Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA


PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO
MESTRADO OU DOUTORADO EM EDUCAÇÃO

TÍTULO DO PROJETO DE PESQUISA:


se houver subtítulo – colocar com letra minúscula, exceto substantivo próprio

Área: Xxxxxxxxxxx Xxxxxxxxx Xxxxxxxxx Xxxxxxxx


Linha: Xxxxxxxxxxx Xxxxxxxxx Xxxxxxxxx

Indicação de Orientador(a)
Xxxxxxxxxxx Xxxxxxxxx Xxxxxxxxx Xxxxxxxx

São Cristóvão
2018
1
1 INTRODUÇÃO (F.T 12)

Xxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxx xxx


xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxxx xxxxxx
xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxx
xxxxxxx. (F.T. Times OU arial 12 – espaçamento entre linhas 1,5 em todo o texto).
Xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxx
xxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxx xxxxx xxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxxx xxxx
xxxxxxx xxxx xxxxxxx xxxxxx xxxxx xxx xx xxxxxxxxx xxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx. (Parágrafos iniciais: apresentação do tema delimitado,
anunciando-o de forma contextualizada os antecedentes do problema. Registrar a seguir o problema/as questões
de pesquisa, as hipóteses/os pressupostos e a justificativa do estudo. Ver orientações.
Parte essencial em que é apresentado o tema delimitado, analisada a problemática,
definidos os conceitos e especificados os termos adotados. Evidencie o objeto de estudo, o
problema de pesquisa (ou questões norteadores ou questão de partida ou situação-problema).
Elaborar o PROBLEMA de pesquisa em forma de pergunta. Lembrar: "Não são as respostas
que movem o mundo. São as perguntas". O problema de pesquisa é o fio condutor de uma
investigação científica e surge a partir da necessidade de respondê-lo. Para tanto, faz-se
necessário: utilizar palavras-chave do tema delimitado; que seja claro, preciso e objetivo,
representando o que será pesquisado/estudado. Lembrar-se de envolver mais de uma variável.
Inserir também a(s) hipótese(s) OU pressuposto(s) da pesquisa. O pressuposto teórico
permite apresentar conceitos, conhecimentos e informações que colaboram com a
compreensão do objeto de estudo. Aqui representa uma síntese das ideias relevantes dos
autores já lidos, considerando o ponto de partida. Esse tópico inclui reflexões relevantes sobre
o seu tema em estudo. Hipótese significa uma suposição que “antecipa” o resultado da
pesquisa. Não é uma resposta qualquer alucinada. Ao elaborá-la observe plausibilidade,
consistência e clareza. A hipótese é a sua explicação, a sua resposta à pergunta, ao problema
formulado (deve ser construída em frase/período afirmativo). As hipóteses são muito
utilizadas em pesquisas biomédicas e experimentos, geralmente não são colocadas em estudos
das ciências sociais aplicadas e parte das ciências humanas, mas essa decisão dependerá do/a
orientador/a da pesquisa.
Elaborar parágrafos contextualizados que sinalizem: por que escolheu esse tema?
Que motivos o justificam? Qual é a relação do tema ou do problema com o contexto social?

2
Que contribuição esse estudo poderá trazer para área e, se for o caso, quais os aspectos
inovadores da pesquisa?

2 REVISÃO BIBLIOGRÁFICA (12)

Xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxx xxxxxx xxx


xxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxxx
xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxx
xxxxxxx. (F.T. Times 12 – espaçamento entre linhas 1,5 em todo o texto).
Esta etapa é feita por meio de uma revisão da literatura, buscando as bases para o
estudo proposto. A bibliografia deve abranger não apenas os clássicos, os autores e correntes
já conhecidos, mas também o que há de novo sobre a temática que se pretende estudar.
A realização dessa etapa contempla em coletar dados/informações a partir do tema
delimitado, observando os objetivos. Inicia-se a coleta de dados/informações em: a)
bibliotecas (Pública, UFS, IFS etc.); b) bases de dados científicas - (Scielo, Google Scholar,
bibliotecas virtuais: Capes Periódicos, Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD),
livros digitais etc.). Podem-se utilizar fontes secundárias: artigos, monografias, dissertações,
teses, livros, periódicos (revistas científicas) etc.; ou fontes primárias como autobiografias,
diários, material estatístico, cartas etc.
Em seguida, documenta-se o material localizado por meio de fichamentos que têm a
função de disponibilizar várias informações das diversas obras consultadas. Documentados os
dados/informações, o pesquisador seleciona os conceitos/ideias/conteúdos que serão
utilizados na elaboração da fundamentação teórica. Todo texto acadêmico científico ‒ como é
o caso da revisão bibliografica aqui mencionada ‒ denomina-se TEXTO POLIFÔNICO
(produzido a partir de outros textos).
Utilizando os fichamentos e seguindo a norma 10.520 de citação da Associação
Brasileira de Normas e Técnicas (ABNT), o/a investigador/a poderá iniciar a redação da
fundamentação teórica apresentando uma linguagem científica, baseada na:
a) impessoalidade: a redação do texto deve estar na 3ª pessoa do singular, evitando-
se referências pessoais, como: “o meu trabalho”, “minha pesquisa” etc. Utilizam-se,
preferencialmente, as formas: “o presente trabalho”, “a presente pesquisa” etc. Também,
verbos que tendem à impessoalidade, como: “o procedimento utilizado”, “tal informação foi
verificada” etc. Ou o texto pode ser escrito na 1ª pessoa do plural: percebemos, notamos etc..

3
Em algumas áreas, utiliza-se a 1ª pessoa do singular: entendo, noto, percebo etc. Cabe
verificar o tipo de redação que a sua área costuma usar.
b) objetividade: expor as ideias relevantes, retirando do texto as informações
consideradas supérfluas. A linguagem objetiva busca a precisão dos termos técnicos, isenta de
informações de caráter de valor pessoal e ambiguidades;
c) clareza: evitar a construção de parágrafos longos e termos obscuros. As frases
devem ser objetivas e com clareza de ideias. Evitar também parágrafos curtos;
d) concisão: evitar a repetição da mesma ideia em mais de um parágrafo e de detalhes
não relevantes. Expressar o pensamento em poucas palavras, sem redundância de ideias,
conter somente o essencial;
e) coerência: apresentar uma harmonia de sentido entre as palavras e as ideias dentro
do texto. As ideias devem estar organizadas de forma sequenciadas, tendo início, meio e fim.
A seguir veja exemplos de aplicação das normas de citação (10520 da ABNT), ou
seja, de um texto polifônico.
Segundo Rodrigues (2007, p. 56), “[...] o fichamento consiste na transcrição de
informações em ficha. A função do fichamento é colocar à disposição do pesquisador um
conjunto de informações de obras já consultadas para elaboração de trabalhos acadêmicos”.
(Esta é uma citação direta com até três linhas e entre aspas) . O fichamento é uma técnica que
propicia economia de tempo e qualidade no estudo e na pesquisa, uma maneira de guardar o
essencial de um texto, de maneira que tenha essas informações anotadas, sempre que precisar.
É importante ressaltar que

[...] o fichamento dever ser feito em fichas, mas com o desenvolvimento


tecnológico e o aparecimento da informática, com sua capacidade de
guarda e armazenamento de informações, pode ser feito no computador,
em arquivos, disquetes ou CDs [...]. O armazenamento em arquivos no
computador facilita no processo de elaboração dos trabalhos acadêmico-
científicos. (RODRIGUES, 2007, p. 80, grifo nosso). (Esta é uma citação
direta com mais de três linhas, fonte 11, espaço simples, recuo de 4 cm)

Para Rodrigues e Silva (2001), o fichamento depende de seu objetivo. Assim sendo,
pode ser feito numa ficha a anotação de uma referência bibliográfica de um livro, a
elaboração de um esquema, a transcrição de um parágrafo de um texto, a apreciação de uma
obra, a elaboração de um resumo etc. (Esta é uma citação indireta (paráfrase), resumo das ideias de
texto)

4
O resumo consiste em reduzir um texto em suas principais ideias de forma clara e
concisa. Para um melhor desempenho na elaboração do resumo, torna-se importante realizar
procedimentos metodológicos necessários, a saber: análise de texto, sublinhar e esquematizar.
Na realização de uma pesquisa bibliográfica deve estar presente o princípio ético, ou
seja, deve indicar as fontes de referências das ideias que pertencem a outros autores (ÉTICA,
2004) (Esta é uma citação indireta). Assim, a pesquisa bibliográfica

[...] consiste numa atividade que objetiva a aprendizagem, aquisição e


produção de conhecimento e que pode ser solicitada pelos professores. Ela
deve ser elaborada obedecendo a normas oficializadas e procedimentos
metodológicos, possibilitar o pensar crítico, reflexivo, analítico e
sistemático. (SANTOS; LIMA, 1999, p. 30). (Esta é uma citação direta com
mais de três linhas)

De acordo com Feitosa et al (2002), um problema na atualidade brasileira é o


surgimento de uma grande quantidade de trabalhos, principalmente, no sistema escolar não
respeitando os direitos autorais, principalmente com o advento da internet. (Esta é uma citação
indireta). Assim, temos visto trabalhos acadêmicos, por exemplo: pesquisa bibliográfica, artigo
científico, projeto de pesquisa e monografia que são cópias retiradas da internet. Também, há
aqueles que divulgam na internet material que não é de sua autoria.
A pesquisa bibliográfica pode ser elaborada como um trabalho em si mesmo ou como
uma etapa para elaboração de monografias, dissertações etc. (ANDRADE, 2001). (Esta é uma
citação indireta) Nesse sentido, pode-se elaborar um artigo científico a partir de uma pesquisa
bibliográfica.
Lemos (2000 apud RODRIGUES, 2007, p. 189) afirma que “[...] o importante é que
leiamos sempre. Não importa o que: jornais, revistas, livros, periódicos, enfim, o mundo. A
busca está sempre no interior de cada um” (Esta é uma citação de citação direta) . O cidadão que lê
capta e propõe sentidos. Estudar sempre é o melhor caminho para se manter atualizado.
Estudando, você tem que ler muito, escrever, pesquisar, criar, discutir, trocar experiências,
enfim, fazer a leitura do mundo.

3 OBJETIVOS (12)

3.1 Geral
 Xxxxxxx xxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxx
xxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxxxx

5
xxxxx xxx xxxxx xxxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxx xxxxxxx xxxxx xxxxxxx
xxxxxxxx xxxxxxxxx.

3.2 Específicos
 Xxxxx xxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxx xxxxxxxxx
xxxx xxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx.
 Xxxxx xxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxx xxxxxxxxx
xxxx xxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx.
 Xxxxx xxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxx xxxxxxxxx
xxxx xxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxx.

LEMBRETE:
A construção do objetivo geral deve observar o problema de pesquisa anunciado na
introdução. Os objetivos específicos são elaborados para atender ao objetivo geral. Definir os
objetivos de uma pesquisa é apresentar, de forma clara, o que se pretende ALCANÇAR com
ela e anunciar os resultados esperados. Na redação dos objetivos é preciso escolher verbos
que expressem a ação intelectual que se pretende desenvolver para se chegar aos resultados.
Deve-se iniciar com verbo no infinitivo, expressando aquilo que se quer alcançar. Exemplos:
identificar, classificar, relacionar, descrever, discutir, analisar, diferenciar, comparar etc.

4 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS (12)

Xxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxxxxxxx xxxxxxx xxxxx xxxxxx xxx


xxxxx xxxxxxxxxx xxxxxxxx xxxxxxx xxxxxxxx xxxx xxxxxxx xxxxxx xxxxxxxxx
xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx xxxxxx xxxxxxxx xxxxxxxxx
xxxxxxx xxxxxx xxxxxxx. (F.T. Times 12 – espaçamento entre linhas 1,5 em todo o texto).
Etapa que orienta e descreve os diferentes momentos de uma pesquisa científica;
estabelece as regras que devem ser seguidas e as categorias de análise que serão utilizadas;
descreve o conjunto de métodos, técnicas e procedimentos. Método constitui-se no conjunto
de procedimentos que servem para alcançar os fins da investigação. São meios gerais.
Neste item do projeto apresenta-se o método de interpretação/epistemológico
(refere-se a posturas filosóficas, questões lógicas, ideologia; concepção normatizada de
mundo e orientada para a condução da investigação científica – dedutivo, indutivo, hipotético-

6
dedutivo, dialético, fenomenológico, multirreferencial etc.). A escolha do método
epistemológico depende da linha de investigação do/a orientador/a.
Também apresenta-se nesta etapa os tipos de pesquisa. Cabe explicar a natureza da
pesquisa (colocar os conceitos aplicados à pesquisa a ser desenvolvida). Registrar também o
tipo de estudo quantos aos objetivos, aos procedimentos, às fontes de informação e à natureza
dos dados. Ver tabela:
Tabela 1 – Tipos de Pesquisa Científica
OBJETIVOS PROCEDIMENTOS FONTES DE NATUREZA
DE COLETA INFORMAÇÃO DOS DADOS
Exploratória Experimento Campo Quantitativa
Descritiva Levantamento Laboratório Qualitativa
Experimental Estudo de caso Bibliográfica Quanti-qualitativa
Explicativa Bibliográfica Documental Métodos mistos
Documental
Pesquisa ação
Pesquisa participante
Fonte: Gonsalves (2011).

Outro aspecto relevante é mencionar com clareza os sujeitos e as fontes, ou seja,


caracterizar a população a estudar: tamanho, faixa etária, gênero, classes e grupos sociais etc.
Expor as razões para a utilização de determinados grupos; descrever os métodos que afetem
diretamente os sujeitos da pesquisa; descrever planos para o recrutamento de indivíduos,
processo de seleção dos indivíduos da amostra e procedimentos a serem seguidos. Lembrar de
informar, ainda, a seleção de fontes de dados primários e/ou secundários.
Cabe registrar os instrumentos/técnicas que serão elaborados para a coleta de dados
(questionário, formulário, entrevista, observação etc.); descrever os critérios e as informações
que serão consideradas.
Por fim, finalizar os procedimentos metodológicos indicando o tipo de análise dos
dados que será adotada. Isso significa registrar as formas de processamento e análise dos
dados. A tipologia de análise depende do tipo de pesquisa a ser desenvolvida: a) qualitativa:
análise de conteúdo, análise do discurso, análise temática, análise de narrativas, análise
textual discursiva etc.); b) quantitativa: uso da estatística descritiva e inferencial. Na forma
de processamento dos dados pode-se fazer uso de informática, testes estatísticos, cartografia
temática e outros. A escolha do método de análise também dependerá da linha de investigação
do/a orientador/a.

7
5 CRONOGRAMA (12) (Ver informações abaixo como exemplos)

SEMESTRE (2019-2020)
ATIVIDADE
1 2 3 4
Disciplinas e estudos teóricos X X
Elaboração das técnicas e instrumentos de pesquisa X
Recolha e análise dos dados X
Elaboração do relatório e defesa da dissertação X X

BIBLIOGRAFIA (12)
(Espaçamento entrelinhas simples. Títulos das obras colocados em ordem alfabética.
Sem justificar, alinhado à esquerda. Registrar todo o material citado ao longo do trabalho + outras obras
lidas/estudadas). Ver norma 6023 da ABNT. Abaixo há alguns exemplos.

ANDRADE, Maria Margarida de. Introdução à metodologia do trabalho científico:


elaboração de trabalhos na graduação. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2001. (livro)

ARAUJO, U. A. M. Máscaras inteiriças Tukúna: possibilidades de estudo de artefatos de


museu para o conhecimento do universo indígena. 1985. 102 f. Dissertação (Mestrado em
Ciências Sociais) – Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo, São Paulo, 1986.
(monografia, dissertação ou tese).

ARRUDA, Marina Patrício; PORTAL, Leda Lísia Franciosi. Saberes e fazeres docentes: o
dilema da reforma do pensamento e da prática pedagógica do educador do século XXI.
Revista Percursos. Florianópolis, v. 13, n. 01, p. 19-210, jan./jun. 2012. (artigo em periódico)

ÉTICA na pesquisa. 2004. Disponível em: <http://apostilas.éticanapesquisa/36.rtf>. Acesso


em: 10 jul. 2018. (sítio)

FEITOSA, Maria Soares et al. O que é pesquisa bibliográfica. São Paulo: Ática, 2002. (livro
com mais de três autores – colocar o primeiro e usar et al)

GONSALVES, Elisa Pereira. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. 5. ed.


Campinas: Alínea, 2011. (livro)

MARTONE, Celso Luiz. Modelo básico para economia fechada e aberta. In: LOPES, Luiz
Martins; VASCONCELOS, Marco Antonio Sandoval de (Org.). Manual de
macroeconomia: nível básico e nível intermediário. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001. cap. 11, p.
120-200. (capítulo de livro)

NASCIMENTO, Marilene Batista da Cruz; MOROSINI, Marilia; GUEDES, Josevânia


Teixeira. Iniciação científica e formação acadêmica: a perspectiva dos gestores de uma
universidade em Sergipe/Brasil. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO EM
INVESTIGAÇÃO QUALITATIVA, 4, 2015, Aracaju. Atas Investigação Qualitativa na
Educação. Aracaju: Universidade Tiradentes, 2015, p. 510-515. (anais de evento)

RODRIGUES, Auro de Jesus. Metodologia científica. São Paulo: Avercamp, 2007. (livro)

8
CAMPOS, Lorraine Vilela. "Novo Ensino Médio: entenda a reforma"; Brasil Escola.
Disponível em: https://brasilescola.uol.com.br/educacao/novo-ensino-medio-entenda-
reforma.htm. Acesso em 19 de agosto de 2019. (artigo em site)