Você está na página 1de 7

TEORIA DA OFERTA

Oferta é a quantidade de determinado bem ou serviço que os produtores desejam vender em um


certo período de tempo.
A oferta representa os planos dos produtores ou vendedores, em função dos preços de mercado,
visto que a derivação da curva da oferta assinala as alterações nas quantidades de bens e serviços
que os produtores desejarão vender a partir de um determinado preço de venda. Da mesma forma
que para um vendedor individual, a oferta agregada tem uma relação directa com o preço. Isto é,
a tendência é de que haja maiores quantidades ofertadas de produtos quanto maiores forem os
preços de venda. Por outro lado a oferta tende a ser menor se os preços de venda forem também
baixos. Em suma, a oferta representa a quantidade de bens e serviços que os produtores desejam
vender no mercado, aos vários preços vigentes, os factores que influenciam a oferta de um bem
são: os objectivos das pessoas físicas e ou jurídicas; o nível de avanço tecnológico; preços de
outros bens; preços de insumos utilizados na produção e para finalizar o preço do bem em
questão. As transacções requerem tanto compradores como vendedores. Assim, a demanda é
apenas um aspecto das decisões sobre os preços e as quantidades de bens transaccionados; a
oferta é o outro lado. Uma condição crítica é que os produtores devem esperar ganhar pela venda
de seus produtos ou se recusarão a incorrer em custos de produção. Torna-se crucial investigar
algumas influências sobre as decisões das empresas de produzir e vender.

A Lei Geral da Oferta

As decisões dos produtores sobre as quantidades a serem vendidas geram a lei da oferta.

A lei da oferta: Todo o resto mantido constante, maiores preços induzirão maior produção,
levando os produtores a oferecer mais do produto durante um dado período, e vice-versa.

A lei da oferta ocorre, em parte, porque maiores preços geram incentivos para expandir a
produção. E, mais importante, as tentativas de expandir a produção submetem-se à lei dos
rendimentos decrescentes; custos crescentes ocorrem quando os rendimentos diminuem, pois
quanto mais dispendiosas forem as "doses" de recursos aplicadas, mais a produção poderá
crescer, embora proporcionalmente menos. Quando isso acontece, maiores preços são
necessários para induzirem produtores a produzir e vender seus bens.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 1


Influências Sobre A Oferta

Assim como vários tipos de faCtores influenciam a demanda, a oferta de mercado de um bem
depende de diversas outras influências, além de seu próprio preço. Uma curva de oferta reflete a
relação positiva entre o preço e a quantidade produzida de um bem em determinado período,
mantendo constante: (a) a tecnologia; (b) os custos dos recursos; (c) os preços dos outros bens
produzidos; (d) as expectativas; (e) o número de vendedores no mercado; e (f) os impostos,
subsídios e regulamentações governamentais. A curva de oferta desloca-se quando há mudanças
em quaisquer dessas influências, que operam essencialmente alterando os custos de oportunidade
de produzir e vender.

Tecnologia, o estado actual do conhecimento tecnológico afecta directamente os custos da


produção e por decorrência, o volume produzido. Portanto, avanços tecnológicos que permitam
obter maior produtividade, estimulam o lucro e influenciam positivamente a oferta.

Os custos dos recursos, o preço dos factores de produção (nível salarial, matéria-prima, juros),
podem alterar a decisão de produzir, é de se esperar que a oferta do produto aumente caso seus
custos de produção diminuam.
Preço

Quantidade

Fig. 2. Gráfico da Oferta

A curva de oferta individual mostra a relação entre o preço de um bem e a quantidade ofertada
por todos os produtores juntos, ceteris paribus.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 2


A curva de oferta mostra como a quantidade oferecida aumenta junto com o preço, reflectindo o
comportamento dos produtores. Resulta do princípio, que afirma que, os preços mais altos
constituem um estímulo ao incremento das quantidades que os produtores estarão dispostos a
oferecer no mercado.
As empresas vendem bens aos consumidores (oferta). A oferta mostra a relação entre o preço e a
quantidade do bem oferecido pela empresa, ceteris paribus.
Quanto maior o preço de um bem, maior a quantidade ofertada, ceteris paribus. Da mesma
forma, quanto menor o preço, menor a quantidade ofertada. A oferta de um bem depende de um
conjunto de variáveis, são elas:
• Preço do bem;
• Custo dos insumos;
• Tecnologia disponível;
• Produtos concorrentes;
• Expectativa do produtor sobre os preços futuros;
• Impostos ou subsídios.

Equilíbrio do mercado

As forças opostas da demanda e da oferta tendem a cruzar-se em determinado ponto: preço e


quantidade de equilíbrio. O ponto emerge naturalmente ou artificialmente, dependendo do
mercado competitivo.

Mercado é o ambiente em que compradores (demanda) e vendedores (oferta) realizam


transacções.

Preço de equilíbrio: um preço ao qual a quantidade demandada é exactamente igual a quantidade


ofertada. Não há pressão sobre os preços.

Quantidade de equilíbrio: a quantidade correspondente ao preço de equilíbrio. O ponto em que


há o cruzamento do desejo de vender com o desejo de comprar, portanto, não há qualquer
pressão de alta ou de baixa no preço do produto, ceteris paribus.

Em um gráfico do ponto de Equilíbrio, a escala de demanda demonstra a quantidade que os


consumidores desejam adquirir a cada preço, e a escala de oferta indica a quantidade que os
produtores ou vendedores estão dispostos a ofertar no mercado dados os preços.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 3


Fig. 3. Gráfico do Equilíbrio do mercado

EXCEÇÕES À LEI GERAL DA DEMANDA: Bens de Giffen: bens de pequeno valor e


essenciais, consumidos pela classe de baixa renda. Havendo uma elevação em seus preços, seu
consumo tende a aumentar, devido a serem ainda mais baratos que os demais bens, e como sobra
ao consumidor menos renda, ele não poderá adquirir outros bens (mais caros) ele passa a
consumir maiores quantidades do bem de Giffen. Ex.: pão, ovos. Bens de Veblen: bens de
consumo ostentatório, o objetivo do consumidor (de alta renda) é o status do produto, quanto
mais caros mais procurados.

SUSTENTAÇÃO DA LEI GERAL DA DEMANDA: Efeito-renda: quando o preço do bem


aumento, o consumidor fica mais pobre, irá reduzir o consumo do bem. Efeito-substituição:
quando o preço do bem aumenta, o consumidor irá substituir o bem por outro similar ou
sucedâneo.

O Equilíbrio de Mercado ocorre quando a quantidade demandada de um bem é igual a


quantidade ofertada. Nesse caso não existe pressão para mudança de preço.

Excesso de demanda: o preço do bem está abaixo do preço de equilíbrio, ou seja os


consumidores estão dispostos a consumir mais do que é ofertado pelas empresas. Essa situação
fará o preço subir.

Excesso de oferta: o preço do bem está acima do preço de equilíbrio, ou seja, a quantidade
ofertada do bem é maior do que os consumidores desejam consumir desse bem.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 4


Excesso de oferta

Preço

Excesso de
procura ou
Escassez

Quantidade
Fig. 4. Excesso de oferta e Excassez

O preço de equilíbrio
Ao colocar-se consumidores e produtores com suas respectivas curvas de demanda e oferta em
um mercado, pode-se analisar a interacção entre eles. A curva de demanda e oferta isoladamente,
não podem determinar até onde podem chegar os preços ou medir a compatibilidade entre
produtores e consumidores. Assim, deve-se analisar conjuntamente as duas curvas procurando
para cada preço a compatibilidade entre quantidade ofertada e demandada. Então, só no ponto de
intersecção das curvas de demanda e oferta é que coincidem os planos dos demandantes e
ofertantes e somente a um preço. Este é chamado preço de equilíbrio, e a quantidade demandada
e ofertada denomina-se quantidade de equilíbrio. O preço de equilíbrio é aquele em que
coincidem os planos dos demandantes ou consumidores e dos ofertantes ou produtores.
A alteração do equilíbrio ocorre quando há um deslocamento da curva de demanda ou
de oferta.

Os deslocamentos da curva de demanda


A curva de demanda mostra que a quantidade demandada de um bem muda em resposta ao
preço, e apenas em relação ao preço.
Quando uma curva de demanda é desenhada, as rendas e todos os outros factores (com excepção
do preço) que podem afectar a quantidade demandada tem de ser mantidos constantes, ceteris
paribus.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 5


Variáveis responsáveis pelo deslocamento da demanda

1. A renda: um aumento de renda leva a um aumento de consumo (demanda) de um bem,


deslocando a curva de demanda para a direita. De maneira semelhante, um queda na renda
deslocará a curva de demanda para a esquerda.

Quando o aumento de renda faz com que o consumidor reduza o consumo de feijão e batata e
aumente o consumo de carne (bem de valor mais elevado), o deslocamento da curva de demanda
por batatas é para a esquerda, então este bem é inferior.

“Bem inferior é aquele cuja quantidade demandada diminui quando aumenta a renda.”

“Bem normal é aquele cuja quantidade demandada aumenta quando aumenta a renda.”

“Bem de primeira necessidade é aquele que ao aumentar a renda, a quantidade demandada do


bem aumenta em menor proporção. Ex.: leite

“Bem de luxo é aquele que ao aumentar a renda, a quantidade demandada do bem aumenta em
maior proporção. Ex.: Cd’s; automóveis esportivos.

2. Os preços dos bens relacionados: um aumento no preço de um bem pode causar um


deslocamento na curva de demanda por outro bem.

Ex. 1: O preço da gasolina sobe, os consumidores tem vontade de possuir menos carros. A curva
de demanda por carros se deslocará para a esquerda a cada aumento da gasolina Os bens
utilizados em combinação, de maneira que um aumento no preço de um delesleva a queda na
demanda do outro se chama bens complementares.

Ex. 2: maçãs e bananas são substitutos. Com uma elevação no preço das bananas, os
consumidores seriam incentivados a substituí-las por maças. Um aumento no preço das bananas
provoca um aumento na demanda por maças. Esta relação mostra a presença de bens
substitutos.

Outros exemplos: chá e café; manteiga e margarina; carne e galinha; óleo de soja e de milho, etc.
Os bens são substitutos se o aumento do preço de um deles eleva a quantidade demandada do
outro, qualquer que seja o preço. Ex.: carne bovina e suína; chá e café.

Os bens são complementares se o aumento do preço de um deles reduz a quantidade


demandada do outro.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 6


2. Gostos: o tempo é responsável pela mudança de gostos. Os gostos e a demanda são bens
voláteis para alguns produtos especialmente para as “manias”, “a moda”.

Os deslocamentos da curva de oferta


O mercado representa uma interacção entre consumidores e produtores, onde os vendedores
respondem à vontade dos consumidores. A finalidade da curva de oferta é mostrar de que
maneira a quantidade ofertada muda em resposta ao preço, e apenas em resposta ao preço. Aqui
novamente aparece a hipótese ceteris paribus.

Variáveis responsáveis pelo deslocamento da oferta

1. O custo de insumos: quando o preço de fertilizantes sobe, os agricultores estarão menos


dispostos a produzir milho ao mesmo preço. A curva de oferta se deslocará à esquerda.

2. A tecnologia: Com uma melhoria importante na tecnologia, o custo de produção diminuirá.


Com um custo menor por unidade, os produtores estarão dispostos a produzir mais, a qualquer
preço. A curva de oferta se deslocará para a direita.

3. Condições climáticas: este factor é especialmente importante para a produção agrícola.

4. Os preços dos bens relacionados: da mesma maneira que os bens podem ser substitutos ou
complementares, no consumo, também podem ser na produção.

Ex. 1: o milho e a soja, são substitutos na produção. Um aumento no preço do milho, os


agricultores reduzirão o plantio de soja e aumentarão o de milho.

Ex. 2: Carne e couro são complementares, ou produtos conjuntos. Quando o abate de gado
aumenta em resposta a uma demanda maior de carne, a produção de couro aumenta.

Prof. Malaquias Manhiça, Msc Página 7