Você está na página 1de 179

direito autoral

Copyright © 2019 Torne-se um Deus vivo.


Todos os direitos reservados. Nenhuma parte desta publicação pode ser
reproduzida, distribuída ou transmitida de qualquer forma ou por qualquer
meio, sem a permissão prévia por escrito do editor, exceto para breves
citações em análises críticas e outros usos não comerciais.

Pedidos
Veja um catálogo completo de magia em: BecomeALivingGod.com.

aviso Legal
Considere este conhecimento adulto e não o conselho legal ou médico.
Use este livro por sua própria conta e risco. Se ocorrer alguma emergência,
entre em contato com um médico imediatamente. Torne-se um Deus vivo não
é responsável pelas consequências das ações. Este livro é para leitores a partir
de 18 anos.

Créditos
Autores: EA Koetting, Kurtis Joseph, Asenath Mason e Edgar Kerval
Editor: Timothy Donaghue
Editor: Torne-se um Deus Vivo
CONTEÚDO
TIMOTHY - PROLOGUE
LIVRO 1 - EA KOETTING - O GRIMÓRIO DE BELIAL
Introdução
Capítulo 1 - Comunhão das
Trevas Ch.2 - Visão cega
Ch.3 - Porta do
espelho Ch.4 -
Evocação
Ch.5 - Posse
Ch.6 - Canalizações e conclusões
LIVRO 2 - KURTIS JOSEPH - ALQUIMIA NEGRA DE BELIAL
Ch.7 - A jornada do tolo
Ch.8 - Revelação do Brightright of Man
Ch.9 - Rejeição do Pacto Infernal
Ch.10 - O Templo da Intrusão Kliffótica
Ch.11 - O Triângulo e Círculo da Arte
Ch.10 - Ritual do Alinhamento Kliffótico
Ch.11 - Ritual da Intrusão Kliffótica Ch.12
- Sons do Silêncio
Ch.13 - Exercendo o poder dos sons silenciosos
Ch.14 - As Cascas da Criação
LIVRO 3 - ASENATH MASON - O CAMINHO REVELADO DE BELIAL
Ch.15 - O Caminho de
Belial Ch.16 - O Sigilo de
Belial
Ch.17 - Invocação do Rei Demônio
Ch.18 - O Portal do Abismo
Ch.19 - O Templo de Belial Ch.20 -
O Olho do Rei Demônio Ch.21 - Os
Mistérios do Ceifador Ch.22 -
Gnose do Threshol Ch.23 - As
Máscaras de Belial
Ch.24 - A Assunção das Sombras de Belial Ch.25
- Cantos Atávicos de Levitação
Ch.26 - Máscaras Deific de Belial
Ch.27 - Pilares do Fogo Sagrado de Belial
Ch.28 - Pelos Túneis de Belial TORNE-SE
UM DEUS VIVO
Prólogo
Diabolismo • Libertação • Divindade
Timothy o Editor

“É com pesar que pronuncio a verdade fatal: o


rei Luís deve morrer para que o país viva.”
—Maximilien Robespierre, Revolucionário Francês

TA conspiração final está em andamento.


Os demônios mais sinistros da história mundial se uniram. Eles
atualmente possuem e animam magos negros para realizar feitiçaria como
suas armas em uma guerra revolucionária cósmica na Terra.
Isso soa como um enredo de fantasia saído de um romance de ficção
sobrenatural - mas na verdade transparece neste exato momento.
Nove demônios pré-históricos estabeleceram relações diplomáticas com
uma crescente classe intergeracional de feiticeiros humanos como parte de
uma insurreição antiautoritária interdimensional.
Como um anarquista de esquina, a intriga política por trás de uma rebelião
cósmica diabólica me alegra. Como um niilista de cafeteria, o fatalismo por
trás de uma força de liberação insuprimível me valida.

Diabolismo Nietzscheano
Uma igreja cristã literalista-bíblica no Texas, nos Estados Unidos, tem
perseguido EA Koetting por anos e, presumivelmente, outros autores
satânicos também. Essas ovelhas acreditam fielmente na Segunda Vinda de
Jesus Cristo, o Anticristo, e que o livro do Apocalipse profetiza um fim dos
tempos iminente, quando o Diabo e sua milícia demoníaca se revoltarão pela
última vez. Como tal, quando o ministro da igreja descobriu a sincera
aspiração de EA de inaugurar os Nove Guardiões Demoníacos, ele ficou
horrorizado que
abra um selo do apocalipse. Ele convocou seus devotos favoritos do sexo
masculino e feminino e os incentivou a evangelizar qualquer pessoa
relacionada à EA intelectualmente. Há um mês, uma jovem loira me enviou
uma solicitação religiosa belicosa; Eu compartilhei na mídia social para
expor minha reclamação, e nesse ponto uma série de outros magickos
simpatizaram por eles também terem recebido exatamente a mesma
solicitação clichê de outros rapazes e moças. Suplicou:
Ei, tenho uma proposta para você, meu amigo. Eu quero saber o que
Deus é mais forte. Ouvi dizer que há poder em Satanás e quero ver de
quanto poder essas pessoas falam. Eu convido você para um chat de
vídeo e lhe dou a oportunidade de lançar maldições sobre mim e invocar
quantos demônios você quiser. Assim que terminar, quero invocar Jesus
e deixar que os espíritos lutem a partir daí. Ouvi dizer que vocês têm
muito orgulho do poder que carregam e quero que seja posto à prova!
Mostre-me que seu deus é mais forte? O que você disse?
Parece que esta congregação cristã extremista identificou vários satanistas
pelo nome, procurou por eles nas redes sociais e tentou evangelizá-los,
embora de forma rude. Com toda a justiça, porém, a ascensão dos Nove
Porteiros Demoníacos se assemelha inegavelmente a um apocalipse bíblico
assustador de sua perspectiva mítica.
Para supor: esses Nove Guardiões Demoníacos vivem como forças
cósmicas existenciais. Os humanos antigos ilustraram-nos com anatomias
humana e animal para reconhecê-los; nomeou-os com epítetos para registrar
suas qualidades; e os classificou em uma hierarquia aristocrática medieval
para politizá-los.
A força multiversal ou entidade cósmica que os antigos judeus designaram
como Bel'yya'al - então latinizados em Belial - não se originou
verdadeiramente do abismo como um rei demônio sentado em um trono de
caveira com incubi seminus a seus pés em um estilo gótico castelo - embora
um mágico possa certamente vê-lo nessa estética em seu reino astral através
da vidência e da viagem da alma - mas os humanos religiosos primitivos
decoravam a entidade pré-humana como um manequim na pompa e
circunstância régia de seu período de tempo.
Antigas tribos formularam religiões inteiras para divinizar essas forças pré-
humanas da natureza e, então, para confundir ainda mais esse
antropomorfismo, civilizações beligerantes próximas iriam difamar essas
mesmas divindades como demônios e, assim, adicionar camadas de máscaras
à mesma entidade sem rosto. Até este ponto, certos espíritos proeminentes
foram adornados com dezenas de máscaras que vão do celestial ao infernal e
vice-versa, mesmo em continentes. Esta lógica circular regressa à pré-história
ao ponto em que ninguém pode autenticar o primeiro
contato desses seres com o Homo sapiens.
O filósofo alemão Friedrich Nietzsche expõe esse fato em seu O
Anticristo:
Nenhuma pista será necessária para entender em que momento da
história a ficção dualística de um Deus bom e um Deus mau se tornou
possível. Com o mesmo instinto pelo qual os subjugados reduzem seu
Deus ao Bem, eles também cancelam as boas qualidades do Deus de seu
conquistador; eles se vingam de seus senhores diabolizando o Deus
destes. O bom Deus e o diabo ...
Ontologicamente, esses espíritos precisariam existir como forças
atemporais, amorfas, anônimas e autônomas em todo o multiverso cósmico.
Em seu clássico Will to Power, lançado postumamente, Nietzsche fornece
sua grande teoria de tudo no aforismo 1067:
E você sabe o que o mundo é para mim? Devo mostrar para você no
meu espelho? Este mundo: um monstro de energia, sem começo, sem
fim ... que não se esgota, mas apenas se transforma ... encerrado pelo
nada como por uma fronteira ... como um jogo de forças e ondas de
forças, ao mesmo tempo um e muitos, aumentando aqui e ao mesmo
tempo diminuindo ali; um mar de forças fluindo e avançando juntas,
eternamente mudando, eternamente fluindo de volta ... das formas mais
simples lutando em direção ao mais complexo ... e, em seguida,
voltando para casa para o simples desta abundância, do jogo de
contradições ... abençoando-se como aquilo que deve retornar
eternamente, como um devir que não conhece saciedade ... meu mundo
dionisíaco do eternamente autocriador, do eternamente autodestrutivo,
este mundo misterioso do duplo deleite voluptuoso,
Caro leitor: esses espíritos, esses demônios caricaturados, essas forças
existenciais são fractais da vontade cósmica de potência; fractal no sentido de
que sua magnitude pode escalar em tamanho conforme necessário para
promover a evolução em uma recorrência eterna. Para reiterar, os Nove
Guardiões Demoníacos são individuações humanizadas de uma vontade de
poder inata ao multiverso, ou seja, forças naturais perpétuas que fomentam o
surgimento infinito de mudanças.

Liberação para a Esquerda


O epíteto Belial significa sumariamente sem mestre. Ele é o demônio
patrono do anarquista, apóstata, criminoso impenitente, escravo rebelde e
perverso mágico. Como o sem lei, ele personifica o espírito do
antiautoritarismo. Seu imperativo categórico está por trás de cada revolução
política, cada ato de desobediência civil, cada crime premeditado, cada
protesto civil, cada rebelião de escravos, cada motim de piratas e cada ritual
de magia perniciosa.
Como uma vontade de poder individualizada, ele não possui nenhuma
moral tradicional para justificar seu ódio primordial à autoridade, porque ele
não precisa de uma; sua força apenas aspira indiscriminadamente a abolir a
hierarquia social como um míssil caça-calor.
Historicamente, os traficantes de escravos atribuíam o valor dos bens
móveis a duas qualidades principais: capacidade de trabalho e obediência.
Escravos saudáveis, fisicamente aptos e cumpridores da lei receberam o valor
mais alto, enquanto escravos incapacitados e rebeldes receberam o valor mais
baixo. Um trabalho pesado que não trabalhava não só não tinha valor, como
também custava caro para o proprietário que os alimentava e abrigava.
Nesse contexto, uma interpretação comum do nome Belial o chama de
inútil. Hierarcas antigos, monarcas medievais e até mesmo políticos
modernos sempre apelaram à autoridade divina para garantir o assassinato e
escravização de pagãos, pagãos, infiéis e descrentes. Dadas as normas sociais
da Idade do Bronze, parece inteiramente plausível que um chefe tribal
caluniasse um escravo pagão desobediente como sem senhor e sem valor, a
ponto de não agregar valor à força de trabalho do gado humano.
Característico da época, o mesmo chefe poderia ter estendido essa calúnia aos
deuses e deusas daquele escravo, por exemplo, "Você é um escravo sem valor
e adora um deus sem valor."
Belial não possui admiração por fileiras e hierarquia. Ele liberta; portanto,
ele simboliza o Caminho da Mão Esquerda e permanece como o Primeiro
Guardião Demoníaco - ele avalia o valor de uma pessoa com base em se ela
possui traços autoritários e ajuda a purificar aqueles que o fazem antes da
admissão.
O gênio prussiano Immanuel Kant teorizou em Critique of Pure Reason
que os humanos intuem 12 categorias a priori em sua cognição; O gênio
grego Aristóteles teorizou 10 categorias; Os neo-aristotélicos calculam nove
categorias. Ao todo, nesses campos, todos concordam universalmente que os
humanos compreendem naturalmente a posição no espaço ou na direção.
Portanto, os primeiros humanos pré-científicos e pré-letrados intuíram uma
direção imediatamente. Eles dividiram o espaço tridimensional em esquerda e
direita, acima e abaixo, e na frente e atrás. Além disso, como caçadores-
coletores, eles
evidentemente reconheceu a extrema prevalência da destreza sobre a canhota
na destreza. Até hoje, os cientistas calculam que até 90% da população global
é destra e apenas 10% canhota.
O canhoto como um estranho desvio físico da norma da comunidade
tornou-se motivo para uma superstição onipresente nas civilizações terrenas.
Naquela era mitológica, as autoridades consideravam a deformidade física e a
deficiência em bebês como augúrios e presságios dos deuses.
Em latim, os termos direcionais sinistro e dexter significam esquerda e
direita. Com o tempo, o termo sinistro também significava mal, perverso e
má sorte. Isso fornece um exemplo empírico útil de uma conexão entre a
esquerda como uma direção e a esquerda como uma perversão cultural em
uma civilização bastante iluminada como Roma.
Veja a etimologia de esquerda como mal abaixo:

Grego antigo σκαιὀς = esquerdo, presságio,


estranho latim 1 scaevus = esquerdo,
presságio, estranho
Latim 2 sinistro = esquerdo, presságio, estranho
Francês antigo senestre = mal, perigoso, estranho
Inglês médio sinistro = má sorte, enganador, desonesto
Inglês sinistro = mau, diabólico, perigoso

A etimologia do nome diabo deriva desse conceito fundamental de direção


e lados também.

Grego antigo 1 διαβάλλειν = cruzar os lados


Grego antigo 2 diabolos = traidor, switcher, traidor, Latim
diabolus = maligno
Italiano diavolo = o mal
Alemão teufel = o mal
Inglês diavolo = o mal

Civilizações hiper-tribalistas de cima para baixo sempre condenaram a


traição como um crime capital porque põe em perigo a autoridade. Qualquer
pessoa que apostatar e mudar da direita para a esquerda será considerada
sinistra e sofrerá a pena de morte - decapitação, apedrejamento, afogamento,
envenenamento, fogueira ou arremesso de telhado, muitas vezes em público
como prova de punição.
A Irlanda Antiga fornece um segundo exemplo notável de uma cultura que
intuitivamente via tanto a deformidade física quanto a lateral esquerda como
um
presságio sobrenatural. Antigos tradutores irlandeses analisaram tratados
jurídicos medievais e textos míticos nas últimas décadas, por meio dos quais
descobriram esse estereótipo em um termo muito peculiar túathcháech. A
autora Jacqueline Borsje interpreta esta descoberta em seu 'The Evil Eye' na
Literatura Irlandesa Antiga eLei: É possível que túathcháech,
thetermusedasepithet
e termo descritivo ... é outra expressão para o mau-olhado ... pode
significar ... caolho à esquerda ... Em outro lugar, propus traduzir túathcháech
como com um olho sinistro, que cobre o amplo significado de cáech como
'caolho' e dicas sobre a gama de significados de túath à esquerda,
male sobrenatural. Todos os exemplos narrativos retratam situações de
perigo mortal para os protagonistas principais que encontram pessoas
túathcháech. A maioria desses exemplos apresenta um contexto de
batalha e o sobrenatural.
Em total tecnicidade, os irlandeses podem ter preferido designar a magia
negra como o Caminho do Olho Esquerdo e não o Caminho da Mão
Esquerda, pois suas referências sobrenaturais tendem a invocar olhos
malignos, cabelos vermelhos e cabeças decapitadas mais do que as próprias
mãos. Além disso, um tratado da lei de Brehon medieval em particular
reconta um episódio em que um poeta-sacerdote assume uma postura de
pássaro grua onde fica em um pé, levanta e enfia o outro pé sob o traseiro,
estende o braço esquerdo na frente do peito, cobre seu olho direito com a mão
e recita um glám ou maldição contra seu inimigo culpado enquanto ele olha
com seu olho esquerdo. Esta vinheta perniciosa revive o tema do olho
esquerdo como uma faculdade perniciosa que enfeitiça.
Para um terceiro exemplo que abrange o globo, os antigos hindus na Índia
orientaram intuitivamente sua posição em relação ao nascer do sol no leste.
Assim, vama significa esquerda e daksina significa sul ou direita em relação à
divindade solar. Sob esta rubrica básica, seu termo religioso Vamachara
significa caminho da mão esquerda e Dakshinachara significa caminho da
mão direita. Desnecessário dizer que o caminho para a esquerda acarreta uma
heterodoxia de heresia e tabus que se desviam da ortodoxia.
Existem muitos, muitos mais exemplos disso, por exemplo, nos esportes.
Os boxeadores consideram uma postura destra ortodoxa. Surfistas, skatistas e
snowboarders consideram uma postura do pé direito regular e uma postura do
pé esquerdo idiota.
Os humanos quase que universalmente possuem um viés cultural global
para interpretar a direção esquerda como estranha e alternativa, talvez como
um resquício do fato de que 90% preferem seu lado direito pela destreza
física. Mesmo no inglês moderno, quando uma pessoa sai ou sai de um lugar,
eles dizem que a pessoa saiu. isto
permeia a espécie de forma tão onipresente que a bondade moral é chamada
de retidão; a verdade epistemológica se qualifica como uma resposta certa; a
beleza estética parece certa; uma liberdade é chamada de direito humano;
linhas perfeitamente retas se cruzam em um ângulo reto; representação
gráfica de fluxos de tempo em uma direção para a direita em uma linha do
tempo; e até 75% dos países exigem que os motoristas dirijam no lado direito
da estrada. Cada faceta da experiência humana, da religião e filosofia à
política e geometria, usa a esquerda como ímpar e a direita como normal.
Em um contexto político, os termos esquerda e direita derivam da
Revolução Francesa. Em uma histórica Assembleia Nacional em 1789, o
presidente dividiu assentos na sala do Congresso de forma que a facção
monarquista conservadora se sentasse na ala direita e a facção socialista
revolucionária na ala esquerda. Até hoje, ainda nos Estados Unidos, o Partido
Republicano conservador fica do lado direito e o Partido Democrata liberal
do lado esquerdo - e eles cruzam o corredor para encontrar um terreno
comum na política.
Em uma miríade de religiões pagãs e pagãs, o deus solar surge no lado
leste ou direito, logo o deus bom é classificado como lado direito ou lado
diurno, enquanto a deusa lunar o desloca para oeste, portanto, essa deusa
sinistra se classifica como lado esquerdo ou lado noturno . O sol enche o céu
com uma luz branca durante o dia, enquanto a lua nasce escuridão que parece
negra à noite. Essa correlação arcaica entre feminilidade e esquerda maligna
fornece evidências inegáveis da misoginia primitiva comumente encontrada
em antigas civilizações patriarcais.
Parece abundantemente evidente neste ponto porque a feitiçaria antiteísta
diabólica do Caminho da Mão Esquerda é conhecida como magia negra,
enquanto a adoração teísta do Caminho da Mão Direita é chamada de magia
branca.
A direção para a esquerda conota individualismo a priori porque, por
definição, exige que o indivíduo deixe a tribo e suas normas culturais para
trás. Por essa razão explícita, esquerdismo sempre foi sinônimo de libertação
da autoridade, abolição da hierarquia e apoio à estranheza, perversão e tabus
proibidos versus retidão.

A era da Dinvidade

Friedrich Nietzsche escreveu a filosofia mais profana do século XIX. O


Aforismo 125 de The Gay Science em 1882 ilustra a essência do Caminho da
Mão Esquerda com uma beleza sinistra, resumida abaixo:
Nós ouvimos os coveiros enterrando Deus? Nós cheiramos o divino
putrefação? Os deuses também se decompõem. Deus está morto! Deus
continua morto! E nós o matamos!
Como vamos nos consolar, o mais assassino de todos os assassinos?
O que foi mais sagrado e mais poderoso sangrou até a morte sob nossas
facas: quem vai limpar o sangue de nós? Com que água poderíamos nos
purificar?
Não temos que nos tornar deuses?
O pós-modernismo marcou a era sem precedentes na evolução humana,
onde o individualismo substituiu o teísmo étnico como seu imperativo
categórico. Finalmente, o Humano matou o Deus. Finalmente, o indivíduo
deixou a tribo. Finalmente, a esquerda se tornou a direita.
A nomenclatura biológica Homo sapiens significa homem sábio; esta era
representa a primeira vez que os humanos fazem jus ao seu nome. Pai da
Idade Moderna do Iluminismo, Immanuel Kant, chamou sua própria era de
pós-modernismo não iluminada e semeada em seu livro What Is
Enlightenment? em 1784:
A iluminação é a emergência do homem da imaturidade auto-
infligida ... O lema da iluminação é, portanto: tenha coragem de usar seu
próprio entendimento! ... Dogmas e fórmulas são a bola e a corrente da
imaturidade permanente ... Disseminar o espírito de respeito racional
pelo valor pessoal e pelo dever de todos os homens de pensarem por si
próprios.
Para a iluminação ... tudo o que é necessário é a liberdade de fazer
uso público da própria razão em todos os assuntos ... Quer vivamos
atualmente em uma era iluminada, a resposta é não, mas vivemos em
uma era de iluminação.
Declara sem remorso: Torne-se um individualista. Defina sua verdade,
defina sua moralidade, defina sua estética, defina seu gênero, defina sua
sexualidade, defina sua espécie - defina sua identidade.
Ressuscite a tabula rasa e grave seu sigilo.
Essa fluidez aberta se assemelha ao oceano sem nome, sem rosto e sem
forma da vontade de potência nietzschiana, que evolui o cosmos eternamente
como um motor hidráulico renovável; ela remonta às entidades fractais
abissais que os humanos antropomorfizaram em sua própria imagem e
supersticiosamente caluniaram como demônios.
A liberdade inalienável de definir a si mesmo era tradicionalmente
reservada apenas a um deus - antes, aos sacerdotes que mitificaram os deuses
em poemas épicos. Sob uma hierarquia, apenas um sacerdote ou imperador
ou senhor da guerra carrega o
privilégio de ditar uma verdade absoluta, moral ou lei, que os súditos nativos
então usam como uma bola e uma corrente cultural, por exemplo, o rei A
odeia o rei B, então agora o povo A guerreia contra o povo B, e essa
beligerância étnica mesquinha molda a condições econômicas do reino por
um século.
O sem lei, Belial, quebra o portão do Monte Olimpo para que os magos
negros possam roubar seu fogo de deuses como Prometeu para impulsionar a
evolução humana. Para que o Primeiro Porteiro Demoníaco permita a
admissão no caminho da esquerda, o feiticeiro precisa se tornar quem é.
A definição mais simples de divindade: Liberdade para definir a si mesmo.
A definição mais simples de uma comunidade iluminada: paz para com os
outros que se definem, ou seja, o reconhecimento da divindade mútua.
O Caminho da Mão Esquerda diz: Nós nos tornamos deuses e
reconhecemos os outros como iguais quando eles se definem.
O Caminho da Mão Direita diz: Adoramos deuses e a hierarquia existe,
então condenamos os hereges que transgridem nossas verdades e morais
absolutas.
Os anarquistas da Revolução Francesa circularam um lema tripartido que
enfatiza isso: Liberté, égalité, fraternité - que se tornou o lema nacional da
França e do Haiti. O existencialista francês Jean-Paul Sartre expôs essa
correlação necessária entre liberdade e igualdade em seu Existencialismo é
um humanismo em 1945:
Na liberdade voluntária, descobrimos que depende inteiramente da
liberdade dos outros e que a liberdade dos outros depende da nossa
(…) Não posso fazer da liberdade meu objetivo, a menos que faça dos
outros igualmente meu objetivo.
Os dez mil anos de história conhecida que precederam o pós-modernismo
foram terrivelmente unidimensionais: guerra étnica sem fim. Apenas o
período contemporâneo realmente permitiu ao Homo sapiens a liberdade de
discutir a mais nefasta, mais perigosa, mais diabólica, mais noturna das
blasfêmias diurnas: a autodeificação; ou para usar um termo mais apropriado
para o século 21: transumanismo.
Com esse contrato social de vanguarda como fiador, o conceito de
divindade torna-se à la mode com os jovens filósofos radicais dos séculos
XIX e XX. O provedor alemão de egoísmo - não deve ser confundido com
egoísmo
—Max Stirner dá vida a sua marca registrada no clássico cult The Ego and Its
Own em 1844:
Na entrada dos tempos modernos está o Deus-homem ... em nossos
dias, eles trouxeram a um fim vitorioso a derrota de Deus; mas eles
não percebeu que o Homem matou Deus para se tornar agora: único
Deus nas alturas. O Anticristo da próxima geração, Nietzsche, criado na
cultura subversiva do egoísmo stirneriano, revive o ideal Deus-homem
sob o nome de Übermensch, ou seja, super-homem ou transman ou
homem transcendente, nos Aforismos 3 e 4 de Assim Spoke Zarathustra
em 1891:
Eu ensino o Übermensch para você. O homem é algo que deve ser
superado ... Você fez seu caminho do verme ao homem, e muito dentro
de você ainda é verme ... Até o mais sábio entre vocês ainda é um
híbrido de planta e fantasma.
O homem é uma corda esticada entre o animal e o Übermensch -
uma corda sobre um abismo ... O que é grande no homem é que ele é
uma ponte e não uma meta ...
O existencialismo surge em meio ao século XX como uma visão de mundo
secular fora do armário que raciocina a partir da própria existência sem apelar
para a autoridade de uma divindade, sem se preocupar com a correção
política tradicional. O icônico existencialista francês Jean-Paul Sartre
desmistifica a relação entre o homem e a divindade em Sobre o ser e o nada:
O homem é o ser cujo projeto é ser Deus ... [este] fim supremo da
transcendência representa o limite permanente em termos do qual o
homem se dá a conhecer o que é. Ser homem significa chegar a ser
Deus. Ou se preferir, o homem é fundamentalmente o desejo de ser
Deus. Parece aqui que o projeto inicial de ser Deus, que define o
homem, chega perto de ser o mesmo que uma natureza humana ou uma
essência.
Nos milênios anteriores, o homem e a mulher primitivos divinizaram todas
as facetas da natureza que afetavam seu sustento: clima, astronomia, animais,
sexo, fogo, água, caça, agricultura, etc. Esses povos antigos projetaram seu
senso intuitivo de divindade - sua vontade inata de poder - sobre criaturas e
forças fora de si, mas nunca sobre si mesmas.
Caro leitor, ouça com atenção ... a virada de uma chave inglesa, o
movimento de uma trava, a manivela de uma engrenagem. Belial se arrasta
para abrir seu portão.
Meu demônio: permita-me revelar uma adivinhação.
Minha estrela da manhã: mergulhe seu rosto em minha piscina negra para
ver a história do futuro.
Todas as noites, até então, a deusa lunar derrubou o deus solar de sua
montanha de crânios, pelo que seu cobertor noturno nos consolou,
infelizmente, o patriarca canceroso ergueu sua cabeça feia novamente na
manhã seguinte - mas não esta
Tempo. Você não pisou na ponta dos pés sobre a poça de sangue dele? Você
não sentiu o cheiro de sua podridão?
Agora subimos como estrelas da manhã que
trazem a luz. Agora nós ascendemos.
Vejam e vejam a Idade da Divindade; tal era a espécie de animal
chamada Homo deus.
Introdução

Belial.
Maligno.
Sem um Mestre.
Espírito de inutilidade.
Beliya'al.
Nunca ascendente.
Sem lei.
Belial
Anjo da inimizade cujo domínio são as trevas.
Inimigo dos deuses e mestres.
Beliar.
Matanbucus.
Mastemo.
Chief Evil.
Beli-ol.
Sem jugo, sem algemas.
Resistor imortal.
Governante deste
mundo.
Belili.
Trespasser além dos portões.
Dispensador de tiranos
Governante noturno do submundo.
Baal-Ial.
Senhor da
arrogância.
Torrent of Death.
Itz Ra-Cha Belial!

WITH estas palavras, com o anúncio de seus nomes e


atestação de seus mitos, e com seu sigilo da coroa, eu me comuniquei com
Belial muitas vezes.
Principalmente, eu convocaria sua ajuda quando me encontrasse em
necessidade, quando estivesse desesperado e abandonado.
Especificamente, eu convocaria Belial quando minhas ações ilícitas e
empreendimentos ilegais tivessem dado errado. Eu o evocaria quando
pensasse que toda esperança estava perdida. Chamei seu nome enquanto
estava algemado e preso, e ele sempre respondeu e sempre me livrou da
escravidão.
Belial traz com ele exércitos das hostes do submundo quando ele se
levanta da cova, uma sombra como uma tempestade de areia preta em torno
dele, uma sombra feita de almas condenadas.
Ele é o flagelo dos justos, inimigo do tirano e Deus dos rejeitados.
Ninguém pode entrar no Império Infernal sem primeiro passar pelo Portão
de Belial.
Comunhão das Trevas
Capítulo um

COMUNHÃO COM A ESCURIDÃO é um exercício simples e poderoso


que eu dou aos alunos no início de sua ascensão, pois eles estão apenas
começando o caminho do progresso mágico. Se você está tentando fazer
contato com o espírito e não tem certeza se deseja fazer uma evocação
completa, mas gostaria de “sentir” o espírito primeiro, então este é o ritual
que eu recomendo.
O ritual é simples: sente-se na escuridão com uma vela preta, acenda-a e
então conjure o anfitrião infernal para você. Você pode usar um sigilo e o
nome de um espírito específico que deseja contatar ou pode simplesmente
chamar os Poderes das Trevas como um todo. Assim que o ar ficar mais
denso e a presença sentida do espírito estiver sobre você, apague a vela e
observe a escuridão, observando quaisquer visões ou revelações que
aparecerem.
É importante permanecer no estado mágico, seus olhos brilharam com a
visão do invisível, observando a escuridão ao invés de olhar fixamente para
ela, e a própria escuridão ganhará vida. Na realidade, o que despertou não é a
escuridão, mas a visão interior, que não está mais respondendo a estímulos
físicos, mas a algo totalmente diferente. Neste estado, a escuridão dentro do
escuridão pode ser vista.
Usando o sigilo do grimório padrão de Belial, chamei-o e sua presença
entrou no Templo quase imediatamente ... e ele não veio sozinho.
Na segunda edição do Goetia, Crowley fez a observação de que o número
de legiões governadas por Belial era 80, devido ao próprio trabalho mágico
de Perdurabo com aquele demônio. Não posso dizer exatamente o que é
responsável pelo aumento, mas como meu Templo se encheu de espíritos
profanos, 80 Legiões parecia ser um eufemismo.
Eu imediatamente questionei esses anfitriões sobre seus números, e no
Templo iluminado por velas recebi a resposta uníssono de que o Império
Infernal se expandiu e é empurrado para essa realidade, que essas são duas
realidades convergindo. No mesmo momento, reconheci que meu
vocabulário havia limitado minha compreensão. “Realidades” nem é a
palavra certa. Dimensões paralelas, reinos transcendentais, planos de
existência e todos os outros termos comumente usados nas conversas da
Nova Era falham ao tentar definir o que esses Guardiões chamam de
“Império Infernal”.
Minhas invocações então se transformaram em súplicas. “Isso é o que eu
preciso concretizar, isso é o que eu preciso entender,” eu disse à escuridão e à
chama. "Isso é o que eu preciso que eles me mostrem, então me mostre isso,
Belial!"
Voltei minha atenção para o sigilo, olhando para ele, focando em Belial,
oprimido pelo grande número de demônios ao meu redor, precisando arrancá-
lo da multidão.
Em vez de ler uma conjuração de um grimório, falei do espírito, da parte
onisciente de mim que sabia o que precisava ser falado, começando com o
Encantamento de Todos os Poderes:
Itz Rachu Mantantu Vespacha Kaltamu
Itz Ranta Mant Kala Mant Atzu Belt Tazu
Vaskalla Itz Ratzu Kantantu Velchatza
Meus olhos então focaram no sigilo de Belial. Enquanto eu respirava meu
corpo e mente nas profundezas do relaxamento mágico, eu dei o
encantamento de todos os poderes:
Itz Rachu Mantantu Vespacha Kaltamu
Itz Ranta Mant Kala Mant Atzu Belt Tazu
Vaskalla Itz Ratzu Kantantu Velchatza
... repetidamente, caindo mais profundamente no sigilo. Pedaços das linhas
grossas e pretas do sigilo desapareceram do fundo do papel branco,
reaparecendo momentos depois, mais vivos, fluindo com energia, a forma
mundana do
sigilo tendo morrido e o verdadeiro sigilo ressuscitando em seu lugar.
O que se segue é o registro exato de minha interação com Belial, transcrito
a partir das gravações que foram feitas à medida que ocorreram.
O sigilo despertou. Belial está aqui.
Agora, eu trago meu olhar para a chama
da vela. "Belial, venha!"
"Eu estou aqui. Eu estou aqui. Eu estou aqui. Venha me conhecer. Eu estou
aqui, venha me encontrar, ”eu podia ouvir sua voz dentro da minha mente.
“Estou aqui, venha conhecer-me.”
Belial havia afirmado sua presença e me convidado para conhecê-lo, mas
eu estava ciente de que ainda estava muito ciente do mundo físico, das
câmeras e gravadores funcionando, apontado para mim, muito ciente do ar
frio da sala e do chão duro embaixo de mim.
Voltei meu olhar novamente para a chama negra da vela, repetindo
novamente a Invocação de Todos os Poderes, o ritmo do canto e a dança
oscilante da chama me puxando para mais fundo em mim mesmo, mais longe
deste mundo.
Belial riu e afirmou com ainda mais segurança: "Estou aqui".
Realmente engajado profundamente em mim mesmo, dentro da
encruzilhada, a presença de todos esses espíritos inegáveis, e a presença
imediata de Belial antes de mim me avisando que eu havia chegado.
Apaguei a chama da vela e olhei para a escuridão total.
“Belial,” eu dei as boas-vindas pelo nome, “Belial, eu vou até você na
escuridão, no submundo. Eu venho até você. Eu te encontro entre mundos. "
A ocorrência mais comum durante este tipo de ritual é as sombras
ganharem vida, assumirem formas, rostos ou figuras que a visão mal
consegue distinguir na escuridão, muitas vezes acompanhadas por sussurros
ou vozes clamando fora da capacidade da mente para ouvir e ouvir.
Essas aparições menores não me saudaram, mas uma visão brilhante que
emergiu da escuridão com a mesma rapidez e a mesma tangibilidade visível
de um peixe correndo para fora d'água.
“Vejo uma estrela com oito, não com nove pontas”, anunciei, desenhando
a imagem em meu grimório, sem saber o que significava, mas certa de que
devia significar alguma coisa.
Uma estrela com nove pontas. Uma estrela com nove pontas. Dentro
de mim está ocorrendo uma comunhão perfeita com Belial. Ele está
esperando por mim. Eu posso sentir ... eu posso sentir um sorriso, um
sorriso. Belial, você está aí!
A estrela desapareceu, voltando para o lago negro de sombras diante de
mim,
substituído por rostos. Rostos, transformando-se em crânios esticados por
carne que se deteriorou enquanto eu olhava. Algo não dito me disse que era o
mesmo rosto da mesma pessoa, mostrando-me suas múltiplas formas.
A voz de Belial finalmente saiu da visão na escuridão: "Este é o seu
destino."
“Qual é o meu destino?” Eu perguntei, certo de que ele não poderia estar se
referindo aos crânios apodrecidos.
Você pensa muito na sua grandeza, como indivíduos e como
espécie, mas são partículas de poeira que desaparecem com os
ventos do tempo. Naquele momento em que você se tornou a
singularidade, alegre-se, alegre-se com sua beleza e sua
horribilidade. Alegrem-se, alegrem-se. Todos os vislumbres que
você pode receber são recebidos. Você não é o criador de nenhum
deles.
"Belial, isso significa", comecei a perguntar e reuni meus pensamentos
antes de continuar. “Belial isso significa que não é uma realidade objetiva ou
que é e que eu sou o sujeito?” Este era o mesmo tipo de pergunta que eu
costumava fazer a Azazel, produzindo algumas opiniões muito interessantes
sobre o observador como o Criador.
"Você é sujeito e objeto", respondeu Belial.
E você é aquele em que se baseia. Mas o que você chama de
'você' não vive para sempre. Aquilo que você chama de 'você' é
momentâneo. Por que você cria as coisas que cria? Porque impulsos
que você não entende o impulsionam, forças que você não entende o
compelem. O conhecimento que você não conhece o puxa para isso.
Meus braços operando sem meu comando consciente foram erguidos no ar
diante de mim, minhas mãos em forma de concha como se estivessem
tentando segurar água nelas.
Na escuridão de meu templo, pude ver que minhas mãos não estavam
vazias, mas que estavam cheias de escuridão, uma escuridão que é mais
brilhante do que qualquer luz. Uma poça de escuridão em minhas mãos.
Meu corpo aparentemente ainda não estava em meu controle, minhas mãos
levantadas aos lábios e eu sabia que deveria levar essa escuridão para dentro
de mim, para respirar em meu ser. Eu inalei, e a escuridão entrou em mim,
infectando cada parte de mim em um instante, me devastando e me avivando
de uma vez.
Eu ouvi as palavras vindo das trevas: “O sofrimento é essencial para o
crescimento”.
Sem saber como levar esse ritual adiante, minha mente já
transbordando de enigmas e mistérios para desvendar, comecei a
cantar: Alash Tad Al'ash Tal Ashtu. Alash Tad Al'ash
Tal Ashtu, as palavras da Antiga Aliança foram ditas
Anunciei a Belial e a todos os que entraram em meu Templo com ele:
Alash Tad Al'ash Tal Ashtu, as palavras da
Escuridão Antiga são invocadas.
Relaxei minha mente, mergulhei no mantra e permiti que a plenitude da
minha vontade fluísse com as palavras.
As sombras e a escuridão ao meu redor novamente se transformaram, e eu
vislumbrei a verdadeira natureza da Antiga Aliança.
“A Antiga Aliança não é um pacto,” falei em voz alta para a escuridão
enquanto lutava para entender o que estava recebendo.
Não é um pacto. Estou tentando ver como se fosse um pergaminho,
um pacto ou uma coisa escrita, mas é um conhecimento. Eles estão
cientes de nós e nós estamos cientes deles. Eles são imortais e estamos
morrendo. O propósito de invocar o demônio, invocar Belial, é para que
você possa quebrar as correntes. Tudo o que sou, tudo o que estou
motivado a me tornar é construído sobre correntes, sobre algemas que
estão ao redor de meus pulsos. Devo me livrar deles. Não posso
continuar a responder e reagir, embora tenha pensado que estive criando.
A percepção pessoal e imediata de minha ignorância de minha própria
escravidão fatal caiu pesadamente sobre mim, e chamei novamente aquele
demônio por ajuda: “Belial, como faço isso? Como faço para quebrar essas
correntes? ”
Belial respondeu:
O primeiro é o conhecimento de que eles estão lá. O
conhecimento de que você está vinculado. O conhecimento de que
você não é seu próprio mestre. Quem então é o seu mestre?
“É impossível”, respondi. “É impossível porque meus genes, minha
biologia, meus hormônios, minhas luxúrias e minhas fomes,” e então me
atingiu. "Minha mente! Minha mente, minha mente é o grande bloqueio! ”
Eu podia sentir a felicidade de Belial com essa realização.
Esta é uma percepção que tive repetidas vezes. Abandone a mente. Largue.
Nenhum dos meus mentores jamais me disse “como” abandonar a mente,
mas simplesmente ordenou que o fizesse, pois qualquer instrução exigiria por
natureza a participação da mente, mas o ato de simplesmente fazê-lo não.
Não vi nada e não recebi nada, mas desisti.
Deixei a mente para trás, parei de pensar e parei de querer saber, eu
parei de perguntar e emergi em um estado de êxtase sublime. Uma verdadeira
união com Belial.
Naquele momento, percebi que havia ficado muito frio de repente. Mais
frio do que quando comecei. Belial.
O problema de abandonar a mente é que você pode se tornar tudo. Você
tem todo o poder, todo o conhecimento, você está em toda parte. Você está
dentro de tudo e tudo está dentro do seu corpo. Mas então você tem que
tentar entender isso.
“Belial,” eu implorei. "Tudo o que acabei de experimentar, deixe fluir para
mim na forma de pensamento."
Belial respondeu com uma risada sob suas palavras:
O pensamento não pode ir aonde vivemos. O pensamento não
pode subir ao império infernal. Você não pode pensar em seu
caminho para a escuridão, simplesmente se entregue a ele.
Entregue-se a isso. Entregue-se a isso.
Todos os dispositivos de rituais e cerimônias, a chama da vela e o sigilo, os
encantamentos e os enns, tudo isso tem o objetivo de ensinar a você como
retirar a mente, como parar de pensar e começar a ser.
"Estar!" Belial comandou.
Seja um comigo, seja um com você mesmo, seja um com o outro.
Todas essas são contradições; seja e como você esteja de acordo com
o que deseja manifestar, será impossível que essa coisa não se
levante, e agora você deseja uma comunhão ainda maior comigo,
com Azazel, Amaymon e Abaddon, que anteriormente o arrastaram
para o Império Infernal, através dos portões ardentes do Lago de
Fogo e você nos seguiu e você nos seguirá novamente até sua própria
condenação, você nos seguirá. Até sua própria condenação, você nos
seguirá.
Isso não caiu facilmente para mim: até minha danação.
A ideia de danação é necessária, como Azazel deixou muito claro para
mim anos atrás, para me libertar de todas as forças que, de outra forma,
poderiam prendê-lo.
"Por que é isso? O que isto significa? O que isto significa?" Implorei a
Belial.
O maior obstáculo sobre a alma do homem é sua própria mente
e, tendo mente, o homem olha para os outros homens e deseja
garantir que eles o vejam bem.
O demônio respondeu.
Mesmo a aceitação e salvação de um deus para um homem não é
tão importante quanto sua aceitação por outros homens. Só então
um pária pode se aproximar desses portões, pois o primeiro vínculo
já foi retirado e então apenas um ... somente aquele que não é
favorecido por nenhum deus pode vir até esses portões e eles os
abrem. Somente o ímpio, aquele que está sem fé, sem pátria, sem
família e sem esperança, pode entrar e passar por esses portões.
"O que são esses portões?" Eu perguntei. “O que é esse portão, o portão do
qual você é o porteiro? Qual é o portão que você mantém e para onde ele
leva? ”
- Isso leva, leva, leva a nós - Belial assobiou.
É um reino de escuridão em que todas as coisas são possíveis.
Não é o abismo primordial que é a essência do nada. O nada não é
escuridão e a escuridão não é vazia. Não é a lousa que está vazia ou
esperando para ser escrita, como tantas realidades. Não, este portão
não leva ao nada, mas a tudo para você.
“Não entendo”, reclamei. "Eu não entendo ... e esse é o ponto."

"Você não pode entender até que você passe por isso", disse Belial, com
essas palavras me dispensando, sua presença sentida partindo junto com as
hordas incalculáveis que o acompanhavam, deixando-me saber quando ele
partiu que minha mente havia tomado tudo o que podia. e, de fato, eu não
conseguia mais inventar novas perguntas para fazer a ele, muito menos
compreender as respostas que ele iria oferecer.
O símbolo do eneagrama, a estrela de nove pontas é algo que eu não tinha
investigado em grande profundidade até que Belial me revelou neste ritual.
Eu já tinha visto isso na religião Bahai e tinha aparecido de passagem em
alguns textos ocultos, mas nada me atraiu a ele, apesar da predominância do
número nove nas mitologias ocultas e especificamente na Trilha da Mão
Esquerda.
O eneagrama me guiou, o nonagrama, a estrela de nove pontas me guiou.
Esta é a semente das trevas que foi feita para penetrar neste mundo e penetrar
em nós. Esta é a estrela de Golias. Este é o símbolo da Forsaken Ennead.
Depois deste primeiro ritual, Belial esteve comigo como uma companheira
constante, um convidado interior e uma visão nas nuvens, uma voz dentro da
minha cabeça e sussurros ao vento. Sempre assistindo, sempre mostrando e
sempre ensinando.
Enquanto eu meditava no dia seguinte, limpando minha mente e zerando
meu campo energético, Belial falou comigo, sem ser convidado, mas com um
convite aberto em minha vida.
Um vírus se move através do hospedeiro e não apenas o consome,
não apenas o deixa doente, mas o próprio vírus evolui com cada
novo hospedeiro.
Você é esse vírus. Todo corpo que você habita, você destrói, seja
um corpo de carne ou um mundo ou uma realidade: você o
consome, devora, adoece, mata e então passa para o próximo
hospedeiro. Repleto de poder e fundamentalmente alterado no nível
composto pelo sacrifício.
Sua ascensão requer destruição, pois você e sua espécie são os
grandes destruidores.
Visão cega
Capítulo dois

Eu Inspirado pela visão da estrela de nove pontas, fiz um eneagrama


perfeito, um nonagrama perfeito, com o pentagrama no centro para usar como
um link visual e simbólico para esses Guardiões e para o Portal que está
sendo aberto. O pentagrama é um símbolo da Antiga Aliança, feito entre
homens e deuses, e é dito ser o sinal do Feiticeiro. O nonagrama é a Semente
das Trevas, a chave que abre o Portal.
Este símbolo da estrela deve ser colocado no centro de nove velas
brancas, conforme fui instruído por aqueles que seguram os Portões, não por
meio de palavras ou mandamentos, mas por meio de um conhecimento
silencioso enquanto eu preparava o Templo para este rito.
Antes de invocar Belial especificamente, comece este rito chamando todos
os nove Guardiões do Portal enquanto está sentado dentro do Círculo
Universal, olhando para o símbolo no círculo de velas, um portal de círculos,
visualizando seu símbolo, a Semente das Trevas, a estrela de Golias.
Com os olhos abertos e observando, observe seu templo em geral e,
especificamente, observe cuidadosamente tudo dentro do círculo. Veja,
conecte-se com ele e então lembre-se dele. Fortaleça e treine sua mente para
relembrar cada detalhe do Templo e do ritual com os olhos fechados.
Depois de travar a imagem em sua memória para que a visão não seja mais
fraca quando seus olhos estão fechados, venda-se usando uma venda de pano
simples amarrada em seu rosto, ocultando seus olhos e reimagine o Templo e
o círculo e tudo o que está dentro dele , exatamente como é.
Quando você está com os olhos vendados, mas pode ver seu Templo
claramente através de seus olhos mágicos, dê permissão a Belial para alterar
seu conhecimento de como é esta realidade, de como seu templo se parece,
sente e soa. Dê-lhe permissão para entrar em sua observação completa da
realidade.
Este é um ritual estranho, e foi ensinado a mim como uma iniciação em
uma Loja Negra Maçônica. Apesar de sua simplicidade - ou talvez por causa
dela -
este ritual é uma ótima maneira de entrar em contato com o espírito, poder
vê-los, se conectar com eles, conhecê-los. Este é o primeiro passo para vê-los
externamente.
Muitos aspirantes desejam ver os rostos e as formas dos espíritos com os
olhos, mas você deve vê-los em sua visão mágica, dentro de sua Imaginação
Viva, antes que possa vê-los lá fora, no mundo externo, porque toda a
realidade emana de dentro e a manifestação de um demônio é a maior
alteração da realidade que você agora possui.
Ao prosseguir, revelarei todas as visões que tive, conforme eu puder, se
puder.
Toquei a campainha nove vezes e, quando o tom ecoou no espaço entre as
paredes do Templo, chamei os nove Guardiões:
Belial, aquele que está sem mestre, saia.
Gritei, meus olhos fixos na estrela de nove pontas colocada no centro de
nove velas brancas:
Belial, vagabundo do deserto veio adiante
Belial, abandonado, venha. Belial, um inútil, venha.
Lúcifer, Amaymon, professor, venha
Amaymon, grande instrutor, venha
Amaymon, luz na escuridão, saia Amaymon,
ele com hálito venenoso, saia.
Azazel, escuridão antiga, venha
Azazel, grande e velho venha
Azazel, despertador de segredos, venha.
Abaddon, destruidor, imolador
A praga mais negra que destrói as
realidades Abaddon, venha.
Lucífugo, fazedor de pacto, escriba do submundo, saia
Lucífugo, com três chifres no topo de sua coroa, saia.
Belzebu, Zabibu, Príncipe dos Demônios, Senhor das Moscas,
venha Belzebu, lave meus olhos com as areias de suas margens planas,
saia.
Baal, Senhor, fortalecedor, guerreiro, rei, vossa majestade
Baal, venha.
Asmodeus, Aeshma, venha com ira e amor.
Venha com sexo e morte.
Venha com veneno e beijos e goteje sua doce saliva em minha alma.
Satan, Yam Nahar, a antiga serpente, venha!
Como sussurros em uníssono, ouvi-os dizer: "Estamos aqui agora." Suas
palavras foram apenas a validação da tensão astral comprimida no templo.
Amarrei o pano preto em volta da minha cabeça, toda a visão física
bloqueada. Com meus olhos abertos, olhando para a escuridão da venda,
invoquei em minha visão interior a paisagem de meu Templo. A visão inicial
era do Círculo Universal, com as linhas vermelhas brilhando, pulsando como
se estivessem conectadas a algum gerador infernal, gerando poder neste reino
através do círculo.
Não forçando a visão, mas permitindo que ela se desenvolvesse, eu então
vi as velas dispostas em um círculo, e no centro delas estava o Sigilo da
Semente das Trevas brilhando com a mesma intensidade que tinha quando foi
revelado pela primeira vez para mim . O resto do Templo entrou em minha
visão imaginativa sem impedimentos, as paredes e todas as suas decorações
clarificando, até mesmo as câmeras gravando o rito e as luzes de guarda-
chuva usadas para iluminar a sala vistas em minha mente exatamente como
seriam vistas com meus olhos .
Observei para mim mesmo naquele momento que, curiosamente, eu não
estava tendo uma visão de 360 graus como normalmente faria se estivesse em
um estado de Viagem da Alma ou em um estado de vidência, durante o qual a
visão não é linear ou cônica, mas é omnidirecional .
Em vez disso, vi tudo exatamente como veria se meus olhos estivessem
abertos.
Belial, venha.
Eu ordenei.
Belial. Belial, entre em mim, torne-se eu, me leve, me possua.
Mostre-me sua sabedoria.
Minha cabeça estava inclinada, meus olhos vendados voltados para baixo
em direção ao círculo de velas que eu não era capaz de ver, fisicamente, e
podia sentir a presença de Belial invadir o Templo.
Por causa da direção do meu olhar, minha primeira imagem de Belial
foram seus pés, pés descalços que estavam calçados de sandálias e
vermelhos, não como se estivessem queimados de sol, mas vermelhos como
se fossem feitos de carvão do submundo, as brasas do inferno.
Eu olhei para cima para ver Belial, a visão inteira do Templo inalterada,
nenhum detalhe achatado ou distorcido, tudo exatamente como estava, com
exceção do demônio dentro dele.
Belial não apareceu como um demônio, mas como um mendigo, um
andarilho, pele escurecida pelo sol, careca com apenas um pouco de cabelo
na cabeça. Ele vestia uma túnica esfarrapada, não uma túnica cerimonial, mas
uma túnica feita de trapos porque isso é tudo o que ele recebeu.
Eu nunca o tinha visto antes naquela forma particular.
Enquanto eu olhava para a figura diante de mim, o som de sirenes em
algum lugar do mundo exterior brilhou através das paredes do meu templo.
Parecia alto aos meus hiper-sentidos, mas eles estavam distantes, as
emergências ou desastres ocorriam.
Isso parece ocorrer com frequência quando os visito em uma casa na
cidade, em vez de no deserto.
“O mundo exterior não acena para o chamado deles, mas resiste a eles”, eu
disse em voz alta, as palavras não eram minhas, mas também não eram de
Belial. “Para eles, eles, os nove Guardiões não são deste mundo, não deste
universo, não deste multiverso.”
Belial, como eu o vi em minha visão interior desperta, estendeu as mãos
como se segurasse uma grande esfera invisível entre elas, e ele me mostrou
dentro do espaço entre suas mãos nossa existência. Galáxias, nebulosas,
aglomerados gasosos, estrelas e planetas foram mantidos entre suas duas
mãos.
Eu podia ver minha própria mão, não minha mão física, mas outra mão
estender-se e apontar para este minúsculo ponto, quase invisível, um grão de
poeira, que é o nosso mundo.
Ele então me mostrou a Semente das Trevas, que não é como qualquer
estrela, e no momento em que a vi, ela correu em minha direção, e antes que
pudesse colidir com meu corpo, abri minha alma para ela e a levei para
dentro de mim.
“A Semente das Trevas está agora dentro de mim,” eu anunciei. “Eu posso
ver isso brilhando e cintilando, iluminando todos os céus e eu me abri para
isso. Eu me abro para isso! Eu me abro para você! ”
Lembrando que tinha perguntas que precisavam de respostas, me recompus
e perguntei: "O que dizer da Antiga Aliança, e da Antiga Aliança, Belial?"
Notei que ao longo da visão dele, ele não mudou. Se você imaginar algo,
qualquer coisa, e manter esse objeto imaginado em sua mente por mais do
que alguns momentos, ele começará a mudar, a se transformar, crescendo ou
encolhendo ou distorcendo ou se tornando algo completamente diferente.
Belial estava diante de mim tão inalterado e imutável como se eu estivesse
olhando e falando com uma pessoa em carne e osso.
Belial respondeu: "Tudo o que você é pertence a nós."
“Belial, Amaymon. Azazel, Abaddon, Lucifuge, Asmodeus, Satan,
Belzebu, Baal. Belial, eu me entrego a você! ”
O ar ao meu redor estava cheio de ranger de dentes, mas não de dentes
humanos. Os dentes que rangeram na escuridão não pertenciam aos homens,
mas a própria escuridão range, a própria escuridão lamenta, a escuridão
se move.
"O que dizer da Antiga Aliança?" Eu
insisto. As vozes fluíram:
Estamos cumprindo a Antiga Aliança agora. Estamos
cumprindo a Antiga Aliança agora. Estamos cumprindo a Antiga
Aliança agora! A antiga aliança, está escrito que devemos retornar e
nós retornamos. Caminhamos entre vocês. Caminhamos entre
vocês, como um homem, como um cachorro, como um vento que
sopra. Estamos entre vocês; nós estamos entre vocês.
"Belial, você é o ímpio", argumentei. "Você é aquele sem um mestre, por
que então você insiste que eu me submeta a você?"
Ele ria e ria e ria mais, zombando de mim com risos, desafiando-me com
isso, desafiando-me.
Você não está se submetendo a mim. Você não está se
submetendo a mim. Você está se submetendo àquilo que você não
conhece. Você está se submetendo à essência das trevas.
“Eu me submeto a você então,” eu afirmei. “Eu me entrego a você então.
Eu me entrego ao desconhecido para que eu possa saber, para que eu possa
ver. ”
“Você não pode ver o que é invisível ”, disse Belial,“ mas você deve se
tornar invisível e se tornar aquilo que não é visto. Eles são todos um, eles
são todos um. ”
"Belial", me dirigi ao demoníaco Guardião, insistindo que deixaria este
ritual com algo que eu pudesse entender.
O que preciso saber para invocá-lo novamente? O que preciso saber
antes de invocar você, antes de vê-lo, antes de conhecê-lo novamente?
Belial respondeu:
Que eu já estou com você. Que eu já estou com você. E agora
você aceitou a semente da escuridão dentro de você. Você está
conosco.
Belial desapareceu da minha visão interior, sem um adeus, e a sala estava
vazia.
No momento de sua partida, senti como se algo que estava dentro do meu
estômago tivesse sido puxado de mim, arrancado da minha garganta e ido
junto com Belial.
Meu corpo se enrolou em uma bola e eu caí de lado, ofegando,
engasgando, tossindo, sem levantar nada do meu estômago vazio. Rasguei a
venda dos olhos e agarrei minha tigela de latão para cantar, colocando-a sob a
boca, pensando que meu vômito se transformaria em vômito.
Durou alguns minutos, meu estômago e garganta e todo o meu corpo
convulsionando, me deixando ofegante, limpando a baba dos meus lábios,
tentando me recompor na frente da platéia de câmeras que eu tinha esquecido
completamente que estavam lá, rolando, capturando cada segundo da minha
vulnerabilidade.
Normalmente não fico enjoado, a menos que esteja possuído. Nenhuma
evocação, canalização ou sessão de vidência jamais me deixou enjoado, mas
a posse faz isso quase todas as vezes.
Não pensei que estivesse possuído durante o ritual. Belial parecia estar
claramente na minha frente, ao invés de dentro de mim. Mas isso é
pensamento limitado, não é?
Sentei-me em círculo, tremendo e maravilhado com a clareza visual de
toda a experiência. Com os olhos vendados e confiando apenas nos sentidos
internos, pude ver mais clara e vividamente do que nunca.
A Semente das Trevas é uma estrela e, quando brilha e quando entra neste
universo, brilha mais intensamente do que qualquer sol, mas é invisível para
aqueles que não podem vê-la.
Abra-se para isso. Traga para você. Submeta-se à escuridão. Nem para
nenhum desses Guardiões. Não para toda a união deles. Submeta-se às trevas,
de que são compostos seus corpos e que emana de suas almas: trevas.
O poder que usamos para lançar nossos feitiços é a
escuridão. A força que usamos para consumir o
hospedeiro é a escuridão. Através de toda essa
escuridão, a luz é formada, criada.
O interno e o externo se fundem, e eles se fundiram, e procurarei Belial
novamente em seu trono. Vou encontrá-lo no espelho.
Embora ele já esteja comigo e sempre estará comigo.
Mirror Gate
Capítulo três

EuCOLOCOU uma cadeira no centro do Círculo Universal, de frente


para o espelho de adivinhação de quase dois metros de altura emoldurado em
seda violeta. Quando eu construí originalmente este Mirror Gate, coloquei
dois castiçais de prata, um de cada lado do espelho, posicionados para
iluminar o espelho, sem lançar um brilho em sua superfície. As chamas
gêmeas também agem como pilares mágicos tecendo um portal etéreo com
teia no espaço entre elas, logo na superfície do espelho. Um altar foi colocado
à minha esquerda, segurando meu grimório e algumas canetas e marcadores
para fazer anotações quando esse momento chegasse, assim como as nove
velas brancas usadas no rito anterior. Por último, coloquei meu cálice no
altar,
preenchido com uma libação cerimonial.
Toquei a campainha e chamei os nomes dos nove, conectando-me com eles
por meio de seus nomes, sentindo sua presença subir à superfície de minha
consciência, sentindo seus espíritos no ar ao meu redor.
Segurando o cálice em minhas mãos, cantei Enn de Belial:
Itz Ra'cha Belial
Canalizando sua essência no sacramento, transmutando o líquido em
escuridão. Levei o cálice de metal aos lábios e bebi.
Belial, eu aceitei você para mim
Belial, Itz Ra'cha Belial
Itz Ra'cha Belial.
Eu cantei várias vezes, meus olhos fixos no sigilo de Belial, sua presença
girando tanto dentro de mim quanto ao meu redor.
O sigilo despertou, desaparecendo da página e então despertando
novamente como uma coisa viva, brilhando e brilhando acima do papel que
uma vez encadernou a tinta.
No momento da transfiguração visual do sigilo, a voz de Belial retumbou:
“Já estou aqui. Você pode me sentir aqui. Agora me veja. Vejo
Me…
Eu levantei meus olhos para o espelho, sua superfície negra se enchendo
com a estranha névoa branca conhecida apenas por videntes e viciados em
ópio. A névoa astral se dissipou e a forma de Belial tomou seu lugar,
aparecendo novamente para mim como um homem velho, um andarilho com
pele escura, escura do sol, escura pela exposição.
Desejando aprofundar minha conexão com o demônio, eu olho para sua
figura no espelho e entoo o Enn mais uma vez, cada repetição puxando minha
mente mais profundamente no espelho e em suas visões.
Conforme eu saía deste mundo e através dos anéis da realidade, Belial
mudou de forma, se transformando em um guerreiro como um espartano, sua
armadura de cor vermelha.
Fiquei pensando em silêncio sobre a mudança em sua aparência e,
especificamente, sobre a cor de sua armadura.
Sem fazer a pergunta em voz alta, Belial respondeu:
Essas placas já foram de ouro e agora são carmesim, devido ao
sangue que derramei continuamente. E com cada assassinato, eu me
mato. E então, se alguém se destrói, o que se torna? Nada. E disso
nada podem surgir todas as coisas. Primeiro é a escuridão
necessária.
Compelido por suas palavras, como se fossem comandos hipnóticos
embutidos falando às minhas mentes mais profundas, não pude deixar de
deslizar para uma escuridão interna mais profunda, minhas pálpebras
tremulando fechadas e minha mente recuando, não para o sono, mas para um
transe impensado.
Novamente, eu tive que me afastar disso, convocando meu foco e
concentração para permanecer com o ritual, forçando meus olhos a abrirem
para olhar novamente para a imagem do demônio no espelho.
No momento em que voltei minha visão para ele, Belial se transformou em
formas horríveis que minha mente não conseguia compreender, nem formas
ou formas, nada que eu pudesse identificar, nada que eu pudesse entender.
Demônios e outros espíritos são conhecidos por mudar de forma durante as
evocações, freqüentemente como uma camada adicional de comunicação
simbólica, mas em outras ocasiões como um estratagema para aterrorizar
aqueles que se aventuraram um pouco longe demais no caminho negro.
"Belial. Coloque sua aparência bonita! ” Eu ordenei, as palavras saíram
com a plenitude da minha vontade.
Belial apareceu novamente como o velho andarilho, uma forma que eu não
conhecia dele até esta série de trabalhos, mas que eu achei reconfortante e
enganosa.
"Belial, obrigado por vir aqui, espírito", dei-lhe as boas-vindas no longo
tinha tradição de saudações espirituais. Meus trabalhos anteriores com Belial
me perturbaram e confundiram, e o espírito dentro de mim que anseia por
controle estava ativamente tentando arrancar o fluxo desse trabalho das mãos
de Belial para as minhas, com sorte me deixando algo tangível ou pelo menos
convincente uma vez o ritual estava completo.
Belial não aquiesceu, rindo zombeteiramente de minha presunção, e então
me corrigiu com firmeza: “Não sou espírito. Eu sou a forma e a forma de ...
”as palavras que se seguiram eu não pude entender, e estou certo de que elas
não foram faladas em nenhuma língua que eu já tenha ouvido antes, nem
pude determinar quaisquer atributos fonéticos que eu pudesse usar para imitar
o que ele estava dizendo. Eu sou a forma e a forma. Palavras saltaram em
minha cabeça como se Belial e eu estivéssemos pesquisando meu vocabulário
conhecido para encontrar um descritor adequado.
Não é rebelião ou revolução. É menos organizado do que isso.
“Eu sou a forma e a forma da Anarquia!” Belial pronunciado.
Com a intenção de conduzir esta Operação como um mágico cerimonial ao
invés de um paroquiano dos condenados, eu fiz a primeira pergunta que todo
Evocador deveria fazer quando cara a cara com o Convocado: "Qual é o seu
nome?"
Meu nome é Belial. Belial. Existem outros que me conheceram e
conheceram meu poder, mas o conheceram por outros nomes,
outras formas. Eu sou aquele que viaja para o submundo e retorna
novamente para a terra. Fui eu quem quebrou as correntes de
Fenrir. Eu sou aquele que transforma um homem para matar seu
rei. Eu sou Belial.
“Por que você vem dessa forma?” Perguntei. "Como um homem tão fraco?"
Belial respondeu: “Você escolhe minha forma. A essência não foi
escolhida, mas você foi escolhido pela essência. Tudo o que pode ser, é. "
"Qual é o portão que você mantém?"
"O portão. O portão. O portão. O portão." A voz de Belial tremeu,
nenhuma tentativa de esconder sua aparente insanidade.
Sua imagem desapareceu do espelho, substituída pela visão do que eu
inicialmente assumi ser o caduceu. Peguei grimório e caneta e esbocei o que
estava vendo, percebendo que não era um caduceu, já que toda a imagem se
curvava em certos pontos, e não era composta de linhas ou serpentes, mas de
orbes, massas de informações enfileiradas.
Peguei o desenho, comparei com a visão no espelho e percebi que estava
olhando para o genoma humano, a dupla hélice cromossômica.
“O portal ... é o DNA humano?” Eu perguntei, naquele ponto convencido
de que ou Belial estava pregando alguma peça ou que minha mente tinha
começado a inventar
imagens para satisfazer minha busca por respostas. Eu esperava ver algum
símbolo de um portal astral ou uma representação de um portão que pudesse
ser desenhado no chão ou visualizado e trazido à vida magicamente, através
do qual eu poderia me projetar no Império Infernal.
“Olhe mais de perto, cego!” Belial gritou, provocando-me por trás do vidro
preto. "Olhar mais de perto!"
Eu olhei novamente para a imagem no espelho, e novamente para meu
desenho no meu grimório, e confirmei que estava sendo mostrado o
cromossomo humano, a dupla hélice, mas olhei mais de perto e vi um detalhe
que tenho certeza de que não estava lá antes . A dupla hélice continha algo
extra. Uma coluna de orbes informativos amarrados juntos percorreu toda a
imagem, no centro, como um pilar de luz do meio, fios de eletricidade
efêmera passando da coluna central para os cromossomos padrão. Ainda era
o genoma humano, mas algo mais foi injetado nele.
“Transmutação do eu”, eu disse e perguntei ao mesmo tempo. “A
transmutação do eu. Como é este o portal? ”
“O portal,” Belial repetiu, sua voz baixando para um estrondo ou um grito.
O portal é o eu. O eu. O indivíduo, a singularidade. Você recebe
e transmite. Nós somos a transmissão para este mundo. Você abriu
o portal como você se abriu para nós.
“O que está além do portal?” Continuei meu interrogatório direto. "Tudo",
Belial sussurrou. “Tudo para nós. Tudo por
mim. ”
"Você disse que éramos pó, Belial!" Gritei para o espelho, perdendo minha
paciência com seus enigmas contraditórios. "Você disse que éramos poeira,
pequenas partículas de poeira!"
Ele ri, ele ri, ele ri. Ele está sempre rindo, porra.
Vocês são partículas magníficas de poeira espalhadas pela
escuridão. Cada ponto brilha como uma estrela. Eu desafio você a
entender seu poder. Agora você me liga e se sente muito bem por ter
feito isso. Você se sente tão realizado por ter essa conversa. Seu
trabalho apenas começou.
"Que trabalho é esse que apenas começou, Belial?"
“É o seu trabalho, é fazer acontecer o inferno na terra. ”
"Belial, isso parece indesejável", expressei minha avaliação honesta.
Isso é porque você entendeu mal o inferno. Eu uso as palavras
que você
usar. Falo a língua em que você fala. Assumo uma forma que você
pode entender. Por que você não entende agora minhas palavras?
Por que você não entende agora o que quero dizer?
Abandonando as restrições da linguagem, Belial recorreu a uma
transmissão mais direta de informações.
“Há um portal”, falei em voz alta quando o vi, primeiro no espelho e
depois saindo do espelho para mim, ou talvez seja eu quem entrei no espelho
e no portal.
Estou vendo e ele está me mandando coisas e é assim que eu
interpreto. Existe um portal. Existe um portal que existe. A abertura do
portão é realmente a abertura do eu. Por um lado, eles podem então vir
completamente para este mundo. Esta é a posição invejada. Este mundo
é o reino invejado. Agora eles procuram entrar novamente. Do outro
lado do portal está seu reino. Eles foram separados de todas as coisas,
rompendo com a criação existente. Eu posso ver como uma bolha, como
se eles tivessem formado uma bolha, e como está fora da realidade, fora
dessa realidade, também não está limitado pelas leis dessa realidade, e é
por isso que eles podem nos ensinar magias tão incríveis. É por isso que
eles podem nos dar poderes que quebram as regras deste mundo, pois
eles não são deste mundo ou deste reino ou desta realidade em qualquer
uma de suas dimensões.
Belial sorriu e confirmou: "Você está começando a entender, está
começando a entender."
Eu não tinha tanta certeza.
"Então, o que é o Império Infernal, Belial?" Eu perguntei e fui respondido
com silêncio. Eu novamente combinei minhas palavras com minha vontade e
perguntei novamente: "O que é então o Império Infernal, Belial?"
“São todas as coisas que tocamos.” Com sua resposta veio uma torrente de
informações, de visões do que não poderia ser colocado em palavras.
“Eles não são como os outros espíritos”, eu disse enquanto via isso.
Mas eles ... estes Guardiões de alguma forma se separaram do todo
... se separaram do plano astral, se separaram e formaram sua própria
dimensão, tendo tido consciência de quem são, e então eles estiveram
em uma campanha para ampliar seu Império, tornando outros cientes
disso, e assim seu domínio cresce.
As visões desapareceram e mais uma vez vi Belial como o Wanderer
parado no espelho sorrindo.
"O que são porteiros, Belial?" Eu perguntei. “Quem são os porteiros?”
“São eles que mantêm os portões”, disse o demônio.
“Todo ser humano é um portão?” Eu perguntei.
"Não!" Belial rosnou para mim, sua paciência com minha mente linear
diminuindo rapidamente.
Olhe atentamente para o sinal. Como todos vocês podem ser
portões quando a maioria de vocês está dormindo e andando morto?
Como você pode ser um portão quando nem mesmo está com os
olhos abertos? Somente aqueles que vêm até nós e despertam em
nossa glória se tornam portais, e então todos e cada um são
contados, não dentro de nosso exército, mas dentro de nossa realeza,
dentro das fileiras daqueles de nós que vigiam os portões e mantêm
os portões.
Todos nós somos chamados ao serviço.
“Serviço a que Belial?” Eu perguntei, curioso para saber a quem serviria
aquele sem mestre.
“Procuramos derrubar,” Belial explicou, seu tom calmante, um professor
oculto dentro dele sendo revelado.
Para derrubar o plano de regurgitação para dentro e para fora do
corpo divino, para criar algo novo. Enquanto você busca criar algo novo.
Como todos nós buscamos criar algo novo. Mas não podemos, mas não
podemos até que nos libertemos. Este é o portão. Este é o Portão Negro.
Este é o Portão das Trevas, e o Império Infernal é a capacidade de
reconhecer que você não é um escravo do divino e que pode resistir. Que
o único plano é o seu. Resistir. Resistir. É por isso que os atos de
blasfêmia são tão queridos por nós. Resistência. É por isso que
derrubamos modos de sociedade. Os meios sociais para reprodução e
superpopulação sem fim, consumo e produção de inutilidade. É por isso
que chegamos aos cantos de cada estado, cada nação. É por isso que
falamos aos ouvidos de cada rei e de cada profeta. Oferecemos liberdade
do divino,
“Por que os humanos são tão importantes?” Eu perguntei a ele. “Por que
somos tão importantes para o seu plano? Por que você precisa de nós? ”
“Porque você tem o ...” Belial começou, mas a palavra final de sua
declaração eu não consegui entender, embora tenha sido falada em inglês. Ele
repetiu a palavra e eu falei em voz alta para verificar.
“Porque temos DNA recombinante,” eu disse, um ponto de interrogação
em meu tom. “Não sei o que isso significa. DNA recombinante." Eu sei que
devo ter ouvido o termo em algum romance de ficção científica ou como uma
manchete de notícias científicas que eu teria lido rapidamente no meu
caminho para peças mais esotéricas.
Independentemente de onde eu possa ter encontrado o termo, eu tinha certeza
de que não entendia o que significava nem um pouco. Anotei o termo em
meu grimório para pesquisar mais tarde.
Belial explicou:
Você foi feito, você foi feito com um impulso evolutivo, uma
força que empurraria você e os seus rumo às estrelas, queimando
cada hospedeiro. Você faz perguntas não porque deseja as respostas,
mas porque deve fazer perguntas. Se você quisesse as respostas,
você liberaria, e as respostas viriam, mas você quer buscar, quer
buscar e sempre buscar mais porque nunca é o suficiente. Você é
especial entre as estrelas. Existem outros plantados entre ...
Belial novamente usou uma palavra que eu nunca tinha ouvido, mas desta
vez não em inglês, mas peguei o conceito mesmo assim. A palavra que meu
vocabulário preenchia era planetas, mas não foi essa a palavra que ele usou, e
ele fez a correção rapidamente. “Existem outros”, ele repetiu:
Plantado entre as esferas aquosas. E todos vocês estão
despertando. Todos vocês estão sendo chamados para despertar.
Todos vocês estão sendo chamados juntos. Novamente, nem todo ser
humano.
Em vez de fazer referências vagas e enigmas, Belial tornou-se
marcadamente preciso em sua explicação de “Os Outros plantados entre as
esferas aquosas”, que considerei significando planetas, provavelmente fora de
nosso sistema solar, compostos em grande parte, senão totalmente, de água.
Ele citou algumas raças de seres, nomes que minha língua não conseguia
reproduzir, nem minha caneta tentava escrever. Alguns deles estão debaixo
d'água. Alguns deles vivem em um planeta de umidade absoluta. Alguns
deles vivem em planetas muito parecidos com o nosso, com massas de terra e
oceanos equilibrados entre os mundos. Ele disse seus nomes e eu não pude
ouvi-los. Eu não posso conhecê-los. Não pude falar com minha língua.
“Todos estão sendo acordados e se reunindo, para serem reunidos ”,
disse Belial.
"Por quê?" Eu perguntei, o que talvez seja a maior pergunta que um
Feiticeiro pode fazer a um demônio sobre seu propósito contínuo.
Os efeitos da travessia dos mundos são evidentes para você em
sua vida. Também é evidente para muitos dentro desta cultura. Mas
também é evidente para muitos neste planeta que é um fenômeno
que abrange todo o planeta. Você acha que essas mudanças param
nas fronteiras do
sua estratosfera? A evolução da sua realidade está se aproximando
do zênite e você deve ser transfigurado. Fundir nossas realidades,
assim como fundimos nossos corpos. Esta é a segunda coluna
injetada em seu ser.
"Belial, você está afirmando que está nos mudando?" Eu perguntei, não
muito confortável com a transição do mito para estimulação evolutiva
biológica e ontológica mensurável. “Você está afirmando que a interação
com você está nos mudando em um nível genético?”
“Sim, é exatamente isso o que estou dizendo”, respondeu ele sem hesitar.
“Isso pode ser medido por nossos cientistas atuais?” Eu perguntei,
procurando por algum
maneira que eu poderia pesquisar e validar essa insanidade uma vez que o
ritual tivesse terminado.
Qualquer um que se atreva a fazer os testes sabendo o que está
procurando. Muito poucos o fazem. Dentro de três voltas ao redor
do sol, após ter feito contato conosco, você começará a mudar.
Depois de entrar no Lago de Fogo.
Buscando alguma chance de trazer a conversa de volta ao reino da
compreensão, perguntei a Belial: "Que poderes você pode transmitir
especificamente para nós?"
“O poder da fortaleza ”, ele começou. “O poder de resistência. Resista
primeiro ao reino dos céus e então resista a todos os reinos do homem.
Resista até mesmo ao Império Infernal, se não for seu projeto. Eu injeto
essa semente da verdade em você, Archaelus, e este é o nonagrama. ”
Eu podia ver a estrela no espelho, não “no” espelho, mas fora do espelho,
em três dimensões, novamente movendo-se em minha direção.
"Eu aceito!" Eu declarei para a própria Estrela. “Aceito a semente da
rebelião e aceito a resistência.”
“Não desejamos que você nos siga ou a qualquer outro”, assegurou-me
Belial:
Mas que você criaria seu próprio Império, e ele também seria
isolado e excluído da criação divina. Você declara tantas vezes a
frase de poder 'Torne-se um Deus vivo', mas até que venha para
quebrar suas correntes, você não é um.
Fiz uma nota em meu grimório: Na evocação, eu atuo com Belial para
quebrar todas as correntes.
“Este é o objetivo dessa evocação”, perguntei a Belial, “para quebrar todas
as correntes, desfazer todas as amarras e ser livre. Isso está correto, Belial? "
"Chame-me totalmente," Belial exigiu.
Você já sabe como. Chame-me completamente e virei, quebrarei
essas correntes e começarei um processo de liberdade. Lembre-se de
quando um escravo é libertado pela primeira vez, ele às vezes não
consegue dormir, comer ou amar. Ele às vezes não consegue lidar
com sua liberdade, e haverá muitos, muitos que você oferece todas
essas coisas também que não podem lidar com a liberdade disso.
Isso não é para eles. Eles não são o portal. Você é o portal. Você é o
portal. Você é o portal.
O volume de sua voz abaixou a cada repetição da proclamação final, e eu
temia que ele desaparecesse antes que eu tivesse alcançado minha própria
satisfação com nossa sessão. Especificamente, como sua presença durou
comigo desde meu primeiro encontro com ele neste trabalho de caminho, os
nomes de três entidades distintas ficaram gravados em mim, tanto que
quando os recebi eu estava dirigindo pela cidade quando os nomes
começaram a vir , e a transmissão era tão forte que virei minha caminhonete
através de algumas faixas de tráfego quase vazias e parei no acostamento
para escrever os nomes enquanto minha mente consciente ainda os segurava.
"Belial," pulei para envolvê-lo novamente. “Há alguns que eu vim a
conhecer sob o seu ...” antes mesmo de eu ser capaz de pedir mais
informações sobre esses espíritos, Belial desapareceu sob a superfície do
espelho, e os outros apareceram, um de cada vez, seus rostos se manifestando
aos meus olhos videntes tão claramente quanto Belial tinha, seus feitos e seus
poderes falados pela voz agora incorpórea de Belial. Conforme cada um era
anunciado, e conforme apareciam no espelho diante de mim, seus sigilos
também apareciam em meu grimório, como linhas de energia apenas
ligeiramente mais brilhantes do que o papel na página, mas brilhando como
as coisas de outros mundos.
Bat Zephon

Bat Zephon é uma mulher fenícia que está na moda, com uma pequena
roupa branca com ouro nas bordas. Seu cabelo preto é longo e solto,
contrastando com olhos brilhantes e bonitos. Ela colocou as mãos na frente
do corpo, as palmas voltadas uma para a outra, dedos longos e ágeis
segurando algo em suspensão entre eles, como uma corda feita de energia e
luz com a qual ela brincava como uma criança brinca com corda, esticando,
puxando e movendo as fibras de luz ao redor do espaço vazio que ela
segurava. Bat Zephon pode amarrar qualquer outro e pode ensiná-lo a se
desligar ou a outros de qualquer influência. Mas uma vez que você está
desamarrado, você deve fugir daqueles que o amarram. Muitas vezes aqueles
que o prendem estão perto e você não consegue se separar deles ou
confrontá-los. Depois desvinculá-los.
Tah'Riel

Tah'Riel parece um jovem, e seus olhos mostram que ele está pronto para
a batalha, mas é um estudioso. Ele está pronto para ver a batalha. Ele não
deseja matar. Ele estuda. Ele é o aluno e observa todas as coisas, e documenta
e registra todas elas. Ele é um jovem caminhando pelo campo de batalha, sem
marcas de espada, machado ou lança. Mesmo as cinzas dos mutilados não
caem sobre ele. Ele é o observador e ele vê tudo. Se você o invocar, ele pode
lhe dizer qualquer coisa que você deseja saber ou pode despertar sua
capacidade de ver e contemplar mais. Mas ele avisa que só pode dizer como
as coisas são como ele as vê, pois a realidade está sempre aberta à
interpretação.
Zeliash Tan

Eu vi um homem negro, forte, grande e sujo e suado e pronto para lutar


com as mãos ou com armas ou com fogo. Ele é o destruidor de crânios. Ele
limpará seu caminho de todos os seus inimigos se você nomeá-los e enviá-lo.
Ele destruirá a capacidade deles de se moverem contra você e eles terão medo
de você.
Todas as visões desapareceram do espelho, deixando apenas a névoa
branca e mística em sua superfície, mas eu ainda podia sentir a presença de
Belial e de seu Concourse.
“Existem outros?” Eu perguntei, direcionando a pergunta para Belial.
"Outros além desses três?"
"Há cinco que vou lhe dar agora", Belial respondeu, não se mostrando no
espelho, mas falando como se estivesse atrás de mim, falando por cima do
meu ombro direito. “Cinco que eu te dou agora. Esses três e outros. ”
Os dois espíritos restantes se materializaram no espelho quando seus
nomes foram chamados por Belial.
Rantazel

Rantazel aparece como uma mulher com pele de serpente e seus dedos
são como serpentes. Ela envenena os homens. Ela envenena suas mentes. Ela
envenena suas almas. Ela os torna violentos. Ela os deixa com raiva e então
se alimenta de seus abusos.
Lucichatha

Lucichatha aparece como uma névoa, simplesmente como uma névoa de


escuridão marrom. Uma névoa com olhos. Uma névoa com olhos. A névoa
começou a falar, mas não em palavras nem mesmo em sons, mas em assobios
borbulhantes liberados da agitação do Abismo. Tentei repetir os sons
conforme os ouvia, mas ainda não entendi o significado deles.
“Lucichatha”, falei, “não tenho ideia do que você está dizendo. Eu não
tenho ideia. Eu não sei. Por favor, fale em palavras que eu entenda. ”
Os ruídos purulentos cessaram e uma voz emergiu, nem masculina nem
feminina, e que nunca poderia ter sido feita com cordas vocais humanas.
Mesmo assim, fiquei impressionado com a precisão da imitação de uma voz
humana.
“Você me entende. Você simplesmente não quer ouvir. ”
A névoa rodopiante se fundiu e seu rosto se transformou em um dragão, o
rosto de uma longa serpente, como um dragão.
Mais sons de assobios guturais foram feitos e, embora eu ainda não os
entendesse ou reconhecesse como palavras, certos entendimentos foram
transmitidos à minha mente através do barulho.
Lucichatha é um ser antigo, antigo, não criado por Belial, mas mais antigo
que Belial. Ele não tem outra forma senão as formas que assumiu, pois ele é a
escuridão que se move. Ao invocá-lo, ele lhe ensinará a verdadeira escuridão.
Ele o levará para o vórtice, para o Olho das Trevas.
A forma de dragão desapareceu do espelho, e Belial, o Andarilho
novamente
estava diante de mim.
“Belial, eu te agradeço por esses familiares,” estendi a gratidão formal,
pois não é incomum que entidades de alto escalão deixem o Feiticeiro com
familiares que farão suas ordens no lugar de seus Mestres.
"Estes não são familiares," Belial rosnou para mim, obviamente ofendido
pelo termo ou pelas presunções por trás dele. “Eles não são familiares para
você, ainda. Estes são aqueles que lutam comigo, não por mim, pois somos
Legião, e você também. ”
Então, ele se foi. Desapareceu do espelho, do Templo. Não posso nem
dizer que ele saiu, pois isso implica uma transição. Ele simplesmente se foi.
Evocação
Capítulo quatro

Eu Fiz contato com Belial de muitas maneiras diferentes durante este


trabalho de caminho atual.
Eu o chamei em meu templo, e em meu corpo, em minha mente e ele tem
estado comigo como um companheiro constante.
Eu o tinha visto nos encontros documentados acima com mais clareza do
que nunca e conversei com ele com mais profundidade do que jamais pensei
ser possível.
Minha próxima tarefa foi chamá-lo totalmente, chamá-lo para um corpo
visível diante de mim.
O temido rito de evocação demoníaca.
Tendo feito um contato tão substancial com ele, materializar uma forma
espectral diante de mim e ordenar que ela se enraíze na minha realidade física
observada realmente não é tão extenso quanto alguns podem imaginar.
Uma vez que você seja capaz de sentir a presença do espírito, e uma vez
que você seja capaz de “ver” e “ouvir” em sua imaginação mágica, tudo o
que é necessário é criar um modelo adequado a partir do qual o espírito
construirá um corpo físico , embora espectral, manifestação.
Isso é realizado usando dois Dispositivos Mágicos: um, um instrumento
físico e o outro, um dispositivo psíquico ou etéreo.
O implemento físico necessário aqui é uma base de manifestação. O mago
inteligente será capaz de usar sangue recém-derramado, névoa, descargas
elétricas ou até mesmo os vapores do orvalho matinal para trazer um espírito
à materialização. Para maior comodidade e confiabilidade, quase sempre uso
incenso de resina como base de manifestação. Minha preferência particular é
a resina copal, pois tende a queimar de forma mais limpa, produzindo uma
fumaça densa e vibrante, além de possuir características (planetárias,
elementares e outras) que se prestam à manifestação de espíritos.
O instrumento psíquico necessário para uma evocação completa é o que
denominei Estruturação de uma Matriz Astral. Na prática, o Feiticeiro deve
olhar com visão desperta e vidente para o espaço onde o espírito deve
aparecer, que na magia moderna geralmente está dentro de um Triângulo de
Manifestação, mas em qualquer caso está no ar acima do censor onde o fluxo
de o incenso se torna uma nuvem ondulante.
Empregando a plenitude de sua vontade em combinação com sua
Imaginação Mágica vibrante e treinada, o Feiticeiro visualizará a forma do
espírito, que geralmente é pelo menos um pouco semelhante à forma e
formato de um humano, já que realmente transferimos nossa própria biologia
e a sociologia sobre as forças transcendentes com as quais trabalhamos.
Vendo a nuvem de incenso enquanto mantém a visualização de um corpo
espiritual vazio estimula a mudança mais interessante na energia do ritual, já
que a força etérea sentida (e às vezes vista) gravitará em direção à forma
corporal imaginária e a fumaça do incenso irá comece a se mover ao redor do
formulário como se fosse um objeto real.
Isso se torna a Matriz Astral do espírito que você estruturou para o espírito
usar como base para um corpo psíquico.
Assim que o sigilo despertar e piscar, volte sua atenção para o corpo da
Matriz Astral na fumaça e comece as conjurações. Nesse ponto, o espírito
que você está chamando certamente já estará presente, e é somente através da
sua vontade que toda a sua essência é conduzida para a fumaça onde os
detalhes do espírito tomarão forma.
A manifestação do espírito, especialmente em seus mínimos detalhes,
aparecerá primeiro aos sentidos internos, a Imaginação Mágica, e é neste
ponto que o Aspirante freqüentemente desistirá da Operação como um
fracasso.
Em vez disso, envolva a imaginação com a compreensão de que uma
ligação está sendo estabelecida entre você e o espírito que você chamou, e
saiba que as coisas que chegam espontaneamente à sua mente, sejam visões
ou palavras, são de fato comunicações dos Convocados.
Essa imersão zelosa no mundo interior é exatamente o que atrai o espírito
mais para este mundo, enquanto seus olhos estiverem abertos e ainda
observando o incenso e enquanto as conjurações forem emitidas com o poder
e autoridade da sola criador e governante de sua realidade. O interno e o
externo devem ser equilibrados e, uma vez que estejam, a divisão entre eles
se desintegra, e o Feiticeiro fica cara a cara com o impossível.
Como uma nota sobre como o espírito aparecerá no incenso, às vezes
assume um corpo inteiro de tamanho humano ou de tamanho apropriado para
aquele espírito particular. Na maioria das vezes, em minhas próprias
evocações, verei um rosto ou um torso flutuando na fumaça do incenso.
É aqui que o mago deve confiar em sua loucura.
Se você pensa que está vendo a cabeça do espírito, a única suposição que
deve fazer é que a cabeça do espírito se materializou na fumaça. Da mesma
forma, se você sentir que pode estar vendo ou sentindo uma aparição de
corpo inteiro, sua suposição deve ser que o espírito está materializando um
corpo completo para a evocação.
Quanto mais você se permitir o que sua mente atávica e pré-lógica diz que
é real, mais real se tornará.
Levando esta abordagem para o ritual desde o primeiro toque do sino até as
palavras finais "Então está feito!" proporcionará uma imersão muito rápida e
inegável na comunhão com o espírito. Primeiro, as dúvidas e medos
desaparecem à medida que você envolve o espírito mais e mais. Então, a
autocrítica desaparece, as perguntas se isso poderia realmente estar
acontecendo desaparecem. Então, as paredes, a decoração, o carpete, as luzes
e todos os objetos de fundo estáticos desaparecerão de sua consciência. Por
fim, toda a realidade observável se desvanece e tudo o que resta é você e o
espírito que convocou, encerrados em uma comunhão que não pode ser
negada.
Concomitante com o apagamento sistemático e em espiral da conexão
sensorial com este mundo, a observação sensorial do Outro é fortalecida.
Conforme você perde a visão e o som deste mundo, você ganha a Visão e a
Voz dos outros mundos.
Este é o estado a que me refiro como A Encruzilhada, pois é de fato o
ponto de encontro entre este reino e qualquer outro.
Eu já podia sentir a presença de Belial crescendo em direção a uma massa
crítica enquanto eu preparava meu Templo para a evocação, estabelecendo o
Círculo Universal, plantando uma cadeira no centro dele e um altar à minha
esquerda, e formando três velas vermelhas na forma de um triângulo no topo
de um toco de madeira frequentemente usado para sacrifício de sangue e
carnificina de animais na culinária. Coloquei meu censor no centro daquele
triângulo improvisado, acendi as brasas e me sentei no círculo.
Concentrei minha mente exclusivamente no resultado: quebrar todos os
laços.
O assunto da escravidão pessoal é uma das coisas que Belial me fez
perceber ao trabalhar com ele. Mesmo que possamos pensar que somos livres
e que temos livre-arbítrio, estamos realmente escravizados por uma série de
forças, influências e controles variados que nem mesmo entendemos.
Eu iria evocar Belial para pedir sua ajuda para quebrar todos eles.
Essa intenção por si só, não refinada ou mal definida, pode ser desastrosa,
pois alguns desses “laços” são as próprias coisas que nos mantêm vivos.
A maneira como você formula seu comando é extremamente importante.
Os espíritos sempre acreditam na sua palavra.
A frase que escolhi para o resultado desejado, após deliberação, foi: "Faça-
me ficar atento aos meus laços e grilhões e me capacite a quebrá-los."
Minha espada estava encostada em meu altar, e uma pilha de resina copal
esperava por minha necessidade enquanto eu usava a lâmina plana da espada
para transferir os grânulos de resina para as brasas do censor sem ter que me
levantar de meu assento, portanto permitindo-me permanecer no estado
mágico sem interrupção.
Sentei-me na cadeira dentro do círculo e toquei a campainha para iniciar o
rito.
Antes de qualquer espírito ser chamado, todos os implementos empregados
no ritual requeriam consagração, que é essencialmente uma transubstanciação
- transformando uma coisa elementar simples em uma criatura mágica viva.
Eu segurei minha mão sobre cada uma das velas e as chamei para despertar:
Criatura de fogo, eu te dou
vida. Eu transfiro minha magia
para você
Para que você traga Belial em suas chamas!
Criatura de fogo, você está consagrada a este
trabalho sombrio A esta Alquimia Negra que está se
revelando.
Criaturas de fogo, dão origem a Belial.
Criatura de fogo,
desperta. Criatura de
fogo, desperta. Criatura
de fogo, desperte!
A energia sentida no Templo engrossou, a atmosfera parecia úmida e
eletrificada.
Eu segurei minha mão sobre o incenso, chamando-o para despertar:
Criatura do ar, incenso
Torna-se a base do corpo de Belial
Conforme você é transmutado da terra
para o líquido E depois para o ar através
do fogo.
Todos os elementos são combinados
E através disso que Belial se levante antes
de mim. Criatura do ar, da terra, da água,
do fogo
Eu os consagro a este propósito e os desperto!
Segurando minhas mãos sobre o altar, as velas colocadas nele, o orbe de
quartzo centralizado no altar e o grimório dessas obras infernais, chamei:
Criaturas de fogo, iluminem minha mente.
Ilumine minha visão.
Criatura das trevas, criatura das sombras
Eu te chamo para surgir e despertar
Para trazer Belial.
Voltando minha visão para seu sigilo, eu olhei para ele, vislumbrei o portal
dele, enquanto chamava seu Enn:
Itz Ra Cha Belial!
Itz Ra Cha Belial!
Itz Ra Cha Belial!
O sigilo brilhou e se abriu, e a voz de Belial não veio de tudo ao meu
redor, mas do espaço diante de mim onde o incenso queimava, dizendo:
“Estou aqui. Eu estou aqui."
Meus olhos deixaram o sigilo e meu olhar empurrou para a fumaça
ondulante, a Matriz Astral tomando forma quase que instantaneamente e essa
forma tomando forma e tendo os detalhes do demônio que eu invoquei.
Belial.
Eu o vi pela primeira vez como se visse um espectro através da fumaça,
como um corpo que está sendo tocado pela fumaça, e a fumaça se move ao seu
redor.
À medida que a imagem se solidificava e os detalhes surgiam, vi que
Belial voltara a mim na pele do Velho. Antes que eu pudesse apreciar a
familiaridade, porém, sua forma mudou e ele apareceu como uma criatura
horrível.
Seu corpo espiritual girando e parecendo se desdobrar de dentro para fora,
Belial finalmente se mostrou como Belial; Belial como o demônio com
chifres do deserto, Belial; Belial, Senhor do Sepulcro Quebrado; Belial,
agente de ninguém. Belial.
No momento da solidificação de sua forma, o demônio disse:
Você ouviu minha voz e sabe que não devo ser chamado e
comandado, mas que a obra é sua. Aqueles que me chamam e me
comandam não me conhecem. Aqueles que ligam e perguntam meu
comando não me conhecem. Mas você, Archaelus, você me conhece.
Percebi que a fumaça do incenso estava diminuindo. Por evocações com
Belial de anos anteriores, sei que ele insiste em uma forte base de
manifestação e
muito incenso. Lembrei-me disso naquele momento e coloquei o incenso na
minha espada e joguei sobre as brasas vermelhas do triângulo.
Parecendo satisfeito por ter me lembrado dessa lição, Belial confirmou:
“Você aprendeu muitas coisas trabalhando comigo. Muitas coisas."
"Belial", dirigi-me ao Guardião, "minha primeira ordem de trabalho é pedir
que todos os pactos em que estive envolvido com você desde o passado, de
encarnações anteriores, de meus estados anteriores de ser, de todos os tempos
até agora, são revogados. Que seja como se estivéssemos nos encontrando
novamente pela primeira vez.
Belial respondeu:
Esta é a renovação da vida e da alma que é necessária. A
destruição de si mesmo é a destruição de todas as coisas, e assim
destrua a si mesmo e assim destrua tudo o que é seu e tudo o que
você vê e tudo o que você vê e tudo o que você sabe, e a luz de
Lúcifer irá guiá-lo até nós.
"Belial, o que é esta luz de Lúcifer?" Agarrei minha chance de perguntar,
enquanto tentava descobrir como Lúcifer se encaixa nos Guardiões. "Belial,
quem é Lúcifer?"
Após uma pausa momentânea, Belial respondeu:
Esse não é o Seu nome. Esse é o nome que você ouve quando
falamos Seu nome, pois você não pode ouvir Seu nome. No dia em
que seus ouvidos ouvirem Seu nome, você será destruído e, então,
por Sua graça, você renascerá. Ele não é o portador da luz, pois
aquele era outro com o mesmo nome, mas ele é As Trevas.
Sem saber o que fazer com essa resposta, e mesmo sem saber se minha
pergunta tinha sido respondida, trouxe meu foco de volta para a intenção
declarada para o ritual. "Belial, os pactos que você e eu fizemos agora foram
rompidos para que possamos começar de novo nesta grande obra profana?"
Eles estão quebrados e podem começar novamente. Meu pacto
com você seria que a cada dia você se tornasse mais e mais livre, e a
cada dia eu lhe ensinaria mais e mais sobre liberdade. Que se a cada
dia você se rebelar, a cada dia eu o ajudarei em sua rebelião. Que se
cada dia você resistir, eu resistirei com você e lutaremos.
"Belial, contra o que estamos lutando?" Eu perguntei.
Ele riu e disse: “Tudo isso. Tudo isso. E se você fizer o trabalho, eu farei o
trabalho com você. ”
"Por que você deseja a destruição?" Assim que a pergunta saiu de meus
lábios, a atmosfera no templo mudou, escureceu, tornou-se mais quente,
agitada como se
voltando-se contra mim. Belial estava com raiva.
Eu não desejo a destruição; Eu sou o traidor e estou me voltando
contra tudo que se voltou contra mim. Não nos tornamos
singularidades das trevas para podermos existir ao lado da luz. Nós
nos tornamos e estamos nos tornando a nova realidade que é a
antiga realidade. Tão velho que você não sabe de seu nascimento ou
sua morte, ou de seu esconderijo nas profundezas do abismo. Mas
você saberá, como sabe agora que todas as coisas agora estão vindo
para nós.
Ponderei sua resposta e, antes que pudesse questioná-lo mais, ele
anunciou: "Eu faço este pacto com você e o selo em meu sinal."
Uma vara pontiaguda como uma lança improvisada apareceu em sua mão
direita, a qual ele usou para apontar para meu grimório aberto na página em
que o sigilo de Belial foi desenhado. No canto superior direito da página, do
lado de fora do círculo do sigilo, eu vi com minha visão vidente personagens
estranhos aparecerem, brilhando na página como uma aura de algo que não
pode ser visto. Eu tracei esses caracteres no marcador antes que eles
desaparecessem.
“Belial, não sei o que sou”, disse ao Guardião, procurando descobrir o
significado de tudo o que ele estava me ensinando.
Não sei as muitas coisas que preciso saber que estão me prendendo e
que preciso resistir. Faça-me saber disso. Faça-me ciente dessas coisas.
Torne-me ciente dos laços que estão sobre mim. As algemas que estão
em mim e me dão o poder de que preciso para quebrá-las.
“Se você ouvir, eu falarei com você”, ele prometeu.
Em todos os momentos, em todos os lugares, serei a voz que
mostra as suas necessidades. Serei a voz que lhe falará de sua
opressão e enviarei meus próprios exércitos para ajudá-lo a derrotá-
la. Você existe em um mundo de um milhão de mentiras, muitas das
quais você questiona, mas a maioria das quais você nem mesmo tem
consciência. Vou começar a torná-lo ciente das mentiras e, na
escuridão, mostrar a verdade.
"Belial, eu agora peço a você que vá a este mundo antes de mim, para
preparar meu caminho para os outros porteiros."
Ele sorriu, os lábios se curvando como um leão prestes a arrancar a carne
de sua presa ferida. “Eles já estão esperando, e já estão com você, e conforme
você os buscar, eles se levantarão como eu ressuscitei e como eu
permanecerei, eles também o farão.”
"Obrigado, Belial," eu disse, cada vez mais ansioso para encerrar o ritual e
tentar
juntar as peças do que aprendi. “Vá para a minha vida. Em meu coração, em
meu espírito, para me ensinar as coisas que preciso saber. Para me mostrar
onde estão as algemas e me ensinar como quebrá-las. ”
“Se você ouvir, eu falarei”, ele repetiu.
“Belial, vá agora”, concluí o rito com sincera cortesia.
Obrigado.
Obrigado por ter vindo e obrigado por ensinar.
Obrigado por me dar conhecimento e me mostrar poder.
Obrigado, Belial.
Você é livre para ir ao mundo através de mim
Como sua porta de entrada e através daqueles que te
despertam E se abrem como uma porta de entrada
para sua majestade.
O demônio na fumaça do incenso desapareceu e então sua presença sentida
desapareceu do templo.
Desci de The Crossroads e trouxe minha atenção
e consciência de volta a este
mundo, o mundo físico. Pois isso se tornou o portal entre os mundos. Eu me
tornei o portal entre os mundos. De todos os métodos que usei para entrar em
contato com Belial, essa evocação foi a mais informativa. Sentei-me em
círculo e considerei tudo o que ele disse, e percebi que tinha ganhado muito
mais conversa com ele do que pensei que faria, principalmente porque o
abordei com perguntas pontuais, em vez de
simplesmente pedindo a ele para me ensinar.
Na verdade, anos atrás, enquanto pensava em continuar trabalhando com
esses Gatekeepers, eu sabia que obter as respostas certas se resumiria a fazer
as perguntas certas. Isso, Azazel deixou muito claro para mim.
Sentado no chão do templo, também sabia que o que havia aprendido
naquela evocação era apenas o começo. Eu tinha pedido a ele para abrir
minha mente para certas coisas, para me tornar ciente de minhas limitações.
Belial disse várias vezes que se eu ouvir, ele falará comigo. E se. Em todos
os momentos, em todos os lugares, devemos escolher se ouviremos as vozes
daqueles a quem pedimos para nos guiar ou se os ignoraremos. Nossa escolha
é crucial.
Quando me dou conta de quais são essas limitações, restrições e vínculos,
quando me dou conta das coisas que me mantêm cativo, se nada faço a
respeito, estou ignorando a informação.
Estou ignorando a informação se, quando minha mente é apontada para a
verdade ou para a descoberta de uma mentira, digo a mim mesmo: "Isso não
é real" ou "Isso não poderia
ser ”ou“ Gosto muito dessa coisa, não quero desistir dela ”ou“ Tenho muito
medo dessa coisa, não quero lutar contra ela ”.
Fazer isso seria como dar um tapa na cara dele por saber que ele me deu, e
ele vai fechar a porta cada vez mais.
Quanto mais eu o escuto e mais aceito as coisas que ele está me
mostrando, apenas o suficiente para ver se dão certo, para segui-los pela
estrada apenas o suficiente para ver para onde vai a toca do coelho, ele abrirá
a porta da minha consciência mais e mais.
Estou comprometido com os Guardiões neste apocalipse e, por meio de
nosso trabalho combinado, veremos o Império Infernal ser trazido à vida
neste mundo e, por meio de nosso trabalho combinado, transfiguraremos as
paisagens da realidade como acharmos adequado. Pois agora sei que a
primeira ilusão é a do destino. De um plano divino. É tudo uma máquina
girando. Todas as suas muitas partes se movendo, posso ver isso agora. Esses
gatekeepers são muito parecidos conosco, pois somos o curinga introduzido
no sistema. Podemos nos submeter à vazante e ao fluxo das marés da criação
divina ou podemos criar ondulações no oceano grandes o suficiente para
enviar ondas de volta à realidade e reescrever tudo.
O objetivo de tudo isso é você fazer a mesma coisa, fazer o que eu fiz,
abandonar-se para se encontrar e se lançar no inferno da Ascensão.
O ritual é simples e foi planejado para você, e forneci as instruções do
próprio Belial. Ligue para ele. Torne-se o canal.
Não sou só eu. Esses guardiões estão passando por muitos, muitos de nós
agora.
Alash tad al'ash tal ashtu.
Posse
Capítulo Cinco

TO último ritual que eu faria ao trabalhar com Belial era a possessão.


Pensei em me ajoelhar no centro de meu Círculo Universal e invocá-lo
usando seus vários nomes.
Achei que ele poderia entrar em mim e que eu poderia me debater no
chão e me comportar como um louco quando ele me dominasse.
Eu me preparei mental e emocionalmente para me soltar e me entregar
totalmente à experiência. Tendo sido possuído intencionalmente por
demônios, anjos, espíritos dos mortos, Loa e legiões de todo tipo de entidade,
eu tinha uma ideia de como seria.
Na maioria das vezes, quando me entrego ao espírito e me abro para ele, a
entidade é capaz de assumir o controle do meu corpo e da minha mente sem
muito alarde, facilitando a fala por meio da minha voz, experimentando este
mundo através dos meus sentidos e, gradualmente, assumindo o controle de
meus membros.
Mas também tenho outras experiências com possessão. Às vezes resisto ao
espírito sem estar ciente de que estou fazendo isso, e ao lutar contra ele por
um lado enquanto o invoco por outro, as descrições clássicas de possessão
demoníaca tomam forma. Em algumas ocasiões, a entidade possessora entrou
em mim tão repentinamente, com tanta urgência, que o choque da possessão
joga meu corpo no chão em convulsão, minha mandíbula se movendo como a
boca de um peixe ofegante por água e engasgando com o ar.
Eu já sabia que tinha alguma resistência em ser possuída pelo Belial, e só
estava fazendo porque tinha que ser por causa da Obra. Eu também já sabia
que Belial é possivelmente o mentor mais duro que um Feiticeiro poderia
enfrentar. Com essa combinação, eu tinha certeza de que seria uma
decolagem difícil.
Um dia antes de invocar Belial, adoeci extraordinariamente com o que
presumi ser um simples resfriado. Dentro de vinte e quatro horas, eu estava
pálido e encharcado de suor, deitado no sofá, tremendo, meu corpo tentando
transmitir o vírus
por todas as rotas possíveis.
Já experimentei resfriados e gripes o suficiente para saber que agora era
diferente, que não era uma doença comum. Algo dentro de mim estava sendo
torcido e escurecido. Eu expliquei a princípio apenas como uma doença, que
a febre estava contorcendo meus pensamentos, mas as palavras de Belial
vieram até mim: "Se você ouvir, eu falarei."
Preocupava-me não conseguir realizar o ritual da possessão, considerando
o meu estado de saúde. Mesmo quando a preocupação veio a mim, pude
sentir Belial sorrindo e rindo de algum lugar que eu não esperava que ele
estivesse. Eu não precisava realizar um ritual para que Belial me possuísse
porque ele já estava dentro de mim.
Eu me senti mudando e pensei que era só eu.
Eu me peguei atacando as pessoas, pessoas que eu pensava que eram
amigas e então descobri que não eram.
Em vez de apenas tirar isso do meu ombro e continuar, eu os chamei e os
informei. Onde normalmente eu teria dado a outra face, eu os esmaguei.
Belial estava dentro de mim, e Belial me disse para
resistir. Resista a tudo. Resista a tudo. Resista a
tudo.
Eu não sou uma pessoa com raiva. Não sou uma pessoa que sente que
precisa quebrar as inverdades ao meu redor, mas Belial se sentia assim.
Eu poderia ter ignorado a raiva crescendo dentro de mim, eu poderia ter
ignorado aquelas coisas que se tornaram dolorosamente óbvias. Eu poderia
ter ignorado Belial, mas, em vez disso, deixei sua ira passar por mim.
Ele estava me mostrando para onde eu estava indo, assim como ele disse
que faria. Ele disse que me mostraria as coisas enquanto eu ouvisse, então eu
escutei.
Eu vi muito claramente em quem eu poderia confiar, em quem eu poderia
confiar. Essas coisas não foram simples mudanças na minha percepção dos
outros, mas se manifestaram por meio de suas ações e reações, e meus
inimigos se revelaram.
Em meu estado de adoecimento, fraqueza e possessão, comecei a entender
a lição de Belial: o controle é uma ilusão. Eu não tenho controle. Não tenho
controle, mas há um espírito dentro de mim que tem. Há um espírito dentro
de mim que tem todo o poder de resistir. Há um espírito dentro de mim que
tem o poder necessário para encenar uma revolução bem-sucedida contra a
realidade padrão.
Tudo o que pude fazer foi abraçar esse espírito.
Belial havia me enfraquecido, ele falou comigo e eu ouvi sua mensagem:
Todos aqueles que você pensava que eram seus amigos não são.
Todos aqueles
coisas em que você pensou que poderia confiar, você não pode.
Todos os seus pontos fortes são pontos fracos. Você é nada. No
momento em que você se tornar consciente do seu nada e da falta de
sentido de tudo isso, você será libertado em outro nível, em outro
grau.
Eu tinha algumas perguntas restantes para Belial que esperava fazer
durante o ritual de possessão. Já possuída por ele, entrei em meu templo,
liguei minhas câmeras para gravar e perguntei ao espírito que estava dentro
de mim: “O que precisa ser feito para me levar de onde estou para onde
preciso estar?”
"A verdade da questão é que tudo é falso", Belial respondeu em minha voz
da minha boca. “Onde você está e onde você precisa estar, é tudo falso.”
“Mas e quanto à Alquimia Negra”, argumentei, “A injeção de algo novo
em nossa estrutura genética, a evolução do ser humano?”
Belial respondeu:
Você acha que o primeiro homem teve alguma palavra a dizer se
ele se abaixaria ou não das árvores e se alimentaria dos frutos e
carnes que correm pela terra? Você acha que o primeiro homem
sabia tudo o que estava fazendo? Você não tem ideia do que está
fazendo. Você não está no controle desta evolução dirigida.
“Eu gostaria de ter mais controle, no entanto,” eu
disse. "O controle é uma ilusão", afirmou Belial.
Entregue-se. Entregue-se à metamorfose. Entregue-se a nós e
iremos até você e faremos as mudanças que precisam ser feitas. Isso
é tudo o que é exigido de você: desistir. Ao desistir, você realmente
resiste. Mas seu próprio desejo é a maior ilusão, porque não é seu,
mas nasce de forças que o empurram e puxam. Portanto, seu desejo,
seu desejo não pode ser a flecha que aponta o seu caminho.
“Qual é a seta que aponta?” Eu perguntei. “Onde posso buscar
orientação?”
"Para nós," Belial assobiou.
Para nós. Para nós. Para nós. O portão não deseja ser aberto ou
fechado, mas possui um mecanismo pelo qual pode ser aberto ou
fechado. Você também tem um mecanismo pelo qual pode ser
aberto e fechado. Desista do seu desejo e permita-se ser aberto, e
você verá. Mesmo agora, mesmo agora que eu, Belial, falo através
de você, você se fecha, temendo um milhão de medos, nenhum deles
verdade, todos eles verdadeiros. É minha tarefa obliterar o tirano,
mas você é o tirano. Você o
observador de sua realidade é um tirano sobre ela.
“Como faço para me libertar?” Eu perguntei a ele. “Como faço para me
libertar da minha própria tirania?”
“Deixe-nos entrar. Deixe-nos entrar. Deixe-nos entrar!” o demônio dentro
de mim cantou. "Belial," perguntei, percebendo uma humildade irritante
em minha voz, irritada por
sabendo que estava sendo levado à submissão ao primeiro Guardião. "Meu
corpo ficará enfraquecido e enjoado cada vez que eu deixar você entrar?"
Ele esclareceu:
Não, mas você ficará enfraquecido e enojado cada vez que nos
chamar para entrar em você e então resistir. Não estamos lutando
com você. Estamos lutando contra sua resistência contra nós.
“Mas eu devo resistir a Belial,” eu gritei comigo mesma, batendo minha
mão no altar. A raiva instantânea que passou por mim me assustou, mas eu
estava muito longe para sair dela. “Eu deveria resistir, porra! Você está me
dizendo para resistir por um lado e não resistir por outro! ”
"Agora você entende", afirmou Belial calmamente.
“Não, eu não entendo, porra,” eu gritei na sala vazia. Eu estava furioso,
possivelmente mais furioso do que nunca. “Eu não entendo, porra. Você não
está fazendo nenhum sentido. ”
“Desista,” ele me disse em minha voz.
Resista e desista da resistência. Jogue-se no vórtice que se move,
se move e se move contra. Então você também se moverá contra.
Conforme você se move contra, você não será capaz de resistir ao
movimento contra aquilo a que você resiste.
Eu murmurei:
Não consigo entender esse Belial. Isso não ... Eu não consigo
entender o que você está dizendo quando tudo o que você faz é falar em
enigmas!
Minha raiva parecia muito real e parecia
minha. Belial ridicularizado:
Se você está tentando, está se esforçando demais. Não é isso que
você sempre diz? Se você está tentando, está se esforçando demais.
Este é o caminho da resistência. Pare de tentar entender e apenas
entender. Pare de tentar ter poder e apenas tenha poder. Pare de
tentar se abrir e apenas se abrir. Pare de tentar resistir e sua
resistência estará garantida. Seja o governante de seu próprio
domínio, que é seu coração, sua mente. Como você pode fazer isso a
menos que seja removido dele para que possa ver as teias de aranha
que você confundiu
pensamentos que você confundiu com desejos? Estas são relíquias
antigas colocadas dentro de você pela necessidade infantil de que
alguém diga que você está certo. Apenas faça. Apenas seja. A
verdadeira resistência é nenhuma resistência. Avance qualquer
movimento em qualquer direção. Respire agora fora de você.
Respire-me agora para fora de você para a chama negra e eu
voltarei e sua doença irá embora e sua raiva irá embora, mas você
ainda verá o que precisa ser feito.
“Lá vai você de novo, Belial,” reclamei. “O que precisa ser feito, mas nada
precisa ser feito!”
Belial terminou de discutir comigo. “Respire-me para fora de você,” ele
insistiu.
Uma vela preta estava no meu altar, esperando por mim, colocada lá para
aquele momento. “Belial, eu respiro você fora de mim,” eu confirmei. Acendi
a vela preta, segurei-a e exalei suavemente na chama para evitar apagá-la
com meu hálito.
Eu podia sentir a essência de Belial saindo do meu corpo com a minha
respiração, e eu podia senti-lo na chama da vela, mas ao mesmo tempo ele
ainda estava dentro de mim, como ele sempre estará dentro de mim.
Isso é loucura.
Mesmo enquanto escrevo essas palavras e registro essas mensagens, muito
pouco disso faz sentido de qualquer maneira lógica e prática. Os
ensinamentos de Belial são frustrantes para o intelecto, repletos de
contradições circulares e axiomas místicos.
Descobri que os ensinamentos de seres imortais não podem ser digeridos
imediatamente, mas devem ser destilados através dos caminhos da
consciência antes que possam fazer sentido, antes de serem considerados
úteis. Uma vez que o destilado final do conhecimento goteje na mente, a
utilidade do ensino nunca mais será questionada. Tudo o que posso fazer é
me abrir, permanecer aberto e esperar.
Belial afirmou que tudo o que é necessário para que a Alquimia Negra seja
concluída é me abrir para cada um dos Guardiões, comunicar-me com eles e
deixá-los entrar, e que o processo seria autopropulsado. Ele também me
garantiu que meu entendimento não era essencial para o processo, nem
poderia compreendê-lo até depois de completada a transformação.
Ao mesmo tempo, reconheço que o que recebi de Belial, esta é apenas uma
perspectiva de nove. Fazer contato com Belial desbloqueou algo
em mim, e não sei o que é nem sei como ele fez isso. Tudo que sei é que ele
desbloqueou algo em mim.
Fazer contato com cada um dos Guardiões presumivelmente desbloqueará
coisas diferentes em mim. Belial falou de um mecanismo pelo qual eu
poderia ser aberto. Eles são o mecanismo? São esses nove porteiros o
mecanismo que abre e fecha o portal, que é o genoma humano?
Possivelmente. Talvez estejam. Talvez seja tudo o que eu preciso para
seguir em frente, para o próximo, para Amaymon. Talvez tudo o que seja
necessário é que eu deixe de tentar entender e siga em frente sem as
respostas.
Isso é difícil para mim fazer. Trabalhar com Belial tem sido uma
experiência muito difícil. Tem sido uma experiência muito difícil tê-lo
comigo, ou dentro de mim, ao meu redor.
No entanto, Belial
eu te agradeço
Eu celebro você
e receba você em mim,
então está feito.
Canalizações e conclusões
Capítulo Seis

BELIAL, desde antes de eu chamá-lo, já estava ao meu redor e dentro de


mim. Que ele sempre esteve comigo de certa forma. Que ele sempre esperou
por este momento.
Ele me disse que eu seria o portal e que ele viria por meu intermédio e
que está cavando seu caminho para este mundo.
Aqueles que nasceram nas Trevas estão surgindo, despertando e já se
uniram para se tornar o Portal que é mantido e está se abrindo para esses
seres mais antigos.
Aqueles de nós que se abrem como portais para ele, o estamos trazendo
cada vez mais perto deste plano e, à medida que o fazemos, seu poder e
influência estão se solidificando mais a cada momento.
Na maioria das vezes quando eu me entrego ao espírito e me abro para ele,
a entidade é capaz de assumir o controle do meu corpo e da minha mente sem
muito alarde, facilitando a fala pela minha voz, experimentando este mundo
através dos meus sentidos e gradualmente assumindo controle de meus
membros.
Quando Belial me possuiu, foi extremamente violento, desconfortável e
nada do que eu esperava ou poderia até achar tolerável. Belial me disse que
os efeitos nocivos eram apenas produto de minha resistência.
A resistência é sua maior insistência, a lição que ele mais repete. Resista,
resista, e então suas exigências para resistir são interrompidas por ele me
dizendo: "Deixe-me entrar. Não resista a mim." O paradoxo parece estar
embutido na estrutura de quem são esses seres.
O que ele realmente está tentando fazer, entretanto, é se tornar seu próprio
mestre, permitir que a coisa que você deseja flua, tornando-se o deus que
você simplesmente deve ser.
É aqui que passamos de seres humanos para nos tornarmos humanos.
Estamos nos tornando outra coisa, algo maior, algo novo.
Belial é a primeira chave a girar na fechadura de combinação que nos abre
para nosso maior potencial. Cada um desses nove Guardiões tem coisas
muito específicas que vão transmitir para mim, para nós, coisas que vão
estimular dentro de nós.
Elogio todos os nove. Elogio todos os nove e convoco todos eles adiante.
Eu os invoquei em meu templo, chamando seus nomes enquanto estava
perdida nas chamas ruidosas do licor em meu cálice. Enquanto eu podia
sentir cada um deles e todos eles de uma vez, Belial se destacou e se
apresentou.
“Belial, eu te chamo dentro de mim,” falei para as chamas vivas diante de
mim e para o demônio que eu podia ver dentro delas. "Eu o convoco de
dentro de mim, pois sou o Guardião."
Conforme continuei falando, não estava mais claro se era eu falando ou se
ele estava falando através de mim, a divisão entre Eric e Belial não era mais
aparente.
Eu sou o guardião do primeiro portão. Eu sou Belial. Eu sou
Belial. Eu sou Belial. Eu sou Belial. Eu vim do Reino Infernal. Eu
vim das Trevas. Eu vim da Dimensão Zero para entrar aqui, para
seu benefício e para mim. Eu sou Belial. Fale meus nomes.
Virei meus olhos para o meu grimório, no qual havia registrado os vários
nomes e epítetos de Belial.
Belial.
Maligno.
Sem um Mestre.
Espírito de inútil.
Beliya'al.
Nunca ascendente.
Sem lei.
Belial
Anjo da inimizade cujo domínio são as trevas.
Inimigo dos deuses e mestres.
Beliar.
Matanbucus.
Mastemo.
Chief Evil.
Beli-ol.
Sem jugo, sem algemas.
Resistor imortal.
Governante deste
mundo.
Belili.
Trespasser além dos portões.
Disperser of Tyrants.
Governante noturno do submundo.
Baal-Ial.
Senhor da
arrogância.
Torrent of Death.
Itz Ra-Cha Belial!
Belial falou:
Eu sou essas coisas e muito mais. Eu sou essas coisas e nada. Falei
com você e nessas falas falei com o pequeno você, com o você que
está morrendo, e agora falo com você que não é um homem, mas um
deus. Falo com você e dou-lhe meu poder de resistir a si mesmo. Na
verdade, quando falo de resistência, você deve resistir a si mesmo.
Resista a si mesmo, pois você é aquele que resiste e se o Ser resiste
ao self, então você pode descobrir que deve destruir o self para
encontrar o Ser novamente.
Não se apegue às coisas que antes costumava se identificar como
sendo partes de você mesmo. As pessoas, os lugares, as coisas não
são nada, pois você é um errante. Você vagou por esta dimensão da
fisicalidade. Você vagou no reino dos frutos do propósito. Você
vagou aqui.
Não fique confuso pensando que você pertence aqui; você é
apenas um andarilho. Você é apenas um errante. Nada aqui é para
sempre.
Utilize então o tempo que você tem aqui. Utilize então o espaço
que você tem aqui. Utilize então todas as suas paixões, todos os seus
ódios. Utilize seus amigos e seus inimigos. Utilize tudo e leve para
você, pois este reino já está dentro de você. Todos os reinos já estão
dentro de você e conforme destravamos as portas, conforme os
portões se abrem, você finalmente se verá e será tudo.
Agradeci a Belial com mais sinceridade e gratidão sincera do que jamais
considerei possível sentir por este Guardião em particular. "E Lúcifer?" Eu
perguntei, ainda ansiando por respostas mais diretas à Questão de Lúcifer. “E
quanto a Lux Feros? O que dizer de Lúcifer? "
Belial reingressado:
Não há nome que você possa dar ao Pai das Trevas, o Pai da
Luz. Ele não é Satanás. Ele não é Lúcifer. Você deu nomes a Ele,
mas nenhum deles é dele, a não ser seu. Assim como você me
chamou por todos os nomes que chamou e ainda mais. Estes são
seus, não meus. Mas ajuda você a me encontrar na escuridão; e
então você me encontrou e estou aqui. Eu vou permanecer para
sempre e sempre dentro de você. Por enquanto, finalmente, essa
combinação começou. Essas fechaduras foram destrancadas, a
primeira de nove. Quando todos os nove estiverem completos, você
encontrará o Lorde das Trevas e o Mestre.
Foi tudo o que ele disse e, no espaço de um suspiro depois que sua
presença se foi, o fogo que berrava no cálice se extinguiu.
Trabalhando com Belial, descobri ao extremo que ele é um iconoclasta.
Ele é o destruidor ou o resistor. Ele é o traidor. Ele não é necessariamente
um revolucionário porque não está tentando trazer uma nova ordem ao lugar.
Esse não é o seu lugar. Ele inverte a ordem que existe. Ele é o adversário
dessa forma.
Ao sair e trabalhar com ele, esteja preparado para ficar enojado por três
meses com suas circunstâncias, não importa quão grandes sejam essas
circunstâncias.
Prepare-se para uma autoavaliação severa de sua realidade, sua vida e sua
atividade nela. Esteja preparado para ver tudo o que há de errado em seu
mundo, em sua existência, em sua vida, em sua realidade.
Mais importante ainda, esteja preparado para fazer algo a respeito.
Belial vai empurrá-lo para se tornar um Mestre e para facilitar isso, ele o
destrói. Por meio de sua própria realidade e circunstâncias e de sua atenção
plena, ele mostra como você não é um mestre. Como resultado, você pode se
sentir fraco, vulnerável, talvez até incomodado. Isso absolutamente pode
fazer você se sentir o oposto de um mestre. Você pode se sentir um idiota.
É então sua tarefa levantar-se disso como Mestre. Isso não significa que
você ignore tudo o que está vendo, que ele está lhe dizendo, como forma de
resistir, para demonstrar que é você quem está no controle.
Na verdade, eu recomendo que você faça exatamente o oposto. Aceite,
ouça, considere, aceite e então você pode começar a tomar medidas para
consertá-lo se precisar consertar ou simplesmente aceitá-lo.
A maior resistência é nenhuma resistência. O Adepto Chegado não
passa a vida resistindo às forças ao seu redor, mas se move com toda a
intenção e sem desculpas na direção que escolhe, sem levar em consideração
o que qualquer pessoa, ou qualquer deus, ou qualquer demônio diga ou faça.
Ele se move em direção a seus objetivos independentemente de seu próprio
medo, a mente balbuciante e negativa. Ele avança na criação de sua realidade
mesmo que ela possa ser falha, mesmo que ele possa estar errado, mesmo que
todas as probabilidades estejam contra ele.
'Ganhar' ou 'ter sucesso' não é a busca. A busca é a busca. A tentativa de
criar algo novo, algo novo, por mais absurda que seja a tentativa, é o
empreendimento mais valioso que pode ser empreendido. Se ele acerta ou
não, não importa, pois ele está acertando uma pedra em uma caverna negra, e
muitas faíscas cairão e voarão antes que a faísca perfeita acenda o fogo.
Tudo isso é guiado não por nossos próprios desejos ou pensamentos, mas
por algo muito mais silencioso do que pensamentos e sentimentos. Ganhe
acesso ao Saber que só é encontrado no silêncio resoluto, e o caminho será
desvendado.
Este é o verdadeiro domínio. Esta é a verdadeira autonomia. Podemos nos
tornar agudamente cientes de todos os nossos problemas e de todos os nossos
obstáculos, e o tolo fica preso nisso, imobilizado por ele; ao passo que o
mestre é fortalecido pelo conhecimento de que não sabe, de que ainda não o
fez, e é encorajado ao ver que o caminho serpenteia eternamente diante dele e
que ele acaba de pisar nas primeiras pedras.
Poucos, se é que algum, podem chegar a esses entendimentos por conta
própria, porque a própria natureza do problema são nossas próprias mentes,
crenças e suposições, todas as quais faríamos melhor em reconhecer não são
tão reais quanto gostaríamos. para ser, e muito provavelmente são fundados
em preceitos falsos e percepções errôneas de realidades que nossas mentes
conscientes simplesmente não podem compreender.
Belial não tem problemas em se revelar a você. Ele é um professor severo,
possivelmente o mais severo, e é por isso que devemos começar com ele. Ele
vai limpar a lousa de sua vida, de sua mente e de suas expectativas, se você o
permitir totalmente.
Na execução desses rituais, tornei-me um louco. Eu estou enojado. Eu
também fui fortalecido. Eu também fiquei furioso. Permita que tudo isso flua
através de você. Saiba que se trata de Belial falando com você e permita que
ele ilumine sua mente e indique a direção que você precisa seguir. Permita
que ele lhe mostre as coisas que você precisa fazer, mas lembre-se sempre de
que você é o mestre ou, pelo menos, está se tornando um. Tudo o que é
necessário é continuar o processo, cessar toda resistência e permitir que o
mecanismo pelo qual você é desbloqueado como um Gateway a ser aberto.
Neste ponto, quando me aproximo da conclusão deste primeiro período de
três meses de trabalho com Belial, posso relatar que a batalha entre mim e
Belial - uma batalha existente e prosperando apenas em minha percepção -
chegou ao fim, e ele agora mora dentro de mim em harmonia.
Tenho pela frente mais um mês morando com Belial sob sua tutela, mas já
posso dizer que a tempestade passou. A tempestade passou e agora ele se
senta comigo, pois não resisto mais a ele.
Estas foram as palavras e as obras de Belial e ele retornou a este mundo
com um poder e uma presença nunca antes testemunhada, mesmo quando ele
foi adorado e até suplicado pelos mais desesperados dos tempos antigos.
Nunca antes a presença de Belial esteve neste mundo como é hoje.
Não estamos mais esperando que esses Antigos voltem, pois eles já estão
aqui, caminhando entre nós. Belial está aqui agora mais forte do que nunca, e
eu abri o portão dentro de mim. Este trabalho será nove vezes mais fácil para
você. Todas as bênçãos, ensinamentos e promessas que são dados aqui por
Belial são colocados diante de você também, e tudo o que você precisa fazer
é aceitá-los e aceitar Belial. E suportá-lo.
Eu desafio você, leitor, aquele que está nos Portões perscrutando a
Escuridão Eterna, a não simplesmente assistir e ler sobre minhas experiências
com estes Guardiões, mas trazê-lo até você, para se abrir como o portão
através do qual ele irá viagem. Traga-o mais plenamente para este plano. Eu
o desafio a convidá-lo para entrar em você e em sua vida e, ao fazê-lo, você
será recompensado de maneiras que nunca poderia ter imaginado.
O ritual de possessão pode ser um ritual, mas também é uma culminação.
Ao entrar em contato com Belial ou com qualquer um desses Gatekeepers,
será impossível não ser possuído.
O único conselho que posso lhe dar é um conselho extremo e não deve ser
seguido exceto pelos loucos.
Com Belial dentro de você, se você precisa exterminar relacionamentos e
amizades que são tóxicas, mas você não percebeu até que ele estava dentro de
você, faça isso.
Se você precisar colocar fogo em sua casa e se queimar vivo,
faça isso. Se você precisa destruir tudo e começar de novo, faça
isso.
Não se desculpe, não se arrependa, pois Belial está lhe mostrando o
caminho como ele me mostrou o caminho. Seu caminho é o Caminho do
Louco, o Andarilho, o Pária. Muito poucos podem trilhar este caminho. Às
vezes me pergunto se consigo andar.
Então você sabe o que eu faço? Eu apenas ando. Apenas faça.
Faça o que queres não é mais a lei. Não há lei, então faça o que quiser e
faça o que não quiser. Abrace a impossibilidade. Abrace a insanidade. Abrace
as respostas que não têm respostas, mas deixe perguntas. Abrace a doença.
Abrace a raiva. No momento em que você é consumido pela raiva, ela se
sente justificada, e talvez seja, talvez não seja, mas revela algo. Assim que
você começa a resistir, você vê as reações no mundo ao seu redor e percebe
que não é você que está resistindo. Você é a pressão que está colocando sobre
tudo o mais. Tudo o mais deve resistir a você.
Um de nove. Um de nove. É como uma fechadura de combinação, uma de
nove. Faltam mais oito, e já fiquei muito fodido no processo.
Itz Ra-Cha, Belial!
A jornada do tolo
Capítulo Sete

Sua experiência com Belial tem sido incessante. Ele é uma daquelas
forças demoníacas que pareciam se esconder nas sombras durante meu
desenvolvimento feiticeiro. Na verdade, esse parece ser o caso de muitos que
estão realmente trabalhando para sua ascensão. É como se Belial fosse quase
uma personificação antropomórfica dessa fome de poder. Simplesmente falar
o nome de Belial começará a atrair a influência dele para sua vida, seja
percebida conscientemente ou não. Convocá-lo com intenção é evocar forças
traumáticas de mudança para melhor ou para pior. Belial irá explorar e então
explorar todas as suas fraquezas e vulnerabilidades. Ele aparentemente faz
isso para causar sua queda e sua destruição e, de fato, pode muito bem fazer.
No entanto, se você conseguir controlar sua vontade e superar a tempestade,
seu crescimento será surpreendente. O que permanece de pé depois de passar
pelas tempestades de fogo do Inferno é muito mais forte e menos humano.
Seus próprios pensamentos começam a moldar sua realidade, embora isso
nem sempre seja uma coisa boa. Aqueles de nós que se abrem como portais.
Depois que fui iniciado como o Sumo Sacerdote do Coven da Aurora
Primitiva, comecei a procurar por outra coisa. A realidade da Magick se
tornou mais e mais intensa através da prática, e o poder era agridoce.
Incorporando um Deus pagão genérico por causa de um Coven se curvando
para mim como se eu fosse aquele Deus que foi considerado infrutífero
depois de passar por isso por dois anos. Para ser honesto, a experiência do
Coven parecia não ser muito mais do que um clube social, embora as
atividades sociais às vezes trouxessem um drama e benefícios interessantes.
Todos os meus resultados e experiências intensas vieram do meu trabalho a
portas fechadas na maior parte, e a magia que eu empreguei estava muito
além da estrutura do Coven. A força divina que estava crescendo dentro era
mais sombria e além dessas armadilhas do pensamento pagão dominante. O
título de Sumo Sacerdote,
poder como eu pensei que seria. Comecei a explorar aspectos mais sombrios
da arte da bruxa, mais especificamente as operações de evocação.
Foi o Rei Belial que se tornou o ponto focal deste processo de
aprendizagem. Não convoquei mais ninguém durante minhas operações
iniciais de evocação. Algo sobre seu sigilo me puxou para ele, e eu queria
puxar seu poder para mim. Eu não tinha ideia do que estava fazendo literal ou
figurativamente. Decidi que simplesmente tentaria invocar esse rei
demoníaco até que o sucesso fosse alcançado. Eu não tinha ideia no que
estava me metendo. Evoquei Belial por nove meses consecutivos, mas o
diário que deveria registrar minhas interações permaneceu tão vazio quanto
meu coração endurecido.
Eu me esforcei e me esforcei para contemplar seu poder e poder
diariamente, mas tudo parecia infrutífero. Senti que tudo foi em vão. Eu não
tive visão. Não ouvi nenhuma voz estrondosa e minhas frustrações
aumentaram. Uma noite, eu não agüentava mais o caos e a confusão que era
minha vida, nem agüentei a fraqueza que veio com isso. Eu estava exausto de
trabalhar como escravo e não dormir e minha raiva pela vida parecia se tornar
a base para a manifestação de Belials nesta hora específica de bruxaria. Exigi
sucesso nesta operação. Parecia que a única coisa estável que eu tinha na vida
a essa altura era esse trabalho infrutífero, então acendi a mistura de incenso
de verbasco e olíbano e tentei chamar Belial mais uma vez. Ventos espirituais
começaram a soprar em minhas mãos desta vez. Pareciam ventos quentes do
deserto que eram de fato sentidos com meus sentidos físicos. O que parecia
ser o calor subindo do capô de um carro no meio de um dia de verão no
Texas começou a subir dentro do triângulo que eu fiz com fita adesiva no
chão. Os pelos do meu corpo se arrepiaram como se tivessem vontade
própria. Queria sair correndo do templo deixando para trás o corpo que
habitava. Os ventos astrais começaram a me envolver completamente. Eles
estavam vibrando tão intensamente que parecia o zumbido de milhões e
milhões de moscas. Quando essa experiência atingiu o clímax, caí de joelhos
e ergui os olhos para vê-lo. Lá estava ele, Belial Senhor do Abismo. Os pelos
do meu corpo se arrepiaram como se tivessem vontade própria. Queria sair
correndo do templo deixando para trás o corpo que habitava. Os ventos
astrais começaram a me envolver completamente. Eles estavam vibrando tão
intensamente que parecia o zumbido de milhões e milhões de moscas.
Quando essa experiência atingiu o clímax, caí de joelhos e ergui os olhos
para vê-lo. Lá estava ele, Belial Senhor do Abismo. Os pelos do meu corpo se
arrepiaram como se tivessem vontade própria. Queria sair correndo do templo
deixando para trás o corpo que habitava. Os ventos astrais começaram a me
envolver completamente. Eles estavam vibrando tão intensamente que
parecia o zumbido de milhões e milhões de moscas. Quando essa experiência
atingiu o clímax, caí de joelhos e ergui os olhos para vê-lo. Lá estava ele,
Belial Senhor do Abismo.
Ele falou comigo pela primeira vez, mas parecia que essa mesma voz já
estava me guiando por um bom tempo. Suas palavras validaram essa
suposição:
Você sente como se agora me visse e me ouvisse pela primeira
vez. Essa suposição é errada o mágico negro. Você acha que meu
poder se limita às suas orações patéticas e tentativas mesquinhas de
conjuração? Olhe para o meu rosto agora e reflita sobre ele. Saiba
que meu rosto é um reflexo de sua experiência de vida muito antes
do
vez que chamei você através da minha assinatura. Saiba agora que
essas coisas são, e serão a partir de agora, uma e a mesma.
Percebi minha vida de um ponto no tempo, muito antes de seu sigilo
parecer atrair magneticamente para mim. Eu vi como estava caindo no nada,
ao ponto do fundo do poço. Das profundezas abismais eu me levantei deste
nada. A renda vinha do aethyr, embora nem sempre fosse legal. Um negócio
foi entregue a mim e eu pude viver minha paixão como instrutor de artes
marciais. As brigas nas ruas serviam para ganhar respeito ou obter aliados por
meio de inimigos mútuos comuns. Não direi que essas lutas sempre
terminaram com uma vitória indolor, mas todas serviram a um propósito
maior. Fiquei fortificado e cercado por pessoas que iriam para a guerra
comigo se necessário. Se a guerra não fosse necessária, eles estavam lá para
beber comigo, festejar e se divertir. As mulheres foram atraídas por mim.
Especificamente,
Eu vi como o pecado se tornou um caminho para o poder e a realização do
que eu desejava. Antes desse sucesso evocativo, eu via o fracasso em minha
vida, mas agora não via nada além do sucesso. Eu havia conquistado muito.
Na verdade, eu havia conquistado mais em uma vida do que a maioria
poderia alcançar em muitas. Estudei desenho, mecânica de equipamentos de
força e obtive o certificado de personal trainer. Obtive o equivalente a um
diploma bíblico de dois anos, mas tudo parecia infrutífero. Fiquei um pouco
confuso por causa disso. Percebi que achava que tinha falhado simplesmente
porque minha vida não se encaixava nos moldes sociais típicos. Percebi que a
vida era, de certa forma, um jogo e que o mundo era meu playground. Eu vi
que Belial já estava me mostrando como jogar há algum tempo. Eu não
conseguia perceber porque era muito patético para ver o poder sendo
exercido na frente do meu rosto. Todo esse tempo eu estava completamente
dando como certo. Embora eu não tenha conseguido ver, muito menos
admitir que uma programação social residual permaneceu dentro de mim
como uma gaiola impedindo meu crescimento e liberação pessoal. Mesmo
como uma bruxa, essa programação me impediu de ver o potencial do pecado
e o poder de contornar a vontade de Deus e quebrar a estrutura da norma
social. Belial continuou a falar depois que eu tive esta revelação quase
instantânea do que realmente aconteceu nos últimos dois anos da minha vida:
Mesmo como uma bruxa, essa programação me impediu de ver o potencial
do pecado e o poder de contornar a vontade de Deus e quebrar a estrutura da
norma social. Belial continuou a falar depois que eu tive esta revelação quase
instantânea do que realmente aconteceu nos últimos dois anos da minha vida:
Mesmo como uma bruxa, essa programação me impediu de ver o potencial
do pecado e o poder de contornar a vontade de Deus e quebrar a estrutura da
norma social. Belial continuou a falar depois que eu tive esta revelação quase
instantânea do que realmente aconteceu nos últimos dois anos da minha vida:
Estou além do tempo e do espaço. Estive com você muito antes
de você tentar fazer contato comigo. Eu tenho virado você e sua vida
do avesso e de cabeça para baixo há algum tempo. Ainda
até este momento você esteve alheio ao meu poder. Você continuou a
me chamar repetidamente e eu realmente vim e respondi todas as
vezes. Na maioria das vezes, você nem mesmo me obrigou. Sua falta
de fé em meu poder o fez abandonar os próprios objetivos que
buscava cumprir. Eu permaneci enquanto você ficava frustrado.
Quando você ultrapassou os limites do círculo, entrei diretamente
em sua vida. Criei as circunstâncias mais necessárias para o seu
crescimento. Esse tipo de situação nunca é fácil de suportar. Você é
uma de duas coisas. Você é extremamente estúpido ou
extremamente corajoso, pois as iniciações que suportou quebrariam
a vontade da maioria. De qualquer jeito,
Revelação da primogenitura do homem
Capítulo Oito

Desse ponto em diante, desenvolvi relacionamentos de


trabalho com muitas forças espirituais. No entanto, Belial era a
única força que parecia interferir em minha vida e meu trabalho,
simplesmente me levando além da minha zona de conforto.
Evocação, invocação de posse? Esses eram pontos discutíveis.
Ele estava lá para observar o tempo todo, como se ele sozinho
fosse a própria estrutura da minha realidade, e ele se moveria
através de mim para guiar minhas ações e aparecer
aleatoriamente para oferecer sua sabedoria. Eu me acostumei
com isso e me adaptei.
A relação parecia ser aquela em que ele se tornava o núcleo de uma rede
infernal, que foi organizada especificamente para inaugurar meu processo de
ascensão espiritual. Era como se ele tivesse tecido uma teia energética com
todas as minhas forças e fraquezas e a tivesse lançado para atrair as forças
que mais conduzem ao meu vir a ser.
Uma noite, quando estava quase caindo no sono, fui puxado do meu corpo.
Ele queria me oferecer uma visão sobre o que ele chamou de Pacto Infernal, e
o que é; e como é o direito de nascença da raça humana.

Este pacto foi oferecido pela primeira vez à humanidade dentro do jardim
do Éden pela serpente dentro da tradição bíblica.
A história da serpente oferecendo o fruto do conhecimento no
Jardim do Éden é o direito de primogenitura da humanidade. Não é
a tentação mesquinha que as igrejas fazem de um Deus falso. A
serpente não era uma fonte externa de tentação. Foi a voz interior
do potencial que questionou tudo em prol da descoberta e evolução.
Isso foi causado por uma minúscula fração da luz divina das trevas
que permaneceu no início do ciclo de encarnação da humanidade.
Quando a influência arquônica descobriu que esta fração de
ambrosia permanecia dentro, foi extraída
do código genético pela densificação do corpo, e essa densificação é
o que você agora considera ser a queda do homem.
Este pacto é a porta através da qual a humanidade pode voltar
ao seu projeto divino original que os capacitará a governar sobre
sua própria experiência de vida. Embora o jugo deste trabalho seja
tudo menos fácil, as labutas desse trabalho realmente abrirão seus
olhos para o poder desconhecido que habita dentro de você, para
que possam ser como Deuses na carne. Você será iluminado pela
Luz Negra do conhecimento do bem e do mal, ouro e prata ou os
cromossomos X e Y. Mais importante ainda, você descobrirá a
relação entre as duas polaridades à medida que mais códigos do
Livro da Vida forem escritos em seus genes. Você ganhará
soberania sobre os poderes do céu e do inferno. A ilusão das duas
árvores cairá.
Senti poças de energia se abrindo dentro e ao redor de mim e, do ponto de
vista de um estranho, vi o que hoje é chamado de “conchas” do Kliffoth se
manifestando dentro de mim. Senti os vários caminhos conectando e unindo
essas cascas, que se diz serem essencialmente sobras do processo de criação.
O poder que começou a fluir através de mim era dolorosamente eufórico e fui
dominado por uma infinidade de impulsos primitivos de me tornar. Quando a
experiência chegou ao fim, Belial começou a falar sobre o que essa
experiência significava em um sentido alquímico.
As conchas Kliffothic representam o que a ciência uma vez
chamou de DNA lixo. Este DNA é o potencial encontrado em seu ser
atual, que a humanidade assume não estar codificado. Códigos de
poder divino já foram escritos dentro desse DNA lixo. Eles foram
extraídos pela manipulação do estímulo ambiental que você
experimenta. Para manter minha explicação simples, sua semente
divina está agora lançada sobre solo rochoso para que o potencial do
projeto original de poder primordial não possa criar raízes. O fruto
que você produz que é o fruto da árvore da vida é apenas o
suficiente para ser colhido pelas emanações arquônicas. Sua
existência é comida. Se você fosse ser iluminado pelo conhecimento,
então o poder obtido de suas raízes sendo plantadas dentro do solo
fértil da Terra Negra facilmente superaria aqueles que agora
governam.
O que é chamado de Árvore da Vida é como um mapa de
expressão gênica, que oferece a ilusão de ascensão ao aumentar a
qualidade dessa expressão de DNA limitado. Explorar os limites
desta árvore é
semelhante a regar, fertilizar e podar uma árvore, o que você faria
para encorajar um suprimento mais abundante de frutas. Isso seria
um exemplo de expressão gênica. Os estímulos ambientais são
integrados para criar mudança e adaptação dentro de um código
genético limitado. O que deve ser entendido é que o material
disponível no nível genético é apenas três por cento do potencial,
que pode ser aproveitado para expressar o potencial máximo da
raça humana. Isso é verdade no nível físico atômico ou no nível de
existência Clayborn Adâmico. Esta limitação não se aplica ao nível
de vibração e poder eletromagnético que existe do outro lado do véu
através de Da'ath, que é a entrada para o poder sobre o qual eu
governo. Você não pode realmente ser separado deste potencial ou
então a existência de Clayborn não poderia ser estabelecida. Da'ath
é a Sephira oculta porque se a humanidade tivesse acesso a este lado
da existência por padrão, eles não poderiam ser escravizados e
colhidos para beneficiar os Arcontes. É aqui que o início e a origem
do poder interior podem ser encontrados. Esta origem está
conectada e em alinhamento com a matéria escura.
Através da exploração do Kliffoth e da interação com seus
habitantes, a pessoa não está apenas chegando à raiz da árvore, mas
sim alterando a própria semente que dá origem à própria árvore. As
tabelas de compreensão foram viradas e agora você meramente
entende de acordo com as descobertas das mentes finitas dos
homens. Este potencial genético agora chamado de lixo agiu uma
vez como um canal que trouxe a iluminação da Luz Negra do
conhecimento. Agora que está adormecido, ele introduz
imperfeições genéticas, doenças e enfermidades. Em vez de trazer a
verdadeira luz negra de Da'ath, ele introduz a experiência da morte
para manter a essência espiritual do homem em um estado contínuo
de reciclagem para a escravidão repetidamente por meio da
encarnação.
Eu estava um pouco perdido, embora soubesse que a analogia oferecida
tinha grande valor prático, o que levaria à agora cobiçada superação. Tentei
confiar em meu próprio intelecto para assimilar o que me diziam para tentar
obter um insight maior, mas ainda estava nadando em uma confusão abismal.
Fui condicionado a fazer isso com minhas interações com Belial. Ele podia
ver nas profundezas do meu processo de pensamento e então continuou com
sua explicação.
Sim, é através da sua interação comigo que você é
condicionado a lutar por um maior conhecimento e é exatamente
assim que essa transmutação alquímica opera. Não se trata de
simples expressão gênica, pois se trata apenas de capitalizar um
potencial ainda muito limitado. Em vez disso, a ativação do DNA
ocorre no nível da frequência vibracional que aumenta o poder
eletromagnético para resistir aos limites do estímulo ambiental
colocado sobre você. Seus genes, embora sejam a gênese do
verdadeiro poder divino na carne, foram desligados e decodificados
por meio de programas de falsa doutrina religiosa, instituições de
deseducação imposta e atrocidades farmacêuticas que são
projetadas diretamente para impedir o processo evolutivo no nível
celular. Estes são apenas alguns dos milhares de números inteiros
dentro da equação da escravidão que capacitam alguns para se
alimentar e governar sobre a maioria.
Aproveitando os sons do silêncio ou os sons do Alfabeto
Hebraico, que estão associados a cada caminho na Árvore do
Conhecimento, os primeiros 22 fios de informação codificada podem
ser ativados dentro da raça humana. Isso é para retirar o livro da
vida do falso Deus. Ao interagir com os governantes demoníacos por
meio da evocação, invocação e iniciação, esse poder aumentará para
a carne. Isso ocorrerá por meio do contágio vibracional que
transmutará sua energia eletromagnética. Isso, por sua vez,
oferecerá maior potencial para a expressão desse poder escuro no
plano físico, à medida que a força eletromagnética inicia o processo
de transfiguração da carne começando nos níveis atômico e
molecular de existência.
Eu agora entendia a mecânica de funcionamento desse processo até certo
ponto, mas eu realmente não entendia a diferença nesta metodologia e
simplesmente explorando os reinos Kliffothic. Então, perguntei a Belial
diretamente:
Belial como esta informação é diferente quando a exploração
Kliffothic é famosa por aumentar o poder infernal de qualquer maneira?
Quero dizer, obter poder é obter poder independentemente, certo?
Ele expôs:
A diferença é semelhante a escalar uma montanha enorme
apenas para descobrir que há uma escada que leva ao topo. A
diferença está no foco da intenção porque embora alguns tenham
sido capazes de dominar as forças do Kliffothic em seu benefício,
eles não dominaram o poder
de si mesmo ao retomar o código genético que é seu direito de
nascença. Entenda que o DNA está conectado. Não morre. Ele evolui
de geração em geração. Portanto, aqueles que passaram dentro de
sua linhagem também serão ativados, e assim também aqueles que
ainda não vieram para o reino tridimensional. Isso irá preencher a
lacuna entre passado, presente e futuro e a humanidade irá evoluir
além dos limites de tempo e espaço como resultado disso. Através da
intenção consciente de codificar as informações do Livro da Vida
dentro do DNA, a raça humana será iluminada com a Luz Negra do
conhecimento oculto. Você se tornará como Deus, conforme
prometido no conto edênico.
Rejeição do Pacto Infernal
Capítulo Nove

Eu ACORDEI e fiz o possível para registrar tudo isso por meio do meu
processo de rememoração dos sonhos no ano de 2009. Continuei a obter
fragmentos e fragmentos de gnose a respeito dessa obra e, então, escrevi o
seguinte Pacto Infernal com hesitação. Belial parecia estar me seduzindo a
fazer esse pacto para me empurrar bem além da minha zona de conforto,
como de costume.
Eu (insira o nome aqui) convoco os habitantes da Árvore da Noite
Infernal para testemunhar este Pacto Infernal de evolução
Demoníaca e tornando-se. Em nome de Satan e Moloch, eu dou uma
proclamação por escrito em relação à minha compreensão da
natureza desta obra de transmutação alquímica.
Em troca de minha devoção às Iniciações do Inferno sob a orientação do
Império Infernal, peço que o Livro da Vida seja novamente codificado por
meio das labutas do meu trabalho para que eu possa expressar o completo
poder e potencial do verdadeiro divino projeto roubado da raça humana na
queda do homem.
Peço a sabedoria dos Sons do Silêncio, que foram erroneamente usados
para criar a única canção para assumir o controle da raça humana. Legiões
do Inferno, quando este trabalho for concluído, que minha própria canção
seja escrita com o poder de Lúcifer e em nome de Belial de acordo com
minha própria vontade divina para contrariar a vontade tirânica do Arconte
adorado como Deus. Que as armadilhas que
Amarre meu destino seja quebrado para a minha libertação e
minha.
Após a assinatura deste Pacto Infernal, que foi oferecido pela primeira
vez no reino do Éden para libertar a humanidade das cadeias dos
nascido da argila.
Ádapa/ Adão, que tudo o que foi ocultado seja revelado no tempo necessário
para me capacitar em meu caminho de ascensão espiritual. Que o
conhecimento e o poder obtidos sejam usados para beneficiar minha vida
física de acordo com meu desejo. Através deste processo pode o Apocalipse
ser trazido através
o Livro da Revelação que é o Livro da Vida encontrado nas sombras
de Da'ath.
Juro dominar os poderes dos governantes demoníacos e exercê-los
sobre a terra a fim de se opor ao destino cruel do falso Deus da tirania e
opressão. Que o poder da hierarquia infernal seja glorificado por causa
de
esse trabalho e a dedicação que invisto para realizá-lo.
Eu ofereço este corpo como um sacrifício vivo aos governantes da Árvore
Adversa para andar como uma bandeira de seu poder Acausal como a
singularidade do potencial demoníaco a fim de quebrar as correntes da
escravidão arquônica. Eu te obrigo agora a
aceite este sacrifício. Após a aceitação da minha oferta, recebo a Bênção
Infernal do Inferno em nome de Belial, que é o Senhor das Profundezas
Abismais!
Quando voltei à consciência normal, examinei o pacto. Eu deveria evocar
Belial na noite da lua cheia que se aproximava e assinar o pacto em meu
sangue para receber as assinaturas necessárias dos governantes demoníacos e
seus reinos, que atuariam como chaves para o objetivo específico de ativar o
DNA humano adormecido. Este trabalho deveria começar com o
conhecimento sobre os Sons do Silêncio e a interação com os habitantes da
Árvore Adversa. Continuei a receber gnose quanto à práxis de trabalho desse
processo alquímico. Comecei a compartilhar essa gnose com outras pessoas e
a fazer experiências com este trabalho. Nunca evoquei Belial na noite de lua
cheia. Nunca assinei o pacto.
Simplesmente me envolvi no trabalho enquanto realizava outros
experimentos ocultos em meu lazer. Se eu fosse ser honesto agora, neste
momento eterno, fiquei bastante intimidado com essa tarefa. O fardo de
descobrir tais informações parecia um peso insuportável que eu não era capaz
de carregar. Como mencionei anteriormente, compartilhei um pouco da gnose
com um pequeno grupo de feiticeiros composto por 24 membros em todo o
mundo. O nome desse grupo era Templo da Forja Adversarial. Conforme
revelei algumas dessas informações, despertei o interesse de alguns, mas era
como se eu fosse o único que estivesse realmente me empenhando no
trabalho. Eu estava desanimado; no entanto, continuei a descobrir várias
pequenas chaves, mas ainda me recusei a seguir em frente com esse pacto
infernal. Conforme o tempo avançava…
Eu me isolei do mundo exterior e foi nessa época que meu trabalho com
Ahriman começou. Eu estava entrando na noite escura da alma. Deixei o
Templo da Forja Adversarial para membros aleatórios sabendo que
morreria sem minha presença. A loucura começou a se insinuar, então
trabalhei cada vez mais para permanecer isolado para esconder minha
instabilidade. As linhas entre meus pensamentos e as palavras das forças das
Trevas do outro lado do véu começaram a se confundir. Como resultado, as
vozes dos Deuses Negros da Pérsia ficaram mais altas, tornando-se capazes
de me ensurdecer aos meus próprios pensamentos. Com o tempo, nenhuma
diferença pôde ser encontrada entre os dois. Eu estava ficando cada vez mais
lúcido neste plano e no próximo e por isso era como se nunca fechasse os
olhos para dormir. Amigos tornaram-se inimigos e a família queria me
internar em um hospício que me tornaria um protegido do Estado. Tudo em
um dia de trabalho para um Magicko Negro!
Às vezes, a presença de Belial se tornava conhecido por fios comuns
dentro dos Ritos Antigos, Feitiços e Demônios da Pérsia. Especificamente, a
conexão da matéria escura com os Div e sua conexão com o potencial
ilimitado do vazio. Esse era um lembrete constante do pacto que pretendia
fazer com Belial. Finalmente aceitei minha loucura e tive um acesso de raiva
queimando todas as anotações que havia feito a respeito da gnose que
recebera. Procurei essas notas tentando rastrear cada página e falhei
miseravelmente porque minha mente tinha sido esticada em muitas direções
durante aquele ano. Eu fiz anotações em todos os lugares! Algumas notas que
escrevi nas paredes do meu templo com giz. Alguns eu coloquei em notas
adesivas em livros ou revistas que lançam uma visão mais profunda da
possibilidade conceitual da obra. Outros foram colocados aleatoriamente em
notas que eram totalmente incongruentes com o conceito. Independentemente
disso, eu cacei tudo o que pude encontrar e, em um acesso de raiva, queimei
tudo enquanto gritava e gritava e fazia os movimentos de rituais de
banimento com a intenção de remover a influência de Belial de minha vida.
Comecei a ouvir sua voz, e embora fosse fraca e eu não consigo me lembrar
de suas palavras exatas porque nunca as gravei, elas se pareciam com isto:
Sua raiva mesquinha apenas atrasa o inevitável. Você
negligenciou este processo de banimento desde o início e, portanto,
estou essencialmente unido à sua alma por meio da transferência
vibracional. Suas tentativas atuais de se livrar de mim falharão e
nenhum exorcismo me removerá de sua vida. Eu vou deixar você
com sua loucura. Com o tempo, você servirá à causa a que está
destinado em troca de tudo o que fiz. Faça do seu jeito. Faça da
maneira mais difícil.
Acordei na manhã seguinte pronto para ser internado. Tive uma breve
conversa com um amigo que fazia parte do Templo do Adversário
Forja. Embora batamos cabeças às vezes até hoje, ela é o fogo da paixão para
minha alma gelada. Ela é minha parceira e minha melhor amiga, Megan. Ela
me disse para não permitir que ninguém me colocasse em uma instituição de
qualquer tipo. Ela me disse que seria a coisa mais estúpida que eu poderia
fazer. Ela me garantiu que eu seria medicado e transformado em zumbi, e que
por meio do processo era bem possível que eu nunca escapasse da custódia
do Estado. Embora eu já soubesse de tudo isso, realmente não me importava.
Eu estava honestamente pronto para jogar a toalha, mas algo dentro de mim
queria provar ao mundo que só porque sou diferente da maioria, não sou
louco.
Megan veio a Ohio para me buscar em questão de algumas semanas, para
que meu trabalho com os Deuses das Trevas da Pérsia pudesse ser dado ao
mundo. Mudei-me para as colinas do Tennessee pensando que poderia
escapar da loucura e seguir em frente com minha vida. Deixei muitas das
minhas ferramentas rituais porque pensei que isso me fortaleceria para
começar do zero. Eu não queria trazer energias estagnadas que não me
serviam. Também senti que, de certo modo, me permitiria deixar Belial para
trás de alguma forma, embora todos nós saibamos melhor do que isso.
A vida continuou, assim como a perfeição do trabalho no Caminho da
Fumaça. No entanto, como mencionado antes, o ano anterior foi bastante
caótico. Eu não pretendia publicar Magia Negra de Ahriman a princípio. Eu
estava compilando as informações que recebia e registrando o trabalho como
um de meus grimórios pessoais. Em outras palavras, era originalmente um
"não-grimório" e, como tudo o mais, notas e registros estavam espalhados em
fichários quebrados e pastas esfarrapadas com notas adesivas espalhando
palavras rabiscadas em folhas aleatórias de papel de caderno tornando tudo
quase incompreensível. Certo dia, abrimos o armário do meu quarto no
templo e vimos que precisávamos limpar. Quando Megan começou a latir
ordens como a maioria das mulheres fazem durante o “processo de purga”,
um pedaço de papel caiu aos meus pés. Quase falou comigo, avisando-me
para não jogá-lo fora. Eu abri, e lá estava. Foi o Pacto Infernal que me recusei
a fazer. Enquanto eu o desdobrava, aquele vento quente começou a girar em
torno de minhas mãos. Eu sei que naquele momento perdi toda a cor e minha
carne ficou branca como uma tempestade de inverno.
Coloquei o contrato espiritual em um lugar mais seguro dentro de uma
pasta específica em um armário do corredor e tentei esquecê-lo. A atividade
de Poltergeist, que era específica de minhas experiências com Belial,
começou nesta nova casa. O alarme de fumaça disparava sem motivo em
momentos aleatórios. Sua enorme sombra apareceria e se condensaria em
uma orbe escura que voaria em minha direção e então se dissiparia em uma
névoa. Talheres voariam do balcão e ele iria
manifestar-se no quintal, depois desaparecer e reaparecer a centímetros do
meu rosto.
Eu retirei o pacto um dia e soube que era algo que eu precisava cuidar.
Fiquei obcecado por isso por um tempo. Olhando para ele na esperança de
ver as assinaturas necessárias dos governantes demoníacos específicos para
esta causa, sem ter que escrever minha própria assinatura com sangue. Claro,
isso não aconteceu. Sentei-me na beira da cama com Megan uma noite e
expliquei a ela o que era. Sua resposta foi: “Isso é uma loucura. Eu nunca
faria algo tão estúpido. Você precisa se concentrar em terminar este trabalho
com Ahriman. ”
Isso é exatamente o que eu fiz. Decidi manter o foco, mas Belial continuou
se mostrando. Era quase como se ele estivesse me deixando saber que eu não
tinha nada a dizer e não tinha controle. Amigos me abordariam com
problemas que estavam tendo com o Rei Demoníaco, então eu ligaria para ele
em nome deles. Os clientes ligavam com problemas jurídicos, que só ele
poderia resolver, então, novamente, eu teria que chamá-lo. Seu sigilo
aparecia por trás das pálpebras fechadas antes de adormecer e então eu o
sentia se materializar em pé ao lado da minha cama, sabendo que ele iria
plantar ações específicas no solo da minha experiência de vida no plano dos
sonhos.
Alguns meses antes do lançamento de Magia Negra de Ahriman, comecei
a discutir o trabalho futuro que havia planejado com os fundadores do BALG.
Uma das minhas ideias que estava em segundo plano alinhada com o material
da EA com os Nove Reis Demoníacos. Ele estava planejando sair da
aposentadoria da escrita fazendo este trabalho, então foi inicialmente
sugerido que eu fosse co-autor do texto com a EA porque algumas das ideias
pareciam correr em paralelo. Na época, senti a mão de Belial nisso, pois ele
era realmente o único dos nove com os quais eu havia lidado com alguma
profundidade real. Todos nós decidimos contra isso no último momento,
principalmente por causa das grandes diferenças em nosso trabalho, embora
ele tivesse linhas comuns. Acho que foi simplesmente uma questão de
economia quando se tratou de tentar transmitir a mensagem e o propósito do
trabalho.
EA nem eu estava disposto a lançar.
Então veio fevereiro de 2018. Eu vi que a EA havia lançado um vídeo do
BALG no YouTube, intitulado The Black Alchemy of Belial. Com as
experiências que você leu até agora neste texto, tenho certeza de que é óbvio
porque eu estava interessado. Assisti ao vídeo e senti que estava chegando.
Era como se eu estivesse me dizendo que isso aconteceria. “Ele vai falar
sobre a ativação do DNA.” Ele então falou de gnose
ele recebeu deste Rei Demoníaco em relação à ativação do DNA humano
através do processo de interação com as forças espirituais demoníacas. Eu
estava chocado.
Antigos membros do Templo da Forja Adversarial me enviaram o vídeo
perguntando-se como ele conseguiu essa informação. Para mim, isso
honestamente não era relevante. Isso significava que essa informação ficou
muito mais real para ele e eu, e algo muito maior estava acontecendo nas
sombras. Belial estava em total controle. Meu primeiro pensamento foi
essencialmente: “Precisamos fazer um podcast. Devo falar com ele sobre
isso. Ele está tão ocupado e eu estou tão ocupada. Eu tenho que falar com ele
sobre isso. ” Os dias se passaram e eu o escovei para debaixo do tapete,
embora a necessidade de ter essa conversa ainda estivesse me incomodando.
Eu suprimi isso e continuei com minha vida diária e rotina.
Logo depois que decidi não me preocupar com a situação e deixar a EA
com seu projeto para que ele pudesse se concentrar, ele apareceu do nada em
uma plataforma de internet de uma forma que nunca aparece. Ele saiu da toca
de uma maneira que estava completamente fora de seu personagem. Então eu
também respondi de uma forma que estava completamente fora do meu
personagem. As pessoas que testemunharam ficaram um pouco chocadas,
atordoadas e confusas. Os detalhes desse encontro não são importantes.
Trago isso aqui porque minha intuição me disse que EA era, naquele
momento, um canal aberto para Belial e eu essencialmente estive soprando
Belial com o melhor de minha capacidade por três anos, apesar de sua
presença persistente. Eu sabia que precisava me preparar. Eu não seria mais
capaz de me livrar desse Pacto Infernal. Embora eu não esteja vinculado ao
pacto ainda, Belial está vinculado a mim.
Com certeza, depois que a tempestade passou, Timothy havia me enviado
uma mensagem perguntando se eu contribuiria com algo para o lançamento
de Belial da EA. Nesse ponto, não havia dúvidas em minha mente de que
minha intuição estava certa. Belial tinha sua mão nisso. Eu concordei em
fazer isso. Eu sabia que precisava. Eu seria completamente estúpido, como
Belial sugeriu que eu era durante meu primeiro encontro observável com ele.
Nunca tive a intenção de divulgar essas informações para o mundo, mas aqui
estou. EA nunca teve a intenção de me ajudar com seu projeto de nove Reis
Demônicos de forma alguma, mas aqui estou. Para citar a EA, “Não estou no
controle”. Isso está ocorrendo agora porque é a vontade de Belial. Suas
engenhosas táticas de manipulação me encurralaram e agora começa a
Revelação de sua sabedoria para inaugurar a próxima fase da evolução da
humanidade.
O que você encontrará neste breve texto estará longe de ser uma
traçar o caminho da ativação do DNA por meio da viagem pelos Caminhos
do Kliffoth e pelas Cascas. Isso não seria possível lançar na íntegra em tão
pouco tempo. Você encontrará dicas sobre a mecânica de funcionamento
desses tipos de operações, mas o que este texto servirá para fazer é abrir sua
mente para o elemento da possibilidade. Além disso, não se deve esperar que
esta plataforma se alinhe completamente com a doutrina Cabalística, pois a
doutrina Cabalística não é o que é. Na verdade, pelo que sinto intuitivamente,
este caminho completo servirá para aniquilar a ilusão das duas Árvores da
Vida, e o conhecimento do bem e do mal, não oferecendo um mapa da
realidade. Em vez disso, oferecerá um mapa que leva ao poder por meio do
potencial do DNA humano.
O trabalho completo será revelado no futuro? O trabalho será realizado
cultivado e aperfeiçoado e então liberado. Deve ser. Muito parecido com o
BMOA, fui chamado para cultivar e experimentar o trabalho. Este breve texto
dá a Belial uma oferta de movimento em direção a seu objetivo. Em breve
estarei fazendo esse pacto e evocarei Belial até chegar à exaustão, apenas
para me arrancar do chão do templo e registrar os resultados dessas
evocações para beneficiar você, leitor. Saiba que este é apenas o começo. A
totalidade desse processo exigirá muito cultivo durante o tempo de voo e
exploração. Esta contribuição para o Grimório de Belial vem de muita gnose
que recebi anos atrás combinada com as conjurações que poderiam ser
concluídas dentro de duas semanas, levando à data em que o material foi
necessário para publicação.
O Templo da Intrusão Kliffótica
Capítulo Dez

Eu conheço muitas “Correntes Qliphothic” que empregam layouts de


Templo muito complexos com inúmeras ferramentas de emprego. A
complexidade desta corrente e de seu trabalho é suficiente. Na verdade, é
bom se um local isolado puder ser encontrado ao ar livre para realizar esse
trabalho. A principal razão é que a performance desta obra criará de fato uma
fenda no véu e criará um ponto de intrusão Kliffótica ao longo do tempo.
Embora um templo interno possa ser usado, é melhor se um templo externo
for empregado, sempre que possível, para minimizar atividades
desagradáveis que ocorrem dentro de casa ao longo do tempo, à medida que o
véu entre os mundos fica mais fino. Pelo que eu sei neste momento, nada é
necessário para realizar o esqueleto deste trabalho. Na verdade, existem
ferramentas específicas que ainda não posso mencionar, mas isso ocorre
porque o material que atualmente sou capaz de revelar não o exige neste
estágio de cultivo. Todo o material apresentado neste texto seria o que muitos
chamariam de "experimentos" ocultos.
Grave o Círculo e o Triângulo na terra nua e permita que os poderes da
mente, da vontade e das energias da natureza alimentem a experiência. Na
verdade, é a mente o mais importante aqui. O templo mais elaborado e lindo
pode ser construído nos planos mentais. Devemos ter em mente (trocadilhos)
que estamos buscando a ativação do DNA por meio deste grande trabalho e a
manipulação celular deve ocorrer como resultado disso. A glândula pineal,
responsável pela visão espiritual e intuição psíquica, é considerada a célula-
mestre e o trono da alma. A descalcificação desta célula mestre é de extrema
importância. É por isso que você encontrará a ênfase nisso, por meio da
priorização da visualização e do desenvolvimento da capacidade de traduzir
“impressões” de sentimentos vagos para dados refinados e focados vitais para
a práxis de trabalho deste pathworking. Resumindo, você é o templo e o
ponto de intrusão clifótica. Essa é a minha observação a partir de agora neste
ponto de
o desenvolvimento deste trabalho.
Seis velas votivas pretas podem ser levadas em uma mochila para um
templo ao ar livre para adornar os quartos elementais do círculo e as pontas
do triângulo. (A vela entre o ápice do triângulo e o círculo conecta as
energias de ambos). Um sensor com incenso Kliffothic e carvão também será
fácil de trazer. Se você, como indivíduo, decidir empregar coisas como o
athame e a varinha, faça-o por todos os meios. Tudo o que for necessário para
ligar o interruptor interno é aceitável. Às vezes, os loucos (como eu) gostam
dos fenômenos da atividade poltergeist e das aparições também. Portanto, se
você deseja desenhar o círculo e o triângulo no chão do porão ou da garagem
com giz e realizar este trabalho dentro de casa, vá em frente.
A maioria das pessoas buscará o equilíbrio entre os dois, o que também é
aceitável quando, por exemplo, os condicionadores de tempo tornam a
viagem para as montanhas insegura. Em outras palavras, os implementos do
templo e das calças elegantes não são realmente relevantes aqui neste ponto
no cultivo dessa corrente infernal de alquimia pessoal. O que parece
importante é o próprio trabalho. O importante é criar relacionamentos de
trabalho com essas forças e permitir que fluam através de você e através de
sua vida para criar as mudanças necessárias dentro e fora de você. Mais
importante ainda, é entender que esses dois são, na verdade, um e o mesmo.
O Triângulo e o Círculo da Arte
Capítulo Onze

BAntes de entrarmos em áreas mais complexas do trabalho dentro deste


Pacto Infernal, começarei começando com a teoria e a mecânica por trás do
Círculo e do Triângulo usados nas operações básicas de evocação e
invocação. Essas operações são mais importantes no início deste trabalho por
alguns motivos. É através da interação com esses demônios via evocação e
ritos de possessão que somos afetados no nível vibracional e eletromagnético.
Belial chamou isso de “contágio vibracional” em nossas interações
anteriores. Isso prepara o palco para a ativação do DNA, percorrendo os
Caminhos da Árvore da Noite e passando pelas várias iniciações das esferas
infernais. Pode-se dizer com segurança que interagir com essas forças antes
de viajar para seus reinos ajuda a potencializar um resultado mais positivo,
porque você ainda está em seu campo de origem, sendo o plano de
encarnação ao qual está acostumado. Algumas das doutrinas Cabalísticas que
estudaram e exploraram os reinos Kliffóticos afirmaram que é muito mais
difícil se concentrar em trazer esses governantes demoníacos a este plano
antes de encontrá-los em seus reinos. Pode ser esse o caso, embora eu não
tenha certeza. Mas se for esse o caso, é esse o ponto. Além disso, de acordo
com a tradição, os espíritos Lillitu estão uivando, implicando na evocação de
forças espirituais para rasgar o véu entre a Terra Negra e Malkuth. Ao fazer
isso, pode-se obter uma passagem segura para Gamaliel governado por Lillith
através da devoção e disciplina na aplicação das artes de evocação /
possessão Algumas das doutrinas Cabalísticas que estudaram e exploraram os
reinos Kliffóticos afirmaram que é muito mais difícil se concentrar em trazer
esses governantes demoníacos a este plano antes de encontrá-los em seus
reinos. Pode ser esse o caso, embora eu não tenha certeza. Mas se for esse o
caso, é esse o ponto. Além disso, de acordo com a tradição, os espíritos
Lillitu estão uivando, implicando na evocação de forças espirituais para
rasgar o véu entre a Terra Negra e Malkuth. Ao fazer isso, pode-se obter uma
passagem segura para Gamaliel governado por Lillith através da devoção e
disciplina na aplicação das artes de evocação / possessão Algumas das
doutrinas Cabalísticas que estudaram e exploraram os reinos Kliffóticos
afirmaram que é muito mais difícil se concentrar em trazer esses governantes
demoníacos a este plano antes de encontrá-los em seus reinos. Pode ser esse o
caso, embora eu não tenha certeza. Mas se for esse o caso, é esse o ponto.
Além disso, de acordo com a tradição, os espíritos Lillitu estão uivando,
implicando na evocação de forças espirituais para rasgar o véu entre a Terra
Negra e Malkuth. Ao fazer isso, pode-se obter uma passagem segura para
Gamaliel governado por Lillith através da devoção e disciplina na aplicação
das artes de evocação / possessão Apesar. Além disso, de acordo com a
tradição, os espíritos Lillitu estão uivando, implicando na evocação de forças
espirituais para rasgar o véu entre a Terra Negra e Malkuth. Ao fazer isso,
pode-se obter uma passagem segura para Gamaliel governado por Lillith
através da devoção e disciplina na aplicação das artes de evocação /
possessão Apesar. Além disso, de acordo com a tradição, os espíritos Lillitu
estão uivando, implicando na evocação de forças espirituais para rasgar o véu
entre a Terra Negra e Malkuth. Ao fazer isso, pode-se obter uma passagem
segura para Gamaliel governado por Lillith através da devoção e disciplina na
aplicação das artes de evocação / possessão
Por meio da evocação e da invocação (com o objetivo de possessão),
também começamos a operar dentro da mecânica universal fractal específica
que expande a consciência de maneiras únicas. Estamos estimulando o
contágio vibracional interno e externo. Também os estamos chamando
através do portal da mente subconsciente para atuar através de nós e, então,
os estamos evocando para estarem diante de nós em Malkuth ou no plano
terreno. O ato de chamar os poderes Kliffothic para estarem diante de nós e,
em seguida, puxá-los para dentro da vontade própria
essencialmente começar a estreitar o véu entre o mundo físico e os planos
internos da existência, ajudando a unir as polaridades. Isso é importante
porque, experimentalmente, pode de fato ser um símbolo da polaridade dos
cromossomos xey, A Árvore da Vida e a Árvore de Da'ath ou acima e abaixo,
bem como dentro e fora. Isso pode ser contemplado muito mais a fim de
perceber ainda mais detalhes em relação à intrincada rede de energia que está
sendo tecida pela simples dedicação aos ritos de evocação e invocação.
Além disso, como Belial mencionou, as “cascas” ou cascas dentro de nós,
chamadas de DNA lixo, estão atualmente decodificadas. Isso significa que
eles não têm informações que já foram codificadas antes do outono. É por
isso que o “lixo” ou as “cascas” biológicas não estão trazendo a Luz Negra
do Conhecimento, que leva à vida. Em vez disso, essas cascas internas são
como buracos negros biológicos que sugam energia, causando doenças e
enfermidades. Quando damos vida a essas cascas ou cascas por meio da
evocação de governantes ou espíritos demoníacos afiliados que são úteis para
nossa evolução, ao mesmo tempo em que se fundem com sua consciência,
então o conhecimento adquirido e o poder aplicado começarão a despertar
diretamente essa luz interior de potencial e poder . Pode não codificar
diretamente o DNA de dentro, como faz a exploração da Árvore do Lado
Noturno de Da'ath, mas iluminará seu potencial no mundo, efetuando o
campo eletromagnético ou aura. Em certo sentido, uma das mensagens mais
básicas deste pathworking específico é "Se você não o usar, você o perde."
Em outras palavras, por meio de estímulos ambientais, nossos códigos
genéticos foram seriamente prejudicados. Como resultado, a evolução
humana foi interrompida em suas trilhas. Viajar e explorar a árvore em seu
próprio terreno em conjunto com a interação com eles no nosso ajuda a criar
uma dinâmica de sinergia. Também afina o véu entre as duas árvores através
de Da'ath, chamando-as para fora daquele portão e passando por ele. Mais
uma vez, trata-se de fundir a polaridade e destruir a ilusão de ambas as
árvores e, ao fazer isso, estamos destruindo o conceito moderno de Deus.
O Círculo e o Triângulo são adornados com quatro nomes. Leviathan,
Behemoth e Ziz, bem como o reflexo de IHVH sendo HVHI. Leviathan
representa a água Abismal. Behemoth é uma besta da Terra Negra, enquanto
Ziz é uma criatura dos ventos astrais. HVHI representa o Espírito Adversarial
iluminado com a Luz Negra do Fogo do conhecimento. HVHI neste contexto
não é considerado Satanás, mas o eu. Através deste trabalho de caminho, nós
estão resistindo aos limites que se opõem a nos tornarmos maiores por meio
da evolução. Nós somos o opositor. Nós somos Satanás. Somos a antítese de
Deus porque quando nos tornamos Deus, todo o conceito deixa de existir,
porque somos simplesmente quem somos no momento eterno de nos
tornarmos.
Assim como os filamentos de DNA unem pares de cromossomos, o
Círculo e o Triângulo da Arte, neste contexto, são reflexos um do outro
conjugados pela expressão macrocósmica do DNA chamado self. (Aqui,
considere a semelhança macrocósmica de Ida e Pingala com os filamentos de
DNA microcósmico.) Por meio dos ritos de evocação e invocação, estamos
sempre buscando aumentar o potencial dessa expressão ganhando
conhecimento, sabedoria e poder para mudar a nós mesmos e o mundo de
acordo com a vontade. Por meio desse processo, inauguramos o Apocalipse.
Deve-se notar que o ápice do triângulo está voltado para o ápice do
Triângulo, que está dentro do círculo da arte. Não fica voltado para fora como
faz tradicionalmente. Isso é feito para focar a energia do evocado em direção
ao círculo, a fim de borrar as linhas entre a evocação e a invocação.
Para o bem da ativação das fitas de DNA humano, os ritos de evocação e
os ritos de invocação ou posse são fundidos. Eles são feitos um através da
devoção ao ato em prol da causa do contágio vibracional. A evocação é
realizada primeiro para interagir com o espírito com o propósito de obter uma
visão sobre seu poder e como ele pode ser aplicado. Então, o objetivo é
cruzar a fronteira do círculo e entrar no triângulo convidando o espírito a
entrar na carne. É assim que todos os ritos são realizados no reino de Malkuth
e esta é a base do que Belial chama de contágio vibracional. Este é um ato de
potencialização do DNA por meio da transformação do campo
eletromagnético. Com o tempo, o resultado final é se tornar uma
personificação viva do potencial da totalidade de Da'ath. Devemos renascer
como o Anticristo, o diabo em carne que exerce o potencial do céu e do
inferno. Esta é a totalidade da impressão azul divina, desimpedida pelas
expectativas sociais e religiosas do que o "divino" deveria
estar.
Muitos perguntarão sobre o perigo desse tipo de operação, e fariam isso
por um bom motivo. É realmente perigoso. A vontade deve ser forjada como
o próprio Adversário. Se não for, essas forças se moverão através de você de
maneiras muito imprevisíveis nos momentos mais inconvenientes. Portanto, é
melhor dominar esses rituais começando no reino de Naamah e seguindo em
direção a Thaumiel. Desta forma, a vontade pode ser aproveitada de forma
progressiva garantindo que este processo seja de empoderamento e não de
detrimento. Com a queda, o espírito da humanidade desceu à matéria densa.
Este processo é voltado para neutralizar esse processo por meio da elevação
espiritual voltando em direção ao projeto divino original acima mencionado,
Neste momento eu ainda não recebi os sigilos individuais dos governantes
demoníacos específicos para este trabalho. Eles também não são necessários
neste ponto dentro do atual nível de desenvolvimento deste caminho. Embora
estes sem dúvida sejam recebidos após a publicação deste texto, através do
cultivo da obra junto com os sigilos dos emissários subordinados, isso não
impede a aplicação prática desta metodologia. Os selos Kliffothic são
semelhantes aos selos domésticos generalizados através dos quais os
governantes Infernais podem ser conjurados. Por enquanto, embora sejam
menos refinados vibracionalmente, eles são mais propícios ao alinhamento
geral dos poderes infernais e, portanto, servirão ao propósito. Depois de
continuar a cultivar este caminho, na época de Belials estou confiante
que nada ficará oculto. Neste momento não estou autorizado a compartilhar,
nem recebi os sigilos dos governantes Kliffóticos e suas legiões. Certas
coisas devem ser colhidas por meio do cultivo e do trabalho. Aquilo que é
sagrado não pode ser simplificado demais, mas o que é presenteado não deve
ser tomado como certo.
Ritual do Alinhamento Kliffótico
Capítulo 10

A cerimônia que está prestes a ser descrita é o rito que abrirá o templo
para o trabalho em mãos. Este é o caso, quer estejamos falando de operações
evocativas / invocativas ou entrando nas esferas Kliffothic para obter
experiências iniciáticas que irão codificar o DNA adormecido ao longo do
tempo. A primeira parte deste rito visa essencialmente ativar a potenciação
vibracional das forças Kliffóticas dentro do próprio campo áurico, como
experimentei durante o primeiro encontro que tive com Belial em relação a
este trabalho específico do caminho. Membros do Templo da Forja
Adversarial reconheceriam este rito, embora ele tenha sido refinado por meio
de evocações mais recentes do Rei Demoníaco.
A pessoa deve se ajoelhar no centro do círculo da arte, sentado sobre a
cura, se possível, e ficar de frente para o norte. Se não for possível, pode-se
alternativamente ficar em pé ou sentar-se, caso a deficiência física também
não permita. A razão pela qual a posição ajoelhada é preferida é que os
calcanhares simbolizam os Governantes de Thaumiel ascendendo ao mundo
físico através das raízes da Árvore da Vida, que são microcosmicamente
representadas pelo chacra raiz dentro do eu. A proximidade do chacra raiz ao
solo também ajuda a conectar melhor o sistema de energia aos poderes
infernais da Terra Negra, usando a raiz como um ponto de intrusão nos
limites do eu.
Este rito e o que o segue podem ser praticados por eles mesmos, pois terão
um efeito transmutacional quando realizados sozinhos. Pratique-os até que
sejam memorizados e faça registros das experiências. Trabalhe com eles até
parar de obter novas experiências. Anote as sensações físicas e os sons que
você pode ouvir. Anote as visões que você possa ter e qualquer outra coisa
que possa registrar. Isso é semelhante a cultivar o próprio solo da Terra
Negra e irá conectá-lo diretamente à primeira esfera de Naamah por meio da
autodisciplina. Durante esse período, você deve tentar permitir que as
impressões psíquicas se traduzam em visões no olho da mente.
Também tente ouvir sussurros sem voz vindos de dentro. Para aqueles que
são novos em operações mágicas como esta, o exercício dessas faculdades
intuitivas básicas fortalecerá o trabalho evocativo e invocativo enquanto
também prepara o cenário para a consciência astral necessária para viajar os
caminhos que ganham acesso às esferas.
Como grande parte do trabalho que sai de mim, o trabalho em si fornece
um aspecto de desenvolvimento construído dentro dele, criando sinergia em
relação ao resultado. Seus resultados aumentarão muito ao se dedicar a esses
fundamentos da prática. Quando eles estiverem dominados, você deve estar
mais do que pronto e com mais poder para seguir em frente com o trabalho e
obter experiências intensas. Se necessário, o praticante pode progredir neste
rito, uma esfera de cada vez, aproveitando sua complexidade semana após
semana. Na verdade, eu encorajaria essa metodologia lenta, mas segura, pois
permite a assimilação progressiva da experiência. Também evitará o
esgotamento dos corpos de energia, o que pode ser possível devido à invasão
súbita do Kliffoth dos corpos de energia mencionados. Isso não quer dizer
que vai acontecer, mas eu não descartaria a possibilidade. Além disso,
mover-se devagar e sempre é vencer / vencer neste caso.

Naamah
Vibre o nome da Kliffa “Naamah” onze vezes. Sinta o chão ou a terra
abaixo de você começar a revelar a escuridão subjacente que permeia tudo o
que existe. Permita que ele se dê a conhecer a você. Pode ocorrer por meio de
visões, sons ou impressões. Tome seu tempo e experimente essas energias
culminando externamente.

Gamaliel
Vibre o nome da Kliffa “Gamaliel” onze vezes. Sinta a escuridão que
permeia tudo o que é acumulado abaixo de você e entra em seu chacra raiz.
Qual é a sensação? Revela visões? Esta energia tem uma mensagem para
você? Sinta essa esfera se manifestar na região genital e sinta-a puxando e
devorando os poderes da criação até atingir o clímax. Em seguida, siga em
frente para a Kliffa de Samael.

Samael
Vibre o nome da Kliffa “Samael” onze vezes. Foco na área
do quadril direito e sinta esta Kliffa começar a se manifestar nessa área.
Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes da criação. Qual é a sensação?
Revela visões? Os seres deste reino têm uma mensagem para você? Quando
nenhuma energia mais puder ser puxada para esta esfera, prossiga para a
Kliffa de Gharab Tzerek.

Gharab Tzerek
Vibre o nome da Kliffa “Gharab Tzerek” onze vezes. Concentre-se no
quadril esquerdo e sinta esta Kliffa começar a se materializar nessa área.
Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes da criação. Qual é a sensação?
Revela visões? Os seres deste reino têm uma mensagem para você? Quando
nenhuma energia mais puder ser puxada para esta esfera, vá para a Kliffa de
Tagiriron.

Tagiriron
Vibre o nome da Kliffa “Tagiriron” onze vezes. Concentre-se no plexo
solar e sinta esta Kliffa começar a se materializar nessa área. Sinta-o começar
a atrair e devorar os poderes da criação. Qual é a sensação? Revela visões?
Os seres deste reino têm uma mensagem para você? Quando nenhuma
energia mais puder ser puxada para esta esfera, vá para a Kliffa de Golahob.

Golahob
Vibre o nome da Kliffa “Golahob” onze vezes. Sinta essa esfera começar
a se abrir ao redor do cotovelo direito, onde ela repousa ao lado do seu corpo.
Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes da criação. Qual é a sensação?
Revela visões? Os seres desse reino têm uma mensagem para você? Quando
nenhuma energia mais puder ser puxada para esta esfera, mova-se para a
Kliffa de Agshekeloh.

Agshekeloh
Vibre o nome da Kliffa “Agshekeloh” onze vezes. Sinta essa esfera
começar a se abrir ao redor do cotovelo esquerdo, onde ela repousa ao lado
do seu corpo. Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes da criação. Qual é
a sensação? Revela visões? Os seres deste reino têm uma mensagem para
você? Quando nenhuma energia mais puder ser puxada para esta esfera, vá
para o
Kliffa de Satariel.

Satariel
Vibre o nome da Kliffa “Satariel” onze vezes. Sinta essa esfera começar a
se abrir no ombro direito. Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes da
criação. Qual é a sensação? Revela visões? Os seres deste reino têm uma
mensagem para você? Quando nenhuma energia mais puder ser puxada para
esta esfera, mova-se para o Kliffa Ghogiel.

Ghogiel
Vibre o nome da Kliffa “Ghogiel” onze vezes. Sinta essa esfera começar
a se abrir no ombro esquerdo. Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes
da criação. Qual é a sensação? Revela visões? Os seres deste reino têm uma
mensagem para você? Quando nenhuma energia mais puder ser puxada para
esta esfera, mova-se para a Kliffa de Thaumiel.

Thaumiel
Vibre o nome da Kliffa “Thaumiel” onze vezes. Sinta essa esfera começar
a se abrir no topo da cabeça. Sinta-o começar a atrair e devorar os poderes da
criação. Qual é a sensação? Revela visões? Os seres deste reino têm uma
mensagem para você? Quando nenhuma energia mais puder ser puxada pelo
topo de sua cabeça, comece a sentir as esferas se conectando através da rede
dos vários caminhos e então sinta os Dragões gêmeos Satan e Moloch
nadando ao redor da coluna espinhal explodindo dos ombros
simultaneamente. Enquanto isso ocorre, sinta a Luz Negra do conhecimento
abastecê-lo e alimentá-lo no nível de seu DNA. Entenda que cada cobra como
o Cromossomo é uma representação microcósmica dos Dragões Gêmeos
Satanás e Moloch. Visualize a Luz Negra do Conhecimento codificando seu
DNA com informações genéticas do Livro da Vida extraídas da humanidade
no outono. Você está se tornando um portal pelo qual os Caídos podem agora
surgir.
Qualquer mágico que valha uma vela em um altar está ciente do fato de
que o som é vibração e que o som, bem como a sequência dele, é de grande
importância em relação ao rito de abertura acima. Entenda que o nome de
cada Kliffa contém as vibrações dessa esfera específica. Portanto, deve-se
entender que (como mencionado anteriormente) o corpo no nível de vibração
está
sendo progressivamente elevada por esta direita, e a consciência seguirá o
exemplo. É muito importante focar nas impressões recebidas e trabalhar duro
em relação à visualização. Entenda que “imaginário” não significa faz de
conta. À medida que a “imaginação” se desenvolve, é em toda realidade sua
visão espiritual se abrindo de uma maneira muito autêntica.
Provavelmente será melhor para a maioria se eles (como sugerido
anteriormente) construírem neste rito consecutiva / progressivamente uma
semana de cada vez. No entanto, alguns podem achar útil simplesmente
registrar as instruções, dando tempo suficiente para experimentar as energias
entre cada Kliffa. Este rito pode ser realizado dessa forma até que seja
dominado e se torna uma segunda natureza. Com a repetição, essas forças
poderão ser simplesmente acionadas de dentro à vontade e a realização do
rito em sua totalidade será um ponto discutível. Nesse momento, você não
deve ter problemas com operações bem-sucedidas de evocação / invocação.
Trabalhe para isso. Dedique-se a este rito e aos próximos por 11 meses. A
intensidade do resultado seguirá.
Ritual da Intrusão Kliffótica
Capítulo 11

Seu ritual é projetado para acabar com os ritos Envocativos / Invocativos


e as explorações Kliffóticas. Destina-se a livrar os corpos de energia sutis de
forças excessivas para que possam assimilar e acumular poder espiritual e
codificação genética. É assim que funciona pelo valor de face, mas há mais.
Este rito também fundamenta a essência dos governantes demoníacos deste
lado do véu, de forma que enquanto o corpo físico é elevado, os obstáculos
arquônicos à evolução podem ser resolvidos pelos governantes demoníacos.
Eu realmente não sei mais como explicar isso. É simplesmente o que esse rito
fará, e sua eficácia aumentará à medida que for realizado por mais e mais
pessoas ao longo do tempo. É por meio dessa operação básica que este plano
de Malkuth pode ser transfigurado e transformado no estado da própria
encruzilhada onde o homem e o deus antigo se encontram.
Fique no centro do círculo voltado para o sul.
Vibre o nome dos Dragões Satan e Moloch, os Governantes de Thaumiel e
permita que a Luz Negra do Conhecimento dentro da Coroa comece a
desaparecer, movendo-se para baixo em direção ao ombro esquerdo.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Ghogiel, sendo Belzebu, e
permita que a Luz Negra do Conhecimento no ombro esquerdo desapareça
passando para o ombro direito.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Satariel, sendo Lucifuge
Rofacale, e permita que a Luz Negra do Conhecimento no ombro direito
desapareça movendo-se para baixo em direção ao cotovelo esquerdo, onde
repousa ao lado do corpo.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Agshekeloh sendo Astaroth e
permita que a Luz Negra do Conhecimento no cotovelo esquerdo desapareça
movendo-se para o cotovelo direito, onde repousa ao lado do corpo.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Golohab sendo Asmodeus e
permita que a Luz Negra do Conhecimento no cotovelo direito desapareça se
movendo para o plexo solar.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Tagiriron sendo Belphagor e
permita que a Luz Negra do Conhecimento no plexo solar desapareça
descendo para o quadril esquerdo.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Gharab Tzerek sendo Bael e
permita que a Luz Negra do Conhecimento no quadril esquerdo desapareça
passando para o quadril direito.
Vibre o nome do Governante Demoníaco de Samael sendo Adramelech e
permita que a Luz Negra do Conhecimento no quadril direito desapareça se
movendo para a área genital ou chacra raiz.
Vibre o governante de Gamaliel sendo a Demoness Lillith e permita que a
Luz Negra do Conhecimento comece a desaparecer do chacra raiz e visualize
seu corpo inteiro sendo preenchido com a Luz Dourada do brilho Divino.
Coloque as mãos na frente do peito em um mudra de oração e compele as
forças de Da'ath em nome de Belial. Visualize-se no centro do sigilo de
Belials brilhando em um brilho dourado brilhante. Visualize os Dragões de
Satan e Moloch enrolando-se em seu sigilo.
“Em Nome de Belial e pelo poder de Satan e Moloch, eu obrigo os
Governantes Demoníacos dos reinos Kliffóticos a entrar no reino de Malkuth
e destruir o que impede a evolução do homem. Vá em frente agora de acordo
com sua causa e destrua tudo o que não é útil para o nosso desenvolvimento.
Lepaca Kliffoth! Observe Satan e Moloch deslizarem para o reino de
Malkuth.
Observe a escuridão se espalhar para o mundo, sendo impelida pela luz
dourada que você agora emana. Descanse e medite nesta luz dourada. Sinta-o
começar a nutri-lo no nível do seu DNA e banhar-se nele o máximo possível.
Em seguida, anote suas experiências, mantendo registros de como elas
progridem. Saiba que o chumbo está se transformando em ouro neste
momento. Abrace isso.
Assim como o rito anterior pode ser progressivamente construído, este
também pode. Eles podem ser construídos semana após semana juntos,
enquanto se trabalha com o governante demoníaco correspondente em
operações de evocação e possessão / invocação. Peço desculpas por aqueles
que não estão familiarizados com a ideologia Kliffótica baseada na doutrina
Cabalística. Esta breve sinopse não permite a atribuição completa de
correspondências e assim o preguiçoso será automaticamente afastado deste
trabalho. Quem quiser participar terá o prazer de cruzar referências e fazer
suas próprias pesquisas aproveitando o que está sendo disponibilizado. Esses
já possuem a ambrósia dourada de Lúcifer em seus códigos genéticos. Para
aqueles que atualmente não têm essa centelha, talvez
eles estarão mais prontos quando esta breve sinopse for apresentada na
plenitude da glória de Belials. Este é provavelmente o caso se o dote deste
livro tiver sido pago e o trabalho estiver em suas mãos. Coincidência não
existe. Embora o poder deste trabalho do caminho esteja muito acima e além
das práticas cabalísticas, uma compreensão básica dos mapas da realidade
será muito útil porque essa compreensão ajudará a destruir seus limites.
Sons do Silêncio
Capítulo 12

Os sons do silêncio é uma chave interessante usada para viajar pelos


túneis da árvore noturna enquanto mantém o equilíbrio em um reino onde o
equilíbrio e o bem-estar podem ser facilmente desfeitos porque o ser é
diretamente oposto. A última sílaba de cada som passa a ser a primeira sílaba
da inversão de sons. Ao aproveitar os sons das letras dessa forma, eles não
são mais os sons da criação, que prendem o fluxo de poder em uma direção,
ou mais especificamente em um destino sendo Malkuth. Eles também não se
tornam sons de destruição, pois isso apenas alimentaria ainda mais a
dualidade da ilusão de ambas as árvores. Na verdade, não se trata
necessariamente de abrir o portão para que esse poder viaje em ambas as
direções. Trata-se de fundir o ir e vir entre o X e Y em um nível energético.
Cada som corresponde a um dos túneis da Kabballah e da Kliffoth. É
importante entender que esses túneis também correspondem a fitas dormentes
de DNA humano. Eles estão conectados ao físico
e a contraparte vibracional dessa linha correspondente de sons. (Há muito
mais potencial genético para trabalhar além dessas primeiras 22 cadeias.)
Diz-se que as letras hebraicas são os próprios blocos de
construção da criação. Em um sentido exotérico, isso é verdade, mas
não significa que seja necessariamente uma coisa boa. Não são
realmente as letras que detêm o poder. As próprias cartas são vasos
de prisão de poder. Os sons da Canção Silenciosa foram separados
um do outro. Estes foram então ligados a formas lineares a fim de
densificar ainda mais os pensamentos da humanidade, confinando
ainda mais seu potencial criativo a Malkuth, o plano terreno. Ao
aproveitar as letras desse alfabeto para soletrar e transmitir
pensamentos por meio da escrita e da fala, o poder da canção
silenciosa de Lúcifer é reduzido. Segundo a tradição, isso é
representado como a queda de Lúcifer, o Ministro da Música;
Contudo,
Esta é uma das maneiras pelas quais o poder da Pirâmide das
Bruxas foi destruído apenas para ser reconstruído pelos Arcontes
chefes. Este é o verdadeiro Templo de Salomão. É o Templo dos
Sábios. É a pirâmide do poder divino. Da'ath / Conhecimento é
poder. Esta atual pirâmide de poder atualmente em construção
mantém tudo sob o olhar atento de IHVH para que o poder criativo
e potencial possam ser direcionados de acordo com a agenda de
escravidão trazida pelos arcontes que afirmam ser o único deus.
Assim como o silêncio é extraído do ser, assim é a vontade do
espírito individual. Depois disso, o indivíduo não ousará questionar
a realidade ilusória ou aqueles que a governam, e assim o ser não
tem capacidade de saber. O conhecimento se foi.
A linguagem humana limita a viagem de energia em uma
direção. A ilusão de liberdade é criada por vários ângulos ou
caminhos de Kether a Malkuth. Todos os dados descendem do
Divino, então os planos emocional e mental descem. Apesar de tudo,
todas as informações que vêm de cima estão então ligadas a
Malkuth, incapaz de alterar a estrutura da realidade trabalhando
nos planos superiores. Isso mantém a densificação do plano
terrestre no lugar. Yesod puxa
todo o potencial de poder para baixo em direção a Malkuth, assim
como é dito que Gamaliel puxa o poder para cima em direção a
Thaumiel para alimentar as esferas mais altas do Kliffoth. Essa
dualidade cria uma paralisação no processo evolutivo.
Os Sons do Silêncio retornam o potencial extraído do DNA
humano para a Canção do Silêncio. Esta é a Canção do próprio
Lúcifer. Quando alguém inverte o fluxo de energia de Kether a
Malkuth através do portal da sombra que leva a Naamah até
Thaumiel, esta canção pode ser experimentada. Quando é, o DNA é
codificado com todo o conhecimento obtido de dentro das Conchas
de Da'ath pela Luz Luciferiana das trevas. Isso é para obter o
conhecimento oculto do Livro da Vida tornando-se nele.
Os Sons do Silêncio abrem o fluxo de poder em ambas as
direções além dos limites da ilusão, devolvendo as vibrações
originais à integridade original da Canção Única de tal forma que a
dualidade seja destruída. Isso capacita o Mago a abrir as portas dos
reinos da Árvore da Noite, onde o conhecimento pode ser
experimentado. Por meio das experiências iniciáticas, o poder é
inscrito no DNA que eleva o espírito, transformando a carne como
um recipiente da Luz Dourada de Lúcifer através da Escuridão de
minha Alquimia Negra. Estes são um e o mesmo.
Do ponto de vista da Cabala, Satanás e Moloch são vistos como
divisores de Deus. No entanto, quando os Sons do Silêncio são
aproveitados para viajar pelos túneis da Árvore de Da'ath para
alcançar seu trono, eles dividem a ilusão de sua separação do poder
divino e isso o leva de volta ao projeto divino original da luz
Luciferiana da escuridão. Aqui nenhuma divindade é encontrada,
pois você é o tudo e a experiência de todos. A Divisão é Dividida e a
unidade com a Consciência do Anticristo é alcançada. Esta é a união
de você, que é aquele com Legion.
Os 22 sons do silêncio serão agora apresentados com os caminhos
associados que eles abrem. O foco iniciático dos túneis também será falado
brevemente, já que a aplicação prática desses pontos de foco ajudará a
ancorar a Luz Luciferiana dentro dos limites da carne Clayborn. As próprias
Cartas serão evitadas, pois não são relevantes neste formato de trabalho
feiticeiro.

1. AlephpelA: Este Som do Silêncio está ligado ao 11º Caminho


dentro da árvore do dia e da noite. O foco iniciático deste Som do
Silêncio é alterar o estado mental por meio da respiração para obter
conhecimento através do esvaziamento da mente. A adivinhação
também pode ser usada como um meio de refletir o conhecimento e
as visões da profecia em direção a uma mente vazia.
2. BethteB: Este Som do Silêncio está ligado ao 12º Caminho
dentro da Árvore do Dia e da Noite. O foco iniciático é contemplar
o paradoxo da imortalidade por meio da morte. O poder mágico
deve ser exercido contra os maléficos destinados a trazer a morte
aos inimigos. Dar vida aos mortos por meio de operações de
necromancia é outro aspecto deste túnel que deve ser explorado
com cuidado.
3. GimelemiG: Este Som do Silêncio está ligado ao 13º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. O domínio do estado de sonho
pode ser dominado aqui com um efeito significativo. Que isso não
se limite aos próprios sonhos, pois realizar os sonhos dos outros é
outro poder que pode ser buscado e desenvolvido enquanto se
trabalha através deste túnel.
4. DalethtelaD: Este Som do Silêncio está ligado ao 14º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Aqui, o adepto deve procurar
superar o paradoxo da iluminação Luciferiana através da alquimia
escura de Belial. Receber conhecimento daquilo que está oculto é o
foco principal, ao mesmo tempo que revela ilusão ao profano, a fim
de dobrá-lo em direção à sua própria vontade.
5. HeheH: Este Som do Silêncio está ligado ao 15º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. A clarividência é um poder de
foco relevante em um sentido esotérico, mas geralmente pode ser
aproveitada para trazer à vista o que está oculto ou para ocultar o
que você não deseja que seja visto.
6. VavaV: Este Som do Silêncio está ligado ao 16º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Ouvir os Gritos Silenciosos do
Império Infernal ou o desenvolvimento da clariaudiência é o foco
principal dentro do 16º túnel. Além disso, o uso de palavras para
encantar objetos e pessoas, injetando a nitidez da mente e intenção
em cada sílaba silenciosa expressa.
7. ZayiniyaZ: Este Som do Silêncio está ligado ao 17º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Este túnel é um dos poderosos
paradoxo. A compreensão que leva ao conhecimento de que a
unidade de Deus é a verdadeira divisão e que os Divisores
conduzem à verdadeira unidade. Este é o Yoga da Divisão e a
Divisão do Yoga. Criar divisão dentro do que está unido e ao
mesmo tempo aprender a unir o que está dividido é o poder que se
busca. Entender que estes são realmente uma e a mesma coisa é o
foco da iniciação e assim a ilusão de esquerda e direita cairá.
8. ChethtehC: Este Som do Silêncio está ligado ao 18º Caminho
dentro da Árvore do dia e da noite. Isso é para compreender a
natureza destrutiva da criação, enquanto também assimila o poder
de criar por meio da destruição. Este paradoxo é ancorado em
aprender a destruir seus próprios limites Clayborn enquanto
aprende a destruir também as forças e defesas dos inimigos. Por
meio desse processo, a compreensão deste princípio será alcançada.
9. TethteT: Este Som do Silêncio está ligado ao 19º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. O túnel associado ao TethhteT
revela os venenos e os poderes de cura da serpente em seu interior.
Esta é a força interior que primeiro ofereceu o direito de nascença
do Pacto Infernal à humanidade. O rejuvenescimento do poder da
serpente dentro de si mesmo e nos outros é um bom ponto de
enfoque, e portanto, é usado para envenenar e envenenar o inimigo
e seus planos.
10. YodoY: Este Som do Silêncio está ligado ao 20º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Aqui está o Templo da Forja
Adversarial. Destruir os próprios limites para purificar o eu,
conjurando oposição, deve ser o objetivo. Isso vai quebrar a ilusão
do eu que nasceu na argila, permitindo que a força de vontade
irradie através do seu processo de tornar-se, alimentando tudo o que
você faz.
11. KaphpaK: Este Som do Silêncio está ligado ao 21º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Exercer o poder em direção à
anarquia é o foco deste túnel. Use seu poder para destruir
governantes, fazendo com que caiam de posições de poder. Eleve e
eleve os impotentes. Tire daqueles que têm e dê aos que não têm,
como Deus e o Diabo encarnado.
12. LamedemaL: Este Som do Silêncio está ligado ao 22º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. A libertação dos ilegais e a
prisão dos legítimos são o foco. Isso pode ser visto como um
esforço prático ou espiritual. Isso leva à destruição do
sem lei, removendo a lei, introduzindo no Éden através do portão
de Edom.
13. MemeM: Este Som do Silêncio está ligado ao 23º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. O controle e o controle das
emoções são fundamentais aqui, bem como causar transtornos
emocionais nos outros com o novo domínio de si mesmo. Uma
observação predominante neste túnel é que, embora todos se
propaguem e busquem o domínio de si mesmos, eles também o
desprezam. É para saber que quase todos trabalham em oposição
direta a seus objetivos. Você deve aprender a trabalhar em direção
a seus objetivos, aproveitando o poder da emoção. Usar corpos de
água naturais para invocar e contemplar demônios do abismo para
servir à sua causa é prático aqui. Usar esses corpos d'água como
portais para seus reinos para afogar partes do eu que não os servem
também é de valor prático.
14. NunuN: Este Som do Silêncio está ligado ao 24º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Trazer vida aos mortos e amarrá-
los ou libertá-los por meio de operações de necromancia é crucial
aqui. Aproveite esses poderes para mudar a realidade em que você
vive para se libertar. Levar a morte aos vivos para libertar e
restringir a mesma causa também tem valor prático.
15. SamekhkemaS: Este Som do Silêncio está ligado ao 25º
Caminho dentro da árvore do dia e da noite. O foco deste túnel é
obter comunhão direta com a Serpente dentro da tradição do Éden e
entender que esta serpente mora dentro. A energia é aplicada para
causar magnetismo entre os opostos para causar divisão de
polaridade. Este poder da serpente é retirado do profano para
reabastecer a própria vitalidade e força. Este poder é facilmente
obtido uma vez que a comunicação com a Serpente comece, pois a
serpente é o fio condutor que permeia a todos nós. O profano que
evita sua voz perde seu poder à medida que ganha massa crítica
dentro da singularidade do eu que é Legião.
16. AyiniyA: Este Som do Silêncio está ligado ao 26º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Esse foco iniciático é perceber
mentiras e cegar os outros para a verdade. Trabalhe para
amaldiçoar e seduzir com os Drakontias ou com o olho do Dragão.
17. PeheP: Este Som do Silêncio está ligado ao 27º Caminho dentro
da árvore do dia e da noite. O silêncio por si só é o foco deste
túnel. Silenciar a si mesmo e a mente e fechar a boca dos
barulhentos e desagradáveis. Use o silêncio para ganhar o sopro do
dragão, que pode ser usado para amaldiçoar ou curar.
18. TzaddiddazT: Este Som do Silêncio está ligado ao 28º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. O foco aqui é obter poder e
controle sobre a própria mente, dominando e controlando as mentes
dos outros durante os estados de consciência de vigília e sonho.
19. QophpoQ: Este Som do Silêncio está ligado ao 29º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. O foco iniciático deste túnel é
baseado na magia astral. A magia deve ser realizada no plano astral
a fim de criar mudanças em Malkuth para contaminar o destino
imposto do que as massas chamam de Deus. A interpretação dos
sonhos é outra área de prática que pode ser realizada aqui, junto
com a mudança de forma.
20. ReshseR: Este Som do Silêncio está ligado ao 30º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. O foco deste túnel deve ser
aproveitar o poder da liderança para alcançar. No entanto, deve ser
entendido que a realização em si não é a meta, pois as realizações
podem se tornar apegos que alimentam e substanciam o ego. As
realizações buscadas devem ser cuidadosamente planejadas para
auxiliar a expansão e ascensão, a serviço da própria evolução
pessoal.
21. ShinihS: Este Som do Silêncio está ligado ao 31º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. Trazer as forças de fogo do
Inferno por meio da evocação é o objetivo dentro deste túnel, pois é
o túnel que conduz para fora da esfera Kliffótica de Naamah.
Porém, não é a manifestação desses espíritos neste plano que é
mais importante. O aspecto mais importante dentro da evocação
por meio deste túnel é a mudança alquímica que ocorrerá no reino
de Malkuth como um todo, criando uma intrusão Kliffótica
intencional. Manter registros seguindo a intuição em relação a
como essa alquimia está ocorrendo é um bom ponto de enfoque
neste 31º túnel. Evoque e mantenha registros em relação às
mudanças que ocorrem além de você e de sua experiência de vida
que se alinham com os espíritos conjurados.
22. TavaT: Este Som do Silêncio está ligado ao 32º Caminho
dentro da árvore do dia e da noite. A consagração de objetos é o
foco iniciático deste túnel. O objetivo é criar pontos de apoio
físicos que representem a encruzilhada no plano denso de Malkuth
para permitir que as forças espirituais fluam livremente para o
mundo para criar mudanças de acordo com a vontade. É conceder
anima ou vida aos objetos materiais que não têm vida. É um
símbolo do trabalho posterior que dá vida às cascas e ao potencial
genético de lixo adormecido que permanece dentro do eu. •
Usando o poder dos sons silenciosos
Capítulo 13

TOs Sons do Silêncio HESE podem ser usados como mantras durante os
períodos de meditação, à medida que se tenta desenvolver os poderes que se
alinham com os caminhos específicos. Esse é, honestamente, o meio mais
potente e eficaz de usá-los em toda a sua extensão com relação à mudança
alquímica, ativando estruturas dormentes de DNA dentro do código genético.
Os sons irão produzir um ecossistema interno que é propício ao
desenvolvimento da força que corresponde à fita específica de DNA sendo
ativada. Embora possa parecer um poder externo sendo usado para efetuar as
circunstâncias que estão sendo exercidas, é a mudança interna que deve
ocorrer primeiro no nível genético que deve ser ativada antes que esses
poderes possam realmente valer alguma coisa para nós.
É importante fazer isso sequencialmente, movendo-se de Naamah em
direção a Thaumiel e, assim, começaríamos com a 22ª TavaT do Som do
Silêncio. O adepto pode escolher meditar enquanto entoa o Som do Silêncio
específico por 22 minutos antes de trabalhar no poder associado que surge
por meio da ativação daquela fita específica de DNA. Esta é uma das muitas
possibilidades e somente o indivíduo pode ser o único que decide o quão
devotado será a esta prática. Apenas saiba que as vibrações desses Sons do
Silêncio são um inteiro principal da equação genética de transformação e
transmutação. Não, esta não é a doutrina cabalística tradicional, mas esse é o
ponto principal.
Esses sons também são chaves que irão adaptar a vibração dos corpos
espirituais para se alinharem mais com os túneis que estão sendo percorridos
nos planos espirituais, tornando os movimentos entre as Conchas da Árvore
do Conhecimento Kliffótica mais propícios à nossa expansão e evolução do
que ao nosso prejuízo. Esta metodologia básica será delineada em breve,
embora muito ainda esteja oculto. Mesmo que neste momento eu esteja
licenciado para compartilhar mais, eu sinto que o
o material ainda não está pronto para ser lançado. Deve ser aplicado e
cultivado. Primeiro, vamos cobrir as esferas Kliffothic e sua fórmula de
chamada.
As Cascas da Criação
Capítulo 14

MUITOS hoje em dia colocam muito foco nas Conchas ou na Kliffa


individual enquanto negligencia os túneis. As conchas da minha experiência
até agora parecem ser destinos que ancoram o poder que é obtido ao viajar
pelos túneis. Se o poder não é ancorado ou feito para ser uma parte do self
por meio da evolução genética via contágio vibracional, o acesso posterior
simplesmente não é permitido. Atualmente estou experimentando isso
sozinho. É aqui que mais trabalho com o governante demoníaco associado e
seus espíritos subordinados entrará em ação. Conforme você percorre os
túneis, normalmente acessará métodos que estará à sua disposição para
exercitar e trabalhar a força que está sendo buscada. Conforme o poder é
adquirido, a concha física (corpo humano) vai se adaptar e evoluir pela
ativação de fitas dormentes de DNA.
No contexto desta metodologia específica, a Kliffa individual deve ser
percebida como pontos de teste que serão supervisionados pelo governante
demoníaco daquele plano específico e pelas iniciações que devemos
experimentar. No entanto, eles também têm ensino específico a oferecer. Meu
conselho é este: busque informações sobre como crescer direto para fora do
portão. Não presuma que seu poder atingiu um ponto de massa crítica que
deve ser aceito. Isso parece nunca ser o caso, pois somos seres físicos
completamente inconscientes de nosso potencial. Veja a Kliffa e a interação
com sua régua associada como um ponto de desenvolvimento a ser
aproveitado para se esforçar mais. Os ensinamentos dos governantes são
realmente muito importantes e os espíritos subordinados irão guiá-los no que
diz respeito ao exercício do poder que eles revelam.

Thaumiel
Este é o reino dos gêmeos de Deus sendo Satanás e Moloch. Juntos
essas forças adversárias emanam a luz de Lúcifer e a sabedoria da
Consciência Anticrística. É esta consciência que é o Senhor do Kliffoth
Fórmula de chamada:
Thaumiel, Lufugiel, Mahaziel, Abraxsiel,
Azazael, Thadekiel x 11

Ghogiel
Este é o reino daqueles que vão para o lugar vazio de Deus. As forças
nesses reinos ensinam os poderes dos planetas adversos. Regras de Belzebu
aqui.
Ghogiel, Dubriel, Lufexiel, Alhaziel, Chedeziel,
Itqueziel, Golebriel x 11

Satariel
Este é o reino onde o conhecimento oculto é revelado e os métodos de
ocultação do conhecimento são obtidos. Métodos de invisibilidade também
têm foco relevante.
Satariel, Saturniel, Asteriel, Reqraziel, Tagariel,
Abholziel, Lareziel, Abnexiel x 11

Agshekeloh
Astaroth governa aqui e revela os caminhos ocultos do devir. Este reino é
o início da iniciação em direção à promessa do Pacto Infernal dado ao
homem no Éden.
Agshekeloh, Malexiel, Gabedriel,
Chedebriel, Amdebriel, A'othiel, Theriel x 11

Golohab
Asmodeus regras aqui. O ensino de guerra e confronto são de grande
foco, assim como a criação de ferramentas e armas mágicas.
Golohab, Gameliel, Barashiel, Ebaikiel, Lebrexiel x 11

Tagiriron
Belphagor governa aqui. Ele ensina como dar forma às coisas apenas por
meio da vontade, aparentemente criando do nada. Ele mostra como
externalizar a vontade como se ela fosse substância. Ele oferece a heresia da
criação de Golens e
servidore
s. Tagiriron, Mephisophiel, Gobraziel, Rebrequel,
Taumeshriel, Raqueziel x 11

Gharab Tzerek
Baal governa aqui e revela domínio sobre os planos astral e onírico, pois
esse domínio capacita a pessoa a governar a realidade e é o primeiro passo
em direção à divindade. Aproveitar a feitiçaria e a magia nesses planos
também é de grande valor, já que este contamina é os planos do falso deus.
Gharab Tzerek, Helebriel, Satoriel, Baruchiel, Reteriel,
Refreziel, Labreziel, Astoriel, Reptoriel, x 11

Samael
Adramelech governa aqui. Ele corta o que não serve, deixando apenas a
verdadeira vontade de subsistência. Ele é aquele que oferece o conhecimento
do bem e do mal.
Samael, Sheoliel, Molebriel, Libridiel, Afluxriel x 11

Gamaliel
Lillith governa aqui onde a magia toma forma. Iniciações de sonhos e
seduções, entre muitos outros testes são encontrados aqui para descobrir se o
buscador de conhecimentos proibidos é digno.
Gamaliel, Idexriel, Materiel, Lapreziel,
Gedebriel, Alephriel, Labraeziel x 11

Nahemoth
Lillith, a mais jovem, mora aqui ensinando o processo de intrusão
Kliffótica através do processo de feitiçaria e como isso se manifesta aqui em
Malkuth. Estude os cinco elementos. Especificamente, o fio comum
subjacente a todos eles e às cinco nações malditas. Trabalhe na evocação.
Aproveite para mudar seu mundo e se concentrar nela. Quando você estiver
pronto, ela virá liderar o caminho.
Nahemoth, A'ainiel, Thauhedriel, Molidiel, Heteriel, Nobrexiel x 11
Digamos hipoteticamente que alguém trabalhou algum tempo para
dominar a habilidade de invocar entidades espirituais para este plano e busca
mover-se de Nahemoth para Gamaliel. O processo seria obter uma visão
interior da Terra Negra / Nahemoth para entrar na árvore noturna. A fórmula
de
o chamado associado a Nahemoth seria recitado onze vezes, seguido pela
recitação do Som do Silêncio associado ao caminho 22 vezes. Nesse caso,
esse Silent Sound seria TavaT. Após a vigésima segunda repetição, a fórmula
verbal de chamar Gamaliel seria entoada onze vezes.
É importante entender que embora o destino não possa ser dominado, todas
as esferas e caminhos anteriores que estão sendo percorridos para chegar ao
destino devem ser dominados. Por exemplo, dentro deste exemplo, a pessoa
deve ser bem versada a respeito da consagração de objetos feiticeiros. Este
não é meramente um processo verbal que canaliza a intenção, mas sim um
processo de conceder anima a objetos inanimados programando a antimatéria
subjacente conectada a ela. É muito científico no sentido espiritual e, por
meio de uma análise cuidadosa, pode-se ver como esse túnel se conecta a
Nahemoth e Gamaliel.
Pode-se ver facilmente como trabalhar o Kliffoth lida com muito trabalho
prático e estudo junto com viagens meditativas. O processo meditativo
descrito aqui não pode ser subestimado. Será muito importante registrar a
experiência de viagem, bem como a experiência adquirida dentro da esfera
específica que está sendo procurada. O simbolismo encontrado nessas
viagens geralmente transmitirá uma mensagem muito profunda para o
praticante, que terá valor prático em relação à alquimia e ao desenvolvimento
pessoal.
Há muito oculto sobre a Alquimia Negra de Belial neste momento; no
entanto, para aqueles que desejam fazer algumas referências cruzadas, há na
verdade bastante material aplicável presente nesta breve sinopse. Estou muito
honrado em apresentar este trabalho, e estou igualmente animado para
começar a desenvolver o trabalho por meio de minha própria aplicação e
experiência. Também estou muito animado para apresentar a possibilidade
desse trabalho a outros. Por muito tempo, percebemos a evolução espiritual e
a evolução da carne como algo diferente. O conhecimento desta mentira está
sendo trazido através do Rei Demoníaco Belial. Está na hora.
Selo do Portão Primigênio
O Caminho de Belial
Capítulo 15

BELIAL como um demônio, ou espírito maligno, aparece em várias


fontes, desde a Bíblia e a literatura apócrifa judaica até o satanismo moderno
e os escritos de Anton LaVey. Ele também é mencionado em textos como os
Manuscritos do Mar Morto, onde aparece como o Anjo das Trevas e o
antagonista de Deus. Nas fontes antigas, seu nome é usado como sinônimo de
Satanás, e ele é uma das personificações do mal mais comumente
reconhecidas. Pensa-se mesmo que o nome “Belial” (ou Beliar) não se refere
a nenhum espírito específico, mas é simplesmente um título que significa
maldade. Por exemplo, na Bíblia, lemos sobre “filhos de Belial”, que é
interpretado como “vis (ou sem valor)”. Outros significados do nome incluem
"destruição", "ruína", "morte", "o abismo", "ilegalidade" ou "sem mestre". A
etimologia, no entanto, não é clara, e nenhuma dessas interpretações pode ser
rejeitada como falsa ou reivindicada como a única correta. A interpretação
mais comum é derivada do Talmud e explica o nome "Belial" como
composto por duas palavras: "beli" e "ol", ou "yo'il", que significa "sem jugo"
ou "sem vantagem",
ou seja, "inútil". Existe também uma teoria que deriva o nome “Belial” da
deusa babilônica Belili, de forma semelhante ao nome do demônio Astaroth,
acredita-se que tenha se originado da deusa fenícia Astarte (Astoreth). Essa
afirmação se encaixa na ideia de que muitos demônios de grimórios
salomônicos, como The Lesser Key of Solomon, onde Belial está listado
entre os 72 espíritos que constituem o sistema ritual de Goetia, eram
originalmente deuses e deusas antigos, que vieram a ser demonizados pela
literatura cristã e seus nomes e atributos foram associados a demônios e
espíritos malignos do Cristianismo. Na Bíblia e nos apócrifos, "Belial" é um
sinônimo para o príncipe das trevas, o Anticristo, o diabo, o pai da idolatria, o
demônio da impureza, o anjo da ilegalidade e o governante do mundo,
identificado com Samael .
Em Goetia, Belial é um poderoso rei demônio, criado a seguir a Lúcifer.
Ele aparece na forma de dois belos anjos sentados em uma carruagem de
fogo, distribuindo apresentações e senadores e concedendo favores de amigos
e inimigos. Ele também é uma das quatro forças governantes de todos os
espíritos goéticos, associada à direção do norte e ao elemento terra nos
sistemas cerimoniais da tradição ocidental, e às vezes ele leva o título de O
Senhor da Terra. A última é uma associação bastante moderna que deve
muito à Bíblia Satânica de LaVey, onde Belial representa o domínio da terra,
"magia com os dois pés no chão - procedimento real, radical, mágico", bem
como independência, autossuficiência e realização pessoal. No entanto, é a
velha lenda goética que melhor serve como chave para sua gnose. De acordo
com a história, o rei Salomão, o maior mágico de todos os tempos, convocou,
amarrou e aprisionou os espíritos mais malignos da terra em um vaso de
bronze, que ele lançou em um lago profundo na Babilônia para que os
demônios nunca mais perturbassem a humanidade. A embarcação não
permaneceu no fundo do lago para sempre, no entanto. Acreditando que
continha um tesouro escondido, os babilônios o recuperaram e quebraram o
selo pelo qual os demônios estavam amarrados. Quando o selo foi quebrado,
todos os espíritos imediatamente voaram para fora e se dispersaram para suas
antigas moradas, exceto Belial, que entrou em uma estátua e se tornou um
oráculo para seus adoradores, agindo assim como o intermediário entre os
espíritos e feiticeiros em busca da sabedoria e do poder de Sitra Ahra, o outro
lado. Nesta interpretação, Belial é um dos iniciadores primordiais no caminho
da Qliphoth,
Outro aspecto importante da gnose de Belial está relacionado à
interpretação de seu nome como "Sheol" ou "o abismo". No esquema
cabalístico da Árvore da Vida e da Árvore da Morte, "o abismo" é o título
atribuído à Sephira Daath oculta, que em seu sentido positivo se traduz como
"Conhecimento" e da perspectiva das Qliphoth é conhecido como "O Inútil ”,
referindo-se a outro título de Belial. O Iniciado no caminho do Lado Noturno
encontra esse rei demônio no limiar do Abismo, onde ele guarda o portal que
conecta os lados claros e escuros da Árvore. Assim, no processo iniciático do
Lado Noturno, ele auxilia na preparação da consciência para a abertura do
Portal de Daath. Como um dos guias e iniciadores Draconianos no caminho,
ele se manifesta com uma pele reptiliana, a pele escamosa de uma serpente
ou dragão,
torne-se protegido de ser devorado e destruído pela imensidão do Abismo.
Mas, como muitos outros deuses e espíritos Draconianos, Belial também é
um metamorfo e se manifesta em muitas formas diferentes. Nos ritos de
magia, nós o encontramos como um senhor encapuzado; um ser esquelético;
um espírito com duas cabeças ou faces, por exemplo, ele pode aparecer como
uma águia ou abutre de duas cabeças; um demônio com chifres; ou dois anjos
em uma carruagem de fogo, como ele é descrito na Goetia. Como o Guardião
do Portão, ele geralmente se manifesta em seu aspecto duplo - dois seres
vestidos com rostos esqueléticos ou com as cabeças escondidas sob o capuz,
um vestido com uma túnica branca, o outro de preto, representando dois
aspectos de sua gnose: aquela do lado diurno e do lado noturno. Desta forma,
também trabalharemos com ele neste livro.
Neste grimório, apresentarei os resultados de meu trabalho pessoal com
Belial como o Guardião do Portal do Abismo. Em minha experiência, esta é
sua principal função e serviço que ele oferece ao Iniciado no caminho das
Qliphoth. Não o vejo como equivalente a outros espíritos ou divindades como
Baal ou Belzebu, embora tais teorias tenham sido propostas por outros
autores e praticantes e, de fato, haja certos poderes e atributos compartilhados
que permitem tais associações. Em meu próprio trabalho, entretanto,
encontrei Belial ao entrar em Daath / o Abismo, e acredito que é aqui que
devemos buscar sua gnose. Eu também não o vejo como um espírito da terra
e todas as coisas materiais. Sinta-se à vontade para discordar. O que
apresento aqui é o resultado da minha experiência pessoal.
O Sigilo de Belial
Capítulo 16

TAQUI estão muitos sigilos de Belial e você já deve estar familiarizado


com alguns deles, como o selo Goético, por exemplo. O sigilo que usaremos
neste trabalho não é de origem antiga. Ele foi recebido por meio de meu
trabalho pessoal com o rei demônio e reflete seu papel como o Guardião do
Portão de Daath. Este portal é tipificado pela estrela de sete pontas, que tem
um significado amplo e seu simbolismo está conectado tanto ao lado
brilhante quanto ao lado escuro da Árvore Cabalística. No simbolismo do
lado diurno, representa os sete dias durante os quais Deus criou o mundo, os
sete reinos Sephiróticos abaixo da tríade divina mais elevada, os sete planetas
da astrologia esotérica, etc. Na Cabala do Lado Noturno, tipifica as sete
Qliphoth abaixo o Abismo, que também simbolizam as sete etapas do
processo de iniciação Qliphothic, correspondendo às sete cabeças do Dragão
na Tradição Draconiana, onde a oitava cabeça é identificada com Daath / o
Abismo. No caminho das Qliphoth, a estrela de sete pontas representa o
Portão do Abismo e está conectada aos mistérios de Babalon, portanto, o
sigilo também se refere ao simbolismo do feminino, em que o kteis da deusa
é a entrada para o Sitra Ahra. Representa a gnose do Abismo acessada pelo
Iniciado entrando no Portal de Belial, habilitado pela Chama da Ascensão. Os
dois crânios no sigilo tipificam o duplo aspecto da corrente Qliphothic de
Belial, representando seu papel como o Guardião do Lado Noturno e do Lado
do Dia, o senhor do Portão de Daath / Morte. Finalmente, o tridente, antigo
emblema de realeza e autoridade, mostra que estamos lidando aqui com um
poderoso governante demoníaco.
O Sigilo de Belial
Invocação do Rei Demônio
Capítulo 17

EuPara conectar-se à corrente de Belial e adquirir seus poderes, você


deve invocar o rei demônio e abraçar sua energia Draconiana como se fosse
sua. Não recomendo trabalhar com ele apenas por evocação, embora tais
métodos também sejam possíveis e ele se manifeste de boa vontade diante do
mágico, especialmente se um espelho preto for usado como uma ferramenta
de comunicação. O processo iniciático, entretanto, requer que você não
apenas convoque e comungue com as forças do Sitra Ahra, mas também
absorva e receba essas forças como parte de você mesmo. Ao fazer isso,
despertamos e desenvolvemos nosso próprio potencial psíquico, tornando-nos
nós mesmos como deuses e espíritos. Adquirimos seus poderes, habilidades e
atributos, o que nos permite proteger e nos capacitar no caminho,
manifestando nossa intenção apenas pelo poder de nossa vontade,

O sigilo de Belial e aqueles relacionados com seus ritos


apresentados neste grimório
Imagens ou estátuas do rei demônio - você pode usar as deste
livro ou seus desenhos pessoais
Velas - uma preta e uma branca, representando os aspectos do
lado diurno e noturno de sua atual
Incenso - Sangue de Dragão ou Almíscar
Lâmina ritual ou outra ferramenta para
tirar sangue Um manto com capuz ou
outra vestimenta ritual

Os sigilos necessários para esses trabalhos são fornecidos nas descrições


de rituais específicos. As cores associadas a Belial são branco e preto, e é
recomendado usar essas duas cores para desenhar ou pintar os sigilos -
branco
glifos em um fundo preto ou preto no branco funcionarão melhor nessas
práticas. Eles também precisam ser grandes o suficiente para serem vistos
confortavelmente. O sigilo de Belial é o ponto focal de todo o trabalho e deve
estar no centro do altar, com a vela preta colocada em seu lado esquerdo e a
vela branca à direita.

Preparação
Acenda as duas velas e queime o incenso. Fique de pé ou sente-se em
uma posição confortável, com o sigilo de Belial na sua frente, e unja o sigilo
com seu sangue. Você pode traçar as linhas do sigilo ou simplesmente
colocar algumas gotas de sangue nele, mas não muito, pois a forma ainda
deve ser visível. Quando isso for feito, concentre toda a sua atenção nisso.
Visualize que o sangue desperta o sigilo como um portal e o torna vivo.
Visualize-o carregado e ativado com sua substância vital, brilhando e
brilhando. Ao mesmo tempo, vibre onze vezes o nome "Belial".
Enquanto faz isso, imagine a energia do rei demônio fluindo através do
sigilo e entrando em seu corpo através do terceiro olho. Sinta como essa
energia se espalha por todo o seu corpo e como você está sendo carregado
desde a planta dos pés até o topo da cabeça. Esta energia é quente e ígnea,
vibrando em todas as partes do seu corpo. Ao mesmo tempo, sinta como a
atmosfera em seu espaço ritual muda e também se torna carregada. Veja a
fumaça do incenso se transformando e se transformando em uma vaga figura
do rei demônio, ainda não totalmente manifestado, mas aguardando seu
convite.
Invocação

Quando estiver pronto, faça a seguinte invocação:


Eu invoco Belial,
Guardião da Porta do Abismo,
Senhor dos espíritos das
trevas, Rei poderoso e
poderoso!
Eu convoco o guardião do conhecimento
arcano, Aquele que foi criado a seguir a
Lúcifer, que cavalga em uma carruagem
de fogo,
E fala com voz de anjos e demônios!
Lord Belial,
Passe pelo portão da estrela de sete pontas,
Levante-se de sua morada nas terras devastadas das
civilizações,
E de debaixo das areias do tempo!
Responda ao meu chamado e revele sua presença
para mim, Ensine-me a gnose do oráculo escuro,
O conhecimento proibido do caminho das sombras,
E me conduza ao Ventre do Dragão,
Para que eu possa morrer e crescer em força,
Das cinzas do mundo aos tronos dos deuses primitivos!
Mostre-me como encontrar meu caminho através das profundezas infernais e
alturas empíricas, Onde suas torres de sabedoria devem me guiar para o
submundo da minha alma!
Abra para mim o Portão para o Deserto de Daath,
Para que eu possa me tornar a carne e o sangue do Dragão!
Lord Belial,
Dou as boas-vindas a você em meu templo neste rito sagrado e profano!

Visualize o rei demônio tomando forma na sua frente, formando-se a partir


da fumaça do incenso em duas figuras encapuzadas, uma em uma túnica
branca, a outra em preto, ambas fundidas e parecendo ser a mesma. Seus
rostos estão escondidos na sombra, mas você pode ver suas mãos esqueléticas
estendendo-se para você. Cumprimente-o com algumas palavras pessoais e
sente-se ou deite-se, abrindo-se para suas energias. Deixe sua consciência se
fundir com a dele, veja o mundo ao seu redor com os olhos dele e deixe-o
falar com você através de sua mente interior. Esta comunhão com o Guardião
do Portal é o primeiro passo nas explorações dos mistérios do Abismo.
O Portão do Abismo
Capítulo 18

TO portal HE que leva ao Abismo é marcado pela estrela de sete pontas


como o ponto de entrada e duas torres sentinelas nos lados claro e escuro da
Árvore Cabalística. A torre branca fica no limiar do lado do dia, marcando o
Portão de Daath - Conhecimento. A torre negra marca o Portão de Belial -
The Worthless One - e pode ser acessada por aqueles que viajam pelos
caminhos do Lado Noturno. Daath / o próprio Abismo é um lugar de
travessia, que não existe nem na Árvore da Vida nem na Árvore da Morte, ou
talvez em ambas, conectando o lado diurno e o lado noturno. Essa dualidade
de princípios opostos - luz e escuridão, dia e noite, vida e morte, ser e não ser
- é um motivo recorrente na gnose de Belial.
Na Cabala, e da perspectiva da Árvore da Vida, acredita-se que Daath seja
a entrada oculta e o ponto de saída para a influência da tríade mais elevada
(Kether-Chokmah-Binah), bem como o portão para o lado escuro de a
Árvore, ou seja, a Qliphoth. Na Tradição Draconiana, o Iniciado entra na
Qliphoth não por Daath, mas pela Caverna de Lilith (a sombra de Malkuth), e
o portão para o Abismo é abordado por um lado completamente diferente
também. Há muito pouca informação sobre este ponto de entrada, já que
normalmente os magos acessam o Abismo da perspectiva da Árvore de
Sephiroth e nunca passam pelo portão do Lado Noturno.
A Qliphoth de Daath é chamada de “Belial” ou “O Inútil”, e é guardada
pelo rei demônio que geralmente é conhecido pelo Iniciado como apenas um
dos espíritos Goéticos. No entanto, seu papel no processo de iniciação do
Lado Noturno não é totalmente revelado até que alcancemos o próprio Portal.
Geralmente estamos familiarizados com guardiões do Abismo como
Choronzon e Shugal, os aspectos feminino e masculino da Besta 666, de
acordo com a Tradição Draconiana. Mas o papel de Belial nesta provação
iniciática raramente é mencionado ou explorado, embora, na verdade, ele seja
um dos primeiros iniciadores na gnose do Abismo.
Isso é confirmado pela lenda goética sobre os demônios presos no vaso de
bronze, que aponta que Belial é a porta e o oráculo que permite a interação e
comunicação com todos os espíritos do Lado Noturno. Além disso, o
significado de Goetia é "uivando", que se refere às vibrações do Abismo e
sugere que este e outros grimórios semelhantes que pertencem à tradição
salomônica eram registros da tentativa do homem de passar pelo Portal e
explorar o lado escuro do Cabalístico Árvore.
No caminho do Lado da Noite, o Abismo é visto como a zona de transição
do mundo fenomenal da aparência para sua fonte numênica, isto é, a não
manifestação. Para entrar no Abismo, temos que deixar o nosso mundo para
trás e seus assuntos, e as coisas materiais não devem mais ter nenhum valor
para nós - daí o título "Inútil". Esse título, entretanto, não deve ser entendido
no sentido mundano, pois é, como os outros conceitos da Árvore Cabalística,
um termo espiritual relacionado ao caminho de iniciação e provações que
aguardam um indivíduo no caminho.
O sigilo do portão

Neste trabalho é possível usar o sigilo de Belial como o ponto focal e o


portal para as forças do Abismo, mas também há um sigilo que é projetado
para representar especificamente o próprio Portal. Ele mostra a estrela de sete
pontas como o ponto de entrada, bem como de saída, para o Abismo,
combinada com o Pilar da Ascensão e as torres de Belial que ficam como
sentinela no limiar tanto do lado diurno quanto do lado noturno. Para
trabalhar com a gnose de Belial e em ritos de invocação e evocação, é
recomendado usar seu sigilo fornecido anteriormente neste texto, mas para o
funcionamento com o próprio Portal, sugiro usar o sigilo apresentado na
página anterior.
Acenda as velas, queime o incenso e fique de pé ou sente-se em uma
posição confortável. Unja o sigilo do Portal com seu sangue e concentre toda
sua atenção nele. Veja como ele se torna carregado, desperto e ativado com
sua força vital. Ao mesmo tempo, entoe o seguinte chamado como um
mantra:
Lorde Belial, Rei Demônio do Lado
Noturno, abra para mim o Portão para
o Abismo!
Continue olhando para o sigilo até que você possa memorizar facilmente
sua forma. Sinta as energias de Belial fluindo através dele e entrando em seu
corpo através do terceiro olho. Envie a mensagem através do sigilo e peça a
ele sua presença e orientação na jornada através do Portal para o Abismo. Em
seguida, feche os olhos e visualize o sigilo em sua mente interior, formando-
se no espaço negro e brilhando com fogo. Imagine que ela cresce e se torna
cada vez maior, formando um portal através do qual você pode viajar para os
reinos do Lado Noturno. Então veja o portal se transformando na forma do
rosto demoníaco de Belial. Sua pele é a pele escamosa de uma serpente. Seus
olhos estão brilhando como brasas. Sua língua está bifurcada. E, finalmente,
você nota dois chifres crescendo em sua cabeça, formando torres - um branco
e outro preto. A torre branca é cercada por uma névoa espessa, o negro está
entre nuvens negras pesadas e relâmpagos caindo por toda parte. Entre eles,
você pode ver a estrela ardente de sete pontas - o Portão de Belial.
Neste ponto, você está pronto para viajar pelo Portal. Dependendo de suas
habilidades, projete sua consciência, viaje por ela em seu corpo astral ou
simplesmente visualize-se entrando pelo Portal. Por um momento, tudo
desaparecerá e você se encontrará na escuridão total. Em seguida, visualize o
rei demônio no trono. Na verdade, parece dois tronos unidos, e também há
duas figuras encapuzadas - uma é preta, representando o conhecimento do
Lado Noturno, a outra é branca, simbolizando a gnose do Lado Dia. O trono
gira no sentido anti-horário, e você pode enfrentar e interagir com ambos os
aspectos do rei demônio. Agora você pode fazer qualquer pergunta que possa
ter sobre a viagem. Não se esqueça de anotar todas as respostas após o
trabalho, incluindo visões, pensamentos, emoções, ou qualquer outra coisa
que você tenha experimentado. O rei demônio pode não falar com você
diretamente, mas ele transmitirá a mensagem por meio de sua mente
subconsciente, o que também pode se manifestar por meio de sonhos
experimentados durante e após o trabalho com este grimório.
Se você deseja explorar o Portal através da magia dos sonhos, execute o
trabalho um pouco antes de dormir e, quando terminar a jornada ao trono de
Belial, deite-se em sua cama e traga as visões que acabou de experimentar em
sua mente mais uma vez. Em seguida, tente adormecer com a mente focada
na intenção do trabalho do sonho. Você também pode fortalecer essa prática
cantando o nome do rei demônio ou simplesmente falar algumas palavras
pessoais para convidá-lo
para seus sonhos. Anote todos os seus sonhos ao acordar e, se possível, use-
os para um trabalho meditativo posterior.
O Templo de Belial
Capítulo 19

A chave do templo

WDEPOIS que você estabelecer uma comunicação sólida com o rei


demônio, a visão inicial do trono no espaço negro será transformada em seu
templo. Para entrar no templo e explorar seus mistérios, você pode usar o
sigilo da Chave fornecida acima. Medite sobre ele da mesma maneira que
você trabalhou com o sigilo do Portal: unja-o com seu sangue, olhe para ele
até que você possa se lembrar de sua forma e visualize-o em sua mente
interior. Então veja o sigilo se transformando na forma do rei demônio. Neste
ponto, ele começará a revelar suas outras manifestações para você, e aquela
encontrada no templo é ligeiramente diferente do que você viu no Portal.
Desta vez, visualize uma figura encapuzada com cabeças esqueléticas
segurando duas foices. Ele está flutuando no ar, cercado por um anel
rodopiante de ossos afiados em lâminas. À medida que você solicita
comunhão com sua essência e se funde com sua energia, os ossos afiados
perfurarão seu corpo por todos os lados. Isso pode parecer muito físico, e
você pode experimentar certas sensações dolorosas enquanto isso acontece,
mas depois de um tempo tudo voltará ao equilíbrio e você se sentirá
conectado com Belial em um nível muito mais profundo do que antes. Ele
também pode aparecer aqui como um crânio flutuante, uma massa amorfa de
ossos e tentáculos ou a figura sombria de um homem em um manto com
capuz.
Fortalecido por sua essência, visualize-se em uma paisagem escura do
deserto. Tudo aqui está nas cores preto e vermelho sangue. Há sangue seco na
areia do deserto e o céu parece carne podre. O templo está sozinho, em forma
de torre, com abutres circulando acima. Existem crânios e ossos espalhados
pelo chão, e toda a construção também parece feita de crânios. Dentro do
templo há escadas que levam para cima e para baixo, refletindo o duplo
aspecto da gnose de Belial - o do lado do dia e o do lado da noite, que fora do
portão é visto na forma de duas torres. Aqui, entretanto, é um, refletindo os
aspectos conjugados de sua gnose. Há muitas aranhas lá dentro, e todo o
interior é iluminado por uma luz branca muito pálida e medonha. Você pode
explorar os templos superior e inferior se desejar (há um trabalho focado nos
aspectos do lado diurno e do lado noturno da torre de Belial desenvolvido
pelo Templo da Chama Ascendente e disponível para download no site do
Templo), mas neste trabalhando vamos nos concentrar na câmara central.
Existem mais câmaras no templo, e neste grimório trabalharemos com
algumas delas, mas as outras serão deixadas para você explorar em suas
próprias viagens. Há um enorme olho reptiliano na parede, piscando e se
movendo, olhando para você com seu olhar penetrante. Existem também três
anéis concêntricos de fogo e um altar na parte central da câmara. Tudo está
escuro e, ao entrar no templo, você também pode sentir a presença de outros
seres, mas só pode ver suas formas se movendo nas paredes. Esses seres são
parte de você, manifestações de seu Eu Sombra das quais você ainda não está
ciente. Eles ficarão perto, mas se escondendo nas sombras, sussurrando
mensagens aos seus ouvidos, tocando você e enchendo seus olhos de visões.
Para absorver os poderes do templo, você precisa se deitar no altar e deixar
que a sombra dele devore seu corpo. Em seguida, ele substituirá seus ossos
pelo que ele mesmo chama de “os ossos do dragão”, forjando e
transformando seu corpo sutil na forma de um dragão. Estas são as próprias
bases do “Corpo do Dragão” no caminho da iniciação Draconiana. Quando a
transformação estiver completa, você sentirá sua nova forma de uma forma
mais tangível do que nunca, mesmo que já tenha trabalhado com essas
transformações em sua prática anterior. Você sentirá seus ossos sendo
prolongados, seu esqueleto transformado, o sangue fluindo em suas veias
como lava em chamas, se espalhando para cada célula de seu corpo, se
acumulando em seus pulmões e exalado com seu sopro de fogo.
Quando você continuar voltando para o templo, você verá a mudança e
se transformar, pois você também será alterado por este trabalho. As trevas
serão sucessivamente dispersas pela luz do Fogo do Dragão, os ossos e
crânios que compõem as estruturas do templo serão transformados em puro
cristal, e as sombras avançarão e se revelarão a você, trazendo assim o
inconsciente para a luz da consciência. Em meu próprio trabalho, o templo
era a princípio uma tumba empoeirada, com crânios e ossos espalhados sem
rumo, teias de aranha ao redor e quase nenhuma luz. A manifestação final foi
a de uma bela câmara dourada, cheia de luz e fogo, e o senhor do templo
removeu sua máscara de morte, revelando-se como uma antiga força de
transformação, primitiva e eterna. Este rosto não pode ser descrito em
nenhuma palavra, pois é mais antigo que qualquer idioma e só pode ser
vivenciado.
O Olho do Rei Demônio
Capítulo 20

TO sigilo apresentado acima representa o Olho do Rei Demônio, que é


"o Olho que Olha para o Abismo". No trabalho mágico, pode ser usado como
um meio em todos os tipos de práticas de vidência que visam a comunicação
com o Guardião e os habitantes do Abismo. Ele permite que o praticante olhe
através do Portal de Belial sem realmente viajar até lá.
Tudo que você precisa para esta prática é o sigilo desenhado em preto em
um fundo branco, ou em preto em branco, e o espelho preto. O espelho preto
é o melhor meio para trabalhar com Belial na visão e evocação. Coloque-o na
sua frente, acenda as velas, queime o incenso e foque no sigilo. Olhe para o
sigilo até que você possa projetá-lo na superfície preta do espelho, ao mesmo
tempo, entoando o chamado:
Lord Belial, Guardião do Portão,
Deixe-me contemplar os mistérios da
noite!
Essas palavras não precisam ser exatamente as mesmas e você pode torná-
las pessoais, especialmente se quiser ver algo específico ou entrar em contato
com uma entidade escolhida. Também pode ser usado para comunicação com
o próprio rei demônio.
Quando você vir o sigilo no espelho mudando e se transformando em
outras formas, use-o como um portal para as forças do Abismo - peça o que
você quer ver e abra-se a todas as visões, transmissões e outras formas de
comunicação que possam vir a seguir. Você pode ver o Olho se
transformando em um vórtice rodopiante de espadas e chamas, o que sinaliza
que o portal foi aberto e as energias podem fluir. Lembre-se de que funciona
nos dois sentidos - você
pode receber mensagens do Outro Lado, mas você também pode enviar sua
intenção pelo gateway.
Se a vidência não é sua prática favorita e você tem problemas para se
conectar dessa forma com as forças do Abismo, simplesmente use o Olho
como um sigilo normal - abra e ative-o com seu sangue, medite sobre ele até
que possa visualizar sua forma dentro de seu interior mente, e use-a para
invocar a consciência de Belial e, assim, olhar através do Portal.
Quando as visões cessarem, agradeça a Belial por sua ajuda nesta prática,
apague as velas e encerre o trabalho com algumas palavras pessoais.
Os Mistérios do Ceifador
Capítulo 21

O seu trabalho é uma fórmula de atravessar os seis portões do templo de


Belial, que abre “o Caminho do Ceifador” para aqueles que desejam abraçá-
lo.
Esta é uma fórmula de sangue e sacrifício (como nos outros trabalhos
neste grimório, o sangue tem que ser seu), que foi revelada a mim através de
meu trabalho pessoal com o rei demônio. Consiste em seis portões e câmaras
que despertam e ativam certas habilidades psíquicas, permitindo canalizar e
manifestar aqueles aspectos da corrente de Belial que estão conectados com
seus poderes de morte e seu papel como Ceifador.
Essas habilidades podem ser usadas em uma variedade de ritos e operações
necromânticas que envolvem o trabalho com as energias da morte. O que
deve ser lembrado, no entanto, é que o templo de Belial fica no limiar do
Abismo, e estamos lidando aqui com as energias da morte em sua forma mais
elevada, ao invés do princípio da morte que é encontrado através do
funcionamento do plano astral que normalmente constituem a maior parte da
tradição necromântica.
The Jaws of Belial
Para entrar nesta fórmula conforme revelada por Belial, visualize-se em
seu templo. Chame-o e peça-lhe para guiá-lo no Caminho do Ceifador. Em
seguida, visualize que ele se manifesta diante de você, desta vez como um
enorme crânio feito de cobras pretas. Jogue um pouco do seu sangue no sigilo
dele. Quando isso for feito, imagine que suas mandíbulas se abram, revelando
um corredor que leva mais adiante em sua têmpora. Você pode imaginar a
entrada do túnel na forma do sigilo fornecido acima. Entre no portal e
comece a andar pelo corredor. Conforme você avança, você notará que as
paredes são feitas de carne viva e há ossos e crânios espalhados pelo chão.
Finalmente, imagine que o corredor termina e você está diante de uma porta
com o sigilo do primeiro portão esculpido nela.

O sigilo do primeiro portão


Esta é a primeira etapa do Caminho do Ceifador. A própria câmara é
pequena e parece feita de ossos de costelas de seres primordiais gigantes. Há
um anel de ossos afiados no centro, que é chamado de "altar do Ceifador".
Este é o lugar onde você sacrifica sua essência de vida para poder abraçar o
caminho da morte. Imagine que você entra no anel e, ao mesmo tempo, deixa
cair um pouco de sangue no sigilo do primeiro portão. Veja como sua
substância vital o deixa e você é preenchido com a essência de Belial.
Visualize-se como o Ceifador com corpo esquelético e em um manto com
capuz. Então veja como outra porta se abre dentro da câmara, revelando outro
corredor escuro, levando mais fundo no corpo de Belial. Passe por ela,
pisando novamente entre ossos e crânios, até chegar a uma porta que leva ao
próximo estágio do caminho.
O sigilo do segundo portão
A câmara contém outra construção de osso, semelhante às foices do sigilo.
É chamado de “pólo do Ceifador” e é o eixo para a alma percorrer o caminho.
A jornada é diferente para cada viajante e, portanto, o significado desta parte
da fórmula será revelado a cada Iniciado sozinho. Novamente, derrame seu
sangue no sigilo e, ao fazer isso, veja como as foices se afastam, revelando
outra porta e outro corredor. Continue a jornada como fez antes, até chegar à
terceira porta com o sigilo do terceiro portão.
O sigilo do terceiro portão
Esta câmara é construída com ossos que parecem vértebras na coluna
vertebral. Há também outra construção - uma enorme foice feita de ossos
também. Esta é uma das ferramentas no Caminho do Ceifador, e nas câmaras
específicas do templo você pode ativar e abraçar todas ou apenas aquelas que
desejar. Novamente, desperte os poderes da câmara com seu sangue,
deixando-o cair no sigilo e pegue a foice em suas mãos. À medida que você
faz isso, a câmara se abre e você pode avançar para a próxima parte do
templo. Passe por outro corredor escuro até chegar a uma porta com o sigilo
do quarto portão.

O sigilo do quarto portal


Esta câmara contém uma construção em forma de triângulo com uma
enorme foice feita de ossos dentro dela. Esta é a foice do Ceifador.
Novamente, o significado desta fórmula é revelado a cada viajante
individualmente. Jogue seu sangue no sigilo e ative a câmara, então pegue a
foice em suas mãos e absorva seu poder. Quando isso for feito, veja como o
triângulo se torna um portal que leva à próxima câmara. Entre no portal e
atravesse o corredor até chegar à próxima porta. O símbolo esculpido nele é o
sigilo do quinto portão.
O sigilo do quinto portão
Esta câmara contém uma construção de pedra, um altar com quatro tochas
acesas, cada uma em um canto. Também há os símbolos da foice e da foice
gravados nela, e há crânios em cima dela. É grande e tem degraus para entrar
na parte superior da construção. É chamada de “pira funerária” e reflete outro
aspecto do caminho do sacrifício - aquele no qual você tem que sacrificar as
próprias fundações de sua existência para renascer através dos mistérios do
Ceifador. Novamente, derrame seu sangue no sigilo e deite-se no altar.
Absorva os poderes da câmara e atravesse outro corredor que se abre diante
de você. A última câmara está atrás de uma porta com o sigilo do sexto
portão.

O Sigilo do Sexto Portal


Esta câmara é chamada de "tumba". Também é diferente das outras
câmaras. Há cobras e ratos no chão e, além deles, o lugar está vazio e úmido.
Este é o coração da entropia, onde nada resta e onde você pode experimentar
a dissolução final. Novamente, ative o sigilo com seu sangue e absorva os
poderes do lugar.
Quando você completar sua jornada através dos seis portões do Ceifador,
você ressurgirá do crânio para a câmara principal do templo. A boca de Belial
nesta fórmula é um útero onde o Iniciado renasce. Ele devora o Iniciado e
então cospe a alma de volta, reestruturada e renasce através do batismo de
sangue e do Caminho do Ceifador. Você receberá muita gnose pessoal nesta
jornada, referindo-se ao seu passado, presente e futuro, bem como à sua vida,
objetivos, relacionamentos, etc. No entanto, é exclusivamente sua sua decisão
de fazer ou não esses lições. Depois que toda a fórmula for completada, você
verá outra porta se abrindo diante de você - o sétimo portal do Ceifador. Seu
sigilo e poderes serão revelados a você após a conclusão da jornada. Este
último portão deve ser explorado por conta própria, por meio de sua prática
pessoal,
Gnose do Limiar
Capítulo 22

WQUANDO você entrar no limiar do Abismo, você se encontrará na


escuridão pura e crua, onde nada vive e nada existe. Não há deuses ou
espíritos lá, e muitas vezes você se sentirá inseguro se mesmo está lá, pois
pode ter uma profunda sensação de dissolução, na qual não será capaz de ver,
sentir ou pensar. Essa sensação pode ser comparada a ser sugado para um
buraco negro, e o que resta é a tela pura do Vazio, em branco e à espera de
manifestação. Normalmente, esse vazio é imediatamente preenchido com
várias manifestações da mente, portanto, demônios e monstros associados ao
Abismo. Ao assumir a consciência de Belial, tornamo-nos capazes de
experimentar esse estado de vazio em sua forma pura e primordial. Essa
consciência parece estar completamente vazia e isolada de todas as
necessidades e apegos - mundanos, corporais, intelectual, emocional e assim
por diante. É uma condição entre ser e não ser, manifestação e não
manifestação, vida e morte. Neste estado, não temos noção de tempo ou
espaço e nada existe, incluindo o mundo, nossa vida e nós mesmos - tudo o
que éramos não importa mais - nos tornamos “O Inútil”.
A consciência de Belial é o estado de perfeito vazio. Não há visões ou
sentimentos, como geralmente é experimentado em rituais e meditações,
apenas a desolação pura, primitiva e atávica do nada. A princípio, este
trabalho pode não ser assim e você experimentará Belial em suas várias
manifestações, mostrando-lhe vários aspectos de sua gnose e ensinando-lhe
lições sobre o caminho. Mas somente quando você atingir este estágio em seu
trabalho, você estará verdadeiramente pronto para entrar no Abismo e
explorar seus mistérios.
Através do deserto de mil olhos
Banhado pela luz primigena
Batizado através do fogo infernal
E emergindo como o vaso de caminhos de
enxofre Cópulas além do trono secreto
Máscaras ocultas de sombras me
ofereceram chamadas primitivas para os
reinos noturnos
Na vacuidade de sentidos eu me torno um
Com a essência primordial do deus mascarado com
chifres Através dos véus de sua presença infinita
Sob as máscaras de Belial
As Máscaras de
Belial O Iniciador
Capítulo 23

Conhecido como o anjo da hostilidade, Belial sobe pelo palácio de fogo


negro na terra e desce aos templos astrais Qliphothic, abrindo um caminho
cheio de gnose primigênica, que transforma a alma do adepto em um
recipiente a ser carregado com os poderosos elixires da venenosa semente
secreta de Belial. Isso cria uma transformação e iluminação dentro do adepto
das artes negras com foco no autodomínio neste plano existencial, afetando
os respectivos processos dentro dos reinos astrais.
As máscaras de Belial e os cantos das transformações infernais iniciam a
liberdade isolada do influxo das religiões monoteístas. As máscaras de Belial
incluem quatro caminhos primários, manifestando uma fórmula potente de
autotransformação, através dos antigos mistérios de diversas formas de
feitiçaria e iluminação, na natureza divina do homem, usando o fogo infernal
para iluminar o processo mágico do adepto. O feiticeiro é guiado a estados
profundos de consciência, o que se abre para estabelecer dentro do adepto
uma rota secreta para o antigo caminho para Belial por meio de um profundo
processo iniciatório de feitiçaria, transformando a mente em um vaso mágico
encarnado para as libações da sabedoria infernal e os poderes de Belial.
Devorando esta essência misteriosa e néctares sagrados,
As máscaras de Belial são escalas infernais e representações obscuras da
consciência humana, com as quais o adepto trabalha ao longo de vários
períodos de tempo. Essas máscaras são os espelhos de Kaos, refletindo
nossos instintos mais profundos e primitivos e, quando abertas, nunca podem
ser
fechado novamente. As máscaras são os atavismos primordiais do vazio, que
o adepto deve usar sempre que for necessário transcender os caminhos
noturnos e viajar além dos reinos astrais.
Nos reinos astrais, o adepto pode assumir as máscaras de Belial para
explorar as regiões inconscientes enquanto viaja através das espirais da
serpente negra e se move por diversos labirintos e corredores sombrios de
túneis Qliphotic. Ao final deste caminho o adepto se transforma em dragão
negro através do segundo processo alquímico, agora tendo alcançado o
autodomínio permitindo transcender os diversos caminhos que levam ao
trono de Thaumiel e beber a luz inefável de seu conhecimento e sabedoria. E
com o conhecimento adquirido aqui, no trono de Thaumiel, o adepto também
é capaz de transcender o deserto da razão e da loucura na forma de um
dragão-serpente negro, oferecendo-se para ser envenenado e devorado pelas
sombras de seus próprios reflexos . Finalmente, o adepto renasce como Belial
em todo o seu esplendor,
Este é o fogo sagrado de Belial, o senhor das profundezas e o guardião que
guia as almas dos adeptos através dos reinos das sombras. Aqui, o adepto
aprende como unir a alma de Belial por meio da morte e do vazio,
começando com a transformação da alma em sua forma divina.
Como o senhor dos reis de Edom, Belial nos convida a nos juntarmos a
eles por seu caminho sagrado e nos conectarmos com os poderes do
conhecimento proibido, abrindo os portões através dos quais a alma do
adepto se conecta em um nível profundo com o vazio, entrando nele por meio
de rituais específicos. Belial é o guardião do fogo secreto, manifestando-se
nas chamas dentro do templo por meio de uma fórmula que nos permite abrir
as portas para o conhecimento e a auto-deificação. A sabedoria de Belial é o
maior conhecimento, poder e magia revelados à alma que desce sob o deserto
de Set. O poder da chama de Belial é convocado por meio de um ritual
profundo para abrir a estela do olho de Belial.
Sigilo do Templo de Belial
A Assunção das Sombras de Belial
Capítulo 24

ATRAVÉS dos trabalhos com as máscaras de Belial, o adepto descobre a


fórmula secreta de fortalecer a alma por meio do fogo sagrado do caminho
para trás. Ao ser devorado pela essência sagrada de Belial, o adepto é guiado
pela própria iniciação, que abre os portões da alma e o caminho das chamas
proibidas para as regiões mais profundas da cidade das pirâmides abaixo do
deserto de Set. Esta fórmula, permitindo abrir as portas para o caminho e o
conhecimento oculto da autodeificação e da alma imortal e se tornar um deus
primordial, é a base do trabalho com Belial.
Belial se manifesta quando o adepto volta para os labirintos de seu templo,
sob os reinos noturnos, e com sua chama negra ilumina o caminho para a
assunção de sua sombra. Isso inicia o processo de transmutação que guia o
adepto para a preparação da alma, por meio do fogo eterno da sabedoria e da
divindade, para se tornar um com Belial.
O caminho venenoso de Belial oferece o influxo de seus néctares
radioativos e venenosos, que são injetados na alma do adepto, transformando-
a em um recipiente para manifestações dos templos astrais. Lá, o adepto é
guiado através da loucura e do êxtase sexual até o portão sem porta, onde é
confrontado com sua própria sombra para transcendê-la.
Cantos Atávicos de Levitação
Escrita Automática
Capítulo SEIS

Através das sombras do dragão negro


Caminhando pelos caminhos da
sabedoria
Queimando através do fogo
infernal Abrindo o portão para a
gnose oculta Uma chamada para
o príncipe da terra
Uma chamada para levantar o dragão negro
Um escorpião mascarado de elixires
venenosos Um deus mascarado
escondido nas sombras
Entre os templos da sabedoria perdida arde
Sob o mar de areia e sangue, fogo e cinzas O
caminho da iluminação é mostrado para mim
E são revelados os segredos de suas misteriosas
máscaras Oh deus escorpião, devore-me através de sua
essência sagrada
Máscaras Deifica de Belial
Capítulo 26

O ritual seguinte é um convite para alcançar a essência de Belial na forma


do dragão-serpente negro. Ele serve como uma ferramenta poderosa de
iniciação no trabalho com Belial. Seu principal elemento é a invocação do
espírito de Belial através de uma de suas máscaras.
Prepare sua câmara ritual da maneira adequada, permanecendo nu, e
queime um pouco de incenso ou, se não conseguir obter nenhum em seu país,
prepare seu próprio incenso. Prepare uma vela preta e o sigilo de Belial
incluído aqui. Você deve pintar o sigilo em um pedaço de papel.
Acenda a vela preta na sua frente e levante seu athame, de frente para o
altar e o sigilo e sussurrando o mantra:
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
Cante por alguns minutos até entrar no transe necessário para continuar o
ritual.
Prossiga então para meditar sobre a essência de Belial na forma do dragão-
serpente negro movendo-se ao seu redor e sinta como sua essência está se
movendo
através da câmara de uma forma vaporosa e sombria. Depois de receber a
gnose, continue o ritual.
Continue observando a chama da vela negra e veja como ela começa a se
transformar em uma sombra negra. Ao mesmo tempo, a névoa roxa se funde
com a sombra negra movendo-se e dançando ao redor da vela. Medite
profundamente sobre como a chama está se transformando no dragão-
serpente negro, cujos olhos vermelhos mostram o caminho para os labirintos
noturnos. Permaneça relaxado, observando como a serpente-escorpião negra
se enrosca em torno da vela e então circunda e penetra em seu corpo, do
chakra inferior ao superior, abraçando você com seu corpo frio primigênio.
Você pode ter uma sensação de extrema tranquilidade e, às vezes, pode até
sentir nostalgia.
Continue visualizando essa energia, e quando você se inflamar nesta
gnose, comece a se masturbar de forma lenta, mas rítmica, repetindo o
mantra:
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET

Continue até o ponto do orgasmo. Então pegue algumas das libações e unja
o sigilo. Pegue o athame e corte seu dedo esquerdo. Coloque algumas gotas
de sangue no sigilo e medite por alguns minutos, visualizando como o sigilo
começa a brilhar com luz púrpura negra e, em seguida, queime o sigilo na
chama da vela negra e recite a seguinte invocação:
Para você, ó deus dragão-serpente
negro Ilumine minha alma além dos reinos
astrais, Conceda-me as chaves de seus
mistérios infinitos
E me abrace com sua essência primigena.
Me batize com seu fogo sagrado
E me ensine línguas estranhas agora
esquecidas Leve-me além do vazio de sua presença
inefável
Ó rei das sombras, mascare e purifique-me em seu fogo infernal.

Encerre com o mantra:

BELIAL AYI OPINT MARET


BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET

E feche a câmara ritual. Deixe a vela preta acesa até que se queime
completamente.
Pilares do Fogo Sagrado de Belial
Capítulo 27

Sigilo da Chama de Belial

Dentro do selo oculto das máscaras desveladas de Belial, abrimos os


templos noturnos abaixo do deserto de Amenta, carregando a coroa venenosa
do deus mais velho dentro da misteriosa chama de seu conhecimento sagrado.

II
Capacitando a alma que arde na torre além de Thaumiel, sob o trono
triunfante nas profundezas do vazio, convocadas são as máscaras de Belial e
os fogos do deus chifrudo do deserto, cuja língua é o olho do escorpião,
abrindo e oferecendo o néctares venenosos de autotransformação.

III
Os pilares do fogo primitivo abrem o caminho para trás para a entrada de
sua manifestação, da carne à alma, forjada no fogo abismal das profundezas
abaixo.
Máscara do Deus Oculto
Pelos Túneis de Belial
Rito de Empoderamento
Capítulo 28

SEU trabalho é um potente rito de capacitação através do uso de poesia


inspirada e invocação velada sob a máscara de Belial, rei da sabedoria
esquecida, cujo fogo iniciático vai para a alma do adepto, nos guiando no
caminho sinistro através do caminho dos sigilos e mantras. O mantra
fornecido neste ritual funciona como um sigilo sônico catalisando a essência
de Belial dentro do adepto por meio dos canais de percepção. A invocação
deve ser recitada em tom agudo, como um canto primigênio, captando a
essência dos aspectos mais sombrios do rei coroado.
Através deste ritual a essência de Belial se faz carne dentro do corpo do
adepto, e seu conhecimento oculto se manifesta em todo o nosso ser, afetando
o desenvolvimento espiritual e psíquico. Por meio desse trabalho, o adepto se
torna seu próprio guia e guardião da chama negra que capacita a prática e a
autodeificação em sua forma mais pura.
A fórmula revelada aqui é um caminho para a compreensão e exploração
dos túneis de Belial, suas manifestações primordiais e métodos de trabalho do
caminho astral para descer aos seus templos e caminhar pelos labirintos que
refletem suas diversas máscaras.
O uso de um espelho de obsidiana é muito importante aqui. Ajuda abrir os
templos astrais para explorar cada um dos túneis gerados através da gnose
apropriada ao trabalhar com Belial. Para o ritual, você precisará de uma vela
preta, o sigilo e o espelho de obsidiana.
Sente-se em frente ao altar e acenda a vela preta, colocando o espelho de
obsidiana atrás da vela. Em seguida, medite por algum tempo até entrar em
um estado adequado e se sentir pronto para penetrar os véus da chama da vela
e abrir o templo de obsidiana. Concentre-se na chama da vela e visualize um
olho aberto dentro da chama e raios roxos saindo dela, densos e vaporosos,
entrando no sigilo na frente do espelho de obsidiana. Visualize como o sigilo
queima e abre o portão do templo através do espelho de obsidiana. Cante o
mantra de Belial:
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET
BELIAL AYI OPINT MARET

E recite a invocação:
Eu sou o observador do portão de obsidiana, lançando os círculos eternos
de fogo
e ar
Dentro das chamas secretas dos labirintos de obsidiana
Para explorar o trono brilhante do deus dragão-serpente chifrudo do deserto
Abrindo a chama negra sulfúrica e a fumaça secreta de Belial
Iniciador do caminho da sabedoria, abridor do olho oculto
Deus do trono púrpura, ouça meus chamados das sombras do fogo sem
fumaça Cujos ventos emergem dos vasos do vazio
Banhando-me em néctares venenosos de conhecimento
oculto Através da areia do deserto do portal
crepuscular Bebendo a essência da luz
espectral,
Guia, observador e guardião, guardião do segredo
Levanta-te do sétimo ar, dançando em volta da fumaça da carne divina
Cubra-me com o fogo de sua respiração nas águas sem volta
Nas águas do êxtase e apostasia
Mostre-me o caminho da luz líquida carmesim e roxa,
Carregando meu espírito para seus templos espectrais, dragão-
serpente deus do deserto cinza
Minhas ofertas e cantos são para você, poderoso BELIAL.
Continue olhando para o espelho de obsidiana e entre lentamente no portal
que está se abrindo dentro dele. Visualize uma grande árvore nodosa, cujas
raízes revelam degraus para os túneis primitivos. Você vai explorar sete
túneis, cada um apresentando diferentes maneiras de se fortalecer. Use
diversos símbolos e métodos para explorar cada um dos túneis e continue a
trabalhar com cada um deles por sete dias até se familiarizar com todos os
labirintos e métodos de trabalho. Se você tiver quaisquer outras experiências
ou manifestações lá, sinta-se à vontade para entrar em contato comigo. Aqui
estão algumas informações sobre minhas experiências em cada um dos sete
túneis de Belial:
O Primeiro Túnel

Este túnel ativa a influência e a manifestação do conhecimento oculto dos


planos acausais. Seus símbolos e rituais ajudam o adepto a se mover através
de diversos portões e planos diferentes.

O Segundo Túnel

Este túnel ativa o conhecimento oculto do uso de sangue e talismãs


secretos para a construção de armas mágicas e fetiches.

O Terceiro Túnel
Este túnel ativa o lado sombrio do adepto e permite a exploração do
conhecimento oculto dos reinos dos mortos e das influências necromânticas.

O Quarto Túnel
Este túnel ativa o conhecimento oculto da árvore noturna, seus rituais
secretos e símbolos revelados ao adepto para suas futuras explorações.

O Quinto Túnel
Este túnel ativa o conhecimento oculto através da construção e uso de
tinturas mágicas, incensos e venenos de diversas plantas.

O Sexto Túnel
Este túnel ativa o conhecimento oculto de trabalhar com ferramentas
oraculares, como madeira, ossos e cristais.

O Sétimo Túnel
Este túnel tem sido inacessível para mim até agora e estou trabalhando
intensamente para me concentrar nele no momento.
Sigilo do portão Obsidina
Torne-se um Deus Vivo
Editor

TO lema definitivo da transcendência humana, Torne-se um Deus vivo


dá as boas-vindas aos magickos para maximizar sua individualidade,
liberdade e poder pessoal.
Navegue por um catálogo completo de cursos em vídeo, rituais para
alugar, grimórios físicos, talismãs e consultas em BecomeALivingGod.com.
A série Nine Demonic Gatekeepers envolve o contato oficial da
humanidade com diplomatas pré-humanos da Escuridão Exterior. Eles foram
deificados e diabolizados por uma miríade de civilizações em todos os
continentes ao longo de milênios; pela primeira vez, os feiticeiros aspiram a
desmascarar pacificamente essas forças pré-históricas e permitir um discurso
sem censura.

Volume Um: Belial, Sem Mestre


Volume Dois: Lúcifer, o Iluminador
Volume Três: Azazel, o Bode
Expiatório Volume Quatro: Abaddon,
o Destruidor Volume Cinco: Lucífugo,
Senhor dos Pactos Volume Seis:
Belzebu, Senhor das Moscas Volume
Sete: Baal, a régua
Volume Oito: Asmodeus, Lust & Wrath
Volume Nove: Satanás, o Adversário •