Você está na página 1de 2

Aluno: Gevan Oliveira da Silva

Matrícula: 01296774
Turma: Psicologia – 4º semestre - manhã
Disciplina: Desenvolvimento Humano: Adolescência, Adultez e Velhice
Professora: Ticiana Santiago de Sá
Resenha do documentário Alive Inside

Alive inside é daqueles documentários que você assiste e inevitavelmente se


comove. Seja pelas vidas humanas retratadas em momentos frágeis e quase finais de sua
existência, ou pelas reações espontâneas de alegria de personagens que estavam
esquecidos, muitas vezes tidos como mortos vivos e, de repente, ganham vida ao som
do passado. Dirigido por Michael Rossato-Bennett, vencedor do festival de Sundance, o
documentário Alive Inside apresenta a experiência do assistente social Dan Cohen em
casas de repouso nos EUA, em recuperar a memória de pessoas com Alzheimer, e
outras doenças mentais através da música.
A película começa com uma senhora de 90 anos que diz para o entrevistador não
se lembrar de mais nada do passado. Contudo, ao ouvir em um ipod uma canção de
Louis Armstrong, que fez parte de suas preferências musicais (o experimento exige que
as canções tenham representado algo para o analisando), passa a recordar e contar em
detalhes momentos de sua vida, como o tempo da escola, quando sua mãe não permitia
ouvir aquelas músicas e ela fugia à noite, trazendo fotos de bailes no retorno para casa.
Foram tantas as recordações em sequencia que no final da entrevista ela diz com um
sorriso largo: “eu não pensava que poderia falar tanto”
Na sequencia, o senhor Henry, no auge de seus 94, é apresentado inerte, com
olhar triste e cabisbaixo, em uma sala repleta de outras pessoas idosas. Quase em estado
vegetativo, seus cuidadores ressaltam que ele pouco responde estímulos externos, o que
inclui a presença de familiares. Contudo, a magica novamente acontece e as lágrimas
correm em seu rosto ao mesmo tempo em que seus braços dançam num ritmo frenético
ao som de seus cantores favoritos. Se não estivesse preso ao corpo frágil e debilitado
por doenças degenerativas, certamente Henry teria mostrado para as câmeras a
performance que outrora exibia, quando cantava e dançava com desenvoltura no auge
de sua juventude. Nesse instante já é possível perceber que as lembranças musicais
são fortalezas que se negam a ser destruídas, mesmo quando o corpo não responde mais,
e estão lá para nos fazer reviver a vida em sua plenitude. Basta para isso revisitá-las e
deixá-las fazer seu trabalho de nos emocionar.
Alive Inside desperta as mais variadas associações. Para quem está interessado
na questão científica, é possível afirmar que essas lembranças estão guardadas na
memória e, ao trazê-las de volta, as conexões neuronais fazem seu trabalho por meio da
ciência presente em neutransmissores que inundam a corrente sanguínea com doses
saudáveis de dopamina, o hormônio do amor, prazer e bem-estar. Os psicanalistas vão
se lembrar do Princípio de Prazer, lei que rege o aparelho psíquico proposto por Freud,
e pelo qual todo ser humano busca incansavelmente satisfazê-lo.
O vídeo nos faz lembrar também do modelo adaptativo composto de estratégias
de seleção, otimização e compensação (SOC), proposto pelo psicólogo Paul Baltes.
Com foco na plasticidade comportamental, o autor explica que essas estratégias são
utilizadas com o objetivo de manejar satisfatoriamente mudanças biológicas,
psicológicas e sociais visando a minimização das perdas de determinadas capacidades
durante a velhice. O autor acredita a teoria SOC é capaz de proporcionar o aumento dos
ganhos e diminuir as perdas ao longo da vida através do manejo das mudanças
biológicas, psicológicas e sociais que possam surgir. Certamente, a terapia por meio da
música, que ativa a memória neuronal e possibilita alterações psíquicas e motoras,
proposta por Dan Cohen, se encaixa nas ideias de Baltes sobre as possibilidades de uma
velhice em contínuo desenvolvimento.
Segundo Erikson os idosos pertencem ao último estágio do ciclo de vida (60
anos até a morte), conhecido como Integridade versus Desespero. A integridade ocorre
quando há aceitação da própria vida, como algo que tinha que ser e não permitia
alternativas. O desespero se apresenta quando a busca pela integridade fracassa e traz a
sensação de que o tempo não é mais suficiente para experimentar novos caminhos a fim
de alcançar a integridade. Dessa forma, o indivíduo se torna aborrecido com o mundo
externo e as outras pessoas e instituições. Esse parece ser o caso de uma outra
personagem da produção, a Denise.
A senhora , que aparenta uns 65 anos, tem diagnóstico de bipolaridade e
esquizofrenia e se mostra bastante agressiva no vídeo. Ao ser apresentada ao
equipamento de som, ela grita para a câmera, apoiada em seu andador: "O que é um
iPod? Eu não sei nada sobre eletrônicos". Pacientemente, Dan oferece o equipamento e
após se acalmar e sentir a melodia ela larga o andador (que a acompanha há dois anos) e
começa a cantar e dançar ao lado do seu mais novo amigo. Fosse em uma igreja, diriam
que era um milagre.
O neurologista Oliver Sacks, ouvido no documentário, explica que a música e
emoção são formações inseparáveis que, ao serem estimuladas, ativam memórias e
sensações relacionadas àquele som. Além disso, as zonas cerebrais envolvidas em
lembrar e dar respostas à música (como o movimento) são as últimas a serem afetadas
em demências como o Alzheimer. Isso ocorre, segundo Sacks, porque ao entrar no
cérebro a música ativa mais porções do cérebro do que outros estímulos. Ou seja, as
melodias alcançam as partes auditivas, visuais e emocionais ao mesmo tempo.
A produção prossegue com vários outros casos de pessoas debilitadas que são
impactadas positivamente somente pela música. Médicos entrevistados explicam, e ao
mesmo tempo denunciam, o fato de que os benefícios obtidos com um simples aparelho
de som portátil são muito maiores do que os remédios tem aferido ao longo dos anos.
Muitas vezes são administrados psicóticos que custam milhares de dólares com pouco
ou nenhuma efeito positivo (a não ser colocar os pacientes para dormir), enquanto o
som de uma melodia faz com que pacientes que não tinham quase nenhuma reação
positiva passe a reagir de maneira surpreendente.
Essa questão nos faz indagar o quanto a sociedade americana, e mundial, claro, é
dependente dos fármacos. Isso certamente ocorre porque não é de interesse da indústria
de remédios que problemas tão recorrentes na sociedade como o mal de Alzheimer,
Parkinson, ou qualquer outro tipo de doença degenerativa seja resolvida, ou mesmo
mitigada, por simples terapias. Isso fica claro também quando os idealizadores mostram
que apesar do sucesso do experimento, foi difícil conseguir patrocínio para a compra de
equipamentos e ampliação das atividades. Somente com a ajuda das redes sociais e
voluntários é que a ideia começou a capilarizar por meio das doações.
No final da apresentação, a sensação que temos é que é possível levar mais vida
e dignidade às pessoas idosas, debilitadas (ou não), por meio da música. E claro, a
alegria trazida pelas melodias são para todas as pessoas. Portanto, além de gentilezas,
vamos levar mais música, por favor.