Você está na página 1de 29

Departamento de

Ciências Contábeis
Disciplina: Tópicos Contemporâneos em
Contabilidade
Aula 2
Tema: Contabilidade Criativa
Prof. Annor da Silva Junior
2013
1
Conteúdo da Aula

Contabilidade Criativa:
1. O contexto.
2. Definições.
3. A ignorância, o erro e a fraude.
4. Razões e motivações.
5. Práticas contábeis e seus efeitos.
6. O papel da auditoria.
7. Casos relevantes.
2
O Contexto
• Globalização X Localização.
• Mercados locais e concorrências
globais.
• Economia e crescimento
econômico.
• Mercado de capitais e a
harmonização das normas
contábeis em direção à uma
contabilidade internacional.
3
O Contexto
• Mercado de capitais: é um sistema de distribuição de
valores mobiliários, cujo propósito é proporcionar
liquidez aos títulos de emissão de empresas e viabilizar
seu processo de capitalização.
• Principais títulos negociados são as ações (títulos
representativos do capital das empresas) e as
debêntures (empréstimos tomados por empresas no
mercado).

4
O Contexto
• Em termos práticos, é por meio da comercialização
desses títulos que o capital circula, com a finalidade de
custear o desenvolvimento econômico.
• Essa circulação de capital ocorre em um ambiente
institucional constituído por entidades como as bolsas
de valores, sociedades corretoras e outras instituições
autorizadas.

5
O Contexto
Governança Corporativa Credibilidade e Confiança
Senso de justiça,
X
transparência, prestação de
contas e conformidade legal Mobilização do Insegurança
mercado de
capitais / Instituições

Crescimento
das Desenvolvimento
corporações das nações

Economia Global e Mercados de Capitais


6
Contabilidade Criativa: definições
• Também conhecida pelo termo “Earnings Management”.
• Numa tradução literal seria “gerenciamento ou manuseio
de resultados”, com a intenção de mostrar uma imagem
diferente (estável no tempo, melhor ou pior) da entidade
(Santos; Grateron, 2003).

7
Contabilidade Criativa: definições
• Processo mediante o qual os contadores utilizam seu
conhecimento sobre as normas contábeis para manipular
as cifras refletidas na contabilidade da empresa, sem
deixar de cumprir os princípios de contabilidade
(Kraemer, 2004).
• Processo de uso das normas contábeis que consiste em
dar voltas às legislações para buscar uma escapatória
baseada na flexibilidade e nas omissões existentes dentro
delas para fazer com que as demonstrações contábeis
pareçam algo diferente ao que estava estabelecido em
ditas normas. 8
Contabilidade Criativa: definições
• É uma arte onde os grandes artistas da contabilidade
(contadores e auditores) se aproveitam das brechas
oferecidas pelas normas para imaginar um enredo fiscal
ou financeiro que lhes permita espelhar a imagem fiscal
ou societária desejada para suas companhias (Saludas,
1999).
• Consiste em aproveitar as possibilidades oferecidas pela
normas (oportunidade, subjetividade, vazios jurídicos,
etc.) para apresentar demonstrações contábeis que
reflitam a imagem desejada e não necessariamente
aquela que seria a realidade (Callao, 1999). 9
Ignorância e Erro

• Ignorância: noção implícita de falta de conhecimento.


• Erro: situação de conhecimento equivocado.
• O erro pode ser:
• Material: indica os itens do patrimônio atingidos ou
violados pelo conhecimento equivocado.
• De forma: refere-se a conduta que ocasionou o erro
(falta de conhecimento, acúmulo de tarefas, falta de
revisão, etc.)
10
Fraude
• Fraude: tergiversação da verdade com intenção de
engendrar e pela qual se causam danos a terceiros , que
normalmente são de caráter econômico (sentido
etimológico e jurídico).
• A fraude é definida nas Normas Internacionais de
Auditoria (IFAC, Tema 240, p. 53) como: “um ato
intencional por parte de um ou mais indivíduos dentre
os membros administrativos, empregados ou terceiros,
que resulta em declarações falsas das demonstrações
contábeis”.
11
Contabilidade Criativa: razões e
motivações
Características dos princípios
e normas contábeis:
 Múltiplas estimativas.
Características sociais do
 Subjetividade, arbitrariedade comportamento humano:
e flexibilidade na aplicação.
 Diferentes interpretações
X  Valores éticos e culturais.
 Atitude do administrador
(válidas).
diante da fraude.
 Conceito de “Imagem
Fidedigna” pouco claro.
 Aplicação de princípios
como prudência e outros.
12
Contabilidade Criativa: razões e
motivações
• Manutenção do fluxo constante de receitas:
demonstrar tendência estável de crescimento do
faturamento.
• Manter o preço das ações em alta: por meio da
redução do endividamento e/ou aumento da receita e
resultados.
• Retardar o envio de informações para o mercado:
privilegiando investidores com acesso privilegiado a
informações.
13
Contabilidade Criativa: práticas
contábeis e seus efeitos
• Práticas mais comuns:
• Aumento ou redução de despesas: elasticidade dos
prazos de amortizações do ativo intangível e
depreciações de imobilizados.
• Aumento ou redução de receitas: antecipar o
reconhecimento de receitas.
• Aumento ou redução do ativo: alterar métodos de
avaliação de estoques.

14
Contabilidade Criativa: práticas
contábeis e seus efeitos
• Práticas mais comuns:
• Aumento ou redução do passivo:
reduzir o endividamento
(contabilização de leasing
financeiro).
• Aumento ou redução do
patrimônio líquido (PL): todos os
exemplos anteriores têm reflexo
no PL.
15
Contabilidade Criativa: práticas
contábeis e seus efeitos
• Práticas mais comuns:
• Reclassificação de ativos e passivos: quando
existem divergência de onde classificar os gastos
com certos bens. Ex. peças de reposição para ativos
imobilizados – podem ser classificados no
imobilizado, no circulante ou como despesas.
• Manipulação de informações do relatório de
administração ou no parecer dos auditores:
inclusão ou não de informações que podem
induzir o usuário a conclusões equivocadas.
16
Contabilidade Criativa: práticas
contábeis e seus efeitos
Aumento ou redução Aumento ou redução Reclassificação de Aumento ou redução
de receitas ou despesas de ativos e passivos receitas ou despesas de receitas ou despesas

Variação no Variação de
resultado ativos e passivos

Variação na interpretação da situação econômico-financeira da companhia

Variação no valor da companhia

17
Contabilidade Criativa: razões e
motivações
• Práticas baseadas em descumprimento de
princípios/convenções contábeis:
• Princípio do custo histórico: valorização e/ou
desvalorização de ativos e/ou passivos, outras.
• Princípio da prudência: excesso ou falta de
contabilização de provisões para riscos e gastos com
depreciações, outras.
• Omissão de informações obrigatórias em notas
explicativas.
18
Contabilidade Criativa: razões e
motivações
• Práticas baseadas em contabilização fraudulenta de
operações:
• Registro contábil de gastos como imobilizados e
vice-versa.
• Registro de gastos correntes como distribuídos em
vários exercícios.
• Reconhecimento de gastos como reservas.
• Outras.

19
Contabilidade Criativa: razões e
motivações
• Práticas baseadas em classificação fraudulenta de
lançamentos contábeis:
• Apresentação em balanço de dívidas de curto prazo
como sendo de longo prazo.
• Apresentação de despesas não operacionais como
sendo de gastos ou perdas operacionais.
• Apresentação de despesas operacionais como sendo
de gastos ou perdas não operacionais.
• Outras.
20
O Papel da Auditoria
• A auditoria consiste em uma revisão das
demonstrações financeiras, sistema financeiro,
registros, transações e operações de uma entidade.
• Efetuada por contadores, tem a finalidade de assegurar
a fidelidade dos registros e proporcionar credibilidade
às demonstrações financeiras e outros relatórios.
• Com isso, permite que investidores, acionistas e todos
os agentes de mercado reconheçam o valor real da
entidade e propiciem maior solidez ao ambiente de
negócios. 21
O Papel da Auditoria
• No trabalho do auditor, a norma internacional exige a
apresentação de um relatório ou parecer com opinião
imparcial e independente sobre o resultado da revisão
efetuada, o que pode ser considerada como uma
prestação de contas do auditor.
• Segundo Consenza (2003) os auditores não aceitam
serem responsabilizados pelos fracassos empresariais e
nem sequer concordam em relacionar tais fatos com o
processo de auditoria.
22
Contabilidade Criativa: casos
relevantes
• Enron:
• Admitiu ter inflado artificialmente seus lucros e
ocultado seu endividamento mediante a
manipulação de uma complexa teia de parcerias não
explicitas em seu balanço.
• Com participações em pequenas empresas que não
constavam do seu balanço, superestimou os lucros
em US$ 600 milhões e fez desaparecer dívidas de
quase US$ 650 milhões.
23
Contabilidade Criativa: casos
relevantes
• Kmart:
• Um reexame interno de sua contabilidade resultou
em revisões nos números, especialmente os
relativos ao momento em que a companhia
contabilizou pagamentos de fornecedores na forma
de descontos por compra em grandes volumes.
• Com esse reexame, foram consideráveis as revisões
nos lucros referentes aos primeiros três trimestres
do ano passado. Também sob investigação da SEC. A
empresa pediu concordata. 24
Contabilidade Criativa: casos
relevantes
• Xerox:
• Multada em US$ 10 milhões por ter inflado suas
receitas e lucros nos balanços de 1997 a 2000, ao
incluir pagamentos futuros previstos em contratos
correntes.
• A empresa incluía como receita de um determinado
período contratos de leasing de longo prazo,
lançando no balanço receitas que só começariam a
entrar no caixa de fato a partir de 2002.
25
Contabilidade Criativa: casos
relevantes
• Tyco International:
• Depois do indiciamento de Dennis Kozlowski,
executivo-chefe da companhia, por evasão
tributária, a SEC está examinando a transparência
financeira da Tyco, inclusive a possível utilização
indevida de fundos da companhia para comprar
apartamentos e casas para executivos.

26
Contabilidade Criativa: casos
relevantes
• WorldCom:
• Retificou os balanços em US$ 4,2 bilhões.
• O truque contábil utilizado pela empresa era registrar
custos fixos como investimentos. Colocou no balanço
3,8 bilhões de dólares como investimentos, quando na
verdade eram despesas.
• A compra de bens duráveis, que trarão retorno direto,
pode ser depreciada no balanço em um período longo.
• Os gastos do dia-a-dia, por outro lado, devem ser
reconhecidos como despesa imediatamente.
27
Contabilidade Criativa X
Governança Corporativa X ....
• Qual é a relação entre a
contabilidade criativa e a
governança corporativa?
• E com a moral e a ética?
• Qual é a principal
consequência da
contabilidade criativa para o
mundo dos negócios e para
as nações? 28
S.O.S. DÚVIDAS

Seja qual for o seu aproveitamento na


disciplina, em qualquer momento, no
futuro, na eventualidade de precisar de
ajuda:

VALE 1 S.O.S. – Prof. Annor

• E-mail: annor.silva@ufes.br
• Tel. 4009-2602
29