118 e 120) (1/2)

Com referência ao processo de negócio apresentado no fluxograma


acima, que deverá ser automatizado usando uma abordagem de
orientação por serviços, e aos princípios de orientação a serviços e das
boas práticas de adoção de arquitetura orientada a serviços (SOA),
julgue os itens que se seguem.
( ) Após definidos os serviços que automatizam as tarefas, esses
serviços podem ser orquestrados para prover a automatização do
processo como um todo. Essa abordagem está ligada à característica
de que SOA deve ser direcionada pelo negócio.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 48 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TCU/2010/Cespe/Auditor/117,118 e 120) (2/2)

( ) Serviços de entidade e utilitários, com maior potencial de


reuso, não podem ser identificados a partir da análise orientada a
serviços do processo de negócio.
( ) O referido processo de negócio é sequencial. Esse processo
poderá ser otimizado por meio da análise e do projeto orientados a
serviços, que poderá transformá-lo em um processo que emprega
atividades executadas em paralelo, promovendo maior agilidade
organizacional, outra característica intrínseca de SOA.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 49 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Tópicos relevantes para questões
discursivas

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br

W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R
Objetivos Estratégicos de SOA

1. Aumentar a Interoperabilidade
2. Aumentar a Federação
3. Maior alinhamento entre TI e Negócio
4. Aumento do número de opções de fornecedores
5. Aumento do ROI
6. Aumento da Agilidade Organizacional
7. Reduzir o “peso” da TI

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 51 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Características fundamentais de SOA

1. business-driven
2. vendor-neutral
3. enterprise-centric
4. composition-centric

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 52 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Os 8 princípios de design da orientação a serviços

1. Contrato de serviço padronizado


2. Fraco acoplamento dos serviços
3. Abstração
4. Reusabilidade
5. Autonomia
6. Statelessness
7. Discoverability
8. Composability

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 53 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TRT-8/2013/Cespe/An. Judiciário/14) (1/2)

Com relação à arquitetura orientada a serviço (SOA), que visa


aumentar a eficiência, a agilidade e a produtividade de uma
empresa, por meio de serviços de posicionamento, assinale a
opção correta.
A) Um serviço deve ser interoperável, ou seja, deve ter
capacidade de interagir em sistemas heterogêneos, o que
dispensa a reusabilidade do serviço.
B) A composabilidade de serviço, ou seja, sua capacidade de se
compor com outros serviços para a elaboração de um novo
serviço, apoia-se no princípio de que, na arquitetura SOA, os
serviços são não agnósticos.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 54 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(TRT-8/2013/Cespe/An. Judiciário/14) (2/2)

C) A descrição do serviço é obrigatória e deve ser preenchida no


cabeçalho do serviço. Por questão de segurança, essa
descrição deverá omitir a semântica do serviço, devendo ater-
se à interface, aos protocolos e ao endereço para acesso.
D) Serviço é um recurso abstrato que representa a capacidade
de execução de tarefas, funcionalidade coerente a partir do
ponto de vista do provedor do serviço e de seu solicitante.
E) Granularidade do serviço é a fronteira abstrata que define os
tipos e níveis de detalhes das mensagens, bem como os
padrões de troca de mensagens entre envolvidos na interação
com o serviço.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 55 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


(SUFRAMA/2014/Cespe/Analista/88 e 89)

Com relação à arquitetura orientada a serviços (SOA), julgue os


itens subsecutivos.
( ) O desenvolvimento de aplicações em ambientes
corporativos que utilizam SOA permite alto acoplamento e
grande redundância de funcionalidades.
( ) Entre os princípios básicos da SOA estão os serviços que
abstraem a lógica, que compartilham um contrato formal, que
evitam alocação de recursos por longos períodos e que são
autônomos e reutilizáveis.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 56 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


SOA – Mitos e Fatos

 Mito: SOA é uma tecnologia.

 Fato: SOA é uma filosofia de projeto independente de


qualquer fornecedor, produto, tecnologia ou tendência da
indústria. Nenhum fornecedor irá oferecer um "pacote SOA"
porque as necessidades variam de uma organização para outra.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 57 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


SOA – Mitos e Fatos

 Mito: SOA é novo e revolucionário.


 Fato: CORBA foi um exemplo conceitual de SOA.

 Mito: SOA garante o alinhamento entre TI e negócios.


 Fato: Assim como o uso de uma linguagem OO não garante
um código de fácil manutenção, o uso de SOA apenas cria
oportunidade de alinhamento entre TI e negócio.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 58 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


SOA – Mitos e Fatos

 Mito: SOA requer uso de Web Services.


 Fato: SOA *pode* ser implementado por meio de Web
Services mas Web Services não são necessariamente
requeridos para implementar SOA.

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 59 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Bibliografia

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 60 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R


Gabarito

(BASA/2012/Cespe/Téc. Científico/Redes/108) certo


(MPOG/2013/Cespe/TI/105) errado
(MPOG/2013/Cespe/TI/106) errado
(MPOG/2013/Cespe/TI/107) certo
(MPOG/2013/Cespe/Téc. de Nível Superior V/71) certo
(ANAC/2012/Cespe/Analista Adm./80) certo
(ANTT/2013/Cespe/Analista Adim./106) certo
(Chesf/2012/Cesgranrio/Analista/35) d
(PETR/2012/Cesgranrio/Analista/Negócio/40) a
(PETR/2011/Cesgranrio/Analista/37) c
(PETR/2011/Cesgranrio/Analista/Eng. de Software/24) a
(MEC/2011/CESPE/Analista de Sistemas/79 e 82) ec
(TCU/2008/Cespe/An. de controle externo/141 a 143) cec
(Sefaz/2009/FCC/Agente fiscal de rendas/65) c
(DPE-SP/2010/FCC/Agente de defensoria/Programador/60) e
(MEC/2011/Cespe/Gerente de Projetos/108) e
(TCU/2010/Cespe/Auditor/117,118 e 120) cee
(TRT-8/2013/Cespe/An. Judiciário/14) d
(SUFRAMA/2014/Cespe/Analista/88 e 89) errado, certo

Professor Marcelo Pacote – marcelopacote@dominandoti.com.br 61 W W W. D O M I N A N D OT I .CO M . B R