Você está na página 1de 29

Luto

“O amor que vivemos nunca vai


morrer. Amor não morre. Amor se
transforma”.
(Pe Leo)
Elaboração e Confecção

Clarissa D. R. de Matos
Lilian F. do Nascimento
Márcia Bartz Machado
Silvana A. de L. Leite

@CAFECOMAMORTE

Teresina - PI
2020
Luto

-O QUÊ É?
- QUAIS AS REAÇÕES
DE UM ENLUTADO?
- QUANDO PROCURAR
AJUDA?
“Dar adeus é um
exercício que pede
memória, coração e
compreensão de
quanto somos
incertos nas nossas
certezas”.
(Gouvêa)
O LUTO É...

Universal;
Inevitável;
Doloroso;
Saudável;
Singular;
Necessário.
Na antiguidade...
Na antiguidade...

As pessoas vestiam
roupa preta ou
usavam tarjas em
homenagem ao ente
que partiu.

Os estabelecimentos
comerciais eram fechados
e um pano preto
estendido na porta.
Hoje...
Hoje...

Nossa sociedade exige


um luto curto.

Sem muito
lamento e
sofrimento.

Pois “a vida
continua!”
O luto é...
É um rompimento de vínculo.

É um processo normal e
doloroso.
Não é doença.

É o tempo
necessário para retornar à vida.

Não vai durar para sempre, mas


terá oscilações durante seu
curso!
Luto...
É uma reação normal, e
até mesmo esperada,
diante de um
rompimento de vínculo,
como:
morte,
divórcio,
aposentadoria,
mudanças abruptas,
entre outros.
Quais as reações
esperadas ?
Físicas
Respiração curta;
Falta de ar;
Dor física;
Tensão muscular;
Alteração no sono;
Alteração no apetite;
Alterações no peso;
Boca seca;
Dor de cabeça;
Palpitações cardíacas.
Emocionais
Choque
Negação
Desespero
Tristeza
Culpa
Falta de paz

Irritação
Desesperança
Sensação de abandono
Raiva
Comportamentais

Busca da pessoa morta;


Falta de concentração;
Desorientação;
Preocupação;
Solidão;
Choro;
Apatia;
Esquecimento.
Sociais
Isolamento;
Dificuldades de interagir;
Perda de interesse pelo mundo
externo;
Perda da identidade;
Afastamento;
Perda da habilidade de se
relacionar socialmente.
Espirituais

Perda de fé;
Aproximação de Deus;
Sonhos;
Raiva de Deus;
Sentimento de ser traído por
Deus;
Desapontamento com
alguns membros da igreja.
Quando
procurar ajuda?
- Pensamentos suicidas persistentes
por mais de dois meses após a
perda;
- Abuso de substâncias - calmantes
ou comprimidos para dormir ,
álcool e outras drogas;
- Depressão constante, histórico de
depressão ou qualquer transtorno;
- Sentimento excessivo de culpa e
raiva;
- Negação continua da realidade da
perda;
- Perdas consecutivas;
- Apoio familiar nulo ou inexistente;
- Episódios de pânico;
- Sintomas físicos de duração
prolongada.
Luto é o
processo de
integrar o
passado, o
presente e o
futuro.
Tarefas do Luto
1. Aceitar a Perda;
2.Viver a dor;
3. Reorganizar-se
sem a pessoa;
4. Encontrar uma
conexão duradoura
com a pessoa que
morreu em meio à
nova vida.
Saiba que...
Nenhuma reação é melhor
ou pior que a outra;
Você não é fraco porque está
chorando;
O fato de chorar pouco não
significa que sentiu menos a
perda;
Não existe o melhor ou pior
sentimento;
É importante chorar;
É importante conversar;
É importante viver a dor;
É importante participar dos
rituais.
"As pessoas que estão
sofrendo pela perda
sabem o que é melhor
para elas. O que está
acontecendo é natural e
transitório"
(Worden)
Quando o luto
termina?
- Você consegue falar da perda
sem que as emoções sejam
exageradas;
- A perda tem significado de
mudança;
- É possível falar da pessoa
morta sem dor nem mágoa;
- Se adaptou à vida sem a
pessoa;
- O morto é lembrado com
saudade; 
- Sente vontade de reconstruir
sua identidade e sua  vida;
- Faz projetos e reconhece o
crescimento pessoal que a
perda provocou.
O quê não falar a
uma pessoa
enlutada
´Ele agora está no céu !
´Deus precisa de
pessoas boas com ele !
´Ele agora está com os seus !
´Seja forte !
´Não chore !
´Deus quis assim, era a hora dele !
´Ele era de Deus !
´Ele foi só emprestado por Deus !
´Foi melhor assim, ele estava
sofrendo muito!
´Agora descansou, parou de
sofrer !
´Existem os seus outros filhos !
´Reaja, seus familiares estão
precisando de você !
´FUKUMITSU, K.O. VIDA, MORTE E
LUTO: atualidades Brasileiras. São
Paulo: Summus, 2018.

´SOARES, E.G.;
MAUTONI, M.A.A.G. Conversando
.setnoF

sobre Luto. São Paulo: Agora,


2003.

´Pe. Leo, SCL. Cura dos


Traumas da Morte. São Paulo:
Editora Canção Nova, 2010.

´PARKES, C.M.
LUTO: estudos sobre as perdas na
vida adulta. São Paulo: Summus,
1998.
Quem somos...
Clarissa Damasceno Rodrigues de
Matos
Psicóloga (CRP21/0781);
Tanatóloga; Gestalt terapeuta; Pós
graduada em Oncologia
Multiprofissional; Pós graduada
em Saúde Mental; Pós graduada
em Tanatologia; Formação em
suicidologia; Psicóloga clínica e @clarissamatospsicologa
hospitalar.

Lilian Ferreira do Nascimento


Psicóloga (CRP21/03017); Tanatóloga; Pós
graduanda em Cuidados Paliativos e
terapia da dor; Residência em saúde - alta
complexidade; Pós graduada em Gestalt
Terapia com enfâse em psicoterapia; Pós
graduação em Tanatologia; Formação em
Psicologia Hospitalar; Formação em
@liliannascimentopsi Terapia do Luto; Psicóloga clínica e
hospitalar.
Quem somos...
Márcia Bartz Machado
Psicóloga (CRP21/01648);
Tanatóloga; Especialista em
Psicologia Hospitalar; Especilaista
em Tanatologia; atua como
coordenadora do setor de
Psicologia Hospitalar do HSM e
como Psicóloga Clínica.
@psicologa_marcia_bartz_machado

Silvana Araújo de Lavor Leite


Psicóloga (CRP21/03807); Tanatóloga;
Pós graduada em Psicologia Clínica; Pós
graduada em Tanatologia; Formação em
Tanatologia; Formação em Psicanálise;
Coautora dos livros “Sobre perdas” e
“Tanatologia: temas impertinentes”;
Psicóloga clínica.
@silvanalavor
@cafecomamorte