Você está na página 1de 8

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS – UNIPAC

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ESTUDOS SOCIAIS DE GOVERNADOR


VALADARES
CURSO DE PEDAGOGIA

CLEONICE CÂNDIDO RODRIGUES DE OLIVEIRA

A ADOLESCÊNCIA: RESUMO

GOVERNADOR VALADARES
NOVEMBRO – 2010
CLEONICE CÂNDIDO RODRIGUES DE OLIVEIRA

RESUMO: A ADOLESCÊNCIA

Trabalho apresentado à disciplina Psicologia


da Educação I do curso de Pedagogia da
Faculdade de Educação e Estudos Sociais da
Universidade Antônio Carlos – UNIPAC.

Orientador: Carla Azevedo Bretas

GOVERNADOR VALADARES
NOVEMBRO – 2010
INTRODUÇÃO
O texto tem o intuito de auxiliá-los na compreensão e detecção de pontos importantes
da obra de Calligaris. Toda fase de transição é complicada, mas, quando nos referimos à
passagem da infância para a vida adulta, temos um acontecimento singular. Essa época
peculiar na vida de todo ser humano na nossa cultura, denominada adolescência, além de
ser complicada é conturbada e incompreendida a tal ponto que a grande maioria das
pessoas preocupa-se apenas com o seu fim (quando, afinal, isso vai passar?!?!) e não com
o seu funcionamento. Citando Contardo Calligaris: “Não. Não é apenas uma fase. Por
isso, nada garante que passe.”
1. ELEMENTOS DE DEFINIÇÃO
1.1- A ADOLESCÊNCIA COMO MORATÓRIA
É uma etapa de nossa vida cheia de mudanças e informações. A criança é retirada do
seu mundo de carinho, segurança e aconchego e jogada em outro, onde impera a incerteza, a
cobrança e o medo. Um fator que aumenta a insegurança sentida por esse adolescente é a
perda do amor infantil que lhe era concedido sem ganhar nada em troca. “Por conseqüência,
ele não é mais nada, nem criança amada, nem adulto reconhecido.“ O adolescente já
compreende os valores fundamentais da sociedade em que vive e possui o corpo preparado
para exercer as funções que os adultos esperam que ele faça (trabalho, poder, sexo), porém ele
é impedido de cumprir tais tarefas devido a uma suposta “falta de maturidade” que lhe é
atribuída por esses mesmos adultos. A sociedade impõe uma moratória ao adolescente: deve-
se esperar até o, mágico, momento certo para, então, executar as tarefas que o habilite como
membro do grupo adulto.

1.2 – A ADOLESCÊNCIA COMO REAÇÃO E REBELDIA


Nada mais natural que o sentimento de rebeldia da parte de quem vive nessas
condições. Não poder fazer coisas que todos esperam que você faça simplesmente porque não
é chegada a “hora”. Esse sentimento de confusão aumenta ainda mais quando o adolescente
percebe que não sabe nem quando, nem como sairá da adolescência. Na busca pelo caminho
de ser reconhecido como adulto, o adolescente se vê obrigado a entrar num jogo de
interpretações onde sua função é descobrir qual a maneira de obter esse reconhecimento.
1.3 – A ADOLESCÊNCIA IDEALIZADA
“O adolescente vive em um paradoxo: ele é frustrado pela moratória imposta, e, ao
mesmo tempo, a idealização social da adolescência lhe ordena que seja feliz.” (Calligaris,
2000, p. 18) A adolescência é idealizada como uma fase feliz, mas como é possível ser feliz
se é ele é privado de autonomia, se ele é afastado da realização plena dos valores cruciais de
nossa cultura.

1.4 – DURAÇÃO DA ADOLESCÊNCIA


O começo da adolescência é facilmente observado por causa das transformações
fisiológicas produzidas pela puberdade. Pois a puberdade é a marca que permite calcular o
começo da adolescência. Mas a questão do final da adolescência fica em aberto, pois não se
sabe quais provas seriam necessárias para que um adolescente merecesse se tornar um adulto.
2. O QUE ELES ESPERAM DE MIM?
2.1 – INSEGURANÇA
A criança é retirada do seu mundo de carinho, segurança e aconchego e jogada em
outro, onde impera a incerteza, a cobrança e o medo. Um fator que aumenta a insegurança
sentida por esse adolescente é a perda do amor infantil que lhe era concedido sem ganhar nada
em troca. “Por conseqüência, ele não é mais nada, nem criança amada, nem adulto
reconhecido.

2.2 – INTERPRETAR OS ADULTOS


Transgredir as regras ao mesmo tempo em que se deve nutrir uma boa dose de
conformismo necessária para a vida cotidiana. Isso não é fácil de assimilar e na cabeça do
adolescente esse conformismo passa a ser entendido como covardia dos adultos que não
assumem seus desejos, não expressa suas vontades. A partir do momento que os adultos
tentam exercer sua “autoridade moral” sobre os adolescentes, esses imediatamente ligam a
ideia de “autoridade moral” a covardia, resultando na imagem de um repressor hipócrita (e
nas escolas vemos muito isso).

3. COMO CONSEGUIR QUE ME RECONHEÇAM E ADMITAM COMO ADULTO


3.1 – O ADOLESCENTE GREGÁRIO
As “táticas” adotadas pelos adolescentes para fazer parte do mundo adulto são as mais
diversas: formação de grupos entre jovens, donos de suas próprias regras e organização
(adolescente gregário); roubar, agredir, violentar e, até mesmo, prostituir-se para mostrar aos
adultos seus próprios meios de satisfazer seus desejos (e dos próprios adultos), não
importando se são aceitáveis ou não (roubando para enriquecer, conquistando poder através
da força, vendendo o sexo)

3.2 – O ADOLESCENTE DELINQÜENTE


O adolescente tem dois caminhos possíveis e compatíveis em busca do reconhecimento dos
adultos: fazer grupo e com o grupo fazer besteiras. Os adolescentes transgridem e os adultos
corrigem, sendo assim eles procuram maneiras violentas de impor seu reconhecimento.
3.3 - O ADOLESCENTE TOXICÔMANO
O adolescente delinqüente usa dos mais diversos tipos de drogas a fim de obter satisfação
instantânea, fácil. E esse é o medo dos adultos pois eles veem nas drogas a porta de saída da
moratória dos adolescentes.

3.4 – O ADOLESCENTE QUE SE ENFEIA


ostentar uma estética diferente, negando a desejabilidade de seu corpo, diferindo dos padrões
de beleza vigentes, produzindo coesão do grupo e desafiando os adultos.

3.5 – O ADOLESCENTE BARULHENTO


Os adultos criticam os adolescentes pela sua forma diferenciada de viver, sua idolatria
pelos ídolos e pelo desejo de sempre estar se vestindo marcas famosas, parecendo ate
publicitário ambulante. Isto é uma ironia, pois a idolatria e a imitação são formas básicas da
socialização moderna, tanto para os adolescentes quanto para os adultos. Nesta tentativa de
desafiar os adultos, a cultura sempre encontra um jeito de tornar seu comportamento aceito,
então eles descobrem que sua rebeldia não para de alimentar os ideais sociais dos adultos.

4. - A ADOLESCÊNCIA COMO IDEAL CULTURAL

Podemos observar que esta adolescência é um ideal dos adultos e por isso se torna um
argumento promocional. Se a adolescência não existisse, os adultos modernos a inventariam
porque ela é necessária ao bom desempenho psíquico deles.

4. 1 – DA INVENÇÃO DA INFÂNCIA À ÉPOCA DA ADOLESCÊNCIA

A própria infância é uma invenção moderna mas ao contrario dos adolescentes nós a
veneramos incondicionalmente. A infância preenche a função cultural essencial de tornar a
modernidade suportável. Quando a infância se afasta de um simples consolo estético e
começa a preparação para o futuro, vai forçando assim a invenção da adolescência.

4.2- A ÉPOCA DA ADOLESCÊNCIA.

A infância é um ideal comparativo com a adolescência que hoje se torna o lugar da


infância no ideário ocidental a coisa muda. O adolescente não é só um ideal comparativo
como as criancinhas ele é um ideal possivelmente indentificatório. Os adultos podem querer
ser adolescentes também os adolescentes dos anos 60 procuram não só parecer adultos, mas se
aventurar em qualidades de experiências adultas.Os adolescentes podem reconhecimento e
encontram no âmago dos adultos um espelho para se contemplar. Moral da historia: o dever
dos jovens é envelhecer. Suma sabedoria, mas o que acontece quando a aspiração dos adultos
é manifestamente a de rejuvenescer.
Referencia Bibliográfica

CALLIGARIS, Contardo. A Adolescência. São Paulo: Publifolha, 2000. – (Folha explica).