P. 1
RESUMO E RESENHA - 2010

RESUMO E RESENHA - 2010

|Views: 5.302|Likes:
Publicado porFernando Anthony

More info:

Published by: Fernando Anthony on Apr 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/05/2013

pdf

text

original

Material de Estudo.

RESENHA

1

RODRIGUES, Agnes dos Santos Scaramuzzi ass.rodrigues@santanna.br 2 NOGUEIRA, Hélita A. M. Vieira Nogueira hamv.nogueira@santanna.br

O presente texto tem o objetivo de oferecer uma breve reflexão sobre a produção de gêneros acadêmicos e, assim, contribuir com as atividades textuais dos graduandos do curso de Letras inseridos na UniSant‟Anna em 2010. Segundo literatura relativamente recente sobre essa questão3, a base para a produção de um bom texto acadêmico é uma leitura e entendimento do texto fonte seguida da elaboração de um resumo. Esse registro poderá, então, servir de alicerce na construção de outros gêneros encontrados na área acadêmica. No esquema a seguir pode-se observar com maior clareza como essa relação ocorre;

 Resenha

 Projeto

de pesquisa  Relatório de pesquisa  Artigo  Apresentação em Congresso  Monografia  Dissertação  Tese
Agnes dos Santos Scaramuzzi Rodrigues Mestra -PUC-SP / LAEL

Resumo

3

1

Mestra em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem (PUC-SP / LAEL) e Docente nos cursos de Letras; Pedagogia e Enfermagem na Uni Sant‟ Anna. 2 Mestra em Textualidade (PUC-SP) e Docente no curso de Letras na UniSant‟Anna. 3 Anna Rachel Machado at all (2004), Resumo e Resenha.

Material de Estudo.

Desse modo, verifica-se que os gêneros mencionados no slide são frequentemente solicitados por professores, sendo necessário que o aluno domine as técnicas de elaboração dos mesmos. E quais seriam esses caminhos para elaborar uma resenha? Antes de se responder essa questão é fundamental esclarecer que o modo como cada professor pede esses trabalhos pode ser diferente. O resumo crítico, ou seja, aquele que apresenta um resumo do texto fonte, mas que deve conter uma crítica sobre o que nele tenha sido discutido é o que se nomeia, atualmente, como resenha. Para responder a questão acima se faz necessário entender que há diferenças pontuais entre esses gêneros, resumo e resenha. A seguir destaca-se as principais:  Gênero Resumo; o Não aceita nenhum tipo de reflexão; o Não é permitido alterar a ordem em que o texto fonte foi construído; o Há marcas textuais muito claras que permitem ao leitor não confundir quem é o autor do texto fonte e quem é o autor do resumo, tais como:  Este resumo;  Segundo o Rodrigues (2007);  A autora conclui que...  Gênero Resenha; o É um trabalho de síntese que revistas e jornais científicos publicam geralmente logo após a edição de uma obra; o Tem por objetivo a divulgação dessa obra; o Não se trata de um simples resumo, porque ela vai além: resume a obra e faz uma avaliação sobre ela, apresentando suas linhas básicas e avaliando-a ao mostrar seus pontos fortes e fracos; o A resenha pode ser:  de um ou mais capítulos, de uma coleção ou mesmo de um filme;  apresenta falhas, lacunas e virtudes;  explora o contexto histórico em que a obra fora elaborada;  faz comparações com outros autores. o Todas as etapas do resumo são seguidas, porém;  O autor da resenha apresenta sua opinião em relação ao que foi resumido;

Material de Estudo.  A conclusão deve, necessariamente, apresentar uma crítica, uma reflexão sobre o texto fonte e o impacto do mesmo sobre algum processo de amadurecimento ou contribuição na formação do autor da resenha; o De uma boa resenha devem constar;  A referência bibliográfica da obra, preferencialmente seguindo a ABNT;  Alguns dados biográficos relevantes do autor (titulação, vínculo acadêmico e outras obras, por exemplo);  O resumo da obra, ou síntese do conteúdo, destacando a área do conhecimento, o tema, as idéias principais e, opcionalmente, as partes ou capítulos em que se divide o trabalho. Deve-se deter no essencial, mostrando qual é o objetivo do autor, evitando recorrer a detalhes e exemplos, seja conciso. Este momento é mais informativo que crítico, embora a crítica já possa estar presente;  As categorias ou termos teóricos principais de que o autor se utiliza, precisando seu sentido, o que ajuda evidenciar seu fundamento teórico, situando-o no debate acadêmico e permitindo sua comparação com outros autores. Aqui não só se deve expor claramente como o autor conceitua ou define determinado termo teórico, mas já se deve introduzir críticas, seja à utilização ou à própria conceituação feita pelo autor (em uma resenha para revistas especializadas, esta parte pode ser dispensada, até por economia de espaço, mas é essencial em trabalhos acadêmicos);  A avaliação crítica, é o ponto alto da resenha, pois nela o “resenhista” mostra seu conhecimento, dialoga com o autor e/ou com leitor. Segundo Hêndricas, “a resenha crítica (também denominada recensão crítica, quando mais longa e acompanha de aparato crítico) consiste num conjunto de comentários sobre um livro no seu todo ou sobre os aspectos mais relevantes da obra. É um artigo de divulgação científica em que se dá uma idéia sobre o conteúdo de uma obra por meio de um resumo de seu conteúdo e, também, se exerce análise crítica, observando a expressão lingüística, os métodos, os conceitos, os seus valores de acordo com os objetivos do texto resenhado. Para maior validade de análise crítica, apóia-se com citações bibliográficas, nas opiniões de outros estudiosos de reconhecida autoridade no assunto.” “A linguagem segue os padrões da linguagem científica das redações acadêmicas, respeitando as opiniões expressas no texto estudado com fidelidade, sem deformação das idéias nem procura de polêmica apaixonada. O autor da resenha deve

Material de Estudo. conhecer bem o assunto e ter espírito crítico capaz de perceber, no conjunto e nas partes, os valores criticados.” A resenha distribui-se, geralmente, em partes que podem não estar indicadas com títulos. Introdução com as referências bibliográficas e dados sobre o autor. Resumo do conteúdo. Análise com julgamentos de valores dos pontos mais importantes e controversos. Em obras literárias, estuda-se a construção das personagens, psicológicas e socialmente. Conhecimentos culturais sobre o assunto tratado e sobre o autor da obra. Apreciação da obra quanto ao seu valor científico ou estético em visão crítica objetiva, imparcial, sem digressões, que mais ressaltam as idéias do resenhador que do resenhado. Avalia-se a importância da obra dentro da área de atuação, ou seja, opinião crítica sobre a obra. “Conclusão que abranja o valor do conjunto todo da obra.” Na sequência deste documento, o leitor encontrará, como proposta didática, dois exemplos de resenha. As duas referem-se a livros. A primeira é destinada a um público específico e a segunda é para um jornal, objetivando a divulgação daquela obra. Primeiro exemplo: Classificação de Textos: uma proposta didática

A obra a ser resenhada foi escrita por Ana Maria Kaufman e por Maria Elena Rodrigues. A primeira autora, é uma profissional da área da Educação, mais especificamente, trabalha com produção textual para crianças e é professora adjunta na Faculdade de Psicologia da Universidade de Buenos Aires. A segunda, também professora na Universidade de Buenos Aires e é especialista em Linguística. O livro é composto de quatro capítulos mais introdução e reflexões finais, distribuídos da seguinte forma:  Capítulo I; o Rumo a tipologia dos textos.  Capítulo II; o Caracterização linguística dos textos escolhidos.  Capítulo III; o Os textos escolares: um capítulo à parte.

Material de Estudo.  Capítulo IV; o Planejamento de projetos didáticos que levem em consideração as características dos textos. Desde a introdução observa-se o uso intencional de uma linguagem formal e culta. O que as autoras explanam reflete a preocupação de ambas em encontrar uma ordem didática para os textos que circulam na esfera escolar. Desse modo, o objetivo delas foi o de: facilitar o trabalho do professor que lida com escritos em sua rotina de aulas; promover um incremento qualitativo nas interpretações de textos efetuados por alunos e desenvolver as habilidades dos pequenos estudantes para que progridam como produtores de textos, Mais especificamente, esta resenha tratará do capítulo I, deixando os demais para outra oportunidade. No capítulo referido, (aqui o autor da resenha fará um breve resumo das questões abordadas pela autora apresentando suas reflexões sobre esses pontos). Como considerações finais, aponto que a leitura do texto fonte configurou-se numa ferramenta importante de amadurecimento pessoal e acadêmico, uma vez que ...

Segundo exemplo:

Material de Estudo.

Estudando a resenha acima “O dia de um escrutinador” Introdução – O dia de um escrutinador. Ítalo Calvino. Tradução: Roberta Barni. Companhia das Letras. 96 p., R$ 22,00. Resumo – “Seus temas: comunismo, dor física e existencial, miséria humana, deficientes físicos e mentais, alta e baixa política.” “Amerigo Ormea, o protagonista, é historiador e comunista em crise.” Análise – Primeiro parágrafo todo: “Escrito ao longo de dez anos (...) Os nossos antepassados (composta de O visconde partido ao meio, O barão nas árvores e O cavaleiro inexistente).” Apreciação – “A diferença entre as duas trilogias reside na leveza que distancia uma da outra. O dia de um escrutinador é um romance, se fosse possível dizê-lo, „naturalmente pesado‟, a partir da escolha de seus temas.” E em outro trecho também: “De forma rigorosa, esses e ouros temas são tratados por vários ângulos, segundo as premissas do método dialético”. Também: “O dia de um escrutinador traz um pouco dessa transição”. Conclusão - “Calvino começou a escrever o livro quando ainda comunista e o concluiu já fora do Partido. O dia de um escrutinador traz um pouco dessa transição.”

Como consideração final, esclarece-se que este material teve o objetivo de exemplificar a construção de resumos e resenhas por meio de uma didática participativa por parte do aluno que deverá praticar a produção desses gêneros com os textos sugeridos por seus professores, uma vez que, essa participação pode ser entendida como um modo de estudo, o encontro da teoria com a prática.

Referências Bibliográficas FRANÇA, Júnia Lessa et alii. Manual para normalização de publicações técnicocientíficas. Belo Horizonte, UFMG, 2000. KAUFMAN, A. M. e RODRIGUES, M. E. Rumo a uma tipologia dos textos in Escola, leitura e produção de textos. Trad. Inajara Rodrigues. Porto Alegra: Ed. Artes Médicas, 1995. LANDEIRA, José Luís & BITTENCOURT, Sylvia Homem de & VIEIRA, Alice. Língua Portuguesa. 2ª ed., Brasília: Cisbrasil – CIB, 2009. MACHADO, Anna Rachel at all. Resumo e Resenha. 2004. NALDÓLSKIS, Hêndricas. Comunicação redacional atualizada. 10a ed., São Paulo: Saraiva, 2006.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->