Diretoria Geral do Campus São Luís ± Monte Castelo Diretoria de Ensino Superior ± DESU Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral

III

Máximos e Mínimos de Funções de Várias Variáveis
Alunos: Rômulo Diego Marinho Siqueira ± EM 1011019-21 Josely Silva Vasconcelos ± EM 1011014-21

Prof. Everton Cangussú São Luís 2011

y) ) D(f). ) D(f). y) D (f). diremos que f (x0. y) uma função de duas variáveis. bola B ((x0. y) B ((x0. y0) é um valor extremo da função. y0) A é um extremo relativo de f e que f (x0. diremos que f (x0. Observação: Se P0 = (x0. para todo (x. para todo (x. . y0 ). y0). diremos que f (x0. 2 ± Máximos e Mínimos Absolutos Definição: Seja z = f (x. se existir uma B ((x0. Nesta situação.Instituto Federal de Educação. para todo (x. diremos que f (x0. y0). Otimizar uma função significa encontrar seu desempenho máximo ou mínimo. y) ” f (x0. y0) é o valor mínimo de f em B ((x0. ) tal que f (x. onde A é um conjunto aberto. 1 ± Máximos e Mínimos Definição: Seja f: A  um ponto de máximo relativo de f. ). ). Analogamente. Ciência e Tecnologia do Maranhão Diretoria Geral do Campus São Luís ± Monte Castelo Diretoria de Ensino Superior ± DESU Disciplina de Cálculo Diferencial e Integral III Máximos e Mínimos de Funções de Várias Variáveis Uma importante aplicação do estudo de derivadas parciais é a otimização de funções. Analogamente. um ponto (x0. D(f) é ponto de máximo Nesta situação. y0). ) tal que f (x. y0) é o valor máximo de f. y) ” f (x0. y0). Nesta situação. um ponto P0 = (x0 . dizemos que P0 = (x0. para todo (x. y0 ) D (f) é um ponto de mínimo absoluto de f se f (x. É pertinente lembrar que as técnicas de máximo e mínimo das funções reais de uma variável se estendem com alguns cuidados para funções reais de várias variáveis reais. y0). y0)  uma função. y0) A é um ponto de máximo relativo (ou mínimo relativo). y0). Nesta situação. y) • f (x0. Os pontos de máximo e mínimo são chamados de extremantes. e existir uma bola B ((x0. y0) Aé A é um ponto de mínimo relativo de f. Um ponto (x0. y0). y0). y0) é o valor máximo de f em B ((x0. y) D (f). y) f (x0. y0) é o valor máximo de f. y0 ) absoluto de f se f (x. Um ponto P0 =(x0. y0).

então o ponto (x0. y) = é conhecida como matriz hessiana e o seu determinante. y) uma função definida em um conjunto aberto U R2. y0)> 0.3 ± Pontos Críticos de Uma Função de Duas Variáveis Definição: Seja z = f (x. Um ponto (x0. y0 ) > e (x0. y0) são iguais a zero ou se f não é diferenciável em (x0. . y0) U. (*) ponto de sela: quando numa direção a função atinge um máximo num ponto e em outra direção. (x0. 4 ± Condição Suficiente Para Um Ponto Crítico Ser Extremante Local Seja z = f (x. y0) e (x0. c) Se H(x0. y0 ) = 0 o teste é inconclusivo. y0) U é um ponto crítico de f se as derivadas parciais (x0. é chamado determinante hessiano da função z = f (x. y). y). então o ponto (x0. y0) < 0. Os pontos extremantes de z = f (x. H(x. y0 ) e que este ponto seja um ponto crítico de f. y0) é um máximo relativo. um mínimo no mesmo ponto. y) estão entre os seus pontos críticos. y0) não é extremante local. y0 ) é um mínimo relativo. de onde temos: a) Se H(x0. y0) > e b) Se H(x0. y) uma função cujas derivadas parciais de 1ª e 2ª ordem são contínuas em um conjunto aberto que contém o ponto (x0. d) Se H(x0. e sim ponto de sela(*). A matriz H (x. y0) < 0. temos que (x0. mas nem sempre um ponto crítico é um ponto extremante.

y) a função da qual se quer determinar o máximo ou mínimo sujeito à condição R(x. até problemas que dizem respeito à física. y) = y. . contínua. temos que V = xyz = x y (a-x-y) e a função a maximizar é: f(x. o teorema de Weierstrass nos assegura a existência de pontos extremos absolutos de f em B. biologia. A(x. logo o volume é V = O paralelepípedo é um cubo. y) = x y (a-x-y) Determinemos os pontos críticos:    Como x e y são arestas. ) Suponhamos agora que f tome valores no conjunto: B = {(x. volume. )<0 e ¨( .5 ± Teorema de Weierstrass Seja f : A Rn R uma função contínua no conjunto A fechado e limitado.: De todos os paralelepípedos retangulares cuja soma das arestas é constante e igual a a (a > 0). )= > 0. Exemplo: Sejam A = {(x. As arestas são x = . Como z = a-x-y. x>0 e y>0. 7 ± Máximos e Mínimos Condicionados Seja z = f(x. y = e z = . ¨ (x. lucro ou custo. O conjunto B é fechado e limitado. tempo. 6 ± Máximos e Mínimos: Aplicações Dentre as importantes aplicações de máximos e mínimos destacamos os problemas que têm na sua estrutura o valor máximo ou mínimo de algumas variáveis tais como área. Vejamos um exemplo: Ex. Seu volume é V = xyz. o sistema é equivalente a:  A única solução possível é x = e y = . negócios e economia. isto é. y) = 4xy ± (a ± 2 (x + y))2 A( . que vão desde problemas geométricos.2y. Na prática. . existem pontos de máximo e mínimo absoluto de f em A. Então. y) R2/x2+ y2” 1}. y) = 0. x1 A tais que f(x0 ) ” f(x) ” f(x1 ) para todo x A. f é. ) é ponto de máximo. estes problemas são bastante abrangentes. y) = . força. claramente. y e z as arestas do paralelepípedo tal que x + y + z = a. qual é o que tem volume máximo? Sejam x. Logo ( . potência. existem x0. y) R2/x2+y2 < 1} e f : A R2 R de¿nida por f (x. engenharia.

Solução: Temos x+y=4 => y=4-x e substituindo em f temos f(x)=2x2-8x+16 que é um problema a uma variável. com a função sujeita à restrição g(x. Partindo dessas condições. (3) por y e (4) por z. (7) xyz = (2xz+2yz). Utilizando os multiplicadores de Lagrange. Assim temos que: (5) xyz = (2xz+xy). e sua solução requer. De (6) e (7) temos: 2yz+xy = 2xz+2yz.: Achar a caixa sem tampa de maior volume com superfície total de 12m2.y)=c. temos que z =1. teremos: 4z2+4z2+4z2 = 12.z) = 12. e z são todos positivos. Obs.y) = 0. y. até que toque a superfície. = e = e 2xz+2yz+xy = 12. na função f. Assim encontraremos o ponto (2.y) sejam funções cujas derivadas de primeira ordem existam. (Usar o método da substituição).y) e g(x. Suponha que f(x. procuramos os valores de x. sabendo-se que a função está sujeita à restrição x+y=4. Nos dois pontos de contato (um de cada superfície). vamos lançar mão de alguns truques: observe que se multiplicarmos (2) por x. 7. De (5) e (6) temos: 2xz+xy =2yz+xy que nos dá x = y. Ex.y)=c O extremo relativo desejado será encontrado entre os pontos (x.y)=x2+y2 e determinemos seus pontos de máximo ou mínimo.y).2) com ponto de mínimo. geramos as equações: = . vamos supor que temos o problema de determinar a menor distância entre uma dada superfície e a origem. . y. os lados esquerdos dessas equações ficam iguais. em geral. Obtém-se dessa forma uma função de uma só variável.y) e g(x. (6) xyz = (2yz+xy). com freqüência.7.y)= (x. que dá 2xz = xy e portanto y = 2z. x = 2 e y = 2. O sistema de equações que aparece no método de multiplicadores de Lagrange não é.y) resultantes. a esfera e a superfície possuem os mesmos planos tangentes e retas normais. ou seja: (1) (2) (3) (4) Para resolver esse sistema de equações.y. Solução: Buscamos maximizar o volume V= xyz sujeito à restrição g(x.: Consideremos a função f(x. um sistema linear. uma certa inventividade. para alguma constante c.1 ± Método da Substituição Consiste em substituir x (ou y) obtido a partir da restrição R(x. Se substituirmos x = y =2z em (4). Ex.2 ± Método dos Multiplicadores de Lagrange Para entendermos a idéia dos multiplicadores de Lagrange. introduza uma nova variável (denominada multiplicador de Lagrange) e resolva simultaneamente o sistema formado pelas três equações seguintes: (x. Portanto os seus gradientes nestes pontos devem ser vetores paralelos. como se fosse uma bolha de sabão. Para encontrar o máximo e o mínimo relativos de f(x.z) = 2xz+2yz+xy =12.y)= (x. Sabendo que x.y. (x. e o problema se reduz à determinação de máximos e mínimos da função de uma variável. z e tais que V = g e g(x. Podemos imaginar uma esfera centrada na origem e que vai crescendo.y).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful