Você está na página 1de 7

Jean Piaget (1896-1980)

Um pioneiro no estudo da inteligência infantil

Jean Piaget (1896-1980) foi um renomado psicólogo e filósofo suíço, conhecido por
seu trabalho pioneiro no campo da inteligência infantil. Piaget passou grande parte
de sua carreira profissional interagindo com crianças e estudando seu processo de
raciocínio. Seus estudos tiveram um grande impacto sobre os campos da Psicologia
e Pedagogia.

Sua Vida

Jean Piaget nasceu no dia 9 de agosto de 1896, em Neuchâtel, na Suíça. Seu pai,
um calvinista convicto, era professor universitário de Literatura medieval.

Piaget foi um menino prodígio. Interessou-se por História Natural ainda em sua
infância. Aos 11 anos de idade, publicou seu primeiro trabalho sobre sua
observação de um pardal albino. Esse breve estudo é considerado o início de sua
brilhante carreira científica. Aos sábados, Piaget trabalhava gratuitamente no
Museu de História Natural.

Piaget freqüentou a Universidade de Neuchâtel, onde estudou Biologia e Filosofia.


Ele recebeu seu doutorado em Biologia em 1918, aos 22 anos de idade.

Após formar-se, Piaget foi para Zurich, onde trabalhou como psicólogo
experimental. Lá ele freqüentou aulas lecionadas por Jung e trabalhou como
psiquiatra em uma clínica. Essas experiências influenciaram-no em seu trabalho.
Ele passou a combinar a psicologia experimental - que é um estudo formal e
sistemático - com métodos informais de psicologia: entrevistas, conversas e
análises de pacientes.

Jean Piaget
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jean Piaget
Busto de Jean Piaget

Nome completo Jean William Fritz Piaget

Nascimento 9 de agosto de 1896


Neuchâtel, cantão de Neuchâtel
Suíça

Morte 16 de setembro de 1980 (84 anos)


Genebra, Suíça
Suíça

Nacionalidade Suíça

Ocupação epistemologo, psicólogo

Magnum opus A Epistemologia Genética

Escola/tradição Universidade de Genebra

Sir Jean William Fritz Piaget (Neuchâtel, 9 de agosto de 1896 - Genebra, 16 de


setembro de 1980) foi um epistemólogo suíço, considerado o maior expoente do estudo
do desenvolvimento cognitivo.

Estudou inicialmente biologia, na Suíça, e posteriormente se dedicou à área de


Psicologia, Epistemologia e Educação. Foi professor de psicologia na Universidade de
Genebra de 1929 a 1954; tornando-se mundialmente reconhecido pela sua revolução
epistemológica. Durante sua vida Piaget escreveu mais de cinqüenta livros e diversas
centenas de artigos.

Surgiu nos séculos VII-VI a.C. nas cidades gregas situadas na Ásia Menor.A história da
filosofia é um ramo da história e da filosofia. Ela é uma disciplina filosófica à parte, e
ocupa bastante espaço no ensino secundário e universitário de filosofia no Brasil.
Enquanto ramo da história, ela se ocupa de documentar e preservar os debates
filosóficos. Enquanto ramo da filosofia, ela se ocupa em discutir filosoficamente, com
os conceitos atuais da filosofia, tendo em vista o problema do anacronismo e os
conceitos filosóficos do passado.

A História da Filosofia é a disciplina que se encarrega de estudar o pensamento


filosófico em seu desenvolvimento diacrônico, ou seja, a sucessão temporal das idéias
filosóficas e de suas relações. Ela é uma parte da ciência positiva da História, exigindo o
mesmo rigor nos métodos, a fim de reconstituir a seqüência da Filosofia.
Como as idéias influenciam os acontecimentos e vice-versa, é comum que a História da
Filosofia precise recorrer a conhecimentos da História Geral, para esclarecer seus
conteúdos, assim como é costumeiro que esta recorra àquela, para contribuir na
explicação dos determinantes de certos fatos. Dentro da História da Filosofia, é possível
fazer delimitações materiais e formais. No primeiro caso, assim como a História da
Filosofia é subdivisão da História, pode haver a História da Lógica, do Empirismo ou
do Aristotelismo. No segundo caso, o das delimitações formais, a divisão que se faz diz
respeito ao tempo, caso em que se equipara à organização empreendida pela História
Geral.

Assim, costuma-se estudar a História da Filosofia com a seguinte disposição: filosofia


antiga, filosofia medieval, filosofia moderna e filosofia contemporânea.

A história da filosofia rastreia as várias teorias que buscaram ou buscam algum tipo de
compreensão, conhecimento ou sabedoria sobre questões fundamentais, como por
exemplo a realidade, o conhecimento, o significado, o valor, o ser e a verdade. O fazer
filosófico, como toda construção do conhecimento, requer acúmulo das contribuições
dos pensadores do passado. Sempre que um pensador se debruça seriamente sobre uma
questão filosófica, está, mais ou menos conscientemente, rendendo tributo a seus
antecessores, seja para contrapor-se a eles, seja para ratificar suas idéias, esclarecê-las e
melhorá-las.

A Filosofia ocidental tem uma longa história. Ela costuma ser dividida em quatro
grandes eras:

• Filosofia antiga - Estuda-se, em Filosofia Antiga, o surgimento da Filosofia e


seu desenvolvimento pelos gregos, especialmente, e pelos romanos. Em geral,
ela é repartida, tomando-se Sócrates como referência. Assim, há o período pré-
socrático e o pós-socrático. Corresponde ao período compreendido entre os
séculos VI e V a.C. Suas figuras de destaque são Platão e Aristóteles, além de
outros de quem se sabe menos, como Tales, Anaximandro, Anaxímenes,
Heráclito, Parmênides, Empédocles e Demócrito. A transição entre esta etapa e a
Filosofia Medieval não é muito nítida. Ela se dá quando o cristianismo ganha
status e recorre ao pensamento grego, para dar fundamento teórico a suas teses.
Em termos cronológicos, esse período coincide aproximadamente com a queda
de Roma, no século V.
• Filosofia medieval - A Filosofia Medieval se estende até aproximadamente o
século XV, quando ocorre o que se chama Renascença. Ela está principalmente
subordinada à Igreja Católica, e seus representantes capitais são Santo
Agostinho e São Tomás de Aquino. É quase totalmente uma filosofia
escolástica. Há ainda alguns filósofos de origem árabe ou judaica, mas não
fazem parte da tradição filosófica ocidental, embora seus trabalhos tenham sido
fundamentais para que o pensamento antigo atingisse nossos dias.
• Filosofia moderna - O período que compreende a Filosofia Moderna vai do final
da Idade Média até fins do século XIX. Há propostas de que seja dividido em
Filosofia da Renascença e Filosofia Moderna. A primeira é marcada pela
descoberta de obras desconhecidas de Platão e Aristóteles, além de outras obras
do mundo grego, sendo seus principais pensadores Maquiavel, Montaigne,
Erasmo, More, Giordano Bruno etc. Na segunda, predomina “a idéia de
conquista científica e técnica de toda a realidade, a partir da explicação
mecânica e matemática do Universo e da invenção das máquinas”, nas palavras
de Marilena Chaui, e seus representantes mais destacáveis foram Galileu, Bacon,
Descartes, Pascal, Hobbes, Espinosa, Leibniz, Locke, Berkeley, Newton, Hume
e Kant.
• Filosofia contemporânea - Estendendo-se de meados do século XIX até nossos
dias, é o período mais complexo de definir, afinal está em construção, e não
temos o distanciamento afetivo e cronológico para nos ajudar a entendê-lo.

Seymour Papert usou o trabalho de Piaget como fundamentação ao desenvolver a


linguagem de programação Logo. Alan Kay usou as teorias de Piaget como base para o
sistema conceitual de programação Dynabook, que foi inicialmente discutido em Xerox
PARC. Estas discussões levaram ao desenvolvimento do protótipo Alto, que explorou
pela primeira vez os elementos do GUI, ou Interface Gráfica do Usuário, e influenciou a
criação de interfaces de usuário a partir dos anos 80.

Índice
[esconder]

• 1 Teoria
• 2 Publicações em português da obra de Jean Piaget
o 2.1 Como autor principal
o 2.2 Em co-autoria com Bärbel Inhelder
o 2.3 Em co-autoria com Paul Fraisse
o 2.4 Outras co-autorias
• 3 Ver também

• 4 Ligações externas

[editar] Teoria
Através da minuciosa observação de seus filhos e principalmente de outras crianças,
Piaget impulsionou a Teoria Cognitiva, onde propõe a existência de quatro estágios de
desenvolvimento cognitivo no ser humano: o estágio sensório-motor, pré-operacional
(pré-operatório), operatório concreto e operatório formal.

[editar] Publicações em português da obra de Jean


Piaget
[editar] Como autor principal

1. A Construção do Real na Criança. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar,


1970. 360 p.
2. A Epistemologia Genética e a Pesquisa Psicológica. Rio de Janeiro: Freitas
Bastos, 1974.
3. A Epistemologia Genética. Trad. Nathanael C. Caixeira. Petrópolis: Vozes,
1971. 110p.
4. A Equilibração das Estruturas Cognitivas. Problema central do
desenvolvimento. Trad. Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1976.
5. A Evolução Intelectual da Adolescência à Vida Adulta. Trad. Fernando Becker e
Tania B.I. Marques. Porto Alegre: Faculdade de Educação, 1993. Traduzido de:
Intellectual Evolution from Adolescence to Adulthood. Human Development, v.
15, p. 1-12, 1972.
6. A Formação do Símbolo na Criança. Imitação, jogo e sonho, imagem e
representação. Trad. Alvaro Cabral. Rio de Janeiro: Zahar, 1971.
7. A Linguagem e o Pensamento da Criança. Trad. Manuel Campos. Rio de
Janeiro: Fundo de Cultura, 1959. 307 p.
8. A Noção de Tempo na Criança. Rio de Janeiro: Distribuidora Record, (s.d.).
9. A Origem da Idéia do Acaso na Criança. Rio de Janeiro: Distribuidora Record,
(s.d.).
10. A Práxis na Criança. In.: Piaget. Rio de Janeiro: Forense, 1972.
11. A Psicologia da Inteligência. Trad. Egléa de Alencar. Rio de Janeiro: Fundo de
Cultura, 1958. 239 p.
12. A Representação do Mundo na Criança. Rio de Janeiro: Distribuidora Record,
[s.d.].
13. A Situação das Ciências do Homem no Sistema das Ciências. Trad. Isabel
Cardigos dos Reis. Amadora: Bertrand, Vol. I, 1970. 146 p.
14. A Vida e o Pensamento do Ponto de Vista da Psicologia Experimental e da
Epistemologia Genética. In.: Piaget. Rio de Janeiro: Forense Universitária,
1972.
15. Abstração Reflexionante: Relações lógico-aritméticas e ordem das relações
espaciais. Trad. Fernando Becker e Petronilha G. da Silva, Porto Alegre: Artes
Médicas, 1995.
16. Aprendizagem e Conhecimento. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1979.
17. Biologia e Conhecimento. Trad. Francisco M. Guimarães. Petrópolis: Vozes,
1973. 423p.
18. Conversando com Jean Piaget. Rio de Janeiro: Difel, 1978.
19. Da Lógica da Criança à Lógica do Adolescente. São Paulo: Pioneira, 1976.
20. Ensaio de Lógica Operatória. São Paulo: Editora Globo/EDUSP, 1976.
21. Estudos Sociológicos. Rio de Janeiro: Forense, 1973.
22. Fazer e Compreender. Trad. Cristina L. de P. Leite. São Paulo: Melhoramentos;
EDUSP, 1978. 186 p.
23. Gênese das Estruturas Lógicas Elementares. Trad. Álvaro Cabral. Rio de
Janeiro: Zahar, 1970. 356 p.
24. Inconsciente Afetivo e Inconsciente Cognitivo. In.: Piaget. Rio de Janeiro:
Forense, 1972.
25. O Estruturalismo. Trad. Moacir R. de Amorim. São Paulo: Difel, 1970. 119 p.
26. O Juízo Moral na Criança. São Paulo:Summus, 1994. 302 p.
27. O Julgamento Moral na Criança. São Paulo: Mestre Jou, 1977.
28. O Nascimento da Inteligência na Criança. Trad. Alvaro Cabral. Rio de Janeiro:
Zahar, 1970. 387p.
29. O Possível e o Necessário. Evolução dos necessários na criança. Porto Alegre:
Artes médicas, v. 2, 1986.
30. O Raciocínio na Criança. Trad. Valerie Rumjanek Chaves. Rio de Janeiro:
Record, 1967. 241p.
31. O Trabalho por Equipes na Escola: bases psicológicas. Trad. Luiz G. Fleury.
Revista de Educação. São Paulo: Diretoria do Ensino do Estado de São Paulo.
vol. XV e XVI, 1936. p. 4-16.
32. Para Onde Vai a Educação? Trad. Ivete Braga. Rio de Janeiro: José Olympio,
1973. 89 p.
33. Psicologia e Epistemologia: Por uma teoria do conhecimento. Trad. Agnes
Cretella. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1973. 158 p.
34. Psicologia e Pedagogia. Trad. Dirceu A. Lindoso; Rosa M.R. da Silva. Rio de
Janeiro: Forense Universitária, 1970. 182 p.
35. Sabedoria e Ilusões da Filosofia. Trad. Zilda A. Daeir. São Paulo: Difusão
Européia, 1969. 200 p.
36. Seis Estudos de Psicologia. Trad. Maria A.M. D'Amorim; Paulo S.L. Silva. Rio
de Janeiro: Forense, 1967. 146 p.

37. Tratado de Psicologia Experimental: A inteligência. Trad. Alvaro Cabral. Rio


de Janeiro: Forense, v. 7, 1969.
Piaget nasceu em Neuchâtel, Suíça em 1896 e faleceu em 1980. Escreveu livros, manografias e artigos. Nos
últimos anos de sua vida centrou seus estudos no pensamento lógico-matemático. Sua formação superior e
universitária foi nas Ciências Naturais ( Biologia).
&nbs p; Observandocrianças, entre elas seus próprios filhos, Piaget concluiu que em muitas questões cruciais
as crianças não pensam como os adultos. Por ainda lhes faltarem certas habilidades, a maneira de pensar é
diferente, não somente em grau, como em classe.
Jean Piaget era um psicólogo do DESENVOLVIMENTO, PREOCUPADO EM DESCOBRIR AS MUDANÇAS
ONTOGENÉTICAS ( MUDANÇAS DO DESENVOLVIMENTO QUE OCORREM NO INDIVÍDUO) no
funcionamento cognitivo, do nascimento à adolescência. Alguns dos importantes conceitos piagetianos são:
ESQUEMAS, ASSIMILAÇÃO, ACOMODAÇÃO, EQUILIBRAÇÃO. Piaget também abordou a existência de
processos mentais internos.
Uma técnica clínico-descritiva foi desenvolvida por Piaget. Ela envolvia, essencialmente, perguntas individuais
às crianças, sobre questões cuidadosamente selecionadas, e o registro de suas respostas e dos seus
raciocínios para as respostas.
Podemos dizer que o trabalho de Piaget foi de OBSERVAÇÃO E SUAS ANÁLISES FORAM EXTREMAMENTE
DETALHADAS, DESTINANDO-SE A DETECTAR AS MUDANÇAS NO DESENVOLVIMENTO DO
FUNCIONAMENTO COGNITIVO. O comportamento intelectual, em qualquer idade, se origina diretamente dos
níveis anteriores de comportamento. O comportamento primitivo sensório-motor, contém as raízes de todo o
desenvolvimento intelectual.
&nbs p; Segundo Piaget, o curso geral do desenvolvimento das estruturas intelectuais é o mesmo em todas as
pessoas. Ao contrário do que muitas vezes se pensa, Piaget abordou o tema da INTERAÇÃO SOCIAL,
entendendo por ela o intercâmbio de idéias entre as pessoas.
&nbs p; Para Piaget os estágios do desenvolvimento cognitivo são quatro. O PRIMEIRO É O ESTÁGIO DA
INTELIGÊNCIA SENSÓRIO-MOTORA ( 0-2 anos de idade), SENDO QUE O COMPORTAMENTO É
BASICAMENTE MOTOR.
TEMOS ENTÃO O ESTÁGIO DO PENSAMENTO PRÉ-OPERACIONAL( 2-7 anos de idade),
CARACTERIZADO PELO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM. NO ESTÁGIO DAS OPERAÇÕES
CONCRETAS, (7-11 anos de idade), É DESENVOLVIDA A CAPACIDADE DE APLICAR O PENSAMENTO
LÓGICO.
FINALMENTE, TEMOS O ESTÁGIO DAS OPERAÇÕES FORMAIS, ( 11-15 anos ou mais). AQUI AS
CRIANÇAS TORNAM-SE APTAS A APLICAR O RACIOCÍNIO LÓGICO A TODAS AS CLASSES DE
PROBLEMAS.
Fonte: http://pt.shvoong.com/humanities/1721897-obra-vida-jean-piaget/#ixzz1Jb7592nh

Piaget nasceu em Neuchâtel, Suíça em 1896 e faleceu em 1980. Escreveu livros, manografias e artigos. Nos
últimos anos de sua vida centrou seus estudos no pensamento lógico-matemático. Sua formação superior e
universitária foi nas Ciências Naturais ( Biologia).
&nbs p; Observandocrianças, entre elas seus próprios filhos, Piaget concluiu que em muitas questões cruciais
as crianças não pensam como os adultos. Por ainda lhes faltarem certas habilidades, a maneira de pensar é
diferente, não somente em grau, como em classe.
Jean Piaget era um psicólogo do DESENVOLVIMENTO, PREOCUPADO EM DESCOBRIR AS MUDANÇAS
ONTOGENÉTICAS ( MUDANÇAS DO DESENVOLVIMENTO QUE OCORREM NO INDIVÍDUO) no
funcionamento cognitivo, do nascimento à adolescência. Alguns dos importantes conceitos piagetianos são:
ESQUEMAS, ASSIMILAÇÃO, ACOMODAÇÃO, EQUILIBRAÇÃO. Piaget também abordou a existência de
processos mentais internos.
Uma técnica clínico-descritiva foi desenvolvida por Piaget. Ela envolvia, essencialmente, perguntas individuais
às crianças, sobre questões cuidadosamente selecionadas, e o registro de suas respostas e dos seus
raciocínios para as respostas.
Podemos dizer que o trabalho de Piaget foi de OBSERVAÇÃO E SUAS ANÁLISES FORAM EXTREMAMENTE
DETALHADAS, DESTINANDO-SE A DETECTAR AS MUDANÇAS NO DESENVOLVIMENTO DO
FUNCIONAMENTO COGNITIVO. O comportamento intelectual, em qualquer idade, se origina diretamente dos
níveis anteriores de comportamento. O comportamento primitivo sensório-motor, contém as raízes de todo o
desenvolvimento intelectual.
&nbs p; Segundo Piaget, o curso geral do desenvolvimento das estruturas intelectuais é o mesmo em todas as
pessoas. Ao contrário do que muitas vezes se pensa, Piaget abordou o tema da INTERAÇÃO SOCIAL,
entendendo por ela o intercâmbio de idéias entre as pessoas.
&nbs p; Para Piaget os estágios do desenvolvimento cognitivo são quatro. O PRIMEIRO É O ESTÁGIO DA
INTELIGÊNCIA SENSÓRIO-MOTORA ( 0-2 anos de idade), SENDO QUE O COMPORTAMENTO É
BASICAMENTE MOTOR.
TEMOS ENTÃO O ESTÁGIO DO PENSAMENTO PRÉ-OPERACIONAL( 2-7 anos de idade),
CARACTERIZADO PELO DESENVOLVIMENTO DA LINGUAGEM. NO ESTÁGIO DAS OPERAÇÕES
CONCRETAS, (7-11 anos de idade), É DESENVOLVIDA A CAPACIDADE DE APLICAR O PENSAMENTO
LÓGICO.
FINALMENTE, TEMOS O ESTÁGIO DAS OPERAÇÕES FORMAIS, ( 11-15 anos ou mais). AQUI AS
CRIANÇAS TORNAM-SE APTAS A APLICAR O RACIOCÍNIO LÓGICO A TODAS AS CLASSES DE
PROBLEMAS.

Fonte: http://pt.shvoong.com/humanities/1721897-obra-vida-jean-piaget/#ixzz1Jb7592nh