Você está na página 1de 17

Andrei Chikatilo

 Andrei Romanovich Chikatilo (16 de outubro de 1936 - 14 de fevereiro 1994) foi


um Serial Killer Soviético, apelidado de Açougueiro de Rosto, Red Estripador e
Estripador de Rostov , que agrediu , assassinou e mutilou sexualmente pelo menos
52 mulheres e crianças entre 1978 e 1990 na SFSR russa, SSR ucraniano e SSR
uzbeque. 
 Chikatilo era conhecido como "Estripador de Rostov" e "Açougueiro de Rostov"
devido ao fato de ter cometido a maioria de seus assassinatos
no Oblast de Rostov da SFSR russa.
 Andrei Chikatilo nasceu em 16 de outubro de 1936 na aldeia
de Yabluchne, no Sumy Oblast da SSR ucraniana. Na época de seu nascimento, a
Ucrânia estava dominada por uma crise de fome causada pela coletivização da
agricultura forçada de Joseph Stalin. Os pais de Chikatilo eram
ambos trabalhadores coletivos que viviam em uma cabana de um quarto. Eles não
recebiam salário por seu trabalho, mas recebiam o direito de cultivar um lote de
terra atrás da cabana da família. A família raramente tinha comida suficiente; O
próprio Chikatilo mais tarde alegou não ter comido pão até os 12 anos de
idade, [acrescentando que ele e sua família costumavam comer grama e folhas, em
um esforço para conter a fome. 
 Ao longo de sua infância, Chikatilo foi repetidamente informado por sua mãe Anna
que antes de seu nascimento, um irmão mais velho chamado Stepan tinha, aos
quatro anos de idade, sido sequestrado e canibalizado por vizinhos famintos,
embora nunca tenha sido estabelecido se isso realmente ocorreu um incidente ou
se um Stepan Chikatilo existia. No entanto, Chikatilo lembrou sua infância como
sendo arruinada pela pobreza, ridículo, fome e guerra.
 Quando a União Soviética entrou na Segunda Guerra Mundial , o pai de Chikatilo,
Roman, foi recrutado para o Exército Vermelho . Mais tarde ele seria preso após
ser ferido em combate. Entre 1941 e 1944, Chikatilo testemunhou alguns dos
efeitos da ocupação nazista da Ucrânia , que ele descreveu como "horrores",
acrescentando que testemunhou bombardeios, incêndios e tiroteios dos quais ele e
sua mãe se escondiam em porões e valas. Em uma ocasião, Chikatilo e sua mãe
foram forçados a assistir sua própria cabana queimar no chão.
 Em 1943, a mãe de Chikatilo deu à luz uma menina, Tatyana. Como o pai de
Chikatilo havia sido recrutado em 1941, ele não poderia ter sido pai dessa
criança. Como muitas mulheres ucranianas foram estupradas por soldados
alemães durante a guerra, especula-se que Tatyana foi concebida como resultado
de um estupro cometido por um soldado alemão. Como Chikatilo e sua mãe
moravam em uma cabana de um quarto, esse estupro pode ter sido cometido na
presença de Chikatilo.
 Em setembro de 1944, Chikatilo começou a estudar. Embora tímido e
ardentemente estudioso em criança, ele era fisicamente fraco e frequentava
regularmente a escola com roupas caseiras e, em 1946, com o estômago inchado
de fome resultante da fome no pós-guerra que assolava grande parte da União
Soviética. Em várias ocasiões, essa fome fez com que Chikatilo desmaiasse em
casa e na escola, e ele foi constantemente alvo de agressores que zombavam
regularmente de sua estatura física e natureza tímida. Em casa, Chikatilo e sua
irmã eram constantemente repreendidos por sua mãe. Tatyana mais tarde lembrou
que, apesar das dificuldades sofridas pelos pais, o pai era um homem gentil,
enquanto a mãe era dura e implacável com os filhos.
 Chikatilo desenvolveu uma paixão pela leitura e memorização de dados, e
frequentemente estudava em casa, tanto para aumentar seu senso de autoestima
quanto para compensar sua miopia, o que frequentemente o impedia de ler o
quadro-negro da sala de aula. Para seus professores, Chikatilo era um excelente
aluno a quem eles costumavam elogiar.
 Na adolescência, Chikatilo era um estudante modelo e um comunista ardente. Ele
foi nomeado editor do jornal da escola aos 14 anos e presidente do comitê
do Partido Comunista dos alunos dois anos depois. Leitor ávido de literatura
comunista, ele também recebeu a tarefa de organizar marchas nas ruas. Embora
Chikatilo afirmasse que o aprendizado não lhe era fácil devido a dores de cabeça e
falta de memória, ele foi o único aluno de sua fazenda coletiva a concluir o último
ano de estudos, graduando-se com excelentes notas em 1954. 
 No início da puberdade , Chikatilo descobriu que sofria de impotência crônica ,
agravando seu constrangimento social e seu ódio. Ele era tímido na companhia de
mulheres; sua primeira paixão, aos 17 anos, foi por uma garota chamada Lilya
Barysheva, com quem ele se familiarizou através do jornal da escola, mas ele
estava cronicamente nervoso em sua companhia e nunca lhe pediu um
encontro. No mesmo ano, Chikatilo pulou sobre um amigo de 11 anos da irmã mais
nova e a jogou no chão, ejaculando enquanto a menina lutava ao seu alcance.
 Após sua graduação, Chikatilo se candidatou a uma bolsa de estudos
na Universidade Estadual de Moscou . Embora ele tenha passado no exame de
admissão com notas boas a excelentes, suas notas não foram consideradas boas
o suficiente para aceitação. Chikatilo especulou que seu pedido de bolsa de
estudos foi rejeitado devido ao histórico de guerra contaminado por seu pai (seu
pai foi considerado traidor por ter sido feito prisioneiro em 1943), mas a verdade é
que outros estudantes tiveram um desempenho melhor. Ele não tentou se
matricular em outra universidade; em vez disso, ele viajou para a cidade de Kursk ,
onde trabalhou como trabalhador por três meses antes - em 1955 - de se
matricular em uma escola profissional com o objetivo de se tornar um técnico de
comunicação. No mesmo ano, Chikatilo formou seu primeiro relacionamento sério,
com uma garota local dois anos mais nova. Em três ocasiões distintas, o casal
tentou relações sexuais, embora em cada ocasião Chikatilo fosse incapaz de
sustentar uma ereção. Depois de dezoito meses, ela interrompeu o
relacionamento.
 Após a conclusão de seu treinamento profissional de dois anos, Chikatilo mudou-
se para a cidade de Nizhny Tagil Urais para trabalhar em um projeto de construção
de longo prazo. Enquanto morava em Nizhny Tagil, ele também fez cursos por
correspondência em engenharia com o Instituto Eletrotécnico de Comunicação de
Moscou. Ele trabalhou nos Urais por dois anos até ser convocado para o Exército
Soviético em 1957.
 Chikatilo executou seu serviço militar obrigatório entre 1957 e 1960, designado
primeiro para servir com guardas de fronteira na Ásia Central , depois para
uma unidade de comunicações da KGB em Berlim. Aqui, seu histórico de trabalho
era impecável, e ele ingressou no Partido Comunista em 1960, pouco antes de seu
serviço militar terminar. 
 Ao completar seu serviço, Chikatilo retornou à sua aldeia natal para morar com
seus pais. Ele logo se familiarizou com uma jovem divorciada. O relacionamento
de três meses terminou após várias tentativas mal sucedidas de relação sexual,
após as quais a mulher inocentemente pediu conselhos a seus amigos sobre como
Chikatilo poderia superar sua incapacidade de manter uma ereção. Como
resultado, a maioria de seus colegas descobriu sua impotência. Em uma entrevista
de 1993 sobre esse incidente, Chikatilo declarou: "As meninas estavam passando
pelas minhas costas, sussurrando que eu era impotente. Fiquei com tanta
vergonha. Tentei me enforcar. Minha mãe e alguns vizinhos jovens me tiraram do
laço. Bem, Pensei que ninguém iria querer um homem tão envergonhado. Então
tive que fugir dali, para longe da minha terra natal." 
 Depois de vários meses, Chikatilo conseguiu um emprego como engenheiro de
comunicações em uma cidade localizada ao norte de Rostov do Don. Ele se
mudou para a SFSR russa em 1961, alugando um pequeno apartamento perto de
seu local de trabalho. No mesmo ano, sua irmã mais nova, Tatyana, terminou a
escola e mudou-se para o apartamento dele (seus pais se mudariam para a região
de Rostov logo depois). Tatyana viveu com o irmão por seis meses antes de se
casar com um jovem local e se mudar para a casa de seus sogros; ela não notou
nada desagradável em relação ao estilo de vida de seu irmão além da timidez
crônica em torno das mulheres e resolveu ajudá-lo a encontrar uma esposa e
iniciar uma família.
 Em 1963, Chikatilo casou-se com uma mulher chamada Feodosia Odnacheva, a
quem ele fora apresentado por sua irmã mais nova. Segundo Chikatilo, apesar de
ter sido atraído por Feodosia, seu casamento foi efetivamente arranjado, ocorrendo
apenas duas semanas depois do encontro e no qual os papéis decisivos foram
desempenhados por sua irmã e seu marido.
 Mais tarde, Chikatilo afirmou que sua vida sexual conjugal era mínima e que,
depois que sua esposa entendeu que ele era incapaz de manter uma ereção, eles
concordaram que ela conceberia ele ejaculando externamente e empurrando
seu sêmen dentro da vagina com os dedos. Em 1965, Feodosia deu à luz uma
filha, Lyudmila. Quatro anos depois, em 1969, nasceu um filho chamado Yuri.
 Chikatilo escolheu se matricular como estudante de correspondência
na Universidade de Rostov em 1964, estudando literatura e filologia russa; ele se
formou nessas disciplinas em 1970. Pouco antes de se formar, Chikatilo conseguiu
um emprego gerenciando atividades esportivas regionais. Ele permaneceu nessa
posição por um ano, antes de iniciar sua carreira como professor de língua e
literatura russa em Novoshakhtinsk.
 Chikatilo era amplamente ineficaz como professor; embora conhecedor das
matérias que lecionava, ele raramente conseguia manter a disciplina em suas
aulas e era regularmente alvo de escárnio por seus alunos que, segundo ele, se
aproveitavam de sua natureza modesta. 
 Em maio de 1973, Chikatilo cometeu seu primeiro ataque sexual conhecido contra
um de seus alunos. Nesse incidente, ele nadou em direção a uma garota de 15
anos e apalpou seus seios e órgãos genitais, ejaculando enquanto a garota lutava
contra seu aperto. Meses depois, Chikatilo agrediu sexualmente outra adolescente
que ele havia trancado em sua sala de aula. Ele não foi disciplinado por nenhum
desses incidentes, nem pelas ocasiões em que colegas professores observaram
Chikatilo acariciando-se na presença de seus alunos. Um dos deveres de Chikatilo
nessa escola era garantir que seus alunos estivessem presentes em seus
dormitórios à noite; em várias ocasiões, ele é conhecido por ter entrado no
dormitório das meninas na esperança de vê-las despidas.
 Em resposta ao crescente número de reclamações feitas contra ele por seus
alunos, o diretor da escola convocou Chikatilo para uma reunião formal e informou
que ele deveria renunciar voluntariamente ou ser demitido. Chikatilo deixou seu
emprego discretamente e encontrou outro emprego como professor em outra
escola em Novoshakhtinsk, em janeiro de 1974. Ele perdeu o emprego devido a
cortes de pessoal em setembro de 1978, antes de encontrar outra posição de
professor em Shakhty, uma cidade de mineração de carvão perto de Rostov do
Don.
 A carreira de Chikatilo como professora terminou em março de 1981, após várias
queixas de abuso sexual de crianças contra alunos de ambos os sexos. No mesmo
mês, ele começou a trabalhar como balconista de suprimentos para uma fábrica
com sede em Rostov, que produzia materiais de construção. 
 Em setembro de 1978, Chikatilo mudou-se para Shakhty, onde cometeu seu
primeiro assassinato documentado. Em 22 de dezembro, Chikatilo atraiu uma
menina de 9 anos chamada Yelena Zakotnova para uma casa antiga que ele havia
adquirido secretamente; ele tentou estuprá-la, mas não conseguiu uma
ereção. Quando a menina lutou, ele a sufocou e a esfaqueou três vezes no
abdômen, e ejaculou enquanto esfaqueava a criança. Em uma entrevista após sua
prisão, Chikatilo lembrou mais tarde que, imediatamente após esfaquear
Zakotnova, a garota havia "dito algo muito rouco”, então ele a estrangulou até ficar
inconsciente antes de jogar seu corpo no rio Grushevka. Seu corpo foi encontrado
dois dias depois.
 Inúmeras evidências ligaram Chikatilo ao assassinato de Zakotnova: manchas de
sangue foram encontradas na neve perto da casa que Chikatilo havia
comprado; os vizinhos notaram que Chikatilo estava presente na casa na noite de
22 de dezembro; A mochila escolar de Zakotnova havia sido encontrada na
margem oposta do rio, no final da rua (indicando que a garota havia sido jogada no
rio nesse local); e uma testemunha deu à polícia uma descrição detalhada de um
homem parecido com Chikatilo, com quem ela vira conversando com Zakotnova no
ponto de ônibus onde a garota fora vista pela última vez viva. Apesar desses fatos,
um trabalhador de 25 anos chamado Aleksandr Kravchenko (que já havia cumprido
uma sentença de prisão pelo estupro e assassinato de uma adolescente) foi preso
pelo crime. Uma busca na casa de Kravchenko revelou manchas de sangue no
suéter de sua esposa: o tipo sanguíneo combinava com Zakotnova e a esposa de
Kravchenko.
 Kravchenko tinha um álibi estanque para a tarde de 22 de dezembro: ele estivera
em casa com a esposa e um amigo dela a tarde inteira, e os vizinhos do casal
puderam verificar isso. No entanto, a polícia, tendo ameaçado a esposa de
Kravchenko por ser cúmplice de assassinato e sua amiga com perjúrio, obteve
novas declarações nas quais as mulheres alegavam que Kravchenko não havia
voltado para casa até tarde da noite no dia do assassinato. Confrontado com esses
depoimentos alterados, Kravchenko confessou o assassinato. Ele foi julgado pelo
assassinato em 1979. Em seu julgamento, Kravchenko retirou sua confissão e
manteve sua inocência, afirmando que sua confissão havia sido obtida sob
extrema pressão . Apesar de sua retração, Kravchenko foi condenado pelo
assassinato e sentenciado à morte. Esta sentença foi comutada para 15 anos de
prisão (a duração máxima possível da prisão na época) pela Suprema Corte em
dezembro de 1980. Sob pressão dos parentes da vítima, Kravchenko foi julgado
novamente e, eventualmente, executado por esquadrão de fuzilamento pelo
assassinato de Zakotnova em julho de 1983.
 Após o assassinato de Zakotnova, Chikatilo percebeu que conseguia atingir a
excitação e o orgasmo sexual apenas esfaqueando e matando mulheres e
crianças até a morte, e mais tarde ele alegou que o desejo de reviver a experiência
o dominara. No entanto, Chikatilo enfatizou que, inicialmente, ele havia lutado para
resistir a esses impulsos.
 Em 3 de setembro de 1981, Chikatilo encontrou uma aluna de internato de 17
anos, chamada Larisa Tkachenko, parada em um ponto de ônibus ao sair de uma
biblioteca pública no centro da cidade de Rostov. Segundo sua confissão
subsequente, Chikatilo atraiu Tkachenko para uma floresta perto do rio Don com o
pretexto de beber vodka e "relaxar". Quando chegaram a uma área isolada, ele
jogou a garota no chão antes de arrancar suas roupas e tentar relações sexuais,
enquanto Tkachenko protestava contra suas ações. Quando Chikatilo não
conseguiu uma ereção, ele forçou a lama dentro de sua boca a reprimir seus gritos
antes de espancá-la e estrangulá-la até a morte. Como não tinha faca, Chikatilo
mutilou o corpo com os dentes e um pau; ele também arrancou um mamilo do
corpo de Tkachenko com os dentes antes de cobrir o corpo dela com folhas,
galhos e páginas de jornal rasgadas. O corpo de Tkachenko foi encontrado no dia
seguinte.
 Nove meses após o assassinato de Tkachenko, em 12 de junho de 1982, Chikatilo
viajou de ônibus para o distrito de Bagayevsky em Rostov para comprar
legumes. Tendo que trocar de ônibus na vila de Donskoi , ele decidiu continuar sua
jornada a pé. Ao se afastar da rodoviária, ele encontrou uma garota de 13 anos,
chamada Lyubov Biryuk, que estava voltando para casa depois de uma viagem de
compras. Uma vez que o caminho que os dois estavam juntos foi protegido da
vista de testemunhas em potencial por arbustos, Chikatilo atacou Biryuk, arrastou-
a para uma vegetação rasteira próxima, arrancou seu vestido e a matou
esfaqueando e cortando-a até a morte. Quando seu corpo foi encontrado em 27 de
junho, o médico legista descobriu evidências de 22 ferimentos de faca infligidos à
cabeça, pescoço, peito e região pélvica. Outras feridas encontradas no crânio
sugeriram que o assassino havia atacado Biryuk por trás com o punho e a lâmina
da faca. Além disso, várias estrias foram descobertas nas órbitas oculares de
Biryuk .
 Após o assassinato de Biryuk, Chikatilo não tentou mais resistir a seus impulsos
homicidas: entre julho e setembro de 1982, matou mais cinco vítimas entre nove e
18 anos. Estabeleceu um padrão de aproximação de crianças, fugitivos e jovens
vagabundos em ônibus ou estações ferroviárias, atraindo-os para uma floresta
próxima ou outra área isolada e matando-os, geralmente esfaqueando, cortando
e eviscerando a vítima com uma faca; embora algumas vítimas, além de receber
uma infinidade de feridas por faca, também tenham sido estranguladas ou
espancadas até a morte.
 Muitos dos corpos das vítimas apresentavam evidências de mutilação nas órbitas
oculares. Os patologistas concluíram que essas lesões foram causadas por uma
faca, levando os investigadores à conclusão de que o assassino arrancou os olhos
de suas vítimas. As vítimas adultas de Chikatilo eram frequentemente prostitutas
ou mulheres sem-teto que ele atrairia para áreas isoladas com promessas de
álcool ou dinheiro. Chikatilo normalmente tentava ter relações sexuais com essas
vítimas, mas geralmente não conseguia alcançar ou manter uma ereção; isso o
levaria a uma fúria assassina, principalmente se a mulher zombasse de sua
impotência. Ele atingia o orgasmo apenas quando esfaqueou e matou a vítima. 
 Suas vítimas crianças e adolescentes eram de ambos os sexos; Chikatilo atrairia
essas vítimas para áreas isoladas, usando uma variedade de artifícios, geralmente
formados na conversa inicial com a vítima, como prometer-lhes assistência ou
companhia ou oferecer um atalho para elas a chance de ver selos, filmes ou
moedas raros ou com uma oferta de comida ou doce. Ele geralmente dominava
essas vítimas quando estavam sozinhas, muitas vezes amarrando as mãos atrás
das costas com um pedaço de corda antes de enfiar lama ou barro na boca das
vítimas para silenciar seus gritos e depois matá-las. Após o assassinato, Chikatilo
faria esforços rudimentares - embora raramente sérios - para ocultar o corpo antes
de deixar a cena do crime.
 Em 11 de dezembro de 1982, Chikatilo encontrou uma menina de 10 anos
chamada Olga Stalmachenok andando de ônibus para a casa dos pais em
Novoshakhtinsk e persuadiu a criança a deixar o ônibus com ele. Ela foi vista pela
última vez por um companheiro de viagem, que relatou que um homem de meia
idade levou a garota com firmeza pela mão. Chikatilo atraiu a garota para um
milharal nos arredores de Novoshakhtinsk, esfaqueou-a mais de 50 vezes ao redor
da cabeça e do corpo, rasgou o peito e cortou o intestino inferior e o útero . 
 Em janeiro de 1983, quatro vítimas até agora mortas haviam sido tentativamente
ligadas ao mesmo assassino. Uma equipe policial de Moscou, chefiada pelo major
Mikhail Fetisov, foi enviada a Rostov-on-Don para dirigir a investigação, que
gradualmente se tornou conhecida entre os investigadores como Operação
Caminho da Floresta . Fetisov estabeleceu uma equipe de 10 investigadores, com
sede em Rostov, encarregados de resolver todos os quatro casos. Em março,
Fetisov designou um analista forense especialista recém-nomeado Viktor Burakov,
para liderar a investigação. No mês seguinte, o corpo de Olga Stalmachenok foi
encontrado. Burakov foi convocado para a cena do crime, onde examinou as
numerosas feridas de faca e eviscerações realizadas na criança e as estrias nas
órbitas oculares. Burakov afirmou mais tarde que, ao observar as estrias nas
órbitas oculares de Stalmachenok, qualquer dúvida sobre a presença de um
assassino em série evaporou-se. 
 Chikatilo não matou novamente até junho de 1983, quando matou
uma garota armênia de 15 anos chamada Laura Sarkisyan; seu corpo foi
encontrado perto de uma plataforma ferroviária não marcada perto de Shakhty. Em
setembro, ele havia matado mais cinco vítimas. O acúmulo de corpos encontrados
e as semelhanças entre o padrão de ferimentos infligido às vítimas forçaram as
autoridades soviéticas a reconhecer que um assassino em série estava à solta. Em
6 de setembro de 1983, o promotor público da URSS vinculou formalmente seis
dos assassinatos até agora atribuídos ao mesmo assassino. 
 Devido à pura selvageria dos assassinatos e à precisão das eviscerações nos
corpos das vítimas, a polícia teorizou que os assassinatos haviam sido conduzidos
por um grupo que colhia órgãos para vender para transplante, o trabalho de um
culto satânico, ou um indivíduo com doença mental. Grande parte do esforço
policial concentrou-se na teoria de que o assassino deve ser doente mental,
homossexual ou pedófilo, e foram checados os álibis de todos os indivíduos que
passaram algum tempo em enfermarias psiquiátricas ou foram condenados por
homossexualidade ou pedofilia e logado no sistema de arquivamento de
cartões. Criminosos sexuais registrados também foram investigados.
 A partir de setembro de 1983, vários jovens confessaram os assassinatos, embora
esses indivíduos fossem freqüentemente jovens com deficiência intelectual que
admitiam os crimes apenas sob interrogatório prolongado e muitas vezes
brutal. Três homossexuais conhecidos e um criminoso sexual condenado
cometeram suicídio como resultado das táticas pesadas dos investigadores. [Como
resultado da investigação , foram solucionados mais de 1000 crimes não
relacionados, incluindo 95 assassinatos, 140 agressões agravadas e 245 estupros.
 No entanto, quando a polícia obteve confissões dos suspeitos, os corpos
continuaram sendo descobertos, provando que os suspeitos que confessaram não
podiam ser o assassino que a polícia estava procurando. 
 Em 30 de outubro de 1983, o corpo eviscerado de uma prostituta de 19 anos,
chamada Vera Shevkun, foi encontrado em Shakhty. Shevkun havia sido morto em
27 de outubro. Embora as mutilações infligidas ao corpo de Shevkun fossem
características das encontradas em outras vítimas ligadas ao assassino
desconhecido, os olhos da vítima não haviam sido enucleados ou feridos. Dois
meses depois, em 27 de dezembro, um estudante de Gukovo, de 14 anos ,
chamado Sergey Markov, foi atraído de um trem e assassinado em uma estação
rural perto de Novocherkassk  Markov foi emasculado e sofreu mais de 70
ferimentos de faca no pescoço e na parte superior do tronco antes de ser
eviscerado.
 Em janeiro e fevereiro de 1984, Chikatilo matou duas mulheres no Parque dos
Aviadores de Rostov . Em 24 de março, ele atraiu um garoto de 10 anos, chamado
Dmitry Ptashnikov, para longe de um quiosque de selos em
Novoshakhtinsk. Enquanto caminhava com o garoto, Chikatilo foi visto por várias
testemunhas que foram capazes de dar aos investigadores uma descrição
detalhada do assassino. Quando o corpo de Ptashnikov foi encontrado três dias
depois, a polícia também encontrou uma pegada do assassino e amostras
de sêmen e saliva nas roupas da vítima.
 Em 25 de maio, Chikatilo matou uma jovem chamada Tatyana Petrosyan e sua
filha de 10 anos, Svetlana, em uma área arborizada nos arredores de
Shakhty; Petrosyan conhecia Chikatilo há vários anos antes de seu assassinato.
Até o final de julho, ele havia matado mais três jovens entre 19 e 21 anos de idade
e um menino de 13 anos. 
 No verão de 1984, Chikatilo foi demitido de seu trabalho como balconista de
suprimentos pelo roubo de um rolo de linóleo. A acusação havia sido apresentada
contra ele em fevereiro do ano passado, e ele foi convidado a renunciar em
silêncio, mas se recusou a fazê-lo, pois havia negado as acusações. Chikatilo
encontrou outro emprego como balconista em Rostov em 1º de agosto.
 Em 2 de agosto, Chikatilo matou uma garota de 16 anos, Natalya Golosovskaya,
no Parque dos Aviadores. Em 7 de agosto, ele atraiu uma garota de 17 anos,
Lyudmila Alekseyeva, para as margens do rio Don, com o pretexto de lhe mostrar
um atalho para um terminal de ônibus. Alekseyeva sofreu 39 ferimentos em seu
corpo antes que Chikatilo a mutilasse e estripasse: infligindo intencionalmente
feridas que ele sabia que não seriam imediatamente fatais. Seu corpo foi
encontrado na manhã seguinte, o lábio superior excisado dentro da boca. Horas
após o assassinato de Alekseyeva, Chikatilo voou para a capital do
Uzbequistão, Tashkenyt, em uma viagem de negócios. Quando retornou a Rostov
em 15 de agosto, ele matou uma jovem não identificada e uma menina de 10
anos.Dentro de duas semanas, um garoto de 11 anos chamado Aleksandr Chepel
foi encontrado nas margens do rio Don, estrangulado e castrado, com os olhos
arrancados, a poucos metros de onde o corpo de Alexeyeva havia sido encontrado
anteriormente. Chikatilo, em seguida, matou uma jovem bibliotecária, Irina
Luchinskaya, no Parque dos Aviadores em 6 de setembro. 
 Em 13 de setembro de 1984, Chikatilo foi observado por dois detetives disfarçados
tentando conversar com mulheres jovens na estação de ônibus de Rostov. Os
detetives o seguiram enquanto ele vagava pela cidade, tentando abordar mulheres
e cometer atos de frotteurismo em locais públicos. Após a chegada de Chikatilo ao
mercado central da cidade, ele foi preso e mantido. Uma busca em seus pertences
revelou uma faca com uma lâmina de oito polegadas, vários comprimentos de
corda e um pote de vaselina. 
 Também foi descoberto que ele estava sob investigação por roubo menor em um
de seus ex-empregadores, o que deu aos investigadores o direito legal de mantê-lo
por um período prolongado de tempo. O histórico duvidoso de Chikatilo foi
descoberto e sua descrição física correspondia à descrição do homem visto
andando ao lado de Dmitry Ptashnikov antes do assassinato do garoto. Uma
amostra do sangue de Chikatilo foi coletada; cujos resultados revelaram que
seu grupo sanguíneo era do tipo A, enquanto amostras de sêmen encontradas em
um total de seis vítimas assassinadas pelo assassino desconhecido durante a
primavera e o verão de 1984 foram classificados pelos médicos legistas como
sendo do tipo AB. O nome de Chikatilo foi adicionado ao arquivo de índice de
cartas usado pelos investigadores; no entanto, os resultados de sua análise de tipo
sanguíneo o desconsideraram amplamente como o assassino desconhecido. 
 Chikatilo foi considerado culpado de roubo de propriedade de seu empregador
anterior e condenado a um ano de prisão, mas foi libertado em 12 de dezembro de
1984 após cumprir três meses. 
 Em 8 de outubro de 1984, o chefe do Ministério Público da Rússia vinculou
formalmente 23 dos assassinatos de Chikatilo em um caso e arquivou todas as
acusações contra os jovens com deficiência mental que já haviam confessado os
assassinatos.
 Ao sair da prisão em dezembro de 1984, Chikatilo encontrou um novo trabalho em
uma fábrica de locomotivas em Novocherkassk e manteve um perfil discreto. 
 Ele não matou novamente até 1 de agosto de 1985, quando, em uma viagem de
negócios a Moscou, encontrou uma mulher de 18 anos, chamada Natalia
Pokhlistova, em uma plataforma ferroviária perto do Aeroporto Domodedovo. 
Pokhlistova foi atraída para um bosque onde foi amarrada, esfaqueada 38 vezes e
depois estrangulada até a morte. Com base na hipótese de que o assassino havia
viajado do Oblast de Rostov para Moscou por via aérea, os investigadores
verificaram todos os Aeroflot; registros de voo de passageiros que viajavam entre
Moscou e Oblast de Rostov entre o final de julho e o início de agosto. Naquela
ocasião, no entanto, Chikatilo havia viajado de trem para Moscou e, portanto, não
havia documentação para os pesquisadores pesquisarem. 
 Quatro semanas depois, em 27 de agosto, Chikatilo matou outra jovem, Irina
Gulyaeva, em Shakhty. Como aconteceu com Pokhlistova, os ferimentos infligidos
à vítima vincularam seu assassinato à caça do assassino em série. 
 Em novembro de 1985, uma procuradora especial, Issa Kostoyev, foi nomeada
para supervisionar a investigação, que nesse estágio havia se expandido para
incluir 15 procuradores e 29 detetives designados para trabalhar exclusivamente
na caça ao homem.Os assassinatos conhecidos relacionados à caçada foram
cuidadosamente re-investigados, e a polícia iniciou outra rodada de interrogatório
de criminosos sexuais e homossexuais conhecidos. 
 No mês seguinte, a militsiya retomou o patrulhamento das estações ferroviárias em
torno de Rostov, e as policiais vestidas com roupas simples foram ordenadas a
perambular pelas estações de ônibus e trem. A pedido de Viktor Burakov, a polícia
também deu o passo de consultar um psiquiatra Dr. Alexandr Bukhanovsky, a
primeira consulta desse tipo em uma investigação de serial killers na União
Soviética. Todos os relatórios da cena do crime e do médico legista foram
disponibilizados a Bukhanovsky, com o entendimento de que ele produziria
um perfil psicológico do assassino desconhecido para os investigadores.
 O perfil psicológico de 65 páginas de Bukhanovsky descreveu o assassino como
um homem recluso, com idades entre 45 e 50 anos, que sofreu uma infância
dolorosa e isolada e que era incapaz de flertar ou namorar com mulheres. Esse
indivíduo possuía inteligência mediana, provavelmente casado e com filhos, mas
também um sádico que sofria de impotência e só conseguia excitar-se vendo suas
vítimas sofrerem. Os assassinatos em si eram análogos às relações sexuais que
esse indivíduo era incapaz de realizar, e sua faca se tornou um substituto para um
pênis que não funcionava normalmente. Como muitas das mortes ocorreram
durante a semana perto de centros de transporte de massa e em todo o Oblast de
Rostov, Bukhanovsky também argumentou que o trabalho do assassino exigia que
ele viajasse regularmente, e com base nos dias reais da semana em que as
mortes ocorreram, o assassino provavelmente estava atrelado a um cronograma
de produção.
 Chikatilo acompanhou a investigação cuidadosamente, lendo reportagens de
jornais sobre a caça ao assassino, que começaram a aparecer na mídia, e
mantendo seus impulsos homicidas sob controle. Por quase um ano após o
assassinato de Irina Gulyaeva em agosto de 1985, nenhuma outra vítima foi
encontrada nos Oblastos de Rostov ou Moscou cujos corpos sofreram as
mutilações de assinatura do assassino desconhecido. 
 Os investigadores ligaram provisoriamente o assassinato de uma mulher de 33
anos chamada Lyubov Golovakha - encontrada esfaqueada até a morte no distrito
de Myasnikovsky de Rostov em 23 de julho de 1986 - à investigação, embora isso
tenha sido apenas com base no fato de o tipo de sêmen do assassino
corresponder ao do assassino que eles estavam procurando, de que a vítima havia
sido despida antes do assassinato e de ter sido esfaqueada. Mais de 20 vezes. A
vítima não havia sido desmembrada ou mutilada, nem havia sido vista perto do
transporte coletivo. Por causa dessas discrepâncias, muitos investigadores
expressaram sérias dúvidas sobre se o assassinato de Golovakha havia sido
cometido pelo assassino que estavam procurando.
 Em 18 de agosto de 1986, uma vítima foi encontrada enterrada em uma depressão
da terra nos terrenos de uma fazenda coletiva na cidade de Bataysk . Os
ferimentos infligidos a esta vítima sofreram as mutilações de marcas registradas
relacionadas à caça caçada entre 1982 e 1985. A vítima era uma secretária de 18
anos chamada Irina Pogoryelova. O corpo de Pogoryelova apresentava todas as
mutilações registradas das vítimas anteriores: o corpo dela foi aberto do pescoço
até a genitália, com um seio removido e os olhos cortados. Como o assassino
havia se esforçado seriamente para enterrar o corpo, alguns investigadores
teorizaram que isso explicava a súbita escassez no número de vítimas
encontradas.
 No outono de 1986, os investigadores em Rostov teorizaram que o assassino
desconhecido pode ter se mudado para outra parte da União Soviética e
continuado matando lá. Como as três vítimas mortas no Oblast de Rostov em 1985
e 1986 morreram em agosto, alguns investigadores deram crédito à possibilidade
de o autor ter se mudado para outra parte da União Soviética e só pode voltar ao
Oblast de Rostov no verão. A polícia de Rostov compilou boletins para serem
enviados a todas as forças em toda a União Soviética, descrevendo o padrão de
feridas que seu assassino desconhecido infligiu às vítimas e solicitando feedback
de qualquer força policial que descobrisse vítimas de assassinato com ferimentos
correspondentes aos encontrados nas vítimas. Oblast de Rostov. A resposta foi
negativa. 
 Em 1987, Chikatilo matou três vezes. Em cada ocasião, o assassinato ocorria
enquanto ele estava em uma viagem de negócios longe do Oblast de Rostov, e
nenhum desses assassinatos estava ligado à caçada em Rostov. O primeiro
assassinato de Chikatilo em 1987 foi cometido em 16 de maio, quando encontrou
um garoto de 12 anos, chamado Oleg Makarenkov, em uma estação de trem na
cidade de Revda nos Urais . Makarenkov foi atraído da estação com a promessa
de compartilhar uma refeição com Chikatilo em sua dacha ; ele foi assassinado em
uma floresta perto da estação, embora seu corpo permanecesse descoberto até
1991. Em julho, ele matou um garoto de 12 anos, chamado Ivan Bilovetsky, na
cidade ucraniana de Zaporizhia.e, em 15 de setembro, ele matou um estudante de
16 anos chamado Yuri Tereshonok, em uma floresta nos arredores de Leningrado.
 Em 1988, Chikatilo matou três vezes, assassinando uma mulher não identificada
em Krasny Sulin em abril e dois meninos em maio e julho. Sua primeira vítima de
assassinato foi atraída fora de um trem em Krasny Sulin. Chikatilo encheu a boca
da vitima com a sujeira, antes de cortar o nariz de seu rosto e infligindo inúmeros
ferimentos de faca no pescoço dela. Chikatilo então a espancou até a morte com
uma laje de concreto; seu corpo foi encontrado em 6 de abril. Os investigadores
observaram que as feridas de faca infligidas a essa vítima eram semelhantes às
infligidas às vítimas ligadas à caça humana e mortas entre 1982 e 1985, mas como
a mulher havia sido morta com uma laje de concreto e não havia sido estripada, os
investigadores não tinham certeza. Se deve vincular esse assassinato à
investigação. Em maio, Chikatilo matou um garoto de 9 anos, chamado Aleksey
Voronko, em Ilovaisk , Ucrânia. Os ferimentos do garoto não deixaram dúvidas de
que o assassino atacara novamente, e esse assassinato estava ligado à caça ao
homem. Em 14 de julho, Chikatilo matou Yevgeny Muratov, de 15 anos, na estação
de Donleskhoz, perto de Shakhty. O assassinato de Muratov também estava ligado
à investigação, embora seu corpo não tenha sido encontrado até abril de 1989.
Embora seus restos mortais fossem em grande parte esqueléticos, a autópsia de
Muratov revelou que ele havia sido emasculado e sofrido pelo menos 30
ferimentos por faca.
 Chikatilo não matou novamente até 1º de março de 1989, quando matou uma
garota de 16 anos no apartamento vago de sua filha. Ele desmembrou o corpo
dela e escondeu os restos mortais em um esgoto. Como a vítima foi
desmembrada, a polícia não ligou seu assassinato à investigação. 
 Entre maio e agosto, Chikatilo matou mais quatro vítimas, três das quais foram
mortas em Rostov e Shakhty, embora apenas duas dessas vítimas estivessem
ligadas ao assassino. 
 Com o ressurgimento das vítimas definitivamente vinculado à caça ao homem e o
fato de a maioria dos corpos das vítimas ter sido descoberta perto de estações
ferroviárias, os investigadores designaram numerosos policiais vestidos de
maneira simples para filmar e fotografar discretamente passageiros em trens em
todo o Oblast de Rostov. Vários trens também foram equipados com câmeras
ocultas com a intenção de filmar ou fotografar uma vítima na companhia de seu
assassino.
 Em 14 de janeiro de 1990, Chikatilo encontrou Andrei Kravchenko, de 11 anos, do
lado de fora de um teatro Shakhty. Kravchenko foi atraído do teatro com o pretexto
de ser exibido filmes ocidentais importados que Chikatilo afirmou ter em sua
residência; seu corpo emasculado extensamente esfaqueado foi encontrado em
uma seção isolada da floresta no mês seguinte. Sete semanas após o assassinato
de Kravchenko, em 7 de março, Chikatilo atraiu um garoto de 10 anos, chamado
Yaroslav Makarov, de uma estação de trem de Rostov para o Jardim Botânico de
Rostov. Seu corpo eviscerado foi encontrado no dia seguinte. 
 Em 11 de março, os líderes da investigação, liderados por Mikhail Fetisov,
realizaram uma reunião para discutir os progressos realizados na caça ao
homem. Fetisov estava sob intensa pressão do público, da imprensa e
do Ministério do Interior em Moscou para resolver o caso. A intensidade da caça
aos homens nos anos até 1984 havia recuado em grau entre 1985 e 1987, quando
Chikatilo havia cometido apenas três assassinatos que os investigadores haviam
ligado de maneira conclusiva ao assassino - todos mortos em 1986. No entanto,
em março de 1990, outros seis vítimas tinham sido ligadas ao assassino. Além
disso, após a introdução de maior liberdade de mídia como resultado do glasnost,
a mídia soviética foi muito menos reprimida do que havia sido nos primeiros anos
da caça aos homens e, como tal, dedicou ampla publicidade ao caso. Fetisov
também notou frouxidão em algumas áreas da investigação e alertou que as
pessoas seriam demitidas se o assassino não fosse pego logo.
 Chikatilo havia matado mais três vítimas em agosto de 1990: em 4 de abril, ele
atraiu uma mulher de 31 anos, chamada Lyubov Zuyeva, de um trem e a matou na
floresta perto da estação Donleskhoz. Seu corpo não foi encontrado até 24 de
agosto. Em 28 de julho, ele atraiu um garoto de 13 anos, chamado Viktor Petrov,
para longe da estação ferroviária de Rostov e o matou no Jardim Botânico de
Rostov; e em 14 de agosto, ele matou um garoto de 11 anos, chamado Ivan
Fomin, nos juncos perto da praia de Novocherkassk.
 A descoberta de mais vítimas desencadeou uma operação policial maciça. Como
os corpos de várias vítimas foram descobertos em estações ferroviárias em uma
rota ferroviária através do Oblast de Rostov, Viktor Burakov sugeriu um plano para
saturar todas as estações maiores no Oblast de Rostov com uma presença policial
uniformizada óbvia que o assassino não poderia deixar de aviso prévio. A intenção
era desencorajar o assassino de tentar atacar em qualquer um desses locais e
fazer com que agentes disfarçados patrulhassem estações menores e menos
movimentadas, onde as atividades do assassino teriam mais chances de serem
notadas. O plano foi aprovado e os oficiais uniformizados e disfarçados foram
instruídos a questionar qualquer homem adulto na companhia de uma jovem
mulher ou criança, e anotar seu nome e número do passaporte. A polícia enviou
360 homens em todas as estações da Oblast de Rostov, mas apenas policiais
disfarçados foram colocados nas três menores estações da rota através do oblast
onde o assassino atacara com mais freqüência - Kirpichnaya, Donleskhoz e
Lesostep - em um esforço para forçar o assassino a atacar em uma dessas três
estações. A operação foi implementada em 27 de outubro de 1990. 
 Em 30 de outubro, a polícia encontrou o corpo de um garoto de 16 anos, chamado
Vadim Gromov, na estação de Donleskhoz. As feridas no corpo de Gromov
imediatamente ligaram seu assassinato à caçada: o jovem foi estrangulado,
esfaqueado 27 vezes e castrado, com a ponta da língua decepada e o olho
esquerdo esfaqueado. Gromov foi morto em 17 de outubro; 10 dias antes do início
da iniciativa. 
 No mesmo dia em que o corpo de Gromov foi encontrado, Chikatilo atraiu outro
garoto de 16 anos, Viktor Tishchenko, de um trem na estação Kirpichnaya, outra
estação sob vigilância da polícia disfarçada, e o matou em uma floresta próxima. [O
corpo de Tishchenko - com 40 ferimentos de faca separados - foi encontrado em 3
de novembro.
 Em 6 de novembro de 1990, Chikatilo matou e mutilou uma mulher de 22 anos,
chamada Svetlana Korostik, em uma floresta perto da estação Donleskhoz.
Voltando à plataforma ferroviária, ele foi observado por um oficial disfarçado
chamado Igor Rybakov, que observou Chikatilo se aproximar de um poço e lavar
as mãos e o rosto. Quando ele se aproximou da estação, Rybakov também
observou que o casaco de Chikatilo tinha manchas de grama e solo nos
cotovelos. Chikatilo também tinha uma pequena mancha vermelha na bochecha e
o que parecia ser uma ferida grave em um dos dedos. Para Rybakov, ele parecia
suspeito. A única razão pela qual as pessoas entraram na floresta perto da estação
de Donleskhoz naquela época do ano foi colher cogumelos silvestres (um
passatempo popular na Rússia), mas Chikatilo não estava vestido como um típico
limpador de florestas; ele estava vestindo trajes mais formais. Além disso, ele tinha
uma sacola esportiva de nylon, inadequada para carregar cogumelos. Rybakov
parou Chikatilo e verificou seus papéis, mas não tinha motivos formais para
prendê-lo. Quando Rybakov voltou ao seu escritório, ele registrou um relatório de
rotina, contendo o nome da pessoa que ele havia parado na estação e o possível
esfregaço de sangue observado em sua bochecha. 
 Em 13 de novembro, o corpo de Korostik foi encontrado; ela era a 36ª vítima
conhecida ligada à caça ao homem. A polícia convocou o oficial encarregado da
vigilância na estação de Donleskhoz e examinou os relatórios de todos os homens
parados e interrogados na semana anterior. Não apenas o nome de Chikatilo
estava entre esses relatórios, mas era familiar para vários oficiais envolvidos no
caso, porque ele havia sido interrogado em 1984 e colocado em uma lista de
suspeitos de 1987 compilada e distribuída por toda a União Soviética. Após
verificar com os empregadores atuais e anteriores de Chikatilo, os investigadores
puderam colocá-lo em várias cidades nos momentos em que várias vítimas ligadas
à investigação foram assassinadas.O questionamento de ex-colegas dos dias de
ensino de Chikatilo revelou que ele foi forçado a renunciar a dois cargos de
professor devido a queixas repetidas de comportamento obsceno e agressão
sexual cometidas por seus alunos.
 A polícia colocou Chikatilo sob vigilância em 14 de novembro. Em vários casos,
particularmente em trens ou ônibus, ele foi observado se aproximando de moças
ou crianças solitárias e se engajando em conversas. Se a mulher ou a criança
interromperem a conversa, Chikatilo esperaria alguns minutos e procuraria outro
parceiro de conversa.Em 20 de novembro, após seis dias de vigilância, Chikatilo
saiu de casa com uma jarra grande, que ele encheu de cerveja em um pequeno
quiosque em um parque local antes de passear por Novocherkassk, tentando fazer
contato com filhos que conheceu a caminho. Ao sair de um café, Chikatilo foi preso
por quatro policiais à paisana.
 Após sua prisão, Chikatilo fez uma declaração alegando que a polícia estava
enganada, e reclamou que ele também havia sido preso em 1984 pela mesma
série de assassinatos. 
 Uma busca em tira do suspeito revelou mais uma evidência: um dos dedos de
Chikatilo tinha um ferimento na carne. Examinadores médicos concluíram que a
ferida era de uma mordida humana. A penúltima vítima de Chikatilo, Viktor
Tishchenko, era um jovem fisicamente forte. Na cena do crime, a polícia encontrou
numerosos sinais de uma luta física feroz entre a vítima e seu assassino. Embora
um osso do dedo tenha sido quebrado mais tarde e sua unha tenha sido
arrancada, Chikatilo nunca procurou tratamento médico para seus ferimentos.
 Uma busca nos pertences de Chikatilo revelou que ele possuía uma faca dobrável
e dois comprimentos de corda. Foi retirada uma amostra do sangue de Chikatilo, e
ele foi colocado em uma cela dentro da sede da KGB em Rostov com um
informante da polícia, que foi instruído a envolver Chikatilo em conversas e obter
qualquer informação que pudesse dele. 
 No dia seguinte, 21 de novembro, começou o interrogatório formal de Chikatilo. O
interrogatório foi realizado por Issa Kostoyev. A estratégia escolhida pela polícia
para obter uma confissão foi levar Chikatilo a acreditar que ele era um indivíduo
muito doente que precisava de ajuda médica. A intenção era dar a Chikatilo a
esperança de que, se confessasse, não seria processado por insanidade. A polícia
sabia que seu caso contra Chikatilo era em grande parte circunstancial e, de
acordo com a lei soviética, eles tinham 10 dias nos quais podiam legalmente
manter um suspeito antes de acusá-lo ou libertá-lo.
 Em 21 de novembro, os resultados do exame de sangue de Chikatilo novamente
revelaram que seu tipo sanguíneo era do tipo A e não do tipo AB. Devido à
quantidade de evidências físicas e circunstanciais que os investigadores haviam
compilado até agora, o que indicava que Chikatilo era realmente o assassino que
eles estavam perseguindo, além do fato de que os investigadores deduziram o tipo
sanguíneo do assassino que eles perseguiram usando amostras de sêmen obtidas
das roupas. E corpos de 14 das vítimas, em oposição às amostras reais de
sangue, os investigadores obtiveram uma amostra do sêmen de Chikatilo para
testar seu tipo sanguíneo, cujos resultados confirmaram que o sêmen de Chikatilo
era do tipo AB, enquanto seu sangue e saliva eram do tipo A. 
 Durante o interrogatório, Chikatilo negou repetidamente que havia cometido os
assassinatos, embora confessou ter molestado seus alunos durante sua carreira
como professor. Ele também produziu vários ensaios escritos para Kostoyev que,
embora evasivos em relação aos assassinatos reais, revelaram sintomas
psicológicos consistentes com os previstos pelo Dr. Bukhanovsky no perfil
psicológico de 1985 que ele havia escrito para os investigadores. As táticas de
interrogatório usadas por Kostoyev também podem ter causado Chikatilo na
defensiva; o informante que compartilhava uma célula da KGB com o suspeito
informou à polícia que Chikatilo o havia informado de que Kostoyev havia
repetidamente feito perguntas diretas a respeito das mutilações infligidas às
vítimas. 
 Em 29 de novembro, a pedido de Burakov e Fetisov, o Dr. Alexandr Bukhanovsky
foi convidado a ajudar no interrogatório do suspeito. Bukhanovsky leu trechos de
seu perfil psicológico de 65 páginas para Chikatilo. Dentro de duas horas, Chikatilo
chorou [e confessou a Bukhanovsky que ele era realmente culpado pelos crimes
pelos quais havia sido preso. Depois de conversar à noite, Bukhanovsky informou
a Burakov e Fetisov que Chikatilo estava pronto para confessar. 
 Armado com as anotações manuscritas que Bukhanovsky preparara, Issa
Kostoyev preparou uma acusação formal de assassinato datada de 29 de
novembro - véspera do vencimento do período de 10 dias em que Chikatilo poderia
ser legalmente detido antes de ser acusado.
 Na manhã seguinte, Kostoyev retomou o interrogatório. De acordo com o protocolo
oficial, Chikatilo confessou que 34 dos 36 assassinatos que a polícia havia
vinculado a ele, embora ele tenha negado dois assassinatos adicionais cometidos
em 1986, que a polícia acreditava inicialmente que ele havia cometido: um dos
quais era Lyubov Golovakha, encontrado esfaqueado. Até a morte em 23 de julho
de 1986 e a quem os investigadores tinham sérias dúvidas sobre a ligação à
caçada; a segunda, Irina Pogoryelova, de 18 anos, encontrada assassinada em
Bataysk em 18 de agosto de 1986 e cujas mutilações coincidiam com as infligidas
a outras vítimas ligadas à caçada
 Chikatilo fez uma descrição completa e detalhada de cada assassinato na lista de
acusações, todas consistentes com fatos conhecidos sobre cada assassinato.
Quando solicitado, ele poderia desenhar um esboço de várias cenas de crime,
indicando a posição do corpo da vítima e vários pontos de referência nas
proximidades da cena do crime.
 Ao descrever suas vítimas, Chikatilo se referiu a elas falsamente como “elementos
de déclassé” a quem ele atrairia para áreas isoladas antes de matar. Em muitos
casos, particularmente (embora não exclusivamente) com suas vítimas do sexo
masculino, Chikatilo afirmou que amarraria as mãos das vítimas atrás das costas
com um pedaço de corda antes de começar a matá-las. Ele normalmente infligia
uma multidão de feridas de faca à vítima; infligindo inicialmente ferimentos de faca
rasos na área do peito antes de infligir feridas profundas de facada e golpe -
geralmente de 30 a 50 no total - antes de proceder à evisceração da vítima
enquanto ele se contorcia sobre seu corpo até atingir o orgasmo. Ele declarou que
havia se tornado adepto de evitar os jatos de sangue dos corpos de suas vítimas
ao infligir as feridas de faca e eviscerações sobre eles e costumava sentar-se
ou agachar-se ao lado de suas vítimas até que seus corações parassem de bater,
acrescentando que os "gritos, o sangue e a agonia das vítimas me deram
relaxamento e um certo prazer". 
 Quando questionado sobre o porquê da maioria dos olhos de suas vítimas
posteriores ter sido esfaqueada e / ou cortada, mas não enucleada como os olhos
de suas vítimas anteriores, Chikatilo afirmou que inicialmente acreditava em uma
antiga superstição russa de que a imagem de um assassino é deixado impresso
nos olhos da vítima. No entanto, ele afirmou que, em "anos posteriores",
convencera-se de que aquilo era simplesmente um conto de mulheres velhas e
deixara de arrancar os olhos de suas vítimas. 
 Chikatilo também informou a Kostoyev que muitas vezes provara o sangue de suas
vítimas, ao qual afirmou que "sentia calafrios" e "tremia por toda parte". Ele
também confessou ter rasgado a genitália, lábios, mamilos e línguas das vítimas
com os dentes. [Em vários casos, Chikatilo cortava ou mordia a língua de sua
vítima enquanto realizava suas eviscerações, então - no momento ou logo após o
ponto da morte - corria pelo corpo enquanto segurava a língua em uma
mão. Embora ele também tenha admitido que havia mastigado o útero excisado de
suas vítimas do sexo feminino e os testículos de suas vítimas do sexo masculino,
ele afirmou que mais tarde descartou essas partes do corpo. No entanto, Chikatilo
confessou ter engolido os mamilos e línguas de algumas de suas vítimas. [170]
 Em 30 de novembro, Chikatilo foi formalmente acusado de cada um dos 34
assassinatos em que confessara, todos cometidos entre junho de 1982 e
novembro de 1990. 
 Nos dias seguintes, Chikatilo confessou mais 22 assassinatos que não haviam sido
relacionados ao caso, nem porque os assassinatos haviam sido cometidos fora da
Oblast de Rostov, porque os corpos não haviam sido encontrados, ou, em o caso
de Yelena Zakotnova, porque um homem inocente havia sido condenado e
executado pelo assassinato. Como havia sido o caso das vítimas compiladas na
lista inicial de acusações, Chikatilo conseguiu fornecer detalhes desses
assassinatos adicionais que somente o autor do crime poderia ter conhecido: uma
dessas vítimas adicionais, Lyubov Volobuyeva, de 14 anos. , viveu no sudoeste
da Sibéria e foi morta em um campo de sorgo perto do aeroporto de Krasnodar em
25 de julho de 1982. Chikatilo lembrou que havia matado Volobuyeva em um
campo de milho e que havia abordado a garota enquanto ela se sentava nas salas
de espera do aeroporto de Krasnodar. Chikatilo afirmou que Volobuyeva havia
informado que ela morava na cidade siberiana de Novokuznetsk e estava
esperando um voo de conexão no aeroporto para visitar parentes.
 Em dezembro de 1990, Chikatilo levou a polícia ao corpo de Aleksey Khobotov, um
garoto que ele confessara ter matado em agosto de 1989 e que havia enterrado na
floresta perto de um cemitério de Shakhty, provando inequivocamente que ele era
o assassino.Mais tarde, ele levou os investigadores aos corpos de duas outras
vítimas que ele confessou ter matado. Três das 56 vítimas que Chikatilo confessou
ter matado não puderam ser encontradas ou identificadas, mas Chikatilo foi
acusado de matar 53 mulheres e crianças entre 1978 e 1990. Ele foi mantido na
mesma cela em Rostov-on-Don, onde foi detido em 20 de novembro, para
aguardar julgamento.
 Em 20 de agosto de 1991, depois que a polícia concluiu seu interrogatório,
incluindo encenações de todos os assassinatos em cada cena do crime,Chikatilo
foi transferido para o Instituto Serbsky em Moscou para passar por uma avaliação
psiquiátrica de 60 dias para determinar se ele era mentalmente competente para
ser julgado. Chikatilo foi analisado por um psiquiatra sênior, Dr. Andrei
Tkachenko. Tkachenko notou que Chikatilo sofria de vários problemas fisiológicos
que ele atribuía a danos cerebrais pré-natais, mas concluiu em 18 de outubro que,
apesar de sofrer de transtorno de personalidade limítrofe com sádico
características, ele estava apto a ser julgado.
 Em dezembro de 1991, detalhes da prisão de Chikatilo e um breve resumo de seus
crimes foram divulgados à mídia russa recém-corporativa pela polícia.
 Andrei Chikatilo foi levado a julgamento em Rostov em 14 de abril de 1992,
acusado de 53 acusações de assassinato, além de cinco acusações de agressão
sexual a menores cometidos quando ele era professor. Ele foi julgado no tribunal
número 5 do Tribunal Provincial de Rostov, perante o juiz Leonid Akubzhanov. 
 O julgamento de Chikatilo foi o primeiro grande evento da mídia na Rússia pós-
soviética liberalizada. Logo após sua avaliação psiquiátrica no Instituto Serbsky, os
investigadores realizaram uma conferência de imprensa na qual uma lista completa
dos crimes de Chikatilo foi divulgada à imprensa, juntamente com um identikit
de 1984 do indivíduo acusado, mas não o nome completo ou uma fotografia do
acusado. A mídia viu Chikatilo pela primeira vez no primeiro dia de seu julgamento,
quando ele entrou em uma gaiola de ferro construída especificamente em um
canto da sala do tribunal para protegê-lo do ataque dos parentes enfurecidos e
muitas vezes histéricos de suas vítimas. Nas primeiras semanas do julgamento de
Chikatilo, a imprensa russa publicou regularmente exagerada e frequentemente
manchetes sensacionalistas sobre os assassinatos, referindo-se a Chikatilo como
um "canibal" ou "maníaco" e a sua aparência física de um indivíduo demoníaco
com a cabeça raspada.
 Os dois primeiros dias do julgamento foram dedicados ao juiz Akubzhanov lendo
as longas listas de acusações contra Chikatilo. Cada assassinato foi discutido
individualmente e, em várias ocasiões, os parentes presentes no tribunal se
dividiram em lágrimas ou desmaiaram quando detalhes do assassinato de seus
parentes foram revelados. Depois de ler a acusação, o juiz Akubzhanov anunciou
aos jornalistas presentes na sala do tribunal a sua intenção de realizar um ensaio
aberto afirmando: "Que este julgamento, pelo menos, nos ensinam algo, de modo
que isso nunca vai acontecer a qualquer momento ou em qualquer lugar
novamente." O juiz Akubzhanov pediu a Chikatilo que se levantasse, se
identificasse e forneça sua data e local de nascimento. Chikatilo cumpriu, embora
isso provasse ser uma das poucas trocas civis entre o juiz e Chikatilo. 
 Chikatilo foi inicialmente questionado em detalhes sobre cada acusação,
respondendo a perguntas específicas sobre os assassinatos. Ele frequentemente
dava respostas desdenhosas às perguntas, principalmente quando questionado
sobre a natureza específica dos ferimentos que infligira às vítimas e os artifícios
que ele usara para atrair as vítimas para os locais onde ele havia matado. Ele
ficaria indignado apenas quando acusado de roubar bens pessoais das vítimas ou
de seus órgãos de retenção retirados das vítimas desaparecidas nas cenas do
crime. Em uma ocasião, quando perguntado sobre sua aparente indiferença
quanto ao estilo de vida e gênero daqueles a quem ele havia matado, Chikatilo
respondeu: "Eu não precisava procurá-los. Cada passo que dava, eles estavam
lá". 
 Em 21 de abril, o advogado de defesa de Chikatilo solicitou que o Dr. Bukhanovsky
fosse autorizado a testemunhar sobre o conteúdo do perfil psicológico que ele
havia escrito em 1985 e suas consultas posteriores com Chikatilo após sua prisão,
acrescentando que Bukhanovsky poderia exercer influência sobre Chikatilo e, por
extensão, pode influenciar os procedimentos judiciais. Este pedido foi negado. No
mesmo dia, Chikatilo começou a se recusar a responder a quaisquer perguntas do
juiz, do promotor ou de seu próprio advogado de defesa. Ele se recusou a
responder a quaisquer perguntas durante três dias consecutivos antes de afirmar
sua presunção de inocência tinha sido irremediavelmente violado pelo juiz e que
ele pretende dar mais nenhuma testemunho. No dia seguinte, os procedimentos
foram adiados por duas semanas.
 Chikatilo retirou suas confissões para seis dos assassinatos pelos quais havia sido
acusado em 13 de maio de e também alegou que ele havia matado mais quatro
vítimas que não foram incluídas na acusação. No mesmo dia, seu advogado de
defesa novamente solicitou que seu cliente fosse submetido a uma segunda
avaliação psiquiátrica. Esta moção foi julgada improcedente pelo juiz. Em resposta,
Khabibulin levantou-se de seu assento, condenando a composição do tribunal e
argumentando que o juiz era inadequado para continuar presidindo o caso. O
próprio Chikatilo repetiu suas observações anteriores sobre o juiz fazendo
inúmeras observações precipitadas que prejudicavam sua culpa. O promotor,
Nikolai Gerasimenko, apoiou vocalmente a reivindicação da defesa, afirmando que
o juiz realmente havia feito muitos comentários e havia cometido numerosas
violações de procedimento ao dar palestras e insultar o réu. Gerasimenko
argumentou ainda que, ao conduzir um julgamento aberto, Chikatilo já havia sido
efetivamente julgado culpado pela imprensa, antes de solicitar também que o juiz
fosse substituído. 
 Em 3 de julho, Bukhanovsky foi autorizado a testemunhar sobre sua análise de
Chikatilo, embora apenas na qualidade de testemunha. Por três horas,
Bukhanovsky testemunhou seu perfil psicológico de Chikatilo, em 1985, e as
conversas que mantinha com Chikatilo após sua prisão, o que culminou na
confissão de Chikatilo. Quatro especialistas em psiquiatria do Instituto Serbsky
também testemunharam os resultados de uma análise comportamental que haviam
realizado em Chikatilo em maio, após o adiamento inicial do julgamento. Todos
testemunharam que seu comportamento na sala de tribunal contrastava bastante
com seu comportamento em sua cela e que consideravam suas palhaçadas uma
tentativa calculada de obter absolvição por insanidade.
 Em 9 de agosto, a defesa apresentou seus argumentos finais perante o juiz. Ao
iniciar seu argumento de encerramento de 90 minutos, Marat Khabibulin declarou
pela primeira vez que não tinha confiança em que sua voz seria ouvida acima do
"clamor geral" por vingança contra Chikatilo, antes de questionar a confiabilidade
das evidências forenses apresentadas no julgamento e descrever áreas de As
confissões de Chikatilo como "infundadas". Khabibulin também questionou
a objetividade do juiz e recorreu à decisão do tribunal de não permitir que a defesa
apresentasse testemunhos de psiquiatras independentes; enfatizando que crimes
dessa natureza não poderiam ter sido cometidos por um indivíduo de mente
sã. Khabibulin solicitou formalmente ao juiz que considerasse seu cliente inocente.
 No dia seguinte, o promotor Anatoly Zadorozhny apresentou seu argumento final
ao juiz. Tendo em vista o testemunho anterior de psiquiatras no julgamento,
Zadorozhny argumentou que Chikatilo entendia completamente a criminalidade de
suas ações, era capaz de resistir a seus impulsos homicidas e havia feito
numerosos esforços conscientes para evitar a detecção. Além disso, Zadorozhny
enfatizou que em 19 das acusações, a evidência material dos crimes havia sido
fornecida pelo próprio Chikatilo. Zadorozhny recitou cada uma das acusações
antes de solicitar formalmente a pena de morte. 
 Após a conclusão da argumentação final do promotor, o juiz Akubzhanov convidou
Chikatilo de volta ao tribunal, antes de perguntar formalmente se ele gostaria de
fazer uma declaração final em seu próprio nome. Em resposta, Chikatilo
simplesmente ficou mudo.O juiz Akubzhanov anunciou uma data inicial de 15 de
setembro para ele e os dois jurados oficiais revisarem as evidências e proferirem a
sentença final sobre Chikatilo. (Esta data foi adiada para 14 de outubro.) Quando o
tribunal anunciou o recesso, o irmão de Lyudmila Alekseyeva, uma menina de 17
anos morta por Chikatilo em agosto de 1984, jogou um pedaço pesado de metal
em Chikatilo, atingindo-o no peito. Quando a segurança tentou prender o jovem, os
parentes de outras vítimas o protegeram.
 Em 14 de outubro, o tribunal voltou a se reunir para ouvir sentenças formais (essa
sentença não terminaria até o dia seguinte). O juiz Akubzhanov começou a
sentença anunciando Chikatilo como culpado de 52 dos 53 assassinatos pelos
quais havia sido julgado. Ele foi condenado à morte por cada ofensa. Chikatilo
também foi considerado culpado de cinco acusações de agressão sexual
cometidas durante os anos em que trabalhou como professor na década de
1970. Ao recitar suas descobertas, o juiz leu a lista de assassinatos novamente,
antes de criticar a polícia e o departamento do promotor por vários erros na
investigação que permitiram a Chikatilo permanecer livre até 1990. Críticas
específicas foram direcionadas não à polícia local, mas ao departamento de
promotoria - principalmente a procuradora Issa Kostoyev - a quem o juiz
Akubzhanov considerou "negligente" e que desconsiderou a inclusão de Chikatilo
em uma lista de suspeitos de 1987 compilada pela polícia. Akubzhanov também
rejeitou as numerosas alegações que Kostoyev fez à mídia nos meses anteriores
ao julgamento de que a polícia havia retido deliberadamente documentos
pertencentes a Chikatilo do departamento do promotor como provadamente
infundados, acrescentando que havia provas de que ele estava na posse de todos
os boletins internos . 
 Em 15 de outubro, o juiz Akubzhanov condenou Chikatilo à morte, mais 86 anos
pelos 52 assassinatos e cinco acusações de agressão sexual pelas quais ele foi
considerado culpado. Chikatilo chutou o banco na gaiola quando ouviu o veredicto
e começou a gritar abusos. No entanto, quando teve a oportunidade de fazer um
discurso em resposta ao veredicto, ele novamente ficou em silêncio. Ao proferir a
sentença final, o juiz Akubzhanov fez a seguinte observação: “Levando em
consideração os horríveis delitos dos quais ele é culpado, este tribunal não tem
alternativa senão impor a única sentença que ele merece. Portanto, eu o sentencio
à morte.”
 Chikatilo foi levado do tribunal para sua cela na prisão de Novocherkassk para
aguardar a execução. Ele apresentou um recurso contra sua condenação
na Suprema Corte da Rússia, mas esse recurso foi rejeitado no verão de 1993
 Após a rejeição de seu apelo à Suprema Corte da Rússia, Chikatilo apresentou um
pedido final de clemência ao presidente Boris Yeltsin. Este recurso final foi
indeferido em 4 de janeiro de 1994. 
 Em 14 de fevereiro de 1994, Chikatilo foi levado da cela do corredor da morte para
uma sala à prova de som na prisão de Novocherkassk e executado com um único
tiro atrás da orelha direita. Ele está enterrado em um túmulo não marcado no
cemitério da prisão.