Você está na página 1de 99
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Introdução à higiene e segurança do trabalho

EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do trabalho Prof. SÉRGIO LOURENÇO
EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do trabalho Prof. SÉRGIO LOURENÇO
EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do trabalho Prof. SÉRGIO LOURENÇO

Prof. SÉRGIO LOURENÇO

EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do trabalho Prof. SÉRGIO LOURENÇO
EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do trabalho Prof. SÉRGIO LOURENÇO
EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Introdução à higiene e segurança do trabalho Prof. SÉRGIO LOURENÇO
OBJETIVO DO CURSO Habilitar Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos para o exercício profissional da Engenharia de

OBJETIVO DO CURSO

OBJETIVO DO CURSO Habilitar Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos para o exercício profissional da Engenharia de
OBJETIVO DO CURSO Habilitar Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos para o exercício profissional da Engenharia de

Habilitar Engenheiros, Arquitetos e Agrônomos para o exercício profissional da Engenharia de Segurança do Trabalho.

Lei 7410, de 27 de novembro de 1985 – dispõe sobre o curso; Decreto 92530, de 9 de abril de 1986 – dispõe sobre a especialização; Resolução 359, de 31 de julho de 1991 do Confea– dispõe sobre o exercício profissional e as atividades.

A ÁREA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

A ÁREA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO É composta por três grandes áreas de conhecimento:
A ÁREA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO É composta por três grandes áreas de conhecimento:

É composta por três grandes áreas de conhecimento:

ENGENHARIA

MEDICINA

DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO É composta por três grandes áreas de conhecimento: ENGENHARIA MEDICINA

DIREITO

A ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

A ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Incorpora conhecimentos oriundos de várias disciplinas: - Economia, legal,
A ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Incorpora conhecimentos oriundos de várias disciplinas: - Economia, legal,

Incorpora conhecimentos oriundos de várias disciplinas:

- Economia, legal, psicológica, social, médica, fisiológica, ambiental, e das diversas modalidades da engenharia.

Isto pemite que se valha de diferentes metodologias de abordagens para IDENTIFICAR, ANALISAR, AVALIAR e CONTROLAR os riscos de acidentes nos locais de trabalho.

A HIGIENE OCUPACIONAL Constitui outro campo de conhecimento, atua de forma integrada com a Engenharia

A HIGIENE OCUPACIONAL

A HIGIENE OCUPACIONAL Constitui outro campo de conhecimento, atua de forma integrada com a Engenharia de
A HIGIENE OCUPACIONAL Constitui outro campo de conhecimento, atua de forma integrada com a Engenharia de

Constitui outro campo de conhecimento, atua de forma integrada com a Engenharia de Segurança do Trabalho.

Também incorpora conhecimentos de diferentes disciplinas, objetivando promover a ANTECIPAÇÃO, RECONHECIMENTO, AVALIAÇÃO E CONTROLE DOS RISCOS PROFISSIONAIS.

RISCOS PRESENTES NOS LOCAIS DE TRABALHO

RISCOS PRESENTES NOS LOCAIS DE TRABALHO - GRUPO 1 Fatores Físicos; - GRUPO 5 Fatores Ergonômicos;
RISCOS PRESENTES NOS LOCAIS DE TRABALHO - GRUPO 1 Fatores Físicos; - GRUPO 5 Fatores Ergonômicos;

- GRUPO 1 Fatores Físicos;

- GRUPO 5 Fatores Ergonômicos;

- GRUPO 2 Fatores Qímicos;

- GRUPO 3 Fatores Bio-sanitários;

- GRUPO 6 Fatores de Segurança;

- GRUPO 7 Fatores Sociais;

- GRUPO 4 Fatores Psicológicos;

- GRUPO 8 Fatores Ambientais.

O TRABALHO Estima-se que a origem da palavra TRABALHO venha de TRIPALIARE , que significa

O TRABALHO

O TRABALHO Estima-se que a origem da palavra TRABALHO venha de TRIPALIARE , que significa torturar
O TRABALHO Estima-se que a origem da palavra TRABALHO venha de TRIPALIARE , que significa torturar

Estima-se que a origem da palavra TRABALHO venha de TRIPALIARE, que significa torturar com TRIPALIUM, cujo significado remete a um instrumento de três estacas destinadas a manter presos os bois e cavalos no ato de ferrá-los (colocar as ferraduras).

Já o sentido etimológico do vocábulo TRABALHO está relacionado à idéia de fadiga, dor, necessidade, sofrimento e labuta.

O SIGNIFICADO DO TRABALHO Motivos culturais, sociais, econômicos, políticos, tecnológicos, religiosos, modificam o

O SIGNIFICADO DO TRABALHO

O SIGNIFICADO DO TRABALHO Motivos culturais, sociais, econômicos, políticos, tecnológicos, religiosos, modificam o
O SIGNIFICADO DO TRABALHO Motivos culturais, sociais, econômicos, políticos, tecnológicos, religiosos, modificam o

Motivos culturais, sociais, econômicos, políticos, tecnológicos, religiosos, modificam o significado do trabalho.

O trabalho já foi aclamado ou execrado por diversas classes sociais e nações.

A resposta natural do homem às necessidades

constitui o fenômeno do trabalho. Genericamente, o trabalho constitui-se no esforço humano para geração, fornecimento, transformação, distribuição e utilização de bens tangíveis e intangíveis.

REFLEXÃO No portão de entrada do campo de concentração de Auschwitz, Alemanha, há a seguinte

REFLEXÃO

REFLEXÃO No portão de entrada do campo de concentração de Auschwitz, Alemanha, há a seguinte inscrição:
REFLEXÃO No portão de entrada do campo de concentração de Auschwitz, Alemanha, há a seguinte inscrição:

No portão de entrada do campo de concentração de Auschwitz, Alemanha, há a seguinte inscrição:

“O TRABALHO LIBERTA”

Outra citação:

SEIS DIAS TRABALHARÁS E FARÁS TODA A TUA OBRA”

DIFERENTES SIGNIFICADOS PARA O TRABALHO

DIFERENTES SIGNIFICADOS PARA O TRABALHO - Há 2500 anos, prevalecia a valorização do ócio na sociedade
DIFERENTES SIGNIFICADOS PARA O TRABALHO - Há 2500 anos, prevalecia a valorização do ócio na sociedade

- Há 2500 anos, prevalecia a valorização do ócio na sociedade grega;

- As tarefas que garantiam a continuidade da vida eram executadas por escravos;

- Muitos consideram que o trabalho “abra as portas” do sucesso;

- Poderosos preconizam que o poder e riqueza que foi conseguido somente foi possível com muito trabalho.

DESEMPREGO: - tempo livre para o ócio? - tempo livre para o lazer? - sentimento

DESEMPREGO:

DESEMPREGO: - tempo livre para o ócio? - tempo livre para o lazer? - sentimento de
DESEMPREGO: - tempo livre para o ócio? - tempo livre para o lazer? - sentimento de

- tempo livre para o ócio?

- tempo livre para o lazer?

- sentimento de culpa?

- sentimento de frascasso?

- exclusão social?

- impotência frente às necessidades de sobrevivência?

TRABALHO x DESEMPREGO O sistema cria condições antagônicas: - O trabalho é valorizado às custas

TRABALHO x DESEMPREGO

TRABALHO x DESEMPREGO O sistema cria condições antagônicas: - O trabalho é valorizado às custas de
TRABALHO x DESEMPREGO O sistema cria condições antagônicas: - O trabalho é valorizado às custas de

O sistema cria condições antagônicas:

- O trabalho é valorizado às custas de um sem número de desempregados;

- Há um “exército industrial de reservas”, termo utilizado por Karl Marx para designar a mão-de- obra excedente disponível no mercado de trabalho e que poderia ser utilizada pelos capitalistas.

- A vadiagem e a ociosidade são consideradas como delito pelo Estado; - Nas escolas,
- A vadiagem e a ociosidade são consideradas como delito pelo Estado; - Nas escolas,
- A vadiagem e a ociosidade são consideradas como delito pelo Estado; - Nas escolas,

- A vadiagem e a ociosidade são consideradas como delito pelo Estado;

- Nas escolas, os currículos são adaptados para formar pessoas para o trabalho, formando uma mão-de-obra disciplinada;

- O modelo capitalista de produção considera que a realização do trabalho deve satisfazer não somente às necessidades imediatas dos produtores diretos mas também produzir mercadorias para a troca no mercado.

CONCEITO RELIGIOSO DO TRABALHO

CONCEITO RELIGIOSO DO TRABALHO - O Criador condena Adão: “… a terra será maldita por causa
CONCEITO RELIGIOSO DO TRABALHO - O Criador condena Adão: “… a terra será maldita por causa

- O Criador condena Adão: “… a terra será maldita por causa da tua obra: tu tirarás dela o teu sustento à força de trabalho… tu comerás o teu pão no suor do teu rosto…”;

- Também para Eva: “… Eu multiplicarei os trabalhos dos teus partos, tu parirás teus filhos em dor, e estarás debaixo do poder de teu marido, e ele te dominará.” Genêsis 3: 6 e 7

- Nas citações bíblicas o trabalho assume conotação fatalista e determinista, relacionado como castigo, dor,
- Nas citações bíblicas o trabalho assume conotação fatalista e determinista, relacionado como castigo, dor,
- Nas citações bíblicas o trabalho assume conotação fatalista e determinista, relacionado como castigo, dor,

- Nas citações bíblicas o trabalho assume conotação fatalista e determinista, relacionado como castigo, dor, sofrimento, missão que deve o homem cumprir para alçar a salvação;

- A ação da igreja reforça atitudes de resignação e conformismo, pois deposita na fé e na espiritualidade cristãs a superação das dificuldades concretas da vida.

- Como determinante de moralidade, o trabalho humano surge na Bíblia como obediência da fé
- Como determinante de moralidade, o trabalho humano surge na Bíblia como obediência da fé
- Como determinante de moralidade, o trabalho humano surge na Bíblia como obediência da fé

- Como determinante de moralidade, o trabalho humano surge na Bíblia como obediência da fé à luz da palavra de Deus;

- Na perspectiva cristã o trabalho não é somente sinal de punição, mas também possibilidade de salvação;

- O conceito de trabalho nos tempos em que aparecem na Bíblia não é comparado com o trabalho da era industrial, as circunstâncias eram outras.

- O clima de conflito originado na época do desenvolvimento industrial era manifestado entre o
- O clima de conflito originado na época do desenvolvimento industrial era manifestado entre o
- O clima de conflito originado na época do desenvolvimento industrial era manifestado entre o

- O clima de conflito originado na época do desenvolvimento industrial era manifestado entre o Mundo do Capital e o Mundo do Trabalho;

- Tal conflito tem origem no fato de que os operários colocavam as suas forças à disposição do grupo dos patrões, dessa forma, apesar do trabalho significar dignidade, sua vocação deriva da ganância em acumular riquezas;

- O rendimento máximo do capital se opõe ao valor do trabalho, pois os salários são os mais baixos.

- Na transição da Idade Média pra a Idade Moderna estabeleceu-se um novo paradigma com
- Na transição da Idade Média pra a Idade Moderna estabeleceu-se um novo paradigma com
- Na transição da Idade Média pra a Idade Moderna estabeleceu-se um novo paradigma com

- Na transição da Idade Média pra a Idade Moderna estabeleceu-se um novo paradigma com o Calvinismo;

- Este novo padrão preconizava que a fé devia ser reforçada pelo trabalho, os bem sucedidos financeiramente pelo trabalho não sofreriam a condenação de Deus;

- A partir de então, o trabalho passou a ser a própria finalidade da vida: time is money.

O SIGNIFICADO ECONÔMICO DO TRABALHO

O SIGNIFICADO ECONÔMICO DO TRABALHO - É a atividade humana cujo objetivo é a criação de
O SIGNIFICADO ECONÔMICO DO TRABALHO - É a atividade humana cujo objetivo é a criação de

- É a atividade humana cujo objetivo é a criação de utilidade, sob a forma de coisas úteis ou de prestação de serviços úteis, servindo ao consumo ou para a produção;

- No mundo moderno os bens oferecidos raramente são utilizados tal e qual a natureza fornece.

- Produzir no sentido econômico significa criar utilidades permutáveis e prestar serviços que possibilitem “pôr
- Produzir no sentido econômico significa criar utilidades permutáveis e prestar serviços que possibilitem “pôr
- Produzir no sentido econômico significa criar utilidades permutáveis e prestar serviços que possibilitem “pôr

- Produzir no sentido econômico significa criar utilidades permutáveis e prestar serviços que possibilitem “pôr os bens nas mãos” do consumidor;

- A produção econômica se faz pelo trabalho do homem, por meio de elementos e das forças que se encontram na natureza e dos instrumentos que ele mesmo fabrica;

- O trabalho é considerado o verdadeiro agente produtivo.

O TRABALHO É: - uma atividade humana que tem como objetivo criar utilidade econômica; -

O TRABALHO É:

O TRABALHO É: - uma atividade humana que tem como objetivo criar utilidade econômica; - uma
O TRABALHO É: - uma atividade humana que tem como objetivo criar utilidade econômica; - uma

- uma atividade humana que tem como objetivo criar utilidade econômica;

- uma atividade reflexiva: no trabalho, o homem entra não só com o seu corpo (as mãos) mas também com a inteligência, por mais simples que seja a tarefa o homem sempre pensa em como fazê-la;

- uma atividade pessoal: traz a marca da pessoa que o faz;

- uma atividade progressiva: sempre pode ser aperfeiçoada.

ATO INSEGURO - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ATO é: 1. Exercício da

ATO INSEGURO

ATO INSEGURO - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ATO é: 1. Exercício da faculdade
ATO INSEGURO - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ATO é: 1. Exercício da faculdade

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ATO é:

1. Exercício da faculdade de agir; aquilo que se faz ou pode fazer;

2. Ocasião em que é feita alguma coisa;

3. No aristotelismo , efetivação ou pleno desenvolvimento daquilo que em um momento anterior apresentava
3. No aristotelismo , efetivação ou pleno desenvolvimento daquilo que em um momento anterior apresentava
3. No aristotelismo , efetivação ou pleno desenvolvimento daquilo que em um momento anterior apresentava

3. No aristotelismo, efetivação ou pleno desenvolvimento daquilo que em um momento anterior apresentava uma tendência ativa para a transformação;

4. Tomada de posição consciente do ego em relação a um objeto de intenção.

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURO é: 1. Não seguro; perigoso, arriscado;
- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURO é: 1. Não seguro; perigoso, arriscado;
- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURO é: 1. Não seguro; perigoso, arriscado;

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURO é:

1. Não seguro; perigoso, arriscado;

2. Que não tem estabilidade; sem garantia; instável, incerto.

- Isto posto, uma das formas de conceituar-se ATO INSEGURO pode ser: É O ATO
- Isto posto, uma das formas de conceituar-se ATO INSEGURO pode ser: É O ATO
- Isto posto, uma das formas de conceituar-se ATO INSEGURO pode ser: É O ATO

- Isto posto, uma das formas de conceituar-se ATO INSEGURO pode ser:

É O ATO OU AÇÃO CONTRA A SEGURANÇA

É relacionado com o ator (pessoa)

CONDIÇÃO INSEGURA - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, CONDIÇÃO é: 1. Estado de

CONDIÇÃO INSEGURA

CONDIÇÃO INSEGURA - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, CONDIÇÃO é: 1. Estado de uma
CONDIÇÃO INSEGURA - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, CONDIÇÃO é: 1. Estado de uma

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, CONDIÇÃO é:

1. Estado de uma pessoa ou coisa;

2. Situação, circunstância ou estado de pessoa(s) ou coisa(s) em determinado momento;

3. Circunstância que determina o caráter ou a existência de um fenômeno, de um fato
3. Circunstância que determina o caráter ou a existência de um fenômeno, de um fato
3. Circunstância que determina o caráter ou a existência de um fenômeno, de um fato

3. Circunstância que determina o caráter ou a existência de um fenômeno, de um fato ;

4. Antecedente necessário, ou parte dele, sem o qual um evento não ocorre;

5. Possibilidade, chance.

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURA é: 1. Ausência de segurança; 2.
- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURA é: 1. Ausência de segurança; 2.
- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURA é: 1. Ausência de segurança; 2.

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, INSEGURA é:

1. Ausência de segurança;

2. Sensação ou sentimento de não estar protegido.

- Isto posto, uma das formas de conceituar-se CONDIÇÃO INSEGURA pode ser: SÃO CIRCUNSTÂNCIAS OU
- Isto posto, uma das formas de conceituar-se CONDIÇÃO INSEGURA pode ser: SÃO CIRCUNSTÂNCIAS OU
- Isto posto, uma das formas de conceituar-se CONDIÇÃO INSEGURA pode ser: SÃO CIRCUNSTÂNCIAS OU

- Isto posto, uma das formas de conceituar-se CONDIÇÃO INSEGURA pode ser:

SÃO CIRCUNSTÂNCIAS OU ESTADOS QUE NÃO APRESENTAM SEGURANÇA

É relacionado com o ambiente

ACIDENTE - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ACIDENTE é: 1. Acontecimento, casual, fortuito,

ACIDENTE

ACIDENTE - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ACIDENTE é: 1. Acontecimento, casual, fortuito,
ACIDENTE - Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ACIDENTE é: 1. Acontecimento, casual, fortuito,

- Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, ACIDENTE é:

1. Acontecimento, casual, fortuito, inesperado, indeterminado;

2. No aristotelismo, aspecto casual ou fortuito de uma realidade, que, por esta razão, é irrelevante para a compreensão do que nela é essencial e imprescindível.

ACIDENTE DE TRABALHO - A definição é fortemente influenciada pelos objetivos de quem formula; -

ACIDENTE DE TRABALHO

ACIDENTE DE TRABALHO - A definição é fortemente influenciada pelos objetivos de quem formula; - Tem
ACIDENTE DE TRABALHO - A definição é fortemente influenciada pelos objetivos de quem formula; - Tem

- A definição é fortemente influenciada pelos objetivos de quem formula;

- Tem concepções em diferentes planos: legal, social, econômico e científico;

- Muitos pesquisadores caracterizam como sendo um fenômeno de encontro entre uma situação do trabalho (risco) e um evento disparador;

- Outros defendem a idéia que leva a crer em um sinal de disfunção do
- Outros defendem a idéia que leva a crer em um sinal de disfunção do
- Outros defendem a idéia que leva a crer em um sinal de disfunção do

- Outros defendem a idéia que leva a crer em um sinal de disfunção do sistema de trabalho;

- Ainda há os que entendem que o acidente de trabalho é caracterizado por uma determinada ruptura entre o ajuste necessário entre a atividade do trabalhador e suas condições imediatas de trabalho.

Os acidentes de trabalho não têm causa única, são eventos resultantes de uma cadeia de
Os acidentes de trabalho não têm causa única, são eventos resultantes de uma cadeia de
Os acidentes de trabalho não têm causa única, são eventos resultantes de uma cadeia de

Os acidentes de trabalho não têm causa única, são eventos resultantes de uma cadeia de eventos paralelos, concorrentes ou consecutivos, que irão conduzir a conseqüências nocivas para todo o sistema produtivo.

- Assim, pode-se formular a seguinte definição para Acidente de Trabalho : É O RESULTADO
- Assim, pode-se formular a seguinte definição para Acidente de Trabalho : É O RESULTADO
- Assim, pode-se formular a seguinte definição para Acidente de Trabalho : É O RESULTADO

- Assim, pode-se formular a seguinte definição para Acidente de Trabalho:

É O RESULTADO DE TODO PROCESSO DE DESESTRUTURAÇÃO NA LÓGICA DO SISTEMA DE TRABALHO QUE, NESTE MOMENTO, REVELA A SUA INADEQUAÇÃO, INSUFICIÊNCIA, EQUÍVOCO E CONTRADIÇÃO NO QUE DIZ RESPEITO AO PROJETO DO SISTEMA PRODUTIVO E DA CONCEPÇÃO DA ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO

- O conceito legal, definido pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (Mpas), caracteriza Acidente
- O conceito legal, definido pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (Mpas), caracteriza Acidente
- O conceito legal, definido pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (Mpas), caracteriza Acidente

- O conceito legal, definido pelo Ministério da Previdência e Assistência Social (Mpas), caracteriza Acidente de Trabalho como:

AQUELE QUE OCORRE PELO EXERCÍCIO DO TRABALHO A SERVIÇO DA EMPRESA, PROVOCANDO LESÃO CORPORAL OU PERTUBAÇÃO FUNCIONAL QUE CAUSE MORTE, PERDA OU REDUÇÃO, PERMANENTE OU TEMPORÁRIA, DA CAPACIDADE DE TRABALHO

- São considerados como Acidentes de Trabalho: - as doenças profissionais (tecnopatias) – que são
- São considerados como Acidentes de Trabalho: - as doenças profissionais (tecnopatias) – que são
- São considerados como Acidentes de Trabalho: - as doenças profissionais (tecnopatias) – que são

- São considerados como Acidentes de Trabalho:

- as doenças profissionais (tecnopatias) – que são desencadeadas ou produzidas pelo exercício de trabalho peculiar a determinada atividade;

- as doenças relacionadas com o trabalho (mesopatias) – são doenças adquiridas ou desencadeadas em função de condições especiais em que o trabalho é realizado.

- A empresa deverá comunicar o acidente de trabalho havendo ou não afastamento do trabalho:
- A empresa deverá comunicar o acidente de trabalho havendo ou não afastamento do trabalho:
- A empresa deverá comunicar o acidente de trabalho havendo ou não afastamento do trabalho:

- A empresa deverá comunicar o acidente de trabalho havendo ou não afastamento do trabalho:

- até o primeiro dia útil seguinte ao da ocorrência;

- em caso de óbito a comunicação deve ser imediata.

- art. 109 do decreto 2173/1997

A comunicação deve ser feita ao Inss por intermédio do formulário de Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT), preenchido em seis vias:

de Acidente de Trabalho (CAT), preenchido em seis vias: − 1 a via: ao Inss; −
de Acidente de Trabalho (CAT), preenchido em seis vias: − 1 a via: ao Inss; −

1 a via: ao Inss;

4 a via: ao sindicato do trabalhador;

2 a via: à empresa;

5 a via: ao SUS;

3 a via: ao segurado ou dependente;

6 a via: à DRT.

TEORIAS DE CAUSALIDADE DE ACIDENTES

TEORIAS DE CAUSALIDADE DE ACIDENTES - TEORIA CENTRADA NA PESSOA: o cerne é a concepção probabilística
TEORIAS DE CAUSALIDADE DE ACIDENTES - TEORIA CENTRADA NA PESSOA: o cerne é a concepção probabilística

- TEORIA CENTRADA NA PESSOA: o cerne é a concepção probabilística comportamentalista e do estresse, que seriam os causadores dos acidentes;

- TEORIA CENTRADA NA SITUAÇÃO: envolvem o estudo do ambiente físico e das máquinas, análise de tarefas, estudo de quebra e da degradação das situações ou de processos ou interações entre diferentes processos;

- TEORIA DO DOMINÓ: a seqüência de eventos que leva ao acidente é composta por
- TEORIA DO DOMINÓ: a seqüência de eventos que leva ao acidente é composta por
- TEORIA DO DOMINÓ: a seqüência de eventos que leva ao acidente é composta por

- TEORIA DO DOMINÓ: a seqüência de eventos que leva ao acidente é composta por cinco estágios consecutivos:

1. Causas e características de ordem individual;

2. Falha individual;

3. Ato inseguro e condição insegura;

4. Acidente;

5. Lesão ou morte.

- TEORIA EPIDEMIOLÓGICA: tem enfoque mais descritivo que analítico, procura abranger as interações entre agente,
- TEORIA EPIDEMIOLÓGICA: tem enfoque mais descritivo que analítico, procura abranger as interações entre agente,
- TEORIA EPIDEMIOLÓGICA: tem enfoque mais descritivo que analítico, procura abranger as interações entre agente,

- TEORIA EPIDEMIOLÓGICA: tem enfoque mais descritivo que analítico, procura abranger as interações entre agente, hospedeiro e ambiente no processo causal de acidentes.

EPIDEMIOLOGIA ramo da medicina que estuda os diferentes fatores que intervêm na difusão e propagação de doenças, sua freqüência, seu modo de distribuição, sua evolução e a colocação dos meios necessários a sua prevenção

- TEORIA DOS MODELOS SISTÊMICOS: parte do pressuposto que a ocorrência dos acidentes são de
- TEORIA DOS MODELOS SISTÊMICOS: parte do pressuposto que a ocorrência dos acidentes são de
- TEORIA DOS MODELOS SISTÊMICOS: parte do pressuposto que a ocorrência dos acidentes são de

- TEORIA DOS MODELOS SISTÊMICOS: parte do pressuposto que a ocorrência dos acidentes são de origem multicausais, que todos os parâmetros devem ser analisados e que efeitos de sinergismo, em razão da presença de diferentes níveis de risco nos locais de trabalho, devem ser levados em consideração.

NORMAS REGULAMENTADORAS Constituição Federal Consolidação das Leis do Trabalho CLT Normas Regulamentadoras NR’s
NORMAS REGULAMENTADORAS Constituição Federal Consolidação das Leis do Trabalho CLT Normas Regulamentadoras NR’s
NORMAS REGULAMENTADORAS
Constituição Federal
Consolidação das Leis do Trabalho
CLT
Normas Regulamentadoras
NR’s

NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS

NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS - Determina o campo de aplicação das Normas Regulamentadoras relativas à Segurança
NR 1 DISPOSIÇÕES GERAIS - Determina o campo de aplicação das Normas Regulamentadoras relativas à Segurança

- Determina o campo de aplicação das Normas Regulamentadoras relativas à Segurança e Saúde no Trabalho;

- Estabelece atribuições a órgãos do Estado e as responsabilidades de empregador e empregados.

NR 2 INSPEÇÃO PRÉVIA

NR 2 INSPEÇÃO PRÉVIA - Regulamenta a Certificação de Aprovação de Instalações – CAI, emitida pelo
NR 2 INSPEÇÃO PRÉVIA - Regulamenta a Certificação de Aprovação de Instalações – CAI, emitida pelo

- Regulamenta a Certificação de Aprovação de Instalações – CAI, emitida pelo órgão regional competente do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO

NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO - Preconiza que o órgão regional do MTE competente em matéria
NR 3 EMBARGO OU INTERDIÇÃO - Preconiza que o órgão regional do MTE competente em matéria

- Preconiza que o órgão regional do MTE competente em matéria de Segurança e Saúde do Trabalho, poderá interditar ou embargar estabelecimentos e meios de produção, se as condições de trabalho demonstrarem risco grave e iminente para o trabalhador.

- Art. 132 do Código Penal: “É vedado expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente

NR 4 SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO - Sesmt -

NR 4

SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO - Sesmt

EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO - Sesmt - Dispõe que a necessidade legal
EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO - Sesmt - Dispõe que a necessidade legal

- Dispõe que a necessidade legal do Sesmt depende da gradação do risco relativo à atividade principal da empresa (definida pela Classificação Nacional de Atividades Econômicas – Cnae) e do número de empregados no estabelecimento, conforme indica o Quadro II da referida norma.

- Obs.: esta norma está em processo de revisão, o estágio atual pode ser acompanhado no sítio do MTE.

NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA - A CIPA deverá abordar

NR 5

COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA

NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA - A CIPA deverá abordar as
NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES - CIPA - A CIPA deverá abordar as

- A CIPA deverá abordar as relações entre o homem e o trabalho, objetivando a constante melhoria das condições de trabalho para prevenção de acidentes e doenças dele decorrentes.

- É obrigatória para as empresas que possuam empregados com vínculo empregatício;

- Esta NR refere-se de duas formas aos colaboradores: - Empregado: quando há vínculo empregatício
- Esta NR refere-se de duas formas aos colaboradores: - Empregado: quando há vínculo empregatício
- Esta NR refere-se de duas formas aos colaboradores: - Empregado: quando há vínculo empregatício

- Esta NR refere-se de duas formas aos colaboradores:

- Empregado: quando há vínculo empregatício com a empresa determinada;

- Trabalhador: engloba todos os que trabalham no estabelecimento de determinada empresa, mesmo os contratados por outras.

- As empresas que possuirem dois ou mais estabelecimentos (com mesma atividade econômica) em um
- As empresas que possuirem dois ou mais estabelecimentos (com mesma atividade econômica) em um
- As empresas que possuirem dois ou mais estabelecimentos (com mesma atividade econômica) em um

- As empresas que possuirem dois ou mais estabelecimentos (com mesma atividade econômica) em um mesmo município deverão garantir a integração das CIPA’s;

- Empresas instaladas em centro comercial ou industrial estabelecerão mecanismos de integração, objetivando a promoção e o desenvolvimento de ações de prevenção de acidentes e doenças decorrentes do ambiente e instalações de uso coletivo;

- A CIPA será composta por representantes do empregador e dos empregados, de acordo com
- A CIPA será composta por representantes do empregador e dos empregados, de acordo com
- A CIPA será composta por representantes do empregador e dos empregados, de acordo com

- A CIPA será composta por representantes do empregador e dos empregados, de acordo com o dimensionamento previsto no Quadro I;

- Os representantes do empregadores, titulares e suplentes, serão por eles designados;

- Os representantes dos empregados, titulares e suplentes, serão eleitos em escrutínio secreto;

- O número de membros titulares e suplentes da CIPA, observará o previsto no Quadro
- O número de membros titulares e suplentes da CIPA, observará o previsto no Quadro
- O número de membros titulares e suplentes da CIPA, observará o previsto no Quadro

- O número de membros titulares e suplentes da CIPA, observará o previsto no Quadro I;

- O mandato dos membros eleitos da CIPA terá duração de um ano;

- É vedada a dispensa arbitrária ou sem justa causa do empregado eleito, desde o registro de sua candidatura até um ano após o final do mandato;

- O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA, e os representantes dos
- O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA, e os representantes dos
- O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA, e os representantes dos

- O empregador designará entre seus representantes o Presidente da CIPA, e os representantes dos empregados escolherão entre os titulares o Vice-Presidente;

- A empresa deve protocolar em até dez dias, contados a partir do empossamento, cópias das atas de eleição na unidade descentralizada do MTE;

- Atribuições da CIPA: Segurança e Saúde no Trabalho - SST - Identificar riscos do
- Atribuições da CIPA: Segurança e Saúde no Trabalho - SST - Identificar riscos do
- Atribuições da CIPA: Segurança e Saúde no Trabalho - SST - Identificar riscos do

- Atribuições da CIPA:

Segurança e Saúde no Trabalho - SST

- Identificar riscos do processo de trabalho e elaborar mapas de riscos;

- Elaborar plano de trabalho que possibilite ação preventiva na solução de problemas de SST;

- Realizar verificações nos ambientes e condições de trabalho, visando identificar situações que tragam risco para a SST;

- Divulgar aos trabalhadores informações sobre SST; - Participar com o Sesmt das discussões promovidas
- Divulgar aos trabalhadores informações sobre SST; - Participar com o Sesmt das discussões promovidas
- Divulgar aos trabalhadores informações sobre SST; - Participar com o Sesmt das discussões promovidas

- Divulgar aos trabalhadores informações sobre SST;

- Participar com o Sesmt das discussões promovidas pelo empregador, na avaliação de impactos sobre a modificação ou alteração no ambiente ou processo de trabalho;

- Requerer ao Sesmt ou ao empregador, a paralisação de máquina ou setor onde considere haver risco grave e iminente à SST;

- Colaborar no desenvolvimento e implantação do Pcmso e Ppra ou outros programas de SST;

- Divulgar e promover o cumprimento das NR’s e outras informações sobre SST; - Participar
- Divulgar e promover o cumprimento das NR’s e outras informações sobre SST; - Participar
- Divulgar e promover o cumprimento das NR’s e outras informações sobre SST; - Participar

- Divulgar e promover o cumprimento das NR’s e outras informações sobre SST;

- Participar em conjunto com o Sesmt ou empregador, da análise das causas das doenças e acidentes de trabalho;

- Requisitar ao empregador e analisar as informações sobre questões que tenham interferido na segurança e saúde dos trabalhadores;

- Requisitar à empresa as cópias das CAT’s;

- Promover anualmente, em conjunto com o Sesmt, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes
- Promover anualmente, em conjunto com o Sesmt, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes
- Promover anualmente, em conjunto com o Sesmt, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes

- Promover anualmente, em conjunto com o Sesmt, a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho – Sipat; e participar anualmente, em conjunto com a empresa, de campanhas de prevenção da AIDS;

- A CIPA terá reuniões ordinárias mensais, de acordo com calendário previamente estabelecido;

- As reuniões serão realizadas durante o expediente normal da empresa em local apropriado.

- As reuniões terão atas assinadas pelos presentes com encaminhamento de cópias para todos os
- As reuniões terão atas assinadas pelos presentes com encaminhamento de cópias para todos os
- As reuniões terão atas assinadas pelos presentes com encaminhamento de cópias para todos os

- As reuniões terão atas assinadas pelos presentes com encaminhamento de cópias para todos os membros;

- As atas ficarão no estabelecimento à disposição dos Agentes da Inspeção do Trabalho – AIT;

- O membro titular perderá o mandato quando faltar a mais de quatro reuniões ordinárias sem justificativa.

- A empresa deverá promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e suplentes, antes
- A empresa deverá promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e suplentes, antes
- A empresa deverá promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e suplentes, antes

- A empresa deverá promover treinamento para os membros da CIPA, titulares e suplentes, antes da posse;

- O treinamento deverá contemplar os seguintes tópicos: estudo do ambiente e das condições de trabalho, riscos, metodologia de investigação e análise de acidentes e doenças do trabalho, noções sobre acidentes e doenças do trabalho decorrentes de exposição aos riscos existentes na empresa, noções sobre AIDS, noções sobre

legislação trabalhista e previdenciária relativas à SST, princípios de higiene do trabalho, assuntos relativos ao
legislação trabalhista e previdenciária relativas à SST, princípios de higiene do trabalho, assuntos relativos ao
legislação trabalhista e previdenciária relativas à SST, princípios de higiene do trabalho, assuntos relativos ao

legislação trabalhista e previdenciária relativas à SST, princípios de higiene do trabalho, assuntos relativos ao exercício das atribuições da comissão;

- O treinamento terá carga horária de vinte horas, distribuídas em no máximo oito horas diárias;

- O treinamento poderá ser ministrado pelo Sesmt da empresa, entidade patronal, entidade dos trabalhadores ou profissional habilitado.

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI - Estabelece a obrigatoriedade das empresas fornecerem

NR 6

EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI

NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI - Estabelece a obrigatoriedade das empresas fornecerem a
NR 6 EQUIPAMENTO DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL - EPI - Estabelece a obrigatoriedade das empresas fornecerem a

- Estabelece a obrigatoriedade das empresas fornecerem a seus empregados os EPI’s adequados ao risco, destinados a proteger a saúde e a integridade física do trabalhador;

- O EPI de fabricação nacional ou importado, só poderá ser utilizado com a indicação do Certificado de Aprovação – CA;

- A empresa é obrigada a fornecer gratuitamente o EPI;

Cabe ao empregador: - Adquirir EPI adequado ao risco de cada atividade; - Exigir o
Cabe ao empregador: - Adquirir EPI adequado ao risco de cada atividade; - Exigir o
Cabe ao empregador: - Adquirir EPI adequado ao risco de cada atividade; - Exigir o

Cabe ao empregador:

- Adquirir EPI adequado ao risco de cada atividade;

- Exigir o uso;

- Fornecer ao trabalhador somente o equipamento aprovado pelo órgão nacional competente;

- Orientar e treinar o trabalhador sobre o uso adequado, guarda e conservação;

- Substituir imediatamente, quando danificado ou extraviado.

Cabe ao empregado: - Usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; -
Cabe ao empregado: - Usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; -
Cabe ao empregado: - Usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina; -

Cabe ao empregado:

- Usar, utilizando-o apenas para a finalidade a que se destina;

- Responsabilizar-se pela guarda e conservação;

- Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para o uso;

- Cumprir as determinações do empregador sobre o uso adequado.

Lista de EPI’s - Capacete; - Proteção dos olhos e face; - Capuz; - Proteção
Lista de EPI’s - Capacete; - Proteção dos olhos e face; - Capuz; - Proteção
Lista de EPI’s - Capacete; - Proteção dos olhos e face; - Capuz; - Proteção

Lista de EPI’s

- Capacete;

- Proteção dos olhos e face;

- Capuz;

- Proteção auditiva;

- Proteção respiratória;

- Proteção do tronco;

- Proteção dos membros superiores; - Idem inferiores; - Proteção do corpo inteiro; - Proteção
- Proteção dos membros superiores; - Idem inferiores; - Proteção do corpo inteiro; - Proteção
- Proteção dos membros superiores; - Idem inferiores; - Proteção do corpo inteiro; - Proteção

- Proteção dos membros superiores;

- Idem inferiores;

- Proteção do corpo inteiro;

- Proteção contra quedas com diferença de nível

NR 7 PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO - Estabelece a obrigatoriedade

NR 7

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO

PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO - Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e
PROGRAMA DE CONTROLE MÉDICO DE SAÚDE OCUPACIONAL - PCMSO - Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e

- Estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação do Pcmso que objetiva a promoção e a preservação da saúde do conjunto dos trabalhadores;

- Cabe à empresa contratante de MO prestadora de serviços, informar à empresa contratada, os riscos existentes e auxiliar na elaboração e implementação do Pcmso nos locais de trabalho onde os serviços estão sendo prestados;

- O Pcmso deve ter caráter de prevenção aos riscos, rastreamento e diagnóstico precoce dos
- O Pcmso deve ter caráter de prevenção aos riscos, rastreamento e diagnóstico precoce dos
- O Pcmso deve ter caráter de prevenção aos riscos, rastreamento e diagnóstico precoce dos

- O Pcmso deve ter caráter de prevenção aos riscos, rastreamento e diagnóstico precoce dos agravos à saúde relacionados ao trabalho, inclusive de natureza sub clínica, além da constatação da existência de casos de doenças profissionais ou danos irreversíveis à saúde dos trabalhadores.

Itens importantes: 1. A empresa deve indicar um médico (do trabalho) coordenador responsável pela execução
Itens importantes: 1. A empresa deve indicar um médico (do trabalho) coordenador responsável pela execução
Itens importantes: 1. A empresa deve indicar um médico (do trabalho) coordenador responsável pela execução

Itens importantes:

1. A empresa deve indicar um médico (do trabalho) coordenador responsável pela execução do programa, à exceção de empresa com grau de risco 1 e 2 com até 25 empregados e aquelas de grau de risco 3 e 4 com até 10 empregados;

2. O Pcmso deve incluir a realização obrigatória dos exames médicos: • Admissional; • Periódico
2. O Pcmso deve incluir a realização obrigatória dos exames médicos: • Admissional; • Periódico
2. O Pcmso deve incluir a realização obrigatória dos exames médicos: • Admissional; • Periódico

2. O Pcmso deve incluir a realização obrigatória dos exames médicos:

Admissional;

Periódico – intervalo mínimo de 1 ano ou menor ou a cada 2 anos (casos específicos);

Retorno ao trabalho;

Mudança de função;

Demissional.

NR 8 EDIFICAÇÕES - Trata da definição de parâmetros para as edificações, considerando aspectos que

NR 8

EDIFICAÇÕES

NR 8 EDIFICAÇÕES - Trata da definição de parâmetros para as edificações, considerando aspectos que repercutam
NR 8 EDIFICAÇÕES - Trata da definição de parâmetros para as edificações, considerando aspectos que repercutam

- Trata da definição de parâmetros para as edificações, considerando aspectos que repercutam na SST.

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) - Estabelece sobre a obrigatoriedade da

NR 9

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) - Estabelece sobre a obrigatoriedade da elaboração
NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) - Estabelece sobre a obrigatoriedade da elaboração

- Estabelece sobre a obrigatoriedade da elaboração e implementação do PPRA, com o objetivo de preservação da saúde e da integridade dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e controle dos riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho.

- Deve ser aplicada a todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados;
- Deve ser aplicada a todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados;
- Deve ser aplicada a todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados;

- Deve ser aplicada a todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados;

- Deve ser parte integrante do conjunto das iniciativas da empresa, no campo da preservação da saúde e integridade dos trabalhadores, devendo estar articulado com as demais NR’s, com ênfase ao Pcmso (NR 7);

- Se em um mesmo local de trabalho houver vários empregadores realizando simultaneamente atividades, as
- Se em um mesmo local de trabalho houver vários empregadores realizando simultaneamente atividades, as
- Se em um mesmo local de trabalho houver vários empregadores realizando simultaneamente atividades, as

- Se em um mesmo local de trabalho houver vários empregadores realizando simultaneamente atividades, as ações devem ser integradas para a aplicação do disposto nesta NR;

- Esta NR define riscos ambientais como sendo os agentes químicos, físicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que em função da natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos a saúde do trabalhador.

- Agentes químicos: substâncias, produtos ou compostos que podem penetrar no organismo pela via respiratória,
- Agentes químicos: substâncias, produtos ou compostos que podem penetrar no organismo pela via respiratória,
- Agentes químicos: substâncias, produtos ou compostos que podem penetrar no organismo pela via respiratória,

- Agentes químicos: substâncias, produtos ou compostos que podem penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos e névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão.

- Agentes físicos: são as diversas formas de energia a que possam estar expostos os
- Agentes físicos: são as diversas formas de energia a que possam estar expostos os
- Agentes físicos: são as diversas formas de energia a que possam estar expostos os

- Agentes físicos: são as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações, infra-som e o ultra-som;

- Agentes biológicos: são as bactérias, fungos, bacilos parasitas, protozoários, vírus e similares.

Pontos principais 1 O PPRA deve ser elaborado com a seguinte estrutura mínima:

O PPRA deve ser elaborado com a seguinte estrutura mínima: - planejamento anual com estabelecimento de
O PPRA deve ser elaborado com a seguinte estrutura mínima: - planejamento anual com estabelecimento de

- planejamento anual com estabelecimento de metas, prioridades e cronograma;

- estratégia e metodologia de ação;

- forma de registro;

- divulgação de dados;

- periodicidade e forma de avaliação do desenvolvimento;

2 Nas etapas de desenvolvimento do PPRA é previsto que: - a disseminação, implementação e

2 Nas etapas de desenvolvimento do PPRA é previsto que:

2 Nas etapas de desenvolvimento do PPRA é previsto que: - a disseminação, implementação e acompanhamento
2 Nas etapas de desenvolvimento do PPRA é previsto que: - a disseminação, implementação e acompanhamento

- a disseminação, implementação e acompanhamento do PPRA podem ser feitas pelo Sesmt, ou por equipe de pessoas que sejam capazes do desenvolvimento da mesma;

- o programa deve incluir a antecipação e o reconhecimento dos riscos, estabelecendo prioridades e metas de avaliação de riscos e controle, avaliação dos riscos e da exposição de trabalhadores, implantação e monitoramento de medidas de controle e avaliação e divulgação dos dados.

3 Os registros de dados que informam o histórico técnico administrativo do desenvolvimento do PPRA
3 Os registros de dados que informam o histórico técnico administrativo do desenvolvimento do PPRA
3 Os registros de dados que informam o histórico técnico administrativo do desenvolvimento do PPRA

3 Os registros de dados que informam o histórico técnico administrativo do desenvolvimento do PPRA devem ser mantidos pela empresa ou empregador por período mínimo de 20 anos. Deverá estar sempre disponível aos trabalhadores interessados e para as autoridades competentes.

NR 10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE - Trata sobre o conjunto de condições mínimas

NR 10

INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE

NR 10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE - Trata sobre o conjunto de condições mínimas necessárias
NR 10 INSTALAÇÕES E SERVIÇOS DE ELETRICIDADE - Trata sobre o conjunto de condições mínimas necessárias

- Trata sobre o conjunto de condições mínimas necessárias para a garantia da segurança dos trabalhadores que atuem em atividades cujo contato com componentes e instalações elétricas seja constante.

NR 11 TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS - Objetiva a operação de elevadores,

NR 11

TRANSPORTE, MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS

MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS - Objetiva a operação de elevadores, guindastes,
MOVIMENTAÇÃO, ARMAZENAGEM E MANUSEIO DE MATERIAIS - Objetiva a operação de elevadores, guindastes,

- Objetiva a operação de elevadores, guindastes, transportadores industriais e máquinas transportadoras.

NR 12 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Dispões sobre os itens de segurança na instalação, operação

NR 12

MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS

NR 12 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Dispões sobre os itens de segurança na instalação, operação e
NR 12 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS - Dispões sobre os itens de segurança na instalação, operação e

- Dispões sobre os itens de segurança na instalação, operação e características construtivas de máquinas e equipamentos.

NR 13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO - Aborda os aspectos de segurança relacionados na

NR 13

CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO

NR 13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO - Aborda os aspectos de segurança relacionados na operação,
NR 13 CALDEIRAS E VASOS DE PRESSÃO - Aborda os aspectos de segurança relacionados na operação,

- Aborda os aspectos de segurança relacionados na operação, manutenção e inspeção das caldeiras e vasos de pressão.

NR 14 FORNOS - Define os parâmetros para a instalação de fornos. Existem legislações específicas

NR 14

FORNOS

NR 14 FORNOS - Define os parâmetros para a instalação de fornos. Existem legislações específicas sobre
NR 14 FORNOS - Define os parâmetros para a instalação de fornos. Existem legislações específicas sobre

- Define os parâmetros para a instalação de fornos. Existem legislações específicas sobre o assunto.

NR 15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES - São consideradas atividades ou operações insalubres as que

NR 15

ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

NR 15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES - São consideradas atividades ou operações insalubres as que se
NR 15 ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES - São consideradas atividades ou operações insalubres as que se

- São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem em situações que exponham os trabalhadores acima dos limites de tolerância.

- Sob estas condições, é assegurado ao trabalhador a percepção adicional, incidente sobre o salário mínimo da região, os percentuais de 40% (máximo), 20% (médio) e 10% (mínimo).

NR 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS - São consideradas atividades ou operações perigosas as relacionadas

NR 16

ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS

NR 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS - São consideradas atividades ou operações perigosas as relacionadas com
NR 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS - São consideradas atividades ou operações perigosas as relacionadas com

- São consideradas atividades ou operações perigosas as relacionadas com uso de explosivos, produtos inflamáveis e energia elétrica.

- Sob estas condições, é assegurado ao trabalhador a percepção adicional, incidente sobre o salário, o percentual de 30%.

NR 17 ERGONOMIA - Trata sobre a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

NR 17

ERGONOMIA

NR 17 ERGONOMIA - Trata sobre a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos
NR 17 ERGONOMIA - Trata sobre a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos

- Trata sobre a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo a proporcionar um máximo conforto, segurança e desempenho eficiente.

NR 18 CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - Traz o

NR 18

CONDIÇÕES E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO

E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - Traz o Programa de Condições e
E MEIO AMBIENTE DE TRABALHO NA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO - Traz o Programa de Condições e

- Traz o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho (Pcmat) e estabelece as diretrizes de ordem administrativa, de planejamento, de organização que objetiva a implementação de medidas de controle e sistemas preventivos de segurança no processos, condições e no meio ambiente de trabalho na indústria da construção.

NR 19 EXPLOSIVOS - Dispõe sobre o estabelecimento de regras para transporte, armazenagem e manuseio

NR 19

EXPLOSIVOS

NR 19 EXPLOSIVOS - Dispõe sobre o estabelecimento de regras para transporte, armazenagem e manuseio de
NR 19 EXPLOSIVOS - Dispõe sobre o estabelecimento de regras para transporte, armazenagem e manuseio de

- Dispõe sobre o estabelecimento de regras para transporte, armazenagem e manuseio de explosivos;

- Explosivos são substâncias capazes de rapidamente transformarem-se em gases, produzindo calor e pressões intensas e elevadas.

NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS - Define parâmetros para o armazenamento de combustíveis e

NR 20

LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS

NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS - Define parâmetros para o armazenamento de combustíveis e inflamáveis,
NR 20 LÍQUIDOS COMBUSTÍVEIS E INFLAMÁVEIS - Define parâmetros para o armazenamento de combustíveis e inflamáveis,

- Define parâmetros para o armazenamento de combustíveis e inflamáveis, e outros aspectos relacionados à segurança desse tipo de instalação.

NR 21 TRABALHO A CÉU ABERTO - Dispõe sobre a obrigatoriedade de abrigo para os

NR 21

TRABALHO A CÉU ABERTO

NR 21 TRABALHO A CÉU ABERTO - Dispõe sobre a obrigatoriedade de abrigo para os trabalhadores
NR 21 TRABALHO A CÉU ABERTO - Dispõe sobre a obrigatoriedade de abrigo para os trabalhadores

- Dispõe sobre a obrigatoriedade de abrigo para os trabalhadores que exercem suas atividades a céu aberto, para proteção contra intempéries.

NR 22 SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO - Objetiva a disciplina sobre os preceitos

NR 22

SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO

NR 22 SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO - Objetiva a disciplina sobre os preceitos a
NR 22 SEGURANÇA E SAÚDE OCUPACIONAL NA MINERAÇÃO - Objetiva a disciplina sobre os preceitos a

- Objetiva a disciplina sobre os preceitos a serem observados na organização e no ambiente de trabalho, de forma a tornar compatível o planejamento e o desenvolvimento da atividade mineira, de forma a garantir a segurança e saúde dos trabalhadores.

NR 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Trata dos aparatos de prevenção e combate a incêndios

NR 23

PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

NR 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Trata dos aparatos de prevenção e combate a incêndios que
NR 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - Trata dos aparatos de prevenção e combate a incêndios que

- Trata dos aparatos de prevenção e combate a incêndios que a empresa está obrigada a possuir;

- As empresas devem atentar para as normas do Corpo de Bombeiros sobre o assunto.

NR 24 CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO - Trata sobre os

NR 24

CONDIÇÕES SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO

SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO - Trata sobre os parâmetros a serem observados
SANITÁRIAS E DE CONFORTO NOS LOCAIS DE TRABALHO - Trata sobre os parâmetros a serem observados

- Trata sobre os parâmetros a serem observados no tocante às instalações sanitárias, nos refeitórios, nas cozinhas e alojamentos.

NR 25 RESÍDUOS INDUSTRIAIS - Estabelece parâmetros para a eliminação dos resíduos sólidos, líquidos e

NR 25

RESÍDUOS INDUSTRIAIS

NR 25 RESÍDUOS INDUSTRIAIS - Estabelece parâmetros para a eliminação dos resíduos sólidos, líquidos e gasosos
NR 25 RESÍDUOS INDUSTRIAIS - Estabelece parâmetros para a eliminação dos resíduos sólidos, líquidos e gasosos

- Estabelece parâmetros para a eliminação dos resíduos sólidos, líquidos e gasosos de alta toxicidade, periculosidade, risco biológico e radioativos.

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA - Estabelece cores que devem ser usadas nos locais de

NR 26

SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA

NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA - Estabelece cores que devem ser usadas nos locais de trabalho
NR 26 SINALIZAÇÃO DE SEGURANÇA - Estabelece cores que devem ser usadas nos locais de trabalho

- Estabelece cores que devem ser usadas nos locais de trabalho para a prevenção de acidentes, identificando os equipamentos de segurança, delimitando áreas, identificando as canalizações e tubulações, advertindo sobre os riscos.

NR 27 REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MTE - Aos Técnicos

NR 27

REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MTE

PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MTE - Aos Técnicos de Segurança do Trabalho
PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MTE - Aos Técnicos de Segurança do Trabalho

- Aos Técnicos de Segurança do Trabalho é obrigado serem portadores de certificado de conclusão do curso Técnico de Segurança do Trabalho, com currículo oficial aprovado pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), com registro no órgão nacional competente em matéria de segurança e saúde no trabalho.

NR 28 FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES - Possui a gradação de multas, variáveis em função da

NR 28

FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES

NR 28 FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES - Possui a gradação de multas, variáveis em função da importância,
NR 28 FISCALIZAÇÃO E PENALIDADES - Possui a gradação de multas, variáveis em função da importância,

- Possui a gradação de multas, variáveis em função da importância, para a consecução dos objetivos estipulados para cada norma em questão.

NR 29 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO - O objetivo é regular a proteção

NR 29

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO

NR 29 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO - O objetivo é regular a proteção obrigatória
NR 29 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO PORTUÁRIO - O objetivo é regular a proteção obrigatória

- O objetivo é regular a proteção obrigatória contra acidentes e doenças profissionais, facilitando os primeiros socorros a acidentados e alcançar as melhores condições possíveis de SST aos trabalhadores portuários.

NR 30 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO AQUAVIÁRIO - Objetiva a proteção e a regulação

NR 30

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO AQUAVIÁRIO

NR 30 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO AQUAVIÁRIO - Objetiva a proteção e a regulação das
NR 30 SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO AQUAVIÁRIO - Objetiva a proteção e a regulação das

- Objetiva a proteção e a regulação das condições de segurança e saúde dos trabalhadores aquaviários.