Você está na página 1de 31

FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão

Fecundação

Ovócito Ovocitação Útero Espermatozóides Vagina
Ovócito
Ovocitação
Útero
Espermatozóides
Vagina

•Os gametas são transportados da tuba para o útero, tenha ou não ocorrido fecundação, sendo uma exceção o eqüino.

•Na égua, ovócitos não fecundados permanecem dentro do istmo e degeneram vagarosamente durante vários meses, enquanto que os embriões em desenvolvimento passam por eles e entram no útero.

CondiCondiçCondiCondiççõesçõesõesões dededede FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão Durante o período

CondiCondiçCondiCondiççõesçõesõesões dededede FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão

Durante o período de ovocitação, o colo do útero fica bem aberto com um muco alcalino abundante onde é mais fácil a deslocação dos espermatozóides.

A estreita entrada para as tubas uterinas, apesar de se encontrar permanentemente aberta, só permite a passagem de muito poucos espermatozóides de cada vez.

OOOO EncontroEncontroEncontroEncontro dosdosdosdos GametasGametasGametasGametas Ovócito libertado pelo folículo ovariano

OOOO EncontroEncontroEncontroEncontro dosdosdosdos GametasGametasGametasGametas

Ovócito libertado pelo folículo ovariano

Espermatozóides rodeiam o ovócito

1º glóbulo polar Zona pelúcida 1º glóbulo polar 2º glóbulo polar Corona radiata Ovócito II
1º glóbulo polar Zona pelúcida
1º glóbulo polar
2º glóbulo
polar
Corona
radiata
Ovócito II
Ovócito II
3
3
Reação Cortical

Reação Cortical

Reação Cortical 4
Fecundação Tuba Uterina FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão Ovário Ovocitação Útero Zona
Fecundação Tuba Uterina FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão Ovário Ovocitação Útero Zona
Fecundação
Tuba Uterina
FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão
Ovário
Ovocitação
Útero
Zona pelúcida
Cervix
Células foliculares
Vagina
Grânulos
Fusão dos pró-núcleos
Zigoto
Singamia
Anfimixia
DepoisDepoisDepoisDepois dadadada FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão ---- AAAA vidavidavidavida
DepoisDepoisDepoisDepois dadadada FecundaFecundaçFecundaFecundaççãoçãoãoão ---- AAAA vidavidavidavida antesantesantesantes dodododo nascimentonascimentonascimentonascimento
Tuba Uterina
Fecundação
1º dia
Implantação
Endométrio
2º dia
3º dia
Trofoblasto
Parede uterina
Estádio de
Embrioblasto
Estádio de
4º dia
Mórula
Blastocisto
Cavidade do
Cavidade do
blastocisto
5º dia
blastocisto
Cavidade uterina
Camada superficial de células
EMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIA IIII SegundaSegundaSegundaSegunda SemanaSemanaSemanaSemana dodododo
EMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIA IIII
SegundaSegundaSegundaSegunda SemanaSemanaSemanaSemana dodododo
Desenvolvimento:Desenvolvimento:Desenvolvimento:Desenvolvimento:
DiscoDiscoDiscoDisco GerminativoGerminativoGerminativoGerminativo BilaminarBilaminarBilaminarBilaminar

ImplantaImplantaçImplantaImplantaççãoçãoãoão ---- Início da Gravidez

Trofoblasto Cavidade uterina
Trofoblasto
Cavidade uterina

Parede uterina

Para que ocorra é necessário que:

- A mucosa uterina tenha sido preparada pelos hormônios ovarianos;

- O blastocisto tenha atingido o estado de desenvolvimento necessário para poder se implantar.

BlastocistoBlastocistoBlastocistoBlastocisto

BlastocistoBlastocistoBlastocistoBlastocisto O embrião de 7 dias, o qual, recebe o nome de blastocisto , tem a

O embrião de 7 dias, o qual, recebe o nome de blastocisto, tem a forma de uma esfera oca.

Suas células se denominam blastômeros e sua cavidade , que está ocupada por fluido produzido

Suas células se denominam blastômeros e sua cavidade, que está ocupada por fluido produzido na cavidade uterina, se chama blastocele.

A parede da esfera está formada por uma camada contínua de blastômeros achatados, denominada trofoblasto.

Em um dos pólos do blastocisto se distingue um aglomerado de blastômeros denominado massa celular interna ou embrioblasto.

As células da massa celular interna se dividem lentamente, e as adjacentes à blastocele formam um epitélio simples chamado hipoblasto.

Dentro do blastocisto, as células do hipoblasto proliferam e se expandem sobre o citotrofoblasato. Elas
Dentro do blastocisto, as células do
hipoblasto proliferam e se expandem sobre
o citotrofoblasato. Elas originam um
epitélio simples pavimentoso chamado
Membrana exocelômica, que forma a
parede de uma nova cavidade, o saco
vitelino primitivo.
Epiblasto
Membrana
exocelômica
Hipoblasto
As demais células da massa celular
interna dorsalmente ao hipoblasto
originam um folheto epitelial
chamado epiblasto, através do que
se forma um disco embrionário
bilaminar ou didérmico.
Epiblasto Membrana exocelômica Hipoblasto
Epiblasto
Membrana
exocelômica
Hipoblasto

Pelo fato de as demais células da massa celular interna se separarem do epiblasto

graças a um processo denominado cavitação, entre ambos os tecidos aparece

uma pequena fenda, o primórdio da cavidade amniótica.

Epiblasto Membrana Hipoblasto exocelômica
Epiblasto
Membrana
Hipoblasto
exocelômica

Quanto mais o blastocisto se implanta, mais o trofoblasto estabelece contato com o endométrio e se diferencia em duas camadas:

O citotrofoblasto, uma camada de células mononucleadas, é mitoticamente ativo e forma novas células trofoblásticas que migram para a massa crescente de sinciciotrofoblasto.

O sinciciotrofoblasto, uma massa multinucleada que se expande rapidamente onde nenhum limite celular é visível.

FormaFormaçFormaFormaççãoçãoãoão dodododo MesodermaMesodermaMesodermaMesoderma ExtraExtra-ExtraExtra--Embrion-EmbrionEmbrionáEmbrionáárioárioriorio

Membrana exocelômica Mesoderma Extra-embrionário
Membrana exocelômica
Mesoderma
Extra-embrionário

Aos 11 dias, entre a parede do saco vitelino primitivo e o citotrofoblasto, aparece um tecido conjuntivo frouxo, o mesoderma extra-embrionário. Este se forma a partir da Membrana exocelômica e posteriormente pela migração das células através do linha primitiva durante a gastrulação.

FormaFormaçFormaFormaççãoçãoãoão dodododo CelomaCelomaCelomaCeloma ExtraExtra-ExtraExtra--Embrion-EmbrionEmbrionáEmbrionáárioárioriorio

No mesoderma extra-embrionário aparecem espaços que

No mesoderma extra-embrionário aparecem espaços que crescem, se fundem entre si e originam uma cavidade única, o Celoma extra- embrionário. Esta cavidade é preenchida por fluido e envolve o âmnio e o saco vitelino.

Isto faz com que o mesoderma extra-embrionário se divida em dois folhetos, chamados Mesoderma Esplâncnico e Mesoderma Somático, que constituem as paredes do celoma extra-embrionário.

À medida que o Celoma Extra-embrionário se amplia, o tamanho do saco vitelino primitivo diminui de tamanho e um pequeno saco vitelino secundário é formado.

se amplia, o tamanho do saco vitelino primitivo diminui de tamanho e um pequeno saco vitelino
Placa precordal Placa precordal
Placa
precordal
Placa precordal

Qual é a importância da Placa Precordal?

Esta placa indica o futuro local da boca e é um importante organizador da região da cabeça.

OrigemOrigemOrigemOrigem dosdosdosdos TecidosTecidosTecidosTecidos dodododo Embrião.Embrião.Embrião.Embrião.

Placa precordal
Placa precordal
Mesoderma Extra- embrionário
Mesoderma Extra-
embrionário

Uma parte do Mesoderma extra-embrionário que se encontra entre o citotrofoblasto e o âmnio não desaparece e se converte no pedículo de fixação

(pedículo do embrião).

SignificadoSignificadoSignificadoSignificado dodododo SacoSacoSacoSaco VitelinoVitelinoVitelinoVitelino 13
SignificadoSignificadoSignificadoSignificado dodododo SacoSacoSacoSaco VitelinoVitelinoVitelinoVitelino
SignificadoSignificadoSignificadoSignificado dodododo SacoSacoSacoSaco VitelinoVitelinoVitelinoVitelino
EMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIA IIII TerceiraTerceiraTerceiraTerceira SemanaSemanaSemanaSemana dodododo
EMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIAEMBRIOLOGIA IIII
TerceiraTerceiraTerceiraTerceira SemanaSemanaSemanaSemana dodododo
Desenvolvimento:Desenvolvimento:Desenvolvimento:Desenvolvimento:
DiscoDiscoDiscoDisco GerminativoGerminativoGerminativoGerminativo TrilaminarTrilaminarTrilaminarTrilaminar
DiscoDiscoDiscoDisco GerminativoGerminativoGerminativoGerminativo TrilaminarTrilaminarTrilaminarTrilaminar 14
Linha Placa Primitiva Precordal Placa Precordal Placa Precordal Linha Primitiva Linha Primitiva Surge uma faixa
Linha
Placa
Primitiva
Precordal
Placa Precordal
Placa Precordal
Linha Primitiva
Linha Primitiva
Surge uma faixa linear espessada do epiblasto (Linha primitiva), caudalmente
no plano mediano do aspecto dorsal do disco embrionário.
À medida que a linha primitiva se alonga pelo acréscimo de células na sua
extremidade caudal, a extremidade cefálica prolifera e forma o nó primitivo.
Fosseta Primitiva Nó Primitivo Linha Primitiva Sulco Primitivo
Fosseta Primitiva
Nó Primitivo
Linha Primitiva
Sulco Primitivo

Concomitantemente, se desenvolve na linha primitiva um sulco estreito, o

sulco primitivo, que é contínuo com uma pequena depressão no nó primitivo, a

fosseta primitiva.

Processo Notocordal Sulco Primitivo Sulco Primitivo
Processo Notocordal
Sulco Primitivo
Sulco Primitivo

Algumas células da linha primitiva migram cefalicamente de cada lado do processo notocordal e em torno da placa precordal.

O local onde estas células se encontram formam a área cardiogênica.

FormaFormaçFormaFormaççãoçãoãoão dodododo MesodermaMesodermaMesodermaMesoderma EmbrionEmbrionáEmbrionEmbrionáárioárioriorio

dodododo MesodermaMesodermaMesodermaMesoderma EmbrionEmbrionáEmbrionEmbrionáárioárioriorio
As células do Epiblasto migram através da linha e do nó em padrões específicos, de

As células do Epiblasto migram através da linha e do nó em padrões específicos, de modo que seu destino é determinado pela região da linha pela qual elas passam.

mee - mesoderma extra-embrionário pml - placa mesodérmica lateral mi - mesoderma intermediário mp - mesoderma paraxial n - notocórdio

OrganizaOrganizaçOrganizaOrganizaççãoçãoãoão dodododo MesodermaMesodermaMesodermaMesoderma
OrganizaOrganizaçOrganizaOrganizaççãoçãoãoão dodododo MesodermaMesodermaMesodermaMesoderma EmbrionEmbrionáEmbrionEmbrionáárioárioriorio
1. Mesoderma Paraxial (Somitos)
2. Mesoderma Intermediário
3. Mesoderma da Placa Lateral
Desenvolvimento de um Somito Os somitos aparecem primeiro na futura região occipital do embrião, mas

Desenvolvimento de um Somito

Os somitos

aparecem primeiro na futura região occipital do embrião, mas logo se estendem cefalocaudalmente e dão origem a maior parte do esqueleto axial e à musculatura associada, assim como à derme adjacente à pele.

Possíveis Problemas na Formação do Mesoderma

No final da 4ª semana de desenvolvimento, deixa de ocorrer a formação de mesoderma intra-embrionário a partir da migração celular pela linha primitiva.

Cessada sua função, a linha primitiva começa a regredir rapidamente e dela só se notam resquícios na região caudal do embrião.

FormaFormaçFormaFormaççãoçãoãoão dodododo NotocNotocóNotocNotocóórdioórdiordiordio

Como se forma?

Como se forma?

Algumas células mesenquimais migram cefalicamente do nó e da fosseta primitivos, formando um cordão celular
Algumas células mesenquimais migram cefalicamente do nó e da fosseta
primitivos, formando um cordão celular mediano, o Processo Notocordal, que logo
adquire um luz, o Canal Notocordal.
O assoalho do processo notocordal funde-se com o endoderma intra-
embrionário do saco vitelino subjacente.
Canal Neuroentérico
Canal Neuroentérico

As camadas fundidas degeneram-se gradualmente, resultando na formação de aberturas no assoalho do processo notocordal.

As aberturas confluem rapidamente e o assoalho notocordal desaparece. O remanescente do processo notocordal forma a Placa Notocordal.

Iniciando pela extremidade cefálica do embrião, as células da notocorda proliferam e a placa notocordal
Iniciando pela extremidade cefálica do embrião, as células da notocorda
proliferam e a placa notocordal começa a se dobrar.
No fim da 3ª semana, o processo notocordal é transformado em notocorda.
A notocorda separa-se do endoderma do saco vitelino, que, novamente, torna-se
uma camada contínua.

FormaFormaçFormaFormaççãoçãoãoão dodododo TuboTuboTuboTubo NeuralNeuralNeuralNeural

Como se forma?

Como se forma?

Placa Neural
Placa Neural

O aparecimento do processo notocordal e do mesoderma paraxial induz o ectoderma sobrejacente a espessar-se e formar uma placa de células espessadas, denominada Placa Neural.

As células da Placa Neural constituem o neuroectoderma e sua indução representa o evento inicial do processo de Neurulação.

Membrana bucofaríngea Placa Neural
Membrana
bucofaríngea
Placa
Neural

Enquanto a notocorda se alonga, a Placa Neural se alarga e se estende, cefalicamente, até a membrana bucofaríngea.

Sulco Neural Prega Neural Prega Neural O ectoderma da Placa neural dá origem ao Sistema
Sulco Neural
Prega Neural
Prega Neural
O ectoderma da Placa neural dá origem ao Sistema Nervoso Central –
encéfalo e medula espinhal.
As pregas neurais tornam-se particularmente proeminentes na extremidade
cefálica do embrião e constituem os primeiros sinais do desenvolvimento do
encéfalo.
No fim da 3ª semana, as pregas neurais começam a aproximar-se e fundir-se, convertendo a
No fim da 3ª semana, as pregas neurais começam a aproximar-se e fundir-se,
convertendo a placa neural em Tubo Neural.
25º dia O fechamento das pregas neurais , que se inicia em torno do 21º

25º dia

O fechamento das pregas neurais, que se inicia em torno do 21º dia no homem, começa na parte média do embrião e progride em direção às suas duas extremidades.

A região inicial do fechamento está na altura do 4º somito, correspondendo à futura região cervical do embrião.

28º dia

inicial do fechamento está na altura do 4º somito , correspondendo à futura região cervical do
inicial do fechamento está na altura do 4º somito , correspondendo à futura região cervical do

FormaFormaçFormaFormaççãoçãoãoão dededede GânglioGânglioGânglioGânglio EspinhalEspinhalEspinhalEspinhal

Como se forma?

Como se forma?

Com a fusão das pregas neurais para formar o tubo neural, algumas células neuroectodérmicas ,

Com a fusão das pregas neurais para formar o tubo neural, algumas células neuroectodérmicas, dispostas ao longo da crista de cada prega neural, perdem suas características epiteliais e suas adesões às células vizinhas.

Quando o tubo neural se separa do ectoderma da superfície, as células da crista neural

Quando o tubo neural se separa do ectoderma da superfície, as células da crista neural migram dorsolateralmente de cada lado do tubo neural. Elas foram uma massa irregular achatada, a crista neural.

Logo, a crista neural separa-se em partes direita e esquerda que migram em várias direções e se dispersam no interior do mesênquima.

As células da crista neural se diferenciam em vários tipos celulares, incluindo:

- os gânglios espinhais e os gânglios do sistema nervoso autônomo;

- as células da crista neural formam as bainhas de neurilema dos nervos periféricos;

- as coberturas meníngeas do encéfalo e da medula espinhal (pelo menos a pia-máter e aracnóide);

-contribuem para a formação de células pigmentares;

- contribuem para a formação da medula da supra-renal;

- contribuem para a formação de vários componentes musculares e esqueléticos da cabeça.

AsAsAsAs CamadasCamadasCamadasCamadas GerminativasGerminativasGerminativasGerminativas

O que formam?

O que formam?

ÓÓrgãosÓÓrgãosrgãosrgãos eeee EstruturasEstruturasEstruturasEstruturas

oriundasoriundasoriundasoriundas dodododo EctodermaEctodermaEctodermaEctoderma ?

sistema nervoso central; sistema nervoso periférico; epitélio sensorial da orelha, nariz, olho e a epiderme, incluindo cabelos e unhas; glândulas subcutâneas, mamárias; hipófise e o esmalte dos dentes.

ÓÓrgãosÓÓrgãosrgãosrgãos eeee EstruturasEstruturasEstruturasEstruturas

oriundasoriundasoriundasoriundas dodododo MesodermaMesodermaMesodermaMesoderma ?

sistema muscular; tecido conjuntivo; vasos associados aos tecidos e órgãos; sistema cardiovascular células sangüíneas; medula óssea; sistema esquelético; órgãos reprodutores e de excreção.

ÓÓrgãosÓÓrgãosrgãosrgãos eeee EstruturasEstruturasEstruturasEstruturas

oriundasoriundasoriundasoriundas dodododo EndodermaEndodermaEndodermaEndoderma ?

revestimento epitelial do trato respiratório; parênquima da tireóide, paratireóide, fígado e pâncreas; estroma reticular das tonsilas e do timo; revestimento epitelial da bexiga e da uretra; revestimento epitelial da cavidade timpânica e da tuba auditiva.

Embriões durante a 4ª (A) e 5ª (B) semanas do desenvolvimento, mostrando a formação do

Embriões durante a (A) e (B) semanas do desenvolvimento, mostrando a formação do tubo gastrintestinal e os diversos derivados originando-se do endoderma.

Dobramento do Embrião

Dobramento do Embrião

Qual a sua importância?

Qual a sua importância?

Dobramento do Embrião Qual a sua importância? Estabelecimento da Forma do Corpo

Estabelecimento da Forma do Corpo

Com o dobramento da Extremidade Cefálica:

- O septo transverso, o coração, o celoma pericárdico e a membrana bucofaríngea se deslocam para a superfície ventral do embrião.

, o coração , o celoma pericárdico e a membrana bucofaríngea se deslocam para a superfície
25º dia Enquanto o tubo neural se fecha dorsalmente, o embrião também se dobra ventralmente

25º dia

25º dia Enquanto o tubo neural se fecha dorsalmente, o embrião também se dobra ventralmente formando

Enquanto o tubo neural se fecha dorsalmente, o embrião também se dobra ventralmente formando o tubo gastrintestinal e as cavidades do corpo.

28º dia

o embrião também se dobra ventralmente formando o tubo gastrintestinal e as cavidades do corpo .
Durante o dobramento longitudinal, parte do endoderma do saco vitelino é incorporada no embrião, formando

Durante o dobramento longitudinal, parte do endoderma do saco vitelino é incorporada no embrião, formando o intestino anterior.

é incorporada no embrião, formando o intestino anterior. Com o crescimento do embrião, a região da

Com o crescimento do embrião, a região da cauda se projeta sobre a membrana cloacal e parte da camada germinativa endodérmica é incorporada formando o intestino posterior.o dobramento longitudinal, parte do endoderma do saco vitelino é incorporada no embrião, formando o intestino

O dobramento lateral forma-se um embrião grosseiramente cilíndrico. Com a formação das paredes abdominais, parte da camada germinativa endodérmica é incorporada pelo embrião, formando o intestino médio.

paredes abdominais, parte da camada germinativa endodérmica é incorporada pelo embrião, formando o intestino médio.
paredes abdominais, parte da camada germinativa endodérmica é incorporada pelo embrião, formando o intestino médio.
No início, há uma ampla comunicação entre o intestino médio e o saco vitelino. Depois

No início, há uma ampla comunicação entre o intestino médio e o saco vitelino. Depois do dobramento lateral esta comunicação é reduzida, formando o pedículo vitelino.

comunicação é reduzida, formando o pedículo vitelino . À medida que a cavidade amniótica se expande

À medida que a cavidade amniótica se expande e oblitera a maior parte do celoma extra-embrionário, o âmnio passa a formar o revestimento epitelial do cordão umbilical.

a maior parte do celoma extra-embrionário, o âmnio passa a formar o revestimento epitelial do cordão