RAPHAEL ANDRETO DIAS

OVERDENTURE REVISÃO DE LITERATURA

São Paulo 2009

   

RAPHAEL ANDRETO DIAS  
   

Universidade São Marcos  
               

OVERDENTUR E   REVISÃO DE     LITERATURA
         

  Monografia apresentada para obtenção   do título de Especialista em Implantodontia                     São   Paulo –   SP        

 

Orientador: Prof. Dr. Luiz Carlos Pinto Ferreira  

2009    

RESUMO

A diminuição da habilidade de mastigação em pacientes portadores de prótese total inferior, devido à falta de retenção e estabilidade das próteses em mandíbulas severamente reabsorvidas, são as principais dificuldades com as quais, nós dentistas, nos deparamos no tratamento com próteses totais. O presente estudo analisa o tema overdenture mandibular retida por dois implantes, e dois sistemas diferentes de retenção: o’ring e barra clipe.

Palavras Chave: Overdenture, o’ring, dois implantes, barra clipe.

ABSTRACT
The decreased ability of mastication in patients with lower total prosthesis, due to lack of retention and stability of the prostheses in mandibles strongly reabsorbed, are the main difficulties with which we dentists, to treat us with total prostheses. This study examines the theme mandibular overdenture retained by two implants, two different systems and retention: o’ring clip and bar.

Key-words: Overdenture, o’ring, two implants, bar clip.

SUMÁRIO
1. Introdução 2. Proposição 3. Revisão de literatura 4. Discussão 5. Conclusão 6. Referências bibliográficas 7 8 9 15 20 21

LISTA DE FIGURAS
Fig.1- Conceito de tratamento Fig. 2 - Espaços menores não permitem a instalação de 2 clipes no seu tamanho original Fig. 3 – Orientação horizontal da barra paralela ao eixo de rotação mandibular Fig. 4 – Disposição correta da barra Fig. 5 - Higiene bucal precária Fig. 6 - Periimplante Fig. 7 - Attachment esférico (sistema Bonefit) 16 17 17 18 18 19 15

 
1. INTRODUÇÃO

7  

Na

reabilitação

dos

pacientes

desdentados

com

próteses

totais

convencionais, uma grande preocupação dos pacientes e do profissional está relacionada ao arco inferior, por ter menor área de suporte. Assim, a prótese total inferior apresenta menor estabilidade e retenção quando comparada à superior. A falta de retenção e estabilidade da prótese diminuem a habilidade e conforto na mastigação. Devido a esse problema, diversas técnicas foram idealizadas na tentativa de reverter tal situação, visando um aumento da retenção do rebordo, como exemplo, aprofundamento de sulco, enxerto autógeno, câmaras de sucção, fixadores, etc. Muitas destas técnicas não tiveram êxito ou não se mostraram tão duradouras. Assim, com o surgimento da osseointegração, as opções de tratamento para pacientes desdentados modificaram-se, passando a incluir tratamentos com melhores resultados. Um dos protocolos utilizados é a instalação de dois implantes que auxiliarão na retenção e estabilização desta prótese, trazendo mais conforto e satisfação ao paciente portador de prótese total.

 

 
2. PROPOSIÇÃO

8  

Este trabalho tem como objetivo a revisão bibliográfica das overdentures mandibulares retidas por dois implantes, através dos sistemas de retenção barra clipe e sistema o’ring.

 

 
3. REVISÃO DE LITERATURA

9  

ADEll et al., (1981) em um estudo com duração de 15 anos, comprovaram a eficiência do tratamento com implantes osseointegrados ao relatarem o alto índice de sucesso obtido em seus casos. Segundo os autores, com a possibilidade de fixação das próteses aos implantes, o problema da falta de retenção das próteses em pacientes completamente desdentados é praticamente eliminada. NAERT et al., (1988) após estudos com duração de dois anos e meio, analisaram pacientes portadores de overdentures mandibulares. Após essa análise, observou-se uma taxa de sucesso de 97,7% no tratamento com overdentures. Segundo a pesquisa, todos os pacientes relataram melhora das funções e uma maior confiança no uso da prótese. Os autores atribuiram o sucesso do tratamento a uma localização favorável dos implantes, garantindo retenção e estabilidade da prótese. QUIRYNEN et al., (1991) em um período de estudos com duração de 4 anos, analisando pacientes portadores de overdenture, verificaram um índice de satisfação de 99% destes pacientes. Os autores preconizam a instalação de dois implantes paralelos conectados por uma barra reta. Sendo assim, segundo os autores, durante a função mastigatória a overdenture possui um movimento de rotação ao redor da barra, ficando suportada sobre a mucosa. Afirmaram ainda, que, para a manutenção da saúde periimplantar, a barra deve estar posicionada entre 1.8 a 2.9 mm distante da mucosa para facilitar a higienização. NAERT et al., (1991) em um estudo com duração de 4 anos, encontrou uma alta taxa de sucesso nas próteses overdentures mandibulares fixadas por barra clipe

 

 

10  

a dois implantes. Segundo os autores, a prótese overdenture é uma excelente solução para a reabilitação funcional, estética e psicossocial do paciente. MEIRELES et al., (2000) realizaram um estudo laboratorial analisando a força necessária para desconectar dois tipos de retentores de overdenture (barra clipe, o’ring). Este estudo foi elaborado através de corpos de prova em resina, onde eram fixados os componentes barra clipe e o’ring e em seguida conectado às fêmeas. A avaliação da retenção dos dois sistemas foi obtida por uma máquina de ensaio de tração (EMIC modelo DL 1000), com célula de carga de 500 N e velocidade entre 0,5 e 1 mm/mim, sendo realizados 5 ensaios em cada retentor. Os autores concluíram que o comportamento do sistema de retenção pode ser associado à área de contato entre macho e fêmea, e que quanto maior a área de retenção maior a força para remoção. O sistema barra-clipe indicou superioridade nas forças para remoção em relação ao sistema o’ring. Porém, os dois sistemas de retenção são capazes de equilibrar uma prótese tipo overdenture retida por dois implantes devolvendo a função mastigatória e estética ao paciente. SPIEKERMANN (2000) citou que o correto posicionamento da barra no seguimento anterior da mandíbula, é paralela ao eixo de rotação da mandíbula (eixo intercondilar), e a distancia entre implantes deve ser de 22 a 24 mm. WALTON et al., (2002) realizaram um estudo comparativo entre dois

métodos de retenção: sistema o’ring e barra clipe. Observaram que os pacientes estavam igualmente satisfeitos quanto à melhora na função mastigatória, conforto e estética, se comparado às próteses convencionais. Porém, os autores sugeriram ser o uso do sistema de retenção do tipo barra clipe mais viável aos pacientes devido, à alta taxa de manutenção exigido pelo sistema o’ring.

 

 

11  

THOMASON et al., (2003) analisaram a satisfação de pacientes com prótese total convencional inferior e com overdenture inferior retida a dois implantes, com o sistema de retenção o’ring, ambos com antagonista próteses totais convencionais. Para essa análise utilizaram 60 indivíduos entre 65 e 75 anos, divididos aleatoriamente em dois grupos, e analisaram o conforto, estabilidade, habilidade na mastigação e dicção. Os autores observaram que ambos os grupos relataram maior satisfação com as novas próteses após seis meses. Entretanto, os pacientes que receberam as overdentures, tiveram uma satisfação geral aproximadamente 36% maior do que os pacientes que receberam próteses convencionais. FERREIRA et al., (2003) em um estudo comparativo entre o número de implantes necessário para estabilizar uma overdenture, relataram que um grande percentual de pacientes com reabsorção severa da mandíbula e reabilitados com dois implantes consideravam o trabalho ruim devido a mobilidade da prótese, e que o melhor grau de satisfação dos pacientes foi obtido com quatro implantes. TOKUHISA et al., (2003) realizaram um estudo em laboratório através de um modelo de mandíbula, contendo dois implantes que suportavam uma overdenture com diferentes tipos de retenção (barra clipe, o’ring). O objetivo foi analisar as forças transmitidas aos implantes e os movimentos das próteses. Concluíram que o sistema barra clipe é mais retentivo que o o’ring, porém o o’ring com anel de retenção é mais vantajoso, pois proporciona otimização das tensões transmitidas aos implantes com uma estabilidade satisfatória. WALTON (2003), durante 3 anos realizou um estudo comparativo entre dois tipos de sistema de retenção: barra clipe e o’ring. Ambos eram utilizados para reter uma prótese overdenture inferior a dois implantes mandibulares, tendo como antagonista uma prótese convencional. O propósito era determinar se existia

 

 

12  

diferença quanto a manutenção protética. Como resultado, observou que 60% dos o’rings necessitaram de reparos e 8% de substituição. Assim, concluiu que a barra clipe foi melhor sucedida, necessitando de 20% menos manutenção. FRAGOSO et al., (2005) concluíram que no arco inferior, a instalação de dois implantes e a utilização de uma infra-estrutura parafusada (sistema de retenção barra clipe) aos implantes, e a retenção da prótese por um clipe é suficiente para permitir ao paciente uma prótese com estabilidade e retenção, restabelecendo a função mastigatória e satisfação do paciente. FERNANDES NETO et al., (2005) indicaram o uso do sistema barra clipe quando há um espaço protético maior, ou quando os implantes não estão paralelos entre si. Os autores também citaram que a ocorrência de hiperplasia gengival e reações inflamatórias da mucosa ocorrem com maior frequência sob a barra, se a localização dos implantes estiver muito distante da linha mediana. A união dos implantes por uma barra reta implicaria em um sobre contorno lingual enfraquecendo a base da prótese, além de trazer desconforto ao paciente; esta situação indica a utilização do sistema o’ring. O sistema o’ring, segundo os autores, fornece também uma ótima retenção da prótese, além de ser mais fácil de higienizar. Porém, os autores relataram que muitos pacientes têm dificuldade na direção de inserção da prótese para o encaixe bola, implicando em danos precoces do anel de borracha, exigindo substituições mais frequentes. AQUINO et al., (2005) citaram que o uso do sistema o’ring confere uma ótima retenção à prótese com amortecimento das forças não-axiais, devido a presença do anel de borracha presente na fêmea do sistema. Já o sistema barra clipe não permite movimentos verticais, não ocorrendo amortecimento direto das forças.

 

 

13  

GOIATO et al., (2006) relataram que o sistema barra clipe fornece retenção mecânica direta entre implantes e prótese, e se esta barra for reta e unida a dois implantes irá gerar um eixo de rotação para a prótese. Relataram também, que os retentores esféricos permitem a rotação da prótese, facilitando a higiene através dos implantes (fator importante para pacientes idosos), e que a incorporação do sistema de retenção é fácil e de baixo custo. LANG et al., (2006) citaram que o sistema barra clipe é superior em qualidade em relação ao sistema o’ring. E que parece não haver nenhuma diferença estatística em overdentures mandibulares retidas por dois implantes, quando comparadas com as retidas por três ou mais implantes. RODRIGUES (2007) afirmou que o sistema o’ring é mais vantajoso em relação a satisfação do paciente, mas nos casos de implantes não paralelos

(divergência acima de 8 graus) o sistema sofre perda rápida de retenção por desgaste do anel de borracha. O autor ainda afirmou que o sistema barra clipe exige maior habilidade do paciente para higienização, e a distância dos implantes deve ser de aproximadamente 20 mm, pois barras maiores estão sujeitas a deformação, e as menores não permitem o total aproveitamento dos clipes, pois quanto menor o clipe menor a retenção. ANZALONI SAAVEDRA et al., (2008) em estudos clínicos prospectivos com pacientes portadores de overdentures mandibulares, puderam observar que dois implantes são suficientes para satisfazerem as necessidades do paciente. Mas, avaliando os componentes de retenção, os autores puderam concluir que o componente barra-clipe apresentou maior capacidade de retenção e menor complicação protética, porém apresentou maior percentual de mucosite e hiperplasia gengival. Já o sistema o’ring forneceu menor retenção e necessitou de maior

 

 
manutenção protética, mas forneceu aos pacientes menos

14  

problemas

periimplantares devido à facilidade de higienização.

 

 
4. DISCUSSÃO

15  

O desconforto na utilização de uma prótese total sem estabilidade, gera no paciente insegurança no ato de falar e durante a alimentação perante outras pessoas. Com a possibilidade da utilização de implantes para melhorar a estabilidade destas próteses, podemos devolver aos pacientes a segurança, conforto, habilidade mastigatória e todo seu convívio social (ADELL et al., 1981; NAERT et al., 1988; QUIRYNEM et al., 1991; TOMASSON et al., 2003).

Fig. 1 - Conceito de tratamento. (Fonte: Spiekermann, 2000; pág. 146.)

A reabilitação protética destes pacientes pode ser solucionada com a instalação de dois implantes (FRAGOSO et al., 2005; LANG et al., 2006; ANZALONI SAAVEDRA et al., 2008), melhorando a estabilidade e retenção desta prótese. Porém, alguns autores relatam que houve casos de pacientes que reclamam da movimentação da prótese retida por dois implantes somente, principalmente nos  

 

16  

casos de mandíbulas extremamente reabsorvidas (FERREIRA et al., 2003). O tipo de sistema de retenção também influencia diretamente na estabilidade e retenção destas próteses, o sistema barra-clipe apresenta uma grande área de retenção (MEIRELES et al., 2000; TOKUHIZA et al., 2003; ANZALONI SAAVEDRA et al., 2008) estabilizando e retendo com eficiência a prótese (MEIRELES et al., 2000; TOKUHIZA et al., 2003), além de permitir uma melhor reabilitação nos casos de implantes não paralelos (FERNANDES NETO et al., 2005; RODRIGUES, 2007). Porém, esse sistema necessita de um espaço protético maior, e a distância ideal dos implantes deve ser próximo a 20 mm, facilitando a instalação de um ou dois clipes, o que garante aproveitamento máximo da retenção. Distâncias maiores podem levar a uma deflexão da barra e, distâncias menores, a uma menor retenção do clipe (SPIEKERMANN, 2000; RODRIGUES, 2007).

Fig. 2 - Espaços menores não permitem a instalação de 2 clips no seu tamanho original (Fonte: Dinato & Polido, 2001; pág. 193).

 

 

17  

A barra deve estar posicionada paralela ao eixo intercondilar, assim permitindo a movimentação posterior da prótese no ato da mastigação

(SPIEKERMANN, 2000).

Fig. 3 – Orientação horizontal da barra paralela ao eixo de rotação mandibular (Fonte: Spiekerman, 2000; pág. 156).

O sistema barra clipe é contra indicado para os implantes localizados muito distantes da linha mediana, pois a união por uma barra reta implicaria em um sobrecontorno lingual muito grande, fragilizando a prótese e causando dificuldades à fala do paciente (FERNANDES NETO et al., 2005).

Fig. 4 – Disposição correta da barra (Fonte: Spiekermann, 2000; pág. 151)

 

 

18  

Esse sistema exige uma habilidade maior do paciente para higienizar a barra, pois é comum o surgimento de hiperplasias, mucosite e inflamações gengivais sob a barra devido ao grande acumulo de placa bacteriana (FERNANDES NETO et al., 2005; ANZALONI SAAVEDRA et al., 2008).

Fig. 5 - Higiene bucal precária (Fonte: Spiekermann, 2000; págs 311 e 323)

Fig. 6 - Periimplante

Para facilitar a higienização, a barra deve estar de 1,8 a 2,9 mm de distância da gengiva (QUIRYNEN et al., 1991). O sistema barra clipe tem a vantagem de apresentar uma baixa necessidade de manutenção protética (WALTON et al., 2002). Já o sistema oring apresenta um auto índice de manutenção protética (WALTON et al., 2002 e 2003; ANZALONI SAAVEDRA et al., 2008). Se os implantes não apresentarem paralelismo, os pacientes terão dificuldades na direção de inserção desta prótese, levando a um desgaste precoce do anel de borracha e a necessidade de substituição do mesmo (FERNANDES NETO et al., 2005, RODRIGUES, 2007). Porém, o sistema tem a vantagem de permitir uma distribuição das forças mastigatórias sofridas pela prótese devido a presença do anel de borracha interno. Essa distribuição já não acontece no sistema barra clipe (TOKUHIZA et al., 2003; AQUINO et al., 2005). Devido a seu formato, os o’rings facilitam a higienização, exigindo menos habilidade manual (comum em pacientes mais idosos), que a barraclipe, diminuindo a chance do aparecimento de problemas periimplantares  

 

19  

(FERNANDES NETO et al., 2005; GOIATO et al., 2006; ANZALONI SAAVERDA et al., 2008).

Fig. 7 – Attachment esférico (sistema Bonefit) (Fonte: Spiekermann, 2000; pág. 165)

 

 
5. CONCLUSÃO

20  

O sistema barra clipe é mais eficiente na retenção das próteses, e necessita de menos manutenções, comparado ao sistema o’ring. O sistema o’ring é mais fácil de higienizar, diminuindo os problemas periimplantares. O sistema o’ring é o mais resiliente, levando assim menos carga aos implantes, porém permitem uma maior mobilidade da prótese, o que deixa muitos pacientes insatisfeitos. Para a indicação correta de qual sistema de retenção utilizaremos, devemos avaliar detalhadamente, em cada caso, fatores como: idade do paciente, habilidade motora, espaço inter-oclusal, posicionamento dos implantes e expectativas do paciente.

 

 
6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

21  

1. Adell R, Lekholm U, Rockler B, Bränemark P-I. A 15-year study of osseointegrated implants in the treatment of the edentulous jaw. Int J Oral Surg 1981 dec; 10(6): 387-416. 2. Anzaloni Saavedra GSF, Zogheib LV, Kimpara ET, Nishioka RS. Conceitos atuais do sistema de encaixe overdenture sobreimplante. Implantnews 2008; 5(6): 611-5. 3. Aquino EB, Alves BP, Arioli Filho JN. Sistema de encaixes utilizados em overdentures implantossuportadas. PCL-Revista ibero-americana de prótese clinica e laboratorial 2005; 7(36): 159-65. 4. Dinato JC, Polido WD, editores. Implantes osseointegrados: cirurgia e prótese. São Paulo: Artes Médicas; 2001. 5. Fernandes Neto AF, Neves FD, Prado CJ. Tema geral: problemas e soluções em prótese. In: Rode SM, Gentil SN, coords. Problemas & soluções: 23° Congresso Internacional de Odontologia de São Paulo; 2005 Jan 23-27, São Paulo: Artes Médicas; 2005. P. 101-10. 6. Ferreira HMB, Harari ND, Groisman M, Frossard WM, Balassiano DF. Sobredentadura inferior implanto-suportada: relação entre número de implantes e grau de satisfação do paciente. RBO 2003 Mar/Abr; 60(2): 123-6. 7. Fragoso WS, Tróia Jr MG, Bozzo RO, Vedovello SAS, Vedovello Filho M. Overdenture implanto-retida. RGO 2005 Out/Nov/Dez; 53(4): 325-8. 8. Goiato MC, Gennari Filho H, Villa LMR, Pesqueira AA, Santos DM. Associação de dois sistemas de retenção em overdenture sobreimplantes. Implantnews 2006 Set-Out; 3(5): 481-4.  

 

22  

9. Lang JP, Lagustera C, Mendonça MJ, Takahachi C. Avaliação dos sistemas de retenção para overdentures implanto suportadas mandibulares: revisão de literatura. RGO 2006 Out/Dez; 54(4): 356-62. 10. Meireles LAD, Barreto LR, Montenegro MPR. Overdentures: aspectos biomecânicos de diferentes tipos de conexões utilizadas para overdenture. Rev. Bras. Implant. 2000 Out-Dez; 6(4): 18-21. 11. Naert I, De Clercq M, Theuniers G, Schepers E. Overdentures supported by osseointegrated fixtures for the edentulous mandible: a 2.5-year report. Int J Oral Maxillofac Implants 1988 Fall; 3(3): 191-6. 12. Naert I, Quirinen M, Theuniers G, van Steenberghe D. Prosthetic aspects of osseointegrated fixtures supporting overdenture: a 4-year report. J Prosthet Dent 1991 May; 65 (5): 671-80. 13. Quirynen M, Naert I, van Steenberghe D, Teerlinck J, Dekeyser C, Theuniers G. Periodontal aspects of osseointegrated fixtures supporting an overdenture: a 4-year retrospective study. J Clin Periodontol 1991; 18(10): 719-28. 14. Rodrigues DM. Reabilitação da arcada inferior, overdenture e prótese fixa (protocolo). In: Rodrigues DM. Manual de prótese sobre implantes: passos clínicos e laboratoriais. São Paulo: Artes Médicas; 2007. P. 155-69. 15. Spiekermann H. Relações espaciais das construções das barras. In: Spiekermann h. Implantologia. Porto Alegre: Artmed; 2005. 16. Thomason JM, Lund JP, Chehade A, Feine JS. Patient satisfaction with mandibular implant overdenture and conventional dentures 6 months after delivery. Int J Prosthodont 2003 Sep-Oct; 16(5): 467-73. 17. Tokuhisa M, Matsushita Y, Koyano K. In vitro study of a mandibular implant overdenture retained with ball, magnet, or bar attachments: comparison of  

 

23  

load transfer and denture stability. Int J Prosthodont 2003 Mar-Apr; 16 (2): 128-34. 18. Walton JN, MacEntee MI, Glick N. One-year prosthetic outcomes with implant overdentures: a randomized clinical trial. Int J Oral Maxillofac Implants 2002 May-June; 17(3): 391-8. 19. Walton JN. A randomized clinical trial comparing two mandibular implant overdenture designs: 3-year prosthetic outcomes using a six-field protocol. Int J Prosthodont 2003 may-june; 16(3): 255-60.

 

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful