Você está na página 1de 6

Lourdes Maria Puls

A percepção na perspectiva do ensino-aprendizagem


do desenho de moda à mão livre1
Lourdes Maria Puls2

Resumo: Este texto sintetiza os resultados da pesquisa “A percepção na perspectiva do


ensino-aprendizagem do desenho de moda à mão livre”, que investigou procedimento de
construção de situações de ensino que ofereçam condições para o desenvolvimento per-
ceptivo e expressivo no desenho. O método baseou-se numa pesquisa bibliográfica e ex-

Moda
ploratória. Os estudos teóricos e práticos possibilitaram sua aplicabilidade na disciplina de
desenho de moda, e só atingiu seus objetivos na medida em que apresentou os processos
e métodos pelos quais foi possível construir um processo de ensino-aprendizagem de de-
senho de moda.

Palavra-chave: percepção, desenho, concepção projetual, produtos de design do vestuário.

1. Introdução cia do tema, citam-se as palavras de Arnheim


(1986), que afirma ser a percepção visual uma
Nesta pesquisa procurou-se ressaltar a atividade cognitiva. A atividade artística [de-
importância do conhecimento dos processos senho] é uma forma de raciocínio em que o
de desenvolvimento das potencialidades per- perceber e o pensar são atos que se encontram
ceptivas e criativas para o ensino e aprendiza- indivisivelmente entrelaçados. O autor ainda
gem do desenho de moda à mão livre, para afirma que a pessoa que pinta, escreve, com-
concepção de projetos de produtos de design põe ou dança, pensa com os sentidos. Esta
do vestuário. Assim sendo, investigou-se con- união entre percepção e pensamento não é ex-
teúdos formativos que possibilitesse ao aluno clusivo das artes, para Arnheim o pensamen-
a compreensão dos conceitos fundamentais to verdadeiramente produtivo, em qualquer
da linguagem gráfico-visual, da percepção do área de conhecimento, tem lugar no reino da
desenho à mão livre. Que por sua vez estão imaginação. Portanto, as imagens que guar-
articulados e relacionados com experimenta- damos na memória servem para identificar,
ções de técnicas expressivas de representação interpretar e contribuir com a percepção.
da figura de moda com função projetual. Con-
seqüentemente dentro deste escopo, as repre- Condizente com o pensamento de Arn-
sentações da imagem da figura de moda são heim (1986) Santaella (1993) diz que para
representadas com funções de visualização, Peirce “não há, nem pode haver separação en-
comunicação, estéticas e funcionais. tre percepção e conhecimento”. Segundo ele,
todo pensamento lógico, toda cognição, inevi-
Neste sentido esta pesquisa intencionou tavelmente, entra pela porta da percepção e
abrir espaços para uma maior compreensão sai pela porta da ação deliberada. Além disso,
sobre o ensino-aprendizagem do desenho a cognição e, junto com ela, a percepção é in-
à mão livre no que se refere às experiências separável das linguagens através das quais o
perceptivas visuais como atividade artística homem pensa, sente, age e se comunica.
por considerar o desenho um método de tro-
cas de conhecimento e de expressão criativa. Desse modo, pode-se entender a percep-
Com a preocupação de mostrar a importân- ção como ponto de interesse de todos nós, pois

1
Vinculado Projeto de Pesquisa “A Percepção na Perspectiva do Ensino-aprendizagem do Desenho de Moda à Mão Livre”.
2
Coordenadora, Professora do Departamento de Moda do Centro de Artes – c2lmp@udesc.br – lurdinhapul@gmail.com

1
Anais do XIX Seminário de Iniciação Científica
A Percepção na Perspectiva do Ensino-Aprendizagem do Desenho de Moda à Mão Livre

é onde se inicia o nosso pensamento. Ainda ampliar suas habilidades manuais e percep-
do ponto de vista dessa abordagem pode-se tivas construindo seu próprio conhecimento
dizer que no campo da moda, a percepção é e aptidões estéticas e criativas por metodolo-
um processo dinâmico realizado para obter gias diferenciadas como a que se descreve a
informações dos sentidos: visão, audição, olf- seguir.
ato, tato e paladar, que por sua vez combina
com os dados da memória e dos saberes. Para 2. Metodologia Aplicada
os alunos se apresentam com a autonomia de
transformarem suas criações de modo con-
A metodologia utilizada nesta pesquisa
sciente, individual e produtivo.
baseou-se numa abordagem sistêmica, grad-
ual e exploratória. E os preceitos da metod-
Considerando-se estes fatores, a pesquisa ologia científica orientaram sua montagem
concentrou-se no ensino-aprendizagem dos estrutural, o que possibilitou alcançar os re-
processos investigativos dos diferentes mate- sultados que serão apresentados a seguir:
riais que podem ser utilizados para dar mel-
hor visibilidade estética nas representações
Primeiramente esclareceu-se para o aluno
utilizando-se as cores, recortes/colagens,
que o desenho com técnicas manuais ou digi-
entre muitas outras variáveis. Seguido pelos
tais é contemplado no currículo do curso de
procedimentos e técnicas da linguagem plás-
design de moda em todas as fases. Fato que
tica que dão cor e vida ao desenho da criação
permitiu pontuar os seguintes motivos para
e construção da figura de moda, ou como co-
sua inserção: é um meio de materializar idéias
mumentemente são chamados - croqui.
e um importante e complexo instrumento de
reflexão utilizado no processo de comunica-
Nesse momento da aprendizagem se faz ção, informação e visualização das inúmeras
necessário orientar o aluno sobre os códigos e variáveis propostas projetuais, que terão
específicos do desenho da figura de moda que oportunidade de criar durante sua passagem
normalmente é desenhada como uma figura pela universidade. Neste caso o desenho é
esbelta com aumento da estatura corporal e usado com funções diferenciadas: a do desen-
diminuição da massa corpórea. Porém, na at- ho técnico da peça do vestuário, e a do desen-
ualidade com a volta s coisas naturais, com a ho ilustrativo do modelo/croqui criado que
busca de ideais mais humanos, estes critérios acompanha o técnico. E por fim pontuou-se
já não são tão rígidos. que as apreensões desses saberes fazem parte
da formação de um designer, seja em qual for
Assim, durante o ensino-aprendizagem, sua área de atuação.
de técnicas de desenho e de ilustração, por
serem atividades que criam condições de li- O ato de desenhar à mão livre, um dos
dar com os processos cognitivos e percepti- focos desse estudo, participa ativamente do
vos, e por promover a exploração dos múltip- processo cognitivo e perceptivo do aluno fa-
los significados do desenho de moda na busca zendo parte das suas experiências estéticas e
do seu estilo próprio transformam o aluno ao produtivas. Desse modo, acaba sendo um dos
mesmo tempo em agente criador, receptor e responsáveis por desencadear novas idéias e
fruidor. Portanto, através das relações dos novas soluções projetuais, além de se ser um
elementos perceptivos e plásticos e por suas instrumento que possibilita o raciocínio rápi-
associações pode-se constar que um entendi- do e ágil ao fazer uso de esboços sem preo-
mento mais abrangente, que abarcasse todos cupações em seguir muitas regras formais,
os processos técnicos e artísticos do desenho apenas com intenção de gerar alternativas.
de moda oportuniza aos alunos desenvolv- Relembrando o que foi dito
erem a percepção e a expressão visual para
ideação projetual, com mais autoridade, auto-
anteriormente, há a associação de todos
confiança e conhecimento. Estes são atributos
os sentidos do corpo – visão, tato, olfato,
essenciais para um bom profissional da área
audição e paladar -, o que pode permitir que
da moda.
seus desenhos traduzam as marcas da sua
identidade pessoal, ou que carreguem a mar-
Como docente considero que o que foi ca da fidelidade na representação da imagem
exposto até o momento sobre as questões de do “objeto” moda.
representações gráfico-visuais, linguagem
perceptiva e criativa contribuem expressi-
Agora, passa-se a descrever a síntese do
vamente para um melhor entendimento da
método de ensino-aprendizagem proposto
práxis no ensino-aprendizagem do desenho
na pesquisa, que permitiu ao aluno absor-
de moda à mão livre como uma atividade dot-
ver pouco a pouco a compreensão sobre os
ada de valor. Nesse sentido permite ao aluno
processos construtivos estruturais e com-

2
V Jornada de Iniciação Científica
Lourdes Maria Puls

positivos - como se organizam os elementos eria necessidade do atendimento individual,


formais - do desenho de moda à mão livre, que era o momento de sanar as dúvidas e
além das técnicas ilustrativas que imprime problemas de ordem estrutural e compositiva
expressividade nas suas criações. Estes efeitos do desenho. A metodologia proposta permi-
ilustrativos podem ser produzidos pelo aluno tia trabalhar com os elementos perceptivos e
de diferentes maneiras: depende do suporte, compositivos conjuntamente facilitando o en-
do material utilizado, da técnica e da gestuali- tendimento das diferentes possibilidades de
dade de cada um. O resultado vai depender do solução por parte do aluno.
seu esforço e está relacionado com sua destr-
eza manual, que por sua vez é adquirida pela Outro objetivo deste exercício foi sua
persistência em praticar exercícios constante- utilização como parâmetro de verificação
mente. O domínio gestual pode interagir com do desenvolvimento estético e criativo do
sua experiência perceptiva do ver e olhar, en- aluno, num trabalho final que se denomi-
riquecendo seu acervo mental de representa- nou de releitura. Nessa atividade chamada
ções que poderão ser utilizadas futuramente de releitura o aluno reproduz sua primeira
em seus trabalhos. Conforme Souza (1997), as representação gráfico-visual da imagem da
experiências artísticas devem ser organizadas figura de moda agora, contudo, utilizando
de maneira a admitir, concomitantemente, todo o aprendizado adquirido durante as aul-
considerável escolha individual, consoante os as. Este exercício oportunizou além da busca
interesses e necessidades de cada um. do aperfeiçoamento e da habilidade motora,

Moda
exercitar outra habilidade por parte dos dis-
Portanto, ao se iniciar o ensino-apren- centes; a de análise comparativa de igualdade
dizagem do desenho, precisou-se primeira- ou de diferença correlacionando forma e con-
mente entrar em contato com as dificuldades e teúdo entre seus desenhos – o inicial e o de
particularidades individuais referentes ao de- releitura -. Através da manipulação das ima-
senho. Para atingir este objetivo foi realizado gens puderam se auto avaliar, se houve ou
um diagnóstico inicial do grau de competên- não avanços nas suas representações gráficas
cia e dos conhecimentos sobre representações e conseqüentemente no desenvolvimento das
adquiridos durante sua trajetória de vida até suas potencialidades criativas, habilidades de
o momento. Assim, no primeiro momento raciocínio e da percepção visual, além das ha-
solicitou-se que representassem graficamente bilidades manuais.
a figura humana ou, para quem já tivesse o
conhecimento dos padrões da linguagem de Na análise do resultado final observou-se
moda que desenhassem o croqui. Para a elab- que dependendo da capacidade expressiva de
oração desse exercício o aluno não teve nen- cada aluno, a construção do desenho adquiria
huma orientação sobre processos de desenho estilos diferenciados, uns mais estilizados
ou pintura, utilizou apenas seus referenciais e outros próximos ao figurativo, outros ainda
suas experiências individuais e bases culturais com poucos traços que o diferenciasse da sua
até então. Para o professor este procedimento forma original. Porém todos, de alguma ma-
permitiu ajustar a abordagem dos conteúdos neira mudaram as estruturas formais. Alguns
na ação formativa do designer de moda, do alunos demonstravam ter mais domínio e
processo da construção do saber e do saber destreza manual e outros mais conhecimentos
fazer, contribuindo para que os desenhos perceptivos visual. Porém, todos se surpreen-
construídos mantivessem as características e deram quando tiveram contato novamente
a identidade pessoal dos agentes desta ação. com seu desenho original, já que o professor
Esta é uma preocupação constante do havia recolhido

professor, captar as dificuldades de cada no ato da representação e só entregue


um para direcionar os exercícios práticos que quando da realização do exercício de releitura
darão suporte as suas dificuldades, orientan- no final do semestre, e se surpreenderam ain-
do individualmente cada passo da sua con- da mais com o resultado da análise dos dois.
strução para que mantenham suas caracterís-
ticas individuais construindo assim, um Porém, para a atividade da releitura
desenho com estilo autoral. A parte teórica acima citada, aqui se apresentará alguns dos
e os procedimentos das técnicas eram expla- procedimentos e técnicas das quais os alu-
nados para os todos os discentes ao mesmo nos trabalharam suas capacidades. Para que
tempo. Havia uma troca de questionamentos conseguissem construir seus desenhos carac-
bastante produtiva, como também dúvidas, terizando-os com os códigos específicos da
incertezas, muitos se julgavam incapazes de área da moda, foram trabalhados conteúdos
realizar determinadas tarefas, já outros acha- – cores, perspectivas, tabelas de tons para dar
vam que já tinham o domínio e que não hav- efeitos de volume - técnicas de manuseio de

3
Anais do XIX Seminário de Iniciação Científica
A Percepção na Perspectiva do Ensino-Aprendizagem do Desenho de Moda à Mão Livre

materiais de representação como o lápis, lápis cisamente buscou-se pesquisar, além das re-
de cor, pincéis, giz pastel, giz de cera, entre flexões feitas sobre percepção visual e desen-
outros. O conhecimento e o contato direto com ho, foram os meios férteis que possibilitasse o
suportes e materiais como as tintas (aquarelas, desenvolvimento de competências essenciais
nanquim e acrílica), e diferentes tipos de pa- à construção do desenho de moda à mão livre
péis com técnicas de recortes e colagem se fiz- dentro dos preceitos da linguagem visual da
eram necessários dentro do processo de ensi- moda.
no e de aprendizagem do desenho de moda.
Como o croqui funciona apenas como suporte Perrenoud (1999) define competência
das roupas, foi dado ênfase também ao pane- como sendo uma capacidade de agir eficaz-
jamento, ou seja, ao estudo e interpretação do mente em um determinado tipo de situação,
movimento, caimento e especificidades do apoiada em conhecimentos, mas sem se limi-
comportamento dos diferentes tipos de teci- tar a eles. Porém, a competência manifestada
dos sobre o corpo, além da ambientação, ou [pelo desenho] não é, em si, conhecimento;
seja, trabalhar o entorno da imagem, ou seja, elas utilizam, integram ou mobilizam o con-
não deixar a figura solta dentro do espaço da hecimento.
folha.
Com apropriação das palavras de Perre-
Todo o processo criativo implica em noud e fazendo aplicação do texto na pesquisa,
buscas individuais e não é suficiente o saber tem-se que não baste ser um bom desenhista
teórico, deve haver a possibilidade do ex- ou um bom designer para ser competente. Sua
perimento, do comportamento exploratório. competência consiste em pôr em relação seu
Neste processo coube ao professor, promover conhecimento de desenho, de técnicas, pro-
diferentes exercícios, respeitar, incentivar e cedimentos expressivos e perceptivos além de
orientar cada aluno na busca de novos camin- problemas projetuais a resolver, fazendo uso
hos, explorando métodos e materiais com o de um raciocínio e de uma intuição propria-
objetivo de desenvolver um espírito crítico mente de desenhista de moda.
e consciente para produção de produtos do
vestuário. Assim, ao término do semestre letivo, após
analisar os trabalhos, concluiu-se que houve
Estes foram os motivos que incentivaram a captação dos conteúdos, e que o aluno, fu-
esta pesquisa sobre procedimentos através de turo designer, teria condições, competências e
desenhos de moda, de releituras e de desenhos habilidades para construir suas propostas de
de observação de técnicas ilustrativas: fornec- concepção projetual dos produtos de design
er subsídios para tornar possível ao aluno ter do vestuário. Outro ponto positivo é quando
uma maneira pessoal de ver e olhar os objetos precisam atingir o mesmo objetivo seus focos
em seu entorno captar informações perceber, de interesses são diferenciados e isso é um
ler, decifrar e processar o todo e suas partes. ponto favorável, pois eles mantém sua identi-
Como resultado, os alunos podem dispor de dade pessoal. Todos possuem peculiaridades
um vasto repertório de conhecimentos e de específicas quando o assunto é representação
imagens mentais, que podem utilizar como gráfica. O que se constatou para a finalidade
base para suas propostas de solução de prob- da pesquisa foi gratificante, que todos, com
lemas projetuais contribuindo para o proces- maior ou menor grau de dificuldade
so de ideação de produtos de moda criativos
e originais. apresentaram progressos significativos
no seu desenvolvimento perceptivo e estético.
3. Discussão: relatando o processo Vale ressaltar que o processo de captação das
informações é individual, entra naturalmente
É fundamental entender que o resultado a sensibilização, as vivências as dificuldades
obtido nesta pesquisa se deveu ao fato de o e as experiências de cada um e este entendi-
ato de desenhar ser uma atividade didática, mento é essencial no ensino-aprendizagem de
eminentemente prática e com conteúdos do qualquer disciplina que pretenda formar alu-
ensino para formação do designer de moda. nos conscientes e autônomos em suas buscas
O ensino-aprendizagem se realizou tra- e projetos de vida.
balhando-se paralelamente com a associação
de conteúdos sobre fundamentação teórica e 4. Considerações finais
práticos através dos exercícios realizados. Em
todas as atividades teve o acompanhamento Este trabalho só atingiu seus objetivos na me-
e orientações do professor, cuja presença é dida em que apresentou os processos e mé-
inquestionável para o bom andamento do todos pelos quais foi possível construir um
ensino-aprendizagem. Portanto, o que pre- desenho de moda à mão livre de maneira

4
V Jornada de Iniciação Científica
Lourdes Maria Puls

expressiva, que satisfizesse os padrões da lin- dos desenhos, as diversas possibilidades de


guagem de moda, e, que esta ação representa verificar a própria transformação do desenho
a possibilidade da criação do estilo próprio e sua expressividade enquanto demonstra-
no desenho projetual de design de moda. Pois ção de expressão artística. Como também de
é através da maneira individual de cada de- captar informações que funcionassem como
senhista compreender e utilizar as técnicas indicadores para futuros trabalhos.
de construção do desenho que se realiza a
transformação com resultados plásticos difer- Assim, pode-se constatar em síntese, que: os
enciados. É a personalidade impressa no tra- procedimentos apresentados permitem que
balho que dá o diferencial de um desenhista haja uma mudança significativa tanto na es-
de moda. trutura da forma, como também na leveza e
expressividade do traço. E, que para haver
Por outro lado, foi encontrada uma grande um melhor aproveitamento por parte de to-
dificuldade na obtenção de conteúdos rela- dos os alunos necessitar-se-ia de um estudo
cionados aos processos de construção de mais aprofundado sobre a estrutura óssea e
desenho de moda à mão livre para propor muscular do corpo humano e de todos os seus
soluções que inovem os produtos dos proje- movimentos corporais, a e das técnicas ilus-
tos de design do vestuário. Assim, houve a trativas. Constatou-se ainda, que a estilização
necessidade da elaboração de um método es- da forma e da figura humana foram os pro-
pecífico, fundamentado na representação grá- cedimentos que mais possibilitaram trabalhar
fica através de técnicas e procedimentos de as particularidades de cada um, mesmo en-

Moda
criação dos mestres de desenho artístico com contrando dificuldades, foi onde se pôde ex-
pontes direcionadas para a área do desenho plorar a criatividade e a expressividade, e é
de moda. Para dar conta desses propósitos justamente neste processo que se pode tra-
desenvolveu-se etapa investigativa sobre a es- balhar o estilo. E por último, que a utilização
truturação do processo ensino/aprendizagem de diferentes técnicas e materiais expressivos,
e da pesquisa como um todo. Para tanto, foi abre infinitas possibilidades de buscas, de
necessário estudos sobre diversos temas entre construções e transformações para o desenho
eles: design, desenho estético e funcional, téc- de moda.
nicas ilustrativas, criatividade, moda, estilo,
percepção visual seguindo algumas etapas Por fim, que há infinitas possibilidades para o
realizadas em sala de aula. aluno aprender a desenhar. Para, o designer
de moda perceptivo, criativo, e que possui
Tendo como suporte estas fundamentações, um estilo próprio de construir seu desenho
na primeira etapa, trabalhou-se o que se re- projetual, onde suas criações são o resultado
solveu chamar de exercícios básicos para a de uma busca pessoal, é o grande diferencia-
aprendizagem tais como: postura, agilidade, dor na competitividade diária dos estilistas,
destreza manual, escalas de tons em degradê e desenhistas e criadores dentro do complexo
sobreposição de traços (necessárias para pro- mundo da moda e de um concorrido mercado
duzir efeitos de volume), além da perspectiva de trabalho.
artística (para criar efeitos de profundidade e
organização do espaço). A etapa seguinte foi Conclui-se este estudo acreditando ter sido
realizada pela oportuna e relevante a pesquisa mediante as
diversas abordagens na investigação que se
construção do croqui. Partiu-se do entendi- seguiu sobre a percepção na perspectiva do
mento da linha de equilíbrio, do módulo de ensino-aprendizagem, do desenho de moda
altura (proporção da altura), do desenho da à mão livre para construção do desenho nas
cabeça, tronco e membros desenhados sepa- fases de concepção projetural de produtos
radamente por partes para em seguida tra- do moda/vestuário. E que sem dúvida, pode
balhar-se o todo. Por fim, na última etapa pas- contribuir para maior compreensão do desen-
sou-se a trabalhar a transformação da figura volvimento perceptivo e criativo dos alunos
humana para a figura de moda, juntamente de design. Constata-se, portanto, sua relevân-
com a sensibilização criativa das superfícies cia para a área educacional esperando que as
(estampas, texturas...), através de técnicas pessoas acrescentem a estes, novas pesquisas.
ilustrativas (aquarela, pastel, lápis de cor...).
Assim:
O resultado final foi utilizado como parâmet-
ro de análise para avaliação do processo de
transformação como foi apresentado no corpo Desenhar é primeiramente ver com
deste trabalho. O objetivo foi mostrar através os olhos, observar, descobrir. Desen-
das análises comparativas entre as imagens har é aprender a ver, a ver nascer,

5
Anais do XIX Seminário de Iniciação Científica
A Percepção na Perspectiva do Ensino-Aprendizagem do Desenho de Moda à Mão Livre

crescer, expandir-se, morrer, a ver as


coisas e as pessoas. É preciso desen-
har para interiorizar aquilo que foi
visto, e que se dará escrito em nossa
memória para o resto de nossa vida.
(Le Corbusier)

Referencial Bibliográfico

ARNHEIM, Rudolf. ARTE e Percepção Visual


Uma Psicologia da Visão Criadora. São Paulo:
Livraria Pioneira Editora,1994.
______________El Pensamiento Visual. Barce-
lona: Ed. Páidos, 1986.
BAXANDALL, Michael. Sombras e Luzes. São
Paulo: Edusp, 1997.
BELLANGER, Camille. Desenho Artístico. São
Paulo: Editora Parma Ltda. 1982.
BLONDEAU, Claudine...[ et al] Methode
de Dessin Fashion Drawing Esmod Edition,
Meth1995.
DERDYK, Edith. Disegno. Desenho. Desígnio.
São Paulo: Ed. Senac, 2007
______________Formas de Pensar o desenho. São
Paulo: Scipione, 1989.
______________O desenho da Figura Humana.
São Paulo: Scipione, 1990.
DONDIS, Donis A. Sintaxe da Linguagem Vi-
sual. S Paulo: Martins Fontes, 1997.
FEGHALI, Marta Kasznar e Daniela Dwyer.
As Engrenagens da Moda. Rio de Janeiro: Ed.
Senac, 2001
FLUSSER, Vilém. O mundo codificado. São Pau-
lo: Cosac Naify, 2007
JONES, Sue Jenkyn. Fashion Design, manual do
estilista.. SP: CosacNaify, 2005
MUNARI, Bruno. Das Coisas Nascem Coisas.
São Paulo: Ed. Martins Fontes, 1998.
OSTROWER, Faiga. Criatividade e Processos de
Criação. Rio de Janeiro: Vozes, 1991.
PERAZZO, Luiz F. Elementos da Forma. Rio de
Janeiro: Ed. SENAC,1997.
PERRENOUD, Philippe. Construir as Com-
petências desde a Escola. Porto Alegre: Ed. Art-
med, 1999.
SANTAELLA, Lúcia. A Percepção: uma teoria
semiótica. São Paulo: Experimento, 1993.

6
V Jornada de Iniciação Científica