Você está na página 1de 39

Filosofia Clínica - Instituto Packter

Caderno A
Especialização em Filosofia Clínica

Instituto Packter
Cel. Lucas de Oliveira, 1937
conjuntos 301 / 302 / 303 / 304
Porto Alegre - RS
fone (fax) 051 330 66 34
www.filosofiaclinica.com.br
Filosofia Clínica – Instituto Packter 2

ADVERTÊNCIA
Estes escritos são destinados aos filósofos diplomados em escolas reconhecidas
pelo Ministério da Educação que cursam Filosofia Clínica no Instituto Packter.
São colagens, ilustrações e fragmentos de textos que têm o objetivo de auxiliar
nossas aulas práticas.
Não documentam, apenas complementam a Filosofia Clínica.
Os escritos aqui contidos fazem parte de centenas de horas/aula, mais
exposições em vídeo, pré-estágio, estágio, prática clínica em aula.
Por isso o nome de Caderno: de A até R, num total de 18.
Fora desse contexto, não nos responsabilizamos pelo uso destes ensinamentos,
o que condenamos sob o ponto de vista ético.

Lúcio Packter

#1
Os escritos que seguem foram retirados da tese de graduação e pós-graduação,
ante projeto de doutorado, intitulada “Filosofia Clínica: Uma Introdução à
Psicoterapia Filosófica”, de Lúcio Packter.

#2
“A Filosofia Clínica é assim definida:
a) O uso do conhecimento filosófico à psicoterapia.
b) A atividade filosófica aplicada à terapia do indivíduo.
c) "As teorias filosóficas empregadas às possibilidades do ser
humano enquanto se realiza por si mesmo.”

[Limites da Definição] “A Filosofia Clínica apresenta sentido somente


quando relacionada à pessoa dentro de um exercício de psicoterapia. A explanação dos
valores, a construção e a modificação das arquiteturas do saber, resultado de uma
tarefa causal, tudo aqui está a um serviço.
"O saber, como aquisição da produção humana ou em sua origem divina, é
projetado no objetivo: a pesquisa como influxo terapêutico.”

#3
[Psicoterapia Filosófica] “A psicoterapia tem uma concepção anômala na
versão filosófico clínica: a vivência da circunstância relacional objetivando remeter às
pessoas envolvidas diferentes opções às questões por elas propostas; isso, com base nos
procedimentos filosóficos clínicos. Especificamente, o filósofo situa-se entre as
amizades de quem partilha uma trajetória de vida tendo-se nisso a busca de opções às
Filosofia Clínica – Instituto Packter 3

problemáticas: nesse contexto, a psicoterapia praticada pela filosofia despreocupa-se


primordialmente, como opção, com as curas médicas do estudo e da terapêutica das
doenças mentais, embora possa existir coincidência. Todavia, localiza-se mais no
âmbito da área educacional, enquanto filosofia.”

#4
[Identidade do filósofo clínico] “O filósofo clínico é inicialmente o
estudante de filosofia disposto a compartilhar um caminho incerto com outras pessoas,
a atuar filosoficamente em cada endereço desse caminho tal, pois é em cada endereço
que sua identidade se modela. Partilhando um período da existência de outro ser, sob
a responsabilidade que o nomeou filósofo, sua identidade reside em sua posição dentro
da situação vivenciada.”

#5
[Características do filósofo clínico] “Basicamente podemos caracterizar o
filósofo clínico em sua atividade e através dela:
a) Um amigo a usar seus conhecimentos filosóficos à serviço da
psicoterapia.
b) Um partilhante emprestando as teorias filosóficas a pessoas em
suas especificidades.
c) "Um pesquisador das filosofias terapêuticas.”
#6
[Indicações] “A Filosofia Clínica é indicada a partir das psicologias,
designada a lidar com questões metapsicológicas. Uma ilustração estaria em Sócrates,
um dos pais da Filosofia Clínica, ao administrar a maiêutica como recurso de
conhecimento interno.
Ocorre também a indicação deste trabalho simultaneamente a tratamentos
médicos mentais por acompanhar os desdobramentos existenciais da pessoa: as
psicoses, por exemplo, podem ser incluídas em seu campo de atividades.
Mas, insistentemente, seu foco tende a iluminar as questões fundamentais que
há muito seguem o indivíduo: éticas, axiológicas, antropológicas, científicas, artísticas
e, no somatório, essencialmente filosóficas.”

#7
[Sobre o procedimento clínico] “Os modos com os quais o filósofo
estrutura o trabalho relacionam-se às vertentes de reflexão que segue. Por citar,
questões éticas ou axiológicas justamente lecionam um parecer diferente diante da
mesma questão quando um examinador existencialista e um outro, cético nominalista,
opinam e atuam.”
Filosofia Clínica – Instituto Packter 4

#8
[Propriedade do local de atendimento] “A limitação imposta pelo
consultório logo é derrubada quando a vivência em Filosofia Clínica demonstra que
muitos lugares são sujeitos a bons espaços de trabalho.
Ao ter como partilhante um estudante com graves dificuldades de
relacionamento na escola, por exemplo, o filósofo provavelmente deixará o consultório
e pesquisará o local onde julga encontrar algumas respostas.
Nesse e em outros casos seria desaconselhável limitar o trabalho filosófico
clínico a um laboratório fechado, o consultório. De fato, a maior parte do trabalho em
Filosofia Clínica parece ser realizada longe do ambiente original.”

#9
[Relação entre o filósofo clínico e a pessoa (partilhante) que o
procura] “...basicamente, o filósofo permite livre cursar à manifestação, ao conteúdo
que o partilhante traz e que surge sempre mais, ao ser em seus exercícios de coisa, e
tudo isso oscilando conforme um discurso prático.
No intuito de dividir uma realidade que se lhes apresenta, nada se sabe sobre
algum retorno do filósofo junto aos seus partilhantes e nem se esses o farão por outros
meios. Os partilhantes podem efetuar várias transmutações: em um grau adiantado
dos trabalhos às vezes é difícil divisar quem é o filósofo e quem são os partilhantes.
Assim, sendo também um processo de identificação, e considerando que observamos
sempre a partir de um ponto de vista que determina as possibilidades do que podemos
conhecer, segundo Karl Popper, torna-se notório que durante tal processo associativo
haja um câmbio de concepções, problemas e pontos de vista entre o filósofo e os
partilhantes.
Quanto a isso, existe uma surpresa inicial quando os partilhantes se descobrem
alienados aos elos escravagistas governados por conceitos rígidos da conduta clássica
da saúde aos quais seguem as ciências médicas. Livres de tais categorias
classificatórias, surge outro posicionamento, de uma forma tal que as pessoas
envolvidas aqui podem pesquisar, sob a orientação filosófica, perspectivas de
diferentes morais.
Exemplificando, a relação filósofo-partilhante é uma relação essencialmente de
amizade. Cabe ao filósofo ter os cuidados de somente aceitar como partilhante alguém
que em sua existência ocuparia de certo modo um tal lugar, reservado à amizade.
Para tanto, existe a entrevista inicial, uma vez que o filósofo não pode
determinar tal aceite a priori, na acepção dada por Kant, na segunda parte da Crítica
da Razão Pura, na Lógica Transcendental, quando mostra que a intuição traz apenas
o modo como somos afetados pelo objeto; já o entendimento é a nossa capacidade de
pensar esse objeto da intuição sensível. “O entendimento nada pode intuir e os
sentidos nada podem pensar. Só pela reunião se tem conhecimento”, afirma Kant.
Assim, a empatia torna-se determinante.”

#10
Filosofia Clínica – Instituto Packter 5

[Sobre o processo clínico] “A prática da Filosofia Clínica demonstra uma


contínua modificação subjetiva vinda em dados sutis da semiose. O indivíduo percebe-
se movido em sua situação estrutural, sente e previne, mas como não acontece à mente
o entendimento do que exatamente transcorre, o mesmo ocorrendo com o filósofo, e
também não adivinha um objeto referencial contra o qual poderia impor resistências, e
ele mesmo somente tem notícias em si de um fluir dialeticamente pouco averiguável e
a trespassar célere, esse fluir, omisso de suas faculdades, contra toda a revolução
latente, estreitando-se e solucionando-se para representar o mudar; omisso, no sentido
de descuidado, por ser um processo em grande parte inconsciente; contra a revolução
latente porque mesmo ignorando a mudança que se realiza, há uma resistência
natural ao mudar. Afinal, a estrutura a ser removida é a antítese à nova estrutura,
síntese.
Qualitativamente, no íntimo, o indivíduo reconhecerá a operatória, ainda que
socialmente não; então, algo se desdobra nessa estrutura tornando-a, de um modo
irremediável, tardia.
Cria-se o emergencial que se impulsiona por urgência, e que em qualidades
eféticas surge, rompe, desponta unicamente para o contíguo desaparecimento. Tudo
isso é metamorfose, toda a sorte até então é indiferente.
O desenvolver incerto, duvidoso em seu redemoinho que se bate contra e em
defesa da própria construção, enquanto o ser segue conhecendo seus acidentes de
beleza malvada: a malvadez deve ser entendida, nessa expressão, desde um enfoque
estético; o mau (perverso) ocorre porque o agente da beleza não consegue sabê-la por
estar associado à luta das mudanças; quem a vislumbra de fora, dissociado, pode
concebê-la sob a estética.
Há um momento onde o processo de Filosofia Clínica se torna mais
compreensível, quando o partilhante cresce de onde partiu, promove-se senhor em
algum grau de sua causa escrava, porem não seria logo de início que o colocaríamos
diante da confutação aristotélica, não ainda. A fragilidade da mudança não cartesiana
requer silêncio; mudar, deslocar, sair de um lugar para outro significa alterar o
equilíbrio inicial no sentido de alcançar algum outro e, daí, a instabilidade (o frágil).
Em quietude atenta o filósofo vislumbra uma delicada estrutura de translados;
quieto, admira e se cativa com a ternura, a brutalidade, o feitio de um conceito que
não lhe é dado a conhecer além de vê-lo simplesmente metamorfosear a suas vistas.
O partilhante exerce uma epistemologia mais tranqüila sobre si mesmo, altera
programas emocionais, e seguramente existenciais, o que ocorre durante o processo
filosófico clínico mediante a vivência e o exercício da filosofia; a indagação
racional sobre o mundo e o homem com o propósito de construir explicações tão
próximas quanto se conseguir de algum critério tido como a verdade. O partilhante
romperá as pressões sociais que o sufocavam e aprenderá a olhar diferente o que
por hábito lhe era igual.”

#11
Fundamentação Teórica da Filosofia Clínica
Nossas raízes vão ao período grego em que pipocaram os pré-socráticos, uma
leva de pensadores ocupados em analisar mais ou menos tudo o que lhes surgia. A
Filosofia Clínica – Instituto Packter 6

intenção de explicar o mundo por um punhado de conhecimentos que hoje, somados,


não ultrapassariam a inteligência de uma calculadora portátil, não fazia deles
arrogantes, mas sim homens sensatos que davam a melhor resposta diante do que
sabiam. A exigência à época era essa.
É muito curioso que agora enquanto digito este comentário diretamente em
uma tela colorida de cristal líquido, nossos melhores filósofos não têm respostas mais
precisas àquelas que tantas vezes chegaram a nós pela boa vontade de gente comum
apreciadora de prosa miúda.
Entre a mistura de opiniões para todos os gostos, um homem, Protágoras veio
pôr ordem à diversidade de opiniões. Protágoras não se debruçou exatamente sobre as
teorias, mas sobre quem as erguia. Constatou que a teoria é apenas um modo de ser no
mundo da criatura humana, constatou que todas as formas de relação que estabeleço
com qualquer coisa mostram quem sou, que sou eu a medida exata de tudo quanto
pretender mensurar sob qualquer significado: ético, epistemológico, emocional...
É daí que inicia a Filosofia Clínica; retomamos Protágoras em Schopenhauer,
atualizado.
O filósofo clínico, a pessoa que busca seus serviços, cada um em si mesmo, a
resultante da relação entre ambos, essa é a medida das coisas.
Longe de qualquer relativismo, a urgência disso é que enfim a responsabilidade
retorna à pessoa, viva ou morra assim, queira ou não, e por todos os parâmetros
consideráveis.
Muito bem, a continuar desse princípio, uni-se o logicismo formal ao
empirismo inglês e à analítica da linguagem. E para tanto usa-se o trabalho
matemático do pesquisador russo Georg Cantor.
Vamos devagar agora na exposição.
A análise matemática de Cantor abrevia explanações que nos levariam a
discussões duvidosas e distantes; em Filosofia Clínica ela serve de síntese a questões
práticas que precisamos entender em teoria.
Tudo em clínica é a resultante da qualidade da Interseção entre o filósofo e a
pessoa. Isso é facilmente representado assim:

Havendo interseção importa o caráter da mesma!


Basicamente, há quatro tipos de qualidade de interseção:
a . Interseção Positiva: aquela que é subjetivamente boa, no sentido de bem-
estar, entre ambos.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 7

b. Interseção Negativa: aquela que é subjetivamente ruim, no sentido de mal-


estar, a ambos.

c. Interseção Confusa: As pessoas envolvidas não sabem determinar


propriamente o que estão vivenciando.

~
d. Interseção Indefinida: aquela que oscila com freqüência
suficiente a tal modo que não se pode entendê-la como nenhuma das
anteriores.

i
Tudo o mais está na dependência direta à interseção.
Você pode dominar perfeitamente os submodos, os tópicos da Estrutura de
Pensamento da pessoa, Autogenia e ainda mais - e tudo isso de nada servirá se a
qualidade de interseção for ruim à atividade clínica. Quando me referir à boa
qualidade de interseção estarei me referindo à empatia, sintonia, harmonia, amizade,
interesse mútuo em proveito de uma causa, basicamente. É suficiente saber que toda a
interseção deste mundo sem direcionamento clínico também conduz a muito pouco.
O logicismo formal é o início imediato de nossa clínica.
Como nada sei a respeito da pessoa que me procura, sem contar os pré-juízos
(ufa!), preciso estabelecer critérios a esse conhecimento.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 8

Primeiro, não quero conhecer a pessoa a ponto de responder as questões


últimas como o escopo da existência, dicotomias como vida e morte, inferências
cosmológicas ou teocêntricas, nada disso. Isso até pode ocorrer, mas o objetivo aqui é
muito outro: o objetivo da clínica filosófica é, tanto quanto possível, reconhecer e
entender as interseções (choques) entre os tópicos da Estrutura de Pensamento, e em
seguida utilizar os submodos para tentar trabalhar essas interseções tópicas.
Trabalhar no sentido de resolver, aplacar, abrandar, dissolver, absorver,
expurgar etc ??!
A priori, não sei.
A resposta vai depender do que for obtido da pesquisa que o filósofo clínico e a
pessoa conseguirem em seu trabalho mútuo.
Na Matemática Simbólica, última parte da Filosofia Clínica, esse objetivo é
ampliado (veremos isso em outro lugar).
Como usamos o logicismo formal em clínica?
Nós recolhemos todos os dados disponíveis da pessoa em quatro ou cinco
consultas. Esta colheita segue os critérios:
a. Considera-se somente os dados literais.
b. Não são permitidos saltos temporais e saltos lógicos.
c. O filósofo se limita a “agendamentos mínimos”.

A explicação é simples: o filósofo quer apenas documentar a história da pessoa


contada por ela mesma ; ele reserva sua participação, nesta parte inicial, a um
“agendamento mínimo” no qual apenas solicita à pessoa a continuação de sua
narrativa. Não são permitidos saltos temporais nem lógicos pela simples razão de se ter
um relato compreendido, inteiro, tão completo e ordenado quanto for isso possível.
Se o filósofo conseguir tal feito, a primeira seqüência de seu trabalho pode ser
considerada satisfatória.
Em seguida, ele usará processos divisórios com o objetivo de pesquisar
demoradamente segmentos relevantes do histórico.
Como o filósofo saberá quais os segmentos relevantes, se a mensuração inicial
que fez se baseou em um logicismo formal cujo conteúdo pode ser exatamente falso?
Bem, primeiro a exatidão do conteúdo:
a. De um modo geral, forma e conteúdo têm estreita relação estabelecida de
modo consensual. Assim, quando uma pessoa disser “água”, ela provavelmente não
estará dizendo pedra, flor ou madeira. Ainda assim, há critérios como contexto (que
aparecem nos exames categoriais) que nos dão uma garantia inicial considerável.
b. Como o filósofo clínico está interessado na Estrutura de Pensamento, o
somatório de forma e conteúdo entre outros, torna-se mais breve e igualmente mais
fundo o início pela forma (o molde que sustenta o corpo, o conteúdo); do contrário,
diante de qualquer informação o filósofo sairia à cata epistemológica do termo -
principiando um processo penoso e quase que certamente interminável.
c. No princípio, logo às primeiras consultas, uma descrição da forma da
questão parece bastar ao filósofo. Parece bastar.
d. Não há como pesquisar o conteúdo sem antes termos a forma. Exemplo:
como pesquisar o conceito de flor sem que antes a pessoa profira, direta ou
indiretamente, o termo flor? Na verdade, pode, mas a comunicação feita por
nomenclatura irá por terra.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 9

Agora, como saber os termos relevantes nessa abordagem inicial?


Simples:
a. Partes aparentemente contraditórias.
b. Segmentos frágeis do ponto de vista narrativo.
c. Saltos temporais.
d. Indicações problemáticas a partir do Assunto Imediato ou dos exames
categoriais.

Evidentemente que a pesquisa pode colocar esses quatro itens por terra logo em
seguida quando associarmos o empirismo inglês e a analítica da linguagem ao
trabalho.
Bem, associamos o empirismo e a analítica da linguagem ao processo divisório
que fazemos logo imediatamente após a colheita do histórico por várias razões:
a. Para saber a correspondência entre forma e conteúdo (termo e conceito). Ou
seja, quando a pessoa me diz “água pura” quero entender o que se passa
conceitualmente à malha intelectiva dela: a pessoa viu rolar água puras de cachoeira,
sentiu a língua tocar um cubo de gelo, lembrou de um poema sobre água pura ?
b. Quero, talvez, conforme o caso, outras informações: associações fundas
entre os conceitos, vivências, o uso específico e contextual do conceito, dados
epistemológicos, éticos, emocionais etc etc etc...
O positivismo lógico de Karl Popper e os pré-juízos de Gadamer entram aqui
como uma funda advertência ao filósofo, no sentido do limite de nosso conhecimento,
suas limitações, as noções agarradas umas às outras, cracas, que servem ao que vem
depois. Um duro golpe a velhas ambições filosóficas de ter o mundo à palma da mão.
Acredito que somente isso bastaria a uma excelente clínica.
Mas a filosofia é exigente com seus filósofos.
E, assim, coloquei uma segunda grande parte que denominei Esteticidade.
Ela engloba coisas como o gosto, a intuição, a arte, mecanismos instantâneos
da malha intelectiva, intencionalidade e dados extraordinários. Aqui consideramos a
fundo os aspectos da Somaticidade.
Por último, a Matemática Simbólica. O marco final e vital de toda a Filosofia
Clínica.
A fundamentação teórica sobre a Esteticidade e a Matemática Simbólica virá
encartada nos próximos Cadernos.

#12
Métodos da Filosofia Clínica
Há métodos, e não um método.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 10

Na colheita das categorias aristotélico-Kantianas, cujo objetivo é localizar


existencialmente a pessoa (questões imediatas e remotas, situações atuais e em cada
momento de vida, histórico, sensações, temporalidade e relações com os objetos
importantes), o filósofo usa de historicidade, fenomenologia, empirismo e analítica da
linguagem, essencialmente. Paulo Rodrigues e Nereu Haag, filósofos clínicos,
lembram ainda um uso reiterado de noções cartesianas.
É correto.
Acho que incrustados aos métodos mencionados, há muito de Bacon, muito de
cientificismo e de indução, há experimentalismo também, entre alguns outros.
Minha intenção aqui não é defender o uso ou minha escolha deste ou daquele
método, estou apenas apontando quais utilizei na estruturação do logicismo formal em
Filosofia Clínica. Em tal caso, preciso admitir que a fundamentação de meu trabalho
levou-me a esses métodos e nunca o contrário, até encontrar certas agruras que essa
teimosia me causou. Apesar de pequenos embates entre fundamentação e método, no
início de meu trabalho, cito os que viveram ao confronto. Conforme já afirmei aos
meus alunos, descartei - não sem dor - tudo o que não teve aplicação prática.
Como ilustração, consideremos o uso modificado que realizei a propósito da
metodologia mencionada:
Historicidade:
a. Interpretação de fatos, conceitos, eventos na vida pessoal e suas implicações
atuais e futuras (profilaxia) correlatas.
Fenomenologia; distante de Husserl, mas devida ao mestre:
a. Investigação do que aparece.
b. Divisões sucessivas em busca do dado de intencionalidade (John Searle).
Empírico e Analítico de Linguagem:
a. Pesquisar as relações entre conceito e termo.
b. Ater-se à experiência.

Na Esteticidade e na Matemática Simbólica outros métodos uniram-se a esses,


conforme estudaremos nos próximos Cadernos.

#13
Filosofia Clínica – Instituto Packter 11

Bibliografia
O que é básico consta no currículo acadêmico, nos quatro anos do curso de
graduação em filosofia que as faculdades lecionam.

Como os alunos de São Paulo e Salvador têm pedido, segue agora uma
pequena biblioteca de grande valor. Confira...
Sobre Protágoras e seus afins temos The Sophists, de Harold Barrett; e também
Great Sophists in Periclean Athens, de J. DeRomilly. Socrates, de E. A. Taylor, é
providencial. De Platão, A República e os Diálogos. Depois, os escritos de lógica de
Aristóteles. Para quem gostar e entender e quiser maiores profundidades, os três
volumes de Principia Mathematica de Bertrand Russell e de Alfred North Whitehead.
Como complemento, o trabalho de J.W. Dauben chamado Georg Cantor: His
Mathematics and Philosophy at the Infinite, e o livro de Robert L. Vaughan chamado
Set Theory.
Schopenhauer com The World as Will and Representation fica por conta da
boa vontade de cada um.
John Locke e George Berkeley podem ser diretamente estudados em David
Hume: A Treatise of Human Nature e Philosophical Essays Concerning Human
Understanding.
Em seguida, Crítica da Razão Pura, de Kant, e desta vez sem timidez. Chega
um dia na vida em que Kant precisa ser lido e pronto.
Então há uma série de boas pesquisas filosóficas, já na área da analítica da
linguagem.
O ensaio de Isaiah Berlin chamado Essays on J.L.Austin é maravilhoso. Vale a
pena e vale o descanso. Há também um trabalho inicial de John Wisdom, Logical
Constructions, para ser lido no inverno. É claro que o Tractatus e Philosophical
Investigations do nosso mestre Wittgenstein nem preciso falar porque é simplesmente
obrigatório; leitura de cabeceira. E se você quiser emendar The Analysis of Mind e
The Analysis of Matter de Bertrand Russell, vá firme!
Uma síntese importante entre os primeiros trabalhos de Saussure e Roman
Jakobson pode ser apreciada através dos textos de Claude Levi-Strauss; depois, Roland
Barthes. Nesse mesmo caminho, Gilles Deleuze, Jacques Derrida e Michel Foucault.
Entre os norte americanos quero destacar um importante trabalho de Leonard
Bloomfield, de 1933: Language. Além disso há o escrito publicado em 1957 de Noam
Chomsky chamado Syntactic Structures.
Há ainda pequenos escritos de apoio como Interpretation Theory: discourse
and the surplus of meaning, de Paul Ricoeur; Minds, Brains and Science, de John
Searle; On Photography, de Susan Sontag; Sobre Espelhos, de Umberto Eco;
qualquer coisa de Aldous Huxley; Verdade e Método, de Hans Gadamer; Estrutura
das Revoluções Científicas, de Thomas Kuhn; A Derrota do Pensamento, de A.
Finkielkraut ; um pequeno e delicioso livro do antropólogo Edward T. Hall, publicado
em 1959, chamado The Silent Language; o mastodôntico A Montanha Mágica, de
Thomas Mann;

Para continuar, quero sugerir algumas leituras básicas.


Filosofia Clínica – Instituto Packter 12

Introduction to Logical Theory, de Peter Frederick Strawson (que alguns anos


depois pesquisou fortemente o dilema corpo-mente, e as relações entre sujeito e
predicado); How to Do Things with Words, de John Langshaw Austin; The Concept of
Mind e também Dilemmas, de Gilbert Ryle. Esses escritos servem de base para uma
melhor compreensão da explicação que agora segue sobre a pesquisa do termo e do
conceito. Meu trabalho, neste ponto, foi muito beneficiado por esses filósofos
Os últimos filmes de Woody Allen, Ingmar Bergman, Fellini (Amarccord),
ajudam. Pat Metheny , Keith Jarrett e Egberto Gismonti, na música. Rodin, como
aperitivo à Bienal que estudaremos à Esteticidade. Paul Klee, Escher, Canalletto, em
desenho e pintura. O teatro de Gerald Thomas, se possível. E, claro, Internet para
todos.
É o suficiente para que você passe com segurança da primeira à segunda parte
da Filosofia Clínica; do logicismo formal aliado ao empirismo e à analítica da
linguagem, primeira parte, à Esteticidade aliada à Somaticidade, segunda parte. Além
disso, sugiro que você siga anotando as obras e os autores que são citados em cada um
de nossos Cadernos.

#14
Quanto à ordenação de conteúdos para a formação do filósofo clínico,
podemos aventar o que segue:
a. O mundo como representação.
b. Aspectos da lógica formal.
c. “do empirismo.
d. “da analítica de linguagem.
e. Estudo das categorias.
f. “da EP.
g. “dos submodos.
h. Esteticidade.
i. Somaticidade.
j. Aspectos médico-psiquiátricos.
k. Pré-estágio e estágio clínico.
l. Matemática Simbólica.
#15
Exames Categoriais - Aspectos Gerais
Explorando as cinco categorias (Assunto, Circunstância, Lugar, Tempo e
Relação), o filósofo forma um conceito bem estruturado do mundo da outra pessoa:
uma representação para si mesmo da representação do outro.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 13

Muito bem, como o clínico trabalhará com tais estruturações informais do


intelecto? Qual a ordenação inicial, a classificação?
Usamos uma derivação do modelo metafísico aristotélico do ser apresentado
nas categorias e então os predicamentos conseqüentes em sua lógica formal. A
aplicação em clínica exigiu modificações fundas que acabaram por transformar a
forma do entendimento do grande mestre estagirita.

”Packter — Bom, a importância clínica das citações dos fragmentos de


Protágoras é notória. Primeiro, o filósofo sabe muito pouco à respeito da pessoa que
procura por seus serviços, pois ela traz uma vivência da qual nada sei.
Mas o que sabemos então?
Ora, temos um amontoado de pré-juízos (Gadamer) mais ou menos ordenados:
(a) Esta é uma pessoa; (b) Ela está aqui com algum propósito; (c) Tem a pele rosada;
(d) Veste-se e se expressa de um modo simples... E assim por diante.
Estes pré-juízos (Gadamer) são o princípio da clínica, tanto para o filósofo
quanto para a pessoa. Também por isso podem ser muitas vezes o fim...afinal, quem
pode saber até o ponto em que não são os pré-juízos um impedimento à interseção?!
Ponha muita atenção em uma coisa: a priori o filósofo conhece um mínimo
sobre a pessoa e esse mínimo é apenas um modo de iniciar a terapia.
A pessoa que está diante de você e que você pela primeira vez tem um contato,
pode ter uma vida pobre emocionalmente e riquíssima do ponto de vista ético, ou uma
vida vazia de espiritualidade e repleta até o bordo de um entendimento mecanicista
sobre as coisas; pode ainda ter uma vida espiritualmente mecanicista ou qualquer
outra coisa.
Sabe a quantas somam as possibilidades?
Pelo que imagino, não são menores que todos os grãos de areia da praia
levados ao cubo!
É fundamental você entender que as pessoas são realmente diferentes, de uma
vez por todas. Isso não tem nada a ver com o discurso hipócrita que apregoa as
diferenças para depois tratar todo o mundo como igual.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 14

Ouça bem: mesmo as pessoas mais iguais são profundamente diferentes entre si
mesmas.

Então é muito indicado que em resposta às perguntas que iniciam a clínica se


use o ‘não sei; vamos trabalhar e procurar saber, precisamos averiguar, estamos
pesquisando, por enquanto é cedo para afirmar isso, não temos dados mais
conclusivos sobre o que se passa etc e tal’.
Há quem goste de responder com sabedoria ao que não conhece usando
obscurantismos hermenêuticos de grandes profundidades de insânia e atrevimento.
Acho que casos assim são mais indicados a médicos, policiais ou bombeiros. Um
filósofo que tenha intimidade com gente como Hegel sabe do que estou falando...
Pois então, a lição aqui é que sabemos pouco de início e se não tivermos
cuidados e critérios corremos o perigo de, à medida que a clínica avança, sabermos
menos ainda.
Não tenho o menor interesse no ranger de dentes entre escolas
racionalistas e empiristas, céticas ou analíticas, a não ser que tenha uma implicação -
o que às vezes pode acontecer.
Quanto a isso, já que o movimento clínico é de relação entre o sujeito e
o objeto (filósofo & pessoa: pessoa & filósofo), preocupo-me com a qualidade desta
relação, que chamo de interseção (Cantor) como determinante de todo o processo em
Filosofia Clínica.
Não sei se é o filósofo, a pessoa, o ambiente que os cerca, a história de
um ou de outro ou da sociedade quem determinará a clínica, mas sei com certeza que
a resultante disso liga-se diretamente à qualidade de relação entre ambos: a interseção
(Cantor).
Em alguns casos, será essencial o atuar do filósofo, a tal ponto que se
dirá ser ele o elemento de equação em clínica. Outras vezes não.
Preste toda a atenção no uso que dou aos ensinamentos do empirismo inglês
após os fragmentos de Protágoras e Schopenhauer.
O que quero dizer com isso?
É simples: amamente dez crianças de um modo igual, dê a elas dez mil
experiências iguais - sob qualquer enfoque que você possa imaginar - cuide ainda
para que tenham exatamente as mesmas experiências durante muitos anos...e mesmo
assim, caso tal coisa seja possível, cada uma dessas crianças terá uma leitura singular
do mundo!
Ou seja, cada um de nós vivencia à sua maneira o barro e o ar deste
mundo, o que é lindo ou feio a um pode ser feio ou mais lindo ainda a outro. Igual,
bem igualzinho, isso eu sei que não será de jeito nenhum, fora algum caso aqui e ali
que servem exatamente para confirmar o que estou afirmando.
Por que é assim?
Por muitas razões, algumas determinantes e outras apenas
insignificantes: do clima à comida, cada pessoa em cada circunstância encontrará
coisas que lhe serão importantes ou não. O filósofo pesquisará junto à pessoa, se
quiser entender mais sobre isso.
Diante do contexto no centro da Europa, após imediatamente a duas
guerras que deitaram chão afora valores, termos, dados epistemológicos etc
construídos por centenas de anos, gente morta em restos de prédios históricos e outros
horrores, bem... algumas pessoas lidaram com isso enlouquecendo, outras construíram
Filosofia Clínica – Instituto Packter 15

teorias mais ou menos explicativas como o existencialismo, outras usaram da música,


da ecologia, da política, da psicanálise do corpo ou dos movimentos da alma...enfim.
Como catalogar a plasticidade desta criatura humana?
Se você, por vivências que teve até aqui, explica o mundo por um
movimento de transmigração das almas, por algum epifenômeno da corporeidade
(Comte), se vive conforme alguma teoria hedonista, marxista, filatélica...por maluca e
confusa que ela possa me parecer, acho que foi a sua maneira de entender e viver
neste mundão de meu Deus...!No meu modo de entender as coisas, serei eu o mais
maluco de todos se quiser pretender ter a verdade das coisas por você.
O mais que tenho é a minha verdade das coisas, a minha verdade para
eu mesmo, e acho ainda que muitas vezes nem isso é possível.
Mas esse discurso bonitinho, tão agradável¸ hein?, em clínica nem
sempre se reitera. Às vezes o filósofo se assenhora da verdade e a empresta ou
determina à pessoa que, de acordo com suas disponibilidades internas, fará uma
aquisição não raro fundamental ao seu modo de ser no mundo.
Outras vezes o filósofo é quem estará em tal situação.
Note bem uma coisa: cada vez mais enquanto aprofundamos os nossos estudos,
você vai sendo convidado, mais e mais, a viver de fato e de direito a filosofia...de um
modo que apenas vagamente lembra o discurso acadêmico, ou o faz-de-conta onde o
professor finge que ensina e o aluno finge que aprende.
Acompanhe algumas razões disso.
Nós estudamos no Caderno A que a partir das experiências a pessoa vai
elaborando idéias (conceitos, imagens ou verbos mentais). Ao sentir o aroma que se
desprende dos cabelos de minha mulher (um dado sensorial) eu o arquivo em meu
organismo em forma de conceito. Este conceito passa a interagir com outros e outros e
outros. Deste modo, formo idéias complexas!
Hume, Locke, Berkeley, Bertrand Russell são os estudiosos que
consideramos.
Locke, Kant e depois Wittgenstein vão longe em suas explanações. Eles
nos contam e nos advertem sobre os limites da razão (na acepção Kantiana), das
lonjuras com que as idéias (em Locke) podem ir em correlações entre si mesmas que
nada garantem além de graves perigos existenciais, a ponto de causar no organismo
movimentos existenciais, violentos como angústias, depressões e ansiedades
arrebatadoras (como mencionam Hume e Berkeley). Por fim, ainda, Wittgenstein, que
nos previne das complexidades dos jogos de linguagem que têm a infeliz capacidade de
nos enredar em terríveis dilemas.
Como isso se traduz em clínica, na prática?
Um exemplo é o da pessoa que acredita que pode encontrar a paz e a
felicidade através de um modelo religioso ou ético ou social, e que quanto mais se
embrenha e enraíza em suas considerações e vivências mais se torna o oposto do
que tinha como meta ou destino por alcançar.
Uma razão para isso é que a pessoa pode ter abandonado o chão seguro
das vivências mais próximas ao sensorial e talvez tenha se aventurado em direção às
Idéias Complexas (Locke) mais longínquas, em derivações de derivações de
pensamentos, em raciocínios contraditórios entre si mesmos e tão avessos à realidade
empírica quanto são distantes as estrelas da terra onde tocam nossos pés. Sem dúvida,
um caminho infeliz para o qual muitas vezes não existe retorno.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 16

Outras vezes, e agora me atrevo a dizer que são muitas e até a maioria
dos casos, acontece que a pessoa aprendeu a se guiar por parâmetros que estão
corretos, ordenados e bem estruturados sob o ponto de vista do logicismo formal.
Por exemplo: a moça tem um modelo de retidão moral e existencial que
segue com prazer e que lhe dá uma boa vida (!). Até que encontra um rapaz por quem
se apaixona e que afronta sua concepção tão bem estruturada. Ela entra em conflitos,
pois ama o rapaz e quer viver com ele, mas é casada, tem filhos, e tal possibilidade se
choca contra as idéias complexas que lhe posicionam existencialmente na vida. Por
sua lógica formal interna ela acredita que pode ser feliz seguindo seu modelo moral
contra o amor que chegou à revelia em sua vida, mas nada se resolve assim no caso
dela. A moça começa então a viver um inferno pessoal que a confunde, uma vez que
para ela nada mais está fazendo sentido.
Ou seja: às vezes ordenamos os conceitos de modo correto do ponto de
vista logicista formal aristotélico Kantiano em nossas vidas...
O homem ético é feliz na maturidade
Eu sou um homem ético e estou na maturidade
Portanto eu sou um homem feliz.

Note que logicamente está correto, só que isso pode se chocar duramente contra
a realidade do dia-a-dia, quando não é nada certo que um homem ético será feliz na
maturidade. Só que a pessoa que se estruturou assim pode ter baseado,
involuntariamente, de modo cabal, toda a própria vida neste processo. Ela pode tê-lo
como um dogma de fé, sua prova de humanidade diante da vida.
Ora, imagine você o que acontece quando isso não se verifica do modo como
era profetizado nela por ela mesma...!
O choque pode assumir uma importância tal que impeça a pessoa do exercício
de sua existência, o que talvez cause de acidentes psicóticos, a episódios suicidas ou
sabe-se lá o que mais.
Em outras ocasiões pode haver uma bagunça conceitual tal na malha
intelectiva da pessoa que ela simplesmente não tem como manifestar de modo coerente
ao filósofo o que se passa com ela.
E ainda há muitas outras causas para o fato de nem sempre se poder começar
de um Assunto Imediato claramente definível. Não se preocupe com isso. Esta e
questões mais urgentes serão consideradas com demora quando for oportuno ao nosso
estudo.
Primeiro, o filósofo pedirá à pessoa para que ela reporte do modo como julgar
mais adequado (veremos isso mais tarde nos dados de Semiose) um relato superficial,
panorâmico de sua existência até aqui.
Pelo que venho acompanhando os filósofos clínicos em formação em meu
Instituto, noto que inicialmente há dificuldades naturais que quero explicar aqui, ao
menos as principais.
Como compendiar os dados colhidos entre as cinco categorias?
Bem, de início a colheita e distribuição dos termos que a pessoa expressa são
sempre apreendidos no sentido literal! Isso é fundamental!
Quando a pessoa dizer: “eu amo esta gatinha” - isso será arquivado
inicialmente pelo filósofo como “eu amo esta gatinha”, e não, nunca mesmo, “eu
Filosofia Clínica – Instituto Packter 17

gosto, tenho carinho, eu me afino etc”, simplesmente porque não foi isso o que a
pessoa expressou, ainda que por “amor” ela quisesse na verdade dizer “carinho”.
Durante todo o logicismo formal, a primeira parte da Filosofia Clínica, essa
norma será freqüente (na Esteticidade e na Matemática Simbólica teremos opções,
como a Epistemologia, para ir além do formalismo).
Compendiar, ordenar clinicamente os dados é algo fácil e simples de ser feito,
mas especialmente dá ao filósofo uma compreensão íntima do modo de estar no
mundo da pessoa; sempre condicionado à qualidade das interseções.

0..1..2...3..4..5...6..7..8..9..10..11...12..13...14....15...16...17...18...19...20....21.

Assunto Imediato e Último


Circunstância
Lugar
Tempo
Relação

Pois bem, ao considerar o que apurou das categorias de um jovem de 21 anos,


com atenção ao quinto ano, e depois dando atenção ao décimo sexto ano, o filósofo
conhecerá a situação existencial, como o rapaz vivenciava a si mesmo, sua época, os
costume, sua sociedade; enfim, quando as cinco categorias são unificadas temos uma
localização existencial da pessoa!

O filósofo constatará que essas condições se modificaram em muitas coisas


importantes do quinto ano em relação ao décimo sexto, e que outras tantas
permaneceram como que congeladas.
Notará que os fatores responsáveis por isso vão ao infinito: vivências amorosas,
sofrimentos, dados teóricos, mudança de cidade, novos hábitos, interferências
educacionais ou políticas, aproximação de religiões, quebra de vínculos de amizade,
novos elos de carinho etc...
Os termos que me correm para o que o filósofo experiência diante do trabalho
que realizou até aqui... entendimento, sabedoria das variações existenciais da pessoa
(que muitas vezes ele desconhece por ser assim que elas se mostram...), harmonia,
coerência, segurança das contingências da atividade clínica.
Acho que se você está lendo isso e ainda não vivenciou o que está sendo
detalhado, bem, neste caso, não acredito que minhas palavras encontrem receptividade
em você que encontram em um filósofo clínico experiente. Mas, de qualquer modo,
servirão para quando você estiver trabalhando.
Nesta parte dos trabalhos clínicos, ao ter bem avançados os exames categoriais,
o filósofo então continua aperfeiçoando sua atividade através agora da elaboração da
Estrutura de Pensamento da pessoa.

#16
O que é a Estrutura de Pensamento?
É o modo como a pessoa está existencialmente no ambiente.
Note que a pessoa é anterior à Estrutura de Pensamento, pois é somente através
dela que tal Estrutura tem possibilidade de existir.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 18

Quando o filósofo clínico considerar o outro ser que o procura, ele terá diante
de si mesmo a pessoa ou Estrutura de Pensamento?
Se você quer saber o que eu acho basta reler as linhas acima.
Agora, já percebi que não há aqui, como em quase tudo o mais, um dado
consensual: alguns filósofos certamente considerarão a pessoa como sendo apenas
uma Estrutura de Pensamento, outros saberão distanciar uma da outra; sem contar
aqueles que entenderão tudo, Pessoa & EP, como um todo. Em suma, entenda como
quiser.
Elaborar a Estrutura de Pensamento da pessoa exige cuidados e critérios que
passo a explicar a seguir.
Bem, você sabe que a pessoa pode estar em um mau dia, daqueles em que tudo
parece dar errado, e eu pergunto então se ao fazer todos os exames categoriais e em
seguida, com base neles, elaboramos a Estrutura de Pensamento da pessoa, será que
não teremos em resposta apenas a Estrutura de Pensamento que a pessoa tem naquele
dia, e apenas naquele dia? O que você acha?
Como já estudamos em aula, a Estrutura da pessoa não é algo fixo e imóvel
como a estrutura de ferro e concreto de uma casa.
Na pessoa, a Estrutura é móvel, plástica, poética como as cores de um
caleidoscópio; a cada instante vão se processando milhares de modificações à malha
intelectiva da pessoa! Neste momento exato enquanto você acompanha este escrito
essas e outras milhares de interseções ocorrem em você: algumas amistosas, suaves,
calmas e outras nem tanto. Acompanhar a todas é algo que não se pode conceber
clinicamente.
Ao filósofo importa pesquisar o que de importante está acontecendo nessas
milhares de interseções.
Às vezes é o somatório delas o que é urgente a considerar, ou algumas em
relação a outras, ou ainda uma confusão ou simplesmente nada há que pareça ter
valor clínico...!
E então, o que fazer?
Considere primeiro a plasticidade deste processo.
É evidente que quem nos procura para a clínica vem se enfrentando em uma
situação qualquer que é necessariamente circunstancial e que, de um jeito ou de outro
qualquer, tem sua vida útil. Estou falando da questão a ser trabalhada em clínica.
Mas isso, por si somente ainda é pouco para uma resposta mais ampla; a
resposta de fato, é que o filósofo precisa ir tão próximo quanto possível daquilo que é
urgente, emergencial, fundamental e determinante na vivência da pessoa - e aí, via
interseção, trabalhar no que é realmente essencial.
Por que fazer uma clínica para coisas que não terão conseqüências maiores na
vida da pessoa?
Procure ser íntimo das questões fundamentais.
Você logo vai constatar que elas se apresentam com evidência na Estrutura de
Pensamento da pessoa de maneiras desde simples até complexas. Por exemplo:
a. Choques diretos entre tópicos estruturais.
b. Choques indiretos.
c. Associações caóticas entre tópicos.
d. Problemas na própria Estrutura e não na interseção entre os tópicos.
e. Problemas na interseção entre Estruturas e não entre os tópicos.
f. Ausência de tópicos que são existencialmente exigidos em uma circunstância.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 19

g. Vivência contraproducente de tópicos em situações críticas.


... e podemos estender esta lista ainda por dezenas de páginas, tantos são os
casos!

Também há reflexões pertinentes mais além dessas.


Por exemplo: dois filósofos que tenham interseção clínica com a mesma
pessoa, em momentos distintos, com o objetivo de comparação da Estrutura de
Pensamento que ambos elaboraram, vão obter a mesma Estrutura de Pensamento?
É evidente que não!
Eles constatarão uma semelhança íntima e poderão verificar que o que
consideram determinante na malha intelectiva da pessoa de fato encontra eco em seus
trabalhos.
Essa aparente estranha coincidência nada tem de estranha...
Filósofo Clínico A em interseção com a pessoa Z
Filósofo Clínico B em interseção com a pessoa Z
Se os critérios clínicos que normatizam essas interseções são os mesmos para A
e B, é natural que haja correspondência e semelhança quanto aos que é mensurado.
Isso indica método, organização e sistematização de nossa clínica.
Por que então algumas vezes temos resultados tão distantes quanto a
interpretação final que cada filósofo presta quanto a uma mesma Estrutura de
Pensamento?
Por questões epistemológicas (como cada filósofo conhece e se dá a conhecer),
éticas, axiológicas etc. Nos próximos Cadernos isso ficará notório. Estudaremos
também um tópico estrutural chamado Princípios de Verdade que explana essa
questão.
Por agora, fique com a consideração de que embora a linguagem seja a
mesma, o uso que cada filósofo faz dela é toda a diferença entre as coisas, e que cada
um vivencia as coisas à sua maneira.
Mais ainda: muitas vezes pode se estabelecer uma interseção difícil,
qualitativamente péssima, entre o filósofo e a pessoa que assim impede a atividade
clínica. Por que não? Por acaso prometi alguma mágica a você que promova curas
miraculosas?
Pode estar certo de que mais de uma vez você não conseguirá estabelecer
interseção amistosa junto à pessoa e então não haverá clínica, simplesmente porque as
coisas às vezes são assim mesmo.
Acho oportuno também pedir a você que procure encontrar um equilíbrio
existencial que não se alvoroce diante de qualquer chuvinha mais forte. É importante
estar sereno diante da interseção clínica, ter paz para trabalhar e para coletar
ordenadamente, com método, os dados categoriais que mais tarde darão forma à
Estrutura de Pensamento
Você encontrará quase de tudo, de pessoas que trabalharão com você por
poucas consultas, gente que irá sumir logo após o primeiro encontro e gente que ficará
até bem depois do uso dos submodos; com você estarão pessoas com quem haverá
identificação aprazível, caminhadas existenciais belas, pródigas ou nenhuma
caminhada.
Sabe você o que leva uma pessoa a procurar terapia?
Ela pode estar indo contra a vontade, ou à procura de amor, ou querendo se
conhecer porque acredita que isso é realmente possível, pode apenas ter tempo,
Filosofia Clínica – Instituto Packter 20

dinheiro e uma vida que lhe é fútil e quer ocupar todo esse imenso nada enchendo de
tédio a vida do terapeuta; há gente que tem uma questão bem definida e sabe
exatamente o motivo de estar em clínica, mesmo que mais tarde tenha a surpresa de
descobrir que não era nada daquilo...; portanto, procure estudar bem a criatura que
está em interseção com você, antes de sair pregando enormes e prováveis bobagens.
Curioso é que há terapeuta que precisa de muito estudo para dizer essas mesmas
bobagens...
Acho divertido verificar como há postulados sérios, ameaças veladas, silêncios
fundos e grandes perigos que se anunciam em tantas escolas terapêuticas quando se
trata da terapia da pessoa. Estou falando em termos gerais e não universais, ok?
Acho muito simples e me agrada muito o trabalho em Filosofia Clínica.
Basta ter os cuidados éticos e saber empregar os procedimentos preconizados
que toda a atividade se torna linda, fácil e agradável. Agora, é evidente que isso é
assim para mim. Não posso afirmar que meus alunos terão a mesma experiência que
tive e tenho.
Somente consigo entender a terapia desta maneira.
As perguntas que um aprendiz em Filosofia Clínica comumente faz, pelo que
tenho notado, se respondem na maioria dos casos com o próprio trabalho clínico:
quanto tempo dura a terapia; como lidar quando a pessoa parece que vai explodir; o
que fazer em casos inesperados; quando e como terminar os trabalhos em clínica;
quanto cobrar; quanto tempo pode ter uma consulta; como lidar com os familiares da
pessoa; o que dizer quando não se pode falar o que se pensa; o que anotar como
relevante e como irrelevante; quais os efeitos próximos e distantes de um erro grave em
clínica; até onde ir existencialmente com a pessoa; ser amigo e profissional junto à
pessoa ou ser somente profissional ; quais os limites da relação filósofo & pessoa;
quem deve ou pode dirigir o processo; como delimitar os objetivos; como funciona a
relação interdisciplinar (o atendimento simultâneo filosófico e psiquiátrico); até onde
se pode ou se deve interferir na vida da pessoa; quando se sabe que a terapia está
tendo resultados efetivos; como confrontar pessoas e fatos; quando procurar
assessoria jurídica; quais os fatores aleatórios que podem agravar ou condicionar um
tratamento clínico; o trato com pessoas encarceradas, doentes terminais, com crianças
e com pessoa idosas; a interseção junto à casais; a interseção junto à famílias; o que
fazer diante de interseções ruins, dolorosas, aflitivas etc; um tratado em oito volumes
ainda não responderia a metade dessas questões, simplesmente porque elas necessitam
da prática! A maioria se resolve facilmente na prática clínica.

Vamos então adiante.


Nós já sabemos quais as condições para que um filósofo exerça a clínica; estou
me referindo aos aspectos legais da questão e não ao alcance existencial - que vai
muito além.
O filósofo, segundo a constituição brasileira, não tem habilitação legal para
tratar algumas questões psiquiátricas que preconizam internamento, interdição dos
direitos de liberdade social da pessoa, intervenções medicamentosas, e muitos dos
processos descritos no DSM - IV.
Exatamente por isso é que os exames categoriais e a posterior montagem da
Estrutura de Pensamento são mais uma vez essenciais!
Ao ter precisadas as cinco categorias, duvido que um filósofo clínico atento
deixe passar em esquecimento àquelas questões. Duvido sim. Quando sistematizei a
Filosofia Clínica – Instituto Packter 21

Filosofia Clínica tive todos os cuidados que me ocorreram nesse sentido. Ocupei-me
muito com meus estudos para que meus alunos tivessem a segurança que no início eu
não tive.
Então, deixe-me listar aqui, tendo em consideração somente o pouco que
estudamos nestes dois primeiros Cadernos A e B, onde provavelmente você identificará
as questões médicas psiquiátricas com as quais o filósofo não pode lidar legalmente
(sob pena de incorrer em exercício ilegal de profissão e falsidade ideológica):
— Exame físico (apresentação geral da pessoa). Modo de gesticular; roupas;
meios de expressão. Tudo isso durante a colheita da categoria Assunto Imediato.
— Histórico. Na categoria Circunstância, quando você e a pessoa estiverem
elaborando ordenadamente o histórico, aparecerão sinais característicos do que em
psiquiatria se denomina psicose, desvios esquizóides etc. Lembre aqui que teremos um
Caderno especial contendo informações que nos ajudarão a detectar tais variações.
— Ao apurar os dados da categoria Lugar, que é como a pessoa está
sensorialmente em cada endereço existencial, os referenciais do corpo que indicam
situações de risco como esquizofrenias precoces logo se farão anunciar.
— Na categoria Tempo, confusões temporais, contradições e elaborações
desestruturadas logo se prenunciam.
— Por último, na categoria Relação tudo se torna ainda mais evidente.
Ao ter como a pessoa se relaciona consigo mesma e com quem está em
interseção com ela, praticamente o filósofo tem à disposição os dados que a medicina
exige para sua tipologia - algo tão estranho a nós filósofos.

Esteja tranqüilo quanto a isso.


Dificilmente lhe escapará ao entendimento alguém que tenha uma Estrutura de
Pensamento organizada de modo “doentio”, segundo os critérios médicos, é evidente...
Mais adiante estudaremos também outras maneiras de averiguação.
Alguns alunos já me perguntaram se é possível a um filósofo clínico trabalhar
sem fazer os exames categoriais e a Estrutura de Pensamento.
Legalmente, acho difícil, uma vez que ele não saberá com que tipo de pessoa
estará lidando.
Já clinicamente considero isso um atentado ético à pessoa!
Usar os submodos sem ter primeiro a Estrutura da pessoa é contraproducente, é
um erro grosseiro que pode lesar a pessoa. Sou intransigente nesta questão; meus
alunos sabem que repito e repito a importância dos exames categoriais.

Com a finalidade de exemplificar tornando mais acessíveis os termos, utilizo


um texto selecionado de Capitães da Areia, de Jorge Amado.
Jorge Amado conta dos menores abandonados de sua terra , a Bahia, a viver
em um antigo armazém. A narrativa realista relata a vida de um bando comandado
pelo bondoso e corajoso Pedro Bala; a dificuldade diária para conseguir comida e
dinheiro. A interpretação de Jorge Amado (a medida de todas as coisas) é que as
diferenças sociais injustas remetem à marginalização e à criminalidade. Mostra a
incompreensão que as classes dominantes têm quando consideram os meninos
abandonados à sorte que só possuem a rua como lar..
“Como o vestido dificultava seus movimentos e como ela queria ser totalmente um dos Capitães
da Areia, o trocou por umas calças que deram a Barandão numa casa da cidade alta. As calças tinham
Filosofia Clínica – Instituto Packter 22

ficado enormes para o negrinho, ele então as ofereceu a Dora. Assim mesmo estavam grandes para ela,
teve que as cortar nas pernas para que dessem. Amarrou com cordão, seguindo o exemplo de todos, o
vestido servia de blusa. Se não fosse a cabeleira loira e os seios nascentes todos a poderiam tomar por um
menino, um dos Capitães da Areia.
No dia em que, vestida como um garoto, ela apareceu na frente de Pedro Bala, o menino
começou a rir. Chegou a se enrolar no chão de tanto rir. Por fim conseguiu dizer:
— Tu tá gozada...
Ela ficou triste, Pedro Bala parou de rir.
— Não tá direito que vocês me dê de comer todo dia. Agora eu tomo parte no que vocês fizer.
O assombro dele não teve limites:
— Tu quer dizer...
Ela o olhava calma, esperando que ele concluísse a frase.
— ...que vai andar com a gente pela rua batendo coisas...
— Isso mesmo - sua voz estava cheia de resolução.
— Tu endoidou...
— Não sei por quê.
— Tu não tá vendo que tu não pode? Que isso não é coisa pra menina. Isso é coisa para homem.
— Como coisa que vocês fosse tudo uns homão. É tudo uns menino.
— Mas a gente veste calça, não é saia...
— Eu também - mostrou as calças.
De momento ele não encontrou nada que dizer. Olhou para ela pensativo, já não tinha vontade
de rir.
Depois de algum tempo falou:
— Se a polícia pegar a gente não tem nada. Mas se pegar tu?
— É igual.
— Te metem no orfanato. Tu nem sabe o que é...
— Tem nada não. Eu agora vou com vocês.
Ele encolheu os ombros num gesto de quem não tinha nada com aquilo. Havia avisado. Mas ela
bem sabia que ele estava preocupado. Por isso ainda disse:
— Tu vai ver como eu vou ser igual a qualquer um...
— Tu já viu uma mulher fazer o que um homem faz? Tu não agüenta um empurrão...
— Posso fazer outras coisas.
Pedro Bala se conformou. No fundo gostava da atitude dela, se bem que tivesse medo dos
resultados.”
#17
Exames Categoriais - Aspectos Específicos
A primeira categoria denomina-se Assunto, o objeto de que se trata.
Posso afirmar que o Assunto refere-se ao envolvimento ativo da menina Dora
no trabalho do grupo de meninos liderados por Pedro Bala. Esse é o Assunto Imediato,
o que é próximo, evidente, sintomático.
O Assunto Último o que se relaciona às questões existenciais de Dora de um
modo mais abrangente, desde seu histórico até a condição de ser-aí (dasein), é sempre
resultante de pesquisa que o clínico faz junto à pessoa, e deve ser determinado pela
pessoa, ainda que o clínico tenha suas opiniões a respeito.
Então o Assunto Último no caso de Dora poderia ser a busca de aceitação por
parte do grupo; aproximação e demanda de amor em relação à Pedro Bala; sentir-se
útil; desejo de exercitar sua vivência social; engajar-se em seu ambiente
harmoniosamente ou ainda várias opções.
A categoria Assunto nos informa rapidamente a questão e o jogo comunicativo
em curso.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 23

Jogo comunicativo é apenas uma ampliação dos “jogos lingüisticos” de


Wittgenstein. Segundo o filósofo, nós vamos muito além da denominação em
linguagem, nós empregamos de inumeráveis formas os sinais, as proposições.
“Imagine a multiplicidade dos jogos de linguagem por meio destes exemplos e outros:
Comandar e agir segundo comandos.
Descrever um objeto conforme a aparência ou conforme medidas.
Produzir um objeto segundo uma descrição (desenho).
Relatar um acontecimento...
É interessante comparar a multiplicidade das ferramentas da linguagem e seus modos de
emprego, a multiplicidade das espécies de palavras e frases com aquilo que os lógicos disseram sobre a
estrutura da linguagem.”

Em Investigações Filosóficas, Wittgenstein explana o que de fato nos interessa


quando compara os jogos:
“Considere, por exemplo, os jogos de tabuleiro, com seus múltiplos parentescos.
Agora passe para os jogos de cartas... Se passarmos aos jogos de bola, muita coisa
comum se conserva, mas muita se perde.
São todos recreativos? Compare o xadrez com o jogo da amarelinha.
Ou há em todos um ganhar e um perder, ou uma concorrência entre jogadores? Pense
nas paciências. Nos jogos de bola há um ganhar e um perder; mas se uma criança atira a bola na parede e
a apanha outra vez, este traço desapareceu.
Veja papéis que desempenham a habilidade e a sorte... E tal é o resultado desta
consideração: vemos uma rede complicada de semelhanças, que se envolvem e se cruzam mutuamente.
Semelhanças de conjunto e de pormenor.
Não posso caracterizar melhor essas semelhanças do que com a expressão “semelhanças
de Família”... E digo: os “jogos” formam uma família.”

Para Wittgenstein a linguagem é uma soma de jogos de linguagem e o


significado de uma palavra está em seu uso.

No nosso caso, quando Dora diz à Pedro Bala:


“Não tá direito que vocês me dê de comer todo dia. Agora eu tomo parte no que
vocês fizer.” Dora usa um jogo de linguagem dela e dos meninos de rua. Pelo que
houver de semelhante com o meu jogo de linguagem (os elementos do conjunto dela
que também tiverem representação no meu conjunto) estabeleceremos a interseção. As
nossas “semelhanças de família” nos permitem aumentar a área de interseção do jogo
comunicativo em curso.
O jogo comunicativo envolve tudo o que os sentidos e o intelecto estabelecem
dentro da interseção. Vai muito além do verbo; envolve intuição, comunicação não-
verbal etc.

Como lidamos com isso em clínica inicialmente?


Isso é feito, de início, com os exames categoriais, aristotélicos e kantianos,
adaptados à clínica
Quando digo adaptados, quero dizer que os direcionei às necessidades clínicas
conforme a pesquisa me ensinava.
Assunto é a primeira categoria.
O filósofo procura saber o que faz a pessoa procurar por seus serviços: o que a
trouxe a ele, o que a move em direção à terapia (veio por desejo próprio ou de modo
coercitivo, veio, enfim, por quais caminhos?).
Filosofia Clínica – Instituto Packter 24

A pessoa que vem até nós traz um Assunto Imediato a ser tratado: um
casamento que está em ruínas, um amor magoado, um abandono, uma situação
existencial incômoda, inadequações sociais que para ela são importantes, medos,
conflitos etc. Bom, neste primeiro contato, você cuidará de colher todas as
circunstâncias relacionadas ao Assunto Imediato, poderá mesmo fazer chover
perguntas sobre a pessoa.
De minha prática em clínica, quero informar a você que com muita freqüência
o Assunto Imediato é algo que nos é apresentado meio solto no ar, envolto em
confusões, dúvidas e incoerências; quase sempre é apenas a resultante que incomoda
de algo maior.
Assim, a sensação de abandono, de medo ou solidão, de aflições, conflitos ou
seja lá o que for, quase sempre isso é como a febre...assim como pode ser por si
somente, pode ser a resultante de arranjos orgânicos crônicos e até irremediáveis.
O Assunto Imediato é somente um referencial de começo. Pode conter toda a
resposta que se procura e pode ter muito pouco a ver com tal resposta.
O Assunto Último, então, é o que verdadeiramente deve ocupar as ocupações de
nossa filosofia aplicada à clínica, embora ambos, Assunto Imediato e Assunto Último
possam calmamente coincidir. Por que não?
Por analogia, se você vai a um médico com dores abdominais é
contraproducente que lhe dê algum analgésico e antitérmico dando o caso por
completo. De modo algum ele fará isso! Pode esta colocando a vida da pessoa em
perigo.
Da mesma forma, o filósofo clínico pesquisará as variáveis associadas para ter
um parecer.
Em clínica, no entanto, encontramos peculiaridades que quero mencionar.
Por exemplo, muitas vezes não teremos objetividade em caracterizar o Assunto
Imediato ou não saberemos exatamente qual o Assunto Último. Isso pode acontecer.
Nem por isso há impedimento ao nosso trabalho, pois pode estar aí a própria questão a
ser trabalhada, ou pode estar implícito no processo que seja esta a condição para a
atividade clínica.
Bem, seguindo então.
Mesmo que não haja um Assunto Imediato, o que é raro, em seguida o filósofo
deve continuar o estudo que localizará existencialmente a pessoa.
Vocês ouviram bem o que eu disse: um estudo que localizará existencialmente a
pessoa.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 25

Outra característica do aprendiz é entender o que quer entender, e não o que a


pessoa está tentando transmitir!
Não é uma regra, evidente.
É fundamental que o filósofo compreenda esta urgência!
Constata-se uma tendência inicial forte ao que é parecido a uma mutilação
existencial da pessoa por parte do clínico, o que é lamentável, lamentável, lamentável.
O que é bom é que em pouco tempo de prática clínica isso se desfaz.
Vamos então às considerações de dificuldades típicas logo ao início do trabalho
em clínica.
Acompanhe:

. Esqueço de minha vida.


. Algo se abre em minha alma.
. E fico triste.
. Eu choro muito.
A pessoa chega trazendo algo (Assunto Imediato) que em nada pode ter relação
com o que de fato será trabalhado (Assunto Último). Esse algo vem solto, com saltos
temporais, lógicos, sem contexto profundo.
Dependendo da intensidade, emoção, coerência, seqüência, situação,
interseção, momento, eloqüência com que isso é colocado, é tranqüilo que o aprendiz
afoito se deixará levar no redemoinho do qual depois dificilmente sairá.
É perfeitamente natural que o iniciante ache difícil acreditar que as queixas
chorosas da pessoa, muitas vezes realmente penosas, possam ter um nada a ver com o
que se trabalhará em clínica a seguir.

#18
A segunda categoria é a Circunstância, o somatório de singularidades que
acompanham uma situação.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 26

Aqui levanta-se as variáveis pertinentes, próximas e longínquas, tudo o que o


clínico julga necessário para situar a pessoa dentro de um quadro mais nítido, como se
de linhas gerais chegassem a uma representação mais minuciosa e precisa.
No caso de Dora, quais são essas variáveis?

A situação das crianças de rua em Salvador, o modo de interação social, a


relação que se estabelece entre os menores de rua, o histórico pessoal da menina, as
possibilidades que a sociedade lhe oferece, os costumes do povo, as condições de vida e
tantas outras. Quando consideramos um peixinho em um aquário, examinamos desde
sua coloração até o próprio vidro das paredes (mas cada clínico indicará o que para
ele é importante dentro de seu modo de mensurar e representar o mundo). O resultado
desta leitura interpretativa significará interseção maior ou menor. Uma leitura
incompleta, confusa ou alheia completamente à leitura realizada pela pessoa pode
deixar o pesquisador sem pontos de interseção; é fundamental que as invenções e
descobertas sejam compartilhadas.

Atenção a alguns critérios fundamentais!


É fundamental que essa narrativa comece a partir do nascimento da pessoa ou
de sua recordação ou notícia mais distante, no que se refere à própria vida.
Em geral, pergunto sobre onde nasceu, o que faziam seus pais, como era a
época ou a localidade. No instante em que a pessoa entende, à maneira dela, que estou
interessado em sua história e aí começa por contá-la, passo imediatamente a fazer o
que chamo de Agendamento Mínimo: faço indagações como ‘e então, o que houve?; e
a partir daí?; como segue sua história a partir deste momento?; continue, por favor; e
como segue isso?; continuando o seu relato; qual a seqüência disso?; dando
seguimento; e assim; e então; e depois; e continuando isso; e logo em seguida; me
conte um pouco mais; quero entender melhor isso; me conte mais a respeito; siga
contando; estou seguindo com você, continue; daquele momento em diante; etc etc’.

Sabe qual é o motivo com tais termos?


Quero que a pessoa me conte a história dela, por ela mesma, de modo ordenado
(princípio, meio e fim), sistematizado (onde o subseqüente tenha vinculação direta ao
antecedente), sem saltos temporais (0,1,2,3,4,...5,...45 anos) e com mínimo de
interferência do filósofo.
É um eufemismo falar em Agendamento Mínimo após pedir à pessoa um
histórico assim sistematizado...!
Filosofia Clínica – Instituto Packter 27

Se, por exemplo, deixasse à pessoa que ela me desse qualquer tipo de
manifestação desde o princípio, teria um histórico (se e quando houvesse) repleto de
saltos, omissões, enredamentos confusos que provavelmente me colocariam à margem
de minha terapêutica.
No entanto, há vezes em que a pessoa me chega em tal estado existencial que
não tenho melhor escolha a não ser deixar que se expresse conforme a confissão e o
tumulto que a habita. Mais tarde estudaremos na Esteticidade como isso é processado
em clínica.
Por agora, importa o fato de que ao me contar sua versão existencial por si
mesma seguindo uma orientação cronológica, a pessoa tem a chance de colocar seu
Assunto Imediato em um contexto do qual certamente é parte, tem a oportunidade de
fazer uma interpretação ordenada e sistemática de sua própria vida, e fornece ao
filósofo a possibilidade de entender, via interseção, mais completamente a pessoa que
com ele trabalha.
O filósofo precisará de talvez duas ou três consultas, é comum, para que isso se
processe: o exame da categoria Circunstância.
Acredito que você encontra desde gente monossilábica até a mais verborrágica.
A prática clínica ensinará a você como lidar com tais pessoas.
Cabe perguntar se ao pedir à pessoa para me relatar sua história
ordenadamente, sem saltos temporais, não estou fazendo a priori uma intervenção
clínica.
A minha resposta a isso é afirmativa.
Até onde estudei a respeito em minha vida, desconheço um modo clínico de ser
que desdenhe da interseção. Aliás, acho isso impossível.
O que pretendo aqui não é uma espécie de redução em Husserl, mas sim um
Agendamento Mínimo que me dê referenciais mais ou menos seguros de modo a
iniciar a minha atividade clínica.
Na verdade, no instante em que a pessoa pensa em me procurar para realizar
um trabalho em Filosofia Clínica, já há implícito, um agendamento; o segundo ocorre
quando temos contato: o ambiente do consultório em suas disposições, meu modo de
vestir e de ser como sou, o clima, a época, enfim...desde muito cedo, a clínica inicia
com milhões de agendamentos aos quais não quero aumentar de outros milhões.
Então, de tudo o que aprendi em minha vida desde as psicologias e a psicanálise,
acredito que os exames categoriais são um ótimo começo clínico.
Observe que o que a pessoa relatar é uma interpretação dela sobre o que
vivenciou - e isso é de fato muito diferente do que deve ter mesmo acontecido. Isso
pode ter uma importância decisiva ou nenhuma importância, mas até aqui o que pode
o filósofo afirmar?
Normalmente também há pequenos saltos inevitáveis: a pessoa pula dos dez
para os dezoito anos, depois fala ordenadamente, ano a ano, até os vinte e cinco,
quando então há mais um salto até os trinta etc.
Minha sugestão é que você permita ao menos este tipo de salto temporal, mas
em hipótese alguma permita algo como um ‘efeito pipoca’: 1,2,4,6, depois 2 de novo,
aí 20, e então 15,14,13 e direto para os 40 etc...
Pense comigo uma coisa: que tal se eu lhe contasse, logo no seu primeiro
contato com a história da humanidade, mais ou menos, que neste século tivemos duas
grandes guerras; em seguida lhe dou dezenas de dados e situações avulsas, aleatórias,
desses dois embates, depois vou ao Renascimento e ao movimento romântico nas artes,
Filosofia Clínica – Instituto Packter 28

não sem antes contar de quando os homens desceram das árvores e depois criaram a
agricultura; a tudo isso, trato de, volta e meia, divagar sobre as religiões animistas, e
encerro com um marxismo eclético e confuso que serve como desculpa às ansiedades
que me habitam etc etc. Dou saltos temporais (e de raciocínios) que tornam minha
história tão compreensível quanto compreende uma criança de três anos que se meta a
estudar a matemática de Georg Cantor.
Que tal?
Por mais pobre e lacônica que seja a história da pessoa, o filósofo deve ajudá-
la a contar de um modo que seja compreensível a ambos.
Através disso, o filósofo fará um estudo sobre algumas possibilidades iniciais
em clínica, saberá se a pessoa precisa procurar um psiquiatra, um neurologista, um
clínico geral, conhecerá seu passado médico, social, pessoal etc. Terá alguns
parâmetros que lhe darão uma base mais segura para iniciar a clínica.
Pois bem, mas o que fazer com os saltos temporais inevitáveis.
Por exemplo: a pessoa pode não se recordar de coisa alguma na fase que vai
dos vinte aos vinte e cinco anos.
Em tal caso, a primeira recomendação é entender que isso não é um vácuo; é
algo que está ali por uma razão qualquer. A pessoa pode ter esquecido um fato como
sua maneira íntima de lidar com algo que lhe é insuportável lembrar. Ou seja, é esse o
modo como ela resolveu, bem ou mal, o que a afligia! Um filósofo desavisado pode
achar por bem trabalhar isso, sem os demais exames categoriais e a montagem da
Estrutura de Pensamento da pessoa, e, fazendo isso, provocar danos de fato até muito,
muito graves mesmo. Havendo muitos saltos no histórico da pessoa, o clínico pode
usar a Divisão (não como submodo, mas como instrumento de coletar os exames
categoriais).
Assim, dos 25 aos 30 anos, promove-se novamente um histórico nos mesmos
moldes que fizemos até aqui: Agendamentos Mínimos e evitando os saltos temporais.
Se a pessoa apresentar movimentos de aversão, nesta parte, pare
imediatamente, e se dê por satisfeito, em caráter provisório, com o material colhido.
Anote o que houve e siga adiante. Mais tarde, na Esteticidade, você aprenderá melhor
a lidar com isso.
Quero que você anote também o quanto é comum a pessoa se sentir
subjetivamente bem, confortada, após a apuração destas duas primeiras categorias por
parte do filósofo; e, além disso, observe com atenção a abundância de dados que
começam a surgir de uma consulta para a seguinte. A pessoa traz mais e mais
material, afirma que se lembrou de coisas que nem imaginava terem lhe acontecido
etc. Isso é bem comum. Mas se a quantidade de novos dados for de fato enorme,
proceda ordenadamente e novamente cuidando os saltos temporais: “muito bem,
conte-me a partir daqui” - você pode dizer e retomar então sistematicamente o
processo.
Observe que este início da Filosofia Clínica via logicismo formal, em minha
opinião, é árido quando comparado à plasticidade e riqueza que encontraremos em
seguida na Esteticidade.
Há obviamente aqui um excesso de cuidados.
Acho que é assim que precisa ser, especialmente porque a filosofia acadêmica
parece ensinar à larga a fazer metafísicas que são deliciosas enquanto poesia
filosófica, mas podem ocasionar seqüelas graves se aplicadas à clínica sem critérios e
sem um trabalho prévio prático e experimental.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 29

Em algum tempo próximo, os filósofos clínicos terão uma prática clínica


considerável o suficiente para que possam iniciar o exercício da Filosofia Clínica
diretamente pela Esteticidade, pela Somaticidade e, talvez, mostrarão o caminho para
essas e outras profundidades.
Mas por enquanto isso ainda não nos é possível ética e clinicamente; os riscos
são maiores que os benefícios.
Uma aluna de São Paulo me perguntou por que não pode o filósofo clínico,
logo no início da terapia, permitir a livre expressão, em qualquer ordem temporal ou
de raciocínio, por parte da pessoa, como preconizam algumas escolas analíticas.
Ou seja, a pessoa chega e vai expressando o que lhe ocorre no momento
conforme o que vai vivendo.
A resposta a isso é muito tranqüila.
a. A pessoa pode estar trazendo Assuntos Imediatos, sucessivos, “sintomas”,
temas que podem ocupar meses de terapia.
b. A EP que se pesquisará em tal caso será caótica, superficial e parecerá
muitas vezes absurda. Basta que o filósofo tente usar um ‘Em Direção ao Desfecho’ e
logo terá a sensação de estar lidando com um marciano...
c. Ainda que o material trazido pela pessoa seja recorrente (Paixão
Dominante), seja reiteradamente dito por ela como fundamental, ainda assim pode ser
uma Armadilha Conceitual ou ter uma importância muito pequena na malha
intelectiva quando feita a Autogenia. Ou seja, em relação aos demais tópicos pode ter
uma importância estrutural subjetiva mínima.
d. A clínica poderá ser toda realizada em torno de choques periféricos de
tópicos da Estrutura que pouco afetam os choques determinantes.
...e ainda há outras razões que podem ter conseqüências graves conforme as
especificidades do caso. Por exemplo, em desordens médicas crônicas às quais o
filósofo sequer tem habilitação legal para lidar em clínica.

Bem, vamos seguir com os exames categoriais.


É bobagem achar que a pessoa começará a se recordar de coisas horríveis,
traumas imensos, dores etc... isso até pode ocorrer, conforme a pessoa se estruturou.
Uns consideram as tristezas da vida algo que deve ser deixado longe da luz, outros
apreciam revivê-las, outros ainda nem apreciam mas sentem que devem fazê-lo e então
o fazem etc etc etc. É necessário conhecer intimamente a Estrutura de Pensamento da
pessoa para saber se é necessário mexer no que está cicatrizado ou não. A priori eu
não sei afirmar nada sobre isso.
Enquanto você vai tendo maior familiaridade ao modo como a pessoa se
estruturou, recebe de maneira que me parece generosa as três categorias restantes.

#19
A terceira categoria, Lugar: especificamente, mensuramos como a pessoa se sente
(portanto, suas sensações) e o que pensa (portanto, a representação mental, intelectiva, que
criou para si mesma) a propósito do ambiente onde está inserida.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 30

Para mensurar com maior propriedade, no espaço de interseção, é fundamental


recordar que o corpo é o modo de ser no mundo da pessoa; alguém distraído de sua
corporeidade terá problemas na pesquisa dos movimentos inversivos.
Maurice Merleau-Ponty, em sua Fenomenologia da Percepção, realiza uma
importante explanação:

“Estamos habituados pela tradição cartesiana, a nos desprendermos do objeto: a atitude reflexiva
purifica simultaneamente a noção comum do corpo e da alma definindo o corpo como uma soma de
partes sem interior e a alma como um ser presente inteiramente em si mesmo sem distância. Estas
definições correlativas estabelecem a clareza em nós e fora de nós: transparência de um objeto sem
ondulações, transparência de um sujeito que só é o que pensa ser. O objeto é objeto de um lado a outro e
a consciência de um lado a outro. Há dois sentidos, e somente dois, da palavra existir: existe-se como
coisa ou existe-se como consciência. A experiência do corpo próprio, pelo contrário, nos revela um modo
de existência ambíguo. Se tento pensá-lo como um feixe de processos na terceira pessoa - visão,
motricidade, sexualidade - percebo que estas “funções” não podem estar unidas entre si e ao mundo
exterior por relações de causalidade, elas são todas confusamente retomadas, e implicadas num drama
único. O corpo não é pois um objeto. Pela mesma razão a consciência que tenho não é um pensamento,
quer dizer que não posso decompô-lo e recompô-lo para formar dele uma idéia clara. Sua unidade é
sempre implícita e confusa. Ele é sempre outra coisa além do que é, sempre sexualidade ao mesmo
tempo que liberdade, enraizando na cultura, no momento em que se transforma pela cultura, nunca
fechando sobre si mesmo, e nunca ultrapassando. Se se trata do corpo de outro ou de outro ou de meu
próprio corpo, não tenho meio de conhecer o corpo humano senão vivendo-o, quer dizer, retomar por
minha conta o drama que o atravessa e me confundir com ele. Sou pois meu corpo, ao menos em toda a
medida em que tenho uma aquisição e reciprocamente meu corpo é como um sujeito natural, como um
esboço provisório de meu ser total. Assim, a experiência do corpo próprio se opõe ao movimento
reflexivo que liberta o objeto do sujeito e o sujeito do objeto, e que só nos dá o pensamento do corpo ou o
corpo em idéia e não a experiência do corpo ou o corpo na realidade...O corpo próprio está no mundo
como o coração no organismo: ele mantém continuamente em vida o espetáculo visível, ele o anima e o
nutre interiormente, forma com ele um sistema...
Do ponto de vista de meu corpo não vejo nunca igualmente as seis faces de um cubo, mesmo se
ele for de vidro, e entretanto a palavra “cubo” tem um sentido, o próprio cubo, o cubo verdadeiro, além
de suas aparências sensíveis, tem suas seis faces iguais. Na medida em que rodo em torno dele, vejo a
face frontal, que era um quadrado, se deformar, depois desaparecer, enquanto os outros lados aparecem e
tornam-se cada um por sua vez quadrados... E mesmo, para que meu passeio em torno do cubo motive o
julgamento “eis um cubo”, é necessário que meus deslocamentos estejam eles mesmos localizados no
espaço objetivo e, longe da experiência do movimento próprio, condicionar a posição de um objeto, é ,
pelo contrário, pensando em meu próprio corpo como um objeto móvel que posso decifrar a aparência
perceptiva e construir o cubo verdadeiro...
O objeto e meu corpo formariam um sistema, mas tratar-se-ía de um feixe de correlações
objetivas e não de um conjunto de correspondências vividas...
Filosofia Clínica – Instituto Packter 31

A análise reflexiva substituí a existência absoluta do objeto pelo pensamento de um objeto


absoluto, e querendo ultrapassar o objeto, o pensar sem ponto de vista, ela destrói sua estrutura interna.
Se há para mim um cubo de seis faces iguais e se posso reunir o objeto, não é que o constitua do interior:
é porque penetro na densidade do mundo pela experiência perceptiva. O cubo com seis faces iguais é a
idéia-limite pela qual exprimo a existência carnal do cubo que está aí, sob meus olhos, sob minhas mãos,
em sua evidência perceptiva...
A coisa e o mundo me são dados com as partes do meu corpo, não por uma “geometria natural”,
mas numa conexão viva comparável ou mais certamente idêntica aquela que existe entre as partes de meu
próprio corpo. A percepção exterior e a percepção do corpo próprio variam juntas porque são as duas
faces de um mesmo ato...
Toda a percepção exterior é imediatamente sinônimo de uma certa percepção de meu corpo,
como toda percepção de meu corpo se explicita na linguagem da percepção exterior...
Reaprendemos a sentir nosso corpo, reencontramos no saber objetivo e distante do corpo este
outro saber que temos dele porque ele está sempre conosco. Vai ser necessário da mesma maneira
despertar a experiência do mundo tal como nos parece enquanto estamos no mundo por nosso corpo. Mas
retomando contato assim com o corpo e com o mundo, somos também nós mesmos que iremos encontrar,
pois, se percebe com seu corpo, o corpo é um eu natural, é como sujeito da percepção.”

Merleau-Ponty mostra o corpo como uma atividade expressiva que precisa ser
vivida para dar conhecimento a um sentido. Nós vivemos nas coisas e nas idéias;
estamos no corpo enquanto tocamos os objetos e os habitamos.
Toda a forma de expressão, de relação, tudo o que posso querer, ser ou estar,
tudo o que me faz ser no mundo está vinculado ao meu corpo.
As maneiras inversivas que pesquisamos nos submodos mostram a qualidade
desta relação.
Quando o filósofo estiver pesquisando a categoria Lugar (formações do
intelecto e sensações relacionadas ao meio onde a pessoa vive) deve considerar que o
corpo da pessoa é o somatório de seus modos de existência. Então, em conformação
com a interseção estabelecida, o clínico pode constatar se a pessoa se move com
liberdade ou com dificuldade de expressão, se apresenta um corpo devastado por
moléstia e ocupações da mente com assuntos polutos, se há confirmação do corpo às
assertivas verbais, qual a qualidade da relação com o ambiente; enfim, se é onde a
alma está encarcerada (Platão) ou se é justamente o meio que nos liberta para a
confortável alegria de apenas viver.

Complementando Merleau-Ponty, Michel Serres escreve em “O Contrato


Natural”
:“...recente passagem do local ao global e à relação renovada que de agora em diante mantemos
com o mundo, outrora nosso senhor e, não faz muito, nosso escravo, sempre, em todo caso, nosso
hospedeiro, agora nosso simbiota.
Volta à natureza! Isso significa: ao contrato exclusivamente social juntar o estabelecimento de
um contrato natural de simbiose e de reciprocidade onde a nossa relação com as coisas deixaria domínio e
posse pela escuta admirativa, pela reciprocidade, pela contemplação e pelo respeito, onde o conhecimento
não mais suportaria a propriedade nem a ação a dominação, nem, estas os seus resultados ou condições
estercorárias. Contrato de armistício na guerra objetiva, contrato de simbiose: o simbiota admite o direito
do hospedeiro, enquanto o parasita - nosso estatuto atual - condena à morte aquele que pilha e que habita
sem tomar consciência de que no final condena-se a desaparecer...
..., o direito de simbiose se define por reciprocidade: o que a natureza dá ao homem é o que ele
deve restituir a ela, transformada em sujeito de direito.
...
Em que linguagem falam as coisas do mundo, para que possamos nos entender com elas por
contrato? ... A Terra, na verdade, nos fala em termos de forças, de ligações e de interações, o que basta
para fazer um contrato. Cada um dos parceiros em simbiose deve, de direito, a vida ao outro, sob pena de
morte. Tudo isso permaneceria como letra morta senão se inventasse um novo homem político.”
Filosofia Clínica – Instituto Packter 32

Pesquisa em aula:
1. Considere inversamente seu corpo.
Considere descritivo o que tem vivenciado enquanto corpo, enquanto
bodymind.

2. Existe em minha representação bom e mau, bem e mal, certo e errado?

Em nossas aulas praticaremos com toda a freqüência os procedimentos médicos


de Moshe Feldenkrais. O intuito é aprimorar a leitura não-verbal que já fazemos
informalmente e desenvolver de modo agradável o exercício de nossa condição de
primatas, tão esquecida nos meios acadêmicos.

Lugar: é o modo sensorial de ser da pessoa em cada endereço da categoria


anterior, Circunstância.
Quando menciono o termo sensorial estou me referindo a tudo o que a pessoa
vivencia que está diretamente associado aos sentidos e as vivências proprioceptivas
(que é como designa o fisiologista Shenington a certas percepções internas).
Cuide que se você perguntar à pessoa como ela se sentia, como via, como estava
em sua própria pele, o que ouvia e degustava, o que seu estômago digeria das palavras
da família, e tantas coisas assim, bem, você estará agendando indevidamente termos e
direcionando o processo de modo pouco recomendado.
Deixe à pessoa a tarefa de expressar o que vivenciou e o que deixou de
vivenciar sensorialmente, por favor! Nesta parte de nossos estudos, não diga a ela o
que ela vivenciou...!Deixe que a pessoa diga.
Bom, vamos especificar.
A pessoa pode contar que a fase mais maravilhosa da vida dela, por exemplo,
foi quando “aos vinte anos eu senti a qualidade inebriante da atmosfera inefável do
mar em sua abrupta e sublime luminosidade acalentando o vão das brumas que,
perdidas no tempo, iam e vinham como em um indizível habitar de tons e sons cuja
característica é um ser que não se dá a conhecer.”
Curioso, hein?
Mas quero muito perguntar uma coisa aqui, antes de tudo: esta pessoa pode
estar mencionando abstrações enquanto vivencia dados sensoriais?
Entenderam?
Será que ela pode falar do indizível, do inebriante e do inefável enquanto
intimamente vivencia um gostoso banho de mar?!
Algo que poderia certamente desnortear o filósofo clínico levando-o a crer
tratar-se de uma pessoa muito abstrata e pouco sensorial...!
Que tal?
A resposta é afirmativa.
Isso porque pode existir dissociação ou outra estranha forma de relação entre o
que é expresso e o que é sentido daquilo que é expresso. Da mesma maneira, em
sentido inverso, alguém pode falar em ver a face de Deus sem ter qualquer registro
sensorial disso por ser cego de nascença e por ter a palavra ver como um hábito para
os momentos de abstração alta...
Filosofia Clínica – Instituto Packter 33

Basta que o filósofo use os passos da Desconstrução e tudo isso ficará tranqüilo
como água de poço e claro como o sol dos pampas ao meio-dia.
Além disso, a categoria Lugar não é considerada isoladamente, o que seria um
erro clínico grave.
Em conformação às demais categorias bem cedo se torna evidente ao filósofo o
que de fato acontece, pode estar certo! Mas também é comum existir uma
correspondência freqüente sobre tais dados; palavras, termos, expressões físicas etc
que se referem diretamente aos sentidos tendem a remeter a isso mesmo, embora seja
bom estar atento às exceções.
A categoria Lugar informará o quanto de sua somaticidade a pessoa viveu em
cada época de sua vida e em cada situação que tenha importância pesquisar melhor.
Às vezes a pessoa pode ter aprendido a viajar longe em idéias complexas sempre
que houve uma ameaça de perder o amor de alguém querido em sua vida, assim
conseguiu se solucionar em sua dor de modo muito eficaz. Outras vezes vamos
descobrir indivíduos que sofreram sensorialmente suas idéias complexas ; por
exemplo, a cada queda na bolsa de valores o sujeito ameaça infartar. Talvez uma
outra criatura tenha aprendido a amar sensorialmente sua mulher e no entanto não
consegue expressar em termos tal vivência ao filósofo, o que pode levar este a
considerar a abstração onde existiu um forte dado sensorial. Enfim, vão às centenas as
exemplificações. Quero muito que você saiba que isso existe!

#20
Tempo, a quarta categoria. Interessa saber qual o relacionamento entre o
tempo convencionado (afixado no relógio) e o tempo subjetivo. Em seu escrito Três
Diálogos Entre Hilas e Filonous, no primeiro diálogo, Berkeley expõe:
“F. Um movimento real num corpo externo poderá ser ao mesmo tempo muito lento e
muito rápido?
H. Não, não pode.
F...,um corpo que percorre uma milha em uma hora está animado de um movimento três
vezes mais rápido do que se percorresse uma milha durante três horas.
H. Concordo convosco.
F. E não será verdade que o Tempo é medido pela sucessão das idéias na nossa mente?
H. Assim é.
F. E não seria acaso coisa possível que as idéias se sucedessem na vossa mente duas
vezes mais rápidas que na minha própria, ou na de algum espírito de outra espécie que nós?
F. A uma outra pessoa, por conseguinte, pode parecer que o mesmíssimo corpo realiza o
percurso de certo espaço em metade do tempo que vos parece a vós. E para outra relação qualquer o
mesmo raciocínio seria válido. Quer isso dizer: pelos vossos princípios (admitindo que os movimentos
perpecionados existem ambos no próprio objeto), é possível que um só e mesmo corpo se mova
realmente ao mesmo tempo com muita rapidez e com muito vagar.”

É fato comum constatar que para alguns a vida passa com muita pressa,
enquanto a outros ela transcorre serena e parece sempre em atraso. O tempo
realmente considerável é o que a pessoa tem representado em si mesma.
“Tu tá gozada”, disse Pedro Bala; usou o presente do indicativo para expressar
que achava isso no momento em que falava: o presente.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 34

Cuidando o tempo verbal utilizado sabemos onde localizar a ação, os


fenômenos ou estados: presente (enquanto falo), pretérito (antes do que estou falando)
e futuro (após falar).
Também o modo verbal é importante: as formas que o verbo assume para
expressar a atitude do falante em relação ao fato.
“Posso fazer outras coisas”, afirma Dora de forma categórica (Modo
Indicativo).
“Se a polícia pegar a gente não tem nada. Mas se pegar tu?, disse Pedro Bala
exprimindo algo condicionado ou hipotético (Modo Subjuntivo).

O modo Imperativo refere-se a uma ordem ou súplica:


“Aproxima-te de mim”.

Podemos saber também pelo verbo se uma pessoa pratica ou sofre uma ação.
“A moça beijou o rapaz.” Na voz Ativa o sujeito pratica a ação.
“O rapaz foi beijado pela moça. Na voz Passiva o sujeito sofre a ação.
“A moça felicitou-se”. Na voz Reflexiva o sujeito pratica e sofre a ação.
Para o nosso trabalho cabe lembrar também o Infinitivo Impessoal: ‘Vamos
deixar disso’; ‘Amar’; ‘O viver em paz’. A ação é manifestada de maneira
indeterminada, sem definição precisa de tempo e sujeito.

Quando alguém afirma: ‘eu amei muito’, a pessoa dá contas de uma


elaboração mental onde as sensações e o intelecto combinaram juízos de tal ordem que
ela assim concluiu.

Eu - o sujeito.
amei - pretérito perfeito; indica ação consumada. Portanto, a pessoa não ama
agora o que amou.
muito - palavra que nos indica a alta intensidade.

“Depois que a minha filha caçula casou a casa ficou vazia. E nós perdemos o
ar saudável da vida”, confessa certa pessoa.
Ao usar o pretérito para comunicar o Assunto, entendo por isso o forte vínculo
que essa pessoa estabelece com o passado. Em outra pessoa, o vínculo pode dar-se no
futuro: ‘Quando a minha filha casar a casa ficará vazia. E nós perderemos o ar
saudável da vida’.

Pesquisa de aula:
Vamos exercitar alguns jogos lingüísticos de utilidade em nosso trabalho
clínico.
1. Traduza em direção a maior distância das sensações simples e depois em
direção a menor distância o poema chamado Tempo, de Mario Quintana.

“O despertador é um objeto.
Nele mora o Tempo. O Tempo não pode viver sem nós, para não parar.
E todas as manhãs nos chama freneticamente como um velho paralítico
a tocar a campainha atroz.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 35

Nós é que vamos empurrando, dia a dia, sua cadeira de rodas.


Nós, os seus escravos.
Só os poetas
os amantes
os bêbados
podem fugir
por instantes
ao Velho...Mas que raiva impotente dá no Velho quando encontra crianças a brincar de
roda e não há outro jeito senão desviar delas a sua cadeira de rodas!
Porque elas, simplesmente, o ignoram...”

2. Expresse a velocidade subjetiva do tempo em relação a você (ele é veloz,


lento, variável) usando somente orações com ‘discursos completos’.

3. A carta, a seguir, de A.S.Neill, grande mestre da Summerhill School, foi


remetida a Bertrand Russell, seu amigo, quando ambos tentavam manter um professor
francês em sua escola na Inglaterra, perseguido por problemas de imigração.
“Caro Russell:

não, é inútil responder às pessoas. Muito provavelmente o principal objetivo das repartições do
governo é salvar o prestígio dos funcionários. Se mais tarde meu professor quiser continuar, posso
arranjar a coisa fazendo-o investir algum dinheiro na escola de modo que continue a ensinar como
EMPREGADOR de mão-de-obra. Seja como for, você já fez muito. Muito obrigado. Penso que na
próxima vez votarei nos conservadores!
Recebi hoje uma carta da viúva de Norman Macmun. Ela parece estar sem dinheiro e me pede
um emprego de zeladora. Não posso dar-lhe um e acho que você também não pode. Aconselhei-a a
recorrer aos nossos amigos milionários em Dartington Hall. Sempre mando para lá os necessitados... mas
nem por isso deixo de odiar aquela gente por causa da riqueza dela. Quando Elmhirst precisa de uma
nova ala passa um cheque para Heals... Heals! E eu aqui sem saber como arranjar dinheiro para levantar
um galpão de tijolo. O pioneirismo é um fracasso completo, meu caro. Estou cansado de pôr em ordem a
trapalhada que os pais fazem. Atualmente tenho um garoto de seis anos que caga nas calças seis vezes
por dia... a mamãezinha dele “curou-o” obrigando-o a comer a merda. Não conto com a gratidão de
ninguém... quando, após anos de esforços, eu curar esse rapazinho, a mãe irá então mandá-lo para uma
“boa” escola. Não vale a pena... indiferença oficial ou inimizade potencial, ciúme dos pais... a única
alegria está nos próprios garotos. Um dia acabo com tudo isso e monto um bonito hotel nos arredores de
Salisburgo.
Você está vendo que eu estou um pouco chateado esta manhã. Gostaria de me encontrar
novamente com você e conversar um bocado. Hoje minha Stimmung se deve em parte à notícia de outro
calote... ao todo 150 libras no ano passado.
Tudo isso de pais cujos problemas eu minorei.

Seu
A.S.Neill”

a. Qual o Assunto imediato?


b. A partir de uma carta onde um professor escreve de seu íntimo a um amigo,
posso conjeturar sobre o Assunto Último?
c. Cuidando os tempos verbais podemos saber onde Neill está focando sua
atenção?
d. Acordante com as vozes verbais (ativa, passiva, e reflexiva), o professor
parece propenso a atuar ou a sofrer a atuação de terceiros, segundo a representação
dele?
e. Podemos afirmar algo sobre a Circunstância?
Filosofia Clínica – Instituto Packter 36

f. A terceira categoria, Lugar, explora as sensações e as formações do intelecto


a propósito de seu ambiente. O que conseguimos averiguar sobre as sensações que
Neill possui naquele momento? (Procura-se aqui as palavras ligadas diretamente aos
sentidos e o que a elas se relaciona. Exemplo: “Você está vendo...”, no último
parágrafo).
E quanto aos raciocínios que expressa? O que podemos considerar disso em
relação ao lugar onde está o professor?

A quarta categoria chama-se Tempo.


A categoria Tempo também deve ser tomada associada às demais, é bem certo
que sim. Ela informa como a pessoa relaciona seu código temporal interno em direção
ao tempo convencionado na sociedade humana, o tempo que é marcado pelo tic-tac do
nosso relógio.
Você poderá constatar coisas realmente lindas sobre isso.
O indivíduo dificilmente tem um tempo subjetivo linear, atômico, certinho
como o compasso de um relógio! Quase nunca é assim. Em geral, há partes de sua
história em que houve um grande vagar, outras em que a velocidade fez com que
pensasse que a vida duraria só alguns minutos; você poderá ainda verificar algumas
confusões temporais e modificações que os próprios relatos providenciarão.
Conforme cada sujeito, um período de tristezas pode ter a duração subjetiva de
um século ou de apenas quinze minutos; há quem tenha relatos extensos sobre
pequenas passagens e também narrativas breves para décadas inteiras de vida. Há
quem tenha estruturado a vida de modo a passar rapidamente. O tempo em clínica é
tão plástico que você perceberá o quanto é difícil afirmar que ele é igual para todos,
pois além do tempo convencionado no relógio há enormes diferenças. Note, por
exemplo, afirmações como “a vida é breve; você é ainda criança, tem muito tempo
para aprender; o tempo se esvai pelos dedos como a água; a vida é como um sopro,
quando se percebe ela já passou; entre a vida e a morte sempre há muito tempo; o
tempo é uma ilusão; o tempo é uma realidade; as coisas acontecem muito depressa;
nossa, como as coisas passam devagar!; o mundo dá voltas muito lentamente; etc etc”.
São muitos os referenciais a respeito do tempo: os tempos verbais, a distância
entre os eventos, o modo como são descritas as ações, a duração, a extensão de um
fato, as correlações simultâneas e tantos mais.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 37

O filósofo constatará que um indivíduo teve uma infância longa, em que a


pessoa vivenciou sensorialmente o carinho de seus amigos e adquiriu uma concepção
esperançosa sobre a vida em geral que se desenvolveu e hoje é determinante em sua
existência. Constatará também centenas de outras variações que lhe exibirão cada vez
mais o quanto o ser humano se constrói em si mesmo. A estruturação temporal de
cada pessoa difere da convenção temporal de uma sociedade.
Alguns indivíduos têm especificado, tão exatamente como evolui a marcação
em uma régua, o momento de casar, de ter filhos, de viver, de morrer... outros não
associam tais compromissos ao tempo, mas usam uma espécie de escala que identifica
o que aprenderam de bom em cada etapa de vida; para ainda outros, o tempo parece
não ter importância alguma. Apenas vivem e isso parece bastar. Há infindáveis
maneiras de mensurar e de entender e de vivenciar o tempo. Acredito que não exista
uma única maneira da pessoa vivenciar a temporalidade de modo estático ao longo da
vida; acho que na mesma pessoa o tempo conhece evoluções e involuções acordantes
com as demais categorias. Há de fato uma mobilidade contínua.

#21
A quinta categoria é denominada Relação: o comportar-se de determinada
maneira em referência a alguma coisa, segundo Aristóteles. Para efeito de nosso
estudo, a relação é a qualidade estabelecida quando da interseção.
A relação é uma especialização dos jogos comunicativos. Em sua relação com
os meninos de rua, Dora mantinha uma atitude maternal, a não ser quanto a Pedro
Bala, por quem sentia um amor de outra natureza.
Em conformação com o Lugar, Tempo e Circunstância, a Relação é sempre
específica e individual. Se Dora acabasse em um orfanato e fosse adotada por uma
família abastada, todo o jogo comunicativo usado por ela sofreria modificações porque
a forma de relacionamento possível seria então diversa.

Como de resto, e um tanto mais aqui, é ‘a medida de todas as coisas’ do


pesquisador que afirmará, através da interseção, o modo como se comporta a pessoa
em relação ao que se quer considerar. Um filósofo especialista em K. Kautsky fará
com toda a certeza uma leitura diferente a de um colega seu que tenha uma formação
estruturalista em Lacan, por exemplo. A leitura mostrará a representação do mundo.
Dora terá talvez uma relação: de dependência, tribal, de mútuo apoio, de poder etc...
Agora então quero ir mais fundo.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 38

Aprendemos, em resumo, que ao viver cada pessoa cria um modo íntimo de se


relacionar com as coisas, o que inclui a relação com ela mesma.
A isso chamamos representação (Schopenhauer).
Conforme a representação que desenvolveu, que pode também ser chamada de
o modo de ser da pessoa no mundo, ela mensura e vivencia o que se lhe apresenta nas
contingências e no devir da existência.
Eu devo colher um bom material sobre como a pessoa se desenvolveu, quais as
diretrizes, quais as nuanças que lhe guiaram ou foram por ela guiadas, quais os
fatores determinantes em sua vida (emoção, pré-juízos, dados axiológicos etc) e
também quais os pouco determinantes (emoção, pré-juízos, dados axiológicos etc) e
qual a maneira de relação entre eles.
E como isso se processa, a priori, nós sabemos um mínimo.
É aqui então que vamos desenvolver nossa filosofia.
Vamos adiante.
Em seguida, o filósofo precisa se situar em relação a pessoa, e ambos em uma
amplidão ainda maior. Estou falando de contextos históricos, geográficos, temporais,
circunstanciais, relacionais, de modo que a interseção (Cantor) se estabeleça com
coerência e firmeza.
Quando falo em interseção (Cantor) refiro-me à maneira como é e se
desenvolve a relação entre as pessoas em questão: filósofo e pessoa.
Portanto, é evidente que tal qualidade orientará grande parte do trabalho
clínico e que ela varia caso a caso. Imagino, por exemplo, que a qualidade da relação
(interseção) que você tem com a sua mulher é diferente da que tem com a sua filha e
da que tem com o seu bichinho de estimação, elas são diferentes e ocupam e
determinam circunstâncias diferentes em você.
E então a última categoria: Relação.
A Relação identifica a qualidade de interseção entre o sujeito e o objeto, é bem
simples.
Sujeito, a princípio, é a pessoa que nos procura e Objeto é tudo o que entra em
relação com ela durante a pesquisa clínica. Além disso, podemos acrescentar que a
pessoa pode estar se relacionando consigo mesma, sendo então Sujeito e Objeto a um
só tempo, como quando ela nos reporta a sensação de prazer que sente ao estar
sozinha e podendo se banhar em águas de cachoeira. Também a pessoa é Objeto se,
por exemplo, tomada em relação ao Sujeito que é filósofo clínico, vice-versa.
Na prática é algo facilmente identificável.
A pessoa, ao comentar sobre o marido ou a mulher, expõe uma relação Sujeito-
Objeto, cuja interseção será visitada pelo filósofo que a atende.
São muitas as maneiras de se identificar o Objeto: é aquele com quem o Sujeito
se relaciona, o citado, o que entra em interseção, aquele a quem o Sujeito se refere etc.
Em casos rotineiros, assim se passa.
Quando for confusa a identidade do Objeto, talvez seja oportuno saber porque
isso ocorre. Talvez a pessoa esteja confusa quanto ao que vivencia, talvez o Objeto de
relação seja apenas um coadjuvante ao Objeto que de fato importa e que não aparece.
Por exemplo: posso falar contra o casamento enquanto instituição, mas tenho
em meu íntimo que isso é apenas uma resposta à péssima relação que venho mantendo
com a minha esposa.
Filosofia Clínica – Instituto Packter 39

Uma boa notícia é que quanto mais o filósofo se tornar íntimo freqüentador da
estruturação da pessoa, mais facilmente ele reconhecerá manobras dessa natureza e de
outras mais intrincadas.
Então vamos recapitular o que temos até aqui quanto às categorias: Assunto
(Imediato e Último), Circunstância, Lugar, Tempo e Relação.
Pois bem, é comum também a pergunta a propósito da segmentação do estudo
em tópicos da Estrutura da pessoa; por que não podemos conceber diretamente a
Estrutura como um todo, e só então depois fazermos o trabalho de segmentação?
Ao invés de ir das partes ao todo, ir do todo às partes.
Bem, tenho notado que alguns filósofos clínicos consideram, em um primeiro
contato com a pessoa, alguns tópicos que para ele, filósofo, são mais importantes; por
exemplo, como a pessoa se relaciona emocionalmente com a própria família...
Há filósofos também que preferem o uso da Esteticidade, com o intuito de
“limpar o terreno de entulhos”, somente depois fazendo os exames categoriais; é
possível também que se demore com a pessoa em um longo histórico (categoria
Circunstância), usando de muitas Divisões, até que ao ter uma apreciação do modo
geral de funcionamento da pessoa, o todo, a começar daí, então, obtém uma clínica
das principais partes (tópicos) em relação determinante à pessoa.
Você pode ainda escolher por caminhos raros:
- Colher dados junto à família (escola, sociedade etc...) da pessoa.
- Após os exames categoriais, fazer um salto e pesquisar fundo os Princípios de
Verdade (tópico), ou fazer uma clínica toda em cima da Epistemologia (tópico e
submodo) da pessoa.
- Alternar a Somaticidade à Esteticidade.
- Em casos extremos, sob autorização escrita da pessoa ou, em caso de
impedimento, de quem for o responsável, não realizar os exames categoriais e a
Estrutura de Pensamento, indo diretamente aos submodos, sendo então mais ou
menos, o que Deus quiser...
Acho que o mais importante em tudo é a qualidade da Interseção que se
estabelece entre o filósofo e a pessoa. Mas a Interseção, por si somente, não levará a
algo promissor se não se fizer acompanhar de procedimentos clínicos aos quais deve se
remeter.