Você está na página 1de 65

Monitorização e Reconhecimento de ritmos

A…B…C…QRS

Publicado em: www.enfermagempt.bravehost.com

Objectivos
Conhecer: As indicações para monitorização As técnicas de monitorização Identificar Elementos do ECG e os principais ritmos Ritmos peri-paragem

Monitorização

Doentes vítimas de PCR  Identificar ritmo para correcto tratamento Doentes em risco de PCR - angor, sincope, choque  Tratar a arritmia para evitar a PCR

DII e DII Seleccionar a Derivação  DII Ajustar os ganhos Pré-cordio livre .Monitorização programada Eléctrodos Limpeza + Depilação Aplicação sobre o osso Codificados por Cor Sistema de 3 derivações  DI.

Monitorização em PCR Pás de desfibrilhação Interferências Interrupção com manobras Eléctrodos multifunções Preferíveis Almofadas de gel “falsas assistolias” .

Monitorização em PCR Pás do desfibrilhador Eléctrodos multifunções Monitorização Desfibrilhação Monitorização Desfibrilhação Pacing .

Monitorização cardíaca Limitações Incapacidade de reconhecer atempadamente ritmos desfibrilháveis  DAE Não permite avaliar ST ou outras alterações morfológicas  obter ECG 12 derivações .

Monitorização cardíaca Recomendações Mais importante que identificar o ritmo é reconhecer as consequências hemodinâmicas NÃO SE TRATAM RITMOS TRATAM-SE DOENTES Registar fármacos administrados e repercussões no ritmo  diagnóstico correcto .

ECG de 12 Derivações Análise “morfológica”(ex. isquemia) “Visão” eléctrica tridimensional do coração .

Electrofisiologia básica .

Electrofisiologia básica .

Electrofisiologia básica .

Elecrofisiologia básica .

Electrofisiologia básica .

Electrofisiologia Básica Onda P Despolarização auricular QRS Despolarização ventricular (< 0.12 s) Segmento S-T Preparação da repolarização Onda T Repolarização ventricular .

Como ler uma tira de ritmo Treino Sistematização .

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica ? Qual é a frequência ventricular (do QRS) ? O ritmo é regular ou irregular ? A duração do QRS é normal ou está alargada ? Há actividade auricular ? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular ? .

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica ? Qual é a frequência ventricular (do QRS) ? O ritmo é regular ou irregular ? A duração do QRS é normal ou está alargada ? Há actividade auricular ? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular ? .

Há actividade eléctrica ? Não .Assistolia auricular-ventricular Excluir artefacto  assistolia Confirmar conexões Aumentar ganho Mudar de derivação Assistolia A-V ≠ linha recta Reconhecer persistência de ondas P (assistolia V)  PACE .

Há actividade eléctrica ? Sim – Identificar complexos QRS FV  ritmo caótico sem QRS .

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica? Qual é a frequência ventricular ( do QRS )? O ritmo é regular ou irregular? A duração do QRS é normal ou está alargada? Há actividade auricular? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular? .

> 100 / min Bradicardia .< 60 / min .Qual é a frequência ventricular ? FC normal – 60 a 100 / min Taquicardia .

Como determinar a frequência exacta? 25 mm = 5 quadrados grandes = 1 segundo 1 minuto = 60 segundos Nº QRS em 6 segundos (30 quadrados grandes) x 10 = FC Contar o nº complexos em 6 seg .

Como determinar a frequência exacta? 1 minuto = 60 segundos = 300 quadrados grandes 1 segundo = 5 quadrados grandes 300/Nº quadrados grandes entre RR consecutivos = FC 1 minuto = 60 segundos = 1500 quadrados pequenos 1 segundo = 25 quadrados pequenos 1500/Nº quadrados pequenos entre RR consecutivos = FC 300 / 5 = 60 1500 / 25 = 60 .

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica? Qual é a frequência ventricular ( do QRS )? O ritmo é regular ou irregular? A duração do QRS é normal ou está alargada? Há actividade auricular? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular? .

O padrão é rítmico ou arrítmico? Se FC elevada  QRS muito próximos – Será arritmia ? Comparar RR em locais diferentes da tira de ritmo Manobras vagais  reduz FC Ritmo irregular – arrítmico Totalmente Variações cíclicas Arritmia completa .FA .

O padrão é rítmico ou arrítmico? Ritmo regular – rítmico  Pesquisar focos ectópicos: Precoces – antes do QRS previsto  extra-sístoles Tardias – após QRS previsto  complexos de escape Traduz falha do pacemaker natural Morfologia conforme localização do foco .

O padrão é rítmico ou arrítmico? Ritmo regular – rítmico  Pesquisar focos ectópicos: Isolados Pares Salvas  ≥ 3 Com FC elevada  taquicardia Auto-limitado  paroxístico .

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica? Qual é a frequência ventricular ( do QRS )? O ritmo é regular ou irregular? A duração do QRS é normal ou está alargada? Há actividade auricular? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular? .

A duração do QRS é normal ou está aumentada ? QRS de duração normal < 0.12 seg QRS estreito  origem A .

sobretudo se com EAM .A duração do QRS é normal ou está aumentada ? QRS alargado  0.12 seg QRS largo  origem A / V Origem A – condução aberrante Bloqueios de ramo Em contexto peri-paragem considerar sempre de origem V.

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica? Qual é a frequência ventricular ( do QRS )? O ritmo é regular ou irregular? A duração do QRS é normal ou está alargada? Há actividade auricular? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular? .

Há actividade auricular ? .

Há actividade auricular ? Ondas T podem simular ondas P Ondas P podem ter morfologia variável Derivação DII  eixo de despolarização A (V1) Manobras vagais .

Como ler uma tira de ritmo Há actividade eléctrica? Qual é a frequência ventricular ( do QRS )? O ritmo é regular ou irregular? A duração do QRS é normal ou está alargada? Há actividade auricular? Qual é a relação da actividade auricular com a ventricular? .

Como se relaciona a actividade auricular com a ventricular ? São dependentes São independentes: BAV + focos A múltiplos + Dissociação AV Em caso de dúvida analisar ondas P em diferentes derivações .

Ritmos de paragem cardíaca Fibrilhação ventricular Taquicardia ventricular sem pulso Assistolia ventricular Dissociação electromecânica Bradicardia extrema .

Ritmos de paragem cardíaca Fibrilhação ventricular Despolarizações ventriculares múltiplas FV fina / grosseira Tratamento  Desfibrilhação DD: FV fina vs assistolia .

Ritmos de paragem cardíaca Taquicardia ventricular Sem pulso  FC muito elevada / compromisso V Com pulso  TV QRS largo DD QRS largo TV (monomórfica / polimórfica) TSV Tx: Desfibrilhação .

Taquicardia ventricular .

Torsade de Pointes Variante TV DD: FV fase inicial + terminal  Tx diferente Tx: magnésio Pode desencadear FV .

Ritmos de paragem cardíaca Assistolia ventricular Confirmar o diagnóstico Conexões + Ganhos + Derivações Diagnóstico diferencial com FV fina .

sem pulso .Ritmos de paragem cardíaca Dissociação electromecânica Actividade eléctrica sem débito cardíaco .

lesão isquémica do miocardio e fármacos .BAV 1º grau Intervalo PR > 0.Ritmos de paragem cardíaca Bradicardia extrema .20 seg Causas : fisiológico.

Ritmos de paragem cardíaca Bradicardia extrema . até a onda p deixar de ser conduzida Mobitz tipo II Nem todas as ondas p são conduzidas ( bloqueio 2:1 ou 3:1) .BAV 2ºgrau Mobitz tipo I O intervalo PR vai aumentando de sístole para sístole.

Ritmos de paragem cardíaca Bradicardia extrema – BAV 3º grau .

Ritmos de paragem cardíaca Bradicardia extrema – Ritmos de escape Quando o pacemaker natural falha Habitualmente mais lento que o ritmo sinusal normal .

Ritmos de paragem cardíaca Ritmos de escape – Ritmo juncional .

Ritmos de paragem cardíaca BAV 3º grau sem escape V .

Ritmos de paragem cardíaca
Ritmo agónico

Ritmos de paragem cardíaca
Ritmo pacemaker

Monitorização cardíaca e reconhecimento de ritmos
SUMÁRIO Monitorização cardíaca está indicada: PCR Disritmias peri-paragem  risco PCR

Análise ECG requer: Treino Sistematização

Ritmo sinusal .

tremor .Artefacto .

Taquicardia sinusal .

BAV 1º grau .

Bradicardia sinusal .

BAV 3º grau .

Ritmo juncional acelerado .

Assistolia .

BAV 2º grau Mobitz I .

FV .

Extrassistoles V .

Tripleto extrassistoles V .

BAV 3º grau + pace V .