Você está na página 1de 5

ESCOLA MUNICIPAL JOÃO BISPO DOS SANTOS

DATA:______/______/2021 9º ANO
DISCIPLINA: Língua Portuguesa PROFESSOR: ________________________
ALUNO (A): _____________________________________________________________

Obs: Atentem-se, se possível às explicações do professor Adriano no nosso grupo de


whatsapp, o que ajudará compreender o material didático, mas se você tem essa atividade
impressa e não conseguir ouvir-me vá até a página 56 do livro e estude até a página 62.

Parte I – atividade para semana entre 12 e 16 de abril de 2021

Hoje vamos aprender sobre as conjunções! Já ouviu falar sobre elas? As conjunções são
palavras que participam de construções coordenadas e subordinadas, ligando normalmente
termos de mesma função sintática, orações, períodos e parágrafos, numa relação lógica.

Ou seja, a conjunção liga duas orações ou dois termos que exercem a mesma função
sintática dentro de uma oração.

• Por exemplo:
• Pedro chegou atrasado e João ficou aborrecido. (- e é a conjunção.)
• Eram dez horas quando Pedro chegou. (- quando é a conjunção.)
• Outro termo presente no assunto conjunção é a locução conjuntiva. O termo significa o
conjunto de duas ou mais palavras com valor de conjunção. Em geral, as locuções
conjuntivas terminam pela conjunção que.
• Por exemplo: a fim de que, à medida que, à proporção que, ainda que, contato que , desde
que, de maneira que, já que, se bem que, uma vez que.

Repare no MAS acima, essa palavrinha gente introduz uma oração que tem valor adverso
ou seja, contrário à anterior, então a chamamos de conjunção adversativa.

Obs II: comentarei a ocorrência acima em provas, no caso em exemplo, ENEM.


Entenda as Conjunções:
Para entendermos como as Conjunções funcionam, vamos a algumas definições:

1) Apresentam valores semânticos de adição, oposição, conclusão, oposição e adição;


observe a relação lógica e semântica entre as partes do texto;
2) Não variam de forma;
3) Ligam termos de mesma função sintática coordenados, orações coordenadas, períodos,
parágrafos e termos de mesma função sintática coordenados.

Identifica-se uma conjunção por saber qual é a função dela na língua. Seu objetivo é conectar
partes do texto: vocábulos, orações, períodos…

Por exemplo:

– Farei exames pré e pós-operatórios. (liga prefixos)


– Paradoxalmente, Vítor está contra e a favor do novo acordo ortográfico. (liga preposição a
locução prepositiva)
– Uma luz bruxuleante mas teimosa continuava a brilhar nos seus olhos. (liga vocábulos,
termos de mesma função sintática)
– Nós esperamos que você estude mais. (liga orações)
– Fale com ela assim que chegar de viagem. (liga orações)

– Desejo que venha comigo. E desejo ainda mais que se deixe seduzir. (liga períodos)

As conjunções podem mudar de posição na frase. Elas podem vir invertidas da ordem dos
termos na oração, por exemplo:

_ Podem sair; voltem às onze, porém.


– Enquanto as coisas não se resolverem por aqui, jamais te deixarei só.
– Tudo concluído enfim; podemos, pois, comemorar até o dia seguinte!

VAMOS ÀS ATIVIDADES

Leia:
Dentro de nós, a alegria
A alegria vem de dentro ou de fora de nós? A pergunta me ocorre no meio de um
bloco de carnaval, enquanto berro os versos imortais de Roberto Carlos, cantados em
ritmo de samba: “Eu quero que você me aqueça neste inverno, e que tudo mais vá
pro inferno”.

Estou contente, claro. Ao meu redor há um grupo de amigos e uma multidão


ruidosa e colorida. Ainda assim, a resposta sobre a alegria me ilude. Meu coração
sorri em resposta a essa festa ou acha nela apenas um eco do seu próprio e
inesperado contentamento?
Embora simples, a pergunta não é trivial. Se sou capaz de achar em mim a alegria,
a vida será uma. Se ela precisa ser buscada fora, permanentemente, será outra,
provavelmente pior.
Penso no amor, fonte permanente de júbilo e apreensão.
Quando ele nos é subtraído, instala-se em nós uma tristeza sem tamanho e sem
fim, que tem o rosto de quem nos deixou. Ela vem de fora, nos é imposta pelas
circunstâncias, mas se torna parte de nós. Um luto encarnado. Um milhão de
carnavais seriam incapazes de iluminar a escuridão dessa noite se não houvesse,
dentro de nós, alguma fonte própria de alegria. Nem estaríamos na rua, se não fosse
por ela. _________ nos animaríamos a ver de perto a multidão. Ficaríamos em casa,
esmagados por nossa tristeza, remoendo os detalhes do que não mais existe. Ao
longe, ouviríamos a batucada, e ela nos pareceria remota e alheia.

Nossa alegria existe, entretanto. Por isso somos capazes de cantar e dançar
quando o destino nos atinge.

[…]

Se a alegria vem de dentro ou de fora? De dentro, claro. Mas seu sintoma mais
bonito é nos jogar para fora, de encontro à música e à dança do mundo, ao encontro
de nós mesmos.

Ivan Martins. Disponível em: <www.epoca.globo.com>.

Questões
Questão 1 – Assinale a passagem do texto em que a conjunção foi corretamente
identificada nos parênteses:
a) “A alegria vem de dentro ou de fora de nós?” (conjunção alternativa)
b) “[…] e que tudo mais vá pro inferno”. (conjunção adversativa)
c) “[…] instala-se em nós uma tristeza sem tamanho e sem fim […]” (conjunção
explicativa)
d) “Nossa alegria existe, entretanto.” (conjunção conclusiva)

Questão 2 – No período “Ainda assim, a resposta sobre a alegria me ilude.”, a


conjunção em evidência poderia ser substituída por:
a) Apesar disso

b) Por conseguinte

c) Mas também

d) Desde que

Questão 3 – No segmento “_________ nos animaríamos a ver de perto a multidão.”,


o autor estabelece a relação de adição de ideias. Por isso, o espaço sinalizado deve
ser preenchido com a conjunção:
a) Contudo

b) Portanto

c) Nem
d) Porquanto

Questão 4 – Na passagem “Por isso somos capazes de cantar e dançar quando o


destino nos atinge.”, a conjunção em destaque indica:
a) uma comparação

b) uma conclusão

c) uma explicação

d) uma condição

Questão 5 – No trecho “Mas seu sintoma mais bonito é nos jogar para fora […]”, a
palavra “mais” funciona como:
a) conjunção aditiva

b) conjunção adversativa

c) pronome indefinido

d) advérbio de intensidade

Questão 6 – Aponte a grafia do “porquê” que completa a lacuna da frase a seguir,


funcionando como conjunção explicativa:
Cantava e dançava ___________ estava muito feliz!

a) por que

b) porquê

c) porque

d) por quê

Por Denyse Lage Fonseca – Graduada em Letras e especialista em educação a


distância.

Disponível em https://acessaber.com.br/atividades/atividade-de-portugues-questoes-sobre-
conjuncoes-9o-ano acessada e adaptada em 05/04/2021.
Parte II – atividade para semana entre 19 e 23 de abril de 2021

Questão 1 – “Nós olhamos no shopping inteiro, e eu ainda não achei um presente


para Liz!”. Nesse contexto, a conjunção “e” sinaliza uma:
a) adição

b) conformidade

c) condição

d) adversidade

Questão 2 – Indique conjunções que poderiam ser colocadas no lugar da conjunção


“e” no primeiro quadrinho da tira:
R:

Questão 3 – Se Jon dissesse “Nós olhamos no shopping inteiro, e eu achei um


presente para Liz!”, a conjunção “e” indicaria:
a) adversidade

b) consequência

c) adição

d) causa

Questão 4 – “Eu quero morar aqui para sempre”. Grife os advérbios que compõem
essa sequência da tira. Em seguida, identifique as circunstâncias indicadas por eles:
R:

Por Denyse Lage Fonseca – Graduada em Letras e especialista em educação a


distância.
Disponível em https://acessaber.com.br/atividades/atividade-de-portugues-questoes-sobre-
conjuncoes-9o-ano acessada e adaptada em 05/04/2021.

Abraço do professor Adriano